You are on page 1of 12
S PAPA AY Primeiros contatos, primeiros olhares Procuramos, neste trabalho, apresentar os primeiros olhstes cinematograficos sobre 9 que hoje chamamos 0 ouiro. Primeiros olhares, apds os “primeiros contatos” primeiros encontros filmicos, pois na maioria dos casos 08 primers contatos com outras culturas,exétieas,sio anteriores a0 registro cinematogrifico. Desenvalvendo a metifora do primeito contato, pareceu-nos interessante reunir os mais anigos filmes que testemunham esta descoberta do ouiro — este outro, v dadeiramente contatado pela primeira vez, através de uma discip! antropologia de campo, cujo advento & contemporineo 0 nascimento do cinema ‘a nascente, a Mas 0 outro se deixa “tomas” no sentido da tomada cinematogrifica? Pode-se duvidar da observagio destes primeiros olhares que the sto dirigidos. De fato, © que estes primeiros filmes nos mostram ¢ 0 semelhante. 0 outro, percebido pela re- feréncia de si, em que “os sorrisos, 0 gestos. os joa © metodi asa complexidade das cultura foge a.este olhar de hipermiopia: ir ohar Longe mas de tio pero () a ponto de s6 perceber 0 que é semelhante, sva propria sombra refletida... na tela. “Como represento a vivéncia do outro como um tipo de duplicag20 da minha.” Foi preciso, assim, esperar a chegada dos verdadeiros pesquisadores de campo para que a observacio prolongada, o comparilhar do cotidiano misturados 20 distanciamento tornassem possfvel uma representacao da owiro isenta de etnocentrismo. © que estes olhares nos ensinam & que nao existe cultura incomensuravel ¢ incompreensfvel 20 autéctone, ao nao-nativo © que a imagem pode, nestes casos desempenhar um papel determinante ¢ permitir oacesso. complexidade cultural dos outros. O obsticulo maior neste apreensio do outro é, de fato, 0 sentimento de in- guietante estranhamento que invade, por vezes, 0 observador confrontado a surpreendente familiaridade dos outros, retorno do semelhante para além das diferencas? Mas, trata-se ai de um outro verdadeiramente irrcdutivel ¢ que nos condena a ficar definitivamente “estranhos a nds mesmos”>. Um olhar histérico — histérico de um olhar im 22 de abril de 1882, Etienne Jules Sia naiural no College de France, publicou na revista La Nature um antigo relativo 20 surgimento de ‘um estranho aparelho: “consegui construi, nas dimensOes de um fuzil de caga, um aparelho que fotografa doze vezes por segundo o objeto que estd na mira...” O fuzil fotogrifico nascia ¢ com ele a cronofotografia que, pela primeira vez, autorizava a produgio de imagens do movimento, verdadeira antecipacio do cinema, movimento de imagens rie china, 2 Alguns meses mais tarde, em 1883, um jovem alemio, gedgrafo de formagio, Franz Boas, cmbarca para o Artico canadense, a ‘Terra de Baffin. Durante quase dois anos, Boas vive com os Inuit: "eu bem vi que tanto conio ns, eles amavam a vida, uma vida dura, que a natureza thes parecia bela, que os sentimentos de amizade se entaizavam no coragio do esquimé © que apesar da vida rudimentar, comparada coma vida civilizada, ‘esquims é um homem como nds (.) Depois de longa ¢ intima estadia com os esquimés, foi com pesar ¢ tristeza que me separei dos amigos do Artico.”* Este estudo inaugura a pesquisa antropolégica de campo: © pesquisador sai de seu escritério € vai a0 encontro do outro, ali compartilha de seu cotidiano, condicio, a partir de entio, sine {gua non da observagio etnolégica. Nasce a antropologia moderna. Em 1888, Boas publica The Central Eskimo, em que celata sua “expedicao’ No mesmo ano, EJ. Marey termina de construir 0 cronofotégrafo com filme mével € apresenta, na Academie des Sciences de Paris, a primeira banda de fotografias, verdadeira base do cinematégrafo, ¢ Emile Reynaud cria 0 “Teatro 6tico” ulizando uma banda fina e perfurads. inovacdo de- terminante. Nos Estados Unidos, ainda em 1888, Thomas Edison patenteia o fon6grafo lético, utilizando rolos méveis de cera ea companhia de G. Eastman coloca 2 venda as primeiras bobinas de celuléide que substituem as bandas em papel nos aparelhos Kodak-Eastman. Em 1889, William KL. Dickson, sécio de T. Edison, desloca as perfuragbes do centro para as bordas do filme. Quatro pares de perfuracio permitem, enfim, 0 transporte répido ¢ regular do filme. Associando a0 fondgrafo elétrico de Edison um protétipo se projetor emitindo as imagens numa placa de vidio, com dimensées reduzidas, W.K.L. Dickson realiza, em 6 de outubro de 1889, a primeira projecio de um filme falado com a ajuda do kinefondgrafo. Dois anos depois, T. Edison fabrica © primeito kinetoscépio, aparelho que permite a obtencio de imagens animadas, visiveis gragas a uma luneta. O registro das imagens realizadas com a ajuda do Kinetdgrafo sobre o filme de celuléide de 17 metros, 20 ritmo de 48 imagens por segundo, permite uma “projecio" breve, de 6 segundos, Em seguida, esta duracio chega 2 aproximadamente um minuto. Em 1894, Edison industrializa a fabricagio do Kinetoscdpio e inaugura, em Nova York, a primeira sala aberta ao piblico com uma dezena de aparelhos, 0 kinétoscope parlor. Buscando ampliar esta rede de distribui¢ao de imagens animadas, Edison constréi em ‘West Orange, no subtirbio de Nova York, 0 primeiro estiidio de filmagem. De fato. somente as tomadas realizadas nos estiidios, com boas condigdes de luminosidade (luz solar ¢ luz artifical combinadas) poderiam garamtir uma qualidade aceitével para a difusto. Fol neste estidio, batizado de “Black Maria’. que W.K.L, Dickson filmou, em 1894, as duas bandas para kinetoscépio intituladas Indian War Council e Siowe Ghosts Dance Estes dois documentos constituem, ao que parece, as primeiras imagens em movimento consagradas 20 outro, no caso, o indio americano, Se € inegavel que 0 projeto de Dickson néo tem uma preocupacio antropol6gica, também nao é menos verdade que Indian War Council e Sioux Ghosts Dance constituem o primeiro testemunho “filmico” sobre os indios Sioux. De imediato, este primeito olhar revela a complexidade deste duplo encontro, dramatico, entre 0 Ocidente e os amerindios. Se o titulo Indian War Council & deste ponto de vista, bem claro, Sioux Ghosts Dance é mais ainda. De fato, Ghosts Dance ou Spirit Dance é a denominacio usual de um movimento religioso carismatico, nascido em Nevada, no ano de 1889. Jack Wilson, profeta amerindio, Paiute, dizendo-se investido de uma missio divina, langa um movimento cristio evangélico obtendo cnorme sucesso junto as populagdes amerindias, principalmente apds 0 massacre do célebre chefe Sioux, Sitting Bull,c de seus duzentos bravos, em dezembro de 1890. fato de pertencer ao movimento ea pritica da oragdo se exprimem pela Ghost Dance. Longe de representar uma ‘auténtica-danca- sioux-vinda-das-antigas-idades’, este primeiro documento testemunha 0 choque entse dois universos culturais € seus efeitos sendo, deste ponto de vista, um documento antropoldgico. Os dois documentos encenados em estidio, foram “filmados" em de setembro de 1894, dia da tomada de um produto particularmente adaptado 20 mercado dos kinetoscépios: 0 espeticulo de Buffalo Bill. Este divertimento consistiz, depois de 1883, em uma turné, pelas pracas piblicas, de Wild West Rocky Mountain and Prairie Exhibition que se transforma no Buffalo Bill's Wild West Show. Neste més de setembro, o célebre William Frederick Cody, Buffalo Bill, que se apresentava no Ambrose Park, no Brooklin, foi convidado para ira West Orange e toda a trupe Id se instalou WAL Dickson, com a ajuda do kinetografo, registra Buffalo Bill fazendo uma de- monstragao de tito ¢ decide aproveitar a coos rnROS Ova presenga dos Sioux e da trupe para “flmar* Indian War Council e Siouct Ghosts Dance Dai a presenga de um cartaz anunciando Buffalo Bill.. no Angulo inferior diseito da imagem de indian War Council Estes primeiros documentos sio, assim, uma verdadeira reconstituigao, com indios verdadeiros, das “falsas-verdadeiras” dangas Sioux... O espetdculo 20 ar live se filmado alguns anos mais tarde pelos operadores de Edison quando estes jf dispem do equipamento adequado. Xo final deste més de setembro de 1894, Antoine Lumiée, de pasagem por Paris, assite 2 demonstragio de um novo aparelho recém- chegado dos Esados Unidos, um... inetoscepio Edson. Sedo, el adquie um exemplar 0 leva para Lyon onde seus fihos, Auguste e Louis Lume, buscam uma forma de projetar as bandas ncesetpcas,“nolamos, meu imo e eu, que sea interessante mostar ra teh para o piblio cenas aimadas que reprise com fdeldade objtos € personagers em movimento.” um desejo par- tihado por EJ. Marey que perseguia 0 aperfeigoa- mento de seu crondleigafo, constuindo um pro- jer cronofingico. Fo, muito provavelmente, com a ajuda dese cronoftdgrato (do tipo D), que 0 édico Féli-touis Regnault, menibro da Sodié d'andhwopologie de Pars, . ajudado por um de seus amigos, Charles Comte, assitente de EJ. Mares, realizou uma série de cronofotografias sobre uma ceramista oulove® Durante a Ex- posigao do Champs de Mars, em 1895,” FL. Regnault realiza séries de cronofotografias, tanto no local da exposigio como no laboratério de E. Marey. i “pepnateineaeper Phabepoai de gpa * de tod eg