Вы находитесь на странице: 1из 7

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA


PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA – PROHIS

PLANO DE ENSINO

IDENTIFICAÇÃO
Disciplina Cultura Sociedade e Poder Código
Pré-requisito(s) Não se aplica Carga horária 60 horas/
PEL Créditos 04
Professor (es) Prof. Dra. Edna Maria Matos Antonio e Prof. Dr. Thiago Lenine Semestre 2019.1
Tito Tolentino
Horário 09:00 – 12:50
EMENTA

A disciplina irá abordar as perspectivas teóricas em torno do vasto campo historiográfico que envolve
cultura, sociedade e poder. Neste sentido, as abordagens historiográficas serão divididas didaticamente
segundo seus tópicos: Cultura (campo simbólico, representações, produções artísticas e culturais, indústria
cultural etc.); Sociedade (classes, grupos, agentes, organizações, associações, partidos, indivíduos, mundos
do trabalho etc.); e Poder (instituições, discursos, normatizações, políticas públicas, projetos políticos etc.).
Será, porém, na articulação de tais tópicos e temáticas que a disciplina irá caracterizar a especificidade de
sua perspectiva.

OBJETIVOS
1. GERAL – Contemplar teoricamente as principais questões de cunho epistemológico, metodológico e filosófico que
caracterizam a perspectiva da linha cultura, sociedade e poder do programa de Pós-Graduação em História da Universidade
Federal de Sergipe.

2. ESPECÍFICOS – Trabalhar a orientação teórica da linha de pesquisa associada aos trabalhos e projetos de pesquisa
desenvolvidos pelos discentes.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

*As datas dos referidos tópicos abaixo provavelmente serão alteradas e deslocadas devido aos compromissos do professor
durante o decorrer do semestre.

Março
12

Apresentação do curso

19
Sociedade e Pensamento Sociológico Clássico

QUINTANEIRO, Tânia; OLIVEIRA, Maria Lígia; OLIVEIRA, Barbosa Márcia Gardênia Monteiro de Oliveira. Um
toque de clássicos. Belo Horizonte: UFMG, 2003.
26

Viradas críticas do pensamento sociológico

ELIAS, Norbert. Introdução à sociologia. Lisboa: Biblioteca Nacional de Portugal, 1990.

Abril

Sociologia e História

2
BRAUDEL, Fernand. La historia y las ciencias sociales. Madrid: Alianza Editorial, 1970.

Qual cultura?

ABREU, Márcia. Cultura Letrada. Literatura e leitura. São Paulo: Unesp, 2004.

16

O conceito de cultura em vertentes variadas

CUCHE, Dennys. A noção de cultura nas ciências sociais. Bauru: EDUSC, 1999.

23

História Cultural

CHARTIER, Roger. El presente del pasado. Escritura de la historia y historia de lo escrito. Ciudad del Mexico:
Universidad Ibero Americana, 2005.

30

História cultural em perspectiva 1

DARNTON, Robert. Uma precoce sociedade da informação. As notícias e a mídia em Paris no século XVIII, Varia
História, Belo Horizonte, pp. 9-51, jul/2000.

CHALOUB, Sidney. “Profundo abalo e nossa sociedade”. Visões da liberdade. Uma história das últimas décadas da
escravidão na corte. 1989. 441 fls. Tese (Doutorado). Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Filosofia e Ciências
Humanas – Departamento de História.

Maio

História cultural em perspectiva 2

ALMEIDA, Maria Hermínia Tavares de; WEIS, Luiz. Carro-zero e pau-de-arara: o cotidiano da oposição de classe ao
regime militar. In: SCHWARCZ, Lilia Moritz (Org). História da vida Privada no Brasil. Vol 4. Contrastes da intimidade
contemporânea. São Paulo: Cia das Letras, 1998.

FACHINI, Regina. Movimento homossexual no Brasil: recompondo um histórico, Cadernos AEL, v 10, 9.. 83-124, no 18/19,
2003.
7

Sociedade, cultura e poder em debate

EAGLETON, Terry. Despues de la teoria. Barcelona: Cultura Libre, 2005.

METODOLOGIA

O curso será todo feito a partir de aulas expositivas mescladas com seminários que serão devidamente divididos entre os alunos a
cada aula.

_______________________________________________________________________________________________________
RECURSOS DIDÁTICOS

As aulas terão nos debates e participação dos alunos a maneira mais recorrente de construção dos saberes.
_______________________________________________________________________________________________________
FORMA DE AVALIAÇÃO

A avaliação será permanente segundo a participação dos alunos nas aulas e atividades propostas, sendo observados rigorosamente
o engajamento dos mesmos nos seminários, debates e apresentação de temas. Ao fim do curso, cada aluno deverá apresentar um
trabalho final em forma de artigo que contemple alguma das temáticas trabalhadas no curso. A mobilização da bibliografia
suplementar, seja nas discussões, seja no trabalho final, será critério para avaliação.

________________________________________________________________________________________________________
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

2. REFERÊNCIAS COMPLEMENTARES:

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2007.


ADORNO, Theodor. Epistemología y ciencias sociales. Valencia: Frónesis, 1975.
AGUIAR, Neumar. Gênero e ciências humanas. Desafio às ciências humanas desde a perspectiva das mulheres. Rio de Janeiro:
Rosa dos Tempos, 1997.
ANDERSON, Benedict. Comunidades Imaginadas. Reflexiones sorbe el origen y la difusión Ciudad de Mexico: FCE, 1993.
ANDRADE, Breno Gontijo. Vocabulário político e maçonaria na revolução pernambucana de 1817, OPSIS, Catalão, v 10, p. 169-
186, jan-jun. 2010.
AQUINO, Maria Aparecida de. Censura, imprensa, Estado Autoriário. (1968-978). O Exercício cotidiano da dominação e da
resistência O Estado de São Paulo e Movimento. Bauru: EDUSC, 1999.
BAUMAN, Zygmunt et alli. O papel da cultura nas ciências sociais. Rio de Janeiro: Villa Martha, 1980.
BAUMAN, Zygmunt. Aprendendo a pensar com a sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.
BAUMAN, Zygmunt. Ensaios sobre o conceito de cultura. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.
BENJAMIN, Walter. Documentos de cultura. Documentos de barbárie. (Escritos escolhidos). São Paulo: Cultrix, 1986.BHABA,
BHABA, Homi. O Local da Cultura. Belo Horizonte: UFMG, 1998.
BLOCH, Marc. A sociedade feudal. São Paulo: Martins Fontes, s/d.
BOBBIO, Norberto et alli. Dicionário de política. Brasília: UNB, 1983.
BOSI, Alfredo. Cultura Brasileira e culturas brasileiras. Dialética da colonização. São Paulo: Cia das Letras, 1992. 308-345.
BOSI, Ecléa. Memória e sociedade. Lembranças de Velhos. São Paulo: Cia das Letras, 1995.
BOURDIEU, Pierre. Campo de poder, campo intelectual. Itinerario de um concepto. Buenos Aires: Montressor, 2002.
BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Lisboa: DIFEL, 1989.
CANCLINI, Nestor Garcia. Culturas híbridas. Estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: EDUSP, 2003.
CANDAU, Joël. Memória e Identidade. São Paulo: Contexto, 2012.
CARVALHO, Marcus J M de. Cavalcantis e cavalgados: a formação das alianças políticas em Pernambuco, 1817-1824, Revista
Brasileira de História, v 18, n 36, 1998.
CHALHOUB, Sidney. A força da escravidão. Ilegalidade e costume no Brasil oitocentista. São Paulo: Cia das Letras, 2012.
CHALHOUB, Sidney. Cidade febril. Cortiços e epidemias na corte imperial. São Paulo: Cia das Letras, 2006.
CHARTIER, Roger. A história ou a leitura do tempo. Belo Horizonte: Autentica, 2007.
COELHO, Teixeira. A cultura e seu contrário: cultura, arte e política pós-2001. São Paulo: Iluminuras: Itaú Cultural, 2008.
COHN, Gabriel. Sociologia da comunicação. Teoria e ideologia. São Paulo: Pioneira, 1973.
CORTINA, Arnaldo. “O príncipe” de Maquiavel e seus leitores. Uma investigação sobre o processo de leitura São Paulo:
UNESP, 1999.
DARNTON, Robert. O beijo de Lamourette. Mídia, cultura e revolução. São Paulo: Cia das Letras, 1990.
DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. São Paulo: EbookLibris, 2003.
ELIADE, Mircea. Mito e realidade. São Paulo: Perspectiva, 1972.
ELIAS, Nortbert. Mozart. Sociología de un genio. Barcelona: Península, 1991.
ELIOT, T. S. Notas para uma definição de cultura. São Paulo: Perspectiva, 1988.
ESCOSTEGUY, Ana Carolina D. Cartografias dos estudos culturais. Uma versão latino-americana. Belo Horizonte: Autentica,
2001.
FOUCAULT, Michel. Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008.
FOUCAULT, Michel. Segurança, território, população. São Paulo: Martins Fontes, 2008.
FREUD, Sigmund. Mal-estar na cultura. Porto Alegre: L&PM, 2010.
GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.
GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. São Paulo: UNESP, 1991.
GILROY, Paul. O Atlântico Negro. modernidade e dupla consciência. Rio de Janeiro: Editora 34, 2001.
GINZBURG, Carlo. O queijo e os vermes. O cotidiano e as ideias de um moleiro perseguido pela Inquisição. São Paulo: Cia das
Letras, 2006.
GRUZINSKI, Serge. O pensamento mestiço. São Paulo: Cia das Letras, 2001.
GUATTARI, Félix; ROLNIK, Suely. Micropolítica. Cartografias do desejo. Petrópolis: 1996.
GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Classes, raças e democracia. São Paulo: Editora 34, 2002.
HALL, Stuart. Da diáspora. Identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG, 2003.
HILL, Christopher. O mundo de ponta-cabeça. Ideias radicais durante a Revolução Inglesa de 1640. São Paulo: Cia das Letras,
1987.
HIRSCHMAN, Alberto. As paixões e os interesses. Argumentos políticos para o capitalismo antes de seu triunfo. Rio de Janeiro:
Paz e Terra, 1979.
HOBSBAWN, Eric. Bandidos. Barcelona: Editorial Critica, 2001.
HOBSBAWN, Eric; RANGER, Terence (orgs.). A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.
HUIZINGA, Johan. O declínio da Idade Média. Lisboa: Ulisseia, 1985.
HUNT, Lynn. A nova história cultural. São Paulo: Martins Fontes, 1992.
KELLNER, Douglas. A cultura da mídia - estudos culturas: identidade e politica entre o moderno e o pós-moderno. Bauru:
EDUSC, 2001.
LARAIA, Roque de Barros. Cultura: Um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.
LASCH, Christopher. A cultura do narcisismo. A vida americana numa Era de Esperanças em Declínio. Rio de Janeiro: Imago,
1983.
LE GOFF, Jacques. Por amor às cidades. São Paulo: UNESP, 1997.
MARTINS, Carlos Benedito. O que é sociologia. São Paulo: Brasiliense, 1994.
MELLO, Maria Tereza Chaves de. A modernidade republicana, Tempo, vol 15, n 26, Rio de Janeiro, pp. 15-31, jan/2009.
MORIN, Edgar. Cultura de massas no século XX. O espírito do tempo – 1. Neurose. Rio de Janeiro: Forense, 2002.
OLIVEIRA, Lucia Lippi. A questão nacional da Primeira República. São Paulo: Brasiliense, 1990.
PESAVENTO, Sandra Jathay. História & História Cultural. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.
REIS, José Carlos. A filosofia da história pós moderna: Elias, Foucault, Bourdieu e Thompson, Saeculum, João Pessoa, pp. 33-44,
jul/dez 2009.
REIS, José Carlos. Norbert Elias estruturado, Diálogos, DHI/UEM, 02: 39-43, pp. 41-45, 1998.
SAHLINS, Marshall. Cultura e razão prática: dois paradigmas da teoria antropológica. Cultura e razão prática. Rio de Janeiro:
Zahar, 1979.
SAHLINS, Marshall. Esperando Foucault, ainda. São Paulo: Cosac Naify, 2004.
SAHLINS, Marshall. Ilhas de história. Rio de Janeiro: Zahar, 1997.
SAID, Edward. Orientalismo. O oriente como invenção do ocidente. São Paulo: Cia das Letras, 1990.
SALIBA, Elias Thomé. As utopias românticas. São Paulo: Brasiliense, 1991.
SCHOLLHAMER, Karl Erik. Além do visível. O olhar da literatura. Rio de Janeiro: 7Letras, 2007.
SOARES, Carmen Lucia. Imagens da educação no corpo. Campinas: Autores associados, 2005.
TELLES, Edward E. O significado de raça na sociedade brasileira. S/L. 2012.
VAUCHEZ, André. A espiritualidade na Idade Média ocidental. Rio de Janeiro: Zahar, 1995.
VEYNE, Paul. O inventario das diferenças. História e sociologia. São Paulo: Brasiliense, 1983.
VILLALTA, Luiz Carlos. As origens intelectuais e políticas da Inconfidência Mineira. In: VILLALTA, Luiz Carlos; RESENDE,
Maria Efigênia Lage de. História de Minas Gerais: As Minas setecentistas. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.
WAGNER, Roy. A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify, 2010.
WILLIAMS, Raymond. Palabras clave. Un vocabulario de la cultura y la sociedad. Buenos Aires: Ediciones Nueva Visión, 2003.
WOLTON, Dominique. Elogio do Grande Público. Uma teoria crítica da televisão. São Paulo: Ática, 1996.

PODER
Conteúdo Programático:
História e Poder
A trajetória da História Política no Brasil
A História política do Brasil e seus novos temas.
Cultura política
Imaginário político e representações do poder
Poder e relações identitárias e de gênero

Metodologia:
Aulas dirigidas por recortes temáticos a partir de leituras diversificadas, com apresentação planejada dos
textos e debate coletivo.

Avaliação:
• exposição de textos/seminários;
• participação nos debates em aula;
• elaboração de um artigo sobre um dos temas abordados, a partir de acordo prévio com professor sobre
bibliografia utilizada.

Programação de aulas temáticas e leituras básicas:

1ª aula: O poder na História e na historiografia - 14/05


FALCON, Francisco. “História e Poder”. Em: CARDOSO, Ciro; VAINFAS, Ronaldo (orgs). Domínios da
História: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997.
JULLIARD, Jacques. A política. In: LE GOFF, J., NORA, P. (dir.). História: novas abordagens. Tradução de
Henrique Mesquita. 3. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1988. p. 180-196

2ª aula: As novas abordagens sobre a História Política – 21/05


RÉMOND, René. Por uma história política. Rio de Janeiro, FGV, 2003.
ARENDT, Hannah. A promessa da política. Rio de Janeiro: Difel, 2009.

3ª aula: História política e historiografia 28/05


GOMES, Ângela de Castro. “História, historiografia e cultura política no Brasil: algumas reflexões”. In:
SOIHET, Rachel et elli. Culturas políticas: ensaios de história cultural, história política e ensino de história.
Rio de Janeiro: Mauad, 2005. pp. 21-44.
GOUVÊA, Maria de Fátima Silva. A História Política no campo da História Cultural. In: Revista de História
Regional, Verão, 1998.

4 ª aula: História política e historiografia (04/06)


BARROS, José D'Assunção. História Política: da expansão conceitual às novas conexões
interdisciplinares. Opsis, Goiânia, v. 12, n. 1, p. 29 -55, 2012.
BORGES, Vavy P. História Política: totalidade e Imaginário. Estudos Históricos. FGV, v. 9,
n. 17, p. 151-160, jul. 1996
5 ª aula: História e relações de poder (11/06)
BOURDIEU, Pierre. “Sobre o poder simbólico”. In: BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de
Janeiro: Bertrand Brasil, 1998, pp. 7-16

6ª aula: Cultura política - 18/06


BERSTEIN, Serge. “Cultura Política” In: RIOUX, Jean-Pierre; SIRINELLI, Jean-François (orgs.). Para uma
História Cultural. Lisboa: Estampa, 1997
MOTTA, Rodrigo Sá. Culturas políticas na História: novos estudos. BH: Argumentum, 2009

7ª aula: Poder e representações 25/06


BARROS, José D'Assunção. História política, discurso e imaginário: aspectos de uma interface.
Sæculum - REVISTA DE HISTÓRIA [12]; João Pessoa, jan./ jun. 2005.

8 ª aula: Poder e relações identitárias e de gênero 02/07


BEARD, Margareth. Mulheres e poder. Um manifesto. São Paulo: Planeta do Brasil Ltda,
125p., 2018. Tradução de: Celina Portocarrero.
SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, Tomaz
Tadeu (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 12ª ed. Petrópolis:
Editora Vozes, 2000.

9 ª aula: Encerramento – 09/07

REFERENCIAS:

ANSART, Pierre. Ideologias, conflitos e poder. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1990.
ARENDT, Hannah. A promessa da política. Rio de Janeiro: Difel, 2009.
AZEVEDO, Cecília. ROLLEMBERG, Denise. BICALHO, Maria Fernanda. KNAUSS, Paulo. QUADRAT,
Samantha Viz (Orgs.). Cultura política, memória e historiografia. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009.
BALANDIER, Georges. O poder em cena. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1982.
BENJAMIN, Walter. A Modernidade e os Modernos. 2º.ed. Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 2000.
BERSTEIN, Serge. Cultura Política. In: RIOUX, Jean-Pierre; SIRINELLI, Jean-François (orgs.). Para uma História
Cultural. Lisboa: Estampa, 1997
BETHELL, Leslie (org.) Brasil: fardo do passado, promessa do futuro. Dez ensaios sobre política e sociedade
brasileira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.
BOBBIO, Norberto et.al. Dicionário de política. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1998.
BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.
CARDOSO, Ciro Flamarion; VAINFAS, Ronaldo. Domínios da história: ensaios de teoria e metodologia. Campus,
1997.
CHARTIER, Roger. A História Cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1990.
D’ALESSIO, Márcia Mansor. A política no fazer e no saber históricos. In: SEBRIAN,R. N. Nicoletti
et alii (Org.). Dimensões da Política na historiografia. Campinas: Pontes
DOSSE, François. O Desafio Biográfico: escrever uma vida. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2009
GOUVÊA, Maria de Fátima Silva. A História Política no campo da História Cultural. In: Revista de História Regional,
Verão, 1998.
JULLIARD, Jacques. A política. In: LE GOFF, J., NORA, P. (dir.). História: novas abordagens. Tradução de
Henrique Mesquita. 3. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1988. P. 180-196
MAGNOLI, Demétrio. O Estado em busca de seu território. Em JANCSÓ, István (org.). Brasil: Formação do Estado e
da Nação. São Paulo: Hucitec, 2003.
MENDONÇA, Sonia Regina de; FONTES, Virginia. História e teoria política. In: CARDOSO, Ciro
Flamarion; VAINFAS, Ronaldo (Org.). Novos domínios da história. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012, p.
55-71.
MOTTA, Rodrigo Sá. Culturas políticas na História: novos estudos. BH: Argumentum, 2009.
PROST, Antoine. Doze lições sobre a história. Trad. João Teixeira. Belo Horizonte: Autêntica, 2009
RÉMOND, René. Por uma história política. Rio de Janeiro: FGV, 2003.
SABINA, Loriga. A biografia como problema. In: REVEL, Jacques (Org.) Jogos de escalas a experiência da
microanálise. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas Editora, 1998. p. 225-249.
SEIXAS, Jacy; BRESCIANI, Maria Stella; BREPOHL, Marion. (Orgs.). Razão e Paixão na Política. Brasília: UnB,
2002.
SENELLART, Michel. As artes de governar: do regimen medieval ao conceito de governo. São Paulo: Editora 34,
2006.
SOIHET, Rachel et elli. Culturas políticas: ensaios de história cultural, história política e ensino de história. Rio de
Janeiro: Mauad, 2005.
SOMERS, Margaret R. Qué hay de polític o o de cultural em la cultura política y em la esfera
pública? Hacia uma sociologia histórica de la formación de conceptos. Zona Abierta, Madrid, n.
77/78, 1996/97, p. 31-94.
WILLIAMS Raymond. Cultura, Estudos Culturais, Estudos Pós-coloniais. In: Palavraschave: um vocabulário de
cultura e sociedade. Tradução Sandra Guardini Vasconcelos. Bomtempo, 2007.