Вы находитесь на странице: 1из 5

AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Princípios Gerais do Direito Penal��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Princípio da Exclusiva Proteção a Bens Jurídicos����������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Princípio da Intervenção Mínima do Estado�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Princípio da Fragmentariedade���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Princípio da Subsidiariedade�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Princípio da Insignificância (Bagatela)���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Requisitos Objetivos para a Incidência da Bagatela��������������������������������������������������������������������������������������������������3
Natureza Jurídica����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Aplicabilidade����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Tabela dos Crimes Atinentes ao Princípio da Insignificância��������������������������������������������������������������������������������4

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Princípios Gerais do Direito Penal


Princípio da Exclusiva Proteção a Bens Jurídicos
De acordo com Cleber Masson (2016)1, o princípio da exclusiva proteção do bem jurídico veda ao
Direito Penal a preocupação com as intenções e os pensamentos das pessoas, do seu modo de viver ou
de pensar, ou ainda de suas condutas internas, enquanto não exteriorizada a atividade delitiva.
A função primordial do Direito Penal é a proteção de bens jurídicos fundamentais para a pre-
servação e o desenvolvimento do indivíduo e da sociedade, isto é, destina-se à tutela de bens jurídi-
cos, não podendo ser utilizado para resguardar questões de ordem moral, ética, ideológica, religio-
sa, política ou semelhantes.
Corrobora esse entendimento a jurisprudência do STF:
Pelo que é possível extrair do ordenamento jurídico brasileiro a premissa de que toda conduta penalmente
típica só é penalmente típica porque significante, de alguma forma, para a sociedade e a própria vítima. É
falar: em tema de política criminal, a Constituição Federal pressupõe lesão significante a interesses e valores
(os chamados ‘bens jurídicos’) por ela avaliados como dignos de proteção normativa. 2 (grifo nosso)
Desse modo, o Art. 5º, caput, da Constituição Federal, cita os principais bens jurídicos que devem
ser protegidos pela norma penal:
Art. 5º, caput, CF/88: Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-
se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à
igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes: […]. (grifo nosso)

Princípio da Intervenção Mínima do Estado


O princípio da intervenção mínima do Estado é reflexo do Estado Democrático de Direito, em
sentido oposto do que haveria em um Estado absolutista, totalitário ou autoritário, pois, nesses casos,
o Direito Penal acaba sendo a primeira opção para punição dos ilícitos (para causar terror, como o
nazismo e o fascismo).
Portanto, conforme a jurisprudência do STJ:
A missão do Direito Penal moderno consiste em tutelar os bens jurídicos mais relevantes. Em decorrência
disso, a intervenção penal deve ter o caráter fragmentário, protegendo apenas os bens jurídicos mais im-
portantes e em casos de lesões de maior gravidade.3 (grifo nosso)
Dessa forma, o princípio da intervenção mínima é gênero e se desmembra em outras duas
espécies: fragmentariedade e subsidiariedade.

Princípio da Fragmentariedade
O Direito Penal não irá proteger todos os bens jurídicos de todos os ataques, mas deve proteger os
bens jurídicos mais relevantes contra as agressões mais violentas (caráter fragmentário).

Princípio da Subsidiariedade
Aos outros ramos do Direito cabe a intervenção primária, sendo o Direito Penal o último recurso
(ultima ratio), aplicado quando os outros ramos do Direito fracassarem (caráter subsidiário).
Contudo, alguns ilícitos são tão graves que o Direito Penal será o primeiro, por exemplo, no caso
do homicídio.
1 MASSON, C. Direito Penal Esquematizado: Parte Geral. 10. ed. São Paulo: Método, v.1, 2016 (p. 57-58).
2 STF, HC 109.277/SE, Rel. Min. Ayres Britto, julgado em 13/12/2011, 2ª Turma, DJe 22/2/2012.
3 STJ, HC 50.863/PE, Rel. Min. Hélio Quaglia Barbosa, julgado em 4/4/2006, 6ª Turma, DJ 26/6/2006.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

Princípio da Insignificância (Bagatela)


Decorrente da intervenção mínima do Estado, pressupondo que nem todas as condutas ti-
pificadas como crime (formalmente) serão materialmente típicas, devendo ser analisadas no caso
em concreto se houve lesão expressiva a um bem jurídico relevante e se houve um comportamento
agressivo pelo agente.
Nesse sentido, expõe o STJ:
1. A missão do Direito Penal moderno consiste em tutelar os bens jurídicos mais relevantes. Em decor-
rência disso, a intervenção penal deve ter o caráter fragmentário, protegendo apenas os bens jurídicos
mais importantes e em casos de lesões de maior gravidade.
2. O princípio da insignificância, como derivação necessária do princípio da intervenção mínima do
Direito Penal, busca afastar de sua seara as condutas que, embora típicas, não produzam efetiva lesão ao
bem jurídico protegido pela norma penal incriminadora.4 (grifo nosso)
Essa é a referência atual do Direito Penal moderno, isto é, a tipicidade moderna é combinada
entre a tipicidade formal e a tipicidade material.

O STF, na seguinte jurisprudência, explica bem acerca da tipicidade moderna e a aplicação do


princípio da insignificância, bem como seus requisitos objetivos:
1. A existência de um Estado Democrático de Direito passa, necessariamente, por uma busca constante
de um Direito Penal mínimo, fragmentário, subsidiário, capaz de intervir apenas e tão somente naquelas
situações em que outros ramos do direito não foram aptos a propiciar a pacificação social.
2. O fato típico, primeiro elemento estruturador do crime, não se aperfeiçoa com uma tipicidade mera-
mente formal, consubstanciada na perfeita correspondência entre o fato e a norma, sendo imprescindível
a constatação de que ocorrera lesão significativa ao bem jurídico penalmente protegido.
3. É possível a aplicação do princípio da insignificância, desfigurando a tipicidade material, desde que
constatados a MÍNIMA ofensividade da conduta do agente, a inexistência (AUSÊNCIA) de periculosida-
de social da ação, o REDUZIDO grau de reprovabilidade do comportamento e a […] INEXPRESSIVIDA-
DE da lesão jurídica.5 (grifo nosso)

Requisitos Objetivos para a Incidência da Bagatela

4 STJ, HC 50.863/PE, Rel. Min. Hélio Quaglia Barbosa, julgado em 04/04/2006, 6ª Turma, DJ 26/06/2006.
5 STF, HC 107.638/PE, Rel. Min. Cármen Lúcia, julgado em 13/09/2011, 1ª Turma, DJe 29/09/2011.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

Natureza Jurídica
Causa SUPRALEGAL de exclusão da tipicidade (material).
Aplicabilidade
Qualquer delito de valor inexpressivo, ínfimo, que com ele seja compatível, sendo a sua maior
incidência nos crimes patrimoniais, por exemplo, no furto simples. É INADMISSÍVEL quando o
crime acontecer com violência ou grave ameaça à pessoa, por exemplo, o crime de roubo, bem
como nas infrações penais contra a mulher nas relações domésticas.
STF: É inviável reconhecer a aplicação do princípio da insignificância para crimes praticados com violên-
cia ou grave ameaça, incluindo o roubo.6
STJ, Súmula nº 589: É inaplicável o princípio da insignificância nos crimes ou contravenções penais pra-
ticados contra a mulher no âmbito das relações domésticas.

Tabela dos Crimes Atinentes ao Princípio da Insignificância


 Crimes contra a Adm. Pública: Regra: não se admite.7 

 Peculato: Regra: não se admite.8

 Descaminho: 
STF + STJ: Até R$ 20 mil.9
 Crimes tributários: 
 Crimes ambientais:
*(não se aplica quando a quantidade é grande ou são usados Regra: admissível.11 
meios proibidos, por exemplo, 120 kg e rede de pesca)10
 Crimes militares: Regra: admissível.12 
 Contra a fé pública:
Regra: inaplicável.13 
 Moeda falsa:
 Crimes de perigo abstrato:
(ex.: porte ilegal de arma de fogo14, tráfico de drogas, posse de Regra: inaplicável.15 
droga para consumo pessoal etc.)
 Furto qualificado: Regra: não é aplicável.16 
 Estelionato contra a Adm. Pública: Regra: não é aplicável.17 
 Dano patrimonial a bens públicos: Regra: não é aplicável. 18

 Crime eleitoral: Regra: inaplicável. 19

 Rádio clandestina: Regra: não se admite.20 

6 STF, RHC 107.378/DF, Rel. Min. Rosa Weber, julgado em 29/05/2012, 1ª Turma, DJe 01/08/2012 (Vide Inf. 595).
7 STJ, Súmula nº 599: O princípio da insignificância é inaplicável aos crimes contra a administração pública.
8 Aplicação da bagatela ao peculato: STJ – HC 246.885/SP; STF – HC 107.370/SP, HC 112.388/SP, HC 104.286/SP.
9 STJ – Tema Repetitivo 157; STF – Inf. 898.
10 STF, respectivamente, HC 130.533/AM e RHC 125.566/PR.
11 STF, HC 112.563/SC, Rel. p/ ac. Min. Cezar Peluso, julgado em 21/08/2012, 2ª Turma, DJe 10/12/2012.
12 STF, Informativo nº 446. Precedente: HC 89.104 MC/RS, Rel. Min. Celso de Mello, julgado em 13/10/2006. No mesmo
sentido: HC 107.638/PE, HC 87.478/PA, Inf. nº 640.
13 STJ, REsp 1.242.294/PR, Rel. p/ ac. Min. Rogerio Schietti Cruz, julgado em 18/11/2014, 6ª Turma, DJe 3/2/2015.
14 STF, HC 133.984/MG, Rel. Min. Cármen Lúcia, julgado em 17/5/2016, 2ª Turma, DJe 2/6/2016.
15 STJ, JT 45. Precedentes: RHC 57.761/SE, HC 195.985/MG, AgRg no AREsp 330.958/DF, RHC 35.072/DF, RHC 37.094/MG,
HC 240.258/SP, RHC 36.195/DF, HC 156.543/RJ, HC 103.749/MG, REsp 1.536.671/RS e Inf. 456.
16 STF, HC 123.734/MG, Rel. Min. Roberto Barroso, julgado em 3/8/2015, Tribunal Pleno, DJe 2/2/2016 (Inf. 771).
17 STJ, JT 84 – STF, HC 111.749/RS, Rel. Min. Luiz Fux, julgado em 7/5/2013, 1ª Turma, DJe 21/5/2013. No mesmo sentido: HC
113.467/DF, HC 108.884/RS, HC 108.352/RS, HC 122.418/DF, HC 119.729/DF.
18 STJ, JT 87 – STF, AgR HC 115.850/MG, Rel. Min. Luiz Fux, julgado em 24/9/2013, 1ª Turma, DJe 28/10/2013.
19 TSE, REsp 11.887/RN, Rel. Min. Cármen Lúcia, julgado em 3/5/2011 (Inf. 12, Ano XIII).
20 STJ, Súmula nº 606: Não se aplica o princípio da insignificância a casos de transmissão clandestina de sinal de internet via
radiofrequência, que caracteriza o fato típico previsto no art. 183 da Lei nº 9.472/1997. No mesmo sentido: STF – HC 135.248/BA, HC
119.580/BA, HC 118.014/AM.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

Exercícios
01. O Direito Penal só deve se preocupar com a proteção dos bens jurídicos mais essenciais à vida
em sociedade, constituindo a sua intervenção a ultima ratio, ou seja, tal intervenção somente
será exigida quando não se fizer suficiente a proteção proporcionada pelos demais ramos do
Direito. Tal conceito tem relação com o princípio da:
a) Anterioridade.
b) Reserva legal.
c) Intervenção mínima.
d) Proporcionalidade.
e) Intranscendência.
02. De acordo com o entendimento do STF, a aplicação do princípio da insignificância pressu-
põe a constatação de certos vetores para se caracterizar a atipicidade material do delito. Tais
vetores incluem o(a):
a) mínima periculosidade social da ação.
b) relevante ofensividade da conduta do agente.
c) expressiva lesão jurídica provocada.
d) reduzidíssimo grau de reprovabilidade do comportamento.
e) desvalor relevante da conduta e do resultado.
03. Dado o princípio da fragmentariedade, o Direito Penal só deve ser utilizado quando insuficientes
as outras formas de controle social.
Certo ( ) Errado ( )
04. Em relação à aplicação do princípio da insignificância no Direito Penal, é correto afirmar que
o agente que rouba uma nota de dois reais deve-se beneficiar da aplicação de tal princípio.
Certo ( ) Errado ( )
05. Um agente que tenha adquirido cinco cédulas falsas de R$ 50,00 com o intuito de introduzi-las
no comércio local deve responder pelo tipo de moeda falsa, visto que, nessa situação, não se
aplica o princípio da insignificância como causa excludente de tipicidade.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - C
02 - D
03 - Errado
04 - Errado
05 - Certo

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5