Вы находитесь на странице: 1из 33

Projeto Individual de Leitura

Obra Literária: Auschwitz - Um dia de cada vez, de Esther Mucznik

Escola Secundária Francisco de Holanda


Literatura Portuguesa
Professora: Fernanda Freitas
Bruna Salgado, n.º 3, 11.º LH5
Índice

Ficha da Obra ............................................................................................................... 3

Biobibliografia do Autor ................................................................................................ 4

Resumo da Obra ........................................................................................................... 5

Análise da Obra ............................................................................................................ 6

Babi Yar: a morte a tiro .................................................................................................. 7

Reflexão ........................................................................................................................ 8

Textos Criativos ............................................................................................................ 9

Página de Diário de Leon Leyson............................................................................ 9


Texto Argumentativo ............................................................................................. 10
Textos relativos ao tema .......................................................................................... 11
Bibliografia ................................................................................................................. 33
Ficha da Obra

Autor: Esther Mucznik


Título: Auschwitz – Um dia de cada vez
N.º de páginas: 332
Género: Narrativa não – ficcional
Edição: 3.ª Edição
Editora: A Esfera dos Livros

Imagem da capa: Um grupo de


sobreviventes com um médico do
Exército Vermelho (ao centro), na
entrada do recém-libertado campo
de Auschwitz, em janeiro de 1945.
Biobibliografia do Autor

Esther Mucznik nasceu em Portugal


e é filha de pais polacos. Viveu em
Israel, onde aprendeu,
respetivamente, língua e cultura
hebraica, e em Paris, onde estudou
Sociologia na Universidade da
Sorbonne. Foi vice-presidente da
Comunidade Israelita de Lisboa (CIL)
entre 2002 a 2016 e fundadora da
Associação Portuguesa de Estudos
Judaicos. É presidente e fundadora da
Associação Memória e Ensino do
Holocausto (MEMOSHOÁ), fundadora
do Museu Judaico de Lisboa (atualmente com a construção suspensa) e co-
fundadora do Fórum Abraâmico de Portugal para o diálogo inter-religioso, e
membro da Comissão Nacional de Liberdade Religiosa. Foi colunista do
jornal Público (2002 a 2011).
Esther Mucznik desde sempre de dedicou ao estudo das questões judaicas
e, assim, tem coordenado diversos cursos e seminários sobre a história e
cultura judaica e a liberdade religiosa. Publicou numerosos trabalhos sobre
estas temáticas, entre os quais o Dicionário do Judaísmo Português (co-
coordenação com Lúcia Liba Mucznik, José Alberto Tavim e Elvira Mea,
Editorial Presença, 2009), Grácia Nasi, A judia portuguesa do século XVI que
desafiou o seu próprio destino (2010), Portugueses no Holocausto (2012) e
Auschwitz, um dia de cada vez (2015).
Resumo da Obra

A obra apresenta os diversos acontecimentos ocorridos entre 1933 e


1945 na 2.ª Guerra Mundial, e foca-se essencialmente no campo de
Auschwitz, que contém em si todos os principais campos do universo
concentracionário alemão: campo de trabalho e concentração, campo de
prisioneiros de guerra e campo de extermínio. Este era o que melhor
espelhava a política racial nazi.
É demonstrada, neste livro, a incrível capacidade de sobrevivência do
ser humano e, ainda que se estivesse perante um dos mais terríveis
(senão o mais terrível) massacres de toda a história da humanidade, a
cada dia se lutava por sobreviver por mais que fosse angustiante e atroz
a existência em Auschwitz. “O campo de concentração de Auschwitz é
sinónimo do mal absoluto preconizado pelo nazismo” que faz entender
um mundo perverso e desumano. “Foi ali que judeus e ciganos serviram
de cobaias às diabólicas experiências médicas, que acima de um milhão
de seres humanos foram gaseados e que mais de 200 mil homens,
mulheres e crianças morreram de fome, frio e doença, de exaustão e
brutalidade, ou simplesmente de solidão e desesperança. No entanto
muitos presos resistiam à total desumanização esforçando-se por manter
alguma dignidade. Cuidar da higiene, ler, escrever, desenhar, ajudar
alguém a sobreviver ou até a morrer eram atos que atribuíam condição
humana a quem parecia ter desistido de viver.”
É nos dada a conhecer, nesta obra, verdadeiras atrocidades como os
massacres às crianças, as mulheres e os homens violentados em
bárbaras experiências médicas, a organização metódica do
funcionamento das câmaras de gás, o aproveitamento dos bens das
vítimas e, ainda, a transformação dos cadáveres em matérias-primas.
Estes crimes incluíam a utilização dos prisioneiros, nas condições
mais desumanas, no trabalho como escravos tanto na construção como
na indústria, sendo que os que não conseguiam manter o ritmo eram
simplesmente abatidos.
Todos estes acontecimentos são relatados através “daqueles que
sobreviveram para contar e manter viva a memória do horror da máquina
de morte nazi. Para que ninguém possa alguma vez esquecer.”

Análise da Obra

➢ Narrador
Narrador heterodiegético e subjetivo, uma vez que o mesmo revela a sua
perspetiva relativamente aos temas abordados.
Possui, ainda, uma focalização omnisciente, pois o narrador demonstra um
profundo conhecimento sobre os acontecimentos.
➢ Personagens
Neste caso, as “personagens” são as diversas vítimas e sobreviventes do
Holocausto, que relatam as suas histórias.
➢ Tempo
O período decorrente do relato de acontecimentos é de 1933 a 1945.
O tempo do discurso não corresponde ao período dos acontecimentos
relatados.
➢ Espaço
Campos nazis e guetos na Europa ocupada por Hitler.
➢ Ação
A ação principal corresponde aos diversos eventos relatados ao longo do
Holocausto.
A ação secundária diz respeito aos testemunhos dos sobreviventes que se
articulam com os acontecimentos envolventes e que, assim, permitem
caracterizar melhor o contexto ideológico e cultural em que a ação se insere.
➢ Estrutura
A obra está dividida em 16 capítulos relativos a diferentes temas e
acontecimentos, e apresenta, no final, a cronologia geral do complexo de
Auschwitz, o Glossário e Notas, para entendimento do leitor.
Babi Yar: a morte a tiro

“Na madrugada de 29 de setembro, vindos de todos os pontos da cidade,


os judeus de Kiev puseram-se em marcha em direção ao cemitério judaico.
Muitos pensavam que iriam ser transferidos para a província, mas alguns
compreendiam que Babi Yar significava a morte e, assim, escolheram o
suicídio. Esta procissão da morte durou três dias e três noites e à medida que
se aproximava da ravina de Babi Yar crescia o burburinho, à mistura com
lamentos e lágrimas. (…) Metodicamente divididas em grupos de trinta ou
quarenta, as pessoas eram levadas sob escolta ao “registo”. Documentos e
bens eram confiscados (…) Em seguida, os alemães obrigavam todas as
pessoas, mulheres, crianças e velhos, sem exceção, a despirem-se. As roupas
eram cuidadosamente reunidas e dobradas, as alianças arrancadas dos
dedos. No final desta espoliação sinistra, os algozes encaminhavam os grupos
de condenados para a borda
de uma imensa e profunda
ravina e disparavam à
queima-roupa. Os corpos
tombavam, as crianças eram
atiradas vivas para o
precipício.”

Em agosto de 1943, com a aproximação do Exército Soviético, os nazis


tentaram apagar os vestígios deste massacre.
Assim, enviaram os presos para escavar nas ravinas onde jaziam os
cadáveres:
“Os cavadores abriam as valas, expondo camadas de cadáveres de um
cinzento azulado, em decomposição; os corpos estavam tão comprimidos que
os seus membros se encontravam completamente emaranhados. Soltá-los uns
aos outros era uma tortura. O mau cheiro obrigava os alemães a tapar o nariz,
e alguns vomitavam. Os guardas sentavam-se na encosta da ravina, cada um
deles com uma garrafa de vodka pousada na areia; de vez em quando,
deitavam a mão à garrafa, e todos os alemães presentes se encontravam num
estado de embriaguez perpétua. Em seguida, os corpos eram queimados, e
mortos muitos dos presos que tinham feito esse trabalho.”

Reflexão

O título Auschwitz, um dia de cada vez remete, exatamente, para a luta pela
sobrevivência a cada dia que passava e a autora consegue a singularidade da
sua obra graças às impressões pessoais dela própria, aos depoimentos que
obteve dos sobreviventes, que passaram por todo este horror, e à forma como
estão organizados todos os textos e respetivos temas.
De facto, esta é uma obra notavelmente documentada, onde, muitas vezes,
os textos são acompanhados por imagens que ajudam o leitor a ter uma visão
real de tudo o que está a ler.
Contudo, no decorrer da leitura são revelados relatos duros de se ler,
porém necessários, uma vez que, sendo um tema tão falado, ainda há tanto
por entender e por refletir.
Sinceramente, quando iniciei a leitura estava com poucas expectativas por
ser exatamente um tema que já tantas vezes me tinha sido abordado, mas,
efetivamente, acabei a leitura do livro e fiquei chocada por ver, realmente,
até que ponto o ser humano consegue praticar atos tão desumanos,
causadores de um sofrimento intolerável nas vítimas e nos seus familiares.
Temos, portanto, uma importante obra de divulgação sobre o genocídio,
extorsão e torturas médicas que, para além de contribuir para o
reconhecimento da maior tragédia do século XX, pretende detetar os indícios
da terrível continuidade histórica que levou ao Holocausto.
Textos Criativos
Página de Diário de Leon Leyson

Narewka, 20 de abril de 1938


Querido diário,
Hoje, acordei com uma forte tempestade, a chuva caía intensamente e os
trovões pareciam antecipar o fim do mundo! O medo tomou conta de mim!
Decidi juntar-me aos meus irmãos, Tsalig e Hershel, eles também estavam
assustados, apenas não queriam mostrar porque são mais velhos e, desse
modo, queriam transmitir segurança. Permanecemos várias horas juntos, e
para passar o tempo, jogamos ao jogo do peão e, como sempre, eu perdi.
Na verdade, nunca fui muito hábil para todo o tipo de jogos e competições,
sempre fui tímido e nunca mantive muitas amizades porque parece que as
pessoas me desprezam sem razão. Todos os dias a minha rotina é igual, ajudo
os meus pais nas tarefas domésticas, brinco com os meus irmãos e quando
eles se cansam permaneço sozinho e, assim, tudo isto se repete a cada dia que
passa.
Leon
Texto Argumentativo

É certo que no decorrer da perseguição aos judeus, durante a 2.ª Guerra


Mundial, diversas foram as personalidades que, perante tal horror, se
dedicaram a fazer algo pelo bem da humanidade e, merecidamente, se
tornaram a real definição de heróis, com especial destaque para Oskar
Schindler, o herói improvável.
De facto, Oskar Schindler personifica a definição de heroísmo uma vez
que, integrando o Partido Nazi, utilizou toda a sua influência e meios de acesso
a informações para ajudar e salvar milhares de judeus, sem qualquer
hesitação ou medo de repreensões. Tal é visível quando o mesmo libertou
cerca de 700 judeus do campo de Gross-Rosen e outras 300 mulheres de
Auschwitz, negociando com os nazis as respetivas libertações.
Deste modo, a imagem de empresário extravagante, rodeado de ideais
nazis, encobriram a faceta verdadeiramente heróica de um homem com
compaixão e respeito pela vida humana, que deu aos judeus uma segunda
chance de vida e que gastou, inclusive, toda a sua fortuna na compra de
alimentos para as famílias judaicas, entre as quais a de Leon Leyson.
Em suma, Oskar Schindler, salvador de 1200 judeus perseguidos, é o
perfeito exemplo de um ser humano comum que, mesmo na pior das
circunstâncias, agiu de forma louvável e que, apesar de ter perdido toda a sua
riqueza, ganhou, certamente, a eterna gratidão dos sobreviventes.
Textos relativos ao tema

Holocausto antes de 1933


Primeira Guerra Mundial
Consequências:
• danos catastróficos a nível da propriedade e da indústria;
• morte/ferimento de dezenas de milhões de soldados e civis;
• depressão económica mundial.

28 de junho de 1914
• O assassinato do arquiduque Franz Ferdinand, em Sarajevo, precipita
o início da Primeira Guerra Mundial.

24 de abril de 1915
• Autoridades otomanas prendem líderes arménios em Constantinopla e
deportam-nos para a Ásia Menor, provocando, assim, o começo do
genocídio deste povo.
• Justificação: os revolucionários arménios tinham estabelecido contacto
com o inimigo e preparavam-se para facilitar um desembarque franco-
britânico, de onde as forças da Entente marchariam sobre
Constantinopla.

1 de julho de 1916
• Início da Batalha de Somme, em França.
• Ocorrência das maiores perdas de vida num único dia, respeitante ao
exército britânico.

7 de maio de 1919
• O Tratado de Versalhes é apresentado à delegação alemã.
• A Alemanha é forçada a conceder vastos territórios e colónias e a
assumir total responsabilidade da Guerra ficando limitada em tamanho
e armamentos.
• Este tratado representou uma das plataformas dos partidos radicais,
como o Nazi de Hitler, com promessas de rearmar e recuperar o
território alemão.

16 de setembro de 1919
• Comentário de Hitler sobre a “Questão Judaica”.
• Judeus: raça e não uma comunidade religiosa: “tuberculose racial do
povo”;
• Meta Inicial: governo alemão com uma legislação discriminatória
contra os judeus;
• Objetivo final: remoção definitiva dos judeus – desenvolvimento de
uma ideologia racista abrangente.

24 de fevereiro de 1920
• Plataforma do Partido Nazi
– Programa dos 25 pontos (declaração oficial dos objetivos do Partido)
– Intenções: segregar os judeus da sociedade “ariana” e revogar os direitos
dos mesmos (nenhum judeu pode ser cidadão).

8/9 de novembro de 1923


• Adolf Hitler e o Partido Nazi lideram uma tentativa de derrubar a
República de Weimar (“Putsch da Cervejaria”).
• Objetivos:
• tomar o controlo do governo, marchar sobre Berlim e derrubar o
governo federal alemão;
• estabelecer um novo governo onde a cidadania seja baseada na raça.

27 de fevereiro de 1925
• Hitler torna-se líder do Partido Nazi reestabelecido.
• Declara a reformulação do Partido Nazi (NSDAP) consigo mesmo como
líder (Führer), faz esta declaração na cervejaria onde liderou o golpe
contra o governo democraticamente eleito em 1923.
22 de julho de 1932
• Partido Nazi ganha 230 assentos nas eleições parlamentares alemãs,
tornando-se o maior partido representado.
• As modernas técnicas de propaganda ajudam a impulsionar Hitler a um
dos principais candidatos às eleições.

8 de novembro de 1932
• Franklin Roosevelt (1882-1945) é eleito o 32.º Presidente dos Estados
Unidos.
• Prioridades:
• colocar os americanos de volta ao trabalho;
• revitalizar a economia.

Holocausto de 1933 a 1938


30 de janeiro de 1933
• Hitler é nomeado chanceler alemão, tornando-se um regime em que os
cidadãos não tinham os direitos básicos garantidos;
• Com o nazismo acabou a democracia parlamentar alemã estabelecida
após a Primeira Guerra Mundial;
• No mesmo ano estabeleceu os primeiros campos de concentração,
prendendo oponentes políticos, gays, negros, Testemunhas de Jeová,
pessoas “perigosas”;
• Hitler é nomeado chanceler pelo presidente Paul Von Hindenburg.

27 de fevereiro de 1933
• Após o Incêndio no prédio do parlamento alemão (Reichstag);
• É emitido um decreto a fim de proteger o povo e o Reich;
• Apesar de não haver provas, são acusados os comunistas;
• É aprovado o decreto do “Fogo de Reichstag” que suspende os direitos
individuais e o devido processo legal;
• Passa a ser possível a detenção e encarceramento de opositores
políticos sem acusações específicas, dissolveu organizações políticas;
suprimir publicações.
• O decreto constituiu um avanço fundamental para o estabelecimento
de ditadura nazi.

22 de março de1933
• Primeiro campo de concentração em Dachau, para prisioneiros
políticos;
• Número de prisioneiros excedeu os 188.000;
• Neste campo e subcampos morreram 28.000 pessoas.

1 de abril de 1933
• 3 meses depois de chegar ao poder, o regime nazi boicota os
empresários judeus;
• O boicote marcou o início de uma campanha nacional levada a cabo
pelo partido nazi contra os judeus na Alemanha, que culminaria no
holocausto.

7 de abril de 1933
• O governo alemão emite a lei para a Restauração do Serviço Civil
Profissional, que excluí os judeus e outros oponentes políticos de todos
os cargos de serviço civil;
• A lei inicialmente isenta aqueles que trabalharam no serviço civil
desde 1914.

25 de abril de 1933
• O governo alemão emite a lei contra a superlotação nas escolas e
universidades, limitando drasticamente o número de estudantes
judeus;
• As escolas desempenhavam um papel importante na disseminação das
ideias nazi para jovens alemães;
• Os educadores ensinavam o amor por Hitler, a obediência à autoridade
do Estado, o militarismo, racismo e o antissemitismo;
• Os judeus começam a optar por frequentar escolares particulares.

10 de maio de 1933
• Os estudantes queimam mais de 25.000 livros “não alemães” na Praça
da Ópera de Berlim;
• Cerca de 40.000 pessoas reúnem-se para assistir ao discurso inflamado
de Joseph Goebbels;
• A destruição dos livros visa: purificar a literatura alemã de
estrangeiros, principalmente dos judeus; entre os autores cujas obras
foram queimadas, estava Helen Keller, uma americana cuja crença na
justiça social encorajava o direito de voto para as mulheres.

14 de julho de 1933
• O governo aprova a “Lei para a Prevenção de Progenitores com
Doenças Hereditárias”;
• É realizada a esterilização forçada de pessoas com deficiências.

17 de setembro de 1933
• As organizações judaicas alemãs estabelecem a Organização Central
dos Judeus Alemães;
• Representação dos interesses judeus;
• Resposta unificada à escala da perseguição nazi.
4 de outubro de 1933
• A lei dos editores proíbe não-arianos a trabalhar no jornalismo;
• São mantidos registos de editores e jornalistas racialmente puros;
• Excluía judeus e pessoas casadas com judeus.
24 de novembro de 1933
• O governo aprova uma lei que permite a prisão indefinida de
“criminosos habituais” quando considerados perigosos para a
sociedade;
• A lei prevê, ainda, a castração de criminosos sexuais.

30 de junho de 1934
• Hitler ordena a evacuação das principais lideranças da formação
paramilitar do partido nazi, a SA;
• A SS assassina o chefe de gabinete da SA, Ernest Rohm e os seus
principais comandantes;
• Os assassinatos de 30 de junho a 2 de julho ficaram conhecidos como
“O caso de Rohm” ou “A noite das facas longas”;

2 de agosto de 1934
• Morre o presidente alemão Paul Von Hindenburg;
• Hitler torna-se presidente da Alemanha;
• Mais tarde, Hitler abole o cargo de presidente e declara-se Führer do
Reich e do povo alemão.

19 de agosto de 1934
• Hitler torna-se ditador absoluto.

1 de maio de 1935
• O governo alemão proíbe as organizações de Testemunhas de Jeová,
que passaram a ser alvo de perseguição nazi.

28 de junho de 1935
• O ministério de justiça alemã revê os parágrafos 175 e 175A do código
penal, que facilita a perseguição sistemática de homens homossexuais.
Holocausto de 1933 a 1938
(documento 2, página 20 até ao fim)
15 de setembro de 1935
• O parlamento Alemão aprova as leis da raça de Nuremberga
• Pessoas com avós judeus e que se tinham convertido ao judaísmo eram
sujeitos a perseguições, devido à instituição destas leis

1 de agosto de 1936
• Berlim dá início aos Jogos Olímpicos do Verão.
• Estes constituem um sucesso de propaganda nazi (removeram os sinais
antijudaicos).
3 de agosto de 1936
• A vitória de Jesse Owens constitui um golpe no mito nazi da supremacia
‘’ariana’’.
• Os atletas afro-americanos conquistam 14 medalhas.

15 de julho de 1937
• Abertura do campo de concentração de Buchenwald para prisioneiros
do sexo masculino, no centro leste na Alemanha
• Em 1938, são enviados judeus, testemunhas de Jeová, criminosos, etc.

8 de novembro de 1937
• Exposição antissemita em Munique.

11 de março de 1938
• Invasão da Áustria por parte das tropas alemãs, gerando uma onda de
violência nas ruas e consequente anexação.

29 de maio de 1938
• Leis antijudaicas na Hungria

6 de julho de 1938
• Conferência de Evian
17 de agosto de 1938
• Obrigatoriedade de mudança do nome judeu e inserção de ‘’Israel’’
para os homens e inserção de ‘’Sara’’ para as mulheres

29 de setembro de 1938
• Acordo de Munique.

5 de outubro de 1938
• Ministério interior do Reich invalida todos os passaportes alemães
obtidos pelos judeus

9 de novembro de 1938
• Autoridades do partido nazi realizam uma onda de massacres violentos
contra os judeus em toda a Alemanha

12 de novembro de 1938
• Governo alemão emite um decreto sobre a eliminação dos judeus da
vida económica

2 de dezembro de 1938
• Desesperadamente, milhares de pais judeus mandam os seus filhos
desacompanhados para o exterior, na esperança deles encontrarem
refúgio da perseguição nazi.

1 de setembro de 1939
• Alemanha invade a Polónia;
• Autoridades alemãs confiscam as propriedades judaicas;
• Os judeus são obrigados a usar braçadeiras de identificação;
• Existência de guetos e campos de trabalho forçado;

30 de janeiro de 1939
• O Führer e chanceler do Reich, Adolf Hitler, confirma que o início de
uma guerra seria o fim dos judeus;
• Os nazis ordenam boicotes antijudaicos, encenaram queimadas, e
divulgam leis contra judeus;

1 de setembro de 1939
• As forças alemãs rompem as defesas polacas ao longo da fronteira;
• Inicio da II Guerra Mundial na Europa- Invasão da Polónia
• Centenas de milhares de refugiados, judeus e não judeus, protegem
esperando uma ação do exército polaco, porém, rendem devido aos
bombardeios;

3 de setembro de 1939
• Grã-Bretanha e França declaram guerra à Polónia age conforme as leis
alemãs relativamente aos judeus;

20 de maio de 1940
• As autoridades da SS estabelecem o campo de Auschwitz;
• O complexo incluía três campos principais, todos com prisioneiros
para trabalhos forçados;

15 de novembro de 1940
• Autoridades alemãs ordenam que o gueto de Varsóvia seja selado;

3 de março de 1941
• Gueto de Cracóvia

22 de junho de 1941
• Alemanha invade a União Soviética para a “Operação Barbarrosa”

10 de julho de 1941
• Judeus reúnem-se e formam grupos de resistência;
15 de agosto de 1941
• Os judeus criam arquivos clandestinos onde escrevem as suas
esperanças e medos;
20 de agosto de 1941
• Grupo de Diancy, as autoridades alemãs dão início a um campo de
concentração de prisioneiros e passagem para os judeus.

Holocausto
24 de agosto 1941
• Hitler ordena o fim dos assassinatos de “eutanásia”, como respeito ao
protesto público do arcebispo católico “Clemens Galen”.
• Até essa data haviam sido mortos 70000 pessoas.
• As mortes continuam a realizar-se, mas de forma discreta.

1 de setembro 1941
• Todos os judeus com idade superior de 6 anos no Reich, na Alsácia, na
Boémia-Morávia e no território anexado à Alemanha na Polónia
Ocidental terão de usar estrelas amarelas de David nas suas roupas
com a palavra “Judeu” escrita.
• Esse distintivo não tinha só como objetivo condenar e humilhar os
judeus, mas também vigiar e controlar os seus movimentos, e para se
preparar para a deportação.

19 de setembro 1941
• As forças alemãs entram em Kiev após 3 meses do ataque inicial
alemão.
• As unidades SS e da polícia alemã e os seus auxiliares assassinam a
população judaica de Kiev em Babi Xar.
• Estima-se que cerca de 100000 pessoas foram assassinadas em Babi
Xar, um dos maiores assassinatos em massa num local individual
durante a segunda guerra mundial.
15 de outubro 1941
• Até outubro de 1942 as autoridades alemãs deportam cerca de 183000
judeus alemães, austríacos e checos para guetos, centros de
extermínio e locais de morte nas Estado Bálticos, na Bielorrússia, no
Generalgouvernement, e Gueto de Lodz.
• A rede ferroviária europeia desempenhou um papel crucial na
implementação da Solução Final, visto que os judeus eram deportados
por via férrea para campos de extermínio da Polónia.
• Heinrich Himmler encarregou o líder da SS e da polícia no distrito de
Lublin, General Odilo Globocnik, da implementação da “Operação
Reinhard”
• Morreram 1,7 milhões de judeus, dos campos de extermínio da Belzea,
Sobiban e Treblinka.

16 de outubro 1941
• O brigadeiro-general da SS Walther Stahlecker documentou no seu
relatório a morte de mais de 220.000 judeus.
• Esse relatório foi apresentado como prova de atrocidades nazis no
julgamento de crimes de guerra de Nuremberga, após a guerra.

29 de outubro 1941
• As unidades da SS e da polícia alemã assassinaram 9.200 residentes do
gueto judeu em Kovno, na Lituânia.

24 de novembro 1941
• Autoridades alemãs estabelecem o gueto do campo Theresienstadt.
• Instalação única, funcionou como tendo uma importante função de
propaganda para os alemães.

7 de dezembro 1941
• O Japão lança um ataque surpresa à frota do Pacífico dos Estados
Unidos em Pearl Harbor, no Havai.
• O ataque impede a interferência americana nas operações militares
japonesas.
• Após o ataque, os Estados Unidos declaram guerra ao Japão, e mais
tarde à Alemanha.

8 de dezembro 1941
• O presidente Franklin D. Roosevelt pede ao Congresso dos EUA que
declare guerra ao Japão, após o ataque surpresa do dia anterior a Pearl
Harbor.
• As operações de morte começaram no centro de extermínio de
Chelmno, localizado a 48km a noroeste de Lodz.
• Este centro serviu para aniquilar a população judaica da Wartheland,
incluindo os habitantes do gueto de Lodz
• Foi a primeira instalação onde o gás venenoso foi usado para assassinar
judeus.
• O centro encerrou em julho de 1944.

Holocausto
• Em 16 de janeiro as Autoridades Alemãs iniciam a deportação de Judeus
e Ciganos para Chelmno;
• Entre janeiro de 1492 e março de 1943 são mortos 145.00 Judeus e alguns
milhares de ciganos;
• A 20 de Janeiro de 1942 é convocada uma conferência denominada de
conferência de Wannsee, onde são apresentados os planos para
coordenar uma solução final da questão judaica, nome dado como a
aniquilação sistemática deliberada e física dos Judeus Europeus;
• A 1 de março de 1942 é aberto o campo de Concentração de Auschwitz-
Birkenau Auschwitz II;
• A 27 de março é assassinado Reinharh Heydrich de Serviço de Segurança
e governador Nazi;
• A 9 de junho as forças Alemãs atacam uma aldeia checa para vingar a
morte de Reinharard;
• A 28 junho as forças Alemãs atacam a União Soviética, mas não são
derrotados;
• A 15 de julho de 1942 começaram a ser deportados Judeus Holandeses
para centros de extermínio na Alemanha e Polónia. Os comboios
transportaram mais de 100.000 pessoas;
• A 23 de julho de 1942 é iniciado o uso de gás no extermínio, sendo que,
entre julho de 1942 e novembro de 1943 foram mortos 925.000 judeus em
Tublinka;
• A 25 de agosto de 1942 George Mandle emite milhares de documentos de
cidadania salvadorenha para refugiados judeus na Europa ocupada pelos
Nazis;
• A 2 de fevereiro de 1943 Alemanha é derrotada em Estalinegrado;
• A 13 de março é destruído o gueto de Cracóvia indo os judeus
maioritariamente para Auschwitz-Birkenau;
• Entre abril e maio de 1943 assiste-se á revolta no Campo De Varsóvia;
• A 5 de setembro de 1942 judeus escondidos e os seus protetores
arriscavam severa punição se fossem capturados, na qual, a pena de
morte;
• A 20 de setembro de 1943 cerca de 7.200 judeus dinamarqueses fugiram
com a ajuda do movimento de resistência dinamarquês;
• A 14 de outubro de 1943 prisioneiros judeus começam uma revolta
armada em Sabibor com cerca de 300 fugas;
• A 26 de outubro de 1942 os alemães começam a reunir judeus na Noruega
acabando assim por deportar aproximadamente 770 judeus noruegueses
para centros de extermínio e campos de concentração.

Holocausto
28 de dezembro de 1943
• Josef e Amilia Kohout escrevem uma carta ao comandante de
Flossenbürg, com o intuito de visitar o seu filho preso por ser
homossexual.
16 de janeiro de 1944
• Encontro entre o Presidente Franklin D. Roosevelt e o Secretário do
Tesouro Henry Morgenthau Jr. sobre o resgate de judeus da Europa;
• O último tornou-se assim num dos principais defensores do
estabelecimento da Junta dos Refugiados de Guerra, uma vez que
ajudou a salvar a vida de cerca de 200 mil judeus que, na altura, ainda
permaneciam na Europa controlada pelos alemães.

22 de janeiro de 1944
• O presidente dos Estados Unidos, Franklin D. Roosevelt, expediu uma
Ordem Executiva, criando assim o WRF (War Refugee Board - Junta de
Refugiados de Guerra) que permitiu:
➢ executar medidas para resgatar as vítimas da opressão inimiga em
perigo de morte;
➢ salvar dezenas de milhares de judeus, aproximadamente 200.000, da
deportação e de morte.

19 de março de 1944
• Após a ocupação alemã da Hungria, o almirante húngaro Miklos Horthy
foi autorizado a permanecer como regente, porém o primeiro-ministro
Miklos Kallay foi demitido e substituído pelo General Dome Sztojay,
que anteriormente serviu como ministro húngaro em Berlim;
• Sztojay comprometeu a Hungria a continuar o esforço de guerra e
cooperou com os alemães na deportação dos judeus húngaros;

15 de maio de 1944
• Os oficiais da polícia húngara deportaram aproximadamente 440.000
judeus da Hungria, matando a maioria deles em câmaras de gás.
• Em 15 e 18 de maio de 1944, as autoridades alemãs deportaram 7.003
judeus alemães de Theresienstadt para Auschwitz-Birkenau, com o
intuito de "afinar" a população judaica de Theresienstadt, para a visita
de representantes da Cruz Vermelha Internacional e da Cruz Vermelha
dinamarquesa.
• Na chegada a Auschwitz-Birkenau, os prisioneiros desses transportes
foram encarcerados num “campo da família Theresienstadt”
em Birkenau.

6 de junho de 1944
• As tropas dos EUA, britânicas e canadenses, cerca de 850 mil soldados,
atracaram nas praias da Normandia, na França, na costa do Canal da
Mancha, a leste de Cherbourg e a oeste de Le Havre;
• A invasão ficou conhecida como “Dia D” e foi uma das operações
militares mais importantes para o sucesso dos aliados ocidentais
durante a Segunda Guerra Mundial.

18 de junho de 1944
• Relatório realizado por dois prisioneiros judeus eslovacos que
escaparam de Auschwitz em 7 de abril de 1944
• Este torna-se depois público em todo o mundo através dos canais de
média na Suíça.

9 de julho de 1944
• Raoul Wallenberg chega a Budapeste como primeiro secretário da
legação sueca na Hungria e com financiamento do Conselho de
Refugiados de Guerra dos EUA;
• Juntaram-se a ele outras legações, incluindo a suíça, a turca, a italiana
e várias legações latino-americanas;
• Wallenberg protegeu dezenas de milhares de judeus ameaçados pelos
planos alemães e húngaros de deportá-los de Budapeste para
Auschwitz-Birkenau.

11 de julho de 1944
• Michael Kraus, sobrevivente do Holocausto, relata no seu diário, as
atrocidades a que assistiu, descrevendo Birkenau como o túmulo de 5
milhões de vítimas.
20 de julho de 1944
• Oficiais militares alemães tentam assassinar Adolf Hitler na sua sede na
Prússia Oriental em Rastenburg.

23 de julho 1944
• As tropas soviéticas libertam o campo de concentração de Lublin
(Majdanek);
• Apesar de terem evacuado a maioria dos prisioneiros para o oeste para
fugir do avanço do exército soviético, as autoridades do campo das SS
não conseguiram destruir o campo e as evidências de assassinato em
massa.

1 de agosto de 1944
• O Exército Nacional do Exército polaco colocou-se contra os alemães
para a libertação de Varsóvia, porém estes foram derrotados e os
combatentes do Exército da Casa apesar de serem capturados como
prisioneiros de guerra foram enviados para os campos de
concentração.

2 de agosto de 1944
• A SS líquida o acampamento da família cigana BIIe em Auschwitz-
Birkenau, transportando-os depois para as câmaras de gás onde foram
mortos.

9 de agosto de 1944
• As SS e unidades policiais deportam mais de 60.000 judeus e um
número indeterminado de ciganos para o centro de extermínio de
Auschwitz-Birkenau.

7 de outubro de 1944
• Os prisioneiros designados para o crematório IV no centro de
extermínio de Auschwitz--Birkenau revoltam-se depois de saberem
que seriam mortos;
• Após terem conhecimento desse facto, os líderes do Sonderkommando
(prisioneiros judeus destacados para remover cadáveres das câmaras
de gás e queimá-los) planearam destruir as câmaras de gás e os
crematórios e mostrar a revolta a esta decisão.

23 de novembro de 1944
• As tropas dos EUA libertam o campo de concentração de Natzweiler-
Struthof.

25 de novembro de 1944
• Devido à aproximação das forças o chefe da SS, Heinrich Himmler,
ordenou a destruição das câmaras de gás e dos crematórios de
Auschwitz-Birkenau.

Holocausto
11 de dezembro de 1944
• Último gaseamento de presos em Hartheim;
• Morte de cerca de 30000 indivíduos entre 1940 e 1944.

17 de janeiro de 1945
• Evacuação de Auschwitz;
• Aproximação das forças soviéticas;
• Milhares de prisioneiros marcham até Gliwice;
• Marchas da morte (quem não conseguisse acompanhar o grupo era
abatido.

27 de janeiro de 1945
• Entrada das tropas soviéticas em Auschwitz- Birkenau e Monowitz;
• Libertação de 7000 prisioneiros, muitos dos quais doentes e a morrer.

4 de fevereiro de 1945
• Discussão da ordem de pós-guerra na Europa por Winston S. Churchill,
Franklin D. Roosevelt e Joshep Stalin, em Yalta;
• Desnazificação completa da Alemanha e a divisão do país;
• União Soviética junta-se à guerra contra o Japão.

13 de fevereiro de 1945
• Libertação do campo de concentração de Gross-Rosen;
• Cerca de 120000 prisioneiros passaram pelo sistema de Gross-Rosen;
• 40000 morreram durante a evacuação;
• Rendição das unidades alemãs e húngaras.

Abril de 1945
• Perto de Leipzig, os exércitos soviéticos encontram as tropas americanas.

Março e abril de 1945


• A 9ª divisão Blindada dirige-se para o coração da Alemanha liderando o
ataque do 1º exército.

18 de abril de 1945
• Massacre de Leipzig. A 9ª divisão Blindada cerca a cidade, mas os
guardas da SS atiraram nos prisioneiros que tentaram fugir, assassinando
cerca de 90.

7 de março de 1945
• A ponte ferroviária Ludendorff em Ramagen entre Koblenz e Bonn,
Alemanha, é capturada pelas tropas da 9ª divisão Blindada dos EUA.

2 de abril de 1945
• Acevedo, prisioneiro de guerra, enquanto médico, cuidou dos seus
companheiros de prisão e registou num diário aqueles que morriam.

4 de abril de 1945
• O 1º campo nazi libertado pelas tropas dos EUA foi Ohrdruf, subcampo
do campo de concentração de Buchenwald.
11 de abril de 1945
• As tropas americanas descobrem e libertam os prisioneiros do:
- Campo de concentração de Dora-Mittelbau;
- Campo de concentração de Buchenwald.

12 de abril de 1945
• Libertação de 876 prisioneiros de campo de Westerbork, na Holanda,
pelos canadianos.

13 de abril de 1945
• Otto Wolf, um adolescente judeu checo, narra a experiência da sua
família, que viveu escondida na Morávia rural, durante a 2ª Guerra
Mundial;
• Otto morreu a 20 de abril;
• Felicitas, sua irmã, continuou o seu diário, doado em 1995 ao Museu do
Holocausto dos EUA.

15 de abril de 1945
• O campo de concentração de Bergen-Belsen é libertado pelo 63º
Regimento Antitanque e a 11ª divisão Blindada do exército britânico;
• Os soldados encontram um cenário sub-humano, para o qual não
estavam preparados.

20 de abril de 1945
• Libertação dos prisioneiros do campo de concentração de
Sachsenhausen, pelas tropas soviéticas.

Holocausto
Forças dos EUA libertam Flossenbürg
23 de abril de 1945
• Libertação do campo de Flossenbürg, pelos americanos
• Aí, encontravam-se apenas os prisioneiros que não podiam andar
• Nas marchas de monte de Flossenbürg para Dachau, morreram cerca
de 7000 pessoas

Tropas soviéticas e americanas encontram-se em Torgau, na Alemanha


25 de abril de 1945
• As forças soviéticas cercam a capital alemã
• As forças soviéticas e americanas unem-se e derrotam as forças
armadas alemãs – é proclamada vitória

Libertação de Dachau
29 de abril de 1945
• Os exércitos dos EUA libertam 32000 prisioneiros de Dachau

Libertação de Ravensbrück
30 de abril
• Ravensbruck e os seus subcampos abrigavam mais de 45000
prisioneiras e 5000 prisioneiros
• As SS transportaram cerca de 5600 prisioneiros para os campos em
Mauthausen e Bergen-Belsen
• Em abril, as SS forçaram uma evacuação brutal e forçada a pé em
direção ao Norte de Mecklenberg
• As forças soviéticas libertam as prisioneiras
• As forças soviéticas aproximavam-se do centro de Berlim e Adolf Hitler
comete suicídio

4 de maio de 1945
• O campo de Gunskirchen, na Áustria, recebeu milhares de prisioneiros
evacuados de Mauthausen.
• As doenças rapidamente se espalhavam pela população enfraquecida
do campo
Forças britânicas chegam a Neuengamme
4 de maio de 1945
• Chagada das forças britânicas a Neuengamme
• Rendição das forças armadas alemãs

Libertação de Mauthasen
5 de maio de 1945
• Forças aliadas e soviéticas avançam para a Alemanha
• As SS evacuam os campos de Mauthasen

Rendição alemã
7 de maio de 1945
• As forças armadas alemãs rendem-se

4 de junho de 1945
• O Conde G. Harrison, ex-Comissário de Imigração e Naturalização,
visita os campos de pessoas deslocadas
• o Departamento de Estado providencia para que Harrison realize um
inquérito sobre as necessidades atuais e futuras de pessoas deslocadas

Crianças sobreviventes chegam à Inglaterra


15 de agosto de 1945
• Apoio às crianças sobreviventes do holocausto, por parte do governo
britânico
• Alice Goldberg, uma agente humanitária na Inglaterra recebe algumas
das crianças sobreviventes
• Alice administrou uma casa para as crianças e cuidou delas até ao final
dos anos 50

Rendição do Japão
2 de setembro de 1945
• Rendição do Japão
• Fim oficial da II Guerra Mundial
• Representantes de todas as nações aliadas participam na assinatura de
paz

20 de novembro de 1945
• Representantes das nações aliadas vitoriosas reúnem-se para a
formação de um Tribunal Militar Internacional

21 de novembro de 1945
• Formação de um Tribunal Militar Internacional
• Início do julgamento contra os 21 principais líderes alemães Nazis
acusados de crimes contra a paz, crimes de guerra e contra a
humanidade
• Primeira vez na história em que um tribunal internacional processou
propagandistas pelo seu papel na prática de tais crimes

29 de novembro de 1945
• O Ministério Público do Tribunal Militar Internacional apresenta um
filme intitulado de “Os campos de concentração Nazis”
• O holocausto é trazido para tribunal

1 de dezembro de 1945
• Criação da UNRRA (Administração de Assistência e Reabilitação
das Nações Unidas) cuja missão é fornecer assistência económica às
nações europeias após a Segunda Guerra Mundial

11 de dezembro de 1945
• O filme "O Plano Nazi" é apresentado como prova no Tribunal Militar
Internacional que foi compilado para o julgamento.

22 de dezembro de 1945
• O presidente dos EUA emite uma diretiva que dá preferência a pessoas
deslocadas.
Bibliografia

https://www.fnac.pt/Auschwitz-um-Dia-de-Cada-Vez-Esther-

Mucznik/a853016

http://esferadoslivros.pt/produto/auschwitz-um-dia-de-cada-vez/

https://www.rtp.pt/antena2/livros/auschwitz-um-dia-de-cada-vez_3099

https://www.jornaltornado.pt/auschwitz-leitura-necessaria/