Вы находитесь на странице: 1из 15

ESCOLA DE INGENIERIA DE MATERIAIS

ESCOLA DE INGENIERIA DE MATERIAIS

NOVEMBRO DO 2010

SANTIAGO DE CALI

Introdução
Inspeção por correntes de Foucaultse baseia nos princípios da indução electromagnética e utiliza-se para
identificar odiferenciar entre uma ampla variedade de condições físicas, estruturais ymetalúrgicas de peças
em metal condutoras da eletricidade, metais ferromagnéticos e não ferromagnéticos. A inspeção de
correntes de Eddy
em curso pode ser utilizado para:
· Medir ou determinar as condições e propriedades elétricas, condutividade, a permeabilidad
magnética,tamanho de grão, a condição de tratamento térmico, dureza, e dimensões físicas
· Detecção de costuras, traslape, fendas, ocos, e as inclusões
· Metais disímiles e detectar diferenças em sua composição,microestructura e as propriedades de outros
· Medir a espessura de um recubrimiento não condutor em um metal condutor, ou a grossura de um
recubrimiento de metais não magnéticos em um metal magnético
Devido às correntes de Foucault criam-se mediante a indução electromagnética, o método de inspeção não
requierecontacto elétrico direto com a parte que se está inspecionando. O método atual adapta-se à
inspeção de alta velocidade e,porque não é destructivo, pode ser utilizado para inspecionar toda unasalida
de produção. O método baseia-se na medição, e a correlação entre as leituras do instrumento ylas
caraterísticas estruturais e de serviço delas parte objeto de inspeção, que devem ser cuidadosamente
estabelecidos.

Áreas de aplicação principal


As áreas de aplicação principais são as seguintes:
Inspeção de encanamentos em plantas de energia nuclear e combustíveis fósseis, plantas químicas e
petroquímicas, nos submarinos nucleares, e em sistemas de ar condicionado
Inspeção de estruturas aeroespaciales e motores
Provas em produção de canos, encanamentos, cabos, varetas e vigas

Vantagens e limitações da inspeção por Correntes de Foucault


A inspeção por correntes de Foucault é extremamente versátil, que é ao mesmo tempo uma vantagem e uma
desvantagem. A vantagem é que o método pode ser aplicado a muitos problemas sempre que os requisitos
físicos dos materiais sejam compatíveis com o método de inspeção. Em muitas aplicações, no entanto, a
sensibilidade do método às muitas propriedades e caraterísticas próprias dentro de um material pode ser
uma desvantagem, algumas das variáveis em um material que não são importantes em termos de materiais
ou de serviço deste pode provocar sinais de instrumento que enmáscaran variáveis críticas ou interpretar
erroneamente variáveis críticas.
Correntes de Foucault Vs. Métodos de Inspeção magnética. Na inspeção, as correntes de Foucault
criam seu próprio campo electromagnético, que pode ser detectado através dos efeitos do campo na bobina
de excitação primária ou por médio de um sensor independente. Nos materiais não ferromagnéticos, o
campo electromagnético secundário se deriva exclusivamente das correntes de Foucault. No entanto, com
materiais ferromagnéticos, outros efeitos magnéticos que se apresentam são pelo geral de magnitude
suficiente como para eclipsar os efeitos causados pelo campo de correntes de Foucault induzidas. Embora
não desejados, estes resultados adicionais dos efeitos magnéticos da permeabilidad magnética do material
objeto da inspeção normalmente podem ser eliminados por magnetización do material por saturação em um
campo magnético estático(corrente contínua). Quando o efeito da permeabilidad não se elimina, o método
de inspeção é mais corretamente classificado como electromagnético ou magnetoinductivo.

Princípios de funcionamento
O método de inspeção de correntes de Foucault e a técnica de aquecimento por indução que se utiliza para
a calefação de metal, temperado por indução e temperado têm várias similitudes. Por exemplo, ambos
dependem dos princípios da indução electromagnética induzindo correntes de Foucault em uma amostra E
colocando dentro ou adjacente a esta uma ou várias bobinas de indução.O aquecimento é uma
consequência de perdas de potência=I 2Rcausadas pelo fluxo das correntes de Foucault na peça.
Mudanças no acoplamento entre as bobinas de indução e a peça inspeciona-se e mudanças nas
caraterísticas elétricas da amostra causa variações da carga e ajustedel gerador.
O sistema de aquecimento por indução opera-se a níveis de alta potência para produzir a velocidade de
aquecimento desejado. Pelo contrário, o sistema utilizado na inspeção da corrente de Foucault costuma
funcionar a níveis de potência muito baixa para reduzir ao mínimo as perdas de calefação ylos mudanças de
temperatura. Ademais, no sistema de correntes de Foucault, as mudanças de carga elétrica causada pelas
variações em mostra-a objeto da inspeção, tais como as causadas pela presença de fendas ou mudanças
das dimensões, são supervisionados pelos circuitos eletrônicos. Tanto na inspeção por correntes parásitas e
aquecimento por indução, a seleção de frequência de funcionamento rege-se em grande parte pelo efeito
de pele. Este efeito faz com que as correntes de Foucault concentrem-se para as superfícies adjacentes às
bobinas levando as correntes que elas induzem. O efeito pele volta-se mais pronunciado com o acréscimo
da frequência.
As bobinas utilizadas na inspeção da corrente de Foucault diferem dos utilizados na indução por calefação
nas diferenças do nível de potência e a resolução de requisitos de inspeção da bobina para facilitar o
seguimento do campo electromagnético nas proximidades do objeto inspecionado.

Funções de um Sistema Básico. A parte


que se vai inspecionar #se se coloca dentro
ou cerca de uma bobina elétrica na que uma
fonte de corrente está fluindo. Como se
mostra na figura. 1, esta corrente alternada,
chamada a corrente de excitação, causa que
as correntes de Foucaultfluyan na amostra
como resultado da indução
electromagnética. Estas correntes fluem em
circuitos fechados na amostra, e sua
magnitude e o momento (ou fase) dependem
de:
· O campo original ou primário estabelecido
pelas correntes de excitação
· As propriedades elétricas da amostra
· Os campos electromagnéticos
estabelecidos pelas correntes que fluem
dentro da amostra

Fig. 1 Dois tipos comuns de bobinas de


inspeção e os padrões de fluxo de
correntes parásitas geradas por excitação
decorriente nas bobinas. A bobina tipo
solenoide aplica-se a peças cilíndricas ou
tubulares; a bobina tipo panqueque, a uma Superfície plana.

Fig. 2 Efeito de uma fenda no padrão de fluxo de correntes de Foucault em um encanamento

O campo electromagnético na região e na parte que rodeia a amostra depende da corrente de excitação da
bobina e as correntes de Foucault que flui na zona. O fluxo das correntes de Foucault na amostra depende
de:
· A presença ou ausência de defeitos ou descontinuidades na amostra
· O campo electromagnético total, amostra
A mudança no fluxo das correntes induzidas pela presença de uma fenda em um encanamento mostra-se na
figura. 2. O cano viaja ao longo da longitude da bobina de controle como se mostra na figura. 2. Na seção A-
A em a figura.2, nenhuma fenda está presente e o fluxo de correntes de Foucault é simétrica. Na seção B-B
na figura. 2, quando uma fenda está presente, o fluxo de correntes de Foucault é impedido e mudou de
direção, provocando mudanças significativos no campo electromagnético sócio. Da figura. 2 vê-se que o
campo que rodeia uma amostra depende em parte das propriedades e caraterísticas da peça. Por último, a
condição da amostra pode ser controlado com as caraterísticas elétricas de labobina excitada mediante a
observação do efeito do campo decorrente, como impedancia elétrica, voltagem induzida ou correntes
induzidas.

Por outra parte, o efeito do campo electromagnético pode ser controlado mediante a observação da tensão
induzida em uma ou várias bobinas colocadas no campo cerca da amostra que é monitoreada.

Os efeitos mais utilizados para monitorear a amostra inspecionada são a impedancia elétrica da bobina ou a
tensão induzida deya sejam as da bobina de excitação ou de outra bobina ou bobinas adjacentes.
Os sistemas de correntes parásitas variam em complexidade dependendo dos requisitos de inspeção. No
entanto, a maioria de sistemas fornecem as seguintes funções:
· A excitação da bobina de inspeção
· A modulación do sinal de saída da bobina de inspeção na amostra
· Tratamento do sinal da bobina de inspeção antes da amplificación
· Ampliação de sinais da bobina de inspeção
· Detecção e demodulación do sinal da bobina de inspeção, pelo geral acompanhado por uma análise de
discriminação de sinais
· Visualização de sinais através de um medidor, um osciloscopio, um oscilógrafo, ou
um registrador de banda, ou a gravação dos dados de sinal em fita magnética ou de outros meios de
gravação
· Manipulação de mostra-a objeto de inspeção e bobina de inspeção ou a manipulação da bobina adjacente
a mostra-a objeto da inspeção

ELEMENTOS DE UM TIPICO SISTEMA DE INSPECCION.

mostra-se esquematicamente em laFig. 3. Os elementos particulares da figura. 3 são para um sistema


desenvolvido para inspecionar barras ou canos.

O gerador fornece corrente de excitação à bobina de controle e um sinal de sincronização à alavanca


de mudanças de fase, que fornece uma conmutación de
sinais para o detector.

A carga da amostra pela bobina de inspeção modula o campo electromagnético da bobina. Isto
provoca mudanças na amplitude e a fase da saída de voltagem da bobina de controle.

A saída da bobina de controle liga-se ao amplificador e é detectada ou demodula pelo detector.

O sinal de saída demodulada, após filtrada e análiZada, mostra-se a seguir em um osciloscopio ou um


registrador gráfico.

Os sinais que aparecem, após haver sido detectada ou demodulada, variam a um ritmo bem mais
lento, dependendo de:
· A velocidade à que a amostra se alimenta através da bobina de inspeção
· A velocidade com a que bobina de inspeção é passada para inspecionar a

amostra.
variáveis de funcionamento
As principais variáveis de operação encontradas na inspeção de correntes de Foucault são impedancia da
bobina, condutividade elétrica,permeabilidad magnética, a decolagem e os fatores de enchido, efeito de
borda, e o efeito pele.

Impedancia da Bobina

Consta de:

· A resistência de CA do cabo,R (afetada pela componente contínua do sinal)

· Uma quantidade conhecida como reactancia inductiva, XL (afetada pela componente alternada

do sinal)

A reactancia inductiva, XL, denomina-se à oposição oferecida ao passo da corrente alternada


por indutores (bobinas) e mede-se em Ohms.

LaTotalresistencia ao fluxo da corrente alternada em uma bobina chama-se impedancia, Z, e compreende


tanto a resistência de corrente alternada, I, e a reactancia inductiva, XL. A impedancia pode ser expressado
comoZ= , onde :

L= 2?fL0

f é a frequência da prova (em Hertz)

L0 é a inductancia da bobina (em henrios)

A impedancia é pelo geral é representada em um diagrama de impedancia - plano. No diagrama, a


resistência traça-se ao longo de um eixo e a reactancia inductiva ao longo do outro eixo. Como a cada
condição específica na amostra inspecionada pode resultar em uma específica impedancia da bobina, a
cada estado pode corresponder a um ponto particular no diagrama de impedancia de plano. Por exemplo, se
uma bobina coloca-se de forma sequencial em uma série de peças grossas de metal, a cada um com uma
resistência diferente, a cada parte poderia causar uma diferente impedancia na bobina e corresponderia a
um ponto diferente de um local no plano de impedancia. A curva gerada poderia ser parecido à que se
mostra na figura. 4, que se baseia na Norma Internacional de cobre recozido qualificações de condutividade
(IACS). Outras curvas se gerariam para as variáveis de outros materiais, como a espessura de

corte e tipos dedesperfectos em sua superfície.

Fig. 4 esquema tipo impedancia-plano derivados mediante a colocação de uma bobina de inspeção
de forma sequencial em uma série de espessuras enpiezas de metal, a cada uma com um sistema
integrado de diferente resistência elétrica ou ratazana de condutividade. A frequência das
inspeccionesfue de 100 kHz.

Condutividade Elétrica
Todos os materiais têm uma resistência caraterística para o fluxo de eletricidade. Aqueles com a maior
resistência se classificam como isolantes, os que têm uma resistência intermédia se classificam como
semicondutores, e os que têm uma baixa resistividad se classificam como condutores. Os motoristas, que
incluem a maioria dos metais, são de maior interesse na inspeção da corrente de Foucault.
A condutividade relativa dos metais comuns e suas ligas varia em uma ampla categoria. A capacidade para
conduzir a corrente pode ser medido em termos de condutividade ou resistividad. Na inspeção de Foucault,
o uso frequente é fato baseado no International Annealed Copper Standard.Neste sistema, a
condutividade do cobre recozido, sem mistura é arbitrária nominal de 100%, e a condutividade de outros
metais e ligas expressam-se como uma percentagem desta norma. Portanto, a condutividade do alumínio
sem alear, está classificado 61% IACS, ou seja o 61% de cobre puro. As classificações de resistividad e
condutividade de vários metais comuns e suas ligas apresentam-se na Tabela 1.

Muitos fatores influem na condutividade de um metal, designadamente, a temperatura, composição,


tratamento térmico e a microestructura decorrente, tamanho de grão, dureza e tensões residuais. Pelo
contrário, as correntes de Foucault podem ser utilizado para controlar a composição e caraterísticas
metalúrgicas diferentes, sempre que sua influência na condutividade seja suficiente para fornecer o
contraste necessário.

Permeabilidad magnética
metais ferromagnéticos e ligas, como o ferro, o níquel, o cobalto, e algumas de suas ligas, actuan para
concentrar o fluxo de um campo magnético. São fortemente atraídos por um íman ou um electroimán, têm
sensibilidade extremamente alta e variável, e tem permeabilidades muito altas e variáveis.
a permeabilidad magnética não é necessariamente constante para um determinado material, mas depende
da intensidade do campo magnético que atua sobre ela. Por exemplo, considere uma amostra de aço que foi
completamente desmagnetizado e depois se coloca em uma bobina. Como a corrente na bobina se
incrementa, o campo magnético sócio com a corrente aumentará. O fluxo magnético no aço, no entanto,
aumenta rapidamente ao princípio e depois estabiliza-se de maneira que, ademais, um acréscimo grande na
força do campo magnético conseguiria só um pequeno acréscimo no fluxo no aço.

Como as correntes de Foucault são induzidas por um campo magnético variável, a permeabilidad magnética
do material objeto de inspeção influi fortemente na resposta às correntes de Foucault. Em consequência,
as técnicas e as condições utilizadas para a inspeção dos materiais magnéticos diferem dos
utilizados para a inspeção de materiais não magnéticos. No entanto, os mesmos fatores que podem
influir na condutividade elétrica (tais como a composição, dureza, tensões residuais, e defeitos) podem
também influir na permeabilidad magnética. Portanto, a inspeção de Foucault pode ser aplicada tanto aos
materiais magnéticos e não magnéticos. Embora os motoristas magnéticos também têm uma condutividade
elétrica que pode variar com as mudanças nas condições dos materiais, as mudanças de permeabilidad de
modo geral têm um efeito maior sobre a resposta das correntes de Foucault nas frequências de análises
sensorial inferior às variações de condutividade.
O fato de que a permeabilidad magnética é constante quando um material ferromagnético está saturado
pode ser utilizado para permitir a inspeção da corrente de Foucault de materiais magnéticos com uma
influência muito reduzida das variações de permeabilidad. A parte que se vá inspecionar se coloca em uma
bobina em corrente direta que flui. A magnitude da corrente utilizada é suficiente para produzir a saturação
magnética da peça. A bobina de inspeção (cerco) encontra dentro da bobina de saturação e cerca de
mostra-a objeto da inspeção. Esta técnica utiliza-se geralmente em inspeção de materiais magnéticos já que
por descontinuidades e devido a pequenas variações da permeabilidad que não são de interesse podem
causar a rejeição de material aceitável.

Fator de Lift-Off (decolagem)

Fig. 9 diagrama de impedancia de plano que mostra curvas de condutividade elétrica e a


decolagem(100 kHz.)

Quando uma bobina de inspeção sonda, ligada a um instrumento de controle adequado, se ativa no ar, se
dão algumas indicações, inclusive se não há um material motorista nas cercanias da bobina. A indicação
inicial começará a alterar para medida que a bobina se move mais cerca de um motorista. Como o campo da
bobina é mais forte cerca da bobina, a mudança que se indica no instrumento seguirá aumentando a um
ritmo mais rápido até que a bobina está diretamente sobre o motorista. Estas mudanças na indicação com
mudanças no espaço entre a bobina e o motorista, ou amostra, chamam-se decolagem. O efeito da
decolagem é tão pronunciada que pequenas variações no espaciamiento podem enmascarar muitas
indicações ou condições de maior interesse. Em consequência, costuma ser necessário manter um
relacionamento constante entre o tamanho e a forma da bobina e o tamanho e forma da peça que se
inspeciona. O efeito decole também é responsável pela extrema dificuldade de realizar uma inspeção que
requer análise de uma amostra que tem uma forma complexa.A mudança de impedancia da bobina com a
decolagem pode ser derivado a partir do diagrama da impedancia - plano mostra-se na figura 9. Quando a
bobina está suspendida no ar longe do motorista, a impedancia está em um ponto no extremo superior da
curva à esquerda na figura 9.À medida que a bobina acerca-se ao motorista, os movimentos de impedancia
se indicadan na direção pelas linhas discontinuas até que a bobina está em contato com o
motorista. Quando ocorre o contato, a impedancia está em um ponto que corresponde à impedancia da
mostra objeto de inspeção, que neste caso representa sua condutividade. O fato de que as curvas de
decolagem se acercar #se à curva de condutividade em um ângulo, podem ser utilizado em alguns
instrumentos para separar os sinais de decolagem dos decorrentes devariaciones na condutividade ou
algum outro parâmetro de interesse.

Embora é problema em muitas aplicações, a decolagem pode ser útil também. Por exemplo, com o efeito
decole, Os atuais instrumentos Foucault são excelentes para medir a espessura dos recubrimientos não
condutores, tais como revestimentos de pintura e anodizado, nos metais.

Fator de recheado

Na bobina cerco, uma condição comparável à da decolagem conhece-se como fator de recheado. É uma
medida de que tão bem se está inspecionando a parte cheia da bobina. Ao igual que com a decolagem, as
mudanças no fator de recheado resultam em fatores tais como as variações no diâmetro exteriorque devem
ser controlados porque pequenas mudanças podem dar indicações de grande tamanho. As curvas de
decolagem da figura. 9 é muito similar à das mudanças no fator de recheado. Para uma determinada
decolagem ou o fator de recheado, a curva de condutividade se deslocará a uma nova posição, comoindica
na figura 9. O fator de recheado às vezes pode ser utilizado como um método rápido para o controle das
variações nas medições do diâmetro exterior das barras e vigas.
Para uma interna, ou a bobina de tipo serpentín, as medidas de fator de recheado enche o interior do
encanamento que se está inspecionando. As variações no diâmetro interior da peça devem ser controladas
porque pequenas mudanças no diâmetro pode dar indicações de grande tamanho.

Efeito borde
Quando uma bobina de inspeção se acerca ao final ou à beira de uma peça objeto de inspeção, as correntes
de Foucault são distorsionados como não fluem para além da borda. A distorção das correntes de Foucault
resulta em uma indicação conhecida como efeito de borda.
Como a magnitude do efeito é muito grande, isto limita a inspeção cerca das bordas. A diferença da
decolagem, pouco pode ser feito para eliminar o efeito de borda. Uma redução no tamanho da bobina
diminuirá o efeito em algo, mas há limites práticos que determinam o tamanho das bobinas para
determinadas aplicações. De modo geral, não é aconselhável inspecionar a menos de 3,2 mm (1/8
polegada) da borda de uma peça, em função de variáveis como o tamanho da bobina e a frequência de
prova.

Efeito pele
Além do relacionamento geométrico que existe entre a bobina de inspeção e a mostra objeto de inspeção, a
grossura e a forma da peça vai afetar a resposta das correntes de Foucault. As correntes de Foucault não
estão distribuídas uniformemente ao longo de uma mostra objeto de inspeção, senão que são mais densas
na superfície imediatamente embaixo da bobina e são a cada vez menos densas, com acréscimo da
distância por embaixo da superfície - um fenômeno conhecido como efeito pele. A certa distância por
embaixo da superfície de uma peça grossa não terá essencialmente correntes que fluem.
A figura 10 amostra como a corrente de Foucault varia em função da profundidade baixo a superfície. A
profundidade à que se reduz a densidade da corrente de Foucault a um nível de ao redor de 37% da
densidade na superfície se define como a profundidade do nível de
penetração. Esta profundidade depende da condutividade elétrica e permeabilidad magnética do material e
da frequência da corrente magnetizante. A profundidade de penetração diminui com o acréscimo na
condutividade, a permeabilidad, ofrecuencia de inspeção. A profundidade regular de penetração pode ser
calculado a partir de:

Onde: S é a profundidade de penetração regular (em polegadas)


? é a resistência (em ohm-cm)

µ é a permeabilidad magnética (um dos materiais não magnéticos)

f é a frequência das inspeções (em hertz)

A Resistividad, cabe assinalar, esel inverso da condutividade. A profundidade de penetração regular, em


função da frequência das inspeções, mostra-se em alguns metais em diferentes condutividades elétricas da
figura. 11.

Fig. 10 A variação na densidade de corrente de Foucault como uma função da profundidade

por embaixo da superfície de uma condutor - variação conhecida como o efeito pele

Fig. 11 Norma profundidades de penetração em função das frequências utilizadas na inspeção da


corrente de Foucault para vários metais de diferentes condutividades elétricas

A resposta das correntes de Foucault obtidas refletem a espessura do material da peça. É necessário,
portanto, há que se assegurar de que o material tem uma grossura constante ou é o suficientemente grossa
para que as correntes de Foucault não penetram por completo através dele. Há que recordar que as
correntes de Foucault não cessam na profundidade de penetração regular, mas seguem a certa distância
para além dela. Normalmente, uma mostra objeto de inspeção deve ter uma espessura de ao menos duas
ou três profundidades regulares antes de que a espessura deixe de ter um efeito significativo sobre a
resposta da corrente de Foucault. Ao calibrar corretamente um instrumento de Foucault, se é possível medir
a espessura do material como a resposta que varia com espessura. Mudar a grossura do material nas
seguintes curvas no plano de impedancia como os que se mostram na figura. 12. Segundo o indicado pelas
curvas, as medições da espessura pelo método de correntes de Foucault é mais precisas em materiais
delgados (Fig. 12b) que em materiais grossos (Fig. 12a). O contrário ocorre com as medições de espessuras
realizadas por ultrasonido, pelo que os dois métodos se complementam entre si.

Fig. 12 diagramas típicos impedancia-plano para mudar a espessura do material. (A) Diagrama para o
material grosso. (B) Diagrama de material fino em uma escala alargada. Frequência inspeção 100 kHz.

Sequência de prova de Correntes de Foucault


O processo de indução modelou-se previamente usando um par de bobinas como circuitos primário e
secundário. O processo de prova de correntes de Foucault é resumido com um espécime de prova como
circuito secundário.

1. O instrumento de prova gerador de CA aplica uma voltagem alternada de uma verdadeira frequência à
bobina de prova, causando que uma fonte de corrente flua através da bobina (Figura 8.18).

2. A corrente na bobina primária desenvolve-se um campo magnético ao redor da bobina (Figura 8 -19)

O campo magnético principal inicia os seguintes processos de indução:


a. O fluxo da bobina induze/induz umback voltagena bobina, causando reactancia inductiva (Figura 8-20).

b. O fluxo da bobina induze/induz uma tensão no material de ensaio, que fazem as correntes de Foucault
circular
(Figura 8.21).
3. As correntes de Foucault geram um campo magnético secundário, que reage com o campo principal que a
bobina está gerando (Figura 8-22).
Qualquer mudança no fluxo das correntes de Foucault produz mudanças no campo magnético que as
correntes de Foucault fazem voltar à bobina de prova. Qualquer mudança neste campo magnético provocará
mudanças na reactancia inductiva e a resistência efetiva da bobina, o que produz mudanças no fluxo de
corrente através da bobina.
4. Por último, as mudanças no fluxo de corrente através da bobina produzirá uma mudança na indicação da
impedancia na tela do instrumento.

Prova de Desempenho
Critérios de prova do desempenho não parecem estar formalmente definidos para as provas de correntes de
Foucault como para as provas de ultrasonido e radiografia. No entanto, lamisma terminologia de prova de
desempenho pode ser empregue utilmente da seguinte maneira:
-Sensibilidade:O tamanho mínimo da descontinuidade que se podem mostrardesde uma profundidade de
material dado. a sensibilidade da superfície é especialmente importantecon o método de correntes de
Foucault.
- Penetração: A profundidade máxima dada por um sinal útil se puedemostrar para uma aplicação
particular.
- Resolução:O grau de separação entre os sinais podem ser mostrado.
O rendimento da prova depende sobretudo da condutividade do material, a permeabilidad, Prova de
frequência,desenho da bobina, e a decolagem. A frequência de prova e desenho da bobina são
fácilmenteseleccionables, e portanto são os controles primários sobre o desempenho da prova. Diretrizes
para a realização de uns resultados ótimos para uma aplicação específica sedan na Seção 8.6. Nas alíneas
seguintes resumem-se como provar as principalesvariables que afetam o desempenho.
1. Condutividade. Quanto maior seja a condutividade do material de ensaio, maior é a sensibilidade nas
descontinuidades de superfície, mas menor a penetração das correntes de Foucault no material.Inicialmente,
esta reduzida penetração pode parecer contradictoria, mas esen realidade bastante lógica.Como o campo
da bobina de fluxo se expande, a voltagem é induzida pela primeira vez na superficiey depois a
profundidades a cada vez maiores no material de prova. Em materiais de alta condutividade, um
considerável fluxo de correntes parásitas e portanto uma forte corrente secundariade fluxo desenvolve-se na
superfície. Isto dá local a uma sustancialcancelación de fluxo de corrente principal. Como o fluxo principal foi
em grande parte débil, existe menos corrente primária para desenvolver as correntes de Foucault enmayor
profundidade.
2. Permeabilidad. Esta variável só se aplica aos materiais ferromagnéticos.À medida que aumenta a
permeabilidad de materiais, os sinais de ruído decorrente delas variações da permeabilidad amostra
maiores variações do sinal atual das correntes de Foucault.Este efeito acentua-se com maior
profundidade. A Permeabilidadpor tanto, limita a penetração efetiva das correntes de Foucault. O
problemapuede ser eliminado por saturação do material magnético. No entanto, laoportunidad para saturar
está limitada pela geometria da bobina /material de ensaio.
3. Frequência. As provas por corrente de Foucault realizam-se dentro de uma categoria de frecuenciade
aproximadamente 50 Hz a 10 MHz, embora a maioria das aplicações mostram um bom desempenho nos
extremos dessa categoria. Como a frequência de prova se
aumenta, a sensibilidade às descontinuidades de superfície aumenta, o que permitecada vez mais detectar
pequenas descontinuidades na superfície .Como a frecuenciase reduz, a penetração das correntes de
Foucault no material aumenta. Ademais, se a frequência diminui, a velocidade do movimento da bobina
deve serdisminuida com o fim de obter uma abrangência total. A frequência de prova para a obtenção de
uma penetração adequada em um determinado material pode ser estimada mediante a equação de
profundidade de pele ou mediante uma carta da penetração traçada a partir da equação de profundidade da
pele de diferentes materiais motoristas. Tabela 8-1amostra as profundidades de pele obtida em várias
frequências para uma seleção de materiais. No entanto, devido ao número de variáveis que afetam o
comportamento da corrente de Foucault, esta frequência só deve ser utilizado como ponto de partida. A
frequência ótima determina-se melhor pela experimentação.

4. Desenho da bobina. A penetração e a sensibilidade vêem-se afetados pelos requisitos em conflictopara


a geometria da bobina. A sensibilidade a descontinuidades pequenas de superfície requer que o campo de
correntes de Foucault seja o suficientemente compacto para que seja distorsionado pela descontinuidade.
Pelo contrário, a penetração requer que o campo de correntes de Foucault se estenda à
necesariaprofundidad no material de ensaio. As regras básicas são que a penetração de correntes de
Foucault se limite a uma profundidade equivalente ao diâmetro da bobina, enquanto a sensibilidade
suficiente requer que o diâmetro da bobina seja limitado ao mínimo length da descontinuidade para ser
detectado.
5. lift-off. Dado que a densidade de fluxo diminui exponencialmente com a distância da bobina de prova,a
quantidade de lift-off, ou a separação entre a amostra e a bobina de prova, tem um impacto significativo
sobre a sensibilidade. Quanto mais perto o acoplamento entre a bobina e o modelo de prova, mais denso é o
campo da corrente de Foucault que podem ser desenvolvido, e por tanto mais sensível o material de prova a
qualquer variável. Pelo contrário, cerca do acoplamento aumenta a sensibilidade ao lift-off noise, devido a
causas como a oscilação da sonda.

EQUIPE DE PROVA
Hardware Básicos de Foucault atualmente inclui instrumentos, bobinas e acessórios para bobinas, Equipe
de transporte de amostras, dispositivos de gravação, e normas de referência. Os instrumentos de prova
podem ser de propósito geral ou desenhados para uma aplicação específica. As bobinas desenham-se
geralmente para uma categoria particular de aplicação.

Os instrumentos por correntes de Foucault


Uma ampla variedade de instrumentos de Foucault atual encontra-se disponível para seu uso, do simples ao
complexo. Embora estes instrumentos variam muito na flexibilidade de aplicações bem como o tamanho, a
maioria deles operam em princípios similares.Além de uma fonte de alimentação, todos os instrumentos de
Foucault requerem pelo menos três circuitoselementales: gerador de corrente alternada, o circuito da
bobina, e o display. O nível de flexibilidade de desenho na cada um destes elementos de modo geral,
determina a forma como os instrumentos de Foucault atuais diferem entre si.
*Geradores de corrente alternadafornecer a tensão que conduz a bobina. Podem funcionar com uma
solafrecuencia fixa, oferecem uma seleção de frequências conmutable, continuamente variável, ou inclusive
oferece múltiplas frequências simultaneamente. Em alguns instrumentos, há um ajuste da amplitude da
tensão aplicada à bobina.
*Circuitos de bobinagama de desenhos destinados a trabalhar com só uma bobina específica, uma gama
limitada de bobinas especifica, ou com quase qualquer configuração da bobina disponíveis.
*Displays pode variar desde um só LED de leituras e medidor para apresentações de múltiplas frequências
nas telas de várias cores.
Instrumentos Especializados

Instrumentos estão desenhados para uma aplicação específica e geralmente são capazes derealizar dita
pedido de maneira mais eficiente que os instrumentos de uso geral. Exemplos de instrumentos
especializados são os detectores de craque, medidores de espessura de revestimento e medidores de
condutividade. medidores da condutividade, por exemplo, pode dar a leitura direta da condutividade nos
valores da IACS. Ademais, alguns instrumentos de detecção de fendas fornecem lift-offpara evitar a
supressão dos sinais de ruído causado pelas variações na bobina de prova pela separação de
materiais. Quando há suficiente trabalho em uma aplicação dada para justificar o investimento de um
instrumento de uma só função, é provável que seja a melhor opção. No entanto, há que ter cuidado com os
instrumentos atuais de Foucault tipo medidor. Como não fornecem a quantidade de informação disponível
do plano de impedancia em tela, os instrumentos de tipo de medidor-pode induzir a erro aos usuários menos
qualificados. Dado que os instrumentos medidor pode mostrar só os desvios ascendentes ou descendente
da escala, devem ser operados de maneira que só uma variável do material seja mostrada. No entanto, com
os instrumentos de impedancia de tela plana, a cada tipo de condição material desvia a tela de pontos de
uma maneira caraterística, o que facilita a separação de variáveis e a interpretação dos sinais.
Instrumentos de display plano de Impedancia Standart
O gerador AC destes instrumentos dirige a bobina de prova a uma só frequência, que costuma ser
selecionável de uma larga gama de frequências. Estes instrumentos de uso geral podem levar a cabo uma
extensa variedade de aplicações de correntes de Foucault.
A capacidade de ver sinais reais do plano de impedancia fornece ao usuário uma grande quantidade de
informação valiosa. Alguns destes novos instrumentos oferecem uma maior portabilidade, como a unidade
que se mostra na Figura 8.23. No entanto, instrumentos de tipo prova-sistema (Figura 8-24) não oferecem
portabilidade, mas pode ser operado 24 horas ao dia para testear a produção contínua de canos, cilindros,
varetas, arame ou molinos.
os instrumentos de Impedancia de tela plana mostram variaciónes de reactancia inductiva e resistência
durante a prova. As funções de controle destes instrumentos podem incluir, mas não se limitam a, o
seguinte:
* Frequência: Ajusta a frequência com a que o gerador de CA maneja a bobina de prova
*Ganho (sensibilidade, dB): Ajusta a amplificación do sinal de saída da ponte ao display(Veja-se o modo de
operação)
*Pontos de posição Horizontal / vertical: Ajusta a posição do ponto na tela
*Rotação de fase: Gira a direção do ponto de deflexão
* Balanço (Null, Zero): Ajusta a impedancia para que sejam idênticas em ambos lados da ponte

Erase (Apagar): Apaga a tela


Porta: sensibiliza alguma porção da tela para ativar um alarme
Filtros: sinal preventivo em tela por em cima e por embaixo de uma determinada categoria de frequências
Sonda de impulsão: Ajusta a amplitude da voltagem aplicada à bobina de prova
Amplificación Horizontal e vertical da tela: Permite que um dos eixos da tela que seja alargado em
relacionamento com os demais para melhorar o sinal
Instrumentos Multifrecuencia
O desenvolvimento de instrumentos multifrecuencia foi um dos avanços mais significativos na evolução do
hardware de prova de correntes de Foucault atuais. Estes instrumentos praticamente eliminam o que era
uma das mais graves limitações do método, o fato de que os sinais causados por diferentes variáveis dos
materiais podem ser combinado em um sinal que chega a ser difícil de interpretar. Ademais, oferecem um
potencial para a melhoria substancial do rendimento.
Conduzindo a bobina de prova em mais de uma frequência, os instrumentos multifrecuenciano só podem
mostrar a atividade da prova na cada frequência por separado, senão que também pode mostrar o resultado
de um telefonema "mistura de saída" dos sinais de diferentes frequências sustraídas uma de outra. Estas
capacidades resultam nas seguintes quatro vantagens:
1. Supressão das variáveis não desejadas. A capacidade de restar os sinais das demais e mostrar a
diferença de como saídas mistas permitem a eliminação de sinais não desejadas na tela. Esta caraterística é
a razão pela qual os instrumentos multifrecuencia foram desenvolvidos originalmente: para suprimir os
sinais de suportes de aço durante a inspeção de canos não ferromagnéticos, bem como reduzir o ruído do
lift-off devido à oscilação da sonda. Um instrumento de duas frequências pode eliminar uma fonte de sinal
não desejada. A cada frequência adicional permite a saída de mistura de um tipo adicional do sinal.
2. Otimização das variáveis de prova Normalmente contradictorias. O uso de múltiplos
frecuenciaspermite mais de uma variável de rendimento dependente da frequência que se otimizará de
forma simultânea. Por exemplo, durante a inspeção de canos utilizando bobinas internas, uma maior
frequência fornece sensibilidade ao diâmetro de descontinuidades internas de, enquanto uma baixa
frequência fornece a penetração necessária para detectar diâmetro descontinuidades exteriores.
3. Sinal de identificação por médio de reconhecimento de padrões. Um desvio do sinal dado poderia
sercausada por uma série de condições detectables. No entanto, a cada uma apresenta uma condiciónde
padrão de comportamento único quando se vêem em uma larga gama de frequências. instrumentos
multifrecuencia mostram este comportamento, aumentando a probabilidade de identificar a verdadeira
natureza do sinal.
4. Operação absoluto / diferencial Simultâneas. Alguns instrumentos multifrecuencia têm a vantagem de
permitir que um só conjunto de bobinas dual opere simultaneamente em modo absoluto e diferencial (se
veja o modo de operação, mais abaixo), reduzindo à metade o tempo de prova requerido quando a inspeção
é necessária a levar a cabo utilizando dois estas técnicas.
Há dois tipos de instrumentos multifrecuencia que estão disponíveis: multiplexado e multicanal.
Equipes de multiplexado funciona a uma só frequência em um instante dado, mudando rapidamente dentre
as frequências disponíveis. Portanto, a prova não se realiza simultaneamente em todas as frequências,
embora a tela dá a ilusão de que este é o caso. A equipe multicanal é o equivalente a ter mais de um
instrumento de Foucault compartilhando uma tela única. Os primeiros instrumentos multifrecuencia requerem
que o sinal da mistura se realiza manualmente pelo técnico. desenhos recentes, como a unidade se mostra
na Figura 8-25, realiza a mistura de forma automática.

Bobinas de prova
as técnicas de correntes de Foucault classificam-se segundo o modo de funcionamento e configuração
básica do conjunto da bobina de prova. Modo de funcionamento determina como as interfaces de
instrumento com o modelo de prova, de alguma forma compara a entrada da bobina da amostra de ensaio a
uma bobina de referência ( operação absoluta) ou de alguma forma comparar a entrada da bobina de duas
partes adjacentes da amostra de prova a outros (operação diferencial). A configuração básica determina a
forma em que as bobinas estão fisicamente encaixando no objeto de prova, isto é, se a bobina se acerca a
uma porção da superfície de prova de uma maneira similar à sonda (bobina de superfície), já seja rodeando
totalmente a circunferencia exterior do objeto de prova (bobina enrolada), ou se passa pelo interior do
produto tubular (bobina interna). O desenho da bobina, bem como a magnitude e a frequência da corrente
aplicada, todos afetam o campo electromagnético desenvolvido pela bobina.

Modo de funcionamento
Com na maioria dos instrumentos de corrente de Foucault, o conjunto da bobina está ligado com a equipe
através de um circuito ponte, como se ilustra na Figura 8.26. As pontes são capazes de detectar muito
pequenas variações de impedancia. Ao começo da prova, o operador do instrumento equilibra a ponte para
fornecer um sinal de referência. Durante a prova, a tela oferece uma leitura de desequilíbrio da ponte
causada pela interação da bobina com o material de ensaio.

Configuracion de bobina absoluta (Figura 8.27)coloca-se uma só bobina no material de prova e emprega
uma segunda bobina, chamado equilíbrio de carga, distanciada do material de prova para o equilíbrio da
ponte. A Bobina absoluta detecta qualquer condição que afeta o fluxo da corrente de Foucault. Embora isto
significa que são capazes de detectar qualquer tipo de condição à que o método de correntes de Foucault é
sensível, também significa que são potencialmente sensíveis aos sinais não desejados tais como as
variações de temperatura do lift-off e o material.
Configuracion de bobina diferencial (Figura 8.28)utiliza um par emparejado de bobinas para realizar uma
comparação. Ambas bobinas se acoplam ao material de ensaio, com uma parte do material de ensaio sendo
comparado para outra. Condições de sensibilidade para um par de bobinas não são detectadas, enquanto
as condições de sensibilidade para uma única bobina se detectam. Isto tem a vantagem de suprimir as
variações de temperatura e lift-off. A Supressão de lift-off ajuda a descontinuidades pequenas a ser
distinguidas do ruído lift-off. A desvantagem de bobinas diferencial é que não oferecem nenhum sinal
quando uma condição de defeito é ao mesmo tempo detectada por ambas bobinas. Assim, as bobinas
diferencial é só mostrará os extremos das descontinuidades de longo, não são sensíveis às variações de
descontinuidade gradual e pode passar por alto uma descontinuidade longa do todo se seus extremos são
muito estreitos. Sinais diferenciais da bobina também são difíceis de interpretar: o sinal que aparecem
representala diferença entre as impedancias de duas bobinas, em local da impedancia de uma solabobina
de interação com o material de prova.

Configurações de bobina de referência externa (Figura 8-29) combinam-se caraterísticas de ambos


modos absoluta e diferencial, colocando uma bobina em contato com o material de prova e a outra bobina
acoplada a um padrão de referência. Esta técnica fornece uma indicação onde seja que o material de ensaio
difere da norma.

Configurações básicas

Bobinas de Superfície . Geralmente estão desenhados para ser de mão e estão encerrados em caixas tipo
sonda, para a digitalização das superfícies de materiais. As bobinas de superfície estão disponíveis em
diferentes formas e tamanhos para satisfazer diferentes necessidades de aplicação. Há muita mais
variedade no desenho de bobinas de superfície em comparação com as bobinas enroladas e as bobinas
internas. Alguns delas são surpreendentemente pequenos, com o fio mais fino que um cabelo
humano. Algumas bobinas de superfície podem realizar uma variedade de aplicações, enquanto outros se
configuraram para adaptar a um tamanho específico e a forma do tubo de ensaio. Por exemplo, as sondas de
superfície foram equipados com scripts para habilitar o seguimento da bobina ao longo da borda das
lâminas de turbina.
A maioria de bobinas de superfície são "enrolados" como um carretel de fio (figura 8-30a) e se desenha para
que o eixo da bobina seja perpendicular à superfície do tubo de ensaio. Estas bobinas são sensíveis às
fendas de superfície e as descontinuidades que se orientam perpendicularmente à superfície de prova. São
geralmente insensibles a descontinuidades de subsuperficie planares. Descontinuidades planares podem
ser detectadas utilizando o telefonema "herradura" ou sonda "brecha" (figura 8-30b). Estas sondas utilizam
um par de bobinas na cada extremo de um tipo de ferrita em forma de Ou, para que os campos de fluxo vão
de um pólo da "herradura" até o outro e portanto paralelo à superfície de prova. O campo de correntes de
Foucault portanto fluem-nos perpendiculares à superfície de ensaio, fornecendo a sensibilidade a
descontinuidades planares.
Ampla superfície da bobina permite um rápido escaneo e uma penetração mais profunda, mas são menos
eficazes na localização da localização de pequenas descontinuidades. Com frequência são selecionados
para as provas de condutividade como tendem a promediar as variações de condutividade localizada ao
longo de superfícies do material. Pelo contrário, as bobinas estreitas são as preferidas para detectar e
identificar a localização das descontinuidades de superfície pequena. Devido a seu pequeno diâmetro dos
campos electromagnéticos, bobinas estreitas são menos suscetíveis ao efeito de borda. As bobinas de
superfície fazem-se em numerosas configurações para satisfazer as necessidades específicas da
aplicação. As configurações típicas de bobinas de superfície são as seguintes:

Sonda Lápis (figura 8-31a):em forma, como seu nome o indica, que se celebrará entre os dedos e desenha
através da amostra de ensaio.

Sonda 90 °(figura 8-31b):Similar em função a uma sonda de lápis, exceto que a bobina esta em ângulo
reto com o suporte da sonda para o uso onde o acesso é limitado

Sonda buraco de Perno(Figura 8-31c):Desenhado para caber dentro dos buracos de perno com o eixo da
bobinaperpendicular à parede do buraco. sondas buraco de perno manuais equiparam-se com retenes a fim
de que pode ser girado a uma verdadeira profundidade no buraco e pode ser em forma de tenedor para
garantir um ajuste perfeito. Sondas buraco do perno motorizadas estão também disponíveis. Sua saída é
pelo geral mostra-se em uma tela de tempo, permitindo ao usuário determinar a posição circunferencial das
descontinuidades.

Sonda Sujetadora (anéis) (Figura 8-31d):Uma sonda desenhada para encaixar sobre buracos sujetadores
(rebites) do fuselaje de aeronaves. Utiliza-se para inspecionar as fendas ao redor de laagujero e pode ser
equipado com um plástico transparente para ajudar na adaptação da sonda com elagujero.

Sonda Panqueque (Figura 8-31e):Uma bobina de baixo perfil geralmente utiliza-se para a digitalização
das superfícies
que têm pouca ou nenhuma curvatura.

Sonda Resorte de superfície (Figura 8-31F): A bobina monta-se como um pistão em uncilindro, com
resorte para que se repliega em uma coberta externa quando se pressiona contra a superfície de ensaio, o
que minimiza o ruído da decolagem devido à oscilação da sonda.

Bobinas blindadas estão encerradas dentro de um cilindro de ferrita, não condutor, material
ferromagnético. Como se mostra na Figura 8-32, o blindaje contém o campo de fluxo da bobina para evitar a
interação com os limites de material de ensaio. No entanto, a proteção só opera na direção lateral, não
impeça a penetração.

Conjunto bobina eixo transversalcompõe-se de um par de bobinas adjacentes interagindo com elmaterial
de ensaio, com os eixos da bobina orientados 90 º entre si. Portanto, há sensibilidade aos defeitos de todas
as orientações. Estas podem ser colocado em uma configuração lado a lado como se mostra na figura 8-
33a, onde uma bobina gera correntes de Foucault em paralelo à superfície de ensaio, enquanto a outra
bobina gera correntes de Foucault perpendicular à superfície de ensaio. Também pode ser enrolado como
uma unidade com camadas alternadas em um ângulo de 90 ° entre si (x-wound), como se mostra na figura
8-33b.
Configurações de emissão-recepção, tais como de reflexão e bobinas de transmissão através, utiliza um
conjunto de bobinas para induzir correntes de Foucault no material de prova e um segundo conjunto da
bobina para detectar o campo secundário.

Técnica de bobina de reflexão, que se mostra esquematicamente na figura 8-34a, utiliza duas
bobinasensambladas em uma caixa única, situada no mesmo lado do objeto de prova. Só uma longa bobina
externa funciona como um transmissor rodeando um par de pequenas, empilhadas bobinas interiores que
formam um circuito receptor (figura 8-34b).

O termo "bobina de reflexão" resulta do fato de que as bobinas internas formam um par coincidente,
enrolado em oposição. A bobina externa induze/induz correntes de Foucault na amostra de ensaio. O fluxo
secundário desenvolvido pelas correntes de Foucault induze/induz uma voltagem na bobina encerrada pelo
espécime de prova, causando um desequilíbrio no circuito do receptor das duas bobinas, fornecendo assim
um sinal. As bobinas de reflexão têm a vantagem de ser insensibles à mudança da temperatura. Estas
funcionam bem em frequências baixas e pode funcionar em uma ampla categoria de frequências.

Técnica da transmissão através (Figura 8-35), as posições de transmissão e recepção de montagens de


bobina em lados opostos do objeto de prova.Fornece uma valiosa vantagem de rendimento em que as
descontinuidades podem ser detectados a maiores profundidades. No entanto, isto é compensado pelo fato
de que a profundidade da descontinuidade não pode ser mostrado porque a técnica não fornece informação
da fase.

Detector Hall. Outra técnica de emissão-recepção emprega uma bobina que fornece um fluxo primário para
geração das correntes de Foucault, utilizando um dispositivo de estado sólido chamado detector Hallcomo
receptor. Em 1879, EH Hall descobriu que uma pequena voltagem é desenvolvido através de um motorista
current-carrying quando um fluxo magnético induzido é perpendicular à direção do fluxo de corrente. Embora
a tensão não foi significativa com os motoristas típicos, certos semicondutores desenvolvem voltagem de
magnitude adequada para propósitos da prova de correntes de Foucault . Uma bobina receptora ordinária
opera de acordo à lei de Faraday, com tensão induzida proporcional à ratazana de mudança de fluxo
induzido, portanto depende dos efeitos de frequência e amplitude, com o que o resultado de saída decrece
conforme o faz a frequência. No entanto, um detector de Hall só responde à magnitude instantânea de
indução de fluxo, oferecendo um bom rendimento a baixas frequências. Ademais, um detector de Hall pode
ser fisicamente muito pequeno.Além dos tipos de bobina largamente conhecido descritos anteriormente,
uma série de desenhos avançados desenvolveram-se nos últimos anos. Um fator notável nesta área é o do
Atomic Energy of Canadá Limited, cujo pessoal desenvolveu uma reputação para o desenvolvimento das
bobinas de última geração para aplicações de poder

.
Bobinas envolventes (Figura 8-36) rodeiam completamente o material de ensayoy utilizam-se
normalmente para as provas em produção de vareta, arame, canos, e prateleiras. O Material de prova com
as bobinas que o rodeiam deve estar centrado nas bobinas por médio de scripts, para que toda a
circunferencia se ponha a prova com a mesma sensibilidade. Bobinas envolventes da linha de produção têm
mais experiência de uso pesado mais que qualquer outro tipo de bobina de corrente de Foucault. Algumas
delas podem funcionar de forma contínua, com o produto em movimento através deles tão rápido como 5000
pés por minuto. Uma pesada, linha de produção rodeada com uma montagem de bobina com módulos
intercambiáveis de tamanho da bobina mostra-se na figura 8-37a.Ligeiros, portáteis pares de bobinas
envolventes podem ser montado para o uso diferenciado ou separados para uso de referência absoluta ou
externa mostram-se na figura 8-37b.Devido ao "efeito de centro", as correntes de Foucault opõem-se e
portanto anulam-se no centro de materiais sólidos cilíndricos provados com bobinas envolventes. Portanto,
as descontinuidades situadas no centro das barras e não podem ser detectado com bobinas envolventes.

Dado que as bobinas envolventes inspecionam toda a circunferencia do objeto de prova, não podem
determinar a localização exata de uma descontinuidade ao longo da circunferencia. Chamadas bobinas de
hilado (Figura 8-38), são em realidade bobinas de superfície que giram ao redor do material de ensaio
cilíndrico, se empregam quando a identificação de localização circunferencial é requerida em aplicações de
bobinas envolventes. Desde um par de bobinas hiladas até só um setor circular limitado do material ensaio,
não estão sujeitos ao efeito de centro.No entanto, as bobinas de hilado inspecionam com um padrão espiral,
pelo que a abrangência de aplicação ao material depende da velocidade de rotação da bobina em frente à
velocidade de transporte do material. Deve ser tido cuidado para assegurar uma abrangência adequada.

Bobinas internas (Figura 8-39)passam através do núcleo do produto huecoy empregam-se normalmente
para a inspeção de encanamentos e canos em serviço. Ao igual que as bobinas envolventes, a bobina
interna inspeciona toda a circunferencia do objeto de prova ao mesmo tempo, mas não pode assinalar a
localização exata de uma descontinuidade ao longo da circunferencia.
Uma vez mais, desenhos especiais estão disponíveis para determinar a localização circunferencialde
descontinuidades. Manuais e procedimentos automatizados utilizam-se para impulsionar as bobinas
internas ao longo de um cano longo. montagens de bobina Flexível "sifão" estão disponíveis para navegar
curvaturas extremas de encanamento. Uma seleção das típicas bobinas internas mostra-se na Figura 8-40.
Inspeção de canos de intercambiadores de calor na figura 8-41 é a aplicação mais comum das bobinas
internas.

Standards de Referência
Prova de calibragem ou a normalização é o processo de ajuste de tela do instrumento para representar um
nível de referência conhecido, para que a prova pode ser uma comparação entre o material de prova e a
norma de referência. A validade da prova portanto depende da validade da norma de referência. Por outra
parte, o sistema de ensaio deve ser comprovado a intervalos regulares contra a norma de referência para
assegurar-se de que funciona corretamente e este configurado corretamente para a prova que se realiza. Se
uma variação no rendimento do instrumento ou instalação descobre-se, todo o material de prova desde a
última verificação da correta execução e posta em marcha devem ser reexaminados.
Já que há uma infinita variedade de condições de descontinuidade, não é nem possível nipráctico ter um
conjunto de normas de referência tão completa como para reproduzir todas as condições possíveis que
poderiam ser detectadas durante um exame. O ensaio não é tanto uma questão de emparejar a cada sinal
de prova com um sinal de referência idêntica. Em seu local, obtém-se normas práticas de referência que
contêm um número manejable das condições de descontinuidade representante.Os sinais que variam
destes a seguir deve ser interpretado através de técnicas como a análise de impedancia plana.
As regras seguintes aplicam-se à seleção e a fabricação das normas:
1. O standard de prova deve ser o do mesmo material, com a mesma espessura de parede yconfiguración, e
receber o tratamento igual que o material a ensaiar.
2. As descontinuidades artificiais na norma modelariam as descontinuidades naturalesesperadas no
material de prova. Por exemplo:
a. buracos perfurados podem simular buracos.
b. EDM entalhes ou cortes de serra pode simular fendas.
c. redução de espessura no cano pode simular o desgaste.
d. Tratamento térmico pode simular uma mudança de condutividade.
3. descontinuidades artificiais nas normas de prova deve ser o suficientemente separados para que seus
sinais não se interfiram entre si.
4.As Normas não devem conter descontinuidades com exceção dessas que se prepusieron por referência.
Figura 8-42 amostra os canos normas, bem como as normas utilizadas para calibrar os instrumentos atuais
de Foucault para a detecção e avaliação das fendas nas superfícies de materiais e os buracos no interior de
pernos. Aumentar as normas que contêm descontinuidades artificiais, é útil para construir uma biblioteca das
descontinuidades naturais mediante a obtenção de amostras reais fosse de serviço ou recusadas durante a
fabricação. Isto é muito valiosos para agudizar as habilidades interpretativas próprias.