You are on page 1of 9

G N A R U S | 83

Artigo

DENTADURA POSTIÇA: O ROCK DURANTE A


DITADURA CIVIL-MILITAR BRASILEIRA (1964-
1985)
Por: Gustavo Silva de Moura

RESUMO
O presente artigo tem como objetivo explanar o Rock brasileiro durante o período de ditadura civil-militar
no Brasil, com isso a explanação do comportamento e sonoridade se dará sobre as décadas de 1960, 1970 e
1980. Atitudes contraculturais foram abraçadas por uma parte da juventude em vários lugares do mundo, por
meio do Rock, inclusive no Brasil, que se tornaria um terreno fértil para a construção de pensamentos
subversivos de uma juventude insatisfeita. Essa fertilidade se deu nas condições individuais e coletivas que os
indivíduos viviam inseridos.
Palavra-Chave: Rock, Ditadura Civil-Militar, Juventude, Contestação.

O
presente trabalho tem como objetivo vemos que o Rock, consideravelmente, aparece em
explanar as transformações do Rock1 vários momentos na história, com novas vertentes e
durante o período de ditadura civil- diferentes ideologias.
militar no Brasil, com isso a explanação do Grosso modo, o Rock pode ser divido em duas
comportamento e sonoridade se dará sobre as partes: o rock música e o rock comportamento. Este
décadas de 1960, 1970 e 1980. trabalho se mune do primeiro. O rock como uma
Discorrendo sobre essa temática temos como expressão musical compõe-se de vários aspectos
norteadores desse texto algumas questões: Quais as culturais: música, corpo, indumentária, mercado
atitudes dos roqueiros durante o período civil- fonográfico, imaginário, sensações, dentre outros.
militar brasileiro? Que bandas se destacaram nesse Nisso, vemos que o Rock é mais do que um simples
meio? Qual o reflexo do Rock na juventude desse estilo musical, ele ecoa os sons e transforma o
período? cotidiano da pessoa que escolhe seguir esse modo
O Rock por muito tempo foi objeto de estudo de de vida. Desde seus primeiros acordes, ele traz a
jornalistas que desde a década de 1960 narram a contracultura2 na sua composição que, mesmo
sua evolução musical. Diante dessa bibliografia sendo uma arte comercializada para as massas, não

1O termo Rock com letra maiúscula se refere ao clima minúscula) (CHACON, 1983. P. 19).
dos movimentos musicais e de rock música (com 2 Foi um termo veiculado pelos meios de comunicação
G N A R U S | 84

perdeu o espirito contestador. que não somente a fome ou o instinto humano é


O Rock assim como culturas que tem como bases causador de revoltas, mas também representações
a realidade local, é colocado como inferior pelas culturais de determinados grupos, lutam em frente
classes altas, pois seus praticantes são em grande às consequências sobre os costumes e crises da
parte das camadas economicamente inferior. Mas o sociedade capitalista.
alcance do Rock transpassa essas barreiras, Numa sociedade que saía de uma grande guerra,
conseguindo conquistar jovens de camadas altas, a juventude começou a ver ao seu modo os lados
mostrando que a cultura e os costumes são que se confrontavam: o comunista e o capitalista,
maleáveis em relação a diálogos entre os sujeitos regimes rivais que estavam em alta naquele
sociais interclasses. momento pós-guerra, chamada “Guerra Fria”. Mas
Eric Hobsbawm fala das transformações que nenhuma das alternativas oferecia uma perspectiva
começam a ficar evidentes na sociedade sendo “a de futuro que agradasse uma parte dos jovens. Com
terceira transformação em certos aspectos a mais isso, essa juventude começou a buscar alternativas
perturbadora, é a desintegração de velhos padrões que “agredissem” a sociedade como um todo. De
de relacionamento social humano, e com ela, aliás, todas essas contestações, nascem movimentos
a quebra dos elos entre as gerações, quer dizer, como o Hippie3, Rock Psicodélico, comunidades
entre passado e presente” (1995, P. 24). O Rock alternativas dentre outros.
conseguiu efetivamente quebrar esses elos
geracionais, pois consegue unir pessoas que O que é esse tal de rock?
coincidem com pensamentos similares. Após a Segunda Guerra Mundial, houve um
O Rock é uma cultura advinda do mundo grande crescimento populacional chamado de
capitalista como forma de subversão, mostrando “Baby Boom” 4, fazendo com que as décadas de

na década de 1960, onde caracteriza novas práticas 3 Era um movimento acorrido na década de 1960,
culturais, que agrediam diretamente aos hábitos das baseado na prática da Paz, vivencias em comunidades,
famílias de classe média que tinha ambição pela dentre outros fatores que caracterizam uma sociedade
ascensão social. Essa manifestação chamada de alternativa ao capitalismo mundial, no Brasil tivemos
contracultura não se limitava somente ao estético, como algumas comunidades consideradas Hippie, dentre elas
por exemplo, homens com cabelos grandes, roupas podemos destacar a comunidade baiana, organizada
coloridas, músicas ou drogas, eles também tinham como pelos integrantes da banda Novos Baianos, mostrando
projeto novas maneiras de pensar, modos diferentes de uma alternativa para a juventude em meio a ditadura
encarrar e de se relacionar com a sociedade. (PERREIRA, civil-militar.
1992. P. 08) 4 É uma definição genérica para crianças nascidas
G N A R U S | 85

1960 e 1970 tivessem um número significativo de Urbano foi fonte de inspiração para grandes
jovens, faixa etária importante para a crescente guitarristas como Eric Clapton, Jimi Hendrix e
expansão do consumo. Após esse crescimento outros. De cultura marginalizada, o Rock começou
populacional, já na metade da década de 1950, a a tomar um caráter de contracultura.
população jovem se constituía de um mercado Nos anos de 1950, a maioria das músicas rock
consumidor com proporções razoáveis. tinha temas juvenis, como conflitos amorosos,
O rock mesmo sendo originário dos Estados namoros e a vida adolescente sem regras. Nos anos
Unidos da América, teve grande difusão em vários de 1960, devido ao contexto de guerra e de lutas
outros países. Ele se adapta as condições sociais e pelos direitos civis dos negros, que os EUA estavam
culturais da realidade local5. Constituído de uma vivendo, as temáticas das músicas rock começam a
mistura de ritmos estadunidenses, o Rock and Roll mudar, inserindo temas que levassem a uma
obteve uma característica que marcou o seu reflexão política e às condições que a sociedade
começo, eram ritmos de brancos, pobres e negros estadunidense vivia.
em um mesmo estilo musical. Para a época e lugar, Temos no Rock a contracultura, que é constituída
causaria um desconforto em um país onde as pela subversão à sociedade, seja física, ou seja,
diferenças raciais ainda predominavam na intelectual dos conceitos e paradigmas
população. estabelecidos por ela (BRANDÃO; DUARTE, 1990,
O Rock and Roll no seu início vem como uma p.50). Esse “espírito crítico”, antes adotado pelo
cultura marginalizada. A cultura pode ser Rock and Roll, não tinha críticas políticas diretas ao
entendida como uma tradição estabelecida por um governo. A sua crítica vinha nos corpos daqueles
grupo, referindo-se às práticas relacionadas aos que o faziam, por ser um estilo que, em suas batidas,
processos técnicos, heranças de ideias, hábitos e inevitavelmente, leva seu espectador a sentir as
valores, sendo o que constitui um homem como vibrações sonoras, fazendo com que o dançar num
membro de alguma sociedade (BURKE, 2005, p, sentido libertador aconteça, sendo um exemplo
43). Porém a cultura não somente se limita a disso Elvis Presley:
reproduções de padrões culturais, sendo ela Se não houver reação corpórea "quente",
não há rock. É verdade que as cortes
dinâmica, propiciando transformações sociais.
renascentistas também dançavam. E é por
Temos uma das raízes do rock na música negra dos isso que eu digo "quentes": não pode haver
regras, cenas determinadas, linhas do salão a
EUA: o Blues. Com a migração negra nos anos de
cobrir, músculos tensos a esperar o próximo
Depressão e da Segunda Guerra Mundial essa movimento. O rock precisa de liberdade
física, o que ficou claro de Elvis (The Pelvis,
população começou a se instalar nos grandes
lembram-se?)(CHACON, 1983, p.13).
centros urbanos, criando várias comunidades afro-
americanas ao final da guerra, em 1945. Esse Blues Com o Rock, surge toda uma cultura de

durante uma explosão populacional - Baby Boom em culturais e sociais dessas duas décadas.
inglês, ou, em uma tradução livre significa “Explosão de 5 Para Paulo Chacon o Rock é originário dos EUA,

Bebês”. Em geral se refere aos filhos da Segunda Guerra possuindo o seu maior manancial de grupos, mas ele é
Mundial, já que logo após a guerra houve uma explosão absolutamente internacional. Pois a construção do Rock
populacional. Nascidos entre 1943 e 1964, hoje são é baseada na aproximação das culturas regionais e locais
indivíduos que foram jovens durante as décadas (CHACON, 1983. P.19-20)
de 60 e 70 e acompanharam de perto as mudanças
G N A R U S | 86

contestação juvenil, usada para chocar os padrões demonstrações contra a guerra do Vietnam,
quando os ouvir cantar as canções de Bob
morais da sociedade. A sociedade temia que sua
Dylan, senti de algum modo, e isto é muito
influência sobre os jovens, com sua dança difícil de definir, que esta é na verdade a
única linguagem revolucionária que hoje nos
“rebolativa”, fizesse a juventude subversiva. O rock
resta. (MARCUSE, 1990, p. 245).
funcionou como um modo de estabelecer uma
inversão psicológica na juventude branca. Essa Herbet Marcuse sentiu o mesmo que vários jovens
inversão psicológica era fazer com que o “jovem relatam sentir, mesmo sabendo que esse é um
branco”, viesse a ter valores da comunidade negra relato como o próprio Marcuse fala, “romântico”,
que era considerada inferior. Essa juventude se podemos perceber o poder revolucionário que o
tornou oprimida diante dos valores dos seus pais Rock traz em suas atitudes, sendo uma alternativa
por isso, tomavam para si valores da cultura negra. de contestação gerada por uma juventude
Mesmo tendo sido anexado à indústria cultural, marginalizada.
através da produção industrial6. O Rock ainda pode O Rock and Roll chega ao Brasil por meio do
ser definido como um tipo de linguagem cinema na década de 1950, mais precisamente em
revolucionária. Sobre isso temos como referência o 1955, com o filme “Sementes de Violência7” que foi
diálogo entre dois filósofos contemporâneos: exibido no eixo Rio-São Paulo, um filme que mostra
Theodor Adorno e Herbert Marcuse, que um drama juvenil que tinha como trilha sonora o
discordam sobre o sentido que a arte pode ter. rock and roll (PAVÃO, 1989, p. 21).
Adorno coloca que a arte tornou-se uma
mercadoria e por conta dessa relação de troca e
lucro de quem a obtêm, não consegue tomar uma
posição de mudança na sociedade, pois ela serve
aos interesses capitalistas. Marcuse nos coloca
outro ponto de vista, onde as práticas artísticas
levam em si à sensibilidade de uma “verdade” e que
mesmo podendo ser comercializada, não perde
esse caráter de transmissão de vida singular.
Na década de 1960, nos EUA, o Rock começa a ser
veiculado não somente como uma agressão visual,
como Elvis e a juventude transviada relatadas no
cinema, mas também como uma contestação
política no contexto de suas músicas. Marcuse
afirmou que:
Quando assisti e participei de suas

6 Abrange, além da música, setores do lazer, esportes, baseado em um romance de Evan Hunter que tem como
cinema, imprensa (tanto a escrita como a falada), título original “The Blackboard Jungle”, que mostrava um
espetáculos públicos, literatura, moda, resumindo, a drama juvenil que tinha como trilha sonora o Rock and
indústria cultural são produtos que caracterizam o estilo Roll,. No Brasil foi exibido com o nome Sementes de
de vida do homem contemporâneo do meio urbano- Violência, teve exibições no Brasil dentro do eixo Rio-
industrial. (CALDAS, 1986. P 83) São Paulo, na década de 1950.
7 Filme estadunidense, filmado por Richard Brooks,
G N A R U S | 87

O Brasil vivia um período chamado de “Anos É proibido proibir essa mosca na sopa, que país é
esse?!
Dourados”, Jucelino Kubitscheck tinha como plano
Os militares por mais de vinte anos, entre 1964 e
de metas do seu governo o desenvolvimento
1985, governaram o Brasil dando início a novo
brasileiro: Slogan, “50 anos em 5” . Com esse plano
período ditatorial no país, tendo como ápice
de desenvolvimento, havia um incentivo à indústria
repressor o AI59, que durou de 1968 a 1978. Temos
estrangeira, com isso cresce o consumo, não
como determinações influentes no âmbito da
somente no Brasil, mas em todo mundo. Os Estados
música:
Unidos da América buscavam perpetuar o seu estilo
 Proibia manifestações populares de caráter
de vida, vendendo uma imagem: o American Way
político;
of Life (Modo de Vida Americano). No Brasil os EUA
 Suspendia o direito de habeas corpus (em
tinham ajuda de empresas de Rádio e de Televisão.
casos de crime político, crimes contra ordem
Essa indústria do consumo via grande força no
econômica, segurança nacional e economia
mercado jovem, o maior reflexo do poderio de
popular).
compra da juventude foi refletido na indústria de
 Impunha a censura prévia para jornais,
discos (HOBSBAWN, 1995. p. 321-322). No Brasil a
revistas, livros, peças de teatro e músicas.
propaganda e o sistema de crediário aumentavam,
O rock da década de 1960 tem como
estendendo o poder de consumo da juventude.
protagonistas, bandas e artistas, da Jovem Guarda e
Como uma das consequências temos a chegada do
Tropicália. Se a Jovem Guarda era o reflexo dos
rock and roll na década de 1950, havendo registro
da primeira gravação de rock and roll brasileiro8.
Beatles fase “iê-iê-iê” 10, a Tropicália era o reflexo
dos Beatles na fase “Revolver11”. O primeiro foi
Influenciados pelo rock and roll americano, que
colocado como forma de protesto e o segundo
chegava ao Brasil pelo cinema, os jovens brasileiros
como despolitizado. Com a justificativa que em
começavam a imitar os personagens dos filmes,
uma época de tanta repressão, ao invés de estarem
vestindo as mesmas roupas, anexando palavras em
protestando contra os abusos da ditadura, estavam
inglês a sua fala. Isso mostra que parte da juventude
cantando músicas que falavam de carros, garotas e
brasileira começava a se inserir em um sistema que
festas, ostentando assim uma imagem dita “norte-
tinha como base uma cultura estrangeira, mas que
americanizada”, numa época de tanta repressão. O
poderia se encaixar às condições do Brasil.
segundo foi colocado por alguns como subversivo,
Podendo haver semelhanças entre os conflitos da
mesmo assim ocorreram momentos em que foram
juventude, seja no âmbito social, seja no individual.
estigmatizados.

8 O Primeiro rock and roll feito por brasileiros é uma determinação deste ato que afetou diretamente as artes
composição de Miguel Gustavo, com o título, “Rock and foi a censura prévia para jornais, revistas, livros, peças de
Roll em Copacabana” essa música foi gravada por Cauby teatro e música.
Peixoto pela RCA em Janeiro de 1957, mas só foi lançada 10 Fase iê-iê-ê remete à música “She Loves You”, que tem

em Maio. (MOURA, 2013. P. 70) como refrão “She loves you Yeah, yeah, yeah”, na qual
9 O Ato institucional Numero 5 (AI5) foi instituído no fala de um drama amoroso adolescente, tema tratado
Governo Costa e Silva em 13 de dezembro de 1968 e correntemente nas composições da jovem guarda.
perdurou até o Governo Geisel sendo extinto em 1978, 11 Disco de 1966 que é considerado como o grande

ele concedia poderes plenos ao Presidente da República marco da psicodelia e da contracultura, em que mostra
para dar recesso à Câmara dos Deputados, Assembleias um Beatles, maduro e ousado (DAPIEVI; ROMANHOLLI,
Legislativas e Câmaras de vereadores, sendo que o 2004. P. 32,33)
Presidente assumiria a função desses poderes. A
G N A R U S | 88

A Tropicália até hoje é apontada como parâmetro Proibir”, cantada por Caetano Veloso, debaixo de
para arte politizada em questões musicais, tendo vaias no III Festival da canção em 1968 e
uma significativa participação no Rock brasileiro. desclassifica após Caetano ter discutido com a
Uma de suas peças, Os Mutantes, aparece na capa plateia no meio da apresentação.
do disco manifesto: “Tropicália ou Panis et “Me dê um beijo meu amor / Eles estão nos
esperando/ Os automóveis ardem em
Circenses”, mesmo não sendo um disco de rock
chamas/ Derrubar as prateleiras/ As
tinha uma postura Rock em seus integrantes. Os estantes, as estátuas/ As vidraças, louças/
Livros, sim…/ E eu digo sim/ E eu digo não ao
Mutantes era uma banda de rock classificada como
não/ E eu digo: É!/ Proibido proibir/ É
progressivo. Foi muito criticada pela juventude dita proibido proibir…”13
“politizada” por ser acusada de ceder ao espírito
Em 27 de dezembro de 1968, Veloso e o parceiro
capitalista norte-americano12.
Gilberto Gil foram presos, acusados de terem
Temos como um exemplo de uma música com
desrespeitado o hino nacional e a bandeira
estrutura e atitude Rock à canção “È proibido
brasileira. Foram levados para o quartel do Exército
de Marechal Deodoro, no Rio de Janeiro e tiveram
suas cabeças raspadas. Ambos foram soltos em 19
de fevereiro de 1969 e seguiram para Salvador,
onde tiveram de se manter em regime de
confinamento, sem aparecer nem dar declarações
em público. Em julho de 1969, Caetano e Gil
partiram com suas mulheres para o exílio na
Inglaterra.
A década de 1970 foi o período em que a ditadura
mais reprimiu, a instituição do AI-5, forçou muitos
artistas a saírem do país. Foram excluídos do país
ícones como Raul Seixas, que defendia uma
sociedade alternativa, fora dos padrões
estabelecidos pelos governos e sociedade, baseada
Caetano Veloso de Verde com sua roupa de
na Thelema. Raul Seixas é colocado como o
plástico, juntamente com a banda Os Mutantes,
todos de Laranja patriarca do BRock14. A partir do 7º FIC15, Raul se

12 Rock progressivo é um rock com pretensões de “obra produzido no final da década de 1970 e 1980. “Brock: Era
de arte”, usa influências de música erudita, Jazz e ritmos o reflexo retardado no Brasil menos da música do que da
regionais. Os maiores ícones desse estilo são Pink Floyd, atitude do movimento punk anglo-americano: do-it-
Frank Zappa, Yes, Genesis, dentre outros. No Brasil yourself, ainda que não saiba tocar, ainda que não saiba
algumas das principais bandas são: O Terço; Perfume cantar, pois o rock não é virtuoso. Era um novo rock
Azul do Sol; Som nosso de cada dia; Terreno Baldio brasileiro, (…) falado em português claro das coisas
dentre outras. comuns ao pessoal de sua própria geração: amor, ética,
13 Trecho da canção “É proibido proibir” interpretada por sexo, política, polaroides urbanos, dores de crescimento
Caetano Veloso na eliminatória do III FIC da TV Globo, e maturação – mensagens transmitidas pelas brechas do
em 15 de setembro de 1968, sendo desclassificada e processo de redemocratização. Era um corte proposital
amplamente vaiada pelo público, gerando uma em relação à MPB, era a valorização da juventude nos
discussão entre Caetano Veloso X Plateia. anos 80. diz Renato Russo” (DAPIEVI, 1995. P 195,196)
14 Termo utilizado para definir o Rock Brasileiro 15 7º FIC: 7º Festival Internacional da Canção realizado
G N A R U S | 89

era. Era uma coisa mais espiritual. Preferiria


dizer que tinha pacto com o demônio a dizer
que tinha parte com a revolução. Então foi
isso, me escoltaram até o aeroporto." (...)
(Raul Seixas sobre o exílio ocorrido em 1974,
em uma entrevista publicada na revista Bizz,
em março de 1987)

Nos anos de 1970 outros artistas fizeram sons


marginais. Outro grupo foi o Secos & Molhados,
que mesmo tendo pouco menos de três anos de
duração, foi marcante no Rock brasileiro. Serviu de
Imagem retirada do Clipe Mosca na Sopa, música
de 1973, mostra Raul Seixas e Capoeiristas, embrião para a década de 1980. Vemos que o rock
atividade ilegal na época. brasileiro começou a se fortalecer na década de 70,
tornaria uma referência para aqueles que insistiam período em que começa o processo de
em fazer Rock no Brasil. redemocratização do Brasil.
Raul Seixas teve canções censuradas pela O Brasil no governo do general Geisel viveu um
ditadura civil-militar por serem ofensivas aos bons período de endividamento econômico, mas
“costumes da época”. Algumas canções censuradas: diferentemente dos outros países na década de
Mosca na Sopa/ Cachorro Urubu/ Sociedade 1970, desenvolveu uma política de metas
Alternativa/ Como Vovó Já Dizia/ Sapato 36/ Abre- ambiciosas, mostrando para o mundo uma
te Sézamo/ Aluga-se/ Metrô Linha 743/ Mamãe Eu tranquilidade, que para o povo brasileiro não era
não Queria/ Cowboy Fora da Lei. Temos como palpável. Com isso, o Brasil começa a ser mostrado
exemplo a música “Mosca na Sopa”, do disco Krig- na comunidade internacional como a oitava
há, Bandolo de 1973: potência mundial, fazendo com que acontecessem
várias parcerias com outros países, mas a crise
Eu sou a mosca/ Que pousou em sua sopa/ Eu nacional viria a seguir, por exemplo, a “crise do
sou a mosca/ Que pintou prá lhe abusar… (...) petróleo” em 1973.
E não adianta/ Vir me detetizar/ Pois nem o
DDT/ Pode assim me exterminar/ Porque A partir do momento de Abertura Política, o Rock
você mata uma/ E vem outra em meu lugar. começou a ter mais força no país, emergiram
grupos em São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília,
Raul Seixas relata sua prisão em 1974 do
estados que tiveram mais repercussão no cenário
seguinte modo:
brasileiro. Formou-se assim a primeira divisão do
BRock, como coloca Arthur Dapievi, em seu livro
“Veio uma ordem de prisão do Exército e
me detiveram no Aterro do Flamengo. Me BRock: O rock no Brasil dos anos 80. Mas não
levaram para um lugar que não sei onde era. podemos esquecer que não somente nesses
Imagine a situação: estava nu, com uma
carapuça preta. E veio de lá mil barbaridades. grandes centros houveram emergência de bandas
Tudo para eu dizer os nomes de quem fazia de rock. Paralelo a esses centros surgiram divisões
parte da Sociedade Alternativa, que,
segundo eles, era um movimento de base do BRock, em várias outras localidades do
revolucionário contra o governo. O que não

em 1972.
G N A R U S | 90

Após o Rock in Rio 1985, começa emergir bandas


em várias localidades do Brasil, dos mais variados
estilos de rock. Assim houve um fortalecimento do
Heavy Metal brasileiro que começava a ter força
em Minas Gerais, com bandas que são referências
mundiais, como o Sepultura e Sarcófago.
Com esse cenário de crescimento comercial,
ocorre o surgimento de várias bandas e de novos
admiradores em todas as camadas sociais a partir
da década de 1990. Por conta desses novos
admiradores, de classes altas da sociedade, essas
Carimbo da Censura na música Faroeste Caboclo
da banda Legião Urbana bandas compostas por filhos de empresários e
políticos, conseguem se inserir mais ativamente na
Brasil, como em estados do Nordeste e Norte do indústria fonográfica, buscando seu “lugar ao sol”
país. no mundo midiático, fazendo com que tenham mais
Temos como um dos marcos do avanço do Rock cuidados em tratar de temas agressivos, para
brasileiro o festival chamado Rock in Rio, que manter sua imagem na mídia e vender mais discos,
aconteceu no ano de 1985, considerado um dos ampliando assim a aceitação na sociedade, mesmo
maiores festivais do mundo. As principais bandas do que não inteiramente.
cenário Rock/Metal mundial se apresentaram nesse
festival, nomes como os dos alemães do Scorpions,
dos ingleses do Iron Maiden e dos australianos do
AC/DC, bandas que estavam no auge de suas
carreiras e que antes nunca estiveram no Brasil.
Esse festival levou bandas do cenário nacional
para abrir os shows dessas grandes bandas. Entre as
que abriram esses shows, temos o Barão Vermelho,
Paralamas do Sucesso, dentre outros. Na
apresentação da banda Barão Vermelho, seu
vocalista até então, enfatizou a situação política
que o Brasil vivia, antes da última música da banda
na noite, intitulada “Pro dia nascer feliz”:

Estamos bem por um triz/ Pro dia nascer


feliz(...)/ O mundo inteiro acordar/ E a gente Foto do Público no Rock in Rio 1985
dormir, dormir/ Pro dia nascer feliz/ Pro dia
nascer feliz/ O mundo inteiro acordar/ E a
gente dormir...16

16 Música do álbum, Barão Vermelho 2 (1983), sendo, ultima canção da banda no Rock in Rio 1985.
G N A R U S | 91

Considerações finais CALDAS, Waldenyr. O que todo cidadão precisa saber


sobre cultura. São Paulo: Global, 1986.
Atitudes contraculturais foram abraçadas por CHACON, Paulo. O Que é Rock. 3. Ed, São Paulo:
uma parte da juventude em vários lugares do Brasiliense, 1983.
DAPIEVE, Arthur. Brock: O rock brasileiro dos anos 80.
mundo, inclusive no Brasil, que se tornaria um Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.
______________; ROMANHOLLI, Luiz Henrique. Guia de
terreno fértil para a construção de pensamentos rock em CD. 2. Ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.,
subversivos de uma juventude insatisfeita. Essa 2004.
HOBSBAWN, Eric. Era dos Extremos: O breve século XX
fertilidade se deu nas condições individuais e 1914-1991 São Paulo, Cia das Letras, 1995.
PEREIRA, Carlos Alberto M.. O que é Contracultura. 3°
coletivas que os indivíduos viviam inseridos. No Ed. Editora Brasiliense, 1983.
caso do Brasil, uma sociedade caracterizada por ter MARCUSE, Herbert. A Arte na Sociedade
Unidimencional. In: LIMA, Luiz Costa (Org). Teoria da
um padrão familiar e de religião católica que Cultura de Massa. 4. Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra,
1990, pg. 245-256.
estabelece regras, e vários outros fatores, além MOURA, Gustavo Silva. Primeiros acordes distorcidos: a
disso, o sistema governamental que retirava da construção de um rock and roll brasileiro na década
de 1950. Gnarus- Revista de História, v. 3, Rio de
população seus direitos sobre a política, Janeiro: 2013. P. 65-72.
NAPOLITANO, Marcos. História & Música. 2. ed. Belo
encontramos oposição na subjetividade de cada Horizonte: Autêntica, 2005.
sujeito inserido nesse meio. PAVÃO, Albert. Rock Brasileiro 1955-65: Trajetória,
Personagens e Discografia, São Paulo: EDICON,
Com novos anseios, a juventude passa a buscar na 1989.
REIS, Daniel Aarão. Ditadura militar, esquerdas e
música uma alternativa de vida, fazendo com que
sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2000.
talentos individuais surgissem, mas enfatizando o SAGGIORATO, Alexandre. Anos de chumbo: rock e
repressão durante o AI-5. Passo Fundo: Ed.
sentimento de colaboração entre os praticantes do Universidade de Passo Fundo, 2012.
Rock. O movimento Rock estava em todas as
camadas sociais, seja ela a classe rica seja da classe
pobre.
Novas possibilidades se abriram, a partir da
inserção do rock na política institucional, fazendo a
juventude tornar-se ativa na criação e elaboração
de shows, evidenciando que os poderes públicos e
privados perceberam o crescimento e vincularam-
se em alguns momentos a “Cena Rock” local. O
rock, portanto, constitui uma relação de
negociação política e cultural.

Gustavo Silva de Moura é Graduado em Licenciatura


Plena em História Pela Universidade Estadual do Piauí-
UESPI e Especializando em História do Brasil pela
UCAM.

Referências
BRANDÃO, Antônio Carlos; DUARTE, Milton Fernandes.
Movimentos Culturais da Juventude. São Paulo:
Moderna, 1990.
BURKE, Peter. O que é história cultural?. Rio de Janeiro:
Zahar, 2005.