You are on page 1of 3

CARREIRAS POLICIAIS

Disciplina: Direito Administrativo


Aula: 04 | Data: 28/01/2016

ANOTAÇÃO DE AULA

EMENTA DA AULA
1. Princípios da administração pública.
2. Organização da administração pública.

GUIA DE ESTUDO
1. Princípios da administração pública.
 Princípios da supremacia do interesse público + princípios da indisponibilidade do interesse público.
 São princípios implícitos.
 Princípios constitucionais (art. 37, caput, F/88).
 Legalidade: o agente público só pode fazer o que a lei determina ou autoriza;
 Impessoalidade:
a) O agente público deve buscar sempre atingir o interesse público e não seu interesses
particulares;
b) Os atos praticados pelos agentes públicos não são pessoalmente imputados a eles, mas sim à
administração pública.
 Moralidade: o agente público deve agir de boa-fé, com lealdade e honestidade. Duas ações
constitucionais protegem a moralidade administrativa:
a) Ação popular: proposta por qualquer cidadão;
b) Ação de improbidade administrativa: proposta pelo MP e PJ interessadas.
 Publicidade:
a) Dar publicidade oficial aos atos da administração pública. Este princípio não é absoluto. Ou
seja, há situações em que dá lugar ao sigilo excepcional (art. 5º, XXXIII, CF/88):podem ser
sigilosas informações imprescindíveis a segurança do Estado ou do particular;
b) Transparência: exemplo: divulgação da remuneração dos servidores públicos no portal da
transparência.
 Eficiência (EC 19/98): o agente público deve atingir o maior número de resultados, valendo-se do
numero mínimo de recursos: Economicidade. Passou a adotar um modelo de administração pública
gerencial. É aplicável do princípio da eficiência:

CARREIRAS PÚBLICAS
Damásio Educacional
a) Avaliação especial de desempenho (condição para adquirir estabilidade);
b) Avaliação periódica de desempenho (após aquisição da estabilidade);
c) Escolas de governos.

 Princípios infraconstitucionais.
 Autotutela: prerrogativa que a administração pública tem para anular seus próprios atos quando
ilegais ou revogar quando forem inconvenientes ou inoportunos;
Autotutela ≠ tutela
 Controle feito pela administração pública direta com relação aos atos praticados pela
administração pública indireta.
 Segurança jurídica: Exemplo: a administração pública ao mudar a interpretação da lei, deve aplicá-
la para o futuro (lei 9784/99). Também se aplica na prescrição, decadência e coisa julgada;
 Continuidade do serviço público: os serviços públicos devem ser prestados de forma continua e
sem interrupções (lei 8987/95). Este princípio não é absoluto, comportando alguns casos em que é
possível a interrupção. Exemplo: inadimplência do usuário (deve haver aviso prévio).
 Principio da motivação: administração pública deve ter como regra, motivar os atos que pratica
(expor), as razões de fato e de direito para a prática do ato. Exceção: cargos de livre nomeação e
exoneração;
 Principio da razoabilidade e proporcionalidade: importantes no controle dos atos discricionários.
A razoabilidade pode ser dividida em:
a) Adequação;
b) Necessidade;
c) Proporcionalidade em sentido estrito: o agente público deve impor deveres, sanções,
restrições no limite que for necessário para atingir o interesse público.

2. Organização da administração pública.


 Administração pública direta: centralizada
 Entes federados (União, estados, DF e municípios);
 Administração pública indireta: descentralizada:
 A descentralização administrativa consiste na criação de novas entidades que passam a ter a
titularidade e a execução de atividades específicas;
 O principio da especialidade se aplica na descentralização administrativa;
 Descentralização ≠ desconcentração:

CARREIRAS PÚBLICAS
Damásio Educacional
 Desconcentração é a criação de novos órgãos dentro da estrutura de uma mesma PJ
(repartição interna de competências administrativa);
 A descontração não ocorre apenas na administração direta, ocorre também entre as
pessoas jurídicas indireta.
 Pessoa jurídica de direito público: autarquias, fundações de direito público, agencias reguladoras
e associações públicas;
 Criadas por leis específicas, que adquirem personalidade jurídica com a publicação e
vigência da lei;
 Pessoa jurídica de direito privado: fundações de direito privado. Empresas públicas e sociedade de
economia mista;
 Criação autorizada por lei especifica que adquirem personalidade jurídica com registro dos
seus atos constitutivos.
a) autarquias: criado por leis específicas, com a finalidade de realizar atividades típicas da
administração pública (prestação de serviços públicos, poder de polícia, atividade de
fomento, atividade reguladora).
 Seus bens são públicos;
 Obrigadas a realizar concursos públicos como condição para o provimento de cargos
efetivos;
 Obrigadas a licitar como condição para contratar;
 Sujeitas a fiscalização do tribunal de contas;
 Responsabilidade civil: objetiva;
 Não existe hierarquia, subordinação entre as autarquias e as entidades políticas, ocorre o
chamado controle finalístico/ministerial;
 Possuem autonomia administrativa, patrimonial e financeira (não possui autonomia
política), ou seja, não podem produzir leis;
Capacidade política ≠ poder normativo da administração publica
Capacidade politica Poder normativo da adm. publica
Lei ordinária Regulamenta atos
Lei complementar Portarias
OS´s
Instrução normativa

CARREIRAS PÚBLICAS
Damásio Educacional