Вы находитесь на странице: 1из 22

Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia

ISSN: 1982-1263 www.pubvet.com.br

Eritrograma em Medicina Veterinária: Apostila


Renata Resende Prado1; Eliane Pereira Mendonça1,2; Guilherme Paz Monteiro1,2;
Roberta Torres de Melo1,2; Daise Aparecida Rossi1,2
1
Laboratório de Biotecnologia Animal Aplicada
2
Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias;
*Autor para correspondência, E-mail: renatarprado@yahoo.com.br

RESUMO. Este material didático é uma apostila ilustrada de eritrograma com a


finalidade de fornecer suporte de consulta ao acadêmico veterinário referente aos tópicos:
Hematopoiese, Eritrograma, Colheita de Sangue, Esfregaço Sanguíneo, Anemias e
Policitemias.
Palavras-chave: Apostila, Eritrograma, Medicina Veterinária.

Veterinary Medicine Erythrogram: Textbook


ABSTRACT. This material is an illustrated textbook of erythrocyte in order to provide
support to the vet consultation related to academic topics: Hematopoiesis, RBC, Harvest
of Blood, Blood Smear, anemias and polycythemias.
Keywords: Textbook, Erythrogram, Veterinary Medicine.

Introdução O volume sangüíneo normal nas espécies


domésticas varia em torno de 6 a 10% do peso
O sangue é composto de uma parte líquida e
corpóreo, com grande variedade intra e
outra celular. A parte líquida, denominada
interespécies, que é apresentada de forma
plasma, é obtida após centrifugação quando
resumida dos volumes sangüíneos de acordo com
colhemos o sangue com anticoagulante, e contêm
o peso corpóreo para as principais espécies
o fibrinogênio e o soro quando sem
animais (Tabela 1).
anticoagulante, o fibrinogênio coagula e restam
no soro os mais variados solutos orgânicos, como O hemograma é o exame de sangue mais
minerais, enzimas, hormônios, etc. Portanto o solicitado na rotina laboratorial devido à sua
soro é constituído do plasma sem o fibrinogênio. praticidade, economia e utilidade na prática
clínica. Está dividido em três partes: 1.
A parte celular é composta pelos eritrócitos,
Eritrograma, que compreende o hematócrito,
leucócitos e plaquetas. Nas aves, répteis, anfíbios
dosagem de hemoglobina e a avaliação
e peixes, todas as células possuem núcleo, e as
morfológica e contagem total de eritrócitos; 2.
plaquetas são deste modo, chamadas de
Leucograma, composto pela avaliação
trombócitos. Nos mamíferos, apenas os
morfológica e contagem total e diferencial de
leucócitos possuem núcleo; as hemácias os
leucócitos; 3. Plaquetas, que se compõe de
perdem durante sua formação, e as plaquetas são
avaliação morfológica e contagem de paquetas
fragmentos de citoplasma da célula progenitora,
auxiliando a interpretação da hemostasia.
os megacariócitos.
Ainda, após a realização do microhematócrito,
A principal função do sangue é o transporte,
pode-se mensurar por refratometria as proteínas
quer de substâncias essenciais para a vida das
totais plasmáticas, que auxiliam na interpretação
células do corpo, tais como oxigênio, dióxido de
de diversas situações fisiológicas e patológicas.
carbono, nutrientes e hormônios, quer de
produtos oriundos do metabolismo, indesejáveis Sendo o sangue responsável pela homeostasia
ao organismo, os quais são levados aos órgãos de do organismo, e o hemograma um exame geral
excreção. do animal, raramente o hemograma apresenta um
diagnóstico definitivo de determinada patologia

PUBVET v.10, n.1, p.61-82, Jan., 2016


Prado et al. 62

ou doença. Ao invés disso, o hemograma oferece amostras é que podemos com segurança
informações que podem ser utilizadas como interpretar seus resultados de modo claro e
ferramenta pelo clínico para, em associação a representativo. Isso porque alterações causadas
outros sinais e exames, realizar a busca pela excitação (adrenalina) e ou estresse
diagnóstica. Assim sendo, o hemograma é (corticóides) durante a colheita podem
solicitado por várias razões, entre elas em um desencadear processos mediados por estes
procedimento de triagem para avaliar a saúde do hormônios. Além disso, drogas administradas
animal, na busca do diagnóstico ou prognóstico exógenamente também podem interferir nos
do animal, e ainda para verificar a habilidade resultados de um hemograma como, por
corporal às infecções e para monitoramento do exemplo, o uso de glicocorticóides. Resultados
progresso de certas doenças. No entanto, a anormais em um hemograma são inespecíficos,
história e o exame clínico são essenciais para a podendo estar associados a várias doenças ou
interpretação dos dados hematológicos e outros condições que provocam respostas similares; no
testes laboratoriais que serão objetos de entanto, como mencionado anteriormente, o
investigação. hemograma pode ser diagnóstico em certas
patologias, como hemoparasitas ou leucemias.
Apenas quando descartadas as alterações
ocasionadas por interferência na colheita de

Tabela 1: Volume sanguíneo nas diversas espécies animais segundo o peso corpóreo.
Peso Corpóreo
Espécie
mL/kg %
Cães 77 – 78 8–9
Gatos 62 – 66 6–7
Vacas lactantes, bovino em crescimento 66 – 77 7–8
Vacas leiteiras jovens, cavalos de sangue quente 88 – 110 10 – 11
Vacas não-lactantes, cavalos de sangue frio 62 – 66 6–7
Ovelhas, cabras 66 – 66 6–7
Suínos adultos 55 5–6
Animais de laboratório - 6–7

O ideal na prática veterinária é que a amostra algumas regras básicas são comuns a todas. A
laboratorial seja colhida no mesmo local do seu mais importante delas talvez seja a adequada
processamento. No entanto, na maioria das vezes, identificação da amostra, tanto junto ao frasco ou
este procedimento é realizado pelo clínico em seu embalagem do material, como na guia de
ambulatório, e enviado ao laboratório para a requisição do exame.
realização do exame. Deste modo, para se obter
A identificação da amostra deve ser feita de
resultados confiáveis, uma colheita adequada
modo a não se destacar ou sair durante o
constitui etapa tão importante quanto à própria
acondicionamento, principalmente quando a
realização do exame e sua posterior interpretação.
amostra estiver sob refrigeração ou com cubos de
Uma colheita e acondicionamento adequados gelo em caixa de isopor. O número ou nome do
devem seguir rigidamente os métodos animal deve ser claro, escrito em letras nítidas, se
preconizados pela técnica, bem como estarem possível com a data de colheita. A guia ou ficha
condizentes com o procedimento do laboratório de requisição também é de suma importância na
que irá processar o material. Mesmo com a realização do exame laboratorial.
diversidade de amostras a serem colhidas,

PUBVET v.10, n.1, p.61-82, Jan., 2016


Eritograma 63

2. Colheita de Sangue quantidade de anticoagulante contida no frasco


de acondicionamento;
Colheita de sangue venoso periférico
- Após completar o volume desejado, retirar a
- Conter o animal adequadamente seringa. Desfazer o garrote antes de remover a
proporcionando o mínimo de estresse, para obter- agulha e comprimir manualmente o local de
se um resultado hematológico representativo; punção com algodão embebido em álcool iodado;
- Após antissepsia introduzir agulha - Retirar a agulha e transferir o sangue colhido
percutaneamente através da veia distendida por da seringa, com suave compressão do êmbolo
prévio garrote manual abaixo do ponto de para evitar hemólise, dentro de vidro estéril
colheita. A colheita pela veia jugular é o local contendo anticoagulante EDTA (2,0 mg/mL de
mais adequado para análises hematológicas na sangue). Este anticoagulante é diluído a 10% na
maioria das espécies (Tabela 2); proporção de 0,1mL para cada 5mL de sangue. A
- Conectar seringa descartável graduada e amostra pode ser utilizada para a realização do
colher o sangue lentamente, correspondente à hemograma, fibrinogênio e contagem de
plaquetas.

Tabela 2: Locais e agulhas mais utilizados na colheita de sangue periférico


Espécie animal Local de venopunção Calibre da agulha
Cão Cefálica, jugular, safena 25x7, 25x8, 25x9, 40x12
Gato Cefálica, jugular, safena 25x7, 25x8
Bovino Jugular, caudal e mamária 40x12, 40x16
Equino Jugular 40x12, 40x16
Ovinos e Caprinos Jugular 40x10, 40x12, 40x16
Suínos Cava anterior, marginal da orelha 40x12, 40x16
Coelhos Marginal da orelha, cardíaca 25x7, 40x12

Importantes causas de hemólise:


Uso: Recomendado para a rotina
- Calor excessivo, seringas e agulhas molhadas hematológica porque não interfere na morfologia
e/ou quentes. Certique-se de que tudo está seco e celular, preservando-a por até 24 horas quando
à temperatura ambiente; refrigerado adequadamente. É pouco solúvel, e o
sal de potássio é o mais solúvel e mais caro. A
- Demora na colheita, forte pressão negativa na
diluição é realizada a 10%, e toma-se 0,1mL de
seringa. Caso a colheita se mostrar difícil, ¨lave¨
EDTA para 5mL de sangue.
a seringa e agulha com o anticoagulante
previamente à colheita; Fluoreto de sódio
- Descarga violenta da seringa no frasco, ou feita Modo de ação: quelante de cálcio, com a
com a agulha. Retire a agulha ao transferir o formação de sais insolúveis.
sangue da seringa para o frasco;
Uso: Como impede a glicólise sanguínea,
- Homogeneização violenta com o realizada in vitro principalmente pelos eritrócitos,
anticoagulante. Faça-a gentilmente, por inversão é indicado para determinação da glicose. Há
do tubo por pelo menos dez a doze vezes; produto comercial pronto para uso, na medida de
1 gota para cada 3mL de sangue.
- Uso incorreto dos anticoagulantes.
Heparina
Anticoagulantes:
Modo de ação: atividade como inibidor da
EDTA (Etileno diamino tetra acetato de sódio ou trombina e tromboplastina
de potássio)
Uso: Alguns bioquímicos. Como interfere na
Modo de ação: reage através de seus dois coloração do esfregaço sanguíneo, não é
radicais ácidos com cálcio plasmático, formando recomendado para hemograma. A diluição é de
um quelato com os elementos alcalino-terrosos, 0,1mL de solução a 1% para não coagular 5,0mL
tornando-se insolúvel. de sangue. A heparina retarda a coagulação do
sangue por apenas 8 horas.

PUBVET v. 10, n. 1, p.61-82, Jan., 2016


Prado et al. 64

Citrato de sódio Após o nascimento a hematopoiese passa a


ocorrer somente na medula óssea nos mamíferos.
Modo de ação: quelante de cálcio, com a
Inicialmente a medula óssea de todos os ossos
formação de sais insolúveis.
participa desta atividade, mas com a idade esta
Uso: Provas de coagulação (tempo de função vai limitando-se à medula óssea dos ossos
protrombina, tempo de tromboplastina parcial chatos e epífises dos ossos longos, isto porque a
ativada). Seu emprego se faz em soluções demanda por eritrócitos decresce com a
1,34g%, na proporção de 10%, ou seja, 0,5mL maturidade. No animal adulto, os principais ossos
para 4,5mL de sangue. envolvidos no processo são: o esterno, o crânio, o
ílio, as costelas e as extremidades do fêmur e do
úmero.
3. Hematopoiese
A medula vermelha ou ativa com o tempo vai
A hematopoiese normal ocorre desaparecendo e deixa de ser hematopoiética,
extravascularmente na medula óssea dos sendo substituída por tecido gorduroso, o qual
mamíferos, mas pode acontecer em outros órgãos forma a medula amarela ou inativa. Em casos de
que participaram da hematopoiese na vida fetal e necessidade ocorre regeneração e a medula
recém-natal. Em aves, embora a granulopoiese amarela passa a ser vermelha. Nestes casos, a
ocorra extravascularmente, a eritropoiese e os hematopoiese pode voltar a ser realizada pelo
trombócitos são produzidos intravascularmente. fígado, baço e linfonodos. Na fase senil a medula
Na vida embrionária a hematopoiese inicia-se óssea amarela se torna medula fibrosada e é de
no saco vitelino, estágio em que há o início da difícil e vagarosa expansão, o que dificulta a
formação vascular. Com o desenvolvimento fetal rápida resposta à anemia nestes animais.
o fígado, o baço e a medula óssea são os maiores Deste modo, podemos facilmente associar a
órgãos hematopoiéticos (Figura 1). Durante a hematopoiese à vida do indivíduo. A fase de
segunda metade do desenvolvimento do feto a rápido crescimento do jovem está associada à
medula óssea e os órgãos linfóides periféricos expansão do volume sanguíneo, com pesada
(para os linfócitos) são os maiores locais de demanda na medula por eritrócitos, portanto
produção de células sangüíneas. todos os ossos são capazes de hematopoiese.

Figura 1: Contribuição da produção sangüínea no gato (Jain, 1986).

Órgãos envolvidos na hematopoiese Jolly, corpúsculos de Heinz e parasitas dos


eritrócitos.
O baço armazena e elimina hemácias
(hemocaterese) e plaquetas, além de estar O fígado, responsável pelo estoque de
envolvido na hematopoiese inicial, produz vitamina B12, folato e ferro, produz muitos dos
linfócitos e plasmócitos, degrada hemoglobina, fatores de coagulação, albumina e algumas
estoca o ferro, remove corpúsculos de Howell- globulinas, converte a bilirrubina livre à
conjugada para excretá-la pela bile, participa da

PUBVET v.10, n.1, p.61-82, Jan., 2016


Eritograma 65

circulação entero-hepática do urobilinogênio, compreendida entre a célula pluripotencial até o


produz um precursor (α-globulina) da metarrubrícito, leva de dois a três dias, enquanto
eritropoietina ou alguma eritropoietina e retém o restante consiste na fase de maturação, levando
seu potencial embrionário para hematopoiese. em torno de cinco dias.
O estômago produz HCl para liberação do A eritropoiese é formada na medula óssea a
ferro do complexo de moléculas orgânicas e o partir de uma célula pluripotencial de origem
fator intrínseco para facilitar a absorção da mesenquimal chamada célula tronco ou célula
vitamina B12. A mucosa intestinal está envolvida mãe que é estimulada a proliferar e diferenciar-se
na absorção da vitamina B12 e folato e controla a em “burst” de unidade formadora eritróide (BUF-
taxa de absorção de ferro em relação as E) pela IL-3 e fator estimulante de colônia
necessidades corporais. Os rins produzem granulocítica-monocítica na presença da
eritropoietina, trombopoietina e degradam eritropoietina (EPO).
excessivamente a hemoglobina filtrada do ferro e
Esta diferenciação ocorre sob influência do
bilirrubina para excreção na urina.
microambiente medular local e por citocinas
O timo consiste em um órgão linfóide central produzidas por macrófagos e linfócitos T
responsável pela diferenciação das células ativados. A proliferação e diferenciação da BUF-
precursoras, derivadas da medula óssea, em E para unidade formadora de colônia eritróide
linfócitos T imunologicamente competentes, (UFC-E) resulta da presença destes mesmos
envolvidos na imunidade celular e produção de fatores e pode ser potencializado por fatores de
linfocinas. Os linfonodos e folículos produzem crescimento adicional. A EPO é o fator de
linfócitos que sob estimulação antigênica se crescimento primário envolvido na proliferação e
transformam em plasmócitos, estando engajados diferenciação de UFC-E para rubriblasto, a
ativamente na síntese de anticorpos. primeira célula morfologicamente reconhecível
das células eritróides. A seguir seguem as
O sistema monocítico-fagocitário (sistema
divisões/maturações em que serão formados: pró-
reticuloendotelial) consiste no maior sistema
rubrícito, rubrícito, metarrubrícito, reticulócito e
fagocítico do organismo encarregado da defesa
eritrócito. Os eritrócitos são células encarregadas
celular na infecção microbiana, destrói várias
de transportar oxigênio dos pulmões aos tecidos e
células sangüíneas, degrada hemoglobina em
dióxido de carbono no sentido inverso.
ferro, globina e bilirrubina livre, estoca o ferro e
secreta macromoléculas de importância A eritropoiese normal envolve um mínimo de
biológica, por exemplo, fatores estimulantes de quatro mitoses: uma na fase de rubriblasto, outra
colônia e complemento. no estágio de pró-rubrícito e duas no estágio de
rubrícito basofílico. O rubrícito basofílico
Eritropoiese matura-se em rubrícito policromático, que se
O processo de eritrogênese que resulta na transformará em metarrubrícito.
formação de eritrócitos maturos é conhecido Ocasionalmente o rubrícito policromático
como eritropoiese, levando em torno de sete a pode se dividir. A denucleação do metarrubrícito
oito dias para se completar. O núcleo eritrocitário leva à formação de reticulócito, o qual finalmente
é expulso no decorrer do processo de matura-se, dando origem ao eritrócito (Figura 2).
desenvolvimento nos mamíferos e fagocitado por
macrófagos locais. Enquanto nas aves, peixes, A nomenclatura recomendada para as células
anfíbios e répteis as hemácias são nucleadas. eritróides morfologicamente identificáveis é:
Rubriblasto – pró-rubrícito – rubrícito basofílico
As células ficam na medula óssea até a fase de
– rubrícito policromático – metarrubrícito –
metarrubrícito, e nas fases finais de maturação,
reticulócito – eritrócito.
como o reticulócito, podem ser encontrados no
sangue periférico em algumas espécies. Os
reticulócitos não são encontrados no sangue em
condições de normalidade nos eqüinos, bovinos,
suínos e caprinos. A fase de proliferação,

PUBVET v. 10, n. 1, p.61-82, Jan., 2016


Prado et al. 66

Figura 2: Eritropoiese nos mamíferos domésticos (segundo Jain, 1986).

4. Eritrograma no esfregaço sangüíneo: anisocitose,


policromasia, hemoparasitas, etc.
Na solicitação do exame é necessário
adequada identificação da amostra: rótulo no Há que se entender que os valores de tabela
frasco de colheita, ficha contendo nome do ou de referência são frutos da média de exames
proprietário, data, espécie animal, raça, sexo, realizados numa população clinicamente sadia e,
idade, hora da colheita, diagnóstico provisório, portanto obedecem a uma curva normal de
tratamento, história clínica resumida, nome, distribuição. Deste modo pode existir um
assinatura e CRMV do requisitante e do pequeno percentual de animais da população
examinador. sadia com resultados laboratoriais próximos aos
extremos (border line), ou fora deles; e o inverso
O eritrograma compreende o número total de
também, ou seja, animais doentes com valores
hemácias/μl, concentração de hemoglobina
dentro da faixa de referência. Por isso estes
(g/dl), volume globular (%), VCM (fl), CHCM
exames devem ser interpretados clinicamente
(%), proteínas plasmáticas (g/dl), reticulócitos
(Figura 3).
(%), metarrubrícitos/100 leucócitos. Observações

Figura 3: Curva hipotética de distribuição normal de valores obtidos da concentração


sérica de glicose (g/dL) numa população sadia, doente e sob efeito da adrenalina
(excitação).

Volume Globular (%) úteis no estudo da série vermelha e com ele


podemos obter inúmeras informações como: a
O hematócrito (ou volume globular) é a
coloração do plasma, a capa leucocitária,
percentagem de eritrócitos no sangue. Os
microfilárias e Tripanossoma spp.
métodos de centrifugação dão um volume de
células sedimentadas, que corresponde a uma O plasma normal é límpido e incolor (caninos
mensuração muito exata. É um dos exames mais e felinos) ou ligeiramente amarelado nos eqüinos

PUBVET v.10, n.1, p.61-82, Jan., 2016


Eritograma 67

e bovinos, devido ao caroteno e à xantofila O plasma obtido por este método pode ser
presentes na alimentação dos herbívoros. Plasma empregado em outros exames, como
ictérico é amarelo e límpido; plasma concentração de proteínas plasmáticas totais e
hemoglobinêmico é límpido, variando de rosa a concentração de fibrinogênio plasmático,
vermelho; plasma lipêmico é esbranquiçado e utilizando-se a precipitação pelo calor e
turvo. refratometria.
Ao exame microscópico do plasma, podemos Determinação: Sedimentação dos elementos
observar as microfilárias e tripanossomas logo figurados do sangue, obtendo-se a proporção
acima da camada branca (capa flogística). As destes elementos em relação ao plasma.
principais informações estão esquematizadas na
- Tomar o frasco com sangue mais
figura 4.
anticoagulante e homogeneizar;

Figura 4: Desenho esquemático do capilar de microhematócrito.

- Pegar o tubo capilar (75mm x 1mm ) e por - Ler em tabela que acompanha centrífuga,
capilaridade deixar o sangue preencher 2/3 do obtendo-se o resultado em %.
tubo;
Existem fatores que afetam o hematócrito,
- Fechar a extremidade seca em chama de bico de hemoglobina e contagem de eritrócitos, como
Bunsen, girando-se o tubo; anemias e alterações na hidratação, que podem
refletir diretamente na proporção células
- Centrifugar o tubo a 1.200rpm
vermelhas/plasma do sangue (Figura 5).
(aproximadamente 1580G) por 5 minutos;

Figura 5: Curva Mudanças relativas ocasionadas na massa do eritrócito e volume de plasma nas anemias e
policitemias (JAIN,1993).

PUBVET v. 10, n. 1, p.61-82, Jan., 2016


Prado et al. 68

Fatores que afetam o hematócrito, hemoglobina final de hemoglobina. Estas estruturas


e contagem de eritrócitos: contribuem para a policromasia dos reticulócitos.
- Alterações na massa do eritrócito afetam os três Após coloração com corantes supravitais,
parâmetros; como o novo azul de metileno ou azul cresil
brilhante, utilizado na contagem de reticulócitos,
- A anemia produz valores baixos que podem ser
um arroxeado de ribossomos, mitocôndrias e
desproporcionais se o tamanho celular e/ou o
outras organelas citoplasmáticas aparecem nos
conteúdo de hemoglobina também estiverem
reticulócitos como precipitadosem forma de
alterados;
cordões (reticulócitos agregados) ou esparsos
- A policitemia absoluta produz valores altos; (pontilhados).
- A contração esplênica produz valores altos e é Os reticulócitos permanecem na medula óssea
especialmente comum em cavalos excitados; por dois a três dias antes de entrar no sangue por
- Alterações na hidratação (volume plasmático) diapedese através de células endoteliais que
afetam os três parâmetros; contornam os sinusóides medulares.

- Portanto o exame deve ser interpretado A sua liberação para o sangue é controlada
conhecendo-se o estado de hidratação do animal, por um número de fatores que agem em conjunto,
através do exame físico e análise de proteínas incluindo a concentração de eritropoietina,
plasmáticas totais; deformabilidade capilar e carga de superfície.

- Desidratação produz valores altos; Variações interespécies podem ocorrer em


consideração ao número de reticulócitos liberado
- Hidratação excessiva causa redução no volume, no sangue sob condições fisiológicas e
o que pode estimular anemia. patológicas. Por exemplo, o eqüino não libera
reticulócitos para o sangue periférico, mesmo em
Reticulócitos anemia severa. Cães e gatos respondem
Os reticulócitos apresentam um grau variável vigorosamente com reticulocitose no sangue
de dobras membranosas e invaginações de durante anemia regenerativa, porém os
superfície. Eles contêm ribossomos, ruminantes geralmente apresentam uma resposta
polirribossomos e mitocôndrias, que os leve (Tabela 3).
capacitam a sintetizar mais de 20% do conteúdo

Tabela 3: Grau de resposta da medula óssea segundo o percentual de reticulócitos.


% de reticulócitos
Grau de resposta
Cães Gatos (agregados) Cavalos e Ruminantes
Normal 0 – 1,5 0 – 0,4 Ausentes
Leve 1–4 0,5 – 2,0 1 é sinal regenerativo
Moderada 5 – 20 3,0 – 4,0 -
Intensa 21 – 50 > 50 -

Os reticulócitos maturam-se em eritrócitos 24- A contagem de reticulócitos é o melhor


48 horas na circulação ou no baço, onde podem indicativo da atividade efetiva da eritropoiese
ser seqüestrados temporariamente. O processo de medular, mas sua contagem deve ser interpretada
maturação envolve a perda de algumas em relação às diferentes espécies.
superfícies de membranas, receptores para
A contagem de reticulócitos é calculada pelo
transferrina e fibronectina, ribossomos e outras
percentual de reticulócitos contados em esfregaço
organelas, obtenção da concentração normal de
sangüíneo obtido com um corante supravital e
hemoglobina, organização final do esqueleto
multiplicado seu resultado pela contagem global
submembranoso, redução do tamanho celular e
de eritrócitos. A percentagem de reticulócitos
mudança de forma para o aspecto bicôncavo.
pode ser corrigida para o grau de anemia pela
seguinte fórmula:

PUBVET v.10, n.1, p.61-82, Jan., 2016


Eritograma 69

Uma contagem corrigida de reticulócitos pequeno remanescente chamado corpúsculo de


acima de 1% em cães e gatos (agregados) indica Howell-Jolly.
eritropoiese ativa (anemia regenerativa).
O corpúsculo de Howell-Jolly é removido do
Usualmente há necessidade de um período de 3 a
reticulócito quando este passa no baço e muitas
4 dias para que uma significante reticulocitose,
vezes é encontrado em indivíduos
seja encontrada no sangue periférico após uma
esplenectomizados ou quando a função do baço
hemorragia aguda e a resposta máxima pode
está comprometida.
levar de 1 a 2 semanas ou mais. Em uma anemia
hemolítica severa, entretanto, uma rápida Regulação da Eritropoiese: Eritropoietina
liberação de reticulócitos pode levar somente 1
ou 2 dias e ser seguida de uma intensa O estímulo fundamental para a eritropoiese é
eritropoiese. a tensão tecidual de oxigênio (PO2). A hipóxia
tecidual desencadeia a produção de
Após hemorragias a resposta da medula óssea eritropoietina, um fator humoral especificamente
pode ser avaliada a partir do 3º dia após a perda responsável pela produção de eritrócitos. É
de sangue, pois este é o tempo mínimo necessário produzida pelos rins (células corticais endoteliais,
para a liberação de células jovens após a hipóxia. glomerulares e intersticiais) e em menor
Em quadros agudos a avaliação clínica do proporção pelo fígado (células de Kupffer,
grau de anemia e estimativa de perdas é muito hepatócitos e células endoteliais). O rim é
mais útil que os parâmetros laboratoriais considerado a única fonte de eritropoietina no cão
isolados; deve-se, inicialmente, estabilizar o e o fígado é o sítio predominante no feto.
paciente com transfusão e fluidoterapia. A eritropoietina é gerada pela ativação do
Reticulócitos e eritrócitos jovens eritropoietinogênio, uma alfa-globulina, pelo
ocasionalmente podem manifestar uma fator eritropoiético renal ou eritrogenina, ou pela
morfologia adicional. A fragmentação nuclear ou ativação da proeritropoietina, produzida no rim,
extrusão incompleta dos núcleos dos por um fator plasmático (Figura 6).
metarrubrícitos resultam na retenção de núcleo

Figura 6. Ativação e efeito da Eritropoietina nos animais domésticos.

PUBVET v. 10, n. 1, p.61-82, Jan., 2016


Prado et al. 70

A eritropoietina estimula a eritropoiese em eritropoiese. Hormônios tireoidianos, hipofisários


várias etapas, pela indução da diferenciação de e adrenocorticais alteram a demanda de oxigênio
progenitores eritróides (UFC-E) até rubriblastos, nos tecidos, alterando a necessidade de
estimulando a mitose de células eritróides e eritropoiese.
reduzindo seu tempo de maturação e aumentando
Para que ocorra a adequada multiplicação
a liberação de reticulócitos e eritrócitos jovens ao
eritrocitária, há necessidade também de substrato
sangue periférico.
para possibilitar a divisão celular, principalmente
Vários órgãos endócrinos influenciam a material nucléico. Os substratos que constituem
eritropoiese, através de seus efeitos na síntese de maior importância são: a vitamina B12, o ácido
eritropoietina. A pituitária media estes efeitos fólico, o cobalto e o ácido nicotínico.
através da produção de TSH, ACTH e hormônio
Na fase de maturação eritrocitária, o RNA
do crescimento; as adrenais através da produção
mensageiro encarrega-se da hemoglobinização
de corticosteróides; as glândulas tireóides através
citoplasmática. Nesta fase são importantes o ferro
da produção de tiroxina; e as gônadas através da
na forma ferrosa, o cobre e a piridoxina.
produção de andrógenos e estrógenos. A única
influência negativa é a do estrógeno. Para uma adequada eritropoiese há o
requerimento de suprimento continuado de
Em conjunto com a eritropoietina a IL-3
nutrientes como vitaminas e minerais. A
produzida por linfócitos T; o FEC-GM por
deficiência destes fatores por qualquer causa
linfócitos T, células endoteliais e fibroblastos; e o
levará a anemia. Uma causa comum de anemia é
FEC-G por macrófagos, granulócitos, células
a deficiência de ferro. Anemias nutricionais no
endoteliais e fibroblastos estimulam a
homem e nos animais são aquelas causadas por
multiplicação de uma célula progenitora eritróide
deficiências de proteínas, vitamina B12, folato,
jovem, a unidade formadora de explosão eritróide
niacina, vitamina E, selênio, cobre e cobalto.
(UFE-E) e sua diferenciação na célula
progenitora da UFC-E. A UFE-E é relativamente Destruição Eritrocitária
insensível a eritropoietina sozinha. Doses
farmacológicas de andrógenos aumentam a taxa A duração média da vida do eritrócito varia
de glóbulos vermelhos, estimulando a produção com a espécie animal. Na Tabela 4 estão
de eritropoietina ou potencializando sua ação, por representados o número, o tamanho e a vida
isso, machos apresentam maior número de média das hemácias, de acordo com a espécie
eritrócitos que as fêmeas. Os estrógenos, por sua animal.
vez, apresentam efeito inibitório sobre a

Tabela 4. Número total, tamanho e vida média das hemácias nas diferentes espécies animais.
Número Total Tamanho Vida Média
Espécie
(milhões/mm3) (µm de diâmetro) (dias)
Canino 6–8 7,0 120
Felino 5 – 10 5,8 70
Equino 9 – 12 5,7 150
Bovino 5 – 10 5,5 160
Ovino 9 – 15 4,5 100
Caprino 8 – 18 4,0 100
Suíno 5–8 6,0 65

características pode ativar a destruição fagocitária


No estado de saúde normal, o eritrócito deixa
por macrófagos, o que ocorre primariamente no
a circulação por duas vias: fagocitose por
baço e fígado, podendo também ocorrer na
macrófagos, que é a principal e a lise
medula óssea. Os macrófagos iniciam a
intravascular, com liberação de hemoglobina.
fagocitose após reconhecerem anticorpos IgG
A deformabilidade é importante na sobrevida aderidos a antígenos de membrana em eritrócitos
da hemácia e depende da manutenção da sua danificados e/ou envelhecidos. A perda de
forma, fluidez normal interna da hemoglobina e eritrócitos é continuamente balanceada por uma
propriedades visco-elásticas intrínsecas da liberação de reticulócitos ou células jovens da
membrana. Qualquer mudança nestas medula óssea para o sangue periférico. Neste

PUBVET v.10, n.1, p.61-82, Jan., 2016


Eritograma 71

caso, os reticulócitos são importantes em casos livre no plasma é rapidamente decomposta por
de anemia, para que se classifiquem as anemias oxidação, liga-se a haptoglobina e é rapidamente
em regenerativa ou arregenerativa. Em casos de excretada pelos rins, observando-se
babesiose, no quarto ou quinto dia estas células hemoglobinúria, ou ainda é destruída pelo
começam a aparecer no sangue periférico. sistema fagocitário mononuclear (SMF). A
hemoglobina confere a cor avermelhada do
plasma e esta condição é chamada de
Hemoglobina hemoglobinemia. O excesso livre é oxidado em
Trata-se de uma proteína conjugada formada metahemoglobina, que se dissocia, liberando
de 96% de proteínas (globinas) e por um grupo hematina. A hematina liga-se a hemopexina e
prostético de coloração vermelho chamado heme albumina sucessivamente, e estes complexos são
(4%), o qual é formado por ferro e grupamentos removidos pelos hepatócitos. Nos macrófagos, o
porfirínicos. ferro da fração heme e os aminoácidos da fração
globina são reciclados para uso. A protoporfirina
A produção hemoglobínica ocorre no é degradada em biliverdina pela heme
citoplasma das células nucleadas precursoras de microssomal oxigenase; a biliverdina é então
eritrócitos. O ferro obtido pelas células eritróides convertida à bilirrubina pela bilirrubina redutase.
no processo normal de eritropoiese provém dos As aves excretam somente biliverdina, pois não
macrófagos adjacentes que, por sua vez, recebem possuem bilirrubina redutase.
o ferro por endocitose da ferritina, uma proteína
transportadora, por meio de um processo A bilirrubina liberada no plasma é ligada à
chamado rofeocitose. As moléculas de ferritina albumina para o transporte até as células
consistem em milhares de átomos de ferro hepáticas, onde é conjugada em ácido glicurônico
envolvidos por uma proteína (apoferritina). pela enzima UDP-glucuronil transferase. A
bilirrubina conjugada é normalmente secretada
A ferritina pode ser visualizada como através dos canalículos biliares e excretada pela
partículas densas, localizadas na membrana bile na luz intestinal. No trato intestinal a
celular ou no citoplasma de células eritróides e bilirrubina é degrada a urobilinogênio para a sua
macrófagos. A ferritina é degradada e convertida excreção nas fezes, com reabsorção parcial para a
a hemossiderina pela ação das enzimas circulação geral e re-excreção biliar no ciclo
lisossomais intracelulares nos macrófagos. A entero-hepático da bile. Uma pequena quantidade
ferritina é hidrossolúvel enquanto que a de bilirrubina conjugada e urobilinogênio
hemossiderina não, porém ambas servem como normalmente escapam à re-excreção hepática e
estoques de ferro que são mobilizados para a são eliminados na urina (Figura 7) e quantidades
síntese da heme. Em anemias ocasionadas por aumentadas são muitas vezes excretadas naqueles
doenças crônicas, os estoques de ferro estão animais com doença hepática.
aumentados, pois há um seqüestro nos
macrófagos do SMF. As duas formas de bilirrubina no plasma são
chamadas de bilirrubina livre ou indireta, ligada à
Na formação deficiente de hemoglobina, albumina e bilirrubina conjugada ou direta. A
intervêm fundamentalmente três fatores: bilirrubina não conjugada não é filtrada pelo rim,
1. deficiência de ferro por ingestão deficiente somente a conjugada. O acúmulo de bilirrubina
ou absorção anormal deste elemento; no sangue leva a icterícia. Na anemia hemolítica
a maioria da bilirrubina no sangue está na forma
2. interferência na atividade normal das não conjugada, sendo que, na obstrução extra-
células macrofágicas (SRE) que produzem hepática do ducto biliar esta é amplamente
normalmente a hemoglobina. Isto ocorre nos conjugada e, ambas as formas em doença
envenenamentos por metais, toxemias, neoplasias hepatocelular.
e nefrites, entre outras causas;
A concentração de bilirrubina no plasma do
3. Anormalidades renais que interferem na cavalo é alta, comparada com outras espécies, e a
formação da eritropoietina. maior parte está na forma não conjugada. A
A hemoglobina é liberada na forma livre concentração de bilirrubina, no cavalo, aumenta
quando ocorre hemólise, onde a união entre a durante anorexia e condições febris por causa da
hemoglobina e o estroma eritrocitário quebram-se estrutura hepática.
pela ação do agente hemolítico. A hemoglobina

PUBVET v. 10, n. 1, p.61-82, Jan., 2016


Prado et al. 72

Também é alta a concentração de bilirrubina, perda do mecanismo excretório placentário da


nesta espécie, ao nascimento, assim bilirrubina, um nível baixo da atividade de UDP-
permanecendo nos potros. No entanto, a causa glucoroniltransferase no fígado do neonato e uma
precisa da hiperbilirrubinemia neonatal em maior concentração de β-glucuronidase no
animais é desconhecida, observação semelhante intestino, o qual degrada a bilirrubina conjugada
em neonato humano indica que vários à bilirrubina livre que é reabsorvida.
mecanismos estão envolvidos. Estes incluem a

Figura 7: Esquema do catabolismo normal da hemoglobina.

5. Esfregaço Sanguíneo
Preparo do esfregaço e coloração:
- Preparar duas lâminas novas e
desengorduradas, sendo uma com os cantos
arredondados;
- Homogeneizar o sangue no frasco de
colheita fechado, por inversão, e colocar com o
capilar do micro-hematócrito, antes de fechá-lo,
uma gota de sangue na lâmina;
- Colocar a outra lâmina (recortada) a frente Figura 8: Demonstração de como se faz um esfregaço
da gota de sangue, num ângulo de 45º. Fazer um de sangue
ligeiro movimento para trás até o sangue
espalhar-se pela lâmina; - Agitar a lâmina até secar o esfregaço
- Com um movimento uniforme, para frente, completamente e identificá-lo com lápis na borda
fazer esta lâmina deslizar sobre a outra. O sangue mais espessa do esfregaço.
se estenderá por sobre a lâmina, formando o
esfregaço (Figura 8);

PUBVET v.10, n.1, p.61-82, Jan., 2016


Eritograma 73

Corantes: - Esferócitos: hemácias com formas esféricas,


com intensa coloração pela perda de conteúdo de
A. Leishmann
membrana sem perda de hemoglobina devido a
• Diluir 1,5g de Eosina-Azul de Metileno eritrofagocitose parcial dos anticorpos e/ ou
segundo Leishmann em 1 litro de metanol; complemento dos eritrócitos pelos macrófagos do
• Colocar em banho-maria a 37 ºC por 24 sistema fagocitário mononuclear.
horas. Acondicionar em frasco âmbar; Presente em anemia hemolítica auto-imune
• Maturar o corante deixando-o em repouso primária ou induzida por drogas ou transfusão
por 1 semana, ao abrigo da luz; incompatível.
• Corrigir o pH, se necessário, para 7,6; - Poiquilócitos: são alterações na forma das
• Filtrar e usar. hemácias. No baço, devido a microcirculação
esplênica, a hemácia muda de forma o que ocorre
- Uso: pela existência de glicoproteínas na membrana do
• Colocar 20 gotas do corante e deixar agir por eritrócito. Podem ser removidos prematuramente
3 minutos; da circulação, levando a uma anemia hemolítica.

• Acrescentar 20 a 25 gotas de água destilada Coloração


tamponada (pH ± 7,2);
- Vermelho-claro: normal ao microscópio
• Deixar agir por 15 minutos; óptico (1000x).
• Lavar em água corrente e secar. - Policromasia: algumas hemácias
apresentam-se mais coradas que outras (RNA
residual), representando os reticulócitos. O
B. Panótico aumento está associado a atividade eritropoiética
Solução comercial pronta para uso com três aumentada e resposta à anemia regenerativa. A
corantes em série. ocorrência de algumas células policromáticas é
comum no cão e no gato.
Morfologia dos Eritrócitos
- Hipocromia: hemácias com intensidade de
Tamanho coloração reduzida e área central pálida
- Normal: célula grande em caninos, sendo aumentada, causada por insuficiente hemoglobina
que os caprinos apresentam a menor hemácia das na célula, sendo a etiologia mais comum
espécies domésticas. deficiência de ferro.
- Anisocitose: é a diferença de tamanho entre Contagem de Reticulócitos
as hemácias. Quanto mais grave a anemia, maior
a ocorrência de anisocitose. - Colher amostra de sangue com EDTA,
homogeneizar adequadamente;
- Macrocitose: predominância de hemácias
grandes, geralmente jovens, recém-produzidas. - Colocar em tubo de ensaio 0,5mL de sangue
fresco;
Presente em reticulocitose, metarrubrícitos,
hipertireoidismo, deficiência de fatores de - Adicionar 0,5mL do corante (Azul de Cresil
multiplicação, determinadas raças, animais Brilhante ou Novo Azul de Metileno);
jovens. - Homogeneizar a solução;
- Microcitose: predominância de hemácias - Levar ao banho-maria por 15 minutos
pequenas. Ocorre em anemias crônicas, (37ºC);
principalmente ferropriva. Quanto maior a
quantidade, mais grave. É fisiológica em animais - Retirar o tubo do banho-maria, agitar e fazer
idosos e algumas raças. o esfregaço em lâmina;
- Contar os reticulócitos em no mínimo dez
campos e realizar a leitura em % dos demais
Forma eritrócitos. Caso necessário fixar em lamínula;
- Bicôncava: normal.

PUBVET v. 10, n. 1, p.61-82, Jan., 2016


Prado et al. 74

- Pode-se contra-corar a lâmina com corantes em vários tipos é determinar possíveis


de rotina (ex: panótico), para se obter uma mecanismos patofisiológicos e causas prováveis.
melhor visualização dos reticulócitos.
Anemia por uma causa particular pode
envolver mais de um mecanismo patogênico (por
exemplo, componente hemolítico como supressão
da eritropoiese). Uma prática comum é avaliar
6. Anemias
inicialmente um hemograma para se classificar a
A anemia é definida como a presença de anemia morfologicamente com base no VCM
eritrócitos, concentração de hemoglobina e/ou (volume corpuscular médio) e no CHCM
hematócrito abaixo dos valores normais de (concentração de hemoglobina corpuscular
referência. média). Evidência de reposta medular à anemia é
Constitui-se raramente em uma doença então obtida através da determinação do grau de
primária; geralmente é o resultado de um reticulocitose ou policromasia no sangue.
processo (doença) generalizado. Portanto, é
necessário que se conheça a causa da anemia para
que o tratamento racional seja empregado, pois Classificação etiológica ou mecanismo
ele não é direcionado, por si só, para a anemia, patogênico
exceto como uma medida de emergência. A anemia pode ocorrer por perda de sangue
Os sinais clínicos da anemia resultam da (hemorragias), destruição acelerada dos
reduzida capacidade de o sangue carrear oxigênio eritrócitos ou diminuição na produção
e de certos ajustes fisiológicos para aumentar a eritrocitária que é a hipoplasia ou aplasia da
eficiência da reduzida massa de eritrócitos medula óssea, incluindo a utilização deficiente de
circulantes e reduzido trabalho do coração. nutrientes essenciais para a produção de
Assim, o desenvolvimento de vários sinais eritrócitos.
clínicos depende do grau e da causa da anemia. A hemorragia pode ser aguda ou crônica. A
Os mais comuns são dispnéia, intolerância ao hemorragia aguda pode ser causada por traumas,
exercício, palidez das mucosas, aumento da úlceras gastro-intestinais, cirurgias, defeitos na
freqüência cardíaca, algumas vezes acompanhada hemostasia (intoxicação por warfarina,
de murmúrios (sopro sistólico), aumento da samambaia e outros), enquanto que as causas de
freqüência respiratória e depressão. Na anemia hemorragia crônica podem ser: parasitismo,
hemolítica aguda incluem-se ainda icterícia, úlceras gastro-intestinais, hematúria, neoplasias,
hemoglobinemia, hemoglobinúria e febre. Na etc.
perda crônica de sangue, o organismo consegue
Os achados laboratoriais nas anemias por
manter a homeostase circulatória e em alguns
perda de sangue incluem: resposta regenerativa, a
casos, mesmo com menos de 50% da
qual ocorre após dois a três dias; redução na
hemoglobina normal, o animal pode não
concentração de proteína plasmática total, se a
apresentar sinais clínicos.
hemorragia for externa, pois deste modo não há
A anemia pode ser classificada como relativa reutilização de certos componentes (ferro e
ou absoluta, em termos de massa total de proteína plasmática), os quais podem ser
eritrócitos. A anemia relativa pode se reabsorvidos na hemorragia interna.
desenvolver pela expansão do volume
Poucas horas após a perda de sangue os
plasmático, como em fêmeas gestantes e
valores do eritrograma permanecem normais,
neonatos ou após fluidoterapia. A anemia
embora ocorra o movimento intravascular de
absoluta é clinicamente importante e merece
fluido para o espaço extravascular, assim a
ampla investigação. Trata-se da forma mais
anemia não é evidente nos primeiros momentos
comum de anemia, e é classificada de acordo
da perda aguda de sangue. A expansão do volume
com a morfologia dos eritrócitos, mecanismos
plasmático para um nível normal é indicada
patogênicos e resposta eritróide da medula óssea.
devido à diminuição da concentração de
Embora nenhum destes fatores seja
proteínas plasmáticas, seguida pela diminuição
completamente satisfatório quando considerado
dos parâmetros do eritrograma. Esta redução da
isoladamente, eles são complementares, e juntos
proteína é evidente em uma hora após a perda
proporcionam meios lógicos de se analisar a
aguda. Se continuar a hemodiluição, há uma
anemia. O objetivo de se classificar as anemias
significativa queda nos valores do eritrograma e

PUBVET v.10, n.1, p.61-82, Jan., 2016


Eritograma 75

proteínas plasmáticas em quatro horas. A amostra • Lesões hemostáticas, desordens da


de sangue colhida um ou dois dias após coagulação, deficiência de vit. K (dicumarol,
hemorragia revela anemia normocítica warfarin), CID.
normocrômica acompanhada por
hipoproteinemia.
Crônica
A resposta dos reticulócitos ocorre após três
dias. A concentração de proteína tende a • Lesões gastrointestinais (neoplasias, úlceras,
aumentar em dois a três dias e geralmente retorna parasitismo);
ao normal em cinco a sete dias antes dos • Neoplasias com sangramento cavitário
parâmetros dos eritrócitos terem sido restaurados. (hemangiossarcoma no cão);
Persistindo a proteína reduzida, sugere uma
continuidade da perda de sangue. • Trombocitopenias;
A anemia por destruição acelerada dos • Parasitas (carrapatos, pulgas, parasitas
eritrócitos é causada pela hemólise, que pode ser gastrointestinais).
intra ou extravascular (fagocitose). A hemólise
intravascular pode ser causada por bactérias
como Clostridium perfringens tipo A ou C, Destruição acelerada dos eritrócitos
Clostridium hemolyticum, Leptospira sp; • Parasitas sanguíneos, vírus, bactérias e
produtos químicos como a fenotiazina, cebola, riquétsias (podem ter um componente
azul de metileno, cobre; imunomediada, causada imunomediado), incluindo Anasplasma sp,
por transfusão incompatível ou isoeritrólise Babesia sp, Mycoplasmas (Haemobartonella,
neonatal. A hemólise extravascular é causada por Eperythrozoon), Ehrlichia sp, Clostridium sp,
parasitas de eritrócitos, como por exemplo, Cytauxzoon felis, Leptospira sp, mastite
Mycoplasma haemofelis, Anaplasma sp, estafilocócica e Anemia Infecciosa Eqüina;
Eperythrozoon sp; imunomediada, como AHAI
(anemia hemolítica auto-imune), lúpus • Drogas e químicos (muitos são oxidantes):
eritematoso, anemia infecciosa eqüina; defeitos fenotiazina; acetominofen, em gatos e cães; azul
eritrocíticos intrínsecos, como deficiência da de metileno, em gatos e cães; vitamina K, em
enzima piruvato quinase. cães; cobre, chumbo, zinco;
Os achados laboratoriais presuntivos de • Plantas tóxicas (muitas são oxidantes) e
anemia hemolítica são: resposta regenerativa, se acidentes ofídicos;
o tempo for suficiente para apresentar esta • Doenças metabólicas - falha hepática,
resposta da medula óssea; concentração normal hiperesplenismo, no cavalo e torção esplênica;
de proteína; leucocitose neutrofílica com desvio à
esquerda, devido ao estímulo da medula óssea; • Defeitos intraeritrocitários - deficiência da
hiperbilirrubinemia, hemoglobinúria e piruvato quinase em cães e gatos, deficiência da
hemoglobinemia (na hemólise intravascular); fosfofruto quinase em cães, deficiência da
coloração vermelha do plasma; glicose-6-fosfatase dehidrogenase no cavalo;
hiperbilirrubinemia (cor amarela do plasma) • Destruição imunomediada do eritrócito –
associada com uma diminuição do VG sugere anemia hemolítica imunomediada (AHIM)
uma fagocitose aumentada dos eritrócitos. primariamente em cães, isoeritrólise neonatal,
Observa-se a lâmina, buscando-se evidências de primariamente em cavalos e gatos, Lupus
parasitas eritrocitários, eritrócitos fragmentados, eritematoso, primariamente em cães, reação
esferócitos e corpúsculos de Heinz. transfusional, penicilina e cefalosporina;
• Outras causas - intoxicação por água em
Classificação patofisiológica bovinos, administração de fluído hipotônico em
grandes animais.
Perda sanguínea ou anemias hemorrágicas
Diminuição da produção dos eritrócitos
Aguda (eritropoiese reduzida)
• Procedimento cirúrgico ou traumas; • Doença renal crônica: falta de eritropoietina;
• Proteínas: deficiência protéica;

PUBVET v. 10, n. 1, p.61-82, Jan., 2016


Prado et al. 76

• Minerais: deficiências em ferro, cobre, • Desordem da síntese da fração Heme:


cobalto, selênio; deficiência do ferro, cobre e piridoxina;
• Vitaminas: deficiência em vitaminas A, E, • Desordem da síntese do ácido nucléico:
B12, ácido fólico, niacina, piridoxina, tiamina e deficiência de folato e vitamina B12.
ácido ascórbico;
• Doença inflamatória: inflamação crônica e
Classificação morfológica das anemias
neoplasia;
As anemias podem ser classificadas com base
• Deficiências endócrinas: hipotireoidismo,
nos índices eritrocitários, levando-se em
hipoadrenocorticismo, hipo-androgenismo;
consideração o tamanho e a morfologia das
• Dano citotóxico da medula óssea; hemácias. Os termos usados para o tamanho são:
normocítica (normal), macrocítica (maior) ou
• Drogas anticâncer citotóxicas, toxicidade por
microcítica (pequena) e para as propriedades
estrógeno, cloranfenicol, fenilbutazona,
tintoriais da hemoglobina normocrômica
trimetroprim-sulfadiazina, radioterapia;
(normal) e hipocrômica (diminuída). Os índices
• Agentes infecciosos: Ehrlichia sp, FeLV, eritrocitários são: volume corpuscular médio
tricostrongilóides, parasitas não sugadores de (VCM) e a concentração de hemoglobina
sangue nos ruminantes; corpuscular média (CHCM). Esta classificação
• Mielopatias: leucemias mielógenas, pode ser confirmada pelo exame microscópico da
leucemias linfóides, mieloma múltiplo, linfoma população eritrocitária, mas devemos considerar
metastático e mastocitoma; que não é específica para a causa da anemia, no
entanto é útil quanto ao mecanismo
• Doenças imunomediada; patofisiológico o que ajuda na seleção do
• Aplasia seletiva eritróide em cães. protocolo de tratamento. Os valores de VCM e
CHCM podem ser calculados conforme fórmulas
a seguir:
Eritropoiese ineficaz

A anemia macrocítica normocrômica em aumenta o VCM e reduz o CHCM. Entretanto,


humanos é característica de deficiência de muitos dias devem passar desde a manifestação
vitamina B12 e ácido fólico e em bovinos, na da anemia antes da alteração da morfologia
deficiência de cobalto ou pastagem rica em eritrocítica se mostrar aparente.
molibdênio. A anemia resulta de uma assincronia
A anemia normocítica normocrômica ocorre
da eritropoiese causada por alterações na
pela depressão seletiva da eritropoiese
maturação no estágio de pró-rubrícito a rubrícito
basofílico, produzindo eritrócitos em doenças crônicas como infecções, doença
megaloblásticos na medula óssea. Em cães renal crônica, malignidades e certas desordens
poodle os eritrócitos macrocíticos endócrinas. Nestes casos, a resposta de
normocrômicos não são acompanhados por reticulócitos está ausente ou insignificante. Os
anemia. esforços devem ser direcionados mais para o
diagnóstico da doença primária do que para o
A anemia macrocítica hipocrômica é
tratamento da anemia, uma vez que o uso de
tipicamente observada durante remissão em perda
hematínicos está contra-indicado, pois o tecido
aguda de sangue ou hemólise aguda. O grau de
eritropoiético não pode fazer uso destas
macrocitose e hipocromia depende da severidade
substâncias.
da anemia, associada à intensidade da resposta
eritropoiética medular, o que leva a reticulocitose A anemia microcítica hipocrômica resulta de
sangüínea. A reticulocitose em resposta à anemia deficiência de ferro ou incapacidade de utilização

PUBVET v.10, n.1, p.61-82, Jan., 2016


Eritograma 77

do ferro para a síntese da hemoglobina. encurtam a expansão de vida dos eritrócitos;


Alterações na morfologia dos eritrócitos deficiência de piridoxina; deficiência de cobre, o
dependem da duração e severidade da anemia. Na que resulta em uma deficiência funcional de ferro
anemia microcítica a divisão celular é normal, devido à mobilização inadequada dos estoques de
mas a síntese da hemoglobina é demorada com ferro, causada pela diminuição na concentração
anormalidades na síntese do heme e da globina, de ceruloplasmina circulante, a maior proteína
ocorrendo uma ou mais divisões extras, durante o que contém ferro no plasma; toxicidade por
desenvolvimento das células eritróides, drogas (cloranfenicol) ou químicos (chumbo),
resultando na formação de micrócitos. Outras pois estes agentes bloqueiam a síntese do heme,
causas de anemia microcítica são: doenças formando eritrócitos microcíticos. Na Tabela 5.
inflamatórias, devido aos mediadores está representada a classificação morfológica das
inflamatórios que, direta ou indiretamente, anemias.
inibem a eritropoiese, reduzem o ferro no soro e

Tabela 5: Classificação morfológica das anemias.


VCM CHCM Características
Sempre regenerativas;
Hipocrômica
Perda aguda de sangue/anemia hemolítica aguda
Anemias não regenerativas (diminuição do CHCM
Macrocítica
ainda não está presente)
Normocrômica
Def. ác. fólico, FeLV (sem nenhuma reticulocitose),
eritroleucemia, def. Vitamina B12
Deficiência de Ferro por perda:
- Perda crônica de sangue: tumores, úlceras.
Microcítica Hipocrômica - Parasitas: Ancylostoma, Haemonchus
Deficiência de ferro por fatores que atuam no seu uso
- Piridoxina, riboflavina, cobre
Microcítica Normocrômica Doença crônica
Hemorragia e hemólises aguda - sem tempo para a
resposta, def. de ferro (antes de predominar
micrócitos), inflamação e neoplasias crônicas, def.
Normocítica Normocrômica
endócrinas, aplasia eritróide seletiva, hipoplasia e
aplasia da medula óssea, intoxicação por chumbo,
pode não estar anêmico

Classificação baseada na resposta medular (geralmente regenerativas) de anemias por


depressão (arregenerativas).
A eritropoiese é regulada pela eritropoietina,
que é produzida primariamente pelos rins em Na anemia regenerativa o eritrograma
resposta a hipóxia tecidual. A síntese de apresenta elementos que revelam regeneração ou
eritropoietina é inversamente proporcional à resposta medular, que são: reticulocitose,
massa de eritrócitos e concentração de anisocitose e policromasia, podendo encontrar-se,
hemoglobina. A eritropoiese é estimulada pelo muitas vezes, presença de metarrubrícitos,
recrutamento de células progenitoras, mitose principalmente no cão e no gato e corpúsculos de
acelerada e maturação de células eritróides e Howell-Jolly. São necessários dois a três dias
rápida entrada de reticulócitos ou células jovens para uma resposta regenerativa tornar-se evidente
para a circulação. A liberação de grandes no sangue.
reticulócitos (estresse) no sangue pode estar
A anemia arregenerativa, por sua vez, é
acompanhada pela liberação de um pequeno
causada por lesões na medula óssea ou ausência
número de células vermelhas nucleadas.
de elementos necessários para a produção de
Baseado na resposta eritropoiética medular eritrócitos. Este tipo de anemia apresenta curso
evidente no sangue periférico, as anemias podem clínico crônico e início lento, é acompanhada de
ser classificadas como regenerativas ou neutropenia e trombocitopenia. Pode ser causada
arregenerativas. Esta é útil na diferenciação de por eritropoiese reduzida (medula óssea
perda sangüinea e anemias hemolíticas hipoproliferativa), na ausência de eritropoietina

PUBVET v. 10, n. 1, p.61-82, Jan., 2016


Prado et al. 78

(insuficiência renal crônica), na doença endócrina pelos rins à hipóxia tecidual, ou como resultado
(hipoadrenocorticismo, hiperestrogenismo, de produção autônoma independente de
hipoandrogenismo), na inflamação crônica, lesão suprimento de oxigênio tecidual. É vista em
tóxica da medula (radiação, químicos, animais levados a grandes altitudes, doença
intoxicação por samambaia, infecção por vírus e cardíaca e pulmonar crônica, tetralogia de Fallot
ricketsias como a Ehrlichia canis). São anemias (provoca mistura dos sangues arterial e venoso,
normocíticas normocrômicas. Na anemia diminuindo a oxigenação dos tecidos). Pode
arregenerativa não existem reticulócitos e nem ocorrer também devido à elaboração inadequada
policromasia. de eritropoietina, encontrada em alguns casos de
hidronefrose, cistos renais, tumores secretantes
de eritropoietina (nefroma embrionário) e certas
7. Policitemias
doenças endócrinas como o
É o aumento do número de eritrócitos hiperadrenocorticismo.
circulantes acima dos valores normais. Está
classificada em policitemia absoluta (primária ou Policitemia Relativa
secundária) e relativa.
É comumente encontrada nos animais como
Quando o hematócrito alcança 60%, suspeita- resultado da redução do volume plasmático
se de policitemia absoluta ou relativa. Quando causado pela desidratação. O consumo hídrico,
alcança 70%, suspeita-se de policitemia primária. por animais enfermos, geralmente é inadequado
para manter o conteúdo de água corporal normal.
Policitemia Absoluta Doenças acompanhadas por excessiva perda de
Ocorre uma elevação do número de eritrócitos água (diarréia, vômito, poliúria) podem
circulantes, causado pelo aumento da massa total rapidamente produzir desidratação.
de eritrócitos, mas a concentração de proteína A hemoconcentração aumenta o hematócrito e
plasmática está normal. A cianose e a congestão a proteína plasmática devido à diminuição do
características das membranas mucosas são volume de plasma.
causadas pelo fluxo lento de sangue
A policitemia relativa ocorre em animais
desoxigenado que é exorbitantemente rico em
facilmente excitáveis, como certas raças de cães e
células vermelhas. O excesso de massa de
cavalos, tendo como resultado o aumento da
eritrócitos aumenta a viscosidade sangüínea e a
massa de eritrócitos na circulação devido à
resistência vascular pulmonar e diminui o débito
contração esplênica. A contração esplênica
cardíaco. Estas anormalidades levam a um fluxo
também pode ocorrer em condições de severa
sangüíneo reduzido, oxigenação tecidual
dor, como por exemplo, na síndrome cólica. Os
reduzida, distúrbios neurológicos e aumento do
testes laboratoriais para se estabelecer o
risco de trombose. A viscosidade sangüínea e o
diagnóstico do tipo de policitemia são a
grau de transporte de oxigênio alteram-se
determinação da PO2 arterial e a mensuração da
desproporcionalmente com aumentos do
eritropoietina no soro.
hematócrito acima de 50%. A policitemia
absoluta está classificada em primária e Na vigência de policitemia secundária, a PO2
secundária. estará reduzida e a eritropoietina aumentada;
quando se trata de uma policitemia primária, a
A policitemia primária, verdadeira ou Vera
PO2 estará normal, enquanto que a eritropoietina
consiste em uma desordem mieloproliferativa,
poderá encontrar-se diminuída ou normal; em
caracterizada por uma proliferação anormal das
ocorrência de policitemia relativa, todos os
células eritróides, dos leucócitos e dos
parâmetros encontram-se dentro da normalidade.
megacariócitos, levando a um aumento absoluto
da massa de eritrócitos, contagem de leucócitos e
de plaquetas.
8. Contagem de hemácias
A policitemia secundária ocorre pelo aumento
Modificações eritrocitárias
da taxa de eritropoietina, não é acompanhada de
aumento nas contagens de leucócitos e plaquetas Tamanho
nem de redução significante no volume - Anisocitose: diferença patológica de
plasmático. Os níveis de eritropoietina aumentam tamanho das hemácias. Quanto mais grave a
como uma resposta fisiológica compensatória anemia, maior é a ocorrência de anisocitose.

PUBVET v.10, n.1, p.61-82, Jan., 2016


Eritograma 79

- Macrocitose: predominância de hemácias - Aglutinação: aglomeração espontânea dos


grandes. Geralmente hemácias jovens, recém eritrócitos. Ocorrem em doenças auto-imunes ou
produzidas. Ocorrem nas reticulocitoses, transfusões incompatíveis, devido à presença de
hipertireoidismo, deficiência de fatores de anticorpos contra hemácias.
multiplicação (vit. B12, ácido fólico e cobalto),
- Parasitas: podem ocorrer dentro dos
em cães da raça poodle, mas sem anemia e cães
eritrócitos ou na superfície da célula. Os mais
jovens.
comumente encontrados são: Haemobartonella
- Microcitose: predominância de hemácias felis, H. canis, Anaplasma marginalis, Babesia
pequenas. Ocorre em anemia crônica, equi, B. caballi, B. canis, Eperythrozoon suis e
principalmente ferropriva. É fisiológica em Cytauxzoon felis.
animais idosos e cães da raça Akita.
Alterações de forma, cor, tamanho, inclusões,
Forma corpúsculos e hemoparasitas estão ilustrados na
- Bicôncava: normal. Figura 9.
Concentração de Hemoglobina
- Poiquilócitos: são alterações morfológicas
indistintas da forma das hemácias. O método mais usado para determinar a
concentração de hemoglobina é o
cianometahemoglobina, onde a margem de erro
Outras alterações das hemácias está próxima dos 5%. Para que esta técnica seja
realizada, é necessário um fotocolorímetro ou
- Corpúsculos de Howell-Jolly: inclusões espectrofotômetro. Aparelhos automáticos
esféricas de restos celulares. Consiste em uma medem diretamente a densidade ótica da oxi-
resposta da medula óssea ao estado anêmico, hemoglobina, sendo bastante utilizados.
função esplênica reduzida, uso de
glicocorticóides em cães. Outro método existente é o da hematina ácida,
bastante simples e barato, porém a margem de
- Metarrubrícitos: eritrócitos imaturos erro está dentro dos 12%. Para a sua realização
nucleados. Indicam anemia regenerativa, doenças utiliza-se o hemoglobinômetro de Sahli. A
mieloproliferativas ou hemangiossarcomas. hemoglobina corresponde, em média, a 1/3 do
- Corpúsculos de Heinz: estruturas redondas hematócrito.
na membrana interna do eritrócito, devido à Determinação de hemoglobina
desnaturação oxidativa da hemoglobina. Normal
em felinos até 50%; incomum em cães, mas pode
ocorrer em esplenectomizados e sob uso de Método Cianometa-hemoglobina
glicocorticóides.
Princípio: diluição do sangue em solução
- Reticulócitos: Eritrócitos em 25% final de contendo cianeto de potássio e ferrocianeto de
hemoglobinização, cujas organelas (ribossomos, potássio (Reativo de Drabkin), que convertem a
RNA, etc) são vistos em sangue fresco com hemoglobina em cianometahemoglobina.
auxílio de coloração supravital. Representam
hemácias jovens e indicam boa reposta medular. Solução de Drabkin: Ferrocianeto de Potássio
(20mg), Cianeto de Potássio (50mg) e água
- Ponteado basofílico: hemácias que (destilada ou deionizada) 1000mL.
apresentam pequenos pontos basofílicos no
citoplasma
(RNA residual). Ocorre em intensa Método:
eritropoiese, intoxicação por chumbo quando • Tomar o frasco com sangue mais
acompanhada de metarrubrícitos sem anemia e anticoagulante e homogeneizar;
nas anemias em bovinos e ovinos.
• Preencher pipeta de Sahli com 20μL do
- Rouleaux: hemácias empilhadas. Ocorrência sangue;
normal em eqüinos sadios, desidratação ou
inflamação nas demais espécies. Em eqüinos • Limpar o sangue da parte externa da pipeta
com gaze, adicionar a 4mL de reativo de Drabkin
severamente anêmicos ou caquéticos, pode estar
ausente. Em ruminantes, é raro, tanto em animais e agitar por inversão;
sadios quanto em doentes.

PUBVET v. 10, n. 1, p.61-82, Jan., 2016


Prado et al. 80

• Repousar por um mínimo de 10 minutos à • Obtém-se o resultado visualmente no


temperatura ambiente; aparelho na unidade de g%.
• Ler em espectrofotômetro a 546 nanômetros,
usando-se tubos específicos;

Figura 9: Diferentes formas e inclusões em eritrócitos.

Determinação do número total de hemácias valores mais exatos. A diluição para contagem de
hemácias pode ser feita utilizando-se apenas
A contagem de eritrócitos pode ser feita por
solução fisiológica (0,9% NaCl). No entanto,
hemocitômetro, mas tem valor limitado em
para facilitar a visualização das hemácias pode-se
virtude da grande possibilidade de erros. A
utilizar os seguintes diluentes:
contagem por contadores automáticos permite

PUBVET v.10, n.1, p.61-82, Jan., 2016


Eritograma 81

- Diluir em seguida com solução fisiológica


Contagem do total de hemácias:
até a marca 101;
- Tomar o frasco com sangue mais
- Agitar, desprezar as primeiras gotas e encher
anticoagulante e homogeneizar;
a câmara de Neubauer por capilaridade;
- Com a pipeta de Thoma para glóbulos
- Contar as hemácias de cinco quadrados
vermelhos aspirar o sangue até a marca 0,5;
médios (Figura 10), multiplicar o resultado por
- Limpar o sangue da parte externa da pipeta
10.000/μl.
com gaze;

Figura 10: Esquema da câmara de Newbauer para contagem de hemácias. Utilize a área
central para contar as hemácias na sua aula prática, escrevendo os respectivos números das
contagens parciais nos respectivos quadrados.

Cálculo na Câmara de Neubauer:

Bibliografia
CUNNINGHAM, J.G. (1993). Tratado de
BISTNER, S.I. & FORD, R.B. (1996). Terapia fisiologia veterinária. Rio de Janeiro:
com componentes sanguíneos, In: Manual de Guanabara Koogan, 454 p.
Procedimentos Veterinários e Tratamento
DUNCAN, J.R., PRASSE, K.W., MAHAFFEY,
de Emergências. 6. ed. São Paulo: Roca,. p.
E. Veterinary laboratory medicine. 4th ed.
535-546.
Iowa: Ames, 2003. 450 p.
COLES, E.H. (1986). Veterinary pathology. 4th
FELDMAN, B.F. & SINK, C.A. (2006).
ed. Philadelphia: W.B. Saunders, 486 p.
Practical Transfusion Medicine for the Small
COUTO, C.G. Anemia In: NELSON, R.W., Animal Practitioner. In: ______. Practical
COUTO, C.G. (1998). Small Animal Transfusion Medicine for the Small Animal
Internal Medicine. 2nd ed. St. Louis: Mosby, Practitioner. Jackson: Teton NewMedia, p.
p. 1160-1173. 1-111.

PUBVET v. 10, n. 1, p.61-82, Jan., 2016


Prado et al. 82

FELDMAN, B.F., ZINKL, J.G. & JAIN, C.N. MEYER, D.J., COLES, E. & RICH, L.J. (1992).
(2000). Schalm’s veterinary hematology. Veterinary laboratory medicine.
5th ed. Philadelphia: Lippincott Williams & Philadelphia: W.B. Saunders, 350 p.
Wilkins,1344 p.
MEYER, D.J., HARVEY, J.W. Veterinary
HUMPHRIES, J.E. (1994). Transfusion therapy laboratory medicine. 2nd ed. Philadelphia:
in acquired coagulopathies. Hematol Oncol W.B. Saunders, 1998. 372 p.
Clin North Am, 8(6):1181-1196.
MILLER, S.A. et al. (2004). Case-control study
HUNT, E. & MOORE, J.S. (1990). Use of blood of blood type, breed, sex, and bacteremia in
and blood products. Vet Clin North Am dogs with immune-mediated hemolytic
Food Anim Pract, 6(1):133-147. anemia. J Am Vet Med Assoc, 2(224):232-
235.
JAIN, C.N. (1986). Essential of veterinary
hematology. Philadelphia: Lea & Febiger, VILLIERS, E. & BLACKWOOD, L. (2005).
1993. 417 p. ______. Schalm’s veterinary BSAVA : Manual of Canine and Feline
hematology. 4th ed. Philadelphia: Lea & Clinical Pathology. 2nd ed. Gloucester:
Febiger, 1221 p. BSAVA, 451 p.
KANEKO, J.J., HARVEY, D.W. & BRUSS, WILLARD, M.D., TVEDTEN, H. &
W.L. (1997). Clinical biochemistry of TURNWALD, G.H. (1989). Small animal
domestic animals. 5th ed. San Diego: clinical diagnosis by laboratory methods.
Academic Press, 932 p. Philadelphia: W.B. Saunders, 380 p.

PUBVET v.10, n.1, p.61-82, Jan., 2016