Вы находитесь на странице: 1из 2

Universidade de Brasília

Departamento de História
Introdução ao estudo da História
Professora: Carolina Soares Sousa
Aluna: Ingrid Silva Ferreira de Souza
Matrícula: 160125316

CERTEAU, Michel de. A Escrita da História - Operação Historiográfica. pp.56-104. Rio de


Janeiro: Forense Universitária, 1982.

PALAVRAS-CHAVE: Lugar Social, Historiografia, Disciplina, Prática, Escrita.


RESUMO DO TEXTO: Michel de Certeau em sua obra faz uma análise a respeito de métodos
utilizados na construção da História enquanto uma disciplina atuando no desenvolvimento
historiográfico, abordando sobre as técnicas necessárias à um historiador para realizar seu
trabalho, as particularidades de um meio social-cultural e a importância da escrita no
desenvolvimento e criação de documentos históricos, utilizando de uma visão diferenciada e
singular acerca do tema.

Ao tratar sobre Operações Historiográficas, o autor divide o assunto em três tópicos


essenciais (Um lugar social, uma prática e uma escrita), desenvolvendo em cada um seus
aspectos e componentes. A respeito de um lugar social, a história compreende uma relação
entre o lugar e o discurso, sendo necessária a combinação entre práticas e as particularidades
de um lugar social para a produção historiográfica, essas singularidades cabem ao historiador,
sendo preciso uma análise profunda sobre este meio, tendo como função dar voz ao não-dito.
Certeau afirma que a construção da escrita de uma história se encontra diretamente ligada à
instituição da qual ela se organiza, deixando claro a influência que uma instituição e o meio
social dos indivíduos tem sobre o discurso do historiador, tratando também da necessidade de
técnicas para se estruturar a História enquanto disciplina, assim como suas produções
historiográficas.
Ao tratar sobre a Prática, o autor aponta a necessidade da utilização de uma técnica pelo
historiador na produção de conteúdo, sendo estas específicas para cada meio cultural, podendo
ser variáveis em detrimento do lugar social. O objetivo da prática é transformar um objeto
cultural em histórico de forma que este não fique somente do campo do "não- dito", cabe ao
historiador fazer esta transição do lugar social (cultural) para o campo da disciplina histórica,
que segundo o autor, necessita de uma perspectiva interdisciplinar para manter um controle da
coerência e veracidade dos fatos.
A operação da escrita seria a parte posterior ao processo de investigação, utilizando a
prática para este fim, o desenvolvimento de um documento histórico escrito está diretamente
ligado à prática, esta teria como função transmitir valores e assumir um caráter didático para o
espectador, o desenvolvimento da escrita tem uma certa dependência na passagem realizada
pelo profissional da história em sua prática, a escrita estaria ligada a uma cronologia do
discurso. O autor trata deste tópico como parte de uma prática social.

CONCLUSÕES DO AUTOR: Ao desenvolver no texto o autor exemplifica de forma concisa


sua visão da História enquanto disciplina, estando submetida diretamente ao contexto social
em que se encontra, a operação historiográfica é abordada sendo levado em consideração o
conjunto de práticas a ela relacionadas, assim como o trabalho do historiador e o
desenvolvimento da escrita por meio de técnicas desenvolvidas baseando-se no campo cultural
em que se encontram inseridos.