You are on page 1of 2

linguística

Língua forjada na
colônia Primeiro Dicionário Histórico do Português
do Brasil revela hábitos e práticas do
país até 1808 e mostra a transformação
do idioma ao longo do tempo

Luiz Gustavo Cristino


luizcristino@reitoria.unesp.br

E
se, ao tentar compreender o nial”, afirma a linguista Clotilde Azevedo Em dicionários comuns, número de
significado de palavras desco- Murakawa, atual coordenadora do pro- entradas, palavras em negrito ordena-
nhecidas, encontrássemos tam- jeto. O período, segundo ela, foi crucial das alfabeticamente, não corresponde
bém em nossos dicionários suas origens, para a determinação dos rumos e origens necessariamente à quantidade de verbe-
variações de grafia ao longo do tempo e da língua portuguesa no Brasil, que se tes. Afinal, uma entrada pode simples-
o primeiro documento oficial da história consolidou e passou a ter vida própria. mente fazer referência ao verbete mais
do Brasil em que aparece cada vocábulo, “A partir do momento em que a língua comumente utilizado na língua, em vez
com definições baseadas exclusivamente foi transplantada para o Brasil, ela co- de reproduzir novamente seu significado.
nesses registros históricos? meçou a se desenvolver de outra forma, Mas não é o caso do DHPB, que apresenta
É esse o objetivo do Dicionário Históri- assimilando, por exemplo, o vocabulário todas as modificações daquele vocábulo
co de Português do Brasil (DHPB), projeto indígena. Então, esse momento de diferen- com o tempo como parte de um mesmo
desenvolvido na Faculdade de Ciências e ciação é de extrema importância para a verbete. É o caso de “diminuição”, que já
Letras da Unesp em Araraquara. Mais do história da língua”, complementa a jorna- foi escrita nas formas “demenuição”, “de-
que revelar o que quer dizer cada palavra lista Mariana Botta, que integra a equipe minuição”, “deminuisão”, “diminuiçam”,
do nosso idioma, a ideia é que um pedaço de dez redatores e revisores do DHPB. entre outras. Na obra, porém, a versão
da história da língua portuguesa no país, Para fazer o trabalho foram reunidas atual é mantida como entrada do verbe-
mais especificamente dos séculos 16, 17 e 32.358 páginas de documentos históricos, te oficial e as formas antigas são listada
18, seja contado em cada verbete da obra. posteriormente digitalizados para com- como “variantes” dentro de cada verbete.
“O plano inicial era ir até 1799, mas por o corpus do dicionário, uma espécie O primeiro documento, como não po-
Shutterstock

acabamos optando por encerrar em 1808, de banco de dados de documentos que deria deixar de ser, é a carta de Pero Vaz
ano que marcou o fim do período colo- dão origem a todas as entradas da obra. de Caminha, de 1500. Mas, na pesquisa

28 unespciência .:. novembro de 2011 novembro de 2011 .:. unespciência


linguística

feita em bibliotecas de São Paulo, Minas surgimento da palavra. Além disso, cada
Gerais, Rio de Janeiro, Bahia, Paraná, Rio definição carrega consigo um trecho da-
contagem s.f. Grande do Sul e Pará, foram coletadas quele documento, mostrando uma aplica-
variantes: comtagem, contage. também obras de missionários (como o ção de seu significado (veja quadro à esq.).
padre Antônio Vieira), diários de nave-
1. Ato ou efeito de contar. gação, roteiros descritivos da flora e da Símbolos e coraçõezinhos

Fotos: Renato Torezan / Staepe-FCL


“Os feytos que forem à conta- fauna brasileira, cartas, atos de câmaras O projeto do DHPB começou em 2005,
gem os contará por regras, & e municipais, processos, inventários, testa- após aprovação no programa “Institutos
as regras naõ forem vinte & cin- mentos, alvarás, obras sobre medicina e do Milênio”, do CNPq, que disponibilizou
co, nem tiverem trinta letras, a farmácia, produções literárias do barroco um orçamento de R$ 1 milhão para a ela-
im na linguagem, como no Latim, e arcadismo no período, entre outras. boração do dicionário. Segundo Clotilde,
farà logo de conto das que faltare O principal atrativo do novo dicioná- o encerramento do projeto está previsto
[...].” desconhecido (1720) [1704], rio é que a definição de cada palavra é para novembro de 2012.
indice dos dias feriados, que se redigida com base nos contextos em que O projeto foi idealizado e iniciado pela
guardão nesta relação da Bahia, é encontrada nos documentos pesqui- linguista Maria Teresa Biderman, então
& auditorio ecclesiastico della, sados, deixando de lado a versão atual, coordenadora do projeto. Após seu fa-
BANCO DE DADOS BUSCA
alèm dos que traz a constituição consagrada em outros dicionários. Dessa lecimento, em 2008, Clotilde, que era a No Laboratório de Lexicografia da Faculdade de Ciências e Letras, a equipe Clotilde Azevedo coletou documentos
[A00_2472 p. 173]. forma, enquanto o Houaiss registra “papa- vice-coordenadora, assumiu o trabalho. digitalizou os documentos e preparou o corpus usado para redigir os verbetes redigidos entre 1500 e 1808
gaio” como “ave psitaciforme da família Para alcançar o objetivo de 10 mil ver-
2. Posto de fiscalização e arre- dos psitacídeos, espécie do gênero Ama- betes no dicionário, o grupo de pesquisa
cadação, especializado na co- zona”, o DHPB descreve: “ave trepadora contou com o apoio de outras oito univer- “Maria Teresa havia me chamado por cia de cada palavra, ou seja, o número de compõe um verbete no DHPB. Cada um
brança de tributos incidentes de bico grosso e recurvado, geralmente sidades, que buscaram e forneceram os eu já ter colaborado com elaboração de vezes que ela consta no banco de dados. deles passa então por Moraes, para revi-
sobre animais e outras merca- de plumagem verde; quando ensinada, registros históricos utilizados no projeto, corpus, mas minha experiência era com Em seguida, unem-se todas as variantes são de formatação, e por Clotilde, para
dorias em trânsito de uma capi- imita com facilidade a voz humana, re- sendo uma delas a Universidade de Évora, livros branquinhos, impressão perfeita. (“casa” e “caza”, por exemplo) em um mes- revisão de conteúdo, antes de entrar na
tania para outra. produzindo palavras e frases”. em Portugal – a única estrangeira da lista. Com esse material, foi difícil”, lembra. Ele mo grupo, para a construção do verbete. lista definitiva. De acordo com a profes-
“Da mesma sorte o criador de ga- Clotilde lembra que na época alvo do “Maria Teresa determinou que o projeto explica que precisou estudar e se informar Por fim, uma análise minuciosa de todos sora, até o fechamento desta reportagem,
do q.e tem o escravo p,a o benefi- estudo não havia as classificações botâni- deveria ser o mais abrangente possível sobre novos softwares que fossem capa- os contextos em que o vocábulo é apre- havia 8.830 verbetes redigidos e 6.503
ciar, e paga o dizimo delle, e alem cas que existem atualmente. “Daí vem a e por isso buscou parcerias com várias zes de superar o obstáculo. Ainda assim, sentado é necessária para se definirem, completamente revisados.
deste nas contages paga huma ou- diferença entre o DHPB e outros dicioná- universidades e pesquisadores, que nos é necessário que todo o material passe exemplificarem e datarem todos os seus Os dicionários conhecidos da língua
tava por cada cabeça de gado, e rios com relação a elementos da flora e da ajudaram a conseguir os textos”, conta pelos revisores, que corrigem eventuais possíveis significados, incluindo aqueles portuguesa não costumam ser elaborados
por cavallo, a duas outavas por ca- fauna. Nós definimos pelo conhecimento Clotilde, que foi à biblioteca de Évora, em disparidades entre a página original e o que envolvem expressões nas quais esteja com base em um corpus, explica Clotilde.
beça, e alem destes tributos paga que se tinha até então”, explica Clotilde. Portugal, onde encontrou parte dos docu- texto reconhecido digitalmente. incluída a palavra em questão. “De modo geral, há um apoio de uma obra
o mesmo q.to como paga o Mineiro E não foi fácil seguir à risca essa filosofia mentos que formaram o corpus. “Optamos “A expressão ‘pão de açúcar’, por exem- anterior. Isso não é cópia ou nada do tipo,
por cada escravo.” Caetano Lopes para as definições. “A maior dificuldade foi por documentos que foram escritos aqui Marcadores do verbete plo, não tem nada a ver com pão. Era o é da própria prática lexicográfica”, diz.
Lavre (1896) [1741], VI - Impostos na construir e adaptar uma teoria lexicográ- e também por aqueles escritos em Portu- Após esse processo, ainda é necessária a nome de uma fôrma usada para armaze- Para a pesquisadora, a contribuição de
capitania mineira[A00_0779 p. 304]. fica que desse suporte à elaboração dos gal a respeito do que ocorria no Brasil.” adição de códigos marcadores, que tradu- nar o açúcar, que era vendido em blocos, um dicionário histórico para a ciência vai
verbetes”, diz a coordenadora do projeto. Uma vez encontrado e selecionado o zem para a linguagem de programação a e tinha a mesma forma do acidente geo- além do estudo da língua. “Se alguém
1a. datação [1654] “A cada caso que surgia, eu tinha de pensar material, o processo de digitalização foi categoria à qual pertence cada parte do gráfico no Rio de Janeiro”, afirma Clotilde. quiser fazer um levantamento sobre a
“Requerendo a[o] dito juis lhe em como resolver. Há, por exemplo, no iniciado. “Uma dificuldade foi o manu- verbete (entrada, variantes, trecho de O conjunto dessas informações é o que comercialização de mercadorias entre a
ase[itasse] o [dito] dro. e o dezo- banco de dados, a expressão ‘capilar de seio. Muitos documentos exigiram o uso documento, autor, entre outros). Uma vez colônia e a metrópole, há uma coleção de
brigasse a elle e a seu fiador o golfo’, que aparece num texto do século 18 de luvas e apenas puderam ser fotografa- marcado, o texto está pronto para entrar cartas do século 18 que documentam essas
que visto pelo dito juis lhe aseitou e que ninguém conseguia decifrar. Chegou- dos. O cuidado sempre foi constante com no banco de dados. transações. Além disso, também podemos
o [dito] dro. e ouve por [d]ezobri- se à conclusão de que era uma espécie de obras mais deterioradas pelo tempo para Ao fim da elaboração do corpus, a equipe entender como eram tratadas certas doen-
gado a elle e a seu fiador com de- capa usada em uma cerimônia religiosa.” evitar que elas se partissem”, diz Clotilde. deparou-se com mais um entrave. “Per- ças naquela época. São contribuições
claração que se tirou sem Reis [d] Outra particularidade do projeto é re- Depois de digitalizadas, as páginas cebemos que havia maior abundância de A partir do momento importantes não só para a lexicologia,
este termo e comtagem de que fiz velar, em cada verbete, o que se chama eram tratadas e, com o auxílio de um textos do século 18 do que dos dois ante- em que o português foi como também para áreas como história,
este termo em que asinou com o de primeira datação, ou seja, o primeiro software, transformadas do formato de riores”, explica a coordenadora. Para mi- transplantado para o geografia, sociologia e até economia”, diz.
Brasil, ele passou a se
dito juis e eu Anto Roiz de m[att]os entre os documentos do acervo consultado imagem para o de texto. “No início, fica- nimizar esse desequilíbrio, um segundo Devido ao número de informações e
desenvolver de outra forma,
[...]”. Gaspar Dias Peres [1654], In- a utilizar essa palavra. “Isso não significa mos apavorados, pois o equipamento lia corpus, complementar, foi montado, com incorporando, por exemplo, possibilidades para busca, o formato pla-
ventário e testamento de Gaspar. que é a primeira vez que a palavra foi mais desenhos, símbolos e coraçõezinhos mais documentos dos séculos 16 e 17. o vocabulário indígena. nejado para o DHPB é virtual, mas a pro-
Gaspar5 p. 64]. usada na língua”, ressalva a professora. do que letras”, explica o professor João Com o banco de dados finalizado, o Daí vem a importância do fessora não descarta a possibilidade de
Mas, dentro do corpus, a primeira datação Moraes, coordenador do Laboratório de trabalho passa à elaboração dos verbetes. período colonial no estudo preparar uma versão impressa, a depender
ajuda a contextualizar historicamente o Lexicografia do instituto. Primeiramente, é monitorada a frequên- da história da língua no país do orçamento e do apoio de editoras.

30 unespciência .:. novembro de 2011 novembro de 2011 .:. unespciência 31