Вы находитесь на странице: 1из 84

5 SARIDIS Estudo de Caso em Vendas e Distribuição (SD)

a Transação SBWP no sistema PI, e mude para a Caixa de entrada nó. Execute o mensagem
intitulada Aceitar inquérito? clicando duas vezes sobre ele. Para deixar o cenário jogar fora, confirmar
a decisão usuário com aceitar ( Veja a figura
5,98).

A Figura 5.98 Decisão Manual do Usuário

Para ver o processo de integração em monitoramento, fazer logon no sistema de PI, e chamar
Transação SXMB_MONI_BPE. Selecione os Processos item de menu para uma mensagem. Agora,
no campo Nome da interface, digite o SI_Inquiry_ Async_Abstract interface de serviço; no campo
Namespace Interface, digite seu namespace. Para visualizar todos os processos da mensagem,
selecione todas as Instâncias no campo variante de seleção. Executar a seleção com

[F8].

Na lista mostrada na Figura 5.99, você pode encontrar todas as instâncias do processo do processo
de integração que você criou.

420 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Decisão manual em consultas 5.5

A Figura 5.99 Acompanhamento do Processo de Integração

421
© 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)
Este capítulo discute diversos conceitos que você pode usar para melhorar a estudo de
caso do livro, incluindo uma descrição de um outro processo de negócio extensa que
utiliza aplicações fora do SAP NetWeaver Process Integration (PI). Além disso, este
capítulo lança alguma luz sobre o futuro desenvolvimento do SAP NetWeaver PI.

6 Melhorias e Outlook

Agora que você concluiu com êxito os exercícios e estudo de caso deste livro, a etapa final
apresenta-lhe algumas possíveis maneiras de estender seu conhecimento em outros cenários
mais complexos. Nosso objetivo é prepará-lo para futuros desenvolvimentos no ambiente SAP
NetWeaver PI, tanto quanto possível nesta fase. Por esta razão, as seguintes seções lidar com o
papel de SAP NetWeaver PI no ambiente arquitetura serviceoriented (SOA), além de conter uma
discussão sobre futuros desenvolvimentos do produto em si.

6.1 Possíveis Melhoramentos ao estudo de caso

Em algum ponto durante a discussão de nosso estudo de caso, você provavelmente pensou que Distinção entre

não havia espaço para uma análise mais detalhada dos conceitos específicos. Para melhor facilitar dois conceitos
realce
a compreensão, o estudo de caso tem sido mantido deliberadamente simples - mais simples do
que seria realmente em tal ambiente. Com isto em mente, queremos agora descrever alguns
conceitos mais complexos em mais detalhes.

6.1.1 Estendendo a amplitude do estudo de caso

Ao estender a abrangência do estudo de caso, podemos examinar o tempo antes e depois do Aumentar a seção

processo, e também dar uma olhada nos sistemas de outras empresas. Neste livro, temos apenas sob consideração

utilizado o estudo de caso SARIDIS a um mini-

423
6 Melhorias e Outlook

mal medida, mesmo que ele contém muitos processos e casos especiais que poderiam ser
considerados como desafios. Por exemplo, poderíamos considerar os processos de compra, se
concentrar mais em Gestão de Materiais (MM), ou modificar os processos de vendas e distribuição
(SD) através da realização de uma transação comercial thirdparty.

O fator importante aqui é que você pode continuar usando o processo SD descrito enquanto
descobre novos cenários. Por exemplo, o processo contém etapas que não são suportados pelo
SAP NetWeaver PI, e você pode complementá-lo com o envio de uma confirmação do pedido ou
uma notificação de envio. Além disso, não é muito claro como SARIDIS controles e mensagens
entrante pagamentos, para que pudesse estudar este processo com mais detalhes. Além disso, as
seções práticas neste livro não lidar com que os sistemas poderiam ser usados ​no lado de Hitech
AG ou ensolarados Electronics, e suas aplicações podem ter algumas características específicas
que exigem uma modificação dos processos. Por exemplo, não consideramos a questão do que o
cenário seria se ensolarados Eletrônica foram atribuídos uma ordem para monitores.

Dependendo da sua área de foco, você poderia, por exemplo, também se estendem a aplicação
ABAP descrito na terceira etapa no Capítulo 5, Sardes Estudo de Caso em SD, para torná-lo mais
amigável. Você pode usar a programação Web Dynpro tanto em ABAP ou Java; você também
pode modelar aplicações de serviços Web, módulos de função ou consultas Business Warehouse
(BW) com SAP NetWeaver Visual Composer. Além disso, você pode integrar os exercícios
técnicos, que são basicamente independente do estudo de caso. Como tal, você pode estender o
registro mestre de material para criar os itens que serão ordenados mais tarde por Hitech AG.
Outra questão que você poderia tentar resolver é a troca de mensagens com outras empresas e
parceiros. (Para manter uma visão clara dos exercícios e evitar ter que aumentar a paisagem
sistema mais longe,

Com os novos recursos em versão 7.1, há ainda mais maneiras de expandir o estudo SARIDIS. As
funções do sistema de PI SAP NetWeaver pode ser usado para criar objetos adicionais de
negócios, componentes de processo e modelos de interação de componentes processo - e,
portanto, para modelar o conteúdo de negócios do processo de negócio SARIDIS. A capacidade de
integrar empre-

424 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Possíveis Melhoramentos ao estudo de caso 6.1

ness vista é uma das principais melhorias no Repositório do Enterprise Services.

Outra melhoria na versão 7.1 é a capacidade de substituir os serviços do estudo de caso SARIDIS Serviços do Enterprise

com serviços reais, enviados pela SAP no escopo padrão do repositório de serviços corporativos. Services Workplace

Por exemplo, na primeira etapa do estudo de caso SARIDIS - a criação do inquérito, que
atualmente é tratado por um documento intermediário (IDoc) para o sistema de back-end SAP - o
IDoc pode ser substituído por um dos cerca de 3.000 serviços na empresa Repositório de serviços.
Para fazer isso, vá para o SAP Developer Network (SDN) ( http://sdn.sap.com), e pesquisa na área
de Enterprise Services Workplace para um serviço de correspondência. O pedido de cotação
(PDO) de pesquisa, por exemplo, devolve os resultados apresentados na Figura 6.1.

Figura 6.1 Hit List no Serviços Workplace

Como você pode ver na Figura 6.1, Enterprise Services grupos consultas e solicitações de preços pesquisa estruturada para
serviços
juntos em vários mapas de cenários de negócios, como o Strategic Sourcing com Bid convite, o
que mais se aproxima da SARIDIS

425
6 Melhorias e Outlook

estude. Se você clicar em Strategic Sourcing com convite do Bid no Enterprise Services Workplace,
você vai ver Figura 6.2, que ilustra o processo e os benefícios da solução.

Figura 6.2 Processo de Fluxo de Strategic Sourcing com convite do Bid

Isto poderia ser usado como um ponto de entrada para apresentar detalhes de como este processo
é modelado no sistema SAP. Além disso, você poderia ir mais fundo no assunto do cFolders 1 e sua
capacidade de modelar processos colaborativos (ou seja, processos que são realizados com a
cooperação entre o comprador eo fornecedor).

1 cFolders são usados ​para colaborar com as equipes de design ou produção distribuída em um

Web-based ambiente; eles são parte de um conjunto de aplicativos que permite integratation para gerenciamento de

projetos, gestão do conhecimento e gestão de recursos no SAP NetWeaver.

426 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Possíveis Melhoramentos ao estudo de caso 6.1

O Enterprise Services Workplace também lista que processa e componentes do processo ocorrer De EAI para SOA

em RFQ, e que objetos de negócios são a base dos componentes do processo. Além disso, o middleware

ponto de vista existentes sobre os objetos técnicos, tais como interfaces de serviços, operações de
serviços e tipos de dados, é mostrado (como nas versões anteriores do SAP NetWeaver PI).
Como deve ser evidente, o sistema PI não é mais apenas a paisagem integração de aplicações
empresariais técnico (EAI) puro para aplicação-a-aplicação (A2A) ou business-to-busines (B2B)
integração; desenvolveu-se além dos novos artefatos de modelagem que foram descritos em SOA
middleware.

Outra abordagem que você pode tomar é a de publicar os serviços que você modeladas em SAP
NetWeaver PI no Registry Services. Lá você pode classificá-los de acordo com seu próprio ponto
de vista, e chamá-los a partir de outro aplicativo. Devido à abertura dos serviços da Web, isso
poderia funcionar tanto para ABAP e aplicações Java e um Ruby on Rails (RoR) ou aplicação PHP
que acessa e utiliza os serviços do estudo de caso SARIDIS.

Um suplemento adicional para o estudo SARIDIS seria para determinar a eficiência do processo dos Business Activity

processos descritos no sistema SAP ERP. Em O negócio Processo Execution Language para Web Monitoring

Services ( WS-BPEL) modelos, o SAP NetWeaver PI fornece a capacidade de definir as etapas do


processo; se os marcos são recolhidos ao longo de um número suficiente de instâncias de processo,
você pode, então, determinar a eficiência do processo modelado. Isto é conhecido como Business
Activity Monitoring ( BAM), que foi cunhado pelo Gartner Group. Somente os eventos significativos de
um processo são modelados como processos WSBPEL.

Ao contrário de outros processos BPEL, monitoração marco consiste em cada fase do processo,
que pode receber mensagens, compartilhar eventos, e gerar alertas. Os marcos relevantes no
processo SARIDIS seria o inquérito, cotação (s), pedido de venda, e fatura. Sempre que um
desses quatro eventos ocorre no sistema de back-end, uma mensagem apropriada é enviada para
o processo marco que foi modelado em WS-BPEL. Um sistema SAP BW ligado pode então
carregar os dados, e a análise levada a cabo com funções fornecidas por SAP Business e
ferramentas relacionadas.

427
6 Melhorias e Outlook

Pode ser interessante para analisar, por exemplo, o número de instâncias de processo em um
determinado período de tempo. Estes valores podem ser diferenciados de acordo com os
materiais colhidos, a média, e o tempo mínimo e máximo rendimento do processo global. A partir
desta análise retrospectiva da eficiência de um processo, você poderia determinar abordagens de
otimização para implementação futura.

6.1.2 Estendendo a profundidade do estudo de caso

Detalhes dos Ao estender a profundidade do estudo de caso, estamos nos referindo à consideração dos
conceitos descritos detalhes dos conceitos e problemas descritos. Um desses aspectos é a questão da segurança.
Por exemplo, muitos adaptadores permitem que você configure as configurações de segurança
que garantem uma troca segura de dados, mesmo para além das fronteiras da empresa. Embora
descrito vários adaptadores nos exercícios, nós não entrar em mais detalhes, porque a maioria
dos adaptadores exigem aplicações e servidores adicionais cuja integração envolveria um esforço
considerável.

Enhancement por Os exercícios técnicos poderia ser aprimorado para usar um dos seguintes novos recursos na
serviço de internet
versão 7.1:
padrões
EE Security Assertion Markup Language (SAML)

EE perfil de serviço Web

EE WS confiável Messaging

Estes são alguns exemplos que ilustram o apoio de padrões web e mostrar que SAP NetWeaver
PI tem desenvolvido para um middleware SOA (ver Secção 6.3, SAP NetWeaver PI e SOA).

Melhor performance Outra forma de aumentar a profundidade do estudo de caso seria addess problemas de
para o
desempenho. SAP NetWeaver PI 7.1 já oferece algumas melhorias para processamento em
processamento de massa
massa, como a mensagem de volume e processamento no motor Adaptador Avançado (AAE).

Elementos do negócio são um elemento essencial que incluímos em vários casos neste livro. Esses
objetos têm esse potencial enorme que você pode, por exemplo, automatizar o estudo de caso
inteiro com apenas dois processos de negócio que se comunicam uns com os outros. Fazendo isso,
você pode pular as etapas manuais que discutimos.

428 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Jogo de distribuição de cerveja 6.2

Isso também seria um local ideal para testar novas oportunidades em gestão de processos de Modelagem de

negócios (BPM), que estão disponíveis como resultado do SAP NetWeaver Composition processos com o
Composition
Environment (CE). SAP NetWeaver CE é uma plataforma estratégica em que o roteiro de BPM
Environment SAP
SAP é baseada (ver Snabe et al., Business Process Management: O Roteiro SAP, 2008), e o NetWeaver
elemento central é o Repositório de Serviços Corporativos, que se desenvolveu a partir do
repositório SAP Exchange Infrastructure (XI).

Enquanto SAP NetWeaver CE visa a comunicação entre homem e máquina, o foco da SAP
NetWeaver PI é sobre a comunicação de máquina para máquina. Ambos são variantes de como
os processos de negócio real pode ser implementado; eles não representam soluções exclusivas,
mas são normalmente utilizados juntos em processos.

Como você pode ver, você pode desenvolver muitos cenários adicionais e variações com base nos
materiais apresentados neste livro. No entanto, porque há muitos outros processos de negócios
que ocorrem fora do estudo de caso SARIDIS, há também um monte de outras maneiras de
estender o seu conhecimento do ambiente SAP NetWeaver PI. Um exemplo possível neste
contexto é o jogo de distribuição de cerveja que é descrita na seção seguinte.

6.2 Jogo de distribuição de cerveja

o jogo de distribuição de cerveja é uma simulação de logística que foi desenvolvido no início da Descrição

década de 1960 no Massachusetts Institute of Technology (MIT). Ele simula uma cadeia de
fornecimento de quatro níveis, que consiste de um varejista, atacadista, distribuidor, e uma fábrica.
Você pode encontrar informações adicionais sobre o jogo de distribuição de cerveja, e uma
simulação do jogo, pelo
http://www.beergame.lim.ethz.ch.

Na sua versão original, como um jogo de tabuleiro, cada nível é representado por uma pessoa que
decide quanto cerveja deve ser entregue para o nível anterior (no caso do varejista, o nível anterior
é um cliente que faz pedidos semanais), e como muita cerveja deve ser encomendado a partir do
nível subseqüente (no caso da fábrica, o nível seguinte é o departamento de produção). A
finalidade do jogo é o de minimizar os custos que ocorrem ao longo de toda a cadeia de
fornecimento. Estes custos consistem na

429
6 Melhorias e Outlook

após dois componentes: custos de armazenagem e custos incorridos pelo atraso na entrega.

efeito whiplash A simulação ilustra a efeito whiplash causada por atrasos de tempo na cadeia de fornecimento, e é
caracterizada por fortes flutuações dos volumes de reservas em níveis individuais (ver figura 6.3).

Os atrasos de ordem

Cliente Varejista Grossista Distribuidor Fábrica

Os atrasos de entrega

Figura 6.3 Supply Chain no jogo de distribuição de cerveja

As seções seguintes descrevem como você pode implementar a simulação, e o processo de

negócio associado, utilizando SAP NetWeaver PI. No primeiro passo, sugerimos que você use a

simplificação chamada de função remota (RFC) módulos como uma alternativa para mapear os
Requisitos
de negócio processos dos níveis da cadeia de fornecimento individuais através de processos de ERP reais.

Cada um desses módulos é atribuído quantidades a ser encomendados e entregues,

respectivamente. Do ponto de vista do negócio, os módulos RFC contêm uma lógica simples que

decide sobre a quantidade de cerveja a ser ordenada. Além disso, eles colocam as ordens reais, e

receber e entregar as mercadorias. Enquanto duas fábricas, que recebem as ordens do

distribuidor na base das quantidades disponíveis de cerveja, estão sendo operados, há apenas um

varejista, um atacadista e um distribuidor. Em SAP NetWeaver PI,

Outra tarefa do SAP NetWeaver PI é de transmitir ordens de compra para os níveis subsequentes
e para despachar avisos de entrega para o Lev anterior

430 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Jogo de distribuição de cerveja 6.2

els. Além disso, SAP NetWeaver PI registra todos os passos envolvidos no fluxo do programa através

do adaptador de arquivo.

Um serviço Web externo é usado para registrar os volumes de reservas e pedidos de compra

abertos para realizar uma avaliação final dos custos totais da cadeia de abastecimento. Para isso, os

níveis individuais transferir ativamente seus dados para o serviço Web. Os níveis individuais também

são iniciadas (isto é, os volumes de reservas são definidos) através de uma interface de serviço

Web, que - em contraste com o serviço Web mencionado anteriormente - é fornecido pela SAP

NetWeaver PI. Em outras palavras, SAP NetWeaver PI age como um servidor neste contexto. A

publicação dos metadados do serviço Web externo no repositório de serviços de Enterprise pode ser

feito, por exemplo, através de um download de um registro de serviço ou através de outra troca do

correspondente Web Service Description Language (WSDL) descrição. Para mapear a simulação,

execute os seguintes passos:

1. Localize os níveis da cadeia de fornecimento individuais (varejista, atacadista, distribuidor, fábrica),


utilizando os módulos RFC apropriados e uma troca de mensagens entre os níveis da cadeia de
suprimentos via SAP NetWeaver PI.

2. Selecione a fábrica apropriada usando um processo BPEL.

3. Integrar um serviço de registo externo que registra todas as alterações estoque usando centralmente adaptador

de arquivo do SAP NetWeaver PI.

4. Integrar um serviço de monitoramento para avaliar os volumes de reservas atuais e o


desenvolvimento de ações durante o curso da simulação.

5. Use uma ferramenta para inicializar os níveis da cadeia de fornecimento individuais (volumes de ações inicial, atrasos, e

assim por diante).

6.2.1 Predefinidos Componentes de Software

A descrição a seguir permite mapear o jogo distribuição de cerveja em SAP NetWeaver PI


utilizando os componentes de software previamente definidos. Em contraste com os exercícios
detalhados neste livro, esta descrição representa um guia e deve ser considerado como um
encontro de idéias, em vez de instruções para uma implementação completa. Os componentes
pré-definidos são primeiramente descrito, e depois vamos continuar com o conceito de design e
solução.

431
6 Melhorias e Outlook

módulos de função e cadeia Neste exercício, queremos implementar os níveis da cadeia de fornecimento individuais em um
de fornecimento sistema SAP. Ao mesmo tempo, no entanto, esses níveis são tratados de tal forma que é sempre
níveis
possível distribuí-los para vários sistemas. Os módulos de função utilizados para implementar os
níveis individuais são criadas num pacote. 2

Há seis módulos de função habilitada para RFC disponíveis para cada nível da cadeia de suprimentos:

EE Envio e recebimento de ordens de compra (os volumes de reservas são

armazenadas em uma tabela de banco de dados).

EE Envio e recebimento de entregas de mercadorias.

EE Inicialização de volumes de ações.

EE Consulta de dados de estoque e pedidos de compra.

A fábrica representa uma exceção neste contexto; ele recebe ordens de compra, mas coloca ordens
de produção que são então realizadas com um determinado intervalo de tempo.

Implementação de A implementação de um serviço Web externo para monitorar ordens de compra e volumes de
serviços web estoque, e o cliente de serviço Web para inicializar os volumes de reservas, pode ser
implementado em uma plataforma não-SAP, por exemplo, no Apache e Tomcat Jakarta; o serviço
Web também pode ser implementado com base em SAP NetWeaver Application Server (AS) Java
no SAP NetWeaver Developer Studio.

A seguir está uma lista com indiscutivelmente as operações mais importantes de serviços da Web para

ser implementado:

EE addOrder (String SENDERNAME, int orderVolume), que é chamado

quando a cerveja é ordenado

EE addDelivery (String Nome do Fornecedor, int deliveryVolume), qual é

chamada no momento da entrega

Outros métodos são usados ​para inicializar um novo jogo e para consultar os dados históricos para
análise no cliente análise cerveja.

2 Você pode encontrar uma implementação de exemplo em: http: burg.de/sap-xi ​//eai.uni-luene.

432 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Jogo de distribuição de cerveja 6.2

6.2.2 Design e implementação

SAP NetWeaver PI é usado como uma plataforma de integração para troca de mensagens e para
a lógica de fluxo (isto é, selecção de fábrica). Além das três interfaces para a inicialização,
relatórios e extração de madeira, seis interfaces adicionais são necessários para o varejista,
atacadista e distribuidor. A fábrica não precisa as interfaces para as ordens de compra de saída e
entregas de entrada, uma vez que estes são mapeados pela produção da fábrica-interno. A Figura
6.4 ilustra a estrutura desta situação para o nível de corrente de um fornecimento.

SAP ECC SAP NetWeaver Process Integration extern

(Delivery) (Delivery)

Outbound OutboundInterface
Interface (Produtos) Entrada de
Interface Interface O Reporting
(Produtos) interface
Services Web
(Relatórios)

Entrada de
Outbound interface Outbound
(Inicialização) (Inicialização) Interface de
Cliente
saída
Interface (Nisso)
(Inicialização)
Entrada de
Inbound Entrada de
de Arquivo) WS
(Delivery)
interface interface (Delivery)
(Produtos)
(GetData) (GetData)
Entrada de
Interface Logger (Adaptador
interface
Inbound Inbound (log)
Interface Interface
Interface
(Produtos)

Inbound Inbound

Figura 6.4 Visão de entrada e saída Interfaces no jogo de distribuição de cerveja

Uma vez que o nível da cadeia de fornecimento individual é inicializado, o jogo começa com um
pedido do cliente recebida pelo retalhista. O cliente só tem duas funções: para colocar ordens de
compra e de receber entregas.

433
6 Melhorias e Outlook

Se a quantidade pedida está em estoque, o varejista entrega-lo para o cliente. Se o estoque não
está disponível, o varejista dirige um pedido correspondente para o atacadista. O atacadista envia
uma entrega parcial para o varejista e coloca uma ordem de compra com o distribuidor que, por
sua vez, envia uma ordem de compra correspondente para a fábrica. A fábrica produz a
quantidade solicitada e envia uma entrega para o distribuidor, que encaminha para o atacadista,
que encaminha para o varejista. Finalmente, o varejista pode enviar a quantidade restante para o
cliente.

6.2.3 Opções para Enhancement

Na segunda etapa, os processos dos níveis da cadeia de fornecimento individuais são mapeados

um após o outro, usando processos reais de ERP. Em vez do módulo RFC usado para ordens de

compra de entrada, poderíamos, por exemplo, escrever um documento de vendas apropriado

usando interfaces de programação de aplicativo de negócios (BAPIs) ou IDocs. Você também

pode usar serviços empresariais fornecidos pela Enterprise Services Workplace, como descrito no

estudo SARIDIS (ver Secção 6.1, Possíveis Melhoramentos do estudo de caso). Poderíamos

também usar um processo BPEL para enviar ordens de compra para o item solicitado ao nível da

cadeia de suprimentos superiores com base na verificação de disponibilidade de bens. Se o

acesso a diferentes sistemas de ERP é fornecido, também seria interessante para mapear

diferentes níveis da cadeia de suprimentos em diferentes instalações de ERP (talvez mesmo por

diferentes fornecedores).

Modelagem de SOA Só algumas partes do jogo de distribuição de cerveja foram implementados utilizando serviços Web
artefactos
como RFCs e IDocs. Se as funções correspondentes foram recentemente desenvolvido hoje,

provavelmente seria usado modernas tecnologias baseadas em padrões abertos. Por esta razão, um

engenheiro de aplicação iria propor usando os serviços da Web em uma SOA. Aqui, mais uma vez, os

recursos de modelagem do SAP NetWeaver PI com componentes de processos, objetos de negócios e

modelos de interação de componentes processo pode ser aplicado.

434 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


SAP NetWeaver PI e SOA 6,3

6,3 SAP NetWeaver PI e SOA

Até agora, o SAP NetWeaver PIhas sido apresentada como uma infra-estrutura: Modelando
ambiente e tempo
EE Para a ligação e integração de aplicações de execução para
serviços
EE Como um barramento de serviço para a integração de parceiros de negócios

EE Para o serviço de habilitação (ou seja, prestação de funções na forma de ser-

vícios sem implementá-las de novo serviços como Web)

EE Para a orquestração de serviço para ligar existentes e recém-desenvolvido

serviços em conjunto para end-to-end aplicações.

Como você pode ver na Figura 6.5, SAP NetWeaver PI fornece um ambiente de modelagem
unificada para definição sincronizado serviço, implementação do serviço, utilização de serviços e
operação de serviço utilizando componentes adicionais de gerenciamento de SOA. Além disso, é
uma parte integrante da solução de infra-estrutura SOA fornecido pela SAP.

Business Process Regras de Gestão Composição de


Management (BPM) Empresarial (BRM) interfaces de usuário
SOA
Composição
Composição de Composição de
Serviços e Eventos Em formação

SOA projeto

End-to-End Operação Solution


Governança

SAP Solution Manager


SOA Inter- Gestão de SOA
Enterprise service Bus
Services
processo de

operabilidade Repository
Integração

Enterprise
Services
SOA Provisionamento de Conectividade e
serviços e eventos Integração
Provisioning
sócio

componentes do processo Componentes de plataforma

Serviço-
aplicações Fim Mgmt.
...
MDM BI ... Aplicações de clientes e Sistemas

baseadas Aplicações SAP SAP NetWeaver


parceiros não-SAP e
Legacy

Figura 6.5 SAP NetWeaver PI como uma parte integrante da infra-estrutura SOA

Esta modelagem permite a dissociação entre a lógica do processo de implementação do serviço, e


novos processos de negócios podem ser implementadas tanto

435
6 Melhorias e Outlook

mais rápido, especialmente quando encapsulado, reutilizáveis, serviços corporativos de alta qualidade
são usados. Se você olhar para o conteúdo entregue com SAP NetWeaver PI, você percebe que há
várias maneiras de usar SAP NetWeaver PI; é uma solução embalado que é totalmente integrado com
aplicações SAP, o que proporciona uma composição simplificado e utiliza a espinha dorsal SOA. Tudo
isso, no entanto, requer apenas uma plataforma. Isso, e, em particular, as capacidades de SOA, são
as razões por que as empresas têm consolidado as suas soluções de middleware existentes para um
middleware SOA unificada.

6,4 Maior desenvolvimento do SAP NetWeaver PI

Até agora, você foi apresentado a SOA ea importância do SAP NetWeaver PI como conceitos

gerais. Nós também queremos oferecer alguns insights sobre novos desenvolvimentos que estão

no horizonte. Se você olhar na SDN ( http://sdn.sap.com) por conteúdo sobre o SAP NetWeaver PI,

você não pode obter acesso directo ao SAP NetWeaver PI; em vez disso, você vê a estrutura

mostrada na Figura 6.6.

Figura 6.6 Navegação para o SOA Middleware na SDN

Um componente chave na Você pode acessar o conteúdo sobre o SAP NetWeaver PI em cada uma das camadas listados em SOA Middleware.
estratégia SOA
O sistema de PI SAP NetWeaver desempenha um

436 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Maior desenvolvimento do SAP NetWeaver PI 6,4

papel importante na estratégia SOA da SAP, tanto em tempo de design e em tempo de execução;

isso é claro a partir dos exercícios e estudos de caso sobre o repositório e de Serviços de Registro

Enterprise Services mostrado aqui. Os trechos-chave do roteiro SOA da SAP pode ser dividida em

dois blocos:

EE composição processo

EE PI

Enquanto o bloco de composição de processo é fornecido sob a forma de SAP NetWeaver CE,
que não faz parte deste livro, o bloco PI inclui o conteúdo do sistema de PI. Ambos continuam a
crescer juntos e visam uma representação simples de uma orquestração de processos end-to-end,
como veremos nas secções seguintes.

sugestão

As descrições dos novos desenvolvimentos na composição processo e PI estão disponíveis como


podcasts no SDN em: https: //www.sdn. weblogs sap.com/irj/scn/? blogue = / pub / u / 50922.

6.4.1 Desenvolvimento de SAP NetWeaver PI

O desenvolvimento histórico do SAP NetWeaver PI, apresentado na Figura


6,7, mostra o desenvolvimento consistente de um middleware EAI para um middleware SOA.

<2004 2004 2006 2008 Q1 / 2009

SAP Exchange SAP NetWeaver 2004 SAP NetWeaver processo SAP NetWeaver Enhancement Package 1
Infrastructure 2.0 Exchange de integração tipo 7.0 Uso Process Integration para SAP NetWeaver
Infrastructure 3.0 7.1 Process Integration
7.1

BPEL Processos JCA Processo local Integração Enterprise Services SOA Design
Adapter Motor B2B agente de conversão de Repository SOA melhorias
avançado ... mapeamento avançado, desempenho da Governança
adaptador, Monitoramento ... infraestrutura Enhanced
Performance
Gestão de SOA

Figura 6.7 Desenvolvimento de SAP NetWeaver PI

437
6 Melhorias e Outlook

Enterprise Services 2004 SAP NetWeaver PI foi chamado SAP XI, e foi claramente concebido como uma plataforma de troca
Repositório como
de mensagens. Com a libertação do SAP XI 3.0, capacidades de modelagem foram adicionados na
centro gravitacional
forma de modelos de processos BPEL, e, em

2006, as possibilidades até então existentes foram reforçadas. Desde 2008, SAP NetWeaver PI
7.1 ampliou o repositório de serviços de Empresa e a infra-estrutura SOA a um middleware SOA.
O pacote de aperfeiçoamento que está agora na distribuição geral inclui recursos muito maior,
particularmente para governança de SOA.

SOA governança é um fator crítico de sucesso para a tomada de uma estratégia SOA empresa
operacional. Estes incluem princípios bem definidas ( procedimentos de governo) como base para a
utilização do serviço e provisionamento de serviços. SAP desenvolveu sua própria metodologia para
a concepção e desenvolvimento de serviços empresariais. No final, é no interesse da SAP que os
serviços distribuídos resultam de uma metodologia consistente, pois só assim pode um caos de
(tanto tecnicamente e, ainda mais importante, semanticamente) serviços descoordenados ser
evitado. SAP fornece ferramentas, especialmente em Enterprise Serviços Repository, que pode ser
usado em seus próprios cenários personalizados. O Repositório Enterprise Services como parte de
SAP NetWeaver PI representa o centro gravitacional de um SOA SAP.

Middleware SOA como Se os clientes a consolidar as suas soluções de middleware existentes para o SAP NetWeaver PI,
uma solução, não
eo sistema torna-se o middleware chave SOA, é claro que os problemas de desempenho irá
como um produto
desempenhar um papel cada vez mais importante. Portanto, a SAP incluiu recursos adicionais
para melhorar o desempenho na versão atual. gerenciamento avançado SOA apresenta
completam o perfil.

Isto inclui, em particular, extensões para a operação segura e estável de uma integração baseada
em serviços entre o consumidor de serviço e provedor de serviços e configuração, monitoramento,
testes e opera em implementações SOA heterogêneos em diferentes plataformas. Essas
melhorias não afetam somente SAP NetWeaver PI como um produto de gerenciamento de SOA,
mas também como uma solução. Isso também foi abordada em melhorias em outros componentes
de infraestrutura de SAP NetWeaver, como o SAP NetWeaver AS, SAP Solution Manager,
Administrador SAP NetWeaver (NWA) e produtos de terceiros, tais como a integração planejada
de AmberPoint para melhorar a rastreabilidade dos simple Object Access Protocol (SOAP) o
tráfego de mensagens baseado no SAP NetWeaver PI.

438 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Maior desenvolvimento do SAP NetWeaver PI 6,4

6.4.2 Roteiro do SOA Middleware

Outras indicações actualmente previstos para o middleware SOA estão apresentados na Figura 6.8.

Área de foco Plano de lançamento

Criação de novas melhorias inovadoras de processos 2008 2009


composição e
de negócios utilizando adicional
Produtividade Cenários ESB e SAP NetWeaver BPM SAP NetWeaver PI 7.1

Gerenciamento e Suporte de cenários de alta disponibilidade


SAP NetWeaver PI 7.1,
Operação diminuindo os custos gerais de operação
EHP1

Arquitetura e Interoperabilidade em paisagens heterogêneas


usando padrões abertos
SAP NetWeaver 7.2
Padrões

Figura 6.8 Planejado maior desenvolvimento do SOA Middleware

Como você pode ver na Figura 6.8, novos desenvolvimentos são divididos em três áreas de foco: A evolução do
middleware SOA

EE Composição e produtividade

EE Gestão e operação

EE Arquitetura e padrões

Composição e Produtividade

Esta seção explica o SAP planeja atualmente para melhor processo de suporte a modelagem até a
sua execução, e para aumentar a produtividade - especialmente na definição e configuração de
processos.

Hoje disponível
Nos capítulos anteriores, você tinha uma boa visão geral de como o Repositório Enterprise Services
ajuda você a manter-se uma governança tempo de design. Como um lembrete, a arquitetura
componente do processo, a definição de dependências de serviços ao nível das versões dos
componentes de software (SWCV), e os tipos de dados globais que levam a uma padronização
semântica deve voltar a ser mencionado aqui. Neste ponto, você pode chamar a configuração
utilizando os objetos de configuração integrados, ou através de uso direto do Serviços de Registro
no Repositório de Serviços Corporativos.

439
6 Melhorias e Outlook

Planejamento de Médio Prazo

conectividade O planeamento a médio prazo para a composição e produtividade inclui novas e inovadoras
novo serviço para a melhorias de processos de negócios a serem criados através de cenários adicionais Enterprise
conexão de versões
Service Bus (ESB) e SAP NetWeaver BPM. opções de conectividade estendidos são prometido
SAP mais velhos
como cenários adicionais ESB. Hoje, SAP NetWeaver PI só fornece conexão (direto), através de
serviços Web.

Para uma conexão de serviço não-Web, você precisará de um adaptador que pode lidar com a versão
SOAP do SAP NetWeaver PI, ea transformação de um documento nonXML para XML. Uma nova
conectividade serviço em Java é planejado, o que permitirá uma conexão direta fora de RFCs. Isso
torna possível, especialmente para versões SAP mais velhos, para se conectar ao sistema PI
construção SAP NetWeaver.

variantes de serviços variantes de serviços está programado para ser lançado 7.2, e são versões mais simples de serviços

empresariais que podem ser definidos em uma ferramenta. Isso permitirá que você se adaptar rapidamente

serviços empresariais existentes, e irá reduzir ainda mais o custo de desenvolvimento e implementação.

Também programado para a liberação 7.2 é uma implementação simplificada de eventos ( provisionamento

evento). Isto vai de mãos dadas com os desenvolvimentos no campo dos aplicativos da suíte de negócios,

porque, em última análise, eventos de negócios deve ser enviado a partir de uma aplicação ou processados

​nessa aplicação.

Além disso, haverá novas entidades no Repositório de Serviços Corporativos, que apoiará melhor
a mediação de eventos. Desta forma, as aplicações serão significativamente mais falante. Um
resultado será que processos simples será automatizado, e apenas eventos de negócios
significativos serão apresentados para o usuário, porque o processamento normal já está
automatizado. Nos jogos de distribuição de cerveja, um evento tão extraordinário seria, por
exemplo, um caminhão de entrega não pode entregar devido a um acidente.

Visão
processo comum Um aumento muito significativo do espectro operacional da SAP NetWeaver PI é SAP NetWeaver
camada
BPM, que oferece muitos recursos novos na CE, que lhe permite criar novos processos de
negócios inovadores de modelagem para execução na Business Process Modeling Notation

(BPMN). processos de negócios reais quase sempre representam uma combinação de padrões
de comunicação, tais como homem-máquina e máquina-

440 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Maior desenvolvimento do SAP NetWeaver PI 6,4

máquina, que é uma combinação de integração orientada para o utilizador e PI; Assim, ambas as

abordagens de modelagem, SAP NetWeaver PI e SAP NetWeaver CE, pode ser usado.

SAP NetWeaver PI permite a comunicação entre sistemas utilizando mapeamento, encaminhamento

dinâmico, e Entrega garantida, em contraste com a comunicação direta com uma interface de usuário

que faz parte do SAP NetWeaver CE. Para isso, a SAP está a planear melhor conectividade entre os

dois componentes, para tornar a cooperação mais fácil. Em última análise, ambos irão resultar na

camada de processo comum (CPL). Aqui, os esforços para movê-los para uma base Java única

desempenhar um papel importante.

A CPL ilustrado na Figura 6.9 irá trazer todas as pessoas envolvidas no modelo do processo em ambiente integrado para todas

as partes interessadas em um
conjunto em um ambiente único e integrado. Um grupo de partes interessadas é o nível de gestão,
modelo de processo

com os executivos que irão definir e controlar a estratégia da empresa e correspondente

chave desempenho indicadores ( KPIs). Aqui, BAM e a conversão de dados medidos em formas
facilmente compreensíveis gráficos e outros irão desempenhar um papel importante, como já

demonstrado na Seção 6.1. Uma vez que uma estratégia é estabelecida pelo nível de gerência,

gerentes de linha começar a transformá-lo em um modelo conceitual. Ferramentas como o ARIS

para SAP NetWeaver são importantes aqui, porque eles podem ser usados ​para a modelagem de

arquitetura corporativa em sistemas baseados no não-SAP SAP e. Estes modelos já podem ser

trocadas entre ARIS para SAP NetWeaver e SAP NetWeaver PI ao nível dos modelos BPEL. No

entanto, na realidade, é apenas em casos excepcionais, que uma modelagem de ARIS desce para

o nível de um processo BPEL; Normalmente, a modelagem termina em um nível abstrato, razão

pela qual essa troca é dificilmente encontrada na prática. Tal como descrito na Secção 1.6,

A coisa toda se torna mais interessante se você olhar para os modelos BPMN em SAP NetWeaver
CE, e com as possibilidades que estão listados no roteiro SAP para integração de ferramentas
para o SAP NetWeaver CE (como o ARIS Toolset pelo IDS Scheer).

441
6 Melhorias e Outlook

SAP está ciente de que os clientes têm investido em, por exemplo, eventdriven cadeias de
processamento da IDS Scheer, e está actualmente a analisar diversas opções, como uma
transformação entre os modelos, ou mesmo se uma transformação pode ser omitido para proteger
os investimentos dos clientes. Conforme descrito anteriormente, SAP NetWeaver CE será o novo
ambiente state-of-the-art, que ocupa um papel importante na CPL.

Colaboração (Desenho) Camada processo comum

• KPI Definition e Monitoramento (Management) Composição

ponto Enhancement
Aplicações SAP Business /

• Modelo Konceptional (Linha de Negócios) processos essenciais

Enterprise
Services componentes do processo

• Modelo especificação (Analyst) Repository

Integração
• Modelo executável (Architect)

B2B Não-SAP

Figura 6.9 Evolução em direção a uma CPL

A CPL harmoniza a forma como as pessoas diferentes - como especialistas em processos de


negócios, desenvolvedores e consultores de aplicativos - trabalhar em conjunto em vários cenários de
utilização de aplicações padrão e processos de negócios compostos. Isto envolve a exposição de
implementações e conteúdo de referência a partir de várias fontes, tais como repositórios de IDS
Scheer. Você pode então sincronizar os modelos de negócios conceituais com os modelos de
especificação que são criados por um analista de negócios.

Depois disso, o arquitecto implementa os modelos de especificação em modelos executáveis, quer


ao nível BPMN ou BPEL. Isto mostra como perfis de competências estão a evoluir para um
desenvolvedor de EAI, que até agora era responsável pela integração de processos em um nível
mais técnico; isso também significa que a SAP NetWeaver desenvolvedores PI deve ser mais
envolvidos em processos de negócios e sua implementação eficiente e eficaz. Porque ambos TI e
o negócio funcionar em um ambiente de modelagem uniforme e integrada, mal-entendidos entre
os dois grupos deve diminuir

442 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Maior desenvolvimento do SAP NetWeaver PI 6,4

significativamente, e os processos requeridos pelos departamentos de negócio venha a coincidir


com os processos implementados pela TI. O primeiro passo neste processo foi feita em 2004 com
a libertação de SAP XI 3.0, e a introdução de modelos BPEL executáveis, onde modelo e
aplicação são consistentes.

A CPL permite assim BPM integrativa através dos principais processos e suas extensões. Dentro de
um modelo específico, haverá pontos de vista diferentes para as partes interessadas; devido à
estrutura subjacente SAP NetWeaver, monitoramento integrativa, administração e gerenciamento de
ciclo de vida de todos vão handin mão. Assim, um processo modelado é um processo “vivo”, porque
representa tanto o processo actualmente definido e implementado em suas várias versões.

Para 2010, a SAP prevê que os serviços Repositório Corporativo será movido para uma versão SAP NetWeaver Process

Integration como barramento de


baseada em Eclipse como a CE, e, em seguida, integrado no SAP NetWeaver Developer Studio.
serviço magra
O primeiro passo para trazer SAP NetWeaver PI para uma implementação de pilha única 3 Já foi
feita com a AAE que é implementado em Java.

Hoje, se apenas mapeamento e roteamento são necessários para um cenário de integração,


processamento de mensagens pode ocorrer inteiramente no lado Java do SAP NetWeaver PI; não
há necessidade para a mudança interna entre o Java e pilha ABAP, resultando em um melhor
desempenho. Estes são os primeiros passos para dar o sistema PI SAP NetWeaver uma
infra-estrutura de barramento de serviço magra, e vai levar a não apenas melhorias de
desempenho, mas também para hardware menor, redução dos custos totais, e um aumento na
produtividade.

Gestão e Operação

Esta seção aborda os planos da SAP para fornecer lançamentos de acompanhamento abordando
a maior integração do SAP NetWeaver PI com componentes de infra-estrutura existentes, como o
SAP Solution Manager, para reduzir os custos de gestão e operação de um sistema de PI SAP
NetWeaver.

3 Mesmo após os esforços para levar SAP NetWeaver PI a um único-stack Java, o tempo de execução

ainda irá conter componentes ABAP.

443
6 Melhorias e Outlook

Hoje disponível
Solution Manager Na segunda área de foco, gestão e operação, um ambiente de administração foi criado para
integração configurar e monitorar a integração do sistema de PI SAP NetWeaver com SAP Solution Manager
4.0 centralmente. Todos os sistemas SAP estão ligados ao Solution Manager SAP central, e os
agentes instalados localmente relatório sobre o estado atual do sistema. Assim, um administrador
do sistema pode supervisionar a paisagem de uma visão consolidada, e, se necessário, navegue a
partir do SAP Solution Manager em um sistema local para executar determinadas atividades.

A conexão entre o SAP Solution Manager e SAP NetWeaver PI é actualmente gerido através de um

centro de trabalho (veja a Figura 6.10 e Figura 6.11), que permite que os administradores de sistema

acesso rápido e específico às informações relevantes do sistema, tais como operação de processos de

negócios.

Figura 6.10 SAP Solution Manager - Business Process e Monitoramento de interface no Centro de Trabalho

De BPM, você pode navegar para ferramentas de administração central para o sistema PI SAP
NetWeaver, e mover-se ainda mais em ferramentas especializadas locais, como o SAP NWA. Esta
integração promete uma maior redução no total

444 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Maior desenvolvimento do SAP NetWeaver PI 6,4

custos operacionais, porque SAP Solution Manager representa a administração central e


monitoramento de infra-estrutura da paisagem SAP.

A Figura 6.11 Detalhes de um erro no processo Order-to-Cash

Panning Médio Prazo


Esta integração existente, tanto no SAP Solution Manager e no SAP NWA, está prevista para ser
estendido ainda mais no futuro. Mais opções de monitoramento será implementado no SAP
Solution Manager; por exemplo, haverá “páginas de bom-dia” que exibem o status ea saúde do
sistema imediatamente após o logon.

Em muitos casos, o sistema de PI SAP NetWeaver tornou-se a infra-estrutura central para o exigência de tempo de

inatividade zero
negócio e, portanto, desempenha um papel importante em todos os cenários de integração. Como
resultado, não é de estranhar que existem demandas crescentes por tempo de inatividade zero
durante upgrades ou ao instalar pacotes de suporte. SAP prometeu atender a essa demanda em
breve.

445
6 Melhorias e Outlook

Existem duas abordagens básicas para a realização de melhoramentos: ou com o mínimo de recursos,

ou com um mínimo de paralisação. Estes são geralmente os requisitos mutuamente exclusivas. Várias

diretrizes de instalação existentes fornecem informações detalhadas sobre atualizações e tempo de

inatividade necessário para atualizações e a instalação de pacotes de suporte. Você pode encontrá-los

em

http://service.sap.com/instguidesNW.

Visão
barramento de Como mencionado anteriormente, SAP Solution Manager permite a administração centralizada e
serviço federado
infra-estrutura de monitoramento em uma paisagem SAP. No futuro, esta infra-estrutura será
desenvolvida para permitir o gerenciamento consistente de SOA e paisagens não SOA. Tudo isto
acaba por conduzir a uma federado infra-estrutura de barramento de serviço, o que exige
monitoramento central e suporte para várias instalações de ônibus serviço. desenvolvimento
conjunto e configuração, o balanceamento de carga entre instalações, usuários comuns, funções e
gestão de autoridade são outros requisitos que devem ser mencionados aqui, e serão abordados
por estratégia futura da SAP.

Arquitetura e Normas

Esta seção explica o SAP vai fazer se, no futuro, mais e mais clientes operam SOAs de diferentes
fornecedores, e também discute como esses diferentes ambientes SOA pode ser integrado.

Hoje disponível
apoio de alto Na arquitetura e padrões da área de foco, melhorias e aperfeiçoamentos já foram feitas em versões
volume através
anteriores do SAP NetWeaver PI. Versão 7.1 consegue apoio de alto volume para o processamento
AAE
local da AAE e embalagem mensagem, e melhor desempenho para processos de cross-componente

Business Process Management (ccBPM). Em embalagens de mensagem, as mensagens individuais

que estão em fila para serem processados ​pelo SAP NetWeaver PI não são enviados individualmente

através do mapeamento e roteamento; em vez disso, a embalagem ocorre (ver Capítulo 2, Seção

2.6.8, mensagem Packaging) para que múltiplas mensagens são simultaneamente processados ​no

mapeamento e roteamento passo. Isso reduz o contexto muda para o mapeamento, roteamento, e

lendo um cabeçalho da mensagem, e é particularmente relevante para o processamento de

mensagens assíncronas, em que as mensagens são salvas

446 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Maior desenvolvimento do SAP NetWeaver PI 6,4

de uma forma persistente dentro do sistema PI SAP NetWeaver. Isso também irá acelerar

significativamente as operações de banco de dados como operações em massa. Dependendo do

cenário, os benefícios de desempenho são um fator de 1,5 a 3. A AAE (ver Capítulo 2, Seção 2.3.6, é,

e 2.6.1, o processamento local da AAE) foi aprimorado para um mecanismo de processamento local

em lançamento
7,1, e, portanto, pode ser usado como um motor de adaptador local. Ele suporta o mapeamento
(Java) e roteamento de mensagens e, assim, permite que você ignore o Servidor de Integração (IS)
(a parte ABAP) do SAP NetWeaver PI. Isto por si só melhora o desempenho de um factor de 10.

Se há situações que não requerem processamento na pilha de ABAP, enormes débitos pode ser
alcançado em SAP NetWeaver PI. Se o futuro traz instalações Federated Service Bus, uma
instalação de única pilha (Java) pode ser usado para determinados cenários para reduzir os custos
operacionais.

Outro aspecto da inovação é a configuração mais simples de cenários de integração. Além de uma Aperfeiçoamentos e

série de novas funcionalidades, tem havido um forte foco em uma configuração simplificada; o simplificações na
configuração
pacote 7,1 realce de libertação, por exemplo, inclui uma representação gráfica da configuração.
Em adição a esta representação gráfica, vistas diferentes podem ser seleccionados na estrutura
de navegação. Na figura 6.12, o Cenário de configuração

é mostrado. Isto permite-lhe, por exemplo, configuração de grupo de objetos em cenários de

configuração, com acesso directo aos objetos que contêm. Outras funções, como as avançadas

capacidades de busca de canais de comunicação, são especialmente úteis em grandes

instalações produtivas. Com esta pesquisa melhorada, você pode encontrar canais de

comunicação com um nome específico e um tipo de adaptador específico, permitindo edições

coletivas de nomes de arquivo. As possibilidades que são descritas aqui são de enorme benefício,

especialmente em instalações com Electronic Data Interchange (EDI) cenários que têm centenas

de canais de comunicação onde os clientes ou fornecedores são definidos.

Há também uma API disponível, o que permite alterações de atributo programático de fora do
sistema por meio de um programa de lote. Esta função já foi suportado na versão 7.1, mas está
agora também disponível para a integração objetos novos para o pacote de melhorias.

447
6 Melhorias e Outlook

A Figura 6.12 Ver gráfica de um Cenário de Configuração

o Integrado Configuração objeto de configuração permite configurar em uma única etapa, em vez de
em muitos passos individuais (determinação receptor, determinação interface, o emissor eo
receptor acordo, etc.). Como o pacote de libertação de 7,1 realce, separações de encaminhamento
e do receptor com base em conteúdo dinâmicos definidos para diferentes recipientes também
estão incluídos. Ambos facilitam a configuração de cenários complexos. A Figura 6.13 apresenta a
configuração integrada dentro de um cenário de configuração; você pode ver claramente a
configuração que agora é distribuído por todo várias guias.

Outro aspecto que vai junto com o foco da SAP NetWeaver PI como um middleware SOA é a sua
capacidade para ajudar na configuração de serviços da Web e consumidores de serviços. Se você
acha que volta para as possibilidades de reforçar o estudo de caso SARIDIS da Seção 6.1, você
vai lembrar os Enterprise Services. Você também pode ter notado que a SAP tem combinado os
Enterprise Services em pacotes de serviços, que SAP descreve como um conjunto de serviços
empresariais que podem ser usados ​para estender a funcionalidade de um sistema 6.0 SAP ERP,
ou outras soluções no SAP Business Suite.

448 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Maior desenvolvimento do SAP NetWeaver PI 6,4

A Figura 6.13 Configuração integrada

O Serviço Bundle Empresa fact sheet cliente contém cerca de 40 serviços empresariais que permitem o acesso

directo a todos os dados relacionados com o cliente, em qualquer aplicativo de negócios ou banco de dados os

dados são armazenados. Isto permite, por exemplo, um representante de vendas para acessar informações

(dados de endereço, informações de contato, rating de crédito, ou dados históricos) através de interfaces

individuais que podem ser personalizados. Isso mostra claramente que grupos de serviços são utilizados mais

frequentemente do que os serviços da Web individuais.

A configuração em massa automatizada de serviços Web e seus clientes, em particular, é o


objetivo do desenvolvimento descrito no texto a seguir. Basicamente, a configuração de um
cenário de serviço Web é dividido em três fases, que são mostrados na figura 6.14:

EE Configuração do serviço no lado do fornecedor de serviços

EE Configuração do consumidor de serviços

EE Conexão dos sistemas de

449
6 Melhorias e Outlook

serviços de Registro

Sistema do consumidor
Provedor de cenário

comsumer Sistema de
Aplicação

grupo de serviço

...

grupo de serviço
Provedor de cenário

Sistema de

...
FI HCM

Configuração de Consumidores Sistemas de conexão Configuração de Provedores

A Figura 6.14 Configuração massa de Serviço Web - Princípios Básicos

SAP distingue os seguintes três papéis, onde a configuração baseada em função permite
especialização e aumenta a eficiência:

EE administrador técnico

O administrador técnico sabe a paisagem do sistema e do sistema técnico - tais como como
realizar as configurações de segurança em cenários de segurança crítica e não críticas -, mas
não sabe detalhes sobre quais configurações de sistema aplicam-se em um cenário de
integração. Ele, portanto, só define os perfis gerais de comunicação técnica, ou políticas.

Estes incluem, em especial, aspectos de segurança.

Outra tarefa do administrador técnico é a criação de conexões com sistemas de provedor. A


política pode definir, por exemplo, que a autenticação é feita pelo usuário / senha ou por uma
forte autenticação com
certificados X.509 via HTTPS. A política também pode incluir informações sobre a segurança
do transporte, como, por exemplo, se uma comunicação confidencial por criptografia XML ou a
integridade e confidencialidade

450 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Maior desenvolvimento do SAP NetWeaver PI 6,4

via HTTPS deve ter lugar; Além disso, você pode especificar informações sobre o protocolo para

cenários confidenciais usando WS-RM, ou se uma comunicação stateful é realizada utilizando

cookies HTTP. Imagine um perfil de comunicação como um espaço reservado para as

configurações de tempo de execução de uma definição de serviço. No entanto, o administrador

técnico não adicionar essas definições de configuração para as definições de serviço - que é o

trabalho do administrador de empresas.

EE Administrador de negócios

O administrador de empresas conhece os requisitos de negócios e como os serviços da Web e cenários de

os consumidores se comunicam em um cenário específico. Portanto, ele agrupa os serviços em configuração no lado
do provedor
cada sistema de provedor em cenários de configuração, e atribui às políticas que o
administrador técnico estabelecidos (ver figura 6.15). Você pode imaginar um cenário de
configuração como uma lista de definições de serviços que são necessários para projetar um
cenário de negócios de todo ou de partes destes. No jogo de distribuição de cerveja, isso pode
incluir os serviços do sistema ERP (produtos de interface de saída, etc.) ou do sistema externo.

Os serviços do sistema ERP podem ser agrupados em um cenário de vendas externo com
uma política particular. Esta iria determinar para o lado prestador de serviço que estes serviços
são apenas para ser usado em cenários de vendas externas via HTTPS ea autenticação
básica. O administrador de empresas única atribui o perfil para o cenário.

Sistema Provider Sistema Provider

Cenário Cenário

+ =
... ...

Definições de Serviços Web Política Ponto final Serviço Web executável

Figura 6.15 Configuração do Web Service Provider

451
6 Melhorias e Outlook

Um trabalho em segundo plano periódico gera terminais de serviço com entradas


correspondente WSDL (onde o serviço é executado), além da informação política (requisitos de
segurança) que aponta para os serviços atualmente em cluster. Os terminais de serviço,
portanto, representam terminais de serviço exigível, são publicados automaticamente no
Registro Services, e pode ser recuperado por um consumidor de serviço e utilizados para a sua
configuração. Assim, a configuração do prestador de serviços está agora completa.

A configuração Como os perfis de configuração podem mudar, gerenciamento de versão é fornecido. Assim, o
automática depois
administrador técnico pode alterar a autenticação em uma forte autenticação com certificados
alterar
X.509, que seriam salvos como versão 2 da política. As próximas versões do SAP NetWeaver
PI lhe permitirá realizar toda a configuração de cenários entre sistemas em um cockpit de
gerenciamento SOA central. Por conseguinte, o middleware SOA identifica todos os sistemas
envolvidos no processo e os configura automaticamente de acordo com a nova política.

EE desenvolvedor Composite

grupos de serviço do lado O desenvolvedor composta cria aplicativos que consomem serviços Web, que contêm
do consumidor
referências a terminais de serviço Web que são chamados (veja a Figura 6.16). O papel do
programador na configuração SOA é combinar as referências em grupos de serviço. Um grupo
de serviços é, portanto, parte do pedido de consumir, e é definido em fase de desenvolvimento.
Um grupo de serviço é um grupo de serviços consumidos que são executados no mesmo
sistema provedor (por razões de integração de dados no lado do provedor, por exemplo).

Do ponto de vista de um consumidor, um grupo de serviço é um conjunto de referências que


devem ser fornecidos pelo mesmo sistema de provedor. Assim, o promotor compósito pode
definir um grupo de serviço SalesOrderProcessing serviços, que devem ser chamados no mesmo
sistema de provedor. Um consumidor pode assim incluir muitos grupos de serviços, que podem
ser publicados no Registo Services.

Lá você pode ver quais aplicativos consumir um serviço em tempo de execução. Isso faz com que
as ramificações econômicas de um serviço indisponível ou acordo de nível de serviço quebrado
(SLA) claros.

452 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Maior desenvolvimento do SAP NetWeaver PI 6,4

Aplicação Sistema do consumidor

Sistema Consumidor Aplicação

grupo de serviço grupo de serviço

+ =

... ...

Grupo de Referências Pontos finais configurado


Política
para Web Services de Consumidores

A Figura 6.16 Configuração do consumidor do serviço Web

Depois que o administrador técnico fez as conexões necessárias nos sistemas, provedor, os
consumidores de serviços da Web ainda precisa ser configurado. Até agora, grupos de serviço
foram definidas no aplicativo de consumo, mas ainda não configurado. Esta configuração é
conectar os grupos de serviço definidos pelo consumidor que precisa ser chamado em um
sistema de provedor particular, com os cenários de serviços nela definidos. Porque todos os
serviços em um cenário de serviço no lado do fornecedor já estão ligados a uma política, todos
os serviços de consumo do grupo de serviço também será configurado. Mais uma vez, os
parâmetros necessários são gerados automaticamente pelo sistema em um trabalho em
segundo plano. Os terminais de serviço aqui, em contraste com os terminais de serviço do lado
do provedor, representam configurado pontos de extremidade consumidor.

Nota

Para saber mais sobre estas questões-chave, como parte da estratégia global SOA, consulte Desenvolvendo

aplicativos com o Enterprise SOA ( Huvar et al., 2009).

Com a configuração de serviços da Web usando grupos de serviço e cenários, o esforço de melhoria de

configuração e o custo total de propriedade (TCO) para serviços da Web são reduzidos, porque os desempenho devido à
configuração central
serviços Web e clientes de serviços da Web não precisa ser configurado individualmente. Isto
para conexões diretas
permite a padronização das etapas de configuração para aplicativos compostos construídos em
diferentes tecnologias.

Neste contexto, refira-se que isso se aplica mesmo se a comunicação de serviço Web em tempo
de execução não usa SAP NetWeaver

453
6 Melhorias e Outlook

PI. Desde versão 7.1, uma configuração central também pode ser realizada para conexões diretas
ponto-a-ponto no diretório de integração. Assim, você tem um processamento otimizado, como
uma direto conexão é estabelecida sem usar o sistema de PI SAP NetWeaver, e você também tem
os benefícios da configuração centralizada e monitoramento central.

Redução de base Na versão 7.1, o IDoc, HTTP, adaptador de WS-RM, e conexão com ABAP proxies executado em
ABAP- ABAP. Com o pacote de melhorias para 7.1, os proxies ABAP também são acessíveis através da
adaptadores
pilha de Java, e os planos prevêem que, com a liberação 7.2, o IDoc e HTTP adaptadores também
já não exigem a pilha ABAP. No futuro, cada vez menos adaptadores será executado na pilha
ABAP; eventualmente, apenas o mapeamento ABAP e os processos ccBPM vai exigir um.

Aprimoramento Com versão 7.1, muitas melhorias foram implementadas para a AAE, que é implementado em
de AAE
Java; por exemplo, pesquisas de mapeamento para executar uma função de um sistema de
aplicação, e as seguintes novas características:

EE Propagação principal (dependente do adaptador) para propagar o

nome de um usuário final do sistema emissor sobre SAP NetWeaver PI para o sistema
receptor

EE validação de esquema para verificar as mensagens XML de entrada para o seu esquema

validade antes de serem processadas em SAP NetWeaver PI

EE priorização de mensagem para processar mensagens preferenciais mais rápido

EE mapeamento de cabeçalho (dependente do adaptador), o que lhe permite

leia adaptador específico cabeçalho da mensagem atributos que um adaptador remetente pode escrever em

uma mensagem. Isto significa que estes valores são apenas conhecidas no tempo de execução. Isto pode, por

exemplo, ser usado em 1-para-muitos transformações para mapear o cabeçalho da mensagem da mensagem

recebida n vezes para a mensagem de destino

Com o pacote de melhorias, recursos adicionais foram adicionados à AAE:

EE Receptor de Split, que lhe permite dividir mensagens na AAE local para

receptores individuais

454 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Maior desenvolvimento do SAP NetWeaver PI 6,4

EE Baseada em conteúdo de roteamento, que permite determinar o destinatário

dependendo do conteúdo de campos individuais da mensagem

EE apoio módulo para XML IDoc para conversão de arquivo simples IDoc, para processar

casos, em que as estruturas de mensagem IDoc hierárquicos profundas devem ser convertidos em

estruturas planas

Para uma descrição detalhada das funções individuais que não tenham sido completamente aqui,
além de podcasts, visita http://help.sap.com
ou http://sdn.sap.com.

Além dessas melhorias arquitetônicas, também há suporte para mais padrões de serviço Web. Suporte para mais

Versão 7.1 suporta Universal Description, Discovery, and Integration (UDDI) 3.0 para os serviços padrões de serviço Web

de registo, WS-Policy, WS-Security e SAML para a propagação principal e WS-RM para a entrega
confiável de mensagens assíncronas. Este último já estava disponível em versões mais antigas,
mas é agora disponível com WS-RM, com base em um padrão de serviços da Web.

Para os próximos lançamentos PI SAP NetWeaver, o apoio de outros padrões de Web services
foi anunciado. Exemplos incluem:

EE SOAP 1.2.

EE Mecanismo mensagem Transmission Optimization (MTOM) para Enviar-

ing arquivos binários entre os serviços da Web.

EE WS-Addressing como um mecanismo de transporte neutro para resolver ser- Web

vícios e mensagens por mensagem incluía roteamento de dados no cabeçalho SOAP da


mensagem, fazendo com que as interações de longa execução possível. Se ambos consumidor
e serviços de serviço de encontrar as informações de roteamento no cabeçalho SOAP, o tempo
de vida da interação pedido SOAP / resposta é dissociada da vida em HTTP-solicitação /
resposta e, portanto, irá promover interações de longa duração.

Medium-Term Planning and Vision

O apoio de fornecedores de gerenciamento de SOA para a cooperação em ambientes com Conexão com SOA fornecedor

de gerenciamento
infraestruturas SOA de vários fornecedores de plataforma como SAP,

455
6 Melhorias e Outlook

Microsoft, IBM, e outros ainda está em fase de planejamento. Aqui, a integração da AmberPoint 4 será

aplicável no futuro previsível. Integração nas soluções de fornecedores de gerenciamento SOA é

realizado por agentes de proxy que estão localizados entre o consumidor de serviços e fornecedor

de serviços (ABAP e Java). Assim, a visibilidade e o controlo é alcançado em paisagens SOA que

se originam a partir de vários fornecedores (SOA) de múltiplos fornecedores. Como resultado,

desempenho e disponibilidade métricas importantes de serviços pode ser definido, monitorado e

ligados aos alarmes apropriados. relações de serviço, dependências e usos são, portanto,

transparente e auditável. O objetivo é definir e monitorar acordos técnicos (políticas) e SLAs, e

para identificar e resolver problemas de forma mais eficiente e mais rapidamente. Em SAP

NetWeaver PI de 7,2, por conseguinte, vai ser fornecida interfaces para agentes Amberpoint. A

longo prazo, normas serão definidas em cooperação com os fornecedores de gerenciamento de

SOA; é por isso que o apoio de várias normas (novos) serviços Web desempenha um papel.

6,5 resumo

SAP NetWeaver PI é a abordagem aberta e baseada em padrões SOA para o SAP, o que
permitirá a criação de novas melhorias de negócios inovadores com cenários adicionais ESB. SAP
NetWeaver PI pode ser usado para integrar rapidamente e sem problemas tanto aplicações
não-SAP SAP e. SAP vai continuar a oferecer soluções pré-embalados para reduzir as despesas
de implementação.

SAP oferece aos clientes acesso a um middleware SOA, fornecendo uma SOA consistente e
gerenciamento de aplicativos com um repositório de serviços corporativos compartilhados como
parte de uma plataforma abrangente. Além disso, com a integração do SAP NetWeaver PI e SAP
NetWeaver CE, SAP permite a criação de aplicações compostas com uma maior produtividade, ea
rápida implementação de inovações.

4 AmberPoint é um fornecedor de gerenciamento de SOA cujos produtos permitem uma análise de

as dependências de serviços e na construção de políticas que automatizam o gerenciamento de desempenho, lidar com

exceções, e manter os requisitos de segurança. A cooperação com a AmberPoint não é exclusivo; outros fornecedores

de gerenciamento de SOA pode ser integrado.

456 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


apêndices

A Materials Exercício .................................................. ..... 459

B Bibliografia .................................................. .............. 479

C Os Autores .................................................. ............... 483

457
© 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)
UMA Materiais de exercício

Este anexo contém o código fonte e templates para arquivos usados ​nas etapas individuais do
estudo exercícios e caso. Porque listagens de código longas são particularmente propensas a
erros de digitação ao entrar-los, você pode baixar os respectivos arquivos e SAP transporta a
partir do site que acompanha este livro ( http://www.sap-press.com).

Em alguns lugares, você pode encontrar de data e hora detalhes que devem ser considerados apenas como

padrões para seus próprios dados.

A.1 Recursos para Exercício 1 (RFC-to-File)

Módulo de função Z_RFM_MATERIALINPUT _ ##

FUNÇÃO Z_RFM_MATERIALINPUT _ ##.


* “------------------------------------------------- ----
* “*” Interface Local:
* ”Importando
* ”VALOR (MATNR) MATNR TIPO
* ”VALOR (MAKTX) MAKTX TIPO
* ”VALOR (ERSDA) ERSDA TIPO
* ”VALOR (ERNAM) ERNAM TIPO
* ”VALOR (MTART) TIPO MTART
* ”VALOR (MBRSH) TIPO MBRSH
* ”VALOR (MATKL) MATKL TIPO
* ”Valor (Meins) MEINS TIPO
* ”VALOR (BRGEW) TIPO BRGEW
* ”VALOR (Gewei) Gewei TIPO
* ”VALOR (MTPOS_MARA) TIPO MTPOS_MARA
* “------------------------------------------------- --- endfunction.

Chamar Programa Z_PROG_MATERIALINPUT _ ##

* & ------------------------------------------------- --- *


* & Report Z_PROG_MATERIALINPUT _ ##
* & ------------------------------------------------- --- *

459
UMA Materiais de exercício

RELATÓRIO z_prog_materialinput _ ##.

Parâmetros: pa_matnr TIPO MATNR, MAKTX TIPO pa_maktx,


MTART pa_mtart TYPE, mbrsh TIPO pa_mbrsh, matkl TIPO
pa_matkl, Meins pa_meins TIPO, BRGEW TIPO pa_brgew, Gewei
pa_gewei TYPE, pa_mtpos TIPO mtpos_mara.

START-OF-SELECTION.

  Chamada de função 'Z_RFM_MATERIALINPUT _ ##' IN tarefa em


segundo plano
    DESTINO 'SystemA_Sender - ##' EXPORTAÇÃO

      MATNR = pa_matnr MAKTX = pa_maktx ersda


= sy-dado ernam = sy-uname MTART = pa_mtart
mbrsh = pa_mbrsh matkl = pa_matkl meins =
pa_meins BRGEW = pa_brgew Gewei = pa_gewei
mtpos_mara = pa_mtpos. COMMIT WORK. SE
sy-SUBRC = 0.

    ESCREVA 'Call of módulo de função foi bem sucedido.'. FIM SE.

Método de execução na classe ZCL_PI_ABAP_

MAPEAMENTO _ ## do Mapeamento ABAP

if_mapping MÉTODO ~ executar.

  -TIPO PISCINAS: iXML.


  CLASSE cl_ixml DEFINIÇÃO DE CARGA. DATA: ixmlfactory REF
TIPO DE if_ixml. ixmlfactory = cl_ixml => create ().

460 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Recursos para Exercício 1 (RFC-to-File) A.1

  DATA: streamfactory REF TIPO DE if_ixml_stream_factory. streamfactory = ixmlfactory->


create_stream_factory (). DATA: istream REF TIPO DE if_ixml_istream.

  istream = streamfactory-> create_istream_xstring (fonte). DATA: IDocument REF TIPO DE


if_ixml_document. IDocument = ixmlfactory-> create_document ().

  DATA: iparser TIPO REF TO if_ixml_parser. iparser = ixmlfactory->


create_parser (
                            stream_factory = streamfactory istream = istream documento = IDocument). iparser->
parse ().

  DATA: in_brgew REF TIPO DE if_ixml_node_collection. DATA: in_netgew REF TIPO DE if_ixml_node.
DATA: in_ernam REF TIPO DE if_ixml_node_collection. DATA: in_ersda TIPO REF TO
if_ixml_node_collection. DATA: in_gewei REF TIPO DE if_ixml_node_collection. DATA: in_maktx REF
TIPO DE if_ixml_node_collection. DATA: in_matkl REF TIPO DE if_ixml_node_collection. DATA:
in_matnr TIPO REF TO if_ixml_node_collection. DATA: in_mbrsh REF TIPO DE
if_ixml_node_collection. DATA: in_meins tipo de REF TO if_ixml_node_collection. DATA: in_mtart REF
TIPO DE if_ixml_node_collection. DATA: in_mtpos_mara TIPO REF TO if_ixml_node_collection. DATA:
in_dummy REF TIPO DE if_ixml_node.

  in_brgew = idocument-> get_elements_by_tag_name ( 'BRGEW'). in_ernam = idocument->


get_elements_by_tag_name ( 'ERNAM'). in_ersda = idocument-> get_elements_by_tag_name ( 'ERSDA').
in_gewei = idocument-> get_elements_by_tag_name ( 'Gewei'). in_maktx = idocument->
get_elements_by_tag_name ( 'MAKTX'). in_matkl = idocument-> get_elements_by_tag_name ( 'MATKL').
in_matnr = idocument-> get_elements_by_tag_name ( 'MATNR'). in_mbrsh = idocument->
get_elements_by_tag_name ( 'MBRSH'). in_meins = idocument-> get_elements_by_tag_name ( 'MEINS').
in_mtart = idocument-> get_elements_by_tag_name ( 'MTART'). in_mtpos_mara = idocument->

    get_elements_by_tag_name ( 'MTPOS_MARA').

  in_netgew = idocument-> create_element (name = 'NETGEW').

461
UMA Materiais de exercício

  DATA: oDocument REF TIPO DE if_ixml_document. oDocument = ixmlfactory->


create_document (). DATA: msgtype TIPO REF TO if_ixml_element. msgtype = odocument->
create_simple_element (name = 'ns1: xmlns MT_Material: ns1 =”http://www.sap
press.com/pi/training/##”' parent = oDocument). DADOS irc tipo I.

  irc = msgtype-> append_child (in_brgew-> get_item (Índice = 0)). in_dummy =


in_brgew-> get_item (Índice = 0). tipo string lv_sbrg,: DADOS

        TIPO lv_pbrg p COMPRIMENTO 4 DECIMALS 3.

  lv_sbrg = in_dummy-> get_value (). lv_pbrg = lv_sbrg. lv_pbrg


= lv_pbrg * 9. lv_pbrg = lv_pbrg / 10. lv_sbrg = lv_pbrg.

  in_netgew-> set_value (lv_sbrg). irc = msgtype-> append_child (in_netgew).

  irc = msgtype-> append_child (in_ernam-> get_item (Índice = 0)).

  DATA: tipo string lv_date.


  in_dummy = in_ersda-> get_item (Índice = 0). lv_date = in_dummy-> get_value
().
  lv_date 8 + (2) + 5 (2) lv_date CONCATENAR lv_date (4) EM lv_date.

  in_dummy-> set_value (lv_date).

  irc = msgtype-> append_child (in_ersda-> get_item (Índice = 0)). irc


= msgtype-> append_child (in_gewei-> get_item (Índice = 0)). irc =
msgtype-> append_child (in_maktx-> get_item (Índice = 0)). irc =
msgtype-> append_child (in_matkl-> get_item (Índice = 0)).

462 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Recursos para o Exercício 2 (File-to-IDoc) A.2

  irc = msgtype-> append_child (in_matnr-> get_item (Índice = 0)). irc


= msgtype-> append_child (in_mbrsh-> get_item (Índice = 0)). irc =
msgtype-> append_child (in_meins-> get_item (Índice = 0)). irc =
msgtype-> append_child (in_mtart-> get_item (Índice = 0)). irc =
msgtype-> append_child (

    in_mtpos_mara-> get_item (Índice = 0)).

  de vestígios> trace (nível = '1'


                message = 'Chamado minha própria ABAP Mapping').

  DATA: ostream TIPO REF TO if_ixml_ostream.


  ostream = streamfactory-> create_ostream_xstring (resultado). DATA: renderizador TIPO REF TO
if_ixml_renderer. renderizador = ixmlfactory-> create_renderer (ostream = documento ostream =
oDocument). irc = renderer-> render (). ENDMETHOD.

A.2 Recursos para o Exercício 2 (File-to-IDoc)

<? Xml version =”1.0” encoding =” UTF-8” ?>

<NS0: xmlns MT_Material: ns0 =


“Http://www.sap-press.com/pi/training/##”> <MATNR> PI_BOOK - ## </
MATNR> <MAKTX> Desenvolvedor Livro </ MAKTX> <ERSDA> 02072009
</ ERSDA> < ERNAM> sys_a - ## </ ERNAM> <MTART> FERT </
MTART> <MBRSH> 1 </ MBRSH> <MATKL> 030 </ MATKL> <MEINS>
ST </ MEINS> <BRGEW> 1,2 </ BRGEW> <NTGEW> 1,0 </ NTGEW>
<Gewei> KGM </ Gewei>

   <MTPOS_MARA> NORM </ MTPOS_MARA> </ ns0:


MT_Material>

463
UMA Materiais de exercício

A.3 Recursos para Exercício 3 (ABAP-Proxy-a-SOAP)

* & ------------------------------------------------- --- *


* & Report Z_MATERIAL_EXISTENCECHECK _ ##
*&
* & ------------------------------------------------- --- *

RELATÓRIO z_material_existencecheck _ ##.

PARÂMETROS: p_mat TIPO BAPIMATALL-MATERIAL. DATA: obj_ref

       TIPO REF TO zco_si_abap_proxy_mat_exist _ ##, wa_output TIPO


zsi_abap_proxy_mat_exist _ ## _ em, wa_input TIPO zsi_abap_proxy_mat_exist _ ## _ OU,
zsi_abap_proxy_mat_exist wa_return TIPO _ ## _ re.

START-OF-SELECTION.

Criar objeto obj_ref.

wa_output-prima = p_mat.

Chamada de método obj_ref-> EXPORTING execute_synchronous

    produção = IMPORTING wa_output

    de entrada = wa_input.

wa_return = wa_input-retorno.

WRITE: / wa_return-número, / wa_return-mensagem.

A.4 Recursos para Exercício 4 (BPM)

Módulo de função Z_RFM_MATERIALINFO _ ##

FUNÇÃO Z_RFM_MATERIALINFO _ ##.


* “------------------------------------------------- ----
* “*” Interface local:
* ”Importando
* ”VALOR (MATNR) MATNR TIPO
* ”VALOR (ERSDA) ERSDA TIPO

464 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Recursos para Exercício 5 (File-to-JDBC) A.5

* ”VALOR (ERNAM) ERNAM TIPO


* “------------------------------------------------- ----

Endfunction.

Chamar Programa Z_PROG_MATERIALINFO _ ##

* & ------------------------------------------------- --- *


* & Report Z_PROG_MATERIALINFO _ ##
*&
* & ------------------------------------------------- --- *

RELATÓRIO z_prog_materialinfo _ ##.

Parâmetros: pa_matnr MATNR tipo.

START-OF-SELECTION.

  Chamada de função 'Z_RFM_MATERIALINFO _ ##' IN tarefa em


segundo plano
    DESTINO 'SystemA_Sender - ##' EXPORTAÇÃO

      MATNR = pa_matnr ersda = sy-dado ernam =


sy-uname. COMMIT WORK.

  SE sy-SUBRC = 0.
    ESCREVA 'Call of módulo de função foi bem sucedida.'. FIM SE.

A.5 Recursos para Exercício 5 (File-to-JDBC)

Java Mapping (opcional)

com.sappress.pi_training pacote;

importação java.io.InputStream; importação


java.io.OutputStream; importação
java.util.HashMap; importação java.util.Map;

465
UMA Materiais de exercício

importação javax.xml.parsers.DocumentBuilder; importação


javax.xml.parsers.DocumentBuilderFactory; importação
javax.xml.transform.Transformer; importação javax.xml.transform.TransformerFactory;
importação javax.xml.transform.dom.DOMSource; importação
javax.xml.transform.stream.StreamResult;

importação org.w3c.dom.Document; importação


org.w3c.dom.Element; importação
org.w3c.dom.Node; importação
org.w3c.dom.NodeList; importação
org.w3c.dom.Text;

importação com.sap.aii.mapping.api.MappingTrace; importação


com.sap.aii.mapping.api.StreamTransformation; com.sap.aii.mapping.api importação.
StreamTransformationConstants; com.sap.aii.mapping.api importação.
StreamTransformationException;

classe pública MaterialMapper implementa StreamTransformation {

param Mapa privado = null; traço MappingTrace privado =


null;

setParameter public void (param Mapa) {this.param = param; if (==


null param) {

             this.param = new HashMap (); }}

public void executar (InputStream arg0, arg1 OutputStream) lança StreamTransformationException


{try {

      rastrear = (MappingTrace) param.get


        (StreamTransformationConstants.MAPPING_TRACE);

466 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Recursos para Exercício 5 (File-to-JDBC) A.5

      DocumentBuilderFactory x =
        DocumentBuilderFactory.newInstance (); DocumentBuilder construtor =
x.newDocumentBuilder ();

      Documento de entrada = builder.parse (arg0); resultado documento =


builder.newDocument (); Elemento par =

        result.createElement ( “ns0: MT_INSERT_SQL“); par.setAttribute ( “xmlns: ns0“ ,

        “Http://www.sap-press.com/pi/training/##“); result.appendChild (nominal);

      Elemento insert_sql =
        result.createElement ( “insert_sql“); par.appendChild (insert_sql);

      Elemento dbTableName =
        result.createElement ( “dbTableName“); dbTableName.setAttribute ( “acção“,
“Inserir“); INSERT_SQL.appendChild (dbTableName);

      Elemento de tabela = result.createElement ( “table“); table_text Text =

        result.createTextNode ( “PI_MATERIAL“); table.appendChild (table_text);


dbTableName.appendChild (mesa);

      Elemento access = result.createElement ( “Acesso“); dbTableName.appendChild (de


acesso);

      appendElement (entrada, resultado “MATNR”, de acesso); appendElement (entrada, resultado,


“MAKTX”, de acesso); appendElement (entrada, resultado, “ERNAM”, de acesso); appendElement
(entrada, resultado, “MTART”, de acesso); appendElement (entrada, resultado, “MBRSH”, de
acesso); appendElement (entrada, resultado, “MATKL”, de acesso); appendElement (entrada,
resultado, “MEINS”, de acesso); appendElement (entrada, resultado, “BRGEW”, de acesso);
appendElement (entrada, resultado, “Gewei”, de acesso); appendElement (entrada, resultado,
“MTPOS_MARA”, de acesso);

467
UMA Materiais de exercício

      TransformerFactory tFactory = TransformerFactory.newInstance ();

      transformador transformador = tFactory.newTransformer ();

      fonte DOMSource = new DOMSource (resultado); StreamResult res = novo


StreamResult (Arg1); transformer.transform (fonte, res); }

     prendedor (exceção e) {

         e.getMessage (); }}

appendElement private void (entrada de documentos, resultado documento, String tagName, acesso
Node) {

NodeList nodelist = input.getElementsByTagName (tagName); nó nó = nodelist.item (0); valor String


= ““; experimentar {

       = valor node.getFirstChild () getNodeValue ().; } Catch (exceção e) {}

Elemento de e = result.createElement (tagName); text text =


result.createTextNode (valor);
e.appendChild (texto);
access.appendChild (e); }}

A.6 Recursos para a Etapa 1 do caso


Estudo (Criação Request)

<? Xml version =”1.0” encoding =” UTF-8” ?> <NS0: xmlns


MT_Inquiry: ns0 =
   “Http://www.sap-press.de/pi/casestudy/##”> <Customer> 1171 </ Customer>

   <DocumentNumber> Dúvidas - ## </ DocumentNumber>

468 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Recursos para a Etapa 2 do Estudo de Caso (Processo de Cotação) A.7

   <CreationDate> 20060510 </ CreationDate> <CreationTime> 20:00:00 </


CreationTime> <CollectiveNumber> submi _ ## </ CollectiveNumber> <Vendor>
SARIDIS </ vendedor> <ValidTo> 20060515 </ ValidTo> <InquiryItem>

      <ItemNumber> 010 </ ItemNumber> <MaterialNumber> M-01 </


MaterialNumber> <Descrição> Monitor1 </ Description> <Quantidade> 1 </
Quantidade>

      <MaterialGroup> 0207 </ MaterialGroup> <NetWeight> 10 </ NetWeight>


<GrossWeight> 15 </ GrossWeight> <WeightUnit> KGM </ WeightUnit>
<DeliveryDate> 20060520 </ DeliveryDate> </ InquiryItem> <InquiryItem>

      <ItemNumber> 020 </ ItemNumber> <MaterialNumber> H-02 </


MaterialNumber> <Descrição> Monitor2 </ Descrição> <Quantidade> 2 </
Quantidade>

      <MaterialGroup> 0207 </ MaterialGroup> <NetWeight> 10 </ NetWeight>


<GrossWeight> 15 </ GrossWeight> <WeightUnit> KGM </ WeightUnit>
<DeliveryDate> 20060520 </ DeliveryDate> </ InquiryItem> </ ns0:
MT_Inquiry>

A.7 Recursos para a Etapa 2 do Caso


Estudo (Processo de Cotação)

Criando a estrutura ZQUOT_ITEM

Chamada de transação SE11 no sistema de negócios B e selecione a opção tipo de dados. Digite
o nome ZQUOT_ITEM no campo à direita da opção, e clique no botão Criar. Criar os itens na componentes
guia, como mostrado na Figura A.1.

469
UMA Materiais de exercício

Figura A.1 Componentes da Estrutura ZQUOT_ITEM

Então vá para o campos de moeda / quantidade guia e manter os campos,


QUANTIDADE, PESO LÍQUIDO, PESO BRUTO, e MONTANTE, como mostrado na Figura A.2. Salvar a

estrutura. o Estrutura • Verifica e Estrutura • Ativar


caminho do menu permite-lhe verificar e ativar o objeto.

Figura A.2 Mantendo a moeda eo Quantidade Campos

470 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Recursos para a Etapa 2 do Estudo de Caso (Processo de Cotação) A.7

Estruturação Z_SUNNY_QUOTATION Serviço Web

Z_SUNNY_QUOTATION FUNÇÃO.
* “------------------------------------------------- --------
* “*” Interface Local:
* ”Importando
* ”VALOR (IM_COLLECTIVENUMBER) TIPO submi
* ”VALOR (IM_VENDOR) TIPO ELIFN
* ”VALOR (IM_CUSTOMER) CHAR40 TIPO
* ”Exportando
* ”VALOR (QUOTATIONDATE) ANGAB TIPO
* ”VALOR (ValidTo) TIPO BNDDT
* ”VALOR (Moeda) Tipo de KOEIN
* ”VALOR (fornecedor) TIPO ELIFN
* ”VALOR (NetPrice) TIPO NETPR
* ”VALOR (COLLECTIVENUMBER) TIPO submi
* ”VALOR (DocumentNumber) TIPO VBELN
* ”VALOR (CLIENTE) CHAR40 TIPO
* ”VALOR (TaxRate) TIPO MSATZ
* ”VALOR (TAXAMOUNT) MWSBP TIPO
* ”TABELAS
* ”Itens da estrutura ZQUOT_ITEM
* “------------------------------------------------- --------

  DADOS wa_item zquot_item TYPE.

  quotationdate = sy-referência. validto =


sy-datum + 7. moeda = 'EUR'.

  vendor = 'Sunny Electronics. collectivenumber = im_collectivenumber.


DocumentNumber = 'Sunny_Web'. cliente = im_customer. taxrate = 16.

  NetPrice = 0.

  LOOP AT itens em wa_item.


    TRADUZIR wa_item-materialnumber para maiúsculas. CASE wa_item-materialnumber.

      WHEN 'H-00'.wa_item-valor = 859 * wa_item-quantidade. WHEN 'H-01'.wa_item-valor = 859 *


wa_item-quantidade.

471
UMA Materiais de exercício

      WHEN 'H-02'.wa_item-valor = 980 * wa_item-quantidade. WHEN 'H-03'.wa_item-valor = 944 *


wa_item-quantidade. QUANDO 'H-04'.wa_item-valor = 1,016 * wa_item-quantidade. WHEN
'H-05'.wa_item-valor = 449 * wa_item-quantidade. WHEN 'H-06'.wa_item-valor = 859 *
wa_item-quantidade. WHEN 'H-07'.wa_item-valor = 716 * wa_item-quantidade. QUANDO
'H-08'.wa_item-valor = 1,123 * wa_item-quantidade. QUANDO 'H-09'.wa_item-valor = 1,202 *
wa_item-quantidade. QUANDO 'H-10'.wa_item-valor = 1,267 * wa_item-quantidade. QUANDO
'H-11'.wa_item-valor = 1,345 * wa_item-quantidade. WHEN 'H-12'.wa_item-valor = 787 *
wa_item-quantidade. WHEN 'H-13'.wa_item-valor = 828 * wa_item-quantidade. WHEN
'H-14'.wa_item-valor = 868 * wa_item-quantidade. QUANDO 'H-15'.wa_item-valor = 1,095 *
wa_item-quantidade. QUANDO 'H-16'. wa_item-valor = 1,295 * wa_item-quantidade. QUANDO
'H-17'.wa_item-valor = 1,441 * wa_item-quantidade. WHEN 'H-18'.wa_item-valor = 718 *
wa_item-quantidade. WHEN 'H-19'.wa_item-valor = 863 * wa_item-quantidade. WHEN
'H-20'.wa_item-valor = 889 * wa_item-quantidade. ENDCASE.

    wa_item-valor = wa_item-montante / 10 * 11. wa_item-moeda = 'EUR'. Alterar


itens de wa_item. NetPrice = NetPrice + wa_item-montante. ENDLOOP.

  TAXAMOUNT = NetPrice / 100 * taxrate. Endfunction.

A.8 Recursos para a etapa 3 do caso


Estudo (Introduzir uma ordem de venda)

* & ------------------------------------------------- ------- *


* & Report Z_PI _ ## _ SALESORDER_OUTBOUND
*&
* & ------------------------------------------------- ------- *
*&
*&
* & ------------------------------------------------- ------- * RELATÓRIO Z_PI _ ## _ SALESORDER_OUTBOUND.

*  Declaração DATA:

472 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Recursos para a etapa 3 do Estudo de Caso (Introduzir uma ordem de venda) A.8

*  Estrutura para o proxy


      ls_OUTPUT tipo ZPI ## MT_SALES_ORDER, tipo ls_input ZPI ## MT_response, ls_item TIPO
ZPI ## DT_SALES_ORDER_ITEM, REF TIPO r_proxy TO ZPI ##
CO_SI_SALES_ORDER_SYNC_OU.

*  Prepare chamada procuração


CLEAR: ls_output.
ls_output-MT_SALES_ORDER-cliente = '0000001000'.
ls_output-MT_SALES_ORDER-document_number = '0000001000'.
ls_output-MT_SALES_ORDER-creation_date = sy-referência.
ls_output-MT_SALES_ORDER-CREATION_TIME = sy-uzeit.
ls_output-MT_SALES_ORDER-collective_number = '0000001'.
ls_output-MT_SALES_ORDER-vendor = '0000002000'. ls_output-MT_SALES_ORDER-valid_to =
sy-referência.

ls_item-item_number = '00001'. ls_item-material_number =


'P-103'. ls_item-Quantidade = '100'.
ls_item-DELIVERY_DATE = sy-referência.

APPEND ls_item
  A ls_output-MT_sales_order-sales_order_item.
*  Instanciar procuração TRY.

    criar o objeto r_proxy. CX_AI_SYSTEM_FAULT


CATCH. EndTry.

*  TRY procuração
chamada.

    MÉTODO DE CHAMADA r_proxy-> execute_synchronous EXPORTAÇÃO

        SAÍDA = IMPORTING ls_output

        de entrada = ls_input. .

  CX_AI_SYSTEM_FAULT CATCH. EndTry.


COMMIT WORK. SE sy-SUBRC = 0.

  Escrever 'PurchaseOrder - ## criado!'. FIM SE.

473
UMA Materiais de exercício

A.9 Recursos para Passo 4 do caso


Estudo (entrega de fatura)

Email externos Definição (de nota SAP 748024)

<? Xml version =”1.0” encoding =” utf-8” ?>

<Xs: schema
  targetNamespace =”http://sap.com/xi/XI/Mail/30” xmlns: xi
=”http://sap.com/xi/XI/Mail/30” xmlns: xs =”http: // www .w3.org / 2001 /
XMLSchema”>

<! - * Mail ->

  <Xs: element name =”Mail”> <xs: anotação>

      <xs: documentação> pacote Mail for XI - Adaptador E-mail </ xs: documentação> </
xs: anotação> <xs: complexType> <xs: sequence>

        <Xs: element name = tipo”Sujeito” =”xs: string” minOccurs =”0” > </ xs: element>

        <Xs: element name =”a partir de” type =”xs: string” minOccurs =”0” > </ xs:
element>

        <Xs: element name =”para” type =”xs: string” minOccurs =”0” > </ xs:
element>

        <Xs: element name = tipo”REPLY_TO” =”xs: string” minOccurs =”0” > </ xs: element>

        <Xs: element name = tipo”Content_Type” =”xs: string” minOccurs


=”0” > </ xs: element>

        <Xs: element name = tipo”CONTENT_DESCRIPTION” =”xs: string”


minOccurs =”0” > </ xs: element>

        <Xs: element name = tipo”Content_Disposition” =”xs: string” minOccurs =”0”


> </ xs: element>

474 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Recursos para Passo 4 do estudo de caso (fatura de entrega) A.9

        <Xs: element name = tipo”Data” =”xs: dateTime” minOccurs =”0” > </ xs: element>

        <Xs: element name = tipo”message_id” =”xs: string” minOccurs =”0” > </ xs: element>

        <Xs: element name = tipo”X_Mailer” =”xs: string” minOccurs =”0” > </ xs: element>

        <Xs: element name =”conteúdo” minOccurs =”0” > <xs: anotação>

            <Xs: documentation> qualquer tipo de conteúdo misturado </ xs:


documentation> </ xs: anotação> </ xs: elemento> </ xs: sequence>

      <Xs: attribute name = tipo de”encoding” =”xs: string”> <xs: anotação> <xs: documentação>

              nome opcional de codificação (base64, citados-imprimíveis) </ xs:


documentação> </ xs: anotação> </ xs: attribute> </ xs: complexType> </ xs:
element> </ xs: schema>

Arquivo XSL para mapeamento de mensagem

<Xsl: stylesheet
xmlns: xsl =”http://www.w3.org/1999/XSL/Transform” version =”1.0”

xmlns: = NS0”urn: sap-com: documento: sap: RFC: funções” xmlns: ns


=”http://sap.com/xi/XI/Mail/30” >

<Xsl: output method =”xml” encoding =”utf-8” indent =” yes”/>

<Xsl: template match =”/”>


              <Xsl: apply-templates select =”INVOIC01” /> </ xsl: template>

475
UMA Materiais de exercício

<Xsl: template match =”INVOIC01” > <ns: Mail>


<Assunto>

     <Xsl: text> Fatura: </ xsl: text> <xsl: value-of select =”IDOC / E1EDK01 / BELNR” />
</ Assunto> <Do>

     <Xsl: text> Sender </ xsl: text> </ From> <Para>

     <Xsl: text> Receiver </ xsl: text> </ Para>

   <Content_Type>
     <Xsl: text> text / html </ xsl: text> </ Content_Type>
<Content> <html> <head>

         <Conteúdo meta =”text / html; charset = ISO-8859-1” http-equiv =” Content-Type”/> </


head> <body>

         <Xsl: text> Vamos cobrar as seguintes posições: </ xsl: text> <br/>

         <Tabela de fronteira =”1” CellPadding =” 1” cellSpacing =”1” de


largura =” 60%”> <tr>

             <Th> ProductNumber </ th> <th> Descrição </ th>


<th> Quantidade </ th> <th> Unidade </ th> <th> Preço </ th>
</ tr>

             <Xsl: apply-templates select =”IDOC / E1EDP01” /> </ table>


</ body> </ html> </ Content> </ ns: Mail> </ xsl: template>

476 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Recursos para Passo 4 do estudo de caso (fatura de entrega) A.9

<Xsl: template match =”IDOC / E1EDP01” > <tr> <td>

     <Xsl: value-of select =”E1EDP19 [QUALF = 002] / IDTNR” /> </ td> <td>

     <Xsl: value-of select =”E1EDP19 [QUALF = 002] / KTEXT” /> </ td>

   <Td> <xsl: value-of select =”MENGE” /> </ td> <td> <xsl: value-of select
=”menée” /> </ td> <td>

     <Xsl: value-of select =”E1EDP26 [QUALF = 004] / BETRG” /> <xsl: text> EUR </ xsl: text> </
td> </ tr>

</ Xsl: template>

</ Xsl: stylesheet>

477
© 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)
B Bibliografia

Esta bibliografia fornece uma visão geral da literatura que é explicitamente mencionada neste livro.
A lista não é exaustiva e destina-se a permitir que você se familiarizar com o tema da integração
de sistemas de TI.

EE Aleksy, Markus, Axel Korthaus, Martin Schader: Implementando distri-

Sistemas buído com Java e CORBA. Heidelberg, Springer, 2005. Este trabalho abrangente
descreve os conceitos de CORBA (incluindo a linguagem de definição de interface) e Object

Request Broker, e demonstra como você pode desenvolver sistemas distribuídos usando Java

e CORBA.

EE Alonso, Gustavo, Fabio Casati, Harumi Kuno, Vijay Machiraju: Rede

Serviços. Heidelberg, Springer de 2004.

Este livro destaca-se entre os vários outros livros sobre o assunto dos serviços da Web,
concentrando-se na descrição dos conceitos essenciais, incluindo a composição de serviços.

EE Erl, Thomas: Arquitetura Orientada a Serviços. New Jersey, Prentice Hall,

2006.

Uma introdução à SOA: Quais são as características específicas de serviços? Como os serviços podem

ser modelados e implementados usando os serviços da Web?

EE Grosso, William: Java RMI. Köln, O'Reilly de 2001.

Um livro muito técnico. Após uma introdução às tecnologias gerais de rede, ele fornece uma
descrição muito detalhada de como usar o Remote Method Invocation Java, incluindo os
requisitos, implementação e protocolos subjacentes.

EE Hack, Stefan, Markus A. Lindemann: Roadmap SOA empresa. Bonn,

SAP IMPRENSA 2007.

Este livro de Stefan Hack and Markus A. Lindemann fornece aos gerentes de negócios,
gerentes de TI e consultores passo-a-passo as instruções sobre o caminho para SOA no
ambiente SAP. Com base em mais de 500 projetos de consultoria SAP em diferentes
indústrias, os autores desenvolver recomendações concretas para acções para introduzir SOA.

479
B Bibliografia

EE Heilig, Loren, Steffen Karch, Oliver Böttcher, Christophe Mutzig,

Roland Pfennig, Jan Weber, Christian Bernhardt, Frank Heidfeld, Andreas Hardt: SAP

NetWeaver. Bonn, SAP Press, 2ª edição, 2008. Os autores dão uma boa visão sobre SAP
NetWeaver e retratam a base tecnológica das aplicações SAP, administrar com sucesso o ato

de equilíbrio entre a representação técnica e de negócios.

EE Hildebrand, Knut (Eds.): IT-Integração e Migração. Heidelberg, dpunkt

De 2007.

Este folheto discute temas como a integração de TI ou migração. Além das bases conceituais -
em particular, abordagens práticas atuais - e relatórios do projeto e de campo sobre
estratégias, métodos e técnicas sobre integração e migração são apresentados.

EE Huvar, Martin, Timm Falter, Thomas Fiedler, Alexander Zubev: desen-

Aplicações oping com Enterprise SOA. Bonn, SAP PRESS 2008. Com este livro,
desenvolvedores de aplicativos e arquitetos de software obter uma introdução ao
desenvolvimento de software utilizando as ferramentas da infra-estrutura SOA da SAP. Ele
descreve os componentes (Enterprise Services Repository, SOA middleware, configuração
Framework, e outros), metodologias e o metamodelo, e explica como os Enterprise Services-se
podem ser desenvolvidos, agrupados, e configurado em cenários.

EE Josuttis, Nicolai: SOA na Prática: The Art of Design Sistema Distribuído

(Teoria na Prática) O'Reilly Media 2007.

Baseado em extensa experiência prática, Nicolai Josuttis mostra como SOA permite a criação
de aplicações complexas de negócios distribuídos. Se o seu projeto é baseado em numerosos
componentes de serviços Web, ou se você quiser incluir aplicações legadas no seu fluxo de
trabalho moderno, você aprende se e como SOA vai atender às suas necessidades. Com vasta
conselhos práticos, o livro ajuda você a realmente entender o que SOA é eo que significa para
implantar SOA na prática.

480 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Bibliografia B

EE Juric, Matjaz B., Poornachandra Sarang, Benny Mathew: Pro- negócios

cesso Execution Language para Web Services. Birmingham, Packt Publishing, 2ª edição de
2006.

Este é um dos poucos livros disponíveis atualmente que se concentra principalmente na


estrutura e aplicação de BPEL.

EE Keller, Wolfgang: Enterprise Application Integration. Heidelberg,

dpunkt de 2002.

Este livro contém uma descrição fácil de entender de EAI que se baseia em exemplos da vida
real. Além disso, ele fornece uma lista de verificação que contém perguntas sobre o uso e
selecionar produtos EAI.

EE Mertens, Peter: Integrierte Informationsverarbeitung 1 - Sys operativo

teme in der Industrie. Wiesbaden, Gabler de 2005.

Um dos livros padrão usados ​no ensino de gestão da informação. Ele se concentra na
integração de sistemas de TI.

EE Scheckenbach, Rainer: “Semantische Geschäftsprozeßintegration”

Wiesbaden, Deutscher Universitätsverlag de 1997.

Esta tese lança uma luz sobre as questões técnicas e organizacionais levantadas por uma
integração entre empresas de sistemas de TI.

EE Sharma, Rahul, Beth Stearns, Tony Ng: J2EE Connector Architecture e

Enterprise Application Integration. Amsterdam, Addison-Wesley, 2002. Este livro fornece uma

introdução detalhada ao Java Connector Architecture que é usado como base para a extensão

da PI SAP.

EE Snabe, Jim Hagemann, Ann Rosenberg, Charles Møller, Mark Scav-

illo: Processo de negócio Gestão - O roadmap SAP. Bonn, PRESS SAP


De 2009.

O livro fornece informações sobre BPM no ambiente SAP. Ele explica o que BPM é, quais
aspectos são importantes no mundo empresarial de hoje para perceber o sucesso do negócio,
e como BPM é implantado na empresa a partir da perspectiva de negócios e de TI. Os leitores
vão aprender tudo sobre o Roteiro BPM SAP ea abordagem de quatro etapas, incluindo
planejamento, preparação, execução e acompanhamento da aplicação BPM. Estudos
detalhados ilustram como os conceitos de BPM, SOA, e a Plataforma de Processos de
Negócios andam de mãos dadas e preparar as empresas para os desafios futuros.

481
B Bibliografia

EE Madeiras, Dan, Thomas Mattern: Enterprise SOA: projetá-lo para Busi-

ness Inovação. Köln, O'Reilly de 2006.

O livro de Dan Woods e Thomas Mattern é atualmente o livro mais up-to-date sobre o tema da
Enterprise SOA. Ele usa perguntas e respostas para descrever a natureza de uma SOA, como
tal arquitetura é implementado pela SAP, e como os clientes podem migrar de sua arquitetura
atual para Enterprise SOA. O livro destina-se para um grande público-alvo, de analistas de
negócios para arquitetos empresariais que estão a planear a familiarizarem-se com as
potencialidades de uma arquitetura SOA.

482 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


C Os autores

Dr. Valentin Nicolescu Economia estudou na Universidade Hohenheim,


na Alemanha. De 2003 a 2008 ele trabalhou no SAP University
Competence Center (SAP UCC) na Technische Universität München,
onde recebeu seu doutorado em ciência da computação. Suas
responsabilidades incluíam sistemas de formação SAP operacionais
para instituições de terceiro nível em toda a Alemanha, e fornecer
treinamento SAP para lec- de terceiro nível

turers. Suas especialidades são os produtos na plataforma SAP NetWeaver e ensinando ERP
clássico com SAP R / 3 e mySAP ERP. Ele é uma tecnologia SAP e Desenvolvimento Consultor
certificada para SAP Exchange Infrastructure (XI), Web Application Server (WAS) e Portal
Empresarial. Desde 2009, ele trabalhou como um consultor de desenvolvimento de TI da Webasto
AG, Stockdorf.

Prof. Dr. Burkhardt Funk é professor de gestão da informação na


Universidade Leuphana de Lüneburg. Depois de estudar física e ciência
da computação nas universidades de Kiel, Würzburg, e Stony Brook
(EUA), ele obteve seu doutorado na Universidade de Wuppertal.
estadias de pesquisa têm levado ao Japão, Espanha e os EU Ele
trabalhou como consultor na McKinsey & Company, onde ele
estabeleceu o

prática e-commerce. Em 2003, antes de aceitar um cargo de professor de gestão da informação


em Lueneburg, Burkhardt fundou uma empresa financiada pelo VC e ocupou o cargo de CTO. No
Instituto de Electronic Business da Universidade de Lüneburg, a integração de processos de
negócios de sistemas de TI de negócios e arquiteturas de software estão entre seus interesses de
pesquisa. Ele também é um parceiro de NundP ES GmbH, Hamburgo, que se concentra na
integração SAP.

483
C Os autores

Prof. Dr. Peter Niemeyer é professor de gestão da informação na


Universidade Leuphana de Lüneburg. Depois de estudar matemática na
Universidade Técnica de Berlim, ele passou oito anos trabalhando para
SAP AG. Em 2003, ele aceitou um cargo de professor de gestão da
informação em Lüneburg no Instituto de Electronic Business da
Universidade de Lüneburg. integração de processos de negócios de
sistemas de negócios de TI é

um de seus interesses de pesquisa. Ele também é um parceiro de NundP ES GmbH, Hamburgo, que se

concentra na integração SAP.

Matthias Heiler É formado em física e é um executivo de vendas de soluções

da SAP AG em Walldorf, Alemanha. Depois de seus estudos, trabalhou

como desenvolvedor de aplicativo de mainframe na indústria da aviação, e

depois como gerente de projetos em projetos internacionais nos sectores da

banca e indústrias automotivas para uma empresa de consultoria

norte-americana. Ele trabalhou na SAP desde 1995, primeiro como treinador

em Basis SAP (R / 2 e R / 3), e, em seguida,

comutada para vendas em 1999. Ele é um SAP consultor de integração ERP certificada. Hoje, seu
foco está em arquiteturas orientadas a serviços (SOA), particularmente plataformas de integração e
Business Process Management (BPM). Ele também palestras em processos de negócios com
sistemas SAP da Universidade Internacional de Bruchsal, Alemanha.

Dr. Holger Wittges Obteve seu PhD pela Universidade de Hohenheim,


na Alemanha, com o seu papel “Conexão Business Process Modeling e
Implementação do fluxo de trabalho.” Em seguida, ele trabalhou por três
anos como um líder de projeto de TI com debitel AG, em Stuttgart,
Alemanha. Desde 2004, ele foi chefe de operações da SAP University
Competence Center (SAP UCC) na Technische Universität München.
sua cur-

alugar áreas de investigação são software standard, arquiteturas orientadas a serviços, e métricas
de desempenho em sistemas ERP. Ele também é um consultor de tecnologia certificada para SAP
NetWeaver-Enterprise Portal e Gestão do Conhecimento.

484 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Os autores C

Thomas Morandell estudou tecnologia da informação, com um menor


matemática, na Technische Universität München. Durante seus estudos
trabalhou sobre temas relacionados com SAP NetWeaver, e ganhou sua
primeira experiência prática em várias empresas, incluindo OSRAM
GmbH. Ele escreveu sua tese no Departamento de Sistemas de
Informação sobre “Desenvolvimento de um processo integrado de
negócios para a compra usando o

SAP Exchange Infrastructure”na Technische Universität München. Desde 2008, ele tem sido o
diretor da área de desenvolvimento da SPV Management Consulting AG. Seu foco está no
desenvolvimento SAP NetWeaver ea integração de componentes padrão da SAP com produtos
não-SAP na área de logística e recursos humanos.

Florian Visintin estudou tecnologia da informação, com um menor


economia, na Technische Universität München. Como consultor de
desenvolvimento para o SPV AG, ele implementou diversos projetos
com SAP NetWeaver, incluindo SAP NetWeaver XI / PI e Web Dynpro.
Durante sua carreira profissional como desenvolvedor, ele foi confiada a
vários componentes SAP e ganhou uma boa visão geral da aplicação
SAP

carteira. Seu foco como um desenvolvedor está agora em Supply Chain Management (SCM). Desde

2009 ele tem trabalhado como consultor de desenvolvimento freelance SAP.

Benedikt Kleine Stegemann Estudou Gestão de Informação da


Universidade de Lüneburg, Alemanha. Durante seus estudos, ele
também trabalhou para uma série de empresas, incluindo Infracor GmbH
(grupo Degussa) e Airbus Deutschland GmbH em Hamburgo. Ele agora
é um consultor sênior da NundP ES GmbH e trabalha principalmente em
projetos de desenvolvimento SAP.

485
C Os autores

Harald Kienegger Estudou administração de empresas na Technischen


Universität Bergakademie Freiberg (Saxônia). Durante seus estudos, ele
já especializados na área de sistemas de informação, escreveu sua tese
sobre o assunto de derivados baseados em XML e se comprometeu a
sua pesquisa e ensino. Desde 2008 ele tem sido um assistente de
pesquisa no Departamento de Sistemas de Informação com o Prof. Dr.
Helmut Krcmar

na Technische Universität München. Aqui, ele trabalha em um projeto de pesquisa SAP, o Centro
de Very Large Business Applications (CVLBA), e também fornece suporte de aplicativo para
sistemas SAP. Ele é um consultor de soluções SAP certificada para SAP ERP 6.0, com foco em
SAP NetWeaver PI
7.1.

486 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Índice

Apache, 432 Anexar, 272, 356 link do aplicativo


UMA
permitindo Æ veja ALE, 136 log de aplicativo, 237
A2A, 58 perfil de aplicativo, 176 servidor de aplicativos, 62,
ABAP 203
classe, 165, 218 de
interface, 216 mapeamento,
112, 164
proxy, 100, 104, 140, 147, 158, 248 de serviço, central, 134
122 Sistema de aplicao, 139
aplicação ABAP, 424 classe ABAP, aplicação-para-aplicação, 58
215, 248 mapeamento ABAP, 215 diferenças de arquitectura, 28
proxy de ABAP, 146, 238, 373 Arquitectura
categoria Abstract, 340 de interface Serviço-Orientado Æ ver SOA, 64
Abstract, 256 Activação, 209 Arquivo
Adaptador, 45, 74, 87 importados, 305, 396
arquivo, 396 Arquivamento, 230 Argumento,
245 ARIS arquiteto negócio, 51 ARIS para
SAP NetWeaver processo de integração, 366 tipo, SAP NetWeaver, 47, 441
71

motor de adaptador, 203 conjunto de ferramentas, 48

quadro adaptador, 86 Aritmética, 198


monitorização, 214, 231, 404 Tipo de adaptador, Asnyc-sync-ponte, 372
203, 214, 232 administrador, 129 adaptador Atribuir, 273
envio assíncrono, 358 de processamento
motor de adaptador avançada, 113 Adaptador assíncrono, 108, 378 de autenticação, 450 Os
de motores avançados, 86 ALE, 136 dados de autenticação, autorização 147 objecto,
168 função de autorização, 156 transferência
comunicação ALE, 221, 387 mensagens automática de dados, 145 procedimento afixação
ALE, 237 Alerta automática, gestão 47 Disponibilidade, 85

categoria, 167, 284 classificação,


167 configuração, 83, 166 caixa
de entrada, 166, 287, 289
mensagem, 289 monitoramento,
166 servidores, 287 B

B2B, 58
ALERTPERSONALIZE_RULES, 167 integração, 68
ALERTSUBSCRIPTION, 167 ALRTCDEF, senha compatível para trás, 156 BAPI, 38, 105
284 AmberPoint, 438, 456 na base 64, 400

487
Índice

dados básicos, 235 tipo básico, 371 lotes, 325 De empresa para empresa Æ veja B2B, 68 de fluxo de

BD87, 332, 370, jogo distribuição 391 Beer, trabalho de negócios, 255

429, 433 Melhor esforço, 108 abordagem


Best-of-breed, 26 Documento de faturamento,
393 Bill-to Party, 393 booleanos, 342 BPE, 82,
C
91, 255 BPEL, 255, 442

Callback, estudo 34
Case, 311 Categoria

abstrato, 340
classificação, 284 de
entrada, 195, 242
modelo, 441 designer de servidor de aplicativos Central, lista 134
processo, 101 Alterar
BPEL processo, 430, 431, 434 BPM, ativar, 201
46, 59, 62 BPMN, 440, 442 standard, 201
listas de modificações, 201, 210 Alteração
modelo, 441 do tipo de media, 60 Lista de verificação,
BSP_UNLOCK_LONG_APP, application 179 Classe construtor, 215, 250 Classes,
programming interface 167 de Negócios, 38, 246 Classificação, 315 de cliente, 135
105
Negócios componente, 98, 101, 359, 365,
374, 397, 398 Business
Intelligence, 61 Objeto de cópia, 131
Negócios, 427 proxy do cliente, número 102 Colectivo, 320,
processo, 59, 66, 370, 428 negócio 322, 332 camada processo comum, 441
gestão, ferramenta 59 Comunicação
modelagem, 48
estrutura, 338 do canal, 82, 91, 159, 327, 358, 366
Business Process Motor, 82, 91, 255 negócios linguagem componente, 82, 101 directo, 120 interno, 361
de execução de processo para serviços web, 43, 427

linguagem de execução de processos de negócios Æ categoria Communication, 72 canal de


veja BPEL, 101, 255 comunicação, 204, 229, 233 do componente de
Business Process Management, 46, 59, 62 comunicação, 275, 398 Modo de comunicação, 72
Tipo de comunicação, 231 monitorização de
modelagem de processos de negócio, notação de modelagem de componentes, 83, 214, 231, 236 de compressão,
processo de 45 negócios Æ 155 Concat, 377 Condição, 271, 362, 400 Condição
ver BPMN, 440 editor, 270, 298 visão geral Condição, 364
plataforma de processos de negócios, 64 requisitos de parâmetro configurável, 411 Configuração, 76, 201,
negócios, 53 negócio mapa cenário, 425 sistema de 295
negócio, 77, 78, 101, 131, 137,

138, 174, 202


papel, 147

guia, 129

488 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Índice

integrado, 115 A recolha de dados, 145 conflitos

objeto, 397, 407, 415, 419, 97 de dados, 33 do conversor de

objetos dados 68, dicionário de dados, a

cenário, 202, 275, 327 transferência de dados de 336

simulação, 331 assistente, 98,


252 automático, 145
gerenciamento de configuração, 84 objetos de Tipo de dados, 71, 192, 193, 318, 427
configuração, 228, 327 Visão geral da configuração, core, 71
207 cenário de configuração, assistente 98 global, 71
configuração, 131, 143, 228, correio, 395
DateTrans, 379 alternativos
231, 250, 276, 329, 361 receptor decisão, 412 Declaração, 358,
configurado, 207 Método de 384 Definição
conexão, 197 parâmetros de ligação,
teste de ligação 251, 162 externo, 241, 340
Constantes, 198 Recipiente gráfica, 268 assistente,
275
Dependências, 197 Inscrição
elemento, 358, 382 conflitos, 33 projeto, 75
operação, 337
elemento de recipiente, 267, 355 objectos objetos, 189, 190
Recipiente objetos de design, 223, 240 Fase de Projeto, do
multilinha, 350 menu 256 Detalhes, janelas 193 Detalhes, 193
operação, 272 Contexto, 338, consultor de desenvolvimento, 184 Diagnóstico, 283
346 Container de comunicação direta, 120 interface de Direção
mudança, 323 relacionada, 257, 278 Dispatching
Contexto mudança, 343, 345
Cookie, 149, 155 CORBA, 41

grupo de empresas, 312


Correlação, 266, 272 editor de assíncrono, 358
Correlação, 267 lista Correlação, Exibição
266 Curso, 168 IPC-C Tempo de gráfica, 283
espera, 159 CPL, 441 canal de distribuição, 322 Distribuidor, 429
Baixar, 130 arrastar e soltar, 194, 196, 242,
270 do motorista, 291, 307 duplicado
Cross-componente de gerenciamento de processos de sub-árvore, 322
negócios, 255

D
E
Dados

programa de coleta, 145 Eclipse, 443 E-mail, 166, 401


Base de dados monitoramento End-to-end, 83
nome do host, 133

489
Índice

integração processo de ponta a ponta, 66 protocolo de transferência de ficheiros, 205

Aperfeiçoamento de filtro, 136 Bandeira, 281 de pasta, 188,

avançado motor de adaptador, 454 210 da forquilha, 285 FormatNum, 198 FTP,

conceitos do realce, 423 Enqueue, 205

134
Empresa componente central, 132 Enterprise Service,
65 Empresa barramento de servi, os serviços 37 da
empresa construtora, 112, 413 Empresa repositório Nome completo do host, 143 Function
serviços, 45, 64,
concatenação, 377 gráfica,

65, 79, 122, 187 197 se, 343 definidos pelo

serviços da empresa local de trabalho, 425 utilizador, 244

equalsS, 343 ESR Æ ver repositório serviços da


empresa, 79 apenas uma vez, 108, 150 apenas O módulo de função, 186, 336
uma vez em ordem, 108, 150 perfil de câmbio, permitiu-RFC, 432
140, 164 EXECUTE_SYNCHRONOUS, 250 Outros dados, 369, 404
editor de expressão, 267, 297, 364 de extensão,
423

servidor Gateway, 141, 203 serviço de


definição externo, 241, 340 definição de gateway, 142 tipos de dados Global, 71
interface externa, 178 identificador exclusivo, 108 Mercadorias
verificação de disponibilidade, 434
Mercadorias questão, 403 definição gráfica,

F 268 Representação gráfica, 283 função


gráfica, 197 modelagem gráfica, 268 GUID,
Factory, 429 Entrada 108 procedimentos guiados , 49
rápida, 392 Fault, 95

Falha tipo de mensagem, 195 Fax,

166

Federated Service Bus, 446


infra-estrutura, 446
área FI, 311 etiqueta
H
fictícia, 312 Campo
dados do cabeçalho, 321

incapacitante, 226 mapeamento de cabeçalho, 387

Os dados de campo, 236 Ajuda

arquivos técnico, 236


adaptador, 106, 185, 220, 358 de Heterogeneidade, 25 nível de
canal receptor, canal emissor 360, hierarquia, 325 Hitech AG, 312
328 HMI, 153 integração horizontal, 29
Arquivar parâmetros de acesso, conversão de

conteúdo 205 Arquivo, esquema de nome 205

Arquivo, 205

490 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Índice

Nome de anfitrião Exemplo, 341 número exemplo, 134


totalmente qualificado, 143 Instructor, 183 configuração
HTTP integrado, 115 Integração
método de invocação, 153 de
resposta, 155
pós HTTP, 308 ARIS / SAP, 54 configuração, 46
Hub-and-spoke, 36 ​de dados orientada, 38 exemplo,
31 camada, 61, 62, plataforma, 58,
62 processo, 79, 91 processo
orientado, 38 mecanismo de filas,
Eu
de 45 cenário, 68, 77, 93
ICF, 150 tecnologia, 41
IDES, 311
IDES_DEVELOP, sistema
170 IDES, 141 IDES_USER,
170
IDoc, 69, 220, 232, 314, 327, 332 Integração construtor, 106, 406, 414, 419 integração
adaptador, 160 direcção, 29 directório integração, 76, 81, 201
exercício, 161 pergunta, INTEGRATION_DIRECTORY_HMI, Motor de
410 MATMAS02, 314 integração 153, 88 objetos de integração, a integração
metadados, 162 de informação 29, 61 processo de integração, 101,
estrutura, 226 256, 350, 358,

tipo de IDoc, 226


idx1, 162 Se, 343 410, 414
verificação, 274

IF_MAPPING, 216 monitoramento, 421

IfWithoutElse, 342 IMAP, Registro de integração, escopo

397 IMAP4, 394 45 integração, servidor de 30


integração, 70 interface

Importação, 175, 191, 318 arquivo importada,


305, 396 objectos importados, 224 de resumo, 256 definição, 231
entrada, 109, 349, 353 de mensagens de determinação, 207, 297 relacionada
entrada, 72, 416, 417 opções de entrada, 223 com a direcção, 257, 278

definição de interface

parâmetros de entrada, 222, 315, 372 fatura externo, 178


recebida, 392 ajuda de entrada, 194, 196, 200 Interface de determinação, 73, 99, 208, 233
Inquérito, 317, 332 Inquérito item, 317
Inside-out, 99, 100 Instalação padrão de interface, 119
tentative atualização e confirmação /
compensar, 95
Interface-padrão
guia, 131, 141 Atualização Tentative & Confirmar /
directriz, 446 compensar, 120
número, 133 tecnologia de interface, 60 A comunicação
software instalado, 173 interna, 329, 366

491
Índice

comunicação interna, quadro de comunicação Mecanismo de fechadura, fechadura 362 descrição, 190

361 Internet, 150 serviço de registro, 431 Nome lógico, 161 de encaminhamento

lógico, 89, 206 do sistema lógico, 135, 161, 162, 221, 315, 387

dados do item, 323


praticá-lo, 65 cenário de
TI, 67 iXML biblioteca,
217
unidade lógica de trabalho, 124 logon

dados, 177
J
procedimento, 154

JAR, 304, 305, 396 Java grupo de início de sessão,

135 pesquisa-API, 125 Loop,

construir caminho, 302 classe, 270 LUW, 124

301, 306 Java início da web,

130 de mapeamento, 300

perspectiva, 301 projecto, 301

de serviço, 122 M

Enviar

Java arquitetura do conector, 41 conectividade de banco de endereço, 396


dados Java Æ ver JDBC, 290 adaptador Mail, 404 pacote
Mail, 399 provedor de correio,
mapeamento Java, 245 serviço de mensagens Java Æ ver 397 servidor de correio, 394
JMS, 307 Java RMI, 41 Java início da web, 187 Campo obrigatório, 197
adaptador JDBC, 107, 290 JMS Mapper, 44

Mapeamento, 74, 111, 197, 323, 387


pesquisa, 125 objeto, 94
adaptador, 307 programa, 111, 113, 200
adaptador JMS, 307 JMS estrutura, 111
carga útil, 307
função de mapeamento, 198 moldes de
mapeamento, 326 de comparação de Massa,
157 de geração de Massa, 157 de
eu
processamento de Massa, 428 senha mestre,

Rótulo 131, 154 descrição dos materiais, 315 de

fictícia, 312 dados mestre de material, 185, 220 preço do

LCRSAPRFC, 140 aplicações de legado, 64 material, 317 MATMAS, 222 ocorrência

de sistemas legados, 314 de gestão do ciclo máximo, 320 MDMP, 159 Médio, 369

de vida, 63, 67 da ampola, 288 de Mensagem

processamento local, 113

versão do componente de software local, 176


transparência Localização, 33 Lock, 190
controlo, 394

492 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Índice

mapeamento, 91, 96, 111, 226, 243, 294


O
aninhados, 317 Objeto
embalagem, 123, 124 cópia, 375
caminho, 370 protocolo, 398 Objetos, 201, 202
fila, 150 de divisão, 90 importado, 190, 224
Ocorrência, 197, 320, 353, 354 ODS, 61,
272 Operando de operação, 273, 356
síncrono, 373 tipo, 95,
194
controle de mensagem, 335 Fluxo mapeamento, 227 de

de mensagens, 75 Mensagem ID, leitura, 200

205 armazenamento de dados operacionais, 61 de gestão de


Mensagem de mapeamento, 196, 224, 243 Operação, 84 de mapeamento de Operação, 97, 111, 199, 247,
monitorização mensagem, 83, 236, 370, 404

277, 295, 327, 409 Operator, 272 Número do


protocolo de mensagem, 203 servidor pedido, 402 Outbound, 109, 243 Entrega, 402
de mensagens, 134 mensagens de saída, 72, 277, 416, 418 status de
porta, 135 saída, 281 de saída, 368 Outside-in, 100
Tipo de mensagem, 95, 194, 195, 320, 336, 394

Metadados, 203, 224


middleware, 58 Modo

assíncrono, 195, 340, 348, 353 síncrono,


242, 243, 348, 349, 376

P
Modelagem

gráfica, 268 porta P4, 130 Package, 248 de


nível do modelo, 51 processamento paralelo, 285
Monitoring, 46, 212, 213, 253, 300, Parâmetro, 324
332, 370, 419
processo de integração, 421 configurável, 411
Multilinha, 266 Parceiro
acordo, 388 perfis,
314, 334 papel, 393
N
Parceiro acordo, 221, 222, 223, 372, 393
Nome
lógico, 161 kit de conectividade parceiro, 102
Nome de colisão, 249 número de parceiros, 314 estatuto
Namespace, 178, 188, 192, 317 mensagem parceiro, 315 tipo parceiro, 222 senha
Nested, 317 sistema de arquivos de rede, 205
NFS, 205

compatível, 156
funções de nó, 323, 343, 345 Caminho

493
Índice

prefixo, 147, 153 Perfil, 156, 161, 169


Payload, 116 geração, 157
PCK, 102 ID de programa, 141 proxy classe, 158,
gestão de desempenho, 85 camada de 240, 248, 250 tecnologia proxy, 86, 102
persistência, 254 PI - ##, 169

PIAPPLUSER, 144, 147


Picking, 401 formato PI, 70
Q
Pipeline, 89
monitor de QRFC, 150 Qualifier, 322, 364
serviço, 90 Qualidade de serviço, 108, 329 Query, 314
PIRWBUSER, 156 PI_SYSTEM, Queue, 109, 150, 323, 343, 346
164 adaptador HTTP liso, 308
Plataforma

exibição, 327
controlando, 47 design, 47 Cotação, 367
implementação, 47 criação, 368
estratégia, 47 lista de cotação, 338

diferenças de plataforma, 28
Plattform
R
EAI, 61
Ponto-a-ponto de conexão, 122 Receba, 272
integração ponto-a-ponto, 35 Policy, 450 Receiver
intervalo Poll, 329 Porto, procedimento acordo, 91, 99, 206, 362 do canal, 205,
162 Posting 251 determinação, 116, 206, 362

Receptor de acordo, 206, 234, 387 de canal


automático, 47 receptor, 230, 234, determinação receptor 327,
Pré-requisitos, 184 73, 99, 206,
Prioridade, 150 233, 362 parâmetros receptor, 232 beneficiários, 284
gerenciamento de problemas, 85 de Processos, 333 programa registrado servidor, 141, 159 Registro, 141
Código de Processo, 336, 394 Módulo do processo, módulo de função Remote-habilitado, 430, 432
linguagem de execução de 427 processos, 255 chamada de função remota Æ ver RFC, 38, 343
processamento RemoveContexts renderizador, 218 Repository, 45
REQOTE, 315 Request, 95, 247, 338

local, 113
Em processamento

assíncrono, 108, 378 paralelo,


285 síncrono, 108

modo de processamento, 329 parâmetros de

processamento, 205 integração orientada a mensagem, 243


processos, 38 seleção Processo, 282 fornecedor data solicitada, 319 Pedido de
do produto, 171 cotação, 425

494 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Índice

Response, 95, 247 SAP NetWeaver Administrator, 438, 444 SAP


mensagem, 243, 348 NetWeaver Application Server ABAP, 132
Retail, 316
Varejista, 429 SAP NetWeaver Application Server Java, 132
Retornar código, 254, 374
RFC, 38, 185, 203 SAP NetWeaver Composition Environment, 64, 429,
adaptador, 105 de 443 SAP NetWeaver Developer Studio, 130,
ligação, 75 de destino,
159 de interface, 191 301, 443
pesquisa, 126 SAP NetWeaver Process Integration
transacional, 164 Adaptador, 366

conectividade, 102 de

adaptador RFC, 185, 254 RFC serviço, 147 ferramenta,

chamada, 236, 256, 274 RFC-COMM, 132, 170

161 conexão RFC, 203 do módulo de Roteiro SAP, 441 SAP Service Marketplace,
função RFC, 430 de interface RFC, 394 SAPSLDAPI, 143
192, 196 RFC mensagem, 196 SAP_SLD_CONFIGURATOR, 144 SAP
parâmetro servidor RFC, 203 Solution Composer, 54 SAP Solution
RosettaNet, 68 Router, 45 Manager, 438, 444 SAP Repositório Web
Encaminhamento Service, 239 SAP_XI_DEVELOPER, 169
SARIDIS, 311, 423 SBWP, 420 conflitos
dimensionamento, 33 SCC4, 161 cenário, 327
conflitos de esquema, 33 SC_Training_PI _
lógicas, 89, 206 ##, 176 SDA, 291 critérios de pesquisa, 232
técnicos, 91 conexão de rede segura, 203 Segurança, 428
Tempo de execução, 76

ambiente de execução, 46
Tempo de execução bancada de trabalho, 83, 166, 214, 231, 287

S / A ponte, a fim de vendas 383, Segurança afirmação marcação kanguage, 428

391, 404 organização de vendas, o

processo 322 de vendas, 392 Segmento, 226, 322, 341 Método

SAML, 428 de selecção, 194 remetente, 203

SAP Business Workplace, 419 SAP Remetente acordo, 98, 206, o canal 362 do
Developer Network, 425 Menu SAP remetente, 203, 204, 229, 233,
Easy Access, 332 SAP ECC, 132 416, 418, 232 do remetente

parâmetros Enviando etapa

SAP Enterprise Applications Modelando, 47


síncrono, 338
SAP Exchange Infrastructure, 57 GUI SAP, O programa do servidor

130 Biblioteca SAP Java, 302 registrado, 141, 159


Proxy Server, 102

495
Índice

Serviço, 64, 251 arquivo de implantação de software, 291 unidade


autocarro, 65 de Software, 172 emissor da ordem, 319
permitindo, 435 SonicMQ, 307 operation Fonte, 347 Fonte
grupo, 452 exibição de texto, 322 casos especiais, 424
interface, 79, 94, 119, 241, 243, SplitByValue, 323, 345, 381 SPROXY, 158, 248
320, 407, 427 Interface, SP_Training_PI _ ##, 170 SQL
293 operação, 427
orquestração, 435
política, 456

Serviço de interface, 195, Registro 223 Services,


65, 79, 427 partilhada conhecimento consulta, 291

colaboração, 68 notificação de envio, 430 SiCF, atualização, 291

149, 151 Assinatura, 353 SLD, 132 ordem standard, 402 Iniciar,

270 processo em Iniciar, 356

registro Status, 237 Passo

árvore de decisão, 145

SLDAPICUST, 143 SLD bloco, 269 operação recipiente, 269 de


ponte, 145 SLDCHECK, controlo, 269 forquilha, 269 laço, 269
144 SLD_NUC, 145 recebem, determinação 268 receptor, 268
SLD_UC, 145 SMS, 166 de envio, 268, 274 interruptor, 269
SMTP, 394, 397 SNC, transformação, 268, 274, 383 tipo, 268
203 SOA indefinido, decisão 269 usuário, 269 espera,
269, 287

gestão, 455
middleware, 427
propriedades, 39
SOAP, 41, 42, 239, 251, 360
adaptador, 107
documento, 69, 98 volumes de Stock, 431 Stop, 270 procedimento
exemplo, 42 gestão, armazenado, 291 mapeamento Estrutura, 111
85 Subfolder Æ consulte Pasta, 188 Assinatura, 167,
canal de comunicação SOAP, 250 SABÃO 285, 288 subestrutura, 341 ensolarados
canal receptor, 358 Software eletrônica, 312 cadeia de fornecimento, 429, 431
nível da cadeia de suprimentos, 431, 432 pacote
catálogo, 173 recurso, 78 de apoio, 129 SU_Training_PI _ ##, 172
instalado, 173 do produto, 78, SXI_MONITOR, 332 SXMB_ADM, 149
136, 170 SXMB_MONI, 212, 300, 332, 370

Catálogo Software, 170


Software componente, 69, 93, 187, 317
estado, 172 versão, 78, 136,
177
Software versão do componente, 177

496 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Índice

SXMB_MONI_BPE, 282, 370, 391, 420 e Sincronizador VA13, 332 VA21,


assíncrono-ponte, 371, 377, 383 de mensagens 368, 369 WE20, 334
síncronas, 373 modo síncrono, 242, 243 de
processamento de sincronismo, 108 síncrono envio port transacional, 164 RFC
passo, 338 SYS_A - ##, 169 SYS_B - ##, 169 Sistema transacional, 164 Transação

ALRTCDEF, 284 SiCF,


151 SPROXY, 158
SXMB_ADM, 149 VL01N,
lógico, 161, 162, 221, 315, 387 técnica, 402 ZAPCMD, 281, 370
133, 173
Systema, 139
SystemA_IDoc, 162, 163 ordem de transferência, 401 Transformação, 199, 273,

SystemB, 139 SystemB_IDoc, 326, 412 de tradução, 73 de transporte, 186 pedido de

163 transporte, 162 de segurança de transporte, 450 guia

de resolução de problemas, 179 Tipo

Tabela, 336
operação de destino, 347 TCP / IP, 140
estrutura alvo, 326 TCP / IP
Connection, 140 ajuda técnica,
236 encaminhamento técnico, 91 você

sistema técnico, 133, 138, 173 UDDI, 65, 80 ilimitada, 320,


URL, 138 353 Unicode, 143, 159
Teste, 199, 201, 227, 322 exemplo
de teste sistema, 141
carga, 322 Descrição universal, descoberta, e de integração, 65, 80

modo de teste, 332 University, 311 Tipo de uso, 171 decisão do utilizador,

programa de teste, 199 412, 420 do utilizador definidos, 246 função definida pelo

alerta Throw, 287 Timeout, utilizador, 244 Tipo de Utilizador

154, 287 Tomcat, 432

Os custos operacionais totais, 445

Trace, 218 Transação

serviço, 156
BD87, 332, 370, 391 SBWP,
420 SCC4, 161 SiCF, 149
SPROXY, 248
V
SXI_MONITOR, 332
VA13, 332 VA21,
368, 369 Validação
SXMB_MONI, 212, 300, 332, 370
SXMB_MONI_BPE, 282, 370, 391, 420 avançado motor de adaptador, 118

497
Índice

mecanismo de integração, 117 Processo de trabalho, 124

área de validade, 266 Variável, modo de gravação, 205

266, 270 substituição variável, 206 WS-BPEL, 43, 427 WSDL,

Version, 170 integração vertical, 41, 42, 239

29 Visual administrador, 84 arquivo, 340

VL01N, 402 importação, 241

interface de WSDL, 240 WS


RM, 122

W X

WE20, 334 Web XIALL, 398 XI_INTEGRATIONSERVER,


dynpro, 424 147 XIISUSER, 154 XIPAYLOAD, 399
Web de serviço, 37, 121, 238, 334, 336 serviço XI, 150 XML
repositório, 240, 241 de
resposta, 350
Serviço de internet

perfil, 428 formato, 70 esquema, 71 de validação, 89, o


mensagens confiável, 428 formato SQL 116 XML, 291, 293, 296
Web linguagem de descrição de serviço Æ veja WSDL, 41

serviço de Web de mensagens confiável, 122 documento XML, 346 arquivo

Site, 130 WebSphereMQ, 307 de utilizações lista, XML, 346 mensagem XML, 213

193 efeito Whiplash, 430 Atacadista, 429 arquivos XSD, 395 XSLT

Assistente

mapeamento, 392, 394


arquivo XSLT, 396 mapeamento

assistente definição, 275 XSLT, 112

A área de trabalho, centro de trabalho

270, 444 de fluxo de trabalho, 34, 92,

282
Z
motor, 93 log,
290 protocolo, ZAPCMD, 281, 370 tempo de
282 inatividade e 445 CEP, 396
Trabalho item, 282, 289, 371

498 © 2013, Galileo Press Inc., Boston (MA)


Páginas de serviços

As seções a seguir contêm anotações sobre como você pode entrar em contato conosco.

Elogios e críticas

Esperamos que você tenha gostado de ler este livro. Se ele se reuniu suas expectativas, por favor, recomendo-lo,
por exemplo, escrevendo um comentário sobre http://www.sap-press.com . Se você acha que há espaço para
melhorias, por favor entrar em contato com o editor do livro: kelly.harris@galileo-press.com . Congratulamo-nos com
todas as sugestões para melhoria, mas, é claro, também algum louvor!

Você também pode navegar na nossa página do catálogo web para este livro para enviar comentários ou partilhar a sua

experiência de leitura via Facebook, Google+, Twitter, e-mail, ou escrevendo uma resenha do livro. Basta seguir este

link: http://www.sap-press.com/H3132 .

suplementos

Suplementos (código de exemplo, materiais de exercícios, listas, e assim por diante) são fornecidos em sua biblioteca

online e na página de catálogo web para este livro. Você pode navegar diretamente para esta página usando o

seguinte link: http://www.sap-press.com/H3132 . Devemos aprender sobre erros que alteram o significado ou o conteúdo

erros, iremos fornecer uma lista com as correções lá, também.

Problemas técnicos

Se você tiver problemas técnicos com o seu e-book ou conta de e-book no SAP PRESS, não hesite em
contactar o nosso serviço de leitor: customer@sap-press.com .

Eu
Sobre nós e nossos Programa

O site http://www.sap-press.com fornece informações detalhadas e em primeira mão sobre o nosso programa de

publicação atual. Aqui, você também pode facilmente encomendar todos os nossos livros e e-books. Para obter

informações sobre o Galileo Press Inc. e para opções de contacto adicionais, consulte nosso site da empresa: http://www.galileo-press.com

ii
Avisos legais

Esta seção contém as condições detalhadas de utilização e juridicamente vinculativos para este e-book.

copyright Nota

Esta publicação está protegida por direitos de autor na sua totalidade. Todos os direitos de uso e exploração
estão reservados pelo autor e Galileo Press; em particular, o direito de reprodução e o direito de distribuição,
seja na forma impressa ou electrónica.

© 2010 by Galileo Press Inc., Boston (MA)

Seus direitos como usuário

Você tem direito a usar este e-book apenas para fins pessoais. Em particular, você pode imprimir o e-book para uso
pessoal ou copiá-lo contanto que você armazenar esta cópia em um dispositivo que é exclusiva e pessoalmente
usado por si mesmo. Você não tem direito a qualquer outro uso ou exploração.

Em particular, ele não está autorizado a transmitir cópias electrónicas ou impressas a terceiros. Além disso, não
é permitido distribuir o e-book na internet, em intranets, ou de qualquer outra forma ou disponibilizá-lo a
terceiros. Qualquer exposição pública, outra publicação, ou qualquer reprodução do e-book para além uso
pessoal são expressamente proibidas. A descrição acima não se aplica apenas ao e-book em sua totalidade,
mas também para suas partes (por exemplo, gráficos, imagens, tabelas, seções de texto).

notas de direitos autorais, marcas e outras reservas legais, bem como a marca d'água digital não pode ser
removido do e-book.

Watermark digital

Esta cópia e-livro contém uma marca de água digital, uma assinatura que indica que a pessoa pode usar essa
cópia. Se você, caro leitor, não é essa pessoa, você está violando os direitos de autor. Então, por favor abster-se
de usar este e-book e informar-nos sobre esta violação. Uma breve e-mail para customer@sap-press.com é
suficiente. Obrigado!

iii
marcas

Os nomes comuns, nomes comerciais, descrições de produtos, e assim por diante utilizados nesta publicação podem

ser marcas comerciais sem identificação especial e sujeitos a regulamentos legais como tal.

Todas as imagens e gráficos reproduzidas neste livro estão sujeitos a © copyright SAP AG, Dietmar-Hopp-Allee
16, 69190 Walldorf, Alemanha. SAP, o logotipo da SAP, mySAP, mySAP.com, SAP Business Suite, SAP
NetWeaver, SAP R / 3, SAP R / 2, B2B SAP, SAPtronic, SAPscript, SAP BW, SAP CRM, SAP EarlyWatch, SAP
ArchiveLink, SAP HANA , SAP GUI, SAP Business workflow, Engenheiro SAP Business One, SAP Business
Navigator, SAP Business Framework, o SAP Business Information Warehouse, as soluções SAP
interempresariais, SAP APO, AcceleratedSAP, InterSAP, SAPoffice, SAPfind, SAPfile, SAPtime, SAPmail,
SAP-acesso, SAP-EDI, R / 3 Retail, HR acelerado, acelerado HiTech, acelerados Consumer Products, ABAP,
ABAP / 4, ALE / WEB, liga, BAPI, Quadro Negócios, BW Explorer, Duet, Enjoy-SAP, mySAP.com e- plataforma
de negócios, mySAP Portais Corporativos, RIVA, SAPPHIRE, TeamSAP, Webflow,

Limitação de responsabilidade

Independentemente do cuidado que foi tomado na criação de textos, figuras, e programas, nem a editora nem o
autor, editor, tradutor ou assumir qualquer responsabilidade legal ou qualquer responsabilidade por possíveis
erros e suas consequências.

iv•