Вы находитесь на странице: 1из 482

^ '\.

'\''S''.\ v v-.' ^
- v, X \
.
V. /y /v /. ,x/vy\y. ^s
V

.\ -\ /v .'» /. ,-. ,'\ /• /. /v.


. ..

,.X
•>

\
\

. /. /K >.. /-. .'< /v /._. / \/sy^yy/-


-^\^'^.'v
\ VA» :
\
/. /s ''n ''- y\ ^^ ''' ^' ^- '* ""^ ''v

/V •
V >\ /V /-, .-V /'» ^\ /V /\ /^ />.. ' » /> y\^ S V ^\ \ X

\ ; V >C >•. /. />. /- /^ /v /'v ^v -'v />v y\^K/'^.y^y\''^y\-' v- v*, \


,
.
>(></• /( X- ''- /• '\ /^y\/\/\^\'^\''K''\< \ys^\''Y ^^ \

>.> >v . /v . 's .'V r\ /v /\/S.-^ /v-^v/V-^v/ v/v/v/v/v- ^'V^ N,'^

/v/v/s/v -\/v,/x_/v =v.-


\''\''^:>s- X>:-^:>c'nX

V • s,/^\,/\,
- ', 'X..'' v/\. V

x:k>:>;;x;<>;>v
x:>(x>x;>x:x /,,>x/x/\>x>s>'X x.''s''xz'X'' v-^^/^'^^'' ^^^
X ^y-\'- ••.' \ • \'- •;' ^,- - v/v X'N /X''X'X' x^x/x/' v-^X-^X-^X' X''
,>x>X>x/x/x>x>x>x/>>>/>>.>^>>>65í':
V
X' V. / /x>x/x''x/x/x/X'' x/X^x-^x-^-
-

x.X x.X/v>X>x/x/'x/'x/'x/x/x/x/x/ ..
'

-
V' X / X /'x/ v.''\' x/x/ x^- X' >^ S'^>'^N'' '\

^ .- X x/ X • X' X' X' X' X' > i ^''^ 1 >

x^ X' X' \-x..- X'-X'- X' X' X' \' >-^^- \/


:;>;;x;>o(>';>6;n>x>(>>r.^'^
:<>xx;x>;>;>;xxx>(x<^' >
x.\'
X /X/ .

•• X,-
- X,
X-
x/ X' X' X'
V' X- X^X'
X--
X
'
-,V
' V X
/^ .

*'*t^ i' •
V

JCMà
V

\
\

/"
.Ar*

4
Digitized by the Internet Archive
in 2011 with funding from
University of Toronto

http://www.archive.org/details/daprostituioOOcruz
DA PROSTITUIÇÃO
NA

CIDADE DE LISBOA
OU

Considerai^ ões históricas, hyqienicas, e adminis'


iraiivas em geral sobre as P ROSTITUT ãS,
e em esjiecial na referida cidade: com a ex-
posição da legislação portugueza a seo res-
peito , € proposta de medidas regulamen-
tares necessárias para a manutenção da
,

Saúde Publica , e da Moral,

POll

Francisco Ignãcio dos Santos Cruz ,

Medico pela Universidade de Voiínhra^ Sócio livre dá


academia Real da^ Sciencias de Lisboa , P^icc-
Preúdenle do Conselho de Saúde Publica
dó Reino ^c.

La philosophie se niesle , et jiarle li-

brement de toiítes choses pour eii

trouver les causes, lesjuger, el régler.

CHARRON, de la Sa^esse Liv. — 1.**

eh. 22 , de l\ãmour chamei.

LISBOA
1841.

Typ. Lisjio^.eínse.— Xc??v/o do Conde Barão ^\'^ 2J-


Travaille non pas comme un miserable , ny pour at-
,

tirí*rTadmiration ou la pitié. Mais dans ton travail com-


,

prie dans ton repôs , aye seulement en vúe de faire ce que


la societé demande de toy. Reftex. Morales d'Emper.
Marc. Antonin. T- 2.^Liv. 9. pag. 524 — Edic. 1690.
— Reflex. 12.
Je qui est de mon devoir , et toutes les choses
fais ce
du monde ne sauroient ni m'inquieter , ni me troubler ;
car ce sont ou des choses inanimées ou des choses des-
,

tituées de raison , ou des choses , qui errent dans les


príncipes et qui ne connoissent pas le bon chemin ;=;
,

^ mesma obra •— pag. 304.^-* Liv. 6.'* Reflex. 22.

Advertência.
!N5o obstante as cuidadosas revisoens das provas da
imprensa , passarão alguns erros notáveis ;e outros da
Orthografia que adoptei
,
que facilmente se percebem ,
,

e se corrigem. O leitor poderá pelo decurso da obra v«r


o^ mais essenciaes , cujas emendas se achâo no fim.
Vcrúrn ubi ^c ^ non ego paucis
Offcndar maculis , quas ^c- ,,,,,,.,
DA PROSTITUIÇÃO.
NA
CÍDADE DE liISBOÁ,

ÍNTRODUCÇld.

^^^uANDo eníre nós se inslitúio ò Cohsellioi


de Sautle Publica do Reino, pelo Reg-ulamen-
to, que faz |)arte do Decreto de 3 de Janeiro
de 1837 , o qual lhe deò a inspecção e íis-
calisação superior ém iodos os objectos da com-
petência da Hygieria Publica, e Policia Me^
dica; além dó outras muitas atfribuiçoens, im-
rnensós era O os assumptos, qUe a \ey puiilia
a cargo desta repártiçã<», nova entre nós, eor-
ganisada de diversos elementos, que desde os
mais antigos tempos até eníao estavao dis-
persos por difforentes authoridades; erào na
verdade infinitos os trabalhos, que íogo seof-
fferecerão ao Conselho (de queín tive a honra
de ser nomeado Vice-Presidente) , é que exi-
giào ser regulados com utgènciéi; masnâoeríi
possivel organisar n'hum momento o que de
Séculos estava (íesorganisado ; só o telnpo, o
zelo pelo bem publico, e o cuidadoso estudo
d'hiia sciencia nova entre nós he que podia ir
remediando as necessidáJes, que a todo o mo-
mento renasciào.
Fjilre os iínmer.sos assumptos da compí>ton-
cia da lívííieiía Publica lie seiruramciile iium
dos mais importai! (es o esíabelecer os meioíí
<le obstar á desenvoluçao dos contágios , e á
sua propagação qtjando já existentes ; entre
estes liesem duvida o yiriis Venéreo hum dos^
ínais terriveis, que mais estragos e victimas
fem feito lias presentes, e vaicausar ás futuras
geraçoens, e que pelos seos progressos, e mar-
cha espantosa, que segue nesta cidade, e em
outras de Portugal, devia merecer a mais ze-
losa, e eíTicaz consideração da parle do Conse-
lho, como a merece de todo o philantropo.
Foi este talvez o mais importante de todos'
CS objectos , de que o Conselho logo lançou
niao depois de sua instalIaç/!o em 19 de Janei-
ro de 1837. Pois que não ignorava elle a fa-
cilidade, com que o F'í)'us Venéreo se propa-
gava nada obstando legat e efficazmente vi
,

sua marcha crescente, pela falta absoluta da


necessária policia, a que deviào sugeitar-se as
}yi'ostitutas, terrivel vehicnlo da propagação de
knm tal contagro; não ignorava também o
Conselho, qúe era esfe hiím assumpto absolu-
tamente despregado entre nós, e nunca trata-
do se^rundo as reizras de hua bem entendida
Policia IMedica, faltando-lhe porisso todos os
indisj)ensaveis esclarecimentos para o desem-
penho deste lao interessante objecto com todo
o conhecimento de causa; e por tal motivo
iKio ignorava finalmente o Conselho, que nun-
ca existindo entre nós como existe em mui-
,

tas Naçoens, hum regulamento, a que as pros-


titutas se devessem sugeitar. grandes difticnl-
datles deveriao apparecer na execução das acer-
tadas medidas policiacs, que cile devia estabe-
chocar antigos lia})i(os, iiive-
i(cer; ellas iviíio
ioiados costumes, que sempre lie diíficil, e ító
\xzes impossível destruir.
O Conselho porém, sem a( tender senão á
sua missão, e ao í)em da humanidade, me en-
carregou de procurar os meios de obstar Á
prop;igação dc^te tenivel veneno, devendo
apresentar nao só as mais efíicazes medidas
policiaes, a que se deviào sugeitar as prosti-
tutas, mas outras quaesquer, que se julgassem
necessárias para obstar a tal propagação. Não
«em grande receio do seo desempenho me en-
carreguei deste laborioso e desgostan te assum-
pto, começando a lavrar hum camj)o, períei-
lamenle inculto entre nós até hoje, cheio d/o
abrolhos e espinhos, e absolutamente incogni-
ic, nada havendo, que nos indicasse sua natn-
reza, e os passos mais acertados a dar parida
sua cultura.
Mas como devia oii desempenhar esta mis-
são do Conselho de Saúde sem meinsLruir in-
teiranienle ílo estado da prostiluic^ão publica
desde os nossos mais antigos tempos até ho-
je ? Que indivíduos, oii que repartiçoens do
Estado n)e darião, senáo todos, ao menos ai-
í?uns esclarecimenlos ?. . Segundo o aban-
. .

dono, em que este objecto esteve sempre en-


tre nós, eu não juígiíeidever cons-wltar senãoa
Intendência Geral da Policiada Corte e Rei-
no e o Hospital de S. José; porque só a In^
,

tendência, depois que seinstituio, tinhaaseo


cargo esta miserável classe da sociedade para
a reprimir, e para a castigar, seo único lim;
e o Hospital, aonde ião ellas fmdara carreira
de seos dias, estragadas por sua infame proíis-
eão e consumidas por huui veneno, que nuíi-
,
pa se pertendeo competcnlemeiUe alalliar, pois
que neste objecto só entre nós se attendia á
Moral , e nunca íÍ Saúde Pulblica e mesn)o
;

quanto á primeira ps jneios, de que §e lan-


çava míio nqnc^ furão 05 mais coufereij-
,

tps.
Investig-uei estas Ebtaçoens, nada pude ob-
ter: a Intendência Geral da Policia estava
í)boIida, seo cartório tinha passado para a Ad-
ministraçãp Geral de Lisboa; eu pedia escla-
recimentos,, o Concelho de S^udp os soilicita-
va á AdmipistraçriQ eu, segundo o lugar
5

que occupava, não era hum homem obscuro,


a quem se negassem, o Cpnselho era hiia Re-
parti çiXo do Kstado, montada por hiia l^iy, e a
quem todas ^s outras deviãp ajudar, e soc-
cprrer em objectos sanitariosj nada se obteve
pela confusão, em que tudo estava; ^ssini se
respondeo! I no Hospital não havia
;

a necessária statisticajá desde antigos tempos


competentemente recolhida, naja daqui pi|-
de culligir. Eis-me pois isolado em bum mun-
do incógnito, cercado dembaraços, e dilíiciil-
dades, que pertendi vencer com a coragem ,

que en^ mim produzio o amor da humanidade,


e do meo paiz. Procurei (aonde me pareceo)
alguns esclarecimentos, que julguei necessá-
rios, não me poupando a trabalhos, a incoip-
modos , e adespezas; huus mas occultavão,
putros se riãp, e outros censuravão; na classe
das prostitutas, em que eu os devia investi-
gar, o que fiz sempre por interpostas pessoas,
que eu presumia de sua confiança, não se en-
contra (senão rarissimas vezes) a franqueza
e a ingenuidade, especialmente em objectos,
que elías presumião ser-lhcs prejudiciacs, co-
mo sempre tinha sido pratica e costume cm o
?ios^o paiz.
Apesar de todos estes obstáculos apresen-
tei ao Conselho de Saúde o resultado de meos
trabalhos em 14 d'Agosto de 1837, com hum
projecto de Kegulamento policial e sanitário
para as prostituías. Náo me importou a cen-
sura, mesmo a dos homens instruidos, eu la-
mentei seo modo de pensar; e perguntarei ao
menos intelligente de todos os homens, se será,
on não, útil atalhar os males, que ao género
humano causa o os progressos do Vinis Vene^
reo "? ninguém será tão estúpido, ou tão bár-
baro, que me responda que níio pergunto
, :

mais, se hc possivel conseguir isto sem estu-


dar e observar as prostitutas í se me respon-
derem affirmati vãmente, eu lhes asseverarei,
que tem caindo todas as theorias, que tem si-
do inveníadas nos gabinetes dos Naturalistas,
quando senão tem investigado a própria Na-
tureza , e quando as bases e fundamentos de
laes (heorias não são extrahidas da experiên-
cia, e da observação; se as prostitutas de Lon-
dres, de Paris, de Brijxellas, de Berlim, etc.
(em todas por ofíicio a prostituição, seo ca-
racter, seos costumes, seos hábitos, etc. etc,
mui! o ditrerci!) e eu estava no ponto mais
,

Occidental da Europa, eu estava em Lisboa,


o assumpto era respectivo a este local; per-
guntarei finalmente, se o Ijomem, que se vo-
tou não só a estas in vest-gaçoens, mas a todas as
que exige a Hygiena Publica, e a salubridade
das povoaçoens, se aqueile, que afronta terriveis
exhalaçoens, objectos desgotantes, que sacri-
fica suas commodidades, seo tempo, e seodi-
íiheiro a procurar o bem do seo semelhante.
Tnerece a pouca ccnsideraçao , ou a censura,
que só nó meo entender he filha da mais es-
túpida ignorância ? Os homens sensatos que
nos julguem; respeitamos os prejuízos, mas la-
nierilâmos sua miséria e sua cegueira.
O Conselho de Saúde Publica approvou os
meos trabalhos, e na conformidade da ley, sen-
do objecto da sua competência, eíiviou o Re-
gulamento, que eu lhe apresentei, á presença
do Governo, afim de se dignar approva-Io, seo
nchasse em termos, e p6r-se depois em exe-
cução, como ordena o Código Administrati-
vo; o Regulamento porém, exigindo medidas
legislativas, foi pelo Governo sugeito á delibe-
raçtão das Camarás, ordenando e^tas, que se ou-
visse a sua Com missão de Saúde Publica, aon-
de ainda existe. Appareceo entretanto hum
Programma da Academia í^eal das Sciencias
de Liisboa, (de quem me honro ser Sócio livre,)
annuneiado na sessíio publica de 15 de Maio
de 1838; sendo hua das questoens apresenta-
das ;z: O ínc.ihodo de atalhar a propagação da
syphilis lias casas públicos ác prostituição^ es-
iabcJeccndo regras policiacs regulamentares êfc.
^c\ T^ Eu pela posição, que occupava naquel-
la respeitável Corporação Scientifica, podia en-
trar neste concurso; eu profundei então mais
o assumpto, fiz novas investigaçoens, e depois
de lhe dar maior desenvolução, apresentei mi-
nha JMemoria para o concurso de 1839. Ní\o
havendo entretanto sessão publica em o dito
anno, como o programma indicava, e tendo-se
p.lssado quasi hum anno sem que visse este
negocio decidido, portcndi retirar da Acade-
mia o meo trabalho, resolvido em todo o caso
a tratar dosle im})ortante assumpto não eu] os
o

çurlos li mi (es dosimples Memoria , mas


liTia

tíom totla a amplitude, que me fosse possível,


segundo as idéas, que pude posteriormente ad-
quirir pelos esclarecimentos, que d'alguas re-
parliçoens^ e indivíduos j)ude obter.
A necessidade de ser bem desempenhada
este trabalho he mais que evidente, nem eu te-
nho o orgulho de o satisfazer; elle he segura-
mente o primeiro neste género em o nosso paiz,
j)orque o feito em 26 do Julho de 1836 pela
Academia Real das Sciencias hesummamen-
te defficiente (1) e não me consta de outro
,

anterior, nein posterior áquelle. Eu mesmo,


<levo fali ar francamente, não o apresento se-
não como hum ensaio pena mais hábil, e que
;

maior copia d'esclarecimentos possa obter, me-


lhor poderá, ou mesmo agora, desempenhar o
assumpto, no que eu mui contente ficarei por
maiores bens poderem resultar á humanidade ;
ou se por ventura se pozerem em vigor alguns
,

Regulamentos policiaes sanitários, os futuros


leinpos poderão fornecer seguros dados , em

(1) A Memoria, que apresenlei ao concurso da


Academia Real das Scienciaí! , linha só por único
fim a resolução do problema, que constado pro-
^'ramma da mc>ma Academia eu pretendi retira-
:

la pela ra?ão exposta, não para novamente tratar do


objecto especial do programma, mas sim da Prosli-
tuição em g<'ral na cidadede Lisbon, e de tudoquan-
to a este asnimpto tivesse referencia, não me foi po-
rém concedido retirar a minha Memoria, apesar dos
fundamentos, com que o requeri, o que me não sér-
vio de íibslnoulo para o começo da obra, que tinlui
pmprehcndido , e que hoje pubh^co^ por ella alg'.; 'ni
10

íj[Ue melhor assente liun> tratado desta or-


dem.
Quanto a mim, por me ter encarregado de
escrever sobre tal objecto^ j"'^<^ ter dado ra-
soens assííz convincentes para responder a air
guns fanáticos, ou hypocritas, que por ventu-
ra tenbáo a meo respeito algum desfavor; este
assumpto he dos mais importantes daílygiena
Publica, elle pertence ao Conselbo de Saúde;
este me incumbio de tal missão; e he quan«
to basta. Devo entretanto asseverar, protes-
tar até , a todos os que me lerem, que eu —
1.^ como homem livre serei imparcial em tudo
quanto expozer, elogiandoou criticando, como
eu entender 2.^' como homem religioso, e que
:

me considero com sufíicienle moralidade, usa-


rei quanto puder da necessária modéstia, e da
compatível com a nossa lingoageip e com os ,

nossos costumes ; 3,^ finalmente que como ,

tudo quanto pertence ao bem da humanidade


o a Sciencia já n«iLO he nosso, deve-se aos ho-
iiiens, e á mesn)a Sciencia, eu exporei franca*
mente o que ella ordena, o que exige o bem

verá a (It^fficíencía dos trabaUios apresentados pela


tiiesma Academia em ^2(> de Jullio de IBI^r), cm resr
posta ao qutí lhe fui ordenado em Porlaria do Mi-
líislerio do íveino de -2 de Maio do meàmo anuo
,
aletn de nos não conforniarmos com rauilasdaidi»-
posiíjoens expressas no seo projecto de regulamento;
poderíamos aqui expor os fundamentos da nossa opi-
niiio a este respeito, entfetanlo nósosomiltimo», por
náo fazermos hua vaslissima nota, lendo de apresen-
tar o refcridi) pii^jecto, e a elle fazer depois nossas
reflexoens, o c^uc faremos com tudo, se a isso foripos
lobrigados.
n
nla societlade, em que vivo, que requer es-
e o
la classe tao desgrarada como iniseravfc;!, que
jne tem dado assim a alguns estudos
occaisjão
(B meditaçoens. como a outros penosos trabalhos

para melhorar sua infeliz sorte, em proveito não


só da Moral Publica de híía Níição, quesem-
\)Te foi eminentemente regiliosa, como da Saú-
de Publica do Reino, de cuja tiscalisação e res-
ponsabilidade sobre mim carrega hirm de seos
principaes elementos deste modo tenho ex-
:

posto os principaes fundamentos do mep esbo-


ji:o sobre a Prostitui(^ao na Cidade de Lis*
boa.
Resta finalmente dizer, q\ie sobre a presen-
te matéria que hoje publicamos, muito dezejâ-
luos apresentar os necessários documentos pa-
ra corroborar muitas de nossas opinioens, nao
tanto em relação á parte legislativa do nosso
paiz, mas especialmente emquanto á parte ad-
que toca á Hygiena Publica,
rninistrativa pelo
e á Moral; como poréiri tal objecto nunca me-
receo ser regulado entre nós, liada possuimos,
que nos possa fornecer as sufticientes luzes, pa-
ra em presença d'hua statistica expormos qual
foi o estado destas miseráveis em todos os tem-
pos da Monarchiaaté hoje: e he para notar, que
havendo tantos escriplores na parte histórica,
e gcographica nrio só relativamente a Lisboa,
mas a todo o Portugal, assini naciouaes como
estrangeiros, e tratando elles em suas obras
até de mili insignificantes cousas de Lisboa no
meio de preciosas noticias, nada ou quasi na-
da nos digão do que entíio se devia saber, e
Iransraittir á posteridade sobre esta classe
de seos habitantes; talvez elles julgassem
fazer algum serviço á lleUgião e á Moral
n
Publica nada dizer de tal gente, a quem ai-
gírias das Jeys desde o principio da Monarchi«i

iníligiâo a pena da mais activa perseg"uicrio, e


até da prose ri pç ã o.
lie com efíeito Iram facío, que nunca em
Portugal se olhou para as prostitutas com ííXo
notáveis vistas de tolerância leí^islativa, como
pelo apparecimento do Código Administrati-
vo de 31 de Dezembro de 1836, a excepção
do Alvará de 25 de Dezembro de 1608 no Art.
22, nesta ley existe hum espirito de tolerân-
cia, como na referido Código; eilas forão sem-
pre reputadas como huns entes escandalosos á
Moral, prejudiciaes á Saúde, perigosas e no-
civas á Sociedade, e como taes mais ou menos
perseguidas, aferrolhadas em prizoens, ou ex-
terminadas ; ha só disto documentos. Con^o
pois nós pertendemos expor nao só o estado
pretérito e presente da prostituição em Lis-
boa quanto nos foi possivel saber a tal respei-
to, como nossa opinião sobre a marcha futura
u seguir na sua parte policial e sanitária, e o
respectivo Regulamento, que lhes deve servir
de ley para se pôr, tanto a Moral Publica,
como a Saúde, a abrigo dos repetidos cho-
ques, que ellas lhes causão, accom moda remos
a nossos antigos hábitos e costumes o que ha
de melhor, e mais accom moda vel a nós, em as
Naçoens estrangeiras, em que a policia est:í
no seo maior incremento. Se minha consciên-
cia me diz, que tu com isto faço algua cou-
í>a, he hum facto, que a experiência me prova,

que resta ainda muito a fazer,^ eu encetei a


obra, quem vier prosiga com coragem, e lhe
prestará muitos aperfei(^oa mentos, que ella exi-
ge eu recolhi bem pouco dos cscriptos dis-
:
a

persos que ligoiramcnte tocfio no assumpto,


.

sobre o qual he seguramente a primeira obrit


que appcirece em o nosso paiz. (2)
Eis o que tinluimcs a dizer previamente
nesla Introduccãoá Obra, que publicamos, e
que será dividida em três partes: na 1/^ Par-
te trata reni os de tudo quanto he relativo ás
Prostitutas, e ao Virus Venéreo ; na 2.^Par-
te de tudo quante he relativo ás Casas Pu-
V)ticas de prostitutas na 3/^ Parte finalmen-
:

te de tudo quanto diz respeito á Legislação


antiga e moderna, e ííos Regulamentos po-
liciaes, e sanitários. Cada h^a destas Partes
será dividida em diíferentes Sessoens, Capí-
tulos, e Artigos segundo o objecto respecti-
vo, como veremos.

(2) consultei muitos e>criptores anligos; e ma-


J-lu

_._rno
<íe , nàosó sobre Lisboa, rnaa sobTé lodo o Portu-
gal ; miserável, e despiesivel ,
eile» sobre esta tâo
como desmoralisada classe da sociedade quasi nada
nos dizem j quando a resj^eiío de outras^ capitães, e
Naçoens da Eoro})a tanto se tem cscrrpio sobre o'
presente assumpto desde os rnais: antigos tempos até
iioje, com especialidade a respeito de Paris, e de to-
da a França; alti lia muitos escriplos sobíe a parte
hiáturica das pfosiilutas, sot)re medidas de pohcia
tomar a seo respeito quanto á moral, e quanto (i
saúde publica, sobre a sua legislação antiga e mo-
d'erna assim nacional, como mesnfio a estrangeira:
tem-se também apresentado em todos os tempos á?
nulhortdades competentes iiíia infinidade de medidas
regulamentarias, como cada hum aâ tem entendido
em beneficio da sociedade; finalmente escriplores
tem liavido naquelle paiz sobre assumptos mui dif-
ferenles históricos, estalisticos, <S«:c. que tem também
torado no objecto de que tratamos: quanto porém a
cós os differcnlcs cacriplorcs quasi nada, ou nada
i

14

PARTE PRIMEIRA.
Das rrostitntas , è do Vii*u$ Venéreo^

CV«/ un dhordre [lá pròstituãoTí) véduseiri


nntme de r ordre ^ cl qm Ic mmntient soué
ccrlains rappdrls dans Ic monde social, coiU'
me les dUeordea dtÁ êícTiieni asàurent leur
coiLservaiion dam Ic monde physique. C^est
pour paut de ia SociHè^ que nous ai:on^
la
dcs peinès de sang , des bourreaux , cl dcs

fcmmes publiques Sdbatier-yívocal ~ Hiest,
\lc la Leghluliori des fcrrímes publiques —
pcig, 35.

A saiKic foi em todos os tempos olhaclà

ioleressanlé nos dizem tenhão elles escríplo sobre


,

a historia, população, coslumes públicos, &c. P<>r-


tanto se a aíguem por agora parecer á hossaobra pou-
ío interessante (por pouco exlehsa) quarito aò tons-
iiluluin^ repare btm nòs motivos aqui expostos, e no
texto, e assevero^ que me fará justiça por suadeffi-
ciencia ; achará entretanto, em nosso entender , o
que indispensável s^ julg^ar qusnío no conèútuendumy
do que nós absolulamerítc carecemos em o nosso paiz,'
se perlendernios ir a par das Naçnéns illustradasdo
inundo, quanto á civiiisa^ào, e moralidade publica.
Se eu expressamente declaro, que he a primeira
obra^ qu6 apparece entre nos sobre a prostituição na
cidade de Lisbon, eu digo a este respeito o mè>mo,
que em Occasião análoga disse o Aulhor das Festas
e Cbrlezans da Grcctcí m
«esta erudição he frivola
*'iem duvida; ma» o lítulo pelo menos não pode
**
en imanar , Une promel , quedes riem. li)m fesultado
** a rhais grave erudição ^e reduz quasi sempre a nada;

** se esta obra não fizer senão confirmar esta verdade,


^^ nâo será ella ainda inulil.
,^
como de todos oc gozos do homem :
o principio
be este o maior de todos os benefícios , que
recebemos da mão da Natureza, sem o qual
todas as mais prerogativas da espécie bumaj
na nada são e nada vaílem. A saúde mereceo
tal consideraçíío nos tempos da anlig^a Roma,
que Caius Junius Bubullus foi o primeiro, que
em sua honra ediíicou hum (eniplo no monto
Quirinal. Sem que por toda a parte se lhe cons-
truão templos em sua honra , tem comtiido
a saúde merecido sempre os mais sérios cui-
dados, e efíicazes vigilâncias ue todos os Go-
vernos em todos os povos do Globo tanto an-
tigos como modernos :e na verdade todos os
assumptos, relativos á Saúde Publica de qual-
quer Nação, são da maior transcendência, e
do seo mais alto interesse , especialmente
quando se trata não só de obstar á introduc-
çâo, ou á desenvolução de hum contagio, mas
também quando se trata da sua diminuição ou
extincção. quando já existente^ como aconte-
ce com o Vírus Venéreo, que, propagando se
livre e indefinidamente, tantos males pode cau-
sar á espécie humana, como o tem assaz demons-
trado a dura experiência de muitos séculos.
lie de ordinário pelo coito impuro das pros-
titutas, que se propaga o Vinis Venéreo, sem
contar outras vias de communicaçao, de que
também fallaremos, mas que são muito raras ;
tratando-se pois dos meios de obviará propa-
gação do Virtís Venéreo, tudo se reduz a apre-
sentar os meios de fazer com que as prosti-
tutas o não propaguem tem porisso estes dous
.

objectos hiia intima ligação, e se não pode tra-


tar de hum, semquese falle do outro, e porisso
delles trataremos nesta primeira Parte.
16

Seria mui fácil resolver este problema ex-i


linguindo completamente as prostitutas; seiíi
ellas íião ha propagação do Vinis Venéreo,
Mas nós observamos pela nossa própria ex*
periencia, que nada tem aproveitado estes
meios, de que atéhoje se tein usado em Por-
tugal, ou fosse com o intuito de attender i
Saúde, on só á jMoral i^ublica; pois que nós
vemos, Que o Vinis Venéreo conúuuci a fazer
em o nosso })aiz terriveis estragos, e as pros-
tituías sempre estiverao, e estão ainda bojei
assaz dissiminadas pela cidade de Lisboa, e ou?
trás de Portugal, apesar de terem sido mais
ou menos perseguidas nos diiierentes tempos.
Hoje nenhíia Nação policiada deixa detolerar
as prostituías, o que ultimamente entrenós
teve lugar pelo Código Administrativo Art.
109 §. 6,°; tolerância que tendo tido alguas
vezes lugar nos antigos tempos, a deveria ter
lido sempre : pois que nenhum Governo do
Mundo seria capaz de executar hum decreto
de proscripçào absoluta das prostitutas, sem
queexpozesse os povos, que governa, ás maio-
res desordens, como se tem verificado em al-
guns paizes, aonde tem bavido esta temerária,
e indiscreta perlençiio e não se pede duvidar,
;

de que os Governos podem, e devem aprender


buns dos outros, e lam}3em beinnegavel, que
he sempre feliz aquelle, a quem os males
alheios fazem acautelado.
Esta primeira Parte envolve duas Sec-
çoens ,na primeira das quaes trataremos das
prostitutas, e de tudo quanto lhes diz respei-
to, ena segunda do Vírus Vcncreo.
17

SÉCÇÀO PiUMElRA.
Das prostitutas.

He preciso primeiro que tudo bem fixar o


que entendemos por hua prostituta^- pois que
não tem a me£ma significação no espirito é
lingoagem de todo o mundo, e porque ha mui-
ta gente, viciosa e debochada neste género;
que senão deve ter como prostituta. Esta pa-
lavra he o participio passivo prostituins dd
vevbo prostiíiio prostrar, entregar, pôr pu-
,

blicamente de venda, entregar masculum vel


faminãm venahm lihiâini: prostituta freminá
mulher entregada publica Uiénte [Bento Pe-
reira)', heisío o mesmo, que meretriz oume^
retrice [ Blufeau ) mulher que faz mercê,
,

mulher publica posta a ganho he segun- ;

do as próprias expressoens e lirlgoai^em


,

de nossa antiga legislação no tempo do Snf.


D. Manoel mulher qiie com o seo corpo gà
,

nha dinkeiropnblícamente^ não se negando aos


ijue a ella quizerem ir fora da mancebia. São
estas aquellas mulheres , de que falia o lle-
gi mento dos Quadrilheiros de 12 de Março
de 1603. §^ 5; as que para fazerem mal do
seo corpo recolhem publicamenlebomens por
dinheiro. Vulgares puellce áe Ovidio.
Vemos pois, que hiía mulher, qiie se en-
trega a híía vida desordenada nao he por
,

isso híia prostituta, hua mulher debochada não


se segue qiie seja prostituía; he h passagem
de hua vida honesta ao estado d^abjecção de húa
classe^ que se separa da sociedade^ e a ella re-
nuncia ; e que por habitas escandalosos, cons-
iante e acintosamente públicos, abjura as lej/s
â

1,
IS

comimms, que a regem —


tratamos Jaquelías,
que recolhem publicamente homens por di-
nheiro, qtie tom hua notoriedade publica, que
fazem mal publicamente do seo corpo ganhan-
do drnbeiro, e que o fazem constantemente a
quem quer que for. (3)
He mui regular, que em todos os tempos
acontecesse o mesmo que lioje enire nós acon-
tece, que muito exageramos a prostituição pu-
blica na Cidade de Lisboa, pelo menos a fa-
ma publica imagina milhares de prostitutas

(3) Parent-Duchatelel —
Dela prostitution dans
la ville —
de Paris pag. 9 (edição de Bruxelias) ,
referindo-se a hua mensagem do Directório Execu-
tivo ao Conselho dos quinhentos da França, datada
de 17 nivose anno 4." da Republica sobre a repres-
são da prostituição publica^ o paragrafo, sobre o
que se deve enteader por mulher publica, he o se-
guinte n: aPour remediíT à cet incoavénif^nt , vou»
« detcrminerez avrc précision ce que constiiue la
a filie. publtg?4e\ récedíve et concours de plus5'eurs
« faits legaleínent constates ; noloriété publique;.
u arre5latior> en flagrant délit prouve légalement
« par des temoitiS autres que les dénonciateurs ,
« ou Pagí^nt depolice: voilà sansdoute Iescircon<-
« tances, qui vous paráilronl caraclérisercelle hurr-
teuse et criminelíe profession zz >? Eu j»dgo, que
nao lie necessário o concurso de todas estas circuns-
tancias para provar-se, que hua mulher he proíli-
tuia, basla o testemunho publico, que el'a se fríin-
quea a todo e qualquer, que delia se queira ser\ir
pelo lucro segundo a calhegoria, em que eíla exis-
te; he hum fado que huíi mulher da 1.'^ e "2/^ or-
<lem não se fronquea facilmente áquelles que cos-
,
tumão frequentar as da IV/^ ordem, que são a mais
baixa relê destes individuou , islo se observa fre-
quentes \ezes, e nem porisjo deixão de ser prosti-
tutas as da I.^ e 2.^ ordem e facililarem-se a to-
dos os de certa cathegoria da sociedade.
íiestn cidade, quando na realidade assim senftO
verifica; e he regular, que nos tempos antigos
se dissesse o raesrao, o que entretanto ignora-
mos pois que entre nós veriíica-se exacta-
;

mente o contrario do que nã França e Ingla-


terra; não ha historiador algum de Paris, que
não falle exageradamente da prostituição da-
quella cidade, e da immoralidade do seo tem-
po, quanto a I^isboa não ha nenhum histo-
riador, ou rarissimos, que toquem até mui
levemente neste assumpto.
Em lugar competente, e quando tratar-
mos da distribuição das prostitutas pela ci-
dade de Lisboa, e do seo numero provável,
mais largamente nos occuparemos, não só dò
quanto se tem nos diversos tempos exagerado
o numero das prostitutas de Paris e Londres,
mas do quanto se exagera o seo numero entre
nós, o que talvez dependa de se considerarem
como prostitutas quem tal nome não merece;
pois que não devemos metter em conta nem
as entretidas, porv'j|ue estas não são as prosti-
tutas, de que tratamos,* nem aquellas, que se
reúnem nas casas de posse (4)^ que entrenós
nenhija ha com publicidade nem tão pouco ;

aquellas, que exercem hua prostituição clan^

(4) Os Francpzes chamão casas de pai^sc , ou


í tndet-voíís ^ aquellas arranjadas por especuladores,
bom mobiladas, com differenles quartos, bem ser»
\idas [)or ecreadas, e aonde se ajuntão
creados ,

Certas mulheres com seos amantes, e ahi se entre-


gão á devassidão ; estas ca!?a'í sâo de maior ou me-
nor luxo; ahi se fazem muitas vozes orqueslas, dão-
se bailes, cíc. Com aoaralo de luxo publico iulco
nao existir algua em Lisboa, mas particulares de-
ve ter havido muitas nesta cidade já d'anligos tem-
pos ; era lugar competente trataremos deste objecto.

destina, qnc, segundo a nossa legislação na


maior paite dos teinpos, deve ter sido bastante-
mente notável em Portugal, e a qual he segura-
mente a mais tcrrivel de todas as prostiiui-
çoens. Por conseguinte nós só íaremos entrar
neste numero não só aquellas, que existem
sós e isoladas em suas casas, ou reunidas en\
coWi^^ios, e de donde niio sahem a exercer sua
indigna profissão, como também aqueila?;.de
todas as mais miseráveis, e infames ,as va-
gabundas pelas ruas, ou as raccrocheuses dos
Francezes.
Esta Secção da P rim eira Parie da pre-*
sente obra, em que tratamos das prostitutas,
deve conter alguns capitulos; no primeiro dos
quaes nos occuparemos da historia da prosti-
tuição destle os ma's antigos tempos, assim nas
diííerentes Naçoens, cokjo em o nosso paiz, -

trataremos depois das differentes classes de


prostitutas —
de alguas consideraçoens phy-
siologicas e pathologicas, que lhos são respe-
ctivas— dos seos hábitos, costumes, boas, e
mas qualidades, kc. —de seo numero e dis-
tribuição pela cidade —de que paizes sao ellas
fornecidas para este infame trafico na cidade,
quaes suas familias, qual sua idade, educação,
instrucção ,&:c. e quaes as mais prováveis
;

causas da prostituição — trataremos finalmen-


te da importante questão de sua necessidade,
e tolerância. Se a alguns destes diííerentes as-
sumptos não dermos toda a desenvoluçào, de
que elles carecem, relativamente ao nosso paiz^
jjc isto só devido á faltados necessários escla-
recimentos, recolhidos já de mais antigos tem-
pos, e alguns dos quaes só a muito custo pu- -

de obter.
CxVPlTULO I.

Historia da jivostituigãQ.
ARTIGO 1."^

Em algúas A^aç:)ens e nos antigos tempos.

Se consultarmos os Annaesde todos os po-


vos do mundo desde a mais remota antiguir
dade até hoje acharemos que a ])rostitui(^ão
,

toca nas primeiras idades dos povos do Glo-


bo. Pelos livros sagrados colligimos, que cxíst
tião prostituías no tempo de Moysés, e que
eJlas se entregavão a todo o género de debo-
che, ou para satisfazerem suas desordenadas
c impudicas paixoens^ ou com o fim de seos
lucros. Terríveis decIanHupefis erão contrí^
iDilas dirigidas pelos Patriarchas erão ellas ,

ameaçadas com irrandes e bastantemente


cruéis peras de])ois dg. morte; o- povo as ex-
probrava, e aceusava, como sendo a origem
das differentes guerras, e d^s funestos acon-
tecimentos do século, que pezavào sobre o
povo, e elle soffria^ devido tudo ás iras e có-
lera do Céo que ellas desafiavão com suas
,

torpezas, e provoc^vão com suaimmoralida-


de, e impudicos m^ncíJQS Nào obstante estes
anathemas, e estas fulmiuiicoens contra as
prostitutas, ellas não só não se extinguião ,
mas nem seo numero diminuia; lie a prostitui-
(^ão hum vicio da ordem social, que está li-
gado a bua necessidade primitiva doboujem,
que elle procura por toda a parte satisfizer,
como diz hum respeitável Escriplor (5),be a
prostitu'çáo tâo antiga como o mundo.

(ó) Hisloirfí d(? la Legislation sur les femines pu-


lei jqucs& par M, Sabaticr, Avocat — 1830 —pag. 3^?
A prosliLuição cm
alguas partes se enfeU^
com a capa sagrada da leligiaT), sendo hua
pratica de devoí^ao, hCia h.^riienag-erii á Divin-
dade, em outras partes he olhada como liurr^
esíado da sociedade, como hua profissão legi-
tima; em alguns paizes he tida como hum
acto d'hos|)i( ai idade e nos paizes civilisados
; ,

aonde não existem estes costumes bárbaros e


selvagens, he ella hum abuso da ordem so-
cial; mas em quasi todos os povos do mundo
he a prostituição hum
negocio d'interese,
como á\7. M. Sabatier, Poderíamos tirar da
jiistoria dos differentes povos do Globo anti-
gos e modernos hua infinidade de factos para
demonstrar o que acabamos de enunciar; co^
mo porém este assumpto especial tem mais
relação com as itys dos differentes paizes. ou
coin seos hábitos, usos, e costumes, que tam-
bém constitueu) híía ley consuetudinária nós ;

nos reservamos para dar híia idéa desta s leys,


e costumes, quando na Terceira Parte desta
obra tratarmos da legislação sobre as pros-
titutas aqui porém só nos limitamos a expor
:

de passagem como era reputada a prostitui-


,

ção em alguns dos antigos povos do mundo ,

que a muitos outros respeitos bem notáveis se


fizerão 5 como forão alguns paizes asiáticos, a
Grécia, e Roma e depois de tocarmos mui
;

ligeiramente na historia da prostituição nos mo-


dernos tempos em algíias Naçoens, passaremos
fí do nosso paiz.

§.1.»

!No Japão, índia j e Egypto.

fios mais antigos tempos tinhãoos Japone*


7.es coiisagrado hum cuUo á Deosa da Praí?-
títui(^âo\ elles(inhâo em sua honra estabele.
eido muitas festas publicas (G). Na Indiaeno
Egypto a Religião, e a Politica divinisárão os
prazeres; chamavao as Corfe:ans (7) a todas
as festas , e punhào (para assim dizermos) os
altares dos Deoses, e as Taboas das leys de-
baixo da protecção e salva guarda dos praze-
res. Chamavão-se Servas dos Deoses ás dan-
çantes Indianas, quasí sós erão aquellas en-
tre as mulheres daquelles paizes que sabião
,

ler, escrever, tocar instrumentos, e cantar,


sendo até instruídas em differentes lingoas. A
Keiigião dos povos da Índia não lhes prohi-
bia os prazeres dos sentidos; e mesmo os dif-
ferentes Escriptores sobre a mais severa mo-
ralidade consagrarão algíjas paginas ao íimor,
e ao prazer.
Quaesquer que fossem as festas civis ou
religiosas nenhíias se celebravão, nas quaes el-
las não entrassem como hum dos indispensá-
veis ornamentos. Por sua profissão consagra-
das a celebrar os louvores dos Deoses , eilas
tinhão como hum piedoso dever concorrer pa-
ra os prazeres dos seos adoradores das tribus
honestas. As essências, com que ellasseper-
fumavao , as flores,, com que se adornavâo, a
melodia e encantos de sua voz, os harmoniosos
sons de seos instrumentos, talvez mesmo a se-
ducção de eeos encantos, queellas dirigiãoaos
exf)ectadores, tudo produzia htia perturbação
em seos sentidos, e parecia, que hum fogo in-
(6) Des Feles, e Courlisanes de la Grece &
Tom. 4.°
(7) C mesmo aulhor citado cm a nota antece-
dente».
!?4

pognito as penetrava. E!las agitailas, c palpi-r


tantes pareeiao succnm])ir debaixo da impres-
são de hua mui poderosa illusão. Elias sabião
exprimir o embaraço do pejo, o dezejo, a in-
quietação, a experançi, em liai os ameaços do
prazer por gestos, expressivas attitudes, e J)Oí:
^cintilantes vistas.

§• 2.^

Na antiga Grécia,

Segundo o testemunho de muitos aulho-


como os modernos notão,
res (ia antiguidade,
(8) he ao reformador das leys de Athenas,
a Sólon, que he necessário attribuir o esta-
belecimento reí>:njar dos hi^í^ares de deboche:
101 cjolon o primeiro que pelas leys favore-
,

ceo o trafico, que fazião de í?eos encantos a^


voluptuosas Athenienses es(e Philosopho
,

])ropoz-se a arrancar a mocidade ás paixoens,


que envergonhao a Natureza. Niio se deve
laxar de imnioralidade , de condescendência
l)ara o vicio, e incúria jara os costumes
^
este grande homem, áquelle, qqe encarre-
gado por seos concidadãos de operar híía
reforma geral, creou o Augusto Tribunal
do Areópago para vigiar nas regras da moral.
e do dever, suas leys erao terriveis no que
toca aos costumes, e ri decência publica ^^o
receio de deixar a pureza da vida domestica
rni lucta contra os ataques de hua audaciosa
incontinência o pro])osi(o de enfraquecer
;

hum vicio vergonhoso, contrario á Nature-


^^ (8) J\] r. Sahaticr, na oUra cilada pag. l/Meffr
pndo-sc o Nicandro em o 3." livro das cousas notá-
veis de Colophon sua pátria; e ao Poeta Phílc-
,

mori'^ Plutarco —vidn de ^ulon.


za funesta á po|)ula(;iío, o excesso de liíi^
,

iiiccidade numerosa, e ouíras inuilas cau-


sas , devião ol.u-igar a este legislador j)hilo-
sopho a abrir covis ao deboche, que ao mes-
mo tempo lhe servissem de refugio e de li-
mites eile introduzio regras em hum abu-
'

so para evitar outros maiores, elle chocou


os costumes para os tornar melhores; para
diminuir o deboche orgaiiisou, e concentrou
a prostituição.
He curioso achar na pobtica, e na moral
desses tempos com que justificar o estabele-
cimento pubbco das Cortezans. Hum Tem-
plo, consagrado em Abjdos a Vénus fácil ^
memora o reconhecimento de seos habitantes
para com hija Gortezan , que contribuio a fa-
zer-lhes recobrar sua liberdade. Quando os
Persas ameaçárfão a liberdade da Grécia, as
Cortezans de Corintlio pediríio a Veiiiis a
'salvação de sua pátria. As de Athenas se-
guirão a Péricles para o cerco de Samos.
No meio da cidade de Lycurgo hilia destas
Sacerdotisas do amor, Cottina , tinha híia
'^estatua. K-^^'-'

Muitas' Cortezans produzírã.o grandes ho-


mens na antiga Grécia: o celebre Themis-
locies General Thimotheo, o Orador De-
, o
%nades, Arisíophon, o Philosopho Bion etc.
são disto hua evidente prova. Algíjas Cor-
tezans da Grécia derão o nome a muitas pe-
ças do Theatro a imagem de seos prazeres,
;

e de seos costumes occupava a Grécia intei-


ra. Applaudia-se a Thalatta de Diocles a ,

Corianno de Therecrates, aThais, e a Phan^


nium de Menandro a Nerea de Timocles, ,

ctc. etc. O gosto dominante dos prazeres, o


26

commercio assíduo das Cortezans, que pare-


cia ter a primeira ordem, e dar o bom tom
por toda a parte, tinhão adquirido húa sor-
te de celebridade na cidade de Corintho a-
cima de todas as da Grécia; também os ha-
bitantes desta cidade se gioriavão de que
Vénus sahindo das ondas tinha dirigido sua
primeira saudação á sua cidadella.
Para que em Corintho náo faltassem as
Cortezans , fizeriío comprar nos paizes visi-
nhos, especiahnente no Archipelago, e até
na Sicilia raparigas, que erào creadas para
,

se prostituir quando tivessem idade conve-


,

niente. He
para admirar, ver os legisladores,
e os chefes da Republica falia r constante-
mente das Cortezans nas mais importantes
occasioens, e nos discursos, em que se tra-
tav«ão dos mais altos interesses. Elles ahi
apparecião h^as vezes para criticar seos ar»
tiíicios seductores e o perigo do seo com-
,

mercio, outras vezes para as defender de


qualquer imputação, ou justificar sua vida
licenciosa pela utilidade e necessidade de
,

sua profissão: Charés, Péricles, Alcibíades,


etc. etc. forão deste numero.
Encantadoras casas erao habitadas pelas
principaes Cortezans e erão frequentadas
,

pelos primeiros homens do Estado, pelos phi-


losophos, pelos negociantes, pelos poetas,
pelos artistas, e pelos estrangeiros: respi-
rava o mais delicado gosto no en)prego das
riquezas, e no tom das conversaçoens. Náo
se permittia ás Cortezans (9) (prostitutas)
(10) de Atlienas a entrada da cidade e dos .

(0) (10) Talvez (o não me engano) haja quem cen'


ri

(eiiiplos, cilas occupaviío as avenidas do Ce-


râmico , e a Arcada do longo pórtico, que se
oííerecia ás primeiras vistas dos que chega-
vão ao Pi/rèo ou alii se embarcaváo.
^ Hum
tribunal especial decidia suas questoens,
erão ellas obrigadas a trazer vestidos bor-
dados de flores, e no- principio forao entre-
tidas á custa da Republica. A maior parte
das Cortezans erão escravas e pprtencião ,

a senhores avaros, que traficavão seos en-

sjie o collocar eu as Corlezani da Grécia em onu-


rnero das proâlihilas, chamando eu Coríezans a Sa-
))ho , Aspasia, Phryné, Lais, &c. : essas pessoas
(quem quer que forem) devem saber, que nâo sou
<íu quem lho chamo, mas sim lodosos escriptores em

tal objecto; c porisso eu os convido a que leiâo lo-


dos os Díccionarios na palavra —
Courtisane huas —
dizem —Ccrlezan , meretriz ; outros —
mulher publi-
ca^ meretrU^e ninguém dirá, que meretrizes não sào
as mulheres, de que tratamos. Além di»so esses Srs.
leiâo o —Nouveau recueil liistorique d'anliquités
Greques, et Romaines par M. Furgaull a pag. 119
no artijTo-— Cotulisane —
e ahi at barão que as cor-
,

íezans Gregas e Romanas, de que se Irata , erâo as


prostitutas; escuso citar mais escriptores.
agora saber, se a Aspasia, a Pliryné, a
iiesta
Sapho, compele o nome de Cortezans. Quem
oíc.
disto duvidar lêa a Obra do profundo, e eruditíssi-
mo autlinr do Tableau de Paris, que tem porlilulo
— Les Fêtes , et Courtisanes de la Grece, &c. no
Vol. 4." pag. 29, e ahi diz elle zz'* Admitlimos a
palavra —Courti«<ane —
palavra sem duvida muito
,*

vaga, mas recebida, e que não pf)de ser substituída


pela de mhá ta ires zz propota por Millin, 1.^ por-
que ella he inintelligivel para a maioria dos leitores;
â.° porque ella não. estabelece as variaçoens que
,

exislião entre aâ mulheres, que prodigavão os «eoá


encantos, huas som perjuizos, por capriciío e por
prazer; ojiras por hum calculo, miblurado de inlc-
cantos; era enlaa toda a sua arteemprega-
tla em seduzir algum rico, que as comprassem,
e lhes desse a liberdade.
liua iaimensidade de Cortezans se fize-
rão cei(3bres na antiga Grécia, e cujo nome
será ainda memorado nos futuros séculos,
seos nomes se immort alisarão nos mármo-
res, e nos IjFonzes 5 elles vivirão ainda nas
futuras geraçoens. Aspasia, Pliryné, Lais e ,

muitas outras, foriío as mais celebres, sem


contar Sapho, esta mulher voronil , tão de-
cantada a tantos respeitos, e que a Iodas as
outras excedéo. Teria nesta occasiao lugar
exporá biograplxia das riiais celebres Cort0r

resse e de prazt^r; as ultimas pora\areza. Alémdi*-


to se esta palavra — Courlisane —
nâo he elevada,
cila í)âo he degradada, porque tal nome tiverâo na
^jinli^uiJade /íspaúa, SdpkOy Phyné^ Laia, àfc. ,, —
"He preciso também noiar, diz o rneámo Escri-
yy\OT, que a palavra //^^airéf significa a amiga, a com-
panheira , e se toma muitas ve/eà em boa parte. Aqui
o equivalente francez s( ria maitrcsse^ mas falla-lht;
a dignidade, e tomada na accei^uo commum esta
palavra, que se pronuncia lodos os dias, nào pode
«er escri()ta. No ultimo século hum Escriptor pouco
conhecido deo a historia secreta das — mulheres gor
ianícs —da antiguidade; este titulo he tão ridículo,
como o estilo, e o todo da obra. ,, > ^r}i^
Finalmente o mesmf) auihor acima citado a píg.
^6 do thlo vol. , tratando do numero dasCoflezans,
'Xdiz — " que se conta\ào em Ailienas 135 Cortezans,
•e alguns lhe da\ao maior numero. ColquMtoums
dizia qu(; em Londres haviào ÒO^OOO mulheres en-
tregues á proàtiluiçâo. V4i\ Paris conlao-se como Cor-
tezans a oitava parte da população, e era assim sem
duvida em Alhenas —
,, Juli^^^amos pois ter sido bom
dado o nome; e que elle exprime o sentido, cm quo
julgamos cfão tidas aquclUu mulhcics.

1
,

«9

znns Grccia, estando porem enlao a sof-


lia
te (lesle paiz entregue íís mãos destas mulhe-

res, nós nos ver Íamos obrigados a divagar para


objectos bem diTferentes do especial assumpto,
a que dedicámos nossa obra, no entanto ex-
poremos hum oii outro caracter mais saliente
de algiías celebres mulheres Corlezans d'aiití-
ga Grécia.
íiJ .t)' Aspasia.

Phiíosopba (11.) Natura] de Milet, cidade


celebre pc^r seos prazeres, por suas fabulas, e
por suas Corlezans ella foi em Aihenas a se- :

nhora do coração de Péricles, que com ella a


final casou, tendo repudiado sua mulher As- :

^^sia foi lambem a mestra <le Soerates, ella lhe


deo liçoens de eloquência, e as recebia dadiá*
íectica ; e Sócrates forão os mestres de
ella
'^-'lAlçibiades. Os mais celebres homens desse
^^lempo estiverão a seos pés, ou em seos braços;
jiiíjs das idades seguintes renderão hí)menagens

i^íà seo espiiitOí,.e\aijSieos talentos, que os outros

iu j Jta3'J/j fif-

^^'
(11) /^/li/osop/irz iiz l'ete5 et Court, de la Grece.
'^'^om. 4. p. 3;í. ]^]ste sábio, e í^rudilissimo escriptor
"^a referida pagina da obra cilada explica as classes
a que periencíão as Corlezans Gregas no Dicciona-
rio, que delias apresenta. Sào 4 estas classes 1.^ —
riPhilosophas Poetas; taes fi>rão Aspasia, Sapho
,

«'^'Léonliuín e!c. —
^.^ Favoritas, ou as ifiaitr esses de^
'r-íf-ms, dcs jn-inces^ dei hommcs celebrcÁ\ taes forão Py-

'•'thionice, JVlilio, Tais, ele. —


3.^ Familiares (pala-
"<itra lonnada na acrepçao latina) , ou aquella«, cotn
""quem se vivia durante algum tempo, taes forào Lais?,
-^^Phryné, Glycère, ele. —
4.^ Dicteriadas (Dicierion^
í^lugar de prostituição) , ou vulgwagas\ taes eràoNa-
^%oí', Phylacion , Lainie em a origem. A respei- —
to d^Aspasia veja-se a mesma obra a png. 41>:ílí;

tenderão a seos encantos. A natureza, o clima,


e a eclucaçíio tinhão formado seo corpo, seo es-
pirito, e seos encantos para todos os prazeres.
Aspasia ávida de todos os impérios, reinoii
,

sobre os sentidos, e sobre os espíritos; ella


dictoTi as íeys do gabinete, e da tribuna. :

Phryné. ]

Familiar (12.) Foi das mais celebres Cor-


tezans da antiga Grécia, sua formosura, eseo^
encantos a fizerao opulentíssima, ella immor-"
íalisou seo nome por híla serie de acçoens ge-
nerosas. Thebas ibi destruida por Alexandre^
e seos muros forão reedificados por esta Cor-'
tezan pondo-se-lbes a seguinte inscripçao?
— ,

Thehas abatida por Alexandre, c reedificada


por Phryné —
Hua grande parte dos edificias
de Corintho são devidos á sua generosidade.
Erigio-se-lhe hua estatua de ouro sobre hiia
coíunina de mármore, que foi depositada no'
templo de Delphos entre as imagens dos dons
Reys Archidamus, e Philippe, tilho de Amyn-
f as .•ao que disse o cynieo Crates eis^aqxU
hum monumento da impudícicia da Grécia, —
Lais.

Familiar (13.) Natural de Hiccare na Si-


cili^t., presa em hua das expediçoens de Ni-
cias , e vendida como escrava, foi levada ao .

Peloponeso. Poucas Cortezans obtiverão a ce-


lebridade de Lais ella seduzio Reys, Piíiloso-
;

(12) A obra citada pag. 33, e 188.


(13) Obra citada pag. 33, o 108.
31

píios, Athletag, (J-c. enchco a Grécia de es-


Iroiulo de seos encantos, etornou-se o objecto
do amor de todos os homens, e do ciúme de to-
das as mulheres. Esrolheo Corintho para a
sua residência o povo era transportado pela
;

sua presença, e julgava render homenagem á


Deosa da formosura. Todas as seitas, dividi-
das em o Pórtico, se reunião em seo gabinete.
Ella empregou parte de suas riquezas em en-
grandecer Corintho com suberbos edifícios. Lais
na primavera de seos annos foi opulenta, e so-
berba, e em sua velhice fui miserável.- as Cor*
tezans nunca assegurão na sua primavera o re-
pouso do seo outono. Ella morreo, segundo
alguns, no excesso dos prazeres, e segundo ou-
tros assassinada pelo ciúme de alguas mulhe-
res da Thessalia. Sua sepultura foi collocada
nas margens de Pénêo, tinha em cima bua ur-
na com a inscriprâo, de que ha a seguinte tra-
ducçao franceza — " La Grece glorieuse^ et
invencihJe fi(t asservie à la beauté de Lais, Ua*
tnour lui doima Jejour, Corinthe releva, et la
nourritdans ses murs superbes. Elle repose dans
les campagnes fleimes de la Thessahe. ,, —
Sapho.

PhUosophi —
Poeta —
a decima Musa (14)
— Athenêo pae Sapho entre as Cortezans;.

(ií) Athí^neo punha Sapho entre as Cortezans»


— Lluid. A vida de Sapho por Mad. Dacie^
V^eja-se
— Além destes escriptores pode eonsultar-se a respei-
to desta mulher da antiguidade bem celebre a muitos
respeitos o mesmo aulhor acima citado. ^- Feles c
Courtisaneíí de la Grece T. 4, pag. ^Oé.

clia tinha humtcmperainenlo eminentomente


erótico, foi talvez a mulher maia celebro
da antiguidade: a \n\i\ desta mulher varo-
nil hnascula Sapho) he cheia de grande im-
portância; dizia delia J. J. Rousseau, que
— une seulefenijne.a sii foii^e parler tamouri
et cette femme est Sapho, —
Ella nasceo em
Mitylêné no sexto século da era christan» J

ella foi banida desta cidade por se envolver


na conspiração contra Pitíacus: e os seos habi-
tantes gravarão sua efígie em sua moeda j
a Sicilialhe erigio hua estatua; e ahi se re-
fugiou quando foi banida. Sapho tinha com-
posto nove livros de poezias lyricas, elegias',
epithalamos, etc. Finalmente Sapho foi
immortalisada por suas paixoens , por seoá
talentos^ e por sua morte o salto de Leu-
;

cade não esquecerá n;is mais af:istadas ge-


raçoens futuras —Saltus íng?^essa virilis — J

Non forrnkhíta temerária Leucaãc Saplio, (] 5)

§. 3.°

Na antiga ílomn,

A cidade eterna nao era ainda a Rainha


«as cidades, e a Senhora do mundo, emquan-
to a dominação de f^oma se limitava á Itália,-
seos habitantes, simplices e pobres, offerecião á
admiração dos homens o espectáculo de todas
às virtudes, a cidade eterna era o sanctuario
da liberdade, do patriotismo e dos costumes,

(16). Nao era ella entretanto isenta do fla-

(15) Papiri. epic.


(U)) M. Sabalier, na obra citada pag. ^10.
^3

^cllo proslituição, poifiq ire dentro dosirie^-?


(ia

iiios muros eníretirilião virgens o fogo sagra-


da)' Vesta, e fumava o insenso em honra
<Je
de Vénus popular. —
Entretanto nos bellos
tempos da Republica havia em gera/ respei-
to para a decência publica, mas as conquis-
tas dos Romanos, e outras causas, trouxe-
rao o luxo, a moleza, o amor do ouro e
dos prazeres , que tudo preverteo o coração
de todas as classes e então hua desenfrea-
,

da libertinagem sobreveio, e contribuio para


vingar os males do Universo;
As lejs da escravidão, e aquellas que ,

ientão regulavão a união dos sexos, muito


contribuirão para o incremento da prosli-^
tuição, aponto de que o deboche publico nâo
chocava os costumes, antes delles fazia par-
le assim observamos nos últimos tempos
;

da Republica o extremo de indecencia, a que


chegarão as festas em honra de Flora, feitas
por mulheres Cortezans nuas correndo as
,

ruas ao som de trombetas, disputando com


homens igualmente nus o premio da carreira,
do salto, da dança , etc. [pretendendo depois
,

cohonestar estes impudicoá jogos, fãzenão


j>assar pela Deosa cias íiores sua instituido-
ra. (17) ftijín ob

-gí! Estes jogos forão reproduzidos em ascená^


é os Iheatros selornárãoos lugares da maior
impudência, e deboche; e para prevenir as
reprehensoens, que á sua memoria fizessem
os Censores, Pompêo converteo este as3do
de deboche em hum templo, que consagrou

(17) Rosin , AnliguiJ. Rom. Liv. 11, e 5


Ovid. Fastos Litr. 5.*"
34

a Vénus (18). A Theogonia de então, e em


povos taes, muito se accommodava a todas as
paixoens as Cortezans não só a Vénus,
:

porem niais particularmente dirigiao suas ho-


menagens a Marsyas, Hermes, Pertunda ,
e Volúpia; depois do qne Júlia, filha de Au-
gusto, se foi muitas vezes abandonar á cana-
lha de Roma. (19;
Os lugares, em que estas mulheres exer-
cião seo infame commercio. existic^ío nos
bairros mais retirados da cidade, próximos
aos muros, ao pé do Circo, do Stadio, e dos
iheatros estes lugares
; de deboche erão
chamados Lvpanaria— (20) que tem a sua —
etymologia na fabula do aleitamento de Ro^, -

mulo e Remo por hua loba lupa e que — — ,

era —
A ceia Laiir enfia mulher do pastor,,

que achou as duas creanças nas margens do


Tibre. Suas camarás ou cellulas erâo ordi-
nariamente construidas debaixo da terra,
e com abóbedas: a estes impudicos e nojen-
tos covis vinha Messalina entregar-se a to-
do o género de devassidão e de deboche ,
aproveitando-se do somno do imbecil Cláudio,
e debaixo do nome da Cortezan Lycisca (»/?/-
venal), TertuUiano chamava a estes lugares
— consistórios da devassidão publica e — ,*

Publius Viíctor (De wbis Romce region.) con-

(18) Bulenger de Thcatro ^ liv. 1.^ pag. 292 —


K()>in , obra citada, livro 5.^ ele.
(19) Court, de (lebelin, Mundo primitivo, Tom,
4. pa<j^. ;58o H- Plínio, liv. 21, Cap. —. Juste- Li p- '^2

se , Anli<j:. liv. 3, pag. 41)^^.

(20) M
Sabatier , obra cilada pag. 51, referir>-
do-se ao Lcxeq de Martin^ verbo Lupanaiia-» Chro- |

iiiq de Conrad. pa^. 7—tSuidas, pag. 4G8 , 7ól^


â5

iaVa até 45 deslas casiis. Havia entrcíahtb


hum considerável numero de mulheres^ que
iisavao separadamente deste infame com^
mercio , que logo se propagou aos campos,
e que seguirão os exércitos e tanto que na ;

3.^ guerra Púnica o moço Scipião fez lançar


fora dos exércitos 2 00() mulheres publi-
:

cas. (21)
As Cortezans de Roma tinhãõ hum cos-
tume particular em seos vestidos, usavão de
Lua toga, que só chegava a meia coxa, ou
ao joelho , como nos homens mas nas se- ;

nhoras honestas chegava até aos pés, nem


das outras poderiâo usar sem soffrer insul-
tos. Houve tempo, em que a toga foi reser-
vada para os homens, para as mulheres do
povo, j)ara as escravas, e para as Cortezans*
aponto de que para designar estas ultimas
se chahxínvho —
me r et rices -, oii —togatcs —
imdieres —
(22), As mulheres Romanas usa-
Vão de çapatos brancos , mas as Cortezans
iisavao dos vermelhos; entretanto esla cor
foi depois reservada pelo Imperador Aurelia-
ho para si, e seos successores ellas na ca- :

beça usavâo de hÚR espécie de bonet ou mitra


de cor loura, segundo diz Servius, e Tertul-
liano
As prostitutas de Roma, para terem di-
reito de usar de sua infame, e aviltante pro-

ibi) Valério Máximo, liv. S, cap. ^, Tit. 1.^


(S^) M
Sabatie:, obra citada, pag. 54'- Rosin,
Antig. Kom. liv. b/' pag. 434-^ Aicon. Poidian.
siir/a 3.^ f^crrinc — O mesmo l!osin (obra citada)
(.oL 1. pag. 44^2 , 449 , 450 j col. '2 papr. 443 r-
3 *

fissão, (levião ir ífjatricular-se , e assim do-


clarar-se aos Éditos , sem o que crão mul-
tadas , e banidas da Republica. Julgava-se,
que era híia grande pena para elias obriga-
Jas a esta matricula; não foi assim; ellas
afroutavão essa barreira, e tal foi a depra-
vação dos costumes, que senhoras d'al(a con-
dição a isto se sugeitárão , mas não devião
pertencer á ordem dos cavalleiros, alias erâo
punidas.
As prostituías erão pelas leys notadas de
infâmia, bem como aquelles, que tinhão ca-
sas de devassidão , ou que fazião este infa-
me commercio. Era hua morte civil prohi- ;

bia-se-lhes o livre gozo de seos bens e a ;

tutelía de seos filhos; erao incapazes de car-


gos públicos, não formavâo algua accusação
em jiiizo, uem se admitlia o í^eo juramenlo»
A pobreza nâo as desculpava, nem a nódoa
da ir^famia se apagava ainda voltando á sua
antiga vida regular , e honesía esta igno- :

minia era extensiva á prostituição clandesti-


na. Fístas penas, e outras muitas mais esi.ão
bem expressas nas leys Romanas, como ve-
mos nas respectivas collecçoens densas le}s.
Entretanto, como diz o respeitável M. Saba-
tier que podem as leys no interesse dos cosfinner,
quando os costumes são publicamente ultrajados

por quem faz as leys'^. Mui(os dos Imperadores
subindo ao throno revestidos das exteriori-
.

dades da virtude, bem depressa se eiitrcga-


vão ao mais desenfreado deboche, e se man-
chavão com a mais j)ublica devassidão Au- :

gusto foi hum destes Soberanos, e a par


deste vemos praticar maiores ou menores
excessos deste género a Tibério, Caligula,

Doiniciano, e Caracalia ; que abomináveis


torpezas iiao co mm et lerão Nero, Corainodo,
€ lleliogabalo'? Lôa^se a Suelonio na vida desa-
tes Imperadores, e ahi acharemos acçoens
infames e escandalosas, por elles praticadas,
nao sendo possível , que delles sahissem leys
capazes de reprimir a devassidão publica ;

a depravação dos costujnes chegou ao seo


cume, quando Alexandre Severo pertendeo
reprimi-la, o que fez com algílas providen-
empregar as quotas, que
cias, entre estas foi
ellas pagavão ou o -aiirurn lustrale
, na —
construcçào de canos de despejo d'immun-
dices da cidade; fez publicar os nomes de
todas as que se prostituião, e outras mais
providencias. (23)
Constantino, guiando-se pelos principies
do Christianismo, corrigio muito os costumes,
e a honestidade publica, tolerou entretanto
as casas publicas para que as casas parti-
culares não fossem ultrajadas. A escravidão
muito propagava a devassidão publica, e a
este respeito mui saluíares providencias or-
denou o Imperador Constâncio, Tiíeodosio
o Moço, e o SCO Cofiega Valentiniano (24).
Justiniano augmentou muito as medidas de
repressão, propostas por seos antecessores,
cujas rcizoens elle a])onta no preambulo de

(23) M. SabíiUer, obra cilada, \)^g. 61 ^ stí-

guintcs— Lanapride, vida de Ale?x. Severo; Lactan-


cio, lív. 6.^ cap. S, 3-*Godefrui, sobre a ley 1,
únim ele.
^24) C(xl. Theodos, leg. ^2. lib. 15. T. 8 de le-
noníbus^ Novei. 18 de len<jnibus— Godefroi, Com.
«

&UÍ la lui 1 Ms. 13, Til. 1, ele.


;

33

híía ley mui extensa


este respeito, que
a
muito contribuio para a moralidade publica,
e que foi mandada publicar em todas as
partes do Império. (25) Dèo íambem pro-
videncias sobre os banhos públicos communs
aos dous sexos , e que erâo lugares de
devassidão.
Finalmente a prostituição era olhada pelos
Romanos como contraria aos princípios da
boa moral; mas ellesnunca aprohibíráo ex-
pressamente, ao que erão obrigados pela ra-
zão e pela política, ella era mais ou menos
tolerada ou prohibida segundo os tempos
vigiando na pureza dos costumes era preciso
tolerar abusos para que os costumes não fos-
sem mais orrendid^)S e ultrajados, h tia ley
de prohibição absoluta da prostituição era
inexequível; e he sempre melhor não ter leySj,
do que não observar as existentes. Anota
d'infamia imposta ás prostitutas não tendia
a extinguir a prostituição, mas sim a de-«
prim'-Ia para moderar quanto possível os seos
abusos, a este mesmo tim se dírigião as cons-
e
tituiçoens imperiaes dos Romanos; e atten^
damo.s por fim ao que diz Cícero na sua ora-
ção pro Ccclio —
Verum si quis eot, qni etiam
meretricis amorihvs inferdictum jiiventuti jm-^
tet , est ille quiâem vaJde sevenis, negarc non
jiossum sedahhorret von modo ab htijiis sw
:

culi licentia, rerum etiam ã majonim consue^


tudine atqiie conccssis; qiiando cnim hoc vou
factum cst'^. quando non pcrniissuni'^: quando
dcnique fiiit, ut quod iicet, non licerct^. —
(25) Novel. 14, aulhcnt. col. 3, Tit. 1 de
Jciionibus.
39

ARTIGO 2."

Em alguas Naçoens, e nos tempos modernos.

A França devia ser liiia Nação, de que


nos especialmente nos deveriainos occupar
por occasião de ratar da historia da prosti-
1

tuição dos antigos tempos, e com muita mais


razão dos íem])os mais próximos aos nossos :
pois que ella tem sido hua das mais pode-
rosas em todas as épochas, e se nos seos
mais prósperos tempos, Roma, a cidade eter-
na, deo leys ao mundo , époclia houve, (e
foi esta no íim do século passado, e prin-
cipio do presente) em que Paris as deo a to-
do o continente Europeo, de quem se ufa-
nava ser a Rainha; tem alem disto a Fran-
ça sido hiia das cultas e illustradas Naçoens
do mundo, e na qual a prostituição publica
tem sido hum objecto, que tem merecido
hua especial attenção de todos os Governes
daquelle j^aiz, as^im nos antigos como nos
modernos tempos, suíjeitando-a a severos re-
gulamentos para a conter nos justos limites,
e compatíveis quanto possível com a decência
e moral publica.
Entretanto este assumpto, especialmente
tratado quanto á França, nos levaria grossos
volumes, mesmo tratando só da parte históri-
ca legislativa e regulamentar ; e não haveria
motivo assaz plausível, para que entre as Na-
çoens modernas nós fizéssemos para a Franca
nua unica excepção, e nao memorássemos a
Inglaterra, a Hespmha, a Allemanha, a Prús-
sia, &:c. &c. ; advertindo-se, que neste ulti-
mo paiz desde certa épocha até hoje tem es-
4^

tado a Policia Sanitária em hum grande es-*


j)lendor, e talvez mais, a muitos respeitos, do
(}ue na maior parte das Naçoens da Europa.
Lemitámo-nos pois acima a darhiiaidoa re-?
sumida da historia da prostituição nos antigos
tempos, e nessas Naçoens, que por tantos tí-
tulos tao celebres se tizerao no mundo nesses
remotos tempos. Direm.os entretanto muito em
geral quanto á França o que a este respeito dis-
se M. Sabatier tratando da historiada legisla-
ção das mulheres publicas , que íz: « a histo-
riada legislação do deboche publico apresen-
ta hua siicces^D-ão alternativa de indulgência e
de severidade; de tolerância e de proscripção;
eíTeito inevitável da necessidade híjas vezes sen-
tida oulras vezes desconhecida, de deixar subsis-
tir hum abuso, cujos excessos fizerào muitas
vezes com que o legislador passasse os limites
de lui:i sabia moderação. N^outras circunstan-
>

cias eíle ftz mais que tolera-lo, elie lhe deo


regulamentes, e mesmo lhe concedeo protec-
ção: este ultimo systema foi por muito tempo se-
guido em quasi Ioda a Europa rr„ (tratando
deste objecto até ao anuo de 1789).
A historia da prostituição na França desde
este an no referido até hoje se faz summamen-
te recomendável, não só pela sua tolerância,
como pelas mais bem acertadas medidas poli-
ciaes, que a este respeito se tem estabelecido
luiquelie illustrado paiz. Dar idéa histó-
hi^ia

rica de tudoquanío lie relativo a este assumpto,


e que desde essa ópocha se tem passado até
hoje na França seria repetir o que tâo vas-
ta como profundamente di^iserão Mrs. Sabatier.
e Parent-Duchatelet, iio que elles empregarão
Jongas paginas , e cujos escriplorcs poderão.
41

consultar os que amarem aerudiçrio neste o])r


jeclo especial da prostiluição, e de que tere-
inos algiias occasioens de fallar pelo decurso
da presente obra.

ARTIGO 3.°

Em Forhijal.

1-°
§

Desde o principio da M onarchia até Dezem--


hro de 1836.

Que apresentaremos nós sobre a historia


da prostituição publica em Portugal, assim na
épocha referida , como na desde esse tempo
até hoje'? a historia do nosso paiz não nos for-
nece todos os esclarecimentos, que devemos
dezejar sobre esta matéria, e que abundante-
mente apresentâo algíias Naçoens da Euro-
pa. Quando dermos hua ideada legislação por-
tugueza sobre as prostitutas, veremos, que es»
la miserável e infeliz classe de gente liberti-
na sempre forão pelas leys mais ou menos per-
seguidas, antes da publicação do Código Ad-
ministrativo : as prostitutas em Portugal não
se consentião, muitas leys fulminavão penas
contra ellas, erão perseguidas, agarradas pe-
los agentes da policia, mettidas em prisoens ,

e deportadas muitas delias. Como na maior par-


te das leys não era expresso hum principio de to-
lerância, náo era possivel dar-lhes regulamen-
tos para as conter nos justos limites da decên-
cia, e sem offensa da moral publica; não erão
por isso matriculadas, ou inscriptas na Poli-
-

41;

cla^ e por conseguinte nada delias sabemos por


esta via; pois que a Policia nesses tempos só
tinha por iinico fim sua exterminação da so*
ciedade, metlendo-as nas cadèas, e no estabe*
cimento da Corioaria, que era tido como hua
casa de correcção. Nas differeníes époclias da
duração da Intendência Geral da Policia da
Corte e Reino se verificou isto muitas ve-
zes.
Os nossos antepassados como os de outras
,

Naçoens da Europa tinhão lido na Biblia —


Non eritmeretrix de filiahus Israel^ nec scov
tator de filiis Isiael— (26) que não deviâo ha-
ver nem prostitutas, nem libertinos entre os fi»
lhos de Israel. Os nossos antigos legisladores
fizerão deste preceito religioso a base da legis-
lação sobre a prostituição publica, e foi sem
duvida hum vicio capital dessa le^rislação, pois
que não conhecendo o coração do homem, não
prevírão, que nâo podião levar avante as dis-
j)OSÍçoens legislativas, que ordenavão.
Alguns historiadores da legislação antiga
da França sobre este assumpto julgão, que se
ella foi tolerante em alguas épochas , era por
lassidão, por impotência de fazer triunfar o es-
pirito de prohibição, de que ella era animada:
nós porém não nos animamos a expor os mo-
tivos a que attribuamos algua njoderação, que
nessas épochas apparecia entre nós sobre as
prostitutas, ou que os povos requerião em Cor-
tes, como vemos nas começadas em Évora em
1481 e findas em Vianna a par de Alvito em
1482, ou que as niesnr.as leysmanifestavão, co-

(í2G) Dculcron. Cap. -SS. v. 17.


43

r»io se deprelicntle tio § 22 do Alvará de 25 de


Pezcmbro de 1608.
He que a legislação apresenta esta
certo,
espécie de tolerância, mas era ella de pouca
duraçito, pois que alguns tempos posteriores era
revogada, e eilas prohibidas e perseguidas ;
nem resultado algum util se podia obter de
tal tolerância, antes summamente f)rejudicial;
pois que o deboche publico tolerado sem lhe
dar regulamentos deveria muito chocar a mo-
ral publica, e apparecerem então mais fortes
motivos para a sua prohibiçáo.
He um facto, <pie nunca em Portugal se
soube senão velipendiar, maltratar^ encarce-
rar, e desterrar as mulheres publicas; ellas
erào olhadas com horror; parecia^ que nellas
se desconhecia a existência de entes humanos,
e a quem era negado todo o sentimento de pie-
dade , que se devia ter para com estas mise-
ráveis e desgraçadas, opprobrio do seo sexo.
Também he hum facto, que este rigor as nao
extinguia, e he mui regular, que fossem então
muito mais notáveis os males á saúde publica,^
sendo certo, que entre nós aconteceo então o
mesmo do que nos outros paizes, quando se per-
seguiáo as prostitutas, que era augmentar-se a
prostituição clandestina, a peor e a mais preju-
dicial de todas ellas.
Finalmente nesta épocha, de que tratamos,
a historia não nos refere senão a legislação des-
ses tempos, e os diíierentes mandados dos Cor-
regedores e da Intendência da Policia, na
,

conformidade das leys em vigor; como também a


noticia dos differentes bairros, e ruas de Lisboa,
íjue ellas com preferencia habitavão, as casas
Ue correcção, em que as mesmas prostitutas

4A

erão meU.ií^as, como a da Esiopa, a Cordoa^-


ria, &c. e a final a das Convertidas, aonde
;

erão recolhidas as que renunciavâo á libertina-


gem, e pertendião seguir a vida honesta; do
que tudo trataremos em iugar competente desr
la obra.
§ 2.°

Desde Dezembro de 1836 até hoje.

He hum principio, que passa por axiomá-


tico em todos os Governos — que he melhor
não ter certas leys, do que deixar de as exe-
cutar, quando existão.-— He também iiíia gran-
de verdade a que disse Rousseau a d'Alembert
em hua carta sobre os Espectáculos <í que a
*< força das leys tem a sua medida, e a dos vi-
« cios, que ellas reprimem, também tem a sua.
" He só depois de ter comparado estas duas
'*
quantidades, e achado, que a primeira exce-
** de a
segunda, que se pode eslar seguro da
*' execação
das leys.— ,, Em todos os tempos
anteriores á épocha, de que tratamos, era
pois necessário bem calcular a força das leys
sobre a prostituição, e a dos vicios, que ellas
pertendião extinguir, conhecer depois qual dei-
las era a maior, a fim de se obter hum resultado
útil: entretanto não se conheceo, que Iratan-
do-se das prostitutas, era a forca das leys, que
as perseguia, e pertendia extinguir, n)uito in-
ferior ao vicio da prostituição,- por isso as
prostitutas sempre continuarão a existir em
maior ou menor numero, mais ou menos pu-
blicas, com maiot* ou menor escândalo, nestes,
ou naquolies pontos da cidade; e fi.árão por isso
niuitas das antigas leys sem execução por fal-

la de força,ou por m potencia eis o que acorí-^


i ;

teceo desde o principio da Monarchia até De-


zembro de 183(3.
Com a data de 31 do referido mez, eanno,
appareceo o Cod"'go Administrativo, estabele-
cendo-se no Art. 109, §. 6 hum principio de
tolerância para com as prostitutas, sendo os
Administradores Geraes dos Districtos obriga-
dos a cohibir a devassidão publica, por ellas
produzida, vedando-lhes o habitar certos lu-
gares nas povoaçoens, em quanto o Governo
não publicar os regulamentos policiaes, a que
ellas se devem sugeiíar. He isto igualmente
incumbido aos Administradores dos Concelhos
Ros lugares de sua authoridade pelo Artigo
124 §, 18: e finalmente aos Regedores de Pa-
rochia em suas freguezias incumbe pelo Art.
155 §. 4, vigiar as casas das prostitutas, eTa-
zer cumprir as leys, e regulamentos policiaes a
tal respeito. Esta ley de tolerância para com
as casas publicas das prostitutas he fértil em
resultados vantajosos tanto para amoral, co-
mo para a saúde [)ublica; porque o legislador
entendeo nTio ser possível prohibir e extinguir
as prostitutas, toléra-as por isso, mas ordena,
que se estabeleçâo medidas policiaes, para que
ellas não offendâo a moral publica, nem per-
judiquem a saúde he exactamente isto o que
:

nós hoje vemos em todas as Naçoens cultas da


líuropa.
Infelizmente não temos até hoje feito o que
mais útil he a este respeito, estabelecendo-se
o principio de tolerância das prostitutas segun-
do os Art. referidos do Código Administrati-
vo e deixando-as usar de sua aviltante pro-
,

fissão livremente , sem que se facão sugeitar


4(1

á certas regras por meio de regulamentos nós


justos limites da decência publica, e sem que
sejão nocivas á saúde dos habitantes: a leyj
he mui bem entendida, e mui providente, mas
sua execução he nulla, porque falta cumprir-
se o que delia he mais essencial; não sendo
em nosso entender senão de hua utilidade mui j

secundaria, ou talvez de nenhum interesse i;


o que ella determina quanto ao local, em que
taes casas devem não permittir-se; e o que S.
|

Éx.^''' o Administrador Geral do Districto de i

Lisboa, estabeleceo nos Editaes de 5, e de 23 de


Maio de 1838; sendo doestes Editaes prevenida
a publicação pelo de 20 de Março do dito anno*
Kos primeiros dons Editaes se expeciíicão as
ruas dos seis diffe rentes districtos de Lisboa > ,

nas quaes senão podem permittir as casas pu-


blicas das prostitutas, e no Art. 2 do Edital ,

de 5 de Maio se faz extensiva aprohibição de


taes casas aos sitios contiguos, ou fronteiros
aos templos, passeios públicos, estabelecimen-
tos d'instrucção, lycêos, recolhimentos, e pra-*- \

ças publicas.
O Conselho de Saúde Publica do reino>
segundo as attribuiçoens, que lhe são con-
feridas pelo Regulamento , que faz parte
do Decreto de 3 de Janeiro de 1837, olhou
para este objecto com a devida attenção,que
Jhe devia merecer como hum dos importantes
ramos da saúde publica; formou porisso hum. ,

projecto' de regulamento policial sanitário para' ]

obstar á propagarão do vírus venéreo, que. j

em tempo competente apresentou á approva-^ i

çSíodo Governo de SuaMagcstade, e se acha


impresso no Tomo 2.*^ dos Annaos do mes-
j
47

I o Conselho infelizmente porem ãié hoje


,•

ainda nem foi approvado, nem outro publi-


cado na conformidade do que indica o Códi-
go Administrativo cm o Art. 109 §. 6 — Em
lugar competente teremos occasião de tra-
tar deste assumpto mais largamente; e he
quanto julgamos necessário dizer na parte
histórica das prostitutas quanto ás duas épo-
chas, que marcámos, relativamente ao nosso
paiz.

CAPITULO 2.°

Differentes classes de prostitutas^

A differente classificação das prostitutas


he inteiramente arbitraria, e se tem feito de
differente maneira, segundo o modo de ver dos
escriptores. Alguns as tem classificado segun-
do o maior ou menor luxo e apparato com ,

que ellas vivem , nâo só pelo que pertence a


seos vestidos e enfeites, mas também em quan-
to ao adorno de suas casas^, eá sua grandeza ;

e bera assim em quanto ao preço, por que


vendem sua libertinagem e devassidão (27);

(^7) Muitos acJmitlem esta classificação segun-


do o luxo e ostentação , com que ellas vivem e por
tanto segundo o prennio, conri que vendem seos fa-
vores. Estaciasáificação parece que admittiria mui-
tas ordens , porque a ostentação, e o apparato de
luxo pode ter muitas gradaçoens, e nada de fixo e
positivo poderíamos determinar pela incerteza de mel-
ter qualquer espécie ou na antecedente, ou subse-
quente ífdem 5 esta incerteza, que se pode dar nes-
ta classificação, nos fez admittír para a sua descri-
pção , e só neste capitulo, a segunda, que estabe-
lecemos, entre nós porem são bem salientes^ c bem
4B

nesta classificação so podem admittir três ÒN


dens á 1.^ ordem pertencem aquellas mu-
;

lheres , que se portão com maior grandeza e


apparato a todos os respeitos^, estas de ordi-
nário estão sós e isoladas em suas casas ,
vendem seos favores pelo mais alto preço ,
esaosó frequentadas pelas classes abastadas
da sociedade, que lhos podem comprar; he esta
crdem a menos abundante na cidade de Lis-
boa, e podemos asseverar, que mesmo em rela-
çi)o á população respectiva de Londres, Paris,
e Lisboa, ha nesta ultima cidade muito menor
numero desta ordem elevada de prostitutas da
que nas outras duas capitães a 2/ ordem he da-
:

quellas, que vivendo, ou sós e isoladas, ou reu-


nidas em collegios, tem hum pequeno luxo e ap.
parato, muito inferior ao das mulheres da 1.*
ordem, e por mais baixo preço vendem seos
favores; as mulheres desta ordem de prostitutas
são assaz abundantes em Lisboa, habitão de or-
dinário os primeiros andares de soffriveis casas^
são muito mais frequentadas, e por maior nu-
mero de pessoas finalmente a 3/^ ordem desta
:

classe constitue a porção mais miserável edes-


presivel desta gente, aquella, quede ordinário

dislinctas Ires ordens de prostitutas, e que sempre


seguiremos fora deste capitulo.
Tem soo qae de ^ahmtaria o ver, que as mulhe-
res publicas na Pérsia são tão communs, que ellas
lem nas cidades e villas hum governo particular, e
certos bairros, em que habituo; seos nomes indicào
ò preço, que tem fixado para prodigalisar os seos
favores, e tanto que lá n^o se chauião a Zdldd a
Faiirnn ^ mas sin^v a doie fomans , a vínfc iomaiis ^
etc; são bem como se se dissesse na França a duzc
Luizes ^ a vin/e Luiics'^ nem todas tem tão queri-
dos nomes •—
!
ho he ifiequentada eiii Lisijoa scnao pelos
^oIdculos, inariijos, crcados de servir; ellassó
hahitão as ruas da cidade mais retiradas e ,

iminundas, e as lojas das mais nojentas casas ;

ellas vendem seos favores a vil |)reço, são


immundas em seo corpo, em seos vestidos e ,

em suas habitaçoens, sào huas orgias e bac-


chánaes são por íim a peste da sociedade,
,

e as mais nocivas á moral, e á saúde publica.


Também se tem feito hija outra classifi-
cação das prostitutas e que era si envolve
,

differentes ordens secundo o modo porque exer^


cem a prostituição: á 1,^ pertencem aquel-
làs, que só exercem sua a\i tante profissão
nas casas pul)!icas; óu ellas vivão só e isola-
-las. ou Vivào enl forma colleG^ial é reunidas
em maior nunlero, sugeitando-se a hHa regen^
te ou do?ia de casa > esta ordem comprehen^
de aquellas, que vivem com maior ou menor
luxo a 2.^ ordem lie daquellas vagabundas
:

pelas ruas, que andão incitando, e provocan-


do pelas ruas os homens á devassidão e liber-
tinagem são as qiie os Francezes chamão
;

coureuses de riies ou raccrockeuses


, e he a ,

mais miserável desta gente / cl 3.^ ordem são


as clandestinas esta ordem de prostitutas^ que
;

deve ter sido muito àljuncíante em alguns tem-


[)0S em Portugal, em consequência da legis-
ação que então rigorosamente prohibia a
,

prostituição publica, he pertencente áquellas


mulheres, que não habitao as casas publicas,
mas quede ordinário frequentão as casas cha-
madas de 2)asse ou as publicas só tempora-
,

riamente, e para o fim desses deboches; as


casas das alcoviteiras, e que muitas vezes se
intitulão com fiugidos nomes de engoiiiadci-
^1
òO

r;jR 5 inculcadeiras de criadas,


roslureiras ,

modistas, etc. ele, e ellas mesmas exercem


alarias vezes estes oíTicios. Tem também al-
guns escriptores ineltido nesta classe as entre-
tidas por este ou p^or aqiielle homem, mas
ainda que ellas façrio extensivos os seos fa-
vores a mais alguém com tudo eu as nao con-
,

sidero como prostitutas, porque lhes falta a


publicidade, e a condescendência para com
todo o mundo^ que, na sua cathegoria, delias
se queira servir.
Tem-se feito varias outras classifícaçoens
de prostitutas, porém as duas referidas são
as mais sej^uidas, e as mais conhecidas em Lis-
boa e nós admiítimos a segunda somente no
,

que temos a dizer delias neste Capitulo; em


tudo o mais admittimos a primeira. Tratare-
mos pois agora das prostitutas em três arti-
gos; no 1.** Artigo incluiremos as recolhidas,
sós, ou em forma de collegio; no 2 " Arli-
^0 as vagabundas pelas ruas; no 3.^ Artigo
as clandestinas: trataremos também, ou dare-
mos hCia ligeira idéa em hum 4.*^Art. das en-
tretidas.
ARTIGO 1.°

T)as prosíififfas recolhidas, ou sós e isoladas,


ou em forma de collegio.

Nós não podemos tratar de muitos objectos,


r^^lativos a esla ordem de prostituías separada-
mente das mesmas casas publicas ou habitem, ;

e exercito sua profissão era as ditas casas pu-


l)licas em forma de collegio, ou sós, e isoladas;
ou se tratem com maior ou menor luxo, sem
q iro nos exponhamos a ropetiroens, que sem-
ôl

pvQ.são fastidiosas por isso quando Iraíarmoí^


;

das casas 2}nblicas na Parle 2.'^ desta o])rá


nos occuparemos de muitos objectos , que lhes
sáo relativos, e que devemos por agora aqui
òmiltir; alem disto nesta Parte Lotemos que
tratar em differentes Capitulas de seos costu-
mes^ hábitos, qualidades, mimero,aIgúGSÍdéas
jihysiologicas e patholcgicas a ellas respecti-
vas, etc. etc. e muitas outras consideraçoens
em referencia a ellas por isso tudo quanto aqui
;

poderia (er lugar o reservamos para outra oc-


éasião mais competente segundo a distribui-
Çcão , que temos adoptado* por isso servindo
só este Artigo para a exposição do metbodo
1
ue classificação, só diremos neste lugar a sed
1
tespeito o seguinte.
i;
Esta ordem de prostitutas
he a mais abun-
dante na cidade de Lisboa, e a que por ella es-
tava indistinctamente distribuída antes de Ju-
lho de 1838, quando lhes proliibírão certos lu-
gares como ordenarão os Editaes de Maio do
dito anno do Administrador Geral respectivo,
è o veremos quando fallarmos deste assum-
pto especial; ellas exercem seo avilíarite of-
ficio publicamente, e até hoje sem algiia íis-
òalisação sanitária, propagando por isso livre-
mente a V^irus Venéreo , e causando immen-
éos males á saúde publica.
Estas mulheres distinguem-se essenciaí-
mente das outras ordens desta classe ; pois
que el/as não exercem sua profissão senão
ém suas casas e não sahem a pratica-ía á
,

rua ,como as da 2.''^ ordem , que he a mais


baixa de todas as prostituías; nem tão pouco
se observa em Lisboa o que vemos em Lon-
dres, e especialmente em l*aris etc, aon-
,

4i *

I

de esla ordem de mulheres publicas, muiío


enfeitadas, e com (odo oaceio descem ás ruas
da cidade, e ahi convidao os homens a suas
desordenadas paixoens, e libertinagem, que
voltao exercer a suas casas: he mui raro ver
em Lisboa a esta ordem de mulheres praticar
este modo de prostituição ; e se o fazem he
hua ou outra vez, em que sahem a passeio
ou por algum outro motivo , e nunca deter-
minadamente para exercer a devassidão nos
;

as vemos muitas vezes nessas ruas da cida-


de, nos templos, e nos passeios públicos mui-
to aceadas, e portarem-se decentemente, e
ás vezes até inculcarem honestidade pelas
suas maneiras. Dislinguem-se também da 3.*
ordem porque suas casas são publicas, e el-
,

las se mostra o ás janellas publicamente, aon-


de sao bem conhecidas de todo o mundo por
suas indecentes attitudos, e gestos impudicos.
.1'^inalmente não se confundem com as C7itre'
tidas, porque ainda que estas de ordinário
se facão conhecidas, e hum grande numero
delias de logo a entender (|uem são, exis-
,
i|

tindo ás janellas, ou mesmo na rua por seo


porte e maneiras; com tudo ellas senão fran-^
queião publicamente a quem quizer comprar*
lhes seos favores-
Trataremos por tanto neste Capitulo conri
mais extensão, e nos seguintes Artigos das
vagohundas pelas ruas, o das prostitutas c/an-
flesiinas; e diremos aigua cousa das cntreti^
(ias, apezar de julgarmos, que em quanto o
&U0 nâo merecem o nome de prostitutas.
53^

ARTIGO 2.«

Das vagabundas pelas ruas , ou das


Coureuses tie rues , oii roccrocheuses
cios Francezes.

Sao mui (lifferenles os meios, de cjue usao


as prostilutas para incitar? e provocar os ho-
mens á devassidão á libertinagem
, e estes ;

meios varião muito segundo as classes, e


especialmente .segundo a educação, e a ha-
bilidade das prostitutas, e dos individuos,
que ellas provocão; nenlma utilidade resulta
de expor em detalhe estes meios empregados
pela primeira ordem de mulheres publicas
segundo nossa classificação; nfio acconlece
porem assim em quanto ás comprehendidas
na segunda ordem e de que agora tratamos;
pois que a pratica por ellas usada tem mui
graves inconvenientes, não devendo por isso
ser ellas toleradas he pois indispensável ex-
:

por estes inconvenientes, e as medidas a to-


mar para a sua prohi bicão. Os inconvenien-
tes, de que tratamos « e que apresentão os
meios, usados por esta orden) de mulheres
publicas no exercício de seo aviltante e de- ,

bochado ofíicio, são não só nocivos á saude


publica pela frequente emui facii propagação
do Virus Venéreo^ mas tam])em á moral por
suas accoens impudicas, e palavras obscenas,
ebem assim nãoperturbão ellas pouco alran-
quillidade jíublica pelas frequentes desordens,
que causão.
As vagabundas pelas ruas são em Lisboa,
eomo em todas as cidades da Europa ,as
mais baixas, as mais miseráveis, e desgra-
;

54

ceadas do iodas as prostitutas estas miillie:


:

re« costiimão oídinariaineiile saliir á noite de


suas immundas casas, e nojentas espeluncas
do Bairro Alto, da antiga Madragoa, e Cot ,

tovia, das ruas da Amendoeira, do Capel-


Jao, das Atafonas, etc. etc. , correm alguas
das principacs ruas e praças da cidade pror
vocando os homens á devassidão, e libertina-
gem, e escolhem sempre com preferencia cer-
tos sitios nós as observamos frequentemente
;

ao Loreto Chiado , Rua de S. Francisco


,

na cidade baixa em as ruas do Ouro, Prata,


Augusta, do Arco do Bandeira, da Palha, etc.
e nas travessas,, que cortáo a estas todas:
tamisem as observamos em as praças do Ro-?
cio do Commercio, á Ribeira Velha , nq
,

Cáes do Sodré etc. etc. Outras porem destas


orgias não se estendem senão ás ruas próxi-
mas ás da sua habitação, e alguas a estas
somente, aonde não só de noite, mas para
maior escândalo até de dia , provocáo e in- ,

çilão os homens a devassidão, e deboche. (28)

(28) Ha lambem em Lisboa luia variedade des-


tas mulln-íres, que sabemás ruas próximas a provo-
car os homens á devassidão, e lilxírlinagem ellas
:

niiío são daqiiellas miseráveis bacebanaesdas rua.^das

M adres, do CapcUao, das A tafonas, ed'outras iguacs^


ollas, bum pouco mais aeeadas e elevadas do que
tí-las, não perinitlem, que í-uas casas srjào frequen-
tadas ; á noile porém saluím ellas a provocar nas
ruas próximas os que passao , quií ás suas casas con-
duzem. Lstas proslilulas não são abundantes em Lis-
boa , consla-me algiias destas eiicontiarem-se pelo
Chiado, e Lojelo, e residem nas ruas próximas a
estas, também me consta, que ncstáespecic he maior
a facundidade j do (juc uaà oulras.
55

Iloiive sempre em todos os tempos i;raiule


copia destas ini mundas meretrizes na cidade de
Lisboa, e são estas as que da sua classe fre-
qiientào mais as cadeas |)ublieas; pois que em
todos os tempos a guarda da Policia de Lisboa
sempre teve ordem de as agarrar, e envia-las
á prisão quando as encontrasse cm desordens,
ou escândalos públicos; na verdade esta gen-
te não duvida nem receia executar em publi-
co as mais desbonestas acçoens, nem pronun-
ciar as mais im.pudicas e obscenas palavras, e
praticar gestos e attitudes as mais indecentes
e as mais lúbricas; nada iguala o escândalo,
queellas dão de dia e de noite e por isso são
,

repetidas vezes introduzidas no Limoeiro, pri-


são, a que a dita guarda as conduz boje, e
em outros tempos erão mandadas para a Cor^
doaria, estabelecimento, que servia de casa de
detenção,7 e de correcção, como veremos em
» s
'

lugar competente.
Dissemos acima, que bum dos inconvenien-
tes, que apresenta vão os meios, de que estas
mulheres se servião para seos indignos íins, era
a mais frequente propagação do Firus Fenereo;
não pode duvidar se desta verdade, nem espe-
remos jamais diminuir esta propagação, se me-
didas nui rigorosas se não tomarem a seo res-
peito. São esfas mulheres entre todas as pros-
titutas aquellas, que mais infeccionadas se
encontrão, porque são as que menos cuidão
do seo tratamento pela sua pobreza e misé-
ria, pelo uso de raáos alimentos, e alem disto
pelo uso immoderado do vinho, que lhes faz
augmentar e potrahir seos males venéreos.
Estas bacchanaes apresentando hum as^
{)ccto apj)arentemente saudável pelo frequente
5G

e excessivo uso do vinho ; c além disto por


suas acçoens indecentes, palavras obscenas ,
e gestos insinuanles seduzem facilmente e
, ,

excitão ;í devassidão, a mocidade incauta, e


inexperiente, a quem mui facilmente com-
íuiinicão seos males. Além disto estas mu-
lheres incitando ao deboche, e lancando-se
*
nos
braços do primeiro, que lhes apparece, como
uno ha o necessário conhecimento do estado sa-?
nilario desse individuo, facilmente contrahem
a moléstia venérea, quando a não tivessem (q
que he aliás bem raro); e entíío com a mes-^
jna facilidade, com que a conlrahem com 3^ ,

mesma a vao a nuiiíos commnnicar. As refe-


ridas consideraçoens nos proviío que estas,

prostitutas vaf^abiindas pelas ruas , sâo enlre


,

Iodas as mulheres ])ublicas as que mais pro-^ i

pagão o Vinis Venéreo esta única rasáo se^


: i

ria mais que suíiiçiente para que nenhum Go- '

verno policiado as tolerasse , quando seníiq


dessem outras aliás bem poderosas, que exH i

gem sua rigorosa prohibiçao.


He htia destas a notável offensa por ellas
causada á moral publica, porque estas mulhe- j

res tem hua grande tendência a reunir-se, e


agglomerar-se litias com outras em certos pon-
tos das ruas ou praças publicas; outras diva-
gíio ])or essas praças e ruas, nias todas cilas
incitrio oo deboche, e oFíeridem as pessoas ho-
nestas com seos obscenos convites; suas pa-
Javras impudicas esçandalisão os ouvidos das
farailias honradas; a casada, adonzella, ou
a viuva, .emfim toda a pessoa decente e de
bons costumes he escandalisada, e ultrajada
notavelmente pelos ditos obscenos destas des-»
^raçadas crcaturas destas orgias c bacçh^-»
,
57

iifies , que frequenlaiido as tubernaft ajuntao


ás suas torpezas cânticos e danças lascivas
com seos amantes, (ao immoraes coujo ellas,
e aiie facilmente a ellas se reúnem aua^men-
lando seos gruppos ou nas ruas, ou mesmo
nas tabernas. O
vinho lhes produz de ordiná-
rio a embriaguez, e neste miserável estado
mais requinta sua immoralidade, e dão fre-
quentes vezes occasião a notáveis desordens,
de que resultão ferimentos, e mortes; e não
poucas vezes também occasionão os roubos;
e em resultado de tudo a perturbaí^ãoda tran^
quillidade publica.
Além dos motivos expostos ha tarimbem ou-
tros, que as tornáo mui perniciosas, e quo
muito concorrem para se dever decretar sua pro-
hibição pois que estas prostitutas são de ordi-
;

nário as que põe em pratica com suas astúcias,


e insinuantes palavras a seducção das filhas lio*
nestas, a quem ellas arrastão com seos cap-^
ciosos laços á devassidão, em que ellas jazena
mergulhadas; a historia fornece muitos docu^
nientos que isto confirmão. Elias tem causa-
,

do a perda de muitas donzellas , que arreba-


tão aos mesmos vicios e ás me^nias enfermi-
dades; a huas com seos exemplos, e á maior
parte com a seducção; introduzindo as penas
e os desgostos nas familias , a que ellas per^
tencião.
Ha finalmente ainda bíaa rasa o mui forte
para corroborar nosso modo de pensar a respei^
to destas mulheres; e he o não ser possivel,
que ellas tenhão a devitla fiscalísação policial,
coíuo as outras, que habitão as casas publi-
cas de prostitutas pois que como ellas se eva-
;

dem á competente matricula e inscripção na



68

Policia, como he observado em as Naçoens,


em que ha regulamentos a seo respeito, ellas
mui facilmente illudem os agentes de po)icia,
e existem em sua plena liberdade donde re- ;

sulta serem ellas hum foco permanente não só


d'imnioralidade mas também das enfermida-
,

des venéreas, que vehementemente propagao.


Estas mulheres tinhão em outro tempo na
França regulamentos a que estavâo sugei-
,

tas, ellas forao absolutamente prohibidas por


hiia resolução do Prefeito de Policia com data
de 14 d' Abril de 1829, esta resolução foi mui '

bem acolhida por todos os habitantes de Pa-


ris, e a*capital de França tomou então den-. ,

tro em poucos dias hum aspecto, que ella taí- |

vez nunca tivesse desde sua origem entretan- ; I

to depois dos acontecimentos de Julho de 1830


as medidas de policia se devi ao relaxar, e as
prostitutas se virão de novo espalhar-se pelas
ruas da Capital, e mostrar-se tanto mais afron-
tosas, e desenfreadas quanto ellas esta vão com-
primidas peia resoluçrjoda Administração; não
me consta, que até hoje se (enlião posto em
vigor as medidas, que se mandarão executar
antes de Julho de 1830, mas he regular, que
ellas ainda n'hum dia tenhão completa exe-
cução e vigor, pois são de bua transcendente
utilidade á moral, á saúde, e á tranquillida-
de publica.
Todo o mundo está hoje convencido, de
que a prostituição he huui mal, que infeliz-
mente senão pôde evitar, para vque se o])viem ou-
tros maiores; por isso são as j)roslitutas per-
miti idas, e toleradas, quando estão encerra-
das em certos limites **mas quando a pros-
^^ tituição desce aos lugares públicos, quando
ò9

••*
iHa alii expõem o seo Cynismo, o alii dc-
•*
seuvolve suas provocaçoens quando mesr ;

•'
mo cila alii expceai nossos filhos e iilhas a
**
conhecer em huin instante aquillo, que nós
*'
lhes tínhamos occultado com tanto ciiida-
'*
do; ah então ha hum crime não soda par-
!

**
te das desg"faça(jas , que se entregão a hum
" tal oííicio, mas da parte daquelles, que po-
" dendo a isso oppor-se, fechão os olhos, ou o
" authorisão. (29).
Entretanto he necessário, que digamos em
ahono da verdade o (jue entre nós se passa a
respeito destas prostitutas em coni})aração com
o que nos dizem não só os viajantes, mas os
escriptores a »*espeito desta mesma ordem de
mulheres publicas tanto em Londres, como
em Paris. lie hum facto, que ellas em toda a
parte muito propagão o Vinis Veitcreo^e que
são as que mais escandalisão a moral publica,
porém entre nóâ não o])servamo-s os gruppos
compactos destas meretrizes, agarrando, e for-
çando os que passao ás suas preversidades,
nós aqui não observamos estes insultos, ces-
tas violências, que lá se praticão, nós aqui fi-
nalmente não devisamos estes grito;^, estas pa-
lavras obscenas e impudicas em voz alta, e
estas desordens, tão frequentes nas duas capi-
tães Londres, e Paris: a nossa moralidade
publica não he tão ferida por estes entes per-
vertidos. Lie bem verdade, que nós as encon-
tramos arrumadas aos marcos da praça do Ro-
cio, ou passeando ao pé delles arrumadas ás
;

esquinas da Travessada Palha, ou passean-

('21)) De rOnanisme, e dcs abus vcncriens : pag.


3L2.
60

do porella, e por outras travessas e ruas, que


lhe íicão [)roximas nós as vemos nos assen-
,

tos da muralha do Cáes do Terreiro do Paço ,


e nos do Cães do Sodré, ou passeando pores»
tas duas praças; e he bem verdade também,
que ellas logo se fazem conhecidas por seos
gestos, e por seos trages mas as violentas
;

provocaçoens as palavras obscenas em voz


,

alta não se observâo, senão em hum ou outro


caso d'embriaguez, e só unicamente neste caso
flirigidas para aquella gente da baixa plebe, que
com ellas associão, eque as procurào eincitão.
He pois necessário fazer justiça aos costumes
entre nós, mas a boa policia exige, que esta or-
dem de prostitutas seja prohibida rigorosa-
mente pelos fundamentos, que acima deixámos
expostos.

ARTIGO 3.^

Das prostitutas clandestinas.

Muito ])em se entende, que a prostitui-


<}ão clandestina he a que se faz ás escondidas^
que e que quanto he possivel evi*
se occulta ,

ta a publicidade, para o que se põem em


pratica muitas astúcias e mentiras para ser en-
coberta , e se usa para o mesmo fim de mui
variadas maneiras. Ja o temos dito e nova- ,

mente o repetimos, que a prostituição clan*


destina deve ter sido em alguns tempos mui-
to frequente em Portugal, pois que, se ella
he assaz abundante nos outros paizes, aonde
se tolerão as casas publu^as de prostitutas, |

sugeitas entretanto a regulamentos policiaes, 1

e j)ara se evadirem a ellos usavão da pròsti- :

1
6\

tuicào clandestina, com mais forte razão des»


ta se devia usar em luim paiz, em qne quasi
nunca havia tolerância legal das casas publi-
cas :enlretnnlo nós nâo possuímos infelizmen-
te alsruns documentos sobre o modo como
esta prostiluic^ão se tem exercido em todos
os tempos nesta cidade, o que deveria existir
se tivesse havido a devida íiscalisação, quan-
do se desse esta .tolerância ; ha porem somen-
te alguns factos tradicionaes. Se em todos os
tempos se tivesse formado híia statistica assaz
vasta e regular em os hospitaes, ella nos po-
deria ao menos com algfia probabilidade fa-
zer ver nâo só o incremento desta prostituição,
mas a sua influencia em a saúde publica pela
propagação do Vima Venéreo^ esta porem com-
pletamente nos falta, e destes mesmos escas-
sos soccorros estamos privados.
A prostituição clandestina, cuja existência
muita gente não suspeita em paizes, em que
são permittidas as casas publicas mas que
,

com bastantes fundamentos, tirados de nossa-


intolerância, se deve ter sempre presumido
em Portugal, he ella debaixo das considera-
çoens moraes e sanitárias a mais perigosa ,

pois que coberta com o manto da honestidade


e do segredo corrompe a innocencia, e Ilude i

a vigilância das authoiidades, haja, ou nâo


regulamentos policiaes. As leys em todos os
paizes civilisados punem severamente Dão só
aquelles, que ''abusão da innocencia compro-
mettendo sua honra antes de certa idade, em
que se presume existir ja discernimento, mas
também aquelles que concorrem directa õu
,

indirectamente para taes preversidades he ;

por isso este muis hum forte ntotivo para o


àúgmento desta prostituição; e para illudir as
áuthoridades, occultando-a quanto possível; e
ja daqui podemos concluin que entre nus ,

como nos outros [)aizes, esta prostituição de*


ve ser vendida mui cara ás pessoas preverti-
das, que aprocurao, e que de ordinário sao as
mais abastadas da fortuna. Devemos entretan-
to advertir, que nao he só pela innocencia, que
se pratica a prostituição clandestina, ella he
mui frequente, c o deve ter sido entre nós mais
do que em outras Naçoens, entre as pessoas
adultas, e he na verdade em Lisboa mui com-
mum entre estas pessoas a prostituição clan-
destina. Vejamosquaes sao alguas das causas
desta prostituição nos differentes paizcs e
,

notadas pelos escriptores, e se tem lugar at

nosso respeito.
l-^zrComo sepertende preverter crianças,
que ainda nao tocarão a idade, designada cm as
leys e nos regulamentos policiaes, (quando
5

eiles existem,) he bem claro, que pessoas im-


moraes e corrompidas se vallem quanto po-
dem do segredo para occultar seos tins. Não
são poucos os exem[)los desta ordem , en-
trenós: alguas crianças de 13. 14, lõannos,
existem nas casas publicas, que forão antes
seduzidas occultamente por gente [)reversa, e
cujo resultado deo de si a continuação da
prostituição nas casas publicas.
2.^1=: Ha pessoas, que se querem subtra-
hir ás visitas sanitárias, e mesm^o a qual(]uer
outra íiscalisação policial, por motivos a ellas
particulares, o por isso se valíem da |)rosli-
tuição clandestina. Estes n)otivos não tiverão'
nunca lugar entre nós, porque nunca liouve-
rão visitas sanitárias, nem rcgubimentos po-
r>3

liciacs; desta prostituiçclío usavão paraseevíí-


(lir ás penas, que contra eilas as leys fulmi-
na vão,
3.^1=: Ha pessoas, que fazendo-se conhecer
por aquillo que ellas são, não habitariáo ca-
sas decentes e bem ornadas, exercendo a pros-
tituição publica; e por isso muitos individuos
deixarião de ir a essas casas, tidas como pu-
blicas. Não obstante não se dar por agora em
Portugal nem a matricula das mulheres, nem
das casas publicas, com tudo em Lisboa se exer-
ce a prostituição clandestina em casas com ap-
parencia de decência, e aonde, se fossem com
hum aspecto publico, muita gente não iria»
Ha casas aonde habita hiaa familia, em cuja
companhia existe bua, duas, e mais mulheres
e aonde se exerce esta prostituição com todo
o segredo, e recato; eu da existência de ai-
gíaas fui informado-
4.^ m Quando são mui severos os regula-
mentos policiaes, muitas mulheres trabalhão
para se subtrahir ás suas disposiçoens,bem cio-
sas da sua independência, da sua belleza, e do
seo espirito não querem ser tidas como pros-
;

titutas, epor isso se entregão a estes deboches


clandestinamente. Sem ser para se evadirem
a disposiçoens regulamentares, que não exis-
tem entre nós, com tudo muitas ha que
arrebatadas por iguaes caprichos occultão
quanto podem sua prostituição, e a exercem
clandestina.
5,^ = Em algíjas mulheres publicas existe
ainda hum vestigio ou de pejo, ou de amor
maternal, que as obriga a occultar, quanto
lhes he possível a torpe origem de seos lu-
,

cros; e para não dctriorarem o credito e re-


-

pntaçao de soos filhos valem-sc (la prostituí


Çíio clandestina: e mesmo porque nos paizes,
em que existem rei^ulamentos , a tiles serião
obrigadas pelas authoridades, e a separar-se
também dos seos próprios filhos. AlgMinscasos
se, dão entre nós de Ima tal prostituição, co-

íno metem asseverado pessoas, que merecem


todo o credito ; e he do meo conhecimento te-
rem existido em Coindjra duas mulheres da
ordem mais elevada das prostitutas cujos fi^
,

lhos estavão a educarem colle2:ios com todo o


recato, e usavão de todos os meios imagináveis
para lhes occultar a origem torpe de seos in-
teresses; outras porém não se envergonhãode
exercer sua aviltante profissão em companhia
de seus íilhos, do que são elles testemunhas
presenciaes enire muitas eu conheço, por me
:

constar, de hua casa publica, aonde existem


mãi e filhas, e mais algaas mulheres, que exer-
cem a prostituição publica, ehe a mãi a dona
da casa; de varias outras me consta, que ou
sós e isoladas, ou em com[)anliia com outras
exercem a prostituição tendo em suas casas
seos filhos de menor ou maior idade, em cu-
e
ja companhia ellas descaradamente, e sem
pejo se entregão ti mais refinada libertina-
gem.
A
prostituição clandestina admitte muitos
disfarces, ella se cobre com a capa allogorica
de hiia infinidade de occupaçoens que só ser-
,

vem para occultar os vicioso deboches daquel*


las pessoas, que fingem ao publico exerce-Ias*
He assaz curioso ver assim entre nós, co-
mo em todos os paizes, as astúcias, de quo
usao estas mulheres para ci cobrir a* prosti-
tuirão clandestina ;
pois que ellas —1/* se iu-
-

iitulíío parteiras , e trazem comsigo raparigas;


a que chamiio suas ajudantes —
2." põem á
porta letreiros, e se dizem incul cadeiras de

creadas -3.° se inculcSo mestras de desenho,
de bordar de musitja &.
,

4.^ iniitulâo-se
engomadeiras, lavadeiras, costureiras, &. —
5." huas se annuncião como modistas, e tem
lojas de modas, outras se disfarção como ven-
dedoras de objectos de toucador, e são estaá
em alguns paizes as melhores correctoras,
da prostituição clandestina —
6/ em Paris;

seg^undo nos dizem os escriptores, algííassein-


culcao dentistas, e disfarção a entrada dos dous
sexos para suas casas levando hum lenço»
atado á roda dos queixos —
7.^ ha também em
Paris quem tenha encoberto a prostituição
clandestina, fingindo-se Jrmins da Caridade^
levando pelas mãos raparigas honestamente
vestidas, e que occultamente vão entregar a
homens pervertidos, elibí^rtinos — 8.° hCia do-
-

na de casa, das de pl'ostituição publica se re-


,

tirou dessa casa, e abrio hum restaurante, em


que se achava hua grande meza de hospeda-
ria, ea que só seadmittia gente de certa or-
dem, e alli 80 exercia a prostituição clandes-
tina, que desíe modo se disfarçava, eo que
ninguém suspeitava. Todas estas praticão a
prostituição, de que tratam.os, huas em suas
casas, outras conduzem as victimas a casa de
homens immoraes e debochados e ahi as sa- ,

crificão á libertinagem.
Do que fica exposto se deduzem os motivos;
porque asseveramos, que a prostituição clan-
destina he hua das causas mais influentes na
propagação do Virus venéreo. Naquelles paizes,-
eai que são toleradas as casas publicas, e tan-
ò
66

to estas como as prostitutas que ellas con-


,

tem, sugeitas a regulamentos, a prostituição


ciandestina perpetua a propagação da Syphir
'

lis pois que estas victimas da devassidão


^

raras vezes considtão os estabelecimentos dos


facultativos encarregados deslinadamente do'
seo tratamento, nem íào pouco ])rocurao os hos-
pitaes, e tudo para que não sejão conhecidas :
muitas vezes lambem se lanção ellas nas mãos
d'hum charlatão, que mais Iheaggrava seos
males do que lhos minora, e em resultado
a falta de tratamento adequado, e em tem-
po opportuno, faz successivamente transmis-
sível a moléstia venérea.
He
por conseguinte muito nociva á saúde
publica a prostituição clandestina, e o he tam-
bém á moral, pois que he esta a prostituição ^
que mais corrompe e perverte a mocidade,
que mais facilmente a illude, e seduz com mui
variadas astúcias para seos perversos fins ou
,

também usando-se dos meios de violência :

se fosse possivel extinguir tal prostituição,


a honestidade ea viitude serião salvas, e con-
tinuaria a existir em muitos individues do se-
xo femenino^ debaixo pois das consideraçoens
sanitárias e dos costumes ella exige a vigi-
lância e 2elo efncaz das authoridades em a per-
seguir, e extirpar.
Quanto ao nosso paiz he hum facto , que
a prostituição clandestina tem existido em to-
dos os tempos pelos motivos apontados, e que
muitas das formas, com que ella se disfarça,
lem-se posto em pratica em todos os tempos,
e ainda hoje continua debaixo do titulo d'engo-
inadeiras, costureiras, modistas, inculcadeiras,
&. estamos porem convencidas, de que muitas
67

das fornias exquisitas, com que se tem disfarça-


do em Paris, e em outras cidades da Europ.^,
nunca entre nós teve Jugar, pelo menos noti-
cia nenhíia nos tem sido transmittida sobre
este assumpto. Mas como obviar a prostitui-
ção clandestina em o nosso paiz , quando ain-
da não existem os devidos regulamentos; e
quando entre nós existe hum g"overno cons-
titucional , em que he respeitada a casa do ci-
dadão nos termos legaeís'? todas invocarão está
garantia constitucional para que á sua som-
,

bra comettão suas perversidades; esperamos


entretanto, que logo que as prostitutas tenhão
os respectivos regulamentos, o Governo e a
Administração attenderão a esta ordemde pros-
tituição, desenvolvendo seo zelo e vigilância
para illudir as astúcias, de que continuamen-
te se perlende servir esta espécie de liberti-
nagem.
ARTIGO 4.^

Outras differentes classifico çoens deprosi


titiiias — das entretidas.

1.'
§•

Outras differentes classes, de prostitutas.

Dissemos no principio deste Capitulo 2.°,


f[ue se tinhão feito varias classiíicaçoens de
prostitutas, e que adoptávamos hiia, que propo-
zemos. Nestas differentes classiíicacoens, ou
aiites, nestas differentes espécies, e variedades
de prostitutas nós aliudimos ao que expõem
Farent-Dnchaielet em seo tratado da Prosti-
twção na cidade de Faris^ no qual a pag. 53
5 *
||

(c(]!(;rio de Bruxellas)13, por occasiaocle ex,


§.

por as diffcrentes classes, que he preciso esta.


lehcer 77a popidagão das prostitutas, trata de
lium grande numero de espécies e cathego-
rias, que elle adiou existir nas muUieres [)U-
blicas daquella cidade. He curioso entrar no
conheci rnenl o destas distincçoens especiaes ,

e variantes, que só ti^m lugar em quanto aos


gostos, hábitos externos, costumes e maneira
de viver destas mulheres, sendo com efr
feito todas ellas prostitutas, e tendo do res-
to da sociedade huã notável distincçiio bem.
caracterisada em quanto aos hábitos, e cos-
tumes.
As primeiras, de que trata, lhes chama
zz Femmes galantes á parties, d' expecta cies,
,
\

e de theatres^ii e define a todas, que são na rea-


lidade prostitutas, [)orem a Administração
nilo as pode tratar como taes portjue ellas
.
^

tem hum domicilio, pagão impostos, con-


ibrmâo-se com as regras da decência, e gozao
<te todos os direitos políticos ; escapao por is-
so ás medidas da Administração, porque^
Miilier , quoe non palam, sed passim etpaucis,
sui copiam facity actio campctit adversus eum
qni cam nieretricemvocavit.-zz
Estabelece depois duas classes destas mu-
lheres; a 1.^ comprehende as que provocào,
òu em casa , ou na rua, praças, ^^c; a 2/* as
que não provocão, estão em casa, mas ellas
ahi se fazem bem conhecidas. De todas estas
também se podem fazer duas novas cathego-
3Ías as que estão em casas publicas regidas
;

])or hiia dona de casa, e as livres, que só


dão conta á Administração,* esta ultima ain-
da podo ter mais subdivisoens, e de tudo elle
dá as devidas cxplicaçoens, mostrando a sua
necessidade em
attençao á Administrac^ao ,
que as vigia, e que entre nós nfio tem por
agora lugar, porque ainda se não estabelece-
rão os Regulamentos.
Terminando neste §. o que elle tem a di^
zer sobre as differenc^as, que se tem estabe-
lecido em a populac^ão das prostitutas, elle faz
as seguintes distincçoens , que sâo prooce- —
nétes , marcheiíses , des soldais et des
filies
harriers^ pierreiíses ou femmes de terrain, fil-
les publiques vouleuses —
De todas ellas dá
as competentes explicaçoens, que seria mui
longo aqui referir, e sobre o que se pode
consultar a referida obra. He de advertir ,
que nem todas as divisoens e subdivisoens ,
que faz Parent-Duchalelct se encontrão na
cidade de Lisboa, pois que algí^ias te^m relaqao
á Administração, das quaes por agora ella
náo cuida, segundo regulamentos especiaes^
Cjue não existem, de outras muiías porem tem
fácil applicaçâo a esta capital, e aqui exis-
tem como em Paris. Muitas das circuns-
tancias apontadas jn^rtencem á 1.^ ordem
da nossa classificação, outras pertencem á 2.^,
de maneira que sendo as duas ordens estabe-
lecidas a mais geral classificação, a ellas se
podem reduzir todas as outras, só conhecidas
for algíias variantes.

§. 2.°

Das Entretidas.

Estas mulheres, quando tem relaroens


com Juim só homem, que as frequenta, não
,

70

íiierecem o noine cie prostitutas, e nâo fazorq


por isso parte da presenle obra; entretanto
se ellas não são entretidas de húa maneira
completa, mas em parte, para occorrer ás des-
pezas, que exige o seo luxo, e ostentação,
ou por outros quaesquer motivos, então a Ad-
ministração tem que vigia-las, e pertencem
áquellas mulheres galantes etc, de que aci-
ma falíamos: mas as de que tratámos, ou as
amancebadas, sempre forão perseguidas pela
nossa legislação, que muitas penas contra
ellas fulminou em todos os tempos ,como
veremos no seo respectivo lugar. Quando híía
mulher se inscreve no circulo dos hábitos
ordinários da vida as authoridades adminis-
Irativas as devem considerar como hum mem-
bro, que faz parte da sociedade, taes são as
entretidas na sua verdadeira accepção as
,

qiiaes tanto nos lugares, como nasreunioens |

])ublicas sempre afeei ão hum ar de decência


e pertendem não se distinguir das mais ho- |

jiestas mulheres, pois nisto consistem os lu"


'

eros, que lhes miuistrão os homens, com quem


tem hum commercio habitual; em taes casos,
as leys não tem que estabelecer medidas re-
gulamentares a respeito de mulheres, que não
obstante serem debochadas, com tudo não são
daquellas, que passão a híja libertinaíxem
e escandalosa brutalidade, cujos excessos hé
preciso reprimir, como he a classe das que
exercem a prostituição publica.
Mais nada diremos a respeito das entre-''
tidas, de que nesta cidade como em todas
,
^

as outras, ha hila copia extraordinária, buas


das quaes são tiradas das familias honestas e
Recentes, outras das mesmas prostitutas , a
"

' '

Ú
71

cujo aviltante officioellas volíão muitas vezes,


depois de deixarem de ser entretidas.

CAPITULO 3.^

Considcraçoens physíologicas ^ e pathologica$


sobre as prostitutas.

Nesta Primeira Parte tratando-se das pros-


titutas, e de tudo quanto lhes he relativo ,
nós lhes deveriamos consagrar hum Capitulo
especial, en^ o qual apresentássemos o resul-
tado do exame do estado actual de alguas
de suas funcçoens, e a influencia, que não só
sobre ellas tem sua infame profissão, mas tam-
bém a natureza e gráo d'aUeraçâo morbosa,
que ellas soffrem em consequência do exer-
cício da mesma profissão. He necessário ter
estudado de perto, e com a devida attenção
esta, a mais miserável classe da sociedade,
para se colherem os sufficientes dados, que
nos conduzão a vistas geraes sobre o assum-
pto, de que tratamos: a niinha posição me-
dica, jade largos annos, nunca me permittio
Jium estudo reflectido a seo respeito, vime
por isso obrigado a consultar os facultativos
dos hospitaes, e das prisoens, os quaes eu
presumi serem os únicos, que me poderião
fornecer os sufficientes factos para estabele-
cer com a possível exactidão tudo que disses-
se respeito ás consideraçoens jdiysiologicas
e palhologieas sobre as prostitutas por isso
;

que os Clinicos destes estabelecimentos erão


os únicos do nosso paiz, que taes dados nos
poderião ministrar; pois que até hoje ainda
iião estão as prostitutas inscriptasna policia^j
Tiem sugeilas ás visitas sanitárias, corno or-
fienão os Regulamentos nas cidades da Europa,
aonde clles existem.
Não correspondeo entretanto o resultado
á minha expectação, em quanto ás conside»
raçoens physiologicas pois que os Clínicos
;

somente encarregados do tratamento das molés-


tias ,com que estas mulheres se recolhem
ao hospital, ou de que são acomettidas em
as prisoens, não prestão a devida attenção,
e a que seria precisa, ás circunstancias, em
que se achão alguas das suas fuucçoens, que
tem sido, ou não, modificadas , pelos debo-
ches, e exercicio da prostituição. Era por
conseguinte preciso estudar hum objecto no-
vo, ao que alguns se prestarão e a cujos ,

esclarecin)entos eu sou devedor de hum gran-


de numero do consideraçoens abaixo referir
^as.
ARTIGO 1.^

Consideraçocíis physiu lv(j iças,,

§• 1-°

J^oa disposição , e gorãii>'a, que apresentão as


prostitutas.

Geralmente fallandoas prostitutas em Lis-


boa não se fazem notáveis nem por hum ex-
cesso de nutrição, nem por hum excesso de ma-
greza; apparecem mui raros casos destes dous
extremos; nem qualquer delles se desenvol-
ve tão pouco em hua idade determinada- Al-
guas prostitutas existem muito nutridas sem
qgo tenhão de idade 25 annos outras depois ,
73

^esta iilade se encontrão


c^m igual nuíricao :

lambem bastantemeníe magras an-


algiias lia
tes e depois da referida idade de 25 annos.
O que de ordinário se observa nas prostitutas
de Lisboa he fjue ellas tem muito boa dispo-
sição, e são sufficientemente nutridas, ecom
boa cor; isto tem lugar tanto nas da 1..^ co*
mo nas da 2,^ ordem, e bem assim nas da 3.*,
segundo o luxo e ostentação, com que se tra-
tão; porém mais nas duas primeiras, do que
na ultima; alguas das causas nisto influentes
são comimuns a todas outras ha privativas a
,

cada hua das ordens (30.)


Não merece nosso credito a opinião da-
quelles, que julgão ser a gordura e boa nu-
trição das prostitutas filha do uso frequente
das preparaçoens mercuriaes em consequên-
cia de suas enfermidades venéreas não he :

possível, que os conhecidos effeitos do mer-


cúrio em nossa economia produzao a nutria
ção ,mas sim hum estado, que a deve impe-

(30) Apresentámos no Capitulo ^.^ duasclassi-


ficaçorns de prostituías; híia segundo o seo luxo,
e ostentação, e outra daquellas, que exercem seo
vil officio nas casas publica», das vagabundas pelas
ruas, das clandestinas, etc. Seguimos neste Capi-
tulo ^.^ esta ultima classificação para dar híia idéa des-
tas differentes ordens de prostitutas; agora porém
neste Capitulo 3.^, e nos seguintes, trataremos del-
ias segundo o seo gráo d'ostenlação , e luxo; por is-
'
so nesta conformidade as consideraremos da l.^,f .*
e 3.^ ordem; as duas primeirassão as que habitão
as casas publicas, e só ahi exercem seo officio e a
terceira sâo as mais baixas, a relê das prostitutas ,
as vagabundas p('las ruas : e debaixo destas conside-
raçocns eu entendo as prostitutas da 1.^, 2.^, e 3.*
ordem , entre nós bem diálincias.
74 ;
'

dlr; este excesso de nutrição he somente fi-


lho das circunstancias cspeciaes, do regimen^
e dos meios hygienicos, de que ellas usao, a
que na realidade conduzem a lai fím.
As prostitutas da 1.^ e 2.^ ordem, para
que conservem o devido aceio e limpeza to-
mão de ordinário grande numero de banhos
mornos; além disto, como o diremos em ou-
tro kigar, estas mulheres nao se applicãocom
assiduidade, e permanentemente, a género
algum dos serviços, que são próprios do sexo
feminino em geral ellas tem hua vida sem
;

actividade alg^a, antes estão entregues a híia


inteira ociosidade; ellas usão de muitos ali-
mentos, e sufficientemente nutrientes ; demais
as prostitutas bem pouco, ou nada, são mortifi-
cadas e consumidas por affecçoens moraes
, ,

de ordinário nenhum tempo empregãoem co-


gitaçoens sobre a sua sorte futura, e sobre os
meios de subsistência nos tempos, que se de-
vem seguir também as prostitutas tem maior
:

numero de horas de repouso, e de somno, do


que as outras pessoas, pois que de ordinário
se levantão da cama ás nove ou dez horas da
manhã.

Em quanto á boa disposição, gordura , etc. das


prcstiiulas, isto se pa^sa em geral como fica dito,
ha enlr< tanto algíí.is raras excepçoens ; no primeiro
semestre de 1840 assistio na travessa da Cara em o
Bairro Alto hua prostituta da 2.^ ordem, que he
dotada de híia extraordinária gordura, e que como
tal se faz notável, hua outra em iguaes circunstan-
cias residia no mesmo tempo no largo do Poço de
Borratem ; cada hua terá ósseos trinta annos de
idade, e se fazem ba^^tantemente recomendáveis por
sua desmesurada nutrição, e nestas circunstancias erãQ
as únicas de Lisboa.
75

Por conseguinte luia vida ociosa bons '


;

alimentos nutrientes, e abundantes ; tranquil-


,

Jidade d'espirito; divertimentos; banhos; &c.


&c. Indo isto deve produzir nas prostitutas da
1.^ e 2/^ ordem hum mui sufiiciente gráo de
nutrição: muiías destas causas tem também
Jugar para as da 3/ ordem, nestas porém o u-
so immoderado do vinho lhes produz a cor do
rosto, que ellas apresentao ordinariamente,
além de terem hum sufiiciente gráo de nutrição,
o que se devisa ainda nas mais baixas desta
ordem, e que habitáo assim á Esperança na
Travessa do Pastelleiro, Euas das Madres,
e de Vicente Borga, kc. como no Bairro Al-
to nas Travessas dos Fieis de Deos, do Po-
ço da cidade , &c. &c. e bem assim as das
,

Ruas do Capellão, da Guia, e da Amendoei-


ra atraz da Hua dos Cavalleiros estas bac- :

chanaes habitantes de todas estas ruas as mais


im mundas da cidade, e de outras muitas, nós
as devisamos ordinariamente mui gordas e nu-
tridas.
Deve com tudo advertir-se , que não he ra^'

ro encontrar-se entre as prostitutas muitas del-


ias, que pela sua idiosincrasia particular apre-
sentem hum certo gráo de magreza aliáz con-
siderável ; isto lugar quando
mesmo pode ter
ellas tenhão alguns padecimentos chronicos de
qualquer ordem que sejâo; e tamben) se pode
encontrar especialmente nas mais baixas das
prostitutas, quando ellas abandonem o neces-
sário tratamento das moléstias venéreas, e
adquirâo hum notável gráo d'intensidade, que
a íinal as levão á sepultura consumidas, e mir-
radas, extenuando-se lentamente por largos
tempos.
§• 2.°

Alleraçào da voz — Cor dos cahellos das 50-


hrancelhas , e olhos — seo talhe.
,

Alteração da voz.— He hum facto innega-


vel , que muitas das prostitutas apreseutao hua
voz muito gros?i , e muito rouca; que se as-
semelha á do mais grosseiro homem mas is- ;

to não constitue hum caracter particular, e co-


mo sendo resultado do habito da prostituição,
pois que estes sons roucos, de caracter viril, e
bastantemente desagradáveis, mui raras vezes
os divisamos nas prostitutas da P
e 2.^ or-
dem, alguas das quaes tem bastantes beilezas,
njaneiras delicadas, e attractivas, que passa-
riâo por pessoas, além de bem educadas, de
hua ordem elevada. Esta alteração da voz he
mais frequente, e quasi que exclusiva da mais
baixa ordem das prostitutas, o que he bem
fácil de observar a quem as escuta assim nas
suas frequentes rixas e desordens, que tem
híías com as outras nas ruas, quehabitão, co-
mo quando estão nas tabernas, e em estado
de embriaguez, muitas d'ellas então apresentãQ
esta notável alteração na voz.
He também hum facto innegavel, que esta
voz rouca e varonil não ap parece nos primei-
ros annos da vida devassa das prostitutas, ain^-
da que ellas se entreguem a todo o género de
deboches, de libertinagem, e de devassidão, e
ainda mesmo de idade mui nova; nas prostitu-
tas da mais baixa ordem, e que habilão as ruas
immundas acima mencionadas, e nas quaes
he mais frequente esta alteração da voz, el-
la se não encontra ate aos 20 annos de ida-
de j mas sim aos 25 c mais annos.
77

Não he seguramente a prosLituiçíKo a cau-


sa deste phenomeno, de que traiamos, pois
(pie entàoelle deveria em
todas encontrar-se>
e muito mais naquellas, cuja vida fosse mais
dissoluta, elit)ertiua, como muitos o tem
pen-
sado , e o altribiiem á sua maior lascivia, e
hábitos de deboche não he nem nas mais mo-
:

ças, nem nas mais devassas, que isto se en-


contra e ainda que esta voz rouca se obser-
;

ve em todas as ordens destas mulheres ha ,

oircumsl anciãs especiaes , que a fazem


mais frequente, como naquellas que mais a-
busáo de liquidos espirituosos, e que mais se
embriagão, bem como naquellas, que mais
sugeiías esláo ás intempéries da athmosfe-
ra, e aos rigores do inverno pela sua pobreza
e miséria ; muitas contrahem repetidos ca-
tharros que desprezão, o que tudo contribue
,

jiara o apparecimento do son alterado e rou-


co de sua voz. Nós observamos a estas mi-
seráveis vagabundas pelas ruas, em noites de
inverno, expostas ao frio e chuvas, mal re-
paradas cheias de catharro, e também de
,

vinho.
Cor dos cahellos dos olhos
, seo talhe — —
Hum escriptor sobre a prostituição em híia
das mais notáveis capitães da Europa foi táo
minucioso nas consideraçoens physiologicasr
sobre as prostitutas, e na descripçao da his-
toria natural desta porção do sexo femenino,
que apresenta hum quadro statistico da cor
dos cabelíos das sobrancelhas , e olhos , bem
,

como do talhe das prostitutas; ninguém es-


teve ainda para este íim em mais favoráveis
circumstancias, do que Parent-Duchatelet a
respeito de Paris; pois que elle sobre 12j^'60í>
78

mulheres publicas poude numerar, e extre-


mar aquellas que tinhão os cabellos e o-
,

Ihos pretos, castanhos, louros, &^c, numerando


aquellas, que erão habitantes dos campos ou
das diíferentes viilas e cidades da França,
bem como as das três differentes zonas em
,

que devide a França para este fim, ou seja a do


Norte, ou a do meio dia, ou a Meridional; tu-
do o mesmo fez a respeito do seo talhe. Se-
ria curioso apresentar hua statistica igual
a respeito das prostitutas na cidade de Lis-
boa, nunca porem houve, nem ha aonde
ir tirar documentos para comprovar isto, mas
observa-se, que estas mulheres, sendo de dif-
ferentes pontos de Portugal, ou das proviu-
cias do Norte ou do Sul em relaçito á Estre-
madura ; d'estas existentes em Lisboa não
se faz seo grande numero notável por esta
variação se apparece Ima ou outra com os
;

cabellos louros &c. ,e olhos azucis &c. o,

mais frequente e ordinário he terem os cabel-


los assim cor de castanha^ como pretos, e tam-
bém os olhos pretos, &c.; nem as provincias re-
feridas entre nós são tão distantes Imas das ou-
tras para o Norte ou para o Sul , que deter-
mine hua notável influencia em quanto á côr
dos cabellos, &c. ou em quanto ao seo talhe,
que nada de distincção extraordinária tem em
attenção ás naturaes desta cidade , ou mesmo
ás de todo o Reino.
§. 3.°

Justado da menstruação cm as prostitutas.

Sendo a menstruação hua funccao mui im-


poríante, e assaz influente na saúde das mu-
79

Ihercs, lie de interesse o conhecer a influencia,


que sobre tal funccão tem o officio de pros-
tituta. Na falta de repetidas observaçoens pró-
prias as pessoas , a quem eu me devia diri-
5

gir par? obter os necessários esclarecimentos


sobre este assumpto, ou sendo empregados nos
hospitaes, ou nas prisuens, nâo me fornecerão
aquelles, que erâo indispensáveis para fixar
hua regra geral a tal respeito: huns me dis-
serão, que nada de notável tinhão encontra-
do, e que a menstruação nas prostitutas se*
guia a sua marcha regular como nas outras
mulheres,* outros, que as prostitutas erãosu-
geitas a grandes perdas uterinas no tempo da
menstruação; outros porém, que as prostitu-
tas de ordmario são mui pouco menstruadas,
o que na realidade assim acontece, e que de-
pois por outras vias pude verificar,
He exacta esta ultima opinião, e acon-
tece ás prostitutas na cidade de Lisboa o
mesmo, que em Paris; muitas estão 2, 3, 4,
e mais mezes , e ás vezes hum ou dous an-
nos sem lhes apparecer a menstruação, sem
que por isso muito se incommodem em sua
saúde; entretanto esta falta não constitue
hum caracter geral, e mesmo muitas delias
tem regularmente suas menstruaçoens em
sufticiente copia, porem a maioria são pou-
co menstruadas. Se tivéssemos em Lisboa
hua casa de Convertidas, ou de refugio, con-
venientemente estabelecida, nós ahi podería-
mos observar, se o mesmo lhe acontecia
do que no Bom Pastor em Paris, para on-
de vão muitas das prostitutas arrependidas,
e quasi sempre com faltas na menstruação;
a qual nem por isso naquella casa se torna
80

ti Eu tenho tratailo de alguas


res(.al)el(iCor.
destas mulheres ou em suas enfermidades ve-
néreas ,ou em outras, de que tem sido aco-
mettidas, eu tenho consultado outros faculta-
tivos , que as tem laminem tratado, e tenho
alem disto podido obter alguns esclarecimen-
tos das donas de. casa, tudo tem concorrido
para se decidir, que as prostitutas são em
geral muito menos menstruadas do (pie as
outras mulheres; ha muitas excepçoens, mas
em geral accontece o que fica referido.
He fácil achar a razão sufriciente desta
falta nos excessos, a que estas mulheres se
expõem e a que se não poupão no tempo
,

da menstruação, nas intempéries da athmos-j


fera, que afrontão nessas occasioens, expon-
do-se alem disto a outras desordens, que lhes
podem até causar a supressão completa, como
são as lavagens repetidas mesmo em agoa:
fria, e ás vezes com esta impregnada de subs-|
tancias aromáticas, adstringentes lá para
e
ósseos fins, de que fatiaremos em lugar op-'
portuno.

§ 4."

Fecundidade nas prostitutas.

As na cidade do Lisboa, em
prostitutas
quanto á sua fecundidade, não apresentão na-
da de notável , que as distinga das que exis-'
tem nas outras capitães da Europa. Alguns
erradamenie julgão, que as prostitutas ^ão
mui fecundas, is(o he, que devem }U'oduzir
grande nuuícro de filhos; outros dizem, tam--
bem erradamente, que ellas são quasi este-*!
r-eis ncnliua destas opiíiiocns lic exacta, o
:

que a observação mostra he ,


que ellas são
pouco fecundas, e Duchatalet achou a fecun^
didade na proporção de 1:000 para 6, o que
entretanto não se pode estabelecer como re-
gra fixa, porque em muitos casos ellahe maior.
Pelo decurso do anno vao ali^uas pros-
titutas para o hospital de S. José no estado
de prenhez ; ellas quasi sempre encobrem o
seoofficio, e se disfarcão de ordinário in-
culcando-se como creadas de servir , como
filhas honestas e pobres que forão illudidas
por hum amante, etc. e(e. Se as prostitutas
fossem inscriptas na policia, tendo destas híja
exacta relação, poderiamos pelo menos achar
bua proporção entre este numero e o daquel-
las, que aohospitul vâo no estado de pre-
nhez; isto mesmo não era híja nota exacta
de sua fecundidade, pois que muitas delias
neste estado poderião ter o seo parto aonde
bem lhes conviesse; e alem disto nem todas
as concepçoens che^ão ao termo, podendo ter
Jugar os abortos, que são frequentíssimos
nesta classe de gente. Nós porem não po-
demos achar esta proporção por falta das res-
pectivas notas , podemos somente asseverar
com os facultativos do referido hospital, e ou-
trosque consultei, que no decurso do anno ahi
vão algíías prostitutas no estado de prenhez ;
isto que denií n.tra a nos a asserção, e a prc^
porção, que achou Duchalelet, com onutnero
provável das prostitutas na cidade de Lisboa.
Nestas mulheres são frequentes os abor-
tos, e he mui fácil acreditar isto, porque per-
feitamente sabemos, qine ellas trabalhão de
ordinário por meios directos para os produ^-

7.\t , que cu lenho sido informado


(le íilem
:

disto estas mulheres apesar de conceberem, e


ííc progredir o seo estado de prenhez ellas ,

nem interrompem o seo officio, nem se pou-


píío ás desordens e intemperanças que ei!e
,

iraz cornsigo, e parece até incrível, que ellas


em tal estado possfio resistir a excessos de to-
da a espécie sem que immediatamente se des-
manche o fiucto da concepção; o que na rea-
lidade pòr taes motivos se verifica repetidas
vezos como me consta de muitas donas de ca-
,

sa , única via, per onde no estado actuarem


que se aclia a'policia das prostitutas entre nós,
poderemos obíer alguns esclarecimentos sobre
este e outros muitos objectos, relativos a estas
mulheres. Sabemos tan)bem, que alguns dos
excessos, a que ellas se entregãosão hum re-
sullado do appetito do ganho, pois que ellas
em taes occasioens são mais procuradas por
alguns bem como acontece áqiiellas que
, ,

se fazem notáveis por algua circumsí anciã


extraordinária, como he por exemplo, híia
mulher muito alta, bua outra muito baixa esta ,

ou aquelia cor de carne, bum certo signa). (31.)


He mui frequente nas mulheres publicas
o terem o seo amante, isto he, híia j)essoa,
íi quem mais particularmente dediquem sua
(3l) Curn todas eslas notabilidades apparecem
problitutas em Lisboa, e com
outras mais: fui íq-
formado, qufi iuia delias da 2.'^ ortlem , e que de-
poid pasíou ás (la 1 , tiidui debaixo de hum dos
'"^

peitos lujm uiiico cabello do coiDpritnento de Iium


ou dous palmos, q.ie por \.w\ occurrencia se fa/.ia
nota\el. C)ulr..i existia, que liabilava na Travessa
da Palha muilo procurada por ieo talhe hum laiilo
elevado e elegante , e por hum defeito que linha,
fio olho direito òcc.
83

affeiçâo; ehe de ordinário a estes seos aman-


tes, a quem ellas attribuem as concepçoens,
que contrahem; de ordinário as prostitutas tem
hum capricho particular em gozarem de hum
amante, ainda que grandes lucros d'elles não
recebáo; ha até muitos, com quem ellas dis-
tribuem dos seos ganhos, porém sempre a es-
tes attribuem a origem de seos filhos, e o que
estamos dispostos a acreditar. Parent-Duciía-
telet refere que em o numero de 403 mulhe-
,

res publicas, 213 declararão, que nunca lí-


nliiYo tido nem amantes, nem
123 que filhos,
tinhào tido seos amantes, e filhos, 31 que li-
nhào tido amantes sem nunca terem tido fi-
lhos e 26 que nunca tinhão tido amantes
,

apesar de teiem tido filhos, e finalmente que


8 erão casadas, e a seos maridos attribuião o?;
filhos, que ellas tinhão tido. Devemos por
tanto concluir, que as prostitutas são n)aiy
aptas á fecundação, do que se pensa , mas
he preciso para isto híia reunião de certas cir-
cunstancias e hum verdadeiro estado intel-
,

lectual e moral , extranhoao exercício do seo


ofílcio. Se porém este estado de prenhez não
chega ao tersno he porque ellas põem em pra-
,

tica manobras criminosas para abortarem, e


para o mesmo fim se expõem a excessos, e j)ra-
ticão abusos extraordinário?, o que nellas he
nuii frequente.
Ha lambem mulheres publicas (porém ra-
ras) , era quem he
extraordinária a fecundida-
de; tem-me notado alguas nesta cidade, que
não obstante datar de poucos annos seo of-
ficio tem tido já alguns filhos, e híia delias,
,

que depois foi entretida por hum sugeiío, ti-


nha hum filho em cada anno; quasi todas es-
,

84

las infelizes crca'uras, resulíado destas unioens


illicitas, sao entregues á roda da Mizericor-
dia; a duração porém de sua existência qiiasi
sempre he raui curta quasi todas findao sua
,

ephemera carreira no primeiro autio de sua


vida, quando contra seos dias se nâo attenta
logo no primeiro de sua existência.
Poderíamos, como tem feito alguns es-
criptores,» tratando das consideraçoens phy-
siologicas sobre as prostituías, notar alguns
casos particulares, em que nellas apparece
hua extraordinária desenvolnção doc///'on*5, e
mesmo áo^ pequenos lábios, &c. &c. , e que
relação tem isto com seo officio, e com suas
paixoens libidinosas: entretando como nós
jiSo temos grande copia de factos a respeito
das proslitutas de Lisbon, sobre tal objecto.,
não poderemos avançar hua opinião exacta
liem assegurar com Parent-Duchatelet a res-
peito das de Paris, que esta maior desenvQ-
Juçào neníiua influencia tem em sua maior
lascivia, nem em sua mais activa Jibeitioa-
£;em.

ARTIGO 2.^

Considera çoens j)(^i^^ologicas

Trataremos nsste Ar(. de alg^as enfer-


midades, para cujo appareci mento e desen- ,

voluçào tem hu.i notável inlluencia o officio


das prostitutas. Que existe esta influencia he
innegavel; e tanto se dá em as prostitutas/^
como nos dilVerentes aj listas e obreiros , cjue
estão sugeitos aos incommodos de saúde, que
lhes causa o exercicio de scos oílicios ; á ia-.
85

fálnia de sua liherlinagem , e depravados cos-


tumes ellcis também ajuntão nao poucos ma-
les, que lhes origina sua profissão, e dos quaes
estanào isentas, se ellas seguissem híia vida
commum, e honesta. Só nos hospitaes nós po-
deriamos obter uma certa copia de factos ,
que nos pozesse em circumstancias de desen-
volver amplamente esta rnateria nós alguns ;

obtivemos dos respectivos facultativos, e de


alguns outros, que particularmente as tem
tratado ,o que tudo reunimos á nossa própria
observação; tempo virá entretanto, em que
este assumpto possa ser mais largamente de-
senvolvido, quando depois de terem os com-
petentes regulamentos policiaes as prostitu-
,

tas se sujeitem assim ás visitas sanitárias >


como a hum regular tratamento nos hospi-
taes respectivos.

§• i-"

Sypliilis e Sarna.

A syphilis e a sarna são as duas enferiiii-


dades, a que mais sugeitas estão as prostitu-
tas, e pode dizer-se, que auibas ellas, e es-
pecialmente a primeira he privativa de seo
infame e depravado ofíicio , e he delias tão
própria i como he a cólica metálica para a-
quelles ,que continuamente trabalhão nas
preparaçoens de chumbo como diz Ducha-
,

telet. As prostitutas, especialmente as da mais


baixa ordem, estão frequentemente atacadas de
sarna, a sua immundice, seos máos alimen-
tos, o uso immoderado do vinho, o despreso
absoluto em seo tratamento, Sç. lha faz pro-
ca

íraliir he nellas eterna; nos hospiíaeselías


5 e
se observão quasi sempre com esta moléstia,
ainda que não se dirijão ia, senão co-n o fim;
de se tratarem de outras enfermidades, que
sempre se tornão mais graves com tal com-,
j)licação. Nas prostituías da 1,^ e 2.^ ordem;
lie ujais rara a sarna; o seo aceio e limpeza,,
os desejos dos seos lucros as fazem logo cu-
rar moléstia incommoda, e nojenta, e com<
liíia

eila as donas das casas as não consenti riâo.


Emquanto á syphilis, em lugar compe-
tente trataremos deste assumpto, que reser-
vamos para lugar especial.

§. 2.^

Terâas nf crinas — abscessos


dos grandes lábios
—- fhiuias recto-vaginaes —
cancro ute-
rino.

Perdas uterinas *- Nas consideraçoens


physiologicas sobre as prostitutas, quando tra-
támos de sua menstruação, dissemos, que
ellas es ta vão sugeitas a h^a diminuição notá-
vel nesta funcção; que em geral ellas erão
pouco menstruadas: entretanto não se pode
duvidar de que estão alguas delias sugeitas a
consideráveis perdas uterinas; hum dos facul-
tativos do hospital assim me asseverou te-lo
muitas vezes encontrado; era porém de opi.
nião que estas mctrorragias , ou perdas san-
,

guineas uterinas, erão, no maior numero de


casos, consequências de lesocns orgânicas do
útero, ou de degeneraçoens veriíicadas no
mesmo útero; affecçoens, que podião ser, ou
não ser, provenientes de infecção syphilitica.
87

hcrescentíindo a final que os excessos dos yítú-


,

zeres venéreos, bua diaíbese cancrosa tumo- ,

res polyposos, ulceras carcinomatosas, eíc. po-


diiio produzir evacuaçoens de tal ordem.
Eii(retaiUo a observação dos Médicos dá
prisão das j)rostiíi!tas em I^iris, aonde exis-
tem ordinariamente de 400 a 500 , Ibes pro-
vou, que erão nellas frequentes as perdas ute-
rinas, mas que não erão provenierilesde al-
giia lesão do uíero a autopsia n)ostrou em
:

alguns casos não baver lesãu algtía orgânica,


nem mesmo se apresentarão vestigios ajgurjs
d'inflamação nessas partes. Attribuiáo elles
estas perdas uterinas ao seo oíficio e aos de- ,

bocbes delle resultantes; pois que taes perdas


se observavão na idade de 14 a 15 annos, cm
que be raro ellas encontrar se nas outras mu-
lheres.
^Jbscessos fios rjrandes lahios — fistulas re^
Cto raginaes —
Na espessura dos grandes lá-
bios são frequentes os abscessos ordinários ,
elles teni bua raarcba regular, e se termi-
não como euj as outras mulberes. dos Hum
facultativos do Hospital de S. José m.e refe-
rio , que elle tinha frequentes vezes o])serva-
do nos grandes lábios tumores com o cara-
cter inflamatório, que terminavão no maior
numero de casos pela resolução, ou também
pela suppuração, mas que não herara a ter-
minação pela induração , adquirindo então o
lábio lesado o c:iract( r elephaniiaco. O rom-
pimento da septo recto vaginal tem acontecido
algiias vezes, poren) somente nos casos de
excessiva inveteração do virus venéreo, e pro-
vindo de ulceras com o caracter phagedenico
e corrosivo com a sede na mucosa vaeiiial.
No taLique reclo-vaginaL que nas pros-
titutas he mui delicado, também apparecein
^j
os abscessos ordinários, que degeiierão em I
fistulas de difíicrl cura, que ás vezes são T
TíiUi estreitas, e nao lhes põem obstáculo ao
exercicio do seo oíficio : os Médicos da pri-
são das prostitutas em Paris conlieciao triata
com estas fistulas: ellas erão ás vezes filhas
de cancros venéreos, e aseeverão, que taes
fistulas quasi sempre coincidem com a ty-
sica pulmonar, erão ás vezes também acom-
panhadas d'engurgitamentos endurecidos nos
grandes lábios, que chegao a hum volume
enorme, que lhes embaraça o seo officio, e
que as obriga a recolherem se a hum asylo
terminar sua. infeliz existência.

Cãíicroiíterino Serão as prostitutas mais
dispostas, do que as outras mulheres, aos
cancros uterinos ? sobre esta questão de pa-
íhoíogia ha dissidência entre os Médicos •*

o que mais se aproxima da verdade he, que


as prostitutas náo estíio ao obrigo de serem
atacadas do cancro, mas que he mais raro,
do que parece faze lo acreditar o seo officio.
Sabemos, que estes cancros só apparecemem
hua idade quasi determinada, e que na mo-
cidade sao muito raros; alem disto o officio
de prostituta he hum estado passageiro, que
eílas deixao logo que podem ; e quando a
sua idade permitte mais o seo appareci men-
to, he então que tlias tem deixado a |)rosti-
tuiçrío. Alem disto esta moléstia temse mui-
tas vezes encontrado nas comnuinidades re-
ligiosas, e aonde a virtude e a moral tinhão
o seo império. Não nos alargaremos mais
sobre este objecto; eatre nós tem-se obser-
8SÍ

vaJo o mesmo que na França, facultativos^


com quem tenho fallado a consulta-los sobre
este objecto, me tem notado alguns casos de
cancros uterinos nas prostitutas, mas estes
não são em numero tal, que no« indique, que
he esta bua moléstia própria do seo ofíicio.
Tem alguns escriptores notado como pró-
prias das mulheres publicas algíias outras
enfermidades, entre estas são não só a alie-
nação mental , mas tamíbem differentes con-
voluçoens, e affecçoens espasmódicas. Não
tenios entre nós factos para estabelecer algua
cousa de posilivo a tal respeito, nada se tem
recolhido , se se tem observado; por isso tra-
tando das prostitutas na cidade de Lisboa cal-
laremos o que a este respeito se tem veri-
ficadoem as outras Naçoens, pois que não
he este nosso objecto, por não serem factos
nossos notaremos pois agora só as moléstias
;

congeniaes, que as não impedem do exer-


cicio do seo ofíicio, eftambem daquellas, que
lhes sàocomrauns com os outros indivíduos,

§. 3.°

Moléstias congeniaes , qiic não impedem o


exercido do offício de prostituta doeii' —
ças geraes, e commíins.

Moléstias congeniaes —
Encontrão-se na
cidade de Lisboa prostitutas com moléstias
congeniaes que apezar de as tornar muito
,

deffeituosas, ellas não deixão de ser procu-


radas, e exercer o seo vil ofíicio; consta-me^
que existem algaas coxas , e h^a das quaea
usa de moleta , e exercem o seo ofíicio; ha ai*
guas cegas (Ic luim olho, mesmo assim são
procuradas, hua conheço eu do olho d irei (o, que
apesar de ter esta feição hum tanto defeituosa-,
ella tem híid forma elegante, e be muito pro-
curada.; ha hiía outra idiota, e estúpida qua-
si de nascença que também exerce o oíficio.
5

Além das moléstias congeniaes ha outras


prostitutas, que pela cor da sua pelle pare-
ce que devião repellir a aproximação dhuin
Europeo apesar disso ellas sao procuradas:
,

na Travessa do Pasteileiro á Rsperança havia


em o anno próximo passado hua casa de 4 pros-
titutas pretas, outra na rua do Salitre, ha al-
gíias outras em outros pontos da cidade, na
Kua do Capellfío existem duas prostitutas, qu«
sao mulatas, e algfias pretas etc. etc. As mu-
lheres publicas de Lisboa não se fazem notá-
veis, como as de Paris, por liua constituição
escropbulosa, a maioria delias são filhas das
províncias do Reino, e não apresentão o pre-
dominio de hum temperamento limphatico ,
apesar de muitas o terem.
Moléstias Gomnmns —Que diremos nós das :

moléstias rommuns , que atacHo também as


prostititutas , como os outros mais individues?
Era bem possivel satisfazer a este quezilo; <

porque as da 2.'^ ordem apesar de terem já


,

hum pequeno luxo, as donas de c«i'a não per-


mittera de ordinário, que em casa sejão trata- i

das de suas enfermidades, sem que ellas lhes


paguem extraordinariamente e como não lhes
,

he possível, sendo as moléstias de mais longa


duração,* j-or ta/ motivo alguas são obriga* j

das a recí)lher-se ao hospital e as da 3.'^ or^-


;

dem são huas miseráveis, que logo lá se vão


introduzir; assim havendo híia siatisiica exa-
cta e regular daquelle hospital, lacil seria • 'I
91

aprcscMtaiícIo~a , no conhecimento rias en-


vir
fermidades communs, a que ellaj estão mais
sugeitas; eiitrelanío nós não ternos talstatis-
tica ,de que algum jjroveito possamos tirar
neste objecto particular; nem mesmo depois
de estar em vigor o Regulamento, que faz
parte do decrelo de 3 de Janeiro de 1837, que
no seo Art. 30 obriga a apresentar esta statis-
tica ao Conselho de Saúde Publicado Reino.
Na presença desta deíficiencia de documen-
tos eu tenho consultado alsfuns facultatitivos
daquelle hospital , e mesmo a outros, que as
tem tratado em alguas de suas enfermidades,
delles tenho eoliigido o mesmo, de que eu ha
muito estava persuadido, que at? prostitutas
estão sugeitas como as outras pessoas ás enfer-
midades communs, e especialmente ás affec-
çoens de peiío, a's irriíaçoeris gastro-entericas,
etc. Eu tenho conhecido aigiías, que tem succum-
bido á tysica pulmonar, que nellas quasi sempre
he mais rápida pelas desordens e abusos, a que se
expõem, e pela falta do devido tratamento em
tempo competente. He preciso entretanto con-
fessar, que não obstante a existência de tantos
abuses, e tantas irregularidades, sua saúde re-
siste mais ás alteraçoens, que elles Ihesdeve-
rião originar, e além disto ordinariamente as
moléstias communs não parecem nellas mais
graves; o que se observa heque as prostitu-
tas, especialmente as mais baixas, se expõem
a tão notáveis excessos de toda a espécie, que
parecem ter hum corpo de ferro para lhes
resistir.
Estas consideraçoens nos obrigão a tirar
para as prostitutas de Lisboa as n)esmas con-
clusoens, que Duchatelet tirou para as de
92

l^aris : pois que vcndo-se hum grande nuiTiG-


ro de obreiros , que trabalhão em suas artes e
officios, que lhes causão muitas moléstias, sen-
do por isso muitos delles insalubres, não he
decisivamente insalubre o oflicio de prostitu-
ta. Muitos obreiros tem bua vida sedentária,
e se extenuão com trabalhos para exercer seos
officios, e prover ás suas necessidades ás pros- ;

titutas não acontece do mesmo modo, ha mais


a lamentar a falta de saúde dos outros do ,

que a destas. Mas para tirarmos hum resulta-


do mais exacto seria preciso, que as prosti-
tutas seguissem por toda a sua vida o seo of-
ficio , mas não he assim, elle he hum moTuen^
io de passagem, elle he hiwi episodio da sua
vida; torna-se por isso impossivel fixar com
exactidão nossas ideas a este respeito, e só
expor o que se passa durante a sua libertina-
gejn , e sua vida devassa.

CAPITULO 4.^

Costumes, lahiios , etc. das prostitutas-

Este capitulo he de muita importância^


pois que não poderemos bem estabelecer os
devidos regulamentos policiaes sanitários, e
concorrer para as reformas e melhoramentos ^
que ha a fazer sobre as prostitutas, sem bem
as conhecer, e para bem as conhecer he pre-
ciso estudar os seus hábitos e costumes, os seos
gostos, as suas boas ou más qualidades, e em
fim tudo que Jhes for relativo. Talvez seja
este o objecto mais desconhecido e mais obs-
curo sobre a historia das prostitutas em Lisboa;
pois que se destas mulheres nada se tem trans-
93

milti do em fornia desde os antigos tempos ale


lioje, muito menos se nos diria sobre este assum-
pto especiaL para o quai seria preciso estar em
contado immediato com ellas para de perto as
estudar e conhecer por conseguinte quando as
:

prostitutas obrigadas pelas leys j-)oIiciaes, a com-


j)arecerem perante a Administração, os emprega-
dos de Saúde, os tribunaes de correcção, ros
hospitaes especiaes nas casas de refugio,
,

etc, e ahi se estudarem seos costumes e hábi-


tos nós poderemos então com perfeito conhe-
,

cimento de causa saber a seo respeito o que


muito agora conviria dizer com a devida am-
plitude; por isso pouco diremos sobre esta
particularidade das prostitutas, e só o que
nos tt.m sido fornecido por informaçoens, que
lemos soliicitado das donas de casa e de pes-
,

soas, que estão habituadas a estar com ellas


em contacto mais iinmediato.
Muitas sao as causas, que influem em
geral sobre o caracter, costumes, e hábitos
dos povos ; não se pode duvidar, que elles
são differentes nas differentes Naçoens, entre
as causas influentes hua delias he sem du-
vida o clima, além desta ha outras, como a
diversa, forma de governo, a educação, que
se tem dado aos povos, etc. Por conseguinte
neste assumpto especial podem muito diver-
sificar as prostitutas em Londres , em Paris,
em Bruxelias, ou em Lisboa, nem também
nós devemos ajuisar do caracter de todas as
prostitutas pelo que apresenta o bando das
mais miseráveis e das mais baixas desta clas-
se de gente , a quem a educação e a posição,
em que se achão fazem apresentar mui dif-
,

ferentes costumes. Este Capitulo será dividi-


'

do nos seguintes artigos e começaremos pe-


,

Jos seos sentimentos religiosos, moralidade , e


boas qualidades.

ARTIGO 1."

Sentimentos religiosos —pejo — suas boas qua^


lídades, e seos defeitos.

1-°
§
V

Sen timen tos re lig iosos.

Portugal foi sempre hum paiz eminen-


temente religioso, para o que muito concor-
reo sempre a forma de governo, que teve
desde os mais antigos tempos; por isso a edu-
cação religiosa foi sempre dada exemplar-
mente em todas as classes do povo portuguez,
e transmittido de pais a fiíhos o devido res
peito a todos os actos religiosos e não me- ,

nos efficazmente nas baixas classes do povo,


das quaes sahem as prostitutas com mui raras
excepçoens por isso
;
posso asseverar, que
não se encontra nestas mulheres publicas em
Lisboa o que dizem os escriptores destas mu-
lheres em Paris , muitas das quaes dizem ter
bua ignorância profunda em os objectos reli-
giosos havendo aiguas, que apenas tinhãoo
,

conhecimento e o sentimento da Divindade.


Não he assim das mulheres portuguezas, el-
las todas não só tem hum inteiro conhecimen-
to e sentimento da Divindade, mas ellas es-
lão instruídas nas praticas ordinárias do cul-
to externo; sabem perfeitamente, que ha dias
em que se deve ouvir missa, sa-
sanctificados,
bem muito bem, em que tempo se devem con-
95 '

fessar , c recebera corrimunhíio; que devem


rezar; que devem tratar com re^speito e vene-
ração os actos públicos da Heligião, os seos
Sancíos, os ministros do culto; ellas íeuj tam-
bém hum perfeito conhecimento de que devem
ter hum resultado futuro das boas ou más ac-
çoens praticadas neste mundo durante ávida,
ele. etc. ; nada disto he por ellas ignorado,
^a nenhíia com tal ignorância me consta se te-
-nha encontrado, anles a muitas se encontrão
•até instruidas em as oraçoens, e douírinachris-
lan. j^jas he seo fado ; miseráveis; ellas des-
mentem tudo com suas torpezas!!
Com erfeilo(as da 1/ e 2.^ ordem) no
recinto de suas casas em sua plena liberdade,
e na companhia dos nulos sugeítos que as ,

frequentào, náo se ponpão a pronunciar pa-


lavras indignas e obscenas, contrarias aos bons
costumes, e aos preceitos religiosos, mofarem
até destes preceitos , a maioria delias não
os executando apezar de os conhecerem. Pa-
rece incrivel que alguas das mulheres des-
,

tas duas ordens, postas nas ruas, e mesmo


ás janellas muitas vezes, com g-rande impos-
tura de honestidade e de decência publica ,
sejão em suas casas tãodeshonestas e desbo-
cadas, que ferem, e até enojão a muitos dos
que frequentão, mas encontrão-se al-
as
guas excepções. Em
quanto porém a essa
relê das prostitutas que divagào á noite pe-
,

las ruas da cidade, ellas não tem pejo de


pronunciarem essas palavras obscenas e in-
deceníes huas para as outras, ou para os
libertinos, c|ue as procurão e as acompanhão,
ou isto nas ruas que habitão, ou peias ou*
travS que frequentão.
,
*
96

Em quanto se verifica o que fica refe^


rido , be jusfo dizer que do seo coração
,

não estão riscados os sentimentos religiosos,


ha muitas, que desenvolvem em differentes oc-
casioens até muita devoc^ão. Eu conheço híja
dona de casa , que tem hum bem arranjado
Oratório com hum crucifixo, e varias ima-
gens de Sanctos; de ordinário em todas as
noites nelle se acende hua luz e ella vai
,

rezar suas devoçoens em o que hua^ ou


.

outra das mulheres, que tem em casa, a ac-


companhão: neste Oratório hua das rapa-
rigas que tinha em casa em 1837 , acen-
,

dia de quanto em quanto híia vela á ima- j

gem ou de Nossa Senhora das Dores óu á ,

de Sancta Maria Magdalena em outras mui-


:

tas casas se verifica o mesmo.


Sei também, com toda a segurança, de
Iiíia dona de casa, que tinha com o ofíiciode
prostituta em sua companhia híia sua filha, e
mais híia ou duas raparigas, e cuja filha es-
teve mui perigosa em hum parto laborioso , e
tanto ella, como suas companheiras, esta-
vão dispostas, se o mal prog»*edisse, a minis-
trar-lhe todos soccorros esperiíuaes, para
os
cujo recebimento ella estava com devoção.
Será para mim sempre memorável a mauei-
ra 5 como se portou híia destas mulheres das
mais elevadas da 2.^ ordem, que vivia só em
sua casa , e que em consequência de abusos e
indiscripçoens praticadas em seo indigno of-
ficio me chamou para a tratar de hum violen-
to catharro que logo passou a h^ía peripneu-
,

monia, e ella se poz em perigo ; fallei-lhe en-


tão em soccorrcs espirituaes , o que em sua ai-
97

fea fez Ima violenta impressão , e a qne me


tlisse, eslava prompta no nuio de hiia tor-
,

rente de lagrimas; julguei não dever exacer-


bar mais o seo estado, como vi no dia seguin-
te assim ter acontecido porém a moléstia foi
:

á passos largos niarchando a hua feliz termina-


íção.
Depois de completamente restabelecida,
lhe perguntei porque a tinha tanto afligido
,

íiconselhar-lhe eu o lançar mão dos soccorros


espiriluacs'? ella me respondeo (próprias pa-
lavras suas)=:,, ha três ou quatro annosque
me não confessso , conheço o mal, qi^e íe^ho
feito, mas para que heide eu ir confessar- me ?
para que heide eu ir mentir, e por isso escar-
necer do ministro do culto ? eu não pos-
ko por aoora tirar-me deíita miserável vida,
e não me confesso em quanto delia ine\ não ti-
rar, jiara o que trabalho: se me confessasse
íjuando estive doente, tinha ja findado esta
iná vida, não sei o que teria sido de mim ;
feem então a minha casa devia vir hum parocho
e muito menos ò Sacramento; se isto aconte-
cesse estavão acabados meos deboches ainda
que morresse de fome &c. zzj?.
Consta me que muitas existem destes
,

sentimentos; muitas delias vão sempre á mis-


sa quando o tempo o permitte, alguas ha, que.
vão á confisííão ellas prostrão os joelhos em
;

terra quando passa alg<ia procissão, ou o Sacra-


mento para algum enfermo ellas dão signaes
,

de adoração. No hospital não recusão os soc-


corros espirituaes , ellas os abração ardente-
mente segundo me consta. Muitos factos
,

existem a este respeito, e que por mais me


não allongar os não repito^ mas qne todos pro-
7
9íJ

tao terem ellaslium sentimento religioso, qild


nã^ estíí inteirramente riscado do seo cora(j*ao.
Ku conheci hiia da 1.^ ordem, cjue sempre s»
portou com decência publica, e que era mui-
tas vezes observada , das ca^^as fronteiras á
sua, andar á noite a passear em hí^a salla com
híías contas na mào a rezar, esta mulher no
principio do anno de 1840 se recolheo a hum
convento eu estou bem certo, que se em Por-
:

tugal iiouvesse casa de Refugio, bem or-


hiia.
ganisada, a ella concorreriao muiUis prostitu-
tas.

§• 2.»
f

Se iem ainda alguns vestígios de pejo.

Quem passar pelas mas


das Madres, de
Vicente Borga, do ou pelas ruas
Pastelleiro,
da Amendoeira, da Guia, do Capellão, oU
por outras que taes, quem for mesmo á noite
a certos sitios da cidade, como á Ribeira No-
va, Cães do Sodré, ou passar pela Traves-
sa da Palha, e pelas da Assumpção, de San-
ta Justa, ou for ao Rocio &c. &c. ; e escu-
tar o que estas miseráveis, que frequenlão a-
quelles lugares dizem alguas vezes huas pa-
,

ra as outras, ou para os máos sugeitos que as ,

acompanhao, e a ellas se chegâo então nos ;

persuadimos, que nellas está riscado até o


mais pequeno sentimento de j)ejo e de vergo- "
nha entretanto nem por esia relê das prós-
:

litutas devemos medir a todas as outrae, nein


mesmo nestas, apezar de seos deboches e de-
senfreada libertinagem devemos asseverar, que '
m
bslá completamente riscado todo o sentimen-
to de pejo.
Pois que nós, observando-as mais de per-
to, vemo3 que estas vagabundas pelas ruas,
fora do caso de embriaguez, não soltão estas
palavras quando pássao algiaas pessoas que
.

* èllas julgao honestas, e muito menos quando


èslas pessoas são do seo sexo , ou mesmo se
as julgâo estar pelas janellas: eu tenho ob-
servado, que huas reprehendem a indiscripçâo
das outras quando soltâo estas palavras ira-
jiudicas e obscenas. Nas ruas acima referidas
estas mulheres travão-se com razoens buasconi
as outras, ellas se descompõem , se injurião
reciprocamente , e se por acaso vao ás* mãos,
e rasgão seos vestidos, e descobrem seos pei-
tos, ellas tem logo muito cuidado de os cobrir,
Òu o fazem ás outras quando isto observão. Es-
ta mesma relê das prostitutas nas ruas im-
mundas, quehabitào, não praticâo publicamen-
te de dia qualquer accáo indecente com os li-
bertinos e vadios ,
que as procurào, quando
presumem ser observadas por pessoas hones-
tas.
Em quanto ás da 1.^ e 2.^ ordem, ou á-
fjuellas, que vivem sós e isoladas em suas
casas, ou em forma de collegio , quando de
dia sabem fora, affeclao decência e honesti-
dade, e nunca pertendem parecer aquill^),
(Tpie ellas siio; especialmente na presença das

pessoas honestas do seo sexo, a quem ellas per-


tendem imitar nesta decência e honestidade, mas
que os intelligentes facilmente conhecem pe-
lo seo andar e maneiras, ou pídas creadas, qua
^s vezes as accompanhão; algíias porém, quan-
do Vao SOS, ou com outra companheira, eap-
7 *
parecem nos passeios, ou praças publicais,
ellas se apresentno vestidas com decência e
eegimdo o gosto mais moderno, e ás vezes
CGiB luxo, fingindo quanto podem grande lio- f|
neslidade j^aia que as ccnfundào com as
,

outras do seo sexo, e nào sejáo como tacs


reconlipcidap.
Podemos finalmeníe asseverar, que ape-
gar de mui lo debochadas as prostitutas da
3.^ ordem nào perderão inteiramente os sen-
timentos de pejo, e de vergonba; e he justo
confessar, que nós não observamos nas pros-
titutas em Lisboa nem mesmo nas mais bai-
xas desta classe as torpezas e as indi^^ni-
,

dades que os differentes escri piores nos re-


,

ferem a respeito de Londres e Paris, e mes-


mo os viajantes que tem ido a esses paizes.
,

Haverá entre nós mais moralidade ? não per-


mittirão taes escândalos nossos antigos cos-
tumes.^ be possível que assim seja; mas be
também bum facto, que a tal respeito os cor*
tumes em Paris estão muito melhorados pela
Administração em relação ao que se passava
em mais antigos tempos.

§. 3.0

Boas qualidades , e de [feitos das pros-


titutas.

Boas qualidades '::z'Siio pode duvidar-se


de que as prostitutas estão persuadidas de
são iodas tidas , e tratadas pelas pes-
'

(»ue
soas honestas não só com bíia pura iudife- i

rença, mas até com despreso, e que ellas se


julgão huns entes abandonados por todo o. \
101

mundo, e CMtreg*ues á sua iDiseTavel sorte'.


«lias confessao isto, e quando alguus dis-
postos, e desordens doiiieslicas as cercão,
exclamão contra o seo estado, e exprobrão
contra quem foi a causa de sua má vida, e
de ordinário a atlribuem a alguém, que a
isso as induzio, e enganou ou ao descuido
,

€ frou.^vidao de quem as governava, como


diremos quando tratarmos das causas da pros-
tituição publica em o nosso paiz. Elias per-
-suadem se, que não desaíião a comiseração
de pessoa algua em altençáo a sua vida li-
bertina, e escandalosa, e he sem duvida es-
ta hua forte razão que as obriga a ajuda-
,

rem-se, e soccorrem-se mutuamente. Esta


boa qualidade tem as prostitutas h^^^as para
com as outras, e este espirito de reciproca
caridade^ transcende muitas vezes ás outras
pessoas, a ponto de fazerem todo o bem qutj
podem, é as vezes mais do que lhes lie pos-
«ivel.
Adoente, de que fallei no §. antecedente,
era de ordinário traíada por duas compa-
nheiras suas no officio, e tinha das outras
frequentes visitas com promessas de soccor-
ros, nada lhe faKava, e isto com eíiicaz de-
ligencia. Consta-me muitas vezes este
ter lugar
procedimento das prostitutas huas para com
as outras quando se achão doentes, e he então
que as companheiras se esmerão em lhes
])restar seos serviços. Ora no estado de mo-
léstia quasi sempre são despresadas e expul-
sas pelas donas de casa as prostitutas de
,

Paris, como diz Duchatelet, por que então


ellas lhes não dão interesses, occupão-lhes
os quartos, e fazcm-lhc-s dispczas ; c então
,;

ou ellas IIks devem pagar, e fazer as dispc-


zas do tratamento, ou logo recolher-se ao hos-
pital ,excepto em os cusos pouco frequenles
de li"^a ou outra muliíer, de quem pelos do-
tes da sua formosura esperao ainda lucros,
e não querem perder. Entre nÒK não aconte-
ce isto: as da 1.^ ordem tratão-se sempre
em casa, as da 2^ também lie o ordinário
serem f)elas dojias de cosa tratadas em casa,
e depois lhes vão pagando pouco e pouco,

salvo quando he mui prolongada a moléstia
e as miseráveis da 3.^ la vao todas ter ao
hos|)ital, por nada terem senão miséria: to-
caremos neste objecto quando tratarmos das
donas de casa>
As prostitutas também se soccorrem mutua-
mente com vestidos, quando delles absoluta-
mente carevem e especial n)ente quando se
,

encontrão em estado de miséria. Eu fui in-


formado com verdade, de que hija rapariga
estando com outras em bua das principaes ca-
sas da 2/ crdem e se tratava com muito
,

aceio e até com algum loxo; bua moléstia


,

venérea a fez vender quasi todos os seos fatos


até que se recolheo ao hospital sahindo do
;

qual se foi metter por falta de fatos com as


prostitutas do Bairro- Alto, aonde chegou a
ponto de nfío ler hum vestido entretanto
:

suas antigas con)panheiras a chamcárão, todas


se cotisárão cada híja com hum traste seo
e saliio perfeitamente vestida, e bem forne-
cida; ella porem continuou, e continua ain-
da, com a inesma relê das jirostitutas contra
a vontade das outras.
Eu tenho observado muitas vezes, que
çllas aos mendigos, que andão pelas ruas in
103

vocaiido em voz alta caridade dos fieis ;


a
lanção das janellas suas esmolas, e alguas
tão avultadas como as pessoas, que tem pa-
ya isso as possibilidades, que ellas iiito tem,
Elias mesmas em suas casas díío esmolas aos
pobres, que alii lhas vao pedir, e mesmo al-
guas as enviáo a familias, que &abem ter ne-
cessidade de soccorros.
Parent-Duchatelet ,tratando deste obje-
cto, diz, que as prostitutas em Paris além
destas boas qualidades tem outras muitas;
pois que geralmente fallando as mulheres
solteiras ,que infelizmente , se achao nas
circunstancias de ser amas, desempenhão
melhor este serviço do que as mesmas ca*
sadas (o (|ue custa a crer) e sao ellas para com
,

muitas familias a estas preferíveis para a crea-


ção de seos íiihos; mas, diz elle, que as
prostitutas ainda merecem mais estima para
o mesmo fim, e que tem ellas esta bella qua-
lidade; estimão muito os filhos, que criaon
empregando nelles todos os seos cuidados ,
e disvellos. Diz, que o estado de prenhez
as não inquieta ordinariamente, e que ou-
tras o estimão ardentemente pelo prazer de
,

serem mãys, e lerem hum filhota quem ellas


amão extremamerite. Não he porem isto o
que entre nós geralmente se observa, segun-
do as informaçoens que pude colligir: as
,

prostitutas são ordinariamente pouco fecun-


das, e muito se desgostão quando se aclião
no estado de prenhez , que deligenceião mui'
tas vezes desmanchar para se livrarem de
hum fardo, que as opprime, e incommoda ;
ellas em geral abandonão seos filhos á roda
dos expostos se h^a ou outra os cria h,e le^
;
104

vada por vistas crinteresse qualquer, e nao


por extremo de amor, nem esle ellas niostrào
na sua creação: ha alguas excepçoens a esta
marcha geral e ordinária e de alguns factos,
;

se bem que raros, eu fui informado, em que


algàas prostitutas mostrarão hum vivo inte-
resse no estado de prenhez, e hum extremo
amor de seos fdhos , que com muito prazer
creárão e educarão, mas são mui raros es-
,

tes casos, e ordinariamente sé verifica o que,


a seo respeito fica dito; no entanto hum fa-
cultativo de todo o conceito me notou ter tra-
tado h^ía prostituta de hua peritonitis que el-
^

Je mais attribuio ao estado de desgosto, e de


inquietação, que lhe motivou a perda do fi-
lho, fallecido aos oito dias de nascido, e com
o que elia esteve em perigo.
He porém hum que ellas mutua-
facto,
mente se soccorrem quando se achào no esta-
do de gravidez; e quando tem o seo parto são
pelas outras effícazmente ajudadas, e soccor-
ridas, como o ieceranascido; entretanto he
isto raro, porque quando o parto está proxi-
ino, ellas se recolhem ao hospital, aonde el-
le tem lugar, e alguas donas de casa a isto obri-
gão as ()rostitutas porque de ordinário ellas
,

sâo ambiciosas, e sem grandes lucros n cão fa-


zem bem algum mulheres que tem em casa.
á.s

Algíaas das que conservão seos fiilios, e os


educão, quando elies já sáo grandes cuidão
quanto podem de lhes occultar seo indigno of-
ficio; algaas educao bem os filhos (jue tem,
,

e põe muita reserva no exercicioda libertina-


gem, para por elles náo ser observada; eu
conheci hua prostituta em Coimbra, que ti-
iiba possibilidades mandou educar \i^à filha.
,

I
105

em o Convento de Pereira, no campo daquel-^


Ja cidade outras muito mal os educao vi-
: ,

vem com elles, e não lhes occultao o seo of-


licio.

Defeitos particulares das prostitutas. —


llum dos grandes defeitos que se encontra,

nas prostitutas das mais baixas lie de or-


dinário bua extrema immundice, ellas não tem
cuidado em lavar seo corpo , nem tão pouco
seos fatns, ellas os vestem cujos e im mundos,
e ainda que se rasguem, muitas delias assim
os trazem, são quanto be possivel desmase-
ladas, e cujas; quando estão no interior de
suas casas e fora das visías do publico então
se observão bem estes seos defeitos. Não aconr
tece porém assim ás da 1.^ e 2.^ ordem, e
muito menos ás da 1.^; ou por necessidade
do ganho, ou por inclinação, quasi todas são
aceadas em seo corpo e vestidos, que os tem
sempre nos arranjos da moda, e do luxo. Po-
demos asseverar ser isto antes devido á ne-
cessidade, que tem, de obter seos lucros , do
que a hum cuidado especial seo, porque ge-
ralmente falando ellas são descuidadas atodos
os respeitos se abandonassem esía limpeza e
;

este trem, não serião frequentadas senão por


aquelles , que procurão as da mais baixa or-
dem , como lhes acontece, quando por qual-
quer causa que lhe faz perder seo aceio e
,

luxo, ellas se abandonâo, e passão para a ca-


tbegoria da relê muitas se observão abi com
;

estas metamorpboses vôm-se mais prostitu-


:

tas , que vivião aceadas e com luxo nas ca-


,

sas da 2.^ ordem,, passarem ás in)mundas do


Bairro Alto, e da Eua das Atafonas, do que
Q inverso , estas metamorphuses ás vezes são.
106

rápidas, e só se explicão porque conlraliem


o vicio da embriaguez, ou o mal venéreo, cu-
jo curativo abacdonao em 1837 vi híia mu-
:

lher passar da Rua Oriental do Passeio pu-


blico para a Travessa do Conde de Soure , e
húa da Rua do Loreto para a rua das Atafo-
nas em mui poucos mezes pelos motivos aci-
ma expostos.
Hum dos resultados, que a falta do aceio
e limpeza do corpo e vestidos produz nas pros-
titutas mais baixas, he, além de terem em
abundância nojentos insectos, conservarem a
sarna quasi que constantemente, em grande
parte delias he quasi habitual o que não ad-
.

mira, supposta a sua immundice, que não de-


pende tanto da sua pobreza como do seo na-
tural desmazello , e abuso do vinho, e mais lí-
quidos espirituosos.
Hua notável intemperança em as comidas
e bebidas he ouíro defeito próprio das pros-
titutas, em huas porém he mais frequente do
que em outras: todas ellas, seja qualquer que
for a ordem a que pertenção, comem a toda
a hora o que lhes parece, eo que se lhes pro-
porciona; e são na realidade todas ellas go-
lotonas , e apesar de que as da 1.^ e 2.^ or-
den) amem as bebidas espirituosas mui ra-
,

ras vezes nestas se divisa a embriaguez, anão


ser em algua occasião extraordinária, este de-
feito não lhes he habitual, como de ordinário
acontece ás mais baixas prostitutas em quem
,

a crápula he hum habito, que se verifica lo-


go que possão obter o suiTiciente vinho e os
outros líquidos embriagantes ; cilas são a es-
tes vicios arrastradas (granile numero de ve-
zes) pelos máos sugeitos e libertinos, que as
lor

frequenlao,e que de ordinário são os soldadojB,


marujos, e cresdos de servir; os (|uaes todos
presumem, que a prostituta, quando não
quer beber vinho, he porque está infectada
do T^iTus Venéreo , ellas porém para lhes
mostrar, que tem completa saúde o bebem .

frequentes vezes, e por isso muito se embriagâo.


Estas mulheres são de ordinário mentiro-
sas, fingidas, e coléricas; como muitas del-
ias tem-se evadido á aulhoridade paternal, ou
á dos parentes , que as dominavao ,ou &c.,
para seguir sua vidadirsoluta, e libertina, oc-
çullâo isto quanto podeu), mentindo descara-
damente sobre suas progressas circumstancias,
^dqLÍrindo por isso hun) habito, que a mui-
tos outros respeitos lhes he muito prejudicial
em grande numero de casí s, ou seja de buas
para as outras, ou para com as donas das
, casas ou para com os máos sugeitos, que as
,

frequentito, o que occasiona repetidas desor-


dens ; são por isso muito fingidas e dissimu-
ladas, o que entretanto mais se encontra nas
raparigas, do que nas de maior idade. A có-
lera he ían^bein nellas hiaa paixão dominante,
e hum defeito habitual; ellas facilmente tem
rixas hiias com as outras, e he de ordinário
por ciúmes; ellas se batera, e ha notáveis de-
sordens, a ponto de ferimentos até considerá-
veis isto porém só se observa entre a relê
;

das prostitutas, mas a cólera por motivos


de ciúmes, ou outros, he própria de todas,
ainda que ella não chegue a ponto, de que
se batão as da 1.® e 2.^ ordem ; he entre-
tanto em todas esta paixão objecto de momen-
tos, porque ellas logo se reconcilião e coix-?
,

Irahem novas relaçoens amigáveis.


108

Esta ultima circumslancia nos leva a di*


zer que ellas são summamente voliiveis, e in»
5

constantes; tem híia extrema mobilidade cVes-


pirito; nada íixão e em nada sao permanen-
;

tes, por isso pouco cuidado lhes dá a sua sor-


te futura. Sâo ellas dotadas de liua extrema
loquacidade, e a ponto, que ás" vezes nada se
entende com trilas, quando muitas se acthâo
reunidas em li^ia salla ; este caracter volúvel,
que acompanha as obriga a estarem sem-
as ,

pre a mudar de casa , quando estão reunidas


em collegios; algíias ha, que nem hum mez
ahi párão. andão em continuas mudanças, e as^
sim passão sua debochada vida.

ARTIGO 2«

Trahalhos , em que fie occnpão no iiitervallo da


exercício de sua profissão Se imprimenifi" —
guras em seo corpo —
Mudanças de nomes^

§. 1."

Trabalhos em que se occnpão etc.


, As —
prostitutas de todas as ordens em nada se occu-
pão durante os iníervallos do exercicio de seo
ofíicio; he esta a sua marclia ordinária; nós
vemos as da 1.-* e 2.^ ordem frequentes vezes
ás janellas sem fazerem cousa algua, esó prov
vocando, e deligenciando o exercicio de sua*
libertinagem, he este o caracter geral das
prostitutas o serem desmazeladas; mas deve
lambem aítender-se, a que as donas das ca*
sas quando existem em collegios, as obrigão
,

a pôr-se ás janellas, e não gostão quando el-


las se retinu) para o interior, ainda quando-
100

rstejãoinconircodadas ; lia porém algiias, que


mesiíK) as jaiicllas tem as suas costuras, ou
bordados, mas fracos serviços são estes; ai-
huas ha, que nos intervallos referidos cosem,
bordão, engomáo, fazem ósseos vestidos, &c.,
riiui raras vezes se appiicão á leitura, e só
d'alguas r.ovellas nelias não são frequentes^
;

antes raríssimas as leituras obscenas e las-


civas , estas de novidade algualhes serviriao,
por isso asabandonão, nem he a leitura sua
paixão dominante, e híja ou outra com ella
se entretém pois que sua educação foi de
;

ordinário mui grosseira, e bua grande parte


delias n-áo sabe ler, nem escrever, ha porém
excepçoens. Podemos dizerem geral, que as
prostituías de todas as ordens nada fazem, du-
rante o iníervallo do exercício do seo officio,
ellas se abandonão a hua perpetua ociosidade.
As. (ia \.^ e 2.^ ordem comem bebem, dor-^ ,

mera saltão, cantão, brincão, e cuidão de


,

se divertir a seo modo, jogão as cartas hí^as


com outras, vão passear quando lhes convém
&c. &c âs da 3.^ ardem fazem o mesmo,
;

e além disto passão grande parle do seo tem-


po nas tabernas próximas, ou á noite quan-
do vagiieião pela cidade, e ahi se embriagão
com os raáos sugeitos, que as frequentão. Eis
em que se entretém as prostilntas no interva-
lo do seo ofíicio, no qual de ordinário são mais
occupadas desde a tarde até avançar pela noi-
te; e a respeito destes hábitos das prostitu-
tas não se encontra em Lisboa a extrema di-
versidade, que se observa em Paris e Lon-
dres.

o'
Se imprimem figiiras no seo coj^po, — Era
ílò

inais usual em nosso paiz nos antigos tempos.


que alguns homens de certa cathegoria, comd
soldados ,marinheiros, alguns homens do
campo, e mesmo da classe baixa das cidades
e villas, imprimissem no corpo, e de ordina.
rio nos braços e no peito differentes figuras;
hnm crucifixo, a imagem
especialmente a de
de Nossa Senhora, e hum chamado, signo de
Salomão &c. :as prostitutas da 3,^ ordem r
que vivem com os soldados , e com os maru.
jos, os imitâo, e adquirem estes costumes,
algLías tenho eu observado com estas figuras;
impressas no ante-braço; híaa vi eu que ti-
,

nha dous coraçoens atravessados por híia se-


ta , outra hum ramo de flores , outra que ti-
nha as letras iniciaes do nome de hum solda-
do que dizião ser seo amante, &c.: entre-
,

tanto não he este hum costume mui frequen-


te nas prostitutas da 3.^ ordem, antes sâu benl
raras as que se encontrão com estes signaes,
que só habitao no bairro da Esperança, e nas
Ruas do Capellão, e da Guia, ou no Bairrd
Alto e não me consta que as da l.^e 2.^ or-
;

dem tal cousa pratiquem.

§. 3.0


Mudança de nomes He hum facto inne-
gavel, que as prostitutas de 1.^ ordem, eespe-
cialmenteasda 2.^ ordem occultâo o seo pró-
prio nome , e o mudão para outro ; he hum
costume mui ordinário nestas mulheres, e nãdj-
podémos dizer, se nos antigos tempos ellé'
existia entre nós, mas podemos asseverar;
que elle existe hoje , e impunemente ellas
usão desta mudança porque não estão su-
,

I
lii

geitas ás authoridades em consequência de


egulameritos policiaes a seo respeito^ não são
;lor isso obrigadas a dar o seo próprio nome
para serem pela policia vigiadas. Fui im-
formado por pessoa, que tinha conhecimen-
to de causa, que de muitas sabia, que usa-
vâo de nome supposto, e que o seo occul-
tavao, sabendo perfeitamente como ellas se
chamavão porem que muitas destas usavão
,

dos seguintes nomes suppostos — Amália —


Augusta— —
Cândida Carlota — —
Carolina
Conceição— —
Emília —
Guilhermina Júlia
— Lauriana — Leopoldina — Lucrécia — e ,

Maria Joze muitas delias.


O motivo mais forte, e geral, que as tem
obrigado a mudar de nome, he o dezejo de
se fazerem desconhecidas, e occultarem os
paizes de donde são naturaes, e as familias,
a que pertencem :não duvido, que existao
alguns outros motivos, que obriguem em es-
pecial a esta ou áquella a encobrir seo no-
me e a apresentar-se com hum outro sup-
,

posto ; talvez intrigas, desordens, e traves-


suras particulares nas casas, em que vivem
com outras, as obriguem a esta mudança
de nomes , mudando de habitação, como al-
guém diz; mas eu duvido, que isto tenha
lugar em Lisboa^ híia cidade muito compre-
hensivel , e as donas das ca^as tem suííicien-
tes relaçoens liuas com as outras, para que
essa mulher, que mudou de nome^.seja en-
contrada ; julgamos pois ser isto devido a al^
guns restos de pejo , e á vergonha da sua fa-
íttiliai e de pessoas do seo conhecimento, oc-

cultando se a ellas com a mudanc^a de nome :


he também certo, que em outras isto senão ve-
,

rlíica ;, mas fazem he psia moda, ou por-


se o
que entendem n ao dever gostar de scos nomes
pro[)rios G lhe parecer bum outro mais bonito,
eu conheço híla mulher que se chama Leoca-
,

dia, embirrava com tal nome, e lioje todos a


conhecem por Auj^usta htia outra chamadál)
,
j

Catharina he hoje conhecida por Cândida etc'


'

ARTIGO 3.^

/imantes e protectores das prosfítufãs. ,

He também hum antigo habito e costuma '

das prostitutas em Lisboa, como o costuma


ser em todas as partes —
o ter a maioria deí*^ }
las o seo amante e protector devemos po- : —
rém advertir, que a tal respeito nao sâo idên-
ticos os costumes destas mulheres em todas
as partes, e os das prostitutas em l'\iris di-
versificão a respeito de Lisboa; aquellas, (es-
pecialmente as da 1/ ordem), que iiaquejia
cidade tem grande luxo e ostentação , e que
seguramente são as menos numerosas de to-
das , e em toda a parte, tem hum caprichoíj
particular em ter o seo amante, ediz-nos Du-)
chatelet, que de ordinário sáo os Estudanteá*
de Direito, e de Medicina, como os Advo-.^.
gados ainda rajTazes: ellas níio lhes dedicãa^
sua amizade em attençâo ao dinheiro, que
delles esperem receber, antes ellas os pre^^
senteão e outras os vestem e susíentão, o,
,

tanto que grande numero de rapazes viveiíi^i


em Paris com estes indignos meios de su1)-s'
sistencia.
Esta generalidade não se observa en^^^
113

Lisboa nas prostitutas da 1.^ e 2.^ ordem to- ;

das ellas eslimão ter o seo amante, e prote-


ctor, e na realidade híia grande parte os leni
gem serem daquella caihegoria dos de Paris, e
também com a differenc^a que a maior par(e
,

delles contribuem conl bua quota para eU


Jas ^ das quaes nada recebem senão os seos
favores, e a preferencia; alguns amantes ha
entretanto, que nada dão, e outros, ainda que
poucos, que delias recebem para se vestirem
e sustentarem mas he preciso dizer, que is-
;

to só se pode encontrar nas da mais eleva-


da cathcgoria, pois que ás outras lhes faltaò
os meios para taes despezas.
Nâo obstante mais baixas das
isto as
prostitutas também tem os seos amantes e
protectores, aos quaes dedicão bua extrema
aííeição que passa muitas vezes a hum ex-
,

cesso frenético, que ellas manifestão, quan-


do por causa de ciúmes tem com elies suas
desordens; são estes extremos sempre obser-
vados apezar delies as tratarem pessimamen-
le, e até com pancadas, e as vezes ferimen-
tos, e nem por isbO os abandohao. Eilas ca-
prichão em ter estes amantes e protectores>
que servem para as defender, e com qiieni
ieilas ameaçao as outras, mesmo oquèlles»
e
que as maltratáo nas : antig^is Madragoa e
Cotovia, e mesmo agora no Bairro Alto, e
no da Esperança nao haviao. por tal moti-
vo, poucos ferimentos, e até mortes. Estes
jirotectores muitas vezes as acompanhao de
dia aos passeios, e á noite quando ellas an-
dào vagando pela cidade , provocando á li-
bertinagem. Tem-se visto re[)etidas vezes
duas mulheres sahircm do i3airro (T Alfama
1Í4

para a Rim (l;i Àlfariclega e Terreiro do Paço


com os fins referidos, levando cada bua dei-
las o seo protector, que de algí^a distancia
as seguião, e guardaváo, e sendo hua delias
em certa noite muito insidiada por hum ho-
mem dos que as costumão procurar, custou-
Ihe hua facada tai insulto, evadindo*se tan-
to eUa como o seo protector ás diligencias
da policia.
As mulheres desta 3.^ ordem tem neces-
sidade destes protectores, pelo desprezo e op-
probrio, que soffrem peias injurias e insul-
,

tos , que todos lhes dirigem , e pelo aban-


dono, cm que se acháo de todo o mundo e ;

he na realidade este hum motivo, que as


obriga a ter hum amante e protecíor, mas
sao na verdade com elles muito infelizes, e
de ordinário muito mal recompensadas, e to-
dos ou quasi todos lhes são ingratos; he is-
to o que de ordinário acontece a estas mu-
lheres mais baixas, que tem os seos aman-
tes, costume, que não he tão geral em Lis-
boa, como em Paris.
Entre os hábitos e costumes das pros-
titutas ha hum género especial da mais de-
pravada libertinagem , e contra a natureza ,
que tem h^^ias com as outras, e dos quaes
fallão a maior parte dos Escriptores sobre
a prostituição; estes hábitos depravados, e
contra a natureza , mais se observão nas pri-
Goens ,e casas de correcção, he dahi que
todos esses Escriptores tem tirado os neces-
sários esclarecimentos para dizerem quaes
,

são os costumes deslas mulheres a tal res-


peito. Teremos porem nós a colligir algua
cousa sobre (ai objecto? Quem iria fazer

115

estas otjservaçoons ao Limoeiro ? quem as


iria í:izer neste lugar e nos differcntes tem-
poá entre nós'? quem as examinaria na Cor-
doaria, que por muito tempo lhes sérvio de
casa de correcção*? de certo que ninguém, e,
por isso nós nada sabemos nem. da prisão pu-
blica, nem da casa de correcção: nem tão
pouco sabemos com fundamento, em que ida-
de e em que circumsíancias este execrando
,

vicio, e depravado g-euero de libertinagem


mais acomettia as mulheres publicas: os Es-
criptores dos outros paizes nos dizem algua
cousa, mas o que diremos nós das que exis-
tem^ e tem existido em Lisboa'?
Duchatelet nos diz, que he nas prisoens^
-que tem mais frequentemente lugar este vi-
cio vergonhoso e que ha bem |)oucas das
,

presas, que a elle possão resistir , quando a


prisão se prolonga alem d'anno e meio , ou
dous annos e que he de ordinário na idade
,

de 25 a 30 annos, e quando ellas ja tem


de officio 6 ou 8 annos, que ellas se entre-
gao a este género de libertinagem, e se as
mais novas a elle se dão he porque são ja
victimas das outras, e por ellas seduzidas,
de maneira que ha poucas prostituías velhas,
que não sejão das Tribades; — he assim
que em Paris se costuma chamar ás mulhe-
res entregues a este género de deboche con-
tra a natureza.
Apezar das nossas deligencias para obter
pelos caminhos que nos erão possíveis , os
,

precisos esclarecimentos sobre esta matéria,


bem pouco podemos colligir; sempre se en-
'
centrou h^a absoluta repugnância em se de-
clararem, e denunciarem hãas ás outras, nem
8 *
116

as Jonas das casas satisfaziao convenieiító


mente a taes preiíuntas. Híias asseveravao,
que era mui raroesle costume entre as prós-
tilutas de Lisboa, e que mui raras vezes se ,

verificava j outras porem dizião o contrario,


mas não achámos nestas sólidos fimdamentcs
ás suas asserçoens, e lanto que só pudemos
obter dons factos a este respeito.
Eni hua das casas pubb'cas da Rua da
l\"ata (quando ahi se toleravíTo) existião qua-
tro raparigas, duas das quaes (de 20 annos
ou mais) sempre fora o muito amigas, e seíii-
pre dormião juntas, lia vendo ja alguns mezes
que ellas estavão naquelía casa hua delias
;

em coDsequencia de desordens, que teve com


híia das outras, vio-se na necessidade de sa-
hir do collegio, para o que muito concorreo
a dona da casa, porque delia nào gostava ,

poucos lucros nella perdia a sua amiga po-


;

rem infallivelmente quiz sahi^ com ape- ella.


zar de ser contra a vontade da dona de casa:
explicando todas ellas este procedimento una-
nime pele género de libertinagem e de ví- ,

cios vergonhosos, a que se entregavílo a mes- ;

ma amizade continuou em a outra casa, pa-


ra onde ellas tinhào ido.
Híla dona de casa na Travessa da Pa-
lha tinha híla filha prostituta e mais duas ra-
parigas na sua companhia todas três for-
,

mando esse pequeno collegio, e todas Ires se


sabia, que tinhào os seos amantes que pa- ,

gavão mensahncnte hua quota para a casa,


que não obslavão, a que ellas recebessem
as mais visitas do costume: a dona da casa ti-
nha outra filha, que constava viver liones^a-
inente, e que visitava sua mai c irman de vez.
117

em quando, em desías occasioons


liíla cm ,

que vinha visita-las,húix das outras duas,


instou vchenien temente com ella a que dor-
misse na seguinte noute em sua companhia,
para o que lhe oíferecia o melhor vestido, que
V]uizesse, ou vesli-la toda de novo com algum
luxo pois que ella vivia pobremente, mas com
,

honestidade, ao que ella se recusou, sabendo


das preversas inclinaçoens, e indignos :finâ, pa-
ra que taes offcrtas e convites lhe erão fei-
tos por aquella companheira de sua irman.
Se me tenho estendido hum pouco sobre
os costumes e hábitos das prostitutas entre
nós, he por ser importante para a adminis-
tração, e para os amigos da ordem, e da
moral, bem conhecer e.stas particularida<les a
respeito de taes costumes destas mulheres ;
esta importância melhor se conhecerá avan-
çando nós mais no estudo deste objecto.

CAPITUr.O 5.°

Numero dás pròsíitutas e sua distribuição


,

pela cidade de Lisboa.

He este capitulo destinado a fazer conhe-


cer o numero das prostituías residentes na,

cidade de Lisboa, bem como sua distribuição


pelos differentes pontos da cidade. Já vemos,
que diíhculdades nos devem cercar para sa-
tisfazer com exactidão a estes dous quisi tos ,

e islo por híaa bem simples razão —porque


não estão as prostitutas matriculadas na poii^
cia,* —
a sua matricula, ou inscripção, dava
o seo numero, e o local da sua residência, e
0€m ella poderá haver probabilidade , mas ^
;i8

exactidão he mui diííicil. Tiráinos sobre esto


«issumpto as informacoens particulares, que
nos ftii po^sivel , pois que pelas authorir
dades nada podemos saber, por nào existir
statistica algua a seo respeito. Em dous arti-
gos trataremos deste objecto no 1.^ do seo :

numero, no 2.^ de sua distribuirão; em o


primeiro artigo diremos o que consta de seo
numero em alguas Naçoens o que se tem ;

dito sobre o numero que se julga necessário


existir destas mulheres; e finalmente de sua
applicaçáo a Lisboa, e seo numero effectiva-
niente :no segundo artigo trataremos de sua
distribuição, 1.^ nos tempos anteriores a 1838;
2.^ nos tempos posteriores até hoje.

ARTIGO 1.^

JSiiinero das prostitutas em alguas Naçoens


antigas c modernas , seo calculo, e appli--
cação a Lisboa.

§• i-*^

Numero das prostitutas em algúas Naçoens.


— Na antiga Athenas dizia Aristophano de
Bizâncio, que existião cenio e Irinta e cinco
Cortezans(31), porém Apollodoro pretende que
seo numero era mais considerável, l^ublius
Victor contava em Roma até 45 casas, aonde
hiao as Cortezans e a que Tertulliano char
,

niava consistórios do deboche publico; e se


se reflectir, que havia hum considerável nu-

(31) i''eLes , ei Courlisannes de la Grecc çlc.


Tom. 4 pag. 26.
119

de mullieres, que exerciclo aquelle offi-


.iiiero
cio separadamente , devemos eslar convenci-
dos de que este abuso tinha feito esj)antosos
progressos (32); heliuni facto que Sispião fez
esbulhar do exercito na Africa 2:000 mulhe-
res publicas.
Hum celebre Esciiptor ínglez do século
passado, (Mr. Colqu^Hourns") dizia, que ten-
do Londres 450;íi^000 mulheres, erao 50/000
da classe das prostitutas, ou a nona parte, e com
bastante galantaria e a seo arbitrio as de com-
põem da seguinte maneira 2^000 mulheres,

que forão bem educadas 3^000 acima do esta-


;

do de creadas de servir; 20^^''€{)0, que tem sido


creadas de servir e que se votarão á pros-
tituição; e 25^^000 de differentes profissoens,
que parte delias vivem com homens, com quem
aiâo sao casadas. No fim do século passado
disse-se que em Paris a oitava parle da po-
,

pulação erão prostitutas (33) iKm 1762con-


!

laváo-se em Paris 25,^'000 prostituías, € Res-


lif de la Bretonne pelo mesmo tempo disse
existirem 20,^000 de todas as classes, e ou-
tros 30J'000 porém não se mostra a exacti-
;

dão destes cálculos (34). Em 1831 era o seo


numero na capital da França de3/l31,eem
1834 erâo de 4J'000 com pequena differença;
entretanto no \.^ de Julho de 1836 havia
€m Paris inscriptas na policia o nuoiv^ro de
3/800 prostitutas, e constava existir onume-
ro de 4^^000, que não estavão sugeitas ásau-

(li^) HisloÍTe de la LegislatioD des l*"em mes pu-


bliques etc. par \lr. Sabalier ; pag. b2.
(33) Fet. el Court, de ia Grece etc. T. 4 pag. W
(34) De la Proslitution dans la ville de Paris
€lc. Duchulslct — pag. 10. — Ediç, Belga.
,

no
thoridcides (35): entre as mullieres inscripUíj
La hum cerío namoro que pertencem aos,

paizes eh^trangeiros na proporçílo de 1:20'


Taris e seo termo as contava por húa quarta
])arte, o resto era fornecido pelos Departa-
mentos, cujo contingente he dpcrescente na
razão da sua população, e da separação da
capital. Em Bruxellas haviao em 1836 híaas
300 ou 400 mulheres publicas, porém só 90
,

a 110 habitavào as casas publicas, e as ou-


tras frequentavâo as casas de passe. Em Gand
haviao somente 24 casas com 64 mulheres, e
^S isoladas , sendo ao todo 122.
õ. 2,^

Calculo, que tem feito da necessidade das


se
prostitutas segundo a população.
•^ Hum Medico alias bem respeitável pelo

'^
(35) Em
Janeiro do 1840 appareceo em o N.^
45 — Tom. 23 dos Annaes dTlygiena Publica c
.Medicina Legal, impressos em Paris , pag. 230
lium excellente exlracto, e mui interessante noti-
cia da obra de Mr. H. A. Fregier , obra de tanta
importância, que merece© o s»er recompenáada em
1830 pela Academia das Sçiencias Moraes e Politi-
cas de Paris. Esta obra tem o tituU)ZZ Dcs classes
dongereuses de la populatlon dans les grandes villes^
et dcs moi/ens de ks rendre vieillciiríi , ele. Ahi se
nota existir o mesmo nu mero de prostitutas em Paris,
que dissemos atitna —
Mulheres pul)lieas inscriplas
3;800, e desobedientes ás aulhoridades 4:0(X), sendo
ao toda 7:8D0. Oauthor do exlr:ictaacrescenta ose-
j^uinto —
" Cada Iiua (desliís mulheres) tendo liurh
*' amante ou hum protector, esta porção tào cor-
*i rompida da sociedade entretém pela sua parte
** luia milícia, pelo menos tào perigosa como cila
** mtsma ,,

$eo sabor, Mr. Dugniolle acaba de entrar neg*


ta questíto, e formar cálculos baseados sobre
principies purarrjente hypotheticos, e que não
podem, nem devem admittir-se como segu-
ros , menos exactas serão por isso as conse-
quências, que delles se pretendem tirar; en-
^re nós elies falhão evidentemente, e seos re-
sultados dão sempre hum numero de prosti-
tutas consideravelmente menor do que real-
mente existem em todas as Naçoens (36).
i>i;*.Este Escriptor acima referido diz, que se-
gundo o estado da população actual da Euro-
pa he o numero das mulheres igual ao dos ho-
mens — que entre esles he o numero dos ra-
pazes e dos velhos igual ao dos adultos —e
que entre esíes adultos he o nuniero dos ca-
sados igual ao dos solteiros desde a idade da
puberdade — que destes últimos heo numero
dos que tem juizo e reflexão igual ao dos in-
discretos e ignorantes ,

e que finalmente a
liietade destes indiscretos se entretém cora
mulheres, que a policia não vigia , e a outra
ameíade com aquellas, que são vigiadas pela
policia. Por tanto nesta hypothese , e segun-
do os princípios estabelecidos, em hua popu-
lação de 6,^000 habitantes devem existir 187
iiidividuos indiscretos ,
que se entretém com
^s mulheres, que são vigiadas pela policia.
Além disto estabelece o mesmo Escriptor,
€ quer elle , que hum destes homens frequen-
fe duas vezes por semana hCia mulher, temos
logo, que os 187 homens fazem 19^448 vi-
sitas annuaes; quer elle finalmente, que esta

np,i\

S'(36) Knryclograpliia das Sciencias iMedicas —


Biuxellas —
Agoslo de 183G,
122

povoação de 6^000 habitantes tenha duas ca*


sas com cinco mulheres cada hua, e quehua
mulher receba seis visitas por dia, o que dá
21^^^1)00 visiías pór anno logo entre hum e
,

outro calculo ha híia dilTerença de 2/452 vi-


sitas, que, diz elle, são para os estrangeiros,
para os camponezes, para os viúvos, e para os
que não guardâo a devida fidelidade. Este caU
culo he appUcavel ás cidades populosas, mas
para as que tem menor população soífre elle
hua notável alteração para menos de casas pu-
blicas na proporção de 6 3 e sobre o nume-
:
,

ro das mulheres de 3:1.


O mesmo author diz, que os cálculos aci-t
ma referidos são applicaveis a liúa cidade,
aonde não haja tro})a de terra ou de mar, pois
que então as cousas variao, e exigejn cálcu-
los especiaes. Elle assevera, que a tropa exi^
ge maior numero de mulheres para satisfazer
os seos deboches no que nós estamos de per-
,

feito acordo por bem óbvios motivos; e ima-


gina, que hua guarnição, composta de 2/000
homens, por cálculos statisticos, que lhe fo-
râo presentes ao menos na França e na Bél-
gica hua sexta parte são. casados, e isentos do
,

serviço por enfermidades /que deduzida dos


2,^'000 ficão 1,^'666; ora eííe assevera tam-
bém, que desla parte se deve abater ameta-
de por motivos de moralidade, e por defeito
d'inclina(;oens amorosas, resta pois só a outra
amelade, ou 833. Como porém na França e
na Bélgica a maioria da Iropa he tirada da
classe laboriosa e pobre da .sociedade, esta
não satisfaz os seos deboches tantas vezes
quantas o dezejão, e por isso elle reduz o nu-
mero das visilas a ametade daqucilc, que te»
123

riílo , fossem outras as suas circumstan-


se
cias, isto lie, a híia vez por semana. Temos
pois que para obier o numero das visitas por
,

í anuo, muliiplicaremos Õ2 (semanas) por 833^


o que dá 43^316: ora esta guarnição exigi-
rá 4 casas com 6 mulheres cada hua, o que
dá annualmente o numero de visitas de 52^^560
o excedente de 9^244 não se deve achar ex-
traordinário at tendendo a que estas casas são
,

/'requentadas por muitos obreiros em rasãodo


I
seo mais baixo preço. Taes sâo os cálculos,
I
que estab lece Mr Dugniolle para achar o nu^
I
inero das casas publicas, ede prostitutas, que
I

deve ter qualquer cidade ou villa segundo a


sua população; procuremos fazer applicação
destes princípios á cidade de Lisboa, o que
faremos no seguinte §.

Applicação dos principios postos á cidade de


Lishoa —
numero provável de prostitutas,
que eíla contém.
Appliquemos hvpotheses de Mr.
pois as
Dugniolíe á cidade de Lisboa, cuja popula-
ção julgamos ser de 205,^960 habitantes :

(37) devemos obter o seguinte resultado; que

(37) Tem se dito mui \ariavelmenle sobre a


população de Lisboa, e ião extraordinariamente al-
guns Escriptores, que Vosgíen no seo Diccion. Geo-
graph. de 1811 lhe dá 360/000 habitantfs. Em
1801 conlavãohuns ter Liáboa ^^^OJ^ÍJOO habitantes,
em 18^0 se disse ler ^39/000; a Junta Prepara-
tória das Cortes neste ultimo anno em suas Inslruc-
çoens apresenta a população em 1804 com 44 J^ 057
fogos, e S37/000 habitantes, população maior do
devem aqui existir 6/436 indiscretos celiba-»
tarios que frequeníâo as casas publicas de
,

prostitutas, que devem estar sugeitas á poli-


ciadas authoridades administrativas para se-
rem vigiadas; ora segundo a sua hypothese
ha para cada hum destes 104 visitas annuaes ;

]ogo para es 6^436 devem haver o numero


de 669^344. Se pois para híia população de
6^000 habitantes ha duas casas com cinco
prostitutas cada htía ; deveremos em tal caso
fazer a seguinte proporção 6^000 2 : : :

205,^960 :y; logo y =


68|." Por tanto com

tal hypothese devem somente haver em Lis-


boa 68 casas com cinco mulheres era cada
Jiíja, ou 340 prostitatas. Com estes mesmos prin^

cipios em quanto ás mulheres de terem ellas


seis visitas por dia ,acharemos que 2^^040
multiplicados por36õdias dá744^^'600, e pro-
curando a difíerença entre estes dous resultados
acharemos o nuiiiero 75^''2Õ6, que Mr. Du'
gniolíe appli ca para os estrangeiros, viúvos,
etc. etc. (38).
que he a razão de 1:5, que na verdade he exUaor-
dinaria em
o nosso paiz. Na
ley de \) d'Al)ril dtí
1838 que rf^gula a eleicjão dos Deputados se dá a '

Lisboa 54^420 fo^os com o seo termo, que se es-


tivesse na proporção de 1:5 devia haver '27'S^IOO
habitantes, disse-se porem era 1825, que a população
era de SIO^^OO? habitantes. Hoje segundo hua re-
lação, que teve abondade de me apresentar o Se-
cretario daCommisáão Permanente de Estatística^ ó
Sr. Joze Joaquim Leal, conta Lisboa 53 ,^791 foo^o*:,
« 205 «l' 967 habitantes, o que nao mostra fertilida-
de de população, por estarem os fogos para os ha-
bitatiles na razão de 1 para menos de 4. ^'^
(38) Este calculo sobre a população da cidade
h« feito cm at tenção também ao seo termo , t

'
Ò calculo acima estabelecido tem lambem
applicação a esta cidade debaixo da conside-
ração da existência aqui de hua guarnição;
se aqui houvesse hua guarnição com certo
numero de tropa sempre constante, ou ao me-
nos com pouca variação, poderíamos dizer,
que numero mais se exigia segundo a hypo-
ihese de Mr. Dugniolle acima estabelecida,
mas esta he njuito variável nos differentes
tempos podemos entretanto dizer com segu-
:

rança , que sempre deve ter hum certo au-


gmento o numero das casas publicas, e das
prostitutas para esta cidade além do que aci-
ma fica estabelecido ; não só em attenção a
que sempre aqui existe mais ou menos tropa,
que faz a guarnição da capital, como também
que esta cidade he hum porto de mar dos da
primeira ordem da Europa, e por isso muito
commercianíe ,o qual pelas consideraçoens,
que expenderemos em lugar competente de-
v^m augmentar mais as ditas casas, e mume-
res prostitutas. Náo apresentei a hypothese,
e calculo, que fica referido, por estar capaci-

fonsta ella hoje, seguindo fnformaçoens , que de-


vt»m ser exaclas, de ^Ob ^9G7 habitantes; (no cal-
culo supra desprezei o ullimo 7 por não o compli-
I ar com fracçoens, e este pequeno numero nadu
influe); se porem o calculo fosse feiío simplesmen-
te para dentro dos muros da cidade , excluindo o
termo, devia elle muito variar; pois que a cidade
conta 182 J[ 00^^ habitantes, e o lermo temida ^965;
(|Me faz o numero acima referido. Também obser-
Vamc?, que por este calculodevem existir 340 pros-
titutas, e na verdade nâo existe tao pequeno nu-
inero; *» adiante veremos, que fomos informados
ipxisiiretn setecentas e tantas, e o que vemos do
JVlíippo 10.
tatlo veracidade, ella he engenhosa,
de sua
mas he susceptível de infinitas variaçoens, e
iiíío pode ter-se como segura
o tempo pode-
:

rá mostrar o quanto ella he afasta ou aproxi-


ina da verdade , quando estando as prostitu-
tas sugeitas aos regulamentos policiaes, sou-
bermos aproximadamente o seo numero.
E que diremos nós de seonumero actual-
mente existente em Lisboa ? He cousa sabida,
que sempre em todos os tempos e em todas as
Naçoens nós muito exageramos a prostitui-
,

ção publica, e presumimas existir hum nu-


mero destas mulheres muito mais notável, do
que na realidade existe, e para nós se verifi-
ca com mais fundamento esta verdade pelas
reflexoens, que já fizemos em quanto ao esta-
do da nossa moralidade em certas classes da
sociedade, com])arada com as mesmas em ou-
tras Naçoens. Já o temos publicado por va-
rias vezes, que presumimos haver em Lisboa
1:000 prostitutas de todas as 3 ordens que ,

temos estabelecido, não contando nem as clan-


destinas, nem as que frequentao as casas de
jonsse ou de olcouce, e muito menos as entre-
^

tidas, a quem nao damos o nome de prostitu-


tas, em quanto lhe compete este nome este :

mesmo numero de LOOO nós o pomos muito


arbitrariamente, estamos porém mais capaci-
tados, de que a differença, que houver em
|

o numero das 3 ordens ditas, será para me- !

nos do que para mais, se porém attendermos i

á prostituição clandestina, que sempre devt)


ter sido considerável em
Portugal, então nos-
so calculo deve muito variar para mais e ,

(|uasi que isto poderemos asseverar (39).

(39) Sc algum dia se obrigarem a matricular


m
No
seguinte Art. diremos, qual hea sua
Íistribnicào pela cidade, segundo o que nós
bservámos, e em resultado das informaçoens.
que sollicitámos de quem presumimos dar-r/os
esclarecimentos com algiía exactidão. Cha-
mem, se quizerem por agora á nossa obra
,

hiia hypothese em muitos dos seos Artigos,


nós trabalhámos quanto pudemos, para que
o não fosse, he a primeira obra, que sahe ao
publico neste género entre nós e (fallo com
,

franqueza) rodeado de immensas dl faculdades,


o futuro niostrará o quanto distei eu da ver-
dade.
ARTIGO 2.^

Distribuição das prostitutas pela cidade de


Lisboa.

Quando
nós tratarmos das Casas Publicas
das prostitutas na Segunda Parte desta obra,
devemos dizer, qual be a sua distribuição pe-
la cidade de Lisboa, objecto mui s na logo ao
do presente Artigo, porque na realidade nós
não podemos deixar de fallar na distribuição
das prostitutas quando tratarmos da distri-
,

a^i })rosliutas nesta cidade, talves este numero, que


arbilramíjs, não diste muito da verdade 5 no Map-
pa 10 achamos só aqui exisli-em huas setecentas
e tantas, mas decisivamenle devem mais existir,
que noravelmenle escapâo a híía conta, que nãolie
feita influindo nisso a authoridade e mesmo esta-
:

mos bem seguros, de que quando elia influir, nào


bade haver nesta conta a devida exactidão ; isto que
acontece na Fiança, de\efá ler lambem Jugar en-
trenós, especialmrnle nos primeiros annos, nosquaes
híia infinidade das proslilutas se hade evadir á ins-
cripçâo na policia, e só depois de muilo temerem
os castigos he que o forão.
das as repetiíÇí^^^(f^ptidi<^,i^Jr|4íAli^i|^ílft03

ojiMM,id<?^9QÊ8 ,ol)ití:.tidjiíí oonoq i5 oouoqoÊ-iot


Coií^j,3(pdicÍQfíalmenteA-©iibêaaÍ^
ma publicai que nos tempo&^isííisg^^t^^aB
piosíi lutas se agglomeravão em as í«úa,^)dteM<^
dragpa . dos Mastros , da Cotovia eioi, eicpaôY
,

ninos lugares de Lisboa, ha^bíiaítb


erivp. estes os
dos pelas mais baixas e miseráveis d (tiniria s-9
se de mulheres: as da 2.^ ordem senão htrbid
tavão entào estas ruas, exislião peias suasijDíiíi
mediaçoens, entretanto que el las em muitfa^ j

menor numero , e com mais recato, viviâkBéMil


outros differenles pontos da cidade, e dosiqfibesb
em differen(es tempos erâòexpul^ís ; oíBnqifeaK)1
vezes metlidas nas prisoens pubIica^s;poibHdí
Cordoa ri a. comecavão a fazer; se iiAtaiseis.pdDÍ
se
su.a. offensa Moral Publicai fib gsiB-sul aaiaS
á.

„gcE|íí^ tempos metis postti2rí)T0sl!ianíi)ai>aMctob


nando os douá nltisnos referi-ites sitpos^dxioikí
dade, a rua dos Mastrofí^ttí m(iâoitb\nm\'é^i&f*»
^J^^ possam os asse vQvàn qòeanflí qariíireftja áeásà
;>

ias ruas nau existia já Ima só prostíísJka^ni)®i


mui raras, anies dos.'editoqs«è^:>íiS3%>efiHÍlíita •

poucas na Cotovia iÍÈnBdí>.^borailiíckifBtfcÍáa^


,

íeata^ a habitar a MafÍKa'gôa^átoje>caluracBnp(í^


me da ruai da Vicente 'Burgp^^rpaaaieí^filé^mttp
s u a s m m edia çoen s desde- 1/? ui|ií$s'i m?fl bmfftx aí^^
i
'•

liabitou sempre a rele:desla dabapha4a4UiJéf«a


tina gente: ellas porém não exist^ifi^í^hrfiptlàt^i
decima parte \lo que erTio em os ««ti^o^Hílfiitl
pos ; porque estas miseráveis senvpr^^f}ft)^í«<á^i|
r^Or a companhia de suas }giiavsr^'^p(^r4í^S'òíí\MI^|
se agi^^Iomeravão ,•
íbrfio porrm tlesí^^Vpic^aQdo^
'

ISO

vários outros pontos da cidade, que mancliâíSí


com suas torpezas e libertinagem. '^^*^ ^^' ^^
Estes pontos da cidade, que taes mulheres
ibrâo pouco a ponco habitando, são em primei*
ro Ingar o Bairro-Alto, e neste especialmente
as Kuas das Gavias, da Atalaia, da Roza, do
Carvalho, da Barroca, das Salgadeiras, as Tra-
vessas dos Fieis de Deos, do Poço da cidade,
da Queimada, da Cara, do Conde de Soure,
e muitas outras também a Calçada do
;

])uque, ea rua da Bica Grande forão por eilas


escolhidas com preferencia. Além do Bairro-
Alto, estas immundas bacchanaes também se
forâo^gglomerando em as ruas da Amendoeira,"
da Guia, do Capèllão, xlas Tendas, das Ata-
fonaSi etc. : também hábil avão em alguns pon-
tos da Calçada do Salitre, no Bairro do Cas**
tello, nas ruinas do Thesouro Velho, etc. etc*
Estes lugares da cidade forão sempre escolhi-
dos com preferencia por esta ordem de pros-
titutas, que são as vagabundas pelas ruas,
«ao deixando com tudo hua ou outra de ha-
•bitar outros sitios da cidade retirados, e ruas
immundas.
Temos a notar por esta occasiao, que sen-
do Alfama hum dos antigos bairros da cida-
de, aonde as casas são mui baratas, por isso
que ellas são pequenas, as ruas mui estreitas,
e immundas, e tanto, que a maior parte heoc-
cupada por gente pobre, como sâo officiaes
de diflerentes officios, e além disto muitos ca-
traeiros, vendedeiras de peixe , óçc. nãohajão
igualmente no dito bairro muitas casas publi-
cas destas prostitutas e não acontece a^sim,
;

e he forçoso confessar, que em tal bairro são-


laras as casas publicas desta gente; não me
.
, •

'Wio tom à'\)i\hHc\Mth das doBarrrò-Alíòidii


da Rua das Madres, ete. He tampem Tiúhí'fí<-
%<o infiegavel ; que muitas das mulheVes^dò
bair w
cFx4Ifa ma apparecem de noite' pplb^OáSs
de Santarém, Ribeira Velha, Terreií^ò ''db
l^^aÇo, ele. vagando por esíes sitios, e' pro-
vocando os hoitiens á libertinagem /"è^ á de-
vassidão; e de dia alíi senão devisão ieni eá-
publicas de prostituição, só exercehi pii-
;6las

^blicarnenteeste indigno officio á^^^ité'^'^!-


%agando pelas ruais^ hià que são th^ti^pBètt*-
- ' •' -i rii>icí/ ..jJj;. = -íOil *83Tí)^Ut.
'^QàiciaeS -

^es lugares- de LisbGa;^nísim^iiã^*rí^


léipaes, como nns praças, pfbkimiií^-^acftípagsèííig
-públicos, etc. A cidade irè^^á^^rblsèraprep^Òr
eílas appetecida , è'ihuít?i'^'ÍiírbíbvJiorTas¥i^ás
do Ouro, Augusta,! Pl^W/da^^Páííft?, dòAf^^o
Mó Bandeira, e nas fravésltis', xfi^fe ^f (èrpei^^di-
jcularmenle cortao as diíak^^i^a*^:' EHSrífe^&-
hem assistiao em grande 'qttbrfídWdiè nfeál44is
das Portas de Santo Anlào' lT|c!ò<M<*T^fttPao
Passeio Publico , Nova da Palmai Sío^i^il^fii,
^dos Cavalleiros. Além disTo VdThbStlf^^Bt^t;à-
'<i'^lo frequentemente as ruas ÍNÍoWá(5''C3^íirt^,
do Loreto, Larga de S. Eoqn«e^^tf'(Í^!%£fWí
ÍJalçada do Combro etc. Erão tírtibéttr' ^^òr"*
.ellas muito appetccidas as ruas do Ai*iètráí
Corpo Santo, de S. Paulo, da Boà' Vista
*etè. De maneira, que as principacs riààis ^Th
%idade estavão iunundadas de prostitutas^ iJí\
4o *^ç2^*^q^§efn[, j^feng, qqe ,com, tudo .íjo^íFem

;W'/çfPf[sJjr,H'^J^ certas ,r,iias,.4.^t^'^^^^l^« ^ aqucl-


J58^y^ue niaj.s pieíeiião, e^tão-Jhes vtrídadas
^gr)(y!dcm da Administradar (Seral deste Dia-

o Código Administrativo no
,Q^,^Çom,.e.fieito,
,^Tj. ICfâ, §. 6, prohibe as prostitutas die lia-
^g^t^jT\^as ruas principçies da cidade, as pra-^
^ÇjÇíí.^ji, passeios públicos, as proximidades dos
.|j^m]^)Q3 ,&r' ; por isso o Administrador Geral
j;ií)^oi;,»d,^ver-Ihes declarar, quaes etão esses
lugares, nos quaes estas mulheres não devião
^,)>t^l^ijtar,, segundo o que ordtna\^a, o Código, e
.
^Ç\i^.fe^, publico pelo Edital de 5 de Maio de
J8S!^,,99 que fe^ hum pequeno addiciouamento
.j)^9,jE4Ítí4 ^^ 23 do mesmo mez e anqp^jíjS
.jcsp^lhêç a seo modo nos seis Districtos ,nfQ\x
g|i;iiga(|qs^ da Capital aquella^ ruas, praças
, =

^&jc*3»j4ji^.^pe|^tpnji1^o deverem ser vedadas áha-


^^j^^ç^çi, ,^^^^iii^i})ej^^ e são estas
.^ç^^quçí (^pi^t^o (^0.^ Mappas n.** 1.^ e 2.^
,n^ AJ^m ^af ruas mencionadas nos referidos
.M^pgaÇj^l iqi tamj:|ej]ri prohibido pelo primeiro
qijije,as prostitutas habitassem em casas
p JJjl^^lpj
!

Qji]Ci(^f^aj^)aps, templos,, aos passeios, e praças


e^abelecimentos d'instrurção^ liçêoB,
áví.íJÇft'??
^jejjÇfÇf^l^ippjQtos. -^ Pune com certa muleta os
gf^^^)d^8 propriedades se as arrendarem a es-
^

*|fjS3jÇ}jil}içres , e os Administradores dos Dis-


'-|nc^ 4^9,0 encarregados de vigiarem a con»
l«t.

feW^§???9>í?^^ mesmos Editaes.


jv^^^pivjgi ^^ntâo baver bua notável
«j
mudan
íanca
iJJijO Jgjjçlgdja residência das prostitutas, veriíi-
^p%Sf esta coiji, qí^ti;) ^, ,g^ll^^, 4eji^4i|,9, ,íÍQ
as prinBf)aêiMâs^ llâ cidade, que por
Iiàlbitar
aquelles Editaes lhes erão vedadas não se fez :

esta mudança cota> todx> ó rigor i'pO!^-'lAÍb'á:!-»


gLtas útdYiiQ '( pOTéiB^mui ocòtilferílênte^y ^lias
luas prohibklâs, e em muitas destas llalbltavâo
ein 1840 ; a actual distribuição dest^aè^ ttíâlfae-*
res pela cidade de Lisboa pela maior parte ,

|)óde ávaliar-se pelo Mappa nJ âí" afé'8/f que


apresentamos. ^f> .^^ííic^asisl^
(40) .^ i.^^^ ^ /j>

iM .
ifmí'"/ md\ H/íi-^ '^'°'it^ .nfiii;

IYfí As prostitutas em Lisboa,' cò mo irtís^Mli


r(éO)
iras cidades populosas da Europa, pelo seo cacaxílet
de inconstância e volubilidade, eslàiq çeínpfQnem
continuas mudanças de liu«s casas pUbJica^ KafT^
Uiltras ; mestíiô at aortas ae casas mndao freqjííf rUâs
vezes (ie seis cm sets mezcs do local de sua resiaen*
cia. Eu procurei fichar o mais oxaclo, que Tn«í R)i
possível, não só a existení ia destâ^ ca^ihs^^^íliêSÍ
nas difícienles mas
nos iVlappas dfeí:laradasí,'ífií|iàií
também o numero das pfostriulas, quç.liphfiiíÇOlif
,. . . ^. ^ ^.. .:_.:. ^..
^
rp<
asseverar, que eiii o 1.^ semestre de 1810 era ver-
dade existirem em iLílBaâ^Táli^os lugares indica-
dos, aquellas casas publicas dé prostituías com o
liumeco, que iias mesm^^ s,^^^dtíÇjÍflr§\)^^Q\>^eObiva-*
mente maior nmnero nao l^ig-AJ.^-filM. vque o referido;
podemos também aíTiançar nao so que havia pelo*
differenles pontos da cidade maior nuaiero dej4;asa»
JJiVblicas com prostitutas ,
porém fíK*^nio",^(^'í?e essaS
iauas , nos Mappas apontadas, a^l^íías tMfír?<WíÍi^
áj^Aas iT)ulheres doque ficâo notadasv:tííirtt)0)ílep(íp'
que cm Belen) liavião mais alguas ^ se be«»-^t]tre
||p)4<^a^ , casas public.is que havião tambemi liiiáfíé
;

^Jg%gs,^ ainda que ,f,arasá pela íj'egueíia da Ln^i^Qr',


j^fj^Rímpj^iíf decoradas com a capa da decéiKPib ^csg
cy>e^^i píUiiâo reportar ás da l." ordem ^ e*dtí (ffi^
j^9^Í^rioimeiile oUive a certeza : «ístas miiUietkíS iWtíí
«e pudera chamar entre tidoiíj^jiem prostiluta9'^€Ía^4
,. _r, ..;.-, g^^ptí^TI
^,:\^uQfíi^
.-.í:^.. .,,,{[ ^^íiaup^
^e .^m(íô. mo fornecidas cts< prostitutas ^h^
.j^J^eni^$y>,em Lisboa -^ IJc qua famílias são i^

^f^ifírJ^o grão d'instntcçào Sua idade ^ ç —


^^^mUmiojinal de seo officiq^ s ; Ui^^l aib

M«itos sSò os assitTÃf)to8;' e-BRàè^berain^


.
,

íeressantes, de que temos a tratar neste Capi^


lulo, êIJ es envolvem circumstancias muiatten»'
(liveií?, e.qna-jie não devem pmittir em hum
t§'aííulo clíi prostituição, Parent-Duchatelet dc-^
fiíenvDlvco jiteiíamentô este objecto a respeito
€^ípíro^titutas em Paris mas elle obteve da ,

Pl*èíei!Ura de Policia quantos esclarecimento^


è:5vigio para o apresentar, ejió$ nos achamos

isgJajjQ^ ,^4@ taes soccorros , fornecidos pelas


^(e^artijçbens pu^blicas, e somente limitados aos
firopríoâ tiubalhos e informaçoens, que pode-
,

ffi8s^bb.ter;'é segundo ellas diremos o q^ae^^s^^-

•»i97 ívTo 0Í8Í âL si'5'iín9e 'M o raa *íiip çiíSioveaeÈ

'^CDÍbnt csifígol ARTIfi)@fJl,míi ni^iiíáio


e
©bfib

JO moo íiBhJjiitoíq 'jL «iL'JÍldiiq eiSâfiQ êôHsopÊ « aob

__.jq íiívcíl yííp

|(ií8'?Wí^,^íí^í^ ^^ curioso, necessário :,e-»nf


1^'ifssíSJíi^èj ai^aber Q numero das prostitutas^
.QU^'.$ão(Jnatiiraes da cidade de Lisboa, o nume*
e P|j
f!
fnrjd oe .,}

tem a devassidão nem a desenf


noftj^jfflíklsíjiâo

Jtíl|tliiiLè dhsda3.*ordera, nem mesmo a publicidade


ça^ dia^íSii^; raas stio na realidade prostituías, por-
<|s*^ atbfeanqueiâo a lodos, que lhes pagão seos fa*
HftWs Malvez possamos chamar a éslas as —/ómmcs
ÍW

o ínmiero dás fóínéBfdyi "pelospaíXes e^ètrí-^-^^''


foi:' I>evéíiioà sabé?t ^
(?ué H(R itri nps'^rtrél
e^feaó'd^*<!íítts& ^Pfeéfetaé^ttre esta tíi

è sempre o será em quanto estas rti li lnòréé'íiây


forem obrigadas á matricula competente. Se^^el^
las ri^o fossem obrigadas a inscrever-kè ná'Ptè!»
feitura de Policia em Paris, como podéfí^^fliijí
chaíelet apresentar hum numero exàetòf-^asins^
criptas por espaço de 14 annos"? Ivllé' tfdnxju -'U ft

tíue neste espaço (desde 16 d'Abril de^lB^^TÍS^StS


30 d^Abril de 1830) se matricularão T2í7í(fí
das quaes 24 nao sabiao dè donde erã*o^-^SÍJ
erao Americanas, Africanas, è Asiáticas 4'SÍ —
èrao Europâas sendo o mh'Wr íi'úttÍ^^i^o Belgliáí
,

Siiissas, e Prnssianíè^ PS^^Ol %fâo da Frkfiâ


í^á; destas 4:744 erSó^ ao Í>ejpartamento do Sé-^
n^T e ty resto das provincia-B-.~ - - ^- 1

--Em quanto a Lisboa nãd podei^émos fixar


^

tão exactamente estas particularidades por raeio


de cifras; e só poderemos dizer ém'geirttl% qtiô
álgiaas das Expostas pd(}eràáignÒi^á¥'6 local "dS
sua naturalidade mas éllas de òVáinariò ""o^ti
,:,

tnnuem ao das rodas, >eni que4orao.Jaj^ç;^^ia^^^(^


que falba em infinitos casos ; eu sei tJe^JuiTQ
l^oncelho na Extremaduia, em cujáKrada-ssa
ífítP -èx^ôf muitas creanças perteneeirfe^Jçrjíyijí

tròs Concelhos , è^a' álgims déllés lÇn*iÇffb,Pís^


mais de bua vez sétèm verificá(|o','^V ff-.4íí*^^^
larga.distancia deitar creanças ei;n.rf^da^/^(f Jigo)>-
celhos mui difíerentes daquelles, em que â^QS
yiascôríío : consta-me ein Lisboa existir, algíias
destas Expostas eomo prostitutas. Nik>' me
,

consta existir aqiíi algiias destas mtrlh^és ô^


Americanas, Asiáticas, ou Africanas,^ èB iíèíá*
13^

.t^;yltim^§,iuio qqi^ermos comp,relieii(3ei; algíia&


pf^^.,,5V, niaijopa das quaes ^sçiô. nnacidas lio
íiaiáfo. putos pfírém ^ e, raraSf Vie^^o^ ^li costgL
,
' \.

ff)rn}ãtO exístímo aquji algíias prostitutas do


pfazil, e h~ia ou duas cie outros paizes da Ame^


ri^a do -Sul ^ hoje nenhí^ía existe, segundo ihq
(Ji^ejin, seaão hua pi^ outra, que YJndp em
çre^ncas ido Br^zil , ai^^do veio o Sr.JD. Joâi^
Xtr- feí^M^F^^^Í^y^- ^^ debocharão.
j,Q^eii|>WT|t^ ^'eino da Europa fornece abnndanr

ígip^t^l-ti^lípa, de pi-Qstitutas pelo decurso de ;

tcçtÍt>^c^.liemj).Oy que cíurou a campanha peninsu-

íiPB'-Çoií)^^^pp]eão^ nie constou haverem em Lia-

^Ç^ §Llg$^. J|rja^»Ç,ezas4. Iiiçl^za^, de h»as e ou-


t5ç^rT^çi^jb|[^.^^,.^ppj^§^ que daquellas,
aSi^-^^igntela&ihoj^ decisivamente não existe

^;|;
—— ^- < '

0í]í.jn;.7€7(| úi^h Ohl ."f 3" > ', Hí^


''^r'^^,fym^Mfmi bfefcoa uWi cetto ntimero de'^ros-
lUula5;jre;^0fo^í]iiai^fejqpt?^^iSÍío.filhas de pretos, e nas*
^idas elq^-iP-orJ^^j|ga})^^r;i^ -í^íjt» ^e^ sido trazidas das
çiosaas po^sé^^f;ea!j pçi ^^í)Ãta, d' Africa, e que eniLís-

vuon \AM' p I «^A i^ õ tj i^ciiv^ .'v^L>Mi rica «li kjij^ i <ja L/^v;in9^} v
fií?^a-«luí?o rapaiig^As ; Itíavla outras pretas coítí d
tk»ejnío na próxima rua das Madres j e dè
t)fl5<;io

yi^ejpte M^^r^a , -^^uí CQi.r>panhia de out^*as brancas*

.T>iií)Uem ,no fnn 4a rua doCapellão existia Ima casí^


©ulUiç^a » í^íe tinha liua ou duas pretas, e mais ha-
via i^*ontras casas lambem no principio da calçada ;

tfò''SaFiiré existia hua bâsa^ corft duas pretas prosli*


Ifiiââ e mesmo n'outros differentes pontos da ci-
;

dade.; e he de notar, que não encontramos tanta


^pteu^roKura nestas mulheres, como em al^uas outríís
^^^s brancas, que pu esiãp com elias ^ ou na ^uí|
^^èW^ÍWihmííà. ijo ,-ei}0ÍlGl3A . 8.Bn£arí3?tiA
cem a maior parte i^pi^òmfícÂk^^UmWm^ ^he
J»GrtiTgaaígr>tíorUtiítoiqtíâ&i>tô^«^b8<^|)í4^^
emLisWaíjfuKSgq (tó^cfiiadt8,i^ôtPtePpi:£MiM^g
,do reÍ330,'^ètda®^iUíab. fefítntiiaoiq ^ft oi^rnna
.

^íj Será maior o numerto í)dâ.^p*ôáti*ití^í> MMs


rúe Lisboa, ou das jírovincicis? Ttíéè^^os^^fe^á-
recimentos que pude obter meprovãó','^ (Jâè^o
,

numero das nàturaes de Lisboa he exíVeraâíA^l-


âe inferior ao das provincias. Em
Paris irèíAíÔs
í^í^ue não chega o a ^ as do departamento do 8'«-

UBa, em quanto são mais de | as dos outros^^^-


-|iartamentos. Em Jbilíboa existirão taiv^eifAiêl^QD
£& 1:000 destas mulfeé&$'ííifta4»^»'Jh%f^c^íiía
•jgpacte íBã© seja da cidad'^tei^>Êí#^rfiíÍÇí^^«í*èsfo
3Íie das provincias, e nSto^e^étífígtlÉíi^^qtíè ^gtta
DOutra proyincia do reirío #rileea a cid^e-^de
asnais prostitutas do que a da Estreniadm*á1^íe
sisfcô-djÊcisivamente pela sua prosiifti«clãâe^g'Êlâ-
.opitaji! JEu^ei qjíeíiqiu existem alga9ôrJ[a8'í^f
- inediaçoens^ do Lisbiji^ííèaâS^íiiutóíi^tiá^.^éie
.Santarém, íle AbraôtesqiíidlteflPBoma^/iíí^éíiIieí-
^tía^&c. ícc. O Alenitépirtâirilíemi3dápbí|M»gVá|i'-
ade coMingeutCj e o A)garVí|3âl^]^ &k B^frk,
-Vespecíiilmente de Coimbv^^^iáPtíPi^^Anftiíí^
çoens aqui concorrem muitaâtq éííâftjiwftr'^
Beira Baixa, Districto de Castello Branco &c.
Também de Traz-os-montes alguas ha porém ,

raras, eu conheço duas de Bragança. Do norte


da província do Minho ha mui poucas em Lis»
boa existem porém muitas do íorto. As pro-
,

víncias do Norte de Portugal , comp são Trazr


os-montes, Minho, e Beira Alta fornecem mais
de prostitutas a cidade do Porto, e Coimbra, ^
alguas praças militares, ou cidades aonde e^i^
)^m7

vem muitas iifeezesodessa^fjcidadôs


-^flíè^^ ellas
Q^QÍ^\iQ, aonde existepitjfí ehsq loi&m b rrisci

3g|)fríM,pi'ovii)cias etiviavão pârajLíliififcéaí^maiDr


numero de prostitutas, díxiquÊBèrão as iiatii-

3^fl^i de. Lisboa e seo termi!>'; -não temos docu-


«IÇh^^o algumi que isto nos indique; se porám
oe§g^. numero agora he muito maior, julgamos,
«f ^^l'j^r#ibtios muitos motivos haverem alguns
,

a^À^iO- ií^fljUèntes djesde 1807, quando se verifi-


.j^^i^cf^imeira invasão dos Francezes, feita
^jPJçlgbiÇf^eneral Juncwt;,íjftua>iSegunda em 1810
í^pi^Qríleneral Massencj-jac^jjMoccavsionárão mui-
J^i^: emigraçoeiís para, Jm^QM* Além disto toda
(^à^WW^T^l^ iffimv^^^'tBbi^\Q déo desfti <io»\í-
^y í^ jn.f(vim^eit0s adie vil^apas .am Portiigal ias
. ; ;*

sUíssç^Qens politicas .dísite' 1820 até hoje, que


^em motivado m uita^g m wdan ças d e diferentes
«i§Q>'Pfòs^do exercito para aquelie pontoai e
j^-leste

^j^rgE^isboa* tudo mio d^ve tei: dado bccasiqo


^o ^wgo^t^)dft'f>irGSèit|Jiiçâa em Lisboa; utó-
,^4n^eiateíHpí(JB^tídfeão8ídiífifôaçadores N/ 30,
-ii*>ftí ^ftlf^ítaF>!emi/^bratití[ávrfe que em Junho de
^i-^Mi Jpi i»?9!Qi:ladorír>^Q^her á Capital , me
^m^^^f^xm^va. QOflíifísigQí sete oiv oito n^utíier
^p%í4^tjBêJl^ pr&fiitjrn rííynooaa^ inpB «"'^oa
.í)3^ oonmH oííalafíJ í)b olohíaiQ ,bziê8 mloã

màioq \jsdi aeijgíd; gt^tnom-eo-seiT sb madrafiT:


ôiiofi oCI .B?fíBgj5'í8 ah ú^pdm:> us .^sifít
«Ríib
"8fJ mo asílifoq riim Bd oámM oh shaiioiq jsh
-oiq gA ,olio^ oh 8íi)íum mèioq ai^iáixo ^ ^ocf
-sfíiT ofjg-pmoD «ír.girho^í 9Í) etipM oL gispníT
8Í6m m909n*íol bííA «líaQ a ,odfiiM .asinom-ao,
$ .BidmioO a .0To3 oh ehBbko r ecíiíiíigoiq m
^1^9 ahíio£ 89bBbio uo .8dl6íiiim aBamq gfiugfe
ofja ..oà^JOe que famiMas procedemfo g^ía^f-í^
^6aíJi'fo'} cb 8í5bí.o^ioYe) ootfp^ físirrí^ti gBÍfgapef)

lifj íA' alguém parecerá indifferente ò entrat-s|


|iiçi i#^f»s ligação (la posição social das femilíaí;
çlíi-s- prostitutas, mas este íissumpto jiãô. ,s^xk
.

de simples íiuriosidade^ se &e att^nà^v] ^^çj^p


^lle seive pam resqi;\f<5ç ^ipai^ àe,U•^,q^Qfi^40
,

d'alta admiiiistra<çãOf, fazendo .ç,0iihiçc^'.^áj^\AU-


thoridades c-wí^pete^tes a.s. ;C}as^esr3da.^(^j^,ç^de
( no que toca á: pr^^titiiiçlp.) .SQjbm. íf^

devem ter tiua especial a tteBçãp.r^v^i ^-po^Vi-


çao desta questão nada sei ia, mais-^içip^e^-^^do
ique, sendo as prostitutas iiíscrjgt[aé .n^ppl^cl^
obriga-las a apresentarem a sua certidão dp
baptismo daqui sabçri^mos
; como se tem ,

feito na França, o nome dos pays, e das tes-


t^nmnbas , bem com© aSi^u^^^rc^s^oer^^^
por conSjÉtguinte sua posiçãQ sqçi||^^o^.ço^^^^
nada disto temos ^ e por tanto em cifras não
íios podemos fundar exactamen^. p^f^a.^í^eci^
são d:esta questão, e nos limitar<^q| ^pj^e^^tq
ao que temos observado, e ao qWe Vflogg(^^,è
^çm de perto as tem interrogado.^ "^ ^^ ^^.,

an^ Diz-se geralmente, que muitas pj(3íj^tj^jjita^


existem de gente elevada da socieçl^^^^ «Ç^tà
he menos verdade, do que hCja tal ^4^fPJÇ,^P;
nãp negamos porém que bua ou putr/i à^§ff^^
,

mulheres sejão pertencentes a, faniilií^^,^,jij'|^e


te^hão tido suâicifji^^é§-m,eÍ9^, de.sul^^Çfjgf^,
c além disto haa^bÇ^aPtSâjèçfto , tanto ellas
como suas famílias ; eu mesmo conheço alguas
Best^^^l^^^;^Mo^^ofM^ Vái^^^^^^^i^tf^
quentementé^'%^4fi^Mt)?a^!i'^.(Íli^ estas mulhe-
res, tanto as naturaes de Lisboa como as pro-
vincianas, sejão íilhas dá mais baixa classe da
sociedade, como iornaleiros, obreiros nos dif-
ferentes officios , e artes itiechanicas &c. , são
danuellas gentes pouco favorecidas da fortuna,
è'c[úé por isso ordinariamente néfncuidão da
çfllicação conveniente de suas filhas nem às ,

t^í^ino nsm lhes supprem as suas precisoens


,

áTran^lo chegjlo a certa idade: deste numero


sM^^^n^áíiir parte das mulheres publicas , ha
díftift^eíâ^èíWuínstancias oppostas se lance nà
^ftfeltíP^t^dévassidào nao ignoramos a bié-
,

f3í?&PaMig^Jè moderna a este resjeito mas ,

áfnPlifelfôíi^ e im tempo actual, he isto raris-


§i+ni£^teííffi|iiMt:^^ títQ consta não ha delias hua
ceiítes'^ifilà^?fii?r-i^o nos conduz ao seguinte

ii;>j 88* omoo


«gomfihgçfea i/jpsb ;ofnéíiiqBd
asi 8eb 9 .8(f5q aob'ômon o B;)fiB'iT bíi olbl ,

o^n .gfíili 8í loq s ;. 8om9t otarb sú)Bn


'^^^fe^a^^P estão hé^^írífií fácil de resolver, pelo
aSiím^ expéhdido. Gom Weito a ins-
fi^^!íí
íçã§'^èm Portugal sempre esteve muito pou-
co, ou nada, diffundida pelas classes baixa|i
flâ èòciedade, e mesmo o estudo das primeiras
fetiras não tocava a todas, é àlgtíns que âs ,

aprendião, ou ás deixavão completamente es*


capar, ou se limitavao a fazer, e mal^^^è 'èls
noffie, ou apouco mais; por isso afamilia áaê
pftstitutas são , além de pobies , ignoraBte^ ^
§jguas rangs exq^pço^U^^.í éfiofjioayf) 8Bíi9ííp^(J i

^^.y.Çí\\YO tanto i]i£§í^ps, d^íiu?]trívç,çp,0 €5$^^


das 'pro.st.Í4|iías^^,^ ijeqC^}feÇfiW^Í9í^ W^ ^^
podemos entrar; sem que se tratem a toda^dp
perto, o que he hoje iixipos;aiyel ; poder-se-hia
entretanto tirar algua ilJaçrio para avaliar o
seo gráo di^strucção , se jellas fo^ein ííiv^tri*
culadas, e com a sua firma se obrigassem ^
cumprir os regulamentos ;^ em tal caso podería-
mos pela escripta de seo nome avaluar sua ins*
trucçao, o que hoje nos não he possível, li-
niitando-nos a dizer em geral que as prostif
,

t^i^tas d^i 3.^* Qfdem nenhua sabe J^^^; ^agní esr


crever , salvo sigila rara excepção ; ^^, daj-^^f
ordem, como tiveifio i^^el^pfje^íj^^qti^^b^ |

ler e escrever qi\aÃÍ.tQtl^§;,ofMl9^.RÍ^jl4^íT<^§


2,^ ordem muito varia este assiy^ptOaj^ ^çfiçitii&r
simas sç euc,ontí'ào, que xicão sab§çç^j^^,^nH(Ç/p
je6cre.v^r,Q{S€^ nome, outras iuuj^t^f^gç i^zesi^
%iy^.^>íe;algua&perfeitamente;5g^cg||(^%se^]nes-
X^ ^^ ordem mulheres que s|i9p^ajites áa lei-
tura eu algâas conheçq^ ^yg ^9§RJjitervalIos
?;

í3^ exercício do sen o^çji/9pSç>|tpgÍíj^Q.34s.leitn.-


T^s amoropas, ou átóstorÍ5>, ^f^^l^fjaç^ií^Jbs-
ç^nas raríssimas se entretém ^.^IgupSji^^i^-q^i^
entendem a lingoa ívaiicoz^çi^j^^^ maj ebrA .

.^j.j Amania política tem-se apoderada ^^^xM^f


iugal ,dç todas as c}asses, desde 1820 atéilw^c^
e a ella não tem escapado alguas de^ita^.^pnise-
raveis debochadas, que se entretemi cojn.-a lei^
tura dalguns jornaes, e se deci{leipj.por[este
ou .por aquelle pajtido, que nos tem divi^^ii?
desde essa epocha^ seguindo ai:dinariau)jefl^te
«quelle, Q^^€i tem ^s indivíduos, que «jai^^jas
fi^u^t%,7 |^4tJíÉ9rítóQea}^Ppadamente ,..4LUQ
pequenas desordens erf^íè^^K^-^ #^jSà sáò^iíS

ábiíííite^.^ JTI9ÍB1Í 93 ôíjp


mexa /ífí-iJns aomobog

^ maa^B^nda aa saníl .Btra r rfíoo 9 gBrjámc!» .

jjhaboq oaso Ibí íxir? ç «^í^ifaraiilíjgai 80 'líiqfíiu^


'ani fiua ibíjíbvb ^maa ao? si) BJqhoigs BÍâq ^om

íl80'iq 8B oi/p" . Ifiiâ^ raa lasib s aocx-obnslrrà

éi+iyj qifô a ix^spéitd^^tíà ítl^fe ^ 'ett que iíá

e^íp^rís, mas ¥sâíf^]6V^8^tt^ fie (alve2


fat>íípfolon2ada. Em
fáVís^Râ^fí^Ô^rt tuias tíe
P2>sià âa 13 annos, e lamfêWÃ ^^ ha de
59J
èP 5!)yè duas chegarão neste oíHcío á idade
(íé'64'e65 armes; porém a idade, que ieni
á maior parle das prostitíiías nesta cidade
Ke entre 18 e 32 annos ; e o seo iriaxiinó'
tiíHnero he entre 21 e 29 : o mesmo se ve-
í^flca em Lisboa, se se "lhes pergunta, que
idade lem , nenhíja diz tèi^ tnérios deiOBÍi
J^^iiW^át ném mais de 2S^áié'29] e/nao
obs t a n te serem el a s ih írt to m eh liròsas, dò-
I

mo já dissemos, niio' sé afasfãó riittíiò tia


-^'^ -^'^^í
Terdade neste caso especial. '

Também o começo do seo officiò' t^^tif^


pela mesma idade em Lisboa do que eiif
,

Paris, o ordinário he (Começarem nesta ci-'


áâcfeí^áfesh^l^fí aáYioá^/^tes-haíías também da-
fii^íèm írfffiHfé^aétóWasii^itfâdes até 48^49]
idade niais ^ófdir|âHÍ4t, -^in r^^^o tí^i^í^ ^''íWH^t
res coiTieçao sua itbertiiiaift in^ ^^^L^:^ Jfí
antes desla idadt^, A^agávào <^ noiiq^p^l^fit^ç^i^
íIíkIo provocando os homens ao ,jJ:rt]^'çb^»
íMé que com a idade eni auijMi^^fii^Ofjigfo^^jp
#/Ug montar o numero das quc,|\ai?i^ívvjr)fj^^c^S
.^fiasas publicas: rio segundo^ .çt^ijjqtiítrgf^yíe
1840, existiao duas ou três jej^i ^f,i(^fffíiíOts
piiblicas da Travç,^sa da PíUl)a*i)iP(tí^#Qdg^
mv .passaria m«i to de 3 3 a^n^uos o jÇ) ,^ ,

iguí|l idade ou(ra na Rua das Salj^^(]t4{l^^


è;; ave consta que em outras parles ^{f,i^;>d^

G.ic|ade, -se encontrão destas desgj^^íÇíIttS/^


entregues ao abandono, mal educada^,j)ç^r
seos pays, que nao ti verão sobre ellas ©pre-
ciso cuidado, que lhes deviáo merecer. He
com cíTeito para latiiCífttaf ^^^'jí^iç.^sniora-
lisaçao, e o dó, que desafiao huns entes de
.ienra idade, entregMes<:4iJi|>ef(io(^gein , e
•áildevassidão, por máoa^sug-eito^^ rquenl^?
(fft^iMeatâo. He absolutamente neçqssajçio^
«q;imo Governo attenda a esta classe j^ífi Sp-
çiedades pois que muiío lucra a MQrí^lifíj/a
^audu Publica, em estabelecer os re^sfi^.!^-
^mentos policiaes sanitários das prosuíulas,
nos quaes deve estar lixada a idade , eiíj
que se lhes pode permiti ir oinscreyfiríeinTsa
xx>mo taès ; do que falíaremos em lugar
competente- ,íu - 6 rb ^^a ejaoinu^po
Temos poréroa xiotaf , íjqe-^st^ QÍÍkío
ída^^pciísAitMlas^figtft Lisboa nao .^tegA ^rrfi-

I
^iTí Parí:á , a^fide elií 1^31 ^b ^étímy^ò 562
f/í-òsíiíulas entre ajâictó)d^'ôâí<0>5O=Jfínrios;5
t:^»t^n(re a idnde de 50,- '6^65 a'nnC)« fc>e côrè
^aVfío 34: nós nâo observamos isto em Lis-
pnh excepto em algíías da 1.^ ordem 5 as
;

âa^.^ ordem, e especialmente asda 3.% em


pA^ssando a idade de 30 annos, poucos Ju-
eVbs adquirem pelo seo officiò. ede 50 an-
ftt)èf'*em diante nenhíia já delle usa , bem
Segura de que a ní~o procurarião. Exisliáo
^^as na Travessa da Palha com a idade de
^0 annos, e com igual idade híia na Rua
^o^s 'D curadores, e outra na Rua da Con-
f^feiçâD«,^^#éJd*as da 2.^ ordem ,^ e da 3.^ ne-
«riíi3it*ljef£Íèfeeoconhecimento; vemos pois,
fe^^sô^i^éís tJisW informados, que além de 30

^^5 r^ti Hõs^ a4>afídèn ao a j>rGS t it4i ç ao p u-


fi"^
i

J^Jicíl/"^^^^^^^ ^^'*í* ^íU5íjLr,,ndiG i.}£ coíi^eifois


-&-iqO tBÍ\^ 31002 Or.-^.Vg.Bíln OUp «S{il7| 8098
qB .neO-nyfll Oí5Í/9b íiSííi SUp ,0ÍJBÍ)fU3 08Í:>
'if>'^om< Jf^sttlfciíTò Ji7ial de seo qfftci&f^o aioD

sua sorte diffini-


fhii"*da^ proáttotásP^í^è^ífual
iíVà^i^Eàte resultado tiKimo da prostituição
"Ifty iftfei^^VariaveF, não pode fixar de
elie se
àiftdí^lidóo constante e uniforme evSles en^- :

1%*í4'lèi^feéraVeis, que tem passado asua adc^


ièôèíêhkJT^à;^ e o melhor tempo da suã vida,
fftí»meib de hua desenfreada libertinagem^
^tíéPckàa^ de deboches de toda a espécie ^
}^Pè os quaes tem lugar a embriaguez es-
pecialmente nas da 3^ ordem , tem geral-
píé^Ôtê tem -fim desgraçado. Híia grande
%à4

^4 My^l^Ráa Jfjpfib ofiTÍj9i 93 aeijglA albb

^Wlfelb-Jí^fSec^iiQrs:;! éídirè^mfiixseíDROoílíetíkíI

lhes .çioàí^eBínbfl/bi^baèi^as^frestíWítíQiis èíí[8l^í


orcjetn se nielíein vendedeiras de pelx^ pe^i
las yiiafe , oii tem aln^nns lií^ares^;:' B^Tíf^f^aííí
põem hum pe.]iieno eslabeJeciínérnl^^i4%^el)íS9
da^^túhliea de géneros de diâeiíétI(«fi^iÉÉ})e-»
ties, íie porém seniprecoíiáaíiiíttságrHgXJâilitarf

s%] i^^ivqtiíki^ qnirdíbi ih: àèmèm Ififá^iecasâims


p^$§af^ A^^storàQ^lsedaddiía^i^ooUiifigtiheipD sãfíi
gíias nestas circunstancias, entre eQt^^nkrâlia í

de Tras-os-Monles, que depois de ser pros-


liuua poralgiUáí^aíQáííJTâHiftdileo dona de
hua casa na Rua Nova dos Martvres no ,

Pa
Si

OizeiH , que- arguas se casão, eu nao le-


iiho conheci men (o de nenhum caso recente
desta espécie, misGâèlèSlãb me, que as-
sun se tem verificado, e eu nao ponho dii-
V ida aigi^;,l»Ò8t«q;(3áia èaxIosolíítií^pídJj^ptZbsl i-
!

tuição; cie alguns sei eu, que em Coimbra


Ti-imlJíos temp«sntfiÍKhí/!eá]B»4^tí^lÍcíâ3^

eíToUieíB íTjJL|>í poi^c-mítp íBav$dcié<àatlei^ a^ík^'


páí^m38&rctfp6Í1[^!aaík}BÇ\TEBA âioiqs ^^^qiuôfaa
g^Ê«i^])cenimaide$a9Ííi»erai)es$es^teB<})0ipfíe^
01
cjilenibvfLm VwiVersfihííle. IVhji(^(S íla9'pfoSÍ>
tbjMlas i9€! fiieUtíin,€roadâé^4e servir, tissíúí"^
pai* ias- casas de oulPc«íípA$átiiií(as , óomo
p^r^BiiOtrasv tanto na cidade, còmo TÓrá-
delia. Alguas se retirao daqui, e mais Óí:\^
te íHe^traty sabe, nem pòr isso qual sua %or-r
1e Ah ura» Vão para conventos de
algíías
Rj^Ugiosâs, o que he rnui raro, eú conhe-
ça' Im*-! a quem isto aconíeceo ha poucos
,

ten)jK)s. Outras ha que cercadas de misé-


rias e de fome, rotas e immundas, vão i^é-^
dirp,€S»iolas, até que hua enfermidade Jhéái^
ej(l4n^ae a vida em hum hospital. itj-orf ^

^rftwão útil seria se em Lisboa ekistifese^


bem organisada hua casa de Refugio, e de
Convertidas] Estou persuadido, que este
sefia o resultado final de muitas prostitía^^
(aife: temjagar competente trataremos désiô ;

iMlfilÍI9pl99 yUao .Jáí.íJ/ífiJtíiíUOiso áiiJc^a di^úi-


-áoiq i-*8fíb Eíoq-ib 3íjp çdJjíioM-ao-âtJiT í-)b
ob finob oafiiAíPiTlitOifiWJráiíi-ioq.i^JoJiJ
on ,831y]'ibM 8ob B7o>í BuH ^ã r>8K:> liúd

cBè^ãs, ^à\hsh^mo^^'m4èàdade r/rio?


im'anciu am pròsiimtas, —
Jjevem ter /mm
ÇQsisi7ne. € Imm distinctivo particular l

einooai ^h oíaoiniooiínoo oda


03113 ifiudn^n;
9Up çSfíi
26 <A]feTIGOc4ín ai-jaqgo ^J-ísb
,

-nb odnoq obíi u3 9 .obs:)fÍn97 moi 98 mrâ


^ i ) âcCif wslis prirnarias da prústtiuiçãòí'^ £b 1 ^j»

£id(Tiío ) txi^) oLip ue „ O.G ^iul

-ESôaseiDiJrfeífçe desse hura numere cíwg^t


tauleãy^i^aciâaa^ primarias da prostituição $3
s^\a ^mti/^tíbinvestigar bem , quaes efias^
etiloucpa^ ipie a AdmÍBÍstraçãopoze8se enl f
p:aii (^< pfii 0)1 suu^ con t^^aienles uiei os de as
10
m
^^Aiitl^uSfl^^^^? A*^ ordinário :^a^;ífc.#i^
'fiâi^^íí^iffiV^feSVrH o^Lisas^ que 4en|,íptel^

Ç^^4c^(j0^ varia(^aa tem ]jGi<}SÁt^Qf^

\§j^f}^9'J ^^^ S^ '^ ^ ^^ ás, mi^ \he re3. da-i cí=| p M^


5^s ;prí>^x^riçi:^s ,.,^i^,tíair;qfJaí\(|)c6$odftft
§!^ 3ft
p^quepã|vyiUj^^^i^Idê^s, ou ás cl<i^ipi|í^íÍ4^
po])uiosas. .BíuJír?to'K| 9 r,j89nofÍ8ob
^, .pode pQjérn fiegàr-^se,. qii© t^iTUjEf: das
lííàp
prupeiras causai,,, que mais cafí8li^í?(^^ii3f^««'
t^J^fjíi}^ n,4 prosii tui^ào. publi^a^, iíe^%,4j^)r*'

W^K^^^^^
espaço
í?s.tasi iifuliii.^res 4e4*^.Jiv,iri^

de,tl^W|>QíUiais<<»u,.mç!^9?
ÍSk^%^^

a libertina e devassa, seíiJij^u^iiíe^íli^fii^l^


algías relaçgens illicilas cojjj, qU(^j3qn^Ç)Ç^fJ>íi7
iueai , de inan.eira .quae^la fyii^^tiiJ'^^ ^M^
esquecimento ^^Sfj^i^^Sgipfi^pf rl%^ti^uiííe^y}^7
res, he a origí|^,^qn^^},q^ft5^apl^c5la(P^
titMição, a que as miUJifçf^s m4^\§^^9e^^o
p prd^nario sem^eslíVf^^íyt^lteÊíbl^^lib^
isto oque temos cdligido 4gf;je^<^l§>|Ç(^iq]i5^0f
lp?5 que nos foi possível Q^t^fiR^Jír^^e^^
assumpto^ mas esta.he^bgf,{5fjU§;>.3f^í%.^/í^
ral 5
ha infinitas especiaeS|)o(fti4a Pfl?*^^)^Qf
a reterir, j??.>fja'y jfí^ydnst or>-í raGaalnqov^
Húa das mais notáveis e.qqrí^^vufí§vRÍÍ9 .

^^^é.r>,gaAQs., que os seos amfinioí^Uí^j4?jru


féyp j jtjeífxoi^ cie seduzidas, co^n.. prcH«jes^,>s
g^4;^s,^n^e.n|9j j^.éjles as desbonrâ(> ^ ^^ ^Rê^^
i^|r,fí>ffM^4QP?ío y ^Jlas, então alwrií^eida^v^^*'"
;

iwf

PoWú {^4^óyiftuttíá*;^rfbe fccríiféssâo ser"e8ta\Í


càufeaí jiHii78rid <fè s\iàr'VldÇir'Ífevassa;. Mui-

c^à^ ^pôr*^ èteò^ amaht eè' para se occúltáreiíi


fílá^'cfdadbV^ Jícirá onde se retiráo, e ahi ais
ábkftdbnníòV seeuindo elias '
depois* a vida
deshonesta e prostituta. .

eB^Méíít^ reglmèTnlèÔs / qífé das províncias


ifèW'Ptim<iMúií phiW êtíiií\níàVem díflerenteâ
iVtíi'^§^'\^nt 'tóúWdài^g^rnénradò a prostif ui-
^feíV^ amorosas, con-
Ufeslàí^fcidkfte V* 'í^!a§aè^s
Í9^íÚ^^^h:í^^péy^h^nt; étn^qúe tem esla-^
€te'' è'^à^é^ i^i^i^fénlòfe^i^^òbrígâò' a mui las m u-

'

t^kríâ^iá^{P ((U^ê^FFè^^^^pyr-bufròs iiítlivi-


m<^ Wdai>i^&\ ^^IPs^^^enWpo' á prostitui- ^'
ção f)ut>Htííí°im^U^Wnííín''^Pà1' facto infinitos

OjS^gçlyj^èr^ííÇà ,=5'è'^'^to|b^tfe%o2á^ sérri 1^^'


b^lFk^i'^^àfâi(^yiáR>^VHÍid«<íe , a cubica dP
103^dy^*ítós^'^é\rifeké^i' i^^ certas mulhé-"*
yè^^h^^lfe^dfá^^átí k:(iHil8 grííò, como nin-'^
g^íèilí*deVèí'<$â\4â§ír,' especialmente á rés-*
jlékè-^idél Liyboave de outras cidades mui
populosas, Silo também causas, qUe' ç^uita'
tófluêrtl' fiaf^pfofetiturção pubfica ; estás cau-'
í%1^^sS^Hí1íò^òii\íò frequentes, cdmo se po^'
^Râ^i^A^^fcfòlligíFi^sé á s^d respeito elías foréní*
^/?ífé\i1tlâdá^;'|iorque todas 'eliasWq
déc^aí^^^íTõ^hi húm èn^1in6'dbs séóKiímántes

10 *
tem influído j^gfaQqE^^ioriiip^unijjBro -fifjs.préfl*
litulas em ÍA^bo%y hi^tí^^p^^^ ^^i?tsr^esh
peciaes a alguas d^l^i^jCJ^mo ^àq^^ Hí*Síe*r.
ria e a pobreza; rapai|>gas abandonaria íite
suas famílias, sem recursos, ^ííffliipes&oa®
de amisade, sem terem ató aopdíí|secrBdo4
jherem , se lahçào na prosUtui(^Oí^ríftlgí*aSí
decl ararão s^hifc^ta a
^gy^fbffiW^ ^^H<iJ3ras
çauisa^agl^sua vida devassa e escíindfib)sab
MttíJ,a|r.qreadas de servir das prí©VfiíccáoaV
Jgijgj^Sgljjjíi de casa porseos amos iadisiafeíj
í^mè^f^et^tn seguido esíavida d^^fthtaie^B
fiflitf^lÇfbf^''*^^^
*^^ con$iÇojífiffjiAeí.briaiofatfitó«i

ygfestrangeira pozera de noijt$i|f<5íiii^i|d«f>is«làl


ca^a hua creada , que á por^a- -d^fSíaíchíM
fando lamentava a sua sprta je^i9^it(lr9m)ndjEf>
se recolher áquqf}^^ J^pr^f^íiurçgij^ííPíiíei^ioii
a seduzio a ir c( in e^í|ifjgftí[a^a^:,í}Sli$Uft8É»f|
niilia, que ella íj^pjgíÇ^ ,^^^jft§ltt}ft'^ifli«
o
guem achou senão a^ís[ç^i|j>j^iVg^|jQ^itíqt»J5fiMl
seguinte dia a poz na rua^jj^i^iàitei^^ig^

C'íyyjBl;,8 viiq 3 8pbii£fn ^oe^ non aBbKiBqmfia-jb

nl^*^^ tr^lamenXo de hua madjíja^ ^.rf}Be'.deè

c^mc^A causa primeira de su^ vÂ^ai^rfojI^-S


tjiyij^ iJambem seiíotou, que a/gâ^Í©>fiiií}ft«i
i^B

peámos ^ ^í^feitf Íí6^^é9oS9'^ai^#g#ãâsJâ^


blicas de pr(MÚiíídM %^íM^^ífd«i$t,S;i^ é
^ „„„,^».„««, '^y^Ms - « ... ^^

i»tóter>^f^te)yááôe^â^í?fii1è^d'^ffl'WSTo^^
te«i»^^efl tifô ^e <^ílfel%7fí5o^^d^^|íecjuenás í
fe»bPtD!i? [ttií^èf sós , e por fim com a idade

« BíWulÇkSs escrintor^Y^W WtfrÃêVât


do^cdftbn^oít^ s^c^usas csp^MXeÍ"^ãNfáí1âg
tiiBqtoífc<Mftèií^ ein conaèq^tíWblFd^fôfffi^
áettisíbdíliô^f^d^ salários suffiòiéMs''^'p^^
a náí^ íisií^éh t%^Stò^; ftâ d d u vi cl a m òs , de q ui^
^

eiífto1c«&da^í4íhlife imperado em muitas mu^


lèf^^€fshi}'Si^^0i^fhm ia prostituição obtô^
r^il3cr»8]feoí>^u§íôMa^; nos esclarecimentos?
ipfcsiíífleitorfiPii^ôS^ ninguém me
apresen-*^
1aOTiíe&diQm«sân/'4ii«ís he indubitável a suàp
p«àsibÍ*idhd%8?^^»M8sfííò a possibilidade dí
«imne^kítêfícta.^fríiS^âíii^a causa, que tem
]@íiatÍop?ilie@â^'^Ãflíiílli^èá libertinagem são
0»iíe»dí:*^^^^ú^feÃt&'r e alimentar as fa-
tm\m^b fmtk^mi^^èoittx) filhas familias||
desamparadas por seos maridqs e pays,á(|ueÍ'-
kíT^cfeè l^èm entregado a ]iròstitúiçâo frara,
áu-^ien lai^ es tâs á u) es ma se tem entre ga dg
,

apoilhas para sustentar seos pays decrepitosí'


cfti ^nÍ0ttíi^\ è%efiè-irmao$ de menor idade;

áoliieema %teiíéW"fent regado mulheres para.


stíè<íent«a^ 8éo^'marJdos/impossibili(ados'^ttÍÉf
a*|fa«iíiirfi fetf^ pbr doença , ob por pris|i#/'^^ái
U^mMm&miehsL\\áo eha entrenós cfê^i*
- 1 m
4KI

^em e ii a -; g^nnst le^


prts)Éki ^ i doi e^ t ©s < m a le Si ; 1

^py> recentes idesXa ojdem, ape«arnílc| Kirosi


^osíHafi na mérito muitas mulheres que js^
I
,

.çntrjBg-aoiátaipríiçíiiuiçao .pubJica era conísHf


quencia dehua inclinação proprifl ,^(1^ bii^ ^

potável falia de vergonha; estes casos in-


fillzmente sáo raros^; á^péJBíír^isto apparecenj
de quando em quando Messalinas (4^2), cu-
jas, torpezas senaa podem €xji*l>ÍDar seiiiío
pela acção de hua doença mental , que muif
Xq d ey e d m n u r a s u a culpa b V\ tja de^^^Te
i i i i

4i*iií be m m u tos aí tr b ui do ao g^'aqíl ^ \ nteijc^


i i

fsx^ío da ciy iJisaç^®^ q incremeiYlo. jda.iJ5ro8^


^f^m çao n ófiTo mo p<DideH) osi^a oisiniã e/a d nd ijt
: I

^\§ <í|uando nosTeconda 111 oô qu^ ifòra' 8e*>ií>


, ,

í|>re grande o estado da prostitua íçíl^-^mlFW^

MJ^^L^m io$|oâ.Qs ieu4|K&â i iatlendi^ndoi j»tój|l

Qjs í a i na -í» Í3 r, i^ s ííi 9u p bd ^ - ^ íúj í ; f


'^ i I or j íí aer^ J

^«^g cujos umaQsjjiiQy^ip ^êU)li$iínf4^síne4ilfe'i»tHftií


'Ç"j^í ^ esfarrapado enxergão, se ia /Vf(^'M(jf/iiMJÇ.e»^
tregar á «l^Áv^torf^e p^^yi,tyÍQ^o^:,^.^,W^^p
luxuria. E&t a muTlipr depois, de. tçr cscolhidív,;ç*
t^umplires de sno lubricidarje enlre as áessoas^ de
Maóidem elev..da , csfíí^pMPrizV'^àiÍféieft'á^ão?
5jie do so^nmo do imbecil- Cíatidiò , ^'^é%rfQyÁti\^â-^^
^urlivarrjente de sua cama, cobria^se^is oaKeUte pi^
]
tos (om hum to»jcado louro, em^leruçi t|a:prasí3í.uií) ;

jâo ella «^mbrulliada eui hua eapa á,e {\^\.e^ e^f^o^


; |

panhada de*hua escrava, se inLroduzia nppco'«H,da


pmêtituiçao; 'aiii com o nome da meretriz ív^^WfGU
a garg-hifta' céròada^de rçdes déòurd , 'l^rívb?
è' cíyin

cava as carie iti* de fr^Kios ostpie se oífereè^Ro^^áf^íf


primeiras AÍ6laffií ^Ml^^bastltír.— 0bra^^ilí^tííJ4t -
1^1

jT»kes í, » ie «D fHpDBegtt^ttW Hfí íK/ã^o résià' « mm; Se©


oí)íiiKfco> l . S e ffee d*Fií •, ^ iq jte ir> cilt liii siâ^efío cxíítí^
J

coríie» f»i)ran«4q*, aríítefe»isédláv>èrá kièzet^; que


B8 ta D qi y ilisatílío' soffétiaore r^mndlE^ Vedilrsos
' <
i

\mv^ a cTOiserva^íto da; boííitn^ne da pmtirCí^


dM MirludespjOiq or.aenílaní líuri ^ih íVrinaiip
-III aoiíiiD ft^ik> ;T>fínogi íY '^b bí\hí Í9Ví,)orí

-UD .(S;'i^) 8Bni'.r>?í83M obíu^iJp ÍÍ19 <>b<iB0p "^ih

o^mesmdaá^ da toleranciú das pro^stitníás.

nij^flád^^cjnfc frn^ èrilrar


aiijiiiinaUfpieelaí» éàrneòessid^idé da tolérart-
fà a c| as ijp rosiitti í^sí^í poirq ue à actual egfi á-
í 1

UQa(i>tasr;c©nseiiájegf)fíC9Írit«í íse^^v do Codijxo


AjíbfiÍBUíira>tij«o, ArtiíihD1))3§í- 6 com tudo cot-
;

<f|)(5^1hro«9ifc »haairt>^pot}tdj, que tanto tem svdp


^udíiiiohadb i9fóHio8<eopí;tií)8'tÉHtipos actua:eâ*;
apezar da sua tolerância am todas as Na-
Çôèris poti c uTâTTs^TíF^iré m"seja"^^
çqn^fvníVí 3f?^Mí^í U>l.erfOiRf'ki*r jidgamoá con-
>ienie«t©f!lO)C^ur ainJi^ g'i|T& «de passagem xí&á'

^i^ puhíicà^ m fiifííf^es^pécUciVrb^tefriyet


^oÇ^^^^ftAlRso,_qg^^./^Pjiij ,em todos os íçm-
BÇ-^^cTí^ypWÀtlp p^ife^Wílf>í^a sociedade, que
t^<\^ 48J!d(>í ca 50rigfí;ilí<^ d^p in finitas d esord c n s
,

dej^andes «rimes, de extraordinários des'*


gosfos, e de muitas outras calamidades, fe
átie fii;íálmente em
todàb às Náçoéns cqlíaè
tráiz élÍa'^èmnre comsig"o o ferrete da iafa?

^JjÇt^^^e^qHQ en[í alguas tem ellasido eííicaz-!?


íft^ateupi^^hiibijda cora fíerlás mais ou menog i

rigorosas. Mas sem recorrer a outros afgu*^


itbr^liobiBsíW^fíOflqiaí^.Qb^i^pyâaios a^lal má-
•jímíondiaaflíí fOi«^náÈgo$ tcjinpogírtlé hoJB)l';(fim
|

biçíio das prosliluía^ terão eiles consegui-


?

íJoTo ííin principal , a que se^r o p u nTTao rh e


êpii^áív èi ,^'qmí^^ais^i tf)^ aéon tetjesse •; ^ni ais? ^t^iif-

.pyr ;í$á(3^imf^i|^^ ^Í^a]dp<]|U€^ioaN^MJ4í ise peiy


4é«4iâ» >r©fip©dím^ fi poU^^i^ ftids> ( ál ueíj 'ifiv e«b-
: !

Jeni podida, co9sygyk^.^^«^l^^i^,(|fâi^4^^

ôi^sAi$M*eslU^içíffi)§fíUib!ic.1if.ibâiíú^
terrível, qiie a moral reprova,»^q«í0iia^reíit^

•ò

iul)ida)ííY|Uaml<9Í>fôff:cfM>ssrÍAe<^8/)i^<iia>rf^^r)^>itQSif)^

•líinfi 98 = .6ííqiluÍ4 êob «i5)^nlni iíB'n^1oiv ta anp

tralorido dó mesmo assumpto disstMiio? , c(iia^o'WIo>

in)iii4)il11íiIo$ri^{p>,tqwèi«Qle«^aUia«^o ('ebeíDiftnmrtr(hí0

zas bUmanajLydasitlolarayiieaiéuai&ipercbaflu iò&iiaot^^


I ^4ÍÍ3

•%f»e ia tpolèora <^."i9§iev0r^ ra^H^ciessidíideí dá

ôíl *! oièriíiwqoiq 98 sim 6 ^ lr»qi!)riri(] íiisHíoI?

<?e tal loTerançia.^ e, attPcleorírani*>ar eiluoeiccimct

<iíí#4'>':^)ml;ràfío8;'Wh4(i<í;tt?nd*§fÍid^flep

Mi^ vmí» fe./ lA tâlomi^^íi^ og^l a: FiiRiifeeçfl<»t»wlrTé^íi^^


»

la ornem , «ueijlíis necesiiarios da (fettriuaçao tíq»

extrema eW^t^o^i *^^^í»^^^"*^^^^^^ ft^ctól^A


« ò^i^ftl (j^#<e nAlÀíi iftÀa4^'9 úit Uf gt«ié0^f li^ás j ^^^
i

o qjjé lia a, optar no sesfiiihle q^íadro -r- ^e Ov ara«

m f.ie; •titíí^íW^Tiaím^ JMèrí«±f Bel^'i.n§^í^^

ãS(Jí a|jíta(<íJPít€9tiaW|d()^òodi8;?<Ve^giw^arí rfaí: h^uabidfli^

j^lexanare. qué as destrui o. =^0.6 Bgrona. iie qflaf*

dôcei intricas das Lays sâo míp^N piEr^^írlfí^í^í^iiíd


qne as viotentas intrigas dos Pliilipes. Se final* =
ccWo-íar)):) çfOiHf>88)b oiqniíj$«f> oníèorn òb obnotsií
^éJfitís' sâo í<)g qsttesltós, nqiFflf 'fprtípoôm Imm dbsf
Qvtí» hrcid^itofi hVmítaija c d»' FrtitiíÇfl, qii^ o PhiJogo*^
pbotjfi^ o«'PlíitláiU><<spOí.p©deiiá'jre8ober;í Qsae «oiii)^
c^^eiftóà iiâirJie3mUái:igH>âf^9aa>it»lofiniâp^aâaiijd d6&
'

tareãy quie^jetíaB oftoltó^^âo necessária» , ifiaí


a^éKinseparabeksí^^^s gramles ckUdes,'a©ri-
úíÁ hagrafi*deopf>p«lafçàjo he npsfce caso bíiíi
;

enfernridade i ngieiii ta a prostitui çao , con- :

tra á qual todos Gs remédios tom falhado;


H« esta hfi a proposição de eterna verdade,
a observação de híla infinita serie de factos
ô tem demonstrado ; notemos rapidamente
alguns. .. is/r-.is ij » ,

O que resultou das exeomuhhoeflg dos


Patriarchas contra as prostitutas, no tempo
<ie Moyses l o que aconteceo apesar diis ^tnea-
çai^ do ódio do povo contra ella^v © das
lerriveis penas, que deviào soffrer. depois da
morte ? ellas existÍFão sempre^ eaté seíuul-
tiplicárão. Q que aconteceo no terp;p€> de
Carlos Magno (alguns secujos depois da era
cferjstan)^^que mandóiVíexdqrníMiíireèodas as
prostitutas, e casliga4a8oaeperamentG , se -

voltassem ao reino ?í eilas no¥a«jente vc^tá*


rão formando hum corpo, que foi impossi-
V(íl destruir. O q«e acontece© ^.liUíá o
Grande , que quiz seguir, a ates«| a «marchai
ver a inutilidade da^uaiparbène<ãa,«eKh3go
delia desistir, limita^ndofse a assigBar*ihes
hum lugar, em que de vi ao reskltr «líai Pa-
ris com severas penas se mudassem delle. 4
O que aconteceo ao Senado de Veneza^ '
quando banio das terras da Republica as
pirostitutas ? elle vio males' extra acdintfrnfe
resultantes desta medida ^ e )3or i^o lhes
assignou hum lugar especial para a sna ha-
bitação. O què aconteceo a Xisto ô.^, íípe-jj
sar de toda asuasoberba eorgulhp, quíW|4j
djo pertendeoc exie|inia*r as 4aa5fi<jtataaJ
^
i e

,^fíliX)<fth i v>ez y |)tilos i»[ailès(|er[ODàfiieis ^ a^ só-»

Iw^af it; iw) . iftQSi fpo V í*s dtí .seiíj^i Estadusji #© i d^


qij^ ftíijo^o con^pletn mente sabedor^ r r.ii

/ihjftins para que buscar alheias faclosví


ibl^jjqam feuipo foi possível ;í Iníendefícia
GjfrrâÀidhiRdiGia, aj>esíir de í<)do o i>eo poi-
der, »»u mesmo ao Governo noslemfTOS mais
^oHi^íís a f?Ha, extreminar as prostituías d^
J;»<ij^íltiSiÍ^nuiiiCa eilas mais ou menos perse^
;

gíW (htS5 jBj banidas ^ ou vollavão depoi« , ou


Ti

l&W liajs ^ ppa f e c iâos. S&o is o fa^ los , de qu


>

e a que senão rea4


lfeÍP4ÇÚfijDí)pájtòííkiMldaji\
pj^ijid©^ èsria ipoisMtiá déscobzii* bovos níteuift
ító$c^íple4 o. rxtermi nioí^sem males resul<á|iiíl
oSi(^)
(^te,FÍ»a8tq uáes serào elles ? e^u nàio
oheçDÍJose fosse possivelpirohibir nas popUí#
lmsí% cidades a prosíituicão publica (semv0^
r-ifiCodeiHiaèôi^esmâtós^ fuc-se-hia humgiraíi*'
^k ^ejivàco^á crvtp-a J íp]iibl3 oa o á sa udeijl oe:.!
o De dij Bros 3a rgQai*en tos a qu nos pod er iía>^^ i

itl€>á^eTívir^ porém nos reservamos para quâai


dO; tiialar mos do cel ha to, como meio influenf-^
i

tfonía^f)Popairaçào áo virus vai^r^ú ^í^^iUQjO^


tica!tkim^(8 4b, contirwjngÍ£\*^ m9^^'íi.^íjl tiwã
.sllsb niaafínbliffi 98 ^f,li^q 8£%9va8 moD 8if
^fiSonaV sb g^RTIGQ át?o3)no3Ê sop O
Bfí noiIdííqr>H fib gívn3i ?£b oinr,d obn^ap
l^t^amii ^atpi^adihdm ier hum èosOtmeií^o-ei.

r»<|Fem muitos pensado, desde os mais aiikí


ti|^ tempos até hoje, que amoral pubbca^
JftUito interessava j em que as prostitutas
XÒS

eHii«í!S(32pbEe$8^m aía«e«es&idadetd^ aiípú^i


rnnf /f^$.e© iíBêi^lttro ^ '*<^ debacf^tidw» oíèdòU
Eiiin»t|itoáiNía(eoen« esta pratica tqrashctte
adíiíilÍiiiia$rr«:je)s1:es^)eos;fcumeíi tem sidaopd
dçj^ díifer pelas èe/yte ^ mas em verd<tde élleiic

ii8o<tet« |COjjlribittido para a diminuiç^fiyoií


muito menos para(ÀLÇXtií2cçâo daprtKâtjiô
tiiis^o^o;|ÍJrtB eo oU-
8ír,ííi jííuri i fií^

^E Miákr/g&cjiBBO^ti^m)» priíiaeí^^
á{iiÇl(p|te3iâimi(OlcilA4diráas a si]ape3]âh9ittás<inq
ÍSÃ4^<^> OQltr» pte|'ERanplosI. .%Hte9(fcccttfláfò
v«w^^j^enidíí4Jdoítf«rr'«mííraq| e^as snoaâfííiep
dori^Í0ÍiigQ\púnii&>fif(gj^{xiot& éfflefeeiâoIááíj)p6i
meiraat) Vjiista«)idQmsí|Bie)fdiegeTfiba»Ea«fíp In^
Pp^m: 8 áan) beoiffieíssesíte i^píup ara© » a§ CdrK)
t^Síiri^èd»] A^lWoa)8J5>ia^igad£Mi lâ^'Ú&asBTd\esè^
ty^ss^rdôdosíldeiífomtjíibA r, omiHa oIodsã
«-•jQ^arftíiligôJÍBuiçma è?rãcr, afi{á)Qi>etí^izb8 '^^
tu^^í#;J)í^^|i'jc^OTtírfAíturrica^ude qaeiellas HBá^ai
Tgo, só*deÍ55QÍft| aan^iai^ftxa^ [«! fquíamip^ nviH^i
to.até ao J0$àBio^aaiilas^H9juítereg honaáiam
erao mais compridas, edesciãoTàÍé5tas.ij[íéwi
Huílf Sefth0r>a|v'^'í^flda^fl litçchonesía^ nm^i ({ue
mo^rsjsi^'^ (imi U) deseixx baraço tioc an^iripiea
hu^m ^r ide c^rleaan , era injuriadd>[»fci fiMli
vo/e náo tinha direito a quaLxar-sa íla-lat--
JBJuria (44). A toga fui nos primeiros fóíh-
pos commum aosdous sexos, mds nos téirt^^

.a(*i) líosin. AíUiq. ílomw,C<^.iJ.3Mp.rW|8,


=
!

é49 é60; ÇqL


, 1.1. pag. 44:j Bu!angcr, OpcÈic*lj
d« Theatro, liv. 1.* pag. 320. I. B. ,XOÍ .^«^
I ut
pcf^ p9sriidrií)rtoífe(fob«b od^áèí^aitBíí fiara^selribl

efí^pâ^Mq ^>fiarfipafefíroárií«ic(aB^cÉ£ÍjiimiÍE{i?

^lér ta pDnaiiiJLntq, isésos vesCiíièDBl cto peisscmá


í

h^ooisbà^ i89!liio feschncios: desde^^Fnia£âtiélabiiií&


x<^jídaihtera íinbao eilasávu>ind«Jijqa«tó
técular í^ o e erao bieiív cohlicfèiiláS^íjior iés</etf
e«ifeiiqs:'da cabeça. (46) v""^?"' oonfí^; -ihum.
Na França desde os mais antigos íeni^t
p^i k^MiâoiKegukn^&iitoi»^ <]ue ojbrigaviío as
l)|]!9slit*Has& a^ííEaxefí àmtt^ltóin€tivoí]tíMJ^tP^i
<Mèlf«4^oieft(ádíf>. laoi^; ii5W jwdo aífino dô^fâM,^
(jUfe^senaeBía praDlma-^iíiiviltidá desd^ éYí-' ;

t*iQfptá;liôizs3ÊlB KSanl|*)uve século algum,


em q^^rse^úàw^úxií^mfem três ou c^úiftP^
ordék%n(p^yj ^fiapasííjim^âsrprostittítas lives-
seaavhtQBBdJs^i rMíBB§{pàin?«oWi;A pdpéííi na
século ultimo a Adtfikitólraiiâkphãb^ipÔz èm^
\4^ér ^algtaáooecsfefn. tokèà êGBfxUii&^lbiLim per-
smiààdnijà^^uq t)^êmbiíAliUtÀ\èáWikí) âftez^r do
se£a?fíeeber©upaí)u^ak2UiiAiií;r«ífôofiif4íc^là^^^^^^^^

nK«afemroíò^wt^UíSi,8^ei*d^éáiè«i ruseáPda^^
^wm oín^
Híaèi[itíET)aB.^47<)BÍ03sb9 ^gcbiíqfíio^
Qis^itíma líi^^nnsdafut^^iliiBnvi^a^íidâ^éH
»drcbtâl^flasoteyí^«$teJgsíí3i^ a£$ ífii0r^44ei^<tfn
ti^s|cré^dàbáéa0Íebiígi0aei»«m¥M^iilâhe»f pàM
;,|r.,t i^th f)P.-ifiyi^np f. otífnih fídnit.oAo f» „p^

•^iíè^^j^Off-gldríi ^^ pac:.4.'J4;. -ufííííioo aoq


(46) JVl. Sabaiur —H
st. de la legialalion des
^'" ~''~* '

feimTr<is pnhfteTrcTiScc"rjf)ag. 55.

TÍ%o&c^q pílfifiFhlí3ffF::i-^u^»aelW -i^^Bruí^^s^-í^


pag. 107. M ã .0S€ .^aq M JfXÍ .oMsariT ^k
^

qtie ôs procur^<k)i^ès rias C-itf^s »d' KK rt*<4*itt *

1399 pedirãb, que' e^sa U^j^f^íss»:? «òTaitií^ifô


p<:>s!n em vigor^ porém KiKfi o St^^ulior i)r
Pedro L nâo quiz armuir a c-t^ pi^óUot^
doè [vrocuradores do povb;' e otíleíioií ^ r^nèí
as merclrizes usas&elírdos veif(fíd^>te,t^fcj(t(^ f^^'
dessem. Nos diíierentea léuipi/à ^fti|í#èí ''tí^'fe<i
j

sempre foi per iinttid<>á^prbs fiei Jf^i>'Alít^ai^%^'


Zerenv disíifictivo partictiiardiB^-^è^ íí^t^poêftíi i

referida, o q^ié até 'hoje se l^ní>ví>¥ííiír'¥tlrfi'


Sem que mesmo as leys o ordêtíri^ísM:4ft^^'
as prostituías líão teuí tendência aadmitiir
liurn costume] e ritiirí l3sb-part]i'áiar em seos'
vestidos; além das suas maneiras, e modo'
especial de .-ft^í^iar, ^m3 Aicilínènte he reco-
lihecido por quem leni experiência ile ás
ier e observar'; iLllat^te$têlíi èfoMti 'ái Se-
ííhbra^ liòhe^làs'. Mè áí^aá^' fconh mais éW^rírí^:
cia, W^cÔfrí ^tiáttò*^lti3èòt 'deÊftfdfee1l^n^(reí'jpc^^
'

éllas saô fògó usadas às^Tiod^aè^iPc(^/ií?è7Íáè§y


que as Senhotás^ PoTr^ag ué^ás ói*tfrn^iftfttewfc'
86*
te admitlem ern seos veslidos.l í^r.rísgoiií
^^'^^ííò^b^m éb^io^ %s' nioO^osrqti^dfeHk
f^^o''W^epttíi' ar ò^ dístirícifvès^pavt1(?tfla'fé4'
dfis p<-yátitu(as; alónl^^de qiiè«ètíés^rio3fidi¥^'
féi^ehles tempos,^ e^m qualquer N'aç3Í^;é^n-
qbe f(/rílo' ordenados , sempre íHhtl^o èWtt^.
ellas e orig iufífSÒ hiiaVs-
a cont^ternacào.,
pecie de revolução: ta^s si^iraes as fariao
reparàvéiir; e escarnecid^is de q^uhèi '(bdà a
pojnila^ÇcféO è"í?i1Ú9 serí Ao'%B^àUa^ ft ^líuí^
lar-se ; e Wgàira j^i-^tif^çâo clandestiâB ,
105

©•^f ôrisso
«€«> fiscaíisaçlbO^olteioJ safliíaria;}
iklèm de que se iria éom isto iwfetitap^bís ^li*^

^"iires pubiicos conif ^ig^R^ies amhuláiltés^tlí*


>icio, e inoslrar á adolcscencicvtimida, e
ilieaulas fycssofts desta cktise-; quando (ai
gente deve sempre usar de vestido» horveM
tOfe, e que atrcíi<^d o menos possui ve f as^íit»»!
teneoens dos outros, e q-u^ se faí^ão Mé
desconhecidas das famílias decentes. Entre
nós he justo dizer , que ordinariamente as
proíríitutas da l."" e 2.* ordem, quando vâto
pa&sear, ellas não mostrão pelos seos tra*
ge^ seo indigno ofíicio, ellas aflTeclão híia
líeceilci^a e honestidade imprópria de seus
^teboches. mé<mi sup ínt)<ri
líiumim *r^.^)^
i,.
- -eunijgoiq 8í^
8a'i>5 iTi') liSEB^^ii^O SEGíJPíPAiíf,í03 ííiuíí

d'bofji 3 ^àHV^^nr.tii :'h mò\r* 8obíjf'.é'í'


:

8-b oh BÍongiiíjqz^j ai^^iip i oq obfóoíhi'


^

p TjFajtaBdo dájprostiluiçãé na cidade de


Isisboía., ou de eonsideracoens hvgieíàicas
^ administrativas sobre prostitutas em ai-
tencao á Moral, e á Saúde Publica, nfío
]}odenios deixar- de faliar nos males, que
as mesmas prostitutas (eiií causado assim ^
Publica como á Saúde , eapre«en*
J)fjq>í[;al

l^l^iça meios não só de prevemr^ jivas de


í^urai: estes males. Nao podemos-duyidari^

j^p, que a prosliluição he hum terrivel \e*


ft^jUo, das Sociedades, que infecta a MoraJ:^

4me:afescanda]isa , e que mortalmente^ fér


$§;,. se se não encadêa , e se se nao iimitap
^os progressos, e marcha publica: na an^
il^cedente Secção, tratando das prostitutas^-
tvçátwos em alguns desteí^;ci>j^^ii9j »f^pf|r
16&

scn(c Secção maio pnrlicularmenle tratare-


mos cios inales , que á Sociedade causâo as
prostitutas^ e dos meios de os remediar « e
prevenir.
Estes inales sâo as enfermidades, que
es(as mulheres publicas propagao, he o J^i^
riis Venéreo^ este terrivel veneno, que com
tanta frequência se iransmííte pelo coito im*
puro ; nào podemos pois deixar de tratar d©
taes enfern>idades tratando das prostitutas,
nâo só para que eslas sejao curadas, mas
também para que aquellas se previnao quan-
to |K}SSÍvel for.Dividiremos pois esta Sec-
ção em três Capítulos, no 1.** trataremos
da parte histórica do Virus f^eiiereo, de sua
contagiabilidade, e dos males, que elle cau-
sa ás presentes, e vai causar ás futuras ge-
raç(»ens ; no 2." exporemos os meios, que
leni hja poderosa influencia no incremento,
e propagai^ào deste contagio e finalmento
;

no 3.® apresentaremos os meios, que jufga-


mos capazes de diminuir a sua propagação^
e até de concorrer para a sua extincçâo.

CAPITULO L
Par'r histórica —
sua contagiahilidade -^
males causados às presentes e futurai gC'^
raçoens.
ARTIGO 1.^

Parte histórica do Firus Veuereo»

Aexistência do Vtrxts Venéreo, seguo*


do alguns escriptores, data do tempo da
chegada á Europa da expedição de Chns-
criptores apreseiilao a r^^ii mentos em ^^^Erv^waiis
íèPJf*í^\cto^S|Éte seí^nem. He itinegavel, qiiéâcora.
ai"'^^hj§g^i\ 4oâ ColombÍ8Ías a Nápoles (jm^^
ijiÍj^4ft|d'2-Qaí^<^^ 8.'' a molesíia veneréá íW
em>íi|5^í^sos estragos, e rápida mente sepropa-i;
g^u a ioda a Europa; muitos asseverarão^
f|i|§, lura entào ])e]í\ primeira .v;fí7-,. que í?»taar

i|ipteslias ap parecerão no ean^inente KuriE>peOi^


a^C|iií;' era ojigiria.ria das iRclias Oí^cidenlaie^,'

dftí^ede tora iniporíada utlNapofes-iíe^jdaqui^


i|iâis píiríicnlar men le á França porque os.
,

t^iancezes vicíoriofcios e , senhores do reino de


^apoies se misl urárào ,
in considerada iiienlts,
Gí;»jíi Napolitanos <jue qu^si todos estavacr
o^. ,

ililectaclus deste mal de maneira,: que a bar-


:

l^ra conquisUi do Novo Mundo e aori^efn: ,

(ig^.jLa mojestia (em a mesma data seg-und»»^


.

lítiútos eseriptor<^íâ ^..> èiifiut* . ^r^i

..,. Ki)treran.í(}.íí«ijabíiÍF3»íiè«s3é])re Ivledico Vom


tnguQz ^8atiiíákie3BJuesKiiir»Jíec|ckif'iiua c^axjaa \^an,^
dermonde, que a moléstia vené-
faz-lhe ver,
rea era j,í coublcBalUíTMailSI alguns anrios
antes que Christovão Colombo passasse á

q^lU^^'^»s tójmí»r«J^edieRsà>8^^i<!|^:fe tiljei^sse


observiío, forao descriptas, e bem coiri^^èdas
dos Médicos. mMolitíileí ^a^í^r^^e rida época ;
e também não pode duvidai- e, de que sécu-
los anéestíító^ppareòimenio dos Cofetmaílistas
na Itália existiao severos regulamentos p<ara
a«i^G!$ti(ut-a» nílo 8r> e:i' cnr.nto^-éit^or^l^ias
eflbq4iííjjàto, x.y-u;le. [1> esíe bum^ríaKíía^iíifel^lt
tendem existir já na Europa o Niriis ^ene-
reo ^ e que não íôra originariamente iinpor-
lado da America. He innegavel que estes ,

regulamentos provâo a necessidade, que ha-


via de serem a elles sugeitas as prostitutas ;

e no Regulamento de Joanna 1.^ Rainha das


duas Sicilias se ordena serem ellas visitadas
-pelos Cirurgioens, para se curarem, e não
deverem communicar as suas enfermidades,
íilhas da prostiiuição (48).
Hum dos- estatutos do antigo código pe-
nal d'Inglaterra que Becket conservou nas
,

Transacçoens Philosophicas ^ falia destas mo-


léstias como também o regulamento de 1430,
;

que se achava fio afchivo do Bispo de Winches-


ter condemna as donas de casa, que derem
,

asylo a mulhores publicas com este mal abo-


ininavel (malum nefandwinj.
De donde conclui mos, que o presente pon-
to histórico parece não estar inteiramente re-
solvido, e ser ainda hum tanto obscuro eu ;

porém não julgo, que a sua solução seja indis-

(48) Na obra de Mr. Sabalier ,


jd cilada vem
pjHle rocju lamento por inteiro: elle diz a pao^. 99.
— :
'' Em 1;>4T Joanna 1.^ Rainha das Duas Sici-
'^ Condeça de Provença, não julgou, que
lias, e
'* Coroa diminuía de valor dando huni re-
a sua
'' gulamenlo paia a disciplina do lugar publico
" de deboche na cidade de Aviornon.o Este monu-
'' mento, escripto cm lingoa provençal h.^ muit*

'''extraordinário e muito curioso para nào ser tra-


,, O Aulhor o transcreve
'' duzido por inteiro. i:z

a todo , que he concebido em í) artigos e não se :

pjJe duvilar da sua autlienticidade, como diz o mes-


mo Mr. Sabalier, que se p6de consullnr a lai res-
peito, como lambem a Aslruc ; Traité des Maladies
Yenff. Cap 3, pflg. 2^24.

à
Í)ensavel para o assumpto, de que traiamos;
Ninguém duvida da existência do Yiriis Ve-
7ierco , propagado pelas prostitutas
elle lie ;

e sem (jue ros importe, que eile fora trazido


á Europa pelos Colombistas, ou que já aqui
existia desde os mais remotos tempos, deve
cuidar-se de expor os meios de obviar a suá
propagação, o que faremos era lugar compe-
tente.
ARTIGO 2.«

Sua cofitagiahilidatU.

Ninguémde boa fé, e fundado no que á


i^epetida experiência de séculos tem mostra-
do dirá que ã moléstia venérea não he con-
, ,

tagiosa eu não julgo necessário dar a demons-


:

tração de hum principio de eterna verdade -


oxalá que se provasse com Ioda a evidencia
que a moléstia venérea não era contagiosa
pois que em tal caso todas as medidas sani-
tárias preventivas a res[)eito das prostitutas
serião desnecessárias bastaria dar-lhes re-
;

gulamentos em quanto á Moral ^ mas infe*


lizmente até hoje não está demonstrado, que
b Yiriis Yenereo não he contagioso pelo con- ;

trario tudo concorre a provar sua contagia-


1)ilidade. Ainda que para esta enfermidade se
admittissem as mesmas íheorias que a res-
,

peito de muitos contágios tem querido esta*


belecer alguns espirites menos exactos, os quaes
talvez somente arrástrados pelo amordace*
lebridade, tem pertendido fazer ver aos Go*
vernos , (]ue nem a Febre Amarella, nem o
Cholera Morbiis, nem o Typho Náutico, nem
8cc. &c. são contagiosos, devendo por isso re*
lí *
U4
írrar-se inteiramente as senlinellas , qucestãot
em vigilante guarda contra amtroducçao de
taes contágios, especialmente nos portos de
ínar, o que na realidade tem livrado a mui-
tas Naçoens de terem sido devastadas em con-
sequência de sua imr)ortacão , sondo oriundas
de paizes estrangeiros, e alp:uns mui remo-
tos; com tudo lie preciso cí^nfessar, que a-
quelles mesmos modernos Kscriptores, que
não admitlem a existência do Firus Vettereo
asseverão ser a moléstia venérea contagiosa;
pois que senão he a pertendida Syphilis (como
elles liiechamão) o que se propaga, são (co-
mo ellesdizem) as inflamaçoens , as ulcera-
çoens, ou a forma particular da Syphilis.
Foi Mr. Jourdan o primeiro que funda-
,

do nos trabalhos de Hensler , Sprengel , e


Gruner, pertendeo fazer abandonar não só a
opinião da importação do Vírus- Venéreo pelos
Colomhistas , mas a hypothese (a que cha-
mão absurda tanto como desgostante) da exis-
tência do Virus Venéreo, O fim porém espe-
cial destas recentes theorias a respeito da Sy-
philis se dirige especialmente ao seo tratamen-
to, querendo provar, que não he o mercúrio
o seo especifico, antes que he possivel sem el-
íe curar-se o mal venéreo. Sem que todas estas
opinioens se conformem com nosso modo de pen^^
sar, com tudo alguas delias admittimos. estan-
do por isso convencidos de que —
1.' o Vi»

rtls Venéreo ,não foi pela primeira vez impor-


tado na Europa depois da descoberta da Ame-
rica — 2.^ que muitas das formas da moles»
tiá venérea se curão sem aapplicaçãodo mer-
cúrio-— 3.^ que o Syphilis he contagiosa.
i--ii-Tratando da prostituição na cidade de Lis-
165

boa nao julgo necessário tlemonstrar outras


proposiçoens acima enunciadas, aliás nos
empenharianios para demonstrar a Mr. Jour-
dan, Richon, Begin etc-, cujos talentos e saber
eu muito respeito, que, se o Senhor Ferguson
empregou no exercito Briíanico e/n Portu-
gal no tempo da campanha peninsular outros
meios sem ser a applicação dos mercuriaes
em algtias affecçoens venéreas, esta pratica
nSo era nova em o nosso paiz mas antes já ,

bem conhecida; e era além disto mui regular,


que elle se visse muitas vezes bastantemenle
embaraçado em algíias formas do Vinis Y<?-
nereo para curar seos doentes sem o uso do
,

mercúrio ou entáo não dariamos credito a


;

immensos factos apresentados por mui respei-


táveis Clinicos; e por tanto as consequências^
que a tal respeito se tem tirado, sáo menoh?
exactas, e na realidade temerárias.

ARTIGO 3,*^

Males causados pelo yirus Ntnev^o ás prescn^


tes e futuras geraçoens,

O Vírus Venéreo tem feito hum infinito


numero de victimas, elle tem causado males
extraordinários á espécie humana. Eu não sei,
se a Peste lem sido mais terrível do que q
Virus Venéreo be verdade, que a ferocida-
:

de, com que aquelle flagello invade hiia po-


voação, as mortes rápidas, que elle produz,
tudo isto atterra o homem, e com justa razão
he a Peste reputada talvez como o maior fla-
gello do homem. Entre tanto se a Pesleinva-
de hum paiz, ella tem hum fim, ella termina
,

16G

hum ília, e séculos se passao, durante os quaes

esse paiz mais a não torna a ver em seo seio;


mas o Venéreo existe continuamente
l^^irus

elie não faz suas victimas rapidamente, elle


não incute o terror com seos ataques formidá-
veis , e dessoladores, mas elle vai consumin-
do os homens lentamente, e com passos con-
linuos , e por isso talvez a Peste mais victi-
mas não tenha feito do que o Firus Venéreo ;
além disto porque este Vinis não destróe so-
mente a presente geração, elle vai acometter
as vindouras; pois que mesmo aquelles Mé-
dicos , que põem em duvida a existência de
algfias moléstias hereditárias, á força de re-
petidas ohservaçoens he a moléstia venérea
aquella, em que elle»s mais conformes estão o,
poder-se propagar peia herança.
Quando observamos o grandissimo nume-
ro d'innocentes victimas feitas pelo Viriis Fe-
nereo nada devemos poupar, que tenda a ata-
,

lhar seos terriveis effeitos, e torrente destrui-


dora. Não pode duvidar se de que este mal
,

he muitas vezes a causa de desunioens conju-


íj^aes, e de desordens entre as familias ; os
fdhos tornao-se muitas vezes ingratos contra
os authores de seos dias, pprque em lugar de
hua saúde lirme e robusta, a que devião as-
pirar, elles tem híja existência voletudinaria,
desgraçada, e de nuii curta duração: elles fi-
nalisão sua carreira sobre a terra muito an-
tes do tempo, em que com a morte se pa-
ga bum tributo á Natureza.
Com effeito os desgraçados descendentes
de híia origem syphilitica, não são hemens
robustos c vigorosos, não são aquellas mulhe-
Xe^ férteis como as Sparciatas , ficão semj>ra

I
,

liuns entes fracos e iiifezados , ea fertilidade


nas mulheres lie iiulia, ou quasi iiulla. Vi- O
nis Venéreo tem produzido nas seguintes ge^
raçoens não só enfermidades análogas, corno
a experiência tem mostrado repetidas vezes
e que escusamos agora referir, mas tambenj
as escrophulas , o racbitismo, etc. etc.
He
na origem da vida que se bebe a maior
dose de força por isso de hum pay infecto no
,

acto da procreação podem passar males ás


suas geraçoens he com effeito a maio»* das
;

barbaridades fazer bua victima innocente, e


sugeita-Ia talvez assim a híia morte prematu-
ra ,como aos terríveis soffrimeutos de hum
infelizacomettido do Vírus P^enereo nos ulti^
mos momentos de sua dolorosa existência o ;

quadro he cora effeito assaz melancólico e ,

escutemos os lamentos do Grande Rey Da^


vid,el]e energicamente descreve os tormentos
de hum syphilitico, ou leânios o elegante e
expressivo quadro, apresentado \iov Fracaslor
no seo Poema —
a Syphills. He pois hum—
grande serviço á humanidade empregar todos
CS meios efficazes de obviar a propagação des-
te terrivel veneno introduzido na sociedade, he
só estabelecendo medidas regulamentares po-
liciaes sanitárias, a que se sugeitem as pros-
titutas , que isto se pode conseguir e de ,

que trataremos no decurso desía obra.

CAPITULO 2.«

Meios influentes no incremento , e propagação,


do Virxis Venéreo.

He de ordinário pelo coito impuro das pros-^


168

titutas, que se propaga o Vinis Venéreo, h^


iia verdade outras muitas vias de communi-
caçáo desta enfermidade, e de que em outro
lugar trataremos, mas estas sào raras, e a
que fica referida he a mais frequente e ordi»
iiaria: por tanto tudo quanto influirno incre-'
jiienio da prostituição influe no da propaga-
ção da Syphilis. Se fosse possivel extin-
guir a prostituição extinguia-se infallivel-
mente o V irus N enereo , niasnãohe isto pos-
sivel porque a prostituiçiío existio sempre
,

em todos os tempos, ella existe, e existirá,


he hum mal irremediável, mas he hum mal ne-
cessário ; só nos podemos limitar a conhecer;
quaes são as causas, que podem influir noseo
áugmento, a íim de as obviar, ou pelo menos
de as diminuir quanto possivel for: tratemos
d'investigar estas causas, e o como ellas in-
fluem no incremento da SyphyUs expondo as
medidas a adoptar para tal influencia dimi»
nuir.
JulgAmos serem causas mais in^»
seis as
fluentes na proj)agação do Wirus Weiiereo, por-
que todas ellas muito concorrem para o in-
cremento da prostituição estas causas são

:

1.» as^ Vagabundas pelas ruas 2.* as pros-


titutas Clandestinas — 3.^ o Exercito de terra
- — 4.^ a Navegação — 5.^ os Celibatários —
6.* os Charlataens. Vejamos como ellas con-»
correm para o áugmento da prostituição.
AKTÍGO 1."

Prostitutas j vagahundas jyelas ruas.

^> Já largamente tratámos deste objecto no


.

169

Cílpilulo 2." da SecçHO 1.^ desta Parte, e fi-

zemos vôr, que estas prostitutas são do nu-


mero daqueilas, que mais facilmente se eva"
dem á fiscalisaçao da policia em as Naçoens,
aonde e.Nsistem eiu vijj^or os devidos regulamen-
tos. Sao estas as da 3.^ ordem sao as mais
,

miseráveis das prostitutas, e as mais immlin-


das e debochadas: são aquellas orgias e bac-
f hanaes da rua das Madres, de Vicente Borga,

do Capellão, da Guia, e de certas travessas


do Bairro-Alto, &c. que de noite divagão
pelas ruas da cidade, provocando os homens á
devassidão e libertinagem são estas as que
,*

de ordinário existem mais infectadas do Vi-


rus Yenereo^ que entretém perpetuamente
pelo uso do vinho, comidas picantes, e indi-
gestas, epela falta absoluta de tratamento apro-
priado.
Por conseguinte pelos motivos apontados,
e por outros, que entáo exposémos, quando
destas miseráveis tratámos, facilmente se de-
duz a influencia, que ellas tem na propaga-
ção da si/phiUs ; este mal só se pode remediar
por sua prohibiçâo absoluta, a qual se torna
indispensável por híja dupla consideração
quanto á Saúde, e quanto á Moral publica:
mais não diremos, por nos náo expormos a re-
peticoens.
ARTIGO 2.^

Prostitiiiçxo clandestina

Também já deste objecto tratámos no Ca-


pitulo 2.'' da Secção 1.* desta Parte, e ahi
'dissemos, que esta forma de prostituição pe-
las leys do nosso paiz devia ter sido assaz
'

170

frequente entre nós desde os mais antigos tem^


pos; as prostitutas quando se perseguem, e
se prohibera , ellas se occullão, e exercem a
prostituição clandestinamente. Estas mulhe-
res nào podem ser fiscalisadas pela policia*
ellas se evadem aos regulamentos em as Na-
coens , em que elles existem em vigor, he
por isso reputada por todos os Escriptores co-
mo a mais formidável e nociva de todas as
prostituiçoens em quanto á moral e a saúde.
Porque ellas seduzem e corrompem occuUa-
mente a innocencia e além disto não se su-
,

fi^eitâo ás visitas sanitárias, e por isso sendo


infectadas impunemente propagão o mal ve-
néreo.
Quando no lugar acima referido tratámos
da prostituição clandestina, expozemos o quan-
to ella influía na propagação da Sypbilis, ecom
justo motivo aqui a notamos como bua causa
influ5nte nesta propagação: esta prostituição
não deve ser tolerada em Nação algun , por
isso que nenhua forma de prostituição se pô-
de permittir sem que se sugeite a certas me-
didas, que contribuão para que o menos pos-
sível se tira a moral e a saúde publica, o qu»-
não he possível ter lugar nesta ordem de pros->
tituíção. Reportamo-nos ao que dissemos no
lugar apontado para obviar repetiçoens.

ARTIGO 3.^ '

, EiVercito de terra-

He ínnegavel. que o augmento da propa-


gação do Vinis Ve?iereo está na rasão directa
do augmento (\ci prostituição ; e também senão
171

pode duvidar, de que o exercito concori-e pa«


ra o incremento da prostituição he por tan-
,

to o exercito h~ia causa influente na propaga-


ção do \iriis Yenereo a rasiio e a experiên-
:

cia provão suííicienteaíente qualquer dos dous


principies enunciados. — Todos Escripto-
os
res sobre as enfermidades dos exércitos dizem,
que o maior numero de moléstias, que se en-
contrão em as tropas, são as venéreas, e até
em numero superior a todas as outras. A Sta-
tistica provou a hum Escriptor, que as mo-
léstias venéreas das prostitutas, sug^eitasá vi-
gilância das authoridades administrativas eráo
na rasão de 1:30; e as das prostitutas dos sol-
dados erão na rasão de 1:3; e que erão estas
muito mais graves do que as outras: também
elle assevera, que se as leys da Natureza são
sempi'e constantes e invariáveis, também as
lia na ordem social com esta constância, e in-

variabilidade; sendo hua delias que por to-


,

da a parte , aonde se encontrão soldados reu-


nidos em certo numero, ahi se encontrão pros-
titutas. Isto se observa em todas as Naçoens,
e he o que se vê entre nós apezar de todas
as leys repressivas, e apez.ar de todos os ri-,
gores da disciplina militar.
Com effeito os soldados são homens de or-
dinário bem constituidos, na flor de seos an-
nos, em plena liberdade, pela maior parte sol-
teiros, e entregues a todo o fogo e violência
das paixoens na' idade viril, &c. &c, o que ,

tudo produz infallivelmente o incremento da


prostituição (e por tanto o da propagação do
,

Virus Venéreo , senão houver a devida íisca-


lisação sanitária) :isto se observa nas mere-
trizes, pela tropa frequentadas, ou naqiiellas.
173

que ítcompaiihão a mesma tropa e que se perJ


,

tendem decorar com o titulo de parentas, ou;


como lavadeiras, vivandeiras, &c. &c. O —
nosso exercito está hoje mui reduzido, por is*
so não apresenta aqueila alluvi3o enorme de
mulheres que se encontra vão no tempo da'
,

campanha peninsular, e quando todos os'.


Regimentos d'ínfanteria de linha contavâo
acima de 1:500 praças (49.) ^
Do augmento da prostituição , e da pro-
pagação do Yirus Yenereo resultâo immensos''
males aos soldados e ás geraçoens futuras
,
:^

os páys entregão para o serviço militar ho4


mens robustos e sadios e pelos deboches dei*
,

todos os géneros, a f[ue se entregão durante'


este serviço, quando valtao ás suas casas, suas
famílias recebem em troco homens valetudi-
nários e enfraquecidos pelo Virus Sypbililico i
elies casando-se produzem para o Estado ci-
dadãos enfezados, pelas escrophulas , rachi-
tismo , &c. etc. que mais prejuiso, do que
proveito lhe causão, Attribuem alguns estes
males á falta d'instrucção, que boje tema tro-^

(49) Pretendi investigar o estado actual deste


objecto em quanto aos corpos acantonados em Lis--'
boa no 1.^ semestre de 1840; de alguns corpos pu-
de obter informaçoens, de outros nada pudecon»©-» |j

guir (nem isso estranhei), collegi das informaçoens


dadas, que os corpos, que então tinhào de 4-00 a
ÔOO praças contavào de ordinário 50, ouGOmulhe-!
res de qualquer modo addidas a elles ; sendo a maiof j

via delias tnnígadas com os soldados, e alguaseràor S

lambem frequentadas pelos paizanos, mas raramente ;» j

a maioria destas mullieres erao das províncias j al.-t |

guas, porém mai3 rara?, crão de Lisboa,


173

pa geralmente em todas as Naçoens, o que


assim não acontecia nos antigos povos, em que
todos os cidadãos erão soldados, e por isso
desde o soldado até ao General contavão-se
além de pessoas nobres, e que tinhãoalgua
educaí^ão Jitteraria, tamben? alli existião ora-
dores, e sábios de differentes ordens era por
:

tanto mui regular, que estes servissem de


exemplo aos outros em quanto aos costumes,
e mesmo que os aconselhassem no modo de
dirigir suas acc^oens :também nesses tempos
tinhão os chefes o cuidado de separar da tro-
pa as concubinas, e as prostituías para não
enervarem a tropa; medida que hoje seria tal-
vez mais prejudicial do que utiL
Sem referirmos o que se passa em as ou-
tras Naçoens , parque escrevemos sobre a
j)rostituição na cidade de Lisboa, vejamos os
estragos que o Yirus Yenereo faz em nossas

Nao he porém isto o que nós observámos em


quanto á proximidade das quartéis dos soldados;
pois que estes pontos seguramente não sao habita-
dos por tão grande numero de prostitutas, nem na
Graça, neni Castello , rua do Abarracamento de
Valle do Pereiro, Campo d'Ourique , em Belém,
aonde esiâo aquartelamentos de tropa não existe
na sua proximidade ião grande numero de prosti-
tutas ; ha alguas mas poucas; e he possível que eí«
las exislão reunidas nos pontos da cidade aonde se
encontra o maínr numero das da 3.^ ordem , que
sâo as mais baixas e imrnundas, como são na Uua
das Madres, e Pastelleiro, alguas travessas do Bair-
ro-Alto, e as ruas das Atafonas^Capellao, Amen-

dt»eira etc. ; e com effeito nós ahi observamos em
todos e'.les pontos continuiimente os soldados; es-
tas porém não são só por elles frequentadas, más
também pelos marujos, criados de ser\ir y e pela
gecle mais baixa da sociedade.
174

tropas temos á vista doas mappas statístícoS


; e
enviados pelo Conselho de Saúde do Exercito,
he hum desde o 1." de Março até Dezembro
de 1837, e outro do 1/ semestre de 1838.
lílstes mappas (como nelles se refere) não são
completos pois que faltando a alguns corpos
,

hospitaes regimentaes forão os doentes tra-


,

tados nos hospitaes civis, e estes elementos


se perderão.
No mappa notão-se 3:066 doentes dé
1.^
mui variadas moléstias além das intermiten-
:

tes , o maior numero são affecçoens venéreas


de differentes formas, a que se segue imme^
diatamente a sarna; as primeiras são em nu-
mero de 382 , e sarnosos 2õl. No segundo
mappa tratárão-se 4:485 de varias moléstias,
he neste o numero dos Venéreos superior ao
dos outros, pois que são 752 venéreos, e 566
sarnosos. De donde devemos coUigir, que tão
grande numero de moléstias venéreas em o
iiosso exercito como hoje se acha reduzido, hé
devido á falta de híja rigorosa fiscalisação sa-
nitária e de se porem em vigor os competen-
,

tes regulamentos para as prostitutas; e ainda


que os soldados sejão logo tratados quando,

acomettidos do Y irtis \enereo as prostituías


,

sem o devido tratamento o propagão indefini-


damente. (50),
He pois indispensável inspeccionar corri
todo o escrúpulo os soldados semanalmente;

(50) Além dos mappas stalislicos refíTÍdoà le-


nlu) presente mais dous sobre o mesmo objecto, he
hum perienctínte ao S.^ s«*mestre de 1838, e outro f
do 1/* semestre de 1839. Consia do primeiro, que
os doentes nos differentes hospitaes forâò
tratados .

5.357, dos quaes 1:08^2 forSo acomeliidoã d'infer- J


175

ou maior numero de vezes , e logo enviados


ao hospital quando doentes ; e aléin dos ór-
gãos sexuaes, íanibein o anus, e os orgáos
vocaes se na voz houver algua alteração. Não
,

podemos admittiros castigos, dados em al-


gíias Naçoens aos soidados quando se achão
,

acomeltidos da moléstia venérea, pois que nos


bospitaes lhes dão o peor pão, e em geral a
peor dieta além de serem tratados com des-
,

prezo ^ nem tão pouco approvâmos qualquer


nota, que a tal respeito se faça no livro mes-
tre; pois que o soldado he hum homem, que
merece, como os outros, quando se achao
doentes , a mesma caridade, e exige os mes-
mos soccorros e he preciso attender á ida-
;

de, e ao fogo violento das paixoeus que ar-,

rastão os homens a acçoens , que por taes


motivos merecem nossa comiseração, e suas
moléstias hum tratamento regular, e todo que
lhe for devido: pretender finalmente prohi-
bir os soldados de frequentar as casas publi-
cas das prostitutas, he querer hum impossí-
vel , e como elles possuem pouco dinheiro, só

mitentes; 654 de moléstias venéreas, debaixo de dif-


ferentes formas, e 33^ os sarnosos do segundo map-
:

pa consta, que os doentes tratados forao 5:049, des-


tes forão MGde intermitentes, 576 de enfermida-
des venéreas, e 878 de sarna. Além disto consta
do mappa do segundo semestre de 1838 , que em
toíjo o decurso do dito anno forao tratados de inter-
mitentes 1:392 doentes, 479 venéreos, e 898 sar-
:

nosos. Por conseguinte o maior numero de molés-


tias, com que entrâo os soldados nos hospitaes, s3o as
venéreas, intermitentes, e a sarna, em algíiasepo-
chás he maior o numero das venéreas, em outras s5o
as intermitentes, ou a sarna; em todo o caso porém
devemos confessar, que lie extraordinário enumero
'

17(;
' *
. .

frequentão as rnàis miseráveis desta classe


(^^> „ . . . .
^
O
mal nao se remedêa só com as visitas^^
sanitárias dos soldados, e com o seo curati-
vo nos hospilaes elles neste caso iiào conti-
;

íiuâo a propagar o Vinis Venéreo^ mas as


prostitutas, e as vivandeiras , lavadeiras^ e^
outras mulheres, que os servem , e com elles^
vivem, estando infeccionadas conlinu/to,^
propaga-lo; são por isso ellas, que devem ter^
hua rigorosa íiscalisaçâo sanitária , devendo^
ser visitadasde três em três dias todas as re-^
feridas (menos as casadas); e bem assim .as^
casas publicas de prostitutas, que elles mai^m
frequentemente visitSo; e logo que algua.s^i^
acbe doente deve ser obrigada a ir para.aJio^-pi

dos venéreos na tropa , o que he sem auvida^aevá|Vj^


do á nenhua fi>rali<ação policial sanitária das^pfos-w
titulas em Portugal, o que se torna de hriaur^en^
te necessidade.
(51) Quaes são as das Ruas do Capellão, dít^*
Tuia, da Amendoeira, pu~as de alguas traxcssaí .

proximidade dos quartéis aos Ive^M mentas í|^jj,;


BÍm sao e!las frequentadas pelos soldados desVç cjíç-
po. Consta-ní)ç também, que elles além ^ras iq^- ^,
pecçoens , que tem pelos regulamentos militajeâ.^^
são inspeccionados logo que se queixSo de sé^ác^-r. ,

rem doentes: elles porém cuiJão de se curar paTii» r


cularmente a maior parle da^. vezes, pois que recejat)»^^;
o castigo, que o Commandante llies manda Jí^/j^i,
e que he ao seo arbítrio: assitp nos informarão, r|a^*
apresentámos isto como verdade, aôezar de darmOà
todo o credito a pessoa , por quem islo nos fji <J'í;Ç^/f
e em IhI caso he este hum procedimento que ooá^
não podemos approvar. ^-^
Também fomos informado^ de que os solda<56i^
f)ltal (ra(.ar-so. Com csía fiscalisaciío sanitá-
ria poderemos ol^ter tanto nos soldados , co-
mo nas mulheres, que elles frequenlào, a di-
minuiqao do Yints Si/philitico ^ e será esle a
inelhor meio de obviar a sua propaí^ação-
Julgâmos também ser hua medida muilo
acertada, obrigar o soldado que vai para
o seo paiz com baixa, ou com licença, a ser
inspeccionado antes da sua partida, para que
senào retire contagiado do Vinis Yenereo e ,

na o possa por isso propaga-lo ; e bem assim lo-


goque elle chegue ao lugar, para onde vai re-
sidir, se deverá apresentar á authoridade ad-
ministrativa competente, para que esta ò man-
de inspeccionar pelo facultativo mais próxi-
mo, para que estando infectado seja tratado
no mais próximo hospital. Esta medida he mui
útil, e pode ella muito Concorrer para ob-
viar a propagação da jSj//J'A///*5.

(la Guarda Municipal de Li l)oa ,


quando váu ira-
lar-se aos hosipitat^s de Biuleàlias veneieas [^hospilal
da Marinha] Ilifs lu* descontada hu;i cjuota parle d(>
soo soldo : lalvez isto seja com o fim de obviar, que
tíiles frequentem as casas publicas de pioslilulas;
se isto se leve em
consideração, he niuilo fraco, e
tm ludo mal entendido tal casli^^o, pois <juo jul-
gámos, quií a petda dehíia parte do soldo nunca se-
rá capaz de dominar o fo^o das paixo(?ns, e a vio-
lência dos temperamentos; e alem ái>U) pcrfeila-
inente «alxMnos , que as meretiizes, que os sol-
idados, pelas suas (.irf.u melancias especiaes , rxíaís
fiequenlâo, sâo aqutdlas , que menos cuidão âa
curar suas moléstias, quando delias atonuíllidas.
Isunca nos poderemos conformar com liies dtternai-
naçopns ; e he isto mais humdocumenio da neces-
sidade de dar regulamentos j^olitiaes ás proslilu-
íiU.
li
-1^

ozíío-f^ \'.on 0R'iiiR. 1" I GO :4.oota'.)m9dnaLÍY

ohi Navegação, Jnoo eiií.

li/ílil) ei>.

Por « parte os hoinen<: tem cvjrnmtni"


/Oí^/íi

cndo , remédios , as suas docnçfis, as


... os scos
suas virtudes, e ósseos vidos: assim se ex-
prii*nia no século passado o maior historiador
philosop[)o do seo íenipo, descrevendo as des-
cobertas dos Europeos nas duas índias. Hei|
evidente, que a frequente communicaçao do
hilas Nacoens com outras, além de dar luijar
ás suas transa(;oens commerciaes com os ge-
iieros de que mulUcimente precisão, também
,

esta conimunicaçao tem lugar nos vícios, e


nas virtudes, nas doenças e nos remédios. A
Peste, a Febre Amarella, o Cholera Morbus
epidemico , etc. nunca se desenvolverão es-
pontaneamente na Europa, na qual tem sido
sempre importadas estas terríveis calamida-
des da espécie humana. O Levante, e espe-
cialmente o Baixo Eiíypto he o paiz natal da
Peste, eila sempre ahi teve o seo berço; as
grandes e pequenas Antilhas derão origem
á Febre An)arella, e Ziila Gessore nos pai-
zes Indianos foi o berço do Cholera-Morbus!
Se os Europeos nunca tivessem tido còmni^íi^^
nicaçáo com os paizes Othomanos e coiHnp .

America, talvez a Peste, e a Febre Amarella


nunca fossem conhecidas na I<]uropa hea Na' :

vegaçãu a causada importaçno destes dons tepi


riveis contágios, tào destruidores da especití
humana em differentes epochas. Hua seri.ij
de factos, que nem delles se pódc duvid^J
nem delles se pode dar haa explicação, sof
'1

!
17i)

iiao pelo IraiK-porle de hum


contagio, provaB
evidentemente que a Nayegnção no9 trouxe
,

(Stas calamidades e continua aindaa trazer,


,

mas contra as quaes as Estaçoens de saúde


nos (lifierentes portos do mar são hiías vigi-
kintes sentinelías, que obstâo á sua entra-
da (52).
•^y Nâo se pódè duvidar de que á navegação
tem trazido a nossos lares muitos contágios ,
a historia medica d'Hespanha, da França ,ra
de outras Naçoens provão isto com toda a
evidencia. Estamos ainda bem longfe de ad-

«III
O
'^^
i(^5â) Mas devemo* confessa»-, que a naveo;aça()
t^ tornou para os povos policiados hum ílapello ne-
<fes*ari() , lào útil aos 1'^slados, como funesto ao^e-
nero humano, como diz hum dos homens mais elo-
quente» do século passado. Ella tem servido de re-
unir as diffeiehtes partes do universo, e estes cern.
mundos nâo teir. formado «tenâo hum so
differentes
"imundo. As Naçoens tem coTiimunirado as suas lu-
íes ; os thesouros, dispersos pela natureza, tem
sido reunidos p^lo jccm márcio *
mas quantos males
èipár destes mesrrios bens! 1 ! os povoá tem também
çommunicado o commercio multi-
os seos vícios ,

Pi^çando a» riquezas tem dado de si o luxo^ e cor-


rompido os cotstumes. Haa infinidade de homèh^
lem sido eni';und(js pela* ondas desde o principio
(loir séculos tantas pesteii ^ e Ofitra» crucu molesíiasy
:

^«le a Natureza tinha encadeado em certos climas,


tlim sido espalhadas pelo mundo inteiro: os tiranos
tj^ijn invadido muilo'* paiz(;s^ a quem o mar servia d<;

lijU,a impenetrável l)urreir;i,va mai^ vasta ptirte do mun-

íjp.j ft Arr^erica , foi qua-i assdlada j os combates


dé^ma"r tein sido terriveis , e matadorr^ , ele! ètc.
nidòislo, e mais ainda , devera ter feito olhar 'a
navegação como hum dos maiores ílagelh)s, que
tem destruído p género humanujq fí8'f gsil^h ífisrE
1^ *
' '

w
iíiitlirmos as ,9[)iiiiocns,de Mr* Cheryin, e (le
ou Irog «1 respeito' do transporte do contagio
das enfermidades deferidas Reni^jp()r agon^ ;

TÍrnos ainda argumentos, corroborado.s pelos


factos que tendessem a provar^ que estas mo-
,

léstias nunca erao conlagiusas. Se por fatall-


dad(í adinillissem hoje <^stas theorias , e
í^e

'vs GoVeírnos da Europa abraçassem estas iri'


fundadas opinioens talvez em breve Tossí; ,

es(a Europa despovoada comoíem sido em ,

os dífferentes tempos muitas das suas cidades.


A Petste do Oriente, que na França, e outros
paizps Europeos tantos milhoens de yictimas
teu^ feito; a Febre Amarella, que por muiUs
vezes tem assolado muitas cidades^>,/€' aldeãs
da Hespanha &c. sem hua rigorosa poíicía
sanitária externa, ou nos portos de „n|f4r.nos
teriao inteiramente destruido. .• t,,-,., r ,

Deve mos entreta n o c on fessaf ^ rque' íiãd í

são só a Peste, a Febre Amarella, o (Jholera-


Morbus epidemico, o Ty nho náutico, a D^vsen-
t e ri a d o S e n e^a \y ^CP n n t ai n i a do Egy p to . ^d í

Escorbuto da Terrá-Novã &c. $lc. os unicò» ,

contágios, que importados em nosso territó-


rio dos paizes estrangeiros são capazes de desí
povoar as nossas cidades', i^^víliás, levando a
sepultura milhoens de victimas': ha outra
])esle, que a navegação nos (em imporlatío
do estrangeiro, e contiruja a importar, e~lerâj
do mesmo modo produzido nossa destruição",
não tao arrebatada e tão estrondosamente , ,.

òlJa he na verdade mais lenia /mas he tão


te;rrivel e matadora lie esta peste da sociedap ;
t

do o \irus Venéreo, (53). Nem se pódíí»cru^


-'"'•'''''
i
'"""'
'
•'
i
-
•' •' "
-
' •'
''•' ^.-..lii i. pmJS
'^{8y)-^lSíM -^ digtfv^ <^^>e^ rtOs'Ç(>ntratóèiíní)Í^s<ií^
vulari cie que a naveííacao produz Iiiim nota-
verincremeiíto na propagação da Syphilis ,
gois que as equipagens dos navios, (anto de
guerra como mercantes, chegão frequenlemen-
fêj' infectadas do Niriis Venérea ellas ocom-
,

inúnicãò facilmente ás prostitutas, e estas ao^


òutroáV è ^Gste modo he a nave2:ação hunfi
aos nièios da propagação da Syphilis.
Nos regulamentos das Estaçoens de Saúde
nos portos de mar, e que contem a classifica-
ção; das in o estias contagiosas, que ellas dé-
1

yfeni fiscalísar , não estd incluído o VirusYe^


nèréo nós o deixamos entrar francamente V
'

naò seguindo a esle resj)eito o exemplo (lè


muitas Naçoens policiadas que sobre este
,

contágio tem hua rigorosa íi-calisação sani--


faria nos portos de mar. O Yirus Yenereo em
{ma jntroducção niio causa o estrondo da Pe*^-
e/Í'.oil do Cholera-Morbus; mas hâ elle si^-»
jnéfliâhte aos venenos lentos, que lentamente
ÍVroduz hum grande numero de victimas, dev^è
por isso obstar-se á sua introducção. ^,
j píA. n^^^P^d^í^cia dos navios dos differentés

Í)orlo&'dÒ (jIoKó, sesrundò òs seos differen-


ics £:raos, de,, suspeição contagiosa te;n dado

motivo as quarentenas de observação, pu d^


t^ot, è ás differentesbeneíiciaçoens, quede-'
Ífíyj ti .ífii ^"~ Zl ^ .
.-"' ib
origem do yvrus venéreo, não tendo §ido de opi*
re^i
niao,^ que a expedição do^ colombuia» no fim do sr--
cutd 15.®o importasse pela primeira vez na Europjty
fUltando <Ja descoberta d' America; o aqui diga,
^oà íi navegação o tem importado; sim somos d<v
fpinião , que emitlimos, mas lambem o somos, de
Oiie a navegação continuamente a está importan-
dg^d^> huas para outros paizes; e (|ue por i>so o f^i*
rus Feucrco precisa fiscalisaçâo nos portos de mar.
,

182

Vetn ter noS; Ijazarelos os géneros susceptí-


veis mais ou menos de receber, conservar, e
transmiti ir os contágios. OVirusYenei^eonao
precisa de quarentena, nào precisa sequestro,
jiáo necessita de Lazareto; precisa somente
curar-se , e não consentir que antes de cura-
do se communique a pessoa algiia. Todos os
navios das Naçoens estrangeiras, que che-
gão aos nossos portos , sujei tâo-se a nossos
legnlamentos. de policia sanitária; elles su-
jeitao-se ás quarentenas, que lhes s^o impos-
tas, e se lhes não convém, mesmo debaixo
delias sabem barra fora; pois esses navios
tenhfío timbem a visita de saúde extensiva
ao Yinis Venéreo, e os regulamentos assim o
íievem declarar, e que se sujeitem os es«
trangeiros ás nossas leys se com nosco qui-
,

^yerem ter relacoens comnierciaes, oti outras,


.que o mesmo nós praticamos nós seos portos;
^áo isto princípios do direito das gentes ,

sanccionados por todas as Nações, e a que


todas mutuamente so devem sugeitar.
l*or tanto os empregados de Saúde nos
portos de mar devem fazer sua visita exten-
siva aos orgáus sexuaes da equipagem de to-
dos os navios mercantes indistinctaniente
e seja qualquer que for a sua procedência '•

em quanto ás embarcaçoens de guerra nacio-


iiaes e estrangeiras, como eilas trazem fa-
cultativos abordo^ be sufliciente hum atft^s*
lado (lelltíS, rubricado pelo commandant^ ,do
navio , em que declarem o estado sanitário
-
dos org-ãos sexuaes da ecjuipagem, verifican-
do-se a este respeito o mesmo, que tem lu-
gar ])ara com os outros conía«íios o com-
,

^n an d ante p o r c m
'

da embarcarão, Óií s cj a '


/

183

(]^guerra ou mercante, não periiiittir/í, que


yessoa algua da equipagem ponha pó cm ter-'
T'à^ esiíinú^inl'ect'ddcí(\e yi?'us'Yenereo, eseiti
que esteja inteiramente curada, debaixo de Kè-
^e^r.as penas aos transgressores. Se estas mé-
ífidas se pozerem em vigor nas Estaçoens de
j^aude dos portos de nicir estamos bem segu-^
ips, de que muito se diminuirá a propagação
Ào Vírus Yenereo, e sem ellas muito concor-
jjj^r^.af navegação para o seo progressivo m^
jcremento , como succede até hoje em o nos-^

.,.,,^...
^iUiX^j
AÍITIGO
i^ íTa
íjii
5."
/(.
iv. 4?,.,

^ v,^' Do Celibato.

Ò por todos os meíícos


celibato- he tido
..como hiia causa influente na propagação do
'Ykus, Yenereo, porque tudo quanto contribue
^pàra o incremento da prostituição publica
concorre para o incremento da syphilis e o ,

^ (p4),
l^arecera obvio ò uizer-sezrquc estas me-
Oiuás sê- nâo iuh/^ão dehua rigoro-a nercsàidade onc-
^ar de virem os marinheiros infectados do) Firus
t Venéreo yf pois que tendo as casas publicas das prod-^
,

'
titulas os devidos reg^uhímenlos policiaes *anilarios
-íjihi^, acharão ob-;iaculos á communicaçào do Vírus
-^S9jpliijlitico zz lie possível, que isto se verifique,
«.^p^as com a visita obsta a sua propiv-
abordo lo}^o ?e
jgáçao; e alem disto as paixoens, eoouro fazem cor-
romper muita gente; e as vng;abunclas peias ruas,
*^iíi|^zér de sua rigoroza prohibiçào, facilmente se
'ffcommunicào com talgeule, com a quai , e com
-uc^ulros de igual catiiegoria , eUas se frequcntão re-
-.(^^.ijda^ vezes: lie ,ppr isso a visita de saúde abordu'

. ,Íó,diâp,vu«a\<;L ' * /
-^«^
v

lâAí

celibato está nestC' caso. Nós nao cstamnos cn-


treíanto persuadidos^ cie que esíemoíivocori"»
tribuisse íTJieccssarianierite para apouca con^
-siílcraçíio, em que erâo lidos os celibatários
í)ém os diffj rentes povcs do niundo nos antigos
ieaipos, motivos especiaes a esses povos exis,
iòtiriác», que os obrigassem a menos conside-
.-nração para com elles, do que para corrvibs
.outros homens, que não erào celibatariosj;
jsipíi Nos antigos tempos erão elles reputa-
dos couío misantropos, e inimigos do género
humano, e como taes despres/idos e em al-^ ,

-gfias Naçoens até publicamente insultados.


>i6ía r.n(iga Grécia, e em Athenas, quando
-a liberlinageuj passava porhíia galantaria se-
Mgundo costumes do tempo, havião mesmo
os
leys contra os celibatários, apczar de reves-
tidas de a!gua brandura. Os Espartanos po-
^fèfti^^^^ que tinbao costumes incorruptos, e
"ííiía morai severa, taxavao os celibatários de
gjnfamia, e crao excluídos dos cargos publi-
_(^^^.,j~.e alem disto erão até excluídos dosjd-

<ogos e espectáculos públicos sendo, elles ahi


"levados só para o riso c escarneo, e os ía-
~
'/iào entoar infamantes cantigas contra si
mesmos. Os Romanos senão forào títo severos
''títri suas leys contra os celibatários com tudo ,

ja,4íUí?à. sempre preferirão os casados para,,ps


í. cargos públicos e impunbãa áquelles bua
,

-.pequena multa e náo accontecia já assim na


:

Roma corrompida, e em aeos últimos tempos


republicanos, em que o celibato passava pelo
j^iiais doce dos estados. (55) Entretanto Au-

o&a i(idb\]n(>\Nihil ail cs^e prius , mclius nli ccEtIiliCvUd

r— Iluiacio^ IvpiíL 1.'^ A»Jgu-lo Itz rono\a> íià iiA*


,

reviver as antigas loys a este res»


<^os?áoi'fo!
*pert®v'estabelecenclo preniú^s para os casados,
e iiiullas para os celibatários. (56)
«oiiiiíDoveinos com tudo advertir , que o ho-
mém. celibatário, e casto, não pode de modo
algiun concorrer para o augmento da pros-
iítuição pois que a castidade depende de hua
:

{r-dispofsiçcão natural do individuo, que nenliua

violência lhe causa, mas não acontece assim ,


se elle he continenle , porque a continência
he filha de husn combate enl.re hua pro-
-ipençao natural e o espirito, e suppoem por
.3*ssQ luia vicloria: o homem religioso, o Phy-
oLosopho, e o IMedico olh;K) a continência de-
d)aixo de diíTerentes consideracoens. O
esta*
odo do celibato , quando he possivel nelle da-

tr;;aí leis,estabelecendo outras, como he a leyJ?*-


lia-r-pro inarLfít(in.(t'is ordinibiis ; —
deo prémios aos
quLc se cazasseni, fez multar os celibatários eracer-!'
los casos. "

i r - ' •

(ÒCD iNao pôde uuviunr-se , de quo de todas


as instituiçoens sociaes nenhua ha, que exerça tan-
ta iníluenciu sobre os E*lados como o oasamenlo
-í(jassim se exprima hiiadas rnaiore» capacidades me-
jgdÍÊcl& jíIa Fr'*o^^)' íl^n^ ^^^*^do sendo hum com-
gçiiji^^AJfiríjUmiljas , e nascendo eslas da uniào con-'
Hu^a|^. dí^penderii semprç a, prosperidade de hum
Xjovernò da perfeição das lèys malrimoniaes, ella«
^nfí\iém sobre o repouso da sociedade , e sobra o«
'5ílíveriòiii|>eâ8oaes e de propri:'dade ; os thronos, e
í>íí>í?6cefitro5 delias dependem. He pois de eterna ver-r
golívde , que o celibato he contra a prosperidade dos
Qjl^lados* os males d'ahi re^uUaules sâo mui varia-
^Alfis, í^ nQs nào nos compete desenvolver este assum-
pto , assaz fértil em
con^ideraçoens pliilosophicas
—mt«rol4ta-lo simplesmente comohum dos meios io-
ft^fliichles na prostituição, quan(Jo o ctdibatario nãcn
•.fl^sn do cailida lo , ou de coaliueucia.
«
186

rem-se ns grandes virtudes da castidade e


continência , nunca poderá concorrer pa^ra
o incremento da prostiluiçào; sao entretanto
mui raros os casos destas heróicas virtudes.
A propagação da espécie he híaa ley cons-
tante e invariável da natureza viva; e a co-
pulaçao em os animaes he hum acto natu-
ral , para o qual ha hua irrisistivel propen-
são e simpathia. Não he impunemente, que
os homens se negão ás propensoens e incli-
Jiaçoens da natureza; ha h^ía idade, como
diz o mesmo sábio escriplor , na qual os go-
sos physicos do amor se tornâo necessários
a todo o ente organisado, e he só com o de-
trimento da saúde, e do repouso de toda'
vida, que se pode ser fiel aos votos da con-
tinência perpetua; trata-se daquelies , qne re-
ligiosamente guardão este voto e não dos ,

refinados hvpocritas, que debaixo da capa de


híia infame e maligna impostura encobrem as
irnais licenciosas accoens ."'feVVerííonhosas de-
'vassidoens, (57)
— ^ ^ ^r""Ti:;TTT7Tr
(57) A continência forçada produz mui des-
graçadas vicliíiuiá Os piedo»<ià fanyUcuá, e os in-
:

divíduos d'arabos os sexoã , que lem encerrado^ ps


conversos, sâo provas evidentes destas verdade*, e
das profundas aheraçoens , que tenn soffrido suas
faculdades intelleciuans. Ha pessoas, que n ao po-
dem resistir aos hinces de seo temperjimenlo , e he
5mpossiv(d para elh-sa continência. A liisluria apon-
ta factos extraordinários neste nero , e nào iie <>•<

j)ouco notável o que apresenia Buffon na Hi^toria


JVatural do homem ; t;ra luii rii[)ari'ía , qun da
idade de l'-2 annos fazia as mais indecentes acçoens
«-6 com a vista de qualquer homem; e apezar de Iodas
as reprehençoens, e ate de castij^o, cilas só cçssavào
qua.ado hcava só com mulheres.
a oÍ)íí(ípor conseguinte o celibato contrario
da natureza, e também á saúde do
fíg>^*'^votos

qtie o professa; be também contrario á popu-


la(jão, sobre a qual (em bua directa influen-
tftfty-eV/he (Inalinenle contrario á saúde pu-
M1 ca, porque promove a prostituição, e por
conseguinte a propagação do Yirus \cnereo.
Pois que aquelles , que nem por opinioens
religiosas, nem por seo temperamento se dis-
põem ao celibato, são defensores da luxuria,
e a favorecem; elles pois obrigados a satis-
fazer os seos appetites, e suas naturaes pro-
]>ençoens, procurâo esta satisfação nas ca-
sas de deboche (que se augmentarâo na ra-
zão dos celibatários), ou perturbão, eatrai-
çoâo a fé conjugal, ou seduzem a innocen-
ciai e alii vão muitas vezes propagar o Viriis
\e?iereo'^ elles pois concorrem á propagação
da prostituição e da syphilis, e a maior parte

Htí subre todas n()la\HÍ a historia do disgraçado


Blanchet , cura de la Rtoile na Guianna, <Je que
se lt"m fallado nas ultimas ediçoens das obras de
Buffon , descripta por elle mesmo, aonde se vê
íi terrível lucta , qwe se desenvolveo entre a car-
rfé é o espirito. Nem a maior íibstracção moral,
'bu a maior diverção physica podem interromper,
e fazer sustar a secreção do sémen; e a sua pas-
sagem á corrente da circulação o torna hum vio-
lento estimultí). Referem-se factos d^ibslinencia d'an-
tí^^^os athletas, de mnzicos, de pidosos cenobitas,
etc. :.fifiás' a nao ser esla continência íilha da casti-
dade, sua saude deveria ser muito alterada, ou
élles deverião ser tt-rriveis hypocritas; e em todo o
casdelles serião he.ns misantropos, c huns cruéis
ej^oístas como hum Jacque^ Clement e hum Ra-
Vaillac, dous monstros, cruéis assassinos dos Hen-
riques 3/* e4.^, ou hum sanguinário como hum
Turquemudu. i^ítíum íuq-j òi ii'/^^:)/! jokatóiíp
é^gs^è^fesí rt-CÍandeslína i qtieíiè'irt'f^fetó WW--
das as prostittíieoenô em quanto á saneie pabl?-^
ca, por se evadirá fiscalisacao sanitaria.^^*^^
-^^'^^ Nada mais diremos no presente artigo?

nem provaremos o quanto o celibato he cóH-^^


trario ao estado social , e á população âò^
Estados, nem tam])em notaremos os diífé-'
rentes meios de se lhe oppôr, muitos cíò's^
quaes tem sido empregados em algãas' N^4J
çoens. Estes objectos são alheios dos finsV^a
que nos proporemos, pois que só encarârnos-
o celibato como hua causa influente ná ptd-
pagaçiio da Syphilis , nem offerecerem os úi^\
didas alguas regulamentares a este resp'é?to,^
pois que pertence ao poder competente âÒ
Estado estabelecer as medidas !egislatlvà^'i
«jue achar mais convenientes ao bern ^^rat
da sociedade. ^-^^ c. .>..-..- i --- - ; ^--r'-^
..,i- ,.h 'iohndos-ob oh 80tíis*iíb bob/I
,

jRfíqo&ol
.ie>y )f^íi^%RT:iG&^9^ .^^^^ ^
-fino^ ôloíri ob g^iobfípftssvnl mb' ni&d , Ib8
^"^"^^
Do CharlatanisrM':^,^^

Pomos o charlatanismo em o nuiiierò aaa


causas influentes na propagaçiíó dó Y'irus_,
Venéreo porque os charlataens ignorantes e.
;

atrevidos em lugar de curar o riial, ppto-


Irahem, ou o aggravão, e por tanto dâojoc>
casião a que elle mais se possa pronagjár Vé
somos exactamente da mesma ()piriia6\^Vfli\ô
M. Marinus (58) quando diz nue o charlatà* —
nismo ne hum verdadeiro delicto social,, e
]ue he hum flagello ainda peor, d^ .Q^^^j^-

Õ')fÍv'ÍIi(í c:0/j
^fíf^ EncvcloL'riiphia Medica Boli5ÍiW.^^l,mrv
Uro du \m
Sypliilisr-Tratandodoíí chaHataenshé
íiiesnia
que o charlatanismo he hum
p^-^çiso declarar,
verdadeiro rrollieo ijue toma mil forma§^
,

e apresenta hua pliisionomia mui variada :e


qqe ha çharlaíaenSç,}^T;;Ímpostores não só em
Qtjectos religiosose de virttide mas igual-*

mente em todas as sciencias e artes; mas nin-


guém os possue com mais a])undancia do .

qye a arte de curar, e he só destes, de que


fallaremos.
,^. ,,Não tratarei da parte histórica do char-
latanismo, nem dos infinitos, e bem notá-
veis escriptore;? , que se tem encuberto com-
í^^^rte de curar , e que pelas suas astucias;
i^fíi zombado da
credulidade publica, e ad-
qiiixido so])re a ignorância do povo baixo hum
tão notável ascendente,, que os acredita, e
abraça em seo prejuízo os seos conselhos *,«

Nada diremos do descobridor da pedra phi^
losophal, e dos possuidores da Panacêa univer-
sal, nem dos investigadores do moto conti-
nuo, e da quadratura do circulo; nem dos ce-
lebres partidistas do Magnetismo animal, do
perkinismo , do Somnambulismo
da Rab- ,

dÒiiiancia, etç. etc; tendo entre muitos des-,


t^ sido bem famigerados Mçsmer C ar/lio^ ,

fro , Jarqífes Aímctr-J^ernai , e infinitos ou-?


tros. Prescindimos também de expor as va^i
fiadas formas , que apresenta ainda hoj^,^,ç>-,
charlatanismo em muitas Naçoens, e na mesT^^
ma França, e especialmente em Paris ; ape*ft
zaKdas leys repressivas de taes abusos, e da,i
vio;ilaucía da Policia, e do Conselho de Sa-„
lubridadò, ha hua ajluvião enorme de annun-
ctos públicos por meio das jornaes.,^, ,^ doscar.
lííics pelaS-^esquintiê'^' qiíe pfovao sua peri^^j
lífa

íí'osn existência. Limitemos- nos' no nosso pató;


aonde pouco n?io acharemos ; que censi^rar.
'A nossa legislação desde os mais antigóii
tempos prohibe, que qualquer pessoa pussaí
applicar remédios em qualquer enfermidade^)
sem que esteja legalmente habilitada, igual*^-
mente prohibia aquelles maliciosos impostos^
res que debaixo do titulo de benzilhoen^^
.

pertendião curar modéstias pelas bençaog ^,


e por certas nigromancias, que erao acreditai^
das do povo baixo e ignorante. Sempre taest
leys existirão em Portugal, e he a ultima cC
fste respeito o regulamento, que faz parte doí
Decreto de 3 de Janeiro de 1837 , que pro-
hibe, que qualquer trate de moléstias setn,
estar authorisado, deixando a sua fiscalisa*;
cão ao Conselho de Saúde Publica , e á Ad/
minis tracac. >

"^^*
'Apezar das leys ha hQa infinidade de chat*^
lataens em Lisboa (59) e em todo o Portu-
gal ; e estamos bem informados, de que hej
impossível extirpar-se hoje hum l«il cancrq

(59) A
charlatanaria em Li&boa he assaz a^Min^í
dante, lodos os dias se vêem anniincios públicos
por esaes periódicos, e até cartaze? apparocfím po«
]as esquinas. Ha por ahi hum Barão de Calanía^
que faz nos papeií» públicos pomposo alarde de sco!t
milagrosos curativos, ha quem annuncie remédio*
secretos sem licença, v. g. pílulas anúbilias , ha hunij
remédio para cancros, que se vendia n Cariinol dki
\

Penha^ ha oremeJiodo /''uTii/eiro para curar aicferi-


cia, ha hum oulro para curar todas as chagas na f\.íMi>
das Parreiras a Jesus ^ ha hum desccanlc exterior ,
rtímediod^hum antigo frade de S. licjque, e que vendi;
hum droguisla na Rua Larga do meçmo nome^
pnra curar scirros, ha as antigas pillnjas purgaoles
para os gallegos ecalraeirus dWlfamuy qut» 8e.'«^fí«r
191

segun^lo as leys em vigor. Pois que lia iníi-


nitos Concellios em Portugal que tem
,

bum uuico Facultativo legal, outros que nao


tem Bledico, nem Cirurgião, e todas as alclêas
(^U; mesmo muitas villas) estão entregues aos

se(i>s barbeiros, que tem a impudência de tra-

tar de todas as moléstias medico-cirurgicaa


para as quaes são chamados. O
referido re-
gulamento de 3 de Janeiro de 1837 os au-
thorisa, quando elles facão o seo exame, e
fiquem approvados, mas esta authorisação
nao he hoje possuída por hua centecima parte;
«>/tu. sei #! que de^detde 19 de Janeiro de
;

-Q-ín 'M i: ;jIiÍ_L_lL_-i_ i

dem na Botica das Monicas, ha bons pos para ma-


tar lombritças , que se vendiâo ao pá da calçada do
JVIarqut>z d^Abr^íntes ele. ele, E que diremos de hum
atrevido benzilhao, que as&istia na rua dos Canos?
uh\ corria lodosos dias hua alluviâo enorme de gente
rústica abenzer seo3 malefícios; e de hua atrevida
e petulante mulher, que assistia a S. Christovâo,'
que curara tumores? esta abreviou o fim ultimo de.
htia Senhora, que eu perfeitamente coithecia.
Nào divisamos nós por esse Portugal hum certo
numero de Boticários, que não só dão lemedios
sem receita de facultativo autho^isado , mas (oh
dof / 1 (sí^m remorsos em suas consciências, elles mes-
mos os applicão nas moléstias, em que sãoconsul-
t-ados por al^^uas pessmis pouco caulello*aí em sua
saúde e conservação ? Nào temos nós já sido chama-
dos para remediar males filhos destas indiscreta*
applicaçoens ?.... ,;qoji.'
Quando pois vemos todos estes abusos referidos
em Lisboa em frente doíxoverno, e do Conselho de
Saúde Publica, que trabalha para reprimir e^tac!^a^-
latanaria,que será por e^%e Portugal ? mas o defeito
he da ley , porque se fszerão sul)delegados do Con-
celho de Saúde Publica do Reino os Administra»
dores dof Concelhos. ^ou-iinJiJiis-go^ritjsg w>
l 1 c

m.

,Jlj^.^ ia.aiM^^.a-4Ui'j>. ( a r- i ) ^tao4>;4pa-GJ d a do tj u;

sua^ exjirícíjíiio Com j) leia he-ye gr|^uíl(Ç^4irt?ji^Zs9(.

nf)^ povos ao pfésinite estado da nossa lí:;giiS<rj


lação, porque elles remedéao para péqiienaai
cDusas , e nas mais notnvcis consuUAo^ os
facultativos; tudo i> to pode ser, níais" dé^i^^-^
líios confessar, que dista mesmo íienhumfbií^
sultado util sé ti ra, ^porque ejlespjupao cônsul-^
trio os Facultativos nas enfermidade^, e &e Agrh
gravito, e lornão-se perigosas^ e se congultão^
não sabem expor os padecimentos, eh^eintr*}
til ou nfío sabem remedi ctr hum acicl^lçfítá^
;

imprevisto e inopinad:^^,^^^^ dist^ç^çíe^^l


Facultativo. l^^)y\ ^Muá<\ .òff o^i . ^
.
.

^í/j Jsto que acontece com as enfermidades coír«*í

tttuns, que atacâo as differentes pessoas, e que^


são tratadas pelos barbeiros, e cliárlataens naít*

^ ><jn[ia« tqm la<^


80 a faclura doyVxaiiies vlosiu/adortí^
e\amrs a desprza de JOO-jriOQO.rv, ^» hiiétíM*^*<d>yf"
meio indirt^clo de sua prohibiçíío; c bem haji^:i,o.

Vt*»í#U(W|Nâo íe podeduv:iJar d/Lj^qj^p osUnrMf<^ft|


dat aldôa* cCaufão mais mnlrs do que i>fe\ns áhumff^
nitlad<e,j e também çe nao póJe viu vidar ide ijuee^jíb
ptí[«lç..«ís|ái espalhada por ioJaío R9rlugfí],,,e qy%b^
pjecbo, extinf^^^ui-ia radicalmente, xl Ivy ^de 4 |d«ilíJifig^
^ei^^o de 1837. ob iga os Gurad.it,*»: a evX^amitfiíyfMxy
e a píigar a grandy quantia de lOJj^UdO çsi-ipubft ^í
fj^^mií; parectí sçr o *eu fim acabar içotin <^JUij iiiq^
fanda raça de barbeiros d^ildèa-*; enlrtitaahíiju^ríi-"
mos que ella ou íui i iid i ffe rc nt ti ,, ou ptoduaiiixilam .

e/|(íílo\i;\UÍram,en:Uí, íí^poçto^ pois <(,u« nvillKttíin.lEíiA.

examinou , ell<^s se tem rwuUipliiiiwio', e ixBpaAliHÍ


éhfferentes vilTas e auieas de rortugal, de que
fazerem muitas victimas
resulta
i—^ 1 — .. — --i

exercendo
, verifica-se
i^— .

niciíife e.-lâo por ebse PofLUgal a arle dé.


cnrar com o benoi^Liritò ruduifeslo nu (acilo doa
Adrtvinistrndores dos Concell»os. que são os cornpli-
ces 4írri \u\ objecto. Ett j«»lgo havef hum único re-
li)i."dio oííicnz pnra tsle mal.

Jcdo-s os Governos estão obrigados não só á


cuidar díi salubridade publica, irias também a pro-r
porçionaf os soccorros npcessajios a todos os Oida-
drios OU) as stins enfermidades: por Conseguinte lo-
dos os Conrelbos do Reino devem ter facultativos
de Medicina e de Cirurgia , a qUem as Camarás
iUunicipaes deveu» conferir partidos, com a obri-
gacíto de ir tratar ^faltutamenle os pobres ale ao
íerrno dessí s Concellios (cu não fallo das populosa*
cidades, que deiles não precisilo). Se algum Conce-
lho, com o pretexto de fatia de meios, di-^ser qwe
T)âo pôde pítgiip o partido de Medico e Cirurgiâíir,^
tenha simplosmente Inim Cirurgião,' e'<!om prefe-
rencia algum das novas Fscholas; e se nem hiini
i]em outro poder ler, deve deixar de per Concelho^
e reuna-se a algum dos íemiirophes. Devem pois as
Camarás do Reino ser obrigadas a formar paflidos
fublicos para os facultativos, que pogarão por meio
das conlribuiçoens directas, ou indirectas^ como as
leys ordenâo, e como fôc melhor conveniência pu^
blica.
Estes partidos, depois de serem conferidos aos
facultativos, «ó lhes podem ser tirados por meip
d'hum processo, derroga íido-sè a ley K.*^ 11 de 18
d^Abriàide 18^, pondo-.Ne em vigor o Decreto de
9 de Jullio de 1751, que se refere aos Alvarás de
!tô de Dezembro de lõâõ, e ao de BO de Julho de
1589, porem isto em parte está remediado com a
ley de ^í) de Julho de 1839. Em tal caso esiou certo
que todos os povos do Reino terão os seus faculta-
tivos para os tratar, e que virão a acabar estes
charlalaens nas aldeãs, sendo depois derrogado o
Art. do ííegulamonto de 3 de Janeiro de 1837, qu^'
íkulhorisa huns taes exames, .jiiníí/.a

13
ISIÍ

Igualmente para com o Vinis Venéreo nas po*


puloças cidáties^ aonde mais reina a prosti4i^j-
çaò piil|lic^. ,^ô^ começo das enfermidade^ ^v^*
nereas heJípui ^aro» consultar-se Knm faculiaí^-i
vó legálmenfe authorisàdo, especialmente pelas
pessoas da mais baixa plebe ; estas de ordiná-
rio consúltâó os charlatães, não só para enco-
brirem seos males , que se envergonhão de-
nunciar a certas pessoas, mas também. porquq
ha charlataens, que tem annunciado remedioç^
pomposos e eííicazes em as diversas formas
,

das moléstias venéreas, e os ignorantes, e cré-


dulos procurão avidamente taes remédios , ^ue
a maior parte das vezes falhâo^ e a moléstia ou.
sé protrahe, ou se aggrava. He este hum infe^
liz resultado do charlatanismo, que Jesta ma-^
íi eira se torna híia causa do incremento, e pro*

pàgáçâo da syphilis. ;

Nós estamos entretanto convencidos de que.


muitos dos Boticários são os mais complices
neste objecto; porqu^-^ t.^ mjíitos saò os quQ
mais repetidas vezes são consultados para o tra-
tamento das moléstias venéreas, pelos motivoa
acima apontados; elles poréin coín sua cons*
ciência bem tranqnilla applicão o'qné julgãoa
propósito, e infinitas vezes aggravãa as-mtrfes«
tias, e as tomâo incuráveis; porque, ser Bo-
ticário não he ser Medico nem Cirurgijio ^ e
com quanto , que nós respeitemos seos conhe-
cimentos pharmaceuticos, nem estes os autho»
rizão, nem elles são suííicientes para conhecer,
qualquer enfermidade, e o tratamento, que
lhe <;onvem — 2.*^ porque elles seprestão fran-

camente a preparar as receitas, que lhes são


;ipreçentadas, ainda que não sejão de Facultar
iiv.os competentes. Os charlataens não conhè-
*

inctamètite applicao a todos oSí casos, e cir^


e sendo de orclinario medicameíi-
úmstaficias.
muito estimulantes, antes aggravãó , àó
os
tiue curão o mal veíiereo.
'^íf '\í r^ ? p^^qn r

tEste cliarlafanismo cohi^Éé-se àppiicaiiaõ ào


osso paiz a legislação da Prússia, que he
itiigna de iinitar-se em muitos objectos de Po*
cia Medica. Deve em todos os aònos impri-
lir-sehua lista de todos os Facultativos autho-
jrisados legalmente tanto Médicos , como Ci-
,

Iyurgioens , esta lista deve ser publicada pelo


Conselho
de Saúde , e deve distribuir-se
-pelas authoridades administrativas; pelos agen-
tes de policia 3 e pela repartição de saúde; e
bem assim por todos os Boticários para que ,

elles saibãoquaes são os Facultativos authori-


sados a tratarem as differentes moléstias, é
não confiem os remédios ás mãos indoctas , e
temerárias de hum charlatão, que mais males^
do que bens, causão á humanidade. (62) '^

Concluimos pois do, que fica exposto, que


o charlatanismo protrahindo e aggravando o
mal venéreo» he. hua causa influeíLte em sua
t^tm^nit^^^mí»^^

-0^4^^) He bem saliente a ulilidade, que resulta-


ra, se taes medidas se po/crrm entre mós em vigor,
Clafflo existem nos Estados da Prússia, e em alguns
paTzes dô Alemanha estas ujedidas já forao pro-
;

pos'táâ ao Governo, e forão concebidas em o se-


guinte regulamento, que por agora não foi appró-
^êo , nem reproVado pelo Governo.
- Ait. l.** As aullioridados Administrativas lo-
1

rfl.es de cada cidade, cu villa , farão imprimir


an-
míalmenle hua lista de todos os individuo? aulho-
H.s_a4p.5 a exercer a arle de curar. Hum (xenrphu
I
áft' cada nVta scra íado a cada Medico, Cirvirgiãoy

13 ^
a •

m
bropagaçSo por iéso devem pôr-s^^iií^Vi*
,

^òr ás leys repressivas de tão nocivos áíbuf

Mis^ a B CAPITULO HL ^^^cj msrío

«•ifiq
Meios iivfliienies na diminuiçâo^^'^'^'
^^"^^^
do Virus Venéreo, '^^^l

^ ^Tratando^Tía prosiiftíièffif iíâ'efiJ^^ê !Lis«


f
15ba, não nos limitamos simplesmente como
liistoriador á expor o' estado actual das prosti-
iutaí? nesta cidade icomò esta classe nunca
;

entre nós foi a híla exacta e devida


sugeita
fiscalisação policial é sanitária, nos diremos
o que he preciso fazer-se a este respeito, apre-
sentando os regulamentos a que ellas se devem
Vtigeítar. Ora hum tratado da prostituição em
. . 1 ,1 4

H3£?;Pjjarmaceutico , .,€omo taoihem aos açíentes da

* - 9. 1. JNenhiim 1 liarmaceutico praporcionara


remédios da sua botica, senão quando forem pedi-
dos por pessoa legalmente aulhorisada; pela con-
travenção serão elles n)íilctados em . .uíxii^^)! aSfiio
§. Í2.* Os ofíiciaes de policia ficâo abrigados.
denuíiciar aos respectivos Magistrados os ç>Ií^ií|j^-
laens, 011 os que receHarem ou aconsclUvireoi. re.nxe^
d los, não inscriptos na lista. O nuísmo deverão fa-
zer os Médicos, Ciifirgioens, e Phnrrnaceulicds;:—
(Annaes do Conselbo de Saúde Publica, Tom. S.**,
Jjarte 1.", pa»:. 5J0.) x .
n
Melhor retleclindo temos assentado ^ em que
taes listas devem ser mandadas imprimir pelo Con-
,j5eljio d^cSauvIe, porque. ninguém nielhar do q^iue elle
déA;e saí)cí- qtiaes bUo os Facultativos cie todo ollei-
Tho',' anlhórisadôs por ley , porque a líinlViciífíf ífe
"todos lhe deve »er conhecida, cottio a feV-Hi^ín^^
197

qualquer cidade do miyidp hjd impossível ser


bein desempenhado* sem que se fali e no Viriá
Venéreo, que he hum dos maiores males, ^ua
ella traz comsigo e como ha causas, que con*
;

correm para o seo í/Tcremjeií^o ^ e para a sua


diminuição he indispensável conhecer as pri-
,

meiras para se atalharem, e as segundas para


serem pogtas em pleno vigor. No Capitulo
antecedente, e 2." desta Secção, já expozemoS
,^s primeiras destas causas , e os meios de se
^rjçyenirem no presente Capitulo exporemos
;

^^ellas , que concorrera para a sua diminui-


g§fíji)it^'Ste objecto he de grande entidade, ç
jgp.to que he elle , que concorre para prevenir,
jf^^fí' Temedio a huifti^f?^ piaiore^ çciales da pros-
tituição publica. , ,

Nds entendemos que estas causas ultimas


,

, ip^TT?: 1/ os hospitaes, op casas de tratamento


,
para ás moléstias venéreas -r- 2." os estabeleci-
mentos de fficultativos para consultas gratuitas
— 3.^ as casas de correcção, em que sejão
mettidas as prostitutas que o mereção - 4.^ —
j^.caáas de refugio, ou das convertidas.
,

5/ —
os meios prophyíaticos —
6.^ as medidas poli-
ciaes regulamentares. Taes são as seis causas,
*que nós pensamos serem as mais influentes na
^diminuição âo Vinis Venéreo, e das quaes pas-
"Wàtemos â tratar em especial nos seguintes Ar-

S.fnoT .
ARTIGO I. A)
^Dos hospitaes, ou casas de tratamento para
.f,oO ohq f!"'^* moléstias venéreas.
Se se pozerem em pratica os meios, que
^àls efíicazes se julgarem para^curar a molés-
tia venérea, logo que ella app^reç^, e sede-
;

m
^nvolvg., 4ev€rá ella soffrer gramle diiiaUni-
çflQ! o ^bai)dQr)o, a que se entregão as [^rosti-r
tiitas acometíidas de Vírus Venéreo^ he híia
poderosa causa da sua frequente propagação
logQ as casas de tratamento para as pessoas
íjelle acomettidas, he hum dos meios, que mais
influem na sua diminui/;ão ma^ este íim aitil
:

saião pôde obter, sem que eJlas sejão obrigar


das a e^te tratamento , e ellas não podem ser
obrigadas , sem que yisitando-se se venha no
iconheçimentp de que eslão doentes : he por-
tanto indispensável primeiro que tudo prpce-
der-se ás visitas. sanjtarias. Eãtag estão çstabcr
lúcidas e reguladas em as Naçoens ppliciailas
da Europa, e que hum dia terão lugar entre
iiós , quando se cuidar da policia das prosti?
tutaSi .0 que nunca quizemcs fazier em Portu-
gal; nem estabelecer casas esptciaes ,p^ra o
tratamento destas moléstias, o quej be §empre
ipaisutil, cpmí) diremo^. j^b- gdlla oJia:
„íjíííiuando nos antigo^ tempos al^epra, e ou?
tríis notáveis moléstias cutâneas forão frequen-
tissimas , e que então se julgava terem hum
caracter eminentemente contagioso, forão for-
jnadas muifas caças e hospitaes particulares
para o tratamento dos doentes delias acomèt^^
tidos; estes hospitaes estayãp abunda ntemerrfé*
dissiminadcs por toda u ÍEúropa, e jentVe, :f^(3!ç^
existem ainda alguns com esse fim unicp. Q\\j
no fim- do século 15," os Colombistas imporn^
tassem pela primeira vez na Europa a moles--
titt venérea (o que nós não acreditamos); ài^^
então ella se tornasse com mais violência' (^^^
furor em quasi todas as Naçoen§ Européas/
he hum facto, que s6 então se estabelecerão
Jipj5i\itaiiís especiaes para o tratamento destas
m
enfermidades, a qftè entrenós htinca téVe M«^
gn'r^ tljem> iMo nos raereeêo nunca algtla attèri?''

çaoV 'talvez porque as nossas leys, filhas^^dí?


nô^sô inQclo de pensar, próbilMáo^rigorosaraen^
te ^ns prosUtutas, e portanto como senão per»/
líiittiuo, ú'í\o se precisava dè casas para as'

curai^y marcha esta até hoje seguida, que na»


pode appriayãrí-se.
As leys hoje tolerão as prostitutas, he
pOíiá^ indispensável regula-las porque tole-
;

l*aticia sem regulamentos policiaes, e sani-


tários, he maior mal talvez, do que a pro-
hibi^fíò, e huá má ley seria substituida por
iídfil^r^áiii:):dá peor; no entanto nada disto
fs^iW^a actual legislação, porque o artigo
db?4'0dígp Administrativo, a que me refi-
ro, ordena que se fáção os necessários re-»"
gulamentos para as mulheres prostitutas ^i
líèsta pois que o Governo os publique, e de
certo elles determinarão a formação destas »

eâsas especiaes dé Irata-mento para as mo-


léstias venereíís^ {6^^ afiíía. i i

- (^3) Muita* í'~ií> as ra^íjés , que fundamentâo


a^ncçessidade d:ç iuiat^^íi^a ospecial só para o Irala-
ruçoí-o das fnp(estia$ sypbiliticas ;e enire alguas ou--
t;-a5 apontaremos as seguintes ;
= L*^ iie hum facto,
que as prostitutas tratadas das inoleslias„ venéreas nos
oTjfrbs hòspitaçs , são olhadas com desprezo, abati-
dôhò, e tratadas com rigor. — %.^ as casas espeeiaes
podem servir de escholas destas moléstias. —
ZP as
banheiras, roupas, e mais arranjos precisos, só a
eljas devem servir, o contrario pode dar miis con-,
sexjuençias.— 4.' a dieta nestas moléstias não tem,
o rigor das outras. — 5.^ não he a melhor a compa-
niila^dàs prostituíam ; a* donzellas c casadas, em
ffhíáV pessoas honestas còm ellas não Jevcm estafa
ráiiaiarâdas.>^T«-6^"'-4nandai)do:-as :logo pára estas caV-
mo

«•xi&líeiíi ei^iasxímsaí deiTatainenlo, sódesti-


»fídâs ;a íes(íàtofiit»rmidades, e a experiência
da diiuiauiçãô"' destas moléstias tem assaz
provado asófarnecessidade e nós as deve- ,

mos poT tanto admiti ir, hiia em Lisbua é


outra jtoPorio. Construindo se novamente,
ou ptocuraiido-^se os edííTicics já construir-
des ,-BÍIas devem em todo o caso possuir
as qualidades requeridas para 'os estabeiôf
cimentos desta ordem sendo locaJisados ,

em lufares altos , bem ventilados, e berft


espaçosos em seos quartos e corriedoi^eg^^
erafim com os requisitoSj que exige ljiiô'P tf-
lieia Medica bem ejittndida. oisi^xei .

"Estas casas devi' IH ter os seos juegéííiaí'-


mentos especiaes para se dirigir iiapijgó o
serviço medico, uías também o adiMuis-
trativOy e ecDatiuíico. Entendemos, cjué
em taes regulamentos se deve determinar
- —
1./* a separação dòs sexos, e he mui obvia

a ra zàa di ato -^ 2 a se [>a vn ao dos hl d v -


.
**
r: i i

duos^ poisfrque a moralidade he mui ditVe-


rente e: a ce-mpaiíbi^^Com^ hua pessoa do
5

hua moratesí-Fagada' & cori^onipida ^ p(íde


ser muito perjudiciai aque;!T] ainda wâoeíâ*
teja no mesmo ^ráo de eorrupçâo> eMemí*
se observado salniem peores -em çosttííiiBeâ
do q ue qjiia ndo eu t rá ráo. Ta m bem;; estíi sei* !

paraçâo he útil para que as pessoas aeo-


I

,
I i I . I . .— . ! I . I
.) « II » I I I II .
_

sas extingiie-se a possível comnHinioaçaa;, o. h^


,

qtjanto bosta para nSo se prppar^ar oT^ir\t$ /^erjç/j/p,


.A stniistica do^ I)c»spilaes do> venérroserp Paris,
e hnsinais ciHnJps, aonde elfes cxisinu, temdei^ons*
ttado íi p^ránde dirninuiçâa nas inoléí»|iíls^^Vtiheréàí8^
na quai ^i^es tcín íiua uolavel influencia;! aoiJui
i ^

(ML

jTO e ti i^n » â a q iiellas mol est as, nSo -sejaò^ v is»


-tas pej«s uiitras ,
que a» ien> de peqyuiííà
i^unsideracàc», e cora lalr aspf-cto se lhes pór
deuv íjiggravar suas cogúnçoenç,; e-r^íc*^^^*
íáíííelbc: augineí)ía ó maJ ^-^íSí.** he também
iitil, que as pej^soas, que alli enlrâo peia
prnneiía vez, n«a(> selhes escreva seo nome
íi'à papeleta, e seja sómenie sabido do pri*
'
-ineif© jVletiico, porque nâo ha precisão vul^
^^ii«afr":iOi^.notTie de híía rapariga ou de
,

gqualquer oulra pessoa , que póáe ainda ar^


Irt^ie líder: se, e entrar na vida cominum, &
^jW>^ii|a. HSa outra utilidade he inherentoi
^'|a<^çjcaãas o poderem elJas servir para
,

Lezarelo; pois que pôde muitas vezes du*


^Wldiai^se do estado sanitário de hua prosli^
iituta^ e hejndispensavel po-las emobser*
^aí^âo, ou soquestra-las, quer dizer pa-ias
ée quarentena 3 ou 4 dias, ou ainda mais^
para serem depois examinadas, e nestas
casas se desempenha isto optimamente. —
.1 / Ora como estaníos em tempo, em que
j)<ír todos os ângulos do Reino, e por todos
oé cantes da Cidade, se prégao as econo-»
mias, poderá afguem dizer —
que estas ca-»
sas sao mui dispendiosas, e que para ellas
nâo ha sufficienles meios —
advirta porém
t|ii€tm quer que isto disser-— que seria es»
n*ais miserável de todas as Naçoens, aquel-
teque-não tivesse os suíBcieníes meios para
sju&t^jitar a Moral e a Saúde Publica ,e
,

le íj^ci festa Portugal em íaes circumsían-


ííllis'; e até estou convencido, que nenhum

ji,ovo ha sobre o Globo, constituído em Nar

çãa, que disto nao seja capaz ; pois que os


outros hosTiitaes fiâo sào para este trâi-
lawenlo lao abados v comi os especi»ies.
Independentemente dos fundos geraes
<1a Naçao, que ta n1 bem para è&ta ííespezà
devem ser appUcados , alguns se podem
laniben» obter dos individuus, para queella
heespeçialiiienle destinada. Poisque os re-
gulamentos devem estabelecer muitas a loí
dos ósseos infractores, além disío as pros-
titutas devem por agora entre nósconwí^
buir pata as despeza$ da sua policia as ;

mesmas prostitutas nas casas de tratamen-


to, poderão alguas delias empregar-se em
algum género de serviço, que possa seg
utilj por isso com algua quota parte se po^
deria contribuir para as despezas destaíT
casas , aléu) das geraes rendas do JEs-t^do^
Seja porém como fòr, admittida a suftine-
cessidade, qne ninguém contestará coJirrs©-
lidos fundanientos, será mais hua despexí^
do Estaílo, para que a Nac^ào deve conlri*
buir, ella tendiB á Satitl^P^iblicâ, efae^çst^
a primeira ley. k ííi oa , 8 o v il 6 1 ij :x^H ea m fl
| í

Escusamos de faxer refle^ííoímlgua aop


que por abi vemos hoje èstabííleeido a este^
respeito no hospital de Lisboa: ha lá hu^*
enfermaria destinada para as moléstias ve;)
nereas ; mas em estando preherichidasí b»;
camas , misluráoi^e. coqa^os nuiros doeatfis
pelas mais enffríuarias , que entemio^Mseiíi
híia falta notável, que se deve emendar^ cb
finalmente he preciso pòr em harmonia to-^
dos estes objectos relativos ás prostitutas/
o que só se pode conseguir coin a publica-?
çao e execução dos regulameplos.
(^í)4') l>rsJe o>&e& coiue^o., que )iu no iiosp^tail/!
de b\ José hiia in ferina ria dcslinadauíeiUe jiaraKisv
';

a(^3

«9ÍÍ13ÍÍ gobíiíjl gol) a)fi'5ní'3lfnsba3aobnl


^6lqf)elccimenios de henefic^^ia para as
ínsboq eá consultai gr atmtQ$,, 3^ vf^v^b
áj(!'j !)t^p í-ni'.^ .r,, ,í. í .^»u cui* T^kKí ,'at>ct/íiix
. Tereioios ainda hua bntra oceasiao de
;

ll^llar oesle assij inpto, qiiamJo tratarmos na.


Segunda Parte desta obra das casas pubíir
TCfis das prostitutas , no entanto devemos
jâqui fazer delle hua especial menção, por-
que tem híía decisiva influencia na dimi*
jtiuiçíTo das enfermidades venéreas j e muito
^)ajs notável ainda, se as pessoas indigeií-
^s fossem fornecidas dos necessários rem#r,;
.4ios gratMitaiinenjle pjara cijrauvo de seo*

^ ,aHe indubitável auliJidade resultante d#


jUi.es. estabeleci meu tos porque pessoas 11%,, ;

jqiue nâo querem recolher-se aos hospitaes,


e não tem os sufficjente^ meios de se lra^>
tarem eu) suas casas, consultando paraesj^i
flm os Facultativos, comprando ps nectxs-j.
sarios remédios , e tendo a dieta aconse-
lhada nos seos casos; he então hum resul*
Ifído infallivel p protrahiremse seos males,
que ae podem ir propagando; o que «aP,
íKíonteceria, se essas pessoas tivessem ^i^
—^- n, hrnjiío r.r\jn\:--r. r:tR'.íiA'tt?lr, , — srofi ^
líbroeit^' acomeilidos de P^irus f^enéí^eo^ chamadàía:
efe S. Doniing-os, e outra para as mulheres, que he
OL de Santa iVIaria A'Iagdaleiia í mas eí}C)pnUão-|^í^
Ifenereos pelas ouliag euferpnaiias , n^o 59 P.'M'^lJ^^v
estancio cheias se vuo coijoçar nas outras, ma» por-"'
que ha muitos abusos nesla parir, e os mesrn«^T<3^
riercos poderu taciiinente ir paríi aquellas^nferuiív.
rias, ;qtie bem llies agradar «^kI^ ic euit;nd&iíi Js
j

vezes com os enfermei ros, £.;.uiiviyíiii i^jíii^^ísp V /-ii »b .


íjeríeza nao só de que erao vistas grati^ita-
li^f^nle, mas que gr^iuilos lambem tiu^íla
g? remédios sem serçm hum hospitaL Além
^isío muitas pessoas leu) pejo em consultar
os seos Faculialivos, sendo acomeltidos da
ipolestja v,^nerea., e lhes não querem des-
cobrir a origem lorp.e e criminosa de seos
anales , lançao-se pçr isso mui las vezes nas
màos de hum charjalao, que ou lhos ag-
grava ou lhos prolonga; o que não acon*
,

teceria com hum^ estabejecimento como o


que propomos. I^to j>orém nno pode ^J
applicavei ás prosliíulas, cujo tratamento
em seos d()micilic|s he sempre nocivoj como
veremos em lugar competente. ^i.^
'

, Sabemos pjçrfei lamente , que os Facul-


ialivos miii yolunlariamente se presíào ^
serem consultados gratuitamente porqua^prj
jguer pessoas indigentes, e que lhes nag falta
a necessária phiianíropia, e espirito cari^
tativo para tal fim .ajém disto temos tam*
:

bem entre nós em o hospital de S, José


liiia Junta, que em dous dias de todas a§
semanas se presta a ser ouvida por toda§
as pessoas, que a quizerem consultar (65^)j

-{()Ó) - O erlabeltícimei)io deijla- JtitHíe ito- hospr-


Inl de' S. José, não data de lenipoà mui anligos,
cila foi in.sliU)ida pelo Sr. Principal Caiiiaray qnm^
do Knfermeiro Ãlór naqiiella casa, c osqii^ ^^Ç^
foi '

cião este cargo tinhão a inspccrão e fiscalização sía*


perior em todos os objectos daquelle estabelecimeiínr
to; nos priíDeiros tempos era esta Junta feita f;Qm
toda a ostentação, e ale ia muitas vezes asaislir a
ella*^ Enfermeiro Alór que tornava a cadeira da
,

pre-i<lencia ; liojo continua ainda, a que assisteíii


r* Médicos e Çirufg;ioens ilo hosfíilal, mas clia nào
sujipie o Cblabclecimcnlo^ (|uc propomos.
: ^

U^vi.

^níráfátttó úÁih úiitb snli^faz cotti[>lelaliiè1fH


lè âo ique se tlove de/ejar, e o que s6 j>té^>
ht^nche lula iristituiçao como a que kiiifbra-^
i^Qos. Os Facui tal vos (alvez nèrii façad aa i

notas regulares, nem sigíío nenhuadasenfer^


Itíidadèè até sua final (ermiria(^íío, nem fa*
lilÒá^Vònr latentes participaçoens ás rcs»
|)fyèt1Vá^ authoridades para se eojhereui os
íífefec^ariòs esclarecimentos a Junta do :

IrWfií^t^l de S. José (em o grande inconve-


fiiente de ser somente duas vezes porsemni-
i^, além de ser destinada para todas as
ílíFèrm idades, e segundo o modo porque
è^lá instituída, nâo se tirão dèlhi' todos os
bens^ que era possível, ^^ . ::

-^^^'^típpòsta pois a influenâfás "^ííhP^ètn na


diiViinuiçao
*
do
V^enereo o estabelé-Virtis
Xí\ men lo dás conmllas gr a Mias , c u m pré -^

§éndo hum objecto de l\/íicia Medica , aò


Gòhâelho de Saúde Publica do Reino pro-
pô-lò ao Governo; este estabeleci mento de-
i^e ser comporto de Médicos eCirurgioeiis,

fie vem rèunír-se todos os dias , em local


'éerto para respbndert/in aos doenlesv Cfuè
o!^~ consultarem ^ enifim o mesmo Gonselho
'-*'*:; '
- v' !* ^ i
íjji!'i."!t ir ;i.';!>vji: .j'

n O (àbj

ph^^èmWtia, e ho àá Socit'daçIe]<Jí^s ScioiVèas fíté--


íi'

dièíis po Iqcál das suas sesstjeiís 1 deslinadh' parií as


pessoas pobres , mas recebe a todos que a queira o
e fo r m a d a VI ó s' ' iiSiiíof prí} d is tu b u ç a o
CO n s líí f SL P; ' •
í

Néatn Juniâ, cbhsta-nio, qMee>v1síe1u*aescrrpttnaçâo


í^f^^ulíir^dás enfermidíídes 5 sobre qlie he consult^-
^, ^e'^h'*tbínâí>^ás nõrns ,, que se julgao convrnietí^^
t^s'V ^h5 obstante suA rècoiiHeeida uiilidadé^
n^vo
i>^
^ f^i^òhcnche os fins do eitábL4ccímeíilò due 'jVrdí-
MWbrifò especial pnra a direcção dè sèós
tVâb.iífios; além da parte orgânica do rifièá-
ifíoèsrábéiccíineíito. Corrro ás próstitirtas
devem ^leras^ suas visitas sanitárias, pfòr^
que Èerú eílas nao ha policia efn tal génte*^
e Sem policia com a tolerância, resulta
delias hum mal enorme; por isso tencioria-
mos em seo l.ugaf competente propor hurti
èsfabeleci mento para as visitas sanitárias
dcsías mulheres publicas, e nos lembra-
líios, que elle pòàe, e deve servir para sé
prestar a estas consultas gratuitas, e fazer
as noías competentes, dando delias parle
Á estação respectiva; deve emfim ter certo
numero de atlribuiçoetís , que serão marca-
das nos regulamentos. Seja porém este, ou
qualquer outro, he fniieg?rvel a sua utili-
dade, e nòs por taés motivos ò propomos.

2oWvr^-.
ARTIGO 3.*^^^^^ ^"P '''^
-83Ui o 0lír>7 fJlip ,9J'2I/"> Ofífl 3Bp -UO* ; 8iII
Casas de carreccdo pára as prostitutas^

•^*^Aá pnsoené, e ca^aô dò corre cçabyèmr


((nb síTÍo mettidas as^prosíitutaè em consé»* ,

quencia de seos deiictos contra as leys eí^'

regulamentos em vigor, sSo hua das cáií-


sas, em nosso entender, muito influentes
nTi^ diminuirão áo Vinis VeneraOyXdíò-^kíi'
porque as |>rostitulas que ahi sao metii*'
,

das doentes do mal venéreo, sao immedia-


tamente tratadas, nias porque ellas em taes
casas o não adquirem nem por isso o pro-
,

paga o. Em todas asNaçoens cultas da Eu-


ropa exisCcni estas casas dccoiréc^ílo, por-
207

qi^e.^o;ia.loí3as s,e (em conhecido a jnecessi-í


4fUle de sua cxistenciV; esta necessidade
Ói^ye entre ser iijais^tirgeiíte ; por i>\sa
jilós

^pe. nunca ebtapdo as prostitutas sogeilas^


itf medidas regulamentares, se estas se fqt

reni pôr em execução, como a ley ordena,,


evem ser mui irequentcs nos primeiros
tempos as suas infracçoens, e repetidas por
\^B0 as occasioens de as metíer na casa de
çarrec(^ão ^ e se em aignns paizes ha pros-
{i|.^^^.' que tem ido 20
30^ 40, e mais
,

%ezes a taes casas, talvez entre nós não se


^erifique menor numero de vezes , ainda
q,ue em geral nós nao supponhamos as pros-
titutas em Lisboa tão desmoraíisadas, como
em algOas outras ca pit^es^ da Europa,^ como
os Èscriptores nos'tefôreau!J,pií;.:,,^ p,^^^^
ÍUn ijshoa exist^e legalmente nua casa
de correc(^ão para as prostitutas, mas elia
não tem actualmeríte este uso, e podemos
dizer, que elia pãpprehenche os devidos
jins •
ou que não existe, que valie o njes-
mo» Ppr portaria de & de Novembro de
1814, foi ordenada no Estabelecimento da
Çç^-doaria, junto a Be.lem^ híia casa decor-
rej^jçap > denominada de Síinta Mai^garida
(^^Çroíona. para o fim de serem alli ftc^mU^.
iiíjj^í^ <^té seísenta mulheres prostitutas'^ e i^^tq

c|)^^,,^yj^e$ignio de ampliar e substituir ^^^


ajnflgf^ casa da Estopa^ estabelecida no Ar^.^-^
ieiif^t Seal da Marinha. Esta portaria he
ac^gy^anhada de hum chamado Regulamen-
ta^ ^pp qual se determina, que haja hiia
'X^jeríle naquella casa de correcção, hiia
Ç^jpjra, e outras mulheres , encarregadí^,
din^^írec^ão c^aquella^ç^s^,^ e bem ^3^^^
,

m
hum capelliííív'itim thezoureíro^ &c. kc. y
devendo ser o Medico e Cirurgião da for-
doaria, os do serviço da casa de ccrrecçSíl';
no mesmo Regulamento se estabeleceiíi o9
ordenados para todos os empregados; lado
o mais, que ellecontém, he rtspectivo ít
Jiarte íiscal ; e nenhíias disposiçoens pude
encontrar nelle relativas á parte policial
é correccional. Como porém esta casa fica-
va sugeita cm tudo aolntendenle Genil da
Folicia, elle era quem a seo modo a dtí^b-
gia como l>em entendia, e julgava
,
rdO^f

Não podemos expor os bens, que reifíW£-


yão deste estabelf cimento pelo decurso dos
tempos, em que ás mulheres publicas alli fò-
jâo introduzidas, porque nem estes esclareèi-
inentos forão entaò públicos , nem suá-hisfo-*
ria transmittida aos tempos futuroç neiíl tál
,

"casa merecia o nome de correcção , más sim


de prisão, como he hoje a prisão pubh(^a do
liimoeiro, em que elías são mettidas. Como.
jis prostitutas não erão permittidas, nos diffe-
,jentes tempos oti.qiledxas á Intendência Geral
da Policia, ou o 'èsccihdalo publico, por eílàs
"^dado , ou oulra qualquer causa , obrigaVa á
prisão de hum certo numero; maior eu menoi-,
erilo conduzidas para a Cordoaria, 'é:^Wi''èfii-
j^pregadas debaixo de prisS.p naquelle estabule-
Jjçimeuto, sem que se tirasse o proveifò^ 'de Ma
casa correccional; até que finalmente èè j^èr-
deo esse uso, e hoje pelos seoB deliiittò '^So
^i/^^ ••i<'"^ ^B.vcfsr,
Jevadas ao Limoeiro.
Como Lisboa e Porto são as duas cidades,
em que existem as prostitutas em maior nu-
,jiiero, necessita-se em cada btia dellasMe h^ia
casa de correcção. Estou bem persuadido, d©
,

gue tinl^itoSy-seín attender aos heDéfidó;? , jâel-


Ks restiltaíites, ipas só ás despezas, que -êÍ&s
fo^eiTíi dajr, e exu hum tempo, em,qu^4Q a^
§\z, qua etn tudo se devem fazôr economias,
dir,ão elles,que nâo est^iftòs para taes despe^
|5as; porém estas mulheres podem e devem tra?
falhar na casa de correcção, e mui poucos
serviços ellas farão se aò menos não ganharerií
j^ara se sustentar, o qtie tem lugar em muitas
casa§ de correcção, existeíites em muitas Ha:-
jçoens cultas do íntindõ. Devem pois em taes
casas haver oíficinas em que ellas $e empre-
,

segundo o género de serviço, para què


45.uejn.>.

J^era em que se quizerem empregar;


aptas, e
o que tudo deverá ser. marcado lios fegúla-
mentos internos, e taes casas dirigidas por
jnulíieres de,,prot)idade. de caracter firme e

01 V r Sãp indispensáveis as mulheres ^oift ^éste


(T^aracter. e ínoralidade, ^qti<egçejSóí^e^<3irijão
.^estabelecimento; porque se nós ajuizarmos
,f^<) que se pasSa em taes ca$a$ na França /_e

iça Inglaterra,i para o que se dçve passar eá«


tre nós, a respeito de prostitutas, tal caracter
se torna indispensável, porque as múlhefes
publicas, sao muito turbuhntas, de hum cára-
^j^fgr.jijgNqqieto, propenso a desordens^ e imtn^*

,;^]1; e se forem ellas tratadas com branáúi^á


gí59 delias se poderão, obter abusos , ê neiíhíja
«correcção j
poí^qneo ócio, e deste em taes
vem
Q|if|Cilhere6 resulta o as desordens, a inquietação^
palavras obscenas, gritarias; ás vezes feti-
^j[>tos, e mortes j he pois indispensável multa
,rfieveridade .com ellas, ., , ^„ \

a,-. Us
meips. correccionaes saõ extetisivos âos
^jfxa-dcbs^r^íi^iosos, na França a elles se SU-

, '!

geitão as prostitutas mui voluntariamente j é


entre nós^ deve o mesmo acontecer, "fe 'jâ^íScf'"
se verificava na Cordoaria ; estes renni^òs^áó^
trabalhos, a que ellas se devem sugeitar quó-^
tidianamente , e com a moral austera d^s 'fte-^
gentes deve ter grande influencia eraséo e^-/
pirito, para que se emendem e arrependão da
vida prostituta^ 6 sigão a honesta, ou se tè-^
colhão ás casas de Refugio. Na França estí-í
verão por muito tempo as religiosas á frehtS^
destes estabelecimentos , mas a experiência
provou, qúe a estas erão preferiveis as mulhe-
res casadas, ou mesmo as solteiras, que erão
adornadas de hum caracter severo , e de li tia
moral austera»
Nós neste artigo só nos limitamos a expor
a necessidade > que ha entre nós de estabele-
cer casas de correcção para as prostitutas ^
não tanto como meios de melhoramento da
moral, porém como meios influentes na dfn}i*
nuição do Vinis Venéreo. Não nos occupatè-"' j

mos por agora com seos regimentos internõà


estes são destinados a marcar -lhes os géneros'^
'

e as suas horas , como as de sé '


'
de serviços ,

levantarem, deitarem, comerem, recreio, éflep-^P


cicios religiosos , &c. &c. , nem tão pòtà?d'*és^ :

diílerentes castigos, como meios corrécctòt^áfé^í'^


entre estes he usada a pratica dó íainhhr^o^òí^^
de hua roda, movida por htia pessoa ahdan»^'
do dentro delia, e a que os Inglezes charíiSlO^''*
5= Treadmill :t^ , e a eete respeito unireis ^
nossa opinião á de hum sábio /e mui prbbo'^!
Medico da França , que victoriosamente ré-
pellio as indiscretas críticas de hum dos mais
famigerados Jurisconsultos, e dos mais respei-
táveis daquella Nação, que infundadamente.
^,

e.^em connecimetito de causa, dirigia aos Me*


em objectos de sua exclusiva competên-
(tíçps
cia, por pertencer á Dynamica , e á Hygiena
Publica. para notar, que hum Legis-
Mas lie
ta, alias bem
respeitável, e cujo nome tem
feito tanto estrondo na França, se mettesse à
censurar os Médicos em objectos alheios da sua
profissão juridica , sem ao menos dar híía
p^oyAid^ t^ ^estudadq^ a§ sçiencia» Medicas.

CasaB de Befugio , ou das Convertidas^


íiiiofíí:

iôax9 í5 aofrrGíifí! i yiu-*-»? cgíhíí i>jc.oíi aoi^

^>F) otríorniiicíllo^ on ^O-r-^ítr '^ít^oo' o-.T.'y* oufí


A
propagação do J^irtis Venéreo está na
razão directa da prostituição publica se esta ,

terminar finda a propagação da syphilis


, e ,

como as casas de refugio terminão a prostitui-


ção publica, ellas são hum poderoso meio
que influem na diminuição do viras s^philiiico.
A tiistoria de todas as Naçoens he fértil em
documentos, que provão a utilidade da exis-
tência das Casas de Eefugio, ou das mulhe-
res convertidas he pois evidente, que taes
;

casas são bua poderosa atalaia que sustentão ,

a Moral e a Saúde publica. A segurança de


achar hum asylo, que as sustente o resto de
seos dias, livres dos graves incommodcs, que
repetidas vezes são motivados pela libertina-
gem, he hum poderoso attractivo, que obriga
as prostitutas a abandonar sua vida devassa
Cercada de vicios , e depravados costumes , e
14^

íQue humdia lhes pôde causar remorsos , e de^
jBejos de a ^ibandonar para seguirem a .vida
çommum e honesta, que as Casas de Eefugio
lhes offerecem; e que tem sido sempre institui-
das, e sustentadas por hum espirito de carida-
de e beneficencia> de que nem todos os homí^n»
se achão destituidos> seja qualquer que for a
politica, e a moral dos tempos. .
^
Hum respeitável Medico nos « que 4
diz
triunfo da moral sobre a prostituição tem aí'
gúa cousa de prodigioso ?> referindo-se á Casa
de Refugio de Bruxellas, a quem faz extremos
elogios. Algíias destas Casas na França ^ « es*
pecialmente a do Bom Pastor, são o documento
vivo o mais incontestável, que os Governos de-
vem ter sempre presente, para sustentar a mo?-
ral , e promover a diminuição da prostituiçãQ
nos povos, cujos destinos lhes fora o confiados»
Nunca faltarão em todos os tempos espirites
fortes e cheios de viítudes , que por senti me%
tos religiosos se encarregassem de cathequi^ar*
e converter á moral esías infelizes creaturas^iç .

abandonadas á devassidão publica; mesmo ein


Senhoras mui respeitáveis se tem encontradç
hum tão enérgico amor do próximo , que eor-
lião ás prisoens, aonde estavão encarceradas as
prostitutas, e ahi as aconselhavão a abandoníir
a libertinagem > pintando-lbes os horrores de
Beos vicios, e semeando de flores a estrada da
virtude e da honestidade; estas mesmas Sc'
nhoras sepozerão na França á frente das Casa3
de Refugio, e virão com hum prazer verdadei-
ramente religioso os sazonados e de^çjp$íí%|iç^u-
ctos, que colherão de suas fadigassT —
77;:;^

Parece , que foi a Imperatriz Theodcira ,a


primeira, que instituio estas casas de pejuiien-
— ,

«13

«!^,- qifé ¥fépoi§ fòrSd èstòéléciclas 'èiwinWfò^


p&izes da Europa. Quando
seo marido Justi-
niano publicou hum dèéreto assaz extenso cou-
tra o deboche publico, ella quiz ent^o imitar o
^lo, que seo marido tinha pela pureza dos cos-
tlimes. Esta mulher impudica , que dos assen-
€os de hum theatro subiò ao throno dos Cezares
com o desprezo das leys , fez mudar em h^a
t asa de penitencia hum antigo palácio situado
sobre o Bosphoro do lado da Azia, Ella dotou
€^ ta casa de Refugio , tornou-a magnifica , )6
feommoda para adoçar a sorte , e o desgosto do
eaptiveiro de quinhentas mulheres publicas
que ahi fez encerrar. Mas ou porque ellas pre-
érissem a morte a híia vida isenta de crimes,
lé^Jk çèla novidade do castigo, ella excitou a
Sfesesperação nelias , e o maior numero se pre-
cipitou em o mar durante a noite. (66) ^r^^^f
sojrfje muito antiga na França a data da instí-
tfâ?6^o destas casas , a primeira foi instituida
tios primeiros annos do século 13.^, ella foi
fundada por Guilherme 3. ^ Bispo de Paris, a
que chamou casa das filhas de Deos, nos diffe-
íbfttés séculos posteriores forão outras fundadas
em differentes pontos da França, até que a Re-
volução as extinguio a todas para novamente
ser^m instituidas por Decreto Imperial de 36
^ Bézfembro de 1 810; «^^í^n^ ^'- *^ ^^

-^^^ ^'émos entretanto bua nota mui importante

il^azer a respeito destas casas de Refugio, e


,

^éhe preciso ter em muita consideração em


i^àtítô ás suas condieoens hygienicas , e em
quanto aos seos regulamentos internos. Nós
— I
'
I
. 1 I I . ,
»B '
""

(66) JVl. Sabatier, na obra citada pag. 77, re^


?e-rfri(Jò-sé a /Vtícopío , lib. l.^de cedijíc. Juslini.---
ííèèeoií, Hist. du Bas-Ef7tpire, T»é.pag» bS, 'k
observámos, que he espantosa a mortalidade
fias Casas de Kefugio ,e he preciso atteôdjer
á isto: nós achamos na França huas taboa^
bem exactas, que sao as de Duvillar j ahi
vemos hua pessoa morta por cada 75 na idade,
em que as prostitutas são recolhidas no Bom
Pastor, vemos entretanto nesta casa que de
245 ahi recebidas no espaço de 5 annos, mor*
rérão 50. Ora. segundo as taboas de Duvillar,
a mortalidade he de 1 sobre 75^ mas aqui
acha-se ser de 1 sobre 10, logo he extraor'*
dinaria a mortalidade. -^—/^Par^ní DnchatehtJ^
As causas productoras desta mortalidade^
náo existem de certo no edifício, pois qua
elle tem todas as condiçoens bygienícas iien.
cessarias; são bons os alimentos naquella casa^
tem os devidos passeios, não são penosos nem,
os exercicios religiosos, nem os trabalhos, tem
o devido repouso nocturno &c. ; as enfermí?{
, í

dades de que ellas possão ir atacadas para ^s


Casa de liefugio, de certo não são disto ár
causa, porque o mesmo não acontece ás ou-r
trás prostitutas. Ha pois aqui huá outra causa,
^
e esta parece ser devida á passagem súbita d^'
hua vida dissipada e na flor c|e seus anpos ^^r
,

para htia tão austera; o que nellas prodij^


hum notável transtorno , e desafia tiros ^dô A;
sangue para a cabeça epara o pulmão, q mpr-^;
rem mintas da tysicapulmonar. A interrupç^io^.^ \

dos hábitos venéreos he muito prejudicial a


estas mulheres ;he preciso muito respeitar
quaesquer hábitos, especialmente os desta or-
clem , e cm taes idades , em que as paixoens
obrão irresistivelmente. He tai^ib^m muito
provável, qup a.vida sedentária, e o trabalho
d agulha
V muito ^para isto
•-•..;
Concorra, po eíitanta
- ' >f
.
'. . -5
' -T '
'''
S15

?à'fHÍSçín estamos çòiíveiicKtos, cie que se esta^


Há^s Tossem construidas em o campo, e fora
cfâ' èídadès, isto deveria concorrer para a me^
típi- mortalidade. "

.l.^^. c.rf - v,„^,r

10^ 00 gBÍJídíoDST mó "aBiiKtííaoiq ?.s 9up rrrè»

Casas de Convertidas em Poriíiaah > ^ o

JEm Lhhoa,'^ existe em Lisboa nua


casa de convertidas com o titulo de casa
,

da Piedade, ou de Nossa Senhora da Nati-


tidàdje, na rua do Passadiço desta cidade,
^í/fe*'Ío fim de nella se recolherem as prós-
âtÔtas^ arrependidas. Esta casa he mui an-
tf^íi^^òj^èo compromissofoi ponfirmado por
Amra'd*EÍKe^ D. Filippe, em 6 de Mar-
ido ^fe'lSÍ)2; tinha já havido outra no tem-
[to crpIRei D. João III, esta porém foi ins-
lítilida em 28 de Dezembro de 1587. Cons-
la/ qiie"^^"pnmeí^^^^ de Refugio, ou
das convèrtHfas, fera estabelecida no Alto
das Chagas, a quáiiôfa destruída pelo ter-
remoto de 1755 fprâo depois estas mulhe-
;

res occupar hum estabelecimento á Boa


Morte, dahi Ibrão para o Rego, e de lá
para a Calçada de Santo André, até queí
íiiialmente forao para a Rua do Passadiço,
aqátfe hoje existem. Em os antigos tempos,
nííiilás prostitutasseíidmittião nesta casa,
hoje porém nenhíía nella se admitte, e só
alfi existem huas g,uatvp pu çjijjço., ,e, j4 de

avançada idade. ^ ^; r ^ . \ ,

''& compromisso desta casa, foi confir-


máqo por EIRei , como se disse, e auího-
ri^adb pelo Cardeal Alberto Arrhiduque, e
Sobrinho, He mui extenso este compromis*
2ié

80, é (em èxcèlíenfes providencias, e me-»


digas regulamentares mui acertadas, e>l>à
pOF isso nelle a aproveitar muitas cousas,
que se podem accommodar aos tempoè
actuaes. A seo respeito só diremos; —
-que
elle estabelece hua Mesa com hum Prove-
dor, Escrivão, Thezoureiro, e dez mem*?
bros :— deve também haver hum sollicitat-
dor, e hum capellão, só pôde ser Prove-
dor hum fidalgo, e do alfa gerarchra , mui
chegado ao Rey, que só tinha mando neste
estabelecimento. Deve esta casa ter hua
Regente, mulher de hCia moral pura, de
mais de 40 annos, e leiga; lura porteira
da mesma idade e costumes, e ambas ellas
de fora do estabelecimento, e lambem alli
deve haver enfermeiras, &c. , e os cargos
próprios da casa. Havia alli também tmm
Medico, hum Cirurgião, hum Barbeiro?^'©
hum Capellão, &;cp^'^^^'^"«í^^ fc?neupeq
Estas mulheres ,'qiíe entra víío-^lllt^^fefea
das convertidas, podião depois casáf, e ir
servir^ se ellas tinhão dado provas de bons
costumes, e sincero arrependimento, sen-
do em tal caso muito protegidas pelo esta-
belecimento para taes fins, epara os quaes
erao também mandadas para o Ultramar,
com especial recommendacão aos Governa-
dores. Elias íinhab na casa diíTerentes offi-
cinas de cozer, fiar, bordar, &c. ,e lam-
bç'm lhes ehsinávao a cosinhar, amassar,
varrer, 8cc. . emfim todo o serviço de híia^
casa, na hypoihese de que o ignorassem ;
o preço módico deseos trabalhos erâo para
quem os fazia. ErAo seguidí'S á risca os
e^erqicios religiosos; tinhao suas horas d^:
recreio, €omos«fficien te leiíipo de repouso
íioclurno; e finalmenÍQ havino alli medidas
mui importantes, que aproveitar no tenjpQ
j)reseji(e. -...?, ^-,-f .-. -.^.^

^upEst;a,casa linha em outros í em pos, fun-


dos âs^az suílicientes para, ^ isu a sus ten ta-
chão —
tinha ella 12 moios de trigo pelo Al-
moxarifado de Torres Novas, 200,^000 pelo
Conselho da Fazepda, o que Indo foi abo-
lido peJa noyissinia legislaiçélío. Tem ellas
tambeip huns padroeps rea^s de2:400J^C00
réis, ecujo rendimento annuai hehoje mui
liniitado. Estas mulheres estão hoje mui
Hecessitadas , e parece que simplesmente
viyem de esmolaSp e a nâo ser a phiiantro-
pia do Padre Riançard, que spllipita esmo-
las dos seos con}iecimentos, e bem assiia
algfías pessoas caritativas, que as favore-
cem ellas morrerião de fome e para suas
, ,

pequenas commodidades muito concorrq


taííjbem hum Propur^dor , que ellas tem,
,que não deixa de lhe promover alguns soc-
•»<?orrps, e delias nada recebein em quanto í^
ordenados, pep» lâo pouco o Capellao, e
nem o Mt^djco, que as trata por caridade.
O Governo deveria ler para com esta
casa a devida consideração, da qual se faz
tao credora; e n^s actuaes circurnstancias
t]a prp^lituicão publica em Lisboa, e áçt.

*ifím tolerância, he indispensável arranjar


çhft^o^asa de refugio, e darrihes os devidos
islíieios de subsistência. (67)
* .
^(^'fj Nâo devemos passar ern silencio a nolicia
*í[ê hSí» casa d(» convertidas de mui recente inslitui-
íSíÇão . que nos foi transmiltida por Ijum njiii respet-
ITífcyci Padie Congregado da extincia Ca^ij 4^ -E^i)!-
r

^.\No Pòrtó— No^õrlô h.l íi7fhí^'Vé%êfflí-


milito desta ncilureza, (segundo somos rn»
formados por pessoa mui digna) tem esía
capa o titulo de Nossa Senhora do Resgate
e l^ivra mento. Híia corporação d'hõraenR
piedosos denominados Apodolos , porque
,

rilo Sahlc de Lisboa, o Sr. V.F. <1e S.B, Ceçta =


mulher, rliamoda Maria do Carmo, casada jcorii
hum caíraeiro da Pampulha, f>mhos de muito boVrs
coslumes, e que vivião em liíia pequena casa da.
lliia da Cova da Moura. íias horas vaijas dosein
VIÇO de stia casa, csla mulher se empregava cnj|
doiitrinar algiias meninas, e as ensinava a ler, e eu.
cozer &c.; depois da morte de seo marido, que teve^
lugar cm 18^0 õu 1821, soube que iqéHa ínú^her'
íunancebádà com liiim hoiílem se desejava' refira
,

desla escandalosa vida, mas temia a falia desubsís-"


tencíá , e o génio do' homem j que era feroz <i '(^és-
temido Maria do Carmo levada por hum zêTo vcí^-*,
:

dadcirameule religioso, despresnndo os perigos, **


foi buscar, e a sua rasa a conduzio, á dou trino fi';,~'
e siiitènldií éoiu' séo trái^alHo,/ Íi;eBnr.t)fes' que fcus-
cava. '^' •^ .
,

Kom rc^suífado desta entprezaia animou a re-r


tirar da vida libertina a mais abalas^, que erâo, IÍ7;
das como pro3tituta's, /e qííê tliéòJr)Hsto}i deseja.* Sq"^
tal vida abandonar, seHvès?è^ meios dé'subsistH', o
Que consPijoio co(n prospero resultado^ Foi enlaoauè
rsla mulher deVota e toda" entregue a hun? dçs
,

grandes servií;os da Rcligi«ãoj empreheiídeó èsí4oe- •

Iccer bíin ca?a de Convertidas; consultou pára este


fim dous padres das Necessidades; o seo directorq.
Padre J. T. . .'> í^eprovou o seo projecta'; éo iiV^i.^ "

illusimdo padre F. G. , também dèsapprovoíi


.
.

Puas intençoens , o que muiio a chocou, por gozar


este ultimo Padre o conreilo publico de hum sabip;
Entretanto esta mulher não deràrumou,', erii na-
da sé esfriou o seo zelo consultou o mui inMrVildò
.

Vr. F. do C frade Dõaiii)ico, que lhe louvou sep'


,
,

prég'avao pelas runs g lerço pedindo esmolas


para os enfermos &c. , <^|ue era filiai de ou-
tra ,que por instituição íinhão os Padre^i
do Oriaorw^ anexa a si, iriliíulada dos Co?z*
grcgmites y suppriâo, e dirigiãG o referido
^jCoJhimenlo, no qual se recebia o as prós»
litufas convertidas. Depois de exlincta a

zelo, a persuaiiio ao seo intento, e seoííereceo para


ajuda-la, paia pedir esmolas, e prestar aiixilios,
o que desenjpeiilioii ; foi também esta uíulher coiw
sultar o Padre Leonar.fo Brandão, Congregado d^
BVao^a, e hospede no Espirito Santo, hoinein ins-
truído <,. eJo<j|uenle.-y €;aposto!ico , ebte Padre appro-
vòu ò ^seo projecto, pifometleo ajnda-Ia, e dirigir
a casa, o qu^ poz logo em pratica. u?.,o| ^,, ^ rtisí/
A casa de Maria do Carmo era mui pequena
o Padre Brandão ajlugou bua outra defronte, enu
niesina rua, e lhes deohu.rivcreado pixa as servir,,
e então se forão na casa admitlindo mais prostitu-
tas convertidas, depoiíi de darem liíia prova de de-
sejos de conversão, elle nâo (jueria a ociosidade
naqiiella casa , e lhes doo mestras para as ensinar
acostura, &c. , além de lhes dar regulamentos para
os exercícios religiqsí:^s ,. j^endo della>* Regente Ma-
ria do Carnto, a quéfli iç|)aji3ávâo Mãy: e o Pa-
dre Leonardo Brandão deo a este Inslituto o do^
me âe Ser vi tas y ou Convertidas de AUissa Senhora
dag Dores; para o qual muila gente (oncorria cí m
aviíltaiías esmolas, soUicitadas por este Padre, e
pòf' butfíjs pessoa?.,,,, ;;, ,

Auírmjentavào-se as ^onverlidas, a casa era mui


pecpiena, arrendou-se oulra á /íoa Ji^ríe, para on-- ^

de se mudarão, ao pe do Largo do jMonteiro; foi


enlao que o Padre Brandão d*^o parle ao Ordinário
deste Inslituto, ec^ei», que deàdeenlão com licení;a
Apõs^cílica, e de Sua Eminência cowieçárão a ter
missa em casa. Motivos occorrêrià') J(que não r< firo,
por uiais larga não fazer esta nurraçào) de andarem
cstjiê Recolhidas senipre em conliauad niudaiicas:
GoflgTegaçao, e dispersos os CongregAUÍes,
hujn devoto tomou eonta daqueJle estabeJe-
einiento, elle começou a sustenta-lo, por
meio de subsx^ripçoens de caridade que ,

abre no priDcipio do ajino pelas pessoas do


seo conheci mento e segundo existem mais,
;

cu menos fundos, assim se recebem mais


poià qnrellas ÓA Boa Morte passarão para liua casa
^o Conde da Cunha, ás Chagas^ e diz-se, que abi
he que o seo Director lhes deo o titulo de Serciíáí^
obliveríio aiii aipins protecçoens respeitaveiS) entre
ellas foi de S. Ex.*a Marqueza das Minas, <^ue até
14ies quiz dar fundos para comprarem liua casa , o
que coniliido se nâo effeittiou. Desse ponto forâo
pQXSi a Bombarda , dahi forão para defronte da Pe-
II a na Calçada de Sa)ita /ínna , de donde passarão

paxá o Cabeço de Bola por detraz da Bemposta ^


e finalmente para o palácio do Marquez de Valen-
çia 5 no Campo Grande , aonde em 1833 derào o
ultimo adeos ao seo Padre Director, Leonardo
Brandão, q.ue foi chamado a Braga , e se reUroii
para a sua DÍí)Ccs(í, poi:> que <>IJe. ora Bispo de Pi-
nhel, equc falleceu em 1836, nu 37; ficando entre-
tanto, pela sabida deste seo Diíector, o Sr. Padre Ma-
iM)e] Carvalho f.izendo as mesmas funcçoens. (N^ou*-
Iro lugar tratarenios do estado actual desta casa).
íím quanio á casa das Convertidas da Rua ^Q
P,assadiço, o Conselho de Saúde Publica, para cHa
requereo os necessários soccorros oo Governo , ao
que elle annuio ^ dando as ordens para este fim ao
jÃdniinisJrador Geral. 'Jan^bem o mesmo Conseltio
julgou haver necessidade deaer authorisada esta Tns»
tít(?ição publica por bua ley , e nehlA conformidade
fez hum projecto, que subio ao Governo em 5 de
Março de 1840, sobre as bases do que leve lugaç'
na França em 26 de Dezembro de 1810. Sobre to-
dos esies objedos, se podem consultar os /4nnae%
do Conselho de Saúde l^ublica do Rewo pelos ,

Fogaes &LC. ôic. Tom. >V>», Purte 2.% pagc3p<^


Ivfn, ô.% Parle 1.*, pag 74, ííÍíííUj oíí\) íCa
mi
mi inenos. Osf ' re feridos Apóstolos com p rá-
râô o edifício, que he menos iiiáo, e j^n*
me e por isso pertencer acs próprios dâ
'êÍ^^O,-^:---l\::'y -:^ ín^o^rú-^Oi-^^í^^ -'^ orw<
^
l: Fj7)i Braga, — Ha em Braga hum reco-
lhimento, chamado de Sao Gonçalo, para
9â prostitutas arrependidas, éqúe lambem
se chama das Convertidas tera numero cer- ;

to de mulheres que só se admittem ; e no ,

tempo dos antigos Arcebispos , recebiâo


hua pequena esmola diária, que faltou, e
boje sustentãose á sua custa. (68)

o oàfie seguro preservativo do


houvesse hum
Virm Venei^eo , de certo que este nao só
cotrcorria para a sua diminuição, mas para
a sua extincçao completa, e a Saúde Pu^
blica em nada seria detriorada a este res-
peito: entretanto os homens seguros, de
qu©f se lh«s n^o communicava a syphilis^
por terem déiríí hum seguro preservativo,
seria este hum grande meio da propagação
da prostituição, e por isso elle ia muito fe-
rir amoral publica,* tomando pois esta em
seria consideração, ha em primeiro lugar
*f<Í_. •• .
' I
L
o U'>

:r ,(6fi) Ha muitas casas de Uecolhi«ias em o nosio


paií, que alguns conCnjidem cora as das Couveríi-
das i e«las $âo de mulliorc-, que erâo publicas, erâo
l^rpfeihiitiis ; iai otitíAs são aonde se recolhem ou «Vt^-^
J4ie>r^s casadas
j
por infidelidades verdadeiras, ou
prcsjimptivas , ou iiMilheres sotleiras, por^ uai erro
em qiie cahífâoj &c. &CcV/^1 /' '*•- í^^^ a«b>( ' '
_ ,

bua prévin qnesfao a resolver. —


Deve lan-
har se mfio de hum meio propliilaíico para
obviar ôconírnhir a moléstia venérea? |'^V'^
Huih recente Escriplor, o que mais ex*^
tensa, eprcfunclàniente tem tratado da prós-
lituiçao publica em relscfío á saúde , e á "
moral, lem dito, que he esta a mais diffi-^
eil queslâo a resolver sobre tal objecto;,
anezar di.^so eJle a resolve a seo itiodó', e
como bem o julgou. — Diz, que a Admiftis-/
tracao nunca deverá propor quaesquer itie^
d idas como j) reserva ti V as do t^iiiis Venéreo ^'^
porque estas medidas seriao o mais seguro ^
meio cie propagar a corrupção dos costu-!^ , '

mes, e ferir a moral publica, pois queW


se(>uranca de não contrahir taes moléstias 1 *
nada obviaria ao incremento da prostitui-|
(^íío ; e por tanto, que a Administração '^

que deve proteger a moral, não deve lan-


^ar mão de hum meio, que adestroe, dan- ',*

do-se até hum prenno á devassidão publi- ',


ca, X) não ser contagiado expondo se ao
^« -^'--'^'--^ -. ^'
contag-io.
ao juigfo preciso aeciarar, se se deve ;^

op!ar entre asando, e a tnorai publica ; he r

porém nossa opinião a mesma, que acaba


de expor-í^e. Pois que as medidas prophila-
ilcas ato hoje aconselhadas por muitos Mé-
dicos, e Cnurgioens, por infinitos Phar-
maceulicos, e também por híia injmensidá-
de de charlalaens, tem sido até hoje Ta Ui-
veis , e nenhum proveito disto resulta; e
liimbem se se não aconselharem, não se se-
^ue ,
que os homens se não entreguem a
essas acçoens , que a moral reprova; pofs
que sendo a copularão hum úclo, para o
m3
qual propende a natureza, e de que os lio*
luens se não podem isentar sem grave de-
trimento da sua saúde (a nào ser por cas-
tidade), eslejao ou uao seguros de que con-
tràhem o Firus Venéreo, elles precurao a
prostituição publica, e não a encontrando,
promoverão a clandeslina assim oentende :

o mesmo Escriptor referido. Quando hou-


ver hum quid que preservere do Vinis Ve-
néreo^ cou»o a vaccina do variolcso, então
conhecendo a natureza humana, e híia ley
invariável a tcdos os entes vivos, talvez
admittamos outra opinião, mas hoje esía-
mos persuadidos, de que a Administração
não pode com segurança^ neu) deve, pro-
por algum preservativo da moléstia vené-
rea,, Íí\do, assim ferir a Moral, sem proveito
algum á Saúde Publica. oínEÍ lov
grande meio O de que por agora te- 5

mos a límçar mão, he cuidar do seo imme-


diato eprompto curativo, logo que as pros-
tituías appareçT^o infectadas de Vims Sy^
philiiico isto concorre para a sua diminui-
,

ção, ou mui raro a p pareci mento. Mas de-


veremos nos abandonar nas casas publicas
das^^proslituías, quaesquer medidas poli-
ciáe^^. e de aceio, ainda nue não seião de
gram|e 'consideração, sô porque se podem
iníitujár preservativas ? Deixaremos nós a
Jmm^ndiçe, ç a sordidez entregue a si mes-
íííd*e concorrer cila para maior virulência
ào Vints Venéreo, porque a moral se oflen-
de", como p dizeuí os Moralistas; e o Poa-
tiffce assim se oxnrime em híia bulia (69).
*'

' -
'

'
'
'
'

t^ .-'
«
^.(t^^-^) 'IVataitcJo (ieales ineioâ prophilalicos , ta-
cilu.eQte apparçce a q«e6líio=3e a moral peniiille,
niinca foi oflensa á moral , «Iconselhaf O
aceio e a limpeza (segundo eu entendo), nas
casas publicas: pois que se nem o Poniifi-
ce, nem todos os Reys do mundo, nem
quantos Moralistas tem existido alé hoje ^
sao capazes de mudar o ser animal, e esle
instincto irrcsislivel e in\encivei á propa-
gação da espécie; então busquem-se medi-
das eílicazes se convierem aos Governos,
,

para promover os casamentos, e fazer com


que naoexistão prostitutas; mas tolera-iaSj
porque se nao podem extinguir, e nem ao
laenos aconselhar alguns meios de se nâo
tornarem mais virulentos os actos da prós-
tíliiiçao, que nao podem cohibir, achamos
isto a maior das inconsequencias.
Devemos por tanto concluir, cfne os
meios pri^servativos, se os houvesseuí eíB-
cazes , seriSo o mais seguro meio, nao só
de diminuir, mas até de extinguir o Virui >

Venéreo; e que as medidas policiaes de


aceio e limpeza, de que se usa nas casaa
t I . „, , , ..._ f

quetltlles se use ^ e se !)ão favorecem clles a libertina-


gem = Moralistas a«isteros tanto co*
os condemnâo
mo a mesma prostituição; mas se^ruindô esta doutri-
na, nós taoíbein aV>andotiariínnóá nossos semelhan-
les, que eslào muitas vezes entregues a roedoras ul-
ceras, e a lerriveis dores, e muitas vezes ádestruição
tios o^j^àos seNijaes. Porém felizmente, (como diz
iVJ. ItlaruwK^ lugar citado) laes idéas bojr não correm,-
não ohstaíite o nnálhenia, lançado lia pouco tempo
em hila Btilla do Papa, na qunl se <\\i qúe hc =
oppor-se aos Decretos da Providencia , fjxte qvi% cas-
iignr as cr€atura$ ^ j)Of oiide cilas fmháo pcccado,
= Não he porem esta a missão do Medico preVe- ;

uir as enfermidades (]uanto poder, e cura-las depoí*


dtí cxiâliienj, eis os sagrado* deveres da sua prof:s»iwi
publicas das prostitutas, podem ser pro-
veitosas e influenles em tal diminuição.
Quando tratarmos deste objecto, por occa-
siao de íídlar nas casas publicas das pros-
titutas, então diremos o que se tem inven-
tado a este respeito, mesmo entre nós, e
a confiança que nos merecem todos os que
até hoje se tem como taes inculcado, e o
que em tal caso se deve pôr em pratica,
como meios prophi lati cos contra a infecção
svphiJitica.
ARTIGO 6/*

Regulàmejitos policiaes sanitários.

Não heaqui o lu^ar próprio de desen-


volver estes regulamentos, e de expor as
bases, em que eiles se devem fundar, he
este assumplQ reservado para a Terceira
Par/c desta Obra, quando tratarmos da
Legislação e Regulamentos sobre as pros-
titutas; neste lugar só apresentamos o fa-
cto, a existência dos Regulamentos sani-
tários, como hum grande meio, que inílué
na diminuição do Virtis Venéreo^ único fini
deste Capitulo.
He mais que evidente, que se em qual-
quer Nação houvesse pela qual
híia ley
,

èm geral se tolerassem, e perm tlissem aã


prostitutas, sem que ellas estivessem su-
geitas a alguas condiçoens, que dirigissem
o exercicio de tão aviltante e indigno oíTi-
cio ,he bem claro, que a prostituição pu-
blica tomaria hum extraordinário incremen-
to, summamente nocivo, assim á moral co-
mo á saúde publica, e tal resultado era iii-
15
^2G

írtllivel das prosLitutas sem hum freio, qxíd


as contivesse nos possíveis Jimiles, sem of-
fensa á mesma moral e á saúde.
Eis o fim dos regulamentos, eis o qu3
jíjstamente ordenou o Código A^dminislra-
fií/o no ArL 109. §. 6, rjuando determinou
ao Governo a publicação dos reguhunenlos,
que até hoje nào vemos entre nós existir,
apezar da tolerância das prostitutas Que
eíítas medidas policiaes, ou que estes re-
l^ulauientos influem na diminuição do J^irns
Veitereo^ he mais que demonstrado, e o ve-
remos quando os apresentarmos. Pois que
elles obrigao as prostitutas a denunciarem-
se ás Authoridades, e a matricular-se, e
por tanto aeslarem sugeitas á sua vigilân-
cia, e fiscalisaçào, elles devem obrigadas
a pres(ar-se ás visilas sanitárias, a fim de
se curarem logo que se ach^m doentes do
mal venéreo, e nao o communicar a pes-
soa algua estando infectadas; elles obrigao
íambem as prostitutas anão vagarem á noi-»
te pelas ruas, a provocar os homens á de-
vassidão, e á libertinagem com detrimento
da saúde, e da moral; elles devem prohibir
as casas áepasse sem algum meio de fiscal!-'
sacão, e as prostitutas clandestinas, huas e
outras tão azadas á propagação dasyphilis;
elles fulminão penas contra as mulheres pu-
blicas pela infracção de suas di.sposiçoens Scc.
Não pode pois duvidar-se, de que são
Gs regulamentos htia causa muito iníluente
na diminuirão do Vírus Venéreo não só'^

pelas suas disposiçoens acima referidas,


como por outras muitas, que aqui omitti-
nios, o que cm sco lugar se notarão.
PARTE SEGUNDA.

Dás: cúsns "pnhlicas de prostituição.

;...., Monstrum nulla virtuteredemptuni


A vitiis, oeger solaque libidine fortis.
Juvenal.

«^ RATAREMOS nesta Segunda Parte das ca-


sas publicas das prostitutas, e de tudo quan-
to lhes é respectivo iestas casas chamadas
:

no tempo dos Romanos =: Ltíp^r^anVí ~ de-


lupa, como para designar a vida brutal,
que ahi se passava, e como já dissemos enl
outro lugar ; só ha hum século, que na
França lhes foi dado o nome de casas pu-
hlicas^ lugares piiblícos, màos lugares, &c. ;
a express«ão pertenciosa de Partenioiís, que
lhes quiz dar Restif de laBretonne, escri-^
ptor daquella Nação em seo Pornographo;
,

publicado em 1770, não teve séquito al-


^um , hoje na França são chamadas casaà
toleradas. Entre nós sempre ti verão o nome
de casas publicas, também de casas d^alcouce
&c. o nome de casas toleradas he o melhor
,

que lhes convém, porque na realidade ellas


não se authorisão , mas tolerão-se e sof-
frem-se, pois que nem se devem, nem sé
podem prohibir pelas razoens já por varias
vezes repetidas.
15 «
228

Êníreíanío a lolerancia destas casas Iiej


debaixo de certas condiçoens de quem as
habiía, ás quaes se devem infalliveinienle
siií^eilar; pois que se a prostituição publica
se tolera, deve ella ser de tal maneira en-
cadeada, que nem seja j)or ella escandali-
sado ocidadào virtuoso, nem tão pouco a
mocidade indiscreta no violento fogo das
paixoens seja por ella arrastrada com ma-
nifesta oíTensa da moral publica em ambos
os casos, nem também a saúde dos diíie-
reníes cidadãos seja prejudicada. São estas
as mais geraes condiçoens, inseparáveis da
tolerância das casas publicas das prostitu-
tas, e só depois de satisfcizer a todas as
és[)eciaes, que dimanão dessas condiçoens
as mais geraes , he que eilas se podem to-
lerar: estas condiçoens especiaes estão ex-
pressas nos regulamentos, que deverão ser
as leys, que assim as prostitutas, como as
donas de casa , devem inalteravelmente
guardar , sendo fiscalizadas pelas authori-
dades competentes.
Em tempos mais antigos estava a vigi-
lância e fiscalização destas casas comettida
aos Corre<J:edores do crime dos diíierentes
bairros da cidade, só em quanto á moral
publica, pois que policia sanitária nenhiia
existia, nematé hcije tem existido; e mesmo
esta fiscalização era semelhante a hiia es-
pécie de espionagem, com o fim de serem
estas mulheres publicas proscriptas deste ou
daquelle ponto da cidade para hum outro, ou
para fora da mesma cidade ou do reino, ou
para as prisoens j)ublicas, ou em fim para a
a casa de correcção. Depois de instituída
S29

a Intendência Gera/ da Policia ,foi csla


quem tinha a seo cargo a espionagem das
casas publicas das prostitutas com íins aná-
logos hoje porém que estas casas são tole-
:

radas pela actual legislação ,a qual põe


lebaixo da vigilância e fiscalização de dif-
[erentes authoridades , assim a saúde pu-
ilica, como os costumes, e a moral publi-
ía
, devem a estas authoridades estar su-
;eitas as referidas casas, e dirigirem suas
cçoens na conformidade de leys especiaes,
[que são os regulamentos; estas aulhorida-
les são o Conselho de Saúde Publica do
eino, e a Administração Geral dos Dis-
.rictos, ou a especial ávs Concelhos; de-
[vem por conseguinte esías duas Reparti-
íoens do Estado ser conhecedores de todas
[as ditas casas, que não poderão estabele-
5er-se sem seu especial consentimento, a
|fim de se dar a necessária e legal fiscaliza-
[ção, e vigilância.
Devemos entretanto advertir, que tra-
;andoda — Prostituição na cidade de Lisboa
devemos notar tudo quanto nesta cidade
56 passa a seo respeito, e neste lugar, desti-

nado a fallar das casas publicas das prosti-


tutas, deveremos expor o seo estado actual
debaixo de todas as consideracoens nosso;

fim porém não sertá bem desempenhado, se


não dissermos, no eslado de desorganisa-
ção e de nulla fiscalisação, que ellas hoje
tem, aquillo ,de que ellas absolutamente
carecem, e de que devem tratar os regula-
mentos, para que tenha lugar a referida
fiscalização em quanto á morai publica e á
saúde; meo fim, penso eu. será preeri-
ròo

pliido se apresentando a seo rnáo estado, ex*


pozer e como cilas devem existir, sendo to-
leradas.
Nas casas publicas das prostitutas se achão
assim as mulheres publicas como as donas
.

de casas; tanto as primeiras como as segun-


das devem lazer o objecto de nossas observa-
çoens neste lugar: entretanto a respeito daS
primeiras já largamente tratámos na. Prime ir
ra Farte desta obra de tudo quanto lhes he
respectivo como isoladas do local de sua
residência e sem relação algiia ás considera-
çoens, que se exigem em quanto ás casas,
que habitão ou em forma collegial ou isor ,

ladamente híjas das outras, he deste ultimo


assumpto especial, que passamos a tratar, ei
bem assim das donas das casas debaixo de ,

cuja direcção e governo ellas existem. i

Dividiremos por tanto esta Segunda Par^%


te em difíerentes capitulos, nos quaes iremos»
tratando successivamente dos seguintes ob-
jectos , relativos ás casas publicas das pros-^p
titutas ; e em primeiro lugar fallaremos da
inscripção ou matricula, a que estas casas
devem estar sngeitas, e as prostitutas, que
ahi residirem e bem assim da policia no
;

seo interior em quanto aos costumes públicos


e em quanto á parte sanitária; fallaremos
também das visitas sanitárias a que estas
,

mulheres se devem sugeitar, e por essa oc-i


casião dos estabelecimentos dos facultativos;'
que as devem desempenhar; trataremos das
taxas ou contribuiçoens , que devem pagai
assim as donas das casas publicas, como a^
mulheres, que nellas residirem; e bem assin
^|a distribuição das mesmas casas pela cidad(
.

231

ííssiin nos tempos autií^os, como modernos,


quanto nos foi possível saber, e por tal oc-
casiáo locaremos na questão seguinte,* se será
utii ou não tixar-lhe hum loeai para a sua
residência com prohibií^ão exclusiva de todos
os outros ? diremos também, que casas, eque
ruas não devem ellas habitar, e de donde de-
vem ser sempre removidas e cie outras mui-
;

tas consideracoens relativas aos referidos as^-


sumpíos. Faliaremos também nesta Segunda
Farte daquellas casas, a que os Francezes
chamão de Passà, ou llendez-voíis apezar ,

de raras e mui occultas entre nós, e também


daquellas casas de 'pasto , hospedarias^ caf-
fés ,tabernas etc. etc. que favorecera ou pro^
movem a prostituição publica: trataremos
por fim, e em ultimo lugar, das í/í?na,Ç(igca5.'/
expondo as necesarias consideracoens a seu
respeito,

CAPITULO IP

Da ou matricula das casas publi-


iiiscrijjção,
cas das prostitutas , e das mulheres ,
que contiverem.

Nunca esta a pratica em o nosso paiz


foi
(como he bem sabido) de se irem as [)rosti-
tutas inscrever, ou denunciar, e dar o seo
nome ás autlioridades , para seguirem aquel-
Je aviltante oííicio; as nossas ieys não as
toleravão desde os mais antigos tempos e ,

por isso ellas não se ião matricular, nem


ifctose lhes permittiria. No tempo da antiga
K.oma elhis ião a casa de hum Edilo , ma-
gistrado de policia , inscrever o seo nome ;
p os antigos, como diz Tácito, julgaviío,
que não era pequena pena aquella que as ,

obrigava a irem denunciar sua infâmia pe-


rante hua authoridade isto porem nào lhes
;

sérvio d'obstacu]o3 porque os nomes de res-


peitáveis famílias se achavão inseri pias na-
quellas listas d j deboche, e da libertinagem.
Na França e em todas as naçoens, em que
,

estão em vigor os devidos regulamentos po-


liciaes, he seguida hua tal pratica, na ver-
dade indispensável para a exacta fiscalização
destas casas publicas de prostitutas. Logo
que os devidos regulamentos estejão em vi-
gor entre nós, nenhua casa publica se deve
estabelecer, sem que as authoridades compe-
tentes tenlião disto hum perfeito conheci-
niento, para que se lhes confira a licença, e
se haja d'investigar , se ellas cumprem ou
não as disposiçoens regulamentares sem isto
:

não se podem preencher os fins principaes


da tolerância das prostitutas, que são —
1.**

fazer hua concessão á violência das paixoens,


e ao fogo do temperamento — 2.^ evitar o
escândalo feito á moral publica; — 3.^ ga-
3-anlir a sociedade de híaa exacta fiscalisa-
ção sanitária —
He a Administração Publica
e o Conselho de Saúde quem deve ter este
prévio conhecimento, sendo a primeira quem
lhes deve conceder a licença para o dito fim,
e a segundai ser disto posteriormente infor-
rnada pela primeira , procedendo-se com as
seguintes formalidades.
233

ARTIGO I.°

Marcha 'previa a seguir para conceder a Ut


cença a hàa casa tolerada ; e ás
prostitutas.

Qualquer pessoa , que quizer


hua casa ter
publica de prostituição, deverá declarar na
Administração Geral em Lisboa, nas ca-
beças dos DistrJctos Administrativos, e nos
outros Concelhos do Reino na Administração
respectiva, o seo nome o da rua, numero
,

da porta, e andar da casa, em que pretende


colloca-la; deverá também declarar o nume-
ro das prostitutas, que pertende ter nesse
estabelecimento. Alem disto cada hua das
prostitutas deverá também declarar o seu
nome, idade, naturalidade, ultimo domicilio,
e há que tem|>os se votou á prostituição
publica , tudo isto na conformidade do qu;5
está expresso em o mappa n.^ 9.o he isto, ap-
plicavel áquellas mulheres , que quizerem
estar sós em suas cazas, e livres do dominio
de qualquer pessoa : tanto ás donas das casas,
como a cada hí^a das prostitutas se devem
ler os regulamentos previamente; e depois
que declarem, querer a elles conformar-
ellas
se, se lhes abrirá a matricula, e se dará a sua
carta á dona de casa como o modello N.^ 11.
Quando qualquer mulher pertender votar-
se á prostituição publica pela primeira vez,
indo matricular-se á Administração, ou áquel-
las ,
que ahi forem conduzidas pelas donas
das casas, ou que a isso forem obrigadas
pelos agentes da policia pois que he mui
,

fácil dar-se qualquer destes casos, enlão a


§31

Administração se portará para com ellas mui


circunspectamente, e deverão ser mais am-
plos os interrogatórios. Depois de declarado
o nome , idade; naturalidade; e profissão;
se lhe preguntará o seo estado e filiação; ;

se seos páys vivem ainda, e em que se oc-


cupão se vivia em sua conr^panhia ou na
; ;

de quem e porque motivo se separou delia


; ;

se tem filhos, e se vivem; que tempo tem


de estada na cidade; e se aqui alguém a
pode reclamar se já foi presa, e porque mo-
;

tivo ; se já teve \irus Yenereo que educa- '^

ção teve, e finalmente, que motivos a obri-


garão a desemparar a vida honesta para se-
guir a de prostituta.
Escriptas as respostas a estes quesitos todos
em frente dos mesmos, será bem fíxcil logo
observar-se, se esta mulher por alg-um motivo
extraordinário pretende seguir hua vida tão
deshonesta, mas de que ainda he tempo de
desviar-se; e por isso, se aauthoridade assim
o entender, para completamente se informar,
ou com vistas de poder ainda desvia-la de
cahir em taes erros deverá im mediatamente
ofiiciar á Administração do local da sua na-
turalidade, ou ultimo domicilio, participando-
Iheooccorrido, e enviando-lhe hua copia dos
interroíi^atorios com as respectivas respostas,
para que sejão verificadas e também para
,

que sejão avisados os pays, ou outros parentes,


que a possao reclamar a fim de o fazerem ,
se quizerem. Estas mulheres, cujas informa-
çoens seja preciso tirar-se deverão conser-

,

var-se em hCia casa de. correcção em quan- —


to não cliegão e segundo eílas, assim se
;

procederá, ou á iiiscripção, oa ao que o caso


,

^35

jBxigir; porem no caso de se inscreverem se


Jhes deverá ler o regulamento; e protestando
con formar -se, e obedecer ás ííuas disposiçoens,
se lhes abrirá a matricula : para isto tudo
haverão os competentes livros e se fará a
,

devida escripturaçâo. A Administração irá


dando successivamente parte ao Conselho de
Saúde Publica de todas as mulheres, que
se forem inscrevendo , enviando-lhe os com-
petentes mappas.

ARTIGO 2,^

Jdade das prostitutas ^ sem a qual se não po^


dem matricular.

Jíl dicemos no Capitulo 6.^ da Primeira


Parte desta obra qual era a idade ordiná-
,

ria das prostitutas existentes nesta cidade


e aquella , com que de ordinário come<^avão
seo miserável e libertino oíHcio ; reservando-
nos então para neste lugar dizermos, qualhe
a idade, sem a qual senão deve permittir a
estas nmlhereso matricularem-se para seguir
a prostituição publica. He bem verdade, que
isto pode ter muitos inconvenientes, mas não
he justo, que as authorjdades proporcionem
á iunocencia centrar em tal desmoralisação,
quando ellas devem dar inteira protecção e
sustentar amoral publica. Tem-se geralmen-
te asseverado, que nenhum consentimento se
deve dar ahfia mulher, sendo julgada ainda
menor, segundo a legislação*, o que nos pa-
rece mui justo, e razoável.
Em Paris nos differentes tempos tem mui-
lo variado a idade antes da qual os Prefei-
,
236

tos de Policia lhes negavão tal-licença 'al-


;

guns delles lhes marcarão a idade de 16 an-


noS;, outros só o consentião aos 17 aimos ,
outros aos 18, e alguns aos 21 aiinos ; mas
também he certo, que se virão alguas mu-
lheres inscriptas na policia, no registo come-
çado em 1796, de alguas idades, que na rea-
lidade são escandalosas, como de 10, 12, 14,
etc. annos , hoje porem na França a idade
permittida he de 16. Eu entendo, que entre
nós se lhes dçve estabelecer nos Regulamen-
tos a idade de 18 annos, porque mesmo as
nossas leys permittem , que nesta idade as
mulheres já possão administrar seos bens de-
pois de se proceder a certas formahdades, e
porque pondo-se pela primeira vez em prati-
ca estes Regulameníos, antes se lhes fixe hiia
idade maior do que hiía outra menor, a ex-
periência .depois mostrará a necessidade de
alteração.
Não obstante o marcar se-lhes a idade
referida devemos confessar a necessida-
,

de, que ha de attender ao que se passa


assim na França, como entre nós, pois que
estas miseráveis mulheres se entregão á pros-
tituição em hua idade ainda muito mais cur-
ta, do que a de 18 annos, e não ha destes
poucos exemplos, como já la dissemos no
lugar referido he hum facto, qne creanças
,

de 12 e de 13 annos estão prostitutas. En-


tretanto os agentes de policia, se estas en-
contrarem, as deverão metter na casa <Je
correcção para ahi serem punidas com certo
tempo de prisão, e se se observar, depois de
sahirem , que ellas continuao em sua liberti-
nagem não ha outro remédio, senão insere-
,
S37

vereiTi'Se para serem observadas como as ou-


tras. Também a isto se tem objectado, que
ellas se podem entregar á prostituição clan-
des^tina, a peor seguramente de todas ellas;
entretanto talvez a experiência mostre entre
nós bons resultados, nílío sendo ainda muito
notável a nossa desmoraiisacão em todo o
:

caso nunca pareça, que as authoridades fa-


voreção a prostituição publica nem que a,

consintao em bua tão tenra idade.


Perfeitamente conhecemos que he esta
,

hiia grave questão, que se hade apresentar


infinitas vezes á Administração: se bua ra-
pariga menor, que be pelas leys declarada
incapaz de testar, e de administrar seosbens^
e que não pode dispor de si, e de suas acçoens
sem o consentimento de seos pays, pode ser
admittida pela Administração á inscripção
e matricula como prostituta, acto, no qual
ella declara, que entende deshonrar-se a si
e á sua familia, e alienar sua reputação.
Parece que será bem fácil responder se, que
se não deve proceder á matricula he provável :

porem , que quando isto tiver lugar em Lis-


boa, aconteça o mesmo que em Paris pois
, ;

que podemos nós já asseverar (e melhoro


veremos em tempo competente) , que bua
grande parte das prostitutas desta cidade tem
menos de 18 annos de idade; mas sem a
isto atlender , não obstante ser de grande
pezo , não be fácil emendar bua mulher, que
antes dos 18 annos completos tem contrabido
o habito da prostituição , e se se não inscre-
ve na policia , ou ella continua publicamente
na mesma libertinagem, ou cland^stina-
niente ; e em ambos os casos, sem estar inseri-
S38

pta e vigiaJa pela policia, com grande de-


trimento da saiide e da moral publica; e en-
tão a Administração se hade ver forçada
a matricuia-la; sao entretanto estes casos ex-
cepçoens ao termo geral e legal , que se
inarca de 18 annos completos.
, o
Por conseguinte as mulheres que quize- ,

rem seguir este desgraçado, e aviltante of-


íiicio e para que se matriculem na Admi-
,

nistração devem apresentar a competente


certidão de idade, este documento tornar-se
indispensável não só para o conhecimento
completo dos 18 annos para a inscripção, mas
também para o conhecimento da individuali-
dade das pessoas, muitas das quaes mudãò
seos nomes, quando lhes parece, e todas as
vezes, que se fazem cúmplices de hum de-
licto novo he isto o que se observa assim
:

em Paris, como em todas as partes, e he o


que entre nós não he pouco vulgar coma ,

ja dissemos em lugar competente.

CAPITULO 2.°

Taxas > ou contrihuiçoens, a qiic devem estai^


sujeitas assim as casas inihlicas ,

como as prostitutas.

ARTIGO 1."

Sua necessidade.

O commercio vergonhoso e libertino, e


o trafico infame das j)rostitutas he hua ex-
cej)çrio á marcha geral e regular da socieda-
de , e por isso este caso excepcional de ad-
^39

ininislraçao exige também leys excepcionaes.


Se todos os governos se considerão na preci-
são da Lolerancia das prostitutas para que ,

não nppareção grandes perturbaçoens e de-


sordens na sociedade, se estas mulheres
publicas abrat^iío voluntariamente liLÍa profis-
são , que he opposta aos bons costumes, he
justo que eilas também se sugeitem aos incom-
niodos, que esta profissão comsigo traz, que
de ordinário he por ellas seguida voluntaria-
mente. As leys sociaes exigem a pratica da
moralidade publica , mas como a prostitui-
<^ão se oppoem a esta ,para que ella se to-
lere he preciso, que se lhe oppunha hum freio,
que a reprima quanto possivel , e soffra os
incommodos delle por conse-
resultantes*,
guinte devem as mesmas prostitutas estar su-
jeitas ás despezas, que exige a sua vigi-
lância e fiscalisação, indispensável para man-
ter a mesma moralidade publica; por con-
seguinte são as casas publicas , e por isso
as mulheres, que as regem, e as prostitu-
ías, que as habitão quem deve para tal
,

fim contribuir, impondo-se-lhes assim hila


taxa bem como as multas, quando se veri-
fique qualquer infracção das disposiçoens re-
guLamentares.
Eu bem sei , que muitos argumentarão
C(;ntra impostas ás prosti-
ás contribuiçoens
tutas, e que apresentarão inconvenientes
delias resultantes também presumimos , que
;

a Administração talvez será muitas vezes


calumniada; nem a Administração portugueza
o será menos do que o foi a franceza, quando
na França existião estas íaxas; entretanto
«•^prendamos nós dos outros, e demos hum
^210

ilòcninento publico de que níio prevaricanios,.


sendo a Aílministraçao no fira de cada anno
obrigada a publicar a sua conta de receita e
despeza e então nesi a parte poderemos fran-
;

camente responder aos detractores e aos sar- ,

casmos , que por ventura se llies possão di-


rigir.
He bem possível ,
que alguém diga, ser
muito melhor, que as prostitutas sejão vi-
giadas e íiscalisadas, sem que para tal fim
ellas contribu.âo; eu sou inteiramente da mes-
ma opinião; mas he preciso decidir, se he
isso possível , e justo , que hoje tenha lugar
entre nós, com o que eu me não conformo;
senão vejamos o estado de atrazo das nossas
finanças , com hua divida enorme extran-
geira, com hua extraordinária nacional olhe- ;

mos para o estado de decadência das nossas


principaes fontes de riqueza, como são a agri-
cultura, o commercio, e as artes, alem dis-
to vemos não ser de pequena entidade hoje
a pobreza e a miséria para assim dizer ge-
ral 5etc. etc. e na presença destas conside-
,

raçoens dever-se-ha sobrecarregar mais o


Thesouro publico com litía tal despeza /'eu
entendo que não deve.
Ora se encararmos a questão por outro
lado, diremos; de que serve tolerar as pros-
titutas , se ellas não forem sugeitas a certas
leys policiaes repressivas em quanto á moral
publica? Nenhum Governo deve ter, reni
tem hua ley de tolerância das prostitutas >. ;

sem que as regule , isto por agora só se vCr


rifiqua entre nós ha quatro annos seria ; 't

is (o o mesmo, que tolerar os vícios, sem esta-


belecer os meios de os diminuir, c de punir. {
Mi
b^ viciosos; como porem grande detrimento
estaria eminente á sociedade com taes abu-
sos, he indispensável remediar taes males,
que se mais perturbaçoens e perjnisos entre
ti5s nao lem dado, que sejão estrondosos,
he porque no meo entender , ha entre nós
,

hum fundo de moralidade publica, que náo


divisamos em alguas Nacoens segundo os
,

factos apresentados a respeito delias por muitos


escriptores eu espero entretanto, que o Go-
:

verno hum dia fará publicar os devidos regu-


lamentos sobre este importante assumpto.
Por tanto a Moral hade manter-se, a Saúde
Publica deve conservar-se e preveni r-se-Ihe
os males, e sem que se pague a quem as vi-
gie, e as íiscalise não se obterá algum re-
sultado Qlil: por conseguinte, sei" a Nação
tiâo pode pòr agora supprir asdespezas, que
podem ser feitas por outra maneira, (masque
devem ser feitas;) porque motivo nôo devem
pagar as prostitutas hua contribuição para
a sua mesma íiscalisação e vigilância ? ne-
hhua razão ha plausível em contrario ; isto o
temos observado nas outras Naçoens, como
djrèmos;

ARTIGO 2.«

Exemplos das outras Naçoais.

Quem
estiver instruído na historia de mui-
tas Naçoens nesta parte especial , de que
tratámos, hade asseverar, que hua taxa ou
hiiacontribuição, que nós julgamos devem
pagar assim qaiem dirige e governa as casas
publicas, como as prostitutas, não he hua
invenção nossa, mas sim htía pratica legaíl
ncllas estabelecidíi desde os mais antigos
tempos. A desenvolução particular deste as-
sumpto com toda aamplitude, que nos apre-
senta a historia dos povos do mondo, alem
d3 ser hiim objecto pertencente á Tercei-
ra Parte desta obra . cora tudo aqui toca-
rem^os nelle muito de passagem, e alem disto
mais próprio seria sua extensa desenvoluçào
era hua obra especial sobre a legislação da*>
mulheres publicas; jul/J^o por isso bastante ot
dizer, que em Corintho as sacerdotisas dei
Vénus eráo cortezans, dirigiâo-se suplicaSí
aos Deoses para a sua multiplicação; ella»>
c&ntribuião para a prosperidade da cidade^»
tão celebre por seos monumentos, por suasí
riquezas, |>or suas festas,, e por seos prazere»,.^
como diz M. Sebatier. - v.o. >; ^^ã^^i^-h^^ :)\s\^
Na antiga Roma, Caliguía ^ éster feTOZ\
Imperador, ou antes este monstro coroado ^^
eomo outros muitos daquelle Império, subinft
do ao throno se adornavao de todas as. exfce^i
rioridades da virtude, para se entregaremí
depois ao mais desenfreado deboche; foi este^
de quem tratamos , o primeiro, que taxou asi
mulheres publicas pelo preço, que ellas exi-^
giao de seos favores, e estabeleceo registos? i

públicos para a percepção deste imposto ^ |

como refere Suetonio na vida do Imperador^


Calígula. Este tributo, applicado para as des
pezas do estado, e que entáo se chamava — »»
j

aunini histrale , — foi posteriormente prohibi-[


do pelo Imperador Alexandre Severo desec
recebido pelos seos thesoureiros e foi em-
,

pregado para os reparos do theatro do Circ(ha]


e dos canos de despejo, e cloacas de. Roma.

•%

Mititas Naçoens nos tintigos tempos impose*


ifio estas contribuiçoens ás mv.lheres publicas.
Nos tempos
posteriores aconteceo outro
tanto, e basta somente citar a França, que
lie mais que sufficiente niodello a seguir; neste

])aiz e nos tempos de Carlos 6/^ os lugares


,

de prostituição forão sujeitos a hua taxa pe-


cuniária em proveito das cidades , em que
existião e a casa das filies de joie ^ da ci-
,

dade de Toulouse chamada ,


CJiáteUVert —•

fornecia hua renda considerável: as desordens


frequentes, que nesta casa havia, motivada
por hua turbulenta mocidade fez que se re-
,

queresse ao Rey Carlos 7.^ expondo-Jhe, que


desde largos tempos possuião com legitimo
titulo — quoddam ho^pitiunividfjaritervocatum
hordelum ,hospitium commune fij^^í^^^ui^hj
sive ,

qiie hospítio á longo tempore citrã 'tnoratos


fuerunt , seu morari coítsuevereiírt mulieres
piiblicoe, sive las filias, commuiies e que o —
thesoureiro da cidade tirava em todos os an-
nos das mulheres publicas, que habitavão
esta casa hua forte somma de dinheiro; o
mesmo Monarcha tomou então debaixo da
Rua alta e poderosa protecção o mesmo Cas^
iello F^rí/í?, aonde forão obviadas todas as de-
sordens, que até então havia. Também nos.
fins do século 15 havia hum indecente uso
èm Montluçon a respeito das prostitutas,
pois que as novamente chegadas a esta cida-)
de evào obrigadas a ])agar por atravessar a
ponte hum tributo para o concerlo dos cart>
minhos etc. oí -

-'
Entretanto nos modernos tempos sabe>í
mos, .que as prostitutas pag.-írão por es])aeOí
de vinte e cinco aunos híia taxa que Ihesf^ ,
,

fora imposta tanto ás donas de casa , comí>


ás prostitutas, alem de pagarem multas pela]
infracção dos regulamentos. Este imposto foi
fortemente eahanniado em todos os tempos,
pelos Jornalistas, e jjor outros muitos escrip-
tores , no que teve a politica muita influen-
cia > e o negocio foi levado ás Camarás Le-
gislativas erão os principaes argumentos
,

fundados nos abusos da Administração, no


que na realidade foi elía bem calumniada, c
afinal as taxas forao abolidas: a primeira taxa
era de 12 francos porrnez que pagavao as
,

donas de casa, e cousa nenbiia pagavao as


mulheres, que ahi habitavão; a segunda taxa
foí posta ás prostituías isoladas, e era de 3
francos por mez qne ellas pagavao no Dis-
pensário quando vinhão para ser visitadas;
,

pagavao também ellas as multas pela infrac-


ção dos regulamentos, especialmente faltai>^|
do ás visitas sanitárias, a qne erao obriga*fl
das; alem destas fontes de receita o Dispett^
sario tinha também o producto da importan^i
cia das patentes, que erito concedidas parí^
estabelecimento das casas publicas de pros^
tituiçào.
Não devo paesarcm sifencio o quedizião
na França os calumniadores a respeito das
rendas immensas, que tinha o Dispeníiario
e recebia a Administração em resultado da
policia, que se exercia sobre as prostitutas
o que nos poderá ser ntil ,se entre nós se-
guirmos a mesma pratica, quando se estabe-
lecerem os regulamentos. Parent-Duchatelet
na sua obra já citada, quando trata deste
assumpto dÍ7 , que a Admiriisíração fora a c-
cusada de receber por esta via annualment^
300:000 francos, outros avaluavao esta rece-
pção em 800.000, outros em miihoens de
francos; para Jesengauo de taes calunniia-
dores elle apresenla a receita de 13 annos
successivos, dos quaes só referirei o ultimo,
que foi em 1828, do qual consta que a taxa
das donas de casa importou em 23:226 a ,

das mulheres isoladas em 53:835, as multas


em 2:024, e o das patentes em 123; o que
tudo da em 79:208 francos, ou pouco mais
de doze contos e seis centos mil reis pro- ,

<Jucto na realidade bem pequeno era atíençao


á quantidade extraordinária de prostitutas da^
quella cidade.
P. Por tanto se na França íinalisárão est<is
contribuiçoens lie porque o estado do Thc^
souro daquella Nação permitte esta despeza ,
mas entre nós não se dão iguaes circums-
tancias quanto á prosperidade das finanças ,
por isso eu julgo , que as prostitutas devem
pagar h lia contribuição, € terás competen-
tes multas pela infracção dos regulamentos ,

em c^uanto nos não for possível suspen^


de-las. if,ij o^
ARTIGO 3,«

Q daí deve ser aàontrihivção ^


por quem rece-
bida, c para qtie fim applicada.
As contribuiçoens devem ser reguladas
na conformidade de suas possibilidades taní o
a respeito das donas de casa, como das pros-
titutas; e como nós temos admittido três
ordens de prostitutas na Primeira Parte desta
obra, segundo o luxo, e ostentação, com que
.
sd; tralão, he em pro|)Orção deste fausto que ,

!,
tteVifi ser çstabelecida a taxa; ou as prosti-»
246

't^ias vivad em far^rh^^tollegial , ou isoladas


eni suas casas. Julgamos pois que as donas
das casas da li^ ordem devem pagar men-
salmente (* ) ^. .. . icada hua das prostitutas
^ desta ordem '-^''^V^ÍL" As donas das casas
de 2.^ ordem pagarão em cada mez .... —
è" cada híia das prostitutas —
.... As da
3.^ ordem pagarão em cada mez .... —
e cada hua das prostitutas —
.... As que
estiverem sós e isoladas em suas casas pa-
garão como se estivessem congregadas com
as outras , segundo a ordem , a que perten-
cerem. Estas contribuiçoens devem ser pagas
^mensalmente , por que na França mostrou a
''
experiência, que quanto mais se lhe deferia o
tempo do pagamento mais difficil era a re-
"çepção, pois que estas mulheres entre suas
*
'más qualidades tem o grande defeito de se^
jem muitos improvidentes. ^

Na competente Repartição da Adminis-^


tração Geral, para este fim destinada, de-»
vem ser entregues , não só mensalmente as
contribuiçoens impostas ás prostitutas , mas
também as multas provenientes das iufrac-
çoens dos Regulamentos policiaes , e bem
'^^'
assim o importe de cada h^a das patentes
para o estabelecimento de qualquer casa pu-i
blica, que deve variar segundo a cathegoria>i
e que deve ser para as primeiras de ...
'^pnra as segundas de .... e para as da ter^l
ceira ordem de .... As prostitutas, que
^ não fizerem no tenuo prescripto seo respe-
^ çtivo pagamento, deverão ser punidas com
-h|

(*) Nada arbitro a lai respeito; o Poder com-


^ '
pele n te do Estado fará o que julgar conveaienle.
247

a prisão que se arbitr^r^* ou com o que me*


,

ihor se julgar^ mas^se líão forem punidas


cam rigor, náo se espere por producto algum.
Também lie possível , que
Regedores de
os
Farochia recebão estes productos na presença
dos mappas, e mais ordens que lhes deve-
,

rão ser presentes pela Administração Geral,


fazendo elles neste caso o mesmo que flizeni
com as cerlidoens d'obiLo e bilhetes dentar-
-.jaraeuto para com o Conselho de Saúde Pu^
blica do Reino, a quem são obrigados a dar
contas de tal receita mensalmente.
Deste cofre serão pagas não só as despe-
zas do material da Repartição respectiva,
como todas as outras, que se íizerean com a
policia das prostiíu tas, e se algíja quotafal-
tar, o que he mui provável , esta se orçará
e entrará annul mente no orçamento da Ad- * - ^ -

ministração Geral para ser pa^a polo The-


souro Publico , e entrar no cofre respectivo
para as competentes despezas.

8sm CAPITULO 3 <^

Da policia nas caseis publicas das prostitutas.

Trataremos neste capitulo de tudo quanto


he relativo á parte policial nas casas publicas
das prostitutas; o que comprehende não só
a policia em quanto á moral mas também ,

-iLiera quanto á saúde a primeira a dividire-


:

^rmos em exterior, e interior ás ditas casas;


é a segunda, a c^ue devemos chamar meios
prophylaticos ou preservativos, será dividida
__em três partes. Por conseguinte este Capi-
tulo terá do us Artigos —
1." Policia em quanto

^ Morai
; este conterá dous §. §. , que são^
§ 1.^ Em quanto ao exterior das casas pur
blicas ; §. 2.^ Em quanto ao interior das
jnesmas casas o Artigo 2."* , Policia em
;

quanto á Saúde deve conter três §. §. que


sãQ, §. 1.° Meios prophylaticos que obs- ,

tâõ ao contacto do Virua Venéreo com as par-


tes-^ §.2." Meios prophylaticos, que podem
tirar, e destruir o \irus Venéreo §. 3.^ —
Meios p»*opbylaticos, que tornão innocente
a acção do Yirus Venéreo , e impedem a sua
propagação —Tal he o assumpto, de que
nertendemos failar neste Capitulo. aiòiBVõ^
nfiííaoed
^í^i) èm >i A RTI GO -^ fíli* ^^ jí íiò «ssv fiiT sb
ffíiasf. ''^^'^'
r
T
1Tfalicia
'
*
em quanto ir 7
a Mora',
*

'^
^'Hb preciso respeitar os costumes, e '
a)
Moral l^ibiica , e também he preciso nãc*
^scandalisar o homem, que infelizmente fre«.
quenta as casas publicas de prostituição. As-
prostitutas muitas vezes oííendem a Moral
Publica de muilas maneiras no interior das
suas casas sâo também muitas vezes oíTen^
;

didas e maltratadas as pessoas, que ahi en-


trão, tratemos destes dous objectos nos doMS
seguintes >^^
§. §.

•^•
01 r - S-

OJJeiísa da Moral em quanto ao exterior das [

p
casas publicas.
Ij

i'0 escândalo publico he hum dos mais for-


tes motivos, que deve obrigar as authori-
(lades a ter liua zelosa e eíhcaz vigilância
sÓlíi'e^^'as prostitutas; nada ha, que mais
^iraá 'moral j e os bons costumes^ que mais
219

^eaiidalisc o cidadã,D probo c virtuoso, e í^


roíllher honesta e honrada, do que a nianei-í
jra , por que muitas vezes se portão as pros-
titutas ou cotn suas palavras , ou com suas
acçocns. Palavras obscenas e impudicas, que
ferem gravemente os ouvidos dos que passao,
Síío lançados muitas vezes ou no interior das

casas ou ás suas portas, pelas prostitutas sem


;

attençâo ao escândalo qnecausão: istodes-*


,

graçadamente se observa repetidas vezes, po-


rem de ordinário nas mais baixas destas mi-
seráveis orgias; estas indiscretas e impudicas
bacchanaes/ que habitão as immundas lojas
da Travessa do Pastelleiro, ou das Ruas das
Madres, de Vicente Borga, e bem assim
das Ruas da Amendoeira, da Guia, e do
Capellão, e alguas do Bairro Alto, etc. etc.
nào se pejáo em dirigiraos máos sugt^itos ,,
qtíe as frequentâo, palavras as- mais obsce*
n£ís, e impudicas, a que elles respondem
^om outras" de igual jaez; e pela proximida-
de das ruas se he no interior das lojas , ou
,

mesmo ás suas portas, vâo elJas ferir, e es»;


candalisar os oiividos aos que passao, com
o que muito se devem injuriar; e comeste
receio as pessoas honestas por taes ruas não^
ousão passar. As prostitutas da 2^ ordem,
e muito menos as da 1.^ nao se ouvem pro-
ferir estas palavras of)scenas, e impudicas
será rarissimo serem ouvidas ou nas janellas,
ou nas ruas pronunciar taes palavras ellas ;

fingem no publico mais honestidade, e mais


recato nestas torpezas, mais próprias da mais
baixa relê das prostitutas.
Nao acontece porem assim nestas da 2/
ordem , e muito menos ainda nas da 3.^eni;/
,

quanto ás suas acçoens ^ e posiçoens inde-


,centes , o lúbricas que apresentão assim ás
,

portas de suas nojentas habitaçoens as da


3.^ ordem > como ás janellas as da 2,^ Pouco
llLfjs importa a estas miseráveis libertinas mos-

trar, o que o pejo e a honestidade manda


que rigorosamente se occulte. Em todos os
tempos as mulheres publicas tem mostrado
liua tendência particular em estar ás janel-
las , e he seguramente com o único fim de
serem vistas pelos que passâo, e de os attra-
hir nao só por seos signaes e seos gestos ,
mas também por suas attitudes e posiçoens
indecentes, e até impudicas; não he só esta
tendência, que com taes fins as obriga a ci-
tarem sempre ás janellas porem muitas del-
,

4aSr,são a isto obrig^adas pelas donas de ca*


.|jíí^|,, como ainda diremos.
gj^^ He com efíei to indecente, impudica, e
es-
candalosa a posição , que muitas vezes al-
giias prostitutas da 2.^ ordem tomão a hua
janella sacada, como se tem podido observar,
sendo não obstante algíias delias mui reserva-
das;, e recatadas a híia janella; he porem indigna
iqirjinfame a postura, em que se encontrão
muitas dasbacchanaes da 3/^ ordem nas im-
jmundas ruas do Capellâo , Guia, das Ma-
dres, etc. quando assentadas ás suas portas;
.,,-^^yoliáo alguns gestos , e acçoens indecen-
~<íf«^ V
que ellas fazem ^ quando passeião pelas
£iias ruas e que dirigem ou para os iiberti-
,

fiflf^aí 9^® as frequentão, ou hQas para as


.
p^if^ys em
suas questoens. Tudo isto ofíende
a Moral Publica e os agentes da policia
,

.jjpvem ser mui vigilantes na execução ecum-


-JW)?^"to dus iegula!uentos, que devem ri-
251

gorosamente prolúbir (áesimptidicias, é tíesV


bonestidade&y e^ptínír ias que as praticarem
iiáo só com prisão na casa de correcção, mas
com multas pecuniárias, vedando-as de estar
ás janellas em taes posiçoens nem as mes- ,

mas conservar estando ás portas das ruas;


por conseguinte entendemos, que os regula-
mentos devem também ordenar, que as suas
janellas estej ao sempre fechadas, e com cor-
tinas poxd^ntrodus vidraças, ou com jelo-

afl609 §. 2,^
ii389 Òb ou -

Quanta ao interior das casas.

Emtodos os tempos houverão no interior


das casas publicas de prostituição desordens
mais ou menos notáveis, muitas das quaes
transcendido aos visinbos habitantes, que os
obriga vao a fazer por muitas vezes queixas
e reclamaçoens ás authoridades para serem
-postas fora daquellas ruas, e daquelle bairro.
A tradição nos apresenta htia serie de desor-
dens acontecidas nestas casas, de que resul-
íavão graves ferimenlos , e até mortes; mas
he justo confessar, que estas scenas tumul-
tuosas mais seobservavão nos antigos tempos,
'e especialmente nas casas das mais baixas
^^e infames das prostitutas da Madragôa Coto- ,

via etc ete^-'q -

í^ Estas desordens tinbão e tem ainda,


,

>qnando existem , por causa a mais ordinária


a embriaguez não só da parte dos máos su-
geitos que as visitão
, como também das
,

-prostitutas, que ás vezes por bem insignifi-


— '

«55^

cantes bagatellas as aiotiviío ; lambem os


ciúmes dão causa a insultos e ao meio trata4
mento das pessoas, que taes casas frequen*
tão. Alem disto muitos indivíduos, sendo
infectados de Vinis Yenereo entrao nestas
,

casas publicas, afazem notáveis desordens;


também a recusa de híia paga, hum máo
tratamento , que lhes he feito por qualquer
homem , he a causa de grilos, e de motinsp
Os soldados entre nós nas casas das maiff^
baixas das prostitutas , que são só as que elles
frequentão , dão motivos como os outros ho-
mens a essas desordens , que alli se fazem^
e não merecem os nossos militares, quedekí
les se diga o que diz dos da França Parent-
Duchatelet que elles forão sempre em todos
os tcíiipos o terror das donas de casas , e o
motivo de iodas as desordenai , qtie se passa
vão naqueljes higares. — Entre nós presente-
mente nao se verifica isto, e mesmo as desor-
dens são hoje pouco frequentes, e muito mais-
raras nas casas de 2.^ ordem, o que as do9i(i9'
de casas tem todo o cuidado de prevenir pelcy
receio do castigo, que soffrem , quando tem
lugar, e chega ao conhecimento das autho*»^
ridades. Na rua daMadragoa, e outras desta
ordem, erão frequentes nos aotigos tempos
as facadas entre os marujos ,e outros indi-
víduos, que alli apparecião, ealguas mortes
erao delias o resultado, hoje he i-to rarissi-
iijpnaquelles sities, e tão raro, couio em
sentido opposto erão frequentes tan)bem os
roubos, que se fazino em taes casas aquém
as frequentava, o que he sem duvida devido
em grande parte á guarda, que faz a policia
da capital.
m?y

Deve por consiegninte haver toda a Vígi-^


lancia, quanta possa ser, para se obviarem
as desordens eintaes casas, e os roubos; os
regida mentos (íevem lambem estabelecer pe-
nas não só pai'a as donas de casa para as não
consentir, como taipbem para as prostitutas .

que forem cúmplices, ou que directamente as


motivarem, e bem assim para os individuos-
que ahi se encontrarem, e que as tenhãooc-
casionado. Ninguém , que frequentar as casas
de prostitutas, está obrigado a receber ahi in-
sultos de pessoa algiía , nem tem direito de
CS dirigir a ninguém ; e nisto consiste a boa
policia no interior daquellas casas. '^^^
'
'
-^•

Também boa policia não deve permitfi


hiia
tir no interior das casas publicas de prosti-
tuição, nem gravuras obscenas, nem impres-
sos licenciosos. Era pratica frequente pelo de
curso do século ultimo venderem as donas
de casa na França estas gravuras , e estes
impressos; no tempo da Revolução tinhão
elles hTia venda publica , e deminuírão na
quelias casas :no tempo do Consulado este
escândalo entrou outra vez nas mesmas ca-
sas, para desaparecer completamente nos imi-
timos tempos do Consulado de Napoleão. "*^^-"''
Estes escandalosos costumes não existem
entre nús ,•correm-se muitas casas de pros-
titutas de todas as ordens, e ahi se não enJ
contra hua gravura obscena, nenhum escri-
pto licencioso; ellas mesmo senão entretém
com taes leituras, como já dissemos em ou-
tro lugar ^ e he mui raro encontrar htía ou
outra casa, em que isso appareça, ao què
'^\'^
as prostitutas não dão niuito apreço.
Policia em quanto d Scnute.


Esta policia deve ser mui vigilante nas
Casas publicas das prostitutas; he por ellas, -^

que estrondosaniente se propaga o WintsWe^


nereo , quando se não dá ahi hua tiscalisa-
çâo esta não se limiía ás visitas sanitárias
;

feitas ás mulheres publicas , de que nós trai


taremos mais adiante; esta policia compiév^
hende os meios prophylaticos, ou preserva-
tivos , cujo uso se exerce com vistas de im-
pedir a acção do Virus Syphilitico, São três
os meios, que se põem em pratica para con-
seguir este fim —1.^ aqnelles que obstào
,

ao contacto immediatodo Virus com as partes


— 2/ aquelles , que o podem destruir B*'^—
- .^

aquelles , que o podem tornar mais innocent0i>^


INas casas toleradas em França e em outros
,

paizes desde os mais antigos tempos se tem


usado destes meios de policia para obviar o
contrahir-se o Virus Venéreo \ porem entre
nós estes meios policiaes nunca forão admit-
tidos geralmente, excepto em híia ou outra
casa, e somente algum dos mais simplices; e
eu não duvido, que esta falta lenha algum
tanto concorrido para a maior propagaçãs do
Yirus \ enereo nas casas da 3/^ord(-in nunca
:

entre nós existio algaa pratica a tal respeito,


e só nas da 1/^ e 2.^ se tem usado doS;
meios de aceio, e liiDpeza. Trataremos de
cada híia das três espécies referidas ; advir-i
ta-se novamente, que pertender reprimirão*
fogo, e a violência das pais*oiMin na moei-*
Jade lie tentar hum impossível; se a prosti-
tuição nao se pode extiuguiç,. elevemos fazer
com que os seos males sejão 03 menores pos-
síveis a propagaçcto 4o Yirus Yenereo he o
,

maior mal para a Saúde publica, devemos


pois propor aquelles meios, que inipeç^ío a
sua commuincação , estes todo o Medjqp de,^§ ,

acôflselharj aliás não he Medico. ^^ « ojjp

-Í38Í In s^rt ,;
i-ço^sr

Mtios proph/laiicos ^ que ohsião ao contact0\i


imnmlicito do Virus yenerfçç^m^asjijíitfd
.

:i} :h ^r' _/;ar/65. , ..,i r^po^ . 80Yíl

Nenhum dos que se possao imaginar com^)


prehendidos nesta eathegoria ha mais eííicaz
do que são as bolças , em que se introduz o
penis \ he hum corpo mechaníco, que se in-.
terpoem ao Vírus Venéreo e ás partes , qu%
pode tocar no caso da sua existência estasT ,•

íjolças sâo as chamadas condoms , ou redi/i^


gotes inglezes também se tem imaginado dif-
:

ferentes unturas com unguentos, pomadas, v,

etc, , mas estes meios não são tão seguro%£


nem eíficazes, como os outros. Os condom^.^j
assim chamados do nome de seo author^^^^
cuja descoberta data do meio do século 17.",
sào construídos do apêndice coecal davitella,r
ou do carneiro, e também das bexigas dos/
pequenos cordeiros, previamente secas, ede-y,
pois amaciadas com banha, ou óleo d'amen-c)
doas doces elles cobrindo inteiramente a%r
;

partes obstâo á possível absorpção áoYirusy


Venéreo, quando existem em sua perfeita^!
integridade, e sem ruptura aigiaa , estado em'!
Ijiiese não conservão, quando deiles se usá
por mais vezes.
Esta medida de cautella usada pelo sexo,
masculino não só lhe he proveitosa, mas
(arnbem ao feminino no caso doestar infe-
,

ctado o homem pois que para se verificar a


;

absorpção do Vinis syphilitlco não he só in-,


dispensável, que a epiderme esteja destacada^,
e haja qualquer escoriação, basta que ellaseja
mui delicada para que hum tal toque a mo-
tive, e em caso os redingotes\]\es sç^i\em.
tal

de corpo intermédio impedindo a absorpção^


No gráo de segurança , que podem ter hoj^
quaesquer preservativos, que se tem inventa^
do, eu náo conheço nenhum mais eílicaz ,

n^ni tanto, como as bolças oncondoms; a nagj,y


se pôr em pratica o preservativo aconselhado
por Vindellius no principio do século 15/\
que era a continência ^ de que talvez nem elle,
nem muitos dos Moralistas, que o aconse-
Ihão , serião capazes,

§. 2.0

Meios, que podem til' ar e destruir


,

o Yirus Yenereo-

São estes todos aquelles, que se podem


propriamente chamar de aceio, e limpeza,
que tâo necessária se torna em Aaes casas :

estes meios podem tirar, e destruir o \irus


Yenereo, e devem por isso ter multa inílueu-
cia na diminuição da sua propagação; |X>r
que he indnbitaveU que a falta do -aceio e ,

da limpeza, ou antes a imrauíidicc concoiTo


muito á sua propagação. iNa iiypothese d
;

257

snaexisirncia aslavatiens as parles spxiiaes


jKideni ser muito provei (osas, e hc jusio
eiiiprogn-las: liuns aconselhão a agoa sim-
ples com cerio grão de calor, cpie, dizem
elles, neste caso en^bota a sensibilidade da
pelle, e iiripede a modificação morbosa
outros aconselíjao o uso da agoa fria, e
uesie caso, dizem elles ,obra pela íicçao
adstringente do frio, e impede por isso a
absorpcno do Vinis Venéreo, Ainda (pje a
agoa náo obre senão como hum meio me-
chanico, eIJa he mais útil empregar-se em
Javagens ás partes antes e depois de taes
actos.
Muitos tem aconselhado, que se deve
misturar á agoa simples, nos mesmos casos,
difTerentes substancias, como são o vinagre,
o sumo de limno azedo, a agoa de sabão,
hna ligeira e rnui delicada solução de potas*
sa cáustica, algiaas gotas d'amoniaco, hua
pequena dese desulphato d'alumina (pedra
JHjn)e) , alguas das preparaçoens de chum-
bo, híja pequena porção d'clGO de ícreben-
tina, &:c. Scc. Todos csíes meios Icuj sido
empregados com o fim de augmentar a ac-
ção dissolvente da agoa, ou empregados
pela sua virtude adstringente, e por isso
com vistas de tirar, ou despeí>ar de cima
das superficies tocadas, aquelle corpo ini-
proí^nado de Vírus Venéreo, com mais fa-
cilidade , ou de produzir na pelle hCia ads-
Iricçao, e impedir por isso a absorpção;
Nào reprovamos esta pratica, porque ainda
que ella se não admitíisse, senão como hiía
simples hivagem , e por isso como bua me^
dida de aceio ede limpeza, ella pode usar-
17
^ 558

«e nas casas publicas das prostitutas ; e até


*
t)S regulamenlos policiaes internos, que el-
ejas devem ter, os devem ordenar especifi-
candú-os, como a occasião opportuna do seo
uso; punindo aquellas, que se não quize-
jem sugeilar a estasmedidas de aceio •

lhas nunca propondo-os como hum meio in-


"'fallivel preservativo de contrahir o Vinis
^Venéreo; porque eu eslou convencido, de
que a authoridade não deve por agora pro-
por taes meios, pelas razoens acima dadas.
'
* ^h 9 ífiuiboa 9b
> (

"'*^''^^-- ob£B86q mej


$ 3.0

i,iMcios que iornao innocente o Virus Venéreo ,

.citíí| e impedem a sua propoyaçãQ^\^^^^^


^ Nos diíTercnles tempos lem-se imagi-
nado o ser possivel descobrir reniedios, que
^obstem á acção do Vinis Venéreo nas par-
tes, que eWe toca immediatamente, torrjan-
^^Vlo-lhe hiia tal acção innocente. Tem sido
assaz numerosas as descobertas neste íreue-
.ico, nao só feitas por alguns Médicos, mas
"por n]uit<s Cirurgioens, e \)()Y bua iníini-
""^'dade de Cliarlataens, que todos tendo apre-
^fsentado esse remédio, imaírinado preserva-.
^ tivo, o inculcao rodeado de infinitas fbser-
*^S'açoens comprovativas dessa sua excelleníe
^ Virtude. A historia do nosso paiz nada nos
*^Tefere sobre o uso, e muilo menos sobre o í

^HVroveito resuhante de qualquer preserviAi-


^'Vo,' empregado nas casas publicas de prbs-
""^liíuiçno, ou seja (]'invenrao nossa, ou es-
''^.íranpeira : nesíe objecto em relação aos tein-
T]òá antigos nada se sabe, nem taJ praC\cii
*^Wâ^nt^las casas se^ru ida.. OTv^uvX iw\i%
f!^ \í

Ud
Mr. ^Ènlre infinitos remédios, que nas diífo-
fentes epochas se tem imaginado preserva-
tivos, os que tem obtido maior sequilo são
• .<iquelles, em que tem entrado a pomada
niercurial, a a^oa phagedenica, é os chlo-
roretos. Na França foi muito elogiada a —
lavagem anUvenerea — que consistia em
,

luia solução mui branda de potassa causti-p


ca: tem tamben) naquelle paiz a agoa pha-
gedenica sido reputada h^ía paiiacéa — \

, entretanto os differentes chlororelos d'oxido


de sodium e de calcium de Labarraque ,
,

tem passado pelos mais eíiicazes preserva-


tivos, e seguramente eiào estes os reme-
h dios da moda usados nas casas toleradas da
França, noiando-lhes a sua utilidade pela
propriedade que tem de destruir o conta-
gio, arrebatando-lhe o seo hydrogeneo> e
para isto referindp-se em seo abono muitas
u observaçoenSé.vtf;?!;
)h[r Não obstante os diíTerentes factos apon-
rtados pelos elogiadores dos diversos preser-
vativos, que inculcão como infalliveis, eu
iiáo posso, nem devo aconselhar algum dei-
les que mereça este nome em toda a ex-
,

'j tensão da palavra: nos diíTerentes tempos,


•ílem-se seguido estas invençoens buas após
das outras, e também buas após das outras
ellas tem successi vãmente cabido, falhando
em muitos casos, e perdendo por isso o ca-
racter d'infanibilidade eis-aqui a sorte que
;

--«lodos tem tido até hoje, e por isso nenhum


-"íe deve inculcar, para que nos não ponha-
mos em risco de ir com elles promover a
prostituição, e por isso a propagação do
Vivus Venéreo, que com elles pertendia-
17 *
^60
lO-j'.

tnos obviar. Este invento, se existisse, sc'^


ria de tanta ou talvez de mais utilidade Á
espécie humana, do que a descoberta da
\accina, j)orqne he innegavel, que os dous
virus, várioloso e venéreo, tem sido dous
ap-ellos da humanidade,^ ^ ,. f

He justo nao hndar esíe ariigo, sem re-


ferir o que nos diz a historia de hoje sobre
hum invento deste género, ha poucos an-
nos annunciaílo pelo Sr. Doutor Francisco'
Luiz Corrêa, Medico na cidade do Porto;
este invenío, a que seo author chama ^-^^
íípíiillível pret^ervalivo do contagio venéreo
— foi por eWe inculcado por meio dos pe-
riódicos do dia, e por cartazes nas esqui-
nas, tanto daquelhi cidade, como de Lis-
boa, sendo hum .alto segredo em que elle
meditou por largos annos, e tcndo-o JÍ7wfr^!
menie feito alveitar o mal de seos burricos^,
como diz o nosso antigo rifão, e do <jue
mui ordinariamente usâo todos os que
,

aprendem á sua custa, remédio esíe, que



"^manet alta mente rcposiimi quanto A sua'
composição, e que p(^r agora nao revelou
para proveito geraí da humanidade, de,,
quem elle se inculca o benrfeitor, ^^
He para lamentar, que nós nao (enh»t.|
mos aquella copia do factos necessária -ei
até indispensável, (eu não tenho hum só);
para nos decidirmos por tão egrégia virtu-
de deste htfallivel preservativo', por agora
o que sabemos a seo respeito, he a sua,
analyse [)ublicada nos Annaes do Conselho
de Saúde Fnbíica do Heino , Tom. 3.° Partem
2*^**
p^g' 32; eaiii se diz ser elle composto '

dé'''1luih sabão, pomada mercurial, e híia


^

gordurosa
snbslíincia também por agora
;

Babemos, que nem o sabiio nem as subs-


,

tancias gordurosas, nem mesmo a pomada


mer curial, sâo preservativos infaJliveis do
contagio venéreo concluímos pois, que este
,-

invento do Sr. Dtulor Corrêa, pode in-


cluir-se no rol daquelles, que, inventan^r
do-se nas diílerentes epochas, estão hoje
eiii^perpelup silejçiçio^^^alpm doLethes (70):

(70) O Doutor Corrêa, do Porto, em hum


Sr.
lilanifest^ a todos os Médicos, e Cirurgioeus do
Universo , sobre o Tnfnlllvel preservativo do conta-'
gio venéreo de sna invenção, diz, que os mais har
beis Médicos da Llniversidade d<3 Coimbra ye^^idás'
cidade do Porto, nâo forão capazes de ihe curar %
enfermidade venereíi , de que elíe eslava acometll^f
do; e que por occasiào de seos repelidos estudop
sobre estas enfermidades, descobrira não só lium^
reííiedio prompto eeíiTicaz para as curar, como iam-'
bérn líum meio preservativo dtllas, cuja utilidade^p
e efficacia , diz, fora sanccionada por infinitas ob^í
servaçoens, e repetidas experiências. Este prcscrve^y^
livo lie aquelle, que se aclíou ser composto de lium
sabão e pomada mercurial com híia substancia gor-
durosa não lendo até hoje moslrado a experiência
;

Eêi' nenhua destas substancias preservativo do T^^irus

f^^enereo. Não obstante isto, elle c<vmeçou a fazer


publico o SCO invento, e a vendê-lo, sendo de com-
posição secreta , para cujo fim necessitava da au-
thorisação prévia do Conselho de Saúde Pidjlica d^^
Keino, que não pedio, como lhe ordenava a ley
regulamentar de 3 de Janeiro da 1837. ^ | )^

Logo que esta infracção da ley da parte do or.


Doutor Corrêa constou ao Conselho de Saúde,
ordenou este aos respectivos Administradores, tantiiifí
em Liíboa , como no Porto, a prohibição de su{i\)
Vj^nda ; foi enlâo qne o dito Sr. Doutor sollicilau^
do uiesmo Conselho a respectiva licença , npresen-f
^hdo-lhe com beo rcquerinacnlo híía pequena por?
, j^
'

56t
o^
è por lanío nao só o nao recommendárnoí
para que delle se use, mas reconimenflá-/
IDOS, que ílelle ninguém se valha com se-
gurança, em quanto a aulhoridade compe*
lente nâo lhe facultar licença para a sua

çâo do seo invento, e imagiriado preservativo da


moloslia venérea o qual pela sua analyse deo ao
,

Sr. A. J. de S. Pinto, o que fica referido, em sco


resultado difinilivo; e não tendo o Conselho de Sau*»
de facto algum, que provasse sua virtude, lào elo-»
giada s6 por seo author lhe indef^rio seo requeri-
,

mento, que levou á presença do Governo, de quem


poude obter hõa portaria, que autíiorisava a con-p
linuação da sua venda, mas que o Conselho mos-
Irou fom o devido respeito ao Gov» rno, e fundan-
,

do na ley , í^er muito arriscada e perigosa á Saudqí


Publica; e que por isso tal venda senão deyia toí^-?^
rar e muito menos au'hori-ar, ao que o Governo
pareceo ci^dcr,* e o n^^gocio se acha no mesmo e<i-
tado, em que se acuava quando se mandou prohi-'
'"^
bir. i.i.íj^U^

Por conseguinte ^ndo


qualquer preservativo
y'''
>

infallwel do xtrus venéreo^ hum invento de hu^


extraordinária utilidade publica, infelizmente. ,^9#^
achamosainda hojepnvaJos deste tão traní.cendente'^
beneficio; porque infinitos tem apparecido desde os
mais antigos lenipos, todos elles tem falhado, e oti-.^
Iro tanto acontece com o do Sr. Doutor F. L. Cor-
rêa ; em lugar de ser preservativo, he eife
e por isso
hum meio mui directo de propagar o contagio vené-
reo, e quem se quizer arriscar a ganhur estas molç^^^
lias pode delle usar. Temos largamente fallado des»
t^' assumpto em outra obra, que publicamos, e cu-

jas reflexorns desnecessário he aqui renov;ir, podem


por isso considlnr-se os ^wtioe^ do (^< iiaelho de SaUm*
de Publica do Reiíio ^ no Tom. 3.** Parle %.^ pí^g".
8^, e bem assim no Tom. 4.^ Parte 1." pag. 6^ ; e
fòVnbem este mesmo Tom. na Parle 2 pa£f. Í9^, **

em que vem lambem híiai rejlejcocns do Sr. ^^ J. â^


^"^'4
piíUp. '
e€3

venda, o que só será feito, depois que se


evidenceie a virtude preservativa infalii-^
\e], comprovada por meio do suíriciení.e,rf
numero de observaçoens, para que se náoti
vulnere a moral, sehia menor garantia da:^
*f^ '^^
8aude publica. "^ * - .^

IB oab seYJ. CAPITULO IV.


coe ÍTTH ,(>bii^'Í3i
fíoàsuprf /ojí ,p
\J^isifás zcínii árias m
prostituías nas casas^
publicas. )b

»n Sobre o presente assumpto, com que nosí'


[devemos occupar neste Capitulo, nada ab-í^
eolu(amenle podemos dizer da pratica esía-^
[belecida em Lisboa desdes os mais remo*
los teuopos até hoje; porque taes visitas sa-i
nitarias nunca forao estabelecidas por ley^i
e por isso nunca ti verão lugar, nem formal
algiia regular ou irregular. Nunca se usouj
dis(o euj Portugal, e por isso nos faltão in-
íeressantissimos documentos sobre as pros^^
titutas, que o estabelecimento regulardes
tars visitas nos devia fornecer para esckwi
recimentos de muitos objectos, de que tra-^
Íamos nesta obra, como fornece aosEscri-^
t
j)tores na França, Inglaterra, &c. &c. Al-,
guas donas de casa tem havido, porem muí^
raras são ellas, que de tempos a tempos,
ou quando tem alguas desconfianças, cha-»
mão hum Facultativo, aquém pagão, para
examinar as mulheres, que (em no seo col-
legio debaixo da sua direcção, e governo;
eom quanto que nós presumamos tcr-se ti-^
rndo desía pratica irregular algum pequena
proveito comtudo he isto hum zelo j, ou,'
5
t

«64

eapricho particular, que íéS^B^é^íPí^'^ não


fornece esclareciínento alírura', roast^ue jáf
mais pôde destruir o principio geral H"^. —
nunca huuverào visitas sariiiarias asprostif
lulas em Lisboa. —PortaiKo tudo quanto
dissermos neste Capitulo, he ró limitado aí|
que se deve fazer, e nâo ao que se íezí^r.
As visitas sanitárias ás prostitutas, hií
fl base essencial, e o meio mais seguro, q
eflicaz de desemperhhar a sua devida fisca^
lisaçào policial o exame e iIiSj)ecçào.;^<l^
;

que ellas se deveu) sugeitar, e íeito pelí>§


competentes Facultativos em períodos nmrt
cadus , he o mais directo e Hrme meio dg
<bvjar os males enormes, que as prostitut
las ca usa o com a propagação do contagio
Tenereo, cuja corrente impetuosa se íaa
parar logo que o exame descubra a existeni
cia de quaesquer destas U)oIestias, porque
tilas devem immediatamente ser enviadas
ás competentes 'casas de Iratamento.
frPodtria bem regular se a policia dag
prostitutas em quanto ú moral publica e ,

i\ aulhoridade, delia encarregada, pc»dcria


por seos agentes vigiar nos ulirajcs, e es-
cândalo, que causassem aos bons costumes ;
mas coiu isto só se tinha feito ametade da^
grande (jbra, e os males causados por cWii^^
«humanidade íicariao continuando, sa_ííJSL
ré'g(i}àiMent< s as nào obrigassem nao só a
declararem os inales venéreos, de que ser
a C li e m a co m e tda s
( m as ta in be a s u íí e i-*
i , m
íarem-se a hum serio exame, e investiga-^
çáo desses maks. Di^veiu por tanto haver^
.

Facultativí'» > que SjC encarreguem destas^


vi^jili^Sj, coiuo também estas visitas deveu\^
,

«65

í?er r^culadas da nianeimímaís conveniente


paja darem de si hum útil resulíado. Estes
ibÍ>'^OjS poréni sendo relativos á Saúde Pu^
lítt^MV d e vem est a r na medi a a men e de|)ea*
i t 1

Itíntes da respertiva Heparíiçao, que teníi


8eo cargo a tiscalisaçao deste in)portan(e
anio de» serviço ])iibIico, este he o Conse-
li» dtí Saúde, e seos empregados subalter-

B)ííffra la remos por tanto neste Capitulo de


ndófpianto he relativo ásvisilas sanitárias,
[í[tie devem ser feitas as mulheres publicas

isas casas da prostituição, e de quem deve

lèseir>penhar este serviço; o que faremos


ídons seguintes artigos: l.^das visi^ O
issanitarias, e condiçoens , qne lhes são
indispensáveis 2.^ do estabelecimento de
:

[Facultativos para desempenharem estas vi-*


àtfis, > xii^
\BbiúiLl3%)^ ARTIGO 1.^
'
n!U
,ohiefHÉJ)Bi) ôb 8fi8f;

^as visitassanitárias feitas ás prostitutas


k e de tofla^ as coiidigoens , que lhes são m-
di-penuweid, *—^ (71 ) -^ « > i > »
' v
-^

g^^Es ta medida de fazer visitar pe-


policial,
)s Facultativos ccmpetenfes as prostilutas,

>ara que se conheça se ellas estão ou não;

(71) As virilas sanitárias, feitas pelos Faiul-.


itivos ás prostituías em Paris , tem lugar en) hurrii
lab(íleí iniento publico chamado — Di»pcn$arto\'r^^
'aonde ellas devem em
certos per iodo* para esle.
ir
tim: no começo destes cuidados sanilarirs, (qne U-
verão lugar no píiíicipio do pr» sente serulo) as visi-
tas erâo feitas em seos domicdios particulares ;ap-'
pmecêrâo al<;un3 inconvenientcè , e emão se èdnpié-*^
infedíaílas Vinis Venéreo^ n aio lie s.6 pró-
cío
pria dos presentes teir,pos, eila sobe ániais
alia antiguidade; e tanto que iia mais de
quatro séculos, hum Regulamento de Lon-
dres, datado de 1437, ordena —
«que to-*^
9 dos os encarregado* destas casas (pubJií^r
» cas), fossem obrigados a fazer visitar así
« mulheres, e os homens, que com eilas^
» pertendâo ter communicaçao , e pôr em:.
9> reclusão, até que se curem , os que sei
«acharem acomettidos do mal venéreo* •**-:
Em tempos anteriores a esta epocha, nór*
vemos os cuidados sanitários, recommenda*^
dos para as prostituías, no Regulamento ^^i
que a Rainha Joanna, das duas Secilias,
deo em 1347; noArt. 4 recommendava, que^
lodos os sabbados as mulheres publicas fos-v
sem visitadas, e achando-se algua doentei}
em consequência do deboche, fosse sepa-
rada, e níio communicasse os seos males ál
rnocidado. ia

Se nos antigos tempos havia já em M)


çou hum estabelecimento para este fim c©m o notf
,

me referido, o que levelu-^ar em Dezembro de 1802^


VjW eslou convencido ,de que entie nós deve exislir
lium igual estabeleítimento {3ara as visitas sanitárias
das prostitutas, e que ahi deveu) for ins()occionadaà^
pelos Facultativos, no entíjuio eu proponho as v?»'
sitas no domicilio respectivo , o Governo optará^
qual dos meios he {reicrivel: em objectos nofoS|)|
quanto mais estaholerimenlos se formão, novos obs-^
taculos apparrcom pelas dispezas, que cou) sigo ^a
presumo trazerem, entretanto o tempo mostrará J
que mais vantagens resullarào da fi^mação de hurrr
pjspernario — entre nós.— ( Parenl'l)uchale!e&

— De ia l*rost. dans Ia ville de Paiís &c. , pagj


,V*>j Edição de Bi uxclUs).')aiSUp . àQ Oiti 79b 8oa
guns paizos na Europa, o cuidado de man-j
dar vi -liar as pr<isliluías, para qu o uão pro-,
j aííassnn o rírits Venéreo \ esla pratica^
e^vA lioje geralinenle CwS tabele cie! a em as ^
r^açoens cultas, e na Franca a prinieira^^
idéa de prestar cuidados especiaes a eslas,^
mulheres sobe a Luiz IV ^ entretanío só
em 1796 foi reconhecida esía necessidade;
quando porém M. Dubois foi nomeado Pre-
feiío de l\licia, elle instituio a taxa para
occorrer ás dispezas, que exigião estes
cuidados sanilarios prestados as prostitu-
ías, os quaes continuarão fazendo-se de
certa maneira muito irreij^nlar e imperfeita,
aíé que se instituio o IJíí^pensarío em De-,
zemhro de 1802, aonde se procedia a taes;,
visitas, e se davâo outros cuidados a estas
muHieres.
Em o nosso paiz hoie com híla ]ev de
tolerância, temos h^ia indispensável neces-
sidade de proceder a estas visitas sanitárias
das prostitutas; porque nao he só á mora],
mas também á saiide publica que estas
,

mulheres causão males enormes, senão tem


a devida fiscalisação, que consiste em fazer
com que ellas nào propaguem o f^irus Ve^
nereo, terrivel enfermidade, que tanto tem
concorrido para as desgraças da humanida-
de. Com etíeito, e como já o dissemos em
outra parte desta obra, o contagio venéreo
talvez tenha sido mais terrivel para a es-
pécie humana, do que a Peste, e os nos-
sos antepassados nao procurando os devidos
meios de fazer parar acorrente de seos n^a-
Jes , cometlêrão nisto muitos erros, que
liósdevemos, quanto podermos, emendar,
« ,

«6S

proceílenclo ás visitas ^arii(aríí\s'(le*?fas mu-


lheres. Algijns tciTi dilo em diOerenfés tem-
pos que estes meios ferejii a montl , e fa-
,

vorecem a libertinagem mas bem longe


;,

estamos nós de approvar estas doutrinas ,


pelo contrario estamos convencidos de que
elies concorrem para conservar a saiíde de
hua mulíidão de innocentes creàtui*às , 'p
<jue he recommendado pela religião , pèlà
caridade, e emíim pela moral. —
Passai-e-
mos pois a fazer as diíferentes observaçocns
sobre as visitas das prostitutas^J^^é^hfaj^íe-
sentar as medidas, que para este fihi^tyj
'
^'
necessárias. ''^*
'

Logo que hua


prostituía seache'tfò^i
do mal venéreo, ella o deve immédiat:
mente declarar á dona da cas«, "é^^d^áu
então não deve ter mais communicaçàtf^còr
pessoa algíia , se o contrario fizer, t

ella como a dona da casa, que o consèil*


terão hua multa pecuniária, e serão prcs.
por algum tempo na casa de correcção. iNe-,
Dhiia mulher publica se deve recusar ás vl-1
sitas sanitárias, que lhes forem fazer os
Facultativos competentes, aliás que a isto
se recuse, deve ser im mediatamente com-
pellida a ir para ohospítal para sertratada,
edcjwis de curada deve sermettida na casa
de correcção por algum tempo; e se não se
achar doente será do mesmo modo presa,!
para lhe castigar a insobordinação. As que'
«o acto da visita se acharem doentes, de-
vem ser logo enviadas para o hospital, sen-
do também logo avisada a dona da casa pelo
Facultativo, de que aqueila mulher se acha
doente, e não consinta, em quanto se não
,

f6í)

y^i curar, que pessoa algiia lenlia com elía


çornnuinicíiçiio , alias -serão ambas muita-
das, e meto d as^ na casa d^ correcção , £|
c(ona(Iacasa logo; o a proslituta depois de
curada-rob isvoíqqG í^l> aou jfomiiiiá^j
8fi.t89
,^,,;As donas de casa^ por raotivo nenhuhi,
devem expulsar para fora de sua casa qual-
auer iiiulher por estar acomettida áoVntis
f^enereo, e que por isso lhe nao possa dar
ijlí^eresse, e quando assim o facão, serão
nudladas ; nem também qualqvier mulher
deve abandonar a casa, em que reside,
para jv habitar outra, ou mesmo para en-
trar na vida honesta, sem ser previamente
visitadas pelo Facuhativo competente, dó
que lhe dará hum certificado: nem tão pourb
CO qualquer do?ia de casa receberá qualquer
mulher, nem consentirá que em sua casa
tenha communícação com qualquer homem,
sem ser primeiro visitada peio Facultativo
respectivo; se acontecer o contrario será
multada, e mettida,na prisão. Por isso to-
das pLS donas de casas terão huns mappas
como o niodôllo N.^ 12, no qual se devem
fazer as devidas notas, e alteraçoens a tal
respeito,* e destas entradas e sahidas, se
deverá dar parte á Administração Geral
e quando assim o não facão serão punidas
assim com multas, como com a prisão sb
As prostitutas devem também ficar na
intelliííencia , de que são rigorosamente
obrigadas a não consentir, que qualquer
homem, acomettido da moléstia venérea,
lenha com ella communicação, alias deverá r^
se^- punida do mesmo modo; e quando afc 1
gi^eai use para este fim de violência cq,i^ i^
tjuniqtrer niuTher, mesmo de nsíuciaã
ou
para a seduzir, lambem elle deverá ser pu-
nido da iuesma maneira com multa, e pri-
são.
'''
.'f>rAr>úvUíí\o{d míd ifí;iu'>')o b-uv

Não se deve permittir por qualquer mo-


^ tivo que seja, que as prostitutas se tratem
em suas casas da moléstia venérea ; porque
ellas podem cuntinuar em sua libertinagem
a propagar suas enfermidades, o que he
bem facií de acontecer. Os Facultativos vi-
'sítantes, devem ser obrigados a avisa-las.
de que se recolhão ao hospital, lo^o que
as encontrem doentes; e se assim o náo fi-
zerem, ou Ihesaconselliarem remédios para
delles usareni em suas casas, deverão elíe^
pag^ar certa multa, e depois despedidos de
seo cargo. -^^^ ^^

Os Facultativos devem ter hum rigorosc


escrupulu nas visitas, que llzeren) ás prós
li<utas; ecomo oexame das parles sexuaeí
externas, nao basta para decidir da nàc
existência do Virxis Venéreo^ por isso de-
verão elles applicar a todas o specnlum —
iílcri —mandando-as collocar em posiçãc
jcunvenienie: tciinbem elles deverão exami-
^iiar as partes em íornsj do anus, e bem as
sifn o nariz, bòccn , garganta, especial
mente se houver algua alteração na voz.
^^1' Seria mui conveniente, que anies di
começar a visita, mandasse o Facultativi
encerrar as mulheres da casa, que tem ;

e
visitar, pelo espaço 10 a 12 minutos en
* hum quario separado daquelle, em que s<
deve fazer a visita, para que a Uícmbran.
^inucosa possa ter tempo de (ornar ao ^
^' esiado natural, e o mucOj qug se segreg
«71
I

^^Jga o SGO curso regular, que ellos podem


^Ktr iníerrompido usando de iuedican)enlos
^^^^^^'^'^''^'^ê^''^^^^ , e detersivos cm lavatórios
para occullar hua blenorrhcgia, &c.
O de tempo, que deve me-
intervallo
ijdear de hua a outra visila, tem sido fixado
;
i^nui variavelmente segundo as opiuicens
13^08 diíTerentes Escriplores. Este intervallo
í^^stá mal fixado em ajguas Naçoens, que na
*.>*ea{idade sào mui lo policiadas a respeito
^^e muitos outros objecíos. Consta que em
sParís, as casas toleradas sao visitadas hua
•ivez porsemana, e as vagabundas pelas ruas
^{raccrccjieuses) tem hua visita de mez em
,

fe«iez. Não nos podemos conformar com esla


^opratica, quepermitíe lium tâo longo espaço
de tempo de hua a outra visita, eque pude
oser muito perjudicial: pois que hua mulher
.^infectada no dia antecedente á visiía, pode
ecpmmnnicar o contagio por grande numero
ode dias ate A outra visita, tanto eu) hum ,

couio em outro caso, o que em verdade se


«x^iíW deve pcrmiltir; somos por isso de oj)i-
opião, que as prostitutas sejao visitadas de
.|1(i"e« enj ires dias, enao haveriío deste medo
.çítô inconvenientes, que no outro espaço de
tempo; porque não temos a segurança que
cilasdeixão decommunicar com outras pes-
9^oas ,
quando se vejáo doentes, nem que
oi^^ .denunciem e se recolhâo ao hospital.
5

£ í; Eu julgo o não ser compativel com nos-


n^çs usos e costumes a po^^sibilidade de
©á^xistir nas casas publicas das prostituías,
cJm^ pessoa com a sufficiente inteiligcncia
o-|)raíica das diííerentes formas úoVirus Ve-
fft^^w j pai'a proceder ao exame dos órgãos
sexuaes dos que frequénfarem «fcaea casi«$;
nào obslarite os seos vicios e Ifhertinaiiem
por taetí casas frequentarem, eu julg"o, que
rnuilas pessoas reí)ugnaririo em suaeii'»i'-so
a liàa tal inspecção por hum j)iHÍ<.r, que
ainda existe em
muita gènie, que ahi se
dirige; e por hua moralidade, que se (J?í
em muitas pessoas, que querem e traba-
lhão por encobrir, que entrão nii^caffas pu-
blicas, estou por isso bem seguro, que se-
M3i impossível conseguir de iiitínitalilpes-
soas taes visitas, que, em nosso modo de
entender, devem ser feitas pehis mesmas
mulheres publicas^ constando-ufiS que na ,

verdade em alg^as casas he por eiías e^t©


exame feito sempre e infaliivelmente a quem
beu) de perto nâo conhecem: e também so-
iiios de opinião, que todos devem a este
exame particular sugeitar-se, sob pena úa
se retirar, ou não querendo, em tal caso
serem punidos com uudlas e prisão, seabu-
sarem dos seos deveres^l consignados nos
regulamenlos. ;4*ii ao aobiib oáiol aill-yup
v/xirPor conseguinte para o fim exposló nO
paragrafo anterior, o Facultai ivo visiUnte
de certo numero de casas apresentará \nn\9
bem simpleces, e claras histrucçoens sobrei
n forma do apparecimento ordinário e ex-
terno das moléstias venéreas, para que fa-
cilmente as mulheres, a qtiem ellas devem
ser entregues, poss.^o conhecer sem equi-
vocação quando qualquer individuo se acha
de qualquer delias acornctíido. Esta»? ins-í
trucçoens devem ser formadas pelas Juntas,!^
de >que falia remos no Art. imn^ediato, e eri*^
íil^^ues ás do7ia$ cia$ casas em es collegios.

I
^^75

t>u~ás me^^as mulhefes quando vivSo sóê^


e isoladas em sua» casas ; inslruccoons, (jue
devem estar publicas Jíe^las casas, bem cq-
nio os regulamentos.! rí;i»']*n (>tí<t>/<'Hv^r,Vniíít
iv.i)n<| mí/fl iO(i ofí^rvf(\?v '
f?

ARTIGO 2.^ ÍÍ5

j-'- ib
- i^Estahelecimcnios de Facultativos para a$^
- \\' -i muitas sanitárias da proatitntas,
\
'vA
s

Em
todas as Naçoens policiadas, em
que as prostitutas sendo toleradas estão su-
geitas a regulamenios de policia , devem
haver esíabelecimeiUos de Facultativos en-
carregados de suas visitas sanitárias. He
mais que evidente, que este elemento he
absolutamente indispensável neste assum-
pto: pois que se ellas níío fossem obrigadas
a sugeitar-se a taes visitas, e exames, po*
derião livremente propagar seos males, co-
mo boje fazem em Lisboa, e se nao pre*
hencheria hum dos prmcipaes fins, para
que lhe fojâo dados os regulanientos poli-
ciaes em. coiísequencia da sua tolerância.
5

Eu entendo, que destas visitas sanitá-


rias, feitas ás prostitutas, se devem encar-
regar em o nosso paiz os Cirurgioens, qua
necessários forem para desempenhar hum
lai serviço, em ceríos períodos determina^
dos. Cada hum dos ( irurgioens deve ler a
seo cargo hum cerio numero de mulheres
publicas, a quem devem no periodo deter-
minado passar a competente visita. Eu eâi
lou bem persuadido, de que para se desi»
empenhar convenientemente este serviçov
çiida hum do^ Cirurgigens nao poderá ter
Io
1

ídétoixo da sua insi^dèriflô' maior nnmpfct


^Úe prostitutas, do que huas vinle at.é tria-
^fa, Cjunlquer que seja o nunrcTo das que ee-
"í4i verem reunidas em coilegios, ou das iso-
í^ladas em sua cassfi' iy í^iííiíiuibioBjfxo aii
<

*^- Além dibto he preciso altender as qua-


'Ildades indispensáveis, que se (ievem exi-
giv nos Facullativcs, que se uoujearem para
este imporíanie serviço; e tjualíiitnle, que
elles aítendáb cora todo o escrúpulo as dif-
ficuldades , ç^ue appareeem muitas vezes
para o perfeito diagnostico das moléstias
{Sjphiliticas , o que pode dar em o grande
'mal de se declarar san haa mulher doente.
t?'«N Dividiremos pois este Artigo em Ires

objectos evspeciaes: no 1." trataremos daor^


ganisação das Juntas Sanitárias: no 2.° das
qualidades indispensáveis aos Facultativos ;
"'e no 3.° das diíliculílades, que ás vezes ap-
oparecem no diagnostica c{as Uioles-lias .Vig-
'

''':
^Hereas. í.b .--.oíduje r t jíltb ^Q
on.obíi l.iij^i?)!; ;ií
«èog ^ob 8ti )u'j)'jnu'l 8r,b odasqfn^ãjb
-í^rganisaçao ifos Edahe^i^clmevíbs dos PácuI*
o ta tivos ^ou jMntíis San iiuvUíS^ i li u u1

lo^ ARepartição de Saúde Publica do Rei-


t-íio he a coíiipetentfe para regular m es- (

pecial todos esles objecics; e somos por isso



wde opinião,- que os Cirurgioens deí>tinados
para tal serviço devem ser propostos jx^lo
Conselho de Saúde Publica, e appruvado»
i3pelo Governo, sí^ndo cada hum delle^i.an-
-^carregado das visitas acima referidas, edá^*»
ífí]uellas, que se julgar conveniente, -A A^"»
•i^ttiiuistraçào GeraJ , á vista do local ila-r^
m
íiídoncia prostituías, edo seo nuniert)^
c]í>s

ia r á a d b 1 b U cão do n u ni vvo d e er rn n a do
i 1 i i l i

por cada hum deJIes, niío só para as visitas


.ordinárias nos dias ^slvíibeíecidos, mas para
as ex{rí)ordinarias , a que forem chamadcs
conipetenteuieijle ^ ou peia enírada ou sa-
ilida de algua das muiheres das diíTereníes
casas, ou por aíguin outro luotivo accideu-
tai-,ain 9 ;o ^ía^ i

Annetade dos Cirurgioens que forem


,

indispensáveis para o desempenho das visi-


tas sanitárias, constituirão híía —
Junta Sa-
nitária— a que presidirá hum Facultativo,
^ue o Conselho de Saúde proporá á appro-
vaçâo do Governo, fazendo as suas vezes,
quando for necessário^ o Cirurgião mais vo-
tado peJaáíunta, de Secretario servirá tam-
bém aquelle, que a Junta elíeger á jdura-
Jidade devotos. Estas Juntas se devem reu-
nir duas vezes por mez, e em cada sessão
os difierentes membros darão conta dos seos
trabalhos, e de tudo quanto tiver occorrido no
desempenho das funcçoens dos seos cargos,
*"ie das providencias^ que julgarem necessá-
rio dar-se; e de tudo sedará conhecimento
á Repartição central de Saúde Publica, para
-ella prover como for necessário, ^ou por
-íPiias faculdades legaes, ou com príjposía ao
'Governo, ou ás Autlioridades Administra-
tivas, ou outras segundo a ^xigeacia ,do
caso. pina
r>'^'io;« h'.>

Como em outra parte desta obra, mos-


trámos a utilidade dos estabelecimentos de
Facultativos para as consultas gratuitas;
'JiGr isso julgo, que estas duas Juntas devem
t-er pcrmancutemenley desde as nove Jifir„a^«

18 *
Z7G

íllé ás trêsda tarde, no local das suas ses*-


soens hum de geos membros, dislribuido»^
como as Juntas, assenlarem a fim de qu^
,

este satisfaça ás consultas, que sobre tae^


enfermidades se lhe quizerem fazer, eÍ3t,^
gratuitamente; este serviço deverá durar^
em quanto se nao estabelecerem as Juntas^
de consultas gratuitas, de que acima fal-f.
Íamos. Cada hua das Juntas no fim do anno^
fará o Relatório geral de seos trabalhos, e
apresentará a Staiistica Medico-Cirurgica
com as devidas observaçoens , os melhora^
mentos que se obtiverão, e as providen?,
cias de que se carece, o que tudo apresen^;^
Iara ao Conselho de Saúde Publica, par^
ser levado ao conhecimento do Governe.
^^i A líepartição central de Saúde Publica Ihe^
dará local no seo estabelecimento para as sua^^
Sessoens e Secretaria ou o requisitará do Go,-^
,

verno , quando para isso não tenha as dcvida^j


commodidades. As dispezas do material da suag
Secretaria serão suppridas pela xVdminis traça 0^
Geral a requerimento da Junta por via do se^
Presidente. Por íim o Conselho de Saúde Pu^
blica formará os devidos regulamentos especiae^^
para a Junta dirigir suas sessoens, e em geraj^
todos os seos trabalhos, os quaes serão previa-^/
mente authorisados com a approvação do Go-
verno.
^ ;i^)BOhd
Ora he bem evidente , que os dinerèntes
membros destas Juntas Sanitárias devem ter os
seos competentes ordenados annuaes pelos seo»'
mui interessantes serviços aos quaes elles de-
,

vem ser proporcionacs. Eu estou persuadido ,


de que a maior parte das vezes , que deixão de
leStkbelecey-se certas Instituicocns de kua reco^j!
I ^77

n1ftí;íflã*'íití]ida(Té''pi1iíica' IicT em' aftènçáb as


dispezas que ellas fazem , e
, lie com o que de
ordioario argumentão os seos antagonistas. En-
tretanto em tal caso não deve obstar hum tão
indiscreto motivo pois que he bem evidente,'
;

que se se não pagar convenientemente aos Fa-


cultativos, nâo serão feitas as visitas sanitárias
âs prostitutas e sem taes visitas estas mulhe-
,

i*es propagarão livremente o Vírus Venéreo , e


causãráò males enormes. E he sem duvida hOa
grande decepção tolerarem-se por hua ley as
prostitutas sem reprimir quanto possivel os ata-
cjúes á moral e á saúde publica; seria talvez^
tão nociva ou mais, esta legislação, do que
,

^-í* oíí
siaa prohibição absoluta, ^

Não posso ser de opinião, que as prosti-


ttitas paguem aos Facultativos das Juntas pelas
visitas sanitárias a eílas feitas; isto não con^
vem de modo algum; o que se disse clesta"'

pratica estabelecida na França em outro tempo


o não queremos ver reproduzido em Portugal :j
os Facultativos devera recebersimplesmente oà'
s^os ordenados pagos pelo cofre competente dsL
. Administração Publica, aonde se recolhem áSr
contribuiçoens a que as prostitutas devé^rii
,

estar sugeitas, como as multas pela infracção


dos regulamentos; e isto por meio de folhas
processadas mensalmente pelo Secretario ,'"^6^
rubricadas pelo Presidente. . r\
czf:ii:jL:ju,n^- ^ -.- msd sdr i3lU
p,o 1-A fii-T-' §. 2»*'!.-^rr!jl 3j5?s^)b PCíífrrfsm
Qualidades indispensáveis aos Faciãiafivos^A
^encarregados da fiscalisação sanitária dasi
prostitutas,uúUti ad. .bu^aOxO loqo íq isô msv
"Desde que esta fiscalisação começou rn*^
líaiij'! até á epocha actual houverâo muitos
embaváçosf?:^ W OlffictilcTndes
'

^ , qile 'foi ' i^rcciso


vencer para clíegar ao CKStado de perfeição, em
qne se acha he mui útil conhecer as diííicul-
;

dades , que outros tem encontrado em certo


género de serviço, para que quem o começa
pela primeira vez os pcssa ohviar, quand0i
elles não dependão de incógnitas especialida-^i
des, inherentes a cada paiz/ que só a obsorii>
vação pôde revelar para se removerem eríP
tempo. São graves e importantes as funcçoensB
confiadas aosCirurgioens encarregados de tafbí
fiscalisaçãp , e por isso nSo basta , que elles
sejâo ornados dos necessários conhecimentos
medico-cirurgicos para tal fim , são indispen-
sáveis certas qualidades pessoaes, sem as quaes-
debalde procuraremos couseguir hum bom re--
giiítado. ^'>'''l'mcíd «b •
.r .a (

-*? Primeiro que tudo he preciso, que os Fa-f


cultativos tenhão a probidade medico-cirurgica
em toda a sua integridade, e por isso affastem
de si todo o espirito de charlatanismo \ pois
que nenhua confiança pôde merecer nem ao
i)ublico, nem a quem o nomeia, hum homerai'-
qiie se utilisasse-'die sua posição para elogiart-
enas qualidades pròfi^simiaes', e sua preferen4
cia aos outros. Õra]5fe parece justo, que (por'
exemplo) para i clírá''dás enfermidades vene-^
reas se procurem anti?s os Facultativos daâ^
Juntas Saniiarias, he necessário que esta pre-'"'
ferencia em os consultar seja fundada na siHafi
reputação publica, e não pela fama, qu« ellea
de si apregoem. He também indispensaTel^
que eíks tenham hãa moralidade a toda a prôj^
va',''"senl a qiial o Conselho de Saúde os não
]yf9cTéI''nem' deve propor ao Governo; e'he muil
iflií qti'é'' lesta qualidade bem necessária recáiaf
em liua idade inadnra, e especial mente quando,^
o homem se ^cfaa jiárJig^4o i^Çg^ttHa^êiMÇ?^.;^^
casamento. rV.rí;f(Vi llhi nun ,.,f .^,
""^rí
..,,p. ..

'Daqui vem a necessidade, que elles tem^.^


íle liua certa reserva em suas maneiras e pa^^

lavras, e também no silencio, que devem guar-^


^dar em bíia infinita copia de factos/e de ane-
útas ,
que devem ao seu conliecimenta^
vir
íte serviço: o publico mal intencionado,,
sempre disposto a envenenar certas acçoeps e^
jtafevfP^^ ^s mais innoecntes , se destas não.
faa: caso em pessoas ordinárias, elle lança buni|
s^iíer.o mortal quando se dão em homens col-,,
lo^n '
em certas posiçoens , que além distOy
:^

^.. ihicionadas ; e em tal caso hum homein,


d^ii*Ç$>íiitíação he muitas vezes perdido. Não he.^
bem delicada aposição de hum Facultativo da
Jiíiíifta ,para que elle guarde hum inviolável
^•^redo'? Não podem pertencer alguas prosti-
tiíi'§3 a fí^niilias, cujos nonies se devem oçcul*,.

im^- Não ha por ventura infinitas pessoas ,^


que tomão todas as cautellas para obrarem em^
a^' trevas, e cjue não quererião, que pessoa
algua suspeitasse até certos lugares, que ellasj
frequentão e não sabem acaso os Facultati^^
,

vos os nomes, e posição social destas pessoas,


e os detalhes mais occultos e minuciosos dô,
sua conducía'? E ciue se diria delles se os re*.
velassem ? Podem por isso elles muito com-
prometter a paz das familias , e por tanto de*
vem ficar seguros, de que serão sempre mais
severamente julgados do que os outros , para
que bem dirija o o seu modo de portar-se,
A experiência tem sobejamente mostrado
na França a necessidade, que os Facultativos,
tem de pôr em pratica grande suavidade najs
,

530

>J>alavras, e nas acçoens para com estas mn-


Iheres as prostitutas, cheias de hurailhação,
;

entregues ao desprezo, e sentinclo-o vivamente, j

»sabem apreciar as inaneiras suaves e brandas,


de que se usa para com ellas , e a que sào j

reconhecidas em extremo naila melhor para ;

as sugeitar ao cumprimento do todos os seos


deveres. Refere-cí3 que um Cirurgião ii'hum
,

hospital de Paris as tratava sempre com du»


xeza e cora desprezo, e que até as maltratava;
€|W>| resultado disto, ellas fazião o contrario de
tudo" que se lhes ordenava, ellas usavão de
mil astúcias, e estratagemas para passar para
outra enfermaria houverão em fim revoltas
;

aqiie foi preciso intervir a força armada, e


g^ té houverão ferimentos. Mas esta espécie de
familiaridade deve combinar-se com a dignida-
de, gravidade, e com o respeito que delias
deve exigir o Facultativo, e que ellas lhe não
recusarão e tanto que no Dispensário em
;

Paris ellas nunca se formalisão. estando sem:«


pre em pé diante dos Médicos, que as visitãóí
«n< Os Facultativos devem sempre mostrap
grande modéstia nas visitas, aonde quer que^
ellas se facão ou nas salas da Junta Sanita-í"
,

ria, ou na Casa de Correcção, ou era íruae


próprias casas ; as prostitutas devem ser por-
exiles haa a haa em quarto separado,
visitadas
sem que ninguém esteja presente, nem mesmoj
algua de suas companheiras. Esta conducta,
seguida por dilatados tempos em Paris, tem
produzido notáveis melhoramentos no espiritoji
dft^,prostitutas de sorte que as mulheres de
,

hçJQ f]iíferem immenso das antigas em quanto


íip SQ^>pprt<í honesto e decente, que a policia

(^igj}(; .c^v^ç^ú este mais hum bera, quanto á


, ,

moral, que se faz ás prostiitítââíí á?léB#^dlé^%feíè


^(íados. sanitários. uiiiaorq ^is ^
êovòAl
.giíi^iniiví/ o-oBfiitn98 o .oso-jqaab ob 80jjg9i)n9
,8íibflíi'id í) a6YJ5ua 8tí*§. 3/ «k i^iosiqfi. madíis
oí;a aup b a .aslía moj íiiisq cau o^ onp o5
D ?*^r?í Wí/í/í», ^'?/e ap femita em a Ig ún s casd'^ d
'

€.' diagnostico das moléstias venéreas, e da couw


fíiíjducta deis Facultativos em tal caso.
»í)b moo ívi(|m'>p r.vcír.'íí 8b eneSl 9;

: Ainda que nós snppomos com a sufficiente


B '

ínstrueção a todos os Facultativos, que se hou-


verem de nomear para as visitas sanitárias das
|:)rostitutas e ainda que pareção fáceis a reco-
;

nhecer todos os simptomas que caracterisão a,

moléstia venérea com tudo casos se tem repe^


;

tidas vezes apresentado nos paizes, em que esta


pratica está estabelecida em que elles não po*
,

dem decidir se a mulher está san ou doente


,

e por isso dar-lhe liberdade ou manda-la pôr ,

€m observação. Tratando-se das visitas nas ca^


8as publicas, dando-se hum caso de duvida, ò
Facultativo deve advertir a dona da casa, para
que separe e^sa mulher das outras , e não con-
sinta que pessoa algúa tenha com ella com-
,

municaçao depois de passados os dias, que


;

elle julgar conveniente, pedirá a algum dos^


SÊOs collegas da Junta, que a visite na suai
companhia. Se depois disto se decidir, que-
ella está san e constar, que tivera a vedadíí^
,

communicação , deve ser punida com prisão á^


dona da casa, e se se achar doente deye eslâ^
pi*isão ser muito mais prolongada. niSísuboiq
Na França tem acontecido muitas vezes^nffo^
poder decidir-se do seu estado depois do pri-^
meiro tempo marcado para a observação,^/áP
«Bte^se tem repetido três e. quatro vezes. Jtã^
conveniente dizer, queí^^clando-se estas (luvitlas
erri 8S6 em o espaço de oito annos forão el-
]as por pnstnlas — 283 vezes por biiboens
:
,


2Br por vegetaçoens — 67: por evacuaçoens
— 26 por escoriaçoens — 59 por ulceraçoens

: :

145 por cancros


: — 266 por sarna
: 8: —
por fistulas -*i^ 4: ora , como he hum facto,
que ulceraçoens e escoriaçoens são de ordiná-
rio o principio dos cancros, reunindo estes
symptomas, vemos, que forão 470 o maior
numero em que versarão as duvidas ; são por
isso os cancros venéreos aquelles, que se apre-
senlão com hum caracter mais insidioso.^ ^^mAíÍ^^
Ha hua incerteza de hum outro genert),
que apresenta em alguns casos o estado destas
jnulheres; a repetição da mesma doença deixa
sobre o local, em que tinha existido, hua certa
alteração, que toma a forma anterior, e não
he contagiosa; como são certas ulceraçoens,'
que tem resistido ao mais bem indicado trata-
ínento , certas excreccncias secas , porém es*
pecialmente certas escoriaçoens e evacuaçoens,
qne se julgão graves, e não são de ordinário
senão filhas de hua causa mechanica. Yio-se
no paiz referido, que hum grande numero de
mulheres, sahindo do hospital, ou da prisão Ííí
aonde estiverão por tempos , entregues logo a |
toda a violência e excesso de seos debochesí^
íipparecerem-lhes lesoens, reputadas venéreas^
mas que se entinguirão, e extinguem sempre^i
depois de certo espaço de tempo de repouso, ,

e de socego nestes deboches. São estes estados


os que estabelecem muitas vezes a dissidência
entre os Médicos dos diíTerentes estabeleci^
mentos.
He por conseguinte indispensável hum hav
. )

S83^

hiio particular para 'or^íiagnostico tias moles*


t»4s etiri>^('iiies ús mulheres publicas, o que se-»

não Adquire senão coísí ò tempo, e com o ha<i


})átO!')da observação; i@'^or isso as funcçoensí''
qsieiobweraís ser confiadas a estes racul1alivos,->
D^ó í^í>o iDerameiíte mechaiiicas, cilas são pe*
niv^(?ija o desvios ta nUs mas também ellas exi-p»
,

gean 'jhoain si rucção especial, qbtida «ó cora


u experiência, oiofíKo sob oh
iOiBín o ('Ví- orno! oiíD .- ».ow )iqm'f^;
loqor CAPITULO V. >Tomij}í

Actual distrihuiçào das casas publicas das pros^


,ti tufos pela cidade. Se he conveniente fixar ^

Ihis hrtpi local para a sua habitação eúcclw


siva? eb oBoitsq'^*? \'òá\uài
JÍ90 ijníi í^j Biiííit stfp ma Joooi u í)*ído»á

^Quando no Cap, S ° da Primeira Parte


desta obra tratámos do numero das prostitu-
tas, e de sua distribuição pela cidade, failá-
'jnos em alguns dos objectos que poderião ter
aqui lugar; entre estes nós então apresenta^
mos alguns mappas o primeiro dos quaes,

marcava as ruas dos differentes districtos da


cidade, que a auíhoridade administrativa ti»
nba determinado na o deverem &er babitados
pelas mulheres publicas'çí''fe os outros mostra-
vão as ruas em que ellas boje residião, sobre?
este objecto temos inteiramente satisfeito no
lugar indicado. Advirta-se entretanto, que esta
probibição não foi satisfeita rigorosa e completUf
mente, porque nós algíias vezes ainda as vemos^ 5
apezar de raras, nessas ruas probibidas ellas ;

existem na Rua da Prata (e lá estava até híiia*:^^


casa das vagabundas pelas ruas), na rua i<íírf4
largo do Corpo Santo hua outra casa existia^
€84

Ba de rua nt)va do 'Canno, ão


R. Julião, na'
Telhai &c. &c. em fim, fácil he confron-
; ,

tantlo ambos os mappaSj- vêr quaes fomo <3staí?


excepçociis. í? ^t,-.» ^» ^ orniitou 'jup

<ínIsto prova, que não ohstante as leys'/^'^'^'


rigor, com que ellas podem
executadas,^ ser
houve sempre hiia tendência natural das proéi»'
titulas a habitar com preferencia antes certos
bairros, do que outros, antes certas ruas, e
certas casas dessas mesmas ruas , do que ou-
tras, e até certos andares dessas mesmas casafe;^:'
Isto se observa em Paris, que ha casas, qtié
de séculos são habitadas por estas mulhere^y
e esta constância também entre nós se obser-
va ; por esta, e por outras muitas razoens,"
facilmente confluiremos as diíficuldades , que
devem occorrer em levar a effeito >exacto e ri-
goroso o fixar- lhe hum local exclusivo para à
sua residência , como abaixo direm.os : estes
sfio dous assumptos
os , de que trataremos
^ jVaíí:::^ ^^'^
neste Cajntula - :
f
^..

B0.T6 ;« aiqiiiaa ;âíi303S§ii

ARTIGO l.ofn3 iBilei m976[)


Á)hvL ioa eúfí md.eomaaail)
Distribuição das casas j^uhlicaspèlà cidade.

Napresença dos tnhjípas tí^ i^:^ 3 afé^ri.'^/


de que falíamos, quando tratámos deste objecto'
no luí^ar citado, vemos qual he a distribuição'
pela cidade das casos toleradas devemos po-* ,'

rém novamente advertir, que as suas mudan-í


'
cas de huas para outras são frequentes e es- \ ,

pecialmente de huas para outras casas da meS-''


ma rua, e mesmo esta mudança tem lugar maís"^
vez,es ainda em as mulheres de huns para o^-''
tros collegios , ou mesmo destes para estaíeW^^
v
;

283»

sós e isoladas em suas casas; nâo iluvidánios


por isso, de que alguas casas, que referimos,
não coritenlião hoje o luiraero de prostitutas
que notámos, e este seja maior ou menor, e
mesmo que hoje não sejão por ellas habitadas
casas havejá em que isto aconteça ; porque
,

cilas mudão sem que nisto


a seo livre arbitrio,
intervenha a authoridad^,,, como tem lugar eia-
outras Naçoens. .: ;
-^^

Se tempos vierem , em que


as prostitutas
sejão obrigadas a inscreverem-se na policia, e
que sem esta formalidade nenhua se permitta
em sua libertinagem; será fanil então, e só
assim, saber-se com certeza o numero destas
mulheres, e o local de sua residência perr-
;

tender porém saber seo numero exacto e lugar?


de habitação sem taes soccorrcs, tudo quanto
se disser só pode ser provável e como tal.
,

apresentámos aquelles Mappas, depois de ter-


mos feito para a sua maior probabilidade pos-
sivel grandes esforços, e assaz diíiiceis inves-
tigaçoens; sempre na segurança de que aigúas
devem faltar em o numero apontado, como já
dissemos em hiia nota ao referido Capitulo õ/
da Primeira Parte- ... /^>^

Dos Mappas que apresentámos, coliigimos


jquaes os Districtcs ,
quaes as Freguezias e ,

quaes as ruas por ellas mais luibitadas, e quae%


as diíTerentes ordens nestes cu naqutlles pon.nrj
tos. Pelo Mappa n.*^ IO , vemos , que a^
população década hum dos Districtos não he J

proporcional ao numero das prostitutas, qu.^.^


nelles habitão; pois que vemos que o maio^,^,
numero delias habitão o 3/^ Districto; e seudiOj^
o 5." o mais populoso tem menos de ameta^d^.^-
,pro§titutas do que teiU:,%oí.;^o^íi*)lmt
f8^

Miem (listo oliservâmos também, qtie a poprí-


^lação do 1/ Districto sen^lo menor do que a
'do 4/ (comprehendendo só a cidade,- e ii-lo o
''tfn-mo) achámos ter 26 Diostitiitas, em cnr.mto
o 4.» apresenta 200, ou qiiasi oito vezes mais
do que o 1.";—e 0'2.** Districto apresenta mais
^êe sete vezes, e o 3.** Districto qirnsi nove ve«
'íies; o 5/ qiiasi quatro vezes, e íinalnieiit-e o
6." pouco mais do que o 1/ Vô-se pois ({ue
as prostitutas estão distriljuidas pelos diííer.»u-
tes Districtos. da cidade em nenhiia' relação
com a população. ^'^'^

O mesmo Mappa n.^ 10 representa o líu-


mero das prostitutas de cada Districto, e a
população respectiva a cada hum só em quanto
á cidade, e seo termo ;"%
com exclusão do
também mostra a relação dos habitantes para
eilas. Assim a população do l.'^ Districto he
de 24: 127 habitantes, e tendo elle só 26 ]>ros-
tiiutas, está cada htia delias na relação de 927
dos habitantes; no 2.° Districto attendendo ao
numero das prostitutas, e á sua população,
está na relação de 160; no 3.*^ Districto na
de 159; no 4." Districto de 112; no 5.« Di«:
tricto de 465; e finalmente no 6.^ Districto
de 793. Também observamos nós pelo mesmo
Mappa, que o máximo das prostitutas he 221/
e o mínimo de 26, sendo o termo médio de
i27; e como a população da cidade de Lis-
boa (não comprehendendo o termo) he 182:002
habitantes está bua na relação de 238 habi*
,

lantes, e htia fracção.


Tambern vemos pelos Mappas respectivos,
que descendo a cada bua das Freguezias o ,

tuaior ou menor numero da população nada


inílue no maior ou menor numero das prosti-»
,

S&7

,tutas, que as lirtbUão: se assim fosse nenliSa


coutaria mais prostitutas do que a Freguej^ia
de Santa Izabcl ^ queotpni 20*638 habitantesf^
quando as prostitutaíi.aJ^d; são çyn tão pequeno
numero; depois desta.se devia seguir a de
Santa Catbavina, que conta 12:594 habitan-
tes, e depois desta Santos o Velhoy que con-
tém 10:0l7, em que existe maior numero de
prostitutas, porém muito menor do que na
Freguezia da Encarnação, e na do Soccorro,
cuja população he consideravelmente menor.
Na presença da populaçí^p de cada híia das Fre.-
guezias e das prostitutas
, que as habitão
,

poderiamos achar a relação, em que está cada


hua delias para os seos habitantes ; entretanto
omittimos este pequeno calculo o que he bem
,

fácil achar-se á vista dos mesmos Mappas, Con-


çluimos pois, que ha nisto híia irregularidade
extrema ; e a statistica da população , e das
prostitutas não dá de si algua rekição cons-

..^/jObservamos mais , que as Freguezias da


JEncarnação ,e do Soccorro são as duas mais
habitadas por esta gente, e também pela maist
baixa ordem delias; depois destas duas Fre»
guezias segUG-se a de Santos o Velho ^ e de
S, Nicoláo; porém se as que habitão a 1/
são a relê das prostitutas ,as que habitão a
2.^ são pertencentes á 2.^ ordem, e alguas da
"l/^ Finalmente as Freguezias de Santa Justa,

Ivlarlyrcs, e Mercês são as que a estas se se-


guem porém as prostitutas da 2.^ ordem são
,

as que habitão pela maior parte as duas pri-


meiras Freguezias, e as. da 3.^ ordem, ou as
inais baixas desta gente, s^o as que habita*
288

Vemos que as prostitutas ÚPlO


igualip.eriié ,

preferencia antes a huas do que a outras ruas


das mesmas Freguezias observamos pelos
;

luesmos Mappas, que as prostitutas da 2.* or-


dempreferem antes as ruas dos Correeiros
(travessa da Palha) dos Çapateiros (do Arco
,

do Bandeira) dos Canos, e das Gáveas, e


,

-entre todas estas a travessa da Paíha , que ti-


nha então 56 prostitutas. Vemos tamhtau, que
as da 3.^ ordem preferem a travessa dos Fieis
*de Deos, as ruas das Atafonas, e das Madres.
Igualmente nós observamos, que na distribui-
ção das casas publicas Jas prostitutas por estas
ruas, as da 3.* ordem senão reúnem ás da
•2.^, nem de ordinário nas ruas próximas
de qualquer dos bairros da cidade pois
:

que nós vemos que as da 2.^ ordem habi-


tão na travessa da Palha , rua do Arco
do Bandeira, na cidade nova, como tam-
bém na rua dos Canos, na das Portas de
íSanto Antão, e em todas estas nau se ob-
serva liíia casa das miseráveis da 3.* or-
dem nem tão pouco na rua das Atafonas»
:

do Capellão, Guia &c. , que estão nas im-


mediaçoens hiias das outras, se encontra
hua casa da 2/ ordem ^ nem nas ruas das
Madres, de Vicente Borga Scc. , no l)airro
da Rsperarií^a, não se encontrão senão da
3/^ orden\.
O que se nota nesta cidade a respeito
da reunião das prostitutas da mesma ordem
entre si, e não com as outras dediírerenté
ordem, nas mesnuis ruas, e nas suas im-
niedia(;oens se observa quasi sempre em
,

Paris: entrelanto ha híia notável excepção


entre nós no Bairro Alto, e noutros poDtoi
aomipijyo só nas mesmas ruas, mas em ou-
tras próximas, e que se crnzão, existem pros-
tiíutas da e especialmente da 2.-^ ordem^
1.'^

^(pomo também as das mais baixas prostitu-


.

^(as; '(^ assim vemos na rua das Gavias exis-


tirem alguas casas, da 2.^ ordem, e ser esta
rua cruzada pe!as travessas dos Fieis de Deos.
^do Poço da cidade , etc. aonde habitão as da
3,* ordem também observamos no Bairro
:

^^Alto prostitutas da 2.^ ordem misturadas com


''^s, da 3/ nas mesmas ruas, como na tra-
^^:e3s.a da Espera, dos Fieis de Deos , e bem
^s§ií^ em alguns outros pontos, comonacal-
.i^V?% <3a Gloria rua' do Salitre , etc. etc;
,

.rn^- diversidade dos pontos de habitação da«


dríierentes ordens das prostitutas (alem de
jjue nos mesmos ellas procurão as casas
^lais ou menos com modas segundo as suas
jtossibilidades , ) tem seguramente por cau-
^sã não só o antioio habito de residirem ellas
^^n t^ertps bairros da cidade^ -.ç ani .^pr-
Sis
sruas desses bairros , apezar de alguas
^llas lhes lerem sido vedadas pelos dous
Vditaes da Administração Geral de Maio de
lp38, mas também a maior concorrência,
(?.a frequência de passagem: pois que he hum

ÂxpifP innegavel , que as ruas do Ouro , da Pra-


^tf) ,' Augusta , Nova do Carmo, e da Palma,
iío Loreto Larga de S. Roque, Boa-Vista,
,

Calcada doFerregial, etc. etc. erão pelas


!bi;ostitutas as mais habitadas antes de lhes
^^rçf]ii vedadas, e são também estas ruastal-
^yez as mais frequentadas da cidade.
^, Devemos também notar, que he.hjiím
jfeçto, e hum resultado de liua constante ob-
^

mi
mJeiTi habilito de- ordinário ds 'primeiro^
2:'^i

andares das casas , despresando to<los òs ou-


tros superiores. PareDl-Duchatclet apresenta
neste género hua Stairslica iKui curiosa, e
iliinuciosa á respeito do numero da? prostili tap,
que habitao diííerenles andares das casas de
Paris ; entre nós porem isto he mais regular :

poucas destas mulheres babitão os 2.^* andares


das casas, e dahi para cimabe rariílade serem
porellas habitados os outros alem disto prefe- :

rem ellas sempre os anilares, que tem ja-


nejlas sacadas: as mais baixas das [)ro6tituta8
habitao de ordinário as lojas dessas pequenas^
casas das immundas ruas das Madres, Capeí-
lao das Trinas etc. etc. He bem obvia a ra-
,

z^o desta preferencia e eu outra nao acho


,

senito a mesma, que as obriga a estarem cons*


tantemente á janella, com o fim de serem
ellas observadas de provocarem os homens
,

mais fácil ecommodamente, conforme as ma-


njn*as de que usão»
,

Tal he o modo srgundo o qual estão re-


partidas as casas publicas das prostitutas pela
interior de Lisboa comaquella exactidão, que
ine foi possivel obter , segundo as informa*--
çoens, que recoUii. Esta ropartiçãa pela ci-'-
dade representará ella em todas asépoehas os;
gostos e os costumes desta classe? eu pre^'^
sumo que nao; pois que consta-nos que nos ,

mais antigos tempos estas mulheres habiía-tc^


vão com })referencia e em m»aior numerov^
,

especialmente as da 3.^ ordem as ruas da ,

Madragôa, dos Mastros, a Cotovia, etc. ei


fcMias immediaçoens, e as da 2.^ ordem a rua
.
>

dos Cavalleiros, etc. etc. hoje as mais bai-


;

Xt\s liabitão as ruas do Capellao das Ataibuasjr»^,


|
291

o Bairro Alto, clc. : as da 2.^ ordem anícá


dos editaes de Maio de 1838 habitavao em
maior numero por toda a rua direita do Ar-
senal, Corpo Santo, São Paulo, e Boa-Vista-,
como também nas ruas novas da Palma é
do Carmo, Loreto, Larga de S. Roque, Ca-
Iharizetc, e alem destas as das Portas de
Santo Antíío iado oriental do Passeio Pu-
,

blico , etc. Hoje todas estas ruas lhes forão


vedadas, e por isso se virão em a necessidade
de escolher outras, e são aqueiJas , que já
notamos, e em que hoje habitão; ficando
com tudo alguas nas ruas prohibidas, atendo
para Ia mudado-se outras,
He de advirtir, que ainda que as prosti-
tutas estivessem já de largos annos sugeitas
a matricular se na policia^ mesmo assim, des-
crevendo a distribuição das prostitutas por
Lisboa, esta não podia ser feiía com híia vi-
gorosa exactidão; pois que he evidente, que
mesmo pela natureza das cousas he tal exa-
ctidão impossivel em e especial-
Statistica ,

mente em Statistica , applicada á popu-


lação, o que he exacto hoje pode não o ser
amanhã e pode torna-lo a ser posterior-
,

mente mas não fallando nos senão de hiia


;

maneira geral, e não olhando senão ás mas-


sas, podemos ter muita probabilidade de es-
tarem tão fielmente como he possivel distri-
buídas assim as prostitutas pelo interior de
Lisboa.
He hum facto ^ e pode pas?ar como hum
principio, que ha certos pontos da cidade ,
que tem bua notável attracção para as prós*
titutas outros ha, que (em em si liiía <:eílfi
,

força repulsiva; e he mui razoável opeuír-ar^


19
^^íe' estafa mnliicrcí? se esfabelecera , e so corí-
servno somente nos lugares, era que encon-
trão interesses. Ha
muitas fregnezias da ci-
dade , em que nos náo constou existir hila
easa publica de prostitutas ou se hCía ou ,

outra ahi existia eréio estas em numero tiío


diminuto, como senào existissem: he isto se-
guramente hum resultado dos nenhuns lucros,
que a sua residência ahi lhes pode causar; por
isso taes bairros as repelliao. De que depen-
derá a falta de interesses em taes pontos'?
eu a niio posso attribuir á maior moralidade
de seos hribitantes, e aos mais austeros cos-
tumes de que elles sejiio adornados como
, ,

diz Duchatelet a respeito de hum quarteirão


da cidade de l^irís a Ilha de Sáo Luiz — —
aonde senão encontra híia prostituta, mas com
muita probabilidade a serem estes bairros
distantes, e remotos dos pontos , aonde ha
o principal movimento da população, sendo
por isso sitios pouco frequentados pelos ou-
tros habitantes da cidade, e muito menos peleis
individuos de fora, e pelos estrangeiros*

ARTIGO 2.^

Se he convjpnieiíte fixar lium lugar para a única


<^ >^.
í
I Ua\ ha h itação das prost itu ta s.

Não ha cousa que seja mais frequente dei


dÍ5^er-se nem que pareça mais simples de
,

executar-se do que desterrar, e isolar as


,

prostitutas para certos bairros das cidades,


para ahi residirem e níio ha cousa, que na
;

pratica apresente mais diliiculdades. Toda .1


gente diz —
obriguem-se as mulheres publi-
Í2D3

cas a habitar bairro da cidatle, e não se


liuin
permitia , que habitem outros —
e ioda a geuii-
te, que isto diz, pronuncia hum eiTO, e não
calcula os inconvenientes da execução; estas
pessoas, apezar de possuidas das melhores
intençoens, persuadi ndo-se da diminuição do
escândalo da prostituição , ellas não tem es-
tudado como reunidas, os costumes e ha-
,

ibilos destas mulheres; e não attendendo aos


males enormes resultantes da prostituição
clandestina , só considerão a prostituição nas
casas publicas. rj
Desde as mais remotas eras nas diíTeren-
tes Naçoens tem-se sempre muito desejado
isolar as prostitutas dos outros habitantes , e
a experiência sempre mostrou a inutilidade
de taes medidas. Ilum dos mais antigos re^
•^uiamentos sobre as prostitutas, que se co-
nhece, he o do Senado de Veneza em 1300,
elle fixava hum lugar para estas mulheres,
mas com o tempo se abusou desta medida,
Luiz o Grande assignalou em Paris ruas par-
ticulares para a residência das prostitutas ,
e impoz as mais severas penas conlra os in^
fractores destas disposiçoens, tudo isto com o
tempo se tornou inútil, porque ellas logo abu-
sarão. Entre nós apezar de nunca serem tole-
radas comtudo em os tempos mais antigos
,

erão ellas mais perseguidas, quando se atievião


a habitaras ruas principaes, as praças e ou-
rtr os lugares mais públicos; ellas tinhão hí^ia
Necessidade absoluta de se occultarem , e de
usarem da prostituição clandestina.
Apesar de que a repetida observação tem
'%)ostrado, que esta medida he inexequivel,nãj
^ porqutí delia se abusa mas por que dá d^
,
SDt

si grandes inconvonientes com tudo tratare-»


;

mos neste Art. nâo só da questão se he ou —


não ulil fixar hum
lugar })ara a residência das
prostitutas, mas (ambem trataremos dos lu- ,

gares, que ellas não devem habitar, e bem 1


assim dos inconvenientes da agglomeraçãode |
muitas casas e da reunião de duas e final-
, ;

mente da concessão, que a Administração pode


dar aos proprietários e rendeiros para a pro-
hibição destas casas na sua visinhança. De-
vidiremos pois este Art. em 3 §§. jiara os sp*
guintes objectos. í-ob oíTipofíT éfíffort Rfjbliíst'

lie, ou fiào fixar hum lugar para a


iitil resi'
dencia das 'prostitutas^

íirjifiPor occasião de tratarmos deste assumpto


podemos fazer os seguintes quisitos — as casas
publicas das prostitutas podem permittir-se
em qualquer ponto de híía cidade, aonde con-
venha a qualquer estabelecerias*? deve-se-lhes
ííinarcar lugar para scia habitação*? ha iuga-
• ires em osquaes , ou próximos aos quaes ellas
senão devem perm-ittir? Quanto ao nosso
paiz nós nos devemos conformar com a actual
iiJegislação em vigor, a qual não indica, que
/3íe lhes marque local para ellas habitarem, mas
x; exclue as prostitutas de habitar certos pontos,

'^'i\3CtVL\o sào a proximidade dos templos, dos pas-

•i.seios públicos, das praças, das ruas principaes,


^'í'f)stabeIecimentos d'instruc(;5o, recolhimentos,
i ètc. como ordena o Código Administrativo
bArt. 109. §. 6.^
..^F' Os reíTulamentos na Franca tem sido nos
^ifierentes tempos mais, ou menos rigoroso&j^
2^3

flcf^nilaòá'STrâíòr Òi}*'menor severidade dos


Prefeitos de Judicia, que lhes pioliibe a ha-
hitação nesle ou nriquelle ponto. Naquelle
paiz (ein-Fe prohibido a sua residência ra pro-
ximidade dos templos, qualquer que seja o
culto religioso, dos collcgios d'educaçâo d'am-
bos os sexos, marcando-sedhes as distancias;
tem-se também prohibido na proximidade das
hospedarias de certa ordem, da habitação de
certos grandes Dignataríos, dos lugíires aonde
ha grandes reunioens, de mercados, de quar-
téis das tropas, mesmo dos corpos de guarda,
etc. etc. e no tempo de Napoleão forão as
;

medidas a talrespeito mais rigorosas, porque


parecia, que eJIe tinha htia espécie de horror
á prostituição publica.
Entrenós, que apezar de termos hfia ley
de tolerância para as prostitutas , mas a quenj
ale hoje não demos os devidos regulamentos,
pozemos em pratica a mais insigniíicante das
medidas, que elles devem conter, que foi o
marcar-lhes os lugares, nos quaes ellas nãodc^
vião habitar com effcito quando tratamos de
:

obviar o escândalo feito á moral , e os prejuí-


zos feitos á saúde publica pelas prostitutas •.

nãohe senão hiia insignificante medida o apar*


^^ta-lasde certos lugares pois que nesses, em
;

^'^'que ellas habitarem ,podem ser escanda-


ahi
losas, ahi podem como quizerem destruir a
saúde de milhares de individues, se outras
medidas se não pozerem em execução para a-
talhar ião grandes males. 8ó a esta prohibição
'(porque a mais senão estendia a sua alçada)
he que foi dirigido o edital de S. Ex*'^ o Ad-
®*^^ministrador Geral datado de 5 de Maio de 1838,
a que se reunio outro de 23 do mesmp m^z^
39(5

e aiiiio ; nest(3s dous editaes estão marcadas


as ruas! dos difíererites Districtos, que ellas
nao podem habitar, e que coustão dos Map-
pas N.« 1,0 e 2.^
Temos anotar, que muitas das ruas, que
forao isentas de ser habitadas por estas mulhe-
res eu as não julgo merecedoras de tao alta di-
,

gnidade ,como sâo as do Telhai, dos Remédios,


de Santa Barbara e especialmente no Bairro
;

Alto as ruas dos Calafates, da Atalaia, da Bar-


roca, travessa da Espera, ete. etc. se as com-
pararmos com as ruas do Crucifixo, dos Ça-
pateiros, dos Corrieiros , e dos Douradores
na cidade nova, nas quaes ellas podem em
plena liberdade habitar; e também náo sa-
bemos, porque fatalidade estas ultimas ruas
não forao isentas quando o forao as travessas ,
que as cortao perpendicularmente, ou que
as cruzão como a de Santa Justa, d'Assump-
,

ção da Victoria, de S. Nicohio etc. Mas em


5

lim assim o ordenou a Autíiorjdade compe-


tente e ella eslava no seu direito.
,

O escândalo ás pessoas honestas e os in- ,

sultos á moral publica que de ordinário cau-


,

sâo as prostitutas» tem feito, com que em


muitas Naçoens, e nos differentes tempos, se-
jão ellas obrigadas a residir unicamente em
certos bairros e serem prohibidas de outros;
,

entre nós só depois do Código Administrativo


he que se [)Oz em vigor esta medida. Ora se as
prostilutas em Portugal dão motivo ao escân-
dalo publico, e por isso he preciso íixar-lhesi
lugar para a sua residência he por(]ue nunca
,

Jhes forão dados regulamentos policiaes a que ,

ellas se devessem sujeitar, e por cuja infrac-


ção tilas fossem rigorosamente punidas. Eu
,

fí)7

èston firmemente persuadido, fie que logo que


tdlMS^fití'nmifícu1t*iíí^*^j*é^è^''TO^ conheci-
mento das le.ys pòlidhiès? à que ficfío sujeitas
ellas se cotilerao líiáfá nbs limites de decên-
cia publica , e niio escandalisarão. Quando es-
(as niullieres forem obrigadas a não cbegar a
haa janella S!mp'es'nente para serem vistas,
e para provocar os qtie' passão ao deboche
quando se prohibrrerri i*igorosamente as vaga-
bundas pelas ruas etc. etc. estou beu) seguro
,

de que as casas publicas nao darão escânda-


lo publico á mora! por que hum severo cas-
,

tigo as hade co-iibir e então não será preci-


,

so nem marcar-lhes lugares para habitarem ,

nem prohibi las ái outros porque supponbo :

eu que 03 regulamentos terào htía fiel e in-


,

teira execução. ,

Alem disto lo lo tí cinàuãb tem direito nao


è6 ásua reputação, mas também a que a sua
moralidade não seja ferida po" menos concei-
tuadanò publico. Se houvesse em Lisboa huin
bairro deserto de habitantes, e então se orde-
nasse, que nelle, e só nelle , residissem as
j»r<)Stitutas, eu t^nto isto não reprovava, como
reprovo o manda-las para aqueiles, ao?i(le os
ha. ou, que vaíJe o mesmo , exceptuar muitas
ruas, muitas praças, ele. da sua habitação, nor.;
que indirectamente se lhes marca l:)cab Ora ,,

esías mulheres não se querem nos pontos ex-


cluídos, ou porque insultão a moralidade dos
que por elies passão, o;j dos que neiles ha- ^,
bitão os que porelles passão também podem
; ,-|^

passar pelos lugares permittidos. e a'ndaque .i

não j)assassem de certo que lhes não deve-


,

mos attriÍDuir maior moralid ide do que aos que


de fa^LO passào, nem diremos também, que
S9e

asfamilias, que habitao este ou aquelle ponto


claridade» são maiís hones/^as, etem costumes
mais puros do que os outros ; isto se»'ia rs-
candalisar a muita gente Por isso nós nào nos
podeuios conformar com lai prohibi(;rio.
Os que passão pela rua d(;s Corrieiíos, dos
Çapateiros, etc. (em que se permitíe habita-
rem as prostitutas) não passão repetidas vezes
pelas (ravessas de Santa Justa da Viciaria, ,

d'Assumpção, etc. (a ellas vedadas)? ninguém


dirá a blasfeniia, de que só por esias travessas
passa gente honesta, e não poraqUellas ruas,
nem que os habitantes das ruas dos Doura*
dores, dos Çapateiros, e dos Corrieiros são
desmoralisados , e deshonestos , e por isso se
mandão para a sua proximidade as prostitu-
tas, e mesmo em tal caso não seria possível
habitar a casa de híia esquina, que tem face
para híja rua prohibida e para outra , que o
não he. Daqui vemos os inconvenientes, que
estas medidas de policia trazem coui sigo.
Não se entenda com tudo que esta mi-,

nha generalidade deixa de ter algíjas excep-


çoens mas he preciso para que as haja, da*
;

rem-se m.otivos transcendentes, e de hua ex-


traordinária notabilidade, como sao os tem-
plos, eas casas d'educação os primeiros, poí,
;

que são destinados ás altas funcçoens da Re*


ligião, ehe quanto basta para que tal gente
não deva residir na sua proximidade, apezaí
dos regulamentos; as segundas, ou as casíis
e colleiíios de educação da mocidade deam-
bos os sexos, especialmente desde os 9 até,
aos 15 e 16 annos , estão em iguaes circuns-»|
tancias no meo entendíT; por isso estas duas
exclusoeus são assaz fortes e poderosas , ^^ão
I

do interesse ^eral fios habifanfes, e a iodos


coinrnum, e ninguém com (;ies excepçoens se-
rá escandalisado, como o será com as referi-
dcis.

Alem nno presnmanios nós que so-


disto ,

mos niais capazes de fazer o queNaçcens,


al.ás mui illustiadas , e em que apoliciaestá
no seo zenith nunca poderão exactamente
,

conseguir. Em Inglaterra, e na França, e


especialmente nesta Nação tem pertendido
desde os mais antigos teuipos pôr estas me-
didas em pratica, e o não tem podido levar a
inteiro eífei to ; pois que ba em Paris certos
feitios liabi'ados de séculos pelas prostitutas,

como já dissemos, e sempre preferem a sua


habitação antes do que a de outros, aonde nâo
párâo, e por isso usíio de todos os subterfu-
jtrios, e de astúcias para se evadirem para os sí-

tios prohibidos. que ellas mais apetecem, e por


fim lançáo mao da prostituição clandestina, a
peor de Iodas, porque não he poíisivel íisca-
lisar-.se. Entre nós já vamos istc observando,
pois que quando os editaes apparecêrão, em
que se lhes probibia certas ruas da cidade ,
muitas delias ahi ficarão clandestinamente;
e já depois disso muitas voltarão a habitar al-
gíiis dessas ruas, e bem se sabe, que algiias
I
destas furão as ruas novas da Palma, e do
' Carmo, rua da Prata, rua do Largo do Corpo
; Santo e outras muitas , que nào ha [)recisao
,

! feferir aqui mas se ellas atrora sao mais cau-


;

tellosas nessas ruas prohibidas, ellas o devem


ser do mesmo modo naquellas, que o não são

j
hoje, e isto só se conseguíí pondo em pratica
ós regulamentos poli cia es , e castigando-as
rigorosamente pela sua infraci^ão, eporcou-
.

300

seguinte he em tal caso desnecessária tal pro«!


hibição, senão nos casos acima apontados.
Finalmente digamos de Lisboa o mesmo,
que Parent-Ouchatelet diz de Paris que se ,

se examJna a repugnância, com que os pro-


prietários de híia rua ahi supportào a pre-
sença de bua casa publica de prostituição, logo
se devisão os obstáculos, que a Administra-
ção encontraria , se qiiiztsse acantonar as
prostitutas em hum lugar, <ippareceriào logo
jmmensos obstáculos di-s proprietários, das
mesmas miulber^ís , e da população, ({ue as frt-?
quenta Quem qu( reria a qualquer hora do dia
penetrar taes ruas? que injurias, e apupadas
não receberiiío os que dahi sahissemV l*or tanr
to se he do ntais alio interesse da ordem publi-
ca e da fiscalisação sanitária, que seiniptca
,

a prostituição clandestina he preciso lazer


,

com que esla espécie dMndustria deixe de ser.


vantajosa a quem a exerce e não se conse-
,

gue tal fim indo contra os hábitos de hua po-


pulação, contra as suas necessidades e con- ,

tra os seos gozos; nã<> se fazem desaparecei?


as prostitutas destruindo as casas de prosti-
tuição de hum bairro, pelo contrario ella^
se raulliplicarião, e maiores males apparet
çerião

2.'
i
Inconvcnicidcs ou var,iagev<i da agglomeroçcéaú
das casas pnhl.cas das prostitui us (vicerlos^
pontos da cidade —
Jticovvdiienles da rea*
nião immediata de duas casas luLllcas,

-1*4/ íSe attendermos ao resultado da pratica^-


peguida onlren(5s desde os mais antigos tem-
pos ate hoje , em qu.^.nto á aggiomeraçao das
ca.sas publicas das j)roslitiitas neste ou narjuel-
le ponto da citlade, devemos dizer, que nao tem
f-ido notáveis os inconvenientes , resultantes
desta aiglomcração , por isso que os niio te-
rnos observado, apezar de entre nós sempre
itr hav d ) esta tendência tanto nas da 2.^,
CO iro nas da 3.'^ ordem, C( mo nós hoje vemos
(e .-evio desde lempos mais antigos emdiffe-
rentes joní os) mui las casas publicas da2.^or-
<lc m estarem aggiomeradas na travessa da Pa-

iha, na rv.a dos Canos, das Gavias etc. e as da


,

3.^ oídem na rua das Madres, nas ires segui-


das do Capellâo, Guia, e Amendoeira, na
das Atafonas, etc. Se ale hoje não tem appa-
rtcido notáveis inconvenientes desta reunião ,
ser.âo afpielhs, que se podem presumir de
muita gente desta ordem reunida, especial-
mente da mais baixa pelos motins, que fa-
,

zem huas com outras, e pelas desordens , que


os m aos sujeitos, que as frequentão , produ-
zem muitas vezes entre si, e com as prosti-
tutas; com tudo como ellas devem sujeitar-se
a certos regu amentos na conformidade daley,
e devem laminem haver agentes de policia, que
asvií^iem. e íiscalisem a execução dos mesmos
regulamentos, diremos, quaes tem sido os
inconvenientes, ou as vantagens, que pro-
duz esta demasiada reunião das casas publi-
cas em certos pontos da cidade, assim olha-
dos pelos agentes de policia , como pela Ad-
ministração.
Os agentes de policiadas casas toleradas
de Paris sempre acharão prejudicial esta ag-
^lomeraçào; e nào se pode duvidar das dif-
scwr

ficulclades, eni que devein muitas ve-


elles se
zes achir era vigiar grande numero de casns
reunidas para estabelecera Oídem, e autuar
indivíduos da mais baixa condição (ia socie-
dade. Tem elles dito que reunir muitas casas
,

destas he o mesmo que querer que a prosti»


,

tuiçãoíira mais os olhos, e se mostre ma;s hor-


renda pela accumulaçáo do escândalo, aleu» de
se porem os habitantes de hum bairro em a
necessidade de abandonar o mesmo depois de
o lerem escolhido, ou de sofrrer a desordem,
e o escândalo.
A Administração porem tem achado van?
tagens nesta aggiomeraçào pois que então
;

a prostituição se acha concentrada em hum ou


mais pontos; e he mais fácil a íiscalisação ,

porque de hum golpe de vista se pode abraçar


toda a extençâo de hum terreno aon'le esiao ,

estas casas publicas; sào mais fáceis f* [)r: m-,

ptos os soccorros, e por isso mais eíBcazes ;

e em tal caso a fiscalisação exige menos em-


pregados, ou ficariím impunes osautliores de
muitas desordens acontecidas quando as ca-
,

sas estão dispersas. Alom disto as da 3.^ or-


dem habitâo deordinario certas ruas, aonde
as casas são muito baratas, e que só são ha-
bitadas por famílias pobres, que perfeita-
mente sabem que ellas raorão nessas ruas
,

quando as vão alugar, e fuialmeníe a popu


lação está acostumada de birgos annos á sua
presença. Julgamos pois . que não obstante os
inconvenientes, que se tem ex})osto, resultan-
tes de taes reunioens.são as vantagensa files
superiores ; e entre nós esta reunião não dará
talvez nolaveis inconvenientes em atlenção
feos antigos hábitos da população desses bair*

He também muito conveniente, que duas


casas publicas nn<jestejno reunidas liua ao pé
da outra mas sim a certa disl anciã. Nas ruas
,

estreitas laes casas huas defronte das outras


dào de si frequentes desordens, motivadas
pelos ciúmes de huas mulheres com as outras,
os individuos, que as íVequeníão, tomão parte
restas intrigas, e ha ás vezes desordens no-
táveis, em íjue a policia lem interferido coUíi
forca aruiada. He raro entretanto, que isto
aconteça, não com as prostitutas da 3/
se
ordeuí como entre nós tem acontecido eiii
;

todos os tempos, especialmente nos mais an-


tigos, assim no bairro da Ksperança, na rua
das Madres e travessa do Pastelleiroetc. como
iia (Cotovia, eíc, e isto qnasi sempre em casas
,

só habitadas por hua ou duas prostitutas des-


tas miseráveis quando não tem hua dona de
i

casa, que se interessa na conservação da boa


oídem para a qual ellas mesmas exercem a
,

devida policia como he constante nas da 2.*


,

ordeni aonde he rarissima haa desordem por


,

tal motivo.
§• 3.»

Reclamnçnêns doa habitantes de certas rtia$

contra a vislnhança de certas casas


publicas.

Emtodos os tempos forão sempre frequen-


tes entre nós estas reclamaçoens , e queixas,
dirigidas ás diíTerentes authoridades , queen-
tíUíestçjyao, na conformidade das lejs, incum-
bidas da viiiilancia
o cíiscalisacão
*
dos costumes
tas quejxai í^.rao MM^W^i^S dtf?ÍÍ?HP

as consequência s, <-|n - [j{;der'raffri^ftif l^b i6^


diíéíítapróhibií^ac). '
;
• - j
J^níÍ89bnB{3
'^'Tiu estou bem í^^í^íiB%?ffnfi?
persoatíitíl),?
nistraçíio, qu£|ml(>^,.ç.SjU-^^i-Ê^i^c4i vigor os re-
gulamentos, ôn mèífiicr rfgt)rd'^, líinda qu i^dí*
nâo
de
tam< .
-^ , , ,

xas dos parlicíjlares ou rendeiros nas 4i(Ve-


,

temes ruas , centrââ existência na áua visi-,


-^Mricaaàs^câs:ds:|Hvíiliei§:'"'''f "'•I ^f^ *'^?,
®« '"iÕVa àé' a- Mminisír£fc1tí^^'<ífrfiimVsM
lufa Ée expulsa de liíia rua hua casa publi-
ca , he preciso^ que ella se vá estabelecer
em outro algum ponto, cujos visinhos li-
nao hum iguai direito a reclamaçoens &
queixas, e por conseguinte ella em parto
nenhua acharia lugar para se eslabelecí^r.
Julgamos pois , que só quando hotiverem
motivos assaz fortes contra a moral, ou or-
dem publica, deverá a Administração def-
ferir a taes queixas, aliás indifiril-as, nun*
ca attendendo a caprichos particulares, e
a interesses pessoaes , o que he muito fre-
quente; tendo sempre em muita conside-
ração a que a casa não deixe de ser publi-
ca, para que não se verifique a prostituição
clandestina, produzindo-se hum mal maior,
do que aqueile , que se pertende obviar,

CAPITULO YU
De algúas casas , que favorecem a prostituição
debaixo de outras diferentes formas*

Temos tratado até aqui das casas publi-


cas das prostitutas, ou estas vivão reuni-
das coliegialmeníe, e debaixo do governo
de h"a regente, ou directora, a que cha-
mão dona de caba, ou vivão sós e isoladas
em suas casas sem dependência desta re-
gente: ha j)orém outras casas, que por mui
variadas maneiras propagão a prostituição,
estas na realidade são de todas as mais per-
judiciaes, em quanto á moral, e em quanto
á saúde , pela diíHcil fiscalisação, de que
são suscepliveis; hãas destas casas são cha-
madas pelos Francezes —de passe — —
ou
20
I0«

rendei vous; outrí^s.sao as íaber^ias^ l^c^pe?»


darias, caíTéj^^, &ç., trataremos c^ç cí^cj^Jiiiíi
delJa^ no§ (Ipfis seguintes Artiggfj^tj^^jj^gQ^j

França, e na }i,e%^c^r;f»e.c)i^íflâo^Ç^gflff^^
ç ao são outra cousa exi) nossâViij^^pagj^m^
ejn nossos usos e costumes, scnãp^^gj^nm^
ai' que desde os mais antigos te;?^,jjogyg|LÍr
ípamos casas d^alcoiice, o cujos doíiQ^,í:^u ^g»
nas consentqm, que alii vaç raulhe^jç|^jçíf5^
maj efe seos corpos: nós as achamos ^xglií^
quanto ao fim, deversifícando porém, cl^^^
formas. Em as referidas Naçoens. e mesm-ç
na Inglaterra 8cc. , lia alguas destas casas
com grande fausto e luxo, e outras sem çj,-
]tó,e só destinadas para amais bai:;íça, cla^^j^
|[a sociedade. He necessário lambem adver-
tir, que nas mesmas Naçoens, muilas fií^-
§as publicas da^ prostitutas servciifi.l^n^l^gfp
Qje casas áe passe; eni Paris nuiitas das^c^T
lia$ íle casi^ aão si^^ .jqç^^tentáo xoíii^,aç,.i;íí^|T

^tS^-n-^ .'í^sç^iRt^s
«a jjobc/a^^,,eUa& lap;i)jç^
r^jçebem as que^fleifóçf^ aL)vi,.v3o CjOin^íjCjí^,^^
amantçs, e lhes fornecem hum quartQ,,p"fi/;4
a sua lib^^rMnagem. ,^.^^, .:> ..t>^}),a)jí
,

Quaanto, a n(^)s i)f(o jjçe -Ç^pst;»^,,^^^^^


Ja.ali^ua des^s^,cas.as cí^^ft 41,fiM^to^^è^,ç^^ j

Trreii4.^ji,j)cge,zar de n,9^J,çriim ^íi,í^v,^(^48a

« oS V *
%iladâs, e arranjadas; em diflereníes pon-
tos da cidade: com íudo se ellas alii exis-
tirão, ou existem com esse luxo, ellas sâo
tao occukas, què bem sedisfarção aos olhos
de todos (^s homens ; e ainda que ellas não
tenhao a lanterna .'{poria, que dÍ2e.m terem
algíias destas casas na Inglaterra, com tudo
(èferia impossível talvez nao se darem logo a

conhecer, como o dáo na França pelo con-


curso dos dous sexos, que ahi tem lugar
t]uoíidianamente. Ha pessoas ,
que nestes
paizes negoceiao com esta espécie de ca*
sas, que ellas (em em
perfeito arranjo com
Hiiferentes criadas e criados, para o ^ervi*
^'^dos que a ellas concorrem , para sèoá
versos e libertinos fins, e que medean|
fifí'' certo espaço de tempo a abandonao,
8f,3í.Q
qyg entretanto nós não podemos du*
vídclV,' hc que existem em Lisboa certas ca-f
^ís de alcouce^ sem fausto, sem grandeza,
°í^'èfem publicicladí^'',^ 'íiias que são para os
"ftesmos perversos fins destinadas , e tam-^
%em muitas ha desta espécie disfarçadas
com o titulo de modistas, costureiras, en-
gomadeiras, inculcad^iras, &c., enasquaes
âéòs donos recebem indivíduos de ambos os
sexos , que ahi \ao íisar mal de seo corpo ^
%tígifndo a lingoagem de nossa legislação.
Além disto também nos consta e na rea-
,

lidade assim se verifica, que alguas das ca-


'l&fs publicas das prostitutas, servem tam-
bém de casas áepasse, medeando híía certa
i^H.ribuição das pessoas, que delias ahi se
^ttèr^'^el4?r' temporariamente; isto nos foi
*Ss';^yrè'PadQ por quem tinha perfeito conher
20 «
é^

m
donas casas ^ nvds seu^Qué alguas opèr-
<Ías
ri) t te in , q ii a ii cio c o u h e c;^ o q u aí q u er d Oí»'. i af
i

dividuos, que ahi queirao concorrer.


'
Us escriptores das dirleremeis INaçioenaL
guando trai ào desías casas de passe ^ lodos
jse con fo r ri «ao, e m cj u e e as sad hi ui lo J)Qf
j 1 }

Tudlciaes (anlo a saiide punlica. con^o -a


moral: porque ellas não sao suscepiiveisHie '^ 0'Jí *ÍO{T
£ '
.
'

hua fiscalisaçâo regular, e na verdade /a


inuliieres que ahi concorrem
, nao sendo ,

malriculadás nâo eslao su2:eilas aos réfu-


Jamenios, nao tem visifas sanitárias, e nro-
Íagão livreiíiente^o Virus Venéreo. São fam*
em mui perjudiciaes á iiioral, pois que a
eltás são Conduzidas muitas casadas ás es-
condidas dos niaridps, niui(as filhas fanii*
lias, seduzidas por liuin amaníe astucioso.
Síc. por isso a maior parte dos escriptoí^^s
;

as nao adraittem. hw entendo porem quç ,

esta prostituição, que iem sempre existido^


é existe entre nós , he a cjandeslina riãç ,

iia nella notoriedade publica, e tahez qii^


á maioria das pes.soas, que coucorrt ni ncs-
itas casas á^alcouce nãosejãu prcsMlulas eiu
todo o rií^*or da palavra, hias sim da catho--
goria das ait7'€tidas ; e em (ai caso, secjui-
zessem perseguir stos donos, invocariào as
gaí-antiaâ, A' direitos constilucionaes , é jaa-
da he Jevaria a num resultado utiI. ^^^^
'V T^'^"^^ imat^inado em Paris diíTérenies
\ífei^òs'de fiscalisação para ascas£tó de passe
Tcom pubiicKlade) ordenou Se. (iue seos
:

cionos ííessem Ima relação das, nessi^as, que


i

porque alem «de rniiiUs de suas donai


nao saDcrciíi escrever, convmiia-lnes oc-
culiar as-au mor idades nu em ahi concorres»
se; e j^or isso lorao para a rrt leitura (le
rolicia muitos nomes trocados, outros naò
íap, e nada se fez com (ai medida. Por firh
niandou-se . que taes casas tivessem duas
jprostitutas matriculadas na Prefeitura,"e
,

elieçtivamente nao so para servirem de


;

vififia a.ajiem ahi concorria, mas para que


017^810 V fitTO'^ '^
I
• '
I
'^

por SCO respeito pudessem ahi entrar a tod^


athora^ ps apontes de policia , e os cncar-''
recados da íiscaiísaçao saniíaria: sao pois
cem? esia\cdridiçáo toleradas em Paris estás
casas* gr •- . ^v -VT 1

Muifos ífirao. Q^Q .ainioieraiicia das


casas âe passe ae que laiiamos; produz a
,

prostituição clandestina^ e nos nao o du-


vidamos: as que existem em o nosso paiz
lara os mesmos íjns que.^as úq ^jasse ^ ja
,

sao mui otcultasV sao aió clandestinas , e


nao he i)ossivel sua fiscalisaçâo pelos moti-
VjDS expostos, e podCfin iivremenle propa^-
gàr ò T^/rz/s/^eízereo. Os inconvenientes da
iua prohibiçâò , a saz os tem mesírado a
experiência; e por isso as casas de j?a5?^ ,
como em tolerar-se
l*arís, podem
deven- ,

(lo ter effectivas duas prostitutas inscriptas


liá* policia, como naquella cidade.
Se o tjrovernq julgar conveniente a sua
"feferancia. os regulamentos deverão conter
a j)arte policial a seo respeito ^ dèví rao es-
uir sugfeiías conlribuiçoens mensaes
as ,

maiores do que as outras, e proporcionaes


aé'seòIuxo: deíVém observar se alli as me-
ilidas prophilaiicas* ealem disto auingi^e^^a
ttf^tléve pèrmittír ahi ficar de rtoite^ nâo
devemhaver motins nem desordens era
, ;

fen^ devem ter certas medidas de policia^


íjiie apontaremos no projecto de regulamen^
to, que apresentarmos.
Nào obstante isto' á sua ííscalisaçao he
mui diílicil; e se o he em Paris, nonde ha
jtifiniíós íernpos efetàô%^^6lla acostumadas
estas mulheres, o C[íie acontecerá entre nós,
que tem lugar pela [>rin)eira vez? Diz Pa-
rênt-Duchatélet , que iiaquelía cfdadie as
é$sas de passe causão enorn)es males ; pois
que ás mais baixas v^o ter os criados e
criadas de servir , mulheres empregada»
Hás fabricavS, as jornaleiras, e oulras arras-*
Iradas pelos seos amantes, ahi vao muitas
íihas famílias, e até creanças: ha até ai**
glias destas casas destinadas as actrizes da
è;"" e 3.* ordem, que em Paris sâo infinitas,

oiurTafubem refere o mesmo escripto.r, que


n diíTicuIdade da íiscalisacão destas casas^/
igualmente depende de pertenderem muita»
Vezes seos donos occulta-las, e alguns òiíafl
item até como hum mistério, e põem èjflf
suaconducla hua talreserva, que íicaosemc
pre incógnitas , e mesmo até aos mais pufi
^ímos visinhos. Foi hu;i dona destas cas^sgí
tào astuciosa, que casou duas filhas conp
duas pessoas respeitáveis, dando a cadá^
hua delias 50J000 francos (8:000,^000 rs.),
e por sua h^orte igual quantia lhes coube ,
e foi só entào, que os maridos souberao as
fmíteínmpur/is ^ dié donde sahirào qs dotes
itegstiaís^imiMjeres. TOD loifiai ob mft o Bisq
om<8e aqui tratamos deste objecto, &iiKta
d ffozeinos nas causas influentes na pi^apa*
giaqao do :^2>i«5 Wenvmbfíf tjomo «ôo na;rea«^
èiéadííifasbcaijas úetjia^-s^iiiSm porcjiie d es ti?
ráiiíos f'dlarnes<je lugar ^e t^das as casas
publicas de prosUUii'taâ.v>rí aoíneuijíioqii aí/^

9ií oh^fi^jÍBDgfi AR^EIGQf áffiiiièdo úrM ^

dás tale mas ^


f os caffé&i as hospedarias , cf^d.
•<8Òa '^ii\íi favorecendo iafrostituição,

BíQi^enittí í motivos , que já


perí'g?oaafíf)eÍos
èeiiuisxiniaiá deliíía vez exposto, ha Ima ou^
éB^fla^pBcie de casas nâo menos perigosas i
CEique HiTiito atigmentao a prostituição. Em
Ptxtrís ha ímmensa gente, que tem hum pe*-
^ueno botequim, híja taberna, hua peque*
na loja d'agoa ardente , &c. mas sobre tut* ,

do as tabernas, cujos donos attrahem 3:31


pnoslitutas, e tem em sua casa hum quarto
ç cc u4 to, h u m +*- cabine t noir , —
p r o p r io a o
e&ercicío da libertinagem e do deboche ^
,

fiétido estas casas frequentadas de ordinário


peia mais baixa relê das prostitutas, aonde
reunidas fazem motins e desordens com os
Riáos sugeilas, que tambear ahi se reúnem^
resultado inevitável do deboche de toda a
qualidade; de maneira, que só esta gente
feequenta taescasas> ehe summamente raro
lá encontrar-se hua mulher de ordem mais
^levada, como as da 2.'' ou 1.^ segundo nos-
sa classificação. Os donos destas casas att
trahem , e convrdâo até estas mulheres^
para o fim do maior consumo dos seos ge^
ttéros, elles até ás vezes as intitulao como
eriaáasy *e como taes as vão reclamar ^^
*ib Negte^» casa«í^>Talíárnodo8 vieios da* ceáM
pulâ^b «l«ííiber</ínagen*^i que fibi existentíj
cò mò è íT) h ti m g rati ^^
pe'r tiva ne ridi »,^ aji >a re ce
(

de numero d eTatoneiPoa^^^iie facilmente


r<!Hjbao os quo abi siãcíB: >faBÍoH*á©& ^ai^as hun»
CôV is dè i (ódiOSL ogA \'í^i)6ib9i| > e in felízmewt^
nftuitó proetinadasf /pèlangíenL^ mais baUc;i «t
mais crapukjs.i ,^^ac3n(}^v<3ôm toula a fíbetdJW
4e que náu sé periii ettóri a
> iklas» caseia /tolôrf
^adrfs, elias^ «e enlregâíbíatod^o o gieniôa^ tfet
d€S4^rdens e de í^mora\iãj\úeB p a^. mòs ma^
iD utberes essas or^jksj e bacoliaríaea j canÉ^
, í

Cí^5Íga^3*D ou caximbo na boca, e nas ibais


kídqcen les aititudesse eolreg^ao á dãn<j^|!
éí a tudo qiiaíiiLcJítlestíi»» Jiíiséiaveis e8candâ>i

k>sas ise exige; ?te lóaneira, que as scenai


<}tí ^horror , e dé dtíbpche , que em laes ca-í

sas com os seos -^^cahinet^ nairs se obsep^ —


Vílo, fazem olhar como edificantes v^iiindd»
as menos appara^es^s casas toleradas, -j*ipi|ií'>
destes covis dos vícios. —
Já se^vê, que^^
nmlheres que tae^ casas fref|iientao, doíl
,

ardina ri o saO as q>tie nao estão sugei4Q8'áí


pobcia , e ás visitasi sanitárias ^ eUaa-seí
adisMão acoms^lííipdasiíije anale^^' qtie^ terriíreM
Mièiilefpropag^ao^ m |)óde assegurar- se, <|«efi
os?í§^abificte«f;De^Jtk)a só sSo desti nades ^pafa3
cwtíuilai?;<ijasnboí«ens a mojestia venereajj>íí
eorJíin^ to<l()S os tempos a Administração ehr]
París^ iem tomado debaixo da sua mais sé*?
r«iflí^o©nsi<leBa(JaD estas casas, tHÒ,jxerjudi«a
ai bcsf)»a>s.^Uí^e publica, ei á rnaral^ e?neríhDa>
das medidas, lembradag em differenteá épo^j
<>Mti^ £&iaanílí<2:az<:ipaéra cúbibic taes deior^
,

rnaras occui^aí! ', <|Oiiho»vjia;i3biiiei^§qrkegíri^í^


msi» asta^ispoii^fío!iip'tíKe(;ia^i^ atat)^i^^ di-
|:(íilí)s.tle^;pra))rjfída(JciifCjjBf;hium paix l\y tOi^
aisti^da qne fossei.qíÇca;ai ital inedi cia resta so ,•

éiA^íiíirnistraçâo, F!ecf>Ti:el*/íiCK;Art, 14 da ofh


iíaii€irii'iç^ de policia de %Úe Outubro de 1780^

^iif^íContlènunít^ eiir 180 franca^ lo dos os do^


Bo» yá tét âSiilqj a® ,? ^^iie li v artí oi-, em s w as c a^
Mtà)t»*JÍA^r^«: i€hdeÒQcàej'y jwas eslá d s posi cm i

h©i (pti m
r^aq uelia s,;. ^ú e oas ba bi ao devendo; í ,

sdr (fflfei(mii;i^ivaí5 áqiuejiçs taberneiros &í3íí^ ,

^tjemtó as consentem, que as chamâoyij4


^€t» li e:» ira n q u e â o o seo
] i —
cabine t jioir. ui '

if^orm^uiio immoraes e
é\f debochadas, qu©
seja a relê das prostitutas em todas as paiH
%^ do nuindo, he jusío confessar , que eii*
tisboa oão se encoíitrâo as seenas de iiox4
ror e de escândalo, que, diz Duchalelet|í
se observào em Paris: as circun)s(anciíi^
da existência de huii:^ gabifiete negro en\
cdgíwastabernas , eaílés, &c. , para propa-»:^
:

§ai Ví prostituiçíto, T&Maida rxí con inua cvák


J»i a 5 4 3 dej^or de ns :»a os.
i s
u te s .& c , jiâog m ,
.

noticia ide fsei leriein'-í:-veri ficado em


íèiwofe?
litsboaicom «ístía^ L|mbJéciéiide , que se diz
n4qnetía cidade; «no Queremos entretanto
.

a^s^çfar^ que taesíca^as pito sâo çumpli^


Ci^mpcpròpagacão da prostitmoao, pelo Qort*>
sabemos, que ellas sâofrequen liada»?
track>í
tuias da 3^^ ordem, e pelos iríaos
p>fiítlíiSí|>jros ti

gu^itos, que=€om ellas estão/ do queireí


swjèa acmbríag-ife^^ alguns act<»s de^ escan*-i
«fatlosa ó.i m ifíora^àid âde , e a propíig a^âo daíi
pi)qstièuioãoiB€Í>Jití«itiáagémi>( .>.iihUi'í(n ?A\b
9(m

jS^t,! SôihI© eiffbte'«ilitaior numero


maitcleslas
klm%'ã6^pY(ysíiUít3í^i^naamo são á Esperança
Jíá4raves9aí do Paslelieiro, nas ruas das Ma-^
4resy e Vicente Borg^a^ &c. , no Bairro^ánfe
to, as travessas dos Fieis de Deos, -e <iú
poço da Gidade, do Gonde de Soure, ôcc.tí
á Mouraria, nas ruas doCapoliâo, da Guia:)
Tendas, Amendoeira, &c. ésisteni taben ^

na« Gon ti nuamente fre<]uentadas>'por eataá


•prostitutas, e por essamais baixa pleJàe^j,^
que as costuma visitar. Essafe tabernas aíS
gáo esíabeiecidas com o fim de maior Veísdaç
€ mesmo os taberneiros, se empenhao ea^ ,

que ellas as frequentem, e para isso as c(?ri^ *

yídáov e ahi permittem todo o género de


palavras obscenas , que huns e outros pro^
nuncião, bem coaio accoens indecentes e
dcshonestas. Ahi se tem muitas vezes obser**
\ado danças bacchaiiaes de li uns com oai*
tiXíS', acompanhadas de accoens impudica^É

et lascivas; e mesmo se tem originado desi)

ordens de consideração e ima outra vez »i«


;

gutos roubos, apezar de raros. Entreííánto


Dão me consta, que as tabernas nestes PÍ€Í
iHyi tenliao o soo gt^binete negro, nem eil^
seria preciso /Cmdbífc^) Jug^ares poí ibei^ obv iaa>
i^^oefjs. gonoh sojn^ ,>>n'=>o:)níí>^m(iii »bij?í íío
*8rEsías tabernas sao de ordinário frequen^t
tadiis pelas prostitutas somente das proxí*í
midades, nem as da Mouraria vao ás tabere
m^n do Bairro Alto, ou íÍs da Esperançarei
neii) «is deste bairro vao ás da Mouraria-^ oup
íisfído Bíiirro Alto se isto se verificasse^iíi
,•

emptí^nhar-se^hirid então os taberneiro^ aéefg


o ee^ gabinete negro. Ora nâo só de niíi^eçt
mçLHj iLÀiiiibem 4e dia, estas tabernas ^o^freííl
*f«en (nelas pelas prosti<«tRgi que n-éssas runS
habitâo; não se passa a cjiialr|uer hora pela
travessa do Pasíelleiro, pela rua das IMav
ares, ou do CapellAo, que se níio vejao es*-
tas bacciíanaes alulhando taes casas ou cofil
rnarujos, e criados de servir^ lía Esperança];
ou com soldados, e outros individtios nas ,

ruas do Capelláo, da Guia, &c. Estas niu-


Jheres porém , sendo daqueJlas vagabundai
pelas ruas, de que já (ratamos em a Primeira
Parle desta Obra, elias á nouíe fiequentâo
os differentes pontos da cidade a provocar
®fi Jiomens á devassidão, e entrão frequén^

tes vezes nas tabernas ahi esistentes , nf(&


só para o mesmo íim, com que peias runí
divaga o, mas para se embriagarem he fal ;

cii e ordinário ver isso nas travessas da Pa^


Um, da Assumpção, da Victoria. ao Cáet
do Sodré, Ribeira nova, Cáes deSantaremí
&G. , em fim, em todos os poníos da cida**^
de, que percorrem, mas nem mesmoahiíK)^
fe^nsla existir o gabinete negro. '
r 4nD

o He muíío raro, que estas scenas de de-*


boche de todas as e&pecies, se pratiquerrt^
-itOs cafíés , como nas tabernas ha alguwá^í
;

Cíifl es , po ré m r a ros , n essas ni es m as r u ^'1j^


ou suas immediaçoens, cujos donos conseíií^-
teai>. e ale convoca© ás suas lojas as pros-
titutas para o fim de terem makír vendáí^j'"
^les tolerão as palavras e acçoens deshunes-*'
t^s , mas nao me consta da existência de
qyartos particulares, especialmente desti-^
n<a4os para a devassidão e para a libertina'^»
g^m. Ha destes nojentos botequins no Ba)!<i^>
roAito, e também na Esperança, estas mu-'^^
Ifteres são couimumenle dadas ás bebáda^^
,

^16

(fm^m^yè^^km (Ueordinano a noiLe)^


•qaflegem íiifl^renie|<{>ontos da cidade, ujag
^^M^iíeiles, que seassernelhão quasi a labei^
ria?, r)ão teiíi entrelanlo estes. os mesnioii reg
^i^llados, que as das j)rQxiíniclc;(Je& de g,ij|a^ i

i^abilaj&oeiís, alguns dus quaes íem.essqpgj


Jljltfliii dus sfQiS prJBcipa^s fjrfs^ j| oDuon or,a
Negar que a ,prost^ti^'9^<* t*P^^^Í9
,

propaga era Lisboa, com q na^ cloíw,^^ po-


pulcsas, por n*eio de alguas hospe44fÀf^j '

de algXias casas» de paslp, e de cutr^L3.íj^^


tfí^s casas publicas, ke ignorcijr factos, que
if^dos CS dios se esláo repelindo; acQAlece
UàíeWzníenie y que em aJgua^ destas c^jS^s
yiâo existe geiile do se^co /emenino ao sep
seívi<^o, que deixe de se franquear a quein
Ike faça os scos lucros e deste modo lião
,

ieiii poucopropag';jido o Pivus Venéreo. Além


di^to nao tanto pela cidade, como especial-
nficnte pelos scosariabaides, íaes casas p^
inuiías vezes frequentadas por máos su^ei-
los dambos os sexç^,; que ahiwão, a titulo
de passeio, a hum jr*ntar, ou merenda, e
^ vljíes proporciona hum quarlo, que jt^o
he talvez com os fins, que lem os gabine-
l^n^ g ros , a Ig h as po ré m § e pod e r a o acji a r,
q«p;*taes fins llies nao importem. .jB9b|
Devemos íambein confessar, que ^SS\
J^isbc-a seiííío oi)serva o que eji^lJ^aiis, .í\(ywj
lie existe hum grande íiujr^ero de .hospq4^
;

rias, Q\i es(aIagei}^.^,oi^í cousa que, a \ alba


.

f/iolcl ganit) gcy]mj,,^i\\^ áiiGUtç^$i?Q:99CXL-

I
m
ta7ab^a4^Wá?fè*bifl5[Sjfé^fac!íissé, edas mnrs
nifs^é^rtiW.g, *tj\^''^ni%'íem casa, nem lugar
fixo aonde sempre^áá
rcsidao^;^^ei'adíndo-se'
Beiigehcias da plicia: estas mulheres ahí
lbmenf^''fe^i3ornieni nas mais nojentas, é
fles|)reé^if^S camns. e ahi atírahem grande
rfumerò^tlê liberliríos, que as frequentao ;
fe se cn re gfío á de v a ss d a o
l Vc z m e n e n âò
i . i i í

ie observíío eni Lisboa destas infâmias;


riao pouco trabdllio íem dado á Administra-
|?tò^em Paris para as cohibifP ç'ií--^^í^í
"'
Finalmente, apezar denaoexistiréhíi^líl
tnbernas, nos cafies, &c. , de Lisboa os^^^éíl
feirietes negros, propagadores da prostitrfr^
65 o , e por isso d a m mor ai idade, é d o F¥^
i

Ws f^€7ie?^eo; com tudo as leys do paiz pfò^


ilibem tigorosám<:*níe aiòdibs os escandalbs^^
tjiíe neíiás se prodiiZí n) ; entretanto caniti
as prostitutas, na conformidade do Côdi^^<5
ÇldministrativO, xievêm estar suefeitas a ccr-
l^á^iíiedidas régtf)a1t)éntares^ qfando esiàk
se publicarem, <fèvèr?ib felfa^conrer dispo*»
kiçoens represivas de taes escandalosa,- '*'^^
^li^iJâ ÁOíiài -àOvi âiib^jnsíJpoU 89x^3 * aXiíiaat

B f ^híisism Í3Q ^iBjnnj^ muá xi , ol^p-.sr.q eíj

-OíTídiUi 80 ííiQi !9up ,^nú so mn-i '^/Isj sd


<^^^^%M^ tíofiiplêitíWtó^ a^^ ^epmd(f Pmh
desta Obra em qíiè lénhó^^íiatado dás^éií^
;

síis publicas das prostitutas, re^ta-me ialiar


das (/0/m5 destas casas , para que reseWeS
^•§16 ultimo CapHfilo, As casas pubíífcá*" da!^

f>íô^ f fú tas
i con s ?d e ra d íls co m o h u tó rafiyÔ
,

íSé'^'èèmmercio^ e de iadu^tria, tem «eíbf^^^ò


. 315

estado em Portugal, e em qnasi iodo^ os


paizes ílaEuropa, debaixo da ilirec<^íio e
governo quasi exclusivo das mulheres he ;

bem possivtj, e (era já acontecido muitas


vezes, que alguns homens entrem nesle g^e*
nero d'industria, mas deve seresta ingeron*
cia de hum modo muito indirecto, e secun^
(lario, porque são commuuiente as mulheí*
res quem tem estado a testa deslas easasV^
Kslas mulheres nos antigos tempos, sempre
tiverâo o nome de alcoviteiras (mulher, que
entrega mulheres^ e dã casa á^alcouce), c he
exactamente o nome, que lhes compele, se-
gundo a nossa lingoagem; hoje porém são
eiias chamadas danas de casa; muitas das
prostituías, que tem debaixo da sua direc^
ção, também lhes chamão Tias, mas he isto
muito especial a h^ía ou oulra casa* ^ ^^ ti

,^ Depois de termos apresentado todas ''aa


qualidades, de que sao dotadas esl as mu-
lheres, e de as termos feito conhecer, he
que bem poderiamos dar adifinicao de ha»|
do7ia de casa; ellas porém nosseos habitosçi
nos seos costumes , e em geral na execu*
çao da sua industria, tem em todas as par-
tes a mesma phjsionomia e hiia delias he
,

em geral a este respeito a expressão de to-«


das; e por isso, e primeiro que tudo, da-
remos a mesma ditiniçao, que dá Porent^
Dvchatelet de híía dona de casa em París^^^
(obra citada, pag 147). '-'(í

íi; >5 Híia do7ia de casa he hua mulher, qw


^rpor oíílciopor interesse, por habito, e
,

HÓe algua sorte por necessidade, especula


«sobre a corrupção f)ublica, e sobre os gos-
í> los depravados, que a libertinagem faa
3m
IPeJiaNiei^ e sua existência so
SiuíV foHrtuaa ,

1^ fuml^io sobre a láberíinaepem dos outros^

«.cila. p^ao vive seimocle desordens ede iiii»


çjfiiuuas: he ella que \fai nos vestígios dag?
»^4'j^pa ligas, cuja figura pôde fazer obser-
ainVí^ni^^ Jiberliíios ; he ella, que para as
^t/íizei" cahir no la^o^ as cerca de todas as
V ^educçocus capazes de lhes fazer iinpres-^
i>,gao^ Hua dona de casa he por essência a
^jCPf.ruplora da mocidade, e a despenseira
^vdps vidos; sua casa hehum asylo aberto
>5(|i^oí]^s os rapazes imprudentes, que se
í??i^bQi?recem da talella , e da vigikincia de
gfff^Qs parentes ; he hum lugar de ajunta^
jgíinento para todos aquellesi, que paixoens
^jjjVjergonhosas fazem sahir dos limittes do
j^jd/ever,* he em fim hua eschola de escan*
« dalo, aonde creanças apenas forniadas^
Ci vem aprendizagem da prostituição.
fazer a
^ij(iisraqui oque he hua dona de casa^ een*
eíiíetanto tal he o estado da sociedade, que
«jfjja existência he de algíia sorte necessa-
»gpã, e que o Administrador, no interesse
ajijd^ bem dave rodearias de toda a sua
,

39p,ifqtecçâo.í ma me) ,bíi jgubnt Jjuâ #>i) oà^


Tal he a definição ou antes a descn4
*

pção, que Duchalelet dá. de híía dona de cn^


«^ ; e com eífeitoella be exacta, como bem
jsSí;<;)piiamentedescripto o seo caracter, feí*
ií^^iulheres fazem -se notáveis a muitos res#
peitos em todos os pajz^s dau Europa e m$ ,

làfr[Pafís , se diviersificáo das de Lisboa em


^gíias particularidades , que exporemos^
l)
1|Çi)ívfurmáo-se com estas , e com as de todo
pi c^(Vsi,undo, debaixo da maioria de suas qua-

I' fe^a4iÇS-._ Tratafemos ncsle Capituio,-^ 1.*

i
3Ô0

do lugar, que ellas occupavão na socíeJa*


dade antes dê entrarem neste gejjero de
industria; bem como de suas qualidades,!
e caracter de seo espirito : —
2.** exporemos

a maneira de portar-se, já recrutando mu*


Jheres para os seos estabelecimentos de li-
bertinagem, e de deboche; já para com as
prostitutas, que tem em suas casas, e seos
contractos: —S.^daremcs h^a idéa de seos
filhos, maridos, e amantes^ e bem assim
de suas creadas : —
4.^ faremos ver as vicis-
situdes de fortuna ede miséria, porque el-
las passâo, e qual he o resultado definitivo
de sua industria: —
5." notaremes, quaes
sao as ccndiçoens, que se devem exigir de
hua mulher, para se lhe permiitir este gé-
nero dinduslria : —
6.** e finalmente, qual
h^ a posição particular das doíws de casa^
e qual a punição^ que se ll)e pode impor
por seos delictos o que tudo desenvolve-
:

remos nos seguintes Ariigos:

ARTIGO l.«

Suo, posição social pregressa : si/as q%ialidad€S.


t caracter de seo espirito.

Neste Ariigo exporemos, que lugar oc-


CMpavàu na sociedade, ou aquiUo, que elf
las erSo antes de terem esle género din'
dusiria; e bem assiín da opinião, que el-
las tem de si mesmas, e da maneira e ca-
racter de seo espirito.
e"
s

àài

^âsbr.biliiwp 8/;ua ab oííio^ rn^d ^ BiiJíitibnt

-Sá" té^íí#db?á*^aé' ícd^ís*iÇytSl^íicáb da proáti ia . ^

^rfgeffti ^tí#q)i^níi^4Íé^^í^íítJbo^clas9^.;í cujas


aiSíát^)pa^^)%fH^ èW^ fêPemMoQaptQBiáe entrai-

.8í jí
A.84 .f^ix. ^í<Íátple1âs-tTisl(ÍÍBrf?K>, «que es-
*l^'§í^^^^^nl4^étidàsí, t4irici(^mtí 7Sjè diz ^ <sc3ssh«-

'íffísifpíâ^^ia jqujibíèaíp eo in fíáiqílal? desl^ ma-


neira so estabêli^ètóiB»ifc[ái^O'X'0ííiinAáQ , e
o (jue lhes assegura hum raéio dè subsisten-
cia para o restòldeCgei)l:l(ímá.
A 3.^^ — he daqnellas mulheres, que fo-
«í^mVí%5>6}|i à>m\^ seEyji^^ilii:^ % ^m&^i tóuJ^3 i^ e,^t|
c r ead a s fa«%tn"faíBudtía íôii^ ecai^ííífâEbas c o ri t ra c t os
çoiu as donas das casas para estabelecerem
*íi%ã?rcftjtl-íe iapsteíi>U'3noqH©lla i^M>Hí^p dfiiJ->áfeo de

•lai ,^ »i|ependôqêia y cí) u tibetea^ e^t as-í Gji^aAa^ §


^lèfebib^ieGêm íS^braieií^íd •íi^modbe."í;^e ^pq^si^i-

"teeh Pstas^muiberás eií>,^ie ordinário boaaíJí?-


^iííiis:>(k.cíisa4k }aQÍS:,^;ue-iel]as já (em pçatjflca
desi es estabeleci mento5íiP4^^e9iiiiíàí:(40} JíbÇèfef
iTiens que as íem frequentíido cn) Franí^a a
, ,*

Avlministracáo as prefere uuiitas vezcá ás ou-


,f fns ,
pois que neljas encontra garantias j)araí

a tranquilidade e ordeln interior das tnesaia»

:r A 4.^ — he
das mulheres casadas e ás ,

*ezes tendo filhos,* ellas nunca forão prosti-


tuta , nem suas creadas , porenn lembrárão-5e
seguir este íniseravei modo de vida: o ordi-
nário desta gente he pertencerem á mais bai- i

xa da sociedade , e costumao reunir a taes ca-


sas hiía taberna , hua casa de pasto , ou cousa
semelhante, aonde recolhem as prostitutas,
e os máos sugeitos , que as frequentào.
Pode em Lisboa numera r-se hua ô.^ clas-
se;- he a das prostitutas que põem hua casai>
;(?
,

e^ continuão nella em seo officio libertino e ,

devasso, na companhia das outras, que go^


vernão —
Ha também mulheres tào barbaras-,
que ellas mesmo tem pervertido suas filhas yC
eontinuão estas em sua casa na libertinagem-,
Rntre nós , e nesta cidade , se obser*
vão as dm tas de casa serem pertencentes a
todas as espécies acima referidas: ha algilas
que forão entretidas , ou amancebadas por
certo numero de annos e hoje tem bíaa ca»a
,

pnbhca de prostitutas á testa da qual ellas


,

Ke collocíirrío, como regentes ou í/a?m5: algíías


interromperão essas antigas relaçoens, outras
eontinuavão com ellas durante o estabeleci-
mento híias vierao das provincias tendo lái
;

interrompido taes amizades, outras as tinhStoíl


cá mesmo na cidade. (t|

-il A
maioria das donas de casa da cidade fo^
r?lo prostitutas antes do novo officio, depois
se estabelecerão com est« modo de vida^íen^^
do algíias para isto as suíTicientes posses i;
ç outras foram ajudadas por suas amigaveiáfi
trlacoens. Ivsías são as que tein ns siins cíísn^
J-io melhor arranjo a todos os respeitos, e as q\i6

tem maior numero de mulheres da 2.^ ordem^


São raras as que tem sido areadas de servir
em taes estabelecimentos, e t^ao de ordiná-
rio das mais baixas das prostitutas. Entretanto
liíia casa existia entre as principaes da 2.^or.

dera ,situada em híja das primeiras ruas da


cidade, das que lhes não tirihãosido vedadas^
tiníía esla casa (res raparigas até 20 annos
de ida<le haa destas era dona de casa e liua
. ,

outra era íilha de htia mulher, que fazia ahi


as vezes de creada; eilas se desarranjarão
(testa congregação e hoje a creada tern hum
,

estabelecimento de prostituição, entre cujas


mulheres he sua filha hua das primeiras per-
sanagens ea outra das três se retirou para
;

acompanhía de hiia irman, que até então tendo


vivido de hum modo decente, hoje existem
ambas eu) sua casa entregues á prostitui-
cao;
>

Ha que usao desta industria ;


álgíias casadas,
são porem de ordinário da mais baixa classe ;
fino obstante isto sabe-sc de alguas casas pu-
blicas sustentadas por marido e. mulher não,

habitão porem as rnas em que maior numero


,

de prostituías residem mas sim neste ou na-


,

qúielle ponio mais remoto da cidade, e perten-


et»ntes á ^/"^ ordem, e também á 1.'^ — Tam-
bém observamos alguas viuvas, que lançarão
mão desta industria: n"hija das ruas mais ha-
bitadas pelas prostitutas existe hí^a casa publi-
ca, cuja dona era casada com híía pessoa de
representação da cidade, e por faliecimenío
dáinarido poz este estabelecimento, entre cu-
jas myliiGTes se contão suas filhas. Yemos pois;
3*4

íjilpna culado as donas de casa pertencem .1


todas a espécies ncima referidas, porem a
maior porí^ãu tinhào sido prostitutas.

§• 2."

5;/í/.ç qnaliiJaíhs; , í» caracttr de seo


espirito,

A
opinião que as donas de casa tem d0
,

si ,o, o caracter e torneio de seo espirito, he


exactamente o mesmo em toda a parte, aonde
exisíe desta gente, com mni pequenas va-
riantes. Estas mulheres, tenhãoellas sido pros-
tituías ou só amancebadas, ou mesmo nem
,

híja nem outra cousa , são sempre altivas e


solerbaspara com as miseráveis, que tem era
sua companhia debaixo de sua dependên-
e
cia; a respeito destas ellas se considerão a
híia distancia imniensa, e até exigindo híia
cega obediência ali^uas donas de casa pre-
:

sumem também, que não hé vergonhoso o


exercer a sua industria,
restas mufheres de ordinário não tratãa
])em as que tem em suas casas, e muitas
s:lo as queixas, i\ue estas miseráveis fazem ;
pois que as donas <fe casa nao pertendem se
não, que ellas muito lhes trabalhem, e adqui-
rao muitos lucros, aliás ellas sem piedade nem
comiserat^no as esbulhão de casa; ellas as
o))rigrio a estar íVequenfemente á janelía, sejm
qualquer que for o tempo ,'estejão ou nao in-
commodadas parece-lbes mal quando bua ra-
,

))ariga fatigada de estará hua jauella repousa


hum pouco e se assenta em híia cadeira no in-
,

terior da casa em fim ellas olhilo para asiii-


:
â55

felizes que tem ern sua^ casas como hcdan


,

de car(ja que lhes devem muito trabalhar,


,

para muito «canhar, sejão quaesquer , que ío*


rem os meios a empregar.
-As donas de casa sKo (ambem muiío iras-^
eiveis; a rivalidade as põem muitas vezes em
cólera Imas contra as outras ;ou por verem
prosperar mais as outras casas do que as
,

suas; ou porque híaa rapariga as abandonou


para ir para as outras, recebendo delia bons
interesses , e por tal motivo ellas procurão
j)or diílerentes meios a vingança toda quanta
podem.
As donas de casa não sótratãocom altivez
e soberba as mulheres, que tem em sua com-
panhia (com mui raras excepçoens ) , mas
ellas não softrem, que se lhes falte ao res-
peito, que ellas exigem ,e segundo a consi^
deração e opinião, que de si mesmas ellas for-
mão; querem também ser muito respeitadas
pelos que frequenlao suas casas, e até sof-^
frem com desespero as humilhaçoens, que
lhes causão as authoridades, quando sao cha-
madas por qualquer motiva
Em o nosso paíz o caracter, as qualida^
des , e o esj)irito das donas de casa he o
mesmo, que temos dito, e que observamos
em as outras Naçoens, o Cjue he confirmado
pela experiência de quem de perto as tem
observado , e pela couíissao das prostitutas,
que querem ser imparciaes^ este espirito al-^
tivo se lhes observa também quando por al-
guns motivos de policia, ou por outros, el-
JoS sao chamadas perante as authoridades, o
que se verifica raras vezes em comparação do
que 8e passa em as Naçoens, em que elliis
32(5

es(itO sugeitas ás medidas r(Jí,adameritares ,

e aonde bem se pode ver seo caracter pelas


reclamaçoens e petiçoens, que dirigem ás au-
thoridades por diversas razoeris em que per- ,

lendem mostrar a distancia immensa que as ,

separa das prostitutas, e que tendo entrado


em seo novo ofiieio , ellas dão hum documen-
to de corrigirem seos vicias aiiiif/os e segui' ^

rem o caminho da decência. (72)!


I !

{7t) Ainda. que nós tratamos das donas decaia


<le proàtituiçào em Portugal, as quaes nunca fcjião
tolerada'^ em o no^so paiz , e por itiío nunca ellas,
como taes, se dirigirão á^ aulhoridad^es a pedir-lhcs
concessoens para oseo modo do induslria, com tudo
julgan\Gs de algum interesse apresentar aqui alguas
das potiçoen«i , que a» que perlendiào licí^nça para
estabelecer al^^uas destas casas toleradas em Paris
dírígião ao Prefeito de Policia. Por ellas nós vemos
a opinião, que de si formão as donas de casa da-
quella cidade, o que tom seo que de notável, que
bem mostra o caracter de seo espirito; entre hum
jçrande numero destjis petiçoens, que apresenta Pa»
it'nt>Outhatc]eí, nó< s6 referiremos as seguintes.
„ Sr. Prefeito — F.... naturalde Lyão, inscrípla
nos registos da vos^a Administração deáde a idade
dtí IS annos, tem a lionia de voà f^edir a authori-
saçào de estaK)el(Ter hua casa de toUrancia a con- :

dncta ^ que a supplicanle tem tido conbianiementtí


em híía classe, em que a regularidade do^: costu-
mes he lâo rara, «erá para a aullioridad'.» hua ga*
rantia suít"iciente , de que ella não abusará da sua
nova posição etc....
99 —Sr. Prefeito —
]nscrí(}ta desde a minha me-
ninice na vossa Administração, tendo-me sempre
conduzido de maneira a ser tida como fí\nn modcJlo
de sabedoria e da tnodtração ; ch«^g:ando hoje áida-»
de de 3âanno>, tenho-me resolvido a seguir hum^
sistema de vida maisregular^ do qual ha liumann-s^
ine não len-ho d.esviado j Iculio pois a hoDJa «It;.;,
,

327

Como as donas de casa recmtàv as mulheres


para as casas publicas e dos contr actos, \^i
,

que fazem entre si. e^5

Entremos na investigaf^ão dos meios, qií«


as donas de casa ]^oem em pratica para ad-
q-uirir e recrutar asdifferentes mulheres que ,

tem debaixo do seo governo, e dependência

(Diz Parent-Duchatelet, que este sistema de vida


mais regular consistia em prosliluir menores emas
casas elandeslinas.) >

5, — Sr. Prefeito— Ha sete annos, queeiísotí


fcmnie galante y e sempre me íenho portado com
hon^
ra, deccncia^ probidade, e foi por lium rasgo de vz"^
e
vacidade , que eu fiz esta má acção; mas liojjevle-
nho adquirido toda a experiência possível , e acho
repugnância em eoniinuar este vil officio. Eu vos
venho pedir aulhorisaçâo de ajuntar aos recurso? ,

que me dá o meo estado de vendedora d'object03 de


loucador os que eu poderei tirar dehua caí^a de to-
lerância , que pertendo estabelecer, etr. ,,
Algiias mulheres apresentâo por fundamento d
sustento de çua família, e a sua educação.
,, Sr. Prefeito — Encarregada de mtío pay e de
minha may, ambos de avançada idade, e doentes,
eu lenho precisão de exercer hua industria hone^ta^
para occorrer ás suas necessidades. Vós nâo igno-
raes , Sr. Prefeito, que he dever do3 fili)05 conso-
lar na velhice os autliores de seos dias , r prf 5tar-
Ihes iguaes cuidados, que elíes nos prodígáiáo na
infância; por tanto espero etc.
,, Deidade de8'S annos, ma* dclúia números.^
família, eu imploro, Sr. Prefeito, vosão soccorro
e vo«5sa protecção. Vós, que sois o pay dos pobre?,
p o appoio da viuva, e do orfào, o guflfnto doí
cilicia? ^ e o a^-vlo. dos deçgraçndos vór não recví|
3^8

nas casas publicas de prostituição e Ijcm as-


;

sim dos ajustes, e contractos, que as ines:nas


^ouas de casa fazem com taes mulheres o qu j ;

tudo sofíre suas variantes nas differentes Na-^


<;oens, e dependem de certas especialidades,
que lhes são próprias.

§•
1-°

Maneiras de recrutar as mulheres , de que


as doncis de casa tem precisão,

Sao muitos os meios, de que se serveir>


as donas de casa para recrutar as prostitu-
tas; das chamadas inculcadeiras de crcadas ;

sareis cerlamcnle minha supplica. N'hua idade mui


avançada, e sentindo-me a ponlo de dar minha al-
ma a meo Deos, e de apparecer diante do meocrea"
dor, he do meo dever oocorrer ás necessidades de
meos filhos, e de lhes transmittir meios d'exi»len-
cia.,.. ele. (l^sla mulher pedia licença de estabele-
cer casa de tolerância para sua filha, e sua nela.)
La deinoiscile D tem a honra de vos expor,
que os mais cruéis revezes de fortuna a teriào re-
duzido ao ultimo de seos aclos de desesperação, se
ella não tivesse sido relida por hum sentimento re-
ligioso, que prohibe o dispor daquillo , que vem
do Céo. Sua conducia austera e circunspecta , o cui-
dado , que ella tem lido deseo pay , e mây , oque*
ella pródiga a seos filhos, lhe tf" m merecido a estima
«í a consideração de todas as <;enles de bem , nâo
podendo entregar-se aotrabalho, rlla sollicila anu-
thorisação de receber em sua casa a seis mulliere»
et. ele. ,,
iMuitns delias se julgSo utilissimas para n con-
servação da bo.íordf-m, e dos costumes públicos.
,, Sr. Prefeito —Ante* da minha chofrada ao
^airro que habito , a desordem u maia espantosa^
,

32^

éllas se ajustão com alguas iiiculcadeiras


(que mais se dedicão a esíe ílm, do que ao
arranjo de creadas) que se disfarcão com es-
te nome, e seduzem as differentes raparigas,
que convencem com promessas, e com van-
tagens futuras, e as entregào á devassidão,
e á libertinagem lia hum grande numero
:

destas mulheres em Lisboa, e algíias com


pomposas inscripcoens em suas portas de —
inculcadeiras de creadas.
Algíjas donas de casa são ellas mesmo as
que recrutáo algtías mulheres para os seos es-
ta belecimeritos ; ellas tirão primeiro as suas
informaçoens , e quando encontrão algua,que
seja hua vantajosa acquisição ellas põem
,

çm pratica todas as astúcias para as seduzir

ludo que repugna aos bons costumes, e tudo que fere


a decência aqui secomníietlia publicamente, eaqui
allrahia a mais vil canalha da capital; á. força de
cuidados c de vigilância eu lenho feil«) desapparecer
esta ordem de cousa?, e feito á Administração hum
conúderavel serciço , restabelecendo a boa ordem e
a tranquilidade. Vós me não recusareis pois , Sr.
Prefeito, a aulhorisaçSo necessária para transpor-
tar o mco eãlabelecimeotoda rua de para a rua
de
,9 Sr. Prefeito — Durante a Revolução tendo
perdido a fi)rtuna, que me deviâo tri*"*n^ittif meos
1oys, eu nào i e outros recursos para ed*^'^'^'" a rainha
familía, senào abrir hiia casa de prostít^^içà^^ ? ^^'
soube durante 14 annos procurar (\i^,ii^mi\nf^'uQ.húa
honrosa existência , e attrahir a estima de todas as
pessoas de bem.
,, Sr. Prefeito — Madame A Icm a honra de
Tos expor, que ainda que de bom nascimento , e
em consequência dos sentimentos distinctos, que
elia adquirio em sua faniiliaj ella se vota aobácu-
;

330

atécom ofíertas, o que inuUas vezes couse*


guem, isto se verifica ordinariamente coma»
creadas de servir coin aíi vendedeiras de al-
,

guns géneros peia cidcide, aigiias saloias dos


arrabaldes , que costumão vir á cidade re-
gularmente para certos fins, e mesmo alguas
das provincias j que para aqui vem de novo.
Elias mesmo, d^s donas de casa tem mulhe-
,

res empregadas nestas acquisiçoens, a quem


pagão, e também chamadas ihculcadeiras
consta-me que ellas tem igualmente corres-
,

pondências em terras do Reino


differentes
com pessoas ahi incumbidas deste recruta-
mento, que muitas vezes se desempenha, não

ridade , mas que para se nâo por na impossibilida-,


de de viver honrosameute , ella reclama a authò»
risação de ter três pencionarias que não divulga-
,

rão o qtje ellas são no interior de sua casa, evitan-


do fora até a sombra do escândalo —
(Soube-scde^
pois, que esta mulher pertencia a híia família mui
disiíncta da Bretanha; muitos dos seos parentes fo-
rão nobres, e ella usava de hum nome supposto.) ,,
Híia outra, que linha lido sua casa fechada por
promover a prostituição de raparigas de IS onnos,
e em cuja casa se acharão cartas, que provavào o
ter tido o infame officio de procurar para o* homeo*
mulheres casadas, dizia ao Prefeito em sua peti-
çãoili*'que nSo imitaria a conducta infame e t&can"
o^rt/osadaquella mullier, que vai substituir, que con-,
tra as leys da ordem, e da decência, deixava diva-
gar suas mulheres, e as expunha ás vistas dos que
pnssão, c que ella deste modo naoftria a inorãl pit-
bíica.
A leitura destas cartas valle mais do que qual-
quer commento, ^ue se lhes faça, para fazer ver a
torneio do espirito destas mulheres, e das piostitu-
tas em gcraL
331

he entretanto este o mais fértil meio de sua*.:'


acquisiçoens (73)
Ha algíias donas de casa em Lisboa que ,

não tratãode pôr em pratica meio algum di-


recto de adquirir, e recrutar mulheres para
os seos estabelecimentos de prostituição; elbvs
portando-se bem com as differentes mulhe-
res, que ahi (em, dando-lhes, bom sustento,
e apresentando-lhes outras commodidades, el-
las facilmente mudão de outras casas, aonde
as n<TÍo encontrão, e vâo para essas, e nunca
por isso ellas deixâo de ter aquella quantida-
de que querem, fazendo bem conceituar as
,

suas casas a todos os respeitos nunca lhes


,

faltão concorrentes, nem por isso mulheres,


que as habitem. Nâo he seguramente nas ca-
sas publicas, que de ordinário se começa a
perder a honestidade , e entrar na prostitui-
ção esta de ordinário já existe naquellas
,

mulheres, que para ahi vão; faltas anterio-


res as resolvem infinitas vezes a entrarem em
taes casas publicas,
ICm Paris he de ordinário nos hospitaes ,
que ahirecrutâo as difierentes mulheres para
as casas publicas: as donas de casa tem emis-
sários em todos elles para este fim. No hospi-
tal dos Venéreos são prostitutas que ahi se
,

vào curar de seos males, e incumbidas deste


recrutamento, que facilmente conseguem nos .

outros hospitaes são mulheres velhas, que


facilmente ahi sâo adíuittidas por qualquer

(73^ Na verdade onJro nós nao he este o meio


niais fecundo, de que se vallem n^ donera de casa pa^
ra tpcrular as mulheres, como nós observamos em as
de Paris, nesU cidade aí? donas c?^ casa tem corres-
pondências cm muitas cidades da França, e mesmo
33r5

incommoílo de saúde, e ahi procurão aquellas,


que lhes convém para as casas publicas pois ;

que nos differentes hospilaes lia mulheres das


províncias, aonde são acomettidas de aialeá
venéreos, e aonde se não querem tratar,
por isso se mettem em hua deligeiícia, e se
recolhem a qualquer hospital sem accusarem
seos males, e ahi são depois tratadas compe-
tentemente e nâo he diíicil depois de cura-
,

das abraçar a opinião, e seguir as rogativas


de taes mulheres em attençâo á ver^^onha da
voltarão seo paiz, e á miséria, e privaçoens,
de que se ackão rodeadas. Fastas velhas são
bem recompensadas dos seos serviços, e mais
ou menos sei^undo a natureza da sua acquisi-
ção estas pagas ás vezes chegâo a 50 fran-

cos (8:000 rs.), e 4 ou 5 por semana era quan-


to a mulher se conserva no hospital, alem
de hum vestido hum chaile ou outro (|ual-
, ,


quer traste: De alguns paizes fabricantes
vem muitas mulheres para Paris curar-se áo
Vinis Venéreo , e são estas as que as referi-
das mulheres recrutão pelos hospitaes.
Algíjas donas de casa de Paris tem ho-
mens assalariados, que se dirigem aos diffe-
rentes pontos da França para este vil e escan-
daloso com mercio, e especialmente se dirigem
aos paizes fabricantes, aonde ha muita gente
empregada, que com menos diíliculdade re-
crutíu) para seos estabelecimentos. As mes-
mas donas de casa marchào para differentes

<lit Be'gica para este infamo trafico; o mais ordiná-


rio em Lisboa são as inculca^ieiras, nà) as (iascr»'a-
<^la9, de que se falia no l>xlo, porém mulheres de*

dicadas a inculcar outras para as casas publicas de


jpfOàiilulasj csla5 incuícadciras porem de ordinária
;

333

jioiitos , como para Rnân^


Ilavre otc. pi^ra o ,

para aigúas cidades da Flandres, como Bnt^


X cilas ^ ele. Sobre tudo o fausto, e a gran-
deza das suas casas sao os melhores meios
de attrahir a si as mulheres publicas, de que
precisão em suas casas.

§.2

Das d ffer entes


i
cmiir actos ^ que as donas dê
CLsa fazem com as mulheres , f/iie tem nas
casas ]niblicas e da submissão , que
,

delias eocigem-

Os que as donas de casa fa-


contractos ,

zem com as prostituías, que tem em seos


estabelecimentos sâo quasi sempre os mes-
mos em todas as casas; estes contractos ve-
rificão-se de ordinário em as da 2.^ ordem ,
porque as da l.^de ordinário estão sós. eiso^
ladas em suas c-asas , ou se se encontrão
duas ou três, o que lie muito raro, ellas vi-
vem em commum e as da 3.^ ordem se vi-
;

vem reunidas mais de hua , muilas delias se


arranjão como entendem, sempre miseravel-
mente, outras tem donas de casa. quanto Em
porem íís da 2.^ ordem, estas mulheres são
obrigadas a darem ametade dos seos interes-

tem algua occupaqào, que afft^cl.indo de decência


publica, se entrogâo a esta vil, e escandalosa indus-
tria occullamenle. Algíias tem o officio de costu-
reiras, e engomadeiras das mfr-snr)as cas«s publicas,
outras se emprfgão ora fazer, e vender çapatos para
ás mesma? casas, sâo estas as corretoras^ as que ar-
ranjão mulheres para os differentes estabelecimen •

loíj que lem as donas de ccíscu* Eu fui sufficienle»


334

Kes íísdonas das ca^-as e :i outra ametaJd,

lhes serve para os seos vertidos, emais ar-


ranjos de que carecem
, as donas de casa ;

porem são obrigadas a sustentarem as mu-


lheres, e darem-lhes cama, e he a que se li-
mita a sua oj^rigaçao.
Entretanto as donas de casa exigem das
mulheres, que tem nas casas publicas hura
rigor no serviço, como se fossem ellas bestas
de carga, o que ellas pertendem he que tra-
balhem segundo a fraze própria. Quando es-
,

tas miseráveis se achão doentes ,e vêem que


estiío impossibilitadas por muito tempo de lhes
fazereirí serviços, ellas tem que se retirar ao
hospital, se não tein sufficientes meios de se
curareiíj a maior parte as consentem em casa*
,

e esteconsentimenio mesmo assim he filho dos


lucros, queaquellas mulheres lhes tem dado,
e que tem esperança de que ainda continuem
depois de melhorarem, em attenção á sua be-
leza ,ás su?s graças, em fim ás suas quali-
dades que as tornem mais procuradas. Estes
,

contractos são sempre verbaes, e findâo logo


que as prostitutas querem, e nislo tem hua
completa liberdade, que as prostitutas amão
sobre todas as cousas e de certo , que ne*
;

iihíia classe da sociedade ama tanto a liber*»


dade como são estas mulheres, e pode dizer-»,
se, que he esta a sua única riqueza: estesv

mente informado do que exponho, muitas das pros-


titutas as>everão serem as laes inculcadeiras quem
as levou áquellas casas : híia vendedtMra de çapatoj
para as casas pubh'caç, que ainda hoje existe neste
comniercio, tem tkado mais vatilajosos lucros por
ser inculcat-leira, do que por cstcofficioj que repre-
senta no publico*
335

toniraclos são filhos cVantigos Imbitos, e cos-


tumes, e se Iransmittem de geração em ge-
raçclo. (74)
Miiiías donas de casa são altivas, e or-
gulhosas, e exigem grande submissão das
mulheres, que tem em suas casas, e gran-
de defíerencia, e por ellas querem ser trata-
das com (odo o respeito nem permiltem, ,

que as mulheres fallem mais alto, nem ra-


lhem ou facão motins, mesmo exigem certas
formalidades, que se usão para com os su-
periores á mêza, ou em
outra occasião não ;

pode deixar de approvar-se hum tal porte das


donas de casa, mas que não chegue a ponto
de presumirem eilas , que as mulheres , que
ahi tem, são suas escravas, ou bestas de
carga: o respeito he indispensável, para que
rein^ a ordem , tão fácil de perturbar-se ena
taes casas.

ARTIGO 3;
tDos maridos, amantes
%5

e filhos das donas de


^

casa , e alanas particularidades a respeito


das suas creadas.

Daremos huaidéamui resumidas dos dif-


ferentes objectos qne constituem este arti-
,

go , e do como se portão huns e outros.

JMaridos.

Pelas observaçoens , que tenho recolhido,

-(74) Oi ordinários conlraelos da* donas decas^í


3SG

sSo mui raras as donas de casa ^ que sejilo ca-


sadas e que vivão marido e mulher na com-
,

panhia das prostitutas, que tem debaixo de


sua direcção e governo; felizmente nao hé
,

este nosso costume, nem he ordinário mesmo


nas da 3.''* ordem , como se observa cm outros
paizes, aonde se vêem, ])em como nos raros^
exemplos entre iiús, os inconvenientes, que istp^
trazcomsigo. Os maridos das donas de casa sãà
motores de muitas desordens, ou cora dispu*
las com as mulheres ,
que
ahi existem, ou
protegendo hiias contra as outras, ou mesmo
com os estranhos, que ahi vao; o que hé
muitas vezes filho da embriaguez, elles^mui^'
tas vezes ajndão a desobediência das mulhe-_
res contra Qs agentes das authoridades. tam-;
bem elles são motivo de desordens pelo ciú-
me ããs donas de casa, He por isso necessário^
que a Administração seja muito reservada em
facuhar o consentimento de estabelecer as
casas toleradas á gente casada quando seil ,

verificar a occasiao de se regular entre nó^


este objecto.

-?l

em L^isboa com que ficam rc-'


as prostitutas são 09
feridos, ellas as sUsleuiSo e Ihesdao cama, e creaiiíi^
para o s<^u serviço, e as mulheres Ihesdâoamotad»!
dos seus lucros, enlrelanlo muitas úas dona<i de casdy
sâo assciz exigentes das miseráveis, que ellas dirj
gem, e governào; ellas e<;lim5o que as mulheres íi
^

presenlecm, e de quando emquando llie8iiet.^m seoii


vestido, ihaiUís, lenços, etc. o levSo algu s muiloi
II inal, que lhes nào faÇ3o isto, alóni da exign
cia d(; uuí serviqo rigoroso em quanto ao seu trai
to; porque as oorigâo a estar sempre ájanella,
usar de todas as maneiras imagináveis, para sedu-
zir, e adquirir /Ve^i^iíziíj^ comoellas dijcm, e qual*
337

§•
2.»

Amantes,

Ainda que alguas vezes amantes das


os
donas de casa, lenháo alguns dos inconve-
DÍenles dos maridos^ com (udo estes nao
sào nem tao frequentes, nem tão notáveis.
He pratica quatíi constante em o nosso paiz,
de ter toda a dona de casa o seo amante;
muitos deiUs são por ellas sustentados, e a

quor mulher, que nào esteja neste cíjso be despedi-


da; este rigor de serviço obriga alguas mullierei a
pôr em pratica meios nocivosdurante a menslriiaçâp,
a qual ás vezeá a fazem parar, e sâo por isso a ori-
gem de graves enfermidades também estes meios
,

nocivos í-ão por alguas empregadosy quar>do seachão


occnpadas, lançando mâo do meios abonivos, para
se verem livres de hum estado, qtic ás vezes muito
as incominoda , e lhes faz parar seos lucros.
Náo nos consta, que sejào em Lisboa tàc fre-
tjuientes, como em Farís, alguns outros contractos,
que fazem as dorun de casa huas cocn outras para
miuistrarem mídberes recipiocamente , quando del-
ias ha necessidade ; he huu cipecio de aluguel, que
«m muitas casas de^la classe se faz em Paris, tal he
a vileza, a que a depravação dos costumes obriga a
esta rniícravcl gente, deshonra do sexo femeninoll
He <'Oslume em Paris, pedirem-se a bua casa
tisinha as uíidheies necessárias, quando apparcce
mais gente naquella casa, cisto medeanle hua coii-
Y(Míçào e ajuste; lambem se consentem, e contra-
clào, que as diífereiíles mulheres sáhião das casas
por dous ou três dias, ou para o canipo, ou para
onha parte rorn esle ou aqiielle sugeito nacional,
ou iijesuK) c:lr.tngeiro , por certo preço fixo, e de-
lerudnadoj ipie deord nario he de Wale ICO fran-
cos por dia (de 3:200 a 16:000 féis), ou muis, isto
por^m secundo as graças, a formosura, e segundo
22
^8-38

^miro^è^téeétiVbcé 6í«vfeífeo: «alf «as temniais


'\le hum iitnânté,e quando islo ge verifica
ás casas estíiu sugeilas a desordens frequen-
tes, de maneira, que ou são por ellas aban-
donados , ou as casa» -se vem a fechar.
Estes amantes das donas de casa são de
ordinário das classes baixas da sociedade ,
ainda que ellas fossem da 2.^ ordem pes*^ ;

soas de elevada edúca<:lio, ou nascimento^


nâo contrahem taes relaçoens. Alguns dos
«'amantes habitâo as mesmas casas, e ahi

oa riqueza e elegância doa ve&lidos ^físS nx.ylli|ef^^;,


^^as isto só pôde ser por poucos dias j^ em, qpmp-
^iqiienciâ das visitas sanitárias, a qne as m\iltierés de-,
^vein comparecer. —
iínlre nós lambem tem Iii galrei--
'^es conlracios , porém buns são muito maia raros ^.[
"btftros tem mais veífés Itígar, <:om a.differença, qqe
-O tempo se pode mais prolongar, porque não leni
^"visitas sanitárias, e mesmo as proslilnlas emUi^oa
^gozâo de mais liberdade do qiie aí de Pa;í^,^^ff|iS:
^.podem e fazem estes contractos sem auílioriiàçao
,das donas de casa, ^ .

Em Lisboa também algtias donas de tiètlid fiao


''íô recebem ametade dos g^úíÍío*9'ir|.né <!iadtó'liS^'ídaS(

-mulheres, qne governa, pôde adqiih,i;r |Kí1q Sip.qf-


ficio, mas também sãa eilas tão exigentes, e a/nbi-'
gçiosas (com raras excepçoens), que nup, consenlem»,
,.Gue essas mulberes desírulèxrí inleirameniê qualquer
oliería. que ÍÍ5esfaçao ósseos aniuntes, oti em ralos,
^"bu/em jóias; pois que de ordinário lie essa dádiva)
^Sitílliada, ea mulher Ikjm' que Hio dar araetadòíldoí'
fíècrt valor.—-Também alouas vezos as donas de casa
;.>®erv<jm de abonadôras dos fatos, que as mulheres
• coniprâo ú.s coiLtrahatidiUas (própria expreasuo de
^jíijue KÍsão) , estas ]hos vendem por alto preço, s»i|>-|

ÍVosla a demora , no qité vâo as âõnas de Cíjsa ihl'e-|

ossadas com as veutíedoraç : lie lambem esta htii


^oilierora cansa d-o^' poirctosUroròs deitas libertinas
-•i4ms4tí$g caçadas j mullxjres pro3lituta&* ;j6 9 lií"'J
:

F
^§»9

afloTmem, was naQííi0/Í«ío o ordinário, e só


gBBííybserva elles irem passar a noite emíaes
-casas, e não viver co») eilas publicí*men(e,
-Gon)o se observa em alguas NajÇQ^w^, ͧ^o
entre nós he menos frequentiSfí 8obr>aob ^

ç ebebòÍDog eb íí6xí/§íJ â^^znb geb oncnibio


-23q mabio "^.S r,b ípegp^dl: bbIís 91/p ebnií?
çOÍnsíiibar.rt yo ^o^feíÃ^fe^r j^bíi/slG 3b 8í;òa

ifíf5 Re/erem os que muitas Jasp


escriptores,
é^fHn de ctjfsíí -em Tarís educâo perfeita-
•fâ^i^^^eos filhos, e que as excepc^oens sâo
'iíftíP i^^ías ; ellas quando podem os mettem
[[gnjí^.^iíyiegios d'educaçao, e p.rohibem, que
VcÍQ^asuas casas, elhes fazem ignorar a sua
^sposiçao; aiguas delias os tem muito bem
i^asado, dando-lhes bons doíes, que reca-
^hemem muito boa educaí^ão. que suas mãys
^liiès tem dado. Não acontece porém o mes-
mo em o nosso paiz; as donas de casa dao
oj^e ordinário má educação a seos filhos, el-
piâs-náoJhes consagrâo aquelle amor mater-
nal, que he ordinário em as outras mulhe-
res , ellas aíé os abandonão a qnasi todos,
énlregando-os ás rodas drs expostos. Muitas
*

,qás donas de casa tem seos filhos, ou filhas


xi^p) sua companhia desde a mais tenra ida-
©íde, e pouco lhes imporia, que elles venhâo
»*>o conhecimento dos seus deboches, e de
^^êò officio liberrino; heesta pratica, que os
Vai acostumando á mesma immoralidade
ha algíias mui raras excej)(;oens. A Admi-
ji^àislraçao nao deve permittir creanças nas
-casas publicas das prostitutas, seria c(>nsen-
tir e auLliorisar a propagação da immoraii-»
22 *
U6
dade, e àí\ corrupção dos costumes^ o qu©
deve acautellar.

Creadas de servir, ^

Todas as casas publicas de prostitutas


tem creadas para o seb serviço^ tanto as da
1.^ como as da 2.* ordem, as primeiras cos-
tumao. ter mais de hua mas as da 2.*
,

lem de ordinário híia s6 e se a nao tem ,


,

a falta he só temporária: as da 3." ordem


jiao tem criadas de servir, estas prostitutas
servem-se a si mesnas, nem seos Jucros
lhes fornecem meios para ter creadas. Sâo
mui raras as casas da 1.** ordem, e muita
mais raras asda2.''ordem,que tem creados de
servir; aagoa he-Ihes fornecida pelos agoa-
deiros da cidade, e estes lhes tazem hum
ou outro recado; a creada costuma supprir-
ihes as mais precisoeris da casa.
As antigas prostitutas, que já pelo seo
officio nao podem obier meies desubsislen*
cia, ccslumao euypregar se fio serviço das
casas publicas, como creadas; ba entre-
tanto nestas casas aiguas, que srmpre tive-
ríio hua vida honesta , e que por circums*
ta n cl as
j
que oceorrerao, for ao stírvir esta
gente, mas nao heisto o ordinário; muitas
tleslas continuao sem sedeboch.ar, mas ou-
tras terminao aquelle serviço entregando so
íí prístituiçílo, com as amas. As creadas nas
casas publicas tem por ordinário serviço,
o empregarem se na cosinha, também var-
rem as casas, e ás vezes as esfregão; ai*
guas tanibtn) se empregão nos arranjos dos
8ia

qíiaríos,quando as mesmas mulheres neste


serviço se náo empre^ao, o que fazem fre-
quentes vezes em alguas casas publicas, co-
mo lambem huas íÍs outras se vesíem e en-
feitão.
Também acontece, que ascreadas d'al-
gíias casas publicas tenhão o oíBcio de pros-
titutas, o que nao he raro, quando ellas
são raparigas ; alguas levílo aponto extraor-
dinário este deboche: aclio por isso neces-^
sario, que quando estes objectos se regula-»
fem em o nosso paiz, sejão as donas de ca"
sa obrigadas a inscrever também na policia
as creadas de seo serviço, quandp ellas fo»
rem raparigas pois que exercendo ellas o
,•

oílieio de prostitutas, e não tendo a devida


fiscaiisação, podem propagar o Firiis Vené-
reo^ e apparecerem os inconvenientes, que
dá de si a falta de fiscaiisação das progti-
tuta§.
ARTIGO 4.^

Lucros das donas de casa na gestão das ca^


sas publicas, e (jual a soriedrfinitiva de sua
industria.

Examinemos os recursos, que dão as


G^sas publicas de prostituição, e as mudan-
ças de fortuna ede riiina, porque passão as
donas de casQ; e qual he a final o seo r^-*
sultado,
!•''
§•

Lucros das donas de casas,

Hua fonte tão impura tem sido a origem


4e grandes fortunas em algHas cidades np^
fíívétódâteflf^S fid^^kok^hao se encoa-
trão grindes fòridfiíf^^''^!adí^â'íridas pehi ges-
lâo das casas pubjidí^^^^cy^qíie altribuimos
tóo s(5 aos miii infeririíèffe^íifcros que elias
,

aqui percebem, mas taíhBém' aos desarraa-


joá no governo èconoinigo das mesmas casas.
''Os ganhos, c^uè n^ donas de casa temem
Paris sâo exiraofdínarios nao admira por
,

JSso, que eílcis adquirao grandes sommas,


para deixarem aos íilhos de 100 a 200/000
francos, como acima dissemos. Alguas ha,
que chegâo a adquirir hua renda de 5 a
10/000 francos, e mesmo de 20 a 30/000,
e não era preciso que fossem das casas de
íitaior fausto e grandeza ; hua d(ma de eciSéé
das ordinárias, além de comprar' értí Pari#
quatro propriedades de cíasas, deo á haa í\^^
í ha 60/000 francos qn ando casou com hum^

oíiiciaj d.t Legião d'Honra, pertencente S


Guarda [mperial. Ha casas publicas em Pa^
ris, que ganhão quotidianamente de 500 k
600 francos, nas casas ordinárias cada pros^^
tttuta pode dizer sfe,qué5* dá k "domf^ àa^k
d^UO a Jõfi^incoâ por dia (1:600 "á'2!40(^
réis). Estes lucros porem varião seguhdt) ny
epochíis, que varião, variando o estado de'
prosperidade do comntercio, e dos negocio»*
l^ublicos- tem havido por isso epochas úé
Mrfía decadência para as casas publicas extí
Paris, que as suas donas se íém visto obVP
gadas a fazerem banca rota, e fedia las.'^^
Estas fortunas Ião noiaveis (e a's \e^%.
colossaes em attenc^ão ao seo cíTicio) , que'
adquirem as donas de cam com a gestão daà*
casas publicas em Paris, nunca se leftV^èi^
riíicado em o nosso paiz, aqui algtias hlil^ir'
,

raras podem teradqqirido alguns fundqs de


cenlos de mil xéÍ3,.,pfy$ segura me nle é ista
inui raro desde aulig^^síçmpo^ jde ordina?^
rio ellas ganhãçi.euíipí^sioento para se irem
sustentando, ç^,^^,q^saí5, que tem debaixo
de sua direcçâOí^s, ^^^,,nMnc;^ para recolhe.-.
rem fundos, que.K^KgçnliãQ independentes
de seo oílicio , ou de receberem qualquer
soccorro para pass^r^m os reísLos de seos

Os g;anhos das ãsfias.jlq casa em Lisboa'


variao infinito, istp depende do numero das
mulheres, que tem em sua casa , e dai?
qualidades de cada hília, o além disto dp
estado díQ aceio, e luxo, em que ellas tííra
as mesmas casas; e podemos dizer, que así
da 2.^ ordem quç estáo em melhores cir-
,

cumstancias a todos-^ps^ respeitos , e qué


por isso são mais procuradas, cada híja das
mulheres podeiii dar ás suas governantes,
desde ametade até tod^^ a quantia que aci-
ma notámos a respeito das casas ordinária^
d.^, Paris, pois que nesta ultima cidade ?M|
iBUtllieres só sao vestidas e sustentadas pe^
las donas do casa^ o que ganhão he para es-
tas , excepto algua pcque^ia remuneração,
que recebem de quem as frequenta ma^ ;

em Lisboa repartem os lucros ao meio en-


i^ as prostitutas e as donas de casa. Na§
casas j>orém de primeira ordem, os lucros
são mais avultados, serão duplicados ou tri^
plicados, mas os gastos são proporcionaes
e mais abundantes as dispezas com o luxo
dos vestidos das mulheres, das casas , do
6usten^Q,.je 4qs «creados de maneira, gUíí
,

|)9ii<:os. ou nenhuns fundos reservâo, ^l^^^r^j^';^


i Isto porém tudo he dependente, corao
-èeiwiSiS outras parles, do estado dos negó-
cios públicos; a prosperidade do cotnmer-
cio. e em geral adoEslado, faz adquirir a
estas mulheres maiores ganhos depois da 5*

invasão dos Franeezes em Portugal, o esta-


do do poiz permiti io a estas mulheres faze-
rem bastantes lucros, m4iilos estrangeiros,
qoe se aehavao em Lisboa, muitos indiví-
duos, que vinhíio das províncias, deixavao
o seo dinheiro, que para ellas ia híia quota
parte. Mas no tempo do (3holera-Morbus ,
èoífrerào ejlas hua notável decadência, e a
^^>onto, que algiins se fecharão, todoomun-
i\o se desviava das casas publicas de pros-
tituição em algtias epochas de commocoens
$

politicas, também tem ellas aotírido deca-


dência e mesmo hoje, que os negócios pú-
,*

blicos apresentào hua face bem pouco lison-


freira para Portugal, as donas de casa liriío
insignificantes lucros da sua libertina, e
})em impura industria. As prostitutas da 3.*
ordem inal ganhão para o seo máo vestua-» )

rio, para o péssimo trem de suas casas a


lodos os respeitos, para os seos poucos e
máos alimentos, e para o vinho, e líquidos
^espirituosos, no que consomeu) a maior par-
te; ebeuí poucp por isso recebem as donas
das casas,
5. 2/

Sesiãlado difmUii^o dos âona.^ de casa na


gestão das casas ptdjUcas.
I
Jíí se \)Ò(\g vér . pelos lucros que as do-
nas de casa tem emLisboa, c adquirem peJaJ
gestão de suas casas, qual lie sua sorte fu-
tura, e o resultado de sua industria, A
juaiuria delias viveni em miséria, e na mes*
ma morrem, ou em suas casas, ou nos lios»
pilaes; ajguas passáo alè ao fim de seos
dias como donas de casa, outras com a mes-
ma industria andão sempre mudando de
casas eu] casas, sem poderem nunca adqui-
rir a fortuna, que lhes foge. Algiaas ha, que
«ao tirando lucros alguns, as abandunáo, e
.vivem com os seos amantes, outras põem
algum insignificante negocio, em que lírao
mui parcos meios d^ subsistência. Fioal-
rjente o resultado futuro de tal oíTicio em
J^isboa he de ordinário miserável , mui ra-
ras vezes hua ou outra tem adquirido meios
de passar o resto de sua vida com co(nmO'
didades ; a sorte, que de ordinário as es-
pera a todas, ou quasi todas, he a que e^-^
pozemos, e nao a prosperidade, que mui-
tas delias adquirem em Paris, como^ nos
consta, e mesmo em Lonclres, &:c.
Alguas donas de casa da capital de Fran^
ça se re tirão para lindas casas de campo
nos contornos deP^rís,-e pelo habito, que
tem contraindo, conUnuãona posse de aman-
tes opulentos, que fazem as dispezas da ca-
sa: alguas delias vivem com grande decên-
cia, e até com luxo, fazem grandes dispe-^
zas, e dào muitas esmolas aos pobres, e
muitos outros actos de benificencia Ou(-r^s
lem comprado propriedades ruraes , que
administrào, e de que tirão grandes meios
de subsistir com grandeza, e decência. Al-
guas donas de casa ãaixdo esta industria,
nías n^o querem deixar cie trabalhar, sç e^*
3iy^

iabelécem ém armazéns' '(ré-Vínhbs elicorés^^


em caíTés, em casas dé pasto, em Kjjaa dé^
merctíaria, ou de ca|>€liistas segunda è^
,

seos desejos, e aptidão deílas, ou dos ma*


ridos, e amantes ; e neste caso está a maio-
ria das donas de casa naquelia cidade: nras
ha algiias dellaâ, que desaparecem inteira-
mente, íecÍjao'às porias, e nunca maís dei--
las sé sabe, áconléco iáto ás que ÍNÉ^ki^Mò^
mal em seo negocio com grandes pekiiifs''^
sem ter com que pagar as dividas, neWHÍíiaí^
tentar as casas, as abandonao oiitrès')^^'' ;

rém vão para os seos paizes , já enfadádíífiçí*


dê semelhante industria. '-^^««m p .'?3

"^^^^Referem os escriptores,que quasi ame--^


tade vivem e envelhecem em ooíBcio, que^
hua vez conírahirão, e neile morrem e què^ ;

ha (ambem alguas, que abandonando-o parà'^


pôr qualquer loja, ou de viveres, ou de fá*'l
zendas, alii se arruinàò por ignorância de^*
se arranjar bem, evoltao a ser donas deca^^
Sá, ou creadas delias. ^-^^ Vemos por tantó^^
que he sumniamente variável naquelíe pai^l
a sorte difinitiva âãs ddnas de casa ò qwéf \^

nào acontece assim- em o nossO p^iz aon-íí ,

de também os seos lucros^ são tao misera-^


veis em relação á capital da.França.^P ^^
'^íoo 9b eolfuíí! okS
ARTIGO 5:^í^Jiíi»>í^o-^q o^iol

Qtiaes as qualidades et'oiiãiçoeW\'''(}úê-9é'líé^


vem exigir em ]iúa dona de tasa ^ fárd^^téT*
lhe permittir este r/enero de industria. bo^jIb

Não nos lem importado aíéhoje as qua*-?


lidades^ que deve ter h«~a dona decasa^ pot^
,

que as nossas leyjjí.n^otQleraviío as.prosti-


tutiis , e pur isso iiadíi tiriJiaiiios a dirigir,
e regular, para se obter o mais u(il resuU
(ado: hoje porém que alegislação vigente
e que as prostiluías se to-
aiteri)U aaiiliga,
leráo, devendo dar-se-lhes os devidos regu-
lamentos, e tlcando sujeitas á policia dos
Magistradus Administrativos, he indispen-^;
sável dizer o que entendemos a respeito das
qualidades, e_ Gondiçoens que devem ler
,

SLS díJíias de ç^sçlí para se lhes conceder a


li.ce4iÇci de pôr hum estabelecimento desta
njjiiMreza;.. p=^5iBn ??>':>» >íl> f-ifoj oib'' 'ír^'
Esias mulheres devera oÕerecer áadmi*
nistraçâo as necessárias garantias para bem
CQnduzir hiia casa publica gozando para ,

tal fim das necessárias condicoens. He pre*


eis > que esias mulheres se facão respeilar
por aquellas , que \jqíx\ em sua companhia
e^poi aqueiles, que frequentão as suas ca-»
sa§ , para fazer cessar disputas, impor o
devido silencio, eíinalmenle para íazer ap-
p<\rfí^er a boa orile m em casa^ he por tanto
indispensável , jque,e*)Jastenhão bua certa'
mais adiantada do que as prostitutas,
idjíide
nunca abaixo de 25 a 30 anj^os, ainda mes-»
mo que sejào casadas, ,;

Sao muitos de opinião, que só ás que


forâo prostitutas se conceda licença para es-
tabelecer hua casa tolerada; isto porém nao
he inteiramente exacto, nem corresponde
á pratica, mesmo passada entre nos; ha
alguas, que forão das eniretidm em largos
annos, e bem desempenháo
os seos luga-
res, segundo o estado de nenhuns regula-
mentos poiiciaeSj que ellas até hoje tem
343

tido. He preciso
Goni tudoatíender, de que
ordem he a easa que se requer estabele-
,

cer, pois que ítsda uliiaia ordein, quQ. per-


tence á mais baixa desta genle, oQerece
menos inconvenientes.
He também indispensável, que se tenha
a certeza , de que estas mulheres tenhào aU
gua probidade, e que nào são dadas ao uso
immoderado do vinho, que lhes produza
embriaguez, nem (ao pouco, que ellas te-
nhão favorecido a prostituição clandestina^
nem tendência a infringir as leys de poli»
cia, quando ellas forão prostitutas. Devem
alem disto as donas de casa saber e es- lêr
crever , e ter toda a força e energia tanto
moral como physica, e mesmo o habito de
commando, de sorte que pareça ter algíja'
cousa de varonil.
Alem disto, como as donas de casa tem.
dispezas a fazer no costeamento da mesma
cairia, e aquellas que querem entrar nes-'
,

ta industria, tendo sido prostitutas, mui-


to ambicionão subir a esta cathegoria, a
tirar se da abjecção, e baixa condição de
simpleces prostitutas; ea falta de meios
para fazer frente ds dispezas de h"a cas*
tolerada, traz com sigo muitas vezes ades-*
ordem na casa, e a sua queda dá também
de si inconvenientes, que he preciso pre-
venir, por isso a Administração não deverá
consentir o es(a})e]ecimcnto de híia casa da» i

l."" ou 2." ordem , sem estar exactamente


inforn^ada da possibilidade de quem a re-
quer, e de que lhe pertencem todos os mo-»
veis ,ou todo o trem da casa.
iiv Nàoísã^pequcnooos incunvenientcSj que
319

podem resnilar da falia de rigorosa fiscali*


«açno das donas de casa , e da falia do de-
vido respeito, e subordinação, que as prcs-
litutas Ihesdeveiíi ler; o que hemnilas ve-
zes causado pelas d(;nas de casa, que per-
tendeiii mais estabelecimentos debaixo
ter
de supposlos nomey , e governados enião
por hua mullier qualquer, medeando certa
retribuição, que estas podem nao pagar re-
gularmente, e por isso consentir, que as
mulheres publicas facão quanto quizerem ,
admittindo alguns indivíduos, que devião
arredar de si, e aíguas outras infracçoensdas
Jeys policiaes. Alem disto podem também
verificar-se mudanças continuas de hiias pa-
ra outras casas, que as suas donas fazem a
seo capricho, e mesmo das mulheres, que
ahi existem, o que faz occasionar altera-
çoens repetidas nas patentes, enes compe-
tentes reííistos e he nocivo á fiscabsacao
,

sanitária. Como hepossivei ainda verificar*


se hum dia em o nosso paiz, quando se cui-
dar deste assumpto que hua doiia de casa
,

tenha hum, dous, ou mais estabelecin?entos


públicos des(a natureza, á testa dos quaes
ella se pertende collocar, he indispensável
tomar certas cautellas em consideracfio ,

para que aprendamos dos outros o que em


o nosso paiz ainda nào está em pratica, è
devemos prevenir em consequência desma-
ies resultantes (75;.

(7ó) Qtiarido secuiHíir deste objrcio em o nosso


paiz, a<uide as casas poblicas »las pro-litutas siu>
iioje ft'li/.ii)enle toleradas, hkís iiifclizincnte uÍikJh
lioje iiào sujciías a rcgulameatoa policiics sanita-
»

SfòO

ARTIGO 6.^/ í-^ii kií3bv.m'ui&


lúi-^d'^ 80ÍI di/úBU ji?.HQyi3^ aie^L
Qxíal ke a posiçrio prtriicular das donas de c(H
- f^a € qual a pnniçlo y que se lhes pode iné*
,

' pôr i)OY Sitos delieòúSj '-^S^ * w -» í i * . j . .


t^

A(é níxora íís donas: de casa (em estada


em sua plena liberdade em o nosso paizí,
e continuarão a estar em quanto nào forem
, :
'.

',;, .Mí'«>ír'nrtfi Ií ,/,-ix

rios5
quandopois fòr enlão encarregada aj^rdfívmi*-
liaçuo deste assurnplo, c as donas de casa lhe pedi-
mm a competente licença para 6 estabelecimento dé
hila ou mais casas de tolerância, icm a qual tal es-
lanelecimonto senão pode, nem deve permitlir, de-
verá a Administração tirar todas as precisas infor-
maçoens a respeito daquella mulher, que liVeír taes
perlençoens o que pôde fazor do Adminislrador
;

respectivo, e do Regedor de Parochia, ou de quas-


quer outras authoridades admiiíistralivas locaes, que
enião houver, informaçoens, que devem versar nâo
80 sobre o individuo, que requer, ma* sobre o Id^
cal, que se escolhe para ahi se fixar tal casa deloi
lerancia. jqií sa £»r;p' (i^dlnm /; iíod-í ^i3in3jaq.

Também se pedem informaçoens das authóricto


des respectivas sanitárias, que segundo o plano, qui^
nós propomos , a Adtninistração as deve pedir do
Conselho de Saúde Publica, e este soUicila-las dái
Juntas Sanitárias; e segundo as informaçoens, que
ohliveretn sobre o cotnportamento em geral daquellflt
muli»er, e sobre o local, aàsini se deferirá: isto né
bypothese já do estabelecimento destas Juntas; tam-^
bem se tirão informaçoens das authoridades locai^
e competentes, seesta mulher foi, ou nâo foi ainda
condemnada pelos tribunaes, ou se ella tem alg^uá
cousa de notável na fiscalisação da policia ; e tenw
©lia sido prostituta, procurao-sc as notas respeclf^
vas (quando este objecto esteja já em marcha regu^
lar), para assim se ajuizor do seo comportan)pnto a
muitos respeitos j e neste caso deve antes de se lhe
351

obrigndas ás medidas dé policia, e que de-


vem ser consignadas nos regulamentos he :

porém conveoieníè/6;rber, que estas medi-


das, logo que se es^abeleí^ão , cortão lhe
muito esta sua liberdade ,e. os seos inte-,
resses, trabalharfio ellas por isso quanto po-
derem para se sublrahir a certos deveres,
a cujo cumprimento devem estar sujeitas;
pais que sendo ellas contra ósseos interes*
xes^ a ganância, trabalharão eniocculíar aa
^ '

gÍUUllÍ)/i li hl':V '

'

ccíuççder a licença , si)jeitar-se a hum exame sani-


t£^iip, porque as donas de casa nunca mais passãò
por lai exame.
Se a licença, que qualquer mulher pede, ll)e
be concedida , deve ella vir á Administração, para
se lhe dar conhecimento de seos deveres, e obriga-
çoens , que tem a cumprir , ,e então se lhe confere
Sk sua patente, na qual se deve declarar ©numero de
mulheres, que perlende ter debaixo de sua direc-
ção, e que na frente áesla patente deve ter a se-
guinte advertência. r=:i^ í/í;?zrí decasa heobrigada a
fazer matricular dentro em 24 horas naeslnçâo com-
petente, toda a mulher, que se apresentar em. sua
íia^a para ajii rezidir.— As donas de casa tem três
dias para fazer esta matricida, se a mulher se apre-
senta ahi na vcspora de algum dia sancti ficado. —
Se essa mulher se resolve a deixar a casa, en) que
existe, a sua do7ia he obrigada a fazer esta declara-
ção na estação competente, também dentro do tem-
po acima marcado.
Esta parenlCy ou car/a, que selhe concede, de-
ve em hum dos lados ler inscriptas as rnulheri^s, que
estão debaixo de sua vigilância; este lado deve ter
cinco columnas, na primeira lerá o nome da mu-
lher,, na segunda a idade, na terceira a data da en*'
trada em caaa, na quarta o dia da visita saniiaria, e
Jí^quiota o dia da sua retirada daquella casa; tudo,
^a. conformidade do modèlio, que representa o Map-
»

353

inTracçoens, para que se n/to arrisquem aos


Ciisíígos, que as leys lhes devem infligir:
estes castigos devem ser de Ires espécies,
1.^ sflo aS inullits pecuniárias; 2-^ a per-'
da de liberdade a 3.*^ o feciíar-se-lhes o es-
;

tabelecimento. He por conseguinte indis'


pensavel, que nos regulamentos se fixem
bem que ellas devem ter pela in-
as penas,
fracção de cada híla das disposiçoens espe-
ciaes. que devem bem declarar-se nos mes-
mos regulamentos, para obviar duvidas, e
reciamaçoens (|ue podem apparecer, isío,
,

que <em acontecido em as outras Naçoens ;


he pois necessário aí tender á posição so-
cial de hua dona de casa.

§. 1

Posição social de híki dona de casa,

Eslas mulheres s^o tidas por alguns co-,


mo prcstituf as sem algua dislincçâo; outros
porém as oliiao como pessoas , que exer-*
cem esie ramo especial de industria, como'
outro qualquer. Os primeiros dizem, que^
ellas não são senão prostitutas, que ajunlão,^
e reúnem outras que laes prostitutas; e se
ellas indo matricular-se íí Administração ,•
não pedem, que as matriculem como estas
mulheres publicas,* i> titulo, que ellas pe-';
dem, e se lhes dá íledonas decasa^ equivale^
anua matricula. Se el!as protesit^o, que não j

hâo de ser prostituías, também ellas nãOi


dão disso garantia alg^ia; equem lhes obsta;
a que ellas o sejãu^ Com eíleilo. muitas o?;
são. Em ttda a paite as [)rtâlÍLuias sàao
commum
'

jiostas fora tia iey ; c quem séfa maís


criminoso, hua mulher, que se prostiíue
a si inesino, ou aquelía , que prostituo as
outras por avareza e por calcirlo , que poeni
em pratica meios infames e repugnantes á de-
cência e honestidade, equechocáo a moral'?
O publico não ofíerece mais vantagens e con-
sideração ás donas de casa, do que ás suas tris-
tes victimas instrumentos immoraes, e es-
,

candalosos dos seos lucros, e ás vezes de sua


barbaridade e tyrannia. Quem bem tem estu-
dado esta classe da sociedade, dirá em re-
sultado, —
-de-se hum despreso para as prosti-
tutas , mas este moderado, e adoçado pela
comiseração.
Os segundos dizem, que era algíías gran-
des cidades as donas de casa , ainda que del-
ias nào sejâo naturaes, com tudo ahi tem re-
sidido por espaço de 15 20, e ínais annos,
,

algiias delias são grandes e das principaes


,

rendeiras ^ outras até proprietárias


e pagão ,

dontribuiçoens ao Estado mais ou menos for-


tes, e gozâo como os outros habitantes da
protecção das leys, e não se podem de modo
algum assemelhar ás prostitutas por híia tal
posição;
Todas estas razoens tem sido olhadas corri
ínuita attenção tanto de hua coido da outra
parte e ambas são bastantemente poderosas,
j

de maneira que na França teríi íicado a ques-


tão indecisa, e nada de íixo e legal se tem es-
tabelecido no entanto a Administração, que
:

naquella Nação está encarregada dsste as-


I
sumpto, tem feito ver por infinitas vezes, e
àté (leiíionstrado que olha as donas de casa
,

como ss prostitutas pelos meigs coercitivos,


,

S3
.i6i

que contra ellas em[)regado, taes como


teiii

})ara as prostitutas. Os Juizes tem na Fran-


ça muitas vezes provado por suas sentenças,
sobre que ponto de vista eiles considerao estes
entes miseráveis, e despreziveis-, que fazem
da prostituição hum meio da sua fortuna. Por
iiua sentença de 29 de Dezembro de 163G a
segunda Camará de la Conr Royol de l^arís
decidio —
,, que hua mulher, que tem bua casa

,, de tolerância, não he comrnercianle e ,

,, que os bilhetes, porejia assignados,


nào po»
,, dem olhados como actos de commer-
ser
,, cio,, —
Seria com effeito muito injurioso
para o commercio assemelhar-lhe hua in-
dustria tão infame , e impura.

§. 2.°
Qual a punição que se lhes deve impor
,

por seos delktos.

As donas de casa não estáo seguramente


na mesma razão de hua pessoa que exerce ,

qualquer ramo de industria; as penas, que lhe


devern ser impostas pela infracção das lejs
j^oliciaes, devem ser nào soas multas pecu-
niárias . como também a prizão na casa de
correcção, e mandar-se-lhes fechar a casa por
maior cu menor espaço de tempo, penas que
devem ser expressas nos regulamentos, e os
íM agis trados Administrativos encarregados de
lhas impor: is lo seria bem possivel , e erase-i
guramente mais simples as prostitutas apar-j ;

tao-se do commum dos mais habitantes, e por


isso devem ellas ter le3^s excepcionaes.
Por conseguinte para nos livrarmos dos
embaraços em que se tem visto a Adminis-
,
36i

í^ão em muitosoutros paizes he preciso bem


,

marcar ros regulamentos os difíerentes deli-


los , que ellas podem commetter, e impor-
Ihes as penas que se julgarem proporcionaes.
,

A prostituição das menores, para a qualin-


linitas vezes concorrem as dojias de casa, hé
sem duvida hum dos maiores delictos , que
elJas podenj commetter, e as leys em todos
os paizes fulminao grandes penas contra este
grave delicio, elle porem mais grave se pode
ainda tornar se seos parentes tem procurado
,

essa menor, e se se lhes tem escondido, e nega-


do por muito tempo, alem disto se elia está
infectada de Vírus \ enereo se ella tem tido
,

nisto já recahidas , etc. ele.


As donas de casa tem muitos deveres a ,

que devem satisfazer, e por cuja falia se lhes


devem impor penas nos regulamentos. Hua
dona de ca^ia não deve conservar no seo esta-
belecimento hua mulher sem que a vá fazer
matricular, nem a poderá reter 24 horas de-
pois de declarada doente pelos facultativos,
para os quaés todas as donas de casa devem
ter a necessária consideração e respeito , e
também ])ara com
os empregados na policia ,
que lhes forem respectivos. Elias não devem
consentir qiieas mulheres, que tem em seos
,

estabelecimentos estejão postas ás ja;iellas


em altitudes deshonesias indecentes, nem
e
que deixem de ter cortinas por dentro das
vidraças, o estas sempre fechadas devemos,
tar não devem lambem consentir desordens,
;

em sua casa de buas com outras, nem que


se maUraíein as pessoas, que ahi vão etc.
As donas de casa não devem também exercer
o olficio d:.s prostitutas, deve ser este deli-
23 *
36(5

cto rigorosamente punido, por rjuc ellas níio


tem visitas sanitárias nem
tão pouco se deve
,

consentir, que ellas durnrião com as mulhe-


res, que tom em suas casas , ete.
Ha porem variantes, que podem diminuir^
ou augmentar a gravidade, destes delictos ;

como se liaa mulher, que tiver em casa, se


achar infectada e tiver communicado a in-
,

fecção; se a mullier que for declarada doen-


j

te, for obrigada a communicar com algíia


pessoa, e lhe tiver propagado a moléstia a ;

todos estes delictos se devem applicar as penas


em proporçãodelles com multas pecuniárias ;
com a prisão por certo tempo.
Eu estou inteiramente persuadido , de que
a pena pecuniária he a mais simples para as
donas de casa o mandar-Ihes fechar a porta
;

ainda temporariamente lhe he muito preju-


dicial , se for por hum tempo bum pouco mais
dilatado; quando se lhes mandar abrir terá
de recrutar nova gente para a sua casa, o
que ás vezes lhe he bem custoso-
Tudo isto prova, que as donas de casando
só náo devem ser tidas como os outros indus-
triaes em quanto á punição mas também,- ,

que nos regulamentos se devem marcar bem


expressamente as penas correspondentes aos
delictos, que a Administração immediata-
mente lhes deve impor deixando ao Poder
,

Judicial os crimes de outra ordem e os com-



,

Riuns por ellas praticados. Eis o que julguei


convenienle dizer a respeito das prostitutas ,

e das casas publicas de prostituição na cidade


de Lisboa cm a primeira e segunda Parte
desta obra para passar á terceira parte, ou
á legislativa e regulamentar.

357

TERCEIRA PARTE.
——©e*^

Da legislação , e dos regiélamentos respectivos


ds prostitutas, e indispensáveis' em quanto
á moral , e d saúde imhlica,

La force des lois a sa mesure celle des vices


;

qu' elles répriment a aussi la sienne. Ce


n'est qu' après avoir compare ces deux
quantitcs et trouvé que la première sur-
,

passe Taiitre qu' on peiít s' assurer de T


,

exécution des lois.


Rousseau '- Lettre à d'Alembert sur les Spe-
ctacles.

A terceira parte, e a ultima desia o])ra ,

foi destinada para tratarmos da legislação,


relativa ás prostitutas especialmente no que,

diz respeito ao nosso paiz; e bem assim dos


regulamentos poiiciaes, que a legislação exi-
ge no caso da sua tolerância. Deverá por isso
esta Parte conter duas Secçoens na primei- ;

ra das quaes trataremos da legislação, e na


segunda dos regulamentos, que se devem pôr
em vigor na conformidade dessa legislação,
não só em quanto á moral, mas em quanto
á saúde publica. Na primeira Secção tocare-
mos ainda que de passagem assim nos usos
, ,

e costumes , como nas lejs antigas e moder-


nas em algíjas Naçoens, e exporemos as do
nosso paiz desde o principio da Monarchia
até hoje; reservando a segunda somente para»
tratar-mos do regulamento, que a \ej exige,
^ que eu jiilgo indispensável pôr-se em vigor
358

supposta huuley cie tolerância, que hoje pos-.


sulinos,

SECCAO PRIMEIRA.
Legislação.

CAPITULO i;

Noticia resumida da le^isla^'ão antiga , e


moderna em algnas Naçocns sobre
as prostitutas.

Temos já clito no principio desta obra ,

como era lida a prostituição publica em ai-


guas das diííerenles Naçoens amigas e mo-
dernas do Globo e alguns exemplos apontá-
;

mos do que nellas se passava a seo respeito;


o que era em algíias partes bum resultado
necessário das leys de cada paiz ou de seos
,

antigos costumes em , outras era filfio do abu-


so dessas mesmas levs estabelecidas , mas em
íim luia consequência da natureza do homem;
pois que, como repetidas vezes o temos dito,
não he possivel rigorosamente prohibir a pros-
tituição publica sem risco cie maiores males,
que são sempre o desastroso resuhado dessa
indiscreta prohibicão. Dissemos também por
outra occasião, que em diíTcrentes Na(^.oens
da Europa, e nos diíFerentes tempos a pros- ,

tituição publica tinha sido h^ias vezes per-


mitida e até favoreci ida outras vezes linha
;

sido prohibida rigorosamente e mesmo per-


,

seguida outras vezes porem tolerada. Era


;

tudo isto h^ia consequência necessária das


leys, que então região esses paizes para o ;

cjue muito devia influir o clima, a forma de j|


359

governo, a politica os costumes dos povos,


^

a sua religião etc. ,

Em todos os tempos, e em todas, ou quasi


todas, as Naçoens desde a mais remota anti-
guidade tera existido até hoje maior ou me-
nor numero de leys sobre a prostituição pu-
blica. Niio be , nem era [)0ssivel, que fosse
nossa intenção apresentar bum quadro, em
que estivessem descri pías todas as leys an-
tigas e modernas sobre este objecto nos dif-
ferentes povos do Globo este quadro seria:

assaz interessante mas para o seu desem-


,

penho seria precisa penna mais hábil, e para


a presente obra teria o cunho de bua eru-
dição deslocada. Nós temos nesta obra sim-
plesmente tocado, e muito de passagem,
no que diz respeito aos antigos paizes da ín-
dia, Egypío Grécia, e Roma, e mais fixa-
,

do nossa attenção sobre este assumpto no que


toca á França, Nação bastantemente civili-
sada e que nos pode servir de modíjllo em
,

policia no que respeita assim á saúde publi-


ca , como á moral.
Poderia mos seguir nesta Parte Terceira
os mesmos
passos; no entanto he justo aqui
desempenhar primeiramente o que se promet-
teo quando^na Parte Primeira tratámos da
,

historia da prostituição, e por isso daremos


bua idéa resumida da maneira , porque era
olhada a prostituição em diferentes povos
do Globo antigos e moderno? ; para depois
tocarmos nas mesmas Naçoens de que já fal- ,

íamos e em outras da Europa; o que fare-


,

mos nos seguintes Artigos; reservando o Ca-


pitulo segundo papa o que temos a dizer a
repptito do nosso paiz.
300

ARTIGO IA
Vsos y costumes, e Icys em algun$ poços
do inundo nos antigos e modernos
temj!0Sii^r'O

Sabalier, em cuja excellcnte obra (mii ir


M.
tas vezes citada) colhemos quasi tuelo quanta
aqui expuzermos , diz, que a prostituição ha
hum vicio da ordem social e he devido a híia
,

primitiva necessidade do homem, que pop


toda a parte procura satisfazer. Em todos os
tempos e Naçoens tem havido este abuso, q,
fjual nunca respeita nem o clima, nem a re^
ligião , nem a civilisaçao. A historia, antiga,
e moderua e os viajantes dáo exuberanteii
provas do que asseveramos-
Na antiga Babylonia todas as mulheres se
(levião prostituir hua vez em sua vida nq
templo de Veaus ellas ahi erão conduzidas,
;

e o não podiao abandonar sem terconsumma-


do o voluptuoso sacrifício. Nas ilhas de Chy-^
pre, de Cythera, de Lesbos, e em outros
lugares, se ohservava esta ceremonia reli-
giosa. Na Lydia não tinhao as níulheres di-?
reito de se cazarem se nao depois de ter ga-
,

nho seo dote pela prostituição. Etn Heliopo-


lis os parentes as prostituiao aos estrangei*-
ros para ter de qne viver. Corinthoerão Em
as prostitutas as sacerdotisas de Vénus.
Se olharmos a ma^s recentes costumes e ,

que tem quazi até nós perpetuado nós ob-


se ,

servamos que nos reinos de Cochi(n e Ca-


, ,

licut as virgens cedem suas per inicias aos


Deoses, ou a seos Ministros. Os Canariusde
1

30

Goa as prostiluem aliiiin idolo de ferro. Ca-


za-se todos os annosem Bengala liua rapariga
das mais formosas com a estatua de Jagrçu-
nat, e he hum Brami ne introduzido no tem-,

plo a favor das trevas que consumma o ca-


,

samento. Na Arábia offerecem-se nos cami-


nhos as mulheres aos peregrinos, que vão para
Ivléca e nos filhos, que tem
, he impresso ,

hum caracter de sanctidade. Considerava-se


hua mulher honrada em Argel quando hum ,

Marabut queria ter o incommodo de a vio-


^'?
lar.
Em Aslracan, em Madagáscar,
fio Tihet,
etc. híla mulher não acha com quem casar,
se niío tem perdido a virgindade. No reino de
Golconde contavão-se mais de 20/000 prosti-
tutas só. na cidade hua das 44 tribus, que
:

compunhão os povos daquelle paiz era a ,

das prostitutas; htias destas se prostituiãocom


os homens de hila iribu superior e as outras ,

erão para todo o mundo. Elias tem esta infame


profissão de seos antepassados, que lhes tem
transmittido o direito de a exercer sem ver-
gonha: elias são obrigadas a inscrever-se em
hum livro do Deroga ou chefe da policia,
para ter o direito de exercer seo ofíicio ellas :

não pagão tributo ao Rey, tem obrigação


de ir todas as sextas feiras cora sua gover-
nante e com musica dançar diante do seo pa-
lácio: elh^s põem de noite á porta hua veda
ou lanterna acesa o Rey tolera tão grande nu-
:

mero de prostitutas, porque se consome por


sua causa hua grande quantidade áetarl, que
he o principal licor do paiz e que dá ao ,

Monarcha grande renda.


No Japão a prostituição he mui freqiiente.
362

as mulheres publicas sãoahi muiLo numerosas;


os lugares destinados a recebe-las sSo sem-
pre próximos dos templos, e o concurso do
publico he tâo grande nas primeiras destas
partes como em as outras.
As mais lindas casas da cidade são habi-
tadas pelas prostitutas, e nos bairros, que
lhes sao especialmente aíTdCtos, Os pobres ha-
bitantes da illja de Saikof, que produz ns
melhores bellezas do paiz, á excepção das de
Meaco vao pôr suas filhas nos mariains, ou
,

lugares públicos de deboche . por hum pre-


mio, que varia segundo a idade e a formo-
sura. Ha hua tarifa publica para os seos fa-
vores , alem da qual mais senão pode exigir
debaixo de graves penas. Como estas mulhe-
res são muito bem educadas quazi todas , bo-
lhes mui fácil achar hum marido, e desde
então elias nâo sáo olhadas com desprezo ; o
crime de sua vida passada não se lhes leva
em conta; he imputado a seos pays, ou pa-
rentes, que as tem votado a esta profissão
sendo muito creanças , e antes que estivessem
em estado de escolher luia mais honesta. Kem-
pfer ( Hist. du Japon Tom. 2.'* pag. 7, 8,
153, etc) de donde M. Sabatier tirou estes
detalhes diz , que por motivo do grande nu-
,

mero de prostitutas , que bano Japão, e da


protecção, de quo ellas gozao os Chinezes
,

Urd chamão as cas if^ publicas da China.


Na Pérsia ha hua infinidade de prostitu-
tas•
ellas tem nas cidades bairros, e até go-
verno particular; seos nomes indicão o preço
de seos favores, como iá dissemos em outra
parte desta obra ; nao he a Fátima, ou a Zai-
da j mas sim a doze, ou a vinte tomans di-
^

:5G3

^cm que destas havia 12/000 em íspalian.


,

Os povos selvagens dào pouco preço á casti-


dade em certas tribus de Kamlschatka os
;

homens jiilgao hum dever indispensável da


politica, quando recebem em suas casas hum
amigo , de lhes ofierefcer o gozo de suas
mulheres, ou de suas filhas, e seria liiia
afronta náo o fazendo assim. Nas costas de
Guiné, em alguas ilhas do mar do Sul, e
em oulros muitos paizes do Globo, estáo seos
habitantes no costume de otTerecerem por al-
guns leves presentes suas mulheres aos estran-
geiros que por alli passão. Os da Lapouia ,
,

envergonhados de sua deformidade obriga


o hospede que recebem
, a procarar-lhe íi-
,

Jhas menos deformes e menos fracas.


,

Os homens os mais distinctos de Taiti


nâo duvidav/ío casar com raparigas, que tem
tido amantes, e não obstante isto ha prosti-
tutas de profissão, Muitos povos de Africa,
como os Jalofs os Foulis, os Mendingos,
,

e outros, julgão-se honrados cjuando os bran-


cos £e dií^não servi r-^se de suas mulheres, de
suas filhas, e irmans e as ofierecem aos oífi-
ciaeH das guarniçoens. Os habitantes do Mé-
xico viviao livremente com todas as mulheres
até ao dia do casamento. Os íroqnezes Illi- ,

nezes , e outros povos d' America do Norte,


nenhum liurite tem no commercio comas mu-
lheres , que são de hiía lascivia extrema. Os
rapazes dos dous sexos entre os Hurons se
abandonao a toda a sorte de prostiluiçâo, nâo
he crime serem as raparigas prostitutas sào ,

os pays os primeiros a introduzilas nisso^, como


os maridos as mulheres e por hum vil inte-
,

|*essc diziao os Missionários Francezes.


,
364

Taes erao os indignos e selvagens costumea


destas Naçoens.

ARTIGO 1.^

Nos povos antigos, da ludía ^ ,e Egypto, t

Já em outra parte desta obra dissemos ,


que na índia, no E^ypto ,e também na Gré-
cia , a religião e a politica divinisárão os pra-
zeres , e pozerão, para assim
dizer-, os alta-
res dos Deoses e as Taboas das leys, de-
,

baixo da salvaguarda dos prazeres. Para


|

darmos liíía ideados costumes desses tempos


obscuros, e bárbaros, faremos o mesmo, que
fez o immortal author das Fedas e Cortezans
da Grécia em o Tom. 4.^ da sua obra, trans-
crevendo hua passagem da Historia da índia,
citada por L. F. V, B.
,, A religião dos povos da índia não,
]hes tem prohibido os prazeres dos sentidos
e quazi todos os seos antigos authores mo-,
raes mesmo os mais severos , consagrarão
,

alguas paginas ao amor e á voluptuosidade..


,

O estado das dançantes indianas heem si mes-


mo tão pouco votado á ignominia, que hum
dos nomes , pelos quaes ellas são muitas vezes
designadas, he o de servas dos Deosec, Quasi
as únicas entre as mulheres destas regioens,.
ellas aprendem a ler, escrever, cantar, dan-
çar e locar instrumentos
, alem disíoalguas ;

sabem três e quatro lingoas ellas vivem em ;

pequenas congregaçoens debaixo da direcção


de matronas discretas. Não se praticão alli
ceremonias uu festas, sejão civis, ou reli-
,

giosas, era que sua presença não seja hum

I
3G5

dcs necessários ornamentos. Consagradas por


estado a celebrar os louvores dos Deoses, ellas
tem como hmn piedoso devoro contribuir para
os prazeres de seos^ adoradores das tribus ho-
nestas. Tem-se entretanto visto alguas, que
por hum extremo de devoção, reservando-se
para os Brames , (espécie de Frades mendi-
cantes) lem despresado todas as offerlas e ca-
ricias profanas.
,5 Seja o que for , he sem razão que al-
guns tem presumido que os templos se apro-
,

reitavão do fruclo das vigilias mais ou me-


nos meritórias destas dançantes; ellas rece-
bem ao oonírario em tempos fixos módicas
retribuiçoens em géneros ou em dinheiro. Es-
tas indianas, formadas por muitas partes,
executão bailes , em geral moraes ou guerrei-
ros , com o sabre e o punhal na mão. A me-
lodia da sua voz e dos instrumentos, como
em os Gregos o perfume das essências, e das
.,

flores, talvez mesmo a seducção dos encantos ,


que ellas dirigem aos expectadores, tudo pQU-
CO e pouco se reúne para perturbar e embria-
gar seos sentidos: alguas vezes hiia suave emo-
ção, hum fogo incógnito , parece j)enetra-las.-
Admiradas, depois agitadas e palpitantes, ellas'
parecem, como Sapho succumbir debaixo
,

da impressão de bua mui poderosa illusão.


He assim que por meio de gestos e attitudes
do corpo as mais expressivas, por suspiros
entrecortados e ardentes, vistas scintillantes ,
ou carregadas de híla branda languidez, el-
las tem sabido primeiro exprimir o embaraço,
depois o dezejo a inquietação, a esperança ,
5

e em fim os an?eaços e as trepidaçoens do


prazer. Finalmente parece, que neste generè
8C(>

&s mulheres Gregas, e as Romanas degene-


radas, fazião também dar, talvez menos se*
cretamente, principies de prazer, como diz
Horácio —
âJotus doceri gaiidei iónicos —=•
Nondum anatara cirgo,

ARTIGO 3.0

Aa antiga Grécia,

Quando traiamos da historia da prostitui-*


cão na Primeira Parte desta obra dissemos;
quaeserao muitos dos costumes e leys da an-
tiga Grécia a respeito das prostitutas e por ,

isso aqui só diremos o seguinte sobre este


assumpto i

Muitos dos escriptores da antiguidade as-


severão (jue íbi Sólon, este immortal refor-
,

mador das leys de Athenas , o primeiro, aí


quem se deve atlribuir o estabelecimento
regular das casas publicas de prostitutas nes- ;

ses ten)pos corapravão-se mulheres, e erao


collocadas em lugares, aonde erao eilas for-
necidas de tudo quanto lhes era necessário,,
e se tornavão communs a todos que as qui-
zessem. Não he pcssivel taxar de immorali-
dade e de condescendência para o vicio ao
,

legislador de Athenas, aqueile que creou o


Tribunal Augusto do Areópago para vigiar
na conservação das regras <ia decência , e
moralidade publica a collecção das suas leys
:

sobre os costumes são suQiciente garantia


para qualquer menos conceito, que delle se
podesse formar ;
pois que sabe-se, que estas
leys erão severas em quanto aos costumes pu-
,

blicos , c seos infractores erao rlgorosameníe


j.,uindos.
As d'At]u;nas taxAvíio crinfamia a
Jeys
^ prostituição, objecto de sua tolerância e dis- ,

pensa vao o fiihoda prostituta de fornecer ali-


inentos a seo pai como náo lhe sendo devedor
senão do opprobrio de seo nascimento e lam- ,

bem para vingar o despreso da honestidade


e santidade do casamento.
A entrada na cidade , e nos templos
foi no principio prohibida ás prostitutas de
Athenas a mais baixa classe occupava as
;

avenidas do Cerâmico, e as arcadas do lon-


go Foviico ^ que se ofíereciao ás primeiras vis-
tas dos que desembarcavão no Fyréo ou ahi ,

embarcavao. Havia hum tribunal especial para


julgar as suas questoens e contendas; erãa
.

ellas obrigadas a trazer vestidos bordados de


flores, e forão no principio sustentadas á cus-
ta da Republica.
Náo consta , que os Spartanos tivessem
prostitutas de profissão, talvez fosse o único
povo do Globo, em que tinha lugar esta no-
tabilidade. Asleys de Lycuigotornavao todas
as mulheres pouco mais ou menos communs^
banindo o pudor dosjo^os das mulheres Spar-
tanas substituirão pela licença em todas as
,

classes o deboche publico, estabelecido em


as outras Nacoens.
Em Corintho as sacerdotisas de Vénus
eráo as cortezans: dirigiãose supplicas aos
Deoses para a sua rauUi[)]icação elias con- ;

tribuião para a prosperidade daqueila cidade,


tão celebre pelos seos monumentos, por suas
riquezas, e delicias. Temendo- se nesta cida-
de a falta de cortezans, se manclavão com-
n

bridade sobre todas asua Grecictpela paixão


dominante dos pgage|^^T^'|Ès^iduo commer-
cio das cortezaDS que pareciíto ter a primei-
,

ra ordem, e o bom tom p(3r^t^dg\/| parle erao :

abi tão depravados os co^tuines, que tinhãd


bíia esçecieaejlori^^ggi^^S^
n a^3 '88 Tíieíio^ ri e ste^g^e^er^^, ,^5] ^^i j jí
'
b ^^ ^^

e e£t|^ífáíio",; }i|^^^co|:j^^;tj|jrpi^ c^,^f^%.r^$|f«Tebt$ 1"


gaêí^'dêixaVa'ver às snàj^^jÇO|p;j^. ^§^^jyoméB^
estóvãòin5cÍÍlf)los em su|g,j^n9fj^Sg^3^iai>tei<kt«t*
quaes estava i)end|{||çJyyp^vgo^aye>tí)b
vezes era ornao^ ^|(^|f |i^{rj^|)^jL(^4ft©^Q^ ídoseo.
jar^bs^ -Eí^^'a^fmg^^ t^ç^vpo^ldfi |M
nâgeítí^; que p^j^<qg]^oghyid|^s c|. ;R$)ièé-i©9t«oi
cavâ^óa^ if&tas* aas çajrjCçza^ijCon^l) açohotf s^^«
clMò^ • ^e setundW o 'usa sufir)£HbfH
e costumes destes antii»fos povos, barbàroa^
e debochados^ e nos quaes sobre este obje-
cto nao havia traços alguns de civilisaçãu;
liiiiito-me porém ao que fica exposto, e so-
bre o que se pôde consultar o Tom. 4.** das
Festas y e Coriezaiis da Grécia, (^c,

ARTIGO 4.^

Na antiga Romaé

Muitos dos usos e costumei das prosti-


tutas d'antiga Roma, e mesmo aJgíías das
lejs , que as região, já íbrào notadas no
principio desta obra em sua parle históri-
ca j diremos pois aqui somente em resumo
alguas cousas mais notáveis a seo respeito
nesses antigos tempos.
O deboche, e a libertinagem foi espan-
tosa nos últimos tempos da Republica da
antiga Roma; as conquistas dos Romanos
Irouxeráo com sigo a corrupção dos costu-
mes puros de seos tempos primitivos, e
nisto foráo bem vingados os males do Uni-
verso : as festas em honra de Flora, e os
theatros de Roma nesses tenqios, forâo o
mais evidente documento de sua impudici-
cia, e immoralidade. O estado indecente e
deshonesto, em que seapresentavào as mu-
lheres Romanas ou nas referidas festas an-
iiuaes, que na primavera se celebravão, ou
lios theatros, aonde ellas apparecião em
atíitudes impudicas e entregues a desorde-
nadíssimos movimentos da mais lasciva li-
cença, nos indicao a corrupção de seos coi-
iumcs. Era então extraordinária a prosti-
24
n uniào das sexog^ij^^^s^^uii^ çfj^,tç;^;^s çetó-
bravãu festas t^^?, j{pní8ríí^/^^enjt(^

íiiha cie Augu,^yo ^naiiço coiUenle de levaf


sua prosLitiiicão^jÇjyijlcjasse elevada, Ij^yjf
bem se ia tWd enhre^^^c^i^Mia de Homa^
As niulhereíí i^^f^lfJíMlj^^^j-'^-^'^^ o rd in.;>-
liameíite seojnfaiiie cgLiLpa^çjcio nosbairrof
iiiais retirados da cidade, períoí. 4^^fcuas
inu ralhas, nas visinhanc^as do Çíf;ççy(ú^iirpia* ..

(dio e dus thealros , ouíras.o exere^iãOgDM


,
jj

banhos públicos^ ou nas tabe^rnais. ffjíie ^^g


ordinariamente casas de proslituiçáQ^.Oimnb
do hua nova casa de |)ro^iij.u,i/^Au se ^b^ij^
era elía indicada pA^J^a;^^^^^^
V'^H8iWf
punha á porja^^ ,aiíf^;ç|f^,Ojj^jgi^í,í}4^€^
tlias se cbauiíívào —
Lup^narm -^ ^^.^J^ ^

yanças
huns coYÍs^;;'^%;pai^Beg^
iJ/esí-aa^ia entjçeg^ar-se ji mais desenxreada^
e infame prostll.ijiiv^So .depois de ltr,esj(^
,.,,

Ihido entre os,k)ç^wens de h^íi *'leyi^d;^.cj(j>^fa


diçáo os çonví^ifiÇ!? í?? .l%^:f:i^í^;^^*^'^^^? r!\íjfÍK
bUAdevassia%'^f^ g.y^gj^.^^"!^ '/tliíío,'
^^ .^^d**^^-^^^^^' no lugar aciriia cUaJo^yqii^'^^

<8^<j^
coglume particular destas niuHiere,!^ J
,9,

e -o seo ^usQ -ea^- quan Ux-aos v esl idu&^-U^ uxia*


-

âtí^,\^^ çn}^atí/s ; ditísem^s (amhem que el ;

ks erão obrigadas a malricular-sena^pô^í


cia, o que se fazia ^^ji c^isâ 4q? os Wa-
'fK^

f IP

I
%
fmSicí^^mafmgMiM'úa menina p6Í]c\ú\
^.ifiití^^S^^^^^ ião se penniltiP^ itlstí^'^
Wf\ô ^' pí^s^ióas (Va (a j condi ção , e^ i a n to '
que
CTlió' punidas as qUe pertencirio á orderfi
tí^^pèiff^è ,como aconleceo a Vislilia, que
i?)i''cl«-s( errada, e!Ias sem pc^o invadião esla

iDarreíra tjíié^yíitíét^à^hílo se julgava seria


,
'

Kum freio contra a libertinagem, e tão no|


lavei devassidão se porém elias não cura*-
;

nrião com esta disposição da \^y ^ indo-se


>hatricular, pagavão /certas multas, e erão
iiaiiidas da Republica.'^,
^b gçbinn-ii '^a^^u
•>^^*^i^IfòhVanos dífinrão o objecto de suc^
l^s^i^^ê^j^éciahnente quando ellas erão^Pe|
rafeà.^^Prostituta era a mulher de má vuVà';
(^\ife por dinheiro se entregava a todos os
qtie a quefião é sem escolha, 6u nas casaâ
piiblicas, ou em qrtaíqj:3^r lugar retirado
(flí^fef^ também prustituta aquella mulher,
fe/^ém lucros , e })or paixão se prostitufá
lT%ks não erão neste caso contempladas
Wi^iVíà^s "casadas , nem as virgens, nem as
^t^fíHíJaè (l^)!'^ÃIdoViteircê, ou alcoviteiras
êrâB^àqu ellas pessoas, que tinhão hua casa
í&'|^rostituiçâò-^,^eíiJ'â^ existiàò mulheres
<f)1arã usar mal
jit{\ielles
^ ^fefm^l^íji(y^^# tambetti
que $é^prt)9í?ft'áV|^ prostitufá
^

^íWdb suas esci^av\^\sf V'Ht#plás?)'as li\^reá'i


ãteín i!es1es também os taberneiros, os do-
pos das hospedarias, e dos banhos, em que
unhão íiiulheres para o seo serviço, que se
f)r!;st!!íi1fr0,"'o\f élles livesspm sininlegmei

4feU)18-^J;^-lj^^ il 8Bb/l^Íldo 0/Í19 avA


'«^4\^via« uKua jiiiciiiics uciu CTAtrt uit/iu IIC iJual*^
cjuer destas proáysV>(?iâ?^ÊMUta^dW
n)ia era híia especié^^áWmhWm^, "^à
bem era prohihido í^f?vífe^(ígt?(féi§^(Jé>
llíes
b^ns, coíDO a tulelía c!e'se3l^moiS"^gáíS^
pessoas erão incHpazos cPJé?)§?étã^^;?%<^
públicos, nem erào aàiu\íM^íVfí)?n^HM
juízo qualquer accusacao- fiieWidíisSiêtíiâ
^^'^<l»'q g^/v^ííliim «fí
Jl^es era recusado.
'ç^M^o he abolida a íorn^zãptí^ràt^íttíè^ í

|gf>, diz a Jey (5); e por íM^to


AS» ^«H
m[\o anota dainíami;:^ .•>fnSa gafe ift^iflfitàs^
qe çonduçía, nem a pobreza mel sèrVfa^fftf
disculpa (6J, a mesiua prostiíttiçao clanifêS»
tina tinha esta ignominia, e spguia níéáliitf
depois de sua. libe rd;ade o escrart^,- fjiíSW.
jília tirado do ganho do deboòhe'dâ^ifi4lhe'^
xes escravas, queesíavào cm soo pectilio-^^
%i{Ui outra ley dos Romanos privava as tVníl
Ihçfes publicas de andarem em liteiras yft
i^rão íiii)itadas aos Irigares de dehochéV'^*^^
5, Sabemos^ entretrfrí[í]r^'^i|^
Imperadores Ronianos Tôrao%rrns mon^T^i
iião só na crueldaae*,':^Wfi^ift^ na '3^
Tassidao: eque Jevs oii reèfomnienííis h.jvia
íi esperar de taes mônsiRTs céfoados coirtrá

Lib. ^3. lit*|


!^íA;^?(\?^ e ííb. a. 14. á.

qiji uol. iU.. l^i^H^JG *Vv


,

m
©4^bí>che jniblLco^ como diz M. Sabatie<rf
Durante o luiperio <le alguns délles cottió ,

d^.AygV&tP/ Tiberia, Calígula, Domiciaí


no, Caracalla, &c. a (lej)ravaçao dos cos- ,

tumes chegou ao seo cuiiiulo, as casas pu-


l^ji,qas se inultiplicárrio, e os exessos e des-
ardens etn todo o gcuero de deboches eraó
^^J;;ernos enlrelaiilo iil!.;;úns Ixnperadoréà
:

^,. p.<? rtiMi dera o rej)riniir, e entre esHes Alei


3k3ndre Sevefo prohibio a seos thesoureiro*
^receber as coníribui^oeiís , que pagav^Q
as mulheres publicas, a«ue chamavão--t.
q^t^^j^ lustnde —
e oseo producto foi éni->
,

pregado nos reparos do theatro, do Circo ^


dos canos de dug|>ejo d'íu)iíiundices , e ou-
í|*as obras publicas. Ordenou (aiíibem, queá

jfi^^ein públicos todos os nouics das prosti-


tjutas, edaqueIJas, qae tinhão este vil com-

^ , r As I ey s a n i i
gas n 5 o per mi t ti ao ás pes-
o coíitrahir casa-
spps^,,,qi^^, i^^í^scerao livres
l^%ç^ ^^,^mulheres libertas por aquellés,
gue^j<9^^c^isas dedebtjche (9). Elias pro-
hibia^jj^^ç^^gpa dores e os seos descendentes
Ç^Baç,,.>çom proslitulas^ as vodas forao ah^
If^^yijtf^ípente pi*ul)ibidas a estas por hiaa
iíC!fnsti4uiçâodos imperadores Diocleciano
g.Maximiano (10). Posteriormente elías fo-
í4ft}|>jrohibidas entre os Senadores, e as ií«

.1^ .ffS.Jí .Lap>pri4çir'^<V d'* Alexandre Séveré ; Ln--


ctance. liv. 6. cup. », 3; Godeíroi , siir la íot,
"''
,'"'"'"" "'^'''^
"*"Ãwi:^^
iii. 13., ex corp.Miri -f^rr^ -sU '(d)
VlmanT.,
(9) y'
,«.i(tó).£ (Mjim fev.c/#r,3..|.ta§.,| ^Wif»»'?.-
til

ftas dos %WfiSífiSt^%ti^S?(l«JtíêftKèRè %^¥ji

ChnslianisíÀ^pnsoii cafrl^í^íòi^ôst^trítièáí/
cJle {)U'm5^^ iftâa' poria uílima ^ !'e jior 'òí^O^tf
tLirií)enldè?,fW'^u(hores e com pi ir es dè^^K^i
pto vioIeiilS dtf^deseducçrlo elle Çettech^t} ;

Qu desiruir os templos os mais celebres peFá


/obscenidade deseos mislerios. Ouas d«s1i;«
líí^r locaviíò itidirecíameíWS^íftf ^^íriuíl
|iSó^:;Ma ilèHivs limitá«8è^^# é^^ld&^fó^í^í^
vorcio, conservou em seo nuraeW )ol^^(Jif8.
traricavao no (lebocfiW^fnílSmh,^fí^^^^^
WiCT convencida do o ter exercíÍ9b%§^íè*|fl*1*
yadade seò dole e de totlos os íiierdá^?!^
,

pciàeá (12): a oiatra ordenava, que as úé^


íias e creadas das (abernas fossem ií^entas
,

ilds penas do av}n!!erlfe',^^'jéòino indignas de


écrem regjdas pelas mêytóãg'ieys que os ,

òWíros cidadãos,, em af'6^^^^ baixeza-de


lua ,condac{a'(tò) "^^^ ^^
'

O Impcrad' r t^aflsfòn^Wí^^^rdenou t^
íítíáMbonsliluiçívo do >nfM^è^Mlho do aií8^ |

§43, que as niulh^rr^s fti r/|fbfrigas naséi* .


j

jáas no seio do Ciirisiianisiftb*,* tí^u a elle c^-t


vertidas, e que fossem ex^jiostas á vendá^J
iiao pf'dcsspm^'êW'"^83mpradas se nao poè*
Ecclesiasticos,'^otí peíò menos por chrisliíos^
(]ue tivessem 1Jjií4.^^'ib^t?íréi(o de forVftfFoi.
"icomprar aqueífás, 'i^ue se achassem nas^t«

, . (II). U^d. lih. 5. tit 5 , leg. 7. . ^

de regm^i, ' ú"í*or<!sí


.
S7ê

CA^a^í ,Ojy,^í^f^f||*^^s, aqiieíles pcXY3,,


ou seix^pj-^

Jfv;n-^^^f|.q,^l^3 podiao reci:unarj esta >y,Í9,"?^


tefliÇ^êbí^fn^l papeio elies aleimavap :em,^^ç9S^

Í}W)íP/^áíf iM4gs^fl9;),.^ aos U-abalhos das


8Dp^o( W-Jííiim 033 rns ifov-ioc-no,. >•-..-/
-iKilQ; roe^mo Inííper^dpr, eseo Collega Va^,
lf^|>lij9J[ai}o resolverão alguns annos depois^

si^,9li^*,.,a^rçasas publicas de jirosliíuií^ão. Ej-


Ji^^no preambulo da consíiiuíção, qualificar-
||J9,,4^ muito vergonhosa a retida, que se
Í^S^^íí^í ^^ prostituif'âo ^. eirpconhecêráo 9.
g^ií^favel necessidade, ep^) que se tinhaQ
|^^§i^Íi9, sepspr^iíl^çe^^^^r^s emsofTrer ocon^-
mercio da prosti(ui(^ão. Elles siipprimírScí
J^pa talimposto, e probibír^p^^ todas as
g^^oas de fazer para o futuro o commerçiQ
í|a prostituição, com pena de desterro e
Ifabajhos nas minas os que fossem de baixa
condií^ãu e c(.m nerda de bens e di^nida-
:

des os%uejo§^{jj.jd|E^f5Pndiçao íipneísta. Ii^ljj


€^jtão pernuitidj^jc^jtgij^ o mundo tornar^ '4
^oifiprar, g lira|%.f{^(pasas publicas as mijjj-
Ubjf r^e s e se ra v a s, c qji/e ^a íi e^ t^ y,^o , c m b
. i
( » ^ 1 í|i

multa de 20 libras de ouro para os Magis-


IfAdos, ^^ naí> fussem zelozos nos^cumpii-

lenonthun. -
V^^^í^^j
*
^b
i

goR re o deboche p u bl cojií Ml^ }e 9^ pdoí Lodo*


osmoiivos, que a isso o obrig^arão no pream-
bulo clehua ley i|iuij^jcjtèí^^ que alai res^
peiío promuli^^oii. ElJe prohibe a Iodas as
)>es^ç>as ., jç ^çJç^c^^tnf^^s^:a^.iaasasíí^lbaa^3c»u
íjuaesquer mulheres, entregues á prosíilui-
^ao, e lambem a éofrp^iper, e prostituir
as mulheres livres ou escravas, sobre tudo
as pobres com o pe,rté5cto de lhos dar ves-
tidos , e prover á sua sustentarão, sendo
çAsOj4^leirraíáo§ :perj>éíuaafienlí«^T>e-
íí^tt^iaj
cJ^ra nullps qtia^sqiíet ajustes feitos com^b^
prfip|ie(arÍQi|> das casas d^ deboeíian tiohnh
g^í^pdo a esírGS c|ar .?is prosi iludas %,fiffU€t)irttw
cobrarem sua bííerdade, tudo aqui lia ^'nqQig^
ll|es tiver sido dado, e que se para o íi>ttf>*t
rp houvesse em ConslanUnopla ou no^ sèo^l
arrabaldes, estcs Irafican^es de pros4itííí**a
cão, fossem puuuips o*oo>.pjjUimo supplictt^çlí
sendo também condem^iado em dez libriaâí
de ouro, lodos os q ire arrendassem -ca síS»;*
para as prostiLyía^jjjfcç. t^c. mandando x)*t :

Imperador, quftíí^s^dB^ey fo§se execulttdar^i


em Iodas as piTliPft t^ÍJj)í><«-io:i(liíj)i.oa^ ncxi^l
Iher desie lmp^^rF»^fii)¥Í^^pía^í[preiilni)8^b
se ser a priíuf i^j\|í)(íí|A|i^,íMi#AHM»«i«s,dB^
dt^s convertidas, cocp0qdi$^,«iK)8ii^«ii«li^»Pp

t)b *jUnifi aivias oaiíiVQ^ í*b r>a|


^^iaStiràibiiul
semlft ^ctíJitíííiVrtfls'*»^ *iiyí «bitisf ^4í5a^ fSê&

-má;^iqono]ínc^ndoo o«aiiiBup .^ovíioméo


^-fe9i 1í;Ib 9up A«M)©Òt»í9.^.'^l
«^íi'^^^ ^^^^"^

86 aiibol r> sdiíloiq iILl jfo^^lumoiq oMsq

-luUUoiqii gou^^oiína .g^iorilurn isuífesiiiip

Obu) 'Jldoít ,88Vf>13'83 DO g^TVtl aoisdluill 8B


•897 1^-b 80fil eWlin^^iméd^ "^«^ 80idoq 8B
,í'ilof.)réol3Uâ bu3 í^ levoíq s ^sobj!
obnç>8

^(lt5y.ft) da Reín»liKu^xlê^¥êíiè^á' ,2<^^¥i?^']*í^

wfltlcfc^o nioifeii«5i^í^^ ditz^> ^ftÀrlhíi^V* iiàí^

SÉiarf>bra já muiíáé^^ v^^Êg^^iií^rifei^ l#pv1éV^^


r*a>Ulè Verie.a (itifep ífioé^íèjíiUéíJ^M^^^^cí íi#
j^cD^teoçílo as niufhéi^éá^ípdSlfôà^^ ella nno^^
s^fiHíí ,
que fossem insidtaitíJS , neiv) que se^^
J{|es ialiasse^ios íijtisfésv <í**^^í>rti eHírs sé^
íi eai ^\^ ^o m e o
è'-*^
1 iívji aí© fei to í^ q u e a s j èf ,
)

t:<^ss roque as fíei^iífej^^^ifo deixassem de ,

1ifríi)iaeteessaria segiírílnçí^Ve tanto que Sô^-i

iaelbiô^lieinente ã íuia eaM^piiblífea deste gt?-*^


^
rcixíTi ^o friiCí se se Çoi^è à A\^ã casa
' u 1a \
-
m 1

decenlet qualquer ellraVí^tííVífi^^íí^íiê'^ pro-'


cixra^sc, era iuiniediatanieíí^tè^èliéinado por
s«l>iJ »B^íi^t>^ <M^
qua^uer pessoa do povo. t

V e n eé! a es t a jio v a Co r n bo. po 2l -OS-aecs


, i í .

recursos no m9 carnaval eein suas cot- ,

\ e^ ns, q uaiiído QJ^^'o çoipsini erc io sofiVeo ^&t^^^


'
;

cacjeíi^ia ; ^aeriíiGCíUv o^ irttere^se d os eosfii^^


ao djjibeir.é dos vtóáiRfte^ i^A^iaríftoíV fòV-
i]ce^„

JRa de gpyerno servia ainda de fundaiuenio ;


:

3!Xt

a este eslado de coií^âs,.^ tjmnnia sombria


^ receosa pesando sobre os nobres procu-* ,

rava prender o [itóSí^ijYWHirarido toda a sortei


cJe espectáculos, e diverliiDentos. Ha mai^
d^^binrt íjsec irioj íqúe^jo. ffioos&tj tei) bani(^íti>íias
í^Bprost tu Uís <i8[$ikii dft\e«i^ ísal ^^a apcno iUsi
i ,

outras povoa coe nsodaiiJ^epiíbJ^caí 41 iitt»s logcq


vio, que talrsjeserid^deyliáaiíJOiííyi/iiaay í^àr/
que &e corfietbèf"di08eJbtRai)jfôiÍT)í^i.'ioSí^xoesíjDif>
f*>rça ndo ca^as^ie Q§il£wissat«!(0|í)^qiT«e«)U)s,;áei^
ter sesuranca iie«v inulhs^es.fcasádas , nieínn
fiíhas hones as ; de maneira que eilas forãoíi
outra vez aílmiLlidas, assignou-se-lhes hurjab
hair/^i) para residi reiu , e forào ^íi^lcfttàdaiy/
á cn s l a d a Re p n b iva (18).
1 j eí p , ( •\'^4f>0
« /

^ifiDiz o Marquez dArgens, que ejn Veneí»!


s^a o deboche pubiieo he hum coiTimerciop
q«ie lem s^jas rcgrusí^i^^e suas maxin)as, Des
dez filhas, que se< abbndoi-iao, ha no*ve, eutb
Jas niays ou thiag fiiz.eawletí-as rpesnias- om6ri4>
C544clo, e con V e m m uitíci /toro pxl. antes ao preíçoa^

clé sua vipgin(la4eíí»^|Bílr^ das* eníi^gaMi Ixig^s )

<|fUe lenbao idad«íi^tf)èri,iíftnt#fcj:fiiiiUfli nuid


inãro espantoí^éíi<i^fÇ)íCor,t@Èans;í Eilas ^gofciíiní
òe húa plena lU)er<lade, êxl>egrio até a. adíil
qtii r r h ua gr a n d o con si d e r açào e n í re o po-
i *

io. Elias- vào aos conventos das Rei.igioiiiaijd


yis^iiar as irmã Hs d^iquclles, com quem oiias^
te^i coínnícrxio,] e recebem bom tratariujamb
to, e também presentes de doces, .e .jisa
apmis. O
debociíc ahi se accoinmoda emdc»c|
dos os estados com a religião ; ahi seentret^
gao por principio do coriiíciencia, para obrará
oS' meios det se fazer :religiosai»,d.o .ofípev^ia
m
;.^íidíno3 Bwní^'i^í í^„22^oo dh ohr>)zs^iss b
-UDOiq , 8sidori ao Bidua oíjíijíííuí^ r,8osa9i V
eJioa r. eboj ntímvMalianda) o isbíVJKj n/sa
liicrn /ill .8uJay(fitiit)7ií) 9 ^ aoluoijooqgs eb

4»di^>íjem SGòs mus?m$ ,ííkiii!H.iaiHidos iti^ares^


píÇl^aí eAxiíubar, crapuiofeos íOOsvisv aornle &ui:

yá J^i^íijr íi ordem aíé na n}ais:<S!nlodadí^>d-Gíí4í


ordíí!m):^'4afcobservax^fí0 -dasqjeyiíif /.o n spc^iUjp
dBi"<iir;ííilíO il<3:pr(>^irieílade^ uiii<loi.a hua jua-;
mftísla '-vioia<^-J(>aéíiíÍéãíberdaiá6í>;ir«drvi4uals>r
d'as ^ pègtTíis da ideeèfícíiííí e Wo»: /s^u í i lueiífljòit
diaíihuffíanidade. j> O yjíijhnte cbwieuípjaiáHí^
rôí i^fe,&eTva cons surpreza (diz o lugiez JoJml
Carr) , q 11 e e ni h u m j-^a z e ib a ppar Mi d aè
i •

tãa^mecanicamente inoral^i/fíitfib reavaliar,


Cí»riio a HcUaníJa, ha vicios^ íquémpe^iasv seg
rsperariao do mais fraco, e.majs GorTon>|)íâ(-^i
do governo. No seio das mais bellas âdar;
d^t^ acháo-se esíes lugares , que exc?ed^»jt|
eiij* infâmia, ludo quaivlo Ke conhecido j^i»-^
as sou trás Naçoeus f k^garos^nnoâ quacs^^íí
htjtrrivel singularidade dhaiii jugo ft'roj:í,i^>

ijoldo já prost luiçâQj,ioieiipuÍ^lica


i
,
perm-tiai
Iktai, e authorisado^. /jhfíín j({h í.;, ,.e f>b
-'Pelas dez horas >ÍJ»íii«jt0^)ín'tòa rtlaíkjajsp
baixes quaríeiroens de Ro)tterdão, se.abien^'/
estas casas desgoslantes , as violasri,ije}i^fir
danças annuncião a sua aproximação^ ííi|
méo creado ahi me conduzio bua noite, e
parou diante de bua delias, introduzio-m^á
em bua saila levantando bua cpríina aUiani^a
da porta, perto da qual sobre bíia pcqupO^g
elevação, chamada orquesta, eslavào rfwa^o
í(Ji^?S^t^ Cobre j3ajQÇQs na outra entrem jd|ijche^
da salla, se achayão setf;; a,QÍtíí
fi ViMãB^de^ ^ptné^ii f r>r.e§lií4'$)S ide/ í^ít^ípf^ rJi^í^í^ki

ifitílal li rodadh •<5;*bjei^^. Lpgd.qu^i^iMÍ-^^ífv»


trèi^f^oz-feô íd ian Iíí di? i«;i.tri htt*| CQpo »« feâ|Ç |

dei híJin fl^him 4^ O he ,0 |>re9o ^a» ^ilm issao.


Eslas: iiiisem^ííisriiíijlbieres JdfiiQ j\^4 sKtkfiem-s.

nadas a pemian^^cer oBps.coyigidoiVÂ^iPt^jnftH


Wtes heperfiúukio^ síiliir.^íla p^çia^.f ft* <|A»^i
t^ 4in[i> clMjg^iTQin aíítornat « con)p^-§^/^i
bre o salário de seo oílioio. He nola\^.M
ttapeiífa ícomi^ eikii^Sjto ahí irfc!ro(l«iTd:vs4ies*
casas . Os qii^ tiscdeíB e>ii vem. faii^ «líft
tiísí' ,

ijea^w er ro p^af ig«i h3 (ptó d ewi^ con tra b id^a rftli


gãasííividas 4 riqiÉe (pjm^^ as fazeoai mmpw
pani liif líí eriíe tecj^í^píeiíuu- aâs gç0s ixt^q^i y
i

e:^iiiéstraf-8e vanl«>jtJsyíGrios €Oi5«erto8^:, noit


em oalras pari Ctí elir^ íis procurâo,? as odrA
:

eolào, e lhes oirereceai a di rUí eira parai sp^aH


gar suas dividas ; cWea se pèem eav stso-J»*^
gar, as fa^éjii a^çsíiffrar^e as conduaemíaW
ííeos cuvis , e re<]ebctii:<)Jtpf^o dals4^>(|e^
gtnqa, e de sua itroanximasno^ oílt» ,sji6<|
íf«*''Esíes actos ,idu'aííl!«e«eflníhfatii«s, Mot
tolerados j )e lo goVêífâ^or^í^eltó durão hamji^K
tos aniios , e tem passado em uso sem que'
parerao ferir o povo Jde modo aigum (19j,

Ji^tn Génova e Jioma ; e na Turquia,


íí^?J!)Í2J O siiifttor dàsíGá^^rlas S()bre a Idalla, k

t|^)«i hámiMH liKt?rtitllígí*rti em G^noyíi.^qde 1*


§m^^k mÍíhlf$&sof$i^\dicPÍ^^ Patifa mkiifeRiO)^

ao que pa*^
Vi' a?é^|>Uít>i^^ ^^Â[j)i,3t)è^i(M(as ,

rétmúppÒv^^^ ^P'4:\*\\b'dmi farçado iho conr^ ,

sífer2Uí^4^í1i/6i'í^l?tdí*«í^i^ Hoje a^
cfl^^è''j^bli<éãS^i^âO' «^!lri^pe<|tíen<ô jiumero , er
JíÃf1lè^íêà^i^Ílaiku£>,ac|pojtque a polícia pon*^^
tiík}áp knp^H^m flí^íir^ e (iiító^a com ??e;veH4

rftitidê *^«|ii^lft>?feS mmA tôsaá^ ilf^ceitcia pu^

^8'^í^"^%MljlJÍá^ í lífifê |çríu<wiá'9pf»ostilnlásií|i5i«


eéniltioriíenté s^o ae^trRfliítítrpsíOregíisi^ Ql^
Jiidêos , os navegântesieMi^>©ô«si''a®íe^i»|l
t^os do paiz , são quasi oâiiSiní<s<»á^ <|jue.^iá^
>f^&itâo. Os T4jrÈofir«io«o»i,jyâlesdeDlãk»so8^
fe*n repugnância paríhqs reslos dtis otit rosá^i
A fa ci lidado, q u e *• 11 1« leni d^e adq u i ri r nni-f
:

Hl€^í ê s pelo d n h e í ro mcmj Báàars\i \ e


i feiltoç. m
piíòííèJtèvfer o del|afeí)e'-'pobik5tiw! Poréni hnrit^
Mfibo metano d© teíi^ifiHqiitína ^rtuon n<1o|
se pôde fornecer deslai JiiaDeíra, e deou^t^ífe
pane, elle corre o perigoídeperder ^ yidí^
iífiJo vigilar hfia nuilher bht^isiíkn*; «ile^iem
recorrida á 'pcdmaatiíi ^{2^^':))^ ol^q aobáiioíol
í)up ai 38 iVÁU íri9 obcífeCíj íxij) 9 ^ gotuiB aoí
»(Gf) íiiij^ifi ol>ofn§3^^voq o \mjí or,,>:9iBq

Na Ft-cffiça.

(fO) aímbs^i«^íM,A^»+*etiô#iiUiírí ,M j^ÇIJi


p a

jiosiòào de"i€íd(iín[tóíuiíé(^as lèg-V^lati^ai*; e


regiilarnentíifrélrf dtfcjpi(í>íítife';í^q'f|ia^hto- á pros-
tiiuiçàa j^iíblic'^ iMíFrM'í1(}a«,' »étriles do Hití*
meça da «Moi*âi:rchia/>'iei'ílesde «sse p&rilS
fi I é h oj eV m < i í ca pò d èip ia; ' s*,' r d e s e tn p e n h á f(

em sim es arl ig^o; ^.^-p-ecí ai


iiuirt I quél «^ó a ,

tul objecto dedieaiu^iDís r^ mui respmíavef^ ès-


eriptores tetit tt^atíwlof dtsstd assiimplò^, ' ^m
que (em euíprc^gado vokVi^iVe^; '^^Sso^íiffl'pb-
fém he mui differentej daremos sóhtí^ íd^a
IM^WKiis geral possível desle objecfOi 'i^'^'-^^
^r Era natural, que, anies do prihci^atfáf
MonarchiaRrarvceza, regessem este paiz áíl
leys de quem o domiimva, assim í)o iérrtftM
éíbU Romanos^ , como no dos Ba rbafos do* ,

Oodo», e do8^ Francas, ieysm li i diiíerent^f


a difíerentes respeitos segando os lempOíéí
por isso as que eriío respectivas aodebocHtf
publico deviào também reger esse \rstiB
segundo os povos, <]ue o doininavSo, e pÒtf
tarito- aqui t^ve infulíiveltnente Fugat *a^córiall
tituicào de Theodosio , e' de Vafentirriati^^l
dte'qiM? j?í faltcímos quando traiamos da áh^
tig^á Roína, como posteriormente o Codi^
de Alarico, dos Godos estas leys íonT^ffiéíi ;

S6^ mais notáveis , segundo nos consíAi^nwl

ttimpós anteriores <i (Oarlos Magn<3?.^^ ecbqi


iíi ^ -Desde es(e Monarcha até Luiz XÍV^J^ál?

teys foi*ao mais ôu menos severas nos dfíffél


réiites tentpos, ellas forilío bem austefas"-*Hd
lempo daqueíie primeiro iVloríarclia /^4^iVÍ
de S. lA\h, mas vste ukimo Rey,. bein^òÔfl
Jf^bre-pela h\u\ sabedoria >,''èíf)fe}lifs'Sií^;i^^ffti4^
tiiuií^oens, viu <teprcí$(àií-*i>i^ wale^ lícsuteiSí
m
tj^^cj|íUA5í<s<> veras lk.yà contra as proí^li í h^
t^^,,*e a iiii)H>ssibiiu]aiie de as por t in exe*
çiK^àa; adiiullio eiiiHMtltuín principio de lu«»

qno uíosh'ou em kua ordenança


k'f iincia , ,

QUederrtgou arpri.rat?ira e nriiat sé desi- ,

gaav,ão ^^.prosiilutas nais para ísabilar , e


l^tTlts Irajt-s,de que devjào u>íar. Pela stic-
fe^sao (}i;s leuípos appartceo depois huaso*
rৠ^i^v^^nd^/nanças,, e de íegulauientos , re-
^^ijvoí^t^s, desord^/js, ca*is-tdaè» pelas prosti*
ty^i^,H€^>^o^< enfeites, que lhes era proh jbi*
(^i^Uazer ; de iiraneira^fMte aioleraricia coo-r
cedida por S. Luiz, se conservou j)or secur
|iíj^, até que em 1560 se (ornou át; levs in-

t^i ra ui en le p r(jhi b \ a^^^ cl« .qp^ .xe^uluUíô


i t i

gfv^jVçs inconvenienltíSHiíob o msw:} 5>b evííi

feo h ^ ^, F r a íi c a fo i sói ©«^ J 684 ,


que cí '
iíí eb-

Çí^i^r.o poriodo dos reg ubHfí[^i^lQS)h í^«Jí*^ foO

ii^)^t;ii§ .mais semeJíiíii^ii: tem com as (\ue


^^j{\ipen\e ainda se usa,o naquello paiz,
^^nto.ÁadrAuu^iroçíio euí maUria de pro^q
ordenanças de Luí;&
tjí(^ui^áo,publÍeíV.'/Frejs
;^|i)(^dat«*dasde20d'Abril de 1G84, pozerào
primeira vez huiu liuiile eníre o^ffSC^Mt
S^(a,
^(o da proslituicao publica, o o dos Gí'Styb
m^s das lamilias. Neste (empo :-e insliluh
r{to qs Tenente^j de PuJiçiçi, e o regulamenta?

4f 1713. a lal rec;peit^ vhí? torru)U celebre,


pelas precauçoens, conseryadiHas da bber^
4§de individual, q^ji^r eile!;|e«>igeí^ii^ríesta
parte excedeo elle as idéas do secúlo, emf
que appareceo; nelle se estabelece a dia-
tiiicçàc, que ha enire deboche publico, e
prpstiluicao publica: celebre ur- por e.sla

4§íífiiVÇ,^^eíçguláràQ;as |>roíii.iluUsení> Frau-
ç%jÍ^Í68^>,,eai que appareceo a cwíhiaai^ít^
|

^ Tenente Policia Lenoir^ (21)


<íe qim
mais celebre »e tornou pela ignorância pru-*
funda (iesle Magistrado , en» tudo que res-

(21) Juigo («Hivenienlc fuzer foithe.»T csiíi fe*


1i;bre oídeiian^a do Tenente d« Toi ciu Ltnoir ^ e
he a *eguÍMie ;
?i 8ol»re o ()ue no