You are on page 1of 1

78 – quarta-feira, 19 de Dezembro de 2018

Diário do Executivo Minas Gerais - Caderno 1


O Currículo da Educação Innfantil - Objetivo/Habilidade Desmembrada: Habilidade que possui grande número de verbos, tornando-a complexa para ser avaliada e desenvolvida.
A implemenntação da BNC CC configura um m momento parra consolidar cooncepções exprressas nas Direttrizes Curricularres Nacionais para p a Segue o código alfanumérico, estabelecido pela BNCC, complementada pelas letras A, B, C, etc, dependendo do grau de desmembramento.
Educação Innfantil – DCNEII e a oportunidadde histórica de enfrentar
e as desiggualdades educaacionais, no que se refere ao aceesso a bens cultuurais e Exemplo: (EF15AR23) Reconhecer e experimentar, em projetos temáticos, as relações processuais entre diversas linguagens artísticas (Original
vivências, naa infância. BNCC). (EF15AR23A) Reconhecer, em projetos temáticos, as relações processuais entre diversas linguagens artísticas. (EF15AR23B)
Parte signifiicativa da BNCC C já se encontra nas atuais DCN NEI, seja de formma expressa ou como perspectivva, especialmentte o que é trataddo nos Experimentar, em projetos temáticos, as relações processuais entre diversas linguagens artísticas (Desmembrada MG).
artigos 3º, 8ºº e 9º, não caracterizando grandees inovações ou mudanças, mas a garantia de dirreitos e experiênncias de desenvo olvimento. - Objetivo/Habilidade com Progressão: Habilidade que, na BNCC, era a mesma para diversos anos de escolaridade. No Currículo, a opção foi
Na organizaação do Currícullo da Educação Infantil, foram considerados doois grandes eixoos: Interações e Brincadeiras, to omando como baase os alterar essas habilidades, ano a ano, de forma a graduar a complexidade, de acordo com o desenvolvimento dos estudantes. Exemplo:
princípios ÉÉticos: da autonoomia, da responssabilidade, da soolidariedade e doo respeito ao bem m comum, ao meio
m ambiente e às
à diferentes cullturas, (EF12EF01) Experimentar, fruir e recriar diferentes brincadeiras e jogos da cultura popular, presentes no contexto comunitário e regional,
identidades e singularidadess; Políticos: doss direitos de ciddadania, do exerccício da criticiddade e da democcracia; Estéticos: da sensibilidadde, da reconhecendo e respeitando as diferenças individuais de desempenho dos colegas (Original BNCC). (EF12EF01P1) Experimentar e fruir
criatividade,, da ludicidade e da liberdade de expressão, nas n diferentes m manifestações arttísticas e culturrais. A divisão, por grupos de faixas
f diferentes brincadeiras e jogos da cultura popular, presentes no contexto comunitário e regional, valorizando os saberes e vivências produzidos,
etárias, seguue o que é apreseentado na BNCC C: Bebês, de zeroo a 1 ano e 6 meeses; Crianças beem pequenas, de 1 ano e 7 mesess a 3 anos e 11 meses;
m reproduzidos e perpetuados, nos contextos familiares e comunitários. (Progressão 1º ano) (EF12EF01P2) Experimentar, fruir e recriar diferentes
e Crianças ppequenas, de 4 annos a 5 anos e 11 meses. brincadeiras e jogos da cultura popular, presentes no contexto do estado de Minas Gerais, valorizando os saberes e vivências produzidos,
O currículo da educação inffantil parte do prrincípio da indisssociabilidade enntre o cuidar e o educar, e do olhar para a crian nça como ser inttegral, reproduzidos e recriados, nos contextos familiares e sociais (Progressão 2º ano).
que se relacciona com o muundo, a partir doo seu corpo, em m vivências conccretas com diferrentes parceiros e em distintas linguagens. O ensinoe Essas alterações permitiram que as habilidades no Currículo Referência de Minas Gerais tratassem das especificidades regionais, de forma
tradicional mmantém o foco no n professor e noo seu saber, a BNCC
B e, consequuentemente, o CCurrículo da Eduucação Infantil de Minas Gerais traz o ampla, para que cada professor possa abordá-las com certo grau de autonomia, contextualizando o currículo a partir de sua vivência e das
foco para a ccriança, seus sabberes, suas experriências e seus contextos de vidaa. experiências propostas para sua turma, sem perder de vista a BNCC. Também deixa clara a parte diversificada do currículo integrada à parte
O Currículo da Educação Innfantil é organizaado da seguinte forma:
f obrigatória, tornando o currículo um documento único.
I - Texto intrrodutório, com concepções
c paraa o desenvolvimeento da primeiraa infância; Recomendações e considerações finais
II - Quadroo de Organizaçãão Curricular, deescrevendo: Dirreitos de Aprenndizagem, Camppos de Experiênncia e Objetivoss de Aprendizaggem e O histórico traçado, neste documento, demonstra que o Currículo Referência de Minas Gerais foi elaborado em uma perspectiva democrática,
Desenvolvim mento previstos na BNCC. De fforma complemeentar, a equipe dde currículo elaborou Orientaçõees Didáticas e Prráticas Cotidianaas que garantindo ampla participação social, em sua elaboração. A realização do Dia D, os Encontros Municipais e a Consulta Pública on line
poderão apooiar os professorees, na materializzação dos objetivvos de aprendizaagem, previstos nno currículo, em
m sala. apresentaram os resultados da grande mobilização realizada por articuladores, em todo o território estadual, e do compromisso da Comissão
Estadual e Comitê Executivo, na materialização do regime de colaboração, atentando-se à previsão constitucional de estabelecimento da relação
entre entes federativos.
A estrutura de governança prevista garantiu isonomia a esses entes, na tomada de decisão e na composição dos quadros de redação. A relação
próxima das equipes da UNDIME/MG e da SEE/MG facilitou a organização do trabalho dos que atuaram na elaboração do novo documento,
entre gestores, professores, redatores, leitores-críticos e revisores.
Conclusão
O Conselho Estadual de Educação de Minas Gerais – CEE-MG e União Nacional dos Conselhos Municipais de Educação de Minas Gerais –
UNCME-MG reconhecem o mérito do trabalho efetuado para elaboração do Currículo Referência de Minas Gerais, na perspectiva democrática,
assinalando a importância do movimento colaborativo entre Estado e Municípios, visando a construção de um verdadeiro Regime de
Colaboração em Minas Gerais. Reitera, também, a importância de que esse tema seja tratado, como foi, no chão da escola, permitindo que
educadores de diversas redes e sistemas tivessem oportunidade de internalizar conceitos e pensar, de fato, o futuro da educação em Minas
Gerais.
Embora se mantenham vigentes as normas estabelecidas por este Conselho, pelos Conselhos Municipais de Educação, pela Secretaria de Estado
da Educação e Secretarias Municipais de Educação, referentes à organização curricular praticada em escolas de Educação Infantil e de Ensino
Fundamental, as referidas normas, em virtude dos recentes referenciais da BNCC, devem ser adaptadas ao Currículo de Referência de Minas
Gerais, providências a serem adotadas de forma conjunta e colaborativa, envolvendo também, este Conselho e a UNCME/MG.
Por fim, e diante de todas as considerações expostas, sou por que este Conselho se manifeste favoravelmente à proposta de implementação da
Base Nacional Comum Curricular – BNCC, em nível das etapas de Educação Infantil e Ensino Fundamental, a ser desenvolvida no âmbito do
Sistema de Ensino de Minas Gerais, ficando a cargo da SEE/MG a adoção das medidas administrativas e expedição dos respectivos atos
autorizativos, para tanto necessários.
É o parecer
Belo Horizonte, 12 de dezembro de 2018.
a) Maria do Carmo Menicucci de Oliveira – Relatora

18 1176714 - 1

Advocacia-Geral do Estado
Advogado-Geral: Onofre Alves Batista Júnior

Expediente
O Currículoo da Educação Infantil também m apresenta, em m detalhes, os seeus direitos de aprendizagem previstos
p na Baase Nacional Coomum EXTRATO DE PORTARIA Nº 17/2018 § 3º - O voluntário é responsável por todos os atos que praticar na pres-
Curricular: CConviver, Conheecer-se, Participar, Expressar e Explorar.
E Sindicância Administrativa. Sindicante: Procuradora do Estado Joana tação do serviço voluntário, respondendo civil e penalmente pelo exer-
Conviver coom outras criançças e adultos, em m pequenos e graandes grupos, uttilizando diferenntes linguagens, ampliando o con nhecimento de si
s e do Faria Salomé. Advocacia-Geral do Estado, em Belo Horizonte, 13 de cício irregular de suas atribuições.
outro, o resppeito em relação à cultura e às diiferenças entre as a pessoas. dezembro de 2018. § 4º - Em hipótese alguma a Advocacia-Geral do Estado será responsa-
Conhecer-see e construir sua identidade pessoal, social e culttural, constituinddo uma imagem positiva de si e de seus grupos de d pertencimento, nas bilizada pelas atividades voluntárias de seus servidores.
JAIME NÁPOLES VILLELA
diversas expperiências de cuuidados, interaçções, brincadeiraas e linguagenss vivenciadas nna instituição esscolar e em seu u contexto famiiliar e CORREGEDOR DA ADVOCACIA-GERAL DO ESTADO Art. 4º - Fica criado, no âmbito do Programa “AGEnte em TransformA-
comunitário. ÇÃO”, o Comitê de Voluntariado da AGE, constituído por servidores
Participar, aativamente, comm adultos e outras crianças, tannto do planejameento da gestão da escola e dass atividades propostas pelo eduucador 17 1176308 - 1
voluntários e com as seguintes atribuições:
quanto da reealização das attividades da vidda cotidiana, tais como a escolhha das brincadeeiras, dos materiiais e dos ambientes, desenvolvvendo EXTRATO DE PORTARIA Nº 16/2018 I – zelar pela observância das diretrizes traçadas pela política estadual
diferentes linnguagens e elaborando conhecim mentos, decidinddo e se posicionaando. Sindicância Administrativa. Sindicante: Procurador do Estado Alessan- de fomento ao voluntariado transformador nos projetos vinculados ao
Expressar, ccomo sujeito dialógico, criativoo e sensível, suuas necessidadess, emoções, senntimentos, dúviddas, hipóteses, descobertas,
d opinniões, dro Henrique Soares Castelo Branco. Advocacia-Geral do Estado, em programa;
Belo Horizonte, 13 de dezembro de 2018. II – coordenar as práticas do voluntariado transformador no âmbito do
questionameentos, por meioo de diferentes linguagens. Briincar, cotidianam mente, de diverrsas formas, emm diferentes esppaços e tempos,, com
diferentes paarceiros (criançaas e adultos), am
mpliando e diverssificando seu accesso a produçõees culturais, seuss conhecimentoss, sua imaginação, sua Programa “AGEnte em TransformAÇÃO”;
JAIME NÁPOLES VILLELA III – representar a Advocacia-Geral do Estado na Rede de Voluntariado
criatividade,, suas experiênciias emocionais, corporais, sensooriais, expressivaas, cognitivas, soociais e relacionaais. CORREGEDOR DA ADVOCACIA-GERAL DO ESTADO de Minas Gerais;
Explorar moovimentos, gestoos, sons, formass, texturas, coress, palavras, emooções, transformaações, relacionaamentos, históriaas, objetos, elem mentos 17 1176307 - 1 IV – apresentar anualmente ou quando solicitado relatório sobre o tra-
da natureza,, na escola e foora dela, amplianndo seus saberees sobre a cultuura, em suas divversas modalidaddes: as artes, a escrita, a ciênciia e a balho voluntário no âmbito da AGE;
tecnologia. EXTRATO DE PORTARIA Nº 19/2018
V – definir parâmetros para a inclusão de projeto voluntário no Pro-
A perspectivva dada aos Cam mpos de Experiêência na Educaçção Infantil é dee Intercomplemeentariedade, não prevendo, por exemplo, e separaação e grama “AGEnte em TransformAÇÃO”;
Sindicância Administrativa. Sindicante: Procuradora do Estado
fragmentaçãão, mas buscandoo identificar com mo a prática diárria do professor ddeve buscar inteegrar os objetivos de aprendizageem previstos. Rochelle Cardoso Barth. Advocacia-Geral do Estado, em Belo Hori- VI – avaliar e aprovar a inclusão de projeto voluntário no Programa
Na perspecttiva da integraçãão entre a Educaação Infantil e os o Anos Iniciaiss do Ensino Funndamental, os caampos de experiiências – organiização zonte, 13 de dezembro de 2018. “AGEnte em TransformAÇÃO”;
intercomplem mentar, por excelência – fundam mentam importaantes processos das crianças quee terão continuiddade e progressãão, nas demais etapase VII – assessorar o Advogado-Geral do Estado em todas as questões
da Educaçãoo Básica, quandoo serão tratados em Áreas de Coonhecimento. JAIME NÁPOLES VILLELA relacionadas ao voluntariado;
CORREGEDOR DA ADVOCACIA-GERAL DO ESTADO VIII – promover a divulgação do programa no âmbito institucional;
O Currículo do Ensino Funddamental IX – disponibilizar informações sobre as ações realizadas, em anda-
O currículo do Ensino Funddamental está aliinhado às duas principais
p normaativas para a etappa: a BNCC e o Parecer CEB/CCNE nº 11/2010.. Uma 17 1176311 - 1 mento e programadas;
das concepçções da BNCC é a valorização de habilidades e competências que devem ser trabalhadas ao longo dos anos. Entretanto, a BNCC B EXTRATO DE PORTARIA Nº 15/2018 X – estabelecer, em conjunto com os responsáveis, formas de financia-
repete, muitas vezes, a mesm ma habilidade, dde forma integraal, em diversos aanos de escolariddade. Dessa form ma, no Currículoo Referência de Minas
M mento dos projetos, promover a arrecadação e a gestão dos recursos
Gerais para o Ensino Fundaamental, habilidaades foram alterradas, na BNCC, buscando gradduar sua complexxidade de ano a ano, em um conntexto Sindicância Administrativa. Sindicante: Procurador do Estado Barney recebidos e prestar contas;
de progressãão. Oliveira Bichara. Advocacia-Geral do Estado, em Belo Horizonte, 13 XI – definir o calendário de reuniões;
A BNCC tam mbém incorporoou temas contem mporâneos, em toodos os conteúdoos, e passou a vaalorizar as difereentes infâncias e adolescências, dando
d de dezembro de 2018. XII – eleger seu presidente, secretário e respectivos suplentes, ambos
JAIME NÁPOLES VILLELA para um mandato de 2 (dois) anos, permitida uma recondução;
atenção às trransições entre Educação
E Infantiil, os anos iniciaais e finais do Ennsino Fundamenttal. XIII – elaborar seu regimento interno.
Para os anoss inicias do ensinno fundamental, dá-se ênfase aoo fato de que o trrabalho deve ter articulação com m as experiênciass na Educação Innfantil CORREGEDOR DA ADVOCACIA-GERAL DO ESTADO
e a valorizaçção das situaçõess lúdicas de apreendizagem. 17 1176306 - 1 Art. 5º- Para fins do disposto no art. 10 do Decreto nº 47.074, de 1º de
Já nos anos finais, o foco passa
p a ser a ammpliação dos connhecimentos, com m desafios de mmaior complexiddade, dando outrro significado paara as novembro de 2016, o Presidente do Comitê de Voluntariado da AGE
aprendizagens dos anos inicciais, e fortalecimmento da autonom mia dos adolescentes. RESOLUÇÃO AGE Nº 56, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2018 será designado por ato do Advogado-Geral do Estado publicado no
O documennto manteve a estrutura básicaa da BNCC, coom a separaçãoo em: Áreas dde Conhecimentto e suas comp petências especííficas; Diário Oficial.
Componentees Curriculares e suas competênncias específicass; e na estrutura dos conteúdos eem Campos de Atuação, A Eixos e Unidades Tem máticas Institui o programa de voluntariado “AGEnte em TransformaAÇÃO”
conforme coomponente curriccular. no âmbito da Advocacia-Geral do Estado e dispõe sobre o gerencia- Art. 6º - Para cada projeto vinculado ao Programa “AGEnte em Trans-
mento dos projetos a ele vinculados. formAÇÃO” haverá um servidor responsável designado por ato do
Presidente do Comitê de Voluntariado, competindo-lhe, dentre outras
atribuições:
OADVOGADO-GERAL DO ESTADO, no uso de suas atribuições e I – manter em dia e ordem toda a documentação relacionada ao
tendo em vista o disposto nas Leis Complementares nº 30, de 10 de projeto;
agosto de 1993; nº 35, de 29 de dezembro de 1994; nº 81, de 10 de II – incentivar e recrutar servidores para atuarem como voluntários no
agosto de 2004 e nº 83, de 28 de janeiro de 2005, nas Leis estaduais nº projeto;
14.082, de 05 de dezembro de 2001, 18.716, de 08 de janeiro de 2010 e III – levar ao conhecimento do Comitê Gestor toda e qualquer irregula-
no Decreto estadual nº 47.074, de 1º de novembro de 2016, ridade verificada na execução do projeto.
RESOLVE: Art. 7º- A prestação do serviço voluntário nos projetos vinculados ao
Programa “AGEnte em TransformAÇÃO” será formalizada por meio
Art.1º- Fica instituído o programa de voluntariado “AGEnte em Trans- de termo de adesão a ser celebrado entre o prestador e o responsável
formAÇÃO” no âmbito da Advocacia-Geral do Estado, considerando pelo Projeto, o qual deverá prever:
sua adesão à Rede de Voluntariado do Estado de Minas Gerais, de que I - as atribuições, os deveres e as proibições inerentes ao serviço
trata o Decreto nº 47.074, de 1º de novembro de 2016. voluntário;
II - os dias e horários da prestação de serviço voluntário, combinados
Parágrafo único – O programa de que trata este artigo tem por princípio entre as partes;
a prática do voluntariado como elemento de transformação da realidade III - a assinatura do voluntário e do responsável pelo projeto.
social e como objetivo organizar a participação e estimular a execução
de serviço voluntário pelos servidores vinculados à Advocacia-Geral do
Estado junto a entidades e projetos regularmente cadastrados na Rede Art. 8º- Em hipótese alguma a Advocacia-Geral do Estado participará
de Voluntariado do Estado de Minas Gerais. institucionalmente no financiamento dos projetos vinculados ao Pro-
grama “AGEnte em TransformAÇÃO”, devendo os recursos financei-
Art. 2º - Todos os projetos de voluntariado desenvolvidos no âmbito ros eventualmente necessários serem obtidos pelos voluntários e admi-
do Programa “AGEnte em TransformAÇÃO” deverão observar em nistrados sem nenhuma vinculação com o órgão público.
sua consecução o disposto nesta resolução e nos demais instrumentos
normativos relacionados à Rede de Voluntariado do Estado de Minas Parágrafo único - A Advocacia-Geral do Estado não será responsável,
Seguindo a oorientação do Paarecer CNE/CP nº 2, de 2017, e a LDB, o Currículo Referênciaa de Minas Geraiis possui parte diversificada
d inteegrada Gerais. a qualquer título, pelas despesas que o prestador do serviço voluntário
ao documennto, respeitando a diversidade loocal e adaptativaa a cada contextto. Dessa forma,, diversos objetiivos e direitos de aprendizagem m, bem Parágrafo único – Mediante resolução do Advogado-Geral do Estado e fizer no desempenho de suas atividades voluntárias.
observada a legislação estadual, no que couber, a Advocacia-Geral do
como habiliddades e competêências, foram altteradas, para oferecer uma persppectiva regional e contextualizadda, quando necesssário. Estado poderá criar mecanismos funcionais de incentivo à prestação de
Essas habiliddades modificaddas foram divididdas em 04 tipos:: serviço voluntário por seus servidores. Art. 9º- O voluntário, servidor da AGE, não poderá exercer atividades
- Objetivo/H Habilidade Alteerada: Habilidade alterada da BNCC dentroo das possibiliddades estabeleciidas pelo MEC C. Seguem o código c
em projetos incompatíveis com suas funções, que representem risco
alfanuméricoo, definido na BNCC, seguidoo pela letra X. Exemplo: (EF007HI09) Analisaar os diferentes impactos da conquista europeeia da Art. 3º - Considera-se serviço voluntário, para os fins desta resolução, a pessoal ou descrédito institucional.
América parra as populaçõess ameríndias e iddentificar as forrmas de resistênccia (Original BN NCC); (EF07HI009X) Analisar os o diferentes imppactos atividade não remunerada prestada por pessoa física a entidade pública
da conquistaa europeia da Am mérica para as ppopulações amerríndias e identifi
ficar as formas dde resistência, obbservando as differentes estratégiias de de qualquer natureza ou a instituição privada de fins não lucrativos que Art. 10 - Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.
resistência ddos distintos gruppos indígenas quue povoavam Minas Gerais. (Moodificada MG). tenha objetivos cívicos, culturais, educacionais, científicos, recreativos
ou de assistência à pessoa. Belo Horizonte, 17 de dezembro de 2018.
- Objetivo/H Habilidade Criaada: Habilidade que não existiia, na BNCC, m mas prevista no novo currículo. Seguem o código c alfanummérico, § 1º - O serviço voluntário não gera vínculo empregatício, nem obriga-
estabelecidoo pelo MEC, segguidas pelas letraas MG. Exemploo: (EF08CI17MG G) Descrever feenômenos e proccessos em termos de transformaçções e ção de natureza trabalhista, previdenciária ou afim.
transferênciaa de energia. (Haabilidade criada MG). § 2º - A prestação de serviço voluntário é incompatível com o exercício ONOFRE ALVES BATISTA JÚNIOR
da advocacia e com a realização de estágio em escritório ou sociedade Advogado- Geral do Estado
de advogados. 17 1176420 - 1