Вы находитесь на странице: 1из 86

Livro Eletrônico

Aula 03

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas


- Pós-Edital
Guilherme Neves

94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo


Guilherme Neves
Aula 03

1.! Diagramas de Euler-Venn ................................................................................................................................ 2!


1.! Introdução aos Argumentos ............................................................................................................................ 4!
1.1.! Argumento....................................................................................................................................................... 6!
2.! Ambiguidade ................................................................................................................................................... 7!
3.! Verdade e Validade ......................................................................................................................................... 8!
4.! Argumentos Sólidos e Argumentos Bons ....................................................................................................... 21!
5.! Silogismos Categóricos .................................................................................................................................. 23!
6.! Regras de Inferência ...................................................................................................................................... 25!
Modus Ponens ............................................................................................................................................................ 25!
Modus Tollens............................................................................................................................................................. 25!
1161524
Silogismo Hipotético ................................................................................................................................................... 26!
7.! Sofismas ou Falácias ...................................................................................................................................... 27!
7.1.! Falácias Formais ............................................................................................................................................ 28!
7.1.1.! Falácia da Afirmação do Consequente ...................................................................................................... 28!
7.1.2.! Falácia da Negação do Antecedente ......................................................................................................... 29!
8.! Representação dos Argumentos .................................................................................................................... 29!
9.! Figuras e Modos do Silogismo Categórico ...................................................................................................... 34!
9.1.1.! Silogismo de primeira figura ..................................................................................................................... 36!
9.1.2.! Silogismo de segunda figura ..................................................................................................................... 37!
9.1.3.! Silogismo de terceira figura....................................................................................................................... 37!
9.1.4.! Silogismo de quarta figura ........................................................................................................................ 37!
Lista de Questões de Concursos Anteriores ........................................................................................................... 40!
Gabaritos .............................................................................................................................................................. 51!
Lista de Questões de Concursos Anteriores com Comentários ............................................................................... 53!
Considerações Finais ............................................................................................................................................. 85!

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Matemática para BNB (Analista Bancário 1) 1
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

1. DIAGRAMAS DE EULER-VENN

O estudo das proposições categóricas pode ser feito utilizando os diagramas de Euler-Venn. É
habitual representar um conjunto por uma linha fechada e não entrelaçada.

Relembremos o significado, na linguagem de conjuntos, de cada uma das proposições categóricas.


Todo A é B: Todo elemento de A também é elemento de B.
Nenhum A é B: A e B são conjuntos disjuntos, ou seja, não possuem elementos comuns.
Algum A é B: Os conjuntos A e B possuem pelo menos 1 elemento em comum.
Algum A não é B: O conjunto A tem pelo menos 1 elemento que não é elemento de B.
Vejamos como representar cada uma das proposições categóricas utilizando os diagramas de
Euler-Venn.

Todo A é B

A proposição categórica “Todo A é B” é equivalente a:


A é subconjunto de B.
A é parte de B.
A está contido em B.
B contém A.
B é universo de A.
B é superconjunto de A.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 2
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Se sabemos que a proposição “Todo A é B” é verdadeira, qual será o valor lógico das demais
proposições categóricas?
“Algum A é B” é necessariamente verdadeira.
“Nenhum A é B” é necessariamente falsa.
“Algum A não é B” é necessariamente falsa.

Algum A é B

A proposição categórica “Algum A é B” equivale a “Algum B é A”.


Se “algum A é B” é uma proposição verdadeira, qual será o valor lógico das demais proposições
categóricas?
“Nenhum A é B” é necessariamente falsa.
“Todo A é B” e “Algum A não é B” são indeterminadas.
Observe que quando afirmamos que “Algum A é B” estamos dizendo que existe pelo menos um
elemento de A que também é elemento de B.

Nenhum A é B

A proposição categórica “Nenhum A é B” equivale a:


Nenhum B é A.
Todo A não é B.
Todo B não é A.
A e B são conjuntos disjuntos.
Se “nenhum A é B” é uma proposição verdadeira, qual será o valor lógico das demais proposições
categóricas?
“Todo A é B” é necessariamente falsa.
“Algum A não é B” é necessariamente verdadeira.
“Algum A é B” é necessariamente falsa.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 3
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Algum A não é B

Observe que “Algum A não é B” não equivale a “Algum B não é A”. Por exemplo, dizer que “Algum
brasileiro não é pernambucano” não equivale a dizer que “Algum pernambucano não é brasileiro”.
Se “algum A não é B” é uma proposição verdadeira, qual será o valor lógico das demais
proposições categóricas?
“Nenhum A é B” é indeterminada, pois poderia haver elementos na interseção dos conjuntos A e
B.
“Algum A é B” é indeterminada, pois pode haver ou não elementos na interseção dos conjuntos A
e B.
“Todo A é B” é necessariamente falsa.

1. INTRODUÇÃO AOS ARGUMENTOS

Em muitos aspectos, a Lógica se confunde com a Filosofia, a Ética, o Direito, assim como os demais
ramos do conhecimento e tem algumas áreas de difícil entendimento.
Assim como é difícil conceituar o que é a Matemática, também é difícil conceituar o que seja a
Lógica. No nosso caso, que se restringe a responder questões de concursos, podemos dizer que a
lógica é a tentativa sistemática de distinguir os argumentos válidos dos não válidos.
O que afinal é a validade? Ou melhor, o que é um argumento? Para começar pela última noção,
mais fácil, podemos dizer que um argumento tem uma ou mais premissas e uma conclusão. Ao
avançar um argumento, damos a entender que a premissa ou premissas apoiam a conclusão. Esta
relação de apoio é habitualmente assinalada pelo uso de expressões como “logo”, “assim”,
“consequentemente”, “portanto”, “como se vê”, ...
Considere o seguinte argumento:
Sócrates é homem.
Todos os homens são mortais.
Logo, Sócrates é mortal.
As premissas são “Sócrates é homem” e “Todos os homens são mortais. “Logo” é o sinal de um
argumento” e a conclusão é “Sócrates é mortal”.
A vida real nunca é tão evidente e inequívoca como seria se todas as pessoas falassem da maneira
como falariam se tivesse lido livros de lógica. Por exemplo, muitas vezes avançamos argumentos
sem apresentar todas as nossas premissas.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 4
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Guilherme teve nota vermelha.


Logo, não passará de ano.
Neste argumento, está implícita uma premissa suprimida: a de que nenhum estudante que tenha
nota vermelha passa de ano. Pode ser tão óbvia, pelo contexto, qual a premissa pressuposta, que
seja pura e simplesmente demasiado aborrecido formulá-la explicitamente. Formular
explicitamente premissas que fazem parte do pano de fundo de premissas partilhadas é uma
forma de “pedantismo”.
Contudo, temos de ter em mente que qualquer argumento efetivamente usado pode ter uma
premissa suprimida que tenha de se explicitar para que possa ser rigorosamente analisado.
Vamos dar agora uma primeira noção de validade. Considere os seguintes pequenos argumentos
simples.
Argumentos do tipo I
a) Jesus é filho de Maria e de José.
Logo, Jesus é filho de Maria.
b) Todos os estudantes do Estratégia são inteligentes.
João é aluno do Estratégia.
Logo, João é inteligente.
Argumentos do tipo II
a) Ou o céu é azul, ou a grama é laranja.
Logo, a grama é laranja.
b) João é inteligente.
João estuda no Estratégia.
Logo, todos os estudantes do Estratégia são inteligentes.
Os argumentos do tipo I têm conclusões verdadeiras sempre que têm premissas verdadeiras. Ou
seja, considerando que as premissas são verdadeiras, nós poderíamos garantir a veracidade da
conclusão. Dizemos que são argumentos válidos. Os argumentos do tipo I têm claramente esta
propriedade. Como poderia Jesus sendo filho de José e de Maria não ser filho de Maria? Não há
maneira alguma de João ser aluno do Estratégia e de todos os estudantes do Estratégia serem
inteligentes sem que João seja inteligente.
Os argumentos do tipo II carecem da propriedade da validade. As circunstâncias efetivas do mundo
fazem com que a premissa do primeiro argumento do tipo II seja verdadeira, mas a conclusão é
falsa. E no caso do segundo argumento do tipo II, podemos imaginar circunstâncias nas quais seja
verdade que João é inteligente e estuda no Estratégia, mas nas quais existam outros estudantes
não inteligentes que tornem a conclusão falsa.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 5
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

A lógica é o estudo sistemático dos argumentos válidos. Isto quer dizer que precisamos
desenvolver técnicas rigorosas para determinar quais argumentos são válidos. É claro que não se
pretende dizer que só com a lógica uma distinção poderia ser feita. Mas a lógica ajuda-nos a
separar as formas de argumentação. Para construir uma ciência do pensamento correto é preciso
pensar corretamente. A lógica precede, pois, a si mesma – em certo sentido.
Ao estudioso da lógica não importa o processo de raciocínio; interessa-lhe o processo finalizado,
cuja correção vai analisar. Sua atenção se volta para este tipo de pergunta: “Esta conclusão é, de
fato, consequência destas premissas?”
Provisoriamente, pelo menos, digamos que a lógica é o estudo das inferências, consideradas do
ponto de vista de sua validade.

1.1. ARGUMENTO

Inferir é uma atividade que conduz a uma proposição que é afirmada com base em uma ou mais
outras proposições, aceitas como pontos de partida do processo. Não importa ao lógico o
processo, interessando-lhe as proposições envolvidas e as relações que entre si possam manter.
As proposições podem ser verdadeiras ou falsas, diferindo, pois, de ordens (frases imperativas),
perguntas (frases interrogativas) e frases exclamativas.
Já discutimos isso na aula passada.
A cada inferência corresponde a uma argumentação. Pois bem, um argumento é um conjunto de
proposições que utilizamos para justificar (provar, dar razão, suportar) algo. A proposição que
queremos justificar tem o nome de conclusão; as proposições que pretendem apoiar a conclusão
têm o nome de premissas.
A conclusão é justamente a proposição que se afirma tomando as demais (premissas) como base
da argumentação. Naturalmente os termos “premissa” e “conclusão” são relativos à argumentação
em foco, podendo uma proposição figurar como premissa em um argumento, como conclusão em
outro.
Um argumento se diz válido, quando as premissas e conclusão são de tal modo relacionadas que é
impossível que as premissas sejam verdadeiras, a menos que a conclusão também o seja.
Embora um argumento seja um conjunto de proposições, nem todos os conjuntos de proposições
são argumentos. Por exemplo, o seguinte conjunto de proposições não é um argumento.
Adriano joga no Corinthians, mas o Ronaldo não.
Godofredo como pipocas no cinema.
Maristela foi ao teatro.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 6
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Neste caso, não temos um argumento, porque não há nenhuma pretensão de justificar uma
proposição com base nas outras. Nem há nenhuma pretensão de apresentar um conjunto de
proposições com alguma relação entre si. Há apenas uma sequência de afirmações.
Um argumento pode ter uma ou mais premissas, mas só pode ter uma conclusão.
Exemplos de argumentos com uma só premissa:
Premissa: Todos os brasileiros são americanos.
Conclusão: Logo, algum americano é brasileiro.

Premissa: Guilherme e Ricardo são professores do Estratégia.


Conclusão: Logo, Guilherme é professor do Estratégia.

Exemplo de argumento com duas premissas:


Premissa 1: Se João estuda no Estratégia, então será Auditor Fiscal.
Premissa 2: João estuda no Estratégia.
Conclusão: João será Auditor Fiscal.

Todo argumento que consiste em duas premissas e uma conclusão denomina-se


silogismo.

2. AMBIGUIDADE
Não se deve confundir proposições com frases. Uma frase é uma entidade linguística, é a unidade
gramatical mínima de sentido. Por exemplo, o conjunto de palavras “Recife é uma” não é uma
frase, mas o conjunto de palavras “Recife é uma cidade” é uma frase, pois já se apresenta com
sentido gramatical.
Uma proposição é uma entidade abstrata, é o pensamento que uma frase declarativa exprime
literalmente. Ora, um mesmo pensamento pode ser expresso por diferentes frases.
Por isso, a mesma proposição pode ser expressa de formas diferentes. Por exemplo, as frases “Eu
joguei o lápis” e “O lápis foi jogado por mim” exprimem a mesma proposição (são equivalentes). As
frases seguintes também exprimem a mesma proposição: “O céu é azul” e “The sky is blue”.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 7
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Além de podermos ter a mesma proposição expressa por diferentes frases, também pode
acontecer que a mesma frase exprima mais do que uma proposição. Neste caso, dizemos que a
frase é ambígua.
A frase “A cada dez minutos, um carioca abraça Joana” é ambígua, porque exprime mais do que
uma proposição: tanto pode querer dizer que existe um carioca (sempre o mesmo) que, a cada dez
minutos abraça Joana, como pode querer dizer que, a cada dez minutos, um carioca (diferente)
abraça Joana.
Por vezes, deparamo-nos com frases que não sabemos com exatidão o que significam. São as
frases vagas. Uma frase vaga é uma frase que dá origem a casos de fronteira indistinta. Por
exemplo: “O professor de lógica é velho” é uma frase vaga, porque não sabemos a partir de
quantos anos de idade podemos considerar que alguém é velho. Outro exemplo de frase vaga é o
seguinte: “Muitos alunos estudam no Estratégia”. Muitos, mas quantos? 10? 20? 1000?

3. VERDADE E VALIDADE
De início, é conveniente não confundir a validade de um argumento com a verdade das
proposições que o compõem.
Proposições são verdadeiras ou falsas. Argumentos são válidos ou inválidos. A validade de um
argumento depende da conexão das premissas com a conclusão, não do valor lógico das premissas
que formam o argumento.

A validade de um argumento não garante a verdade da conclusão, assim como a verdade das
premissas e conclusões não garantem a validade de um argumento.
Considere este exemplo:
Se eu fosse o presidente do Brasil, eu seria famoso.
Eu não sou o presidente do Brasil.
Logo, eu não sou famoso.

As premissas e conclusão são verdadeiras, embora o argumento seja inválido.

Um argumento estabelece a verdade da conclusão quando:


a) é válido
b) tem premissas verdadeiras

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 8
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Ao lógico só importa a primeira condição. A determinação da verdade das premissas é tarefa das
pesquisas científicas.

Validade ou não validade da argumentação é que cabe à Lógica determinar, mesmo em casos de
premissas falsas.
Repare, agora, no seguinte argumento:
Premissa 1: Todos os números primos são pares.
Premissa 2: Nove é um número primo.
Conclusão: Logo, nove é um número par.
Este é um argumento válido!!!

Apesar de tanto as premissas quanto a conclusão serem falsas, continua a aplicar-se a noção de
validade dedutiva supracitada: é impossível que as premissas sejam verdadeiras e a conclusão
falsa.

Não interessa que as premissas sejam falsas. O que interessa é o seguinte: suponha que as
premissas sejam verdadeiras. Abstraia-se do mundo real!! Imaginou que todos os números primos
são pares? Imaginou agora que nove é um número primo? Ok! Você agora pode GARANTIR que
nove é um par!!

Como se vê, a validade é uma propriedade diferente da verdade. A verdade é uma propriedade das
proposições que constituem os argumentos (mas não dos argumentos) e a validade é uma
propriedade dos argumentos (mas não das proposições).

Podemos ter:

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 9
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

NÃO PODEMOS TER ARGUMENTOS VÁLIDOS COM PREMISSAS VERDADEIRAS E CONCLUSÃO


FALSA.
E agora, como determinar a validade de um argumento?
Admita que as premissas sejam verdadeiras, mesmo que não sejam.
Há a possibilidade de, considerando-se as premissas verdadeiras, a conclusão ser falsa? Se isso
pode acontecer (premissas verdadeiras e conclusão falsa) então o argumento é inválido, um
sofisma, uma falácia. Se não, então o argumento é válido.
Observe o seguinte exemplo.
(FCC 2009/SEFAZ-SP)
Considere as seguintes afirmações:
I. Se ocorrer uma crise econômica, então o dólar não subirá.
II. Ou o dólar subirá, ou os salários serão reajustados, mas não ambos.
III. Os salários serão reajustados se, e somente se, não ocorrer uma crise econômica.
Sabendo que as três afirmações são verdadeiras, é correto concluir que, necessariamente,
(A) o dólar não subirá, os salários não serão reajustados e não ocorrerá uma crise econômica.
(B) o dólar subirá, os salários não serão reajustados e ocorrerá uma crise econômica.
(C) o dólar não subirá, os salários serão reajustados e ocorrerá uma crise econômica.
(D) o dólar subirá, os salários serão reajustados e não ocorrerá uma crise econômica.
(E) o dólar não subirá, os salários serão reajustados e não ocorrerá uma crise econômica.
Resolução
Vamos “dar nomes” às proposições simples envolvidas:
�: ������� ��� ����� ������
�: � �ó��� �����á
�: �� ���á���� ���ã� �����������
I. Se ocorrer uma crise econômica, então o dólar não subirá.
II. Ou o dólar subirá, ou os salários serão reajustados, mas não ambos.
III. Os salários serão reajustados se, e somente se, não ocorrer uma crise econômica.
Em símbolos, temos:
I.! � → ~�
II.! � ∨ �
III.! � ↔ ~�
De acordo com o enunciado, as três proposições compostas são verdadeiras. Vamos construir a
tabela verdade correspondente e verificar quando é que isso ocorre.
Como são três proposições simples envolvidas, então a tabela terá 2= = 8 linhas. Lembre-se que o
número de linhas de uma tabela verdade com � proposições simples é igual a 2≅ .

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 10
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Devemos lembrar as regras dos conectivos. A proposição composta pelo “se..., então...” é falsa
quando o antecedente é verdadeiro e o consequente é falso.
A proposição composta pelo conectivo da disjunção exclusiva “ou...ou” é verdadeira quando
apenas um dos componentes é verdadeiro.
A proposição composta pelo bicondicional “se e somente se” é verdadeiro quando os
componentes têm o mesmo valor lógico (ou ambos são verdadeiros ou ambos são falsos).
A tabela começa assim:

� � � ~� ~� � → ~� � ∨ � � ↔ ~�

V V V

V V F

V F V

V F F

F V V

F V F

F F V

F F F

A proposição ~� é a negação da proposição �, portanto seus valores lógicos são opostos aos
valores de �.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 11
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

A proposição ~� é a negação da proposição �, portanto seus valores lógicos são opostos aos
valores de �.

� � � ~� ~� � → ~� � ∨ � � ↔ ~�

V V V F F

V V F F F

V F V F V

V F F F V

F V V V F

F V F V F

F F V V V

F F F V V

A proposição � → ~� só é falsa quando � é verdadeiro e ~� é falso (linhas 1 e 2).

� � � ~� ~� � → ~� � ∨ � � ↔ ~�

V V V F F F

V V F F F F

V F V F V V

V F F F V V

F V V V F V

F V F V F V

F F V V V V

F F F V V V

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 12
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

A proposição � ∨ � é verdadeira quando apenas um dos componentes for verdadeiro. Ou seja,


� ∨ � é verdadeira quando � é verdadeira e � é falso ou quando � é falso e � é verdadeiro (linhas
2, 3, 6 e 7).

� � � ~� ~� � → ~� � ∨ � � ↔ ~�

V V V F F F F

V V F F F F V

V F V F V V V

V F F F V V F

F V V V F V F

F V F V F V V

F F V V V V V

F F F V V V F

A proposição � ↔ ~� só é verdadeira quando � e ~� têm valores lógicos iguais.

� � � ~� ~� � → ~� � ∨ � � ↔ ~�

V V V F F F F F

V V F F F F V V

V F V F V V V F

V F F F V V F V

F V V V F V F V

F V F V F V V F

F F V V V V V V

F F F V V V F F

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 13
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Como as três proposições compostas são verdadeiras, estamos interessados apenas na sétima
linha desta tabela.


� � � ~� ~� → ~� � ∨ � � ↔ ~�

V V V F F F F F

V V F F F F V V

V F V F V V V F

V F F F V V F V

F V V V F V F V

F V F V F V V F

F F V V V V V V

F F F V V V F F

Para que as compostas sejam verdadeiras, a proposição � deve ser falsa, a proposição � deve ser
falsa e a proposição � deve ser verdadeira.
�: ������� ��� ����� ������
�: � �ó��� �����á
�: �� ���á���� ���ã� �����������
Concluímos que não ocorrerá uma crise econômica, o dólar não subirá e os salários serão
reajustados.
(E) o dólar não subirá, os salários serão reajustados e não ocorrerá uma crise econômica.
Letra E
Muito trabalhoso, não?
Realmente, verificar a validade de um argumento utilizando tabelas-verdade dá muito, muito
trabalho. Vamos verificar outra maneira de testar argumentos sem o uso de tabelas.

Jair está machucado ou não quer jogar. Mas Jair quer jogar, logo:
a) Jair não está machucado nem quer jogar.
b) Jair não quer jogar nem quer jogar.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 14
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

c) Jair não está machucado e quer jogar.


d) Jair está machucado e não quer jogar.
e) Jair está machucado e quer jogar.
O enunciado nada fala sobre a verdade das proposições expostas. Observe que o enunciado da
questão anterior garantiu a veracidade das premissas.
Perguntamo-nos: Quem é Jair? Quem está nos falando que Jair está machucado? Isto é verdade?
Como podemos inferir uma conclusão se não tenho certeza sobre o valor lógico das premissas?
Em suma, como testar a validade de um argumento?
Existe um teste semântico, isto é, um teste que se baseia nos valores de verdade das suas
premissas e conclusão. Um argumento é válido se, e só se, não for possível ter conclusão falsa e
premissas verdadeiras.
Portanto, para termos um argumento válido devemos supor que as premissas são verdadeiras. Se
==11b934==

(e este é um grande se) as premissas forem verdadeiras, então a conclusão também será.

Ora, se admitimos a proposição “Jair quer jogar” como verdadeira, devemos assumir a proposição
“Jair não quer jogar” como falsa. Temos então o seguinte esquema:

Perguntamo-nos: Quando é que uma disjunção (proposição composta pelo conectivo “ou”) p Ú q é
verdadeira? Se ao menos uma das proposições p ou q é verdadeira; p Ú q é falsa se e somente
se ambas p e q são falsas. No nosso caso, temos uma disjunção que é verdadeira, e uma das
proposições que a compõe é falsa. Concluímos que a outra proposição “Jair está machucado” é
verdadeira.

Gabarito: E - Jair está machucado e quer jogar.


Temos então o seguinte argumento VÁLIDO.

Jair está machucado ou não quer jogar.


Mas Jair quer jogar, logo:

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 15
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Jair está machucado e quer jogar.

Não estamos afirmando que premissas do enunciado são verdadeiras nem que a conclusão
também o seja.
Dizemos apenas que, SE as premissas forem verdadeiras, então a conclusão também será
verdadeira.

Surfo ou estudo. Fumo ou não surfo. Velejo ou não estudo. Ora, não velejo. Assim:
a) estudo e fumo.
b) não fumo e surfo.
c) não velejo e não fumo.
d) estudo e não fumo.
e) fumo e surfo.
Resolução
O que esta questão está nos pedindo?
Que escolhamos uma conclusão adequada para que o argumento seja válido.
Devemos então, de acordo com a teoria exposta, assumir que as premissas são verdadeiras.
Temos o seguinte esquema:

A proposição “Não velejo” é verdadeira. Como a proposição “Velejo” é a sua negação, temos
que seu valor lógico é falso.

A proposição acima é uma disjunção e, para que seja verdadeira, ao menos uma das
proposições que a compõe deve ser verdadeira. Como a proposição “Velejo” é falsa,
concluímos que “Não estudo” é verdadeira. “Estudo”, que é a negação de “Não estudo”, é,
portanto, falsa.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 16
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Analogamente, a proposição “Surfo” é verdadeira e a sua negação “Não surfo” é falsa.

Da mesma maneira, temos que a proposição “Fumo” é verdadeira.

Conclusão: Surfo, não estudo, fumo, não velejo.


Gabarito: E
Observação: Daqui em diante, por motivos tipográficos, também para evitar uma “poluição
visual”, não colocaremos mais as chaves nas proposições compostas que assumiremos como
verdadeiras. Estará implícito, levando em consideração a teoria exposta. Simplesmente
aplicaremos as regras dos conectivos para que as compostas sejam verdadeiras. Por exemplo:

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 17
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Quando não trabalho, não fico feliz ou fico desiludido. Quando faço compras, não fico feliz e
fico desiludido. Quando não faço compras e fico feliz, trabalho. Quando não faço compras e
estou desiludido, não fico feliz. Hoje, fico feliz. Portanto, hoje,
(A) trabalho, não estou desiludido, não fico feliz e faço compras.
(B) não trabalho, estou desiludido, fico feliz e faço compras.
(C) trabalho, não estou desiludido, fico feliz e não faço compras.
(D) não trabalho, estou desiludido, não fico feliz e não faço compras.
(E) trabalho, estou desiludido, não fico feliz e faço compras.

Resolução
i) Quando não trabalho, não fico feliz ou fico desiludido.
ii) Quando faço compras, não fico feliz e fico desiludido.
iii) Quando não faço compras e fico feliz, trabalho.
iv) Quando não faço compras e estou desiludido, não fico feliz.
v) Fico feliz.
Vamos começar pela proposição simples. Estamos assumindo que hoje fico feliz.
Vejamos a segunda proposição.
Λ
ΗΙΙΙϑΙΙΙΚ
��ç� ������� → �ã� ���� ����� � ���� ����������.
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ

Como a proposição “não fico feliz” é falsa, então a proposição “não fico feliz e fico
desiludido” é falsa.
Λ
ΗΙΙΙϑΙΙΙΚ
��ç� ������� → �ã� ���� ����� � ���� ����������.
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Λ

Como o consequente é falso, o antecedente também deve ser falso (já que não admitimos VF
no “Se...,então...”).
Λ
��ç� ������� ΗΙΙΙϑΙΙΙΚ
ΝΟΟΟΟΠΟΟΟΟΘ → �ã� ���� ����� � ���� ����������.
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Λ Λ

Conclusão: não faço compras.


Podemos excluir as alternativas a, b, e.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 18
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

(A) trabalho, não estou desiludido, não fico feliz e faço compras.
(B) não trabalho, estou desiludido, fico feliz e faço compras.
(C) trabalho, não estou desiludido, fico feliz e não faço compras.
(D) não trabalho, estou desiludido, não fico feliz e não faço compras.
(E) trabalho, estou desiludido, não fico feliz e faço compras.
Vejamos a terceira frase.
Σ Σ
ΗΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΚ ΗΙΙϑΙΙΚ → ������ℎ�
�ã� ��ç� ������� � ���� �����
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ

Como o antecedente é verdadeiro, o consequente também será verdadeiro (para que não
ocorra VF).
Σ Σ
ΗΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΚ
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘΗΙΙϑΙΙΚ → ΝΟ
�ã� ��ç� ������� � ���� ����� ������ℎ�
ΟΠΟΟΘ
Σ Σ

Com isso, marcamos a alternativa C.


Gabarito: C

(TRT 19a Região 2014/FCC)


Considere verdadeiras as afirmações:
Se Ana for nomeada para um novo cargo, então Marina permanecerá em seu posto.
Marina não permanecerá em seu posto ou Juliana será́ promovida.
Se Juliana for promovida então Beatriz fará o concurso.
Beatriz não fez o concurso.
A partir dessas informações, pode-se concluir corretamente que
(A) Beatriz foi nomeada para um novo cargo.
(B) Marina permanecerá em seu posto.
(C) Beatriz não será́ promovida.
(D) Ana não foi nomeada para um novo cargo.
(E) Juliana foi promovida.
Resolução
Questão típica de argumentação. Temos um conjunto de 4 proposições, que são chamadas
de premissas do argumento. Devemos supor que as 4 proposições são verdadeiras.
Queremos saber o que dá para concluir a partir destas 4 premissas.
Se Ana for nomeada para um novo cargo, então Marina permanecerá em seu posto.
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 19
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Marina não permanecerá em seu posto ou Juliana será́ promovida.


ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ

Se Juliana for promovida então Beatriz fará o concurso.


ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ

ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Beatriz não fez o concurso.
Σ

Bom, sempre que houver uma proposição simples, devemos começar por ela. No caso, vamos
partir da proposição IV, que diz que Beatriz não fez o concurso.
Vamos à proposição III.
Λ
Se Juliana for promovida então ΗΙΙΙΙ ΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΙΚ
Beatriz fará o concurso.
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ

Uma proposição composta pelo conectivo "se..., então...” é verdadeira quando não ocorre
VF. Como a segunda componente (consequente) é F, a primeira componente não poderá ser
V. Concluímos que o antecedente é F.
Λ Λ
Se ΗΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΚ
Juliana for promovida então ΗΙΙΙΙ ΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΙΚ
Beatriz fará o concurso.
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ

Concluímos que Juliana não foi promovida. Vamos à proposição II.


Λ
Marina não permanecerá em seu posto ou ΗΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΚ
Juliana será́ promovida .
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ

Temos agora uma proposição composta pelo conectivo “ou”. Para que esta proposição seja
verdadeira, devemos ter pelo menos um componente V. Esta é a regra do conectivo “ou”.
Como o segundo componente é F, o primeiro componente tem que ser V.
Σ Λ
ΗΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΚ
Marina não permanecerá em seu posto ou ΗΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΚ
Juliana será́ promovida .
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ

Vamos à proposição I.
Λ Λ
Se ΗΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΚ
Ana for nomeada para um novo cargo , então ΗΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΚ
Marina permanecerá em seu posto.
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ

Uma proposição composta pelo conectivo "se..., então...” é verdadeira quando não ocorre
VF. Como a segunda componente (consequente) é F, a primeira componente não poderá ser
V. Concluímos que o antecedente é F.
Obviamente a solução parece longa porque as proposições foram repetidas várias vezes na
explicação. Na prova, sua resolução ficaria assim:

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 20
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Λ Λ
Se ΗΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΚ
Ana for nomeada para um novo cargo , então ΗΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΚ
Marina permanecerá em seu posto.
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ
Σ Λ
ΗΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΚ
Marina não permanecerá em seu posto ou ΗΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΚ
Juliana será́ promovida .
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ
Λ Λ
Se ΗΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΚ
Juliana for promovida então ΗΙΙΙΙ ΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΙΚ
Beatriz fará o concurso.
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ

ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Beatriz não fez o concurso.
Σ

Gabarito: D
(D) Ana não foi nomeada para um novo cargo.

4. ARGUMENTOS SÓLIDOS E ARGUMENTOS BONS

Em lógica não é suficiente termos argumentos válidos, pois, como vimos, podemos ter argumentos
válidos com conclusão falsa (se pelo menos uma das premissas for falsa). Em lógica, pretendemos
chegar a conclusões verdadeiras. Por isso, precisamos de argumentos sólidos.
Um argumento sólido é um argumento válido com premissas verdadeiras.
Um argumento sólido não pode ter conclusão falsa, pois, por definição, é válido e tem premissas
verdadeiras; ora, a validade exclui a possibilidade de se ter premissas verdadeiras e conclusão
falsa.
O seguinte argumento é válido, mas não é sólido:
Todos os curitibanos são paranaenses.
Todos os paranaenses são paulistas.
Logo, todos os curitibanos são paulistas.
Este argumento não é sólido, porque a segunda premissa é falsa (os paranaenses não são
paulistas). E é porque tem uma premissa falsa que a conclusão é falsa, apesar de o argumento ser
válido. O seguinte argumento é sólido (válido com premissas e conclusão verdadeiras).
Todos os paranaenses são brasileiros.
Todos os curitibanos são paranaenses.
Logo, todos os curitibanos são brasileiros.

Também podemos ter argumentos sólidos deste tipo:

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 21
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Sócrates era grego.


Logo, Sócrates era grego.
Obviamente estou me referindo ao Sócrates, filósofo grego e mestre de Platão.

Este argumento é sólido, porque tem premissa verdadeira e é impossível que, sendo a premissa
verdadeira, a conclusão seja falsa. É sólido, mas não é um bom argumento, porque a conclusão se
limita a repetir a premissa.
Um argumento bom (ou forte) é um argumento válido persuasivo (do ponto de vista racional).
Talvez se recorra a argumentos deste tipo, isto é, argumentos que não são bons (apesar de sólidos)
mais vezes do que se imagina.
Certamente, já vivemos situações semelhantes a esta:
- Patrão, preciso de aumento de salário.
- Por quê?
- Porque sim.

O que temos aqui? O seguinte argumento:


Preciso de um aumento de salário.
Logo, preciso de um aumento de salário.

Afinal, queria-se justificar o aumento de salário (conclusão) e não se conseguiu dar nenhuma razão
plausível para esse aumento. O empregado limitou-se a dizer “Porque sim”, ou seja, “Preciso de
um aumento de salário porque preciso de um aumento de salário”. Como se vê, trata-se de um
argumento muito ruim, pois com um argumento deste tipo não se consegue persuadir ninguém.
Veremos adiante que isso se trata de uma “petição de princípio”.

Observação: não pense que só os argumentos em que a conclusão repete a premissa é que são
ruins. Um argumento é ruim (ou fraco) se as premissas não forem mais plausíveis do que a
conclusão. Por exemplo:
Se eu não sou feliz, então Deus não existe.
Mas Deus existe.
Logo, eu sou feliz.
Este argumento é válido, mas não é um bom argumento, porque as premissas não são menos
discutíveis do que a conclusão.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 22
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

5. SILOGISMOS CATEGÓRICOS
Um silogismo, como já vimos, é um argumento que consiste de duas premissas e uma conclusão. A
sua relação é determinada pelo tipo de proposições que contém.
O silogismo categórico, que estudaremos a seguir, recebe este nome por conter proposições
categóricas (enunciados simples com apenas um sujeito e um predicado).
Para facilitar o trabalho com as proposições categóricas, convencionou-se representá-las por
vogais, utilizando-se as letras A, E, I e O (são as vogais das palavras AFIRMO e NEGO).
As letras A e I representarão proposições afirmativas e as letras E e O representarão proposições
negativas.
Vamos lá...

A: para representar a proposição universal afirmativa.


Toda mulher é bela.

E: Para representar a proposição universal negativa.


Nenhuma mulher é bela.

I: Para representar a proposição particular afirmativa.


Alguma mulher é bela.

O: Para representar a proposição particular negativa.


Alguma mulher não é bela.

Na aula passada, já aprendemos a negar estas proposições.


De posse destes elementos, pode-se entender melhor o que se chama oposição lógica das
proposições, regida pelo princípio da contradição. Duas proposições são opostas quando têm o
mesmo sujeito e o mesmo predicado, mas diferem entre si em quantidade ou qualidade.
Chamam-se contrárias as proposições universais, que se opõem entre si pela qualidade.
Chamam-se subcontrárias duas proposições particulares que se opõem pela qualidade.
Contraditórias são duas proposições que possuem o mesmo sujeito e o mesmo predicado, mas que
diferem entre si, tanto em qualidade como em quantidade. Trata-se da oposição mais forte,
porque não há nada em que elas possam convir, ou seja, sua oposição é absoluta (uma é a negação
da outra).

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 23
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Observe que:
- a proposição A é a negação de O (e vice-versa).
- a proposição E é a negação de I (e vice-versa).
A: Toda mulher é bela.
E: Nenhuma mulher é bela.
I: Alguma mulher é bela.
O: Alguma mulher não é bela.

Duas proposições contrárias (A e E) não podem ser verdadeiras ao mesmo tempo, mas
podem ser falsas ao mesmo tempo. A relação de contrariedade se dá entre uma
proposição universal afirmativa e uma negativa.

Por exemplo: “Todo homem é mortal” e “Nenhum homem é mortal”, ambas são
universais, sendo que uma é verdadeira e a outra falsa.

“Toda mulher é bela” e “Nenhuma mulher é bela”, ambas são universais, mas falsas.

Duas proposições subcontrárias (I e O) não podem ser falsas ao mesmo tempo, mas
podem ser verdadeiras ao mesmo tempo. A relação de subcontrariedade se dá entre
uma proposição particular afirmativa e uma particular negativa.

Exemplo: “Algum homem é mortal” e “Algum homem não é mortal”, ambas são
particulares, sendo uma verdadeira e outra falsa.

“Algum animal é mamífero” e “Algum animal não é mamífero”, ambas são particulares e
verdadeiras.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 24
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Duas proposições contraditórias (A e O/E e I) não podem ser verdadeiras ao mesmo


tempo, nem podem ser falsas ao mesmo tempo.

Se uma é verdadeira, a outra é necessariamente falsa. Uma é a negação da outra


(aprendemos a negar as proposições categóricas na aula passada!).

Os argumentos podem ser representados por meio dos diagramas de Venn, ferramenta
extremamente útil, pois permite saber rapidamente se um argumento é válido ou não: os válidos
são evidentes, os inválidos no geral são ambíguos.

6. REGRAS DE INFERÊNCIA
As regras de inferência servem para analisar a validade de um argumento com maior rapidez.
Vamos estudar as principais e mais úteis.

MODUS PONENS

Modus Ponens (modo de afirmar)


Se P, então Q.
P.
Portanto, Q.

Ou seja: se temos uma proposição condicional e afirmamos o antecedente, então podemos


concluir que o consequente será verdadeiro.
Observe o seguinte exemplo:
Se estudo, obtenho boas notas.
Estudei.
Portanto, obterei boas notas.

MODUS TOLLENS

Modus Tollens (modo de negar)

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 25
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Se P, então Q.
Não Q.
Portanto, não P.

Ou seja: se temos uma proposição condicional e afirmamos que o consequente é falso, podemos
concluir que o antecedente será falso.
Observe o seguinte exemplo:

Se me alimento bem, me sinto disposto.


Não me senti disposto.
Portanto, não me alimentei bem.

SILOGISMO HIPOTÉTICO

O Silogismo Hipotético tem a seguinte estrutura:

Se P, então Q.
Se Q, então R.
Portanto, Se P, então R.

Obviamente, você pode encadear mais proposições.


Se P, então Q.
Se Q, então R.
Se R, então S.
Se S, então T.
Se T, então U.
Portanto, se P, então U.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 26
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

7. SOFISMAS OU FALÁCIAS

Sofismas ou falácias são raciocínios que pretendem demonstrar como verdadeiros os argumentos
que logicamente são inválidos.
Os argumentos falaciosos são extremamente perniciosos e proliferam nos discursos de muitos
políticos, na publicidade, na religião, na vida diária.
Quanto mais subliminares forem, ou seja, quanto mais difícil de detectar as premissas não
racionais que procuram fundamentar as conclusões, maior é a sua força de convencimento e mais
sedutores eles se tornam.
Argumentos válidos que possuem premissas falsas não são falácias. Na verdade, uma falácia é um
argumento inválido que tem a aparência de um argumento válido, e que, portanto, engana.
Há argumentos inválidos que são tão patentemente inválidos que ninguém é persuadido por eles.
Estes não são falácias. Para que um argumento inválido seja uma falácia, é preciso que sua
invalidade não seja óbvia: ele precisa ter a aparência de validade.
As falácias podem ser reunidas em dois grandes grupos: as falácias formais e as informais. Nesta
aula, vamos estudar apenas as formais.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 27
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

7.1. FALÁCIAS FORMAIS

Muitas vezes não é a inverdade das premissas que invalida os argumentos, mas sim a forma como
esta premissa (e a conclusão) são colocadas. Como um argumento inválido pode ter qualquer
combinação de verdade e falsidade entre as premissas e a conclusão, ele é, por vezes, persuasivo,
mesmo quando quebra as formas do silogismo hipotético.

Devemos estar muito atentos às duas principais falácias formais: a falácia da afirmação do
consequente e a falácia da negação do antecedente.

Estas falácias são muito utilizadas na argumentação do dia-a-dia (por consequência, também muito
citadas nas questões de concursos).

7.1.1. FALÁCIA DA AFIRMAÇÃO DO CONSEQUENTE

Se chovesse, o chão estaria molhado.


O chão está molhado.
Logo, choveu.

À primeira vista, o argumento até pode parecer válido. No entanto, o primeiro termo só afirma que
se o antecedente for verdadeiro, o consequente também o será. Até porque se o consequente é
verdadeiro, o antecedente pode ser verdadeiro ou falso.
Esta falácia tem o seguinte aspecto:
Se p, então q.
q.
Logo, p.
Vamos colocar um exemplo ainda mais ilustrativo.
Se João se atira do vigésimo andar de um prédio, ele morre.
João está morto.
Logo, João se atirou do vigésimo andar.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 28
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

7.1.2. FALÁCIA DA NEGAÇÃO DO ANTECEDENTE

Se Guilherme tomasse veneno, ficaria doente.


Guilherme não tomou veneno.
Logo, Guilherme não ficou doente.
Quem nos garante isso? Guilherme poderia ficar doente por outros motivos!
Não podemos concluir isso com a lógica em um caso como este.
Esta falácia tem o seguinte aspecto:

Se p, então q.
~p
Logo, ~q.

8. REPRESENTAÇÃO DOS ARGUMENTOS


Alguns argumentos podem ser representados por meio dos Diagramas de Venn – ferramenta
muito útil, pois permite saber rapidamente se um argumento é válido ou não. Os argumentos
válidos são evidentes; os inválidos, em geral, são ambíguos.
Vejam alguns exemplos.
Exemplo 1
P1: Todo recifense é pernambucano.
P2: Todo pernambucano é brasileiro.
Conclusão: Todo recifense é brasileiro.
Pelo diagrama, temos:

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 29
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

A conclusão é bastante evidente. Trata-se, portanto, de um argumento válido.


Exemplo 2
Todo recifense é pernambucano.
Todo recifense é brasileiro.
Portanto, todo pernambucano é brasileiro.
Vamos começar desenhando a primeira premissa.

Agora vamos desenhar a segunda premissa (por cima do desenho anterior). Queremos desenhar a
proposição “todo recifense é brasileiro”. Perceba que agora estamos encrencados. A “extensão”
do conjunto dos brasileiros pode ser feita de várias maneiras. Veja:

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 30
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Há, portanto, ambiguidade. Assim, concluímos que o argumento é inválido.


Observe que, apesar de a conclusão ser uma proposição verdadeira, o nosso argumento é inválido.
Isto porque não podemos inferir a conclusão a partir das premissas. Imagine que você não
conhecesse a estrutura organizacional do Brasil – você não teria condições de afirmar a conclusão
baseando-se apenas nas premissas.
Sempre que surgir ambiguidade ao se traçar o diagrama de Venn, isto é, uma determinada
premissa puder ser representada por um conjunto com diversas extensões, estando prejudicada a
conclusão, deduzimos que o argumento é inválido, mesmo que ainda não saibamos qual regra está
sendo infringida.
Vejamos agora importantes regras para testar esses silogismos.

Regra nº 1

De duas premissas negativas nada se conclui.

Exemplo:
Nenhum pernambucano é carioca.
Nenhum recifense é carioca.
Portanto, nenhum pernambucano é recifense.
A primeira premissa pode ser representada por dois conjuntos distintos, “pernambucanos” e
“cariocas” sem ponto de contato. A segunda premissa tem representação semelhante, porém, o
conjunto dos recifenses pode estar em qualquer lugar fora do conjunto carioca.

O conjunto dos recifenses pode englobar só uma parte dos pernambucanos, pode não ter contato
com os pernambucanos, mas também pode estar totalmente contido no conjunto dos
pernambucanos. Diante desta ambiguidade, o argumento é inválido.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 31
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Regra nº 2

De duas premissas afirmativas não se pode tirar uma conclusão negativa.

Exemplo: Todas cobras são répteis.


Algumas cobras são animais perigosos.
Portanto, alguns animais perigosos não são répteis.

Coloquei uma parte do diagrama dos animais perigosos em tracejado (justamente a parte que
ficamos em dúvida).

De acordo com as frases que compõem o silogismo, seria perfeitamente possível que o conjunto
dos animais perigosos estivesse completamente “dentro” do conjunto dos répteis.
Outra conclusão igualmente falsa poderia ser: “Nenhum animal perigoso é réptil”.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 32
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Regra nº 3

De duas premissas particulares (algum, existe, etc) nada se conclui.

Algum brasileiro é pernambucano.


Algum recifense é pernambucano.
Portanto, algum recifense é brasileiro.
Vou fazer um desenho mostrando que este argumento pode gerar incertezas.

Observe que mesmo as premissas sendo verdadeira e a conclusão também verdadeira, o


argumento é inválido. Para testar silogismos, não devemos ficar presos aos fatos do mundo real.
Você deve, simplesmente, desenhar os conjuntos e verificar se existe alguma possibilidade de
tornar a conclusão falsa.

A lógica não traz conhecimento, mas serve apenas para facilitar a verificação dos conhecimentos
já adquiridos, confrontando-os com os princípios que os fundamentam, para ver se não os
contradizem.

Para avaliarmos o valor do silogismo é necessário compreender as suas limitações. Vejamos um


exemplo de silogismo: “Se todos os homens são mortais e se todos os brasileiros são homens,
então todos os brasileiros são mortais”.

A condição que é posta antes das premissas é significativa: SE as premissas forem verdadeiras, a
conclusão sê-lo-á também. Necessariamente, pois se trata de um argumento válido. O silogismo
não estabelece a verdade das premissas. Estabelece que SE as premissas forem verdadeiras, a
conclusão também seria (quando o argumento é válido).

Todavia, o silogismo é uma forma, uma organização dada ao pensamento e, que põe em evidência
a coerência e o rigor desse pensamento. Permite o estabelecimento de uma hierarquia entre os
conceitos, contribuindo para a sua melhor compreensão. Sob uma forma completa ou incompleta,
velada ou expressa, está presente em todo o discurso.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 33
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

9. FIGURAS E MODOS DO SILOGISMO CATEGÓRICO


Um silogismo, como vimos, envolve apenas três proposições.
Os termos, ou seja, os sujeitos e predicados dessas proposições, devem ser apenas três. Cada
termo aparece exatamente duas vezes.

¥! O sujeito da conclusão é o termo menor do silogismo.


¥! O predicado da conclusão é o termo maior do silogismo.
¥! O terceiro termo, cuja função é a de estabelecer um vínculo entre o termo menor
e o termo maior, é chamado de termo médio.
¥! A premissa que contém o termo maior chama-se premissa maior. Por convenção,
sempre colocamos a premissa maior em primeiro lugar.
¥! Em segundo lugar, colocamos a premissa menor, que é a premissa que contém o
termo menor.
¥! A conclusão, que envolve o termo menor e o termo maior (não envolve o termo
médio), é mencionada por último.

Exemplo:
Todo recifense é pernambucano.
Nenhum pernambucano é preguiçoso.
Portanto, nenhum recifense é preguiçoso.

O sujeito da conclusão é “recifense”. Este é o termo menor.


O predicado da conclusão é “preguiçoso”. Este é o termo maior.
O termo médio relaciona o termo menor e o termo maior. Assim, o termo médio é
“pernambucano”.
ωθπρϖξξψ ρπ≅σθ
ΗΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΚ
���� ���������
ΝΟΟΠΟΟΘ é ΝΟ
������������
ΟΟΟΠΟΟΟΟΘ .
οπθρσ ρπ≅σθ οπθρσ ρéυϖσ

ωθπρϖξξψ ρψϖσθ
ΗΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΚ
���ℎ�� ΝΟ
������������
ΟΟΟΠΟΟΟΟΘ é ������ç���
ΝΟΟΟΠΟΟΟΘ .
οπθρσ ρéυϖσ οπθρσ ρψϖσθ

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 34
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

{σ≅|}∼ξãσ
ΗΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΚ
���ℎ�� ���������
ΝΟΟΠΟΟΘ é ������ç���
ΝΟΟΟΠΟΟΟΘ .
οπθρσ ρπ≅σθ οπθρσ ρψϖσθ

Note que a premissa maior ficou em segundo lugar. Para termos o silogismo em sua apresentação
“canônica”, faz-se a troca.

Nenhum pernambucano é preguiçoso. (Premissa maior)


Todo recifense é pernambucano. (Premissa menor)
Portanto, nenhum recifense é preguiçoso. (Conclusão).

Observe que a premissa maior é universal negativa (tipo E); a premissa menor é universal
afirmativa (tipo A) e a conclusão é universal negativa (tipo E).

Antes de entrarmos no assunto propriamente dito, vamos definir o que são as figuras do silogismo
e os modos que lhe são correspondentes.
Designa-se por figura cada uma das formas que o silogismo pode tomar derivado da posição do
termo médio (M) como sujeito ou predicado nas proposições.
Existem apenas 4 figuras possíveis para o silogismo categórico.
¥! No silogismo de primeira figura, o termo médio é sujeito na maior e predicado na menor.
¥! No silogismo de segunda figura, o termo médio é predicado na maior e na menor.
¥! No silogismo de terceira figura, o termo médio é sujeito na maior e na menor.
¥! No silogismo de quarta figura, o termo médio é predicado na maior e sujeito na menor.

Chama-se modo a disposição ou ordem das premissas do silogismo de acordo com a quantidade e
a qualidade.
Como já vimos, as premissas podem ser universas afirmativas, universais negativas, particulares
afirmativas e particulares negativas, representadas, respectivamente, pelas letras A, E, I e O.
Exemplos de modo seriam: AAA, EAE, AII, etc.

No nosso exemplo acima, o silogismo é do tipo EAE-1 (o número 1 indica que é de primeira figura),
pois o termo médio “pernambucano” é sujeito na premissa maior e predicado na premissa menor.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 35
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

9.1.1. SILOGISMO DE PRIMEIRA FIGURA

Um argumento válido é identificado como de primeira figura, quando o seu termo médio ocupa a
posição de sujeito na premissa maior e de predicado na premissa menor.
Quanto ao modo, a premissa maior não pode ser particular e a premissa menor não pode ser
negativa.
Exemplo: Todo ser vivo é mortal.
Todo homem é ser vivo.
Portanto, todo homem é mortal.

Verifique com o diagrama de Venn.

Observe que o termo médio “ser vivo” é sujeito na primeira premissa e predicado na segunda.
Observe ainda que a primeira premissa não é particular e a segunda não é negativa.
Vejamos outro exemplo:
Nenhum mamífero é peixe.
Toda baleia é mamífero.
Portanto, nenhuma baleia é peixe.

Trata-se de um argumento válido. Observe que a premissa maior é universal (não é particular) e a
menor não é negativa. O termo médio “mamífero” é sujeito na primeira proposição e predicado na
segunda.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 36
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

9.1.2. SILOGISMO DE SEGUNDA FIGURA

Um argumento legítimo é de segunda figura quando o seu termo médio ocupa a posição de
predicado em ambas as premissas.
Quanto ao modo, uma das premissas deve ser negativa e a maior não pode ser particular.

Exemplo:
Todo círculo é redondo.
Nenhum triângulo é redondo.
Portanto, nenhum triângulo é círculo.
Observe que o termo médio “redondo” é predicado em ambas as premissas.

9.1.3. SILOGISMO DE TERCEIRA FIGURA

Um argumento legítimo é identificado como de terceira figura, quando o seu termo médio ocupa a
posição de sujeito em ambas as premissas.
Quanto ao modo, a premissa menor deve ser afirmativa e a conclusão deve ser particular.
Exemplo:
Nenhum mamífero é pássaro.
Algum mamífero é animal que voa.
Portanto, algum animal que voa não é pássaro.

Observe que o termo médio “mamífero” é sujeito em ambas as premissas.

9.1.4. SILOGISMO DE QUARTA FIGURA

Um argumento legítimo é identificado como de quarta figura, quando o seu termo médio ocupa a
posição de predicado na premissa maior e o seu termo médio ocupa a posição de sujeito na
premissa menor.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 37
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Quanto ao modo (o mesmo da primeira figura), a premissa maior não pode ser particular e a
premissa menor não pode ser negativa.
Não se trata de uma nova figura, mas sim da primeira, cujas premissas estão transpostas, causando
a inversão dos termos maior e menor.
Exemplo:
Sócrates é homem.
Todo homem é mortal.
Portanto, Sócrates é homem.

(VUNESP 2013/PC-SP)
Em um silogismo, o termo médio é o termo que aparece em ambas as premissas. Assinale a
alternativa que apresenta corretamente qual é o termo médio do seguinte silogismo:
Todo homem é mortal. Nenhum mortal é pedra. Logo, nenhum homem é pedra.
(A) Mortal.
(B) Pedra.
(C) Todo.
(D) Nenhum.
(E) Homem.
Resolução
O sujeito da conclusão é o termo menor do silogismo.
O predicado da conclusão é o termo maior do silogismo.
O terceiro termo, cuja função é a de estabelecer um vínculo entre o termo menor e o termo
maior, é chamado de termo médio.

A conclusão é “Nenhum homem é pedra”.


O sujeito é “homem”. Este é o termo menor.
O predicado é “pedra”. Este é o termo maior.
O termo médio é o termo que estabelece um vínculo entre “homem” e “pedra”; é o termo
que aparece nas duas premissas.
Assim, o termo médio é “mortal”.
Gabarito: A

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 38
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

(VUNESP 2013/PC-SP)
Assinale a alternativa que representa o modo e a figura do silogismo seguinte.
Todo sapo é verde.
Algum cão não é verde.
Logo, nenhum cão é sapo.
(A) OAE – 2.
(B) AEI – 4.
(C) EAO – 1.
(D) AOE – 2.
(E) AIE – 3.
Resolução
O sujeito da conclusão é “cão”. Este é o termo menor.
O predicado da conclusão é “sapo”. Este é o termo maior.
O termo médio é “verde”, que é o termo que cria um vínculo entre o termo menor e o termo
maior.
A primeira premissa contém o termo maior. Portanto, a primeira premissa é a premissa
maior.
A segunda premissa contém o termo menor. Portanto, a segunda premissa é a premissa
menor.
Desta forma, o silogismo já está na “forma canônica”, que é Maior-Menor-Conclusão.
Observe que o termo médio é predicado nas duas premissas. Quando isso ocorre, dizemos
que o silogismo é de segunda figura. Estamos agora em dúvida entre as alternativas A e D.
Vamos descobrir o modo do silogismo. Não precisamos alterar a ordem das premissas,
porque já estamos com a forma canônica.
Todo sapo é verde. (Proposição Universal Afirmativa: A)
Algum cão não é verde. (Proposição Particular Negativa: O)
Logo, nenhum cão é sapo. (Proposição Universal Negativa: E)
Assim, o silogismo é do tipo AOE-2 (o número 2 indica que é de segunda figura).
Gabarito: D

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 39
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

LISTA DE QUESTÕES DE CONCURSOS ANTERIORES

1. (CESPE 2018/ABIN)
As seguintes proposições lógicas formam um conjunto de premissas de um argumento:

Se Pedro não é músico, então André é servidor da ABIN.


Se André é servidor da ABIN, então Carlos não é um espião.
Carlos é um espião.

A partir dessas premissas, julgue o item a seguir, acerca de lógica de argumentação


Se a proposição lógica “Pedro é músico.” for a conclusão desse argumento, então, as premissas
juntamente com essa conclusão constituem um argumento válido.
2. (CESPE 2018/EMAP)

Julgue o item seguinte, relativo à lógica proposicional e de argumentação.


O seguinte argumento constitui um argumento válido: “O Porto de Itaqui está no Sudeste
brasileiro, pois o Porto de Itaqui está localizado na Ilha de Marajó e a Ilha de Marajó está localizada
em São Paulo.”
3. (CESPE 2016/ANVISA)
Considerando os símbolos normalmente usados para representar os conectivos lógicos, julgue os
itens seguintes, relativos a lógica proposicional e à lógica de argumentação. Nesse sentido,
considere, ainda, que as proposições lógicas simples sejam representadas por letras maiúsculas.

A sentença "As consequências de nossos atos são florestas devastadas, descongelamento das
calotas polares, extinção de dezenas de espécies animais, poluição dos rios e diminuição drástica
das reservas de água potável" apresenta um argumento válido.
4. (CESPE 2016/FUNPRESP)
Considerando as características do raciocínio analítico e a estrutura da argumentação, julgue o
item a seguir.
O raciocínio Nenhum peixe é ave. Logo, nenhuma ave é peixe é válido.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 40
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

5. (CESPE 2017/ TRT 7ª REGIÃO )

Texto CB1A5BBB – Argumento formado pelas premissas (ou proposições) P1 e P2 e pela


conclusão C

P1: Se eu assino o relatório, sou responsável por todo o seu conteúdo, mesmo que tenha escrito
apenas uma parte.
P2: Se sou responsável pelo relatório e surge um problema em seu conteúdo, sou demitido.
C: Logo, escrevo apenas uma parte do relatório, mas sou demitido.

O argumento apresentado no texto CB1A5BBB se tornaria válido do ponto de vista da lógica


sentencial, se, além das premissas P1 e P2, a ele fosse acrescentada a proposição

a) Não sou demitido ou não escrevo uma parte do relatório.


b) Sou responsável apenas pela parte que escrevi do relatório.
c) Eu escrevo apenas uma parte do relatório, assino o relatório e surge um problema em seu
conteúdo.
d) Se não escrevo nenhuma parte do relatório, não sou demitido.
(CESPE 2016/DPU)
Considere que as seguintes proposições sejam verdadeiras.
¥! Quando chove, Maria não vai ao cinema.
¥! Quando Cláudio fica em casa, Maria vai ao cinema.
¥! Quando Cláudio sai de casa, não faz frio.
¥! Quando Fernando está estudando, não chove.
¥! Durante a noite, faz frio.

Tendo como referência as proposições apresentadas, julgue o item subsecutivo.


6. Se Maria foi ao cinema, então Fernando estava estudando.

7. Durante a noite, não chove.


8. (CESPE 2016/ PCie PE)

Considere as seguintes proposições para responder à questão.

P1: Se há investigação ou o suspeito é flagrado cometendo delito, então há punição de criminosos.

P2: Se há punição de criminosos, os níveis de violência não tendem a aumentar.

P3: Se os níveis de violência não tendem a aumentar, a população não faz justiça com as próprias
mãos.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 41
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Pretende-se acrescentar ao conjunto de proposições P1, P2 e P3 uma nova proposição, P0, de


modo que o argumento formado pelas premissas P0, P1, P2 e P3, juntamente com a conclusão “A
população não faz justiça com as próprias mãos” constitua um argumento válido. Assinale a opção
que apresenta uma proposta correta de proposição P0.
a) Há investigação ou o suspeito é flagrado cometendo delito.
b) Não há investigação ou o suspeito não é flagrado cometendo delito.
c) Não há investigação e o suspeito não é flagrado cometendo delito.
d) Se o suspeito é flagrado cometendo delito, então há punição de criminosos.
e) Se há investigação, então há punição de criminosos.

9. (CESPE 2016 /PREF SP )


As proposições seguintes constituem as premissas de um argumento.
• Bianca não é professora.
• Se Paulo é técnico de contabilidade, então Bianca é professora.
• Se Ana não trabalha na área de informática, então Paulo é técnico de contabilidade.
• Carlos é especialista em recursos humanos, ou Ana não trabalha na área de informática, ou
Bianca é professora.

Assinale a opção correspondente à conclusão que torna esse argumento um argumento válido.
a) Paulo não é técnico de contabilidade e Ana não trabalha na área de informática.
b) Carlos não é especialista em recursos humanos e Paulo não é técnico de contabilidade.
c) Ana não trabalha na área de informática e Paulo é técnico de contabilidade.
d) Carlos é especialista em recursos humanos e Ana trabalha na área de informática.
e) Bianca não é professora e Paulo é técnico de contabilidade.
10. (CESPE 2015/STJ)

Mariana é uma estudante que tem grande apreço pela matemática, apesar de achar essa uma área
muito difícil. Sempre que tem tempo suficiente para estudar, Mariana é aprovada nas disciplinas
de matemática que cursa na faculdade. Neste semestre, Mariana está cursando a disciplina
chamada Introdução à Matemática Aplicada. No entanto, ela não tem tempo suficiente para
estudar e não será aprovada nessa disciplina.

A partir das informações apresentadas nessa situação hipotética, julgue o item a seguir, acerca das
estruturas lógicas.

Considerando-se as seguintes proposições: p: “Se Mariana aprende o conteúdo de Cálculo 1, então


ela aprende o conteúdo de Química Geral”; q: “Se Mariana aprende o conteúdo de Química Geral,
então ela é aprovada em Química Geral”; c: “Mariana foi aprovada em Química Geral”, é correto
afirmar que o argumento formado pelas premissas p e q e pela conclusão c é um argumento
válido.
11. (CESPE 2015/ MPOG )

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 42
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

A partir dos argumentos apresentados pelo personagem Calvin na tirinha acima mostrada, julgue o
seguinte item.

Considere que o argumento enunciado por Calvin na tirinha seja representado na forma: “P: Se for
ignorante, serei feliz; Q: Se assistir à aula, não serei ignorante; R: Serei feliz; S: Logo, não assistirei à
aula”, em que P, Q e R sejam as premissas e S seja a conclusão, é correto afirmar que essa
representação constitui um argumento válido.
12. (CESPE 2010/SAD-PE)
Suponha que a proposição “Se Josué foi aprovado no concurso e mudou de cidade, então Josué
mudou de emprego” seja uma premissa de um argumento. Se a proposição “Josué não mudou de
emprego” for outra premissa desse argumento, uma conclusão que garante sua validade é
expressa pela proposição
a) Josué foi aprovado no concurso e não mudou de cidade.
b) Josué não foi aprovado no concurso e mudou de cidade.
c) Josué não foi aprovado no concurso ou não mudou de cidade.
d) Se Josué não mudou de emprego, então Josué não mudou de cidade.
e) Se Josué não mudou de emprego, então Josué não foi aprovado no concurso.
(CESPE 2013/PC-DF)
P1: Se a impunidade é alta, então a criminalidade é alta.
P2: A impunidade é alta ou a justiça é eficaz.
P3: Se a justiça é eficaz, então não há criminosos livres.
P4: Há criminosos livres.
C: Portanto, a criminalidade é alta.
Considerando o argumento apresentado acima, em que P1, P2, P3 e P4 são as premissas e C, a
conclusão, julgue os itens subsequentes.
13. O argumento apresentado é um argumento válido.
14. A negação da proposição P1 pode ser escrita como “Se a impunidade não é alta, então a
criminalidade não é alta.”
15. (CESPE 2008/PC-TO)

Considere a seguinte sequência de proposições:


(1) Se o crime foi perfeito, então o criminoso não foi preso.
(2) O criminoso não foi preso.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 43
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

(3) Portanto, o crime foi perfeito.


Se (1) e (2) são premissas verdadeiras, então a proposição (3), a conclusão, é verdadeira, e a
sequência é uma dedução lógica correta.
16. (VUNESP 2013/PC-SP)
Considere verdadeiras as seguintes afirmações:

I. Existem policiais civis que concluíram o ensino superior.

II. Todos os policiais civis são esforçados.

Com base nas informações, conclui-se que

(A) os policiais civis esforçados concluíram o ensino superior.


(B) nenhum policial civil esforçado concluiu o ensino superior.
(C) os policiais civis que não concluíram o ensino superior não são esforçados.
(D) os policiais civis que concluíram o ensino superior são esforçados.
(E) existe policial civil com ensino superior que não é esforçado.

17. (FGV 2014/AL-BA)


Afirma-se que: “Toda pessoa gorda come muito”. É correto concluir que
a) se uma pessoa come muito, então é gorda.
b) se uma pessoa não é gorda, então não come muito.
c) se uma pessoa não come muito, então não é gorda.
d) existe uma pessoa gorda que não come muito.
e) não existe pessoa que coma muito e não seja gorda.
18. (FCC 2014/TRF 3ª Região)
Diante, apenas, das premissas “Existem juízes”, “Todos os juízes fizeram Direito” e “Alguns
economistas são juízes”, é correto afirmar que
(A) todos aqueles que fizeram Direito são juízes.
(B) todos aqueles que não são economistas também não são juízes.
(C) ao menos um economista fez Direito.
(D) ser juiz é condição para ser economista.
(E) alguns economistas que fizeram Direito não são juízes.
19. (FCC 2014/TRF 3a Região)
Diante, apenas, das premissas “Nenhum piloto é médico”, “Nenhum poeta é médico” e “Todos os
astronautas são pilotos”, então é correto afirmar que
(A) algum astronauta é médico.
(B) todo poeta é astronauta.
(C) nenhum astronauta é médico.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 44
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

(D) algum poeta não é astronauta.


(E) algum poeta é astronauta e algum piloto não é médico.
20. (FCC 2013/PGE-BA)
Se é verdade que “algum X é Y” e que “nenhum Z é Y”, então é necessariamente verdadeiro que:
(A) algum X não é Z.
(B) algum X é Z.
(C) nenhum X é Z.
(D) algum Z é X.
(E) nenhum Z é X.
21. (FCC 2013/PGE-BA)
Considere como verdadeiras as seguintes afirmações:
“Algum pândego é trôpego.” “Todo pândego é nefelibata.”
Deste modo, a assertiva necessariamente verdadeira é:
(A) Todo pândego trôpego não é nefelibata.
(B) Algum pândego trôpego não é nefelibata.
(C) Algum pândego é nefelibata.
(D) Todo pândego nefelibata é trôpego.
(E) Algum pândego que não é trôpego não é nefelibata.
22. (ESAF 2012/ATA-MF)
Em uma cidade as seguintes premissas são verdadeiras: Nenhum professor é rico. Alguns políticos
são ricos. Então, pode-se afirmar que:
a) Nenhum professor é político.
b) Alguns professores são políticos.
c) Alguns políticos são professores.
d) Alguns políticos não são professores.
e) Nenhum político é professor.
23. (FGV 2007/FNDE)
Considere a afirmação “Todo corintiano é feliz”. A partir dessa afirmação, pode-se concluir que:
a) todo homem feliz é corintiano.
b) todo palmeirense é infeliz.
c) toda pessoa que não é corintiana não é feliz.
d) um infeliz certamente não é corintiano.
e) existem infelizes que são corintianos.
24. (FGV 2008/SAD-PE)
Considere a afirmação: “Toda cobra venenosa é listrada”. Podemos concluir que:
a) Toda cobra listrada é venenosa.
b) Toda cobra que não é listrada não é venenosa.
c) Toda cobra que não é venenosa não é listrada.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 45
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

d) Algumas cobras venenosas não são listradas.


e) Algumas cobras que não são listradas podem ser venenosas.
25. (FGV 2009/MEC)
O silogismo é uma forma de raciocínio dedutivo. Na sua forma padronizada, é constituído por três
proposições: as duas primeiras denominam-se premissas e a terceira, conclusão. As premissas são
juízos que precedem a conclusão. Em um silogismo, a conclusão é consequência necessária das
premissas.
São dados 3 conjuntos formados por 2 premissas verdadeiras e 1 conclusão não necessariamente
verdadeira.

I. Premissa 1: Alguns animais são homens.


Premissa 2: Júlio é um animal.
Conclusão: Júlio é homem.

II. Premissa 1: Todo homem é um animal.


Premissa 2: João é um animal.
Conclusão: João é um homem.

III. Premissa 1: Todo homem é um animal.


Premissa 2: José é um homem.
Conclusão: José é um animal.
É (são) silogismo(s) somente:
(A) I
(B) II
(C) III
(D) I e III
(E) II e III
26. (VUNESP 2013/PC-SP)

Assinale a alternativa que apresenta corretamente a conclusão do seguinte argumento:

Se Pedro é engenheiro, então Pedro fez faculdade.


Pedro é engenheiro.
Logo, Pedro fez faculdade.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 46
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

(A) Pedro não fez faculdade.


(B) Pedro é engenheiro.
(C) Pedro não é engenheiro.
(D) O argumento não tem conclusão.
(E) Pedro fez faculdade.

27. (VUNESP 2013/PC-SP)

Assinale a alternativa que apresenta corretamente a asserção que indica a conclusão do seguinte
argumento:

Considerando que o estudo é muito importante na vida das pessoas, segue-se que alunos não
deveriam passar de ano sem estudar, visto que a passagem de ano é um desafio e desafios não
devem ser evitados.

(A) A passagem de ano é um desafio.


(B) Alunos não deveriam passar de ano sem estudar.
(C) O estudo é muito importante na vida das pessoas.
(D) Estudar é bom para todos.
(E) Desafios não devem ser evitados.

28. (VUNESP 2013/PC-SP)

Quando um argumento dedutivo é válido, isso significa que

(A) se as premissas são falsas, a conclusão é falsa.


(B) premissas e conclusão devem ter sempre o mesmo valor de verdade.
(C) se a conclusão é falsa, deve haver alguma premissa falsa.
(D) não existe situação em que as premissas são verdadeiras e a conclusão falsa.
(E) as premissas são sempre verdadeiras.

29. (VUNESP 2013/PC-SP)

Considerando que Freud é o pai da psicanálise, assinale a alternativa que apresenta o que é
correto afirmar acerca do seguinte argumento:

Freud é o pai da psicanálise ou Freud é jogador de futebol. Freud não é o pai da psicanálise. Logo,
Freud é jogador de futebol.

(A) O argumento é válido com premissas e conclusão todas verdadeiras.


(B) O argumento é inválido com conclusão falsa e premissas verdadeiras.
(C) O argumento é inválido e premissas e conclusão são todas falsas.
(D) O argumento é válido com uma premissa e conclusão falsas.
(E) O argumento é válido com premissas falsas e conclusão verdadeira.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 47
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

30. (FGV 2014/CGE-MA)


Analise as premissas a seguir.
Se o bolo é de laranja, então o refresco é de limão.
Se o refresco não é de limão, então o sanduíche é de queijo.
O sanduíche não é de queijo.
Logo, é correto concluir que:
a) o bolo é de laranja.
b) o refresco é de limão.
c) o bolo não é de laranja.
d) o refresco não é de limão.
e) o bolo é de laranja e o refresco é de limão.
31. (FCC 2014/TRT-SP)
Considere as três afirmações a seguir, todas verdadeiras, feitas em janeiro de 2013.

Se o projeto X for aprovado até maio de 2013, então um químico e um biólogo serão contratados
em junho do mesmo ano.

! Se um biólogo for contratado, então um novo congelador será adquirido.

Se for adquirido um novo congelador ou uma nova geladeira, então o chefe comprará sorvete para
todos.

Até julho de 2013, nenhum biólogo havia sido contratado. Apenas com estas informações, pode-se
concluir que, necessariamente, que

(A) o chefe não comprou sorvete para todos.


(B) o projeto X não foi aprovado até maio de 2013.
(C) nenhum químico foi contratado.
(D) não foi adquirido um novo congelador.
(E) não foi adquirida uma nova geladeira.

32. (VUNESP 2013/PC-SP)

Assinale a alternativa que apresenta corretamente a conclusão silogística que se pode inferir das
seguintes premissas: “Todo brasileiro é cidadão” e “João é brasileiro”.

(A) Algum cidadão é brasileiro.


(B) João é cidadão.
(C) João não é cidadão.
(D) Todo cidadão é brasileiro.
(E) Nenhum brasileiro é cidadão.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 48
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

33. (VUNESP 2013/PC-SP)

Assinale a alternativa que representa a estrutura do seguinte argumento:

Se João é professor, então João ministra aulas.

João não é professor.

Logo, João não ministra aulas.

(A) Modus tolens.


(B) Adição.
(C) Dilema construtivo.
(D) Silogismo disjuntivo.
(E) Modus ponens.

34. (FGV 2008/SAD-PE)


Considere as situações abaixo:
I. Em uma estrada com duas pistas, vê-se a placa:

Como você está dirigindo um automóvel, você conclui que deve trafegar pela pista da esquerda.
II. Você mora no Recife e telefona para sua mãe em Brasília. Entre outras coisas, você diz que “Se
domingo próximo fizer sol, eu irei à praia”. No final do domingo, sua mãe viu pela televisão que
choveu no Recife todo o dia. Então, ela concluiu que você não foi à praia.

III. Imagine o seguinte diálogo entre dois políticos que discutem calorosamente certo assunto:
- A: Aqui na Câmara tá cheio de ladrão.
- B: Ocorre que eu não sou ladrão.
- A: Você é safado, tá me chamando de ladrão.
Em cada situação há, no final, uma conclusão. Examinando a lógica na argumentação:
a) são verdadeiras as conclusões das situações I e II, apenas.
b) são verdadeiras as conclusões das situações II e III, apenas.
c) são verdadeiras as conclusões das situações I e III, apenas.
d) as três conclusões são verdadeiras.
e) as três conclusões são falsas.
35. (FCC 2013/PGE-BA)

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 49
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Se João amava Teresa, então Lili é vizinha de Teresa. Lili não é vizinha de Teresa. Se João não é
vizinho de Teresa, então João amava Teresa. Logo
(A) João é vizinho de Lili e amava Teresa.
(B) João amava Lili e amava Teresa.
(C) João amava Teresa ou não é vizinho de Teresa.
(D) João não amava Teresa ou não é vizinho de Lili.
(E) João amava Teresa e não é vizinho de Lili.
36. (FCC 2018/TCE-RS)
No ano passado, Marcelo prometeu que se o seu time ganhasse todos os jogos e seu ídolo
Canelinha fosse o artilheiro do campeonato, então ele ficaria todo o ano seguinte sem tomar
cerveja. Sabendo que Marcelo cumpre todas as suas promessas e que, neste ano, ele tem tomado
cerveja todo final de semana, é correto concluir que, no ano passado, necessariamente,

a) o time de Marcelo perdeu ou empatou pelo menos um jogo.

b) pelo menos um jogador marcou mais gols do que Canelinha no campeonato.

c) o time de Marcelo perdeu todos os jogos e Canelinha não foi o artilheiro do campeonato.

d) o time de Marcelo não ganhou todos os jogos ou Canelinha não marcou gols no campeonato.

e) o time de Marcelo não ganhou todos os jogos ou Canelinha não foi o artilheiro do campeonato.
37. (FCC 2016/TRF 3ª Região)
Considere verdadeiras as afirmações abaixo.

Ou Bruno é médico, ou Carlos não é engenheiro.

! Se Durval é administrador, então Eliane não é secretária.

! Se Bruno é médico, então Eliane é secretária.

! Carlos é engenheiro.

A partir dessas afirmações, pode-se concluir corretamente que

(A) Eliane não é secretária e Durval não é administrador.


(B) Bruno não é médico ou Durval é administrador.
(C) se Eliane não é secretária, então Bruno não é médico.
(D) Carlos é engenheiro e Eliane não é secretária.
(E) se Carlos é engenheiro, então Eliane não é secretária.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 50
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

GABARITOS

01.!C
02.!C
03.!E
04.!C
05.!C
06.!E
07.!C
08.!A
09.!D
10.!E
11.!E
12.!C
13.!C
14.!E
15.!E
16.!D
17.!C
18.!C
19.!C
20.!A
21.!C
22.!D
23.!D
24.!B
25.!C
26.!E
27.!B
28.!D
29.!D
30.!B
31.!B
32.!B
33.!ANULADA
34.!E
35.!D
36.!E
37.!C

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 51
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 52
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

LISTA DE QUESTÕES DE CONCURSOS ANTERIORES COM COMENTÁRIOS

1. (CESPE 2018/ABIN)
As seguintes proposições lógicas formam um conjunto de premissas de um argumento:

Se Pedro não é músico, então André é servidor da ABIN.


Se André é servidor da ABIN, então Carlos não é um espião.
Carlos é um espião.

A partir dessas premissas, julgue o item a seguir, acerca de lógica de argumentação


Se a proposição lógica “Pedro é músico.” for a conclusão desse argumento, então, as premissas
juntamente com essa conclusão constituem um argumento válido.
Resolução
Para verificar a validade de um argumento, devemos supor que todas as premissas são
verdadeiras.
Há uma proposição simples: Carlos é um espião. Este será o nosso ponto de partida.
Vamos analisar a segunda premissa. Lembre-se que estamos supondo que TODAS as premissas são
verdadeiras.
Como estamos supondo que “Carlos é um espião” é uma proposição verdadeira, então a sua
negação será falsa.

�� ����é é �������� �� ����, ���ã� ������ �ã� é �� ����ã�


ΝΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΘ.
Λ

Esta segunda premissa é uma proposição composta pelo “se..., então...”. Para que ela seja
verdadeira, não pode ocorrer VF. Assim, como o segundo componente é F, o primeiro componente
não pode ser V.
�� ����é é �������� �� ����
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΘ , ���ã� ������ �ã� é �� ����ã�
ΝΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΘ.
Λ Λ

Com a informação que “André é servidor da ABIN” é uma proposição falsa, podemos analisar a
primeira premissa.
�� ����� �ã� é �ú����, ���ã� ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
����é é �������� �� ����.
Λ

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 53
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Esta primeira premissa é uma proposição composta pelo “se..., então...”. Para que ela seja
verdadeira, não pode ocorrer VF. Assim, como o segundo componente é F, o primeiro componente
não pode ser V.
�� ����� �ã� é �ú����
ΝΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΘ , ���ã� ����é é �������� �� ����
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΘ.
Λ Λ

Concluímos que “Pedro não é músico” é uma proposição falsa. Assim, a sua negação “Pedro é
músico” será uma proposição verdadeira.
Desta forma, se a proposição “Pedro é músico” for a conclusão do argumento, teremos um
argumento válido, pois a conclusão obrigatoriamente é verdadeira ao supor que as premissas são
verdadeiras.
Gabarito: Certo

2. (CESPE 2018/EMAP)

Julgue o item seguinte, relativo à lógica proposicional e de argumentação.


O seguinte argumento constitui um argumento válido: “O Porto de Itaqui está no Sudeste
brasileiro, pois o Porto de Itaqui está localizado na Ilha de Marajó e a Ilha de Marajó está localizada
em São Paulo.”
Resolução
A banca considerou este item como certo. Eu marcaria o item como errado, pois não há uma
premissa indicando que São Paulo está localizado no Sudeste brasileiro. Lembre-se que esta é uma
questão de Lógica e não de Geografia. Não estamos interessados na veracidade das premissas.
Nos interessa apenas a relação entre as premissas e a conclusão.
Temos um argumento da seguinte forma:
Premissa 1: O Porto de Itaqui está localizado na Ilha de Marajó.
Premissa 2: A Ilha de Marajó está localizada em São Paulo.
Conclusão: O Porto de Itaqui está no Sudeste brasileiro.
Este apenas seria um argumento válido se houvesse uma premissa afirmando que São Paulo
está situado no sudeste brasileiro.
Assim, reitero que o gabarito oficial da banca foi dado como “certo”, mas eu marcaria o item como
errado.
Gabarito: Certo.

3. (CESPE 2016/ANVISA)
Considerando os símbolos normalmente usados para representar os conectivos lógicos, julgue os
itens seguintes, relativos a lógica proposicional e à lógica de argumentação. Nesse sentido,
considere, ainda, que as proposições lógicas simples sejam representadas por letras maiúsculas.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 54
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

A sentença "As consequências de nossos atos são florestas devastadas, descongelamento das
calotas polares, extinção de dezenas de espécies animais, poluição dos rios e diminuição drástica
das reservas de água potável" apresenta um argumento válido.
Resolução
Um argumento é formado por premissas e conclusão. Acima, temos apenas uma proposição. Uma
proposição por si só não é um argumento.
Gabarito: Errado.

4. (CESPE 2016/FUNPRESP)
Considerando as características do raciocínio analítico e a estrutura da argumentação, julgue o
item a seguir.
O raciocínio Nenhum peixe é ave. Logo, nenhuma ave é peixe é válido.
Resolução
O argumento é válido, pois não tem como a conclusão ser falsa se a premissa for verdadeira.
Gabarito: Certo.

5. (CESPE 2017/ TRT 7ª REGIÃO )

Texto CB1A5BBB – Argumento formado pelas premissas (ou proposições) P1 e P2 e pela


conclusão C

P1: Se eu assino o relatório, sou responsável por todo o seu conteúdo, mesmo que tenha escrito
apenas uma parte.
P2: Se sou responsável pelo relatório e surge um problema em seu conteúdo, sou demitido.
C: Logo, escrevo apenas uma parte do relatório, mas sou demitido.

O argumento apresentado no texto CB1A5BBB se tornaria válido do ponto de vista da lógica


sentencial, se, além das premissas P1 e P2, a ele fosse acrescentada a proposição

a) Não sou demitido ou não escrevo uma parte do relatório.


b) Sou responsável apenas pela parte que escrevi do relatório.
c) Eu escrevo apenas uma parte do relatório, assino o relatório e surge um problema em seu
conteúdo.
d) Se não escrevo nenhuma parte do relatório, não sou demitido.

Resolução

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 55
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

As premissas P1 e P2 indicam que se a pessoa assina o relatório, torna-se responsável pelo seu
conteúdo, mesmo que tenha escrito apenas uma parte. Se houver problemas em seu conteúdo, ele
será demitido.

Precisamos de uma premissa que garanta que houve problema no conteúdo e que o relatório foi
assinado pela pessoa.

Essa premissa está descrita na alternativa C.

Gabarito: C

(CESPE 2016/DPU)
Considere que as seguintes proposições sejam verdadeiras.
¥! Quando chove, Maria não vai ao cinema.
¥! Quando Cláudio fica em casa, Maria vai ao cinema.
¥! Quando Cláudio sai de casa, não faz frio.
¥! Quando Fernando está estudando, não chove.
¥! Durante a noite, faz frio.

Tendo como referência as proposições apresentadas, julgue o item subsecutivo.


6. Se Maria foi ao cinema, então Fernando estava estudando.

7. Durante a noite, não chove.


Resolução

Para avaliar a validade de um argumento, devemos supor que todas as suas premissas são
verdadeiras. O nosso ponto de partida será a proposição simples, que indica que “faz frio durante a
noite”.

Vamos analisar a terceira proposição.

��á���� ��� �� ���� → ΝΟ


�ã� ��� ����
ΟΟΠΟΟΟΘ
Λ

Lembre-se que estamos supondo que TODAS as premissas são verdadeiras. A premissa acima é
uma condicional. Para que ela seja verdadeira, não podemos permitir a ocorrência de VF. Como o
segundo componente é F, o primeiro não pode ser V.

ΝΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΘ
��á���� ��� �� ���� → ΝΟ
�ã� ��� ����
ΟΟΠΟΟΟΘ
Λ Λ
Vamos agora analisar a segunda proposição. Como “Cláudio sai de casa” é falso, então “Cláudio
fica em casa” é verdade.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 56
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

��á���� ���� �� ���� → ����� ��� �� ������


ΝΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΘ
Σ

A premissa acima é uma condicional. Para que ela seja verdadeira, não podemos permitir a
ocorrência de VF. Como o primeiro componente é V, o segundo não pode ser F.

��á���� ���� �� ���� → ΝΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΘ


ΝΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΘ ����� ��� �� ������
Σ Σ

Com isso, podemos avaliar a primeira premissa.

�ℎ��� → ����� �ã� ��� �� ������


ΝΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΘ
Λ
A premissa acima é uma condicional. Para que ela seja verdadeira, não podemos permitir a
ocorrência de VF. Como o segundo componente é F, o primeiro não pode ser V.

�ℎ���
ΝΠΘ → ����� �ã� ��� �� ������
ΝΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΘ
Λ Λ
Finalmente, vamos à quarta premissa.

�������� ���á ��������� → �ã� �ℎ���


ΝΟΟΠΟΟΘ
Σ
A premissa acima é uma condicional. Para que ela seja verdadeira, não podemos permitir a
ocorrência de VF. Como o segundo componente é verdadeiro, NUNCA ocorrerá VF.

Desta forma, o antecedente pode ser V ou pode ser F. Não temos como concluir.

�������� ���á ���������


ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΘ → �ã� �ℎ���
ΝΟΟΠΟΟΘ
? Σ

Vamos avaliar os itens.

Item I.
����� ��� �� ������ → �������� ������ ���������
ΝΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΘ ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ ?

Não temos como avaliar se esta proposição é V ou F, pois não sabemos o valor do consequente.
Assim, não podemos garantir que a proposição do item é verdadeira.

Gabarito: Errado

Item II.

������� � �����, �ã� �����


ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ

Gabarito: Certo

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 57
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

8. (CESPE 2016/ PCie PE)

Considere as seguintes proposições para responder à questão.

P1: Se há investigação ou o suspeito é flagrado cometendo delito, então há punição de criminosos.

P2: Se há punição de criminosos, os níveis de violência não tendem a aumentar.

P3: Se os níveis de violência não tendem a aumentar, a população não faz justiça com as próprias
mãos.

Pretende-se acrescentar ao conjunto de proposições P1, P2 e P3 uma nova proposição, P0, de


modo que o argumento formado pelas premissas P0, P1, P2 e P3, juntamente com a conclusão “A
população não faz justiça com as próprias mãos” constitua um argumento válido. Assinale a opção
que apresenta uma proposta correta de proposição P0.
a) Há investigação ou o suspeito é flagrado cometendo delito.
b) Não há investigação ou o suspeito não é flagrado cometendo delito.
c) Não há investigação e o suspeito não é flagrado cometendo delito.
d) Se o suspeito é flagrado cometendo delito, então há punição de criminosos.
e) Se há investigação, então há punição de criminosos.

Resolução

Observe que as premissas estão encadeadas como em um Silogismo Hipotético.

Sejam:

A: Há investigação ou o suspeito é flagrado cometendo delito.


B: Há punição de criminosos.
C: Os níveis de violência não tendem a aumentar.
D: A população não faz justiça com as próprias mãos.

As premissas têm a seguinte estrutura:

Se A, então B.
Se B, então C.
Se C, então D.

Pela regra do Silogismo Hipotético, podemos concluir:

Se A, então D.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 58
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

A questão pede que seja acrescentada uma premissa de tal forma que a conclusão seja D: A
população não faz justiça com as próprias mãos.

Ora, para garantir que D seja verdade, basta que A seja verdade.

Assim, a premissa a ser acrescentada é A: Há investigação ou o suspeito é flagrado cometendo


delito.
Gabarito: A

9. (CESPE 2016 /PREF SP )


As proposições seguintes constituem as premissas de um argumento.
• Bianca não é professora.
• Se Paulo é técnico de contabilidade, então Bianca é professora.
• Se Ana não trabalha na área de informática, então Paulo é técnico de contabilidade.
• Carlos é especialista em recursos humanos, ou Ana não trabalha na área de informática, ou
Bianca é professora.

Assinale a opção correspondente à conclusão que torna esse argumento um argumento válido.
a) Paulo não é técnico de contabilidade e Ana não trabalha na área de informática.
b) Carlos não é especialista em recursos humanos e Paulo não é técnico de contabilidade.
c) Ana não trabalha na área de informática e Paulo é técnico de contabilidade.
d) Carlos é especialista em recursos humanos e Ana trabalha na área de informática.
e) Bianca não é professora e Paulo é técnico de contabilidade.
Resolução

Para termos um argumento válido, devemos supor que todas as premissas são verdadeiras.

O nosso ponto de partida será a proposição simples: Bianca não é professora.

Com isso, podemos avaliar a segunda premissa.

�� ����� é �é����� �� �������������, ���ã� ������ é ����������


ΝΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΘ.

Esta segunda premissa é uma proposição composta pelo “se..., então...”. Para que ela seja
verdadeira, não pode ocorrer VF. Assim, como o segundo componente é F, o primeiro componente
não pode ser V.
�� ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
����� é �é����� �� ������������� , ���ã� ������ é ����������
ΝΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΘ.
� �

O mesmo ocorrerá com a terceira premissa. O consequente é falso e, portanto, o antecedente será
falso (Modus Tollens).

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 59
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

�� ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
��� �ã� �������� �� á��� �� ������á���� , ���ã� ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
����� é �é����� �� �������������.
� �

Vamos avaliar a última premissa.

������ é ������������ �� ��, �� ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ


��� �ã� �������� �� ������. , �� ������ é ����
ΝΟΟΟΟΠΟΟΟΟΘ.
� �

Queremos que a premissa seja verdadeira. A premissa é composta pelo “ou”. Uma proposição
composta pelo “ou” é verdadeira se PELO menos um de seus componentes for V. Como temos
duas falsas, a outra que restou tem que ser verdadeira.

������ é ������������ �� ��
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ , �� ��� �ã� �������� �� ������.
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ , �� ΝΟ
������ é ����
ΟΟΟΠΟΟΟΟΘ.
� � �

Assim, Carlos é especialista em recursos humanos.

Observe ainda que “Ana não trabalha na área de informática” é falsa. Portanto, “Ana trabalha na
área de informática” é verdade.

Gabarito: D

10. (CESPE 2015/STJ)

Mariana é uma estudante que tem grande apreço pela matemática, apesar de achar essa uma área
muito difícil. Sempre que tem tempo suficiente para estudar, Mariana é aprovada nas disciplinas
de matemática que cursa na faculdade. Neste semestre, Mariana está cursando a disciplina
chamada Introdução à Matemática Aplicada. No entanto, ela não tem tempo suficiente para
estudar e não será aprovada nessa disciplina.

A partir das informações apresentadas nessa situação hipotética, julgue o item a seguir, acerca das
estruturas lógicas.

Considerando-se as seguintes proposições: p: “Se Mariana aprende o conteúdo de Cálculo 1, então


ela aprende o conteúdo de Química Geral”; q: “Se Mariana aprende o conteúdo de Química Geral,
então ela é aprovada em Química Geral”; c: “Mariana foi aprovada em Química Geral”, é correto
afirmar que o argumento formado pelas premissas p e q e pela conclusão c é um argumento
válido.
Resolução

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 60
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Observe a estrutura das premissas:

������� ������� �á����� � → ��� ������� ��í���� �����

������� ������� ��í���� ����� → ��� é �������� �� ��í���� �����

Pela regra do Silogismo Hipotético, podemos concluir:

������� ������� �á����� � → ��� é �������� �� ��í���� �����

Assim, para concluir que Mariana é aprovada em química geral, precisamos de uma premissa
adicional.

A premissa adicional pode ser: Mariana aprende Cálculo 1. Com isso, poderemos concluir que ela é
aprovada em Química Geral.

Outra premissa que poderia ser adicionada seria: Mariana aprende Química Geral. Com isso,
poderemos concluir que ela é aprovada em Química Geral.

Sem a adição de uma dessas premissas, não podemos concluir que ela é aprovada em Química
Geral.

Gabarito: Errado

11. (CESPE 2015/ MPOG )

A partir dos argumentos apresentados pelo personagem Calvin na tirinha acima mostrada, julgue o
seguinte item.

Considere que o argumento enunciado por Calvin na tirinha seja representado na forma: “P: Se for
ignorante, serei feliz; Q: Se assistir à aula, não serei ignorante; R: Serei feliz; S: Logo, não assistirei à
aula”, em que P, Q e R sejam as premissas e S seja a conclusão, é correto afirmar que essa
representação constitui um argumento válido.

Resolução

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 61
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Para que o argumento seja válido, devemos supor que as premissas são verdadeiras.

O nosso ponto de partida será a proposição simples R: Serei feliz.

Vamos analisar a premissa P.

�� ��� ���������, ����� �����


ΝΟΟΠΟΟΘ.
Σ
Ora, quando o consequente é V, nada podemos concluir sobre o antecedente, pois admitimos a
ocorrência de VV ou de FV.

�� ��� ���������
ΝΟΟΟΟΠΟΟΟΟΘ , ����� �����
ΝΟΟΠΟΟΘ.
? Σ

Como não sabemos se ele é ignorante ou não, não temos como concluir se ela vai assistir a aula ou
não.

�� �������� à ����
ΝΟΟΟΟΠΟΟΟΟΘ , �ã� ����� ���������
ΝΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΘ.
? ?
A conclusão S não decorre das premissas.
Gabarito: Errado

12. (CESPE 2010/SAD-PE)


Suponha que a proposição “Se Josué foi aprovado no concurso e mudou de cidade, então Josué
mudou de emprego” seja uma premissa de um argumento. Se a proposição “Josué não mudou de
emprego” for outra premissa desse argumento, uma conclusão que garante sua validade é
expressa pela proposição
a) Josué foi aprovado no concurso e não mudou de cidade.
b) Josué não foi aprovado no concurso e mudou de cidade.
c) Josué não foi aprovado no concurso ou não mudou de cidade.
d) Se Josué não mudou de emprego, então Josué não mudou de cidade.
e) Se Josué não mudou de emprego, então Josué não foi aprovado no concurso.
Resolução
Em um argumento, devemos supor que todas as proposições dadas (premissas) são verdadeiras.
Se Josué foi aprovado no concurso e mudou de cidade, então Josué mudou de emprego.
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ

Josué não mudou de emprego


ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ.
Σ

Desta forma, sabemos que “Josué não mudou de emprego.” é uma proposição verdadeira.
Obviamente, a sua negação é falsa, ou seja, a proposição “Josué mudou de emprego” é falsa.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 62
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Λ
Se Josué foi aprovado no concurso e mudou de cidade, ΗΙΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΙΚ.
então Josué mudou de emprego
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ

O que está acontecendo? Temos uma proposição composta pelo conectivo “se..., então” e que é
verdadeira. Sabemos que em uma proposição condicional verdadeira não pode ocorrer VF, nesta
ordem.
Como o segundo componente é falso, o primeiro componente não pode ser verdadeiro. Ou seja, o
primeiro componente tem que ser falso!
Λ Λ
Se ΗΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΚ , então Josué mudou de emprego
Josué foi aprovado no concurso e mudou de cidade ΗΙΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΙΚ.
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ

Conclusão: A proposição “Josué foi aprovado no concurso e mudou de cidade” é falsa. Para saber a
verdade, devemos negar esta proposição. Ora, para negar tal proposição, devemos negar seus
componentes e trocar o conectivo “e” pelo conectivo “ou”.
Ficamos com: “Josué não foi aprovado no concurso ou não mudou de cidade".
Gabarito: C

(CESPE 2013/PC-DF)
P1: Se a impunidade é alta, então a criminalidade é alta.
P2: A impunidade é alta ou a justiça é eficaz.
P3: Se a justiça é eficaz, então não há criminosos livres.
P4: Há criminosos livres.
C: Portanto, a criminalidade é alta.
Considerando o argumento apresentado acima, em que P1, P2, P3 e P4 são as premissas e C, a
conclusão, julgue os itens subsequentes.
13. O argumento apresentado é um argumento válido.
14. A negação da proposição P1 pode ser escrita como “Se a impunidade não é alta, então a
criminalidade não é alta.”
Resolução
Devemos supor que todas as premissas são verdadeiras, inclusive a proposição P4: Há criminosos
livres. A proposição simples sempre é o nosso ponto de partida.
Observemos P3, que também é verdadeira.
Λ
Se a justiça é eficaz, então ΗΙΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΙΚ
não há criminosos livres .
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ

Lembremos a regra do conectivo “se..., então...”. Para que a composta seja verdadeira, não
podemos admitir a ocorrência de VF, nesta ordem. Como o consequente é falso, o antecedente
não poderá ser verdadeiro, terá que ser falso.
Λ Λ
ΗΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΚ
Se a justiça é eficaz , então ΗΙΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΙΚ
não há criminosos livres .
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 63
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Concluímos que "a justiça é eficaz” é uma proposição falsa.


Observemos P2, que também é verdadeira.
Λ
A impunidade é alta ou a ΗΙΙΙϑΙΙΙΚ
justiça é eficaz .
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ

Para que a proposição composta pelo conectivo “ou” seja verdadeira, pelo menos um dos
componentes deve ser verdadeiro. Como o segundo componente é falso, então o primeiro deverá
ser verdadeiro.
Σ Λ
ΗΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΚ
A impunidade é alta ou a ΗΙΙΙϑΙΙΙΚ
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘjustiça é eficaz .
Σ

Concluímos que a proposição “A impunidade é alta” é verdadeira.


Observemos P1, que é verdadeira.
Σ
Se ΗΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΚ
a impunidade é alta , então a criminalidade é alta.
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ

No “se..., então...” não admitimos a ocorrência de VF. Como a primeira frase é verdadeira, a
segunda não poderá ser falsa.
Σ Σ
Se ΗΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΚ ΗΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΚ .
a impunidade é alta , então a criminalidade é alta
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ

A proposição "a criminalidade é alta” é verdadeira.


Vamos analisar os itens.
Item I. O argumento apresentado é um argumento válido.
A conclusão do argumento é C: Portanto, a criminalidade é alta.
Vimos que esta proposição é verdadeira. Assim, o argumento é válido e o item está certo.

Item II. A negação da proposição P1 pode ser escrita como “Se a impunidade não é alta, então a
criminalidade não é alta.”
Observe P1: Se a impunidade é alta, então a criminalidade é alta.
A negação de uma proposição composta pelo conectivo “se..., então...” não pode ser escrita com o
conectivo “se..., então...”. A correta negação de P1 é “A impunidade é alta e a criminalidade não é
alta”.
O item está errado.
Gabarito: Certo, Errado

15. (CESPE 2008/PC-TO)

Considere a seguinte sequência de proposições:

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 64
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

(1) Se o crime foi perfeito, então o criminoso não foi preso.


(2) O criminoso não foi preso.
(3) Portanto, o crime foi perfeito.
Se (1) e (2) são premissas verdadeiras, então a proposição (3), a conclusão, é verdadeira, e a
sequência é uma dedução lógica correta.
Resolução
Vamos novamente começar pela proposição simples.
� ��������� �ã� ��� �����.
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ

Vamos analisar agora a proposição (1).


Σ
ΗΙΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΙΚ
Se o crime foi perfeito, então o criminoso não foi preso.
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ

Para que uma proposição composta pelo conectivo “se..., então...” seja verdadeira não pode haver
VF. Se a segunda proposição (consequente) é verdadeira, o antecedente pode ser verdadeiro ou
pode ser falso. Assim, não temos como saber se o crime foi perfeito ou não. O argumento é
inválido e o item está errado.
Gabarito: Errado

16. (VUNESP 2013/PC-SP)


Considere verdadeiras as seguintes afirmações:

I. Existem policiais civis que concluíram o ensino superior.

II. Todos os policiais civis são esforçados.

Com base nas informações, conclui-se que

(A) os policiais civis esforçados concluíram o ensino superior.


(B) nenhum policial civil esforçado concluiu o ensino superior.
(C) os policiais civis que não concluíram o ensino superior não são esforçados.
(D) os policiais civis que concluíram o ensino superior são esforçados.
(E) existe policial civil com ensino superior que não é esforçado.

Resolução

Comecemos com a construção da proposição universal afirmativa: Todos os policiais civis são
esforçados.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 65
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Agora vamos construir a proposição particular: Existem policiais civis que concluíram o ensino
superior.

Sabemos que existe uma interseção entre o conjunto dos policiais civis e o conjunto das pessoas
com nível superior. O problema é que não sabemos se existem pessoas com nível superior e que
não são esforçadas. Por essa razão, não fecharemos o diagrama do conjunto das pessoas de nível
superior.

O gabarito é a letra D.

(D) os policiais civis que concluíram o ensino superior são esforçados.

Ora, todos os policiais civis são esforçados, tendo concluído o ensino superior ou não.

Gabarito: D

17. (FGV 2014/AL-BA)


Afirma-se que: “Toda pessoa gorda come muito”. É correto concluir que
a) se uma pessoa come muito, então é gorda.
b) se uma pessoa não é gorda, então não come muito.
c) se uma pessoa não come muito, então não é gorda.
d) existe uma pessoa gorda que não come muito.
e) não existe pessoa que coma muito e não seja gorda.
Resolução
Eis a representação desta proposição.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 66
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Coloquei 3 letras em vermelho, para que possa facilitar a visualização dos três tipos possíveis de
pessoas, de acordo com a proposição dada.
As pessoas do tipo A são as pessoas gordas e que comem muito.
As pessoas do tipo B são pessoas que não são gordas, mas que comem muito.
As pessoas do tipo C são pessoas que não são gordas e que não comem muito.
Vamos analisar cada uma das alternativas.
a) se uma pessoa come muito, então é gorda.
Esta proposição é falsa. Basta tomar a pessoa B, que come muito e não é gorda.

b) se uma pessoa não é gorda, então não come muito.


Esta frase também é falsa e também podemos tomar a pessoa B como contraexemplo. B é uma
pessoa que não é gorda e come muito.

c) se uma pessoa não come muito, então não é gorda.


Esta frase é verdadeira. Se uma pessoa não come muito, ela automaticamente é uma pessoa do
tipo C e, consequentemente, não é gorda.

d) existe uma pessoa gorda que não come muito.


Falsa. O enunciado afirmou que toda pessoa gorda come muito. Aí vem uma pessoa e diz: “Ahh!!
Que é isso?? Eu sou gordo e não como muito. Eu sou um contraexemplo!!”.
Não interessa!! O que interessa é a informação dada no enunciado, que devemos tomar como
verdade absoluta.

e) não existe pessoa que coma muito e não seja gorda.


Frase falsa, pois B come muito e não é gordo.
Gabarito: C

18. (FCC 2014/TRF 3ª Região)


Diante, apenas, das premissas “Existem juízes”, “Todos os juízes fizeram Direito” e “Alguns
economistas são juízes”, é correto afirmar que

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 67
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

(A) todos aqueles que fizeram Direito são juízes.


(B) todos aqueles que não são economistas também não são juízes.
(C) ao menos um economista fez Direito.
(D) ser juiz é condição para ser economista.
(E) alguns economistas que fizeram Direito não são juízes.
Resolução
Nesta questão nem precisamos construir diagramas. Sabemos que Todos os juízes fizeram Direito.
Sabemos também que alguns economistas são juízes. Ora, para que um economista seja juiz, ele
tem que ter cursado Direito Portanto, ao menos um economista fez Direito.
Gabarito: C

19. (FCC 2014/TRF 3a Região)


Diante, apenas, das premissas “Nenhum piloto é médico”, “Nenhum poeta é médico” e “Todos os
astronautas são pilotos”, então é correto afirmar que
(A) algum astronauta é médico.
(B) todo poeta é astronauta.
(C) nenhum astronauta é médico.
(D) algum poeta não é astronauta.
(E) algum poeta é astronauta e algum piloto não é médico.
Resolução
Vamos começar construindo os diagramas das seguintes proposições: “Todos os astronautas são
pilotos” e “Nenhum piloto é médico”. Não temos como desenhar com precisão o diagrama da
proposição “Nenhum poeta é médico”.

Pelo diagrama, percebemos que nenhum astronauta é médico.


Gabarito: C

20. (FCC 2013/PGE-BA)


Se é verdade que “algum X é Y” e que “nenhum Z é Y”, então é necessariamente verdadeiro que:
(A) algum X não é Z.
(B) algum X é Z.
(C) nenhum X é Z.
(D) algum Z é X.
(E) nenhum Z é X.
Resolução
Sempre damos preferência à construção de diagramas que envolvam quantificadores universais
(todo ou nenhum).
Comecemos com a proposição “nenhum Z é Y”.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 68
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Vamos construir o diagrama de “Algum X é Y”. Sabemos que existe uma interseção entre os
conjuntos X e Y, mas não sabemos a relação de X e Z. Por esta razão, não deixarei completo o
diagrama de X.

Observe que os elementos da interseção de X e Y, não são Z. Portanto, existe elemento de X que
não é elemento de Z.
(A) algum X não é Z.
Gabarito: A

21. (FCC 2013/PGE-BA)


Considere como verdadeiras as seguintes afirmações:
“Algum pândego é trôpego.” “Todo pândego é nefelibata.”
Deste modo, a assertiva necessariamente verdadeira é:
(A) Todo pândego trôpego não é nefelibata.
(B) Algum pândego trôpego não é nefelibata.
(C) Algum pândego é nefelibata.
(D) Todo pândego nefelibata é trôpego.
(E) Algum pândego que não é trôpego não é nefelibata.
Resolução
Não se preocupe com os nomes envolvidos na questão. A lógica que estudamos é a lógica formal, a
lógica da forma. Não é uma lógica de conteúdo. Estamos simplesmente interessados na estrutura
das proposições.
Comecemos pela proposição “Todo pândego é nefelibata”.

Vamos agora à proposição “Algum pândego é trôpego”. Sabemos que existe uma interseção entre
o conjunto dos Pândegos e o conjunto dos Trôpegos, mas não sabemos qual a relação entre os
trôpegos e os nefelibatas. Vamos deixar incompleto o desenho deste diagrama.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 69
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Na verdade, poderíamos ter respondido esta questão sem nem ter construído os diagramas. Pois
se sabemos que todo pândego é nefelibata, já podemos garantir que algum pândego é nefelibata.
(C) Algum pândego é nefelibata.
Gabarito: C

22. (ESAF 2012/ATA-MF)


Em uma cidade as seguintes premissas são verdadeiras: Nenhum professor é rico. Alguns políticos
são ricos. Então, pode-se afirmar que:
a) Nenhum professor é político.
b) Alguns professores são políticos.
c) Alguns políticos são professores.
d) Alguns políticos não são professores.
e) Nenhum político é professor.
Resolução
Começamos pela proposição “Nenhum professor é rico”.

Agora vamos à proposição “Alguns políticos são ricos”. Sabemos que existe uma interseção entre o
conjunto dos políticos e o conjunto dos ricos, mas não sabemos qual é a relação entre o conjunto
dos políticos e o conjunto dos professores.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 70
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

A região vermelha contém políticos que não são professores, porque eles são ricos.
Gabarito: D

23. (FGV 2007/FNDE)


Considere a afirmação “Todo corintiano é feliz”. A partir dessa afirmação, pode-se concluir que:
a) todo homem feliz é corintiano.
b) todo palmeirense é infeliz.
c) toda pessoa que não é corintiana não é feliz.
d) um infeliz certamente não é corintiano.
e) existem infelizes que são corintianos.
Resolução
A expressão “Todo corintiano é feliz” pode assim ser representada:

A alternativa A é falsa, pois podem existir pessoas felizes que não são corintianas.
A alternativa B é falsa, pois nada podemos afirmar sobre os palmeirenses.
A alternativa C é falsa, pois podem existir pessoas que não são corintianas e são felizes.
A alternativa D é verdadeira, pois o infelizes estão “fora” do conjunto das pessoas felizes. E como
todo corintiano é feliz, podemos afirmar que os infelizes não são corintianos.
A alternativa E é falsa, pois os infelizes não são corintianos.
Gabarito: D

24. (FGV 2008/SAD-PE)


Considere a afirmação: “Toda cobra venenosa é listrada”. Podemos concluir que:
a) Toda cobra listrada é venenosa.
b) Toda cobra que não é listrada não é venenosa.
c) Toda cobra que não é venenosa não é listrada.
d) Algumas cobras venenosas não são listradas.
e) Algumas cobras que não são listradas podem ser venenosas.
Resolução
A expressão “Toda cobra venenosa é listrada” pode assim ser representada:

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 71
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Desenhei algumas cobras. Obviamente as cobras que não são listradas estão fora do conjunto das
cobras listradas.
Vamos analisar cada uma das alternativas de per si.
a) Toda cobra listrada é venenosa.
A alternativa A é falsa, pois podem existir cobras listradas que não são venenosas (por exemplo, a
cobra 2).
b) Toda cobra que não é listrada não é venenosa.

A alternativa B é verdadeira. Por exemplo, as cobras 3 e 4.


c) Toda cobra que não é venenosa não é listrada.
A alternativa C é falsa, pois existem cobras que não são venenosas e que são listradas (por
exemplo, a cobra 2).
d) Algumas cobras venenosas não são listradas.
Esta alternativa é falsa, já que todas as cobras venenosas são listradas.
e) Algumas cobras que não são listradas podem ser venenosas.
Esta alternativa é falsa, já que nenhuma cobra não-listrada pode ser venenosa.
Gabarito: B

25. (FGV 2009/MEC)


O silogismo é uma forma de raciocínio dedutivo. Na sua forma padronizada, é constituído por três
proposições: as duas primeiras denominam-se premissas e a terceira, conclusão. As premissas são
juízos que precedem a conclusão. Em um silogismo, a conclusão é consequência necessária das
premissas.
São dados 3 conjuntos formados por 2 premissas verdadeiras e 1 conclusão não necessariamente
verdadeira.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 72
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

I. Premissa 1: Alguns animais são homens.


Premissa 2: Júlio é um animal.
Conclusão: Júlio é homem.

II. Premissa 1: Todo homem é um animal.


Premissa 2: João é um animal.
Conclusão: João é um homem.

III. Premissa 1: Todo homem é um animal.


Premissa 2: José é um homem.
Conclusão: José é um animal.
É (são) silogismo(s) somente:
(A) I
(B) II
(C) III
(D) I e III
(E) II e III
Resolução
I. Premissa 1: Alguns animais são homens.
Premissa 2: Júlio é um animal.
Conclusão: Júlio é homem.

Podemos analisar a validade deste argumento através de conjuntos.

Júlio é um animal. Assim, Júlio pode ou não ser homem.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 73
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Não podemos concluir, portanto, que Júlio é um homem. Este é um argumento inválido.
II. Premissa 1: Todo homem é um animal.
Premissa 2: João é um animal.
Conclusão: João é um homem.

Vamos novamente construir diagramas.

João é um animal. Pelo diagrama, vemos que João pode ou não ser um homem. Assim, o
argumento é inválido.
Premissa 1: Todo homem é um animal.
Premissa 2: José é um homem.
Conclusão: José é um animal.

Como José é um homem, veja o diagrama:

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 74
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Concluímos que obrigatoriamente José será um animal.

Gabarito: C

26. (VUNESP 2013/PC-SP)

Assinale a alternativa que apresenta corretamente a conclusão do seguinte argumento:

Se Pedro é engenheiro, então Pedro fez faculdade.


Pedro é engenheiro.
Logo, Pedro fez faculdade.

(A) Pedro não fez faculdade.


(B) Pedro é engenheiro.
(C) Pedro não é engenheiro.
(D) O argumento não tem conclusão.
(E) Pedro fez faculdade.

Resolução

Questão muito fácil. A conclusão é a proposição que vem após a expressão “logo”.

Gabarito: E

27. (VUNESP 2013/PC-SP)

Assinale a alternativa que apresenta corretamente a asserção que indica a conclusão do seguinte
argumento:

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 75
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Considerando que o estudo é muito importante na vida das pessoas, segue-se que alunos não
deveriam passar de ano sem estudar, visto que a passagem de ano é um desafio e desafios não
devem ser evitados.

(A) A passagem de ano é um desafio.


(B) Alunos não deveriam passar de ano sem estudar.
(C) O estudo é muito importante na vida das pessoas.
(D) Estudar é bom para todos.
(E) Desafios não devem ser evitados.

Resolução

Nesta questão, o argumento não foi construído como temos o costume nas aulas de lógica. Para
encontrar a conclusão do argumento, devemos procurar alguma expressão que indique uma
inferência. Neste caso, a expressão “segue-se” tem o mesmo valor de um “portanto”. Desta
maneira, a conclusão do argumento é a proposição “alunos não deveriam passar de ano sem
estudar”.

O argumento acima na disposição “clássica” teria a seguinte forma:

O estudo é muito importante na vida das pessoas.


A passagem de ano é um desafio e desafios não devem ser evitados.

Portanto, alunos não deveriam passar de ano sem estudar.

Gabarito: B

28. (VUNESP 2013/PC-SP)

Quando um argumento dedutivo é válido, isso significa que

(A) se as premissas são falsas, a conclusão é falsa.


(B) premissas e conclusão devem ter sempre o mesmo valor de verdade.
(C) se a conclusão é falsa, deve haver alguma premissa falsa.
(D) não existe situação em que as premissas são verdadeiras e a conclusão falsa.
(E) as premissas são sempre verdadeiras.

Resolução
Questão bem simples e que apenas cobra a definição de um argumento válido. Vimos que NÃO
PODEMOS TER ARGUMENTOS VÁLIDOS COM PREMISSAS VERDADEIRAS E CONCLUSÃO FALSA.
Gabarito: D

29. (VUNESP 2013/PC-SP)

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 76
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Considerando que Freud é o pai da psicanálise, assinale a alternativa que apresenta o que é
correto afirmar acerca do seguinte argumento:

Freud é o pai da psicanálise ou Freud é jogador de futebol. Freud não é o pai da psicanálise. Logo,
Freud é jogador de futebol.

(A) O argumento é válido com premissas e conclusão todas verdadeiras.


(B) O argumento é inválido com conclusão falsa e premissas verdadeiras.
(C) O argumento é inválido e premissas e conclusão são todas falsas.
(D) O argumento é válido com uma premissa e conclusão falsas.
(E) O argumento é válido com premissas falsas e conclusão verdadeira.

Resolução
Esta questão busca exatamente a situação que acabamos de comentar. Para analisar a validade do
argumento, não devemos nos preocupar com a veracidade de suas premissas. Para determinar a
validade do argumento, devemos supor que as premissas são verdadeiras.
����� é � ��� �� ������á���� �� ����� é ������� �� �������.
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ

����� �ã� é � ��� �� ������á���� .


ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ

Ora, como estamos assumindo que Freud não é o pai da psicanálise, temos a seguinte situação na
primeira premissa:
Λ
ΗΙΙΙΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΙΙΙΚ
����� é � ��� �� ������á���� �� ����� é ������� �� �������.
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ

Para que a premissa seja verdadeira, o segundo componente deverá ser verdadeiro, pois uma
proposição composta pelo conectivo “ou” é verdadeira se pelo menos um de seus componentes o
for.
Λ Σ
ΗΙΙΙΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΙΙΙΚ
����� é � ��� �� ������á���� ΗΙΙΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΙΙΚ .
�� ����� é ������� �� �������
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ

Conclusão: Freud é jogador de futebol.


O argumento do enunciado é VÁLIDO!!!
Por quê? Porque SUPONDO que as premissas sejam verdadeiras, a conclusão também será. Não
tem como as premissas serem verdadeiras sem que a conclusão também o seja.
Não devemos confundir validade de um argumento com a veracidade de uma proposição, ok?
Então já sabemos que o argumento é válido. Ótimo.
Agora perceba que o enunciado nos disse que o Freud citado na questão é o próprio pai da
psicanálise. Isso faz com que uma das premissas seja falsa e a conclusão também seja falsa.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 77
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Gabarito: D

30. (FGV 2014/CGE-MA)


Analise as premissas a seguir.
Se o bolo é de laranja, então o refresco é de limão.
Se o refresco não é de limão, então o sanduíche é de queijo.
O sanduíche não é de queijo.
Logo, é correto concluir que:
a) o bolo é de laranja.
b) o refresco é de limão.
c) o bolo não é de laranja.
d) o refresco não é de limão.
e) o bolo é de laranja e o refresco é de limão.
Resolução
Questão de lógica de argumentação. Devemos supor que todas as premissas são verdadeiras e
começar pela proposição simples (se existir uma proposição simples).
O sanduíche não é de queijo. (V)
Vamos à segunda premissa. É uma proposição composta pelo “se..., então...” e o seu consequente
é falso, pois “o sanduíche não é de queijo”.
Λ
Se o refresco não é de limão, então ΗΙΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΙΚ
o sanduíche é de queijo.
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ

Uma proposição composta pelo conectivo "se..., então...” é verdadeira quando não ocorre VF.
Como a segunda componente (consequente) é F, a primeira componente não poderá ser V.
Concluímos que o antecedente é F.
Λ Λ
Se ΗΙΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΙΚ
o refresco não é de limão , então ΗΙΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΙΚ
o sanduíche é de queijo.
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ

Concluímos que a proposição “o refresco é de limão” é verdadeira.


Com isso já conseguimos assinalar a resposta: letra B
Vamos prosseguir a análise das premissas com a primeira proposição.
Σ
ΗΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΚ
Se o bolo é de laranja, então o refresco é de limão.
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Σ

Uma proposição composta pelo conectivo "se..., então...” é verdadeira quando não ocorre VF.
Como o segundo componente é V, o antecedente pode ser V ou F (pois irá ocorrer VV ou FV).
Assim, não temos como determinar se o bolo é ou não de laranja.
Gabarito: B

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 78
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

31. (FCC 2014/TRT-SP)


Considere as três afirmações a seguir, todas verdadeiras, feitas em janeiro de 2013.

Se o projeto X for aprovado até maio de 2013, então um químico e um biólogo serão contratados
em junho do mesmo ano.

! Se um biólogo for contratado, então um novo congelador será adquirido.

Se for adquirido um novo congelador ou uma nova geladeira, então o chefe comprará sorvete para
todos.

Até julho de 2013, nenhum biólogo havia sido contratado. Apenas com estas informações, pode-se
concluir que, necessariamente, que

(A) o chefe não comprou sorvete para todos.


(B) o projeto X não foi aprovado até maio de 2013.
(C) nenhum químico foi contratado.
(D) não foi adquirido um novo congelador.
(E) não foi adquirida uma nova geladeira.

Resolução

Lembre-se que em um argumento devemos supor que todas as premissas são verdadeiras.

Partiremos da proposição simples, que diz que “nenhum biólogo havia sido contratado”. Vamos à
primeira proposição.

Se o projeto X for aprovado até maio de 2013, então um químico e um biólogo serão contratados em ju

Como nenhum biólogo foi contratado, o consequente desta proposição composta pelo conectivo
“se..., então” é falso.
Λ
ΗΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΚ.
Se o projeto X for aprovado até maio de 2013, então um químico e um biólogo serão contratados em junho do mesmo ano

Uma proposição composta pelo conectivo "se..., então...” é verdadeira quando não ocorre VF.
Como a segunda componente (consequente) é F, a primeira componente não poderá ser V.
Concluímos que o antecedente é F.
Λ Λ
Se ΗΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΚ
o projeto X for aprovado até maio de 2013 , então ΗΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙϑΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΙΚ
um químico e um biólogo serão contratados em junho do mesmo ano.

(B) o projeto X não foi aprovado até maio de 2013.

Observe que não vamos conseguir desenvolver mais nada neste argumento. Observe a proposição:

! Se ΝΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΘ
um biólogo for contratado , então um novo congelador será adquirido.
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Λ ?

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 79
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Quando o primeiro componente do “se..., então...” é F, não temos como saber o valor lógico do
segundo componente.

Gabarito: B

32. (VUNESP 2013/PC-SP)

Assinale a alternativa que apresenta corretamente a conclusão silogística que se pode inferir das
seguintes premissas: “Todo brasileiro é cidadão” e “João é brasileiro”.

(A) Algum cidadão é brasileiro.


(B) João é cidadão.
(C) João não é cidadão.
(D) Todo cidadão é brasileiro.
(E) Nenhum brasileiro é cidadão.

Resolução
Esta questão é tão simples que nem precisaríamos construir o diagrama.

Concluímos que João é um cidadão, pois ele é brasileiro e todo brasileiro é cidadão.
A resposta é a letra B.
Observe que a alternativa A faz com que o argumento seja válido, mas não seria uma conclusão
silogística, pois não teríamos utilizado a informação de que João é brasileiro.
Gabarito: B

33. (VUNESP 2013/PC-SP)

Assinale a alternativa que representa a estrutura do seguinte argumento:

Se João é professor, então João ministra aulas.

João não é professor.

Logo, João não ministra aulas.

(A) Modus tolens.


(B) Adição.
(C) Dilema construtivo.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 80
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

(D) Silogismo disjuntivo.


(E) Modus ponens.

Resolução
Esta questão foi anulada pela VUNESP.
Este argumento é um exemplo claro de uma falácia da negação do antecedente.
O gabarito preliminar da VUNESP foi a letra A, dizendo que este argumento tem a forma de um
Modus Tolens. Está errado!! O modus tollens nega o consequente em uma das premissas e tem
como conclusão a negação do antecedente.
Gabarito: Anulada

34. (FGV 2008/SAD-PE)


Considere as situações abaixo:
I. Em uma estrada com duas pistas, vê-se a placa:

Como você está dirigindo um automóvel, você conclui que deve trafegar pela pista da esquerda.
II. Você mora no Recife e telefona para sua mãe em Brasília. Entre outras coisas, você diz que “Se
domingo próximo fizer sol, eu irei à praia”. No final do domingo, sua mãe viu pela televisão que
choveu no Recife todo o dia. Então, ela concluiu que você não foi à praia.

III. Imagine o seguinte diálogo entre dois políticos que discutem calorosamente certo assunto:
- A: Aqui na Câmara tá cheio de ladrão.
- B: Ocorre que eu não sou ladrão.
- A: Você é safado, tá me chamando de ladrão.
Em cada situação há, no final, uma conclusão. Examinando a lógica na argumentação:
a) são verdadeiras as conclusões das situações I e II, apenas.
b) são verdadeiras as conclusões das situações II e III, apenas.
c) são verdadeiras as conclusões das situações I e III, apenas.
d) as três conclusões são verdadeiras.
e) as três conclusões são falsas.

Resolução
I. A placa informa que “Se você está em um caminhão, então vá para a pista da direita”.
Como você está dirigindo um automóvel, você conclui que deve trafegar pela pista da esquerda.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 81
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Esta é a falácia da negação do antecedente.


Se você não está em um caminhão (no caso, está em um automóvel), você pode escolher a pista
em que irá trafegar.

II. “Se domingo próximo fizer sol, eu irei à praia”.


Como choveu o dia todo, sua mãe concluiu que você não foi à praia.
Temos novamente a falácia da negação do antecedente.

III. O terceiro item obviamente é FALSO, pois nem o político A chamou o político B de ladrão, nem
o político B chamou o político A de ladrão. O político A apenas afirmou que “na Câmara tá cheio de
ladrão” e o político B afirmou que ele próprio não era um dos ladrões.
Gabarito: E

35. (FCC 2013/PGE-BA)


Se João amava Teresa, então Lili é vizinha de Teresa. Lili não é vizinha de Teresa. Se João não é
vizinho de Teresa, então João amava Teresa. Logo
(A) João é vizinho de Lili e amava Teresa.
(B) João amava Lili e amava Teresa.
(C) João amava Teresa ou não é vizinho de Teresa.
(D) João não amava Teresa ou não é vizinho de Lili.
(E) João amava Teresa e não é vizinho de Lili.
Resolução
Comecemos pela proposição simples: Lili não é vizinha de Teresa.
Vamos à primeira proposição.
Se João amava Teresa, então Lili é vizinha de Teresa
ΝΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΘ.
Λ
Uma proposição composta pelo conectivo "se..., então...” é verdadeira quando não ocorre VF.
Como a segunda componente (consequente) é F, a primeira componente não poderá ser V.
Concluímos que o antecedente é F.
Se ΝΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΘ
João amava Teresa , então Lili é vizinha de Teresa
ΝΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΘ.
Λ Λ
Vamos à última proposição. Teremos a mesma situação. O consequente é F e o antecedente
deverá também ser F, pois não admitimos a ocorrência de VF em uma proposição composta pelo
“se..., então...”.
Se ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
João não é vizinho de Teresa , então ΝΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΘ
João amava Teresa.
Λ Λ
Concluímos que a proposição “João não é vizinho de Teresa” é F, ou seja, a proposição “João é
vizinho de Teresa” é V.
Observe que na alternativa D temos uma proposição composta pelo conectivo “ou”.
(D) João não amava Teresa
ΝΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΘ ou não é vizinho de Lili.
ΝΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΘ
Σ ?

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 82
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Não sabemos o valor lógico do segundo componente, mas como o primeiro componente é V, a
composta da alternativa D é verdadeira. Lembre-se se tivermos algum dos componentes V, a
composta do conectivo “ou” será V.
Gabarito: D

36. (FCC 2018/TCE-RS)


No ano passado, Marcelo prometeu que se o seu time ganhasse todos os jogos e seu ídolo
Canelinha fosse o artilheiro do campeonato, então ele ficaria todo o ano seguinte sem tomar
cerveja. Sabendo que Marcelo cumpre todas as suas promessas e que, neste ano, ele tem tomado
cerveja todo final de semana, é correto concluir que, no ano passado, necessariamente,

a) o time de Marcelo perdeu ou empatou pelo menos um jogo.

b) pelo menos um jogador marcou mais gols do que Canelinha no campeonato.

c) o time de Marcelo perdeu todos os jogos e Canelinha não foi o artilheiro do campeonato.

d) o time de Marcelo não ganhou todos os jogos ou Canelinha não marcou gols no campeonato.

e) o time de Marcelo não ganhou todos os jogos ou Canelinha não foi o artilheiro do campeonato.

Resolução
Sabemos que Marcelo tem tomado cerveja todo final de semana. Assim, é falso dizer que ele ficou
todo o ano sem tomar cerveja.
Observe a primeira premissa:
�� ��� ���� ���ℎ���� ����� �� ����� � ��� í���� ����� �����ℎ����, ���ã� ������� ��� �����
ΝΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΘ.
Λ

Como o consequente é falso, o antecedente será falso (Modus Tollens). Raciocinando de outra
forma: sabemos que não pode ocorrer VF em uma proposição condicional. Como o segundo
componente é F, o primeiro não pode ser V.
�� ��� ���� ���ℎ���� ����� �� ����� � ��� í���� ����� �����ℎ����
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ , ���ã� ΝΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΘ
������� ��� �����.
Λ Λ

Desta forma, é falsa a seguinte proposição:


��� ���� ���ℎ�� ����� �� ����� � ��� í���� ��� �����ℎ����
ΝΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΠΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΟΘ
Λ

Para descobrir uma verdade, basta negar a proposição acima.


Para negar uma proposição composta pelo conectivo “e”, basta negar os dois componentes e
trocar pelo conectivo “ou”.
Conclusão: Seu time não ganhou todos os jogos ou seu ídolo não foi artilheiro.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 83
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

Gabarito: E

37. (FCC 2016/TRF 3ª Região)


Considere verdadeiras as afirmações abaixo.

Ou Bruno é médico, ou Carlos não é engenheiro.

! Se Durval é administrador, então Eliane não é secretária.

! Se Bruno é médico, então Eliane é secretária.

! Carlos é engenheiro.

A partir dessas afirmações, pode-se concluir corretamente que

(A) Eliane não é secretária e Durval não é administrador.


(B) Bruno não é médico ou Durval é administrador.
(C) se Eliane não é secretária, então Bruno não é médico.
(D) Carlos é engenheiro e Eliane não é secretária.
(E) se Carlos é engenheiro, então Eliane não é secretária.

Resolução

Vamos começar pela proposição simples: Carlos é engenheiro (verdadeira).

Com isso, concluímos que “Carlos não é engenheiro” é falsa.

Olhemos a primeira proposição: Ou Bruno é médico, ou Carlos não é engenheiro.

Esta é uma proposição composta pelo “ou...ou...” e o enunciado afirma que ela é verdadeira. Ora,
uma proposição composta pelo “ou...ou...” é verdadeira quando apenas um de seus componentes
é verdadeiro.

Como o segundo componente é falso (Carlos não é engenheiro), concluímos que o primeiro
componente (Bruno é médico) é verdadeiro.

Bruno é médico – Verdade

Olhemos a última proposição, que também é verdadeira: Se Bruno é médico, então Eliane é
secretária.

Para que uma composta pelo “se..., então...” seja verdadeira, não pode ocorrer VF (nesta ordem).

Como o primeiro componente é V, o segundo não pode ser F. Concluímos que “Eliane é secretária”
é verdadeira.

Finalmente, vamos analisar a segunda proposição, que também é verdadeira.

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 84
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85
Guilherme
Prof. Neves
Guilherme Neves
Aula
Aula 03 03

! Se Durval é administrador, então Eliane não é secretária.

Acabamos de ver que uma composta pelo “se..., então...” é verdadeira, quando não ocorre VF
(nesta ordem).

Como o segundo componente (Eliane não é secretária) é falsa, o primeiro componente não pode
ser verdadeiro.

Assim, “Durval é administrador” é falso.

Vamos resumir nossas conclusões:

I) Bruno é médico – Verdade


II) Eliane é secretária – Verdade
III) Durval não é administrador – Verdade

O gabarito é a letra C, pois é uma proposição composta do “se..., então...” em que ocorre FF.
(C) se Eliane não é secretária, então Bruno não é médico.
Gabarito: C

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Ficamos por aqui, queridos alunos. Espero que tenham gostado da aula.
Vamos juntos nesta sua caminhada. Lembre-se que vocês podem fazer perguntas e sugestões no
nosso fórum de dúvidas.

Você também pode me encontrar no instagram @profguilhermeneves ou entrar em contato


diretamente comigo pelo meu email profguilhermeneves@gmail.com.
Um forte abraço e até a próxima aula!!!
Guilherme Neves

Raciocínio Lógico p/ DEINFRA-SC (Todos os Cargos) Com Videoaulas - Pós-Edital


www.estrategiaconcursos.com.br
Raciocínio Crítico para ICMS-SC 85
www.estrategiaconcursos.com.br
94168253287 - Ítalo dos Santos Araújo 85