Вы находитесь на странице: 1из 13

BIOSSEGURANÇA APLICADA À ESTÉTICA

Anna Carolline Prestes Vieira¹, Uriel Vinícius Cotarelli Andrade²

1. Acadêmica do Curso de Tecnologia em Estética e Imagem Pessoal da


Universidade Tuiuti do Paraná (Curitiba, PR).
2. Médico Veterinário. Professor Orientador, adjunto a Universidade Tuiuti do
Paraná.

Endereço para correspondência: Anna Carolline Prestes Vieira,


carolasuper18@gmail.com

RESUMO: O Tecnólogo em Estética, durante a execução de tratamentos faciais,


corporais e capilares, está exposto a diferentes microorganismos patogênicos ou não, os
quais podem infectar todo ambiente clínico e também os demais seres vivos fora deste.
O contato com estes microorganismos é facilitado devido à utilização inadequada dos
Equipamentos de proteção individual (Epi’s), dos Equipamentos de proteção coletiva
(Epc’s) e no descarte dos resíduos dos serviços de saúde, desta forma aumentam-se as
chances de contaminação na relação profissional-paciente pelo contato com fluídos
orgânicos provenientes de alguma lesão causada por objetos perfurocortantes,
escarificantes ou com algum ácido durante a realização de diversos tratamentos feitos
dentro do ambiente clínico. Possuindo a ciência dos fatores de risco que os profissionais
da estética estão sujeitos durante a rotina de trabalho, é imprescindível adotar medidas
de biossegurança individual, biossegurança coletiva e no descartamento dos resíduos
dos serviços de saúde de acordo com a ANVISA. Este estudo objetivou analisar a
literatura existente sobre biossegurança e como os Tecnólogos em Estética podem evitar
e diminuir os riscos microbiológicos dentro de Spas, clínicas e centros de estética.
Palavras-chave: Biossegurança, Estética, microorganismos, equipamentos,
descartamento.

ABSTRACT: The Technologist in Aesthetics, while performing facials, body


treatments and hair is exposed to different pathogenic microorganisms or not, which can
infect any clinical environment and also other living beings out of this. Contact with
these microorganisms is facilitated due to the inappropriate use of Personal protective
equipment (PPE), Equipment collective protection (Epc's) and the disposal of waste
from health services, so increase it if the chances of contamination in the professional
relationship patient-by contact with body fluids from an injury caused by piercing,
scarification or some acid during the course of several treatments done within the
clinical environment. Possessing the science of risk factors that professionals in the
aesthetic subject during routine work, it is essential to adopt biosecurity measures
individual, collective and biosecurity in discarding the waste of health services
according to ANVISA. This study aimed to analyze the existing literature on biosecurity
and how technologists in Aesthetics can prevent and reduce microbiological hazards
within Spas, clinics and beauty centers.
Keywords: Biosafety, Aesthetics, microorganisms, equipment, discarding.

1
INTRODUÇÃO:

O surgimento e a existência de visando primeiramente à saúde junto à


distintas enfermidades têm preocupado beleza.
os homens há muitos séculos, doenças
endêmicas e epidêmicas sempre METODOLOGIA:
estiveram presentes na vida dos seres Os métodos empregados nesta
humanos, até mesmo na antiguidade. pesquisa, baseam-se em pesquisas
Porém, foi a partir da Primeira Guerra bibliográficas, pesquisa documental
Mundial, que as diversas patologias publicadas no Brasil e em outros países,
afligiram os guerrilheiros da época, pois artigos científicos expostos na rede
estes perceberam que a contaminação mundial de computadores, (internet) e
era a principal causa do grande índice manuais sobre biossegurança em
de mortes nos pontos de combate laboratórios, hospitais e clínicas
durante a ofensiva. odontológicas, escritas por
O termo Biossegurança significa universidades brasileiras. Todos estes
Bio=vida e segurança=aquele que relatos serão analisados e aprovados
segura, ou seja, proteção da vida através pelo orientador, para que sejam
das boas práticas para evitar a aplicados no trabalho final e na defesa
contaminação por agentes patógenos de toda pesquisa elaborada nestes
como bactérias, fungos, helmintos e meses.
vírus em spas, clínicas e centros de
saúde onde à Estética esteja envolvida. Biossegurança:
O presente trabalho vem expor o
que são os biomateriais como os A Biossegurança é buscada
equipamentos de proteção individual desde os meados da Primeira Guerra
(EPI’s) e os equipamentos de proteção Mundial, porém Pasteur já tinha
coletiva (EPC’s), os quais são preocupações com os cuidados que
indispensáveis na relação profissional- todas as pessoas deviam possuir dentro
paciente e formam uma barreira contra de ambientes hospitalares. (PELCZAR,
microorganismos patogênicos, bem 1993). Hoje à Biossegurança é
como deve ser o uso correto destes regulamentada pela Comissão Técnica
pelos profissionais da Estética, na Nacional de Biossegurança, desde 05 de
execução de procedimento faciais, Janeiro de 1995, sendo um conjunto de
corporais e capilares. O descarte dos procedimentos, ações, métodos,
resíduos dos serviços da saúde é outro dispositivos, técnicas, pesquisas,
ponto pertinente e que também será estudos e prestação de serviços, capazes
abordado neste estudo, pois o objetivo é de exterminar ou minimizar os riscos
manter todos os seres vivos e o meio que os indivíduos correm durante
ambiente livres de qualquer infecção. procedimentos clínicos, promovendo e
De uma forma geral, o trabalho protegendo a saúde das pessoas
irá expor pelas próximas páginas, o que envolvidas nas atividades praticadas.
é biossegurança, quais são os fatores de (SHIMIDLIN, 2006).
riscos que os esteticistas correm em Tipos de riscos:
diversos tratamentos realizados dentro 1. Riscos de Acidentes
de um ambiente clínico e como 2. Riscos ergonômicos
minimizar e evitar acidentes com 3. Riscos biológicos
materiais biológicos infectados ou não,
4. Riscos químicos
5. Riscos físicos

2
Neste estudo, será abordado biosseguros entre todos os funcionários
apenas os riscos biológicos, os agentes dentro do ambiente de trabalho, pois a
que protagonizam estes acidentes são as prevenção com acidentes dos serviços
bactérias, fungos, helmintos e vírus. Na da saúde não é tarefa exclusiva dos
prevenção de infecções são utilizados agentes da vigilância sanitária, mas
vários tipos de equipamentos de também dos Tecnólogos em Estética
proteção individual (EPI’S), dos locais aonde a atividade é exercida.
equipamentos de proteção coletiva Os serviços relacionados com esta área
(EPC’s) e o descarte dos resíduos dos oferecem vários riscos ao profissional e
serviços da saúde. (TONUMARU, aos pacientes, pois sendo uma ciência
2009). da saúde e se caso o proprietário do
estabelecimento não tomar as devidas
Microorganismos da microbiota precauções em relação à segurança,
natural: estes serviços prestados podem oferecer
riscos a saúde pública. Existem várias
Vários são os métodos de medidas a serem realizadas pelos
prevenção, para que não ocorra profissionais no setor da Estética, toda
acidentes com agentes patogênicos, mas equipe existente no ambiente de saúde,
existem microorganismos que são quase deve ser convocada para serem feitos
que impossíveis a sua eliminação, só se exames de saúde pré-admissão,
realizar rastreamento todos os dias no periódicos e obter o conhecimento das
local, que também é uma tarefa inviável formas mais seguras para laborar, desta
na rotina de uma clínica de Estética. forma não ocorrendo nenhuma forma de
(MIMS, 1999). contaminação. (PELCZAR, 1993).
Os estreptococos virulentos, em
portadores sadios, os quais são fontes de Higienização das mãos:
organismos oportunistas, como os As mãos do profissional são grandes
estafilococos coagulasa positivos ou veículos para o transporte dos agentes
enteroblastos, os quais fazem parte da infectados, estando muito bem
constituição da microbiota natural, não higienizadas podem prevenir uma
podem ser eliminados. O controle e a infinidade de doenças que na maioria
prevenção de infecções causadas por das vezes são causadas por infecções
qualquer agente patógeno podem e cruzadas, as quais são consideradas a
devem ser feitas através da remoção dos prevenção e o controle mais importantes
mesmos, pela prevenção da transmissão para não ocorrer contaminações em
dos microorganismos para hospedeiros serviços de saúde. São poucos os
suscetíveis, mas nenhuma estratégia de profissionais que se conscientizam
esterilização e cuidados com a sobre a lavagem correta das mãos, o
biossegurança microbiológica são 100% número varia sempre de 16% a 81%. A
eficazes. (MIMS, 1999). transmissão de agentes infecciosos por
contato das mãos, se basea no potencial
Métodos de prevenção na Estética: que estas têm de armazenamento em sua
microbiota resistente e transitória.
Atualmente são cada vez mais (MIMS, 1999).
procurados os atendimentos que O ato de friccionar as mãos com
proporcionam saúde e o embelezamento detergente específico e enxaguá-las com
ao mesmo tempo aumentando a água pode ser feito várias vezes durante
preocupação com o risco de infecções um único atendimento, principalmente
por microorganismos patogênicos ou quando a presença de secreções, sangue
não. É necessário adotar hábitos e mucosas, levando em conta que é

3
capaz de reduzir em até 80% das 08) Enxaguar as mãos com água
infecções cruzadas existentes dentro de potável corrente e repetir todo
uma clínica de estética. A proliferação processo.
de microorganismos cai mais que a
09) Fechar a torneira com o auxílio
metade, caso não houvesse nenhuma
forma de desinfecção do instrumento de um papel tolha, para
mais utilizado pelos esteticistas, ou seja, torneiras convencionais.
as mãos. 10) Enxugar as mãos com papel
Procedimento correto de lavagem toalha descartável ou compressa
das mãos: ou tolha de pano que deve ser
01) Retirar anéis, pulseiras, relógios trocada a cada paciente.
das mãos e antebraços. (GUANDALINI, 1997).
02) Ficar em uma posição
confortável. Equipamentos de proteção
03) Não encostar-se a pia com o individual:
corpo.
04) Abrir a torneira com a mão Através de pesquisas históricas, se
dominante ou cotovelo, neste concluiu que a técnica de mumificação,
executada pelos antigos egípcios, já era
caso é melhor possuir uma
utilizados os biomateriais para proteção
torneira com acionamento por do rosto e das mãos. (TEIXEIRA &
pedal ou por sensor elétrico que VALLE, 1996). Os EPI’s são materiais
o aciona. os quais promovem uma barreira, entre
05) Molhar as mãos com água o profissional da saúde,
potável corrente com microorganismo infectado e paciente.
(BRASIL, 2006).
temperatura de 24ºC.
O Equipamento de proteção
06) Colocar na palma das mãos individual (Epi’s) são todos os produtos
apenas 3 ml de detergente ou para uso individual, destinado a
sabão líquido a base de proteção e prevenção de qualquer
clorexidina ou qualquer outra possível acidente de trabalho,
substância que realiza assepsia, assegurando a saúde do trabalhador. A
espalhar pelas duas mãos e utilização dos Epi’s é indicada durante
os atendimentos aos pacientes e também
antebraços.
durante a permanência do profissional
07) Friccionar as palmas das mãos no ambiente de trabalho.
uma contra outra, dorso das Todos os Epi’s devem apresentar
mãos, abrir os dedos e esfregar nome comercial (marca), o nome do
as regiões interdigitais, primeiro fabricante, lote de fabricação, número
uma e após a outra. Em seguida do código de autorização, caso for
friccionar as pontas dos dedos e importado, deve constar na sua
embalagem o nome do importador e
as unhas nas palmas das mãos,
código de importação, com letra legível
friccionar as laterais das mãos e de fácil visualização, garantindo assim
umas a outra, finalmente a sua origem e qualidade do produto.
friccionar o polegar e sua região Sempre exija o uso dos Epi’s e oriente
interdigital. os funcionários da clínica de Estética,
para que façam uso destes produtos de
segurança. (BRASIL, 2006).

4
A técnica de prevenção fazendo uso mentoniana, lábios, nariz e mucosas,
dos biomateriais é realizada através de representa uma grande proteção para as
luvas, jalecos (aventais), máscaras, vias superiores, contra os agentes
toucas (gorro), lençóis descartáveis, infecciosos que podem ser expelidos
propé e óculos de proteção. durante a fala, tosse ou espirro,
(SHIMIDLIN, 2006). permitindo a respiração normal e não
causando irritação a pele.
Jaleco (Avental): Previne a
contaminação das roupas do Toucas: As toucas de propileno 7 são
profissional e do paciente, são como essenciais para que não ocorra à queda
uma película protetora não só contra de cabelos sobre os procedimentos
agentes infecciosos, mas também de realizados, são descartáveis e devem ser
substâncias corrosivas, como os ácidos. trocados a cada paciente. Os cabelos são
Deve ser de manga longa com punho, considerados fonte de contaminação
comprido, com tecido resistente, na cor devem estar presos por algum elástico
branca, deve ser utilizado com todos os se forem longos, sem deixar mechas
botões fechados durante os pendentes, este cuidado deve-se pela
atendimentos e com o nome do existência de uma infinidade de
Tecnólogo em Estética gravado na parte microorganismos e também evitar o
superior do avental, para identificação contato com insetos, caspas e piolhos.
do trabalhador. (SHIMIDLIN, 2006).

Luvas: Existem luvas de látex, as quais Óculos de proteção: Como as máscaras,


são usadas em vários procedimentos, as os óculos de proteção, formam uma
luvas de plástico normalmente são barreira para os olhos, evitando o
utilizadas para o manejo de contato com microorganismos
equipamentos esterilizados e devem ser patogênicos e substâncias químicas a
colocadas em cima da luva de látex, via ocular.
luvas de tecidos resistentes são
indicadas para o manejo em processos Propé: Composto por propileno 7
com altas temperaturas. Este produto servem como uma barreira entre os
para as mãos deve ser de acordo com o sapatos e o chão do ambiente clínico,
tamanho das mesmas do trabalhador. evitando a proliferação de agentes
Considerado uma segunda pele, a qual contaminados trazidos pelos sapatos
promove uma barreira física que evita quando utilizados fora do ambiente de
infecções cruzadas e contaminação trabalho.
entre profissional e paciente, podendo
entrar em contato com sangue, mucosas, Roupas e acessórios:
secreções e devem ser trocadas a cada
paciente. O uso das luvas não substitui a Blusa: Podem ser blusas de manga
lavagem das mãos, por este motivo as longa ou curta, com gola alta ou não,
mãos devem ser lavadas de forma com tecido resistente, preferencialmente
correta, como descrita anteriormente, na cor branca.
antes e após a inserção deste
equipamento de proteção individual. Calças: Devem ser compridas, em
(ANDRADE, 2008) tecido resistente, calças abaixo dos
tornozelos são permitidas,
Máscaras: São muito importantes para a preferencialmente na cor branca.
proteção de grande parte do rosto, com
a máscara são cobertos as regiões

5
Sapatos: São permitidos para os pés materiais metálicos ou que suportam
sapatos, tênis ou botas, todos devem ser altas temperaturas são esterilizados pela
fechados, com sola antiderrapante para ação de estufas e autoclaves. “A
evitar quedas, na cor branca. esterilização é fundamental para quase
todas as áreas da prática médica [...]”.
Cabelos: Devem estar presos durante (MIMS, 1999).
toda estadia no local de trabalho e Esterilização pode ser um
durante procedimentos devem estar processo físico ou químico, a qual
envolvidos pela touca descartável. destrói todas as formas de vida
microbiana, inclusive os esporos, a
Maquiagem: Pode ser utilizada de desinfecção possui o mesmo principio a
forma discreta. diferença é que não remove os
esporulados. (MANCINI, 2008).
Bijuterias: É liberado o uso de brincos Observe na tabela a seguir, os
em tamanhos discretos, já anéis, materiais utilizados na Estética, que
pulseiras e relógios não podem ser podem ser esterilizados e os que devem
usados durante os atendimentos. ser descartados. (BORGES, 2006).

Equipamentos de proteção coletiva Material


(EPC’s): estético Esterilizá Descartá
veis veis
• Esterilizador Alicates de
• Estufas cutícula / X
• Autoclaves Empurradores
de cutícula /
• Torneiras com acionamento por Cureta para
pedal limpeza de
• Kit de primeiros socorros pele
• Extintor de incêndio Tesouras para
• Material para descarte, tais corte de unha e X
cabelo
como: Lixeiras com pedal,
Escovas e
recipiente de lixo plástico, pá pentes para X
plástica, carrinhos para cabelos
transporte de sacos de lixo, Pincéis para
sacos plásticos na cor branca maquiagem X
para materiais contaminados,
caixas amarelas específicas para Ponteiras
materiais perfurocortantes. diamantadas - X
(TONUMARU, 2009). Microdermoab
rasão
Esterilização e Desinfecção: Ponteiras para
peeling de X
Com toda certeza, a prevenção cristal
da infecção em ambientes dos serviços Agulhas –
de saúde é fundamental, isto depende Galvanopuntur X
dos equipamentos estéreis, compressa e a, limpeza de
instrumentos devidamente limpos. A pele
eliminação dos agentes infectados em

6
Todas as clínicas de Estética devem plásticos, emborrachados, acrílicos,
conter: podendo provocar incêndios por ser
• Detergentes germicidas, uma substância química inflamável.
mantidas dentro de (DEVILLA, 2008).
saboneteiras específicas, as Estudos comprovam que a
clorexidina a 1% em relação ao álcool
quais devem ser higienizadas
70% é mais eficaz na assepsia de
semanalmente com álcool superfície em locais de saúde, além de o
70%. custo benefício ser maior,
• Dispensador com álcool principalmente em relação ao álcool gel.
70% para assepsia das mãos (BAMBACE, 2003)
e para limpeza. Os instrumentos que já passaram
pelo processo de esterilização devem
• Papel toalha.
ser armazenados separadamente dos
• Torneiras automáticas demais, em armários fechados,
• Lixeiras com acionamento protegidos de umidade, livres de insetos
por pedal. e microorganismos. Este local de
armazenamento deve ser limpo, em bom
A desinfecção é dada através do estado de conservação e de organização.
calor pela combinação de temperatura, A validade deste processo depende do
com o uso correto de equipamentos prazo de esterilização de cada
como as autoclaves, estufas, ferramenta, os tipos de embalagens
esterilizadores e produtos químicos tais utilizados durante a desinfecção e das
como: Álcool 70%, hipoclorito de condições do local de estoque.
sódio, clorexidina, glutaraldeídeo, ácido (BRASIL, 2006).
peracético a 1%, sabão (hidróxido de O kit de primeiros socorros é
sódio), (DEVILLA, 2008). A limpeza é indispensável, em um ambiente da
a remoção mecânica ou química de saúde, sempre deve estar completo e
sujeira, que tem por objetivo retirar acessível, é necessário conter materiais
resíduos orgânicos, sendo que esta é para curativos de emergência, até que o
realizada antes da desinfecção e da índividuo seja encaminhado para um
esterilização. (GUANDALINI, 1997). médico. Todo kit deve possuir
Devem ser seguidas as instruções de instrumentos como: Tesoura, pinça,
manuseio e limpeza de acordo com o termômetro e luvas cirúrgicas. Para os
fabricante, para a utilização de curativos: Gaze, esparadrapo, algodão,
autoclaves, estufas e esterilizadores, cotonetes, micropore, ataduras de crepe
pois a forma de uso é diferente de um e Band-aid, soluções anti-sépticas como
equipamento para outro. vaselina, soro fisiológico e solução
O álcool nas concentrações de iodada. Medicamentos: Antiácido,
70% a 92% é um dos desinfectantes antiespamódico (para cólicas), colírio,
mais utilizados em todo o mundo, analgésico e antitérmico, medicamentos
compatível com metais, possui a grande para cefaléia, garganta irritada e
vantagem de ser muito volátil, ou seja, pomadas para hematomas. É
evapora com maior facilidade, de fácil interessante ter também bolsa de água
manejo e combate a bactérias como quente e bolsa de água gelada.
Mycobacterium tuberculosis, fungos e Os extintores de incêndio são
vírus. Além do seu baixo custo e fácil obrigatórios em toda clínica de Estética,
acesso, mas também possui responsáveis pela proteção e salvamento
desvantagens por ser irritante de de bens em um eventual incêndio,
mucosas, pode danificar objetos devem estar de fácil acesso e acoplados

7
nas paredes de todo ambiente clínico, os atividades de pesquisa, produção,
mais indicados para os serviços ensino, desenvolvimento tecnológico e
estéticos são os de CO2 em pó ou em pó prestação de serviços, visando à saúde
seco, apropriados para fogo de origem do homem, dos animais, a preservação
elétrica e por substâncias inflamáveis. do meio ambiente e a qualidade dos
As torneiras e lixeiras resultados". (TEIXEIRA & VALLE,
convencionais (comando manual), são 1996).
grandes responsáveis pela transmissão e Uma boa infra-estrutura e uma
pela alta circulação de microorganismos administração correta são muito
infectantes dentro do local de trabalho, importantes para o descartamento dos
são preferíveis instalar torneiras resíduos dos serviços de saúde, os
automatizadas por pedal e/ou por chamados “lixos hospitalares”, são uma
sensor, pois desta forma, as mãos do grande fonte de materiais contaminados,
esteticista não entram em contato com a os quais oferecem riscos a toda
torneira, evitando a contaminação de população, fauna e flora. Estes devem
todo ambiente. (TONUMARU, 2009). estar dentro das normas do Conselho
Nacional do Meio Ambiente
Gerenciamento dos Resíduos dos (CONAMA) e da Agência Nacional de
Serviços de Saúde (GRSS): Vigilância Sanitária (ANVISA), latas de
lixos e sacos plásticos adequados para
O descarte dos resíduos cada tipo de material utilizado é
produzidos a favor da saúde é imprescindível. (GARCIA, 2004).
constituído por procedimentos, partindo O responsável pelo Spa, clínica
de bases cientificas, técnicas, ou centro de Estética, deve apresentar
normativas e legais, os quais devem ser um Plano de Gerenciamento dos
planejados para que amenize o risco de Resíduos dos Serviços de Saúde
contaminação local, do meio ambiente, (PGRSS), para estes órgãos, incluindo
para diminuir também a produção de medidas de segregação,
resíduos, os quais devem ser armazenamento, identificação,
encaminhados, coletados, transportados transporte interno, armazenamento
até o local de finalização, com intermediário, armazenamento
segurança para que não haja expansão temporário armazenamento externo,
destes possíveis geradores de coleta, transporte externo e destinação
patologias, garantindo desta forma a final. (GARCIA, 2004).
saúde de todos os seres vivos. Os resíduos dos serviços de
(BRASIL, 2006). saúde é um ponto muito polêmico, pois
Os resíduos gerados pelos muitos não dão a devida importância e
serviços realizados pelos Tecnólogos por isto há um grande índice de
em Estética causam riscos à saúde contaminação após a realização de
pública e ocupacional, todos os trabalho dentro de ambientes clínicos.
produtos, instrumentos e ferramentas (LARGURA, 2007). Em relação ao
descartados devem ser depositados em “lixo hospitalar”, deve ser levado em
sacos plásticos e caixas específicas de conta à questão do bom senso, junto à
acordo com a Vigilância Sanitária de educação e o treinamento de todos os
cada cidade, pois são estas que traçam o integrantes do trabalho, caso contrário a
gerenciamento destes detritos. contaminação e a proliferação de
(AICHINGER, 2005). microorganismos patogênicos
“O conjunto de ações voltadas acontecerão pela falta de
para a prevenção, minimização ou conscientização de todas as pessoas
eliminação de riscos inerentes às

8
presentes da área de saúde e de toda
população. (GARCIA, 2004).
químicos ou físicos, bem como os
DISCUSSÃO: resíduos dos serviços da Estética devem
ser descartados e eliminados de forma
O presente trabalho realizado correta conforme a ANVISA (Agência
tem como objetivo auxiliar na Nacional de Vigilância Sanitária). Desta
segurança e proteção para todos os forma, é necessária a conscientização e
indivíduos envolvidos nos possíveis boa conduta de todos os profissionais
locais aonde a Estética é exercida, para durante a permanência no local de
garantir a saúde e bem estar, bem como trabalho e no atendimento aos pacientes,
a inclusão do conteúdo abordado em para a preservação da própria saúde e da
toda pesquisa nas clínicas, spas e pessoa que está pagando por serviços
centros de Estética. para ficar com a aparência mais bonita e
Exposta em outras pesquisas, a saudável.
utilização dos equipamentos de proteção
individual, coletiva e o gerenciamento
dos resíduos dos serviços da saúde, são REFERÊNCIAS
métodos eficazes, os quais reduzem o BIBLIOGRÁFICAS:
risco de infecção na relação
profissional-paciente. 1. ANDRADE, Adenilde;
Este Trabalho de Conclusão de DESTRA, S. Alessandra;
Curso, junto à autora do mesmo tem a ASSIS, B. Denise; VARKUJLA,
certeza que é de fundamental F. Glaúcia; SANTOS, X.
importância a Biossegurança aplicado a Luciene; LEITE, P. Rachel
Estética, pois o foco principal desta Helena; ARAÚJO, Q. Rachel;
atividade é a beleza, mas com a GRINBAUM, S. Renato;
ausência de saúde a mesma torna-se PUKINSKAS, S. B. Sandra
impossível. Regina; FERREIRA, A. Silvia;
SILVA, M. Zuleida. Manual de
CONCLUSÃO: prevenção de infecções
associadas a procedimentos
Proteção e ações pela saúde estéticos. Junho, 2008.
humana são estabelecidas pela Disponível em:
Biossegurança em todo o planeta, http://www.nosbusiness.com.br/
incluindo a utilização dos Equipamentos download/ih08_manual.pdf.
de Proteção Individual, Equipamentos Acesso em:28 Mar. 2010.
de Proteção Coletiva e o Gerenciamento
dos Resíduos dos Serviços da Saúde. Os 2. AICHINGER, Adelina. Preserve
Tecnólogos em Estética, durante a Ambiental Consultoria. Plano de
execução de procedimentos faciais, Gerenciamento dos Serviços da
corporais e capilares devem evitar o Saúde (PGRSS). Curitiba,
contato com matéria orgânica, ou seja, Paraná, 2005. Disponível em:
sangue, mucosas, secreções, sendo http://preservaambiental.com/art
possíveis pela utilização correta e igos/materias/pgrss.htm. Acesso
completa de jaleco, luvas, máscaras, em: 20 Mai. 2010.
toucas. A proliferação de
microorganismos através de ferramentas
metálicas pode ser evitada por meio de
desinfecção e esterilização por métodos

9
3. ANVISA: Agência Nacional de TAPETY I. Fabrício; ALVES
Vigilância Sanitária, Rev. Saúde M. L. Eucário; MARTINS C.
Pública, vol. 39 nº6 São Paulo, Maria do Carmo; BRITO O. P.
Dez. 2005. Disponível em: José Nazareno. Aspecto de
http://www.scielo.br/scielo.php? biossegurança relacionados ao
script=sci_arttext&pid=S0034- uso do jaleco pelos profissionais
89102005000600020&lang=pt. de saúde: Uma revisão da
Acesso em: 17 de Mar. 2010. literatura. Texto contexto –
Enferm. Vol 18. nº 02.
4. BAMBACE J. M. Andréa; Florianópolis. Abril/Junho, 2009
BARROS A. J. Érica; SANTOS Disponível em:
F. S. Silvana; JORGE C. O. http://www.scielo.br/scielo.php?
Antônio. Eficácia de Soluções script=sci_arttext&pid=S0104-
Aquosas de Clorexidina para 07072009000200020&lang=pt.
Desinfecção de Superfícies. Acesso em: 17 de Mar. 2010.
Universidade de Taubaté, São
Paulo. Taubaté, São Paulo, 10. DEVILLA. H, Milliana. O uso
2003. Disponível em: do álcool 70% em cabine de
http://periodicos.unitau.br/ojs- Estética. Itajaí, Santa Catarina,
2.2/index.php/biociencias/article 2008. Disponível em:
/viewFile/108/84. Acesso em: 28 http://www.webartigos.com/artic
Mai, 2010. les/8818/1/O-Uso-Do-Alcool-
70-Em-Cabine-De-
5. BORGES, S. Fábio. Dermato Estetica/pagina1.html. Acesso
Funcional. Modalidades em:12 Dez. 2009.
Terapêuticas nas Disfunções
Estéticas. 1ª Edição, Editora 11. FILHO MESQUITA, Júlio.
Phorte. São Paulo, 2006. Manual de Biossegurança
(Laboratório de hemoglobinas e
6. BRASIL, Ministério do genética das doenças
Trabalho e Emprego. Portaria hematológicas), Universidade
MTE n 485, de 11 de novembro Estadual Paulista – UNESP.
de 2005. NR 32 – Segurança e Disponível em: www.cro-
Saúde no Trabalho em Serviços rj.org.br/biosseguranca/Manual
de Saúde. Brasília, 2005. %20Biosseguranca%20praticas
%20corretas pdf. Acesso em: 07
7. BRASIL, Ministério da Saúde. Abr. 2010.
Agência Nacional de Vigilância
Sanitária. Serviços 12. GARCIA POSENATO, Leila;
Odontológicos: Prevenção e RAMOS Z. G. Betina.
Controle de Riscos. Brasília, Gerenciamento dos Resíduos
2006. dos Serviços da Saúde: Uma
questão de Biossegurança. Cad.
8. BRASIL, Ministério da Saúde. Saúde Pública vol. 20 nº03 Rio
Serviços Odontológicos de Janeiro, Maio/Junho, 2004
prevenção e controle de riscos. Disponível em:
2ª Ed. Brasília, 2006. http://www.scielo.br/pdf/%0D/c
sp/v20n3/11.pdf. Acesso em: 08
9. CARVALHO S. R. M, Carmem; Fev. 2010.
MADEIRA A. Z. Maria;

10
Medidas de Biossegurança em
13. GUANDALINI, Sergio Luiz. audiologia. Revista Cefac, vol.
Como controlar a infecção na 10 nº04. São Paulo,
odontologia. 1ª Ed. Outubro/Dezembro, 2008.
Londrina/PR, 1997. Disponível em:
http://www.scielo.br/scielo.php?
14. L. P. Saramanayke; SCHEUTZ, pid=S1516-
Flemming; COTTONE, A. 18462008000400022&script=sci
James. Português. Controle da _arttext&tlng=Directory. Acesso
infecção para equipe em: 20 Mai. 2010.
odontológica. Tradução
Terezinha Oppido. 2ª Ed. São 18. MIMS, PLAYFAIR, ROITT,
Paulo, 1995. WAKELIN e WILLIAN.
Microbiologia Médica. 2ª Ed.
15. LARGURA, Alváro. São Paulo, 1999.
Desenvolvimento e avaliação de
um sistema automatizado 19. PELCZAR Jr. J, Michael e
biosseguro para o tratamento, KNEG X. Noel. Microbiologia,
reciclagem e descarte de resíduo Conceitos e aplicações. 2ª Ed.
de microbiologia clínica 2007. São Paulo:Makron Books, 1993.
159 f. Tese (Doutorado em
Farmácia), Universidade de São 20. SHMIDLIN S. C, Kelly.
Paulo – USP, Faculdade de Biossegurança na Estética –
Ciências Farmacêuticas, área de Equipamentos de proteção
análises clínicas. Disponível em: Individual – EPI’s. Disponível
http://www.biosseguranca.com/r em:
ed.php?redirect=http://www.ccih http://www.revistapersonalite.co
.med.br/links.html. Acesso m.br/bioseguranca. Acesso
em:28 Mar. 2010. em:12 Dez. 2009

16. LEITE B. Flávia. Central de 21. TEIXEIRA, P. & VALLE, S.


Material Esterilizado Projeto de Biossegurança: Uma abordagem
Reestruturação e Ampliação do multidisciplinar. Rio de Janeiro:
Hospital Regional de Francisco 1ª Ed. Fiocruz, 1996.
Sá. Francisco Sá, Minas Gerais,
2006. Disponível em: 22. TONUMARU, G, JULIENE
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/ar MARIA; PINELLI, Camila.
tigos/artigo_CME_flavia_leite.p COMISSÃO DE
df. Acesso em: 28 Mai, 2010. BIOSSEGURANÇA. Manual de
Biossegurança, Faculdade de
17. MANCINI. C. Patrícia; Odontologia de Araraquara –
TEIXEIRA. C. Letícia; UNESP, São Paulo, 2009.
RESENDE. M. Luciana; Disponível em:
GOMES. M. Adriana; www.foar.unesp.br/.../biossegur
VICENTE. C. C. Laélia; anca/manual_biosseguranca.pdf.
OLIVEIRA. M. Patrícia. Acesso em:28 Mar. 2010.

11
.

12
13