Вы находитесь на странице: 1из 9

Artigo de Revisão / Review Article

open-access

A Temporalidade na Esquizofrenia
Temporality in Schizophrenia
João Miguel Malhadas Martins*

RESUMO do tempo implícito. Por fim, é demonstrado


Introdução: A temporalidade é um elemento como uma falha neste processo pode afetar
essencial e organizador da vivência do ser. É a vivência temporal da pessoa com esquizo-
um elemento fundamental na coerência do frenia.
self. Apesar da sua importância, é um tema Palavras-Chave: Tempo; Temporalidade; Es-
relativamente pouco investigado, particular- quizofrenia; Fenomenologia; Psicopatologia;
mente na esquizofrenia, onde tem sido sugeri- Intersubjetividade; Self.
do que alterações da vivência do tempo podem
ser fenómenos nucleares da psicopatologia na ABSTRACT
esquizofrenia.
Background: Temporality is an essential
Objetivo: Com este trabalho pretende-se com- and organizing element in the experience of
preender de que forma as alterações na tem- being. It is a fundamental element in the
poralidade podem estar relacionadas com a coherence of self. In spite of its importance,
psicopatologia na esquizofrenia. it is a subject not well investigated, particu-
Métodos: Foi efetuada uma revisão seletiva da larly in schizophrenia, where studies have
literatura a partir da base de dados PubMed a suggested that alterations of time experience
partir do ano 2000, e posteriormente em textos may be a nuclear phenomenon in the psy-
clássicos de psicopatologia. chopathology.
Resultados e Conclusões: São distinguidos Aim: This paper intends to understand how
os constructos de tempo, tempo vivido e tem- changes in temporality may be related to the
poralidade. São descritas evidências e formu- psychopathology in schizophrenia.
ladas hipóteses da forma como as alterações Methods: A selective review of the existing
da vivência do tempo poderão afetar os in- literature has been performed based on Pu-
divíduos com esquizofrenia. É apresentado bmed database starting in 2000, and with a
o processo de síntese constitutiva de proten- special focus on the classical psychopatholo-
são-impressão-retenção, essencial à vivência gy literature.

* Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Centro Hospitalar Barreiro-Montijo.  joaomiguel.m.martins@gmail.com.


Recebido / Received: 13.07.2016 - Aceite / Accepted: 11.08.2016.

Revista do Serviço de Psiquiatria do Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca, EPE

www.psilogos.com 57 Junho 2016 • Vol. 14 • N.º 1


João Miguel Malhadas Martins PsiLogos • pp 57-65

Results and Conclusions: The constructs tal como todos os objetos espaciais estáticos e
of time, lived time and temporality are dis- dinâmicos. Mesmo os objetos ditos não-tem-
tinguished. Hypotheses are formulated with porais (como os postulados geométricos) pres-
evidence provided regarding how changes in supõem a existência do tempo, pela própria
the experience of time may affect individu- experiência da sua intemporalidade. Os pró-
als with schizophrenia. It is also explained prios processos mentais têm um tempo de fun-
the process of constitutive synthesis of pro- do. Para uma melhor análise das vivências e
tention-impression-retention, an essential de como as coisas nos surgem na consciência,
process to the experience of implied time. Fi- Husserl, através de uma redução fenomenoló-
nally, it is demonstrated how failure in this gica, diferenciou três estruturas temporais: o
process may affect the temporal experience tempo objetivo (ou transcendental), o tempo
of the person with schizophrenia. vivido (ou subjetivo) e a consciência do tem-
Key-Words: Time; Temporality; Schizophre- po vivido. O tempo objetivo é o tempo físico,
nia; Phenomenology; Psychopathology; In- cronológico, quantitativo e independente do
tersubjectivity; Self. eu. É um conceito próximo da ideia do senso
comum de tempo. Em fenomenologia, o tem-
po objetivo corresponde à temporalidade dos
INTRODUÇÃO eventos e processos físicos, onde as coisas são
“O tempo está dentro e fora de nós mesmos. O tão temporais quanto espaciais, estando inter-
tempo é uma perceção. É parte do mundo exte- -relacionados tempo e espaço. Consequente-
rior, mas é também uma sensação vivenciada mente, o tempo objetivo é preciso e verificável,
por nós mesmos. Organizamos e cristalizamos sendo partilhado por todos. Para o estimar
a perceção do tempo dando uma conotação são usados relógios e calendários, que ajudam
de fluxo temporal contínuo, o qual medimos os humanos a estabelecer relações temporais
através de relógios, e tentamos aplicar as mes- entre eventos e processos (como durações e
mas medidas para o tempo vivenciado por nós sequências). O tempo vivido, ou subjetivo, é
mesmos, chamando-o de sensação de tempo... pessoal, interior. Acontece dentro do nosso es-
O tempo é uma parte inerente do mundo per- paço interno, é privado e não pode ser medi-
cetível, fora e dentro do corpo”1. Apesar de nos do por métodos objetivos. Esta temporalidade
referirmos à perceção do tempo, de termos interna não possui consciência de si mesma.
inegavelmente um sentido de tempo, os nos- A consciência que temos do tempo vivido cor-
sos corpos não estão equipados com um órgão responde ao terceiro nível da temporalidade. É
sensorial capaz de captar a passagem do tem- a nossa vivência completa da temporalidade a
po, como no caso da audição ou da visão. O cada momento.
tempo não é um objeto material do mundo2.
A questão da temporalidade é crucial para a METODOLOGIA
fenomenologia. Segundo Husserl3, todas as Para a realização deste trabalho, e tendo em
experiências da consciência são temporais, vista uma perspetiva da visão atual do tema,

Revista do Serviço de Psiquiatria do Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca, EPE

www.psilogos.com 58 Junho 2016 • Vol. 14 • N.º 1


A Temporalidade Na Esquizofrenia PsiLogos • pp 57-65

foi elaborada uma revisão seletiva da litera- rado pela Organização Mundial de Saúde e o
tura na base de dados PubMed, a partir do Diagnostic and Statistical Manual (DSM) da
ano 2000, com as seguintes palavras-chave: American Psychiatric Association. Ambos os
“schizophrenia”, “temporality”, “lived time”, conjuntos de critérios são muito semelhantes
“time perception”, “phenomenology” e “psy- e enfatizam os sintomas tradicionais como as
chopatology”. Após selecionados os artigos alucinações, delírios, experiências variadas de
que o autor considerou relevantes e dado os interferência do pensamento, discurso incoe-
temas serem debatidos desde há longa data, rente, embotamento afetivo e um declínio no
posteriormente foram também consultadas funcionamento global. Dentro das mais re-
algumas obras clássicas da psicopatologia, centes tentativas de definir esquizofrenia está
para uma melhor contextualização e integra- a proeminente hipótese da perturbação do
ção do tema. ipseity ou perturbação do self mínimo6. Sass
defende que a esquizofrenia envolve uma “per-
ESQUIZOFRENIA E A CONSCIÊNCIA DO turbação na experiência mínima / núcleo do
SELF self”, algo que diz respeito ao “sentido de existir
O tempo é um elemento essencial à sobrevi- como sujeito vital, como sujeito da experiên-
vência humana e, apesar da sua importância, cia idêntico ao próprio self, como agente da
é relativamente pouco investigado, em parti- acção”5. Parnas descreve, da mesma forma, a
cular na esquizofrenia4. erosão da perspetiva na primeira-pessoa, algo
A esquizofrenia desde há muito que é consi- que é habitualmente automático12. Assim, de
derada uma categoria controversa, com fron- acordo com este modelo contemporâneo expli-
teiras incertas e na sua essência mal definida. cativo, a perturbação central da esquizofrenia
Diversos autores têm recentemente, e uma vez tem na sua génese uma perturbação particu-
mais, questionado a sua validade, rejeitando a lar da consciência, no núcleo do self ou “self
categoria, argumentando que a mesma englo- mínimo”, também conhecido por ipseity, que
ba diferentes doenças e impede a investigação é normalmente implícito em cada ato da cons-
e o tratamento adequados5. A esquizofrenia é ciência. Ipseity deriva do ipse (do latim self)
muito provavelmente um grupo de doenças e refere-se à noção mais básica do próprio
que afetam caracteristicamente as capacidades ou da sua presença. É o sentido fundamental
humanas da linguagem, pensamento, emoção de unicidade, identidade, de existir enquanto
e perceção. É relativamente comum tornar-se força vital e de agência sobre a própria ação.
evidente no início da idade adulta, provocando Este núcleo central do self é edificado com base
frequentemente incapacidade prolongada. A no corpo vivido e na temporalidade implícita,
esquizofrenia é tradicionalmente definida por sendo como um ponto invisível de origem para
sintomas e sinais de acordo com um de muitos a experiência, pensamento e ação. Funciona
conjuntos de critérios diagnósticos, sendo os como um intermediário da consciência, uma
maiores sistemas de classificação o Interna- fonte de atividade e direccionalidade no mun-
tional Classification of Diseases (ICD) elabo- do. É ele que “enraíza” a vida subjetiva do su-

Revista do Serviço de Psiquiatria do Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca, EPE

www.psilogos.com 59 Junho 2016 • Vol. 14 • N.º 1


João Miguel Malhadas Martins PsiLogos • pp 57-65

jeito em si próprio. De acordo com este modelo, tidade pessoal, podendo ser desenvolvido pelo
na esquizofrenia, pensa-se que a perturbação conhecimento refletido do self e pela memó-
do ipseity tem dois principais aspetos que ria autobiográfica. A temporalidade implícita
aparentemente contraditórios são na verdade é assim um elemento fundamental para a
interdependentes – a “hiperreflexividade” e a coerência do self. Pode-se mesmo afirmar que
diminuição da afetividade do self. O primeiro a unidade e continuidade temporal do self é
refere-se a uma exagerada autoconsciência, um sinónimo da consciência implícita da coe-
uma tendência não volitiva para focar a aten- rência do self (ipseity), ou seja, da consciência
ção em direção a processos e fenómenos que mais básica que temos de nós mesmos, da nos-
normalmente seriam experiências tácitas, inte- sa presença, unidade, existência enquanto su-
grantes do próprio. A diminuição da afetividade jeito vital e único, com sentido de agência da
do self diz respeito ao declínio passivo da vi- nossa acção8. Em suma, o sentimento que te-
vência implícita de existir como sujeito dotado mos de nós próprios enquanto sujeitos unitá-
da sua própria consciência e agência das suas rios permanentes das nossas vivências através
acções7. De facto, tendo em conta este modelo, do tempo deve-se à integridade da consciência
a temporalidade implícita é uma pedra fun- do tempo. Graças à unificada e pré-reflexi-
damental para a consciência do self mínimo va vivência do presente, a nossa consciência
e, consequentemente, para a psicopatologia está internamente relacionada consigo mes-
na esquizofrenia. Para melhor compreender ma e com o que lhe afeta. A desintegração da
de que forma tal sucede, é necessário analisar consciência do tempo tem obviamente sérias
como é processada internamente a vivência do consequências psicopatológicas para a forma
tempo subjetivo, e depois como ele se correla- como alguém vivencia o mundo fenomenoló-
ciona com a coerência do self. gico e como se relaciona com o mesmo. Com
a fratura do fluxo do tempo, podemos obser-
A TEMPORALIDADE NA COERÊNCIA DO var um seccionamento dos momentos agora
SELF na consciência, cada agora é vivenciado como
De facto, a temporalidade constitui o alicer- separado do momento anterior e do momento
ce de qualquer vivência e a sua integridade seguinte, consequentemente, como não fazen-
é fundamental para o sentido de coerência do parte do fluxo da consciência e do eu9.
e continuidade do próprio e da identidade
pessoal. Enquanto verbalizo uma frase, não TEMPORALIDADE IMPLÍCITA SINÓNI-
estou apenas a reter o que acabei de dizer e MO DE CONSCIÊNCIA DA COERÊNCIA
a prever o que vou dizer a seguir, mas tam- DO SELF
bém estou consciente que sou eu que falei e Segundo Fuchs8,10, a temporalidade deve ser
vou continuar a falar sem ter de refletir sobre distinguida em temporalidade implícita, ou
mim mesmo enquanto orador. Este processo vivida pré-refletidamente, e temporalidade
contém uma autoconsciência implícita. Este explícita, ou vivida conscientemente. A vivên-
autoconhecimento tácito está na base da iden- cia explícita da temporalidade impõe-se ao

Revista do Serviço de Psiquiatria do Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca, EPE

www.psilogos.com 60 Junho 2016 • Vol. 14 • N.º 1


A Temporalidade Na Esquizofrenia PsiLogos • pp 57-65

modo implícito quando na sucessão estável de um significado particular. Esta combina-


e primária do tempo é quebrado o habitual ção semântica é constituída numa combina-
e somos interrompidos pelo súbito como no ção temporal, através da coerência da síntese
susto, surpresa, dor, vergonha ou perda. Nes- constitutiva. Se a síntese temporal passiva é
ses momentos cria-se uma fenda no tempo perturbada, somos forçados a juntar de forma
vivido, uma segmentação do tempo, surge o ativa frases a partir de palavras singulares. De
não mais. O agora torna-se num passado não igual forma, quando verbalizo uma frase, es-
apenas retido, mas recordado. A temporalida- tou ciente do seu início, continuação e fim, e
de implícita, por outro lado, é o movimento o que eu digo está em concordância com isso.
da vida em si, imergimos completamente nela A protensão representa uma vaga expectati-
quando por exemplo ficamos envolvidos in- va, uma abertura em relação ao futuro, sur-
tensamente numa atividade, como se perdês- gindo com ela um campo de possibilidades.
semos o sentido do tempo, num desempenho Para manter o meu discurso na direção certa
fluido. A simples sucessão de momentos cons- é necessário prevenir que ideias e associações
cientes não estabelece uma vivência de conti- indesejáveis se intrometam. Tal como é afir-
nuidade. Apenas quando esses momentos se mado por Janzarik, o pensamento dirigido é
relacionam mutuamente entre si, podem ser um processo seletivo de constante inibição8.
integrados num processo unificado. A tempo- Se a função de protensão falha, os eventos
ralidade implícita requer uma síntese con- começam a ser percecionados como dema-
stitutiva da “consciência interna do tempo”, siado rápidos à consciência. A perplexidade
de forma a estabelecer um sentido básico de acontece quando o doente tenta interpretar o
continuidade na consciência. A isto, Husserl significado daquilo que se está a intrometer
denomina de síntese da protensão (anteci- nele. Dada a função de retenção ser também
pação indeterminada do que está para vir), atingida, estas intrusões são vivenciadas em
impressão (apresentação primordial) e reten- retrospetiva. Elas aparecem na consciência
ção (do que acabou de ser vivido enquanto como “blocos erráticos”, que os doentes vi-
se vai afastando)12. Por exemplo, numa me- venciam com espanto. O sujeito deixa assim
lodia ouvimos os tons (impressão), ao mes- de se direcionar ativamente ao futuro, fican-
mo tempo que estamos conscientes dos tons do focado no que acabou de ocorrer na sua
que acabaram de ser ouvidos (retenção), e consciência. Este atraso transcendental, se-
vagamente esperamos a continuação da me- gundo Husserl, pode ser considerado como a
lodia (protensão). Consequentemente, o que essência das perturbações major do self na
é percecionado não é uma sequência de tons esquizofrenia11. Os fragmentos imprevistos
isolados, mas uma dinâmica, um processo de pensamentos ou movimentos que o doente
auto-organizador que integra os tons ouvidos encontra deixam de estar incluídos na con-
e cria a melodia. Este é um processo passivo, tinuidade da vivência do self, parecendo ser
não é ativamente realizado pelo sujeito. Habi- inseridos, externalizados. Uma falha na sín-
tualmente as palavras são elementos parciais tese temporal constitutiva pode assim estar

Revista do Serviço de Psiquiatria do Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca, EPE

www.psilogos.com 61 Junho 2016 • Vol. 14 • N.º 1


João Miguel Malhadas Martins PsiLogos • pp 57-65

associada a sintomas como o roubo do pensa- xo do tempo, os fenómenos de deja vu/vecu, e


mento, inserção do pensamento, fenómenos as premonições acerca do próprio e do mundo
de passividade, perda de evidência natural e externo.
até alucinações auditivas. Nesta falta de coe- Minkowski relatou a vivência do tempo nos
rência temporal unificada, os doentes deixam doentes com esquizofrenia como estando al-
de confiar na continuidade e identidade dos terada no seu fluxo, descrevendo-a como con-
seus próprios pertences. A permanência do gelada, imobilizada, sem élan vital13. Afirmou
objeto é retida apenas ao nível do tempo ex- também que a vivência do tempo nestas pes-
plícito, o doente reconhece o objeto, mas de soas seria caracterizada por uma perda da sin-
forma indeterminada devido à perda do co- tonização imediata com a situação presente.
nhecimento do self e familiaridade implícitos. Nas fases iniciais da doença, os doentes viven-
Mesmo o sentimento de pertença dos próprios ciam uma pressão do tempo indefinida, uma
movimentos pode ser perdido, e ter de ser impaciência pelo confronto com algo iminen-
artificialmente reconstruído na consciência, temente ameaçador14. É como se tivessem de
pela concentração explícita na observação prevenir uma catástrofe próxima pela procura
do próprio. Observa-se assim uma degenera- de sinais e pistas que possam indiciar o que
ção crescente das unidades de significado das vai acontecer. Há uma atmosfera de pressen-
ações intencionais e dos hábitos automáticos. timento, proveniente de um estado de humor
O conhecimento implícito do corpo é perdido delirante ou de ante festum15, um eterno,
e substituído por uma auto-observação e um ilusório e grávido agora, no qual o mais im-
autocontrolo híper-reflexivo8. portante está sempre prestes a acontecer. Nes-
te estado de hipervigilância e expectativa, há
AS ALTERAÇÕES SUBJETIVAS DA TEM- uma dessincronização com o tempo vivido,
PORALIDADE NA ESQUIZOFRENIA uma aceleração do tempo subjetivo resultante
As doenças mentais interferem na continuida- do constante pressentimento e antecipação de
de normal da vida de um indivíduo, podendo um futuro iminente10.
essa interferência resultar de uma alteração Segundo Jaspers16, o aspeto central deste hu-
da temporalidade subjetiva, ao ponto da frag- mor delirante ou atmosfera delirante é o
mentação do tempo na vivência do self8. Para sentido de irrealidade do mesmo. Jaspers de-
Parnas12, na esquizofrenia, a perturbação na fendia que a propriedade delirante é a “trans-
consciência da coerência do self é um pro- formação da nossa total consciência da rea-
cesso nuclear, que se manifesta em si como lidade”, e que as ideias delirantes emergiam
uma perturbação da auto-coerência tempo- com alguma compreensibilidade a partir des-
ral. Num estudo recente9, foram analisadas as sa experiência delirante. Por outras palavras,
alterações da vivência do tempo em doentes a ideia delirante é um julgamento secundário
com esquizofrenia, sendo a fragmentação da que nasce no contexto de uma experiência
vivência do tempo a categoria mais reportada. primária delirante – o humor ou atmosfera
Nesta categoria incluiu-se a disrupção do flu- delirante.

Revista do Serviço de Psiquiatria do Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca, EPE

www.psilogos.com 62 Junho 2016 • Vol. 14 • N.º 1


A Temporalidade Na Esquizofrenia PsiLogos • pp 57-65

Neste humor delirante, o doente em vez de per- padrões implícitos de comunicação interpes-
cecionar e assimilar os objetos, a perceção res- soal não estão tão disponíveis como nas pes-
tringe-se a imitações ou envelopes das coisas. soas sem patologia. A sua ressonância afetiva
O doente com esquizofrenia observa as suas intercorporal está comprometida, os doentes
próprias perceções de fora em vez de vivê-las, têm dificuldades em reconhecer faces e em
não consegue reconhecer no sentido ativo, interpretar expressões faciais e gestos, a sua
sente-se rodeado por imagens intrigantes que, própria expressividade é frequentemente redu-
como as imagens de um sonho, parecem todas zida, rígida e dessincronizada das interações
dirigirem-se para ele. De acordo com os seus com o outro19.
sentidos, ele torna-se literalmente o espectador Eles não desenvolvem a garantia e segurança
de uma peça de teatro ou da projeção de um inquestionável de viver com outros através
filme sem saber que peça ou filme está a pas- de um tempo partilhável, em ressonância
sar. Perde assim o significado familiar das suas emocional e sincronia. A isto, acresce o stress
perceções, deixa de saber sobre o que são as excessivo gerado pela interação simultânea
coisas. É capaz de identificar e nomear os obje- verbal e não-verbal, que é particularmente
tos, contudo estes perdem o significado para si, exigente pela sua disfuncional síntese proten-
ou seja, não perde o conceito social do objeto, são-impressão-retenção. Assim, o afastamento
perde sim o significado que têm para si – uma autístico na esquizofrenia pode ser compreen-
cadeira não é só uma cadeira em si, é uma ca- dido como uma tentativa de reduzir a comple-
deira que me diz algo, é uma cadeira onde por xidade da esfera social e compensar o défice
exemplo eu me posso sentar. O doente sente-se na capacidade de sincronização12. O doente
assim afastado ou alienado das suas perceções, tem de reconstruir os seus atos quotidianos,
os significados permanecem abstratos e arbi- através de um planeamento rígido e ritualiza-
trários. Podem ter-lhe dito algo antes, mas ago- do da sua vida. A vida não flui, cada passo é
ra perderam o seu significado pessoal17. explícito e deliberado10.
O próprio delírio na esquizofrenia pode ser
AS ALTERAÇÕES INTERSUBJETIVAS DA compreendido como uma perturbação da in-
TEMPORALIDADE NA ESQUIZOFRENIA tersubjetividade temporal, uma falha na capa-
O tempo vivido ou subjetivo está fortemente cidade de nos sincronizarmos temporalmente
associado à vivência do sujeito no mundo. A com o outro, de entrar num movimento dialé-
dinâmica das interações do dia-a-dia com tico aberto de conversação tomando o ponto
outros implica uma sincronização dialéti- de vista do outro em consideração. Tipicamen-
ca. Desta relação dialética entre o sujeito e o te no delírio há uma reinterpretação de toda a
mundo surge o sentimento de um tempo vi- evidência contrária de acordo com um rígido
vido (subjetivo), um tempo que está intima- esquema cognitivo. Assim, a interpretação de
mente sincronizado com o tempo dos outros, toda a comunicação dentro do esquema de-
no que se denomina de intersubjetividade lirante exclui a intersubjetividade dialética e,
temporal18. Nas pessoas com esquizofrenia os com ela, a abertura de futuro8.

Revista do Serviço de Psiquiatria do Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca, EPE

www.psilogos.com 63 Junho 2016 • Vol. 14 • N.º 1


João Miguel Malhadas Martins PsiLogos • pp 57-65

Os delírios permitem ao doente reintegrar vivência unificada do mundo. Com a falha


os fragmentos irritantes gerados pela de- desta síntese, além da coerência do self ficar
sintegração implícita do tempo. As intru- comprometida, há uma perda do dinamismo
sões, inserção do pensamento, fenómenos fundamental, de contacto do eu com a rea-
de passividade e outros são explicitamente lidade, perda de sincronização, perda da au-
reintegrados numa narrativa delirante. São toevidência natural do mundo, inabilidade de
os outros que influenciam, manipulam e imergir no mundo e solipsismo. A temporali-
controlam o doente. A perturbação da dire- dade é dominada pela vivência de antecipação
tividade intencional do doente em direção do que está prestes a acontecer, sendo comum
ao futuro conduz a uma inversão da in- as premonições acerca dos próprios e do mun-
tencionalidade – em vez de ativamente per- do externo9.
cecionar, pensar e agir, ele é percecionado, A falha da síntese constitutiva interrompe
pensado e agido pelos outros. Através disto, o habitual fluxo da vida e é compensada
a desintegração basilar perde uma parte da através da reconstrução racional num nível
ameaça existencial: a ameaça colocada nos explícito. Nas fases agudas, há um aumen-
ditos perseguidores ao sujeito é menor que a to da fragmentação do tempo, resultando no
ameaça ontológica apresentada pela perda aparecimento de perturbações major do self8.
iminente do self transcendental20. Profundas dessincronizações da temporali-
dade intersubjetiva são evidentes na rigidez
SÍNTESE dos delírios, que podem ser atribuídas à re-
A fragmentação temporal da vivencia básica alidade congelada, na qual o doente deixa
do self é uma característica fundamental da de estar exposto à comunicação, ao tempo e
esquizofrenia8. É hoje claro que o construc- à mudança, afastando-o da contínua e inter-
to de tempo subjetivo precisa de ser incluído subjetiva constituição de um mundo parti-
como uma característica relevante da esqui- lhado10.
zofrenia. No passado falava-se genericamen-
te de disfunção executiva ou da pobre memó- Conflitos de Interesse / Conflicting Interests:
ria de trabalho na esquizofrenia; atualmente O autor declara não ter nenhum conflito de inte-
as alterações no processamento do tempo resses relativamente ao presente artigo.
precisam de ser consideradas como um défi- The author has declared no competing interests
ce nuclear, podendo estar na génese das alte- exist.
rações atrás descritas, e podendo ser a chave
para melhorar a cognição e a apresentação Fontes de Financiamento / Funding:
clínica da doença21. Não existiram fontes externas de financiamento
É através da síntese pré-reflexiva protensão- para a realização deste artigo.
-impressão-retenção, um processo essencial The author has declared no external funding
na vivência da temporalidade, que desenvol- was received for this study.
vemos um sentido coerente de self e de uma

Revista do Serviço de Psiquiatria do Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca, EPE

www.psilogos.com 64 Junho 2016 • Vol. 14 • N.º 1


A Temporalidade Na Esquizofrenia PsiLogos • pp 57-65

Bibliografia / References of mind and cognitive science. Routledge.


1. Schilder P. Psychopathology of Time. J Nerv 2010.
Ment Dis. 1936; 83: 530–46. 12. Parnas J. Self and schizophrenia: a pheno-
2. Wittmann M. The inner experience of time. menological perspective. In Kircher T, David
Philos Trans R Soc B Biol Sci. 2009; 364 A. The Self in Neuroscience and Psychiatry.
(1525): 1955–1967. Cambridge: Cambridge University Press; 2003.
3. Husserl, E. Husserl - On the Phenomenology of p. 217–241.
Consciousness of Internal Time (1893-1917). 13. Minkowski, E. La schizophrénie. Psychopa-
Springer, 1991. thologie des schizoïdes et des schizophrènes.
4. Gómez, J., Jesús Marín-Méndez, J., Molero, P., Payot. 1927.
Atakan, Z. & Ortuño, F. Time perception ne- 14. Stanghellini, G. & Rosfort, R. Emotions and
tworks and cognition in schizophrenia: a re- Personhood: Exploring Fragility-Making Sense
view and a proposal. Psychiatry Res. 2014. 220: of Vulneability. Oxf. Univ. Press. 2013.
737–744. 15. Kimura B. Temporalité de la schizophrenie.
5. Sass, L. A. Self-disturbance and schizophrenia: Ecrits Psychopathol. Phénoménologique. Pa-
Structure, specificity, pathogenesis (Current ris: Presses Universitaires de France; 1992. p.
issues, New directions). Schizophr. Res. 2014. 65– 92.
152: 5–11. 16. Ratcliffe, M. Delusional atmosphere and the
6. Sass, L. A. & Parnas, J. Schizophrenia, cons- sense of unreality. One Century Karl Jaspers’
ciousness, and the self. Schizophr. Bull. 2013. General Psychopathology; 2013. p. 229–244.
29: 427–444. 17. Fuchs, T. Delusional Mood and Delusional Per-
7. Sass, L., Pienkos, E., Nelson, B. & Medford, N. ception – A Phenomenological Analysis. Psy-
Anomalous self-experience in depersonaliza- chopathology. 2005. 38: 133–139.
tion and schizophrenia: A comparative inves- 18. Wyllie, M. Lived time and psychopathology.
tigation. Conscious. Cogn. 2013. 22: 430–441. Philos. Psychiatry Psychol. 2006. 12: 173–185.
8. Fuchs, T. Temporality and psychopathology. 19. Parnas, J., Bovet, P. & Zahavi, D. Schizophrenic
Phenomenol. Cogn. Sci. 2013. 12: 75–104. autism: clinical phenomenology and pathoge-
9. Stanghellini G, Ballerini M, Presenza S, Manci- netic implications. World Psychiatry. 2002. 1:
ni M, Raballo A, Blasi S et al. Psychopathology 131–136.
of Lived Time: Abnormal Time Experience in 20. Fuchs, T. The Temporal Structure of Intentio-
Persons With Schizophrenia. Schizophr Bull. nality and Its Disturbance in Schizophrenia.
2015; 42 (1): 45-55. Psychopathology. 2007; 40: 229–235.
10. Fuchs, T. Implicit and Explicit temporality. 21. Opper, J. & Davalos, D. B. Time Processing in
Philos Psychiatry Psychol. 2005. 12: 195–198. Schizophrenia in Vatakis, A. & Allman, M. Time
11. Gallagher, S. & Zahavi, D. The phenomeno- Distortions in Mind. Brill. 2015. p. 93–114.
logical mind: an introduction to philosophy

Revista do Serviço de Psiquiatria do Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca, EPE

www.psilogos.com 65 Junho 2016 • Vol. 14 • N.º 1