Вы находитесь на странице: 1из 14

RAÇAS – ORIGEM E CLASSIFICAÇÃO

Os coelhos são animais que, com excessão talvez dos cães, maiores
transformações sofreram com a domesticação. Por isso, grande é o numero de
raças de coelhos, bastando citar que, partindo de um único tronco, o coelho
selvagm eeuropeu, foram obtidos coelhos domésticos de diversas cores e cujo
o peso atinge até 5 vezes mais do que os de seus ancestrais.
As raças atais foram obtdas por mutação, variação, seleção e métodos
de reprodução indicados em cada caso, para fixar ou melhorar as
características desejadas.
As raças são ainda um produto do meio, do ambiente, ginástica
ffuncional, alimentação, mutação, cruzamento ou resultado da seleção artificial.
Os cruzamentos podem ser com raças puras entre si ou do coelho
domésticos com o coelho selvagem da Europa.
As raças podem ser naturais ou artificiais.
 As naturais são mais resistentes, mais rústicas, não são melhoradas e
foram formadas sem a intervenção do homem;
 As artificiais, foram obtidas pelo homem que orientou sua formação dentro
do critério pré-estabelecido, mas sempre com o objetivo de obter produções
de acordo com suas necessidades, conveniências ou desejos, o que deu
como resultado prático os aumentos do tamanho e peso, as melhorias da
form e da pele, do poder de conversão, da precocidade, engorda, etc.

CLASSIFICAÇÃO DAS RAÇAS DE COELHOS

Existe um grande número de raças de coelhos, que apresentam


características físicas e produtivas bastante diversas. Para efeito de
classificação e de definição dos objetivos de criação, existem alguns padrões
para separarmos as raças em grupos. Esses grupos podem ser definidos de
acordo com o tamanho, pêlos, produção, etc. Dentre as formas de classificação
mais utilizadas temos:

Quanto à comercialização
Esportiva – cujas características desejadas nem sempre tem valor
econômico ou lucrativo. São criadas por divertimento, distração ou esporte.
Industriais, Econômicas ou lucrativas – com objetivo de produção, para
que sejam obtidos lucros.

Quanto ao peso ou tamanho

Raças grandes ou gigantes - nas quais os coelhos adultos atingem, no


mínimo, 5kg. Há citações de coelhos gigantes brancos de Flandres com 9, 10
ou mais quilos. Exemplos: Gigante de Flandres Branco e suas variedades
parda, negra, areia, etc., o Gigante de Bouscat, o Gigante Borboleta Francês,
etc.

Gigante de Flandres

-
Origem: Através de melhoramento genético a Bélgica conseguiu
este elevado padrão zootécnico. Atinge a idade adulta
com aproximadamente 12 meses, tendo seu
-
desenvolvimento mais lento que nas raças de médio
porte.

Peso médio: 5 a 10 kg, podendo atingir, em alguns relatos, até 12 a


-
13 kg
Especialidade:-Carne e pele.
Pelagem: média variando nas cores branco, negro, pardo, cinza,
azul e fulvo.
Prolificidade: 5 a 8 láparos por parto.

Gigante de bouscat

-
Origem: De origem francesa, é o resultado de cruzamentos entre as
raças Gigante de Flandres, Prateado de Champagne e Angorá

Peso médio: 5 a 8 kg
Especialidade: De corpo alongado é mais indicado para produção de carne
Pelagem: de cor branco albino, tem pelagem média macia e sedosa.
Prolificidade: 7 a 8 láparos por parto.

Borboleta Francês

-
Origem: De origem francesa, é considerada uma raça gigante, são
animais rústicos e precoces mantendo uma característica
-
única em sua pelagem.

Peso médio: -3 a 5 kg
Especialidade: -Produção de carne e pele.
Pelagem: Predominantemente branca com manchas nas cores preto,
amarelo e azuis, possui uma lista alongada que vai da calda
-ao pescoço, seu focinho possui uma mancha negra no formato
de uma borboleta com as asas abertas, os olhos são
evidenciados com círculos negros.
Prolificidade: 5 a 8 láparos por parto.

Gigante de Espanha

-
Origem: Resultado de cruzamentos entre as raças Gigante de Flandres
e espanholas, teve sua origem na cidade de Valencia, são
-
animais muito resistentes, rústicos e bastante prolífero.

Peso médio: -5 a 8 kg.


Especialidade:-Carne e pele.
Pelagem: Comumente na cor cinza pardo, mas com um variação para a
-
pelagem branca.
Prolificidade: 8 a 12 láparos por parto

Raças médias - os coelhos dessas raças pesam de 3,5 a 5kg. Este é o


mais importante grupo de raças, pois a ele pertencem as chamadas raças
industriais ou econômicas, as mais criadas por serem precoces, resistentes e
as que se reproduzem com mais facilidade e rapidez, dando maiores lucros.
Entre elas destacam-se: Branco da Nova Zelândia, Vermelho da Nova
Zelândia, Califórnia e Chinchila, sendo que esta última produz uma das mais
belas peles, imitação da pele da Chinchila lanígera, pequeno roedor originário
dos Andes e que já é raro em estado selvagem, mas bastante criado em
cativeiro e cujas peles alcançam elevados preços.

Angorá

-
Origem: Alguns autores atribuem sua origem ao continente Asiático,
considerando sua pelagem semelhante aos gatos denominados
angorá, mas há quem defenda sua origem como raça européia.

Peso médio: 3 a 4,5 kg


Especialidade: Principalmente para produção de pelo, pode também ser
utilizado na produção de carne.
Pelagem: Macia e sedosa, podendo atingir de 15 a 20 cm de
comprimento.
Prolificidade: Entre 5 e 10 láparos por parto.

Azul de Viena

-
Origem: De origem australiana, foi apresentado pela primeira vez em
1895 em Viena, proveniente de cruzamentos de raças gigantes,
-
com o tempo foi se firmando como porte médio

Peso médio: -3,5 a 5,5 kg


Especialidade: -Pele e carne
Pelagem: -De tamanho médio mantém a cor azulada escura brilhosa
Prolificidade: 5 a 8 láparos por parto

Belier Francês
-
Origem: - Francesa
Peso médio: 4,5 a 5,5 kg
Especialidade: Pele e carne, nas variações anãs, servem com animal de
estimação.
Pelagem: Curta, variando de cor, predominando a cor cinza ou parda.
Prolificidade: 5 a 8 láparos por parto

Belier Inglês

-
Origem: Raça média de origem inglesa tem como característica o
evidente tamanho e formato das orelhas que chegam a medir
-
até 60 cm de comprimento e 15 cm de largura.

Peso médio: - 3,5 a 5 kg


Especialidad
- Carne e pele
e:
Pelagem: Mediana sedosa e brilhosa, podendo ser de cores escuras e
-
bicolor.
Prolificidade: 5 a 8 láparos por parto.

Borboleta Inglês

-
Origem: -De origem inglesa, é considerada uma raça de porte médio,
bastante semelhante ao similar francês, diferenciando-se,
principalmente, no seu tamanho.
Peso médio: -2 a 3 kg
Especialidade:- Carne e pele.
Pelagem: Branca com manchas predominantemente negras, podendo ser
azuis, amareladas ou marrons, também possui uma longa faixa
-
negra que vai da calda até ao pescoço, olhos e focinho
possuem manchas negras.
Prolificidade: 6 a 8 láparos por parto.

Califórnia

-
Origem: De origem americana, é resultado de cruzamentos entre as
raças Chinchila, Russa e Nova Zelândia, foi apresenta em 1928
em uma exposição na cidade de South Gate, estado da
-
Califórnia. É considerada uma raça de médio porte e muito
utilizada para cruzamentos com outras raças maiores com o
intuito de obtenção de animais rústicos e precoces.
Peso médio: - 4 a 5 kg
Especialidade: - Pele e carne
Pelagem: Média na cor branco albino com coloração escura na ponta do
-
focinho, orelhas, calda e patas.
Prolificidade: 8 a 12 láparos por parto.

Castor Rex

-
Origem: De origem francesa, tem como característica principal a
pelagem curta e sedosa. Foi obtida por melhoramento genético
iniciando-se de raças com pelagem média, foi apresentado pela
-
primeira vez na Exposição Internacional de Paris em 1924. É
considerada raça médio porte.

Peso médio: -3 a 4 kg.


Especialidade:-Carne e pele, produzindo uma pele
Pelagem: -Marrom avermelhada, tendo uma variante para a cor branco.
Prolificidade: 5 a 7 láparos por parto
Chinchila

-
Origem: De origem alemã, seu nome é proveniente de um roedor de
pelagem acinzentada que vive nos Andes. Raça de médio porte
-é rústica e bastante precoce e prolífera, bastante difundida na
Europa e Estados Unidos.

Peso médio: -3 a 4,5 kg


Especialidade: Por sua precocidade e prolificidade é uma raça muito utilizada
-
para produção de carne, tendo uma pele bastante comercial.
Pelagem: cinza prateada, quando nascem são de cor mais escura com
-tonalidade clara na barriga e começam a mudar a partir do 4°
mês de vida.
Prolificidade: 6 a 10 láparos por parto.

Fulvo de Borgonha

-
Origem: De origem francesa é considerada uma raça de porte médio
com aptidão na produção de pele, de cor avermelhada com
-nuances mais clara na parte inferior possuindo anéis da mesma
tonalidade em ambos os olhos.

Peso médio: -3,5 a 4,5 kg


Especialidade: - Pele e carne.
Pelagem: -Densa na cor avermelhada de tamanho médio.
Prolificidade: 6 a 10 láparos por parto.

Nova Zelândia

-
Origem: De origem americana, precoce e boa produtora de carne e pele,
sendo considerada a raça mais adequada para este fim, nas
-
variedades branco, vermelho e preto.

Peso médio: -3,5 a 5 kg, podendo atingir 1,8 a 2 kg com 8 a 10 semanas de


idade.
Especialidade: - Carne e pele
Pelagem: - Médio, sedoso e uniforme.
Prolificidade: 8 a 10 láparos por parto

Prateado de Champagne

-
Origem: De origem francesa é precoce e rústica, produzindo carne
-saborosa e pele de ótima qualidade e valor.

Peso médio: -4,5 a 6 kg


Especialidade: -Pele e carne.
Pelagem: de cor prateada, a cor é produzida por alguns pelos de ponta
Azulada e outros em menor quantidade, de cor escura, na
-
extremidade. Os láparos nascem escuros e só adquirem a cor
característica após a primeira muda.
Prolificidade: -5 a 8 láparos por parto.

Raças pequenas - Quando os coelhos atingem 1,5kg a 3,5kg. Essas


raças, devido ao seu pequeno tamanho, são de baixo rendimento, não
interessando para criações industriais. Nesse grupo está a raça Negro-e-Fogo,
cuja criação comercial compensa por produzir uma bela e excelente pele, cuja
característica, além de sua cor típica, é possuir um brilho intensa. Apesar do
tamanho reduzido, apresenta, relativamente, um bom rendimento em carnes.

Holandês

-
Origem: É uma raça holandesa, classificada como pequeno porte, são
rústicos e precoces.
Peso médio: 2 a 3 kg
Especialidade: É mais utilizado esportivamente podendo produzir carne e pele.
Pelagem: média e macia nas cores branco e preto.
Prolificidade: 7 a 10 láparos por parto

Negro e Fogo

-
Origem: De origem inglesa, pertence ao grupo das raças de pequeno
-porte.

Peso médio: -2 a 3 kg
Especialidade:-É mais utilizado esportivamente podendo produzir carne e pele.
Pelagem: média, macia e sedosa possui duas cores distintas, marrom
-Avermelhado na barriga, peito e pescoço com dorso, cabeça e
orelhas pretas, tendo os olhos circundados na cor marrom.
Prolificidade: 5 a 6 láparos por parto

Polonês

-
Origem: Há dúvidas quanto sua origem, alguns consideram de origem
russa e outros autores sustentam que sua origem é holandesa.
-É considerada a menor de todas as raças, excetuando-se as
raças anãs.

Peso médio: -1 a 1,5 kg


Especialidade: a pesar de ter carne saborosa e pelagem branco arminho seu
-
tamanho não o favorece pare estes fins.
Pelagem: -branca, macia e sedosa.
Prolificidade: 4 a 6 láparos por parto

Raças Anãs ou mini-coelhos - seus representantes atingem menos de


1,5kg. Estão neste grupo, entre outras, as raças polonesa e a raça hermelin.
São criadas por hobby, como animais de estimação. Não são economicamente
viáveis para a produção de carne. Nos últimos anos, com o crescimento do
mercado de animais de estimação, tanto no Brasil quanto nos principais países
do mundo, a criação desses pequenos coelhos passou a ser bastante
interessante, principalmente para a comercialização direta em petshops.
Mini Angorá

-
Origem: São animais de rara beleza e tiveram sua origem a partir do
English e French angorás, conservam características de
pelagem e conformação corporal destas raças, porém em
tamanhos reduzidos. Para conservação da pelagem é
necessária a escovação 2 a 3 vezes por semana.

Peso médio:
Por volta de 1.500 kg.
Especialidade: Animal de estimação.
Pelagem: Densa e sedosa.
Prolificidade: 3 a 4 filhotes.

Mini Belier

-
Origem: Alemanha e foi conhecido como “Klein Widder”.Depois mudou-
seo nome para mini lop.Surgiu a partir do “German Big Lop”.

Peso médio:
Quando adultos o peso ideal é de 1.500 a 1.600 kg. De acordo
com a ARBA (Associação de Criadores de Coelhos Americana) o
mini lop tem peso padrão entre 2.0 quilos a 3.0 quilos.
Especialidade: Animal de estimação.
Pelagem: Pelagem densa, macia e com o mesmo comprimento em toda a
extensão, apresenta um corpo arredondado, musculoso e
robusto, dorso e pernas bem pronunciadas e calcadas.
Prolificidade: Cada criador segue uma linha, a de melhoramento genético
muitas vezes a quantidade de filhotes diminui devido à redução
do tamanho dos coelhos.

Mini Rex

-
Origem:
Peso médio:
1,700 a 2,040 kg.
Especialidade: Animal de estimação.
Pelagem: Fino toque de seda livre de asperezas e lanosidades. Muito
densa, textura fina, macia com toque aveludado em todo o
corpo, com um brilho lustroso, firme e com características
felpudas.
Prolificidade: baixa.

American Fuzzy Lop

-
Origem: Também conhecido como AFL, Fuzzy (nome vulgar), na
Inglaterrra é conhecido como Lop Cashmere e tem uma
pequena variação no padrão da raça. Surgiu nos Estados
Unidos do cruzamento entre dois Holland Lops que carregavam
cada um o gene recessivo que forma a lã tipo penugento,
felpudo ou fuzzy.

Peso médio: Seu peso máximo é de 1.800 kg.


Especialidade: Animal de estimação.
Pelagem: Este pequeno coelho de orelhas caídas, largas e longas possui o
corpo todo recoberto por esta fina e sedosa “penugem”
semelhante à dos coelhos Angorás, necessita de escovação 3
vezes por semana e apresenta uma gama variada de cores.
Prolificidade: é baixa 4 a 5 filhotes.

Quanto às orelhas

As orelhas são umas das características principais dos coelhos e em


relação a elas podem ser diviidiidos em:
 Raças sem orelha – nãoo existem na Europa;
 Raças com orelha – se subdividem em:
1. Quanto ao tamanho – pequenas, médias e grandes;
2. Quanto à posição – em pé ou caídas;
3. Quanto à implantação – paralelas ou em “V”.

Deve-se notar que quanto maior a orelha, maior será o coelho, com
excessão do normando, que possui orelhas pequenas.
Quanto à produção

Carne - todas as raças produzem carne de boa qualidade e, exceto as


raças pequenas, em quantidade satisfatória. As mais utilizadas para esse fim
são as raças médias, embora as gigantes também sejam consideradas boas
para corte. Como exemplo temos: Branco da Nova Zelândia, Vermelho da Nova
Zelândia, Califórnia, Chinchila, Gigante de Flandres Branco e Gigante de
Bouscat.

Pele - de um modo geral, toda pele em bom estado pode ser


aproveitada para a indústria. Existem, no entanto, algumas raças que se
destacam pela qualidade ou beleza de suas peles. Como exemplo, temos as
raças Chinchila, Castor-Rex, Polonesa (cuja pele é uma ótima imitação da pele
do arminho), Negro-e-Fogo e Prateado de Champagne.

Lã ou pêlo - indiscutivelmente é a raça Angorá a que melhor lã produz e


que apresenta o melhor rendimento. No Brasil, a produção de lã de coelho
Angorá é mais desenvolvida na região Sul, devido ao clima mais ameno,
propício para a criação desta raça. Para países da Europa, destaca-se ainda
como raça de aptidão para pelos a raça Sibéria.

OUTRAS CLASSIFICAÇÕES

Quanto ao comprimento dos pelos

 Curto (até 2,5 cm) – apresentado pelas raças rex (castor rex);
 Médio (2,5 até 7 cm) – encontrado em geral e todas as raças,
exceto nos rex e nos angorás;

 Longo - maior que 7 cm é o pelo angorá, encontrado na raça do


mesmo nome.

Quanto à cor
 Branco – branco de nova Zelândia, Califórnia (com extremidades
escuras), polonesa, branca de Viena, branca de bouscat, gigante de
flandres branco, etc.
 Negras – alaska, negra-e-fogo, preto da nva Zelândia;

 Azuis – de Viena e Beveren;

 Cinza – hal e petit-gris;

 Prateados – da Champagne e prateado inglês;

 Tabaco – Havana;

 Vermelho – Vermelho da nova Zelândia;

 Chinchila – cor típica, considerada boa imitação da pele da


chinchila lanígera;

 Pintada – borboleta francês, borboleta inglês, etc


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 MELLO, V. M.; SILVA, J. F. A criação de coelhos – 2 ed. São Paulo:


Globo, 1989.
 VIEIRA, M. I. Produção de coelhos: caseira, comercial e industrial – 9
ed. São Paulo: Prata, 1995.

 MEDINA, J. G. Cunicultura – A arte de criar coelhos – Instituto


Campineiro de Ensino Agrícola. São Paulo, 1979.

 VIEIRA, M. I. Criação racional de coelhos – Ministério da Agricultura.


Rio de Janeiro. 1965