Вы находитесь на странице: 1из 2

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO PARANÁ

COMARCA DE ASSIS CHATEAUBRIAND


JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DE ASSIS CHATEAUBRIAND - PROJUDI
Rua Recife, 216 - Centro Cívico - Assis Chateaubriand/PR - CEP:
85.935-000 - Fone: (44) 35402100

Autos nº. 0000087-24.2019.8.16.0048

Processo: 0000087-24.2019.8.16.0048
Classe Processual: Procedimento do Juizado Especial Cível
Assunto Principal: Alimentos
Valor da Causa: R$1.000,00
Polo Ativo(s): JULIANA ANTALI DA CRUZ
Polo Passivo(s): DIEGO FERNANDO GUIMARÃES

Vistos.

A parte autora ingressou com ação de restituição de valores, requerendo a


cobrança de valores gastos com medicamento com sua filha, sendo o requerido o
próprio genitor da infante. Ocorre do compulsar dos autos, temos que os valores
versados são basicamente envolvendo questões de pensão alimentícia, pois trata-se
de valores devido do genitor a sua filha, o que justamente foi argumentado na
petição inicial, bem como comprovado pela documentação de mov. 1.2/1.10.

Neste diapasão, temos que a matéria debatida no feito não é passível de


análise pelo Juizado Especial Cível, pois a previsão expressa na Lei 9.099/95 da
impossibilidade da análise da presente matéria, conforme demonstra o artigo 3°, §
2º: “Art. 3° (...) § 2° Ficam excluídas da competência do Juizado Especial as
causas de natureza alimentar, falimentar, fiscal e de interesse da Fazenda
Pública, e também as relativas a acidentes de trabalho, a resíduos e ao estado e
capacidade das pessoas, ainda que de cunho patrimonial”.

Neste mesmo sentido é o entendimento dos Tribunais, senão vejamos:

JUIZADOS ESPECIAIS CÍVEIS. DIREITO PROCESSUAL CIVIL. COBRANÇA DE


ATRASO NO PAGAMENTO DE PENSÃO ALIMENTÍCIA. INCOMPETÊNCIA DO
JUIZADO ESPECIAL CÍVEL (ART. 3°, PARÁGRAFO 2°, DA LEI N.
9.099/95). COMPETÊNCIA DA VARA DE FAMÍLIA (ART. 27, I, “B” DA
LEI N. 11.697/2008). RECURSO CONHECIDO E DESPROVIDO. 1. Trata-se
de Recurso Inominado interposto pela parte autora contra a
sentença que extinguiu o processo sem resolução do mérito,
reconhecendo a incompetência territorial do juízo ad quo, nos
termos do art. 51, III, da Lei 9.099/95. 2. Na hipótese, o cerne
da controvérsia reside em auferir a competência material para
julgar ação de cobrança de atraso de pensão alimentícia. 3. O
art. 3°, parágrafo 2° da Lei 9.099/95, exclui da competência do
Juizado Especial as causas de natureza alimentar. 4. Conforme
regra do art. 27, I, “b”, da Lei n. 11.697/2008, compete ao Juiz
da Vara de Família, as ações de alimentos. 5. Posto isso,
verificada a incompetência do Juizado Cível para a apreciação da
causa alimentícia, mantenho a decisão de extinguir o processo
sem resolução do mérito, mas com fundamentação diversa, qual
seja, incompetência material, nos temos do artigo 51, inciso II,
da Lei 9.099/95. Sem custas e sem honorários. (TJ – DF – RI:
07002706820158070007, Relator: FLAVIO FERNANDO ALMEIDA DA
FONSECA, Data de Julgamento: 16/09/2015, PRIMEIRA TURMA
RECURSAL, Data de Publicação: Publicado no DJE: 29/09/2015).

Pelas razões expostas, o presente juízo se mostra incompetente para o fim


requerido.

Ante o exposto, DECLARO A INCOMPETÊNCIA do Juizado Especial Cível em razão


da matéria e JULGO EXTINTO O PROCESSO SEM RESOLUÇÃO DO MÉRITO, o que faço com
fundamento no art. 51, inciso II, da Lei nº 9.099/95.

Preclusa a decisão, proceda-se o arquivamento e as baixas necessárias.

Publique-se. Registre-se. Intime-se.

Deixo de condenar o autor ao pagamento das custas processuais nos termos do


art. 55 da Lei nº 9.099/95.

Assis Chateaubriand, datado e assinado digitalmente.

Fernando Porcino Gonçalves Pereira

Juiz Substituto