Вы находитесь на странице: 1из 5

RESUMO TÉCNICA VOCAL

PROF. DANILO MORAIS


MIGDIEL VIEIRA DE SOUSA

Articulação (cap.6)
Na voz falada e cantada usamos os órgãos ressoadores da cabeça, para
moldar o som que sai da glote, transformando esse ruído em fonemas,
palavras e frases inteligíveis. Essa habilidade de comunicação é
conjuntamente ligada a respiração correta. O rosto é importante componente
do aparelho fonador, ele também está ligado a expressividade, o'que traz um
alerta, Não se deve exagerar na articulação pois isso além de ser antiestático,
trará problemas futuros. Recomenda-se ao professor trabalhar a articulação e
a dicção com o aluno sem provocar distorções ou afetações, o excesso de
movimento facial é desnecessário, o ouvido é o melhor árbitro nessa
situação. Uma boa articulação deve ter equilíbrio e expressividade, buscando
a melhor compreensão da mensagem passada, somado com o mínimo
esforço ósseo muscular.

Como não é estimulado o autoconhecimento muitas pessoas adquirem


problemas com se apresenta em público. Nessa situação são comuns
pensamentos negativos: está ruim, deve estar abrindo a boca de mais,
deveria sorrir ou não, etc. Essas inseguranças podem ser tratadas com
ginástica facial. Esses exercícios têm o objetivo de promover o
autoconhecimento. Desenvolve o tônus muscular e dá ferramentas para
superar problemas de insegurança. Os exercícios de ginástica facial devem
se feitos todos os dias para terem efeito. Também trazem benefícios
estéticos, como: retardo do apartamento de rugas, regulação da oleosidade
da pele e evita o aparecimento de espinhas e cravos.

A linguagem é estudada por meio de diversas áreas e, entre elas, encontra-


se a Fonética, que se preocupa em analisar de forma detalhada os sons
produzidos por uma língua. À fonologia cabe estudar as diferenças fônicas
intencionais, distintivas, isto é, que se unem a diferenças de significação;
estabelecer a relação entre os elementos de diferenciação e quais as
condições em que se combinam uns com os outros para formar morfemas,
palavras e frases. Sua unidade mínima de estudo é o som da língua, ou seja,
o fonema.

Ressonância (Cap.7)
É possível ouvir a voz com clareza graças as cavidades de ressonância da
cabeça, essas cavidades tem o papel de amplificar o ruído que é produzido
nas cordas vocais. Quando o som é produzido, vibra por todo o corpo, e com
mais intensidade na cabeça, nesse processo toda matéria do corpo é vibrada,
como: Ossos, tecidos, líquidos e gases. toda cavidade do corpo humano que
poderá entrar em vibração a partir do som produzido na laringe, é
considerado um ressoador. São classificados como supraglóticos os que
estão acima do órgão que produz o som (laringe) e os infra glóticos são
aqueles ques estão abaixo, como: (Caixa torácica, pulmões, traquéia, etc…)
também são classificados como móveis: (nariz e seios nasais) e fixos: (Boca,
lábios e bochechas). Com o tempo de prática é possível adquirir sensibilidade
para observar até mesmo as mãos.

Denominado por voz de peito e voz de cabeça, quase sempre é usado para
se referir respectivamente, aos sons mais graves ou mais agudos. Porém é
importante frisar que o som sempre será jogado para a região supra glótica,
significa que o “som de peito” é apenas uma uma expressão, aonde devemos
“depositar a vibração”: nas notas graves onde existe mais peso ou nas
agudas que são o inverso. É importante dominar essa técnica para não
executar notar agudas de maneira que irá danificar suas pregas vocais,
geralmente pondo muita atenção na garganta.

Para chegar a em um objetivo, o professor pode usar de métodos didáticos


como: estimular a imaginação do aluno, tentando imaginar o som de várias
formas possíveis, até mesmo ilustrar ele dentro do seu corpo. Outra forma
válida é sem dúvida experimentar e fazer observação de como o corpo se
comporta ao acertar ou errar determinada atividade vocal e a partir disso
encontrar os bons caminhos para sua voz.

Vocalise (Cap.8)

O vocalise pode ser definido como: “melodia vocal sem o uso de palavras”.
Tem varios fins entre eles o mais comum é ser usado como exercício de
aquecimento, mas pode ser usado em estudos vocais. Vocalises são
essenciais para o desenvolvimento técnico vocal e expressivo. Fortalecem,
flexibilizam, aumentam a capacidade respiratória e a resistência do aparelho
fonador; promovem o ajustamento da afinação, da dinâmica e da articulação;
e também expandem a tessitura. Para estudo de vocalize é necessário em
professor de canto que mostrará caminhos através da sua experiência e dar
suporte para o aluno encontrar o seu timbre, melhorar a impostação da voz,
etc. com o ouvido de um terceiro o aluno terá uma noção descritiva de sua
própria voz, já que não nos ouvimos da mesma forma que outros nos ouvem.

Nos vocalises de aquecimento são trabalhados exercícios principalmente de


ressonância. Já nos de virtuosidade, são feitos exercícios de agilidade
buscando uma performance desejada. É necessário iniciar a prática diária do
canto com exercícios de aquecimento, pois o aparelho vocal – composto por
músculos, mucosas e outros tecidos – passa por repetidas contrações e
distensões passivas durante seu uso.

Deve-se iniciar o trabalho vocal de forma delicada, em região confortável,


exercitando com apenas uma nota por expiração, repetindo o procedimento
em alturas subsequentes, de forma ascendente e/ou descendente. Aos
poucos acrescentam-se notas à mesma expiração, aumentando a extensão
de cada exercício, transportando-os para as regiões extremas da voz, à
medida que o aparelho vocal demonstra prontidão para isso. Nos estágios
iniciais da aquisição da técnica vocal são enfatizados os exercícios de
afinação com a prática de intervalos isolados, arpejos e escalas, sempre em
extensões adequadas ao aluno, aumentando gradualmente a extensão, a
velocidade e a intensidade de emissão.

EXERCÍCIOS

● Alonga o corpo
pés em ponta, dedos e mãos estendidos,
rosto e olhar para cima, decisão e convicção no movimento.
(Tirar um pouco da preguiça e estresse do dia a dia, e entrar em um
estado de concentração e relaxamento)

● Desenvolver flexibilidade em pé
flexionar os joelhos e abaixar o corpo sem inclinar-se, rigorosamente
numa linha vertical, como se fosse sentar-se no ar. Repetir sem tensão,
num movimento suave de mola.
(Desenvolver flexibilidade)

● Perceber músculos abdominais


levantar extremo e contrair abdominais alternando com o inverso
(Exercício de autoconhecimento)

● Relaxar os ombros
realizar o giro com movimento das omoplatas, o que, obrigatoriamente,
provocará um movimento do braço todo e das mãos, à semelhança de
braços de boneca. Cuidar para que a respiração seja diafragmática.
(Tensão e relaxamento)

● Conduzir respiração profunda


Após inspirar, procurar sentir como se pudesse "agarrar" o ar com as
mãos.

● Conduzir respiração profunda 2


De pé, expirar deixando a cabeça cair para a frente. Esperar. Inspirar
ainda nesta posição e alargar ao máximo a cintura. Expirar. Erguer a
cabeça numa inspiração. Expirar e relaxar.
(Os doi exercícios acima tem o objetivo de treinar a respiração,
buscando usar a maior capacidade possível)

● Intensificar o trabalho do diafragma


Expirar. Inspirar. Apoiar. Soltar o ar com golpes de diafragma sobre os
41 fonemas curtos de F, S, X, FSX, com um breve intervalo entre eles.
Todos os impulsos devem partir do diafragma em contração, o que é
observado, externamente, pelo aumento do diâmetro da cintura a cada
novo golpe.
(treinar o uso do apoio e expandir a capacidade de uso)

● Exercícios para a língua


Colocar a língua bem para fora, mantendo o interior da boca e a
garganta relaxados, de forma a mantê-la completamente plana,
buscando encostar todo o lábio inferior e o queixo com sua superfície
inferior. Retomá-la para o interior da boca, sempre plana e com a
bordas levemente encostadas aos dentes inferiores. Tomar cuidado
para que a boca permaneça aberta e imóvel, com os lábios em forma
oval; o movimento deve ser exclusivo da língua, movendo-se desde a
sua base, como se fosse desgrudar-se do interior da garganta.
( aquecer e exercitar a elasticidade a língua)

● Exercícios para os lábios


Deixar a boca aberta, lábios em posição oval e língua baixa e plana.
Mover apenas os lábios, buscando uma posição similar ao assobio,
tomando a abri-los até um ponto máximo - vertical, não lateral! - e
retomando à posição inicial.
(acostumar ao uso da boca na posição oval, muito comum para fazer
vocalises)

(Todos os exercícios abaixo são para vocalizes, e tem a função de


promover o desenvolvimento técnico vocal e expressivo,
Fortalecem, flexibilizam, aumentam a capacidade respiratória e a
resistência do aparelho fonador; promovem o ajustamento da
afinação)

● Cantar em arpejo do-mi-sol-dó colocando frases tipo aleluia

● Vocalise/articulação cantar de dó a sol as vogais a,e,i,o,u

● Vocalise/ressonancia usando boca chiusa cantar do-re-mi-re-do

● Cantar maior e menor do-re-mi-re-do-re-mib-re-do