Вы находитесь на странице: 1из 28

A região semiárida

brasileira
1
Rebert Coelho Correia
Lúcia Helena Piedade Kiill
Magna Soelma Beserra de Moura
Tony Jarbas Ferreira Cunha
Luciano Alves de Jesus Júnior
José Lincoln Pinheiro de Araújo

O Semiárido brasileiro ocupa uma área de 969.589 km2 e inclui os Estados do


Ceará, Rio Grande do Norte, a maior parte da Paraíba e Pernambuco, Sudeste do Piauí,
Oeste de Alagoas e Sergipe, região central da Bahia e uma faixa que se estende em
Minas Gerais, seguindo o Rio São Francisco, juntamente com um enclave no vale seco
da região média do rio Jequitinhonha (BRASIL, 2005) (Figura 1).

Figura 1. Delimitação do Semiárido brasileiro (Base cartográfica: IBGE, 2010).

21
3
Produção de caprinos e ovinos no Semiárido

Clima

A precipitação pluviométrica do Semiárido brasileiro é marcada pela variabilidade


espaço-temporal, que, associada aos baixos totais anuais sobre a região, resulta na
frequente ocorrência de dias sem chuva, ou seja, veranicos, e consequentemente, em
eventos de “seca”. De acordo com Marengo (2006), o Semiárido brasileiro sempre foi
acometido de grandes eventos extremos de secas, contudo, não é rara a ocorrência de
grandes enchentes. Esses eventos estão diretamente associados à produção
agropecuária, sendo os principais responsáveis pelo sucesso, ou não, dessa
importante atividade na região.
Em uma compilação de informações fornecidas por Oliveira; Vianna (2005) e
Rebouças et al. (2006), apresenta-se a cronologia das secas, que pode ser associada a
dados de produção de forragens, de carne, de leite, ovos, morte de animais, dentre
outros. Marengo (2006) afirma que ocorrem entre 18 e 20 anos de seca para cada 100
anos, entretanto esse evento tem sido mais frequente a partir do século XX (Tabela 1).

Tabela 1. Cronologia da ocorrência de secas no Nordeste do Brasil entre os Séculos


XVI e XXI.
Séculos
Décadas 16 17 18 19 20 21
00 1603 1707 1804 1900 2001
1608 1808/1809 1903 2003
10 1614 1710/1711 1814 1915
1919
20 1721/1722 1824/1825
1723/1724 1829
1725/1726
1727
30 1730 1830 1932
1736/1737 1833
40 1645 1744/1745 1844/1845 1942
1746/1747
50 1652 1751 1951/1952
1754 1953
1958
60 1760 1962
1766 1966
70 1771/1772 1870 1970
1777/1778 1877/1878 1976
1879 1979
80 1583 1783/1784 1888/1889 1980/1981
1587 1982/1983
90 1692 1791/1792 1898 1990/1991
1793 1992/1993
1998/1999
Fonte: Adaptado de OLIVEIRA; VIANNA (2005); REBOUÇAS et al. (2006); MARENGO (2006).

22
Há de se destacar que, pela grande variabilidade espacial da precipitação no
semiárido brasileiro, pode haver locais nos quais os totais pluviométricos estejam
dentro dos valores médios em um ano considerado seco, ou vice-versa, ou seja, podem
existir áreas com valores de chuva superiores à média. Entretanto, salienta-se que os
anos a apresentados como secos na Tabela 1 são característicos da maior parte dos
postos pluviométricos monitorados no Nordeste.
A ocorrência de veranicos e a própria variabilidade interanual da precipitação são,
em muitos casos, decorrentes de fenômenos meteorológicos de grande escala, como o
El Niño (SOUZA et al., 2001). Além deste fenômeno, esta variabilidade está associada a
variações de padrões de temperatura da superfície do mar (TSM) sobre os oceanos
tropicais, os quais afetam a posição e a intensidade da Zona de Convergência
Intertropical (ZCIT) sobre o Oceano Atlântico (NOBRE; MELO, 2001), influenciando na
ocorrência das precipitações, em sua quantidade, intensidade e frequência.
No que se refere ao total anual, na Figura 2 pode ser observada a climatologia da
precipitação sobre o Nordeste do Brasil, onde se encontra a maior parte do Semiárido.
Os dados utilizados para a elaboração do mapa são referentes a um período mínimo de
dez anos e foram obtidos junto ao Departamento de Ciências Atmosféricas da
Universidade Federal de Campina Grande, cuja fonte original é a Superintendência de
Desenvolvimento do Nordeste (SUDENE, 1990).
Observa-se que, no litoral leste, as chuvas são superiores a 1.000 mm e, à medida
que se vai adentrando para o interior da região, atravessando o Agreste e se dirigindo
para o Sertão, as precipitações diminuem e alcançam valores médios inferiores a 500
mm anuais. Estes baixos valores se devem ao fato de esta região coincidir o ponto final
de influência das principais frentes que convergem para o interior do Nordeste. Assim,
com o deslocamento das frentes sobre o continente em direção ao interior do
Semiárido, as mesmas perdem umidade e os menores totais de chuva ocorrem,
especialmente, nas áreas fronteiriças entre os Estados de Pernambuco, Bahia e Piauí.
Na Figura 2 também se verifica uma grande faixa com valores mais reduzidos de
precipitação (< 700 mm), que atravessa os Estados do Rio Grande do Norte, da
Paraíba, de Pernambuco, do Piauí e da Bahia e alcança parte do Ceará. Há algumas
regiões centrais que apresentam valores mais elevados de precipitação, próximos a
1.500 mm. Essas áreas possuem microclimas específicos, que ocorrem pela presença
de serras e montanhas, como na Chapada Diamantina, na Bahia, parte Oeste da
Paraíba e no Centro-norte de Pernambuco.

23
3
Produção de caprinos e ovinos no Semiárido

Figura 2. Climatologia da precipitação anual da região Nordeste do


Brasil. (Base cartográfica: IBGE, 2010; Fonte de dados: SUDENE, 1990).

O valor total anual da precipitação pode não representar muito sobre a qualidade
da estação chuvosa, uma vez que, para a agricultura e pecuária, mesmo em anos em
que o total de chuva é próximo ou acima da média, podem ocorrer períodos
prolongados de estiagem, que se intercalam com episódios de chuvas mais intensas.
Esses eventos ocasionam a denominada “seca verde”, que pode afetar a produção e a
disponibilidade de forragem para os animais, especialmente no período sem chuvas.
Por este motivo, o conhecimento da distribuição temporal da chuva torna-se uma
informação muito importante. Os totais médios mensais da precipitação no Semiárido
podem ser observados na Figura 3. As chuvas são concentradas em poucos meses (3-4
meses), geralmente intensas e ocorrem em poucos dias do ano.

24
Figura 3. Climatologia da precipitação mensal da região
Nordeste do Brasil (Base Cartográfica: IBGE, 2010; Fonte de
dados: SUDENE, 1990).

Verifica-se que os quatro meses mais chuvosos para Estados do Norte do


Nordeste, como Ceará, Rio Grande do Norte e parte da Paraíba, ocorrem de fevereiro a
maio, enquanto para o Oeste da Paraíba, Pernambuco, Leste do Piauí e região Norte da
Bahia, a quadra chuvosa (quatro meses com maiores totais pluviométricos) são janeiro,
fevereiro, março e abril, sendo que, em algumas dessas regiões, já é possível observar
a ocorrência de alguma precipitação no mês de dezembro.
Estudos sobre o regime de chuvas têm sido realizados por meteorologistas de
vários Estados do Nordeste. Silva; Rao (2002) identificaram três regimes e a
probabilidade de ocorrência de veranicos no Estado do Ceará. Dentre os grupos com
regimes homogêneos, os autores verificaram que 81,71% dos postos pluviométricos
estudados apresentaram estação chuvosa entre janeiro e maio, sendo que, em 65,71%
dos postos do grupo do semiárido, o período chuvoso ocorre de fevereiro a maio.
No Estado da Paraíba, onde se verificam os menores índices pluviométricos do
Nordeste, Menezes et al. (2008) utilizaram a delimitação de seis microrregiões
pluviometricamente homogêneas e verificaram que, na região do Cariri/Curimataú, o
valor médio anual da chuva é igual a 484,00 mm, sendo o mês de fevereiro o de maior
concentração, com 67,3% do total.

25
3
Produção de caprinos e ovinos no Semiárido

Os altos níveis de radiação solar incidente nas áreas de baixas latitudes resultam
em elevadas taxas evapotranspiratórias, que reduzem a umidade do solo e a
quantidade de água armazenada nos reservatórios, o que em conjunto com a
precipitação reduzida e irregular durante o ano promovem um balanço hídrico climático
anual negativo.
A radiação solar incidente influencia diretamente na temperatura à superfície. A
percepção da temperatura do ar pelo indivíduo é denominada de sensação térmica, que
é influenciada pela temperatura do corpo, umidade e velocidade do ar, além da própria
temperatura do ar. O conforto térmico está associado ao estado em que o indivíduo
encontra-se em equilíbrio térmico com o ambiente, de forma que seu corpo não
necessita despender energia para elevar ou reduzir a temperatura interna (BAÊTA,
1997). Dessa forma, é muito importante se conhecer quais as faixas de temperatura que
proporcionam maior ou menor conforto térmico ao animal, a fim de que se possa, por
exemplo, selecionar regiões ou áreas mais aptas à criação de determinados tipos de
animais.
Na Figura 4, apresenta-se a climatologia da temperatura do ar média anual para a
região Nordeste do Brasil, para que, em função da pequena quantidade de estações
com dados históricos de temperatura, utilizou-se metodologia de estimativa conforme
Cavalcanti; Silva (1994). Tem-se observado que, com exceção de algumas áreas de
maior altitude dos Estados do Ceará, Bahia e Pernambuco, onde os valores anuais da
o
temperatura média do ar variam de 20 a 24 C, o Semiárido apresenta elevados valores
médios de temperatura média anual do ar (Figura 4). Para a maior parte da região
o
Nordeste, verificam-se valores de temperatura média anual em torno de 26 C, sendo
que existem algumas porções com valores ainda mais elevados, com destaque para a
cor vermelha na Figura 4.

Figura 4. Climatologia da temperatura do ar média anual para a região Nordeste do Brasil. (Base
cartográfica - IBGE, 2010;
Fonte de dados: estimados segundo Cavalcanti; Silva, 1994).

26
Com relação ao comportamento mensal da temperatura média do ar, verifica-se
na Figura 5 que os meses de maio a agosto são os que apresentam menores valores,
principalmente na porção central do Semiárido, enquanto que nas proximidades da
linha do Equador há pouca variação térmica durante o ano. Na parte Norte da região,
o o
observam-se valores de temperatura entre 25 C e 29 C durante praticamente todos os
meses do ano, fato este decorrente dos padrões de distribuição da radiação solar nessa
faixa de baixas latitudes. Ao se observar a porção central do Nordeste, pode-se
perceber que é nessa área onde ocorrem os maiores extremos, ou seja, onde se
encontram os maiores e os menores valores de temperatura média anual. Vale destacar
que essa parte central da região também é onde se observam baixos valores de
precipitação e elevados índices de evapotranspiração potencial, coincidindo com
regiões onde a vegetação é escassa e os solos sofrem com processos de degradação,
ou seja, são as áreas mais potencialmente favoráveis a se tornarem áridas.
É importante ressaltar que a variabilidade mensal da temperatura deve ser
considerada na seleção de espécies e raças, sabendo-se que algumas destas poderão
não resistir ou ter sua produção reduzida quando enfrentarem valores de temperatura
o o
entre 29 C e 33 C, verificados, por exemplo, nos meses de setembro a novembro no
Centro-sul do Piauí. Da mesma forma como acontece em algumas raças com elevado
potencial produtivo e mais exigentes em temperaturas menores, devem ser priorizadas
em regiões de altitude, onde as temperaturas são inferiores às do restante do
Semiárido.
Além de ser importante na seleção de espécies e raças, o conhecimento da
variação anual da temperatura pode auxiliar nas definições de técnicas de manejo,
como, por exemplo, que o produtor possa dispor de maior quantidade de água e sombra
para os animais nos meses mais quentes, dentre outras.

27
3
Produção de caprinos e ovinos no Semiárido

Figura 5. Climatologia da temperatura média mensal do ar na região Nordeste do Brasil. (Base


cartográfica - IBGE, 2010;

Fonte de dados: estimados segundo Cavalcanti; Silva, 1994).

Solos e vegetação

A região semiárida é representada por uma grande variedade de paisagens e


ambientes, sendo esta uma característica marcante da região. A vegetação de caatinga
está distribuída em 17 grandes unidades de paisagens, que por sua vez estão
subdivididas em 105 unidades geoambientais (RODAL; SAMPAIO, 2002), de um total
de 172 no Nordeste como um todo (SILVA et al., 1993).
O relevo da região é muito variável, o que contribui para o elevado número
mencionado de grandes unidades de paisagem. A altitude média fica entre 400 e 500 m,
mas pode atingir 1.000 m. Ao redor de 37% da área é de encostas com 4 a 12% de
inclinação e 20% de encostas têm inclinação maior do que 12%, o que determina
presença marcante de processos erosivos nas áreas antropizadas (SILVA, 2000).
Topograficamente, a região caracteriza-se por apresentar relevo plano a
ondulado, com vales muito abertos, pela menor resistência à erosão dos xistos e outras
rochas de baixo grau de metamorfismo, onde sobressaem formas abauladas
esculpidas em rochas graníticas, gnáissicas e outros tipos de alto metamorfismo. A

28
maior parte da região está inserida na Depressão Sertaneja que constitui uma
superfície de pediplanação (depressão periférica do São Francisco) na qual ocorrem
cristas e outeiros residuais (JACOMINE, 1973). Não são observados grandes
inselbergues, sendo as fases mais movimentadas do relevo observadas em encostas
onde a formação geológica parece ser mais rica em quartzo e quartzito, que são mais
resistentes à erosão (BURGOS; CALVACANTE, 1990).
A altitude varia de 200 a 800 m na Chapada Cretácea do Araripe, que se prolonga
para Leste pela Serra dos Cariris, esculpida em rochas graníticas e gnáissicas de idade
pré-cambriana. Do lado Sul, ressaltam-se as formas tabulares do Raso da Catarina,
esculpidas em sedimentos da bacia de Tucano, com altitude de 300-200 m (SILVA et al.,
1993).
Em relação à geologia, Jacomine (1996) dividiu a região em três áreas conforme a
natureza do material originário: áreas do cristalino, áreas do cristalino recobertas por
materiais mais ou menos arenosos e áreas sedimentares. A geologia e o material
originário exercem papel de grande importância na formação dos solos em função da
grande variação em litologias na região. Segundo Brasil (1974), ocorrem áreas do
cristalino com predomínio de gnaisses, granitos, migmatitos e xistos; áreas do cristalino
recoberto por materiais mais ou menos arenosos; e áreas sedimentares recentes de
depósitos fluviais.
Os xistos e gnaisses micáceos contêm intercalações de quartzitos e calcários
cristalinos. Os xistos são compostos por muscovita-biotita-estaurolita-xistos
granatíferos, quartzo-micaxisto, clorita-biotita-xistos granatíferos e sericita-clorita-xisto.
Os gnaisses são placosos ou em bancos cinza-claros a cinza-avermelhados,
constituídos de quartzo, plagioclásio, muscovita e mais raramente biotita e granada
(BURGOS; CALVACANTE, 1990). Na região semiárida ocorrem materiais relacionados
ao Pré-Cambriano com cobertura pedimentar, constituída por materiais arenosos,
areno-argilosos, argilo-arenosos e macroclásticos, principalmente concresções
ferruginosas e seixos de quartzo.
É encontrada também, com certa frequência, pedregosidade superficial que
constitui um “pavimento desértico” de calhaus e cascalhos de quartzo e quartzito,
muitos já bastante ferruginizados, e concresções de ferro. São comuns os afloramentos
de quartzo branco-leitoso e também de micaxistos cinzento-oliváceos, porém sem
grande representatividade.
A cobertura pedológica dessa região está intimamente relacionada com o clima,
material de origem, vegetação e o relevo. Os solos de maior ocorrência são os das
classes dos Latossolos e Argissolos, além da ocorrência de Neossolos Quartzarênicos,
Planossolos, Cambissolos, Vertissolos, Luvissolos e, nas áreas mais movimentadas,
principalmente, Neossolos Litossolos. Os Luvissolos e os Neossolos Litólicos são
pouco profundos e muito suscetíveis à erosão; os Neossolos Quartzarênicos e os

29
3
Produção de caprinos e ovinos no Semiárido

Neossolos Regolíticos apresentam textura muito grosseira, refletindo-se em altas taxas


de infiltração, baixa retenção de umidade e baixa fertilidade; os Planossolos contêm
altos teores de sódio. Os solos irrigáveis são pouco extensos, sendo os Vertissolos,
Argissolos, Latossolos e alguns Cambissolos os principais. Com os modernos sistemas
de irrigação localizada (microaspersão e gotejamento) os Neossolos Quartzarênicos
foram incorporados ao sistema produtivo. (CODEVASF, 1999).
Quatro ordens de solo (Latossolos, 19%, Neossolos Litólicos, 19%, Argissolos,
15% e Luvissolos, 13%), de um total de 15, ocupam 66% da área sob caatinga, embora
estejam espacialmente fracionadas. Segundo Silva (2000), 82% da região apresentam
solos de baixo potencial produtivo, seja por limitações de fertilidade, de profundidade do
perfil, ou de drenagem e elevados teores de Na trocável (CUNHA et al., 2008;
SALCEDO; SAMPAIO, 2008).
Na região semiárida, os solos estão distribuídos percentualmente em Neossolos
Litólicos (19,2%), Latossolos (21%), Argissolos (14,7%), Luvissolos (13,3%),
Neossolos Quartzarênicos (9,3%), Planossolos (9,1%), Neossolos Regolíticos (4,4%) e
Cambissolos (3,6%). Perfazendo 5,4% da região, podem também ser encontrados
Neossolos Flúvicos, Vertissolos, Chernossolos, entre outros, em pequenas extensões
(JACOMINE, 1996).
Nessa região, conforme colocado anteriormente, o clima é caracterizado pela
escassez e irregularidade das chuvas, com pluviosidade entre 300 a 500 mm/ano e
precipitações restritas a poucos meses do ano. Porém, nas serras, onde as altitudes
podem variar de 1.000 a 2.000 m, as chuvas podem atingir 1.500 a 2.000 mm/ano. Essa
variação na disponibilidade de água, juntamente com os contrastes físicos, levou ao
aparecimento de diferentes tipos de vegetações, muitas vezes na forma de um mosaico
(ROCHA, 2009).
Nesse contexto, a Caatinga é o ecossistema predominante na região, cuja flora é
composta por árvores e arbustos caracterizados pela rusticidade, tolerância e
adaptação às condições climáticas da região. O nome “Caatinga” é de origem tupi-
guarani e significa “floresta branca”, que certamente caracteriza bem o aspecto da
vegetação na estação seca, quando as folhas caem e apenas os troncos brancos e
brilhosos das árvores e arbustos permanecem na paisagem seca (ALBUQUERQUE;
BANDEIRA, 1995).
Entre os biomas brasileiros, é o único que apresenta distribuição geográfica
restrita ao território nacional, porém sempre foi visto como espaço pouco importante,
sem prioridade e sem necessidade de conservação. Na literatura, a Caatinga tem sido
geralmente descrita como pobre, que abriga poucos endemismos. Porém, estudos
recentes mostram o inverso, sendo registrado um número considerável de espécies
endêmicas para a região. Por ser um ecossistema ainda pouco estudado, descrições de
novas espécies da fauna e flora endêmicas vêm sendo registradas com frequência,

30
indicando, ainda, o pouco conhecimento de sua biodiversidade e de seus processos
ecológicos (CASTELETI et al., 2004).
A composição florística da Caatinga não é uniforme e varia de acordo com o
volume das precipitações pluviométricas, da qualidade dos solos, da rede hidrográfica e
da ação antrópica. Até o momento foram registradas 1.511 espécies, das quais,
aproximadamente, 380 são endêmicas desse tipo de vegetação, em que a família
Leguminosae se destaca com o maior número de endemismo, cerca de 90 gêneros
(GIULIETTI et al., 2002, 2006).
A maior parte das plantas apresenta espinhos, microfilia, cutículas impermeáveis,
caducifolia, sistemas de armazenamento de água em raízes e caules modificados e
mecanismos fisiológicos adaptados, a exemplo do fechamento dos estômatos nas
horas mais quentes do dia, que permitem classificá-las como plantas xerófilas
(GIULIETTI et al., 2006).
Entre as várias espécies lenhosas, algumas são consideradas típicas desse
bioma, a exemplo da umburana-de-cheiro (Amburana cearensis (Fr. All.) A. C. Smith –
Leguminosae); do angico (Anadenanthera colubrina (Vell.) Brenan var. Cebil (Griseb.)
Altschul – Leguminosae); do pereiro (Aspidosperma pyrifolium Mart. - Apocynaceae);
da caatingueira (Caesalpinia pyramidalis Tul. (Leguminosae); da faveleira (Cnidoscolus
phyllacanthus (Mull. Arg.) Pax & Hoffm. - Euphorbiaceae); da umburana-de-cambão
(Commiphora leptophloeos (Mart.) Gillet - Burseraceae); dos velames e dos
marmeleiors (espécies do gênero Croton - Euphorbiaceae); das juremas (espécies do
gênero Mimosa - Leguminosae); da aroeira-do-sertão (Myracrodruon urundeuva Fr. All.
- Anacardiaceae); da baraúna (Schinopsis brasiliensis Engler - Anarcadiaceae); do
umbuzeiro (Spondias tuberosa Arruda – Anacardiaceae); e do pau-d'arco (Tabebuia
impetiginosa (Mart. ex A. DC.) Standley - Bignoniaceae).
A suculência pode ser registrada, principalmente, nas cactáceas e bromélias,
enquanto que as lianas podem ser encontradas em número significativo, principalmente
na estação chuvosa. Algumas espécies perenifólias também ocorrem, a exemplo do
juazeiro (Ziziphus joazeiro Mart. - Rhamnaceae); do icó (Capparis yco Mart. -
Capparaceae); da carnaúba (Copernicia prunifera (Mill.) H. E. Moore - Arecaceae); do
bom-nome (Maytenus rigida Mart.-Celastraceae); da oiticia (Licania rigida Benth. -
Chrysobalanaceae) (LEMOS; RODAL, 2002; PRADO, 2003; BARBOSA et al., 2003).
Com relação ao estrato herbáceo, Araújo et al. (2002) comentam que a
diversidade total de espécies herbáceas na Caatinga nordestina ainda é pouco
conhecida, tendo em vista que poucos estudos incluem, na amostragem de vegetação,
espécies desse estrato. As autoras destacam ainda que as famílias Poaceae,
Asteraceae, Fabaceae, Euphorbiaceae, Convolvulaceae, Cyperaceae, Malvaceae,
Scrophulariaceae e Rubiaceae podem ser consideradas as mais representativas. Além
disso, muitas espécies herbáceas podem ter importante papel para o desenvolvimento

31
3
Produção de caprinos e ovinos no Semiárido

sustentável regional por seu valor forrageiro, medicinal e apícola, sendo necessárias,
para o manejo, informações sobre a dinâmica se suas populações.
Das formações vegetais, considera-se a Caatinga um dos biomas brasileiros mais
alterados pelas atividades humanas, mas não há levantamentos sistemáticos sobre a
evolução de sua cobertura vegetal ao longo do tempo (CAPOBIANCO, 2002). De
acordo com Casteletti et al. (2004), 45,3% de sua área total estão alterados, fato este
que o coloca como o terceiro bioma brasileiro mais modificado pelo homem, sendo
ultrapassado apenas pela Mata Atlântica e o Cerrado.
Apesar de sua importância biológica e das ameaças à sua integridade, somente
3,56% da Caatinga estão protegidos em Unidades de Conservação Federais, sendo
apenas 0,87% em unidades de uso indireto, como parques nacionais, reservas
biológicas e estações, o que permite classificar a Caatinga como um dos ecossistemas
brasileiros menos protegido e mais ameaçado (NATURE CONSERVANCY DO
BRASIL, 2000).
Enfim, a Caatinga é o ecossistema predominante na região semiárida, cuja flora
é composta por árvores e arbustos caracterizados pela rusticidade, tolerância e
adaptação às condições climáticas da região. A composição florística não é uniforme e
pode variar de acordo com o volume das precipitações, da qualidade dos solos, da rede
hidrográfica e da ação antrópica. A maior parte das plantas apresenta espinhos,
microfilia, cutículas impermeáveis, caducifolia, sistemas de armazenamento de água
em raízes e caules modificados e mecanismos fisiológicos que permitem classificá-las
como plantas xerófilas. Das formações vegetais, considera-se a Caatinga um dos
biomas brasileiros mais alterados pelas atividades humanas. Apesar de sua
importância biológica e das ameaças à sua integridade, cerca de 5% de sua área estão
protegidos em Unidades de Conservação Federais, o que permite classificar a Caatinga
como um dos ecossistemas brasileiro menos protegido e mais ameaçado.

Aspectos socioeconômicos

A região Nordeste do Brasil, particularmente a zona semiárida, caracteriza-se


historicamente por seu processo de ocupação e uso das terras, podendo-se ressaltar
alguns momentos marcantes:
A região semiárida brasileira, que se caracteriza por ser atualmente a zona
semiárida mais povoada do mundo, teve seu processo de ocupação e uso da terra
iniciada na época do Brasil colonial, em decorrência da necessidade de se expandir a
criação de bovinos, para atender à demanda dos senhores de engenhos. Visto que a
economia açucareira, na época em plena expansão, cada vez com mais intensidade
necessitava da força de trabalho desses animais e era empregada tanto no processo de
produção do açúcar como no de transporte deste produto para os entrepostos de

32
comercialização. Os bois eram também utilizados como fonte de abastecimento de
carne e couro para os núcleos urbanos localizados no litoral nordestino.
Nesse período de interiorização do rebanho bovino, o manejo desses animais era
realizado de forma ultraextensiva, com o gado sendo criado solto em campo aberto e se
alimentando unicamente das espécies arbóreas, arbustivas e herbáceas existentes na
caatinga, que é a vegetação característica do Semiárido brasileiro. Apesar de a
pecuária ter se instalado de forma dispersa pela região semiárida, ela cumpriu
importante papel na ocupação definitiva desse espaço geográfico, dando origem a
muitas vilas e povoados que posteriormente se transformaram em grandes cidades.
É pertinente comentar que, pela necessidade de se alimentar a população
envolvida nesse processo de interiorização da pecuária, mesmo se considerando o
fenômeno das secas periódicas, foi também nessa época que se implantou na região
semiárida a agricultura de subsistência, que se caracterizava pela exploração no
período chuvoso, em pequenos roçados cercados por varas, dos cultivos de feijão,
milho, fava e mandioca.
Com a consolidação da pecuária bovina como uma das atividades principais da
economia da região semiárida, os criadores passaram a buscar mecanismos para
melhorar a capacidade de suporte da caatinga, visto que, de acordo com diversos
estudos realizados pela Embrapa Semiárido, esta vegetação possui baixa capacidade
para o pastejo bovino, em média uma Unidade Animal para cada 13 hectares
(SALVIANO et al., 2004), e uma das alternativas empregadas pelos criadores, que eram
grandes proprietários de terra, para melhorar essa capacidade de suporte das áreas de
pastagens, foi ceder temporariamente as áreas para rendeiros explorarem suas terras
na condição de devolverem-nas após a colheita, a palhada ou restos de culturas de
subsistência, principalmente milho, feijão, ou de renda, o algodão para complementar a
alimentação do rebanho.
Entretanto, mesmo com esse procedimento, a capacidade de suporte continuava
extremante baixa, notadamente nas áreas de solos rasos, com baixa capacidade de
retenção de água e pobre em nutrientes. Visando-se contornar essa situação, ou seja,
tornar a produção das pastagens sustentáveis ao longo do ano e sem quebrar o
equilíbrio do ecossistema, foram implementados, principalmente a partir da segunda
metade do século XX, vários programas de pesquisas com a introdução de culturas
forrageiras a exemplos do capim-bufel, palma forrageira, leucena, melancia forrageira,
gliricídia e guandu.Outro momento expressivo do processo de ocupação do uso da terra
na região do Semiárido brasileiro foi o do cultivo do algodão, por tratar-se de uma
atividade que, durante todo o século IX e primeiras décadas do século XX, constituiu-se
em um dos principais pilares da economia da região semiárida, notadamente nos
Estados de Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará. Nesse período,
denominado de ciclo do ouro branco, a exploração algodoeira era a principal geradora

33
3
Produção de caprinos e ovinos no Semiárido

de emprego e renda tanto na zona rural, onde o cultivo era explorado majoritariamente
em grandes latifúndios, como nos centros urbanos, onde existiam unidades fabris tanto
para o beneficiamento do fio como para a extração do óleo (CARVALHO, 1988).O
último grande momento marcante do uso da terra na região semiárida foi efetivamente
o advento da agricultura irrigada. O marco inicial para a implantação da irrigação
tecnificada no Semiárido aconteceu no final dos anos 60 do século passado, com a
criação do Grupo de Estudos Integrados de Irrigação e Desenvolvimento Agrícola
(Geisa). A principal contribuição desta organização foi a concepção e implantação do
Programa Plurianual de Irrigação (PPI), que tinha como objetivo a implementação de
projetos e obras de irrigação e drenagem na região semiárida do Brasil, para o
aproveitamento dos pequenos e grandes açudes e dos cursos de água perenes e água
subterrânea (FRANÇA, 2001). Os perímetros públicos de irrigação, que são os
principais responsáveis pelo desenvolvimento da agricultura irrigada no Semiárido
brasileiro, foram implantados nesta região pelo Departamento Nacional de Obras
Contra a Seca (DNOCS) e pela Superintendência de Desenvolvimento do Vale do São
Francisco (Suvale), hoje, Codevasf. É importante comentar também que a Sudene
desempenhou importante papel nesse processo de implantação da agricultura irrigada
na região semiárida, visto que, foi ela quem implantou, repassando posteriormente
para a Suvale, os projetos de Bebedouro e Mandacaru, que foram os projetos-piloto de
irrigação para o Vale do São Francisco. É pertinente comentar que a irrigação, além de
livrar os produtores dos riscos climáticos, notadamente da escassez e da irregularidade
de distribuição de água, que é o principal fator limitante da agricultura de sequeiro,
integrou-os totalmente no circuito do capital, visto que aqueles passaram a realizar uma
agricultura de mercado. A maioria desses perímetros de irrigação, que possuem tanto
áreas destinadas aos agricultores familiares, como áreas para empresas agrícolas,
exploram principalmente fruteiras perenes, como a uva, manga, coco, acerola, goiaba e
banana. Entretanto, até o final da década de 1980, os cultivos anuais (feijão, milho,
tomate, cebola, melancia) eram as explorações agrícolas dominantes (CORREIA et al.,
2001). Atualmente na região semiárida, além dos perímetros públicos de irrigação sob a
gestão do governo federal, há vários projetos de irrigação administrados por governos
estaduais, como é o caso dos perímetros irrigados do Baixo Acaraú no Estado do Ceará
e também há muitos projetos irrigados de natureza privada, como é o caso da região de
Mossoró, no Rio Grande do Norte, onde está localizado o maior polo de produção e
exportação de melão do país. Quanto aos aspectos demográficos, as estatísticas
demonstram que, no período de 1996 a 2006, a importância da população nordestina
em relação à população nacional, mesmo que pequena, reduziu. Em 1996, o Nordeste
brasileiro contava com um contingente populacional de 44.766.851 habitantes,
correspondendo a 28,5% da população brasileira. Em 2006, essa população era de
51.344.406 habitantes (IBGE, 2006) e este número representava 28,0% dos habitantes

34
em relação ao contingente populacional do país. Em 1996, a região semiárida possuía
44,00% da população do Nordeste e, em 2006, este percentual caiu para 42,77%.
Quando se analisa por Estado nordestino, verifica-se que em 2006 a Bahia possuía
13,06% da população nordestina, vindo em seguida os Estados de Ceará e
Pernambuco com 8,84% e 6,73%, respectivamente (Tabela 2).

Tabela 2. População residente - Brasil, Nordeste, Semiárido Nordestino e Estados


(1996 e 2006).

País, Nordeste, Semiárido e Estados 1996 2006

Brasil 157.070.163 183.987.291


Nordeste 44.766.851 51.534.406
Semiárido 19.700.538 22.043.272
Piauí 846.979 1.026.908
Ceará 3.885.991 4.554.719
Rio Grande do Norte 1.519.913 1.696.142
Paraíba 1.917.961 2.045.505
Pernambuco 3.017.636 3.465.994
Alagoas 787.754 877.807
Sergipe 359.765 422.085
Bahia 6.258.311 6.732.016
Fonte: Elaboração dos autores com base em dados do IBGE, (1996; 2006).

Constata-se que, no período de 1996/2006, houve redução no número de


pessoas ocupadas nas atividades agropecuárias no país e na região Nordeste. Em
2006, o percentual de pessoas que trabalhavam no setor agropecuário do país em
relação ao total da população era de 8,9%, enquanto no Nordeste era de 14,9%.
Quando se analisa a relação mão de obra no setor agropecuário do Nordeste em
relação ao mesmo setor do Brasil, verifica-se que aquela atinge 46,5% e, destes, 30,0%
ficam no Estado da Bahia. Também foi observado que a maioria das pessoas ocupadas
no setor agropecuário fica situada na região semiárida, com 82,5% (Tabela 3).
Ainda na Tabela 3, pode-se observar que apenas os Estados do Piauí, Paraíba e
Alagoas cresceram quanto ao número de pessoas empregadas na agropecuária no
período em análise. Quando observado por gênero, verifica-se a predominância da
mão de obra masculina no referido setor. Tanto no país quanto na região Nordeste o
percentual atinge praticamente 70,0% para o segmento majoritário. Em 2006, o Brasil
possuía um total de 16.567.544 pessoas que trabalhavam no setor agropecuário;
destas, 69,5% eram homens e na região Nordeste o número era de 7.698.631 e, destes,

35
3
Produção de caprinos e ovinos no Semiárido

69,8% de homens. Ressalta-se que não foram localizados dados por município para o
ano de 1996 e não foram incluídos dados do Estado do Maranhão. (IBGE, 1996 e 2006).

Tabela 3. Pessoal ocupado no setor agropecuário, Brasil, Nordeste, Semiárido


Nordestino e Estados (1996 e 2006).

País, Nordeste, 2006


Semiárido e 1996
Estados Total Homens Mulheres
Brasil 17.930.890 16.567.544 11.515.194 5.052.350
Nordeste 8.210.809 7.698.631 5.374.158 2.324.473
Semiárido 6.630.180 6.354.934 4.372.094 1.982.840
Piauí 666.465 831.827 579.093 252.734
Ceará 1.170.724 1.145.985 814.448 331537
Rio Grande do
332.516 247.507 185.060 62.447
Norte
Paraíba 479.987 490.287 347.224 143.063
Pernambuco 975.288 944.907 637.581 307.326
Alagoas 432.104 451.742 325.901 125.841
Sergipe 313.271 268.799 194.565 74.234
Bahia 2.508.590 2.325.984 1.586.520 739.464
Fonte: Elaboração dos autores com base em dados do IBGE, 1996 e 2006.

A pecuária brasileira, particularmente a do Nordeste, analisados os seus três


principais rebanhos - bovino, caprino e ovino - registrou crescimento no número desses
animais quando comparados os anos de 1996 e 2006 (IBGE).

Quando se faz uma análise do efetivo bovino no Brasil nos anos de 1996 e 2006,
verifica-se que este aumentou o rebanho de 158.288.540 animais para 205.886.244, ou
seja, 30,07%; enquanto no Nordeste o efetivo de animais passou de 23.882.203 para
27.881.219, um aumento de 16,74%. Nesta região, o efetivo representava, em 1996,
15,1% do rebanho nacional, reduzindo-se para 13,54% em 2006 (Figura 6). A parte
semiárida da região Nordeste possuía 58,1% do rebanho nordestino em 1996,
reduzindo-se para 49,7% em 2006. O maior rebanho bovino do Nordeste se encontra no
Estado da Bahia (21,7%) (IBGE, 2006).

36
35000000

30000000

25000000
Brasil
Nordeste
Semiárido
Piauí
20000000
Ceará
Rio Grande do Norte
Paraíba
Pernanbuco
15000000
Alagoas
Sergipe
Bahia
Minas Gerais
10000000

5000000

0
Bovino 1996 Bovino 2006

Figura 6. Efetivos do rebanho bovino - Brasil, Nordeste, região semiárida e Estados (1996 e 2006). Fonte:

Elaboração dos autores com base em dados do IBGE, 1996 e 2006.

Quando analisados os efetivos dos rebanhos caprinos e ovinos no Nordeste,


verifica-se que em 1996 haviam 6,9 milhões de caprinos e 7,1 milhões de ovinos,
representando 93,0% e 48,2%, respectivamente, do rebanho nacional (Figuras 7 e 8).
Em 2006, no Nordeste já existiam 9.613.847 caprinos e 9.379.380 ovinos e estes
animais representavam 92,4 e 58,5%, respectivamente, do rebanho nacional, dos quais
5.777.680 caprinos e 6.254.401 ovinos eram criados na região semiárida nordestina e
os dois tipos de animais representavam 70,2% e 60,1% de caprinos e ovinos,
respectivamente, em relação ao existente na região Nordeste (IBGE, 1996 e 2006).

10000000

8000000
Brasil
Nordeste
Semiárido
Piauí
6000000 Ceará
Rio Grande do Norte
Paraíba
Pernanbuco
Alagoas
4000000 Sergipe
Bahia
Minas Gerais

2000000

0
Caprino 1996 Caprino 2006

Figura 7. Efetivo do rebanho caprino no Brasil, Nordeste, região semiárida e Estados do Nordeste (1996
e 2006).
Fonte: Elaboração dos autores com base em dados do IBGE, 1996 e 2006.

37
Produção de caprinos e ovinos no Semiárido

2 6 0 0 0 0 0

2 1 0 0 0 0 0

B r a s il
1 6 0 0 0 0 0
N o r d e s t e
M a r a n h ã o

P ia u í
C e a r á
1 1 0 0 0 0 0 R io G r a n d e d o N o r t e

P a r a í b a
P e r n a m b u c o
A la g o a s

6 0 0 0 0 0 S e r g ip e
B a h ia

1 0 0 0 0 0

L a v o u r a L a v o u r a
p e r m a n e n t e t e m p o r a r ia 1 9 9 6
1 9 9 6
- 4 0 0 0 0 0

Figura 8. Efetivo do rebanho ovinos no Brasil, Nordeste, região semiárida e Estados do Nordeste (1996 e
2006).
Fonte: Elaboração dos autores com base em dados do IBGE, 1996 e 2006.

A pecuária de cabras e ovelhas do Nordeste brasileiro foi considerada durante


muito tempo uma atividade destinada principalmente à alimentação das populações
rurais, por constituir-se em uma fonte barata de proteína animal para as famílias de
baixo poder aquisitivo e pela capacidade que têm os caprinos e os ovinos deslanados
de se reproduzir em terras que, muitas vezes, não se prestam para a exploração
agrícola e onde outras espécies animais têm dificuldade em se reproduzir. Essa "fama"
impedia que a maioria dos empresários rurais investisse na pecuária desses animais,
mesmo ela sendo economicamente mais viável que a dos bovinos, principalmente na
região semiárida. As necessidades de alimento por esses animais é, em média, 10%
das necessidades de bovinos e seu ciclo de reprodução é muito mais favorável.
Nos últimos anos, apesar da pequena redução dos efetivos, a caprino-
ovinocultura vem se destacando, seja pela busca de carne com menor teor de gordura,
no caso dos caprinos, seja pelo maior retorno da atividade quando comparada a outras
espécies de explorações, principalmente a bovinocultura de corte. Estas características
têm alterado o comportamento dos pecuaristas e já se verifica a busca por alternativas
de animais com necessidades de forrageiras mais resistentes à seca e mais produtivas,
pois a deficiência nutricional é uma grande limitação para que a exploração desses
animais se torne uma atividade econômica importante para o desenvolvimento
regional.
No intuito de subsidiar suas pesquisas nessa área, a Embrapa Semiárido tem
executado trabalhos para identificar os tipos de sistemas de produção praticados pelos
pequenos agricultores na região semiárida do Nordeste. Esses estudos já ocorreram
em mais de 8.000 estabelecimentos rurais em áreas dependentes de chuvas e foram
detectados até o momento 12 tipos de sistemas de produção. Na Tabela 4 (matriz de
38
tipificação) as variáveis da primeira coluna (área com culturas comerciais) foram
cruzadas com as variáveis da primeira linha (rebanho e produção de leite). O
cruzamento dessas variáveis gerou os 12 tipos distintos de sistema de produção de
pequenos agricultores, assim classificados:

Tabela 4. Matriz de tipificação dos sistemas de produção.

U.A. U. A. > 5
U.A. = 0 0< U.A. = 5
Área
(ha) P.L.= 7.000 l P.L. > 7.000 l

Pecuária de
Sobrevivência Pecuária Pecuária de leite
subsistência
A=0
TIPO 1 TIPO 4 TIPO 7 TIPO 10

Agricultura Diversificada de Pecuária


Pecuária de leite
0<A= diversificada
de subsistência Subsistência Diversificada
3
TIPO 2 TIPO 5 TIPO 8 TIPO 11

Diversificada com Pecuária com


Agricultura Pecuária de leite com
agricultura agricultura
comercial agricultura comercial
A>3 comercial comercial

TIPO 3 TIPO 6 TIPO 9 TIPO 12

UA = Unidade Animal.
A= Áreas com cultivos comerciais.
A=0 = (área só com culturas tradicionais).
P.L.= Produção de Leite

Caracterização dos Tipos de Sistemas de Produção encontrados no Semiárido


nordestino:

TIPO 1- agricultura de sobrevivência: proprietários não possuem unidade animal (UA) e


os cultivos explorados são aqueles considerados para autoconsumo (arroz, milho,
feijão e fava), denominados cultivos tradicionais;

TIPO 2- agricultura de subsistência: proprietários não possuem unidade animal;


cultivam, além das culturas de sobrevivência, no máximo 3 ha de culturas de valor
comercial;

39
Produção de caprinos e ovinos no Semiárido

TIPO 3- agricultura comercial: difere do tipo 2 por apresentar mais de 3 ha de cultivos


comerciais: caracteriza-se pela exploração de produtos destinados, preferencialmente,
ao mercado;

TIPO 4- pecuária de subsistência: proprietários não exploram cultivos comerciais;


praticam uma pecuária rudimentar com, no máximo, cinco unidades animal e os cultivos
são para autoconsumo;

TIPO 5- pecuária diversificada de subsistência: este tipo caracteriza-se por possuir até
cinco unidades animal e, no máximo, 3 ha de culturas comerciais;

TIPO 6- pecuária diversificada com agricultura comercial: estes agricultores, além de


possuírem até cinco unidades animal, têm mais de 3 ha de cultivos comerciais;

TIPO 7- pecuária: estes produtores cultivam apenas culturas para o autoconsumo;


possuem mais de cinco unidades animal e produzem menos de 7.000 L de leite/ano;

TIPO 8- pecuária diversificada: caracteriza-se por possuir até cinco unidades animal,
no máximo 3 ha de cultivos comerciais e produzir menos de 7.000 L de leite/ano;

TIPO 9- pecuária com agricultura comercial: possui mais de cinco unidades animal e
produzem, no máximo, 7.000 L de leite/ano e mais de 3 ha de culturas comerciais;

TIPO 10- pecuária de leite: possui mais de cinco unidades animal, cultivam para
autoconsumo e produzem mais de 7.000 L de leite/ano;

TIPO 11- pecuária de leite diversificada: estes produtores têm mais de cinco unidades
animal, 3 ha de culturas comerciais e produzem mais de 7.000 L de leite/ano;

TIPO 12- pecuária de leite com agricultura comercial: caracteriza-se por possuir mais
de cinco unidades animal, mais de 3 ha de cultivos comerciais e produzir mais de 7.000
L de leite/ano.

O número de estabelecimentos agropecuários no Brasil, entre 1996 e 2006,


cresceu 6,5%, passando de 4.859.865 para 5.175.489, no entanto, a área por eles
ocupada se reduziu em cerca de 6,7% no período, o que representa 23.669.853 ha.
Para a região Nordeste, observa-se que houve também crescimento no número de
estabelecimentos agropecuários, de 1996 para 2006, mas bem inferior ao do país como
um todo (1,0%) - passou de 2.326.413 para 2.454.006 estabelecimentos. Entre os

40
Estados nordestinos, o maior crescimento ocorreu nos Estados do Piauí (25,22%) e
Ceará (12,65%). Houve redução no número no Estado do Rio Grande do Norte (7,36%)
e, praticamente inexpressivo, em Alagoas (0,35%).

Na Tabela 5 é apresentada a utilização das terras, tanto em número de


estabelecimentos, quanto em área, e nas Figuras 9, 10 e 11 em relação a lavouras
permanentes e temporárias, pastagens e matas naturais e plantadas.

Tabela 5. Números de estabelecimentos agropecuários no Brasil, Nordeste, Semiárido


e por Estados (1996 e 2006).

1996 2006
País, Nordeste,
Semiárido e
Estados Estabelecimentos Área (ha) Estabelecimentos Área (ha)

Brasil 4.859.865 353.611.246 5.175.489 329.941.393

Nordeste 2.326.413 78.296.096 2.454.006 75.594.442

Semiárido 1.538.947 61.526.596 1.701.811 48.667.632

Piauí 110.916 9.659.972 138.896 5.474.682

Ceará 284.355 8.963.842 320.347 7.053.737

Rio Grande do Norte 83.763 3.733.521 77.599 2.951.634

Paraíba 106.140 4.109.347 126.756 3.274.924

Pernambuco 224.835 5.580.734 252.633 4.469.807

Alagoas 76.393 2.142.460 76.118 901.615

Sergipe 39.305 1.702.628 39.782 803.458

Bahia 540.733 29.842.900 574.941 18.704.593

* Não foram localizados dados por município das áreas dos estabelecimentos para o ano de 1996. Foi
excluído o Estado do Maranhão.Fonte: Elaboração dos autores com base em dados do IBGE, 1996 e
2006.

A situação das áreas com lavoura permanente e temporária foi bastante alterada
no período 1996 a 2006. No Brasil, a área com culturas permanentes passou de
7.541.626 ha para 11.612.227 ha, isto é, aumento de 53,9%. No caso das lavouras
temporárias também houve acréscimo de 40,8%. Na região Nordeste, o crescimento da
área com culturas permanente foi de 32,5%, enquanto com lavoura temporária atingiu
51,4%. Os destaques foram os Estados do Maranhão e Piauí com crescimento de 188,2
e 117,8%, respectivamente. Isso se deve, principalmente, à ampliação da área de soja

41
Produção de caprinos e ovinos no Semiárido

2 6 0 0 0 0 0

2 1 0 0 0 0 0

B r a s il
1 6 0 0 0 0 0
N o r d e s t e
M a r a n h ã o

P ia u í
C e a r á
1 1 0 0 0 0 0 R io G r a n d e d o N o r t e

P a r a í b a
P e r n a m b u c o
A la g o a s

6 0 0 0 0 0 S e r g ip e
B a h ia

1 0 0 0 0 0

L a v o u r a L a v o u r a
p e r m a n e n t e t e m p o r a r ia 1 9 9 6
1 9 9 6
- 4 0 0 0 0 0

Figura 9. Utilização das terras - lavouras permanentes e temporárias (1996 e 2006).


Fonte: Elaboração dos autores com base em dados do IBGE, 1996 e 2006.

Outra transformação ocorrida na ocupação das terras no mesmo período se deu


no crescimento do número de tratores no campo. A frota no Brasil no período cresceu
2,1%, enquanto na região Nordeste foi de 12,5%. Os Estados do Nordeste que mais
aumentaram suas frotas foram também o Piauí e Maranhão (IBGE, 1999 e 2006).
Nas matas plantadas houve redução no país de 16,6%, enquanto na região
Nordeste, um crescimento de 8,1%. O destaque nesta variável vai para os Estados do
Piauí e Maranhão, pois, mesmo as áreas sendo pequenas, o crescimento foi de 930 e
150%, respectivamente. Em contrapartida, houve crescimento nas áreas com matas
naturais de 5,7% no Brasil também como nas matas plantadas, de 31,1% no Nordeste
(IBGE, 1996 e 2006).
Quanto à utilização de terras com pastagens natural no período de 1996 a 2006,
constatou-se que houve redução destas áreas tanto no país, quanto na região
Nordeste. No Brasil a redução foi de 26,6% e no Nordeste, de 19,8%.

30 0 00 0 0 8000000 Brasil
B r asil
2 50 00 0 0 Nor d est e 7000000 Nordeste
M ar anhão 6000000 Maranhão
20 0 00 0 0 Piauí
5000000 Piauí
Cear á
1500 0 00 Rio Gr ande do No r t e
4000000 Ceará
Par aí ba 3000000 Rio Grande do Norte
10 0 00 0 0 Per namb uco
2000000
A lag oas Paraíba
50 00 0 0 Ser gip e
1000000
Pernambuco
B ahia 0
0 Alagoas
Matas Matas
M at as nat ur ais M at as Sergipe
199 6 plant adas
naturais 2006 plantadas
19 9 6 2006 Bahia

Figura 10. Utilização das terras – Área com matas naturais e plantadas (1996 e 2006).
Fonte: Elaboração dos autores com base em dados do IBGE, 1996 e 2006.

42
Referente às áreas com pastagens plantadas, verifica-se que houve crescimento.
No país, esse crescimento foi de apenas 1,8%, mas na região Nordeste atingiu 20,0%,
com destaque para os Estados do Ceará, Maranhão e Piauí, cujos crescimentos foram
de 59,1, 38,2 e 36,3%, respectivamente. Observou-se também que houve redução das
áreas com pastagens plantadas em dois Estados (Pernambuco e Alagoas). É
preocupante, no entanto, o número de estabelecimentos e áreas degradadas com
pastagens plantadas.
O Brasil possui um total de 313.141 estabelecimentos, que atingem uma área de
9.842.925 ha. Destes, praticamente 43,0% dos estabelecimentos estão localizados na
região Nordeste, no entanto a área representa apenas 22,7% da área do país. Dos
estabelecimentos do Nordeste com esse problema, merece destaque o Estado da
Bahia, que possui uma área degradada de 1.271.677 ha, ou seja, 57,0% do total da área
com esse problema na macrorregião Nordeste (IBGE, 1996 e 2006).
Brasil Brasil
20000000 10000000
Nordeste Nordeste
18000000 9000000
8000000 Maranhão
16000000 Maranhão
14000000 7000000 Piauí
Piauí
12000000 6000000 Ceará
10000000 Ceará 5000000
Rio Grande do
8000000 4000000 Norte
Rio Grande do Paraíba
6000000 Norte 3000000
4000000 Paraíba Pernambuco
2000000
2000000 Pernambuco 1000000 Alagoas
0 0 Sergipe
Pastagem Pastagem Alagoas
Pastagem Pastagem
natural 1996 plantada
natural 2006 plantada 2006 Bahia
1996 Sergipe

Bahia
Figura 11. Utilização das terras – Área com pastagens (1996 e 2006).
Fonte: Elaboração dos autores com base em dados do Censo Agropecuário IBGE, 1996 e 2006.

Considerações finais

As características climáticas de uma região são essenciais na delimitação de


ocorrência das espécies vegetais e animais; contribuem para o desenho do relevo;
atuam em processos erosivos; e desempenham importante papel na disponibilidade e
no manejo dos recursos hídricos, dentre outros aspectos.
O Semiárido brasileiro, mais do que qualquer outra área do país, é altamente
dependente dos elementos climáticos, que definem, há séculos, a sobrevivência das
famílias e dos rebanhos. Caracteristicamente essa região sempre passou por grandes
secas e, mesmo em anos regulares ou bons, a precipitação, que ocorre em quatro
meses, apresenta-se de maneira muito variável no tempo e no espaço, inclusive com

43
Produção de caprinos e ovinos no Semiárido

grande número de dias sem chuva durante a estação chuvosa, comprometendo a


disponibilidade de água e forragem durante todo o ano. Da mesma forma que o
Semiárido é marcado pela grande variabilidade espaço-temporal das precipitações, há
grande homogeneidade térmica, em que a maior parte da região apresenta elevadas
temperaturas durante praticamente todos os meses do ano.
A precipitação e a temperatura do ar são os elementos climáticos mais
importantes para delimitação de áreas favoráveis à criação de animais em termos de
espécies e raças. São também essenciais para a disponibilidade de forragem e definem
várias atividades de manejo dos rebanhos. Dessa forma, no Semiárido brasileiro,
quente e seco, há de se ter muita atenção para o plantio de forragens de ciclo curto,
resistentes ao calor e à falta de água, com boa produção; e para a criação de animais de
espécies e raças que consigam sobreviver e produzir em condições que exigem ajustes
no sistema produtivo e nas técnicas de criação.
A Caatinga é o ecossistema predominante na região semiárida, cuja flora é
composta por árvores e arbustos caracterizados pela rusticidade, tolerância e
adaptação às condições climáticas da região. A composição florística não é uniforme e
pode variar de acordo com o volume das precipitações, da qualidade dos solos, da rede
hidrográfica e da ação antrópica. A maior parte das plantas apresenta espinhos,
microfilia, cutículas impermeáveis, caducifolia, sistemas de armazenamento de água
em raízes e caules modificados e mecanismos fisiológicos que permitem classificá-las
como plantas xerófilas. Das formações vegetais, considera-se a Caatinga um dos
biomas brasileiros mais alterados pelas atividades humanas. Apesar de sua
importância biológica e das ameaças à sua integridade, cerca de 5% de sua área estão
protegidos em Unidades de Conservação Federais, o que permite classificar a Caatinga
como um dos ecossistemas brasileiro menos protegido e mais ameaçado.
Conforme informações citadas, o aumento do rebanho de caprinos e ovinos, no
período de 1996 para 2007, no Nordeste, e o crescimento da área cultivada com
pastagens demonstram que os produtores estão buscando melhorar o sistema de
produção, introduzindo forrageiras com maior capacidade de suporte, intensificando
mais o sistema produtivo.
Na região semiárida nordestina, o efetivo do rebanho bovino, no período de 1996-
2007, aumentou em 13,0%, enquanto o de caprinos e ovinos, em 27,0% e 31,0%,
respectivamente. Ressalta-se que os efetivos de caprinos e ovinos representam em
torno de 85,8% e 54,0%, respectivamente, do total do Brasil.
A população do Nordeste do período 1996/2007 passou de 44.766.851 habitantes
para 51.534.406, dos quais, 15,0% deles, no ano de 2007, foram ocupados na
agropecuária.
Estudos conduzidos pela Embrapa Semiárido (Correia et al., 2000), em diferentes
localidades do Nordeste, revelam que as sociedades rurais é um conjunto heterogêneo

44
de “pequenos produtores” que passam por transformações profundas e extremamente
rápidas, se comparadas as evoluções ocorridas em regiões mais desenvolvidas.
As transformações no Nordeste Semiárido como resultado do processo de
modernização do campo traduzem-se em grandes desigualdades espaciais e
socioeconômicas. Atualmente, nessa região, podem-se distinguir zonas de agricultura
prósperas perfeitamente integradas ao mercado nacional e internacional, como as
áreas irrigadas, por exemplo, cujas atividades produtivas apresentam vantagens
comparativas em termos de competitividade, contrastando com grandes áreas,
situadas à margem desse processo, onde as oportunidades econômicas e as
possibilidades de intensificação das atividades agropecuárias são limitadas pelas
características agroclimáticas da região. Também se registram iniciativas exitosas na
área dependente de chuvas, a exemplo de Coopercuc - Cooperativa Agropecuária
Familiar de Canudos, Uauá e Curaçá – Bahia, que vem beneficiando os produtos e
enviando-os para vários mercados internos e externos.
Para que a transferência de conhecimentos ocorra de forma eficiente é preciso
que se conheçam bem as características dos grupos a que se destinam. Assim, faz-se
necessário, para uma correta compreensão do universo da pequena produção, a
realização de estudos em que seja possível hierarquizar e classificar os fatores que
determinam os sistemas agrícolas. Os grupos de produtores beneficiários de processos
de geração e difusão de tecnologias devem ser identificados não só em nível de zonas
geográficas, como, principalmente, de propriedades agrícolas. Obviamente, não se
trata apenas de identificar os condicionantes agroecológicos, socioeconômicos e
histórico-culturais que atuam sobre os pequenos produtores, mas, sobretudo,
investigar como a interação dessas forças atuam no processo de diferenciação dos
sistemas produtivos.

Referências

ALBUQUERQUE, S. G.; BANDEIRA, G. R. L. Effect of thinning and slashing on forage phytomass


from a caatinga of Petrolina, Pernambuco, Brasil. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, DF, v.
30, p. 885-891, 1995.

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DO BRASIL. Rio de Janeiro: IBGE, v. 56, 1996. p. 2-13.

ARAÚJO. E. L.; SILVA, S. I.; FERRAZ, E. M. N. 2002. Herbáceas da caatinga de Pernambuco. In:
TABARELLI, M.; SILVA, J. M. C. da (Org.). Diagnóstico da biodiversidade de Pernambuco. Recife:
Secretaria de Ciência e Tecnologia e Meio Ambiente: Fundação Joaquim Nabuco: Ed. Massangana,
2002. v. 1, cap. 9, p. 183-205.

BAÊTA, F. C. Ambiência em edificações rurais: conforto animal, Viçosa, MG: UFV, 1997, 246 p.

BARBOSA, D. C. A. de; BARBOSA, M. C. A.; LIMA, L. C. M. Fenologia de espécies lenhosas da


Caatinga. In: LEAL, I. R.; TABARELLI, M.; SILVA, J. M. C. (Ed.). Ecologia e conservação da
Caatinga. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2003. cap. 16, p. 657–694.

45
Produção de caprinos e ovinos no Semiárido

BRASIL. Ministério da Integração Nacional. Nova delimitação do Semiárido brasileiro. Brasília, DF,
2005. 32 p. il.

BRASIL. Ministério do Interior. Mapa geológico: escala 1:25.000.000. Recife: SUDENE, 1974.

BURGOS, N.; CALVACANTI, A. C. Levantamento detalhado de solos da área de sequeiro do


CPATSA, Petrolina, PE. Rio de Janeiro: EMBRAPA–SNLCS; Petrolina: EMBRAPA-CPATSA, 1990.
145 p. (EMBRAPA–SNLCS. Boletim de Pesquisa, 38).

CAPOBIANCO, J. P. R. Artigo base sobre os biomas brasileiros. In: CAMARGO, A.; CAPOBIANCO, J.
R. P.; OLIVEIRA, J. A. P. (Org.) Meio ambiente Brasil: avanços e obstáculos pós-Rio-92. São Paulo:
Estação Liberdade: Instituto Socioambiental: Fundação Getúlio Vargas, 2002. p. 117-155.

CARVALHO, O. A economia política do Nordeste. Rio de Janeiro: Campos. 1988. 434 p.

CAVALCANTI, E. P.; SILVA, E. D. V. Estimativa da temperatura do ar em função das coordenadas


locais. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE METEOROLOGIA, 7.; CONGRESSO LATINO-
AMERICANO E IBÉRICO DE METEOROLOGIA, 2., 1994, Belo Horizonte. Anais... Belo Hortizonte:
Sociedade Brasileira de Meteorologia, 1994. p. 154-157.

CODEVASF. Inventário de projetos. 3. ed. Brasília, DF, 1999. 223 p. il.

CORREIA, R. C.; ARAÚJO, J. L. P.; CAVALCANTI, E. de B .A fruticultura como vetor de


desenvolvimento: o caso dos municípios de Petrolina (PE) e Juazeiro (BA). In: CONGRESSO
BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 39., 2001, Recife. Anais... Recife: SOBER:
UFRPE, 2001. 1 CD-ROM.

CORREIA, R. C.; OLIVEIRA, C. A. V.; MOREIRA, J. N.; ARAÚJO, G. G. L.; ARAÚJO, J. L. P. de;
SILVA, M. M.. Tipos de sistemas de produção praticados pelos pequenos produtores e características
socioeconômicas.. In: CONGRESSO MUNDIAL DE SOCIOLOGIA RURAL, 10.; CONGRESSO
BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 38., 2000, Rio de Janeiro. Anais... Campinas:
UNICAMP; Auburn: IRSA; Brasília, DF: SOBER, 2000. 1 CD-ROM.

CUNHA, T. J. F.; PETRERE, V. G.; SÁ, I. B.; CAVALCANTI, A. C.; SILVA, A. H. B. B. da; ARAÚJO
FILHO, J. C. de. A pesquisa em ciência do solo no Semiárido brasileiro. In: ALBUQUERQUE, A. C. S.;
SILVA, A. G. da. (Ed.). Agricultura tropical: quatro décadas de inovações tecnológicas, institucionais
e políticas. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica, 2008. v. 2, cap. 5, p. 453-491.

FRANÇA. F. M. C. A importância do agronegócio da irrigação para o desenvolvimento do


Nordeste. Fortaleza: Banco do Nordeste: BID, 2001. 113 p.

GIULIETTI, A. M.; HARLEY, R. M.; QUEIROZ, L. P. de; BARBOSA, M. R. de V.; NETA, A. L. B.;
FIGUEIREDO, M. A. Espécies endêmicas da caatinga. In: SAMPAIO, E. V. S. B. GIULIETTI, A. M.;
VIRGÍNIO, J.; GAMARRA-ROJAS, C. F. L. Vegetação e flora da caatinga. Recife: Associação
Plantas do Nordeste, 2002. cap. 2, p. 11-24.

GIULIETTI, A. M.; CONCEIÇÃO, A.; QUEIROZ, L. P. de. Diversidade e caracterização das


fanerógamas do Semiárido brasileiro. Recife:. Associação Plantas do Nordeste, 2006. 488 p.

JACOMINE, P. T. K. Solos sob caatinga: características e uso agrícola. In: ALVAREZ V., V. H.;
FONTES, L. E. F.; FONTES, M. P. F. O solo nos grandes domínios morfoclimaticos do Brasil e o
desenvolvimento sustentado. Viçosa, MG: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo: Universidade
Federal de Viçosa, 1996. p. 96-111.

JACOMINE, P. K. T.; CAVALCANTI, A. C.; BURGOS, N.; PESSOA, S. C. P.; SILVEIRA, C. O. da.
Levantamento exploratório: reconhecimento de solos do Estado de Pernambuco. Recife: SUDENE,
1972/73. 2 v. (Brasil. SUDENE. Pedologia, 14; DNPEA. Boletim Técnico, 26).

46
LEMOS, J. R.; RODAL, M. J. N. Fitossociologia do componente lenhoso de um trecho da vegetação
de caatinga no Parque Nacional Serra da Capivara, Piauí, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Brasília,
DF, v. 16, n. 1, p. 23-42, 2002.

MARENGO, J. A. Mudanças climáticas globais e seus efeitos sobre a biodiversidade:


caracterização do clima atual e definição das alterações climáticas para o território brasileiro ao longo
do século XXI. Brasília, DF: MMA, 2006. 202 p. il. (Biodiversidade, 26).

MENEZES, E. A.; SILVA, P. C. G. da; QUEIRÓZ, M. A. de; PORTO, E. R. O Semiárido trópico


brasileiro. In: ALBUQUERQUE, A. C. S.; SILVA, A. G. da. (Ed.). Agricultura tropical: quatro décadas
de inovações tecnológicas, institucionais e políticas. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica,
2008. v. 2, cap. 1, p. 359-374.

MENEZES, H. E. A.; BRITO, J. I. B.; SANTOS, C. A. C.; SILVA, L. L. A relação entre a temperatura da
superfície dos oceanos tropicais e a duração dos veranicos no Estado da Paraíba. Revista Brasileira
de Meteorologia, Rio de Janeiro, v. 23, n. 2, 152-161, 2008.

NATURE CONSERVANCY DO BRASIL. Unidades de conservação na caatinga. Petrolina:


Associação Caatinga, 2000. 9 p.

OLIVEIRA, C. A. V.; CORREIA, R. C.; BONNAL, P.; CAVALCANTI, N. de B.; SILVA, C. N. da. Tipologia
dos sistemas de produção praticados pelos pequenos produtores rurais do Estado do Rio Grande do
Norte. In: ENCONTRO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO, 3., 1998,
Florianópolis. Anais... Florianópolis: SBSP: EPAGRI: EMBRAPA: IAPAR: UFSC, 1998. 1 CD-ROM.

OLIVEIRA, C. M. S.; VIANNA, P. J. R. Desenvolvimento regional: 50 anos do BNB. Fortaleza:


Banco do Nordeste do Brasil, 2005. 340 p.

PRADO, D. E. As Caatingas da América do Sul. In: LEAL, I. R.; TABARELLI, M.; SILVA, J. M. C. (Ed.).
Ecologia e conservação da Caatinga. Recife, UFPE, 2003. cap. 1, p. 3–73.

ROCHA, W. F. Situação da cobertura vegetal do bioma Caatinga. In: ANGELOTTI, F.; SÁ, I. B.;
MENEZES, E. A.; Pellegrino, G. Q. (Org.). Mudanças climáticas e desertificação no Semiárido
brasileiro. Petrolina: Embrapa Semiárido; Campinas: Embrapa Informática Agropecuária, 2009. cap.
5, p.77-94.

RODAL, M. J. N.; SAMPAIO, E. V. S. B. A vegetação do bioma caatinga. In: SAMPAIO, E. V. S. B.;


GIULIETI, A. M.; VIRGÍNIO, J.; GAMARRA ROJAS, C. F. L. (Ed.). Vegetação e flora da Caatinga.
Recife: APNE, 2002. p. 11-24

SALCEDO, I. H.; SAMPAIO, E. V. S. B. Matéria Orgânica do Solo no Bioma Caatinga. In: SANTOS,
G. de A.; SILVA, L. S. da; CANELLAS, L. P.; CAMARGO, F. A. O. (Ed.). Fundamentos da matéria
orgânica do solo: ecossistemas tropicais & subtropicais. 2. ed. Porto Alegre: Metrópole, 2008. p.
419-441.

SALVIANO, L. M. C.; OLIVEIRA, M. C de.; SOARES, J. G. G.; ALBUQUERQUE S. G. de.


Desempenho de bovinos em pastagens de caatinga sob diferentes taxas de lotação. Petrolina:
Embrapa Semi-Árido, 2004. 16 p. (Embrapa Semi-Árido. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento,
65).
SILVA, F. de A. S.; RAO, T. V. R. Regimes pluviais, estação chuvosa e probabilidade de ocorrência de
veranicos no Estado do Ceará. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina
Grande, v. 6, n.3, p. 453-459, 2002.

SILVA, R. G. Introdução à bioclimatologia animal. São Paulo: Nobel, 2000. 286 p.

SILVA, F. B. R.; RICHE, G. R.; TONNEAU, J. P.; SOUZA NETO, N. C. de; BRITO, L. T. de L.;
CORREIA, R. C.; CAVALCANTI, A. C.; SILVA, F. H. B. B. da; SILVA, A. B. da; ARAUJO FILHO, J.
C.de; LEITE, ª P. Zoneamento agroecologico do Nordeste: diagnostico do quadro natural e

47
Produção de caprinos e ovinos no Semiárido

agrossocioeconomico. Petrolina: EMBRAPA-CPATSA; Recife: EMBRAPA-CNPS, Coordenadoria


Regional Nordeste, 1993. 2 v. (EMBRAPA-CPATSA. Documentos, 80).

SOUZA, S. S.; TOMASELLA, J.; GRACIA, M. G.; AMORIM, M. C.; MENEZES, P. C. P.; PINTO, C. A.
M. O Programa de monitoramento climático em tempo real na área de atuação da SUDENE –
PROCLIMA Boletim da Revista Brasileira de Meteorologia, v. 25 n. 1, p. 15-24, 2001.

48