You are on page 1of 7

Zoneamento Ecológico Econômico

Edinei de Freitas Vieira


Universidade Tecnológica Federal do Paraná
edineidfv@gmail.com

Maysa de Castro Sousa


Universidade Tecnológica Federal do Paraná
maysa886@gmail.com

Vinícius Fröner Lacerda


Universidade Tecnológica Federal do Paraná
vinlac@alunos.utfpr.edu.br

Resumo

Criado a partir da Política Nacional do Meio Ambiente lei federal 6.938/1980 foi instituída no Brasil
com o objetivo de: preservar, melhorar e recuperar a qualidade ambiental propiciando a vida, sendo assim
estabeleceu entre seus instrumentos de execução o zoneamento ambiental. Sendo assim O ZEE é um
instrumento para planejar e ordenar o território brasileiro, harmonizando as relações econômicas, sociais
e ambientais que nele acontecem. O ZEE é ponto central na discussão das questões fundamentais para
o futuro do Brasil como, por exemplo, a questão da Amazônia, do Cerrado, do Semi-árido Brasileiro, dos
Bio-combustíveis e das Mudanças Climáticas. O poder executivo federal estabeleceu o decreto nº
4.297/2002, regulamentando o processo de implementação do ZEE em território nacional, como
instrumento da Política Nacional do Meio Ambiente.

Palavras-chave: Amazônia Legal, Política Nacional do Meio Ambiente, mudanças climáticas.


Introdução
O Zoneamento Ecológico Econômico Ambiental
(ZEE) é um instrumento de planejamento e
ordenamento do território brasileiro, o qual
tem como objetivo harmonizar as relações Econômico Social

econômicas, sociais e ambientais. O ZEE é um


mecanismo de gestão ambiental, o qual
consiste na delimitação de zonas (áreas)
Viabiliza e dá critérios para os planos
ambientais, atribuindo o uso e atividades
de prevenção em âmbito nacional e regional,
compatíveis a cada área em seu âmbito
como as Políticas de Desenvolvimento
ambiental, dando equilíbrio a
Regional (PNDR), de Defesa (PND) e de
sustentabilidade do ecossistema e dos
Mudanças Climáticas (PNMC) dentre outros.
recursos naturais existentes na área.
Segundo a lei 6.938/1981, o ZEE é um
As ZEE necessitam de uma análise
instrumento de classificação e organização
minuciosa das atividades da região, onde,
territorial, conforme se seguem do art. 2º, 3º.
devem ser considerados os impactos
ambientais ocasionados por ação antrópica e
“Art. 2º O ZEE, instrumento de organização
da capacidade do meio ambiente suportar
do território a ser obrigatoriamente seguido
tais passivos ambientais. O ZEE é a na implantação de planos, obras e atividades
ferramenta que determina diretrizes públicas e privadas, estabelece medidas e
específicas para cada zona ambiental padrões de proteção ambiental destinados a
(unidade territorial analisada), estabelecendo assegurar a qualidade ambiental, dos
todas as ações para mitigação, prevenção e recursos hídricos e do solo e a conservação

correção de impactos ambientais, quando da biodiversidade, garantindo o

identificados. desenvolvimento sustentável e a melhoria das


condições de vida da população.”
As análises para o ZEE consideram os
padrões e características ambientais,
“Art. 3º O ZEE tem por objetivo geral
culturais, econômicas e sociais, juntamente
organizar, de forma vinculada, as decisões
com a vulnerabilidade e potencial regional.
dos agentes públicos e privados quanto a
Essas análises denotam as diversas planos, programas, projetos e atividades que,
alternativas de uso e gestão das zonas que direta ou indiretamente, utilizem recursos
positivem seu uso e manejo. De forma geral naturais, assegurando a plena manutenção do
o ZEE valoriza o ambiente considerando de capital e dos serviços ambientais dos
forma geral o tripé da sustentabilidade. ecossistemas.”

2
Zoneamento Ecológico Econômico

Histórico Econômico como órgão orientador e


Em meados de 1980 foi instituída no executor da ZEE.
Brasil a Política Nacional do Meio Ambiente O Programa Nacional de
(PNMA), por meio da Lei Federal nº Gerenciamento Costeiro, usou de ferramenta
6.938/1981, o qual tem como principal parecida ao ZEE para zoneamento de suas
objetivo preservar, manter, melhorar e regiões desde a década de 80, sendo que na
recuperar a qualidade ambiental propícia ao metade da década de 90, sua ferramenta foi
desenvolvimento da vida. O PNMA revisada, atualizada e incorporada ao ZEE.
estabeleceu em seus instrumentos de Essa atualização deu ao ZEE a possibilidade
execução o Zoneamento Ecológico de macrodiagnósticos em zonas costeiras na
Econômico (ZEE), como ferramenta de gestão escala da união. O ZEE costeiro é posto
de áreas, posteriormente a Lei Federal nº posteriormente, no artigo 7º do decreto
7.661/1988 instituiu o ZEE no Plano Nacional nº5.300/2004, como um dos instrumentos de
de Gerenciamento Costeiro. gestão da zona costeira.
A Secretaria de Assuntos Estratégicos O Decreto nº 4.297/2002 regularizou e

(SAE), órgão de assistência direta da estabeleceu critérios para o ZEE e suas


escalas.
Presidência da República, inicia sua
disposição como fiscalizador direto e base de
Escalas
análises para os trabalhos de zoneamento
Os planos desenvolvidos no ZEE
existentes, decretando prazos para tomadas
geram informações em escalas que variam de
de medidas e suas execuções, dando
acordo com o tamanho da área estudada. A
prioridade para os ZEE da Amazônia Legal.
disponibilidade de informações depende de
O grupo de análise da SAE, utilizou
suas área de abrangência, dando a
como critério de importâncias para os
dominância para o ZEE em diversos níveis
estudos de caso as áreas de relevante
federativos conforme a escala gráfica e
interesse ecológico ou em estado crítico.
geográfica utilizada.
Para regionalização e maior
O decreto 4.279/2002, define as
abrangência, foi criado uma comissão
escalas do Sistema Nacional de ZEEs como de
coordenadora, com o objetivo de orientação
nível Nacional - 1:5.000.000, Macrorregionais -
e execução do ZEE em todo território
1:1.000.000, Estaduais - 1:1.000.000 a
nacional. A Lei Federal nº 99.540/1990 1:3.000.000, 1:250.000 e 1:100.000 e Locais - a
dispõem da criação da Comissão partir de 1:100.000 em escala de detalhe, nos
Coordenadora de Zoneamento Ecológico ZEEs realizados nos municípios e em Unidades de
Conservação.

3
Diretrizes Metodológicas fatores histórico-evolutivos do

Apresenta a estrutura do programa de patrimônio biológico e natural.

Zoneamento Ecológico Econômico, • SISTÊMICO - Visão sistêmica que


propicie a análise de causa e efeito,
delineando de forma geral, os arranjos
permitindo estabelecer as relações de
institucionais, os fundamentos conceituais e
interdependência entre os subsistemas
as diretrizes para os procedimentos físico-biótico e sócio-econômico.
operacionais necessários à execução do ZEE.
Tem como objetivo proporcionar base Para definições de zoneamento o Ministério
técnico-científica e operacional ao planejamento do Meio Ambiente, publica de forma
estratégico na esfera federal, propondo uma ação periódica, edições das diretrizes, que de
sinérgica em termos institucionais para o forma geral seguem:
zoneamento.
A diretriz metodológica usa como
princípios norteadores para o zoneamento 5
critérios:
• PARTICIPATIVO - Os atores sociais devem
intervir durante as diversas fases dos
trabalhos, desde a concepção até a
gestão, com vistas à construção de seus
interesses próprios e coletivos. Para que
o ZEE seja autêntico, legítimo e
realizável.
• EQUITATIVO - Igualdade de oportunidade
de desenvolvimento para todos os grupos
sociais e para as diferentes regiões.
• SUSTENTÁVEL - O uso dos recursos
naturais e do meio ambiente deve ser
equilibrado, buscando a satisfação das
necessidades presentes sem
comprometer os recursos para as
próximas gerações.
• HOLÍSTICO - Abordagem interdisciplinar
para a integração de fatores e processos,
considerando a estrutura e a dinâmica
ambiental e econômica, bem como os

4
Zoneamento Ecológico Econômico

Avaliação do ZEE c) Cenários para a Amazônia Legal


O Tribunal de Contas de União (TCU), d) Integração do ZEE à Gestão Territorial e às
aplica processos de auditorias periódicas Políticas Públicas.
para avaliar o papel do ZEE como • Normatização do ZEE
instrumento de planejamento estatal e • Gestão da informação
federal. • Articulação com políticas públicas
MacroZEE da Amazônia Legal setoriais
Teve o objetivo de promover o • Criação e empoderamento da rede
zoneamento ecológico-econômico na ZEE
Amazônia Legal apoiando e integrando as
ações de diversos atores regionais e ZEE Região Integrada de Desenvolvimento
articulando seus resultados e propostas a do Distrito Federal e Entorno
políticas públicas. Objetivo de promover a gestão
Ações estruturantes: integrada do território da RIDE-DF,
a) Implantação do Sistema de Informações disponibilizando uma base de informações
Integradas para a Amazônia Legal - SII dos diferentes aspectos da realidade.
Diante da necessidade de ancorar as Bases de informações:
iniciativas positivas do Subprograma de Ações estruturantes:
Políticas de Recursos Naturais – SPRN, foi • Bases cartográficas escala 1:100.000
idealizado o SII. Nesta estratégia, • Banco de Dados temáticos
convergiram a execução de ações • Capacitação
conjuntas, no âmbito da Diretoria de
• Articulação com Estados e Municípios
Gestão Ambiental e Territorial – DGAT e as
• Cenários e Subsídios a Gestão
iniciativas e os resultados do SPRN, a
• Gestão Territorial e Políticas Públicas
saber:
• Bases Cartográficas Digital Contínua
ZEE da Bacia do São Francisco
• Integração dos ZEEs dos Estados
Objetivo de subsidiar o Programa de
• Recuperação da Base de dados Revitalização da Bacia Hidrográfica do Rio
regional do ZEE São Francisco - PR-SF, prover os órgãos de
• Implantação de Centros de planejamento federais e estaduais que atuam
Capacitação Permanentes – na bacia com uma visão macrorregional e
CECAPES apoiar o sistema de gestão territorial em
b) Atualização do Macrodiagnóstico da várias escalas de operacionalização.
Amazônia Legal

5
Ações Estruturantes: Projetos binacionais nas faixas de
• Bases de informação: fronteira com os países da Pan-Amazônia,
• Banco de Dados envolvendo: geologia, hidrologia,
• Diagnósticos Temáticos geodiversidade, zoneamento e coordenação

• Capacitação de Gestores: geral.

• Capacitação projeto Cenários Bioma Brasil - Venezuela

Caatinga Brasil - Bolívia

• Oficina de Capacitação Agenda 21 Brasil - Colômbia


Brasil - Perú

ZEE DA BACIA DO PARNAÍBA


Objetivo de promover o zoneamento Projetos Nacionais

ecológico-econômico na Bacia Hidrográfica ZEE de Roraima Central: geologia,

do Rio Parnaíba apoiando e integrando as hidrologia, geodiversidade, zoneamento,

ações de diversos atores regionais e coordenação geral

articulando seus resultados e propostas a ZEE do Distrito Agropecuário:

políticas públicas. geologia, hidrologia, zoneamento,

Ações Estruturantes: coordenação geral

• Bases de informação: ZEE do Estado do Maranhão


1:1.000.000: geologia, geodiversidade,
• Banco de dados
hidrologia, cooperação técnica
• Diagnósticos temáticos
ZEE do Bioma Cerrado: geologia,
• Detalhamento de Áreas Críticas
geodiversidade, hidrologia, cooperação
• Baixo Rio Parnaíba
técnica).
• Cerrados
ZEE do Estado do Pará: geologia,
• Núcleo de desertificação Gilbués
hidrologia, geodiversidade, zoneamento.
• Cenários e Subsídios à Gestão
ZEE da APA Sul
• Gestão Territorial e Políticas Públicas

Cooperação Técnica - Temas


Outros Projetos de Zoneamento
Geocientíficos e Cenários
Ecológico Econômico:
Projetos nacionais em que a CPRM
Projetos de ZEEs coordenados e
participou nos temas geocientíficos e
executados pela CPRM com o apoio de outras
cenários.
instituições públicas.
ZEE da Bacia do Rio Purus:
Pan-Amazônia
geodiversidade e cenários

6
Zoneamento Ecológico Econômico

ZEE da BR-163 O que é o Zoneamento Ecológico-Econômico.

ZEE do Baixo Parnaíba: geologia, Dicionário Ambiental. ((o))eco, Rio de Janeiro, set.

hidrologia, zoneamento 2013. Disponível em:


<http://www.oeco.org.br/dicionario-
ZEE da Bacia do Rio São Francisco:
ambiental/27545-o-que-o-zoneamento-
geologia, hidrologia, cenários e zoneamento
ecologico-economico/>. Acesso em: 25 de abril
ZEE da Região Integrada de
de 2019
Desenvolvimento do Distrito Federal e
Entorno – Ride BRASIL. DECRETO 4.297 DE 10 DE JULHO DE 2002
ZEE da Região Central do Estado de
Roraima PP/G7 – MMA [PROGRAMA PILOTO PARA A
Cooperação Técnica - Temas PROTEÇÃO DE FLORESTAS TROPICAIS DO
Geocientíficos, Cenários e Zoneamento BRASIL. Ministério do Meio Ambiente, Recursos

Projetos de cooperação técnica com Naturais e da Amazônia Legal, Secretaria de

respeito a temas Geocientíficos, Cenários e Coordenação da Amazônia Legal]. Brasília, 1997

Zoneamento.
CCZEE – Zoneamento Ecológico-Econômico.
ZEE do Maranhão na Faixa do Bioma
Informe sobre a 19ª Reunião Ordinária da
Amazônico (escala 1:250.000)
Comissão Coordenadora de Zoneamento
ZEE do Estado do Amapá (escala
Ecológico e Econômico do Território Nacional.
1:250.000) [s.l., s.d.].
ZEE do NE do Estado do Pará (escala
de detalhe) IBGE. Diagnóstico ambiental da Amazônia Legal:
nota técnica. Rio de Janeiro, 1993.
Referências
Notícia “DF terá Zoneamento Ecológico
Econômico para orientar desenvolvimento”
Acesso:
http://noticiasenegocios.com.br/2016/10/df-tera-
zoneamento-ecologico-economico-para-orientar-
desenvolvimento/

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente - MMA.


Resolução CONAMA Nº 001, de 23 de janeiro de
1986