Вы находитесь на странице: 1из 11

Terceira Civilização - Edição 415 - 01/03/2003 - pág.

4 - Diálogo Sobre Religião Humanística

Terceira Civilização - Diálogo Sobre Religião Humanística

(4) Estabelecendo o ensino correto para a


paz da nação - Parte 2
Esta é a quarta parte da série “Diálogo sobre a religião significado de “estabelecimento do ensino
humanística” publicada na revista de estudo mensal da correto”.
Soka Gakkai, Daibyakurengue, edição de abril de 2002.
Neste diálogo, o presidente da Soka Gakkai Presidente Daisaku Ikeda: Na nona parte,
Internacional, Daisaku Ikeda, o coordenador e o dentre as dez1 que formam o tratado,
vice-coordenador do Departamento de Estudo de Daishonin indica que a chave para
Budismo da Soka Gakkai, Katsuji Saito e Masaaki concretizar o princípio de “estabelecer o
Morinaka, enfocam vários fatos relacionados à história ensino correto para a paz da nação”
do budismo e à vida de Nitiren Daishonin de forma encontra-se em reformar os “dogmas que
abrangente e profunda. Com certeza, este artigo mantém em seu coração”. Em outras
contribuirá para facilitar a compreensão dos palavras, transformar a si próprio num nível
ensinamentos budistas e da filosofia humanística que fundamental é a base para o
cada vez mais atrai a atenção das pessoas do mundo “estabelecimento do ensino correto”.
inteiro.
Morinaka: A passagem que o senhor
Masaaki Morinaka: Nos últimos anos do menciona diz: “É lamentável que as
período Edo (1600-1868), época em que as pessoas saiam do portal do ensino correto
instituições religiosas do Japão haviam se para entrarem na prisão das doutrinas
integrado totalmente ao sistema de distorcidas! Que estupidez o fato de essas
controle do estado, um proeminente pessoas caírem umas após as outras nas
estudioso da escola Nitiren supostamente armadilhas dessas doutrinas malignas e
rejeitou a tese de Daishonin intitulada permanecerem tanto tempo emaranhadas
“Sobre o Estabelecimento do Ensino nessa rede de ensinos caluniadores! Elas
Correto” dizendo ser uma teoria sem perderam seu caminho em meio à névoa e
nenhuma base na realidade. Isso é algo ao ar fétido que emana do solo e
deplorável para alguém que se afundaram nas chamas devastadoras do
autodenomina seguidor de Nitiren. inferno. Como uma pessoa poderia deixar
de se afligir? Como poderia não sofrer?
Katsuji Saito: Para começar, vamos “Portanto, o senhor deve reformar
considerar o significado desse conceito rapidamente os dogmas que mantém em
tendo como foco o trecho seu coração e abraçar o único verdadeiro
“estabelecimento do ensino correto”. O veículo, a única boa doutrina [do Sutra de
que essa frase implica exatamente? Nesse Lótus]. Se assim fizer, o mundo tríplice2 se
tratado, Daishonin fala detalhadamente tornará a terra do Buda, e como poderia a
sobre as crenças religiosas errôneas que terra do Buda decair? As regiões nas dez
são a causa dos desastres que assolavam direções se tornarão mundos do tesouro, e
o país, mas fala muito pouco a respeito do como poderia o mundo do tesouro sofrer

Maria Antonieta Ross de Albuquerque (12651-9) / pág. 1.


Terceira Civilização - Edição 415 - 01/03/2003 - pág. 4 - Diálogo Sobre Religião Humanística

dano? Se o senhor vive num país que não Três Grandes Ensinos Fundamentais nada
conhece declínio ou decadência, numa mais é que a prática do bem fundamental
terra que não sofre nenhum mal ou para os Últimos Dias da Lei.
destruição, então seu corpo encontrará
paz e segurança, e sua mente ficará calma De toda forma, aqueles que abraçam esta
e tranqüila. O senhor deve acreditar em filosofia e dedicam a vida a colocá-la em
minhas palavras. Preste atenção ao que prática são iguais ao Buda tanto em
digo!” (Os Escritos de Nitiren Daishonin espírito como no modo de vida. E o lugar
[END], vol. 1, págs. 60-61.) onde vivem, seja qual for, é a terra do
Buda. Podemos observar com isso que a
Pres. Ikeda: Daishonin ensina aqui o nível Lei do budismo é a base fundamental da
fundamental no qual ocorre o princípio de vida das pessoas.
“estabelecer o ensino correto”. Isto é, ele
ocorre no nível do coração. Em outras A essência do “estabelecimento do ensino
palavras, sem a transformação interior do correto” encontra-se em acreditar no bem
indivíduo, o ensino correto não pode ser fundamental que é o Sutra de Lótus e em
estabelecido. cada indivíduo estabelecendo a paz em
seu coração. Só é possível construir uma
Daishonin diz que quando vencemos o mal sociedade realmente pacífica quando essa
fundamental da calúnia contra a Lei e sociedade atua de acordo com o bem
reformamos as crenças que trazemos em fundamental. Isso não quer dizer, no
nosso coração, então o mundo tríplice — o entanto, que cada pessoa numa
mundo real em que vivemos — torna-se a determinada sociedade deve unir-se na fé
pura terra do Buda, um indestrutível no Sutra de Lótus. O que importa é que o
mundo do tesouro. E diz também que o espírito da grandiosa filosofia de paz
ensino em que devemos crer é a “única exposta no Sutra de Lótus, com seu ensino
boa doutrina”. “Doutrina” significa de que todas as pessoas são budas, seja a
verdadeiro ensino e refere-se base da sociedade como um todo. No
especificamente ao Sutra de Lótus, e nível social, “estabelecer o ensino correto”
“único ensino” quer dizer bem significa estabelecer os conceitos da
fundamental. dignidade humana e do máximo respeito à
vida como os princípios que sustentam e
O Sutra de Lótus ensina que todas as que movem a sociedade.
pessoas podem manifestar a natureza de
Buda, e que é dever daqueles que Saito: Em seus escritos, Daishonin diz com
abraçam o Sutra entrar em ação para fazer freqüência que o budismo atua como um
com que os outros também atinjam o princípio subjacente que sustenta a
estado de Buda. Esta é a sabedoria e o sociedade. Ele diz, por exemplo: “Como o
modo de viver de um buda. Essa prática do budismo foi se tornando confuso, o mundo
Buda e essa filosofia são exatamente o que secular também mergulhou no caos e na
quero dizer com bem fundamental. Da corrupção. O budismo é como o corpo e a
mesma forma, o ensino de Daishonin dos sociedade, a sombra. Quando o corpo se

Maria Antonieta Ross de Albuquerque (12651-9) / pág. 2.


Terceira Civilização - Edição 415 - 01/03/2003 - pág. 4 - Diálogo Sobre Religião Humanística

curva, assim também faz a sombra.” (WND, exposto pelo Buda em seu esforço para
pág. 1039.) conduzir todas as pessoas à felicidade, e é
também o sistema para implementar sua
Pres. Ikeda: O budismo é como o “corpo”; prática.
esta é a base de tudo. Quando o budismo
está em desordem ou seus ensinos se Saito: Creio que a época de Sakyamuni
perdem, a sociedade cai num estado de oferece um exemplo do ideal de
confusão. A menos que haja uma filosofia relacionamento entre essas duas esferas.
capaz de sustentar a sociedade num nível
fundamental, o mundo perderá a base. Pres. Ikeda: Sim. Antes de ter optado pela
Como conseqüência, a sociedade cairá no vida religiosa, Sakyamuni era príncipe.
caminho da Animalidade dominada pela lei Tendo abandonado sua posição real, ele
da selva, no caminho da Ira sujeito ao se devotou à realização de várias práticas
conflito incessante, e no caminho da Fome ascéticas e em conseqüência tornou-se
confinado ao descontentamento. Por fim, Buda. Com isso, fica claro que o governo
ela cairá no mundo do interminável secular e a Lei budista são diferentes. De
sofrimento do Inferno. fato, parece que a Lei budista transcende a
do mundo secular.
É por isso que “estabelecer o ensino
correto” é da máxima importância. Uma Porém, algo muito importante nesse
vez que tiver sido estabelecido, “a paz da sentido — como já tratamos em outra parte
nação” será concretizada sem falta. — foi a experiência de Sakyamuni com a
súplica do deus Brahma (Bonten, em
Morinaka: No entanto, as várias escolas japonês) logo após ter atingido a
budistas da época de Daishonin tentavam iluminação.
agradar as autoridades, ocupando-se
exclusivamente em orar pela segurança Saito: Permitam-me fazer um breve
dos que detinham o poder. Totalmente resumo do que aconteceu. Depois de ter
alheias ao objetivo da felicidade das atingido a iluminação, Sakyamuni
pessoas, preocupavam-se unicamente em descobriu que não havia ninguém em
proteger sua posição e em receber condições de compreender a Lei para a
concessões e privilégios. E insistiam qual ele havia despertado, e que sua
erroneamente que essa relação cômoda pregação havia apenas aumentado a
era um exemplo da complementação do confusão das pessoas. Por fim, exausto,
governo secular e da Lei budista. decidiu abandonar seus esforços. Nesse
momento, Brahma, considerado como o
Pres. Ikeda: No Japão da época, a relação senhor do mundo, lamentou: “Se o Buda
entre o governo secular e a Lei budista era não pregar a Lei, então este mundo será
muito complexa. Originariamente, “governo destruído.” E pediu que Sakyamuni
secular” refere-se aos vários mecanismos continuasse a expor a Lei.
e instituições sociais e governamentais.
“Lei budista”, por sua vez, é o ensino

Maria Antonieta Ross de Albuquerque (12651-9) / pág. 3.


Terceira Civilização - Edição 415 - 01/03/2003 - pág. 4 - Diálogo Sobre Religião Humanística

Morinaka: O falecido Dr. Hajime Nakamura, a “vitória pelo Dharma”. O primeiro capítulo
estudioso do budismo, analisou esse do edito promulgado por ele em Kalinga
episódio da seguinte forma: “Talvez a diz: “Todos os homens são meus filhos. O
própria mente do Buda Gautama tenha que desejo para meus filhos, e eu desejo
hesitado sobre se deveria ou não pregar. seu bem-estar e felicidade tanto neste
Mas ele percebeu que, se não pregasse, mundo como na próxima existência, eu
não poderia aperfeiçoar sua iluminação... A desejo para todos os homens.”5
iluminação não é uma condição em que
alguém flutua em algum mundo abstrato e Pres. Ikeda: Acatando ao pé da letra as
sem nenhuma ligação com as pessoas.”3 O palavras de Sakyamuni, Asoka aspirou à
Dr. Nakamura salienta que foi somente felicidade de todas as pessoas. Não existe
expondo o ensino aos outros e nada mais bárbaro do que a guerra.
conduzindo-os à iluminação que Perdendo ou vencendo, o resultado é a
Sakyamuni pôde aperfeiçoar sua miséria. Asoka deve ter compreendido isso.
iluminação. E ele iniciou assim uma batalha pela eterna
felicidade das pessoas pelas três
A iluminação do Buda ocorreu pelo bem existências do passado, presente e futuro.
de todas as pessoas. Se fosse somente
para sua satisfação pessoal, então teria Em um de nossos diálogos, o Dr. Lokesh
ficado limitada ao estado de vida de um Chandra, importante filósofo indiano, fez a
pratyekabuddha. Em outras palavras, não seguinte observação:
teria ido além do estado de Absorção.
“O falecido Dr. Hajime Nakamura, velho
Pres. Ikeda: Esse é um ponto importante. amigo meu e excelente estudioso da Índia,
Desde o início, o budismo nunca foi disse que por “Dharma” o rei Asoka queria
exposto como um fim em si mesmo, mas dizer um princípio humano, e que ele
como uma religião para os seres humanos. sentia que o budismo expunha isso
Era o esteio que protegia a sociedade da corretamente.
destruição. Exatamente por essa razão,
Sakyamuni pediu aos seus discípulos: “O rei Asoka, em vez de falar do budismo
“Vocês devem viajar para outras terras pela em geral, falava sobre o próprio Dharma.
felicidade das pessoas, por seu benefício e Embora esse pensamento tenha tido
por sua paz e alegria!” Foi o grande rei origem no budismo, ele revelou esse valor
Asoka4 da antiga Índia quem realmente universal para as pessoas na linguagem
colocou em prática esse espírito de comum.”
Sakyamuni no governo secular.
Asoka não forçou as pessoas a aceitarem a
Saito: Quando o rei Asoka viu o sofrimento doutrina budista. Ele concedia em seu
resultante de sua conquista de Kalinga, reino a liberdade de religião e reconhecia
seu coração sofreu uma mudança. A partir as demais crenças. É altamente provável
de então, ele abandonou sua política de que ele tenha permitido a competição
“vitória pelo poderio militar” e passou para religiosa aberta em prol da promoção da

Maria Antonieta Ross de Albuquerque (12651-9) / pág. 4.


Terceira Civilização - Edição 415 - 01/03/2003 - pág. 4 - Diálogo Sobre Religião Humanística

felicidade humana e da concretização de É com elas que o mundo se contenta;


uma sociedade pacífica. Isso tem muito em
comum com a “competição humanitária” Nem hoje nem no futuro a pessoa
defendida pelo presidente Makiguti.
É iludida por um mundo que está
Morinaka: Isso ajuda a esclarecer o que satisfeito.”
Daishonin queria dizer ao falar sobre a
“fusão do governo secular e da Lei budista” Ele disse ainda:
(obutsu myogo).
“Se mesmo [no cotidiano] a dor produzisse
Pres. Ikeda: As pessoas são sábias. É
impossível manter as pessoas dominadas Benefícios futuros, [Aceitar o sofrimento]
ou enganadas por muito tempo. É por isso benéfico
que os impostores são sempre
desmascarados no final. Este é o rigoroso Pela própria felicidade
julgamento da história.
E pela dos outros será de ajuda
O poder da Lei budista sempre se
manifesta na sociedade e apóia os Se esta prática antiga for reconhecida
esforços desta para agir de acordo. Vamos como método excelente.”7
citar as palavras de Nagarjuna6 como
exemplo. Nagarjuna instrui o rei dizendo-lhe que, se
se baseasse no budismo, desfrutaria a
eterna prosperidade. E o adverte a dedicar
O significado da advertência
a vida a um grande objetivo, sem se distrair
Morinaka: Nagarjuna, o grande erudito do com preocupações insignificantes de obter
Mahayana, deixou o Ratnavali, endereçado ganho imediato.
ao rei de Satavahana, seu amigo pessoal.
Nessa obra, ele declara: Pres. Ikeda: Esta é de fato a filosofia do
“estabelecimento do ensino correto para a
“Um rei que age paz da nação”. Nagarjuna também diz:
“Faça o que produz felicidade para si e
Com suas práticas iniciais, intermediárias para os outros. Esse é o eterno Dharma.”

E finais Os seres humanos nascem para serem


felizes. Qualquer posição que implique em
Não é prejudicado nem aqui nem no exercer poder existe unicamente para essa
futuro.” finalidade. Nagarjuna nos instrui a
despertarmos para essa verdade, a
E também: compreendermos essa missão.

“As práticas são a melhor política, Saito: Apesar de o rei ser seu amigo, ainda
assim Nagarjuna foi muito corajoso para

Maria Antonieta Ross de Albuquerque (12651-9) / pág. 5.


Terceira Civilização - Edição 415 - 01/03/2003 - pág. 4 - Diálogo Sobre Religião Humanística

aconselhá-lo dessa forma. Ele próprio Morinaka: Porém, na época de Daishonin


descreve seus pensamentos sobre essa todas as escolas budistas do Japão
questão da seguinte maneira: procuravam adular as autoridades políticas
e a proteção que recebiam era muito
“Um rei que faz o que não está certo grande.

E o que não é apropriado é muito louvado Por volta da época da introdução do


sistema de “regente aposentado”,9 a
Por seus súditos, pois é difícil saber expressão “governo secular” passou a
indicar a ordem, a autoridade e o poder do
O que ele tolera e o que não tolera; imperador e de outras pessoas de
influência no mundo secular. A “Lei
Portanto, é difícil saber budista”, por sua vez, passou a ser
associada aos grandes templos e
O que é útil dizer e o que não é. relicários, vistos como forças políticas e
sociais, e também às suas atividades.10 Os
Se as palavras são úteis porém templos budistas da época possuíam
desagradáveis aos ouvidos vastas extensões de terra e detinham
grande poder.
São difíceis de serem ditas a alguém,
Até mesmo o imperador Shirakawa,11 o
O que poderia eu, um monge, dizer a um
primeiro a deter sozinho a autoridade sob
rei
esse sistema, admitia que ele próprio não
exercia nenhum poder sobre as águas do
Que é o senhor da grande terra?
rio Kamo, de Quioto, que periodicamente
transbordava e inundava a capital, nem
Mas por causa de minha afeição pelo
sobre o rolar dos dados, tampouco sobre
senhor
os exércitos monásticos do monte Hiei.12

E de minha benevolência por todos os


Saito: Brandindo sua autoridade religiosa,
seres,
os grandes templos, incluindo o Enryakuji,
no Monte Hiei, e o Kofukuji, em Nara,
Digo-lhe sem hesitação
faziam repetidamente suas exigências
despóticas num esforço para obter todos
O que é útil, mas desagradável.”
os tipos de privilégios especiais do
governo.
Pres. Ikeda: Esse é o verdadeiro espírito da
advertência. Falar com base na
Em geral, aceitava-se que os oficiais do
benevolência por todas as pessoas. Dar a
governo que ocupavam posições de poder
vida para bradar pelo bem das pessoas e
representassem o “governo secular”, ao
pela justiça. Esse é o correto caminho de
passo que os bonzos maldosos que se
um budista.
gabavam de sua autoridade para

Maria Antonieta Ross de Albuquerque (12651-9) / pág. 6.


Terceira Civilização - Edição 415 - 01/03/2003 - pág. 4 - Diálogo Sobre Religião Humanística

manipular os que estavam no poder Saito: Da mesma forma, quando Daishonin


correspondiam à “Lei budista”. Quando fala da “fusão do governo secular com a
Taira no Shiguehira ordenou que Lei budista”, ele está se referindo a fazer
incendiassem templos de Nara, tais como com que o espírito do budismo pulse e
o Todaiji e o Kofukuji, no ano de 1180,13 o desabroche em todas as áreas da
nobre da corte, Kujo Kanezane,14 escreveu sociedade. E também a construir uma
em seu diário intitulado Gyokuyo (Folhas sociedade em que a felicidade das
de Jade): “Isso significa a destruição da Lei pessoas seja a preocupação principal.
budista e do governo secular?”
Pres. Ikeda: Daishonin descreve seu
Pres. Ikeda: Mas quando Daishonin fala do espírito ao apresentar a tese “Sobre o
“governo secular” e da “Lei budista”, o Estabelecimento do Ensino Correto” em
significado é totalmente diferente. Ele se outro de seus escritos, “Perguntas e
refere a esses termos em seu sentido Respostas sobre o Objeto de Devoção”.
original e não apenas como expressões de
autoridade e de influência. O Budismo de Morinaka: Ele diz assim:
Daishonin é um ensino para as pessoas.
“Como o verdadeiro e o falso no budismo
O “governo secular” refere-se aos tornaram-se confusos, o governo secular
princípios fundamentais que sustentam a foi declinando gradativamente, e em
sociedade e também aos sistemas que conseqüência esta terra será vencida pelo
tornam esses princípios uma realidade de poder estrangeiro e cairá na ruína. Como
fato. Ele abarca todas as funções da somente Nitiren tem consciência do fato e
sociedade, incluindo a política, a economia, está preocupado com isso, pelo bem da
a educação e a arte. Lei budista e do governo secular reuni
num escrito importantes passagens dos
A “Lei budista” refere-se à essência do sutras e apresentei-as ao falecido bonzo
ensino do Buda: é a Lei Mística que leigo do Saimyoji.15 Dei a esse escrito o
permite a todas as pessoas concretizarem título de ‘Sobre o Estabelecimento do
a felicidade. A Lei budista não se restringe Ensino Correto para a Paz da Nação’.”
a uma província em particular de uma (Gosho Zenshu, pág. 371.)
escola ou seita; é o coração benevolente
do Buda que permeia todo o Universo, e Pres. Ikeda: Daishonin apresentou a tese
também o espírito do Buda que está “Sobre o Estabelecimento do Ensino
dotado das três virtudes de soberano, Correto” para alertar sobre o estado em
mestre e pais com a finalidade de que se encontrava a relação entre a Lei
proteger, conduzir e ensinar as pessoas. A budista e o governo secular que estava
Lei budista é a base para a promoção do empurrando o país para a ruína. Pois, se a
avanço dos seres humanos e da situação continuasse como estava, as
sociedade. pessoas se tornariam miseráveis e toda a
sociedade seria atirada ao inferno de
incessante sofrimento. Daishonin era

Maria Antonieta Ross de Albuquerque (12651-9) / pág. 7.


Terceira Civilização - Edição 415 - 01/03/2003 - pág. 4 - Diálogo Sobre Religião Humanística

motivado unicamente por sua um único passo. Ele combateu


preocupação com as pessoas, com a Lei e decididamente as forças negativas que
com a sociedade. Creio que ele quis criar ameaçavam lançar as pessoas no
uma terra próspera e pacífica em que a Lei sofrimento.
budista e o governo secular se apoiassem
mutuamente. Desde o início, ele se Saito: Naquela época, havia no Japão
manteve afastado da relação distorcida muitas religiões influentes. Além das
com o estado que havia prevalecido no poderosas escolas budistas da Nembutsu,
Japão durante tanto tempo, e nunca foi de Tendai, Verdadeira Palavra, Preceitos e
seu interesse que a sua “Lei budista” Zen, havia também o xintoísmo, o caminho
recebesse um tratamento especial e fosse do Yin e do Yang e o confucionismo.
protegida pelo “governo secular”. Nenhuma delas, no entanto, tinha forças
para mudar as circunstâncias da época.
Morinaka: Naquela época, os bonzos de Daishonin escreveu: “Hoje as tentativas de
alto escalão pertencentes às várias escolas fazer as divindades agirem não surtem
budistas distorceram e insultaram a Lei efeito e os apelos aos poderes do Buda
budista. Além disso, os seguidores não produzem resultados.” (END, vol. 1,
estavam tão acostumados a reverenciar pág. 11.) Mesmo assim, o clã Hojo, que
cegamente esses monges, que não ocupava a posição central no governo,
enxergavam erros. intensificou sua devoção às várias escolas
budistas, doando grandes templos, um
Pres. Ikeda: O nobre espírito de Daishonin após outro.
estava além da compreensão desses
bonzos, que julgavam a situação com seus Morinaka: É isso o que Daishonin indica em
próprios parâmetros covardes. Para eles, “Sobre o Estabelecimento do Ensino
Daishonin estava tentando agradar os Correto” quando diz: “Templos budistas
detentores do poder, assim como eles que chegam a unir telhado com telhado, e
mesmos faziam. Por causa da escuridão tantos depósitos para guardar os sutras
que havia em seu coração, eles temiam que eles podem ser alinhados de beiral a
Daishonin, que não possuía posição nem beiral. Os clérigos são tão numerosos
poder, e passaram a persegui-lo tanto de quanto os pés de bambu e junco e os
forma velada como aberta. monges são tão comuns quanto mudas de
arroz e cânhamo.” (Ibidem, pág. 21.)
As pessoas maldosas temem sua própria
sombra. Isso também é verdade nos dias Pres. Ikeda: Com certeza, os templos que
de hoje. Aqueles que caluniam uma eles erigiam eram construções suntuosas.
pessoa de justiça de forma infundada E os bonzos apareciam em todos os
estão apenas projetando suas próprias lugares. Porém, todo esse florescimento
ações maldosas e propagando falsidades. era só aparência. Mesmo assim, ofuscavam
os olhos das pessoas e as mantinham
Mas nem mesmo diante de contínuas cativas. Na passagem seguinte, Daishonin
perseguições Daishonin não retrocedeu manifesta sua severa indignação a respeito

Maria Antonieta Ross de Albuquerque (12651-9) / pág. 8.


Terceira Civilização - Edição 415 - 01/03/2003 - pág. 4 - Diálogo Sobre Religião Humanística

da situação. o último deplorasse a falta de cortesia de


Po Chü-i, aceitava muitas das críticas do
Morinaka: Ele diz: “Mas os clérigos e poeta e se esforçava para melhorar seu
monges de hoje são aduladores e governo.
desonestos. Eles confundem as pessoas e
as desencaminham. O soberano e seus Pres. Ikeda: “Poesia é aspiração.” Um
subordinados carecem de compreensão e espírito poético em fusão com uma
não conseguem distinguir o certo do suprema aspiração é a chave para romper
errado.” (Ibidem, pág. 22.) a escuridão e a confusão espirituais. Esse é
o sentimento do escritor quirguiz Tchinguiz
Pres. Ikeda: Procurando libertar as pessoas Aitmátov, e também a de muitos outros
dessa cega submissão, Daishonin apelou escritores eruditos com quem me
para a consciência e o senso de encontrei. Po Chü-i veio de uma família
responsabilidade dos que estavam no comum, estudou arduamente e se dedicou
poder. “Sobre o Estabelecimento do Ensino ao povo, observando rigorosamente as
Correto” é realmente um documento de ações dos líderes políticos. O fato de
aviso e de advertência àqueles no poder. Daishonin mencionar esse grande poeta
chinês faz muito sentido. Morinaka: Em “Ji
Saito: No escrito “As Ações do Devoto do Tangsheng” (Poema Dedicado ao Povo de
Sutra de Lótus”,16 Daishonin fala desse Tang),
tratado: “Minhas advertências superaram
até mesmo as de Po Chü-i17 em seus Po Chü-i escreveu: “Não me interessa ter
poemas Yüeh-fu, e minhas profecias não um ritmo elegante. Nem dou atenção às
são inferiores às do Buda.” (WND, pág. 763.) sentenças ou ao roteiro. Meu único desejo
é expressar em versos o sofrimento das
Pres. Ikeda: Uma vez que ele faz uma pessoas para chamar a atenção do
comparação com o Yüeh-fu de Po Chü-i e imperador.”18 Ele escrevia numa
com as profecias de Sakyamuni, podemos linguagem clara e simples,
deduzir que o próprio Daishonin preocupando-se unicamente em alertar o
considerava a tese “Sobre o imperador para o sofrimento do povo.
Estabelecimento do Ensino Correto” como
um escrito profético e de advertência. Pres. Ikeda: Correto. A linguagem de fácil
compreensão é importante.
Morinaka: Po Chü-i foi um importante Independentemente da importância da
poeta da dinastia Tang da China. Ele mensagem, se não puder ser
considerava a poesia como o caminho da compreendida pelos outros, não servirá
verdade, e as baladas que descreviam os para nada. A força da linguagem também é
chamados de tristeza do povo e as importante. Uma única palavra cheia de
advertências aos estadistas formavam a convicção nascida da coragem toca o
parte principal de sua obra. Com coração das pessoas. E a sinceridade que
freqüência ele reprovava Xian Zong brota de um espírito profundo e amplo
(805-820), o imperador da época. Embora comove a vida das pessoas.

Maria Antonieta Ross de Albuquerque (12651-9) / pág. 9.


Terceira Civilização - Edição 415 - 01/03/2003 - pág. 4 - Diálogo Sobre Religião Humanística

Creio que este grande movimento


Saito: Em seu prefácio para o Yüeh-fu, Po embasado no budismo, que abarca 180
Chü-i escreveu: “Em termos gerais, países e territórios,20 irá se tornar sem
poderíamos dizer que os versos foram falta uma força poderosa de contínuo
compostos para o governante, para os avanço para a concretização da paz
ministros, para o povo e para todos os perene de toda a humanidade. O futuro
assuntos e questões. Estas palavras não começa agora.
foram compostas como um fim em si
mesmas.”19 Saito: Nós continuaremos a avançar com
esse orgulho no coração. Muito obrigado.
Pres. Ikeda: Sua disposição era de sempre Há ainda muitas questões a discutir a
bradar pela justiça para proteger as respeito da tese “Sobre o Estabelecimento
pessoas. Este também deve ter sido o do Ensino Correto”, tais como o significado
espírito que ressoava na vida de Daishonin. de “paz da nação” e a “profecia” de
Em “Razões para Escrever a Tese ‘Sobre o Daishonin. Por essa razão, gostaria de
Estabelecimento do Ensino Correto para a propor que continuemos este nosso
Paz da Nação’”, Daishonin declarou: “Digo diálogo na próxima ocasião.
isto unicamente pelo bem da nação, pelo
Notas: 1. A tese está na forma de um diálogo entre um “anfitrião” (Daishonin) e um
bem da Lei, pelo bem das pessoas, e não
“viajante” (o regente aposentado Hojo Tokiyori). Em seu comentário a respeito da tese
pelo meu próprio bem.” (WND, pág. 164.) “Sobre o Estabelecimento do Ensino Correto”, Nitikan Shonin divide o tratado em dez

Ele não buscava prestígio social nem partes de acordo com as dez perguntas do vianante e as nove respostas do anfitrião. 2.

honrarias. Daishonin arriscou a vida para Mundo tríplice: O mundo dos seres não-iluminados que renascem nos seis caminhos. É

formado por: mundo do desejo, governado por vários desejos; mundo da forma, cujos
falar em defesa da sociedade, da Lei e do
habitantes são livres de todos os desejos, paixões e vontades mas, tendo ainda a forma
povo. material, estão sujeitos a certas restrições materiais; e mundo amorfo, em que os seres

estão livres tanto dos desejos como das restrições materiais. 3. Hajime Nakamura,

Saito: “O Estabelecimento do Ensino Gotama Budda (Buda Gautama), livro 1, in Nakamura Hajime Senshu (Obras

Correto para a Paz da Nação” é Selecionadas de Hajime Nakamura). Tóquio, Shunshusha, 1992, vol. 11, págs. 449-450. 4.

Asoka (c. 268-232 a.C.): Terceiro governante da dinastia indiana Maurya e primeiro rei a
indubitavelmente o foco do budismo para unificar a Índia. Tendo iniciado como tirano, posteriormente se converteu ao budismo e

as pessoas. passou a governar de forma benevolente, de acordo com os ideais do budismo. Nove

anos após ter subido ao trono, conquistou Kalinga, onde consta ter matado

Pres. Ikeda: A Soka Gakkai promove a fé aproximadamente cem mil pessoas e aprisionado outras 150 mil. Asoka se converteu ao

budismo dois anos mais tarde, mas foi somente então, ao observar a miséria da
correta para estabelecer o ensino correto
população conquistada, que ele despertou para sua própria crueldade e abraçou o
na vida do indivíduo. Ao fazer isso na budismo com seriedade. Renunciou à conquista pela força e estabeleceu um reinado

sociedade, estamos difundindo o espírito pacífico embasado no Dharma, devotando uma energia considerável às obras públicas.

de respeitar os seres humanos e de Também enviou missionários budistas ao sul da Índia, à Caxemira, Gandhara e ao Ceilão

(atual Sri Lanka), e até mesmo às regiões distantes da Síria, do Egito e da Macedônia. 5.
colocar as pessoas em primeiro lugar. Com
The Edicts of King Ashoka (Os editos do rei Asoka), Ven. S. Dhammika, trad. Kandy, Sri
base nesses conceitos, estamos Lanka, Buddhist Publication Society, 1993, pág. 18. 6. Nagarjuna: Estudioso Mahayana

propagando um movimento de cultura, de que atuou na regiao do sul da Índia por volta dos anos 150 e 250 d.C. Escreveu muitos

paz e educação na sociedade — em outras tratados importantes e organizou a base teórica do pensamento Mahayana, prestando

assim uma inestimável contribuição ao seu desenvolvimento. Ele é especialmente


palavras, no mundo secular.
conhecido por sua sistematização da doutrina da não-substancialidade. Sua obra inclui

o Tratado sobre o Caminho do Meio, o Tratado sobre a Grande Perfeição da Sabedoria e

o Comentário sobre o Sutra dos Dez Estágios. Nagarjuna exerceu grande influência sobre

Maria Antonieta Ross de Albuquerque (12651-9) / pág. 10.


Terceira Civilização - Edição 415 - 01/03/2003 - pág. 4 - Diálogo Sobre Religião Humanística

o budismo na China e no Japão. 7. Cf. Nagarjuna e Kaysang Gyatso, o Sétimo Dalai

Lama, The Precious Garland and The Song of the Four Mindfulnesses (A Guirlanda

Preciosa e o Canto das Quatro Observações). Jeffery Hopkins e Lati Rimpoche, com Anne

Klein, trad. e ed. Nova York, Harper Row, Publishers, 1975, págs. 35, 36, 73. 8. Ibidem, pág.

62. 9. Regente aposentado: Sistema pelo qual o governo era controlado pelos

imperadores aposentados mais do que pelos governantes em exercício e a burocracia

oficial. 10. Toshio Kuroda, Oho to Buppo — Chusei-shi no Kozu (O Governo Secular e a Lei

Budista: Uma Síntese da História Medieval). Tóquio, Hozokan, 2001, pág. 27. 11. Shirakawa

Joko (1053-1129): Reinou de 1073 a 1083. Filho do imperador Go-Sanjo e de Fujiwara no

Moshi, continuou a exercer o domínio político da corte durante 43 anos após ter se

aposentado, em 1087. Acredita-se que ele tenha estabelecido o sistema de “regente

aposentado”. 12. De The Tale of the Heike (A História de Heike), Hiroshi Kitagawa e Bruce

T. Tsuchida, trad. University of Tokyo Press, 1975, vol. 1, pág. 61. Diz: “As únicas coisas que

não posso controlar são as águas do rio Kamo, o rolar dos dados e as forças monásticas

do monte Hiei.” 13. No século XII, o clã Guenji ou Minamoto, um dos mais poderosos da

época, declarou guerra contra o poderoso clã Heike ou Taira. Como os bonzos do Todaiji

apoiaram os de Guenji, Taira no Shiguehira atacou e incendiou os templos Todaiji e

Kofukuji. 14. Kujo Kanezane (1149-1207): Um nobre da corte do período Kamakura

(1185-1333). Após a destruição do clã Heike, cooperou com Minamoto no Yoritomo e

tornou-se regente. Arquitetou liberar a política imperial do sistema de regente

aposentado. Com o tempo, foi se distanciando de Yoritomo e perdeu seu poder. Seu

diário, Gyokuyo, é considerado um importante registro histórico da época. 15. O sacerdote

leigo do Saimyoji indica Hojo Tokiyori. Tornou-se o quinto regente do xogunato de

Kamakura no ano de 1246, mas abdicou em nome de Hojo Nagatoki e adotou os hábitos

e as ordens de Doryu, bonzo zen da China, em 1256. Como sacerdote leigo, viveu no

templo Saimyoji, que havia construído, mas continuou a ser o governante de fato. 16.

Também conhecido como “Comportamento do Buda”. 17. Po Chü-i (772-846):

Poeta-oficial chinês conhecido por seus poemas escritos na forma de baladas que

criticavam a situação social e política da época. 18. Sennosuke Uchida, Hakushi Monju

(Coletânea de Poemas de Po Chü-i). Tóquio, Meitoku Shuppansha, 1997, pág. 20. 19.

Ibidem, pág. 76. 20. Atualmente a SGI está presente em 185 países e territórios.

Maria Antonieta Ross de Albuquerque (12651-9) / pág. 11.