Вы находитесь на странице: 1из 108

Sumário

Língua Portuguesa���������������������������������������������������������������������������������������15
1. Interpretação e Compreensão de Texto��������������������������������������������������������� 17
2. Gêneros Textuais��������������������������������������������������������������������������������������������� 23
3. Ortografia�������������������������������������������������������������������������������������������������������� 32
4. Acentuação Gráfica����������������������������������������������������������������������������������������� 38
5. Reescritura de Frases e Parágrafos do Texto������������������������������������������������� 41
6. Coerência Textual������������������������������������������������������������������������������������������� 48
7. Emprego das Classes de Palavras������������������������������������������������������������������� 54
8. Sintaxe ������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 81
9. Interpretação de Textos�������������������������������������������������������������������������������� 103
10. Redação de Correspondências Oficiais������������������������������������������������������ 109
Redação������������������������������������������������������������������������������������������������������115
1. Redação para Concursos Públicos �������������������������������������������������������������� 116
2. Dissertação Expositiva e Argumentativa����������������������������������������������������� 127
Raciocínio Lógico �������������������������������������������������������������������������������������144
1. Proposições���������������������������������������������������������������������������������������������������� 149
2. Argumentos��������������������������������������������������������������������������������������������������� 159
3. Psicotécnicos������������������������������������������������������������������������������������������������� 167
4.  Análise Combinatória���������������������������������������������������������������������������������� 174
5. Probabilidade������������������������������������������������������������������������������������������������ 181
6. Teoria dos Conjuntos����������������������������������������������������������������������������������� 188
7. Conjuntos Numéricos����������������������������������������������������������������������������������� 193
8.  Sistema Legal de Medidas���������������������������������������������������������������������������� 200
9. Razões e Proporções�������������������������������������������������������������������������������������� 203
10. Porcentagem e Juros����������������������������������������������������������������������������������� 209
11.  Sequências Numéricas������������������������������������������������������������������������������� 212
12.  Matrizes, Determinantes e Sistemas Lineares������������������������������������������ 219
13.  Funções, Função Afim e Função Quadrática������������������������������������������� 228
14.  Função Exponencial e Função Logarítmica���������������������������������������������� 239
15.  Trigonometria��������������������������������������������������������������������������������������������� 243
16.  Geometria Plana����������������������������������������������������������������������������������������� 249
17.  Geometria Espacial������������������������������������������������������������������������������������ 258
Noções de Informática������������������������������������������������������������������������������273
1.  Software�������������������������������������������������������������������������������������������������������� 275
2.  Linux������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 286
3. Windows�������������������������������������������������������������������������������������������������������� 290
4. Sistema Windows 10������������������������������������������������������������������������������������� 296
5. Microsoft Word 2013������������������������������������������������������������������������������������ 313
Sumário
6. Microsoft Excel 2013������������������������������������������������������������������������������������� 320
7. Microsoft PowerPoint 2013�������������������������������������������������������������������������� 328
8.  BrOffice Writer – Editor de Texto ������������������������������������������������������������� 333
9. BrOffice Calc – Editor de Planilhas ������������������������������������������������������������ 346
10. BrOffice Impress - Editor de Apresentação���������������������������������������������� 356
11.  Redes de Computadores���������������������������������������������������������������������������� 364
12.  Cloud Computing�������������������������������������������������������������������������������������� 374
13.  Segurança da Informação�������������������������������������������������������������������������� 378
Noções de Administração��������������������������������������������������������������������������384
1. Administração Pública��������������������������������������������������������������������������������� 387
2. Teorias Administrativas������������������������������������������������������������������������������� 396
3. Processo Administrativo (Organizacional)������������������������������������������������� 414
4. Noções de Gestão de Pessoas������������������������������������������������������������������������ 456
5. Liderança������������������������������������������������������������������������������������������������������� 461
6. Conflitos nas Organizações�������������������������������������������������������������������������� 468
7. Gestão da Qualidade������������������������������������������������������������������������������������� 478
8. Métodos de Previsão de Estoques���������������������������������������������������������������� 502
9. Custos do Estoque����������������������������������������������������������������������������������������� 504
10.  Arquivística: Princípios e Conceitos��������������������������������������������������������� 510
11.  Gestão da Informação e de Documentos�������������������������������������������������� 529
12.  Tipologias Documentais e Suportes Físicos�������������������������������������������� 556
13. Documentos Eletrônicos e Digitais������������������������������������������������������������ 567
14.  Legislação Arquivística������������������������������������������������������������������������������ 579
15.  Licitação������������������������������������������������������������������������������������������������������ 611
16. Ética no Serviço Público����������������������������������������������������������������������������� 623
17. Resoluções 1 a 10 da Comissão de Ética Pública da Presidência da
República����������������������������������������������������������������������������������������������������������� 634
Noções de Estatística���������������������������������������������������������������������������������654
1. Estatística Descritiva������������������������������������������������������������������������������������� 655
2. Medidas de Dispersão ou de Variação��������������������������������������������������������� 672
3. Medidas de Forma: Assimetria e Curtose���������������������������������������������������� 680
Noções de Direito Constitucional�������������������������������������������������������������686
1. Princípios Fundamentais da República Federativa do Brasil�������������������� 689
2. Direitos Fundamentais - Direitos e Garantias Individuais e Coletivos����� 696
3. Direitos Sociais���������������������������������������������������������������������������������������������� 717
4. Direitos de Nacionalidade���������������������������������������������������������������������������� 728
5. Direitos Políticos e Partidos Políticos��������������������������������������������������������� 735
6. Organização Político-Administrativa do Estado���������������������������������������� 742
Sumário
7. Administração Pública��������������������������������������������������������������������������������� 753
8. Poder Legislativo, Executivo e Judiciário���������������������������������������������������� 774
9. Funções Essenciais à Justiça������������������������������������������������������������������������� 800
10. A Defesa do Estado e das Instituições Democráticas�������������������������������� 815
11. Ordem Social����������������������������������������������������������������������������������������������� 822
Noções de Direito Administrativo������������������������������������������������������������839
1. Conceitos Introdutórios de Direito Administrativo���������������������������������� 842
2. Atos Administrativos������������������������������������������������������������������������������������ 849
3. Agentes Públicos������������������������������������������������������������������������������������������� 863
4.  Lei nº 8.112, de 11 de Dezembro de 1990��������������������������������������������������� 878
5.  Poderes e Deveres Administrativos������������������������������������������������������������ 932
6.  Princípios Fundamentais da Administração Pública�������������������������������� 940
7. Responsabilidade Civil do Estado���������������������������������������������������������������� 946
8.  Improbidade Administrativa���������������������������������������������������������������������� 949
9.  Serviços Públicos������������������������������������������������������������������������������������������ 954
10. Controle da Administração Pública���������������������������������������������������������� 967
Noções de Direito Penal����������������������������������������������������������������������������975
1. Introdução ao Direito Penal e Aplicação da Lei Penal������������������������������� 977
2. Do Crime������������������������������������������������������������������������������������������������������� 994
3. Concurso de Crimes������������������������������������������������������������������������������������ 1012
4. Dos Crimes Contra a Pessoa���������������������������������������������������������������������� 1017
5.  Dos Crimes Contra o Patrimônio������������������������������������������������������������� 1051
6. Dos Crimes Contra a Dignidade Sexual���������������������������������������������������� 1079
7.  Dos Crimes Contra a Fé Pública��������������������������������������������������������������� 1086
8.  Dos Crimes Contra a Administração Pública������������������������������������������ 1097
9. Lei nº 8.072/1990 Crimes Hediondos�������������������������������������������������������� 1136
Noções de Direito Processual Penal��������������������������������������������������������1142
1. Disposições Constitucionais Aplicáveis ao Processo Penal��������������������� 1144
2. Introdução ao Direito Processual Penal���������������������������������������������������� 1148
3. Inquérito Policial���������������������������������������������������������������������������������������� 1151
4. Ação Penal��������������������������������������������������������������������������������������������������� 1163
5. Prova������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 1170
6. Lei nº 9.296/1996 Interceptações Telefônicas������������������������������������������� 1183
7. Do Juiz, do Ministério Público, do Acusado e Defensor, dos Assistentes
e Auxiliares da Justiça������������������������������������������������������������������������������������� 1186
8. Da Prisão, das Medidas Cautelares e da Liberdade Provisória���������������� 1192
9. Procedimento dos Crimes de Responsabilidade do Funcionário Público�������� 1204
10. Habeas Corpus e seu Processo����������������������������������������������������������������� 1207
Sumário
Legislação Penal Extravagante����������������������������������������������������������������1214
1. Lei nº 10.826/2003 Estatuto do Desarmamento���������������������������������������� 1217
2. Lei nº 7.716/1989 Lei de Discriminação Racial����������������������������������������� 1226
3. Lei nº 5.553/1968 Apresentação e Uso de Documento de Identificação
Pessoal�������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 1231
4. Lei nº 4.898/1965 Abuso de Autoridade���������������������������������������������������� 1234
5. Lei nº 9.455/1997 Lei de Tortura���������������������������������������������������������������� 1239
6. Lei nº 8.069/1990 Estatuto da Criança e do Adolescente������������������������� 1245
7. Lei nº 12.850/2013 Da Organização Criminosa (Revoga a Lei nº
9.034/1995)������������������������������������������������������������������������������������������������������ 1278
8. Lei nº 7.210/1984 ���������������������������������������������������������������������������������������� 1285
Lei das Execuções Penais�������������������������������������������������������������������������������� 1285
9. Lei nº 9.099/1995 Juizados Especiais Cíveis e Criminais�������������������������� 1307
10. Lei nº 10.259/2001 Juizados Especiais Federais�������������������������������������� 1319
11. Lei nº 11.340/2006 Lei Maria da Penha��������������������������������������������������� 1324
12. Lei nº 11.343/2006 Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre
Drogas (Sisnad)����������������������������������������������������������������������������������������������� 1331
13. Direito do Consumidor���������������������������������������������������������������������������� 1343
14. Decreto-Lei nº 3.688/1941 Lei das Contravenções Penais���������������������� 1362
15. Lei nº 9.605/1998 Lei dos Crimes Ambientais ���������������������������������������� 1373
16.  Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH)������������������������ 1387
1. Interpretação e Para Ranulfo, uma solução possível para o fim da in-
fidelidade partidária poderia ser o uso de mecanismos
Compreensão de Texto como o sistema de listas, praticado na Europa. “Mas a
alternativa mais simples seria a adoção de uma nova
O que é Interpretar Textos? legislação”, avalia. A lei poderia, por exemplo, obrigar
o deputado a permanecer na mesma legenda até o fim
do mandato. Já existe um projeto de lei para combater
Interpretar textos é, antes de tudo, compreender a infidelidade partidária, que está em trâmite há algum
o que se leu. Para que haja essa compreensão, é ne- tempo e nunca foi votado. “Evidentemente, por trás
cessária uma leitura muito atenta e algumas técnicas disso, há um interesse dos próprios deputados”.
que veremos no decorrer dos textos. Uma dica im-
(FERREIRA, Pablo Pires. Ciência Hoje, mar. 2001.)
portante é fazer o resumo do texto por parágrafos.
01. (UFPR) Indique a alternativa em que a expressão
EXERCÍCIOS COMENTADOS entre colchetes pode substituir o trecho grifado,
mantendo o mesmo sentido da expressão original.
Causas da infidelidade partidária no Brasil a) A infidelidade partidária é uma peculiaridade
da política brasileira. [é uma idiossincrasia]
A infidelidade partidária é uma peculiaridade da b) (...) cerca de 30% dos deputados federais
política brasileira. Não é raro observar parlamentares mi- mudaram de sigla ao longo da legislatura.
grarem de uma legenda para outra durante o mandato. [através da legislação]
Entre 1985 e 1998, por exemplo, cerca de 30% dos depu- c) Ranulfo (...) constatou duas causas princi-
tados federais mudaram de sigla ao longo da legislatura. pais para a inconstância dos parlamentares.
O fenômeno, pouco comum em qualquer democracia,
é recente no Brasil. No intervalo entre 1946 e 1964, não [para a inconsistência]
houve muitos casos de mudança de partido. d) Já existe um projeto de lei para combater a
infidelidade partidária, que está em trâmite
Identificar os motivos da infidelidade partidária foi o (...). [está em transe]
objetivo da tese de doutorado de Carlos Ranulfo Félix de
e) O chamado ‘baixo clero’ procede desse

LÍNGUA PORTUGUESA
Melo, cientista político da Universidade Federal de Minas
Gerais (UFMG). A pesquisa, realizada sobretudo junto à modo para ampliar seu poder no estado de
Câmara dos Deputados, contou também com outras fon- origem (...). [O grupo de políticos mais ex-
tes, como artigos da imprensa. Ranulfo limitou o estudo pressivos]
ao período da democracia recente (entre 1985 e 1998) e RESPOSTA: A. Este exercício exige do candidato co-
constatou duas causas principais para a inconstância dos nhecimento de vocabulário. Da segunda até a quinta
parlamentares. alternativa, observa-se que os termos entre colchetes
Em primeiro lugar, o cientista verificou que a maioria alteram o significado dos períodos. Idiossincrasia é a
das trocas de legenda tem por trás a busca de maior ex- disposição de um indivíduo para reagir de maneira
pressão. “O chamado ‘baixo clero’ procede desse modo especial à influência de certos agentes. “Ao longo da
para ampliar seu poder no estado de origem, adquirir legislatura” não condiz com “através da legislatura”,
cargos e recursos ou simplesmente prolongar a carrei- assim como inconstância (volubilidade, instabilidade)
ra, pois no Brasil, a renovação da câmara chega a ser de não tem o mesmo significado de inconsistência (in-
40%, contra uma média de 5% dos Estados Unidos”. Em coerente, sem fundamento); estar em trâmite (estar
segundo lugar, a infidelidade interessa aos líderes dos a caminho) não é o mesmo que estar em transe (estar
partidos, pois permite que aumentem suas bancadas e, em crise) e “baixo clero” não tem relação com o grupo
portanto, seu poder. “A tendência é que o partido em de políticos mais expressivos.
voga cresça”, constata Ranulfo. O PSDB, por exemplo,
começou o ano de 1994 com 62 deputados federais e ter- 02. (UFPR) Pode-se inferir, a partir das informações
minou 1998 com 96. do texto, que a motivação para o crescimento da
Ranulfo identifica ainda um outro tipo de político que bancada do PSDB no período de 1994 a 1998 foi:
costuma flutuar entre os partidos: os chamados ‘caci- a) A mobilização dos líderes do partido gover-
ques’. Nem sempre se pode ligar uma única legenda a nista para aumentar sua bancada.
nomes como Jânio Quadros, Itamar Franco, Fernando
Collor ou César Maia. Segundo o cientista, o fenômeno b) A ausência de “caciques” no partido.
é típico da política brasileira, que personaliza a figura do c) O enfraquecimento da oposição ao presi-
‘salvador da pátria’ em detrimento da linha do partido. dente Fernando Henrique Cardoso.
A infidelidade partidária é vista por Ranulfo como pre- d) A mudança na legislação eleitoral.
judicial para o processo democrático. A troca de legenda e) A dificuldade de sobrevivência dos partidos
reflete uma alteração no comportamento do eleito: um pequenos.
político com perfil de ‘esquerdista’ que se transfere para
uma agremiação de ‘direita’ desgasta a significação do RESPOSTA: A. O que justifica a marcação da primeira
partido e enfraquece a representação política. alternativa como correta é o excerto: ...a infidelidade

17
Mariana estava cansada porque viajou a noite to-
da. Mesmo assim, foi trabalhar no dia seguinte.
interessa aos líderes dos partidos, pois permite que
Os elementos de coesão são responsáveis por
aumentem suas bancadas e, portanto, seu poder. “A criar a relação correta entre os termos do texto, tor-
tendência é que o partido em voga cresça”, constata nando-o coerente.
Ranulfo. O PSDB, por exemplo, começou o ano de 1994 Os elementos de coesão são representados pelas
com 62 deputados federais e terminou 1998 com 96. conjunções. As principais relações estabelecidas en-
tre eles são:
Concessão Adversidade Conclusão Causa Tempo

Ambiguidade embora
– ainda
mas – contudo
– no entanto
dessa forma
– logo –
Porque – quando
pois – já – na hora
que – se – todavia – se portanto que – em que –
Ambiguidade ou anfibologia é a falta de clareza bem que bem que – assim visto que logo que
em um enunciado que lhe permite mais de uma inter- – mesmo – porém – sendo – por – uma – assim
pretação. É conhecida, também, como duplo sentido. que – por entretanto. conseguinte vez que que
Observe os exemplos a seguir: mais que.
Exs.: Maria disse à Ana que sua irmã chegou. (A Leia o trecho a seguir, publicado no jornal Correio
irmã é de Maria ou Ana?) Popular:
A mãe falou com a filha caída no chão. (Quem es- “Durante a sua carreira de goleiro, iniciada no
tava caída no chão?) Comercial de Ribeirão Preto, sua terra natal, Leão,
de 51 anos, sempre impôs seu estilo ao mesmo tem-
Está em dúvida quanto à configuração da sua po arredio e disciplinado. Por outro lado, costu-
máquina? Então, acabe com ela agora mesmo! mava ficar horas aprimorando seus defeitos após
(Acabe com a dúvida, com a configuração ou com os treinos. Ao chegar à seleção brasileira em 1970,
a máquina?) quando fez parte do grupo que conquistou o tricam-
Em alguns casos, especialmente na publicidade e peonato mundial, Leão não dava um passo em falso.
LÍNGUA PORTUGUESA

nos textos literários, a ambiguidade é proposital; mas, Cada atitude e cada declaração eram pensados com
para que ocorra a compreensão necessária, é preciso um racionalismo típico de sua família, já que seus
que o leitor tenha conhecimento de mundo suficiente outros dois irmãos são médicos.”
para interpretar de maneira literal e não literal. Correio Popular, Campinas, 20 out. 2000.
No entanto, ela se torna um problema nos textos Observe que neste trecho há problemas de coerência.
quando causa dúvidas em relação à interpretação. Ela
também pode gerar problemas e fazer com que o au- “(...) costumava ficar horas aprimorando seus de-
tor seja mal interpretado, como na frase “Sinto falta feitos (...)”
da galinha da minha mãe”. Entende-se o que o redator do texto quis dizer,
mas a construção é indevida, uma vez que a definição
Ao escrever, para que não haja problemas relacio- para aprimorar, segundo o dicionário, é aperfeiçoar,
nados à ambiguidade, é necessária atenção do autor e melhorar a qualidade de. Portanto, se interpretada
uma leitura cuidadosa. seguindo esta definição, entender-se-ia que o jogador
melhorava seus defeitos.
FIQUE LIGADO Além da escolha inadequada do vocábulo, há tam-
bém um problema causado pelo uso indevido dos ele-
É importante observar que os textos não são mentos de coesão. Observe o uso da expressão “Por
estáticos e dificilmente apresentarão apenas uma outro lado”, que deveria indicar algo contrário ao que
tipologia. É comum que o texto seja, por exemplo, foi dito anteriormente, mas neste caso precede uma
afirmação que confirma o que foi dito no período an-
dissertativo-argumentativo, narrativo-descritivo ou terior, deixando o texto confuso.
descritivo-instrucional. É importante, portanto, iden-
tificar a tipologia que predomina. Perceba, portanto, que:
Coesão é a relação entre as afirmações do texto, de
maneira a deixá-lo claro e fazer sentido:
Ontem o dia foi bom porque vi Lucas.
Coesão e Coerência Ontem o dia foi bom apesar de eu ter visto Lucas.
Observe as orações a seguir: A relação de sentido estabelecida pela conjunção
fará o sentido do texto.
Mariana estava cansada. Viajou a noite toda. Foi Coerência é o sentido do texto, é o fato de o texto
trabalhar no dia seguinte. fazer sentido e ser compreendido pelo leitor em uma
Perceba que a relação entre elas não está clara. primeira leitura. O que torna um texto coerente, en-
Agora, veja o que acontece quando são inseridos tre outras coisas, é a escolha correta das conjunções.
elementos de coesão: Por isso, a coesão e a coerência do texto andam juntas
e muitas vezes se confundem.

18
b) é contestado legalmente no corpo do
texto.
VAMOS PRATICAR
c) é visto como uma injustiça em relação ao
homem.
Os exercícios a seguir são referentes ao conteú-
do: Interpretação e Compreensão de Texto. d) é tido como legal, mas moralmente
injusto.
É justo que as mulheres se aposentem mais cedo?
e) é observado de forma técnica e legal.
A questão acerca da aposentadoria das mulheres 02. (FGV) “A questão acerca da aposentadoria
em condições mais benéficas que aquelas concedi- das mulheres em condições mais benéficas
das aos homens suscita acalorados debates com po- que aquelas concedidas aos homens suscita
sições não somente técnicas, mas também com mui- acalorados debates com posições não somente
to juízo de valor de cada lado. técnicas, mas também com muito juízo de
Um fato é certo: as mulheres intensificaram sua valor de cada lado.”
participação no mercado de trabalho desde a segun-
da metade do século 20. Ao dizer que há “muito juízo de valor de cada lado”, o
autor do texto diz que na discussão aparecem
Há várias razões para isso. Mudanças culturais
e jurídicas eliminaram restrições sem sentido no a) questões que envolvem valores da Previ-
mundo contemporâneo: um dos maiores e mais an- dência.
tigos bancos do Brasil contratou sua primeira escri- b) problemas que prejudicam economica-
turária em 1969 e teve sua primeira gerente em 1984. mente os empregadores.
Avanços no planejamento familiar e a dissemi- c) posicionamentos apoiados na maior expe-
nação de métodos contraceptivos permitiram a re- riência de vida.
dução do número de filhos e liberaram tempo para a
mulher se dedicar ao mercado de trabalho. d) opiniões de caráter pessoal.
Filhos estudam por mais tempo e se mantêm fora do e) questionamentos injustos e pouco inteli-
mercado de trabalho até o início da vida adulta. Com is- gentes.
so, o custo de manter a família cresce e cria a necessidade 03. (FGV) Dizer que as mulheres intensificaram

LÍNGUA PORTUGUESA
de a mulher ter fonte de renda para o sustento da casa. sua participação no mercado de trabalho
A tecnologia também colaborou: máquinas de desde a segunda metade do século XX
lavar roupa, fornos micro-ondas, casas menores e equivale a dizer que
outras parafernálias da vida moderna reduziram a a) o trabalho feminino não existia antes
necessidade de algumas horas nos afazeres domés- dessa época.
ticos e liberaram tempo para o trabalho fora de casa.
b) a atividade de trabalho até essa época
A inserção feminina no mercado de trabalho apelava para a força física.
ocorreu, mas com limitações. Em relação aos ho-
mens, mulheres têm menor taxa de participação no c) as mulheres entraram no mercado de
mercado de trabalho, recebem salários mais baixos e trabalho há pouco tempo.
ainda há a dupla jornada de trabalho. Quando voltam d) os homens exploravam as mulheres até a
para a casa, ainda têm que se dedicar à família e ao lar. época citada.
Essas dificuldades levam algumas pessoas a de- e) as famílias passaram a ter menos filhos
fender formas de compensação para as mulheres por desde o século XX.
meio de tratamento previdenciário diferenciado. Já
que as mulheres enfrentam dificuldades de inserção 04. (FGV) “Mudanças culturais e jurídicas elimina-
no mercado de trabalho, há de compensá-las por ram restrições sem sentido no mundo contem-
meio de uma aposentadoria em idade mais jovem. porâneo: um dos maiores e mais antigos bancos
do Brasil contratou sua primeira escriturária
A legislação brasileira incorpora essa ideia. Ho- em 1969 e teve sua primeira gerente em 1984.”
mens precisam de 35 anos de contribuição para se
aposentar no INSS; mulheres, de 30. No serviço pú- Os exemplos citados nesse segmento do texto
blico, que exige idade mínima, as mulheres podem
se aposentar com cinco anos a menos de idade e a) comprovam as mudanças citadas.
tempo de contribuição que os homens. b) contrariam as modificações culturais e ju-
(Marcelo Abi-Ramia Caetano, Folha de São Paulo,
rídicas.
21/12/2014.) c) demonstram o atraso cultural das
01. (FGV) O tema contido na pergunta que serve mulheres.
de título ao texto d) indicam a permanência de determinadas
restrições.
a) é defendido por uma opinião pessoal do
autor. e) provam o despreparo das mulheres para o
mercado de trabalho masculino.

19
05. (FGV) Segundo o texto, a necessidade ou pos- 06. (FGV) Assinale a opção que indica duas razões
sibilidade de a mulher trabalhar se prende a que mostram as limitações femininas no
diferentes motivos. mercado de trabalho.
As opções a seguir apresentam motivos presentes no a) Dupla jornada de trabalho / tecnologia de
texto, à exceção de uma. Assinale-a. apoio doméstico.
a) Aumento do tempo livre, em função da b) Tecnologia de apoio doméstico / necessi-
redução do número de filhos. dade de força física.
b) O desenvolvimento tecnológico, que c) Necessidade de força física / interrupções
auxilia nos trabalhos domésticos. legais do período de trabalho.
c) A manutenção dos filhos por mais tempo. d) Interrupções legais do período de trabalho
/ salários mais baixos.
d) O desequilíbrio econômico da Previdência.
e) Salários mais baixos / dupla jornada de
e) Os métodos contraceptivos, que limitam o trabalho.
número de filhos.
Árvores de Araque
1 — Você está vendo alguma coisa esquisita nessa paisagem? — perguntou o meu amigo Fred Meyer.
Olhei em torno. Estávamos no jardim da residência da Embaixada do Brasil no Marrocos, onde ele vive
— é o nosso embaixador no país — cercados de tamareiras, palmeiras e outras árvores de diferentes tipos.
Um casal de pavões se pavoneava pelo gramado, uma dezena de galinhas d’angola ciscava no chão, passa-
5 rinhos iam e vinham. No terraço da casa ao lado, onde funciona a Embaixada da Rússia, havia um mar de
parabólicas, que devem captar até os suspiros das autoridades locais. Lá longe, na distância, mais tamarei-
ras e palmeiras espetadas contra um céu azul de doer. Tudo me parecia normal.
— Olha aquela palmeira alta lá na frente.
LÍNGUA PORTUGUESA

Olhei. Era alta mesmo, a maior de todas. Tinha um ninho de cegonhas no alto.
10 — Não é palmeira. É uma torre de celular disfarçada.
Fiquei besta. Depois de conhecer sua real identidade, não havia mais como confundi-la com as demais; mas
enquanto eu não soube o que era, não me chamara a atenção. Passei os vinte dias seguintes me divertindo em
buscar antenas disfarçadas na paisagem. Fiz dezenas de fotos delas, e postei no Facebook, onde causaram sensa-
ção. A maioria dos meus amigos nunca tinha visto isso; outros já conheciam de longa data, e mencionaram até
15 espécimes plantados no Brasil. Alguns, como Luísa Cortesão, velha amiga portuguesa que acompanho desde os
tempos do Fotolog, têm posição radicalmente formada a seu respeito: odeiam. Parece que Portugal está cheio de
falsas coníferas. [...]
A moda das antenas disfarçadas em palmeiras começou em 1996, quando a primeira da espécie foi
plantada em Cape Town, na África do Sul; mas a invenção é, como não podia deixar de ser, Made in USA.
20 Lá, uma empresa sediada em Tucson, Arizona, chamada Larson Camouflage, projetou e desenvolveu a
primeiríssima antena metida a árvore do mundo, um pinheiro que foi ao ar em 1992. A Larson já tinha
experiência, se não no conceito, pelo menos no ramo: começou criando paisagens artificiais e camuflagens
para áreas e equipamentos de serviço.
Hoje existem inúmeras empresas especializadas em disfarçar antenas de telecomunicações pelo mundo
25 afora, e uma quantidade de disfarces diferentes. É um negócio próspero num mundo que quer, ao mes-
mo tempo, boa conexão e paisagem bonita, duas propostas mais ou menos incompatíveis. Os custos são
elevados: um disfarce de palmeira para torre de telecomunicações pode sair por até US$ 150 mil, mas há
fantasias para todos os bolsos, de silos e caixas d’água à la Velho Oeste a campanários, mastros, cruzes,
cactos, esculturas.
30 A Verizon se deu ao trabalho de construir uma casa cenográfica inteira numa zona residencial histórica
em Arlington, Virgínia, para não ferir a paisagem com caixas de switches e cabos. A antena ficou plantada no
quintal, pintada de verde na base e de azul no alto; mas no terreno em frente há um jardim sempre conservado
no maior capricho e, volta e meia, entregadores desavisados deixam jornais e revistas na porta. A brincadeira
custou cerca de US$ 1,5 milhão. A vizinhança, de início revoltada com a ideia de ter uma antena enfeiando a
35 área, já se acostumou com a falsa residência, e até elogia a operadora pela boa manutenção do jardim.
Claro que, a essa altura, já existem incontáveis projetos artísticos sobre as antenas que não ousam dizer
seu nome. O que achei mais interessante foi o do fotógrafo sul-africano Dillon Marsh, que saiu catando
árvores artificiais pelo seu país e fez um ensaio com doze imagens que dão, se não motivo para pensar, pelo
39 menos razão para umas boas risadas.
(O Globo, Economia, 22.3.2014)
20
07. (Cesgranrio) No seguinte trecho do texto, permitir a exploração de reservas de petróleo e abrir
a vírgula pode ser retirada mantendo-se o novas rotas de navegação. O que se vê nas fotos de
sentido e assegurando-se a norma-padrão: James Balog é um mundo em transformação.
a) “cercados de tamareiras, palmeiras” (l. 3) (Adaptado de Carolina Melo. Veja, 7 de novembro
b) “gramado, uma dezena de galinhas de 2012, p. 121-122)
d’angola” (l. 4)
09. (FCC) Percebe-se claramente no texto
c) “o que era, não me chamara a atenção”
(l. 12) a) a necessidade do desenvolvimento da
d) “fotos delas, e postei no Facebook” (l. 13) agropecuária em uma região carente de
recursos, submetida a condições de tem-
e) “Luísa Cortesão, velha amiga portugue-
sa” (l. 15) peratura excessivamente baixa.

08. (Cesgranrio) No trecho “casa ao lado, onde” b) a ocorrência de fenômenos naturais que
(l. 5) a palavra onde pode ser substituída, sem confirmam plenamente as análises de cien-
alteração de sentido e mantendo-se a norma- tistas sobre as consequências da presença
-padrão, por do homem em algumas regiões da Terra.
a) que c) a importância das imagens obtidas por
b) cuja satélites, que permitem observação mais
eficaz de fenômenos naturais ocorridos em
c) em que
regiões distantes, muitas vezes inacessíveis.
d) o qual
d) o papel fundamental dos relatórios feitos
e) no qual
com base em estudos científicos, que
Os cientistas já não têm dúvidas de que as tempe- propõem medidas de contenção do der-
raturas médias estão subindo em toda a Terra. Se a retimento de geleiras em todo o mundo.

LÍNGUA PORTUGUESA
atividade humana está por trás disso é uma questão
e) o emprego de recursos auxiliares, como
ainda em aberto, mas as mais claras evidências do
fenômeno estão no derretimento das geleiras. Nos o oferecido pela fotografia, nos estudos
últimos cinco anos, o fotógrafo americano James voltados para a preservação das belezas
Balog acompanhou as consequências das mudanças naturais existentes no mundo todo.
climáticas nas grandes massas de gelo. Suas andan- 10. (FCC) O último parágrafo do texto expressa
ças lhe renderam um livro, que reúne 200 fotogra-
fias, publicado recentemente. a) as previsões alarmistas que, ao conside-
rarem os dados resultantes das pesquisas
Icebergs partidos ao meio e lagos recém-forma-
sobre o aquecimento global, vêm confir-
dos pela água derretida das calotas de gelo são exem-
mar os riscos de destruição do planeta.
plos. Esse derretimento é sazonal. O gelo volta nas
estações frias − mas muitas vezes em quantidade b) a possibilidade de destruição total de uma
menor, e por menos tempo. Há três meses um re- vasta região do planeta, pondo em risco a
latório da Nasa, feito a partir de imagens de satéli- sobrevivência humana, por escassez de
tes, mostrou que boa parte da superfície de gelo da água e de alimentos.
Groenlândia foi parcialmente derretida − trans- c) as conclusões dos cientistas a respeito das
formada em uma espécie de lama de neve − em um evidências do atual aquecimento mais
tempo recorde desde os primeiros registros, feitos
rápido do planeta, fenômeno que preju-
trinta anos atrás. Outro relatório, elaborado pela
dica a agricultura nas regiões polares.
National Snow and Ice Data Center, mostra que o
gelo do Ártico, durante o verão do hemisfério norte, d) um posicionamento otimista quanto às
teve a maior taxa de derretimento da história, supe- consequências de um fenômeno que, em
rando o recorde anterior, de 2007. princípio, é visto como catastrófico para
Nem sempre, porém, menos gelo significa más o futuro do planeta.
notícias. A alta da temperatura na Groenlândia per- e) uma opinião pouco favorável à explora-
mitiu a volta da criação de gado leiteiro e o cultivo ção econômica, ainda inicial, de uma das
de vários tipos de vegetais, como batata e brócolis. regiões mais frias do planeta, coberta por
Além disso, o derretimento do gelo no Ártico vai geleiras.

21
GABARITO
01 E 06 D
02 D 07 D
03 C 08 C
04 A 09 C
05 D 10 D

ANOTAÇÕES
LÍNGUA PORTUGUESA

22
1. Redação para é colocar pensamentos organizados e articulados,
num papel, a partir de um posicionamento sobre
Concursos Públicos um tema estabelecido na proposta de redação.

Os editais de concurso público disponibilizam Tema


o conteúdo programático das matérias que serão O seu texto deve estar cem por cento (100%) ade-
cobradas nas provas, mas nem sempre deixam ex- quado à proposta exigida na prova, ou seja, você não
plícito como se preparar para a prova discursiva, ou pode escrever o que quer, mas o que a proposta de-
prova de redação – que, na grande maioria dos con- termina. Desse modo, antes de começar a escrever, é
cursos, é uma etapa eliminatória. necessário entender o TEMA da prova.
Portanto, é necessário preparar-se com bastante O tema é o assunto proposto que deve ser desenvol-
antecedência, para que possa haver melhoras grada- vido. Portanto, cabe a você entendê-lo, problematizá-
tivas durante o processo de produção de um texto. -lo e delimitá-lo, com base no comando da proposta.
Posturas em Relação à Redação Objetividade
Antes de começar a desenvolver a prática de es- Seu texto deve ser objetivo, isto é, o enfoque do
crita, é preciso que ter algumas posturas em relação assunto deve ser direto, sem rodeios. Além disso, as
ao processo de composição de um texto. Em posse bancas dão preferência a uma linguagem simples e
dessas posturas, percebe-se que escrever não é tão objetiva. E não confunda linguagem simples com co-
complexo se você estiver orientado e fizer da escrita loquialismos, pois é necessário sempre manter a sua
um ato constante. escrita baseada na norma padrão da língua portuguesa.
Além disso, é fundamental o candidato colocar-
Leitura se na posição do leitor. É um momento de estranha-
REDAÇÃO

Apenas a leitura não garante uma boa escrita. En- mento do próprio texto para indagar-se: o que es-
tão, deve-se associar a leitura constante com a escrita crevi é interessante e de fácil entendimento?
constante, pois uma prática complementa a outra. Apresentação do Texto
E o que ler?
Direcione sua prática de leitura da seguinte forma: Para que se consiga escrever um bom texto, é
fique atento às ATUALIDADES, que é um conteúdo preciso aliar duas posturas: ter o hábito da leitura e
geralmente previsto na prova de conhecimentos ge- praticar a escrita de textos. Além disso, é importante
rais. Ademais, conheça a instituição e o cargo a que conhecer as propostas das bancas e saber quais são
você pretende candidatar-se, como as FUNÇÕES e os critérios de correção previstos em edital.
RESPONSABILIDADES exigidas, as quais estão pre-
vistas no edital de abertura de um concurso. E, tam- Letra - Legibilidade
bém, tenha uma visão crítica sobre os conhecimentos Escreva sempre com letra legível. Pode ser letra
específicos, porque a tendência dos concursos é rela- cursiva ou de imprensa. Tenha atenção para o espa-
cionar um tema ao contexto de trabalho. çamento entre as letras/palavras e para a distinção
Considere que, nas provas de redação, também po- entre maiúsculas e minúsculas.
dem ser abordados temas sobre algum assunto desa-
fiante para o cargo ao qual o candidato está concorren- Respeito às Margens
do. Uma dica é estar atento às informações veiculadas As margens (tanto esquerda quanto direita) exis-
sobre o órgão público no qual pretende ingressar. tem para serem respeitadas, portanto, não as ultra-
passe no momento em que escreve a versão definiti-
Produção do Texto va. Tampouco deixe “buracos” entre as palavras.
A produção de um texto não depende de talento
ou de um dom. No processo de elaboração de um Indicação de Parágrafos
texto, pode-se dizer que um por cento (1%) é inspi- É preciso deixar um espaço antes de iniciar um
ração e noventa e nove por cento (99%) é trabalho. parágrafo (mais ou menos dois centímetros).
Escrever um excelente texto é um processo que exige
esforço, planejamento e organização. Título
Escrita Colocar título na redação vale mais pontos?
O ato de escrever é sempre desta maneira: basta Se o título for solicitado, ele será obrigatório.
começar. Escrever para ser avaliado por um corretor Caso não seja colocado na redação, haverá alguma

116
perda, mas não muito. Os editais, em geral, não in- trans-
formam pontuações exatas. No caso de o título não
formação
ser solicitado, ele se torna facultativo. Logo, se o
candidato decidir inseri-lo, ele fará parte do texto,
sendo analisado como tal, mas não terá um valor ex- FIQUE LIGADO
tra por isso.
O título era obrigatório, e não o coloquei... E Em relação ao posicionamento do hífen de separa-
agora? ção, deixe-o ao lado da sílaba. Nunca acima.
Quando há a obrigatoriedade, a ausência do
título não anula a questão, a menos que haja essa Quando a palavra for escrita com hífen e a se-
orientação nas instruções dadas na prova. Não há
paração ocorrer justo nesse espaço, você deve usar
um desconto considerável em relação ao esqueci-
mento do título, porque a maior pontuação, em duas marcações. Por exemplo: entende-se
uma redação para concurso, está relacionada ao
entende-
conteúdo do texto.
-se
É preciso pular linha após o título?
Se a palavra não tiver hífen em sua estrutura, use
Em caso de obrigatoriedade do título, procure apenas uma marcação:
não pular linha entre o título e o início do texto, por-
que essa linha em branco não é contada durante a
apresen-
correção.
tação
Quando se deve escrever o título?
O título é a síntese de sua redação, portanto, pre- Impessoalidade
fira escrevê-lo ao término da redação. O texto dissertativo (expositivo-argumentativo) é
impessoal. Portanto, pode-se escrever com verbos em:
Erros na Versão Final
- 3ª pessoa:
Quando você está escrevendo e, por distração,
erra uma palavra, você deve passar um traço sobre A qualidade no atendimento precisa ser prioridade.
a palavra e escrevê-la corretamente logo em seguida:

REDAÇÃO
Percebe-se que a qualidade no atendimento é es-
exeção exceção sencial.
Notam-se várias mudanças no setor público.
FIQUE LIGADO
- 1ª pessoa do plural:
Não rasure seu texto. Observamos muitas mudanças e melhorias no
Não escreva a palavra entre parênteses, mesmo se serviço público.
estiver riscada: (exeção) (exeção).
Não use a expressão “digo”.
FIQUE LIGADO
Translineação NÃO escreva na 1ª pessoa do singular: Observo mu-
Quando não dá para escrever uma palavra com- danças significativas.
pleta ao final da linha, deve-se escrever até o limite,
sem ultrapassar a margem direita da linha, e o sinal
de separação será sempre o hífen. Adequação Vocabular
Sempre respeite as regras de separação silábica. Adequação vocabular diz respeito ao desempe-
Nunca uma palavra será separada de maneira a des- nho linguístico de acordo com o nível de conheci-
respeitar as sílabas: mento exigido para o cargo/área/especialidade, e a
tran-
adequação do nível de linguagem adotado à produ-
ção proposta.
sformação
Caso a próxima sílaba não caiba no final da linha, Portanto, devem-se escolher palavras adequadas,
embora ainda haja um espaço, deixe-a e continue na evitando-se o uso de jargões, chavões, termos muito
próxima linha. técnicos que possam dificultar a compreensão.

117
Domínio da Norma Padrão da Língua
Deve-se ficar atento aos aspectos gramaticais, FIQUE LIGADO
principalmente:
Estrutura sintática de orações e períodos A dissertação expositiva também é usada quando a
proposta exige um texto técnico. Este tipo de texto po-
Elementos coesivos de ter duas abordagens: Estudo de Caso (em que é feito
Concordância verbal e nominal um parecer a partir de sua situação hipotética) e Questão
Teórica (em que é preciso apresentar conceitos, normas,
Pontuação
regras, diretrizes de um determinado conteúdo).
Regência verbal e nominal
Emprego de pronomes II - ARGUMENTATIVA: há a exposição de pon-
Flexão verbal e nominal tos de vista pessoais, com juízos de valor sobre um
Uso de tempos e modos verbais fato ou assunto.
Grafia E qual a melhor maneira de abordar um assunto
numa prova de redação para concursos públicos?
Acentuação
Para que seu texto seja MUITO BEM avaliado, o
Repetição ideal é conseguir chegar a uma forma mista de abor-
Prejudica a coesão textual, e ocorre quando se usa dagem, ou seja, escrever um texto dissertativo em
muitas vezes a mesma palavra ou ideia, as quais pode- que você expõe um assunto e, ao mesmo tempo, dá
riam ser substituídas por sinônimos e conectivos. sua opinião sobre ele. Desse modo, os fatos que são
conhecidos (domínio público) podem se transfor-
Informações Óbvias mar em exemplificação atualizada, a qual pode ser
REDAÇÃO

relacionada à sua argumentação de forma contex-


Explicações que não precisam ser mencionadas, tualiza e crítica.
pois já se explicam por si próprias.
Aspectos Gerais da Produção de
Generalização
Textos
É percebida quando se atribui um conceito que é
específico de uma forma generalizada. Em face da limitação de espaço, é muito difí-
cil apresentar muitos enfoques relativos ao tema.
Os menores infratores saem dos centros de res- Por essa razão, dependendo do limite em relação à
socialização e retornam ao o do crime. (isso ocorre quantidade de linhas, a dissertação deve conter de 4
com todos?) a 5 parágrafos, sendo UM para Introdução, DOIS a
É preciso que o governo tome medidas urgentes TRÊS para Desenvolvimento e UM para Conclusão.
para resolver esse problema. (que medidas?) Além disso, cada parágrafo deve possuir, no mí-
nimo, dois períodos. Cuidado com as frases frag-
Gerúndio mentadas, ambiguidades e os erros de paralelismo.
É muito comum usarmos o gerúndio na fala, mas Procure elaborar uma introdução que contenha,
não se usa com tanta recorrência na escrita. de maneira clara e direta, o tema, o primeiro enfo-
que, o segundo enfoque, etc. E mantenha sempre o
O Texto Dissertativo caráter dissertativo. Por isso, no desenvolvimento,
Dissertar é escrever sobre algum assunto e pres- dê um parágrafo para cada enfoque selecionado, e
supõe ou defender uma ideia, analisá-la criticamen- empregue os articuladores adequados. Por fim, fun-
te, discuti-la, opinar, ou apenas esclarecer conceitos, damente sempre suas ideias.
dar explicações, apresentar dados sobre um assunto,
tudo de maneira organizada, quer dizer, com início,
meio e fim bem claros e objetivos. FIQUE LIGADO
A dissertação pode ser classificada quanto à ma- Nunca use frases feitas, chavões.
neira como o assunto é abordado:
Não repita palavras ou expressões. Use sinônimos.
I - EXPOSITIVA: são expostos fatos (de conhe-
cimento e domínio público, divulgados em diversos Jamais converse com o leitor: nunca use você ou tu.
meios de comunicação), mas não é apresentada uma Não empregue verbos no imperativo.
discussão, um ponto de vista.

118
Quanto aos exemplos, procure selecionar aque- • Conectores
les que sejam de domínio público, os que tenham
saído na mídia: jornais, revistas, TV. E nunca analise As relações comentadas acima são estabelecidas
temas por meio de emoções exageradas – especial- com CONECTORES:
mente política, futebol, religião, etc. Prioridade, relevância: em primeiro lugar, antes
de mais nada, antes de tudo, em princípio, primeira-
Estrutura de um Texto Dissertativo mente, acima de tudo, principalmente, primordial-
mente, sobretudo.
Para escrever uma dissertação, é preciso que haja
uma organização do texto a fim de que se obtenha Tempo: atualmente, hoje, frequentemente,
um texto claro e bem articulado: constantemente às vezes, eventualmente, por ve-
zes, ocasionalmente, sempre, raramente, não raro,
I- INTRODUÇÃO: consiste na apresentação do
ao mesmo tempo, simultaneamente, nesse ínterim,
assunto a fim de deixar claro qual é o recorte temáti-
enquanto, quando, antes que, depois que, logo que,
co e qual a ideia que será defendida e/ou esclarecida,
sempre que, assim que, desde que, todas as vezes
ou seja, a TESE. que, cada vez que, então, enfim, logo, logo depois,
II- DESENVOLVIMENTO: é a parte em que são imediatamente, logo após, a princípio, no momento
elaborados os parágrafos argumentativos e/ou infor- em que, pouco antes, pouco depois, anteriormente,
mativos, nos quais você explica a sua TESE. É o mo- posteriormente, em seguida, afinal, por fim, final-
mento mais importante do texto, por isso, É NECES- mente, agora.
SÁRIO que a TESE seja explicada, justificada, e isso Semelhança, comparação, conformidade: de
pode ser feito por meio de exemplos e explicações. acordo com, segundo, conforme, sob o mesmo
III- CONCLUSÃO: esta parte do texto não traz ponto de vista, tal qual, tanto quanto, como, assim
informações novas, muito menos argumentos, por- como, como se, bem como, igualmente, da mesma
que consiste no fechamento das ideias apresentadas, forma, assim também, do mesmo modo, semelhan-
ou seja, é feita uma reafirmação da TESE. Depen- temente, analogamente, por analogia, de maneira
dendo do comando da proposta de redação e do te- idêntica, de conformidade com.
ma, pode ser apresentada uma hipótese de solução Condição, hipótese: se, caso, eventualmente.
de um problema apresentado na TESE.
Adição, continuação: além disso, demais, ade-
- Assunto mais, outrossim, ainda mais, por outro lado, tam-

REDAÇÃO
Introdução - Recorte temático bém, e, nem, não só ... mas também, não só... como
- TESE também, não apenas ... como também, não só ... bem
como, com, ou (quando não for excludente).
TESE
- Tópico/TESE +
Desenvolvimento
justificativa
Dúvida: talvez, provavelmente, possivelmente,
- Retomada
da introdução
quiçá, quem sabe, é provável, não é certo, se é que.
Conclusão
- Reafirmação Certeza, ênfase: certamente, decerto, por certo,
da TESE inquestionavelmente, sem dúvida, inegavelmente,
com toda a certeza.
Introdução
Ilustração, esclarecimento: por exemplo, só para
É o primeiro parágrafo e serve de apresentação ilustrar, só para exemplificar, isto é, quer dizer, em
da dissertação, por essa razão deve estar muito bem outras palavras, ou por outra, a saber, ou seja, aliás.
elaborada, ser breve e apresentar apenas informa-
ções sucintas. Deve apenas apresentar o TEMA e os Propósito, intenção, finalidade: com o fim de,
ENFOQUES e ter em torno de cinco linhas. a fim de, com o propósito de, com a finalidade de,
com o intuito de, para que, a fim de que, para.
Desenvolvimento Resumo, recapitulação, conclusão: em suma,
É a redação propriamente dita. Deve ser consti- em síntese, em conclusão, enfim, em resumo, por-
tuído de dois a três parágrafos (a depender do tema tanto, assim, dessa forma, dessa maneira, desse mo-
da proposta), um para cada enfoque apresentado do, logo, dessa forma, dessa maneira, assim sendo.
na Introdução. É a parte da redação em que argu- Explicação: por consequência, por conseguinte,
mentos são apresentados para explicitar, em um pa- como resultado, por isso, por causa de, em virtude
rágrafo distinto, cada um dos enfoques. Cada pará- de, assim, de fato, com efeito, tão (tanto, tamanho)...
grafo deve ter de 5 a 8 linhas. Pode-se desenvolver que, porque, porquanto, pois, já que, uma vez que,
os argumentos por meio de relações que devem ser visto que, como (= porque), portanto, logo, que (=
usadas para deixar seu texto coeso e coerente. porque), de tal sorte que, de tal forma que, haja vista.

119
Contraste, oposição, restrição: pelo contrá-
rio, em contraste com, salvo, exceto, menos, mas,
Critérios de Correção da Redação
contudo, todavia, entretanto, no entanto, embora, para Concursos Públicos
apesar de, apesar de que, ainda que, mesmo que,
posto que, conquanto, se bem que, por mais que,
por menos que, só que, ao passo que, por outro la- Conteúdo
do, em contrapartida, ao contrário do que se pensa, Neste critério, observa-se se há apresentação
em compensação. marcada do recorte temático, o qual deve nortear o
desenvolvimento do texto; se o recorte está contex-
Contraposição: É possível que... no entanto...
tualizado no texto, por exemplo: quando a proposta
É certo que... entretanto... propuser uma situação hipotética, ela deve estar di-
É provável que ... porém... luída em seu texto.
Organização de ideias: Em primeiro lugar ..., em Lembre-se: a proposta não faz parte de seu texto,
segundo ..., por último ...; por um lado ..., por outro ou seja, sua produção não pode depender da pro-
...; primeiramente, ...,em seguida, ..., finalmente, .... posta para ter sentido claro e objetivo.
Enumeração: É preciso considerar que ...; Tam-
bém não devemos esquecer que ...; Não podemos FIQUE LIGADO
deixar de lembrar que...
O único gênero textual que permite a referência ao
Reafirmação/Retomada: Compreende-se, en- texto motivador, bem como a cópia de alguns trechos,
tão, que ... é o estudo de caso, pois é preciso fazer uma análise em
É bom acrescentar ainda que ... relação a uma situação hipotética.
É interessante reiterar ...
Em outras palavras: se há algum texto ou uma
REDAÇÃO

Conclusão coletânea de textos, eles têm caráter apenas motiva-


dor. Portanto, não faça cópias de trechos dos textos,
É o último parágrafo. Deve ser breve, contendo
tampouco pense que o tema da redação é o assunto
em torno de cinco linhas. Na conclusão, deve-se re-
desses textos. É preciso verificar o recorte temático,
tomar o tema e fazer o fechamento das ideias apre- o qual fica evidente no corpo da proposta.
sentadas em todo o texto e não somente em relação
às ideias contidas no último parágrafo do desenvol- Gênero
vimento.
Neste critério, verifica-se se a produção textual está
Pode-se concluir: adequada à modalidade redacional, ou seja, se o texto
- Fazendo uma síntese das ideias expostas. expressa o domínio da linguagem do gênero: narrar,
- Esclarecendo um posicionamento e/ou ques- relatar, argumentar, expor, descrever ações, etc.
tionamento, desde que coerente, com o desenvolvi- Os concursos públicos, quase em sua totalidade,
mento. têm como gênero textual a dissertação argumentati-
va ou o texto expositivo-argumentativo. Desse mo-
- Estabelecendo uma dedução ou demonstrando do, a banca avalia a objetividade e o posicionamento
uma consequência dos argumentos expostos. frente ao tema, a articulação dos argumentos, a con-
- Levantando uma hipótese ou uma sugestão sistência e a coerência da argumentação.
coerente com as afirmações feitas durante o texto. Isso significa que há uma valorização quanto do
conteúdo do texto: a opinião, a justificativa dessa opi-
- Apresentando possíveis soluções para os pro-
nião e a seletividade de informações sobre o tema.
blemas expostos no desenvolvimento, buscando
prováveis resultados. Coerência
• Conectores Neste critério, avalia-se se há atendimento total
Pode-se iniciar o parágrafo da conclusão com: do comando, com informações novas que eviden-
ciam conhecimento de mundo e que atestam ex-
Assim; Assim sendo; Portanto; Mediante os fa- celente articulação entre os aspectos exigidos pela
tos expostos; Dessa forma; Diante do que foi dito; proposta, o recorte temático e o gênero textual re-
Resumindo; Em suma; Em vista disso, pode-se con- quisitado. Ou seja, é preciso trazer informações ao
cluir que; Finalmente; Nesse sentido; Com esses da- texto que não estão disponíveis na proposta. Além
dos, conclui-se que; Considerando as informações disso, é essencial garantir a progressão textual, quer
apresentadas, entende-se que; A partir do que foi dizer, seu texto precisa ter uma evolução e não pode
discutido. trazer a mesma informação em todos os parágrafos.

120
Coesão e Gramática Estrutura – até 30 (trinta) pontos:
˃˃ respeito ao gênero solicitado;
Neste critério, percebe-se se há erros gramaticais;
se os períodos estão bem organizados e articulados, ˃˃ progressão textual e encadeamento de
ideias;
com uso de vocabulário e conectivos adequados; e se
os parágrafos estão divididos de modo consciente, a ˃˃ articulação de frases e parágrafos (coesão
fim de garantir a progressão textual. textual).
Expressão – até 30 (trinta) pontos:
Critérios de Correção da Bancas A avaliação da expressão não será feita de modo
estanque ou mecânico, mas sim de acordo com sua
Cada Banca Examinadora delimita, na publi- estreita correlação com o conteúdo desenvolvido. A
cação do edital de abertura de um concurso, que avaliação será feita considerando-se:
critérios serão utilizados para corrigir as redações. ˃˃ desempenho linguístico de acordo com
Por isso, é essencial que se conheça quais são esses o nível de conhecimento exigido para o
critérios e como cada Banca os organiza. A seguir, cargo/área/especialidade;
são apresentados critérios de algumas Bancas. Você ˃˃ adequação do nível de linguagem adotado à
perceberá que são predominantemente os mesmos produção proposta e coerência no uso;
itens; o que muda é a nota atribuída para cada um e
˃˃ domínio da norma culta formal, com
como a proposta é organizada.
atenção aos seguintes itens: estrutura sin-
tática de orações e períodos, elementos
Banca Cespe coesivos; concordância verbal e nominal;
Aspectos Macroestruturais pontuação; regência verbal e nominal;
1. Apresentação (legibilidade, respeito às mar- emprego de pronomes; flexão verbal e
gens e indicação de parágrafos) e estrutura textual nominal; uso de tempos e modos verbais;
(organização das ideais em texto estruturado). grafia e acentuação.
2. Desenvolvimento do tema
Tópicos da proposta
Banca Cesgranrio
Aspectos Microestruturais A Redação será avaliada conforme os critérios a
Ortografia seguir:
˃˃ adequação ao tema proposto;

REDAÇÃO
Morfossintaxe
Propriedade vocabular ˃˃ adequação ao tipo de texto solicitado;
˃˃ emprego apropriado de mecanismos de
coesão (referenciação, sequenciação e de-
FIQUE LIGADO marcação das partes do texto);
Quando forem apresentados tópicos, deve-se escre- ˃˃ capacidade de selecionar, organizar e rela-
ver 1 parágrafo para cada tópico. cionar de forma coerente argumentos per-
tinentes ao tema proposto; e
˃˃ pleno domínio da modalidade escrita da
norma-padrão (adequação vocabular, or-
Banca FCC tografia, morfologia, sintaxe de concordân-
O candidato deverá desenvolver texto disser- cia, de regência e de colocação).
tativo a partir de proposta única, sobre assunto de
interesse geral. Considerando que o texto é único, Banca Esaf
os itens discriminados a seguir serão avaliados em
estreita correlação: A avaliação da prova discursiva abrangerá:
Conteúdo – até 40 (quarenta) pontos: ˃˃ Quanto à capacidade de desenvolvimen-
˃˃ perspectiva adotada no tratamento do to do tema proposto: a compreensão,
tema; o conhecimento, o desenvolvimento e a
˃˃ capacidade de análise e senso crítico em adequação da argumentação, a conexão e
relação ao tema proposto; a pertinência, a objetividade e a sequência
˃˃ consistência dos argumentos, clareza e coe- lógica do pensamento, o alinhamento ao
rência no seu encadeamento. assunto abordado e a cobertura dos tópicos
Obs.: A nota será prejudicada, proporcional- apresentados, valendo, no máximo, 20
mente, caso ocorra abordagem tangencial, parcial (vinte) pontos para cada questão, que serão
ou diluída em meio a divagações e/ou colagem de aferidos pelo examinador com base nos cri-
textos e de questões apresentados na prova. térios a seguir indicados:

121
Conteúdo da resposta (seguem os pontos a dedu- O governo brasileiro, diante da crise econômica
zir para cada questão): mundial, decidiu estimular a venda de automóveis
Capacidade de argumentação (até 6 ) e, para tal, reduziu o imposto sobre produtos indus-
Sequência lógica do pensamento (até 4 ) trializados (IPI). Há, no entanto, paralelamente a
essa decisão, a preocupação constante com o desen-
Alinhamento ao tema (até 4 )
volvimento sustentável, por meio do qual se busca a
Cobertura dos tópicos apresentados (até 6 ) promoção de crescimento econômico capaz de in-
Quanto ao uso do idioma: a utilização correta corporar as dimensões socioambientais.
do vocabulário e das normas gramaticais, valendo,
no máximo, 10 (dez) pontos para cada questão, que Considerando que os textos acima têm caráter
serão aferidos pelo examinador com base nos crité- unicamente motivador, redija um texto dissertati-
rios a seguir indicados: vo sobre sistema de transporte urbano sustentável,
Tipos de erro (seguem os pontos a deduzir): contemplando os seguintes aspectos:
Aspectos formais: ˃˃ Conceito de desenvolvimento sustentável;
Erros de forma em geral e erros de ortografia (valor: 3,0 pontos)
(-0,25 cada erro) ˃˃ Conflito entre o estímulo à compra de
Aspectos Gramaticais: veículos automotores e a promoção da sus-
Morfologia, sintaxe de emprego e colocação, sin- tentabilidade; (valor: 4,0 pontos)
taxe de regência e pontuação (-0,50 cada erro) ˃˃ Ações de fomento ao transporte urbano
Aspectos Textuais: sustentável no Brasil. (valor: 3,0 pontos)
Sintaxe de construção (coesão prejudicada); con-
cordância; clareza; concisão; unidade temática/es-
Proposta 02
REDAÇÃO

tilo; coerência; propriedade vocabular; paralelismo I


semântico e sintático; paragrafação (-0,75 cada erro) Venham de onde venham, imigrantes, emigran-
Cada linha excedente ao máximo exigido (-0,40) tes e refugiados, cada vez mais unidos em redes so-
Cada linha não escrita, considerando o mínimo ciais, estão aumentando sua capacidade de incidên-
exigido (-0,80). cia política sobre uma reivindicação fundamental:
Propostas de Redação serem tratados como cidadãos, em vez de apenas
como mão de obra (barata ou de elite).
(Adaptado de: http://observatoriodadiversidade.org.br)
Proposta 01 II
As vendas de automóveis de passeio e de veículos
comerciais leves alcançaram 340 706 unidades em A intensificação dos fluxos migratórios interna-
junho de 2012, alta de 18,75%, em relação a junho cionais das últimas décadas provocou o aumento do
de 2011, e de 24,18%, em relação a maio de 2012, número de países orientados a regulamentar a imi-
segundo informou, nesta terça-feira, a Federação gração. Os argumentos alegados não são novos: o
Nacional de Distribuição de Veículos Automotores medo de uma “invasão migratória”, os riscos de de-
(Fenabrave). Segundo a entidade, este é o melhor semprego para os trabalhadores autóctones, a perda
mês de junho da história do setor automobilístico. da identidade nacional.
Disponível em: <http://br.financas.yahoo.com>. Acesso em: 3 III
jul. 2012 (adaptado).
Na capital paulista, o trânsito lento se estendeu Ainda não existe uma legislação internacional sóli-
por 295 km às 19 h e superou a marca de 293 km, da sobre as migrações internacionais. Assim, enquan-
registrada no dia 10 de junho de 2009. Na cidade de to que os direitos relativos ao investimento estran-
São Paulo, registrou-se, na tarde desta sexta-feira, geiro foram se reforçando cada vez mais nas regras
o maior congestionamento da história, segundo a estabelecidas para a economia global, pouca atenção
Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). Às 19 vem sendo dada aos direitos dos trabalhadores.
h, eram 295 km de trânsito lento nas vias monitora- (II e III adaptados de: http://www.migrante.org.br)
das pela empresa. O índice superou o registrado no
Considerando o que se afirma em I, II e III, de-
dia 10 de junho de 2009, quando a CET anotou, às
senvolva um texto dissertativo-argumentativo, po-
19 h, 293 km de congestionamento.
sicionando-se a respeito do seguinte tema:
Disponível em: <http://noticias.terra.com.br>. Acesso em: 03
jul. 2012 (adaptado). Mobilidade Humana e Cidadania na atualidade.

122
1. Proposições Sentenças Abertas e Quantificadores
Lógicos
A matéria é fácil e, com um pouco de concentra-
ção, consegue-se aprendê-la e principalmente do- Existem algumas “sentenças abertas” que apare-
minar a matéria e garantir sua aprovação. cem com incógnitas (termo desconhecido), como
por exemplo: “x + 2 = 5”, não sendo consideradas
Definições proposições, já que não se pode classificá-las sem sa-
ber o valor de “x”, porém, com o uso dos quantifica-
Proposição é uma declaração (sentença decla-
rativa, com sujeito “definido”, verbo e sentido com- dores lógicos, elas tornam-se proposições, uma vez
pleto) que pode ser classificada em valores como que esses quantificadores passam a dar valor ao “x”.
verdadeiro e falso.
Os quantificadores lógicos são:
São exemplos de proposições:
: para todo; qualquer que seja; todo;
p: Daniel é enfermeiro.
Q: Leo foi à Argentina. : existe; existe pelo menos um; algum;
A: Luiza adora brincar. : não existe; nenhum.
B: Rosário comprou um carro. Ex.:
x + 2 = 5 (sentença aberta - não é proposição)
FIQUE LIGADO p: x, x + 2 = 5 (lê-se: existe x tal que, x + 2 =5).
Essas letras “p”, “Q”, “a”, “B”, servem para represen- Agora é proposição, uma vez que agora é possível
tar (simbolizar) as proposições. classificar a proposição como verdadeira, já que
sabemos que tem um valor de “x” que somado a
dois é igual a cinco.

RACIOCÍNIO LÓGICO
Valores Lógicos das Proposições
Uma proposição só pode ser classificada em dois EXERCÍCIO COMENTADO
valores lógicos, que são o Verdadeiro (V) ou o Falso
(F), não admitindo outro valor. 01. (ALFACON) Entre as frases apresentadas
As proposições têm três princípios básicos, sen- a seguir, identificadas por letras de A a E,
do um deles o princípio fundamental que é: apenas duas são proposições.
Princípio da não contradição: diz que uma pro- a) Pedro é marceneiro e Francisco, pedreiro.
posição não pode ser verdadeira e falsa ao mesmo b) Adriana, você vai para o exterior nessas
tempo. férias?
c) Que jogador fenomenal!
Os outros dois são: d) Todos os presidentes foram homens
Princípio da identidade: diz que uma proposi- honrados.
ção verdadeira sempre será verdadeira e uma falsa e) Não deixe de resolver a prova com a devida
sempre será falsa. atenção.
Princípio do terceiro excluído: diz que uma CERTO. Nessa questão temos as frases B (interroga-
proposição só pode ter dois valores lógicos, ou o de ções), C (exclamação) e E (ordem) que não são propo-
verdadeiro ou o de falso, não existindo um terceiro sições, já as frases A e D são, uma vez que tem sujeito,
valor. verbo e sentido e podem ser classificadas.

FIQUE LIGADO
Negação de Proposição (Modificador
Interrogações, exclamações e ordens não são propo-
sições. Exs.: Lógico)
“Que dia é hoje?” Negar uma proposição significa modificar o seu
“Que maravilha!” valor lógico, ou seja, se uma proposição é verdadei-
“Estudem muito.” ra, a sua negação será falsa, e se uma proposição for
falsa, a sua negação será verdadeira.

149
“portanto”, “quando”, “como” e “pois” (pois = con-
dicional invertido. Ex.: A, pois B = B → A).
FIQUE LIGADO
Ex.:
Os símbolos da negação são (~) ou (¬) antes da letra a: Danilo foi à praia (simples).
que representa a proposição.
b: Giovanna está brincando (simples).
p: Danilo foi a praia se, e somente se Giovanna
Ex.: p: 3 é ímpar; estava brincando (composta).
~p: 3 não é ímpar; q: se 2 é par, então 3 é ímpar (composta).
¬p: 3 é par (outra forma de negar a proposição).
Lei da dupla negação: EXERCÍCIO COMENTADO
~(~p) = p, negar uma proposição duas vezes sig-
nifica voltar para própria proposição: 01. (Cespe) Se P e Q representam as proposições
“Eu estudo bastante” e “Eu serei aprovado”, res-
q: 2 é par; pectivamente, então, a proposição P → Q repre-
~q: 2 não é par; senta a afirmação “Se eu estudar bastante, então
serei aprovado”.
~(~q): 2 não é ímpar; portanto;
CERTO. A questão está pedindo se a proposição re-
q: 2 é par. presentada está escrita corretamente. Simboliza “→”
condicional (se, então).
Tipos de Proposição
As proposições são de apenas dois tipos, simples
ou compostas. A principal diferença entre as propo- Tabela Verdade e Conectivos Lógicos
RACIOCÍNIO LÓGICO

sições simples e as compostas é a presença do conec-


tivo lógico nas proposições compostas; além disso, A tabela verdade nada mais é do que um meca-
tem-se também que as proposições compostas po- nismo usado para dar valor às proposições compos-
dem ser divididas, enquanto as proposições simples tas (que também serão ou verdadeiras ou falsas), por
não. Outro detalhe é que as proposições simples têm meio de seus respectivos conectivos.
apenas um verbo enquanto as compostas têm mais A primeira coisa que precisamos saber numa
de um verbo. Observe o quadro para diferenciar tabela verdade é o seu número de linhas, e que es-
mais fácil os dois tipos de proposição. se depende do número de proposições simples que
compõem a proposição composta.
Simples (atômicas) Compostas (moleculares)
Número de linhas = 2n, em que “n” é o número
Não têm conectivo lógico Têm conectivo lógico
de proposições simples que compõem a proposição
Não podem ser divididas Podem ser divididas composta. Portanto se houver 3 proposições simples
1 verbo + de 1 verbo formando a proposição composta então a tabela dessa
proposição terá 8 linhas (23 = 8). Esse número de linhas
Conectivo Lógico da tabela serve para que tenhamos todas as relações
possíveis entre “V” e ”F” das proposições simples. Veja:
Serve para unir as proposições simples, forman-
do proposições compostas. São eles: P Q R
V V V
e: conjunção (^)
V V F
ou: disjunção (∨)
V F V
ou..., ou: disjunção exclusiva (∨) V F F
se..., então: condicional (→) F V V
se..., e somente se: bicondicional (↔) F V F

Alguns autores consideram a negação (~) como um F F V

conectivo, porém aqui não faremos isso, pois os conec- F F F


tivos servem para formar proposição composta, e a ne- Observe que temos todas as relações entre os va-
gação faz apenas a mudança do valor das proposições. lores lógicos das proposições, que sejam: as 3 ver-
O “e” possui alguns sinônimos, que são: “mas”, dadeiras (1ª linha), as 3 falsas (última linha), duas
“porém”, “nem” (nem = e não) e a própria vírgula. O verdadeiras e uma falsa (2ª, 3ª e 5ª linhas), e duas
condicional também tem alguns sinônimos que são: falsas e uma verdadeira (4ª, 6ª e 7ª linhas). Nessa

150
demonstração, temos uma forma prática de como se Ex.: P ∨ Q
pode organizar a tabela, sem se preocupar se foram
feitas todas relações entres as proposições. P Q P∨Q
Para o correto preenchimento da tabela, deve- V V V
mos seguir algumas regras: V F V
˃˃ Comece sempre pelas proposições simples F V V
e suas negações, se houver; F F F
˃˃ Resolva os parênteses, colchetes e chaves,
respectivamente (igual à expressão Representando por meio de conjuntos, temos: P ∨ Q
numérica), se houver;
˃˃ Faça primeiro as conjunções e disjunções,
depois os condicionais e por último os bi-
condicionais; P Q
˃˃ A última coluna da tabela deverá ser
sempre a da proposição toda, conforme as
demonstrações adiante.
Valor lógico de uma proposição composta por
disjunção exclusiva (ou, ou) = tabela verdade da
FIQUE LIGADO
disjunção exclusiva (∨).
O valor lógico de uma proposição composta depen-
Uma proposição composta por disjunção exclu-
de dos valores lógicos das proposições simples que a
compõem assim como do conectivo utilizado, e é o que siva só será verdadeira se as suas proposições sim-
veremos a partir de agora. ples que a compõem tiverem valores diferentes, caso
contrário, a disjunção exclusiva será falsa.
Ex.: P ∨ Q

RACIOCÍNIO LÓGICO
Valor lógico de uma proposição composta por
conjunção (e) = tabela verdade da conjunção (∧).
P Q P∨Q
Uma proposição composta por conjunção só se-
rá verdadeira se todas as suas proposições simples V V F
que a compõem forem verdadeiras, caso contrário, a V F V
conjunção será falsa. F V V
Ex.: P ∧ Q F F F
P Q P∧Q
Representando por meio de conjuntos, temos: P ∨ Q
V V V
V F F
F V F
F F F P Q
Representando por meio de conjuntos, temos: P ∧ Q

Valor lógico de uma proposição composta por


P Q
condicional (se, então) = tabela verdade do condi-
cional (→).

Uma proposição composta por condicional só


será falsa se a primeira proposição (também conhe-
Valor lógico de uma proposição composta por dis- cida como antecedente ou condição suficiente) for
junção (ou) = tabela verdade da disjunção (∨).
verdadeira e a segunda proposição (também conhe-
Uma proposição composta por disjunção só será
cida como consequente ou condição necessária) for
falsa se todas as suas proposições simples que a com-
põem forem falsas, caso contrário, a disjunção será falsa; nos demais casos, o condicional será sempre
verdadeira. verdadeiro.

151
Proposição
Verdadeira quando... Falsa quando...
FIQUE LIGADO composta
P∧Q P e Q são verdadeiras Pelo menos uma falsa
Atente-se bem para esse tipo de proposição, pois é Pelo menos uma
P∨Q P e Q são falsas
um dos mais cobrados em concursos. verdadeira
Dicas: P∨Q
P e Q têm valores
P e Q têm valores iguais
diferentes
˃˃ P é antecedente e Q é consequente = P → Q
P = verdadeiro, q =
˃˃ P é consequente e Q é antecedente = Q →P P→Q
verdadeiro ou P = falso
P = verdadeiro e Q = falso
˃˃ P é suficiente e Q é necessário = P → Q P e Q têm valores
P↔Q P e Q têm valores iguais
˃˃ P é necessário e Q é suficiente = Q → P diferentes

Ex.: P → Q EXERCÍCIO COMENTADO


P Q P→Q
01. (Cespe) Considerando que os símbolos “∨, ~, →,
V V V
↔, ∧” representem as operações lógicas “ou”,
V F F “não”, “condicional”, “bicondicional” e “e”, res-
F V V pectivamente, julgue o item a seguir.”:
F F V Acerca da proposição composta P: (p ∨
~q)↔(~p ∧ r), em que p, q e r são proposições
Representando por meio de conjuntos, temos: distintas. O número de linhas da tabela verdade
P→Q de P é igual a 16.
RACIOCÍNIO LÓGICO

Q ERRADO. Para o cálculo do número de linhas de uma


P proposição composta, utilizamos a fórmula 2n, em
que “n” representa o número de proposições simples
que compõem a proposição composta. Como na
questão n = 3, então 2³ = 8. Portanto, o número de
linhas da tabela é 8.
Valor lógico de uma proposição composta por
bicondicional (se e somente se) = tabela verdade
do bicondicional (↔). Equivalências Lógicas
Uma proposição composta por bicondicional
é verdadeira sempre que suas proposições simples Duas ou mais proposições compostas são ditas
que a compõem têm valores iguais, caso contrário, equivalentes quando são formadas pelas mesmas
ela será falsa. proposições simples e suas tabelas verdades (resul-
tado) são iguais.
No bicondicional, “P” e “Q” são ambos suficien-
tes e necessários ao mesmo tempo.
Ex.: P ↔ Q
FIQUE LIGADO
P Q P↔Q Atente-se para o princípio da equivalência. A tabela
verdade está aí só para demonstrar a igualdade.
V V V
V F F
F V F
Seguem algumas demonstrações das mais im-
portantes:
F F V
P ^ Q = Q ^ P: basta trocar as proposições sim-
Representando por meio de conjuntos, temos: P ↔ Q ples de lugar – também chamada de recíproca.
P Q P^Q Q^P
P=Q
V V V V
V F F F
F V F F
F F F F

152
P ∨ Q = Q ∨ P: basta trocar as proposições sim- P Q ~P ~Q P→Q ~Q→~P ~P ∨ Q
ples de lugar – também chamada de recíproca.
V V F F V V V
P Q PvQ QvP
V F F V F F F
V V V V
F V V F V V V
V F V V
F F V V V V V
F V V V
F F F F Equivalências mais importantes e mais cobradas
em concursos.
P ∨ Q = Q ∧ P: basta trocar as proposições sim-
ples de lugar - também chamada de recíproca.
Negação de Proposição Composta
P ∨ Q = ~P ∨ ~Q: basta negar as proposições
simples – também chamada de contrária. São também equivalências lógicas; vejamos algu-
mas delas:
P ∨ Q = ~Q ∨ ~P: troca as proposições simples de
lugar e negam-se – também chamada de contra-po- ~(P ∧ Q) = ~P ∨ ~Q (Leis De Morgan)
sitiva.
Para negar a conjunção, troca-se o conectivo e
P ∨ Q = (P ∧ ~Q) ∨ (~P ∧ Q): observe aqui a ex- (∧) por ou (∨) e negam-se as proposições simples
clusividade dessa disjunção. que a compõem.
(P ∧ ~Q)
P Q ~P ~Q P ∧ ~Q ~P ∧ Q P ∨ Q Q ∨ P ~P ∨ ~Q ~Q ∨ ~P ∨ (~P ∧ P Q ~P ~Q P∧Q ~ (P ∧ Q) ~P ∨ ~Q
Q)
V V F F F F F F F F F V V F F V F F
V F F V V F V V V V V V F F V F V V
F V V F F V V V V V V
F V V F F V V
F F V V F F F F F F F

RACIOCÍNIO LÓGICO
F F V V F V V
P ↔ Q = Q ↔ P: basta trocar as proposições
simples de lugar - também chamada de recíproca. ~(P ∨ Q) = ~P ∧ ~Q (Leis De Morgan)
P ↔ Q = ~P ↔ ~Q: basta negar as proposições Para negar a disjunção, troca-se o conectivo ou
simples – também chamada de contrária. (∨) por e (∧) e negam-se as proposições simples que
P ↔ Q = ~Q ↔ ~P: troca as proposições sim- a compõem.
ples de lugar e negam-se – também chamada de con-
tra- positiva. P Q ~P ~Q P∨Q ~ (P ∧ Q) ~P ∧ ~Q
P ↔ Q = (P → Q) ∧ (Q → P): observe que é con- V V F F V F F
dicional para os dois lados, por isso bicondicional.
V F F V V F F
(P→Q) ∧
P Q ~P ~Q P→Q Q→P P↔Q Q↔P ~P↔~Q ~Q↔~P
(Q→P) F V V F V F F
V V F F V V V V V V V
F F V V F V V
V F F V F V F F F F F
F V V F V F F F F F F ~(P → Q) = P ^ ~Q (Leis De Morgan)
F F V V V V V V V V V Para negar o condicional, mantém-se o antece-
dente e nega-se o consequente.
FIQUE LIGADO P Q ~P ~Q P∨Q ~ (P ∨ Q) ~P ∧ ~Q
V V F F V F F
A disjunção exclusiva e o bicondicional são as propo-
sições com o maior número de equivalências. V F F V V F F
F V V F V F F
P → Q = ~Q → ~P: troca as proposições simples F F V V F V V
de lugar e nega-se – também chamada de contra-
-positiva. ~(P ∨ Q) = P ↔ Q
P → Q = ~P ∨ Q: negam-se o antecedente ou Para negar a disjunção exclusiva, faz-se o bicon-
mantém o consequente. dicional.

153
P Q P∨Q ~( P ∨ Q) P↔Q Contingência: ocorre quando não é tautologia
V V F V V nem contradição. ~(P ∨ Q) ↔ P
V F V F F
F V V F F P Q P∨Q ~(P ∨ Q) ~(P ∨ Q) ↔ P
F F F V V V V F V V
V F V F F
~(P ↔ Q) = (P ∨ Q).
F V V F V
Para negar a bicondicional, faz-se a disjunção ex-
clusiva. F F F V F

P Q P↔Q ~( P ↔ Q) P∨Q
V V V F F EXERCÍCIO COMENTADO
V F F V V
01. (Cespe) A proposição (A ∨ B) ∧ [(~A) ∧ (~B)] é
F V F V V
sempre falsa.
F F V F F
CERTO. A questão está pedindo, em outras palavras,
se a proposição é uma contradição. Para isso basta
EXERCÍCIO COMENTADO desenhar a tabela verdade dessa proposição:
A B ~A ~B A ∨ B ~A ∧ ~B (AvB) ∧ [(~A) ∧ (~B)]
01. (Cesgranrio) A negação da proposição “Alberto V V F F V F F
é alto e Bruna é baixa” é: V F F V V F F
a) Alberto é baixo e Bruna é alta. F V V F V F F
b) Alberto é baixo e Bruna não é alta. F F V V F V F
c) Alberto é alto ou Bruna é baixa.
RACIOCÍNIO LÓGICO

d) Alberto não é alto e Bruna não é baixa. Observe que a proposição realmente é total-
mente falsa (veja a última coluna da tabela).
e) Alberto não é alto ou Bruna não é baixa.
RESPOSTA: E. A negação de (P ∧ Q) é (~P ∨ ~Q). Consi-
derando: P = Alberto é alto; e Q = Bruna é baixa; temos: Relação entre Todo, Algum e
~P = Alberto não é alto, e ~Q = Bruna não é baixa.
Nenhum
Tautologias, Contradições e
Também conhecidos como quantificadores uni-
Contingências versais (quantificadores lógicos), eles têm entre si
Tautologia: proposição composta que é sempre algumas relações que devemos saber, são elas:
verdadeira independente dos valores lógicos das
proposições simples que a compõem. “Todo A é B” equivale a “nenhum A não é B”, e
(P ∧ Q) → (P ∨ Q) vice-versa.
Ex.: “todo amigo é bom = nenhum amigo não é
P Q P^Q PvQ (P ^ Q) → (P v Q)
bom.”
V V V V V
“Nenhum A é B” equivale a “todo A não é B”, e
V F F V V
F V F V V
vice-versa.
F F F F V Ex.: “nenhum aluno é burro = todo aluno não é
Contradição: proposição composta que é sem- burro.”
pre falsa, independente dos valores lógicos das pro-
posições simples que a compõem.
FIQUE LIGADO
~(P ∨ Q) ∧ P
P Q P∨Q ~(P ∨ Q) ~(P ∨ Q) ∧ P
Essas são as duas relações de equivalência mais
comuns, porém há uma em que utilizamos o ALGUM.
V V V F F
V F V F F
“Todo A é B” equivale a “algum B é A”.
F V V F F “todo professor é aluno = algum aluno é professor.”
F F F V F

154
“Todo A é B” tem como negação “algum A não é
B” e vice-versa.
EXERCÍCIO COMENTADO
Ex.: ~(todo estudante tem insônia) = algum es-
tudante não tem insônia. 01. (Fumarc) Considere a seguinte proposição:
Todos os alunos assistiram ao filme. A negação
“Algum A é B” tem como negação “nenhum A é B”
da proposição é:
e vice-versa. a) Nenhum aluno assistiu ao filme.
Ex.: ~(algum sonho é impossível) = nenhum so- b) Algum aluno não assistiu ao filme.
nho é impossível. c) Alguns alunos assistiram ao filme.
Temos também a representação em forma de d) Todos os alunos não assistiram ao filme.
conjuntos, que é: RESPOSTA: B. A negação de “todo A é B” é “algum A
não é B”.
TODO A é B:

VAMOS PRATICAR
B A Os exercícios a seguir são referentes ao conteú-
do: Proposições.
01. (Consulplan) Qual das proposições abaixo é
verdadeira?
ALGUM A é B: a) O ar é necessário à vida e a água do mar
é doce.
b) O avião é um meio de transporte ou o aço

RACIOCÍNIO LÓGICO
é mole.
A B
c) 6 é ímpar ou 2 + 3 ≠ 5.
d) O Brasil é um país e Sergipe é uma cidade.
e) O papagaio fala e o porco voa.
NENHUM A é B: 02. (Cesgranrio) Analise as afirmativas abaixo.
I. A parte sempre cabe no todo;
II. O inimigo do meu inimigo é meu amigo;
A B III. Um professor de matemática afirma que
todos os professores de matemática são men-
tirosos.
Do ponto de vista da lógica, é(são) sempre verdadei-
Por fim podemos representar as relações da se- ra(s) somente a(s) afirmativa(s):
guinte forma:
a) I.
Equivalência b) I e II.
c) I e III.
d) II.
Negação
AéB A não é B A não é B e) III.
TODO ALGUM NENHUM
A não é B AéB AéB 03. (Cespe) A sentença “Maria é mais bonita que
Negação Sílvia, pois Maria é Miss Universo e Sílvia é
Miss Brasil” é representada corretamente
pela expressão simbólica (P ^ Q) → R.
Equivalência
Certo ( ) Errado ( )

155
04. (ESAF) Assinale a opção verdadeira. 10. (Cespe) A negação da proposição “se Paulo
está entre os 40% dos homens com mais de
a) 3 = 4 ou 3 + 4 = 9 30 anos, então Luísa tem mais de 30 anos” é
b) Se 3 = 3, então 3 + 4 = 9 “se Paulo não está entre os 40% dos homens
com mais de 30 anos, então Luísa não tem
c) 3 = 4 e 3 + 4 = 9
mais de 30 anos”.
d) Se 3 = 4, então 3 + 4 = 9
Certo ( ) Errado ( )
e) 3 = 3 se e somente se 3 + 4 = 9
11. (FCC) Considere a seguinte proposição: “Se
05. (Cespe) Para todos os possíveis valores uma pessoa não faz cursos de aperfeiçoa-
lógicos atribuídos às proposições simples A mento na sua área de trabalho, então ela não
e B, a proposição composta {[A ^ (~B)] v B} melhora o seu desempenho profissional.”
tem exatamente 3 valores lógicos V e um F. Uma proposição logicamente equivalente à
proposição dada é:
Certo ( ) Errado ( )
06. (Cespe) A negação da proposição “O presi- a) É falso que, uma pessoa não melhora o seu
dente é o membro mais antigo do tribunal e desempenho profissional ou faz cursos de
aperfeiçoamento na sua área de trabalho.
o corregedor é o vice-presidente” é “O presi-
dente é o membro mais novo do tribunal e o b) Não é verdade que, uma pessoa não faz
corregedor não é o vice-presidente”. cursos de aperfeiçoamento profissional e
não melhora o seu desempenho profissional.
Certo ( ) Errado ( )
c) Se uma pessoa não melhora seu desempe-
07. (Cespe) A negação da proposição “estes nho profissional, então ela não faz cursos de
papéis são rascunhos ou não têm mais ser-
RACIOCÍNIO LÓGICO

aperfeiçoamento na sua área de trabalho.


ventia para o desenvolvimento dos traba- d) Uma pessoa melhora o seu desempenho
lhos” é equivalente a “estes papéis não são profissional ou não faz cursos de aperfei-
rascunhos e têm serventia para o desenvolvi- çoamento na sua área de trabalho.
mento dos trabalhos”.
e) Uma pessoa não melhora seu desempe-
Certo ( ) Errado ( ) nho profissional ou faz cursos de aperfei-
çoamento na sua área de trabalho.
08. (Fepese) A afirmação condicional equivalen-
te a “Todos os cangurus usam bolsa” é: 12. (Cespe) Caso a proposição “Se a EMBASA
promover ações de educação ambiental,
a) Se algo usa bolsa, então é um canguru. então a população colaborará para a redução
b) Se algo não usa bolsa então não é um da poluição das águas” seja V, a proposi-
canguru. ção “Se a EMBASA não promover ações de
c) Se algo é uma bolsa, então é usada por um educação ambiental, então a população não
colaborará para a redução da poluição das
canguru.
águas” também será V.
d) Se algo não é um canguru, então não usa
bolsa. Certo ( ) Errado ( )
e) Se algo não é um canguru, também não é 13. (Cesgranrio) Considere a proposição
uma bolsa. composta “Se o mês tem 31 dias, então não
é setembro”. A proposição composta equi-
09. (FGV) A negação da sentença “Se tenho valente é
dinheiro, então sou feliz” é:
a) “O mês tem 31 dias e não é setembro”.
a) Se não tenho dinheiro, então não sou
b) “O mês tem 30 dias e é setembro”.
feliz.
c) “Se é setembro, então o mês não tem 31
b) Se não sou feliz, então não tenho
dias”.
dinheiro.
d) “Se o mês não tem 31 dias, então é
c) Não tenho dinheiro e sou feliz. setembro”.
d) Não tenho dinheiro ou sou feliz. e) “Se o mês não tem 31 dias, então não é
e) Tenho dinheiro, e não sou feliz. setembro”.

156
14. (FGV) Considere como verdadeira a declara- b) Tem 40 anos de idade, então ele não
ção: “Ontem, nas cidades litorâneas do Brasil, realiza exames médicos anualmente ou
as temperaturas aumentaram em até 10ºC”. É não toma a vacina contra a gripe.
correto concluir que ontem: c) Não realizou nenhum exame médico nos
a) As temperaturas nas cidades do interior últimos dois anos, então ele não tem 50
do Brasil não aumentaram. ou mais anos de idade.
b) As temperaturas nas cidades do interior d) Tem entre 55 e 60 anos de idade, então ele
do Brasil aumentaram mais do que 10ºC. realiza um único exame médico por ano,
além de tomar a vacina contra a gripe.
c) Em alguma cidade litorânea brasileira, a
e) Tomou a vacina contra a gripe ou
temperatura aumentou atingindo a tem-
realizou exames médicos nos últimos
peratura de 10ºC.
dois anos, então ele tem pelo menos 47
d) Em alguma cidade litorânea brasileira, anos de idade.
o aumento da temperatura não foi sufi-
17. (FCC) Considere a afirmação: Pelo menos
ciente para atingir os 10ºC. um ministro participará da reunião ou
e) Em algumas cidades litorâneas brasilei- nenhuma decisão será tomada. Para que essa
ras, a variação da temperatura foi menor afirmação seja FALSA:
do que 10ºC. a) É suficiente que nenhum ministro tenha
15. (Cespe) Proposições são sentenças que participado da reunião e duas decisões
podem ser julgadas somente como verda- tenham sido tomadas.
deiras ou falsas. A esse respeito, considere b) É suficiente que dois ministros tenham
que p represente a proposição simples “É participado da reunião e alguma decisão
dever do servidor promover o atendimen- tenha sido tomada.
to cordial a clientes internos e externos”, c) É necessário e suficiente que alguma
que q represente a proposição simples “O decisão tenha sido tomada, independen-

RACIOCÍNIO LÓGICO
servidor deverá instruir procedimentos ad- temente da participação de ministros na
ministrativos de suporte gerencial” e que r reunião.
represente a proposição simples “É tarefa d) É necessário que nenhum ministro tenha
do servidor propor alternativas e promover participado da reunião e duas decisões
ações para o alcance dos objetivos da orga- tenham sido tomadas.
nização”. Acerca dessas proposições p, q e r e) É necessário que dois ministros tenham
e das regras inerentes ao raciocínio lógico, participado da reunião e nenhuma
assinale a opção correta. decisão tenha sido tomada.
18. (Cespe) A proposição Se x é um número par,
a) ~(p v q v r) é equivalente a ~p ^ ~q ^ ~r.
então y é um número primo é equivalente
b) p → q é equivalente a ~p → ~q. à proposição Se y não é um número primo,
c) p ^ (q v r) é equivalente a p ^ q ^ r. então x não é um número par.
d) ~(~(~r)) ↔ r. Certo ( ) Errado ( )
e) A tabela verdade completa das proposi- 19. (Cespe) A negação da proposição “O juiz de-
ções simples p, q e r tem 24 linhas. terminou a libertação de um estelionatário
16. (FCC) Uma empresa mantém a seguinte e de um ladrão” é expressa na forma “O juiz
não determinou a libertação de um esteliona-
regra em relação a seus funcionários: Se um
tário nem de um ladrão”.
funcionário tem mais de 45 anos de idade,
então ele deverá, todo ano, realizar pelo Certo ( ) Errado ( )
menos um exame médico e tomar a vacina
20. (ESAF) X e Y são números tais que: Se X ≤ 4,
contra a gripe.
então Y > 7. Sendo assim:
Considerando que essa regra seja sempre cumprida, a) Se Y ≤ 7, então X > 4.
é correto concluir que, necessariamente, se um fun-
cionário dessa empresa: b) Se Y > 7, então X ≥ 4.
c) Se X ≥ 4, então Y < 7.
a) Anualmente realiza um exame médico
e toma a vacina contra a gripe, então ele d) Se Y < 7, então X ≥ 4.
tem mais de 45 anos de idade. e) Se X < 4, então Y ≥ 7.

157
GABARITO
01 B 11 E
02 A 12 ERRADO
03 CERTO 13 C
04 D 14 E
05 CERTO 15 A
06 ERRADO 16 C
07 CERTO 17 A
08 B 18 CERTO
09 E 19 ERRADO
10 ERRADO 20 A

ANOTAÇÕES
RACIOCÍNIO LÓGICO

158
O software livre tem como primordial caracterís-
1.  Software tica o Código Fonte Aberto.
Cerca de 90% das questões de Informática A principal organização que mantém e promove
o software livre é a Free Software Foundation (FSF).
abordam conceitos relacionados aos softwares, na
forma de definições e de modos de operação, tan- Para que um software seja classificado como
to em provas de nível médio como de nível supe- Software Livre, ele deve obedecer a quatro liberda-
rior. Por esse motivo, ele será abordado em nosso des de software do projeto GNU - General Public
primeiro tópico. License (Licença Pública Geral) - idealizado por Ri-
chard Matthew Stallman, ativista e fundador do mo-
O software é a parte abstrata de um computador, vimento software livre:
também conhecido como a parte lógica. É um pro-
grama instalado em um dispositivo, que pode ser Liberdade 0: a liberdade para executar o progra-
um computador ou mesmo um celular. ma, para qualquer propósito;
Os Programas são a aplicação de regras de ma- Liberdade 1: a liberdade de estudar como o pro-
neira digital, para que, dada uma situação, ocorra grama funciona e adaptá-lo às suas necessidades;
uma reação pré-programada. Assim, temos que um Liberdade 2: a liberdade de redistribuir cópias
programa é uma representação de tarefas manuais; do programa de modo que você possa ajudar ao seu
com eles podemos automatizar processos, o que tor- próximo;
na as tarefas mais dinâmicas. Liberdade 3: a liberdade de modificar o progra-
ma e distribuir essas modificações, de modo que to-
Licenças de Software da a comunidade se beneficie.
Uma licença de software define o que um A GPL (CopyLeft) é um reforço a essas quatro li-
usuário pode ou não fazer com ele, ela se baseia berdades, garantindo que o código fonte de um pro-
essencialmente no direito autoral. Existem vários grama software livre não possa ser apropriado por

NOÇÕES DE INFORMÁTICA
tipos de licenças de software, mas, no que tange outra pessoa ou empresa, principalmente para que
ao concurso público, apenas duas são de valor sig- não seja transformado em software proprietário.
nificativo: a licença de software livre e a licença de A GPL só possui versão em inglês devido a possí-
software proprietário. veis erros de tradução que possam vir a ser inseridos
em sua descrição.
Software Proprietário
O Linux é um dos principais projetos desenvol-
A licença de software proprietário procura reser- vidos sob a licença de software livre, assim como o
var o direito de autor do programa. BrOffice, mas o principal responsável por alavancar
Um software proprietário é também conhecido o software livre, assim como o próprio Linux, foi o
como software não livre, pois uma de suas principais projeto Apache2 que no início só rodava em servido-
características é manter o Código Fonte1 fechado. res Linux e hoje é multiplataforma.
Há vários softwares proprietários gratuitos.
Por outro lado, existem aqueles que, para o usuá- FIQUE LIGADO
rio adquirir o direito de uso, exigem a compra de
uma licença de uso, a qual não lhe dá direito de
São exemplos de softwares livres: Apache, Linux,
propriedade sobre o programa, apenas concede a
BrOffice, LibreOffice, Mozilla Firefox, Mozilla Thunder-
ele o direito de utilizá-lo, além de impor algumas
bird, entre outros.
regras quanto ao seu uso.
São exemplos de softwares proprietários: Win-
dows, Microsoft Office, Mac OS, aplicativos da
Adobe, Corel Draw, WinRAR, WinZip, MSN entre Shareware
outros tantos. A Licença do tipo Shareware é comumente usada
quando se deseja permitir ao usuário uma degusta-
Software Livre ção do programa, é uma licença que oferece funcio-
Em contrapartida ao software proprietário, nalidades reduzidas ou mesmo em sua totalidade,
um grupo criou o software livre. Como princípio porém, com um prazo para esse uso que, depois de
atribuem-se às leis que regem a definição de li- encerrado, o programa limita as funcionalidades ou
berdades como forma de protesto em relação ao pode deixar de funcionar.
software proprietário.
1  Código Fonte: conjunto de instruções feitas em uma linguagem de programa- 2  Apache: servidor responsável pelo processamento da maior parte das pági-
ção, que definem o funcionamento e o comportamento do programa. nas disponibilizadas atualmente na Internet, cerca de 51%. .

275
Um exemplo de software popular que utiliza essa
licença é o WinRAR, que, após os 40 dias, começa a
exibir uma mensagem toda vez que é aberto, contu- Alternativa A. Um software, por ser livre, não significa
do, continua funcionando mesmo que o usuário não que tenha de ser para um tipo de pessoa apenas, pelo
adquira a licença. contrário, a ideia do software livre é a democratização,
tanto que temos no Brasil um grande incentivo por
Esta permite a cópia e redistribuição do software, parte do governo ao software livre, por isso, inclusi-
porém, não permite a alteração, pois o código fonte ve, é que ele aparece na sua prova do concurso. Como
não é público. usuário doméstico (pessoa física), você também pode
fazer uso desse ambiente mais seguro que é o Linux.
EXERCÍCIO COMENTADO O software livre também emprega as 4 liberdades, ou
seja, o termo restrição não soa muito bem associado
01. (Cespe) Com relação a softwares livres, suas ao software livre.
licenças de uso, distribuição e modificação, Alternativa B. A alternativa descreve bem as 4 li-
assinale a opção correta, tendo como referência berdades da licença livre bem como a característica
as definições e os conceitos atualmente empre- “código fonte ser aberto”, ou seja, disponível a todos.
gados pela Free Software Foundation. Alternativa C. Um software Livre não pode ser con-
a) Todo software livre deve ser desenvolvi- vertido em software proprietário, contudo, existem
do para uso por pessoa física em ambiente licenças derivadas do software livre ditas licenças
com sistema operacional da família Linux, permissivas, que são utilizadas quando o desenvol-
devendo haver restrições de uso a serem vedor de um sistema apenas o cria sem intenção de
impostas por fornecedor, no caso de outros mantê-lo ou melhorá-lo, deixando livre para que,
sistemas operacionais. caso alguém se interesse, possa tornar o fruto do seu
b) O código fonte de um software livre pode trabalho em um produto e comercializar por conta.
ser adaptado ou aperfeiçoado pelo usuário, Alternativa D. Software de Domínio Público pode ser
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

para necessidades próprias, e o resultado transformado em software proprietário. A denomina-


de aperfeiçoamentos desse software pode ção CopyLeft faz uma alusão ao CopyRight (direitos
ser liberado e redistribuído para outros autorais), dando ênfase à liberdade de software. Ela
usuários, sem necessidade de permissão do é um complemento ao conceito de software livre, pois
fornecedor do código original. o reforça, impondo a necessidade de que as atualiza-
c) Toda licença de software livre deve estabele- ções, mudanças ou mesmo uso de partes de um deste
cer a liberdade de que esse software seja, a sejam mantidas sob a licença de software livre, o qual
qualquer momento, convertido em software é diferente de domínio público devido às condições
proprietário e, a partir desse momento, citadas.
passem a ser respeitados os direitos de Alternativa E. O código fonte não precisa estar dispo-
propriedade intelectual do código fonte do nibilizado necessariamente em um site, porém, deve
software convertido. ser acessível a quem precisar; o código pode ser dis-
d) Quando a licença de um software livre contém ponibilizado por meio de mídias como CDs e DVDs.
cláusula denominada copyleft, significa que Além disso, um software livre já possui versões com-
esse software, além de livre, é também de piladas disponíveis para usuários, ou seja, o usuário
domínio público e, dessa forma, empresas in- não precisa compilá-lo previamente para executar.
teressadas em comercializar versões não gra-
tuitas do referido software poderão fazê-lo,
desde que não haja alterações nas funciona- Tipos de Software
lidades originais do software.
e) Um software livre é considerado software de Existem diversos tipos de software, mas somente
código aberto, quando o seu código fonte alguns nos interessam durante a prova. Dessa for-
está disponível em sítio da Internet com de- ma, iremos focar o estudo no que nos é pertinente.
signação .org, podendo, assim, ser continua- Podemos classificar os softwares de acordo com
mente atualizado, aperfeiçoado e estendido os itens a seguir:
às necessidades dos usuários, que, para exe- Firmwares;
cutá-lo, devem compilá-lo em seus compu- Sistemas Operacionais;
tadores pessoais. Essa característica garante
Escritório;
a superioridade do software livre em face dos
seus concorrentes comerciais proprietários. Utilitários;
Entretenimento;
RESPOSTA: B.
Malwares.

276
Firmwares
Um Firmware é normalmente um software em- EXERCÍCIOS COMENTADOS
barcado, ou seja, ele é um software desenvolvido pa-
ra operar sobre um hardware específico. De forma 01. (IF-SE) Um programa (software), quando ar-
geral, um Firmware é incorporado ao hardware já mazenado na memória ROM, recebe o nome de
no momento de sua fabricação, mas, dependendo firmware.
do tipo de memória em que é armazenado, ele pode CERTO. Um exemplo disso é o Sistema Básico de
ser atualizado ou não. O software do tipo Firmware Entrada/Saída (BIOS), que é um software do tipo
que interessa ao nosso estudo é o BIOS. Firmware que fica armazenado em uma memória
do tipo ROM, nos computadores atuais do tipo Flash
BIOS (Basic Input/Output System) ROM (que é dita do tipo ROM, pela característica de
manter uma informação mesmo sem alimentação de
O Sistema Básico de Entrada e Saída é um soft- energia). Os chips de memória ROM são peças nor-
ware embarcado em uma memória do tipo ROM, malmente já acopladas ao hardware final.
nos computadores atuais é mais comum em memó-
rias do tipo Flash ROM. 02. (Cespe) Diferentemente dos computadores
pessoais ou PCs tradicionais, que são operados
O BIOS é o primeiro programa que roda quando por meio de teclado e mouse, os tablets e com-
ligamos o computador. Ele é composto pelo SETUP, putadores pessoais portáteis dispõem de recurso
que são suas configurações, e pelo POST, responsá- touch-screen. Outra diferença entre esses dois
vel por realizar os testes de hardware. tipos de computadores diz respeito ao fato de o
Durante o processo de boot3, o BIOS aciona a tablet possuir firmwares, em vez de processado-
memória CMOS4, onde ficam armazenadas as últi- res, como o PC.
mas informações sobre o hardware do computador ERRADO. A questão compara um software do tipo
firmware a um processador, uma peça de hardware.

NOÇÕES DE INFORMÁTICA
e sobre a posição de início do sistema operacional no
disco. Em posse dessas informações, o BIOS executa Tablets, assim como outros dispositivos (celulares,
o POST, a etapa que verifica se todos os dispositivos smartphones, etc.), também possuem processador;
muitas vezes mais de um, como o primeiro Iphone,
necessários estão conectados e operantes.
que portava 8 processadores, cada um com uma fina-
Após as verificações de compatibilidade, o BIOS lidade. Esses dispositivos, assim como o computador,
inicia o processo de leitura do disco indicado como também possuem firmwares.
primário a partir do ponto onde se encontra o sis-
tema operacional, que é carregado para a memória
principal do computador. Sistemas Operacionais (SO)
Quando há apenas um sistema operacional insta- O conteúdo de sistemas operacionais é cobra-
lado no computador, este é iniciado diretamente pelo do de duas formas nas provas: prática e conceitual.
BIOS, porém, se houver dois ou mais se faz necessário Questões de caráter conceitual são colocadas de for-
optar por qual dos sistemas se deseja utilizar. ma comparativa entre os sistemas, enquanto que as
práticas estão associadas às ferramentas e modos de
Em uma situação em que existem dois sistemas
operação de cada sistema. O conteúdo referente à
operacionais atribui-se a caracterização de Dual boot.
parte prática é abordado em específico nos tópicos
Windows e Linux.
FIQUE LIGADO O sistema operacional é o principal programa
do computador. Ele é o responsável por facilitar a
Em um mesmo computador podem ser instalados interação do usuário com a máquina, além de ter si-
dois ou mais sistemas operacionais diferentes, ou mes- do criado para realizar as tarefas de controle do har-
mo versões diferentes do mesmo sistema.
dware, livrando assim os aplicativos de conhecer o
funcionamento de cada peça existente no mundo.
Um computador que possua uma distribuição As tarefas de responsabilidade do SO são, princi-
Linux instalada e uma versão Windows, por exem- palmente, de níveis gerenciais. O sistema operacional
plo, ao ser concluído o processo do BIOS, inicia um
é o responsável por administrar a Entrada e a Saída
gerenciador de boot. Em geral é citado nas provas
de dados de forma que, quando um usuário seleciona
ou o GRUB ou o LILO, que são associados ao Linux.
uma janela, ele está trazendo-a para o primeiro pla-
3  boot: processo de inicialização do sistema operacional. no de execução. Assim, sempre que o usuário digita
4  CMOS: uma pequena memória RAM alimentada por uma pilha de 9V. um texto, por exemplo, o SO tem de gerenciar qual a

277
janela, ou seja, qual aplicativo irá receber as informa- sistema do Google para esses dispositivos, o Google
ções entradas pelo teclado, mas ao mesmo tempo o Android, no entanto, a Microsoft lançou em 2012 o
SO irá receber uma solicitação do aplicativo para que Windows 8, inclusive para o mercado de dispositi-
exiba na tela as informações recebidas. vos móveis.
É de responsabilidade do SO gerenciar o uso da Os Sistemas Operacionais podem ser divididos
memória RAM e do processador. O controle estabe- em duas partes principais: Núcleo e Interface.
lecido pelo sistema operacional dita que programa O Núcleo de um Sistema Operacional é cha-
será executado naquele instante e quais espaços de mado de Kernel. Ele é a parte responsável pelo ge-
memória estão sendo usados por ele e pelos demais renciamento do hardware, como já explanado, en-
aplicativos em execução. quanto que a interface é parte de interação com o
Para que o sistema operacional consiga se co- usuário, seja ela uma interface apenas textual ou
municar com cada dispositivo, aquele precisa saber uma interface com recursos gráficos.
antes como estes funcionam, para tanto, é necessá-
rio instalar o driver5 do dispositivo. Atualmente, a
maioria dos drivers são identificados automatica-
FIQUE LIGADO
mente pelo SO, mas o sistema nem sempre possui as
O Kernel é a principal parte do Sistema Operacional.
informações sobre hardwares recém-lançados. Nes-
se caso, o sistema, ao não conseguir o driver especí-
fico, solicita ao usuário que informe o local onde ele A interface com recursos gráficos é comumente
possa encontrar o driver necessário. chamada de GUI (Graphic User Interface), Interfa-
ce Gráfica do Usuário, também citada como geren-
Aplicativos ciador de interface gráfica. O nome Windows foi ba-
Gerenciamento de Entrada/Saída seado, justamente, nessa característica de trabalhar
com janelas gráficas como forma de comunicação
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Gerenciamento de Drivers de dispositivos


Hardware com o usuário.
Gerenciamento de Memória
Sistema Operacional Kernel
Gerenciamento de CPU
Windows XP NT 5.2
Hardware
Windows Vista NT 6.0
Dentre os sistemas operacionais modernos, o Windows 7 NT 6.1
Windows ainda é o que mais se destaca em ter- Windows 8 NT 6.2
mos de número de usuários em computadores
Linux Linux 3.10
pessoais. Por outro lado, quando se questiona em
relação ao universo de servidores na Internet, nos Em relação às GUIs, cada versão do Windows
deparamos com o Linux como mais utilizado; o utiliza e trabalha com apenas uma única interface
principal motivo relaciona-se à segurança mais gráfica, que só passou a ter um nome específico a
robusta oferecida pelo Linux. partir do Windows Vista.
Os exemplos de SO para computadores pessoais
(PC) que podem ser citados em provas são: Windows GUI

Windows; XP Sem nomenclatura

Linux; Vista Aero

Mac OS; 7 Aero


Chrome OS; 8 Metro
Solaris.
Porém, esses sistemas derivaram de duas ver- FIQUE LIGADO
tentes principais o DOS e o UNIX. É de interesse da
prova saber que o DOS foi o precursor do Windows Ao contrário do Windows, o Linux tem suporte a vá-
e que a plataforma UNIX foi a base do Linux e tam- rias Interfaces Gráficas.
bém do Mac OS.
Contudo, não encontramos SO apenas em PCs. Por outro lado, existem diversas GUIs para o
Celulares, smartphones e tablets também utilizam Linux, algumas Distribuições Linux6 trabalham
sistemas operacionais. Atualmente, fala-se muito no com apenas um gerenciador de interface gráfica,

5  Driver: Conjunto de informações sobre como funciona um dispositivo de 6  Distribuição Linux: uma cópia do Linux desenvolvida, geralmente, com base
hardware. em outra cópia, mas com algumas adaptações.

278
enquanto que outras trabalham com múltiplas. As Nesta seção apenas é apresentado um comparativo
principais GUIs do Linux são: entre as suítes de escritório que são cobradas na prova.
Gnome; Editor Microsoft Office BrOffice
KDE;
Texto Word Writer
Unity;
Planilha Excel Calc
XFCE;
Apresentação de Slides PowerPoint Impress
FluxBox;
BlackBox; Desenho Publisher Draw
Mate; Banco de Dados Access Base
Cinnamon. Fórmula Equation Math

Características de um Sistema Operacional Os editores de Texto, Planilha e Apresentação


Os Sistemas Operacionais podem ser classificados são os mais cobrados em provas de concursos. So-
de acordo com suas características comportamentais. bre esses programas podem aparecer perguntas a
respeito do seu funcionamento, ainda que sobre edi-
Multitarefa tores de apresentação sejam bem menos frequentes.
Um Sistema Operacional é dito multitarefa quan- Outro ponto importante a se ressaltar é que
do consegue executar mais de uma tarefa simultânea, o Microsoft Outlook é componente da suíte de
como: tocar uma música enquanto o usuário navega aplicativos Microsoft Office. Não foi destacado na
na Internet e escreve um texto no Word. tabela acima por não existir programa equivalen-
Contudo, há duas formas de multitarefa empre- te no BrOffice.
gadas pelos SO modernos: Multitarefa Preemptiva e Por vezes o concursando pode se deparar na pro-
Multitarefa Real. va com o nome LibreOffice, o que está correto, pois

NOÇÕES DE INFORMÁTICA
Windows, Linux e Mac OS. o BrOffice é utilizado no Brasil apenas, mas ele é ba-
seado no Libre Office. Até a versão 3.2, o BrOffice
Monotarefa era fundamentado no OpenOffice e, após a compra
Sistema Monotarefa é o sistema que, para execu- da Sun pela Oracle a comunidade decidiu mudar pa-
tar uma tarefa, deve aguardar a que está em execução ra o Libre por questões burocráticas.
terminar ou mesmo forçar o seu término para que
possa executar. Trabalha com um item de cada vez. Softwares Utilitários
DOS e algumas versões UNIX. Alguns programas ganharam tamanho espaço
Multiusuário no dia a dia do usuário que, sem eles, podemos por
vezes ficar sem acesso às informações contidas em
É quando o Sistema Operacional permite mais arquivo, por exemplo.
de uma sessão de usuário ativa simultaneamente.
São classificados como utilitários os programas
Se dois ou mais usuários estiverem com sessões compactadores de arquivos e leitores de PDF. Esses
iniciadas, elas são de certa maneira tratadas inde- programas assumiram tal patamar por consolida-
pendentemente, ou seja, um usuário não vê o que rem seus formatos de arquivos. Entre os compac-
o outro estava fazendo, como também, em um uso tadores temos os responsáveis pelo formato de ar-
normal, não interfere nas atividades que estavam quivos ZIP, apesar de que, desde sua versão XP, o
sendo executadas pelo outro usuário. Windows já dispunha de recurso nativo para com-
pactar e descompactar arquivos nesse formato, mui-
O sistema multiusuário geralmente possui a op- tos aplicativos se destacavam por oferecer o serviço
ção trocar de usuário, que permite bloquear a sessão de forma mais eficiente ou prática. Os compactado-
ativa e iniciar outra sessão simultânea. res mais conhecidos são: WinZip, BraZip e 7-Zip.
Monousuário Outro compactador que ganhou espaço no merca-
Em um Sistema Monousuário, para que outro do foi o WinRar com o formato .RAR, que permite
uma maior compactação do que o ZIP.
usuário inicie sessão, é necessário finalizar a do usuá-
rio ativo, também conhecido como efetuar Logoff.
Softwares de Entretenimento
Softwares de Escritório Nesta categoria, entram os aplicativos multimí-
dias como players de áudio e vídeo, como o Windo-
São aplicativos com utilização mais genérica, de ws Media Player, o Winamp, o iTunes, VLC player
forma a possibilitarem as diversas demandas de um e BS player, dentre inúmeros outros, assim como
escritório como também suprirem muitas necessi- também os jogos como Campo Minado, Paciência,
dades acadêmicas em relação à criação de trabalhos. Pinball e outros tantos de mais alto nível.

279
Malwares (Malicious Softwares) Worm
Os Malwares são programas que têm finalida- O Worm é por vezes citado nas provas em por-
de mal intencionada, na maioria das vezes ilícita. tuguês, verme, como forma de confundir o concur-
Grande parte das bancas cita-os como pragas ci- sando. Ao contrário do vírus, ele não depende de
bernéticas que infectam o computador do usuário ação do usuário para executar; ele executa auto-
e trazem algum prejuízo; por outro lado, há bancas maticamente: no momento em que um pendrive é
que especulam sobre os diferentes tipos de malwa- conectado a um computador, ele é contaminado ou
res. A seguir são destacados os principais tipos de contamina este.
malwares. Um Worm tem como finalidade se replicar, po-
rém, não infecta outros arquivos, apenas cria cópias
de si em vários locais, o que pode encher o HD do
FIQUE LIGADO usuário. Outra forma utilizada de se replicar é atra-
vés da exploração de falhas dos programas, princi-
Para ser um malware tem que ser um software, palmente os clientes de e-mail, enviando por correio
do contrário pode ser uma prática maliciosa, mas eletrônico cópias de si para os contatos do usuário
não um malware. armazenados no cliente de e-mail.
Um Worm, muitas vezes, instala no computador
do usuário um bot, transformando aquele em um ro-
Vírus bô controlado à distância. Os indivíduos que criam
um Worm fazem-no com a finalidade de infectar o
O Vírus é apenas um dos tipos de malware, ou se-
maior número possível de computadores, para que
ja, ao contrário do que a maioria das pessoas fala, nem
possam utilizá-los em um ataque de DDoS8, ou co-
tudo que ataca o computador é um vírus. As questões mo forma de elevar a estatística de acessos a deter-
que tangem ao que é um vírus, em geral, são cobradas minados sites. Também pode ser utilizado para rea-
em prova como forma de saber se o concursando co-
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

lizar um ataque a algum computador ou servidor na


nhece as diferenças entre os malwares. Internet a partir do computador infectado.
Um vírus tem por características: Trojan Horse (Cavalo de Troia)
Infectar os arquivos do computador do O Cavalo de Troia foi batizado com esse nome,
usuário, principalmente arquivos do sistema. pois suas características se assemelham muito às da
Depender de ação do usuário, como guerra da Grécia com Troia. Na História, os gregos
executar o arquivo ou programa que está deram aos troianos um grande cavalo feito de ma-
contaminado com o vírus. deira e coberto de palha para disfarçar que era oco,
dentro do cavalo foram colocados vários soldados
Ter finalidades diversas, dentre as quais da-
gregos que deveriam abrir os gigantes e fortes por-
nificar tanto arquivos e o sistema operacio-
tões da cidade de Troia para que o exército grego pu-
nal, como também as peças. desse invadir a fortaleza.
• Vírus Mutante Um Cavalo de Troia é recebido pelo usuário co-
É um vírus mais evoluído, que tem a capacidade mo um presente, presente de grego, de forma a levar
de alterar algumas de suas características a fim de o usuário a abri-lo, ou seja, ele depende de ação do
burlar o antivírus. usuário. Os presentes geralmente podem parecer
um cartão virtual, uma mensagem, álbuns de fotos,
• Vírus de Macro e-mails com indicações de prêmios, falsas respostas
O Vírus de Macro explora falhas de segurança de orçamentos, folhas de pagamento, sempre algu-
ma forma de chamar a atenção do usuário para que
das suítes de escritório, principalmente da Micro-
ele abra o Trojan.
soft. Uma macro, ao ser criada de certa forma, anexa
ao documento uma programação (comandos geral- Podemos tratá-lo em essência como um meio
mente em Visual Basic7), ele pode inserir seu código para que outro malware seja instalado no compu-
dentro deste código em VB. tador. Da mesma forma como o cavalo da história
serviu como meio para infiltrar soldados e como os
O Vírus de Macro geralmente danifica a suíte de soldados abriram os portões da cidade, o malware
escritório, inutilizando-a, além de poder apagar do- também pode abrir as portas do computador para
cumentos do computador. que outros malwares o infectem, o que acontece na
Para que seja executado esse vírus, é necessário maioria dos casos, portanto, pode trazer em seu in-
que o usuário execute o arquivo contaminado. terior qualquer tipo de malware.

8 DDoS: Ataque de negação de serviço distribuído, veja mais no tópico segu-


7  Visual Basic (VB): é uma linguagem de programação criada pela Microsoft. rança desse material.

280
Esse malware executa as ações para as quais, apa-
rentemente, fora criado; como exibir uma mensa-
gem, ou crackear9 um programa. Essa tarefa é rea-
FIQUE LIGADO
lizada com o intuito de distrair o usuário enquanto
Cuidado para não confundir: Teclado Virtual em
que os malwares são instalados. uma página de Internet Banking é um recurso de se-
Spyware gurança, enquanto o teclado virtual que faz parte do
Windows é um recurso de acessibilidade.
Também conhecido como software espião, o
Spyware tem por finalidade capturar dados do usuá-
rio e enviá-los para terceiros: nº de cartões de crédi- Hijacker
to, CPF, RG, nomes, data de nascimento e tudo mais O Hijacker é um malware que tem por finalidade
que for pertinente para que transações eletrônicas capturar o navegador do usuário, principalmente o
possam ser feitas utilizando seus dados. Internet Explorer. Esse programa fixa uma página
Existem dois tipos de spywares: os KeyLoggers e inicial no navegador, que pode ser uma página de
os ScreenLoggers. propaganda ou um site de venda de produtos, ou
mesmo um site de pornografia, como os mais peri-
KeyLogger gosos que fixam páginas falsas de bancos (veja mais
Key = chave, Log = registro de ações. na seção Segurança no tópico ataques).
O KeyLogger é um spyware cuja característica é
capturar os dados digitados pelo usuário. Na maio- As alterações realizadas por ele no navegador
ria das situações o KeyLogger não captura o que é dificilmente são reversíveis. Na maioria dos casos,
digitado a todo instante, mas o que é teclado após é necessário reinstalar o navegador várias vezes até
alguma ação prévia do usuário, como por exemplo formatar o computador. Existem, no mercado, al-
guns programas que tentam restaurar as configura-
abrir uma página de um banco ou de uma mídia so-
ções padrões dos navegadores, são conhecidos por
cial - alguns keyloggers são desenvolvidos para cap-

NOÇÕES DE INFORMÁTICA
Hijacker This, porém, esses programas não são fer-
turar conversas em programas de messenger.
ramentas de segurança, mas apenas uma tentativa
ScreenLogger de consertar o estrago feito.
Screen = Tela
O ScreenLogger é uma evolução do KeyLogger Adware
na tentativa de capturar, principalmente, as senhas Adware (Advertising Software) é um software
de bancos, pois o ScreenLogger captura fotos avan- especializado em apresentar propagandas.
çadas da tela do computador a cada clique do mouse.
O Adware é tratado como malware, quando
Essa foto avançada, na verdade, é uma foto de uma apresenta algumas características de spywares, além
pequena área que circunda o mouse, mas grande o de, na maioria dos casos, se instalar no computador
suficiente para que seja possível ver em que número explorando falhas do usuário, por exemplo, duran-
o usuário clicou. te a instalação de um programa em que o indivíduo
Muitos serviços de Internet Banking10 utilizam não nota que em uma das etapas estava instalando
um teclado virtual, no qual o usuário clica nos dígi- outro programa diferente do desejado.
tos de sua senha ao invés de digitar. Assim, ao forçar Um exemplo clássico é o Nero gratuito, que é pa-
que o usuário não utilize o teclado, essa ferramen- trocinado pelo ASK11. Durante a instalação, uma das
ta de segurança ajuda a evitar roubos de senhas por telas apresenta algumas opções: deseja instalar a bar-
KeyLoggers. Por outro lado, foi criado o Screen- ra de ferramenta do ASK; deseja tornar o motor de
Logger, que captura imagens; então, como forma de busca do ASK como seu buscador padrão; deseja tor-
oferecer segurança maior, alguns bancos utilizam nar a página do ASK como sua página inicial, que, por
um dispositivo chamado de Token. padrão, aparecem marcadas esperando que o usuário
O Token é um dispositivo que gera uma chave clique indiscriminadamente na opção “avançar”.
de segurança aleatória, a qual uma vez utilizada Muitos Adwares monitoram o comportamento
para acessar a conta, se torna inválida para novos do usuário durante a navegação na Internet e vendem
acessos. Assim, mesmo sendo capturada, ela se essas informações para as empresas interessadas.
torna inútil ao invasor.
Backdoors
Backdoor, basicamente, é uma porta dos fundos
9  Crackear: é uma quebra de licença de um software para que não seja neces- para um ataque futuro ao computador do usuário.
sário adquirir a licença de uso, caracterizando pirataria.
10  Internet Banking: acesso à conta bancária pela Internet, para realizar algu-
mas movimentações e consultas. 11 Ask: Motor de buscas na Internet.

281
Um Backdoor pode ser inserido no compu- c) não pode ser utilizado para fins lucra-
tador por meio de Trojan Horse, como também tivos.
pode ser um programa adulterado recebido de
fonte pouco confiável. Por exemplo, um usuário d) deve ter seu código fonte disponível para
baixa em um site qualquer, diferente do oficial, o seus usuários.
BrOffice, nada impede que o programa tenha sido e) não pode ter seu código fonte modificado.
ligeiramente alterado com a inserção de brechas
para ataques futuros. 04. (CONSULPLAN) Em relação ao Linux,
pode-se afirmar que ele é um software livre:
Rootkits
RootKit vem de Root = administrador do am- I. Somente por ele ser um software gratuito.
biente Linux. Kit = conjunto de ferramentas e ações. II. Porque seu código fonte está disponível para
Um Rootkit altera aplicativos do Sistema, como qualquer usuário e pode-se alterá-lo para
gerenciadores de arquivos, com o intuito de escon-
der arquivos maliciosos que estejam presentes no adequá-lo às suas necessidades específicas,
computador. Por meio dele também o invasor po- sem ter de pagar.
de criar Backdoors no computador, para que possa III. Porque ele é freeware, embora seu código
voltar a atacar o micro sem se preocupar em ter de
contaminá-lo novamente. fonte não esteja disponível para alterações.
Assinale a alternativa correta:
VAMOS PRATICAR a) Somente a afirmativa I está correta.
b) Somente a afirmativa II está correta.
Os exercícios a seguir são referentes ao conteú-
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

do: Software. c) Somente a afirmativa III está correta.


Com relação à instalação, à configuração e ao su- d) Todas as afirmativas estão incorretas.
porte de aplicativos, julgue o item a seguir.
e) Todas as afirmativas estão corretas.
01. (Cespe) O BrOffice.org possui código
fechado, assim como o Microsoft Office, 05. (FGV) A respeito das características do
embora seja considerado software livre. software livre, analise as afirmativas a seguir.
Certo ( ) Errado ( ) I. É disponibilizado com a permissão para
02. (FCC) De acordo com a Free Software Foun- qualquer um usá-lo, copiá-lo e distribuí-lo,
dation, um programa de computador que se seja na sua forma original ou com modifica-
qualifica como software livre NÃO fornece a ções, seja gratuitamente ou com custo.
liberdade para:
II. É gratuito com a permissão para qualquer
a) revogar ou adicionar restrições retroati-
um usá-lo ou copiá-lo, exclusivamente na sua
vas às regras de uso do programa.
forma original, não podendo ser modificado.
b) executar o programa para qualquer pro-
pósito. III. É freeware disponível com a permissão para
c) estudar como o programa funciona e qualquer pessoa usá-lo e modificá-lo, não
adaptá-lo às suas necessidades. podendo ser copiado ou distribuído.
d) redistribuir cópias do programa. Assinale:
e) distribuir cópias de versões modificadas a) se somente a afirmativa I estiver correta.
do programa. b) se somente as afirmativas I e II estiverem
03. (FCC) Para que um programa de compu- corretas.
tador seja considerado software livre, esse
c) se somente as afirmativas I e III estiverem
programa:
corretas.
a) pode ser utilizado para fins lucrativos, mas
não pode ser, ele próprio, comercializado. d) se somente as afirmativas II e III estive-
rem corretas.
b) deve ter seu código fonte colocado em
domínio público. e) se todas as afirmativas estiverem corretas.

282
06. (Cesgranrio) Os sistemas operacionais 10. (FCC) O sistema operacional de um compu-
Linux, com suas interfaces gráficas cada vez tador consiste em um:
mais estáveis e amigáveis para os usuários,
a) conjunto de procedimentos programados,
utilizam, entre outros, a suíte de aplicativos
armazenados na CMOS, que é ativado tão
para escritório:
logo o computador seja ligado.
a) Borland Office. b) conjunto de procedimentos programa-
b) SecurityOffice. dos, armazenados na BIOS, que é ativado
tão logo o computador seja ligado.
c) LibreOffice.
c) conjunto de dispositivos de hardware
d) Avira Premium for Office.
para prover gerenciamento e controle
e) Labo Solutions for Office. de uso dos componentes de hardware,
07. (Cesgranrio) O Math é um aplicativo que software e firmware.
pode ser usado como um(a): d) hardware de gerenciamento que serve
de interface entre os recursos disponí-
a) apresentador de objetos multimídia em 3D. veis para uso do computador e o usuário,
b) digital reader de textos e imagens gráficas. sem que este tenha que se preocupar com
c) editor de equações para documentos de aspectos técnicos do software.
texto. e) software de gerenciamento, que serve
d) manipulador de bancos de dados des- de interface entre os recursos disponí-
complicados. veis para uso do computador e o usuário,
sem que este tenha que se preocupar com
e) ferramenta de comunicação por meio de aspectos técnicos do hardware.
gráficos e diagramas.
11. (FCC) Sobre sistemas operacionais é IN-

NOÇÕES DE INFORMÁTICA
Considere que um computador já está em CORRETO afirmar:
sua operação diária e que já tem instalados os
programas e periféricos necessários à execução a) O sistema operacional é uma camada
dessas tarefas. Julgue o item subsequente, a de hardware que separa as aplicações
respeito do uso dos periféricos e dos programas do software que elas acessam e fornece
necessários ao bom uso do computador. serviços que permitem que cada aplicação
08. (Cespe) O sistema operacional do computa- seja executada com segurança e efetividade.
dor estará em funcionamento mesmo quando b) Na maioria dos sistemas operacionais,
se estiver editando uma planilha eletrônica. um usuário requisita ao computador
que execute uma ação (por exemplo,
Certo ( ) Errado ( ) imprimir um documento); o sistema ope-
09. (FCC) O Sistema Operacional: racional gerencia o software e o hardware
para produzir o resultado esperado.
a) é o software responsável pelo gerencia-
mento, funcionamento e execução de c) Um usuário interage com o sistema ope-
racional via uma ou mais aplicações de
todos os programas.
usuário e, muitas vezes, por meio de uma
b) é um software da categoria dos aplicati- aplicação especial denominada shell ou
vos, utilizado para a criação de textos, interpretador de comandos.
planilhas de cálculo, desenhos, etc.
d) Primordialmente, são gerenciadores
c) apesar de gerenciar a leitura e a gravação de recursos – gerenciam hardware
de arquivos, delega a função de localiza- como processadores, memória, dispo-
ção de programas nas unidades de discos sitivos de entrada/saída e dispositivos
a softwares utilitários de terceiros. de comunicação.
d) Linux é um software proprietário, e) O software que contém os componentes
já o Windows é o software livre mais centrais do sistema operacional chama-se
utilizado nos computadores pessoais núcleo (kernel).
atualmente. 12. (AOCP) O sistema operacional é uma inter-
e) não está relacionado à evolução das CPUs, face entre a máquina e o usuário que propor-
pois independem de componentes de ciona uma forma amigável de comunicação
hardware, já que são executados em um entre eles. Assinale a alternativa INCORRE-
computador virtual (virtual machine). TA sobre sistema operacional.

283
a) Uma das funções do sistema opera- d) são programas que permitem o retorno
cional é controlar os dispositivos de de um invasor a um computador com-
entrada e saída. prometido, utilizando serviços criados
b) Fornece recursos de comunicação, conexão ou modificados para esse fim.
e controle a redes de computadores. e) normalmente, consistem em um único
c) Monitora o estado de cada parte da arquivo que precisa ser explicitamente
memória. executado, não infectam outros arquivos,
nem propagam cópias de si mesmo auto-
d) Controla todos os recursos de hardware, maticamente.
porém, recursos de software, como
o gerenciamento do processo de um 15. (FCC) Existem vários tipos de vírus de com-
programa, não é de sua responsabilidade. putadores, dentre eles, um dos mais comuns
são vírus de macros, que:
e) O sistema operacional tem a função de
manipulação de arquivos e também faz a) são programas binários executáveis
o gerenciamento do tempo gasto da CPU que são baixados de sites infectados na
pelos usuários Internet.
13. (FCC) Para proteger o computador conec- b) podem infectar qualquer programa exe-
tado à Internet de ataques, invasões, intru- cutável do computador, permitindo que
sões infeções e mantê-lo automaticamente eles possam apagar arquivos e outras
atualizado com as novas versões (Windows ações nocivas.
Update). Deve-se ativar todos os Dados c) são programas interpretados embutidos
Básicos de Segurança na Central de Seguran- em documentos do MS Office que podem
ça (Windows XP). infectar outros documentos, apagar
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

A recomendação feita é para ativar: arquivos e outras ações nocivas.


a) firewall e Proteção contra vírus, apenas. d) são propagados apenas pela Internet, nor-
malmente em sites com software pirata.
b) backup automático, Proteção contra
vírus e Firewall, apenas. e) podem ser evitados pelo uso exclusivo de
software legal, em um computador com
c) atualizações automáticas, Proteção acesso apenas a sites da Internet com boa
contra vírus e Firewall, apenas. reputação.
d) atualizações automáticas, Proteção 16. (Cespe) A fim de se proteger do ataque de
contra vírus, Firewall e Backup automá- um spyware — um tipo de vírus (malware)
tico, apenas. que se multiplica de forma independen-
e) proteção contra vírus, Firewall, Backup te nos programas instalados em um com-
automático e Opções da Internet. putador infectado e recolhe informações
pessoais dos usuários —, o usuário deve
14. (INST. CIDADES) Com relação aos Vírus de
instalar softwares antivírus e antispywares
computadores, é correto afirmar que:
mais eficientes que os firewalls no combate
a) é um programa ou parte de um a esse tipo de ataque.
programa de computador, normalmen-
Certo ( ) Errado ( )
te malicioso, que se propaga infectando,
isto é, inserindo cópias de si mesmo e se 17. (UEG) Sobre fundamentos de segurança
tornando parte de outros programas e da informação e programas maliciosos, é
arquivos de um computador. CORRETO afirmar:
b) é um tipo de software especificamente a) Deve-se dar preferência ao uso de pro-
projetado para apresentar propagan- gramas de troca de mensagens como o
das através do browser ou algum outro MSN para substituir o e-mail, dado que o
programa instalado em um computador. risco de contaminação nesses programas
c) é o termo utilizado para se referir a uma é praticamente nulo.
grande categoria de software que tem o b) Mesmo um inocente e-mail de uma
objetivo de monitorar atividades de um fonte conhecida e contendo apenas uma
sistema e enviar as informações coletadas imagem ou uma proteção de tela pode se
para terceiros. tornar fonte de contaminação.

284
c) Programas maliciosos denominados
trojans não podem ser detectados por GABARITO
antivírus, necessitando, portanto, de pro-
gramas específicos. 01 ERRADO 11 A
d) Spywares são programas que têm como 02 A 12 D
finalidade vigiar o computador para
evitar contaminação por adwares. 03 D 13 C

18. (FCC) Quando o cliente de um banco acessa 04 B 14 A


sua conta corrente através da internet, é A C
05 15
comum que tenha que digitar a senha em um
teclado virtual, cujas teclas mudam de lugar a 06 C 16 ERRADO
cada caractere fornecido. Esse procedimento C B
07 17
de segurança visa evitar ataques de:
08 CERTO 18 E
a) spywares e adwares.
09 A 19 C
b) keyloggers e adwares.
c) screenloggers e adwares. 10 E 20 C
d) phishing e pharming.
e) keyloggers e screenloggers.
ANOTAÇÕES
19. (FUMARC) Analise as seguintes afirmativas
sobre os tipos conhecidos de vírus.

NOÇÕES DE INFORMÁTICA
I. Vírus de script: infectam documentos com
macros instaladas. O pacote Office da Microsoft
é uma das principais vítimas desse tipo de vírus.
II. Vírus de boot: infectam a área de boot dos
discos rígidos dos computadores.
III. Vírus de arquivo: infectam arquivos execu-
táveis
Assinale a alternativa CORRETA:
a) A afirmativa III está errada e as afirmati-
vas I, II estão corretas.
b) A afirmativa II está errada e as afirmati-
vas I, III estão corretas.
c) A afirmativa I está errada e as afirmativas
II, III estão corretas.
d) As afirmativas I, II e III estão corretas.
20. (TJSC) No âmbito da segurança da informa-
ção, é um programa capaz de se propagar au-
tomaticamente enviando cópias de si mesmo
para outros computadores da rede. Estamos
falando de:
a) Hiperlink
b) Antivírus
c) Worm
d) Engenharia Social
e) Phishing scan

285
1. Administração Pública A tomada de decisão racional se contrapõe à to-
mada de decisão comportamental. O racionalismo
decisório consiste em 4 etapas claramente definidas.
Evolução do Estado Brasileiro
˃˃ Identificar o problema;
Tema explorado em todos os editais no programa ˃˃ Encontrar a origem do problema;
de Administração Geral e Pública, a análise da evolu-
˃˃ Resolver o problema; e
ção do Estado brasileiro quanto aos modelos de ad-
ministração requer uma análise em que o aluno, para ˃˃ Assegurar que o problema não recorra.
assimilar o tema e não se confundir na prova, deve se Para contrapor o nepotismo, enraizado no mo-
apartar relativamente do senso crítico e ter o foco na
delo patrimonialista, o modelo burocrático valoriza
definição formal de modelos de administração.
profissionalismo por meio da meritocracia, em que
A evolução do Estado brasileiro é analisada a
os funcionários evoluem em suas carreiras com ba-
partir das primeiras décadas do século XX, até a si-
tuação atual; é neste período histórico que se con- se em tempo na carreira ou desempenho destacado
centram as reformas de estado que são exploradas na função, ou de uma competição justa com outros
nas provas. funcionários. A primeira reforma do Estado se dá na
década de 1930, durante o governo Getúlio Vargas,
Modelo Patrimonialista e é caracterizada pela introdução do modelo buro-
É o primeiro modelo da administração pública crático superando o modelo patrimonialista. Var-
do Brasil. Tem como principal característica o fato gas, que aplicou o conceito de “Estado novo”, teve
de não distinguir que é bem público e bem particu- na DASP (Departamento Administrativo do Servi-
lar, pois o governante trata a coisa pública como de
sua propriedade, inclusive agregando ao patrimô- ço Público) a principal iniciativa na implementação

NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO
nio privado propriedades e recursos públicos. do modelo burocrático. A DASP, que, seguindo a
Este modelo surge na Monarquia e se mantém teoria de Max Weber, colocava a área administrativa
com a proclamação na república. O conceito de pro- acima das demais, centraliza inclusive o processo de
priedade pública surge com a proclamação da Repú- compras, orçamento e fiscalização, introduzindo os
blica, quando as pessoas adquirem a cidadania, pois, elementos da AFO (Administração Financeiro-or-
na Monarquia, a propriedade privada criava uma çamentário) no Estado brasileiro e do direito admi-
situação onde as receitas geradas pelos impostos
nistrativo, criando, na época, o Estatuto dos Funcio-
eram gastas de forma que o monarca bem entendes-
se. Portanto, o modelo patrimonialista se mantém nários Públicos Civis da União.
na transição da monarquia para a república. Estado A consolidação do modelo burocrático se dá ape-
absolutista é um regime em que o governante tem o nas em 1988 com a promulgação da Constituição
poder centralizado e absoluto, apenas ele toma deci-
Federal. Várias medidas representam esta conso-
sões e manda e beneficia seus apoiadores. É simboli-
zada pela relação que a burguesia tinha com os Reis lidação, como os princípios da gestão pública, pre-
que apoiava. Portanto, existe uma clara relação do sentes no Art. 37, a obrigatoriedade de concursos
Modelo patrimonialista com o regime absolutista. públicos. Porém, as principais medidas de consoli-
Situações como o nepotismo, que é favorecer com dação do modelo burocrático são o controle entre os
postos e cargos na estrutura do estado parentes, sem poderes e a criação do TCU (Tribunal de Contas da
que estes sejam qualificados formalmente para tal ati- União). O controle de ações no modelo burocrático
vidade, é uma prática vinculada ao patrimonialismo. é hierárquico, ou seja, existe relação direta verticali-
zada entre o órgão que controla e o controlado.
Modelo Burocrático
Concebido por Max Weber, considerado o pai da O modelo burocrático trouxe como consequência
sociologia. Ele desenvolveu a teoria da burocracia, negativa uma administração burocratizada, ineficaz,
que basicamente consiste na divisão de uma orga- com processos redundantes, em que o Estado está
nização (pública ou privada) em 6 áreas; financeira, acima do cidadão e tem como referência apenas suas
contábil, técnica, comercial, de segurança e admi- próprias ações. Durante vários governos, existiram
nistrativa, sendo que a última controla as demais.
tentativas de superação desses problemas, com a cria-
O modelo burocrático introduz a racionalidade (na
tomada de decisões) e a eficiência (que inclusive ho- ção inclusive de Ministérios da desburocratização, e
je no Brasil é um princípio constitucional de gestão em particular com o Decreto-Lei 200/67, na tentativa
pública – LIMPE). de introduzir a administração gerencial no Brasil.

387
flexibilizou a gestão pública, introduzindo ferramen-
Administração Gerencial tas do mercado (corporativas), com o objetivo de de-
A segunda grande reforma do Estado ocorre na mocratizar as informações e gerar o empoderamen-
década de 1990, com a implementação da adminis- to das ações públicas por parte do cidadão. Entre os
tração gerencial, principalmente no governo Fer- principais conceitos da Nova Administração Pública,
nando Henrique Cardoso com o ministro Bresser está o foco por buscar a Governança, a Governabili-
Pereira, no então MARE (Ministério da Administra- dade Accountability nas ações administrativas.
ção Federal e Reforma do Estado), que deu origem ao
atual Ministério do Planejamento e Gestão.
Governança
O termo governança é abrangente e é desdobrado
A Flexibilização Administrativa em diversas ações administrativas, porém, na admi-
Na administração gerencial, o controle passa a nistração pública e na abordagem em provas de con-
ser finalístico, não havendo relação hierárquica entre cursos públicos, a governança se traduz no envolvi-
quem controla e quem é controlado, baseada na le- mento de pessoas interessadas nas discussões acerca
galidade. Como, por exemplo, o controle do Estado das futuras ações públicas. Também faz parte da go-
na administração indireta, em que a direta exerce o vernança o controle que a sociedade civil tem sobre as
controle finalístico sobre as fundações ou autarquias.
ações do governo, e a capacidade de a administração
Como principal característica da implementação pública envolver todos nos processos a seguir e res-
do gerencialismo, temos a Emenda Constitucional peitar regras e códigos de conduta estabelecidos.
19/1998 e a criação da MARE.
Envolver a sociedade civil organizada nos de-
bates sobre as ações administrativas do governo,
FIQUE LIGADO consultando e debatendo com os interessados, os
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO

chamados “stakeholders”, é a base da governança na


As reformas que introduziram novos modelos ad- administração pública.
ministrativos no Estado brasileiro foram a dos anos 30,
como o modelo burocrático, e a dos anos 90, com a in- O Estado brasileiro se utiliza de diversas ferra-
trodução do modelo gerencial. mentas para exercer a governança na administração
pública, e as principais ferramentas seguem abaixo:
˃˃ Orçamento participativo.
Governança, Governabilidade e ˃˃ Conselhos gestores.
Accountability ˃˃ Audiências públicas.
˃˃ Portal “e-democracia”.
Desde a última reforma administrativa ocorrida ˃˃ Controle social.
no Estado Brasileiro, nos anos 90 do século passado,
quando a administração pública incorporou con- O exercício da governança na administração pú-
ceitos e ferramentas do mercado, consagrados na blica leva o cidadão ao empoderamento das ações
iniciativa privada, o gerencialismo norteia a gestão públicas, ou seja, detém o poder coletivo de tomada
pública, levando o Brasil ao NAP (Nova Adminis- de decisão, e é desenvolvida a consciência coletiva e
tração Pública). social da participação nas ações públicas.
˃˃ Governança: tem relação com a “forma” de Governabilidade
governar.
˃˃ Governabilidade: tem relação com a O conceito da governabilidade tem direta relação
“condição” para governar. com as condições para se exercer o poder, tanto do
˃˃ Accountabililty: tem relação com a “pres- ponto de vista legal quanto social. Um governo que
tação de contas” dos atos do governo. não tem governabilidade não tem condições de en-
volver os interessados para debater as ações públi-
O contexto da NAP (Nova cas, pois não tem legitimidade para tais ações. Nesse
Administração Pública) sentido, podemos concluir que sem governabilidade
o governo não tem condições de exercer a governan-
A última reforma administrativa do Estado bra-
ça como forma de administrar o Estado.
sileiro, que ocorreu nos anos de 1990, durante o pri-
meiro mandato do presidente FHC, e foi liderada A governabilidade tem um eixo jurídico e ou-
pelo então ministro Bresser Pereira, levou a adminis- tro social, como dito, e a definição de cada um se-
tração pública a manter as bases da burocracia, mas gue abaixo:

388
Governabilidade jurídica: representa as condi- Em uma análise, é a relação que comumente é cha-
ções legais para o exercício do poder, como o chefe mada de “custo-benefício” nas ações públicas.
do Executivo ser eleito democraticamente em elei- Ex.: Se, ao final do prazo estipulado previa-
ções para majoritárias para cargos do executivo. mente, for construído um hospital público com
No entanto, apenas a condição legal não garante a os recursos (financeiros, de pessoas e materiais)
governabilidade, pois um governo pode ter a legali- destinados, sem necessidade de destinação com-
dade, porém não tem mais possibilidade, pelo dina- plementar, será uma ação eficiente administrati-
mismo do cotidiano, de ter governabilidade política. vamente. Portanto, a eficiência tem relação com
Governabilidade social: representa as con- a atividade-meio.
dições sociais, a existência de uma base de apoio Eficácia: tem direta relação com a concreta efe-
social para exercer o poder, a capacidade de um tivação da ação que motiva a existência da unidade
governo em manter índices de aprovação e setores pública ou função dos servidores públicos, a capa-
importantes da sociedade, que representem esta cidade de atender aquilo que justifica a ação admi-
base de sustentação social. Também tem relação nistrativa. Portanto, a eficácia tem relação com a
com a governabilidade a capacidade do chefe do atividade-fim.
executivo de articular uma base de apoio parla-
mentar no congresso nacional e nas câmaras esta- Efetividade: tem relação com a entrega do “pro-
duais e municipais. É possível que um governante duto final” para os interessados, para o cliente-ci-
tenha governabilidade social, mesmo que não te- dadão, fazendo estes agregarem valor e aceitarem
nha jurídica, como nos casos de golpes de Estado, a ação pública como justificável. Portanto, a efeti-
tendo como exemplo Getúlio Vargas. vidade tem relação com o “valor percebido” pelo
cliente-cidadão.
Accountability
Governo Eletrônico e Transparência

NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO
Este termo é utilizado sem tradução pela com-
pleta inexistência de outra palavra na língua por- O conceito de Governo eletrônico, cada vez mais
tuguesa que consiga traduzi-lo. Accountabily tem adotado pela administração pública, consiste basi-
relação com a prestação de contas exercida pelo camente no uso da tecnologia da informação, em
governo para a sociedade, e não apenas aos sta- particular da internet, para a comunicação e rela-
keholders, mas para todos, sociedade civil e outras ções interna e externa à administração pública.
instâncias governamentais. Devido às dificuldades cada vez maiores de o ci-
Existem basicamente dois tipos de accountabilitys, dadão se deslocar até os locais físicos em que o servi-
o vertical e o horizontal, e sua descrição segue abaixo: ço público presta serviços, o governo eletrônico tem
sido um meio majoritário de relacionamentos com
Accountability vertical: exercido pela sociedade o poder público.
civil, através da prestação de contas do governo para
a sociedade, de portais da transparência, prestação de Além da acessibilidade, que está baseada em per-
contas orçamentarias, ações do governo, etc. Ele é ca- mitir o acesso dos próprios computadores sem a ne-
racterizado por ser externo ao poder público. cessidade de deslocamento físico, a disponibilidade
em acessar os serviços públicos através dos portais
Accountability horizontal: exercido pelos ór- de “governo eletrônico” de locais em que o cidadão
gãos que controlam as ações internas, pelo controle bem entender e tiver possibilidade, é garantida tam-
dentro do próprio governo, como da administração bém a disponibilidade aos serviços.
direta sobre a indireta, agências reguladoras frente
as ações e sérvios públicos, etc. Ele se caracteriza por Um exemplo de governo eletrônico é o site
ser interno ao governo. http://edemocracia.camara.gov.br/ da Câmara dos
Deputados, em que o cidadão pode, além de ter
Eficiência, Eficácia e Efetividade acesso aos temas em debate na câmara, entrar em
contato com os parlamentares.
Também tem relação com a Nova Administra-
ção pública e estreita relação com os elementos ci- Serviços Oferecidos
ma descritos, os chamados “3Es” da administração
pública, que são a Eficiência, Eficácia e Efetividade. Accountability: a prestação de contas das ações
e movimentação orçamentária da administração
Segue abaixo a descrição de cada um dos elementos: pública, divulgação de editais de concursos públicos
Eficiência: introduzida de forma explícita no e licitação; é importante elemento do governo ele-
Art. 37 da Constituição pela Emenda Constituicio- trônico, possibilitando que todos, envolvidos dire-
nal nº 19 de 1998, é a relação de recursos destinados tamente ou não, tenham acesso às ações e aos gastos
e resultados obtidos pela administração pública. da gestão pública.

389
Governança (empoderamento): a possibilida-
de de criação, através da internet e dos sites que
Transparência
formam o governo eletrônico, de permitir o de-
Assim como no sentido óptico do termo, ter
bate, a participação efetiva dos interessados em
transparência é não obstruir a visão, não impedir o
discussões que antecedem a tomada de decisão no
acesso. Na administração pública, ter transparência
serviço público, gerando o dinamismo e abrangên- é possibilitar que o cidadão tenha controle total dos
cia que espaços presenciais não permitem, como as atos públicos, e o poder público, por sua vez, infor-
audiências públicas. me o cidadão de suas ações com tempo hábil para
Serviços: a oferta da atividade-fim, que é a pres- reação contrária.
tação de serviços ao cidadão, através de agenda- A prestação de contas tanto orçamentária quan-
mentos, segunda via de documentos, inscrições em to de seus atos é um ato de transparência, que hoje
processos de seleção, acesso aos variados serviços em dia tem grande vínculo com o governo eletrôni-
oferecidos pelos agentes públicos através da inter- co, pois a administração pública se utiliza da inter-
net; é importante elemento do governo eletrônico net para divulgação de seus atos.
e garante, muitas vezes, a celeridade na prestação
de tais serviços. O site http://www.portaldatransparencia.gov.br/,
o chamado “Portal da Transparência”, é um exem-
Ouvidoria: a possibilidade de permitir que o plo do uso de ferramentas de governo eletrônico pa-
cidadão faça reclamações, tire dúvidas ou obtenha ra ter transparência nos atos públicos.
informações sobre as ações públicas é um dos obje-
tivos centrais do governo eletrônico, pois muitas ve- Debate sobre a Lei nº 12.965/14
zes o atendimento presencial ou mesmo telefônico,
pela crescente demanda, não permite a celeridade e Os debates que antecederam a sanção da Lei nº
resposta adequados, o que, na maioria das vezes, é 12.954/14, o chamado Marco Civil da Internet, são
um exemplo claro da utilização dos canais de go-
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO

garantido pelo governo eletrônico.


verno eletrônico para os debates, acessos às infor-
Estágios de Implementação mações e transparência, pois tanto utilizando redes
Segundo a ONU sociais como o Twitter, o portal e-democracia e sites
do governo federal, a sociedade civil pode debater e
Os países que são aderentes da ONU (Organi- ter acesso às questões relacionadas ao tema.
zação das Nações Unidas) podem seguir as orien-
tações desta para a criação do governo eletrônico,
Gestão de Qualidade
através dos estágios de implementação propostos As atuais demandas da administração pública,
pela organização: buscando adquirir vantagem competitiva, tem na
Estágio I – Surgimento: é o lançamento e a dis- gestão de qualidade um dos principais objetivos de
ponibilização dos portais e sites propriamente ditos, todo gestor pública alinhado com a Nova Adminis-
mesmo que tenham, em um primeiro momento, in- tração Pública. Em uma primeira análise, é possível
formações limitadas. definir a Gestão de Qualidade como as atividades
Estágio II – Aprimoramento: momento em que que têm por objetivo atingir os mais autos graus de
o governo apresenta informações mais complexas satisfação do cliente-cidadão com a prestação de
e detalhadas ao cidadão, aprimorando o conteúdo serviços públicos, sempre atendendo à expectativa
destes quando buscam os serviços públicos.
dos sites.
A gestão de qualidade, portanto, está relacionada
Estágio III – Interação: criação de ferramentas
diretamente com ações tomadas e normas de proce-
que possibilitem que o cidadão tenha acesso aos ser-
dimentos adotadas por todos os níveis hierárquicos e
viços, participe de debates sobre ações públicas, faça
departamentos de uma organização, sem a necessida-
reclamações ou tire dúvidas sobre as ações públicas.
de de certificações externas para se atingir os níveis de
Estágio IV – Transação: o governo eletrônico qualidade esperados externamente pelo cliente-cida-
possibilita, além de atividades-meio, como agen- dão, e planejados pelos gestores públicos.
damentos, as atividades-fim, com todos os serviços O objetivo final de qualquer ação pública é a pres-
prestados ao cidadão (salvo exceções) sendo ofere- tação de serviços com qualidade e satisfação. Nesse
cidos pelo governo eletrônico através de seus sites. sentido, o foco sempre será externo, mas, para isso,
Estágio V – Conexão: o cidadão reconhece plena- é necessário buscar procedimentos e regras internas
mente o governo eletrônico como o meio de intera- que garantam a qualidade. Não existe a gestão de qua-
ção com a administração pública, e passa a utilizar os lidade apenas como um objetivo interno, sem focar
sites e portais como a forma de acessar os serviços. naquilo que é uma demanda do cliente-cidadão.

390
Princípios da Gestão de Qualidade Abrangência da Gestão de qualidade
Atender às necessidades do cliente-cidadão: O Planejamento: a busca pela qualidade na presta-
foco sempre deve ser agregar valor aos que recebem ção de serviços públicos ao cliente-cidadão deve ter
os serviços prestados pela administração pública. real impacto no planejamento em uma organização,
Manter a lucratividade/receita: a qualidade está pois as ações previstas para o período futuro, em
diretamente ligada à saúde financeira-orçamentária uma ação de previsão baseada em cenários, devem
da organização, no caso do serviço público, não com buscar sempre pontos positivos, oportunidades ex-
a busca pelo lucro, mas através da saúde orçamentá- ternas e forças internas de uma organização.
ria dentro do planejamento previsto. Envolvimento das pessoas: toda organização
Não recorrência de falhas: através de uma abor- é formada por pessoas que seguem as ações dos lí-
dagem racional na tomada de decisões, utilizar fer- deres – As lideranças, ao coordenarem as ações de
ramentas e adotar procedimentos para que even- um grupo, sempre devem objetivar ações que visem
tuais falhas não voltem a acontecer na organização. ao foco, ao alinhamento da equipe com os objetivos
do planejamento e à motivação da equipe como ele-
Planejamento: a organização adotar o planeja- mentos que contribuem com a qualidade.
mento com base em cenários prospectivos, nos ní-
veis estratégico, tático e operacional. Abordagem sistêmica: a abordagem sistêmica
visa às ações que analisem não a organização de for-
Comunicação: ter uma comunicação bem rea- ma segmentada e sim toda a organização e seu es-
lizada e que garanta a tradução e o alinhamento de copo, pois a ação em um setor da organização tem
procedimentos em todos os níveis hierárquicos e
consequência em outros.
entre departamentos distintos.
Sinergia: a busca pela qualidade deve objetivar a
Kaizen e Ciclo PDCA capacidade de junção das forças existentes em uma

NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO
organização para que juntas conquistem objetivos
Dentre as ferramentas que têm origem na iniciati-
que isoladas não conseguiriam alcançar.
va privada e foram incorporadas nos últimos anos pe-
la administração pública na busca pela qualidade, es- Empoderamento: a qualidade tem direta relação
tão o “Kaizen” e “Cliclo PDCA”, que seguem abaixo: com a capacidade das organizações em permitir que
o cliente-cidadão se empodere das ações públicas e
Kaizen: focada no princípio que as ações de uma
seja parte constituinte destas.
organização sempre devem objetivar “hoje melhor
do que ontem e amanhã melhor do que hoje”.
Gestão de Qualidade
Ciclo PDCA: o cliclo PDCA é uma ferramenta
As atuais demandas da administração pública,
de melhoria contínua, e que tem sido adotada pela
administração pública. Os passos do ciclo PDCA buscando adquirir vantagem competitiva, tem na
são PLAN (Planejamento), DO (execução) CHECK gestão de qualidade um dos principais objetivos de
(Verificação) e ACT (Ação de encerramento ou re- todo gestor pública alinhado com a Nova Adminis-
finamento). tração Pública. Em uma primeira análise, é possível
definir a Gestão de Qualidade como as atividades
Classificação ABC (Teorema de Pareto) que têm por objetivo atingir os mais autos graus de
satisfação do cliente-cidadão com a prestação de
Outra importante ferramenta para a tomada de serviços públicos, sempre atendendo à expectativa
decisões na busca pela qualidade é a utilização do destes quando buscam os serviços públicos.
Teorema de Pareto para a decisão de prioridades
dentro de uma organização. Segundo o estudo feito A gestão de qualidade, portanto, está relacionada
por Pareto, os elementos (produtos, ações, funcio- diretamente com ações tomadas e normas de proce-
nários, etc) de uma organização são divididos em: dimentos adotadas por todos os níveis hierárquicos e
departamentos de uma organização, sem a necessida-
Classificados como A: correspondem aos elemen- de de certificações externas para se atingir os níveis de
tos de maior importância e que atendem a 20% da qualidade esperados externamente pelo cliente-cida-
quantidade e 80% da relevância em uma organização. dão, e planejados pelos gestores públicos.
Classificados como B: correspondem aos ele- O objetivo final de qualquer ação pública é a pres-
mentos de importância mediana e que atendem a tação de serviços com qualidade e satisfação. Nesse
30% da quantidade e 15% da relevância em uma or- sentido, o foco sempre será externo, mas, para isso,
ganização. é necessário buscar procedimentos e regras internas
Classificados como C: correspondem aos elemen- que garantam a qualidade. Não existe a gestão de qua-
tos de importância menor e que atendem a 50% da lidade apenas como um objetivo interno, sem focar
quantidade e 5% da relevância em uma organização. naquilo que é uma demanda do cliente-cidadão.

391
Ciclo de Gestão do Governo Federal ˃˃ Devolução para sanção ou veto: até o en-
cerramento do segundo período da sessão
O Ciclo de Gestão legislativa - 22 de Dezembro.
O ciclo de gestão do Governo Federal tem 4 anos, PPA
e compreende o prazo orçamentário através do
cumprimento do Plano Plurianual, em que as prio-
ridades políticas do governante devem ser executa- LDO
das e controladas pela sociedade.
Segundo a CF, trata-se de “estabelecer as metas
e prioridades da administração pública federal, in-
LOA
cluindo as despesas de capital para o exercício fi-
nanceiro subsequente e orientar a elaboração da lei
orçamentária”. Controle da Administração Pública
A Administração Financeiro-Orçamentária
Prevista na Constituição Federal. O Controle
Art. 165. Leis de iniciativa do Poder Executivo es- É função inerente do administrador o controle,
tabelecerão: segundo definiu Henri Fayol na teoria clássica da
I. o Plano Plurianual (PPA);
administração. Controlar as ações públicas é ativi-
dade obrigatória no Estado brasileiro, tanto na ad-
II. as Diretrizes Orçamentárias (LDO); ministração direta quanto na indireta.
III. os Orçamentos Anuais (LOA).
Todos os gestores, servidores, agentes públicos
§ 1º. A lei que instituir o Plano Plurianual estabe- são controlados, aplicando-se no controle da gestão
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO

lecerá, de forma regionalizada, as diretrizes, ob-


pública o princípio da universalidade.
jetivos e metas da administração pública federal
para as despesas de capital e outras delas decorren- Podemos definir que o controle é a vigilância, a
tes e para as relativas aos programas de duração orientação e a correção das ações públicas. O con-
continuada. trole pode ser:
• Plano Plurianual ˃˃ Por iniciativa do gestor.
Vigência: do primeiro dia do segundo ano de ˃˃ Provocado.
mandato do presidente eleito (que elabora o PPA)
até o final do primeiro ano fiscal do mandato sub- PO3C
sequente.
Quem é Controlado?
Encaminhamento: até quatro meses antes do O controle na administração pública pode ser
encerramento do primeiro exercício financeiro 31 exercido por diversos elementos, cada um com seus
de Agosto. objetivos e justificativas:
Devolução para sanção ou veto: término do 2º ˃˃ O poder: exemplo é o controle que um
período legislativo. 22 de Dezembro. poder exerce sobre o outro.
• Lei de Diretrizes Orçamentárias ˃˃ O órgão: exemplo são as diretrizes que
Vigência: de sua publicação até o final do exercí- o MEC estabelece para as universidades
cio financeiro subsequente. federais.
˃˃ A autoridade: exemplo é o controle de
˃˃ Encaminhamento: até 08 meses e meio
assiduidade, pontualidade, adequação ao
antes do encerramento do exercício finan-
serviço público, que o chefe exerce sobre
ceiro - 15 de Abril.
seu subordinado.
˃˃ Devolução para sanção ou veto: até o en-
cerramento do primeiro período da sessão Tipos de Controle
legislativa - 17 de Julho.
Existem basicamente dois tipos de controle:
• Lei Orçamentária Anual
˃˃ Da legalidade, que é o ato poder ser anulado
˃˃ Vigência: todo exercício financeiro. ou efeitos revertidos.
˃˃ Encaminhamento: até 04 meses antes do ˃˃ Do mérito, quando o judiciário verifica a
encerramento do exercício financeiro - 31 eficiência, da oportunidade, da conveniên-
de Agosto. cia e do resultado do ato controlado.

392
Escopo do Controle d) a Administração Pública Gerencial é au-
torreferente e se concentra no processo,
Toda ação de controle demanda uma abrangência
em suas próprias necessidades e perspec-
sobre aquilo que é controlado e de quem é controla-
tivas, sem considerar a alta ineficiência
do, existindo 3 escopos na administração pública.
envolvida.
˃˃ Interno
e) a Administração Pública Gerencial
˃˃ Externo assume que o modo mais seguro de evitar
˃˃ Externo popular (accountability) vertical/ o nepotismo e a corrupção é pelo controle
horizontal rígido dos processos cm o controle de
procedimentos.
Momento do controle
02. Sobre o modelo de Administração Pública
O controle pode ser exercido em todos os mo- Burocrática, é correto afirmar que:
mentos da ação pública e ao longo da evolução dos
modelos administrativos. a) pensa na sociedade como um campo de
˃˃ Prévio (a priori): aquele que é realizado antes conflito, cooperação e incerteza, na qual
da ação desenvolvida (modelo burocrático). os cidadãos defendem seus interesses e
afirmam suas posições ideológicas.
˃˃ Concomitante: aquele que é realizado
durante a ação desenvolvida. b) assume que o modo mais seguro de evitar
o nepotismo e a corrupção é pelo controle
˃˃ Corretivo (a posteriori): aquele que é rea-
rígido dos processos, com o controle de
lizado após a ação desenvolvida (modelo
procedimentos.
gerencial).
c) prega a descentralização, com delegação
Meios de controle de poderes, atribuições e responsabilida-

NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO
Os meios dos quais a administração pública se des para os escalões inferiores.
utiliza para exercer o controle são diferenciados, e d) preza os princípios de confiança e des-
podem ser combinados. centralização da decisão, exige formas
˃˃ Controle Orçamentário. flexíveis de gestão, horizontalização
de estruturas e descentralização de
˃˃ Controle hierárquico: administração
funções.
direta.
˃˃ Controle finalístico – Administração e) o administrador público prega o forma-
indireta. lismo, o rigor técnico e preocupa-se em
oferecer serviços, e não em gerir progra-
˃˃ TCU (Externo) – Art. 71 da CF. mas.
03. O Controle é classificado na literatura às
VAMOS PRATICAR vezes como função e às vezes como sistema.
No caso da Administração, é classificado
Os exercícios a seguir são referentes ao conteúdo:
como Função Administrativa, juntamente
Administração Pública.
com as demais: Planejamento, Organização e
01. Considerando-se os modelos teóricos de ad- Direção. Analise as afirmativas abaixo e sele-
ministração pública: patrimonialista, buro- cione a opção correta
crático e gerencial, é correto afirmar que:
a) Quando a organização estabelece po-
a) a Administração Pública burocrática líticas e diretrizes, está adotando um
acredita em uma racionalidade absoluta, controle organizacional que limita a
pregando o formalismo, rigidez e o rigor quantidade de autoridade exercida.
técnico. b) O controle está presente em quase todas
b) a Administração Pública burocrática as ações organizacionais, mas não em
pensa na sociedade como um campo de todos os níveis institucionais, pois
conflito, cooperação e incerteza, na qual sua amplitude é sempre micro-orien-
os cidadãos defendem seus interesses e tada, voltada para cada operação em
afirmam suas posições ideológicas. separado.
c) a Administração Pública burocrática c) No processo de controle, na avaliação
prega a descentralização, com delegação de desempenho, as métricas e padrões
de poderes, atribuições e responsabilida- somente são necessários quando não há
des para os escalões inferiores. conhecimento a respeito do passado.

393
d) O controle que tem por objetivo padro- a) 1, 1, 2, 2
nizar a qualidade de produtos e serviços b) 1, 2, 1, 2
difere de todos os demais controles por
não envolver treinamento de pessoal. c) 2, 2, 2, 1
e) Quando um controle busca medir efi- d) 1, 2, 2, 1
ciência, busca medidas que devem refletir e) 2, 1, 2, 1
se os resultados desejados estão sendo
06. Em um contexto de gestão empreendedo-
atingidos.
ra, é incorreto afirmar que a administração
04. Analise os itens a seguir e assinale a opção fiscal deve:
correta.
a) coletar tributos visando atender, com
I. O controle, assim como o planejamento, maior eficácia, o bem comum.
existe nos três níveis organizacionais: o estra- b) adotar princípios de gestão de negócios,
tégico, o intermediário e o operacional. como a proatividade e o controle por ob-
II. A avaliação do desempenho do pessoal é um jetivos e metas.
tipo de controle organizacional e pode incluir c) ser gerenciada como uma empresa que
informações sobre índices como produção visa maximizar o lucro, aqui medido sob
por empregado. a forma de arrecadação.
III. Entre as melhores práticas de governança d) submeter seus resultados a avaliações
corporativa recomendadas pelo Instituto feitas pela sociedade.
Nacional de Governança Corporativa para a
área de gestão estão a transparência, a clareza e) incorporar novas tecnologias, facilitan-
e a objetividade na prestação de contas. do e estimulando a troca de informações
com o cidadão-cliente.
NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO

a) Somente I e II estão corretas.


07. A aplicação do empreendedorismo, no âmbito
b) Somente II e III estão corretas. da Administração Pública, implica saber que:
c) Somente I e III estão corretas.
a) normas rígidas e exaustivas são o melhor
d) Nenhuma das afirmativas está correta. suporte para a tomada de decisão em
e) Todas as afirmativas estão corretas. ambientes complexos sob constante
mudança.
05. Analise a imagem abaixo
b) não se deve estimular a competição
Coluna 1 Coluna 2
entre entidades prestadoras de serviços
públicos semelhantes.
( ) Controle exercido entre os c) a administração por resultados perde
( 1 ) Controle Administrativo órgãos da administração direta que
Hierárquico sejam escalonados verticalmente em
espaço para a supervisão hierárquica e
cada poder. para a realização de auditorias de gestão.
d) quanto maior a autonomia conferida
( ) Entre órgãos que embora a servidores públicos, novas formas de
integrem uma só pessoa jurídica, controle ou responsabilização devem ser
não estão na mesma linha de
escalonamento vertical.
adotadas.
( 2 ) Controle Administrativo
( ) Entre órgãos de cada entidade e) tal como ocorre na iniciativa privada, in-
da administração indireta que sejam centivos econômicos são o principal fator
Não Hierárquico
escalonados verticalmente, no âmbito
interno da própria entidade.
motivacional de gerentes e chefes.
( ) Entre a administração direta e 08. Assinale a opção correta.
a administração indireta (tutela ou
controle finalístico) a) Por determinação constitucional, o orça-
mento participativo, como instrumento
A Coluna I enuncia dois tipos de controle admi- de soberania popular, visa à ampliação da
nistrativo, conforme a presença ou não do quesito democracia direta.
hierarquia. A Coluna II traz hipóteses concretas b) O objeto da Administração Pública Ge-
na qual há o exercício do controle. Correlacione as rencial é o desenvolvimento dos proces-
Colunas I e II conforme a presença ou não da hie- sos participativos de gestão pública.
rarquia no exercício do controle nas hipóteses elen-
cadas na Coluna II. Ao final, assinale a opção que c) O exercício da Governança Pública, a
expresse a sequência correta para a Coluna I. exemplo do que ocorre no orçamento

394
participativo, implica o aumento da im- d) consistia de um documento de previsão
portância do uso de critérios técnicos nos de receitas e autorização de despesas,
processos de decisão. estas classificadas segundo o objeto gasto.
d) A ascensão de valores neoliberais e o e) consistia de um documento de previsão
chamado esvaziamento do Estado são de receitas e fixação de despesas com
considerados forças propulsoras do mo- prioridade nas ações de cada órgão.
vimento da Governança Pública.
e) Os processos participativos de gestão GABARITO
pública representam uma completa
ruptura em relação ao modelo tradicio- 01 A 06 C
nal burocrático.
02 B 07 D
09. De acordo com a Constituição Federal, o
principal objetivo da Lei de Diretrizes Orça- 03 A 08 D
mentárias é:
04 E 09 E
a) orientar as unidades orçamentárias e
administrativas na formulação do seu 05 B 10 D
planejamento anual e na elaboração da
proposta orçamentária, bem como esta-
belecer as metas a serem alcançadas no
exercício subsequente. ANOTAÇÕES
b) estabelecer as diretrizes, prioridades e
metas para a organização das entidades

NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO
com vistas à definição da proposta orça-
mentária anual a ser enviada ao Congres-
so Nacional.
c) criar as condições necessárias ao estabe-
lecimento de um sistema de planejamen-
to integrado com vistas à elaboração e
aprovação do orçamento.
d) estabelecer as metas de despesas corren-
tes e de capital para o exercício seguinte,
as prioridades da administração e
orientar a elaboração da proposta orça-
mentária.
e) estabelecer as metas e prioridades da ad-
ministração pública federal, incluindo
as despesas de capital para o exercício fi-
nanceiro subsequente e orientar a elabo-
ração da lei orçamentária
10. São características do orçamento tradicional:
a) privilegiava a classificação da receita
segundo o objeto de arrecadação e as
despesas segundo as necessidades de
cada entidade.
b) fixação de dotações segundo os objeti-
vos de cada órgão e previsão de receitas
segundo estimativa global de arrecadação.
c) era vinculado ao sistema de planejamen-
to e fixava a despesa segundo a estimativa
de gasto dos órgãos e a receita segundo
os parâmetros de arrecadação do ano
anterior.

395
1. Estatística Descritiva Quantitativa discreta: pode assumir apenas al-
guns valores.
Número de filhos.
Conceitos Básicos
Quantitativa contínua: pode assumir infinitos
valores.
Estatística Peso, altura.
A Estatística compreende os métodos científicos Qualitativa nominal: apenas identifica as cate-
utilizados para coleta, organização, resumo, apre-
gorias.
sentação e análise, ou descrição, de dados de obser-
vação. Também abrange métodos utilizados para Gênero (feminino e masculino).
tomadas de decisões sob condições de incerteza. Qualitativa ordinal: podem-se ordenar as cate-
gorias.
Estatística Descritiva
Grau de instrução.
Inclui as técnicas empregadas para coleta e des-
crição de dados. Também é empregada na análise VARIÁVEIS
exploratória de dados.

Estatística Inferencial
QUALITATIVAS QUANTITATIVAS
Utiliza informações incompletas para tomar de-
cisões e tirar conclusões satisfatórias. O alicerce das
técnicas de estatística inferencial está no cálculo de
probabilidades. As duas técnicas de estatística infe- NOMINAIS ORDINAIS DISCRETAS CONTÍNUAS
rencial são: estimação e teste de hipóteses.

NOÇÕES DE ESTATÍSTICA
População
Emprega-se para designar um conjunto de indi- Apresentação dos Dados
víduos que possuem pelo menos uma característica,
ou atributo, em comum. A apresentação dos dados pode ocorrer basica-
mente de três maneiras:
Amostra ˃˃ Dados Isolados
Refere-se a qualquer subconjunto de uma po- ˃˃ Dados Ponderados
pulação. A amostragem é uma das etapas mais im- ˃˃ Dados Agrupados
portantes na aplicação de métodos estatísticos e en-
volve aspectos como determinação do tamanho da Dados Isolados: representam os dados na forma
amostra, metodologia de formação e representativi- bruta.
dade da amostra com relação à população. Ex.: 2, 2, 3, 5, 7, 8, 8, 9
Dados Ponderados: consistem em uma tabela
Variável que contém, para cada valor observado, o número
É usada para atribuição dos valores correspon- de vezes que ele ocorre (frequência), mas não se po-
dentes aos dados observados. É importante ressaltar de saber a quem corresponde cada valor. Ex.:
que os dados em questão não são necessariamente
numéricos, uma vez que podem dizer respeito a atri- Nota Frequência
butos qualitativos observados na população. 0 2
1 1
Censo 1,5 1
É um conjunto de dados obtidos de todos os
2 2
membros da população.
2,5 1
Experimento Aleatório 3,5 2
Fenômeno que, quando repetido inúmeras ve- 4 3
zes em processos semelhantes, possui resultados 4,5 3
imprevisíveis. As variáveis podem ser quantitativas 5 5
(discreta ou contínua) ou qualitativas (nominal ou
ordinal). 5,5 2

655
6 3 Tabela de Frequência
6,5 2 A tabela de frequência serve para organizar da-
7 3 dos. A frequência absoluta (F.A) é o valor real do
8 1
dado e a frequência relativa (F.R) é o valor em por-
centagem quando comparado ao total.
8,5 1
As idades dos alunos de uma sala são: 12, 13, 13,
Total 32
14, 11, 12, 15, 14, 13, 14, 15, 11, 12, 13, 13, 13, 15,
Dados agrupados: apenas para dados quantitativos. 12, 12, 13. Ao organizar no ROL e na tabela de
É uma tabela que contém divisões da variável em estu- frequência, como fica?
do (intervalos), em que é observado o número de vezes No ROL fica: 11, 11, 12, 12, 12, 12, 12, 13, 13, 13, 13,
que ocorrem os valores contidos nestes intervalos. Ex.: 13, 13, 13, 14, 14, 14, 15, 15, 15.
Na tabela, fica:
Intervalo de
Frequência
Nota
Tabela 02
0Ⱶ2 4
2Ⱶ4 5 Idade F.A F.R (%) Frequência Acumulada

4Ⱶ6 13 11 2 10 2
6Ⱶ8 8
12 5 25 7
8 Ⱶ 10 2
Total 32 13 7 35 14

14 3 15 17
Dados Brutos
NOÇÕES DE ESTATÍSTICA

Trata-se da designação para um conjunto de da- 15 3 15 20


dos não ordenados.
TOTAL 20 100
Ex.: 42, 41, 58, 50, 41, 42, 41, 60, 43, 44, 46, 45, 57, 46,
50, 51, 52, 60, 54, 58.
Tipos de Frequência
Rol Geralmente, dados isolados são agrupados na
É um conjunto de dados ordenados. forma de tabelas de frequência, que consistem em
Ex.: 41, 41, 41, 42, 42, 43, 44, 45, 46, 46, 50, 50, 51, 52, dados ponderados ou agrupados. Existem quatro ti-
54, 57, 58, 58, 60, 60. pos de frequência:
• Frequência Absoluta Simples (fi);
Tabelas • Frequência Relativa Simples (fri);
Servem para organizar e apresentar os dados co- • Frequência Acumulada (Fi);
letados, por meio das variáveis, no sentido de facili- • Frequência Acumulada Relativa (Fri).
tar a sua interpretação. Os dados obtidos por meio Ex.: 0, 2, 1, 2, 3, 1, 2, 2, 3, 4
das variáveis também podem ser organizados no
ROL, que consiste em colocar os dados em ordem x fi fri Fi Fri
crescente, mesmo que estes sejam ou estejam repe- 0 1 1/10 = 10% 1 10%
tidos.
Ex.: Quantidade de alunos matriculados no Em- 1 2 2/10 = 20% 3 30%
presa X. 2 4 4/10 = 40% 7 70%
Tabela 01 3 2 2/10 = 20% 9 90%
Quantidade de alunos matriculados por curso na Empresa X
4 1 1/10 = 10% 10 100%
Curso Número de Alunos
Polícia Federal 250 Ʃ 10 1 = 100% - -
DEPEN 150
INSS 350
Gráficos
Receita Federal 250 Servem para representar e apresentar os dados
coletados. Os gráficos podem ser em barra, coluna,
Obs.: ROL: 150, 250, 250, 350. setores (pizzas), linhas, dentre outros.

656
Barras Diagrama de Ramos e Folhas
Empresa X Há ainda outra forma de apresentação de dados
que tem sido explorada frequentemente em provas:
Receita Federal o diagrama de ramos e folhas.
INSS Em um diagrama de ramos e folhas cada número
DEPEN é separado em um ramo e uma folha
Polícia Federal Vejamos alguns exemplos:
0 50 100 150 200 250 300 350 Ex� 1: Consideramos a tabela de dados a seguir:
Número de Alunos 155 159 144 129 105 145 126 116 130 114 122 112 142 126

Colunas 118 118 108 122 121 109 140 126 119 113 117 118 109 119

Empresa X 139 139 122 78 133 126 123 145 121 134 119 132 133 124
400 129 112 126 148 147
350
Representação dos dados no diagrama de ramos e folhas:
300
250 7 8 Chave: 15|5=155
200 Número de Alunos
8
150 Ponto discrepante
100 9
50
10 5 8 9 9 9
0
Receita DEPEN INSS Polícia 11 2 2 2 3 4 6 7 8 8 8 9 9 9
Federal Federal
12 1 1 2 2 2 3 4 4 6 6 6 6 6 9 9

NOÇÕES DE ESTATÍSTICA
Setores 13 0 2 3 3 4 9 9
Empresa X
14 0 2 4 5 5 7 8

15 5 9

Ex� 2: Construir o diagrama de ramos e folhas dos


Receita Federal seguintes dados:
INSS 56, 62, 63, 65, 65, 65, 68, 70, 72
DEPEN Unidade das Folhas - 1
Polícia Federal Ramos Folhas
5 6
6 235558
7 02

Linhas
Empresa X
FIQUE LIGADO
400
350 As folhas contêm o último dígito, e os ramos contêm
300 os restantes em sequência (mesmo que alguns ramos
250 fiquem sem folhas).
200 Número de Alunos
150
100 Distribuição de Frequências
50
0 Uma distribuição de frequência é um método
Receita DEPEN INSS Polícia
Federal Federal
de agrupar dados em classes de modo a fornecer a
quantidade (e/ou a percentagem) de dados em cada
classe.

657
Uma distribuição de frequência (absoluta ou re- Elementos de uma Distribuição de
lativa) pode ser apresentada em tabelas ou gráficos.
Frequência (com intervalos de classe)
Intervalo de Classe Classe: corresponde aos intervalos de variação
Os limites de cada classe podem ser definidos de da variável e é simbolizada por i; e o número total de
quatro modos distintos, mostrados a seguir. classes é simbolizado por k.
01. Intervalo “exclusive - exclusive” Na tabela anterior k=5 e 49 Ⱶ 53 é a 3ª classe, em
02. Intervalo “inclusive - exclusive” que i=3.
03. Intervalo “inclusive - inclusive” Limites de classe: são os extremos de cada classe.
04. Intervalo “exclusive - inclusive” O menor número é o limite inferior de classe (li) e o
maior número, limite superior de classe (Li).
Distribuição de Frequência (sem Em 49 Ⱶ 53... l3= 49 e L3= 53
intervalos de classe) Amplitude do intervalo de classe: é obtida por
É a simples condensação dos dados conforme as meio da diferença entre o limite superior e inferior
repetições de seus valores. Ex.: da classe e é simbolizada por
Dados Frequência hi = Li - li
41 3 na tabela anterior hi= 53 - 49 = 4.
42 2 Obs.: Na distribuição de frequência com classe o hi
43 1 será igual em todas as classes.
44 1 Amplitude total da distribuição (AT): é a dife-
rença entre o limite superior da última classe e o li-
NOÇÕES DE ESTATÍSTICA

45 1
mite inferior da primeira classe.
46 2
AT = L(max) - l(min)
50 2
51 1
Na tabela anterior AT = 61 - 41= 20.
52 1 Amplitude total da amostra (AA): é a diferença
entre o valor máximo e o valor mínimo da amostra
54 1
(ROL). em que AA = Xmáx - Xmín. Em nosso exemplo,
57 1 AA = 60 - 41 = 19.
58 2 Obs.: AT sempre será maior que AA.
60 2 Ponto médio de classe (Xi): é o ponto que divide
Total 20 o intervalo de classe em duas partes iguais. ...

Distribuição de Frequência (com


intervalos de classe) Li + LI
Xi =
Quando o tamanho da amostra é elevado é mais 2
racional efetuar o agrupamento dos valores em vá-
rios intervalos de classe.

Classes Frequências Em que:


Li: limite inferior da classe.
41 Ⱶ 45 7
LI: limite superior da classe.
45 Ⱶ 49 3
X3: Ponto médio da 3ª classe.
49 Ⱶ 53 4 Em 49 Ⱶ 53 o ponto médio x3 = (53+49)/2 = 51.
53 Ⱶ 57 1
Representações Gráficas
57 Ⱶ 61 5
As distribuições de frequências podem ser repre-
Total 20 sentadas por meio de três tipos de gráficos, não mu-
tuamente exclusivos.

658
Histograma Medidas de Tendência Central ou de
É formado por um conjunto de retângulos jus-
tapostos, cujas bases se localizam sobre o eixo hori-
Posição
zontal, de tal modo que seus pontos médios coinci-
dam com os pontos médios dos intervalos de classe. São medidas utilizadas principalmente para a
A área de um histograma é proporcional à soma das descrição de dados. As principais medidas de posi-
frequências simples ou absolutas. ção são a média aritmética, a mediana e a moda.
Histograma de pontuações O esquema a seguir resume a classificação das
Medidas de Tendência Central ou de Posição:
18
16
14 Medidas de Média
Tendência Mediana
Frequência

12
10 Central Moda
8
6 Medidas de
4
2
Posição Mediana
0 Quartis
56 64 72 80 88 96 Separatrizes
Decis
Pontuações percentis

Na sequência, calcularemos as medidas de tendência


central ou de posição para três possibilidades a seguir:
Polígono de Frequências
˃˃ 1º - para dados não agrupados;
É um gráfico em linha, sendo as frequências marca-
das sobre perpendiculares ao eixo horizontal, levanta- ˃˃ 2º - para dados agrupados sem intervalos
das pelos pontos médios dos intervalos de classe. Para de classes; e
realmente obtermos um polígono (linha fechada), de- ˃˃ 3º - para dados agrupados com intervalos

NOÇÕES DE ESTATÍSTICA
vemos completar a figura, ligando os extremos da linha de classes.
obtida aos pontos médios da classe anterior à primeira,
e da posterior à última da distribuição. Média Aritmética (x)
30
25 Para Dados Não Agrupados
Frequência

20
15
Seja um conjunto de dados {x1 , x2 , ... , xn }.
10 A média aritmética, ou simplesmente “média”, é
5
0 dada por:
1 2 3 4 5 6 7 8
Classes n
x=å x i
Obs.: é importante notar que tanto o histograma i=1
quanto o polígono de frequência indicam a frequên-
cia absoluta de cada classe.
Curva de Frequências Ex.: Seja o conjunto {2, 4, 3, 5, 6, 2, 5}.
Então, a média aritmética é:
Enquanto o polígono de frequência nos dá a
imagem real do fenômeno estudado, a curva de fre- 2 + 4 +3+5+ 6 + 2 +5
x= = 3, 8571
quência nos dá a imagem tendencial. O polimento 7
(geometricamente, corresponde à eliminação dos
vértices da linha poligonal) de um polígono de fre- Obs.: a notação x é empregada para representar a mé-
quência nos mostra o que seria tal polígono com um dia de uma amostra de valores. A média da população
número maior de dados em amostras mais amplas. costuma ser representada pela letra grega μ (mi).
30 Para Dados Agrupados sem Intervalos de
25
20 Classes
15
10 Para dados agrupados em distribuições de fre-
5 quências, calcula-se a média ponderada, sendo que
0 a frequência observada para cada valor é o peso dele,
1 2 3 4 5 6 7 8
então a média aritmética é dada por:

659
Propriedades da Média Aritmética
k
P1: se a cada xi (i = 1, 2, ..., n) adicionarmos uma
åx f i i
constante real k, a média aritmética fica adicionada
x= i=1
k de k unidades.
åf
i=1
i P2: se multiplicarmos cada xi (i = 1, 2, ..., n) por
uma constante real k, a média aritmética fica multi-
plicada por k.
Ex.: Considerando a distribuição:
Outros Tipos de Média
x f1
Podemos definir outros tipos de média de um
2 1
conjunto de dados, tais como:
4 3
˃˃ Média Aritmética Ponderada;
5 2
˃˃ Média Geométrica;
2 ⋅1+4 ⋅ 3+5 ⋅ 2 2 + 12 + 10 ˃˃ Média Harmônica; e
x= = =6 ˃˃ Média das Médias.
1+ 3 + 2 6
• Média Aritmética Ponderada
Para Dados Agrupados com Intervalos de A média aritmética ponderada é calculada por
Classes meio do somatório das multiplicações entre valores
Consideramos a seguinte tabela que representa o e as frequências desses valores divididas pelo soma-
tempo de utilização de um aparelho de ginástica de tório dessas frequências.
uma academia pelos seus usuários:
NOÇÕES DE ESTATÍSTICA

Ex.: Notas de um aluno.


Tempo de Utilização Frequência
(em minutos) Absoluta Nota Peso

1Ⱶ4 18 7,0 1

4Ⱶ7 108 6,0 2

7 Ⱶ 10 270 8,0 3

10 Ⱶ 13 150 7,5 4

13 Ⱶ 16 54
A média ponderada é:
Total 600
7, 0 ⋅1 + 6, 0 ⋅ 2 + 8, 0 ⋅ 3 + 7, 5 ⋅ 4 73
= = 7, 3
Seja xi o ponto médio de um determinado intervalo. 1+ 2 + 3 + 4 10
Tempo de Utili- Fre-
Ponto Frequência
zação quência
(em minutos)
Médio
Absoluta
Relativa • Média Geométrica (G)

1Ⱶ4 2,5 18 18/600 = 0,03 A média geométrica é definida como n-ésima


raiz (em que n é a quantidade de termos) da multi-
4Ⱶ7 5,5 108 108/600 = 0,18
plicação dos termos.
7 Ⱶ 10 8,5 207 270/600 = 0,45 Calcular a média geométrica entre os valores 2
10 Ⱶ 13 11,5 150 150/600 = 0,25 e 8.
G = 2 ⋅ 8 = 16 = 4
13 Ⱶ 16 14,5 54 54/600 = 0,09

O tempo médio de utilização do aparelho é dado • Média Harmônica (H)


por: A média harmônica H dos números reais positivos
18 ⋅ 2,5+108 ⋅ 5,5+270 ⋅11,5+54 ⋅14,5 x1,…,xn > 0 é definida como sendo o número de mem-
x= bros dividido pela soma do inverso dos membros.
600
Calcular a média harmônica entre os valores 2
x ≅ 9,07 minutos e 8.

660
2 2 8 16 4+5 9
H= = = 2 ⋅ = = 3, 2 Me = = = 4,5
1 1 5 5 5 2 2
+
2 8 8 2:
Para um conjunto de observações não negativas, 4-5-7-2–9
vale a seguinte relação: Me = 2 - 4 - 5 - 7 – 9
X ³G³H Me = 5
Para Dados Agrupados sem Intervalos de
Média das Médias (Média Global) Classes
Sejam os conjuntos A com valores, B com va- O valor que divide a distribuição de frequências
lores, ..., e K com valores. Se A tem média , B tem em 2 grupos com mesmo número de elementos es-
tará na posição dada por:
média , ..., e K tem média , então a média do con-
junto maior, que é formado pela reunião de todos
os elementos dos conjuntos A, B, ..., K em um único åf i

conjunto, é dada por: 2


n A x A +nB x A +... nK x K
x=
n A +nB +... nK Neste caso basta identificar a frequência acumu-
lada imediatamente superior à metade da soma das
Em uma empresa, há 400 homens e 100 mulhe- frequências:
res. Os salários médios pagos aos empregados Calcule a Mediana da seguinte distribuição:
dos gêneros masculinos e femininos são de R$
xi fi Fi

NOÇÕES DE ESTATÍSTICA
2550,00 e 2480,00, respectivamente. Calcule a
média global dos salários. 0 2 2
nH x H +nM x M 1 6 8
x=
nH +nM 2 10 18
3 12 30
400 x 2550 + 100 x 2480 4 4 34
= = 2536
400 +100 ∑ = 34

Mediana (Me)
É uma medida de tendência central que indi-
ca exatamente o valor central de uma amostra de ∑f i
=
34
= 17
dados. 2 2
Observações:
˃˃ os valores da amostra devem ser colocados
em ordem crescente; Xi fi Fi
˃˃ se a quantidade de valores da amostra 0 2 2
for ímpar, a mediana é o valor central da 1 6 8 frequência acumulada
amostra; e 2 10 18 imediatamente superior
˃˃ se a quantidade de valores da amostra for 3 12 30 à metade da soma das
par, é preciso tirar a média dos valores frequências
4 4 34
centrais para calcular a mediana.
∑ = 34
Para Dados Não Agrupados
1:
3-4-9-6-3-8-2-4-5-6 Me = 2
Me = 2 - 3 - 3 - 4 - 4 - 5 - 6 - 6 - 8 – 9 Calcule a Mediana da seguinte distribuição:

661
Calcule a Mediana da seguinte distribuição:
Xi fi Fi
12 1 1 Classes fi
14 2 3 150 ⱶ154 4
15 1 4 154 ⱶ158 9
16 2 6 158 ⱶ162 11
17 1 7 162 ⱶ166 8
20 1 8 166 ⱶ170 5
∑=8 170 ⱶ174 3
∑ = 40
Temos que:

∑f i
=
8
=4
1º Passo: determinar as frequências acumuladas
2 2 frequência
Classes fi Fi
Neste caso, a mediana será a média aritmética acumulada
entre o valor da variável correspondente a essa fre- 150 ⱶ154 4 14
quência acumulada e o seguinte. 154 ⱶ158 9 13
Xi fi Fi 158 ⱶ162 11 24
12 1 1 162 ⱶ166 8 32
14 2 3 166 ⱶ170 5 37
NOÇÕES DE ESTATÍSTICA

15 1 4 170 ⱶ174 3 40
16 2 6 ∑ = 40
17 1 7
20 1 8
2º Passo: calcular
∑ fi = 40 = 20
∑=8 2 2
Logo, ∑ fi = 40 = 20
15 + 16 2 2
Me =
2
Me = 15,5 3º Passo:

h=4 F(ant)
Para Dados Agrupados com Intervalos de
Classes Classes fi Fi
Neste caso, devemos seguir os seguintes passos: 150 ⱶ154 4 14
• determinar as frequências acumuladas;
• calcular Σfi/2; 154 ⱶ158 9 13
classe
• marcar a classe correspondente à frequência 158 ⱶ162 11 24 mediana
acumulada imediatamente à Σfi/2 (classe me- 162 ⱶ166 8 32
diana) e, em seguida, aplicar a seguinte fórmula:
166 ⱶ170 5 37
∑ fi / 2 - F(ant )
Me = Li + h ⋅ 170 ⱶ174 3 40
f
∑ = 40
Legenda:
Li: limite inferior da classe mediana; Li
f
F(ant): frequência acumulada da classe anterior à clas-
se mediana; Logo,
f: frequência acumulada da classe anterior à classe
mediana; Σfi/2 – F(ant)
h: amplitude do intervalo da classe mediana. Me = Li+h .
f

662
20 – 13 Para Dados Agrupados com Intervalos de
Me = 158+4 . Classes
11
Neste caso, a classe que apresenta a maior frequência
Me = 158 + 2,54 é denominada classe modal. Se os dados de uma variá-
Me = 160,54 vel quantitativa estão dispostos em uma tabela agrupada
em classe, e não há acesso aos dados originais, é possível
Propriedades da Mediana encontrar a Moda por vários procedimentos. São eles:
P1. A mediana não depende de todos os valores ˃˃ Moda Bruta;
observados; além disso, não sofre influência de va-
lores extremos. ˃˃ Moda de Pearson;
˃˃ Moda Czuber;
P2. Não pode ser aplicada a variáveis nominais.
˃˃ Moda Kink.
P3. Adequado quando os dados apresentam gran-
de variabilidade ou distribuição assimétrica, além de Vejamos os exemplos a seguir.
valores extremos indefinidos (Ex.: maior do que...). Cálculo da Moda Bruta: é o método mais sim-
ples; consiste em tomar como Moda o ponto médio
Moda (Mo) da classe modal.
A moda de uma série de valores é o valor de 1: Determine a Moda Bruta da seguinte distri-
maior frequência absoluta, ou seja, o valor que apa- buição:
rece o maior número de vezes na distribuição. Altura fi
Para Dados Não Agrupados 155 ⱶ165 3
1: 165 ⱶ175 18
6 - 9 - 12 - 9 - 4 - 5 – 9 175 ⱶ185 11

NOÇÕES DE ESTATÍSTICA
Mo = 9 185 ⱶ195 9
classe
Ex. 2: Altura fi Xi modal
12 - 13 - 19 - 13 - 14 - 12 – 16 155 ⱶ165 3 160
Mo = 12 e 13 (Bimodal) classe
165 ⱶ175 18 170 modal
175 ⱶ185 11 180
Ex. 3: 4 - 29 - 15 - 13 - 18
185 ⱶ195 9 190
Mo = Não há moda (Amodal), pois não existe valor
mais presente.
Mo: 165 + 175 = 170
2
FIQUE LIGADO Cálculo da Moda de Pearson, Czuber e King:
para o cálculo da Moda de Pearson, Czuber e King
Pode haver mais de uma moda em um conjunto de utilizaremos as seguintes fórmulas:
valores. Se houver apenas uma moda, a distribuição é
dita Unimodal; se houver duas, é Bimodal; se houver ˃˃ Moda de Pearson:
três é Trimodal, e assim sucessivamente. Mo = 3.M e − 2 x
˃˃ Moda de Czuber:
Para Dados Agrupados sem Intervalos de
Fmax − Fant
Classes Mo = Li + h ⋅
2Fmax − (Fant + Fpost )
Ex.: Consideremos a seguinte distribuição:
˃˃ Moda King:
x f1
2 1 Fpost
Mo = Li + h ⋅
4 3 Fant + Fpost
5 2 Legenda:
Mo = Moda;
O valor de frequência máxima é o 4. Me = Mediana;
x = Média;
Logo, Mo = 4.

663
Li = Limite inferior da classe modal;
12 / 2 − 4
h = Intervalo da classe modal; Me = 20 + 10 ⋅
Fmáx = Frequência da classe modal;
6
Me = 23, 33
Fant = Frequência da classe anterior à classe modal;
Fpost = Frequência da Classe Posterior à classe modal. 2º Passo: calcular a Média.

FIQUE LIGADO Classes fi Xi Xi= Ponto médio


0 ⱶ10 1 5
Estes três procedimentos são aproximações; a Moda
real seria obtida a partir dos dados brutos. 10 ⱶ20 3 15
20 ⱶ30 6 25
30 ⱶ40 2 35

Ex. 2: Calcule a Moda de Pearson, King e Czuber,


∑ =12
da tabela abaixo:
1.5 + 3.15 + 6.25 + 2.35 270
Classes fi x= = = 22, 5
12 12
0 ⱶ10 1
10 ⱶ20 3 3º Passo: aplicar a fórmula.
20 ⱶ30 6
Me = 3.Me − 2 x
30 ⱶ40 2
NOÇÕES DE ESTATÍSTICA

Me = 3.23, 33 − 2(22, 5) = 25
Obs.: Vamos determinar a classe modal:

Classes fi • Moda King:


0 ⱶ10 1
Classes fi
10 ⱶ20 3
classe 0 ⱶ10 1
20 ⱶ30 6 modal
10 ⱶ20 3
30 ⱶ40 2
20 ⱶ30 6
• Moda de Pearson: 30 ⱶ40 2
Classes fi
Fant
0 ⱶ10 1
10 ⱶ20 3 Classes fi
20 ⱶ30 6 0 ⱶ10 1
30 ⱶ40 2 10 ⱶ20 3
classe
1º Passo: determinar a Mediana (Me). 20 ⱶ30 6
modal
Freq. 30 ⱶ40 2 Fmáx
Classes fi Fi 12
Acumulada
0 ⱶ10 1 1
h=10 Fpost
10 ⱶ20 3 4
20 ⱶ30 6 10 Fpost
30 ⱶ40 2 12 Mo = Li + h.
Fant + Fpost
-
2
Mo = 20 + 10.
∑ fi − F(ant ) 3+ 2
Me = Li + h ⋅ Mo = 24
f
664
• Moda Czuber: 1º Quartil (Q1): é o valor que tem 25% dos dados
Classes fi à sua esquerda e o restante (75%) à direita.

0 ⱶ10 1 2º Quartil (Q2): tem 50% dos dados de cada la-


do, coincide com a mediana.
10 ⱶ20 3
20 ⱶ30 6 3º Quartil (Q3): tem 75% dos dados à sua es-
querda e 25% à direita.
30 ⱶ40 2
• Fórmulas
Li Fant
1º Quartil P = 0,25.(n+1)
Classes fi
2º Quartil P = 0,50.(n+1)
0 ⱶ10 1
10 ⱶ20 3 3º Quartil P = 0,75.(n+1)
classe
20 ⱶ30 6 Em que:
modal
30 ⱶ40 2 Fmáx n – nº de dados
12 Ex. 1: Calcule os quartis da série: {5, 2, 6, 9, 10,
13, 15}.
h=10 Fpost
O primeiro passo a ser dado é o da ordenação
(crescente ou decrescente) dos valores:
Fmax − Fant {2, 5, 6, 9, 10, 13, 15}.
Mo = Li + h.
2.Fmax − (Fant + Fpost ) Se n for ímpar, a Mediana é o valor central do rol:

NOÇÕES DE ESTATÍSTICA
6−3 4º número.
Mo = 20 + 10.
2(6) − (3 + 2) O valor que divide a série acima em duas partes
Mo = 24, 29 iguais é igual a 9, logo a Md = 9 que será = Q2.
Temos agora {2, 5, 6} e {10, 13, 15} como sendo
os dois grupos de valores iguais. Para o cálculo do
primeiro quartil e do terceiro quartil, basta calcular
FIQUE LIGADO as medianas de cada uma das partes.
Em {2, 5, 6} a mediana é 5, ou seja: Q1 = 5 e
A Moda é o ponto de maior probabilidade. Ao con-
trário da Média e da Mediana, a Moda tem de ser um Em {10, 13, 15 } a mediana é 13, ou seja:
valor existente no conjunto de dados. Q3 = 13
Ex. 2: Encontre os quartis da série:
Quando todos os dados de uma série estatística {1, 1, 2, 3, 5, 5, 6, 7, 9, 9, 10, 13}
são iguais, a média, a mediana e a moda coincidirão Q2=(5+6)/2=5,5
com este valor e, portanto qualquer uma delas re- 5,5
presentará bem a série.

Separatrizes {1, 1, 2, 3, 5, 5, 6, 7, 9, 9, 10, 13}


As separatrizes são os valores que dividem as sé-
ries em partes iguais. As principais medidas separa- {1, 1, 2, 3, 5, 5} {6, 7, 9, 9, 10, 13}
trizes são: a mediana (já estudada) e os quartis, os Q1={1, 1, 2, 3, 5, 5} Q3={6, 7, 9, 9, 10, 13}
decis e os percentis.
Q1= (2+3)/2=2,5 Q3= (9+9)/2=9
Quartis
Portanto, os quartis encontrados foram:
Chamamos de quartis os valores que dividem a
Q1= 2,5
distribuição em 4 partes iguais e podem ser obtidos
da seguinte maneira: Q2 = 5,5
Temos três quartis: Q3 = 9

665
Decis Li = Limite inferior da classe quartílica;
Chamamos de decis os valores que dividem uma h = Intervalo de classe;
série em 10 partes iguais. Portanto, temos nove de-
cis; o primeiro tem 10% dos dados à sua esquerda, f = Frequência simples da classe quartílica;
e 90% à sua direita; o segundo tem 20% dos dados à
sua esquerda, e 80% à sua direita, e assim por diante, F(ant) = Frequência acumulada da classe anterior
até o nono decil, que tem 90% dos dados à sua es- à classe quartílica.
querda, e 10% à sua direita.
• Fórmulas FIQUE LIGADO
1º Decil P = 0,10.(n+1)
As expressões:
2º Decil P = 0,20.(n+1) 1. Σ fi/4, 2. Σ fi/4 e 3. Σ fi/4 servem também para
determinar a Classe Quartílica.
3º Decil P = 0,30.(n+1)
4º Decil P = 0,40.(n+1)
Vejamos o exemplo a seguir:
5º Decil P = 0,50.(n+1)
Consideremos a seguinte distribuição de fre-
6º Decil P = 0,60.(n+1)
quências em classe:
7º Decil P = 0,70.(n+1)
8º Decil P = 0,80.(n+1) Classes fi
9º Decil P = 0,90.(n+1)
150 ⱶ154 4
154 ⱶ158 9
NOÇÕES DE ESTATÍSTICA

Em que:
158 ⱶ162 11
n: nº de dados
162ⱶ 166 8
Percentis 166 ⱶ170 5
Chamamos de percentis os 99 valores que sepa- 170ⱶ174 3
ram uma série em 100 partes iguais. O cálculo dos
percentis está relacionado com a percentagem. No ∑ = 40
quadro abaixo são mostrados alguns percentis:
Vamos determinar a Frequência acumulada:
• Fórmulas
4º Percentil (P4) P = 0,04.(n+1) Classes fi Fi Freq. acumulada
12º Percentil (P12) P = 0,12.(n+1)
150 ⱶ154 4 4
20º Percentil (P50) P = 0,20.(n+1)
154 ⱶ158 9 13
Em que:
158 ⱶ162 11 24
n: nº de dados
162ⱶ 166 8 32
Cálculos das Separatrizes para Dados Agrupa- 166 ⱶ170 5 37
dos com Intervalos de Classes 170ⱶ174 3 40
Para determinar os quartis, utilizaremos as se-
∑ = 40
guintes fórmulas:
1. ∑ fi / 4 − F(ant ) Vamos calcular o Q1, Q2 e Q3:
Q1 = Li + h.
f 1º Quartil (Q1):
2. ∑ fi / 4 − F(ant )
Q 2 = Li + h. 1. ∑ fi / 4 − F(ant )
f Q1 = Li + h.
3. ∑ fi / 4− F(ant ) f
Q3 = Li + h.
f
1º Passo: determinar a classe quartílica para o
Q1:
Legenda:
1.Σ fi/4 = 1. 40/4 = 10

666
Frequência
acumulada Classes fi Fi
anterior à classe Frequência
Classes fi Fi 150 ⱶ154 4 4 acumulada
quartílica
anterior à classe
150 ⱶ154 4 4 154 ⱶ158 9 13 quartílica
154 ⱶ158 9 13 classe quartílica 158 ⱶ162 11 24
158 ⱶ162 11 24 162ⱶ 166 8 32 classe quartílica
162ⱶ 166 8 32 166 ⱶ170 5 37
166 ⱶ170 5 37 170ⱶ174 3 40
170ⱶ174 3 40 ∑ = 40
∑ = 40
(30 − 24)
Q3 = 162 + 4.
(10 − 4) 8
Logo, Q1 = 154 + 4.
9
Q3 = 165
Q1 = 156,66...
Analogamente, para calcular os Decis e os Per-
2º Quartil (Q2): centis de uma distribuição, adaptamos as fórmulas
utilizadas anteriormente para o cálculo dos Quartis,
2. ∑ fi / 4 − F(ant ) conforme o disposto a seguir:
Q 2 = Li + h.
f Para os Decis:

NOÇÕES DE ESTATÍSTICA
1º Passo: determinar a classe quartílica para o Q2: n. ∑ fi / 10 − F(ant )
Dn = Li + h.
2
2.Σ fi/4 = 2 . 40/4 = 20

Frequência Para os Percentis:


Classes fi Fi acumulada
150 ⱶ154 4 4 anterior à classe n ∑ fi /100 − Fant
quartílica Pn = Li + h.
154 ⱶ158 9 13 f
158 ⱶ162 11 24 classe quartílica
Vejamos o seguinte exemplo:
162ⱶ 166 8 32
Consideremos a seguinte distribuição de fre-
166 ⱶ170 5 37
quências em classe:
170ⱶ174 3 40
∑ = 40 Classes fi
150 ⱶ154 4
(20 −13) 154 ⱶ158 9
Q2 = 158 + 4.
11 158 ⱶ162 11
162ⱶ 166 8
Q2 = 160,5454...
166 ⱶ170 5
3º Quartil (Q3): 170ⱶ174 3

3. ∑ fi / 4 − F(ant ) ∑ = 40
Q3 = li + h.
f
Determine o 1º Decil (D1) e o 90º Percentil (P90).
1º Passo: determinar a classe quartílica para o 1º Decil (D1):
Q3: 1º Passo: determinar a classe quartílica para o Q1:
3.Σ fi/4 = 3 . 40/4 = 30 1.Σ fi/10 = 1. 40/10 = 4

667
Classes fi Fi
EXERCÍCIO COMENTADO
150 ⱶ154 4 4
154 ⱶ158 9 13 01. (ESAF) A distribuição de frequências em classes do
158 ⱶ162 11 24 salário mensal x, medido em número de salários
mínimos, de uma amostra aleatória de 50 funcioná-
162ⱶ 166 8 32 rios de uma empresa, é apresentado a seguir.
166 ⱶ170 5 37
170ⱶ174 3 40 x f

∑ = 40 mais de 0 a 10 22

mais de 10 a 20 13
n. ∑ fi / 10 − F(ant )
Dn = Li + h. mais de 20 a 30 10
f
mais de 30 a 40 3
[4 − 0]
D1 = 150 + 4
4 mais de 40 a 50 2
D1 = 154
90º Percentil (P90): Usando o ponto médio como representativo da
classe, determine o valor mais próximo da média
1º Passo: Determinar a classe quartílica para o amostral do salário mensal.
Q1: a) 14,5.
NOÇÕES DE ESTATÍSTICA

90.Σ fi/100 = 90. 40/100 = 36 b) 15,0


c) 15,8.
n ∑ fi / 100 − F(ant )
Pn = Li + h. d) 16,1
f e) 16,5.
(90 ⋅ 40 / 100 − 32) RESPOSTA: B. Vamos calcular o xi (ponto médio) de
P90 = 166 + 4.
5 cada classe:
P90 = 169, 2
x f Xi

FIQUE LIGADO mais de 0 a 10 22 5

mais de 10 a 20 13 15
No caso da Mediana, vimos que ela divide o conjunto
em duas metades. Já o Quartil, separa o conjunto mais de 20 a 30 10 25
em quatro partes iguais; o Decil, em dez partes e,
finalmente, o Centil (ou Percentil), em cem partes mais de 30 a 40 3 35
iguais! Observemos esta relação visual entre as
mais de 40 a 50 2 45
separatrizes:

!-------------------!-------------------! k
Md ∑X i i f
!---------!---------!---------!---------! x= i =1
k
Q1 Q2 Q3
∑f i
!---!---!---!---!---!---!---!---!---!---! i =1
D1 D2 D3 D4 D5 D6 D7 D8 D9 5.22+15.13+25.10+35.3+45.2
x=
!---!---!---!---!---!---!---!---!---!---! 22 + 13 + 10 + 13 + 2
C10 C20 C30 C40 C50 C60 C70 C80 C90 750
x=
50
Com isso, concluímos que:
x=15
Md = Q2 = D5 = C50
5

668
03. (Esaf) Determine a mediana do seguinte
VAMOS PRATICAR conjunto de dados:
Os exercícios a seguir são referentes ao conteúdo: 58, 95, 17, 44, 63, 9, 57, 21, 88, 12, 31, 28, 73, 5 e 56.
Estatística Descritiva. a) 28
01. (Esaf) A coleta de dados do município,
b) 31
relativa ao ensino fundamental, apresentou a
seguinte composição etária: c) 44

Faixa etária Masculino Feminino d) 50


Até 06 anos 9.000 10.200 e) 56
De 07 a 08 anos 10.000 9.300 04. (FCC) O valor da moda, obtida com a utiliza-
De 09 a 10 anos 8.000 8.500 ção da fórmula de Czuber, é igual a (despre-
De 11 a 12 anos 7.000 5.500 zar os centavos na resposta):
De 12 a 14 anos 5.000 3.500
De 15 a 18 anos 3.000 2.500
Salários dos empregados da empresa XYZ em dezembro de
Acima de 18 anos 1.000 1.500 2005
Total 43.000 41.000

Com base nos dados acima, temos as seguintes Frequências Simples


Salário (R$)
Absolutas
sentenças:
I. A Moda está na faixa etária até os 06 anos.
1 000.00 Ⱶ 2 000.00 2
II. A Média de alunos está na faixa etária de 12

NOÇÕES DE ESTATÍSTICA
a 14 anos. 2 000.00 Ⱶ 3 000.00 8
III. A Mediana é superior à média.
Apontando nos 3 (três) itens acima como V - 3 000.00 Ⱶ 4 000.00 16
Verdadeiro e F - Falso, a opção correta é:
4 000.00 Ⱶ 5 000.00 10
a) V, V, V
b) V, F, V 5 000.00 Ⱶ 6 000.00 4
c) F, V, F
d) F, F, F Dados:
e) V, V, F
Z max − Z ant
02. (FCC) Considere a tabela abaixo, que mostra a Moda = Li + h
distribuição de salários (em reais) de 160 fun- 2 ⋅ Z max − (Z ant + Z post )
cionários de determinada empresa, com suas
respectivas frequências relativa acumuladas.
Em que:
Frequência relativa
Classes em reais Li = Limite inferior da classe modal;
acumulada (%)
[600,100] 10 h = Intervalo de classe modal;
[1000,1400] 30
Zmáx = Frequência da classe modal;
[1400,1800] 70
[1800,2200] 95 Zant = Frequência da classe anterior à classe modal;
[2200,2600] 100 Zpost = Frequência da classe posterior à classe modal.
O valor modal dos salários (desprezando os cen- a) R$ 3.201,00
tavos), é:
a) 1784 b) R$ 3.307,00
b) 1666 c) R$ 3.404,00
c) 1648
d) 1636 d) R$ 3.483,00
e) 628 e) R$ 3.571,00

669
05. (FGV) A média, a mediana e a variância das A idade aproximada da mediana é:
idades de um grupo de vinte pessoas são, hoje, a) 78,22.
iguais, respectivamente, a 34, 35 e 24. Daqui a
dez anos, os valores da média, da mediana e b) 80,00.
da variância das idades dessas pessoas serão, c) 79,38.
respectivamente: d) 78,55.
a) 44, 35 e 34 e) 79,23.
b) 44, 45 e 12 09. (Fundatec) A tabela a seguir representa a
c) 44, 45 e 24 distribuição de frequências da idade de uma
amostra de moradores de um asilo.
d) 34, 35 e 12
e) 44, 45 e 124 Xi fi
06. (Esaf) Para um conjunto determinado de
números positivos temos: X como a média 70 ⱶ74 7
aritmética, G como a média geométrica
e H como a média harmônica, podemos 74 ⱶ78 19
afirmar que:
78 ⱶ82 13
a) X menor ou igual a G menor ou igual a H.
82ⱶ 86 11
b) G maior do que X maior do que H.
c) X menor ou igual a H menor ou igual 86 ⱶ90 6
NOÇÕES DE ESTATÍSTICA

a G.
90ⱶ94 4
d) H menor ou igual a G menor ou igual a X.
e) H maior do que G maior do que X. Total 60

07. (FGV) Em uma repartição, foi tomada uma O valor da moda pelo método de King é:
amostra do número de filhos de 4 funcioná- a) 72,8.
rios. O resultado foi {2, 1, 4, 2}. A média geo-
b) 76,6.
métrica simples dessa amostra é
c) 80,0.
a) 2,25.
d) 76,0.
b) 1,75.
e) 19,0.
c) 2.
10. (ESAF) Considere o diagrama de ramos e
d) 2,4. folhas abaixo correspondente à sequência
e) 2,5. de observações (91, 91, ..., 140, 145, 158).
08. (Fundatec) A tabela a seguir representa a Assinale a opção que dá a mediana das obser-
distribuição de frequências da idade de uma vações de X.
amostra de moradores de um asilo.
9 11
Xi fi 9 9
70 ⱶ74 7 10 002234
74 ⱶ78 19 10 57778
78 ⱶ82 13 11 013
82ⱶ 86 11 11 66
86 ⱶ90 6 12 00012
90ⱶ94 4 12 558
Total 60 13 004

670
13 555
14 0
14 5
15
15 8

a) 110
b) 120
c) 116
d) 113
e) 111

GABARITO
01 D 06 D
02 E 07 C
03 C 08 E
04 E 09 B
05 C 10 C

NOÇÕES DE ESTATÍSTICA
ANOTAÇÕES

671
1. Princípios Fundamentais da Parágrafo único. Todo o poder emana do povo,
que o exerce por meio de representantes eleitos ou
República Federativa do Brasil diretamente, nos termos desta Constituição.
Tratemos de cada um desses fundamentos:
Os princípios fundamentais da República são
tratados no Título I de nossa Constituição Federal
Soberania
e abrangem: Por esse princípio, o Brasil deve preservar e afir-
˃˃ os fundamentos da República; mar a exclusividade de seu poder dentro do territó-
rio nacional, devendo ser tratado de forma igual pa-
˃˃ os poderes da União; ra igual em seu relacionamento com outros países.
˃˃ os objetivos fundamentais da República; e
Ser soberano significa não aceitar a autoridade de
˃˃ os princípios que devem reger as relações nenhum outro Estado sobre a sua própria, embora is-
internacionais do Brasil. so também implique em respeitar a soberania alheia.
Eles são o primeiro Título de nossa Constituição,
Importante observar que a submissão de nosso
e vem logo após o preâmbulo, que assim dispõe:
país a regras constantes de acordos internacionais
Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos não fere sua soberania, uma vez que essa submissão
em Assembleia Nacional Constituinte para insti- é voluntária e o acordo pode ser denunciado (rescin-
tuir um Estado Democrático, destinado a assegurar dido) pelo Brasil.
o exercício dos direitos sociais e individuais, a liber-
dade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a Cidadania

NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL


igualdade e a justiça como valores supremos de uma
sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fun- Não existe um conceito unânime de cidadania,
dada na harmonia social e comprometida, na ordem cuja definição variou ao longo do tempo. Moderna-
interna e internacional, com a solução pacífica das mente esse termo vem sendo interpretado como o
controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, direito do brasileiro a uma vida digna, com a possi-
a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FE- bilidade de definir o seu futuro e de intervir na vida
DERATIVA DO BRASIL. política de seu país, tendo para isso, acesso a serviços
de saúde e educação de qualidade, bem como à in-
Comecemos, então, pelos fundamentos da Repú- formação transparente por parte do Estado.
blica Federativa do Brasil:
Ser cidadão inclui votar, mas é mais do que sim-
Fundamentos da República plesmente poder votar e ser votado, que é a defini-
Federativa do Brasil ção restrita de cidadão.

Os fundamentos da República Federativa do Dignidade da Pessoa Humana


Brasil devem ser entendidos como os pilares de sua Todos são merecedores de tratamento digno,
organização, a sua base ideológica, sem os quais ela não só pelo Estado, mas também pelos particulares,
não pode existir tal como foi concebida pelo Poder até mesmo os condenados pela lei.
Constituinte Originário.
Todos os atos que atentem contra a dignidade
Funcionam como uma espécie de introdução do humana devem ser rechaçados pelo ordenamento
texto constitucional, trazendo regras gerais que se- jurídico nacional. Nesse sentido, a Constituição Fe-
rão depois desenvolvidas ao longo da Constituição.
deral, por exemplo, expressamente condena a tortu-
Todo o arcabouço constitucional e legal deve ra e o racismo e outras formas de discriminação.
obedecer a esses fundamentos.
Sobre tais fundamentos, dispõe o Art. 1º de nossa Valores Sociais do Trabalho e da Livre Iniciativa
constituição: O Brasil reconhece a importância do trabalho in-
Art. 1º. A República Federativa do Brasil, formada dividual e coletivo para o desenvolvimento econô-
pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e mico e social da nação, o qual deve ser exercido com
do Distrito Federal, constitui-se em Estado Demo- dignidade e mediante condições mínimas.
crático de Direito e tem como fundamentos:
Com esse princípio, fica implicitamente defini-
I. A soberania; do o capitalismo como sistema econômico adotado
II. A cidadania; pelo Brasil, uma vez que, ao contrário do comunis-
III. A dignidade da pessoa humana; mo, este permite a livre iniciativa econômica. Nada
IV. Os valores sociais do trabalho e da livre impede, porém, que o Estado venha a regulamentar
iniciativa; a atividade econômica e até mesmo proibir determi-
V. O pluralismo político. nadas ocupações, em proveito da coletividade.

689
O Pluralismo Político Art. 18. A organização político-administrativa da
República Federativa do Brasil compreende a União,
Pluralismo político significa multiplicidade de os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, todos
manifestação de ideias, de pensamentos, permitin- autônomos, nos termos desta Constituição.
do que as diferentes vozes dissonantes da sociedade
possam se manifestar. O Brasil é um estado democrático de direito:
Estado de direito significa que nosso país é regido
Além disso, como corolário do pluralismo polí- por leis impessoais (império da lei), e não uma teo-
tico, a Constituição Federal, em seu Art. 17, garante cracia ou um estado absolutista, por exemplo.
a multiplicidade de partidos políticos, chamada de
pluripartidarismo, visando uma representação mais Já a expressão estado democrático indica que o
legítima de todas os grupos sociais. Assim, o Estado poder, em nosso país, emana do povo, o qual têm a
não pode dificultar injustificadamente a formação prerrogativa inalienável de eleger seus representan-
dos partidos políticos, nem embaraçar-lhes o fun- tes, conforme aliás, deflui do parágrafo único.
cionamento, devendo, pelo contrário, estimular a Além disso, a expressão Estado democrático de
sua formação e atividade. direito indica que deve haver, por parte do Estado
Brasileiro, total respeito aos direitos humanos.
Outras Características da República O Brasil é uma democracia representativa:
Brasileira Como ocorre com as democracias em geral, nossa
Da análise do caput do Art. 1º, podemos extrair Constituição reconhece que a titularidade do Poder
ainda que: Político pertence ao povo, mas determina que seu
A forma de Estado adotada pelo Brasil foi a de exercício será feito por pessoas eleitas pelo povo (re-
federação e a forma de Governo a República: E em presentantes). Tal sistema é chamado de democra-
relação à Federação, que garante a autonomia ad- cia representativa ou democracia indireta.
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL

ministrativa e financeira dos Estados e Municípios, Aliás, isso não poderia ser diferente, uma vez
o Art. 60, §4º, da Constituição, a coloca como uma que seria absolutamente inviável que o Poder fosse
cláusula pétrea, que não pode ser abolida por emen- exercido de forma plena diretamente por todos os
da constitucional. cidadãos brasileiros, o que exigiria, por exemplo,
Além disso, a Federação brasileira é indissolúvel, que todo e qualquer projeto de lei fosse votado por
o que quer dizer que não existe aqui o direito de se- todos os cidadãos, que qualquer um deles pudesse
cessão, que é o direito que um Estado teria de dizer apresentar um projeto de lei, etc.
que não deseja mais pertencer à República Brasilei- No entanto, embora o Brasil seja uma democracia
ra. Aliás, o Art. 34, I, da Constituição permite que a representativa, existem três situações em que o povo
União intervenha nos Estados para garantir a inte- exercerá o poder diretamente: apresentação de proje-
gridade nacional. to de lei de iniciativa popular, plebiscito e referendo.
Já a República não é colocada como cláusula
Além disso, o parágrafo único também afirma
pétrea, podendo ser alterada tal forma de Governo
que as eleições no Brasil serão diretas, sendo que so-
através de emenda constitucional, se a sociedade as-
mente existe uma exceção a essa regra, prevista no
sim o decidir.
Art. 81, §1º, da Constituição Federal: se vagarem os
Assim, em tese, o Brasil até poderia voltar a ser cargos de Presidente e Vice-Presidente da Repúbli-
uma monarquia, bastando que a Constituição fosse ca (isso vale também para Governadores e Prefei-
alterada para tanto. tos) na segunda metade do mandato presidencial,
Os municípios também são componentes da o Congresso Nacional fará a escolha do novo Pre-
Federação: a constituição brasileira, de forma sin- sidente e do novo Vice, que assumirão até o final do
gular no mundo, consagra aos municípios a posição mandato de seus antecessores.
de ente federativo, embora suas competências sejam
reduzidas. Assim, não são eles simplesmente subdi- Divisão de Poderes
visões administrativas dos Estados-membros, co-
mo ocorre nas demais federações, mas verdadeiras Dispõe o Art. 2º da Constituição:
unidades políticas com autonomia garantida pela Art. 2º. São Poderes da União, independentes e
Constituição, não obstante se submetam à legislação harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o
estadual no que couber e aos comandos emanados Judiciário.
do Judiciário estadual. Não obstante a consagração da expressão separa-
Tal disposição é reforçada pelo Art. 18 da Cons- ção dos poderes, na verdade, o Poder do Estado, que
tituição, que assim dispõe: emana do povo, é uno e indivisível.

690
O que existem são funções distintas exercidas por Embora possam parecer objetivos utópicos, des-
determinados órgãos, cuja independência é necessá- crevem eles um conceito ideal que deve servir de
ria para se evitar a concentração de poder nas mãos de paradigma à nossa nação, sendo principalmente um
uma ou poucas pessoas e os perigos que disso adviria. norte a ser respeitado pelos legisladores e adminis-
Assim, em vez de dizer poderes da União seria mais tradores públicos.
apropriado falar-se em funções do Estado e em fun-
ções legislativa, judiciária e executiva do Estado. Princípios de Relações
Ao prever a separação de poderes, a Constituição Internacionais
brasileira preenche um dos requisitos do conceito
ideal de constituição. O Art. 4º cita os princípios que deverão nortear o
Essa separação de funções, porém, não é absoluta, Brasil em suas relações com os outros países:
mas as entidades de cada poder poderão exercer mais Art. 4º. A República Federativa do Brasil rege-se
de uma função, embora tenha uma como primordial. nas suas relações internacionais pelos seguintes
Assim, por exemplo, embora o Congresso Na- princípios:
cional, seja detentor precipuamente da atividade I. Independência nacional;
legislativa, também exerce ele as atividades adminis- II. Prevalência dos direitos humanos;
trativas (contratação de empresas para atividades- III. Autodeterminação dos povos;
meio, pagamento de pessoal, etc.) e de julgamento IV. Não intervenção;
(casos de impeachment do Presidente da República e V. Igualdade entre os Estados;
de ministros do STF, por exemplo).
VI. Defesa da paz;

NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL


Além de independentes, os três poderes preci- VII. Solução pacífica dos conflitos;
sam ser harmônicos, cada um exercendo seu papel VIII. Repúdio ao terrorismo e ao racismo;
e respeitando a competência dos outros. Diferente-
IX. Cooperação entre os povos para o progresso
mente do sistema parlamentarista, que reconhece a
da humanidade;
preponderância do Poder Legislativo sobre o Execu-
tivo, o sistema presidencialista adotado pelo Brasil – X. Concessão de asilo político.
de inspiração norte-americana – parte do princípio Parágrafo único. A República Federativa do Bra-
de igualdade plena entre os poderes. sil buscará a integração econômica, política, social
e cultural dos povos da América Latina, visando
A independência dos poderes também deve ser à formação de uma comunidade latino-americana
respeitada nos Estados e nos Municípios, embora, de nações.
no caso dos Municípios, não se tenha o Poder Judi- Vejamos cada um deles:
ciário, mas apenas o Executivo (exercido pelo Pre-
feito Municipal) e o Legislativo (exercido pela Câ- Independência Nacional
mara de Vereadores), sendo que o desrespeito a tal
Decorre da própria soberania o princípio de que
independência pode dar ensejo a intervenção esta-
o Brasil deve manter uma posição independente
dual ou municipal. frente a outros países, nunca subordinando os inte-
Objetivos Fundamentais da resses nacionais aos estrangeiros.
República Federativa Brasileira Ser independente não significa ser arrogante ou
inflexível, mas sim pautar seu comportamento de
forma autônoma em relação aos demais países, não
Tais objetivos estão expostos no Art. 3º da Cons-
submetendo automaticamente sua vontade aos de-
tituição:
sejos e interesses de outras nações.
Art. 3º. Constituem objetivos fundamentais da Re-
pública Federativa do Brasil: Prevalência dos Direitos Humanos
I. Construir uma sociedade livre, justa e solidária; Corolário do fundamento da dignidade da pes-
II. Garantir o desenvolvimento nacional; soa humana, tal princípio determina que, em suas
III. Erradicar a pobreza e a marginalização e relações internacionais, nosso país deve sempre res-
reduzir as desigualdades sociais e regionais; peitar e fazer respeitar os direitos humanos contra
IV. Promover o bem de todos, sem preconcei- qualquer violação por parte de Estados ou particu-
tos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer lares, não sobrepondo a esse respeito qualquer inte-
outras formas de discriminação. resse econômico ou político.
Esse dispositivo constitucional elege os objetivos
principais de nossa república, as principais metas a Autodeterminação dos Povos e Não Intervenção
serem alcançadas, cuja persecução não deve ser in- Assim como o Brasil deseja ser respeitado como
terrompida enquanto não alcançadas. um país soberano, também deve respeitar a soberania

691
(autodeterminação) das demais nações, que têm o Concessão de Asilo Político
direito de traçar seu próprio destino, desde que não
invadam a esfera de influência da soberania brasileira Asilo político é o acolhimento de estrangeiro em
e de outros países. Assim, a intervenção não autoriza- virtude de perseguição sofrida por ele por parte de
da do Brasil em assuntos internos de outros países é seu país ou de terceiros. É um instituto adotado por
rechaçada pelo nosso ordenamento jurídico. toda grande democracia.
O princípio da não intervenção, porém, é relati- Entre as causas da perseguição que podem dar
vo, não impedindo que o Brasil venha a participar azo ao pedido de asilo político, podemos citar: dissi-
de missões organizadas pela ONU, por exemplo, ou dência política, manifestação de pensamento ou cri-
que venha a intervir em outros países para resguar- mes relacionados à segurança do Estado e que não
dar os interesses dos cidadãos brasileiros, ou quan- configurem delitos no direito penal comum.
do houver justificativa humanitária para tal.
A concessão do asilo é ato de soberania estatal,
Igualdade entre os Estados discricionário e de competência do Presidente da
República.
Diante do Estado brasileiro, todos as outras na-
ções são iguais, merecendo, em princípio, o mesmo Integração da América Latina
tratamento e respeito, não havendo quaisquer Esta-
dos “naturalmente” merecedores de tratamento es- Nossa Constituição, no parágrafo único do Art. 4º,
pecial em relação a outros. coloca expressamente como uma das metas de nossa
Porém, assim como o princípio da igualdade República a busca da integração latino-americana, cul-
aplicado aos nacionais, esse conceito admite relati- minando com a criação de uma comunidade de nações.
vização, seja pela reciprocidade, seja pela observân- Essa é uma realidade bastante distante, se não
cia dos direitos humanos nos mais diversos países, utópica, diante das grandes assimetrias, rivalidades
seja por razões econômicas, que podem fazer com históricas e interesses distintos dentro do grande
que o Brasil dê tratamento econômico mais benéfico
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL

continente ibero-americano.
a alguns países, por exemplo.
Além disso, quando trata dos direitos de nacio- Não obstante isso, o Brasil tem sido um dos países
nalidade, por exemplo, a Constituição concede al- da região que mais têm engendrado esforços nesse sen-
guns “benefícios” a cidadãos portugueses ou que tido, como podemos observar na iniciativa de criação e
sejam originários de países lusófonos. desenvolvimento do Mercosul, UNASUL e outros.
Essa integração deve ser promovida por meio de
Defesa da Paz e Solução Pacífica dos Conflitos tratados internacionais, os quais serão incorporados
O Brasil deve sempre pautar-se pela manuten- ao ordenamento jurídico nacional da mesma forma
ção e imposição da paz e busca de soluções pacíficas que os demais tratados, ou seja, somente após a rati-
para os conflitos, embora se reconheça que, em al- ficação pelo Congresso Nacional.
gumas situações excepcionais, a força possa ser uti-
lizada, desde que de forma proporcional e somente
durante o tempo estritamente necessário. EXERCÍCIO COMENTADO
Repúdio ao Terrorismo e ao Racismo 01. (Esaf) Em 16 de março de 2014, a Criméia realizou
Nosso país deve deixar claro, em suas relações consulta popular que resultou em ampla maioria
internacionais, que repudia qualquer forma de favorável à separação da Ucrânia, abrindo
terrorismo e racismo, rejeitando qualquer acordo caminho para sua anexação à Rússia, que restou
internacional que os estimule de qualquer forma, implementada nos dias seguintes. A Criméia
devendo deixar sua discordância das políticas de pertenceu à Rússia até 1953, quando o líder
países que tolerem tais práticas.
Nikita Kruschev resolveu que a Península deveria
Cooperação dos Povos para o Progresso da integrar a Ucrânia. Considerando esses aconte-
Humanidade cimentos, assinale a opção correta, tomando por
fundamento a Constituição Federal de 1988.
O Brasil entende que deve haver cooperação en-
tre as nações, não só a nível militar, mas também nos a) A Constituição Federal de 1988 não se
demais diversos aspectos (econômico, tecnológico, ocupa do tema em epígrafe, vale dizer,
ambiental, etc.), buscando o bem-estar e progresso não trata de questões internacionais e não
da raça humana. menciona os respectivos princípios que
Esse é um princípio de larga abrangência e mos- devem guiar as relações internacionais da
tra a disposição do Brasil em colaborar com a busca República Federativa do Brasil.
de um mundo melhor.

692
a) concessão de asilo político, não interven-
ção e pluralismo político.
b) A Constituição Federal de 1988 se ocupa do
tema em epígrafe, porém, não menciona b) garantia do desenvolvimento nacional,
qualquer princípio de relações internacio- autodeterminação dos povos e igualdade
nais, deixando para o Congresso Nacional a entre os gêneros.
tarefa de criá-los, via legislação ordinária. c) defesa da paz, prevalência dos direitos
c) A Constituição Federal de 1988 se ocupa humanos e pluralismo político.
do tema em epígrafe, estabelecendo, d) solução pacífica dos conflitos, igual-
como princípio, que a República Federa- dade entre os gêneros e erradicação da
tiva do Brasil somente intervirá em outro pobreza.
Estado soberano na hipótese de requisição,
e) autodeterminação dos povos, defesa da
em defesa da Democracia e dos Direitos paz e não intervenção.
Humanos, com ou sem mandato da Organi-
zação das Nações Unidas. 02. (FCC) Nos termos da Constituição de 1988,
d) A Constituição Federal de 1988 se ocupa do são fundamentos da República Federativa do
tema em epígrafe, estabelecendo, como Brasil, dentre outros,
princípios da República Federativa do a) soberania, cidadania e pluralismo
Brasil, no plano internacional, a dignidade político.
da pessoa humana e os valores sociais do
b) cidadania, valores sociais do trabalho e
trabalho e da livre iniciativa.

NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL


da livre iniciativa e inafastabilidade da
e) A Constituição Federal de 1988 se ocupa do jurisdição.
tema em epígrafe, estabelecendo, como prin-
cípios da República Federativa do Brasil, no c) dignidade da pessoa humana, valores
plano internacional, os princípios da autode- sociais do trabalho e função social da
terminação dos povos e a não intervenção. propriedade.
RESPOSTA: E. d) soberania, igualdade e liberdade.
Alternativas A e B. A Constituição estabelece os prin- e) dignidade da pessoa humana, direito à
cípios que devem reger o País em suas relações inter- vida e à saúde e fraternidade.
nacionais. 03. (FCC) Sobre os princípios fundamentais da
Alternativa C. A Constituição não estabelece expressa- Constituição Brasileira, pode-se afirmar que:
mente que o Brasil somente intervirá em outro Estado
a) a República Federativa do Brasil consti-
no caso de defesa da Democracia e dos Direitos Huma-
tuída dos seguintes poderes, indepen-
nos, embora, na prática, tal possa vir a ocorrer.
dentes e harmônicos entre si: Legislativo,
Alternativa D. A dignidade da pessoa humana e os va- Administrativo, Executivo e Judiciário.
lores sociais do trabalho e da livre iniciativa são, na ver- b) a República Federativa do Brasil tem
dade, fundamentos da República Federativa do Brasil, como fundamentos a soberania, a cida-
trazidos pelo Art. 1º da Constituição, e não princípios dania, a dignidade da pessoa humana, os
que devem reger o País em suas relações internacio- valores sociais do trabalho e da livre ini-
nais. ciativa, e o pluralismo político.
Alternativa E. A Constituição Federal estabelece, em c) a República Federativa do Brasil buscará
seu Art. 4º, dois princípios que se aplicam ao caso a integração econômica, política, social
citado: autodeterminação dos povos e não intervenção. e cultural dos povos da América Latina
e da África, visando à formação de uma
comunidade internacional de nações
VAMOS PRATICAR latinas e africanas.
d) todo o poder emana do povo, que o
Os Exercícios a seguir são referentes ao conteú- exerce por meio de representantes eleitos
do: Princípios Fundamentais da República Federa- nos poderes Legislativo, Executivo e Ju-
tiva do Brasil. diciário.
01. (FCC) Nas suas relações internacionais, e) erradicar a pobreza e a marginalização e
conforme dispõe a Constituição Federal, reduzir as desigualdades sociais e regio-
a República Federativa do Brasil rege-se, nais não constitui um dos objetivos funda-
dentre outros, pelos princípios da: mentais da República Federativa do Brasil.

693
04. (Vunesp) Conforme o Art. 4º, parágrafo 07. (FGV) Analise as afirmativas a seguir.
único, da Constituição Federal, a Repúbli-
ca Federativa do Brasil buscará a integração I. A soberania, a cidadania e a proteção à pro-
econômica: priedade privada constituem fundamentos
da República Federativa do Brasil.
a) com todos os países com os quais mantém
II. A República Federativa do Brasil rege-se, em
relações diplomáticas, visando ao desen-
suas relações internacionais, pela autodeter-
volvimento do comércio internacional.
minação dos povos e pela não intervenção.
b) e o intercâmbio comercial entre os países
da Europa. III. A Constituição da República Federativa do
Brasil erige a livre iniciativa como um princí-
c) e também política, social e cultural dos pio fundamental.
povos da América Latina, visando à
formação de uma comunidade latino-a- Assinale:
mericana de nações. a) se somente a afirmativa I estiver correta.
d) e também cultural dos povos de todo o b) se somente a afirmativa II estiver correta.
mundo, visando à formação de uma co-
c) se somente a afirmativa III estiver correta.
munidade mais justa e solidária.
d) se somente as afirmativas I e II estiverem
e) e também política dos povos das
Américas, visando ao pluralismo político corretas.
e à cidadania. e) se somente as afirmativas II e III estive-
rem corretas.
05. (FCC) A República Federativa do Brasil tem
como um de seus fundamentos ...I... ; cons- 08. (Fepese) Assinale a alternativa correta:
titui um dos seus objetivos funda- mentais
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL

...II... ; e rege-se nas suas relações internacio- a) A República Federativa do Brasil, formada
nais, entre outros, pelo princípio ...III... pela união indissolúvel dos Estados e Mu-
nicípios e do Distrito Federal, constitui-se
Preenche, correta e respectivamente, as lacunas em Estado Democrático de Direito e tem
I, II e III: como fundamentos: a soberania; a cida-
a) I - a dignidade da pessoa humana / II- dania; a dignidade da pessoa humana; os
conceder asilo político / III - da prevalên- valores sociais do trabalho e da livre inicia-
cia dos direitos humanos. tiva; o pluralismo político
b) I- a cidadania / II - conceder asilo político b) Constituem objetivos fundamentais da
/ III - do repúdio ao terrorismo e ao República Federativa do Brasil: construir
racismo. uma sociedade soberana, justa e solidária;
c) I - a soberania/ II- construir uma socieda- garantir o desenvolvimento internacional;
de livre, justa e solidária / III - do repúdio erradicar a pobreza e a marginalização e
ao terrorismo e ao racismo. reduzir as desigualdades sociais e regionais;
promover o bem de todos, sem preconcei-
d) I - os valores sociais do trabalho e da livre
iniciativa /II - defender a paz / III - da tos de origem, raça, sexo, cor, idade e quais-
prevalência dos direitos humanos. quer outras formas de discriminação.
e) I - o pluralismo político /II- defender c) A República Federativa do Brasil rege-se
a paz/ III - da prevalência dos direitos nas suas relações internacionais pelos
humanos. seguintes princípios: independência
nacional; prevalência legalista de direitos;
06. (FGV) As opções a seguir apresentam Princí- autodeterminação dos povos; intervenção
pios que regem as relações internacionais da mínima; igualdade entre os Estados; defesa
República Federativa do Brasil, à exceção de da paz; solução pacífica dos conflitos;
uma. Assinale-a. repúdio ao terrorismo e ao racismo; coo-
a) Prevalência dos Direitos Humanos peração entre os povos para o progresso da
b) Autodeterminação dos povos. humanidade; concessão de asilo político.
c) Solução impositiva de conflitos. d) Todo o poder emana do povo, que o
exerce por meio de representantes eleitos
d) Igualdade entre os Estados. ou indiretamente, nos termos desta
e) Repúdio ao terrorismo e ao racismo. Constituição.

694
e) São Poderes da União, dos Estados e dos
Municípios, independentes e harmôni-
cos entre si, o Legislativo, o Executivo e
o Judiciário.
09. (FGV) Assinale a opção que indica um dos fun-
damentos da República Federativa do Brasil,
segundo a Constituição Federal de 1988.
a) O repúdio ao terrorismo e ao racismo.
b) A dignidade da pessoa humana.
c) A defesa da paz.
d) A prevalência dos direitos humanos.
e) A independência nacional.
10. (Vunesp) Estado Democrático de Direito é
um sistema institucional:
a) em que o poder político não possui
limites previstos em lei.
b) em que há previsão e proteção aos

NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL


direitos fundamentais.
c) em que é necessário que as leis sejam em
forma de código.
d) que independe do respeito à dignidade da
pessoa humana.
e) em que votam somente as pessoas que
possuem nível superior.

GABARITO
01 E 06 C
02 A 07 E
03 B 08 A
04 C 09 B
05 C 10 B

ANOTAÇÕES

695
1. Conceitos Introdutórios ao particular, não produzindo, de fato,
um bem ou serviço público. Como apli-
de Direito Administrativo cação do poder de polícia, podemos citar
os exemplos da expedição de alvarás para
construção de prédios ou para o funciona-
Esse capítulo tem por objetivo demonstrar o
mento de casas noturnas.
conceito de Direito Administrativo, conceito de Ad-
ministração Pública, distinção entre Governo e Ad- ˃˃ Fomento: é a atividade administrativa
ministração Pública, Regimes Jurídicos de Direito que busca incentivar o exercício de deter-
Público e Privado, Administração Direta e Indireta, minadas atividades pelo particular. Como
fontes do Direito Administrativo exemplos de ações de fomento, podemos
citar: os financiamentos concedidos pelo
Conceito de Direito Administrativo Governo para a produção de materiais de
construção mais baratos, subsídios repassa-
O Direito Administrativo pode ser definido co- dos pelo Estado a determinadas indústrias
mo o ramo do Direito Público que estuda as normas ou prestadores de serviços e ainda favores
e princípios que regem a Administração Pública, em fiscais concedidos com o fim de estimular
sua organização, atividades e relações com os parti- determinadas atividades consideradas im-
culares. portantes para a sociedade.
Conceito de Administração Pública Conceito Subjetivo, Formal ou
A expressão Administração Públicapossui dois
Orgânico
sentidos no Direito Administrativo Brasileiro: um Pelo conceito subjetivo, também chamado de
chamado de subjetivo e outro denominado objetivo. formal ou orgânico, a Administração Pública é o
conjunto de entidades, órgãos e agentes públicos, os
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO

Conceito Objetivo, Material ou quais exercem a atividade administrativa. Ou seja,


esse conceito corresponde à estrutura orgânica do
Funcional Estado, aos componentes de sua estrutura organiza-
Pelo conceito objetivo, também denominado cional, aos elementos de seu organograma.
material, ou ainda, funcional, a Administração Pú- Resumindo: a expressão Administração Pública,
blica corresponde a um conjunto de atividades do em seu sentido objetivo, material ou funcional, indi-
Estado que busca atender, direta ou indiretamente, ca a atividade estatal de administrar as necessidades
às necessidades da coletividade. Em outras palavras, da coletividade. Já no sentido subjetivo, formal ou
a Administração Pública se refere às ações desen- orgânico, indica o conjunto de pessoas físicas e jurí-
volvidas pelo Estado, exercidas de acordo com o que dicas e os órgãos que exercem essa atividade.
determina a lei, no sentido de buscar a execução de
atos que sejam de interesse da sociedade. Assim, quando dizemos que “o Presidente da Re-
pública é o chefe da Administração Pública Federal”,
É exercida principalmente pelo Poder Executivo, ou então que a “a Administração Pública, via de regra,
mas, esporadicamente, também é realizada pelos deve realizar licitação para a compra de bens e serviços,
Poderes Judiciário e Legislativo. estamos nos referindo ao sentido subjetivo do termo.
Nesse sentido, a Administração Pública envolve Por outro lado, quando afirmamos que “a Admi-
a prática de três funções estatais: nistração Pública deve ser exercida com ética e eficiên-
˃˃ Serviços Públicos: ações do Estado que cia, ou que “a Administração Pública não é uma ciência
buscam atender concretamente às necessi- exata”, estamos nos referindo ao seu sentido objetivo.
dades mais importantes dos cidadãos, cor- É importante observar que, semelhantemente ao
respondendo a uma prestação positiva por que ocorre com a Constituição e com a legislação,
parte daquele. Ex.: serviços de educação, normalmente, aos falarmos em Administração Pú-
saúde, transporte público. blica, faremos referência ao sentido subjetivo, for-
˃˃ Poder de Polícia: é a ação do Estado que mal ou orgânico do termo.
regulamenta, restringe o exercício dos
direitos individuais, em benefício da cole- Distinção entre Governo e
tividade. Normalmente, está ligado às ati-
vidades de autorização e de fiscalização. É
Administração Pública
apontado como uma prestação negativa Embora, em sentido amplo, a expressão Ad-
por parte do Poder Público pelo fato de que ministração Pública também englobe a atividade
ele, através do Poder de Polícia, somente de Governo, o Direito Administrativo costuma
impõe obrigações de fazer ou não fazer

842
diferenciar os dois conceitos, embora estejam rela- Quando ela se submete ao regime jurídico de di-
cionados, sendo ambos exercidos pelo Estado, espe- reito privado, coloca-se em situação de igualdade
cialmente pelo Poder Executivo. perante o particular (embora, mesmo assim, ainda
A atividade de Governo relaciona-se à condução esteja sujeita a algumas sujeições, como, por exem-
política do País, à definição das diretrizes, das linhas plo: necessidade de concurso público para contrata-
mestras que orientarão a condução do Estado. Nor- ção de funcionários).
malmente, as leis não tratam da atividade de Gover- Ex.: quando a União aluga um imóvel para a
no, que é regulada principalmente de forma direta instalação de repartição, ou exerce uma ativi-
pela Constituição Federal. dade comercial (extração de petróleo, serviços de
telecomunicações etc.), submete-se às mesmas re-
Assim, por exemplo, quando o Presidente da Re-
gras que o particular, tendo que pagar o aluguel
pública celebra um tratado internacional, ou quan-
da mesma forma que qualquer um. Inclusive, es-
do estabelece que a educação será prioridade em seu
tá sujeita também a despejo.
mandato, está exercendo o Governo.
Na maioria das vezes, porém, a Administração
Já a Administração Pública, em sentido estrito, Pública precisa situar-se em uma posição superior
está relacionada ao atendimento das necessidades à do particular, uma vez que ela exerce atividades
da coletividade ou do aparelho estatal. Isso possui importantes para a sociedade. Tais atividades extra-
relação com a realização cotidiana das atividades tí- polam e, até mesmo, colidem com os interesses indi-
picas de Estado. viduais, quando a Administração Pública fiscaliza,
Diferentemente do que ocorre com o Governo, a impõe penalidades, autoriza determinados atos, fo-

NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO


atividade de Administração Pública é bastante regu- menta algumas atividades etc.
lada pela lei (Princípio da Legalidade). Nesses casos, como ela adota um conjunto de re-
Quando o Presidente da República autoriza a gras diferenciadas em relação ao particular, subme-
realização de um concurso ou contrata uma empre- te-se ao regime jurídico de direito público.
sa para efetuar serviços de limpeza, está exercendo a Assim, a Administração Pública age sob as regras
atividade de Administração Pública. de direito público quando, por exemplo, desapro-
Outra forma de diferenciar os dois conceitos é pria um imóvel e aplica uma penalidade a alguém
dizer que a Administração Pública tem por objetivo por descumprimento de um contrato administrati-
operacionalizar, colocar em prática as diretrizes es- vo, pois, nesse caso, ela utiliza-se de poderes que o
tabelecidas pelo Governo. particular não possui.
Em uma democracia, os governos são provisó- Mas, além dessas prerrogativas, a Administração
rios. No entanto, a Administração Pública precisa também se submete a uma série de restrições a que
ser estável, pois está relacionada à condução do Es- o particular não se submete, como, por exemplo, a
tado no cotidiano. Imaginemos que caos seria se, a necessidade de realização de licitações para a con-
cada mudança de Governo, toda a máquina da Ad- tratação de servidores públicos e a observância dos
ministração Pública fosse substituída! princípios da Administração Pública.
Esse conjunto de prerrogativas e sujeições típi-
Regimes Jurídicos de Direito Público cas da Administração Pública, quando desenvolver
e de Direito Privado ações sob o regime de direito público, é chamado de
Regime Jurídico Administrativo.
O regime jurídico de direito público é aquele que
dá à Administração Pública, no interesse da coleti-
Administração Direta e Indireta
vidade, poderes e prerrogativas especiais, que o par-
No Brasil, a Administração Pública (em seu sen-
ticular não possui, podendo ela, por exemplo, desa-
tido subjetivo) divide-se em dois grandes ramos:
propriar imóveis, apreender mercadorias, guinchar
Administração Direta, também chamada de centra-
veículos etc.
lizada, e Administração Indireta, a qual também re-
O regime jurídico de direito privado é o conjun- cebe o nome de descentralizada.
to de direitos e deveres que todos nós, particulares,
temos. Ou seja, é o conjunto de poderes e deveres Administração Direta
atribuídos às pessoas em geral. A Administração Direta integra os próprios po-
Em seu relacionamento com terceiros, a Admi- deres que compõem as pessoas jurídicas de direito
nistração Pública pode submeter-se às regras de di- público com capacidade política. É o que costuma-
reito público (mais comum) ou de direito privado mos chamar de “entidades e órgãos do Governo”, e
(nos casos determinados pela lei). compreende a União, os Estados, o Distrito Federal

843
e os Municípios, bem como seus respectivos órgãos, Fundações Públicas
como os Ministérios, Secretarias, Gabinetes, Depar-
As fundações públicas são também definidas co-
tamentos etc. mo “universalidades de bens personalizadas” ou “pa-
As divisões internas da Administração Direta, trimônios personalizados”, instituídas para uma fina-
chamadas de órgãos, não possuem personalidade lidade específica, estabelecida em lei complementar.
jurídica, o que quer dizer que não possuem existên- Na criação de fundações públicas, a União, o Es-
cia desvinculada da União, dos Estados, do DF e dos tado, o Distrito Federal ou o Município destacam
Municípios. uma parte de seu patrimônio, destinam-na a um fim
determinado, concedem a ela personalidade jurídi-
Administração Indireta ca e definem como deverá ser administrada.
A Administração Indireta corresponde ao con- Seu regime jurídico, normalmente, será o mes-
junto de entidades criadas pela Administração Di- mo das autarquias (regime de direito público). No
reta para o exercício de determinadas atividades. entanto, existe a possibilidade de criação de funda-
Tais entidades possuem autonomia em relação à ções de direito privado.
União, aos Estados, ao DF e aos Municípios. Elas
Entre os exemplos de fundações públicas na es-
têm personalidade jurídica própria, o que significa, fera federal, temos o CNPq - Conselho Nacional de
por exemplo, que podem ter patrimônio e corpo de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - e as
funcionários próprios, podem ser autoras ou rés em Universidades Federais.
ações judiciais etc.
Tanto a União, como os Estados, o DF e os Mu- Sociedades de Economia Mista e Empresas
nicípios podem criar entidades da Administração Públicas
Indireta. As sociedades de economia mista e as empresas
públicas são entidades criadas pela Administração
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO

Essas entidades dividem-se, de acordo com o De-


creto-Lei 200/67, em quatro categorias: autarquias, Pública para exercerem atividades de mercado, vol-
fundações públicas, sociedades de economia mista tadas normalmente para a venda de bens e serviços,
e empresas públicas. Além disso, a Lei 11.107/05 e que concorrem com as empresas privadas.
passou a prever também a existência dos chamados De acordo com o Art. 173 da Constituição Fede-
“consórcios públicos”. ral, a exploração direta de atividade econômica pelo
Estado só será permitida quando necessária aos im-
Autarquias perativos da segurança nacional ou a relevante inte-
As autarquias são criadas para exercer uma ati- resse coletivo.
vidade que seja própria de Governo, normalmente, Por serem voltadas ao mercado, e até pelo fato de
um serviço público. concorrerem com o setor particular, as sociedades de
Como todas as entidades da Administração In- economia mista e as empresas públicas sujeitam-se às
direta, possuem existência distinta das entidades mesmas regras das empresas privadas, com algumas
que as criaram, mas se submetem ao mesmo regi- pequenas diferenças, estando, assim, submetidas ao
me jurídico de direito público. Isso significa que que se chama de regime jurídico de direito privado.
possuem as mesmas prerrogativas e sujeitam-se às No entanto, é importante observar que o STF
mesmas restrições da Administração Direta. Assim, tem estendido a imunidade tributária também às
por exemplo, as autarquias possuem imunidade de empresas públicas que prestem serviços públicos,
impostos e não podem ter os seus bens penhorados como os Correios.
para pagamentos de dívidas. A criação de sociedades de economia mista e de
Normalmente, seus servidores submetem-se ao empresas públicas deve ser autorizada por lei espe-
regime estatutário, embora existam autarquias que cífica, de acordo com o Art. 37, inciso XIX, da Cons-
contratem pelo regime da Consolidação da Legisla- tituição Federal.
ção do Trabalho – CLT. Também a criação de subsidiárias dessas entida-
As autarquias são criadas por meio de lei especí- des depende de autorização legislativa (Art. 37, XX,
fica e estão sempre vinculadas a um Ministério que da Constituição Federal).
as supervisiona. Mas qual a distinção entre as sociedades de eco-
Como exemplos de autarquias na esfera federal, nomia mista e as empresas públicas?
temos o Banco Central, o Instituto Nacional da Se- A principal diferença entre elas está na compo-
guridade Social – INSS e o IBAMA, todas federais, sição de seus capitais. No caso das sociedades de
mas também existem muitas estaduais e municipais. economia mista, reúnem-se recursos públicos e

844
privados. Nas empresas públicas, conta-se somente determina que o administrador público somente
com recursos públicos, não havendo participação pode fazer o que a lei determina.
do particular em seu capital. A expressão “lei” inclui não só as leis ordinárias
Outra diferença se dá quanto à forma de consti- e complementares, mas também as normas consti-
tuição: enquanto as sociedades de economia mista tucionais e quaisquer espécies normativas que, de
necessariamente têm que ser sociedades anônimas alguma forma, passem pelo crivo do Poder Legisla-
de capital aberto, as empresas públicas podem assu- tivo. Diante disso, esse conceito abarca também as
mir qualquer forma. medidas provisórias e as leis delegadas.
Como exemplos de sociedades federais de eco- Todas as outras fontes do Direito Administra-
nomia mista, temos o Banco do Brasil e a Petrobras; tivo são consideradas secundárias, pois devem se
como exemplos de empresas públicas, citam-se a submeter aos comandos da Lei, não podendo con-
Caixa Econômica Federal, os Correios e a Infraero. tradizê-la. A principal função das demais fontes é a
de complementar os comandos legais.
FIQUE LIGADO Apesar da importância da lei para o Direito Ad-
ministrativo, no Brasil, não existe um Código Ad-
Os órgãos da Administração Direta e as autarquias ministrativo, que reúna, em uma só lei, as principais
são criados diretamente por lei específica. Já as socie- normas desse ramo do Direito, estando suas normas
dades de economia mista, empresas públicas e funda- legais esparsas em vários diplomas distintos.
ções têm a sua criação autorizada por lei específica. Dentro do gênero “leis”, podemos inserir tam-
bém os tratados internacionais. Isso porque, no

NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO


Brasil, tais acordos, para que tenham validade legal,
Consórcios Públicos precisam ser ratificados pelo Congresso Nacional,
Os chamados consórcios públicos são regidos através de decreto legislativo, tornando-se, por esse
pela Lei 11.107/2005. ato, equivalentes às leis ordinárias.
Consistem eles na união entre dois ou mais entes
da federação (Municípios, Estados, DF ou União), Doutrina
com a finalidade de prestar serviços públicos. A doutrina pode ser definida como o conjunto de
Possuem personalidade jurídica própria, distinta opiniões e interpretações dos juristas, que enunciam
da dos membros consorciados. princípios e criam teorias sobre o Direito Adminis-
trativo, possuindo um caráter prático importante.
Os consórcios permitem a junção de recursos fe-
derais, estaduais e/ou municipais para a prestação Juristas são estudiosos do Direito, reconhecidos
de serviços públicos, e podem ser de direito público pelo mundo jurídico, seja por sua experiência, por
ou privado. sua produção intelectual ou por outras razões. No
caso do Direito Administrativo, eles são comumen-
De acordo com a Lei 11.107/2005, o consórcio
com personalidade jurídica de direito público in- te chamados de “administrativistas”.
tegra a Administração Indireta de todos os entes da A doutrina não possui caráter vinculante, ou se-
Federação consorciados. ja, a opinião dos juristas não tem que ser necessaria-
Esses consórcios podem ser horizontais, quando mente seguida pelos operadores de Direito Admi-
envolverem entes de uma mesma esfera, ou verticais nistrativo, até porque, muitas vezes, as opiniões dos
(esferas distintas). doutrinadores são divergentes. Todavia, a doutrina é
importante, porque acaba por influenciar a elabora-
Fontes do Direito Administrativo ção das próprias leis e a tomada de decisões judiciais.
No Direito Administrativo, a doutrina assume
As fontes do Direito Administrativo são as res- um papel ainda mais essencial, uma vez que, na falta
ponsáveis pela criação, elaboração e aperfeiçoamen- de um Código que trate do Direito Administrativo de
to de suas normas. uma forma sistêmica e organizada, havendo somen-
Embora não haja consenso sobre sua classifica- te leis esparsas, cabe aos doutrinadores, juntamente
ção, elas são basicamente as leis, a doutrina, a juris- com os julgadores, dar a essas normas uma unidade,
prudência, os regulamentos e os costumes. preenchendo suas lacunas e definindo conceitos.

Leis Jurisprudência
A Lei é chamada de fonte primária do Direito A jurisprudência pode ser definida como o con-
Administrativo por ser sua principal fonte, fato que junto das decisões dos Tribunais Judiciários sobre
é consubstanciado no princípio da legalidade, que determinado assunto, em um mesmo sentido.

845
Embora, assim como a doutrina, não tenha cará- em ordem cronológica de chegada ao órgão públi-
ter vinculante, pois as decisões judiciais normalmente co, mesmo que não haja lei que estabeleça tal pro-
somente valem entre as partes do processo, a jurispru- cedimento.
dência influencia fortemente a formação do Direito
Administrativo, uma vez que tais decisões, muitas ve-
zes, são levadas em consideração na elaboração das leis.
EXERCÍCIO COMENTADO
Além disso, em termos práticos, é a jurisprudên- 01. (CETRO) Entre as fontes principais do Direito Ad-
cia que acaba por interpretar a lei, em última instân- ministrativo estão a lei, a doutrina, a jurisprudên-
cia, e a aplica ao caso concreto. cia e os costumes. Acerca dessas fontes, assinale
Os principais formadores de jurisprudência são a alternativa correta:
os chamados Tribunais Superiores, como o Supre- a) A doutrina, em sentido amplo, é a fonte
mo Tribunal Federal – STF e o Superior Tribunal primária do Direito Administrativo. Ela influi
de Justiça – STJ, sendo que, de acordo com a Cons- na elaboração da lei e nas decisões con-
tituição Federal, o primeiro pode até mesmo editar tenciosas e não contenciosas, ordenando,
súmulas com decisões que deverão ser seguidas pe- assim, o próprio Direito Administrativo.
los demais Tribunais e pela Administração Pública b) A jurisprudência caracteriza-se pelo nacio-
– trata-se das súmulas vinculantes. nalismo, isto é, enquanto a doutrina tende
a universalizar-se, a jurisprudência tende a
Regulamentos nacionalizar-se, pela contínua adaptação da
Como regulamentos, devem-se entender os atos lei e dos princípios teóricos ao caso concreto.
normativos infralegais, ou seja, aqueles atos norma- c) Os costumes distinguem as regras que
tivos que, embora tenham caráter geral e vinculante, convêm ao Direito Público e ao Direito
estejam subordinados à lei. Privado. Assim como a doutrina, influem na
elaboração da lei.
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO

São muito importantes no Direito Administrati-


d) A lei possui um caráter mais prático, mais
vo, porque complementam as leis, expondo assun-
objetivo, que a doutrina e os costumes, mas
tos que são trazidos de forma geral pela lei.
nem por isso se aparta de princípios teóricos.
Como exemplos de regulamentos, temos os de- e) A doutrina, no Direito Administrativo Bra-
cretos, as portarias, as instruções normativas etc. sileiro, exerce ainda influência em razão da
deficiência da legislação.
FIQUE LIGADO RESPOSTA: B.
Alternativa B. De fato, a doutrina tende a se univer-
Alguns administrativistas adotam um conceito salizar, ou seja, nos diferentes países que adotam um
mais amplo de “lei”, considerando que os regulamen- sistema administrativo semelhante, a doutrina tende
tos fazem parte desse tipo de fonte. Sendo assim, o também a se assemelhar. É por isso que, por exemplo,
candidato deve estar atento, pois a banca pode consi- administrativistas italianos ou franceses são invocados
derar os atos infralegais como uma fonte autônoma, ou no Brasil. Já a jurisprudência, por se relacionar à in-
inseri-los nas leis. terpretação da lei, tende a diferenciar-se nos diversos
países, em função da diferenciação legislativa entre
eles.
Costumes Alternativa A. A doutrina é fonte secundária, e não pri-
Os costumes são normas não escritas, cuja prin- mária, do Direito Administrativo.
cipal função é a de complementar a lei, no que esta
Alternativa C. Os costumes são as práticas reiteradamen-
for omissa.
te assumidas por um grupo, com consciência de obrigato-
Consistem na prática reiterada de um comporta- riedade. Nesse sentido, eles não diferenciam entre direito
mento, com a convicção de sua obrigatoriedade ou público ou privado. Além disso, não necessariamente in-
correção. terferirão na elaboração da lei.
Os costumes apresentam dois elementos: um ob- Alternativa D. A lei não possui um caráter mais prático
jetivo (prática reiterada da conduta) e um subjetivo do que a doutrina e os costumes.
(convicção geral da correção ou obrigatoriedade do Alternativa E. A doutrina não exerce influência no Di-
comportamento). reito Administrativo somente em função de deficiên-
No caso do Direito Administrativo, os costumes cia na legislação. A doutrina sempre terá seu espaço
são de aplicação bastante restrita, diante da grande no Direito Administrativo, inclusive no que concerne à
regulação imposta pela lei. Exemplo de costume é a interpretação dos textos constitucionais e legais.
prática de os órgãos públicos atenderem as pessoas

846
c) Regras, normas, jurisprudência e
costumes.
VAMOS PRATICAR
d) Lei, doutrina, jurisprudência e costumes.
Os exercícios a seguir são referentes ao conteúdo: e) Normas, doutrinas, jurisprudência e lei.
Conceitos Introdutórios de Direito Administrativo.
04. (FGV) No que tange ao conceito e à abran-
01. (ACAFE) Considere a definição de Direito gência do Direito Administrativo, assinale a
Administrativo e assinale a alternativa afirmativa correta:
correta.
a) Disciplina, predominantemente, as
a) É o conjunto dos princípios jurídicos de
direito público que trata da Adminis- relações jurídicas horizontais.
tração Pública, suas entidades, órgãos e b) Tem como objeto de estudo o aparato
agentes públicos. estatal de execução de políticas públicas.
b) É o conjunto dos princípios jurídicos de c) Tem como um de seus objetos principais
direito público que tem como estudo o o estudo do exercício da função política.
Serviço Público.
d) Volta-se exclusivamente para o estudo
c) É o conjunto dos princípios jurídicos de do Poder Executivo, uma vez que é esse
direito público que rege as relações jurí- Poder que exerce, com exclusividade, a
dicas entre órgãos do Estado.
função administrativa.
d) É o conjunto dos princípios jurídicos
e) Estuda apenas as pessoas jurídicas de

NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO


de direito público e privado que trata da
Administração Pública, suas entidades, direito público.
órgãos e agentes públicos. 05. (Vunesp) O conceito de Direito Adminis-
e) É o conjunto dos princípios jurídicos de trativo é peculiar e sintetiza-se no conjunto
direito público e privado que tem como harmônico de princípios jurídicos que
estudo os atos do Poder Executivo. regem os órgãos, os agentes e as ativida-
02. (FCC) No que concerne às fontes do Direito des públicas tendentes a realizar concreta,
Administrativo, é correto afirmar que: direta e imediatamente os fins desejados
a) o costume não é considerado fonte do pelo Estado. A par disso, é fonte primária do
Direito Administrativo. Direito Administrativo:
b) uma das características da jurisprudência a) a jurisprudência.
é o seu universalismo, ou seja, enquanto a b) os costumes.
doutrina tende a nacionalizar-se, a juris-
prudência tende a universalizar-se. c) os princípios gerais de direito.
c) embora não influa na elaboração das leis, d) a lei, em sentido amplo.
a doutrina exerce papel fundamental e) a doutrina.
apenas nas decisões contenciosas, orde- 06. (Cespe) Acerca do Direito Administrativo,
nando, assim, o próprio Direito Admi-
assinale a opção correta:
nistrativo.
d) tanto a Constituição Federal como a lei a) A Administração Pública confunde-se
em sentido estrito constituem fontes pri- com o próprio Poder Executivo, haja
márias do Direito Administrativo. vista que a este cabe, em vista do princí-
e) tendo em vista a relevância jurídica da ju- pio da separação dos Poderes, a exclusiva
risprudência, ela sempre torna obrigada a função administrativa.
Administração Pública. b) A ausência de um código específico para
03. (FGV) Direito Administrativo é o conjunto o Direito Administrativo reflete a falta de
harmônico de princípios jurídicos que autonomia dessa área jurídica, devendo
regem os órgãos, os agentes e as atividades o aplicador do Direito recorrer a outras
públicas que tendem a realizar os fins dese- disciplinas subsidiariamente.
jados pelo Estado. c) O Direito Administrativo visa à regula-
Assinale a opção que indica as quatro fontes do ção das relações jurídicas entre servidores
Direito Administrativo. e entre estes e os órgãos da Administra-
a) Doutrinas, lei, regras e normas. ção; ao passo que o direito privado regula
b) Lei, normas, regras e jurisprudência. a relação entre os órgãos e a sociedade.

847
d) A indisponibilidade do interesse público, 10. (Cespe) A jurisprudência, fonte não escrita
princípio voltado ao administrado, tra- do Direito Administrativo, obriga tanto a
duz-se pela impossibilidade de aliena- Administração Pública como o Poder Judi-
ção ou penhora de um bem público, cuja ciário.
posse detenha o particular.
Certo ( ) Errado ( )
e) Em sentido subjetivo, a Administração
Pública confunde-se com os próprios
sujeitos que integram a estrutura admi- GABARITO
nistrativa do Estado.
07. (FGV) A doutrina administrativista aponta a 01 A 06 E
existência de uma diferença entre a função de 02 D 07 A
governo e a função administrativa. Diante dessa
diferenciação, analise as afirmativas a seguir: 03 D 08 B
I. As funções de governo estão mais próximas 04 B 09 CERTO
ao objeto do Direito Constitucional,
enquanto a função administrativa é objeto do 05 D 10 ERRADO
Direito Administrativo.
II. A função de governo tem como um de seus
objetivos estabelecer diretrizes políticas,
enquanto a função administrativa se volta ANOTAÇÕES
para a tarefa de executar essas diretrizes.
III. A expressão “Administração Pública”, quando
tomada em sentido amplo, engloba as funções
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO

administrativas e as funções de governo.


Assinale:
a) se todas as afirmativas estiverem corretas.
b) se somente as afirmativas II e III estive-
rem corretas.
c) se somente as afirmativas I e II estiverem
corretas.
d) se somente a afirmativa II estiver correta.
e) se somente a afirmativa III estiver correta.
08. (FUNCAB) No Direito Administrativo con-
temporâneo, a expressão que define o núcleo
diretivo do Estado, alterável por eleições
e responsável pela gerência dos interesses
estatais e pelo exercício do poder político é:
a) Administração Pública.
b) Governo.
c) Poder Público.
d) Controladoria.
e) Gerência Fiscal.
09. (Cespe) Em relação ao objeto e às fontes
do Direito Administrativo, julgue o item
seguinte como certo ou errado:
Considerada fonte secundária do Direito Admi-
nistrativo, a jurisprudência não tem força cogente
de uma norma criada pelo legislador, salvo no caso
de súmula vinculante, cujo cumprimento é obriga-
tório pela Administração Pública.
Certo ( ) Errado ( )

848
1. Introdução ao Direito Penal
FIQUE LIGADO
e Aplicação da Lei Penal
O Direito Penal é chamado de Direito das Condutas
Introdução ao Estudo do Direito Ilícitas.
Penal
→→ Para configurar em infração penal, são neces-
A Infração Penal é gênero que se divide em duas
espécies: crimes (conduta mais gravosa) e contra- sários alguns pressupostos:
venções penais (conduta de menor gravidade). Essa Deve ser uma conduta humana, ou seja, o sim-
divisão é chamada de dicotômica. A diferença bá-
ples ataque de um animal não configura em crime,
sica incide sobre as penas aplicáveis aos infratores,
enquanto o crime é punível com pena de reclusão porém, caso ele seja instigado por outra pessoa, pas-
e detenção, as contravenções penais implicam pri- sa a ser um mero objeto utilizado na prática da con-
são simples e multa, podendo ser aplicada de forma duta do agressor.
cumulativa ou não.
Para que a conduta seja definida como crime, Deve ser uma ação consciente, possível de ser
tem que estar tipificada (escrita) em alguma nor- prevista pelo agente, quando esse é descuidado res-
ma penal. Não somente o próprio Código Penal as ponderá de forma culposa, entretanto se realmente
descreve como também as Leis Complementares
houver intenção, o desejo do indivíduo, sua conduta
Penais ou Leis Especiais, por exemplo: Estatuto do
Desarmamento nº 10.826/2003, Lei de Tortura nº com um propósito específico será dolosa.
9.455/97, entre outras. Por conseguinte, as Contra-
Necessita ser voluntária, por exemplo, caso o

NOÇÕES DE DIREITO PENAL


venções Penais estão previstas em Lei específica, nº
3.688/41, esta também é conhecida como Crime agente venha agredir alguém por conta de um espas-
Anão, visto seu reduzido potencial ofensivo. Como mo muscular, essa conduta é tida como involuntária.
essa conduta não é o cerne do estudo não convém
aprofundar o assunto, basta apenas ressaltar que as →→ A infração penal sempre gera um resultado
Contravenções Penais não admitem tentativas, en- que pode ser:
quanto o Crime é punível, mas, somente se existir
previsão legal (Código Penal). Naturalístico: quando ocorre efetivamente a le-
são de um bem jurídico tutelado - protegido - da ví-
Contravenção Prisão
Reclusão Crime Infração Penal Penal tima. Por exemplo, no crime de homicídio, quando
= (Divisão = simples
Detenção (delito) (crime anão) Multa
Dicotômica) a vida de alguém é interrompida, causa um resultado
Não naturalístico, pois modificou o mundo exterior, não
admite somente do de cujus (falecido) como de sua família.
+ Grave - Grave tentativa
Conduta humana
Jurídico: quando a lesão não se consuma, utili-
Proposital = Dolo
Consciente Descuidada = Culpa zando o mesmo exemplo acima, caso o agressor não
Voluntária
tivesse êxito na sua conduta, ele responderia pela
Classificação dos tentativa de homicídio, desde que não cause lesão
Tipificadas Crimes:
(escritas) Comissivo corporal. Convém ressaltar que, embora o agente
CP Omissivo
LCP Material não obteve êxito no resultado pretendido, o Código
Leis Especiais Formal Penal sempre irá punir por aquilo que ele queria fa-
Mera Conduta
Especial ou própria zer (elemento subjetivo), contudo nesse caso gerou
Mão própria
Preterintencional apenas um resultado jurídico.
Permanente
Putativo

Lesão Ameaça a Lesão FIQUE LIGADO


Resultado (Resultado
(Resultado Naturalístico)
Jurídico) Todo crime gera um resultado, porém, nem todo
Fere Bens Jurídicos crime gera um resultado naturalístico (lesão).
Fundamentais

977
Teoria do Crime
EXERCÍCIOS COMENTADOS
Sendo o crime (delito) espécie da infração penal,
01. (UFMT) As infrações penais se dividem em crimes possui uma nova divisão. Nesse caso, existem diver-
e contravenções. Os crimes estão descritos: sas correntes doutrinárias para este conceito, entre-
tanto, adotaremos a majoritária, a qual vigora no
a) Na parte especial do Código Penal e na Lei de Direito Penal Brasileiro, classificada como Teoria
Contravenção Penal. Finalista Tripartida ou Tripartite.
b) Na parte geral do Código Penal.
c) Nas normas penais em branco. Fato Típico (Está escrito, definido como crime)
d) Na Lei de Contravenção Penal. Crime +
Delito Ilícito (Antijurídica) - (Contra a lei)
e) No Código Penal e em Leis Extravagantes.
+
RESPOSTA: E. Os crimes encontram-se no Código Penal Culpável (Culpabilidade)
(Parte Especial) e nas Leis Extravagantes (Especiais). Crime se Divide em
02. (Cespe) Em relação à infração penal, assinale a →→ Fato Típico: para ser considerado fato típico, é
opção correta. fundamental que a conduta esteja tipificada, ou
a) Considera-se crime a infração penal a que seja, escrita, em alguma norma penal. Não obs-
a lei comina pena de reclusão, de detenção tante, é necessário que exista:
ou prisão simples, quer isoladamente, quer Conduta: é a ação do agente, seja ela culposa (des-
alternativa ou cumulativamente com a pena cuidada) ou dolosa, intencional; comissiva (ação) ou
de multa. omissiva (deixar de fazer).
b) Considera-se contravenção penal a infração Resultado: que seja naturalístico (modificação
penal a que a lei comina pena máxima não provocada no mundo exterior pela conduta) ou ju-
NOÇÕES DE DIREITO PENAL

superior a dois anos de reclusão. rídico (quando não houver resultado jurídico não
existe crime).
c) No ordenamento jurídico brasileiro, a dife-
rença entre crime e delito está na gravidade Nexo Causal: é o elo entre a ação e o resultado,
ou seja, se o resultado foi provocado diretamente
do fato e na pena cominada à infração penal. pela ação do agente, houve nexo causal.
d) A infração penal é gênero que abrange
Tipicidade: tem que ser considerado crime, estar
como espécies as contravenções penais e os tipificado, escrito.
crimes, sendo estes últimos também identi-
ficados como delitos.
e) Crimes apenados com reclusão se submetem FIQUE LIGADO
aos regimes fechado e semi-aberto, enquanto
os apenados com detenção se submetem aos Caso não existam alguns destes elementos na con-
duta, pode-se dizer que o fato é atípico.
regimes aberto e prisão simples.
RESPOSTA: D. O direito penal brasileiro adotou como
˃˃ Ilícito (antijurídico): neste quesito a ação do
definição de infração penal, a teoria dualista ou dico-
agente tem que ser ilícita, pois, nosso ordena-
tômica, na qual infração penal é gênero que comporta mento jurídico prevê legalidade em determi-
duas espécies: Crime (delito) e Contravenção Penal. nadas situações em que, mesmo sendo anti-
03. (Esaf) Na legislação brasileira, o conceito de con- jurídicas, serão permissivas. São as chamadas
travenção penal é fixado pela(o) de excludentes de ilicitude ou de antijuridi-
cidade, sendo: Legítima Defesa, Estado de
a) gravidade da conduta
Necessidade, Estrito Cumprimento do Dever
b) resultado Legal ou no Exercício Regular de um Direito.
c) pena cominada ˃˃ Culpável (culpabilidade): é a capacidade
d) conduta de o agente receber pena. Em alguns casos,
e) pena aplicada mesmo o agente cometendo um fato típico
e ilícito, ele não poderá ser culpável, ou
RESPOSTA: E. De acordo com o direito pátrio, uma seja, não pode ser “preso”, pois incidirá nas
das principais diferenças entre crime (delito) e con- excludentes de culpabilidade. A mais co-
travenção penal está nas penas, aquele está sujeito à nhecida é o menor em conflito com a lei, ele
pena de detenção ou reclusão e este à pena de prisão pode cometer uma infração penal (crime),
mas não poderá ir preso. É quando, no
simples ou multa. momento da ação ou da omissão, o agente
é totalmente incapaz de entender o caráter

978
ilícito do fato, ou de determinar-se de Princípio da Legalidade (Anterioridade
acordo com esse entendimento. Ainda
dentro dessa espécie, haverá três desdobra- - Reserva Legal)
mentos que são a imputabilidade, a poten- Art. 1º. Não há crime sem lei anterior que o defina.
cial consciência da ilicitude e a exigibilida-
de de conduta diversa. Não há pena sem prévia cominação legal.
Para que o crime ocorra, é necessário preencher Somente haverá crime quando existir perfeita
todos os requisitos, caso exclua alguns dos elemen- correspondência entre a conduta praticada e a pre-
tos do fato típico ou se não for ilícito/antijurídico, visão legal (Reserva Legal), que não pode ser vaga,
dizemos que excluiu o crime; caso não possa ser cul-
pável, o agente será isento de pena. deve ser específica. Exige-se que a lei esteja em vi-
gor no momento da prática da infração penal (An-
terioridade). Fundamento Constitucional: Art. 5º,
FIQUE LIGADO XXXIX.
Pode ocorrer de o agente cometer um fato descrito →→ Princípio: Nullum crimem, nulla poena sine
como crime – Matar alguém – e esse fato não ser consi- praevia lege.
derado crime.
Ex.: quem mata em legítima defesa comete um fato As normas penais incriminadoras não são proi-
típico, ou seja, escrito e definido como crime. Contudo, bitivas e sim descritivas. Por exemplo, o Art. 121 -
esse fato não é ilícito, pois a própria lei autoriza o sujeito Matar alguém, no Código Penal, ele não proíbe, ou
a matar em certos casos pré-definidos. seja, não matar. Ele descreve uma conduta, que, se
Pode ocorrer também, de o agente cometer um fato cometida possuirá uma sanção (punição).
definido como crime, ou seja, fato típico – escrito e defi-
nido no CP – e ilícito, o ordenamento jurídico não autori- Não são
za aquela conduta, e mesmo assim ficar isento de PENA. proibitivas Quem pratica
Assim, pode o sujeito cometer um crime e não ter pena.

NOÇÕES DE DIREITO PENAL


Normas Penais um crime não
Ex.: quem é obrigado a cometer um crime. Uma pes- Incriminadoras age contra a lei,
soa encosta a arma carregada na cabeça de outra e diz mas de acordo
que, se ela não cometer tal crime, irá morrer. São com ela.
descritivas

EXERCÍCIOS COMENTADOS FIQUE LIGADO


01. (AlfaCon) O direito pátrio faz distinção clara entre Medida Provisória não pode dispor sobre matéria
as figuras do crime, contravenção penal e delitos. penal, criar crimes e cominar penas, Art. 62, § 1º, I, b
ERRADO. O direito pátrio adotou a teoria dualista/dico- CF/88, somente Lei Ordinária.
tômica, em que infração penal é gênero que se divide em
duas espécies: crime (delito) e contravenção penal.
A Analogia no Direito Penal só é aceita para be-
02. (Cespe) A infração penal divide-se em três
espécies: delito, crime e contravenção penal. No neficiar o agente. Por exemplo, no antigo ordena-
código penal, somente estão previstos os delitos mento jurídico, só era permitido realizar o aborto
e os crimes. Na Lei especial, estão previstas as em decorrência do estupro (pênis x vagina), entre-
contravenções. tanto, a norma penal não abrangia o caso do violen-
ERRADO. De acordo com a teoria dualista/dicotô- to atentado ao pudor (pênis x ânus). Caso a mulher
mica, adotada pelo direito penal brasileiro, infração viesse engravidar em decorrência disso, realizava-se
penal é gênero que se divide em duas espécies, crime a analogia in bonam partem, permitindo também
(delito) e contravenção penal, aquele se encontra no neste caso, o aborto. Ressaltamos que não existe
Código Penal e nas Leis Extravagantes (Especiais) e mais o crime de violento atentado ao pudor, atual-
está na Lei de Contravenções Penais. mente no Código Penal é tido como estupro.
03. (AlfaCon) Segundo a corrente majoritária do
direito pátrio, o crime se completa com o fato In malam partem
típico, antijurídico e culpável. (prejudicar) NÃO aceita
CERTO. O direito pátrio adotou a Teoria Finalista Tri- Analogia no
partida, em que o crime é um Fato Típico, Antijurídico Direito Penal
(Ilícito) e Culpável.
In bonam partem
(beneficiar) aceitar

979
Ex.: Conceito de funcionário público previsto no
Art. 327, CP.
FIQUE LIGADO
Doutrina
O princípio da Reserva Legal admite o uso de Nor- É aquela realizada pelos doutrinadores – estu-
mas Penais em branco. diosos do direito penal – normalmente encontrada
em livros, artigos e documentos.
Normas Penais em branco são aquelas que pre- Ex.: Código Penal comentado.
cisam ser complementadas para que analisemos o Jurisprudencial ou Judicial
caso concreto. Por exemplo, a vigente Lei de Drogas É aquela realizada pelo Poder Judiciário na apli-
nº 11.343/06 dispõe sobre diversas condutas ilícitas, cação do caso concreto, na busca pela vontade da lei.
entretanto, o que é droga? Para analisar se deter- É a análise das decisões reiteradas sobre determina-
minada substância é droga ou não, o direito penal do assunto legal.
analisa uma portaria da Anvisa (Agência Nacional
de Vigilância Sanitária) nº 344/98, em que todas as Ex.: Súmulas do Tribunais Superiores e Súmula
substâncias que estiverem descritas serão conside- Vinculante.
radas como droga.
Quanto ao Modo
A Analogia Penal é diferente de Interpretação
Analógica, nessa situação, a conduta do agente é Literal ou Gramatical
analisada dentro da própria norma penal, ou seja, É aquela que busca o sentido literal das palavras.
é observado a forma como a conduta foi praticada,
Teleológica
quais os meios utilizados. Sendo assim, a Interpreta-
ção Analógica sempre será possível, ainda que mais É aquela que busca compreender a intenção ou
gravosa para o agente. vontade da lei.
NOÇÕES DE DIREITO PENAL

Art. 121. Matar alguém: Histórica


Pena - reclusão, de seis a vinte anos. É aquela que busca compreender o sentido da lei
§ 2º. Se o homicídio é cometido: por meio da análise do momento e contexto históri-
III. Com emprego de veneno, fogo, explosivo,
co em que foi editada.
asfixia, tortura ou outro meio insidioso ou Sistemática
cruel, ou de que possa resultar perigo comum; É aquela que analisa o sentido da lei em conjunto
Pena - reclusão, de doze a trinta anos. com todo o ordenamento jurídico (as legislações em
Nessa situação, caso o agente tenha cometido o ho- vigor, os Princípios Gerais de Direito, a Doutrina e a
micídio utilizando-se de alguma das formas expostas Jurisprudencial).
no inciso III, ocorrerá a aplicação de uma pena mais Progressiva
gravosa, é o exemplo de Interpretação Analógica. É aquela que busca adaptar a lei aos progressos
obtidos pela sociedade.
Interpretação da Lei Penal
Quanto ao Resultado
A matéria Interpretação da Lei Penal passou a ser
Declarativa
abordada com mais frequência pelos editais de concur-
so público. No entanto, quando cobrada, não costuma É aquela em que se encontra a perfeita correspon-
gerar muita dificuldade. Isso porque geralmente a ban- dência entre a letra da lei e a intenção do legislador.
ca examinadora traz na questão uma espécie de inter- Restritiva
pretação e questiona quanto ao seu significado. É aquela em que se restringe o alcance da letra da
A Interpretação da Lei Penal consiste em buscar lei para que corresponda à real intenção do legisla-
o significado e a extensão da letra da lei em relação à dor. A lei diz mais do que deveria dizer.
realidade e à vontade do legislador.
Extensiva
Assim, a Interpretação da Lei Penal divide-se em:
É aquela em que se amplia o alcance da letra da
lei para que corresponda à real intenção do legisla-
Quanto ao Sujeito dor. A lei diz menos do que deveria dizer.
Autêntica ou Legislativa Analógica
É aquela realizada pelo mesmo órgão da qual É aquela em que a Lei Penal permite a ampliação
emana, podendo vir no próprio texto legislativo ou de seu conteúdo por meio da utilização de uma ex-
em lei posterior. pressão genérica ou aberta pelo legislador.

980
Ex.: Art. 121, § 2º, III, CP. Homicídio qualifica- expressa nesse artigo, a proibição da conduta de trafe-
do por emprego de veneno, fogo, explosivo, asfi- gar em velocidade incompatível com a segurança nas
xia, tortura ou outro meio insidioso ou cruel, ou proximidades de escolas, hospitais, estações de em-
de que possa resultar perigo comum. barques e desembarques de passageiros, logradouros
estreitos, ou onde houver grande movimentação ou
Conflito Aparente de Normas Penais concentração de pessoas, gerando perigo de dano.
Fala-se em conflito aparente de normas penais Contudo, se o agente estiver conduzindo nessas con-
quando duas ou mais normas aparentemente pare- dições e acabar por atropelar e matar alguém, responde-
cem reger o mesmo tema. Na prática, uma conduta rá ele pelo crime do Art. 302 do CTB, que é homicídio
pode se enquadrar em mais de um tipo penal, mas culposo na direção de veículo automotor. Assim, esse
isso é tão somente aparente, pois os princípios do di- crime – mais grave – afastará aquele crime de perigo.
reito penal resolvem esse fato. São eles os princípios:
a) Princípio da Especialidade; Princípio da Consunção
b) Princípio da Subsidiariedade; Esse princípio pode ocorrer quando um crime
c) Princípio da Consunção; “meio” é necessário ou fase normal de preparação
d) Princípio da Alternatividade. para outro crime. Como, por exemplo, o crime de
lesão corporal fica absorvido pelo crime de homicí-
Princípio da Especialidade dio, ou mesmo, o crime de invasão de domicílio que
fica absorvido pelo crime de furto.
A regra, nesse caso, é que a norma especial pre-
valecerá sobre a norma geral. Dessa forma, a norma Não estamos falando em norma especial ou ge-
no tipo penal incriminador é mais completa que a ral, mas sim do crime mais grave que absorveu o
prevista na norma geral. crime menos grave que simplesmente foi um meio
Isso ocorre por exemplo no crime de homicídio necessário para a execução do crime mais grave.

NOÇÕES DE DIREITO PENAL


e infanticídio. O crime de infanticídio possui em Ocorre também o princípio da consunção quan-
sua elementar dados complementares que o tornam do, por exemplo, o agente falsifica um documento
mais especial – completo – que a norma geral. com o intuito de cometer o crime de estelionato. Co-
Repare as elementares do Art. 123 do CP: 1) mo o crime de falso é meio necessário para o crime
matar o próprio filho; 2) logo após o parto; 3) sob de estelionato, funcionando como a elementar frau-
o estado puerperal. Esses são dados que, se presen- de, fica por esse absorvido.
tes, tornam a conduta de matar alguém um crime
Nesse sentido o STJ editou a Súmula 17 que diz
específico, diferente do homicídio. Logo, o Art. 123
o seguinte:
(infanticídio) é considerado especial em relação ao
Art. 121 (homicídio), que pode ser entendido, nesse Súm. 17. Quando o falso se exaure no estelionato,
caso, como uma conduta genérica. sem mais potencialidade lesiva, é por este absorvido.
Outro ponto importante é quando falamos acer-
Princípio da Subsidiariedade ca do assunto crime progressivo e progressão crimi-
Usa-se esse princípio sempre que a norma prin- nosa. Podemos afirmar o seguinte:
cipal mais grave não puder ser utilizada. Nesse caso, No crime progressivo o agente tem um fim es-
usamos a norma menos grave subsidiária. pecífico mais grave, contudo, necessariamente deve
A subsidiariedade pode ser expressa ou tácita. passar por fases anteriores menos graves. No final
Será expressa sempre que o próprio artigo de lei as- das contas, o crime progressivo é um meio para um
sim determinar. Um bom exemplo é o Art. 239 que fim. Isso ocorre no caso do dolo de matar, em que o
trata da simulação de casamento. Ele prevê a pena agente obrigatoriamente tem que ferir a vítima an-
de detenção, de um a três anos, se o fato não consti- tes – causando lesões corporais.
tui elemento de crime mais grave. Assim, caso não Aqui, temos o Princípio da Consunção Imperan-
tenha ocorrido crime mais grave será aplicada a pe- do. Por outro lado, a progressão criminosa aconte-
na expressa em lei. Por outro lado, se ocorrer crime ce quando o dolo inicial é menos grave e no meio da
mais grave, deve ser aplicado somente esse, ficando conduta o agente muda sua intenção para uma mais
atípico o fato menos grave.
grave (repare que temos dois dolos).
A subsidiariedade Tácita ocorre quando não há
Temos o exemplo do agente que inicia uma ação
expressa referência na lei, mas, se um fato mais grave
com dolo de lesionar desferindo socos na vítima e
ocorrer, a norma subsidiária ficará afastada. Isso ocor-
no meio da ação muda de intenção, vindo a esfaqueá-
re, por exemplo, no crime do Art. 311 do CTB. Existe,
-la, causando sua morte.

981
Veja que, temos duas intenções, contudo, o có-
digo penal punirá o agente somente pelo crime mais 02. (Cespe) A exposição de motivos do CP é
grave. Aqui também usaremos o Princípio da Con- típico exemplo de interpretação autêntica
sunção no exemplo em tela. contextual.
No entanto, pode ocorrer progressão criminosa ERRADO. A exposição de motivos seria uma In-
com efeito concurso material, ou seja, aplicação de terpretação Doutrinária, uma vez que é feita pelo
mais de um crime. Isso ocorre, por exemplo, no cri- autor do Projeto de Lei e não é emanada pelo Poder
me de roubo em que o agente no meio da conduta Legislativo.
resolve estuprar a vítima, ou seja, aqui temos uma 03. (Cespe) Se o presidente do STF, em palestra
progressão criminosa com dois dolos, em que o proferida em seminário para magistrados
agente responderá por dois crimes diversos. de todo o Brasil, interpreta uma lei penal
recém-publicada, essa interpretação é con-
Princípio da Alternatividade siderada interpretação judicial.
Temos esse princípio quando tivermos os cha- ERRADO. Seria o caso de interpretação doutriná-
mados crimes de ação múltipla ou de conteúdo va- ria, pois a interpretação da lei foi realizada por um
conhecedor do direito, em uma exposição dou-
riado. Aqui, os tipos penais descrevem várias con-
trinária. Neste caso, o presidente do STF não está
dutas para um único crime. Temos, como exemplo,
atuando como órgão julgador trazendo decisões
o Art. 33 da Lei nº 11.343/2006: reiteradas sobre o assunto.
Art. 33. Importar, exportar, remeter, preparar, 04. (AlfaCon) No vigente ordenamento jurídico
produzir, fabricar, adquirir, vender, expor à ven- brasileiro é possível a tipificação legal de uma
da, oferecer, ter em depósito, transportar, trazer
NOÇÕES DE DIREITO PENAL

conduta dita como crime por meio de um


consigo, guardar, prescrever, ministrar, entregar a decreto presidencial.
consumo ou fornecer drogas, ainda que gratuita-
mente, sem autorização ou em desacordo com de-
ERRADO. Dispor sobre normas incriminadoras
terminação legal ou regulamentar: constitui função exclusiva de lei (Princípio da Le-
galidade).
Pena - reclusão de 5 (cinco) a 15 (quinze) anos e
pagamento de 500 (quinhentos) a 1.500 (mil e qui- 05. (AlfaCon) Consoante o Código Penal Brasi-
nhentos) dias-multa. leiro, quando houver conflito aparente de
normas penais, aplica-se o princípio da al-
Assim, podemos afirmar que, se o agente tiver ternatividade, utilizado no caso de a norma
em depósito e vender a droga não responderá ele penal descrever várias formas de realização
por dois crimes, mas somente por um único. Isso se da figura típica, sendo suficiente a realização
dá, pois qualquer ação nuclear do tipo representa o de uma delas para que o crime se configure.
mesmo crime. Na prática, não há concurso material, CERTO. A questão trouxe o princípio da Alter-
respondendo o agente por uma pena somente. natividade, que é utilizada quando uma norma
→→ Costume NÃO revoga nem altera lei. jurídica prevê diversas condutas, alternativamen-
te, como modalidades de uma mesma infração.
06. (FCC) Dispõe o artigo 1º do Código Penal:
EXERCÍCIOS COMENTADOS “Não há crime sem lei anterior que o defina.
Não há pena sem prévia cominação Legal”.
01. (Cespe) Conflitos aparentes de normas Tal dispositivo legal consagra o princípio da:
penais podem ser solucionados com base no a) Ampla defesa
Princípio da Consunção, ou Absorção.
b) Legalidade
CERTO. De acordo com esse princípio, quando c) Presunção de inocência
um crime constitui meio necessário ou fase
normal de preparação ou execução de outro d) Dignidade
crime, aplica-se a norma mais abrangente. Por e) Isonomia
exemplo, no caso de cometimento do crime de RESPOSTA: B . Um dos princípios do Art. 1º do CP,
falsificação de documento para a prática do Legalidade “Não há crime sem lei anterior que o
crime de estelionato, sem mais potencialidade defina. Não há pena sem prévia cominação legal”.
lesiva, este absorve aquele.

982
07. (AlfaCon) Segundo o princípio da legalidade, 13. É correto afirmar que não existe a figura da
a elaboração das normas incriminadoras e analogia no direito penal.
das respectivas sanções constitui função ex- ERRADO. O direito penal brasileiro permite somente
clusiva da lei.
a analogia in bonam partem.
CERTO. Somente lei pode dispor sobre a elabora-
ção de normas incriminadoras. 14. Analogia em direito penal somente poderá ser
08. (AlfaCon) Subsidiariedade, consunção, alter- usada em favor do indivíduo, de toda sorte, a
natividade e especialidade são princípios que doutrina majoritária assim admite-a, sendo clas-
resolvem o conflito aparente de normas penais. sificada como analogia in bonam partem.
CERTO. Subsidiariedade, consunção, alternati-
vidade e especialidade são princípios utilizados CERTO. A única forma de analogia admitida no
quando houver conflito aparente de normas. direito pátrio é a in bonam partem.
09. (Cespe) Considera-se, em relação aos crimes 15. (Cespe) Considere que Alberto, querendo apo-
de conteúdo múltiplo, que, se em um mesmo derar-se dos bens de Cícero, tenha apontado
contexto, o agente realizar ação correspondente
a mais de um dos verbos do núcleo do tipo penal, uma arma de fogo em direção a ele, constran-
ele só deverá responder por um único delito, em gendo-o a entregar-lhe a carteira e o aparelho
virtude do princípio da alternatividade. celular. Nessa situação hipotética, da mera com-
CERTO. O princípio da alternatividade resolve o paração entre os tipos descritos como crime de
conflito aparente de normas penais. Temos como constrangimento ilegal e crime de roubo, aplica-
exemplo o crime do Art. 33 da Lei nº 11.343/2006 se o princípio da especialidade a fim de se tipifi-
(lei de drogas), em que o agente pode cometer car a conduta de Alberto.
os vários verbos que completam o tipo penal que
ainda assim cometerá crime único. ERRADO. O princípio utilizado é o da consunção e não

NOÇÕES DE DIREITO PENAL


10. (AlfaCon) Segundo o Princípio da Legalidade, o da especialidade, isso porque o constrangimento
a definição de crime só é possível por meio ilegal é meio para o fim do crime de roubo e o crime
de lei. Isso deve ser respeitado também ao se mais grave irá absorver o menos grave.
estabelecer (cominar) a pena aplicável a tal
fato criminoso. Assim, o Princípio da Legalida-
de se dirige tanto à definição do crime como,
também, à respectiva pena. Sendo assim, podemos dizer que temos três prin-
CERTO. O Princípio da Legalidade refere-se tanto cípios intrínsecos no Art. 1º do Código Penal, quais
ao preceito primário (verbos do tipo), quanto sejam, da Legalidade, da Anterioridade e da Reserva
ao preceito secundário (pena), ambos somente Legal. É importante ressaltar que apenas a Lei Or-
podem ser definidos por meio de lei.
dinária pode versar sobre matéria penal, tanto para
11. (AlfaCon) A expressão lei deve ser interpre-
tada da forma mais estrita possível. Primei- criá-las quanto para extingui-las.
ramente, a lei que trata de direito penal deve Não obstante, convém ressaltar os preceitos exis-
ter origem no legislativo da União. Portanto,
no congresso Nacional. É o que preleciona o tentes nos tipos penais, por exemplo: Art. 121, CP,
Art. 22 da Carta Política. Matar alguém. Pena - 6 a 20 anos. O preceito primá-
CERTO. De acordo com o Art. 22, CF: “Compete rio seria a conduta do agente - matar alguém - e o
privativamente à União legislar sobre: I- direito preceito secundário seria a cominação da pena - 6 a
civil, comercial, penal, processual, eleitoral, agrário, 20 anos. Para ser considerado crime, é fundamental
marítimo, aeronáutico, espacial e do trabalho”.
que existam os dois preceitos.
12. (Cespe) Havendo conflito aparente de
normas, aplica-se o princípio da subsidia-
riedade, que incide no caso de a norma des-
Lei Penal no Tempo
crever várias formas de realização da figura
típica, bastando a realização de uma delas Art. 2º. Ninguém pode ser punido por fato que lei
para que se configure o crime. posterior deixa de considerar crime, cessando em
ERRADO. O princípio que incide no caso de a virtude dela a execução e os efeitos penais da sen-
norma descrever várias formas de realização da tença condenatória.
figura típica, bastando a realização de um delas Parágrafo único. A Lei posterior, que de qualquer
para que se configure o crime é o princípio da AL- forma modo favorecer o agente, aplica-se aos fatos
TERNATIVIDADE. anteriores, ainda que decididos por sentença tran-
sitada em julgado.

983
Conflito Temporal Abolitio Criminis
˃˃ Não alcança os efeitos Civis da condenação.
Regra: Irretroatividade da Lei;
Em relação ao Abolitio Criminis, ocorre o seguinte
Exceção: Retroatividade para beneficiar o réu. fato: quando uma conduta que antes era tipificada co-
Retroatividade da Lei mo crime pelo Código Penal, deixa de existir, ou seja,
passa a não ser mais considerada crime, dizemos que
2000 2005 2008 ocorreu a abolição do crime. Diante disso, cessam
Julgado
imediatamente todos os efeitos penais que incidiam
Lei retroage sobre o agente: tranca e extingue o inquérito policial,
Lei “A” (mais gravosa) Lei “B” (mais benéfica) caso o acusado esteja preso deve ser posto em liberda-
Pena 6 a 10 anos Pena 4 a 8 anos de. Entretanto, não extingue os efeitos civis, ou seja,
(revogada pela Lei “B”) Aplica-se a Lei “B” caso o agente tenha sido impelido em ressarcir a víti-
(mais favorável ao réu) ma da sua conduta mediante o pagamento de multa,
essa, ainda assim, deverá ser paga.
Em regra, o Código Penal sempre adota a Lei vi-
gente, “A”, no momento da ação ou omissão do agen- Importante ressaltar que, a lei que beneficia o
te, sendo assim, se nesta época é cometido um crime, réu, não é uma faculdade do Juiz, é um dever, sem-
aquele irá responder sobre o fato descrito no tipo pe- pre adotada em benefício do acusado.
nal. Contudo, por vezes, o processo se estende no tem-
po, e o julgamento do agente demora a acontecer, nes-
Crimes Permanentes ou
se lapso temporal, caso surgir uma nova Lei, “B”, que Continuados
torne mais branda a sanção aplicada sobre o agente,
Nos crimes permanentes, ou seja, naqueles em
esta irá retroagir ao tempo do fato, beneficiando o réu.
que a consumação se prolonga enquanto não ces-
Ultra - Atividade da Lei sa a atividade, aplica-se ao fato a lei que estiver em
NOÇÕES DE DIREITO PENAL

vigência quando cessada a atividade, mesmo que


2000 2005 2008 mais grave (severa) que aquela em vigência quando
da prática do primeiro ato executório. O crime se
perpetua no tempo, enquanto não cessada a perma-
Lei “A” (mais benéfica) Lei “B” (mais gravosa) Aplica-se a Lei “A” nência. É o que ocorre, por exemplo, com o crime de
Pena 4 a 8 anos Pena 6 a 10 anos (mesmo revogada) sequestro e cárcere privado. Assim, será aplicada lei
Lei revogada que estiver em vigência quando da soltura da vítima.
Não obstante, a regra da irretroatividade, pode Observa-se, então, o momento em que cessa a per-
manência para daí se determinar qual a norma a ser
ocorrer a chamada ultra-atividade de lei mais bené-
aplicada. É o que estabelece a Súmula 711 do STF.
fica. Seria o caso em que, no momento da ação vigo-
rava a Lei “A”, entretanto, no decorrer do processo, Súm. 711. A lei penal mais grave aplica-se ao cri-
me continuado ou ao crime permanente, se a sua
entrou em vigência nova Lei “B”, revogando a Lei vigência é anterior à cessação da continuidade ou
“A”, tornando mais gravosa a conduta anteriormen- da permanência.
te praticada pelo agente.
Data do sequestro Prisão
Sendo assim, no momento do julgamento, ocor- Janeiro Dezembro
rerá a ultra-atividade da lei, ou seja, a Lei “A”, mes- Protrai no tempo
mo não estando mais em vigor, irá ultra-agir ao mo-
mento do julgamento para beneficiar o réu, por ser
menos gravosa a punição que o agente irá receber. Lei “A” Lei “B” Lei “C” Qual Lei utilizar?
4 a 6 anos 6 a 8 anos 10 a 12 anos Lei “C”
Abolitio Criminis (Abolição do Crime)
Ex.: O crime de sequestro é um crime que se protrai
Retroage no tempo, ou seja, a todo instante ele está se consu-
2005 2007 mando, qualquer que seja o momento da prisão ela
Lei “A”
Lei “B” deixa de estará em flagrante. Sendo assim, nos casos dos cri-
considerar como crime o mes permanentes ou continuados, aplica-se a pena
Pena: 6 a 20 anos
fato descrito na Lei “A”
no momento que cessar a conduta do agente, ainda
Consequências: que mais grave ou mais branda, independe nessa
˃˃ Tranca e extingue o inquérito policial e a circunstância a quantificação da pena, o que será
ação penal; considerado, será a lei vigente no momento que ces-
˃˃ Cassam imediatamente a execução de sou a conduta do agente ou a privação de liberdade
todos os efeitos penais. da vítima, com a prisão dos acusados.

984
EXERCÍCIOS COMENTADOS
RESPOSTA: C. De acordo com a Súmula 711 do STF:
01. (AlfaCon) Acerca dos Crimes Permanentes é “aplica-se ao crime permanente e ao crime continu-
correto afirmar que: ado, lei vigente quando cessou a conduta ilícita do
a) Lei mais benéfica deve ser utilizada, quando agente, mesmo que mais grave”.
está sobreveio no prazo de cometimento do
05. (AlfaCon) Considere a seguinte situação hipoté-
crime.
tica. Célio, penalmente imputável, praticou um
b) Deve ser utilizada a lei de quando cessou crime para o qual a lei comina pena de detenção
a conduta do agente, mesmo que mais de 6 meses a 2 anos e multa e, após a sentença
gravosa. penal condenatória recorrível, nova lei foi editada,
c) Deve ser utilizada sempre a lei mais grave. impondo para a mesma conduta pena de reclusão
d) Deve ser sempre utilizada a lei menos grave, de 1 a 4 anos e multa. Nessa situação, a nova legis-
em respeito ao princípio da lei mais benéfica. lação não poderá ser aplicada em decorrência do
e) Segue o mesmo rito dos crimes comuns. princípio da irretroatividade da lei mais severa.
RESPOSTA: B. De acordo com a Súmula 711 STF, apli- CERTO. A lei não retroagirá, salvo para beneficiar o
agente. De acordo com o Art. 2º, parágrafo único do
ca-se ao Crime Permanente e ao Crime Continuado a
CP: “A lei posterior, que de qualquer modo favorecer o
lei vigente quando cessou a conduta ilícita do agente,
agente, aplica-se aos fatos anteriores, ainda que decidi-
mesmo que mais gravosa. dos por sentença condenatória transitada em julgado”.
02. (Esaf) Quando uma lei penal nova torna atípico 06. (AlfaCon) Em relação a normas penais no tempo,
fato anterior definido como crime (incrimina- é correto afirmar que:
dor), pode-se dizer que ocorreu: a) Lei antiga mais benéfica retroage para be-
a) Abolitio criminis neficiar o réu.

NOÇÕES DE DIREITO PENAL


b) Novatio legis incriminadora b) Lei mais gravosa deve retroagir, pois
c) Novatio legis in pejus ninguém pode escusar o seu conhecimento.
d) Novatio legis in mellius c) Lei nova mais benéfica de ultra-agir para
e) Ofensa ao princípio da legalidade beneficiar o acusado
RESPOSTA: A. De acordo com o Art. 2º do CP: d) Não existe extratividade de lei no ordena-
mento jurídico pátrio.
“ninguém pode ser punido por fato que lei poste-
rior deixa de considerar crime” Abolitio Criminis e) Lei anterior mais benéfica deve ter ultra-a-
(Abolição do Crime). tividade para que assim possa beneficiar o
acusado.
03. (FCC - Adaptada) Considerando os princípios
que regulam a aplicação da lei penal no tempo, RESPOSTA: E. No Direito Penal brasileiro, a lei
julgue o item. Pela abolitio criminis se fazem de- nunca deve retroagir ou ultra-agir, salvo para be-
neficiar o acusado.
saparecer o delito e todos seus reflexos penais,
permanecendo apenas os civis.
CERTO. De acordo com o Art. 2º do Código Penal,
pela “abolitio criminis”, são extintos todos os efeitos Lei Excepcional ou Temporária
penais. Como o texto não trata dos efeitos civis, con-
Art. 3º. A Lei excepcional ou temporária, embora
sequentemente os mesmos permanece.
decorrido o período de sua duração ou cessada as
04. (PGE) Em matéria de eficácia da lei penal no circunstâncias que a determinaram, aplica-se ao
tempo, adotada a regra geral da prevalência da fato praticado durante sua vigência.
lei do tempo do fato, a lei aplicável aos casos de Lei Excepcional: utilizada em períodos de anor-
crimes permanentes será a Lei. malidade social.
a) Vigente quando se iniciou a conduta ilícita
do agente. Ex.: Guerra, calamidades públicas, enchentes,
b) Mais benéfica, independente de quando se grandes eventos, etc.
iniciou ou cessou a conduta. Lei Temporária: período de tempo previamente
c) Vigente quando cessou a conduta ilícita do fixado pelo legislador.
agente. Ex.: Lei que configura o crime de pescar em certa
d) Mais severa, independente de quando se época do ano - piracema -, após lapso de tempo
iniciou ou cessou a conduta do agente. previamente determinado, a Lei deixa de consi-
derar tal conduta como crime.

985
Retroage
Tempo do Crime
2005 2006
Art. 4º. Considera-se praticado o crime no mo-
Período de surto Ultra-atividade da lei mento da ação ou omissão, ainda que outro seja o
endêmico momento do resultado.
Fato “A” é Crime Fato “A” não é mais crime Teoria da Atividade: O crime reputa-se praticado
(notificação de epidemia)
no momento da conduta (momento da execução).
→→ De 2005 a 2006, o fato “A” era considerado cri-
me. Aqueles que infringiram a Lei responderam FIQUE LIGADO
posteriormente, mesmo o fato não sendo consi-
A imputabilidade do agente deve ser aferida no
derado mais crime. momento em que o crime é praticado.
→→ Só ocorre retroatividade se a Lei posterior ex-
pressamente determinar. 3 meses depois
“B” morre
É importante ressaltar que são leis excepcionais e “A” com 17 anos e 11 meses
Atira em “B” “A” com + de 18
temporárias, ou seja, a lei irá vigorar por determinado
anos
tempo, após isso, tal conduta não mais será conside-
rada crime. Entretanto, durante a sua vigência, todos Este princípio traz o momento da ação do crime,
aqueles que cometerem o fato tipificado em tais nor- ou seja, independente do resultado, para aplicação
mas, mesmo encerrada sua vigência, serão punidos. da lei penal, é considerado o momento exato da prá-
NOÇÕES DE DIREITO PENAL

tica delituosa, seja ela comissiva - ação - ou omissiva


- omissão.
FIQUE LIGADO
Ex.: Caso um menor “A”, cometa disparos de
Não existe “abolitio criminis” de Lei Temporária ou arma de fogo contra “B”, vindo a feri-lo, entre-
Excepcional. tanto, devido às lesões causadas pelos disparos,
três meses depois do fato, “B” vem a falecer. Nessa
época, mesmo “A” tendo completado sua maio-
ridade penal - 18 anos - ainda assim não poderá
EXERCÍCIOS COMENTADOS ser punido, pois, no momento em que praticou a
conduta (disparos contra “B”), era inimputável.
01. (AlfaCon) A lei excepcional ou temporária,
embora decorrido o período de sua duração
ou cessadas as circunstâncias que a deter- FIQUE LIGADO
minaram, não se aplica ao fato praticado
durante sua vigência. Devemos, contudo, ficar atentos aos crimes perma-
nentes e continuados, no caso do sequestro, por exem-
ERRADO. De acordo com o Art. 3º do CP “A lei plo, em que o crime se consuma a todo instante em que
excepcional ou temporária, embora decorrido o houver a privação de liberdade da vítima.
período de sua duração ou cessadas as circunstân-
cias que a determinaram, aplica-se ao fato praticado
durante sua vigência”.
“A” com 17 anos e 11 meses 3 meses depois
02. As Leis excepcionais ou temporárias sempre Sequestra “B” Preso com 18
se aplicarão aos fatos ocorridos sob seu anos
império. Assim, de regra, são ultra-ativas, isto Crime de
é, mesmo que revogadas serão aplicadas. sequestro

CERTO. De acordo com o Art. 3º do CP: “A lei excep-


cional ou temporária, embora decorrido o período Nesta situação em questão, “A” não será mais
de sua duração ou cessadas as circunstâncias que a inimputável, pois no momento de sua prisão já ha-
determinaram, aplica-se ao fato praticado durante via completado 18 anos, não considerado neste ca-
sua vigência”. so, o momento em que se iniciou a ação, mas sim,
quando cessou.

986
EXERCÍCIOS COMENTADOS FIQUE LIGADO
01. (Cespe) Apresentada a situação hipotética a
Não existe a teoria do “resultado”.
seguir, julgue o item: Manoel, com 22 anos de
idade, efetuou um disparo contra um adolescen- São considerados para os crimes à distância,
te que completaria 14 anos no dia seguinte. Em países diferentes.
razão das lesões provocadas pelo disparo, o ado- Não confundir os artigos.
lescente faleceu, já tendo completado os 14 anos L ugar
de idade. Sabe-se que, no crime de homicídio U biquidade Art. 6º
doloso, a pena é aumentada caso a vítima seja T empo
menor de 14 anos de idade, mas nessa situação, A tividade Art. 4º
o aumento da pena não é aplicável, pois o homi-
cídio só se consumou quando a vítima já havia
completado 14 anos de idade.
ERRADO. De acordo com o Art. 4º do CP: considera- EXERCÍCIO COMENTADO
se praticado o crime no momento da ação ou omissão,
ainda que outro seja o momento do resultado (Teoria 01. (AlfaCon) O nosso Código Penal adotou a Teoria
da Atividade). do Resultado como se observa no Art. 6° deste
Diploma Legal.
02. (Cespe) De acordo com a Teoria da Atividade, ERRADO. De acordo com o Art. 6º do CP: “Considera-
insculpida no Art. 4º do CP, considera-se prati- se praticado o crime no lugar em que ocorreu a ação
cado o crime no momento em que foi praticada a ou omissão, no todo ou em parte, bem como onde se

NOÇÕES DE DIREITO PENAL


conduta (ação ou omissão), independentemente produziu ou deveria produzir-se o resultado”. (Teoria
de quando ocorrerá o resultado. da Ubiquidade).
CERTO. É o que diz o Art. 4º do CP: Considera-se
praticado o crime no momento da ação ou omissão,
ainda que outro seja o momento do resultado. Da Lei Penal no Espaço

Lugar do Crime Da Aplicação da Lei Penal no Espaço


Art. 6º. Considera-se praticado o crime no lugar Da Territorialidade
em que ocorreu a ação ou omissão, no todo ou em
parte, bem como onde se produziu ou deveria pro- Antes de iniciar o estudo do tópico, temos que ter
duzir-se o resultado. em mente que iremos estudar a Lei Penal e não a Lei
Teoria da Ubiquidade: utilizada no caso de um Processual Penal, que segue outra regra específica.
crime ser praticado em território nacional e o re-
sultado ser produzido no estrangeiro. O foro com- Aqui trataremos de como se comporta a Lei Pe-
petente será tanto o do lugar da ação ou omissão nal Brasileira quando ocorrerem crimes no exterior,
quanto o do local em que produziu ou deveria pro- ou seja, Extraterritorialidade de lei. Portanto, quando
duzir-se o resultado. falamos em extraterritorialidade estamos tratando
Ambos os lugares são competentes para jugar o processo
somente da Lei Penal e não da Lei Processual Penal.

“A”, manda uma carta A carta explote Territorialidade (Art. 5º)


bomba pelo correio efetivamente
para LONDRES. em LONDRES.
Lei Penal
Local que produziu
Local da ação
ou deveria produzir Extraterriotorialidade
ou omissão
o resultado (Art. 7º)
Lei Penal
Ex.: Nesse caso “A”, residente do Brasil, enviou no Espaço
uma carta bomba pelo correio para Londres,
sendo assim, a carta efetivamente explode. Desse Lei Processual
modo, tanto o Brasil, quanto a Inglaterra serão Regras Específicas
Penal
competentes para julgá-lo.

987
Falamos em Territorialidade quando se faz a b) ser o fato punível também no país em que
aplicação da lei penal dentro do próprio Estado foi praticado;
que a editou. Dessa forma, quando aplicamos a lei c) estar o crime incluído entre aqueles pelos
brasileira em nosso solo, estamos usando o con- quais a lei brasileira autoriza a extradição;
ceito de Territorialidade. d) não ter sido o agente absolvido no estran-
geiro ou aí não ter cumprido pena;
A Territorialidade é tratada no Art. 5°, CP: apli-
e) não ter sido o agente perdoado no estran-
ca-se a lei brasileira, sem prejuízo de convenções, tra-
geiro, ou, por outro motivo não estar extinta
tados e regras de direito internacional, ao crime co- a punibilidade, segundo a lei mais favorável.
metido no território nacional.
§ 3º. A lei brasileira aplica-se também ao crime
Território Nacional Próprio cometido por estrangeiro contra brasileiro fora do
Brasil, se reunidas as condições previstas no pará-
Art. 5º grafo anterior:
˃˃ Lei Brasileira: a) não pedida ou negada sua extradição;
»» Sem prejuízo; b) houve requisição do Ministro da Justiça.
˃˃ Convenções, tratados e regras interna-
cionais: Território Nacional
»» Imunidades. Podemos conceituar território nacional como sen-
§1º. Território por extensão ou assimilação. do o espaço onde certo Estado possui sua soberania.
Embarcação ou aeronave brasileira pública (em Elementos que constituem um determinado Estado
qualquer lugar). soberano:
˃˃ Território;
Embarcação ou aeronave brasileira privada a ser-
viço do Estado brasileiro (em qualquer lugar). ˃˃ Povo;
˃˃ Organização jurídica.
NOÇÕES DE DIREITO PENAL

Embarcação ou aeronave brasileira mercante ou


privada, desde que não esteja em território alheio. Consideramos como território nacional as li-
mitações que temos no mapa do país e mais o mar
A Extraterritorialidade é tratada no Art 7: territorial, que representa a extensão de 12 milhas
Art. 7º. Ficam sujeitos a Lei Brasileira, embora co- do mar a contar da costa, e sempre na maré baixa.
metidos no estrangeiro: O código considera, também, território nacional o
I. Os crimes: espaço aéreo respectivo e o espaço aéreo correspon-
a) contra a vida ou a liberdade do Presiden-
dente ao território nacional. Esse sempre devemos
te de República; considerar como território próprio.
b) contra o patrimônio ou a fé pública da Temos que considerar, também, como território
União, do Distrito Federal, de Estado, de nacional, o chamado território por extensão, assi-
Território, de Município, de empresa públi- milação ou impróprio descrito no §1º do Art. 5º do
ca, sociedade de economia mista, autarquia Código Penal.
ou fundação instituída pelo Poder Público; § 1º. Para os efeitos penais, consideram-se como
c) contra a administração pública, por quem extensão do território nacional as embarcações
está a seu serviço; e aeronaves brasileiras, de natureza pública ou a
serviço do governo brasileiro, onde quer que se en-
d) de genocídio, quando o agente for brasi- contrem, bem como as aeronaves e as embarcações
leiro ou domiciliado no Brasil; brasileiras, mercantes ou de natureza privada, que
II. Os crimes: se achem, respectivamente no espaço aéreo corres-
a) que, por tratado ou convenção, o Brasil se pondente ou em alto mar.
obrigou a reprimir; § 2º. É também aplicável a lei brasileira aos crimes
praticados a bordo de aeronaves ou embarcações
b) praticados por brasileiros;
estrangeiras, de propriedade privada, achando-se
c) praticados em aeronaves ou embarcações aquelas em pouso no território nacional ou em voo
brasileiras, mercantes ou de propriedade no espaço aéreo correspondente, e estas em porto
privada, quando em território estrangeiro e ou mar territorial do Brasil.
aí não venham a ser julgados. Como mencionado, a Lei Penal aplica-se em to-
§ 1º. Nos casos do inciso I, o agente é punido segun- do o território nacional próprio ou por assimilação.
do a lei brasileira, ainda que absolvido ou conde- Por esse princípio aplica-se aos nacionais ou estran-
nado no estrangeiro. geiros (mesmo que irregular) a Lei Penal brasileira.
§ 2º. Nos casos do inciso II, a aplicação da lei brasi- Contudo, em alguns casos, mesmo o fato sendo
leira depende do concurso das seguintes condições: praticado no Brasil, não será aplicada a Lei Penal a
a) entra o agente no território nacional; esse fato, isso se deve quando ocorrer por meio de

988
convenções, tratados e regras de direito internacio- Território próprio: toda a base territorial por
nal, aqui o Brasil abre mão de punir, ou seja, nesses nós conhecida (o mapa), acrescida do mar territo-
casos não se aplicará a Lei Brasileira. rial, que é extensão de 12 milhas mar a dentro, a con-
tar da baixa maré.
Dessa forma, o Princípio da Territorialidade da
Lei Penal é mitigado, isto é, não é adotado de forma Território por extensão: embarcações e aerona-
absoluta e sim temperada, por esse motivo falamos ves brasileiras: públicas ou a serviço do estado (qual-
em Princípio da Territorialidade Temperada. quer lugar do globo) e privadas em águas ou terras
de ninguém.
Podemos dar como exemplo as imunidades di-
plomáticas e consulares concedidas por meio de Territorialidade: aplicação da lei penal no terri-
adesão do Brasil às convenções de Viena (1961 e tório nacional.
1963), aos diplomatas e aos cônsules que exercem Territorialidade absoluta: impossibilidade para
suas atividades no Brasil. aplicação de convenções, tratados e regras de direito in-
ternacional, ao crime cometido no território nacional.
FIQUE LIGADO Territorialidade temperada: adota como regra
a aplicação da lei penal brasileira no território na-
cional. Entretanto, com determinadas hipóteses,
Quando falamos em território nacional, obrigato-
permite a aplicação de lei penal estrangeira a fatos
riamente temos que pensar em algumas regras: Todas
cometidos no Brasil (Art. 5º do CP).
as embarcações ou aeronaves brasileiras de natureza
pública, onde quer que se encontrem são consideradas Imunidade: exclusão da aplicação da lei penal.
parte do território nacional. Imunidade diplomática e consular: são imuni-
Para as embarcações e aeronaves de natureza pri- dades previstas em convenções internacionais chan-
vada, serão estas consideradas extensão do território celados pelo Brasil.
nacional quando se acharem, respectivamente, no mar Imunidade parlamentar: previstas na Consti-

NOÇÕES DE DIREITO PENAL


territorial brasileiro ou no espaço aéreo corresponden- tuição Federal aos membros do Poder Legislativo.
te. Preste bem atenção, as de natureza privada, sem
estar a serviço do Brasil, somente responderão pela lei Território Nacional
brasileira se estiverem dentro do Brasil. ˃˃ Próprio.
Ex.: Um navio brasileiro privado pelo mar da Ar- ˃˃ Por assimilação ou extensão.
gentina deverá responder pelas Leis Penais Ar-
gentinas, ou seja, caso um brasileiro mate o outro, Embarcação e aeronaves brasileiras: públicas ou
a lei a ser aplicada é a Lei Penal Argentina, pois o a serviço do Estado (em qualquer parte do planeta) e
navio não estava a serviço do Brasil. privadas ou marcantes em águas ou terras de ninguém.
Passaremos a tratar agora dos princípios que re-
gulam a aplicação da Lei Penal no Espaço.
Por outro lado, se o navio estiver em alto mar (terra
de ninguém - aplica-se o princípio do pavilhão ou da Princípio da Territorialidade
bandeira) e ostentar a bandeira brasileira e lá um ma- A lei penal de um país terá aplicação aos crimes
rujo matar o outro, a competência é da lei brasileira. cometidos dentro de seu território. Aqui, o Estado
A mesma regra utilizamos para aeronaves. Uma soberano tem o dever de exercer jurisdição sobre as
questão interessante é por exemplo, se uma aeronave pessoas que estejam sem seu território.
pousar em um país distinto e o piloto cometer um cri- Princípio da Nacionalidade
me e essa aeronave estiver a serviço do Brasil, aplica-
se a lei brasileira. Caso a aeronave for particular apli- Classificado também como Princípio da Perso-
ca-se a lei do país em que a aeronave estiver pousada. nalidade. Aqui os cidadãos de um determinado país
devem obediência às suas leis, onde quer que se en-
Questão interessante é se o piloto sair do aero- contrem. Podemos dividir esse princípio em:
porto e lá fora cometer um crime. Nesse caso temos
que perguntar se o piloto estava em serviço oficial Princípio da Nacionalidade Ativa
ou não, se estiver em serviço oficial aplicamos a lei Aplica-se a lei nacional ao cidadão que comete cri-
penal brasileira, do contrário, aplica-se a lei do país me no estrangeiro, independentemente da naciona-
onde cometeu o crime. lidade do sujeito passivo ou do bem jurídico lesado.
Resumo dos Conceitos Princípio da Nacionalidade Passiva
Território nacional: é o espaço onde determina- O fato praticado pelo nacional deve atingir um bem
do estado exerce com exclusividade sua soberania. jurídico de seu próprio estado ou de um concidadão.

989
Princípio da Defesa, Real ou de Proteção
Aqui se leva em consideração a nacionalidade do FIQUE LIGADO
bem jurídico lesado (sujeito passivo), independen-
temente da nacionalidade do sujeito ativo ou do lo- O Código Penal brasileiro adota o princípio da Ter-
ritorialidade como regra e os outros como exceção. As-
cal da prática do crime. sim, os outros princípios visam disciplinar a aplicação
Princípio da Justiça Penal Universal ou da Uni- extraterritorial da Lei Penal brasileira.
versalidade
Aqui, todo Estado tem o direito de punir todo e Extraterritorialidade
qualquer crime, independentemente da nacionali- Art. 7º. Ficam sujeitos à lei brasileira, embora co-
dade do criminoso ou do bem jurídico lesado, ou do metidos no estrangeiro:
local em que o crime foi praticado, bastando que o I. Os crimes:
criminoso se encontre dentro do seu território. As- a) contra a vida ou a liberdade do Presiden-
te da República;
sim, quem quer que seja que cometa crime dentro do
b) contra o patrimônio ou a fé pública da
território nacional será processado e julgado aqui. União, do Distrito Federal, de Estado, de
Território, de Município,de empresa públi-
Princípio da Representação ca, sociedade de economia mista, autarquia
A Lei Penal brasileira também será aplicada aos ou fundação instituída pelo Poder Público;
c) contra a administração pública, por quem
delitos cometidos em aeronaves e embarcações pri- está a seu serviço;
vadas brasileiras quando se encontrarem no estran- d) de genocídio, quando o agente for brasi-
geiro e aí não venham a ser julgadas. leiro ou domiciliado no Brasil;
NOÇÕES DE DIREITO PENAL

II. Os crimes:
a) que, por tratado ou convenção, o Brasil se
EXERCÍCIO COMENTADO obrigou a reprimir;
b) praticados por brasileiro;
01. (FCC) É certo que se aplica a lei brasileira aos c) praticados em aeronaves ou embarcações
crimes praticados à bordo de: brasileiras, mercantes ou de propriedade
a) Embarcações brasileiras que estejam em privada, quando em território estrangeiro e
mar territorial estrangeiro. aí não sejam julgados.
b) Embarcações mercantes brasileiras que § 1º. Nos casos do inciso I, o agente é punido segun-
estejam em porto estrangeiro. do a lei brasileira, ainda que absolvido ou conde-
c) Aeronaves mercantes brasileiras que nado no estrangeiro.
estejam em espaço estrangeiro. § 2º. Nos casos do inciso II, a aplicação da lei brasi-
leira depende do concurso das seguintes condições:
d) Aeronaves mercantes brasileiras que estejam
em pouso em aeroporto estrangeiro. a) entrar o agente no território nacional;
e) Embarcações estrangeiras de propriedade b) ser o fato punível também no país em que
foi praticado;
privada que esteja em mar territorial brasileiro.
c) estar o crime incluído entre aqueles pelos
RESPOSTA: E. O exercício pede a aplicação da lei brasilei- quais a lei brasileira autoriza a extradição;
ra. Vejamos separadamente cada uma das alternativas: d) não ter sido o agente absolvido no estran-
Alternativa A. As embarcações brasileiras (salvo se a geiro ou não ter aí cumprido a pena;
serviço do Brasil) privadas devem ser julgadas pela e) não ter sido o agente perdoado no estran-
lei do território que estejam de passagem. geiro ou, por outro motivo, não estar extinta
Alternativa B. Segue a mesma linha da alternativa a punibilidade, segundo a lei mais favorável.
anterior. Repare que a embarcação é mercante e não § 3º. A lei brasileira aplica-se também ao crime
está a serviço do Brasil. cometido por estrangeiro contra brasileiro fora do
Brasil, se, reunidas as condições previstas no pará-
Alternativas C e D. Mostram que as aeronaves NÃO grafo anterior:
estavam a serviço do Brasil, assim, aplica-se à lei do a) não foi pedida ou foi negada a extradição;
país em que estiverem.
b) houve requisição do Ministro da Justiça.
Alternativa E. O Princípio da Territorialidade está A regra é de que a lei penal brasileira apenas apli-
sendo utilizado, ou seja, dentro do território nacional ca-se aos crimes praticados no Brasil (conforme estu-
aplica-se a lei pátria. dado no Art. 5º do Código Penal). No entanto, há si-
tuações que, por força do Art. 7º, permitem o Estado

990
aplicar sua legislação penal no estrangeiro. Nesta nor- Tais regras, de que a legislação penal brasileira
ma, encontram-se diversos princípios, são eles: será aplicada no exterior, valem apenas para os cri-
Defesa (também chamado de Real): amplia a mes e nunca para as contravenções penais. Apesar
aplicação da lei penal em decorrência da gravidade da lei prever, no Art. 7º, que a lei brasileira também
da lesão. É o aplicável no Art. 7º nas alíneas do inciso será aplicada no anterior, há determinadas regras
I, são elas: para esta aplicação, também normatizadas pelos pa-
a) contra a vida ou a liberdade do Presiden- rágrafos do artigo em questão, vejamos:
te da República. Incondicionada: é a prevista para os casos nor-
Caso seja a prática de latrocínio, não há a exten- matizados no Art. 7º, I, alíneas “a” até “d”. Segundo
são da lei brasileira, visto que o latrocínio é conside- o Código Penal, o agente será processado de acor-
rado crime contra o patrimônio. do com a lei brasileira, mesmo que for absolvido ou
b) contra o patrimônio ou a fé pública da
condenado no exterior (conforme normatizado pe-
União, do Distrito Federal, de Estado, de lo §1º do Art. 7º). Não exige qualquer condição.
Território, de Município, de empresa pú- Condicionada: é a prevista para os casos nor-
blica, sociedade de economia mista, au-
matizados no Art. 7º, §2º, alíneas “a” até “e”: São as
tarquia ou fundação instituída pelo Poder
Público;
condições:
c) contra a administração pública, por quem a) Entrar o agente no território nacional.
está a seu serviço; b) Ser o fato punível também no país em que
d) de genocídio, quando o agente for brasi- foi praticado.
leiro ou domiciliado no Brasil. c) Estar o crime incluído entre aqueles pelos
Há discussão qual o princípio aplicável neste quais a lei brasileira autoriza a extradição.
caso, havendo quem sustente ser da defesa, outros d) Não ter sido o agente absolvido no estran-
dizem ser da nacionalidade ativa e outra corrente, geiro ou cumprido a pena.

NOÇÕES DE DIREITO PENAL


ainda, afirmando ser relacionado ao princípio da e) Não ter sido o agente perdoado no estran-
Justiça Penal Universal. geiro.
Justiça Penal Universal (também chamada de Não estará extinta a punibilidade do agente, seja
Justiça Cosmopolita): amplia a aplicação da legisla- pela brasileira, seja pela lei estrangeira.
ção penal brasileira em decorrência da de tratado ou Hipercondicionada: é a prevista para os casos
convenção que o Brasil é signatário. Vem normati- normatizados no Art. 7º, §3º. Chama-se pela doutri-
zada peloArt. 7º, II, “a”: na de hipercondicionada porque exige, além das con-
a) Que, por tratado ou convenção, o Brasil se dições da condicionada, outras duas. São condições:
obrigou a reprimir.
˃˃ Não ser pedida ou, se pleiteada, negada a
Nacionalidade Ativa: amplia a aplicação da le- extradição.
gislação penal brasileiro ao exterior caso o crime se- ˃˃ Requisição do Ministro da Justiça.
ja praticado por brasileiro. Está prevista no Art. 7º,
II, “b”: Pena Cumprida no Estrangeiro
b) Praticados por brasileiro; Art. 8º. A pena cumprida no estrangeiro atenua a
pena imposta no Brasil pelo mesmo crime, quando
Representação (também chamado de Pavilhão
diversas, ou nela é computada, quando idênticas.
ou da Bandeira ou da Substituição): amplia a apli-
cação da legislação penal brasileira em decorrência Caso o agente seja processado no exterior e lá,
do local em que o crime é praticado. Vem normati- condenado e cumprido pena, estipula-se neste ar-
zada pelo Art. 7º, II, “c”: tigo que caso venha no Brasil a ser condenado pelo
mesmo fato (no caso da extraterritorialidade incon-
c) Praticados em aeronaves ou embarcações dicionada), deverá se verificar:
brasileiras, mercantes ou de propriedade
privada, quando em território estrangeiro e Se as penas são idênticas, ou seja, da mesma quali-
aí não sejam julgados. dade, deverá ser computada como cumprida no Brasil.
Nacionalidade Passiva: amplia a aplicação da Ex.: As duas são privativas de liberdade.
legislação penal brasileira em decorrência da nacio- Se as penas são diversas, ou seja, de qualidade di-
nalidade da vítima do crime. Vem normatizada pelo ferente, deverá haver uma atenuação.
Art. 7º, §3º: Ex.: no exterior o agente cumpriu pena restritiva de
§3º. A lei brasileira aplica-se também ao crime liberdade e, no Brasil, foi condenado e teve sua pena
cometido por estrangeiro contra brasileiro fora substituída pela prestação de serviços comunitá-
do Brasil. rios. Neste caso, deverá se atenuar a pena no Brasil.

991
Eficácia de Sentença Estrangeira Legislação Especial
Art. 9º. A sentença estrangeira, quando a aplicação Art. 12. As regras gerais deste Código aplicam-se
da lei brasileira produz na espécie as mesmas conse- aos fatos incriminados por lei especial, se esta não
quências, pode ser homologada no Brasil para: dispuser de modo diverso.
I. Obrigar o condenado à reparação do dano, a As infrações penais não estão apenas descritas
restituições e a outros efeitos civis;
no Código Penal, mas também em outras leis, que
II. Sujeitá-lo a medida de segurança. se denominam de leis especiais. Nestes casos, apli-
Parágrafo único. A homologação depende: ca-se, desde que a lei especial não dispuser de modo
a) para os efeitos previstos no inciso I, de pe- diverso, as regras gerais do Código Penal.
dido da parte interessada;
b) para os outros efeitos, da existência de
tratado de extradição com o país de cuja au- VAMOS PRATICAR
toridade judiciária emanou a sentença, ou,
na falta de tratado, de requisição do Minis- Os exercícios a seguir são referentes ao conteúdo:
tro da Justiça. Introdução ao Direito Penal e Aplicação da Lei Penal.
A regra geral é de que a sentença penal estrangei-
01. (AlfaCon) A analogia em direito penal é am-
ra não precisa ser homologada para produzir efeitos
plamente aceita pela doutrina e jurisprudên-
no Brasil. No entanto, o Art. 9º traz duas situações
que necessitam da homologação para que a sentença cia pátria, inclusive para melhorar e piorar a
produza efeitos no Brasil, são elas: situação do réu.
Para a produção de efeitos civis (Ex.: Reparação Certo ( ) Errado ( )
de danos, restituições, entre outros). Neste caso, de-
02. (AlfaCon) As regras gerais deste Código
pende do pedido da parte interessada.
NOÇÕES DE DIREITO PENAL

aplicam-se aos fatos incriminados por


Para a aplicação de medida de segurança ao lei especial, se esta não dispuser de modo
agente da Infração Penal: caso exista tratado de ex- diverso.
tradição, necessita de requisição do Procurador-Ge-
ral da República. Caso inexista tratado de extradi- Certo ( ) Errado ( )
ção, necessita de requisição do Ministro da Justiça.
03. (AlfaCon) No Direito Penal brasileiro, em
Contagem de Prazo regra, a pessoa jurídica não pode ser sujeito
ativo. Por outro lado, sempre poderá ser
Art. 10. O dia do começo inclui-se no cômputo do sujeito passivo de delitos.
prazo. Contam-se os dias, os meses e os anos pelo
calendário comum. Certo ( ) Errado ( )
A regra, aqui, é diversa da processual, visto que 04. (FCC) Adotada a Teoria Finalista, é possível
o dia do começo do prazo penal inclui-se no côm- se a firmar que o dolo e a culpa integram:
puto do prazo. Por exemplo, determinado agente
pratica uma infração penal em 10 de agosto de 2012. a) Tipicidade e culpabilidade, respectiva-
Supondo que esta infração penal possui um prazo mente.
prescricional de 08 (oito) anos, a pretensão punitiva b) Culpabilidade.
irá prescrever em 09 de agosto de 2020.
c) Antijuridicidade.
Frações não Computáveis da Pena d) Culpabilidade e tipicidade, respectiva-
mente.
Art. 11. Desprezam-se, nas penas privativas de li-
berdade e nas restritivas de direitos, as frações de e) Tipicidade.
dia, e, na pena de multa, as frações de cruzeiro. Ou
seja, caso após o cálculo da pena, remanescer fra-
05. (FCC) Adotada a teoria finalista da ação, o
ções de dia (por exemplo: o agente é condenado a dolo e a culpa integram a:
pena de 15 (quinze) meses de detenção, com uma
a) Punibilidade.
causa de aumento de 1/2, a pena torna-se em 22,5
dias. Com a norma deste artigo, despreza-se a fra- b) Tipicidade.
ção de metade e a pena final é de 22 dias.
c) Culpabilidade.
Do mesmo modo, aplica-se a regra à pena de
multa, não sendo condenado o agente a pagar os d) Imputabilidade.
centavos. e) Antijuridicidade.

992
06. (AlfaCon) De acordo com a doutrina natura- 10. (Cespe) Sujeito ativo do crime é o que pratica
lista da ação, o dolo tem caráter normativo, a conduta delituosa descrita na lei e o que, de
sendo necessário que o agente, além de ter qualquer forma, com ele colabora, ao passo
consciência e vontade, saiba que a conduta que o sujeito passivo do delito é o titular do
praticada é ilícita. bem jurídico lesado ou posto em risco pela
conduta criminosa.
Certo ( ) Errado ( )
Certo ( ) Errado ( )
07. (AlfaCon) Assinale a alternativa falsa:
a) Pode-se definir ilicitude como a relação GABARITO
de antagonismo que se estabelece entre
uma conduta humana voluntária e o or- 01 ERRADO 06 CERTO
denamento jurídico;
02 CERTO 07 A
b) O roubo de veículo automotor acarreta 03 ERRADO 08 D
necessariamente um aumento de pena,
se o veículo for transportado para o 04 E 09 B
exterior; 05 B 10 CERTO
c) A difamação, em regra, não admite a
exceção da verdade, enquanto a calúnia,
em regra, a admite;
ANOTAÇÕES
d) Pode-se afirmar que a analogia no direito

NOÇÕES DE DIREITO PENAL


penal só pode ser utilizada para benefi-
ciar o réu.
08. (AlfaCon) A chamada abolitio criminis faz
cessar, em virtude dela:
a) A execução da sentença condenatória,
mas não os seus demais efeitos penais.
b) A execução da pena em relação ao autor
do crime, mas este benefício não se
estende aos eventuais coautores ou par-
tícipes.
c) Os efeitos penais da sentença condenató-
ria, mas não a sua execução.
d) A execução e os efeitos penais da sentença
condenatória.
09. (AlfaCon) Taxatividade, em Direito Penal,
significa que:
a) Os fatos descritos na lei penal admitem
ampliações de entendimento.
b) O fato é típico ou atípico.
c) O conjunto de normas incriminadoras
admitem pena de multa.
d) As regras de direito penal decorrem do
princípio da reserva legal.

993
1. Disposições Constitucionais Penal prevista no Art. 68 da Lei de Contravenções
penais; caso atribua outra identidade a si, restará
Aplicáveis ao Processo Penal configurado o crime do Art. 307 do CP (falsa iden-
tidade). Na segunda parte do interrogatório não
→→ Princípio da presunção de inocência ou do es- pode o acusado imputar falsamente um crime a si,
tado de inocência, da situação jurídica de ino- pois estaria cometendo o delito de autoacusação
cência ou da não culpabilidade falsa (Art. 341, CP).
Art. 5º, LVII, CF. ninguém será considerado →→ Princípio da plenitude da defesa
culpado até o trânsito em julgado de sentença Art. 5º, XXXVIII, CF. é reconhecida a insti-
penal condenatória. tuição do júri, com a organização que lhe der
Decorrente desse princípio é que o ônus da pro- a lei, assegurados:
va pertence à acusação, cabendo-lhes provar que o A plenitude de defesa.
fato é típico e de circunstâncias qualificadoras ou A plenitude da defesa significa que, em se tra-
causas de aumento de pena. Caberá ao réu, no en- tando de tribunal do júri, pode o acusado alegar
tanto, provar as excludentes da ilicitude, culpabi- quaisquer tipos de justificativas, mesmo não sendo
lidade e as causas extintivas da punibilidade. Vale técnicas. Pode, por exemplo, apelar para o senti-
ressaltar que a acusação deverá trazer um juízo de mentalismo a fim de convencer o conselho de sen-
certeza para que se condene o réu e, ao contrário, tença. Pode até invocar uma excludente de ilicitude
caso o réu crie uma dúvida sobre a existência de não existente, como, por exemplo, a legítima defesa
uma excludente, deverá o juiz sentenciar em favor da honra.
do acusado.
→→ Princípio do favor rei, favor libertatis, in du-
→→ Princípio da igualdade processual ou da pari- bio pro réu, favor inocente ou da prevalência
dade das armas - par conditio do interesse do réu
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL

Art. 5º, CF. Todos são iguais perante a lei, sem Art. 5º, LVII, CF. ninguém será considerado
distinção de qualquer natureza, garantindo- culpado até o trânsito em julgado de sentença
se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes penal condenatória.
no País a inviolabilidade do direito à vida, à
liberdade, à igualdade, à segurança e à pro- Esse princípio decorre diretamente do princípio
priedade, nos termos seguintes: da inocência, de forma que, havendo dúvida sobre a
culpabilidade do réu, deve o juiz absolvê-lo. Impor-
Procede desse princípio a necessidade de um ad- tante notar que ele não tem aplicação na denúncia,
vogado para defesa do acusado, exceto quando ele pois na dúvida o promotor denuncia, e também não
mesmo o for. Esse princípio se materializa sempre tem aplicação na pronúncia (1° fase do júri).
que para uma das partes for deferida uma oportuni-
dade de se pronunciar no processo, da mesma forma
a outra parte terá esse direito. FIQUE LIGADO
→→ Princípio da ampla defesa
Esse princípio não está expresso na Constituição
Art. 5º, LV, CF. aos litigantes, em processo ju- Federal; está implícito.
dicial ou administrativo, e aos acusados em
geral são assegurados o contraditório e ampla
defesa, com os meios e recursos a ela inerentes. →→ Princípio do contraditório ou da bilateralida-
A ampla defesa se subdivide em autodefesa e de- de da audiência
fesa técnica. Art. 5º, LV, CF. aos litigantes, em processo
A segunda é aquela exercida pelo advogado, pois judicial ou administrativo, e aos acusados
este sim tem capacidade postulatória, com exceção em geral são assegurados o contraditório e
de o próprio acusado ser advogado. A defesa técnica ampla defesa, com os meios e recursos a ela
é indisponível. inerentes.
A primeira é exercida pelo próprio acusado de É o princípio pelo qual oportuniza a parte contra-
forma que pode influenciar o magistrado no seu ditar tudo o que é dito contra ela. Se a acusação ale-
interrogatório. Vale notar que a autodefesa é dis- ga algum fato, deverá o acusado ter a oportunidade
ponível, podendo o acusado ficar calado quando de desconstituir a alegação da acusação. É com base
da audiência (direito ao silêncio). No entanto, o in- nisso que o tempo de audiência é distribuído. Se no
terrogatório é dividido em duas partes: a qualifica- júri a acusação tem uma hora e meia para falar e mais
ção e as perguntas, não podendo o acusado mentir uma hora de réplica, a defesa também terá uma hora e
na 1ª, sob pena de estar cometendo a contravenção meia para falar mais uma hora para a tréplica.

1144
→→ Princípio do juiz natural →→ Princípios da economia processual, celerida-
Art. 5º, LIII, CF. ninguém será processado de processual e duração razoável do processo
nem sentenciado senão pela autoridade com- Art. 5º, LXXVIII, CF. a todos, no âmbito ju-
petente. dicial e administrativo, são assegurados a ra-
Esse princípio garante ao acusado que ele seja zoável duração do processo e os meios que ga-
julgado por um juiz imparcial e definido anterior- rantam a celeridade de sua tramitação.
mente à ocorrência do crime; veda-se, portanto, o
juízo ou tribunal de exceção ou tribunais ad hoc. Va- O princípio em comento traduz a ideia de, que
le ressaltar que não fere o princípio do juiz natural para que o processo penal seja justo, deverá ele tam-
a convocação de juízes de primeiro grau feita pelos bém ser célere. São consequências desse princípio
tribunais e a criação de novas varas para igualar os da duração razoável das prisões cautelares e a cha-
acervos do juízo. mada carta precatória itinerante.
→→ Princípio da publicidade →→ Princípio do devido processo legal (due pro-
Art. 5º, XXXIII, CF. todos têm direito a re- cess of law)
ceber dos órgãos públicos informações de seu
interesse particular, ou de interesse coletivo ou Art. 5º, LIV, CF. ninguém será privado da liber-
geral, que serão prestadas no prazo da lei, sob dade ou de seus bens sem o devido processo legal.
pena de responsabilidade, ressalvadas aquelas Esse princípio traduz a ideia da própria existên-
cujo sigilo seja imprescindível à segurança da

NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL


cia do processo penal, de forma que não se poderá
sociedade e do Estado. 
culpar alguém sem um mínimo de produção de pro-
Art. 5º, LX, CF. a lei só poderá restringir a pu-
vas por meio de um processo e que possa ser garanti-
blicidade dos atos processuais quando a defesa
da intimidade ou o interesse social o exigirem. do o seu direito de defesa.
Art. 93, IX, CF. todos os julgamentos dos ór-
gãos do Poder Judiciário serão públicos, e fun- VAMOS PRATICAR
damentadas todas as decisões, sob pena de
nulidade, podendo a lei limitar a presença, em Os exercícios a seguir são referentes ao conteú-
determinados atos, às próprias partes e a seus do: Disposições Constitucionais Aplicáveis ao Pro-
advogados, ou somente a estes, em casos nos
quais a preservação do direito à intimidade do cesso Penal.
interessado no sigilo não prejudique o interes- 01. Em relação aos princípios constitucionais do
se público à informação. contraditório e da ampla defesa, previstos no
É o princípio que traduz a transparência da ativi- Art. 5º, inciso LV, da Constituição da Repú-
dade jurisdicional do Estado, de forma que, em regra, blica, é INCORRETO afirmar que
os atos serão públicos. Essa norma, porém, admite
exceções, de forma que, se a defesa da intimidade ou a) O contraditório é a ciência bilateral dos
o interesse social o exigir, o ato não será público. No atos e termos processuais e a possibilida-
inquérito policial vigora o sigilo. de de contrariá-los.
→→ Princípio da vedação das provas ilícitas b) A ampla defesa desdobra-se em autode-
Art. 5º, LVI, CF. são inadmissíveis, no proces- fesa e defesa técnica, sendo a primeira
so, as provas obtidas por meios ilícitos. exercida pessoalmente pelo acusado e a
Provas ilícitas são aquelas que violam dispositivos segunda por profissional habilitado, com
legais ou constitucionais, não acolhendo o CPP a po- capacidade postulatória e conhecimentos
sição doutrinária de que ela seria aquela que violasse técnicos.
direito material, e prova ilegítima a que violasse direito
processual. Também são vedadas as provas derivadas c) A defesa técnica é irrenunciável, por se
das ilícitas pela teoria do fruto das árvores envenena- tratar de garantia da própria jurisdição.
das ou do efeito à distância (fruits of the poisonous tree). d) Estão intimamente relacionados, uma
Como exceções à vedação das provas derivadas vez que a ampla defesa garante o con-
das ilícitas, temos a teoria da fonte independente, a traditório e por ele se manifesta e é ga-
da descoberta inevitável, a da mancha purgada ou rantida.
tinta diluída e, por último, a teoria da proporciona-
lidade que aceita a utilização da prova ilícita em de- e) Foram inovações trazidas pelo texto
fesa do acusado inocente. constitucional de 1988.

1145
A respeito da prisão e da liberdade provisória, 05. É assegurado, de forma expressa, na norma
bem como das disposições constitucionais acerca do fundamental, o direito de qualquer acusado
Direito Processual Penal e da ação de habeas corpus, à plenitude de defesa em toda e qualquer
julgue o item subsequente. espécie de procedimento criminal.
02. Aos litigantes, em processo judicial ou admi- Certo ( ) Errado ( )
nistrativo e aos acusados em geral são assegu-
rados o contraditório e ampla defesa, com os 06. Com relação aos dispositivos constitucio-
meios e recursos a ela inerentes. nais aplicáveis ao processo penal, assinale a
Certo ( ) Errado ( ) opção correta.
a) A Constituição Federal de 1988 (CF)
03. Marque a resposta correta. não admite juízo ou tribunal de exceção,
a) O princípio da identidade física do juiz razão por que a atual estrutura do Poder
consiste na dimensão formal do princí- Judiciário não prevê justiças especializa-
pio do juiz natural, enquanto a vedação das em determinada matéria.
de tribunais de exceção e escolha de juiz
traduzem a dimensão substancial do juiz b) A prisão de qualquer pessoa e o local
natural. onde se encontre devem ser comuni-
cados ao juiz competente e à família do
b) São incontestáveis, na doutrina e na ju-
preso ou pessoa por ele indicada no prazo
risprudência, o poder de investigação
direta do Ministério Público e a prer- máximo de setenta e duas horas contado
rogativa legal de tomar assento ime- a partir da prisão.
diatamente à direita e no mesmo plano c) A garantia de que ninguém será conside-
do Magistrado, sem que haja, com
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL

rado culpado até o trânsito em julgado


isso, ofensa ao sistema acusatório ou à da sentença penal condenatória significa
paridade de armas. que mesmo quem for preso em flagrante
c) O STF admite como prova a gravação cometendo homicídio será possuidor da
ambiental de conversas entre parti- presunção de inocência.
culares, mas não permite a gravação
clandestina de conversa informal entre d) Admitir-se-á ação penal privada, sub-
agentes policiais e o indiciado; este sidiária da pública, no crime de roubo,
último, em razão do direito constitucio- quando o membro do Ministério Público
nal ao silêncio. (MP) manifestar-se pelo arquivamento
d) A constituição de 1988 consagrou ex- do inquérito policial.
pressamente, no processo penal brasilei- e) Ao assegurar o contraditório, a ampla
ro, o princípio da verdade real. Por isso o defesa e a publicidade aos acusados em
Juiz poderá, de ofício, produzir prova no geral, a CF impôs a observância de tais
curso do processo. garantias não só durante o processo
e) O Delegado de Polícia não pode ordenar penal, mas desde o inquérito policial.
buscas domiciliares. Esse poder, contudo,
foi atribuído, excepcionalmente, às CPIs, 07. Assinale a alternativa CORRETA. O princí-
que possuem poderes de investigação pio da publicidade garante:
típicos da autoridade judiciária. a) A realização de determinado ato proces-
Acerca dos princípios aplicáveis ao direito pro- sual a portas fechadas, limitando-se o
cessual penal e da aplicação da lei processual no número de pessoas presentes.
tempo e no espaço, julgue os itens seguintes. b) O acesso de qualquer advogado aos ele-
mentos de prova já documentados e pro-
04. O princípio da presunção de inocência ou duzidos na fase investigatória.
da não culpabilidade subsiste durante todo o
c) A produção de provas numa só audiên-
processo e tem o objetivo de garantir o ônus
cia, podendo ser indeferidas as irrelevan-
da prova à acusação até declaração final de tes ou protelatórias.
responsabilidade por sentença penal conde-
natória transitada em julgado. d) O uso do habeas corpus por qualquer
pessoa, em seu favor ou de outrem, bem
Certo ( ) Errado ( ) como pelo Ministério Público.

1146
08. Decorrem do princípio do devido processo 11. Os princípios constitucionais aplicáveis ao
legal as garantias procedimentais não ex- processo penal incluem:
pressas, tais como as relativas à taxativi-
a) A publicidade.
dade de ritos e à integralidade do procedi-
mento. b) A verdade real.
c) A identidade física do juiz.
Certo ( ) Errado ( )
d) O favor rei.
09. O princípio constitucional que assegura e) A indisponibilidade.
ao acusado o direito de ampla defesa, no
processo em que seja assegurada a igualdade 12. A regra que, no processo penal, atribui à
das partes, denomina-se princípio acusação, que apresenta a imputação em
juízo através de denúncia ou de queixa-
a) Do juiz natural. crime, o ônus da prova é decorrência do prin-
b) Do estado de inocência. cípio:

c) Da verdade real. a) Do contraditório.


d) Da obrigatoriedade. b) Do devido processo legal.
c) Do Promotor natural.
e) Do contraditório.

NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL


d) Da ampla defesa.
10. Segundo De Plácido e Silva, os “princípios e) Da presunção de inocência.
jurídicos, sem dúvida, significam os pontos
básicos, que servem de ponto de partida ou de
elementos vitais do próprio Direito. Indicam GABARITO
o alicerce do Direito.” 01 E 07 A
(Vocabulário Jurídico. 28 ed. Rio de Janeiro: Editora Forense,
02 CERTO 08 CERTO
2009. p. 1091).
03 C 09 E
Tendo em mira o trecho acima transcrito, mor-
mente os seus conhecimentos sobre a matéria, jul- 04 CERTO 10 D
gue as proposições a seguir:
05 ERRADO 11 A
I. Decorre do princípio da presunção de ino-
06 C 12 E
cência a imputação do ônus da prova à
acusação.
II. Em razão do princípio da soberania dos ve-
redictos, não pode o Tribunal reformar a ANOTAÇÕES
decisão, apenas designar um novo júri.
III. O Juiz deve ser designado previamente por
lei, sendo vedado o Tribunal de Exceção,
conforme preleciona o princípio do Juiz
Natural.
IV. De toda alegação fática ou de direito e das
provas apresentadas tem o adverso o direito
de se manifestar, tendo em vista o que prele-
ciona o princípio do contraditório.
a) Todas as proposições estão corretas.
b) Todas as proposições estão incorretas.
c) As proposições II, III e IV estão corretas.
d) As proposições I, II e III estão corretas.
e) As proposições I, III e IV estão corretas.

1147
1. Lei nº 10.826/2003 VII. Cadastrar as apreensões de armas de fogo,
inclusive as vinculadas a procedimentos poli-
Estatuto do Desarmamento ciais e judiciais.
VIII. Cadastrar os armeiros em atividade no
O estatuto do desarmamento, editado em 2003, País, bem como conceder licença para exercer
veio para regulamentar registro, posse e comercializa- a atividade.
ção de armas de fogo e munição, sobre o Sistema Na- IX. Cadastrar mediante registro os produtores,
cional de Armas – Sinarm. O primeiro ponto funda- atacadistas, varejistas, exportadores e impor-
mental é saber se a competência é federal ou estadual. tadores autorizados de armas de fogo, acessó-
rios e munições.
Em regra, a competência da lei é da Justiça Esta-
dual, mesmo sendo regulamentado pela Polícia Fe- X. Cadastrar a identificação do cano da arma,
deral. Contudo, se houver interesse direto da União, as características das impressões de raiamento
será da Justiça Federal. Podemos citar, como exem- e de microestriamento de projétil disparado,
plo, crime cometido por um policial federal ou poli- conforme marcação e testes obrigatoriamente
realizados pelo fabricante.
cial rodoviário federal.
XI. Informar às Secretarias de Segurança
Devemos lembrar que se o crime for de tráfico Pública dos Estados e do Distrito Federal os re-
internacional de arma de fogo, a competência será gistros e autorizações de porte de armas de fogo
da Justiça Federal. nos respectivos territórios, bem como manter o
cadastro atualizado para consulta.
FIQUE LIGADO Parágrafo único. As disposições deste artigo não

LEGISLAÇÃO PENAL EXTRAVAGANTE


alcançam as armas de fogo das Forças Armadas e
Mesmo sendo militar cometendo o crime do esta- Auxiliares, bem como as demais que constem dos
tuto, dentro de estabelecimento militar, ainda assim seus registros próprios.
será Justiça Estadual, pois o crime não é “crime militar” Outro ponto importante é que a competência pa-
e sim crime comum. Aqui não vai para Justiça Militar, ra a destruição das armas apreendidas não é de com-
permanece na Justiça Estadual. petência da Polícia Federal e sim do Exército, como
prevê o Art. 25, da lei:
Se o crime atingir interesse genérico e indireto da Art. 25. As armas de fogo apreendidas, após a ela-
União, a competência é da Justiça Estadual. boração do laudo pericial e sua juntada aos autos,
Sendo interesse direto e específico da União, a quando não mais interessarem à persecução penal
competência é federal. serão encaminhadas pelo juiz competente ao Co-
mando do Exército, no prazo máximo de 48 (qua-
O Art. 2º da Lei nº 10.826/2003 prevê a competên- renta e oito) horas, para destruição ou doação aos
cia do Sinarm. Devemos nos atentar e não confundir- órgãos de segurança pública ou às Forças Arma-
mos as competências da Polícia Federal com as do Si- das, na forma do regulamento desta Lei.
narm. A Polícia Federal expede o registro de arma de
fogo, mediante autorização do Sinarm. Assim:
São competências do Sinarm:
FIQUE LIGADO
I. Identificar as características e a propriedade Posição Jurisprudencial: cabe ao Juiz do processo
de armas de fogo, mediante cadastro. definir para onde as armas seriam doadas e cabe ao
II. Cadastrar as armas de fogo produzidas, im- Comando do Exército definir quais unidades poderiam
portadas e vendidas no País. receber as doações.
III. Cadastrar as autorizações de porte de
arma de fogo e as renovações expedidas pela
Polícia Federal.
Do Registro
IV. Cadastrar as transferências de propriedade,
extravio, furto, roubo e outras ocorrências susce-
tíveis de alterar os dados cadastrais, inclusive as Outro ponto importante é o registro das armas.
decorrentes de fechamento de empresas de segu- O Art. 3º prevê que as armas de fogo de uso restrito
rança privada e de transporte de valores. serão registradas no Comando do Exército. Já o Art.
V. Identificar as modificações que alterem as ca- 4º prevê que o interessado deverá, além de declarar a
racterísticas ou o funcionamento de arma de fogo. necessidade, apresentar os seguintes requisitos para
VI. Integrar no cadastro os acervos policiais já compra, sendo a que autorização será concedida ou
existentes. recusada, com da devida fundamentação, no prazo
de 30 dias úteis a contar da data do requerimento.

1217
I. Comprovação de idoneidade, com a apre- XI. Os tribunais do Poder Judiciário descritos no
sentação de certidões negativas de anteceden- Art. 92 da Constituição Federal e os Ministérios
tes criminais fornecidas pela Justiça Federal, Públicos da União e dos Estados, para uso exclu-
Estadual, Militar e Eleitoral e de não estar sivo de servidores de seus quadros pessoais que
respondendo a inquérito policial ou a processo efetivamente estejam no exercício de funções de
criminal, que poderão ser fornecidas por segurança, na forma de regulamento a ser emitido
meios eletrônicos. pelo Conselho Nacional de Justiça - CNJ e pelo
II. Apresentação de documento comprobatório Conselho Nacional do Ministério Público - CNMP.
de ocupação lícita e de residência certa. O § 1º-B foi incluído pela Lei nº 12.993, de 17 de
III. Comprovação de capacidade técnica e de junho de 2014 e permitiu – com alguns pré-requisi-
aptidão psicológica para o manuseio de arma tos – o porte de arma de fogo para os agentes peni-
de fogo, atestadas na forma disposta no regula- tenciários e guardas prisionais.
mento desta Lei.
§ 1º-B. Os integrantes do quadro efetivo de agentes
Observação: esses requisitos deverão ser com- e guardas prisionais poderão portar arma de fogo de
provados periodicamente, em período não inferior propriedade particular ou fornecida pela respectiva
a 3 (três) anos, na conformidade do estabelecido no corporação ou instituição, mesmo fora de serviço,
regulamento desta Lei, para a renovação do Certifi- desde que estejam:
cado de Registro de Arma de Fogo. I. Submetidos a regime de dedicação exclusiva.
II. Sujeitos à formação funcional, nos termos
Do Porte do regulamento.
III. Subordinados a mecanismos de fiscaliza-
O Art. 6º prevê quem possui o porte de arma: ção e de controle interno.

I. Os integrantes das Forças Armadas.


O Art. 6º, § 3º, prevê que a autorização para o
porte de arma de fogo das guardas municipais está
II. Os integrantes de órgãos referidos nos incisos
LEGISLAÇÃO PENAL EXTRAVAGANTE

condicionada à formação funcional de seus inte-


do caput do Art. 144 da Constituição Federal;
grantes em estabelecimentos de ensino de atividade
trata-se dos integrantes da segurança pública.
policial e à existência de mecanismos de fiscalização
III. Os integrantes das guardas municipais das e de controle interno, nas condições estabelecidas
capitais dos Estados e dos Municípios com mais no regulamento desta Lei, observada a supervisão
de 500.000 (quinhentos mil) habitantes, nas con-
do Comando do Exército.
dições estabelecidas no regulamento desta Lei.
IV. Os integrantes das guardas municipais dos O Art. 6º, § 5º, faz menção ao porte para os que re-
Municípios com mais de 50.000 (cinquenta sidem em áreas rurais. O porte – concedido pela Polí-
mil) e menos de 500.000 (quinhentos mil) ha- cia Federal após autorização do Sinarm - somente po-
bitantes, quando em serviço. de ser dado a maiores de 25 (vinte e cinco) anos que
V. Os agentes operacionais da Agência Brasi- comprovem depender do emprego de arma de fogo
leira de Inteligência e os agentes do Departa- para prover sua subsistência alimentar. O caçador
mento de Segurança do Gabinete de Segurança para subsistência, que der outro uso à sua arma de fo-
Institucional da Presidência da República. go, independentemente de outras tipificações penais,
VI. Os integrantes dos órgãos policiais referi- responderá, conforme o caso, por porte ilegal ou por
dos no Art. 51, IV, e no Art. 52, XIII, da Cons- disparo de arma de fogo de uso permitido.
tituição Federal; ou seja, polícia da Câmara e O Art. 7º, § 1º, traz a responsabilidade do proprie-
polícia do Senado. tário ou diretor responsável de empresa de segurança
VII. Os integrantes do quadro efetivo dos privada e de transporte de valores, que responderá pe-
agentes e guardas prisionais, os integrantes lo crime previsto no parágrafo único do Art. 13 desta
das escoltas de presos e as guardas portuárias. Lei, sem prejuízo das demais sanções administrativas e
VIII. As empresas de segurança privada e de civis, se deixar de registrar ocorrência policial e de co-
transporte de valores constituídas, nos termos municar à Polícia Federal perda, furto, roubo ou outras
desta Lei. formas de extravio de armas de fogo, acessórios e mu-
IX. Para os integrantes das entidades de nições que estejam sob sua guarda, nas primeiras 24
desporto, legalmente constituídas, cujas ativi- (vinte e quatro) horas, depois de ocorrido o fato.
dades esportivas demandem o uso de armas de Art. 7º-A, § 5º. As instituições de que trata este ar-
fogo, na forma do regulamento desta Lei, obser- tigo são obrigadas a registrar ocorrência policial e a
vando-se, no que couber, a legislação ambiental. comunicar à Polícia Federal eventual perda, furto,
X. Integrantes das Carreiras de Auditoria da roubo ou outras formas de extravio de armas de fo-
Receita Federal do Brasil e de Auditoria-Fis- go, acessórios e munições que estejam sob sua guar-
cal do Trabalho, cargos de Auditor-Fiscal e da, nas primeiras 24 (vinte e quatro) horas depois de
Analista Tributário. ocorrido o fato.

1218
O Art. 9º traz como competência do Ministério O delito em questão possui as condutas de pos-
da Justiça a autorização do porte de arma para os res- suir ou manter sob sua guarda armas de fogo de uso
ponsáveis pela segurança de cidadãos estrangeiros permitido. Contudo, se a arma for de uso restrito, o
em visita ou sediados no Brasil e, ao Comando do crime é do Art. 16 da lei.
Exército, nos termos do regulamento desta Lei, o re- O objeto material do crime é, além da arma de
gistro e a concessão de porte de trânsito de arma de fogo, também acessórios ou munições. Assim, qual-
fogo para colecionadores, atiradores e caçadores e de quer dos três já tipifica o crime.
representantes estrangeiros em competição interna-
cional oficial de tiro, realizada no território nacional. O crime é uma norma penal em branco, uma vez
que pede complementação do que seria arma de uso
O Art. 10 traz a competência para a autorização pa- permitido, assim como o Art. 14 da lei.
ra o porte de arma de fogo de uso permitido, em todo
o território nacional, que é de competência da Polícia Esse crime não admite a forma tentada
Federal e somente será concedida após autorização do Atenção! Vamos considerar como acessório
Sinarm. A autorização poderá ser concedida com efi- aquele que modifica o aspecto visual ou a eficiência
cácia temporária e territorial limitada, nos termos de (desempenho da arma), por exemplo, mira-laser, si-
atos regulamentares, e dependerá do requerente. lenciador. Parte da arma, por exemplo, é o cano de
O Art. 10, § 2º, traz a forma de perda da autoriza- arma. Neste caso, o cano não e considerado acessó-
ção de porte de arma de fogo, que será dada automa- rio, e sim parte, assim não responde pelo crime em
ticamente em caso de o portador dela ser detido ou tela. Contudo, se a arma estiver desmontada e com
abordado em estado de embriaguez ou sob efeito de todas as peças, o autor responderá pelo crime, mas
substâncias químicas ou alucinógenas. se a arma estiver incompleta, o autor não responde-

LEGISLAÇÃO PENAL EXTRAVAGANTE


rá, assim como o coldre da arma, pois não é conside-
Devemos lembrar que a autorização para compra rado um acessório.
de arma é de natureza intransferível. Outro ponto im-
portante da lei é que a comercialização entre pessoas Se houver munição com o agente, ele respon-
físicas deve ser antecedida de autorização do Sinarm. de. Aqui temos o crime de posse de munição de
arma de fogo de uso permitido, pois está previsto
O certificado de registro de arma de fogo será ex- no próprio tipo.
pedido pela Polícia Federal e será precedido de auto-
rização do Sinarm. Como diferenciarmos a posse e o porte de uso
permitido (Art. 12 e Art. 16)?
Dos Crimes e das Penas
Posse Porte
Estamos no capítulo IV da lei, com toda certeza Residência do Infrator
o mais cobrado nas provas de concursos. Assim, va- Local de Trabalho Todos os lugares
mos, em primeiro plano, explicar o que é porte e o Tem de ser o proprietário ou responsável
que é posse ilegal de arma de fogo. Ex.: gerente de uma padaria possui arma de uso
O Art. 12 versa sobre a posse irregular de arma de permitido, guardada em armário no interior da
fogo de uso permitido, enquanto o porte está previs- padaria. No mesmo contexto, o padeiro dessa
to no Art. 14 da lei. Assim: padaria também possui uma outra arma de uso
A posse se dá na residência do infrator ou depen- permitido no seu armário, no interior do mesmo
dência desta e no local de trabalho, desde que seja estabelecimento. Por qual ou por quais crimes
o proprietário ou responsável pelo local. Já o porte respondem os autores?
ilegal se dá em todos os lugares. O gerente da padaria é considerado responsável
Já o porte ilegal se dá em todos os lugares fora da pelo estabelecimento. Assim, de acordo com o Art.
residência do infrator ou dependências desta. 12, ele responde pela posse irregular de arma de fo-
go de uso restrito. Já o padeiro, como está portando
Posse Irregular de Arma de Fogo de arma de fogo fora de sua residência ou local de tra-
balho (desde que não seja o proprietário ou respon-
Uso Permitido sável pelo local) responderá pelo Art. 14 da lei, ou
Art. 12. Possuir ou manter sob sua guarda arma seja, porte ilegal de arma de fogo de uso permitido.
de fogo, acessório ou munição, de uso permitido,
em desacordo com determinação legal ou regula- Posse Legal de Arma de Fogo
mentar, no interior de sua residência ou dependên-
cia desta, ou, ainda no seu local de trabalho, desde É fato atípico, não confundir, em provas, com
que seja o titular ou o responsável legal do estabele- posse ilegal.
cimento ou empresa: Depende de autorização do Sinarm e deve ser ex-
Pena – detenção, de 1 (um) a 3 (três) anos, e multa. pedida pela Polícia Federal.

1219
Caso o proprietário esteja com arma em sua re- Abolitio Criminis Temporária
sidência, mas com o documento vencido, responde
É o sinônimo de Vacatio Legis indireta ou descri-
pela posse irregular de arma de fogo. Atenção para minação temporária. Esse fenômeno ocorreu com o
o fato de que o registro deve estar no prazo de vali- Art. 12 do estatuto do desarmamento. Assim, quan-
dade, para não constituir crime. No mesmo caso, se do o diploma legal foi editado, a eficácia do Art. 12
o indivíduo sair com a arma na rua, será o crime do ficou suspensa para que as pessoas pudessem entre-
Art. 14, ou seja, porte ilegal de arma de fogo. gar os armamentos.
Esse entendimento foi regulamentado assim pe-
Porte Ilegal de Arma de Fogo de Uso lo STJ:
Permitido Súm. 513, STJ/2014. A “abolitio criminis” tempo-
rária prevista na Lei nº 10.826/2003 aplica-se ao
Art. 14. Portar, deter, adquirir, fornecer, receber, ter crime de posse de arma de fogo de uso permitido
em depósito, transportar, ceder, ainda que gratui- com numeração, marca ou qualquer outro sinal de
tamente, emprestar, remeter, empregar, manter sob identificação raspado, suprimido ou adulterado,
guarda ou ocultar arma de fogo, acessório ou muni- praticado somente até 23/10/2005.
ção, de uso permitido, sem autorização e em desa- Assim, é claro ver que até 23/10/2005 a posse de
cordo com determinação legal ou regulamentar: arma de fogo de uso permitido, mesmo que raspada,
Parágrafo único. O crime previsto neste artigo é não iria configurar crime. Contudo, após essa da-
inafiançável, salvo quando a arma de fogo estiver ta, a abolitio criminis temporária não será aplicada
registrada em nome do agente. (Esse parágrafo
à conduta de portar ilegalmente e possuir arma de
fogo com a numeração raspada.
foi declarado inconstitucional pelo STF)
Esse crime é de porte ilegal de arma de fogo de Omissão de Cautela
LEGISLAÇÃO PENAL EXTRAVAGANTE

uso permitido e só pode se cometido se o agente não


estiver nos locais descritos no Art. 12 (posse irregu- Art. 13. Deixar de observar as cautelas necessá-
rias para impedir que menor de 18 (dezoito) anos
lar). Assim, se o agente estiver em sua casa, responde ou pessoa portadora de deficiência mental se apo-
pelo crime de posse irregular, mas, se sair de sua ca- dere de arma de fogo que esteja sob sua posse ou
sa com a arma, responde por porte ilegal. que seja de sua propriedade.
O crime em tela pune os sujeitos ativos que se
omitirem e forem os proprietários ou possuidores
FIQUE LIGADO que, por negligência, não impedirem menores de 18
anos ou doentes mentais – não englobando os físi-
O STJ considera que, se o agente “enterrar” em seu cos – que se apoderarem de arma de fogo.
terreno a arma de fogo, deverá ele responder por porte
ilegal, já que o verbo aqui é ocultar, previsto no Art. 14 Aqui respondem tanto se as armas forem de uso
e não no Art. 12. permitido ou de uso restrito e não responderão por
munição ou acessório, pois esses não fazem parte do
E se a arma de fogo for encontrada jogada no quin- Art. 13 do Estatuto do Desarmamento.
tal da residência (e não enterrada)? Nesse caso, haverá O crime só se consuma com o apoderamento do
posse ilegal de arma de fogo e não porte, porque quin- menor ou do doente mental, por isso é chamado de
tal é considerado como dependência. crime omissivo condicionado.
O crime não admite tentativa, pois trata-se de
Diferença entre a Posse Irregular (Art. um crime omissivo culposo e crimes culposos não
admitem a forma tentada.
12) e o Porte Ilegal de Arma de Fogo
É também classificado como crime omissivo pró-
(Art. 14) prio. Crime omissivo próprio é aquele que se consu-
Responde por posse irregular de arma de fogo o ma com a mera omissão do agente. Desta forma, não
agente que possui arma no interior de sua residên- há necessidade de ocorrência de resultado algum.
cia, se esta não estiver registrada. Ex.: Pai esquece a arma de fogo de uso permitido
em cima da mesa, filho de 22 anos doente físico
Já no porte ilegal, responde o agente que pos- a encontra e fica brincando com a arma de fogo.
suindo a arma registrada, retira-a de sua residência Fique atento, pois nessa situação não teremos o
para levá-la consigo, sem a autorização da autorida- crime do Art. 13, pois a lei não se refere a doente
de competente. Aqui temos o crime do Art. 14 da lei. físico. A figura típica é “doente mental”.

1220
Art. 13, parágrafo único – omissão de comuni- Segundo precedentes do STJ, o crime de man-
cação. ter sob guarda munição de uso permitido e de uso
Parágrafo único. Nas mesmas penas, incorrem o proibido não configura concurso formal, mas crime
proprietário ou diretor responsável de empresa de único, desde que, no caso concreto, haja uma única
segurança e de transporte de valores que deixarem ação, com lesão de um único bem jurídico.
de registrar ocorrência policial e de comunicar à
Polícia Federal perda, furto, roubo ou outras for-
mas de extravio de arma de fogo, acessório ou mu- FIQUE LIGADO
nição, que estejam sob sua guarda, nas primeiras
24 (vinte quatro) horas depois de ocorrido o fato. O entendimento firmado pelo STJ dá-se no sentido
O sujeito ativo aqui é o proprietário ou diretor de que a posse de armas sem ordem legal, bem como
de empresa responsável pela empresa de segurança de uso proibido, não configura concurso formal de cri-
de transporte de valores. Diferentemente do crime mes, devendo, na espécie, ser reconhecida a existência
previsto no caput do Art. 13 desta Lei, que somente de delito único.
se refere a “arma de fogo”, a infração penal descrita
no parágrafo único abrange “arma de fogo, acessó- Já no caso de homicídio, se a arma for utilizada
rio ou munição. exclusivamente para o crime, teremos um crime
As condutas típicas são: deixar de comunicar a único. Diferente situação será se o porte já for an-
ocorrência policial e de comunicar à Polícia Federal terior à conduta, assim, não devemos considerá-lo
sobre perda, furto ou roubo de arma de fogo, acessó- como exclusivo.
rio ou munição.
Disparo de Arma de Fogo

LEGISLAÇÃO PENAL EXTRAVAGANTE


Crime a prazo: são crimes que exigem o preen-
chimento de um lapso temporal para se consu- Art. 15. Disparar arma de fogo ou acionar munição
marem. Na infração penal em tela, a consumação em lugar habitado ou em suas adjacências, em via
somente ocorre 24 horas após o agente tomar co- pública ou em direção a ela, desde que essa conduta
nhecimento da perda, do furto ou do roubo. não tenha como finalidade a prática de outro crime:
˃˃ Questões potenciais de prova: Pena - reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.
De acordo com o STF, a arma desmuniciada con- Parágrafo único. O crime previsto neste artigo é
figurará crime previsto na Lei nº 10.826/2003. As- inafiançável. (Esse parágrafo foi declarado incons-
sim, o fato de o agente trazer a arma desmuniciada e titucional pelo STF)
desmontada (se estiver com todas as peças) já carac- As condutas aqui são disparar arma de fogo ou
teriza a conduta incriminada ou seja, transportar, acionar munição. É o chamado delito subsidiário ex-
possuir e manter sob guarda.
presso, pois o próprio tipo diz que responderá somen-
Aqui a lei passou a considerar crime a figura de te se não configurar crime mais grave. Se ocorrer o cri-
transportar munição ou acessório (lembrando que me mais grave, responderá o agente pelo mais grave.
partes de armas não são acessórios, assim, será cri-
me se estivermos frente à arma desmontada com to- Somente pode ser cometido em lugar habitado
das as peças, não sendo crime o transporte do cano, ou adjacências ou em via pública ou direção a ela.
pois não configura acessório). Fora disso, esse crime torna-se atípico.
Contudo, será necessário comprovar - em exame Ex.: local totalmente inabitado.
pericial - a eficácia da munição ou do acessório. Ca- Esse crime admite a tentativa, mas que dificil-
so sejam considerados imprestáveis, não colocando mente possa ocorrer na prática.
em risco o bem jurídico tutelado, não podem confi-
gurar crime. ˃˃ Questões importantes:
A posse de munição, sem que a arma esteja pre- Disparo + lesão leve: nesse caso responde pela
sente – segundo o STF – configura o crime, pois há lesão leve, porque essa é a finalidade do agente.
previsão no próprio tipo penal. Disparo + lesão grave ou gravíssima (Art. 129, §
A arma quebrada – se for totalmente (absoluta- 1º e 2º): Responde pela lesão, porque essa é a finalidade
mente) inapta não pode configurar crime, pois aqui do agente.
temos o crime impossível previsto no Art. 17 do Có- Disparo + homicídio (Art. 121): responde so-
digo Penal. Contudo, se a arma for relativamente
mente pelo homicídio, porque essa é a finalidade
capaz, teremos o crime configurado. Vale lembrar
do agente.
que se a arma for absolutamente incapaz (totalmen-
te inapta) mas estiver com munição, responderá o Disparo + perigo para a vida ou saúde de ou-
autor pelo crime, em razão da munição. trem (Art. 132): responde pelo disparo.

1221
Concurso de crimes O que vai prevalecer O agente pega uma arma de uso permitido e a tor-
na de uso restrito. Por exemplo, pega uma pistola ca-
Disparo + lesão leve Disparo
libre .380 e modifica a arma para calibre 9 milímetros.
Disparo + homicídio Homicídio
Entra aqui também quem modifica a arma para
Disparo + lesão grave/gravíssima Lesão grave/gravíssima enganar a autoridade, a fim de induzir a erro, alteran-
Disparo + Perigo a vida/saúde Disparo do calibre proibido para parecer de uso permitido.
III. Possuir, detiver, fabricar ou empregar
artefato explosivo ou incendiário, sem auto-
FIQUE LIGADO rização ou em desacordo com determinação
legal ou regulamentar.
Segundo o STF o porte ilegal e o disparo de arma de IV. Portar, possuir, adquirir, transportar ou
fogo “constituem crimes de mera conduta que, embora fornecer arma de fogo com numeração, marca
reduzam o nível de segurança coletiva, não se equipa- ou qualquer outro sinal de identificação
ram aos crimes que acarretam lesão ou ameaça de le- raspado, suprimido ou adulterado.
são à vida ou à propriedade” V. Vender, entregar ou fornecer, ainda que gra-
tuitamente, arma de fogo, acessório, munição
ou explosivo a criança ou a adolescente.
Posse ou Porte Ilegal de Arma de Aqui, as condutas são dolosas e direcionadas à
Fogo de Uso Restrito venda, à entrega e ao fornecimento de arma, aces-
sório ou explosivo a criança ou a adolescente. Vale
Art. 16. Possuir, deter, portar, adquirir, fornecer, re- aqui a diferenciação para o ECA (Estatuto da Crian-
ceber, ter em depósito, transportar, ceder, ainda que ça e do Adolescente). Esse inciso V derrogou o Art.
gratuitamente, emprestar, remeter, empregar, man-
242 do ECA, que ficou restrito às armas brancas.
ter sob sua guarda ou ocultar arma de fogo, aces-
Assim, se for arma de fogo, responde pelo Esta-
LEGISLAÇÃO PENAL EXTRAVAGANTE

sório ou munição de uso proibido ou restrito, sem


autorização e em desacordo com determinação legal tuto do Desarmamento, no Art. 16, V.
ou regulamentar:
Sendo arma branca, responde pelo Art. 242 do
Parágrafo único. Nas mesmas penas incorre ECA:
quem:
Art. 242. Vender, fornecer, ainda que gratuita-
Estamos diante do uso restrito ou proibido. O mente, ou entregar, de qualquer forma, a criança
uso dessas armas só pode ser efetuado por certos ór- ou adolescente arma, munição ou explosivo:
gãos, como é o exemplo da Polícia Federal. Devemos Pena - reclusão, de 3 (três) a 6 (seis) anos.
lembrar que a posse e o porte de arma de uso per-
mitido constitui dois crimes distintos, já a posse ou VI. Produzir, recarregar ou reciclar, sem auto-
rização legal, ou adulterar, de qualquer forma,
o porte ilegal de uso restrito constituem um crime
munição ou explosivo.
único, previsto no Art. 16.
Temos que ter cuidado na reciclagem da mu-
Temos aqui vários verbos, como, por exemplo
nição. Por exemplo, comete esse crime aquele que
possuir, deter, portar, adquirir, fornecer, receber,
“usa” munição fora da validade de uso.
ter em depósito, transportar, ceder, emprestar, re-
meter, ocultar. Todos esses verbos, quando efetua-
dos mais de um vez, no mesmo contexto, irão confi-
Comércio Ilegal de Arma de Fogo
gurar crime único. Art. 17. Adquirir, alugar, receber, transportar, con-
Fato importante é o objeto material do parágrafo duzir, ocultar, ter em depósito, desmontar, montar,
único, que diz respeito também ao uso de calibre per- remontar, adulterar, vender, expor à venda, ou de
mitido e vai equiparar ao uso restrito. Certas condu- qualquer forma utilizar, em proveito próprio ou
tas de uso permitido serão equiparadas ao Art. 16. alheio, no exercício de atividade comercial ou in-
dustrial, arma de fogo, acessório ou munição, sem
I. Suprimir ou alterar marca, numeração ou autorização ou em desacordo com determinação
qualquer sinal de identificação de arma de fogo legal ou regulamentar:
ou artefato.
Parágrafo único. Equipara-se à atividade comer-
Aqui, tanto faz se é restrito ou permitido, o im- cial ou industrial, para efeito deste artigo, qualquer
portante é estar com a numeração “raspada”. forma de prestação de serviços, fabricação ou co-
mércio irregular ou clandestino, inclusive o exerci-
II. Modificar as características de arma de
do em residência.
fogo, de forma a torná-la equivalente a arma
de fogo de uso proibido ou restrito ou para fins Neste caso, o sujeito ativo é o comerciante, po-
de dificultar ou, de qualquer modo, induzir a dendo ser o agente que exerce atividade comercial
erro autoridade policial, perito ou juiz. ou industrial, ou ainda aquele que exerce comércio

1222
irregular ou clandestino. Seja ele legal ou ilegal. Ima-
gina o comerciante que tem autorização para vender
certa arma e vende um calibre não permitido para EXERCÍCIO COMENTADO
ele. Isso engloba também o vendedor ilegal.
01. (Cespe) A conduta de uma pessoa que
Imagine a seguinte situação hipotética: “A” tem disparar arma de fogo, devidamente registra-
uma arma e vende essa arma, responde ele por esse da e com porte, em local ermo e desabitado
crime? será considerada atípica.
Resposta: não, porque se for praticado de forma CERTO. O crime do Art. 15 da Lei nº 10.8266/2003 só
eventual, não existe o Art. 17, podendo responder se perfaz se o disparo for feito em lugar habitado ou
pelo porte de uso permitido (Art. 14) ou mesmo de em suas adjacências, em via pública ou em direção a
uso restrito ou proibido (Art. 16). ela. Vale lembrar que esse delito é chamado de crime
Doutrinariamente, exige-se que a ação crimino- subsidiário, pois só será considerado fato atípico,
sa seja realizada de forma habitual para o delito se se não constituir crime mais grave. Assim, se por
aperfeiçoar. exemplo uma pessoa faz disparo em lugar habitado e
vem a matar terceira pessoa, só responde pelo crime
Tráfico Internacional de Arma de mais grave, ou seja, o crime de homicídio. Temos aqui
Fogo um conflito aparente de norma penal, que será solu-
cionado pelo princípio da subsidiariedade.
Art. 18. Importar, exportar, favorecer a entrada ou
saída do território nacional, a qualquer título, de
arma de fogo, acessório ou munição, sem autoriza- VAMOS PRATICAR

LEGISLAÇÃO PENAL EXTRAVAGANTE


ção da autoridade competente.
Considerações finais sobre os crimes: no crime Os Exercícios a seguir são referentes ao conteú-
de comércio ilegal de arma de fogo (Art. 17) e tráfico do: Lei nº 10.826/2003 - Estatuto do Desarmamento.
internacional de arma de fogo (Art. 18), a pena será
aumentada da metade, se a arma de fogo, acessório 01. (Cespe) Compete à Polícia Federal, por in-
ou munição forem de uso proibido ou restrito. Esses termédio do Sistema Nacional de Armas,
crimes, assim como o crime de posse ou porte ilegal destruir armas de fogo e munições que
de arma de fogo de uso restrito (Art. 16), são insus- forem apreendidas e encaminhadas pelo
cetíveis de liberdade provisória. juiz competente, quando não mais interes-
As condutas são importar ou exportar, assim, sarem à persecução penal.
esse crime é de competência da Justiça Federal. Im- Certo ( ) Errado ( )
portar ou exportar arma de fogo prevalece sobre o
crime de contrabando ou descaminho, do Código 02. (Cespe) Considere que João, residente em
Penal, pois a norma penal especial prevalece sobre a área rural, dependa do emprego de arma de
geral, princípio da especialidade. fogo para prover sua subsistência alimen-
tar familiar. Nos termos do disposto na Lei
Assim, se “A” vai ao Paraguai e traz arma ilegal,
nº 10.826/2003, a João não pode ser con-
não responderá pelo contrabando ou descaminho,
bem como o agente público que facilitar a entrada cedido porte de arma de fogo por expor a
de arma ilegal não responderá pela facilitação do perigo sua integridade física, uma vez que
contrabando, mas sim por tráfico internacional de João pode se alimentar de outros produtos
arma de fogo, nos dois casos mencionados. além da caça.
Temos o aumento de pena nos Arts. 17 e 18, Certo ( ) Errado ( )
caso a arma de fogo, e/ou acessório forem de uso 03. (Cespe) Supondo que determinado cidadão
restrito ou proibido. Aqui, aumenta-se da metade. seja responsável pela segurança de estrangei-
Por fim, temos nos Arts. 16, 17 e 18, a vedação ros em visita ao Brasil e necessite de porte de
da liberdade provisória. Contudo, segundo o STF, arma, a concessão da respectiva autorização
essa vedação é inconstitucional. Desta forma, será de competência do Ministro da Justiça.
atualmente, todos os crimes do Estatuto do Desar-
mamento admitem, em tese, a liberdade provisória, Certo ( ) Errado ( )
inclusive fiança. 04. (Cespe) Um homem foi flagrado com arma
No STF, a maioria dos ministros considerou que de fogo de uso restrito, tendo a perícia técnica
o dispositivo (Art. 21) viola os princípios da presun- posteriormente atestado a cabal impossibi-
ção de inocência e do devido processo legal (ampla lidade de o instrumento produzir disparos.
defesa e contraditório). Nessa situação, configura - se atípica a

1223
conduta de porte de arma, não podendo Em relação aos crimes em espécie, julgue o item
ser considerado o uso desse artefato para a subsequente.
prática de outra infração como majorante da 08. (Cespe) Considere que Marcos, penalmente
pena pelo uso de arma. capaz, em comemoração à vitória de seu time
Certo ( ) Errado ( ) de futebol, tenha disparado vários tiros para
o alto, com arma de fogo de uso permitido,
05. (Cespe) Servidor público alfandegário em uma praça pública de intensa movimen-
que, em serviço de fiscalização fronteiriça, tação e que, identificado e preso em flagran-
permitir a determinado indivíduo penalmen- te pela conduta, tenha apresentado o porte e
te imputável adentrar o território nacional, o registro da arma. Nessa situação, Marcos
trazendo consigo, sem autorização do órgão deverá responder pelo crime de expor a
competente e sem o devido desembaraço, perigo a vida ou a saúde de outrem.
pistola de calibre 380, de fabricação estran-
geira, deverá responder pela prática do crime Certo ( ) Errado ( )
de facilitação de contrabando, com infração Considere a seguinte situação hipotética.
do dever funcional, excluída a hipótese de
aplicação do Estatuto do Desarmamento. Antônio, penalmente capaz, foi abordado por
policiais militares, que o flagraram portando três
Certo ( ) Errado ( ) cartuchos intactos de munição de calibre 40, de uso
06. (Cespe) De acordo com o Estatuto do Desar- restrito das forças policiais. Indagado a respeito de
mamento, constitui circunstância qualifica- sua conduta, Antônio informou não possuir autori-
dora do crime de posse ou porte de arma de zação para portar as munições, alegando, no entan-
fogo ou munição, o fato de ser o agente re- to, não possuir arma de fogo de qualquer calibre.
incidente em crimes previstos nesse estatuto. 09. (Cespe) Nessa situação, a conduta de
LEGISLAÇÃO PENAL EXTRAVAGANTE

Certo ( ) Errado ( ) Antônio é atípica, pois a munição, por si só,


não oferece qualquer potencial lesivo.
Jonas, policial militar em serviço velado, no in-
terior de uma viatura descaracterizada em estacio- Certo ( ) Errado ( )
namento público, próximo a uma casa de eventos, 10. (Cespe) O agente encontrado portando arma
onde ocorria grande espetáculo de música, perce- de uso permitido com numeração, marca ou
beu a presença de Mauro, com vinte e quatro anos qualquer outro sinal de identificação raspado,
de idade, que já ostentava condenação transitada suprimido ou adulterado estará sujeito à
em julgado, por crime de receptação. Na oportuni- sanção prevista para o crime de posse ou porte
dade, Jonas viu que Mauro usou um pequeno ca- ilegal de arma de fogo de uso restrito.
nivete para abrir um automóvel e neste ingressou
rapidamente. Fábio, com dezessete anos de idade, e Certo ( ) Errado ( )
que acompanhava Mauro, entrou pela porta direita 11. (Cespe) A posse de arma de brinquedo ou
do passageiro e sentou-se no banco. Mauro usou o a utilização de qualquer outro instrumen-
mesmo canivete para dar partida na ignição do mo- to simulador de arma de fogo configura,
tor e evadir-se do local na condução do veículo. Jo- segundo expressamente previsto na norma
nas informou sobre o fato a outros agentes em viatu- de regência, crime de porte de arma.
ras policiais, os quais, em diligências, localizaram o
veículo conduzido por Mauro e prenderam-no cer- Certo ( ) Errado ( )
ca de dez minutos depois da abordagem. Em revista 12. (Cespe) O proprietário de comércio de médio
pessoal realizada por policiais militares em Mauro, porte localizado em violento bairro da perife-
foi apreendida arma de fogo que se encontrava em ria da cidade, que possua arma regularmente
sua cintura: um revólver de calibre 38, municiado registrada, encontra-se autorizado a portá-la
com dois projéteis, do qual o portador não tinha livremente, desde que no interior do estabe-
qualquer registro ou porte legalmente válido em seu lecimento, caso seja o responsável legal pela
nome. O canivete foi encontrado na posse de Fábio. empresa.
07. (Cespe) Mauro cometeu crime de posse ir- Certo ( ) Errado ( )
regular de arma de fogo de uso permitido,
previsto na lei que dispõe sobre o registro, a 13. (Cespe) Suponha que Tobias, maior, capaz,
posse e a comercialização de armas de fogo e tenha sido abordado por policiais milita-
de munição. res quando trafegava em sua moto, tendo
sido encontradas com ele duas armas de uso
Certo ( ) Errado ( ) restrito e munições, e atestada, em exame

1224
pericial, a impossibilidade de as armas efe- a apresentação de certidões negativas de an-
tuarem disparos. Nessa situação hipotética, tecedentes criminais, fornecidas pela Justiça
resta caracterizado o delito de porte de arma Federal, Estadual, Militar e Eleitoral, e de não
de uso restrito, devendo Tobias responder estar respondendo a inquérito policial ou a
por crime único. processo criminal.
Certo ( ) Errado ( ) Certo ( ) Errado ( )
14. (Cespe) As armas de fogo apreendidas após a
elaboração do laudo pericial e sua juntada aos GABARITO
autos, quando não mais interessarem à per-
secução penal, serão encaminhadas pelo juiz 01 ERRADO 11 ERRADO
competente à Secretaria de Segurança Pública
do respectivo Estado, no prazo máximo de 48 02 ERRADO 12 ERRADO
horas, para destruição ou doação aos órgãos
03 ERRADO 13 CERTO
de segurança pública ou às Forças Armadas,
na forma da lei. 04 CERTO 14 ERRADO
Certo ( ) Errado ( ) 05 ERRADO 15 CERTO
15. (Cespe) De acordo com entendimento do 06 ERRADO 16 CERTO
Superior Tribunal de Justiça, o simples fato
de portar arma de fogo de uso permitido, 07 ERRADO 17 ERRADO
com numeração raspada, viola o previsto no

LEGISLAÇÃO PENAL EXTRAVAGANTE


Art. 16, da Lei nº 10.826/2003, por se tratar de 08 ERRADO 18 CERTO
delito de mera conduta ou de perigo abstrato, 09 ERRADO 19 CERTO
cujo objeto imediato é a segurança coletiva.
10 CERTO 20 CERTO
Certo ( ) Errado ( )
16. (Cespe) No caso de comércio ilegal de arma
de fogo, a natureza do fato de ser a arma ou
munição de uso proibido ou restrito constitui ANOTAÇÕES
causa especial de aumento de pena.
Certo ( ) Errado ( )
17. (Cespe) Aos residentes em áreas rurais –
maiores de 18 anos – que comprovem depender
do emprego de arma de fogo para prover sua
subsistência alimentar familiar, será concedido
pelo Sinarm o porte de arma de fogo.
Certo ( ) Errado ( )
18. (Cespe) Compete ao SINARM informar às
Secretarias de Segurança Pública dos Estados
e do Distrito Federal os registros e autoriza-
ções de porte de armas de fogo nos respecti-
vos territórios, bem como manter o cadastro
atualizado para consulta.
Certo ( ) Errado ( )
19. (Cespe) As armas de fogo de uso restrito devem
ser registradas no Comando do Exército.
Certo ( ) Errado ( )
20. (Cespe) O interessado em adquirir arma de
fogo de uso permitido deve, além de declarar
a efetiva necessidade de adquiri-la, atender a
alguns requisitos, entre os quais se incluem
as comprovações de idoneidade, mediante

1225