Вы находитесь на странице: 1из 9

25/03/2019 Obstáculos para o desenvolvimento de esportes alternativos na opinião de professores da cidade de Pelotas, RS

Obstáculos para o desenvolvimento de esportes alternativos


na opinião de professores da cidade de Pelotas, RS
Los obstáculos para el desarrollo de los deportes alternativos según los profesores de la ciudad de Pelotas, RS
Obstacles to the development of alternative sports in teacher view of the city of Pelotas, RS

*Graduado no curso de Licenciatura em Educação Física Lucas de Freitas da Silva*


da Escola Superior de Educação Física da Universidade Federal de Pelotas Luiz Fernando Camargo Veronez**
**Orientador. Professor Doutor da Escola Superior de Educação Física luca.fs@hotmail.com
da Universidade Federal de Pelotas (Brasil)

Resumo
Este trabalho tem o objetivo de compreender quais os obstáculos para o trabalho com esportes alternativos nas aulas de Educação Física escolar na opinião dos professores da rede municipal de Pelotas-
RS. Em consulta à literatura referente, levando em conta o esporte na Educação Física escolar foram encontradas diversas experiências positivas no uso de esportes alternativos, embora em quantidade reduzida
em proporção ao uso do esporte institucionalizado. Os dados foram construídos com a participação de 14 professores da rede escolar municipal, lotados
na zona urbana da cidade de Pelotas-RS, através de pesquisa com a utilização de um questionário com questões abertas e fechadas. Os dados revelaram que na opinião geral dos professores participantes os
maiores obstáculos para a utilização dos esportes alternativos são resultantes de questões alheias à sua vontade, como falta de infraestrutura, falta de material e falta de interesse dos alunos. Os professores
também julgaram terem tido uma formação acadêmica sólida para o trabalho com os esportes institucionalizados, possivelmente optando por trabalhar com os mesmos em suas aulas por possuírem um maior
domínio do conteúdo.
Unitermos: Esporte alternativo. Educação Física. Escola.

Abstract
This study aims to understand what obstacles to work with alternative sports in Physical Education school classes in the opinion of teachers of municipal schools of
city of Pelotas-RS. Consulting the literature about the sport in Physical Education school classes, several positive experiences in the use of alternative sports were found, although in much reduced in proportion to
the use of institutionalized sport. Data were built with the participation of 14 teachers of the municipal school network,
in the urban area of Pelotas, through research using a questionnaire with open and closed questions. The data revealed that the general opinion of the participating teachers is that the biggest obstacles for the
use of alternative sports are caused by issues beyond their control, such as lack of infrastructure, lack of equipment and lack
of student interest. Teachers judged also had a solid academic background to work with institutionalized sports, possibly choosing to work with them in their classes because they have a greater mastery of
content.
Keywords: Alternative sports. Physical Education. School.

Recepção: 04/07/2015 - Aceitação: 09/08/2015

EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 20, Nº 207, Agosto de 2015. http://www.efdeportes.com

1/1

1. Introdução

Este trabalho busca investigar os problemas e dificuldades enfrentadas pelos professores de Educação Física da zona urbana da rede municipal da cidade de
Pelotas na utilização de esportes alternativos em suas aulas. Com base em vivências pessoais do autor, além de consulta à literatura, é nítida a sua ínfima difusão na

https://www.efdeportes.com/efd207/obstaculos-para-esportes-alternativos.htm 1/9
25/03/2019 Obstáculos para o desenvolvimento de esportes alternativos na opinião de professores da cidade de Pelotas, RS

Educação Física Escolar. Com tal afirmação, é possível deduzir que existem aspectos inerentes à sua aplicação que dificultam sua adesão por parte dos docentes. O
objetivo deste trabalho, em um âmbito geral pauta-se na busca por apontar as maiores dificuldades na opinião dos professores quando da utilização de esportes
alternativos nas aulas de Educação Física escolar. Também se busca conhecer o tipo predominante de esporte utilizado (institucionalizado ou alternativo), as
modalidades mais utilizadas e possíveis deficiências na formação acadêmica tratando de tal aspecto.

1.1. O esporte na Educação Física escolar

Muitos pesquisadores e professores constantemente buscam novos métodos que visem aumentar o interesse dos alunos pelas aulas de Educação
Física escolar. Uma das alternativas de abordagens encontradas na literatura foi a aplicação de esportes alternativos adaptados ao ambiente escolar.
Consciente do sucesso da prática dos esportes alternativos na Educação Física escolar, entretanto, tal abordagem não é amplamente praticada pelos
professores da disciplina, optando-se por manter métodos arcaicos e que colaboram para a desvalorização da profissão.

“A Educação Física Escolar é entendida como uma disciplina que introduz e integra o aluno na cultura corporal de movimento,
formando o cidadão que vai produzi-la, reproduzi-la e transformá-la, capacitando-o para usufruir os jogos, os esportes, as danças, as
lutas e as ginásticas em benefício do exercício crítico da cidadania e da melhoria da qualidade de vida” (Melles, 2002).

Tal significado idealista atribuído à Educação Física distancia-se da realidade atual escolar. Um estudo realizado por Devide (1999) pesquisou a
forma como os alunos concebem a Educação Física como disciplina curricular. Os resultados permitiram identificar que é grande a parcela de alunos
que afirmam que a Educação Física não possui relevância para manter-se no âmbito escolar, sem motivar para a prática permanente e ministrando
conteúdos repetitivos e sem aplicabilidade no cotidiano. Infere-se que as práticas desenvolvidas tendem a se tornar repetitivas por focarem-se apenas
nas mesmas modalidades. Sob tal afirmação, a responsabilidade recai sobre os docentes, que a passam adiante justificando a pouca diversidade de
conteúdo das práticas em sala de aula com a estrutura precária e pequena quantidade de materiais disponíveis, conforme citou Betti apud Souza
(1995).

Como justificativa plausível para o comportamento descrito no parágrafo anterior, um estudo realizado por Darido et al (1999) afirmou as maiores
dificuldades encontradas pelos professores de Educação Física no Ensino Médio é a falta de interesse dos alunos; a falta de habilidade dos mesmos;
falta de infraestrutura; falta de disciplina; e roupas impróprias para a prática da aula. Ainda segundo os autores, “no ensino médio, os alunos
apresentam vergonha de se exporem e rejeição as novidades. Tudo isso associado ao medo de errar, acaba por distanciar ainda mais os alunos das
aulas de Educação Física”.

https://www.efdeportes.com/efd207/obstaculos-para-esportes-alternativos.htm 2/9
25/03/2019 Obstáculos para o desenvolvimento de esportes alternativos na opinião de professores da cidade de Pelotas, RS

Analisando as informações reunidas é impossível apontar um culpado pela desvalorização da Educação Física escolar, sendo possível afirmar que as
três partes envolvidas – alunos, professores e gestores – possuem uma parcela de culpa, sendo o desinteresse uma especificidade inerente à todas as
partes.

1.2. Esporte institucionalizado e esporte alternativo

Centralizando a busca por uma definição apenas no ambiente escolar, Costa e Nascimento (2006) apontam dois tipos de esportes costumeiramente
como conteúdo escolar: o esporte institucionalizado (basquetebol, voleibol, handebol, atletismo, futebol, futsal, ciclismo, outros) e o esporte alternativo
(capoeira, escaladas, passeios, bets, malha, peteca, outros). Tal afirmação fornece uma definição simplificada, porém carente de certas informações
necessárias para localizar um esporte dentro de tais categorias. Baseando-se na mesma, entretanto podemos inferir que esportes institucionalizados
são aqueles em que:

Há um predomínio maior de regras, que não variam de região para região;

Grande número de associações e federações, que visam reger e regular a modalidade;

Maior número de praticantes.

Pela mesma inferência, podemos afirmar que os esportes alternativos são aqueles em que:

Não há um grande número de regras e elas podem variar de uma região para a outra;

Raras associações e federações, visando primariamente reunir os praticantes e estreitar laços entre eles;

Menor número de praticantes.

Na realidade escolar, hegemonicamente predomina o primeiro tipo de esporte (institucionalizado). Souza (2011) diz que “costumeiramente o
professor trabalha apenas os esportes mais conhecidos, sendo que há muitos esportes com características diferentes que poderiam agradar a uma
quantidade maior de alunos”.

1.3. Por que optar pelo alternativo?

https://www.efdeportes.com/efd207/obstaculos-para-esportes-alternativos.htm 3/9
25/03/2019 Obstáculos para o desenvolvimento de esportes alternativos na opinião de professores da cidade de Pelotas, RS

É fato concreto afirmar que a estrutura da maioria das escolas brasileiras é voltada somente para a prática dos esportes tradicionais – futsal,
voleibol, basquetebol, etc. No entanto, muitas atividades e esportes alternativos podem ser desenvolvidos com poucos, senão nenhum material.
Tomando como o atletismo, esporte pouco trabalhado que pode facilmente ser trabalhado com a utilização de materiais adaptados, como latas e cabos
de vassoura, pneus e areia como obstáculos, evitando a sua redução de conteúdo meramente a corridas e saltos (Betti, 1999, p.29). Outros
impedimentos citados são a falta de vivência pessoal por parte dos professores, tanto no cotidiano de vida, como no âmbito acadêmico e a
preocupação com o fator violência – no caso das lutas –, o que incompatibiliza a possibilidade de abordagem deste conteúdo na escola (Nascimento &
Almeida, 2007, p. 93)

Embora haja um número razoável de impedimentos tratando da utilização de esportes alternativos em sala de aula, uma rápida busca na literatura
revela que o esforço costuma valer à pena. De Ávila (1995) apud Darido et al (1999) buscou em sua intervenção implementar uma proposta de
atividades rítmicas e expressivas para alunas do curso de magistério, nível médio. Como resultado, ocorreu um aumento na participação nas aulas,
com os principais argumentos sendo o de não precisar “jogar bola” (referência ao futebol, principalmente) e de não haver competição e necessidade
de ser melhor que ninguém (referência a competição dos esportes).

Melo (1997) apud Darido et al (1999) implementou um programa de Educação Física para o ensino médio utilizando jogos, sendo avaliado de forma
positiva. O autor indica a importância de um trabalho onde seja oferecida uma ampla gama de atividades aos alunos, para além dos esportes
tradicionais.

Entre outros relatos de sucesso na aplicação de esportes alternativos estão trabalhos como os de Portal G1 (2008) com tênis de mesa e badminton,
Nascimento & Almeida (2007) com as lutas, Berté & Fachineto (2013) com as caminhadas e Viana & Silva (2005) com a capoeira.

Esportes alternativos como peteca, frescobol e capoeira não possuem o objetivo de subjugar o oponente em busca da vitória. Para a fluência do
jogo é necessária a colaboração de ambos os jogadores, tornando o adversário colega. Desta forma a Educação Física potencializa o desenvolvimento
de habilidades sem o ônus da competitividade. Já com outras modalidades, como a caminhada e a ginástica o objetivo torna-se intrínseco ao interesse
do próprio aluno, moldado pela orientação do professor. Com este questionamento em mente sobre o porquê da pequena difusão de tais ideias
considerando os benefícios da mesma, é importante buscar reforçar o entendimento sobre as causas que impedem o professor de optar por trabalhar
com métodos que obtiveram sucesso, além de formas para contornar tais empecilhos.

2. Metodologia

https://www.efdeportes.com/efd207/obstaculos-para-esportes-alternativos.htm 4/9
25/03/2019 Obstáculos para o desenvolvimento de esportes alternativos na opinião de professores da cidade de Pelotas, RS

O objetivo primordial deste trabalho tratou de uma investigação sobre quais os maiores obstáculos apontados pelos professores como impedimento para o
desenvolvimento de esportes alternativos na Educação Física escolar das escolas municipais da zona urbana da cidade de Pelotas, RS. Também se buscou verificar
se houveram tentativas de aplicação de esportes alternativos e em caso positivo, os prós e contras da experiência na visão dos professores. A investigação
caracterizou-se como uma pesquisa de cunho transversal, com abordagem quantitativa dos dados coletados.

A população da pesquisa foi composta de professores de Educação Física de escolas públicas municipais situadas na zona urbana da cidade de Pelotas, RS. Com
306.193 habitantes, segundo informações da Secretaria Municipal de Educação atualmente 144 docentes estão vinculados à Prefeitura Municipal de Pelotas, sendo
118 destes atuantes em escolas situadas na zona urbana e 22 atuantes em escolas da zona rural, além de quatro atuantes em ambas as zonas.

A amostra foi definida através do sorteio de seis entre as 40 escolas da rede municipal localizadas na zona urbana da cidade de Pelotas. Para a coleta de dados,
foi utilizado um instrumento (questionário) composto por duas partes, a primeira estruturada buscando coletar dados referentes à identificação, tais como: idade,
sexo, formação e tempo de atuação na rede pública municipal; e a segunda questionando sobre a experiência do professor na aplicação de esportes alternativos na
Educação Física escolar, bem como questões sobre a sua experiência com o esporte em sala de aula e em sua formação acadêmica.

3. Resultados e discussão

Participaram do estudo quatorze (14) professores de Educação Física da rede municipal da cidade de Pelotas lotados em escolas da zona urbana. Traçando um
perfil dos professores participantes, 5 (35,71%) são homens e 9 (64,28%) são mulheres. Referente à faixa etária, a média de idade dos professores encontrou-se
em 48,3 anos.

No âmbito profissional, 10 (71,42%) professores afirmaram lecionar em 2 ou mais escolas da rede municipal, enquanto 4 (28,57%) exercem sua carga horária
integralmente em apenas uma escola. Infere-se que os professores que trabalham em duas ou mais escolas possuam naturalmente uma experiência maior entre
realidades distintas, sociais e culturais, embora possa existir uma variabilidade destes aspectos entre uma turma e outra em uma mesma escola.

Quanto à formação profissional, constatou-se que todos os participantes do estudo (14 – 100% da amostra) se formaram pela Escola Superior de Educação
Física, da Universidade Federal de Pelotas. Sobre o nível de graduação, 10 professores (71,42%) afirmaram possuir o nível de pós-graduação, enquanto 4 (28,57%)
possuem apenas o nível de graduação. Com base em tais dados é possível depreender que, sendo uma mesma instituição de origem responsável pela formação
acadêmica de todos os participantes, a mesma possibilita uma formação inicial sólida e resultante disso, o ingresso na rede municipal mediante aprovação em
concurso público. Nota-se também uma preocupação do professor em ingressar e concluir uma pós-graduação, cimentando uma formidável formação acadêmica.

12 (85,71%) professores afirmaram haver uma predominância dos esportes institucionalizados em suas aulas de Educação Física escolar, enquanto 1 (7,14%)
afirmou haver predominância dos esportes alternativos. Ainda 1 (7,14%) afirmou optar por um planejamento com ambas as opções citadas. Destes, entretanto, 6

https://www.efdeportes.com/efd207/obstaculos-para-esportes-alternativos.htm 5/9
25/03/2019 Obstáculos para o desenvolvimento de esportes alternativos na opinião de professores da cidade de Pelotas, RS

(42,85%) relataram já ter trabalhado com alguma modalidade alternativa, ao passo que 8 (57,14%) sempre optaram pelos esportes institucionalizados. Entre as
modalidades alternativas já trabalhadas citadas pelos professores, encontram-se o slackline, skate, capoeira, esportes de raquete, entre outros.

Dentre as modalidades trabalhadas, 100% dos professores participantes do estudo afirmaram trabalhar com a modalidade futsal. É notória a citação da frase
“país do futebol” no que se refere à República Federativa do Brasil. Castilho (2010) afirma que “o futebol está completamente presente na cultura do brasileiro,
sendo que dificilmente as crianças, jovens e adolescentes, não serão consumidores dele mesmo que de forma indireta, uma vez que elas já estão neste ciclo
incontrolável”. O autor ainda afirma que “cabe a instituição responsável pela educação e ensino trazê-lo aos seus objetivos, ou seja, através da linguagem do futebol
aproximar as crianças à linguagem escolar”. Considerando o futsal como uma variante do futebol – possuindo uma mecânica de jogo extremamente semelhante,
porém mais adequada ao espaço escolar em função da inviabilidade de se obter uma infraestrutura necessária para o futebol (espaço maior e piso de grama) –, é
presenciada a onipresença do mesmo na Educação Física escolar.

Em ordem de popularidade, seguem o handebol (12 professores – 85,71%), voleibol (11 – 78,57%), basquetebol (10 – 71,42%), atletismo (5 – 35,71%) e outros
(3 – 21,42%).

Sobre os maiores impedimentos para o trabalho com esportes alternativos na escola na opinião dos professores integrantes do estudo, a falta de estrutura da
escola foi a mais citada, por 11 (78,53%) professores. Em seguida, acompanham a falta de material adequado (citada por 9 – 64,28%), falta de conhecimento do
professor (6 – 42,85%), falta de tempo para se especializar na modalidade (5 – 35,71%), falta de apoio do corpo diretivo da escola (4 – 28,57%), desinteresse dos
alunos (3 – 21,42%) e o desinteresse do próprio professor (2 – 14,28%). Tal questão integrante do instrumento de pesquisa foi primordialmente concebida de
natureza fechada, com a última alternativa aberta de modo a permitir a livre expressão dos participantes em caso da existência de razões imprevistas na formulação
do instrumento. Apenas um professor utilizou-a, considerando também o grande número de alunos em cada turma como razão para a dificuldade de trabalho com
esportes alternativos.

De acordo com a maioria dos professores (12 - 85,71%), os impedimentos para a prática dos esportes alternativos na Educação Física escolar são produtos
derivados principalmente do sistema. Como mero agente, ao professor cabe acatar decisões e trabalhar com o que lhe é disponível, seja em infraestrutura ou
materiais.

Apenas das comprovadas dificuldades infligidas repetidamente aos professores, para dois professores (14,28%) participantes do estudo, o próprio professor
muitas vezes tem sua parcela de culpa ocasionada pelo seu desinteresse. Tal desinteresse – se progressivo – tem seu epicentro no próprio sistema. Sandri (2008)
corrobora afirmando que “na escola o professor de Educação Física recebe muitas vezes outras funções além da sua”. Ainda de acordo com a autora, “nesta
situação, os professores de Educação Física deixam a possível valorização profissional e o espaço na escola desaparecerem rapidamente”.

https://www.efdeportes.com/efd207/obstaculos-para-esportes-alternativos.htm 6/9
25/03/2019 Obstáculos para o desenvolvimento de esportes alternativos na opinião de professores da cidade de Pelotas, RS

Sobre a falta de material, para Canestraro et al (2008) os recursos materiais dentro do ambiente de ensino são de grande importância para a prática pedagógica
do professor, sendo a sua precariedade ou ausência um impedimento não só para a Educação Física, mas para todas as disciplinas. Os autores ainda destacam que
parte dos recursos demandados pelos professores tem como utilidade primordial a facilitação da organização do espaço físico. Havendo uma grande insatisfação dos
professores de Educação Física com a indisponibilidade de materiais, os autores afirmam que isto pode “demonstrar um alto grau de limitação, falta de criatividade e
ineficácia por parte do corpo docente”.

Nove (64,28%) professores integrantes deste estudo afirmaram terem sido melhor preparados para trabalhar com o futsal e o handebol em sua formação
acadêmica. Em seguida, o voleibol e o basquetebol são citados por 8 (57,14%) professores. O atletismo segue, citado por 5 (35,71%) professores. Ginástica rítmica,
recreação e natação foram as modalidades menos citadas, por um (7,14%) professor cada. É observado que os professores costumeiramente optam por trabalhar
com as modalidades que consideram terem sido mais bem preparados durante a formação acadêmica. De forma complementar, dois (14,28%) professores
categorizaram sua formação como boa para esporte de rendimento em geral.
Sobre a experiência de práticas esportivas na graduação, 3 (21,42%) dos professores integrantes afirmaram terem sentido falta de alguma modalidade. Entre as
citadas, encontram-se esportes com raquete, esportes em meio aquático, lutas, esportes radicais e esportes adaptados. 11 (78,53%) dos professores afirmaram não
terem sentido falta de modalidade alguma.

4. Conclusão

Sendo a formação acadêmica considerada satisfatória, busca-se uma resposta sobre os motivos que levam o professor a optar por uma abordagem considerada
tradicional – muitas vezes eficiente - em detrimento de uma abordagem alternativa, já amplamente testada e provada como eficaz. A opinião predominante por
parte dos professores participantes deste estudo reitera que a culpa pela pouca difusão do trabalho com esportes alternativos reside principalmente nas mãos do
sistema.

Certamente as críticas a respeito da falta de criatividade ou até mesmo interesse por vezes são válidas. No entanto, há de considerar que sem oferecer recursos,
infraestrutura ou até mesmo apoio moral é inviável para o professor optar por tal rota, sendo já exaustivamente exigido e cobrado dentro de sua carga horária.
Além do planejamento e execução das atividades, o professor torna-se sobrecarregado com tarefas que não deveriam ser de sua responsabilidade, tendo de delegar
parte de seu tempo livre para, exemplificando, a construção e o preparo de implementos alternativos, levando em consideração que a lacuna de material que
deveria ser sanada pelos gestores.

Deve-se questionar o que leva o professor tanto ao desinteresse quanto a adaptação ao sistema, em um sentido meramente pejorativo. Entre tantas alternativas,
as principais podem ser consideradas o desgaste e o pouco reconhecimento da profissão. Com estas em longo prazo, ao invés de nadar contra a corrente, o

https://www.efdeportes.com/efd207/obstaculos-para-esportes-alternativos.htm 7/9
25/03/2019 Obstáculos para o desenvolvimento de esportes alternativos na opinião de professores da cidade de Pelotas, RS

professor opta pela comodidade

Provadas as razões da pouca difusão dos esportes alternativos e encontrando um culpado principal na entidade do sistema, a solução para o problema enfrentado
reside na dificultosa tarefa de lutar contra o mesmo. No entanto, um professor dificilmente terá sucesso se não obter apoio de toda a classe, através de uma união
de docentes visando um bem maior.

Bibliografia

Barbanti, V. J. (2006). O que é esporte? Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, Pelotas, 11 (1), 54-58.
Berté, J. K. & Fachineto, S. (2013). Incentivando a prática da caminhada por meio do pedômetro em aulas de Educação Física. EFDeportes.com, 17 (177).
http://www.efdeportes.com/efd177/incentivando-a-caminhada-por-meio-do-pedometro.htm

Principais dificuldades que o professor de Educação Física enfrenta no processo ensino-aprendizagem do


Canestraro, J. F.; Zulai, L. C. & Kogut, M. C. (2008).
Ensino Fundamental e sua influência no trabalho escolar [versão eletrônica]. Acesso em 22 de fevereiro de 2015. Disponível em:
http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2008/anais/pdf/872_401pdf.

Castilho, M. M. (2010) . Futebol na escola: sua cultura, espaço e elementos na Educação Física escolar [versão eletrônica]. Monografia de Conclusão de Curso
– Centro Universitário Ítalo Brasileiro, São Paulo. Acesso em 22 de fevereiro de 2015. Disponível em:
http://www.universidadedofutebol.com.br/Files/pdf/mono_italo_final

%282%29.pdf

Costa, L. C. A. da & Nascimento, J. V. do (2006). Prática Pedagógica de Professores de Educação Física: Conteúdos e Abordagens Pedagógicas. Revista da
Educação Física/UEM Maringá, 17 (2), 161-167.
Darido, S. C.; Galvão, Z.; Ferreira, L. A. & Fiorin, G. (1999). Educação Física no Ensino Médio: Reflexões e Ações. Revista Motriz, 5 (2).
Devide, F. P. (1999). As aulas de educação física escolar sob a ótica de seus atores. Sprint Magazine, 18 (105), 34-40.
G1. Esportes 'alternativos' aumentam freqüência nas aulas de educação física. [online] Disponível em: http://g1.globo.com/Noticias/Vestibular/0,,MUL918676-
5604,00-ESPORTES+ALTERNATIVOS+AUMENTAM+FREQUENCIA+NAS+AULAS+DE+EDUCACAO+FISICA.html. Acesso em 14 de Fevereiro de 2014.

https://www.efdeportes.com/efd207/obstaculos-para-esportes-alternativos.htm 8/9
25/03/2019 Obstáculos para o desenvolvimento de esportes alternativos na opinião de professores da cidade de Pelotas, RS

Gonzales, N. M. & Pedroso, C. A. M. de Q. (2012). Esporte como conteúdo da Educação Física: a ação pedagógica do professor. EFDeportes.com, 15 (166).
Melles, C. (2002) Ed. Física Escolar. Revista E.F. CONFEF, 5 (5), 4-12.
Nascimento, P. R. B. do & Almeida, L. de. (2007). A tematização das lutas na Educação Física Escolar: restrições e possibilidades. Revista Movimento. 13 (03),
91-110.

Sandri, S. de F. (2008). Professores de Educação Física: (Des) Motivados nas Práticas Pedagógicas das Escolas Públicas Estaduais de Francisco
Beltrão/Paraná? Acesso em 21 de fevereiro de 2015. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/870-4.pdf
Souza, R. H. (2011). Esportes alternativos nas aulas de Educação Física. 40f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Educação Física) –
Universidade Est. de Londrina, Londrina. Acesso em 22 de fevereiro de 2015. Disponível em:
http://www.uel.br/cef/demh/graduacao/arquivosdownload/tcc2012/RAFAEL_HIDEKI_LEF100.pdf

Viana, H. B.; Silva, H. P. dos S. (2005). A implementação da capoeira no currículo escolar pela prefeitura Municipal de Campinas. EFDeportes.com, Revista
Digital, 10 (81). http://www.efdeportes.com/efd81/capoeira.htm
Outros artigos em Portugués

Recomienda este sitio

Buscar

Búsqueda personalizada
EFDeportes.com, Revista Digital
· Año 20 · N° 207 | Buenos Aires, Agosto de 2015
Lecturas: Educación Física y Deportes - ISSN 1514-3465 - © 1997-2015 Derechos reservados

https://www.efdeportes.com/efd207/obstaculos-para-esportes-alternativos.htm 9/9