You are on page 1of 8

LICITAÇÃO

1) Conceito
- É um procedimento administrativo instrumental utilizado pela Administração Pública para
selecionar um futuro contratado, atendendo critérios objetivos e impessoais, e visando a
proposta mais vantajosa para ela.

- Por ela, materializa-se, principalmente, os princípios da impessoalidade, moralidade e


isonomia.

- 3 Fundamentos (Objetivos) Da Licitação:

1) Garantir a observância do princípio constitucional da isonomia

OBS: Considere que a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) publicou anteontem edital de
licitação para contratar empresa de engenharia para realizar a reforma de uma delegacia de
polícia, conforme projeto executivo elaborado pela administração. Trata-se de uma
concorrência de tipo menor preço, tendo como regime de execução a empreitada por preço
global. Assinale a alternativa correta quanto a essa licitação > seria ilícito que, nos
critérios de habilitação, fosse exigido que as empresas concorrentes tivessem sede
no Distrito Federal (art. 3º, §1º, I c/c 20, parágrafo único da Lei 8.666/1993).
2) Seleção da proposta mais vantajosa para a Administração

OBS: A Vantajosidade será averiguada a partir do tipo de licitação escolhido.

OBS2: Função regulatória (extra-econômica) da Licitação > O poder público pode


utilizar o seu poder de contratação pública para incentivar benefícios sociais, ambientais e
outros benefícios que não são auferidos, pelo menos de início, economicamente, ainda que
tenha que pagar mais caro para isto. O Poder Público não é pautado somente pelo critério
da ECONOMICIDADE, mas também para a promoção de direitos fundamentais.

OBS3: o ente público selecionará a proposta mais conveniente para a celebração do


contrato administrativo.

3) Promoção do Desenvolvimento Nacional Sustentável

OBS: Margem de Preferência para empresas nacionais > até 25 % (O Poder Público
contrata a empresa nacional, ainda que pague mais caro para isso).

OBS2: Empate ficto/presumido nas ME’s e EPP’s, quando estas estão em segundo
lugar > se o Poder Público implementar o critério “menor preço”, a LC 123/2006, se o valor
delas for de 10%, nas modalidades comuns, e 5% no caso de pregão, consideram-se
empatadas as propostas (O Estado dará uma nova chance à ME ou EPP, para que esta
apresenta uma proposta melhor que a outra empresa).

OBS: todos estão presentes no art. 3º da Lei 8.666/1993.


OBS2: Exemplos de materialização da FUNÇÃO REGULATÓRIA DA LICITAÇÃO:

- Licitações “verdes” (sustentáveis)

- Inclusão de portadores de deficiência no mercado de trabalho

- Fomento à contratação de microempresas e empresas de pequeno porte

2) Fontes normativas
- CONSTITUCIONAIS: art. 22, XXVII; art. 37, XXI; art. 173, §1º, III da CRFB.

- Normas Gerais (competência privativa para legislar) > UNIÃO

- Outras normas > União, Estado, DF, Municípios (cada ente atenderá as suas
peculiaridades, desde que respeitadas as normas gerais).

- INFRACONSTITUCIONAIS: Lei 8.666/1993, Lei 10.520/2002 (Pregão), LC 123/2006 (ME


e EPP), Lei 8.987/1995 (Concessões e Permissões), Lei 11.079/2004 (PPP), Lei
9.472/1997 (ANATEL), Lei 12.462/2011 (RDC), Lei 13.303/2016 (Estatuto das Estatais)
etc.

- OBS: O STF entendeu que a Lei 8.666/1993 é HÍBRIDA > apresenta tanto normas
nacionais, quanto normas federais.

3) Competência legislativa
4) Princípios da licitação
- Além dos princípios gerais da Administração Pública (implícitos e expressos):

- Princípio da competitividade

- Princípio da isonomia

- Princípio da vinculação ao instrumento convocatório

- Princípio do procedimento formal

- Princípio do julgamento objetivo

1) Princípio da competitividade > a licitação deve ser pautada pela maior competitividade
possível. O Poder Público deve evitar exigências desproporcionais. Estas devem ser
compatíveis com aquilo a ser licitado.

2) Princípio da isonomia > isonomia material. Tem estreita relação com a competitividade.

3) Princípio da Vinculação ao instrumento convocatório > a licitação vincula-se às regras do


instrumento convocatório (edital ou carta-convite). O instrumento convocatório “é a lei
interna da licitação”.
4) Princípio do procedimento formal > a licitação é um procedimento solene. Contudo, este
princípio não é absoluto, pois a licitação é um instrumento para se atingir o interesse público
(princípio da instrumentalidade das formas).

OBS: LC 123/2006 (ME e EPP) > os vícios referentes a documentos de regularidade


fiscal, a serem apresentados na fase de habilitação, podem ser sanados no decorrer da
licitação até a assinatura do contrato.

5) Princípio do julgamento objetivo > o julgamento deve ser feito sob critérios objetivos e
impessoais colocados, em princípio, no art. 45 da Lei 8.666/1993, além de outros critérios
previstos na legislação (exemplo: menor tarifa na lei 8.987/1995).

5) A função regulatória da licitação

6) Objeto da licitação
- Obras e serviços de engenharia
- Projeto básico, projeto executivo e outras exigências legais
- Vedações e impedimentos
- Formas de execução: direta e indireta
- Serviços
- Terceirização: a superação da distinção entre atividade-meio e atividadefim
- Quarteirização
- Serviços de publicidade
- Compras
- Indicação de marcas, amostras e o princípio da padronização
- Divisibilidade do objeto e licitação por item
- Alienações

7) Sistema de Registro de Preços (SRP)


- O “efeito carona” no Sistema de Registro de Preços

8) Destinatários da regra da licitação

1) Entes da Federação (União, DF, Estados e Municípios) e seus órgãos

2) Entidades da Administração Indireta (Autarquias, Estatais e Fundações Públicas)

OBS: ESTATAIS ECONÔMICAS > Estatuto Jurídico próprio (art. 173, §1º, III + ANTES
da lei 13.303/2016) > tratamento diferenciado dessas estatais em relação às outras, pois
as estatais que exercem atividade econômica em concorrência com as empresas privadas
– Como garantir LICITAÇÃO e CONCORRÊNCIA (Marçal Justen Filho, Marcos Juruena, Rafael
Carvalho, TCU, Jurisprudência) > Solução:

- Atividade-fim > não precisa licitar

- Atividade-Meio > necessidade de licitação (Lei 8.666/1993 > enquanto o poder


legislativo não edita o estatuto das estatais).

- Lei 13.303/2016 > não divide as Estatais em prestadoras de serviço público e atividade
econômica.

- Revogou o procedimento licitatório simplificado da PETROBRAS (art. 67, Lei


9.478/1997 + Decreto 2745/1998) > art. 96, II da Lei 13.303/2016.

3) Entidades controladas direta ou indiretamente pela Administração Pública (art. 1º,


parágrafo único da Lei 8.666/1993).

9) Contratação direta

a) Licitação dispensada (art. 17 da Lei 8.666/1993)

b) Dispensa de licitação (art. 24 da Lei 8.666/1993)


- Valor reduzido (art. 24, I e II)
- Situações emergenciais (art. 24, III, IV e XXXV)
Inciso IV > não se admite prorrogação do prazo de 180 dias consecutivos e
ininterruptos.
- Licitação deserta (art. 24, V)
- Intervenção no domínio econômico (art. 24, VI)
- Licitação frustrada (art. 24, VII)
- Contratação de entidades administrativas (art. 24, VIII, XVI e XXIII)
- Segurança nacional (art. 24, IX)
- Compra e locação de imóveis (art. 24, X)
- Complementação do objeto contratual (art. 24, XI)
- Gêneros perecíveis (art. 24, XII)
- Entidades sem fins lucrativos (art. 24, XIII, XX, XXIV e XXXIII)
- Negócios internacionais (art. 24, XIV)
- Obras de arte (art. 24, XV)
- Necessidade de manutenção de garantias (art. 24, XVII)
- Forças Armadas (art. 24, XVIII, XIX e XXIX)
- Bens destinados à pesquisa (art. 24, XXI)
- Serviços públicos concedidos (art. 24, XXII)
- Transferência de tecnologia e incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica
(art. 24, XXV, XXXI e XXXII)
- Contratos de programa (art. 24, XXVI)
- Catadores de materiais recicláveis (art. 24, XXVII)
- Alta complexidade tecnológica (art. 24, XXVIII)
- Assistência técnica e extensão rural (art. 24, XXX)
- Regras especiais de dispensa aplicáveis aos consórcios públicos, sociedades de economia
mista, empresas públicas e agências executivas (art. 24, § 1.º)
c) Inexigibilidade de licitação (art. 25 da Lei 8.666/1993)
- Fornecedor exclusivo (art. 25, I)
- Serviços técnicos especializados (art. 25, II)
- Artistas consagrados (art. 25, III)
- Credenciamento
Marçal Justen Filho > A inviabilidade de competição pode ocorrer nas seguintes situações:
1) ausência de alternativas
2) ausência de mercado concorrencial
3) ausência de objetividade na seleção do objeto
4) ausência de definição objetiva da prestação a ser executada.

10) Modalidades de licitação


a) Concorrência
b) Tomada de preços e o registro cadastral
c) Convite
d) Concurso
e) Leilão
f) Pregão
g) Consulta

11) Procedimento
a) Fases da licitação: INTERNA e EXTERNA

- FASE INTERNA:
a) Requisição do objeto;
b) Estimativa do valor;
c) Autorização de despesa > art. 7º, §2º, III e 14 da Lei 8.666/1993 + art. 16 da LRF.
d) Designação da comissão de licitação;
e) Elaboração das minutas do instrumento convocatório e do contrato;
f) Análise jurídica das minutas do instrumento convocatório e do contrato;
g) Outras exigências na fase interna: em determinadas hipóteses, a legislação exige a
adoção de outros atos na fase interna da licitação, por exemplo:
(i) audiência pública (art. 39 da Lei 8.666/1993).
(ii) autorização legislativa: alienação de bens imóveis da Administração (art. 17, I,
da Lei 8.666/1993);
(iii) projeto básico e executivo (art. 7º, I e II da Lei 8.666/1993).

- FASE EXTERNA:
I) Edital
II) Habilitação
- Habilitação jurídica
- Qualificação técnica
- Qualificação econômico-financeira
- Regularidade fiscal e trabalhista
- Cumprimento do disposto no inciso XXXIII do art. 7.º da CRFB
III) Julgamento (tipos de licitação) e classificação
- Critérios Objetivos E Impessoais De Julgamento (Tipos De Licitação):

1) Menor preço

2) Melhor técnica

3) Técnica e preço

4) Maior lance ou oferta

OBS: O tipo de licitação é visualizado na etapa de julgamento da licitação.

IV) Homologação
V) Adjudicação
- Controvérsia sobre a existência de direito subjetivo ou não do licitante vencedor a
contratar com a Administração Pública após a adjudicação do objeto da licitação.

12) Anulação e revogação da licitação

13) Recursos administrativos

14) Cooperativas nas licitações


15) Microempresas e empresas de pequeno porte (LC 123/2006) e o tratamento
diferenciado nas licitações
- Saneamento de falhas na regularidade fiscal e trabalhista
- Empate ficto ou presumido
- Possibilidade de licitações diferenciadas
- Exigências para aplicação do tratamento diferenciado previsto na LC 123/2006
Cédula de crédito microempresarial

16) A participação de consórcios empresariais nas licitações

17) Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC)


- Fontes normativas, objeto e finalidades
- Características principais

- QUESTÕES E JURISPRUDÊNCIA

- Assim, o fato de o servidor estar licenciado não afasta o entendimento segundo o qual não
pode participar de procedimento licitatório a empresa que possuir em seu quadro de pessoal
servidor ou dirigente do órgão contratante ou responsável pela licitação. STJ. 2ª Turma. REsp
1.607.715-AL, Rel. Min. Herman Benjamin, julgado em 7/3/2017 (Info 602).

- EMPRESAS EM PROCESSO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL E PARTICIPAÇÃO EM LICITAÇÕES -


Uma empresa do ramo de soluções de tecnologia, localizada na região norte do país,
com foco comercial dirigido ao setor público, participa efetivamente de processos
licitatórios com a Administração Pública, tendo seu faturamento 100% advindo deste
fim. Ocorre que no ano passado, a empresa, em dificuldades econômico-financeiras,
recorreu à recuperação judicial, tendo seu processamento concedido e posteriormente
homologada essa recuperação. Apesar de estar em dificuldades, a empresa conseguiu
apresentar todas as certidões requeridas pela Lei de Falências (Lei Federal n°
11.101/2005). Com base na situação descrita, levando-se em conta unicamente o
descrito pela Lei de Licitações (Lei Federal n° 8.666/1993), é correto afirmar que: a
Lei de Licitações (Lei Federal n° 8.666/1993) exige, além de outros documentos e
certidões, a apresentação da certidão negativa de falência ou concordata expedida pelo
distribuidor da sede da pessoa jurídica, sobre essa ótica a recuperanda não mais poderá
participar de novos processos licitatórios com a Administração Pública.
OBS: A Lei de Falência (Lei 11.101/05 - art. 52, II) diz, "estando a empresa em Recuperação
Judicial em situação tributária e fiscal regular, está apta a contratar com o poder público".
(Essa regularidade fiscal se comprova através das negativas fiscais exigidas, meramente);
- CONCESSÃO DE DIREITO REAL DE USO > A Lei 8.666/1993 prevê, como modalidades
licitatórias, a concorrência, a tomada de preços, o convite, o concurso e o leilão. Nesse
cenário, assinale a alternativa que apresente a modalidade de licitação cabível para a
concessão de direito real de uso que envolva valor inferior a R$ 80.000,00 (oitenta mil reais)
– CONCORRÊNCIA.

- STF > Consideração como fator de averiguação da proposta mais vantajosa os valores
relativos aos impostos pagos ao ente federativo que realiza a licitação - É inconstitucional o
preceito segundo o qual, na análise de licitações, serão considerados, para averiguação da
proposta mais vantajosa, entre outros itens, os valores relativos aos impostos pagos à
Fazenda Pública daquele Estado-membro. Afronta ao princípio da isonomia, igualdade entre
todos quantos pretendam acesso às contratações da administração. A Constituição do
Brasil proíbe a distinção entre brasileiros. A concessão de vantagem ao licitante que suporta
maior carga tributária no âmbito estadual é incoerente com o preceito constitucional desse
inciso III do art. 19. [ADI 3.070, rel. min. Eros Grau, j. 29-11-2007, P, DJ de 19-12-2007.]