You are on page 1of 7

A mulher no estado nacional-socialista

por

Sofia Raven

1932

~ Todos os seus livros pertencem a nós !!! ~

http://inclibuql666c5c4.onion

A mulher no estado nacional-socialista

Copyright © 1932 Sofia Raven

Capa: Kurt K. Tilsner

Editora: Publisher Frz. Um pouco Nachf., Munique

conteúdo

A mulher no estado nacional-socialista

A mulher no estado nacional-socialista

De todos os outros partidos, os Nacional Socialistas são repreendidos repetidas


vezes por não tomarem uma posição clara sobre a tarefa que têm no NSDAP. para
cumprir; eles só sucumbiriam a uma ideologia enraizada na fé cega. Essas questões
são repetidamente levantadas com a afirmação de que o influxo de mulheres para os
nacional-socialistas é baseado apenas na completa ignorância do que os ameaça como
destino no Terceiro Reich.

Essas acusações são enormes em número, mas não em significado e conhecimento


factual. Nossos oponentes escreveram livros inteiros sobre a posição das mulheres
no Nacional Socialismo, que culminaram em uma frase: o Nacional Socialismo quer
humilhar a mulher à máquina de parto, a mulher tem apenas uma tarefa biológica a
cumprir no Nacional Socialismo.

Adolf Hitler e Rosenberg foram citados - em frases que foram completamente


retiradas do contexto - e voltaram-se e voltaram-se de acordo com suas necessidades
e interesses.

Nós, nacional-socialistas, temos apenas uma resposta: para nós, não há questão de
mulheres neste sentido, sabemos apenas um objetivo: servir nosso povo e ajudar na
grande luta pela libertação da Alemanha e de nós; no Volksganze, pois exige seu
bem-estar.

Por um lado, vemos aquela velha geração (não de anos) que quer pensar que tudo o
que é hoje é bom e certo, cujo ideal está exaurido em trabalhar por si mesmo, e por
sua inadequação está em permitido dirigir caminhos errados.

Em frente a eles, vemos a geração jovem hoje no NSDAP. stands. Para eles, a miséria
das mulheres faz parte da grande miséria do povo alemão e só pode ser resolvida em
conexão com ela.

Se você olhar para o movimento das mulheres das últimas décadas, verá que isso
tirou a mulher do todo e forçou-a a uma posição especial. Eles se ativeram aos
detalhes e não entendiam o Volksganze. Tudo o que parecia política aconteceu no
contexto do pacifismo.

Sente-se um com as "mulheres de todos os países" e luta contra o próprio camarada


nacional!

Tem sido chamado contra a indigna "escravização do homem Eben", mas nunca encontrou
o caminho certo para a libertação real das mulheres.

Esqueceu-se que não existe apenas um tipo de "homem", mas homens e mulheres que são
designados para tarefas especiais e não percebeu que cada parte menor está ligada
ao todo. Ele não pode se libertar e seguir seu próprio caminho arbitrário. O homem
egoísta e liberalista é um individualista. Ele é primeiro pensativo de si mesmo.
Essa concepção também foi seguida pelo movimento das mulheres.

Mas até a mulher não está fora da comunidade nacional. Ela é a primeira a sofrer
quando sua família é destruída. Nós, os socialistas nacionais, entendemos algo
completamente diferente na política das mulheres, ou seja, tudo que está
relacionado com a pesquisa sobre a situação da nacionalidade alemã e, além disso, a
conquista do nosso objetivo de encontrar nosso caminho para a liberdade de nosso
povo.

De acordo com nossa predisposição, temos que lidar com questões sociais e culturais
e reconhecemos que somente o Nacional-Socialismo pode nos salvar do que alguns
ativistas de direitos das mulheres equivocados queriam impor contra a nossa
vontade.

Nós não acusamos o destino de colocar tanta responsabilidade em nosso povo. Não,
estamos orgulhosos por termos acabado de ser colocados neste momento. Estamos
orgulhosos de poder contribuir para o grande trabalho de Adolf Hitler.

Reconhecemos com gratidão que somente o Nacional-Socialismo pode nos salvar e nos
tornar novamente o que deveríamos ser naturalmente, ou seja, mulheres e mães de
nosso povo.
Que grande campo de trabalho aqui, o esclarecimento aguarda, muitos ainda não
reconheceram ou ainda não querem reconhecer. A tarefa que temos de cumprir dentro
do movimento nacional-socialista também será muito importante nesse aspecto.

Nossa luta não é uma luta no antigo sentido dos direitos das mulheres, mas uma luta
pelo direito e pela liberdade de servir e ajudar.

Nesse sentido, a mulher sempre será feliz em ser servidora de seu povo.

Adolf Hitler diz: "Não há luta pelo homem que não é ao mesmo tempo uma luta pela
mulher, e não há luta pela mulher que não é ao mesmo tempo uma briga pelo homem.
Não conhecemos os direitos dos homens e os direitos das mulheres, conhecemos apenas
um direito para ambos os sexos, que é ao mesmo tempo o dever de viver, trabalhar e
lutar pela nação ”.

Na relação cultural e econômica para o Volksganze, sempre a mulher como dona de


casa e mãe deve estar em primeiro lugar. O Nacional-Socialismo quer a única
salvação possível do povo alemão por um Estado que preserva a raça, e nas mãos da
mulher está a abstenção e a saúde do povo alemão. Mas isso requer a proteção legal
das mulheres.

Assim, na futura legislação conjugal, a proibição de casamentos deve ser exigida de


pessoas que sofrem de uma doença transmissível ou hereditária, a menos que a cura
definitiva tenha sido estabelecida. Essas questões têm, acima de tudo, significado
cultural para o remoto, e, economicamente, são significativas porque põem em perigo
e enfraquecem o poder das mulheres em seu trabalho como dona de casa e mãe.

"Na mão e no caminho da mulher está a preservação da nossa raça. De servidão


política, todos os povos ainda podem se reunir, a partir de Verseuchsung racial não
mais emancipação da emancipação das mulheres é a primeira exigência de uma geração
feminina, o povo e raça, o eterno-inconsciente, a base de toda a cultura iria
salvar da ruína. A mulher pertence a toda a vida de seu povo; você tem todas as
opções de educação para estar aberto. Sob as condições sociais de hoje, ela não
deve estar em nenhuma dificuldade na vida profissional (embora as leis da
maternidade devam ser reforçadas ainda mais rigorosamente). Mas a aspiração de
todos os reavivalistas de nosso povo será romper o sistema de lixiviação
antipopular e democrático-marxista e preparar o caminho para uma ordem social que
não force mais as mulheres jovens a se reunirem em massa para o mercado de trabalho
feminino mais importante da vida. A mulher, no entanto, deve ter todas as
oportunidades educacionais para desenvolver seus poderes, mas uma coisa deve ficar
clara:

"Juiz, soldado e chefe de estado deve ser o homem e ficar".

(Rosenberg, mito do século 20)

Se a tarefa da vida e o destino da mulher também são predominantemente culturais,


então, para ela, como um homem, a economia tem o significado de assegurar a
possibilidade de sua vida e garantir a subsistência dela e de sua família, seja
dentro da própria economia. tem que cuidar de seu homem, que está ligado a ela na
vida, alivia-a dessa preocupação. Se a ocupação principal das mulheres é o trabalho
da dona de casa, então um bom conhecimento familiar é mais necessário do que nunca.
A atividade de dona de casa começa novamente a ser alta no curso. Prudência e
economia são percebidas muito melhor pela dona de casa do que por estranhos, ainda
que bons.

A este respeito, o trabalho da dona de casa merece o mais completo reconhecimento


como profissão. Basta registrar essa atividade em números, independentemente da
importância econômica da dona de casa como consumidora, cujas mãos representam 80%
do total da renda nacional alemã. Na Alemanha, existem cerca de 15 milhões de
lares. Assumindo que nesses 15 milhões de lares, em média, apenas 3 pessoas são
alimentadas, cada uma dessas 45 milhões de pessoas economiza cerca de 1 RM por dia,
o que ele teria que gastar mais se tivesse que usar serviços estrangeiros. Isso
economiza a renda nacional alemã sozinho pelo trabalho da esposa e mãe para a
manutenção da família diariamente 45 milhões de RM, no ano cerca de 18 bilhões de
RM. Além disso, há a manutenção de roupas e roupas de cama, alfaiataria, limpeza e
enfermagem. Se agora assumirmos que 33 milhões de pessoas são cuidadas no lar e 50
Pfg por pessoa são economizados por pessoa por dia, consertando a roupa e as meias
de maneira oportuna, 22 milhões de RM por ano, 9 bilhões, serão recebidos
diariamente. Isso é pelo menos 27 bilhões de RM anualmente, o que teria que ser
gasto sem o trabalho silencioso da dona de casa para serviços estrangeiros. Essa
seria a recompensa material que a dona de casa ganha trabalhando para sua família.
Desta importância econômica da dona de casa resulta para nós não uma exigência da
modificação da legislação de matrimônio, mas uma exigência da modificação da lei de
propriedade matrimonial no sentido da segurança econômica da mulher. A libertação
das mulheres, exigida até agora pelo movimento de mulheres, não deveria ser
econômica no sentido materialista, mas o reconhecimento do valor pessoal da mulher
como ajudante e camarada do homem.

Mas é o reconhecimento do valor da personalidade, se como regime de propriedade


legal pelo BGB. a chamada comunidade administrativa é adotada? Isto significa: o
homem tem a propriedade e a riqueza da mulher, a administração e o usufruto.Todos
os frutos do bem herdado tornam-se propriedade livre do homem.

Isso não é reconhecimento do valor da personalidade, se hoje o direito de


propriedade legal fixa a comunidade administrativa na forma que o homem sozinho
sobre o uso e o uso dos bens da mulher pode determinar ou a mulher deve primeiro
obter a permissão do homem à disposição sobre sua fortuna.

A este respeito, teremos que exigir da lei de propriedade legal que ela deixe uma
certa independência da mulher em relação ao homem, e assegure sua fortuna contra
qualquer arbitrariedade da última.

Se a profissão de dona de casa tem que ser reconhecida como uma profissão e base
nutricional, a mulher também deve ter a garantia da oportunidade da vida "

Gizar desigualdades contra a esposa divorciada do primeiro casamento pode levar ao


novo casamento de um homem divorciado. O Código Civil. não conhece proteção da
mulher divorciada e inocente e seus filhos quando o marido e o pai se casam
novamente. Eles estão à mercê de sua graça e sua boa vontade, e muitas vezes são
trazidos para o cumprimento de suas reivindicações legais reais. Nestes casos, um
novo casamento de um homem só pode ser permitido se ele tiver previamente
organizado em termos de direitos de propriedade com uma esposa e filhos do primeiro
casamento e tiver fornecido segurança para o cumprimento dos deveres que ele
assumiu uma vez.

Assim como o homem pode proteger-se contra o desperdício da mulher, privando-o do


poder-chave, por outro lado, a dona de casa, como guardiã da família, deve estar
segura da segurança dela e de seus filhos. Não deve acontecer que o homem perca
seus ganhos no dia de seu salário ou beba sua bebida e, em seguida, força a mulher
de sua profissão de dona de casa a trabalhar para manter a si mesma e a seus
filhos. Hoje, o homem reclama que a mulher o expulsa da vida profissional sem
considerar que é ele quem empurra a mulher para a vida profissional. Aqui tem a
emancipação da mulher para usar. Nós exigimos a emancipação das mulheres da vida
profissional, não a emancipação das mulheres dos homens.

"A segurança econômica da esposa e mãe vai encontrar uma nova expressão melhor em
uma lei de casamento do caráter alemão e atribuir a mulher o lugar no contexto das
pessoas, onde trabalham de acordo com sua tarefa de vida, criar valor e recuperar o
status e reputação, que você perdeu em parte ".

-Gregor Strasser

Ainda será o destino de muitas mulheres, tendo que confiar em suas próprias forças
para ganhar a vida.

Em 1925, a Alemanha tinha uma população total de 62,4 milhões, dos quais 30,1
milhões eram do sexo masculino e 32,2 milhões eram do sexo feminino. Isso resultou
em um excedente feminino de 2,1

Milhões, dos quais 1,7 milhão pertencem aos grupos etários entre 21 e 62 anos, que
não poderão jamais trabalhar como dona de casa. Haverá também um excedente de
mulheres no futuro.

Se hoje existem 11,5 milhões de mulheres empregadas, em comparação com 8,5 milhões
em 1907, este aumento parece dever-se ao excedente de mulheres para o observador
acrítico. De fato, antes da guerra, as 8 milhões de mulheres foram forçadas a
ganhar a vida, enquanto a mulher hoje, sem coerção imediata para garantir sua
existência e o homem forçado pela pressão salarial como um provedor da família e,
portanto, forçou a mulher a trabalhar fora de casa. é. Precisamente porque o
Nacional Socialismo quer restaurar as mulheres à sua profissão adequada, ele
abolirá essa pressão salarial e dará ao homem a oportunidade de começar uma nova
família.

O interesse da saúde pública exige que, acima de tudo, as vagas sejam


disponibilizadas aos trabalhadores do sexo masculino que, através de rendimentos
permanentes e emprego permanente, assegurem uma existência segura para a manutenção
de uma família e que sejam ocupadas por trabalhadores cuja existência é garantida.

As mulheres também estarão entre esses trabalhadores. Portanto, não se trata de


remover a mulher da vida econômica, mas apenas na medida em que sua existência
esteja assegurada.

Por outro lado, é preciso reconhecer que a intrusão da mulher em suas profissões
externas aumentou cada vez mais. No estado de grave aflição do nosso povo, onde
milhões de homens saudáveis estão desempregados e incapazes de alimentar suas
famílias, é fundamentalmente necessário esclarecer a questão do crescimento
profissional das mulheres. A existência saudável do nosso povo nos obriga a fazê-
lo.

Deve ser lembrado que o acesso entre as mulheres empregadas na indústria e no


comércio atingiu tal nível que nos escritórios da indústria 13 vezes mais, e nos
escritórios comerciais, 6 vezes mais mulheres estão empregadas do que antes da
guerra. Este nível de trabalho das mulheres, que significa a escravização das
mulheres, não é mais uma cultura.

Mas se a mulher deve estar na vida profissional, ela precisa de proteção legal
especial para que ela não seja explorada fisicamente e economicamente.

Gregor Strasser:

A mulher trabalhadora é igual no Estado Nacional Socialista e tem o mesmo direito à


proteção de sua existência pelo Estado, como esposa e mãe conjugal. Quem trabalha,
homem ou mulher, em sua própria casa ou no trabalho, é um cidadão pleno do Terceiro
Reich.

Isso refuta uma acusação favorita entre nossos oponentes: o Nacional Socialismo
está lutando contra a burguesia da mulher.

Do nosso ponto de vista, portanto, é importante examinar até que ponto os


regulamentos aplicáveis ao emprego e à propriedade industrial precisam ser
suplementados ou ampliados, em particular do ponto de vista da preservação racial e
da gestão da raça. Então z. Por exemplo, para discutir a questão de até que ponto a
mulher pode ser empregada no trabalho de não-residentes ou em empresas prejudiciais
à saúde (fábricas de tabaco).

Emprego da mulher significa urbanização, urbanização significa degeneração da


mulher e assim queda do povo.

Portanto: libertação da mulher!

O aumento do emprego feminino como resultado da piora das perspectivas de


casamento, empobrecimento de povos mais amplos, como resultado do desejo das
mulheres por maior independência e independência econômica dos homens, não é apenas
agradável do ponto de vista da saúde das mulheres e, portanto, da saúde pública,
mas também em vista sobre a posição da esposa para sua família, sua família e seus
filhos.

Se a mulher tem que ser ativa na vida profissional para preservar sua vida, então
ela deve ser guiada pelas ocupações realmente femininas,

onde ela encontrará mais satisfação do que nas chamadas profissões masculinas.

Claro, ela sempre pode ser livre. Toda oportunidade de treinamento deve estar
aberta para ela.

Se alguém acredita que a extensão atual do trabalho das mulheres tem sua última
razão em uma certa masculinização das mulheres, então esta é uma opinião errada, eu
gostaria de argumentar que a tão louvada liberdade de competir com o homem é apenas
uma liberdade fictícia que é cada vez mais leva à escravização da mulher.

Há um tremendo campo de trabalho que requer a boa ordem da mulher e somente da


mulher. A este respeito, as perspectivas de emprego das mulheres estão menos
esgotadas do que nunca, o campo do bem-estar, cuidados de saúde e habitação,
educação requer o uso de mulheres. Aqui a ocupação da mulher é exigir, porque o
bem-estar total exige isso e só a mulher pode realizá-lo.

Se a mulher entra no movimento nacional-socialista, ela deixa o movimento das


mulheres como insignificante, porque de acordo com o princípio:

O bem-estar da comunidade vai para o interesse próprio,

uma questão especial de mulher não pode mais existir para ela.

Isso acontece com a suposição de que as afirmações que o homem alemão acostumou à
mulher, mesmo em um relacionamento espiritual, não são aparafusadas.

Claro, a mulher também deve ser treinada em política nacional. Só então ela pode
estar à altura das tarefas responsáveis. Só então ela pode educar um jovem alemão
ou, sob seus cuidados, ver claramente o que é valioso para o nosso povo e o que não
é. Somente se conscientemente reconhecermos o que significa ser alemão poderemos
cumprir nosso dever para com nosso povo nos mínimos detalhes.

Escusado será dizer que todo o domínio da protecção de menores, mulheres e mães,
bem como o estatuto jurídico das mulheres, só podem ser clarificados em estreita
cooperação com as mulheres.
Para nós, nacional-socialistas, o movimento nacional-socialista não é um movimento
que desperta apenas ideais em nós, mas um movimento de ação e realidade.

Só então a mulher experimentará sua verdadeira libertação quando nosso povo voltará
a ser livre. Mas isso não pode ser alcançado se entregando à nutrição pacifista e
lutando na "Associação com as Mulheres de Todos os Países" contra o homem, seus
próprios compatriotas - não falando sobre a posição na conferência de desarmamento!
fala e se esquece de educar um alemão jovem alemão. "O futuro pertence à bondade"
Nestas palavras, a francesa Mine. Eidenschenk Patins culminou a conferência de mães
e educadores em 30. 6. 1932

Não, o futuro pertence à Alemanha e nossa juventude, para que eles se tornem
livres!

O Movimento Nacional Socialista abrange todos, homens e mulheres, e todos querem


apenas uma coisa: a libertação e a redenção do nosso povo.

Somos todos responsáveis pelo fato de que nossa juventude e nós mesmos temos o
direito de viver novamente.

A mulher tem o maior interesse nisso; pois ela mesma sofre mais com o desemprego de
seu marido, pai e filhos, e sob a pressão de ganhar dinheiro fora de sua família.

Adolf Hitler não só chama os homens - ele também chama as mulheres alemãs. Nós
também cumpriremos nosso dever! Também só reconhecemos um significado da nossa
vida:

Ser alemão e cumprir seu dever, que não é auto-suficiente, mas servir ao público em
geral, é um dever.