You are on page 1of 6

See discussions, stats, and author profiles for this publication at: https://www.researchgate.

net/publication/324758836

Review: Retratos de Família – Leitura da fotografia histórica. Leite, Miriam


Moreira

Article  in  Horizontes Antropológicos · July 1995

CITATIONS READS

0 78

1 author:

Andrea Cardarello

20 PUBLICATIONS   73 CITATIONS   

SEE PROFILE

All content following this page was uploaded by Andrea Cardarello on 25 April 2018.

The user has requested enhancement of the downloaded file.


Retratos de família 243

LEITE, Miriam Moreira. Retratos de família: leitura da fotografia histórica. São


Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1993. (Texto e Arte, v. 9).

Andrea Cardarello
Universidade Federal do Rio Grande do Sul* – Brasil

Retratos de Família, de Miriam Moreira Leite, é uma coletânea de arti-


gos da autora, publicados desde 1981. O livro é resultado de uma reflexão de
dez anos sobre as potencialidades e limitações da leitura da imagem, em parti-
cular, sobre a fotografia histórica. Recorrendo com grande erudição ao traba-
lho de inúmeros autores, cineastas e fotógrafos, ela explora a interface da foto-
grafia com diversos campos intelectuais. Da sociologia e da antropologia visu-
al, ela cita Pierre Bourdieu, Margaret Mead e John Collier; sobre a percepção
visual e da memória, ela evoca a teoria da Gestalt; e para refletir sobre proble-
mas da criação, deformação e multiplicação de imagens, ela consulta Erwin
Panofsky e John Berger. Faz, ainda, indagações sobre a preocupação literária
com as imagens, lembrando obras de Julio Cortázar e Adolfo Bioy Casares.
Ainda que grande parte dos comentários de Retratos de Família se refira
à documentação histórica, o tipo de enfoque da autora a faz sair da análise
desse tipo específico de documentação para realizar um estudo da fotografia
nas ciências humanas, tornando suas reflexões úteis a todos aqueles pesquisa-
dores interessados nas possibilidades da leitura da imagem.
“Até que ponto ‘uma imagem vale mais de mil palavras’? É possível esta-
belecer essa correspondência?” Segundo Leite, a partir da década de 70, a
entusiástica adesão à técnica da história de vida e de fotografias na pesquisa
das ciências humanas responderia a uma nova ilusão: a de que ambas dariam
acesso direto à realidade. A autora nos acautela então contra o “realismo fo-
tográfico”: “a fotografia pode ser uma reprodução de um recorte de alguma
coisa existente, mas freqüentemente é mais a reprodução do que o retratado e

*
Mestranda em Antropologia Social.

Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 1, n. 2, p. 243-247, jul./set. 1995


244 Andrea Cardarello

o fotógrafo quiseram que ela fosse” (p. 143-144). Portanto, recomenda-se que,
da mesma forma como se avaliam os documentos verbais, as fotos sejam com-
preendidas através da apreciação crítica de suas mensagens.
Embora as imagens sejam excelentes recursos para a descrição de deter-
minadas coisas (por exemplo, formas geométricas, gestos e expressões faciais
e corporais), as idéias, teorias, sentimentos e deduções não são transponíveis
para a imagem fixa e isolada. A natureza polissêmica da imagem suscita leitu-
ras diferentes de acordo com a variabilidade da recepção e interpretação do
leitor. Essas leituras diferenciadas são introduzidas por aspectos como a idade,
sexo e nível social. É por isso que “[…] não olhamos apenas para uma foto,
sempre olhamos para a relação entre nós e ela” (p. 145). itando Arnheim: “o
que se vê, depende de quem olha […]” (p. 130).
Dessa forma, raramente a imagem prescinde do código escrito. As legen-
das são geralmente indispensáveis, podendo, inclusive, transformar o conteúdo
observado. A autora nos lembra que foi nos trabalhos de antropologia visual,
particularmente com as contribuições de Margaret Mead, que se tomou cons-
ciência de que as imagens precisam ser descritas por palavras para serem
incorporadas ao trabalho científico. “Não é possível utilizar apenas o texto não-
verbal, cuja ambigüidade de um lado e mutismo de outro abrem demais as
questões apresentadas, deixando-as indefinidas e inadequadas a uma sistema-
tização científica.” (p. 152-153).
No entanto, essa transposição verbal nem sempre dá conta de todas as
contribuições da fotografia: a transposição da imagem para palavras dificil-
mente se completa, sendo freqüentemente empobrecedora. Com isso Leite
observa que cada uma das diferentes fontes tem vieses específicos e exprime,
na maior parte das vezes, um aspecto limitado da questão focalizada pelo pes-
quisador.
Para fazer todos estes comentários, a autora se baseia, fundamentalmen-
te, em uma coleção de retratos de família de álbuns cedidos por descendentes
de imigrantes de várias origens. São famílias italianas, alemãs, portuguesas,
judias russas, espanholas, marroquinas, suecas, libanesas e japonesas que aca-
baram por se reunir na cidade de São Paulo no início do século. Abrangendo o
período de 1890 a 1930, esta coleção de fotografias compreende três gerações.
A esses retratos foram acrescentadas fotografias de família de acervos públi-
cos e os publicados em revistas ou almanaques. Por fim, a autora incluiu na sua
coleção fotos de famílias tradicionais brasileiras, das camadas dominantes e de
camadas médias. Um dos capítulos do livro também aborda a família do século

Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 1, n. 2, p. 243-247, jul./set. 1995


Retratos de família 245

XIX no Rio de Janeiro, através registros deixados por viajantes estrangeiros


sob a forma de livros de viagem, esboços e desenhos.
Como recriar a vida das famílias em São Paulo, seus valores, através dos
retratos desse período? O que levou aquelas personagens a estarem ali, assim,
daquele jeito e naquele momento? Para responder a essas perguntas, a autora
sugere que, em primeiro lugar, é importante levarmos em conta as condições
técnicas em que foram tirados os retratos. A história da fotografia e o conheci-
mento da técnica fotográfica – como as condições em que foi produzida a
fotografia e o tempo provável de sua produção –, embora não sejam indispen-
sáveis, podem fornecer dados ao pesquisador. Isto evitaria equívocos de inter-
pretação. O exemplo dado por Leite é a ausência de flash até aproximada-
mente 1917 em São Paulo, o que fez com que as fotos anteriores a essa data
precisassem ser sempre externas, ou contassem com clarabóias nos estúdios
para tomadas internas. A ausência de flash tornava quase impossíveis as ce-
nas noturnas. Também a posição estática, a pose,

não pode ser atribuída inteiramente à imagem que a família queria transmitir de si
mesma, se quando foi produzida a imagem fotográfica exigia um longo tempo de
exposição e a atenção dos retratados precisava ser atraída por um “vai sair um
passarinho” do fotógrafo. (p. 75-76).

Munido dessa informação técnica, o analista está em melhores condições


para avaliar as mudanças através das gerações. Por exemplo, a solenidade das
atitudes e a posição frontal ereta atribuídas freqüentemente às máquinas anti-
gas vão sendo substituídas na década de 20 por uma atitude sonhadora, nas
mulheres mais jovens, ou compadecida, na mãe de filhos pequenos. “No caso
das mulheres, […] as fisionomias vão ganhando uma rigidez e uma grande
severidade com o avançar da idade.” (p. 97).
Em segundo lugar, já que as fotos em si “mal permitem a transmissão da
construção de significados culturais” (p. 46), é importante completar a infor-
mação imagética com textos verbalizados (escritos ou falados) que permitam
contextualizar de onde sai a fotografia: “o conhecimento prévio do todo, da
cultura, ou de seu aspecto estudado, não pode ser negligenciado” (p. 44).
É exatamente onde Leite dá esta contextualização, no seu texto escrito,
que Retratos de Família tem seus capítulos mais interessantes. Através das
respostas aos questionários aplicados aos descendentes das famílias retrata-
das, além de trabalhos já realizados sobre o assunto por outros historiadores, a

Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 1, n. 2, p. 243-247, jul./set. 1995


246 Andrea Cardarello

autora chega, no sexto capítulo, ao imaginário do imigrante que desembarca no


Brasil na virada do século XX. À primeira vista, existe uma aparente
homogeneidade e padronização na coleção de fotografias do período, apesar
da diversidade de origens sociais e geográficas das famílias retratadas. Essa
homogeneidade seria causada, em parte, pelas condições técnicas do aparelho
fotográfico e pela difusão da prática fotográfica em diferentes camadas sociais
e diferentes países. No entanto, é pelos depoimentos dos filhos e netos dos
imigrantes que Leite aprende a ver uma distinção entre estas famílias e as da
alta burguesia. Para os dois grupos, o retrato era objeto de exibição. No entan-
to, no caso dos imigrantes, as roupas domingueiras e de festa que aparecem
nos retratos tinham como objetivo transmitir a impressão de prosperidade e
bem-estar. Para eles, a ostentação de progresso material e ambição econômica
eram ainda maiores. Já que a volta a seus países de origem ficava cada vez
mais fora de alcance, as fotografias serviam como isca para trazer parentes e
vizinhos que tinham ficado na terra natal.
A autora indica múltiplas pistas a seguir para fazer uma leitura aprofundada
da documentação fotográfica. A distinção entre camadas sociais pode ser re-
conhecida pela qualidade da fotografia e também pelo papel em que é produzi-
da. O período do retratos pode ser descoberto na indumentária, nos arranjos de
cabelo, bigodes e barbas, nos objetos, lugares escolhidos e até nas expressões
faciais e corporais.
Porém Leite não ilustra essas dicas com a análise das fotos que nos estão
sendo apresentadas ao longo dos capítulos. Só temos um comentário, foto a
foto, no último capítulo. E só encontramos a história do cotidiano no artigo que
trata sobre os viajantes estrangeiros, quando aí sim vemos esboços e desenhos
contextualizados, onde o olhar às gravuras se enriquece e é direcionado pelo
texto escrito.
Ficamos, graças ao livro Retratos de Família, tão alertas a todas as pos-
síveis análises da imagem que temos vontade de logo nos debruçar sobre algum
material concreto. Mas as informações verbalizadas nem sempre permitem
integrar as fotografias que ilustram o texto na reflexão analítica. Faltam dados
básicos, que vão além do nome da família, a data e o local do acontecimento
apresentados, como sua condição social, por exemplo. Com a justificativa de
que seu objeto de estudo não são as famílias, mas sim as fotografias, a autora
não se alonga na descrição das pessoas retratadas, nem do relacionamento
entre elas.

Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 1, n. 2, p. 243-247, jul./set. 1995


Retratos de família 247

Aprendemos do livro que, nas fotografias da época, a persistente presen-


ça do modelo burguês de vida ocultava as diferenças de classe,
descaracterizando o grupo social representado (p. 178) As pessoas sendo re-
tratadas procuravam ostentar atitudes distintas e socialmente aprovadas. Quando
trabalhava no seu próprio estúdio, o fotógrafo provia o cenário da sala próspe-
ra, com cortinas, colunas e parapeitos iluminados por uma clarabóia. Pergunta-
se então: de que maneira podemos compreender as fotografias incluídas nesse
volume? Se “a roupa de ‘ver a Deus’ na fotografia em branco-e-preto dá ares
de nobreza à filha do moleiro russo, e dignidade de príncipe ao casal de marce-
neiros alemães” (p. 137), ficamos querendo saber quem é a filha do moleiro
russo ou o casal de marceneiros alemães, assim como quais fotografias foram
tiradas em estúdio ou não. Assim, ficamos esperando, com impaciência, o se-
gundo volume desta pesquisa pioneira da professora Leite, para aprender mais
com ela sobre a aplicação das brilhantes reflexões teóricas elaboradas em Re-
tratos de Família.

Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 1, n. 2, p. 243-247, jul./set. 1995

View publication stats