Вы находитесь на странице: 1из 2

Autor: Timothy Rayemaekers

Revista Acadêmica de Relações Internacionais


Data: 08/06/2008

!!! Pós 11 de setembro a pauta de "estados falidos" (entre aspas) entra em voga como uma
questão de segurança global. Antes eram vistos como uma ameaça estratégica, agora uma
ameaça a estabilidade global: Ex: Afeganistão e Sudão do Sul considerados como fonte de
instabilidade internacional, sendo considerados como locais onde ocorrem migrações massivas,
assassinatos e, em abordagens extremadas, taxados omo exportadores do terror.

Há um imaginário que prega que o cenário pode ser sanado por meio de uma combinação de sanções, ajuda
externa e estabelecimento de instituições / Movimento: ideia de desenvolvimento atrelado a uma busca de
segurança.

!!! Dado este cenário, o texto tem dois objetivos principais:

1. Explicar os obstáculos que impedem uma aproximação integrada ao problema dos


"estados falidos";
2. Fornecer um marco alternativo para o estudo da ordem política em situações de pós colapso estatal.

!!! Três possibilidades de colapso estatal:

1. Colapso Institucional: a autoridade/estrutura e a lei e ordem política foram derrubadas e


devem ser reconstruídas de alguma forma
2. Colapso Institucional associado ao colapso da sociedade: há um movimento contínuo onde um
fracasso em uma esfera conduz automaticamente ao fracasso em outra / autor refuta essa tese, uma vez
que segundo ele o colapso do governo não necessariamente inclui o colapso da governança. Ex:
formações locais políticas da Somália e estratégias de integração social que estes realizaram
3. Cenário de violência e desordem: causado uma vez que agentes do estado nacional são incapazes de
restaurar o monopólio sobre os meios de coerção, fornecendo um vácuo de poder que dá margem para
atores não estatais armados como rebelde, milícias, etc emerjam.

!!! Abordagem proposta pelo autor em rumo de uma perspectiva integrada em relação ao colapso estatal:

!!! O colapso deve ser entendido não como um ponto final mas como um ponto de luta contínua entre
várias forças da sociedade para controlar as três principais funções estatais:

1. garantia da segurança - monopólio sobre os meios de força


2. garantia de bem estar
3. representação da população nacional que habita um território fixo
Esse processo passa pela compreensão da necessidade de abandonar a tipologia acerca de estados que
passam por esse processo: termos como falido, débeis ou colapsados acabam considerando um ideal
(inexistente) de estabilidade.

!!! Pergunta central não deve ser sobre quando o Estado deixou de cumprir suas funções, mas como forças
sociais se adaptaram a recorrentes mudanças no marco do Estado e qual o efeito deste no processo de mudança
social.

!!! Colapso deve ser entendido não apenas como um desmonte institucional, mas como ponto culminante
na luta entre várias forças da sociedade para estabelecer um controle integrado sobre a sociedade
>>> A ausência de um conjunto de normas ou interesses não necessariamente significa que não haja
regras governando a sociedade: Ex: Africa subsaariana o que emerge em situações de conflito é uma
continuação de um neopatrimonialismo sem estado.