Вы находитесь на странице: 1из 3

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA

VARA DE FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA_____

ASSOCIAÇÃO ALFA, inscrita no CNPJ de nº…., com sede na rua…, e-mail…., vem,
devidamente representada pelo advogado, com endereço profissional na Rua...., e-
mail…, onde receberá suas citações e intimações, vem perante Vossa Excelência com
fulcro na Lei. 7347/85, propor a presente:

AÇÃO CIVIL PÚBLICA COM PEDIDO DE LIMINAR

em face do MUNICÍPIO BETA, com sede na Rua, inscrita no CNPJ sob o


nª….., e-mail, pelos fatos e fundamentos aduzidos a seguir.

DA LEGITIMIDADE ATIVA

A parte autora é legitimada a propositura da ação na forma do art. 5, inciso V,


alíneas “a” e “b” da lei 7347/85, por estar constituída a mais de dois anos e ter
no seu Estatuto a previsão de defesa do direito ora pleiteado

DOS FATOS

A Associação Alfa, constituída há 3 (três) anos, cujo objetivo é a


defesa do patrimônio social, e particularmente ao direito à saúde de todos,
mostrou-se inconformada com a negativa do Posto de Saúde Gama, gerido pelo
Município Beta, de oferecer atendimento laboratorial adequado aos idosos que
procuram esse serviço. O argumento das autoridades era o de que não havia
profissionais capacitados e medicamentos disponíveis em quantitativo suficiente.
Em razão desse estado de coisas e do elevado números de idosos correndo
risco de morte,a Associação resolveu peticionar ao Secretário Municipal de
Saúde do Município Beta, querendo providências imediatas para a regularização
do serviço público de Saúde. O Secretário respondeu que a situação da Saúde
é realmente precária e que a comunidade precisa ter paciência e esperar a
disponibilização de repasse dos recursos públicos federais, já que a receita
prevista no orçamento municipal não fora integralmente realizada. Reiterou, ao
final e pelas razões já aventadas, a negativa de atendimento laboratorial aos
idosos. Apesar disso, as obras públicas da área de lazer do bairro em que estava
situado o Posto de Saúde Gama, nos quais eram utilizados exclusivamente
recursos públicos municipais, continuaram a ser realizadas

DOS FUNDAMENTOS

Nos termos do artigo 1º da Lei 7.347/85, é cabível o ajuizamento de


ação civil pública para prevenir ou reprimir danos morais ou materiais causados
a qualquer interesse difuso ou coletivo (inciso V), aqui se encontrando o direito
à saúde.
Decorre do fato de o objetivo da demanda judicial ser a defesa de
todos os idosos que procuram o atendimento do Posto de Saúde Gama, nos
termos das finalidades estatutárias da Associação defesa do patrimônio social e,
particularmente, do direito à saúde de todos e não eventual defesa de direito ou
interesse individual. Como se discute a qualidade do serviço público oferecido a
população e esses idosos não podem ser individualizados, trata-se de típico
interesse difuso, enquadrando-se no Art. 1º, incisos IV e VII, da Lei nº 7.347/85.
O que se verifica, na hipótese, é a necessidade de defesa do direito à
vida e à saúde dos idosos que procuram os serviços do Posto de Saúde Gama,
bem como de sua dignidade, amparados pelo Art. 1º, inciso III, pelo Art. 5º, caput,
pelo Art 6º e pelo Art. 196, todos da Constituição da República Federativa do
Brasil de 1988.
AGRAVO DE INSTRUMENTO. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. CONTRATO
DE GESTÃO NO ÂMBITO DA SAÚDE MUNICIPAL. ORGANIZAÇÕES
SOCIAIS. PEDIDO DE ANTECIPAÇÃO DOS EFEITOS DA TUTELA.
DETERMINAÇÃO PARA QUE MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO SE
ABSTENHA DE CONTRATAR O INSTITUTO UNIR SAÚDE PARA A
GESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. CONTRATO DE GESTÃO
REFERENTE À UNIDADE DE COORDENAÇÃO DE EMERGÊNCIA
REGIONALIZADA BARRA. DECISÃO QUE SE MANTÉM. Ação Civil
Pública ajuizada narrando irregularidades envolvendo a qualificação,
licitação, contratação e execução do Contrato de Gestão nº 008/2012,
celebrado entre o Município do Rio de Janeiro e o agravante para
gestão do CER Barra. Contratos já celebrados entre as partes que
estejam em curso não poderão ser atingidos. Contrato referente á UPA
de Magalhães Bastos já estaria em processo de rescisão (Contratos
de Gestão nº 016/2015 e nº 024/2013), uma vez que foi publicado em
16.03.2016, edital de convocação pública, tendo se sagrado vencedora
outra organização social. Questões relacionadas aos vícios de
qualificação da agravante como Organização Social,sanáveis ou não,
bem como a regularidade de sua seleção para a gestão de saúde que
deverão ser objeto de análise pelo juízo de 1º grau, sob pena de
suprimir se a Jurisdição.
(TJ-RJ - AI: 00229036820168190000 RIO DE JANEIRO CENTRAL DE
ASSESSORAMENTO FAZENDÁRIO, Relator: MARIA HELENA
PINTO MACHADO MARTINS, Data de Julgamento: 15/02/2017,
QUARTA CÂMARA CÍVEL, Data de Publicação: 17/02/2017.

Esses direitos estão sendo preteridos para a realização de obras


públicas nas áreas de lazer, o que é constitucionalmente inadequado em razão
da maior importância dos referidos direitos. Afinal, sem vida e saúde, não há
possibilidade de lazer. O Município tem o dever de assegurar o direito à saúde
dos idosos e decumprir a competência constitucional conferida para fins de
prestação do serviço público de saúde (art. 30, inciso VII, arts. 196 e 230 da
CRFB/88).

DA LIMINAR

O direito pleiteado através da presente liminar está amparado sob a


inteligência do art. 12, da Lei. 7347/85.

DO PEDIDO
Diante do exposto, requer a Vossa Excelência:

1- A concessão de liminar à compelir o réu a regularizar o sistema de saúde e prestar o


atendimento ambulatorial adequado aos idosos, no prazo de….. dias, sob pena de
multa diária de R$.....;

2- A citação do réu;

3- A intimação do Ministério Público;

4- A procedência do pedido convertendo em definitivo a liminar acima pleiteada;

5- A condenação do réu aos honorários de sucumbências;

DAS PROVAS

Requer a produção de todas as provas admitidas em direito, em especial as


de caráter documental e documental superveniente.

DO VALOR DA CAUSA

Dá-se-à a causa o valor de R$.......(alçada)

Nestes termos;
Pede deferimento.

Local e Data

Advogado
OABB/UF

MESAQUE DE ANDRADE DE OLIVEIRA


201401052592