You are on page 1of 13

Trabalho, Obesidade, Segurança e Saúde no Trabalho

Resumo: Há evidências crescentes de que a obesidade e o excesso de peso podem estar


relacionados, em parte, a condições de trabalho adversas. Em particular, o risco de obesidade pode
aumentar nos ambientes de trabalho de alta demanda e baixo controle, e para aqueles que
trabalham por longas horas. Além disso, a obesidade pode modificar o risco de lesões induzidas por
vibração e certos distúrbios músculo-esqueléticos ocupacionais.

Nós hipotetizamos que a obesidade também pode ser um fator de co-risco para o desenvolvimento
de asma ocupacional e doença cardiovascular que pode modificar a resposta do trabalhador ao
estresse ocupacional, resposta imune a exposições químicas e risco de doença de neurotoxinas
ocupacionais. Desenvolvemos 5 modelos conceituais de inter-relação de trabalho, obesidade e
segurança e saúde ocupacional e destacamos as questões éticas, legais e sociais relacionadas à maior
consideração do papel da obesidade na saúde e segurança ocupacional.

Os perigos no local de trabalho continuam a exigir uma grande taxa de mortalidade na sociedade em
termos de morbidade, mortalidade e custos financeiros e sociais, o que justifica o compromisso
nacional em curso com a proteção da saúde da força de trabalho. 1 - 4 Ao mesmo tempo, obesidade
e excesso de peso estão se tornando cada vez mais o foco de preocupação de saúde pública. 5 - 11
Quase dois terços dos adultos dos EUA têm um índice de massa corporal (IMC) superior a 25 kg / m
2 e são classificados como excesso de peso. 7 A obesidade, definida como um IMC superior a 30 kg /
m 2 , é considerada uma crise nacional de saúde pública. 7 , 8Tanto a obesidade quanto a morbidade
e mortalidade ocupacional também são problemas globais. 6 , 9 , 10

Os adultos empregados gastam uma quarta parte de suas vidas no trabalho e a pressão e as
demandas do trabalho podem afetar seus hábitos alimentares e padrões de atividade, o que pode
levar ao excesso de peso e à obesidade. 12 - 17Essas mesmas pressões e outros fatores no trabalho
(como exposições a agentes nocivos, forças físicas e estresse e tensão psicossocial) também podem
levar a lesões e doenças ocupacionais. A obesidade pode afetar a oportunidade de trabalho e o
desempenho, bem como modificar a relação entre a exposição no local de trabalho e o resultado da
saúde. A natureza de muitas dessas interações não é bem estudada ou compreendida. A relação
obesidade-trabalho deve ser uma prioridade quando se está planejando a pesquisa em segurança e
saúde ocupacional? Além disso, se a obesidade dos trabalhadores receber mais consideração do que
outros fatores de risco modificáveis, como tabagismo, pressão sanguínea, níveis de glicose no
sangue, consumo de álcool, e os níveis de medicação quando se trata de questões de meio ambiente?
Existe alguma vantagem particular para a intervenção no local de trabalho para afetar a prevalência
da obesidade? Examinamos o nexo de obesidade, trabalho e doenças e lesões ocupacionais; lacunas
de informação identificadas e pistas de pesquisa em potencial; e destacou questões éticas, legais e
sociais relacionadas à interseção desses tópicos.

Em alguns casos, a obesidade e os riscos no local de trabalho (por exemplo, fatores organizacionais
e exposições perigosas) podem estar relacionados e a obesidade pode representar um fator de risco
adicional para doenças específicas resultantes de exposições no local de trabalho. Uma melhor
compreensão das relações entre obesidade e trabalho pode encorajar a identificação de
intervenções para enfrentar obesidade e doenças e lesões no local de trabalho. Historicamente, essas
2 áreas foram consideradas domínios separados. A obesidade surge de fenômenos sociais e
biológicos complexos, mas muitas vezes é percebida como resultado dos comportamentos de um
indivíduo. Em contrapartida, a doença profissional e a prevenção de lesões são principalmente da
responsabilidade do empregador. As estratégias para combinar proteção contra risco ocupacional
com programas para incentivar a mudança individual para diminuir o risco de saúde da obesidade
justificam consideração. Mal feito, tais esforços podem resultar na responsabilização dos
trabalhadores individuais por sua obesidade e podem distrair a contribuição do local de trabalho para
lesão ou doença. Mesmo que essa mudança não ocorra, há preocupação de que os recursos escassos
para reduzir o risco de riscos no local de trabalho serão diluídos ou diminuídos pelo foco na obesidade
em trabalhadores. Além disso, essa atenção ao comportamento do indivíduo pode mudar o foco das
causas sociais, culturais e ambientais mais importantes e das intervenções para a obesidade. existe
a preocupação de que os recursos escassos para a redução do risco dos riscos no local de trabalho
sejam diluídos ou diminuídos pelo foco na obesidade em trabalhadores. Além disso, essa atenção ao
comportamento do indivíduo pode mudar o foco das causas sociais, culturais e ambientais mais
importantes e das intervenções para a obesidade. existe a preocupação de que os recursos escassos
para a redução do risco dos riscos no local de trabalho sejam diluídos ou diminuídos pelo foco na
obesidade em trabalhadores. Além disso, essa atenção ao comportamento do indivíduo pode mudar
o foco das causas sociais, culturais e ambientais mais importantes e das intervenções para a
obesidade.11 , 18 - 20

As seguintes 4 seções se concentram nas relações entre trabalho, condições de trabalho e exposições
e obesidade.

ASSOCIAÇÃO DE TRABALHO E CONDIÇÕES DE TRABALHO


COM OBESIDADE E PESO DO CORPO
Pouca pesquisa examinou os efeitos do status ocupacional e das condições de trabalho (incluindo
fatores organizacionais) no IMC. É assumido que o IMC representa o grau de gordura corporal, mas
outras medidas podem ser melhores. No entanto, o IMC tem sido amplamente utilizado em estudos
sobre o impacto do trabalho na obesidade. 21

Foram identificados 12 estudos (principalmente transversais) que usaram alguma medida de estresse
no trabalho para testar as associações com IMC. 22 - 33 O modelo de controle de demanda foi
utilizado em 8 desses estudos, 22 , 24 , 26 , 28 - 31 , 33 e outras medidas de estresse no trabalho
foram utilizadas nos 4 estudos restantes, embora nenhum deles incluísse o esforço-recompensa
modelo de desequilíbrio. 34

Quatro dos estudos com o modelo de controlo (demanda elevadas exigências e baixo controle)
mostrou uma relação estatisticamente significativa positiva com IMC, 24 , 28 de - 30 de mas os
restantes 4 apresentaram nenhuma associação. 22 , 26 , 31 , 33 Dois dos 4 estudos restantes que
utilizaram outras medidas da cepa do trabalho mostraram relações positivas e estatisticamente
significativas com o IMC. 23 , 32 Esses estudos não controlaram completamente a atividade física,
longas horas de trabalho no trabalho ou trabalho por turnos (todas as variáveis associadas à
obesidade em outros estudos). 30

A relação das condições de trabalho não psicossocial com o IMC também foi investigada. Usando
dados da Pesquisa Nacional de Saúde da População no Canadá, Shields demonstrou que, após o
ajuste estatístico, os homens que trabalhavam mais de 35 horas por semana tinham um odds ratio
de 1,4 por excesso de peso (IMC> 25 kg / m 2 ). 35 Longas horas de trabalho não foram associadas
com excesso de peso em mulheres. Além disso, o aumento do peso corporal tem sido relatada entre
trabalhadores por turnos em países desenvolvidos, 12 - 16 , 36 e trabalho por turnos tem sido
associada com IMC entre homens e mulheres holandesas 36 e entre as mulheres suecas de meia-
idade. 32

Em uma grande coorte finlandesa baseada na população, o desemprego foi associado positivamente
com o IMC para homens e mulheres, embora a associação tenha sido particularmente forte para
mulheres com longa história de desemprego. 37 O desemprego também foi associado a um maior
IMC entre uma coorte de mulheres suecas. 32 Em uma coorte de 14799 mulheres australianas de 18
a 23 anos, o excesso de peso e a obesidade estavam associados ao status de desempregado e baixo
status ocupacional e educacional. 30 Além disso, o aumento do peso corporal foi relatado ao longo
de um período de 12 anos entre os trabalhadores com turnos nos países desenvolvidos. 12 - 16 , 36

Yamada et al. A hipótese de 3 maneiras que funcionam poderia facilitar o aumento de peso 17 : (1)
o estresse no trabalho poderia afetar comportamentos como o consumo de álcool e atividades de
lazer sedentárias relacionadas ao ganho de peso, (2) a tensão psicológica poderia levar à modificação
de fatores endócrinos relacionados ao ganho de peso , e (3) horas de trabalho longas, trabalho por
turnos e horas extras podem resultar em fadiga e inibir comportamentos que evitam o aumento de
peso e a acumulação de gordura abdominal.

ASSOCIAÇÃO DE OBESIDADE COM DESEMPENHO DE


TRABALHO E CUSTOS DE CUIDADOS MÉDICOS

A obesidade parece ter uma associação positiva significativa com o absenteísmo (medido como dias
de perda de trabalho). 38 - 41 A distribuição da gordura corporal foi associada à elevada incidência
anual de doença e a longas feitiços de ausência em uma força de trabalho belga. 42 Em uma empresa
bancária, os trabalhadores com IMC elevado tiveram riscos adicionais para a saúde, ausências de
curto prazo por incapacidade e doença e custos mais elevados de cuidados de saúde do que os
trabalhadores que não tinham excesso de peso (sem IMC elevado). 43Os trabalhadores obesos
tinham 1,7 vezes mais probabilidades de experimentar um alto nível de absenteísmo (definido como
7 ou mais ausências por causa da doença nos últimos 6 meses) e 1,6 vezes mais propensos a reportar
absenteísmo moderado (3 a 6 ausências por causa da doença nos últimos 6 meses). 44 Burton e Conti
relataram que os trabalhadores obesos também tendiam a sofrer maiores perdas de produtividade
do que os trabalhadores não obesos. 45

Outros estudos mostraram que a classificação de um IMC do trabalhador prevê atribuição ao alto
custo de cuidados de saúde e grupos de alta ausência. 39 , 46 , 47 O Insurance Information Institute
antecipou custos mais elevados para trabalhadores com excesso de peso:

Uma vez que as pessoas com sobrepeso e obesidade sofrem de uma maior incidência de doenças
crônicas, incluindo distúrbios músculo-esqueléticos, recuperação de qualquer lesão ou doença -
incluindo as que ocorrem no local de trabalho ou como resultado de exposições ocupacionais -
provavelmente será mais difícil e mais caro do que para indivíduos de peso normal. 48

Em uma análise, a obesidade mostrou-se associada a custos mais elevados de cuidados de saúde do
que fumar, beber e pobreza. 49 , 50 É importante, no entanto, perceber que não existe uma ligação
causal simples entre a obesidade e essas características. Em vez disso, as relações são complexas e
não são facilmente explicadas.

IMPACTO POTENCIAL DA OBESIDADE NA DOENÇA


RELACIONADA AO TRABALHO

Poucos estudos examinaram o papel da obesidade ou do excesso de peso corporal na modificação


do risco de doenças e condições ocupacionais. Henschel analisou o papel da obesidade na alteração
da intensidade da resposta aos seguintes 7 riscos ocupacionais: exaustão por calor e golpe de calor
em ambientes quentes, tensão fisiológica durante o desempenho do trabalho físico duro, tensão
respiratória e distúrbios durante o trabalho físico, acidentes envolvendo equipamentos operadores
e outros deveres, doença de descompressão, tolerância de altitude elevada e exposição a pesticidas
- e concluiu que a obesidade deve ser considerada um risco ocupacional significativo. 51 No entanto,
a literatura citada nesse artigo era bastante limitada.

Evidências de força variável sugerem que a obesidade aumenta o risco de certas doenças ou
condições ocupacionais, tais como distúrbios músculo-esqueléticos, doenças cardiovasculares, asma
e lesões induzidas por vibração. A obesidade também pode modificar as respostas fisiológicas às
neurotoxinas e respostas imunes a desafios químicos, muitos dos quais encontrados no trabalho. A
obesidade pode interagir com o estresse ocupacional. A eficácia ou disponibilidade de equipamento
de proteção pessoal pode ser limitada para os trabalhadores obesos. Além disso, embora a ingestão
do papel desempenhe o risco de certos tipos de câncer é geralmente bem documentada em animais,
não se sabe até que ponto ocorre uma interação com câncer ocupacional. Nas subseções a seguir,
analisamos o que se sabe sobre os efeitos da obesidade ou do excesso de peso corporal em várias
doenças ou condições ocupacionais.

Lesão induzida por vibração


Nos Estados Unidos, cerca de 1,5 milhão de trabalhadores realizam tarefas em que estão expostas à
vibração dos membros superiores. Dependendo de sua ocupação, 6% a 95% (média, 46%) dos
trabalhadores expostos à vibração do membro superior desenvolverão síndrome de vibração mão-
braço (HAVS). 52 Esta síndrome pode ser caracterizada por vasoespasmos da vasculatura periférica
que resultam no branqueamento dos dígitos (dedo branco), reduções na sensibilidade térmica e tátil,
fraqueza dos membros superiores, dor e reduções na coordenação do motor fino. 53

Fatores ocupacionais, como a duração da exposição e a amplitude da exposição à vibração, servem


como fatores de risco para o desenvolvimento de HAVS. 54 Além disso, uma série de fatores pessoais
de saúde, como hipertensão e diabetes, estão correlacionados com a presença de sintomas
relacionados ao HAVS. 52 Estudos epidemiológicos que avaliam a massa corporal demonstram que a
incidência de obesidade e diabetes é aumentada em pessoas com VSHS e outros distúrbios músculo-
esqueléticos dos membros superiores. 55 - 57 Os danos resultantes de alterações na fisiologia
relacionadas à obesidade ou à obesidade podem comprometer os tecidos musculares, neurais e
vasculares, tornando-os mais suscetíveis a lesões induzidas por vibração.

Asma Relacionada ao Trabalho


A asma ocorre em 10% a 15% da população adulta e é mais comum em ambientes industrializados;
estima-se que até 15% de todos os casos estejam associados à exposição no local de trabalho. 58 ,
59 Nenhum estudo abordou a obesidade como um fator de risco no desenvolvimento de asma
relacionada ao trabalho; No entanto, uma atenção substancial tem sido dedicada à obesidade como
fator de risco para asma devido à observação de dispnéia em indivíduos obesos. 60 - 62 Em geral, o
excesso de tecido adiposo prejudica as funções ventilatórias, embora isso seja pensado para ser
relativamente leve, exceto em casos de obesidade severa. 63

Estudos transversais e prospectivos de coorte mostraram associação entre obesidade e asma em


crianças 64 e em mulheres. 65 As associações entre obesidade e asma nos homens são menos claras;
vários estudos prospectivos mostraram associação limitada ou mostraram associação mais forte em
mulheres do que em homens. 61 , 66 No entanto, um estudo recente indicou que, embora as
mulheres demonstrem uma associação monotônica entre asma e IMC, os homens apresentam uma
relação em forma de U, indicando que ambos os extremos de peso estão associados a uma maior
prevalência de asma. 67 Estudos em animais são mais limitados. Um estudo 68indicou que os
mediadores imunológicos envolvidos em asma em camundongos são modulados em ratos
alimentados com dietas ricas em gordura. Em outros estudos, as respostas das vias aéreas induzidas
pelo ozônio foram aumentadas em ratos obesos em comparação com os controles. 69
Imunomodulação química
Nenhum estudo epidemiológico relatado indicou especificamente que a obesidade é um fator de
risco para infecções microbianas em adultos, mas vários estudos mostram infecções aumentadas em
adolescentes obesos, o que sugere que o sistema imunológico é afetado pela obesidade. 70 , 71 A
evidência também indica que a cicatrização de feridas é afetada negativamente em adultos obesos.
72 Bhati et al. concluiu de seus estudos que obesidade, diabetes mellitus não controlado e gênero
feminino estão associados a maiores taxas de infecção. 73 A exposição química no local de trabalho
pode levar a uma função imune alterada, incluindo alergia e supressão imune. A supressão
imunológica pode levar a uma maior susceptibilidade a agentes infecciosos. 74

Experimentos de laboratório sustentam a plausibilidade biológica dessa relação. A maioria dos


estudos experimentais sobre os efeitos da obesidade no sistema imunológico se concentraram no
uso de modelos animais de ob / ob leptina deficientes. 75 , 76 Estes animais apresentam efeitos
pleiotróficos em vários sistemas do corpo, incluindo estados de imunidade alterados. Os ratinhos
deficientes em leptina demonstram a atrofia do timo, sendo o córtex tímico particularmente sensível.
Como a leptina desempenha um papel na proteção das células CD4 + CD8 + da apoptose induzida
por glucocorticóides, ela pode desempenhar um papel importante na supressão imune induzida por
químicos. Do mesmo modo, a leptina pode desempenhar um papel significativo no desenvolvimento
da alergia e o equilíbrio entre Th 1 e Th 2respostas. Os níveis aumentados de leptina demonstraram
apoiar uma resposta Th 1 que conduz a uma doença mediada por células T, enquanto que níveis
baixos de leptina são mais favoráveis às respostas de Th 2 , níveis aumentados de interleucina 4 e
potencialmente mediada por imunoglobulina E. A obesidade em trabalhadores que não está
relacionada à mutação do gene ob pode estar correlacionada com níveis aumentados de leptina. 75
- 78

Distúrbios músculo-esqueléticos
Os distúrbios musculoesqueléticos são definidos como danos estruturais, inflamação ou dor que
resultam de lesões de nervos, tendões, músculos, vasos sanguíneos ou outros tecidos de suporte
associados ao sistema músculo-esquelético. 79Certas exposições no local de trabalho estão
correlacionadas com um risco aumentado de adquirir distúrbios músculo-esqueléticos relacionados
ao trabalho. Estes incluem exposições a movimentos repetitivos, carregamento excessivo, uso
excessivo de músculo e vibração. O estado de saúde de um trabalhador também pode afetar o risco
de adquirir um distúrbio musculoesquelético relacionado ao trabalho. Apenas alguns estudos
epidemiológicos estudaram explicitamente os efeitos das articulações do trabalho, obesidade e
distúrbios músculo-esqueléticos. Diversos distúrbios músculo-esqueléticos, como síndrome do túnel
do carpo e osteoartrite, foram associados ao aumento do IMC ou obesidade em estudos que
controlam fatores de risco de trabalho e não trabalho. 80 - 84A obesidade também está associada
ao diabetes tipo 2. Esta condição tem sido associada a alterações fisiológicas nos sistemas de
músculos cardiovascular, nervoso e esquelético. Pode-se hipotetizar que os parâmetros
fisiopatológicos associados à obesidade aumentam o risco de adquirir distúrbios músculo-
esqueléticos e prejudicam os mecanismos de recuperação.

Neurotoxicidade
Embora nenhum estudo epidemiológico tenha investigado o risco de neurotoxicidade nos
trabalhadores em função do IMC, estudos recentes fornecem evidências que mostram que a ingestão
de baixa caloria diminui o risco de doença de Parkinson 85 e doença de Alzheimer 86 , enquanto que
o aumento da adiposidade da meia idade serve como fator de risco para desenvolvendo a doença de
Parkinson. 87Juntos, esses dados sugerem que o sistema nervoso, como outros sistemas de órgãos,
é vulnerável às conseqüências adversas da obesidade. Com efeito, ao longo da última década, dados
anedóticos e experimentais obtidos com animais geralmente sugerem que ratos e ratos com
aumento da massa corporal mostram respostas neurotóxicas exageradas a diversas classes de
substâncias químicas neurotóxicas conhecidas (por exemplo, organometanos, piridinas substituídas,
anfetaminas substituídas). 88 Assim, dada a relação entre a obesidade e os factores conhecidos ou
suspeitos de causar danos ao sistema nervoso, pode-se supor que a obesidade pode aumentar a
susceptibilidade do sistema nervoso a produtos químicos tóxicos encontrados no ambiente de
trabalho.

Respostas de estresse e estresse


Embora exista um grande interesse em compreender as interações entre o estresse e a obesidade, a
maioria das pesquisas enfocou o papel do estresse no ganho de peso e a determinação de se o
estresse controla onde a gordura é depositada. Estudos ocupacionais analisados anteriormente
apoiam a hipótese de que o estresse no trabalho (de, por exemplo, um ambiente de trabalho de
baixo controle e de alta demanda) está associado ao IMC elevado. O estresse altera as escolhas de
alimentos em seres humanos e o desloca para itens densos de energia que contêm gordura saturada
e açúcar. 89 O estresse crônico resulta na deposição de gordura intraabdinal (em vez de subcutânea)
em humanos, primatas não humanos e roedores. 90Embora a gordura intraabdominal seja
considerada mais prejudicial para a saúde, a informação é limitada quanto à forma como os padrões
de deposição de gordura afetam as conseqüências biológicas do estresse; no entanto, em humanos,
foi demonstrado que uma maior resposta ao estresse é encontrada quando a gordura é
intraabdominal, mesmo quando a pessoa está magra. 91As reservas intraabdominal de gordura
parecem causar uma maior resposta ao estresse, incluindo a liberação de glicocorticóides e outros
produtos químicos de estresse. O impacto desta intensificação da ativação da saúde cerebral é
relativamente inexplorado. No entanto, o excesso de estresse é considerado prejudicial para a saúde
cerebral e está associado a condições como a depressão. Além disso, os estudos de imagem de
ressonância magnética do cérebro humano sugerem que a exposição excessiva a substâncias
químicas do estresse como o cortisol na doença de Cushing ou a eventos extremamente traumáticos
está associada ao encolhimento de áreas cerebrais importantes para a cognição. 92

O trabalho experimental indica que o estresse está ligado à remodelação inadaptada do cérebro,
incluindo atrofia de neurônios e encolhimento das áreas e elementos do neurônio responsável pela
comunicação. Considera-se que o remodelamento desempenha um papel nas ligações entre o
estresse e doenças como o vício e a demência. 93A remodelação aberrante também tem a hipótese
de desempenhar um papel na depressão. Sabe-se também que substâncias químicas associadas à
resposta ao estresse (por exemplo, glicocorticóides, catecolaminas) comprometem a ativação de
caminhos responsáveis pela manutenção da estrutura e função desses mesmos elementos celulares.
Não se sabe se o cérebro da pessoa obesa ou com excesso de peso é mais suscetível ao impacto do
estresse. Uma importante questão de pesquisa é se a obesidade (especialmente a deposição
intraabdinal de gordura) aumenta a susceptibilidade do cérebro ao remodelamento induzido pelo
estresse. Poderia ser a hipótese de que pessoas obesas, especialmente aquelas com gordura
intraabdominal, mostrarão sinalização de estresse elevado no cérebro e serão mais suscetíveis ao
remodelamento cerebral induzido pelo estresse.

Doença cardiovascular
A interação entre o estresse psicossocial no trabalho e as doenças cardiovasculares tem sido
investigada. 34 , 94 , 95 Apesar de várias questões metodológicas, vários revisores e pesquisadores
apoiaram a hipótese de que os aspectos psicossociais do trabalho estão relacionados ao risco de
desenvolver doenças cardiovasculares. 34 , 96 A obesidade também é um fator de risco conhecido
para doenças cardiovasculares, e a questão é se a obesidade modifica a associação entre estresse no
local de trabalho e doenças cardiovasculares.

Outra hipótese de desenvolvimento de doença cardiovascular envolve fatores de risco ocupacionais


(incluindo dissulfureto de carbono, arsênico, poeiras ultrafinas ou fumos) que modificam a
progressão da aterosclerose através da indução de efeitos oxidativos e inflamatórios vasculares. 97
- 100 massa de tecido adiposo, especialmente gordura visceral, além da disfunção endócrina e
metabólica, também está ligada ao aumento da produção de mediadores pró-inflamatórios. 101
Assim, as respostas inflamatórias mediadas pela obesidade e exposição ocupacional a produtos
químicos ou poeiras podem interagir sinergicamente para aumentar o risco de doenças
cardiovasculares relacionadas à aterosclerose.

Câncer
A restrição de energia tem sido conhecida por ter impactado o desenvolvimento de vários tipos de
câncer em animais que receberam agentes químicos cancerígenos. 102 - 104 No entanto, nenhum
estudo foi identificado especificamente que explore a relação do IMC com o desenvolvimento de
cânceres relacionados ao trabalho nas coortes ocupacionais. Apesar das associações de alta ingestão
de energia com vários tipos de câncer, como mama, cólon, reto, tiroides e próstata, os cânceres
ocupacionais mais tradicionais, como o câncer de pulmão e bexiga, foram inversamente associados
ao peso corporal. No entanto, essas análises geralmente não representam o tabagismo ou as causas
de morte concorrentes. 103

Segurança no trabalho
Foram realizadas pesquisas limitadas sobre o impacto da obesidade na segurança do trabalhador.
Alguns estudos de lesões relacionadas ao trabalho identificaram características notáveis entre os
trabalhadores lesionados, incluindo aumento do IMC. 105 - 108 A respiração e a obesidade
desordenadas pelo sono foram fatores de risco em acidentes de trânsito entre os motoristas
comerciais de caminhões de longo curso. 109 Vários outros estudos de transporte (particularmente
aqueles que incidiu sobre a utilização do cinto de segurança) incluíram IMC como um factor de risco
potencial; No entanto, os estudos não abordaram especificamente os trabalhadores. 110 - 112
Utilidade de equipamento de proteção pessoal
Embora as características antropométricas tenham variado entre as ocupações e devem ser
consideradas na concepção de equipamentos de proteção pessoal, existe pouca informação sobre o
impacto da obesidade na efetividade ou disponibilidade do equipamento de proteção pessoal. 113
Variáveis fisiológicas humanas, incluindo o peso corporal, podem afetar o desempenho respiratório
durante testes e uso de respirador. 114 O peso corporal também tem sido uma variável na pesquisa
sobre proteção contra queda, restrições de impacto, 115 e a eficácia da roupa de proteção. 115 ,
116Como a obesidade mostrou ser um fator de risco para o treinamento dos soldados em ambientes
quentes e úmidos, também pode ser assumido que esse resultado pertence aos trabalhadores,
especialmente aos trabalhadores em equipamentos de proteção. 117 , 118

MODELOS CONCEPTUAIS DE INTERRELACÇÕES DE


TRABALHO, OBESIDADE E DOENÇA
Com base na literatura descrita, é possível sugerir várias maneiras de ve a interrelação do trabalho,
obesidade e doença. Alguns são mostrados em modelos conceituais testáveis retratados na Figura 1
. Embora os modelos se concentrem principalmente nesses 3 elementos, cada um está sujeito a
várias influências culturais e sociais. O trabalho também é representado como um fator de risco
devido à sua organização ou natureza e devido a exposições que podem ocorrer durante o trabalho.

No modelo A, uma exposição no local de trabalho leva a uma doença profissional. Esta relação pode
ser modificada por obesidade ou ganho de peso, de modo que o risco seja maior (ou menor) nos
trabalhadores obesos. O modelo B representa 2 caminhos independentes e possivelmente aditivos
para a doença. A obesidade pode servir como um fator de risco independente em um caminho, e a
exposição no local de trabalho em outro. O modelo C mostra uma combinação dos modelos A e B,
com o trabalho como fonte de exposições ambientais adversas, bem como contribuinte para a
obesidade e a combinação ou cada fator, independentemente, resultando em risco de doença
modificada. O modelo D ilustra que a exposição no local de trabalho pode ser um modificador de
efeito de uma relação obesidade-doença. O modelo E ilustra como a obesidade pode causar uma
doença específica e a exposição no local de trabalho pode causar outra doença e pode haver alguma
interação entre as 2 doenças. Ou seja, ter uma doença pode colocar um trabalhador em risco
aumentado do outro. Estes modelos são apresentados para fins heurísticos, mas ainda exigem testes
e validação. A modificação adicional desses modelos poderia ocorrer à medida que os dados
preliminares são corroborados com relação à hipótese de que as exposições in vivo ou neonatal a
produtos químicos ambientais (notadamente os disruptores endócrinos) desempenham um papel na
etiologia da obesidade.120

INTERVENÇÃO

Se o trabalho, a obesidade e a saúde e segurança ocupacional são considerados como tendo algum
relacionamento, pode ser útil considerar intervenções que os abordem simultaneamente. Existem
algumas evidências de que os trabalhadores aderem melhor à orientação da promoção da saúde em
uma configuração de local de trabalho quando aborda fatores de risco no local de trabalho e pessoal,
e não apenas fatores de risco pessoais. 121 - 124 No local de trabalho, há uma oportunidade de se
concentrar em intervenções que abordem realisticamente a organização do trabalho e os fatores
ambientais que aumentam o risco de obesidade. 125 - 126

No entanto, é necessário continuar trabalhando em estratégias que combinem a proteção tradicional


da saúde no local de trabalho com a promoção da saúde no local de trabalho que se relaciona com
ganho de peso e obesidade. 123 Isso inclui logicamente um foco tanto no ambiente de trabalho
quanto em opções, escolhas e comportamentos individuais. Também é útil enfatizar o papel que os
empregadores e os trabalhadores podem desempenhar na defesa de mudanças de políticas sociais
que afetam riscos no local de trabalho, mas também aqueles que tratam o controle de peso como
uma prioridade nacional apoiada por iniciativas ambientais, econômicas e sociais. 49 , 128

QUESTÕES ÉTICAS, JURÍDICAS E SOCIAIS

Para proteger todos os trabalhadores, os empregadores são responsáveis pelo fornecimento de


locais de trabalho sem riscos reconhecidos. Na medida em que a obesidade aumenta o risco de
efeitos adversos para a saúde de determinadas exposições ocupacionais, os decisores podem ter que
considerar estratégias para proteção efetiva desses trabalhadores mais vulneráveis. Um grande
desafio será determinar como considerar as conseqüências para a saúde da obesidade sem usar
abordagens prejudiciais, discriminatórias, estigmatizantes ou punitivas. As áreas relacionadas ao
trabalho, em que tais considerações são susceptíveis de surgir, incluem a privacidade e autonomia
do trabalhador, discriminação de emprego, comunicação de riscos e compensação de trabalhadores
e responsabilidade extracontratual.

Privacidade e Autonomia do Trabalhador


Embora o trabalho possa transmitir outros benefícios, a maioria das pessoas trabalha para fornecer
econômicas para si e suas famílias e para obter acesso a outros benefícios associados ao trabalho,
como o seguro de saúde. As pessoas geralmente não trabalham para que seus comportamentos
mudem ou sua saúde melhorou. Como resultado da Lei de Portabilidade e Responsabilidade do
Seguro de Saúde de 1996, os trabalhadores têm uma expectativa razoável de privacidade pessoal em
relação à informação de saúde. Esta expectativa de privacidade é reforçada por certas proteções
legais, especialmente no que se refere à confidencialidade das informações relacionadas à saúde. Os
programas baseados no trabalho que se concentram em comportamentos individuais podem ser
percebidos com precisão como intrusivos e insensíveis às expectativas de privacidade e autonomia
dos trabalhadores. A obesidade é uma questão pessoal particularmente sensível, e os trabalhadores
podem ser adequadamente resistentes às intervenções que parecem separar as pessoas obesas.
Alternativamente, essas questões podem ser abordadas por intervenções do local de trabalho que
beneficiam todos os trabalhadores, por exemplo, através da diversificação de escolhas alimentares
nas cafeterias e nas máquinas de lanches e refrigerantes, aumento das oportunidades de exercício
ou redução do estresse no trabalho para todos os trabalhadores.129
Discriminação no Emprego
Existem evidências extensivas que mostram viés e estigmatização de pessoas com excesso de peso.
130 - 136 Isso pode levar à discriminação nas práticas de emprego que resultam em escolhas de
emprego limitadas e salários mais baixos. Até agora, o Michigan é o único estado que proíbe a
discriminação do emprego com base no peso. 137 Os vários equívocos podem levar a ações
discriminatórias. Por exemplo, existe a possibilidade de que os achados de associações entre
obesidade e atendimento ao trabalho, como descrito anteriormente neste artigo, podem ser
considerados causais quando não foi estabelecido ou quando outros fatores de risco incontroláveis,
como idade e genética, confundem a associação . 138 - 139

Uma das principais preocupações é que a atenção à obesidade nos trabalhadores dependerá de
"culpar a vítima". Ou seja, apenas o comportamento e os atributos de um trabalhador podem ser
considerados fatores de intervenção. Esta abordagem anula o conhecimento de que a obesidade é
afetada por fatores ambientais e organizacionais, bem como genéticos, societários, culturais e
econômicos. A obesidade pode ser uma consideração de boa-fé na colocação do trabalho após a
tomada de uma decisão de contratação (assim como outras considerações relacionadas à saúde),
mas geralmente não deve ser determinante na decisão de contratação em si.

Se a obesidade deve ser considerada uma doença, uma deficiência ou uma condição de estilo de vida
irá influenciar a forma como é tratada no local de trabalho. 138 Nenhum registro consistente indica
se a obesidade é considerada uma deficiência sob o Americans With Disabilities Act. 139 Da mesma
forma, os Centros de Medicare e Medicaid Services (anteriormente a administração financiamento
dos cuidados de saúde), historicamente, não considerou a obesidade uma doença e não fazia
pagamentos para tratamentos de obesidade, exceto em alguns casos quando a obesidade foi
consequência de outra doença ou foi uma direta causa de outra condição grave. 140 No entanto,
uma decisão em 2004 141removeu o idioma de que "a obesidade em si não pode ser considerada
uma doença". Esta etapa permite que os membros do público solicitem uma revisão de suas próprias
evidências médicas para determinar se os tratamentos relacionados à obesidade seriam cobertos
pelo Medicare.

Além disso, a Administração da Segurança Social oferece benefícios de invalidez para pessoas que
cumprem os requisitos e exige que os juízes de sinistros examinem o efeito da obesidade na
capacidade de fazer o trabalho básico. 142 A crescente conscientização sobre as consequências para
a saúde da obesidade pode induzir alguns empregadores a considerar obesidade e aumento de peso
ao lidar com seguro, contratação, colocação e promoção, independentemente de a obesidade ser
uma doença ou deficiência. Os dados sobre o aumento do absenteísmo, doença, mortalidade e custo
dos trabalhadores obesos provavelmente serão parte desta consideração. 40 , 43 , 143 , 144
Pesquisas futuras que identifiquem a obesidade como modificador de efeito das associações de
exposição ocupacional-doença podem ser incluídas na tomada de decisões do empregador, criando
importantes questões legais sociais, éticas e potenciais sobre como a sociedade aborda o conceito
de suscetibilidade.
Comunicação de risco
Informações científicas sólidas relacionadas aos modificadores do risco para a saúde decorrentes de
exposições ocupacionais tem sido foco de comunicação de risco. Por exemplo, os trabalhadores da
construção que fumaram e foram expostos ao amianto no trabalho foram informados sobre os riscos
para a saúde de ambos os riscos e o risco adicional para os trabalhadores expostos a ambos. 145 ,
146Quando há informações suficientes para incluir a consideração do papel da obesidade na
comunicação de saúde no local de trabalho, essas comunicações precisarão ser baseadas em fatos e
direcionadas para o reforço de estratégias comprovadas de proteção à saúde. Como a obesidade
pode ser uma consequência das exposições no local de trabalho, um modificador de efeito, um fator
de risco independente, um cofator ou um fator de confusão, as comunicações precisarão ser
específicas das circunstâncias e com base nas informações disponíveis. A comunicação de risco de
grupo pode ter um foco diferente da comunicação de risco individual. Para o grupo, predominam
predominantes conceitos de população, como prevalência e variabilidade. Para o trabalhador
individual, a interpretação clínica e o risco individual são importantes.

Na linguagem normal, a "obesidade" pode ser considerada um termo pejorativo apesar da intenção
em seu uso. Além disso, muitas pessoas obesas podem não se reconhecer como tais. Além disso, o
status de sobrepeso de uma pessoa não implica automaticamente a saúde. 147 A gama de opiniões
e percepções sobre a relação da obesidade com a responsabilidade pessoal, o determinismo genético
e as pressões ambientais devem ser considerados nas comunicações de risco.

Se a obesidade é conhecida por modificar o efeito de uma exposição ocupacional, como um


empregador deve retratar os riscos sem mudar indevidamente a responsabilidade para o
trabalhador? Para responder a esta pergunta, pode ser útil considerar como os empregadores e os
trabalhadores trataram outros fatores pessoais (como fumar) que são conhecidos por modificar
exposições ocupacionais (como o amianto). 122

Compensação dos trabalhadores e responsabilidade civil


A compensação dos trabalhadores deve fornecer subsídios salariais parciais ou completos e
pagamentos de cuidados de saúde para pessoas que sofrem de uma doença ou ferimento causada
por exposições e condições de trabalho (ou, em alguns casos, significativamente exacerbadas por).
Os esforços aumentaram para limitar os custos da provisão para benefícios de compensação dos
trabalhadores em muitas jurisdições. Em alguns sistemas de compensação, existem requisitos para
"repartir" a causa de uma doença ou lesão entre vários fatores relacionados ao trabalho e não
trabalho e para compensar apenas por causas relacionadas ao trabalho. 148No entanto, a capacidade
de determinar com precisão a medida em que a incapacidade de um trabalhador pertence a fatores
de trabalho ou não relacionados não é uma ciência precisa. Na medida em que os modificadores de
efeitos, como a obesidade ou fatores genéticos, estão envolvidos, a repartição da causalidade para
fatores relacionados ao trabalho pode ser reduzida. A questão é ainda mais complicada pelo fato de
que as leis de compensação dos trabalhadores do estado variam em termos de designação de
obesidade como condição médica subjacente relacionada a lesões e doenças específicas.
CONCLUSÕES

O trabalho e a obesidade contribuem para a morbidade e mortalidade da população, bem como para
os cuidados de saúde e os custos da sociedade, mas cada um deles existe em um domínio separado.
Os empregadores têm sido tradicionalmente responsáveis pela prevenção da morbidade e
mortalidade relacionadas ao trabalho, mas os trabalhadores foram responsabilizados pela prevenção
do sobrepeso e obesidade. Os dois riscos provavelmente estarão inter-relacionados, mas a extensão,
a natureza e a temporalidade dessas relações não foram bem estudadas. A pesquisa está avaliada
para explorar como o ambiente de trabalho e as práticas de trabalho promovem ou desencorajam o
desenvolvimento da obesidade (e o excesso de peso em geral) e para definir em que medida a
obesidade atua para modificar o risco de doenças e lesões profissionais. Esta pesquisa pode servir de
base para determinar até que ponto os recursos devem ser comprometidos com essa área e se as
alterações e programas do local de trabalho são necessários para reduzir exposições ou riscos.
Enquanto isso, pode ser útil considerar estratégias seletivas que abordem os fatores de risco
relacionados ao trabalho e a obesidade em conjunto. Tais estratégias terão de ser sensíveis a
questões de linguagem, preconceito, repartição inadequada da causalidade e as várias percepções
de empregadores e trabalhadores. A morbidade e a mortalidade ocupacional e a obesidade são
importantes, problemas nacionais altamente prevalentes. Se for mais eficiente considerá-los juntos,
o uso de recursos e resultados de saúde pode melhorar. pode ser útil considerar estratégias seletivas
que abordem os fatores de risco relacionados ao trabalho e a obesidade em conjunto. Tais estratégias
terão de ser sensíveis a questões de linguagem, preconceito, repartição inadequada da causalidade
e as várias percepções de empregadores e trabalhadores. A morbidade e a mortalidade ocupacional
e a obesidade são importantes, problemas nacionais altamente prevalentes. Se for mais eficiente
considerá-los juntos, o uso de recursos e resultados de saúde pode melhorar. pode ser útil considerar
estratégias seletivas que abordem os fatores de risco relacionados ao trabalho e a obesidade em
conjunto. Tais estratégias terão de ser sensíveis a questões de linguagem, preconceito, repartição
inadequada da causalidade e as várias percepções de empregadores e trabalhadores. A morbidade e
a mortalidade ocupacional e a obesidade são importantes, problemas nacionais altamente
prevalentes. Se for mais eficiente considerá-los juntos, o uso de recursos e resultados de saúde pode
melhorar.