Вы находитесь на странице: 1из 26

Necessitamos de uma verdadeira e autêntica

REVOLUÇÃO DA CONSCIÊNCIA. Esta revolução


está baseada em três fatores: NASCER, MORRER
e SACRIFÍCIO PELA HUMANIDADE.

- Curso de Antropologia Holística 29ª Lição –

A Senda Iniciática
Jorge L. Rodrigues

Paz inverencial.

Chegamos ao final deste curso e esperamos que você tenha gostado e principalmente que tenha
colocado estes ensinamentos em prática. Muito falamos sobre o despertar da Consciência, sobre
a Auto Realização Íntima do Ser e sobre as Leis Eternas e Imutáveis do Universo, no entanto
deixamos para esta última Lição o Ensinamento máximo para você atingir estes seus objetivos,
libertando-se da LEI DE RECORRÊNCIA ou RODA DE SANSARA.

Antes de tudo é necessário que estejamos dispostos a mudar nossa vida, nossa forma de pensar
e de agir. E ninguém poderá fazer este trabalho por nós, a não ser nós mesmos. Esta é a maior
luta do Gnóstico, e a maior prova de fogo que o Iniciado deve triunfar. Caso não estejamos
dispostos a mudanças, todo este estudo se torna inútil, estéril, improdutivo.

Necessitamos de revalorizações interiores e exteriores. Necessitamos de uma verdadeira e


autêntica REVOLUÇÃO DA CONSCIÊNCIA. Esta revolução está baseada em três fatores:
NASCER, MORRER e SACRIFÍCIO PELA HUMANIDADE. Vamos estudá-los, didaticamente, um
por um. Mas antes vamos lhe revelar um pouco sobre a vida e a obra do avatara desta Nova Era
de Luz, Samael Aun Weor, que iluminou nossos caminhos.

“Exatamente, tive que me desenvolver em um planeta muito antigo. Nem


sequer pertencia à antiga Terra-Lua, porque antes de nossa cadeia terrestre
existiu outra. Eu sou de uma cadeia muito mais antiga que este planeta..."

“Trabalhei na FORJA DOS CICLOPES porque ele me orientou. Fabriquei os


CORPOS EXISTENCIAIS DO SER e realizei magníficas transformações,
diríamos, do esperma sagrado, o mercúrio dos sábios. Alcancei, mediante o
mercúrio, cristalizar os corpos, porque é muito certo que o esperma sagrado é
o AZOUGUE bruto e, em ALQUIMIA, ao transmutá-lo, o convertemos em
MERCÚRIO.

“A ENERGIA SEXUAL é o MERCÚRIO, é a alma metálica do esperma. Esse


mercúrio, por sua vez, que é a energia que sobe pelos cordões simpáticos até
o cérebro, é fecundado pelo ENXOFRE, ou seja, O FOGO QUE DESPERTA.
O SAL, em si, é a matéria-prima da GRANDE OBRA..."

Venerável Mestre Samael Aun Weor

SAMAEL AUN WEOR

O Venerável Mestre Samael Aun Weor, realizou inúmeras conferencias em diversas partes do
mundo. E em uma delas ele fala um pouquinho da história de sua Divina Mônada pela eternidade.
Esta conferência foi gravada em fita cassete, pelo qual extraímos os seguintes trechos:
UM PLANETA MUITO ANTIGO

“Exatamente, tive que me desenvolver em um planeta muito antigo. Nem sequer pertencia à
antiga Terra-Lua, porque antes de nossa cadeia terrestre existiu outra. Eu sou de uma cadeia
muito mais antiga que este planeta... (...)

“Neste planeta evolui como evolui todo mundo. Comecei pelo mineral, vegetal, animal, alcancei o
estado humano que outrora perdera, etc., etc., etc. Passei por todas essas fases. Mas, ao chegar
ao estado humano, me assinalaram 108 existências, como sempre é o normal. Durante estas 108
vidas não me interessei por nada, nem mesmo no mais insignificante aspecto ligado à
espiritualidade. Dedicava-me exclusivamente às coisas terrenas, às coisas profanas, deixando de
lado tudo que se ligasse à espiritualidade. Não me interessava até que cheguei à última vida das
108 existências.

SAMAEL É CONDENADO AOS MUNDOS INFERNOS

“Nesta última 108 tive uma vida, uma existência, diríamos, de uma personalidade malvada; uma
mulherzinha baixinha, mas perversa; era a última e, claro, ingressei nos MUNDOS INFERNOS
com este corpo que tinha. Deixei este corpo feminino e entrei nos Mundos Infernos (Tritocosmo).
Involui dentro das entranhas desse planeta. Maldizia e blasfemava, odiava a Divindade. Era um
ser perverso, até que passei pela SEGUNDA MORTE. Desintegrava-me, transformando-me em
pó. Todos os meus EUS iam se convertendo em cascarrões, por fim nada sobrou. Ao terminar
tudo senti desfalecer para sempre, uma grande aniquilação. Logo, me vi convertido em uma
criança inocente. Que aconteceu?

MILHARES DE ANOS DEPOIS A MÔNADA DO MESTRE SE LIBERTA

“A ESSËNCIA, o elemental tornou-se livre dos elementos subjetivos, os elementos subjetivos das
percepções foram desintegrados, reduzidos a poeira cósmica pelas forças centrifugas do planeta.
A ESSÊNCIA se tornou livre, desnuda frente ao Sol. OS DEVAS a examinaram dos pés à cabeça
para verificar se não sobrou algum elemento Indesejável. Quando se convenceram de que não
restava nenhum elemento Indesejável, então, permitiram a saída por portas atômicas. Saí à
superfície daquele planeta. Já livre, à luz do Sol, um Sol hidrogenado que iluminava aquele
planeta daquele Sistema Solar do qual, hoje, nada resta, nem suas lembranças, a não ser nos
REGISTROS AKÁSHICOS, Logo ingressei na evolução do REINO MINERAL. Vi me convertido
em um GNOMO, mas não como já houvera estado antes, agora um gnomo de tipo superior.

“Mais tarde, através dos séculos, obtive o direito de entrar na evolução do REINO VEGETAL,
Novamente fui elemental vegetal, todavia um elemental mais consciente. A seguir, passei aos
estágios do REINO ANIMAL, onde evolui em diferentes criaturas animais. Em minha obra

“AS TRÊS MONTANHAS’, falo quando passei por aquele animalzinho chamado rã. Andava por ai
dando saltos na margem de um rio de águas melodiosas puras. Recordava sim, não havia
esquecido os terríveis sofrimentos do AVERNO e não desejava retornar ao INFERNO jamais,
pelos horrores ali sofridos. Tornei-me amigo dos elementais daquele rio, um grande amigo.
Quando sentia os passos dos humanoides por ali sabia que eram terríveis, que eram maus, e
assim passava o tempo.

“Mais tarde, foi-me dado o direito de entrar em evoluções superiores. Pude ingressar no mundo
de peixes muito Inteligentes que viviam naquele mundo. Preferia ir sempre na retaguarda, não na
vanguarda. Às vezes, surgia um monstro e lembro-me de um muito terrível que devorou todo o
cardume. Eu estava na retaguarda e ele não me alcançou.

“Assim, vivia no fundo dos oceanos como peixe. Mais tarde, ingressei no reino dos anfíbios, que
só saíam a terra para tomar a luz do Sol.
O MESTRE SAMAEL RETORNA AO ESTADO HUMANÓIDE

“Posteriormente, foi-me dado o direito de tomar CORPO HUMANO, Entrei com a promessa de
não retornar ao ABISMO, pois essa imagem estava viva em minha consciência: as torturas do
Abismo, os espantos, os horrores pelos quais havia passado. Logo, Já convertido em um ser
humano, disse: Bom, vou me transformar em um homem, sei que sou humanoide, mas converter-
me-ei em homem. Encontrei ao Guru, meu Guru; ele me instruiu nos mistérios, precisamente nos
Mistérios da Vida e da Morte. Conseguir a chave, o segredo indizível, o GRANDE ARCANO.

“Trabalhei na FORJA DOS CICLOPES porque ele me orientou. Fabriquei os CORPOS


EXISTENCIAIS DO SER e realizei magníficas transformações, diríamos, do esperma sagrado, o
mercúrio dos sábios. Alcancei, mediante o mercúrio, cristalizar os corpos, porque é muito certo
que o esperma sagrado é o AZOUGUE bruto e, em ALQUIMIA, ao transmutá-lo, o convertemos
em MERCÚRIO. “A ENERGIA SEXUAL é o MERCÚRIO, é a alma metálica do esperma. Esse
mercúrio, por sua vez, que é a energia que sobe pelos cordões simpáticos até o cérebro, é
fecundado pelo ENXOFRE, ou seja, O FOGO QUE DESPERTA. O SAL, em si, é a matéria-prima
da GRANDE OBRA. O SAL existe no esperma, nos metais, no ouro e em tudo. Portanto, tem-se
que sublimar o sal também.

SAMAEL CRISTALIZA SEUS CORPOS SOLARES

“Estou descrevendo quando me tornei HOMEM pela primeira vez. Estou falando de um Sistema
Solar muito antigo, quando pela primeira vez alcancei o estado de HOMEM VERDADEIRO. Este
mundo já desapareceu, não restando nem o pó dos séculos, Mediante as operações do
ENXOFRE, do MERCÚRIO sobre o SAL, consegui cristalizá-los no CORPO ASTRAL. Fabriquei
um corpo astral. Em uma oitava mais elevada, esse sal sublimado que serviu de base para as
operações do ENXOFRE e do MERCÚRIO, cristalizou-se no MENTAL. Posteriormente, com essa
mesma base consegui a criação do CAUSAL.

SAMAEL TORNA-SE GOVERNADOR DO PLANETA MARTE

“Tendo os corpos físico, astral, mental e causal pude encarnar os princípios ÉTNICOS
ANÍMICOS, o PNEUMA dos gnósticos. Desta forma, me converti em HOMEM, tendo saído do
estado humanoide. Prossegui trabalhando e alcancei outros estados como ANGÉLICO,
ARCANGÉLICO, etc., etc., etc. Conclusão: converti-me no governador do planeta Marte,
adquirindo os poderes dos céus e dos abismos, toda a sabedoria e todos os poderes universais.

GOVERNADOR DA LUA

Obs: Depois de ser o governador do planeta Marte, Samael se torna o Grão Mestre da Lua
(Selene) quando ela era viva e povoada, onde abrigou sete grandiosas raças. Depois a Lua
morreu e sua alma reencarnou na terra que era um planeta que acabara de nascer com o nome
espiritual de Urândia. Sabemos que atualmente a Lua é um cadáver em decomposição. A única
forma de vida que existe na Lua atualmente são naves extraterrestres que estão nos observando.

“Vocês dirão: Bem, se é assim, porque agora vive aqui entre os terrícolas? Digo-lhes,
sinceramente: depois continuei vivendo em diferentes sistemas solares. Na passada existência
estive na antiga TERRA-LUA. Vivi entre os selenitas. Fundei o Movimento Gnóstico entre eles.
Falei-lhes da mesma forma que estou fazendo com vocês. Os selenitas criaram uma poderosa
civilização e eram muitos. Havia uma religião terrível, pior que a católica. Julgaram-me,
condenaram-me à pena de morte, crucificando-me tal qual estou lhes narrando.

SAMAEL VIVEU NA LEMÚRIA E NA ATLÂNTIDA


“Ao iniciar a aurora deste MAHANVANTARA presente, Integrado com meu DEUS INTERNO,
converti-me no ESPÍRITO VIVENTE do centro de Marte. Meu Senhor Interior Profundo,
compreendendo a necessidade de adquirir qualidades terrícolas que nós não as possuímos por
lá, tais características como as possuídas pelo Conde Saint Germain, Cagliostro, um diplomata,
um político, ELE me mandou para cá a fim de adquirir o que não tinha. Conservava as
características de Inocência e sapiência, todavia sem ter o espírito como os Cagliostro, os Saint
Germain, mestres daqui da Terra. Por este motivo, enviou-me para cá. Fui enviado, mas cometi
um erro, quando ocorreu à revolta dos Anjos da Lemúria. Fui o primeiro a entrar na onda. Na
mesma Lemúria pude me reerguer, obtendo outra vez o ELIXIR DA LONGA VIDA, a PEDRA
FILOSOFAL. Com o corpo Lemuriano vivi na Lemúria e Atlântida. Vi a Lemúria se afundar nos
mares. Vi a civilização atlante se erguer e ser tragada pelo oceano. Tenho todos estes
conhecimentos aqui, podendo falar sobre a Lemúria e Atlântida. Não perdi nenhum
conhecimento. Minha memória está correta.

(Obs: Uma das reencarnações de Samael Aun Weor na Atlântida foi com o nome de ‘Manu
Vaivasvata’ conhecido no Antigo Testamento da Bíblia Sagrada como Noé.)

“Na meseta central da Ásia cometi outro erro. Voltei a lançar a PEDRA FILOSOFAL na água. Tal
fato provocou, outra vez, a queda no dia SÁBADO, então tive que sofrer muito sobre a face da
Terra. Por esta época, estou acabando a PEDRA FILOSOFAL outra vez. Em 78 terei em meu
poder a GEMA PRECIOSA.

“De maneira que, há estas horas, é claro que conheço todos os processos de transmigração das
almas. Se falo de transmigração das almas é porque o vivi e o conheço. Estou ensinando uma
doutrina rechaçada por todos os pseudo-esoteristas e pseudo-ocultistas desta época. Eles não
passaram por estas fases, não viveram as transmigrações das almas. Eles vivem no mundo
distinto de escolas kalkianas. Nestas escolas abundam as personalidades kalkianas que nada
sabem, teorizam em excesso.

“A mim não interessa essas escolinhas pseudo-esotéricas, pseudo-ocultistas. O único que me


Interessa é a ÁGUIA e a SERPENTE; minha ÁGUIA e minha SERPENTE. MINHA ÁGUIA é o
SENHOR INTERIOR PROFUNDO e minha SERPENTE é a DIVINA MÃE KUNDALINI. Estou
estabelecido em ÍSIS há vários anos. Vivo em Ísis, isto é, fui devorado pela Serpente. Sou uma
Serpente que articula, fala, explica. SOU UMA SERPENTE PORQUE FUI TRAGADO POR UMA
SERPENTE. Por isto lhes digo que estou estabelecido em Ísis e o único que me interessa é isto”.
Até aqui as sábias palavras do V.M. Samael Aun Weor.

“A mim não interessa essas escolinhas pseudo-esotéricas,


pseudo-ocultistas. O único que me Interessa é a ÁGUIA e a
SERPENTE; minha ÁGUIA e minha SERPENTE. MINHA
ÁGUIA é o SENHOR INTERIOR PROFUNDO e minha
SERPENTE é a DIVINA MÃE KUNDALINI. Estou estabelecido
em ÍSIS há vários anos. Vivo em Ísis, isto é, fui devorado pela
Serpente. Sou uma Serpente que articula, fala, explica. SOU
UMA SERPENTE PORQUE FUI TRAGADO POR UMA
SERPENTE. Por isto lhes digo que estou estabelecido em Ísis e
o único que me interessa é isto”. V.M. Samael Aun Weor.

SÍNTESE BIOGRÁFICA

O V.M. SAMAEL AUN WEOR teve seu nascimento físico na Colômbia, em 6 de Março de 1917,
com o nome de Víctor Manuel Gómes Rodríguez, sendo Samael Aun Weor o nome de sua
Mônada por toda a eternidade.
Este grande Mestre reencarnou aqui na América, lembrando que somente os deuses
reencarnam, e o restante retornam, justamente porque é aqui que se formou a sexta sub-raça da
nossa raça Ariana, e principalmente para abrir a atual Era de Aquário que se iniciou no dia 4 de
fevereiro de 1962.

O V.M. Samael iniciou sua gigantesca missão na Colômbia, no entanto ao lançar sua primeira
obra Intitulada O MATRIMÓNIO PERFEITO, ele começou a ser perseguido e inclusive acabou
sendo preso devido à profundidade dos ensinamentos que são revelados neste livro. Devido a
esta perseguição que já era esperada por ele, o Mestre Samael mudou-se para o México onde
realizou a Grande Obra.

Os colombianos acumularam um terrível karma negativo por ter perseguido um autêntico Mestre
da Loja Branca. Depois desta perseguição o povo da Colômbia nunca mais teve sossego, e hoje
os conflitos internos daquele país é o castigo imposto pelos juízes do Tribunal do Karma.

A missão do V.M. Samael obteve tanto sucesso que suas obras estão se espalhando por todas
as partes do mundo, e sendo traduzidas nas mais diversas línguas.
De sua obra “AS TRÊS MONTANHAS”, o Venerável Mestre Samael descreve sua biografia de
forma história, mística e esotérica, pelo qual extraímos os seguintes parágrafos:

A INFÂNCIA

“Não será demais afirmar, solenemente, que nasci com enormes inquietudes espirituais. Negá-lo
seria absurdo. Ainda que a muitos pareça algo insólito e Incrível, o fato concreto de que haja
alguém no mundo que possa recordar na íntegra a totalidade de sua vida, incluindo até o seu
próprio nascimento, quero afirmar que sou um deles.

“Depois dos já sabidos processos natalinos, limpo e bem vestido, fui deliciosamente colocado no
leito materno Junto a minha mãe... Certo gigante multo amável aproximou-se daquele sagrado
leito e sorrindo docemente me contemplou. Era meu pai.

“Como quer que ainda não perdi a capacidade de assombro, devo dizer que o que me aconteceu
após pareceu-me maravilhoso. Caminhar pela primeira vez com o corpo que a Mãe Natureza deu
é fora de dúvida um prodígio extraordinário.

“Serenamente, dirigi-me ao velho janelão, de onde se podia ver claramente o colorido conjunto
de pessoas que por aqui e acolá apareciam ou desapareciam na pitoresca viela da minha casa.
Agarrar-me às grades de tão vetusta janela foi para mim à primeira aventura. Felizmente, meu pai
- homem bastante prudente -conjurando com antecipação qualquer perigo, havia colocado uma
tela de arame na balaustrada, a fim de que eu não caísse na rua.

“Certamente, naquela deliciosa idade, amava os encantadores brinquedos com que as crianças
se divertem, mas isto de modo algum interferia com as minhas práticas de meditação. Por esses
primeiros anos de vida, em que se aprende a caminhar, costumava sentar-me ao estilo oriental
para meditar... Então, estudava de forma retrospectiva as minhas reencarnações passadas e, é
ostensível que muita gente dos antigos tempos me visitava. Quando concluía o êxtase inefável e
voltava ao estado normal, comum e ordinário, contemplava com dor os vetustos muros daquela
centenária casa paternal onde, apesar da minha idade, eu parecia um estranho cenobita.

“Quão pequeno me sentia diante daqueles paredões! Chorava..., sim, como choram as
crianças... Lamentava-me: outra vez num corpo físico! Quão dolorosa é a vida! Ai! AI! Ai! ...
Nestes instantes, minha boa mãe sempre acudia com o propósito de me ajudar e ao mesmo
tempo exclamava: a criança tem fome, tem sede, etc., etc., etc.
“Jamais esqueci daqueles momentos em que, alegre, corria pelos ensolarados corredores da
minha casa. Então, ocorriam insólitos casos de metafísica transcendental. Meu pai me chamava
da porta de seu quarto e eu o via em roupas de dormir. Quando tentava me aproximar dele, se
desvanecia, perdendo-se na dimensão desconhecida... Porém, confesso sinceramente que este
tipo de fenômeno psíquico me era bastante familiar. Simplesmente, entrava em seu quarto e, ao
verificar de forma direta que seu corpo jazia adormecido no perfumado leito de caoba, dizia para
mim mesmo: Ah, o que acontece é que a alma de meu pai está fora porque seu corpo carnal
neste momento está dormindo.

“Por aqueles tempos, começava o cinema mudo e muita gente se reunia na praça durante a noite
para se distrair, observando filmes ao ar livre na rudimentar tela: um lençol bem engomado,
esticado entre dois paus, devidamente distanciados...

“Eu tinha em casa um cinema muito diferente. Encerrava-me em um quarto escuro e fixava o
olhar na parede. Após alguns instantes de espontânea e pura concentração, o muro se iluminava
esplendidamente, como se fosse uma tela multidimensional. As paredes desapareciam
definitivamente e em seguida surgia, do espaço infinito, paisagens vivas da grande natureza:
gnomos brincalhões, silfos aéreos, salamandras do fogo ondinas das águas, nereidas do imenso
mar, criaturas felizes que brincavam comigo, seres infinitamente alegres.

“Meu cinema não era mudo nem nele se precisava de Rodolfo Valentino ou da famosa Gatinha
Branca dos tempos idos. Meu cinema era sonoro e todas as criaturas que apareciam em sua tela
espacial cantavam ou falavam no horto puríssimo da divina linguagem original que, como um rio
de ouro, corre sob a selva espessa do sol. Mais tarde, ao se multiplicar a família, convidava os
meus inocentes irmãozinhos e eles compartilhavam comigo desta dita incomparável. Olhavam
serenamente as figuras astrais na extraordinária parede de meu quarto escuro...

“Sempre fui um adorador do Sol e, tanto ao amanhecer como ao anoitecer, subia ao teto de
minha casa (então não se usava terraços). Sentado no estilo oriental, como um yogue infantil
sobre as telhas de barro cozido, contemplava o astro rei em estado de êxtase e assim sumia em
profunda meditação. Bom susto levava minha nobre mãe, vendo-me caminhar sobre a
residência...

“Sempre que o meu velho pai abria a velha porta do guarda-roupa, sentia como se fosse me dar
àquela singular jaqueta ou casaca de cor púrpura na qual luziam dourados botões... Velha prenda
do vestuário cavalheiresco que usara com elegância naquela antiga reencarnação em que me
chamara Simão Bleler. Às vezes, ocorria-me que nesse velho armário também pudessem estar
guardados espadas e floretes daqueles velhos tempos. Não sei se meu pai compreendia.
Pensava que talvez pudesse me entregar objetos dessa existência passada. O ancião olhava-me
e ao invés de tais prendas dava-me um carrinho para que com ele brincasse; brinquedos de
felicidades inocentes em minha infância”.

A ADOLESCÊNCIA

Continuando na obra “AS TRÊS MONTANHAS”, do V.M. Samael Aun Weor, extraímos o
seguinte: “Eu ainda era um rapaz de doze primaveras quando, solicitado por alguém que ansioso
investigava os mistérios do além, me propus também a inquirir, indagar e investigar o inquietante
terreno do espiritismo. Com a consciência de um clérigo na cela, estudei inumeráveis obras
metafísicas. Não será demais citar autores como Luiz Zia Uribe, Camile Flamaríon, Kardec, Leon
Denis, César Lombroso, etc.

“O primeiro Kardec de uma série pareceu-me bastante Interessante, mas tive de relê-lo três
vezes com o ânimo Indiscutível de compreendê-lo Integralmente. Posteriormente, convertido em
um verdadeiro ratão de biblioteca, confesso francamente e sem rodeios que me apaixonei pelo
‘LIVRO DOS ESPÍRITOS’ antes de prosseguir com outros volumes de substancial conteúdo. Com
a mente fechada para qualquer outra coisa que não fosse o estudo, permanecia longas horas
dentro de casa ou na biblioteca pública, anelando evidentemente encontrar o caminho secreto.
Agora, sem me presumir de sábio, sem querer me vangloriar, daremos a conhecer, neste
capítulo, o resultado das minhas investigações no terreno espírita.

“Qualquer Mestre de Samadhi pode evidenciar, em estado de êxtase, o seguinte: aquilo que se
manifesta através dos médiuns espíritas certamente não é a alma nem o espírito dos mortos, e
sim seus eus-diabos, os agregados psíquicos que continuam além da sepultura. Foi-nos dito com
muita ênfase que os médiuns espíritas continuam possessos do demônio ou dos demônios
durante os estados post-mortem. É claro que depois de algum tempo terminam se divorciando do
seu próprio Ser Divino e ingressam na involução submersa dos mundos infernais”.

ESTUDOS TEOSÓFICOS E YOGA

“Sem ufanar-me de modo algum com tão singulares e múltiplas inquietudes filosóficas e
metafísicas, confesso com toda sinceridade que ainda não tinha chegado às 16 primaveras de
minha atual existência quando já me encontrava embutido em muitas matérias de escorregadio
conteúdo. Com ânsias infinitas, propus-me a analisar detalhadamente os problemas do espírito a
luz da ciência moderna.

“Muito interessantes pareceram-me, por aquela época, os experimentes científicos dó físico


inglês Willian Crookes, insigne descobridor da matéria em estado radiante, e de Talio, ilustre
membro da Real Sociedade Britânica. Pareceram-me sensacionais as famosas materializações
do espectro de Katie Kíng em pleno laboratório, tema exposto por Crookes em sua ‘MEDIDA DA
FORÇA PSIQUICA’.

“Excelentes, excepcionais, maravilhosos me pareceram muitos temas sagrados da antiguidade,


tais como: a serpente do paraíso, a burra de Bailão, as palavras da esfinge, as vozes misteriosas
das estátuas de Menão ao romper do dia, o terrível MENE TECEL PHARES do festim de
Baltasar, o serafim de Theram, pai de Abraão, os oráculos de Delfos, os Betilos ou pedras
falantes do destino, os menhires oscilantes e mágicos dos druidas, as vozes enigmáticas de
todos os sacrifícios sangrentos da necromancia, autêntica origem de toda a tragédia clássica,
cujas revelações indiscretas em Prometeu, tias Cáforas e nas Eumênides custaram a vida do
iniciado Ésquilo, as palavras de Tirésias, o adivinho evocado por Ulisses na Odisséia à margem
da cova cheia com o sangue do cordeiro negro propiciatório, as vozes secretas que Alarico ouvia
e que lhe ordenavam destruir a Roma pecadora, as vozes que a donzela de Orleans escutava
mandando-a exterminar os ingleses, etc.

“Instrui do pela determinação particular e sem ter jamais ensaiado oratória para falar em público,
aos 17 anos de Idade proferia conferências na Sociedade Teosófica. Recebi o diploma de teósofo
das mãos de Jinarajadasa, ilustre presidente daquela augusta sociedade que, em boa hora,
conheci pessoalmente.

“Seguro de mim mesmo, do meu caráter, estava então multo bem informado sobre as estranhas
e misteriosas batidas de Rochester e sobre os clássicos fenômenos psíquicos da granja dos
Eddy, onde nasceu a própria Sociedade Teosófica. Tinha acumulado muitos dados relacionados
com aqueles trípodes evocadores das pitonisas dos tempos antigos, sabia das casas mal-
assombradas, das aparições post-mortem e conhecia a fundo os fenômenos telepáticos. Com
tantos dados metafísicos acumulados em minha pobre mente, tinha me convertido em um
exigente erudito. No entanto, quis sinceramente formar o coração com o bom critério teosofista.
Por isso, engulosei-me com as obras que achei na rica biblioteca. (...)

“Esgotados os estudos teóricos de Teosofia, pratiquei intensamente a Raja-Yoga, a Bhakty-


Yoga, a Jnana-Yoga, a Karma-Yoga, etc. Múltiplos benefício psíquico obtive com as práticas de
Yoga preconizadas por essa veneranda Instituição.
ESTUDOS ROSACRUZES

Continua a narração do V.M. Samael Aun Weor, na obra já mencionada:


“Já era um adolescente de 18 primaveras, no caminho da minha atual reencarnação, quando me
foi concedida à alta honra de ingressar na Escola Rosa-Cruz Antiga, instituição benemérita em
boa hora fundada pelo excelentíssimo senhor Dr. Amoldo Krumm-Heller, coronel-médico do
glorioso Exército Mexicano, Ilustre veterano da Revolução Mexicana, Insigne catedrático da
Universidade de Medicina de Berlim, na Alemanha, notável cientista e extraordinário poliglota.

“Como um rapaz impetuoso, apresentei-me com certa altivez naquela aula Luci, então dirigida por
um ilustre cavalheiro de esclarecida inteligência. Sem me encompridar muito, confesso
francamente e sem rodeios que comecei discutindo e terminei estudando. Apoiar-me na parede,
afastar-me para um canto da sala, extasiar-me desorientado, depois de tudo pareceu-me o
melhor.

“Folgo em dizer com eloquência e sem muita prosopopeia que, empapado de muitas teorias
intrincadas e de escorregadio conteúdo, apenas anelava com ânsias infinitas encontrar meu
antigo caminho, a Senda do Fio da Navalha. Excluindo cuidadosamente todo o pseudo-pietismo e
o palavrório vão e sem substância da conversa ambígua, resolvi definitivamente combinar a teoria
e a prática. Sem prostituir a Inteligência ao ouro, preferi prosternar-me humildemente diante do
Demiurgo Criador do Universo.

“Nas magníficas obras de Krumm-Heller, Max Heindel, Hartmann, Eliphas Levi, Steiner, etc., eu
encontrei gozoso um riquíssimo e inesgotável manancial de esplendores deliciosos. Sem
verborreia alguma, seriamente, sinceramente, declaro enfaticamente que por aquela época da
minha atual existência, estudei ordenadamente toda a biblioteca rosacrucianista.

“Eu sofria espantosamente e clamava na solidão invocando aos Santos Mestres da Grande Loja
Branca. O grande Kabir Jesus disse: Batei e se vos abrirá, pedi e se vos dará, busca! e achareis.
Em nome disso que é o real, declaro que, cumprindo com os ensinamentos do Evangelho Cristão,
pedi e me foi dado, bati e me foi aberto, busquei e encontrei.

“Tratando-se de estudos tão longos e complexos como são os estudos rosacruzes, é


inquestionável que o ternário de modo algum caberia dentro do pequeno tamanho do presente
capítulo, por isso me limitarei a sintetizar e concluir.

CHACRAS

“Chacra Frontal: desenvolve-se com a entoação da vogal I, assim: IIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII... Faculdade:


clarividência.

“Chacra da Laringe: desenvolve-se quando se canta a vogal E, assim:


EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE... Faculdade: ouvido mágico.

“Chacra Cardíaco: desenvolve-se ao vocalizar-se a vogal O,


assim:OOOOOOOOOOOOOOOOOOOO... Faculdade: intuição e desdobramento.

“Chacra do Umbigo: desenvolve-se com a entoação da vogal U, assim:


UUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUU... Faculdade: telepatia.

“Chacra dos Pulmões: desenvolve-se quando se canta a letra A, assim:


AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA... Faculdade: recordar vidas passadas.
“I,E,O,U e A é a ordem das vogais. Com estas letras são formados todos os mantras. Dizia o Dr.
Krumm Heller que uma hora diária de vocalização é melhor do que ler um milhão de livros de
pseudo-esoterismo ou pseudo-ocultismo. (...)

“Pouco antes de retirar-me daquela benemérita instituição, aquele professor assim falou: Que
nenhum dos aqui presentes se atreva a se auto classificar de rosacruz, porque nós somos
apenas simples aspirantes a rosacruz. E acrescentou com grande solenidade: Rosa-cruzes? ...
Um Buda, um Jesus, um Mória, etc.”

CIÊNCIA JINAS

“A Jana, Yana, Gnaria ou Gnose não é senão a ciência de Jano, ou seja, a ciência do
conhecimento iniciático, a ciência de Enoichion ou do vidente. As variantes de seu nome são
tantas e há em cada idioma uma, tais como Jan, Chan ou Kan, Dam, Dzan, D’Jan, Jain, Jían,
Loan, Kwan Swan, Thanos, Thoan, Choan, etc. Todas equivalentes à mais sublime concepção de
um Espírito Planetário - o regente de Saturno - uma nazada, um kabir no sentido mais completo
da palavra.

“Para mim, a ciência Jinas não é opinião e sim verdade assentada. Se quereis que vos demonstre
com a experiência viva, escutai com paciência o seguinte relato:

“Trinta vezes já tinha visto cair às folhas do outono em minha presente reencarnação, quando tive
de trabalhar consciente e positivamente com a doutrina dos Jinas ou de Jano. Uma noite
maravilhosa, minha esposa-sacerdotisa Litelantes fez-me um convite sublime...

“Encontrava-me repousando no tálamo nupcial, com o corpo relaxado, boca para cima, em
decúbito dorsal. Devo esclarecer com certa solenidade e para o bem da Grande Causa que
nesses instantes me achava em estado de alerta novidade, alerta percepção. Dormitava atento e
vigilante como a sentinela em época de guerra. Obviamente, anelava com sede infinita algo
extraordinário.

“Depois de conhecidas as invocações de rigor, senti como se outro ser humano pousasse sobre o
meu relaxado corpo, exatamente sobre aquelas cobertas ou cobertores que deliciosamente me
protegiam do frio da noite. Era Litelantes...

“Eu a reconheci pela voz, quando de forma veemente chamou-me pelo nome de Pua. Vamos!
Vamos! - disse -Vamos! E eu, que com ânsia infinita sempre aguardara este momento,
pressuroso me levantei do leito.

“Resulta palmário e evidente que, ao assim me levantar, devidamente ajudado, atravessei de fato
a barreira da velocidade da luz, ‘ficando de pé Junto ao leito de penitente e anacoreta com o
corpo físico submerso na quarta dimensão. Qualquer gnóstico sincero pode fazer o mesmo desde
que, nos instantes de começar a dormir, se concentre intensamente em sua Divina Mãe Natura
Particular e Individual...

“Uma fórmula mágica muito especial é a que segue: “Creio em Deus. Creio em minha Mãe
Natureza e Creio na Magia Branca. Minha Mãe leva-me com meu corpo. Amém.

“Reza-se esta oração milhares de vezes nos instantes de querer dormir, porém convém não
esquecer aquele ditado popular que diz: a Deus rogando e com o malho dando.

“Ligeiramente adormecidos, levantem-se do leito suplicando. Em seguida, saltem com a intenção


de flutuar no ambiente circundante. Tenham fé do tamanho de um grão de mostarda e moverão
montanhas. Se não conseguirem flutuar, metam-se novamente na cama e repitam o experimento.
Muitos triunfam de imediato, outros levam meses e até anos inteiros para conseguir sua entrada
nos paraísos Jinas.

“Depois desta pequena e importante digressão de tipo indicativo, continuemos com o relato.

“Saí do meu quarto com passo firme e decidido. Atravessei um pequeno pátio e me dirigi à rua.
Cedendo-me a passagem com muita reverência, certo grupo de damas anciãs inclinou-se
reverente diante de minha insignificante pessoa que nada vale. Agradeci a especial reverência.

“Saí da cidade seguido de perto por aquele grupo de gente Jinas e me dirigi para as montanhas
vizinhas. Senti como se tivesse afundado em um remoto passado sublunar, antiquíssimo.
Compreendi que tinha entrado no cosmos inferior...

“Flutuando no ambiente circundante da quarta vertical, acompanhado de Litelantes e de toda


comitiva de gentes Jinas, atravessei o borrascoso oceano e cheguei a certo lugar secreto da
velha Europa. Entrei valente em certo castelo onde tive de contemplar com assombro um
estranho símbolo sob o qual havia um crucifixo.

“O regresso à minha casa foi relativamente fácil, pois é lei da quarta dimensão que tudo volte ao
seu ponto de partida original. Litelantes e eu comentamos alegremente tudo isto. Obviamente,
tínhamos conseguido um triunfo maravilhoso.

“Dias depois, continuamos com os experimentos, e aprendi a colocar o corpo físico no cosmos
superior... Hoje, por experiência direta, sabemos que com a ajuda da Divina Mãe Kundalini
podemos pôr o corpo físico em estado de Jinas para viajar pelo cosmos superior”.

A SENDA INICIÁTICA

O V.M. Samael Aun Weor, na pessoa de Víctor Manuel Gómes Rodríguez, reencontra sua
sacerdotisa com o nome espiritual de Venerável Mestre Litelantes, sendo o nome físico de Sra.
Arnalda Garro de Gómes.
Em matrimónio perfeito os Mestres Samael e Litelantes se Iniciam na prática da Alta Magia, da
forma que foi ensinada neste curso onde cristalizam seus Corpos Solares com 100% de
consciência.

O V.M. Samael teve sua infância, adolescência e parte da juventude, na Colômbia. A seguir,
mudou-se para a República do México, onde terminou de realizar sua grande missão em meio as
terras sagradas dos Maias. Fundou várias instituições filantrópicas, culturais, antropológicas e,
inclusive, lançou bases para um partido político no México.

Contínua o V. M. Samael Aun Weor a relatar, em sua obra “AS TRÊS MONTANHAS”, sua vida
Iniciática:

“Aqueles que já passaram para a outra margem sabem muito bem o que são as rigorosas
ordálias da Iniciação... Separar-se do monstro das mil caras, a humanidade, para auxiliá-la de
forma eficiente não é um delito.

“Trinta anos de idade tinha quando fui submetido a terríveis e espantosas provas... O que vi e o
que me aconteceu bem vale a pena relatar. Foi na noite do mistério que senti perto de mim o
rugido do furacão e compreendi.

“Meu Guru conduz-me pela mão ao interior da Igreja Gnóstica... O Mahatma toma assento e
depois convida para sentar-me ao seu lado; Impossível não aceitar tão esplêndido convite. O
diálogo que se travou após, entre Mestre e discípulo, certamente foi extraordinário.
“Aqui na Igreja Gnóstica - disse o Hierofante solenemente - só podes estar casado com uma
única mulher, com duas não. Há algum tempo, tu destes vãs esperanças a certa dama, quem, por
este motivo, apesar do tempo e da distância, ainda continua a te esperar. Obviamente, de forma
inconsciente, estás a lhe fazer um grande mal, pois ela, te aguardando, vive em uma cidade na
mais completa miséria. Essa dama bem que poderia voltar ao seio de sua família no campo.
Assim, seus problemas econômicos estariam resolvidos.

“Atônito, perplexo, ao escutar tais palavras abracei o meu Guru, agradecendo infinitamente seus
conselhos. Mestre - disse-lhe - que poderia você me dizer agora sobre a minha esposa
Litelantes?

“Ela sim, serve para a Magia Sexual, para a Sahaja Maithuna. Com esta Dama-Adepto podes
trabalhar na Nona Esfera, o sexo.

“Oh Guru! O que eu anseio infinitamente é o despertar do Kundalini e a união com o Intimo.
Custe-me o que custar... Mas, que disseste, oh discípulo, custe o que custar? Sim Mestre, foi isso
que disse...

“Esta noite aqui se pagou a alguém e depois se lhe confiou a tarefa de ajudar-te no despertar do
Kundalini. Passaste pela prova DIRENE, exclamou o Hierofante. Depois, pondo em minha cabeça
um turbante de imaculada brancura, com um botão de ouro na frente disse: Vamos ao altar... (...)

“De manhã, bem cedo, escrevi à nobre dama que sofria na remota cidade e que me esperava...
Eu a aconselhei com infinita doçura a que voltasse para a terra de seus parentes e que se
esquecesse da minha insignificante pessoa que nada vale...

1a.INICIAÇÃO DO FOGO

“Eu aguardei com ansiedade infinita o dia e a hora da Iniciação. Tratava-se de um sacratíssimo
dia 27... Queria uma Iniciação como aquela que o Comandante Montenegro recebera no templo
de Chapultepec, ou como aquela outra que Ginés de Lara - o Deva reencarnado - tivera naquele
Sancta Sanctorum ou Adytia dos Cavaleiros Templários, na extraordinária noite de um eclipse
lunar. Porém, meu caso foi bem diferente e ainda que pareça incrível, na noite da iniciação me
senti frustrado. “Repousando com infinita angústia em meu duro leito, dentro de uma humilde
choupana, às margens do mar, passei velando toda a noite, aguardando inutilmente... (...)

“Ao sair do sol, qual bota de fogo que parecia brotar do tempestuoso oceano, Litelantes despertou
e me disse: Lembra-te da festa que fizeram lá em cima? Recebeste a Iniciação... Como? Mas o
que você está dizendo? Festa? Iniciação? Qual? A única coisa que sei é que passei uma noite
mais amarga que o fel.

“Acabrunhado com tais perguntas, interroguei Litelantes: Que me disse o Grande Ser? Ele te
advertiu de que hoje em diante terás dupla responsabilidade pelos ensinamentos que darás ao
mundo... Ademais - continuou Litelantes - te vestiu com a túnica de linho branco dos Adeptos da
Fraternidade Oculta e te entregou a espada flamejante...

“Ah! Agora entendo! Enquanto eu passava por tantas amarguras em meu leito de penitente e
anacoreta, meu Real Ser Interno recebia a Iniciação Cósmica... Valha-me Deus e Santa Maria!
Mas, o que se passa? Por que estou tão lento? Tenho um pouco de fome... pareceu-me que é
hora de nos levantar para o desjejum...

2a. INICIAÇÃO DO FOGO

“Quando o 2o. grau de poder do fogo chegou à altura da laringe criadora, fui jogado no cárcere. A
ata de acusação dizia textualmente o seguinte: Este senhor; além de cometer o delito de curar os
enfermos, é também autor de um livro intitulado O MATRIMÔNIO PERFEITO, o qual é um
atentado contra a moral pública e os bons costumes dos cidadãos.

“Foi, portanto, no horrível calabouço de urna velha prisão sul-americana que tive de passar pela
clássica cerimônia da decapitação... Então, ao pé de urna velha torre, vi minha Divina Mãe
Kundalini, com a espada flamígera na mão direita, decapitando a uma criatura. Ah entendo! -
exclamei nas pavorosas trevas do horrível calabouço. Depois, entrei nesse estado delicioso que
na alta Yoga se conhece como Nirvi-Kalpa-Samadhi.

“Fora deste outro calabouço que se chama corpo físico, extasiado, experimentei em mim mesmo
a grande realidade interior. profunda... Ela, minha Mônada, entrou em mim, em minha alma.
Transfigurei-me totalmente, e mesmo assim, com plena lucidez, me vi integralmente.

“Ele é o quinto dos sete Espíritos diante do Trono e eu sou o seu Bodhisatva. Isto lembra-me
aquela frase de Maomé: Ãlá é Alá e Maomé seu profeta.

“Dias depois, o segundo grau de poder do fogo fazia contato direto com o átomo do Pai, situado
no campo magnético do nariz. Então, em visão noturna, vi a Estrela Flamígera com o Olho do
Deus no centro. A pentalfa resplandecente desprendeu-se do Cristo Sol para brilhar sobre a
minha cabeça...

“O festival cósmico da noite da Iniciação foi extraordinário. Do umbral do templo, vi meu Real Ser
- o íntimo - crucificado na cruz no fundo sacratíssimo do santuário e diante dos irmãos da
Fraternidade Oculta. Enquanto Ele recebia a Iniciação no vestíbulo do templo, eu acertava contas
com os Senhores do Karma...

3a. INICIAÇÃO DO FOGO

“Não será demais dizer aos meus leitores muito amados, que o Grande Ser, depois de outorgar-
me o pedido, ditou especial providência para me auxiliar. Disto poderão recolher que me foi dado
um especialista no terceiro grau de poder do fogo.

“Aquele Guru Deva cumpriu sua missão dirigindo a terceira serpente Ígnea pelo canal medular do
corpo astral. Litelantes e minha Insignificante pessoa que nada vale percebíamos, com o sexto
sentido, o especialista astral que durante a cópula metafísica nos auxiliava.

“O despertar do fogo no corpo astral é sempre anunciado com um terrível relâmpago na noite.
‘Originalmente, o terceiro grau de poder do fogo em tão precioso veículo, possuí uma imaculada e
formosa cor branca. Mais tarde, apresenta-se brilhando na aura do universo com uma belíssima
cor ouro.

“Confesso francamente e sem rodeios que durante o trabalho esotérico com o terceiro grau de
poder do fogo, tive de viver de forma simbólica todo o drama cósmico. Alguém que não é mais
que um vil gusano que se arrasta no lodo da terra sente-se de fato comovido quando, de repente
e sem merecê-lo, se vê convertido no personagem central de tal drama, ainda que isto seja
meramente simbólico

. “Diferentemente das duas serpentes anteriores, o terceiro grau de poder do fogo, depois de
tocar o átomo do Pai no campo magnético da raiz do nariz, prossegue sua marcha até o coração.
Entre o campo magnético da raiz do nariz e o coração existem vias secretas, nadis ou canais
maravilhosos.

“Certo caminho secreto liga a raiz do nariz com o chacra capital que, do centro do cérebro,
controla o Cárdias. Por essa via circula o fogo. Mais tarde, ele prossegue seu caminho até o
coração, circulando misteriosamente pelo Anahata Nadi.
4a. INICIAÇÃO DO FOGO

"Levantar a quarta serpente ao longo do canal medular do corpo mental, de vértebra em vértebra,
de chacra em chacra, é certamente algo lento e espantosamente difícil.

“Antes de que a chama de ouro possa arder com luz serena, a lâmpada deve estar bem cuidada
e em lugar livre de todo vento. Os pensamentos terrenos devem cair mortos diante das portas do
templo. A mente que é escrava dos sentidos toma a alma tão inválida quanto um bote que o vento
extravia sobre as águas.

“Assombrado, percebi os múltiplos esplendores da maravilhosa pentalfa sobre os candelabros


sacratíssimos do templo. Atravessei ditoso o umbral do santuário. Meus pensamentos flamejavam
ardentemente.

“Compreendi claramente que durante o trabalho na Nona Esfera tinha de separar


cuidadosamente o fumo das chamas. O fumo é horror, bestialidade, trevas. A chama é luz, amor,
castidade transcendente. Qualquer impacto exterior dá origem a reações ondulatórias na mente,
as quais em si mesmas têm o seu núcleo básico rio Ego, no Eu, no Mim Mesmo. Exercer absoluto
controle sobre essas reações mentais é, de fato, indispensável.

“Precisamos nos tornar indiferentes diante do elogio e da ofensa, diante do triunfo e da derrota.
Sorrir diante dos que insultam, beijar o látego do verdugo; tudo isto é indispensável. Lembrem-se
de que as palavras que ferem não têm valor algum além daquele que lhes atribui o ofendido.
Quando não damos valor algum às palavras dos que Insultam, estas ficam como um cheque sem
fundos.

“O Guardião do Umbral no mundo da mente está personificado pelo Ego, pelo Eu. Enfrentar com
heroísmo a terrível prova, vencer realmente o irmão terrível - como se o denomina na Maçonaria
oculta - é indispensável na quarta Iniciação do Fogo.

“Sem temor algum, com presteza, desembainhei a flamejante espada. O que aconteceu foi
extraordinário. A larva do umbral fugiu apavorada. É ostensível que tal prova vem sempre depois
que as asas ígneas foram abertas.

“Eis uma tremenda verdade: quando o fogo sagrado, subindo, chega à altura do coração, sempre
se abrem as radiantes asas angélicas. Estas ardentes asas permitem que entremos
instantaneamente em qualquer departamento do Reino. (...)

5a. INICIAÇÃO DO FOGO

“Porém, voltemos ao meu caso pessoal para nos aproximarmos um pouco mais da finalidade
deste capitulo. Em nome da verdade, quero declarar com clareza que eu nasci com os quatro
corpos: físico, astral, mental e causal.

“Restaurar o poder do fogo em cada corpo, recapitular Iniciações, foi para mim indispensável,
urgente, improrrogável. Depois das quatro iniciações anteriores, tive de repassar pacientemente a
quinta Iniciação do Fogo. Ao termo repassar, quero dar, nestas linhas, um significado intrínseco,
transcendente e transcendental.

“Como quer que em vidas anteriores já tinha passado pelas cósmicas iniciações do Fogo, agora
só precisava repassá-las. Quando pedi ao Logos do Sistema Solar de Ors permissão para
ingressar nos mistérios da quinta iniciação, foi-me dada a seguinte resposta: Tu não precisas
permissão para entrar na Iniciação, tens todo o direito de fazê-la.
“O bendito confiou, então, a um nobre especialista do mundo causal a missão de assistir-me e
ajudar-me. O citado especialista teve de conduzir inteligentemente o fogo sagrado pelo canal
medular do corpo causal ou corpo da vontade consciente.

“O despertar da quinta serpente ígnea dos mágicos poderes no chacra Muladhara, no cóccix, foi
celebrado no templo com uma grande festa. A subida do Kundalini de vértebra em vértebra, de
chacra em chacra, ao longo da espinha dorsal do corpo causal, realizou-se lentamente, de acordo
com os méritos do coração. Como quer que nasci desperto e como gozo disso que poderíamos
chamar de CONSCIÊNCIA OBJETIVA ou CONHECIMENTO OBJETIVO, foi fácil para mim trazer
as recordações do mundo causal ao cérebro físico. (,..)

‘Entrar no Templo da Música das Esferas em tal região cósmica foi certamente uma das minhas
maiores alegrias. No umbral desse templo, o guardião ensinou-me uma das saudações secretas
da Fraternidade Oculta. O rosto daquele guardião parecia um relâmpago. Quando esse homem
viveu aqui neste mundo chamou-se Beethoven.

“No mundo causal, encontrei muitos Boddhisattwas trabalhando intensamente pela humanidade.
Esses homens causais desenvolvem-se maravilhosamente, cada um sob a direção de seu Deus
Interno. Somente o homem causal conseguiu definitivamente a imortalidade. Esses seres estão
além do bem e do mal. (...)

“Mais tarde, fui visitado por Ísis, a quem nenhum mortal levantou o véu, minha Divina Mãe
Kundalini. Eu a interroguei imediatamente sobre resultados: Oh, minha Mãe, então já tenho as
cinco serpentes levantadas? Sim, meu filho! Agora, quero que me ajudes a levantar a sexta e a
sétima serpentes. Essas, já as levantastes! Nestes instantes, surgiu a perfeita recordação de mim
mesmo. Ah, eu sou um antigo Mestre, estava caído... agora me lembro. Sim, meu filho, és um
Mestre”. Todos os textos anteriores foram extraídos da obra “AS TRÊS MONTANHAS”. Aos
estudantes que quiserem se aprofundar em sua Biografia aconselhamos estudar este seu livro.

O AVATARA DA ATUAL ERA DE AQUÁRIO

A seguir, transcreveremos, de uma fita cassete, uma entrevista entre o V.M. Samael Aun Weor e
um discípulo:

“P: Afirma-se que você é o Avatara da Nova Era de Aquário. Gostaríamos de saber o que
significam esses nomes: KALKI, BUDDHA, MAITREYA, ou seja, Buddha Maitreya Kalki Avatara
da Nova Era de Aquário. Essa frase está em todos os seus livros, mas muitos leitores
desconhecem por completo esses termos. Poderia dar uma resposta concreta?

“R: Com muito gosto darei a resposta ao nosso irmão missionário gnóstico internacional. “KALKI
AVATARA é, certamente, o Avatara para a idade de Kali Yuga na Era de Aquário. A palavra
AVATARA significa MENSAGEIRO. Inquestionavelmente, entende-se por mensageiro aquele que
entrega uma mensagem. Correspondeu a mim entregar tal mensagem, por ordem da LOJA
BRANCA. Mensageiro, em sânscrito, se chama Avatara.

“Um mensageiro ou Avatara é, em síntese, um recadeiro, um homem que entrega um recado, um


servidor, um servo da Grande Obra do Pai. Que estas palavras não criem nenhum equívoco,
estando especificada com toda clareza. Sou um criado, servente ou mensageiro, estando
entregando uma mensagem. Alguma vez eu dizia que sou um encarregado de uma CARGA
CÔSMICA, visto que estou entregando-a.

“Meus caros leitores, a palavra AVATARA não deve nos conduzir jamais ao orgulho, uma vez que
somente significa isto, e nada mais que isto: RECADEIRO, CRIADO, MENSAGEIRO, um
SERVENTE que simplesmente entrega uma mensagem, e isto é tudo.
“Quanto ao termo BUDDHA MAITREYA é necessário analisá-lo um pouco, a fim de não cairmos
em erro. O BUDDHA INTIMO é, diríamos, o REAL SER INTERIOR de cada um de nós. Quando o
Real Ser Interno de alguém conseguiu propriamente sua AUTO-REALIZAÇÃO INTIMA é
declarado BUDDHA. O termo MAITREYA é individual e coletivo. Do ponto de vista individual
representa a um Mestre chamado Maitreya. Do ponto de vista coletivo, entende-se por Buddha
Maitreya, no sentido mais completo da palavra, qualquer Iniciado que obteve a CRISTIFICAÇÃO”.

A MENSAGEM

O diálogo prossegue com a seguinte pergunta:

“P: Em que consiste essa mensagem que você veio entregar à humanidade?

“R: Certamente, trata-se de uma mensagem específica para a NOVA ERA DE AQUÁRIO. Uma
mensagem completamente revolucionária, muito diferente de tudo que foi ensinado em séculos
passados e, sem dúvida, indispensável para a Nova Era de Aquário, que por estes tempos está
se iniciando, em meio ao augusto trovejar do pensamento. A diferença de antigos ciclos,
diríamos, zodiacais, é o fato de que o ciclo de Aquário nos conduz a profundas reflexões.

“As Escrituras de todos os tempos citam a um grande cataclisma que se aproxima. Isto não é
ignorado por quem estudou a Bíblia a fundo. Moisés, no Gênesis, menciona ao DILÚVIO
UNIVERSAL e o Apocalipse de São João fala da água ardente do enxofre na SEGUNDA
MORTE. A Bíblia inicia com a água e termina com o fogo. A água e o fogo se debatem
mutuamente. A humanidade que não sucumba com a água perecerá pelo fogo. Já sabemos que
nos antigos tempos pereceu pela água, em meio à segunda catástrofe transapalniana, que
modificou totalmente a fisionomia do nosso globo terrestre. A presente humanidade será
destruída pelo fogo e terremotos. Assim está escrito.

“O cataclisma final não está distante. Podemos assegurar que estamos às portas de tal
acontecimento terrível. Da mesma forma, os habitantes da Atlântida não acreditaram. Eles não
aceitaram jamais que estavam às portas da submersão daquele continente, quando o MANU
VAIVASVATA, o mesmo Noé bíblico, alertava sobre a grande catástrofe que se aproximava. Da
mesma forma ocorre por estes tempos. As pessoas comem, dormem, divertem-se, degeneram-se
cada vez mais, sem se dar conta que dentro de pouco já serão cadáveres.

“Assim como Noé que, já disse, é o mesmo Manu Vaivasvata, houve um povo seleto, isto é, o
EXÉRCITO DA SALVAÇÃO MUNDIAL, que escutou e seguiu os ensinamentos daquele Manu
Avatara.

“Foram salvos de perecer entre as águas e puderam abandonar aquele território antes da
submersão definitiva. O grupo seleto pôde entrar são e salvo no coração da Ásia. Da mesma
forma, agora, está se formando o EXÉRCITO e, é óbvio, que sobre mim pesa a maior
responsabilidade.

“Em seu momento, hora e dia indicados, haverá um novo êxodo. O povo seleto, este Exército de
Salvação Mundial que segue meus ensinamentos, estará formado pelos distintos e seletos desta
Raça Ária. É óbvio que tal Exército, que tal povo, será salvo secretamente. Esse é, exatamente, o
objetivo primordial de meu trabalho como AVATARA. Essa é, exatamente, a missão que nos foi
encomendada nestes tempos do fim. Escutar a mensagem e vivê-la é o mais indicado. AQUELES
QUE QUISEREM SER SALVOS DEVEM OUVIR E VIVER ESTA MENSAGEM.

“Meu Real Ser Interior Profundo é o Manu da sexta raça raiz. Portanto, estamos formando, nestes
momentos, o núcleo humano que servirá para a formação desta futura grande raça.”

A TRANSIÇÃO DO V.M. SAMAEL AUN WEOR


O V.M. Samael Aun Weor desencarnou no dia 24 de Dezembro de 1977, às 19:55, na Cidade do
México-DF.
O exemplo do Venerável Mestre Samael Aun Weor e de suas obras são totalmente direcionadas
para esta Nova Era de Luz. A Bíblia diz que conhecemos a árvore pelos seus frutos. Desta forma
vemos claramente a autenticidade dos ensinamentos de Samael, pois os frutos que colhemos em
suas obras são de extraordinária clareza, desvenda os segredos seculares que ficaram
guardados nas velhas pirâmides, nos monólitos, papiros egípcios, nas Escolas Iniciáticas antigas,
nos enigmáticos aforismos dos alquimistas medievais, etc.

Seus ensinamentos abrangem várias áreas do conhecimento universal dentro da Ciência, Arte
Filosofia e Mística, formando desta forma os Quatro Pilares da Sabedoria.
O V.M. Samael escreveu mais de 140 publicações, destacando-se 60 livros fundamentais, além
de realizar centenas de conferências em vários países, correspondências, entrevistas em
diversos programas de televisão e rádios divulgando a doutrina Gnóstica.
Suas últimas palavras foram: “AGUARDEM-ME PORQUE RETORNAREI!”

OS TRÊS FATORES DA REVOLUÇÃO DA CONSCIENCIA

Necessitamos de revalorizações interiores e exteriores. Necessitamos de uma verdadeira e


autêntica REVOLUÇÃO DA CONSCIÊNCIA. Esta revolução está baseada em três fatores:
NASCER, MORRER e SACRIFÍCIO PELA HUMANIDADE. Vamos estudá-los agora
didaticamente, um por um.

O Venerável Mestre Samael Aun Weor, numa de suas inumeráveis conferências, intitulada LOS
TRES FACTORES DE LA REVOLUCION DE LA CONCIENCIA, realizada em vários países da
América do Sul, Central e do Norte, disse o seguinte:

PRIMEIRO FATOR: NASCER

“Comecemos com o primeiro fator: NASCER. Certamente, o homem é um ser não realizado.
Todas as criaturas nascem completas, menos o ser humano. Um cão nasce como cão e como tal
está completo. Uma águia nasce como águia, dispõe de grandes asas e uma visão maravilhosa
que lhe permite caçar até as serpentes mais distantes; nasce completa. Porém, o pobre animal
intelectual, equivocadamente chamado homem, não nasce completo.

“Acontece que ele nasce sem os veículos que deveria ter. Nasce sem o corpo astral, sem o corpo
mental e sem o corpo causal. Então, o que e que nasce? Nasce o corpo físico, um corpo
planetário com um assento vital e nada mais. O que há mais, além disso? O Ego, o qual é de
natureza animal. O pobre animal intelectual possui uma consciência? Sim, ele a tem, porém está
engarrafada no Ego; isso é tudo. Uma consciência adormecida, diríamos, condicionada ao seu
próprio engarrafamento.

“Então, resumindo, ele nasce incompleto, O germe que penetra, diríamos, em uma matriz para se
desenvolver convenientemente, pelo fato de ter nascido não significa de modo algum que tenha
terminado os seus processos de desenvolvimento completamente. O germe que se gerou num
ventre materno e que nasceu, que veio ao mundo, é um germe incompleto em todo o sentido da
palavra porque não possui os corpos existenciais superiores do Ser. Por outro lado, não terminou
sequer de desenvolver o próprio corpo físico. O germe que se gerou num ventre materno e que
nasceu, que veio ao mundo, é um germe incompleto em todo o sentido da palavra porque não
possui os corpos existenciais superiores do Ser. Por outro lado, não terminou sequer de
desenvolver o próprio corpo físico. O desenvolvimento total do corpo físico processa-se através
das várias idades: 7,14... até aos 21 anos. Graças a energia criadora o corpo físico pode ser
gerado no ventre materno. Graças à energia criadora o corpo físico pode continuar o seu
desenvolvimento através dos 7, 14, e 21 anos de idade. De maneira que o próprio corpo físico,
pelo fato de ter nascido, não está completo, precisa se desenvolver.
“Infelizmente, vemos como os adolescentes, sem ainda terem completado o seu processo de
desenvolvimento, já estão fornicando, o que é manifestamente absurdo porque essa energia
criadora que eles estão desperdiçando é necessária, indispensável para se completar o
desenvolvimento do corpo físico. De maneira que, honradamente, a função sexual deveria
começar aos 21 anos de idade e não antes porque o gérmen que entrou no ventre materno não
completou ainda seus processos de desenvolvimento. Submetê-lo à cópula resulta, pois, absurdo.

“Observando-se bem todas essas coisas, meus estimados irmãos, vale a pena refletir um pouco.
Dos 21 anos em diante, a energia sexual está livre para outras atividades. Antes dos 21 a energia
sexual só tem um objetivo: completar o desenvolvimento físico do germe que nasceu, isto é,
completar o desenvolvimento do corpo físico. Após os 21 anos a energia fica livre.

“Depois dos 21 anos de idade, poder-se-ia usar a energia criadora para fabricar-se os corpos
existenciais superiores do Ser e chegar-se ao Segundo Nascimento. Infelizmente, as pessoas
não sabem usar a energia criadora, essa energia que as fecundou no ventre materno, que
permitiu o desenvolvimento do feto no próprio ventre, seu nascimento e crescimento pelas idades
dos 7, 14 e 21 anos.

“As pessoas não sabem utilizar essa energia quando fica livre. Ao invés de utilizá-la para a sua
realização, completando assim sua construção, já que o ser humano nasce incompleto, a
eliminam de seu organismo. Bem sabemos nós que as pessoas extraem do seu organismo o
esperma sagrado. Isso é gravíssimo...

“Ao tocarmos nesta questão relacionada com o nascimento, o primeiro fator de revolução da
consciência, devemos salientar que a humanidade, em todo sentido, anda involutivamente. Bem
sabemos nós que os adolescentes não somente gastam o material sexual, a energia criadora, ou
esperma sagrado, com a cópula como ainda adquirem o vício da masturbação. Este vício,
infelizmente, tornou-se, hoje em dia, mais comum do que lavar as mãos. Os jovens sejam eles
rapazes ou garotas adquirem esse desgraçado vício e assim arruínam miseravelmente seus
cérebros; idiotizam-se. Quantas vontades teriam sido maravilhosas e se esgotaram! Quantos
rostos bonitos murcharam! ... E tudo isso por falta de instrução... porque, realmente, tanto
rapazes como garotas não recebem nas escolas e nos colégios a devida instrução sobre a
questão sexual e, claro, o impulso sexual faz com que sintam a necessidade de fazerem uso do
sexo. Como eles não têm orientação, no geral trocam idéias, os jovens com seus amiguinhos e as
jovens com suas amiguinhas, e por aí começa o vício repugnante da masturbação. Esta é a
desgraça da nossa época... além de outros vícios que infelizmente também se tornaram comuns,
tais como o homossexualismo e o lesbianismo. Obviamente, os homossexuais são sementes
degeneradas que não servem para nada. As lésbicas, igualmente, são sementes degeneradas
que jamais poderão germinar.

“Portanto, os vícios que existem atualmente em relação ao sexo são insuportáveis. Se os rapazes
e as garotas pudessem se criar limpos, com uma educação sexual perfeita e completa, seria
diferente. Se na verdade os jovens, homens e mulheres pudessem chegar até a idade dos 21
anos respeitando o sexo, com pureza real, seria algo admirável e teríamos uma nova geração de
seres melhores.

“Infelizmente, a pobre humanidade não recebe a educação sexual no momento em que mais
necessita. Se recebessem, chegariam saudáveis à idade dos 21 anos e isso seria maravilhoso!
Se aos 21 anos, no momento em que a energia sexual fica liberada para qualquer tipo de
atividade, se ela fosse usada com o propósito de criar os corpos existenciais superiores do Ser,
isso seria formidável.

“Obviamente, creio que vocês já conhecem a chave da Alquimia, não ignorar o adágio latino que
diz: IMNISIUM MEMBRUM VIRILIS lN VAGINAM FAEMINA SINE EJACULATION SEMINIS. Em
síntese, diríamos: união do Iíngam-yoni sem derramar jamais a taça de Hermes Trismegisto, o
três vezes grande deus Íbis de Thot. Como veem vocês, estou dando a chave - simples e sem
enfeites - porém em linguagem decente, porque ao se instruir os estudantes e se falar dos
mistérios do sexo, deve-se falar com modéstia e de forma viva, mas jamais em estilo vulgar. Isso
seria muito grave para nós. Isso seria uma desdita. Se formariam conceitos errôneos sobre
nossos ensinamentos. Obviamente, o desejo refreado transmutará completamente o esperma
sagrado em energia criadora.

“Bem, é conveniente que vocês saibam que a energia sexual, da qual tanto se fala hoje em dia na
Fisiologia, Psicologia, Psicanálise, etc., é o mesmíssimo mercúrio dos alquimistas medievais.
Essa energia criadora transmutada é o mesmo mercúrio dos sábios. Obviamente, tal mercúrio
vem, a condensar-se ou a cristalizar-se mediante as notas DO, RE, Ml, FA, SOL, LA, SI, em uma
oitava superior, com a forma maravilhosa e esplêndida do corpo astral. “Assim, o corpo astral não
é um implemento necessário para a vida do ser humano. As pessoas vivem sem corpo astral. O
corpo vital assegura ou garante completamente a vida do corpo físico; não há necessidade de se
possuir um corpo astral. O corpo astral é um luxo que é dado a poucos. No entanto, bem vale a
pena dar-se a esse luxo.

“Sabe-se que se tem um corpo astral quando se o usa, quando se pode caminhar com ele,
quando se pode movimentar no espaço com ele. Tal veículo, pois, se tem, dá imortalidade no
mundo astral, torna alguém imortal nessa região.

“Em urna segunda oitava, um pouco mais acima, com as notas DÓ, RE, Ml, FÁ, SOL, LA, SI, o
mercúrio dos sábios vem a se cristalizar no famoso e esplêndido corpo mental. Quando se possui
um corpo mental, recebe-se a iluminação diretamente... Com um corpo mental, podemos
aprender, captar todos os ensinamentos do universo.

“Um pouco mais além temos o corpo da vontade consciente. Ninguém nasce com o corpo da
vontade consciente, porém mediante a transmutação da Iibido sexual, em uma oitava mais
elevada, com as notas DO, RE, Ml, FA, SOL, LA, SI, o mercúrio dos sábios vem a se cristalizar na
forma extraordinária do corpo da vontade consciente ou corpo causal. Quando alguém já tem os
veículos físico astral, mental e causal, é óbvio que poderá receber os princípios anímicos e
espirituais para se converter em homem.

“O primeiro nascimento, de onde vocês vieram, foi o do corpo planetário ou corpo físico. O
segundo nascimento é o do Filho do Homem, o nascimento do homem, falando concretamente.

“De maneira que, um dos fatores de revolução da consciência é o NASCER; nascer como
homem. No primeiro caso, quem nasce é o animal intelectual; no segundo nascimento, nasce o
homem, o Filho do Homem, o verdadeiro homem.

“Diz que o verdadeiro homem é o homem causal. Por que se chama ao verdadeiro de homem
causal? Simplesmente porque fabricou o corpo causal, que é o último dos corpos necessários
para que alguém se torne homem. Então, seu centro de gravidade fica estabelecido no mundo
causal; ali vive nessa região. O mundo causal tem uma tonalidade azul profunda, intensa, elétrica.
Essa e a cor fundamental ou básica do éter ou akash, akasha puro. Ali, descobre-se que tudo flui
e reflui, vai e vem, sobe e desce, cresce e descresse. No mundo das causas naturais
conhecemos todo o encadeamento de causas e efeitos, de efeitos e causas. Toda causa tem um
efeito, todo efeito se converte em causa, por seu turno. Cada palavra dita pode dar origem a
muitos efeitos, a toda uma série de efeitos.

“Em certa ocasião estava no mundo causal, escutei um homem que ditava uma cátedra.
Intencionalmente interrompi àquele homem para fazer uma objeção a uma palavra sua. Aquele
homem causal guardou silêncio e agiu muito bem. Porém, vi em seguida como apareceu o
resultado das minhas palavras, da minha objeção. Aquela reunião terminou de imediato porque o
homem causal se retirava. Ao terminar aquela reunião cada um saiu dizendo algo... seu conceito
e os conceitos, por sua vez, produziram outros resultados. E esses resultados produziram outros
resultados e a outros mais... Portanto, percebi que a interrupção que eu havia provocado tinha
dado origem a uma série de consequências. Eu havia agido intencionalmente com o propósito de
investigar a Lei de Causa e Efeito e o resultado fora aquele.

“No mundo das causas naturais é que se vem a conhecer o que é a Lei de Causa e Efeito. Claro,
ali se movem os Senhores da Lei com seus pesos e balanças; estão sempre ativos anotando nos
arquivos Akáshicos os débitos e os créditos de cada um de nós.

“Em algumas reuniões, no mundo das causas naturais, é de causar assombro ver nela reunidos
aos diferentes Adeptos encarnados, todos vestindo trajes civis, tais quais os que usamos aqui no
mundo físico. Não quero dizer com isso que seja sempre assim. Claro que dentro dos templos os
Adeptos usam suas vestes sagradas. Porém, em certas reuniões ou assembleias, todos esses
Mestres, que no mundo físico têm corpo, assistem-nas vestidos como civis, como cavalheiros,
decentemente, como se estivessem no mundo físico. Usam gravata, roupas bem ajustadas,
apresentam-se de relógio no pulso e outras tantas ervas... A que se deve isso? E que é a região
do homem, do homem real, do homem verdadeiro; a região do homem causal. “De modo que, o
Segundo Nascimento é NASCER COMO HOMEM CAUSAL, como homem verdadeiro. “Este é,
portanto, o primeiro fator da revolução da consciência: NASCER”.

SEGUNDO FATOR: MORRER

Continua o V.M. Samael:


“Assim como a vida representa um processo gradual e sempre mais completo de exteriorização
ou extroversão, da mesma forma a morte do Ego é um processo de interiorização gradativa, no
qual a consciência individual, a essência pura, se despoja de suas inúteis vestimentas, assim
como lshtar, em sua simbólica descida, até ficar inteiramente nua e desperta em si mesma diante
da grande realidade da vida livre em seu movimento.

“Indubitavelmente, para que a luz que constituí a essência anímica, agora engarrafada no Ego,
comece a brilhar, a cintilar e a resplandecer, deve se libertar. Porém, na verdade vos digo que
isto só é possível para quem passa pela terrível aniquilação budista, para quem dissolve o Eu e
morre em si mesmo.

“Se o germe não morre, a planta não nasce. E necessário morrer, isto é, o Ego animal deve
deixar de existir em nós, em nossa psique, se é que queremos gozar da autêntica iluminação.

“Normalmente, os irmãos gnósticos, os aspirantes, nossos afiliados, sofrem muito por falta de
iluminação. Eles gostariam de se mover nas regiões inefáveis, visitar o Nirvana, o Maha-
Paranirvana, escutar a música das esferas, etc. Mas, ao se verem metidos, escravizados nesta
região tridimensional de Euclides, ao não poderem perceber todas essas maravilhas dos mundos
superiores, sofrem o indizível. É claro que seus sofrimentos são lógicos; têm razão em sofrer.

“Uns querem se adiantar aos fatos. Falando em linguagem vulgar, diria que alguns querem pôr a
sela antes de atrair as bestas do campo ou ordenar a vaca antes de comprá-la; querem ser
exploradores do espaço sem terem adquirido as faculdades para isso. Às vezes metem-se no
espiritismo e terminam convertidos em médiuns, etc., cujas práticas conduzem à epilepsia. Todos
os epilépticos que investigamos foram médiuns do espiritismo em passadas existências. De
maneira que não é nada agradável tornar-se no epiléptico; isso é muito duro, muito ruim.

“Portanto, seguindo avante, direi a vocês que a iluminação não é possível se não se desintegra o
Ego. Normalmente, a consciência - aliás, anormalmente, porque a isso não se pode chamar de
normal - está engarrafada no mim mesmo, no Eu da psicologia experimental. É claro que
enquanto a consciência continuar engarrafada no Ego, enfrascada no mim mesmo, estará
adormecida, funcionando em função de seus próprios condicionamentos. Será subjetiva,
incoerente e imprecisa.

(...) “Poderia sintetizar para vocês a didática, diríamos, da aniquilação budista em poucas
palavras: PRECISAMOS VIVER ALERTAS E VIGILANTES COMO A SENTINELA EM TEMPO
DE GUERRA. E no terreno da vida prática, no relacionamento com nossas amizades, em casa,
na rua, no trabalho, que os defeitos escondidos afloram de forma espontânea. Defeito descoberto
deve ser imediatamente julgado, submetido de imediato à análise; mediante a autorreflexão
evidente do Ser podemos conhecer diretamente qualquer defeito. Tendo-se uma vez
compreendido tal ou qual erro psicológico, indubitavelmente, poderemos nos dar ao luxo de
desintegrá-lo.

“Chegamos ao ponto crítico, difícil desta conversação... Gurdjeff, Ouspensky, Nicoll e muitos
outros autores da quarta via, gnósticos também como nós porque, entre parênteses, também
somos da quarta via ou quarto caminho, pensaram que poderiam desintegrar qualquer agregado
psíquico inumano, isto é, qualquer defeito, qualquer eu, através da simples compreensão criadora
e nada mais. Gurdjeff cometeu um erro imperdoável, com o qual, naturalmente, lançou um grave
karma sobre si: foi ter se pronunciado contra a Divina Mãe Kundalini. Que o fez por ignorância,
não o nego. Assim foi! Porém, de qualquer modo, a ignorância da Lei não exclui seu
cumprimento. Ele confundiu a serpente sagrada Kundalini com o órgão kundartiguador.

“Para que vocês entendam melhor, lhes direi que há duas serpentes: a que sobe e a que desce.
A serpente de bronze que curava aos israelitas no deserto, enroscada no lingam gerador, no
TAO; e a serpente PITION, com sete cabe as que se arrastava no Iodo da terra e que Apolo,
irritado, feriu com seus dardos. A serpente que subia pela vara de Esculápio, o deus da medicina,
e a serpente que se arrastava no Iodo, a serpente tentadora do Éden. Eis aqui a dupla pata do
galo Abraxas dos gnósticos.

“Assim pois, a serpente que sobe é sagrada, é a Kundalini; e a que desce é o Kundartiguador. O
erro de Gurdjeff foi atribuir à serpente ascendente os efeitos hipnóticos, tenebrosos e
abomináveis da serpente descendente. Foi aí que Gurdjeff falhou. (...)

“Assim que, olhando as coisas de frente, precisamos de um poder que seja superior à mente e
este não é outro senão a Kundalini, a serpente ígnea de nossos mágicos poderes. Somente ela
pode pulverizar qualquer agregado psíquico inumano, seja este de ira, cobiça, luxúria, inveja, etc.
Tem-se que, naturalmente, primeiro descobrir-se o defeito que se quer eliminar. Como segundo
requisito tem-se que trabalhá-lo, compreendê-lo e, como terceiro, eliminá-lo. Pode-se eliminá-lo
com o poder da Divina Mãe Cósmica, com o poder da Divina Mãe Kundalini. Porém, tem-se que
apelar a Kundalini, à Devi Kundalini Shakty. Apelar naquele momento em que necessitamos
eliminar o agregado psíquico que tenhamos descoberto e compreendido. Sim, tem-se que apelar
a ela e rogar-lhe que pulverize tal defeito, e ela o fará.

“Agora, o poder máximo da víbora sagrada, da divina cobra dos templos, encontra-se na Forja
dos Ciclopes. Se um casal invocar de verdade à víbora divina em pleno trabalho na Forja dos
Ciclopes, em pleno trabalho sexual espiritual, certamente obterá resposta.

“Deve-se, pois, apelar a esse poder transcendental e maravilhoso da cobra dos antigos mistérios
divinos. E quem não tem companheira? E a mulher que não tem cônjuge? Também podem apelar
à cobra sagrada! De qualquer maneira, ela trabalhará para desintegrar os defeitos. No entanto,
estou afirmando que o máximo de seu poder está na Forja dos Ciclopes, na Forja Acesa de
Vulcano.

“Se conseguirem passar pela aniquilação budista, se conseguirem morrer radicalmente,


despertarão absolutamente, aqui e agora. Far-se-ão conscientes da vida nos mundos superiores.
Porém, tem-se que morrer para se despertar. Repito: aqui e agora! Quando se desperta
verdadeiramente, o problema do desdobramento deixa de existir. Já se fica consciente, tanto no
mundo físico como nos mundos superiores. Esteja o corpo dormindo ou desperto, se estará
sempre consciente. O problema do desdobramento astral desaparecerá de forma definitiva e para
sempre porque, se seu corpo dorme, manterá a consciência e consciente estará no mundo astral.
Ali viverá consciente, agirá conscientemente e regressará à vontade ao seu corpo físico quando
quiser. Então, onde fica o problema do desdobramento? Como problema ele deixa de existir. O
importante é despertar...

“Com a morte, se mata a morte por toda a eternidade”.

TERCEIRO FATOR: SACRIFÍCIO PELA HUMANIDADE

Persegue o V.M. Samael:


“O terceiro fator é o sacrifício pela humanidade. Precisamos amar nossos semelhantes, porém
temos de demonstrar o nosso amor com fatos concretos, claros e definitivos. Não basta dizer que
se ama os semelhantes. Não! Tem-se que demonstrar com fatos. Tem-se que estar disposto a
subir ao altar do supremo sacrifício pela humanidade. Tem-se que empunhar a tocha da
sabedoria para iluminar o caminho dos demais. Tem-se que estar disposto a dar até a última gota
de sangue por todos os nossos semelhantes, com verdadeiro amor desinteressado, puro...

“De maneira que, o terceiro fator de revolução da consciência é o sacrifício pelos nossos
semelhantes. Nascer, morrer e sacrifício pela humanidade são os três fatores que nos convertem
em verdadeiras encarnações do Cristo Cósmico. Esses três fatores terminam nos convertendo
em deuses, ainda que tenhamos corpos de homens. Esses três fatores terminam fazendo de nós
algo diferente: transformam-nos em deidades, em deuses inefáveis: ELOHIM, DAIMONS, etc.

“Se trabalharmos com o primeiro e o segundo fator, nascer e morrer, mas não amarmos nossos
semelhantes, nada estaremos fazendo para levar a luz do conhecimento às outras pessoas,
povos e nações. Cairíamos num egoísmo espiritual muito refinado que nos impediria todo avanço
interior. Se somente nos preocupamos conosco e nada mais e nos esquecemos de tantos
milhões de seres que povoam o mundo, inquestionavelmente nos auto encerramos em nosso
próprio egoísmo. Dessa forma, o Eu do egoísmo não permitiria a iluminação.

“Se trabalharmos com o primeiro e o segundo fator, nascer e


morrer, mas não amarmos nossos semelhantes, nada
estaremos fazendo para levar a luz do conhecimento às outras
pessoas, povos e nações. Cairíamos num egoísmo espiritual
muito refinado que nos impediria todo avanço interior. Se
somente nos preocupamos conosco e nada mais e nos
esquecemos de tantos milhões de seres que povoam o
mundo, inquestionavelmente nos auto encerramos em nosso
próprio egoísmo. Dessa forma, o Eu do egoísmo não permitiria
a iluminação." Samael Aun Weor

“O egoísmo pode se apresentar sob formas sumamente refinadas que temos de eliminar.
Enquanto tivermos egoísmo dentro de nós mesmos a iluminação não será possível. O egoísmo
está formado por múltiplos Eus dentro dos quais se encontra enfrascada a consciência. Que
temos de desintegrar essa multiplicidade de Eus egoístas, é verdade! Pois, se não o fizermos, a
consciência continuará engarrafada, condicionada, apertada, limitada... e qualquer possibilidade
de iluminação estará anulada.
“Devemos compreender que toda a humanidade é uma grande família. Infelizmente, estamos
engarrafados em muitos afetos e consideramos unicamente como família a umas poucas pessoas
que nos rodeiam. Isto é egoísmo porque todos os seres humanos, sem exceção de raça, credo,
casta ou cor, constituem uma só família. Essa família chama-se humanidade.

“Se unicamente olhamos como irmãos aos que nos rodeiam desde o berço, vamos muito mal. Se
unicamente queremos redimir essas pessoas que se dizem nossos familiares, agimos de forma
egoísta. Torna-se indispensável ver em cada pessoa um irmão. Isto que falo, não o digo por mero
sentimentalismo, mas porque, na verdade, somos todos irmãos. Não é uma frase meramente
sentimentalista. É real, tal como se escuta. Somos uma família, uma só e grande família que não
deveria estar dividida. Uma enorme família que povoa a Terra e que se chama humanidade.

“A esses nossos irmãos, precisamos levar o conhecimento, mostrar-lhes a Senda, a fim de que,
algum dia, eles também possam trilhá-la e chegarem à liberação final.

“Se queremos ser felizes, precisamos lutar pela felicidade dos outros. Quanto mais se dá, mais se
recebe. Porém, o que nada dá, até o que não tem lhe será tirado.

“Como poderíamos alcançar a autêntica felicidade nirvânica ou paranirvânica, aqui e agora, se


não trabalhássemos pela felicidade dos outros? A autêntica felicidade do Ser não pode ser
egoísta. Só pode ser conseguida através do sacrifício pelos nossos semelhantes.

“Assim, quem conseguiu os estágios mais elevados do Ser, quem ingressou nos mundos
paranirvânicos, maha-nirvanicos, monadicos, adicos ou que, enfim, conseguiu fundir-se com o
Eterno Pai Cósmico Comum, obviamente sacrificou-se no mundo, de alguma forma, por seus
semelhantes e isso deu méritos suficientes para conseguir, na verdade, a alegria que não tem
limites nem margens jamais.

“Não deve existir em nós isso que se chama ódio. Há pessoas que destilam e bebem o seu
próprio veneno e sofrem o indizível... Isso é grave! Não se deve ser tão tonto. Aquele que está
destilando e bebendo o seu próprio veneno é um tonto. Aquele que forjou um inferninho em seu
entendimento é um néscio; precisa pensar que o melhor mesmo é amar, pois se fizer de sua
mente um inferno, jamais será feliz.

“As pessoas estão todas cheias de ressentimentos. Isso é gravíssimo! Onde quer que exista o Eu
do Ressentimento o amor não poderá florescer. Não há quem não tenha ressentimentos. Todo
mundo guarda em seu coração palavras, fatos e acontecimentos dolorosos, acompanhados,
naturalmente, de suas consequências ou corolários que são os já mencionados ressentimentos.

“Que ganhará quem carrega tudo isto? Nesse sentido não sabe amar. E revanchista, não sabe
amar. Aquele que odeia está muito perto da maldição.

“Tem-se que saber compreender aos demais, aprender a olhar do ponto de vista alheio, se é que
queremos saber amar. As pessoas são incompreensivas, não querem entender as outras,
simplesmente porque não sabem ver do ponto de vista alheio. Se alguém se situa no ponto de
vista alheio aprende a perdoar, aprende a amar. Porém, se não é capaz de perdoar a ninguém,
não sabe amar.

“Agora, perdoar de forma mecânica não serve para nada. Simplesmente se poderia perdoar
porque se aprendeu na doutrina gnóstica que se deve perdoar.

“Isso seria automático, não serve. No fundo, continuará com o mesmo ressentimento, com o
mesmo ódio e até com o mesmo desejo revanchista, sufocado e reprimido.
“Quando se diz PERDOAR isso implica numa eliminação. Ninguém poderá perdoar se não
eliminar o Eu do Ressentimento, se não anular o Eu do Rancor, se não reduzir a poeira cósmica o
Eu do Revanchismo, o Eu que quer tirar o cravo, etc. Enquanto não se tenha eliminado tais Eus
através da compreensão e com o auxílio de Kundalini Shakty, não será possível que perdoe de
verdade. Se vem a perdoar, isso será automático e perdão automático não é perdão.

“Temos que ser sinceros com nós mesmos se queremos saber amar. Se alguém não é sincero
consigo mesmo, não poderá amar jamais... Amar implica em trabalho, trabalho dispendioso sobre
si mesmo. Como alguém poderia amar aos outros se não trabalha sobre si mesmo, se não
elimina do seu interior os elementos da discórdia, do revanchismo, do ressentimento, do ódio,
etc.? Quando tais elementos infra-humanos moram em nossa psique fica anulada toda a nossa
capacidade de amar.

“Existe muito amor fingido nas diferentes escolas de tipo pseudo-esotérica e pseudo-ocultista.
Nós gnósticos, não devemos aceitar o amor fingido; devemos ser exigentes com nós mesmos.
Vamos ou não amar aos nossos semelhantes? Sejamos sinceros! Não se trata de nos deixarmos
levar por sentimentalismos sublimes. Poderíamos crer que amamos quando na realidade não
estamos amando.

“O amor é algo muito sublime. Vou lhes dar um exemplo ou alguns exemplos sobre o amor.

“O fundador da cidade de Nova Iorque era um homem muito inteligente; tinha uma esposa muito
distinta... Quando fundou Nova lorque, aquilo parecia um paradoxo: ali nada mais havia do que
vegetação, árvores, montanhas, etc. Ele concebeu a ideia de uma grande cidade ao contemplar
aquela região.

“No entanto, era a época dourada, a época em que nos Estados Unidos às pessoas tinham sede
de ouro; coisa que sempre tiveram. Mas, naquela época era muito mais manifesta a cobiça pelo
ouro físico, pelas minas de ouro, etc. Indo-se ele pelo mundo, cometeu um erro que considerou
muito sério: abandonou sua esposa em plena montanha. Não a abandonou por nenhuma outra
mulher, não, apenas pelo ouro, para buscar as minas... Um dia soube dela, alguém disse-lhe que
ela tinha morrido. Não preocupou-se muito com isso porque não tinha senão ânsias, sede
insaciável por ouro. Mais tarde, com o tempo, encontrou uma mulher e casou-se com ela.
Construiu uma estrada de ferro e estabeleceu bancos. Quando se tornou um grande homem,
falando diante de um auditório, de repente descobriu entre as pessoas que ali estavam, aquela
que ele havia abandonado. Aquele homem já não pôde mais falar. Tratou de se segurar, ficou
confuso porque julgava que ela estivesse morta. Por sua vez, ela fora informada que ele havia se
casado outra vez e que tinha seis filhos...

“No auditório, quando se encontraram, ambos levaram a mão à boca... Ele não sabia o que fazer.
Foi ela quem falou: Não te preocupes, sei que estás casado! ... Ele estava perplexo, claro, porque
recordava seu primeiro amor. Ele a amava, só que sua sede pelo ouro fizera com que a
abandonasse... Ele não sabia o que fazer, quando ela continuou: Podes ir, segue teu caminho.
Ela também o adorava. Ele tentou se afastar e percebeu que não podia, sentiu que lhe era difícil
se desprender dela. Porém ela deu-lhe coragem: Não olhes para trás, siga em frente, não te
detenhas por mim. Tu deves triunfar. Te amo muito e desejo teu triunfo... Ele se foi, caminhando
como um sonâmbulo, até que ela partiu. Ela o amava demasiadamente... Ele poderia ter deixado
a outra mulher imediatamente e ir-se com ela, porém ela preferiu sua felicidade. Isso é amor!

“Qual de vocês se sente capaz de fazer isso? Ser capaz de renunciar ao que mais ama pela
própria felicidade do ser amado? E que o amor não quer recompensa; ele é dádiva por si mesmo,
ele é trabalho com renúncia aos frutos. O amor não quer senão o bem dos outros, ainda que isso
lhe custe a própria felicidade.
“Pretender definir o amor é um tanto difícil. Se o define, se desfigura. Ele é bem mais como uma
emanação surgida, diríamos, do fundo da própria consciência. Ele é uma função do Ser.

“Há que se entender, que se compreender a necessidade desse amar aos semelhantes, porque
mediante o amor podemos nos transformar. E amando que distribuímos bênçãos, levamos o
ensinamento a todos os povos da Terra e encaminhamos os outros com o máximo de paciência.
Devemos saber perdoar os defeitos alheios. (...)

“Conheci a muitas pessoas que sofriam vários problemas na vida, por exemplo, econômicos.
Aqueles que têm problemas econômicos, inquestionavelmente, causaram danos econômicos a
outras pessoas no passado e agora colhem daquilo que semearam, bebem do seu próprio
chocolate. No entanto, queixam-se, protestam, blasfemam, etc. Querem melhorar a sua situação
econômica, porém não reparam no mal que fizeram, não tomam parte em alguma ação
cooperativa, não são capazes de tirar uma camisa para com ela vestir a um desnudo, não são
capazes de dar um consolo a ninguém, etc. Contudo, querem melhorar economicamente. Claro,
solicitam serviços, pedem que os ajudemos no trabalho para mudar sua situação, porém eles não
se preocupam em servir a ninguém; são parasitas que vivem sob o sol.

“Dessa forma, como poderiam melhorar economicamente? Toda causa traz seu efeito. O karma é
o efeito de uma causa anterior. Quer-se anular o efeito tem-se que começar por anular a causa
que o produziu. Anula-se a causa que o produziu com inteligência, sabendo-se anulá-la.

“Vocês irão se encontrar com todas essas coisas pelo caminho. Uns quererão que vocês os
curem, porém eles jamais se preocupam em curar a alguém. Encontrarão muitos com
gravíssimos problemas econômicos e que nunca pensaram em cooperar de alguma forma com
alguém. Cada um tem seus problemas e quem cria os problemas é o Ego. Não há nada mais
desditado que o Ego! Poderemos anular todos os problemas se não tivermos Ego. Se não se tem
Ego não há problemas. Por que? Porque não há quem reaja dentro de nossa mente. Não há um
revanchista que complique a situação, não há ninguém que odeie em nós ou através de nós.
Então, não há problemas. Quem cria os problemas é o Ego e nada mais do que o Ego.

“Trabalhando-se em favor dos demais cancela-se velhos karmas. O que serve aos outros, serve a
sim próprio. O que dá, recebe e quanto mais dá, mais recebe; esta é a lei. Ao Leão da Lei se
combate com a Balança. Se no pratinho da balança, pratinho do bem, pudéssemos pôr as boas
obras, a balança se inclinaria a nosso favor e o karma ficaria anulado. Na verdade, tem-se que
ser duro com a balança diante do Leão da Lei. Esta é a chave para se vencer o karma. Como
dizem os Senhores da Lei: Quem faz boas obras tem com que pagar suas dívidas. Quem tem
com que pagar, paga e se sai bem nos negócios, porem quem não tem com que pagar, terá que
ir para a prisão e perder todos os bens. Tem-se que fazer muito o bem para se pagar as velhas
dívidas. Com o capital das boas obras podemos pagar o velho karma sem a necessidade de
sofrer; não há necessidade de amargurarmos a nossa vida”.

Até aqui os sábios ensinamentos gnósticos do Venerável Mestre Samael Aun Weor.

A BÍBLIA FALA DOS TRÊS FATORES

A Bíblia Sagrada é um dos livros mais lidos no mundo. No entanto são poucas as pessoas que
compreendem seus ensinamentos devido ao adormecimento de consciência. Muitos chegam a ler
a Bíblia inteira por mais de uma vez, ou várias vezes pensando que compreendem seu real
significado, mas não sabem que estão lendo a LETRA MORTA. Para estes Adão é um homem, a
água é hidrogênio, o vinho é uma bebida feita de uvas, a cruz é simplesmente uma cruz, etc.

Sabemos que muitas partes dos evangelhos foram adulteradas por reis, ditadores, e pseudos
sacerdotes no sentido de politicagem e dominações, mas o único evangelho que não foi
adulterado de forma alguma é o Apocalipse de São João. Pois como não entendiam
absolutamente nada destes ensinamentos publicaram do jeito que estava.

Mas na verdade os livros, relatos e passagens da Bíblia Sagrada foi escrita por pessoas de
consciência desperta, por seres iluminados que se banharam na água da vida e que tomaram o
vinho da eternidade. Sendo assim para compreende-la deve-se despertar a consciência para
desvendar a sabedoria das escrituras. Por justa causa este sagrado livro pode ser estudado de
duas formas diferentes:

1) À LETRA MORTA

2) À LETRA VIVA.

1) À LETRA MORTA: é o estudo literal da forma que está, sem CONSCIÊNCIA e sem usar os
supra sentidos. É o sistema que quase toda a humanidade usa para estudá-la, acreditando não
existir outra forma superior.

2) À LETRA VIVA. É a leitura das pessoas de consciência desperta, que possuem uma
compreensão superior, usam a clarividência, projeção astral, e outros meios para decifrar os
mistérios ocultos, símbolos, parábolas etc., Poucos aceitam a visão da LETRA VIVA, porque não
conseguem atingi-la, devido ao adormecimento da CONSCIÊNCIA.

Em Mateus, Capítulo 16, vers. 24, Jesus o Cristo fala dos três fatores:

“Então disse Jesus aos seus discípulos - SE ALGUÉM VIR APÓS MIM, RENUNCIE-SE A SI
MESMO, TOME SOBRE SI A SUA CRUZ E SIGA-ME”. RENUNCIAR A SI MESMO? é a morte do
EU, do Mim Mesmo, do Ego ou dos nossos agregados psicológicos, nossas imperfeições,
pecados etc. Observe que nesta frase Jesus refere-se claramente ao SEGUNDO FATOR DA
REVOLUÇÃO DA CONSCIÊNCIA, A MORTE MÍSTICA.

TOME SOBRE SI A SUA CRUZ; sabemos que esotericamente a cruz significa a união dos
opostos, ou seja do PHALO com o ÚTERO. É a união dos órgãos sexuais masculino com o
feminino para a prática da Magia Sexual, Arcano AZF ou Alquimia Sexual. Repare que Cristo está
falando da Cruz antes de ser crucificado, pois a Cruz é um símbolo de origem Lemuriana que
representa a Alta Magia dos Hierofantes e sacerdotes na pratica do Grande Arcano. TOMAR A
CRUZ refere-se ao PRIMEIRO FATOR DA REVOLUÇAO DA CONSCIENCIA; representa o
NASCER ESPIRITUAL.

SIGA-ME. Seguir a Cristo é “AMAR UNS AOS OUTROS” como Ele nos ensinou. Amar é
sacrificar-se pelo bem do próximo. Seguir a Jesus significa SACRIFÍCIO PELA HUMANIDADE, ou
seja, o TERCEIRO FATOR DA REVOLUÇÃO DA CONSCIÊNCIA.

Desta forma compreendemos claramente que nosso Grande Mestre Jesus o Cristo quando disse
aos seus discípulos: “SE ALGUÉM VIR APÓS MIM, RENUNCIE-SE A SI MESMO, TOME SOBRE
SI A SUA CRUZ E SIGA-ME”. Ele está nos ensinando de forma simbólica OS TRÊS FATORES
DA REVOLUÇÃO DA CONSCIÊNCIA.

Amadíssimo buscador ou Amadíssima buscadora que terminou este curso. Saiba que este
caminho que você escolheu não tem volta, de agora em diante você é um Iniciado ou Iniciada nos
Mistérios Maiores da Tradição. O conhecimento que você adquiriu é um tesouro que ninguém
poderá roubar-lhe. É a joia mais preciosa que um humanoide pode conseguir, é a Pedra Filosofal
que pode nos transformar em Homens Solares, em Seres Imortais, em Deuses Inefáveis com
poderes sobre o céu e a terra.
Lembre-se, que quando estudamos a Lei do Karma, o sétimo tipo mostrado foi o KAMADURO,
onde falamos claramente que este tipo de karma é imperdoável. Pois é o karma das pessoas que
conhecem o caminho espiritual e não o seguem, e é justamente por isto que este caminho não
tem volta. Fique consciente da responsabilidade que você tem com estes conhecimentos, com as
pessoas que o cercam, com os ambientes em que você convive, com sua família, com seus
semelhantes, com os animais com a natureza, com o planeta em que vive e principalmente com
você mesmo.

Amadíssimo buscador ou Amadíssima buscadora que terminou este curso.


Saiba que este caminho que você escolheu não tem volta, de agora em
diante você é um Iniciado ou Iniciada nos Mistérios Maiores da Tradição. O
conhecimento que você adquiriu é um tesouro que ninguém poderá roubar-
lhe. É a joia mais preciosa que um humanoide pode conseguir, é a Pedra
Filosofal que pode nos transformar em Homens Solares, em Seres Imortais,
em Deuses Inefáveis com poderes sobre o céu e a terra.

Lembre-se, que quando estudamos a Lei do Karma, o sétimo tipo mostrado


foi o KAMADURO, onde falamos claramente que este tipo de karma é
imperdoável. Pois é o karma das pessoas que conhecem o caminho
espiritual e não o seguem, e é justamente por isto que este caminho não tem
volta. Fique consciente da responsabilidade que você tem com estes
conhecimentos, com as pessoas que o cercam, com os ambientes em que
você convive, com sua família, com seus semelhantes, com os animais com
a natureza, com o planeta em que vive e principalmente com você mesmo.

Agora você é um Gnóstico, aceite os nossos parabéns por ter concluído este curso, e desejamos
a você do fundo do coração e nossa consciência que você consiga realizar os seus objetivos e
seguir está maravilhosa doutrina independente da religião ou crença que você possuí, nascendo
em você mesmo, morrendo em si mesmo e se sacrificando pela humanidade.

Você recebeu os ensinamentos para decifrar a Esfinge Tetramorfa: SABER, QUERER, OUSAR E
CALAR, e por justa causa e merecimento, se você for um homem, de agora em diante considere-
se um LORD, e se for mulher de agora em diante você recebe o título de LADY.

Amadíssimo LORD ou amadíssima LADY, você concluiu este curso e adquiriu muitos
conhecimentos, mas saiba que a sabedoria é infinita, quanto mais sabemos, mais existe o não
saber. Sempre haverá o que aprender, até mesmo os grandes mestres estão aprendendo, por
isto não pare por aqui, mas siga seu caminho pondo em prática o que aprendeu e consciente que
novos conhecimentos sempre virão.

LORD ou LADY, estes ensinamentos gnósticos são para os revolucionários que almejam se
libertar do sistema que aprisiona os seres fazendo escravos. Somos revolucionários, porém
revolucionários de consciência, não queremos luta armada, e muito menos gerar violência, mas
queremos aniquilar o nosso inimigo que está em nosso interior nos roubando a nossa
consciência. Queremos destruir o nosso EU, o nosso EGO, o MIM MESMO. Somente desta forma
libertaremos a nossa ESSÊNCIA, o nosso SER.

Um grande abraço fraterno, muita luz, sabedoria e realizações...

Saúde e sucesso.

Jorge L Rodrigues