Вы находитесь на странице: 1из 2

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA 250ª VARA DE TRABALHO DE SÃO PAULO/SP

(ESPAÇO DE 10 LINHAS)

MARIA RIBEIRO, brasileira, casada, desempregada, portadora da Carteira de Trabalho e Previdência Social
nº, série nº, inscrita no CPF nº 909, e RG nº 855, com endereço eletrônico, com domicílio e residência na Rua Coronel
Saturno, nº 28, Bairro, São Paulo-SP, CEP 4444, vem, por meio de seu advogado abaixo assinado, com instrumento
procuratório anexo (documento nº), com escritório profissional na Rua, nº, Bairro, cidade, Estado, CEP, onde recebe
informações, ajuizar a presente, com fulcro no artigo 840, §1º e 319 do CPC/15, propor a:
AÇÃO RECLAMAÇÃO TRABALHISTA COM MEDIDA LIMINAR
Pelo procedimento ordinário, em face da empresa MALHARIA FINO LTDA, portador do CNPJ nº, com endereço
eletrônico, estabelecida na Rua, nº, Bairro, São Paulo/SP, CEP, com fulcro no art, 659 IX e X da CLT, pelos motivos
de fato e razões de direito a aduzir:
Em razão da distribuição da prevenção a esta digníssima 250ª Vara do Trabalho de São Paulo/SP,
dependência ao processo n º _, devidamente fundamentada no art. 286, III do CPC/15. Mariana ainda
informou que tinha ajuizado uma ação anteriormente e que, como perdera a confiança no antigo advogado,
não compareceu à audiência para qual fora intimada.
TUTELA ANTECIPADA
DA MEDIDA LIMINAR
A reclamante é presidente de seu sindicato, possuindo estabilidade com fulcro no art. 8º, VIII da CF/88 e art. 543, § 3
da CLT. Onde foi dispensa sem justo causa, devendo ser imediatamente reintegrada ao trabalho.
Encontrando nos disposto acima os requisitos autorizadores, assim como nos dispositivos do art. 300 do CPC/15 ou
659, X da CLT onde concede a medida liminar .
Requer o retorno imediato da Requerente com cargo exercido.
DOS FATOS
A Reclamante trabalhava na empresa Malharia Fina Ltda, ganhando 1 salário mínimo mensal, como auxiliar de
produção, sendo admitida em 20/09/2014 e demitida em 30/12/2017, contudo a Reclamante era presidente do seu
sindicato de classe empossada no dia 20/06/2015, mandado por 2 anos e a Reclamada tinha sido avisada por e-mail.
Trabalhava a 2ª à 6ª feira de 13:30 às 22:30h com intervalo de 1h, e aos sábados das 8h às 12h, sem intervalo. E após
o horário gastava 20 minutos para tirar o uniforme e lanchar. Cumpre informar que a Reclamante já tinha ajuizado ação
idêntica a esta anteriormente, entretanto, não compareceu a audiência, sendo esta arquivada. Assim, como a ação
DO MÉRITO
1. DA NULIDADE DA DISPENSA E REINTEGRAÇÃO
A Reclamante foi dispensada sem justo motivo em 30/12/2016. Entretanto ela foi eleita presidente de seu sindicato
no dia 20/06/15, para um mandado de 2 anos.
Conforme a Súmula 369, II e III do TST, que esta faz referência ao artigo 543, §3º da CLT, a Reclamada esta
diverge com a norma, que dispensa um dirigente sindical, tendo esta estabilidade provisória, sendo vedada a
dispensa do empregado sindicalizado a cargo de direção após 1 ano do fim de seu mandado. Fortemente
sustentado no art 8º, VIII da CF/88, salvo falta grave nos termos da Lei.
Diante do exposto requer que seja declarada a nulidade da dispensa e a reintegração da Reclamante ao emprego,
para pleno exercício de sua representação sindical.
2. DO ALIMENTAÇÃO
A Reclamante recebia alimentação tipo Almoço e lanche.
Em conformidade com o art. 458 caput e §3º da CLT e a Súmula 241 do TST, a alimentação fornecida habitualmente
integra o salário do empregado para todos os fins legais.
Requer a condenação da Reclamada ao pagamento das diferenças respectivas, bem como reflexos em verbas
contratuais e resilitórias.
3. DAS HORAS EXTRA
A obreira ficava na empresa 20 minutos a mais, para tirar o uniforme e lanchar o que configura tempo à disposição.
Disposto na Súmula 366 do TST, as variações de horário que antecedem e sucedem a jornada de trabalho,
ultrapassando o limite de 10 minutos devem ser considerados em sua totalidade como extra. Também o art. 4º da CLT
faz considerações do período e disponibilidade do empregado. Assim também o art. 58, §1º da CLT, trata da duração
normal do trabalho de 8h diárias, observando o limite máximo de dez minutos diários.
Condene a reclamada ao pagamento das horas extras, com o respectivo adicional de 50%, e seus reflexos em verbas
de natureza contratual e resilitória.
4. DO INTERVALO INTERJONADA
A Reclamante laborava de 2ª à 6ª feira de 13:30 às 22:30h com intervalo de 1h, e aos sábados das 8h às 12h
É visto que a Reclamante não gozou dos períodos de descanso estabelecidos nos art. 382 e art. 66 da CLT, pois
inobservado o intervalo mínimo entre a jornada de sexta e sábado de no mínimo 11 horas a serem pagos como sobre
jornada estabelecidos no OJ 355 do TST.
Requer o pagamento da hora extra pelo intervalo interjornada acrescida do adicional de 50%.
5. DO ADICIONAL NOTURNO
A jornada da Reclamante iniciava às 13:30 e encerrava as 22:30.
Dispõe o art. 73, § 2º da CLT, fixando um acréscimo de pelo menos 20% sobre a hora diurna. Também o art. 7º, IX da
CF, assegura aos trabalhadores uma renumeração superior para o trabalho executado entre as 22 horas de um dia e 5
horas do dia seguinte.
Requer a condenação da Reclamada ao pagamento da hora noturna, haja vista que ela sempre trabalhou após as 22h,
e nunca recebeu, assim como os reflexos em todas as suas verbas.
6. DO SALÁRIO FAMÍLIA
A Reclamante possui três filhos de 8, 10 e 12 anos, conforme as certidões em anexo. Ocorre que esta recebia apenas
duas cotas do salário família.
Conforme o art. 66 da Lei 8213/91, art. 83 do decreto 3.048/99, art. 2ª da Lei 4266/63 ou art. 4º do Decreto
53.153/63, é devido ao trabalhador de baixa renda a percepção de salário família que será pago sob forma de uma
cota por filho de até 14 anos.
Requer o pagamento de uma cota de salario família, conforme os dispostos acima.
7. DA SUBSTITUIÇÃO E DIFERENÇA SALARIAL
Em 2016 em razão de doença o supervisor da Requerente ficou afastado por 90 dias e ela o substituiu até seu retorno.
De acordo com a Súmula 159, I do TST e art. 5º da CLT, assim como o art.450 da CLT e art. 7º, XXX da CF/88,
todos dispõem que enquanto perdurar a substituição que não tenha caráter eventual, o empregado faz juízo ao salario
substituído.
Requer a condenação da Reclamada a pagar as diferenças salariais durante o período de substituição.
8. DAS FALTAS
Durante o ano de 2015. A Reclamante faltou ao serviço em duas ocasiões para doação de sangue, sendo que ambas
foram descontadas.
Ocorre o art. 473, IV da CLT, autoriza a falta de um dia para a doação de sangue justificada.
Requer o pagamento dos dois dias por cota justificada.
9. HONORÁRIO SUCUMBENCIAIS
Com a reforma trabalhista o advogado faz jus a honorário sucumbenciais.
O art. 791 –s da CLT pactua que o advogado tem direito de 5% a 15% de honorário sucumbenciais em 15%.
10. DA GRATUIDADE DE JUSTIÇA
A Reclamante encontra-se desempregada, pugna-se de Vossa Excelência pela concessão dos favores da justiça
gratuita, com fulcro nos preceitos elencados no art. 5°, LXXIV, da CF/88 e art. 98, caput do CPC/15, que asseveram
que aparte gozará dos benefícios da assistência mediante simples afirmação e a qualquer tempo do processo.
Requerendo assim a justiça gratuita, conforme a declaração de hipossuficiência em anexo.
DOS PEDIDOS
Diante do exposto, requer:
a) a justiça gratuita, conforme declaração de hipossuficiência em anexo;
b) que seja declarada a nulidade da dispensa e a reintegração da Reclamante ao emprego, para pleno exercício
de sua representação sindical.
c) A integração ao salario da reclamante a alimentação fornecida;
d) ao pagamento das horas extras, com o respectivo adicional de 50%, e seus reflexos em verbas de natureza
contratual e resilitória.
e) o pagamento da hora extra pelo intervalo interjornada acrescida do adicional de 50%.
f) O pagamento de todos as horas noturnas devidas incorporando-as na renumeração;
g) o pagamento de uma cota de salario família, conforme os dispostos acima.
h) a condenação da Reclamada a pagar as diferenças salariais durante o período de substituição.
i) Requer o pagamento dos dois dias por cota justificada.
j) o pagamento dos dois dias por cota justificada.
k) o retorno imediato da Requerente com cargo exercido.
l) Que se condene a reclamada ao pagamento de multa administrativa prevista no art. 75da CLT;
PLEITOS LÍQUIDOS - CÁLCULOS
VERBAS RESCISÓRIA
Aviso Prévio FGTS Laboral
Saldo de salario Multa 40%
13 Salário Indenização sob seguro des.
Férias Integral Multa 477 CLT
1/3 férias prop. Total
FGTS 8% e 40%
HORAS EXTRAS 50%
REFLEXOS
Aviso FGTS Rescisão
13 Salário FGTS laboral
Férias DSR
1/3 Férias prop. Total
PLEITOS LÍQUIDOS
Salário Família
Da alimentação
Das faltas
Das H. extras 50%
REFLEXOS
Aviso FGTS Rescisão
13 Salário FGTS laboral
Férias DSR
Total
DO INTERVALO INTRAJORNADAS
REFLEXOS
Por fim, requer a procedência dos pedidos com condenação da reclamada ao pagamento das verbas pleiteadas,
acrescidas de juros e correção monetária.
Pretende provar por todos os meios de prova em direito administrativos.
Atribui-se à causa o valor de R$ 30.000,00 (trinta mil reais).

Nestes termos,
Pede e espera deferimento
Local/Data
OAB