Вы находитесь на странице: 1из 10

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE CURITIBA

​ CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE CURITIBA PREPARO DE MEIOS DE CULTURA E CULTIVO DE

PREPARO DE MEIOS DE CULTURA E CULTIVO DE BACTÉRIAS

Alunos:

Elias dos Santos S. Oliveira, nº 8 Emanueli Cruz n° 9 Jaqueline Martins de Barros n° 13 Jorge L. Pavan n° 14 Tassiane Pereira Escala, nº 25

2BSN1

PROFESSORA: MAIRA VASSELAI BIOLOGIA MOLECULAR E CULTIVO VEGETAL

CURITIBA - PR

2018

1. INTRODUÇÃO

Há milhares de anos, o cultivo e consumo da planta Coca (Erythroxylum coca) vem sendo feito nos Andes, nas regiões onde hoje se situam a Bolívia, o Peru e a Colômbia. Mesmo que esse fator seja conhecido mundialmente, um de seus subprodutos mais conhecidos é tido como uma subversão social pelo seu teor altamente viciante. Neste presente trabalho veremos quais os efeitos deste alcalóide mais conhecido como cocaína, os outros derivados da folha da coca e os fatores que envolvem sua comercialização legal e ilegal. Como introdução a este tema central, abordaremos também os metabólitos secundários, sanando dúvidas tais quais:

O que são eles? De onde surgem? Para que servem? Como são obtidos? Que fins eles têm?

Sendo assim, encontraremos respostas necessárias e pertinentes ao longo deste trabalho.

2. METABOLISMOS PRIMÁRIO E SECUNDÁRIO

Uma das características dos seres vivos é a presença de atividade metabólica. O metabolismo nada mais é do que o conjunto de reações químicas que ocorrem no interior das células. No caso das células vegetais, o metabolismo costuma ser dividido em primário e secundário. Entende-se como metabolismo primário o conjunto de processos metabólicos que desempenham uma função essencial no vegetal, tais como a fotossíntese, a respiração e o transporte de solutos. Os compostos envolvidos no metabolismo primário possuem uma distribuição universal nas plantas. Em contrapartida, o metabolismo secundário origina compostos que não possuem uma distribuição universal, pois não são necessários para todas as plantas. Como consequência prática, esses compostos podem ser utilizados em estudo taxonômicos (organização vegetal). Embora o metabolismo secundário nem sempre seja necessário para que uma planta complete seu ciclo de vida, ele desempenha um papel importante na interação das plantas com o meio ambiente. Um dos principais componentes do meio externo cuja interação é mediada por compostos do metabolismo secundário são os fatores bióticos. Deste modo, produtos secundários possuem um papel contra a herbivoria, ataque de patógenos, competição entre plantas e atração de organismos benéficos como polinizadores, dispersores de semente e microrganismos simbiontes. Contudo, produtos secundários também possuem ação protetora em relação a estresses abióticos, como aqueles associados com mudanças de temperatura, conteúdo de água, níveis de luz, exposição a UV e deficiência de nutrientes minerais. Existem três grandes grupos de metabólitos secundários: terpenos, compostos fenólicos e alcalóides.

2.1. ALCALÓIDES

Os alcalóides são compostos orgânicos cíclicos que possuem pelos menos um átomo de nitrogênio no seu anel. Na sua grande maioria os alcalóides possuem caráter

alcalino, já que a presença do átomo de N representa um par de elétrons não compartilhados. Contudo, existem alcalóides de caráter ácido, como a Colchicina. Os alcalóides são sintetizados no retículo endoplasmático, concentrando-se, em seguida, nos vacúolos e,dessa forma não aparecem em células jovens. Essa classe de compostos de metabolismo secundário é famosa pela presença de substâncias que possuem acentuado efeito no sistema nervoso, sendo muitas delas largamente utilizadas como venenos ou alucinógenos. Como dito anteriormente, os alcalóides são caracterizados pela presença de N em moléculas orgânicas. Tal característica indica de certa forma sua origem química. Desse modo, quase a totalidade dos alcalóides é derivada de aminoácidos, como a ornitina, a lisina, a tirosina e o triptofano.

3. ERYTHROXYLUM COCA

Erythroxylum coca ou coca ( Quechua : kuka ) é uma espécie sul-americana de planta com flor da família das eritroxiláceas , originária dos contrafortes escarpados dos Andes amazônicos. A planta da coca sempre desempenhou um papel importante nas culturas andinas, tanto para fins rituais na relação entre o homem quanto a natureza, como um agente psicoativo para induzir transes cerimoniais, como uma energia para o trabalho, para permuta entre produtos, como digestivo, e para fins analgésicos e curativos em intervenções médicas. Ela tem sido usada em todos esses aspectos por milhares de anos pelas culturas andinas, como as nações Chibcha , Aymara e Quechua . A planta da coca tornou-se conhecida em todo o mundo por seus alcalóides , dos quais se obtém, através de um processo químico descoberto no século XIX na Europa , o cloridrato de cocaína (ou simplesmente chamada cocaína ), uma substância que é um poderoso estimulante do sistema nervoso central e com uma alta tendência a causar dependência. Desde 1885, extratos da folha de coca foram usados ​​em produtos da Coca-Cola e atualmente continuam a fazê-lo em seus produtos.

3.1 IMPORTÂNCIA ECONÔMICA E CULTURAL

Na Bolívia e Peru , as formas tradicionais de uso e consumo da folha de coca e sua cultura são legais por cada governo para uma certa quantidade em

toneladas e hectares precisamente para evitar grande - escala de produção de cocaína

. Esta planta é apreciada pela maioria da população indígena de cada país,

especialmente nas áreas rurais, para fazer rituais de gratidão à Mãe Natureza. Coca é colhido três vezes por ano manualmente na área do Yungas da Bolívia (no Departamento de La Paz, Bolívia ), colhido 4 vezes por ano no Chapare Departamento de Cochabamba(Bolívia) e até seis vezes no Alto Huallaga (Peru). Na Colômbia , o cultivo de folha de coca é proibido em todas as suas formas pelo estado se exceder 20 unidades ou plantas; 7 Mesmo assim, os índios nas reservas da Serra Nevada de Santa Marta e do departamento do Cauca cultivam quantidades determinadas por seus rituais religiosos. As folhas são arrancadas pelo pecíolo e secadas ao sol para posterior venda e comercialização . A mesma planta pode ser colhida por dez anos

3.2. ASPECTOS FARMACOLÓGICOS

O alcalóide cocaína tem estimulantes, anestésicos, propriedades terapêuticas e de mitigação de apetite, sede e cansaço. Tradicionalmente, esta substância foi obtida em quantidades muito pequenas e diluída pela mastigação com uma substância alcalina obtida naturalmente ( bicarbonato de cálcio ). Naturalmente, outras substâncias levemente estimulantes também são obtidas da folha por meio de infusão em água fervida ou cozimento (tisana), com efeito semelhante ao café ou chá. Essas formas de consumo não causam dependência ou qualquer dano fisiológico, e seu efeito estimulante dura semelhante ao do café e do chá. A quantidade de cocaína contida nas folhas frescas varia de 0,4% a 1,0%. Além desta substância, as folhas de coca têm outros alcalóides como metileneglina,

benzoilencinonina, metilecgonidina, cinnamola ecgonina, ecgonina e nicotina . Absorção de cocaína na sua forma tradicional é muito menos rápido e eficiente do que as formas purificadas de cloridrato de cocaína e provoca os mesmos efeitos psicoativos e de euforia associados com o uso de drogas na preparação laboratório químico. Dependência, formação de hábitos, danos corporais ou neurológicos ou outros efeitos prejudiciais do consumo de folhas na sua forma natural, não foram documentados ou cientificamente comprovados

3.3. CLORIDRATO DE COCAÍNA

As folhas amadurecidas são secas ao abrigo do sol, e precisam ser processadas rapidamente, pois o teor de cocaína diminui rapidamente com o passar do tempo de colheita. As folhas são prensadas, tratadas com querosene ou óleo diesel, durante três dias. O suco obtido é tratado com cal virgem ou cimento, filtrado, e o conteúdo obtido, pastoso e já rico em cocaína é seco ao sol. A pasta obtida é depois tratada com ácido clorídrico, éter ou acetona, cal, amoníaco e álcool ou gasolina pura. A partir de então os cristais começam a se depositar, e o conteúdo é filtrado e então se obtém o cloridrato de cocaína. A cada filtração se conseguem novas quantidades do produto. Quem sintetizou a cocaína pela primeira vez foi o químico alemão Albert Niemann, em 1862, e seu uso como anestésico local começou a se dar a partir de 1880, fato que facilitou o desenvolvimento das primeiras cirurgias. As primeiras cirurgias de olhos se deram após o uso da cocaína como anestésico local. Freud, pai da Psicanálise chegou a receitar cocaína para melhorar o humor de pacientes depressivos e para tentar eliminar o uso de ópio de pacientes dependentes do produto. Somente se deu conta dos efeitos aditivos da cocaína após algum tempo de utilização em seus pacientes.

3.4 OUTROS ALCALÓIDES

Benzoilecgonina;

● Ecgonidina ou anidroecgonina;

● Ecogonina;

● Hidroxitropacocaina;

● Cinamato de metilecgonina;

● Tropacocaina;

● Truxilinas;

4. CONCLUSÃO

Com aspectos positivos e negativos, a cocaína, grande aliada clinicamente a medicina no passado, não passa hoje de um subproduto marginalizado. O uso deste tema neste trabalho é pertinente, pois ao ser abordado e descrito poderá ser levado com mais naturalidade entre a academia e os profissionais na área da saúde. Pois se metabólitos secundários podem ser usados para fins que não seja essenciais para vegetais, há uma infinidade de possibilidades para que sejam avaliadas e trazida à luz da ciência. Hoje em dia, há ferramentas mais que suficientes para controle dos efeitos colaterais de possíveis medicamentos com o princípio ativo da cocaína, e alguns estudos apontam novas perspectivas no caminho do tratamento de doenças psíquicas, tais como a depressão e o distúrbio bipolar. Sendo assim, e trazendo a mesa redonda esse vegetais e seus tabus, poderá ser que um dia esses metabólitos secundários sejam encarados como simplesmente são: ferramentas auxiliadoras para os fins que cada um lhes incubir.

5. BIBLIOGRAFIA

METABOLISMO SECUNDÁRIO DAS PLANTAS Disponível em:

<http://www.oleosessenciais.org/metabolismo-secundario-das-plantas/>. Acesso em:

17 setembro. 2018.

ERYTHROXYLUM

COCA

Disponível

em:

<https://es.wikipedia.org/wiki/Erythroxylum_coca>. Acesso em: 15 setembro. 2018.

DA FOLHA DE COCA À COCAÍNA: OS DIREITOS HUMANOS E OS IMPACTOS DAS POLÍTICAS INTERNACIONAIS DE DROGAS NAS POPULAÇÕES NATIVAS

DA

BOLÍVIA

Disponível

em:

<http://www.publicadireito.com.br/artigos/?cod=5e9f92a01c986baf>. Acesso em: 16 setembro. 2018.

COCAÍNA

<http://www.profdouglaslafemina.com.br/index.php?option=com_content&view=article&i d=17&Itemid=18>. Acesso em: 16 setembro. 2018.

E

SEUS

DERIVADOS

Disponível

em:

COCAÍNA Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Coca%C3%ADna>. Acesso em:

18 setembro. 2018.

METABOLISMO SECUNDÁRIO DAS PLANTAS Disponível em:

<http://www.oleosessenciais.org/metabolismo-secundario-das-plantas/>. Acesso em:

17 setembro. 2018.