You are on page 1of 35

CURSO PROFISSIONAL DE

TÉCNICO EM ANIMAÇÃO DE TURISMO

UFCD 8.3.Planear a realização, monotorização e avaliação de atividades de animação

PROFESSORA: ANA GARCEZ| 2018/19


Características dos projetos de animação
turística

Devem criar uma atmosfera que permita ao cliente um ambiente de bem-estar.

Deve oferecer diversas possibilidades de se divertir, entreter, satisfazer a curiosidade e descobrir as


particularidades do local onde se encontra.

Devem ser flexíveis e abertos a alternativas propostas;

Diversificados, visando o ritmo e a anulação de espaços “mortos”;

Adequados ao público, recursos e equipamentos;


Complementares, visando o ritmo e anulação de espaços “mortos”

Atrativos, motivados para a deslocação e participação.

Devem ser feitas as seguintes questões:


◦ Porque se quer fazer?

◦ O que se quer fazer?

◦ Para que se vai fazer?


◦ Quando se vai fazer?

◦ Como se vai fazer?

◦ Onde se vai fazer?

◦ A quem se dirige?

◦ Com que recursos?

◦ Com quem se conta?


Etapas e metodologia de ação

O projeto de animação não deve ser limitativo à execução irrefletida de um conjunto de


ações, que se planeiam sem preocupações com o público-alvo, com o espaço sociogeográfico
e com a tipologia de recursos existentes e necessários.

É muito importante definir o tipo de conteúdo das etapas conducentes à realização de


programas de animação.
Primeira Etapa: O problema e a ideia

O problema é a realidade existente, pois provoca intencionalidade de o resolver.

A ideia é a fase criativa da resolução do problema, deve ser acompanhada pelo processo de
verificação de êxito, motivação institucional, disponibilidade de recursos e interesse
económico.
Primeira Etapa: O problema e a ideia

Nesta etapa devemos ter em conta o espaço sociogeográfico onde vamos intervir e a
população alvo que se pretende atingir.

O problema e a ideia devem ser objeto de um pré-projeto, onde se coloca todas as


necessidades, os recursos disponiveis e o retorno do investimento, com vista a influenciar a
tomada de decisão em relação à concretização do projeto em causa.
segunda Etapa: montagem de planos e
programas
Após aprovação do pré-projeto, deve-se pormenorizar o tipo de intervenção a executar.

Deve-se ter em consideração:


◦ a planificação dos espaços,

◦ as tecnologias de cada programa,

◦ descrição das técnicas de animação a implementar

◦ Materiais a rentabilizar

◦ Recursos humanos disponíveis com definição dos responsáveis por cada ação.
segunda Etapa: montagem de planos e
programas
É uma fase em que se deve ter atenção ao mais ínfimo pormenor, para que a qualidade das
atividades de animação seja a esperada;

A organização e a responsabilidade individual de cada um são fundamentais nesta etapa.

Deve ser criado um plano de ação que contemple as ações, os responsáveis, o local, os
recursos, as horas afetas e a hierarquia de contacto, no caso de existir falhas ou problemas.
Terceira etapa: implementação dos
mecanismos de marketing
Devem ativas todos os planos de marketing afetos à atividade.

Devem ser produzidas ações de publicidade muito criativas e inovadoras, acompanhadas por
uma comunicação direcionada;

Devem ter intervenções em relações públicas, tendo como fim uma boa promoção das
atividades de animação junto dos clientes que realmente queremos ter na participação das
nossas atividades.
Terceira etapa: implementação dos
mecanismos de marketing
Devem ativas todos os planos de marketing afetos à atividade.

Devem ser produzidas ações de publicidade muito criativas e inovadoras, acompanhadas por
uma comunicação direcionada;

Devem ter intervenções em relações públicas, tendo como fim uma boa promoção das
atividades de animação junto dos clientes que realmente queremos ter na participação das
nossas atividades.
quarta etapa: rigorosa avaliação
Deve proceder-se a uma rigorosa avaliação dos programas implementados, com uma lógica de
autoavaliação dos agentes intervenientes.

Devem ser avaliados a qualidade dos produtos oferecidos, numa avaliação do grupo de trabalho
interveniente e numa avaliação dos serviços complementares afetados.

Pretende-se identificar eventuais falhas que escapam à equipa de animação, procurando


soluções alternativas que possam alterar a opinião dos intervenientes na atividade de
animação.
quarta etapa: rigorosa avaliação

É fundamental uma reunião final com toda a equipa é fundamental para


perceber quem e onde falhou, incentivando para a procura de soluções, novos
desafios e novos compromissos.
patrocínios

Os patrocínios são muito importantes num plano de animação.

Os patrocinadores disponibilizam fundos (espécie de contribuição a favor do


evento) e recebem em troca, a afixação/exibição dos seus logótipos, ou das suas
identidades associadas a estes.

Os patrocinadores querem ver um retorno tangível, que possa afetar


positivamente, quer os seus resultados quer as suas imagens.
patrocínios

Cada vez mais as empresas aderem a este tipo de “negócio”, pois representa
uma taxa enorme de crescimento.

Mas também sentem dificuldades acrescidas pela concorrência e orçamentos


reduzidos.

Pela forma tradicional tornaram consciência que o patrocínio é a forma mais


viável e menos dispendiosa de apresentar os seus produtos.
patrocínios

A animação tem muito a ganhar com a afetação de patrocínios às atividades de


animação, pois para além da parceria, consegue-se também mais valias em
género ou em valor, que permitem sustentar a realização da atividade.
Planeamento financeiro de programas de
animação turística
Tipologia e fontes de financiamento:

As empresas em geral atuam com o propósito de maximizar a criação de valor e,


consequentemente, a riqueza para os proprietários.

A estrutura de capitais torna-se relevante na medida, em que as empresas se defrontam com a


problemática da escolha da fonte de financiamento que melhor se adeque em termos de custos,
maturidades e montantes, relativamente às necessidades financeiras da atividade.
Técnicas de estimativas de custo, receitas
e margem de lucro
Orçamentação das atividades:
Deve-se ter em conta todas as épocas de trabalho. Embora muitos custos tenham haver com a taxa de
ocupação, outros há que só acontecem aquando das épocas altas. Devendo ter em conta os custos:
Pessoal e segurança
Construções e licenças
Consultores;
Seguros;
Suportes audiovisuais
Manutenção d espaços desportivos;
Artistas, bandas; promoção e publicidade;
Despesas administrativas
Financeiramente, as atividades não dão uma rentabilidade imediata, sendo necessário superar
um período de tempo para verificarmos se a nossa estratégia de animação , resultou ou não,
através do aumento do consumo, das taxas de ocupação e dos índices de satisfaçaõ.
Técnicas de pesquisa e consulta a
fornecedores alternativos e suas condições
Devido à grande importância que fornecedores e parceiros representam na execução de um
projeto, é imprescindível buscar o conhecimento e aplicação de metodologias funcionais para
implantar e manter um processo de avaliação de fornecedores eficaz, capaz de minimizar ou
eliminar grandes riscos que estão inseridos na cadeia de suprimentos. Mesmo com tantos
avanços tecnológicos e gerenciais, ainda se percebe que o assunto em pauta merece atenção e
estudo, a fim de conseguir que a alta direção da empresa, de uma forma geral, tenha
ferramentas, documentos e alternativas à altura, para que as decisões a serem tomadas sejam
acertadas. Além disso, para que atenda aos requisitos normativos preconizados pelo
International Organization for Standardization, mais especificamente a ISO 9001, voltada para o
Sistema de Gestão da Qualidade. O problema a ser abordado nesta pesquisa está relacionado à
dificuldade de implantar e manter um sistema de avaliação de fornecedores, com foco na
qualidade, quando a alta direção da empresa não está comprometida a colaborar no sentido de
prover recursos ou fazer respeitar os resultados das avaliações executadas.
7 passos para definir uma estratégia de comunicação de
sucesso

A comunicação é um fator decisivo para a imagem que as


empresas têm ou querem alcançar no mercado. A forma
como as empresas expõem os seus produtos ou serviços,
com o objetivo de conquistar novos clientes, designa-se de
estratégia de comunicação.
É essencial ter uma estratégia de comunicação eficaz e
adequada à realidade de cada empresa, pois são os
conjuntos de decisões integradas que permitem à empresa
atingir os objetivos esperados, bem como os meios a
implementar para os concretizar e conquistar o sucesso.
Saiba quais os passos a tomar para criar uma
estratégia de comunicação de sucesso:
1. Elabore um diagnóstico:
Analise detalhadamente todas as variáveis internas e externas associadas à comunicação da sua
empresa ou marca, nomeadamente:
a) Estrutura e caracterização da empresa: história, missão, valores, parceiros estratégicos, visão
geral do negócio, processos internos e planos futuros;
b) Mercado: dimensão atual e potencial, estrutura de segmentação e perspetivas futuras;
c) Clientes: quem são, qual o seu perfil, os seus hábitos e motivações de comportamentos;
d) Concorrência: quem são, qual o seu posicionamento e ações de comunicação;
e) Produtos: caracterização, qual o papel nos resultados da empresa, as vantagens comparativas
em termos de oferta de valor, as inovações e as políticas de preços fase à concorrência;
f) Distribuição: canais de distribuição e a sua importância para a faturação e nível de eficácia;
g) Vendas: analise os objetivos, as previsões, os recursos humanos e financeiros e mecanismos
de avaliação;
h) Publicidade e Relações Públicas: historial das campanhas, os resultados esperados, nível de
eficácia e os resultados obtidos.
2. Defina os alvos:

É uma das etapas mais importantes na criação da estratégia de comunicação. Deve considerar os
potenciais clientes (os que compram o produto ou serviço), os iniciadores (as pessoas que podem
iniciar o processo de decisão de compra, mesmo que não tomem a decisão final) e os
influenciadores (os lideres de opinião que têm influência direta sobre o processo de decisão de
compra). É igualmente importante definir o segmento e dimensão dos alvos e as metas atingir,
tendo em conta com fatores demográficos, sociais, económicos, comportamento de consumo e
estilos de vida e atitude perante o produto ou serviço.
3. Defina e estabeleça os objetivos:

Os objetivos de comunicação devem ser coerentes com a estratégia geral da empresa. Algumas
das categorias de objetivos de comunicação mais frequentes são: o volume e rentabilidade ou
quota de mercado, aumentar a notoriedade e reconhecimento da marca, conquistar e fidelizar
clientes, escoar produtos em stock, demonstrar as vantagens face à concorrência e aumentar a
satisfação.
4. Defina as ferramentas/ o mix da comunicação:
Esta definição passa pela escolha das ferramentas adequadas ao investimento e implementação eficaz
da estratégia definida, nomeadamente:
a) Publicidade ou Assessoria de Comunicação: eficazmente para objetivos como a notoriedade,
estímulo à compra ou informação. Os principais suportes são a televisão, a imprensa, os meios online,
a rádio e os outdoors.
b) Marketing direto: indicado para dar a conhecer informações sobre novos produtos ou estimular a
ação do cliente com a vantagem do custo ser mais baixo.
c) Patrocínio: adequado à comunicação da empresa em efeitos de médio prazo.
d) Merchandising: variável que estimula à compra ou à experimentação.
e) Promoção: estimula à compra ou escoamento de stock.
f) Relações Públicas: variável usada para grupos de influência ou para consumidores finais criando
efeitos a longo prazo na imagem da empresa.
g) Força de vendas: responde a objetivos de fidelização, demonstração credibilização sobre a marca
5. Determine o orçamento:

Para orçamentar corretamente uma estratégia de comunicação é importante ter em conta, não só os
custos de produção e administrativos como também os custos com os suportes (inserção de anúncios
na imprensa, televisão, meios online, entre outros).

6. Elabore uma estratégia criativa e um plano de media:

Esta etapa é geralmente realizada em parceria com uma agência de comunicação ou publicidade.
Nesta parceria são definidos os eixos de comunicação: qual a mensagem a divulgar e meios a utilizar.
7. Implemente, avalie e controle:

Nesta última fase implementa-se as ações definidas no plano, sendo essencial uma avaliação e
controlo da performance e eficácia da estratégia de comunicação, que deve ser ajustada sempre
que necessário.

Uma boa estratégia de comunicação permite transformar os objetivos em ações de comunicação,


concretas e eficazes, e levar à conquista do sucesso.
Conceitos de marketing e divulgação
Marketing é uma palavra proveniente da língua inglesa, apesar de estar intrínseca à cultura
mundial.
Em inglês, market significa mercado e Marketing pode ser traduzido como mercadologia, um
estudo das causas, objetivos e resultados que são gerados através das diferentes formas como
nós lidamos com o mercado.
Segundo Philip Kotler:
Marketing é a ciência e a arte de explorar, criar e entregar valor para satisfazer as necessidades
de um mercado-alvo com lucro. Marketing identifica necessidades e desejos não realizados. Ele
define, mede e quantifica o tamanho do mercado identificado e o potencial de lucro.
Philip Kotler – Marketing Management
Segundo o American Marketing Association, a definição do termo é a seguinte: “O Marketing é
uma atividade, conjunto de instituições e processos para criar, comunicar, entregar e trocar
ofertas que tenham valor para os consumidores, clientes, parceiros e sociedade em geral.”
Ou seja, o Marketing é uma série de estratégias, técnicas e práticas que tem o principal objetivo
de agregar valor às determinadas marcas ou produtos a fim de atribuir uma maior importância
das mesmas para um determinado público-alvo, os consumidores.
Se engana quem acredita que o Marketing tem apenas como o objetivo vender algo.
Este conceito se aprofunda em tudo que envolve este processo, bem como a produção, logística,
comercialização e pós-venda do produto/serviço
Os quatro P’s do Marketing
Também conhecido como Marketing Mix ou Composto de Marketing, este são as variáveis
que ditarão e influenciarão na maneira como suas estratégias devem ser montadas e também
atuaram na forma como o mercado responde às suas investidas.
Agora conheça as características dos quatro P’s: Preço, Praça, Produto e Promoção.
Preço: Ponto bem autoexplicativo. Referente ao valor e como será cobrado do cliente o seu
produto. Além da definição do valor, outros pontos como a maneira que será cobrada e
outras estratégias voltadas ao pagamento são abordadas.
Praça: Refere-se ao local seu produto será comercializado. Este ponto pode ser um pouco
confuso quando analisamos o contexto de um e-commerce, já que está situado na internet e
pode ser entregue para qualquer lugar do mundo (dependendo da logística de cada negócio).
Produto: Este ponto é importante pois deixa claro quais são as características do produto ou
serviço que sua empresa está disponibilizando no mercado. Também ajuda a defini-lo e
molda-lo.
Promoção: Simples, este último ponto refere-se às estratégias que serão utilizadas para a
divulgação do produto ou serviço. É onde entra a publicidade.
É importante entender que, apesar de muito
importante, o marketing mix é somente um modelo
para se conseguir classificar melhor as atividades do
marketing, mas não pode nunca limitá-las.
hoje em dia com os vários avanços

tecnológicos, principalmente a internet, existem


vários cenários em que os 4ps do marketing já não
se encaixam perfeitamente.
um bom profissional de marketing deve entender
como eles funcionam para poder extrair seus
princípios e aplicar a outros cenários.
Tipologia de ações promocionais e de
comunicação
Principais Tipos de Ações Promocionais
• Promoções
• Brindes / Vale Brindes
• Amostras (Sampling) / Degustação
• Vale-Descontos / Voucher • Bônus (Embalagens Especiais)
• Concursos culturais
• Campanhas de prémios (Sorteios)
• Eventos
Métodos e técnicas de avaliação da
qualidade