You are on page 1of 2

CRÍTICA ROMANCE

"Catatau" é experiência lúdica com a língua


Obra inovadora de Paulo Leminski cria monólogo onírico do filósofo René
Descartes em visita a Pernambuco

NOEMI JAFFE
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

"Penso, logo existo", na França, entre jesuítas, é uma coisa.


Agora, se Renatus Cartesius -o nome latino e também leminskiano do filósofo René
Descartes (1596-1650)- quisesse formular esta mesma máxima em Olinda, em meio à
exuberância de uma floresta tropical e ainda sob o efeito de alguma erva local, a frase-
mãe do racionalismo moderno teria provavelmente sido deturpada.
E é mesmo neste espaço que Paulo Leminski (1944-1989) localiza o pensador.
Membro imaginário da comitiva de Maurício de Nassau (1604-1679) durante sua estada
em Recife, em 1636, Renatus Cartesius se encontra em Olinda, sob o efeito ora
perturbador, ora esclarecedor da "marijuana", especulando sobre os sentidos da
existência, da natureza e da matemática.
E é ao longo de um "catatau" linguístico que se desenvolve a narrativa de "Catatau",
escrito em 1975 e relançado agora pela editora Iluminuras. "Castigo físico, pancada;
falatório, mexerico, intriga; coisa volumosa ou grande; porção de qualquer coisa; carta
de baralho em jogo de truque." "Catatau" cabe em qualquer uma das acepções
dicionarizadas.
Num jogo extenso e intenso com as possibilidades sintáticas, sonoras, rítmicas e
semânticas da língua, Leminski faz Cartesius, com seu método de dúvida sistemática,
duvidar até de suas poucas certezas. Metamorfoseado em Pascal, é um Descartes
perturbado que diz: "O silêncio eterno destes seres tortos e loucos me apavora".
E, numa antecipação ficcional, mas ainda assim profética, que mistura Beckett (1906-
1989) e Oswald de Andrade (1890-1954), o mesmo Cartesius "fermentado" proclama:
"Assim foi feito isso.
Algo fez isso assim, isso ficou assim. Então era isso. Isso ficou assim e assaz assado, o
erro já está içado. Ficou algo, deu-se. Isso contra isto".
Misturando ditados, pensamentos filosóficos e matemáticos a personagens históricos, o
narrador pede a Deus e à geometria que o salvem da "besteira destas bestas, seus
queixos barbados e corpos retorcidos".
Em meio à verdade incontornável da natureza empírica, é como se não restasse mais
espaço para as conjecturas abstratas, científicas; como se a filosofia precisasse de
distância da natureza para poder pensá-la.
Uma batalha que se trava, na verdade, entre a Europa e o Novo Mundo, a teoria e a
prática, a floresta e a luneta de que Cartesius se vale. Não se trata de um livro fácil de
ler. Nem poderia, pois é um catatau assumido. Mas diante dele, quem quer, quem
precisa do fácil? Como diz o autor ao introduzir o livro: "virem-se".

CATATAU

AUTOR Paulo Leminski


EDITORA Iluminuras
QUANTO R$ 44 (256 pá