Вы находитесь на странице: 1из 26

Mídias entre poéticas e

tecnologias:
v
cinema expandido no
espaço urbano do Rio de
Janeiro
Objetivo

Este trabalho busca compreender, através da


observação de experiências de cinema em
espaços públicos, o nascimento de outros
imaginários, mídias e linguagens calcados na
emoção e na imersão na experiência urbana
com a imagem em movimento, expandida
em diferentes tecnologias e, de algum modo,
poética.
Corpus
Metodologia
Hipótese provisória

•Hipótese:que a intensidade da experiência


vivenciada gera outras ocupações do espaço,
sociabilidades e narrativas
Referencial teórico
Questões primárias
•Em que medida o cinema pode criar territórios sensíveis,
independente das suas instâncias, quando atravessa o
espaço urbano?

•que seria feito do tempo do cinema (mídia cuja origem


foi a de existir em um espaço fechado, escuro, apartado
do cotidiano das ruas) quando é expandido para o
coração dos acontecimentos urbanos, no caso, a praça?
Como observar as sociabilidades e experiências nesse
novo espaço e compartilhamento simbólico que se cria?
Questões secundárias

• Cinema como arte relacional?


• Narrativas como formas de
territorializar lugares?
• Cinema para além das salas de
exibição?
Ocupações através do cinema
transformam?

• Ocupar o espaço, dessa forma, é empreender


um caminho, pelas palavras de
Guattarri(1992), de caráter estético e subjetivo
Cinema como potência de
sociabilidade

Mapear a potência de sociabilidade e


vinculações entre espaços e sujeitos é propor
a redefinição de fronteiras simbólicas e fluxos
comunicacionais que podem atravessar a
cidade, paisagem que se constitui no social
Referencial bibliográfico

•transcinema:nova construção de espaço-


tempo. Kátia Maciel
•Arte relacional:N. Bourriard
•imagem-relação: Boissier apud Maciel
•Lugar: Milton Santos
•Territórios sensíveis: Andrea França
•Experiência urbana: Nicolau Sevcenko.
•Experiência do cinema e cidade:L.Charney
conceitos
a serem observados
Três instâncias do cinema

1. Arquitetura da “sala”
2. Tecnologia de projeção
3. Forma narrativa
Forma-cinema

• Imagem
• Representação
• idealização
intensidade

Em matéria de arte, a única regra comum a


dispositivos tão distintos é que os efeitos
sejam intensos e os
afetos,duráveis”(MACIEL,2009,p.29)
Cinema na rua
Ciclocine
Coletivo Projetação
Coletivo Projetação
Cinema no hospital
Cinema no HU
Cinema no IPPMG
Cinema no grupo de pacientes -Hanseníase
Cinema no HU
Próximos passos

Diferentes linguagens, diferentes formas-


cinema.Narrativas sonoras, imagéticas, afetivas.
Diário de campo