Вы находитесь на странице: 1из 11

Sobre Este Módulo

Configuração da Base de Dados do SAGE

Configuração da Base de
Dados do SAGE
STI
Sistema Aberto de Gerenciamento de Energia

Subsistema de
Tratamento da
Informação

Visão Geral
Neste módulo será descrito o processo de configuração da Base de Dados do SAGE
baseado em um modelo SCADA.

129
CONFIGURAÇÃO DA BASE DE DADOS

Configuração da Base de Dados do SAGE

Introdução

O procedimento de configuração do SAGE inclui as seguintes


etapas:
 Configuração da Base de Dados
 Edição de Telas
 Configuração do Controle de Acesso e Preferências
Neste módulo será discutido somente a configuração da
Base de Dados.

Introdução
Os procedimentos para a configuração do Sistema Aberto de Gerenciamento de Energia -
SAGE, que permite supervisionar e controlar um processo de produção, transmissão e
distribuição de energia elétrica, inclui as seguintes etapas:
Banco de Dados: carregamento dos dados em um ambiente off-line, gerando a Base de
Dados Fonte e, a partir desta, a Base de Dados Referência (Imagem da Base de Dados Tempo
Real em disco), também off-line.
Telas: edição de telas e associação dos seus pontos dinâmicos com a Base de Dados
Referência;
Interface Gráfica: configuração do controle de acesso, dos fontes, das cores, das telas e
dos relatórios.
O SAGE pode ser configurado para um modelo de dados EMS (Energy Management
System) ou simplesmente para um modelo de dados SCADA (Supervisory Control and Data
Acquisition System).

130
CONFIGURAÇÃO DA BASE DE DADOS

Configuração da Base de Dados do SAGE

Programação

 Conceitos básicos.
 Carregamento da Base Fonte, Geração
e Transferência da Base Tempo Real.
 Preparação dos Dados da Configuração.

Programação
Serão apresentados alguns conceitos básicos sobre a base de dados, como: entidade,
atributo, relacionamentos, e etc.
Também serão descritos o carregamento da Base Fonte, a Geração e Transferência da
Base Tempo Real, e a Preparação dos Dados da Configuração.

131
CONFIGURAÇÃO DA BASE DE DADOS

Configuração da Base de Dados do SAGE

Conceitos Básicos

A configuração do SAGE é armazenada em um banco de dados


relacional (Sybase, Oracle, etc) modelado através de entidades,
atributos e relacionamentos.
A esse banco de dados relacional damos o nome de BASE FONTE,
cujas entidades e atributos são mapeados em tabelas e campos.
A partir da BASE FONTE através da Lógica de Carregamento é
gerada a BASE REFERÊNCIA que será utilizada pelos aplicativos
on-line, e a partir desta será gerada a BASE TEMPO REAL.

Conceitos Básicos
A Base Fonte do SAGE utiliza um modelo de dados relacional. Uma base de dados
relacional é modelada através de entidades, atributos e relacionamentos entre entidades.
Entidade - é um ente abstrato que caracteriza um ponto fundamental para a organização
das informações em uma Base de Dados Relacional, ou seja, é algo sobre o qual se deseja
armazenar informações;
Atributo - é o nome dado a uma característica da entidade, isto é, os atributos de uma
entidade definem as informações que se deseja armazenar sobre ela;
Relacionamento - é a maneira pela qual duas entidades estão associadas, que pode ser de
1→n ou de n→m. O relacionamento 1→1 é um caso específico do relacionamento 1→n.

Para se mapear entidades, atributos e relacionamentos em tabelas e campos de um banco


de dados usa-se uma regra simples, descrita abaixo:

 Uma entidade corresponde a uma tabela;


 Cada atributo da entidade corresponde a um campo dessa tabela;
 Um relacionamento 1→n gera na tabela correspondente à entidade do lado n do
relacionamento um campo que aponta para a tabela correspondente à entidade do
lado 1 do relacionamento. Esse campo da tabela do lado n é chamado de CHAVE
ESTRANGEIRA e o campo apontado na tabela do lado 1 é a CHAVE PRIMÁRIA
dessa tabela;

132
CONFIGURAÇÃO DA BASE DE DADOS

 Um relacionamento 1→1 gera um campo que pode ser colocado em qualquer uma
das tabelas relacionadas. Esse campo é chamado de CHAVE ESTRANGEIRA e o
campo apontado é a CHAVE PRIMÁRIA da outra tabela.
 Um relacionamento n→m gera uma tabela que possui pelo menos dois campos,
cada um apontando para uma das tabelas que correspondem às entidades do
relacionamento (chaves estrangeiras). Essa tabela pode possuir outros campos que
configuram atributos referentes ao par das entidades (atributos de relacionamento);
 Uma chave estrangeira pode ser direta, aponta sempre para a chave primária de
uma determinada entidade, ou indireta que, dependendo de um atributo da entidade
onde ela se encontra, vai apontar para a chave primária de uma ou de outras
entidades.

Configuração da Base de Dados do SAGE

Carregamento da Base Fonte, Geração e


Transferência da Base Referência

Para configurar o SAGE o usuário deve seguir os seguintes passos:


 Preparar os dados da configuração.
 Introduzir os dados da configuração na BASE FONTE .
 Gerar a BASE REFERÊNCIA.
 Transferir a BASE REFERÊNCIA para o ambiente on-
line.

Carregamento da Base Fonte, Geração e


Transferência da Base Referência
Para a preparação dos dados da configuração, o usuário deve ter previamente definido: o
nível hierárquico no qual o sistema vai operar, a arquitetura de hardware a ser utilizada, os
dados a serem coletados e distribuídos.

133
CONFIGURAÇÃO DA BASE DE DADOS

Configuração da Base de Dados do SAGE

Preparação dos Dados


A preparação dos dados consiste na coleta de informações para a
configuração dos seguintes serviços do SAGE:
 Subsistema do Suporte Computacional (SSC)
– Rede de Difusão Confiável.
– Serviço de Alarmes e Eventos.
 Subsistema de Comunicação de Dados (SCD)
– Serviço de Comunicação de Dados.
– Serviço de Aquisição e Controle.
– Serviço de Distribuição de Dados.
– Módulo Tendência
– Pontos Físicos.

Preparação dos Dados


A Configuração do SAGE está organizada segundo os subsistemas que o compõem. Para o
modelo SCADA devemos configurar o Subsistema de Suporte Computacional (SSC) e o
Subsistema de Comunicação e Pré-processamento de Dados (SCD). A configuração dos
subsistemas foi organizada em tópicos sendo que para cada um deles foi definido um modelo
de dados.

Configuração da Base de Dados do SAGE

Rede de Difusão Confiável

Entidades:
 PRO - Classe de Processo.
 CXP - Relacionamento Classe de Processo x Classe de MCD.
 CTX - Contexto.
 INM - Instância de MCD.
 INP - Instância de Processo.
 NOH - Nó da Rede.
 SXP - Relacionamento de Severidade x Classe de Processo.
 SEV - Severidade.
 NOCT – Relacionamento Nó x Contexto
 PRCT – Relacionamento Processo x Contexto

134
CONFIGURAÇÃO DA BASE DE DADOS

Configuração da Base de Dados do SAGE

Rede de Difusão Confiável

m n
PRCT
n

1 1
1 NOCT
n
PRO CTX INM
m
m m
1 n CXP MCD
1
1 n n 1 1 1
INP NOH (GSD)
1 1
1 n m 1
SXP SEV 1 n
(OCR)

Modelo de Dados para a Rede de Difusão Confiável

Rede de Difusão Confiável


Antes de fazer a configuração da rede do sistema, o usuário tem que decidir a arquitetura a
ser utilizada, isto é, quantas máquinas comporão a rede, quantas e quais serão utilizadas como
interface gráfica, quantas e quais realizarão funções de comunicação.
Depois disso, o usuário estará apto a configurar a Rede de Difusão Confiável que é
responsável por manter a coerência dos dados replicados e o bom funcionamento dos
processos na rede.
São apresentadas no slide acima as entidades que compõem o modelo de dados para a
Rede de Difusão Confiável.

135
CONFIGURAÇÃO DA BASE DE DADOS

Configuração da Base de Dados do SAGE

Serviço de Alarmes e Eventos

Entidades:

 MAP - Macro Alarmes.

 E2M - Relacionamento Pontos Lógicos ou Ocorrências x Macro


Alarmes.

 OCR - Ocorrências do Sistema.

 TELA – Telas associadas a Ocorrências.

 CFALR – Parametrização do Sistema de Alarmes.

Configuração da Base de Dados do SAGE

Serviço de Alarmes e Eventos

(PTS)
m n CFALR
(PAS)
MAP m n
(PDS)

1 1 1
n m (SEV)
E2M OCR n 1
1
n
1 n
(LSC) TELA 1 1
(INS)

Modelo de Dados para o Serviço de Alarmes e Eventos

Serviço de Alarmes e Eventos


A configuração do Serviço de Alarmes e Eventos se baseia principalmente na definição,
pelo usuário, das listas de alarmes/eventos que poderão ser exibidas pelo sistema.

136
CONFIGURAÇÃO DA BASE DE DADOS

Essas listas podem conter alarmes/eventos relativos aos pontos do sistema elétrico, à
gerência da comunicação de dados, do suporte computacional, às ações do operador, às
aplicações,etc.
O usuário tem flexibilidade para configurar essas listas por tipo de evento, por estação, por
região, por pontos de um bay, por tipo de ponto, etc.
Existirá sempre uma lista Geral de Alarmes/Eventos para onde será direcionado todo e
qualquer alarme/evento relativo aos pontos do Sistema Elétrico gerado pelo sistema. Esta lista
precisa ser configurada na entidade MAP com o atributo ID igual a GERAL.
São apresentadas no slide acima as entidades que compõem o modelo de dados para o
Serviço de Alarmes e Eventos.

Configuração da Base de Dados do SAGE

Serviço de Comunicação de Dados

Entidades:
 TCV - Tipo de Conversores de Protocolo.
 TTP - Tipo de Transportadores de Protocolo.
 GSD - Gateway SCADA.
 CXU - Conexões de Comunicação com UTRs e Canais.
 ENU - Enlaces de Conexão com UTR.
 UTR - Unidades Terminal Remotas
 MUL - Multiligação
 ENM - Enlaces de Multiligação
 CNM - Canais Lógicos de Multiligação

10

137
CONFIGURAÇÃO DA BASE DE DADOS

Configuração da Base de Dados do SAGE

Serviço de Comunicação de Dados

TCV TTP

1 n
(LSC)
n
1

11

Modelo de Dados para Configuração do Serviço de Comunicação de Dados – Parte 1

Serviço de Comunicação de Dados


O SCD implementa a comunicação de dados com Centros de Controle, Unidades Terminais
Remotas (UTR), Controladores Lógicos Programáveis (CLP) e outros equipamentos e sistemas
diretamente conectados ao sistema de gerenciamento de energia.
O SCD está estruturado segundo o modelo OSI (Open System Interconnect) da ISO
(International Standards Organization) onde, em cada nível, são implementadas as interfaces e
os protocolos padronizados do nível, e são feitas as adaptações necessárias ao atendimento
dos protocolos proprietários.
São apresentadas no slide acima as entidades que compõem o modelo de dados para o
Serviço de Comunicação de Dados.
Uma ligação virtual de dados (LSC - ligação SCADA) está associada a um transportador de
protocolo e a um conversor de protocolo, ou seja, existe um relacionamento 1 → n entre
Conversor de Protocolo e Ligação de Dados e outro entre Transportador de Protocolo e
Ligação de Dados.
É apresentado no slide acima o Modelo de dados para a Configuração do Serviço de
Comunicação de Dados - Parte 1

138
CONFIGURAÇÃO DA BASE DE DADOS

Configuração da Base de Dados do SAGE

Entidades do Subsistema de Comunicação de Dados


Entidades da Comunicação de Dados e Entidades do Suporte Computacional

RDC

RDC - Rede de Difusão Confiável


NOH NOH NOH NOH

NOH - Estação Servidora da Rede GSD GSD


de Difusão Confiável
Servidor de Transportador de Servidor de Transportador de
Protocolo Protocolo
GSD - Gateway do Subsistema de
Comunicação de Dados
Híbridas Híbridas

UTR - Equipamento de Aquisição e


Controle

UTR MUL CLP MUL


MUL - Multiligação com Centro de
Controle Unidades
Centros de Controle
Controladores
Centros de Controle
Terminais Lógicos
Níveis Hierárquicos Níveis Hierárquicos
Remotas Programáveis
Inferiores Superiores

12

Entidades de Comunicação de Dados e Entidades do Suporte Computacional

139