Вы находитесь на странице: 1из 2

VISÃO

Tudo o que existe, em todo o tempo e além, é uma infinita Consciência Divina,

livre e extática (blissful), que projeta no campo de sua atenção consciente

(awareness) uma vasta multiplicidade de sujeitos e objetos aparentemente

diferenciados: cada objeto uma realização da potencialidade atemporal

inerente à Luz Da Consciência, sendo cada sujeito, além do anterior, também

um movimento reflexivo de autoconsciência. Esta criação, um jogo divino, é o

resultado de um impulso natural dentro do Divino para expressar a totalidade

de seu autoconhecimento em ação. Trata-se de um movimento puramente

voluntário do universal no particular: a única Consciência infinita se contrai em

pontos finitos e corporificados de atenção consciente motivada por sua

própria vontade. Quando esses sujeitos finitos se identificam com as

cognições limitadas e circunscritas, bem como com as circunstâncias que

compõem essa fase de sua existência, ao invés de se identificar com a

pulsação predominante trans-individual da Consciência pura que é a sua

verdadeira essência-natureza, experimentam o que chamam de sofrimento .

Para corrigir isso, alguns sentem um impulso interior para se inserir em um

caminho de gnose espiritual e da prática iogue, cujo objetivo é minar sua

identificação errônea e revelar diretamente, na imediação da atenção

consciente, o fato de que os poderes divinos da Consciência, Êxtase,

Vontade, Conhecimento e Ação também compreendem a totalidade da

experiência individual  - provocando assim o reconhecimento de que a

identidade real de cada um é idêntica à Divindade suprema, o Todo em tudo.

Essa gnose experiencial é repetida e reforçada por vários meios até se tornar

o fundamento não conceitual de cada momento de experiência, sendo o

sentido restrito de si e a separação do Todo finalmente aniquilados no brilho

incandescente da expansão completa na perfeita totalidade. Então a

percepção individual passa a abranger completamente a realidade de um

universo dançando extáticamente na animação de sua divindade

completamente perfeita.
VISÃO

All that exists, throughout all time and beyond, is one infinite divine

Consciousness, free and blissful, which projects within the field of its

awareness a vast multiplicity of apparently differentiated subjects and objects:

each object an actualization of a timeless potentiality inherent in the Light of

Consciousness, and each subject is that plus a reflexive movement of self-

awareness. This creation, a divine play, is the result of a natural impulse within

the Divine to express the totality of its self-knowledge in action. This is a purely

voluntary movement of the universal into the particular: the one infinite

Consciousness contracts into multiple finite embodied loci of awareness out of

its own free will. When those finite subjects then identify with the limited and

circumscribed cognitions and circumstances that make up this phase of their

existence, instead of identifying with the trans-individual overarching pulsation

of pure Awareness that is their true essence-nature, they experience what they

call suffering. To rectify this, some feel an inner urge to take up the path of

spiritual gnosis and yogic practice, the purpose of which is to undermine their

misidentification and directly reveal within the immediacy of awareness the

fact that the divine powers of Consciousness, Bliss, Will, Knowledge and Action

comprise the totality of individual experience as well— thereby triggering a

recognition that one’s real identity is that of the highest Divinity, the All-in-all.

This experiential gnosis is repeated and reinforced through various means until

it becomes the non-conceptual ground of every moment of experience, and

one’s contracted sense of self and separation from the Whole is finally

annihilated in the incandescent radiance of the complete expansion into

perfect wholeness. Then one’s perception fully encompasses the reality of a

universe dancing ecstatically in the animation of its completely perfect divinity.