You are on page 1of 53

o voa sobre o oceano

1\

Peç a d id t .i c a r ad iof ôn ic a par a


á

ra p az es e m oças

Der Ozea nf lu g
Radiol ehrstü ck {ü r Kria ben u nd À-'Lídc h e n

Escrito ern 19 28 /29


Est r éia : 27 .7 . 1929 em Baden - Bad e n

Trad u çà c): Fernando Pci xoro

-_ ---------_
.
C;ER :\L

•.. ÁDIO - A coletIv idad e pede a vocês : reprr a m


A primei ra tra vessia .i érea do
T od osj unto s
Can tern as c a n çôcs
E juntOS le iam o te xro .
Aqu i está o ap:1relh o .
Su ba nele.
Lá na Europa esr âo SIJ a cxpe r a.
A ±,tnla lhe ac en a .
OS .-\ V I A I) O R ES _ .- Eu su bo no a p a reHH).

i
OS JO RN !\ IS AMERI CA N C}S t\ l\l PRLJDi; NC-I t\ oos
AVIADOR ES
É. ve rdad e) C01110 dize rn que
Ai\IÉRI C . ..\' (. IC.\t) IOJ -
"- ... vo cê lev av a
1

Sornen t e um c hapé u de palha e t am b érn


Que você subiu no .rv i âo C Cin1 0 um louco?
L ata velha q ue r
Atravessa r vo an do o At l
Sern um aC(HTI pan han te p a ra or ien tú
Sem bússola e sern á g u a ?

APRESEN T :\ Ç /\ O DOS .'\ V lr\I)OR ES E P;\RTIL>:'\ D()S ,\lE S\ \Ch


I) E NE \\;' YORK P\RA ;\ E UROPA

( )S i\ \f IA DO RES -M eu n o rn c n .io
T enho :2 5an os .
Me u ;lVÔ era su cco ,
Eu sou .une ric a no .
Colabor adores. E. r"Iaup rmann , K . \V eil1
l b}

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
.\1eu ap a re lho , f U l e u rnc srn o q U t;' escolh i.
Ag orJ anr o
Ek' J 21 0 k m p o r hu ra)
I-Iá vi n t.e a n o s o ho mem Blér ior
Seu n orne é ·' F:SL r.1[ r it ei .I , U 'I S " .
Foi homena geado porq ue
As f á bri c as de Ryan de San l) ie go Sob re v o o u 30 m ise r ávcis q u ilóme tr os
Co nsr r u ir a m-ri o em 60 d ias. Li
es t iv e D e ág ua salg:ld a.
f;() ri ; '1 oc ,· c, LlLL..
,.. ,U t·" / (", ·
1 . .
... ... H lê () j ( l a S (C1Ct'l, Eu ;1t L H ' l' SSO
N as cJ.n as tc r rcs
'-. t r ...es. c n u n .' ti I1 L b , .> .000 .
A rota d o meu v ôo .
V ÔO so z in ho .
r
l:l g ar
! j •
ue ou tro ho me m . le v o m a is g a so! w J com igo.
l:u voo num a p a relho se rn rá d io .
Eu vôo com a melhor bú sso la. D E NE \X' YORK JNT E R.R O C;A ()S N !', V [ C)')
) di as fi quei csp cr ari d o t em po , A CID/ \DE D EN E \X
/ 'y' O RK [)I() ;1
Mas os relatór ios d o s obse rva tor ios New Yo rk :
Não são bons e vâ o pi o ra r : Hoje de man há às 8 hOL1"l
N evoe iro sob re a c os r a e tern pesr ad e sobre o rna r. U In ho m em d e colo u d .iq u i
Mas ago ra rúio q u e r o rna is espera r. Sobrevoando as águas em direç ào
Agora cu VOlt c rn b a r c a r. Ao vosso continente.

E u arr isco.
Já es t á v iajan do há sete h o ras.
Del e nã o te rnos sinal ;d g u n l,
E u le vo comigo :
E pedimos
.2 lâmpadas elé tric as
Aos nav ios que n os into r rne.m
rolo de cord a
Se o av istarem.
rol o de ba rba n te
fa cã o d e caça Os Se eu não chegar,
A V I A DOfU::S -

4 t oc h as vcr m e lh as f ech:1d as em t u bo s de borracha N u nca m ais me ve r ão .


c a ixa im p erm e ável corn jra li t os de fó sforo O NAVI O (R ADJO ) .,,,- Aqu i f a la o n a v ro "Irn pe r.uriz !<:5-

agul h a gran de có c ia" .


ca n ec a grand e c 1 ca ntil C0 l11 ág ua 4 9 grau s e 24 m inuto s de la tit u d e n o rte t.: gr xu) 7X

ra ções de em ergê n c ia) con serv as do Exé rci to america - ru in u tos de long itude oeste .
no, c a da u m a p a r a u m di a . E111 C:150 d e n ec essid ad e ,
Há pou co o u v imos no céu ,
p a ra ma is. Ac ima de n ós,
I en xad a () ru íd o de um m oto r

! ser r a r\ g r an de altitude.
P o r c ausa d o n evoe ir o
I ba rc o d e borracha .
'N ;in c o ns eg m rnos ver n .td .r.

---- - - - - - - - - - _ - ...
......
M a s ti be m p os s í ve l q u e Agor ;l voe e .u n da YC urn P O UC C) de JgtLl Li e m bai xo
Tenh a sido o homem q u e v occ s pn)CU L H 11, E sabe
Com seu aparelh o, Dist in g u ir ;-1 I. hrc iLl csq u c
O " Espí r it o de Sã o Luís". Mas aguarde ;lln d a u rn a r)()lt c t um U

OS A VIADORES - Nenhunl na v io ,1 \ ' ISLL c 5enl co n se guir ver c éu nem agU J .


A g o r a ve m () nevoei r o . Ne m enxer ga r se u le me
N ern 01 e 51110 :t u.t
E nvelheça e, c n tâ o ,
S..t be r á quem e u so u :
Eu sou o nc v o e iro '
D U R A N 'TE QUAS E 'J'() D/\ A DUR 1\Ç A O [)O V óo , ()5 A V AV IA DOR E S - S('t'C h o rn e n v e m S:ln IJ ic g o const r u i r a m
R E5 T i: ;\{ QUE LlJ'['A R CONTRA o N EVO E[R C)
meu a p arelho ,
() ?\.' E VOEIRO ( R;\ DIO) .- F,: u sou o n cvo c i 1'0 , e d ev e Tra b alh an d o , rn u it as vezes, 24 horas se m p :1L U' .
comigo Elnp r e g a nd o a lgu n s rne t r o s d e t u bo x de ,tÇ CL
Todo aquele que viaja so b r e as à guas. () que eles fiz e ram de v e m e b as r a r.
1.000 anos e n u n ca se vi u Eles cr abal hararn, e u
Q u erl1 pret en d esse a t ra vessar os a res ! C o n t in u o O r r abalh o de le s. :iel es t o u so z in lio , <orn o s
Afinal, quem é você? Oito voan d o nest e av iã o.
1V1 as nós c ui daremos
NEVOEI RO (R ;\ DIO '; - Voc ê agora cs t a com 25 .m os c
Pura q u e , de ago r a CIn di an rc, n in g u ém mais t or ne a
N 'iio r em mu ito rned o .!vlas q ua nd o esti ve r c orn
por aí !
25 anos mais u rn d ia e ur na n oite.
E u sou o ne voe iro .
Retorne ! T erá m ais med o.
Depo is de a munh e n o s pro xrmo s 1.0 00 :nl OS
â
Ch A VIADORES - Isso q ue vo c ê disse
Aqu i ain da cxist ira ar e n ev oe iro.
Deverá ser leva do ern consideração.
Se você se to r n ar m a is denso , t a l vez Mas você
Real men te eu r etorne. Não ma is e xr st i r a .
Se n ão hou v e r persp ectiva, OS AV IADORES - Até agora era d ia , nu s ago ra
Não con t inu a rei lut and o . A noite est á chegando .
Ser co ro ad o o u rer m in ar coberto de c o ro as
() N E VO EIRO ( R !\tno ) ·",- 1:a7 I O hOL1 S q u e eu lu t e) con t r .i u m
Para mim nã o é alter n at iv a.
homem
i\:IJS por enqu anto
Q u e a tr avexva o s ares, c oi sa qu e ne stes 1.0 00 anos
N ao vo lto at rás.
Ni ngu ém hav ia v ist o . N âo c o ns ig o
() :\ E V O E IR O - Você aincia se se n t e con f ia n t e, po r -
que D er ru b .l -l o.
N :l ( 1 me conhece ; você dele, nev .isc a!

i 1
170

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
()s IA,I)()RES VCHj

evasca '

n
6

N O n··r c /\ I u l):'1f\ t\ E

A NEVASCA ( que
num
m homem .e seu

imo à
q ue o arrcrnevso
contra o
não conscg ue se segurar em mas
CaI.
despenca p ara rrua
E para
AVIADORES - vcnro náo
1.:1e é mais (1 ue unia arvore ;j,
A e o ar rne são cu
Fraco como urna folha sem mas
seu irurrugo.
Não cu.
Hii este
so urn PC)UCO;
mesmo sua
Sua máo pe rrn a nece r á alerta.

Cobri de gelo seu aparelho Os AVIADORES r11UIL1S vezes, 24- senl


Para que ficasse pesado e o para parar,
;\1<15 o gelo desliza do a v i âo c cornpa nherr ov Sa.n Diego
Ele não caí. Const rui r arn este apare lho. ()uc eu n o se ia á

Pic)!" do que eles. Eu


AVIADORES - Não dá m.us,
Não devo do rrnir.
Logo vou cair na agua.
Quem poderia imagmar que O S()N() (R/\IJI() ".<-.- Ainda está Íonj;c. !lSC

Aqui ainda há gelo! PensandcJ nos campos ?\líS"CHlci.


Já csti Vê a
mil rnet ros de alt u r a e dcsc t .1 No fie> e na casa,
') 01CtrOs do nível da Onde é o seu lar.
ivLl" ern toda parte h,i rernpest ade , e neVOeJ[CI. ()S\\,IA!)()RFS - :io eSfOU CUI
a vi o . f r àg d e r r e rriu lo ,
à

lDEOí .OC ;l A Meu '> a pa relhos c heios de f aBu s.


Sã o me lhore s qu e (}s a n tes. t'
( ) S AV lA[) () R LS
Enq ua n t o \'ÔO
Luto con t.Ll c rnvu av i ào e
Co nto {) q u e é pr i rn iti vo.
,\':Ul t c s (lu.cn 1 que 0 \ re mpos são ve lh os.
q ue viv e m os num t e rn p o
Lu d igo : 1130 c a t o.i Po rLH1t o lu t o co n t r .t a N :H tH CZ ,l c
Q ue há 20 a nos s urge m c a sa s ela
Con tra rn irn mesm o .
de aço . Sej a lá o q ue eu f O L ac rcd ire nas rol ice s que acredita r ,
j\ cad a ;U1 0 In u i Li,').'.' _1.). 'c 'rrern
'-' t " ra . \:. C 1(
. J J ti1 e.)
Q ua ndo vôo , e u 501.J
p e rassem aIgo
U m ve r da d e i ro a (eu .
E a t r av és 'c on tlne nv.:s so r rid e ntes
Por 1{] mil an os, Ll
C o r r e a n or i c i.i : o imenso e t e rni ve l oceano Onde as águas se t o r n a v am esc uras no c é u )
N 3. 0 passa de u m p eq u e n o bgo. Entre a lu z e o c repúscu lo, incon t ido, su rgIa
Ago ra so u o p r im e. iro a so b re voar o Ad àn u ol
[)e us.E da I11CSrn a f orm a.
Mas estou COn v en ci d o : amanh ã m esmo '
Sobre as rnon t an h as de o n de v inha o
Voc ês ri rão do meu v ôo .
O s íg no ra n tes incor rigí veis av istava m
D eus. E da m esma forrn a,
No de serto, ele vi n h a nas tempestades de :lrt.'L L c.
.l\.I,.'la s esta.. é urna bJt:1lh a con tr a o 'q ue- ..
I'; p r HT ll ti V O Nas ci d ades, ele erage r,l d o da de sordenl
..:- urn estorç o para rnel h o rnr o pl a n cr .i , Das classes soc iais, p o is a hUlnan idade se d ivideern du as :
Se rnel han t e à ec onomi a d ialé t ica
Ex p lo r aç ão e Ign o rân c ia, m as
Q u e r ransfor mar.i o mund o desde s u a '
Po rr an t o base, A R ev o lu ç ão liqu ida C01T\ ele.
.i\ b r ;Hll estradas através das rnonu nha s, c el e desapa-
Lutemos cont ra a Nat u rez a
re ce ra .
At n os tornarmos naturais.
Os r ios o ex p u l sa r âo d o de se r t o. A lu z
é

N os e n o ssa t éc n ic a a inda n ã o 50n10$ natura is.


Mostrar o va zio e
N ós e n055 ;1 t écn ic a
á

() esp,lnt ar;Í, de i mcd iat. o .


Sorl105 p rirni t i V (),:\ .
O s na vias ;l v apor ri v aliz a rum ( OH1 05 ve leiros. P ort a nto p a r t.ic i pcrn
p ,o r SU;l vez, hav iam de ixad
.. o 1'·S·
v , l.). •n• t..··(·)
'- . :'>, ".' remo D a lu ta contr a o que e p r irnit ivo,
para t r as. 1);1 Iiqu id a ção do a l ém e
Eu D a ex p u ls âo d e t odo e q ua lq ue r d e u s, o n ci e quer qu e
'\ 7"
0 0 p ar a ri va liz a r C 0l11 os na v ios a va p or
Ele su r ja .
N a J LIt J C on t L 1 o q L1 e é p r i In í t i v o . Sob 05 m ic ros c óp ios [na is prcc is()s

._----------------------..-.
I
Ele cairá. Barulbo dc lia (Rád iu ) .
Os ap er f eiçoados a p a rel hos ()s A - Meus Deus! P o r p o uc o
O expulsarão dos ares. N âo no s aca b amos!
O saneamento das c id ades . I
!
O exterrni ni o da rrus éria ,
Farã o co m qu e el e desap areça e 10
() en xot a r ão de vo lta ao primeiro m il ê n io.
DUR1\N TE TOD O O v óo OS JORN A IS AlvIERI C !\ N O S N Ao CES -
4 SAVAM D E F ALAR SOBRE A SORT E DOS AV I AD O R ES
Mesmo nas cidades mclhoradas t\l'vCÚRI CA ( R .t\DIO ) - T od a a América acredita que o vôo so -
Aind a prevalece a d esordem,
bre o o c ea n o
Q ue n asce da ignorânc ia e se p a rec e CO ITl De u s. D o cap itão Fulan o de Tal será bem -su ced ido .
Por érn as m áqu inas e o s operá r ios a Apesar dos m a us bo let in s meteorol ógicos e
Com ba t e r ão . E v o c ês t am b ém D o estado p rec á ri o de seu f r ági l avião,
Devem part icip a r T od o mundo nos Estados Unidos acredit a
Da luta co ntra o q ue é p rirni t ivo !
Que ele chegar á.
Jam ais, esc r eve u rn jo rnal , irnag inarn os
Que u m ho m em d e n osso p a ís
9 T iv esse t anta so rte .
Quand o aquele que tem so r t e sobrevoa o m a r ,
AGUA .A.s t cn1pestades se ret raem,
Se as tempesrades não se re t raern
Os AVIADORES - Agora,
O m o tor agüenta.
A água novamente se aproxima.
Se o motor não agüenta,
Barulho de água (Rádio ) . O homem agüenta.
Os AVIADORES - Preciso E se o homem não agüenta,
Ganhar altura! C orno este vento A sorte agüenta .
Faz pressão! Por isso nós acreditan10s
Que o hornern de so r te c hegar á .
Barulho de água (Rádio) .
Os A VIADORES .- Agora est á m elh or .
Mas o que é isso? () lem e
11
N ão quer mais funcionar . .Alguma CO I sa
Não está certa. Isso não é . O S PENSA \ 'fE NTO S DOS HOMENS D E SORTE
U f i ru ido no motor? Agora
Ji estamos caindo de no vo . ( )S AVIADORES - Dois continentes, do is continent.::s
Soc orro! Esperam por mirn ! Eu
17 7
176
Prec iso chegar !
o
Pela fo t o n os jo r n ais, que
Quem espera alg uérn?
Aqui c h eg a r ;lr11 dele.
aquele que ninguém espera
Nlas rcceanlOS que
recisa chegar.
Ele não chegue. A s t C111pe stad t:s
coragem não é nada , ma s
Chegar é tudo. "
O bnç'u ão ao mar , ,
Seu lTl0t()r não agüentara,. _ "
Quem sobrevoa o 111ar Ele m esmo nã o en c ontr a r;l o ca rni nlio a te n os.
E se afoga
por isso ac re d i t ;lI110S
É con1pletarnente louco, poi s
Que não o v e r ClTIOS.
r;o mar a gente se afoga.
lortanto eu prec iso chegar.
e) ve n t o f orç a p ara bai x o e
? nevoeiro desorien t a, n L1 5
1;,u preciso chegar.
v erda de que m eu ap arelho
'O DIALO G O DOS AV IADORES cov O lvl0 T OR
E frágil , c frágil é Motor em fuucíonam en to ( R ádio) .
cabeça, mas,
s AVIADORE S - A gOLljá não es t á mais lon ge. A gor a
Do outro lado, eles '" rne espe ram e d. l. Z ClTI : 'feITIO S qu e jun t ar nossas forças ,
Este chegará , e por isso
Eu preci so c h eg ar. Nós d oi s.
Você tem óleo su fíciente?
V o c ê ach a que a gasolin a lhe b ast a ?
A refri ge r ação está f u ncion ando?
12 Voc ê est á se se n ti n do bem?

ASSLYl VO AM ELES, ESCRE VIA M O ', r ' - " " - Motor em fU1icí onam ento ( Rádio) .
CIMA AS T E''\ ;I[)E'S'fAD . 5 JORNAIS FRANCESES '
_H . , ES, AO REDOR O !v : - . . I A VIADORE S - O gelo que lhe pe sava
SOMBRA DE NUNGESSER , . {AR, E EMBAIXO,
Jáse foi todo.
E UROPA (RADJO ) - Enl direçã o .. O nevoeiro é assunto meu.
Há mais de 24 horas. .10 n osso Você faz seu trabalho ,
Um homem VOa, - Que é só girar.
Quando ele chegar .lVl oto r em !IlJlci o}UHll CJltO ( R ádiu).
Um ponto aparecerá n o céu
Os AVIADORJ-:S - Lcrnbre-sc: ern São Luí s n ós d ois
Aumentará de tamanho c '
Estivemos mais tempo n o ar.
Será um avião e
Não está rnais tão longe. Agora vem
Descerá e
A I rlanda . depois ve rn P ar is.
Pelo carnpo virá um homem e
17 9
178

___________________ I
Conseg uiremos?
Nós do is? C air ia na água;
O p ró p rio vento
iYr% r em fUJlciontlJJl cnlo (R ádio l . Acaba r ia com ele. E q ual o homem que
Se ma n te r ia t an t o tempo no comando?
S A VIADO R E S - A lô! Onde
14 Fica a Inglate r r a?
PESC ADORE S ( RÁD IO) - M as p elo t11 en O S o lhe!
FINA Li\tEN<TE, PER TO D Para q ue olhar, se
1 .. A ESCÓC IA, OS AV IAD O R ES
.)ESCADORES
Un1J coisa des sas é irnposs ive l?
Os A VIADORES - Lá Agora su m iu.
E st ão barcos de pesca. Também não sei
Eles sa bem Corno é possi vel.
Onde fi ca a ilha. Mas foi ,
Al ô! Onde
Fica a Ing late r r a ?
()s PESCADORES (RÁDIO)' l '', stao
- cnarnando.
I
-
Esc u te!
O q ue é q ue es ta ria charnando? N A NOITE DE z t DE MAIO DE 1927 , AS 22 H ORAS , U;vlA iNtEN·
Es c u te, o baru lh o ! SA ;vlULTlDAO ESPERA VA O S AV IA DOR ES A tvl ER ICANOS NO
No ar AERO PO RT O "LE BOURGET", PERTO DE P j\RIS
Alg uln a coisa faz b a rulho!
E URO P A ( RA DIO ) -- Ele está chegando!
O q u e é que esta ri a f a ze n d o esse bar ul ho ? Um ponto ap ar ece
C)s A VIA DO R E 5 - Alô! O n d e No céu,
F ica a Inglaterra? Está crescendo , Ê
OS PESCADORES ( RÁDIO) - O" Ih' I" Um avião.
U ' . . .. . ,1 .1
. ma COIsas q ue voa rn ! Agor a desce ,
É um avião! Pelo campo vern
Como pode ser UOl avi ão ? U m hornern. E agora
Nunc a Nós o rccorrhcc eruos : é
l!
m a coisa des sas, fe l ta d e c o rd as, () aviador.
Farra pos de lona e aço, A t empestad e não O t ra gou
Poderia sobre voar as águas !
Nem a água.
Nenl mesm o um lou co
Seu m otor agüentou , e el e
Embarcaria nisso.
Encontrou o ca m in ho a té n ós.
Sinl p lesnl en te
El e c he go u .
180
18 1
16
De que algu rn hom em
CHEG A DA D OS AV IADORES AO A EROPOR T O " LE Tenha at r a ve ssac1o os ares voan do.
PERT O DE PA RIS
Mas nós nos erguemos. .
Ru mores de um a g ran de m ultidão ( R ádio) .
. .
Pr óximo ao 1n 1 d O )., .,, rmle n io d e no ssa eLl

Ergue-se nossa
OS A VIADORES - Eu sou Fulano d e T al, Por favor, levcm_
Para um hangar escuro, onde Ingeri uidade de aç o, ,
Ninguém possa ver o que é poss ivel
Minha fraqueza natural. Sem nos deixar esquecer: _ , .1

Mas comuniquem aos meus cama rnd n; da O que ainda não t01 a l c a n ç a li o.
de San Diego A isto é dedicado est e re la to .
Que seu trabalho foi born.
Nosso moto r agüentou ,
() trabalh o d eles n ã o t e ve fa lhas.

J7

RE LATÓRIO SOBRE O Q UE AINDA N ÃO FOI A LCA NÇA D O

R ÁDIO E AVIADORES - No tempo ern que a hunlanidade


Começava a se conhecer,
Nós construímos veículos
Com madeira, ferro e vidro,
E atravessamos os ares voando.
Por sinal, a urna velocidade
Superior em mais do dobro à do furacã o.
E na verdade nossos motores eram
Ma is fortes que cem cavalos, mas
Menores que cada um deles.
Durante mil anos tudo caiu de cima para baixo,
Com exceção dos pássaros.
Nen1 mesmo nas mais antigas pedras
Encoruranlos qualquer indício
182
183
' n te" ern in únl e1'O , C f''' sc ist 'l L desern-
N()TA SOBRE C) VC)() SOBRE () ()CEANC) para Ilsa . s. pal ses. JonlO . . . ,
.h , "
. os Es-
'

enhou igualrneri t e um . s»:


No caderno I d os VcrslIche ( E n saios) , escreveu Pados Unidos. Por isso, o cirulo da peça
trnca . -1' ficado para• O ' l /OO sobre1" o
. . d ever a. se r n10Ul , U1J/ O ,
(h
"O L'ÔO sobre o oceano (para o qual existetn I11úsic
.
é lmpreSCltl. d 'n .c 1 r ran
' .. srnit
, ir o P r ólogo e e no
Paul Hindetnith e Kun \V'eill ) , p eç a didática radí
nica para rap aze s e moças c não J narração da trav texto, o nome de Lindbergh.
do Atlântico num avião, represcnr., tambéul uma . Em 1 ( A p elo geral) substituir: " A do
cativa inédita de utilização dos recursos do rádio: 1. pe Io capitao
no . - L me
' ibe rg" " por
. " ' e e j \ pr 'iru erra
. t L a vess
' ia , ,1 '

a poesia como maréria para ex erc íc ios didát icos. Esta aérea d o oceano". , ,
é certamente a rnaneir a mais importante de utilização 2. Em 3 (Apresentação dos e : ',,)
r ád io, mas sern dúvida se inse re ern toda uma série substitu ir: "Meu nome é Ch arles Lindbergh p o r : Meu
ex p e ri ên cias que clnl inharn ne ste sen t id o". n ornc n ão interessa". .
Em d ezem bro d e 1949 a r ád io d e Stu ttgart (C) E (Durante t odo o v ôo não c essnv am de l,a -
10
tscber Rundjullk ) p ediu a Brecht autori zação », nl, b" " , "Eu sou Charles Li n dbe rzh . Por f a-
t r ansrnitir (J l 'ÔO d e Liud bergh, Brecht respon deu c ' lar . . . ) su st iruir : .. .: . . . . . " 1) "'- r
· ."
vo 1', 1cvc rn -rne por . .. <tEu "O U Fu lano de Tal. ( h avor ,
a carta abaixo. tarde, corno respost a a
[everu-rnc " .
pedido de tran smissã o, esclareceu que esta
im plic av a necessariamente o bede c er às 1110difíc'lções Se esta ve rsao - Ih es convr ern
' , I ra. da t enho co ntraI a apre- r
t idas nesta c a r t a. Para a impressão da p eç a Brechr sent aç âo da peça. Est as m odificações p odem J dter1a:. '11-
. - (O
geirarnente o poema, mas a su p ressao 1 n O lue ' e .UH -
minou a substituição de ( )s LiJldber gb p or () s
dores. O texto deveria vir sem p r e acomp anhado de ber gh servirá de lição.
carta ao Siiddeutscher RUlldfunk, be m corno de C o rdi ais sau d aç ões
"Prólogo",
Seu
( assin ad o ) Bcrtolt Brccht
A CARTA
Berlim, 3 .1 .1950
Ao Süddeutscher Rundfunk
Stuttgart. N. B. - Se os tí tulos forem ::nantidos,
é preciso que também neles le ia-se sempre "Os
Prezados Senhores:
a viadores".
Se os senhores tencionam transmitir () L'ÔO de Líndbergb
em uma retrospectiva histórica, devo lhes pedir que pro-
cedam a transmissão de um Prólogo e que se façam
algumas pequenas modifrcaçôes no texto. É sabido que o PRÓLOGO
Lindbergh manteve estreitas relações com os nazistas; . - o dc ()
Prólogo, para ser lido antes'd a tr ansrmssa .w -
seu relatório entusiástico naquela ocasião so b r e a inven- bre o ocean o:
cibilidade da Força Aérea nazista provocou um efeito
185
184

...
Vocês ouvirão
O relato do prirneiro vôo sobre o oceano,
Em maio de 1927. UIn jovem
o realizou. Ele triunfou
Sobre a tempesrnde, o gelo e as águas vorazes.
treranto,
Que seu nome seja apagado; pois
Ele, que se orientou por sobre águas extraviadoras,
Perdeu-se no pântano de nossas cidades.
gelo
Não o venceram, mas seu semelhante
venceu. Uma década
De glória e de riqueza e o m.ise ráve]
Ensinou os carrascos de Hitler
i\ pilotar bombardeiros nlOrtiferos. Por
Seja apagado seu nome, Mas
Lernbrern-se : nem a coragern nem o conhecinlento
00$ motores e das cartas náuticas inscrevem o
N"t a epopéia.
A peça didática de Baden-Baden
sobre o acordo
No caderno I dos Versucbc (Ensaios), () sobre
oceano termina com o "'Relato do inatingível", onde
lê no final: "Sem nos deixar esquecer o .
Num.a nota de rodapé no início da Peça didática
den-Baden sobre o acordo. Brechr recomenda: "No
meiro Ensaio) a colocação da palavra 'inatingível'
está correta. Deve-se corrigi-la para: que ainda não
foi alcançado'H. De acordo com esta nota de Brechr, a
linha em questão e o título correspondente foram alte-
rados. Portanto a nota de rodapé da Peça did ática de Das Badener Lchrst iick vorn Einverstindnis
Baden-Baclen pode ser dispensada.
Escrito em 1929
E"'.strera:
""8 s: ( . 7 • ·19')9
..... em Baden-Badcn

Tradução: Fernando Peixoto


186
PERSONAGENS:
O AVIADOR
Os TRÊS NICOS
O LÍDER DO C O R O ( C H A NTRE)
O NARRADOR
TRÊS PALHAÇOS
C ola bo radores: S. Dudow, E. HaUptn1ann
o CORO
fundo de u m estrado, cujo tamanho depende do número
particijJanfes, cstd o Coro. Li esquerda, a orquestra; iim-
111 à esquerda, em, prinleiro Plt:U10, uma mesa, na qua] estão
o regente dos músicos c dos cantores, o Líder do
(cban Ire) e o Narrador. ()s can lores que in tcrp reIam
Quatro itt'iadores Acidentados estão sentados nu m banco
escola, no primeiro plano ti direita. Para maior clareza de
possiue] colocar, no estrado ou ao lado deste, os es-
de li m aviâo.

DO v óo
QUATRO i\. VIADORES rernpo ern que a
manidade
Começava a se conhecer,
Nós construímos aviões,
Com macieira, ferro e vidro,
E atravessamos os ares voando;
Por sinal, com uma velocidade
Superiorenl mais do dobro à do furacão.
E na verdade nossos motores eram
Mais fortes que cem cavalos,mas
Menores que cada um deles.
Durante mil anos tudo caiu de cima para baixo,
Com exceção dos pássaros.
Nem mesmo nas mais anrigas pedras
Encontramos qualquer testemunho
De que algum homem
Tenha atravessado os ares voando.
?vlas nós 110S erguemos.
Próximo ao fim do segundo milênio de nossa era
Ergueu-se nossa
Ingenuidade de aç(),
191

•••••••••·•• ·.. w.u.w


iVIost ran do o que é possi vel
Que ve nham ao n osso encon t ro c
Se m nos deix ar esq u ece r:
Q u e nos dêe m água) .
O q ue ain d a não foi alc anç ado . E um travesseiro p ara apo iarmos nossa cabeç a )
E q ue nos aj u de m , pois
2 N 5.0 quere mos morrer.

A Q UEDA o CORO dirigindo -se à A'fultidiío - Escutem: quat ro


h om ens
O LÍDER DO C ORO [a la aos Acide n tados - Não voem Pedem seu socor ro.
agora , Eles
Já não é ne cessá ri o que se t ornem m ais veloz es. Voar am atra v és d os ares e
O nível do solo Caí ram ao solo e
Para vocês, agora , Não querem morre r,
É sufic ienternen te to. Por isso pedem
Basta ( ) seu socorro.
Q u e permaneçam im óveis, Aqui ternos
Não m ais em ci m a, sobre nós, Um c álice com água c
Nã o mais longe, a n ossa f ren te , U Dl t ravesseiro ,
Não mais em sua carreira , Mas digam -nos
1-1a5 sim imóveis, Se devemos ou não ajudá -l os.
Digam-nos qu em são. A responde ao C oro - Sin1.
O CORO à Íyf ul tid ão - Ele s os a juda r an1?
Os AVIADORES ACIDENTADOS respondem - Nós p art ic ip amos
dos t r abalhos dos nossos cam aradas. A Ivlu LT ID.Ã.O _ . N ão .
Nossos aviões se t ornaram melhores, ( ) NA R RADOR diri gindo- se á lvfultidão - Sob re est es co rpos,
'Voam os cada vez m ais alto, que já se esf ria m, investigaremos se o homem cos t urna
O mar f oi ven ci do, aj udar o ho me m.
E eis que as m ontanhas já fi caram ba ix as.
Fomos d ominados pela febre
D o petróleo e da construçã o d e c idades.
Nossos pensamentos eram máqu in as e 3
Luta pela velocidade.
IN Q UÉRIT O S PA R A SA BER SE O HO:vI EM AJ U DA O I,,{ Oi\í EM
Com a luta esqu ec emos
O nosso nome e o n osso rosto, Primeiro I nqu érit o,
E com a pressa da partid a O LÍDER DO CORO se adian t a - U n1 de n ós atravessou o mar e
Esq uec emos o objetiv o de nossa pa rt ida. Descobriu um nov o conti ne nte.
Mas n ós lh es im p lo ra mos
Mas m u it os depo is d ele
!92 19 3

_ _ _ _ _ _ _ .
Lá coris t r ui r am grandes c idades c om A p resen t am-se i.in te foto g rafias que mostram corno, em nossa
Muito esforço e inteligênc ia. ép octl, os h om ens são m assac rados pelos bo m eu s.
() CORO retruca - Nem por isso o pão ficou mais barato.
A g rita - O homem n âo ajuda o h ornern!
O L íDER DO CORO - Um de nós construi u U111;} m áquin .,
Cujo v apor ac iona urna roda , e essa f o i
.A. rnâe de muitas outras máquinas. T erceiro l n q u r r ito .
Mas muitos trabalham nelas O LÍDE R DO COR O d irigin do- se a l\:fult ídâu - O bserve m o
Todos os d ias. nosso n úrn ero d e palhaços, no qu al
() CORO retruca - Nenl por isso o pão ficou ma is barato. Homens ajudam uni homem!

() LÍDER DO C ORO - Muitos d e nós m ed ir a r arn Trê s p alhaços de circo sobem ao estrado; u m dele,: , cha mado
Sobre o rno v irnen t o d a T er r a ao red o r d o SoL so b re Sr. Scbmitt, é um gigan te . Eles f alam em UOZ lJlu!f o alta.
O int im o do hom em , as leis PRtM E IRO - U rna bela noite est a, 11.1 0 é Sr. Sc h rn itt ?
G er a is, a com posiç âo do ar,
SEG UNDO - O que o sen hor d iz da n oite, senhor Schm itt ?
E so bre os peixes a b issais.
SR. Nã o acho bo n it a.
-
E descobri rarn
- O senhor não quer se sentar, senhor Schrnit t ?
Grandes coisas.
SEGUNDO - Aqui está urna cadeira , sen h o r Schrn itr. Po r qu e
( ) CORO retrll ca- Nenl po r isso o pão fic ou rna is bar ato. o senhor nã o res pon d e ?
Pelo contrário,
PRIM EIRO - Você nã o está vendo ? O senhor Sc h mi tr q uer
A m is ér ia au men tou e m nossas cidades,
f ic ar o lh a n do a lu a.
E já há muito tempo
SEGU N DO - Me diz UlTIa co isa. Por q ue é q U é você est á sem -
Ninguém mais sabe o que é u m horne rn .
pre pux ando o sa co do Sr. Schm itt? Isso in cornodu o se-
Por exemplo: enquanto vocês voavarn, rastejava nhor Schmitt.
Pelo chão algo semelhante a voc ês ,
- Porque o senhor Schmitt é muito fo r te . É por
Não como UOl homem!
isso que eu fico puxando o sac o dele .
O LÍDER DO C ORO dirigindo-se á lVI u l tid âo - E n r âo , o ho- SEGUNDO - Eu tamb ém.
rnem ajud a o homem?
PRIMEIRO - Peça ao senhor Schrnitt para que se sente aqui
A Mu rcsbonde - N âo. conosco.
SR. SCHMITT - Eu não me sinto bem hoje.
Segundo Luqucrito. PRIMEIRO - Então o senh or t ern que se d istrair. sen ho r
Schrnitt.
O LÍDER DO CORO dirigindo-se à fyflllti d ão - ObSerVClTI estas
imagens e d epois digam SR. SCHMITT - Eu acho que eu não p osso mais me distrair.
Que o homem ajuda o horn ern! Pausa.
194 195

- - - - - - - - - - - - - - _........
C o rn o é que está a minha cara? Serram-lh e () jJé esq u erd o.
PR I MEIRO - R osada, sen ho r Schm itr, sem p re rosada. SR. S CH i\lIT T - U rna beng,tla, por favor.
SR. SCHMITT - Olhem, pois eu pensei que estava pálido.
PRIMEIRO - I sso é cur ioso. O sen h o r di z que pensou Dão a ele u m" beugalc1 .
est av a p ál id o? Olhando par a o senhor ag ora, não posso PRIMEIRO - E ago ra, está conseg u in d o fica r de pé, sen hor
negar que eu tamb ém acho que o senhor está com Schmitt?
rosto pálido. SR. ScHMtTT - Sim , do lado esquerd,o. tvlas têm que
S EG UNDO - Já que o senhor está assim , sen ho r .Sc h rni rr , se m e d ev olver o pé. E u nã o gos t a r ia de perd e- lo .
fosse o sen h or, eu m e sen t av a. PRI!'t-1EIRO - Pois não , se o senhor não con f ia, . .
SR. S CH MITT - H oje cu não quero me sentar. SEGU NDO - A gen te também podi a ir anda n do. ' .
PR L\'1EIRO - N ão, não. Nã o sen t e, de man eira SR. S C H i\HTT - N ão , n ão . .A go ra voc ê s t êm que ficar aqui ,
mel h or fic ar d e pé. por q ue eu n ã o posso m ais anda r sozinho.
SR. S CH:\UTT - Por que você ac h a q u e eu de vo fi car de pé?
PRIM EIRO - Aqu i est á o pé.
P RI M EIRO p arti o Seg un do - H o je ele n ão pode se sen t ar,
p orque senão ele é c a p az d e n ão consegui r se levantar O senhor S cb mit t segura o pé debaixo do b raço.
nunca mais. SR. SCH i\-H TT --Ago ra, a m inha beng ala c a iu .
SR. S CHMITT - Meu Deus! S E GU N DO - Em cornpcnsa çâo, o sen hor já t em o seu p é de
PRI:iVfEIRO - Ouviu ? Ele m esmo j á est á en t endendo. Por isso vo lta .
o sr . Schmitt prefere fi c ar d e p é.
SR. - Sabe, eu acho q ue o meu pé esquerdo est á me O s dois riem ruidosame n te.
doendo um pouco. SR. S CH MIT T - Ago r a cu n ão p osso fi car de p é m esm o. E é
PRIM EIRO - D ói muito? claro q u e ago ra a ou tra per n a t ambém começa a d oer.
SR. com dor - Con10? PRIMEIRO - Sen1 dúvida .
PRIN!EIRO - Dói muito? SR. SCHMITT - Eu não queria in c o rnod a r vocês mais do
SR. SCHMITT - Sim, dói bastante. , . o necessário, mas sem a bengala eu não posso me a r r an ja r .
SEGUNDO - É de ficar em pé. SEGUNDO · - En1 vez de pega rrnos a bengala , far i arnos melhor
ern serrar a o u t r a perna , que lhe dói tanto.
SR. - Bem, será que eu devo nle sentar?
SR. S CHMITr - É. Talve z melhore assim.
PRI:\IEIRO - Não, de jeito nenhum. Isso nós ternos que evitar.
S EGUNDO - Se o seu pé esque rdo está doendo, só tem um Serram a outra perna. () sen ho r Scbmit t caí .
rem édio: fora com o pé esquerdo. SR. S CHMI TT - Agora eu não consigo m ai s me levant ar.
PRI1\lEIRO - E quanto mais rápido, melhor. PRIMEIRO - Is so é horrível. E eraju starnente isso que nós
SR. SCHMITT - Bem, se vocês acham. . , quer iarnos evitar: que o senhor se sen t asse.
SEGUNDO - Claro. SR . S CHMITT - () qu ê?

196 19 7

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ ."";...-:>M
SEGlJ NDO - O senhor não coriseg
. . ue mais se 1evanrar. senho' r SI', SC1IMITT - Obrigado. Vocês estão se incomodando de-
Schrnitr. . .
111a15 C0t111g0.
SR. SCHMITT-N ão me digam
<
isso nle
[·SSO.
",.
i"
. (OI. PRIMEIRO - 80n1, senhor Schrnitt, aqui está tudo o que lhe
SEGUNDO - () que é qure e'l'• nao
,- d evo mais . cl'
. izer? perrencc. Ninguém mais lhe tira.
SR. SCHl\HTT - Isso, , .
põem no seu colo todos os membros que lhe for,nn arranca-
SEGUNDO
. -- Que o ,senl.10r
. nao- consegue 111alS se lcvan tar?
dos. O Sr. Sclnnit t os observa.
SR. SCHMrrT - Você n ão pode caiar a boca?
SR. SCB!vUTr- É estranho, estou com uns pensamentos tão
SEGUNDO
, _. Não
" senhor. Sc hmi '1 as eu posso desatarraxar
1mltt, 1V desagrudáveis na cabeça. Por favor - ao Primct ro '-, di-
,1 orelha para que assim o senhor não me
ga-IueaIgurna coisa agradável.
OUÇ.l quando eu disser que o senhor não consegue se I c,_
vanrar. c PRI!\IEIRO - Com prazer, senhor Schrnitt , o senhor quer ou-
SR, SCHMITT - talvez seja melhor, vir urna história? Dois homens saem de urna taberna. Ai,
eles começam a brigar e a atirar bosta de cavalo um no
Eles desatarra.'çanz sita orelha esquerda. outro. Um deles acerta corn a bosta na boca do outro,
SR, SCH,MITT fbara
À •
f) Pri meiro
' , ' -
.'[ ...\ gora
. eu 50' posso escutar ao que este diz: "Pois bem, esta vai ficar aqui, até a
voce, () Segundo passa turra o outro lado. Por frvo ' policia chegar".
orelha! Furioso. E por favor me dêem tarnbé '. r,.l
d . ' .'.... <, em a segun-
a perna, que esta me faltando. Isso não é jeito de tra- o Segundo ri, mas o senhor Scb mitt não ri.
tar um honlen1. doente. Devolvanl os SR. SCHMI'T'T - Esta não é urna história bonita. Você não
membros extraviados a mim, seu leg i tirno proprietário.
podia me contar uma história bonita? Con10 eu já disse,
a outra jJerna debaixo do braço do Sr. Scbmiit
epoem a orelha no seu ("010'.• r: estou com uns pensamentos desagradáveis na cabeça.
L ,tem
. . , . ....<c
1'1.1·'"
1 ,» .," 'es pre-
se '"'OC,"
tendem
1 ". . fazer hora 'o ,. . h '"
. "".. c m a rrun a cara, voc es estão com- PRI1\.lEfRO - Não, senhor Schmit t, infelizmente, fora essa
p etarnente . <, O que é que está havendo agora COHl história eu não sei contar mais nenhuma.
o meu braço? SEGUNDO - Ora, a gente podia era serrar logo a sua cabeça,
SEGUNDO - " rque."o sen 1IOr
Deve ser" po .esta
' carregando toda já que o senhor está com pensamentos esquisitos dentro
essa tralha aí! dela.
SR.
.. SCHMITT baixn - Claro Vocês poder',1<1n1 111e"]' - d e,1.ar
a lV1ar SR. SCHMITT - Sim, por favor, talvez isso ajude.
SEGUNDO
, -" . Ora , <
a "gente
. . . : . "podila era tirar Jogo o b raça todo, o
que serra bem melhor. Eles lhe serram a parte superior da cabeça.

SR. Bem por fa "or" Corno está se sen rindo agora, senhor 5ch011 tt?
-
SCHMITT - , ,se voces ac 11am. , .
"" y

SEGGNDO - Claro, Mais aliviado?


SR. SCHM.lTT - Sim, muito mais. Agora eu me sinto muito
Serram-lhe u braço esque rdo, mais aliviado. Só que estou corri muito frio na cabeça.
19R 199

.-:----------- lE1!:e·,lfs.D
SEGlJ N DO - Entã o ponha o chapéu. Grita. Ponha O
4
SR . - N ão co nsigo pegá-lo.
A REC USA DA AJ UDA
SEGUNDO - O senhor quer a bengala?
O CORO - Quer d izer então qu e eles não devem ser ajudados .
SR. SCIL\HTT- Sim , por favor. Tenta pescar () clu/Jéu com Rasgaremos o travesseir o c
a bengala. Agora, a bengala c aiu e eu nã o co nsigo alcan- Jogaren10s fora a água.
çar o chapéu. Estou sen t in do muito fri o.
SEGUNDO - E se nós de satarrax ássemos a cabeça? O Narrador rasga () tra vesseiro e joga fora a água.
SR. S CH MIT T - Bem, eu não sei . .. A N1\.JL lê para si m esmo - Cerranlentevocês j á obs er-
PRI MEIRO -.- C la ro . .. varam
A a juda em m ais de um lugar,
SR. SC H .\'1 1Tr - Re almen te, e u já n ã o sei m ais na da. Sob diferentes form as. G erada por urn est ado d e COisas
SEG UNDO - Por isso l11e5n10. Que ainda nã o c onsegu ilnos dispen sar :
A violência.
D esatarrax am- lb e a cabeça . () sen hor Scbmit.t cai de cosi as. C ontudo, nós os aco nsel hamos a enfren t a r
A cruel realidade
SR. SH MI TT - Es pe re m ! Un1 de você s prec isa p ôr a mã o na
C om urna crueldade ainda m aior. E ,
minha t est a. Abandonando o estado de coisas que gera a necessid ade ,
PRIM EIRO . - Onde? Abandonen1 a necessidade. Portanto
SEGU NDO .- Um de vocês preci sa segurar minh a m ão. Não contem com ajuda:
Recusar a ajuda supõe a violência.
PRl.\1EIRO - Oride? Obter ajuda também supõe a vio lência.
SEG UNDO - O senho r ago ra se sente m ais aliv iado, senho r Enquanto a v iolênc ia impera, a ajuda, ser .' :
Schmitt? Quando não mais imperar a viol ência, a ajuda n ao mais
SR. SHMITT - N ão. () problema é que cu est ou deit ad o de ser á
costas sobre uma pedra. Necessária.
Por isso, em vez de reclamar ajuda, é preCISO abolir a
SEGUNDO - Ora, sen hor Schrnit t , t ambém nã o se pode ter
violência.
tudo. Ajuda e violência constituem um todo ,
E é este todo que é preciso rrnnsfor mar.
Os dois riem ruid osamente , Fim do núm ero dos palhaço s.
A grita - O homem não ajuda o homem.
O LÍDER DO CORO - DeVClTIOS rasgar o travesseiro? 5
A Mur, TID.:\O - Sim. A DELIBERi\Çf\O
O LÍDER DO CORO - Devemos jogar fora a água? O AVIADOR ACIDENTADO - C amaradas . nos
A lvfuLTID.:\O - Sim. Vamos morrer.
200 201

..... %
O s TRÊs iv1E CÂN ICOS A C ID E N TADOS - N ós sabe mos que Va- . Os Não nos resta mu it o tempo,
A C ID E N T A DO S -

mos morrer , ma s N ão po de mos ap render m ui to m ais.


E você, sabe? O CORO - Se vo cês t êm pouco tem PO,
Ouça, então: T êrn tempo o su fic iente,
Você morrer á de qualquer Jeit o. Porque é f ác il a p render o certo.
Sua vida é arrancada .
Seu mérito é apagado. O N arrado r d estaca -se do Co ro co m u m liiro. /v proxi ma-se
Você morrerá por si mesmo. dos A cide n t ad os, sell t a-se c lé trechos do comen t á rio.
Ninguém olhará para você. O NARRADOR - 1. Quem arranca algo, seg ur ar á algo. E a
Finalmente, você morrer á. quem algo é arrancad o, também ele o seg ura rá. E quem
E assim também nó s morreremos. segu ra algo, de le algo ser á arrancado.
Aquel e de n ós que 1110 1're , abandona o q uê ? N Cio abando-
n a apen as a su a mesa ou a sua ca ma! A q uele d e nós que
6 morre, também sa be : aba ndono t ud o () qu e exi ste e do u
mais do que t en ho. Aquele de nós q ue morre, aband ona
CO N T EMPL AÇ AO DOS MO R TOS a ru a que conhec e e também a q ue não co n hece . As r i-
quezas que possui c t amb ém as que nã o possu í. A pró-
O NARRADOR - Contemplern os m orros!
pria m iséri a. .A. su a própria mã o. Corno en tão, quem nã o
lYfostram -sedez grandes fot ografias de mor to s. Logo depois, est iver exerc it ado nisso, poder á lev anta r U111:l pedra?
diz o Narrador: "S egunda Conlem plaç ão dos Nfo rfos" , 1110 5 - Con10 poderá le vanta r urna grande pedra ? Corno, quem
tram -se mais uma v ez as mesmas fotografias. não est iv er exercitado no abando no} aba n do na rá a sua
Depois de terem contemplado os mortos) os Acidentados co- mesa? Ou como abandonará tudo aqu ilo que possu í c
meçam a gritar: t ambém o que n ão p ossui? A rua que conhece e ta m -
bém a que não co nhece ? As riquezas que possui e t arn -
OS ACIDENTADOS -Nós não podemos morrer!
b érn as que não possui? A própria miséria? A sua p ró-
pria mão?
2. Quando o Pen sador se viu numa violenta tempest ade,
7
estava sentado num grande veículo e ocupava muito es-
LEITURA DOS COMENTÁRIOS paço. A primeira co isa que fez foi sair do veículo, a
segunda fo i tirar seu ca sac ão, a terceira foi deit ar-se n o
O CORO dirigindo- se ao s A ciden t ad os - Nã o podemos aj u- chão. Assim ele venceu a tempestade reduzido à su a n1 C-
dá-los, nor dimensão.
Apenas urna indicação,
A penas uma atitude,
Os A CIDENTADOS per guntam ao Narrador - E assim ele so-
Podemos lhes dar. breviveu à tempestade?
Morram, mas aprendam. O N ARRADOR - Reduzido à su a menor dimensão, ele sobre-
Aprendam, mas não aprendam errado, viveu à tempestade.

202 20 3
( ) s ""t \C IDE N T A DO S - Reduzido à su a me nor di m ensã o, ele o C O RO - A q ue altu r a voa r arn ?
br eviveu à te m p estade. Os TR ÊS :NIECi\N ICOS .l\ C IDE N T ADO S - E rguemo-n os UlTI pou -
O N AR RADOR - 3. P ara a ju d ar UITl homem a acei tar a co ac ima do solo.
o Pensador interv en ien t e p ed iu-lhe que se despoj asse O LÍDE R DO CORO dirigindo -se ti Nful tid áo - Eles se erg u e-
todos os seus bens. D epois de ter aband onado tudo
r , ram U111 p ouco ac irna do solo .
hornem 50 r est ava a v ida. Aband on a m ais um a coi sa, dis- O AV I A DO R A C IDE N T A DO - Eu vo ei a \H11a altura extraord i-
se- lh e o Pensador.
n ári a.
4. Se o .Pensador ven ce u a tempest ade, ve n c eu - a porque · O CORO - E ele voou a urna altu ra ex t rao r di n ria. á

conhecia a tempestade e estava de ac o rdo com a t em-


pes t ade' .Portan t o, se quiserem su pe r ar a m orte, é pre- 2
ciso conhec er a m orte e est ar de acordo com a mo rte. O C ORO - Foram en a ltec idos?
Mas aquele que p rocura o acordo de ve rá pref e rir a
O s TRÊs !'v1ECÂNfCOS A C JDENT:\DOS - N ão f omos enaltecidos
p o brez a. Nã o dev e estar p reso às coisas! A s coisas podem
ti suficien te . .
ser tir ad as e aí não h averá acordo. T arnb ém não deve
estar preso à v ida! A v id a p ode ser tirad a e a í nã o h averá O C ORO - F o r am enaltecidos ?
aco rdo. T ambém não dev e estar preso ao s p en sam entos, Os :NIEC1\NICOS AC IDENTADOS - Fornos en altec ido s.
porq ue t ambém os pensamentos p oder ã o ser tirados e a í O C ORO - Foram enaltecidos?
t amb ém nã o h averá aco rdo. Os TRÊ.s A CI DEN T A DO S - Fon10S suf icÍenten1en -
te en alt eci dos.
O C O RO - Foram enaltecidos?
8 Os TRÊS lvfEcÂ. N IC05 ACIDENT/\DOS - Fornos muit issirno
enaltecid os.
o EX A M.E O LÍDER DO CORO par« ti Nfu ltidão - Eles f oram rnui t issimo
o C oro exam ina os Acide n ta dos em, pr esen ça da i\1u ltid ão. enal tecidos.
OA VI ADO R ACIDE N T A DO - Eu não f ui su fi ci en te men te enal -
1 tecido.
O CORO - A que altura voaram? O CORO - E ele não fo i su f icie n te men te en'lltecido.
Os TRÊS .i\fECÂNICOS ACIDENTADOS - Voamos a urna altura
extraordinária. 3

O CORO - l\. que altura voaram? () CORO - Quem são voc ês ?


Os TRÊS ACIDENTADOS - Subimos a quatro mil Os 'T RÊS 1tlECÂNICOS A CIDEN TADO S - Sor110 5 os q ue sob re-
metros de altura. voaram o oceano.
O CORO - A. que altura voaram? O CORO - Quem são voc ês?
O s TRÊS MECÂNICOS ACIDENTADOS - Voamos a uma grande Os ACIDENTADOS - 5 0 n105 al gu n s de você s.
altura considerável. () C O R O - Que tn são vo cês?

204

..
" -
. ..
O s TRES lvlEC..\NICOS A CIDENTADOS - Nã o somos ningué ' o AVIADOR ACIDENTADO - NL1S eu. corn m eu vôo ,
O LÍDER DO CORO para a l-r'!ulfidão - Eles não são ninguétil. Atingi minha maior dimensã o .
Tão alto quanto eu voei .
O 1\ VIADOR l \ C IOE N T Ano - Eu sou Charles N ungesser. '
Ninguém voou.
() CORO - E ele é CharlesN ungesser, Eu não fui enaltec ido o bastante, eu
4 Não poderei ser enaltecido o bastante.
Não voei por nada nem por ninguém.
O CORO - Quem os espera? Voei por voar.
Os ACIDENTADOS Ninguém me espera, eu
além-mar. Não vôo em sua direção, eu
a CORO - Quem os esp era? Vôo para me afastar de vocês, eu
jamais morrerei.
Os TR ÊS !vlECÂNlcosAcI DENTADOS - Nosso pai e nossa mãe
nos esperam .
() CORO - Quem os esp era?
9
Os TRÊS l\'fEC ÂNlCOS A CIDEN TADO S - Ninguém n os espera.
O L íDE R DO CORO irar a ti i\tf ul fi dâo - N inguém os esper a. ENALTECI MENTO E D ESAPROPRIAÇÃ O

o Coao - Agora, mostrem


O resultado de seu esfo rço.
() CORO - Entã o quem rn o r rer á , se vocês m orrerem ?
Pois só
Os Tn â s 1\tfECÂNICOS A CIDENTADOS - Aqueles que O resultado é real.
enaltecidos demais. Entreguem, portanto, o motor,
O CORO - Então quem morrerá, se vocês morrerem? As asas e o trem de a terrissagern. Tudo
Os TRÊS 1vlEcÂNlCos ACIDENTADOS - Aqueles que se ergue-
O que lhe permitiu voar, tudo
ram um pouco acima do solo. O que construíram.
Abandonem- no!
e) CORO -Então quem morrerá, se vocês morrerem?
O AVIADOR ACIDENTADO Eu não o abandono.
Os TRÊs :NfECÂNICOS ACU)EN TADOS - Aqueles que ninguém
O que é
espera.
O avião sem o aviador?
O CORO - Então quern morrerá, se vocês rnor re rern? O LÍDER DO CORO - Tomem-no!
Os TRÊs 1vfECÂNICOS A CIDENTADOS - Ningu ém.
O CORO - Agora sabeis:
O a vião é tirado dos Acidentados e le uad o para o outro canto
Ninguém do estrado.
Morrerá, se vocês morrerem . O CORO, durante a desapropriação, enaltecc os il cidentados -
Agora eles atingiram Levantem-se, aviadores. Vocês transformaram as leis da
Sua menor dimensão. T erra.
206 207
i . . " 1 ";)
Durante mi l anos, tudo caiu de cirn a para b aixo
. , C omo se t az ia para ve- o.
t ER CEIR O -
C om exceção dos pássaros. Q UART O - Dando-lhe um a oc u pa ç ão .
Nem mesmo nas mais antigas pedras OS QU ATRO - Quando ele é c ha mado, ele na sce .
En con r ram os qualquer testemunho Qu ando ele é transformado , el e exi ste .
IDe que algum homem Quem precisa dele , o co n hece .
Tenha atravessado os ares voando. A quem ele é útil , o engrandece.
Mas vocês se ergueram
SEGUNDO - E apesar disso ele nã o é n ingu én1.
Próximo ao fim do segundo milênio de nossa era.
O COR O junto com a Nfultidã o - Aquilo que aq u i Jaz sem
Os 'r RF.:S . \NICOS . A CIDENTADOS subitamen te apontam
par o Aviador Acide ntado - O que é isso, olhem! cargo
Não é mais humano.
O LíDER DO CORO rapidatn ente para o C oro - Entoem o "To, Morr a você não-mais-human o!
t alrn ente ir recon hc c iv el". O AV IA DOR Ac rDE NT ADO - E u não posso morrer .
O C ORO cercando o Auiador Acidellt,ulo - irre - O s TRÊS tvl ECÂ N IC O S AC IDE N TADOS - Você se afastou do
conhecíve1
curso das ág u as, homem.
Está agora o seu rost o, Você não esteve no curso das águas, ho mem
Gerado entre ele e nós. Poi s Você é muito grande, voc ê"é m u it o rico.
Aquele que de nós precisou
Vo cê é sin gu la r demais.
E de quem nós necessitamos, esse alg uénl
Por isso não pode mor re r.
Foi ele.
O LÍDER DO CORO - Este homem O CORO - Mas
Quem não pode morrer
Tinha um cargo
Também morre.
Mesmo que usurpado.
Quem não sabe nadar
Arrancou de nós o que precisou e
Também nada.
Nos negou o que necessitávamos.
Por isso seu rosto
Se extingue com seu cargo :
Ele só tinha um! 10

Quatro participantes do Coro discutem por cima dele . A EXPULSÃO


PRIMEIRO - Se é que ele existiu ... Um de nós,
SEGUNDO - Existiu. Com rosto, figura e pensamento ,
Perfeitamente igual a nós,
PR1MEIRO - Ele era o quê? Deve nOS deixar. Porque durante a noite passad a
SEGUNDO - Não era nirrgu érn. Foi marcado e,
TERCEIRO - Se é que ele era alguém . .. Desde hoje de manhã , seu hálito está podre.
QUARTO - Não era ninguém. Seu corpo se decompõe. Seu rost o,
209
208
Q ue e.rJ fJml1iar, já se torna desconhecido De acordo com a qual tudo sera
H"
.' E sperarnos
on1em ' f a1 l: nasco, . O mundo e a hun1anidade ,
Sua v.?z no lugar de sempre, Fale! Antes de tudo a desordem
Ele nao fala. Sua voz Das classes sociais; pois a hunlanidade se divide em duas:
A. Tão sai. Não
N .. tenha med ' ' , h ornem. Por érn,
. o agora, Exploração c ignorância.
deve partir. V á logo! ()s TRÊsNIEcÂNicos ACiDENTADOS - Estamos de .icord o
1 ao o e para trás, vá
corn a transformação.
Para longe de nós.
O CORO - E lhes pedimos:
O cantor que interpreta o Auia
1 dor deixa o estrado. Transfonnen1 nosso motor e aperfeiçoern-no ,
Façam aumentar a segurança e a velocidade,
Mas não esqueçam o objetivo na pressa da partida .
11 Os TRÊS 1Y1ECÂNICOS ACiDENTADOS - Aperfeiçoarcrnos o
motor , a segurança e
o ACORDO
A velocidade.
O CORO "dirisindo
.'\ -se aos . re"S 1M ecânicos
" A .id > , . 1 , , O CORO - Ahandonen1 isso tudo!
voces q - d cu f ntados - Mas
, _ ' ue estao e acordo COm o curso d "' ,, , O LÍDER DO CORO - Avante!
N ao voltem .
. .1 mergu
Ihar no Nada. COIsas,
" •_ O CORO - Quando tiverem melhorado o Inundo,
N ao. se deixem dissolver como o' sa I na água O
rra, rro, ' - •. O con- 1Y1elhorem, então, Ü Inundo melhorado.
A bandonem -no l
Ergam-se,
Morram sua morte corno O LíDER 00 CORO - Avante!
Têm realizado seu trabalho () CORO - Quando, ao melhorar ° mundo, tiverem comple-
Revolucionando uma tado a verdade,
Morrendo, não se preocupem com Completem, então, a verdad e con1plecHb .
A morte. Abandonem-na!
Mas recebam de nós a tarefa O LíDER DO CORO - Avante!
De reconstruÍr nosso avião. O CORO - Quando, ao corn plet ar a verdade, tiverem t r a ns-
Comecem!
fonnado a humanidade,
A fim de VOarem para nós, Transformem, en t áo, a humanidade rr.msforrnada .
precisarmos de vocês ,A ban d on en1- n a !
E no
' momento em que . or necessa. no.
. Pois
N os os O LÍDER DO CORO - Avante!
Exortamos a marchar con asco. E",conosco, O CORO - Transformando o Inundo, transfOr01CI11-se!
T .
ransformar não somente Abandonem a si mesmos!
U das leis da Terra, mas sim O LÍDER DO CORO - Avante!
A lei fundamental:

210 211
Aquele que diz SIm e
Aquele que diz não
Ópe ras escolares

Der Jasager und Der Ncínsager


Schulopern

Escrito em 1929/30
Estréia: 23 .6 .1930 em Berlim

T raduç ào: Luis Antônio Corrêa e


lY1arshall N etherland
Colaboração: Paulo César Souza
PERSONAGENS

o PROFESSOR
a 1V1ENINO
Baseada na adaptação inglesa de Arthur \V'ale)' do "N ô' Ja-
ponês "Taniko". A MAE
()S TRÊS ESTUDA NTE5
Colaboradores: E. Hauptmann. K. W'eilJ
O GRANDE CORO
QUE snv1

t
o GR AN DE CORO - O m a is irn po r t an te de t udo é aprender a
estar de acordo.
Muitos dizem sim, mas sem estar de ac ordo.
Muitos não são consultados, e muitos
Estão de acordo com o erro. Por isso:
O mais irn portarite de tudo é aprende r a est ar de ac ordo.

o professor está na blon o 1; a m àe e o m enino, n o lJlano 2.


O PRO F E SSO R - Eu sou o professor. E u ten h o uma escola na
ci d ad e e tenho u m alu no c u jo pa i m orreu. E le só te m a
mãe, que cuida dele. Agora , eu vou até a c asa deles para
. me despedir, po rq ue est ou de partida pa r a u rna viage m
às m ont.arihas. É que surgiu um a epi de nlia entre nós, e
na c idade, além das rno nta nh.as, m oram alg uns grandes
méd icos.

Bate 'UI porta. Posso entrar ?


O 1I.1EN IN O jJassdn d o do plano 2 para o jJlal10 1 -
Qu em é?
Oh, o professor está aqui! O professor ve io nos visitar!
() PROFE SSOR - Por que faz tanto tempo que você nã o v ai
à escola na cidade?
O .- Eu não podia ir porque miriha 111ãe fi cou
doente.
O PROFESSOR - Eu não sabia que ela também esta va doente.
Por favor, vá logo dizer a ela que eu estou aqui.
O MENINO grita em direção ao plano 2 - Mamãe , o profes-
so r está aqui.
A MÃE sentada no plano 2 - Mande en t rar.
a lv1ENINO - Entre, por favor.

O s dois entram Jlopltl11o 2.


2 17

. .

- - - - - - - - - - - - -- -- ---_._ - _ .
O PROFESSOR - Faz muito tempo que eu não ven ho o MENINO - É porq ue m in ha rn âe está d oente q ue
Seu filho diz qu e a sen ho r a tamb ém f ic ou doen te. E u quero i r com voc ê ) p ara
melhor agora? Buscar para ela rem édios e instruções
A :M AE - Infelizmente não estou nada melhor, já Com os g r an d es médicos, na cidade al ém d as mon tanhas.
agora não se conhece nenhum remédio para essa ....... ... O PRO FES SOR - Eu t enho que falar co rn su a m âe nova mente .
() PROFESSOR - l \ gente tem que descobrir alguma .: . .
Por isso eu vim me despedir de vocês: ama n h ã eu
Ele uol ta ao plano 2. O m enino escuta à porta.
partir para uma viagem através das m ontanhas em () PROF E SSOR - Estou aqui de nov o. Seu fil ho d iz que que r
ca de remédios e instruções. Porque na c id ad e, além vir con osc o. Eu expliquei que ele nã o poderia dei xar a
montanhas, moram os grandes m édicos, senhora so z in h a e doente e que, além disso, é urna via-
A - Uma caravana d e soco r ro n as m ontanhas! É ver- gern difícil e perigosa. É absolu t amen t e im po ssív el vo c ê
dad e, eu o uvi d ize r que os gran des m éd ic os moram vi r conosco, eu lh e d isse. M as ele r esp o n d eu q ue te rn que
mas t amb ém ouv i di z er que é u m a caminhada perigosa. ir à cidade, alé rn das mon tanhas , buscar rem édios e ins-
O sen ho r pret ende levar m eu fi lho? tr uções pa ra a sua d oenç a.
O - N urn a viagem c omo est a n ão se levam A - Eu ouv i su as pa la v r as. E não duvido do que o
crranças, meni n o d iz - que ele gostaria d e faz er a cami n h ada
perigosa C0111 o sen ho r . Meu filho , venha cá .
A r-.1 .ÃE - Bom, esp er o que o sen h o r volte com saú de .
O P R O F ES SOR - l\gora eu tenho que ir embora. Adeus. o menino ent ra 11 0 plaru» 2.
Desde o dia ern qUI?
Sai para o plano 1. Se u pai nos deixou,
O ME N INO seguindo o fnofe ssor, no 11ft/no I - Eu tenho q ue E u não t e nho ning u ém
d izer urna coisa. A não ser voc ê ao meu la do.
Você nunca saiu
A mãe escuta ti porta. De m inha vista nem do meu pensamento
O PROFESSOR - O que é? Por mais tempo que eu precisasse
Para fazer su a comid a,
O b fE N IN O - Eu quero ir com o sen h o r para as mon ra nhas.
Arrumar su as roupas e
O PROFESSOR - C on10 eu ja di sse à s u a m âe, Ganhar dinheiro.
É uma viagem difícil e O MENINO - É como a senhora diz. 1\135 apesar diss o nada
Perigosa. 'Você não vai poder me desviar do que eu pretendo.
Vai conseguir nos acompanhar. .Além di sso:
O .M E N I N O, A o PROFESSOR - E u vou ( ele va i ) f aze r
E
Como você pode querer abandonar
a perigosa caminhada
Sua fi ãe, que está doen te?
E buscar rem édios e instruções
Fique. É absolutamente Para a su a (a minha) doença,
Irnpossi vel você vir conosco. N a cidade al ém das m on tanhas.
219

________________________
Z:ll:',ftf,.;.'311
O G RA N DE CORO - Eles vi r am que nenh um arg umen r-, () - Eu tenho que dizer UH1a COi sa.

Podia dernovê-Io. O P RO I:ESSOR - O q u e é?


Então o professor e a su a m âe di ssera m O MENIN O - Eu não me sin t o bem .
Numa só voz: O P ROFE SSO R - P are! Q u enl faz urna v iagem C0010 esta n ão
O PROFESSOR E A - Muitos est ão de acor do com o po de di zer essas coisas. T aIvez você esteja cansado por
nlas ele não estar ncosturnado a subi r mon tunhas. P are e des-
Não está de acordo C001 a doenç a, e sim c anse um pouco.
Em acabar com a doença.
O GRA N DE CO RO - A mãe ainda d isse : Ele sobe no est rado.
A MÃE - Eu já não tenho mais f orças. Os TRÊS ES T U DA !'i T E S
- - Parece que o me n in o está cansad o
Se assim t em q u e ser. por ca usa da subida. Vamos pergun tar ao professor.
V á com o p rof esso r , a GRANDE CORO - Sim. Perguntem!
M as vol te logo. ()S TRÊS ESTUDANTES ao professor -
Nós ouvimos que o
men in o está cansado po r causa da su bida. O que há COIU
ele? Você está p reocupad o com ele?
2 O PROFESSOR - - El e não est á se sen rindo be m > é isso. Ele
está só cansado po r ca usa d a subida.
() GR ANDE CORO - As pessoas come çaram a viagem Os TRÊS ESTUDANTES - Então voc ê não está preocupado
Pa ra as m ontan has.
com ele ?
Entre ela s es t avarn o professor
E o menino. L onga pausa.
1:1a5 o men in o n ão podia su portar t anto esforço:
Ele forçou dem ais seu co raç ão, Os TRÊS EST U DANTE.5 entr e eles - Vocês ouv ir a rn?
Que pedia retorno imediato. O p rofessor di sse
N a alvorada, ao pé das montanhas, Que o m en in o est á so m en t e cansad o p or ca usa. d a su bida .
Ele quase não conseguia mais M as ele nã o est á fi c and o CO In um a aparência rnui to es-
Arrastar seus pés cansad os. t ra n ha ?
Logo depois da caba n a ve m a. p assag em estrei ta.
Entram 110 plano 1: o professor, os três estudantes e, por úl-
ti mo, o menino trazendo urn cantil. Só se pode passar po r ela
Agarrando-se à rocha com as duas mãos.
o PROFESSOR - A subida foi rápida. Lá está a primeira ca-
bana. Lá nós v am os parar um pouco. Tomara que ele não est eja doente,
()S TRÊS ESTUDANTES - Nós obedecemos. Porque, se ele não puder continuar, nós va mos t er que
D eixar o menino aqui.
Eles sobe111 Num est rado /10 plano 2. O menino detém o pro-
fessor. Eles g rit am e m direção ao plano 1, co m as nnaos fi ni concha:
221
220
Você está doente? - Ele não responde. - Va mos per- o PROFESSO R, qu e foi (l té o menin o no . I .- .-
g u n t a r ao professor. ate n ç ão ! Como você fic Ol: te ,e
Ao professor: Quando há pouco perguntamos pelo me- vamos ter que deixar voce aqui. Mas e Justo que se
nino, você disse que ele estava simplesmente cansado por ' 1e que ficou
gunte aque 1 .
doente se se deve voltar
.. . ' .
por
d _. sua,
cau sa da subida, mas agora ele está COD1 um a .cau sa.
_. E.. o costume exige , que aq uele que ficou oen t e
muito estranha. Olhe, ele até está sentado. responda: v ocês não devem vo lt a r.
C) P ROFESSOR - Estou vendo que ele ficou doente . Tentem a ME NINO - Eu compreendo.
carregá-lo na passagem estreita. O PROFESSOR - Você exige que se volte por sua causa ?
Os TRÊS ESTUDANTES - Vamos tentar.
O M ENINO - Vocês não devem voltar!
Os três estudantes tentem atravessar a passagcnl est reita" () .-. Então você está de acordo ern se r dei x ad o
car regan do o '11Zf JÚno. A " {mssage tn est reita" de ve ser COn s- aqui ? _ .,.
t ruída pelos atores com- estrados, co rdas, cadeiras etc., de tal O E u quero pensar. Pausa para rc/ lcx(lu, Sun , eu
\: IE N INO -
[orma q ue os três estudan tes possam passar sós, m as não ca r- estou de aco rdo .
regando a rneniuo .
O PROFES SO R grita em dir eção ao blano 2 - Ele resp ond eu
Os TRÊS E STUD A N TES - Nã o podemos passar com ele e t arn-
confo r rn e a necessidade!
b érn não podemos f icar com ele. Aconteça o que acon -
O. ..
GR A N D.
E CORO E OS TRI":'S E$TU'D .""N'
::.,', " L:_ nomo. me
.nro
. em
. . que
'
tecer, nós temos que continuar porque uma cidade in-
• -;< os trê s est u dan te s d escem ao 11lano 1 - Ele disse 51n L
teira está esperando o remédio que nós viemos buscar. É
ter rí vel ter que dizer ist o, mas, se el e não p ode vir co - Con ti n u em!
nosco, n ós vamos te r que dei xa r () m en in o aq ui, n as Os três est udantes pa ram .
montanhas. O PROF ESSOR - A go ra continuem, não parern ,
O PRO F ESSOR .- É verdade , talvez tenham que faz er isto. Eu Porque vocês dec id iram co nt inua r.
não posso me opor a vocês. Mas eu acho justo que se Os três estudantes ndo se mo ue m,
pergunte àquele qu e ficou d oente se se deve voltar por
() MENINO - Eu quero dizer urna coisa: eu peço q u e não
su a causa. Meu coração tem pena dessa pessoa. Eu vou . le , porque eu
m e deixem aqui , e sim me joguem no v ate
até ele e, com o maior cuidado, vou prepará-lo para o
se u destino. tenho medo de morrer sozinho.
Os TRÊS ESTUDANTES - Faça isso, por favor , Os TRÊS ESTUDANTES - Nós nã o podemos f azer ISSO.

O !vlENINO - Parem! Eu exijo.


Eles se colocam [rente a frente.
() PROFESSOR - \ loces
T d. ec!idiIranl "-"
co n t inu ...i r e de ixá-lo aq 1..11-
()S TRÊS ESTUDANTES E o GRANDE CORO - Nós vamos lhe
É fácil decidir o seu destino,
perguntar (eles lhe perguntaram) se ele quer
Mas difícil executá-lo.
Que se volte (que voltem) por sua causa.
Por émvrnesmo se ele quiser, Estão prontos para jogá-lo no va le?
Nós não vamos (eles não iam) voltar, Os TRÊS ESTUDANTES - Sim.
E sim deixá-lo aqui e continuar. - o. para o (.,\» i t rado
()s três estu.dan t es Írrum (> m enin (- I
' /0. plalio ?
-,

) ").,
222 .:. ... J
E;:coste a em nossos braços. AQUELE QUE 1)IZ NÃ()
N ao faça força.
Nós le vamos você com cuidado.
Os três est u dant es colocam () menino na parte p t . 1
esi ra -/0 I P' f . . . os erto r do
, . { c, ae e a sua ren t e, esco u dem cn ., do pú blico.
O fvl E N I N O Íln'i sÍl/el- Eu sabia muit bern r . O GRANDE CORO - O mais importante de tudo é aprender a
,\ '. . .• 1 o ern que nesta vi agem
i "1..rrrscava perder minha vida. estar de acordo.
Foi pensando em minha mãe Muitos dizem sim, mas sem estar de acordo.
Que m e fez a partir. Muitos não são consultados, c muitos
Tomem meu cantil , Estão de acordo corn o erro. Por isso:
Ponham o reméd io nele O mais importante de tudo é aprender a estar de acordo.
E levem para minha mãe,
Quando vocês voltarem. O professor está no plano 1 ; a-màe e o m enino, no plano 2.
O GR.ANDE CORO - .EJ f1 t ao - .
os amigos pegaram o cant il O PROFESSOR - Eu sou o professor. E u tenho uma escola n a
deploraram os tristes caminhos do m und o cidade e tenho um aluno cujo pai morreu. Ele só t em
duras leis amargas, a mãe, que cuida dele. Agora, eu vou at é a casa deles
E Jogaram o menino. para me despedir, porque estou de partida para uma via-
Pé com pé, um ao lado do outro gem às montanhas. Bate naborta. Posso entrar?
Na beira do abismo ' C) ME NINO passando do plano 2 para o plano 1 - Quem é?
De olhos fechad os, ei es joga ra m o m en ino Oh, o professor está aqui! O professor veio n os v isit ar!
m ais culpado que o ou t ro. ' () PROFESSOR - Por que faz tanto t empo que você nã o v ai
E jogaram pedaços de terra à escola na cidade?
E umas pedrinhas O M E NI NO - Eu não podi a ir porque m inha mãe f icou d o-
Lo go em seguida.
ente.
It O PROFESSOR - Eu n ão sabia. Por f avor, v á log o d izer J ela
que eu estou aqui.
j O M E N I N O grita em direção aoplano 2 - Mamãe, o professor
está aqui.
A MÃE sentada IIUI'na cad eira de madeira no jJ[aJlo 2 - Ma n -

I
de entrar.
O MENINO - Entre, por favor .

Os dois entram no plano 2.


O PROFESSOR - Faz muito tempo que eu não venho aqui.
Seu filho diz que a senhora tem estado doente. Está me-
Ihor agora?
224
A MÃE - Não se preocupe com a minha doença, não há de () - Si nt o
ser nada. () PRor;EssOR - Eu t e nho que f aLi r (O n 1 sua mã e nOvan1cn te.
O PROFESSOR - Fico contente de ouvir isto. Eu vim me des- Ele polIa ao plaJ10 2 . () menino CSCU /(l à port a.
pedir de vocês, porque amanhã eu estou de partida para
as montanhas numa viagem de estudos, porque na ci- Estou aqui de novo . Seu filho d iz quer vir
dade, além das montanhas, moram os grandes mestres. Eu explique i que de nã o poderia
nha e doente e que, alén1 disso, é urna dif icil e
A MÃE - Uma viagem de estudos nas montanhas! É verdade
. . '. E" . . bsolutan1ente impossi vel vo c e VIr c onosCO,
eu ouvi dizer que os grandes médicos moram lá, mas pengos.1. • cs . . . .. . ... • , ,' d , d '
eu lhe disse. Mas ele respondeu que Ir a_ ( 1 .1 e,
também ouvi dizer que é uma caminhada perigosa. O
alé tTI das montanhas , bu sca r ren1é d los e lnstrU ç oes p a r a
senhor pretende levar meu filho?
a su a doença..
O PROFESSOR - Numa viagem como esta, não se levam cri-
A'l f\E _ E u ou vi suas palavras. E não d uvido d.o q u e o
anças.
. n ino diz - que ele gost a ri a de f az e r a c a lTIlnl'u d a p er r-
A MÃE - Bom, espero que o senhor volte com saúde. gos a co m o se n h o r. Me u filho, venha c á.
O PROFESSOR - Agora eu tenho que ir embora. Adeus. Sai
para o plano 1. ( ) m en i no eut ra no jJ lan o 2,
O MENINO seguindo o professor, 110 plano 1 - Eu tenho qu e D esd e o dia em que
. dizer uma coisa. Seu pai nos deixou,
Eu não tenho n inguénl
Amáe escuta ti porta. A nã o se r você do t11e U lad o .
O PROFESSOR - O que é? Vo cê nunca. sai u
O MENINO - Eu quero ir com o senhor para as montanhas. De m inha vi sta nem do m eu p en sanlCtltO
Por mais tempo que eu preci sasse
O PROFESSOR - Como eu já disse à sua mãe,
Para fazer sua comida.
É uma viagem difícil e
Perigosa. Você não Arrumar suas roupas e
Vai conseguir nos acompanhar. Além disso: Ganhar dinheiro.
Como você pode querer abandonar ( ) ,\.l E N I N O _ É corrio a se n ho r a d iz, Ma s 'l p esa r d isso na da
Sua mãe, que está doente? vai poder me desviar do que eu pretendo,
Fique. É absolutamente . . E N .I .N' 0 ,A ·'l Vl "-\ E I·'.:. O 1)I>OFE
l..') :vi '
·SSOR - E. U vou (., E·'.1e \"11' )' fazer
Impossível você vir conosco.
a perigosa canlinhada
O - É porque minha mãe está doente que E buscar ren1éd ios e in struçõe s
Eu quero ir com você, para Para a su a (a nlinha ) doença ,
Buscar para ela remédios e instruções N a cidade nlérn das n10ntanhas.
Com os grandes médicos, na cidade além das montanhas.
O GRANDE CORO - Ele s v iram que nenhunl :.Hg UI11en t o
o PROFESSOR - Mas você estaria de acordo com todos os im-
Podia dem()vê-lo.
previstos que lhe poderiam surgir durante a viagern?
227
226
Então O professor e a mãe disseram o MENINO - Eu não me sinto bem.
Nun1a só voz;
O PROFESSOR - Pare! Quem faz uma viagem corno esta não
() PROFESSOR E A - Muitos estão de acordo com o erro, pode dizer essas coisas. Talvez você esteja cansado por
111as ele não estar acostumado a subir montanhas. Pare e descan-
Não está de acordo COIU a doença, e sim se UOl pouco. Ele sobe no estrado.
Em acabar com a doença.
Os TRÊS ESTUDANTES- Parece que o menino ficou doente
O GRANDE CORO - A mãe ainda disse: por causa da subida. \'amos perguntar ao professor.
A - Eujá não tenho rnais forças . a GRANDE CORO - Sim. Perguntem!
Se assim tem que ser,
Os TRÊS ESTUDANTES ao professor - Nós ouvimos que o me-
\' á com o professor,
Mas volte logo, nino ficou doente por causa da subida. a
que há com
ele? \'ocê está preocupado com ele?
O PROFESSOR _.- Ele não está se sentindo bem, é isso.
2 está só cansado por causa da subida.
Os TRÊS ESTUDANTES - Então você não está preocupado
() GRANDE CORO - As pessoas começaram a viagem com ele?
Para as montanhas.
Entre elas estavam o professor, Longa pausa.
E o menino. Os TRÊS ESTUDANTES entre eles -- Vocês ouviram?
Mas o menino não podia suportar tanto esforço: O professor disse <

Ele forçou demais seu coração, Que o menino está somente cansado por causa da su bida.
Que pedia retorno imedia to. Mas ele não está ficando com uma aparência estranha?
Na alvorada, ao pé das montanhas, Logo depois da cabana vem a passagem estreita.
Ele quase não conseguia mais Só se pode passar por ela
Arrastar seus pés cansados. Agarrando-se à rocha e001 as duas mãos.
Nós não podemos carregar ninguém.
Entrar!': no plano 1: o professor, os três estudantes e, por Devemos então seguir o grande costume e
ltlU1110, o-menino trazendo um cantil.
Jogar o menino no vale?
O PROFESSOR - A subida foi rápida. Lá está a primeira ca-
bana. Lá nós vamos parar um pouco. Eles gritam em direção ao plano 1, com as mâos em
()S TRÊS ESTUDANTES - Nós obedecemos, concha:
A subida da montanha lhe fez mal?
Eles sobe!t1 num estrado do plano 2. O menino detém o
professor. O lV1ENINO - Não.
Vejam, eu estou em pé.
a NIENINO - Eu tenho que dizer uma coisa.
Eu não estaria sentado
() PROFESSOR- o que é?
Se estivesse doente?
228 229

.. -.......---- - - - - - - - - - - - - - - - - ........
Pausa. O rne ni no u n t a-se. o - Eu compre e ndo .
()S TRÊS ESTUDA N T ES - V 3n10S f al a r pro f essor. Mes-
co m o
() PRO F E SSO R - Você exige q ue se vo lte po r sua causa? O u
está d e acordo em ser jogado n o v aie corno exi ge o gran-
tre, quand o h á pouco perguntamos pel o m en ino, você
di sse que ele estava sirn p lcsrne n te cansad o por causa da de c ostume?
subida. Mas agora ele está C0t11 urna aparência muito o MENINO, dep ois ti!', um te mpo de reflcxtio _.- N ão. Eu n âo
estranha. O lhe, ele até est á se n t ado. É terr i vel ter que estou d e aco r do.
dizer ist o, mas há muito tClTIpO reina um grande coseu- O PROFES SOR grit a em di rcçtÍo ao J}lau(J 2 - Desçalll até aq ui .
me entre nós: aquele que não pode continuar será jogado E le não re sp ondeu d e acordo corn o cost urne.
n o vale. ()S TRÊS ESTUDANTES de sce n do em direção ao plano 1 -. Ele
( ) P RO FESSOR - C orno, vo cês querem jog a r este mem no no d isse não. i 10 menino: P o r qu e você não res po n de de
v ale ? acor do com O costu rn e ? .A.. quclc que disse a , r arnb érn
O s T RÊS EST U DA NTE S - Sim. É a nossa in ten ção. tem q ue d ize r b , aquele t empo q u an do lhe pe rg:r n t a-
varn se você estaria de acordo com tudo que esta Yiagenl
O PROFESSOR .- É um g rande costume . E u não posso me
opor a ele . Mas o grande cost u m e t amb ém exige q ue se poderia t razer" você re spondeu que sim.
per gu n t e àquele que fic ou d oe nte se se deve voltar po r O lvfEN INO - 1\ resposta que e u de i foi fa lsa, [nas a sua per-
sua c ausa . Meu coração tem muit a pen a d essa pess oa. gunta) ma is f alsa aind a. Aquele q ue diz <1 , n ão ten-:. q ue
Eu vou até ele e, com o ma io r cuidado , vou lhe f ala r do dizer b. Ele t arn be rn p ode re conhecer que a era f also.
grande costu me . Eu q ueria b uscar remé dio p a ra . mir:ha lTI_ãe,. mas, agora
eu t arn b érn f iquei doen te, c , assim, .Isto na o . e
( )S T RÊS E STU D A N TES - Faça isso, por fav o r.
sivel. E d iante de sta riov a situ ação, q u ero voltar imedia-
El es se colocam fr en t e a f ren te. tamerite. E eu p eço a voc ês que t am b ém v oltem e m e
lev em p ara casa. Seu s estudos podem m ui to bern espe rar:
Os T RÊS ES TUDA NTES E O GRA N DE CORO - N ós vamos lh e E se há algu m a coisa a apre nd e r lá , o que eu espero, 50
perguntar ( eles lhe perguntaram ) se d e quer poderia ser que, ern nossa sit uação, nós
Que se volte (que voltem) por SUa c au sa. E quanto ao antigo g r an de costume, n ao ve jo n ele o
Porém , mesmo se ele quiser, menor sen t id o. Preciso é de um novo grande c ostume .
Nós não vamos (eles não iam ) voltar, que devemos introduz ir irnedi a rame nte : ,0 de
E sim jogá-lo no vale. refletir novamente diante de cada nov a siruaç ao.
O PROFESSOR, que f oi até o menino no plano 1 - Presta aten- Os TRÊS ESTUDANTES ao professor - O q ue f :1z er? O qu e o
çã o! Há muito tempo existe a lei que aquele que fica menino disse não é nada heróico, nus faz sen t ido.
doente numa viagem como esta tem que ser jogado no O PROFESSOR - Eu de ix o corn voc ês :1 dec isã o do que f azer.
vale. A morte é imediata. Mas o costume também exige Mas tenho que lhes dizer uma co isa: se você s volta rern ,
que se pergunte àquele que ficou doente se se deve voltar
vão ser cobertos de zornbar ia e vergonha .
por sua causa. E o costume exige que aquele que ficou
doente responda: Vocês não devem voltar. Se eu estivesse Os TRÊS ESTUDANTES - Não é vergonha ele falar ;1 f a vor
em seu lugar. com que prazer eu morreria! de si próprio?

230
O PROFESSOR - Não. Eu não vejo nisso nenhuma vergonha
Os TRÊS ESTUDANTES - Então nós queremos voltar. Não
ser a zombaria e não vai ser o desprezo que vão nos
u .-.:';•• •.
oU
pedir de fazer o que é de bom senso, c não vai ser um
antigo costume que vai nos impedir de aceitar uma idéia
justa.
Encoste a cabeça em nossos braços.
Não faça força.
Nós levamos você com cuidado.
O GRANDE CORO - Assim os amigos levaram o amigo
E eles criaram um novo costume,
E uma nova lei,
E levaram o menino de volta.
Lado a lado, caminharam juntos
Ao encontro do desprezo)
Ao encontro da zombaria, de olhos abertos,
Nenhum mais covarde que o outro.
A decisão
Peç a did át ica

Die Massnahrne
Lehrstück

Escrito em 1929/30
Estréia: 13.12.1930 em Berlim

'Tradução: Ingrid Dormien Koudela

2 _')
) ...
PERSONAGENS:
Os QUATRO AGITADOR.ES, um após o outro como:
O J OVEM
O DIRETOR DA CASA DO PAR TIDO
OS DOIS CULES
O INSPETOR
OS DOIS TRABALHADORES TÊXTEIS
O POLICIAL
O COMERCIANTE
Colaboradores: S.Dudow, H. Eisler () CORO DE CONTROLE
o C O R O DE C O N T RO L E - Adiantem-se ! Seu trabalho foi bem-
sucedido, também nesse paí s a revolução está em ITIa r-
cha , c as fileiras de combate ntes estão o rga ni zad as. Es-
tamos de acordo com v oc ês.
OS Q UATRO AG IT ADO RE S - A lto, t emos algo a d iz er ! Q uere-
mos COlTIUnÍcar a morte de um c am ar ad a.
O CORO DE CONTR.OLE - Quem o matou?
OS Nós o m atarnos. Atiramos nele c
QUATRO AGITADORES -
o jogamos numa mina de cal.
O CORO DE CONTROLE - O que ele fez para que vocês o ma -
tassem?
OS QUATRO AGITADOR E S - Muitas v ez es fe z o que era cer to,
alg u mas vezes o que e ra er ra do, mas po r últ im o co locou
em r isco o movimento. El e q ueria o certo e f ez o er ra do.
Exigimos su a sentença.
() C O R O DE C O N T R O L E - M ostrem- nos c orno e por q ue
teceu e ouv ir ão n ossa serr .en ça.
0 5 Q UA TRO AGI T ADORE S - A ceitaremos sua sentença.

OS ENSINAMENTOS DOS CLÁSSICOS

OS QUATRO AGITADORES - Viemos de Moscou como agitado-


res, devíamos ir à cidade de Muk den para fazer propa-
ganda e apoiar os movimentos do Partido Chinês na s
fábricas. Devíamos n os apresentar na Casa do Part ido ,
que era a última antes da fronteira , c soli citar UITI gui a.
Aí veio ao nosso encontro, na sala de espera , um jovem
camarada e lhe explicamos a natureza de nossa missão.
Repetimos a conversa.

Eles se colocam , três contra um . U m dos quatro repre-


senta o jOl/t'111 camarada.

237

,J
o JO VEM CAMARADA - SOU O secretário da Casa do Partido , OS T R f.: S AG IT A DO RES - Não.
que é a última antes d a fronteir a. M eu coração bate pela O Não trocamos de roupa dia e n oite,
J OV E M CAM A R A D A -
revolução. O espetáculo da injustiça fez com que eu rne lutando contra as investidas da fome, da decadênci a e da
enfileirasse entre os combatentes. O homem deve ajudar contra-revolu ção. E vocês não nos trazem nada.
o homem. Sou pela liberdade. Acred ito na humanidade.
Os T R Ê S AGI TADORES - Assim é: nad a lhes t razemos. IY1as,
E SOu a f avor das medidas cornadas pelo Partido C omu-
at rav essan do a front eira p ara M uk d en, levamos aos ope-
n ista , que luta Contra a exploração, a ignorância e pela
soci ed ad e sem classes.
rários chineses os ensinamentos d os clássicos e dos pro-
pagandistas: o ABC do comunismo. Levamos aos igno-
O s T RÊS AGITADORES - N ós viem os de M oscou. rantes ensinamentos so b re a su a sit u aç ão ; aos oprimidos,
O JO VEM. CAMARADA - Esperávamos por vo c ês. a consciência de classe; e aos conscientizados, a experiên-
Os TR Ê S AG ITADORES - Por quê? cia d a revolução. De vocês, no
entan t o, d evemos solic it a r
O JOVEM CAMA RA 01\ - N ão pod em os p rossegu ir. P or todo um a u to m ó v el e um gu ia .
lado há desor dem e penúria, pouco pão e m ui ta luta . O J O VE M CA M A RAD A - Então fi z u m a pe r g u nt a im pr ópri a?
M u itos est ão che ios de coragem, m as poucos sabem ler. Os TRÊ S AG IT ADORE S - N ão. A u ma b oa pe rgu n ta seg u e-se
H á pou cas máqu in as e ni ng u ém entende dela s. Nossas uma resposta ai n d a melhor. E stamos vend o qu e d e vo c ês
locomot iv as estão quebradas. Voc ês t rouxeram Íocomo - já foi ex igid o o máximo, mas se ex ig ir á ainda m ais ; um
rivas? de vocês dois deverá nos guiar até Mukden ,
Os TRÊ S AGITADOR ES - Nã o. O JOVEM CA }"l A RA D A - Neste caso, deixo meu post o j á ex -
() J OVEM C A?\·1ARA DA - Vocês trouxeram tratores ? trernamerrte d ifícil p ara dois c p ara o qual um apenas
OS TRI:'S AGIT ADORES - Nã o . deve bastar agora. Ire i COHl vocês. M ar cha n d o em frent e,
d ifundindo os ensin amentos dos cl ássicos comun ist as : a
O N osso s c am poneses ain da se a t re lam
] O VE .M C A M A RA DA -
revolução mundial.
a si mesmos d iante d os velhos a rados de madeira . E nad a
ternos para sem ear c a l nossos campos. Vocês trouxeram
sem en t es? O C O R O DE CO N T RO L E

Os TRÊS AGITADORES - N ão.


O JO VEM C A!vl ARA DA - Vocês trouxeram ao menos rnu n ição
ELOGIO À URSS
e metralhadoras?
Os TRÊS AGITADORES - Não. Já o mundo comentava
Nosso declínio,
O JOVEM CAbfARADA - Aqui somos dois em defesa da revo-
Mas à nossa mesa parca
lução. Então certamente trouxeram urna carta do co-
Ainda se sentava a esperança
mitê central com inst ru ções sobre o que devemos faze r.
De todos os oprimidos
Os TRÊS AGITADORES - Não. Que se contenta com água.
o JOV EM CAMARADA - Então vocês mesmos querem nos E atrás da porta ruinosa
a ju d ar ? O saber ensinava
138 239
Os hóspedes com voz clara. o DIRETOF. D A C ASA D O PAR TIDO - Se u m de você s fo r fe r ido,
Qu ando a p orta tiver ruído não de ve se r encont rad o.
C o ntinuaremos sen tados apenas 111aÍs vis i vers :
Os DOIS AGITADORES - Não será encontrado.
Aqueles a quem nern a geada nem a tome diz imam,
Incansavelmente deliberando () DIRE'rO R DA CASA DO PARTIDO - Então v ocês estã o prontos
Sobre os dest inos do m undo. para m o rrer c esconder o morto ?
( )S QUATRO AGITADORES - Assim o jovem c am a rad a da fron- OS DOIS A G IT A DO RE S - Sim.
teira estava de acordo com a nossamaneÍra de trabalhar () DIRETOR DA CASA DO PARTIDO - Agora v ocês não são ma is
e nós fornos, quatro homen s e uma mu lher, falar com o vocês mesmos. Você não é maisKarl Schmir t , de Be rlim ,
diretor da Casa do Partido. você não é mais Anna Kjersk, de Casan, e você não é
mais Pcter Sawitsch. de Moscou . Vocês não têm nome
nem 111ãe, sã o f olhas em branco sob re as q uais a revo -
2 lução esc reve as suas ins truções.
Os DO IS AGITADORES - Sim.
A ANULAÇAO ( ) DI RE T O R DA C ASA DO PA RTI DO dá-lhes as máscara s c eles as
()S QUATRO AGITADORES - Mas o traba lh o em M u kden era coloc am - A part ir d este momen rov ocês nã o são mais
ilegal, por isso precisamos, antes de atravessar a fronteira. ninguém, a partir deste momento, e talvez até o seu de-
anular nossos rostos. Nosso jovem cama rad a estava de saparecimenro, vocês são operários desconhecidos, corn -
acordo com isso. Repetimos o acorrtecirnenro. batentes, chi nes es, nascidos de mães ch in esas, pele ama-
rel a , f al ando ap en as chinês, no sono e n o deli rio.
Um dos agitadores Te pres en ta o diretor d a Casa elo Par- O S DO IS AG ITADORES - Sim.
tido.
() DI RE TO R DA CA SA DO P ARTI DO - Pelo interesse do COll1 U -
O DIRETOR DA CASA DO PARTIDO - Eu sou o diretor da úlri rna nisrno, pelo avanço das massas proletárias de t odos os
Casa do Partido. Estou de acordo que o camarada d o países, afirmando a revolução mundial.
meu posto acompanhe vocês como guia. Mas há agitações Os DOIS AGITADORES - Sim. T arnbérn o jovem camarada dis se
nas fábricas de Mukden, e ne sses d ias o mundo inteiro sÍln.Desta forma ele se mostrou de acordo com a an L1-
est á voltado para essa cidade, para v er se um de nós fre- laçâo de se u r osto.
qüenta as cabanas dos operários chineses. E ouvi dizer
O CORO DE CONTROLE - Quen1 luta pelo c omun ism o
que nos rios há canhoneiras ancoradas. e comboios blin-
Deve saber lutar e não lutar;
dados se encontram estacionados nas >ferrovias prontos
Dizer a verdade e não dizer a verdade;
para atacar-nos imediatamente, caso um de nós seja avis-
Prestar serviços e negar-se a prestar serviços;
tado. Determino, p ortanto, que os camaradas atravessem
Cun1prÍr promessas e não cumprir promessas;
a fronteira corno chineses. Para os agitadores: Vocês não
Enfrentar o perigo e evitar o perigo;
devem ser vistos.
Identificar-se e não ser identificado.
Os DOIS AGITADORES - Não seremos vistos. Quem luta pelo comunismo
240 241
Só possui uma única virtude : Pelos autores do grande feito.
Lutar pelo comunismo. Adiantem-se
()S QUATRO AGITADORES - Fornos corno chineses para Muk- Por um rnomenro,
den, quatro homens e urna mulher. Desconhecidos, de rosto velado, e recebam
O JOVE!vi - Fazer propaganda e apoiar os traba- A nossa gratidão!
lhadores chineses com os ensinamentos dos clássicos e dos OS QUATRO AGITADORES - Na c idade de Mukden , ajudamos
propagandistas: o ABC do comunismo. Levar aos igno- os camaradas chineses e f iz emos propaganda en t re os ope-
rantes sobre a sua situação; aos oprimidos, rários. Não tínhamos pão para os famintos. Apenas saber
a ,e o n sc lcn c la de classe; e aos conscientizados, a experiên . para os ignorantes. Por isso falamos da o r igem da miséria.
CIa da revolução. N <10 erradicamos a miséria mas falamos da erradicaçã o
de sua origem.
o CORO DE C O N T R O L E

ELC)GIO A() TRABALH() ILEGAL A PED RA

É belo Os QUATROS AGrrADOR E 5 - Prime iro forno s p ara a cid ade


ba ixa. Ali, os cules puxa v am urna canoa p ela c ord a n .i
Tomar a palavra ern prol da luta de classes.
margem do rio. Mas o chão era escorregadio. Quando um
Conclarnar as massas para a luta,
deles escorregou e o inspetor bateu nele, dissemos ao jo-
os opressores, libertar os oprimidos.
vem camarada: Siga-os e faça propaganda entre eles.
Ardua e necessária é a labuta cotidiana;
Diga-lhes que você viu sapatos para puxadores de C l -
Atar no sigilo e com pertinácia
nos em T'ienrsin, com travas de madeira para não es-
A rede do Partido dian te dos
carregar. Procure fazer com que eles exijam sapatos
Canos dos fuzis dos empresários:
Falar, porém iguais a essesv Mas não tenha pena deles! E nós pergun -
Ocultando o falante. ramos: Você está de acordo? E ele estava de acordo e f 01
Vencer, porém depressa, mas logo ficou penalizado. Mostr arnos con10
Ocultando o vencedor. foi.
Morrer, porém Dois agitadores rep resentam cul es, amarrando uma corda
Ocul tando a morte. a u ma estaca e fazendo passar a corda sob re os ombros.
Quem não faria muito pela glóriavmas quem Um deles representa () ;01. '011 camarada i' o outro, o iJls -
O faz pelo silêncio? pctor.
O pobre convida à sua mesa a honra O INSPETOR - Eu sou o inspetor. Devo levar o arroz até à
Da cabana apertada, e em ruínas surge noite para a cidade de Mukden.
Irreprimível a grandeza. ()S DOIS COLES - Somos cules e puxamos a canoa com o arroz
E a glória pergunta em vão no acrrna.
242
C ANT O DOS PUXADORES DA C ANC}A O C A MA.R ADA - É d ifícil olhar p a r a esses ho mens sem
COl\'1 O ARROZ se com pa dece r. Para () insp etor: Você não está vendo q ue
o ch ão escorrega demais?
N a c idade que f ic a r io ac im a
Há u m bo cado de arroz p ar a nós, O INS PET OR - O c hão o quê?
Mas a ca noa que deve subir o rio é p esa da, O J OVEM CA M ARADA - E scor rega dem ais!
E a água co rre rio aba ixo. O I NSPETOR - O qu ê? Você está querendo d ize r q ue a mar -
Nunca c heg aremos lá em cima. gem é escorregad ia dem ais para que se possa pu xar urna
Puxem mais rápido, as bocas c ano a cheia de ar roz ?
E speram pela comida, O CA.\lARADA - Sim.
Puxem compassadamente. Não em p u r r em () IN SPETOR - Então você acha que a cid ad e de Mukden não
O com pan heiro ao lad o. precisa de arroz?
() JOVEM CAMAR A DA - Trist e é ouvir a be leza da ca nção O JO VEt\l CA;\lARAD A - Se os homen s caem , eles não podem
com que esses hom en s en cobrem o to rmen to d e seu tra - pu xar a canoa.
balho.
O I N SP E T O R - Q u er que eu co lo que uma pedra para c ada
O I NS PET OR - Puxem m ais rápido. um daq ui at é a c idade de M u kden?
OS CU LE S - 1\ n oit e se aproxima. O acampamento, O laVEM C A M A R A D A - N ã o sei o que você deve fazer ) ITIa S
P equen o demais até p ara a som b ra d e U111 cão, . sei o que eles d evem. Precisam se d efende r. Não ac re -
Cust a um bocado de arroz. ditem q ue aqu ilo que d uran t e d ois mil anos foi impo ssi-
N ão conseg uimos avan ç ar, ve l con tinuará impossível par a sem pre. Em T ientsi n v í
Por q ue a m argem é muito escor regadi a. sapatos para p uxadores de canoas, com trava s de m ad eir a
Puxem ma is rá p ido, as bocas para não escorr eg a r.
Esperam pela comida. Lá eles conseguiram esses sapatos f azen d o urna re ivin di -
Puxem compassadamente. Não empurrem cação coletiva. Portanto exijam sa pa tos iguais a esses!
O companheiro ao lado.
()S C U L ES - Na verdade, n ão podemo s mais puxar essa ca no a
UM DOS C U L E S escorrega - Não posso continua r. sem sapatos iguais a esses.
Os C U LE S, enqu an t o são chicoteados, até que aquele que eSCOr- O I N SP E T OR - Mas o arro z t ern q u e c hega r à ci dade ainda
regou consiga Íet/an.tar - Mais do que nós. hoje à noite.
Durará a corda que ra sga no sso ombro.
O chicote do inspetor Ele os chicoteia , eles puxa m.
J á resistiu a quatro g er açõe s ; ()S CLJLES - N ossos pa is p ux ava rn a canoa n o ac ima
N ão seremos a última.
Desde a embocadura.
Puxem mais rápido, as bocas N ossos filhos chegarão a t é a n asc eu t e
Esperam pela comida. N ós estamos no meio.
Puxem compassadamente. Não ern p u r rern Puxem m ais rápido, as bocas
() com pa nhe iro ao lado. Esperam pela comida.
244 24 5

........-..---- -L...
Puxem compassadamente. Não empurrem Puxem cornp assada menr e. Não ern purrcrn
O companheiro ao lado. O companheiro ao lado.
o cule cai novamente. A comidavem lá debaixo
Para os que a comerão lá ern cirn a.
O CULE - Me ajudem!
Aqueles que a trazem
O JOVEM CA .MARADA para () inspetor - Você não é um ser Não comeram.
humano?
Vou pegar uma pedra e colocá-la na lama - para () U 111 dos cules escorrega, o ioue m camarada coroca a jJC-
cule - e agora pise! dra, O cule se Iei-anta.
O INSPETOR. - Certo. De que nos adiantam sapatos de Tienc- O JOVEM Não agüento mais. Vocês têm que
-
sin? Prefiro deixar que o seu piedoso camarada nos acorri- exigir outros sapatos.
panhe colocando uma pedra para aquele que escorregar. O CULE - É U!TI idiota digno de r iso.
OS CULES - N a canoa há arroz. O camponês que O INSPETOR - Não, é um daqueles que agitanl nossa gente.
Fez a colheita recebeu Ei) peguem-no!
Um punhado de moedasvN ós
OS QUATRO AGITADORES - E ele foi logo identificado !Per-
Recebemos menos ainda. Um boi seguiram-no durante dois dias até que nos encontrou.
Sairia mais caro. Somos mu iros. Nós fomos perseguidos com ele durante urna
cidade de Mukden e não pudemos mais pôr os pés na CI-
Um dos culcs escorrega, o [ouem camarada coloca a pcd ra
(' o cu/e se levanta. dade baixa.

Puxem mais rá pido. As bocas


Esperam pela comida. DISCUSSÃO
Puxem compassadamente. Não empurrem
O companheiro ao lado. O CORO DE CONTROLE - Mas não é correto apoiar o fraco
Onde quer que se encontre? Ajudar
Quando o arroz chegar à cidade O explorado) no seu sofrimento cotidiano?
E as crianças pergunrarem
Os QUATRO AGITADORES - Ele não o ajudou e acabou nos im-
Quem puxou a canoa pesada, dirão:
pedindo de fazer propaganda na cidade baixa.
Ela foi puxada.
O CORO DE CONTROLE - Estamos de acordo.
U 111 dos cules escorrega, () iooem camarada coloca a pe- OS QU ATRO AGITADORES - O jovem camarada reconheceu
ti ra, o cule se leva 11ta. que separara o sentimento da razão. Mas nós o consola-
mos citando-lhe as palavras do camarada Lênin.
Puxem mais rápido. As bocas O CORO DE CONTROLE - Sábio não é quem não comete erros,
Esperam pela comida. Sábio é quem sabe corrigi-los imediatamente.
246 247
4 E o emprego que perderá arnan hâ !
Saia para a rua! Lute!
A PEQUENA r A GIZ:, NDE INJUSTiÇA É tarde demais para esperar!
Ajude a si mesmo, ajudando a nós:
()S QUATRO AGITADORES - Fundamos as pri.meiras células n;15
Pratique a solidariedade.
fábricas c formamos os p r imeiros quadros) organizamos
uma escola do Partido e lhes ensinamos a produzir clan- O JOVEM. Ci\,.\fARADA-- . A rrisque o que tem, camarada!
destinarnenre a literatura proibida. Depois conseguimos Você não tem nada.
ter influência nas fábricas têxteis e quando o salário foi O CORO DE CONTROLE - \Tenha camaradaven f rente os fuzis
reduzido, uma parte dos operários entrou em greve. Mas E exija o seu salário!
COlHO a outra parte continuou trabalhando, a greve ficou Quando você souber que nada tem a perder,
ameaçadav Dissemos ao jovem camarada: fique no por- Os policiais deles não terão arrnas o basr an te!
tão da fábrica e distribua os panfletos. Ele estava de Saia para a rua! Lute!
acordo. Repetimos a conversa. É tarde demais para esperar!
Os TRÊS AGITADORES _.- Você falhouiunto aos puxadores Ajude a si mesmo, ajudando a nós:
canoa de arroz. Pratique a solidariedade.
O CAMARADA . - Sim. OS DOIS OPERÁRIOS TÊXTEIS - De manhã cedo vamos à fá-
Os TRÊS AG·.fTADOR
t
rr c
L.:l
- Você <'ap <> rde
\ rd
"",,- eu algurna
! COIsa corn brica.
isso? Nossos salários foram reduzidos. N <lo sabemos o que
O JOVEM - Sim, zer e continuamos a trabalhar.

()S TRÊS AGITADORES - Você vai se comportar melhor na O ]OVE!vt CAMARADA entrega u.m panfleto para um deles, o
distribuição dos panfletos? ouéro permanece parado ao seu ltulo-- Leia c passe adi-
ante. Quando tiver lido, vai saber o que fazer.
O JOVEM CA:\-1ARADA - - Sim.
Os TRÊS AGITADORES - Mostramos agora o comporramento o primeiro pega o panfleto e segue O seu cantinho.
do jovem camarada na distribuição dos panfletos. O POLICIAL tira o panjleto do primeiro - Quen1 lhe deu esse
Dois agitadores representem trabalhadores téxt eis c o panfleto?
ou tro, u.m policial, O PRL\fEIRO - Não sei, alguém me deu quando eu vinha
passando.
OS DOIS OPERÁRIOS TÊXTEIS - - Nós somos operários na fá-
brica de tecidos. O POLICIAL se aproxima do segundo - Foi você QUClTI deu o
panfleto para ele. Nós da polícia procuramos aqueles
O POLICIAL - Eu sou policial e recebo meu pão dos domina-
dores para reprimir a insatisfação.
que distribuem panfletos como este.

O CORO DE CONTROLE - Venha, camarada! Arrisque O SEGUNDO - Não dei panfletos para ninguém.
O centavo, que já não é mais centavo, O JOVEM CAMARADA - É crime instruir os ignorantes sobre
A cama debaixo da goteira a sua situação?

248 249

I
....................... _._--_......
() POLICIAL - ensinamentos de vocês levam a coisas ter-
()S o PRIMEIRO agride () polidal - Seu cachorro vendido!
ri veis. Se vocês dout rinarern U01;l fábrica corno essa, ela
() policial puxa o ret'óh'cr.
não mais reconhecerá nem o seu próprio dono. Esse pe-
queno panfleto é mais perigoso do que dez canhões. O JOVEM CA!\IARADA grita - Socorro! Camaradas! Socorro!
O JOVEM CA:\íAflADA - () que está escrito aí? Estão matando inocentes!
O POLICIAL - Isso eu não sei. Para o segundo: O que está () jaz/em camarada agarra o pescoço do policiai por trás.
escrito aí? () primeiro operário cur ua le ntamen ie o seu braço par..l
O SEGUNDO - Não conheço o panfleto. Não fui eu quem Irás. O tiro dispara, o policial é desarmado e 'lba/ido.
o distribuiu. O SEGU NDO OPERARIO, le uan tando-se para o primeiro - Ma-
O JOVEM CAMARADi\ - Eu sei que não foi ele. ramos policial e não podemos mais ir à fábrica. Para
UOl
o [ouem cam arada: E você é o culpado.
() POLICIAL para o jOl'cm camarada -Foí você quem deu o
panfleto para ele? OS QUATRO AGITADORES - - E ele teve que se pôr a salvo em
vez de distribuir panfletos, pois o policiamento foi re-
O JOVEM CA}.1ARAOA ._- N âo.
forçado.
() POLICIAL para o segu n d o - Então foi você.
() JOVE.M CA).,lARADA para o [Jrimeíro - C) que vai acontecer
com ele? . DISCUSSÃO
() PRIMEIRO - Ele pode ser preso. () CORO DE CONTROLE - Mas não é correto evitar a injustiça
O JOVEM CAMARADA - Por que você quer que ele seja preso? onde quer que ocorra?
Você não é proletário também, seu guarda? ()S QUATRO AGITADORES - Ele evitou uma pequena injustiça,
() POLICIAL par« o segundo - Venha cornigo. Bate-lhe IUi mas a grande injustiça) o furo da greve) continuou.
cabeça. O CORO DE CONTROLE - Nós estamos de acordo.
O JOVEM im-pedindo-o - Não foi ele.
O POLICIAL - Então foi você mesrno l
O SEGU NDO - N ão foi ele. 5
() POLICIAL - Então foram vocês dois.
o QUE É AFINAL?
O PRt:MEIRO - Corre, homem, corre. Você está COIn o bolso
cheio de panfletos. OS QUATRO AGITADORES - Lutávamos diariamente contra as
antigas associações, a desesperança e a submissão: ensiná-
O policial derruba o segundo. vamos os operários a transformar a luta por melhores
O JOVEM CAMARADA aponta para o policial, [alando para o salários em luta pelo poder. Ensinávamos o uso de armas
In/melro - Ele acaba de abater um inocente, você é e a arte de fazer manifestações. Depois ouvimos que os
testernurrha. comerciantes estavam brigando com os ingleses, que do-

251
.250
m ina varn a cidade por m eio da alfândega . Para tirar pro- O C O MERC IAN TE - Pois e u di go: nã o. Se os são rna rs
veito da briga entre os dominadores ern favor d os d orni , baratos d o qu e o arroz , ent ão po sso ar ran ja r u m n ov o
nados, enviamos o jovem camarada com urna carta para cu]e. Isto não está mais certo ainda?
o comerciante mais rico. Nela estava escrito: Armem os O C A 1\1ARA D A - Sim, está mais certo ainda. Aliás ,
cules! Dissemos ao jovem carnar ada : Comporte- se de f or- , quando o sen h or v ai envia r as primeiras a r mas pa ra a
111 <1 a conseguir as a rn1415. M as quando a com id a chegou cidade b ai xa?
à mesa, ele não soube calar. Mostrarnos COrno foi. O C O M E RC IA N T E - Logo, logo. V oc ê deveria ver co rno 0 5
cules, que carregam o meu couro, corn pram n1CU ar ro z
U 'm agitador como co me r cian te ,
na cantina.
O COMERCIANTE - Eu sou o comerciante. Estou aguardando O CAMARADA - Eu deveria ver.
urna carta da assoc iação dos cules so bre urna aç ão con- e) CO M E RC IA N T E - ( ) que voc ê ac ha , est ou paga ndo muito
ju n t a contra os ingleses.
pelo trabalho ?
O J O VEM - A q ui está a carta da associaç ão dos O .lOVEIvl CAMARADA - Não, mas o seu ar:oz .é caro c o tra-
cules. balho de ve ser bom, m as o seu ar r oz e r u irn.
O - Está conv idado a almo çar comigo. . O C O.M E R C IAN TE -
Vocês são pessoas espertas.
O JOV E !vl CAlvlARADA - É urna honra almo çar com o senhor. O JOVEp.:t - E quando o sen h or vai armar os cules
O COM ERCIANTE - Enquanto a comida preparada ) quero
é
contra os ingleses?
dizer-lhe minha opi nião so b re os cules, P or fa v or, sen - O COMERC IANT E - Depois de comer p odemos v isita r os de-
te- se aqui. pósitos d e arma s. Ago r a vo u cantar para você a rni n h a
O JOVEM C A]\.{AKADA - Estou mu ito in te res sad o em su a canç ão p r ed ilet a.
opiniã o.
O COMERCIANTE - Por que recebo tudo m ais barato do qu e
qualquer outro? E por que um cule trabalha para mim CANÇÃ() DA
quase de graça?
Tem arroz lá, rio abaixo.
O JO VEM CAMARADA - Não sei. , . . acima
,
Nas prOVlnC13S no as p essoas preC ISaITI de arroz..
O COMERCIANTE - Porque sou uni h omem esperto. Voc ês Se deixarmos o arroz rios depósitos,
também são espertos porque sabem corno receber salá- O arroz ficará mais caro para elas.
rios dos cules. Aqueles que puxam a canoa receberão ainda ar roz,
O JOVE!v! CAMARADA - Nós sabemos - aliás, o sen ho r vai Então o arroz ficará ainda mais barato para rrnrn,
armar os cuIes contra os ingleses? O que é o arroz, afinal?
O COMERCIANTE - Talvez, talvez. Sei c orno trat ar com UII1 E eu lá sei o que é o arroz?
cule. Deve dar-lhe arroz o bastante para que não morra , E eu lá sei, quem sabe diss o?
sen ão como é que ele vai trabalhar para você? Está certo? Não sei o que é o arroz,
O .JOVEM - Sim, está certo. Eu só conheço o seu preço.
253

..
Chega o inverno, as pessoas precisam de roupa. Os QUATRO AGITADORES - Não.
Então é preciso comprar algodão
E não liberar o algodão. O CORO DE CONTROLE
Quando chega o frio, as roupas ficam mais caras.
As fiações pagam salários altos demais. TRANSFOR:NIE o I\fUNDO: ELE PRECISA !)ISS()
O problema é que existe algodão demais.
O que é o algodão, afinal? Com quem o justo não sentaria
E eu lá sei o que é o algodão? Para promover a justiça?
E cu lá sei, quem sabe disso? Que remédio é tão ruim
N ão sei o que é o algodão, Para quem está moribundo?
Eu só conheço o seu preço. Que baixeza você não cometeria
Para extirpar a baixeza?
() homem precisa de muita ração, Se você, finalmente, pudesse rransformar o mundo ,
Com isso o homem fica mais caro. Para que se julgaria bom demais?
Para arrumar ração, precisa-se de homens. Quem é você?
Os cozinheiros tornam a comida mais barata, mas Afunde na sujeira,
Aqueles que comem a tornam mais cara. Abrace o carniceiro, mas
O problema é que existem homens de menos. Transforme o mundo: ele precisa disso!
O que é um homem, afinal? Con tinuern a narrar!
E eu lá sei a que é um homem? Há muito já não os escutamos como juízes,
E eu lá sei, quem sabe disso? Mas desde já corno aprendizes.
N ão sei o que é um homem, Os QtJ ATRO AGITADORES - Mal chegou à escadaria, o jovem
Eu só conheço o seu preço. camarada reconheceu o seu erro. N'os disse que podería -
Para o [oue n: camarada: E agora vamos comer o meu mos mandá-lo de volta através da fronteira. Vimos cla-
arroz de boa qualidade. ramente a sua fraqueza, mas precisávamos dele, pois
tinha muitos adeptos entre os desempregados, e ele nQS
o JOVEM CAMARADA leuan ta-se - Não posso comer com o ajudou muito, nesses dias, a tecer a rede do Partido, di-
senhor. ante dos canos dos fuzis dos empresários.
OS QUATRO AGITADORES - Foi o que ele disse e não houve
zombaria nem ameaça que o levassem a comer com aque-
6
le a quem desprezava; e o comerciante o expulsou e 05
cules não foram armados.
A TRAIÇAO

DISCUSSÃO Os QUATRO AGITADORES - Naquela semana as perseguições


aumentaram consideravelmente. Tínhamos apenas urn
o CORO DE CONTROLE - Mas não é correto colocar a honra quarto secreto para a máquina impressora e os panfletos.
acima de tudo? Mas certa manhã houve distúrbios por causa da fome
254 21)
na cidade, c t amb ém da plan íc ie chegaram n oticias sobre ( ) JOVEM CA!'.l A R A DA - Ent ão, vo cês o co n hec em?
re volta s violentas. Na noite do terceiro dia , tendo alcan- O P R lt-.1EIRO AGITADO R - Eu o co nheço. El e é age n te d os co -
çado nosso esconderijo debaixo de perigo, encontramos mercian teso
na porta o jovem camarada. E havia sacos diante da
O jOVE:\-1 N ão acred ito n isso.
casa, na chuva. Repetimos a conversa .
O s T RÊS AG IT ADO RES - No cam inho para c á vi m os soldados
Os TRÊS AGITADORES - Que sacos são esses?
com c anhões d iri gindo-se à Câ ma r a Mu n ic ip al . A Cârna -
O JOVEM - É nosso material de propaganda. ra Municipal é uma cilada , e o n ovo líder d os desernpre-
Os TRÊS AGITADORES - E o que se fará? gados é um provocador.
O JOVEN[ - Devo comunicar-lhes algo: ent re 05 O JOVEM CAM ARADA - Não) ele é U111 desempregado e sente
desempregados re in a grande agi t ação. O novo líde r dos corn os desernpreg ad os. Os desempregados n ao poden:
de sempregados da cidade alta veio hoje aqui e me con- 111o. i5 esperar, e e u t ambém não p osso ma is esperar. H a
venceu a dar in ic io irnediatamenre à ação. Devemos d is- mi ser -á veis demais.
tribuir os panfletos e, como fi n al da revolta, ocupar a
Os 'rRLs AG ITADOR ES - Mas ai nd a h á 'po uc os combatentes.
Câmara Mun icipa l, Ele sabe c om seg u r a n ç a que a Câ -
m ara Muriicipa] está sem policiamento. Desta f o r m a ba s- O JOVEM CAM A RADA - Seus sof r imen tos são inco rne nsur á -

tam uns poucos homens pa ra ocupá- la . E qu an d o a ve is.


Câmara Municipal estiver em nosso poder, as massas ve- O s TRÊ s AGIT A DO RES - N ão basta sofrer.
rão que o governo está fraco. Ele disse que a re volta O J OVE ?>.i CA:\-lARADA - El es sabem: a n ão, $-C
será possível hoje à noite, e eu acred it o nel e. ala st r a a lepra n o pe it o; a pobreza n ao ca l d os telhados
Os TRÊS AGITADORES - Então diga-nos as razões pelas quais como a telha; infelicidade e pobreza são obra d o ho-
a revolta é possível. mern ; a indigência é cozida para ele s, mas seu s lamen-
O ]OVE).,! CA!vtARADA - 1\ mis éria aumenta. e a desordem tos lhes servem de refeição. Ele s sa bem d e tudo.
cresce na cidade. ' Os TRÊS AGITADORES - Eles sabem quantos regimentos o go -
()S T RÊ S AGITADORES - Os ignorantes começam a reconhecer verno tem?
a sua situação. O JOVEM CAMARADA - Não.
O JOVEM CAMARADA - Os desempregados aceitaram a nos- Os TRÊS AGITADORES - Então sabem muito pouco. Onde es-
sa ins t rução. tão as armas de vocês?
Os TRÊS AGITADORES - Os oprimidos adq uirem consciência O JOVE.!'.1. C A M A R A DA mostra as mãos - Vamos lutar C0 I11
de classe. unhas e dentes.
O JOVEM - O novo líder dos desempregados é Os TRÊS AGITADORES - Isso não basta. Você vê apenas a rni -
um verdadeiro socialista. Ele não conhece limites às suas séria dos desempregados e não a m iséria dos t rabalhado-
exigências revolucionárias, e o poder de seu di scurso é res . Você vê apenas a cidade e não os camponeses na pia .
arrebatador. ni cie. Você vê os soldados apenas como opressore s c
O AGITADOR- Ele tem uma cicatriz embaixo da não como opressores miser áveis de uniforme. V á, por-
orelha direita? tanto, até os desempregados, desmascare o agente dos

256 217
ccrnercian res e o seu conselho de in vadir a Câmara u- A nossa revolução começa amanhã.
nicipal e convença-os a participar, hoje à noite, da ma- Vence e t ransforrna o mundo.
nifestação dos trabalhadores das fábricas. Nós procura- A sua revolução acaba quando você acaba.
remos convencer os soldados insatisfeitos, reunidos e!11 Quando você tiver acabado,
volta da Câmara Municipal, a participar conosco, uni- A nossa revolução continuará.
formizados, da manifestação,
o JOVEM CAMARADA - Ouçam o .esto:l dizendo: vejo
() JOVEM CAMARADA - Lembrei aos desempregados quantas com os meus dois olhos que a rruserra n ao
vezes os soldadas a ti raram neles. E agora tenho que di- Por isso me oponho à sua decisão de esperar. Ainda hoje
zer-lhes que devem participar de urna manifestação jun- à noite vou ocupar a Câmara Municipal à frente dos
to com os assassinos?
desernpregados.
Os TRÊS AGITADORES - Sim, porq ue os soldados podem reco- Os TRÊS AGITADORES - SabClTIOS que a Câmara
nhecer que estava errado atirar em rnisera vei s da sua pró- está repleta de soldados. Mas ainda que não estlvess..e po-
pria classe. Lembre-se do conselho do camarada Lênin liciada, de que nos adiantaria a ". estaçoes _de.
de que não se devem considerar todos os camponeses trem) as estações telegráficas e os qU<lrtels,estao nas mao:
como inimigos de classe, mas sirn conquistar a miséria do governo? Você não nas convenceu. Va: portanto, ate
do campo como aliada. os desempregados e convença-os de que nao podem ata-
() JOVEM CAMARADA - Então eu pergunto: os clássicos role- car sozinhos. Exigimos isso de você agora em nome do
ram que a miséria espere? Partido.
()S TRÊS AGITADORES - Eles f alam de métodos que abrangem O J OVEl\l CAMARADA - Mas quem é o Partido?
a miséria em toda a sua dimensão. Ele está sentado em uma casa corn ,
Seus pensamentos são secretos) suas decisões desconheCi-
() JOVEM CAMARADA - Então os clássicos não são a favor de
que se dê ajuda imediata a todo miser áve]? das?
Quern é ele?
()S TRÊS AGITADORES - N ão.
Os TRÊS AGITADORES - Nós somos ele.
O JOVEM CA!\-lARADA - Então os clássicos são uma merda Você e eu e vocês - nós todos.
e eu os rasgarei; pois o homem, como ser vivo, berra, e Ele está na sua vestimenta, camarada. e pensa co:r1 •a sua
a sua miséria rompe todos os diques do ensinamenro. Por cabeça. Onde, eu moro, é a sua casa, e onde voce e ata-
isso darei início agora à ação, agora e já, pois eu berro e cado ele luta.
rompo os diques do ensinamen to. Mostre-rios o caminho que devemos percorrer
Ele rasga os escritos. E o percorreremos com você, mas
°
Não percorra sem nós caminho correto,
Os Não os rasgue! Precisamos deles,
'l' R Ê S AGITADORES - Sem nós ele seria
De cada um deles. Veja a realidade! Ornais errado.
A sua revolução é feita rapidamente Não se separe d e nos
't

E dura apenas um dia, Podemos estar errados e você ter razão, portanto
Amanhã estará sufocado. Não se separe de nós!
258 259
() J OV E M C A M A RA DA - Aqu i h á op ressão . Sou a fav or da lí-
Que o caminho ma is curto é melhor d o que o mais longo
berdade !
Ninguém nega
Mas se alguém o conhece ()S TRÊS AGITADORES - Cale-s e! Você está nos expondo.
E não é capaz de mostrá-lo a nós, de que nos adianta a O JOVE1\1 - Nã o posso ca lar - ru e, porque estou
su a co m a razão.
Sabedoria?
Os T R Ê S AGITADORES - E stej a o u não c om a raz ão - se você
Esteja sabi am en t e conosco!
falar, estamos perdidos! - C ale- se!
Não se separe de nós!
O JOVEM CAMARADA - Já vi demais,
() JOVE:1\l CAMARADA - Porque tenho razão, não posso ceder.
Não me calarei por mais tempo.
Vejo com os meus dois olhos que a miséria não pode Por que calar-me ainda?
esperar. Se eles não sabem que têm am igos ,
Corno se levantarão?
() C O R O DE C O N T R OLE Por isso coloco-me à sua fr ente,
C 0 0 10 aquele que sou e diz o que é.

ELOGIO AO PARTII)() Ele tira a máscara e grita :


Viemos ajudá-los,
o indivíduo tem dois olhos ,
V iem os de Moscou,
O Partido tem milhares de olhos.
O Partido vê sete países Ele rasga a m áscara.
O indivíduo vê uma cidade. OS Q UATRO AGITADORES - E olhamos, e no c re p úsc ulo
O indivíduo tem a Sua hora, Vimo s seu rosto desvelad o,
Mas o Partido tem muitas horas. Humano, aberto e sincero. Ele ha via
O indivíduo pode ser aniquilado, Rasgado a máscara.
Mas o Partido não pode ser aniquilado, E das casas
Pois ele é a tropa avançada das massas Os oprimidos gritavam: Quem
E lidera a sua luta °
Incomoda sono daqueles que estão exaustos?
Com os métodos dos clássicos, que foram criados E uma janela se abriu, c uma voz gritou:
A partir do conhecimento da realidade. Aqui há elementos estranhos! Peguem os provocadores!
O JOVEM CAMARADA - Tudo isso não vale mai s; ern vista Assim fomos descobertos!
da luta, nego tudo o que ainda on tern era v álido. E faço E já ouvimos os canhões
apenas o que é humano. Aqui está a ação. A ssumo a sua No centro da cidade, e os ignorantes falavam:
liderança. Agora ou nunca! E os desarmados gritavam:
Meu coração bate pela revolução. Ela está aqui . Saiam de suas casas!
Mas ele náo parava de berrar
Os TRÊ S AG1TAOORES - Cale-se!
261
260
Ern plena rua , Onde quer que o f am inro
E o abatemos , Gema e se re volte ,
() erguemos e deixJIT10S rapidamente a cidade. Seus carrascos gritam:
Nós lhe pagamos
Para que gema e se revolte.
7 Está escrito em nossa testa
Que somos contra a exploraç ào .
:\ F UCjA Está escrito em nosso mandato de captu r a ;
São a favor dos oprimidos!
O CORO DE CONTROLE - Eles deixaram a cidade! Quenl ajuda aos desesperados
A desord em cresce na cidade) É considerado corno a escória do rnu ndo ,
NÍJ.s a liderança bate em retirada atravessando os Íirni tes Nós 50 11105 a escória d o mundo .
da cidade ! Nã o po d emos se r v istos.
A Su a decisã o !
OS QUATRO AG1TAD OR E 5 - Esperem ! O C O R O D E CONTROLE - A sua deci sã o !
É fácil saber o que é certo
Longe do tiro,
Quando se tem meses à disposição,
Mas nós 8
Tínhamos cinco m in u tos e
Refletimos d iante d os c anos do s f u zis . r\ DEC 1S AO

Quando ern nossa fuga chegamos perto das mi nas d e O S Q UA TRO AG IT ADO RES - Nós dec idimos:
Então, ele tem que desaparecer, c omple camen te.
cal fora da c idade, ouvimos nossos perseguidores ern n osso
encalço. Nosso jovem camarada ouviu, ao acordar, o tro- Pois nós precisamos voltar ao noss?
vejar dos canhões, que vinha da direção da Câmara Mu - E não podemos levá-lo nem deixa-lo aqui..
nicipal. Reconheceu o que fizera c disse: nossa causa está Portanto temos que matá -lo e jogá-lo na mma de cal ,
perdida. E nós dissemos: nossa causa não está perdida. Pois a calo queimará.
Mas ele foi reconhec ido e não pode escapar. E nos rios há O C O RO DE CONTROLE - Não encontraram outra saída?
canhoeiras ancoradas, c comboios bl indados se encontram Os QUATRO AGITADORES - Corno o tempo era pouco, não en-
estacionados nas ferrovias, prontos para atacar-nos irnc- contramos outra saída.
diat arnenre, caso um de nós seja avistado. Ele não pode Assim como o animal ajuda o animal,
ser v isto. Também nós desejávamos ajudá-lo, àquele que
O CORO DE CONTROLE - Se nos encon trarern, seja onde for, Lutara conosco pela nossa causa.
Sa berão: os poderosos Distante cinco minutos dos perseguidores
Devem ser aniquilados! Pensamos numa
E os canhões dispararã o. Alternativa melhor.

162

..
_------------------------------ -- _._ _ _-- _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ __.... .....
T arnbé rn vocês ago ra cs t áo pensando Os TRÊS :\GIL\ DORE S - pe r g u ntarnos : vo c ê está d e
N l H TLl altern ativa m elh o r. aco r d o ?

Pausa. Pausa.
Portanto dec idi m os sep a r a r () . I O V E i\l CA\1i\ R i\ D :\ - S im . V e jo qu e se m p re ag i errada-
A gora o n osso pró p r io p é d o co r po. men t e.
Ê t err í v el m a r a r . Os AG ITA DORE S - N ão sempre .
Mas não so me n t e os o u t ro s, t arnbcrn nos m a rar ia rnos, ( ) J O VE !\'t CArvl i\ R AD A - Eu que que r ia t an t o se r ú t il, apenas
c aso fosse n ec essár io , troux e p rejuí z o.
Já que só c om violê n cia é p ossí vel transf orma r Os T RÊ S A GITADORES - Não a pe nas.
Esse mundo assassin o,
() J OVE ,\l CA:'\1ARAD :\ - M as ago r a se r ra mel h o r se cu não
Co rno sabe todo ser vivo.
exi stisse.
A ind a n ão n os fo i dad o , dissem os,
Nã o m atar. U nicarncn te Os T RÊS AG f L>\DO R E S - Sim. Quer f azê -lo sozin ho ?
Pela von t ade in abalá vel d e t ra n sfo rm a r o m u ndo é que O J O VE.M C 1\ \ l A RADA - A ju dem -me.
just if ic amos ()S TR ÊS AG I TADORES - E ncoste a sua ca beç a em noss o br aç o .
A dec isão. F eche os olhos.
O COR O DE CO N T R OLE - C o n t in ue m con t a n d o. Pod em estar O J O VE M C A M AR A D A in uisli.cl - El e ainda d isse : No intcres-
cer tos se d o com u n ismo,
D e n o ssa si m p a t ia. D e aco rdo c om o avanç o das m assas proletá r ias
Nã o foi f ác il f azer o qu e era correto, D e t od os os pa ís es,
Nã o foram voc ês q ue p ro nu n ciaram a su a se n t e n ç a, Af ir m and o a revoluçã o rn und ial.
m as sim ( ) S Q UATR O A G ITA DORE S - E nt ão a ti r amos ne le
A realidade. E o jo g am os n a mina de ca l.
Os QUA TRO AGITADORES - Repetimos nossa ult irna conversa. E , quando a calo ha via en go lido)
() PRI MEIRO AG ITADO R - V an105 perguntar se el e está d e V ol tarnos ao n osso t rab alho.
ac o rdo , p oi s f oi um l utador co ra joso . () C O R O D E CO NTROLE - O seu tra balh o f oi be m -su ced ido ,
( ) SE GU NDO AG IT A DO R - M as m esmo que n ã o es tej a d e aco r - \ To c ês propaga ranl
do, ele terá que desaparecer c ompletamente. Os ensin ament os d os clássicos,
() ABC d o cornun ismo.
O PRIMEIRO AGITADOR para o ioi-e m cama rada - Se f or cap- Aos ign orantes ens in am en t o s sobr e a sua sit u aç ão ;
turad o eles at ira r ão em v o c ê , e, corno vão reconhecê-lo , Aos o p r irn id os , a consciênci a de cl asse,
n osso trabalho será descobert o. P ortanto t emo s que ati- E aos con scient izados, a experiê nc ia da re vol u ç ão.
r a r ern voc ê e jogá-lo na min a de cal para que a calo E t amb ém lá a r evoluç ão está em marcha,
queime. M as perguntamo s: voc ê vê urn a sa íd a ? E as fileira s d e co m ba t en t es estã o o rga n iz ad as t amb ém l á.
O J OV E 1\'1 CA M A RA D A - N ã o. E stamos d e ac ordo com você s.

264 265
Seu re lat o nos mostra o quanto
É n ecessário p ara se t r ansforrna r o rn u n do :
R aiva e pertinácia , saber e revolt a,
Intervenção rápida, profunda ponderação,
Fria tolerância , infinita perseverança .
Compreens ão da parte c compreensão do tod o:
Só ensin ados pela realidade é que p odemos
T ransforrn ar a realidade.

266

Related Interests