Вы находитесь на странице: 1из 12

Autoetnografia - uma metodologia apropriada?

- Susan White, Master of Nursing student,


Australian Catholic University, Melbourne

Resumo

Este documento documenta minha jornada de descoberta em relação à escolha de uma


metodologia para um estudo que analise as experiências de hospitalização de pacientes com
dor nas costas crônicas e não malignas. Inicialmente, uma abordagem de teoria fundamentada
foi escolhida. No entanto, na sequência de uma licença prolongada por razões médicas, fui
apresentado a uma metodologia, autoetnografia, que parecia apropriada para minha situação
e tópico de pesquisa. Como sofredor de dor nas costas crônica crônica e não-maligna há 15
anos, qualifico como "insider", um membro do grupo estudado, algo que se presta a uma
abordagem auto-etnográfica. Parte da minha jornada incluiu a pesquisa da autoetnografia e a
escolha de uma abordagem específica das várias abordagens autoetnográficas. A abordagem
escolhida foi a autoetnografia narrativa, descrita neste artigo, juntamente com pensamentos
sobre a aplicação dos princípios dessa abordagem à entrevista, análise e redação da história.

Introdução

Os sofredores de dor nas costas crônicos e não-malignos são um grupo marginalizado, sobre o
qual muito poucas pesquisas foram realizadas até o momento. Eu sofri de dor nas costas
crônica e não maligna severa há 15 anos e sofreu hospitalizações frequentes para o
tratamento da dor. Como uma enfermeira registrada, me entristece dizer que muitas das
minhas internações foram menos do que experiências positivas. Infelizmente, isso geralmente
tem sido por causa das atitudes e estereótipos negativos de enfermeiros (e muitos médicos)
de sofredores de dor nas costas crônicos e não-malignos. Eu queria, portanto, estudar as
experiências de hospitalização deste grupo de pacientes, para ver se eu era um caso
aberrante, ou a norma.

Este documento documenta o progresso da minha pesquisa até o momento e traça minha
jornada de exploração e descoberta, enquanto eu explorei a metodologia e decidi mudar de
minha escolha original da teoria fundamentada para a autoetnografia.

COMEÇANDO A VIAGEM: DECIDIR UM TEMPO

Primeiro me interessei nas experiências de hospitalização dos pacientes quando estava


treinando para me tornar uma enfermeira geral. Nunca tendo experimentado uma admissão
no hospital durante esse período, fiquei interessado no impacto variável da admissão em
pacientes. Eu percebi uma mudança notável nos personagens das pessoas uma vez que eles
assumiram o papel do paciente. Desde então, eu tive inúmeras internações hospitalares após
ferimentos graves sofridos no trabalho. Tendo me reabilitado parcialmente após a minha
primeira lesão e voltando a entrar na força de trabalho como enfermeira diplomática de noite,
sofri uma segunda lesão grave no trabalho.

Após a minha segunda lesão, não queria admitir a mim mesmo que eu tinha reinjugado minhas
costas. Minha lembrança da dor física e do sofrimento foi desagradável, mas a lembrança do
meu senso de privação psicológica me fez querer negar intencionalmente a lesão. Minha
primeira lesão me custou o meu casamento, e a chance de ter filhos, algo que eu realmente
queria e estava ansioso. Minhas experiências de hospitalização agravaram minha angústia e
meu sentimento de privação. A vida que eu guiei para mim tinha sido interrompida, e o futuro
parecia sombrio. O desafio que enfrentei foi manter uma visão positiva, apesar das minhas
experiências passadas de sofrimento físico e psicológico, que incluiu ter que enfrentar o
estigma associado a dor nas costas grave, crônica e não maligna.

Como consequência das minhas experiências, meu interesse (pessoal e profissional) na dor nas
costas crônica e não maligna e na experiência de hospitalização começaram seriamente. Após
inúmeras internações hospitalares, desenvolvi uma visão aprofundada da dinâmica de
hospitalização e dor crônica na perspectiva do paciente. Minhas experiências de hospitalização
foram desafiadoras, principalmente por causa das atitudes dos enfermeiros em relação a
pacientes com dor nas costas crônicas e não malignas como um grupo homogêneo. Ao invés
de me ver como um indivíduo, com necessidades individuais, percebi que as enfermeiras
estavam me tratando de acordo com vários estereótipos negativos. Acabei de acreditar que
isso se deveu principalmente à falta de conhecimento especializado sobre dor nas costas
crônica e não maligna, e às crenças que se tornaram arraigadas ao longo do tempo.

Durante os períodos de hospitalização, encontrei-me com outros sofredores de dor crônica. Ao


falar com eles, me pareceu que todas as nossas histórias de experiências de hospitalização
eram desconcertantes. Muitos desses outros sofredores, como eu, tentaram conversar com
seus cuidadores, enfermeiros e alguns médicos, sobre o "cuidado" que eles receberam e
acharam, como eu, que suas palavras tinham caído em surdos; Nós sentimos que estávamos
falando em um vazio e não fomos ouvidos ou ouvidos. Após uma pesquisa preliminar da
literatura, que era escassa, achei que os sofredores crônicos de dor nas costas eram um grupo
marginalizado. A dor nas costas crônica tem uma conotação pejorativa, e muitos estereótipos
negativos são mantidos por seus cuidadores, em alguns casos que afetam os cuidados que o
paciente com dor nas costas crônica recebe no hospital (Burckhardt, 1990; Moss, 1988).
Raramente o material publicado ecoou a minha, ou experiências de outras de dor nas costas
crônica e hospitalização.

Foi então que eu decidi que as experiências de hospitalização de pacientes com dor nas costas
crônica severa justificavam o estudo. Meu estudo examinaria as experiências de hospitalização
de pacientes com dor nas costas crônicas e não-malignas, da perspectiva dos pacientes. Os
objetivos gerais do estudo foram identificar os comportamentos de enfermagem que são
percebidos como cuidadosos, ou de outra forma, pelo paciente com dor crônica e fornecer
informações aos enfermeiros que possam ajudá-los a fornecer cuidados reflexivos, empáticos,
de ótima qualidade e de qualidade. Um objetivo secundário era capacitar os participantes,
dando-lhes uma voz, ou seja, permitindo que suas próprias experiências fossem explicadas no
relatório final do estudo.

USANDO E PROCURANDO UMA ABORDAGEM DA TEORIA ATERRACE

Depois de inicialmente decidir sobre uma abordagem qualitativa de teoria fundamentada, que
parecia ser uma metodologia apropriada para o que eu queria alcançar, realizei três
entrevistas abertas. A análise preliminar revelou seis temas que refletiram minhas próprias
experiências de hospitalização e dor nas costas grave, crônica e não maligna. Meu motivo para
explorar esses temas em profundidade é dar ao leitor uma apreciação da riqueza dos dados
que eu estava encontrando, e como minha própria voz estava querendo ser ouvida. Os seis
temas foram: perda de controle, "falar no vazio", interrupção da imagem corporal, estigma,
medo do vício e mais estigmatização, e "todos os outros sabem melhor".

Tema 1: perda de controle

A perda de controle que os participantes sentiram na admissão no hospital foi um tema


poderoso e recorrente. A perda de controle envolveu a mudança de um adulto independente,
autônomo e auto-seguro, de um paciente, dependente do hospital e seus funcionários para
todos os requisitos.

Como pessoa, confiamos em nossos papéis no mundo para nos dar nosso senso de si mesmo e
personalidade (Goffman, 1971). Nossa auto-estima e auto-estima são acumuladas através de
nossos diferentes papéis na sociedade e, de repente, a perda de papéis familiares leva os
indivíduos a um período de confusão e auto-dúvida. Já não eram esposa, marido, mãe, pai,
filho ou irmão em uma unidade familiar. Já não eram o empregado independente e confiante.
Em vez disso, eles eram "pacientes" que tinham que se adequar ao cronograma e aos
regulamentos do hospital e da unidade, muitas vezes fazendo com que se sentissem
subservientes e impotentes; Por exemplo, o horário da refeição adequado aos funcionários do
hospital e não ao paciente.

Tema 2: "Falando no vazio"

"Falar no vazio" também era um tema emergente, um termo usado para transmitir a sensação
de se envolver em uma conversa unidirecional. O paciente está tentando comunicar suas
necessidades e sentimentos mais prementes e simplesmente não é "ouvido". Os entrevistados
disseram que tentaram conversar com os enfermeiros sobre o que realmente sentiram, tanto
fisicamente como psicologicamente, mas nunca foram ouvidos. Dois disseram que era "falar
com uma parede de tijolos".

Os pacientes entrevistados com dor crônica enfatizaram que eles realmente exigem pouco
cuidado de enfermagem e são usados para lidar com suas próprias necessidades diariamente.
A enfermeira precisa apenas passar muito pouco tempo com o paciente com dor crônica, mas
a única coisa que muitas vezes desejam é ter tempo gasto com eles para que eles possam
comunicar seu sofrimento com uma pessoa empática e compassiva sobre seus sentimentos,
medos e esperanças em Um ambiente sem julgamento.

Tema 3: Interrupção da imagem corporal

Este tema relaciona-se a mudanças na imagem corporal resultantes da lesão. A interrupção da


imagem corporal pode ser definida como uma mudança na percepção de alguém sobre a
aparência e a capacidade do corpo de realizar tarefas diárias sem pensar (Leder, 1990). Todos
os participantes falaram de pessoas que olhavam para as muletas de cotovelo ou a bengala. Já
não podem parecer "normais" em público. Já não podiam pegar um pedaço de sabão do fundo
do chuveiro sem pensar. Todo movimento teve que ser considerado de antemão. O aumento
de peso, outro efeito colateral comum de lesões, medicação e incapacidade de exercício,
também afeta muito a imagem corporal.
A saúde psicológica também está ameaçada. Todos os participantes falaram da dificuldade de
formar novos relacionamentos. Eles reconheceram sentir-se diferentes, sentindo como se
todos os homens que conheci vejam apenas suas ajudas para caminhar e, portanto, sua
deficiência. Assim, a imagem corporal distorcida e a autoestima são agravadas pela percepção
do que os outros vêem ".

Tema 4: estigma

Outro tema foi o estigma associado à dor nas costas crônica e não-maligna. O estigma pode ser
definido como uma marca que separa uma pessoa como diferente (Goffman, 1971). Um termo
bem conhecido (e racista) que ilustra esse estigma é a "Síndrome das costas do Mediterrâneo",
algo que geralmente apoia os cuidados de enfermagem, que se refere a um grupo étnico
aparentemente propenso a inventar os sintomas da dor nas costas ou a exagerar seu auto-
relato de dor.

A mídia reforça esse problema de estigma ao representar sofredores de dor nas costas como
pessoas que distorcem sua experiência de dor, são indolentes ou preguiçosas e só precisam
experimentar a última "cura". Conforme observado pelos participantes, quase todos os
retratos de sofredores de dor nas costas na televisão são peças de exposição em que o
chamado sofredor de dor nas costas, geralmente em alguma forma de compensação, é visto
levando objetos pesados ou cavando no jardim, deixando claro que Sua reivindicação é
fraudulenta. Todos os participantes observaram que cônjuges e filhos do sofredor também
experimentam o estigma associado a dor nas costas crônica e não-maligna. Algumas pessoas
fora da família imediata vêem a esposa ou os pais como preguiçosos, porque nem sempre
podem fazer a sua contribuição habitual, pré-doença, para a unidade familiar. Como resultado,
as funções familiares são interrompidas, com as crianças freqüentemente assumindo o papel
de pai e com membros da família, muitas vezes precisam buscar a ajuda de um psicólogo.

Tema 5: medo do vício

O medo do vício é definido como um medo inicial de se tornar viciado em opióides usados
para administrar a dor. Os participantes falaram de serem rotulados como "viciados",
interessados em procurar drogas por meio de canais médicos, em vez de ilegais. Assim, o tipo
de medicação que é tomada geralmente deve ser "escondido" de amigos e conhecidos, a fim
de evitar uma estigmatização adicional - neste caso, que está associado à dependência de
drogas.

O vício é um medo totalmente infundado (Portenoy, 1993). Pode haver uma questão futura de
dependência. No entanto, isso pode ser abordado com relativa facilidade retirando a (s) droga
(s) lentamente sob supervisão médica. De acordo com Portenoy (1993), o vício significa que a
pessoa é psicologicamente dependente da droga, enquanto a dependência significa que a
pessoa é fisicamente dependente (ou o corpo é usado para "a droga").

Tema 6: "Todos os outros sabem melhor"

O tema "todos os outros conhecem melhor" representa o sentimento dos participantes que
eles foram vistos por outros como incapazes de tomar decisões informadas sobre seus
cuidados e desconheciam abordagens alternativas. Muitas vezes, com as melhores intenções,
as pessoas perguntam se alguém tentou a última "cura" da moda. Quando as pessoas sugerem
essas "curas" de moda, os participantes falaram de sentir que as pessoas não entendiam ou
acreditavam na gravidade de suas lesões ou dor, ou que estavam dispostos a submeter-se a
qualquer coisa que seja susceptível de ser benéfica. Todos os participantes tentaram muitas
terapias tradicionais e alternativas, mas depois de um tempo já não tentam tudo sobre o que
eles ouviram. Especialistas em gerenciamento de dor são geralmente especialistas e mantêm-
se atualizados com todos os desenvolvimentos mais recentes, tanto na Austrália como no
exterior.

Neste ponto, fiquei bastante satisfeito com a metodologia escolhida. No entanto, eu estava
tendo algumas dificuldades com a exclusão da minha voz. Com cada história que ouvi, queria
me referir às minhas próprias experiências de "validação mútua".

UMA RUPTURA NA VIAGEM

Eu experimentei uma pausa na jornada como resultado de um extenso período de


hospitalização após cirurgia maior. Devido a complicações no meu tratamento, tive que passar
por uma cirurgia de coração aberto para remover uma massa auricular direita. Também
descobriu-me que sofria de endocardite e septicemia. Escusado será dizer que fui forçado a
deixar uma licença do meu estudo, então, quando voltei a isso cerca de 18 meses depois, eu
precisava me re-imergir na minha pesquisa.

RECOMENDANDO A VIAGEM: EXPLORANDO AUTOETNOGRAFIA

Como já observamos, a metodologia proposta foi a teoria fundamentada. No entanto, em meu


retorno, em vista das minhas reservas crescentes sobre a teoria fundamentada, meu
supervisor sugeriu que eu explorasse a autoetnografia como um método. O termo
autoetnografia diz ter sido utilizado pela primeira vez por David Hayano em 1979, referindo-se
a "estudos de nível cultural por antropólogos de seus próprios" indivíduos ", nos quais o
pesquisador é um insider completo ..." (Ellis & Bochner, 2000, p. 739). Outro termo utilizado é
o do "pesquisador oportunista" (Reiner, citado em Ellis & Bochner, 2000, p. 741) ou o
"pesquisador indígena" (Tedlock, citado em Ellis & Bochner, 2000, p. 741), onde o O
pesquisador já é membro completo do grupo que está sendo estudado e a "pesquisa completa
de membros" é onde o pesquisador se converteu no grupo durante o processo de pesquisa
(Ellis & Bochner, 2000).

Minha primeira introdução a um estudo autoetnográfico foi a história de 'Abbie', com idéias do
autor, que sofreram de bulimia, anorexia e obesidade (Kiesinger, 1998b). Eu estava animado!
Sua história me moveu incrivelmente e não consegui descer. Senti uma conexão profunda e
empatia. A história de Abbie era uma das peças de escrita mais poderosas que eu já havia lido.
Eu consegui me ver em algumas das mesmas situações que a do participante, "Abbie", e senti
sua dor e angústia. Kiesinger (1998b) descreve Abbie passando por "uma epifania crucial" em
sua vida. Os pensamentos e sentimentos de Abbie sobre sua situação de vida em mudança
ecoam meus próprios. Ela está em um estágio onde ela tem que se reinventar. Abbie estava no
meio de uma separação de seu marido e de repente se viu tendo que "construir uma vida
separada dele" (Kiesinger, 1998b, parágrafo 17), e ter que encontrar maneiras de se sustentar
encontrando emprego e ela Fala sobre o medo associado a isso. Eu também tinha sofrido
rejeição e uma separação de meu marido, e encontrei-me ter que voltar a entrar na força de
trabalho para me apoiar.

Abbie descreve seu sentimento de perda durante o fim de seu casamento e como 'ela e seu
marido eram estranhos um para o outro' (Kiesinger, 1998b, parágrafo 18). Kiesinger (1998b)
captura esses sentimentos contando uma história que ilustra a "falta de sensibilidade e
compaixão por seus problemas" do marido de Abbie. Lendo isso, trouxe lembranças da falta de
apoio e compaixão de meu marido em relação à minha lesão nas costas e dor crônica severa.
Originalmente, meu marido apoiava minha primeira lesão. No entanto, quando os meses, os
anos passaram, ele começou a me ressentir e a minha lesão porque não podia participar do
estilo de vida físico de que ele gostava. Por exemplo, não podia ir esquiar com ele, nem
participar de nenhuma das atividades da neve, que era sua nova paixão. Em retrospectiva, esta
não foi a melhor decisão de ter feito, já que tornou mais evidente que estava desativado.

As idéias de Abbie (Kiesinger, 1998b) sobre o peso também ressoaram com a minha própria
história. Embora eu não seja bulímico ou anoréxico, eu, como os participantes que entrevistei,
sofreu ganho de peso como resultado da minha lesão, por causa da incapacidade de exercitar-
se , E como resultado da medicação. Eu tentei inúmeros planos de dieta, sem grande sucesso
no passado e, portanto, tenho problemas de imagem corporal. Eu poderia, portanto,
simpatizar com a história de Abbie, e suas idéias sobre obesidade me fizeram refletir sobre
minha própria condição.

A história de Christine Kiesinger (1998b) parecia muito mais evocativa e significativa, porque
ela também estava escrevendo sobre suas próprias experiências, bem como seu participante
Abbie. Foi também a forma como a história dela foi escrita. Os estudos autoetnográficos
geralmente são escritos na primeira pessoa e possuem várias formas, como poesia, histórias
curtas, revistas e ensaios pessoais, e prosa de ciências sociais (Bochner & Ellis, 1999). Nestes
textos, "ação concreta, diálogo, emoção, encarnação, espiritualidade e autoconsciência são
apresentados, aparecendo como histórias relacionais e institucionais afetadas pela história,
estrutura social e cultura, que são reveladas dialéticamente através da ação, sentimento,
pensamento e Linguagem '(Ellis & Bochner, 2000, p. 739). Bochner (1997, parágrafo 59)
contrasta os "textos acadêmicos" com os escritos na primeira voz. Os escritores de textos
acadêmicos são treinados para parecerem desapegados e objetivos, escondendo seu ser
pessoal. A voz pessoal é ridicularizada como sendo "macia, auto-indulgente e pouco
profissional, enquanto a voz acadêmica é exaltada como a voz da razão, objetividade e rigor"
(Tompkins, citado em Bochner, 1997, parágrafo 59). Bochner (1997, parágrafo 60) acredita que
"pagamos um preço íngreme pela produção de textos que sustentam a ilusão de desinteresse
e neutralidade ao manter a voz pessoal fora. Nosso trabalho está subestimado ... [até mesmo
leitores acadêmicos] acham que nossa bolsa é chata, seca e inacessível ... e o público
dificilmente sabe que existimos ".

Foi neste ponto que vi que usar uma abordagem autoetográfica era uma oportunidade para
usar as histórias dos participantes para aumentar minha compreensão da minha própria vida,
enquanto, ao mesmo tempo, usando minhas próprias experiências para compreender melhor
as histórias dos participantes (Kiesinger, 1998b ).
Ellis & Bochner (2000, pág. 739) descrevem a autoetnografia como "um gênero autobiográfico
de escrita e pesquisa que exibe múltiplas camadas de consciência, conectando o pessoal ao
cultural ... [Eles] se concentram em aspectos sociais e culturais de sua experiência pessoal;
Então eles olham para dentro, expondo um eu vulnerável que é movido por, e pode se mover,
refractar e resistir, interpretações culturais '. Após algumas leituras, vi um maior potencial para
o uso de uma abordagem autoétnográfica em meu próprio projeto de pesquisa. Ou seja, tinha
potencial para enriquecer minha experiência de pesquisa e análise de dados. Eu vi que eu
poderia usar minhas próprias experiências de dor nas costas crônica e não maligna e
hospitalização, como dados. Conseqüentemente, eu decidi mudar minha metodologia de uma
teoria fundamentada à autoetnografia.

ESCOLHENDO APROXIMAÇÃO AUTOETNOGRÁFICA

À medida que explorei a autoetnografia, descobri que havia várias formas de autoetnografia,
que ainda estou chegando a um acordo. Eles variam de autobiográfico, onde o pesquisador é o
único assunto, a biografia, onde um participante é o sujeito, como a história de Abbie, a
estudos escritos de maneira particular, como a poética, aos estudos em que o grupo estudado
é de Grupo racial ou étnico específico (Bochner & Ellis, 1999). Nesta fase, eu me inclino para a
autoetnografia narrativa; Contando as histórias de outros membros do grupo, bem como as
minhas.

Na etnografia narrativa, as experiências do etnógrafo são incorporadas na descrição e análise


etnográfica das experiências dos outros e a ênfase é no "diálogo etnográfico ou encontro entre
o narrador e os membros do grupo estudado" (Tedlock, citado em Ellis & Bochner, 2000 , Pág.
741). Bochner (1997, parágrafo 62) descreve a abordagem narrativa da pesquisa, como
explorando a maneira como "as histórias pedem aos leitores que sintam sua verdade e assim
se tornem totalmente comprometidas - moralmente, esteticamente, emocional e
intelectualmente". Ele considera que os textos que criamos mostram como as pessoas lidam
com experiências de vida difíceis, "como eles inventam novas formas de falar quando velhos
modos falham" (Bochner, 1997, parágrafo 68). Essas histórias:

Há muito a ser usado em vez de analisado, para ser contado e recontado ao invés de teorizado
e resolvido. E eles prometem a companhia de detalhes íntimos como substituto da solidão de
fatos abstraídos, tocando leitores onde vivem e oferecendo detalhes que permanecem na
mente (Bochner, 1997, parágrafo 63).

Como já observei, uma das principais razões pelas quais tomei a decisão de mudar minha
abordagem de pesquisa foi para que eu pudesse usar minhas próprias experiências de dor nas
costas crônica e hospitalização como dados. Conforme observado por Spigelman (2001,
parágrafo 6), a escrita autoetográfica insiste em que a narrativa da vida de um indivíduo é
tanto o produto quanto o processo de narrativas sociais e educacionais circundantes ". As
experiências pessoais são individuais para cada pesquisador. Cada pesquisador traz ao seu
estudo pesquisas diferentes influências, opiniões, pensamentos, sentimentos e experiências,
independentemente de serem ou não conscientes dessas influências. Da mesma forma, cada
pesquisador traz fatores contextuais pessoais para seu projeto de pesquisa. Esses fatores
incluem contextos culturais, históricos, sociais e políticos em que o pesquisador está imerso,
conscientemente ou subconscientemente (Ellis & Bochner, 2000).
Tradicionalmente, escrever para fins de pesquisa exigiu objetividade por parte do pesquisador.
Os seus próprios interesses, e até mesmo a razão pela qual o pesquisador realizou uma
questão específica de pesquisa muitas vezes permanecem obscuros. No entanto, informações
importantes sobre as descobertas de um pesquisador podem ser deduzidas pelo
conhecimento de seus antecedentes pessoais, sociais e políticos (Spigelman, 2001). Tendo
declarado meu status pessoal, aos participantes e na minha tese, as questões de objetividade
e viés são examinadas. Como o Banks & Banks (2000, parágrafo 63) observa: "o papel, as
percepções e as experiências do autor devem ser avaliadas juntamente com as reivindicações
do texto".

Como já se referiu, uma das razões para mudar de teoria fundamentada para autoetnografia
foi em relação à objetividade. Usando a metodologia da teoria fundamentada, o pesquisador é
solicitado a "coloquecer" seus próprios pensamentos, sentimentos e experiências do assunto
pesquisado. Como Berger & Kellner (1981, página 52), observa:

Como já se referiu, uma das razões para mudar de teoria fundamentada para autoetnografia
foi em relação à objetividade. Usando a metodologia da teoria fundamentada, o pesquisador é
convidado a ‘agrupar’ seus próprios pensamentos, sentimentos e experiências do assunto que
está sendo pesquisado. Como Berger & Kellner (1981, página 52), observe:

Se tal bracketing [de valores] não for feito, a empresa científica colapsa e o que o pesquisador
acredita perceber não é senão uma imagem espelhada de suas próprias esperanças e medos,
desejos, ressentimentos ou outras necessidades psíquicas; O que ele não perceberá é qualquer
coisa que possa razoavelmente ser chamada de realidade social.

Em contraste direto, Jackson (citado em Ellis & Bochner, 2000, p. 743) afirma que "as
qualidades reflexivas da comunicação humana não devem ser encadernadas em nome da
ciência". O efeito da realidade é criado na autoetnografia narrativa pelos textos E as histórias
produzidas. Os personagens são mostrados "incorporados nas complexidades dos momentos
vividos de luta" (Ellis & Bochner, 2000, p. 743). A separação tradicional do pesquisador e do
sujeito é transgredida pelo autor escrevendo na voz de primeira pessoa, Tornando-se o objeto
da pesquisa. Embora eu acredite que pode ter sido possível para eu colocar meus
pensamentos e sentimentos pessoais sobre o assunto que eu estava investigando, acredito
que será mais benéfico explorar minha riqueza de conhecimento sobre esse assunto em
particular. Além de sofrer de dor lombar crônica grave, também cuidei de pacientes com dor
nas costas crônica e dor crônica, e quando descrevem suas experiências de hospitalização,
muitas vezes eu vejo a enfermeira por perspectiva.

Passar à autoetnografia não comprometeu minhas próprias convicções ou valores filosóficos.


Eu sou uma fêmea anglo-celta e minhas convicções e valores filosóficos (incluindo o
compromisso de: veracidade, empatia, compaixão, justiça, igualdade e responsabilidade
ambiental) na pesquisa incluem tratar todos os participantes com respeito, dignidade,
compaixão e empatia, dando um 'Voz' para grupos marginalizados, e reportando aos
participantes comentários e críticas. Os pesquisadores feministas são encorajados a levar suas
descobertas e histórias preliminares aos participantes para seus comentários, para assegurar
que ambas as vozes individuais e coletivas sejam representadas com precisão. A busca de
comentários também habilita os participantes. Como pesquisadora feminista, um dos meus
objetivos é dar voz a um grupo de pessoas marginalizado e, possivelmente, facilitar a mudança
nas organizações (Koch, 1998, parágrafo 2).

PONER AUTOETNOGRAFIA NA PRÁTICA

Abordagens para entrevistar

Meu desafio agora é colocar a metodologia em prática enquanto continuo o estudo já iniciado.
Preciso pensar sobre a maneira como as coisas como abordagem de entrevistas podem mudar,
pois é minha intenção entrevistar sofredores de dor nas costas crônicos adicionais. Ser aceito
como membro do grupo, acredito, ajudará a enriquecer os dados coletados durante essas
entrevistas. Em entrevistas anteriores, enquanto os participantes conheciam meus
antecedentes, eles não estavam conscientes da extensão da minha deficiência. Uma vez que
os participantes estão conscientes de que eu também sofro de dor nas costas crônica, acredito
que eles estarão dispostos a divulgar seus pensamentos e sentimentos mais íntimos. Ao
mesmo tempo, eu sinto que as entrevistas que fiz até hoje permanecem válidas como parte de
meus dados, pois são ricas e significativas, e o processo de entrevista teve um grau de
interatividade, pois descobri que era impossível compartilhar algumas das Minhas
experiências.

Os autoetnógrafos enfatizam uma abordagem de entrevista interativa. Ainda estou


pesquisando esse aspecto da autoetnografia, mas entendo que o processo exige maior
participação na entrevista. Kiesinger (1998a, p. 129) observa que o pesquisador deve mostrar
"uma vontade de participar plenamente da conversa com o sujeito / parceiro de conversação,
para permitir que sua própria vida e história sejam examinadas e desafiadas". Precisarei estar
disposto a compartilhar os detalhes da minha própria vida. Por exemplo, eu poderei dizer "isso
aconteceu comigo também", o que ajudará a validar os sentimentos dos meus participantes.
Ser membro do grupo também me dá uma visão das questões gerais que enfrentam meus
participantes. Espero que essa visão me permita aprofundar ainda mais as experiências dos
meus participantes, usando minhas próprias experiências como guia. A autoetnografia difere
de outras metodologias porque o pesquisador é um membro do grupo que está sendo
estudado, ou seja, "o pesquisador como sujeito".

Eu permaneço muito consciente de que minha participação em uma entrevista interativa não
deve ofuscar a história do participante. Seria muito fácil começar dizendo "isso também
aconteceu comigo ...", e depois continuar e dar uma descrição detalhada desse incidente,
perdendo assim a visão de que estou lá para ouvir as histórias dos participantes. Também
estou ciente de que ainda devo estar aberto a novas experiências ou questões levantadas
pelos participantes. Outras pessoas experimentam a mesma situação de forma diferente e
entrarão em contato com problemas e incidentes que eu não experimentei. Por exemplo, uma
diferença óbvia será que eu não tenho filhos e não tenho que enfrentar nenhuma das pressões
e emoções que a dor crônica traz para suas vidas, então meu objetivo é dar aos participantes
uma voz - para não falar por eles.

Alguns pensamentos sobre análise


Pretendo fazer uma análise temática preliminar após cada entrevista, verificar se os temas
anteriores são corroborados ou refutados e se novos temas estão emergindo. Vou fazer essa
análise para que eu possa reavaliar as perguntas da minha entrevista, de modo a confirmar
temas anteriores e emergentes, semelhante à metodologia analítica da teoria fundamentada.
Compreendo que os autoetnógrafos usam uma forma de análise temática (Ellis & Bochner,
2000), que não é diferente da abordagem já tomada. No entanto, a ênfase não é tanto na
formação de categorias básicas, categorias e subcategorias, como é com a teoria
fundamentada, e o objetivo não é produzir uma teoria substantiva. Em vez disso, os dados são
analisados para temas - e os temas são explorados no contexto de significados sociais e
culturais. Em seguida, a realidade interna do participante é explicada, voltando a colocar o
tema no contexto de experiências passadas, medos, expectativas, idéias preconcebidas e
valores (Ellis & Bochner, 2000). Exemplos individuais do tema que capturam a essência do
tema são então entregues em uma história. Como Kiesinger (1998b, parágrafo 112) escreve:
"Pretendo conscientemente e intencionalmente produzir uma história escrita que seja uma
compreensão das experiências dos meus participantes, embora reconheça que esse
entendimento se reflete em minhas experiências emocionais".

Pensamentos sobre escrever a história

A abordagem autoétnográfica enfatiza a escrita desde o início do processo de coleta de dados.


Os pesquisadores são encorajados a usar um diário diário e a escrever reflexivamente,
"tecendo detalhes sobre suas próprias vidas e relacionamentos nas histórias que contam
sobre" Outros "(Bochner & Ellis, 1999, parágrafo 18). Como observa Kiesinger (1998b,
parágrafo 121), "como etnographers interpretativos, as frases que construímos, as imagens
que pintamos com nossas palavras, os personagens que representamos e as cenas que
trazemos à vida também são produtos de nossas próprias experiências Como os produtos das
relações que promovemos e compartilhamos com os nossos participantes ". Ao usar a voz da
primeira pessoa, Christine Kiesinger (1998b) lança Abbie como personagem central e narrador
central. O uso da voz de primeira pessoa empresta peso à narrativa pessoal e "acrescenta
energia e vitalidade, dando ... [a] história um poder evocativo bastante diferente do que
normalmente é realizado ao falar na terceira pessoa" (Kiesinger, 1998b, parágrafo 104) .
Quando bem escritas, as histórias dos participantes permitem que o leitor se imagine no
mundo dos participantes, formando uma compreensão empática (Koch, 1998).

REFLEXÕES PESSOAIS

Explorar autoetnografia me mostrou que ser "pesquisador como sujeito" não será
necessariamente uma jornada fácil. É provável que eu tenha que enfrentar memórias que eu
intencionalmente reprimidas. Eu tenho que estar preparado para reviver incidentes
emocionalmente dolorosos. Escrever sobre minhas próprias experiências também me deixa
em uma posição vulnerável. Uma vez que minha situação, experiências, pensamentos e
sentimentos estão no domínio público, estou aberto a comentários e até críticas. E se as
pessoas pensam que eu não lidava particularmente com situações específicas? Ellis & Bochner
(2000, p. 738) anotaram a vulnerabilidade de revelar-se, não podendo retomar o que você
escreveu ou ter algum controle sobre como os leitores interpretam o que você escreveu. É
difícil não sentir sua vida ser criticada ". Bruni (2002, parágrafo 30) enfatiza que o
"autoetnógrafo ético [deve] se envolver em práticas de pesquisa que ... não terão um impacto
negativo em si mesmas ou em outras". Tenho sido um paciente com dor crônica há 15 anos e
acredito que já passei pelo processo de auto-dúvida, e acredito que agora estou
emocionalmente equipado para lidar com as inseguranças que surgiram. Por outro lado,
reexaminar minha história pode provar ter recompensas, como me dar uma visão adicional
que pode tornar as futuras internações menos estressantes.

Como Ellis (Bochner & Ellis, 1999) observa, para produzir uma história autoétnográfica, é
necessário poder escrever bem, algo que poucos cientistas sociais podem "carregar". Embora
alguns projetos de pesquisa comecem com boas e interessantes questões de pesquisa, use
uma metodologia apropriada, o processo de documentar os resultados pode, às vezes, ser
menos do que adequado. Posso me ver escrevendo muitos rascunhos; Escrevendo e
reescrevendo cada frase para permitir que as histórias de meus e dos nossos participantes
ganhem vida para os leitores. Eu queria que eles se movessem, como eu era: identificar com as
histórias dos participantes, sentir empatia e compaixão e entender realmente como dor
crônica e não maligna e hospitalização afetam tanto o sofredor quanto seus entes queridos.

Ellis (Ellis & Bochner, 2000, parágrafo 2), falando sobre como ela gosta de se envolver por uma
história autoetnográfica, afirma: "Quero estar imerso no fluxo da história ... não querendo
chegar ao fim ... e Depois [para ser] incapaz de parar de pensar ou sentir o que experimentei '.
Espero sinceramente que eu possa escrever o suficiente para fazer justiça às histórias dos
meus participantes e minhas próprias. Eu sou extremamente afortunado por ter um supervisor
muito paciente e talentoso para me ajudar com minhas habilidades de escrita, e eu melhoro
visivelmente com cada rascunho, então há esperança!

CONCLUSÃO

Minha jornada de pesquisa mal começou. É um esforço extremamente empolgante e estou


ansioso para continuar a jornada. Basta pensar na metodologia, e escrever reflexivamente, me
dá uma motivação enorme para avançar e concluir minha pesquisa. Eu acredito que a
autoetnografia como metodologia de pesquisa é poderosa. Pesquisar e aprender sobre a
autoetnografia foi o início de uma jornada fascinante que me motiva a continuar meu estudo
de pesquisa. É meu objetivo apresentar as experiências de hospitalização de sofredores
crônicos de dor nas costas, de uma forma que se mova e envolver o leitor. Os pacientes com
dor nas costas crônicas são um grupo marginalizado de pacientes, sobre os quais muitos
estereótipos negativos são mantidos. A pesquisa sobre experiências de hospitalização de
sofredores de dor crônica é escassa. Se, no meu relatório final, o leitor entender e simpatizar
com alguns dos problemas enfrentados por essas pessoas, então, eu teremos capacitado os
participantes, dando-lhes uma voz.

References
Banks, S. & Banks, A. (2000). Reading ‘The Critical Life’. Autoethnography as pedagogy.
Communication Education, 49(3), 233–238.
Berger, P. L., & Kellner, H. (1981). Sociology reinterpreted: An essay on method and vocation.
Garden City, New York: Anchor Press/Doubleday.
Bochner, A. (1997). It’s about time: Narrative and the divided self. Qualitative Inquiry, 3(4),
418–438.
Bochner, A. & Ellis, C. (1999). Which way to turn? Journal of Contemporary Ethnography,
28(5), 465–499.
Bruni, N. (2002). The crisis of visibility: Ethical dilemmas of autoethnographic Research.
Qualitative Research Journal, 2(1), 24–33.
Burckhardt, C. (1990). Chronic pain. Nursing Clinics of North America, 25(4), 863–870.
Ellis, C. & Bochner (2000). Autoethnography, personal narrative, reflexivity. Researcher as
subject. In Y. S. Lincoln (Ed). The handbook of qualitative research (2nd ed., pp. 733–767).
Thousand Oaks, CA: Sage Publications.
Goffman, E. (1971). Relations in public. London: Allen & Unwin.
Kiesinger, C. (1998a). Portrait of an anorexic life. In S. P. Banks (Ed.), Fiction and social
research: By ice or fire (pp. 115–136). Walnut Creek, CA: AltaMira.
Kiesinger, C. (1998b). From interview to story: Writing Abbie’s life. Qualitative Inquiry, 4(1),
71–95.
Koch, T. (1998). Story telling: Is it really research? (Methodological issues in Nursing
Research). Journal of Advanced Nursing, 28(6), 1182–1190.
Leder, D. (1990). The absent body. Chicago: The University of Chicago Press.
Moss, A. (1988). Determinants of patient care: Nursing process or nursing attitudes? Journal of
Advanced Nursing, 13, 615–620.
Portenoy, R. (1993). Therapeutic use of opioids: Prescribing and control issues. In R. C.
Peterson (Ed.), Impact of prescription drug diversion control systems on medical practice
and patient care (pp. 35–90). Rockville, Maryland: United States Department of Health and
Human Services.
Spigelman, C. (2001). Argument and evidence in the case of the personal. College English,
64(1), 63–87.

Оценить