Вы находитесь на странице: 1из 365

Fundamentos terapéuticos e indicaciones

Não é permitida a reprodução total ou parcial deste livro, nem o processamento


informático, nem a transmissão de qualquer forma ou por qualquer meio, eletrônico,
mecânico, por fotocópia, por registro ou outros métodos, sem a prévia autorização por
escrito dos proprietários da Copyright
DIREITOS reservados © 2011, em relação à primeira edição em espanhol, por
AEPROMO C. Santa Isabel, 51, caixa 46. Associação Médica de Madri
28012 Madrid Espanha
www.aepromo.org
info@aepromo.org
ISBN: 978-84-615-2244-6
Depósito legal: M.
Edição completa: www.gaap.es
Cobertura e design de interiores: www.luis-sanz.es
Impresso por: Villena, Graphic Arts
IMPRESSO EM ESPANHA - IMPRIMIDO EM ESPANHA

Autores
Adriana Schwartz, M.D.
Claudia Nikolaevna Kontorschikova, M.D., Ph.D.
Oleg Viktorovich Malesnikov, M.D., Ph.D.
Gregorio Martínez Sánchez, Dr., Ph.D.
Lambert Re, M.D., Ph.D.
Irina Avenerovna Gribkova, M.D.
Coautores
Mirta Copello, M.D.
Genaddy O. Grechkanev, M.D., Ph.D.
Fernando Kirchner, M.D.
Tradutores
Adriana Schwartz, M.D.
Gastón Juan Mora de la Cruz, M.D.
Revisores
Adriana Schwartz, M.D.
Gregorio Martínez Sánchez, Dr.,
Índice de conteúdos
História, agradecimentos e agradecimentos ................................................... .......... xi
Abreviaturas ................................................. .................................................. ......... xiii
Prefácio ................................................. ................................................... ................ xv

Parte I. FUNDAMENTOS DE OZONOTERAPIA .............................................. 1

Capítulo 1. Aspectos gerais e físico-químicos do ozônio ....................................... 3

1.1. Análise histórica da ozonoterapia ....................................................................... 3


1.2. Ozônio na natureza ............................................. ............................................... 5
1.3. Propriedades físico-químicas do ozônio ............................................................. 7
1.3.1. Solubilidade do ozônio e sua estabilidade em soluções aquosas ..................... 8
1.3.2. Decomposição do período de ozônio e meio de decomposição ....................... 8
1.4. Formas de obtenção de ozônio ............................................. .............................. 11
1.5. Ocupação médica ............................................... ................................................ 11

Capítulo 2. Reatividade do ozônio ............................................................... ......... 13

2.1. Introdução ................................................. ...................................................... .. 13


Índice de conteúdos
v
vi • Conteúdo de países em desenvolvimento
2.2. Oxidante natureza do ozônio .............................................. ............................... 15
2.2.1. Reação de ozônio com compostos orgânicos não saturados ............................ 16
2.2.2. Reação de ozônio com compostos orgânicos saturados ................................... 19
2.2.3. Reação de ozônio com compostos de nitrogênio .............................................. 21
2.2.4. Reação do ozônio com compostos de enxofre .................................................. 21
2.3. A água ozonizada ............................................... ................................................. 22
2.3.1. Aspectos gerais................................................ ................................................. 22
2.3.2. Tratamento da água potável com ozônio ......................................................... 25
2.3.2.1. Principais efeitos da ozonização de beber água ......................... .................. 25
2.4. Óleos vegetais ozonizados ....................................................... .......................... 27
2.4.1. Preparação do óleo ............................................... ........................................... 29
2.4.2. Estabilidade dos óleos vegetais ozonizados ..................................................... 31
2.4.3. Uso de óleos ozonados como germicidas ......................................................... 31
2.5. Ozonização de soluções fisiológicas para infusões intravenosas ........................ 32
2.6. Reação de ozônio com fluidos biológicos ........................................................... 35
2.7. Ozônio no metabolismo do oxigênio ....................................................... .......... 36

Capítulo 3. Mecanismos básicos para uso clínico de ozonoterapia ......... ........... 39

3.1. Ação bactericida, virucida e fungicida do ozônio .............................................. 40


3.2. Ativação metabólica ............................................... ........................................... 44
3.3. Modulador de estresse oxidativo ............................................... ........................ 50
3.4. Efeito anti-inflamatório do ozônio ................................................. .................... 57
3.5. Efeito analgésico do ozônio .............................................. ................................. 57
3.6. Efeito desintoxicante do ozônio .................................................. ........................ 57
3.7. Regulamentação imunológica pelo ozônio ............................................ ............. 58
3.8. Efeito na síntese de mediadores hormonais ......................................................... 63
3.9. Regulador metabólico ............................................... .......................................... 64
3.10. Efeito do ozônio dependente da dose ......................................................... ....... 65

Capítulo 4. Rotas de administração e contra-indicações de ozonoterapia ........ 67

4.1. Formas e métodos de aplicação de produtos ozonizados ................................... 67


4.2. Administração de misturas de gases de ozônio e oxigênio ................................. 68
4.2.1. Insuflação rectal de misturas de ozônio e oxigênio .......................................... 69
4.2.2. Auto-hemoterapia menor com mistura de ozônio e oxigênio ........................... 70
4.2.3. Auto-hemoterapia principal com mistura de ozônio e oxigênio ....................... 70
4.2.4. Gasificação em saco de plástico ............................................................... ........ 72
4.3. Contra-indicações e avaliação dos resultados da terapia de ozônio ..................... 73
4.4. Complicações da terapia com ozônio ....................................................................74

Índice • vii

Parte II APLICAÇÕES DE OZONOTERAPIA POR ESPECIALIDADES ..... 75

Capítulo 5. Terapia de ozônio em doenças cardiovasculares ............................... 77

5.1. Aterosclerose ................................................. ...................................................... 77


5.2. Doença cardíaca isquêmica, angina de peito, Arritmias, cardioesclerose
aterosclerótica ..................................................................................................... ....... 81
5.3. Hipertensão arterial...................................................... ........................................ 87
5.4. Aterosclerose obliterante dos vasos das extremidades inferiores ........................ 91

Capítulo 6. Terapia de ozônio em doenças tecido musculoesquelético


e conjuntivo ............................................................................................................... 97

6.1. Artrite reumatóide................................................ ................................................ 97


6.2. Osteomielite de ossos longos tubulares ......................................................... ... 101
6.3. Suplementar artrite ............................................... ............................................ 102
6.4. Artrose ................................................. .................................................. .......... 103

Capítulo 7. Terapia com ozônio em doenças endócrino e metabólico ............... 105

7.1. Diabetes mellitus ............................................... ............................................... 105

Capítulo 8. Bronquite crônica ........................................ ..................................... 115

8.1. Bronquite crônica ............................................... .............................................. 115


8.1.1. Bronquite não obstrutiva ................................................................................ 118
8.1.2. Bronquite obstrutiva .............................................................. ........................ 119
8.1.3. Resultados obtidos................................................ .......................................... 119
8.2. Asma brônquica ............................................... ................................................. 120

Capítulo 9. Terapia de ozônio em distúrbios hepáticos, rim e gastrointestinais 127

9.1. Pyelonefrite ................................................. .................................................. .. 127


9.2. Gastrite crônica ............................................... ................................................. 129
9.2.1. Gastrite crônica, em sua forma antral, tipo B ................................................ 131
9.2.2. Gastrite crônica, em sua forma difusa, tipo B ............................................... 132
9.3. Doença ulcerativa ............................................... ............................................. 133
9.3.1. Úlcera gástrica .................................................................................. ............ 136
9.3.2. Úlcera duodenal ................................................................................... ......... 137
9.4. Colite crônica não ulcerativa ......................................... .................................. 141
9,5 Hepatite crônica ............................................... ................................................. 144

viii • índice de conteúdo

Capítulo 10. Ozonoterapia em cirurgia ........................................................... ... 151

10.1. Tratamento da peritonite .............................................. .................................. 151


10.1.1. Peritonite Difusa ............................................... .......................................... 151
10.1.2. Peritonite local ............................................... ............................................. 154

Capítulo 11. Terapia de ozônio em ginecologia e obstetrícia ............................ 157

11.1. Ginecologia ................................................. .................................................... 157


11.1.1. Doenças inflamatórias dos órgãos pélvicos
(adnexite, endometrite, parametrite, pelviperitonite) ............................................... 157
11.1.2. Doenças inflamatórias da parte inferior
do trato genital (vulvite, vaginose bacteriana) ......................................................... 160
11.1.3. Crauris vulvar ............................................... ............................................... 162
11.2. Obstetrícia ................................................. ................................................... .. 163
11.2.1. Ameaça de parto prematuro, toxicosis precoce ............................................ 163
11.2.2. Obesidade da gravidez .............................................................. ................... 165
11.2.3. Gestosis ....................................................................... ................................. 166
11.2.4. Anemia em mulheres grávidas ........................................................ ............. 167
11.2.5. Insuficiência Fetoplacentária ............................................................ ........... 168
11.2.6. Infecção intra-uterina .................................................................................... 169

Capítulo 12. Terapia de ozônio em neurologia ..................................................... 171

12.1. Formas crônicas de insuficiências cerebrovasculares


(encefalopatia devido a distúrbios circulatórios) ................................................. ..... 171
12.2. Síndrome da distonia vegetativa .................................................................. ... 174
12.3. Manifestações neurológicas da osteocondrose da espinha ...............................175
12.4. Enxaqueca, dor de cabeça ...................................... ......................................... 178
12.5. Mononeuropaturas isquêmicas e de compressão e polineuropatias ................ 179
12.6. Distúrbios da circulação sanguínea cerebral
para infartos cerebrais isquêmicos ........................................................... ................ 181

Capítulo 13. Ozonoterapia em dermatologia e cosmetologia .............................. 183

13.1. Dermatologia ................................................. .................................................. 183


13.1.1. Neurodermatite, eczema, dermatite atópica .................................................. 184
13.1.2. Acne ................................................. ............................................................ 185
13.1.3. Pioderma ................................................. ..................................................... 186
13.1.4. Formas ulcerativas de vasculite cutânea ....................................................... 187
13.1.5. Infecção com vírus herpes ........................................................................ ... 188
13.1.6. Psoríase ................................................. ....................................................... 190
13.1.7. Micosis ................................................. ........................................................ 193
Índice • ix
13.1.8. Feridas em tecidos macios ............................................................................ 194
13.1.9. Úlceras e escaras tróficas .......................................................... .................. 196
13.2. Cosmetologia ................................................. ................................................ 198
13.2.1. Celulite ................................................. ...................................................... 198
13.2.2. Pele no processo de envelhecimento, rugas ................................................ 200
13.2.3. Alopecia ................................................. ..................................................... 200

Capítulo 14. Terapia com ozônio em oftalmologia ............................................. 203

14.1. Métodos de ozonoterapia local em oftalmologia ............................................. 203


14.1.1. Ventilação ocular com uma mistura de ozônio e oxigênio ........................... 203
14.1.2. Administração subconjuntival de uma mistura
de ozônio e oxigênio .............................................. ................................................... 204
14.1.3. Administração subcutânea orbital
de uma mistura de ozônio e oxigênio .................................................................. .... 204
14.1.4. Irrigação da bolsa conjuntival com uma solução
ozonizado fisiológico ............................................... ................................................ 204
14.1.5. Lavando as formas lacrimais com uma solução
ozonizado fisiológico ............................................... ................................................ 204
14.1.6. Administração Parabulbar e retrobulbar
de uma solução fisiológica ozonizada ...................................................................... 205
14.1.7. Aplicações na conjuntiva e nos tecidos oculares
com óleo ozonizado .................................................................................................. 205
14.2. Terapia de ozônio em doenças oftalmológicas específicas ............................. 205
14.2.1. Doenças inflamatórias das pálpebras ............................................................ 205
14.2.1.1. Blefarite ................................................. ................................................... 205
14.2.1.2. Stye, chalazion ou cisto de Meibomian ..................................................... 206
14.2.2. Conjuntivite ................................................. ................................................ 206
14.2.3. Doenças do aparelho lacrimal ...................................................................... 207
14.2.4. Doenças da córnea .............................................. ......................................... 208
14.2.5. Doenças da esclerótica ............................................................................. ... 210
14.2.6. Doenças das tripas vasculares ...................................................................... 210
14.2.7. Doenças da retina ........................................................................ ................ 211
14.2.8. Doenças do nervo óptico ...................................................................... ....... 217
14.2.9. Alterações da pressão intra-ocular ............................................................... 218
Capítulo 15. Terapia de ozônio em otorrinolaringologia .................................. 223

15.1. Otite externa difusa ............................................... ......................................... 223


15.2. Purulenta de otite média ................................................................................. 224
15.3. Surdez neurosensorial .................................................. .................................. 227
15.4. Rinite ................................................. .................................................. .......... 228
15.4.1. Rinite aguda ............................................... ................................................. 228

x • Índice de conteúdos

15.4.2. Rinite crônica ........................................................................................... ... 228


15.4.3. Rinite vasomotora crônica ............................................................ ............... 229
15.5. Sinusite ................................................. .................................................. ....... 230
15.6. Amigdalite ................................................. ..................................................... 232

Capítulo 16. Terapia com ozônio em estomatologia ........................................... 235

16.1. Doenças periodontais ................................................................ ...................... 235


16.1.1. Gengivite ................................................. .................................................... 236
16.1.2. Periodontite ................................................. ................................................. 237
16.1.3. Periodontosis ................................................. .............................................. 238

Capítulo 17. Terapia com ozônio em oncologia ................................................... 239

Capítulo 18. Terapia de ozônio em geriatria ....................................................... 247

Capítulo 19. Terapia de ozônio em traumatologia .............................................. 253

19.1. Introdução e revisão histórica ................................................... ..................... 253


19.2. Generalidades ................................................. ................................................ 254
19.3. Vantagens da terapia com ozônio ..................................... .............................. 255
19.4. Técnicas para a coluna vertebral .................................................... ................. 256
19.4.1 Coluna lombar ............................................. .................................................. 256
19.4.2. Coluna cervical................................................ ............................................. 264
19.5. Articulações, tendões e ligamentos. Generalidades ........................................ 268
19.5.1. Técnicas de aplicação para o ombro ............................................................ 268
19.5.2. Técnicas de aplicação para a articulação acromioclavicular................. ....... 270
19.5.3. Técnicas de aplicação para o cotovelo ...................................................... ... 272
19.5.4. Técnicas de aplicação para o pulso ............................................................... 273
19.5.5. Técnicas de aplicação no joelho ................................................................ ... 274
19.5.6. Técnicas de aplicação no quadril .............................................................. ... 279
19.5.7. Tornozelo ................................................. .................................................... 280

Bibliografia ................................................. ............................................................. 283


Índice analítico ............................................... .......................................................... 309
História, reconhecimentos e reconhecimentos

História, reconhecimentos e reconhecimentos


A professora e a Dra. Claudia Kontorschikova, e o professor e o doutor Oleg V.
Malesnikov,
membros da Academia de Medicina de Nizhny Novgorod, Rússia, publicados em
O russo «Manual de terapia do ozônio» (2008). Seguindo a proposta do Presidente da
Associação
Profissionais médicos espanhóis em terapia de ozônio (AEPROMO), em dezembro
2009, para que sua publicação possa ser amplamente conhecida no exterior, eles aceitaram
gentilmente que o Manual poderia ser traduzido para espanhol, complementado e
enriquecido
com outros trabalhos de pesquisa. A tradução terminada pelo Dr. Adriana
Schwartz e o Dr. Gastón Juan Mora de la Cruz, começaram o trabalho de complementar e
atualizar o Manual, introduzir modificações e aprofundar os assuntos tratados,
além de adicionar novos capítulos. Podemos afirmar que o Anuário de 2008 foi
substancialmente modificado e enriquecido no trabalho atual.
Agradecemos sinceramente a Dra. Claudia N. Kontorschikova, Dr. Oleg V.
Malesnikov e Dr. Irina A. Gribkova por terem tomado a iniciativa de publicar o "Manual
Ozone Therapy », pois o esforço de pesquisa nos ajudou a desenvolver
deste trabalho.
Os autores e co-autores desejam registrar nossa gratidão para a
Associação Espanhola de Profissionais Médicos em Terapia do Ozônio (AEPROMO) por
ter
Acredita-se nesta empresa de pesquisa, treinamento e disseminação, confiança que se
materializou
em financiamento e patrocínio para a publicação deste livro.
Abreviaturas
OH Radical hidroxilo
AAO Actividad antioxidante
ADN Ácido desoxirribonucleico
ADP Difosfato de adenosina
AGPI Ácido graso poliinsaturado
AHTM Autohemoterapia mayor
AHTMn Autohemoterapia menor
AMP Monofosfato de adenosina
AMPc Monofosfato de adenosina cíclico
ARN Ácido ribonucleico
ATP Trifosfato de adenosina
ATPasa Adenosina trifosfatasa
ATPasa H Adenosina trifosfatasa protonada
CF Clase funcional (grupo funcional)
DAO Defensa antioxidante
DC Dienos conjugados
DFG Difosfoglicerato
DM Diabetes mellitus
ECG Electrocardiograma
FAO Formas activas del oxígeno
FAT Factor de activación de trombocitos
GDP Difosfato de guanosina
GMP Monofosfato de guanosina
GMPc Monofosfato de adenosina cíclico
GSSG Glutatión oxidado
GTP Trifosfato de guanosina
HP Helicobacter pylori
IAC Insuficiencia arterial crónica
LDL Lipoproteínas de baja densidad
MDA Malonildialdehído
NAD Nicotinamida adenina dinucleótido (forma oxidada)

NADH Nicotinamida adenina dinucleótido (forma reducida)

NADP Nicotinamida adenina dinucleótido fosfato

NADPH2 Nicotinamida adenina dinucleótido fosfato reducido

OLP Oxidación de lípidos por peróxidos


PA Presión arterial
RL Radicales libres
SOD Superóxido dismutasa
T citolíticos Linfocitos T citolíticos
T colaboradores Linfocitos T colaboradores
T efectores Linfocitos T efectores
T supressores Linfocitos T supresores
TC Trieno conjugado

Prefacio
"A coisa mais linda que podemos experimentar
é o mistério.
Existe a fonte de toda a verdadeira ciência "
Albert Einstein
A busca de novos métodos terapêuticos no campo da Medicina é um processo
constante Juntamente com os sucessos significativos alcançados no campo da
farmacoterapia e intervenções cirúrgicas, métodos terapêuticos são amplamente utilizados
que não eles usam medicamentos, como fisioterapia, acupuntura, hidroterapia e terapia
manual, entre outros. O uso da mistura de ozônio e oxigênio é uma dessas terapias
conservadoras e respeitoso com o organismo que permite aplicar uma solução
qualitativamente romance para problemas terapêuticos atuais de muitas doenças que
possivelmente eles não encontram respostas adequadas nos tratamentos convencionais. O
ozônio é usado em medicina interna, cirurgia, obstetrícia e ginecologia, dermatologia,
estomatologia, traumatologia e em doenças infecciosas e sexualmente transmissíveis.
Nos últimos anos, o desenvolvimento e difusão da terapia de ozônio como método
terapêutico O dinheiro vem aumentando. Um exemplo de seu importante desenvolvimento
é encontrado no fortalecimento e no avanço do pesquisador da escola russa de ozônio e em
particular a de Nizhny Novgorod. Houve esferas de aplicação assimiladas e aperfeiçoadas
completamente novo, e surgiram novos procedimentos para a terapia com ozônio.
Na monografia "Ozone Technology in Obstetrics and Gynecology", os autores
russos T.S. Kachalina e G.O. Grechkanev descreve os progressos realizados: «A situação
atual difere sensacionalmente da época da década de 1980, quando a gravidez foi
considerada uma das contra-indicações para o uso do ozônio, e sua aplicação no A esfera
ginecológica foi limitada ao tratamento da colpite Candida.
A esfera ginecológica foi limitada ao tratamento da colpite Candida. A experiência
acumulado, a natureza unificadora e a simplicidade dos procedimentos terapêuticos,
também uma vez que a existência de modernos geradores de ozônio permite o uso bem
sucedido da terapia com ozônio na prática diária do obstetra-ginecologista. »
Avanços no uso médico do ozônio em diferentes partes do mundo são demonstrados
com o aumento progressivo e constante do número de profissionais de saúde que usa essa
terapia. De acordo com estatísticas elaboradas pelo Conselheiro Jurídico da AEPROMO,
IMEOF e ISCO3, Roberto Quintero, o número de terapeutas de ozônio ao redor do mundo
é bem acima de 26.000. Ele também apontou que é uma figura aproximada, então pode-se
deduzir que o número é muito maior.
Progresso também foi feito no campo jurídico, embora não de forma tão rápida e
amplo como se desejaria. No momento da redação deste prefácio, a Rússia como Cuba,
Espanha e, em menor medida, a Itália realizou enormes esforços para alcançar o
reconhecimento desta terapia antes das instituições de saúde.
Um passo inicial, pioneiro e fundamental para a regularização da terapia com ozônio
foi Resoluções do Serviço de Vigilância Federal da Rússia no campo da Saúde Pública, que
emitiu o certificado de registro nº FC-2007/014 de 15/02/2007 sobre o "Pedido de ozônio
medicinal em obstetrícia, ginecologia e neonatologia "e, duas semanas depois, No. FC-
2007/029-Y de 28/02/2007, em «Aplicação da mistura de oxigênio e ozônio em
traumatologia ».
Em Cuba, que tem desde 1994 com o Ozone Research Center do Centro Nacional de
Pesquisa Científica de Cuba (CNIC), A Terapia do ozônio recebeu status legal por meio da
Resolução Ministerial 261 de 24 de Agosto de 2009, promulgada pelo Ministério da Saúde
Pública.
Na Espanha, graças aos esforços realizados pela AEPROMO, a regularização foi
alcançada de ozônio em 14 de suas 17 comunidades autônomas. Devido à poderes
delegados em questões de saúde para cada comunidade, a regularização não foi realizaram-
se de forma homogênea em todos eles. O que é importante notar é que o 14 comunidades
que o fizeram determinaram os requisitos necessários para uma O ozonoterápico pode
praticar legalmente esta terapia em seu território.
As regiões italianas de Lobardía, Emilia-Romagna e Marche falaram favoravelmente
pelo uso da terapia com ozônio, e com estas duas frases positivas da Tribunal
Administrativo da Região de Lascio.
Na verdade, os países em que a terapia com ozônio foi regularizada são muito
escassos, por isso será necessário fazer mais esforços coordenados. No entanto, e,
felizmente, Esses exemplos já existem, dos quais outros países podem e podem obter
referências.
Devido às ideias acumuladas sobre a sua toxicidade relacionada a altas
concentrações empregado na indústria, a aplicação do ozônio na prática médica foi
questionado por muito tempo pelos próprios médicos, e até hoje segue estar. Felizmente, no
entanto, o número de adversários está diminuindo.
Como todos os meios de cura, a terapia com ozônio depende da dose. É importante
saber que na prática clínica as concentrações de ozônio que são utilizadas são inferiores às
tóxico em várias ordens de grandeza. No campo dessas concentrações, o ozônio Atua como
um meio terapêutico e mostra propriedades imunomoduladoras, antiinflamatórias,
bactericidas, antivirais, fungicidas, analgésicos e outros.
Todos os anos, e em muitos países do mundo, milhares de pacientes recebem
tratamentos com ozônio para condições como a doença isquêmica (coração, cérebro,
extremidades, retina), doenças virais crônicas, gastrite, doenças ulcerativas, colite, diabetes
mellitus, déficits imunológicos secundários, processos purulentos, afecções do dispositivo
de apoio ao movimento, doenças da pele e até mesmo infecção por HIV / AIDS e câncer.
As melhorias clínicas são observadas na maioria dos casos, bem como a ausência de
qualquer indicação de toxicidade com a passagem de meses e anos após o final da
tratamento.
Atualmente, estudos clínicos e experimentais estão disponíveis para expor as
questões da aplicação efetiva e segura da ozonoterapia em uma série de condições, mas é
necessário aumentar o número de esforços voltados para a realização de mais estudos
científicos que podem fornecer esta terapia com o apoio necessário para ser devidamente
reconhecido.
Apesar de a terapia com ozônio ter um grande potencial terapêutico e que, em vários
casos, excede as possibilidades de métodos que usam drogas, que seu uso é simples e
variado, e do ponto de vista econômico é mais lucrativo que outros métodos terapêuticos,
sistemas de saúde não possuem informações suficientes sobre isso.
As investigações experimentais realizadas e as observações clínicas acumuladas
serviram de base para a redação deste Guia. No livro, é fornecida informação sobre as
propriedades e mecanismos de ação do ozônio, bem como sobre os formulários e métodos
de aplicação em medicina interna, cirurgia, ginecologia e obstetrícia, nefrologia,
dermatologia e cosmetologia, oftalmologia, otorrinolaringologia, estomatologia e
traumatologia.
Para entender melhor a informação exposta e a essência do método, no livro os laços
patogênicos do desenvolvimento de diferentes doenças, a principais manifestações clínicas
e mecanismos de ação da terapia com ozônio eles. Além disso, o tratamento com misturas
de ozônio e oxigênio é analisado como um método independente (monoterapia), mas
também combinada com drogas e outras alternativas terapêutico.
Os avanços obtidos no campo de pesquisa, da aplicação mais frequente de terapia e
realizações, embora limitado até agora, na área legal de regularização deve ser
necessariamente acompanhado de um treinamento melhor e mais efetivo parte dos
profissionais de saúde que o utilizam. A terapia com ozônio é um ato médico de acordo
com a definição do Conselho Geral das Associações Médicas Oficiais da Espanha (OMC):
"A partir da premissa fundamental de que toda a terapia, convencional ou não, alopática,
holística ou homeopática, é, por si só, um ACTO MÉDICO que requer um diagnóstico
prévio, uma indicação terapêutica e uma aplicação da o mesmo, e isso deve ser feito,
necessariamente e obrigatoriamente, por uma pessoa qualificada e legalmente autorizado a
fazê-lo. Isto é, UM MÉDICO. "(Http://www.cgcom.org/ Notícias / 2009/12/09).
A terapia com ozônio é caracterizada pela simplicidade de sua aplicação, a grande
eficácia, a boa tolerância e ausência de efeitos colaterais. No entanto, estamos consciente
de que o profissional deve ser devidamente treinado e treinado, e Decidimos elaborar e
publicar este trabalho. Como o título indica, o conteúdo de O livro é concebido com o
objetivo de fornecer ao profissional da saúde um guia que Conte-lhe como usar a terapia de
ozônio, fornecendo-lhe bases terapêuticas como indicações práticas para sua
implementação. Gostaríamos que o Guia se tornasse em permanente referência do
profissional em sua prática diária, bem como em um livro de consulta em que você pode
encontrar respostas, pelo menos parciais, para suas perguntas.
O trabalho é destinado a estudantes de cursos superiores de medicina, odontologia e
veterinários, residentes, supervisores, especialistas, médicos, terapeutas de rede
estacionária, policlínicas, dentistas e veterinários, e confiamos que isso os ajudará na
assimilação prática deste método terapêutico.
Como qualquer empresa humana, este trabalho pode conter erros involuntários.
Além disso, À medida que progride, a pesquisa científica nos obriga, felizmente, a analise
nosso conhecimento e, portanto, o que expressamos por escrito. Isso será O que, com total
certeza, nos levará à publicação de uma segunda edição; ao menos, esperamos que sim.

Dra. Adriana Schwartz


Diretor de publicação
Parte I

FUNDAMENTOS DE
OZONOtERAPIA
1

Capítulo 1
Aspectos gerais e ozono
fisicoquímico
1.1. Revisão histórica da zonoterapia

Devido ao alto grau de alergização da população, a adaptação de microorganismos


medicamentos e o alto custo destes, métodos terapêuticos que não utilizam As drogas
atraem cada vez mais um grande número de apoiantes. A terapia com ozônio é baseada em
o uso, como medicamento, de uma mistura de ozônio e oxigênio, componentes que existem
no meio ambiente.
O uso em larga escala da terapia com ozônio começou na Alemanha, onde foi
estabelecido a produção de geradores de ozônio medicinais. Otôterapeutas italianos obtidos
grandes sucessos e popularidade em cosmetologia terapêutica. Um dos maiores
centros de pesquisa de ozônio está localizado em Cuba, e em seu programa científico é
Presta especial atenção aos problemas da gerontologia. Existem clínicas especializadas de
ozonoterapia em Espanha, Itália, Cuba, Alemanha, Estados Unidos, México, Rússia e
outros países da Europa Ocidental.
Na Rússia, nos anos 70 do século passado, as primeiras comunicações apareceram
sobre o sucesso da aplicação do ozono no tratamento de condições causadas por queima Na
antiga União Soviética, o primado da clínica acadêmica E. I. Ceppa na Estônia. Ao mesmo
tempo, em Minsk, as inalações foram utilizadas com sucesso de terpenos para o tratamento
de pacientes com asma brônquica.
Os cientistas da Academia de Medicina de Nizhny Novgorod foram os mais
entusiasmados no estudo da ozonoterapia na Rússia. Sob a direção do acadêmico RAMNB.

Capítulo 1

Guia para o uso médico da área. Fundamentos terapêuticos e indicações Um Korolev


no laboratório central de pesquisa científica da academia de medicina Estado de Nizhny
Novgorod, foi desenvolvido um novo modo de aplicação da terapia com ozônio, a
administração intravascular de soluções ozonizadas. Em outubro de 1977, ele tomou
realizou em um cachorro o primeiro experimento com base no "novo método" e em abril de
979 uma solução de cardioplegia foi administrada pela primeira vez no mundo no sistema
coronário de um paciente durante a operação de uma lesão cardíaca congênita.
Em novembro de 1986, a ozonização na circulação foi realizada pela primeira vez
sangue artificial, durante a colocação de uma prótese valvar mitral.
No caminho para o estudo do novo método e os meios técnicos para a utilização de
ozônio, foram desenvolvidas abordagens metodológicas para aplicação parenteral de
soluções drogas ozonizadas durante a realização de terapias de transfusão, o processamento
de sangue preservado, transfundido e pertencente a pacientes no pós-operatório, e após a
ressuscitação. Uma série de mecanismos fundamentais de ação foram revelados de ozônio
que determinam o efeito da terapia com ozônio em diversas doenças;
Em outras palavras, com base em fundamentos científicos, obteve-se evidência de
eficácia de ozonoterapia.
A primeira menção sobre ozônio que aparece na literatura científica pertence para o
físico holandês Mak Van Marum, e data de 1785. Durante a experimentação em um
poderoso instalação para eletrificação, ele descobriu que, passando uma faísca elétrica
através de do ar apareceu uma substância gasosa com um odor característico, que possui
propriedades intensas oxidantes Em 1801, Kriunchenk detectou um cheiro semelhante
durante a eletrólise da água. Em 1840, Christian Frederick Schonbein, professor da
Universidade de Basileia, dados relacionados sobre mudanças nas propriedades de
oxigênio com a formação de um gás de concreto que ele chamou de ozônio (da palavra
grega "oloroso"). Schonbein detectado por primeira vez que a capacidade do ozônio para se
ligar com substratos biológicos nas posições correspondente a ligações duplas
(Razumovski e Zaikov, 1974; Viebahn-Hansler, 1999). Posteriormente, De la Riva e
Moriniak demonstraram que o ozônio é uma variedade de oxigênio (citado por Lunin,
1998). Em 1848, Xant colocou a hipótese de que o ozônio Era oxigênio triatômico. Em
1857, com a ajuda do «tubo de indução magnética moderno» criado por Verner Von
Simens, foi construído o primeiro dispositivo técnico de ozonização, que Ele foi
empregado em uma instalação para a purificação da água potável. Desde então, o a
ozonização permite obter, de forma industrial, água potável higiênica e adequada para
consumo. Cem anos depois, Hansler construiu o primeiro gerador para o uso Ozone,
oferecendo a possibilidade de obter uma dosagem precisa da Mistura de ozônio e oxigênio
(Viebahn-Hansler, 1999).
É interessante que, em 1876, pela primeira vez na Rússia, a Universidade de Kazan
B. Chemezov realizou pesquisas científicas sobre a influência do ozônio nos tecidos dos
animais. Através da passagem do ozônio através dos tecidos celulares subcutaneamente,
um efeito de vasoconstrição foi observado primeiro e, em seguida, um efeito vasodilatador,
bem como a desidratação e a inibição dos nervos periféricos Pesquisas realizadas no século
XIX sobre as propriedades do ozônio provaram que é capaz de reagir com a maioria das
substâncias orgânicas e inorgânicas Capítulo 1. Aspectos gerais e físicos ou químicos da
zona até a sua completa oxidação, isto é, até a formação de água, óxidos de carbono e
óxidos superiores de outros elementos. Em relação aos temas biológicos, foi estabelecido a
influência seletiva do ozônio em substâncias que têm ligações duplas e triplas, dentre as
quais proteínas, aminoácidos e ácidos graxos não saturados, que fazem parte da
composição dos complexos de lipoproteínas plasmáticas e bicamadas de membranas
celulares. As reações com esses compostos suportam os efeitos biológicos da terapia com
ozônio e têm um significado na patogênese de vários doenças.

1.2. O ou zono na natureza

O ozônio, um gás naturalmente localizado na atmosfera, é formado na natureza, do


oxigênio e da energia gerada por tempestades elétricas.
Este gás é mais conhecido precisamente por seu papel essencial na atmosfera como
um filtro de radiação ultravioleta. As suas aplicações médicas são mais recentes e estão
baseadas fundamentalmente para tirar proveito de sua ótima capacidade oxidante contra as
biomoléculas, gerando desta forma um estresse controlado que ativa as respostas
antioxidantes endógeno.
A vida na Terra surgiu pela primeira vez em uma atmosfera redutora, e não foi até a
aparência de algas com capacidade fotossintética que o oxigênio começou a ser encontrado
em a atmosfera em quantidades crescentes. Isso representou uma pressão muito evolutiva
seria, ao criar uma atmosfera oxidante com concentrações de O2 muito altas. Porém, a
aparência de O2 na atmosfera terrestre permitiu o desenvolvimento de organismos mais
complexo, que usou essa molécula para a produção de energia de uma maneira muito mais
eficiente.
A massa total de ozônio na atmosfera da Terra é de 4 × 109 toneladas. A
concentração do ozônio estacionário médio é de 1 mg / m3. Os balanços foram gravados
concentrações sazonais e diárias de ozônio na troposfera. Na superfície do Terra, a
concentração de ozônio durante um dia passa por um máximo entre 10 e 18 horas e, no
mínimo, ao amanhecer. No verão e na primavera, a concentração de O ozônio é 3,5 vezes
maior do que no inverno e no outono, como resultado do fortalecimento da troca de
camadas de ar e a chegada do ozônio na estratosfera. Nas regiões polares é maior do que na
zona equatorial, e na atmosfera das cidades é maior do que na zonas rurais. A maior
distância da superfície da Terra, a concentração de ozônio aumenta, atingindo um máximo
a 20-30 km de altura. Nesta região, e por ação constante da radiação ultravioleta do sol, o
ozônio é formado como um gás incolor do oxigênio atmosférico.
As reações que levam à formação de ozônio podem ser representadas da seguinte
forma

forma:

O2 → O + O
O + O2 → O3

Guia para o uso médico da área. Fundamentos terapêuticos e indicações E,


inversamente, a molécula de ozônio tem a capacidade de absorver a radiação ultravioleta,
formando novamente dois átomos de oxigênio. Como resultado deste processo, foi formado
e mantém a camada de ozônio da Terra, a ozonesfera. A cada 11 anos, a concentração de
ozônio.
Nesta região atinge um máximo, algo relacionado ao ciclo de atividade solar.
A largura da camada de ozônio é muito pequena; a uma pressão de 760 mm Hg e a
uma temperatura de 0 ° C, o valor médio para toda a Terra é de 2,5-3 mm; na região
equatorial é quase 2 mm, e em altas latitudes, até 4 mm.
O ozônio protege a conservação da vida na Terra, já que a camada que se forma
retém a parte mais mortal para organismos vivos e plantas, radiações O ultravioleta, que é
concretamente entre 260 nm e 280 nm, é capaz de desnaturar e destruir proteínas e ácidos
nucleicos. Além disso, juntamente com gás dióxido de carbono, o ozônio absorve a
radiação infravermelha da Terra, dificultando assim está esfriando.
Na troposfera, o conteúdo de ozônio é muito pequeno e está mudando ao longo da
tempo e de acordo com a altitude. Periodicamente, como resultado da interação das
correntes ar turbulento, uma quantidade insignificante de ozônio (difícil de determinar)
desce para a camada da atmosfera perto da Terra. Após fortes tempestades, você pode
aprecie o cheiro característico do ozônio em quantidades traçadas.
Nos últimos anos, surgiu o perigo do desaparecimento da camada de ozônio. Tem
estabeleceu que a decomposição do ozônio atmosférico ocorre, não só como resultado dos
processos fotoquímicos, mas também nas suas reações com os radicais · OH e HO2 ·,
óxidos de nitrogênio, cloro e seus compostos.
A liberação maciça para a atmosfera de óxidos de nitrogênio como resultado do
desenvolvimento da aviação à reação atômica e dos foguetes cósmicos, o uso de
refrigerantes contendo cloro (freons) e a aplicação de fertilizantes constituídos por
partículas muito pequeno pode levar ao desaparecimento do ozônio na atmosfera. O
poderoso erupções vulcânicas, que são acompanhadas pela liberação de aerossóis na
atmosfera, eles também produzem a diminuição do teor de ozônio em latitudes médias em
4-8%.
De acordo com as avaliações feitas pelos especialistas, uma guerra nuclear com um
poder equivalente a 5.000 megatons de TNT causaria a destruição de 50% da camada de
ozônio, e para a sua restauração, levaria entre 5 e 8 anos.
A quantidade de ozônio na atmosfera é determinada pela análise de amostras de ar
usando dispositivos ópticos (espectrofotômetros) na superfície terrestre ou transportando
esses dispositivos com a ajuda de sondas ou foguetes para a atmosfera.
Os terpenos e isoprenes emitidos pelas árvores, e também o metano, que é um
produto natural da decomposição biogênica de compostos orgânicos, contribui para a
formação de ozônio na troposfera. Os produtos da atividade antropogênica também
contribuem para a formação de ozônio. Entre eles estão os hidrocarbonetos olefínicos,
formaldeído e óxido de nitrogênio. Sob a ação da luz solar sobre o óxido de nitrogênio, que
é parte integrante da poluição atmosférica, forma ozônio, o que é relativamente fácil para
determinar analiticamente e serve como um indicador na determinação da intensidade da
poluição atmosférica. Por esta razão, em regiões com alto grau de contaminação do meio
ambiente ambiente, o ozônio não é uma causa, mas uma conseqüência da poluição.
Atualmente, em alguns países europeus e nos Estados Unidos, foi oficialmente
estabelecido uma concentração limite de ozônio nas estações de trabalho de 0,2 mg / m3
para um dia útil de 8 horas, numa semana de 40 horas úteis. Deve-se notar que o limiar de
sensibilidade do nariz humano para o odor de ozônio é 10 vezes menor do que a
concentração limite admissível 0,02 mg / m3, portanto, considera-se que o nosso nariz é o
melhor indicador de sua presença (Viebahn-Haensler, 1999).

1.3. Propriedades físico-químicas da zona Ozônio

(O3) é uma modificação alotrópica de oxigênio cuja molécula é composta por três
átomos de oxigênio e pode existir nos três estados de agregação. A estrutura da molécula
de ozônio é uma cadeia de três átomos de oxigênio que formam um ângulo de 117 graus,
com uma distância entre os átomos ligados de 0,127 nm. Em correspondência Com esta
estrutura molecular, o momento do dipolo é de 0,55 Debye.
Na estrutura eletrônica da molécula de ozônio existem 18 elétrons, que eles formam
um sistema ressonante estável que existe em diferentes estados extremos. Os íons as
estruturas externas refletem o caráter dipolar da molécula e justificam seu comportamento
específico nas reações em relação ao oxigênio, que forma um radical livre com dois
elétrons não pareados.
À temperatura ambiente, o ozônio é um gás incolor que possui um odor
característico o que é percebido numa concentração molar de 10-7. Em estado líquido, o
ozônio é azul escuro, com uma temperatura de fusão de -192,5 ° C. O ozônio sólido é
apresentado sob a forma de cristais de cor preta, com uma temperatura de ebulição de -
111,9 ° C. A uma temperatura de 0 ° C e uma pressão de 1 atm (101,3 kPa), a densidade de
ozônio é de 2.143 g / l. No estado gaseoso, o ozônio é diamagnético e é repelido por um
campo magnético; em estado líquido, é fracamente paramagnético, isto é, tem seu próprio
campo magnético e é atraído por um campo magnético.
O potencial padrão de redução de ozônio é de 2,07 V, de modo que sua molécula não
é estável e se transforma espontaneamente em oxigênio com a liberação de calor. Em
baixas concentrações, o ozônio se decompõe lentamente; em altas concentrações, Isso
ocorre com uma explosão, uma vez que a molécula tem excesso de energia.
Aquecimento e contato de ozônio com quantidades muito pequenas de compostos
inorgânicos (hidróxidos, peróxidos, metais de transição e seus óxidos) acelera bruscamente
sua transformação. Pelo contrário, a presença de pequenas quantidades de ácido Nítrico
estabiliza o ozônio; Em recipientes de vidro, alguns tipos de plástico e metais puro, o
ozônio se decompõe praticamente a 78 ° C. A eletrotéinidade do ozônio é de 2 eV;
Somente o flúor e seus óxidos possuem eletroafirmação tão elevada.
O ozônio tem uma absorção máxima na região ultravioleta a 253,7 nm, com
absorção molar ε = 2,900 mol-1 · cm-1. De acordo com isso, a determinação
espectrofotométrica da concentração de ozônio, juntamente com a avaliação iodométrica,
foram adotadas como referências internacional O oxigênio, ao contrário do ozônio, não
reage com o iodeto de potássio.

O3 + 2KI + H2O = I2 + O2 + 2KOH

1.3.1. Solubilidade da zona e sua estabilidade em soluções aquosas

A taxa de decomposição de ozônio em solução é 5-8 vezes maior do que na fase


gasosa.
A solubilidade em água do ozônio é 10 vezes maior que a do oxigênio. De acordo
com os dados de diferentes autores, a magnitude do coeficiente de solubilidade do ozônio
na água oscila entre 0,49 ml e 0,64 ml de ozônio / ml de água.
Em condições termodinâmicas ideais, o equilíbrio segue a lei de Henrique, isto é, a
A concentração da solução saturada do gás é proporcional à sua pressão parcial:

Cs = B · d · Pi
onde:

Cs = concentração da solução saturada na água


B = coeficiente de solubilidade
d = massa de ozônio
Pi = pressão parcial de ozônio

O cumprimento da lei de Henry para o ozônio, como um gás metaestável, é


condicional.
A decomposição do ozono na fase gasosa depende da pressão parcial. Em um meio
aquoso, ocorrem processos que não cumprem a lei de Henry; em vez disso, em condições
ideais, age com a lei Gibs-Dukem-Margulesdu.
Na prática, acordou-se expressar a solubilidade em água do ozônio de acordo com a
relação entre a sua concentração no meio aquoso e a sua concentração na fase gasosa:

CH O
B .
2

C
gas

A saturação com ozônio depende da temperatura e da qualidade da água, uma vez


que as impurezas orgânicas e inorgânicas fazem com que o pH do meio varie. No mesmo
condições, a concentração de ozônio é de 13 μg / ml em água da torneira e 20 μg / ml em
água duplamente destilada, e isso se deve à decomposição significativa do ozônio devido a
Importações iónicas presentes na água potável.

1.3.2. Decomposição de ozônio e período semi-decomposição

Em um meio aquoso, a decomposição do ozônio depende em grande medida da


qualidade de água, temperatura e pH do meio. Aumentar o pH do meio acelera a
decomposição de ozônio e diminui, portanto, a concentração de ozônio na água. Ante O
aumento de temperatura produzirá processos semelhantes.
O período de meia-decomposição do ozônio em água bidistilada é de 10 horas; em
água desmineralizada é de 80 min, e em água destilada, 120 min.
Sabe-se que a decomposição do ozônio é um processo complexo de reações em
cadeia radical:

O3 + ·H2O → 2 ·OH + O2 ...................................( início da cadeia)


O3 + ·OH → HO2· + O2 .......................................( desenvolvimento da cadeia)
O3 + HO2 → ·OH + 2O2
·OH + ·OH → H2O2 ................................................( quebra da corrente)
O3 + H2O2 → OH + HO2 · + O2
·OH + HO2· → H2O + O2
A quantidade máxima de ozônio em uma amostra de água é observada durante 8 a 15
min; para após uma hora, apenas os radicais livres de oxigênio são detectados na solução.
O mais importante é o radical hidroxilo (.OH) (Staehelin, 1985), algo que deve ser
levado em consideração no uso de água ozonizada para fins terapêuticos.
Uma vez que na prática clínica existem aplicações para a água e a solução ozonizado
fisiológico, uma avaliação destes líquidos ozonizados foi feita dependendo de das
concentrações utilizadas na prática médica russa. Os principais métodos que eles usaram
foram a titulação iodométrica e a determinação da intensidade de quimioluminiscência com
o uso de equipamentos de luminescência para bioquímica BXL-06 (produzido em Nizhny
Novgorod) (Kontorschikova, Peretiagin, Ivanova, 1995).
O fenômeno da quimioluminiscência está relacionado a reações de recombinação de
radicais livres que se formam durante a decomposição de ozônio na água.
No processamento de 500 ml de água bidistilada ou destilada com mistura de
borbulhamento ozônio e gás oxigênio, com uma concentração de ozônio entre 1.000 e
1.500 μg / l, com um fluxo de fluxo gasoso de 1 l / min durante 20 min, a
quimioluminiscência aparece por 160 min. Na verdade, em águas duplamente destiladas, a
intensidade da iluminação é maior, o que é explicado pela presença de uma maior
concentração de impurezas na água destilada do que no bidest, que atenua a luminescência.
A solubilidade do ozônio nas soluções de NaCl está em conformidade com a lei de
Henry, isto é, diminui com o aumento da concentração de sal. A solução fisiológica foi
processada com ozônio em concentrações de 400, 800 e 1000 μg / l durante 15 min. A
intensidade, luminescência geral (em mv) aumentou com o aumento da concentração de
ozônio A duração da iluminação foi de 20 min. Isso é explicado pela recombinação radicais
livres mais rápidos, que produzam atenuação da luminescência devido a à presença de
impurezas na solução fisiológica.
Independentemente do seu alto potencial de redução, o ozônio tem uma alta
seletividade, que está relacionado à estrutura polar da molécula. Os compostos que eles
contêm ligações duplas gratuitas (-C = C-) reagem instantaneamente com ozônio.
Como resultado, ácidos gordos insaturados, aminoácidos aromáticos e os péptidos,
especialmente aqueles que contêm grupos SH, são sensíveis à ação do ozônio.
De acordo com os dados de Criege (1953) (citado por Viebahn, 1994), o primeiro
produto da interação da molécula de ozônio com substratos orgânicos é uma molécula
dipolar 1-3. Esta é a reação fundamental na interação do ozônio com substratos orgânicos
para um pH <7,4.
A ozonólise ocorre em frações de segundos. A velocidade dessa reação em solução é
da ordem de 105 l · mol-1 · s-1. No primeiro passo da reação, um complexo é formado Pi
de olefinas com ozônio. Isto é relativamente estável a uma temperatura de 140 ° C, e
posteriormente, é transformado no ozônio primário (molozonide) 1,2,3 trioxolano. Outro a
possível direção da reação é a formação de epóxidos.
O ozonido primário não é estável e decompõe a formação de compostos carboxílicos
e óxido de carbonilo. Como resultado da interação do óxido de carbonilo com os
compostos ácidos carboxílicos, é formado um ião bipolar, o qual é então transformado em
ozonido secundário, 1,2,4 trioxolano. O último é dividido por redução, com treinamento de
misturas de compostos de carbonilo 2-x, com subsequente formação de peróxidos (I) e
ozonidos (II).

O O
C C
O O [– C – O – O – C – O ]
(I) (II)

Na ozonização de compostos aromáticos, formam-se ozonidos poliméricos. A


incorporação de ozônio destrói a ligação aromática no núcleo e requer uma despesa de
energia, de modo que a taxa de ozonização dos homólogos está relacionada à ligar energia.
A ozonização de hidrocarbonetos saturados está relacionada a mecanismos de
introdução A ozonação de compostos orgânicos contendo enxofre ou nitrogênio.
Ele procede da seguinte forma:

O3
RSH → RSO2H

O3
RSR → R–S–R

O3
RNH2 → RNHOH

Os ozósidos são muitas vezes pouco solúveis em água, mas muito solúveis em
solventes orgânicos.
Antes do aquecimento ou a ação dos metais de transição são decompostos em
radicais.
A quantidade de ozonidos num composto orgânico é determinada pelo número de
iodo, que é a massa de iodo, em gramas, que é combinada com 100 g do composto
orgânico. Como padrão, o valor de iodo para ácidos graxos é 100-400, para gorduras
sólidas, 35-85, e para gorduras líquidas, 150-200.

1.4. Formas de obter a zona

O ozônio é formado em todos os processos que acompanham a aparência do


oxigênio atômico.
Pode ser obtido passando a corrente elétrica através do oxigênio.

O2 + e– → O3

Em laboratórios e indústrias, o ozônio é obtido em ozonizantes pela ação de uma


descarga elétrica silenciosa sobre o oxigênio. Os principais tipos de ozonizadores
industriais tem uma câmara de descarga plana ou em forma de tubo, como materiais os
dielétricos são vidro usado ou cerâmica. Os eletrodos são feitos de alumínio ou cobre.
O poder do ozonizador é proporcional à freqüência da corrente.
O ozônio também é formado pela aplicação de luz ultravioleta ao oxigênio. Neste
princípio a síntese do ozônio na natureza baseia-se na ação dos raios ultravioleta com
comprimento de onda <200 nm, e também a aparência deste gás quando ilumina uma
lâmpada bacteriológica ou durante o tempo de trabalho de uma lâmpada ultravioleta
(por exemplo, um espectrofotômetro no laboratório).

O2 + e– → O3

Em laboratórios e indústrias, o ozônio é obtido em ozonizantes pela ação de um


descarga elétrica silenciosa sobre o oxigênio. Os principais tipos de ozonizadores
industriais tem uma câmara de descarga plana ou em forma de tubo, como materiais os
dielétricos são vidro usado ou cerâmica. Os eletrodos são feitos de alumínio ou cobre O
poder do ozonizador é proporcional à freqüência da corrente.
O ozônio também é formado pela aplicação de luz ultravioleta ao oxigênio. Neste
princípio A síntese do ozônio na natureza baseia-se na ação dos raios ultravioleta com
comprimento de onda <200 nm, e também a aparência deste gás quando ilumina uma
lâmpada bacteriológica ou durante o tempo de trabalho de uma lâmpada ultravioleta (por
exemplo, um espectrofotômetro no laboratório).

O2 + hμ → O3
A formação de ozônio também foi observada pela ação de radiação ionizante sobre
oxigênio, em campos de alta freqüência e também na decomposição eletrolítica da água.
Nesse caso, a meia reação da decomposição da água no ânodo é:

O2 + O2 → O + O3

O + O2 + O2 → O + O3

1.5. A área médica

O ozônio que é usado para fins medicinais é uma mistura de ozônio e oxigênio que é
obtida de oxigênio por uma descarga elétrica fraca, que é conseguida com a ajuda de
geradores de ozônio medicinais (ozonizantes). O princípio da ação da ozonização para fins
médicos é o seguinte: o oxigênio entra entre dois tubos de alta tensão que estão conectados
em série e que estão sob tensões de potência diferente formando um campo elétrico. Pela
ação do poderoso campo elétrico, uma parte das moléculas de oxigênio é dividido em
átomos, que reagem com outras moléculas de oxigênio e formam moléculas de ozônio.
Dependendo da tensão aplicada e da velocidade do fluxo de gás, serão alcançadas
diferentes concentrações de ozônio. Quanto maior a tensão e menor a velocidade da
corrente de oxigênio, maior a concentração de ozônio e vice-versa.

Para produzir uma mistura de ozônio e oxigênio para uso terapêutico, é essencial
fornecer apenas oxigênio de alta pureza (medicinal) ao ozonizador. Não é permitido usar
oxigênio de menor pureza e, em particular, ar, devido à presença de uma grande quantidade
de nitrogênio que, sob a ação de altas tensões, é transformado em óxido de nitrogênio
tóxico. Entre outros requisitos que os ozonizadores médicos devem atender, é a precaução
para evitar que o ozônio escape ao ar circundante, pois atua como irritante no epitélio
pulmonar. Para o efeito, os geradores de ozônio têm destrutores, aos quais o excesso de
ozônio é conduzido e onde é novamente regenerado em oxigênio.

Tendo em conta as propriedades oxidantes intensas do ozônio, os geradores usam


materiais resistentes a ele, fisiologicamente limpos (o melhor é o vidro, os fungíveis de
silicone).
Os ozonizantes devem ter reguladores da velocidade do fluxo gasoso que
assegurar uma ampla gama de concentração de ozônio na mistura de gás e que
pode ser regulado facilmente. Todos devem cumprir os regulamentos estabelecidos.
Os geradores vendidos na União Européia devem ser rotulados com o acrônimo CE.
Capítulo 2
Reatividade do ozono
2.1. Introdução
A vida na Terra surgiu inicialmente em uma atmosfera redutora (Figura 2-1). Nao foi
até o aparecimento de algas com capacidade fotossintética que o oxigênio começou a
aparecer na atmosfera em quantidades crescentes, o que representou uma pressão evolutiva
muito importante, criando uma atmosfera oxidante com concentrações de O2 muito altas
elevado. No entanto, a aparência de O2 na atmosfera terrestre permitiu o desenvolvimento
de organismos mais complexos, que utilizaram essa molécula para a produção de energia
de uma forma muito mais eficaz.

A aparência de O2 na atmosfera teve várias conseqüências:

• O O2 liberado para a atmosfera era tóxico para organismos anaeróbicos estritos,


que foram confinados a áreas restritas.
• A seleção de microorganismos com cadeias respiratórias que usarão O2 como
aceitador de elétrons final, com maior eficiência energética
• O2 e CO2 foram estabilizados na atmosfera e, portanto, o carbono começou a
circulam através da exosfera.
• Na atmosfera superior, o O2 reagiu para formar ozônio (O3), que acumulou
para formar uma camada que envolveu a Terra e impediu a radiação ultravioleta
do Sol alcançará, mas com sua ausência a síntese abiótica diminuiu
de moléculas orgânicas ..
14
35 %

(
Oxígenio
no
%)
d
25 %

oncentración egases Carbonífero


15 %
C

0,5 % CO2
0,4 %
0,3 %
0,2 %
0,1 %
-
-600 -500 -400 -300 -200 -100 0
Milhões de anos

-3,5 bilhões de anos: radiação intensa, moléculas orgânicas complexas, vida anaeróbica;
-2,5 bilhões de anos: cianobactérias, vida aquática, produção de O2;
-1,2 bilhões de anos: atmosfera com 1% de O2, desenvolvimento da vida eucariótica;
-500 milhões de anos: atmosfera com 10-15% de O2, formação de camada de ozônio, vida marinha;
-65 milhões de anos: emergência de primatas;
-5 milhões de anos: aparência humana 21% de O2, 160 mmHg.
-5 millones de años: aparición los seres humanos 21 % de O2, 160 mmHg.

Figura 2-1. Evolução da composição dos gases (O2 e CO2) da atmosfera terrestre.

Em 1785, o holandês Von Marum percebeu o cheiro característico do ozônio quando


ele com máquinas eletrostáticas. Ciukshank também, em 1801, mas estava em 1840,
quando Schonbein o classificou e batizou com o nome de "ozônio", termo de origem grega
que significa "cheiro".
Atualmente, o ozônio é conhecido como o desinfetante mais poderoso em a natureza
que pode ser produzida industrialmente. As suas aplicações são, entre outras, a desinfecção
de água potável, instrumentos cirúrgicos ou feridas. No entanto, as aplicações os
medicamentos à base de ozônio vão além dos seus meros efeitos oxidativos diretos sobre
vários germes. A descoberta de parte dos mecanismos moleculares de ação de ozônio e sua
intervenção no controle de vários distúrbios em que o estresse oxidativo revolucionou seu
uso na medicina moderna. As dificuldades em relação à sua geração no nível clínico nas
concentrações requeridas foram excedidas graças ao design de equipamentos muito
modernos cuja operação se baseia na passagem um choque elétrico por um fluxo de
oxigênio médico. O controle espectrofotométrico de as concentrações de ozônio permitem
obter um gás de grau médico com concentrações ideal para uso em seres humanos.
Do ponto de vista prático, o ozônio tem a desvantagem de que ele deve ser gerado
praticamente antes do seu uso, devido à sua fraca estabilidade. A chave para o sucesso na A
aplicação da terapia com ozônio é fundamentalmente regida pela conformidade de
diferentes fatores básicos:
• O profissional que o aplica deve ter o treinamento adequado e conhecer em
profundidade as bases teóricas que regem este procedimento.
• Procedimentos e técnicas padrão, já estudados e testados, devem ser respeitados
na prática médica.
• O tratamento será sempre realizado com equipamentos que geram ozônio de
qualidade médica e com um rigoroso sistema de controle de qualidade.
• As doses recomendadas para cada tipo de patologia serão rigorosamente
respeitadas, estipulado na Declaração de Madri de junho de 2010.
O cumprimento desses aspectos básicos garantirá o sucesso da terapia com ozônio. O
O ozônio pode ser classificado, do ponto de vista farmacológico, como um pró-
fármaco, porque essencialmente à cadeia de reações que desencadeiam seus efeitos
farmacológicos não é mediada pela sua ação per se, mas as taxas de reação com a
moléculas biológicas, e especialmente com lipídios, são tão altas que esses derivados
mediadores oxidados de seus efeitos finais (Figura 2-2) (Re et al., 2008).
Porque os efeitos biológicos do ozônio são produzidos principalmente através de de
segundos mensageiros (produtos da reação de O3 com biomoléculas) e não pela O3
molécula per se, os produtos da reacção O3 são descritos abaixo com diferentes moléculas
ou grupos químicos presentes em biomoléculas.

2.2. Caractere oxidante da zona

O ozônio é uma das moléculas com maior poder oxidante e é capaz de reagir com
uma grande variedade de compostos orgânicos e inorgânicos. A reatividade química do

Sustratos Objetivos Efectos

OZONO Eritrocitos Mejora la entrega de O2


Activa el sistema inmunitario
Lípidos Leucocitos
Libera factores de crecimiento
Proteínas Plaquetas
Liberación de eritrocitos
Carbohidratos Endotelio superdotados

Médula Liberación de células madre


Ácidos nucleicos ósea

Regulación excesiva

Otros órganos de enzimas antioxidantes

Figura 2-2 Efeitos fundamentais do ozônio através da sua reação com moléculas mediadoras.
Modificado de V. Bocci. Toxicologia e Farmacologia Aplicada 216 (2006): 493-504.
ozonio e o oxigênio diferem consideravelmente, e embora o segundo se combine com
praticamente todos os elementos, ele faz isso apenas em temperaturas elevadas, enquanto o
ozônio faz isso em condições de reação muito mais nobres (Menéndez et al., 2008).
A relevância das poderosas características de oxidação do O3 e a modificação destes
dependendo de diferentes fatores (por exemplo, pH e temperatura, entre outros) terá uma
influência do ponto de vista clínico, porque, de acordo com o microambiente na Quando a
reação ocorre, essas características serão variadas. Por exemplo, a aplicação rectal O3 é
produzido a uma temperatura de aproximadamente 37 ° C sob condições elevadas irrigação
de sangue, o que favorece a reatividade e a absorção de O3, ao contrário do que o que
acontece com a aplicação local em sacos, onde a temperatura eo suprimento de sangue são
menores (Menéndez et al., 2008).

2.2.1. Reação do ozonio com compostos orgânicos insaturados

Nesta seção, as reações de O3 são descritas principalmente com lipídios. Os ácidos


gordos poliinsaturados (PUFA) são os mais sensíveis à oxidação. Por sua nomenclatura,
Foram estabelecidas regras diferentes, denominando "carbono Δ" para o carbono do grupo
ácido e "carbono ω" para o carbono terminal do grupo CH3. Ao numerar o C que participe
do vínculo duplo, apenas se faz referência àquele com a menor numeração, e esse número
geralmente é prefixado pela letra Δ, o que indica a presença de uma insaturação. Os links
duplos também podem ser especificados pela sua localização a partir do C em que estão
localize o primeiro deles, mas de -CH3 (carbono ω). Exemplo:

Ácido linoleico
9-12 octadecanodienoico (serie ω6)
18:2(9-12) 18Δ9-12

O ω
6 1

HO 1 9 12
carbono ω
carbono CH
3
COOH

Nos ácidos gordos insaturados encontrados em organismos terrestres (Tabela 2-1), o


Os links duplos são encontrados a partir de C9; se houver vários links duplos, eles
estão dispostos em forma não conjugada e a configuração cis predomina. Os PUFAs podem
ser classificados em 3 séries, se você levar em consideração que os links duplos adicionais
são adicionados apenas entre o átomo de carbono em que está localizada a primeira ligação
dupla (de carbono ω) e o carbono do grupo -CO2H; Por esta razão, as séries são ω3, ω6 e
ω9.
Os principais grupos de produtos derivados dos processos de oxidação de lipídios
são: hidrocarbonetos voláteis, derivados da oxidação do ácido araquidônico (AA), aldeídos,
hidroperóxidos e dienos conjugados (Martínez-Sánchez et al., 2010).
Tabela 2-1. Principais ácidos gordurosos insaturados para humanos.

Nomenclatura* Nome comum Sistemático Serie

16:1(9) Palmitoleico 9-Hexadecenoico ω7


18:1(9) Oleico 9-Octadecamonoenoico ω9
18:2(9,12) Linoleico 9,12-Octadecadienoico ω6
18:3(9,12,15) Linolénico 9,12,15-Octadecatrienoico ω3
18:3 (6,9,12) γ-Linolénico 6,9,12-Octadecatrienoico ω6
20:3(8,11,14) Dihomo-γ-linolénico 8,11,14-Eicosatrienoico ω6
20:4(5,8,11,14) Araquidónico 5,8,11,14-Eicosatetraenoico ω6
20:5(5,8,11,14,17) - 5,8,11,14,17-Eicosapentaenoico ω3

* Nomenclatura baseada no número total de átomos de carbono: número de insaturações (posição de insaturação tomada de
carbono Δ).

Muitos desses produtos de oxidação de PUFA são gerados quando eles entram em
contato com o ozônio e intervêm em seus efeitos farmacológicos. As reações de ozônio
com compostos insaturados têm uma energia de ativação muito baixa, perto de zero, o que
permite altas taxas de reação, com constantes de velocidade da ordem de 105 a 106 m-1 · s-
1, por isso são reações que não são muito sensíveis às variações de temperatura (Menéndez
et al., 2008).
Um grupo de compostos descritos durante o estudo de reações de oxidação de ozônio
foram chamados de ozonidas. Esses intermediários se decompõem por duas rotas
diferentes: uma delas leva à formação de água e um aldeído, e a outro dá origem à
formação de ácidos e produtos poliméricos. De mais um estudo Descrição detalhada do
mecanismo de reação do ozônio, uma descrição de uma estrutura foi alcançada chamado
1,2,4-trioxolano ou Criegee ozonide (Figura 2-3).
Diferentes técnicas analíticas permitiram elucidar o mecanismo geral através da O
ozônio reage com compostos insaturados (Figura 2-4). Este mecanismo explica que a
reação ocorre em diferentes estádios com a formação de compostos intermediários
extremamente instável. Em todos os casos, os diferentes caminhos seguidos pela reação
dependem das condições específicas em que ocorre, para que possam obter produtos de
reação diferentes como resultado final.
Em geral, entre os produtos da reação do ozônio com os compostos insaturados,
podem ser obtidos: aldeídos, ácidos carboxílicos, hidroperóxidos, ozonidos, diperóxidos,
peróxido de hidrogénio e peróxidos poliméricos. O conceito mais importante do
mecanismo de Criegee reside, precisamente, na possibilidade de explicar o treinamento de
todos os produtos de peróxido da ozonólise de compostos não saturados de

18
União etérea

União peroxídica

Figura 2-3. Estrutura 1,2,4-Trioxolane ou Criegee ozonide.

um único intermediário: o zwitterion de Criegee ou o óxido de carbonilo. Os


diferentes As rotas apresentadas são competitivas e conduzem, na maioria dos casos, a
misturas complexo com diferentes proporções dos produtos formados. Os rendimentos de
Alguns produtos específicos dependem das condições de reação (Menéndez e cols., 2008).
Do ponto de vista analítico, as reações do ozônio foram estudadas menos os
compostos aromáticos que com os compostos alifáticos não saturados, devido à
Ozono Zwitterion

Retro
1,3
cicloadición 1,3 cicloadición

Comp Molozónido
uesto Óxido primario
insatur
ado 1,2,3-trioxolano
Intermediarios
de la reacción
de Criegee

Grupos
reductores
Ceton
as
Aldehí
dos
1,3 cicloadición
Grupos
oxidados
Óxido de
Criegee
1,2,4-
Ácidos trioxolano

Figura 2-4. Reação de ozônio com compostos insaturados.

maior complexidade e formação preferencial de compostos poliméricos. No entanto, em


Nos últimos anos, o interesse por esta reação aumentou como resultado da aplicação
aumentando cada vez mais o ozônio no tratamento de águas residuais de diferentes origens,
em que os compostos aromáticos estão em concentrações apreciáveis.
Essa reação é muito mais lenta do que aqueles correspondentes ao ozônio com
olefinas ou os alquinos, uma vez que apresentam constantes de velocidade de reação global
de 101-102 m-1 · s-1 (Menéndez et al., 2008).

2.2.2. Reação de ozônio com compostos orgânicos saturados

Nos organismos vivos, há uma grande quantidade de compostos em que não há


duplos ou ligações triplas, então eles são chamados de compostos saturados. Exemplos
disso as estruturas são hidrocarbonetos, álcoois, aldeídos, carboidratos, ácidos e
aminoácidos, entre outros. Em frente a este tipo de compostos, o ozônio reage geralmente
com a subtração de um átomo de hidrogênio em forma radical, deixando formou outros
radicais orgânicos e HO ·. Esses radicais, entretanto, iniciam uma série de reações de
propagação.
A taxa de reacção do ozono com compostos saturados é de um mil e um milhões de
tempos inferiores aos dos compostos insaturados, então, em um dado meio, Se houver
compostos saturados e não saturados, o ozônio reagirá preferencialmente com o último
(Menéndez et al., 2008).
Uma vez que os radicais livres são formados, as reações que eles causam são
inespecíficas (eles reagem com qualquer molécula), mas eles também mostram preferência
por insaturado, como PUFAs. Radicais livres altamente reativos podem subtrair um átomo
de hidrogênio de ácidos graxos e leva à reação em cadeia conhecida como peroxidação
lipídica (POL) (Martínez-Sánchez et al., 2010). Os radicais livres causam oxidação de
PUFAs e fosfolípidos de membrana. O POL leva a um aumento da permeabilidade das
membranas celulares, que causa alterações propriedades irreversíveis da célula que podem
levar à sua lise total.
Os processos de peroxidação levam à formação de inúmeros derivados tóxicos:
hidroperóxidos, 4-hidroxalquenais, malonildialdeído (MDA) e outros. O POL Ocorre em
maior parte nas membranas biológicas e nas lipoproteínas e pode:
• Diminuir a fluidez das membranas biológicas.
• Inativar enzimas e receptores associados à membrana celular.
• Aumentar a permeabilidade ao Ca2 +.
Na Figura 2-5, a cadeia de reações responsável pelo POL é mostrada. Na fase de
começar, um radical de alta reatividade, como o hidroxilo, extrai um átomo de hidrogênio
de um ácido gordo insaturado para produzir o radical lipídico, que reorganiza e forma o
dieno conjugado que, na sua reacção com O2, dá origem ao radical peroxilo de alquilo,
com reactividade o suficiente para atacar outro lípido e levar à disseminação do POL. Em
fase de conclusão e na presença de ferro, aldeídos e outros compostos são
produzidos
20
COOH

Lípido (L) H · OH
Iniciación
H2O
COOH
Radical Lipídico ·
(L·)
P
· COOH r
Dieno conjugado
O2 o

Radical Alquil OO· p


Peroxilo | a
COO

L g

L· a
Hidroperóxido lipídico
OOH c
|
COOH
i
Fe2+ ó
Fe2+ Radical LO · n
Alcoxilo L LOO ·


O O LOH
| | COOH
Terminación
Endoperóxido
Fe2+
Etano O
4-hidroxinonenal
O=C CH C=O +
Pentano
H H C=O
Malonildialdehído

Figura 2-5. Sequência geral de reações durante a peroxidação lipídica (Martínez-Sánchez et al., 2010).

(Martínez-Sánchez et al., 2010). Precisamente, estruturas como malonildialdeído


(MDA) e 4-Hidroxinonenal (4-HN) são geradas durante o contato de ozônio com plasma
ou tecidos, e não apenas são produtos de oxidação lipídica, mas também têm atividade
biológico per se, de modo que, em concentrações apropriadas, os mediadores dos efeitos
benéficos do ozônio podem ser considerados. Por exemplo, a aplicação de auto-
hemoterapia a um grupo de pacientes aumentou as concentrações de MDA de 0,2 μm a 1,2
μm; este valor plasmático voltou ao normal 25 minutos depois, dada a alta capacidade de
antioxidantes plasmáticos para atenuar uma alteração do equilíbrio redox. Nesses mesmos
pacientes, a aplicação de um ciclo de auto-hemoterapia continuou aumentando a
concentração de MDA para um máximo de 0,6 μm após 5 aplicações de au-tohemoterapia
maior (15 dias depois); A partir desse momento, os valores retornaram às concentrações
basais (0,2 μm) e a redução foi acompanhada por um aumento na atividade da enzima
superóxido dismutase (Bocci, 2005).

2.2.3. Reação de ozônio com compostos de nitrogênio

A presença de nitrogênio, principalmente na forma de grupos amino, é característica


de organismos vivos. Os aminoácidos, sementes estruturais de proteínas, possuem esse tipo
de grupo químico. Nos grupos amino há um par de elétrons livres no nitrogênio, que é o
objetivo fundamental das reações com o ozônio. Essas reações são favorecidas com baixo
pH.
Para cada molécula de composto nitrogenado, três moléculas de ozônio reagem à sua
fase final, a pH elevado. Assim, as aminas reagem a velocidades mais elevadas para
compostos saturados e menores a insaturados. O aumento das cadeias de carbono ligadas
ao nitrogênio das aminas proporciona uma maior densidade de carga parcial negativa
(devido ao efeito do nitrogênio) no heteroátomo, o que faz com que a velocidade de reação
do ozônio com aminas primárias seja inferior a com secundário e terciário,
respectivamente. O caráter eletrofônico do ataque desse gás aos elétrons livres de
nitrogênio é assim manifestado (Menéndez et al., 2008).

2.2.4. Reação de ozônio com compostos de enxofre

Nos sistemas biológicos, o enxofre está presente em vários aminoácidos (metionina,


cistina e cisteína), na glutationa e em outras moléculas essenciais para a vida. A oxidação
destes compostos sulfatados pelo ozônio leva à formação de sulfóxidos e sulfonas.

A oxidação da metionina produz principalmente sulfoóxido de sulfona e metionina.


Como mecanismo de defesa, a célula possui enzima metionina sulfóxido redutase para
regenerar a metionina gerada pelo ataque ROS (Figura 2-6).

Por outro lado, a oxidação de dois grupos de enzimas -SH altera a sua função
biológica. Por exemplo, a oxidação da enzima dependente de Ca2 + ATPase faz endo-

H3C – S – CH2– CH2– CH(NH2)


– COOH O
Metionina
H3C - S - CH2- CH2- CH(NH2) – Metionina
COOH sulfona
ERO
=

Metionina H3C – S – CH2– CH2– CH(NH2) – Metionina


COOH sulfóxido
Metionina
sulfóxido reductasa

Figura 2-6. Oxidação de metionina pelas espécies reativas de oxigênio (ERO).


22
O plasma leva à sua inibição (Figura 2-7) e ao dano celular resultante causado pela
perda de homeostasia Ca2 +. Sua entrada na célula ativa proteases, endonucleases e
fosfolipases (Martínez-Sánchez et al., 2010).
2.3. A água ozonizada
2.3.1. Aspectos gerais
Atualmente, o uso de ozônio para o tratamento da água está aumentando
progressivamente em todos os países, tanto na área da água potável como nas águas
industriais e de efluentes, pois é um excelente esterilizador de bactérias, vírus e fungos,
bem como seu efeito desodorante e branqueador. Conseqüentemente, a qualidade
organoléptica (odor, cor e sabor) e qualidade microbiológica das águas após o tratamento
com ozônio garante uma água totalmente tolerável para a saúde pública. A água ozonizada
também tem um grande campo de aplicação em estomatologia, pois seu uso durante
intervenções dentárias é alcançado com alto grau de assepsia que afeta uma melhor
recuperação dos pacientes.

Por outro lado, as propriedades germicidas do ozônio não se limitam ao próprio


ozônio, mas também estão presentes nos produtos da reação deste gás com certas
substâncias. Os óleos de origem vegetal (por exemplo, coco, palmeira, azeitona, girassol,
gergelim, entre outros) foram utilizados como meio adequado para a terapia com ozônio.
Os óleos ozonizados estabilizados têm um caráter germicida e parasiticida muito intenso, o
que os torna úteis para o tratamento de um grande número de doenças. É necessário
enfatizar que, diante desses agentes, o fenômeno da resistência microbiana não é possível,
pois eles atuam basicamente pela oxidação das paredes microbianas.

ATPasa Sua atividade diminui


de Ca2+ drasticamente
Intercam
biador pela oxidação de grupos sulfidrilo
Na+/Ca2+
GSSG

2
G
GSH
SSG
H S
S SH GSS SG
Activa Inactiva

Proteína alterada pela S-tiolação S


Perda de função

Figura 2-7. Consequências da oxidação de grupos de proteínas sulfidrilo. GSH, glutationa;


GSSG, dissulfureto de glutationa.
A solubilidade em água do ozônio é 10 vezes maior que a do oxigênio: 49,0 ml de
O3 por 100 ml de água, em comparação com 4,89 ml de O2 por 100 ml de água. A água
ozonizada é preparada passando o ozônio através de um agitador de vidro aglomerado e
borbulhando a água por pelo menos 5 minutos, até se atingir a saturação. Vários dos
equipamentos modernos para uso clínico incluem os dispositivos necessários para produzir
água ozonizada.

A estabilidade do ozônio na solução aquosa é escassa; cerca de 5 a 6 minutos após a


obontagem da água ozonizada, a concentração de O3 cai em 25% em relação à
concentração inicial. Quando a água ozonizada em alta concentração é necessária para fins
médicos, deve ser utilizada uma concentração de O3 de 80 μg / ml, o que proporcionará
uma concentração aproximada de 20 μg / ml. Esta solução é útil para o tratamento e
desinfecção de feridas, para eliminar pus e áreas necróticas e para eliminar germes em
geral. Uma vez que as feridas começam a evoluir, recomenda-se o uso de uma menor
concentração, isto é, a partir da ozonação com uma concentração de O3 de 20 μg / ml para
ter uma concentração final de 5 μg / ml.

Quão estável são as soluções aquosas de O3? Pode-se dizer que este é o ponto fraco
das águas ozonizadas. Na preparação de água ozonizada de dupla destilação, uma vez
obtida, deve ser mantida a 5 ° C num frasco de vidro com uma tampa de vidro ou de
silicone firme. Nestas condições, a concentração de O3 é reduzida para metade da
concentração inicial em cerca de 110 horas; No entanto, se deixado a 20 ° C, a meia-vida
do ozônio é de apenas 9 horas. Se a água mono-destilada for utilizada, a meia-vida de O3 é
inferior a 1 h. Esta informação tem um impacto prático e indica que, para fins de
desinfecção de feridas, é aconselhável usar água recém-ozonizada, e se for decidida a
armazená-la ou a paciente levar a sua casa, as recomendações de armazenamento devem
ser seguidas. ótimo.

Em geral, a solubilização do ozônio na água está em conformidade com a lei de


Henry (1803), que afirma que o estado de saturação do gás na água é proporcional à sua
concentração. No entanto, a lei só é válida se a água pura for ozonizada; Se a água é mono-
destilada ou contém traços iónicos, é praticamente inutilizável para a desinfecção porque os
iões facilitam a formação de substâncias potencialmente tóxicas, como o ácido hipocloroso
(Bocci, 2005).

A água ozonizada é amplamente utilizada em diferentes campos da medicina. No


campo da gastroenterologia, é utilizado para administração interna em esofagite, gastrite,
úlceras e colecistite crônica; É usado na forma de enemas, em casos de colite. Na
tomatologia prática, é utilizado na forma de enxaguamento para a desinfecção da cavidade
oral em casos de periodontite, estomatite e abscessos nas cavidades dos canais radiculares.
Na cirurgia, é utilizado para a lavagem perioperatória e pós-operatória de feridas infectadas
abertas ou fechadas. Em otorrinolaringologia, é utilizado sob a forma de inalações. Para
resolver diferentes tarefas clínicas, são utilizados diferentes métodos de administração e
diferentes concentrações de ozônio. Nas investigações experimentais e clínicas realizadas
por Zarivchatckoi M.F. e cols. (2000), mostrou-se que, em relação à ação antimicrobiana, a
solução ozonizada ideal é aquela que possui uma concentração de ozônio de 30 μg / ml na
saída do ozonizador e um tempo de borbulhamento de 30 minutos. No manual de terapia de
ozônio do Centro Científico de Medicina Restaurativa e Spas da Rússia (2000), é
24
recomendada água destilada oralizada com uma concentração de ozônio de 4-7 μg / ml para
o tratamento de doenças gástricas e intestinais.

Para uso para fins práticos, Boiarinov G.A et al. (2000) propuseram uma tabela com
indicadores de concentração de ozônio em água destilada que correspondem a diferentes
tempos de borbulhamento e diferentes concentrações de ozônio na saída do ozonizador
(tabela 2-2). Em outro trabalho dos mesmos autores, está exposto que o tempo de
decomposição do ozônio dissolvido em água destilada, com uma concentração inicial de
0,3-1,2 μg / ml, é de 30 minutos em média e com uma concentração inicial de 0,03-0,3 μg /
ml é de 20 minutos. De acordo com os dados de J. Staehelin (1985), a quantidade máxima
de ozônio
Tabela 2-2. Solubilidade do ozônio em 5 litros de água destilada, dependendo do
tempo de borbulhamento e da concentração de ozônio na saída do dispositivo (M ± m)..

Concentra
ção Concentração de ozônio em água destilada (μg / ml)
de ozônio

à saída Tempo de borbulhar (min)

do
dispositivo

(μg / ml) 5 10 15 20 30 40 60

0,0 0,09 0,13 0,27 0,35 0,46 0,47


33 2 b 5* 8* 6* 5
2,5
± ± ± ± ± ± ±
0,0142 0,008 0,0142 0,0148 0,0148 0,0142 0,013
0,0 0,28 0,49 0,58 0,69 0,81 0,80
92a 3* 1* 3* 1* 6* 8
5
± ± ± ± ± ± ±
0,0083 0,011 0,0148 0,0148 0,0083 0,016 0,0192
0,2 0,52 0,80 1,01 1,22 1,41 1,40
5* 5* 8* 6* 5* 6* 8
10
± ± ± ± ± ± ±
0,015 0,013 0,0148 0,011 0,013 0,011 0,0083
0,5 1,21 1,63 1,91 2,01 2,02 2,02
91* 6* 3* 6* 6* 5 5
20
± ± ± ± ± ± ±
0,0083 0,011 0,011 0,011 0,011 0,013 0,013
1,2 2,40 2, 3,01 3,20
08* 8* 75* 6* 8* 3,2 3,19
30
± ± ± ± ± ±0,0 ±
0,0083 0,0083 0,015 0,011 0,014 17 0,0148
2,0 4,09 4,47 4,88 5,19
1* * 5* * * 5,18 5,19
40
± ± ± ± ± ± ±
0,011 0,0083 0,013 0,011 0,0083 0,011 0,0083
2,4 4,86 5,39 5,85 6,18
8* * * 8* * 6,19 6,18
50
± ± ± ± ± ± ±
0,011 0,014 0,0083 0,014 0,011 0,0083 0,013
2,8 5,78 6,49 7,05 7,48 7,47
9* * * * * 7,49 5
60
± ± ± ± ± ± ±
0,0083 0,011 0,0083 0,015 0,011 0,0083 0,013
3,3 6,79 7,35 8,08 8,51 8,50 8,52
75* * 8* * 6* 8 5
70
± ± ± ± ± ± ±
0,013 0,0083 0,0148 0,01 0,011 0,0086 0,013
3,8 7,75 8,59 9,47 9,92
8* 8* * 5* 5* 9,93 9,91
80
± ± ± ± ± ± ±
0,011 0,014 0,0083 0,013 0,013 0,014 0,011
4,2 8,54 9,45 10,3 10,9 10,9 10,9
58* * 8* 6* 58* 4 4
90
± ± ± ± ± ± ±
0,0148 0,0148 0,0148 0,0142 0,0148 0,0148 0,0148
4,6 9,38 10,2 11,2 11,8 11,8 11,8
9* * 6* 75* 75* 83 66
100
± ± ± ± ± ± ±
0,0083 0,011 0,0142 0,013 0,013 0,011 0,0142
Em solução aquosa é observada durante 8-15 minutos. Após uma hora, não há mais
ozônio na mistura, onde apenas são encontrados radicais livres de oxigênio. Tudo isso deve
ser levado em consideração ao usar água ozonizada para fins terapêuticos, e de todos os
itens acima conclui-se que a água ozonizada para tratamento deve ser usada nos primeiros
20-30 minutos após a preparação.

2.3.2. Tratamento da água potável com ozônio

O consumo de água potável é um fator importante nas doenças transmitidas pela


água e, em certas ocasiões, uma contribuição diária e prolongada de vários tipos de
poluentes, de origem natural, principalmente devido à climatologia e à geologia da terra,
como os metais. pesado, ferro e manganês, entre outros; Os poluentes causados pela ação
humana também podem ser encontrados, incluindo compostos orgânicos voláteis,
pesticidas e nitritos.
Para tratar e controlar a água destinada ao consumo humano, o cloro é o agente
desinfectante mais usado, embora não o único ou o melhor. O poder desinfectante do
ozônio é cerca de 3.000 vezes maior e mais rápido. Assim, o tratamento da água potável
com ozônio oferece uma série de vantagens em relação ao tratamento com cloro. Em
primeiro lugar, e devido ao forte poder de oxidação, a qualidade da desinfecção com
ozônio é muito maior do que a alcançada com o tratamento com cloro. Desta forma, são
eliminados vírus, bactérias e outros microorganismos resistentes ao cloro. Graças também a
este elevado potencial de oxidação, é possível precipitar metais pesados que podem ser
encontrados em solução e eliminar compostos orgânicos, pesticidas e todos os tipos de
odores e sabores estranhos que a água pode conter. Outra vantagem importante do uso de
ozônio sobre o cloro é a velocidade com que atua, o que permite tratamentos muito efetivos
em alguns segundos ou minutos, enquanto que para desinfecção com cloro é necessário um
tempo de contato muito maior. .

2.3.2.1. Principais efeitos da ozonização da água potável

A ozonação da água potável atua principalmente através de:

• Desinfecção bacteriana e inativação viral.


• Oxidação de elementos inorgânicos, como ferro, manganês, metais pesados ligados
organicamente, cianetos, sulfetos e nitratos.
• Oxidação de elementos orgânicos, como detergentes, pesticidas, herbicidas, fenóis
ou aromas e odores causados por impurezas.

Em seguida, o mecanismo de ação do ozônio em cada um desses casos está exposto.

Desinfecção bacteriana e inativação viral


A eliminação das bactérias e a inativação viral estão relacionadas à concentração de
ozônio na água e ao tempo de contato com os microorganismos. As bactérias são

26

aqueles que são destruídos mais rapidamente. As bactérias de E. coli são destruídas
por concentrações de ozônio um pouco superiores a 0,1 μg / ml e uma duração de contato
de 15 segundos, a temperaturas de 25 ° C a 30 ° C. Streptococcus faecalis são mais
facilmente destruídos; com concentrações de ozônio de aproximadamente 0,025 μg / ml,
obtém-se uma inativação de 99,9% em 20 segundos ou menos, em ambas as temperaturas.
Os vírus são mais resistentes do que as bactérias. Os primeiros estudos realizados por
cientistas da Saúde Pública Francesa na década de 1960 mostraram que os tipos I, II e III
do poliovírus são inativados pela exposição a concentrações de ozônio dissolvido de 0,4 μg
/ ml durante um período de contato de 4 minutos.

Oxidação de elementos inorgânicos

No caso do ferro, manganês e vários compostos arsenicos, a oxidação ocorre muito


rapidamente, deixando compostos insolúveis que podem ser facilmente removidos por um
filtro de carvão ativado. Os íons de enxofre são oxidados em ions sulfato, que são
inofensivos.

Oxidação de compostos orgânicos

O ozônio é um agente muito poderoso para o tratamento de materiais orgânicos. Os


compostos orgânicos que contaminam a água potável são, essencialmente, naturais (ácidos
húmidos e fumaça) ou sintéticos (detergentes, pesticidas). Alguns compostos orgânicos
reagem com o ozônio muito rapidamente até serem destruídos, em alguns minutos ou
alguns segundos (fenol, ácido fórmico), enquanto outros o fazem mais devagar (ácidos
humidificantes e fumicos, vários pesticidas, como o triclorometano). Em alguns casos,
materiais orgânicos são apenas parcialmente oxidados com ozônio. Uma das principais
vantagens da oxidação parcial de materiais orgânicos é que, ao fazê-lo, os materiais
orgânicos polarizam muito mais do que na sua forma original, produzindo materiais
insolúveis e complexos que podem ser removidos com filtros de carvão ativado.

Eliminação da turbidez

A turbidez da água é eliminada por ozonação através de uma combinação de


oxidação química e neutralização de cargas. As partículas coloidais que causam turbidez
são mantidas em suspensão por partículas carregadas negativamente que são neutralizadas
pelo ozônio. Destrói também os materiais coloidais por meio da oxidação de materiais
orgânicos.
Eliminação de odores, cores e sabores

A oxidação da matéria orgânica, metais pesados, sulfetos e substâncias estranhas


produz a supressão de aromas estranhos e odores que a água pode conter, melhorando a
qualidade e a aparência e tornando-o mais adequado para consumo e prazer.

A técnica de ozonização da água baseia-se, fundamentalmente, na obtenção de um


tempo de contato adequado entre ela e a quantidade apropriada de ozônio. São suficientes

27 Capítulo 2. Reatividade do ozônio

de 0,5 μg / ml a 0,8 μg / ml de ozônio durante cerca de 3 ou 4 minutos para obter


uma qualidade de água excepcional e desinfectada. Após o tratamento, o ozônio se
decompõe em oxigênio após vários minutos, não deixando nenhum tipo residual, mas, ao
mesmo tempo, não haverá desinfetante residual que possa prevenir o crescimento
bacteriano. Nos casos em que é necessário garantir que a água potável tenha sido
recentemente tratada com ozônio, o sistema de ozonização será realizado em um tanque
com fluxo de recirculação onde, por meio de um injetor, será adicionada a proporção
apropriada de ozônio; Esta quantidade de ozônio e, portanto, a concentração de ozônio
residual no tanque depende, primeiro, das características do equipamento e, em segundo
lugar, do tempo de operação e desligamento do mesmo. Ou seja, por meio de um
temporizador, é possível aumentar e diminuir o tempo de produção e parada, alcançando
uma maior ou menor concentração de ozônio em uma situação estacionária. Para sistemas
de regulação e controle mais complexos, uma sonda residual de medição de ozônio pode
ser instalada na água, que atua diretamente na produção do equipamento para atingir o
valor pré-estabelecido como a concentração ideal de ozônio na água.

Dependendo do tipo de instalação e da demanda, pode haver muitas outras


possibilidades, como injetar o ozônio diretamente na tubulação por meio de uma derivação
ou instalar o gerador de ozônio diretamente na torneira de consumo.

2.4. Óleos vegetais ozonizados

Os óleos vegetais são um meio eficaz no campo da terapia com ozônio.


Essencialmente, esses óleos sofrem oxidação controlada, reagindo com ozônio em
condições pré-estabelecidas. Uma vez que os produtos de oxidação são formados,
diferentes técnicas são usadas para estabilizá-las por um longo período de tempo
(geralmente, 2 anos). Os ingredientes ativos resultantes são hidroperóxidos e outros
produtos de peroxidação lipídica, que possuem propriedades germicidas não específicas e
também de forma satisfatória nos processos de cura e regeneração de tecidos. Por todas
estas razões, eles são muito úteis no tratamento de infecções locais, úlceras, fístulas e
outros processos sépticos. A estabilidade relativa dos óleos em relação ao ozo-non-gaseous
proporciona vantagens para este método terapêutico.

Os óleos vegetais mais utilizados são o óleo de girassol e azeite. Com o uso de
derivados ozonizados destes óleos, foram desenvolvidos numerosos estudos clínicos nos
quais as suas propriedades bactericidas, fungicidas e viricidas foram demonstradas, bem
como a sua capacidade de estimular a regeneração do tecido epitelial e exercer outros
efeitos a maior profundidade, tais como redução das concentrações de ácido láctico no
músculo após intenso esforço físico.

A composição dos ácidos gordurosos geralmente é variável (Tabela 2-3). Entre estes
compostos, os ácidos gordos insaturados são aqueles que reagem mais prontamente com o
ozônio para fornecer os produtos de oxidação que constituem os ingredientes ativos.

A reação do ozônio com compostos insaturados tem sido a mais estudada. Esta
reação produz, em maior parte, a quebra da molécula na posição correspondente à dupla
ligação, com a formação de fragmentos com grupos carbonilo, carnes.

28 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

Tabela 2-3. Composição percentual dos ácidos gordos insaturados dos óleos vegetais selecionados.

Oleico Linoleico
Óleo
vegetal

Oliva 65-85 4-15

Girasol 28-35 60-70

Soja 20-30 50-65

Coco 5-8 0,9-2

Teobroma 37-38 1-2

Palma 39-46 7-11

Boxil e peroxilo. Para essas reações, o mecanismo descrito por Criegee é encontrado
(Menéndez et al., 2008).

Os diferentes passos da reação são competitivos e, na maioria dos casos, resultam em


misturas complexas com diferentes proporções dos produtos formados. Se alguém quiser
melhorar ou aumentar os rendimentos de um produto específico, seria necessário levar em
consideração uma série de fatores no estabelecimento de condições de reação, entre elas:
uso ou não de solventes e seu tipo, presença de outros compostos, a temperatura da
reacção, o tipo de reagente a ser utilizado e a agitação da mistura reaccional.

Os óxidos de carbonilo formados durante a reação podem interagir uns com os


outros e formar diperóxidos e polipéptidos. Além disso, na presença de substâncias próticas
(álcoois, aminas, ácidos, etc.), podem dar origem a outros produtos estáveis, que contêm o
grupo hidroperóxido (Menéndez et al., 2008).

Todas as possibilidades de formação de compostos oxigenados ocorrem em maior ou


menor grau, dependendo das condições sob as quais ocorre a reação de ozonização e a
natureza do óleo vegetal, entre os quais o aumento da concentração de aldeídos na mistura
reaccional e a variação na viscosidade, que aumenta entre 5 e 10 vezes em relação ao valor
inicial, demonstrando que o estágio de polimerização desempenha um papel importante.

Os óleos vegetais ozonizados, que contêm ácido linoleico na sua composição,


apresentarão, entre os componentes voláteis da mistura de reação, aldeídos e ácidos
saturados de 3 e 6 átomos de carbono e ácidos monossaturados de 9 átomos de carbono,
típicos da estrutura do ácido e o mecanismo de ozonização. Por outro lado, como produto
da ozonação de óleos vegetais contendo ácido oleico como único ácido gordo insaturado na
sua estrutura, apenas o aldeído saturado de 9-carbono (nonaldeído) será obtido na sua
fração volátil. Esses componentes, geralmente aldeídos e ácidos, são responsáveis pelo
odor característico desses produtos.

Capítulo 2. Reatividade do ozônio • 29

Deve-se notar que praticamente todos os óleos vegetais comercializados foram


ozonizados, usando diferentes procedimentos ou condições de ozonização e patenteados
dois. No início do século XX (1911), foi aceita a primeira patente sobre a ozonização de
um óleo vegetal (óleo de coco). Posteriormente, foram patenteados outros métodos de
ozonização de óleos vegetais diferentes, como soja, castanha e azeitona. Nas últimas duas
patentes, a ozonização do óleo é realizada em seu estado puro e para fins farmacêuticos.
Em outro artigo, foi descrita a ozonização de diferentes óleos vegetais, como milho,
azeitona e gergelim. Da mesma forma, sabe-se que o autor realizou a ozonização desses
óleos vegetais para o tratamento da acne e que, dois anos depois, desenvolveu um método
para a ozonização de um óleo de origem cerica, óleo de jojoba.

Apesar da utilidade deste tipo de preparações, demonstrada em vários estudos


clínicos, não há consenso sobre os índices de qualidade que devem ser coletados, o que
afetou a generalização do seu uso no nível clínico. Em termos gerais, o índice de qualidade
do óleo, o número de ácido, a viscosidade e a concentração de aldeídos foram estabelecidos
como índices de qualidade do óleo.
Os óleos vegetais ozonizados proporcionam uma ação prolongada de pequenas doses
de ozônio e peróxidos nos tecidos e são basicamente utilizados para suas propriedades
desinfectantes. Além de sua ação bactericida, eles também aceleram processos de
cicatrização de feridas e têm uma ação antimicótica significativa. Demonstrou-se que suas
propriedades anti-sépticas são centenas de vezes mais ativas do que as soluções de ozônio.
Sua administração é interna e também em aplicações locais, e neste caso, eles são capazes
de alcançar pontos que outros anti-sépticos não podem alcançar. Eles podem ser usados
com sucesso para o tratamento de queimaduras e infecções da pele.

Na opinião de Rilling e Viebahn (1987), a aplicação de óleo ozonizado é necessária


em um grande número de doenças causadas por fungos (dermatomicose), que são sempre
difíceis de curar. Os bons resultados de seu uso impedem os pacientes das despesas
importantes associadas a preparações médicas de alto custo.

Os bons resultados da aplicação conjunta de óleo vegetal ozonizado, água ozonizada


e aplicação local em sacos plásticos foram documentados (Viebahn-Haensler, 1999).

2.4.1. Preparação do óleo

Os óleos purificados (refinados) de girassol, azeitona, milho e outros são bem


ozonizados. O processo de ozonização é realizado em condições de diferentes
concentrações e diferentes tempos de borbulhamento:
• Para aplicação interna (bebida) com uma concentração de ozônio na mistura
oxigenada de 20 μg / ml, o tempo de borbulhamento para 100 ml de óleo é de 10 minutos;
para uma concentração de 40 μg / ml, é de 5 minutos, e assim por diante.
• Para aplicação externa com uma concentração de ozônio de 20 μg / ml, o tempo de
borbulhamento de 100 ml de óleo é de 15 minutos; para uma concentração de 40 μg / ml,
serão 8 minutos, e assim por diante.

30
• Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações
• Para aplicação externa (micosis) com uma concentração de ozônio de 24 μg / ml,
o tempo de borbulhamento para 100 ml de óleo é de 15 minutos; Para uma concentração de
50 μg / ml, serão 8 minutos, e assim por diante.
• O óleo ozonizado é armazenado em um recipiente de vidro escuro. A sua
conservação depende muito da temperatura de armazenamento. De acordo com dados
recentes, fornecidos por Miura T. et al. (2001) com a ajuda de equipamentos modernos, o
óleo ozonizado mantém sua atividade à temperatura ambiente por 3 meses e em
refrigeração por 2 anos.
• Quando o uso for interno, a quantidade de óleo que será tomada no início será
uma colher de chá, 20 a 30 minutos após as refeições, 2-4 vezes por dia, e será aumentada
lentamente para uma colher de sopa 2- 4 vezes por dia
• Com base em observações experimentais e clínicas, Lipatov (2000) concluiu que o
óleo ozonizado deve ser um componente obrigatório do tratamento de queimaduras
químicas do trato digestivo e recomenda a prescrição em uma dose de 30 ml 3 vezes ao dia.
• Quando administrado internamente, o óleo vegetal ozonizado não apenas exerce
uma ação anti-inflamatória. Nas obras de Alferina et al. (2000) e Mamikina et al. (2000),
realizada com pacientes afetados por diferentes doenças infecciosas, mostrou a influência
imunológica sobre os indicadores de imunidade celular e humoral, tanto no específico
quanto no não específico. Em todas as patologias infecciosas estudadas, a inclusão de óleo
ozonizado no tratamento basal (5 ml duas vezes ao dia) permitiu curto-termizar o conteúdo
absoluto e percentual de linfócitos T, diminuiu o número de linfócitos B e aumentou A
atividade da fagocitose. A aplicação de óleo vegetal ozonizado levou à normalização ou
aumento da imunidade humoral não específica, atividade bactericida e lisozimas de soro
sanguíneo.
• Recomendações para o uso de óleos ozonizados de acordo com a concentração de
ozonidos no óleo (R refere-se ao índice de peróxido)
• Na administração oral de óleo ozonizado (em doenças do sistema digestivo e
após cirurgia intestinal), será utilizado um índice de peróxido de R = 400.
• Para aplicações de longo prazo (algumas horas) na mucosa vaginal, retal ou
na-sal, para úlceras tróficas na fase de epitelização, e para o couro cabeludo e
cuidados com a pele, será usado R = 400-600.
• Para o tratamento de feridas, úlceras tróficas e queimaduras em fase de
granulação livre e livre, será usado um R = 800.
• Na psoríase, em doenças virais e em infestações cutâneas fúngicas, será usado R =
1.200.
• Para aplicações terapêuticas breves (1-10 min) em condições gengivais, em
condições cutâneas virais e micóticas difíceis de tratar devido a resistência (por exemplo,
cheilite angular, tricofitose do couro cabeludo e outros), será usado R = 2.400. 2.800.

Capítulo 2. Reatividade do ozônio • 31

2.4.2. Estabilidade de óleos vegetais ozonizados

O desenvolvimento de métodos e estratégias para preservar óleos vegetais


ozonizados e, portanto, oxidado, tem sido uma tarefa árdua. Em geral, óleos oxidados
seguem rotas de decomposição que são muito difíceis de parar. O resultado da oxidação de
gorduras é o desenvolvimento da rancidez (um termo usado para descrever a oxidação das
gorduras), acompanhado de sabor e odores desagradáveis, bem como uma alteração nas
propriedades físicas (por exemplo, um aumento de a viscosidade). Embora a deterioração
dos óleos possa ser devida a causas diferentes da oxidação, como a ação de enzimas ou
microorganismos, a oxidação é a causa mais importante do ponto de vista prático. Luz,
calor e certas impurezas, como água e metais, aceleram esse processo. Sabe-se que os
peróxidos são compostos de decomposição primários da oxidação de gorduras e óleos. Na
reação secundária, os produtos de decomposição resultantes da oxidação são peróxidos,
aldeídos e ácidos, entre outros.

A reação entre um óleo vegetal e ozônio é uma reação de oxidação em que se


formam compostos peroxídicos que aumentam consideravelmente o valor de peróxido do
óleo tratado e, portanto, favorecem os processos de oxidação e subseqüente degradação. As
reacções que ocorrem após a reacção de ozonização, nos estádios de preparação de
armazenamento e formulação, são tão complexas que é impossível desenvolvê-las em
detalhes, então apenas mencionamos as três mais importantes: formação de ácido,
despolimerização e autotransformação de derivados de hidroperóxido.

Durante a ozonização destes óleos, e depois durante o armazenamento do produto, a


formação de ácidos livres, tanto voláteis como não voláteis, é observada em pequenas
quantidades. Isso mostra que a oxidação de uma parte dos aldeídos ocorre com ozônio e
oxigênio molecular em um estado de oxidação mais elevado, correspondente aos ácidos
gordurosos e uma autooxidação dos hidroperóxidos de hidroxilo.

Além disso, durante a armazenagem do óleo vegetal ozonizado, observa-se uma


ligeira diminuição da viscosidade, como conseqüência da despolimerização dos
poliperóxidos que são formados durante o processo. Os compostos formados entre o óxido
de carbonilo e o composto prótico no meio de reação são capazes de autocomposição,
deixando o aldeído e o hidroperóxido em equilíbrio dinâmico.

Essas reações, tomadas como um todo, fazem com que os óleos vegetais ozonizados
durante o armazenamento alterem suas propriedades químicas, físicas e microbiológicas.
Por todos esses fatores, o conhecimento da estabilidade dos óleos vegetais ozonizados é
uma premissa fundamental para predefinir sua vida útil com condições de boa qualidade
(Menéndez et al., 2008).

2.4.3. Uso de óleos ozonizados como germicidas

Os chamados óleos ozonizados podem ser preparados em diferentes formas:


emulsões oleosas líquidas, lipofílicas e hidrofílicas, e cremes, unguentos, óvulos,
supositórios ou cápsulas moles. Essas formas têm atividades biológicas locais e efeitos
terapêuticos semelhantes aos do ozônio administrado in vivo. Entre as propriedades
terapêuticas desta

32 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

Classe de petróleo ozonizado, pode ser destacada, em relação a alguns de seus


efeitos locais, o seguinte: • Intensa atividade germicida geral (antifúngica, antibacteriana,
antiviral).
• Ativação da microcirculação local.
• Melhoria do metabolismo do oxigênio celular.
• Estimulação do crescimento do tecido de granulação, como epitelização e
revitalização do tecido epitelial.

Esta forma de aplicação local de metabólitos de ozônio é muito apropriada para


muitos dos tipos de patologias tradicionalmente tratadas pela terapia de ozônio,
conseguindo resultados semelhantes, embora às vezes sejam necessários períodos de
tratamento um pouco mais longos, provavelmente devido à menor poder de oxigenação ou
o efeito sistêmico inferior. Por outro lado, uma das vantagens que possuem sobre o próprio
ozônio é a possibilidade de aplicar a terapia com ozônio "em casa", sem a presença física
dos pacientes no local onde os tratamentos com ozônio gasoso. Isso também pode ser
combinado com aplicações de gás ozônio durante os períodos entre as sessões de terapia de
ozônio.

Alguns exemplos de condições em que a aplicação de óleos ozonizados forneceu


bons resultados são:

• Acne.
• Cicatrizes, fístulas e feridas pós-cirúrgicas.
• Úlceras gástricas.
• Giardíase.
• Gengivostomatite.
• Úlceras dos membros inferiores (insuficiência venosa ou arterial).
• Infecções vulvovaginais.
• Queimaduras cutâneas.
• Herpes simple labial e genital recorrente.
Otite externa crônica.
• Onicomicosis.
• Epidermófitoses (infecção de canais radiculares).
• Não relacionado aos processos infecciosos:
- Atenuação de rugas.
- Dermatite e manchas cutâneas.
- Celulite e pele deteriorada.
- Hiperestesia dental.

2. 5. Ozonação de soluções fisiológicas para infusões intravenosas

A idéia de usar soluções fisiológicas como transportadoras de misturas gasosas de


ozônio e oxigênio vem de alguns pesquisadores russos (Kontorschikova e Peretiagin). De
acordo com
Capítulo 2. Reatividade do ozônio • 33

os dados de Rilling et al. (1987), Bocci (1994) e Richermi (1995), o ozônio


dissolvido normalmente existe no corpo, pelo que seu uso em doses terapêuticas é
absolutamente inofensivo.

Nas células de organismos superiores, o uso medicinal de ozo-non dissolvido em


concentrações dezenas de vezes menores do que as concentrações tóxicas não só não
produz qualquer tipo de mudança de degradação, mas tem uma ação estimulante (Paponov
et al. 1992, Alekseeva et al 1992, Koksharov et al., 1992).

Na prática clínica, durante a preparação de soluções fisiológicas para administração


intravenosa, uma grande variedade de concentrações de ozônio e oxigênio são utilizadas na
saída do ozonizador, a partir de 800 μg / l (Kachalina et al., 1998) até 100,000 μg / l
(Karataev, 2000).

Existem duas formas de administração da solução fisiológica ozonizada. De acordo


com o primeiro, a solução é ozonizada até atingir uma certa concentração, após a qual o
borbulhamento pára e, posteriormente, a solução é administrada por via intravenosa
(Boiarinov et al., 1999; Gustov et al., 1999). Os adeptos deste método de preparação
mencionam entre as suas vantagens a possibilidade de determinar a quantidade de ozônio
dissolvido no meio de infusão antes da administração ao paciente. A preparação da solução
pelo método descrito acima possibilita a obtenção de altas concentrações de ozônio. Assim,
Yakovlev et al. (2000) utilizaram soluções fisiológicas com concentrações de ozônio de 1
μg / ml para infusões por gotejamento intravenoso, Bikov et al. (2000) 1-3,0 μg / ml,
Struchkov et al. (2000) 2-4 μg / ml e Minenkov et al. (2000) 2-6 ug / ml.

Karataev (2000) obteve a solução fisiológica ozonada borbulhando a mistura de


ozônio e oxigênio em um balão volumétrico de 200 ml, com uma concentração de ozônio
na faixa de 60 μg / ml a 100 μg / ml; o tempo de ozonização foi de 5 minutos. Nessas
condições, atingiu-se uma concentração de ozônio dissolvido de 3 μg / ml a 4 μg / ml e a
dose unitária de ozônio na administração intravenosa da solução era de 1,2 mg a 1,6 mg.

Após a preparação, a solução deve ser administrada o mais rápido possível, uma vez
que o ozônio se decompõe rapidamente na solução. De acordo com os dados de Boiarinov
et al. (2000), a concentração de ozônio dissolvido na solução fisiológica à temperatura
ambiente diminui em 17% aos 5 minutos, 29% após 10 minutos, 37% após 15 minutos,
43% após 20 minutos e uma 46% após 25 min. Esta é uma das desvantagens deste modo de
preparação. Além do mencionado, deve-se notar que foram desenvolvidos dispositivos que
estabilizem a concentração de ozônio dissolvido na solução fisiológica após borbulhar
durante toda a duração da infusão, algo que compensa esse inconveniente (Nazarov, 2003).
, 2004).
Como uma segunda desvantagem deste método de preparação, é necessário levar em
conta a aparência freqüente de flebite nos locais de administração da solução, porque a
concentração inicial de ozônio na solução é bastante alta.

No segundo modo de preparação, a administração da solução fisiológica por


gotejamento é realizada na zona de borbulhamento da mistura de gases; demora cerca de
10-15 minutos

34 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

de borbulhar, tempo necessário para a saturação da solução. A ozonização ocorre


com uma concentração muito menor de ozônio (400-2,500 μg / l na saída do ozonizador).
Conseqüentemente, a solução fisiológica atinge o paciente com menor concentração e
menos quantidade de ozônio dissolvido. De acordo com Durnovo e Jomutinnikoba (2000),
para uma concentração de ozônio entre 1.500 μg / l e 2.500 μg / l na saída do ozonador, a
concentração na solução fisiológica será de 172-220 μg / l.

Uma das vantagens deste método é que, ao longo do período em que a solução
ozonizada é administrada ao sangue do paciente, é garantida a concentração precisa de
ozônio na solução e não as formas ativas de oxigênio, cuja concentração aumenta quanto
mais o tempo decorrido após a cessação de borbulhar (Staehelin, 1985).

Uma maneira prática de realizar o procedimento de saturação e entrega da solução


fisiológica é a seguinte: um sistema de uso único para infusões por gotejamento
intravenoso é incorporado em uma garrafa de volume de 200 ml contendo uma solução
estéril. . Ao borbulhar o ozonizador acoplado, a mistura de ozono e oxigénio é passada
através do balão durante 10 minutos e, depois desse tempo, a solução é administrada por
gotejamento intravenoso durante 15 a 30 minutos. Ao usar este método de administração,
o conta-gotas deve ser cuidadosamente monitorizado, pois aumenta o risco de embolia
gasosa ocorrer se o paciente não for separado do sistema de administração intravenosa no
tempo. Portanto, durante a administração da solução, a ozonação deve ser completada
(desconecte o conta-gotas do aparelho, interrompa a chegada da mistura de ozônio e
oxigênio à garrafa) quando houver aproximadamente 50 ml de líquido restante na garrafa.

Conforme mencionado acima, as concentrações de ozonização de soluções


fisiológicas propostas por diferentes autores caracterizam-se por cobrir uma ampla gama,
dependendo dos diferentes objetivos do tratamento e em cada caso específico.

Para atingir um efeito metabólico geral, pode ser utilizado um procedimento que
produz bons resultados clínicos e evita complicações, segundo o qual a quantidade de
ozônio que sai do ozonizador é determinada pelo cálculo de 20 μg por kg de massa
corporal do paciente. Por exemplo, se o peso de um paciente for de 80 kg, a quantidade de
ozônio para esse paciente será de 20 × 80 = 1.600 μg. Com base na pesquisa
(Kontorschikova, 1992) e no trabalho de outros autores (Boiarinov et al., 2000), propõe-se
uma tabela que relaciona os diferentes fatores que devem ser levados em consideração
(tabela 2-4).

Com este modo de administração, as concentrações superiores a 3.000 μg / L não


são utilizadas na saída do ozonizador, uma vez que o aumento acima deste nível leva à
manifestação dos processos de ativação da produção de radicais livres e viola o equilíbrio
entre a peroxidação de lipídios e o sistema antioxidante (Gustov et al., 1999). Dada a
necessidade de utilizar concentrações mais elevadas na infusão, as soluções fisiológicas
são acompanhadas pela subsequente introdução de antioxidantes (ácido ascórbico).

Ao usar o método pelo qual a solução é previamente ozonizada, o borbulhamento é


parado e depois a solução é administrada por via intravenosa, gota a gota. As experiências
da escola russa recomendam calcular a concentração de ozônio na saída do ozonizador, a
estimativa de 40 μg por 1 kg de massa corporal. Por exemplo, se o peso do paciente for de
80 kg, a quantidade de ozônio que corresponderia seria de 4 × 80 = 3,200 μg. Em
conclusão, deve notar-se que os autores que usaram a administração para

Capítulo 2. Reatividade do ozônio • 35

Tabela 2-4. Relações entre a concentração de ozônio na mistura de gás na saída do


ozonizador e os indicadores médios da concentração e a quantidade de ozônio dissolvida
na garrafa da solução fisiológica, de 200 ml de volume, durante a administração
simultânea de borbulhamento e intravenosa.

Concentração de Concentração de
ozônio ozônio Quantidade de ozônio
Saída do ozonizador (μg / l) dissolvido (μg / l) dissolvido (μg)

1.000 220 44

1.200 264 53

1.400 308 62

1.600 352 70

1.800 396 79

2.000 428 86

2.200 472 94

2.400 528 105

2.600 572 114

2.800 616 123

3.000 660 132


O gotejamento intravenoso de soluções fisiológicas ozonizadas, tanto pelo primeiro
como pelo segundo dos métodos descritos anteriormente, documentam bons resultados dos
tratamentos.

2.6. Reação de ozônio com fluidos biológicos

As propriedades terapêuticas do ozônio são basicamente condicionadas por dois


mecanismos independentes.

1. Sua capacidade oxidante direta: isto é, o grande poder oxidante que pode fazer
com que o ozônio reaja diretamente com as paredes microbianas e exerça seus efeitos
germicidas ou, por exemplo, reaja diretamente com mediadores de inflamação e dor ou
receptores de citoquinas e bloqueio de respostas biológicas (Re et al., 2008b).

2. Efeitos indiretos: estão relacionados aos que ocorrem após a interação O3-
biomoléculas; neste caso, os peróxidos orgânicos, o H2O2, os ozonidos e os aldeídos e
outros produtos de oxidação gerados em quantidades adequadas e controladas ativam
mecanismos endógenos de resposta ao estresse que conseguem equilibrar novamente o
ambiente redox que tinha sido alterado pela patologia basal. Embora o primeiro mecanismo
corresponda aos efeitos a curto prazo de O3, o

36 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

O segundo requer tempo, portanto, para alcançar a maioria dos efeitos do O3, é
necessária a aplicação de um ciclo terapêutico (Martínez-Sánchez e Re, 2010).

Em relação ao segundo mecanismo, o professor Bocci afirma que a reação do ozônio


com a grande variedade de compostos moleculares presentes em organismos vivos envolve
dois processos fundamentais: uma fase inicial de reação em que, apesar de consumir grande
parte do ozônio , antioxidantes presentes no plasma, são formadas várias espécies reativas
de oxigênio (ERO), capazes de desencadear algumas vias bioquímicas (embora estas ROS
sejam neutralizadas em 0,5 min a 1 min pelos sistemas antioxidantes, convertendo a ozônio
em água) e uma fase tardia, em que se formam produtos de oxidação lipídica, tais como
radicais de alquiloxi ROO •, hidroperóxidos (R-OOH), misturas complexas de produtos
finais de aldeídos de baixo peso molecular (malonyldialdeído) e alcenos (4-droxi-2,3-
trasnonenal) e também, H2O2 (um oxidante que, embora não seja um radical, está incluído
no ERO). Tanto este como o POL são responsáveis pelos efeitos terapêuticos e biológicos
tardios do ozono. A presença transitória de concentrações elevadas de H2O2 no citoplasma
de células tratadas com O3 indica que o H2O2 atua como um dos mensageiros químicos do
ozônio e que sua concentração é crítica, o que significa que deve estar acima de um certo
limiar para seja eficaz, mas não tão superior quanto a causar danos. Este estresse oxidativo
pequeno, transiente e calculado que é alcançado com ozônio em doses terapêuticas é
necessário para ativar um conjunto de funções biológicas inibidas, sem causar efeitos
adversos. Reconhece-se que H2O2 é um composto de sinalização intracelular, capaz de
ativar uma quimera de tiroxina, que fosforila o fator de transcrição nuclear NFĸB, com a
conseqüente síntese de diferentes proteínas. H2O2 é capaz de atuar sobre células
sanguíneas mononucleares, plaquetas, células endoteliais e eritrócitos. Com relação ao
POL, que também pode atingir qualquer órgão, sua toxicidade depende da sua
concentração final e do tipo de tecido em que é distribuída, que pode ser mensageiro
prejudicial ou fisiológico capaz de reagir a um sistema biológico deteriorado (Niki, 2009 ).
É importante insistir em que essas várias ações biológicas alcançam resultados terapêuticos
quando o ozônio é aplicado em doses adequadas de forma não prejudicial ao organismo.
Assim, não há reacções adversas ou danos genotóxico ocorrer, e o amplo espectro de
efeitos gerados permite a aplicação de uma grande variedade de especialidades médicas e,
dentro de si, em uma variedade de processos diferentes (Fig. 2-8) .

2.7. Ozônio no metabolismo do oxigênio

O fornecimento de oxigênio aos tecidos é favorecido após a terapia com ozônio.


Esses efeitos refletem diferentes mecanismos, e existem várias evidências experimentais
que o confirmam. A terapia com o ozônio inverte a agregação de eritrócitos de doenças
oclusivas arteriais através de mudanças nas cargas elétricas da membrana dos eritrócitos. O
incre-mento da taxa de glicólise no eritrócito é acompanhado por um aumento significativo
na permuta de iões de sódio e potássio, que são responsáveis por manter o potencial
eléctrico da membrana, normalizando a troca de tais iões. As doenças
Capítulo 2. Rea
ozono

Ozono
ve

se

ún

Exposição
crônica (0,7-0,77 mg/d)
Toxicid
ade
Exposição Autohemoterapi
aguda Sangre a
(1-10 Órgãos Rectal
mg/d) brancos Eficacia
Punção local
Punção
terapé
paravertebral utica
Outros
Dose Branco Métodos
apropriada apropriado apropriados

Figura 2-8. Efeitos biológicos do ozônio dependendo da dose, do objetivo e dos métodos
aplicados.

As doenças arteriais oclusivas estão relacionadas à perda do potencial normal da


membrana plasmática dos eritrócitos. A normalização da troca de íons pelo ozônio e seus
produtos favorece a restauração do potencial normal. Conseqüentemente, a regeneração das
condições elétricas normais da membrana promove a recuperação da flexibilidade e
plasticidade dos eritrócitos, melhorando assim as propriedades reológicas do sangue, o que
conseqüentemente melhora o transporte de oxigênio. . Sabe-se que, quando o tratamento de
pacientes com doença oclusiva arterial com autohaemotherapy ozono, uma luz de
peroxidação da membrana do eritrócito, por sua vez, induz a um aumento na fluidez da
membrana, com o aumento da deformação e capacidade ocorre de filtração. Além disso,
durante o tratamento com O3, observa-se uma menor taxa de sedimentação, com uma
diminuição da viscosidade, o que explica a melhora dos indicadores hemorréológicos
desses pacientes (Menéndez et al., 2008).
Por outro lado, ao estudar o efeito do ozônio no fluxo sanguíneo cerebral,
observaram-se aumentos na velocidade diastólica na artéria cerebral média, compatíveis
com uma diminuição da resistência vascular, uma melhora nas propriedades reológicas e,
portanto, uma redução na resistência vascular. portanto, um aumento no fluxo sanguíneo
(corroborado pelos aumentos observados no fluxo sanguíneo na artéria carótida comum).
Algumas experiências também mostraram resultados satisfatórios em termos de oxigenação
dos músculos em repouso após o tratamento com O3, especialmente naqueles com hipoxia
maior.

No entanto, são conhecidas outras obras nas quais se afirma que a peroxidação da
membrana não é produzida pela ação do ozônio. Nestes casos, afirma-se que os eritrócitos
estão bem protegidos pelos sistemas de defesa antioxidante, que impedem a ocorrência de
uma peroxidação lipídica da membrana. Portanto, são necessários estudos

38 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

adicional para corroborar se, nestas circunstâncias, ocorre realmente uma


peroxidação muito leve que leva a uma melhoria das propriedades hemorrológicas.

A reatividade seletiva do ozônio para a formação de POL e ERO facilita a ativação


direta do metabolismo dos eritrócitos. O primeiro passo da reação consiste na adição
eletrofílica de ozônio às ligações duplas de ácidos graxos poliinsaturados, presentes em alta
porcentagem dos fluidos do corpo e estruturas celulares. Desta forma, os peróxidos de
cadeia mais curtos formados (devido à quebra da cadeia de carbono ao nível da dupla
ligação) podem penetrar nos eritrócitos e influenciar seu metabolismo de forma
característica. A sequência funcional ocorre através de um estresse oxidativo pequeno e
controlado; portanto, os sistemas de defesa antioxidante entram em jogo.

O aumento da oxigenação e os efeitos benéficos da terapia de ozônio em doenças


isquêmicas podem ser associados à microlibricação de ATP em eritrócitos e à
vasodilatação encontrada. Durante a auto-hemoterapia, alguns vestígios de ozonizada POL
presente no sangue podem provocar a diferenciação eritropoiética nível e favorecedor da
para-mação de novos eritrócitos com características bioquímicas melhorados que poderiam
lla-MARSE eritrócitos' dotado. " Se essa hipótese pudesse ser demonstrada, poderia
assumir-se que a medula óssea liberará novos eritrócitos capazes de satisfazer os requisitos
energéticos e biossintéticos aumentados impostos pelo tratamento (Bocci, 2005).

Embora esta hipótese não tenha sido demonstrada, ela é parcialmente suportada
pelos resultados do trabalho anterior sobre a eficácia da terapia com ozônio em modelos I /
R. (Ajamied et al., 2004, 2005; Martínez-Sánchez et al., 2005b). Além disso, as melhorias
clínicas observadas em pacientes tratados com ozônio não desaparecem após a cessação do
tratamento, mas persistem por 3 a 4 meses, fato que provavelmente está relacionado ao
prolongamento da vida desses eritrócitos dotados presentes no circulação.
2,3-DPG desempenha certas funções essenciais, incluindo atuando sobre a
dessaturação de oxigênio com oxigênio, causando uma transferência maior para os tecidos
vizinhos. O deslocamento à direita da curva de dissociação da oxihemoglobina (aumentos
de P50) pode ser observado por uma ligeira diminuição no pH intracelular (acidose) ou um
aumento no PCO2 (efeito Bohr) e pela aumento de 2,3-DPG. Em alguns estudos, a
detecção de um aumento deste em pacientes com doença arterial oclusiva tratada com
terapia de ozônio por auto-hemoterapia é demonstrada, especialmente nos pacientes que
inicialmente apresentaram baixas concentrações. Este comportamento também foi
observado em idosos tratados por 13 semanas com o ozônio retal. Este composto é formado
na via glicolítica quando o 1,3-difosfoglicerato é convertido em 2,3-DPG pela ação da
enzima 2,3-difosfoglicerato-mutase (2,3-DPGM). Por sua vez, o 2,3-DPG é transformado
em fosfoglicerato através da 2,3-difosfogliceratofosfatase (2,3-DPGP). Não se sabe
exatamente como o ozônio é capaz de aumentar as concentrações de 2,3-DPG.
Normalmente, os tecidos isquêmicos tentam liberar mediadores, como o fator de hipoxia
induzível, para corrigir a hipoxia local. Seria necessário investigar se esses fatores são
liberados quando ozonizam o sangue, bem como o modo de ação, favorecendo a atividade
enzimática de 2,3-DPGM ou regulando sua síntese e inibindo 2,3-DPGP.
Capítulo 3

Mecanismos
básicos para
o uso clínico
da terapia
com ozônio
Na avaliação dos efeitos clínicos do ozônio, devem ser consideradas reações com
diferentes compostos biológicos que fazem parte da composição dos tecidos do organismo.
Assim, na administração pelo sangue, os principais elementos que reagem são as
membranas celulares dos elementos formados do sangue (eritrócitos, linfócitos,
trombócitos), os metabolitos plasmáticos e também as células endoteliais vasculares. Não
se esqueça de que, em cada caso específico, uma parte do ozônio perde as propriedades
oxidantes devido à presença de antioxidantes no organismo e na corrente sanguínea em
particular. Assim, no plasma existem compostos que possuem grupos que prendem os
radicais livres de oxigênio: os grupos sulfidrilo dos aminoácidos (cistina, cisteína,
metionina), ácidos graxos, péptidos, proteínas, os grupos NH e NH2 da ureia, ácido úrico,
taurina, bilirrubina, tripeptídeo glutationa (glicina, metionina, ácido glutâmico), hormônios
esteróides e vitaminas (principalmente, tocoferol e ácido ascórbico).
Dado isto, é muito difícil imaginar todas as variantes de produtos de ozonólise que se
formam cada vez, tanto do ponto de vista qualitativo como do ponto de vista quantitativo, e
conhecer todas as possíveis reações de resposta do organismo aos compostos individuais ou
a sua ação conjunta. Por todas estas razões, apesar de quase um século de uso efetivo do
ozônio na medicina, os mecanismos biológicos de sua ação continuam a ser estudados, e
pode-se dizer que não se espera que se torne dominado no futuro próximo.

A interação do ozônio com os lipídios, em que os produtos de peroxidação são


formados, foi estudada mais completamente. No entanto, devemos também ter em conta

40 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

as possíveis reações e, consequentemente, as diferentes respostas devido à interação


do ozônio com hidrocarbonetos complexos, proteínas, glicoproteínas e esfingolípidos.
Considerando que a quantidade de ozônio introduzida é insignificante em comparação com
a quantidade de substratos, os principais efeitos biológicos do primeiro podem ser
explicados pela formação dos diferentes produtos da ozonólise. Aparentemente, alguns
deles, que têm atividade biológica, são capazes, à custa do mecanismo de equilíbrio, de
iniciar processos bioquímicos em cascata que corrigem as afeições patológicas.

3.1. Ação bactericida, virucida e fungicida do ozônio

Entre os efeitos biológicos do ozônio, o primeiro lugar é tradicionalmente ocupado


pelo efeito bactericida, virucida e fungicida. Esta ação direta do ozônio se manifesta de
forma geral quando aplicada por uma via externa, seguindo as diferentes modalidades
terapêuticas, principalmente em altas concentrações. Ao contrário de muitos anti-sépticos
conhecidos, o ozônio não irrita ou destrói os tecidos protetores das pessoas, pois, ao
contrário dos microorganismos, o organismo multicelular do ser humano possui um
poderoso sistema de defesa antioxidante.
O primeiro objetivo do ozônio são as membranas plasmáticas das células. As
modificações induzidas pelo ozônio no conteúdo intracelular (oxidação de proteínas
citoplasmáticas, alteração das funções organelas) são provavelmente produzidas pela ação
de oxidantes secundários, produtos da ozonólise dos lipídios das membranas.

A ação do ozônio nas membranas é dirigida, em primeiro lugar, às partes mais


polares, algo que não está relacionado à maior similaridade do ozônio com elas, mas com
maior acessibilidade do lado da fase aquosa na parte externa da célula . A causa direta da
destruição das bactérias pela ação do ozônio é a deterioração local das membranas
plasmáticas, o que faz com que as células bacterianas perdem a capacidade de viver, a
capacidade de reprodução ou as duas. Nas leveduras, a causa fundamental é a alteração da
homeostase dentro da célula como conseqüência da alteração das propriedades de barreira
das membranas plasmáticas.

Através de estudos com microscopia eletrônica, a formação de proteína-proteína


transversal e sutura de proteínas lipídicas foi descoberta durante a oxidação lipídica (OLP)
sob a ação do ozônio. Um dos agentes de sutura pode ser malonildialdeído, o que é
confirmado pelo fato de que, com doses letais para Candida albicans, as fissuras
longitudinais são substituídas por fissuras transversais, o que leva a uma rápida variação
nas ultraestruturas da membrana. Plasma É importante notar que as moléculas de ozônio
não só interagem com os componentes da superfície das membranas, mas, ao variar sua
permeabilidade, produzem a destruição das organelas intracelulares em 10-20 minutos.

O mecanismo que os organismos vivos usam para eliminar antígenos estranhos, que
consiste na ação de radicais livres de oxigênio, também não pode ser descartado.

Capítulo 3. Mecanismos básicos para o uso clínico da terapia com ozônio • 41

que são formados com a decomposição de ozônio em um meio aquoso. A presença


de radiolite OH, altamente reativa, explica precisamente a ação letal do ozônio na maioria
dos microorganismos.

De acordo com dados obtidos de estudos microbiológicos in vitro, o ozônio é capaz


de destruir todos os tipos conhecidos de bactérias Gram-positivas e Gram-negativas,
incluindo Pseudomonas aeruginosa e Legionella, todos os vírus hidrofílicos e lipofílicos,
dentre eles os vírus da Hepatite A, B e C, esporos e formas vegetativas de todos os fungos
e protozoários patogênicos conhecidos (Carpendale e Griffis, 1993). De acordo com os
dados fornecidos por vários autores, em concentrações que variam de 1 μg / ml a 5 μg / ml,
o ozônio destrói 99,9% de E. coli, Enterococcus faecalis, Mycobacterium tuber-culosum,
Cryptosporidium parvum, Varavium e outros, em um intervalo de 4 a 20 minutos. A uma
concentração de 0,1 μg / ml, leva 15 a 20 minutos, mesmo para a destruição dos esporos
altamente resistentes de Penicillinum notatum.
A experimentação em propriedades bactericidas in vitro de água destilada ozonizada
com uma concentração de ozônio de 4 μg / ml mostrou que a inibição total do crescimento
de colônias de estafilococos, bacilos intestinais e Pseudomonas aeruginosa, Proteus e
Klebsiella ocorre em concentrações de microorganismos de 103-104 CFU / ml. Com
concentrações mais elevadas de microorganismos (cerca de 105-107 CFU / ml), observa-se
inativação incompleta.

Sublinhando a expressão do efeito bactericida do ozônio na microflora Gram-


positiva de feridas supurantes e úlceras tróficas, juntamente com a diminuição dinâmica da
resistência de microorganismos ao ozônio, o aumento da sensibilidade de estes para
antibióticos. É essencial reduzir a atividade da exotoxina de Staphylococcus aureus, bem
como a exotoxina e endotoxina de Pseudomonas aeruginosa.

O aumento da sensibilidade das bactérias à ação bactericida do sistema do


complemento na presença de ozônio foi demonstrado. As soluções de ozônio são muito
eficazes contra Staphylococcus aureus resistente à meticilina. Os mesmos autores também
detectaram a potente ação antiviral contra enterovírus e poliovírus.

De acordo com dados de Bolton (1982), os vírus encapsulados são mais sensíveis à
ação do ozônio do que os vírus não encapsulados, o que é explicado porque a cápsula
contém muitos lipídios (por exemplo, no vírus da herpes, até 22%) que interagem
facilmente com o ozônio. A detecção do efeito antiviral desse elemento na cultura de
linfócitos infectados com HIV-1 (Carpendale e Griffis, 1993) foi uma descoberta muito
importante.

O efeito do ozônio sobre as micelas dos fungos patogênicos altera a estrutura externa
dos agentes patogênicos (membrana citoplasmática) e, em seguida, as membranas
intracelulares da estrutura e organelas são incorporadas no processo. Como resultado desta
ação, as hifas dos fungos patogênicos aplainam, torcem e rugem, aparecendo defeitos das
paredes celulares até a completa destruição de todos os componentes da estrutura celular
dos fungos.

Ao administrar concentrações mais baixas de ozônio, por meio de diferentes


técnicas, o efeito antiviral é condicionado por mecanismos mais complexos. Quantidades
iguais

42 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

oxidantes insignificantes, existentes na forma de ozonetos, levam aos seguintes


resultados:

• Destruição parcial de envelopes de vírus e perda de suas propriedades.


• Inativação no vírus da transcriptase reversa, com a conseqüente inibição dos
processos de transcrição e síntese das proteínas e, portanto, da formação de novas células
virais.

• Alteração da capacidade de vírus para combinar com os receptores das células alvo.
De acordo com dados de Viebahn-Haensler (1999), a molécula de elétron-ozônio pode
reagir com o par de elétrons livre de nitrogênio na N-acetilglucosamina, que é detectada
nos receptores de célula hospedeira dos vírus. Isso diminui a sensibilidade das células para
vírus e elimina o fenômeno da dependência. Na verdade, demonstrou-se que o ozônio pode
desativar o vírus extracorpóreamente e dentro da célula.
Além disso, muitas infecções que acompanham a infecção do HIV eram resistentes
aos antibióticos, mas pode ser inactivado pelas concentrações de ozono-nes vitamina C não
tóxicos para as células do corpo.

A influência de ozono desempenha um papel importante no sistema de defesa não


específica do organismo (activação de fagócitos, reforçando a citocina factor de interferões
de síntese, do tumor e interleucinas necrose), e nos componentes de imunidade celular e
humoral .

O efeito bactericida do óleo vegetal ozonizada é devido à presença de ozonídeos e


hidroperóxidos que são formados nas reacções de ozono nos pontos onde locali-zan as
ligações duplas do ácido gordo.

Supõe-se que, devido à ligação de oxigénio, o ácido gordo insaturado ozonido


"acoplado" no receptor para os microrganismos e blocos. O óleo com um valor de
peróxido de 2500-3000 é com a maior efeito bactericida, e mesmo com Dilu-ção de uma
solução de óleo 10, 20, 50 e 100 vezes, retém o efeito germicida. O efeito do óleo
ozonizada foi observada em culturas de T. rubrum, T. interdigitale, bolores e leveduras de
fungos Candida. A eficácia terapêutica foi detectado no pé mi-Cosis, onicomicose, prega e
candidíase dermatophytid inguinal (Sukolin et al., 1992).

As primeiras aplicações de ozono no campo da medicina foram destinadas ha-cia


desinfetar feridas e instrumentos cirúrgicos, aproveitando seus laços intensamente propie-
oxidantes. Em 1915, A. Wolf emprega as propriedades germicidas do ozônio no campo da
medicina. As aplicações iniciais visavam o tratamento local de feridas infectadas. Mais
tarde, após a descoberta de materiais plásticos resistentes a reacção com ozono, foi
possível tratamento local com membros sépticas gás ozono, inseri-los em sacos de plástico
para facilitar a produc-ção e aquisição. Com o desenvolvimento progressivo de
ozonetherapy, Werkmeister introdução-duzir 1,976 tratamento com sistemas de baixa
pressão (sub-atmosféricas). A ação germicida (bactericida, virucida e fungicida) de amplo
espectro de ozônio permite

Capítulo 3. Mecanismos básicos para o uso clínico da terapia com ozônio • 43


A terapia com ozônio é um tratamento valioso para a limpeza e desinfecção de
feridas infectadas, bem como em processos sépticos locais.

Além disso, esta forma de aplicação pode ser combinado com outros métodos
também derivados aplicações de gás de ozono (sistémica e aplicações locais de água e
óleos vegetais ozonizados), sem o perigo da resistência microbiana, e a ocorrência de
toxicidade ou efeitos adversos , e com a vantagem de obter resultados de cicatrização
anteriores em condições em que a evolução tende a ser semanas ou meses.

Em tratamentos locais, que poderia aumentar o aparecimento de inactivação de


microrganismos por acção directa de ozono, por causa de clivagem oxidativa das suas
membranas. No entanto, neste momento ainda não há acordo sobre o mecanismo de ação
pelo qual o ozono exerce a sua acção germicida sistêmica. Tem sido proposto que poderia
ser o resultado de formação de ROS, resultantes de interacções do ozono com diferentes
compostos orgânicos que aumentam Setter normais mo acção defensiva e seu efeito na
regulação do sistema imune através libertação de citocinas.

Em sepse grave, com ou sem choque séptico, o tratamento pode ser extremamente
difícil. Os antibióticos são claramente as drogas que são freqüentemente usadas, mas, ao
mesmo tempo, muitas vezes não são adequadas para pacientes imunocomprometidos. Além
disso, devemos levar em consideração a resistência que os antibióticos criam em diferentes
microorganismos.

Até à data, numerosos modelos experimentais de casos de peritonite foram


documentados para estudar a patogênese desta condição e encontrar novos métodos
terapêuticos. Em um modelo de peritonite letal, foi demonstrado que o tratamento,
profilático, com 5 aplicações intraperitoneais de ozônio antes da sepse, aumentou a
sobrevivência dos animais, o que estava relacionado à dose de ozônio aplicada. Com uma
concentração de ozônio de 10 μg / ml, a sobrevida foi de 56%, enquanto com
concentrações de 50 μg / ml e 100 μg / ml foi de 34% e 23%, respectivamente, em
comparação com 5% Observou-se em animais que não foram tratados com ozônio. Além
disso, a associação de tratamento prévio com ozônio e diferentes antibióticos alcançou um
aumento significativo na eficácia deste último, ao comparar os resultados com aqueles
correspondentes ao grupo tratado apenas com antibióticos.

As queimaduras são um assunto de grande interesse médico devido ao seu


relacionamento intenso com sepse, síndromes de inflamação sistêmica generalizada e
disfunção de múltiplos órgãos, choque e trauma, entre outros. Os resultados de um estudo
experimental sobre queimaduras em camundongos, para avaliar a eficácia do tratamento
com ozônio na evolução da lesão multiorgânica, demonstraram que as queimaduras
produzem edema importante com isquemia de tecido local. A falta de fornecimento de
sangue complica a necrose e retarda a taxa de cicatrização e aumenta a possibilidade de
sepsis. Nesta investigação, demonstrou-se que o tratamento por insuflação rectal de ozônio
produz uma diminuição da mortalidade, aumento da atividade do tecido linfático esplênico
e menor prejuízo hepático e renal, em comparação com os resultados obtidos com um
tratamento intraperitoneal com soro fisiológico ou aloe.

Também foi possível demonstrar o efeito germicida do ozônio por meios sistêmicos
através de experiências clínicas. Este é o caso de um estudo no qual a terapia com ozônio
foi utilizada como

44 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

adjuvante no tratamento de um paciente queimado em estado crítico. Após 23 dias


em uma situação crítica, foi decidido iniciar a terapia com ozônio com auto-hemoterapia
principal e local. Para fazer isso, o corpo do paciente foi colocado em uma bolsa de
plástico, deixando a cabeça para fora. Antes de aplicar o tratamento local ao saco, as
feridas foram limpas com água ozonizada e, uma vez que o saco foi removido, foram
cobertos com óleo ozonizado. Quatro grandes tratamentos de auto-hemoterapia e três com
uma bolsa foram aplicados. No início do tratamento com ozônio, foram realizadas 12
culturas microbiológicas das lesões, cujos resultados foram positivos. Após o tratamento
com ozônio, foram realizadas 13 culturas microbiológicas, todas negativas e 22 estudos
bacteriológicos (lesões, ponta dos cateteres, culturas de urina, escarro e exsudatos
faríngeos), todos com resultados negativo

Outro estudo foi realizado em 19 pacientes politraatizados admitidos em uma


unidade de terapia intensiva; o tratamento com ozônio consistiu na aplicação de
autohemotera-pia (cinco sessões com uma dose de 9 mg). O ozônio utilizado no início de
pacientes críticos impediu o aparecimento da sepse respiratória e, nos casos em que o uso
coincidente de antibióticos foi necessário, um melhor controle do processo séptico foi
alcançado (Menéndez et al., 2008).

3.2. Ativação metabólica

Como resultado das investigações realizadas nos últimos anos, verificou-se que o
uso de ozônio reforça o consumo de glicose por tecidos e órgãos, diminui o conteúdo de
metabólitos parcialmente oxidados no plasma (Viebahn-Haensler, 1999) e diminui a
frequencia respiratória.

Ao longo de muitos anos, realizaram-se investigações de processos bioquímicos cuja


atividade era sensível a doses muito pequenas de ozônio, independentemente do modo de
administração ao corpo. Os objetos desses estudos foram: animais de laboratório, sangue
total e órgãos isolados. As reações de ozônio com ácidos graxos não saturados são aquelas
que foram estudadas de forma mais completa.
Em experimentos realizados in vitro com plasma sanguíneo humano, avaliou-se a
influência da solução fisiológica ozonizada preparada com uma mistura de gás com uma
concentração de ozônio de 800 μg / l. O número de ligações duplas foi medido com a ajuda
de um analisador destes fabricado no Instituto de Química Física da Academia de Ciências
da Federação Russa. No estado inicial, o conteúdo de ligações duplas foi de 2,4 • 10-2 mol
/ l; Após 5 minutos de interação com a solução ozonizada, o conteúdo diminuiu para 2,2 •
10-2 mol / l, e após 40 minutos, diminuiu pela metade. Ao multiplicar por 2-3 o volume da
solução ozonizada, o número de ligações duplas diminuiu a metade aos 5 minutos. A
variação no número de ligações duplas corresponde à diminuição, no plasma sanguíneo, de
2-3 vezes do teor percentual de ácidos graxos não saturados, C20: 4, C20: 3, C18: 3, C18:
2, na presença de um aumento significativo de ácidos monoolefínicos C16: 1 e ácidos
saturados C14: 0, C15: 0, C16: 0. A influência da solução ozonizada no índice de
insaturação pode ser explicada pela reação nas posições das duplas ligações dos ácidos
gordurosos, o que produz sua

Capítulo 3. Mecanismos básicos para o uso clínico da terapia com ozônio • 45

encurtamento e encurtamento, ou a formação dos produtos correspondentes


(Kontorschikova, 1992) na direção do aumento de ácidos gordos de cadeia curta.

A ligação dipolar do ozônio com a dupla ligação dá origem à formação de ozonidos.


Na forma de um pacote denso de lipídios e proteínas em biomembranas, as membranas
plasmáticas atuam precisamente como o alvo principal da ação do ozônio na célula (Konev
e Matus, 1992). Considerando o alto teor de ácidos gordos insaturados e seus éteres, uma
grande parte do ozônio introduzido é consumido na reação com as ligações C = C, com
formação de grupos funcionais biologicamente ativos, os ozonidos. Sob condições in vitro
e com a ajuda da ressonância magnética de prótons, cientistas japoneses demonstraram
que, na ozonização do azeite, o duplo vínculo dos triglicerídeos é transformado em
ozonidos sem a aparência de produtos da degradação destes últimos (aldeídos). e ácidos
carboxílicos). Por meio de cromatografia líquida de alta performance (HPLC), é possível
avaliar quantitativamente esses compostos (Miura e Suzuki, 2001).

Uma vez que a dose de ozônio introduzida no sangue ou a solução fisiológica é tão
pequena, em comparação com os inúmeros pontos de reação do corpo, o efeito da terapia
com ozônio não pode ser explicado através de suas reações diretas com todas as
membranas . De acordo com todos os dados, consiste em um mecanismo de equilíbrio dos
ozonidos, que desencadeia a síntese de diferentes compostos biologicamente ativos ou a
ativação de enzimas primárias.

H) Atualmente, são conhecidas duas rotas fundamentais para o início das


reações intracelulares que acompanham certas respostas fisiológicas:

I) • Através da interação de hormônios com receptores.


J) • Através de variações na estrutura das bicamadas lipídicas das
membranas, com a conexão subseqüente do sistema de segundos mensageiros
intracelulares, que transmitem o sinal ao genoma.

K) Os efeitos reguladores do ozônio podem ser explicados pela interação com


os componentes lipídicos das membranas celulares e a formação de compostos diferentes
como resultado da ozonólise, entre eles os ozonidos.

L) São os fosfolípidos das membranas que, precisamente, cumprem a função


de ligação entre os receptores das membranas e os primeiros mensageiros secundários, o
sistema de adenilciclase, que controla a atividade da lipase e da fosforilase.

M) As investigações no nível de segundos mensageiros, AMP cíclico (cAMP)


e GMP cíclico (cGMP), em diferentes modelos experimentais in vivo, confirmam o papel
desses compostos únicos em reações de compensação celular a interações extremas. Assim,
no fígado de ratos com sarcoma 45, houve aumento nas concentrações de ATP e cAMP, o
que pode ser explicado pela rápida restauração das funções de síntese e desintoxicação
deste órgão após a administração de ozônio para o animal.

N) A normalização dos processos de troca no fígado desempenha um papel


fundamental na contenção do crescimento neoplásico (Scherbatiuk, 1997, Goncharova,
1998). Nos tecidos cerebrais de camundongos, as principais mudanças e suas correções
foram relacionadas às concentrações de cGMP e GTP. O aumento de cGMP ativo
• Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações a
proteína quinase, que por sua vez garante a fosforilação de um conjunto de proteínas do
músculo liso. Como resultado deste processo, a musculatura lisa enfraquece e o diâmetro
dos vasos encefálicos aumenta, algo que geralmente é observado na prática clínica durante
o uso do ozônio (Kotov, 2000).
Mesmo com a administração de doses muito pequenas de ozônio, observa-se uma
rápida ativação das enzimas que catalisam os processos de oxidação de carboidratos,
lípidos e proteínas, o que produz a formação do substrato de energia ATP. Muitos autores
indicam o fortalecimento das reações aeróbicas no processo de administração de ozônio.
Primeiro, a ativação das enzimas da via hexose-monofosfato e do ciclo de Krebs e a beta-
oxidação dos ácidos gordurosos foram demonstradas. O aumento das concentrações de
ATP também foi demonstrado tanto em experimentos com órgãos isolados quanto em todo
o organismo.

Na ativação do acoplamento dos processos respiratórios com fosforilação oxidativa,


mostra-se o aumento da atividade da adenosina trifosfatase protonada (ATPase)

nas mitocôndrias do miocárdio. Em experimentos com o modelo de morte clínica


em ratos, um aumento significativo na atividade dessa enzima, em comparação com
hipoxia, foi detectado durante a correção com ozônio de distúrbios de hipoxia do
metabolismo (Kontorschikova, 1992). Na monografia de Demurov E.A. (1985), é apontado
que a fosforilação oxidativa prossegue por acoplamento direto com a participação de
sistemas de elétrons pi que são formados em ácidos graxos poliinsaturados. Verificou-se
que nas membranas das mitocôndrias existem dois padrões de utilização dos radicais
lipídicos. Um deles é a peroxidação de lipídios (OLP); com a passagem deste regime para a
segunda, funcional, a inibição da OLP ocorre. No processo de síntese de ATP, os radicais
lipídicos levam elétrons da cadeia respiratória. De acordo com todos os dados, o retorno de
elétrons ocorre com a participação de proteínas com ferro e enxofre, que contêm ferro não
associado a glóbulos vermelhos. Na formação dos radicais lipídicos, os ácidos gordurosos
retornam os equivalentes reduzidos na forma de átomos de hidrogênio para as proteínas,
que contêm grupos que os retornam na forma de elétrons para a cadeia respiratória. Como
resultado desta troca, o equilíbrio geral de equivalentes reduzidos em seu caminho do
substrato para o oxigênio permanece constante. Merece mencionar aqui a hipótese de
Nedelina O. S. (1981) sobre a produção de formas de radicais livres ATP / ATPO no centro
ativo da ATPase; A capacidade de reação da ADP reside na associação com fosfato
inorgânico para formar ATP. Para a passagem do ATP para a forma de radical livre, é
necessário um fluxo de elétrons da cadeia respiratória das mitocôndrias para o complexo
ATPase e seu retorno à cadeia. Em relação a isso, a elevação de PO2 também leva a um
aumento na síntese de ATP.

A mudança na atividade da ATPase H nas mitocôndrias durante a ozonização


confirma essa hipótese. Sabe-se que esta enzima, que participa na formação de ATP na
geração de μ-H, é ao mesmo tempo ATPase. O aumento na geração de μ-H é a causa da
síntese de ATP.

A ação da ATPase H está diretamente relacionada aos processos oxoativos de fosfo-


rilação. O transporte de elétrons para a cadeia respiratória é acompanhado por

Capítulo 3. Mecanismos básicos para o uso clínico da terapia com ozônio • 47

processos que formam um gradiente de concentração de prótons na membrana e,


conseqüentemente, a formação de uma diferença de potencial eletroquímico do íon H +,
uma vez que as hidrogenações não são capazes de se difundir através da membrana
mitocondrial. Através da ATPase H, a ATP é sintetizada, a partir de ADP e fósforo
inorgânico, à custa do potencial eletroquímico das ligações de hidrogênio que são
formadas. A ATPase H é chamada de fator conjugado F. Se F é separado, apenas o
transporte dos elétrons é conservado na membrana. O déficit de oxigênio produz a
diminuição de μ-H e a diminuição da atividade da ATPase H. Essa diminuição na atividade
de ATP como H foi relacionada à diminuição da quantidade de ATP. A restauração da
oxidação aeróbia reabastece μ-H. Além disso, um grande número de transportadores
reduzidos se acumulam sob condições hipóxicas. Portanto, a saturação com oxigênio cria
condições adequadas para a geração de μ-H.
Na ozonização, observa-se o deslocamento de equilíbrio entre o NAD oxidado eo
NAD reduzido em direção à forma oxidada, o que é extremamente necessário para a
realização dos processos de oxidação beta dos ácidos gordurosos. A acetil-coenzima A
formada neste processo é incorporada no ciclo de Krebs. NAD desempenha um papel
importante na oxidação e descarboxilação do piruvato. Nos resultados de muitos autores, a
diminuição das concentrações de lipídios, carboidratos e vários produtos de oxidação
incompleta é indicada.

A influência do ozônio nos processos bioquímicos nos eritrócitos tem sido estudada
de forma mais exaustiva, devido à simplicidade do modelo. Ao mesmo tempo, é algo que
não tem um significado pequeno, porque na prática médica o método de introdução de
ozônio no sangue por via parenteral é bastante usado.

Reações dependentes de oxigênio em eritrócitos são iniciadas com a formação de


ozonidos nas bicamadas lipídicas das membranas celulares. Os ácidos graxos
poliinsaturados da membrana fazem com que a bicamada lipídica seja macia e, dessa
forma, condicione uma certa elasticidade da mesma. A curvatura das moléculas nas
locações das ligações duplas serve como um centro ativo para a interação com a molécula
de ozônio. De acordo com todas as probabilidades, esta é a única reação conhecida que
permite a entrada de peróxidos nas células. Apesar da grande capacidade do ozônio para
reagir, a estrutura polar da molécula não permite que ele penetre através da membrana
celular, de modo que as reações de ozônio intracelular são descartadas.

A ozonólise das membranas celulares dos eritrócitos é produzida pela divisão das
cadeias de ácidos graxos insaturados, com a formação de hidroperóxidos. Os peróxidos
penetram no espaço intracelular (pelo menos parcialmente) e, assim, influenciam o
metabolismo dos eritrócitos. A acumulação é impedida pela ativação do sistema
antioxidante dependente da glutationa reduzida. Nas obras de Chow et al. (1981) e
Rokitanski (1982), foi demonstrada a atividade aumentada do sistema de glutationa, que
faz parte das defesas antioxidantes intracelulares. O acúmulo de formas oxidadas de
glutationa (GSSG) é o resultado da oxidação de grupos sulfidrilo; assim como o
deslocamento da razão entre as frações oxidadas e reduzidas de glutationa.

Rokitansky (1982) mostrou que o dador de prótons para a redução de glutationa


oxidada é NADPH2, formado através da via de fosfato de pentose, que entra

48 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

ação para manter o equilíbrio dinâmico de glutationa oxidada e glutationa reduzida


(1: 500). Além da glutationa, NADPH2 também reduz outros antioxidantes intracelulares,
principalmente vitamina E e ácido ascórbico. Por sua vez, a via da fosfato de pentose
permite o fortalecimento da glicólise e do metabolismo da glicose. Sob condições in vitro,
Rokitansky (1982) mostrou a diminuição das concentrações de glicose no plasma
sanguíneo. Outros experimentos realizados posteriormente confirmaram os dados acima
mencionados, e isso é observado com particular clareza em pacientes com diabetes mellitus
(Pavlovskaia, 1998).

O NADPH2 que é formado na via de fosfato de pentose é oxidado para NAD. Como
resultado, e por meio da ativação das reações enzimáticas, as concentrações de 1,3-
difosfoglicerato (1,3-DPG) aumentam significativamente. Qualquer aumento nas
concentrações deste causa um aumento nas concentrações de 2,3-DPG. Desta forma, como
resultado da ozonólise, os peróxidos induzem uma reação em cascata, o que finalmente
leva a um aumento das concentrações de 2,3-DPG e ao aumento do número de
hidrogenações. Precisamente, o aumento das concentrações de 2,3-DPG desempenha um
papel fundamental no efeito curativo do ozônio:

HbO2 + 2,3-DPG → Hb2,3-DPG + O2

O aumento da concentração de 2,3-DPG facilita a liberação de oxigênio da


hemoglobina oxidada. Nos trabalhos de Rokitansky (1982), foi demonstrado, em 90% dos
casos, uma elevação significativa deste composto. Várias investigações sobre a medição de
gases no sangue mostraram uma diminuição na PO2 do valor normal (40 mm Hg) para
valores de 20 mm Hg e ainda menor, o que significa que, nos tecidos com um suprimento
inadequado de sangue, mais libertação de oxigênio, algo que não pode ser alcançado por
meio de medicamentos. O aumento complementar no número de iões de hidrogênio, devido
ao aumento da capacidade tampão da hemoglobina oxidada, também tem um efeito
desoxigenante, conhecido como "efeito Bohr".

A ativação dos processos metabólicos condiciona a acumulação de compostos de


alto teor de energia-ATP. Como resultado, a atividade das bombas de transporte é
restaurada, incluindo, como demonstrado em várias investigações, a ATPase de sódio e
potássio. Como resultado, as concentrações de ambos os catiões, potássio intracelular e
sódio extracelular são normalizadas, restaurando o potencial elétrico no repouso da célula e
sua carga, bem como a aderência celular e atividade de agregação, que determinam as
propriedades reológicas da célula. sangue Além disso, a formação dos peróxidos no lipídeo
bica-pas das membranas diminui a sua viscosidade. O tratamento de uma suspensão de
eritrócitos com ozônio a uma certa concentração reduziu a viscosidade da bi-camada
lipídica da membrana, o que foi demonstrado pela fluorescência com o uso de uma sonda
de pireno (Kontorschikova, 1992 e Kokcharov, 1992) . Nestas condições, observou-se um
aumento na capacidade de deformação dos eritrócitos, avaliando-se por meio do método de
aspiração de pipeta com medição da tensão isotrópica e da elasticidade da membrana. A
capacidade de deformação de eritrócitos depende do estado da rede de espectrina-actina e
sua interação com a bicamada lipídica. Como resultado total,

Capítulo 3. Mecanismos básicos para o uso clínico da terapia com ozônio • 49


observou-se a melhora das propriedades reológicas do sangue, que tem sido apontada por
muitos autores (Tarasova, 1991), o que constitui uma parte importante da base da eficácia
da terapia com ozônio.

Barjotkina (2001) obteve resultados mais precisos sobre a normalização da estrutura


dos eritrócitos sob a ação do ozônio com o uso de microscopia de interferência holográfica.
Nesta investigação, demonstrou-se que após a administração intravenosa da solução
fisiológica ozonizada a pacientes com surdez neurossensorial, o número de alterações
anatomopatológicas das formas destrutivas, que constituem agregados de células, diminui;
os eritrócitos tomam a forma de um disco bicôncavo e, de fato, em casos com mudanças
patológicas iniciais mais graves, o efeito terapêutico é mais claramente expresso na forma
de eritrócitos. No sangue de dadores saudáveis com eritrócitos de disco bicôncava
evidentes, a administração de ozônio não teve influência. A restauração da forma dos
eritrócitos após a terapia com ozônio levou a um aumento da área superficial, para um
determinado volume, e correspondeu ao aumento da capacidade funcional. Um dos efeitos
sugeridos do ozônio sobre as propriedades reológicas do sangue é a ativação da NO-
sintetase, uma enzima encontrada em células endoteliais cuja ativação é o resultado da
interação do ozônio com a parede vascular. Atualmente, há estudos bastante completos
sobre as propriedades vasodilatadoras do radical de óxido nítrico como um fator de
relaxamento do endo-telium. Juntos, esta é a base para a melhoria da microcirculação
sanguínea e as propriedades reológicas do sangue, o aumento da disponibilidade de
oxigênio no plasma e o fornecimento de oxigênio pela oxihemoglobina nas células, e
também, graças ao caráter fundamental desses mecanismos anti-hipóxicos, a redução do
grau de expressão da hipoxia nos tecidos (Peretiaguin, 1991, Kontorschikova, 1992).

A ozonização do perfusado mantém uma velocidade relativamente alta do fluxo


sanguíneo na microcirculação, dificulta a aparência de paresia no tom vascular das vênulas
e arteriolas, bem como a diminuição significativa do número em operação e o aumento do
número de capilares Plasma (Zhemarina, 1997, Boiarinov e Sokolov, 1999), e também, ao
mostrar uma ação positiva sobre o metabolismo dos eritrócitos, evita a formação de
conglomerados a partir do conteúdo intracelular e aumenta a resistência das membranas e
evita a formação de um grande número de formas de células destrutivas e em mudança e
seus agregados.

No fígado, o ozônio ativa os processos de utilização de glicose, ácidos graxos e


glicerol, aumenta a intensidade da reação de fosforilação oxidativa e mantém alta síntese de
ATP, preservando o teor normal de glicogênio (Zelenov, 1988 Lebkova, 1995).

Nos rins, intensificando os processos de utilização de glicose, glicose-6-fosfato,


lactato, piruvato e a reação de fosforilação oxidativa, o ozônio normaliza os valores de
ATP na presença de uma alta atividade da gluconeogênese . Ao exercer uma ação positiva
sobre o metabolismo do fígado e dos rins, a ozonização diminui o grau de expressão das
alterações distróficas nesses órgãos durante a circulação artificial do sangue e também
aumenta a resistência das membranas de as organelas intracelulares, os hepatócitos e as
células renais.

50 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

Em caso de choque hemorrágico, a administração de ozônio em qualquer das suas


formas sistêmicas (gotejamento de solução fisiológica ozonizada, auto-hemoterapia
principal, insuflação vaginal ou retal) reforça as reações de adaptação do sistema
cardiorrespiratório. Ao melhorar o metabolismo do músculo cardíaco, aumenta a função de
contração e bombeamento do coração e aumenta as concentrações de serotonina no sangue.

As investigações realizadas em animais de laboratório no estudo do espectro de


proteínas no plasma sanguíneo não revelaram mudanças nas proporções entre as frações, o
que indica que as concentrações terapêuticas do ozônio não danificam as estruturas das
proteínas (Kontorschikova, 1992) . Ao mesmo tempo, observou-se que, particularmente
em pacientes com condições inflamatórias do rosto e pescoço, a função de síntese protéica
hepática foi normalizada após a terapia com ozônio, que foi acompanhada por um aumento
da albumina e uma diminuição dos valores de proteínas de fase aguda (Durnovo, 1998).

Em experiências in vitro, foram mostradas as possíveis reações de ozônio com


aminoácidos, que são predecessores de compostos biologicamente ativos (dopamina, não
radrenalina, adrenalina). Como resultado, um suprimento mais rápido de ácidos graxos,
que desempenham um papel fundamental na atividade muscular do coração, pode assumir
que mobiliza a glicose como energia para o cérebro e diminui a secreção de insulina
(Peretiagin, 1991).

3.3. Modulador de estresse oxidativo

A otimização dos sistemas oxidantes e antioxidantes do organismo é um dos efeitos


biológicos fundamentais da interação sistêmica da terapia com ozônio, que é realizada
através da influência nas membranas celulares e consiste na normalização do equilíbrio dos
níveis de produto de peroxidação de lipídios e sistema de defesa antioxidante.

Em resposta à introdução de ozônio em tecidos e órgãos, há um aumento


compensatório, especialmente na atividade de enzimas antioxidantes, superóxido
dismutase (SOD), catalase e glutationa peroxidase, que são amplamente representados no
músculo cardíaco. , fígado, eritrócitos e outros tecidos.

Os resultados de diferentes experimentos pré-clínicos e clínicos em diferentes


patologias e em diferentes tecidos indicam que, em resposta à introdução das primeiras
doses de ozônio (com diferentes modos de administração), observa-se aumento não
significativo nos processos oxidativos. que é determinado com o método de quimio-
luminescência dos tecidos biológicos analisados e com a análise das concentrações de
produtos de peroxidação lipídica: primário (DC, TC: conjugados dienólicos e trienólicos),
secundário (MDA: malonildialdeído) e final (BSH: bases de Schiff). No entanto, a
subsequente ativação dos sistemas antioxidantes enzimáticos e não enzimáticos do
organismo restaura a atividade da OLP e, no final do tratamento, observa-se a
normalização de todos os componentes do sistema redox.

A restauração do sistema antioxidante não fermentativo é um processo complexo e


requer a ativação de reações metabólicas que permitem a acumulação de NADH

Capítulo 3. Mecanismos básicos para o uso clínico da terapia com ozônio • 51

e o NADPH2 do ciclo de Krebs e a via do fosfato de pentose, que são dadores de prótons
para a redução dos componentes oxidados do sistema antioxidante não fermentativo
(glutationa, vitamina E, ácido ascórbico e outros).

Para a avaliação do equilíbrio geral do sistema antioxidante do organismo, foram


propostos diferentes métodos, entre eles o que utiliza quimioluminiscência, com a ajuda de
quais investigações podem ser feitas em diferentes fluidos biológicos e preparações de
homogeneizados de tecidos. Com base na determinação da atividade dos processos da OLP
e do sistema antioxidante, a concentração de ozônio pode ser escolhida e fundamentada
para diferentes estados patológicos, particularmente na nefrologia, na prática obstétrica e
na ação conjunta da quimioterapia. e terapia de ozônio em oncologia. (Kontorschikova,
1992, Kotov, 2000). A possível dose de ozônio é determinada pela potência do sistema de
defesa antioxidante do corpo. A escola russa usa o método de quimioluminiscência como
critério de segurança para o uso de ozo-noterapia (Kontorschikova, 1992). A aplicação de
antioxidantes exógenos, com o cálculo preliminar da dose administrada, é necessária
somente para altas concentrações de ozônio e também na presença de indicadores iniciais
muito baixos do sistema de defesa antioxidante em pacientes.

A terapia com ozônio está intimamente ligada ao conceito de equilíbrio oxidação-


redução (ambiente redox) porque, como parte de seu mecanismo de ação, gera um efeito
antioxidante, sendo, paradoxalmente, um tratamento oxidativo usado em doenças em que o
processo de estresse oxidativo intervém. Além disso, o mecanismo geral pelo qual a terapia
de ozônio sistêmica atua através da produção de um estresse oxidativo pequeno e
controlado (pelo antioxidante das defensas do organismo), que se torna um desafio
oxigênio para a célula. A repetição sistêmica deste estímulo induz várias respostas
terapêuticas no organismo. A terapia com ozônio está, portanto, intimamente ligada ao
processo biológico conhecido como estresse oxidativo (Figura 3-9) (Martínez-Sánchez e
Re, 2010).

A relação que existe entre a concentração de radicais livres e o estado de saúde dos
seres humanos é um fato atualmente aceito pela comunidade científico-médica. Novas
palavras como estresse oxidativo, radicais livres e antioxidantes estão se tornando mais
comuns, e o número de eventos científicos internacionais organizados a cada ano, bem
como os artigos que aparecem em revistas científicas e disseminação popular, indicam o
interesse de cada um mais tempo para este tópico. Esta avalanche deu origem à aparência
de milhares de produtos, de origem natural ou sintética, que geralmente são vendidos como
"produtos de saúde" com a qualificação de "antioxidantes", com os quais queremos apontar
sua capacidade de diminuir a concentração de radicais livres no organismo humano e,
portanto, melhorar o estado de saúde daqueles que os consumem.

Desde a década de 1960, o número de publicações científicas sobre radicais livres e


sua participação em patologias humanas aumentou consideravelmente e continuamente.
Embora no período entre 1990 e 1998 tenha havido uma grande proporção de trabalho
sobre o tema dos "radicais livres", com uma menor proporção de "antioxidantes", desde
essa data até hoje O tópico de "antioxidantes" apresentou decolagem considerável. As
razões para isso são diversas, mas o fato está em grande parte relacionado à observação de
que, em

52 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

No período anterior a 1998, a pesquisa fundamental foi basicamente realizada. Entre os


principais achados até agora, podemos apontar, em primeiro lugar, a demonstração na fase
pré-clínica e, em seguida, na clínica, a participação de radicais livres em diferentes
mecanismos fisiopatológicos. Em 1997, as bases para o uso de terapias antioxidantes foram
estabelecidas e, a partir desse ano, os estudos que tentam demonstrar a eficácia desses
tratamentos em diferentes condições clínicas aumentam. A "estagnação" em termos de
número de investigações por ano produzido desde 1998 é, para muitos especialistas,
intimamente relacionada a dois fatores (Núñez Sellés et al., 2009):

Os métodos analíticos que foram utilizados nas fases básicas de pesquisa não podem
ser facilmente aplicados a estudos em seres humanos.

• O pessoal que é diretamente responsável pela saúde humana não mede o


significado das variáveis analíticas relacionadas ao estresse oxidativo, pois, devido ao
rápido avanço da pesquisa nesta área, esse conhecimento não faz parte de sua preparação
básica.

Nas aplicações da terapia de ozônio sistêmica, é muito importante ter um sistema de


controle terapêutico e segurança toxicológica. O uso de indicadores bioquímicos
específicos para controlar as doses aplicáveis em termos de segurança e efeitos
terapêuticos satisfatórios está se tornando cada vez mais essencial, constituindo a base para
uma aplicação não empírica do ozônio no campo médico. No entanto, ainda não existe um
critério generalizado sobre quais indicadores bioquímicos específicos podem ser úteis na
avaliação da ausência do aparecimento de efeitos tóxicos e dos efeitos benéficos
proporcionados pela terapia de ozônio sistêmica.

O desequilíbrio do sistema redox está relacionado a um grande número de


patologias no ser humano, desde processos infecciosos ou autoimunes até afeções
neurodegenerativas, muitas delas com grande morbidade e mortalidade. Todo esse grupo
de patologias pode ser tratado com terapia de ozônio, e existem inúmeros resultados
clínicos e experimentais que apoiam sua aplicação; No entanto, novos estudos clínicos
controlados são necessários para apoiar ainda mais o uso desta terapia (Martínez-Sánchez,
2007).

Em termos de segurança, deve-se ter em mente que, em células normais, há um


equilíbrio delicado entre a atividade oxidante e antioxidante. No entanto, este equilíbrio
pode ser perturbado por uma produção excessiva de ROS ou por deficiências nos próprios
sistemas de defesa antioxidante do corpo ou aqueles contribuídos pela dieta, o que leva a
um estado oxidativo. Um estado prolongado de atividade oxidante é o que caracteriza o
estabelecimento do estresse oxidativo que posteriormente causa efeitos nocivos
importantes, como na hiperoxia. Por esta razão, é conveniente conhecer a atividade
prooxidante e antioxidante do paciente, bem como a capacidade metabólica antes e durante
a aplicação da terapia com ozônio. A este respeito, o conhecimento do estado redox
fornece uma base real para selecionar a dose de ozônio no início e durante o curso do
tratamento e, acima de tudo, determinar analiticamente se houver uma resposta positiva a
ele.

Capítulo 3. Mecanismos básicos para o uso clínico da terapia com ozônio • 53

O monitoramento do estado do estresse oxidativo tornou-se um desafio interessante


para os bioquímicos clínicos. É praticamente impossível avaliar diretamente o controle e
monitoramento (diagnóstico) do estresse oxidativo no organismo inteiro ou intacto. Devido
a essa limitação, é considerada a medida de variáveis indiretas nas quais as concentrações
circulantes de antioxidantes (enzimáticos e não enzimáticos), os produtos da oxidação de
lipídios e proteínas, a sensibilidade à oxidação da lipoproteínas ou as concentrações de
anticorpos dirigidos contra moléculas oxidadas.

A avaliação, independente de indicadores, de atividade antioxidante ou prooxidada,


não revela exatamente o estado do equilíbrio redox do organismo em um determinado
momento, uma vez que essas variáveis fazem parte de um sistema muito complexo e, em
muitos casos, A variação individual de uma variável não mostra o comportamento do
sistema como um todo.

Tipicamente, mais de 50 índices são usados para avaliar o estresse oxidativo, o que
levou ao desenvolvimento de mais de 100 métodos (Tabela 3-1). Foi documentado que os
procedimentos em que a capacidade de uma amostra para resistir à oxidação são medidos
são métodos inespecíficos e não são direcionados aos mecanismos fisiopatológicos
relevantes para o estresse oxidativo, por isso a sua utilidade é limitada a estudos
comparativos (Martínez -Sánchez et al., 2005).

Do mesmo modo, procedimentos complexos, bioquímicos e sensíveis foram


propostos para a determinação de níveis mínimos de estresse oxidativo in vivo. No
entanto, muitos desses métodos também têm uma especificidade relativa, são imensamente
trabalhosos e muito caros e requerem equipamentos complexos, portanto, eles devem ser
usados com essas características em mente. As indústrias que produzem material de
diagnóstico para laboratórios clínicos estiveram envolvidas em pesquisa de milhões de
dólares para tentar desenvolver procedimentos simples e econômicos que possam ser
incorporados na prática clínica.

Tabla 3-1. Comparação entre diferentes grupos de bioindicadores de acordo com


alguns critérios e requisitos a serem considerados biomarcadores.

Requisito Ac Aldehí i 8- Aminoácidos


anos dos P OH-dG oxidados

Velocidade de
análise - ± - - -
Sensibilidade
± ± ± ± ±
Facilidade de
análise - ± - - ±
Técnicas não-
invasivas + + - ± -
Interferências
- - ± ± ±
Especificidade para
o efeito ± ± + ± ±
Correlação com
dano + + + ± ±
Aplicabilidade em
humanos + ± - ± ±

iP, isoprostanos; 8-OH-dG, 8-hidroxiexibuanina; -, não aplicável; ±, aplicável com desvantagens; +, aplicável..

Guia para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

usual Finalmente, também deve ser considerado que o estudo de parâmetros individuais
não aborda totalmente o fenômeno do estresse oxidativo, pelo que deve ser dada atenção à
seleção de uma metodologia adequada de acordo com a situação clínica específica
(Martínez-Sánchez et al. , 2010).
Para poder selecionar indicadores específicos de estresse oxidativo para a terapia
com ozônio, é necessário rever as diferentes reações químicas nas quais o ozônio pode
intervir ao entrar em contato com biomoléculas. Os substratos críticos para ozônio são
lipídios, proteínas e ácidos nucleicos; no entanto, lipídios e proteínas são os principais
alvos do ozônio no plasma sanguíneo, mucosa retal ou fluidos biológicos. A reação com
lipídios ocorre quase exclusivamente com as duplas carbono-carbono encontradas nos
ácidos gordos insaturados e com os grupos funcionais laterais das cadeias de vários
resíduos de aminoácidos nas proteínas. Essas reações dão origem a diferentes produtos de
ozonização, que são responsáveis pela transmissão dos efeitos do ozônio em locais
distantes do corpo. No entanto, quando as quantidades de produtos de ozonização excedem
os níveis do sistema antioxidante, ocorre um efeito tóxico que causa danos nos tecidos
(Figura 3-1) e o aparecimento de doenças. Portanto, o efeito terapêutico depende da
medição cuidadosa da dose de ozônio para obter a concentração apropriada nos produtos de
ozonização e atingir o efeito desejado sem risco de toxicidade. O mecanismo através do
qual esses produtos produzem o efeito terapêutico não está bem definido no presente, mas é
evidente que um pulso oxidativo transitório intervém que age como um gatilho metabólico
celular. Em outras palavras, esses produtos oxidados podem atuar como moléculas de
transdução de sinal para iniciar uma série de cascatas metabólicas que levam ao chamado
"pulso metabólico" da terapia com ozônio.

Os principais produtos que se originam durante a ozonização de lipídios e proteínas


são: ozônides de Criegee, hidroxihidroperóxidos, H2O2 e aldeídos. Os ozonidos de Criegee
são catabolizados pela enzima glutationa-S-transferase (GST), utilizando glutationa (GSH)
como agente redutor, para gerar aldeídos e dissulfureto de glutationa (GSSG). Os aldeídos
são metabolizados pela enzima aldeído desidrogenase (ALDH), utilizando o dinucleótido
de dicotinamida adenina (NAD +) como cofactor, ou pela enzima GST, como no caso de 4-
hidroxinonenal, usando GSH como cofator. A regeneração do GSH é conseguida pela ação
da enzima glutationa redutase (GR).

Os hidroxihidroperóxidos (ROOH) são metabolizados principalmente através da


ação da enzima glutationa peroxidase (GPx), com GSH como cofator. Nas aplicações da
terapia de ozônio sistêmica por auto-hemoterapia principal ou insuflação retal, uma
estimulação significativa da atividade desta enzima foi documentada. No entanto, os
hidroperóxidos orgânicos também são degradados catalíticamente pela enzima GST na
presença de pequenas quantidades de GSH. A importância do GSH é ainda maior se se
levar em conta que a concentração de glutationa pode regular as ações catabólicas de GPx e
GST sobre o ROOH. Em concentrações fisiológicas, o peróxido de hidrogênio é catalisado
pela enzima GPx, mas em altas concentrações é a catalase que apresenta a maior atividade.
A superóxido dismutase (SOD) catalisa a dismutação do anião superóxido radical para
peróxido de hidrogênio.

Capítulo 3. Mecanismos básicos para o uso clínico da terapia com ozônio • 55


Por outro lado, a linha de defesa antioxidante não zymatic também deve ser levada
em consideração. Neste contexto, o GSH tem atividade antioxidante por si só, devido à
grande reatividade do ozônio pelo resíduo de cisteína na molécula de GSH e nutrientes

Ozono
O3

Capa bilipídica

COOH COOH

COOH COOH COOH

COOH COOH

COOH

OLP OLP OLP


No OLP baja moderada elevada

Adequad Señal de Señal de


o estrés estrés Daño
equilíbrio metabóli
co
prooxida o
ntes / estructural
antioxi
dantes grave
Indu
cción Inducción
de de
mecanismos programa
antioxidante de muerte
s apoptótica

Muerte
Vida Muerte apoptótica necrótica
Figura 3-1. Relação entre a peroxidação lipídica causada por mecanismos de transdução
de ozônio e sinal. O3, ozônio; OLP, oxidação de lipídios por peróxidos (Martínez-Sánchez et al.,
2010).

56 Guia para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

antioxidantes como o a-tocoferol, ácido ascórbico e β-caroteno, que protegem a célula


contra a lipoperoxidação. Também foi documentado que os urates têm uma importante
atividade protetora contra a oxidação. Todas essas substâncias antioxidantes, que atuam
como eliminadores radicais, parecem ser de vital importância na proteção de membranas
biológicas contra a peroxidação de lipídios. Em um estudo realizado com coelhos
normocolesterolémicos e hipercolesterolémicos, demonstrou-se que o aumento
significativo do conteúdo sanguíneo de GSH correu em paralelo com a diminuição da
atividade de peroxidação lipídica após o tratamento com terapia de ozônio sistêmica por
insuflação retal.

As proteínas plasmáticas e os fluidos intersticiais também são bons substratos para a


reação do ozônio durante as aplicações da terapia de ozônio sistêmica. Neste caso, os
aminoácidos livres e aqueles das sequências de proteínas são sensíveis à reação com
ozônio, particularmente cisteína, triptofano, metionina, tirosina, fenilalanina e histidina. As
constantes de velocidade para a reação do ozônio com esses aminoácidos são entre duas e
seis ordens de grandeza maiores do que com os aminoácidos leucina, valina e outros. As
proteínas oxidadas pelo ozônio geram um conjunto de metabólitos, como os ozonidos de
Criegee, ROOH, peróxido de hidrogênio e aldeídos, que são os mesmos compostos gerados
pela ozonização de lipídios. Portanto, a atividade oxidativa em proteínas pode ser avaliada
pela determinação de hidroperóxidos pro-tepe, aminoácidos oxidados, proteínas carbonilos,
degradação de grupos de proteínas tiol e outros.

O estresse oxidativo não pode ser definido em termos universais porque é um


processo biológico complexo que precisa ser avaliado a partir de diferentes pontos. Por esta
razão, é atualmente aceito, de forma universal, que a avaliação do estado do estresse
oxidativo requer uma combinação de métodos, o que permitirá estabelecer o tipo de forma
personalizada, uma vez que muitas patologias podem ser associadas a diferentes tipos de
estresse. desequilíbrio oxidativo, o que força o uso de vários índices de avaliação.

A avaliação do estado do estresse oxidativo antes, durante e no final do tratamento


com terapia de ozônio facilita a personalização da terapia e garante um ótimo resultado.
Portanto, para certificar o uso ideal de aplicações de terapia de ozônio, um sistema de
controle bioquímico é muito útil. A proposta real é que, sempre que a terapia de ozônio
sistêmica seja utilizada, um sistema de controle de estresse oxidativo deve ser aplicado.

Na aplicação da terapia de ozônio sistêmica, o diagnóstico de estresse oxidativo é


um aspecto importante para definir o estado biológico do paciente antes de iniciar o
tratamento e, juntamente com os dados clínicos, tomar decisões sobre as doses iniciais,
bem como para controle e monitoramento do tratamento. Através do diagnóstico de
estresse oxidativo, o especialista pode selecionar a via de aplicação mais apropriada,
direcionar o tratamento para a obtenção de um pré-condicionamento oxidativo, escolher
diretamente as doses apropriadas ou as concentrações de ozônio que permitam atingir os
benefícios acima mencionados e expandir ou suspender o esquema de tratamento. O fato de
não poder diagnosticar o estresse oxidativo não significa que a terapia com ozônio não
pode ser aplicada, mas que não há informações importantes para personalizar o tratamento.
Neste caso, doses baixas podem ser usadas e movem-se lentamente, dependendo de

Capítulo 3. Mecanismos básicos para o uso clínico da terapia com ozônio • 57

a resposta clínica, na dosagem. A avaliação clínica realizada pelo especialista e o


diagnóstico de estresse oxidativo fornecido pelo laboratório clínico são os aspectos
fundamentais para desenvolver o protocolo terapêutico adaptado a cada paciente.

3.4. Efeito anti-inflamatório do ozônio

O efeito anti-inflamatório do ozônio baseia-se na sua capacidade de oxidar


compostos que contêm ligações duplas, incluindo ácido araquidônico (20: 4) e
prostaglandinas, substâncias biologicamente ativas que são sintetizadas a partir deste ácido
e que participam de grandes concentrações em o desenvolvimento e manutenção do
processo inflamatório (Wong, Gómez, citado por Viebahn-Haensler, 1999). Em pacientes
com asma brônquica, o efeito da terapia com ozônio pode ser parcialmente explicado por
suas reações com outros produtos de ácido araquidônico, leucotrienos. Precisamente
leucotrienos, que são formados em leucócitos do ácido araquidônico e são particularmente
compostos patológicos, causam o início de reações alérgicas lentas, como o início da asma
brônquica. Além disso, o ozônio diminui o grau de hipoxia tecidual e restaura os processos
metabólicos no ponto de inflamação dos tecidos afetados, corrige o pH e o equilíbrio
eletrolítico.

3.5. Efeito analgésico do ozônio

Em muitos estados patológicos e, principalmente, em processos inflamatórios


(reumatismo, artrite), o efeito analgésico do ozônio é claramente manifestado. Este efeito
tem um caractere duplo. Por um lado, é motivado pela entrada progressiva de oxigênio na
zona inflamada e a oxidação dos mediadores algogênicos, que se formam na área do tecido
danificado e participam da transmissão do sinal nociceptivo para o SNC (Riva-
Sanseverino, 1987). ). Tudo isso explica a eliminação pelo ozônio da dor aguda que existe
nos processos inflamatórios traumáticos.

Na resolução de síndromes crônicas de doenças, um papel importante é atribuído à


restauração do equilíbrio entre os produtos da peroxidação e os valores antioxidantes dos
sistemas de defesa. Como resultado, diminui a quantidade de produtos moleculares tóxicos
de peroxidação lipídica (MDA e BS) nas membranas celulares, que são aqueles que variam
as funções das enzimas presentes nas membranas, participantes na síntese de ATP, que
mantêm a atividade vital dos tecidos e órgãos, algo que é observado em muitas doenças
crônicas acompanhadas de dor. Além disso, a ativação de mediadores antinociceptivos do
sistema não deve ser descartada (Kostov, 2000).

3.6. Efeito destoxificante do ozônio

O efeito desintoxicante é claramente observado e manifestado através da otimização


do sistema microscópico de hepatócitos e pelo fortalecimento da filtração hepática. O
ozônio também altera o metabolismo dos hepatócitos. Durante o tratamento, tem

58 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

observou que nas células do fígado acumulam enzimas do citocromo P450 e sistema
catalase, o que aumenta o número de moléculas de glicogênio e os antioxidantes mais
importantes, o que, por sua vez, aumenta a produção de ATP. oi-perplasia por peróxidos,
normalização dos elementos da estrutura de retículo endoplasmático liso e diminui o grau
de alterações distróficas: na reorganização das alterações do metabolismo morfofuncionais
de hepatócitos também são baseados. Graças à ação recíproca desses mecanismos, muitas
funções hepáticas, incluindo antitóxicas, melhoram (Peretiagin, 1991, Boiarinov, 1999).

Nos rins, o ozônio intensifica os processos de utilização de glicose, glicose-6-


fosfato, lactato e piruvato, mantendo uma atividade elevada da gluconeogênese (Zelenov,
1998). Observou-se uma conservação da ATP e o aumento da resistência das membranas
das células renais. Após um tratamento de terapia de ozônio, muitos pesquisadores
observaram uma diminuição nos valores de moléculas de massa média, que caracterizam a
toxicidade no organismo em diferentes estados de gravidade.

3.7. Regulação imune pelo ozônio

O efeito da regulação imunológica pelo ozônio foi demonstrado de forma


convincente pela primeira vez nos estudos da ação desse elemento no sistema imunológico
com a ajuda da análise imunoenzimática de pesquisadores ocidentais Winkler (1989) e
Bocci ( 1997) e confirmado nas investigações do Instituto de Imunologia do Ministério da
Saúde da Federação Russa (Moscou). Demonstrou-se que, na administração parenteral, o
ozônio, sem dúvida, exerce um efeito regulador sobre a mudança na composição dos
indicadores de imunidade celular: diminui os níveis aumentados e, inversamente, aumenta
os níveis diminuídos dos linfócitos T.
Longos anos de estudos sobre a influência do ozônio no estado imune demonstraram
a sua propriedade de induzir a síntese de citocinas, cada uma das quais tem uma certa
função defensiva. A maioria dos pesquisadores aponta que os efeitos do ozônio no sistema
imunológico dependem da dose. As concentrações terapêuticas de ozônio permitem o
acúmulo nas membranas de células fagocíticas, monócitos e macrófagos, e de compostos
hidrófilos, os ozonidos, que estimulam a síntese de diferentes classes de citoquinas nessas
células.

As citocinas, que são péptidos biologicamente ativos, permitem a ativação de


sistemas de defesa não específicos (aumento da temperatura corporal, produção hepática de
proteínas de fase aguda) e, além disso, ativam a imunidade celular e humoral. Assim, o
interferão dificulta a aparência do vírus na célula hospedeira e o fator de necrose tumoral é
capaz de destruir células estranhas na formação. Sabe-se que a interleucina 6 permite a
síntese de imunoglobulina e estimula a interleucina 8 leucocitopoyesis, o que se reflecte em
normalizar os níveis de linfócitos T e B interleucina 1 aumenta a temperatura do corpo, e
reforça síntese hepática de proteína C-reativa, a1-antitripsina, transferrina e
ceruloplasmina, que são antioxidantes fundamentais. Além disso, a interleucina 1 activa
linfócitos T citolíticos e linfócitos T auxiliadores. Em resposta à ação da interleucina 1, o
T-H1 começa a

Capítulo 3. Mecanismos básicos para o uso clínico da terapia com ozônio • 59

sintetizar uma série de substâncias biologicamente ativas, as linfocinas, que causam a pró-
vida dos linfócitos T e a transformação dos linfócitos B em células plasmáticas, com
aumento na síntese de imunoglobulinas (Bocci, 1997). São observadas alterações na
atividade fisiológica das células fagocíticas, que se manifesta pela aceleração da
homeostase, a ativação da capacidade de variação dos fagócitos ea diminuição confirmada
no nível inicialmente elevado de imunocomplexos circulantes (Shajova, 1996;
Grechkaniev, 1995). Todos os acima mencionados, sem dúvida, permitem a cura de déficits
imunológicos secundários (Bocci, 1997).

As altas concentrações de ozônio aumentam o estado dos processos de peroxidação


lipídica na membrana celular de células fagocíticas (macrófagos). A acumulação de
produtos tóxicos de peroxidação de lipídios (malonil aldeído e bases de Schiff) aumenta a
rigidez da membrana celular, altera o metabolismo dessas células e, em particular, inibe a
síntese de citoquinas. Da mesma forma, a ativação dos linfócitos T auxiliares é
interrompida, que é direcionada à regulação da produção de imunoglobulinas pelos
linfócitos B. A diminuição do nível de anticorpos permite a melhora em pacientes com
transtornos auto-imunes, conseguindo a remoção ou redução de dose de drogas (citostáticos
e hormônios esteróides) que apresentam efeitos colaterais.

Os especialistas alemães em ozonoterapia demonstraram em seus estudos a eficácia


da abordagem anterior no tratamento da artrite reumatóide (Fahmy, 1993), e os estudos de
especialistas russos o fizeram no tratamento da esclerose difusa (Kotov, 2000),
esclerodermetite e Lupus eritematoso disseminado (Glavinskaia e Bitkina, 1998).

O sistema genético das células humanas não é afetado pela ação do ozônio graças à
capacidade de organismos superiores para restaurar DNA e RNA. A ausência de efeito
genotóxico pelo ozônio foi confirmada nos cromossomos. Demonstrou-se que, durante a
aplicação da terapia com ozônio, não foram detectadas alterações no número de aberrações
cromossômicas (Musarella, 1989). Também foi demonstrado que o ozônio potencializa a
ação de outras drogas, pois, sob o efeito de sua ação, as membranas celulares tornam-se
mais porosas, o que facilita a entrada da droga na célula. Assim, por exemplo, quando o
ozônio e os anti-bióticos são aplicados em conjunto, a dose deste último pode ser reduzida
pela metade (Ivanov e Kocheleva, 2000).

O tratamento com ozônio foi descrito como um indutor ideal de citocinas, uma vez
que, até à data, a toxicidade é baixa (quando utilizada na faixa de dose apropriada e com os
métodos corretos), não é antigênica e produz uma resposta sistema imunológico sem
efeitos secundários adversos. Além disso, essa ação também pode ser classificada como
moduladora se levarmos em consideração que a liberação de citoquinas ocorre de forma
endógena, uma vez que a ação imunológica do ozônio no sangue é direcionada
principalmente para monócitos e linfócitos T.

Considera-se que, durante a administração de ozônio para fins terapêuticos, a


liberação de antagonistas de citoquinas, ou de citocinas, como a interleucina-10 (IL-10) e o
factor de transformação do crescimento β1 (TGF-β1), pode ser aumentada. capaz de
suprimir a citotoxicidade auto-reativa; portanto, a indução de citocinas não supera valores
superiores aos necessários uma vez que os elementos contra-regulatórios foram ativados,
também os de natureza fisiológica e natureza.

60 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

Após o tratamento com O3, são gerados diferentes mediadores, incluindo H2O2. Um
pequeno aumento no H2O2 no citosol atua como um mensageiro de ozônio intracelular e
ativa o fator NFĸB. O H2O2 ativa a tirosina quinase, que fosforila o IĸB, de modo que as
duas subunidades passam do citosol para o núcleo e regula a expressão gênica de
citoquinas, proteínas de fase aguda, hematopoietinas, moléculas de adesão e outras
proteínas (Fig. 3-2). A ativação do H2O2 vem ganhando importância nos últimos anos, e
seu papel fisiológico (regulando processos metabólicos ou processos de morte celular) –
Ozono

TNFR-2
Extracelular

Intracelular
TRAF2

IKB
NFKB
Figura 3-2. Um pequeno aumento no H2O2 no citosol atua como um mensageiro de
ozônio intracelular e desencadeia o fator NFkB (Menéndez et al., 2008).

depende das suas concentrações. Os linfócitos têm níveis elevados de GSH e,


embora tenham menos catalase do que eritrócitos, estão bem equipados com o sistema
GPx-GR. Daí a importância da dose de terapia de ozônio que será utilizada: se for muito
baixa, os sistemas de defesa antioxidante eliminam o efeito, uma vez que a concentração de
H2O2 é incapaz de ativar o NFĸB e, se for muito alta (ou o número de antioxidantes é
muito pequeno), ele pode produzir toxicidade de saturação dos sistemas antioxidantes de
defesa. Esta é a explicação fundamental para a toxicidade observada quando o ozônio é
inalado (este gás é capaz de estimular a liberação de citocinas pró-inflamatórias por células
broncoalveolares), o dano que é aumentado devido à capacidade antioxidante mínima das
células. fluidos do trato respiratório, algo muito diferente do que acontece no sangue, que
possui uma poderosa capacidade antioxidante (Tabela 3-2) (Bocci, 2006, Menéndez et al.,
2008).

Estudos realizados in vitro mostraram que as concentrações de ozônio entre 10 μg /


ml e 78 μg / ml de sangue produzem a liberação progressiva de citoquinas, como o
interferão (IFN) β e γ, o fator de necrose tumoral ( TNF), interleucinas (IL) 1β, 2, 4, 6, 8 e
10, o fator de estimulação de colônias de granulócitos-macrófagos (GM-CSF) e o factor de
crescimento transformante 1β (TGF-1β). Portanto, o ozônio é capaz de estimular as células
do sistema imunológico e assim liberar uma pequena quantidade de citocinas
imunoestimuladoras e imunossupressoras, que são retiradas por células vizinhas. Desta
forma, o sistema imunológico permanece alerta (Bocci, 2005),

Tabela 3-2. Comparação do conteúdo antioxidante do fluido alveolar superficial em relação ao sangue
(Bocci, 2006).

Líquido alveolar superficial Sangre

Volumes 17-20 ml Plasma ~ 2,71 l


Proteínas
~7 µg/ml ~75 µg/ml
totais
Total ~130 mg Total ~202 g

~3,5 µg/ml ~45 µg/ml


Albúmina
Total ~63 mg Total ~122 g

Transferrina ~0,3 µg/ml 2-3 µg/ml


Ceruloplasmin
a ~25 µg/l 140-400 µg/l

Lactoferrina ~0,5 µg/l ?

Plasma ~3 µM
GSH 300-400 µM
Eritrocitos ~2,2 mM

Vitamina E ~2 µg/l ~10-20 µg/l

Vitamina C ~3,5 µg/l ~9 µg/l

Ácido úrico ~0,05 µg/ml ~0,04-0,07 µg/m


Bilirrubina ? ~1,0 mg/dl

Glicose ~0,4 µg/ml ~0,7-1,0 µg/ml

demonstrou-se que a proteína MX (marcador de interferão) induzível pelo interferão


detectado durante infecções virais bloqueia a transcrição do genoma viral. Há dados sobre
a expressão do interferão em um voluntário saudável, a quem o ozônio foi aplicado através
da auto-hemoterapia principal (seis sessões de tratamento), medido indiretamente através
da proteína MX em células de sangue mononucleares. Embora o interferão tenha uma
meia-vida após a administração subcutânea, a proteína MX tem uma meia-vida de 24 h a
36 h e pode ser detectada em células do sangue mononuclear 2 dias após o
desaparecimento total do interferão na plasma. Após o tratamento, detectou-se um
aumento progressivo mas variável no MX neste paciente, provavelmente devido à
liberação de interferão, atingindo um estado antiviral (Bocci, 2005).

Em estudos pré-clínicos realizados em Cuba [utilizando o modelo de I / R (isquemia


/ reperfusão) no fígado] sobre o fator de transcrição nuclear NFĸB, TNF-α e o programa de
propressão térmica HSP-70, um intenso expressão da subunidade p65, TNF-α e HSP-70 no
grupo I / R. No entanto, o tratamento com ozônio (pré-tratamento e depois + I / R)
modificou drasticamente a expressão dessas biomoléculas reguladoras da função celular,
em relação ao grupo tratado com I / R.

Durante a I / R hepática, a ativação das células de Kupffer é um fato importante na


lesão hepática. Essas células ativadas secretam um grande número de mediadores pró-
inflamatórios, como TNF-α e IL-1, que amplificam a resposta inflamatória generalizada,
afetando órgãos distantes, como o pulmão. O TNF-α ocorre à custa da ativação do fator de
transcrição nuclear NFĸB (p65) e, ao mesmo tempo, esta citocina é responsável pela
ativação desse fator, criando um ciclo que pode ser associado aos processos inflamatório
crônico Activação NFĸB conduz à expressão de vários genes, que codificam uma grande
variedade de enzimas e proteínas, incluindo a sintase do óxido nítrico induzível (iNOS),
SOD dependente proteína Mn e de choque de calor de HSP-70, envolvidas tanto na
citoproteção quanto na morte celular. As manipulações farmacológicas demonstraram que
a inibição de TNF-α e IL-1 durante a reperfusão fornece proteção hepática. No estudo
mencionado acima, foi possível verificar como o tratamento anterior com ozônio
conseguiu modular a expressão de NFĸB e TNF-a, protegendo as células do fígado contra
lesões por I / R (Ajamieh et al., 2004, 2005).

No soro de camundongos tratados com ozônio, tanto intraperitoneal quanto rectal,


observou-se um efeito inibitório significativo na liberação de TNF-α. As concentrações de
TNF-α nos animais previamente tratados com ozônio foram semelhantes às dos controles
negativos. Este efeito inibitório do ozônio no TNF-α pode ser uma conseqüência da
estimulação de sistemas de defesa antioxidante induzidos pela terapia de ozônio. Sabe-se
que os ROSs são altamente envolvidos na indução de processos inflamatórios e na
patogênese do choque endotóxico, bem como no efeito de agentes antioxidantes na
inibição de NFĸB.

Num modelo animal de peritonite letais, no qual sepsia por injecção intraperitoneal
de matéria fecal de um animal doador que foi induzida após tratamento com ozono foi
aplicado por via intraperitoneal durante 5 dias (com uma concentração de ozono de 10 ug /
ml e 80 ml de gás / kg de peso), uma vez por dia. A infecção com matéria fecal foi
realizada 24 h depois

Capítulo 3. Mecanismos básicos para o uso clínico da terapia com ozônio • 63

da última aplicação do ozônio. A sobrevivência do grupo tratado com ozônio foi de


35%, enquanto todos os animais dos grupos não tratados ou tratados com ar morreram
após sofrer a infecção. Em relação às citocinas pró-inflamatórias medidas (IL-1β, IL-2,
TNF-α), nenhum efeito modulador foi observado na sua expressão derivada do tratamento
com ozônio, apesar da sobrevivência obtida neste grupo. No entanto, quando este mesmo
modelo é utilizado, mas é aplicado em combinação com ozono, uma mistura de sódio de
piperacilina (penicilina semi-sintética) e tazobactam de sio (inibidor de beta-lactamase), é
conseguido por aumento de sobrevivência de 93% quando aplicado Duas doses desta
mistura (a primeira ao mesmo tempo que a infecção e a outra, 1 h depois); Além disso,
observou-se uma diminuição significativa na IL-10 e TNF-α (medida no baço e no fígado).
No entanto, a mistura sozinha não aumentou a sobrevivência ou teve algum efeito nas
citocinas medidas. Resultados similares foram observados quanto à modulação de
citocinas pró-inflamatórias quando se utilizaram diferentes produtos anestésicos após
administração, durante 5 dias, de intra-ozônio.

Esta característica moduladora atribuível à terapia com ozônio é observada em


alguns dos achados clínicos que, embora aparentemente paradoxais, são vistos no
tratamento de pacientes com distúrbios imunológicos. Resultados satisfatórios foram
documentados ao aplicar este método terapêutico a pacientes com resposta imune
exagerada, como em doenças consideradas de etiologia auto-imune, bem como em outros
tipos de pacientes com déficits em suas funções imunológicas. Com relação a este último
aspecto, em um estudo realizado em 59 crianças com imunodeficiência humoral, uma
estimulação de imunoglobulinas IgA, IgG e IgM foi detectada até concentrações normais
com três ciclos de tratamento com ozônio retal ao longo de um ano. . Da mesma forma, em
um estudo realizado em 25 pacientes com queimaduras muito graves, críticos e críticos
extremos que, além do tratamento habitual nesses casos, receberam maior auto-
hemoterapia a partir do primeiro dia de admissão (em uma dose de 12 mg), uma
normalização de diferentes Indicadores imunológicos (IgG, IgM, complemento C4 e
antitrombina 3) após receber 10 sessões de terapia com ozônio. Este fato é muito
importante para destacar, porque o paciente queimado tem, entre suas complicações graves,
uma imunodepressão profunda, que, adicionada às suas grandes superfícies queimadas,
torna extremamente difícil as infecções, que muitas vezes causam a morte (Menéndez et
al., 2008).

3. 8. Efeito sobre a síntese de mediadores hormonais

Durante o tratamento com saunas de ozônio, foram registradas mudanças hormonais


temporárias, particularmente do hormônio do crescimento (somatotropina) e da beta-erisina
fina. Além disso, foi proposto que os tratamentos repetidos com saunas de ozônio seriam
úteis para baixar a pressão arterial em pacientes hipertensos, pois reage o sistema renina-
angiotensina-aldosterona. Essas mudanças hormonais que ocorrem durante a terapia com
ozônio são breves e reversíveis. Em alguns casos, observou-se clinicamente que o ozônio
potencializa o efeito da hipertermia; Acredita-se que tanto a hipertermia como a terapia
com ozônio exercem seu efeito ao libertar uma cascata hormonal: CRH, ACTH,

64 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

cortisol, DHEA, hormônio do crescimento e outros. No entanto, o papel do ozônio


ainda não foi estudado profundamente no sistema neuroendócrino e a importância da
terapia com ozônio para modificar os perfis hormonais é desconhecida (Bocci, 2005).

Algumas observações clínicas (não publicadas) do Dr. Lambert Re mostraram que,


após o tratamento com auto-hemoterapia, há uma regulação e estabilização do ciclo
menstrual, observação que deve ser acompanhada por um estudo do perfil hormonal para
corroborar se a terapia afeta ou não decisivo na cascata de regulação hormonal.

3.9. Regulador metabólico

Várias observações pré-clínicas e clínicas nos permitiram observar a ação


reguladora do ozônio nos indicadores metabólicos, e detectámos, em geral, uma
modulação dos indicadores inicialmente patológicos em relação aos valores normais. Entre
eles estão: glicose, creatinina, hemoglobina, hematócrito, proteínas totais, lactato
desidrogenase, colesterol, triglicerídeos, lipoproteínas, enzimas hepáticas, bilirrubina,
ácido úrico, ácido lático e cálcio. Não há uma explicação clara dos mecanismos de ação
mediados pelo ozônio que intervêm neste caso. Provavelmente, o re-equilíbrio do sistema
redox ajusta as vias metabólicas relacionadas à estabilização desses indicadores.

Por exemplo, em 22 pacientes com doença cardíaca isquêmica, observou-se uma


diminuição estatisticamente significante do colesterol (COL) e da lipoproteína de baixa
densidade (LDL) no plasma após 5 e 15 dias de tratamento com ozônio. auto-hemoterapia,
com uma concentração de 50 μg / ml e 200 ml do gás, sem qualquer modificação de
lipoproteínas de alta densidade (HDL) ou triglicerídeos (TG). No quinto dia, COL e LDL
diminuíram 5,5% e 15,4%, respectivamente, enquanto no décimo quinto dia, a redução foi
de 9,7% e 19,8%, respectivamente. A diminuição das concentrações de COL e LDL foi
maior nos pacientes que receberam maior número de tratamentos com ozônio.

Em um estudo sobre o metabolismo lipídico realizado com ratos alimentados com


uma dieta rica em gordura (durante 25 dias) e depois tratados com 15 injeções
intramusculares de 0,2 ml de sangue ozonizado (com uma concentração de ozônio de 10
μg / ml) uma mudança significativa no conteúdo de lipídios do fígado foi demonstrada,
caracterizada por uma diminuição do colesterol total no grupo alimentado com uma dieta
gordurosa e tratada com ozônio, em comparação com o grupo que recebeu apenas uma
dieta gordo. Em experiências de insuficiência renal aguda e usando o modelo de cisplatina,
observou-se que, quando previamente tratado com ozônio e depois injetado com cisplatina,
como quando se aplicou cisplatino e depois tratado com ozônio, as concentrações de
creatinina no sangue diminuiu significativamente em relação aos animais tratados apenas
com cisplatina.

Em um estudo realizado em pacientes diabéticos tipo 2 com pé diabético


neuroinfeccioso, dos quais um grupo foi tratado com ozônio por via local e local (na
lesão), e outro grupo foi tratado com antibióticos (sistêmico e local) alta glicemia foi
detectada no início do estudo. No entanto, após o término de ambos os tratamentos, a
glicemia diminuiu significativamente para os valores de referência no grupo tratado com
ozônio, mas não no tratamento com antibióticos (Martínez-Sánchez et al., 2005a).

Capítulo 3. Mecanismos básicos para o uso clínico da terapia com ozônio • 65

Em um grupo de crianças com deficiência auditiva, os hormônios T3


(triiodtotironina) e T4 (tiroxina) e cortisol foram determinados no início e no final de um
tratamento constituído por 20 aplicações de ozônio retal (concentração de 40 μg). / ml e
volumes de gás entre 50 ml e 150 ml) uma vez por dia. No início do tratamento, os
pacientes apresentaram altos valores de T3 e T4, acima dos valores de referência, que
foram normalizados no final do tratamento. As concentrações de cortisol estavam dentro
do intervalo de referência no início do tratamento e permaneceram em termo (Menéndez et
al., 2008)..

3.10. Efeito da dose de ozônio dependente

Atualmente, uma grande atenção é dada aos sistemas proteolíticos como um dos
sistemas reguladores. Por um lado, as proteases cumprem uma função digestiva destrutiva,
eliminando estruturas anaboraides anômalas do organismo que desempenham suas funções.
Por outro lado, eles participam da ativação e funcionamento dos sistemas de coagulação do
sangue, fibrinólise, sistema kallikrein-kinin, sistema renina-angiotensina, sistema
complementar de albumina e apoptose. A análise da atividade de um grupo de sistemas
proteolíticos revelou, acima de tudo, sua interdependência segura com parâmetros de
peroxidação lipídica e com o sistema de defesa antioxidante.
A introdução no corpo de baixas doses de ozônio é acompanhada por um efeito de
hipocoagulação, com aumento dos tempos de coagulação, atividade anticoagulante e
fibrinolítica, bem como com a diminuição do grau de agregação induzida de trombócitos.

As altas doses de ozônio causaram um efeito vinculativo na ligação plasmática da


hemostasia, o que foi demonstrado pela aceleração da coagulação do sangue no contexto de
uma inativação severa da atividade anticoagulante. Ao mesmo tempo, aumentou a
capacidade de agregação dos trombócitos. Nestas condições, observou-se a existência de
uma relação linear entre os indicadores da OLP e a agregação induzida de trombócitos
(Okrut, 2000).

Algumas investigações determinaram a concentração de ozônio na fase gasosa para


preparar uma solução fisiológica ozonizada que se situa no limiar entre as condições
hipocoagulantes e hipercoagulantes: 2.500 μg / l. Essa mesma concentração foi crítica na
atividade de tripsinas, proteases, quimotripsinas, sistema de kallikrein-kinina, elastase e
aminopeptidase de lisina.

Em doses baixas, a atividade dessas enzimas aumentou apenas nos órgãos onde eles
deveriam desarmar sua função; com altas doses, a atividade também foi observada nos
tecidos circundantes circundantes e no sangue, causando efeitos negativos, como a ativação
da ligação coagulante da hemostasia, o fator de início da coagulação (Efremenko, 2001).

A influência reguladora do ozônio na atividade das enzimas proteolíticas digestivas


pode explicar a eficácia do tratamento de um grupo de doenças gástricas e intestinais. A
interação do ozônio com o sistema kallikrein-kinina e com a atividade da enzima quininase
mantém a pressão intravascular dentro dos valores normais, que é a base da terapia de
ozônio na hipertensão.
Capítulo 4

Rotas de
administração
e contra-
indicações da
ozonoterapia

4. 1. Formulários e métodos de aplicação de produtos ozonizados

A aplicação de ozônio com fins curativos é caracterizada pela diversidade de formas,


modos e doses, dependendo do tipo de patologia e dos objetivos terapêuticos. A terapia
com ozônio é utilizada na forma de administração parenteral e enteral de misturas de
ozônio e oxigênio, gaseificação em volumes fechados e, também, aplicações com produtos
ozonizados. As observações mostraram que, se a aplicação estiver correta, a terapia com
ozônio raramente é acompanhada de efeitos colaterais ou complicações. A dose de ozônio
administrada é uma condição fundamental e não deve exceder o potencial das enzimas
antioxidantes, o que é essencial para evitar o excesso de formas ativas de oxigênio.

As indicações terapêuticas do ozônio baseiam-se no conhecimento de que baixas


concentrações deste elemento podem desempenhar funções importantes dentro da célula.
Diferentes mecanismos de ação a nível molecular que certificam os dados clínicos deste
tratamento foram demonstrados.

Existem concentrações de ozônio placebo, terapêuticas e tóxicas. Demonstrou-se


que, a concentrações terapêuticas de 10 μg / ml ou 5 μg / ml, e ainda menores, os efeitos
terapêuticos são exercidos com uma ampla margem de segurança, razão pela qual
atualmente é aceito que as concentrações terapêuticas variam de 5 μg / ml a 60 μg / ml.
Este intervalo serve tanto para técnicas de aplicação local quanto para aplicações sistêmicas
(Declaração de Madri, junho de 2010).

68 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

As doses terapêuticas são divididas em três tipos, de acordo com seu mecanismo de
ação:
• Baixa dose: doses que exercem um efeito imunomodulador e que são usadas nas
doenças em que se suspeite de uma deficiência do sistema imunológico.

• doses médias: são dose imunomodulador estimulante sistema de defesa


antioxidante Enzi-matic, e são úteis em doenças degenerativas Croni-cas, tais como
diabetes, aterosclerose, DPOC, síndrome de Parkinson, doença de Alzheimer e demência
senil

• Altas doses: são usadas especialmente em úlceras ou feridas infectadas. Eles


também são usados para ozonizar petróleo e água. A ozonação de óleos nunca pode ser
realizada com um gerador médico, porque não é possível evitar que o vapor do óleo se
espalhe nos tubos de alta tensão. O resultado é a produção de várias substâncias muito
tóxicas, exceto em geradores com válvulas que interrompem a produção de ozônio
(Declaração de Madri, junho de 2010).

As doses propostas pelos autores neste livro foram elaboradas com base nas fontes
bibliográficas disponíveis, na Declaração de Madri, bem como nas observações
experimentais e clínicas dos colaboradores da Academia Médica Estadual de Nizhny
Novgorod. Tudo dito, também é transferido para as formas de aplicação das misturas
ozonizados e determinação da duração do tratamento (Peretiagin, 1991; Kontorschikova,
1992;. Grechkanev, 1995; Kuzmina et al, 1998; Boiarinov e Sokolov, 1999; Lobo 1974,
1982, Dorstewitz, 1981, Fahmy, 1982, Rokitansky, 1982, Knoch, 1988).
4. 2. Administração de misturas de gases de ozônio e oxigênio

As administrações subcutânea e intracutânea são utilizadas para fins analgésicos e


são aplicadas em pontos dolorosos a diferentes sintomas nas costas, em injeções
periarticulares de 1-3 ml e concentrações de 10-15 μg / ml. A introdução subcutânea de
misturas de gases é realizada com sucesso na terapia de acupuntura, substituindo a injeção
com agu-ja e proporciona um efeito anestésico e anti-inflamatório, bem como uma ação
estimulante.

A ação anti-inflamatória do ozônio é usada em lágrimas, em torno de manchas


purulentas de feridas, escaras, furúnculos e queimaduras.

Para administração intramuscular, quantidades de 10-20 ml e concentrações de 10-


20 μg / ml são usadas para doenças inflamatórias em pacientes com câncer (Rilling e
Viebahn, 1987).

O efeito analgésico da administração intraarticular de ozônio pode estar relacionado


à oxidação dos mediadores que induzem a dor. O tratamento é aplicado a pacientes com
osteoartrite e artrite, é realizado com concentrações de ozônio de 5-15 μg / ml e as
seguintes quantidades de gás são administradas:

• Em juntas pequenas: 1-1,5 ml.


• Em juntas médias: 5-7 ml.
• Em juntas grandes: 20 ml.

Capítulo 4. Rotas de administração e contra-indicações da ozonoterapia • 69

4.2.1. Insuflação rectal de misturas de ozônio e oxigênio

Os primeiros relatórios sobre a aplicação intraintestinal da insuflação de misturas de


ozônio e oxigênio para o tratamento de doenças intestinais e conduções fistulosas são
devidos a Payr (1935) e Aubourg (1936).

Os tratamentos são realizados com a ajuda de uma seringa Janet ou com sacolas
plásticas especiais anexadas a cânulas de cloreto de polivinilo com a extremidade do lado
esquerdo e curvatura em direção à perna. Uma lavagem de limpeza é realizada no máximo
duas horas antes da sufocação. A concentração de ozônio na mistura de ozônio e oxigênio
é de 10-60 μg / ml e o volume é de 150 ml a 300 ml em adultos. , dependendo do tipo de
patologia, natureza, duração e fase da doença. Em recém nascidos e crianças pequenas, a
quantidade de mistura gasosa é de 15-50 ml; Em crianças mais velhas, é 50-100 ml
(Dorstewitz, 1990).

Dependendo da idade do paciente, os volumes recomendados são:

• 28 dias - 11 meses: 15-20 ml.


• 1 a 3 anos: 20-35 ml.
• 3 a 10 anos: 40-75 ml.
• 11-15 anos: 75-120 ml.
A dosagem é alterada a cada 5 sessões e os ciclos de 15-20 sessões são indicados a
cada 3 meses durante o primeiro ano. Em seguida, o paciente será avaliado para determinar
a freqüência dos ciclos durante o segundo ano (Declaração de Madrid, junho de 2010).

A insuflação intestinal é utilizada, por um lado, como um antiinflamatório e


desinfectante local, restaurador do equilíbrio microbiano no intestino alterado por
microrganismos patogênicos. Por outro lado, é aplicado como uma alternativa à auto-
hemoterapia principal e à administração de solução fisiológica ozonizada, uma vez que a
mistura de ozônio e oxigênio, quando absorvida rapidamente, produz uma ação metabólica
geral. É especialmente indicado nos casos em que as autohemoterápias são difíceis.

Wolf (1982) mostrou que a oxigenação do sangue aumenta com insuflação retal,
bem como com maior auto-hemoterapia. O tempo de redução da oxihemoglobina,
geralmente 130-150 segundos, aumentou para 200-220 segundos 40 minutos após a
introdução da mistura ozono-oxigênio. Às 24 horas diminuiu, mas não retornou ao nível
inicial. Com os tratamentos diários repetidos, a dispersão dos tempos de redução da
oxihemoglobina do máximo para o inicial foi diminuindo passo a passo e, no vigésimo dia
do tratamento, aproximou-se de zero (mostrado na Figura 4-1, retirado de obra de Wolf,
1982).

Após o tratamento, o aumento do tempo de redução da oxihemoglobina diminuiu


muito devagar, ao longo de várias semanas e até vários meses, proporcionando um efeito
terapêutico prolongado devido ao elevado teor de hemoglobina no sangue. Observou-se
que quanto mais o intestino grosso foi limpo, maior a quantidade de gás absorvido no
sangue.

Com base na interação metabólica, é proposta uma dose curativa de ozônio de 75 μg


por kg de peso do paciente. Por exemplo, para um paciente que pesa 80 kg, a dose de
ozônio será 75 × 80 = 6,000 μg.
70 • Guia para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

220
210
200
190
180
170
160
150
140
130
123456789101112131415161718

Figura 4-1. Dinâmica do tempo de redução da oxihemoglobina na presença de administração diária de


insuflações rectais com misturas de ozônio e oxigênio.

Em regra geral, o tratamento começa com a metade da dose e um volume mínimo da


mistura de ozônio e oxigênio (100-200 ml), que é gradualmente aumentado (em
incrementos de 50 ml) até atingir o volume desejado (tabelas 4-1 e 4-2).

4.2.2. Autohemoterapia menor com mistura de ozônio e oxigênio

Usando uma seringa de 20 ml de volume, com 5-10 ml de uma mistura de ozônio e


oxigênio com uma concentração de ozônio de 10-40 μg / ml, são obtidos 5-10 ml de sangue
venoso, misturados e depois , a mistura é administrada por via intramuscular. O
autohemotera-pia menor (AHTMn) é usado mais freqüentemente como um tratamento que
produz uma ação estimulante em estados de imunodeficiência.

4.2.3. Auto-hemoterapia principal com mistura de ozônio e oxigênio

Atohemoterapia principal (AHTM) é um dos modos mais utilizados para a


administração de misturas de ozônio e oxigênio (Wolf, 1968, Hansler, 1976, Weiss, 1976,
Rilling, 1985).

A gama de volumes a utilizar varia entre 50 ml e 100 ml. É necessário evitar


volumes de sangue de mais de 200 ml, para evitar o risco de distúrbios hemo-dinâmicos,
principalmente em pacientes idosos ou descompensados. O material do equipamento de
perfusão deve ser certificado, e em nenhum caso será PVC ou materiais que reagem com o
ozônio.

Também devem ser evitadas concentrações de 80 μg / ml ou mais, devido ao


aumento do risco de hemólise, redução de 2,3-DPG e consequente incapacidade de ativar
células imunocompetentes.
O número de sessões de tratamento e a dose de ozônio a ser administrada
dependerão do estado geral do paciente, da idade e da doença de base. Como regra geral, a
cada cinco sessões a dose de ozônio é aumentada e administrada em ciclos que variará
entre 15 e 20 sessões. Do ponto de vista clínico, a melhoria do paciente em

Capítulo 4. Rotas de administração e contra-indicações da ozonoterapia • 71

Tabela 4-1. Doses recomendadas para as diferentes rotas, propostas pela Declaração de
Madri (junho de 2010).

Baixo
Vía de aplicação
Conc. (µg/ml) Vol. (ml) Dose (µg)

10 1.000
RI* 100
20 2.000

10 50 500
AHTM**
20 100 2.000

5 25
AHTMn*** 5
10 50

Media
Vía de aplicação
Conc. (µg/ml) Vol. (ml) Dose (µg)

20 100 2.000
RI*
30 150 4.500

20 50 1.000
AHTM**
30 100 3.000

10 50
AHTMn*** 5
20 100

Alta
Vía de aplicação
Conc. (µg/ml) Vol. (ml) Dose (µg)

30 150 4.500
RI*
60*a 30-50 1.800-3.000

35 50 1.500
AHTM**
60**b 100 6.000

10 50
AHTMn 5
20 100

* RI, insuflação rectal. Deve-se ter em mente que concentrações superiores a 40 μg / ml podem danificar o enterócito. * a
Excepcionalmente, começa com altas concentrações em caso de sangramento ativo na colite ulcerativa (60 μg / ml
e 50 ml Vol.) À medida que o sangramento diminui, a concentração é reduzida. ** AHTM: auto-hemoterapia principal.

** b Embora seja geralmente preferível usar concentrações em torno de 40 μg / ml, em alguns casos pode-se avaliar o uso de até
60 μg / ml, doses que se mostraram seguras e com maior capacidade de indução de citoquinas.

*** AHTMn: auto-hemoterapia menor.


entre a quinta e a décima sessão, e considera-se que, após a duodécima sessão, os
mecanismos de defesa antioxidante já estão ativados. O ciclo de tratamento é administrado
diariamente, de segunda a sexta-feira, e também pode ser administrado 2 a 3 vezes por
semana (Declaração de Madri, junho de 2010).

Em uma garrafa ou bolsa de plástico inerte para anticoagulante contendo ozônio,


mistura-se 50-100 ml de sangue venoso do paciente com a mistura de ozônio e oxigênio de
um

72 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

Tabela 4-2. Concentrações de ozônio em diferentes doenças tratadas com


insuficiências retais.

Concen Quantidad
tração e Volume do
Frequencia
de de ozônio mistura de
Doenças ozônio (µg) gás
de introducão
(µg/l) Dose (ml)
Doenças da 1-2 tratamentos
no
20 6,000 300 ano, cada um
circulação
2 sessões por
sanguínea
semana

1-2 tratamentos
em
Estado de
3.000-
inmunodeficien
10-20 6.000 300 ano, cada um
cia
2 sessões por
semana

No princípio
diariamente; um
Hepatitis (A, B então um
y C) 30 9.000 300
graves y 3.000- uma vez por
crónicas 10-20 6.000 300 semana
até o
desaparecimento
dos sintomas

concentração de até 40 μg / ml (de acordo com os dados de Bocci, 1990, 1995, as


concentrações mais elevadas causam hemólise), após o que o sangue é devolvido ao
paciente por via intravenosa.

Conforme documentado por Rilling e Viebahn (1987), doses elevadas de ozônio (> 6
mg) atuam como imunossupressores. No tratamento de doenças ateroscleróticas do sistema
cardiovascular, a dose recomendada de ozônio é de 1-2 mg; em raras ocasiões, 4 mg
(Rentschke, 1985). São utilizadas altas doses de ozônio (8-9 mg) em estádios agudos de
hepatite infecciosa; então eles são reduzidos para 2.000-800 μg à medida que a gravidade
diminui (Wolf, 1968). Medidas semelhantes são utilizadas no tratamento de infecções por
herpesvírus.

Afanasiev e Spesivtseva (2000) propuseram uma modificação do AHTM, que é


essencialmente uma combinação de AHTM e a administração de solução de ozônio
fisiológico. Em princípio, 100 ml de solução fisiológica são ozonizados, aos quais é
adicionado um anticoagulante (2.500 unidades de heparina) mais tarde. Esta solução (50
ml) é utilizada para limpeza do sistema de transfusão intravenosa. Os restantes 50 ml de
solução fisiológica são misturados com 100-150 ml de sangue venoso. Depois de agitar
cuidadosamente o sangue, ele é retornado para a veia. Segundo os autores, este método é
mais fisiológico, pois permite um processo mais uniforme de mistura e saturação do sangue
com o ozônio, o qual, de acordo com eles, não é alcançado pela variante clássica.

A empresa Ecónica propôs a bomba peristáltica "Bozon-BAGTO" que simplifica e


otimiza significativamente o desempenho do AHTM (Nazarov, 2003)

4.2.4. Gasificação em saco de plástico

O método de gaseificação de saco de plástico foi amplamente divulgado após o


fabrico de materiais modernos resistentes à ozônio. O método foi recomendado
principalmente o

Capítulo 4. Vías de administración y contraindicaciones de la ozonoterapia •

tratamento para úlceras tróficas, feridas supurantes que cicatrizam com dificuldade,
escamas, cicatrizes dolorosas, defeitos após a remoção de superfícies irradiadas, tumores
subcutâneos e queimaduras (Bolgov et al., 2000). Antes de realizar o procedimento, o
membro afetado é umedecido com água destilada ou solução salina. Então, o saco é
colocado no membro, selado e o vácuo é feito.

Geralmente, são utilizadas concentrações de 60, 40, 30 ou 20 μg / ml, dependendo do


estágio e evolução da lesão, durante 20 a 30 minutos. As concentrações de 60-70 μg / ml
podem ser usadas apenas em infecções purulentas. Uma vez que a infecção foi controlada e
após a aparição do tecido de granulação saudável, a concentração será reduzida e as sessões
serão espaçadas para promover a cura (Declaração de Madri, junho de 2010).

No caso de superfícies cutâneas não deterioradas em pacientes com condições


vasculares, a concentração da mistura de ozônio e oxigênio será de 6-8 μg / l. Quando um
membro apresenta úlceras tróficas ou feridas purulentas, deve ser umedecido ou colocado
sobre a parte afetada uma bandagem humedecida com solução fisiológica ou água
destilada.
4. 3. Contra-indicações e avaliação dos resultados da ozonoterapia

São contra-indicações da ozonoterapia:

• Todos os distúrbios da coagulação sanguínea.


• Hemorragia orgânica.
• Trombocitopenia.
• Hemorragia cerebral.
• Infarto do miocárdio recente.
Alergia ao ozônio.
Intolerância ao ozônio.

Insistimos em não aconselhar a aplicação de uma injeção intravenosa direta de


ozônio, devido ao risco de produzir uma embolia gasosa, mesmo com o uso de uma bomba
de infusão lenta com volumes de 20 ml. As complicações da embolia variam desde uma
sensação simples de borbulhamento axilar, ao aparecimento de tosse, sensação de opressão
retroesternal, tonturas, distúrbios visuais (ambliopia), crise de hipotensão, sinais de
isquemia cerebral (paresia dos membros) e morte.

Além disso, não é justificado colocar o paciente em risco e tratamento quando


existem métodos seguros, comprovados e efetivos, como auto-hemoterapia principal,
autohemotera-pia menor e insuflação retal (Declaração de Madri, junho de 2010). Esta é
uma das rotas proibidas, de forma consensual, por todas as associações científicas.

Observações

Em baixas concentrações, o ozônio tem uma ação hipocoagulante moderada, de


modo que, durante o tratamento, são reduzidos pela metade ou os meios envolvidos são
suprimidos.

Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

tratamento para úlceras tróficas, fezes supurantes que cicatrizam com dificuldade, escamas,
cicatrizes dolorosas, derrotas com remoção de superfícies irradiadas, tumores subcutâneos
e queimaduras (Bolgov et al., 2000). Antes de realizar ou proceder, ou afixado, usado como
água destilada ou solução salina. Então, o saco é colocado não membro, selado e ou vácuo
é feito.

Geralmente, concentrações de 60, 40, 30 ou 20 μg / ml, dependendo do estágio e


evolução da lesão, são usadas por 20 a 30 minutos. Como concentrações de 60-70 μg / ml
podem ser usadas apenas em infecções purulentas. Uma vez que uma infecção é controlada
e uma concentração será reduzida para sessões sera espaçadas para promover uma cura
(Declaração de Madri, junho de 2010).

Nenhum caso de superfícies de pele não deterioradas em pacientes com condições


vasculares, concentração de ozônio e oxigenação será de 6-8 μg / l. Quando um membro
apresenta úlceras tróficas ou fezes purulentas, ele deve ser tratado ou colocado em uma
parte da parte afetada, uma cura úmida com uma solução fisiológica ou água destilada.

4. 3. Contra-indicações e avaliação dois resultados da ozonoterapia

São contra-indicações da ozonoterapia:

• Todos os tipos de coagulação sanguínea.


• Hemorragia orgânica.
• Trombocitopenia.
• Hemorragia cerebral.
• Infarto do miocárdio recente.
Alergia ao ozônio.
Intolerância ao ozônio.

Insistimos na aplicação de uma injeção intravenosa direta de ozônio, devido ao risco


de produzir uma embolia gástrica, bem como o uso de uma bomba de infusão lenta com 20
ml. Como Complicações amu dá êmbolos variam desde simples borbulhamento sensação
axilar, AO aparecimento de tosse, retrosternal sensação opressão, tonturas, perturbações
visuais (ambliopia), Hipotensão crise, SINAIS isquemia cerebral (paresia dois Membros) e
morte.

Disso Além, Não lugar é ou paciente justificado em when rochedo existem e


Tratamento de seguros, comprovados e efetivos métodos como principais auto-
hemoterapia, menor autohemotera-pia e insuflação retal (Declaração de Madri, junho de
2010). Esta é uma série de decisões pró-tendenciosas, consensualmente, por todas as
associações científicas.

Observações

Em baixas concentrações, o ozônio tem uma ação hipocoagulante moderada, de


modo que, durante o tratamento, é reduzida pela metada ou os envelopes que são
suprimidos.
Parte II

APLICAÇÕES DE
OZONOtERAPIA
POR
ESPECIALIDADES
75

Capítulo 5
Terapia de
ozônio em
doenças
cardiovasculares

5.1. Aterosclerose

O problema do tratamento da aterosclerose e suas complicações, incluído sob o


nome de doenças isquêmicas (coração, encéfalo, membros), é extraordinariamente atual, e
é intensamente pesquisado em todo o mundo. Tudo isso está relacionado à disseminação
generalizada da doença isquêmica e ao fato de ser uma das causas mais freqüentes de perda
de saúde e capacidade de trabalho, bem como a morte. Apesar de ter conseguido alguns
sucessos em tratamento e prevenção, a busca e a introdução de novos métodos de cura
continuam. Neste capítulo, serão discutidos os aspectos do tratamento da aterosclerose com
misturas de ozônio e oxigênio.

A aplicação da terapia de ozônio como meio de tratamento da aterosclerose,


condições ateroscleróticas vasculares e doenças associadas a elas exige um exame
cuidadoso dos mecanismos através dos quais as misturas de ozônio e oxigênio fornecem o
efeito curativo.
Atualmente, não há dúvida sobre a intervenção da alteração da troca de lipídios na
etiologia e na patogênese da aterosclerose. O aumento da concentração de colesterol e
lipoproteínas de baixa densidade no plasma sanguíneo é um dos principais fatores de risco
para o aparecimento e desenvolvimento da aterosclerose, razão pela qual, tanto na
profilaxia primária quanto na profilaxia secundária desta condição, o uso de drogas que
inibem a formação de colesterol no corpo é extenso.

78 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

Existem dados sobre a ação hipolipidêmica da terapia com ozônio. Hernández et al.
(1995) relataram a diminuição do colesterol no sangue após o tratamento com
insuficiências retais; Bikov et al. (2000), ao estudar os lipidogramas de 161 pacientes com
doença isquêmica cardíaca (IAC) após o tratamento com ozônio, detectaram uma autêntica
diminuição dos valores de colesterol total em 18,4%, baixa lipoproteína e níveis baixos de
lipoproteínas. muito baixa densidade em 28,7%, e triglicerídeos em 17,2%, bem como um
aumento nas lipoproteínas de alta densidade em 3,7%.

Em outros estudos realizados em pacientes com CAI com hipercolesterolemia inicial


após tratamento com ozônio, a diminuição dos valores de colesterol total foi de 10%,
lipoproteínas de baixa densidade 12,5% e triglicerídeos 22%. e o coeficiente aterogênico de
12% (Maslennikov et al., 2007). Na análise da dinâmica dos indicadores de troca de
lipídios em pacientes com encefalopatias por distúrbios circulatórios no primeiro estágio,
Gustov et al. (1999) observaram, após o tratamento com ozônio, uma diminuição de 24,5%
dos valores lipídicos totais, de 6,4% do colesterol total, de 7% das β-lipoproteínas e de
10,5% triglicerídeos.

No trabalho de Kamisheva et al. (1998), a dinâmica positiva das alterações lipídicas


após o tratamento com ozônio está documentada. Além de todas as mencionadas, as
alterações patológicas do metabolismo lipídico não são apenas condicionadas pela
hipercolesterolemia, mas também distúrbios da regulação dos processos de radicais livres
são revelados. A modificação oxidativa das lipoproteínas de baixa densidade aumenta
drasticamente a aterogênese.

Dada a "teoria dos peróxidos" na aterosclerose, considera-se que o papel patogênico


dos processos em que os radicais livres intervêm na peroxidação dos lípidos é um dos
fundamentais no presente.

O reforço da OLP na presença de radicais livres na aterosclerose se desenvolve


graças ao aumento do teor de colesterol nas membranas biológicas dos tecidos vasculares
em condições hipercolesterolêmicas e é avaliado como uma reação fisiológica normal,
direcionada ao nivelamento da estabilidade das características físico-químicas da bicamada
lipídica (Lankin e Tijaze, 2000). No entanto, o outro lado do processo é a aparência na
corrente sanguínea de lipoproteínas oxidadas por peróxidos, isto é, modificadas, que são
aterogênicas. Sua essência anatomopatológica é determinada, em primeiro lugar, porque os
danos das lipoproteínas modificadas, pela sua toxicidade, os revestimentos endoteliais das
artérias, que é considerado o primeiro fator etiológico do processo aterosclerótico; Em
segundo lugar, pela capacidade de acumular com a ajuda de macrófagos nas células
endoteliais dos vasos, nos pontos danificados, para se transformar em células de espuma,
que são a base da formação das placas ateroscleróticas.

Adicionando os dados disponíveis até à data, Sirkin et al. (2001) apontam que as
lipoproteínas de baixa densidade modificadas por peróxidos podem prejudicar o endotélio
arterial, estimular a homeostase dos monócitos na íntima, interromper a migração dos
macrófagos e aumentar a agregação das plaquetas. As lipoproteínas oxidadas pelos
peróxidos param ou inativam o fator de relaxamento endotelial (óxido nítrico) e estimulam
a elaboração, pelo endotélio, vasoconstritores, endotelina e prostaglandinas.

Capítulo 5. Terapia de ozônio em doenças cardiovasculares • 79

Para ilustrar o acima, é apresentado um esquema de participação das reações de


radicais livres no desenvolvimento da aterosclerose (Figura 5-1), retirado do trabalho de
Lankin et al. (2000).

Ao mesmo tempo que os processos dos radicais livres da OLP são intensificados, ele
diminui a atividade das enzimas antioxidantes do sistema. Com relação à função hepática,
particularmente, isso faz com que os hepatócitos comecem a secretar lipoproteínas intensas
na corrente sangüínea, possibilitando o desenvolvimento subsequente do processo
aterosclerótico.

Além disso, o excesso de produtos da OLP causa contração do músculo liso,


alterações na permeabilidade dos vasos e a possibilidade de provocar espasmos nas
artérias. Assim, o aumento de lipoperoxídeos no sangue de pacientes com angina de peito
ocorre no contexto da diminuição da atividade de enzimas que utilizam lipoperoxídeos, em
particular glutationa peroxidase. Neste caso, é ilustrativo que, em pacientes com angina
instável, o aumento do conteúdo de lipoperoxidos e a diminuição da atividade da
glutationa peroxidase são expressos em maior grau do que em pacientes com angina
estável (Sirkin et al. ., 2001).

A terapia com ozônio com baixas concentrações de ozônio na mistura de ozônio e


oxigênio utilizado no tratamento de condições ateroscleróticas não aumenta a peroxidação
lipídica tanto quanto ocorre, possibilita a ativação de sistemas antioxidantes de defesa e
normaliza suas proporções. , eliminando assim a toxicidade das lipopro-teins e diminuindo
a capacidade de deteriorar a parede vascular e penetrá-la.
O estudo da influência da terapia de ozônio no estado dos processos da OLP e das
defesas antioxidantes confirma todos os itens acima. Masik et al. (1998) e Bikov et al.
(2000) observaram o enfraquecimento dos processos da OLP e o reforço das defesas
antioxidantes em pacientes com CAI, de acordo com dados obtidos com o método de
bioquimioluminiscência sob a influência da terapia com ozônio.

Em condições vasculares ateroscleróticas, aguda como INFAR-a enfarte do


miocárdio, angina instável, derrame cerebral e trombose das artérias dos membros
inferiores têm episódios base morfológica comum: alterar a integridade do endotélio ou
ruptura de placas aterosclerótica e trombose no local de ruptura ou defeitos do endotélio, o
que leva a uma doença aguda da circulação sanguínea.

Em regra, em artrite aguda, os trombos são localizados, rupturas ou fissuras de


placas ateroscleróticas. Uma resistência de placas e determinado estado capilar de suas
cápsulas de "envelope", aquele núcleo separam ou trombogênico, rico em lipídios, do
sangue.

As placas sensíveis à ruptura são chamadas de "cedo", e são caracterizadas por um


núcleo grande e um envelope fino contendo uma pequena quantidade de células musculares
lisas. A cápsula é enfraquecida pela presença de inflamações dentro das placas, que é
acompanhada por infiltrações de linfócitos T e macrófagos. A reação inflamatória é
atualmente considerada um dos principais mecanismos de enfraquecimento do envelope,
uma vez que os macrófagos são uma fonte de enzimas que destroem o colágeno e outros
elementos da cápsula. É importante notar que as lipoproteínas de baixa densidade oxidadas
pelos peróxidos estimulam macrófagos e linfócitos T (Gratsianski, 1996).
Diminuição em
atividade enzimática
antioxidantes

Repressão de
a atividade do
7α colesterol de
Indução de hidroxidase
oxidação
de radicais livres
de
lipídios nos Repressão de
macrocitos catabolismo
fermentativo
do colesterol

Secreção
do LPONP rrente
oxidado sangu
Hipercolesterolemia

Diminuição em
a atividade de
enzimas antioxidantes

Hiperlipoperoxidemia

LPONP oxidados

Ativacão
da
lipooxigenasa

Reforço da
Migração das celulas de
dos músculos lisos
de
Aumento da an
Proliferação das celulas
dos músculos lisos
Lipoidosis Trombosis

Ateromatosis

Figura 5-1. Diagrama da participação das reações de radicais livres no desenvolvimento


da aterosclerose.

Capítulo 5. Ozonoterapia en las enfermedades cardiovasculares • 81

Os sinais de inflamação (aumento do nível de proteína C-reativa, fibrinogênio e


outros) na presença de estados vasculares agudos e instáveis também são observados na
corrente sanguínea, o que está relacionado à ativação de monócitos e linfócitos. Estes
últimos produzem citoquinas, interleucina 6 e interleucina 8, que têm ação intensa e
coagulante.

As propriedades anti-inflamatórias do ozônio são reconhecidas em um grande grupo


de doenças. A confirmação de sua ação, neste caso, é a grande eficácia clínica em
distúrbios vasculares agudos (infarto do miocárdio, hemorragia cerebral, angina de peito
instável) e também os indicadores analíticos que mostram a diminuição da inflamação. A
depressão dos processos inflamatórios permite a estabilização das placas ateroscleróticas.
De acordo com tudo isso, o uso da terapia com ozônio pode ser considerado como um
método profilático de doença aterosclerótica vascular progressiva.

O programa terapêutico e profilático da aterosclerose será:

Formas de Aplcação

Auto-hemoterapia principal ou infusão intravenosa de solução fisiológica ozonizada,


ou insuflação rectal de uma mistura de ozônio e oxigênio.

Cronograma terapêutico

A infusão intravenosa de solução fisiológica ozonizada ou a insuflação retal de uma


mistura de ozônio e oxigênio são realizadas a cada dois dias, com um total de 10 a 12
aplicações. O AHTM é aplicado duas vezes por semana, com um total de 6-8 aplicações.
Insuflações rectais são realizadas diariamente, em ciclos de 15 a 20 sessões; O ciclo é
realizado 2-3 vezes por ano, controlado por lipidogramas.

Sicheva (2003) mostrou que a terapia com ozônio, como método que não usa drogas
para a correção de distúrbios metabólicos, tem um efeito prolongado e pode ser
recomendada para fins profiláticos e terapêuticos. De acordo com seus resultados após a
terapia com ozônio, os indicadores de lipidogramas foram mantidos dentro dos limites
normais por 8 meses em 54,3% dos pacientes e após 14 meses em 19,6%.
5. 2. Cardiopatia isquêmica, angina de peito, arritmias, cardio-esclerose aterosclerótica

A principal forma de CAD é a angina de tórax (stenocardia, que traduziu do grego


significa contração do coração, o que ressalta a manifestação clínica mais importante).
Angina de peitoral deve ser considerada uma doença crônica caracterizada por episódios
que consistem em uma ausência temporária de correspondência entre o fluxo sanguíneo
coronário e as necessidades de suprimento de miocárdio, causada por uma afecção
aterosclerótica dos vasos coronários. O principal sintoma da doença é o início da dor, que é
a manifestação clínica da isquemia miocárdica. A isquemia produz uma série de distúrbios
profundos no metabolismo das células, particularmente nos miocardiócitos,

82 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

que causam a redução da troca de energia e, como resultado, a redução da


capacidade de contração do coração.

Os eritrócitos são um dos principais alvos da interação do ozônio com o sangue, o


que está relacionado ao fato de que a membrana dos eritrócitos contém muitos fosfolípidos
com cadeias de ácidos graxos poliinsaturados. O ozônio (átomos de oxigênio) é intercalado
nas posições das ligações duplas dos ácidos gordurosos, transformando-os de compostos de
cadeia longa em compostos de cadeia curta. Como resultado, a membrana dos eritrócitos
torna-se mais elástica, o que torna possível aumentar a plasticidade e a mobilidade dessas
células e melhora as características reológicas do sangue e da microcirculação. Sob a ação
do sistema de glutationa, a glicolise é ativada, o que resulta em um aumento do conteúdo
de 2-3-difosfogliceratos e hidrogenação, o que constitui o mecanismo fundamental da ação
terapêutica do ozônio, uma vez que como resultado enfraquece a ligação hemoglobina-
oxigênio, facilitando a desativação do oxigênio para os tecidos circundantes (Boiarinov e
Smirnov, 1987, Sunnen, 1989, Peretiagin, 1991, Kontorschikova et al., 1995).

O efeito anti-tóxico do ozônio corrigindo mudanças nos processos de transporte e


utilização de oxigênio em tecidos foi demonstrado nos estudos de Bikov et al. (1998, 2000)
sobre a cinética do metabolismo do oxigênio pelo método da polarografia transcutânea em
pacientes com IAC. O papel do ozônio nos estados ateroscleróticos isquêmicos não se
limita simplesmente a melhorar o fornecimento de oxigênio, mas também participa de
processos de intercâmbio profundo, particularmente influenciando os processos de
oxidação-redução que ocorrem na cadeia respiratória de as mitocôndrias.

A formação de ATP (fosforilação oxidativa) ocorre nas mitocôndrias, da qual passa


para o citoplasma e é transformada em fosfato de creatina, que é transportado para
substratos que requerem energia; Lá, com a ajuda do oxigênio, ele volta para o ATP.
Portanto, a acumulação e a velocidade do gasto de energia dependem diretamente da taxa
de nova síntese de ATP, que por sua vez é condicionada pelo grau de chegada de oxigênio.
A energia do fosfato de creatina e ATP é utilizada no trabalho de canais de cálcio e
sódio-potássio, que transportam os íons contra o gradiente de concentração e fornecem os
processos de acoplamento e contração das miofibrilas, bem como nos processos de síntese
que ocorrem no núcleo do miocardiócito.

A isquemia causa uma série de alterações metabólicas profundas nos miocárdocitos,


cujo principal fator é a hipoxia que, a curto prazo, altera a síntese de ATP nas
mitocôndrias, o que leva a uma diminuição da troca de energia e, como conseqüência, , a
diminuição da capacidade de contração do miocárdio.

A terapia com ozônio permite um melhor uso do oxigênio arterial, eliminando os


estados de hipoxia e restaurando as funções celulares. Nos trabalhos de Sicheva (2000,
2003), o aumento da função contrátil do miocardio é indicado utilizando a fração de ejeção
do ventrículo esquerdo como indicador (aumento de 10,4%) e a capacidade de trabalho
físico de acordo com dados de veloerometria (aumento do volume de trabalho realizado por
31,6% entre os homens e 38,7% entre as mulheres) após o tratamento com ozônio.

Capítulo 5. Ozonoterapia en las enfermedades cardiovasculares • 83

Na aparência de alterações agudas da circulação sanguínea coronária, a


agregação e adesão dos próprios elementos do sangue, em primeiro lugar, trombócitos
e eritrócitos, são de fundamental importância. Entre os indutores imediatos desses
processos estão a trombina, colágeno e catecolaminas. Nas afecções vasculares ate-
roscleróticas, a quantidade de trombina aumenta; A reversibilidade ou
irreversibilidade da agregação de trombócitos depende da sua concentração. A lesão
endotelial na afecção aterosclerótica dá origem ao contato dos elementos do sangue
com o colágeno.

Como a trombina, o colágeno é um potente indutor da liberação de compostos


biologicamente ativos que resultam na agregação e adesão de trombócitos. Esta
agregação e adesão de trombócitos contribui para a separação de histamina,
serotonina, tromboxano A2 e outras substâncias que afetam a parede vascular,
diretamente ou através de mediadores, e produzem vasoconstrição das artérias nas
zonas. afetado.

O estado funcional dos eritrócitos é de grande importância nos processos de


adesão e agregação de elementos sanguíneos. A deterioração dos eritrócitos pode levar
à formação de agregados de eritrócitos intravasculares, ao aumento da viscosidade do
sangue, à formação de trombos e à alteração da microcirculação, uma vez que os
eritrócitos possuem muitas substâncias que favorecem a adesão e a agregação. Na sua
superfície, muitos fatores plasmáticos da coagulação do sangue também são
absorvidos: tromboplastina, compostos tipo fibrinogênio e fatores estabilizadores da
fibrina, heparina, plasminogênio, seus ativadores e seus inibidores.

A agregação dos próprios elementos do sangue e a liberação por eles de


substâncias biologicamente ativas que possuem ação coagulante ativam os fatores
sorológicos da coagulação do sangue e podem levar à formação de trombos que
estreitam, ou mesmo fecham, os espaço livre das artérias, causando distúrbios da
circulação sanguínea.

O estudo da influência de indicadores de terapia de ozono da hemostasia e


fibrinólise em pacientes com doenças vasculares ateroscleróticas diferentes
localizacio-ne (Maslennikov et al., 1997) revelou que a acção positiva de tratamento
com ozono e misturas de oxigénio. A diminuição da capacidade de agregação dos
trombócitos, o aumento da atividade fibrinolítica e a hipocoagulação do sangue e a
diminuição do nível de fibrinogênio foram mostrados (Tabela 5-1). É importante notar
que essa dinâmica só foi observada nos casos de indicadores alterados e que teve um
caráter moderado, deslocando os valores médios dos indicadores em relação aos
valores-limite normais. Desta forma, a terapia com ozônio exerceu uma ação de
normalização no sistema de hemostasia.

Nas isquémias miocárdicas parciais e nos infartos em formação desenvolvidos


como resultado da afecção aterosclerótica vascular, também é observado o reforço dos
processos da OLP na presença de radicais livres, que constituem a base da lesão
tecidual. No IAC, mostrou-se que a gravidade da angina de peito depende dos valores
da OLP, e a ligação entre a intensificação dos processos da OLP na presença de
radicais livres e a manifestação de lesões miocárdicas foi descrita ( Kogan et al.,
1994). Conforme indicado acima, em doses adequadas, o ozônio não só não estimula
os processos da OLP, mas também leva à ativação dos sistemas de defesa.

84 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações


Tabela 5-1. Dinâmica dos indicadores do sistema de coagulação do sangue antes e após a terapia
com ozônio.

Antes Después
Indicador
del tratamiento del tratamiento
1 44
. Agregação de trombócitos com ADP ( %) ,4 ± 4,9 39,7 ± 7,5*
2 Agregação de trombócitos com ristocetina
. ( %) 30 ± 9,2 26,4 ± 6.9
3 21
. Atividade fibrinolítica (min) 3 ± 48 194 ± 50*
4 Tempo de tromboplastina parcial ativado 36
. (s) ,6 ± 5,3 40,3 ± 7,3**
5 4,
. Fibrinogênio (g/l) 37 ± 0,9 3,02 ± 1,3

*- p<0,05
**- p<0,01

• antioxidante, particularmente fermentativo, aumentando a atividade da superóxido


dismutase e catalase e também a glutationa, o que permite a diminuição das reações da
OLP na presença de radicais livres e previne o envolvimento isquêmico de tecidos .

• A disfunção endotelial é um fator patogênico fundamental que possibilita a


progressão do IAC e que se caracteriza pela diminuição da vasodilatação dependente do
endotélio. Considera-se que uma de suas causas é o estresse oxidativo, o que resulta na
inativação do óxido nítrico. A influência positiva da terapia de ozônio nos indicadores que
refletem a função endotelial foi demonstrada, o que está relacionado à sua ação positiva em
células endoteliais danificadas, através da ativação da enzima NO sintetase, resultando em
óxido nítrico, que tem uma ação vasodilatadora (Yakimenko et al., 2003; Artemenko,
2004).

Para realizar tratamentos diferenciados, desenvolveu-se uma classificação que


caracteriza a gravidade da condição de pacientes com CAI e os divide em classes clusic-
funcionais (CCF). Os principais fatores da avaliação são: estado da circulação sanguínea e
suas reservas, estado funcional e hemodinâmico do miocardio e capacidade física do
organismo.

• 1º CCF: composto de pessoas com angina inicial de tórax, infreqüente, sem


insuficiência cardíaca, capaz de trabalhar e com capacidade para um trabalho físico
elevado.
• 2º CCF: pacientes com angina de grau médio estão incluídos aqui, o que não ocorre
todos os dias, sem insuficiência cardíaca e com capacidade para trabalho físico
moderadamente diminuído.

• 3º CCF: consiste em pacientes com angina constante e diária e manifestações


iniciais da insuficiência cardíaca, que não podem realizar o trabalho físico.
• 4º CCF: são os pacientes mais sérios, com angina freqüente e em repouso,
descompensação cardíaca manifesta, impróprios para o trabalho físico e com tolerância
extremamente baixa ao esforço.

Capítulo 5. Ozonoterapia en las enfermedades cardiovasculares • 85

A classificação dos pacientes com CAI de posições de tratamento tradicionais


obedece à necessidade de designar terapias, que serão diferentes entre os pacientes com
diferentes níveis de gravidade. A terapia com ozônio é eficaz em pacientes de todos os
tipos, desde o mais leve até o mais grave. A sua eficácia aumenta com o aumento da
gravidade da condição do paciente, que se relaciona com a natureza multilateral da sua
ação, mas de uma maneira importante com a eliminação da hipoxia tecidual, que é maior
nos doentes graves devido à progressão de insuficiência cardíaca.

Como mencionado anteriormente, nas áreas de tecido com circulação sanguínea


insuficiente, o suprimento de oxigênio aumenta com a terapia com ozônio, um efeito que
não pode ser alcançado com a ajuda de drogas. Esta é uma condição extremamente
importante. Os principais grupos de preparações para o tratamento de doenças coronárias,
entre os quais os nitratos, os bloqueadores β-adrenérgicos e os bloqueadores dos canais de
cálcio, desempenham a tarefa de eliminar a isquemia miocárdica pelo aumento do fluxo
sanguíneo externo, em relação a com o efeito vasodilatador e pela diminuição das
necessidades de oxigênio no miocárdio, limitando o fluxo sanguíneo para o coração ou
limitando sua capacidade de contração.

Entende-se que, devido ao estreitamento aterosclerótico dos vasos, os valores ótimos


do fluxo sanguíneo coronário não podem ser alcançados com essas preparações. Da mesma
forma, só é possível diminuir as necessidades de oxigênio do miocárdio para um
determinado nível, uma vez que, de outra forma, pode levar ao mau funcionamento do
miocardio. Portanto, o aumento do suprimento de oxigênio, sem a inclusão desses
mecanismos, com a ajuda da terapia com ozônio é, sem dúvida, muito importante, pois
permite focar o tratamento das IACs de novas perspectivas.

Também é importante ressaltar que a aplicação da terapia com ozônio não é


acompanhada pela manifestação de efeitos hemodinâmicos. Enquanto os nitratos,
bloqueadores β-adrenérgicos e antagonistas de cálcio aumentam o fluxo sanguíneo
coronário e diminuem as necessidades de oxigênio do miocardio, produzindo mudanças
evidentes nos indicadores de circulação sanguínea, a ação anti-isquêmica do ozo -noterapia
não está associada a influências na hemodinâmica, o que amplia consideravelmente suas
possibilidades de cura.

A terapia com ozônio pode ser aplicada a pacientes com diminuição da freqüência
cardíaca e baixa pressão arterial, com diferentes alterações de condução, a quem não se
pode administrar betabloqueadores ou antagonistas de cálcio, nem a pacientes com
intolerância a preparações antianginais. Finalmente, nos casos em que os resultados
suficientes não são alcançados através do tratamento medicamentoso, a incorporação da
terapia com ozônio permite alcançar o efeito complementar desejado.
O esquema de aplicação da terapia de ozônio no IAC é o seguinte:

Formas de Aplicação

• Auto-hemoterapia principal.
• Insuflação rectal.
• Administração intravenosa de 200 ml de solução fisiológica ozonizada.

86 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

Cronograma terapêutico

Uma das formas de aplicação da mistura de ozônio e oxigênio é usada. O tratamento


será diferente dependendo da gravidade da condição do paciente, que é avaliada de acordo
com a divisão em classes clínico-funcionais:

• Em pacientes do 1º CCF, o tratamento consiste em 6-8 sessões.


• Em pacientes do 2º CCF, o tratamento consiste em 8 a 10 sessões.
• Em pacientes do 3º e 4º CCF, o tratamento consiste em 10 a 12 sessões.

As primeiras 2-3 sessões da administração intravenosa da solução fisiológica


ozonizada, insuflação rectal da mistura de ozônio e oxigênio ou auto-hemoterapia
principais são realizadas diariamente e as seguintes se aplicam em dias alternados. Na auto-
hemoterapia principal, as primeiras 2-3 sessões são realizadas em dias alternados, e as
próximas duas vezes por semana.

Observações

Se a terapia com ozônio é iniciada no contexto de um tratamento prévio, as drogas


com ação coronária não são imediatamente suprimidas, mas as doses são gradualmente
diminuídas à medida que a condição do paciente melhora. Quando a terapia com ozônio é
prescrita para pacientes que recebem drogas com ação anticoagulante (ácido
acetilsalicílico, anticoagulantes), as doses são reduzidas pela metade ou sua administração
é temporariamente interrompida, retornando aos valores iniciais no final do tratamento.
Recomenda-se o controle dos indicadores de coagulação. A Tabela 5-2 mostra os
resultados da aplicação da terapia com ozônio a 142 pacientes de diferentes graus.

A melhora na condição dos pacientes manifestou-se como uma diminuição nos


episódios de angina de peito e o consumo de nitroglicerina. Os episódios anginosos foram
completamente eliminados em 50% dos pacientes após o tratamento com ozonotera-pia;
em 41% dos pacientes, os episódios diminuíram para menos da metade.
Tabela 5-2. Resultados da terapia de ozônio em pacientes com doença cardíaca isquêmica.

Quantidade Resultados do tratamento


Nivel de gravidade de
pacien Não
tes Bons Aceitável satisfatorios

1.ª CCF 3 3 - -

2.ª CCF 82 74 6 2

3.ª CCF 50 45 4 1

4.ª CCF 7 7 - -

Resultados do tratamento em  % 91 7 2

Capituloo 5. Ozonoterapia en las enfermedades cardiovasculares • 87

Bikov et al. (1998) obtiveram resultados semelhantes aplicando a terapia com ozônio
a 34 pacientes com angina de 2ª e 3ª CCF em tratamentos em um sanatório-spa constituído
por 6-8 sessões de administração intravenosa de solução fisiológica com uma concentração
de ozônio de 2,5-3 μg / ml. Como resultado, 56% dos pacientes diminuíram a dose de
nitratos que consumiram e 18% os eliminaram completamente.

Masik et al. (1998) utilizaram uma menor concentração de ozônio (800 μg / l) na


saída do ozonizador no tratamento de 20 pacientes com angina de peito e obtiveram
resultados positivos em termos de diminuição dos episódios de angina, o aumento de
tolerância a esforços físicos e redução do coeficiente de aterogenicidade. Em instalações
para terapia de ozônio (Minenkov, Maksimov et al., 2000), recomenda-se uma
concentração de ozônio de 2-5 mg para administração intravenosa de 200-400 ml de
solução fisiológica e 15-30 mg para insuflações rectais (volume de gás de 100-200 ml).

Quando aplicado a pacientes com arritmias, Zubeeva et al. (2000) observaram a ação
positiva da ozonoterapia. Em um contexto de humor melhorado, com diminuição da
dispneia e episódios anginais, os sintomas da insuficiência circulatória diminuíram e houve
redução na arritmia ventricular e ataques de extrasístole.

Artemenko (2006) realizou pesquisas sobre a restauração do ritmo sinusal com


drogas em pacientes com fibrilação atrial e mostrou que a aplicação de ozo-noterapia na
presença da versão cardiológica da droga amiodarona permite restaurar o ritmo sinusal em
um número maior de pacientes. (77,2% vs. 68%). Em pacientes com fibrilação atrial que
não respondem ao tratamento farmacológico, a administração prévia da solução fisiológica
ozonizada aumentou a probabilidade de restauração do ritmo sinusal.

Portanto, tudo comentado acima confirma que as doenças acompanhadas de


alterações no fluxo sanguíneo causadas pela aterosclerose cardiovascular podem ser
tratadas de forma efetiva com a terapia com ozônio, que atuará em muitos links patológicos
importantes e abrirá novos caminhos e possibilidades para o tratamento de essa patologia.

5.3. Hipertensão arterial


Atualmente, a doença hipertensiva ou "hipertensão essencial" é o aumento crônico e
firme da pressão arterial sistólica ou diastólica, em cuja etiologia existe um defeito genético
estrutural que produz uma alta atividade dos mecanismos de pressão da ação. prolongado

A teoria principal sobre o desenvolvimento da doença hipertensiva é a teoria da


disfunção endotelial. Os vasos do endotélio processam um grande número de substâncias
biologicamente ativas, incluindo vasodilatadores, um dos quais é óxido nítrico, e também
vasoconstritores: angiotensina II, serotonina, tromboxano A. Essas substâncias determinam
o tom de células musculares lisas e regulam os processos locais de hemostasia.

A disfunção endotelial é a alteração do equilíbrio entre mediadores que ampliam os


vasos e os mediadores que os estreitam, com diminuição na produção de vasodilatadores e
aumento da síntese de vasoconstritores.

88 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

Entre as funções fundamentais do endotélio, considera-se que uma das mais


importantes é a produção do fator específico de vasodilatação, óxido nítrico (NO), que
participa da regulação do tom vascular (Gogin, 1997). Na doença hipertensiva, é detectada
uma produção insuficiente ou destruição acelerada de NO, ou ambos.

A falta de NO desempenha um papel fundamental, não só no aumento da pressão


arterial, mas também no aparecimento de complicações graves da hipertensão, como
infarto cerebral, infarto do miocárdio e insuficiência renal, pois o NO também é inibidor da
agregação de trombócitos, adesão de monócitos e proliferação de células de músculo liso
(Liamina et al., 2001, Dupliakov e Emelianenko, 2001).

A base do tratamento moderno da hipertensão arterial é a hipótese da necessidade de


corrigir a disfunção endotelial. Não se pode considerar que a diminuição da pressão arterial
sem normalização das funções endoteliais seja efetivamente identificada de forma clínica.
Um dos mecanismos da ação do ozônio é a ativação da NO-sintetase, que estimula a
produção de NO pelo endotélio vascular e, conseqüentemente, pelo efeito vasodilatador.

Uma das causas da diminuição da produção de NO endotelial pode ser o reforço da


geração de radicais livres; Ao aumentar a potência da defesa antioxidante com a ajuda da
terapia com ozônio, é possível evitar esse fenômeno.

De acordo com a teoria das membranas da doença hipertensiva, o aumento da


pressão arterial ocorre como resultado da alteração dos mecanismos reguladores no sistema
de circulação sanguínea, motivado pelo déficit de energia no nível celular. A diminuição
energética das células está ligada a fatores genéticos relacionados às mudanças nas
membranas envolvidas na regulação do cálcio intracelular (Postnov, 1998, 2000).

As mitocôndrias realizam a entrega de energia a todos os tipos de tecidos. É


precisamente nas mitocôndrias que ocorre a oxidação do combustível celular,
principalmente ácidos gordurosos e glicose, em um processo no qual os elétrons passam
dos substratos orgânicos para o oxigênio através da cadeia respiratória. A energia liberada
neste processo é usada na formação de ATP, de ADP e fosfato. Um dos principais pontos
de uso da energia do ATP é o fornecimento do trabalho das bombas iônicas para manter um
gradiente normal das concentrações iónicas entre o citoplasma e o meio extracelular, algo
que constitui uma das condições para a existência da Modo de vida celular.

A concepção da patogênese da hipertensão primária da teoria das membranas baseia-


se na alteração da estrutura e funções do transporte iónico das membranas celulares, o que
é demonstrado pela diminuição da capacidade de manutenção no citoplasma das células os
valores normais do gradiente de concentração dos íons mais importantes (K +, Na +, Ca2
+, Mg2 +) em relação ao meio extracelular.

A manifestação mais significativa do defeito da membrana é o aumento da


concentração livre de cálcio do citoplasma, com a posterior adaptação funcional à
sobrecarga de cálcio. O papel do cálcio na fisiologia celular é de importância exclusiva,
pois exerce uma influência considerável nas características dos mecanismos intracelulares.
A consequência fundamental do aumento da concentração de cálcio

Capítulo 5. Ozonoterapia en las enfermedades cardiovasculares • 89

é o aparecimento de mudanças estruturais nas mitocôndrias, como resultado de uma


diminuição na síntese de ATP, o que resulta na diminuição da energia livre que entra nas
bombas das membranas. Tudo isso leva ao funcionamento dos sistemas de membrana a
serem organizados a um nível de energia mais baixo.

O aumento da pressão arterial é uma reação compensatória do organismo à


diminuição da energia celular. A aparência do excesso de cálcio livre no citoplasma
modifica a interação das células com o nervo simpático, com o sistema endócrino e com
outros sistemas de integração. Para preservar a magnitude singular da resposta fisiológica
normal, a ação do hormônio ou do mediador na célula deve ser reforçada em
conformidade. Desta forma, a célula começa a trabalhar em um novo regime de relações
entre células e hormônios, que é chamado de "reajuste", preservando sua função em uma
situação de alteração da regulação do cálcio na membrana. Por isso, todo o conjunto de
células que formam os tecidos interage novamente com o sistema neurorohormonal de
integração a partir do interior do lado celular dos músculos, alterando (aumentando) a
atividade desses sistemas, do nervo simpático, do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal e do
sistema de insulina.

Assim, o aumento constante da pressão sanguínea se desenvolve em relação ao


reforço da atividade eferente simpática e outros sistemas de integração funcional, e está
condicionado pela acumulação nas mitocôndrias do excesso de cálcio plasmático, pela
diminuição subseqüente em sua função de produção de energia e a interrupção dos
mecanismos de transporte de íons das membranas.

A alta pressão arterial sistêmica é um estado natural de circulação sanguínea, o que


corresponde à diminuição da energia celular, algo compreensível porque a ação de drogas
anti-hipertensivas é transitória e a pressão arterial alta retorna ao seu valor inicial
imediatamente após sua eliminação.
O principal efeito terapêutico do ozônio é que ele é capaz de resolver o déficit de
energia a nível celular, influenciando os processos de redução de energia que ocorrem nas
membranas. A interação das estruturas biológicas com o ozônio é produzida através de um
mediador universal, adenil ciclase, que participa do fornecimento de energia às células.
Atuando através do sistema de glutationa, reforça a glicólise e outras vias de oxidação da
glicose, aumentando a entrada de energia e condicionando o efeito de sua influência em
vários órgãos. Devido à resolução do déficit de oxigênio e à restauração do potencial
eletroquímico do íon de hidrogênio, o ozônio ativa ATPase-H, que liga os processos de
respiração e fosforilação oxidativa nas mitocôndrias e participa da síntese de ATP. Além
disso, o ozônio normaliza a atividade das bombas de transporte de K +, Na +, Ca2 + -
ATPases, responsável por manter o gradiente dos catiões correspondentes e a formação do
potencial elétrico da camada (Yakovleva, 1992; Kontorschikova, 1995; Belianin , 1997).

A peroxidação lipídica também intervém na patogênese e na progressão da doença


hipertensiva. Devido à diminuição da atividade de Ca2 +, Mg2 +, K +, Na + -ATPases, o
aumento do conteúdo de cálcio iónico intracelular e a mudança nas funções da membrana,
quando há hipertensão, ocorre a ativação da OLP. Os produtos secundários do OLP
influenciam o tom dos vasos arteriais,

Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

deitado. Em comparação com outros tecidos, os processos de peroxidação são mais


intensos na parede arterial, devido ao nível relativamente baixo de metabolismo e à alta
concentração de oxigênio no sangue arterial. O efeito dos produtos secundários da OLP
ocorre ao nível dos receptores arteriole, bem como pela influência direta na estrutura e nas
propriedades barreira das membranas celular e subcelular responsáveis pelo transporte de
cálcio.

Em baixas concentrações terapêuticas, o ozônio estimula a síntese intracelular de


antioxidantes, que permite a oxidação de ácidos graxos poliinsaturados na célula, para fins
energéticos. De acordo com os pontos de vista contemporâneos, considera-se que os ácidos
graxos poliinsaturados são uma classe particular de "hormônios" intracelulares que regulam
a nível genético a síntese e a atividade das principais enzimas do catabolismo de ácidos
graxos e também a peroxidação destes. De acordo com os dados experimentais, a terapia de
ozônio aumenta o teor de peróxidos e mem-branas do retículo endoplasmático suave nos
hepatócitos, ou seja, as ultraestruturas com as quais os processos de oxidação de ácidos
graxos poliinsaturados estão ligados. Portanto, no nível subcelular, a terapia com ozônio
pode ser considerada como um dos métodos efetivos para manter a homeostase energética
do organismo (Lebkova, 1998). De tudo isso, pode-se concluir que a terapia com ozônio é
um método com base patogênica para o tratamento da doença hipertensiva, pois atua
corrigindo uma das ligações fundamentais da patogênese: a diminuição energética das
células. Nenhum dos medicamentos anti-hipertensivos propostos até à data possui tais
propriedades.

No tratamento da hipertensão, a terapia com ozônio pode ser utilizada como método
independente, bem como combinada com outros medicamentos. Como demonstrado em
algumas observações clínicas, sem o uso de outros meios terapêuticos, independentemente,
a terapia com ozônio é efetiva em pacientes que estão nos estágios iniciais da doença
hipertensiva, com hipertensão leve, de caráter lábil Neles, resultados positivos confiáveis
foram obtidos em 70% dos casos.

Deve-se lembrar que a hipertensão arterial se intensifica a partir do momento em que


há uma depressão das funções hipotônicas do fígado e torna-se irreversível com o
desenvolvimento de transformações estruturais no coração e vasos (arterio nefrosclerose),
hipertrofia adrenal, etc. Esta é a razão pela qual, em pacientes com hipertensão grave, é
aconselhável combinar a terapia de ozônio com drogas anti-hipertensivas, que possuem
seus próprios mecanismos de ação. De acordo com dados clínicos, esta combinação nos
permitiu usar doses farmacológicas mais baixas do que as usuais usadas no controle da
pressão sanguínea. Quando a terapia de ozônio parou antes do tratamento farmacológico
sozinho, as manifestações clínicas da doença hipertensiva (dor de cabeça, tonturas, dor na
região cardíaca) diminuíram ou desapareceram, algo que foi observado especificamente
nos casos de pacientes que apresentaram condições de Órgãos alvo: coração e cérebro.

Esta afirmação é confirmada com alguns resultados, que mostram que um efeito
positivo da aplicação da terapia com ozônio é observado em 92% dos pacientes com CAI e
em 78% dos pacientes com encefalopatia por distúrbios circulatórios ( Maslennikov e
Kontorschikova, 1999; Maslennikov et al., 2001). Ao aplicar a terapia com ozônio a 49
pacientes

Capítulo 5. Ozonoterapia en las enfermedades cardiovasculares • 91

com doença hipertensiva no segundo ou terceiro estágio e encefalopatia hipertensiva


por distúrbios circulatórios, Ivanchikov et al. (2003) observaram a estabilização da pressão
arterial, a diminuição da intensidade das dores de cabeça em 79,5% dos pacientes e a
diminuição dos episódios deste último em 88%.

Formas de Aplcação

• Insuflações rectais.
• Auto-hemoterapia principal.
• Administração intravenosa de 200 ml de solução fisiológica ozonizada.

Cronograma terapêutico

Uma das formas de administração será usada. O tratamento com administração


intravenosa de solução fisiológica ozonizada ou com insuficiências rectais começa com 2-
3 sessões consecutivas, que são aplicadas a cada dois dias, 3-4 vezes; Dependendo da
diminuição da pressão arterial, o número de sessões é reduzido para 2 por semana e depois
para uma sessão semanal. O número total de sessões será 10-12.

O AHTM é feito duas vezes por semana e o número de sessões será 6-8.
5.4. Doença arterial periférica (PAD)

A aterosclerose obliterante dos vasos sanguíneos das extremidades inferiores é uma


das doenças mais freqüentes, observada em 3-5% da população masculina entre 40 e 60
anos, e sua freqüência está crescendo constantemente. Assim, de acordo com os dados de
Kirichenko e Skriabin (2003), em uma das regiões de São Petersburgo, esta doença afetou
em 1999 a 10,8 pessoas por 1.000 habitantes, para 12,3 no ano 2000, para 19,7 em no ano
de 2001 e 16,9 no ano de 2002.

O quadro clínico da aterosclerose obliterante dos vasos das extremidades inferiores é


manifestado por diferentes sintomas de insuficiência arterial: frieza nas pernas, mudança
de coloração, parestesias, ausência ou enfraquecimento dos pulsos nos vasos principais,
alterações tróficas dos revestimentos ósseos e alterações necróticas ulcerativas nas partes
distal das extremidades. O principal sintoma de isquemia do tecido muscular das
extremidades inferiores é a mudança de coloração, e entre as primeiras manifestações há
maior sensibilidade ao frio, à frieza e à fadiga precoce.

A situação do paciente é caracterizada pelo estado do fluxo sangüíneo principal e


pelo estado funcional das arteríolas e capilares. Os distúrbios da microcirculação
desempenham um papel fundamental no desenvolvimento e evolução da doença.

A classificação mais ampla dos pacientes, de acordo com o grau de manifestação da


isquemia tecidual em diferentes estágios, é a de Fontain R. et al. (1968) modificado por
Saveleb et al. (tabela 5-3).

• Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

Tabela 5-3. Etapas no grau de manifestação da isquemia tecidual.

Estadoo Significado

1 prolon

2a
2b

3a

3b duran

4a
pés G
4b

A terapia com ozônio é um tipo de tratamento prioritário para esta doença, uma vez
que não só pode ser utilizado em múltiplos tratamentos. Quando aplicado de forma
independente, sem adicionar drogas ou outros meios terapêuticos, exerce uma ação positiva
sobre as manifestações clínicas da doença e melhora consideravelmente a qualidade de vida
da maioria dos pacientes. Isto é conseguido com a melhoria das propriedades
reológicas do sangue e da circulação periférica, o aumento do teor de oxigênio no
sangue arterial e a melhora da oxigenação dos tecidos.

Atasov et al. fornecer dados interessantes a este respeito e avaliar o efeito anti-
tóxico da ozonoterapia em pacientes com diabetes mellitus e condições vasculares
nas extremidades inferiores antes de diferentes rotas de administração de solução
fisiológica ozonizada. Os pacientes foram divididos em quatro grupos. O primeiro
deles foi formado por aqueles que foram administrados, por rotas diferentes, uma
solução fisiológica saturada de oxigênio puro. No segundo grupo de pacientes, uma
solução salina foi administrada por via intravenosa. No terceiro grupo, os pacientes
que receberam a solução fisiológica ozonizada por via intraarterial foram incluídos
na artéria epigástrica inferior do lado afetado e os pacientes do quarto grupo
receberam a solução salina intraocular no osso do calcâneo do membro. afetado.

A dinâmica da pressão de oxigênio na pele do membro afetado é apresentada


na Tabela 5-4, obtida a partir do estudo desses autores, cujos dados corroboram o
aumento da oxigenação tecidual.

A publicação de Doroshkova et al. (2003) aponta as vantagens da terapia com


ozônio. A obliteração da aterosclerose dos vasos dos membros inferiores é
frequentemente combinada com CAI, e vários medicamentos utilizados no seu
tratamento (por exemplo, pentoxifilina) podem causar "síndrome de roubo", devido à
melhoria da circulação sanguínea periférica. A terapia com ozônio melhora o
suprimento de sangue tanto para o coração como para a periferia, de modo que sua
escolha seria a mais apropriada.

Ao usar a terapia com ozônio, a divisão de pacientes em grupos tem sido


utilizada de acordo com o grau de expressão da insuficiência arterial crônica (CEI),
que é utilizada para o tratamento de

Capítulo 5. Terapia de ozônio em doenças cardiovasculares • 93

Tabela 5-4. Pressão parcial de oxigênio na pele do membro afetado antes de diferentes
modos de terapia de ozônio parenteral.

Ao final da Uma hora


Grupos Antes da sessão depois Após finalizar
de ozonoterap
pacientes ia da ozonoterapia da sessão o tratamento

Grupo 1
38,40 ± 1,5 - - 40,52 ± 1,12*
n = 20
38,00 ±
Grupo 2
1,72 44,02 ± 0,92* 40,62 ± 1,12* 43,91 ± 1,07*
n = 20
37,20 ±
Grupo 3
0,90 50,69 ± 1,15* 45,93 ± 1,12* 49,71 ± 1,51*
n = 10
37,95 ±
Grupo 4
0,89 52,01 ± 0,99* 50,00 ± 1,18* 51,52 ± 1,72*
n = 10

* Diferenças significativas (p <0,05) em relação ao valor antes da terapia com ozônio.

Grupo 1: pacientes que receberam solução fisiológica saturada com oxigênio puro através de rotas diferentes.

Grupo 2: pacientes que receberam solução fisiológica ozonizada por via intravenosa.

Grupo 3: pacientes que receberam a solução fisiológica ozonizada intra-arterialmente, na artéria epigástrica inferior do
lado afetado.

Grupo 4: pacientes que receberam a solução fisiológica intraosseo no osso do calcâneo do membro afetado.

observações diferenciais e clínicas (Malinovski e Reshetnikov, 1990, Bolgov et al., 2000):

• IAC de primeiro grau: estágios 1 e 2a de isquemia.


• IAC de segundo grau: estágios 2b e 3a de isquemia.
• IAC de terceiro grau: estágios 3b e 4 de isquemia.

Formas de aplicacão

• Auto-hemoterapia principal, infusão intravenosa de solução fisiológica ozonizada


ou insuflação retal de ozônio e mistura de oxigênio.
• Auto-hemoterapia menor.
• Estimulação, com mistura de ozônio e oxigênio, dos pontos ativos das
extremidades inferiores.
• Gasificação com mistura de ozônio e oxigênio na bolsa de plástico com excesso de
pressão.
• Cronograma terapêutico
• O tratamento será diferente dependendo do grau de insuficiência arterial crônica
(IAC):
Em pacientes com IAC de primeiro grau, o tratamento consiste em 10 sessões de
infusão intravenosa de solução fisiológica ozonizada ou insuflação de mistura rectal
94 • Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos
e indicaciones

de ozônio e oxigênio, em dias alternados e 2-3 sessões de AHTMn, que são


aplicadas a cada 3 dias. Este esquema pode ser substituído por 6-8 sessões de AHTM. Os
pontos biologicamente ativos serão estimulados em 2 sessões.

• Em pacientes com CAI de segundo grau, o tratamento consiste em 10 sessões de


infusão intravenosa de solução fisiológica ozonizada ou insuflação rectal, que são
realizadas todos os dias e 3-4 sessões de AHTMn, que são aplicadas a cada 3 dias. Este
esquema pode ser substituído por 6-8 sessões de AHTM. A estimulação dos pontos ativos
das extremidades inferiores será em 4-5 sessões em dias alternados. No tratamento deste
grupo de pacientes, a gaseificação das extremidades inferiores está incluída em uma bolsa
de plástico com excesso de pressão, que é realizada durante 20 minutos com uma
concentração de ozônio na mistura ozônio-oxigênio de 5-6 μg. / ml; 10 sessões serão
aplicadas no total, em dias alternados.

• Em pacientes com CAI de terceiro grau, o tratamento consiste em 10-12 sessões


de infusão intravenosa de solução fisiológica ozonizada ou insuflação rectal, que são
realizadas a cada dois dias, e 4-5 sessões de AHTMn, que são aplicadas a cada 3 dias. .
Este esquema pode ser substituído por 8-10 sessões de AHTM. A estimulação dos pontos
ativos dos membros inferiores será feita em 4-5 sessões. A gaseificação em uma bolsa de
plástico com pressão excessiva é obrigatória. As sessões serão realizadas todos os dias em
pacientes que não apresentam alterações tróficas na pele do pé e perna, e diariamente
quando há alterações tróficas na pele. Um total de 10-20 sessões serão aplicadas, com uma
concentração de ozônio na mistura ozônio-oxigênio de 5-6 μg / ml e um tempo de
gaseificação de 20 a 30 minutos. Quando há úlceras tróficas nas extremidades, o
tratamento mostrado na Tabela 5-5 será aplicado aos pacientes.

A melhora na condição dos pacientes começou, como regra, na 5ª 6ª sessão, e se


manifestou pelo desaparecimento ou redução da dor nos músculos da panturrilha durante a
caminhada, multiplicando-se por 2-3 horas. distância da ambulação sem a aparência de
dor. As mudanças tróficas na pele das extremidades inferiores desapareceram. Em dois
pacientes, foi possível resolver a gangrena que estava aparecendo nos dedos dos pés.

Tabela 5-5. Resultados da aplicação da ozonoterapia em pacientes com


aterosclerose obliterante dos vasos sanguíneos das extremidades inferiores.

Número Resultados do tratamento


Grau de insuficiência arterial de
crônica pacientes Bu Não
tratados enos Aceitável satisfatórios

IAC 1er Grau 6 6 - -


10
IAC 2º Grau 109 6 2 1

IAC 3er Grau o 32 30 2 -


Resultados do tratamento (en
 %) - 96 3 1
Capítulo 5. Ozonoterapia en las enfermedades cardiovasculares • 95

A realização de todo o conjunto de procedimentos de terapia de ozônio foi


acompanhada pela restauração clara da circulação periférica do sangue, de acordo com os
dados da re-obstrução e de uma marcada melhora na microcirculação. Após o tratamento, o
efeito positivo durou 4-5 meses e as sessões de terapia com ozônio foram repetidas. Foi
assim possível interromper a progressão da doença e manter o nível alcançado de tolerância
à ambulação.

Os resultados anteriores coincidiram com os de Barsukov e Zasorin (2003), que


observaram a melhora no estado dos pacientes após a terapia com ozônio sob a forma de
diminuição dos sintomas de isquemia crônica, um aumento de 2-4 vezes a distância de
andar sem dor e uma diminuição da dor em repouso e edema em 90% dos pacientes.

A eficácia econômica da terapia com ozônio também foi demonstrada. Durante a


aplicação do tratamento a 426 pacientes com aterosclerose obliterante dos vasos
sanguíneos dos membros inferiores, dos quais 223 receberam terapia de ozônio
ambulatorial em uma das policlínicas da cidade de São Petersburgo, Kirichenko e Skria-bin
(2003). ) estabeleceu que a aplicação da terapia com ozônio foi mais eficaz do ponto de
vista clínico do que o esquema usual de tratamento recomendado em muitos livros e
manuais (pentoxifilina, nicotinato de xantinol, solução fisiológica). O custo do tratamento
com ozonoterapia foi de 327 rublos; As despesas com medicamentos para o tratamento
tradicional foram de 658 rublos.

O efeito do tratamento combinado de terapia com ozônio e drogas, cujo custo foi
avaliado em 976 rublos, foi avaliado. No entanto, seus indicadores clínicos foram os
melhores e, na análise dos resultados a longo prazo, foi estabelecido que foi suficiente para
realizá-lo duas vezes por ano, enquanto para manter os pacientes tratados com ozonoterapia
sozinhos ou apenas com medicação. Eles precisavam de 3-4 tratamentos. Assim, ao longo
de um ano, os custos econômicos dos pacientes a quem a terapia com ozônio foi aplicada
foram 981-1,308 rublos, os dos pacientes que receberam o tratamento tradicional com
drogas foram 1.974-2.632 rublos e os custos daqueles que receberam o tratamento
combinado foram 1.952 rublos.

Os autores concluíram que, como método de prevenção no tratamento da


aterosclerose obliterante vascular dos membros inferiores em ambulatório, a terapia com
ozônio é mais efetiva, tanto do ponto de vista clínico como econômico.
Capítulo 6
Terapia com
ozônio em
doenças do
tecido
musculoesquel
ético e
conjuntivo

6.1. Artrite reumatóide

A artrite reumatóide é uma doença inflamatória crônica e sistêmica do tecido


conjuntivo com alterações vasculares erosivas destrutivas, nas quais a imunidade humoral
(fator reumatóide) e a imunidade celular são alteradas. O sistema imunológico intervém na
inflamação da artrite reumatóide e é acompanhado pela proliferação impetuosa de
sinoviócitos, comparável à proliferação observada nos processos tumorais. Os fatores
etiológicos são fatores infecciosos (estreptococos do grupo B, micoplasmas, retrovírus,
vírus Epstein-Barr) e a presença de predisposição.
O início da doença consiste na afectação, pelos fatores etiológicos, nos revestimentos
sinoviais e na lesão das estruturas endoteliais, para as quais há acumulação de células
imunocompetentes na sinóvia (linfócitos B, células T helper) ativados, macrófagos) que
sintetizam citoquinas diferentes: interleucina 1, interferão γ e fator de necrose tumoral, que
apresentam uma ação inflamatória. Como resultado, a lesão endotelial é agravada e a
permeabilidade vascular aumenta. Na cavidade vascular, penetram um grande número de
neutrófilos que, quando destruídos pela fagocitose dos imunocomplexos, liberam enzimas
lisossômicas e diferentes mediadores da inflamação. Tudo isso leva à aparência de
inflamação e, mais tarde, ao desenvolvimento de mudanças destrutivas nos revestimentos
sinoviais e, mais tarde, nas cartilagens.

A acumulação de produtos de decomposição estimula, por sua vez, o processo de


auto-imunidade, a sobreprodução de anticorpos, entre eles o fator reumatóide, que é
98
um autoantígeno para o fragmento Fc das IgG agregadas, ou seja, um anticorpo do
anticorpo, e também do colágeno e outros componentes. Os distúrbios de imunidade celular
e humoral descritos determinam a natureza crônica da sinovite, lesões nos tecidos perto das
articulações, cartilagens e ossos subcondrais, e também geram manifestações sistêmicas,
particularmente a vasculite reumatóide. Com o último, algumas condições sistêmicas estão
relacionadas, como neuropatia isquêmica, úlceras crônicas nas pernas e outras. As afecções
sistêmicas dos órgãos internos (coração, pulmões) também estão relacionadas ao
desenvolvimento de processos granulomatosos devido à infiltração linfóide progressiva.

A acumulação de produtos imunológicos da degradação dos componentes vasculares


dos tecidos conjuntivos, das concentrações patológicas de enzimas de coagulação,
fibrinolíticos, sistema de kallikreína, anticorpos, imunocomplexos circulantes, mediadores
de inflamação, aminas biogênicas e produtos de a peroxidação lipídica permite o
desenvolvimento intensivo da síndrome da intoxicação endógena. Devido ao mecanismo de
desenvolvimento e à forma de expressão, a intoxicação endógena na artrite reumatóide é
comparável aos processos que condicionam o crescimento tumoral.

Sabe-se que a terapia com ozônio é um fator potente para a eliminação da


intoxicação endógena. Atuando através da otimização dos sistemas microsomáticos de
hepatócitos e do fortalecimento da filtração hepática, o ozônio permite a eliminação dessa
complicação, que determina a gravidade do curso da doença.

O processo anatomopatológico é agravado pelo aparecimento de hipoxia. Os


distúrbios sistêmicos da microcirculação e hipoxia tecidual fortalecem-se mutuamente,
fazem com que o processo inflamatório continue e contribua para a sua cronicidade. O
efeito anti-tóxico da terapia com ozônio baseia-se na saturação do sangue com oxigênio,
estimulação da contribuição aos tecidos e melhora da viscosidade do sangue e na
microcirculação contribui para a normalização dos processos de oxidação-redução que
ocorrem nas cadeias respiratórias das mitocôndrias. O último melhora significativamente a
formação de ATP e condiciona a acumulação e velocidade do consumo de energia em
células, particularmente células imunocompetentes, o que, por sua vez, leva à otimização
da atividade do sistema imunológico.
Finalmente, a resolução da intoxicação endógena, a eliminação da hipoxia, que leva
à normalização do sistema imune favorece a limitação do processo inflamatório.

Formulários de inscrição

• Insuflação rectal.
• Auto-hemoterapia principal.
• Administração intravenosa de 200 ml de solução fisiológica ozonizada.
• Administração periarticular de uma mistura de ozônio e oxigênio.

Cronograma terapêutico

A terapia com ozônio é utilizada no contexto de um tratamento basal. É usado


como um método independente em casos de intolerância ou alergia às drogas usuais de
uma patologia concreta.

Capítulo 6. 99

Neste caso, um dos procedimentos de influência geral é usado. O tratamento com


administração intravenosa de solução fisiológica ou com insuflação rectal começa com a
prescrição de 2-3 sessões diárias, após o que é passado para sessões em dias alternados
(3-4); dependendo da melhora da condição do paciente, o número de sessões é reduzido
para 2 por semana e depois para uma sessão semanal; O número total de sessões é 15-20.
A maior auto-hemoterapia é realizada duas vezes por semana e 10-15 procedimentos são
aplicados.

A administração periarticular da mistura de ozônio e oxigênio é realizada todos os


dias durante todo o tratamento. A injeção intra-articular da mistura é realizada 1-2 vezes
por semana; o número total de sessões é 4-6.
Autohemoterapia maior em 100 ml de sangue

Semana de Concentracão O3 Volume O3 Dose


tratamento
(µg/ml) (ml) (mg)
Primera 15 125 1,9
Segunda 20 125 2,5
Terceira 40 110 4,4
Quarta 45 110 4,9
Quinta 50 110 5,5

15 sessões serão concluídas.

Autohemoterapia menor en 5 ml de sangue

Concentracão O3 Volume O3 Dose


Semana de tratamento
(µg/ml) (ml) (mg)
Primera 15 5 0,075
Segunda 20 5 0,10
Terceira 30 5 0,15
Quarta 35 5 0,175
Quinta 45 5 0,225

15 sessões serão concluídas.

Vía retal

Concentração O3 Volume O3 Dose


Semana de tratamento
(µg/ml) (ml) (mg)
Primera 15 100 1,5
Segunda 30 120 3,6
Tercera 35 150 5,2
Quarta 40 200 8,0
Freqüência diária; 20 sessões serão concluídas e o ciclo será repetido a cada 3 meses. • Guía
para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

Infiltrações intra-articulares

As infiltrações são realizadas duas vezes por semana, durante 4 semanas.


Dependendo da articulação, o volume de ozônio médico a ser administrado variará de 2 ml
a 10 ml e as concentrações, entre 10 μg / ml e 20 μg / ml. Deve-se notar que um grupo de
autores recomenda concentrações mais altas de ozônio para injeções intra-articulares.
Assim, Cherbakova (2003) aplica a mistura de ozônio e oxigênio com uma concentração de
ozônio de 40 μg / ml.

Yakovleva et al. (2003) consideram que a administração intra-articular de uma


solução fisiológica ozonizada com uma concentração de ozônio de 2 μg / ml num volume
de 3-5 ml (dependendo do tamanho da articulação) é mais eficaz do que a injeção de uma
mistura. de ozônio e oxigênio.

Fahmy (1982) descreveu os bons resultados da aplicação da terapia de ozônio no


quadro de um tratamento basal, usando o AHTM com dose de ozônio de 2-4 mg e injeções
intra-articulares de misturas de ozônio e oxigênio com concentrações de 7- 30 μg / ml.

No trabalho de tese de Zhuravleva (2003), os resultados do tratamento de pacientes


com artrite reumatóide no segundo estágio com o mesmo tratamento basal são
apresentados. Em um dos grupos (o grupo basal), utilizou-se a administração intravenosa
de uma solução fisiológica ozonizada; Na Tabela 6-1, a avaliação geral (clínica e analítica)
do tratamento é mostrada.

Nos pacientes do grupo basal, foram observadas melhorias desde o primeiro dia após
o início da terapia com ozônio e foram detectadas: diminuição da fraqueza e fadiga, aumento da atividade física e
aumento do sono. No grupo de controle, as melhorias começaram cerca de 7 a 10 dias após
o início do tratamento. Sob a influência do ozônio, os valores médios do período de
matança da manhã, os índices de dor articular e muscular, o índice de inchaço (p≤0.01) e a
assimetria na temperatura da pele diminuíram (p≤0.001). ), e uma diminuição nos
indicadores clínicos da doença foi observada de 16,8 ± 0,42 a 7,38 ± 0,67 graus (p≤0,001).
Essas mudanças apareceram mais cedo e foram mais intensas do que no grupo de
comparação. Também foi observada uma redução significativa nos valores de fibrinogênio,
seromucóide e hidroxiprolina, o que apóia o fato de uma recessão mais rápida tanto dos
episódios clínicos como dos indicadores analíticos da artrite reumatóide. Observou-se uma
influência positiva mais rápida nos indicadores imunológicos. Após uma média de 14-15
dias, houve um aumento no nível de linfócitos T auxiliares e uma diminuição no número de
linfócitos T assassinos ou assassinos, um aumento na atividade fagocítica de

Tabela 6-1. Resultados da terapia com ozônio em pacientes com artrite reumatóide.

Grupo Número Resultados del tratamiento


de pacientes de pacientes Não
Excelentes Bons Aceitáveis satisfatorios

Basal 70 18 39 10 3

Controle 70 - 28 26 16

Capítulo 6. Ozonoterapia en las enfermedades musculoesqueléticas y del tejido... • 101

neutrófilos e uma diminuição da hiperimunoglobulinemia das classes A, M e G, em


comparação com o grupo controle após 20-22 dias.

A diminuição manifestada na atividade inflamatória observada tão cedo quanto 5-7


dias após o início da administração da terapia com ozônio permitiu reduzir a dose de
drogas não-esteróides e glicocorticóides, reduzindo assim ao mínimo o risco de
aparecimento de efeitos colaterais. Os resultados das observações após 3 anos mostraram
que a terapia com ozônio diminui a freqüência das recorrências e que ela pode ser usada
para sua profilaxia.

6.2. Osteomielite de ossos longos tubulares

A osteomielite ocorre como resultado da lesão de uma embolia séptica de focos


purulentos (fervura, angina, pielonefrite, mastite) ou na presença de septicemia e também
pela passagem da inflamação dos tecidos moles circundantes.

A osteomielite pode ocorrer após o trauma e as operações. A localização típica é a


metafise de ossos longos, e muitas vezes se desenvolve na coluna vertebral. No período
agudo, o pus se acumula nos espaços medulares dos ossos e abre caminho, formando uma
fístula. As articulações adjacentes podem ser incorporadas no processo, aparecendo uma
sinovite ou artrite purulenta.

A terapia com ozônio ocupa um nicho especial no tratamento de pacientes com esta
condição, uma vez que permite alcançar uma melhoria significativa no processo da ferida,
levando à rápida separação da massa necrótica, à maturação da granulação, ao
aprimoramento de a ação das drogas na microflora patogênica e permite a eliminação da
toxicidade endógena (Ruchkina e Zaitsev, 2007; Tujanov et al., 2007)

Formas de aplicação

• Solução fisiológica ozonizada para bandagens.


• Gasificação com uma mistura de ozônio e oxigênio em uma bolsa de plástico.
• Auto-hemoterapia principal.
• Infusão intravenosa de solução fisiológica ozonizada.
• Auto-hemoterapia menor.
• Infiltração intra-óssea da solução fisiológica ozonizada.

Pauta terapéutica

Um tratamento múltiplo é realizado, incluindo todos os tipos de ozônio


mencionados. Os procedimentos locais serão realizados da seguinte maneira (Zaitsev,
2000): após o tratamento da ferida com peróxido de hidrogênio, a cavidade da ferida é
obstruída com uma gaze estéril umedecida com água bidestilada. No fundo da ferida, é
colocado um tubo de drenagem de polivinilo, através do qual a mistura de ozônio e
oxigênio é administrada com uma concentração de ozônio de 2,5-5 μg / ml. Durante todo
esse tempo, o membro está em uma bolsa de polivinilo. No final do procedimento, a ferida
enrolada é coberta com papel encerado.

102
Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

• Estes procedimentos são realizados 1 ou 2 vezes por dia, dependendo da


manifestação do processo purulento, e continuam até o desaparecimento da supuração e
fechamento das células. Infusões intravenosas de solução fisiológica ozonizada são
administradas diariamente durante 3 dias e depois em dias alternados. O AHTMn é
realizado em dias alternados.

• A administração intraósea de solução fisiológica ozonizada é feita diariamente nos


primeiros 3 dias, e depois em dias alternados. A quantidade total de infusões intravenosas é
10-12; o número total de sessões de AHTMn é de 4-5, e de administração intraósea, de 10-
15.

• A infusão intravenosa de uma solução fisiológica ozonizada e a auto-hemoterapia


menor podem ser substituídas pela auto-hemoterapia principal, num total de 6-8 sessões em
dias alternados.

• A aplicação deste tratamento permite suprimir a síndrome da dor para o segundo


ou terceiro dia, eliminar a secreção purulenta entre o terceiro eo quinto dia e o
aparecimento da granulação sob a forma de partículas finas para o sétimo ou o oitavo dia.
A aparência do epitélio nas bordas é observada a partir do décimo dia e, a partir do quinto
dia, as culturas de amostras obtidas a partir das feridas geralmente dão resultados
negativos.

• Urazgildeev et al. (2003) demonstraram a ação da correção imunológica da terapia


com ozônio, avaliando pacientes com osteomielite crônica de ossos longos como afetados
por um estado de déficit imunológico. Nas investigações sobre a composição populacional
dos linfócitos e a atividade funcional dos neutrófilos, estabeleceram que durante o processo
de tratamento, em um quadro de movimento moderado da composição populacional dos
linfócitos, observou-se um aumento. atividade fagocítica notável de neutrófilos. A inclusão
da terapia de ozônio no tratamento cirúrgico múltiplo permitiu-lhes resolver a osteomielite
crônica em 48 dos 51 pacientes.

6.3. Artrite rubor

Formas de Aplicação

• Lavagem intra-articular através de punções com solução fisiológica ozonizada.


• Drenagem articular através do fluxo de uma solução fisiológica ozonizada.
• Infusão intravenosa de solução fisiológica ozonizada.
• Auto-hemoterapia menor.
• Administração intra-articular e periarticular de uma mistura de ozônio e oxigênio.
• Auto-hemoterapia Maior.

Pauta terapéutica

A punção da articulação é realizada, evacuando o conteúdo purulento e lavando com


solução fisiológica ozonizada até a obtenção das águas de lavagem da cavidade articular.

Se o tratamento com punções não for efetivo, será necessário instalar um sistema
para lavar a cavidade articular através do fluxo de uma solução fisiológica ozonizada. Para
fazer isso, os microcuts são feitos nas superfícies laterais da junta e os microjetos são
instalados na cavidade articular, costurando-os e fixando-os sobre a pele. Em um dos
micro-drenos, uma solução fisiológica é administrada ininterruptamente e por gotejamento

Capítulo 6. Terapia de ozônio em doenças musculoesqueléticas e teciduais ... • 103

lógica ozonizada (a ozonação da solução fisiológica é constantemente realizada por


borbulhamento). A concentração de ozônio na solução é de 4-5 μg / ml.

Lavagens por punção ou drenagem por fluxo são feitas até o processo inflamatório
começar a desaparecer, mas não por menos de dois dias. Uma vez que a inflamação cessa,
o sistema de drenagem é separado e é realizada a administração intraarticular e
periarticular da mistura gasosa de ozônio e oxigênio. No total, serão realizadas 4-5 sessões.

No contexto do tratamento local, será realizada a administração intravenosa de


solução fisiológica ozonizada. Até que o processo inflamatório cesse, ele será feito
diariamente e, em dias alternados, para um total de 10-12 sessões; O AHTMn é aplicado
em 4-5 sessões.

Infusões intravenosas de solução fisiológica ozonizada e auto-hemoterapia podem


ser substituídas por 10-12 sessões de auto-hemoterapia principal em dias alternados.

Observações: a imobilização da articulação até o desaparecimento do processo


inflamatório supurante é obrigatória.

6.4. Osteoartrite

A artrose é o carinho comum mais comum, representando quase 80% de todas as


patologias articulares. A morbidade aumenta com a idade, e é encontrada em 97% das
pessoas com mais de 65 anos.

A base da doença são as alterações distróficas e a posterior destruição das


superfícies da cartilagem e das articulações, bem como as reações secundárias dos tecidos
ósseos, a osteosclerose subcondral e o crescimento excessivo das bordas.

Normalmente, são afetadas grandes articulações das extremidades inferiores, co-


xofemoral e joelho, que são aquelas que apresentam as maiores cargas. Entre as
articulações pequenas, as do pulso são aquelas que sofrem esta condição com freqüência.

O principal sintoma é a dor, que se manifesta inicialmente apenas em certas


circunstâncias, ao realizar certas cargas: subindo ou descendo escadas, permanecendo por
muito tempo e rapidamente se movendo para descansar. Posteriormente, há um aumento
constante da dor, que adquire um caráter persistente e surge com qualquer carga, o início
da sinovite e a deformação das articulações.

Ao prescrever a terapia com ozônio, são levadas em consideração suas


possibilidades para a melhoria trófica dos tecidos das articulações e também o efeito
analgésico do ozônio. Como um método terapêutico independente, ele é usado nas formas
iniciais de artrose óssea. Os estágios posteriores da doença precisam da combinação com
tratamento farmacológico e procedimentos fisioterapêuticos. De acordo com os resultados
de Cherbakova (2003), o efeito analgésico após a administração intra-articular de uma
mistura de ozônio e oxigênio pode começar a ser apreciado em cerca de 10-15 min.

Formas de aplicação

• Administração intra-articular de uma mistura de ozônio e oxigênio.


• Administração periarticular subcutânea de uma mistura de ozônio e oxigênio.
104 • Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e
indicaciones

• Auto-hemoterapia menor.
• Infusão intravenosa de uma solução fisiológica ozonizada ou insuflação rectal de
uma mistura de ozônio e oxigênio.

Cronograma terapêutico

O tratamento deve ser múltiplo. A administração intra-articular de uma mistura de


ozônio e oxigênio será realizada a cada dois dias e será alternada com infusões intravenosas
de solução ozonizada fisiológica (ou com insuflações rectais de uma mistura de ozônio e
oxigênio) e administração da mistura de ozônio e oxigênio. O AHTMn é feito uma ou duas
vezes por semana. A osteoartrite incipiente é tratada por 2-3 semanas; o mais avançado, por
4-5 semanas.

Grechko (2000, 2003) e Scherbakova (2003) consideram que, para alcançar o efeito
clínico, é suficiente administrar 3-5 injeções intra-articulares da mistura de gás, e as
sessões devem ser realizadas em intervalos de 2-3 a 5-7 dias. De acordo com os resultados,
em pacientes com até 50 anos de idade, a terapia com ozônio proporciona um período
prolongado sem dor (7-9 meses na maioria dos casos). Em pacientes mais velhos, esse
período é de 2-3 meses, após o que, para preservar o efeito, recomenda-se a repetição das
injeções intra-articulares uma vez a cada 1,5-2 meses.
Capítulo 7
Terapia de
ozônio em
doenças
endócrinas e
metabólicas

7.1. Diabetes mellitus

Diabetes mellitus é uma doença que é acompanhada pela presença de


hiperglicemia e que é determinada por uma insuficiência absoluta ou relativa de
insulina, devido a alterações na capacidade do pâncreas para produzi-lo nas
quantidades necessárias para satisfazer as necessidades metabólicas do organismo. .

Diabetes mellitus é de dois tipos: tipo I ou dependente de insulina, que é a


diabetes geralmente observada em jovens e caracterizada por um déficit absoluto de
insulina que necessita de terapia de insulina de reposição e tipo II ou não dependente
de insulina, que é diabetes. - isso geralmente é visto em adultos e que tem uma
relativa insuficiência de insulina.

Entre outras causas, o diabetes mellitus pode ser devido a fatores hereditários,
infecções virais e alterações imunológicas, e é uma doença geneticamente
dependente. A predisposição genética ao diabetes tipo I está relacionada a defeitos no
sistema dos genes HLA-B8, B-15, B18, DRW-3 ou DRW4. O sistema HLA
determina a sensibilidade das células aos antígenos virais ou influencia o grau de
expressão da imunidade antiviral aos vírus tropicais β da rubéola congênita, caxumba
epi-dema, infecção com coxsackievirus B4, hepatite virais e outros, que levam à
destruição de células β, que por sua vez causam a formação de autoanticorpos, com
reações citotóxicas subsequentes.

O aumento das necessidades de insulina na diabetes tipo II está relacionado a


defeitos genéticos da ligação pós-receptor de tecidos insulino-dependentes. O insufi -

105

• Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

A ciência da insulina absoluta ou relativa causa a alteração de todos os tipos de


troca. Reduz a entrada de glicose na célula e, portanto, altera a função básica dos
carboidratos (energéticos), e as células estão "com fome" de energia, o que obriga a
conectar o endógeno formação de glicose a partir de glicogênio e proteínas, aumentando a
gluconeogênese. No entanto, esta glicose também não pode ser completamente assimilada,
novamente devido à insuficiência de insulina. Eles diminuem a via da fosfato de pentose e
a glicólise aeróbica, e a hiperglicemia e a insuficiência de energia são dobradas. Nos
eritrócitos, aumenta a concentração de hemoglobina glicosilada, que não transporta
oxigênio, o que leva à hipoxia dos tecidos. A biossíntese diminui e a decomposição das
proteínas é ativada e os processos catabólicos começam a prevalecer. Isso produz a
diminuição das macroergias nos músculos esqueléticos e no miocárdio, condicionando a
fraqueza muscular.

Além disso, a síntese de lipídios é alterada a partir de substratos alimentares, e a sua


decomposição é reforçada. Os processos PLO são ativados. Reforça a lipogênese endógena,
com o acúmulo de substratos mesotélicos do metabolismo dos lipídios: corpos de cetona e
produtos aterogênicos.

Além de uma hiperglicemia superior a 6,6 mmol / l de jejum e superior a 11,5 mmol
/ l após as refeições, o quadro clínico do diabetes mellitus consiste nos seguintes sintomas:
poliúria, sede, fraqueza, desbaste com alto apetite, coceira cutânea, suposição de afecções
traumáticas, afecções do sistema nervoso periférico, angiopatias.

Aumentos prolongados nos níveis de glicose no sangue no diabetes mellitus


produzem alterações irreversíveis nos vasos sanguíneos, rins, nervos e estruturas oculares.
De acordo com dados de diferentes autores, após 15 anos com a doença, 2% dos pacientes
ficam cegos e os distúrbios visuais graves aparecem em 10%. A síndrome do pé diabético é
observada em 30% a 80% dos pacientes; Quase 50% das amputações não-traumáticas das
extremidades devem ser realizadas por complicações do diabetes mellitus (Maksimov et
al., 2000).

Como em outras doenças, a terapia com ozônio com diabetes mellitus ocupa um dos
principais lugares em termos de eficácia, algo que está relacionado ao fato de que, por meio
de seu mecanismo de ação, o ozônio realiza uma série de processos fundamentais que
condicionam é ação positiva Primeiro, o ozônio aumenta a permeabilidade das membranas
celulares à glicose, algo que é conseguido com a ajuda da estimulação da via do fosco do
pentose e da glicólise aeróbica (que estão deprimidos em diabetes), o que torna possível
diminuição da hiperglicemia devido à maior entrada de oxigênio nos tecidos (Figura 7-1).

Pavlovskaia et al. (1998) observaram um grupo de 70 pessoas, composto por


pacientes com diabetes insulino-dependente e não dependente de insulina. Após o
tratamento com terapia de ozônio, o nível médio de hiperglicemia nos mesmos diminuiu
26%. Em um terço dos pacientes, a dose de insulina administrada foi diminuída em 16%.
Em uma quarta parte dos pacientes com diabetes não insulino-dependente, a dose de
antidiabéticos orais foi reduzida em 32%.

Ambos os processos (estimulação da via de fosfato de pentose e glicólise aeróbica)


fortalecem a produção de glutationa, que participa na síntese de glicogênio e gordura
1
Capítulo 7. Ozonoterapia en las enfermedades endocrinas y metabólicas 07 •

1
6
1
4
E san

1
2
m gue

1
0
de

8
glicose
N

6
ivel

0
1 1 1 1 1 1
1 2 3 4 5 6 7 8 09 1 2 3 4 5

Día de tratamento

Figura 7-1. Dinâmica do nível de glicose no sangue de um paciente de 50 anos com


diabetes não insulino-dependente durante a aplicação da terapia com ozônio.

de glicose. A oxidação da glicose ocorre nos produtos finais. Como resultado, a função
básica dos carboidratos (energia) é restaurada, a "fome" energética dos tecidos é suprimida
e a via da formação endógena de glicose do glicogênio e das proteínas é inibida, isto é, A
gluconeogênese é inibida. A decomposição das proteínas é reduzida, e os processos
catabólicos são reduzidos, diminuindo também os processos da OLP. Ou seja, o ozônio
cumpre uma série de funções que são específicas da insulina.

O outro factor importante é que, após a activação da troca de glucose nos


eritrócitos pela acção de ozono, a formação de 2,3-difosfoglicerato, cujo aumento
desloca a dissociação da oxi-hemoglobina e direita de reforço po - Facilita uma
melhor chegada de oxigênio aos tecidos. Uma vez que em pacientes com diabetes
mellitus predomina chamada hemoglobina glicada, em que a ligação com o Oxi-
geno é muito estável, e hipóxia tecidual, que aparece como resultado desse fato, ele
determina a gravidade da doença, A eliminação da hipoxia pela ação da terapia com
ozônio desempenha um papel que é quase o mais importante no processo de
cicatrização.
No trabalho de Pavlovskaia (1998), a diminuição dos valores de hemoglobina
glicosilada é demonstrada em todos os pacientes tratados com ozônio. Atiasov e Ga-zin
(2000) observaram uma diminuição da glicemia em 5-14 mmol / l, e uma diminuição em

108 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

70% da concentração de hemoglobina glicosilada após o tratamento com terapia de ozônio


em pacientes descompensados. De acordo com seus dados, nesses pacientes, observou-se
aumento do pH e diminuição do déficit de bases tampão (mais do que no grupo controle), a
hipoxemia arterial desapareceu e o aumento das diferenças foi detectado. entre oxigênio
arterial e venoso. Após tratamento com ozônio, os níveis de uréia, colesterol e fibrinogênio
diminuíram.

A ação positiva da terapia de ozônio na microcirculação e nos processos


metabólicos, juntamente com a diminuição das concentrações de glicose, colesterol e
triglicerídeos, resultaram na melhoria das propriedades reológicas do sangue e dos
indicadores de coagulação. sangue, nível de normalização PLO e aumentar a actividade do
sistema antioxidante com base na fluorimetria de laser, a análise dos parâmetros de
coagulação, e a dinâmica de malondialdeído e dienos conjugados (MAKSIMOV e Tartinov
et al., 2000; Gazin, 2000).

Ao diminuir a hiperglicemia, melhorar a entrada de glicose nos tecidos, aumentar o


suprimento de oxigênio e eliminar a hipoxia, a terapia com ozônio evita a aparência dos
processos relacionados à baixa entrada de glicose nos tecidos: acumulação de sorbitol nos
tecidos. tecidos, que favorecem o desenvolvimento de cataratas, neuropatias e
microangiopatias; formação de glucosoaminoglicanos, que são a base das artropatias e
síntese das glicoproteínas que dão origem ao aparecimento de angiopatias progressivas.

• O ozônio é utilizado como agente profilático e terapêutico em pacientes de idade


avançada com diabetes mellitus com condições ateroscleróticas do sistema cardiovascular,
como CAI, encefalopatia por distúrbios circulatórios ou aterosclerose obliterante de vasos
nas extremidades inferiores. O mecanismo de ação do ozônio nessas doenças é explicado
no capítulo correspondente.

• Ao aplicar a terapia com ozônio para tratar diabetes mellitus, é necessário
considerar sua ação imunomoduladora. Isto é especialmente importante na diabetes
insulino-dependente, em que as reações citotóxicas, devido a antígenos e anticorpos na
presença de formas autônomas e formas induzidas por vírus da doença, levam à destruição
de células β. Na presença dessas mesmas formas, o anticorpo para insulina administrada é
elaborado, inativando-o.

Em diabetes não insulino-dependente, a depressão da imunidade é característica, o


que determina a tendência para infecções crônicas (pielonefrite) e condições purulentas
(furúnculos). Tudo o que foi explicado acima justifica o uso de ozônio nesta patologia, com
base em suas propriedades imunomoduladoras.
Os esquemas de tratamento recomendados são os seguintes.

Formulários de inscrição

• Insuflação retal de uma mistura de ozônio e oxigênio.


• Auto-hemoterapia principal.
• Auto-hemoterapia menor.
• Administração subcutânea (infiltração) de uma mistura de ozônio e oxigênio.
• Administração de uma mistura de ozônio e oxigênio nos pontos
biologicamente ativos.

• Administração intravenosa de uma solução fisiológica ozonizada.


Capítulo 7. Ozonoterapia en las enfermedades endocrinas y metabólicas
• 109

Pauta terapéutica

As seguintes técnicas podem ser combinadas (Protocolos AEPROMO, 2010,


do site www.aepromo.org).

Autohemoterapia maior en 150 ml de sangue


Semana de Concentraçãon de O3 Volume de O3 Dose
tratamento
(µg/ml) (ml) (mg)

Primeira 15 125 1,9

Segunda 20 125 2,5

Terceira 30 150 4,5

Quarta 35 150 5,2

Quinta 40 150 6,0

15 sessões serão concluídas.

Autohemoterapia menor en 5 ml de sangue


Semana de
Concentração de O3 Volume de O3 Dose
tratamento
(µg/ml) (ml) (mg)

Primeira 15 5 0,075

Segunda 20 5 0,10

Terceira 30 5 0,15

Quarta 35 5 0,175

Quinta 40 5 0,20
15 sessões serão concluídas

Vía retal (Esta via pode ser usada como única ou combinada com AMTM ou
AMTMn)
Semana de Concentração de O3 Volume de O3 Dose
tratamento
(µg/ml) (ml) (mg)

Primeira 15 120 1,8

Segunda 25 150 3,7

Terceira 35 150 5,2

Quarta 40 200 8,0


Freqüência diária; 20 sessões serão concluídas e o ciclo será repetido a cada 3-4 meses.•
Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

Em pacientes com pé diabético como uma complicação:

• A ênfase será colocada em repouso; O membro deve ser mantido em uma posição
que favorece a drenagem linfática.
• Um esquema de tratamento sistêmico será selecionado e combinado com curas
locais.
• As curas devem ser feitas, de preferência, diariamente, na seguinte ordem:

- A lesão é desinfectada com água ozonizada (1.000 ml de água destilada que é


ozonizada em fluxo contínuo durante 15 minutos a altas concentrações de 80 μg / ml).

- Em seguida, um saco é colocado no membro ulcerado e aspirado por vácuo para


extrair todo o ar do interior.

- O saco é insuflado com concentrações de 60 μg / ml e é mantido por 20 a 30


minutos. Uma vez que a infecção é controlada, as concentrações são reduzidas para 30 e 20
μg / ml, e as sessões são espaçadas.

- Antes de remover a bolsa, vácuo novamente.


- Finalmente, o óleo ozônio é aplicado à lesão, que deve permanecer ocluída até a
próxima cura. No início, a taxa de peroxidação do óleo deve ser alta (800-1.200 IP);
Quando o tecido de granulação aparece e não há infecção, a concentração é reduzida para
400-600 IP. As curas devem ser diárias.

A base do tratamento são as administrações intravenosas de uma solução fisiológica


ozonizada ou insuflações rectais de uma mistura de ozônio e oxigênio, que são realizadas a
cada dois dias, ou a auto-hemoterapia maior, que é realizada duas vezes por semana, em
um total de 10 a 12-15 sessões. Os outros procedimentos são prescritos dependendo do tipo
de diabetes mellitus e da presença de complicações.

No caso do diabetes mellitus tipo II, a incorporação da administração da mistura de


ozônio e oxigênio nos locais biologicamente ativos, de acordo com os esquemas
geralmente aceitos. Se houver indicações de déficits imunológicos secundários (doenças
purulentas e inflamatórias), as infiltrações subcutâneas com uma mistura gasosa serão
aplicadas de forma complementar nos focos purulentos, ou o AHTMn será usado para 6-8
sessões em dias alternados..

Observações

Devido ao fato de que o ozônio possui propriedades hipoglicêmicas, é necessário o


controle constante dos níveis de glicemia e a correção de preparações hipoglicêmicas ao
longo do tratamento.
As Tabelas 7-1 e 7-2 mostram os resultados do tratamento em 90 pacientes com
diabetes mellitus tipo I e II. Os dados nas tabelas mostram que o efeito do tratamento foi
favorável em pacientes insulino-dependentes e não dependentes de insulina, e se
manifestou por uma diminuição da hiperglicemia, diminuição da sede e desaparecimento
da picada na pele. de fraqueza, entre outros.

Capítulo 7. Ozonoterapia en las enfermedades endocrinas y metabólicas • 111

Tabela 7-1. Resultados da terapia de ozônio em pacientes com diabetes mellitus de tipo I.

Número Resultados do tratamento


Nivel de gravedade
de pacientes Bons Aceitáveis Não satisfatorios

Leve - - - -

Medio 16 14 2 -

Grave 10 10 - -

Resultados del tratamiento ( %) 92 8 -

Tabla 7-2. Resultados da terapia de ozônio em pacientes com diabetes mellitus de tipo II.

Número Resultados do tratamento


Nivel de gravedade
de pacientes Não
Bons Aceitáveis satisfatorios

Leve 14 14 - -

Medio 45 38 - 7

Grave 5 5 - -

Resultados do tratamento ( %) 89 - 11

Um dos principais indicadores de sucesso no tratamento do diabetes mellitus é


compensar o estado dos pacientes.

Os critérios de compensação em diabetes não insulino-dependente são:

• Normalização da massa corporal, bom humor e preservação da capacidade de


trabalho.
• Glicemia em jejum de 5-6 mmol / l e não superior a 11 mmol / l durante o dia.
• Ausência de glucosuria.
• Ausência de hipoglicemia.
• Nível de hemoglobina glicosilada inferior a 7%.
• Indicadores normais de troca de lipídios.

Os critérios de compensação em diabetes insulino-dependente são os seguintes:


• Ausência de reclamações e conservação da capacidade de trabalho.
• Glicemia de jejum de 6-7 mmol / l e não superior a 12 mmol / l durante o dia.
• Diminuição da glicosuria.
• Níveis de hemoglobina glicosilada inferior a 9%.
• Indicadores normais de lipídios e proteinogramas no sangue.
• Indicadores normais de imunidade celular e humoral.

112 • Guia para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

A maioria dos pacientes obtém compensação com a aplicação da terapia com ozônio.
De acordo com os dados mostrados na Figura 7-2, após o tratamento com terapia de
ozônio, o número de pacientes com compensação aumenta quase 4 vezes e a dos pacientes
descompensados diminui 5 vezes (Pavlovskaia et al., 1998, Maslennikov e Kontorschikova,
1999). Significativo foi o fato de que os pacientes que receberam o tratamento puderam
reduzir o uso de preparações hipoglicêmicas em 20-25%. O efeito do tratamento da terapia
com ozônio durou de 3 a 6 meses.

A terapia com ozônio também é muito eficaz no tratamento de formas complicadas


de diabetes mellitus. Assim, devido à retinopatia que ocorre nesses pacientes, há uma
diminuição da acuidade visual e alterações do fundo, sob a forma de microaneurismas,
hemorragias pontuais, finamente manchadas internas e exsudatos sólidos macios. Após o
tratamento com terapia de ozônio, os pacientes perceberam uma "maior clareza" subjetiva.
Do ponto de vista objetivo, aumentou a acuidade visual e diminuiu a quantidade de
sangramento interno e exsudados moles no fundo do olho (Maksimov et al., 2000).

Fernández et al. (1997) realizaram um estudo comparativo de dois grupos de


pacientes com diabetes mellitus e complicações neuroangiopáticas. Em um dos grupos, o
tratamento foi aplicado sob a forma de insuflação retal com uma mistura de ozônio e
oxigênio; no outro, utilizou-se oxigênio puro. Os resultados foram os seguintes: o clima
geral melhorou

Compensado Descompensado Subdescompensado

59%

40% 40%

????
19%

10% 9%

Antes del tratamiento Después del tratamiento

Figura 7-2. Efectividad de la ozonoterapia en pacientes con diabetes mellitus.


Capítulo 7. Ozonoterapia en las enfermedades endocrinas y metabólicas • 113

• em ambos os grupos; no entanto, a melhora na condutividade, na forma de um


aumento significativo na amplitude e velocidade do percurso dos sinais das seções
proximal e distal do nervo peroneal, foi documentada apenas no grupo tratado com ozônio
e a dinâmica desses indicadores estava ausente no grupo que recebeu apenas oxigênio.
Além disso, apenas no grupo tratado com ozônio foi uma diminuição nas concentrações de
hemoglobina glicosilada e hiperglicemia observada.

• Uma das complicações mais freqüentes do diabetes é a síndrome do pé diabético,


cuja variante mais grave é supurativa-necrótica. Devido à angiopatia das extremidades
inferiores, a isquemia dos tecidos aparece em primeiro lugar e, em seguida, a destruição
delas se manifesta com a subseqüente adição do processo supurativo necrótico. Na área do
carinho, aparecem produtos da decomposição de células, microorganismos e toxinas de
origem microbiana.

• Sob a influência da inflamação suppurativa local, os processos da OLP são


ativados no organismo, e há uma acumulação de complexos imunes circulantes, produtos
metabólicos alterados e detritos. Tudo isso altera a homeostase, a reologia do sangue e a
microcirculação e agrava as alterações das membranas celulares e das enzimas respiratórias
intracelulares. As mudanças indicadas em pacientes com diabetes mellitus resultam no
esgotamento dos mecanismos de adaptação e na alteração das funções dos órgãos e
sistemas, levando a uma insuficiência mulioriorganica por intoxicação endógena. O curso
agudo e recorrente, a tendência à progressão rápida e as limitações das possibilidades de
tratamento tradicional são características desse tipo de complicações.

• Em pacientes com síndrome do pé diabético, a terapia de ozônio associada ao


tratamento local em focos purulentos necróticos e ao efeito metabólico geral possibilitou
diminuir o período de limpeza de massas purulentas necróticas quase o dobro do
desenvolvimento dos processos regenerativos. Isso possibilitou a redução do tempo de
hospitalização em 9-11 dias em relação aos pacientes tratados com métodos tradicionais e
conseguiu reduzir o número de amputações dos membros em 1,7 vezes, bem como a
incapacidade e o número de mortes (Moshurov e Gliantsev, 1998; Beliaev et al., 2000;
Gazin, 2000).

• As observações clínicas de Belianin (1997) sobre a evolução da tuberculose


pulmonar em pacientes com diabetes mellitus a quem a terapia de ozônio foi aplicada
mostraram que não só fornece efeito hipoglicêmico, como também influencia
positivamente a evolução da processo específico. A administração intravenosa de uma
solução fisiológica ozonizada levou a uma diminuição significativa nos sintomas da
intoxicação, o que se manifestou pela redução ou eliminação da infecção bacteriana maciça
de micobactérias tuberculosas.

• Particularmente demonstrativo foi a eliminação da rejeição do tratamento com pré-


paradas antituberculosas sob a influência do ozônio. Analisando os mecanismos da ação
terapêutica do ozônio, o autor aponta sua capacidade para:
• Compensar diabetes mellitus.
• Aumentar a energia energética alterada das células fagocíticas.

114 • Guia para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

• Fortalecer a capacidade de proliferação dos linfócitos.


• Fortalecer a hemopoiese e aumentar a "via do colaborador CD-4" na presença de
déficit imunológico secundário.

O autor enfatiza o caráter único da ação do ozônio nesta categoria de pacientes, na


qual eletiva a mudança no macroorganismo e reprime-o no microorganismo. Nas
membranas do macroorganismo, o ozônio interage com as oxidases de praticamente todas
as células. Através do ozônio, a adenilato ciclase é ativada, um mediador que participa do
fornecimento de energia das células. Atuando no sistema de glutationa, o ozônio fortalece a
glicólise e outras vias de oxidação da glicose, aumenta a ingestão de energia e, assim,
determina o efeito da influência em múltiplos órgãos.

O ozônio produz uma ação completamente oposta na membrana das células dos
microorganismos, onde, ao inativar os grupos SH, produz um efeito antibacteriano. Tudo
isso ocorre bloqueando os receptores das membranas pelos ozonidos.

Todos os dados apresentados neste capítulo testemunham a influência do ozônio em


diferentes elos na patogênese do diabetes mellitus, o que explica a grande efetividade da
terapia com ozônio no tratamento de formas simples e complicadas. desta doença.
Capítulo 8
Bronquitis
crónica

8.1. Bronquite crônica

A bronquite crônica é uma doença caracterizada por uma condição inflamatória


difusa e progressiva das paredes dos brônquios, acompanhada de hipersecreção, que
apresenta agravamentos e remissões.

De acordo com a determinação do grupo de especialistas VOICE, pacientes com


bronquite crônica são aqueles que apresentam tosse e expectoração por pelo menos 3 meses
por ano, por 2 anos, excluindo outras doenças do trato respiratório superior, brônquios e
pulmões que podem causar esses sintomas. A bronquite crônica está entre as doenças mais
freqüentemente observadas. De acordo com os dados da VOZ, até o ano 2020, a doença
pulmonar obstrutiva crônica ocupará, em todo o mundo, o quinto lugar em termos de
disseminação e o terceiro lugar entre as causas da morte.

Sob a influência de diferentes fatores (poeira, fumaça, monóxido de carbono e,


fundamentalmente, tabagismo), não só mudanças morfológicas na árvore brônquica, mas
também as funções de barreira defensiva dos brônquios são alteradas, que são ativados no
início das doenças e depois ficam exaustos. Isso causa a ativação dos processos da OLP,
com a acumulação de radicais livres nos tecidos, que apresentam efeitos nocivos nas
células e desempenham um papel importante na patogênese das doenças
broncopulmonares, no contexto de uma insuficiência progressiva de agentes antioxidantes
e imunológicos. Como resultado, hipertrofia e hiperfunção das glândulas brônquicas, e uma
alteração da actividade do epitélio ciliar da mucosa brônquica, levando ao aparecimento de
muco viscoso e falha ocorre mucociliar.

116 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

desordens na função de drenagem brônquica permitir conjunto com inflamações


assépticas de infecções broncopulmonares (vírus respiratórios, bactérias diferentes), cuja
actividade e recorrência dependem significativamente imunidade local dos brônquios
(Aleksandrova, 1995).

Dependendo da presença e expressividade dos distúrbios de ventilação, são definidas


duas formas de bronquite crônica: obstrutiva e não obstrutiva.

A bronquite crônica não obstrutiva é geralmente referida quando o paciente não


apresenta dificuldade respiratória, mas apenas tosse com expectoração. Esta forma de
bronquite crônica é caracterizada por uma alta capacidade de fixação de vírus RC e
coronavírus, que são capazes de se multiplicar nas menores divisões do trato respiratório,
diminuindo a secreção de IgA, responsável pela defesa local, bem como para diminuir a
atividade fagocítica de neutrófilos de sangue periférico.

Um fator indesejável, que determina em grande parte o prognóstico, é a aparência de


alterações obstrutivas na árvore brônquica. A bronquite obstrutiva crônica é caracterizada
por uma tríade de sintomas: tosse, expectoração e dispnéia, que é o principal sintoma.
Espessamento das camadas de mucosa e submucosa produz a bronquite obstrutiva
brônquio-menor por causa da hiperplasia epitelial e glândulas brônquicas, edema,
infiltração inflado-terizada e fibrose das paredes, com estenose ou obliteração dos
brônquios e e espasmos brônquicos. Tudo isso é determinado por distúrbios significativos
da reatividade imunológica que se desenvolve na presença de bronquite obstrutiva crônica.
Nestes pacientes, observa-se a associação de muitos componentes dos vírus e bactérias
respiratórias e a incapacidade para a eliminação ativa dos fatores infecciosos e a
persistência dos vírus é notada (Chmelev et al., 1996).
A defesa anti-infecciosa inadequada manifesta-se pela diminuição da atividade dos
linfócitos T no período de deterioração e pelo desequilíbrio das células imunorreguladoras
devido à diminuição dos níveis de células T helper e ao aumento da atividade supressora.
Existe uma diminuição intensa nos níveis de IgA e IgG segregados no soro sanguíneo. A
supressão das ligações celulares e humorais da atividade, que se manifesta abruptamente, é
preservada em pacientes com bronquite obstrutiva crônica durante o período de
exacerbação e remissão. Essas alterações são mais significativas em pacientes com
insuficiência respiratória grave e enfisema pulmonar agudo.

Os sintomas clínicos dependem do tamanho dos tubos brônquicos afetados: tosse,


com ou sem expectoração, é característica do envolvimento dos principais bronquios,
enquanto que a dispneia progressiva é mais freqüente nas condições bronquiolares.

A bronquite crônica se desenvolve gradualmente, e por muitos anos, com exceção de


episódios periódicos de tosse, não se manifesta de forma alguma. Ao longo do tempo, e
como resultado de exacerbações repetidas, a tosse torna-se constante e a expectoração
aumenta e adquire um caráter purulento. A progressão da doença e a incorporação dos
bronquíolos no processo conduzem a uma clara alteração da ventilação pulmonar e à
permeabilidade dos brônquios, com aparência de dispnéia, primeiro antes dos esforços
físicos, e também em repouso. A presença de obstruções durante a progressão da doença
leva ao desenvolvimento de esclerose pulmonar, enfisema pulmonar com

Capítulo 8. Bronquitis crónica • 117

insuficiência respiratória e atelectasia, com aparência de pneumonia e cor pulmonale


com insuficiência cardíaca direita

As realizações no tratamento da bronquite crônica são bastante modestas,


particularmente no estudo da asma brônquica. Nas últimas décadas, as abordagens para o
tratamento da bronquite crônica permaneceram praticamente inalteradas. Na Rússia, é
essencialmente reduzido à administração de antibióticos e broncodilatadores. A questão da
cura da bronquite crônica com antibióticos é complexa. Embora seu uso seja
indubitavelmente útil em casos graves, existem muitos estudos sobre o desenvolvimento
de complicações graves, entre elas candidíase e alterações de imunidade, de modo que a
inclusão de novos métodos no arsenal de meios terapêuticos é um assunto dos eventos
atuais

As propriedades imunomoduladoras do ozônio são de importância decisiva no


tratamento da bronquite crônica. A terapia com ozônio permite a normalização da resposta
imune anti-infecciosa do organismo na infecção viral e bacteriana, o que se manifesta na
alteração da imunidade local e geral, que é reduzida na bronquite crônica. Como resultado
do tratamento, é detectado um aumento no número total de linfócitos T e linfócitos T
auxiliares, que estimulam a proliferação e produção de células B, no conteúdo das células
brônquicas e mucosas e também no sangue periférico. de anticorpos. No soro sanguíneo, o
nível de IgA e IgM aumenta. Aumenta a quantidade de imunocomplexos circulantes e a
atividade de neutrófilos fagocíticos e normaliza os indicadores de IgA no conteúdo
brônquico.
À medida que a doença cessa, aumenta a atividade supressora nos brônquios, o que
determina a adequação da resposta imune. As capacidades de absorção de monócitos e
neutrófilos no sangue periférico são ativadas, o que possibilita a eliminação de
estimulantes.

O tecido respiratório do pulmão contém um excesso de ácidos graxos insaturados,


que são substratos da OLP, que, na presença de patologia, aumenta a possibilidade de
ocorrência de reações de radicais livres no sistema broncopulmonar.

Nas investigações dos últimos anos, verificou-se que os oxidantes (formas ativas de
oxigênio) desempenham um papel fundamental na patogênese das doenças pulmonares
obstrutivas crônicas, pois produzem um desequilíbrio no sistema antioxidante-
antioxidante, permitindo que a aparência do chamado "estresse oxidativo", que se
caracteriza pela produção excessiva das formas ativas de oxigênio pelas células
fagocíticas, o que provoca a deterioração dos tecidos próprios e adjacentes. A OLP é uma
manifestação da ação prejudicial das formas ativas de oxigênio, que alteram as funções de
barreira das membranas biológicas e, conseqüentemente, produzem a transformação da
integridade e funções das células (fermentativa, receptor, transporte de íons) e, em última
instância, levam à sua destruição e morte.

Com a ajuda da ozonoterapia, é possível corrigir a situação dos radicais livres e a


ativação da defesa antioxidante do organismo. De acordo com os dados de Bikov et al.
(2001), nesta categoria de pacientes, durante o tratamento com terapia de ozônio, há um
aumento estatisticamente significativo nos indicadores que refletem a atividade
antioxidante em geral, juntamente com uma diminuição significativa na oxidação por
peróxidos lipídicos.

• Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

Um dos principais problemas da terapia com ozônio é a sua utilização na bronquite


obstrutiva, onde os fenômenos de insuficiência respiratória sempre têm diferentes graus de
expressão.

A oxigenação prolongada (16-18 horas por dia) em casa desempenha um papel


importante no tratamento de doenças pulmonares obstrutivas crônicas. De acordo com os
dados de Tarpy e Celli (1995), a oxigenoterapia prolongada diminui a mortalidade e
aumenta a qualidade de vida de pacientes com doença aguda e hipoxemia mani-fiesta. A
experiência na aplicação de oxigenoterapia na Inglaterra, na França e nos Estados Unidos
mostra um aumento na vida desses pacientes em 15 anos. Na Rússia, a questão dessa
aplicação tem, no máximo, uma importância teórica, uma vez que, devido ao seu alto custo,
praticamente não é usado. A melhoria das funções de transporte de oxigênio no sangue
através da administração parenteral de uma mistura de ozônio e oxigênio, com exceção dos
pulmões, e a melhoria do fornecimento de oxigênio aos tecidos por eritrócitos levam à
eliminação da hipoxemia e hipoxia tecidual durante um tempo suficientemente longo. Por
esta razão, a terapia com ozônio é uma alternativa real para o oxi-genoterapia prolongado,
uma vez que permite obter resultados análogos em um tempo muito mais curto e com
despesas substancialmente mais baixas.
A obstrução bronquial persistente não só produz insuficiência respiratória
progressiva, mas também permite a aparência de hipertensão pulmonar. Neste caso, as
possibilidades vasodilatadoras da terapia com ozônio revertem o processo.

8.1.1. Bronquite não obstrutiva

O esquema proposto para o tratamento da bronquite não obstrutiva é o seguinte.

Formulários de inscrição

• Insuflação retal de uma mistura de ozônio e oxigênio.


• Auto-hemoterapia menor.
• Administração de uma mistura de ozônio e oxigênio em pontos biologicamente
ativos.
• Administração intravenosa de uma solução fisiológica ozonizada.
• Inalações com água ozonizada ou emulsões compostas por água ozonizada e óleo
ozonizado.

Cronograma terapêutico

O tratamento começa com a administração intravenosa de uma solução fono-lógica


ozonizada ou a insuflação rectal de uma mistura de ozônio e oxigênio, sob a forma de 3 ou
4 sessões diárias. Em seguida, a auto-hemoterapia menor é passada em dias alternados (3-4
vezes por semana), e mais tarde, uma vez a cada 3 dias (3 a 5 sessões). O ozonote-rapia por
punções com mistura de ozônio e oxigênio em pontos biologicamente ativos, é realizado de
acordo com o esquema estabelecido. Inalações com água ozonizada ou com emulsão
ozonizada são realizadas 1-2 vezes por dia durante 10-15 dias.

Capítulo 8. Bronquitis crónica • 119

8.1.2. Bronquite obstrutiva

O esquema proposto para o tratamento da bronquite obstrutiva é o seguinte.

Formas de Aplicação

• Insuflação retal de uma mistura de ozônio e oxigênio.


• Auto-hemoterapia principal.
• Administração de uma mistura de ozônio e oxigênio em pontos biologicamente
ativos.
• Inalações com água ozonizada ou emulsões compostas por água ozonizada e óleo
ozonizado.
• Administração intravenosa de uma solução fisiológica ozonizada.

Pauta terapêutico
A terapia é realizada no contexto do tratamento farmacológico, com a inclusão de
todas as formas acima mencionadas de administração de ozônio. Começa com a
administração intravenosa de gotejamento de uma solução fisiológica ozonizada ou com
insuflação retal, em 3-4 sessões diárias. Se a condição do paciente melhora, 3-5 sessões
são realizadas todos os dias e, em seguida, uma vez a cada 2-3 dias, com um total de cerca
de 7-12 sessões. A terapia com ozônio em pontos de acupuntura com uma mistura de
ozônio e oxigênio é realizada de acordo com o esquema estabelecido. Inalações com água
ozonizada ou com emulsão ozonizada são realizadas 1-2 vezes por dia durante 10-15 dias.

A auto-hemoterapia principal substitui a administração intravenosa por gotejamento


de uma solução fisiológica ozonada ou insuflação retal. É feito duas vezes por semana,
com um total de cerca de 6-8 sessões.

8.1.3. Resultados obtidos

Os resultados da aplicação da terapia de ozônio nesta doença foram os seguintes: em


79% dos pacientes, uma melhora do estado foi alcançada, enquanto em 29% dos casos, foi
revalorizada como uma melhoria significativa, ou seja, ocorreu a eliminação total dos
sintomas (tosse, dispneia, fraqueza e ronchi pulmonar); Em 21% dos casos, os resultados
foram considerados aceitáveis.

No trabalho de Struchkov et al. (2000) indica a alta eficácia do ozonote-rapia em


pacientes com doenças respiratórias obstrutivas. A melhora respiratória é indicada após
cada sessão de administração por gotejamento intravenoso de uma solução fisiológica
ozonizada, diminuição da tosse e dispnéia após 2-3 sessões, eliminação da expectoração
sem o uso de preparações antibacterianas. e a redução das obstruções brônquicas, de
acordo com os dados provenientes das investigações das funções respiratórias. Durante o
período de tratamento, observou-se o aumento da capacidade de trabalho dos pacientes,
bem como a diminuição do desconforto, fraqueza e transpiração. Houve uma melhora na
atividade do sistema cardiovascular, devido à

• Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

diminuição da disfunção diastólica do ventrículo direito e do ventrículo esquerdo,


bem como a diminuição da pressão arterial média e da artéria pulmonar.

De acordo com as obras de Bakirov et al. (2007), após o tratamento com ozônio,
observou-se melhora confiável em 79% dos pacientes com bronquite crônica. De acordo
com os dados de Myjarliamov et al. (2003), a terapia com ozônio, como método
complementar no tratamento múltiplo de doenças pulmonares obstrutivas crônicas, encurta
significativamente os tempos de tratamento, fortalece a eficácia do tratamento básico com
drogas, diminui a quantidade de medicamentos prescritos e melhora a função. respiratório

A terapia com ozônio é particularmente útil em pacientes em que a possibilidade de


administrar uma série de medicamentos é limitada pela existência de outras doenças, como
CAI, doença hipertensiva, doença cerebrovascular crônica, rinossinusite, intoxicações
prolongadas. , enfraquecimento das defesas do corpo, fraca eficácia do tratamento
antibacteriano e a presença de complicações de doenças respiratórias crônicas.

Após o tratamento com terapia de ozônio, o número médio de pacientes com doença
pulmonar obstrutiva crônica que retornou à policlínica diminuiu 2,8 vezes eo número de
dias de incapacidade para o trabalho diminuiu 2,3 vezes. No grupo de pacientes que
receberam o complexo de sessões terapêuticas, o número de pessoas que retornaram
diminuiu 1,2 vezes eo número de dias de incapacidade para trabalho diminuiu 1,4 vezes
(Bulat et al., 2006).

8.2. Asma brônquica

A asma brônquica é uma doença cujo principal sintoma é a crise de asfixia devido à
obstrução do trato respiratório devido ao aumento da sensibilidade da traqueia e brônquios
a diferentes irritantes. A alteração da permeabilidade brônquica está relacionada ao
espasmo do músculo liso, edema da mucosa, inflamação da mucosa brônquica e obstrução
dos bronquíolos pelas secreções.

De acordo com o acordo internacional de 1995, a asma brônquica é considerada um


processo inflamatório crônico do trato respiratório inferior. Essa determinação reflete o
principal aspecto patogênico da ligação infecciosa na aparência desta doença. E se os
ataques de asma brônquica ocorrerem episódicamente, o processo inflamatório é constante.
O aparecimento da inflamação inicial nas vias aéreas de pacientes afetados com asma
brônquica está relacionado a uma predisposição atópica, congênita e hereditária a reações
alérgicas. Os alérgenos mais difundidos (fatores de risco para a aparência da doença) são os
ácaros da casa, animais, casacos de lã, baratas, pólen e moldes. Um fator de risco potente é
fumar (também tabagismo passivo, em crianças), além de poluentes químicos e
atmosféricos. Além disso, as cargas físicas, as mudanças climáticas e climáticas frias,
aditivos culinários e ácido acetilsalicílico podem ser a causa do início ou piora da asma
brônquica. Atualmente, é dada grande importância ao aparecimento de asma brônquica em
infecções crônicas por vírus que afetam o sistema respiratório. A infecção mista leva a um
curso mais grave da doença.

Capítulo 8. Bronquitis crónica • 121

A piora da infecção causa início ou recaída da asma brônquica, que se manifesta


pela hiperreatividade dos brônquios, acompanhada de alterações funcionais e
morfopatológicas do trato respiratório na forma de alterações na regulação neuronal da
musculatura brônquica lisa. , lesão epitelial, aumento da permeabilidade vascular,
produção de IgE e aparência de reações alérgicas subsequentes. Tudo isso é a causa do
espasmo bronquial, do edema da mucosa brônquica e da hipersecreção das glândulas
brônquicas, que forma a síndrome da obstrução.

Na patogênese da hiperreatividade brônquica, a incorporação de células efectoras de


inflamação, que é a causa da degranulação de mastócitos (mediada por IgE), a liberação
por eosinófilos e neutrófilos da Fator hemotóxico, histamina, leucotrienos (LTC4, LTD4,
LTE4) e fator de ativação de trombócitos (FAT), que possuem propriedades
broncoconstritoras. Tudo isso é conhecido como reação asmática inicial. Além disso, a
prostaglandina PGE-2 é liberada, o que também causa constrangimento no trato
respiratório. A ativação de eosinófilos e macrófagos alveolares leva, por sua vez, à
produção de mediadores de inflamação, como o tromboxano A2, FAT, LTD4 e LTC 4,
responsáveis pelo aparecimento da fase subseqüente de reações alérgicas e eles garantem o
aumento prolongado da reatividade brônquica.

O principal sintoma de asma brônquica é a típica crise de asfixia, que geralmente


começa de noite ou no início da manhã, com tosse persistente e exaustiva e sem
expectoração. Em seguida, há a sensação de sufocar com dificuldade na expiração, e a
respiração torna-se ruidosa e sibilante. O paciente tem que se sentar devido a sufocação. O
episódio termina com tosse e secreção de muco. Se a crise não for interrompida, o estado
asmático aparece.

De acordo com o acima exposto, os princípios terapêuticos contemporâneos da asma


brônquica incidem sobre a influência sobre infecções virais e bacterianas, o sistema
imunológico, os mecanismos de broncoconstricção e reações alérgicas, bem como hipoxia.

O efeito da terapia com ozônio está relacionado à sua capacidade de influenciar


muitos pontos problemáticos do processo patológico, em primeiro lugar, pela sua
capacidade de eliminar espasmos brônquicos. Isto é devido ao efeito dilatador na
musculatura lisa do radical NO, que é formada em células endoteliais pela ação do ozônio.
A partir dessas posições, a capacidade do ozônio para eliminar a hipoxia tecidual, que
sempre existe em pacientes asmáticos devido ao desenvolvimento de insuficiência
pulmonar por espasmo brônquico, é apresentada como substancial. A chegada de oxigênio
no sangue, exceto nos pulmões, a melhor entrega de oxigênio para os eritrócitos dos
tecidos e a melhoria das características reológicas do sangue constituem a base para a
eliminação da hipoxia.

Com a melhoria da oxigenação do sangue é precisamente o que Struchkov et al.


(2000) relatam a melhora respiratória após cada sessão de administração intravenosa de
solução fisiológica ozonizada. O aumento na chegada do oxigênio leva à normalização do
funcionamento dos órgãos e sistemas, em particular do sistema imunológico. Os
mecanismos imunológicos do organismo humano dependem do oxigênio, uma vez que a
homeostase ea fagocitose são adequadas com a geração de

122 • Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

• Os radicais livres de oxigênio por macrófagos e granulócitos na resposta à infecção


requerem o fornecimento de oxigênio correspondente.

• A influência imunomoduladora do ozônio é manifestada pela ativação do fabrico,


por linfócitos e monócitos, citocinas, interferão, fator necrotizante tumoral e interleucinas.
Os últimos, quando atingem o sangue, ativam a imunidade celular e humoral. A síntese de
linfócitos T citolíticos é reforçada, o que garante a imunidade celular e a produção de
linfócitos T auxiliares, que regulam a ação dos linfócitos B, é normalizada, visando a
síntese de imunoglobulinas (Paulesu e Luzzi, 1991).
• O aumento da pressão parcial de oxigênio nos tecidos como resultado da terapia
com ozônio elimina os efeitos negativos da hipóxia, o que distorce parcialmente a função
da interleucina 1 que, quando há hipoxia, em vez de atuar como um estimulante de
linfócitos T, começa a mostrar efeitos citotóxicos (Belianin, 1998). A estimulação do
sistema imune possibilita a depressão do processo inflamatório, com diminuição da
atividade das células colaboradoras e redução da elaboração por elas de substâncias
biologicamente ativas que alimentam as reações broncoespásticas.

• A influência antibacteriana e antiviral é fundamental. A ação bactericida do ozo-no


é análoga à dos processos que o organismo usa para destruir antígenos estranhos, ou seja,
reforça a ação dos radicais livres devido ao aumento da capacidade fagocitária dos
leucócitos. Além disso, o ozônio penetra em células microbianas e reage com proteínas no
citoplasma, alterando assim a proliferação de bactérias. O mecanismo antiviral do ozônio é
manifestado pela deterioração das cadeias polipeptídicas do envelope, o que afeta a
capacidade do vírus de se ligar às células. Há também a divisão de uma cadeia de ARN em
duas partes, graças ao qual o processo de multiplicação de vírus é alterado. É necessário
apontar a ação defensiva exercida pelo ozônio em células saudáveis contra a penetração de
vírus, devido à ativação da síntese de interferão e ao reforço da eliminação de células
danificadas pelo vírus.

• A terapia com ozônio pode ser utilizada como método profilático independente na
asma brônquica, visando a redução ou eliminação de convulsões, e também para evitar a
aparência delas. Além disso, a terapia com ozônio é um método eficaz para o tratamento de
doenças graves e, mesmo, devido ao seu potencial de potencialização, permite resolva o
problema de atingir o máximo efeito terapêutico com a aplicação da menor quantidade de
drogas. Artemeva et al. (2005) mostraram que a inclusão da terapia de ozônio no
tratamento desta doença atinge a diminuição mais acentuada nos níveis de histamina e
serotonina e o aumento mais importante nas catecolaminas em macrófagos, linfócitos,
neutrófilos, mastócitos e mucosa alveolar.

• Em seguida, são apresentados os esquemas terapêuticos recomendados.

Formas de Aplicação

• Insuflação retal de uma mistura de ozônio e oxigênio.


• Auto-hemoterapia principal.
• Administração de uma mistura de ozônio e oxigênio em pontos biologicamente
ativos.

Capítulo 8. Bronquite crônica • 123

• Inalações com água ozonizada, ou emulsões compostas por água ozonizada e óleo
ozonizado.
• Administração intravenosa de uma solução fisiológica ozonizada.

Pauta terapéutica
O tratamento é realizado de forma complexa, com a inclusão de todas as formas
acima mencionadas de aplicação de ozônio. Um começa com a administração intravenosa
de uma solução fisiológica ozonizada ou insuflação rectal, diariamente, em
aproximadamente 3-4 sessões. Se a condição do paciente melhora, 3-5 sessões são
realizadas todos os dias e, em seguida, uma vez a cada 2-3 dias, com um total de 10-14
sessões.

A punção com uma mistura de ozônio e oxigênio é realizada de acordo com o


procedimento geralmente aceito.

A Figura 8-1 mostra os padrões de distribuição dos pontos biológicos ativos que são
regularmente utilizados para a eliminação e profilaxia da asma brônquica.

Inalações com água destilada ozonizada ou com emulsões são feitas 1-2 vezes ao dia
por 10-15 dias.

A auto-hemoterapia principal substitui a administração intravenosa de solução fisio-


lógica ozonizada ou insuflação rectal. As sessões são realizadas três vezes por semana em

1 I
19 3-16 V I
2 -22 XIV
.1 1
.1 4
2-45 VII

1.1

Figura 8-1. Pontos biológicos de asma bronquial.


124 • Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

início e duas vezes por semana (8 a 10 sessões) e, em seguida, 2-3 sessões uma vez
por semana.

O esquema de tratamento recomendado pelo Centro de Pesquisa de Ozônio de

Cuba, de acordo com um estudo clínico realizado é o seguinte:

• Maior auto-hemoterapia com concentrações de 20 μg / ml em 200 ml de volume,


para uma dose de 4 mg.
• Maior auto-hemoterapia com concentrações de 40 μg / ml em 200 ml de volume,
para uma dose de 8 mg.
• Roteira com dose de 10 mg.

Os melhores resultados foram obtidos com o uso das duas últimas alternativas.
Tendo em conta que a realização das aplicações seguidas pela auto-hemoterapia principal

eles são quase inviáveis, tanto pelo custo quanto pela necessidade de frequentar a
consulta, uma variante aceitável é a seguinte combinação disso com outras formas.

Proposta de tratamento no adulto

Selecione o AHTM, com freqüência semanal


Semana de Concentração de O3 Volume de O3 Dose
tratamento
(µg/ml) (ml) (mg)

Primeira 20 200 4

Segunda 20 200 4

Terceira 40 200 8

Quarta 40 200 8

A via anterior será combinada com a via sistêmica retal: concentrações de mais de
40 μg / ml de dano retalico danificado nos enterócitos; terá que se aproximar do limite
superior, sem excedê-lo.
Vía retal
Semana de Concentración de O3 Volumen de O3 Dosis
tratamiento
(µg/ml) (ml) (mg)

Primeira 20 150 3

Segunda 30 150 4,5

Terceira 35 180 6,3

Quarta 40 200 8
Freqüência diária; 20 sessões serão concluídas e o ciclo será repetido a cada 3
meses.
Capítulo 8. Bronquitis crónica • 125

O esquema com a auto-hemoterapia mais pequena também pode ser usado

Semana de Concentração de O3 Volume de O3 Dose


tratamento
(µg/ml) (ml) (mg)

Primeira 20 5 0,10

Segunda 30 5 0,15

Terceira 35 5 0,175

Quarta 45 5 0,225

Freqüência diária; 20 sessões serão completadas e repetidas a cada 3-4 meses.

Observações

Como método independente, a terapia com ozônio é utilizada para fins profiláticos e
curativos de formas leves de asma brônquica. Em formas moderadamente severas ou
graves, a terapia com ozônio é utilizada no contexto de um tratamento básico; neste caso, a
dose dos medicamentos pode diminuir pouco a pouco na medida em que melhora a
condição do paciente.

A terapia com ozônio foi aplicada em 42 pacientes com asma brônquica sob
observação, dos quais a maioria (83%) apresentou uma afetação de gravidade média.
Todos os pacientes estavam constantemente, ou quase sempre, tomando preparações
broncolíticas e broncodilatadoras, e uma grande parte deles, corticosteróides. Após o
tratamento, observou-se melhora significativa na condição dos pacientes (os episódios de
tosse diminuíram em mais de 50% e o uso de medicamentos diminuiu em 86% deles). Em
7%, os ataques de asma desapareceram completamente, assim como a tomada de
medicação. Em 7% dos casos, nenhuma melhora pode ser alcançada na condição do
paciente.

O tratamento proposto por Struchkov et al. (2000) incluíram 7-12 sessões de


administração intravenosa de solução fisiológica ozonizada com uma concentração de
ozônio de 2-4 μg / ml, que foram aplicadas 2-3 vezes por semana durante 3-4 semanas. Em
um paciente com rinossinusite crônica, a cura anterior local do foco infeccioso foi
realizada com solução fisiológica. Após algumas sessões, observou-se uma diminuição nos
episódios de asfixia em todos os pacientes, incluindo os noturnos, bem como a diminuição
da tosse e da dispneia.

Metade dos pacientes conseguiu reduzir a dose de corticosteróides inalados; Todos


os pacientes conseguiram reduzir a dose de inalações broncolíticas 1,5 vezes. No período
de acompanhamento dos pacientes durante meio ano após a terapia com ozônio, observou-
se aumento da resistência às doenças respiratórias agudas. A diminuição da
hiperreatividade brônquica e obstrução brônquica foi observada com a investigação
dinâmica dos indicadores máximos de fluxo expiratório. Burdo (2003) aplicou terapia de
ozônio no contexto de um tratamento basal para 23 crianças com idade entre 5 e 11 anos e
diagnóstico de asma brônquica de gravidade média.

Após a primeira sessão de administração intravenosa de solução fisiológica


ozonizada (concentração de ozônio na saída do aparelho de 600-800 μg / l), observou-se
em

126 • Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e


indicaciones

todos os pacientes apresentam uma melhora no humor em geral. Após 2-3 sessões, a tosse
produtiva foi interrompida, diminuindo gradualmente sua intensidade e a patência
brônquica melhorou de acordo com os dados da espirografia. O número de crises também
diminuiu significativamente. A permanência no hospital diminuiu em 2-3 dias. A aplicação
de ozonoterapia para fins profiláticos minimizou o número de complicações da doença.

Bakirov et al. (2007) documentaram uma melhora significativa no estado dos


pacientes após a inclusão da terapia de ozônio no tratamento múltiplo de pacientes com
asma brônquica em 86% dos casos. Nestes pacientes, foi possível reduzir a dose de
inalações broncolíticas 1,5-2 vezes.
Capítulo 9
Terapia com ozônio em
distúrbios hepáticos,
renais e gastrointestinais

9.1. Pielonefrite

A pielonefrite é uma doença renal grave ou crônica causada por uma infecção
bacteriana que afeta principalmente os tecidos intersticiais dos ductos e o sistema renal
calcifico-parenquimatoso. Causando pielonefrite, principalmente microrganismos gram-
negativas (Escherichia, Staphylococcus, Enterococcus, Proteus, Pseudomonas aeruginosa),
são capazes de aderir ao epitélio do tracto urinário, a qual impede a capacidade das
bactérias por fluxo de lavagem urina. Vírus, fungos e micoplasmas também podem
desencadear essa condição.

Os distúrbios urodinâmicos causados por urolitíase, lágrimas, nefroptoses, adenoma


prostático e outras condições permitem o aparecimento da pielonefrite e a diversidade das
manifestações clínicas. Isso é explicado pelas muitas causas, entre as quais as alterações
imunológicas com o desenvolvimento de diferentes formas de déficit imune.

Existe uma certa relação entre o quadro clínico da doença e o estado imunológico do
paciente; Um quadro clínico claro é acompanhado por uma variação evidente, porém
mutável, do estado imunológico. Com o tratamento adequado e no tempo, à medida que a
gravidade do processo diminui, as reações imunes se estabilizam e não precisam de
correção. Uma evolução sintomática longa e prolongada da pielonefrite, com recaídas e
progressiva, é acompanhada por um desequilíbrio e um déficit imunológico secundário e,
em regra geral, precisa de uma correção imunológica.
A alteração da homeostase imune em pacientes com pielonefrite crônica manifesta-
se com uma diminuição absoluta e relativa nos linfócitos T, uma diminuição da atividade

128 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

funcional no que respeita ao desenvolvimento de linfoquinas, um desequilíbrio na


subpopulação de células T, diminuição da proporção de linfócitos Tx / Tc, uma depressão
da actividade fagocitica de leucócitos neutrófilos e fagocitose incompleta. Ou seja, o estado
de imunidade na pielonefrite crônica pode ser caracterizado como um déficit imunológico
secundário, principalmente no que diz respeito ao componente celular. As causas do
desenvolvimento de transtornos imunológicos na pielonefrite crônica podem ser, como
fator primário, as mudanças na resposta imune condicionadas por fatores genéticos e, como
fator secundário, a aquisição por influência direta ou indireta de iniciadores uropatogênicos
e os produtos da sua atividade de vida. De acordo com a classificação atual da VOZ, as
infecções bacterianas e virais são uma das principais causas do desenvolvimento de déficits
imunológicos secundários. A insuficiência imunológica secundária leva a uma diminuição
da resistência do organismo contra as influências nocivas do ambiente externo. O
aparecimento de insuficiência imunológica na pielonefrite crônica é provavelmente devido
à persistência prolongada dos microorganismos iniciadores da pielonefrite nos rins. A
natureza incompleta das reações fagocíticas leva à preservação prolongada de antígenos
bacterianos nos tecidos do rim, estimulando a bifurcação supressiva da imunidade celular.
Por sua vez, o déficit imunológico secundário permite a cronicidade da pielonefrite, sua
progressão.

Os sintomas clínicos e os dados analíticos são mais claramente manifestados na


pielonefrite aguda e também no período de piora da pielonefrite crônica. Esse período,
como a pielonefrite crônica, corre com aumento da temperatura, dor na região da cintura,
alterações na diurese e sinais inflamatórios no sangue. Na urina aparece ou aumenta a
proteinúria, leucocitúria e bacteriúria. Na fase de re-missão, especialmente no período
latente, os sintomas são insignificantes ou ausentes. Em 40% a 70% dos pacientes com
hipertensão de pielonefrite crônica aparecem.

A terapia com ozônio é utilizada como agente antiinflamatório e anti-infeccioso no


tratamento da pielonefrite. Apesar da evidência de que as bactérias gram-negativas são
menos sensíveis ao ozônio do que as bactérias gram-positivas, a terapia com ozônio foi
recomendada como um método muito eficaz, especialmente nos casos em que o tratamento
farmacológico não é efetivo.

A acção bactericida de ozono envolve a estimulação da fagocitose, devido ao


aumento da produção por leucócitos de peróxido de hidrogénio durante o pro-cesso de
estado crónico passo não é formada ou produzido em quantidades insuficientes. A
influência do ozônio em linfócitos e monócitos leva a um aumento da energia, o que é
expresso, além do aumento das propriedades fagocíticas, pelo aumento da produção de
citoquinas, em particular interleucinas. Estes últimos normalizam a imunidade celular e
humoral, que são alteradas na pielonefrite crônica. Aumenta a produção de linfócitos T
citolíticos, que determinam a eficácia da imunidade celular. A produção de células T
auxiliares e células T supressoras são otimizadas, que controlam a ação dos linfócitos B,
que por sua vez respondem à síntese de imunoglobulinas. Esta é a maneira pela qual a ação
imunomoduladora da ozonoterapia é assegurada.

O ozônio tem uma influência direta nas bactérias através da destruição da


integridade de seus envelopes pela oxidação dos fosfolípidos das lipoproteínas, pela
entrada do ozônio dentro da célula microbiana, pela reação com substâncias do citoplasma,

Capítulo 9. Terapia de ozônio em distúrbios hepáticos, renais e gastrointestinais • 129

em particular com o DNA e a alteração da proliferação das bactérias. A toxicidade


para o agente infeccioso, e não para o paciente, é explicada pela ausência de mecanismos
antioxidantes enzimáticos na bactéria, que os organismos superiores possuem.

Além da influência antiinflamatória, o ozônio produz um efeito positivo na


hemodinâmica renal, os indicadores da OLP e DAO (Boiko et al., 2003). Na pielonefrite
aguda e no período de agravamento evidente da doença, é aplicado um tratamento
combinado com antiinflamatórios. No curso latente, ligeiramente sintomático de
pielonefrite crônica, a terapia com ozônio pode ser usada tanto como tratamento
independente quanto em associação com medicamentos antiinflamatórios. Deve-se lembrar
que, sob a influência do ozônio, os agentes microbianos se acumulam mais ativamente, do
meio ambiente, substâncias medicinais, como anti-sépticos e antibióticos (Belianin, 1997).

A terapia com ozônio pode ser utilizada como método independente para profilaxia
de doença grave.

Formas de aplicação

• Insuflações rectais com uma mistura de ozônio e oxigênio.


• Auto-hemoterapia principal.
• Auto-hemoterapia menor.
• Administração intravenosa de uma solução fisiológica ozonizada.

Pauta terapêutico

Tratamento combinado

O AHTMn (6-8 sessões) é combinado com administração intravenosa de uma


solução fisiológica ozonizada ou com insuflação retal (8 a 10 sessões). Nos primeiros 3
dias, o tratamento é feito uma vez por dia e depois em dias alternados. O AHTM (6-8
sesões) pode ser realizado no lugar dos procedimentos acima mencionados duas vezes por
semana.

De acordo com os dados de Chernish et al. (2003), a inclusão da terapia de ozônio


(administração intravenosa de uma solução fisiológica ozonizada e insuflação rectal) no
tratamento múltiplo de pacientes com pielonefrite grave permitiu reduzir a metade o tempo
de tratamento.
Talalaenko et al. (2003) apontam para a redução da duração do tratamento com a
aplicação da terapia de ozônio a gestantes com pielonefrite em 29,1% (12,7 ± 1,1 para o
grupo basal e 17,9 ± 1,6). , para o grupo de comparação).

O uso de administração intravenosa de uma solução fisiológica ozonizada em


gestantes com pielonefrite crônica, a fim de evitar o agravamento da doença, mostrou que
esta última ocorreu somente em 4,2% dos casos, no grupo basal , e em 62,5%, no grupo ao
qual a terapia de ozônio não foi aplicada.

9.2. Gastrite crônica

A gastrite crônica é uma doença inflamatória da mucosa gástrica, acompanhada pela


alteração da regeneração fisiológica do endotélio e, como resultado, por atrofia e
remodelação

Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

das funções do motor e incrementos do estômago. De acordo com a classificação atual, a


gastrite crônica A, B e C é distinguida. A gastrite crônica A é a doença auto-imune, B é de
etiologia bacteriana e C é devido a causas químicas ou gastrite por refluxo.

A gastrite auto-imune e a gastrite por refluxo são doenças específicas, que compõem
quase 6% de toda a gastrite. Em 94% dos casos, as bactérias helicoidenses são responsáveis
pelo aparecimento de alterações inflamatórias gástricas e duodenais, gastrite infecciosa,
razão pela qual, neste trabalho, seu tratamento é tratado com precisão por meio da terapia
com ozônio.

Gastrite B é gastrite associada a Helicobacter pylori (HP). As bactérias do gênero


Helicobacter são fatores patogênicos conhecidos em animais e humanos. HP é um bacilo
Gram-negativo que cresce otimamente em um ambiente microaerofílico a uma temperatura
de 37 ° C. Nos últimos anos, estudos intensivos permitiram que o mecanismo de ação da
HP fosse descrito com precisão suficiente. As bactérias produzem uma enzima específica, a
urease, que transporta a uréia para dióxido de carbono e amônia. O último deprime a
oxidação mitocondrial, retarda a reprodução celular e exerce influência citotóxica direta.
Além disso, a HP produz protease e lipase, que alteram a estrutura mineral e a viscosidade
das camadas gástricas, permitindo a ação do ácido clorídrico e da pepsina no epitélio
gástrico. Sob essas condições, é formado um poderoso mediador da inflamação, o fator de
agregação plaquetar, que causa alterações no suprimento sanguíneo, isquemia e erosão das
mucosas. Uma característica particular do desenvolvimento desta gastrite é a preservação
prolongada do ácido e a atividade da formação de gastrina; posteriormente, o
desenvolvimento da atrofia e a localização do processo na seção arterial do estômago.

Na gastrite crônica, são observadas alterações imunológicas. O estudo da imunidade


local no estômago e no intestino mostrou uma secreção de deficiência de IgA, que é
produzida pelos linfócitos e células plasmáticas do tecido linfático da mucosa gástrica. As
funções fundamentais das IgA secretoras são a defesa da mucosa através da neutralização
de toxinas e também o bloqueio da adesão bacteriana às células epiteliais. A insuficiência
de IgA secretoras determina uma inconsistência imunológica das membranas do trato
gastrointestinal (Aruin, 1993).

A terapia com ozônio provou ser um meio eficaz de tratar a gastrite crônica. Com
base na necessidade de sua aplicação, Andosov et al. (2000) apontou que o ozônio atua em
todos os mecanismos patogênicos fundamentais para o desenvolvimento desta doença: ele
exerce influência bactericida em muitas bactérias; tem um efeito antiinflamatório pela
oxidação do ácido araquidônico, que é o precursor da prostaglandina E, iniciador do
processo inflamatório; tem uma ação imunorreguladora e antiagregante, e também
propriedades analgésicas.

Na aplicação local, o ozônio supera as barreiras da inflamação devido a reações com


os lipídios das membranas e a formação de ozonetos. O óleo vegetal ozonizado e a água
ozonizada possuem ação bactericida, entregam o oxigênio ativo nos tecidos e aceleram
processos de cicatrização.

A influência da terapia de ozônio no estado da barreira da mucosa epitelial foi


avaliada por Karataev (1999). Através de sua prescrição, um aumento significativo

Capítulo 9. Terapia de ozônio em distúrbios hepáticos, renais e gastrointestinais • 131

da altura superficial do epitélio da mucosa e aumentou a atividade funcional do


revestimento da mucosa gástrica.

De acordo com os dados de Batpakov et al. (2005), obtidos através de investigações


endoscópicas e morfológicas, em 80% dos pacientes a que foi aplicada a terapia com
ozônio, observou-se a normalização dos processos de formação da mucosa, com melhora
da microcirculação, diminuição de inflamação e regressão de gastrite (desaparecimento de
leucócitos polimórficos e diminuição significativa no número de células plasmáticas).

O efeito da terapia de ozônio em bactérias helicoidais é demonstrado em diferentes


direções. A influência antibacteriana direta é manifestada pela alteração da integridade da
cobertura de microrganismos causada pela oxidação dos fosfolípidos e lipoproteínas. A
capacidade do ozônio para atuar na ligação mitocondrial (ativando a função de oxidação-
redução da cadeia respiratória mitocondrial) tem grande significância terapêutica. Tudo
isso leva à eliminação da ação citotóxica causada pela amônia, produzida pela HP, na
mucosa gástrica.

Utilizando a administração intravenosa de uma solução fisiológica ozonizada para o


tratamento de doenças causadas por bactérias helicoidais (gastrite crônica e ulcerases),
Karataev et al. (2000) alcançaram um alto grau de erradicação da HP (93,7%); Ando-sov
et al. (2000) obteve resultados menos impressionantes. O efeito positivo contra a bactéria
helicoidal foi alcançado em 49% dos casos, em 26,3% deles a HP foi completamente
erradicada, a quantidade diminuiu em 22,7% dos casos de semeadura, nos 44 , 2% a
plantação não mudou e, em 6,8%, cresceu. No entanto, por meio de investigação
histomórfica em dois terços das biópsias gástricas com semeadura sem alterações,
determinou-se uma diminuição significativa nos sinais de inflamação, algo que os autores
explicam pela melhora da imunidade local que foi alcançada como resultado do
tratamento. .

A ação anti-inflamatória do ozônio também é expressa através da sua intervenção no


metabolismo do ácido araquidônico, cuja oxidação retarda a formação do fator de
agregação plaquetar.

A influência do ozônio sobre as mudanças na imunidade local foi estabelecida. Sob


a ação da terapia de ozônio, observa-se um aumento na produção secreta de IgA por
linfócitos e células plasmáticas, garantindo a defesa imunológica da mucosa gástrica.

9.2.1. Gastrite crônica, em sua forma antral, tipo B

O esquema de tratamento para a gastrite crônica, na sua forma antral, do tipo B é o


seguinte.

Formulários de inscrição

• Água ozonizada.
• Óleo ozonizado.
• Auto-hemoterapia menor.
• Administração de uma mistura de ozônio e oxigênio em pontos biologicamente
ativos.

132 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

Pauta terapêutico

O tratamento inclui a ingestão diária de água ozonizada (100-150 ml) 1 a 3 vezes por
dia, 30-40 minutos após as refeições e 400 oz de óleo ozonizado 3 vezes ao dia, 15 minutos
após a água potável ozonizado Nos primeiros dois dias, uma colher de chá de chá (~ 5 ml)
será tomada; Se a tolerância for boa, a dose será aumentada gradualmente até uma colher
de sopa (~ 20 ml), durante 2-3 semanas.

Na auto-hemoterapia menor, 3 sessões diárias são realizadas, 3 sessões em dias


alternados e as restantes 2 vezes por semana, no total de 8-10 sessões.

A punção em manchas biologicamente ativas com ozônio e mistura de oxigênio é


feita de acordo com a prática estabelecida.

9.2.2. Gastrite crônica, em sua forma difusa, tipo B

O esquema de tratamento da gastrite crônica, na sua forma difusa, tipo B é:

Formulários de inscrição

• Água ozonizada.
• Óleo ozonizado.
• Auto-hemoterapia menor.
• Insuflações rectais com uma mistura de ozônio e oxigênio.

Pauta terapêutico

Ingestão diária de água ozonizada (200 ml), 10 μg / ml 1 a 3 vezes por dia, 30-40
minutos após as refeições e óleo ozonizado, 3 vezes ao dia, 15-20 minutos após a tomada
da água ozonizada (os dois primeiros dias, uma colher de chá de chá será tomada, se a
tolerância for boa, a dose será aumentada gradualmente até uma colher de sopa, 2-3 vezes
por dia, durante 3-4 semanas).

Auto-hemoterapia mínima e insuflações rectais com uma mistura de ozônio e


oxigênio são realizadas a cada dois dias, trocando-as: 6 sessões e, em seguida, 2 vezes por
semana; no total, 8 a 12 sessões. A punção dos pontos de acupuntura com uma mistura de
ozônio e oxigênio é feita de acordo com o procedimento estabelecido.

A terapia com ozônio foi aplicada, como método de tratamento independente, a 101
pacientes com gastrite crônica, cujos diagnósticos foram confirmados, em todos os casos,
por endoscopia e estudo histológico. Os resultados obtidos atestam a alta eficácia do
método neste tipo de patologia. Na Figura 9-1, são mostradas as variações das síndromes
fundamentais da gastrite crônica antes e após o tratamento, demonstrando a dinâmica
positiva das manifestações clínicas da doença.

Os resultados clínicos foram confirmados por exames endoscópicos, nos quais, após
o tratamento, foi detectada a diminuição ou desaparecimento dos sinais de inflamação,
hiperemia e edema da mucosa gástrica. Os resultados foram avaliados como melhora
significativa em 57% dos pacientes e como melhora em 40%. Em 3% dos casos, os
resultados foram considerados aceitáveis.
Capítulo 9. Ozonoterapia en los trastornos hepáticos, renales y gastrointestinales • 133

Antes da Depois da
ozonoterapia ozonoterapia

85%
82%
78%

2 21%
1% 21%

Síndrome da dor Síndrome dispéptico Debilidade

Figura 9-1. Dinâmica das síndromes fundamentais da gastrite crônica.

9.3. Doença ulcerativa

A doença ulcerativa é uma condição recidivante crônica em que ocorre a formação


de uma úlcera gástrica ou duodenal propensa à progressão, incorporando no processo
patológico outros órgãos do sistema digestivo. A patogênese da doença ulcerativa é
atualmente tratada como a conseqüência da alteração do equilíbrio entre os fatores
agressivos e defensivos do estômago e do duodeno. Considera-se que, embora no
desenvolvimento da úlcera no antro do estômago e do duodeno tenha um certo significado,
o reforço dos fatores agressivos, o aparecimento da úlcera no corpo do estômago é o
resultado do enfraquecimento dos fatores de defesa.

Mecanismos de agressão. Na gênese da úlcera, o lugar principal é dado ao ácido


péptico; As úlceras praticamente não aparecem em casos de achloridria. Isto confirma a
eficácia do tratamento com bloqueadores da secreção de ácido clorídrico e antiácidos. O
tempo de contato do conteúdo de ácido gástrico com a mucosa no espasmo ou estenose do
píloro e sua abundante chegada no duodeno desempenham um papel importante no
mecanismo de formação de úlceras.
O derrame ácido gástrico e a lisosomalina do conteúdo duodenal durante o refluxo
gastroduodenal alteram as funções de barreira da mucosa gástrica e levam ao aparecimento
de úlceras midgastricas (Grigorev e Yakovenko, 1993).

• Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

Mecanismos de defesa. A combinação da interação do muco com a secreção de


bicarbonato é um importante fator de defesa. O gel mucoso está densamente ligado à
cobertura epitelial e proporciona uma defesa contra lesões mecânicas e a ação da pepsina.
A produção, pela superfície epitelial celular, da secreção mucosa alcalina contendo
bicarbonato neutraliza as ligações de hidrogênio, evitando assim a formação excessiva de
ácido clorídrico. A alteração do sistema de defesa da mucosa-bicarbonato representa um
risco para a formação da úlcera.

O estado do fluxo sanguíneo, que garante os processos energéticos nas células, tem
grande importância na manutenção da resistência da mucosa gástrica e duodenal. O piora
da circulação sanguínea e hipoxia na zona gastroduodenal permite a remodelação da
microcirculação, a liberação dos produtos PLO, a deterioração das estruturas lisossômicas
das células eo aparecimento de úlceras (Minushkin, 1996).

A taxa de regeneração do epitélio superficial nos locais danificados é considerada


um fator fundamental na resistência e cura do revestimento da mucosa. O sistema imune
também participa, e as mudanças foram observadas na imunidade celular e humoral, que se
manifesta tanto no processo de formação do defeito ulcerativo como na duração da doença
ulcerativa em geral (Nevzorova, 1993).

Atualmente, a doença ulcerativa é estudada como uma doença infecciosa,


relacionada na maioria dos casos com Helicobacter pylori (HP). Este microorganismo é
detectado em 95% dos pacientes com úlcera duodenal, em 70-80% dos pacientes com
úlcera gástrica e em 60-70% dos casos de câncer gástrico.

A gastrite infecciosa causada por bactérias helicoidais é quase sempre responsável


pela aparência de úlceras gastroduodenais. Helicobacter pylori produz urease, uma enzima
muito reativa e um grupo de proteases que, por meio da ativação de neutrófilos, prejudicam
a mucosa gástrica alterando as propriedades defensivas do epitélio. As enzimas
proteolíticas da HP diminuem a espessura e o caráter hidrófobo do gel protetoras da
mucosa. Esses microorganismos desencadeiam toda uma série de mecanismos patogênicos
da doença: processos destrutivos nos níveis molecular, celular e tecido; efeitos citotóxicos
da alteração das secreções, reação inflamatória intensa com predominância de infiltrações
de neutrófilos e grande número de células plasmáticas, que produzem IgA na mucosa. A
lesão do endotélio microvascular gástrico também altera a integridade da mucosa devido às
citocinas inflamatórias dos leucócitos e à HP ativada, que causam distúrbios na
microcirculação.

Este é o mecanismo pelo qual a úlcera gástrica é produzida, em cuja base estão
localizadas as alterações dos fatores de defesa. Helicobacter pylori não só intervém nos
mecanismos de deterioração, mas também facilita ativamente a aparência eo
desenvolvimento de fatores agressivos. O organismo se espalha na porção antral do
estômago, causando inflamação. Como resultado, a função motora da zona piloro-duodeno
é alterada, o que produz uma chegada prematura do teor de ácido gástrico no duodeno. O
aumento da acidez no duodeno causa metaplasia da mucosa do epitélio gástrico. O epitélio
intestinal, que não é resistente ao ácido clorídrico, é substituído por um epitélio gástrico
mais resistente. Helicobacter também está localizado nesses locais, causando inflamação
duodenal e, posteriormente, o aparecimento ou recorrência de doença ulcerativa.

Capítulo 9. Ozonoterapia en los trastornos hepáticos, renales y gastrointestinales • 135

O quadro clínico da doença também é determinado pela localização da úlcera. A


úlcera localizada na região angular do estômago e acima na cardia, no corpo do estômago
(curvaturas maiores e menores, paredes posteriores) é a chamada úlcera midgástrica. É
caracterizada por dor moderada no epigástrio, que aparece após as refeições e está
relacionada à qualidade dos alimentos consumidos. É acompanhada por fraqueza, perda de
peso, náuseas, vômitos, tendência à recaída e aparência de complicações graves,
hemorragias e doenças malignas. As úlceras da maior curvatura e a parede posterior são
muitas vezes malignas; aqueles da menor curvatura, benignos.

As úlceras localizadas nas áreas prepilórica e pilórica do estômago e do duodeno, as


chamadas úlceras pituoruodênicas, caracterizam-se por dor de fome tardia na noite, azia,
eructos, piora sazonal e aumento das setições gástricas.

A ação multilateral do ozônio no tratamento da doença ulcerativa manifesta-se


sobretudo pelo efeito antiinflamatório e pelo helicobacter. A diminuição da inflamação na
mucosa gastroduodenal é conseguida tanto pela ação geral da administração parenteral de
misturas de ozônio e oxigênio quanto pela aplicação local de materiais ozonizados. Acelera
os processos de epitelização do defeito da úlcera e o desaparecimento da infiltração na
mucosa em períodos mais curtos do que com o tratamento tradicional.

Por aplicação intragástrica de óleo ozonizado na úlcera, no quadro de um tratamento


tradicional, mas sem administração de antibacterianos, Chernejovskaia et al. (2003, 2004)
alertaram sobre a presença de HP em 2,2% dos pacientes, em comparação com 91,3% antes
do tratamento. No grupo de comparação após tratamento tradicional, incluindo
antibacterianos, HP foi detectada em 73,35% dos pacientes. Isso reduziu o termo de
epitelização da úlcera no grupo tratado para 10 ± 0,3 dias (no grupo de comparação foi de
24 ± 0,2 dias).

O papel do ozônio como imunomodulador no tratamento de patologias


gastroduodenais e, em particular, a doença ulcerativa também adquire significância,
considerando que, na inflamação crônica causada por bactérias helicoidais, a imunidade
sistêmica geral é afetada, algo que manifesta-se particularmente em pacientes com duode-
noeyeyunite. Nessa situação, observa-se o paralelismo na relação entre a expressão da
infecção por bactérias helicoidais e a aparência do estado de déficit imunológico
secundário. De acordo com os resultados de Karataev et al. (1998), a inclusão da terapia de
ozônio no tratamento de pacientes com úlcera duodenal e após uma semana trouxe os
indicadores de imunidade celular aos limites normais. Além disso, o aumento da imunidade
ao aplicar a terapia com ozônio melhora consideravelmente o prolongamento dos
resultados de cicatrização e diminui a recorrência da doença várias vezes.

A influência positiva da terapia de ozônio na imunidade local foi demonstrada. Após


o tratamento, observou-se aumento dos linfócitos mesoepiteliais na mucosa gástrica nos
estudos citomorfológicos de biópsias de áreas próximas à úlcera. Os linfócitos
mesoepiteliais produzem interferão e outras citocinas, o que reforça a produção de IgA. O
último desempenha um papel defensivo na mucosa gastroduodenal, aumentando sua
resistência às lesões.

136 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

A terapia com ozônio também é utilizada na doença ulcerativa como meio com ação
antioxidante, uma vez que na localização do substrato principal da doença ulcerativa (o
defeito da mucosa) e também na gastroduodenite que sempre o acompanha, a
fortalecimento dos processos da OLP.

Karataev et al. (1999) investigou o status do OLP e DAO em 15 pessoas


praticamente saudáveis e em 71 pacientes com úlcera duodenal e determinou um aumento
de 12% nos produtos da OLP nos pacientes em relação aos saudáveis, bem como uma
diminuição nos indicadores DAO. Em seguida, os pacientes foram divididos em grupos
aproximadamente iguais, o primeiro dos quais recebeu tratamento convencional com a
chamada tríade anthelicobacter (subcitrato de bismuto, tetraciclina e metronidazol, ou
CAO, claritromicina, amoxicilina e omeprazole). O segundo grupo foi tratado com
subcitrato de bismuto, omeprazole e terapia com ozônio. Foi demonstrado que, após a
administração do tratamento antihelicobacter, apenas no grupo de pacientes tratados com
terapia com ozônio foi uma diminuição estatisticamente significativa nos produtos da OLP.
O estado do DAO também foi caracterizado por um aumento estatisticamente significativo
e com valores próximos aos de pessoas saudáveis no grupo controle.

A capacidade do ozônio para diminuir a ação citotóxica da amônia fabricada pela HP


devido à ativação das funções de redução da oxidação da cadeia respiratória mitocondrial é
de grande importância.

A alteração da circulação sanguínea local ocupa uma das posições principais nas
concepções sobre a formação da úlcera. O espasmo das arteriolas, a estase venosa e, como
conseqüência, o desenvolvimento de hipoxia e acidose nos tecidos ativam o sistema
kallikrein-kinin. Isso aumenta a permeabilidade dos capilares e leva à remodelação da
microcirculação, bem como à intensificação dos processos da OLP e à deterioração das
estruturas lisossômicas dos elementos celulares. A ozonotera-pia consegue melhorar a
circulação sanguínea devido ao efeito espasmolítico significativo e à melhoria das
propriedades reológicas do sangue. Uma melhor nutrição do tecido também é alcançada,
graças a uma maior oferta de oxigênio pelos eritrócitos.

O estudo da microcirculação com a ajuda de uma sonda especial introduzida através


do endoscópio mostrou tendência favorável na mucosa da seção antral do estômago e
duodeno. Sob a ação da terapia de ozônio, a amplitude das oscilações de baixa freqüência
da corrente sanguínea aumentou 1,5 vezes e o indicador de resistência intravascular
diminuiu 18-21%.

O aumento no índice de efetividade da microcirculação manifestou-se mais


claramente na seção antral gástrica. Observou-se um viés positivo menos óbvio no corpo
do estômago e no bulbo duodenal (Kulikov et al., 2000).

Os esquemas de tratamento propostos são os seguintes.

9.3.1. Doença da úlcera gástrica

Formas de aplicação

• Agua ozonizada.

• Azeite ozonizado.

Capítulo 9. Ozonoterapia en los trastornos hepáticos, renales y gastrointestinales •


137

• Insuflações rectais com uma mistura de ozônio e oxigênio.


• Auto-hemoterapia menor.
• Administração intravenosa de solução fisiológica ozonizada.
• Auto-hemoterapia principal.
• Administração de uma mistura de ozônio e oxigênio nos pontos biologicamente
ativos.

Cronograma terapêutico

A água ozonizada e o óleo ozonizado são utilizados da mesma maneira que na


gastrite crônica.

O tratamento começa com insuflações rectais de uma mistura de ozônio e oxigênio a


cada dois dias, alternando com sessões de AHTMn (5-6 sessões). Posteriormente, os
mesmos procedimentos são realizados duas vezes por semana. Dada a impossibilidade de
aplicação de insuflações rectais, estas são substituídas pela administração intravenosa de
uma solução fisiológica ou ozonizada; no total, 12-15 sessões em dias alternados, ou 6-8
sessões de AHTM 2 vezes por semana.

A infiltração nos pontos paravertebrais nos níveis T6-T9 e T11-T12 com uma
mistura de ozônio e oxigênio é feita a cada dois dias, num total de 5-8 sessões.

9.3.2. Doença de úlcera duodenal

Formulários de inscrição

• Água ozonizada.
• Óleo ozonizado.
• Auto-hemoterapia menor.
• Administração intravenosa de solução fisiológica ozonizada.
• Insuflações rectais com uma mistura de ozônio e oxigênio.
• Administração de uma mistura de ozônio e oxigênio nos pontos biologicamente
ativos.

Cronograma terapêutico

A água ozonizada e o óleo ozonizado são utilizados da mesma maneira que na


gastrite crônica.

O tratamento começa com AHTMn em dias alternados, e depois 2 vezes por semana,
num total de 8-10 sessões.

A administração intravenosa de solução fisiológica ozonizada ou insuficiências


rectais com uma mistura de ozônio e oxigênio alternam com o AHTMn.

A administração intravenosa de solução fisiológica ozonizada e AHTMn pode ser


substituída por 8-10 sessões de AHTM, em primeiro lugar em dias alternados, e duas vezes
por semana.

138 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

O tratamento dura cerca de 3-4 semanas.


Após a cura da úlcera, o óleo ozonizado é administrado por 1-1,5 meses (à noite ou
no início da manhã, uma colher de sobremesa).

De acordo com as observações sobre os resultados do tratamento quando ozo-


noterapia foi utilizado como método independente, isto é, apenas com o uso de materiais
ozonizados (em 69 pacientes com doenças agudas), 10 dos pacientes apresentavam doença
da úlcera gástrica e 59 Eles tinham úlcera duodenal. Em 8 dos pacientes com úlcera
gástrica, os resultados foram avaliados como uma melhora significativa e documentaram a
cicatrização total do defeito da úlcera e a eliminação de todos os sintomas da doença.

Em dois casos, após o desaparecimento total de todos os sintomas clínicos da


doença, a cura da úlcera foi incompleta, ou seja, os resultados foram avaliados como
melhora. Em pacientes com úlcera duodenal, após tratamento com ozônio: em 56% dos
casos, o resultado foi avaliado como melhora significativa; em 39% dos casos, observou-se
uma melhora; Em 5% dos pacientes, obteve-se uma melhora parcial, com diminuição em
parte dos sintomas e cura incompleta do defeito da úlcera.

A terapia com ozônio é utilizada como método independente e também como


método complementar. Shajov et al. (1998) combinaram o tratamento convencional com
terapia auto-hemo-principal, que foi realizada todos os dias. Já após a primeira sessão,
observou-se diminuição da dor em todos os pacientes. Após 2-3 sessões, a metade dos
pacientes apresentou diminuição (pela metade) no tamanho do defeito da úlcera ou na
cicatrização da úlcera. Após 5-6 sessões, a cura completa dos defeitos da úlcera foi
alcançada em 87% dos pacientes. Em úlceras grandes e gigantes, o número de sessões
AHTM foi aumentado, mas os tempos de cura do defeito da úlcera, independentemente da
localização, diminuíram em 7-8 dias em relação ao tratamento convencional. Todos os
comentários permitiram que os autores concluíssem que a inclusão de auto-hemoterapia
com ozônio no tratamento da úlcera reduz significativamente o período de cicatrização.
Bajar (2001) propõe o tratamento combinado da doença ulcerativa do duodeno ao ingerir
250 ml de água destilada com uma concentração de ozônio de 12-20 μg / ml juntamente
com a tomada de 20 mg de omeprazole. A duração do tratamento é de 7-15 dias. Em todos
os pacientes, a dor parou após 3-4 dias. De acordo com os dados de endoscopia, a cura da
úlcera no décimo dia foi observada em 80% dos casos. Um ano após o tratamento, as
recorrências da doença foram detectadas em 28% dos casos.

Informações sobre procedimentos de cura mais complicados estão disponíveis com


aplicação da técnica endoscópica. Assim, Korabelnikov et al. (2000) realizada durante a
fibroduodenoscopia, o tratamento do defeito da úlcera de acordo com o princípio cirúrgico
primário, cortando a borda cicatrizada da úlcera. Então, e durante 5 minutos, a ventilação
dirigida do defeito da úlcera foi realizada com uma mistura de ozônio e oxigênio com uma
concentração de ozônio de 5 μg / ml. Após o tratamento com ozônio, o defeito da úlcera é
colado com uma massa de antibiótico e cola, e para uma melhor fixação do enchimento,
uma camada de cola biológica pura é colocada no topo. Estes procedimentos

Capítulo 9. Terapia de ozônio em distúrbios hepáticos, renais e gastrointestinais • 139

eles são repetidos após 2-3 dias. Durante as pausas, são aplicadas sessões de terapia
de ozônio, que consistem na administração, através da sonda, da mistura de ozônio e
oxigênio até o início do desconforto subjetivo.

Com este tipo de tratamento, a dor e outros sintomas desapareceram durante os


primeiros dois dias, a freqüência de aparência da HP foi reduzida de 92% para 3,8% e a
epitelização da úlcera foi observada em 23 dos 37 pacientes (Asadullaev , 2000). O uso
combinado de endoscopia curativa, que utiliza o preenchimento do defeito da úlcera com
uma massa de antibiótico e cola, e a ventilação com uma mistura de ozônio e oxigênio
permitiram a resolução do processo inflamatório, a epitelização do defeito da úlcera e a
formação de uma cicatriz delicada que não produziu deformação gástrica ou duodenal na
região da úlcera.

A administração intragástrica do óleo ozonizado durante a


esofagogastroduodenoscopia para o tratamento, sem antibacterianos, de 412 pacientes com
doença ulcerosa foi utilizada por Chernejovskaia et al. (2003,2004). De acordo com seus
resultados, o uso de óleo ozonizado no tratamento múltiplo desses pacientes não só acelera
a cura do defeito da úlcera e elimina os sintomas da doença, mas também constitui um
meio profilático para recidivas. Em 90,2% dos pacientes, a remissão foi adiada mais de 5
anos. A necessidade de antibióticos desapareceu, o que reduziu significativamente o custo
do tratamento.
A análise da eficácia econômica da terapia com ozônio foi realizada por Karataev na
tese de doutorado Terapia de ozônio de doenças causadas por bactérias helicoidais
(Moscou, 2001). Karataev tratou 570 pacientes, 107 deles com gastrite crônica, 95 com
úlcera gástrica e 400 com úlcera duodenal e terapia de ozônio aplicada na forma de
administração intravenosa de solução fisiológica ozonizada, ingestão de água ozonizada e
óleo ozonizado em 287 pacientes

Foi demonstrado que a inclusão da terapia de ozônio no esquema terapêutico foi


mais eficaz tanto do ponto de vista clínico como do ponto de vista econômico. O esquema
terapêutico mais caro contra bactérias helicoidais com aplicação de ozonoterapia custa
936,5 rublos. Ao mesmo tempo, os esquemas terapêuticos habituais contra bactérias
helicoidais, recomendados por grupos europeus e russos, para o estudo de Helicobacter
pylori custam 1.668 a 4.422 rublos, ou seja, são 2-5 vezes mais caros do que os esquemas
que empregam o terapia de ozônio

Desta forma, a terapia com ozônio possibilita reduzir o custo do tratamento de


doenças disseminadas, como gastrite crônica, úlcera gástrica e duodenal, de 2-5 vezes, sem
perda de eficácia clínica.

Como apontado por Vorobeva et al. (2007), é importante considerar que a terapia
com ozônio produz um número significativamente menor de efeitos colaterais do que o
tratamento de erradicação usual. A Tabela 9-1, tirada do trabalho desses autores,
demonstra essa afirmação.

A duração dos resultados da terapia com ozônio em pacientes com doença duodenal
ulcerosa foi analisada por Karataev et al. (1998). Este pesquisador manteve 290 pacientes
sob observação por 4 anos. Nos casos em que a ozonotera-pia foi administrada em
conjunto com as preparações de bismuto e os meios antisecretores, as recorrências da

• Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

Tabela 9-1. Comparación de los porcentajes de aparición de efectos secundarios con el


tratamiento habitual y la ozonoterapia en el tratamiento de la gastritis ulcerosa.

Grupo basal (terapia de ozônio


sem
Controle (esquema padrão)
Efeitos secundarios tratamento antibacteriano)
n = 37
n = 34

Erupção, urticaria 12 No

Queimar cutâneo 14 2,4

Náuseas 29 12,5

Vómitos 8 5,5

Diarrea 25 No

Constipação 44 14,1
Eles eram 5 vezes menos freqüentes do que nos pacientes que receberam o
tratamento tradicional.
Faixa de concentrações utilizadas para o tratamento de doenças gastrointestinais de
acordo com os protocolos AEPROMO (www.aepromo.org)
Faixa: baixa-média-alta
As seguintes técnicas podem ser combinadas.
Auto-hemoterapia maior em 150 ml de sangue

Concentração de O3 Volume O3 Dose


Semana de tratamento
(µg/ml) (ml) (mg)

Primeira 15 125 1,9

Segunda 20 125 2,5

Terceira 40 110 4,4

Quarta 45 110 4,9

Quinta 50 110 5,5

Se completarán 15 sesiones.
Capítulo 9. Ozonoterapia en los trastornos hepáticos, renales y gastrointestinales • 141

Autohemoterapia menor en 5 ml de sangue

Concentración de
O3 Volumen O3 Dosis
Semana de tratamiento
(µg/ml) (ml) (mg)

Primeira 15 5 0,075

Segunda 20 5 0,10

Terceira 30 5 0,15

Quarta 35 5 0,175

Quinta 45 5 0,225

Se completarán 15 sesiones.

Vía retal

Concentração de O3 Volume O3 Dose


Semana de tratamento
(µg/ml) (ml) (mg)

Primeira 15 100 1,5

Segunda 30 120 3,6

Terceira 35 150 5,2

Quarta 40 200 8,0

Freqüência diária; 20 sessões serão concluídas e o ciclo será repetido a cada 3 meses.

9.4. Colite crônica não ulcerativa

A colite crônica é uma doença intestinal caracterizada por alterações inflamatórias-


distróficas e uma desordem funcional do intestino grosso. Não é incomum que seja
combinado com uma condição do intestino delgado (enterocolite). O processo patológico
pode abranger todo o intestino grosso (colite total), ou para algumas das suas partes: colite
no lado direito, no lado esquerdo, proctosigmoidite; O último é o mais freqüentemente
encontrado na prática clínica. Na classificação VOZ, a colite crônica, na forma em que os
autores a apresentam, está relacionada a distúrbios funcionais do intestino (Grigorev e
Yakovenko, 1993).

Em cerca de 1/3 dos pacientes, a colite crônica aparece após sofrer infecções
intestinais graves, como disenteria, salmonelose ou outros. Outras causas da doença são a
alimentação irracional, o consumo excessivo de álcool e outros fatores que alteram o
funcionamento normal do intestino. A doença tem, portanto, diferentes etiologias e, durante
sua evolução, a mucosa intestinal está ferida, a estrutura é alterada, as propriedades de
adsorção são enfraquecidas e os processos de reabsorção são alterados. A condição

142 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

da mucosa e do sistema nervoso por uma ou outra influência patológica leva ao


aparecimento de uma disbacteriose. O número de bactérias cujo número é normalmente
limitado (estafilococos patogênicos, estreptococos hemo-líticos e Proteus) aumenta e o
número de bactérias que predominam no intestino normal diminui, isto é, as bactérias
bíbridas e as bactérias no intestino. lactobactérias A disbactéria modifica a resposta local
aos antígenos, proteínas e polissacarídeos bacterianos na dieta. A microflora encontrada no
intestino grosso e cuja composição está mudando, ascende ao intestino delgado, de modo
que os processos de digestão são alterados. Os processos de fermentação e putrefação
começam a predominar, de modo que o organismo pode ser sensibilizado para a própria
microflora. A função motora do intestino grosso é alterada e a regeneração das células
epiteliais é afetada, o que determina a progressão da doença.

A patogênese das manifestações clínicas da colite crônica é determinada não tanto


pela natureza dos fatores etiológicos quanto pelo caráter e grau de expressão dos distúrbios
funcionais do intestino grosso e também pela localização e grau de alterações
inflamatórias-distróficas na mucosa.

Os principais sintomas de colite crônica são dor gástrica e distúrbios de defecação.


Muitas vezes, há dor aborrecida nas secções mais baixa e costal do estômago, que se
intensifica após as refeições e diminui após a expulsão dos gases. Os transtornos na
defecação geralmente são caracterizados por diarréia e constipação alternada. Inflamação
gástrica, expulsão violenta de gases, náuseas, eructos e sabor desagradável na boca são
detectados. Os distúrbios vegetativos evidentes, a distonia vascular e as síndromes
depressivas, de ansiedade e hipocondríaca são parte dos sintomas da doença.

A terapia com ozônio, como meio de tratar a colite crônica não ulcerativa, ocupa um
lugar especial por duas razões: em primeiro lugar, o uso do método de insuflação retal com
misturas de ozônio e oxigênio produz tanto uma ação anti-inflamatória quanto uma ação
colateral geral ( anti-tóxicos, imunomoduladores e outros), o que determina uma rápida
absorção de gás no sangue. Em segundo lugar, a colite crônica é freqüentemente
acompanhada por disbacteriose e a vantagem do ozônio sobre os antibacterianos
(antibióticos, sulfanilamida e outros) é indiscutível, já que o primeiro não produz efeitos
nocivos sobre a microflora intestinal (Knoj e Klug). , 1990).

De acordo com os resultados de Rilling (1985), com a aplicação rectal local, o


ozônio vai além das barreiras criadas pela inflamação, uma vez que as moléculas de ozônio
gasoso são muito móveis e corretamente para a mucosa. O ozônio intervém no processo
infeccioso, porque impede a agressão, atua em microorganismos patogênicos, altera a
integridade de seus envelopes e penetra no interior, evitando assim sua multiplicação.

Além disso, o ozônio ativa as defesas, fortalece a fagocitose, melhora a circulação


sanguínea local e influencia a alavanca da imunidade humoral. Tudo isso leva à restauração
da homeostase, à posterior normalização do equilíbrio microbiano e à eliminação de
fenômenos inflamatórios.

Na colite crônica, é particularmente importante que a terapia com ozônio não


desenvolva resistência ao método, que neste caso o define como um meio efetivo de

Capítulo 9. Terapia de ozônio em distúrbios hepáticos, renais e gastrointestinais • 143

tratamento Ao contrário de muitos anti-sépticos, transportados nos tecidos e células


do elemento destruído, o ozônio não produz um efeito destrutivo. Além disso, absorvendo
rapidamente no intestino, a mistura de ozônio e oxigênio passa para o sangue e melhora a
contribuição local e o suprimento geral de oxigênio. Localmente, isso consegue a
restauração da oxidação celular, que é sempre diminuída na colite crônica e, como
conseqüência, a microcirculação alterada é normalizada, a regeneração do epitélio
intestinal é estimulada e a imunidade local é melhorada.

A adequação da terapia de ozônio aos idosos deve ser destacada, em que uma das
causas da colite crônica é a afeição aterosclerótica dos vasos mesentéricos, a chamada
"colite isquêmica".

O esquema de tratamento para colite crônica não ulcerativa é o seguinte.

Formulários de inscrição

• Insuflações rectais.
• Auto-hemoterapia menor.
• Administração de uma mistura de ozônio e oxigênio em pontos biologicamente
ativos.

• Administração oral de microflora intestinal microencapsulada.

Pautaa terapêutico

Em vista do agravamento da doença, insuflações rectais com mistura gasosa são


realizadas nas primeiras duas semanas em dias alternados, com doses de 100 μg de ozônio
por kg de peso corporal; então, 2 vezes por semana com uma dose de 75 μg / kg. No total,
10-15 administrações.

O AHTMn é realizado duas vezes por semana, com um total de 4-6 injeções.
A infiltração com a mistura de ozônio e oxigênio em pontos paravertebrais de
acupuntura, ao nível de T10-L5, é feita diariamente ou em dias alternados, num total de 5-
7 sessões.

A punção com mistura de ozônio e oxigênio é realizada de acordo com o


procedimento geralmente aceito.
Na colite de diferentes etiologias, Maksimov et al. (1998) recomendam a aplicação
de ozônio gasoso intraintestinal, 200-500 ml com uma concentração de até 60 μg / l (esta
concentração só deve ser aplicada em caso de hemorragia retal).

No livro do Centro Russo de Reabilitação e Spa Medicine (2000), recomenda-se


insuflações rectais de uma mistura de ozônio e oxigênio, com uma concentração de ozônio
de 10-40 μg / l e um volume de 50-300 ml, no tratamento de doenças inflamatórias
intestinais. Se existir atonia intestinal, considera-se conveniente usar baixas concentrações
de ozônio; Em estados espasmódicos, serão utilizadas concentrações mais elevadas. A
Tabela 9-2 apresenta as recomendações de Vieban-Haensler (1999) sobre o tratamento de
doenças intestinais.

Analisando os resultados do tratamento da proctite, Knoch e Klug (1995)


concluíram que a terapia com ozônio é mais eficaz em pacientes com estágios iniciais da
doença. Foram obtidos bons resultados em 80,5% dos 248 pacientes com 1ª fase da
doença. Na maioria, um ciclo foi suficiente

144 Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

Tabela 9-2. Recomendações para o tratamento com ozônio de colite e proctite


de acordo com Vieban-Haensler (1999).

Quantidad
Concentração e de Volume da
Frequencia de
mistura de
Doença de ozono ozono gás
administração
(µg/ml) (μg) (ml)

No princípio
Colite 60-100 3.000-5.000 50 diariamente, depois
1-2 vezes por semana

1-2 sessão
Proctite de 1º estadio 10-40 3.000-12.000 300
2-3 vezes por semana

de 10 insuflações rectais de 300 ml de mistura de gás com uma concentração de


ozônio de 20 μg / ml e uma dose de 6 mg por sessão, que foi aplicada duas vezes por
semana.Apenas 10% dos pacientes necessitaram da aplicação de ciclos secundários de
ozônio, com intervalos de 9,7 meses em média.

Um estudo comparativo dos resultados foi realizado em dois grupos de 80 pessoas e


observou-se que no grupo em que a terapia com ozônio foi aplicada, o prolongamento das
remessas foi de 10,2 meses, enquanto o prolongamento das remissões no grupo que
receberam tratamento com salazosulfopiridina foi de 6,4 meses. A avaliação dos resultados
foi feita de acordo com indicadores clínicos, e também pelos dados da retrosigmoidoscopia
e investigações histomorfológicas do material das biópsias.

9,5 Hepatite crônica

A hepatite crônica é uma doença hepática inflamatória, distrófica e difusa de diferentes


etiologias, que dura mais de seis meses, com diferentes graus de necrose e inflamação dos
hepatócitos, sem alterações na arquitetura lobar e vascular. do fígado, e em que são
reveladas síndromes stenovegetativas, dispépticas, colestáticas e suas combinações.

A causa mais freqüente de hepatite crônica é uma hepatite viral anterior. A entrada do vírus
no sangue é produzida por transfusões de sangue, esterilização insuficiente do material
cirúrgico, uso repetido da mesma seringa e também por rotas sexuais e intra-uterinas.

Atualmente, sete tipos de hepatite viral são identificados: A, B, C, D, E, F e G. A doença


crônica é observada nas hepatites B, C e D. A hepatite C é a única encontrada mais
freqüentemente A superposição do vírus D sobre o vírus B agrava consideravelmente a
evolução da doença.

Os fatores predisponentes para que a doença entre em estado crônico podem ser deficiência
imunológica, imunodeficiência ou alteração da imunidade celular: diminuição da atividade
de linfócitos T efetores em relação à atividade de linfócitos T supressores.

Capítulo 9. Ozonoterapia en los trastornos hepáticos, renales y gastrointestinales •


145
As considerações gerais sobre doenças hepáticas de natureza viral são as seguintes:

• A entrada e multiplicação do vírus na célula leva à formação de quantidades


desunciadas de antígenos, que é acompanhada por deterioração e morte celular e
desencadeamento de reações imunológicas.
• Diante dos antígenos, formam-se anticorpos que, com o primeiro, são in-
munocomplexes que, devido à diminuição da homeostase e fagocitose na hepatite crônica,
são eliminados com dificuldade. Isso altera sua tolerância, estimula a ativação do
complemento e leva à liberação de enzimas lisossômicas. As reações teciduais com a
proliferação de linfócitos e a diminuição da migração de linfócitos e monócitos.

• Os distúrbios imunológicos levam ao aparecimento de microtrombose, distúrbios


no sistema de coagulação do sangue e incorporação de fatores trombocíticos. A
microtrombose é acompanhada de micronecrose, passando para inflamação reativa
secundária.

Ao contrário da hepatite viral crônica, a hepatite alcoólica é o resultado da condição


tóxica do fígado, na qual a magnitude das alterações patológicas está diretamente
relacionada à dose e ao consumo prolongado de álcool. O álcool (etanol) é uma substância
hepatotóxica, cujo metabolismo causa alterações profundas nas funções dos hepatócitos.
Quase 90% do álcool ingerido é metabolizado no fígado, com a formação de acetaldeído,
uma substância que exerce citotoxicidade direta.

O acetaldeído é posteriormente transformado em acetil-coenzima A, o que aumenta


a relação NADP / NAD e estimula os processos da OLP nas membranas dos hepatócitos,
com a consequente deterioração destes pela redução do teor reduzido de glutationa, o que
garante a função defensiva na célula. Como resultado, ocorre necrose dos hepatócitos e o
depósito de hialina e gordura alcoólica, com infiltração por neutrófilos e fibrose. Nessas
condições, o espectro de alterações morfológicas hepáticas relacionadas à ingestão
prolongada de álcool varia desde o simples acúmulo de gordura neutra até cirrose e
carcinoma hepatocelular com alterações subsequentes: infiltração gordurosa na hepatite
hepática e cirurgia de hepatite. Freqüentemente, todos os sinais de degeneração alcoólica
podem ser detectados ao mesmo tempo (Nurmu-Jametov, 2000).

Não é incomum que a doença hepática alcoólica crônica seja acompanhada da


hepatite B ou C, uma vez que o álcool permite que os vírus se replicem e persistam. No
mecanismo de aparência de hepatite crônica, além de álcool, também participaram agentes
tóxicos, como hidrocarbonetos, dicloroetano, clorofórmio e outros. O número de casos de
hepatite farmacológica aumenta gradualmente.

O quadro clínico da hepatite crônica é caracterizado por sua grande diversidade e


manifesta-se pelas seguintes síndromes típicas:

• Stenovegetativo: fraqueza, fadiga, má capacidade de trabalho, sísmica nervosa.

146 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

• Dispéptico: náuseas, eructos, diminuição do apetite, sensação de plenitude e


pressão, má tolerância às gorduras, perda de massa corporal.
• Símbolos do fígado leve: sonolência, hemorragia, icterícia (amarelecimento da pele
e mucosas), elevação do nível de bilirrubina e outros sinais de atividade.

• Envolvimento dos hepatócitos: aumento da atividade de AST, ALT, LDG-4, LDG-


5, aldolases e outros.
• Colestase: aumento da atividade da fosfatase alcalina, aumento do nível de β-
lipoproteínas, colesterol e bilirrubina.
• Insuficiência hepatocelular: aumento da atividade da colinesterase, diminuição do
nível de protrombina e níveis de albumina.
• Inflamatório-mesenquimatoso.
• Aumento nos níveis de γ-globulinas, IgM e IgG.
• Esplenomegalia.
A terapia com ozônio é um método independente para o tratamento da hepatite
crônica. Naturalmente, no tratamento da hepatite viral, seu efeito antiviral é o principal. A
inactivação do vírus é obtida por meio da influência oxidante dos peróxidos que destroem
células vírus receptores, privando-o da capacidade de ligar os hepatócitos, e não permitindo
que o vírus de penetrar na célula hospedeira, que interrompe seu ciclo multiplicativo. Este
processo de multiplicação também é perturbado pela divisão do vírus RNA por ozônio.

Nas observações de Zmizgova et al. (1998), após 1-2 ciclos mensais de ozonoterapia,
o desaparecimento da viremia foi detectado em 65% dos casos de hepatite viral crônica tipo
B e em 60% dos casos de hepatite viral crônica de tipo C.

Os peróxidos ativam o metabolismo celular endógeno nas células do fígado de


Kupffer, permitindo a fagocitose, que é sempre diminuída na hepatite crônica; isto é, os
próprios peróxidos, que destroem vírus, não são suficientes. A renda adicional dos
peróxidos induzidos pelo ozônio permite um reforço significativo da atividade celular
fagocítica.

A terapia com ozônio ativa a atividade celular e humoral. Sob a influência do


ozônio, a produção de citocinas é reforçada por linfócitos e monócitos, em primeiro lugar,
o interferão, um dos fatores mais importantes na defesa endógena do organismo contra
infecções virais. Como resultado, os linfócitos T citolíticos síntese, responsáveis pela
imunidade celular e a produção de células T auxiliares, que regulam a função de linfócitos
B, que são as imunoglobulinas produ-cen normalizados. Tudo isso permite a prisão e
eliminação do processo inflamatório.

A hepatite viral é caracterizada pela aparência de um processo citolítico no fígado,


cuja base é o envolvimento de hepatócitos por vírus com o subseqüente desenvolvimento
de falta de oxigênio. Os processos energéticos e plasmáticos fundamentais são realizados
com a participação do oxigênio. Quando há hipoxia e citólise nas células do fígado, toda
uma cascata de eventos que desencadeiam a alteração do fluxo sanguíneo nos órgãos,
danos nas membranas celulares, ativação da OLP,

Capítulo 9. Ozonoterapia en los trastornos hepáticos, renales y gastrointestinales •


147
diminuição da AAO do sangue e alterações na atividade das enzimas reguladas dos
processos de oxidação-redução.

Tudo comentado confirma a base patogênica da aplicação de ozonote-rapia


(Zmizgova, 2003). O ozônio exerce uma influência positiva na hemostasia, diminuindo a
capacidade de agregação plaquetária, aumentando a atividade fibrinolítica e a
hipocoagulação do sangue, evitando assim a aparência de micronecrose e microtrombose
no fígado (Negoda et al. ., 1998).

O consumo contínuo de álcool leva a um aumento no consumo de oxigênio no


fígado, que determina o aparecimento da hipoxia, o fortalecimento da oxidação do NADP,
a formação de acetaldeído e a ativação da OLP. Como resultado de tudo isso, ocorre
necrose hepatócica. A ação do ozônio na hepatite alcoólica está relacionada à formação de
peróxidos, que desencadeia os mecanismos antioxidantes da desintoxicação do sistema de
glutationa, que desempenha um papel defensivo no hepatócito contra o dano das
membranas devido à ativação dos processos da OLP.

O esquema de tratamento é o seguinte.

Formulários de inscrição

• Insuflações rectais com uma mistura de ozônio e oxigênio.


• Auto-hemoterapia menor.
• Auto-hemoterapia principal.
• Administração intravenosa de solução fisiológica ozonizada.

Pauta terapêutico
A terapia com ozônio pode ser aplicada com medicamentos e de forma
independente, sob a forma de monoterapia.

Se não houver uma situação grave, insuflações rectais (com uma dose de ozônio de
75 μg / kg de peso do paciente) são freqüentemente usadas em conjunto com o AHTMn.
Na hepatite crônica, insuflações rectais são feitas a cada dois dias durante as duas primeiras
semanas e duas vezes por semana; No total, 20 a 30 insuflações. O AHTMn é aplicado
duas vezes por semana.

A preferência por insuflações retais está relacionada aos resultados de Knoch (1987,
1988), segundo os quais a administração da mistura de ozônio e oxigênio rectal tem um
significado particular no tratamento de diferentes formas de hepatite, uma vez que Devido
à rápida absorção do gás, observa-se um aumento igualmente rápido da pressão parcial do
oxigênio na veia porta, ou seja, é fornecido um curto percurso para a chegada do oxigênio
ao fígado. O tempo permite a eficácia do tratamento.

As insuflações rectais podem ser substituídas pela administração intravenosa de uma


solução fisiológica ozonizada (a brevidade da introdução é similar) ou pela AHTM. Se a
condição for grave, é dada preferência a AHTM ou administração intravenosa de uma
solução fisiológica ozonizada.

148 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

Auto-hemoterapia principal

Se o processo piorar, são realizadas 5-8 sessões diárias, com altas doses (6-8 mg);
então, é administrado 2-3 vezes por semana até a cessação da gravidade, após o que a dose
de ozônio diminui para 1-1,5 mg.

As administrações intravenosas de uma solução fisiológica ozonizada (com uma


concentração de ozônio de 2 μg / ml à saída do ozonizador) são realizadas diariamente
durante 10 a 12 dias e depois todos os dias até a cessação da gravidade. Posteriormente,
eles serão realizados duas vezes por semana.

Em vista do agravamento da doença, insuflações rectais (com doses de 100 mg / kg


de peso do paciente) são realizadas diariamente até a cessação da gravidade e,
posteriormente, por um programa análogo ao utilizado quando não há agravamento da
doença.

No processo de cicatrização, é possível alternar as sessões de AHTM com a


administração intravenosa de uma solução fisiológica ozonizada e com insuflações rectais
com uma mistura de ozônio e oxigênio (Aleksandrov e Mingalev, 2004).
A duração do tratamento é de 3-6 meses.

Dorstewtz (1989) aplicou insuflações rectais com uma mistura de ozônio e oxigênio
como alternativa ao AHTM. Nas primeiras duas semanas, foram aplicadas diariamente, e
depois em intervalos de um ou vários dias. Foram utilizadas concentrações de ozônio de
30-60 μg em 1 ml de mistura de gás. Em crianças pequenas, a quantidade de gás era de 20-
50 ml; em crianças mais velhas, 50-100 ml e em adultos, 100-300 ml.

Como um método independente, Betancourt et al. (1997) utilizaram insuficiências


rectais (com uma média de 15 sessões e uma dose de ozônio de 10 μg) em 40 pacientes
afetados com hepatite A, B e C. Os autores documentaram o desaparecimento de
manifestações clínicas em todos os pacientes. . De acordo com seus resultados, os sintomas
da doença desapareceram 10 dias antes do que com os métodos tradicionais de cura.

Yakovlev et al. (2000) realizaram um estudo comparativo da eficácia da insuflação


retal e da administração intravenosa de uma solução fisiológica ozonizada em pacientes
com hepatite viral aguda. De acordo com seus resultados, a administração intravenosa de
uma solução fisiológica à base de ozônio produziu uma ação de desintoxicação mais
intensa e seu uso é recomendado nos casos mais agudos de intoxicação endógena.

Insuflações rectais podem ser utilizadas em pacientes com hepatite viral


compensada; Além de serem bastante eficazes, destacam-se pela simplicidade de sua
aplicação e seu baixo custo.

Maksimov et al. (1998) consideram que a auto-hemoterapia principal é um método


fundamental de tratamento para hepatite crônica, que pode ser alternada com insuflações
rectais e administração intravenosa de soluções fisiológicas ozonizadas. Em casos graves
de hepatite crônica, Balcany (1989) usou o seguinte esquema de aplicação AHTM: ele
iniciou o tratamento com altas doses de ozônio (8.000 μg) e, após 8 sessões, diminuiu
gradualmente a dose para 1.500 μg. Como controle, ele usou os indicadores de
transaminases. Dorstewitz (1981) recomenda seu procedimento para a aplicação de AHTM
em casos graves de hepatite crônica: o primeiro dia

Capítulo 9. Ozonoterapia en los trastornos hepáticos, renales y gastrointestinales •


149

realiza um "teste de tolerância" a uma dose de 1.000 μg. A partir daí, a dose diária de
ozônio é aumentada para 9 000 μg, e as sessões são realizadas a cada dois dias. Assim que
os indicadores clínicos e analíticos melhorarem, a quantidade de ozônio diminui para
4.000-6.000 μg. No total, são aplicadas cerca de 15 sessões. Nas pausas entre os períodos
de agravamento, os ciclos são prescritos, 2-3 vezes por ano, de 10 a 15 sessões a cada dois
dias com uma dose de ozônio de 3.000-6.000 μg.

A influência positiva do ozônio é manifestada pela melhora dos sintomas clínicos e


dados analíticos. Durante o tratamento, a fraqueza desaparece, a capacidade de trabalho
aumenta, o sono é restaurado, a sensação de peso e a dor desaparecem na área subcostal e a
síndrome hemorrágica diminui ou desaparece. Os indicadores de transaminase e bilirrubina
são normalizados e os dados imunológicos são melhorados (Komshaliuk et al 1998,
Nedogoda et al 1998, Sviridenko et al 2003, Galeeva 2007).
No trabalho de Shakhov et al., (1998), a grande eficácia da terapia com ozônio no
tratamento de 30 pacientes com doença hepática crônica grave é indicada. Dois grupos
iguais de pacientes, experimentais e de controle, receberam o mesmo tratamento múltiplo
com preparações à base de lipotropina, hepatoprotectores e vitaminas. O grupo
experimental também recebeu 3 a 5 sessões de auto-hemoterapia principal com sangue
ozonizado. Durante o tratamento, observou-se que, nos pacientes do grupo experimental, a
dor ea síndrome asténica desapareceram mais rapidamente e que o número médio de dias
de cama foi de 22,1 ± 1,6, em comparação com 26,1 ± 1, 5 no grupo de controle. No grupo
experimental, a ALT diminuiu de 24,3 ± 3,8 UI / L para 12,3 ± 0,9 UI / L (no grupo
controle, de 25,5 ± 5,0 UI / L para 22,9 ± 4,0 UI / L); AST diminuiu de 15,8 ± 2,0 UI / la
11,6 ± 1,3 UI / I (no grupo controle, de 16,3 ± 1,9 UI / L apenas para 14,5 ± 1, 1 IU / I).
Em outras palavras, a aplicação da ozo-norterapia no tratamento múltiplo de doenças
hepáticas crônicas produziu uma diminuição mais rápida na atividade do processo
inflamatório.

As células que já foram afetadas por vírus são menos resistentes à ação de
peróxidos, em comparação com células saudáveis. Estas células enfraquecidas por altas
concentrações de peróxidos são destruídas juntamente com os vírus e são eliminadas de
forma intensiva. Este aspecto é apontado no trabalho de Bolcany (1989), onde o autor
observou um aumento no nível de transaminases após as primeiras 2-3 sessões de
ozonotera-pia e relacionou-a à decomposição das células afetadas pelo vírus no fígado.

A dinâmica dos indicadores bioquímicos acima mencionados também foi observada


em alguns experimentos. Em um exemplo clínico: paciente com 24 anos de idade, doente
desde novembro de 2000 e diagnosticado com hepatite C crônica, com alta taxa de recidiva
e piora. Em novembro-dezembro, ele recebeu um tratamento tradicional no hospital, o que
não alcançou resultados notáveis. Após o hospital, e no momento do início do tratamento,
em 03/11/2001, o paciente apresentou fraqueza manifesta, febre baixa (37-37,5 ° C),
sensação de peso constante no lado direito da costela e artralgia. A terapia com ozônio foi
aplicada de forma alternativa (5: 1), com administração intravenosa borbulhando 200 ml
de solução fisiológica ozonizada com uma concentração de ozônio à saída do ozonizador
de 2,5 μg / ml e auto-hemoterapia principal com doses de ozônio de 9 mg. Nas primeiras
duas semanas as sessões foram realizadas diariamente e depois por um mês, 3 vezes por
semana. Nos próximos dois meses,

150
Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

foi aplicado duas vezes por semana e, posteriormente, uma vez por semana. A
duração total do tratamento foi de 6 meses (Figura 9-2).

Uma semana após o início da terapia com ozônio, observou-se uma diminuição
significativa da fraqueza e a temperatura foi normalizada. Após duas semanas, a sensação
de peso apareceu na área costal direita, e após um mês, a artralgia cessou. A partir daí, o
paciente não apresentou mais desconforto.
5 G
00 OT
G
4 GT
50 G
PT
4
00
3
50
3
00
2
50
2
00
1
50
1
00
5
0

0 2 0 1 0 1 2 1 2 1 2 0 2 0 1
6/03/01 0/03/01 3/04/01 7/04/01 1/05/01 5/05/01 9/05/01 2/06/01 6/06/01 0/07/01 4/07/01 7/08/01 1/08/01 4/09/01 8/09/01

Figura 9-2. Dinâmica das transaminases do paciente de 24 anos.


Capítulo 10
Terapia com
o ozônio
em cirurgia

A terapia com ozônio começou a encontrar uma aplicação especialmente


ampla no tratamento de diferentes processos inflamatórios, agudos e crônicos. A
inclusão em terapias complexas consegue a eliminação mais rápida das
manifestações inflamatórias, reduz a toxicidade endógena, melhora a imunidade local
e geral e aumenta a velocidade de cicatrização de feridas purulentas.

O método é economicamente rentável, uma vez que permite eliminar ou


reduzir substancialmente a quantidade de medicamentos caros e diminuir
significativamente o período de permanência dos pacientes em instalações
hospitalares..

10.1. Tratamento da peritonite

10.1.1. Peritonite difusa

A peritonite difusa é uma das doenças inflamatórias mais graves dos órgãos da
cavidade abdominal, cujas causas são: apendicite aguda, úlcera duodenal perfurada,
obstrução intestinal aguda, colecistite aguda e outros.
A etiopatogênese fundamental da peritonite difusa é o fator bacteriano na forma de
disseminação microbiana na cavidade abdominal, geralmente misturado com a mi-croflora
aeróbica e anaeróbia, com predominância de bacilos intestinais.

O processo inflamatório-purulento é acompanhado por poderosa intoxicação em


relação à formação de um grande número de substâncias tóxicas de origem bacteriana e

151 Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

Tecido: endotoxinas, moléculas de massa média e enzimas proteolíticas, que causam


mudanças graves na homeostase do organismo. Aparece a acidose, a circulação do sangue
e as propriedades reológicas dele são alteradas, afetando a hemodinâmica dos órgãos e
tecidos que conduz à falha multiorgânica. A troca de proteínas e eletrólitos aquosos é
alterada, as reações da OLP são estimuladas com a participação de radicais livres e as
alterações do estado imunológico são observadas sob a forma de um déficit imune
secundário grave. Tudo isso resulta na alteração dos mecanismos fisiológicos de adaptação
e compensação, com a possibilidade de aparecer alterações irreversíveis tóxico-
anatomopatológicas em órgãos e tecidos e um resultado letal (Struchkov et al., 1991).

Uma importante complicação da evolução da peritonite é a aparência da síndrome da


insuficiência intestinal, que consiste na alteração articular das funções motora, secretiva,
digestiva e absorvente do intestino delgado, o que provoca o transtorno alimentar e agrava
as alterações. nos parâmetros fundamentais da homeostase.

A ausência de peristaltismo intestinal no período agudo de peritonite e sua retomada


no período de melhora é considerada um dos signos significativos para o diagnóstico.

No tratamento da peritonite geral, antes da chamada "síndrome da insuficiência


intestinal", a poderosa ação bactericida do ozônio é utilizada em relação aos
microorganismos aeróbicos e anaeróbicos e sua capacidade de normalizar os processos da
OLP e da defesa antioxidante, bem como estimular o reparo do sistema imunológico e
eliminar o efeito da intoxicação.

O procedimento para o uso da terapia com ozônio é apresentado em publicações


dedicadas a esse tema (Semenov et al., 2000, Snigorenko, 2000, 2003, Efimenko e
Cherniajovs-kaia, 2001). O esquema de tratamento múltiplo é particularmente eficaz.

Formulários de inscrição

Preparação pré-operatória

Infusão intravenosa de 400 ml de solução fisiológica ozonizada ou auto-hemoterapia


principal.

Terapia com ozônio durante a operação


Saneamento intra-operatório da cavidade abdominal com solução fisiológica
ozonizada.

Terapia com ozônio durante o pós-operatório

• Lavagem peritoneal com uma solução fisiológica ozonizada ou laparotomia


programada.

• Infusão intravenosa com solução fisiológica ozonizada.


• Auto-hemoterapia principal.
• Lavagem intestinal com ozônio.

Capítulo 10. Ozonoterapia em cirurgia • 153

Cronograma terapêutico

Preparação pré-operatória

A infusão intravenosa de 400 ml de solução fisiológica ozonizada com uma


concentração de ozônio de 1,5-2 μg / ml está incluída na composição da preparação
prescrita.

Terapia com ozônio durante a operação

Saneamento perioperatório da cavidade abdominal com 5-10 litros de solução


fisiológica ozonizada com uma concentração de ozônio de 4-6 μg / ml durante 20 min;
imediatamente depois, a fonte de peritonite e descompressão do intestino delgado será
removida. A laparotomia termina com a drenagem da cavidade abdominal e a colocação de
um tubo de silicone para posterior lavagem.

Terapia com ozônio durante o pós-operatório

Lavagens da cavidade abdominal são feitas. A primeira sessão é realizada 4-6 horas
após a operação, por 25-30 minutos, com uma solução fisiológica ozonizada através de um
tubo colocado na parte superior. 400 ml de solução fisiológica ozonizada são
administrados por via intravenosa, gota a gota. O ciclo de tratamento é repetido duas
vezes, após 4-6 horas e 8-12 horas. A lavagem pós-operatória dura uma média de até 72
horas.

A laparotomia programada é um método efetivo de tratamento da peritonite. Após a


cirurgia, a separação da fonte de peritonite, o lixamento da cavidade abdominal e a
descompressão do intestino delgado (com tubo nasoinestinal), a cavidade abdominal não é
suturada hermeticamente e a parede externa abdominal É aninhado sob uma película de
celofane que cobre o circuito superior do intestino.

Nos primeiros dias após a operação, a cavidade abdominal é lavada a cada 8 horas
com 5-10 litros de solução fisiológica ozonizada, recentemente preparada, com uma
concentração de ozônio de 5-6 μg / ml, até a água ser obtida. lavagem limpa. Em frente ao
nó da parede abdominal, 0,5 litros de solução fisiológica ozonizada são aplicados na
cavidade abdominal. A drenagem é colocada na pélvis. No segundo dia, duas sessões de
lavagem da cavidade abdominal são realizadas a cada 12 horas, no terceiro dia, uma
lavagem e, em seguida, a cavidade abdominal é suturada.

Infusões intravenosas são feitas diariamente com 400 ml de solução fisiológica


ozonizada, uma vez por dia nos dois primeiros dias e, posteriormente, todos os dias. O
AHTM é realizado nas primeiras 12 horas após a operação, e depois em dias alternados,
com um total de 2-3 sessões.

Se a síndrome da insuficiência intestinal aparecer, uma lavagem intestinal é


realizada com ozônio, 2-3 vezes por dia durante 3-4 dias, para conseguir a desintoxicação e
também a restauração da homeostase da parede intestinal e do peristaltismo. Através de um
tubo nasogastrointestinal, 800 ml são introduzidos em 1.200 ml de solução fisiológica
ozonizada com uma concentração de ozônio de 2 μg / ml que, após 30 minutos, é aspirada
com um aspirador elétrico.
154
Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

Para a finalidade de evitar efectivamente influências tóxicos no fígado, e como


medida profilática e terapêutica de insuficiência hepática, intraportal adminis tração salina-
ozonizada é usado. Através de uma veia umbilical cateterizada no período pós-operatório, a
infusão gota a gota de 400 ml de solução salina ozonizada com uma concentração de ozono
de 1-1,5 mg / ml, uma vez por dia é realizada durante 3-5 dias .

Atenção: uma mistura de ozono e oxigénio não deve ser utilizado no estado gasoso,
no tratamento da cavidade gástrica para evitar processo de desenvolvimento Espas-
modesta. O uso do ozônio não impede a realização de todo o conjunto de medidas
terapêuticas que visam corrigir o rompimento da homeostase.

Como resultado da aplicação de vários regimes terapêuticos antes de fenómenos de


intoxicação endógena normalizada indicadores bioquímicos e imunológicos mais rápido, é
capaz de reduzir a mortalidade em 15%, e a quantidade de complicações-ron diminui
feridas após operação diminuiu de 33% para 14% (Veksler et al, 2000;.. Semenov et al,
2000;. Snigorenko et al, 2000).

Com base no material clínico extensa (189 doentes ou feridos com diferentes fases
peritonite difusa geral, que estão em estado grave), Snigorenko (2000) demos-tro a grande
eficácia da terapia de ozono após 1-3 sessões. No terceiro ou quarto dia, e particularmente
para o quinto ou sexto dia a partir do início do tratamento, e em comparação com o grupo
de controlo do paciente, para que o tratamento foi aplicado com-convencional, observou-se
que em pacientes tratada com ozono contagem de leucócitos era inferior e os valores de
hemoglobina foi maior; Além disso, o número de pacientes com indicadores normais e GPI
LII era 3-4 vezes mais elevada. Bilirrubina, ureia e creatinina foram significativamente
menores. A influência desintoxicante de terapia de ozono que se manifesta na diminuição
da quantidade média de moléculas tóxicas no sangue. Em 3-4 dias, este indicador diminuiu
significativamente 28,7-23,5% em (no grupo de controlo 4,6%); 5-6 dias, diminuíram 59,7-
61,7% em (no grupo de controlo 31,7%). acção bactericida directa de ozono, que apareceu
em 2-3 dias de tratamento e foi expressa com uma diminuição no número de organismos
em-organismos-dialisato de 108-102 CFU / ml foi notado.

10.1.2. Peritonite local

Formulários de inscrição

• Saneamento transoperatório da cavidade abdominal através da solução fisiológica


ozonizada.
• Auto-hemoterapia menor.
• Auto-hemoterapia principal.
• Infusões intravenosas de solução fisiológica ozonizada.

Capítulo 10. Ozonoterapia em cirurgia • 155

Pauta terapêutico

O saneamento perioperatório da cavidade abdominal é realizado com 0,5-0,8 litros


de solução ozonizada fisiológica. A lavagem da cavidade abdominal é aplicada apenas na
região em que ocorre o processo inflamatório e depois é realizada a aspiração cuidadosa
das águas de lavagem. Um tubo de drenagem com dois orifícios é colocado em direção à
origem da peritonite, apresentando-o através de um microcircuito a partir do exterior. A
cavidade abdominal é suturada à aponeurose, e uma sutura temporária é feita na pele. Nos
primeiros dias, 30-50 ml de solução fisiológica ozonizada com uma concentração de 5-6
μg / ml são administrados na cavidade abdominal através da drenagem e 3 vezes; é
deixado para descansar por 15-20 minutos, e o resto da solução é extraído da cavidade
abdominal por gravidade ou aspirado com uma seringa.

Infusões intravenosas são realizadas com 200 ml de solução fisiológica ozonizada,


uma vez por dia durante dois dias consecutivos e depois em dias alternados, com um total
de 4-5 sessões. O AHTMn é aplicado em 2 sessões em dias alternados, e o AHTM, em 1-2
sessões, uma vez por semana.

Antes da aparição de sinais de progressão da peritonite, será realizada uma nova


ropa lapa, a cavidade abdominal será re-limpada, e alguns dos métodos recomendados para
o saneamento perioperatório e pós-operatório da cavidade abdominal serão aplicados..
Capítulo11
Terapia com o
ozônio
em ginecologia e
obstetrícia

11.1. Ginecologia

• As doenças inflamatórias dos órgãos sexuais internos aparecem principalmente na


juventude, na idade reprodutiva, e ocupam um lugar central entre as patologias
ginecológicas. Sua freqüência é de 60% a 65%, e os processos inflamatórios dos anexos
uterinos são observados em 64-80% dos casos. Nenhuma tendência para a diminuição é
percebida, mas, nos últimos anos, existe uma tendência para aumentar as antigas formas
clínicas de inflamação, que se caracterizam por um curso prolongado e recidivas
freqüentes.

• Freqüentemente, os métodos tradicionais de tratamento, a administração de


antibióticos, não são efetivos o suficiente, levam à cronicidade da doença e nem sempre
evitam as recorrências. Deste modo, as doenças inflamatórias crónicas causa adnexal
infertilidade em 80% dos pacientes, distúrbios menstruais ocorrem em 40% e 60% alterar
funções sexuais, causando gravidezes ectópicas (Ivanov, 2004).

• Observou-se que, no campo das doenças ginecológicas, o uso de ozônio-terapia


tem sido extraordinariamente eficaz, aplicando uma ampla gama de procedimentos.

• 11. 1.1. Doenças inflamatórias dos órgãos pélvicos (adnexite, endometrite,


parametrite, pelviperitonite)
• As doenças inflamatórias dos órgãos pélvicos incluem inflamação do endométrio,
dos tubos uterinos, dos ovários e do peritônio pélvico. Na prática

157 Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

• Clinicamente, a inflamação isolada destas partes do trato genital quase nunca foi
encontrada, uma vez que todas estão ligadas, com um objetivo funcional único.

• doenças inflamatórias dos órgãos pélvicos são causadas por gonococos, clamídia,
estreptococos, micoplasmas, bacilos intestinais, enterococos, e Proteus bactericida-roides.
Dada esta patologia, a terapia com ozônio é utilizada como componente de um tratamento
antiinflamatório múltiplo.

• Formulários de inscrição

• • Insuflações rectais de uma mistura de ozônio e oxigênio.


• • Auto-hemoterapia principal.
• • Auto-hemoterapia menor.
• • Irrigação intra-uterina com água destilada ozonizada.
• • Insuflação intra-uterina com ozônio gasoso.
• • Irrigação uretral com água ozonizada.
• • Insuflação uretrovesical com ozônio gasoso.
• • Infusão intravenosa de uma solução fisiológica ozonizada.

Pauta terapêutico

No contexto do tratamento antibacteriano, são prescritas infusões intravenosas de


uma solução fisiológica ozonizada ou insuficiências rectais de uma mistura de ozônio e
oxigênio, ou é realizada auto-hemoterapia principal.

As insuflações rectais da mistura de ozônio e oxigênio constituem o método


terapêutico preferido e são realizadas pelo procedimento estabelecido, calculando 75 μg de
ozônio por kg de peso do paciente. O volume de gás administrado é de 100 ml a 300 ml, e
a concentração de ozônio é de 10-40 μg / ml. Insuflações rectais alternam com auto-
hemoterapia menor e maior.

As infusões intravenosas de uma solução fisiológica ozonizada são realizadas


diariamente, com 200-400 ml, durante 8 a 10 dias.

A auto-hemoterapia principal é realizada 2-3 vezes por semana, com um total de 6-8
sessões.

Para garantir o contato total com o foco inflamatório e descartar o envolvimento da


mucosa em face da endometrite aguda após o parto ou o aborto, a irrigação intra-uterina
com 400 ml de água destilada ozonizada com uma concentração de ozônio é utilizada para
fins curativos. de 4-5 μg / ml. Após a obtenção da água destilada ozonizada, é introduzida
na cavidade uterina sob a forma de uma suspensão finamente dispersa através do cateter de
duplo canal PVX, que ao mesmo tempo assegura a drenagem das águas de lavagem. O
procedimento é realizado uma vez por dia; no total, 1-3 vezes (Grechkanev et al., 2000).

Juntamente com o tratamento antiinflamatório básico, esta reorganização da


cavidade uterina evita a generalização do processo inflamatório, encurta o período de
tratamento e permite dispensar preparações caras para a diálise.

Capítulo 11. Terapia com ozônio em ginecologia e obstetrícia • 159

Observações

• Abundantes hemorragias são uma contra-indicação para a terapia com ozônio; As


seqüelas sangrentas e a propensão a sangramento requerem controle mais rigoroso.

• Ao realizar o tratamento cirúrgico pelo procedimento exposto, a terapia com


ozônio pode ser utilizada no curso da reabilitação.
• A aplicação da terapia com ozônio permite reduzir o uso de drogas que produzem
ações de desintoxicação, reológicas, antioxidantes, imunológicas, analgésicas e sedativas.

Ivanov (2004) realizou um estudo comparativo de dois grupos de mulheres


reprodutoras de idade com adnexite, uma das quais recebeu terapia com ozônio enquanto a
outra foi tratada com o método tradicional. Nos pacientes do grupo basal, a ozonotera-pia
foi aplicada de acordo com o seguinte esquema: autohemoterapia com dose de ozônio de 2
mg, duas vezes por semana e um total de 7-10 sessões, ou infusão de solução fisiológica
ozonizada com concentração de ozônio de 3-4 μg / ml ou insuflação rectal de uma mistura
de ozônio e oxigênio com uma concentração de ozônio de 40 μg / ml e um volume de 200-
250 ml em dias alternados, alternando com auto-hemoterapia menor. Em paralelo e
diariamente, a vagina e o canal cervical foram limpos com água bidestilada ozonizada e os
tampões com óleo ozonizado foram colocados por 10 dias.

Nos pacientes do segundo grupo, utilizou-se o tratamento tradicional:


antiinflamatórios, antibióticos, fármacos para correção imunológica, vitaminas e vagino-
nais antibacterianos. Nos pacientes do grupo basal, observou-se o desaparecimento mais
rápido e mais estável dos sintomas clínicos. A secreção patológica dos órgãos sexuais
desapareceu em 5-6 dias (no grupo de comparação, após 9-10 dias). No estudo dinâmico,
observou-se uma melhora significativa nos indicadores de imunidade celular e fagocitose,
sob a forma de aumento do número de linfócitos T (colaboradores T, supressores T) e
diminuição na taxa e número de fagocitose. . No final do tratamento, eles abordaram os
indicadores de pessoas saudáveis.

O efeito em pacientes tratados com ozônio foi mais durável. Após três meses, a
reincidência da inflamação foi registrada em 8% dos pacientes no grupo basal e em 32% no
grupo de comparação.

Deve-se notar que durante a aplicação da terapia com ozônio a 41 mulheres com
doenças inflamatórias crônicas do trato genital, realizadas por Bikov et al. (1998), foi
necessário combater o agravamento do processo inflamatório em 58% dos casos após as
primeiras 2-4 sessões, mas após 7-8 sessões cessaram todos os sinais de gravidade. Em
38% dos casos, foi possível alcançar o desaparecimento completo da clamídia nas análises
e semeaduras, utilizando apenas a terapia com ozônio. Nos casos restantes, a adição de
antibióticos ao tratamento permitiu a erradicação completa da clamídia em 92% dos casos.

A inclusão da terapia de ozônio no tratamento múltiplo de pacientes com salpin-


goovarite permitiu Luchkov et al. (2004) para obter mudanças positivas mais evidentes no
humor geral, na hemodinâmica dos órgãos pélvicos e na normalização

160 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

estado imune. Em 69% das mulheres, observou-se a normalização do ciclo da


ovulação-menstruação.

Katasonova et al. (2006) incluíam água ozonizada de dupla destilação no tratamento


múltiplo da irrigação vaginal, o que permitiu reforçar a atividade contrátil do útero.

Nikishov et al. (2007) obtiveram resultados positivos com a aplicação conjunta de


terapia de ozônio e tratamento bactericida, obtendo um efeito de desintoxicação, imuno-
modulador e normalizante de OLP e DAO e melhora da microflora e imunidade local da
vagina.

• 11.1.2. Doenças inflamatórias da parte inferior

• do trato genital (vulvite, vaginose bacteriana)

• As causas de doenças inflamatórias inespecíficas na parte inferior do aparelho


genital são infecções por Candida, Gardenella vaginalis, Cryptococcus, Trichomonas
vaginalis, clamídia e vírus.

• Formulários de inscrição

• Irrigação vaginal com solução fisiológica ozonizada ou com água duplamente


destilada oxigenada.
• Aplicações com óleo ozonizado.
• Insuflação vaginal de uma mistura de ozônio e oxigênio com um insuflador vaginal
especialmente projetado para esses propósitos (VIN-100) (Figura 11-1).

Gerador de O3
Destruidor

Figura 11-1. Insuflador vaginal para aplicar a mistura de ozônio e oxigênio.


Capítulo 11. Ozonoterapia en ginecología y obstetricia • 161

Cronograma terapêutico

As irrigações vaginais com uma solução fisiológica ozonizada ou água bidistilada


ozonizada com uma concentração de ozônio de até 6-10 μg / ml são realizadas diariamente
(para um total de 10-15 sessões) e combinadas com aplicações de óleo ozonizado (1 -2
vezes por dia)

Esses procedimentos podem ser substituídos ou acompanhados por insuflação


vaginal com uma mistura de ozônio e oxigênio, que é realizada diariamente, por 10-15
dias, e pelo seguinte procedimento: a mistura de ozônio e oxigênio com uma concentração
de ozônio de 10 a 20 μg / ml é introduzido na vagina, previamente humedecida com água
destilada, com um caudal de 100 a 200 ml / min durante 5-10 min, com a ajuda de um
dispositivo especial VIN-100, que garante a melhor distribuição do gás através do epitélio
vaginal, sem perda de ozônio para o exterior, permitindo que o ginecologista trabalhe de
forma segura (Dr. Adriana Schwartz, comunicação pessoal).

De acordo com os achados, os procedimentos locais podem ser combinados com


procedimentos de ação geral: infusões intravenosas de solução fisiológica ozonizada,
insuflações rectais de uma mistura de ozônio e oxigênio, auto-hemoterapia maior ou
menor.

Grechkanev e Kachalina (2003) e A. Schwartz (2010) mostraram que o uso deste


procedimento no tratamento de doenças inflamatórias do trato inferior dos órgãos sexuais
proporciona óbvias vantagens em relação aos métodos tradicionais. Em 150 pacientes com
vulvite inespecífica, vulvovaginite recorrente por Candida albicans e vaginose bacteriana,
observou-se a melhoria da imunidade local da vagina, além do efeito clínico benéfico, com
o crescimento significativo de lisozimas na secreção vaginal ( com 85% de cura) e IgA. No
grupo de comparação, a atividade da lisozima e o conteúdo de IgA diminuíram, e uma
intensificação da disbiose foi observada (A. Schwartz, apresentação na Royal Academy of
Medicine de Espanha, junho de 2010).

Os resultados comparativos da investigação bacteriológica após a insuflação vaginal


com uma mistura de ozônio e oxigênio demonstram a diminuição da quantidade de
Staphylococcus epidermidis (73 vezes) e a população de E. coli (44 vezes). No grupo de
comparação, em que o tratamento foi realizado com soluções antissépticas, a diminuição do
número desses microorganismos foi de 2 e 8 vezes, respectivamente.

Após insuflações vaginais com a mistura de ozônio e oxigênio, a colonização do


epitélio vaginal por lactobactéria aumentou 83 vezes, enquanto que, pela ação dos anti-
sépticos, o conteúdo de lactobactérias diminuiu 9,7 vezes. Também foi observada uma
diminuição da resistência aos antibióticos.

Gureva (2003) utilizou aplicações de óleo ozonizado juntamente com a infusão


intravenosa de solução fisiológica ozonizada em pacientes grávidas com vaginose
bacteriana, vaginomenis por Candida, vaginite inespecífica e disbiose. O aumento do
crescimento da microflora de lactobacilos (3,1 vezes) foi documentado em pacientes com
vaginose bacteriana e (1,6 vezes) em mulheres com vaginite inespecífica, em comparação
com o tratamento usual. No conteúdo vaginal, a concentração de IgA aumentou 50% nos
pacientes com vaginose bacteriana e 33,3% naqueles que apresentaram vaginite
inespecífica, enquanto

162 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

Após o tratamento antibacteriano, a diminuição deste indicador foi observada em


25% e 15%, respectivamente.

O uso da terapia com ozônio não produziu efeitos colaterais, enquanto a aplicação de
tratamentos farmacológicos foi a causa do aparecimento de candidíase vaginal em 14,9%
das mulheres grávidas, de reações alérgicas em 17% e de fenômenos dispépticos em 5 %.
Observou-se um número significativamente menor de viagens.

11.1.3. Crauris vulvar

A craurose vulvar é a atrofia progressiva dos órgãos genitais externos com a


subseqüente aparição de processos escleróticos; É uma doença comum entre as mulheres
que estão no período da menopausa. O quadro clínico é manifestado por prurido de dor; É
difícil curar e pode ser uma causa de câncer vulvar.

Ao restaurar os revestimentos da pele e melhorar as propriedades tróficas dos


tecidos, a terapia com ozônio proporciona uma melhoria estável e diminui a probabilidade
de recorrência.

Formulários de inscrição

Aplicação de óleo ozonizado de 400 a 600 IP.

Cronograma terapêutico

Na superfície afetada, uma aplicação de óleo vegetal ozonizado com um índice de


peroxidação de 400-600-800 ou uma concentração de 10-20 μg / ml é feita diariamente por
10-15 dias.

Observações

A ozonação de 100 ml de óleo é efetuada borbulhando uma mistura de ozônio e


oxigênio com uma concentração de ozônio de 10 μg / ml durante 20 minutos. O óleo
ozonizado, que produz um contato adequado e duradouro com a porção afetada da pele,
normaliza o estado trófico dos tecidos e previne ou elimina condições inflamatórias.

Grechkanev (2001) observou durante 1,5 anos três grupos de 20 pacientes cada, com
cripesis vulvar, que receberam aplicações com azeite ozonizado, tratamento a laser ou
pomada de glicocorticóides. No grupo de pacientes tratados com ozonotera-pia, as
recorrências não ocorreram em 80% dos casos, e em 15% as recorrências apareceram
apenas uma vez. Com o uso do tratamento a laser, ocorreram recorrentes repetidos em 50%
dos casos. Em pacientes tratados com pomadas contendo glicocorticóides, as recorrências
ocorreram até 6-7 vezes durante o tempo de observação. Isto permitiu ao autor chegar a
algumas conclusões sobre a grande eficácia do azeite ozonizado no tratamento da craurgose
vulvar.

Capítulo 11. Ozonoterapia en ginecología y obstetricia • 163

11.2. Obstetrícia

O grande número de casais inférteis e as complicações na gravidez que atualmente


são observadas impulsionam a busca de métodos de tratamento novos e eficazes. Apli-
cação da terapia de ozônio influencia positivamente a evolução clínica dos estados como a
ameaça de aborto, gestosis, anemia das mulheres grávidas, prisão intra-uterina fetal de
desenvolvimento e o risco de complicações da gravidez em casos de obesi- pai. Tudo isso
está relacionado às influências da correção imunológica e antioxidantes do ozônio. O
fornecimento melhorado de sangue, a reologia e a microcirculação permitir a normalização
das funções de produção da hormona e entrega resultado favorável (Kuliakov et al, 2001;..
Grichenko et ai, 2003 ;. Gurianova et ai, 2007).

Em pacientes grávidas, não é apenas necessário usar as influências positivas do


ozônio, mas também garantir a máxima segurança, tanto para a mãe como para o feto.
Todos os comentários servem de base para a aplicação de pequenas doses de ozônio no
tratamento múltiplo para a correção de complicações obstétricas.

Com base em estudos experimentais sobre a influência de diferentes concentrações


de ozono sobre os parâmetros do PLO, a DAO e teratogenicidade em presença de diversas
patologias obstétricas, revelou que a concentração de ozono admissível no ozonizada
fisiológico solu-ção está dentro um intervalo de 400-800 μg / l. As observações clínicas
subseqüentes confirmaram que essas doses são adequadas para o tratamento de
complicações durante o período de gestação (Kuliakov et al., 2001; Grechkanev e
Kachalina, 2003).

Nesta condição, é muito importante que o ozono, influenciando as ligações funda-


mental da patogénese de complicações na gravidez, reduz o volume da droga para reduzir
a dose de sedativos, reguladores imunológicos, anti-oxidantes e outras preparações
famacológicos .

Levando em consideração um dos mecanismos fundamentais de ação, a melhora no


suprimento de oxigênio, a terapia com ozônio deve ser avaliada como um ótimo meio de
corrigir o estado de hipoxia do feto dentro do útero. Já após 2-3 sessões de violação de
ozonote, em 68% das mulheres com angústia fetal a atividade fetal foi normalizada e a
circulação sanguínea nos vasos uteroplacentários foi reforçada. O estado de 67,9% das
mulheres pós-parto a quem foi aplicada a terapia com ozônio foi avaliado com 7-10 pontos
na escala de Apgar, enquanto que entre as puérperas que receberam o tratamento
convencional, esta avaliação foi obtida apenas pela 12,5% (Grichenko et al., 2007).
11.2.1. Ameaça de parto prematuro, toxicosis precoce

• O problema da intolerância à gravidez ocorre de forma muito aguda, uma vez que,
sendo um dos tipos fundamentais de patologias obstétricas, é observado em 10-30% de
todas as gravidezes e não mostra tendência a diminuir. Em partos prematuros, a
mortalidade perinatal é 10 vezes maior do que nas parcelas a termo. As grandes perdas
perinatais explicam a importância de uma profilaxia efetiva da ameaça de parto prematuro,
que é resumida na eliminação das causas dos partos prematuros.

164 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

• Entre o grande número de causas do aborto, as mais freqüentes são infecções


uroge-nital e distúrbios neuro-hormonais. A primeira causa é predominante, o que está em
grande parte relacionado ao desenvolvimento de estados de imunodeficiência.

• Em pacientes com aborto ameaçado, observações sobre a influência na evolução


clínica, o estado de hemostasia eo desfecho da gravidez permitiram que Gre-chkanev
(1995) demonstre que a terapia com ozônio fornece uma ação de padronização complexa
sobre os laços fundamentais desta patologia.

• De acordo com os resultados de Boiko et al. (2007), a inclusão de infusões


intravenosas e instilações de solução fisiológica ozonizada no programa terapêutico
múltiplo para mulheres com intolerância à gravidez permitiu reduzir a freqüência de
patologias ginecológicas: exacerbação de anexos crônicos (p <0,001), ectopia do colo do
útero (p <0,01) e distúrbios das funções menstruais (p <0,001). Também permitiu uma
restauração mais completa da saúde reprodutiva (p <0,001) e levou a uma evolução
desejável da gravidez subseqüente (p <0,01), à diminuição da freqüência de aborto precoce
recorrente (p < 0,001), a tendência à intolerância à gravidez (p <0,001) e a patologia
perinatal, bem como o aumento do número de crianças saudáveis ao nascer (p <0,001).

Formas de Aplicação

• Maior autohemoterpia.
• Insuflação rectal.
• Infusões intravenosas de solução fisiológica ozonizada.

Pauta terapéutica

Infusão diária por gotejamento de 400 ml de solução com uma concentração de


ozônio de 400-800 μg / l na mistura de ozônio e oxigênio na saída do ozonizador, durante
5 dias, ou insuflação rectal diária, durante 15 dias.

Se houver infecções urogenitárias, a vagina é higienizada com água bidestilada e o


canal cervical é tratado por insuflação da vagina com uma mistura de ozônio e oxigênio (7-
10 sessões) com uma concentração de 10-20 μg / ml.
Observações

Ao prescrever a terapia com ozônio, deve-se lembrar que seu uso está contra-
indicado quando há hemorragias genitais de qualquer intensidade e que só pode ser
iniciado após a cessação definitiva.

A terapia com ozônio pode ser aplicada em situações de aborto ameaçado, mas não
no início do mesmo, uma vez que a ação hipocoagulante do ozônio na presença de uma
hemorragia causada pelo desprendimento parcial da placenta pode aumentar a perda de
sangue.

A terapia com ozônio é mais eficaz no final do segundo trimestre da gravidez ou no


início do terceiro. Preparados antioxidantes, incluindo vitaminas e métodos de correção
imunológica, podem ser excluídos.

Capítulo 11. Terapia de ozônio em ginecologia e obstetrícia • 165

Bovin (2003) observou que a terapia de ozônio produziu uma melhora na circulação
fetal-placentária de guia de sangue em pacientes grávidas com aborto ameaçado.

A inclusão da terapia de ozônio no tratamento múltiplo para as mulheres


imediatamente após a ameaça do aborto possibilitou reduzir as complicações purulentas-
sépticas imediatamente após o aborto e mais tarde, bem como para restabelecer mais
rapidamente a saúde reprodutiva de esses pacientes (Boiko et al., 2003).

Ivanov e Luchkov (2004) aplicaram terapia de ozônio a dois grupos de mulheres


com infecções do trato genital inferior e aborto ameaçado. A partir da 16ª semana de
gestação, o grupo basal (60 pacientes) foi tratado com ozônio e o grupo controle (40
pacientes) recebeu o tratamento convencional. Sem considerar a ameaça do aborto, as
complicações foram a insuficiência fetoplacentária, hipoxia fetal intra-uterina, hiperemese,
anemia e gestosis.

Como resultado da aplicação da terapia com ozônio, observou-se a normalização da


microbiocenosis vaginal no grupo basal, e a insuficiência fetoplacentária diminuiu de 45%
para 27%. A freqüência de partos prematuros diminuiu de 15% para 3%. No grupo basal
houve um menor número de complicações no parto. A ruptura de águas prematuras foi
observada em 70% dos casos no grupo controle e em 2% dos casos no grupo basal. Neste
último grupo, quase não houve casos de crianças com baixo peso ao 11.2.2. Obesidade da
gravidez

A obesidade é um fator de risco importante para o aparecimento de complicações


durante a gravidez, parto e período puerperal, que está relacionada a alterações nas funções
de diferentes órgãos e sistemas.

Kachalina et al. (1998) analisaram os dados de um centro perinatal e observaram


que em pacientes com excesso de massa corporal, a gravidez ocorre com complicações em
82,5% dos casos, gestosis tardia aparece em 74% e a ameaça de parto pré-maturo é
detectado em uma em cada duas mulheres. Além disso, o curso da gravidez é
freqüentemente complicado pelo aparecimento de hipoxia fetal intra-uterina e gestação
pós-termo. Em 70% dos pacientes obesos, há fraqueza no trabalho de trabalho,
traumatismos, distúrbios na sujeição e na separação da placenta, além de hemorragias
hipo-tônicas. Essas complicações são determinadas pelas mudanças na troca de lipídios, o
reforço dos processos da OLP, a tendência à hipocoagulação e as mudanças na
microcirculação.

Com base na avaliação complexa de 118 gestantes, esses mesmos autores


(Kachalina et al., 2003) demonstraram que a aplicação da ozonoterapia a 71 delas, na
forma de administração intravenosa de 400 ml de solução fisiológica ozonizada com uma
concentração de ozônio de 400 μg / l durante 5 dias, produziu a diminuição dos
indicadores de OLP no sangue e o aumento da atividade das enzimas do DAO. Observou-
se uma diminuição nas concentrações de colesterol, β-lipoproteínas e triglicerídeos e a
normalização dos indicadores de coagulação e fibrinogênio. Uma melhora no fluxo
sanguíneo uteroplacentário também foi detectada. Como resultado, a dinâmica foi
registrada

166 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

positivo do curso da gravidez e do parto, o que se manifestou na diminuição da


freqüência de aparência de gestosis, partos prematuros, gravidez pós-termo, fraqueza no
parto e complicações no mesmo.

Formas de aplicação

Infusão intravenosa de solução fisiológica ozonizada.

Cronograma terapêutico

Infusões diárias por gota de 400 ml de solução, com uma concentração de ozônio de
400 μg / l na mistura à saída do ozonizador, durante 5 dias.

11.2.3. Gestosis

A gestosis ou toxicosis tardia em mulheres grávidas é uma síndrome de insuficiência


funcional de vários órgãos, cujos sintomas fundamentais, edema, proteinúria e hipertensão,
são resumidas pela abreviatura EPH. A gestosis é produzida pela falta de correspondência
entre as possibilidades adaptativas do organismo da mãe para fornecer adequadamente as
necessidades do feto em desenvolvimento e é desenvolvida pela alteração da capacidade de
perfusão e difusão da placenta.

Uma das principais hipóteses sobre o aparecimento de gestosis é a imunológica, ou


seja, a hiper-reação da mãe antes dos antígenos do feto que são incorporados na corrente
sanguínea. A formação e deposição de complexos autoimunes na placenta e nos rins
produzem espasmos vasculares e a hipertensão se desenvolve. O espasmo vascular e a
hipertensão permitem o aparecimento de isquemia tecidual, hipoxia e acumulação de
mucosacarídeos, reforço da permeabilidade das paredes capilares, passagem de proteínas
aos tecidos, distúrbios na pressão osmótica e aparência de edema. Tudo isso causa lesões
nos órgãos vitais (rins, fígado e cérebro) e leva, em casos graves, ao aparecimento de
convulsões, coma e hemorragias intracerebrais.

Na gestosis, o fluxo sanguíneo uteroplacentário piora progressivamente, e aparenta


isquemia e acidose metabólica, que por sua vez causa hipoxia intra-uterina, o que leva à
hipotrofia, ameaça de aborto e até a morte do feto.

A aplicação da terapia de ozônio com concentrações terapêuticas mínimas de ozônio


a pacientes com gestosis permite o equilíbrio dinâmico da OLP e os processos que ocorrem
no sistema antioxidante, aumenta a capacidade de deformação de eritrócitos e melhora a
microcirculação e troca capilar. O regime de oxigênio e os processos de troca são
otimizados e o metabolismo dos tecidos é normalizado (Gre-chkanev, 2001, Nagornaia e
Mujtozhova, 2004).

Forma de aplicação

Infusões intravenosas de solução fisiológica ozonizada.

Capítulo 11. Terapia com ozônio em ginecologia e obstetrícia • 167

Cronograma terapêutico

Infusões diárias de gotejamento de 200 ml de solução fisiológica ozonizada, com


uma concentração de ozônio de 400-800 μg / l na mistura de ozônio e oxigênio na saída do
ozonador, durante 5 dias.

O tratamento é mais eficaz em casos de gestosis de severidade leve e moderada.

Observações

Para mais informações sobre as contra-indicações da ozonoterapia, o leitor é referido


na seção 11.2.1.

O uso de preparações com antioxidantes, desintoxicantes, substâncias para correção


imune, sedativos e substâncias com ação reológica pode ser suprimida ou diminuída.

11.2.4. Anemia em mulheres grávidas

O problema do tratamento da anemia ferropriva em mulheres grávidas é


extraordinariamente tópico, porque, em primeiro lugar, é observado em 50-80% desses
pacientes e, em segundo lugar, porque sua presença está relacionada à aparência de
patologias perinatais.

Em 30-70% dos pacientes com anemia ferropriva, ocorre insuficiência


fetoplacentária crônica, que é acompanhada por insuficiência tecidual e, em casos graves,
por hipoxia circulatória e níveis de glóbulos vermelhos, resultando em hipotrofia e prisão
de desenvolvimento fetal.

Os métodos disponíveis para o tratamento da anemia ferropriva e da insuficiência


fetal placentária nem sempre obtêm resultados positivos, podendo ocorrer complicações
devido a preparações farmacológicas, na forma de intolerância, reações alérgicas e
dispepsia.

As possibilidades oferecidas pela terapia de ozônio em termos de melhorar as


funções de transporte de oxigênio, o reforço da entrega de oxigênio aos tecidos, a
normalização dos processos da OLP e DAO e a estimulação das funções secretores das
proteínas do fígado determinam seu uso no tratamento múltiplo deste tipo de patologia.

Formulários de inscrição

Infusões intravenosas de solução fisiológica ozonizada.

Pauta terapéutica

No tratamento antianémico múltiplo, infusões intravenosas de 200 ml de solução


fisiológica ozonizada são feitas diariamente ou a cada dois dias, com um total de 5-7
sessões. São utilizadas baixas concentrações de ozônio: de 400 a 600 μg / l de ozônio na
mistura de ozônio e oxigênio na saída do ozonizador (Grechkanev, 1995, Grichenko et al.,
2003) até 1,4-2,4 μg / ml (Zadorozhnaia, 2004).

168 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

Zadorozhnaia e Sadovnichaia (2004) realizaram o estudo de 51 pacientes com


anemia ferropriva tratada com ozônio. No final do tratamento, o retorno da hemoglobina
aos níveis normais foi documentado em 82% dos casos, e também o aumento nos valores
de ferro plasmático de 12,8 mmol / L para 14,2 mmol / L. , em comparação com o grupo
controle, onde foram registrados melhores indicadores de eletrocardiografia fetal e da
composição ácido-base do sangue materno.

11.2.5. Insuficiência fetoplacentária

As mudanças nas condições de vida, o aumento dos fatores de estresse no ambiente


externo e o aumento das doenças extragenitárias (pielonefrite crônica, distonia
vasculovegetativa, hipertensão e obesidade) e doenças ginecológicas (principalmente
inflamatórios) causam distúrbios grávidas no sistema útero-placenta-fetal, com aparência
de insuficiência fetoplacentária crônica e doenças do feto na forma de hipoxia, hipotrofia e
distúrbios do desenvolvimento.
No entanto, na natureza multifatorial do desenvolvimento da insuficiência
fetoplantária, a alteração do fluxo sanguíneo uteroplacentário é determinante, com
diminuição da chegada de alimentos e recursos energéticos, oxigênio, imunoglobulinas e
outras substâncias ao feto (Novgorodtsev et al. ., 2003).

A melhoria nas funções de transporte de oxigênio dos eritrócitos que acompanham a


terapia com ozônio, a normalização da homeostase do oxigênio, a eliminação dos processos
de acidose e o aumento dos hormônios placentários e fetais permitiram Zadoro-zhnaia
(2004) diminuem 1,4-2 vezes o número de complicações durante a gravidez em pacientes
com tuberculose e insuficiência fetoplacentária. O perfil biofísico do feto neste grupo foi de
7,5, em comparação com 7,8 no grupo controle, que recebeu o tratamento tradicional.

Formas de aplicação

Infusões intravenosas de solução fisiológica ozonizada.

Cronograma terapêutico

Kachalina et al. (2003) utilizaram infusões diárias de 200 ml de solução salina por 5-
7 dias, com baixas concentrações de ozônio (400 μg / l) na mistura de ozônio e oxigênio na
saída do ozonizador.
Zadorozhni (2004) usa a solução fisiológica ozonizada com uma concentração de
saturação de 3 μg / ml, administrando-a em dias alternados por 8 a 10 dias.

No estudo comparativo de dois grupos (um total de 57 pacientes) com insuficiência


placentária crônica, um dos quais (25 pacientes) recebeu terapia com ozônio no tratamento
múltiplo, Kachalina (2003) registrou em todos eles uma alteração da hemodinâmica. mica
no sistema uterus-placenta-fetus antes do início do tratamento. Após o regime de terapia de
ozônio, observou-se uma melhora no fluxo sanguíneo do sistema útero-placenta-fetal em
84% dos pacientes do grupo basal e somente em 62,5% dos pacientes no grupo controle.
No mesmo grupo basal, também foi observado um desenvolvimento intrauterino fetal

Capítulo 11. Terapia com ozônio em ginecologia e obstetrícia • 169

melhor Na análise dos eletrocardiogramas, uma melhora foi detectada em todos os


casos, exceto um, no grupo de linha de base, enquanto que no grupo de controle, as
dinâmicas positivas foram documentadas em apenas dois casos.

O curso da gravidez no grupo basal também foi caracterizado por melhores


indicadores: um efeito positivo foi alcançado no tratamento da gestosis, com uma
freqüência 1,7 vezes maior, sob a ação da terapia com ozônio; a freqüência de parto
prematuro foi 2,3 vezes menor, em comparação com o grupo controle, e a freqüência de
cesariana foi 2 vezes menor no grupo basal.

A massa corporal dos recém-nascidos de pacientes tratados com ozônio foi, em


média, 220 g superior. A freqüência de distúrbios no desenvolvimento psicomotor e
neurológico nos primeiros 18 meses de vida de crianças nascidas no grupo controle foi 2
vezes maior.

11.2.6. Infecção intra-uterina

Entre as causas da morbidade e mortalidade dos recém-nascidos, a infecção


intrauterina do feto ocupa um dos primeiros lugares. Entre as perdas perinatais, a
freqüência de infecção intrauterina fetal varia de 11% a 45%. As infecções urogenitais
ocupam um lugar especial no aparecimento de infecções intra-uterinas do feto. Em
consequência, a base do tratamento também é constituída por preparações antibacterianas,
principalmente antibióticos.

Se, mesmo fora da gravidez, a inclusão obrigatória no esquema terapêutico de


infecções intra-uterinas de doses suficientes de antibióticos e drogas de outros grupos pode
causar efeitos colaterais, na gravidez é necessário tomar todas as medidas cautelares para
minimizar o fardo de drogas, devido aos efeitos nocivos sobre o feto.

A capacidade da terapia de ozônio para melhorar a ação das drogas, melhorando as


propriedades reológicas do sangue e microcirculação, otimizando os processos de OLP e
DAO e produzindo formas ativas de oxigênio permite, até certo ponto, resolver a problema
de tratamento com a prescrição das doses mínimas possíveis de drogas.

No exemplo do tratamento da infecção por clamídia urogenital, observa-se que as


preparações antibacterianas estão ligadas dentro da célula às organelas e às proteínas
citoplasmáticas. Sob a ação da terapia de ozônio, os antibióticos fixos são transferidos para
a forma ativa, o que aumenta a eficácia de sua ação. No contexto da terapia com ozônio, a
uretra e o canal cervical foram observados em preparações separadas da vagina, o aumento
da concentração de antibióticos em 1,3-1,5 vezes e a preservação prolongada das
concentrações ativas em eles.

Tudo o que precede confirma a hipótese sobre a ativação das formas unidas de
antibióticos pela ação dos ozonidos. De acordo com as recomendações metodológicas
sobre a aplicação de ozônio para fins medicinais no tratamento de patologias obstétricas
(2001), o tratamento e profilaxia de mulheres grávidas pertencentes a grupos em risco de
sofrer uma infecção intra-uterina devem ser realizados. no segundo trimestre da gravidez.

170 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

Formulários de inscrição

Infusões intravenosas de solução fisiológica ozonizada.

Pauta terapéutica

Infusões diárias de gotejamento de 200 ml de solução fisiológica ozonizada com


uma concentração de ozônio de 800 μg / l na mistura de ozônio e oxigênio, durante 3-5
dias, no contexto de um tratamento antibacteriano.
Após a conclusão do tratamento múltiplo que inclui a aplicação de ozo-noterapia: em
71,4% dos casos de gestantes com infestação intrauterina do feto, observou-se a
normalização dos indicadores da OLP e DAO; em 42,9%, a ativação da fagocitose foi
detectada. Em 78,5% das mulheres grávidas com distúrbios do fluxo sanguíneo
uteroplacentário, foi detectada uma tendência para a melhora dos dados de ultra-som
Doppler (Kachalina et al., 1998).

De acordo com os resultados de Nikolaenko et al. (2003), a inclusão de infusões de


solução fisiológica ozonizada no tratamento múltiplo diminui o risco de infestação
intrauterina do feto em pacientes grávidas com pielonefrite em 19,2%.

Observações

É possível excluir a aplicação de meios de correção imune e antioxidantes.


Capítulo 12
Terapia com o
ozônio
em neurologia

12. 1. Formas crônicas de insuficiência cerebrovascular (encefalopatia por distúrbios


circulatórios)

A encefalopatia devido a distúrbios circulatórios é uma doença caracterizada


por alterações no fluxo sanguíneo cerebral, que progridem lentamente e causam
mudanças estruturais difusas, que aumentam progressivamente, produzindo
alterações nas funções cerebrais.

O fator etiológico fundamental é a aterosclerose ou a combinação desta com


hipertensão. O quadro clínico da encefalopatia por distúrbios circulatórios é
determinado pelo grau de manifestação e pela disseminação de mudanças estruturais.
Com base no grau de expressão das manifestações clínicas, são descritos três estágios
de encefalopatia decorrentes de distúrbios circulatórios.

O primeiro estágio é caracterizado por dor de cabeça, sensação de peso e


percepção de ruído na cabeça e ouvidos, labilidade emocional, irritabilidade,
alterações na atenção, memória e sono e tonturas. No estudo neurológico, não é raro
detectar manifestações objetivas da doença, como sintomas de automatismo oral,
alguma falência do nervo craniano e astenia.
No segundo estágio, há um aumento nos transtornos emocionais, volitivos,
ósseos e psíquicos. O aparecimento de sintomas cerebelares, piramidais

172 Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

extrapiramidais e vegeotróficos. A adaptação social e laboral é significativamente


diminuída.

Na terceira etapa, e no contexto de uma diminuição das queixas do paciente devido à


falta de autocrítica sobre seu próprio estado, observam-se distúrbios neurológicos
significativos: intelectual, psíquico, piramidal, atáxico, incoordinação, pelvics e
combinações deles. Nos pacientes que estão nesta terceira fase, o desajuste social e
existencial é característico, sendo incapaz de trabalhar.

A indicação básica para o uso da terapia com ozônio em pacientes com encefalopatia
devido a distúrbios circulatórios é o fornecimento insuficiente de oxigênio ao cérebro ea
insuficiente assimilação do oxigênio por esse órgão.

No tecido cerebral, abundam lipídios insaturados, que são os substratos


fundamentais da OLP. A liberação excessiva de ácidos graxos poliinsaturados na isquemia
permite que as reações da OLP ocorram em um nível alto, o que causa um efeito não-cativo
na membrana neuronal e no neurônio como um todo (Gustov et al., 1999) . Em doses
adequadas, o ozônio não só não estimula a OLP, mas também conduz à ativação do sistema
DAO, em particular a ativação enzimática, sob a forma de aumento da atividade da
superóxido dismutase e catalases, e também da glutationa , o que possibilita a diminuição
das reações de radicais livres da OLP e previne a aparência de afecções isquêmicas de
tecido.

De acordo com os dados de Smirnov (1996), Potejina (1998), Struchkov et al.


(2005), como resultado da aplicação da terapia de ozônio em um grupo de pacientes,
observou-se melhora do humor na forma de aumento da atividade, "influxo de forças",
diminuição da fadiga, melhoria da memória e atenção e diminuição da intensidade das
dores de cabeça e do ruído na cabeça e nos ouvidos. A melhoria do estado neurológico foi
documentada através dos indicadores funcionais da hemodinâmica cerebral.

Formulários de inscrição

• Insuflações rectais com uma mistura de ozônio e oxigênio.


• Auto-hemoterapia principal.
• Infusões intravenosas de uma solução fisiológica ozonizada.

Cronograma terapêutico

A terapia com ozônio é realizada de forma independente ou junto com


medicamentos, sob a forma de infusões intravenosas de solução fisiológica ozonizada ou
insuflações rectais com uma mistura de ozônio e oxigênio ou auto-hemoterapia principal.
As duas primeiras formas são aplicadas diariamente ou em dias alternados, num total de 8-
10 sessões. A auto-hemoterapia principal é realizada em dias alternados ou duas vezes por
semana, num total de 6-8 sessões.

Como exemplo, na Tabela 12-1 apresentamos os dados do tratamento administrado a


61 pacientes com encefalopatia, que demonstram a grande eficácia da terapia com ozônio.

Maksimov et al. (1998) administraram terapia de ozônio a 49 pacientes com doença


cerebrovascular. Sob a influência deste tratamento, além da diminuição das manifestações
clínicas da doença, observou-se uma melhora nos indicadores-
Capítulo 12. Ozonoterapia en neurología • 173

Tabla 12-1. Resultados da aplicação da terapia de ozônio a pacientes com


encefalopatia por distúrbios circulatórios.

Número Resultados do tratamento


Estádio da gravidade
de pacientes Não
Bons Aceitáveis satisfatorios

1er estadio 30 26 2 2

2º estadio 26 16 5 5

3er estadio 5 5 - -

Resultados do tratamento (%) 78 11 11

de sangue, sob a forma de diminuição do índice de protrombina e prolongamento dos


tempos de coagulação sanguínea. De acordo com os resultados da eletroencefalografia,
54% dos pacientes apresentaram melhora na forma de restauração do ritmo alfa e
desaceleração da onda lenta do ritmo delta. De acordo com os dados do reoencefalograma,
foi documentada uma melhora da circulação sanguínea cerebral. A aplicação da terapia
com ozônio realizada por Aleksandrov et al. (2004) para 30 pacientes com formas iniciais
de encefalopatia devido a distúrbios circulatórios combinados com doença cardíaca
isquêmica, avaliam sua influência positiva sobre os indicadores clínicos e bioquímicos.
Isso se manifestou com a diminuição ou desaparecimento da maioria dos sintomas (dor de
cabeça, labilidade emocional, distúrbios do sono e cardialgia), melhora no motor, áreas
sensíveis e reflexas e otimização do sistema cardiovascular. Observou-se uma dinâmica
positiva dos indicadores de troca de lipídios: diminuição das concentrações de colesterol
em 5,7% e triglicerídeos em 9,8%; em 68% dos pacientes, as mudanças positivas no
coagulograma foram documentadas.

Aplicando terapia com ozônio, Gómez Moraleda (1995) obteve resultados positivos
em 83% dos casos em pacientes com doenças involutivas do sistema nervoso central e em
60% dos casos em pacientes com encefalopatia por distúrbios circulatórios.
No trabalho de Rodríguez et al. (1997) documentaram a obtenção de mais de 80%
de resultados positivos com a terapia com ozônio retal em casos de doença cerebrovascular
isquêmica. Estes mesmos autores valorizam positivamente a eficácia da terapia com
ozônio quando aplicada a pacientes com demência senil, principalmente de etiologia
vascular; Esta informação foi obtida com base nos dados dos testes clínicos e
psicométricos. Casas e cols. (1977) conseguiram melhorar a condição de pacientes
análogos em 70% dos casos após o tratamento com ozônio.

Dushkov et al. (2005) observaram a dinâmica positiva da análise morfológica do


soro sanguíneo em pacientes com insuficiência cerebrovascular crônica após ozo-
noterapia. A Figura 12-1 mostra os resultados da aplicação, sob a forma de infusões de
solução fisiológica ozonizada, a pacientes com encefalopatia por distúrbios circulatórios
do primeiro e segundo estágios (Nelaeva et al., 2004).
174 Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

B Sati Ins
ueno sfactorio atisfactorio
80,00%

64,30%

21,40%

14,30%
10,00% 10,00%

Episodio 1 Episodio 2

Figura 12-1. Eficácia da ozonoterapia em pacientes com encefalopatia circulatória.

Portanto, todos os itens acima mostram que as doenças que acompanham os


distúrbios da circulação sanguínea causados pela aterosclerose vascular cerebral são
tratadas com sucesso através da terapia de ozônio e oxigenoterapia, que atua em muitas
ligações patológicas fundamentais e abre novas abordagens e possibilidades para o
tratamento desta patologia.
12.2. Síndrome de distonia vegetativa

A síndrome da distonia vegetativa é determinada por patologias das estruturas


vegetativas, particularmente o complexo recluso límbico, que fornece a atividade integral.
Nessas condições, a "síndrome de desintegração" ocorre com diferentes manifestações
neuropsíquicas e somáticas, com sentimentos subjetivos de depressão.

Os fatores etiológicos da síndrome da distonia vegetativa são: seqüelas de um


trauma cranioencefálico fechado, causas constitucionais hereditárias, pressões psico-
emocionais, neurose e outros. Os sintomas clínicos são: dores de cabeça, crises
vegetativas, cardialgias e palpitações, distúrbios do sono e inquietação significativa.

De acordo com os resultados de Kotov (2000), a terapia de ozônio permite otimizar


a atividade integradora das estruturas determinantes (em primeiro lugar, do complexo
lítico-reticular), corrige os links funcionais e elimina as premissas para a aparência do
"syn"

Capítulo 12. Terapia de ozônio em neurologia • 175

drome da desintegração ». Tem propriedades de modulação vegetativa e exerce uma


ação positiva em sintomas clínicos, tanto em pacientes com tom vegetativo instável quanto
naqueles em que predominam o tom de uma ou outra seção do sistema nervoso vegetativo.

Formas de aplicação

• Auto-hemoterapia principal.
• Insuflação rectal.
• Infusão intravenosa de solução fisiológica ozonizada ou insuflação rectal de uma
mistura de ozônio e oxigênio, ou auto-hemoterapia principal.
• Administração subcutânea de uma mistura de ozônio e oxigênio em locais
biologicamente ativos.

Cronograma terapêutico

A terapia com ozônio pode ser aplicada independentemente ou em combinação com


medicamentos.

• A infusão intravenosa de uma solução fisiológica ozonizada ou insuflação rectal de


uma mistura de ozônio e oxigênio é feita diariamente nos primeiros três dias e depois em
dias alternados, no total de 8-10 sessões. A maior auto-hemoterapia é realizada duas vezes
por semana, num total de 6-8 sessões.
• A administração subcutânea de uma mistura de ozônio e oxigênio em locais
biologicamente ativos é feita em um dia com os procedimentos de ação geral.

De acordo com os resultados de Brezitski et al. (2003), a partir dos primeiros


infusões de fisiológica ozonizada assim lução foi observada em pacientes melhorou estado,
que cessaram ou diminuíram as dores de cabeça e cardialgias significativamente, diminuiu
a frequência e o grau de manifestação da crise vegetativo, e melhorou Estado de ânimo. As
sensações subjetivas antes da administração da solução fisiológica ozonizada foram
manifestadas por uma leve sonolência e pela sensação de "frescor e refresco" na cabeça e
de "leveza" em todo o corpo.

No trabalho de Shvarkov e Kuzmina (2007), a influência corretiva da terapia de


ozônio no sistema nervoso vegetativo é demonstrada de acordo com o estudo da
variabilidade do ritmo cardíaco em diferentes patologias neurológicas.

12.3. Manifestações neurológicas de osteocondrose da espinha

As propriedades analgésicas de ozono são utilizados com êxito em doentes com


síndrome de origem vertebral dolorosa, que está relacionada com a oxidação imediata de
péptidos algogênicas, eliminando isquemia raiz nervosa e bloqueando

176 Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

síntese de prostaglandinas. Além de tudo isso, a ação imediata do ozônio diminui o edema
dos tecidos circundantes, melhora o metabolismo e ativa funções tróficas, diminui a
quantidade de compostos não totalmente oxidados e eleva o limiar de excitação dos
receptores da dor. A administração subcutânea de uma mistura de ozônio e oxigênio nas
áreas que provocam dor, juntamente com auto-hemoterapia menor, infusões intravenosas
de solução fisiológica ozonizada e insuflações rectais de uma mistura de ozônio e oxigênio
garantem resultados positivos de tratamento no A maioria dos pacientes com osteocondrose
em diferentes seções da coluna vertebral.

Formas de Aplicação

• Insuflação retal de uma mistura de ozônio e oxigênio.


• Auto-hemoterapia menor.
• Infusão intravenosa de uma solução fisiológica ozonizada.
• Administração paravertebral de uma mistura de ozônio e oxigênio.
• Administração de uma mistura de ozônio e oxigênio em pontos de gatilho ou
"gatilho".
• Administração subcutânea de uma mistura de ozônio e oxigênio em locais
biologicamente ativos.

Cronograma terapêutico

Isso é feito alternando dois tratamentos múltiplos.

• Auto-hemoterapia menor ou infusão intravenosa de solução fisiológica ozonizada


ou insuflação retal da mistura ozono-oxigênio são combinados (em um dia) com a
administração subcutânea da mistura de ozônio e oxigênio de acordo com a linha de bordas
apophyseal e de acordo com os pontos paravertebrais. Nos pontos mais dolorosos com
palpação, é realizada a administração subcutânea da mistura de ozônio e oxigênio (um
volume de 5-10 ml, com uma profundidade de 3-6 cm).
• Os procedimentos mínimos de auto-hemoterapia são realizados duas vezes por
semana, juntamente com a administração subcutânea de uma mistura de ozônio e oxigênio
em pontos de acupuntura biologicamente ativos (V19-V28, V40, V57, V60, VB0, VG4,
E32). , E44, R9, F9), com um volume de 1-2 ml e uma profundidade de 1-1,5 cm; O total
de sessões é de 10 a 12.

«Aplicação subcutânea: a concentração de ozônio utilizada é de 5 μg / ml a 10 μg /


ml e volumes de 1-2 ml aplicados com agulha 30 G. É um tratamento eficaz da dor
neuropática» (Declaração de Madri, junho 2010). Protocolo publicado no site AEPROMO
(www.aepromo.org).

As seguintes técnicas podem ser combinadas.

Capítulo 12. Ozonoterapia en neurología • 177

Auto-hemoterapia principal em 150 ml de sangue

Semana de Concentracão de O3 Volume de O3 Dose


tratamento
(µg/ml) (ml) (mg)

Primeira 15 125 1,9

Segunda 20 125 2,5

Terceira 25 110 2,7

Quarta 30 110 3,3

Quinta 35 110 3,8

Se completarán 15 sesiones.

Autohemoterapia menor em 5 ml de sangue

Semana de Concentraão de O3 Volume de O3 Dose


tratamento
(µg/ml) (ml) (mg)

Primeira 15 5 0,075

Segunda 20 5 0,10

Terceira 25 5 0,125

Quarta 30 5 0,15

Quinta 40 5 0,2

Se completarán 15 sesiones.
Vía retal

Semana de Concentração de O3 Volume de O3 Dose


tratamento
(µg/ml) (ml) (mg)

Primeira 15 100 1,5

Segunda 30 120 3,6

Terceira 35 150 5,2

Quarta 40 200 8,0

Freqüência diária; 20 sessões serão concluídas e o ciclo será repetido a cada 3 meses.

Yastrebov et al. (2003) realizaram um estudo comparativo de dois grupos de


pacientes com dor lombar. O tratamento dos pacientes no grupo basal consistiu em sessões
de auto-hemoterapia menor com sangue ozonizado e injeções paravertebradas subcutâneas
de uma mistura de ozônio e oxigênio. Nos pacientes do grupo controle, a auto-hemoterapia
menor

178 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

foi realizada com sangue sem ozônio e foram administrados oxigênio puro através da
via paravertebral. No final do tratamento, um bom efeito terapêutico foi documentado em
59% dos pacientes do grupo basal e em 37% dos pacientes no grupo controle. Nos
pacientes do grupo basal, observou-se uma regressão mais clara da síndrome da dor, de
acordo com os dados da escala visual-analógica (VES) e um alto grau de movimento na
seção lombar da coluna vertebral. De acordo com os resultados dos estudos realizados por
radiotermometria e pela visualização do calor, um aumento significativo na profundidade
da temperatura nos pontos paravertebrais foi documentado do lado da dor e uma
diminuição na assimetria térmica.

Buriak et al. (2003) obtiveram um bom efeito terapêutico com a administração


intravenosa de solução fisiológica ozonizada e injeções subcutâneas paravertebricas de uma
mistura de ozônio e oxigênio em 56% dos pacientes com osteocondrose. Em 6% dos casos,
a dinâmica positiva na síndrome da dor foi registrada após a primeira sessão. Nessas
condições, as mudanças positivas na CEE, PEG e GVG foram documentadas.

Utilizando insuflações rectais (200 ml, concentração de 20-40 μg / ml) combinadas


com antiinflamatórios não esteróides, Stoianov et al. (2004) documentado, no primeiro dia
de tratamento, cessação de manifestações neurais (36%) e viscerais (44%) em pacientes
com osteocondrose da região sacrolumbar da coluna vertebral. Em 88% dos casos, os focos
de dor vegetativa crônica desapareceram.

Nas obras de Ershova et al. (2005) e Yakovlev e Andreev (2007), documentaram a


eliminação da dor dorsal na metade dos casos e aumentaram o grau de movimento na
região afetada da coluna vertebral em 46-49% dos casos com o uso da terapia ozônio-local.
Aqui, os últimos autores usaram injeções paraberraisas subcutâneas, não apenas com uma
mistura de ozônio e oxigênio, mas também com sangue ozonizado.

12.4. Enxaqueca, dor de cabeça

A influência positiva da terapia com ozônio é observada na cefaléia vascular: a mi-


graña, dor de cabeça tipo tensão, cefaléia cervical de origem vertebral, também chamada
síndrome da artéria dorsal e enxaqueca cervical. De acordo com a classificação
fisiopatológico Shtok (1987), o mecanismo de produção destas dores de cabeça é espasmos
ou dila-tações arterial, tom vaso insuficiente e desordens nas propriedades reológicas do
sangue, diminuição da velocidade de circulação do sangue , excesso de suprimento
sanguíneo intracraniano e hipoxia.

terapia de ozono produz uma acção positiva sobre a maior parte dessas ligações pato-
gene por normalização do tónus vascular, a melhoria da microcirculação e reologia do
sangue, a eliminação de hipoxia em relação à saturação do sangue com oxigénio e um
melhor contributo para os tecidos cerebrais.

Formulários de inscrição

• Insuflações rectais de uma mistura de ozônio e oxigênio.


• Auto-hemoterapia menor.
• Auto-hemoterapia principal.
• Infusão intravenosa de solução fisiológica ozonizada.

Capítulo 12. Terapia de ozônio em neurologia • 179

• Administração subcutânea de uma mistura de ozônio e oxigênio nos pontos "gati-


llo" e nos pontos biologicamente ativos da região cervical.

Cronograma terapêutico

O tratamento é múltiplo. A infusão intravenosa de solução fisiológica ozonizada ou


insuflações rectais da mistura de ozônio e oxigênio são realizadas diariamente ou a cada
dois dias, num total de 8-10 sessões. Autohemoterapia menor é realizada duas vezes por
semana, num total de 3-4 sessões.

A infusão intravenosa de uma solução fisiológica ozonizada, insuflações rectais de


uma mistura de ozônio e oxigênio e auto-hemoterapia menor pode ser substituída pela
auto-hemoterapia principal, 2-3 vezes por semana, no total de 8-10 sessões.

As injeções subcutâneas da mistura de ozônio e oxigênio são feitas nos pontos


"desencadeantes" e nos pontos biologicamente ativos da área cervical. Eles são aplicados
em conjunto com procedimentos de ação geral ao longo do tratamento.

Mochalov e Kotov (2000) estudaram a eficácia da terapia com ozônio no tratamento


múltiplo de 132 pacientes com diferentes dores de cabeça. No grupo de controle, o
oxigênio puro foi administrado localmente e a auto-hemoterapia menor foi realizada com
sangue não ozonizado.

No final do regime com infusões intravenosas de solução fisiológica ozonizada em


40 pacientes com enxaqueca, um bom resultado terapêutico foi alcançado em 83% dos
casos. A intensidade das dores de cabeça, de acordo com uma escala analógica visual,
diminuiu de 6-8 para 3-3,5 pontos. A melhora dos indicadores de ultra-som Doppler
transcraniano foi observada, devido à diminuição da assimetria na velocidade da corrente
sanguínea principal em 15-20%, o que não foi documentado no grupo de comparação.

Após a alta hospitalar e durante o seguimento de 3 meses, a recuperação de dores de


cabeça não foi detectada em 62% dos pacientes no grupo basal, enquanto que no grupo de
comparação observou-se a recorrência de dores de cabeça. em 92% dos casos.

Em pacientes com dor de cabeça tipo tensão, os resultados após a aplicação do


regime de terapia com ozônio foram avaliados como bons em 73% dos casos. No final do
tratamento, a intensidade da síndrome da dor, de acordo com uma escala analógica visual,
diminuiu de 5,4 para 3,8 pontos; o nível de depressão de acordo com a escala Bek
diminuiu de 52,7 para 43,1 pontos e a otimização da atividade do sistema cardiovascular
foi observada, de acordo com os dados da ecocardiografia.

Em 69% dos casos, obteve-se um bom efeito no tratamento de pacientes com


cefaléia cervical de origem vertebral, que foi confirmada por estudo de eletro-miografia e
eletroneuromiografia, o que confirmou a melhoria do funcionamento dos segmentos
afetados da a medula espinhal e as raízes do nervo cefalorraquidiano.

12. Mononeuropatias e polineuropatias isquêmicas e de compressão

As neuropatias isquêmicas e de compressão são doenças causadas por condições


locais, compressão ou isquemia das vias nervosas. A irritação e a compressão das vias
nervosas estão associadas ao estreitamento hereditário ou adquirido dos vasos nervosos-

180 Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

Eles são naturais, devido a doenças do tecido conjuntivo, distúrbios cambiais,


traumatismos, osteoartrite vascular, inflamações do trato nervoso, estresse excessivo no
trabalho e outras condições. As síndromes de compressão são mais freqüentes nas mulheres
de 45-55 anos de idade.

A aparência dos sintomas clínicos é determinada pela patologia da condutividade dos


filamentos do nervo e manifesta com diferentes graus de parestesia e dor dos segmentos
distal das mãos (pulso) e também com o agravamento da sensibilidade na zona de
inervação do nervo afetado. Essas manifestações são determinadas por distúrbios na
circulação do sangue e pela compressão dos nervos no canal. O tecido nervoso é muito
sensível à hipóxia, e sua aparência diminui a energia da fibrilo nervosa devido à desordem
na formação de ATP, que piora a condutividade do nervo e é a causa fundamental da
parestesia e sensações de dor.
A terapia com o ozônio, que não elimina as causas fundamentais da compressão do
sistema nervoso, estimula a restauração das funções do nervo afetado, melhorando as
propriedades reológicas e a microcirculação sanguínea, diminuindo a hipoxia e ativando a
troca de oxigênio no tecido nervoso isquêmico, para o qual os processos aeróbicos são
característicos.

Formas de Aplicação

• Infusões intravenosas de uma solução fisiológica ozonizada.


• Insuflações rectais de uma mistura de ozônio e oxigênio.
• Auto-hemoterapia principal.
• Administração subcutânea paravertebral de uma mistura de ozônio e oxigênio.

Cronograma terapêutico

Uma das formas de ação geral do ozônio é usada, em um total de 8 a 10 sessões.


Infusões intravenosas de solução fisiológica ozonizada são realizadas diariamente ou em
dias alternados. As insuflações rectais são realizadas de acordo com o mesmo esquema e a
auto-hemoterapia maior é realizada em dias alternados. A administração subcutânea
paravertebral da mistura de ozônio e oxigênio é aplicada nas regiões cervical e torácica da
coluna vertebral, enquanto os procedimentos de ação geral são realizados.

Potejina (1997) obteve resultados positivos com a aplicação da terapia com ozônio
em 95% dos casos, sob a forma de diminuição significativa nas parestesias e aumento da
sensibilidade na área de inervação do nervo afetado. A melhoria começou após 3-6 sessões
e manteve-se por uma média de 7 meses.

A melhoria das funções dos nervos periféricos foi confirmada por estudos
eletroneuromiográficos, que detectaram um aumento na velocidade de reação do impulso
através dos filamentos nervosos sensíveis, em 6,4% dos casos e um aumento de a
amplitude do motor e os potenciais sensoriais em 59,8% e 56,3%, respectivamente.

A dinâmica positiva da circulação do sangue periférico foi registrada pelos dados de


reovasografia (duplicação de saturação de sangue pulsátil) e estudos térmicos visuais (84%
de resultados positivos).

Capítulo 12. Ozonoterapia en neurología • 181

12 6. Distúrbios da circulação sanguínea cerebral devido a infartos cerebrais isquêmicos

O infarto cerebral é a forma mais grave de doença isquêmica cerebral. Na Rússia, a


morbidade e mortalidade desta condição estão entre as mais altas do mundo, registrando
mais de 400.000 infartos cerebrais todos os anos neste país, entre os quais a maioria
isquêmica (75-80%). De acordo com os dados de diferentes autores, durante o primeiro
mês entre 15% e 30% dos pacientes com AVC isquêmico morrem, deixando cerca de
200.000 a 300.000 pacientes vivos. Esta é a razão pela qual na Rússia há mais de um
milhão de pacientes convalescentes com infarto cerebral.

Tratamento e reabilitação de pacientes que sofrem um acidente vascular cerebral é


um problema médico e social, tendo, neste caso, grande importância não só corrigir os
efeitos da doença, mas também a prevenção da recorrência de AVC.

Os distúrbios do metabolismo energético e a diminuição considerável dos conteúdos


de compostos macroenergéticos são fatores determinantes nas mudanças que ocorrem nos
neurônios no infarto cerebral. A ação de otimização do ozônio na função de transporte de
oxigênio do sangue, o aumento do uso de oxigênio pelas células cerebrais devido à
ativação da glicólise, ao ciclo de Krebs e à oxidação β dos ácidos graxos eles formam a
base da aplicação da terapia com ozônio em pacientes com infarto cerebral (Gustov et al.,
1999).

Formas de Aplicação

• Auto-hemoterapia principal.
• Infusões intravenosas de uma solução fisiológica ozonizada ou insuflações de linha
reta de uma mistura de ozônio e oxigênio.

Cronograma terapêutico

Ao mesmo tempo em que é aplicado o tratamento padrão de restauração, é utilizada


uma das formas de aplicação da terapia com ozônio.

Os primeiros 3-4 infusões intravenosas de solução salina ou ozonizada ozono


mistura rectal insuflacio-nes e oxigénio são feitas diariamente, o seguinte aplica 3-4 em
dias alternados e, em seguida, duas vezes por semana, numa total de 10 a 12 sessões.

As primeiras três sessões de auto-hemoterapia principais são realizadas em dias


alternados, e a próxima, duas vezes por semana; O total de sessões é 8-9.

Observações

A terapia com ozônio está contra-indicada em infartos cerebrais hemorrágicos ou


mistos. Se não houver certeza quanto ao diagnóstico de infarto isquêmico cerebral, esse
tratamento não pode ser aplicado.

Um estudo foi realizado sobre os resultados do tratamento em dois grupos de


pacientes com infarto cerebral isquêmico cuja idade variou de 5 dias a 11 meses. Os
pacientes do grupo basal receberam, além do tratamento usual, a terapia com ozônio na
forma
182 Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

de administração intravenosa de uma solução fisiológica ozonizada. No grupo de


controle, o esquema análogo usual foi combinado, como um "placebo", com a
administração intravenosa da solução fisiológica usual.

Os resultados dos estudos mostraram que a aplicação da terapia de ozônio no


tratamento de restauração desses pacientes aumenta a eficácia das medidas de reabilitação
em 18-22%. Em pacientes com infarto cerebral isquêmico, mudanças positivas no sistema
de transporte de oxigênio do sangue (aumento de PO2 em 42%, imediatamente após a
infusão da solução fisiológica ozonizada e 26% após a regime de terapia de ozônio), o
sistema de coagulação (diminuição da capacidade de agregação plaquetária em 10-15%,
ativação da fibrinólise em 8-10%) e melhora no espectro lipídico (diminuição do colesterol
total em 10-12% e de β-lipoproteínas em 7-10% e diminuição no coeficiente de
aterogenicidade em 12-15%) permitiu obter resultados positivos no período agudo da
doença em 79% dos casos, e na fase de restauração em 69% (Gustov et al., 1999).

De acordo com as observações de Yakovleva et al. (2003, 2005), a eficácia


insuficiente de medidas de reabilitação em pacientes depois de sofrer um acidente vascular
cerebral isquêmico está relacionada com a presença de um endotoxicidade intenso,
condicionada pela reabsorção de toxinas do foco isquémico. A aplicação da terapia com
ozônio a 50 pacientes alcançou, no final do período de reabilitação, uma diminuição
significativa da endotoxemia. Se, no início do tratamento, o nível médio de CK-MB
(creatina quinase) fosse -32,3 u. e. para eritrócitos, -24.1 u. e. no plasma e -19,2 u. e. na
urina, que correspondeu a um nível de endotoxicose de segundo grau, no final do
tratamento esses indicadores foram respectivamente 29,1 u. e., 15.2 u. e., o que já foi
avaliado como en-dotoxicosis de primeiro grau. Essa dinâmica ocorreu no contexto de uma
melhora no estado neurológico e psicossomático dos pacientes, acompanhada de uma
normalização da troca de lipídios e fibrinogênio.

No trabalho de Vasilevskaia et al. (2007), os fundamentos para a aplicação da terapia


de ozônio no período após infarto cerebral são apontados, para a eliminação da depressão.
Capítulo 13
Terapia com
ozônio em
dermatologia
e
cosmetologia

13.1. Dermatología
Em pacientes com diferentes doenças inflamatórias da pele, a terapia com ozônio
permite eliminar a inflamação e melhorar os processos tróficos. Durante a observação de
um grupo de 495 pacientes que receberam tratamento com ozônio, o desaparecimento do
quadro clínico da dermatose ou melhora significativa em todos os pacientes com herpes foi
documentado, em 95% daqueles com pioderma, na 75% das pessoas afetadas pelo eczema,
em 66% das pessoas que sofrem de neurodermatite e em 60% dos pacientes com psoríase
(Krivatkin e Krivatinka, 1998).

Na dermatologia, praticamente todos os métodos existentes de ozonoterapia podem


ser utilizados, sendo fundamental os procedimentos de ação local, que podem ser
combinados com procedimentos de tratamento sistêmico.

Falkon et al. (1997) apresentam os resultados da aplicação local de óleo vegetal


ozonizado em diferentes doenças dermatológicas de origem viral, fúngica e não bacteriana
durante um período de nove anos. Em 600 pacientes com pioderma, a resolução do
problema foi observada em 60% dos casos. Entre 1.000 pacientes com doenças causadas
por fungos (dermatofitoses e onicomicoses), a recuperação foi alcançada em 91% dos
casos. Em 72% dos 300 pacientes com herpes simples, a recorrência da doença
desapareceu.
184 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

13. 1.1. Neurodermatite, eczema, dermatite atópica

Trata-se de doenças de origem multifatorial, geralmente de evolução crônica


persistente, que pioram consideravelmente a qualidade de vida dos pacientes devido à
presença de coceira intensa e constante, erupção cutânea e distúrbios do sono associados. A
inflamação cutânea da origem nervosa e alérgica é encontrada na base da doença, com a
participação de distúrbios na imunidade celular e humoral. Nestas condições, as alterações
aparecem nas seções central e vegetativa do sistema nervoso central, no sistema endócrino
e no trato digestivo.

Os procedimentos de ação local e ação geral de ozonoterapia são aplicados. Na


maioria dos pacientes, a terapia com ozônio consiste em um tratamento múltiplo com
desativadores, antiinflamatórios, adsorventes entéricos e pomadas.

Formas de Aplicação

• Infusões intravenosas de uma solução fisiológica ozonizada ou infusões de linha


reta com uma mistura de ozônio e oxigênio.
• Auto-hemoterapia menor.
• Óleo vegetal ozonizado.
• Gasificação de uma mistura gasosa de ozônio e oxigênio em uma bolsa de plástico.

• Revestimentos, fomentos e irrigações de secagem húmida com água desionizada


ozonizada.

Cronograma terapêutico

Infusões intravenosas de uma solução fisiológica ozonada ou insuflações rectais com


uma mistura de ozônio e oxigênio são realizadas a cada dois dias, num total de 8 a 10
sessões. A auto-hemoterapia menor é aplicada uma vez por semana, 8-10 sessões no total.

O óleo vegetal ozonizado é aplicado na superfície afetada por 20 minutos, 2-3 vezes
por dia, por um mês.

As ligaduras de secagem em piso molhado e fomentos com água desionizada


ozonizada (concentração de ozônio de 3-5 μg / ml) são colocadas durante 10-15 min, 2-3
vezes ao dia.

Se houver focos de afectação nas extremidades, a gaseificação é usada com fluxo de


uma mistura de ozônio e oxigênio em uma bolsa de plástico com uma concentração de
ozônio de 2-3 μg / ml, durante 15-20 minutos, o total é de 6-10 sessões em dias alternados.

De acordo com Kosheleva (2000), os procedimentos que produzem uma ação


metabólica geral (infusões intravenosas de solução ozonizada fisiológica e insuflações
rectais com uma mistura de ozônio e oxigênio) são particularmente efetivos em pacientes
com processos inflamatórios marcados, erupções cutâneas extensas e picadas intensas. . As
insuflações rectais da mistura de ozônio e oxigênio para injeções são preferidas, devido a
condições de pele, principalmente na região das veias ulnar, e também devido à freqüente
disbacteriose intestinal coincidente e outras doenças do aparelho digestivo.

Capítulo 13. Ozonoterapia en dermatología y cosmetología • 185

Os combustíveis fósseis com água desionizada ozonizada produzem bons resultados


em ecofriems supurantes. As aplicações do óleo vegetal ozonizado (4-5 vezes por dia)
conseguem um bom efeito em pacientes com dermatite atópica.

A terapia com ozônio é recomendada tanto para a gravidade quanto para fins
profiláticos 2-3 vezes por ano (Kosheleva et al., 2004).

Tverska et al. (2003) tratados com menos auto-hemoterapia para 18 pacientes com
derma-titis atópica na fase ambulatorial de reabilitação. Como resultado, o efeito clínico na
forma de desaparecimento da coceira, regressão da erupção e diminuição do índice
SCORAD em 92% dos pacientes foi documentado. Eles também detectaram o
desaparecimento do déficit de monócitos e neutrófilos sanguíneos, a restauração da
atividade fagocítica dos neutrófilos ea diminuição da quantidade de IgE.

Utilizando vários procedimentos de terapia de ozônio em 281 pacientes com


neurodermatite e 221 com eczema, Glavinskaia et al. (2003) documentaram resultados
positivos em 89,2% e 75% dos casos, respectivamente.

No tratamento do eczema, um resultado positivo foi registrado em 86,8% dos casos.


Do ponto de vista clínico, a cura total foi alcançada em 29,4% dos casos, e melhora
significativa (regressão de mais de 70% da erupção), em 57,4%. Neste caso, a melhoria de
sensações subjectivas, diminuiu como prurido, mal-estar geral e tensão da pele, foi
observada após a segunda ou terceira sessão de terapia de ozono (Kosheleva e Ivanov,
2000).

13.1.2. Acne

A acne é uma doença crônica, de várias etiologias, que afeta os folículos pilosos e as
glândulas sebáceas. Apesar meios eficazes disponíveis para o tratamento desta condição
nos últimos 10 anos tem visto um aumento na morbidade entre ambos os adolescentes e
adultos. A acne afeta quase 95% dos pacientes com menos de 25 anos e mais de 50% dos
idosos. Os homens são afetados com mais freqüência do que mulheres jovens. Além disso,
as formas persistentes da doença começaram a ser detectadas.

Após a resolução dos elementos da erupção, eles permanecem em seus locais


PADRÕES-tos estéticos estável: discromia, seudoatrofia e cicatrizes. Na patogénese da
acne, que são factores fundamentais aumento da produção sebácea pelas glândulas
sebáceas, perturbações na proliferação e diferenciação de queratinócitos e colonização
microbiana dos folículos capilares sebáceas.
As formas clínicas da acne são divididos em não-inflamatórias (comedões abertos e
são desligados, Milio) e inflamatórias (pápulas e pústulas superficiais, acne profunda,
confluentes endurecida, complicações com a formação de abscessos e instantânea
furúnculos, acne tipo quelóide e Scar .

A gravidade da doença é avaliada de acordo com a classificação proposta pela


Academia Americana de Dermatologia:

• 1º ano: presença de comedões e pápulas individuais.


• 2ª série: erupção cutânea e não significativa de pústulas.

186 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

• 3ª série: pápulas, pústulas e a presença de 3-5 nódulos


• 4º grau: reação inflamatória em camadas profundas da derme, com a formação de
numerosos nódulos e cistos.

Formas de Aplicação

• Infiltração intracutânea de uma mistura de ozônio e oxigênio.


• Óleo ozonizado para aplicação local.
• Auto-hemoterapia principal.
• Auto-hemoterapia menor.
• Infusão intravenosa de uma solução fisiológica ozonizada ou insuflação rectal de
uma mistura de ozônio e oxigênio.

Cronograma terapêutico

Na acne de primeiro ou segundo grau, são prescritas 6-8 sessões de insuflações


rectais de uma mistura de ozônio e oxigênio, 300-500 ml com uma concentração de 20 μg /
ml, juntamente com auto-hemoterapia menor. As sessões são realizadas em dias alternados.

Em acne de terceiro ou quarto grau, a auto-hemoterapia principal (dose de ozônio de


2-3 mg) é usada em 6-8 sessões duas vezes por semana.

Em todas as formas de acne, infiltrações intracutâneas ou lesões inflamatórias da


acne são feitas com uma mistura de ozônio e oxigênio, uma vez a cada 3-5 dias, com uma
concentração de ozônio de 4-5 μg / l e um total de sessões de 6-8. Em cada ponto, é
administrado 0,5-1,5 ml de gás; Antes da infiltração, a pele é tratada com loção
desinfectante.

O óleo ozonizado é aplicado na superfície afetada 1-2 vezes por dia, por cerca de 20
minutos em cada sessão e por um mês. O tratamento repetido será prescrito após 4-6
meses.
De acordo com Glavinskaia (2003), o tratamento da acne deve ser repetido várias
vezes e combinado com sessões de tratamentos dermatológicos e cosmetológicos
convencionais. Os melhores resultados foram obtidos nos casos de acne inflamatória aguda
e acne indutiva, onde o efeito positivo foi maior do que nas formas mais simples da doença.
As manifestações clínicas foram completamente eliminadas em 20% dos casos, e em 69%
uma melhora foi alcançada, enquanto em 11%, principalmente na acne na forma de
pápulas, nenhum efeito foi observado.

Após 1-2 sessões de terapia com ozônio, Tsariuk e Tsariuk (2004) já detectaram
melhora clínica: diminuição do edema, hiperemia, amolecimento de infiltrados e
morbidade. Após o tratamento de 29 pacientes com terapia de ozônio, em 8 deles as
manifestações da doença desapareceram completamente, 14 apresentaram melhora
significativa e 7 pacientes melhoraram.

13.1.3. Pioderema

A pioderma é uma doença purulenta causada por estafilococos e estreptococos, que


podem surgir tanto na pele sem alterações (pioderma primária) como no contexto de

Capítulo 13. Ozonoterapia en dermatología y cosmetología • 187

várias dermatoses (pioderma secundária). Na gênese da pioderma, geralmente,


doenças de natureza geral, como diabetes mellitus, afecções hematológicas e doenças do
aparelho digestivo, contribuem. Dependendo do agente desencadeante e da profundidade
do carinho, a forma superficial (estafiloderma e estrepto-dermia) e a forma profunda
(furúnculos, furação do antracóide, hidrogenação) são diferenciadas.

Formas de Aplicação

• Auto-hemoterapia principal.
• Auto-hemoterapia menor.
• Infusões intravenosas de solução fisiológica ozonizada.
• Insuflações rectais de uma mistura de ozônio e oxigênio.
• Administração intracutânea de uma mistura de ozônio e oxigênio em torno dos
focos de inflamação.
• Gasificação por fluxo de ozônio e mistura de oxigênio em uma câmara de plástico.

Cronograma terapêutico

O tratamento começa com auto-hemoterapia menor, que é realizada em dias


alternados, num total de 5 sessões. Em seguida, são administradas infusões intravenosas de
solução fisiológica ozonizada ou insuflações rectais da mistura de ozônio e oxigênio, que
alternam com auto-hemoterapia menor (6-8 sessões).

A infiltração dos focos de inflamação com a mistura de ozônio e oxigênio, com 0,5-
3 ml em cada punção, com uma concentração de ozônio de 4-5 μg / ml, é realizada todos
os dias, em um total de 8 a 10 sessões.
As sessões de gaseificação (4-5) com uma mistura de ozônio e oxigênio em uma
bolsa de plástico são aplicadas nos casos em que os centros de inflamação estão
localizados nas extremidades. A concentração de ozônio é de 5-10 μg / ml e a duração de
cada sessão é de 15 a 20 minutos.

O óleo vegetal ozonizado é aplicado em focos de pioderma 1-2 vezes por dia
durante 3-4 semanas.

Álvarez et al (1997) realizaram o estudo de dois grupos de 40 crianças com


pioderma primária. No grupo basal, utilizou-se óleo de girassol ozonizado para o
tratamento e no grupo controle, pomada de gentamicina. Um estudo bacteriológico foi
realizado no início e após 15 dias de tratamento. A eficácia da cura foi de 68% no grupo
basal e de 28% no grupo controle.

13.1.4. Formas ulcerativas de vasculite cutânea

A vasculite cutânea é uma dermatose recorrente com afecção inflamatória vascular.


No processo de doenças inflamatórias vasculares, os mecanismos imunológicos recebem
um lugar fundamental devido a distúrbios na eliminação de imunocomplexos e sua
deposição nas paredes dos vasos de transporte de sangue. Entre todas as dermatoses, a
vasculite cutânea representa 10-30%.

188 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

Formas de Aplicação

• Infusões intravenosas de uma solução fisiológica ozonizada.


• Insuflações rectais de uma mistura de ozônio e oxigênio.
• Gasificação de uma mistura de ozônio e oxigênio em uma bolsa de plástico.

Cronograma terapêutico

Infusões intravenosas de solução fisiológica ozonizada ou insuflações rectais de uma


mistura de ozônio e oxigênio são realizadas 3 vezes por semana, num total de 8-10 sessões;
a principal auto-hemoterapia, duas vezes por semana, num total de 6-8 sessões.

As sessões de gaseificação com uma mistura de ozônio e oxigênio em uma bolsa de


plástico, com duração de 20-30 minutos, são realizadas 2-3 vezes por semana. Antes da
gaseificação, a superfície afetada da extremidade dos medicamentos contendo gordura deve
ser limpa; O pomada é aplicado após a sessão de gaseificação. No início, a concentração de
ozônio na mistura de ozônio e oxigênio é de 10-15 μg / ml (efeito desinfetante); com o
conteúdo purulento do defeito da úlcera e o aparecimento de sinais de epitelização, diminui
até 2-3 μg / ml (efeito reparador). O tratamento dura 3-4 semanas, e é repetido 2-3 vezes
por ano.

Observações
Com pequenos defeitos de úlcera, inflamações cutâneas não significativas e um
estado geral satisfatório do paciente, a terapia com ozônio pode ser utilizada como método
independente. Na maioria dos casos, está incluído na composição de um tratamento
habitual múltiplo.

Com a aplicação do tratamento combinado de medicamentos tradicionais e


ozonoterapia a 46 pacientes, Ivanov et al. (2003) obtiveram resultados positivos na forma
de cura de defeitos de úlcera, regressão de manifestações inflamatórias na pele e
desaparecimento de picadas e dor em 73% dos casos. O estudo com radionuclídeos
demonstrou a dinâmica notavelmente positiva da microcirculação da pele e da reologia do
sangue.

13.1.5. Infecção pelo vírus da herpes

A família do vírus Herpesviridae, que afeta os seres humanos, inclui o vírus herpes
simplex tipo 1 e tipo 2 (HSV-1 e HSV-2), o citomegalovírus (CMV), o vírus da varicela-
zoster (VZV) , o vírus Epstein-Barr, os herpesvírus dos tipos 6, 7 e 8 e o vírus V do herpes
dos macacos. Somente o último é a causa de formas agudas de encefalite, muitas vezes
fatais, no homem.

Todas as outras doenças causadas por vírus herpes são caracterizadas pela
persistência prolongada de vírus no organismo humano, com a aparência de formas
crônicas de infecção. Atualmente, o número de infecções herpéticas recorrentes causadas
pelo HSV tipo 1 e tipo 2 em diferentes locais está aumentando constantemente.

Capítulo 13. Terapia de ozônio em dermatologia e cosmetologia • 189

Na Rússia, o número total de pacientes com formas crônicas de herpes


oftalmológica, formas cutâneas e genitais da doença e estomatia herpética é de cerca de 20
milhões.

A infecção herpética crônica é a doença de imunodeficiência mais difundida no


mundo, com persistência ao longo da vida do vírus nos gânglios nervosos e a reagudização
periódica do processo, localizada em locais específicos em cada paciente (olhos, mucosa
genital ou a cavidade bucal e a pele, entre outras).

A clínica de infecção pelo herpesvírus é caracterizada por uma erupção vesicular


generalizada, úlceras erosivas, sintomas clínicos gerais graves e replicação prolongada do
vírus. O sistema imunológico é atribuído o papel principal na defesa antiviral do
organismo, na contenção da propagação do vírus e na passagem da doença para a fase de
remissão.

O tratamento das infecções por herpes vírus atinge o efeito antiviral das
propriedades imunomoduladoras, antiinflamatórias e analgésicas do ozônio. A inativação
de vírus é conseguida através da ação oxidante de peróxidos, que oxidam os receptores de
células de vírus e eliminam a possibilidade de penetrar na célula hospedeira,
interrompendo seu ciclo de multiplicação. Este processo também é alterado pela
fragmentação do RNA do vírus que produz ozônio. Os peróxidos ativam o metabolismo
endógeno celular. A renda complementar dos peróxidos, induzida pelo ozônio, permite o
aumento da atividade fagocítica celular, que garante a absorção e destruição de vírus.

A terapia com ozônio ativa a imunidade celular e humoral. Sob a sua influência, a
produção de citocinas é reforçada por linfócitos e monócitos, primeiro de interferão, um
dos fatores fundamentais da defesa endógena do organismo contra infecções virais. Como
resultado, aumenta a síntese de linfócitos T citolíticos, que garantem a imunidade celular e
normaliza a produção de linfócitos T colaboradores, que regulam a função dos linfócitos B,
produtores de imunoglobulinas.

Formas de Aplicação

• Auto-hemoterapia principal.
• Auto-hemoterapia menor.
• Infusões intravenosas de uma solução fisiológica ozonizada ou infusões de linha
reta com uma mistura de ozônio e oxigênio.
• Óleo vegetal ozonizado.
• Administração intracutânea de uma mistura de ozônio e oxigênio em torno dos
surtos da erupção.
• Irrigação com uma solução fisiológica ozonizada ou água destilada ozonizada.

Cronograma terapêutico

A auto-hemoterapia principal (com uma dose de ozônio de 4-6 mg) é administrada


duas vezes por semana, no total de 6-8 sessões. A auto-hemoterapia menor, juntamente
com a administração intravenosa de uma solução fisiológica ozonizada ou insuflação rectal
com uma mistura de ozônio e oxigênio, é administrada em 8 a 10 sessões em dias
alternados.

190 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

O óleo ozonizado é aplicado duas vezes ao dia, apenas nos elementos secos, até a
abertura das pápulas.

No período da erupção, e para acelerar a cura e atingir um efeito analgésico, as


infiltrações intracutâneas são feitas com uma mistura de ozônio e oxigênio, com uma
concentração de 5-10 μg / ml, de acordo com o perímetro da vesícula . O total de sessões é
3-5.

Nas nevralgias, infiltrações subcutâneas são feitas ao longo das condutas nervosas
afetadas e nos pontos de saída dos nervos, com uma mistura de ozônio e oxigênio com uma
concentração de 5-10 μg / ml, em um total de 8-10 sessões.

Nas erupções herpéticas na vulva, na vagina e no colo do útero, as irrigações


vaginais serão realizadas com uma solução ozonizada com uma concentração de ozônio de
3-7 μg / ml e um volume de 400-500 ml. Se houver uretrite herpética, as instilações serão
com um volume de 10-20 ml e a mesma concentração de ozônio. O número total de sessões
é 3-7 (Zmizgova, 2003) e o tratamento é repetido aos 4-6 meses.

Observações

Em casos isolados, se não há manifestações clínicas no início do tratamento, é


possível exacerbar o processo em termos de duração e gravidade, de forma menos
manifesta do que no curso normal da doença. Esta exacerbação pára durante o curso do
tratamento.

Observando um grupo de pacientes (40), Sknar et al. (2003) concluiu que a inclusão
da terapia com ozônio no tratamento múltiplo do herpes urogenital recidivante acelera a
aparência da fase de remissão. Assim, em pacientes tratados com ozônio, as manifestações
externas do herpes desapareceram ao redor do sétimo dia de tratamento. Em pacientes do
grupo controle, que foram tratados com métodos tradicionais, as manifestações externas
desapareceram em torno de 12 a 14 dias. Os autores observam que os pacientes toleraram
bem a terapia com ozônio e que reduziram significativamente a quantidade de preparações
antivirais prescritas.

A inclusão da terapia de ozônio no tratamento múltiplo do herpes simple e do herpes


zoster torna a reincidência menos freqüente (Kovaleva e Trusova, 2003).

13.1.6. Psoríase

A psoríase é uma doença inflamatória crônica, caracterizada por uma erupção de


pápulas monomórficas, que também afeta as articulações e unhas, e com uma gênese
hereditária neurogênica, permuta, autoinmune e complexa.

Os distúrbios na ativação da resposta celular têm um significado decisivo no início


dos processos patológicos e na passagem para o estado crônico do mesmo, onde os
linfócitos T desempenham um papel essencial, através da produção de diferentes
quimiocinas e citocinas. com atividade pró-inflamatória.

A base das alterações patológicas na psoríase é a hiperproliferação da epiderme com


diferenciação celular e infiltração inflamatória da epiderme e da derme. A erupção cutânea
na pele geralmente se apresenta como pápulas planas,
Capítulo 13. Ozonoterapia en dermatología y cosmetología • 191

de cor azul-avermelhada e de forma circular ou oval, cobertas com escamas brancas


e acinzentadas que, quando fundidas, formam placas e grandes centros de carinho.

A doença é caracterizada por uma evolução crônica com períodos de remissão e


piora. Distúrbios na produção de interleucinas, interferão-γ, fator de necrose tumoral e
outros são característicos em pacientes que sofrem de psoríase, pelo que o efeito da terapia
com ozônio está relacionado à ação imunomoduladora (Figura 13-1).

Formas de Aplicação

• Auto-hemoterapia principal.
• Auto-hemoterapia menor.
• Infusões intravenosas de uma solução fisiológica ozonizada ou infusões de linha
reta com uma mistura de ozônio e oxigênio.
• Infiltração de placas de psoríase.
• Aplicação de óleo ozonizado nas placas de psoríase.

Cronograma terapêutico

A terapia com ozônio pode ser aplicada de forma independente e em conjunto com
tratamentos básicos.

Insuflações rectais com uma mistura de ozônio e oxigênio são realizadas em dias
alternados, em um total de 10 sessões. A maior auto-hemoterapia é realizada duas vezes
por semana, num total de 6-8 sessões.

Infusões intravenosas de uma solução fisiológica ozonizada, insuflações rectais com


uma mistura de ozônio e oxigênio e auto-hemoterapia menor podem ser substituídas por
auto-hemoterapia principal, em cerca de 8-10 sessões, as duas primeiras em dias alternados
e as duas últimas vezes por semana

A infiltração das placas é feita com uma agulha muito fina de tamanho 27G ½. É
bem tolerado por todos os pacientes, e uma sessão semanal é realizada, com uma
concentração de 2-3 μg / ml e um volume adequado para a superfície da lesão, entre 3 ml e
5 ml.
Figura 13-1. Aplicação da mistura de ozônio e oxigênio na psoríase.

192 Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

Insuflação em uma bolsa: a área é selada hermeticamente com uma bolsa ou um


sino, que é soprado com gás de ozônio, após a extração do ar ambiente com uma bomba de
vácuo, para obter uma rápida concentração do gás. A exposição ao gás é mantida por 20
minutos, com concentração crescente, a fim de avaliar a tolerância ao gás da pele do
paciente. Em geral, é feito com 5 μg / ml, 8 μg / ml e 10 μg / ml, até completar 10 sessões.
Após a insuflação, o gás residual é desviado da bagagem para o destruidor de
equipamentos.

O óleo ozonizado é aplicado na superfície afetada duas vezes por dia, por um mês.
Dependendo da evolução do paciente e da resposta terapêutica, a repetição do ciclo
terapêutico será programada após 4 a 6 meses. Protocolo AEPROMO (consultado na web
www.aepromo.org, 11/9/2010).

Concentrações utilizadas para tratamento: médio-alto. As seguintes técnicas podem


ser combinadas.

Auto-hemoterapia principal em 150 ml de sangue

Semana de Concentração de O3 Volume de O3 Dose


tratamento
(µg/ml) (ml) (mg)

Primeira 20 125 2,5

Segunda 25 125 3,1

Terceira 30 110 3,3

Quarta 35 110 3,8

Quinta 40 110 4,4

Se completarán 15 sesiones.

Autohemoterapia menor em 5 ml de sangue

Semana de Concentração de O3 Volume de O3 Dose


tratamento
(µg/ml) (ml) (mg)

Primeira 20 5 0,10

Segunda 30 5 0,15

Terceira 35 5 0,17

Quarta 40 5 0,20
Quinta 45 5 0,22

Se completarán 15 sesiones.
Capítulo 13. Ozonoterapia en dermatología y cosmetología • 193

Vía retal

Semana de Concentração de O3 Volume de O3 Dose


tratamento
(µg/ml) (ml) (mg)

Primeira 25 100 2,5

Segunda 30 120 3,6

Terceira 35 150 5,2

Quarta 40 200 8,0

Freqüência diária; 20 sessões serão concluídas e o ciclo será repetido a cada 3 meses.

No tratamento sistêmico, as seguintes indicações médicas também estão associadas:

• Combinar com a administração de saco ou ozônio sobre a lesão da pele.

• Associar infiltrações nas lesões, uma vez por semana, a uma taxa de 10 μg / ml; O
volume de ozônio a ser administrado será de 0,5-1 ml.
• Aplique óleo ozonizado diariamente, duas vezes por dia.

Krivatkin e Krivatkina (1998) observaram resultados positivos da aplicação da


terapia com ozônio em 60% dos pacientes com psoríase. Durante a realização da terapia
com ozônio e a administração de medicamentos a 145 pacientes, Glavinskaia et al. (2003)
obtiveram resultados positivos em 2/3 dos pacientes. A terapia com ozônio foi mais eficaz
na artrite psoriática no tratamento conjunto com ossina (β-hidroxiquinolina) e calcitrol (1-
a-25-dihidroxiqulecalciferol) (85% de resultados positivos).

A experiência no tratamento da psoríase mostrou que os melhores resultados são


alcançados com o tratamento múltiplo das patologias associadas ao tubo digestivo (drogas,
hidroterapia do cólon, fisioterapia, homeopatia e outros).

No trabalho de Baitiakov et al. (2005) demonstra a eficácia da ingestão de óleo


vegetal ozonizado (50 ml, 3 vezes por dia em jejum durante 14 dias) no tratamento
múltiplo de pacientes com psoríase. Nos pacientes do grupo basal, a quem o óleo
ozonizado foi aplicado, a magnitude do índice PASI após o término do tratamento foi
menor do que no grupo de comparação (3,19 ± 0,46 e 5,54 ± 0,73, respectivamente, p
<0,01). Neles, o tempo de permanência na cama diminuiu em 2,9 dias, a erupção cutânea
resolvi 5,1 dias antes, o nível de intoxicação endógena foi reduzido e uma maior
normalização do conteúdo de IgM foi alcançada..
13.1.7. Micoses

As infecções fúngicas cutâneas causaram micose na forma de parcela, por


Mycrospora, por T. rubrum, por tricofitos, doenças epidêmicas fúngicas, que afetam a pele,
cabelo e unhas (onicomicosis). A micose candidínica afeta a pele e as mucosas.

A vantagem da terapia de ozônio em relação a outros métodos terapêuticos é o


menor custo econômico e, em comparação com outros meios antifúngicos, é inofensivo.

194 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

Formas de Aplicação

• Óleo vegetal ozonizado.


• Gasificação com uma mistura de ozônio e oxigênio em uma bolsa ou tampa de
plástico.
• Auto-hemoterapia principal.
• Auto-hemoterapia menor.

Cronograma terapêutico

Na dermatomicose superficial, o óleo vegetal ozonizado é aplicado na superfície


afetada duas vezes ao dia durante 7 a 14 dias. É necessário o tratamento higienico paralelo
de roupa interior e roupa de cama. O gaseamento com uma mistura de ozônio e oxigênio
em uma bolsa de plástico ou chapéu na superfície úmida, com uma concentração de ozônio
de 20-30 μg / ml, é realizado diariamente nos mesmos termos.

A terapia com ozônio local é realizada em conjunto com sessões de auto-


hemoterapia maior ou menor em dias alternados, num total de 5-7 sessões.

As condições em pele lisa são tratadas apenas com a aplicação da terapia com
ozônio; as condições no couro cabeludo precisarão da combinação com meios antifúngicos.

A base do tratamento das doenças fúngicas das unhas consiste na colocação de


plugues com óleo vegetal ozonizado nas folhas de unhas previamente alisadas, 2 vezes ao
dia, até o crescimento da nova placa de unhas; Este período significa 3-6 meses nas mãos e
6-9 meses nos pés. A lâmina afetada deve ser cortada o máximo possível e a raiz da unha
em crescimento deve ser tratada de forma complementar com o óleo ozonizado.

• Uma vez a cada quatro meses, serão aplicadas auto-hemoterapia ou auto-


hemoterapia principais, bem como a gasificação com uma mistura de ozônio e oxigênio em
uma bolsa ou tampa de plástico, em 6-8 sessões em dias alternados.

• Trusova (2004) mostrou que a inclusão da terapia com ozônio permite o uso de
doses mais baixas de fungicidas no tratamento de pacientes com micoses causados por
Mycrospora.
13.1.8. Feridas de feridas em tecidos moles

• No tratamento múltiplo de feridas supurantes, bons resultados são alcançados


quando, no contexto de uma auto-hemoterapia maior ou administração intravenosa de
solução fisiológica ozonizada e auto-hemoterapia menor, as feridas saturadas com um pano
com uma mistura de ozônio estão saturadas. e oxigênio, colocando o membro em uma
bolsa de plástico (Rodoman et al., 2000; Zasorin, Makarova, 2007) e com a aplicação local
de óleo ozonizado (Vinnik et al., 2006).

• Formulários de inscrição

• • Infiltração nas bordas de feridas com uma mistura de ozônio e oxigênio.


• • Auto-hemoterapia principal.
• • Infusão intravenosa de uma solução fisiológica ozonizada (ou insuflação rectal
com uma mistura de ozônio e oxigênio).

Capítulo 13. Ozonoterapia en dermatología y cosmetología • 195

• Auto-hemoterapia menor.
• Gasificação das feridas com uma mistura de ozônio e oxigênio em uma bolsa de
plástico com pressão aumentada ou diminuída.
• Tratamento de feridas com fluxo de uma mistura de ozônio e oxigênio sob uma
esfera.
• Estimulação dos pontos biologicamente ativos em feridas localizadas nas
extremidades inferiores.
• Ataduras esterilizadas com óleo ozonizado.

Cronograma terapêutico

Durante a conclusão do tratamento, é necessário levar em consideração a evolução


por etapas do processo da ferida.

O tratamento deve ser múltiplo e deve incluir todas as formas acima mencionadas de
terapia com ozônio.

Infiltração de feridas com uma mistura de ozônio e oxigênio

No tratamento inicial das feridas cirúrgicas, uma mistura de ozônio e oxigênio com
uma concentração de 1 μg / ml é administrada subcutaneamente, de acordo com o
perímetro da ferida, 1-2 cm para fora. Ao supurar feridas, a injeção da mistura de ozônio e
oxigênio é aplicada a uma distância de 1-2 cm da zona de hiperemia.

Em fraturas extensas, particularmente com fraturas abertas, a concentração da


mistura ozônio-oxigênio aumenta até 2-3 μg / ml e não é administrada por via subcutânea,
mas também intramuscular, semelhante ao bloqueio de uma vagem com agulhas mais
longas (Boiarinov et al., 2002).
Gasificação de feridas com uma mistura de ozônio e oxigênio

Começa, cuidadosamente, com limpeza mecânica, separando os detritos da ferida;


então uma gaze umedecida com solução fisiológica ou água destilada é colocada
suavemente na ferida e a gasificação é realizada em uma bolsa de plástico ou sob a esfera
por 10 a 30 minutos.

Diferentes autores usam diferentes concentrações de ozônio na mistura de ozônio e


oxigênio, de 5-7 μg / ml (Zasorin et al., 2003; Kvitsinskya et al., 2007) até 10-20 μg / ml
(Gileva et al., 2003). De acordo com os resultados de Zarivchatski (2003), com base no
material coletado no estudo de 281 pacientes com condições inflamatórias supressoras de
tecidos moles, a concentração de ozônio de 30 μg / ml com uma exposição de 10 min
garante um efeito bactericida completo.

Se existir uma separação purulenta necrótica na ferida, o tratamento com gás será
realizado 2-3 vezes por dia. Após o aparecimento do tecido de granulação e o início da
epitelização, o tratamento com gás será realizado a cada dois dias, com uma concentração
de 2-2,5 μg / ml. Uma vez que a epitelização da borda começa, a concentração de ozônio
diminui para 0.8-2.0 μg / ml.

196 Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

Autohemoterapia maior

Um total de 5-6 sessões são realizadas, as três primeiras em dias alternados, e a


posterior, a cada três dias.

Infusão intravenosa de uma solução fisiológica ozonizada ou insuflações rectais

Eles podem ser feitos no lugar da auto-hemoterapia principal; Os primeiros 3 dias


são administrados uma vez por dia e, em dias alternados, em um total de 8-10 sessões.

Autohemoterapia menor

As sessões são realizadas em dias alternados, um total de 3-5, no contexto de


infusões intravenosas de solução fisiológica ozonizada ou insuflações rectais.

Bandagens com óleo ozonizado

Eles são aplicados desde o início da epitelização em feridas.

Estimulação de sites biologicamente ativos

É feito quando as feridas estão localizadas nas extremidades inferiores, por


administração subcutânea de uma mistura de ozônio e oxigênio (0,5-1,0 ml, com uma
concentração de ozônio de 10 μg / ml).
A inclusão da terapia de ozônio no tratamento múltiplo das feridas supurantes
permitiu, já durante o primeiro dia, diminuir a síndrome da dor e o edema dos tecidos e
eliminá-los totalmente em 3-5 dias; Ao mesmo tempo, no grupo de comparação com
tratamento convencional, esses indicadores eram de 7 e 10 dias, respectivamente. A
semente microbiana das feridas diminuiu após 5-10 dias para os valores de segurança dos
parâmetros clínicos (de 109-12 a 102-3 em 1 g de tecido). A epitelização completa da
ferida foi atingida após 10 dias com a aplicação da terapia com ozônio e somente após 21
dias com tratamento tradicional. Os fenômenos da paresia intestinal foram eliminados mais
rapidamente. Os termos de hospitalização foram encurtados de 1,4 a 1,5 vezes
(Zarivchatski et al., 2000, 2003; Gi-leva et al., 2003; Zasorin et al., 2003; Galleev et al.,
2007; Grechko et al. ., 2007).

13.1.9. Úlceras tróficas e escaras

A aplicação da terapia de ozônio no tratamento de úlceras tróficas nas extremidades


inferiores oferece uma ampla gama de possibilidades curativas para a etiologia venosa e
arterial. Especificamente, nas complicações das doenças varicosas, é possível melhorar
significativamente os resultados da autodermatoplastia de úlceras tróficas, encurtar os
períodos de preparação pré-operatória, diminuir a duração da hospitalização e o período de
reabilitação (Kuznetsov et al., 2000 ), e dispensar-se de preparações antibacterianas e anti-
inflamatórias caras (Ovchinnikov, 2006). Tem que

Capítulo 13. Ozonoterapia en dermatología y cosmetología • 197

Tome em consideração a aplicação de fatores de crescimento ozonizados em


qualquer ferida ou úlcera com cura retardada. O PRP ozonizado acelera o processo de
cicatrização que é afetado em muitos casos de úlceras em um pé diabético.

Formas de Aplicação

• Auto-hemoterapia menor.
• Auto-hemoterapia principal.
• Infusão intravenosa de uma solução fisiológica ozonizada (ou insuficiências rectais
com uma mistura de ozônio e oxigênio).
• Gasificação da úlcera com uma mistura de ozônio e oxigênio em uma bolsa de
plástico com pressão aumentada ou diminuída.
• Tratamento da úlcera com fluxo de uma mistura de ozônio e oxigênio sob uma
esfera.
• Estimulação de pontos biologicamente ativos nas feridas localizadas nas
extremidades inferiores.
• Infiltração das bordas das úlceras com uma mistura de ozônio e oxigênio
• Bandagens com óleo ozonizado.

Cronograma terapêutico

O tratamento deve ser múltiplo, incluindo todos os tipos de procedimentos. A


limpeza completa da úlcera é uma condição obrigatória.
A gaseificação da úlcera com uma mistura de ozônio e oxigênio é realizada em uma
bolsa de plástico ou sob um capuz, diariamente e por 20 minutos, com uma concentração
de ozônio na mistura de 6-7 μg / ml, até a limpeza a placa purulenta da úlcera e em dias
alternados após o desenvolvimento do tecido de granulação e o início da epitelização, com
uma concentração de ozônio de 2-2,5 μg / ml. À medida que o epitélio começa a se formar
nas extremidades, a concentração de ozônio na mistura ozono-oxigênio diminuirá para 0,8-
1,2 μg / ml.

A pele da superfície tratada deve estar úmida, por isso está umedecida ou cercada
com uma gaze molhada. A superfície da úlcera deve ser coberta com uma gaze
humedecida com solução fisiológica ozonizada.

Bandagens com óleo ozonizado

Eles são usados desde que a úlcera começa a se epitelizar.

Infusão intravenosa de solução fisiológica ozonizada, auto-hemoterapia principal,


auto-hemoterapia menor

Durante o tratamento local, são feitas infusões intravenosas de solução fisiológica


ozonizada, diariamente até a cessação do processo inflamatório e, em dias alternados, no
total de 12 a 15 sessões. O número de sessões será 6-8 para a auto-hemoterapia menor.

198 Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

Infusões intravenosas de solução fisiológica ozonizada (ou insuflações rectais com


uma mistura de ozônio e oxigênio) e auto-hemoterapia menores podem ser substituídas por
10-12 sessões de auto-hemoterapia principal, os 4 primeiros diariamente e, posteriormente,
2 vezes por semana. semana

Infiltração da úlcera com uma mistura de ozônio e oxigênio É feito no período de


limpeza da úlcera, diariamente.

Estimulação de sites biologicamente ativos

É realizada nos casos em que a úlcera está localizada nas extremidades inferiores,
com administração subcutânea de 0,5-1 ml de uma mistura de ozônio e oxigênio, com uma
concentração de 10 μg / ml na perna. UB39 Vei-Yayun, UB57Chen-chan. No pé - Di-dun,
Li-dun, Tsu-tsiao-in.

Gazin (2003) propôs a administração interóssea de ozônio, que ele realizou em


pacientes com diabetes mellitus e condições necroticais supurativas das extremidades
inferiores, tanto na forma de solução fisiológica ozonizada como na forma de uma mistura
de gases. O autor considera a rota interóssea como mais perspectiva, uma vez que, de
acordo com seus resultados, este procedimento foi o que produziu os melhores resultados
em relação à limpeza das feridas das massas necróticas purulentas, o crescimento dos
tecidos de granulação e epitelização na ferida.

De acordo com os resultados de Chikin et al. (2003), o uso da terapia com ozônio no
tratamento múltiplo das úlceras tróficas reduziu os tempos de limpeza das superfícies
ulcerosas e dos tecidos supurantes necróticos 1,5-1,7 vezes.

Comparando dois grupos de pacientes com úlceras tróficas de etiologia venosa na


preparação pré-operatória de autodermatoplastia, Kuznetsov et al. (2000) mostraram que no
grupo em que a terapia com ozônio foi utilizada, o período preparatório foi 4,9 dias menor
(28,5%) do que no grupo de comparação. A aglutinação completa das porções de pele nos
grupos basal e controle foi de 82,3% e 33%, respectivamente. Em 10,8% dos pacientes no
grupo basal com úlceras de tamanho moderado, a aplicação da ozonotera-pia conseguiu
que o defeito da úlcera fosse fechado por si mesmo, sem a necessidade de
autodermoplastia.

A inclusão da terapia de ozônio no tratamento básico local (gaseificação em uma


bolsa de plástico) em pacientes com úlceras tróficas de etiologia venosa permitiu atingir a
epitelização completa das úlceras em 46,7% dos casos, 2,5 vezes mais do que no grupo
controle (Larionov et al., 2007).

13.2. Cosmetologia
13.2.1. Celulites

A celulite ou paniculopatia fibrosclerótica edematosa, lipodistrofia local ou atrofia


indurativa da pele é a afectação do tecido celular adiposo subcutâneo que aparece em
mulheres de 30 a 40 anos de idade com excesso de tecido adiposo.
Capítulo 13. Ozonoterapia en dermatología y cosmetología • 199

Devido às peculiaridades hereditárias e constitucionais dos tecidos adiposos, uma


dieta irracional e distúrbios endócrinos, há uma alteração da microcirculação no tecido
celular, que causa hipoxia e isquemia da área e um piora da circulação sanguínea. que, por
sua vez, produz o crescimento excessivo de fibrilas do tecido conjuntivo que envolve as
células de gordura. Assim, formam-se os chamados "nós de celulite", que dão à pele a
aparência de "casca de laranja".

A administração de uma mistura de ozônio e oxigênio no tecido celular subcutâneo


melhora a microcirculação, possibilita a transformação de lipídios hidrófobos em
hifrofrófilos menos estáveis, cria condições para a reabsorção das coberturas conjuntivas
esclerosantes que circundam células de gordura e destrói. , desta forma, os "nós de
celulite" (Figura 13-2).

Formas de Aplicação

• Administração subcutânea de uma mistura de ozônio e oxigênio


• Gasificação de uma mistura de ozônio e oxigênio em uma bolsa de plástico.
• Óleo vegetal ozonizado.

Cronograma terapêutico

O tratamento consiste na aplicação de injeções subcutâneas de uma mistura de


ozônio e oxigênio nas áreas problemáticas das coxas, nádegas e abdômen. A concentração
de ozônio na mistura de gases é de 10-15 μg / ml. Durante a sessão, 100-200 ml da mistura
de ozônio e oxigênio, 5-10 ml de gás são administrados sob a pele uma vez em cada ponto.
A distância entre os pontos é de 5 cm e a profundidade da injeção é de 13 mm (agulha 0,3
× 13 mm). O esquema terapêutico mais difundido é o seguinte: 10 sessões são realizadas
duas vezes por semana; então, 4-8 sessões são aplicadas uma vez por semana e depois 4
sessões, uma vez por semana.

Figura 13-2. Saco ou sauna para ozonação corporal (esquerda). Formas de aplicação da mistura
de ozônio e oxigênio na celulite (direita).
200 Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

a cada duas semanas (Kosheleva, 2004). Após a sessão, o paciente aplicará o óleo
vegetal ozonizado no ponto de injeção em casa. O efeito alcançado é conservado por 4-6
meses; Após 2-3 meses, as sessões de manutenção podem ser realizadas uma vez por mês.

Vilekzhanina (2003) dirigiu o tratamento de 50 mulheres entre 35 e 45 anos.


Resultados positivos foram obtidos em todos os pacientes sob a forma de diminuição do
volume e da massa corporal. Observou-se aumento da capacidade de trabalho, bem como
melhora no sono e humor. A diminuição dos volumes de áreas problemáticas foi
documentada: 4 cm em 31% das mulheres, 5-6 cm em 58% e 7-8 cm em 11%. Não houve
efeitos colaterais.

13.2.2. Pele no processo de envelhecimento, rugas

A terapia com ozônio obtém bons resultados na reabilitação do envelhecimento da


pele. Aplicando injeções intracutâneas de uma mistura de ozônio e oxigênio nas áreas
problemáticas do rosto, pescoço e decote, é possível eliminar a rede de rugas finas e nivelar
as mais profundas. Posteriormente, aparecem os chamados "efeitos de elevação", que
consistem na melhora da turgência da pele e no aperto dos contornos do rosto (Lazareva,
2004).

Formas de Aplicação

• Administração intracutânea de uma mistura de ozônio e oxigênio.


• Óleo vegetal ozonizado.

Cronograma terapêutico

O tratamento é aplicado em 10 a 12 sessões, realizando injeções intracutâneas da


mistura de ozônio e oxigênio em pontos de acordo com a via de rugas e nas regiões com
sinais de envelhecimento.

As sessões são realizadas 1-2 vezes por semana. A concentração de ozônio na


mistura de gás é de 1-2 μg / ml e o volume de gás administrado em cada ponto na área da
rugas é: 0.2-0.5 ml ao redor dos olhos; 0,5-1 ml nos lábios e nas rugas nasais e 1 ml na
região do pescoço. Em um dia, é administrado 100-150 ml da mistura ozono-oxigênio.

Em casos de pele seca, as aplicações são feitas com óleo vegetal ozonizado sob a
forma de uma pomada, no primeiro diário (10-12) e duas vezes por semana.

Recomenda-se realizar o tratamento duas vezes por ano, e as sessões de manutenção,


uma vez por mês.

A Figura 13-3 mostra o esboço dos pontos de administração da mistura de ozônio e


oxigênio na face, retirados das recomendações metodológicas No. 2003/84 "Aplicações da
mistura ozônio-oxigênio em dermatologia e Cosmetologia »(2004).
Capítulo 13. Ozonoterapia en dermatología y cosmetología • 201

Figura 13-3. Diagrama da administração da mistura de ozônio e oxigênio de acordo


com os pontos onde as rugas estão localizadas.

13.2.3. Alopecia
As causas dos focos de alopecia são as alterações degenerativas do epitélio dos
folículos capilares, os distúrbios de microcirculação da pele do couro cabeludo e a
formação de infiltrações linfohistiocíticas nas zonas perivascular e perifolicular.

Nas regiões afetadas, há uma hipoxia crônica dos tecidos e também inadequação da
defesa antioxidante, bem como uma diminuição da energia celular. Normalmente, tudo isso
acontece dentro do quadro de um estado de déficit imunológico.

A terapia com ozônio, como pode ser deduzido do exposto, é um método com
funções patogênicas para o tratamento de focos de alopecia, que afeta o metabolismo,
aumentando a energia celular e tecidual, elimina a hipoxia tecidual e normaliza a
imunidade. . Isto foi demonstrado por Zavadski e Glazirina, que, no tratamento de 106
pacientes com alopecia nudificada, documentada pela oximetria, a normalização, sob a
influência da terapia com ozônio, diminuiu inicialmente o conteúdo de oxigênio na pele do
foco da alopecia e também a diminuição do déficit de oxigênio no cabelo de acordo com os
dados de gasometria (citado por Nikulin et al., 2005).

Formas de Aplicação

• Auto-hemoterapia principal ou insuflações rectais com uma mistura de ozônio e


oxigênio, ou infusões intravenosas de solução fisiológica ozonizada.
• Administração intracutânea de uma mistura de ozônio e oxigênio.
• Gasificação por fluxo de uma mistura de ozônio e oxigênio em uma bolsa de
plástico.
• Óleo vegetal ozonizado.
202 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

Cronograma terapêutico

Infusões intravenosas de uma solução fisiológica ozonizada ou inflações diretas com


uma mistura de ozônio e oxigênio são realizadas três vezes por semana; a maior auto-
hemoterapia, duas vezes por semana. O total de sessões é 7-10. Nesse contexto, nos focos
de alopecia do couro cabeludo, são aplicadas injeções intracutâneas de 1 ml de uma mistura
de ozônio e oxigênio, com uma concentração de ozônio de 2-3 μg / ml, com uma
freqüência de 1-2 vezes a a semana e um total de 8 a 10 sessões. As injeções intra-cutâneas
são alternadas com gaseificação com uma mistura de ozônio e oxigênio (concentração de
1-2 μg / ml) em uma bolsa de plástico, no total de 8-10 sessões. 2-3 tratamentos de ozo-
noterapia são realizados com intervalos de 3-4 meses.

Naimushina et al. (2005) utilizaram a administração subcutânea de uma mistura de


ozônio e oxigênio na região do couro cabeludo na forma difusa de alopecia, com uma
concentração de oxigênio de 1.000-1.300 μg / l; em casos com focos de alopecia, a
concentração foi de 4.000-5.000 μg / l, com um volume de fase gasosa de 2 ml em cada
injeção e 10-40 ml ao longo do tratamento. O número total de sessões foi de 10, duas vezes
por semana.

O atraso médio na prisão de perda de cabelo em alopecia difusa foi de 6 semanas


(com a aplicação do esquema convencional foi de 8 semanas). O início do crescimento do
cabelo em pacientes com alopecia nos focos apareceu após 8 semanas, naqueles que
receberam terapia com ozônio e 14 semanas, após o tratamento convencional.

A análise de resultados a longo prazo em 165 pacientes mostrou que as recorrências


de pacientes tratados com ozônio apareceram em 18,5% dos casos; naqueles tratados com o
método tradicional, eles apareceram em 34,8% dos casos.
Capítulo 14
Terapia com
ozônio em
oftalmologia

O tratamento das doenças oculares com a aplicação do ozônio é cada vez mais difundido.
Na pesquisa experimental de Lapina (1996), demonstrou-se que a administração intravítrea de
uma solução fisiológica ozonizada com uma concentração de ozônio de 2-4 μg / ml é um
método curativo e profilático efetivo em casos de endoftalmite exógena. Malanoba et al. (citado
por Lapina e Sinelschikova, 1998) demonstrou as possibilidades de terapia de ozônio, não
apenas no tratamento usual, mas também na inclusão na provisão de cuidados em tempos de
guerra.

Na oftalmologia, a terapia com ozônio também é usada como um dos componentes


de múltiplos tratamentos e é um método muito eficaz. Como em outros tipos de patologia,
os melhores resultados são alcançados com aplicações conjuntas, locais e sistêmicas. A
especificidade deste tipo de patologia condiciona a aplicação dos métodos especiais de
ação local realizados pelos médicos do olho (Zmizgova e Maksimov, 2003).
14.1. Métodos locais de terapia de ozônio em oftalmologia

14.1.1. Ventilação ocular com uma mistura de ozônio e oxigênio

A ventilação ocular com uma mistura de ozônio e oxigênio é realizada em um


espaço fechado sob um capuz, com a presença obrigatória de um destruidor no ozonizador.
A concentração de ozônio na mistura de gás é de 2-8 μg / ml, dependendo da sensibilidade
individual. A hora da sessão é 3-5 minutos.

204 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

Observações: o método está contra-indicado na síndrome do olho seco e na


conjuntivite alérgica.

14. 1.2. Administração subconjuntival de uma mistura de ozônio e oxigênio

Sob a conjuntiva bulbar, em 1-2 dos quadrantes inferiores e após a aplicação da


anestesia local (gotas), é administrado 0,5-1,5 ml de uma mistura de ozônio e oxigênio com
uma concentração de ozônio de 0. , 5-2 μg / ml (escolhido individualmente em uma direção
ascendente) contido em uma pequena seringa.

Observações: o método está contra-indicado na síndrome do olho seco e na


conjuntivite alérgica.

14. 1.3. Administração subcutânea orbital de uma mistura de ozônio e oxigênio

Intracutânea ou superficialmente sob as pálpebras, é administrado 0,1-0,2 ml de uma


mistura gasosa de ozônio e oxigênio, com uma concentração de ozônio de 2 μg / ml,
contida em uma seringa pequena. O volume total do gás administrado não deve ser superior
a 2 ml.

Observações: o método está contra-indicado quando existe uma maior sensibilidade


ao ozônio.

14. 1.4. Irrigação da bolsa conjuntival com uma solução fisiológica ozonizada

Com uma seringa de 20 ml, a bolsa conjuntival é lavada várias vezes sob as
pálpebras superior e inferior, bem como a superfície do globo ocular. A concentração de
ozônio na solução fisiológica não deve ser superior a 1 μg / ml. O procedimento é realizado
1-2 vezes ao dia por 5-14 dias.

Observações: o método está contra-indicado quando existe uma maior sensibilidade


ao ozônio.
14. 1.5. Lavagem das formas lacrimais com uma solução fisiológica ozonizada

A lavagem dos ductos e dos sacos lacrimais é feita pelo procedimento convencional
com anestesia, por instilação com sondagem anterior do lacrimal. Através do ducto
inferior, até 20 ml de solução fisiológica tratada com ozônio com uma concentração de
ozônio de 1-2 μg / ml são administrados de uma só vez. O procedimento é realizado 1 vez
ou 2-3 vezes a cada 3 dias.

Capítulo 14. Ozonoterapia en oftalmología • 205

Observações: o método está contra-indicado quando há uma sensibilidade aumentada


ao ozônio.

14 1.6. Parabulb e administração retrobulbar de uma solução fisiológica ozonizada

• Através da pálpebra inferior, no ângulo externo da abertura do olho, e em


diferentes profundidades de acordo com a localização do processo patológico, 0,5-2 ml de
uma solução fisiológica contida em uma pequena seringa com agulha 0,4 mm ou menor. A
concentração de ozônio na solução fisiológica é de 2 μg / ml.

• Observações: o método está contra-indicado na síndrome do olho seco.

14. 1.7. Aplicações na conjuntiva e nos tecidos oculares com oleo ozonizado

• Aplique 1-2 gotas de óleo ozonizado na superfície afetada da córnea ou na parte


inferior da pálpebra, 1-2 vezes ao dia. É utilizado óleo vegetal bem refinado (refinado)
preparado para uso interno. O óleo deve ser diluído com óleo neutro de acordo com a
farmacopeia (óleo de grau de pêssego ou damasco), 2-5 vezes.

14. 2. Terapia de ozônio em doenças oftalmológicas específicas

14.2.1. Doenças inflamatórias das pálpebras

É um grupo de doenças dos tecidos palpebrais que podem ser causados por
estafilococos, estreptococos, pneumococos, Pseudomonas aeruginosa e outros.

Blefarite: inflamação dos bordos palpebrais, glândulas sebáceas e glândulas da


cartilagem palpebral (glândulas meibomianas).
Chalazion: inflamação proliferativa crônica de glândulas de Meibomian com
formações planas e circundantes na espessura da cartilagem da pálpebra.
Stye: inflamação supurativa aguda das glândulas sebáceas da margem palpebral.

14. 2.1.1. Blefarite

Formas de Aplicação

Ventilação de tecidos oculares com uma mistura gasosa de ozônio e oxigênio.


Administração subconjuntival de uma mistura gasosa de ozônio e oxigênio.
Aplicação de óleo ozonizado na conjuntiva e nos tecidos oculares.
Infusão intravenosa de solução fisiológica ozonizada ou insuflação rectal de uma
mistura de ozônio e oxigênio, ou auto-hemoterapia maior ou menor.

206 Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

Pauta terapéutica

• A ventilação dos tecidos oculares com a mistura gasosa de ozônio e oxigênio é


realizada principalmente nas formas agudas da doença. As sessões são realizadas
diariamente ou em dias alternados, num total de 5-10 sessões. Esta ventilação pode ser
combinada com a aplicação de óleo vegetal ozonizado na conjuntiva e tecidos oculares, ou
substituída por ela.

• A administração subconjuntival da mistura gasosa de ozônio e oxigênio é


preferencialmente aplicada nas manifestações da doença que ocorrem de forma benigna ou
após períodos de gravidade. O número de injeções é de 5-10, ocorrendo todos os dias.

• Infusões intravenosas de solução fisiológica ozonizada ou insuflações diretas de


uma mistura de ozônio e oxigênio, ou auto-hemoterapia maior ou auto-hemoterapia menor
são realizadas a cada dois dias (4-5).

14.2.1.2. Stye, chalazion ou quisto Meibomian

Formas de Aplicação

Administração orbital subcutânea de uma mistura gasosa de ozônio e oxigênio.

Infusão intravenosa de solução fisiológica ozonizada ou insuflação rectal de uma


mistura de ozônio e oxigênio, ou auto-hemoterapia maior ou menor.

Cronograma terapêutico

As injeções orbitais subcutâneas da mistura de ozônio e oxigênio são realizadas


diariamente ou em dias alternados, num total de 5-10 sessões.

As infusões intravenosas de solução salina ou insuflações ozonizada linear-les de


uma mistura de ozono e oxigénio, ou maior ou menor autohaemotherapy autohaemotherapy
realizada em dias alternados (4-5).

Recomenda-se repetir o tratamento após 1, 3 e 6 meses.


14.2.2. Conjuntivite
As doenças inflamatórias infecciosas da conjuntiva constituem quase um terço de
todas as doenças oculares. A conjuntivite aguda e crônica da etiologia viral,
bacteriana, fúngica, parasitária e clamidiana predominam e são classificadas em:
Conjuntivite infecciosa, muitas vezes causada por cocos.
Conjuntivite epidêmica aguda, causada pelo bacilo Koch-Weecks.
Conjuntivite da difteria.
Conjuntivite gonorreférica.
Conjuntivite viral: herpético, adenovírus, queratoconjuntivite epidérmica folicular.
Tracoma e paratracoma.

Capítulo 14. Ozonoterapia en oftalmología • 207

Formas de aplicação

Ventilação de tecidos oculares com uma mistura gasosa de ozônio e oxigênio.

• Irrigação da bolsa conjuntival com uma solução fisiológica ozonizada.


• Administração subconjuntival de uma mistura gasosa de ozônio e oxigênio.
• Aplicações na conjuntiva e tecidos oculares com óleo vegetal ozonizado.

• Infusões intravenosas de solução fisiológica ozonizada ou insuflações rectais com


uma mistura de ozônio e oxigênio, ou auto-hemoterapia menor ou maior.

Cronograma terapêutico

A ventilação dos tecidos oculares com a mistura gasosa de ozônio e oxigênio é


realizada principalmente nas formas agudas da doença. As sessões são realizadas em dias
alternados e são combinadas com irrigações da bolsa conjuntival com uma solução
fisiológica ozonizada. O número total de sessões é 6-10.

A ventilação dos tecidos oculares com a mistura de ozônio e oxigênio e as irrigações


da bolsa conjuntival com solução fisiológica ozonizada podem ser combinadas com as
aplicações do óleo ozonizado na conjuntiva e nos tecidos oculares, ou substituídos por
estes.

A administração subconjuntival da mistura gasosa de ozônio e oxigênio é


preferencialmente aplicada nas manifestações da doença que ocorrem sem complicações
ou após períodos de seriedade. O número de injeções é de 5-10, ocorrendo todos os dias.
Infusões intravenosas de solução fisiológica ozonizada ou insuflações rectais com a
mistura de ozônio e oxigênio, ou auto-hemoterapia menor ou maior são realizadas no
mesmo dia que os procedimentos locais.

Borzenok et al. (1998) destacam a grande eficácia e a redução significativa dos


tempos de cicatrização, incluindo a terapia de ozônio no tratamento múltiplo de pacientes
com paratracoma combinados com hepatite viral.
14.2.3. Doenças do aparelho lacrimal

Dacryocystite é a inflamação do saco lacrimal devido a uma estenose do ducto


lacrimal associado a uma infecção bacteriana.

Formas de Aplicação

Lavagem das formas lacrimais com uma solução fisiológica ozonizada.


Infusões intravenosas de uma solução fisiológica ozonizada ou infusões de linha
reta com uma mistura de ozônio e oxigênio, ou auto-hemoterapia menor ou maior.

Cronograma terapêutico

Lavar as veias lacrimais com uma solução fisiológica ozonizada é feito uma vez ou
2-3 vezes com quebras de dois dias.

208 Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

Infusões intravenosas de solução fisiológica ozonizada ou insuflações diretas com


uma mistura de ozônio e oxigênio, ou auto-hemoterapia menor ou maior são realizadas a
cada dois dias, num total de 5-6 sessões.

14.2.4. Doenças da córnea

As queratites são doenças inflamatórias da córnea de diferentes etiologias, nas quais


são observadas transformações infiltrativas, formação de úlceras e, em casos graves,
perfuração da córnea. De acordo com a etiologia, eles são classificados como:

• Queratite bacteriana.
• Queratite herpética.
• Queratoconjuntivite por adenovírus.
• Queratite fúngica.
• Queratite tuberculosa.

A forma mais freqüente de envolvimento da córnea é a queratite herpética. 10-50%


dos pacientes apresentam evolução prolongada e recorrente; Em um terço dos pacientes,
observa-se resistência aos melhores antivirais.

Formas de Aplicação

• Ventilação de tecidos oculares com uma mistura gasosa de ozônio e oxigênio.

• Irrigação da bolsa conjuntival com uma solução fisiológica ozonizada.


• Administração subconjuntival de uma mistura gasosa de ozônio e oxigênio.
• Aplicação de óleo ozonizado na conjuntiva e nos tecidos oculares.
• Administração de Parabulbar de uma solução fisiológica ozonizada.
• Infusão intravenosa de uma solução fisiológica ozonizada ou insuflação rectal de
uma mistura de ozônio e oxigênio, ou auto-hemoterapia maior ou menor.

Cronograma terapêutico

A ventilação de tecidos oculares com uma mistura gasosa de ozônio e oxigênio é


realizada principalmente nas formas graves da doença. As sessões são realizadas em dias
alternados e são combinadas com irrigações do saco conjuntival com uma solução
fisiológica ozonizada. O número total de sessões é 6-10.

A ventilação de tecidos oculares com uma mistura gasosa de ozônio e oxigênio e as


irrigações do saco conjuntival com solução fisiológica ozonizada podem alternar com as
aplicações de óleo vegetal ozonizado na conjuntiva e nos tecidos oculares, ou ser
substituídos por estes.

A administração subconjuntival da mistura gasosa de ozônio e oxigênio, ou a


administração da parábola de uma solução fisiológica ozonizada são preferencialmente
realizadas nas manifestações subseqüentes à gravidade e naquelas que ocorrem sem
complicações. O número de injeções é 5-10, ocorrendo todos os dias.

Capítulo 14. Ozonoterapia en oftalmología • 209

Infusões intravenosas de uma solução fisiológica ozonizada ou insuflações rectais de


uma mistura de ozônio e oxigênio, ou auto-hemoterápias maiores ou menores são
realizadas no mesmo dia em que são realizados procedimentos de ação local.

Pina et al. (1997) observaram-se dois grupos de 60 doentes com queratite, em um


dos quais (o grupo basal) terapia de ozônio subconjuntival adminis-tração de uma mistura
de ozono e oxigénio foi aplicado por insuflação e rectal, e no grupo de controlo foram
aplicados a métodos usuais de tratamento. Após a primeira semana, todos os pacientes do
grupo de base começaram a mostrar sinais de melhora, e após a terceira semana, a
cicatrização completa começou. No grupo controle, a cura completa foi alcançada somente
após 6 meses.

Kulikova et al. (2004) realizaram um estudo comparativo de dois grupos de


pacientes com queratite herpética e uma condição orgânica importante da córnea, uma das
quais recebeu terapia com ozônio como parte do tratamento múltiplo. Já após a primeira
sessão de administração intravenosa e paragubar de uma solução fisiológica ozonizada,
todos os pacientes perceberam uma melhora significativa no estado geral, com o
desaparecimento da dor. Foi documentada uma diminuição nos tempos de epitelização dos
defeitos da córnea e a reabsorção dos infiltrados (Tabela 14-1).
Tabla 14-1. Principais indicadores clínicos de eficácia do tratamento em pacientes
com queratite herpética.

Prazo de Prazo de início Prazo da Prazo de


epitelizaçã da reabsorção reabsorção
o de total de tratamento
Grupo
infiltrado infiltrado
da córnea corneal corneal estacionario
(días em
(días) (días) (días) cama)

Grupo de
compara 12,83 ± 16,30
ção 1,02 8,33 ± 0,61 ±1,13 14,60 ± 0,81
(n = 30)
Grupo
9,12 ± 5,60 ± 0,50 13,16 ±
basal
1,45 ** 1,01* 12,80 ± 1,04
(n = 22 )

* Diferenças significativas (p <0,05) em relação ao grupo de comparação.

** Diferenças significativas (p <0,01) em relação ao grupo de comparação.

A cicatrização foi registrada em 80% dos pacientes tratados com ozônio, em


comparação com 56% daqueles que receberam tratamento convencional. A melhora na
acuidade visual foi maior no grupo basal do que no grupo de comparação (em 0,33 e 0,21,
respectivamente). Em casos de queratite intensa, essa diferença foi ainda maior (0,41 e
0,23).

A inclusão da terapia com ozônio permitiu a correção de distúrbios imunológicos,


expressada pelo aumento da atividade fagocítica de neutrófilos. No trabalho de Kulikova et
al. (2004) indica a dinâmica positiva da OLP e DAO sob a influência da terapia com
ozônio.

210 Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

14. 2.5. Doenças da esclerótica

Entre as doenças da esclera, predominam os processos inflamatórios, que são


divididos em superficial (episclerite) e profunda (esclerite). A terapia com ozônio é
utilizada na episclerite.

Formas de Aplicação

• Ventilação de tecidos oculares com uma mistura gasosa de ozônio e oxigênio.

• Administração subconjuntival de uma mistura gasosa de ozônio e oxigênio.


• Aplicação de óleo ozonizado na conjuntiva e nos tecidos oculares.
• Infusão intravenosa de solução fisiológica ozonizada ou insuflação rectal de uma
mistura de ozônio e oxigênio, ou auto-hemoterapia maior ou menor.

Cronograma terapêutico
A ventilação dos tecidos oculares com a mistura gasosa de ozônio e oxigênio é
preferencialmente realizada nas formas agudas da doença. As sessões (5-10) são realizadas
diariamente ou em dias alternados. Esta ventilação pode ser combinada com a aplicação de
óleo ozonizado na conjuntiva e nos tecidos oculares, ou ser substituída por ela.

A administração subconjuntival de uma mistura gasosa de ozônio e oxigênio é


preferencialmente usada em manifestações subseqüentes à gravidade e naquelas que
ocorrem sem complicações. O número de injeções é de 5-10 e é feito todos os dias.

Infusões intravenosas de uma solução fisiológica ozonizada ou insuflações rectais de


uma mistura de ozônio e oxigênio, ou auto-hemoterápias maiores ou menores são
realizadas em dias alternados (5-10).

14.2.6. Doenças das tripas vasculares

Uveíte são doenças inflamatórias que afetam os envelopes vasculares dos olhos e
podem ser devidas a várias etiologias. Alguns são infecciosos (bacterianos, virais, fúngicos,
sifilíticos, clamídia e helmínticos) e outros aparecem em algumas doenças sistêmicas. A
uveíte é dividida em anterior (iridociclite) e posterior (coriorretinite). É uma doença grave e
recorrente, que causa incapacidade em 30% dos pacientes e cegueira bilateral para 10 %.

Formas de aplicação

Administração de parabulbar e retrobulbar de uma solução fisiológica ozonizada.

• Infusão intravenosa de uma solução fisiológica ozonizada ou insuflação rectal de


uma mistura de ozônio e oxigênio, ou auto-hemoterapia maior ou menor.

Cronograma terapêutico

A administração parabulbar e retrobulbar de uma solução fisiológica ozonizada é


feita diariamente ou a cada dois dias, num total de 5-10 sessões.

Capítulo 14. Ozonoterapia en oftalmología • 211

Infusões intravenosas de solução fisiológica ozonizada ou insuflações rectais de uma


mistura de ozônio e oxigênio, ou auto-hemoterapia maior ou menor são realizadas a cada
dois dias (5-8 sessões).

Em um estudo realizado com 103 pacientes com uveíte endógena, Piksin et al.
(2007) demonstraram que a inclusão de uma solução fisiológica ozonizada no tratamento
com infusões intravenosas e injeções parabulbar produz uma ação imunomoduladora
positiva e corrige os processos da OLP e da AAO, ambos na uveíte aguda que surgem pela
primeira vez , como em casos de doença recorrente. A eficácia clínica da terapia com
ozônio se manifestou por uma diminuição nos dias de permanência na cama e recorrência
de longo prazo de 17,5% para 6,7%.
A inclusão da terapia com ozônio (10 sessões de auto-hemoterapia principal) no
tratamento múltiplo da uveíte tuberculosa alérgica permitiu Degtiarenko et al. (2006)
obtiveram resultados clínicos positivos em 76,4% dos pacientes, em comparação com
62,8% dos pacientes tratados apenas com antiinflamatórios, o que também foi
acompanhado de alterações positivas na imunidade celular. Sob a influência da terapia de
ozônio, observou-se aumento do número de linfócitos T no sangue de pacientes em 81,2%
dos casos (sem terapia de ozônio, o aumento foi de 40,9%).

14.2.7. Doenças da retina

As doenças vasculares, distróficas e inflamatórias da retina produzem diminuição da


acuidade visual, estreitamento do campo visual, exsudatos ou escotomas.

As causas das condições da retina podem ser:

• Oclusão aguda da artéria central e seus ramos.


• Oclusão da veia central da retina.
• Retinopatia diabética.
• Distrofia escleral.
• Abiotrofia pigmentar da retina (retinite pigmentosa).

Retinite pigmentosa é uma doença generalizada, observada em 0,5% da população


em todo o mundo. A maior pesquisa sobre a influência da ozônio-terapia na evolução da
retinite pigmentosa foi feita em Cuba, onde 3.1 de cada 10.000 habitantes sofrem com a
doença.

As retinopatias degenerativas são doenças degenerativas da retina que podem levar à


cegueira se o tratamento adequado não for administrado. Estes incluem retinite
pigmentosa, doença de Stadgardt e choroideremia e constituem um grupo heterogêneo de
doenças degenerativas retinocoroidais com variada expressão genética e de origem
desconhecida. As pessoas afetadas por essas patologias, que são enquadradas na
degeneração de bastões ou cones, têm uma visão comum da noite ou do dia, dependendo
se a afetação é de base ou cones. Como já mencionado, os sintomas fundamentais são a
visão deficiente e uma diminuição progressiva no campo visual, com um eletroretinograma

212 Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

abaixo do normal ou plano, o que pode levar à cegueira total ou parcial. Múltiplos
métodos terapêuticos foram usados para parar o processo da doença, incluindo
medicamentos, como a vitamina A, ou o extrato de aloe, uma oxigenase de tecidos. Uma
resposta satisfatória não foi obtida em nenhum caso. No exame ocular, observa-se
alterações da papila, como palidez, vasos de calibre muito diminuídos e depósitos de
material fagocitado na retina.

A retinopatia diabética é uma microangiopatia que afeta principalmente arteriolas,


capilares e vênulas pós-caolares da retina, com sinais de lesão microvascular e
extravasamento; Os vasos maiores também podem ser afetados. É a principal causa de
cegueira em pessoas de 25 a 64 anos de idade, e aparece mais freqüentemente após anos de
diabetes diagnosticada. É uma doença em que a cegueira é observada com muita
frequência. O risco pode ser reduzido por um controle ótimo da glucemia, um exame
oftalmológico regular e um tratamento atempado, que está a progredir cada vez mais. A
retinopatia diabética é classificada como pré-proliferativa, não-proliferativa e proliferativa;
Dependendo do estágio em que se encontra, as alterações hemorréológicas podem ser
observadas com o transporte de oxigênio deficiente nos tecidos, hemorragias e edema. O
aparecimento de neovascularização em resposta à hipoxia retiniana é a marca registrada da
retinopatia diabética proliferativa. Os vasos recentemente formados podem aparecer no
nervo óptico, na mácula ou em ambos, e romper e causar hemorragia vítrea, fibrose e,
eventualmente, descolamento da retina.

O glaucoma é uma neuropatia óptica multifatorial progressiva, caracterizada pela


perda do campo visual e outras alterações funcionais da fisiologia ocular, e na qual a
pressão intraocular (PIO) é considerada o principal fator de risco. Ele ocupa um dos
primeiros lugares como causa de perda de visão em todo o mundo, e inicialmente lesiona
os axônios que penetram nas faces temporoinferior e temporosuperior do disco óptico, e os
escotomas arqueados típicos são produzidos.

À medida que as fibras são destruídas, o nervo nervoso do disco óptico se contrai e a
escavação fisiológica interna aumenta. Nos últimos anos, o tratamento do glaucoma de
ângulo aberto tem sido utilizado, juntamente com hipotensores locais, tratamentos anti-
gioprotetores, terapia com vitaminas e vasodilatadores, que produzem mudanças
hemodinâmicas favoráveis ou diminuem os processos oxidativos que ocorrem no tecido
ocular, com Para melhorar a função nervosa danificada.

Desde 1987, a terapia de ozônio retal foi aplicada em Cuba a pacientes com
glaucoma primário de ângulo aberto. A associação de magnetoterapia também foi
incorporada, por suas ações benéficas sobre a permeabilidade da membrana celular, as
propriedades reológicas do sangue e a ação vasodilatadora, bem como a diminuição que
provoca na tensão superficial dos eritrócitos, a pressão intraocular e tempo retinocortical.

Na queratite herpética e úlceras da córnea, o fator precipitante mais comum é o


desenvolvimento de um defeito epitelial que cria condições adequadas para a instalação de
um processo infeccioso cuja etiologia pode ser uma infecção viral, bacteriana ou fúngica. A
úlcera da córnea é uma queratite purulenta que é observada com maior freqüência em
adultos do gênero masculino e nos habitantes das áreas rurais, sendo de grande importância
o processo de cura, em que dependerá a maior ou menor perda de transparência.

Capítulo 14. Ozonoterapia em oftalmologia • 213

A oclusão da veia central da retina é um transtorno vascular retiniano relativamente


comum, que consiste na interrupção do fluxo sanguíneo através da veia central da retina,
criando hemorragia retiniana, veias dilatadas e tortuosas da retina e Isquemia da retina.

Formulários de inscrição
Administração de parabulbar e retrobulbar de uma solução fisiológica ozonizada.

• Infusão intravenosa de uma solução fisiológica ozonizada ou insuflação rectal de


uma mistura de ozônio e oxigênio, ou auto-hemoterapia maior ou menor.

Cronograma terapêutico

• Intervalo das concentrações utilizadas: médio.


• Rotas de administração: via retal, auto-hemoterapia principal, infiltrações
subconjuntivistas, capuzes e óleo ozonizado em colírios.

Via Retal

Em pacientes com um valor inicial de estresse oxidativo de grau «0» o «1»

Semana de Concentração de O3 Volume de O3 Dosis


tratamento
(µg/ml) (ml) (mg)

Primeira 25 100 2,5

Segunda 30 100 3

Terceira 35 150 5,25

Quarta 40 200 8

Sessões diárias de segunda a sexta-feira.

Em pacientes com um valor de estresse oxidativo inicial de «2» o «3»

Semana de Concentração de O3 Volume de O3 Dose


tratamento
(µg/ml) (ml) (mg)

Primeira 15 100 1,50

Segunda 20 100 2

Terceira 25 150 3,75

Quarta 30 150 4,5


214. Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

Em pacientes com um grau inicial de estresse oxidativo «4», O Ozone Research


Center recomenda não iniciar o ozônio imediatamente, mas primeiro administrando o
tratamento com antioxidantes, para melhorar o estado antioxidante. O tratamento com
terapia de ozônio só começa quando a relação risco-benefício sugere.

Concentração de O3 Volume de O3 Dose


Semana de tratamento
(µg/ml) (ml) (mg)

Primeira 15 100 1,50


Segunda 20 100 2
Terceira 25 150 3,75
Quarta 30 150 4,5

São indicadas 20 sessões. Em doenças crônicas, o ciclo de tratamento deve ser


repetido pelo menos de seis em seis meses. Em alguns pacientes, dependendo do estágio da
doença, é necessário repetir a cada 3-4 meses.

Pode ser combinado com outras rotas sistêmicas.

Auto-hemoterapia principal em 150 ml de sangue

Em pacientes com um valor inicial de estresse oxidativo de grau «0» o «1»

Concentração de O3 Volume de O3 Dose


Semana de tratamento
(µg/ml) (ml) (mg)

Primeira 20 50 1
Segunda 25 70 1,75
Terceira 25 100 2,5
Quarta 30 100 3
Quinta 35 100 3,5

Em pacientes com um valor inicial de estresse oxidativo de grau «2» o «3»

Semana de Concentração de O3 Volume de O3 Dose


tratamento
(µg/ml) (ml) (mg)

Primeira 15 50 0,75
Segunda 20 50 1
Terceira 25 70 1,75
Quarta 25 100 2,5
Quinta 30 100 3
Capítulo 14. Ozonoterapia en oftalmología • 215

Em pacientes com um grau inicial de estresse oxidativo «4», A rota retal será
melhor utilizada, desde que a relação entre risco e benefício assim o indique, e usando o
esquema indicado acima para a rota retal (grau 4). Se a recuperação ocorreu no meio do
tratamento, do ponto de vista do diagnóstico de estresse oxidativo, o seguinte esquema
para a auto-hemoterapia maior poderia então ser aplicado:

Concentração de O3 Volume de O3 Dose


Semana de tratamento
(µg/ml) (ml) (mg)

Primeira 10 50 0,5

Segunda 15 50 0,75

Terceira 15 70 1,05

Quarta 20 100 2

Quinta 25 100 2,5

15 sessões serão concluídas, em dias alternados. O tratamento também pode ser


aplicado diariamente, o que só levaria 3 semanas.

Na queratite herpética e úlceras da córnea, as seguintes rotas tópicas também são


indicadas:

Via subconjuntival

• 1-2 ml de ozono serão administrados a uma concentração de 35 μg / ml.


• Uma gota de olho anestésico deve ser aplicada primeiro.
• Dependendo da gravidade do caso, ele será feito 2 ou 3 vezes por semana.

Capuz de olhos

O capô será usado com concentrações de ozônio de 30 μg / ml, aplicando um vácuo


em um dos capuzes e mantendo-o por 5-10 minutos. Uma gota de olho anestésico será
aplicada primeiro. Pode ser prescrito em dias alternados, combinando-o com a via
subconjuntival, quando necessário.

Gota de olho de óleo ozonado

Óleo ozonizado de olho no tratamento de úlceras herpéticas (1 gota duas vezes ao


dia, até o desaparecimento dos sintomas).

Observações

Deve-se notar que essas doses são aplicadas de acordo com o resultado do
Diagnóstico de Estresse Oxidativo que é realizado no Centro de Pesquisa de Ozônio de
Cuba. Se não
216 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

Este diagnóstico está disponível, são recomendados os seguintes esquemas, tanto


para a via retal quanto para a auto-hemoterapia maior:

Vía retal

Semana de Concentração de O3 Volume de O3 Dose


tratamento
(µg/ml) (ml) (mg)

Primeira 20 100 2

Segunda 25 150 3,75

Terceira 30 150 4,5

Quarta 35 200 7

Será realizada diariamente, de segunda a sexta-feira, no total de 20 sessões.

Autohemoterapia maior

Concentração de O3 Volume de O3 Dose


Semana de tratamento
(µg/ml) (ml) (mg)

Primeira 20 50 1

Segunda 30 100 3

Terceira 40 120 4,8

O tratamento pode ser aplicado diariamente, de segunda a sexta-feira (3 semanas),


ou em dias alternados (5 semanas), no total de 15 sessões.

Devemos considerar que estas dosagens são um guia para o tratamento da terapia de
ozônio, mas devemos sempre estar atentos à evolução do paciente de acordo com a
patologia ocular presente e o controle da patologia subjacente que existe, o que
possibilitará a modificação do esquema terapêutico Em Cuba, o ozônio tem sido utilizado
desde 1987 no tratamento dessas patologias.

A administração parbulbar e retrobulbar de uma solução fisiológica ozonizada é


realizada diariamente ou a cada dois dias, no total de 8 a 10 sessões.

Infusões intravenosas de uma solução fisiológica ozonizada ou insuficiências rectais


de uma mistura de ozônio e oxigênio, ou auto-hemoterapia maior ou menor são realizadas
em dias alternados.
Após 6 meses de tratamento com 15 sessões de auto-hemoterapia principais
aplicadas a
62 pacientes com retinite pigmentosa, Moreno et al (1997) detectaram que a
acuidade visual não mudou em 74,2% dos pacientes, melhorou em 21% e piorou em 4,8%.

Capítulo 14. Ozonoterapia en oftalmología • 217

A área do campo visual permaneceu a mesma em 41,9% dos pacientes, melhorou em


46,7% e piorou em 11,35%. Esses indicadores foram significativamente melhores do que
no grupo de comparação. Os autores enfatizam a necessidade de repetir o tratamento com
ozônio pelo menos uma vez a cada 6 meses, o que permite a manutenção de resultados
positivos. Quando o tratamento foi repetido após um ano, nenhuma melhora foi observada
em 91,9% dos pacientes.

Estudando a dinâmica do estado clínico de 20 pacientes que foram submetidos a


tratamentos repetidos com ozônio durante 24 anos, Copello e colegas (1997) chegaram às
mesmas conclusões. Os melhores resultados foram obtidos quando o tratamento com
ozônio foi repetido pelo menos 2 vezes por ano, com melhorias no campo visual
observadas em 70% dos casos e acuidade visual em 42% dos casos.

Na retinopatia diabética ocorrem importantes alterações da microcirculação, a


circulação sanguínea diminui, aumenta a agregação dos eritrócitos, observa-se espasmos
arteriolares e são produzidas hemorragias, plasmorragias e edema da retina. A terapia com
ozônio é um meio eficaz para corrigir esses distúrbios. Como resultado de sua aplicação,
observou-se melhora na acuidade visual em 71,2% dos casos e dinâmica positiva de
mudanças no fundo em 75% dos pacientes (Kiseleva e Kulikov, 2003; Zankina et al. .,
2003).

De acordo com os resultados de Díaz et al (1997), após o tratamento com insuflações


rectais com uma mistura gasosa de ozônio e oxigênio, observou-se melhora na acuidade
visual em 60% dos pacientes com retinopatia diabética; aos 6 meses, a melhoria foi
mantida em 40%, e após um ano, em 20%.

Neroev et al. (2003) observaram a dinâmica positiva dos indicadores de


electroretinografia em pacientes com maculodistrofia pigmentar (associada à idade), após a
aplicação da terapia com ozônio por administração intravenosa e parabulbar de uma
solução fisiológica ozonizada.

14.2.8. Doenças do nervo óptico

As condições do nervo óptico podem ser congênitas ou adquiridas, e são divididas


em inflamatórias, degenerativas e tóxicas.

A neurite do nervo óptico é caracterizada por uma diminuição aguda na visão


central, estreitamento concêntrico do campo visual e aparência do escotoma. Aparece nas
inflamações infecciosas estendidas dos seios nasais, revestimentos cefálicos, revestimento
vascular e retina, na presença de infecções sanguíneas.
Na neurite retrobulbar, a inflamação está localizada no nervo óptico do globo ocular
ao quiasma (neurite descendente).

A neuropatia isquêmica anterior é uma condição relacionada a distúrbios na


circulação sanguínea nos vasos terceiros anteriores do nervo óptico na presença de
hipertensão, aterosclerose, diabetes mellitus, processos reumáticos e outras doenças.

Atrofia do nervo óptico ocorre como resultado de processos patológicos no nervo


óptico e na retina: inflamação, distrofia, distúrbios da circulação sanguínea, tumores
cerebrais e outras patologias.

218 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

Formulários de inscrição

• Administração de parabulbar e retrobulbar de uma solução fisiológica ozonizada.

• Infusão intravenosa de uma solução fisiológica ozonizada ou insuflação rectal de


uma mistura de ozônio e oxigênio, ou auto-hemoterapia maior ou menor.

Cronograma terapêutico

A administração parbulbar e retrobulbar de uma solução fisiológica ozonizada é


realizada diariamente ou a cada dois dias, no total de 8 a 10 sessões.

Infusões intravenosas de solução fisiológica ozonizada ou insuflações diretas de uma


mistura de ozônio e oxigênio, ou auto-hemoterapia principal ou menor são realizadas a
cada dois dias, no total de 6-10 sessões.

Além dos procedimentos de ação geral, Maniuta e Shumilova (2006) recomendam


que os pacientes com neurite coclear incluam insuflações com uma mistura de ozônio e
oxigênio, a uma concentração de 20 μg / ml, através do canal auditivo externo. não por 3-4
minutos (15 sessões), bem como 5 sessões de administração subcutânea da mistura de
ozônio e oxigênio na região do processo mastoideo, 1 vez em 3 dias, 20 μg de ozônio em
cada sessão.

Em um grupo de 60 pacientes com disfunções do nervo óptico de diferentes


etiologias, a terapia com ozônio foi utilizada, através de 15 sessões de auto-hemoterapia
principal. A exploração oftalmológica após o tratamento mostrou melhora na acuidade
visual em 55% dos pacientes, sensibilidade ao contraste em 86%, parâmetros do campo
visual em 83% e potenciais visuais causados em 37%. Foram obtidos bons resultados em
casos com diferentes afecções do nervo óptico, exceto pela atrofia óptica de Lëber
(Santiesteban et al., 1997).
14.2.9. Alterações da pressão intra-ocular

Entre as patologias que afetam a pressão intra-ocular, estão incluídos três tipos de
glaucoma, que são doenças nas quais a etiologia e o desenvolvimento da pressão
intraocular desempenham um papel fundamental.

O glaucoma primário de ângulo aberto é uma doença em que o aparelho


neurorreflector, que regula a pressão intraocular, é alterado. A doença apresenta uma
evolução crônica, com aumento constante ou periódico da pressão intraocular, com defeitos
no campo visual, atrofia do nervo óptico, diminuição da acuidade visual, alterações
distróficas no sistema de drenagem ocular e bloqueio dos dutos de drenagem do fluido
intraocular.

O glaucoma secundário aparece como resultado de diferentes doenças


oftalmológicas que causam alterações na hidrodinâmica ocular.

O glaucoma congênito é devido ao desenvolvimento incompleto ou incorreto do


sistema de drenagem ocular ou ao ângulo da câmara anterior.

Formulários de inscrição

• Administração subconjuntival de uma mistura gasosa de ozônio e oxigênio.

Capítulo 14. Terapia de ozônio em oftalmologia • 219

• Aplicação de óleo ozonizado na conjuntiva e nos tecidos oculares.


• Infusão intravenosa de solução fisiológica ozonizada ou insuflação rectal de uma
mistura de ozônio e oxigênio, ou auto-hemoterapia maior ou menor.

Cronograma terapêutico

As injeções subconjuntivais da mistura gasosa de ozônio e oxigênio são feitas a cada


dois dias e são combinadas com a aplicação de óleo ozonizado na conjuntiva. O número
total de sessões é 10-14.

Infusões intravenosas de solução fisiológica ozonizada ou insuflações diretas da


mistura de ozônio e oxigênio, ou auto-hemoterapia maior ou menor são aplicadas em dias
alternados durante a execução de procedimentos locais.

A aplicação da ozonoterapia por Ferrer et al. (1997), 131 pacientes com diagnóstico
de glaucoma de ângulo aberto melhoraram as funções visuais e a hemodinâmica ocular.

De acordo com os resultados obtidos por Díaz et al. (1997) em 25 pacientes com
glaucoma de ângulo aberto imediatamente após a terapia com ozônio e durante 9 meses,
observou-se melhora da acuidade visual em 65% dos pacientes; Em 53%, essa melhora foi
mantida por um ano. O campo visual aumentou em 76% dos pacientes, que foi mantido por
um ano.
Na Tabela 14-2, tirada da monografia Aspectos Clínicos da Terapia do Ozônio, sob a
redação dos professores Zmizgova e Maksimov (2003), são apresentadas conclusões sobre
o uso de procedimentos locais de aplicação de terapia de ozônio em diferentes doenças
oftalmológicas.

Tabela 14-2. Resumo dos procedimentos locais em patologias oculares.

Nosología Procedimento de ozonoterapia

BLEFARITIS

SÍNDROME DE DOR

INVESTIMENTO PALPEBRAL

GLAUCOMA

DACRIOADENITE

(continúa)
220. Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

Tabla 14-2. Resumo dos procedimentos locais em patologias oculares (continuación).

Nosología Procedimiento de ozonoterapia

DACRIOCISTITIS
lac
DILATAÇÃO DOS MÚSCULOS ORBICULARES TUMORES FATAL DA EVALUAÇÃO EYELIDS

PALPERSE

IRIDOCICLITIS

ISQUEMIA DO FUNDO DE OLHO

QUERATITIS

QUERATOPLASTIA

CONJUNTIVITE

COREA-RETINITIS

QUEMADURA OCULAR

PANOFTALMITIS

PÉNFIGO

PTERIGIÓN

NEURÍTICA DE RETROBULBAR

SIMBLEFARON

TROMBOSE VASCULAR DA RETINA


Capítulo 14. Ozonoterapia en oftalmología • 221

Tabela 14-2. Resumo dos procedimentos locais em patologias oculares (continuación).

Nosología Procedimento de ozonoterapia

Parabulbar e solução retrobulbar


FLEMÓN ORBITAR
Aplicação com óleo

CHALAZIÓN Gas subcutáneo-orbicular

ENDOFTALMITIS Solução intraocular

Ventilação do tecido ocular

EPIESCLERITIS Gas subconjuntival

Aplicação com óleo

Ventilação do tecido ocular


EROSÃO CORNEAL
Gas subconjuntival

Ventilação do tecido ocular

ÚLCERAS CORNEAL Gas subconjuntival

Aplicação com óleo

Gas subcutáneo-orbicular
ORZUELO
Aplicação com óleo
Capítulo 15
Terapia com ozônio
em
otorrinolaringologia

15.1. Otite externa difusa


• O problema da otite externa é devido à tendência à maceração da pele dentro
do canal auditivo e ao aparecimento de dermatite. Em pacientes diabéticos com
déficit imunológico, observa-se uma alta atividade e uma rápida difusão do processo
patológico na profundidade dos tecidos. Em casos raros, aparece a inflamação difusa
da pele do canal auditivo externo; mais frequentemente, é adicionado à inflamação
purulenta, aguda ou crônica, da orelha média. No início da doença, os pacientes
relatam picadas, uma sensação de calor e dor no ouvido, depois a sensação de
opressão da orelha e secreções purulentas com um odor desagradável são
adicionadas; Pode aumentar a temperatura corporal.
Formulários de inscrição (Figura 15-1)

Lavagem do canal auditivo externo com água destilada ozonizada ou com uma
solução fisiológica ozonizada.
Gasificação da cavidade com uma mistura de ozônio e oxigênio, com uma
concentração de ozônio de 4-20 μg / ml, através de dispositivos especialmente
projetados para esta aplicação.

Colocação de cotonetes com óleo ozonizado no canal auditivo externo.

Infusão intravenosa de solução fisiológica ozonizada, ou insuflação rectal com


uma mistura de ozônio e oxigênio, ou auto-hemoterapia maior ou menor.

223

224. Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

Figura 15-1. Dispositivo para a aplicação da mistura de ozônio e oxigênio na otite.

Pauta terapéutica

Após a lavagem do canal auditivo externo com água destilada ozonizada ou com
uma solução fisiológica ozonizada, o cotonete é introduzido com óleo ozonizado. São
realizadas 4-5 sessões diárias.

Infusões intravenosas de solução fisiológica ozonizada, ou inflações diretas com


uma mistura de ozônio e oxigênio, ou auto-hemoterapia maior ou menor são realizadas
como procedimentos complementares sob a supervisão do médico, em dias alternados,
num total de 3-4 sessões.

Akulich et al. (2000) observaram os resultados positivos da lavagem do ducto au-


ditico externo com uma solução fisiológica ozonizada.

15.2. Otite média purulenta

A otite média pode ser aguda ou crônica. A inflamação aguda do ouvido médio é
uma doença muito freqüente, em que o processo inflamatório é distribuído em todas as
cavidades: a cavidade timpânica, a trompa de Eustaquio e no processo mastoideo. É
produzido pela irrupção de um agente desencadeante (streptococcus, pneumococcus,
staphylococcus e outros microorganismos) na cavidade timpânica em situações em que a
capacidade de resposta do corpo é alterada. Os fatores predisponentes são processos
crônicos nasais e nasofaríngeos, que alteram a função de ventilação e drenagem dos tubos
auditivos (rinite, sinusite, adenoidite e outros).

Capítulo 15. Ozonoterapia em otorrinolaringologia • 225

Os sintomas da inflamação aguda da orelha média são: sensação de plenitude e


aperto no ouvido, diminuição da audição, dor intensa nas rajadas no ouvido e aumento da
temperatura corporal. O acúmulo de exsudato na caixa timpânica provoca inchaço do
tímpano, com posterior secreção de pus, ou seja, aparência de perfurações. As secreções
que vêm da orelha são sangrentas no início e depois mucopurulentas.

As inflamações crônicas purulentas da orelha média são caracterizadas por otorrhea


puru-lento constante ou periódica, pela presença de secreções persistentes de tímpano e por
um grau diferente de perda auditiva. Aparece no contexto de otite média aguda, muitas
vezes devido a uma diminuição da resistência do corpo.

Otite crônica é dividida em otite com perfurações centrais, mesotimpanite e otite


com perfurações nas extremidades do tímpano ou epitimpanite.

A inadequação do tratamento tradicional da otite crônica crônica está relacionada à


diminuição da sensibilidade da microflora a muitas preparações antibacterianas.

O grande efeito antiinflamatório, bactericida e fungicida das preparações ozonizadas


e a ausência praticamente total de complicações e reações alérgicas devido à sua aplicação
determinam a adequação da terapia com ozônio neste tipo de patologias. Além disso, ao
diminuir a fase destrutiva da inflamação, o ozônio diminui o risco de cicatrizes e
aderências na cavidade timpânica e torna possível a epitelização (Tafintsev et al., 2003).

Formas de Aplicação (Figura 15-2)

• Lavagem da cavidade timpânica ou da cavidade de treinação com água destilada


ozonizada ou com uma solução fisiológica ozonizada, com uma concentração de ozono de
1,5-8 μg / ml
• Gasificação da cavidade com uma mistura de ozônio e oxigênio, com uma
concentração de ozônio de 4-20 μg / ml, através de dispositivos especialmente projetados
para esta aplicação.

• Infusão intravenosa de solução fisiológica ozonizada, insuflação rectal com uma


mistura de ozônio e oxigênio, ou auto-hemoterapia maior ou menor.

Cronograma terapêutico

A terapia com ozônio pode ser realizada de forma independente e com tratamentos
anti-inflamatórios convencionais.

A lavagem da cavidade timpânica ou a cavidade de treinação com água destilada


ozonizada ou com solução fisiológica ozonizada é realizada com a ajuda de uma cânula
Hart-mann ou de um microcateter. Em seguida, a gasificação da cavidade é realizada com
a ajuda de um plugue e fones de ouvido especiais, que permitem a adição e drenagem da
mistura de ozônio e oxigênio com um caudal de 0,5 l / min. O procedimento é realizado
diariamente, num total de 5-6 sessões.

O processo de gaseificação é mais simples com o uso de um cotonete comum. Uma


extremidade do cotonete é umedecida e, um contin-

226 • Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

Figura 15-2. Dispositivo para a aplicação da mistura de ozônio e oxigênio na otite média
purulenta.
nuação, é colocada no canal auditivo. Através da outra extremidade, uma agulha é
colocada com uma seringa de 10 ml preenchida com uma mistura de gás com uma
concentração de ozônio de 5-7 μg / ml, sendo a mistura administrada lentamente pelo canal
auditivo. As sessões também são realizadas diariamente, no total de cerca de 5-8.

Ovchinnikov e Sinkov (1998) estudaram os efeitos da ozonoterapia em 28 pacientes


com otite média purulenta crônica (22 casos) e aguda (6 casos). O grupo de controle
consistiu em 28 pacientes, que receberam tratamento de preservação convencional. Nos
pacientes do grupo basal, realizou-se lavagem com solução fisiológica ozonizada e
gaseificação com a mistura de ozônio e oxigênio nas cavidades da orelha média e
verificou-se que a cura dos pacientes nesse grupo começou 3-5. dias antes A quantidade de
lavagens no grupo basal foi 5-6 (uma vez por dia) e no grupo controle, 18-20 (duas vezes
por dia). Nos pacientes do grupo basal, a otorréia purulenta parou aos 4-5 dias, e nos do
grupo controle, aos 7-9 dias. O crescimento microbiano nas cavidades da orelha média foi
interrompido em 3-4 e 6-8 dias, respectivamente. Os autores recomendam a terapia de
ozônio como um método complementar no tratamento múltiplo da otite média, e também
como um método fundamental em casos de intolerância a preparações antibacterianas ou
uma diminuição da sensibilidade para elas pela microflora patogênica.

Shajov e Edeleva (1999) trataram 52 pacientes com mesotympanitis purulenta


crônica, aplicando terapia com ozônio na forma de gaseificação com uma mistura de
ozônio e oxigênio na cavidade timpânica. Após 2-3 sessões, uma diminuição da otorréia
purulenta já foi observada, e em 5-7 sessões, a otorréia parou completamente em 81% dos
pacientes, e nos 19% restantes houve uma diminuição considerável na produção urinária.
A quantidade excretada. No final do tratamento com terapia de ozônio, a otoscopia foi
caracterizada pelo desaparecimento

Capítulo 15. Ozonoterapia em otorrinolaringologia • 227

de edema e a restauração da coloração fisiológica da mucosa. A simplicidade, a segurança


e a alta eficácia da terapia com ozônio devem ser destacadas, o que é possível a sua
utilização em preparativos para intervenções que busquem melhorar a audição.

15.3. Surdez neurossensorial

A surdez neurosensível é um grupo de doenças diferentes devido à etiologia e à


patogenia, em que são observadas alterações degenerativas e atróficas nas seções
periféricas, e às vezes no centro, do aparelho auditivo. Todas estas condições estão
incluídas sob o nome geral de neurite do nervo auditivo, e as causas de sua aparência
podem ser:

• Envenenamento por grandes doses de preparações salicílicas, antibióticos,


mercúrio, arsênico e outros.
• Infecções (meningite cerebrospinal, escarlatina, sarampo, gripe e outros).
• Doenças endócrinas e vasculares.
• Traumas agudos ou crônicos (influência de sons intensos).
A doença é caracterizada por uma diminuição progressiva da audição, a alteração da
recepção do som e a presença de ruído nos ouvidos. Na exploração automática, o paciente
distorce as palavras de um grupo de vozes agudas, ouvindo a voz feminina pior do que a
voz masculina. Na audiometria, a diminuição preferida na audição de tons altos é
determinada.

Na surdez neurossensorial, a terapia com ozônio é um método terapêutico que atua


sobre fatores patogênicos, uma vez que a base da doença é hipoxia dentro do caraco.

Uma vez que o analisador auditivo não tem suas próprias reservas de oxigênio, a
diminuição na chegada do oxigênio do sangue é acompanhada por distúrbios funcionais e,
posteriormente, pela morte das células nervosas. A terapia com ozônio diminui a hipóxia
do analisador auditivo durante todo o curso, graças à melhoria das propriedades reológicas
do sangue, à capacidade de deformação dos eritrócitos, à diminuição da autoimunização do
organismo e à normalização do estado dos processos do OLP e do DAO, da troca de
energia e da hemodinâmica cerebral (Barjotkina, 2001).

Formas de Aplicação

Infusão intravenosa de solução fisiológica ozonizada ou insuflação rectal com uma


mistura de ozônio e oxigênio, ou auto-hemoterapia maior ou menor.

Cronograma terapêutico

Um dos procedimentos mencionados acima é realizado por dois dias consecutivos e


depois em dias alternados, num total de 15-20 sessões. Ao realizar administração
intravenosa de solução fisiológica ozonizada a pacientes com surdez de neurosen-

228 Guía para el uso médico del ozono. Fundamentos terapéuticos e indicaciones

sitiva, Miroshnichenko et al. (2000) observaram um efeito positivo em 83,3% dos


casos. Além da melhora na audição, o humor foi normalizado em geral, e o ruído nos
ouvidos desapareceu ou diminuiu.

Os dados obtidos sobre o uso de ozonoterapia em 320 pacientes com surdez


neurossensorial durante um período de 6 anos mostraram um importante efeito clínico em
92,7% dos casos. O aumento na recepção dos sopros foi de 2,17 Hz em média, o da
conversa foi de 1,43 m (Kud e Barjodkina, 2003).

De acordo com os resultados de Maniuta e Shumilova (2006), o uso da terapia de


ozônio na neurite coclear permitiu reduzir o ruído dentro dos ouvidos em todos os casos e
melhorar a audição em 42%.

15.4. Rinite

15.4.1. Rinite aguda


O resfriado agudo é uma das doenças mais freqüentes do trato respiratório superior,
que pode ser uma condição independente ou o início de uma doença infecciosa aguda. Ele
surge como uma reação do organismo a um resfriamento geral ou local, que é um fator
predisponente para a ativação da microflora patogênica condicional, que está
permanentemente na cavidade nasal ou na nasofaringe. A rinite aguda também pode ser
causada pela influência de poeira, fumaça, vapores de diferentes ácidos e outras
substâncias.

Na evolução da doença, três estágios são diferenciados. A primeira delas, a


inflamação da mucosa nasal e nasofaríngea, dura 1-2 dias. O segundo estágio, a secreção
reforçada, com abundante secreção nasal, serosa e mucosa, dura quase um dia. Na terceira
fase, as secreções adquirem um caráter mucopurulento e os sintomas da doença começam a
enfraquecer. Após cerca de 7 a 10 dias, a cura é alcançada.

O tratamento local visa eliminar as dificuldades na respiração nasal e a diminuição


dos fenômenos inflamatórios. A terapia com ozônio é adequada na segunda fase.

Formas de Aplicação

• Inalações de hidrossóis com óleo ozonizado usando um inalador ultra-sônico.

• Aplicação de óleo ozonizado na mucosa nasal.

Cronograma terapêutico

As inalações serão realizadas 2-3 vezes ao dia. À noite, as gotas de uma das
preparações vasoconstritantes serão aplicadas em ambas as passagens nasais, seguidas de
gotas de óleo ozonizado (para uso interno). No total, serão feitas 3-4 candidaturas.

15.4.2. Rinite crônica

A rinite crônica, rinossinusite e faringite são caracterizados pela sua tendência


generalizada e crescente, e seus tratamentos dependem, como regra geral, dos sintomas.

Capítulo 15. Ozonoterapia em otorrinolaringologia • 229

Existem publicações sobre a aplicação positiva de inalações de materiais ozonizados


nestas patologias. A terapia com ozônio foi mais eficaz do que a esterilização por meios
antibacterianos. Ao influenciar praticamente todos os fatores patogênicos, fornece bons
resultados clínicos, reduzindo desconforto e normalizando a caixa endoscópica. Para
conseguir tudo isso, a terapia com ozônio foi aplicada por hidrossóis com óleo ozonizado,
com o uso de um inalador e ultra-som (Barjotkina et al., 2007).

Formas de Aplicação

• Inalações de hidrossóis com óleo ozonizado com o uso de um inalador ultra-sônico.


• Infusão intravenosa de solução fisiológica ozonizada ou insuflação rectal de uma
mistura de ozônio e oxigênio, ou auto-hemoterapia maior ou menor.

Cronograma terapêutico

Aplicar 5 a 12 sopros durante 5 minutos, diariamente, incluindo um dos


procedimentos gerais de ação: infusão intravenosa de solução fisiológica ozonizada,
insuflação rectal de uma mistura de ozônio e oxigênio, ou auto-hemoterapia principal ou
menor, num total de 10 sessões.

A aplicação do tratamento com inalação em pacientes com rinite crônica atingiu a


redução da microflora patogênica em um quarto, de acordo com os resultados da análise
bacteriológica e a normalização do estado imunológico das mucosas.

15.4.3. Rinite vasomotora crônica

A rinite vasomotora é uma doença neurológica e reflexa, observada principalmente


em pessoas com distúrbios vegetativos gerais, em que há aumento na labilidade e reforço
da irritação do sistema nervoso da mucosa nasal. A base deste resfriado é encontrada nas
mudanças na reatividade do organismo, que levam ao enchimento excessivo de sangue dos
tecidos cavernosos e à inflamação instantânea da mucosa, tudo sob a ação de diferentes
fatores (climáticos e outros). ).

O resfriado vasomotor ocorre na forma de episódios de abundante secreção aquosa,


com intervalos de calma mais ou menos prolongados. O tratamento é direcionado, em
primeiro lugar, à diminuição do aumento da reatividade do sistema nervoso vegetativo. O
ozo-noterapia tem propriedades modulação vegetativo, e produz uma influência positiva
sobre os sintomas clínicos de rinite vasomotora, tanto em doentes com tom autonômica
instável, e aqueles em que o tom de uma secção ou outro sistema domina nervoso
vegetativo

Formas de Aplicação

• Infusão intravenosa de solução fisiológica ozonizada, ou insuflação rectal de uma


mistura de ozônio e oxigênio, ou auto-hemoterapia maior ou menor

230 • Diretrizes para uso médico do ozônio. Fundamentos terapêuticos e indicações

Cronograma terapêutico

Em dias alternados, aplica-se um dos procedimentos acima mencionados, no total de


8-10 sessões.

15.5. Sinusite

As doenças inflamatórias (purulentas) dos seios paranasais são muito freqüentes,


constituindo quase 15-16% de todas as doenças da orelha e do trato respiratório superior
em pacientes ambulatoriais e quase 30% entre os hospitalizados. O primeiro lugar em
termos de freqüência de envolvimento é ocupado pelo seio maxilar (antro de Highmore) e,
em seguida, o labirinto do etmoide e os seios frontal e cuneiforme.

Raramente, há envolvimento isolado do seio; O mais comum é que vários peitos são
afetados. Fatores predominantes da sinusite incluem várias fisiopatologias das cavidades
nasais (rinite crônica, desvio do septo nasal, adenoidite e outros).

Tendo em conta as propriedades anti-inflamatórias e desinfetantes dos materiais


ozonizados, a terapia com ozônio é utilizada para o tratamento local. Os procedimentos de
ação geral são usados para aumentar a imunidade e eliminar a intoxicação.

Formas de Aplicação

• Lavagem dos seios paranasais com água destilada ozonizada ou uma solução
fisiológico lubrificada com uma concentração de ozônio de 1,5-8 μg / ml.
• Gasificação das cavidades com uma mistura de ozônio e oxigênio, com uma
concentração de ozônio de 5 μg / ml.
• Infusão intravenosa de uma solução fisiológica ozonizada, insuflação rectal de uma
mistura de ozônio e oxigênio, ou auto-hemoterapia maior ou menor.

Cronograma terapêutico

A terapia com ozônio pode ser aplicada como um método independente e também
junto com tratamentos antibacterianos convencionais.

Na sinusite maxilar, o peito é perfurado em um ponto típico e lavado com água


destilada ozonizada ou solução fisiológica ozonizada, utilizando um volume de 100-200
ml. Posteriormente, a gasificação das cavidades é realizada com 10 ml de uma mistura de
ozônio e oxigênio. O número total de sessões é 5-6.

Na etmoidite crônica de poliposto e durante o pós-operatório, um cotonete com óleo


ozonizado é colocado por duas horas. São realizadas 5 a 7 sessões diárias.

Em condições ambulatoriais, a gasificação dos seios com a mistura de ozônio e


oxigênio é realizada de acordo com o seguinte procedimento: com a ajuda de uma seringa,
as cavidades nasais são molhadas com água destilada ou solução fisiológica. Duas seringas
de 10 ml são preenchidas com uma mistura de ozônio e oxigênio, com uma concentração
de ozônio de 10 μg / ml. Solicita-se ao paciente que respire fundo e prenda a respiração
(isto

Capítulo 15. Ozonoterapia em otorrinolaringologia • 231

é necessário evitar que a mistura de ozônio e oxigênio passe para o trato


respiratório). Naquele momento, e através das duas seringas ao mesmo tempo, a mistura de
ozônio e oxigênio é administrada através das passagens nasais (apnéia). Em seguida, o
paciente cobre o nariz, conta-se até 10 e exala através da boca e nariz. O número de
sessões diárias é 5-10.

Antes de iniciar este procedimento, recomenda-se que o paciente treine para fazer
apneas sem usar a mistura de ozônio e oxigênio.

Nos procedimentos locais, a infusão intravenosa de uma solução fisiológica


ozonizada, a insuflação rectal de uma mistura de ozônio e oxigênio, ou o autohemotera-pia
maior ou menor, em dias alternados, num total de 3-5 sessões .

No tratamento múltiplo da sinusite purulenta, Palchun e Luchijin (2004) obtiveram


bons resultados com a prescrição da terapia com ozônio local, que incluiu lavagens diárias
de seios afetados com uma solução isotônica com uma concentração de ozônio de 6-8 μg /
ml, administrando subsequentemente uma mistura de ozono e oxigénio nas narinas durante
15 min. Em pacientes com episódios de intoxicação significativa, foi administrada uma
solução fisiológica ozonizada (400 ml) com uma concentração de ozônio de 0,8-1,0 μg /
ml.

Na opinião de Terenteva (1998, 1999), a terapia com ozônio tem uma ótima eficácia,
em comparação com os métodos usuais de tratamento, de acordo com as manifestações
clínicas e os indicadores bioquímicos da gravidade do processo inflamatório.

O agravamento do processo inf