Вы находитесь на странице: 1из 27

Física I

2º Semestre de 2013

Instituto de Física- Universidade de São Paulo

Aula – 2 Vetores e Movimento Tridimensionais

Professor: Valdir Guimarães

E-mail: valdirg@if.usp.br
Vetores

Vetores não são


localizados no
espaço

Em 3D, muitas grandezas físicas são


representadas através de vetores.
Apresentam “módulo”, “direção” e
“sentido”.
Soma e subtração de vetores
Revisão sobre vetores (soma)

Regra do paralelogramo
Revisão sobre vetores (subtração)
Vetores

Vetores não são


localizados no
espaço

Em 3D, muitas grandezas físicas são


representadas através de vetores.
Apresentam “módulo”, “direção” e
“sentido”.
Vetores

Vetores não são Precisamos de um referencial


localizados no
(3 eixos ortogonais entre si)
espaço

Sistema de coordenadas cartesianas


(iˆ, ˆj, kˆ)
Sistema de coordenadas geográficas

Latitude e longitude

22° 54' 21.64"S 47° 03' 38.06"W

Sistema de coordenadas esféricas


(rˆ,ˆ, ˆ )
Sistema de coordenadas cilindricas
(rˆ,ˆ, zˆ )

Sistema de coordenadas cilindricas parabólicas


Vetores

Decomposição vetorial em coordenadas


A  Axiˆ  Ay ˆj  Az kˆ
Soma de vetores pelas coordenadas

  
C  A B

A  Ax iˆ  Ay ˆj  Az kˆ

B  Bx iˆ  B y ˆj  Bz kˆ


C  ( Ax  Bx )iˆ  ( Ay  By ) ˆj  ( Az  Bz )kˆ

C  Cxiˆ  Cy ˆj  Cz kˆ

C  Cx  C y  Cz
2 2 2
Módulo do vetor
Deslocamento
Deslocamento
trajetória
  
r  r2  r1

r  ( x2  x1 )iˆ  ( y2  y1 ) ˆj  ( z2  z1 )kˆ

r  xiˆ  yˆj  zkˆ

Vetor Posição

r  rxiˆ  ry ˆj  rz kˆ  xiˆ  yˆj  xkˆ


r1  x1iˆ  y1 ˆj  z1kˆ

r2  x2iˆ  y2 ˆj  z2 kˆ
Módulo do
deslocamento r  x 2  y 2  z 2
velocidade e aceleração
Velocidade média
Velocidade instantânea

 r   
vmed  r  xiˆ  yˆj  zkˆ  r dr
t v  lim 
t 0 t dt

dr  dxiˆ  dyˆj  dzkˆ

dr  dxiˆ dyˆj dzkˆ
v   
dt dt dt dt
 dx ˆ dy ˆ dz ˆ
v i j k
dt dt dt

v  vxiˆ  vy ˆj  vz kˆ
Módulo da Velocidade

v  v v v
2
x
2
y z
2
Aceleração instantânea
 
 v dv
a  lim 
t 0 t dt

v  vxiˆ  vy ˆj  vz kˆ

 dvx ˆ dv y ˆ dvz ˆ d 2 x ˆ d 2 y ˆ d 2 z ˆ
a i j k  2 i  2 j 2 k
dt dt dt dt dt dt

a  axiˆ  a y ˆj  az kˆ
Uma bola é lançada e sua posição é dada por r.
Encontre suas velocidades e acelerações como função do tempo.
Quais são as posição e velocidade iniciais ?


r  [1,5m  (12m / s)t ]iˆ  [(1,6m / s)t  (4,9m / s 2 )t 2 ] ˆj

r  (1,5  12t )iˆ  (1,6t  4,9t 2 ) ˆj
Movimento de projéteis

O projétil é lançado em uma trajetória


bidimensional, a partir da posição inicial
(r0), com uma velocidade inicial (v0), com
um ângulo θ em relação à horizontal,
ficando em sua trajetória, submetido à
uma aceleração vertical (-g).

Decomposição do movimento nas duas coordenadas


Equações do movimento
a 2
x(t )  x0  v0 xt  t v0 x  v0 cos 0 ax  0
2
a 2 v0 y  v0 sin  0 ay  g
y (t )  y0  v0 y t  t
2 x(t )  x0  v0 xt
g 2
y(t )  y0  v0 y t  t
2
Equação da trajetória (para x0=y0=0)

x(t )  v0 xt t  x / v0 x
g g
y(t )  v0 y t  t 2 y( x)  v0 y ( x / v0 x )  ( x / v0 x ) 2
2 2
 v0 y   g  2
y( x)    x   2  x
 v0 x   2v0 x 

v0 x  v0 cos 0
v0 y  v0 sin  0
  2
y( x)  tg 0 x   2
v0 y g
 tg 0  x
 2v0 cos  0 
2
v0 x
trajetória é uma parabola
Tempo total de vôo (T)
x(t )  v0 xt
g 2
y(t )  v0 y t  t
2

v0 x  v0 cos 0
v0 y  v0 sin  0

Para t=T, y=0


g
0  v0 yT  T 2
2
g
0  v0 y  T
2
2v0 y 2v0
T  sen 0
g g
Alcance horizontal (R) quando x(T)= R

x(t )  v0 xt R  v0 xT
g 2 2v02
y(t )  v0 y t  t R sin  0 cos 0
2 g

v02
R  sin 2 0
g

Para qual ângulo D é máximo ?


Equação da velocidade

dx
vx (t )   v0 x
x(t )  x0  v0 xt dt
g 2 dy
y(t )  y0  v0 y t  t vy   v0 y  gt
2 dt
vx  v0 x
v y  v0 y  gt

v0 x  v0 cos 0
v0 y  v0 sin  0
Tempo de subida (Ts) Altura máxima (H)

vx  v0 x x(t )  v0 xt
v0 x  v0 cos 0
g 2
v y  v0 y  gt v0 y  v0 sin  0 y(t )  v0 y t  t
2
g 2
H  v0 yTs  Ts
2
v02
H sin 2  0
2g

Para t=Ts, vy=0

0  v0 y  gTs
v0 y
v0
Ts   sin  0
g g Para qual ângulo H é máximo ?
Movimento Circular Uniforme

Aceleração centrípeta Período (T)


2
v tempo necessário para uma volta completa
acentr  2r
r v
T
2r
T
v
Movimento Circular Uniforme

Calcule o módulo da
velocidade e o período de um
satélite com órbita “baixa”.
RT= 6370 km e g= 9,81 m/s2
Movimento Circular Uniforme

 
v v r
lim  lim
t 0 t r t 0 t
v v2
Por semelhança de triângulos a  v   ac
 r r
v v
 
r r
Aceleração centrípeta

 v 
v  r
r
 
v v r

t r t
Movimento Circular Uniforme


r  R cosiˆ  R sinˆj
  t

Tratamento vetorial

 dr
v   R sin iˆ  R cosˆj
dt

 dv
a   R 2 cosiˆ  R 2 sin ˆj
dt
 
a   2 ( R cosiˆ  R sin ˆj )   2 r
 2 v2  v2
Aceleração centrípeta ac   r   2 r   rˆ
r r
Movimento não retilíneo qualquer

Além da aceleração centrípeta,


podemos ter também uma
componente da aceleração paralela
à direção do movimento Aceleração total
(aceleração tangencial)

dv   
at  a  ac  at
dt
Movimento Circular
Pêndulo

Caso do movimento pendular

Analisando a aceleração