Вы находитесь на странице: 1из 3

 FUNDAMENTAÇÃO

A aplicação da técnica projectiva de intervenção psico-pedagógica permite


dar visibilidade aos conteúdos simbólicos das manifestações
protagonizadas pelos intervenientes no processo que rege o funcionamento
da escola e as relações interpessoais nelas estabelecidas por forma a
contextualizar os factores de indisciplina e as suas soluções permitindo aos
sujeitos (professores, alunos, auxiliares ect.) exprimir a maneira como
vivem os conflitos internos (medos, angústias, complexos, contradições,
etc.) que se configuram nos seus comportamentos.

 OBJECTIVOS

Dar expressão aos sentimentos que geram violência e agressividade.

Tornar explícito que o mecanismo que conduz à agressão é gerado por


estados de sofrimento do agressor.

Tornar consciente que no processo da violência todos os intervenientes são


igualmente responsáveis na correia de transmissão social que permite a
propagação dos comportamentos agressivos.

Criar um contexto inter-relacional que permita a todos os intervenientes


acreditar que é possível melhorar a qualidade da vivência interpessoal.

 ESTRATÉGIAS

Estabelecer situações de jogo dramático organizadas em pequenos grupos,


em que possam ser exteriozados de forma expressiva os sentimentos que,
na vida comum, são apercebidos como interditos ou culpabilizados e
funcionalmente difíceis de controlar.

Operacionalizar os conceitos psico-sociais que se escondem por trás da


expressão social da violência: a autoridade, a descriminação (auto e hetero
negação), a indiferença e o laxismo.
Dar expressão ao exercício da cidadania e da capacidade de intervenção
assertiva com impacto colectivo.

 CONTEÚDOS

Estruturação e elaboração de organismos relacionais e interactivos a partir


da análise de materiais de síntese.

...

 ACTIVIDADE

O universo terá que ser dividido em tantas partes quantas as que sejam
necessárias para se chegar a um número total que permita a funcionalização
da actividade, i.e. a formação de 5/6 grupos de 3/4 alunos monitorizados
por um adulto (professor, monitor ou auxiliar). A seguir os grupos são
sorteados através de dados ou símbolos por forma a misturar as
proveniências ou garantir a possibilidade de formação de um grupo piloto
que realiza a acção.

São propostas 5/6 situações de violência observáveis na sociedade,


nomeadamente:

o uma situação de violência familiar;


o “ “ “ “ na escola;
o “ “ “ “ no trabalho;
o “ “ “ “ na rua;
o “ “ “ “ no desporto;
o “ “ “ guerra.
por exemplo e etc.

Ás crianças é solicitado que formem grupos 3/4 e que cada grupo escolha
uma das situações propostas e, com a ajuda do adulto e a coordenação dos
animadores que vão passando alternadamente pelos grupos e
monitorizando o desenvolvimento da actividade, estudem e trabalhem essa
situação com vista à execução de uma pequena performance ou trabalho
gráfico alusiva a ela, sob a forma de dramatização, dança, música, desenho,
escrita criativa ou qualquer outra forma de expressão:
Para isso é-lhes fornecido material de trabalho constante de:

o adereços alusivos a cada situação;


o fotografias de casos semelhantes;
o uma bateria de frases de síntese sobre a situação;
como pequenos segmentos de diálogo, títulos de jornais ou outro
material iconográfico.

Seguir-se-á o período de apresentação de cada uma das dramatizações,


performances ou trabalhos, após o que cada grupo será convidado a reunir-
se novamente para realizar, sob orientação de um dos adultos disponíveis,
uma reflexão simples sobre uma das situações (uma qualquer que não a que
foi trabalhada pelo grupo) a qual deve ser consubstanciada na escolha de
uma frase paradigmática que possa espelhar a mensagem adquirida.

Havendo tempo podem ser pintadas faixas com essas frases, que serão
“militantemente” afixadas na escola como conclusão e aquisição da
actividade.

N.B.

* é importante envolver os auxiliares da acção educativa porque são os que,


frequentemente, gerem o “front line” das situações de violência na escola.

** é de evitatr o texto propriamente dito e reduzir as frases a conceitos


simples e sintéticossobre cada assunto (do tipo “VIOLÊNCIA GERA
VIOLÊNCIA”) e/ou pequenos diálogo e/ou pequenos diálogos sugestivos
que possam servir de pista e ser desencadeadores de acção dramática.

*** a acção será enquadrada, motivada ou contextualizada por uma ou


várias intervenções performativas dos animadores adultos e será
disponibilizado um dossier de sugestões, exploração e avaliação da acção e
algum material teórico.