Вы находитесь на странице: 1из 32

HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS

Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930


AOS DIAS ATUAIS
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

APOSTILA DE HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS

AUXILIAR DE PROMOTORIA (Pré-Edital)

ALICERCE CONCURSOS

AUTOR: Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes


Apresentação

Olá, Caro (a) Estudante!

"A sorte favorece os audazes."


Alexandre, o Grande

É com grande alegria que apresento-lhes este material elaborado com o objetivo principal de ser um
instrumento potencializador de sua dedicação e de seus esforços na obtenção de uma vaga para o cargo
de Auxiliar de Promotoria I, além de permitir uma analise mais reflexiva de nossa história.

Aproveito para propor uma reflexão inicial, sobre o estudo da História do Brasil. Peço que observe ao
seu redor: praticamente tudo o que está à nossa volta e que utilizamos em nossa escola, casa ou trabalho
foi construído por seres humanos. Pense também no sistema político que rege nossa sociedade, nas leis
que regulam nossas relações e em tudo aquilo que consideramos justo ou injusto, certo ou errado: todos
esses princípios e valores também foram estabelecidos por pessoas ao longo do tempo.

Estudar História não é apenas conhecer e entender os caminhos trilhados pelos seres humanos no pas-
sado. Graças a esse estudo, podemos fazer uma leitura crítica de nosso presente e compreender como
e por que nossa sociedade encontra-se hoje constituída da maneira que a conhecemos e não de outra
forma.

Com base nessa visão, elaborarei um material que, ao tratar de assuntos do passado, tivesse como
ponto de partida o presente. Ao adotar essa proposta, você verá como a História do Brasil está intima-
mente relacionada com aspectos centrais do mundo contemporâneo nacionais, internacionais e de nossa
vida, constituindo um assunto extremamente interessante e instigante.

Acredito que que dessa maneira estou lhe oferecendo instrumentos para interpretar e analisar critica-
mente a realidade de nosso mundo. Você verá que a História exerce um papel privilegiado no processo
de consolidação da cidadania e na construção de um mundo mais solidário, fraterno e tolerante, em
especial no exercício de sua futura profissão de Auxiliar de Promotoria I.

Profissão esta que será uma conquista, e como toda conquista pede um esforço, das mais diversas
formas possíveis e sabendo disso este material também busca ser uma fonte de estimulo para os seus
esforços pessoais de estudo e dedicação com vistas a conquistar a investidura neste cargo público de
Auxiliar de Promotoria I.

Desejo-lhe muito sucesso nessa caminhada de dedicação e estudos, e que ao final desse período tenha
conquistado a sua aprovação. Conte comigo e com toda Equipe do Alicerce Concursos para lhe ajudar!

Atenciosamente,

Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes, e Equipe Alicerce Concursos.

1
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

SUMÁRIO
1) A REVOLUÇÃO DE 1930 .......................................................................................................................1
1.1 Causas do Processo Revolucionário ...................................................................................................... 1
1.2 A Revolução de 1930 ......................................................................................................................... 1
2) A ERA VARGAS DE 1930 A 1945 ..........................................................................................................2
2.1 Governo Provisório (1930 – 1934) ....................................................................................................... 2
2.1.1 A Revolução Constitucionalista de 1932 ............................................................................................. 2
2.1.2 A Nova Constituição Repúblicana 1934 .............................................................................................. 2
2.1.3 Os Tenentes e a Constituinte ............................................................................................................ 2
2.1.4 Governo Constitucional (1934 – 1937) .............................................................................................. 3
2.1.5 O Golpe de 10 de Novembro de 1937 ................................................................................................ 3
2.1.6 O Estado Novo e a Nova Constituição ................................................................................................ 3
2.1.6.1 As Forças Armadas e as Instituições Administrativas do Estado Novo ................................................. 4
2.1.7 Política Externa e a Entrada do Brasil na Segunda Guerra Mundial ........................................................ 5
3) REDEMOCRATIZAÇÃO, A VOLTA DE VARGAS AO PODER e o FIM DA ERA VARGAS (1946 a 1955) .....6
3.1 Movimentos pela Volta da Democracia na década de 1940 ..................................................................... 6
3.2 Governo Dutra (1946 – 1951) ............................................................................................................. 7
3.3 Governo Vargas (1951 – 1954) ........................................................................................................... 8
3.4 Governo Café Filho (1954 – 1955) .................................................................................................. 9
Exercícios de fixação: revolução de 1930, era vargas e redemocratização. ..........................................10
4) GOVERNOS: KUBITSCHEK, QUADROS E GOULART (1956 – 1964) ..........................................13
4.1 Governos Jânio Quadros e João Goulart ............................................................................................. 13
EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO: KUBITSCHEK A GOULART......................................................................................14
5 DITADURA MILITAR (1964 – 1985) .............................................................................................15
5.1 Governo Castelo Branco (1964 – 1967) .............................................................................................. 16
5.2 Governo Costa e Silva (1967 – 1969) ................................................................................................ 17
5.3 Governo Médici (1969 – 1974) .......................................................................................................... 17
5.4 Governo Geisel (1974 – 1979) .......................................................................................................... 17
5.5 Governo Figueiredo (1979 - 1985)..................................................................................................... 18
EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO: DITADURA MILITAR .............................................................................................19
6 NOVA REPÚPLICA (1985 – 2016) .................................................................................................20
6.1 Governo Sarney (1985 - 1990) ......................................................................................................... 20
6.2 Governo Collor (1990 - 1992) ........................................................................................................... 21
6.3 Governo Itamar (1992 - 1994) .......................................................................................................... 22
6.4 Governo FHC (1994 - 2002).............................................................................................................. 23
6.4 Governo Lula (2002 - 2010).............................................................................................................. 26
6.5 Governo Dilma (2010 - 2016) ........................................................................................................... 26
6.6 Governo Temer (2016 - 2018) .......................................................................................................... 27
EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO: NOVA REPÙBLICA .......................................................................................................28

2
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

Apesar da grande repercussão de sua campanha nos centros urbanos,


1) A REVOLUÇÃO DE 1930
os candidatos da Aliança Liberal foram derrotados, pois a grande
maio- ria dos Estados se alinhou junto ao presidente Washington Luís.
Introdução: Radicado em São Paulo desde moço, Washington Luís
da igualdade entre os homens (igualdade material). São direitos
ali fizera sua carreira política na máquina do PRP (Partido Republicano econômicos, sociais e culturais. São denominados direitos positivos,
Paulista). Ao contrário de Artur Bernardes, que vivera fechado no Ca- direito do bem-estar, liberdades positivas ou direitos dos desampara-
tete, granjeava certa popularidade depois que assumiu a Presidência, dos.
passeando a pé pela Avenida Rio Branco, no Rio de Janeiro. Suspen-
dera o estado de sítio, mas recusara a anistia aos presos políticos do A Crise de 1929: embora seja certo que a crise mundial repercutiu
tempo de Epitácio Pessoa e Artur Bernardes. com mais intensidade no Brasil em 1931, é preciso considerar que
Washington Luís, rompendo com a Política do Café com Leite, preteriu seus efeitos iniciais já abalavam o setor cafeeiro, e isso foi percebido
o nome de Antônio Carlos Ribeiro de Andrada (Minas Gerais) em favor por seus adversários, que viram nesse fato uma oportunidade para
de Júlio Prestes. Aglutinadas em torno de Minas Gerais e Rio Grande criticar o governo.
do Sul, as forças oposicionistas formaram a Aliança Liberal, cujo pro- Por outro lado, o setor cafeeiro e o Governo Federal estavam distan-
grama reivindicava voto secreto, maiores garantias individuais, direi- cia- dos por este ter recusado auxílio àquele no início da crise. Os
tos trabalhistas e anistia aos rebeldes. Indicou como candidatos Ge- grupos dominantes de São Paulo, embora ti- vessem marchado com
túlio Vargas e João Pessoa (vice). a candidatura de Júlio Prestes, não estavam dispostos a uma luta ar-
Foi a terceira eleição competitiva da República Velha (1930). A vitória mada.
coube a Júlio Prestes, que não foi empossado por conta da deposição
de Washington Luís pela Revolução de 1930.
1.2 A Revolução de 1930
No fim da década de 20, os setores que contestavam as instituições
da República Velha não tinham possibilidade de êxito: os “tenentes”,
Com a derrota eleitoral, os velhos políticos da Aliança Liberal, como
após seus vários insucessos, estavam marginalizados ou no exílio; as
Borges de Medeiros, pretenderam compor-se com os vitoriosos, como
classes médias urbanas não tinham autonomia para se organizar. To-
geralmente acontecia na República Velha. Mas existia na Aliança uma
davia, uma oportunidade ia abrir-se para esses setores: uma nova
ala de políticos jovens (Maurício Cardoso, Osvaldo Aranha, Lindolfo
divergência entre as oligarquias regionais e o golpe sofrido pelo setor
Collor, João Neves, Flores da Cunha, Virgílio de Melo Franco e Fran-
cafeeiro com a crise mundial de 1929.
cisco Campos) que não se conformavam com uma situação na qual
sua ascensão política permanecia dependente. Portanto, optaram
1.1 Causas do Processo Revolucionário pela via armada, e, para isso, aproximaram-se dos “tenentes”, como
Juarez Távora, Ricardo Hall e João Alberto.
A dissidência regional: a indicação de Júlio Prestes pelo presidente A conspiração sofreu várias oscilações por causa da posição concilia-
Washington Luís como candidato do governo à Presidência na eleição tória dos velhos oligarcas da Aliança Liberal, até mesmo do próprio
de 1930, ao que parece, para que sua política de estabilização finan- Getúlio Vargas, o que provocou seu esfria- mento. Porém, foi alen-
ceira não fosse interrompida, não foi aceita por Antônio Carlos Ribeiro
tada pela “degola” de deputados federais eleitos por Minas
de Andrada, presidente do Estado de Minas Gerais. Rompia-se a Polí-
Gerais e Paraíba (maio de 1930), pelo assassinato de João
tica do Café com Leite.
Pessoa (julho de 1930) no Recife, por motivos ligados a pro-
Antônio Carlos, a fim de enfrentar o Governo Federal, realizou uma
aliança com os Estados do Rio Grande do Sul e Paraíba. No Rio Grande
blemas locais, mas explorados politicamente pelos conspira-

do Sul, o Partido Republicano e o Par- tido Libertador tinham chegado dores e pela adesão de Borges de Medeiros, em agosto. Os
a um relativo acordo, o que fortalecia o Estado no plano nacional. A “tenentes” foram aproveitados por sua experiência revoluci-
este foi oferecida a candidatura à Presidência, e à Paraíba, a candida- onária, mas a chefia militar coube ao tenente-coronel Góis
tura à Vice-Presidência. Juntaram-se a eles o Partido Democrático de Monteiro, elemento de confiança dos políticos gaúchos.
São Paulo e outras oposições de outros Estados. Era a coligação da
No dia 3 de outubro, eclodiu a revolta no Rio Grande do Sul;
Aliança Liberal (1929). Dela faziam parte velhos políticos, como Bor-
e no Nordeste, sob a chefia de Juarez Távora, no dia se-
ges de Medeiros, Epitácio Pessoa, Artur Bernardes, Venceslau Brás e
Antônio Carlos. Foram lançadas as candidaturas de Ge- túlio Vargas
guinte, participavam principalmente tropas das milícias esta-

para presidente e João Pessoa para vice. duais e forças arregimentadas por “coronéis”. Várias tropas
O programa da Aliança Liberal ia ao encontro das aspirações dos se- do Exército aderiram, algumas mantiveram-se neutras e
tores opostos ao cafeeiro, ao proclamar que os produtos nacionais poucas resistiram. Em vá- rios Estados os governantes pu-
deviam ser incentivados, e não só o café, cujas valorizações prejudi-
seram- se em fuga. Quando se esperava um choque de gran-
cavam financeira- mente o País. Outrossim, pretendendo sensibilizar
des proporções entre as tropas que vinham do Sul e as de
as classes médias urbanas, o programa defendia as liberdades indivi-
São Paulo, o presidente Washington Luís foi deposto, no dia
duais, o voto secreto, a participação do poder judiciário no processo
eleitoral, leis trabalhistas e anistia.
24, por um grupo de altos oficiais das Forças Armadas, que
tinham a intenção de exercer um papel moderador. Formou-

1
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

se a Junta Governativa Provisória, intitulada Junta Pacifica- civil e paulista. Assim, em fevereiro de 1932, o Partido De-
dora, integrada pelos generais Mena Barreto e Tasso Fra- mocrático e o Partido Republicano Pau- lista formaram a
goso, e pelo almirante Isaías Noronha. Frente Única Paulista. Em maio, durante uma manifestação
Houve um momento culminante na crise da década de 1920: contra o governo getulista, foram mortos quatro manifestan-
as oligarquias regionais dissidentes optaram pela luta ar- tes: Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo (MMDC). São
mada, o descontentamento militar ganhava novo alento, as Paulo conseguiu seu interventor civil e paulista, Pedro de To-
classes médias urbanas insatisfeitas constituíam uma ampla ledo, que defendia a reconstitucionalização do País. Nesse
ala de apoio. Nesse momento, o setor cafeeiro era atingido ínterim, Vargas promulgou o novo Código Eleitoral, que ins-
pelos primeiros efeitos da crise de 1929 e distanciava-se do taurava o voto secreto e o voto classista. Mas a demora na
Go- verno Federal. Daí a possibilidade de vitória de uma re- reconstitucionalização serviu de pretexto para a eclosão do
volução. Portanto, um fator externo combinou-se com o levante paulista, comandado pelos generais Bertolo Klinger
agravamento de contradições internas. O setor cafeeiro con- e Isidoro Dias Lopes. Após três meses de combates, os pau-
tinuou representando um papel fundamental na economia do listas capitularam. Então Vargas convocou uma Assembleia
País, mas, com a derrota, perdeu a hegemonia política. A Constituinte, que seria insta- lada em 10 de novembro de
revolução levou a uma composição de equilíbrio entre os se- 1933.
tores da classe dominante. Não houve uma ruptura no pro-
cesso histórico, mas apenas uma acomodação à atualização 2. 1. 2 A N ov a C onsti t ui ç ão R ep úbl i c ana 1934
das instituições.
Pelo novo Código Eleitoral, as mulheres votaram pela
2) A ERA VARGAS DE 1930 A 1945 primeira vez e houve representação classista. A
Constituinte aprovou todos os atos do Governo Provisório
e elegeu Vargas presidente da República, indiretamen- te,
2. 1 Gove rno Provi s óri o (1930 – 1934)
de acordo com as disposições transitórias da própria
Constituição. Os presos políticos foram anistiados.
A Constituição republicana de 1891 foi suprimida e Vargas
Em relação ao texto constitucional de 1891, ocorreram
recebeu poderes ditatoriais através de uma Lei Orgânica,
numerosas inova- ções, tais como extinção do cargo de
aprovada em 6 de novembro de 1930. A legitimidade era
vice-presidente da República; voto secreto e extensivo
proporcionada pelas Forças Armadas, que apoiavam Getúlio.
às mulheres; de- putados eleitos pelos organismos de
Para governar os Estados, foram nomeados interventores,
classe (1/5 da Câmara dos Depu- tados e das
geralmente “tenentes” civis ou militares, imbuídos de ideias
Assembleias Estaduais); redução dos senadores a dois
elitistas, apolíticas, autoritárias e modernizantes, que confli-
por Estado, com mandato de oito anos; mandato de
tavam com os constitucionalistas representantes das oligar-
quatro anos para os deputados; ministérios com assesso-
quias. O controle dos “tenentes” por Getúlio foi feito por meio
rias técnicas; legislação trabalhista; mandado de
do Clube 3 de Outubro, que congregava elementos ligados
segurança; ensino pri mário obrigatório e gratuito; e
direta- mente ao governo. Ainda em 1930, foram criados o
Conse- lho Superior de Segurança Nacional.
Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio e o Ministério da
Educação e Saúde Pública.

2. 1. 3 Os T e ne nte s e a C ons ti t ui nt e
2. 1. 1 A R ev ol uç ão C onsti t uci onal i st a de 1932

Em 1931, um documento atribuí- do a Juarez Távora resumia


Depois de nomear José Maria Whitaker, banqueiro paulista,
a posição tenentista em relação à convocação de uma
para a pasta da Fazenda, Vargas o substituiu por Osvaldo
Assembleia Constituinte: “Os elementos revolucionários que
Aranha, que inaugurou o sistema de compra e queima dos
cons- tituem o Clube 3 de Outubro – libertos de quaisquer
excedentes de café, financiado por uma emissão inflacioná-
facciosismos político- partidários – impugnam a ideia de
ria, na tentativa de defender o principal setor da economia
volta imediata do País ao regime constitucional. (...) Sendo,
brasileira. Apesar disso, os pau- listas insurgiram-se contra
entretanto, partidários sinceros da constitucionalização,
o Governo Federal, exigindo para São Paulo um interventor
apenas divergem dos chamados constitucionalistas, quanto
à conveniência de sua decretação a todo transe, como meio

2
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

eficaz de salvação pública. (...) A Revolução de outubro tendência esquer- dista e antifascista, e Ação Integralista
venceu porque se apoderara do povo brasileiro a convicção Brasileira (AIB), chefiada por Plínio Salgado, de tendência
de que os erros e obliterações do regime que o oprimia, lhe direitista e anti- comunista.
criaram problemas gravíssimos para os quais não existiam Em junho de 1935, o governo fe- chou a ANL, acusando-a de
soluções possíveis dentro da lei. Por isso, derrubado o subversão, o que provocou a rebelião armada em novembro
governo legal de então, a Nação inteira clamou pela do mesmo ano (Intentona Comunista). Como conse-
instituição da ditadura como único meio capaz de arrancar o quência, Getúlio obteve a decretação do estado de sítio e viu
País do caos a que o haviam arrastado alguns decênios de seus poderes aumentados, podendo demitir funcio- nários
vida constitucional. (...) E para provar que não desejamos públicos, afastá-los e decidir onde deveriam servir.
protelar indefinidamente o advento constitucional, é nosso
propósito su- gerir ao Chefe do Governo Provisório a 2. 1. 5 O Gol p e d e 10 d e N ov em b ro d e 1937
nomeação de uma comissão de homens cultos e
conhecedores da nossa realidade social e política, para Pretendendo perpetuar-se no po- der, Vargas manobrou
elaborar criteriosamente sobre ela um anteprojeto de grupos contra grupos. Como a Constituição não lhe
Constituição. Mas se querer uma Constituição é convocar um permitia a reeleição, acabou forjando um plano que
grupo de homens, com ou sem simulacros eletivos, para que redundou na implan- tação do Estado Novo. O golpe inter-
do seu agregado ocasional e fora do tempo saiam algumas rompeu o processo democrático iniciado em 1934,
dezenas de preceitos legais, copiados aqui e ali, ao sabor impedindo a reali- zação das eleições presidenciais que
das aparências, assaz vagos para permitir enrolarem-se na seriam disputadas por três candida- tos: Armando de Sales
mesma coberta os ideais mais opostos, então o Clube 3 de Oliveira (go- vernador de São Paulo), José Américo de
Outubro é abertamente, decisivamente, contra a Almeida (ex-ministro da Viação) e Plínio Salgado (chefe da
Constituição. AIB). Usando como pretexto o Plano Cohen (ela- borado
por um oficial do Exército), Getúlio acabou fechando o Con-
Na ânsia de Constituição imediata, o que mais se vê é o
gresso e as Assembleias Legislativas e dissolvendo os
prurido de voltar aos postos de mando sem vigilância, ao
partidos políticos.
rebanho dos tempos passados ou disfarçada hostilidade ao
Governo Provisório, principalmente ao seu Chefe, que sabe
2. 1. 6 O Est ad o N ov o e a N ov a C ons ti t ui ção
perfeitamente não ter sido a Revolução obra exclusiva de
políticos. Os decênios de regime decaído foram pontilhados
Promulgada no dia do Golpe, não chega, pratica-
de revo- luções, o que prova não bastar a existência de
mente, a ser aplicada. Vargas a desrespei- taria
qualquer Constituição para evitar a desordem, fazer descer
quando bem entendesse e não poria em prática a maior
a tranquilidade sobre os espíritos, permitir a moralidade
parte dos seus artigos. Pela nova Carta, eram suprimi-
administrativa e a prosperidade do País. O Clube 3 de
das as bandeiras, hinos, escudos e armas estaduais ou
Outubro quer a Constituição. Não qualquer Constituição.
Pedirá a Cons- tituição quando notar ser possível a adoção de municipais (art. 2.o). Este artigo foi completado por dis-

um sistema, senão perfeito, pelo menos assegurador da posições do Decreto-Lei n.o 37 de 2 de dezembro de 1937,
ordem por período relativamente longo. Antes disso, enquanto que extin guia os partidos políticos, vedando o “uso de uni-
o desejo de Constituição reflete a ambição de poderio e a formes, estandartes, dis- tintivos e outros símbolos dos par-
volta a hábitos que justificaram a revolução de 3 de outubro, tidos políticos” (medida então dirigida con- tra os integralis-
o Clube que tem este nome não quer combate e não permitirá tas).
que se adote uma Constituição qualquer para um País, cujo
O Poder Executivo intervinha pra- ticamente sempre que o
destino é, para o Clube, a sua única razão de ser”.
desejasse nos Estados (art. 9.o), cabendo a no- meação do
2. 1. 4 Gov e rno C onsti t uci onal (1934 – 1937) interventor ao próprio pre- sidente, que se outorgava o
direito de modificar a Constituição e legislar por
O primeiro período constitucional de Vargas foi marcado pela decretos. O artigo 14.o permitia o controle sobre
polarização ideológica, reflexo da conjuntura europeia. as Forças Armadas, podendo afastar os militares que
Surgiram dois agrupamen tos políticos: Aliança Nacional representassem peri- go “aos interesses nacionais”. Pelo ar-
Libertadora (ANL), liderada por Luís Carlos Prestes, de

3
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

tigo 186.o, era declarado estado de emergência em todo o 2. 1. 6. 1 As Forç as Arm ad as e as Ins ti t ui ç õe s Ad mi -

Território Na- cional, o que tornava possível ordenar prisões, ni s t rati v as d o Es t ad o N ov o

exílio e invasão de domicílios; instituía-se a prisão perpétua


Vargas, apesar de descartar os militares “inconvenientes”,
e tornava-se legal a censura de todos os meios de
não conse- guira estabelecer um verdadeiro con- trole sobre
comunicação. O man- dato presidencial era oficial-
as Forças Armadas. Assim, a lealdade da alta oficialidade era
mente de seis anos.
bem precária, como ficou de- monstrado quando do assalto
O Poder Legislativo, que aliás nunca chegou a ser
integra- lista ao palácio presidencial, em maio de 1938 (os
eleito, podia ser dissolvido quando o Executivo bem en-
principais colaboradores militares de Vargas “perderam a
tendesse. Seria exercido pelo Parlamento Nacional, com a co-
cabeça” ao saber do atentado e de- moraram várias horas
laboração do Conselho da Economia Nacional e do pre-
para ajudar o presidente, esperavam provavel- mente
sidente da Re- pública (art.38.o). Dividia-se o Parla- encontrá-lo morto. Vargas resistira à bala, atirando lado a
mento em Câmara dos Deputa- dos, eleita por sufrágio lado com sua filha, Alzira, e outros membros de sua suíte.
indireto (eleitores: vereadores das Câmaras municipais e Escapando, assim, do atentado, seu prestígio aumentara
dez eleitores escolhidos por voto direto) para uma legisla- sensivelmente; porém, sua política militar continuaria
tura de quatro anos, praticamente sem poderes, senão o de fraca, como ficou demonstrado em 1945, quando Dutra e
discutir os gastos orçamentários do governo, e Conselho Góis depuseram o presidente.
Federal, composto por representantes dos Estados eleitos Se o Estado Novo prima pela po- breza institucional, o
para um mandato de seis anos pelas Assembleias estaduais aparelho buro- crático do Estado será intensivamente
e de dez membros nomeados pelo presidente da Repú- expandido e modernizado para aten- der às necessidades
blica. A presidência do Conselho cabia a um ministro de centralizadoras do governo. Entre os novos órgãos criados,
Estado, também designado pelo presidente da República. destacam-se o DASP e o DIP. O DASP (Departamento Admi-
nistrativo do Serviço Público), com funções
Outra inovação era o Conselho da Economia Nacional,
administrativas aparen- temente burocráticas, supervisio-
composto por representantes das associações pro- fissionais
nava as atividades dos inter- ventores em cada
ou sindicatos (influência do Corporativismo fascista). Este
Estado, além de ser um “cabide de empregos”, com um
Conse- lho constituiria uma assessoria técnica, cujas
funcionalismo público despropor- cionalmente grande. O
atribuições eram promover a organização corpo- rativa
DASP permitiu a centralização administrativa e a su-
da economia nacional, regular os contratos coletivos de
bordinação das administrações estaduais à Federal.
trabalho, verificar o desenvolvimento dos vários ramos da
economia, fundar institutos de pesquisa destinados a O DIP (Departamento de Impren- sa e Propaganda) é o

promover o desenvolvimento tecno- lógico, racionalizar a grande instru- mento ideológico do Estado Novo. Sua missão

organização e administração da indústria e agricultura, era a censura total e forjar uma “imagem popular” do

crédito e organização do trabalho. governo. A enxurrada verbal promovida pelo DIP conciliava
o bacharelismo verbal, tão caro às oligarquias, com o dilúvio
Quanto às eleições presidenciais, estabelecia o artigo 78.o:
de autofelicitações que o governo fazia. Utilizando modernos
em caso de vacância, o Conselho Federal elegeria um
meios de co- municação, o rádio, a imprensa, fil- mes e
presidente provisório entre seus membros, ou aquele
edições, conseguiria instalar uma verdadeira fobia
indicado pelo presidente da República. O mandato
anticomunista, tão cara à oligarquia e, mais tarde,
presidencial é de seis anos e o presidente seria “eleito” por
transmitiria a imagem de Vargas co- mo “Pai dos Pobres”
um complexo colégio eleitoral, salvo indicações em contrário
para o consumo das massas urbanas. Porém,
do presidente em exercício (neste caso, Vargas). No plano
evidentemente, seu campo de atuação é limitado, acabando
da Segurança Nacional, a Constituição estabelecia a pena
por concentrar-se na censura da im- prensa existente
de morte, que seria regulamentada posteriormente pelo
(confisca O Estado de S. Paulo e cria um jornal próprio, A
Decreto-Lei de 18 de maio de 1938, após a tentativa do
Noite, no Rio de Janeiro). Instituiu a emissão radiofônica A
golpe integralista. Finalmente, ficava sujeita a Cons- tituição
Hora do Brasil, destinada a louvar a ação do governo. De
a um plebiscito, a ser marcado por Vargas, que,
outro lado, temos o fortaleci- mento da polícia secreta do
evidentemente, nunca foi realizado.
Estado Novo. Comandada pelo pró-nazista Filinto Müller, a
mais detestada institui

4
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

ção da época no Brasil foi respon- sável por inúmeros trabalhadores e governo, identificado por eles a Getúlio
crimes, torturas, assassinatos e terror cultural, que Vargas. Nos primeiros anos de Estado Novo, esse sistema
construíram a celebridade mundial do Estado Novo, teria por função política predominante, portanto, a
equiparando-o aos totalitarismos europeus. Mas cabe conquis- ta e, ao mesmo tempo, o controle e a disciplina
salientar que este organismo não era de âmbito nacional, das organizações sobretudo operárias. Somente mais
talvez em razão da fraqueza da oposição. tarde, no fim do regime, ele seria utilizado para mobilizar “as
Até 1964, não existia nenhum organismo policial ou massas”, fazendo-as intervir ativamente nas lutas políticas,
informativo de âmbito nacional, então foi criado o a favor de Vargas, contra os grupos oposicionistas. A eficácia
Departamento Federal de Segurança Pública e o moderno desses recursos se explica, em parte, pela composição do
SNI (Serviço Nacional de Informação). proletariado, camada a que se incorporavam
Finalmente, a mola mestra da política getulista é o sistema constantemente novos contin- gentes de origem rural, para
de inter-ventorias. Vargas tratou de impor às oligarquias os quais a vida urbana era sinônimo de ascensão e, de modo
estaduais uma cama- da nova de burocratas (os intervento- particular, eram indi- víduos beneficiados pelos direitos
res) que permitisse executar a política de patronagem var- adquiridos com a legislação trabalhista. Não havia tempo,
guista nos Estados. As mudanças introduzidas pelos interven- nem condições políticas, para que se pudes- sem cristalizar
tores limitaram-se ao mínimo necessário para assegurar o reivindicações e tradição organizatória autônomas.
controle de Vargas. Como a maioria era tradicional, Vargas
punha em prática o rodízio dos interventores, im- pe- 2. 1. 7 Pol í ti c a Ext e rna e a Ent rad a d o Brasi l n a Se -
dindo a sedimentação destes nos Estados, mas todos g und a Gue rra M undi al
mantinham a mesma política, ditada pelo Gover- no Fede-
ral. Em cada Estado, as oligarquias políticas pré-revo-
No plano econômico, Vargas ado- tou uma política
lucionárias eram eliminadas, sendo substituídas por ou-
intervencionista, pragmática e nacionalista. Já em 1931,
tras (unidade de classe), sem nunca ameaçar o poder
diante das repercussões da crise de superprodução que
econômico das oligarquias tradicionais. De outro lado, o
abalou o mundo capitalista, mormente as economias
sistema permitiu a assimilação dos “tenentes” pelas oli-
periféricas, criou-se o Conselho Nacio- nal do Café (mais tarde
garquias locais.
denominado Departamento Nacional do Café), para
Já salientamos a importância e a função do Ministério do
defender os preços desse produto com financiamentos do
Trabalho des- de sua fundação: “revolução” da questão social
Banco do Brasil. Adotou-se a política do "equilíbrio
e enquadramento es- tatal da classe operária, destruindo
estatístico" e das "cotas de sacrifício", comprando-se parte
suas lideranças legítimas. Esta “obra” prosseguirá durante o
das safras e destruindo-a, além de se desestimularem os
Estado Novo, sendo aperfeiçoada pelo ministro Waldemar
investimentos no setor, por meio da instituição de uma taxa
Falcão, o responsável pela modificação da Legislação Tra-
sobre cada novo cafeeiro plantado. Em 1938 e no começo
balhista em 1941. Já na Constituição de 1937, encontrava-
de 1939, pressionado pelos deficit da balança de
se o fundamento institucional da nova legislação; era
pagamentos, o governo congelou a dívida externa. Com o
textualmente copiada das corporações, sindicatos de tra-
objetivo de modernizar a agricultura, foram criados os
balhadores e patrões totalmente su- bordinados ao Estado
Institutos do Açúcar e do Álcool, do Mate e do Pinho, e incre-
(peleguismo sindical) pela ação do próprio gover- no e pela
mentou-se a produção algodoeira. No setor industrial, foi
dependência econômica dos sindicatos ao Estado (por meio
adotado o modelo de "substituição de importações", em
do imposto sindical). Proibiam-se to- talmente o direito
razão das dificuldades do País em importar e,
de greve e as associações de trabalhado- res não
particularmente, da con- juntura mundial marcada pela
filiados ao sistema oficial, cujas normas mais impor-
Grande Guerra de 1939 a 1945. Assim, em 1941, foi criada,
tantes consistiam no reconhecimento de apenas um
com capital norte- americano, a Companhia Siderúrgica
sindicato para cada profissão, que poderia ser distrital,
Nacional, e iniciada a construção da Usina Siderúrgica de
municipal, estadual e interestadual; só excepcionalmente, e
Volta Redonda; em 1942, também foi criada a Com- panhia
com a autoriza- ção expressa do Ministério do Tra- balho,
Vale do Rio Doce, para a ex- tração de minério de ferro. Com
foram admitidas associações nacionais.
a invasão da Polônia, em se- tembro de 1939, eclodiu a
O caráter semiautoritário, semiconcessivo, de toda essa
Segunda Guerra Mundial. O conflito, desdo- bramento da
estrutura, vicia- va de paternalismo as relações entre

5
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

Guerra de 1914 a 1918 e das crises do capitalismo, envolveu 3) REDEMOCRATIZAÇÃO, A VOLTA DE VARGAS AO PO-
dois blocos distintos: o Eixo, formado pela Alemanha, Itália DER E O FIM DA ERA VARGAS (1946 A 1955)
e Japão, e os Aliados, que contaram com a pre- sença da
Grã-Bretanha, União Sovié- tica, Estados Unidos e outros 3. 1 M ovi m e nt os p el a Vol t a d a De m ocracia na d é -
países. Apesar das afinidades ideológicas do Estado Novo e c ad a d e 1940
das relações comerciais do Brasil com os regimes totalitários
de direita, Vargas, inicial- mente, manteve-se neutro no
Em outubro de 1943, foi divulgado o Manifesto dos
conflito mundial. Não obstante, havia homens do governo,
Mineiros, no qual políticos e intelectuais de Minas Ge- rais
como Filinto Müller, che- fe de polícia do Rio de Janeiro,
reconheciam "que o Brasil está em fase de progresso
Eurico Dutra e Góis Monteiro, ministros mi- litares, e o
material e tem sabido mobilizar muitas das suas ri- quezas
jurista Francisco Campos, abertamente favoráveis ao Eixo.
naturais, aproveitando inteli- gentemente as realizações do
No outro extremo, Osvaldo Aranha, minis- tro das Relações
pas- sado e as eventualidades favoráveis do presente. A
Exteriores, liderava a corrente favorável aos EUA. Porém, o
ilusória tranquilidade e a paz superficial que se obtêm pelo
bloqueio econômico inglês ao comércio alemão e a ofensiva
banimento das atividades cívicas e que podem parecer
político- ideológica do presidente Roosevelt na América Latina
propícias aos ne- gócios e ao comércio, ao ganho e à própria
obrigaram Vargas a definir-se pelos aliados. Foi nesse
prosperidade, não são nunca benéficas ao revigoramento
contexto que, em 1940, o Brasil nego- ciou com os EUA
dos po- vos". Assinavam o documento, entre outros, Virgílio
um empréstimo para a construção da Usina Siderúrgica
de Melo Franco, Afonso Arinos, Milton Campos, Magalhães
de Volta Redonda e per- mitiu que tropas norte-americanas
Pinto, Adauto Cardoso, Odilon Braga, Pedro Aleixo e Bilac
se instalassem no Nordeste.
Pinto, todos eles futuros líderes da UDN, após a guerra, e que
No início do ano de 1942, o Brasil rompeu relações com o
foram demitidos de seus cargos em função do manifesto. A
Eixo e firmou um acordo secreto de natureza políti- co-
estes acrescentam-se alguns elementos do existinto PD de
militar com os EUA. Nesse mesmo ano, cinco navios
São Paulo (Paulo Nogueira Filho, Júlio de Mesquita e
mercantes brasileiros foram afundados por submarinos
Waldemar Ferreira) e os políticos eliminados pelo golpe de
germânicos. Esse episódio provocou uma onda de
1937 (Lima Cavalcanti, Juracy Magalhães, Otávio
indignação por parte da população brasileira e serviu de
Mangabeira, Flores da Cunha e José Américo). O Rio de
pretexto para a declaração de guerra aos países do Eixo.
Janeiro e o Distrito Federal eram representados por Raul
Por iniciativa do governo brasileiro, apesar das res- trições
Fernandes, Prado Kelly, José Eduardo Macedo Soares e Carlos
dos ingleses e norte-americanos, Vargas resolveu enviar
Lacerda. To- dos estes também se encontrariam nas fileiras
tropas para lutar no exterior. Foi assim que surgiu a Força
da UDN após o conflito. O manifesto exigia timidamente a
Expedicionária Brasi- leira (FEB), cujo comando foi entregue
“rede- mocratização do País”. A conjuntura da guerra e o
ao general João Batista Mascarenhas de Morais. Em julho de
esgotamento da ditadu- ra do Estado Novo levaram o próprio
1944, desem- barcou na Itália o primeiro contingente da FEB.
Vargas a declarar, em novembro de 1943, que “quando
As vitórias de Monte Castelo, Castelnuovo, Montese e Zocca
terminar a guerra, em ambiente próprio de paz e ordem,
foram demonstrações do esforço de guerra dos soldados
com as garantias máximas à liberda- de de opinião,
brasileiros. Muitos des- ses combatentes eram homens
reajustaremos a estrutu- ra política da Nação, fazendo de
humildes, recrutados nas favelas e que se portaram com
forma ampla e segura as necessárias con- sultas ao povo
bravura, reconhecida pelos próprios inimigos. No Monu-
brasileiro”.
mento aos Mortos da Segunda Guer- ra Mundial, construído
Em janeiro de 1945, o I Congresso Brasileiro de
no Aterro da Glória no Rio de Janeiro, estão as cin- zas de
Escritores manifestou-se abertamente favorável ao resta-
454 soldados brasileiros que tombaram no campo de
belecimento do Estado de Direito e as declarações do escritor
batalha, lutando contra o nazifascismo. A participação oficial
e ex-ministro José Américo de Almeida, publicadas no
do Brasil na Segunda Guerra Mundial, ao lado dos aliados,
Correio da Manhã, alcançaram grande repercussão.
contra o Eixo nazifas- cista, criou no seio das Forças Arma-
O próprio Vargas foi obrigado a reconhecer a nova
das uma contradição que abalou os alicerces da ditadura do
realidade por meio de uma série de medidas redemocra-
Estado Novo, abrindo perspectiva para a rede- mocratização
tizantes: compromisso de realizar eleições gerais em 2 de
do País.
dezembro de 1945, fim da censura à imprensa, libertação

6
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

dos presos políticos e uma Lei Orgânica dos Partidos que polícia do Distrito Federal, os militares, pressionados pelas
permitia a formação de agremiações político-partidárias. oposi- ções antigetulistas e preocupados com a natureza
popular do movi- mento queremista, depuseram o ditador
A União Democrática Nacional (UDN) reunia antigos
em 29 de outubro de 1945. Com a queda de Vargas, o Poder
jornalistas liberais, como Assis Chateubriand (pro- prietário
Executivo passou a ser exercido por José Linhares,
de uma cadeia de jornais), Júlio de Mesquita Filho (de O
presidente do Supremo Tribu- nal Federal. A eleição
Estado de S. Paulo) e Paulo Bittencourt (do Correio da
presidencial deu a vitória ao candidato do PSD, general
Manhã), elementos da bur- guesia comercial contrários ao
Eurico Gaspar Dutra, o qual contou com o apoio ostensivo do
inter vencionismo estatal e ao nacionalis- mo populista de
PTB getulista. Os comunistas acabaram lançando um
Vargas, as camadas médias urbanas prejudicadas pela volta
candidato próprio, que obteve escassa votação. O processo
da inflação, enfim, todos aque- les que se opunham à
de redemocratização iria completar- se em setembro de
ditadura getulista e ao estatismo do modelo econômico do
1946, quando os deputados e senadores constituintes,
Estado Novo. O Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), criado
eleitos igualmente em dezembro de 1945, promulgaram a
sob inspiração do traba- lhismo peleguista de Vargas, mobilizou
nova Constituição brasileira.
a burocracia sindical para estabelecer um vínculo com as
camadas populares urbanas que conservavam a imagem de
3. 2 Gove rno D ut ra (1946 – 1951)
Getúlio como o “Pai dos Pobres”. Destarte, o PTB adquiriu
uma feição declaradamente populista.
Em 18 de setembro de 1946, um Congresso Constituinte
O Partido Social Democrático (PSD) era outra agremiação
promulgou a quarta Constituição republicana, quinta do
de base governista, mas possuía um caráter mais
Brasil, apresentando as se- guintes características:
conservador que o PTB. Integra- vam-no os interventores
federação, re- gime representativo, presidencialis- mo,
nomeados por Getúlio para atuar nos Estados, as oligarquias
fortalecimento da União, presi- dente eleito por cinco anos,
e os banqueiros – todos beneficiados pelo Estado construído
três sena- dores por Estado, voto universal obrigatório para
durante a ditadura. O Partido Comunista Brasileiro (PCB) fora
maiores de 18 anos (exceto analfabetos, soldados, cabos e
fundado em 1922, em meio à conjuntura de crise da
índios), criação do Tribunal Federal de Recursos. O capítulo
República Velha e de expansão do comunismo soviético.
social asse- gurou uma série de benefícios traba- lhistas,
Legalizado em 1945, defendia a tese da ditadura do
garantidos pela Carta de 1934, e o direito à participação dos
proletariado e utilizava como estratégia política a aliança
trabalhadores nos lucros das empre- sas. Esse direito ficou
com as "forças progressistas", isto é, com outras correntes
letra morta porque não foi regulamentado por lei ordinária.
de esquerda. Seu líder máximo era Luís Carlos Prestes, preso
A organização sindical de natureza pelega foi conservada,
desde 1936 (em consequência da fracassada Intentona
man- tendo-se a unicidade e o imposto sindical. O direito de
Comunista de 1935) e que fora libertado quando da anistia
greve foi reco- nhecido, mas prevaleceu o Decreto
concedida aos presos políticos por Getúlio. Outros partidos
presidencial que proibia as greves em "atividades essenciais,"
políticos organizaram-se nessa época. Um deles era o Partido
impedindo, na prática, as greves no Brasil. A vitória eleitoral
de Representação Popular (PRP), que reunia antigos in-
do general Eurico Gaspar Dutra colaborou para a execução
tegralistas sob a direção de Plínio Salgado. Esse
de uma política conserva- dora. Em seu governo, procurou
pluripartidarismo refletia a heterogeneidade da própria
unir os partidos de centro e formar “uma muralha ao perigo
sociedade brasileira e os interesses de classe de um País
vermelho”, rom- pendo relações com a URSS, dei- xando o
ainda agrário, mas que caminhava para a consolida- ção do
Partido Comunista na ilegalidade e cassando seus
capitalismo industrial e urbano. Em meio à campanha
representan- tes nas Câmaras Legislativas. Exter- namente,
eleitoral para a Presidência da República, já apresentadas as
Dutra consolidou a aliança com os EUA. Durante a visita do
candidaturas do general Eurico Dutra pelo PSD, do
presidente norte-americano ao Brasil, Harry Truman, foi
brigadeiro Eduardo Gomes pela UDN e de Plínio Salgado pelo
assinado o Tratado de Assistência Recíproca e criada a
PRP, surgiu o “queremismo”. Organizado pelos trabalhistas
Comissão Mista Brasil-EUA. Com ex- ceção das perseguições
com o slogan “Queremos Getúlio”, esse movimento contou
aos comu- nistas, o quinquênio presidencial do general Dutra
com o surpreendente apoio dos comunis- tas, cuja palavra
transcorreu num clima de relativa paz política, com o
de ordem era ligeira- mente diferente (“Constituinte com
aparecimento de partidos e o retorno do País à normalidade
Getúlio”). Quando Vargas, aparente- mente alimentando
administrativa. Inicialmente, Dutra adotou uma política
intenções conti- nuístas, nomeou seu próprio irmão chefe de

7
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

econômica liberal, não inter- vencionista, aproveitando-se da derivados do petróleo, que continuariam em mãos de
esta- bilidade gerada pela Segunda Guerra Mundial. No início particulares. A proposta provocou uma campanha acirrada
de seu mandato, a pauta de importação elevou-se extra- que dividiu as opiniões entre intelectuais, militares, homens
ordinariamente: importação de bens supérfluos e de de negócio e políticos, até que o substitutivo da UDN foi, fi-
materiais de re- posição à maquinaria desgastada (a nalmente, transformado em lei e sancionado por Getúlio em
importação estivera bloqueada em razão da Segunda Guerra 3 de outubro de 1953. A maioria da população era favorável
Mundial). Ao mesmo tempo, a elevação dos preços à criação dessa estatal, mas o tom agressivo dos que
internacionais do café e das matérias-primas resultou em lideravam a campanha (“o petróleo é nosso”) dava a
vultoso saldo na balança comercial, reequili- brando nossas impressão de uma cruzada apaixonada para assegurar a
contas externas. En- tretanto, a liberação das importações, emancipação do Brasil de sua condição de país periférico. O
em pouco tempo, consumiu nossas reservas cambiais. A Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDE) e o
volta da inflação e o deficit da balança de pagamentos projeto de criação da Eletrobras também fazem parte da
obrigaram o governo a mudar sua po- lítica econômica. As política nacionalista, indus- trialista e estatizante do novo
importações de bens de consumo foram limitadas e as governo de Getúlio. Embora Vargas tivesse o apoio político
licenças de importação prati- camente se restringiram a do PTB e do PSD; dos mili- tares nacionalistas; de
equipa- mentos, combustíveis e maquinaria, estimulando a segmentos da burguesia e da elite agrária; dos sin- dicatos
industrialização. Entre 1948 e 1950, o Produto Interno Bruto e de parte das massas urba- nas, seu governo sofreu forte
(PIB) cresceu em média 8% ao ano. No contexto dessa nova oposição. No meio político, o foco da oposição era a UDN.
política econômica, surgiu o Plano SALTE (Saúde, Para esse partido, "a indústria e a agricultura deveriam
Alimentação, Transporte e Energia), cuja finalidade era desenvolver-se livremente, de acordo com as forças do
coorde- nar os gastos públicos e eliminar pon- tos de mercado, além de valorizar o capital estran- geiro,
estrangulamento da economia. A pavimentação da Rodovia atribuindo-lhe o papel de suprir as dificuldades naturais do
Rio-São Paulo (Presidente Dutra); a abertura da Rodovia Rio- País. Quanto à política externa, o partido, ao lado das
Bahia e a instalação da Companhia Hidroelétrica do São correntes das Forças Armadas, era o maior defensor do
Francisco (exploração da Cachoeira de Paulo Afonso) foram alinhamento com o bloco ocidental, liderado na Guerra Fria
resultados po- sitivos desse Plano. A sucessão de Dutra pelos Estados Unidos” (Francisco Carpi). Na impren- sa, as
começou a ser articulada antes de o presidente completar críticas e acusações a Getúlio foram nucleadas pelo político
metade de seu mandato. Enquanto a UDN preparava a candi- ude- nista e proprietário do jornal Tribuna da Imprensa,
datura do brigadeiro Eduardo Gomes, Getúlio Vargas, com o Carlos Lacerda.
apoio do PTB, do PSP e da máquina do PSD, cujo candidato O Estado populista, criado por Vargas, tinha o apoio das
oficial foi "cristianizado", ou seja, abandonado pelo partido, massas ur- banas e do sindicalismo pelego. Po- rém, o
conven- ceu o eleitorado a elegê-lo presidente, retomando o crescimento da inflação anual, que passou de 11,9% em
discurso nacionalista, paternalista e industrialista que o 1951 para 20,8% em 1953, deteriorando o salá- rio, gerou
manteve no poder entre 1930 e 1945. uma onda de greves em todo o País. Para neutralizar o
movimento grevista e manter a imagem de "Pai dos Pobres",
3. 3 Gove rno Varg as (1951 – 1954) Getúlio nomeou João Goulart (Jango) para o Ministério do
Trabalho e este propôs um aumento de 100% para o salário-
De volta ao Palácio do Catete, Vargas adotou "uma fórmula mínimo. A reação conservadora foi imediata e o governo
nova e mais agressiva de nacionalismo eco- nômico, tanto acusado de querer implantar uma “ditadura sindicalista”, a
aos aspectos internos quanto aos externos dos problemas exemplo do peronismo argentino. O Manifesto dos Coronéis
brasileiros. No campo interno, sublinhava a necessidade de e as pressões políticas obri- garam Getúlio a reformular, mais
empresas públicas como instrumento básico de uma vez, o seu ministério. Contudo, a crise político-
investimento" (Thomas Skidmore). Em dezembro de 1951, o institucional não foi superada. As oposições, reunindo
presidente enviou ao Congresso Nacional um projeto de lei elementos das Forças Armadas e da UDN, fun- daram a
para a criação de uma empresa petrolífera de capital misto “Cruzada Democrática” com o objetivo de derrubar o
(Petróleo Brasileiro S.A. – Petrobras) para monopolizar a presidente. Todos os partidos designaram membros para
prospecção de petróleo e o controle das refinarias, fazer parte da Comis- são Parlamentar de Inquérito que, a
ressalvadas as refinarias já existentes e a distribuição dos pedido de Wainer, iria averiguar as irregularidades do jornal

8
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

Última Hora. A presidência da Comissão coube ao deputado fracassou, mas uma bala matou seu acompanhante, o major
Castilho Cabral do PSP (de Ademar), a UDN indicou os da Aeronáutica Rubens Vaz. Este fato desestabi- lizou comple-
deputa- dos Aliomar Baleeiro e Guilherme Ma- chado, e o tamente o governo, aumentando as pressões para que o pre-
PSD/PTB, os deputados Ulisses Guimarães e Frota Aguiar. O sidente renunciasse. Vargas perdeu o apoio das Forças Arma-
clima era de intriga e traição. “Essa comissão acabaria por das. Um manifesto à nação, assinado por 27 generais do Exér-
se transformar num tribunal inquisitorial não apenas contra cito, exigiu sua renúncia. Fortemente de-primido e sob pres-
Wainer, mas contra o próprio Getúlio (...) [passando a ser sões generaliza- das, Getúlio Dornelles Vargas suicidou-se,
contro- lada pela UDN de Carlos Lacerda], pois tanto o seu nos seus aposentos do Palácio do Catete, com um tiro no co-
presidente, Castilho Cabral, como o representante do PTB, ração. Este ato teve um profundo significado político, sinali-
Frota Aguiar, haviam-se bandeado para o lado da UDN (...) zando a crise do Estado populista no Brasil.
e (...) Ulisses Guimarães [PSD] se desinteressara
completamente do assunto. (...) À margem da Comissão 3. 4 Gov e rno C afé Fi l ho (1954 – 1955)
(...), Carlos Lacerda criara sua própria máquina de
difamação, calúnias, insultos e acusações (...). Lacerda Em 1955, no governo de Café Filho, realizou-se a eleição
realizou uma campanha de mobilização que supe- rava presidencial. Venceu a coligação PSD-PTB, partidos
mesmo as (...) de seu mestre (...), o Senador MacCarthy [dos representados, respectivamente, por Juscelino Kubitschek
EUA]. (...) [No próprio Palácio do Catete], um aliado secreto (ex-governador mineiro), como candidato à Presidência da
de Lacerda, nada menos do que Lourival Fontes, Chefe da República, e por João Goulart (ex-ministro do Trabalho de
Casa Civil de Vargas, antigo diretor do DIP na ditadura, Getúlio Vargas e seu herdeiro político) para a Vice-
alimentava o crescente alarmismo (...). A CPI tra- balhava Presidência. A UDN lançara como candidato o general Juarez
a todo o vapor para o impeachment de Getúlio Vargas.” Távora, que recebeu 30% dos votos. Ademar de Barros, pelo
(Hélio Silva). Uma das principais acusações feitas a Wainer PSP, e Plínio Salgado, pelo PRP, receberam, respectivamente,
referia-se às “facilidades” de crédito para o Última Hora, 26% e 8% dos vo- tos totais. No início de novembro de
obtido em estabele- cimentos oficiais, como o Banco do 1955, um incidente militar de natureza disciplinar pôs em
Brasil. Essa acusação ganhou desta- que nos principais divergência o presidente e seu ministro da Guerra, general
jornais, que, não obstante, também eram devedores do Henrique Teixeira Lott. Quan- do Café Filho, por motivos de
Banco do Brasil. Segundo afirma Hélio Silva, O Globo, por saúde, afastou-se temporariamente da Presi- dência da
exemplo, havia levantado no Banco do Brasil mais de 1 República, assumiu o cargo o presidente da Câmara dos
milhão de dólares, entre 1950 e 1952, e os Diários Deputados, Carlos Luz. Este tentou substituir o general Lott,
Associados, de Assis Chateaubriand, deviam, em 1953, 162 que reagiu chefiando um imediato movimento militar para a
milhões de cruzeiros ao mesmo banco. Mas nada disso foi deposição do presidente interino (Carlos Luz), na madrugada
levado em conta e o Última Hora foi acusado de ter do dia 11. Apoiado na Marinha e na Aeronáutica, Carlos Luz
conseguido ilicita- mente um financiamento de 250 milhões deixou o Rio de Janeiro a bordo do cruzador "Tamandaré".
de cruzeiros. Por ter se recusado a dar os nomes de seus Mas o Congresso Nacional declarou-o impedido de continuar
financiadores (um deles era o conde Francisco Matarazzo), na chefia do Estado e entregou o exercício da Presidência da
Wainer acabou passando dez dias na cadeia, por “desacato República ao segundo substituto legal de Café Filho: o vice-
ao Congresso”. Chamado a depor na CPI, Matarazzo afirmou presidente do Senado, Nereu Ramos. Observação: De
que financiara Wainer: “Era dinheiro meu, e eu não tenho acordo com a Constituição de 1946, o Senado era presidido
que dar sa- tisfação disso a ninguém”. E pergun- tou a um pelo vice-presidente da República – no caso, Café Filho.
dos inquisidores: “O senhor conhece, por acaso, algum dono Quando este assumiu a Presidência da República, em
de jornal do Brasil que seja pobre?” Apesar do escândalo e consequência da morte de Getúlio Vargas, a chefia daquela
das intrigas, nada de palpável foi obtido pela CPI que casa do Congresso passou para o vice-pre- sidente desta,
pretendia incriminar Wainer e derrubar o governo. senador Nereu Ramos. Em 21 do mesmo mês, Café Filho quis
reassumir seu cargo, mas foi obstado por forças do
O episódio da Rua Toneleros, no dia 5 de agosto de Exército. Pres- sionado pelos militares, o Congresso
1954, o pistoleiro Alcino do Nascimento, a mando de Gregório declarou o impedimento também do presidente da
Fortunato, chefe da guarda presidencial, atirou no jornalista República. Finalmente, em 31 de janeiro de 1956, Nereu Ra-
Carlos Lacerda, considerado o pivô das oposições. O atentado mos transmitiu o governo para Juscelino Kubitschek.

9
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO: REVOLUÇÃO DE 1930, ERA VARGAS E D. O terceiro quadrinho indica o golpe que deu origem ao
REDEMOCRATIZAÇÃO. Estado Novo e à implantação de um governo ditatorial.
E. O segundo quadrinho mostra a aliança de Vargas com as
oligarquias paulistas, base de todo o seu governo.
1. Em relação à participação do Brasil na 2.ª Guerra
Mundial, é correto afirmar que o país:
3. Sufocadas as oposições, estava instalada a dita-
A. manteve neutralidade política, não participando do dura. Consolidava-se um processo já esboçado
conflito. desde o início do governo de Vargas, rumo ao au-
B. enviou apenas um corpo médico para o conflito, e não toritarismo político e à concentração do poder nas
soldados. mãos do Estado. A partir daí, este procurou agir di-
retamente em todos os setores da vida do país: da
C. lutou ao lado dos Aliados: Inglaterra, França, Estados
economia à educação, da saúde à regulamentação
Unidos e União Soviética.
do trabalho, das comunicações aos esportes. (So-
D. lutou ao lado do Eixo: Itália, Alemanha e Japão.
nia de Deus Rodrigues Bercito. Nos tempos de Ge-
E. participou do conflito, do início ao fim da guerra (1939- túlio: da revolução de 30 ao fim do Estado Novo)
1945).

O fragmento faz referência ao Estado Novo (1937-1945). So-


bre esse regime, é correto afirmar que:

A. institucionalizou a plena liberdade sindical para os traba-


lhadores urbanos ligados à indústria e incorporou os sin-
dicatos rurais à estrutura do Ministério da Justiça.

B. orientou uma política econômica incentivadora das ativi-


dades industriais, o que pode ser exemplificado pela ins-
talação da Companhia Siderúrgica Nacional.

C. outorgou a Constituição liberal de 1937, que estabeleceu


um amplo respeito às liberdades individuais e ao direito
de greve dos trabalhadores sindicalizados.

D. reorganizou a estrutura fundiária, com uma ampla distri-


buição de pequenas propriedades rurais e com a exten-
são das leis trabalhistas para os camponeses.

(Belmonte - http://www.arquivoestado.sp.gov.br/exposi-
cao_charges. Acesso em 18.03.2014. Adaptado) E. promoveu uma radical reorientação na exploração das ri-
quezas nacionais, pois privilegiou o setor agroexportador
2. Considerando as datas, os trajes e as falas da per-
sonagem, assinale a alternativa que melhor explica os em detrimento da produção industrial.
diferentes discursos de Vargas.
4. Um dos aspectos mais coerentes do governo
A. O primeiro e o terceiro quadrinhos expressam a submis- Vargas foi a política trabalhista. Entre 1930 e 1945, ela
são de Vargas aos representantes das Forças Armadas. passou por várias fases, mas desde logo se apresentou
B. O primeiro quadrinho expressa a influência da revolução
como inovadora com relação ao período anterior. (Bo-
comunista ocorrida em Cuba sobre a política brasileira.
ris Fausto, História do Brasil) A política trabalhista de
C. As mudanças ocorridas do primeiro quadrinho para o se-
Getúlio Vargas teve por objetivos:
gundo, e deste para o terceiro, expressam a indecisão
política de Vargas.

10
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

A. facilitar a negociação direta entre empregados e pa- de sua colaboração”.A sua formação se ajustou à nova
trões, sem a participação do Estado, e ampliar o nú- orientação dada ao PCB que vinha da Internacional
mero de trabalhadores sindicalizados. Comunista (I.C.), organização que em Moscou
B. reprimir os esforços organizatórios da classe traba- determinava a linha do movimento comunista. (Boris
lhadora urbana fora do controle do Estado e atraí- Fausto, História do Brasil. Adaptado) O fragmento faz
la para o apoio difuso ao governo. referência a uma associação política brasileira
C. diminuir a repressão ao movimento operário e ga- fundada em 1935. Trata-se
rantir maior autonomia e liberdade aos trabalhado-
res organizados nos sindicatos.
A. da Aliança Liberal.
D. estender os direitos trabalhistas ao campo e facilitar
a compra da casa própria pelos trabalhadores com B. das Ligas Camponesas.

a criação do FGTS. C. do Clube Tenentista 3 de Outubro.


E. respeitar o direito à greve e à manifestação dos tra-
D. da Aliança Nacional Libertadora.
balhadores e negociar a legislação trabalhista com
E. da Coluna Prestes.
as lideranças de esquerda.

5. Um novo tipo de Estado brasileiro nasceu após 7. No Brasil, surgiram algumas pequenas
1930, distinguindo-se não apenas pela centralização e organizações fascistas na década de 1920. Um
pelo maior grau de autonomia como também por ou- movimento expressivo nasceu nos anos 30,
tros elementos. Devemos acentuar pelo menos três quando em outubro de 1932, logo após a
dentre eles: 1. a atuação econômica, voltada gradati- Revolução Constitucionalista, Plínio Salgado e
vamente para os objetivos de promover a industriali- outros intelectuais fundaram em São Paulo a Ação
zação; 2. a atuação social, tendente a dar algum tipo Integralista Brasileira (AIB). (Boris Fausto,
de proteção aos trabalhadores urbanos; 3. o papel História do Brasil)
central atribuído às Forças Armadas – em especial o
Exército – como suporte da criação de uma indústria
A. A Ação Integralista Brasileira (AIB) definia-se como
de base e sobretudo como fator de garantia da ordem
nacionalista, combatia o capitalismo financeiro, defendia
interna. (Boris Fausto, História do Brasil. Adaptado)
o controle do Estado sobre a economia e tinha como
As características assumidas pelo “novo tipo de Es-
lema “Deus, Pátria e Família”.
tado” a que se refere o texto distinguiam-se do modelo
anterior existente no Brasil, conhecido tradicional- B. inspirava-se na tese de Gilberto Freyre, que considerava
mente como Estado a sociedade indígena um modelo de civilização e
defendia a criação de uma educação voltada para o

A. Reformista. trabalho.
B. Oligárquico. C. apoiava radical reforma na estrutura educacional do
C. Integralista. Brasil e foi a principal criadora do movimento da Escola
D. Totalitário. Nova.
E. Tenentista.
D. era próxima aos liberais franceses, apoiava a autogestão
nos espaços de trabalho e defendia a ampliação do
6. O programa básico tinha conteúdo
cooperativismo no campo.
nacionalista, sendo curioso observar que nenhum de
seus cinco itens tratava especificamente dos E. amparava-se nas ideologias apoiadoras do Estado do

problemas operários. Eram eles a suspensão bem-estar social, criticava o conservadorismo da Igreja

definitiva do pagamento da dívida externa; a Católica e se contrapunha às políticas eugenistas.

nacionalização das empresas estrangeiras; a reforma


agrária; a garantia das liberdades populares; e a
constituição de um governo popular, do qual poderia
participar “qualquer pessoa na medida da eficiência

11
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

8. A Revolução de 1930 promoveu transformações 10. Durante o Estado Novo (1937-1945), o


significativas na história do Brasil. Sobre a presidente Getúlio Vargas
Revolução de 1930, pode-se afirmar corretamente A. realizou a reforma agrária e promulgou uma Constituição
que: democrática.
A. resultou de disputas por terras entre camponeses e B. estendeu os direitos trabalhistas ao campo e promoveu
pecuaristas no nordeste brasileiro. o nacionalismo.
B. propiciou o restabelecimento de relações diplomáticas C. acabou com a censura e concedeu ampla autonomia aos
com os Estados Unidos da América. estados.
C. representou os grupos sociais interessados em elaborar D. incentivou a indústria de base e controlou os sindicatos
uma nova Constituição. operários.
D. originou o período da história brasileira conhecido como E. aderiu aos Aliados na Segunda Guerra e estabeleceu o
a Era Vargas. bipartidarismo
E. foi financiada com recursos oriundos da economia da 11. Analise a imagem, reflita sobre o conteúdo da
cana-de-açúcar. faixa carregada pelos trabalhadores e assinale a
alternativa que completa corretamente o

9. No dia 30 de setembro de 1937, os jornais enunciado da questão.

anunciaram a descoberta, pelo Estado-Maior do


Exército, de um plano de insurreição comunista
atribuído ao Comintern e assinado por um nome
judaico: “Cohen”. Dia 10 de novembro de 1937: o
exército cerca o Palácio Monroe, no Rio, onde
funciona o Senado. Com o apoio das armas, Getúlio
fecha o Congresso e extingue os partidos políticos.
(Brasil: Nosso Século. Vol. 5, 1930/1945.
Adaptado). Os eventos descritos no texto estão
ligados O Estado Novo, implantado por Getúlio Vargas em
1937, promoveu mudanças na política e na sociedade
A. à repressão desencadeada pelas tropas getulistas
brasileira. uma dessas mudanças foi a
contra a tentativa de golpe realizada pelos
comunistas da Ação Integralista Brasileira. A. diminuição do intervencionismo do Estado para facilitar
o processo de industrialização e a ampliação dos
B. à estratégia utilizada por Getúlio Vargas e seus
mercados de trabalho e de consumo.
assessores para justificar a implantação do regime
ditatorial do Estado Novo. B. promulgação de reformas na legislação das empresas
que reduziam os encargos trabalhistas com o objetivo de
C. ao golpe militar que depôs o presidente eleito,
ampliar a oferta de empregos.
Washington Luiz, permitindo que Getúlio Vargas
assumisse o governo do Brasil. C. proibição de instalação de empresas estrangeiras no país
para incentivar e proteger a indústria nacional e os
D. aos esforços do então presidente Vargas para resistir
trabalhadores brasileiros.
às pressões do Congresso Nacional, que exigia sua
renúncia ao cargo. D. priorização das indústrias como setor principal da
economia, o que beneficiou os trabalhadores urbanos em
E. à resposta do governo Vargas frente à Revolução
detrimento dos camponeses.
Constitucionalista, em que tropas paulistas se
levantaram contra o governo federal. E. unificação da legislação trabalhista (CLT) que garantia
alguns direitos, como a instituição do salário- mínimo,
para os trabalhadores brasileiros.

12
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

4) GOVERNOS: KUBITSCHEK, QUADROS E GOU- sobre os mais importantes ramos industriais atingiu altas
LART (1956 – 1964) proporções, com tendência de crescimento (na indústria
automobilística, de cigar- ros e de eletricidade, variava de 80
a 90%). Tal esquema tendia a compro- meter o equilíbrio
Com a posse de Juscelino – que manteve o poderoso general
externo da econo- mia nacional, uma vez que as remes- sas
Lott à frente do Ministério da Guerra –, iniciou-se uma das
de recursos para o exterior (lucros, royalties etc.), por meio
fases mais importantes da história econômica do Brasil. Os
das empresas estrangeiras instaladas no País, em breve
anos de 1956 a 1960 assistiram a amplas transformações
superariam os valores aqui in- troduzidos pelo investimento
na economia do País. A política econômica governamental
original. Juscelino tentou financiar seus projetos com
desse período foi sistematizada no Plano de Metas. E sua
empréstimos do Fundo Monetário Internacional (FMI), mas
execução, segundo uma análise de Carlos Lessa, provocou
recusou-se a aceitar a supervisão da- quela entidade sobre
uma “trans- formação qualitativa” na economia brasileira.
os investimentos governamentais; em conseqência, acabou
Além disso, o Plano de Metas constitui provavelmente a mais
rompendo com o FMI e precisou subsidiar suas realizações
ampla ação orientada pelo Estado, na América Latina, com
com uma política francamente emis- sionista. Essa decisão
vistas à implantação de uma estrutura industrial integrada.
redundou na alta da inflação e no crescimento da
A construção de Brasília – nova capital do País,
insatisfação popular, a qual se refletiu na intensificação do
prevista desde a Constituição de 1891 – converteu-se em
movimento sindical e estudantil, bem como no início da
símbolo do "desenvolvimento juscelinista". A obra foi
agitação camponesa. E, como resultado dessa conjuntura,
confiada ao famoso arquiteto Oscar Niemeyer e ao urbanista
para suceder a JK foi eleito um candidato de oposição – pela
Lúcio Costa e sua inauguração ocorreu em 21 de abril de
primeira vez em nossa história republicana.
1960. Outra grande realização, ainda que com resultados
menos espetaculares, foi a Superintendência do De- 4. 1 Gove rno s Jâni o Quadros e João Goul art
senvolvimento do Nordeste (Sudene). De seu slogan
"cinquenta anos de progresso em cinco de governo", Eleito por uma esmagadora votação popular, Jânio Quadros
Juscelino foi bem-sucedido ao menos no que se refere à assumiu o governo em janeiro de 1961, em meio a uma
produção industrial, a qual se expandiu amplamente (cerca violenta crise financeira herdada por JK. Em face da
de 80% entre 1955 e 1961) e –o que é mais importante – situação, adotou uma política anti-inflacionária, restringindo
o crédito, congelando salários, incentivando as exportações
com predominância da produção de bens de capital
e reduzindo a remessa de lucros. Simultaneamente, tentou
(siderurgia, indústria mecânica, de material de transporte
implantar uma política externa independente, aproximando-
etc.). O governo Kubitschek adotou uma política econômica se do bloco socialista e chegando mesmo a condecorar com
que con- solidou e expandiu o "capitalismo associado" (ou a Ordem do Cruzeiro do Sul o revolucionário marxista Ernesto
"dependente") brasileiro. Durante a era getuliana, teria “Che” Guevara, além de restabelecer relações diplomáticas
havido uma política destinada a criar um sistema capitalista com a União Soviética. Em 24 de agosto de 1961,

nacional; com Juscelino, o governo optou pelo desenvol- pressionado externa e internamente por setores que
condenavam sua orientação política e suas medidas antipo-
vimento econômico dependente do capital internacional –
pulares, Jânio Quadros renunciou à Presidência da República.
dentro da ten- dência pendular que tem caracteri- zado a
Nos termos da Constituição, seu sucessor legal seria o vice-
história econômica recente no Brasil. Assim, as realizações presidente João Goulart, que fora reeleito para aquele cargo.
jusceli- nistas produziram "um amplo e profundo surto de
internacionalização da eco- nomia brasileira" – ou seja, uma A renúncia de Jânio gerou uma grave crise político-militar.
De um la- do, agrupavam-se os elementos con- trários à
mudança qualitativa. O apoio financeiro estrangeiro para
posse do vice-presidente João Goulart, tendo à frente os
tais empreendimentos foi obtido com a Instrução n.o 113 da ministros militares e Carlos Lacerda; do outro, os
SUMOC (Superintendência da Moeda e do Crédito), baixada “legalistas”, destacando-se o governador do Rio Grande do
pelo governo Café Filho. De acordo com essa norma, bens de Sul, Leonel Brizola (cunhado de Goulart), e o general
Machado Lopes, comandante do III Exército, com sede em
capital (máquinas e equipamentos) estrangeiros seriam
Porto Alegre. A solução do impasse político foi encontrada
admitidos no País como se fossem capital financeiro, o que
com a promul- gação de um Ato Adicional à Constituição de
facilitaria a remessa de lucros para suas matrizes. Essas
1946, pelo qual foi insti- tuído o sistema parlamentarista.
condições extremamente favoráveis atraíram as grandes Dessa forma, João Goulart (conhecido pelo apelido de
empresas internacionais. Em conseqência, o con- trole externo “Jango”) assumiria a Presidência da República, mas sem

13
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

os poderes da chefia de governo, que seria exercida por um 03.08.1961.) No momento dessa declaração, a
primeiro-ministro. Mais tarde, apoiado por grupos políticos reforma agrária no Brasil:
e pelos movimentos sindical e estudantil, o presidente
a. estava na ordem do dia, daí a posição do presidente
Goulart conseguiu res- taurar o presidencialismo (ou “refe-
em seu favor.
rendo”), realizado em 6 de janeiro de 1963. Logo após o
b. aparecia como uma questão ultrapassada, como
plebiscito, Goulart propôs suas famosas reformas de base
demonstra a posição da presidência.
(reforma agrária, administrativa, bancária e fiscal),
c. era algo restrito apenas à região nordestina, onde
provocando gran- de inquietação nos grupos de direita.
agiam as Ligas Camponesas.
Estes mostravam-se igualmente teme- rosos com relação à
d. há muito que era defendida pela maioria do
crescente agita- ção sindical e estudantil, cuja influência já
Congresso, mas não pelo Executivo.
se fazia sentir entre os camponeses e o pessoal subalterno
e. jazia adormecida e, por razões demagógicas, foi
das Forças Armadas. Por esse motivo, líderes militares e
despertada pelo presidente.
civis organizaram uma frente única que derrubou Goulart
em 31 de março de 1964.
3. "Fui vencido pela reação e assim deixo o governo.
Nestes sete meses cumpri o meu dever [...] Forças
EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO: KUBITSCHEK A GOULART terríveis se levantaram contra mim e me intrigaram
ou inflamam, até com a desculpa da colaboração [...]
Assim não falta a coragem da renúncia [...] Retorno
agora ao meu trabalho de advogado e professor [...]."
1. Em um de seus discursos, o presidente Juscelino Fragmento da Carta Renúncia de Jânio da Silva
Kubitschek afirmou: "O puro, o nobre e inteligente Quadros - Manifesto à Nação. Brasília, 25 de agosto
nacionalismo não se confunde com xenofobia. Da de 1961.Apud. Ivan Alves Filho. "Brasil, 500 anos em
mesma maneira que a independência política de documentos". Rio de Janeiro: Mauad, 1999, p. 535. A
uma nação não significa animosidade contra os renúncia do presidente Jânio Quadros provocou no
estrangeiros, nem a recusa aos intercâmbios Brasil uma crise institucional que culmina com a:
econômicos ou relações financeiras com os países
mais ricos ou mais favorecidos em valores A. ascensão ao poder do vice-presidente e a implantação
econômicos". (In: CARDOSO, Miriam Limoeiro.
do sistema parlamentarista de governo.
"Ideologia do Desenvolvimento". Rio de Janeiro:
Paz e Terra, 1977. p. 158.) Com base no texto e nos B. ação golpista desencadeada pelo alto comando militar
conhecimentos sobre o período JK, é correto para impedir a posse do vice-presidente.
afirmar:
C. convocação extraordinária do Congresso com a
finalidade de emendar a carta constitucional.
A. O discurso nacionalista sob a ótica desenvolvimentista
D. mobilização imediata da sociedade civil, para exigir o
de JK possuía conteúdo semelhante àquele estabelecido
cumprimento das normas constitucionais.
na Era Vargas: ambos minimizaram a importância do
E. desencadeou-se o golpe de 1964, instalando no país a
capital externo.
ditadura militar, a qual perdurou até 1985, com a posse
B. A ideologia do "desenvolvimentismo" no período JK
de José Sarney.
assumiu a entrada de capitais estrangeiros no país como
um recurso legítimo que expressava o verdadeiro
4. "(...) procurou implementar o Plano Trienal e
patriotismo.
reduzir as desigualdades regionais. Elaborado (...)
C. O "desenvolvimentismo" do período JK objetivou a pelo economista Celso Furtado, o plano pretendia
consolidação da vocação agrícola da economia brasileira, deter a inflação sem diminuir o crescimento
promovendo a "Marcha para Oeste", política que econômico. Para tal projeto, além de gastos públicos
e das contenções temporárias de salários, previa-se
alavancou a agricultura de exportação. a adoção de reformas de base (estruturas agrária,
D. Para a indústria brasileira, que passava por uma fase de tributária, administrativa, bancária, eleitoral e
retração, o"desenvolvimentismo" de JK foi pernicioso, educacional) que pudessem dinamizar a economia
nacional. (Flavio de Campos, "Oficina de História -
pois propunha um nacionalismo xenófobo. História do Brasil") O fragmento faz referência ao
E. O "Plano de Metas", programa de governo do então governo de:
candidato JK, colocado em prática logo após sua eleição,
visava primordialmente ao desenvolvimento da A. João Goulart.
agricultura de exportação, instituindo, para esse fim, o B. Getúlio Vargas.
"confisco cambial". C. Juscelino Kubitsckek.
D. Jânio Quadros.
2. Proclamo aquilo que toda a Nação reconhece: está
E. Eurico Gaspar Dutra.
caduca a estrutura rural brasileira. A reforma
agrária já não é, assim, tema de discurso, mas
objeto de ação imediata: ação legislativa e ação
executiva ... (Declaração do presidente Jânio
Quadros, publicada no jornal Correio da Manhã, em

14
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

5 DITADURA MILITAR (1964 – 1985) polarização político-partidária se aguçava, com a esquerda


se reunindo em torno do PTB/PSD e a direita na UDN.
O processo histórico responsável pela deposição do Setores considerados de direita se encastelaram no IPES
presidente João Goulart, em 1964, encontra suas raízes na (Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais) e no IBAD
instabilidade político-institucional da chamada "Democra- cia (Instituto Brasileiro de Ação De- mocrática) e fizeram o
Populista", criada com o fim do Estado Novo em 1945. Foram trabalho de mobilização do empresariado, da Igreja, das
desta- ques dessa instabilidade o suicídio de Getúlio Vargas classes médias, das mu- lheres, alertando para o "perigo co-
em 1954 e a renúncia do presidente Jânio Quadros em 1961. munista" representado pelo pro- grama de Reformas de
Por outro lado, a ingerência dos militares na política Base de Jango. Nessa época a maioria dos militares
brasileira vinha-se manifestando desde o golpe político- brasileiros era legalista e fiel à Constituição. Porém, a
militar de 15 de novembro de 1889, passando pelo sublevação dos sargen- tos quebrou a hierarquia militar,
"tenentismo" na década de 1920, pela Revolução de 1930 e levando os militares a pressio- narem o presidente a tomar
pela queda de Getúlio Vargas em 1945 e seu suicídio em medidas mais eficazes para conter a agitação. O estopim do
1954, desaguando no impasse criado pelo presidente Jânio golpe foi o comício de Jango no dia 13 de março de 1964. O
Quadros em 1961. Além disso, institucionalizou-se na clima de euforia por parte do presidente e da esquerda em
caserna o "ideal de salvação nacional". Porém, em geral foi suficiente para que a desestabili- zação do governo
nenhuma ocasião os militares se apoderaram do aparelho de redundasse na deposição do presidente, no dia 31 de março
Estado antes de 1964. O esgotamento do modelo eco- de 1964.
nômico nacional-desenvolvimentista, que se manifestou O conceito de “segurança nacional” se configurou no Brasil
pela redução do índice de investimentos, diminuição de a partir da II Guerra Mundial, substituindo a noção de "defesa
entrada de capital externo, queda da taxa de lucro e inflação nacional", limitada à defe- sa externa e interna de nossas
galopante, é o ponto de partida para se com- preender o rique- zas. Militares brasileiros com cursos na Escola
movimento político-militar de 1964. Diante da crise Superior de Guerra, como o general Golbery do Couto e Silva
econômico-financeira e da pressão dos setores populares, o e Humberto de Alencar Castello Branco, foram os
presidente João Goulart apresentou, em 1963, o Plano responsáveis pela elaboração da Doutrina de Segurança
Trienal de Desenvolvimento Econômico-Social, Nacional, chave teórica do Estado autoritário implantado no
elaborado pelo economista Celso Furtado, ministro do Brasil a partir de 1964. A conjuntura da Guerra Fria e a crise
Planeja- mento. Para ser executado em três anos, o plano do populismo influenciaram a teorização dessa doutrina. Tal
pretendia combater a inflação e retomar o crescimento eco- doutrina defendia a tese de que era preciso combater a
nômico. Para tanto, o governo pre- cisava adotar uma "guerra local" ou "guerra revolucionária" deflagrada pelos
política monetária cambial e salarial anti-inflacionária, além comunistas, que se achavam infiltrados em todos os lugares
de obter empréstimos dos bancos internacionais e da comunidade bra- sileira, visando desestabilizar o gover-
renegociar a dívida externa do País. O fracasso do Plano no, as autoridades e as instituições. A resposta dos governos
Trienal foi imediato e o Fundo Monetário Internacional não militares aos "subversivos" foi a planificação global do País,
intermediou a renego- ciação da dívida externa. Porém, os visando à superação dos problemas de natureza social,
Estados Unidos concederam emprés- timos diretos aos política e econômica, instrumentaliza- dos pelos comunistas.
opositores de Jan- go. A reação do presidente, insuflado Para isso, o Estado, de forma centralizada, criaria políticas
pelos grupos de esquerda, se fez sentir com a diversas, abrangendo todas as atividades nacionais. Assim, o
regulamentação da Lei de Remessa de Lucros. Nesse con- Exe- cutivo contaria com órgãos de asses- soria sofisticados,
texto de enfrentamento das multinacionais e sob forte como o Conselho de Segurança Nacional (CSN), o Ser- viço
pressão dos sindicatos, estudantes, intelectuais, Nacional de Informação (SNI), o Estado Maior das Forças
camponeses, esquerda em geral, o presidente João Goulart Armadas (EMFA) e o Alto Comando das Forças Armadas
apresentou suas reformas de base: administrati- va, (ACFA). Das políticas de segurança nacional, teria destaque a
bancária, fiscal e agrária, es- tendendo-se a outros setores, política econômica que objetivasse o desenvolvimento
como o sistema eleitoral e o ensino univer- sitário. A reforma econômico e a integração nacional centralizada e associada
agrária foi recebida pelos latifundiários como uma amea- ça ao capital estrangeiro. A Lei de Segurança Nacional de 29
à propriedade privada. Sem sus- tentação parlamentar, o de setembro de 1969 transformava todo cidadão em
projeto do Executivo foi rejeitado. Enquanto isso, a responsável pela se- gurança do País. A Lei previa prisões aos

15
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

grevistas; apreensão de edições inteiras de jornais e revistas; propôs, foi editado, em 27 de outubro de 1965, o Ato
censura; punição para quem desrespeitasse as autoridades do Institucional n.o 2. Além de propor as medidas já fixadas
governo, distribuísse propaganda subversiva etc. no diploma anterior, entre outras dispo- sições, o novo Ato
Os Atos Institucionais e a Constituição de modifica os artigos 94, 98, 103 e 105 da Constituição de
1967, tendo em vista que o golpe militar de 64 deflagrou- 1946 (número de membros do Supremo Tribunal Federal,
se contra um pre- sidente "subversivo" e "comunista", em nomeação e competência de juízes federais etc.); extingue
defesa da democracia e da liberdade, o Estado autoritário os partidos políticos; amplia possibilidades de intervenção
manteve algumas instituições democráticas, como o nos Es- tados; e prevê decretação do recesso do Poder
Congresso Nacional, as eleições para deputados, senadores, Legislativo.
vereadores, prefeitos e os partidos (foram extintos os antigos
Em 5 de fevereiro de 1966, o pre- sidente Castello Branco
e criados dois novos: ARENA e MDB). Contudo, a legitimi-
dade do regime autoritário se fez sentir por meio dos Atos editou o Ato Institucional n.o 3, considerando, entre outros

Institucionais (que estão acima da Carta Magna) e da motivos, "ser imperiosa a ado- ção de medidas que permitam

Constituição de 1967, mais tarde modificada pela Emenda não se frustrarem os superiores objetivos da Revolução, e a

Constitu- cional de 1969. necessidade de pre- servar a tranquilidade e a harmonia


política e social do País." Seus 7 artigos e parágrafos

5. 1 Gove rno Cas tel o Branc o (1964 – 1967) tratavam das eleições estaduais e municipais. As medi- das
mais importantes eram: eleição indireta para governador e
Eleito pelo Congresso de forma indireta, cassou mandatos e vice-governador dos Estados, nomeação dos prefeitos das
capitais pelos gover- nadores de Estado e eleição simples dos
suspendeu direitos políticos. Por força do Ato Institucional n.o
demais prefeitos municipais, admitindo sublegendas nos
2, os partidos políticos foram extintos, surgindo a ARENA e
termos dos estatutos partidários. "Considerando que a
o MDB. Em 1967, foi promulgada a sexta Constituição
Constituição Federal de 1946, além de haver recebido
Brasileira, caracterizada pela centralização e pelo fortaleci-
numerosas emendas, já não atende às exigências nacionais;
mento do regime presidencialista. O presidente da República
que se tornou necessário dar ao País uma Constituição que,
passaria a ser eleito por um Colégio Eleitoral, podendo
além de uniforme e harmônica, represente a instituciona-
legislar por um decreto-lei sobre finanças e segurança
lização dos ideais e princípios da Revolução, e que somente
nacional. O Ato Institucional n.o 1 tinha o objetivo de
uma nova Constituição poderá assegurar a continuidade da
assegurar ao novo governo instituído "os meios
obra revolucionária", foi editado o Ato Institucional n. o 4, em
indispensáveis à obra de reconstrução econômica,
7 de dezembro de 1966. O diploma con- vocava o Congresso
financeira, política e moral do Brasil"; os chefes da Revolução
Nacional para se reunir extraordinariamente, de 12 de
de 31 de março editaram em 9 de abril de 1964 o Ato
dezembro de 1966 a 24 de janeiro de 1967, com o objetivo
Institucional n.o 1. Suas principais dis- posições eram:
de discutir, votar e promulgar o projeto de Constituição
estabelecer eleições indiretas para a Presidência e Vice-
apresentado pelo presidente da República, e fixar normas
Presidência da República; permitir ao presidente da República
disciplinando esse trabalho legislativo. Implementação do
decretar o estado de sítio ou prorrogá-lo pelo prazo de 30
Programa de Ação Econômica do Governo (PAEG), elaborado
dias; suspender por seis meses as garantias constitucionais
pelo ministro do Planejamento Roberto Campos e pelo minis-
ou legais de vitaliciedade e estabilidade; restringir ao
tro da Fazenda, o economista Gouveia de Bulhões. O plano
presidente da República a iniciativa dos projetos de lei que
deu prioridade ao combate à inflação, por meio da restrição
criassem ou aumentassem a despesa pública; e permitir aos
do crédito e do arrocho salarial. Foram criados mecanismos
comandantes chefes que editaram o Ato suspender direitos
que facilitaram a entrada de capitais estrangeiros com vista
políticos pelo prazo de 10 anos e cassar mandatos legislativos
à retomada do desenvolvimento; a dívida externa foi netário
fede- rais, estaduais e municipais, excluída a apreciação
In- ternacional liberou um empréstimo de US$ 125 milhões.
judicial desses atos. Tendo em vista que o País precisa de
Foi aprovado o Estatuto da Terra e criado o Instituto Brasileiro
“tranquilidade” para o trabalho em prol do seu
de Refor- ma Agrária (IBRA), visando facilitar o acesso à
desenvolvimento econô- mico e do “bem-estar do povo” e
terra e reduzir as tensões sociais do campo. A estabilidade
que o Poder Constituinte da Revolução lhe é intrínseco
do empregado foi praticamente eliminada com a criação do
também para assegurar a continuidade da obra a que se
Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e os

16
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

reajustes passaram ao controle do Executivo. imagem de um "Brasil grande", sintetizado na expres-


são "ame-o ou deixe-o". Durante seu governo, o Brasil
5. 2 Gove rno C os t a e Si l v a (1967 – 1969) atingiu elevados índices de cresci- mento econômico,
chegando-se mesmo a falar em “milagre brasileiro”. O
Foram criados no seu governo novos ministérios: IPND – Plano Nacional de Desenvolvimento – foi posto em
Transportes, Comunicações e Interior. Em razão de exe- cução visando incentivar a agricultura, o
distúrbios estudantis e políticos em todo o País e para desenvolvimento científico e tecnológico, o fortalecimento
reforçar o Poder Executivo, foi editado o Ato Institucional da in- dústria nacional e a integração do Brasil no rol das

n.o 5 e decretado o recesso do Congresso. Afastado por mo- grandes potências industriais. Esse projeto desenvol-

léstia, em agosto de 1969, Costa e Silva foi substituído por vimentista estava associado ao capital estrangeiro e à

uma Junta Governativa composta pelo general Lira Tavares, adoção de uma política de arrocho salarial. Era necessário

brigadeiro Márcio de Souza e Melo e almirante Augusto “aumentar o bolo para depois dividi-lo”, afirmava o ministro

Rademaker. Este, por meio de uma Emenda Constitucional, da Fazenda Delfim Netto, principal responsável pela

modificou a Constituição de 1967, reforçando ainda mais o elaboração e pela execução do plano. O fechamento político,

Poder Executivo. A chamada “Constituição do Terror” foi defendido pela “linha dura” do Exército e iniciado pelo general

imposta pela Junta Militar. Na verdade, trata-se de uma Costa e Silva, atingiu o apogeu no governo do general Mé-

emenda constitucional à Carta de 67. Por essa emenda, dici. A esquerda radical apelou para a luta armada,

58 artigos foram acrescentados ou substituíram outros. As inspirando-se em “Che” Guevara (líder da Revolução Cubana)

principais inovações introduzidas foram: mandato e no marxista francês Régis Debray.

presidencial de 5 anos; confirmação de todos os Atos Foram criadas organizações revolucionárias como a
Institucionais, só suspensos por de- cretos presidenciais; Aliança Libertadora Na- cional, chefiada por Carlos
eleições indiretas para governador em 1970; pena de morte Marighela; o Movimento Revolucionário 8 de Outubro
para os casos de guerra revolucionária ou subversão; (MR-8) – dia da morte de Guevara na Bolívia – e a
número de deputados calculado de acordo com o eleitorado, Vanguarda Armada Revolucionária (VAR-Pal- mares),
e não mais com a população; alteração no estatuto da liderada pelo ex-capitão do Exército Carlos Lamarca.
inviolabilidade parlamentar; amplia- ção das faculdades do Em 1969, a ALN sequestrou o embaixador norte-americano
Executivo em legislar por decreto-lei e impedi- mento do Charles Elbrick, exigindo a libertação de presos políticos em
Judiciário em rever atos praticados com base nos Atos tro- ca de sua vida.
Institucionais e Complementares.
No início da década de 70, comunistas do PC do B criaram um
foco de guerrilha rural numa região banhada pelo Rio
5. 3 Gove rno M é di ci (1969 – 1974)
Araguaia, no Estado do Pará. O governo militar respondeu
com violência ao terrorismo de es- querda, torturando e
O governo Médici registrou um alto índice de popularidade.
matando suas principais lideranças.
Isso se deveu ao desenvolvimento atingido pelo País em
diversos setores e à ampliação do mercado de trabalho,
5. 4 Gove rno Gei sel (1974 – 1979)
provocada pela implementação dos chamados "grandes
projetos de impacto". Seus efeitos, associados às vitórias
A escolha do general Geisel, para suceder o general Médici
esportivas do Brasil, como o tricampeonato de futebol, as
na Presidência da República, foi uma vitória do grupo
suces- sivas conquistas de Emerson Fittipaldi no
castelista – conhecido como Sorbonne – e, consequentemen-
automobilismo e de Éder Jofre no boxe, foram utilizados
te, uma derrota da chamada linha dura. As oposições,
como ape- los populistas pelo regime militar. Para tanto, o
nucleadas pelo MDB, lançaram Ulysses Guimarães e o
governo se serviu da Assessoria Especial de Relações Pú-
jornalista Barbosa Lima Sobrinho como anticandidatos a
blicas da Presidência da República (AERP) para promover os
presidente e a vice, respectivamente. O fracasso do milagre
valores cívicos e divulgar suas realizações. As campanhas
econômico, associado à crise do capitalismo, o início da
institucionais do Conse- lho Nacional de Propaganda (CNP)
distensão entre os EUA e a URSS e a resistência democrática
– entidade privada mantida por empre- sas particulares de
ao Estado autoritário apontavam para uma abertura do re-
comunicação so- cial –, de estímulo às exportações, à
gime. Esse processo, nas palavras do próprio general Geisel,
educação, e o controle da mídia pela censura produziram a

17
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

deveria ser “lento, gradual e seguro”. No início de seu ritárias. Isto ocorreu em virtude do caráter conservador
governo, Geisel substituiu Delfim Netto por Mário Hen- rique imposto pelo presidente e pelas pressões da linha dura,
Simonsen no Ministério da Fazenda e nomeou João Paulo dos contrária à volta dos militares aos quartéis. No primeiro ano
Reis Veloso para o Planejamento. de seu governo, em 1974, foram realizadas eleições
Em dezembro de 1974, o presidente divulgou o II Plano parlamentares. Nesse pleito, verificou-se expressiva vitória
Nacional de Desenvolvimento (II PND), que definia a do MDB que, para o Senado, ganhou 16 das 22 vagas
política socioeconômica para o período de 1975 a 1979. Foi disputadas. Na Câmara Federal, a oposição conquistou 160
criada a Comissão de Indústria da Construção Civil e o cadeiras contra 204 da ARENA. Este resultado levou o
Polocentro – Programa de Desenvolvimento dos Cerrados – presidente a criar mecanismos para conter o avanço do MDB
e aprovado o Plano Nacional de Saneamento. Em junho de nas eleições municipais, previs- tas para 1976. A lei que
1975, foi assinado o Acordo de Cooperação Nuclear Brasil– regulamentou essas eleições foi chamada de Lei Falcão, em
Alemanha. Para enfrentar os efei- tos da crise econômica referência ao ministro da Justiça, Armando Falcão. Ela esta-
mundial, as im- portações de artigos supérfluos foram belecia que, no horário gratuito do rádio e da TV, os
pesadamente sobretaxadas e a Petrobras foi autorizada a candidatos só poderiam apresentar seu nome, sua legenda,
assinar contratos com empresas estrangeiras para explo- ração seu número, pequeno currículo e sua fotografia. Em 1975, a
de petróleo no Brasil. Nesses contratos, existiam cláusulas que censura à grande imprensa foi suspensa e o assassinato do
trans- feriam todos os riscos de despesas, de pesquisa e jornalista Vladimir Herzog, nas dependências do II Exército
exploração às empresas interessadas; são os popularmente em São Paulo, resultou na demissão do Comandante do II
conhecidos contratos de risco. Em dezembro de 1975, Geisel Exército, general Ednardo D’ Ávila Melo, substituído pelo
e Stroessner assinaram o Tratado de Amizade Brasil– general Dilermano Gomes Monteiro. Então, as torturas
Paraguai, de colaboração econômica, tecnológica e cultural praticadas pelo DOI-CODI cessaram.
entre os dois países. Em fevereiro de 1976, foi instituído o Todo o primeiro semestre de 1977 foi politicamente bastante
Programa Nacional de Alimentação e Nutrição; em maio, atribulado, assinalando-se o fechamento do Congresso em
Geisel inaugurou a Hidrelétrica de Marimbondo, na divisa de virtude de dissensões interpartidárias a respeito da reforma
São Paulo e Minas Gerais, e assinou a ata de Constituição da constitucional e a cassação de vários dissidentes. O governo
Siderúrgica de Tubarão. Em 5 de junho, criou o de- pósito militar, num ato de força, impôs ao País o chamado Pacote
compulsório de Cr$ 12 000,00 para viagens ao exterior. de Abril, que incluiu, entre outras medidas: a criação da
Subsídios estatais, endividamento externo e interno e figura do senador biônico; a modificação do critério de
arrocho salarial sustentaram a política econômica dessa represen- tação dos estados na Câmara dos Deputados,
época. Seus resultados foram: o crescimento do PIB em torno favorecendo os estados mais dependentes do poder central;
de 4,2% ao ano entre 1974 e 1978 e uma inflação anual de o aumento do mandato presidencial para 5 anos. Em
37,9% no mesmo período. setembro desse mesmo ano, a Polícia Militar, por ordem do
O ministro das Relações Exterio- res, chanceler Antônio coronel Erasmo Dias, Secre- tário da Segurança Pública do
Francisco Aze- redo da Silveira, em discurso proferido na Estado, invadiu a Universidade Católica de São Paulo, onde
Costa do Marfim em 1975, definiu o pragmatismo respon- os estudantes tratavam da reorganização da UNE, fechada
sável da política externa do general Geisel afirmando que pela ditadura. O chamado programa de aperfeiçoamento do
“na África de hoje, como na América despertada para a regime democrático, que lenta e gradualmente o governo
independência, os povos estão cansados de patrocínio. Geisel implementou, manifestou-se no final de seu mandato
Querem viver as suas vidas, lutar as suas lutas. O Brasil com a revo- gação do Ato Institucional n.° 5, por meio da
teve e tem esse objetivo. Por isso, observa com Emenda Constitucional que entrou em vigor em 1.° de
intransigente devoção os princípios básicos da convi- janeiro de 1979. Com isso, o presidente não mais poderia
vência entre as nações: a não intervenção, o direito à decretar o recesso do Congresso, cassar mandatos, demitir
autodeterminação, a igualdade jurídica dos estados”. ou aposentar funcionários e privar os cidadãos de seus
Geisel reatou relações diplomáticas com a República direitos políticos.
Popular da China e realizou viagens ao exterior, visitando
França, Inglaterra e Japão. 5. 5 Gove rno Fi g uei re d o (1979 - 1985)

A abertura política do regime militar, iniciada pelo


general Geisel, foi marcada por medidas liberais e auto- O general Figueiredo foi chefe do Gabinete Militar do

18
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

governo Médici e chefe do SNI no governo Geisel. Sua 1986. Campanha das “Diretas Já” Com a ascensão dos
indicação foi uma vitória política do grupo Sorbonne e uma militares ao poder em 1964, foram eliminadas as eleições
nova derrota da linha dura, representada pelo ex-ministro diretas para presidente da República, governadores,
do Exército Silvio Frota, também demitido no governo Geisel, prefeitos das capitais e de municípios consi- derados áreas
por sua resistência ao processo de abertura. Ao assumir a de segurança nacional. Entretanto, o processo de aber- tura
Presidência, o gene- ral Figueiredo deu continuidade ao política restabeleceu as eleições diretas para governadores
processo de abertura política, iniciada pelo general Geisel. É em 1982. É nesse contexto que os partidos de oposição
nesse qua- dro que se inserem a aprovação da Lei da organizaram uma frente com o objetivo de restaurar as elei-
Anistia e a nova Lei de Elegibilidade que permitia a volta ções diretas para presidente. Em no-vembro de 1983,
dos cassados à vida pública. Ainda em 1979, o Congresso realizou-se em São Paulo a primeira manifestação da
Nacional aprovou a reforma partidária que eliminou o bipar- campanha das “Diretas Já”. No ano seguinte, o movimento
tidarismo, restabelecendo o pluripartidarismo no País. Como ganhou a adesão de milhões de brasileiros. Ulysses
produto dessa reforma, foram criados: o PMDB – Partido do Guimarães, presidente do PMDB, por sua atuação na
Movimento Democrático Brasileiro; o PP – Partido Popular, campanha, recebeu o título de “senhor diretas”. Em 25
mais tarde incorporado ao PMDB; o PDS – Partido de abril de 1984, a Emenda Constitucional apresentada pelo
Democrático Social, que reuniu a maioria dos membros da deputado Dante de Oliveira foi rejeitada na Câmara dos
extinta ARENA; o PT – Partido dos Trabalhadores; o PTB – Deputados pelo partido do governo, o PDS, presidido por
Partido Trabalhista Brasileiro; o PDT – Partido Democrático José Sarney.
Trabalhista, formado em torno de Leonel Brizola; e outras
legendas. Enquanto a crise econômica se agravava, o País EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO: DITADURA MILITAR

preparava-se para as eleições majoritárias e proporcionais


1. A partir dessa época, a tortura passou a ser ampla-
que iriam eleger, pelo voto popular, governadores
mente empregada, especialmente para obter informa-
estaduais, senadores, deputados estaduais e federais, pre-
ções de pessoas envolvidas com a luta armada. Con-
feitos e vereadores. Em 15 de novembro de 1982, as
tando com a “assessoria técnica” de militares ameri-
oposições fizeram 10 governadores e o número de votos
canos que ensinavam a torturar, grupos policiais e mi-
dados ao PDS em todo o País foi inferior aos da oposição.
litares começavam a agredir no momento da prisão,
Quando Figueiredo assumiu a Presidência da República, a
invadindo casas ou locais de trabalho. A coisa piorava
situação econômico-financeira do País já era de crise.
nas delegacias de polícia e em quartéis, onde muitas
Tentando combatê-la, sua equipe econômica criou o III PND,
vezes havia salas de interrogatório revestidas com
cujos resultados foram negativos. Ao mesmo tempo, os
material isolante para evitar que os gritos dos presos
problemas financeiros e o endividamento externo leva- ram
fossem ouvidos. (Roberto Navarro – http://mundoes-
a equipe econômica do governo, sob o comando do então
tranho.abril.com.br. Acesso em 24.03.2014) Os aspec-
ministro do Planejamento, Delfim Netto, que substituiu
tos citados no texto permitem identificar a época a que
Simonsen, a recorrer ao Fundo Monetário Internacional –
ele se refere como sendo a da:
FMI, que se comprometeu em “ajudar” o Brasil em troca da
adoção de uma política econômica recessiva. É nesse
A. repressão à Revolução Constitucionalista de 1932.
contexto que foi aprovado o Decreto 2.065, fixando os
B. Nova República, cujo primeiro presidente foi José
reajustes salariais muito abaixo da taxa de inflação. Como
Sarney.
reflexo da crise econômica e do arrocho salarial, os
C. Revolução de 1930, que levou Getúlio Vargas ao poder.
trabalhadores do ABC e de outras cidades do interior do
D. democracia populista, que durou de 1946 a 1964.
estado de São Paulo, especialmente metalúrgicos,
E. ditadura militar, iniciada com o golpe de 1964.
paralisaram suas ativi- dades. Data dessa época a organiza-
ção do movimento sindical que seguia duas tendências
2. O desenvolvimento e crescimento econômico
distintas: uma mais radical, ideologicamente ligada ao PT, e
advindos da estabilização da economia contribuíram
outra mais pragmática, que deu origem ao chamado, para estabilidade governamental. O governo Médici
atualmente,sindicalismo de resultados. A primeira tendência entrou para a história como o período em que se
fundou a CUT – Central Única dos Trabalhadores, em 1983, registraram os maiores índices de desenvolvimento e
crescimento econômico do país. Porém, esta fase de
e a segunda, a CGT – Central Geral dos Trabalhadores, em
prosperidade da economia brasileira tinha muito mais

19
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

causas externas (internacionais) do que internas. O aconteceu. Com o tempo, o que deveria ser
custo social e econômico para o país foi altíssimo. A provisório tornou-se permanente. Apoiados pelos
brutal concentração da renda impediu que as camadas grupos conservadores da sociedade, as Forças
populares melhorassem sua condição de vida. As Armadas assumiram totalmente o poder.
desigualdades sociais e a pobreza aumentaram neste (Francisco Teixeira, Brasil: História e Sociedade)
período.(Renatocancian,http://educacao.uol.com.br Foram características desse período a:
/disciplinas/historia-brasil/ governo-medici-1969-
1974. Acesso em 24.03.2014. Adaptado) A. repressão aos opositores e o fortalecimento do poder
Os acontecimentos descritos no texto ficaram
Executivo.
conhecidos pelo nome de:
B. liberdade de organização partidária e a censura à
A. doutrina da segurança nacional. imprensa, a cargo do DIP.
B. milagre econômico brasileiro. C. extinção dos partidos políticos e o fechamento do poder
C. política das salvações. Judiciário.
D. reformas de base. D. anistia aos guerrilheiros e as eleições diretas para
E. plano de metas. presidente.
E. imposição dos Atos Institucionais e o reforço do poder do

3. A imagem a seguir refere-se a um movimento da Congresso.


década de 1980 que contou com grande
participação popular em várias cidades do Brasil. 5. Ato institucional era o decreto utilizado pelos
militares para legitimarem suas decisões. Em
dezembro de 1968, ocorreu a promulgação do Ato
Institucional no 5 (AI que, em seupreâmbulo, dizia-se
ser uma necessidade para atingir os objetivos da
revolução, “com vistas a encontrar os meios
indispensáveis para a obra de reconstrução
econômica, financeira e moral do país".O AI-5 foi
promulgado no governo de:

A. Costa e Silva e representou o fechamento do sistema

(http://www.oabsp.org.br/portaldamemoria/hist político, restringiu drasticamente a cidadania e permitiu

oria-da-oab/ a-redemocratizacao-e-o-processo- a ampliação da repressão policial-militar.

constituinte). Assinale a alternativa que indica B. Castello Branco e fixou eleições indiretas para

corretamente o objetivo deste movimento governadores e prefeitos das capitais, acabou com a
garantia do habeas corpus e ampliou a repressão policial

A. Devolver à população o direito de votar nos C. João Figueiredo e fechou o Congresso, determinou as

candidatos à presidência do país. regras para a aprovação de nova Constituição e

B. Anistiar os presos políticos e permitir o retorno dos suspendeu os direitos políticos de oposicionistas.

exilados ao Brasil. D. Garrastazu Médici e estabeleceu eleições indiretas para

C. Reajustar o salário-mínimo de acordo com os os cargos de presidente e governador, extinguiu os

índices reais de inflação. partidos políticos e permitiu ao Executivo cassar

D. Autorizar a justiça comum a punir políticos mandatos de políticos.

envolvidos em crimes de corrupção. E. Ernesto Geisel e deu ao executivo plenos poderes para

E. Permitir que leis propostas pela população fossem cassar mandatos, além de suspender a estabilidade dos

discutidas no Congresso Nacional. funcionários públicos e militares.

4. O golpe militar de 1964 foi justificado por seus


executores como intervenção necessária paraa
defesa da ordem e da democracia - ameaçada, 6 NOVA REPÚPLICA (1985 – 2016)
segundo eles, pela agitação de sindicalistase
comunistas. Alguns previam que seria uma
intervenção de curta duração. Não foi o que
6. 1 Gove rno Sarne y (1985 - 1990)

20
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

José Ribamar Ferreira de Araújo Costa (José Sarney) co- mistas sob o comando de Dílson Funaro, ministro da Fa-
meçou sua vida política no Partido Social Democrático zenda, e de João Sayad, ministro do Planejamento. Seu
(PSD); mais tarde, transferiu-se para a União Democrática objetivo era combater a inflação e eliminar a “cultura in-
Nacional (UDN) e, com o fim do pluripartidarismo, em flacionária”, por meio de um “choque heterodoxo”, desin-
1965, entrou na Aliança Renovadora Nacional (ARENA), dexando a economia. Preços, salários e câmbio foram
partido que deu sustentação política ao regime militar. con- gelados; os reajustes salariais seriam automáticos
Com a extinção do bipartidarismo, José Sarney entrou no quando a inflação atingisse a casa dos 20% e o cruzeiro
Partido Demo- crático Social (PDS), tornando-se seu pre- foi substituído por uma nova moeda, o cruzado. O plano
sidente. Em abril de 1984, orientou seu partido para votar foi aprovado pela maioria da população brasileira e as
contra a Emenda Dante de Oliveira, que restaurava as pessoas transformaram-se em “fiscais do Sarney”. En-
eleições diretas para presidente da República. No entanto, tretanto, o crescimento da demanda, até então reprimida,
rompeu com o candidato do PDS, Paulo Salim Maluf, cri- provocou o ágio dos preços e o desabastecimento, ge-
ando a Frente Liberal, que se uniu ao PMDB para formar rando pressões inflacionárias que levaram o governo a
a Aliança Democrática. Sarney foi o candidato a vice-pre- descongelar a economia. Com a retomada da inflação, o
sidente da República na última eleição indireta do Colégio governo baixou um pacote de medidas de correção do
Eleitoral, que elegeu Tancredo Neves presidente. Algumas Plano Cruzado – o chamado Cruzado II –, que não foi bem
horas antes de sua posse, em 15 de março de 1985, Tan- recebido pelos assalariados. Esse novo congelamento de
credo foi internado no Hospital de Base de Brasília, sendo, preços e serviços expurgava alguns itens para efeito de cál-
posteriormente transferido para São Paulo onde faleceu. culo da inflação. Os preços continuaram crescendo e os sa-
José Sarney assumiu o governo, tornando-se o primeiro lários se deteriorando. Por isso, o presidente substituiu o
presidente da Nova República. O governo de Sarney in- ministro da Fazenda, e o novo titular da economia, Luís
sere-se no contexto da eliminação das ditaduras militares Carlos Bresser Pereira, apresentou um novo plano em junho
e do retorno ao Estado Democrático na América de 1987. O Plano Bresser, como ficou conhecido, congelou,
Latina. Por isso, o primeiro presidente civil da Nova Re- mais uma vez, preços, ser- viços e salários, sem conse-
pública procurou extinguir o “entulho autoritário” da dita- guir elimi- nar a inflação. O quarto e último plano econô-
dura militar, restabelecendo as liberdades democráticas. mico do governo Sarney, conhecido como Plano Verão, foi
Para isso, convocou uma Constituinte, aboliu o Serviço Na- de autoria do ministro Maílson da Nóbrega. Foi decretado
cional de Informação (SNI) e a censura, devolvendo aos um novo congelamento de preços, de serviços e de salá-
civis o controle das decisões políticas e econômicas do País. rios, que seria acompanhado por uma redução dos gastos
José Sarney foi o primeiro presidente após o fim da ditadura públicos. Este plano também fracassou com a retomada
militar. Durante seu governo foi consolidado o processo de dos altos índices de inflação e de queda de popularidade
redemocratização do Estado brasileiro, garantido liberdade do governo de José Sarney. Nesse contexto, foram reali-
sindical e participação popular na política, além da convoca- zadas as eleições dire- tas para presidente da República,
ção de uma Assembleia Nacional Constituinte, encarregada sendo vitorioso Fernando Collor de Mello, ex-governador
de elaborar uma nova constituição para o Brasil. Entre os de Alagoas.
princípios incluídos na Constituição de 1988 também
chamada Carta Magna, estão: garantia de direitos políti- 6. 2 Gove rno C ol l or (1990 - 1992)
cos e sociais; aumento de assistência aos trabalhadores;
ampliação das atribuições do poder legislativo; limitação do Collor, eleito presidente pelos “descamisados”, com o
poder executivo; igualdade perante a lei, sem qualquer tipo apoio do empresariado, prometeu modernizar o País por
de distinção;estabelecimento do racismo como crime inafi- meio da implementação de um projeto neoliberal. Ao as-
ançável sumir o governo, decretou o chamado Plano Collor de
combate à inflação; bloqueou os saldos das contas corren-
Diante da inflação galopante criada pelo regime militar e tes, dos investimentos e da poupança; reduziu as alíquo-
visando à retomada do crescimento econômico, com ên- tas de importação e tabelou os preços. Plano Collor I: A
fase na área social, em 1986 José Sarney lançou o Plano inflação em um ano de março de 1989 a março de 1990
Cruzado. O plano foi elaborado por um grupo de econo- chegou a 4.853%, e no governo anterior teve vários planos
fracassados de conter a inflação. Depois de sua posse, Collor

21
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

anuncia um pacote econômico no dia 15 de março de 1990, de grandes obras e à abertura do capital das estatais, man-
o Plano Brasil Novo. Esse plano tinha como objetivo pôr fim tendo o controle acionário pelo Estado. Plano Collor II: A
à crise, ajustar a economia e elevar o país, do terceiro para inflação entra em cena novamente com um índice mensal de
o Primeiro Mundo. O cruzado novo é substituído pelo "cru- 19,39% em dezembro de 1990 e o acumulado do ano chega
zeiro", bloqueia-se por 18 meses os saldos das contas cor- a 1.198%, o governo se vê obrigado a tomar algumas me-
rentes, cadernetas de poupança e demais investimentos su- didas. É decretado o Plano Collor II em 31 de janeiro de
periores a Cr$ 50.000,00. Os preços foram tabelados e de- 1991. Tinha como objetivo controlar a ciranda financeira,
pois liberados gradualmente. Os salários foram pré-fixados extinguiu as operações de overnight e criou o Fundo de Apli-
e depois negociados entre patrões e empregados. Os impos- cações Financeiras (FAF) onde centralizou todas as opera-
tos e tarifas aumentaram e foram criados outros tributos, ções de curto prazo, acabando com o Bônus do Tesouro Na-
foram suspensos os incentivos fiscais não garantidos pela cional fiscal (BTNf), que era usado pelo mercado para inde-
Constituição. Foi Anunciado corte nos gastos públicos, tam- xar preços, passa a utilizar a Taxa Referencial Diária (TRD)
bém se reduziu a máquina do Estado com a demissão de com juros prefixados e aumenta o Imposto sobre Operações
funcionários e privatização de empresas estatais. O plano Financeiras (IOF). Pratica uma política de juros altos, e faz
também prevê a abertura do mercado interno, com a redu- um grande esforço para desindexar a economia e tenta mais
ção gradativa das alíquotas de importação. As empresas fo- um congelamento de preços e salários. Um deflator é ado-
ram surpreendidas com o plano econômico e sem liquidez tado para os contratos com vencimento após 1º de fevereiro.
pressionaram o governo. A ministra da economia Zélia Car- O governo acreditava que aumentando a concorrência no
doso de Mello, faz a liberação gradativa do dinheiro retido, setor industrial conseguiria segurar a inflação, então se cria
denominado de "operação torneirinha", para pagamento de um cronograma de redução das tarifas de importação, redu-
taxas, impostos municipais e estaduais, folhas de paga- zindo a inflação de 1991 para 481%. Sem sustentação par-
mento e contribuições previdenciárias. O governo liberou os lamentar e com um estilo agressivo, personalista e auto-
investimentos dos grandes empresários, e deixou retido so- ritário, o presidente ficou isolado. O escândalo do orçamen-
mente o dinheiro dos poupadores individuais. Recessão - to e as denúncias de corrupção, feitas por seu irmão Pedro
No início do Plano Collor a inflação foi reduzida, pois o plano Collor sobre o “esquema PC”, provocaram a instauração da
era ousado e radical, tirava o dinheiro de circulação. Porém, Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), resultando no im-
com a redução da inflação, iniciava-se a maior recessão da peachment do presidente. Após um curto sucesso nos pri-
história no Brasil, houve aumento de desemprego, muitas meiros meses de governo, a administração Collor passou
empresas fecharam as portas e a produção diminuiu consi- por profundas crises. Com a taxa de inflação superior a
deravelmente, com uma queda de 26% em abril de 1990, 20%, em 1992 a impopularidade do presidente cresceu.
em relação a abril de 1989. As empresas foram obrigadas a Em maio do mesmo ano, o irmão do presidente, Pedro
reduzirem a produção, jornada de trabalho e salários, ou Collor, acusou Paulo Cesar Farias, que havia sido caixa da
demitir funcionários. Só em São Paulo nos primeiros seis campanha de Fernando Collor, de enriquecimento ilícito,
meses de 1990, 170 mil postos de trabalho deixaram de obtenção de vantagens no governo e ligações político fi-
existir, pior resultado, desde a crise do início da década de nanceiras com o presidente. Em junho do mesmo ano, o
80. O Produto Interno Bruto diminuiu de US$ 453 bilhões Congresso Nacional instalou uma Comissão de Inquérito
em 1989 para US$ 433 bilhões em 1990. Privatizações - Parlamentar(cpi) para que fossem apuradas as irregula-
Em 16 de agosto de 1990 o Programa Nacional de Desesta- ridades apontadas. Em 29 de setembro a Câmara dos De-
tização que estava previsto no Plano Collor foi regulamen- putados aprovou a abertura do processo de Impeachment
tado e a Usiminas a primeira estatal a ser privatizada, atra- e em 3 de outubro o presidente foi afastado. Em dezem-
vés de um leilão em outubro de 1991. Depois mais 25 esta- bro o processo foi concluído e Fernando Collor teve seus
tais foram privatizadas até o final de 1993, quando Itamar direitos políticos cassados por oito anos, e o governo pas-
Franco já estava à frente do governo brasileiro, com grandes sou para as mãos de seu vice, Itamar Franco.
transferências patrimoniais do setor público para o setor pri-
vado, com o processo de privatização dos setores petroquí- 6. 3 Gove rno It amar (199 2 - 1994)
mico e siderúrgico já praticamente concluído. Então se inicia
a negociação do setor de telecomunicações e elétrico, exis- Itamar Franco, vice-presidente da República, assumiu a
tindo uma tentativa de limitar as privatizações à construção Presidência em decorrência do impeachment de Collor. O

22
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

clima era de descontentamento social, pressões políticas e do país aos produtos estrangeiros, com a queda do Imposto
instabilidade econômica. Em 21 de abril de 1993, o eleitorado de Importação, foram fundamentais para complementar a
foi às urnas para decidir sobre o sistema e a for- ma de introdução da nova moeda e para combater a inflação e
governo. O plebiscito manteve o presidencialismo e a forma elevar os níveis de emprego. Com o sucesso do Plano Real
de governo republicana. A revisão constitucional fracassou, FHC, elegeu-se presidente da República ainda no 1.° turno.
e o presidente substituiu por cinco vezes o ministro da Após a implantação do Plano Real, o ministro Fernando
Fazenda. O último deles, o senador Fernando Henrique Henrique Cardoso renunciou à pasta da Fazenda, pois
Cardoso, ex-ministro das Relações Exteriores, elaborou e pretendia candidatar-se à sucessão presidencial, pelo
pôs em prática o Plano Real de estabilização da economia. Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), nas
O Plano de Fernando Henrique Cardoso, que era ministro da eleições de 3 de outubro de 1994. Ao disputar a
Fazenda do governo de Itamar Franco, consistia em três Presidência da República com mais sete candidatos,
fases: o ajuste fiscal, o estabelecimento da URV (Unidade Fernando Henrique teve como principal adversário Luís
de Referência de Valor) e a instituição de uma nova moeda, Inácio Lula da Silva, candidato do Partido dos Traba-
o Real. De acordo com os autores do plano, as reformas lhadores (PT), e como principal aliado o Plano Real.
liberais do Estado, que estavam em andamento naquele Durante a campanha eleitoral, o candidato do PT alegou
período seriam fundamentais para efetividade do plano. A que Fernando Henrique planejara implantar o plano às
primeira fase, o “ajuste fiscal” procurava criar condições vésperas das eleições, apenas para eleger-se com o apoio
fiscais adequadas para diminuir o desequilíbrio orçamentário da maioria da população trabalhadora. Para Lula, a nova
do Estado, principalmente sua fragilidade com moeda, o real, embora contro- lando a inflação, não
financiamento, que seria um dos principais problemas conseguia alterar o valor do salário mínimo, que conti-
relacionados à inflação. A criação do FSE (Fundo Social de nuava baixíssimo. No entanto, essa argumentação do
Emergência), que tinha por finalidade diminuir os custos candidato petista não sensibilizou os eleitores, que resol-
sociais derivados da execução do plano e dos cortes de veram apostar na estabilidade da moeda prometida pelo
impostos, foi uma das principais iniciativas do governo. A Plano Real.
URV, o embrião da nova moeda, que terminou quando o Real A candidatura de Fernando Henrique teve apoio de em-
começou a funcionar em 1º de julho de 1994, era um índice presários, que temiam que o governo de Lula desen- vol-
de inflação formado por outros três índices: O IGP-M, da vesse uma política estatizante e fortalecesse um modelo de
Fundação Getúlio Vargas, o IPCA do IBGE e o IPC da Estado que interviesse muito na economia. O candidato do
FIPE/USP. O objetivo do governo era amarrar o URV ao PSDB venceu as eleições no primeiro turno com 34,37
dólar, preparando o caminho para a “âncora cambial” da milhões de votos, o que corres- pondeu a 54,3% dos votos
moeda e também evitar o caráter abrupto dos outros planos, válidos. Em seu plano de governo, Fernan- do Henrique
com esta ferramenta transitória. Dessa forma, ao contrário Cardoso prometeu: refor- mar o Estado e suas instituições
da proposta de “moeda indexada” e da criação de duas e dar continuidade às reformas econômicas; planejar e
moedas, apenas separaram-se duas funções da mesma controlar a execução de políticas nas áreas da educação,
moeda, pois o URV servia como uma “unidade de conta”. A saúde e previdência social, consideradas essenciais.
terceira fase do plano consistiu na implementação da nova
moeda, que substituiria o Cruzeiro de acordo com a cotação 6. 4 Gove rno FHC (1994 - 2002)
da URV que, naquele momento, valia CR$ 2.750,00. O
governo instituiu que este valor corresponderia a R$ 1,00 Com um ministério constituído majoritariamente por pau-
que, por sua vez, foi fixada pelo Banco Central em US$ 1,00, listas, exatamente oito membros do primeiro escalão do go-
com a garantia das reservas em dólar acumuladas desde verno, Fernando Henrique tomou posse em 1.° de janeiro
1993. No entanto, apesar de amarrar a moeda ao dólar, o de 1995. Manter a inflação em torno de 25% ao ano, por-
Governo não garantiu a conversibilidade das duas moedas, tanto um índice médio de 2% ao mês, recuperar o poder
como ocorreu na Argentina. Dessa forma, o Real conseguiu de compra da classe trabalhadora, sanear as contas pú-
corresponder de uma forma mais adequada às turbulências blicas utilizando como suporte o processo de privatiza-
desencadeadas pela crise do México, que começou a se ções, privilegiar a área de saúde, educação e agricultura,
intensificar no final de 1994. A política de juros altos, que além de dar continuidade à abertura da economia bus-
promoveu a entrada de capitais de curto prazo, e a abertura cando sua integração no mercado mundial, foram algumas

23
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

das metas mais ambiciosas desse governo, que teve a MERCOSUL. Como passo importante nessa direção, os Esta-
apoiá-lo a esperança da nação. Todavia foi implantada uma dos Partes concluíram, em 2010, as negociações para a con-
política de privatização nos dois mandatos do presidente formação do Código Aduaneiro do MERCOSUL. Na última dé-
Fernando Henrique Cardoso (1995-1998; 1999-2002). De cada, o MERCOSUL demonstrou particular capacidade de
fato, o governo FHC autorizou a venda de diversas estatais, aprimoramento institucional. Entre os inúmeros avanços,
entre elas a Companhia Vale do Rio Doce, uma das maiores vale registrar a criação do Tribunal Permanente de Revisão
empresas produtoras e exportadoras de minério de ferro do (2002), do Parlamento do MERCOSUL (2005), do Instituto
mundo, e a Companhia Siderúrgica Nacional de Volta Re- Social do MERCOSUL (2007), do Instituto de Políticas Públi-
donda. O governo FHC privatizou também certas concessões cas de Direitos Humanos (2009), bem como a aprovação do
de serviços públicos, como os prestados na área de teleco- Plano Estratégico de Ação Social do MERCOSUL (2010) e o
municações, energia elétrica, rodovias, portos, etc. Além estabelecimento do cargo de Alto Representante- Geral do
disso, bancos estaduais foram federalizados e depois vendi- MERCOSUL (2010). Merece especial destaque a criação, em
dos à iniciativa privada. Segundo o Instituto Brasileiro de 2005, do Fundo para a Convergência Estrutural do MERCO-
Geografia e Estatística (IBGE), entre 1995 e 2002, 53 por SUL, por meio do qual são financiados projetos de conver-
cento de todo o montante arrecadado com as privatizações gência estrutural e coesão social, contribuindo para a miti-
veio do capital estrangeiro. Pode-se se dividir o governo FHC gação das assimetrias entre os Estados Partes. Em operação
em dois momentos: O primeiro governo Fernando Henrique desde 2007, o FOCEM conta hoje com uma carteira de pro-
Em seu discurso de posse, o presidente destacou como pri- jetos de mais de US$ 1,5 bilhão, com particular benefício
oridades a estabilização da nova moeda e a reversão do qua- para as economias menores do bloco (Paraguai e Uruguai).
dro de exclusão social dos brasileiros. Assim como outros O fundo tem contribuído para a melhoria em setores como
países ao redor do mundo, o Brasil começava a dar início ao habitação, transportes, incentivos à microempresa, biosse-
MERCOSUL. Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai assina- gurança, capacitação tecnológica e aspectos sanitários. O
ram, em 26 de março de 1991, o Tratado de Assunção, com Tratado de Assunção permite a adesão dos demais Países
vistas a criar o Mercado Comum do Sul (MERCOSUL). O ob- Membros da ALADI ao MERCOSUL. Em 2012, o bloco passou
jetivo primordial do Tratado de Assunção é a integração dos pela primeira ampliação desde sua criação, com o ingresso
Estados Partes por meio da livre circulação de bens, serviços definitivo da Venezuela como Estado Parte. No mesmo ano,
e fatores produtivos, do estabelecimento de uma Tarifa Ex- foi assinado o Protocolo de Adesão da Bolívia ao MERCOSUL,
terna Comum (TEC), da adoção de uma política comercial que, uma vez ratificado pelos congressos dos Estados Par-
comum, da coordenação de políticas macroeconômicas e se- tes, fará do país andino o sexto membro pleno do bloco.
toriais, e da harmonização de legislações nas áreas perti- Com a incorporação da Venezuela, o MERCOSUL passou a
nentes. A configuração atual do MERCOSUL encontra seu contar com uma população de 285 milhões de habitantes
marco institucional no Protocolo de Ouro Preto, assinado em (70% da população da América do Sul); PIB de US$ 3,2 tri-
dezembro de 1994. O Protocolo reconhece a personalidade lhões (80% do PIB sul-americano); e território de 12,7 mi-
jurídica de direito internacional do bloco, atribuindo-lhe, as- lhões de km² (72% da área da América do Sul). O MERCO-
sim, competência para negociar, em nome próprio, acordos SUL passa a ser, ainda, ator incontornável para o tratamento
com terceiros países, grupos de países e organismos inter- de duas questões centrais para o futuro da sociedade global:
nacionais. O MERCOSUL caracteriza-se, ademais, pelo regi- segurança energética e segurança alimentar. Além da im-
onalismo aberto, ou seja, tem por objetivo não só o aumento portante produção agrícola dos demais Estados Partes, o
do comércio intrazona, mas também o estímulo ao inter- MERCOSUL passa a ser o quarto produtor mundial de petró-
câmbio com outros parceiros comerciais. São Estados Asso- leo bruto, depois de Arábia Saudita, Rússia e Estados Uni-
ciados do MERCOSUL a Bolívia (em processo de adesão ao dos. Em julho de 2013, a Venezuela recebeu do Uruguai a
MERCOSUL), o Chile (desde 1996), o Peru (desde 2003), a Presidência Pro Tempore do bloco. A Presidência Pro Tem-
Colômbia e o Equador (desde 2004). Guiana e Suriname tor- pore venezuelana reveste-se de significado histórico: trata-
naram-se Estados Associados em 2013. Com isso, todos os se da primeira presidência a ser desempenhada por Estado
países da América do Sul fazem parte do MERCOSUL, seja Parte não fundador do MERCOSUL. Na Cúpula de Caracas,
como Estados Parte, seja como Associado. O aperfeiçoa- realizada em julho de 2014, destaca- se a criação da Reu-
mento da União Aduaneira é um dos objetivos basilares do nião de Autoridades sobre Privacidade e Segurança da In-
formação e Infraestrutura Tecnológica do MERCOSUL e da

24
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

Reunião de Autoridades de Povos Indígenas. Uma das prio- houveram dificuldades para manter o valor do Real em re-
ridades da Presidência venezuelana, o foro indígena é res- lação ao Dólar. A partir de dezembro de 1994 eclodiu a crise
ponsável por coordenar discussões, políticas e iniciativas em cambial mexicana, e a saída de capital especulativo relacio-
benefício desses povos. Foram também adotadas, em Cara- nada à queda da cotação do dólar nos mercados internacio-
cas, as Diretrizes da Política de Igualdade de Gênero do nais começou a colocar em xeque a estabilização da econo-
MERCOSUL, bem como o Plano de Funcionamento do Sis- mia nacional e o Plano Real, que dependia em grande parte
tema Integrado de Mobilidade do MERCOSUL (SIMERCO- do capital estrangeiro. A crise mostrou que a política de con-
SUL). Criado em 2012, durante a Presidência brasileira, o tenção da inflação com a valorização das moedas nacionais
SIMERCOSUL tem como objetivo aperfeiçoar e ampliar as frente ao dólar não poderia ser sustentável no longo prazo.
iniciativas de mobilidade acadêmica no âmbito do Bloco. No Negando sempre à similaridade entre o Brasil e o México e
segundo semestre de 2014, a Argentina assumiu a Presi- a Argentina, o governo passou a desacelerar a atividade
dência Pro Tempore do MERCOSUL. Entre os principais re- econômica e a frear a abertura internacional com a elevação
sultados da Cúpula de Paraná, Argentina, destacam-se: a da taxa de juros, aumento das restrições às importações e
assinatura de Memorando de Entendimento de Comércio e com estímulos à exportação. Com a necessidade de opor a
Cooperação Econômica entre o MERCOSUL e o Líbano; a as- situação econômica brasileira à mexicana, como um sinal ao
sinatura de acordo-quadro de Comércio e Cooperação Eco- capital especulativo, o governo quis mostrar que corrigiria a
nômica entre o MERCOSUL e a Tunísia; e a aprovação do trajetória de sua balança comercial, atingindo saldo positivo.
regulamento do Mecanismo de Fortalecimento Produtivo do Após retomada do crescimento entre abril de 1996 e junho
bloco. Em 17 de dezembro de 2014, o Brasil recebeu for- de 1997, a crise dos “Tigres Asiáticos”, que começou com a
malmente da Argentina a Presidência Pro Tempore do MER- desvalorização da moeda da Tailândia, se alastrou para In-
COSUL, que foi exercida no primeiro semestre de 2015. No donésia, Malásia, Filipinas e Hong Kong e acabou por atingir
dia 17 de julho de 2015 a Presidência Pro Tempore foi pas- Nova York e os mercados financeiros mundiais. A crise obri-
sada ao Paraguai, que a exercerá por um período de seis gou o governo a elevar novamente as taxas de juros e de-
meses. O MERCOSUL é detentor da maior reserva de petró- cretar um novo ajuste fiscal. Novamente a fuga de capitais
leo do mundo, com mais de 310 bilhões de barris de petróleo voltou a assolar a economia brasileira e o Plano Real. A con-
em reservas certificadas pela OPEP. Desse montante, a Ve- sequência foi a demissão de 33 mil funcionários públicos não
nezuela concorre com uma reserva de 296 milhões de barris. estáveis da União, suspensão do reajuste salarial do funcio-
A Venezuela detém 92,7% das reservas de petróleo do MER- nalismo público, redução em 15% dos gastos em atividades
COSUL. O Brasil tenderá a ampliar sua participação nas re- e corte de 6% no valor dos projetos de investimento para
servas de petróleo do Bloco à medida que os trabalhos de 1998, o que resultou em uma diminuição de 0,12% do PIB
certificação das reservas do Pré-Sal brasileiro progridam. naquele ano. A crise se intensificou em agosto com o au-
Estimativas conservadoras calculam essas reservas em mento da instabilidade financeira na Rússia, com a desvalo-
torno de 50 bilhões de barris. Em relação à integração do rização do rublo e a decretação da moratória por parte do
Brasil na economia mundial, uma das principais iniciativas governo. A resposta brasileira foi a mesma de sempre, a
para atrair o capital estrangeiro foi fazer mudanças na área elevação da taxa de juros básica para até 49% e um novo
de subsídios e incentivos, garantindo a possibilidade de con- pacote fiscal para o período 1999/2001. No entanto, dife-
corrência das empresas internacionais com empresas naci- rentemente das outras duas crises, o governo recorreu ao
onais. Um dos efeitos colaterais da abertura do mercado FMI em dezembro de 1998, com quem obteve cerca de US$
brasileiro foram os déficits na balança comercial, de 1995 41,5 bilhões, comprometendo- se a manter o mesmo regime
até o primeiro semestre de 2001. A dívida externa brasileira cambial, desvalorizando gradativamente o Real, acelerar as
passou de US$ 155 bilhões em 1989 para US$ 239 bilhões privatizações e as reformas liberais, realizar o pacote fiscal
em 2001. A zona rural também assistiu a inúmeros conflitos, e assumir metas com relação ao superávit primário. O fim
em especial dos movimentos reivindicadores da reforma da âncora cambial. Nos primeiros dias do segundo go-
agrária. Durante esse período o Movimento dos Trabalhado- verno de Fernando Henrique Cardoso, em janeiro de 1999,
res Rurais Sem Terra (MST); e o segundo governo Fer- a repercussão da crise cambial russa chegou ao seu limite
nando Henrique. Em seu segundo mandato, vencido no- no Brasil. As elevadas taxas de juros começavam a perder
vamente através da disputa contra Luiz Inácio Lula da Silva, força como ferramenta de manutenção do capital externo na
economia brasileira e um novo déficit recorde na conta de

25
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

transações correntes obrigou o governo a mudar a banda de 2009 o programa já contava com mais de 10 milhões de
cambial, que foi ampliada para R$ 1,32. Logo no primeiro famílias atendidas, recebendo uma remuneração que vari-
dia, o Real atingiu o limite máximo da banda, sendo desva- ava de R$ 20,00 a R$ 182,00. Para utilizar o programa, era
lorizado em 8,2%, o que influenciou na queda do valor dos exigência a frequência escolar e vacinação das crianças. O
títulos brasileiros no exterior e das bolsas de valores do programa teve como efeito a melhoria alimentar e nutricio-
mundo todo. O Banco Central tentou defender o valor da nal das famílias mais pobres, além de uma leve diminuição
moeda, vendendo dólares, mas a saída de capitais continuou nas desigualdades sociais. Em seu segundo mandato, des-
ameaçando se aproximar do limite de 20 bilhões, que foi tacou-se o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).
acordado com o FMI no ano anterior. Nesse momento, o go- O Mensalão. Em 2005, o deputado federal Roberto Jeffer-
verno não teve outra escolha senão deixar o câmbio flutuar son (PTB – RJ) denunciou no jornal Folha de São Paulo o
livremente, alcançando a cotação de R$ 1,98 em 13 dias. Os esquema de compra de votos conhecido como Mensalão. No
índices de desemprego atingiram um alto nível, alcançando Mensalão deputados da base aliada do PT recebiam uma
7,6 milhões de pessoas em 1999, número três vezes maior “mesada” de R$ 30 mil para votarem de acordo com os in-
que os 2 milhões do final da década de 1980. Apenas a Fe- teresses do partido. Entre os parlamentares envolvidos no
deração Russa, com 9,1 milhões e a Índia com 40 milhões esquema estariam membros do PL (Partido Liberal), PP (Par-
possuíam taxas de desemprego maiores que as do Brasil. No tido Progressista), PMDB (Partido do Movimento Democrá-
plano político, foi aprovada em 2000 a Lei de Responsabili- tico Brasileiro) e do PTB (Partido Trabalhista Brasileiro). En-
dade Fiscal, com o objetivo de controlar os gastos do poder tre os nomes mais citados do esquema estão José Dirceu,
público e de restringir as dívidas deixadas por prefeitos e que na época era ministro da Casa Civil e foi apontado como
governadores a seus sucessores. chefe do esquema. Delúbio Soares era Tesoureiro do PT e foi
acusado de efetuar os pagamentos aos membros do es-
6. 4 Gove rno Lul a (2002 - 2010) quema. Marcos Valério, que era publicitário e foi acusado de
arrecadar o dinheiro para os pagamentos. Outras figuras de
Antes de encerrar seu primeiro mandato, Fernando Henrique destaque no governo e no PT também foram apontadas
aprovou uma emenda que alterou a constituição, permitindo como participantes do mensalão, tais como: José Genoíno
a reeleição por mais um mandato. Com o fim de seu segundo (presidente do PT), Sílvio Pereira (Secretário do PT), João
mandato em 2002, José Serra, que foi ministro da saúde e Paulo Cunha (Presidente da Câmara dos Deputados), Minis-
um dos fundadores do PSDB foi apoiado por Fernando Hen- tro das Comunicações, Luiz Gushiken, Ministro dos Trans-
rique para a sucessão. Do lado da oposição, Lula concorreu portes, Anderson Adauto, e até mesmo o Ministro da Fa-
à presidência pela quarta vez, conseguindo levar a disputa zenda, Antônio Palocci.
para o segundo turno com o candidato tucano, quando ob-
teve 61% dos votos válidos. A vitória de Lula foi atribuída 6. 5 Gove rno Di l ma (2010 - 2016)
ao desejo de mudança na distribuição de riquezas, entre di-
versos grupos sociais. Em seus dois mandatos, de 2003 a Dilma Vana Rousseff nasceu em Belo Horizonte – MG, em 14
2010, não foram adotadas medidas grandiosas, com o pre- de dezembro de 1947. Iniciou a atividade política em grupo
sidente buscando ganhar progressivamente a confiança de de oposição ao regime militar, aos dezesseis anos de idade.
agentes econômicos nacionais e internacionais. Foi mantida Entre os anos de 1970 e 1972, esteve encarcerada em São
a política econômica do governo FHC, com a busca pelo com- Paulo por ser considerada subversiva pelo regime militar. Em
bate da inflação por meio de altas taxas de juros e estímulos 1973, mudou-se para Porto Alegre, e ingressou na faculdade
à exportação. Em 2005 foi saldada a dívida com o FMI. Como de Economia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
resultado da política econômica, em julho de 2008 a dívida Em 1979, participou da campanha pela anistia dos presos
externa total do país era de US$ 205 bilhões, e o país pos- políticos e fundou o Partido Democrático Trabalhista (PDT),
suía reservas internacionais acima dos US$ 200 bilhões. As no Rio Grande do Sul. Dilma atuou como secretária da Fa-
exportações bateram recordes sucessivos durante o governo zenda (1986-1988), e secretária de Energia, Minas e Comu-
Lula, com ampliação do saldo positivo da balança comercial. nicação do Rio Grande do Sul (1993 e 1998). No ano de
No plano social, o projeto de maior repercussão e sucesso 1998 ingressou no curso de Doutorado em Economia na Uni-
foi o Bolsa-Família, baseado na transferência direta de re- versidade Estadual de Campinas, no entanto, não o concluiu
cursos para famílias de baixa ou nenhuma renda. Em janeiro por conta das atividades políticas. Já filiada ao Partido dos

26
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

Trabalhadores, tornou-se ministra de Minas e Energia (2003 que grandes empreiteiras pagavam propinas para recebe-
a 2005), e depois ministra da Casa Civil (2005-2010). Em rem vantagens nos pleitos para escolha de empresas que
2010, concorreu às eleições presidenciais e venceu o pleito executariam obras para a Petrobrás. No mesmo ano de 2014,
com mais de 56% dos votos válidos, ficou em segundo lugar ocorreram as eleições para presidente do país e Dilma Ro-
o candidato do Partido da Social Democracia Brasileira usseff foi reeleita com mais de 51% dos votos válidos, em
(PSDB), José Serra. Dilma Rousseff foi a primeira mulher no segundo lugar ficou o candidato Aécio Neves do PSDB. No
Brasil a tornar-se presidente da República. O governo de segundo mandato de Dilma a situação econômica brasileira
Dilma Rousseff deu continuidade a política do governo ante- se agravou ainda mais, e no ano de 2015 foi registrado PIB
cessor de Luís Inácio Lula da Silva, também do Partido dos (Produto Interno Bruto) negativo no país (-3,8%).
Trabalhadores (PT). Desse modo, foram mantidos os progra-
As taxas de desemprego e inflação cresceram. Os aliados da
mas de assistência social como “Bolsa Família” e “Minha
presidência no Parlamento, reduziram. Manifestantes foram
Casa, minha vida”. Economicamente, a pauta neoliberal con-
às ruas pedindo o impeachment da presidente, e outros em
tinuou sendo adotada. Os problemas sociais do país foram
defesa do governo Dilma, gerando polarização política no
incumbidos à iniciativa privada, por meio de programas que
país. Em abril de 2016, a maioria dos deputados federais foi
investiam dinheiro público no setor privado (“Minha casa,
favorável ao impedimento do governo Dilma Rousseff. Em
minha vida”, “Pro-uni”, dentre outros).
maio de 2016, a maioria do Senado votou pela abertura de
Quando Dilma assumiu a presidência havia forte recessão processo de impeachment de Dilma, por crime de responsa-
econômica mundial, que também atingiu a economia nacio- bilidade fiscal. Os senadores decidiram pelo impeachment
nal. Tentando reverter essa crise, aumentou os investimen- de Dilma Rousseff, que foi sucedida pelo vice-presidente Mi-
tos na infraestrutura do país por meio do Programa de Ace- chel Temer, do Partido Movimento Democrático Brasileiro
leração do Crescimento 2 (PAC 2), em 2011. Como os países (PMDB), em 31 de agosto de 2016. Às 13h34 desta quarta-
da União Europeia e Estados Unidos estavam em crise, re- feira (31/08/16), Dilma Rousseff (PT) sofreu impeachment
correu-se à continuidade de estender comércio com países e encerrou seu mandato frente à Presidência da República.
da América Latina e a China. As taxas de juros foram redu- Em discurso após a votação no Senado, Dilma disse que so-
zidas, facilitando o crédito para as empresas e pessoas físi- freu um segundo golpe e prometeu uma oposição “firme e
cas. Essas medidas, no entanto, não contiveram a crise eco- incansável”. Às 16h49, Michel Temer (PMDB) deixou a vice-
nômica, que acarretou em uma crise política do governo presidência oficialmente e foi empossado presidente. Mais
Dilma. A crise política avultou, sobretudo, porque o governo tarde, na primeira reunião ministerial, respondeu aos oposi-
Dilma não conseguiu apoio às pautas propostas no Con- tores, prometendo não levar “desaforo para casa”: “golpista
gresso Nacional. A crise econômica que abateu a classe tra- é você”.
balhadora e setores proletarizados da população não foi em-
pecilho para o governo investir verbas bilionárias para a re- 6. 6 Gove rno T e me r (2016 - 2018)
alização da Copa das Confederações no Brasil. Em junho de
2013, a juventude brasileira tomou as ruas em protesto con- O governo Michel Temer teve início no dia 12 de maio de
tra a precarização da vida de modo geral, sendo o alto custo 2016, quando o vice-presidente da República, Michel Temer,
das passagens do transporte público uma das questões prin- assumiu interinamente o cargo de presidente da república,
cipais levantadas pelos manifestantes. As manifestações de após o afastamento temporário da presidente Dilma Rous-
junho de 2013 ocorreram em diversas cidades do país, des- seff, em consequência da aceitação do processo de impe-
tacadamente São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, que con- achment pelo Senado Federal. Concluído o processo, no dia
taram com atos com até um milhão de pessoas. Em repre- 31 de agosto do mesmo ano, Temer assumiu o posto de
sália, grupos de manifestantes foram processados e presos forma definitiva. Temer chegou à presidência em meio a uma
por meses. A insatisfação popular com o governo Dilma grave crise econômica no país, herdada do governo anterior.
cresceu significativamente nesse período. No ano de 2014 Temer afirmou, no ato de posse, que seu governo haveria
vieram à tona casos de desvio e lavagem de dinheiro envol- de ser um governo reformista. Foram trazidas à tona diver-
vendo a Petrobrás. Esses casos foram investigados pela Po- sas propostas econômicas, como o controle dos gastos pú-
lícia Federal, surgindo a operação “Lava Jato”. Descobriu-se blicos, por intermédio da já aprovada PEC 55, que impõe
limites a gastos futuros do governo federal; uma reforma

27
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

trabalhista, já aprovada; a liberação da terceirização para exigindo que os candidatos expusessem suas propos-
atividades-fim, com a Lei da Terceirização; e a reforma da tas e o histórico de sua atuação política. Nos anos
previdência, que o governo não conseguiu levar adiante. O 1980 e 1990, respectivamente, o Brasil conheceu um
governo está mais centrado em questões econômicas, com candidato popularmente chamado de “O caçador de
o objetivo inicial de tirar o país da recessão e retomar o marajás” e outro que, enquanto foi Ministro da Fa-
crescimento. Por outro lado, houve também mudanças no zenda, ganhou notoriedade pela implantação do Plano
campo social, como a conclusão e inauguração de parte da Real, responsável pela estabilização da economia na-
obra de transposição do rio São Francisco, e no campo da cional. Esses presidentes foram, respectivamente:
educação, com a reforma do ensino médio, entre outras.
A. Fernando Collor de Mello e Tancredo Neves.
Desde a ascensão de Temer ao Planalto, o envolvimento de
aliados, ministros e do próprio presidente em escândalos de B. José Sarney e Fernando Henrique Cardoso.
corrupção causa polêmicas. Mesmo assim, o governo vem
C. Fernando Collor de Mello e Fernando Henrique Car-
conseguindo manter uma base sólida no Congresso, o que
doso.
tem possibilitado a aprovação de reformas "necessárias para
estimular o crescimento econômico", segundo o peemede- D. Tancredo Neves e Itamar Franco.
bista. O Governo Temer, contudo, tem sido acusado por en-
E. Itamar Franco e Luiz Inácio Lula da Silva.
tidades e especialistas de retrocessos, notadamente nas
área social e ambiental e também na condução das questões
2. São características do modelo econômico que pas-
indígenas.S egundo pesquisas de opinião de institutos dis-
sou a ser implementado no Brasil especialmente a
tintos, o governo tem a menor aprovação popular da história
partir do início dos anos 90:
no País. Nos dois anos de governo, segundo dados do Banco
Central, do IBGE, do Caged e da Bolsa de Valores de São a) a estatização e a abertura comercial.
Paulo, o governo reduziu a taxa de juros de 14,25% para
b) a abertura comercial e a criação da CLT.
6,50% ao ano; a inflação saiu de 9,32% para 2,76%; a taxa
c) a privatização e a criação de regras que dificultam a im-
de desemprego de 11,2% para 13,1%; o dólar subiu de 3,47
para 3,60 e o índice Bovespa subiu de 48.471 pontos para portação.
85.190 pontos. Temer aproveitou da melhoria dos índices da
d) o rígido controle de preços e a privatização.
economia de seu governo para gravar um vídeo falando de
e) a privatização e a abertura comercial.
boas notícias na economia e comparando os dados econô-
micos do governo Dilma. "Com estes recursos, o governo 3. Em junho de 1994, o então ministro da Fazenda,
fecha as contas de 2018 e garante o cumprimento da cha- Fernando Henrique Cardoso, anunciou à nação um am-
mada regra de ouro", disse Temer, acrescentando que "a Pe- plo programa de estabilização da economia. Entre as
trobras atingiu o maior valor de mercado da sua história, principais características do Plano Real, estão corre-
R$ 312,5 bilhões" e que o Brasil "foi considerado por 2.500 tas:
altos executivos de todo o mundo o segundo principal des-
tino de investimentos externos dos principais setores indus- A. O confisco, por 18 meses, de recursos depositadosem

triais". Temer ainda afirmou que em 2017, os Correios tive- contas bancárias e em cadernetas de poupança e o con-

ram um lucro de 667 milhões de reais. "Este, aliás, é o pri- gelamento de preços e salários.

meiro lucro desde 2013, quando a companhia começou a B. A reforma monetária, com equiparação do valor da mo-

registrar prejuízos seguidos até 2016", afirmou o presidente. eda nacional ao dólar, a elevação da taxa de juros, a re-
dução do déficit público e a privatização de estatais.
EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO: NOVA REPÙBLICA C. A suspensão do pagamento da dívida externa, a conten-
ção dos gastos públicos e limitações aos reajustes de pre-
ços e de salários, gerando inflação zero.
1. Com o fim da ditadura e o restabelecimento da nor- D. O controle da inflação por meio do congelamento de pre-
malidade democrática, a escolha do Presidente da Re- ços, a reforma monetária com aumento real de salários e
pública passou a ocorrer por meio do voto popular, a abertura do mercado interno a investidores estrangei-
ros.

28
ALICERCE CONCURSOS
HISTÓRIA DO BRASIL: DE 1930 AOS DIAS ATUAIS
Auxiliar da Promotoria I
Prof. Esp. Wesley Werner da Silva Nunes

E. A exclusão econômica e social da maior parte da popula-


ção, a concentração de rendas, a redefinição dos gastos
públicos, com privilégio das áreas de segurança e trans-
portes.

4. No Brasil, em 2012, formou-se uma comissão cons-


tituída por membros designados pelo governo federal
para investigar crimes políticos cometidos durante o
século XX, com ênfase na ditadura militar (1964-
1985). Esta comissão foi nomeada como:

A. Memórias do Passado Nacional


B. Comissão Nacional da Verdade
C. Memórias Históricas Reveladas
D. Marcas Brasileiras do Passado
E. Comissão Brasil: Nunca Mais

5. A campanha eleitoral de Fernando Collor de Mello


baseou-se, essencialmente, no tema da moralização
administrativa e política. Que outro candidato à Presi-
dência da República explorou, com preferência, a
mesma temática?

A. Eurico Gaspar Dutra.


B. Fernando Henrique Cardoso.
C. Tancredo Neves.
D. Jânio Quadros.
E. Getúlio Vargas.

29
ALICERCE CONCURSOS