Вы находитесь на странице: 1из 5

AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Lei Nº 9.613, de 3 de Março de 1998�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Origem da Lavagem de Dinheiro – Lavagem de Capitais – Money Laundering�������������������������������������������������������2
Histórico como Tipificação Criminal�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Gerações de Leis de Lavagem�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Fases da Lavagem de Dinheiro�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Teoria das Instruções da Avestruz – Também Conhecida como Teoria da Cegueira Deliberada������������������4
Jurisprudência���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Desnecessidade de Participação na Infração Antecedente��������������������������������������������������������������������������������������4
Bem Jurídico Protegido������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Lei Nº 9.613, de 3 de Março de 1998


O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a
seguinte Lei:
Art. 1º Ocultar ou dissimular a natureza, origem, localização, disposição, movimentação ou propriedade
de bens, direitos ou valores provenientes, direta ou indiretamente, de infração penal. (Redação dada pela
Lei nº 12.683, de 2012)
Pena: reclusão, de 3 (três) a 10 (dez) anos, e multa. (Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012)

Origem da Lavagem de Dinheiro – Lavagem de Capitais – Money


Laundering
Origem – A expressão “lavagem de dinheiro” tem origem na América do Norte, quando a máfia
passou a usar uma lavanderia de roupas legalmente formalizada para “lavar” o dinheiro, ou seja,
ocultar ou dificultar a origem dos valores, de modo a integrar os bens, valores e dinheiros ao mercado
financeiro, no entanto com aparência lícita.
Definição 1 – A lavagem de dinheiro consiste na transformação de bens, direitos ou valores
obtidos de forma ilícita (ou seja, fruto de uma infração penal) em aparentemente lícita. A lavagem
tem por finalidade a reintegração desses bens e dinheiros aos setores da economia, no entanto, com
aparência legal, lícita, limpa.
Definição 2 – é o ato ou sequência de atos praticados para encobrir a natureza, localização ou pro-
priedade de bens, direitos ou valores de origem delituosa, com o objetivo de reintroduzir à economia
formal com aparência de lícita. (Renato Brasileiro de Lima)
Branqueamento de capitais – Espanha e Portugal usam essa expressão. Essa nomenclatura não
foi adotada pela legislação brasileira, uma vez que induzia ao racismo.

Histórico como Tipificação Criminal


1) 1988 – CONVENÇÃO DE VIENA – Como crime, a conduta de lavagem de capitais surgiu em
1988, nos Estados Unidos da América, na convenção das Nações Unidas contra o tráfico de drogas.
2) 1991 – O ratificou esse tratado em 1991, por meio do Decreto 154.
3) 1998 – Após 10 anos, surgiu a atual Lei nº 9.613, de 3 de março de 1998, que dispõe sobre os crimes
de “lavagem” ou ocultação de bens, direitos e valores; a prevenção da utilização do sistema finan-
ceiro para os ilícitos previstos nesta Lei; cria o Conselho de Controle de Atividades Financeiras
– COAF, e dá outras providências.

Gerações de Leis de Lavagem


Gerações de leis de lavagem de capitais dizem respeito às mudanças ao longo dos anos quanto ao
rol de crimes antecedentes. Vejamos:
Lei de primeira geração – No início, em 1988, quando surgiu a criminalização da Lavagem de
Capitais, a lei só tratava de “lavagem” se o crime antecedente (ou seja, o crime produtor de bens,
direitos e valores) fosse do tráfico de drogas.
Lei de segunda geração – Houve uma ampliação dos crimes antecedentes, de modo que as leis
trazem um rol taxativo de crimes antecedentes. A Lei 9.613/98, logo quando entrou em vigor (ou seja,
em sua redação original), era considerada de segunda geração, uma vez que trazia um rol taxativo de
crimes antecedentes. Desse modo, se o crime produtor de bens, direitos e valores não estivesse no rol,
não haveria que se falar em crime de lavagem de capitais.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

Lei de terceira geração – Qualquer infração penal (crime ou contravenção) poderá ser antece-
dente da lavagem de capitais. Ressalta-se que essa infração deverá ser produtora, ou seja, do crime
deverão advir bens, direitos e valores.
Como já falamos, a nossa Lei 9.613/98, no início, era de segunda geração. No entanto, após a
grande alteração trazida pela Lei 12.683/12, que excluiu o rol taxativo, nossa lei passou de segunda
geração para lei de terceira geração.
Lei 12.683/12 – Essa lei alterou de forma significativa a lei original (Lei 9.613/98), no entanto, res-
salta-se que não houve revogação total da nossa atual lei, há apenas revogação de alguns dispositivos.
Fases da Lavagem de Dinheiro
Para disfarçar os lucros ilícitos sem comprometer os envolvidos, a lavagem de dinheiro realiza-se
por meio de um processo dinâmico que requer:
→→ Primeiro – o distanciamento dos fundos de sua origem, evitando uma associação direta deles
com o crime;
→→ Segundo – o disfarce de suas várias movimentações para dificultar o rastreamento desses recursos;
→→ Terceiro – a disponibilização do dinheiro novamente para os criminosos depois de ter sido sufi-
cientemente movimentado no ciclo de lavagem e poder ser considerado “limpo”.
Os mecanismos mais utilizados no processo de lavagem de dinheiro envolvem teoricamente
essas três etapas independentes que, com frequência, ocorrem simultaneamente.
1) Colocação – a primeira etapa do processo é a colocação do dinheiro no sistema econômico. Ob-
jetivando ocultar sua origem, o criminoso procura movimentar o dinheiro em países com regras
mais permissivas e naqueles que possuem um sistema financeiro liberal. A colocação se efetua
por meio de depósitos, compra de instrumentos negociáveis ou compra de bens. Para dificultar a
identificação da procedência do dinheiro, os criminosos aplicam técnicas sofisticadas e cada vez
mais dinâmicas, tais como o fracionamento dos valores que transitam pelo sistema financeiro e a
utilização de estabelecimentos comerciais que usualmente trabalham com dinheiro em espécie.
2) Ocultação – a segunda etapa do processo consiste em dificultar o rastreamento contábil dos
recursos ilícitos. O objetivo é quebrar a cadeia de evidências ante a possibilidade da realização
de investigações sobre a origem do dinheiro. Os criminosos buscam movimentá-lo de forma
eletrônica, transferindo os ativos para contas anônimas – preferencialmente, em países ampara-
dos por lei de sigilo bancário – ou realizando depósitos em contas abertas em nome de “laranjas”
ou utilizando empresas fictícias ou de fachada.
3) Integração – nesta última etapa, os ativos são incorporados formalmente ao sistema econômico.
As organizações criminosas buscam investir em empreendimentos que facilitem suas atividades
– podendo tais sociedades prestarem serviços entre si. Uma vez formada a cadeia, torna-se cada
vez mais fácil legitimar o dinheiro ilegal.
(Fonte: http://www.coaf.fazenda.gov.br/links-externos/fases-da-lavagem-de-dinheiro)

CONSUMÇÃO – De acordo com o entendimento do STF, para que haja a consumação do crime de
lavagem, não há necessidade do preenchimento de todas as fases. Dessa maneira, embora o crime
não passe pelas três fases, não há que se falar em tentativa. (STF, RHC 80.816/SP.)
Para o Supremo, essas fases são modelos, no entanto não são de observância obrigatória para que
haja sua consumação. Portanto, o crime se consuma com a primeira fase.
“Lavagem de capitais perfeita ou plena” – Ocorre a lavagem perfeita quando o crime passar
pelas três fases. No entanto, convém reforçar que prevalece no STF que a presença das 3 fases não é
imprescindível para a configuração do delito. Havendo efetivamente a mera colocação (introdução),
já estaria consumado o crime.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL – O depósito de cheques de terceiro recebidos pelo agente, como
produto de concussão, em contas-correntes de pessoas jurídicas, às quais contava ele ter acesso, basta a
caracterizar a figura de “lavagem de capitais” mediante ocultação da origem, da localização e da proprie-
dade dos valores respectivos (L. 9.613, art. 1º, caput). O tipo não reclama nem êxito definitivo da ocultação,
visado pelo agente, nem o vulto e a complexidade dos exemplos de requintada “engenharia financeira”
transnacional, com os quais se ocupa a literatura. (STF, RHC 80.816, Rel. Min. Sepúlveda Pertence, 1ª T.,
u., 18/06/2001)
Teoria das Instruções da Avestruz – Também Conhecida como Teoria da
Cegueira Deliberada
Jurisprudência
[...] No âmbito da lei de regência brasileira, o tipo penal admite unicamente a forma dolosa (direta
ou eventual), não reconhecendo expressamente a modalidade culposa. A figura do dolo eventual foi
mencionada no âmbito do Supremo Tribunal Federal no julgamento da Ação Penal 470 (“Mensalão”),
haja vista que a incriminação abrange, inclusive, a terceirização profissional da lavagem.
Como sublinhou a Ministra Rosa Weber, “o profissional da lavagem, contratado pelo autor do
crime antecedente para realizá-la, adotaria, em geral, postura indiferente em relação à procedên-
cia criminosa dos bens envolvidos, e não raramente se recusaria a aprofundar o reconhecimento
a respeito. Destarte, ponderou que não admitir o crime de lavagem com dolo eventual indicaria
exclusão da possibilidade de punição de formas mais graves desse delito, sendo, uma delas, a ter-
ceirização profissional da lavagem”. (AP 470, Rel Min. Joaquim Barbosa, 24, 26 e 27-9-2012).
AUTOLAVAGEM (SELF-LAUNDERING) – Neste caso o sujeito ativo do crime antecedente é o
mesmo do crime de lavagem de capitais.
SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA
(...) VI. Não há que falar em consunção entre o crime de evasão de divisas e do de lavagem de capitais,
mas em condutas autônomas, caracterizadoras de lavagem de dinheiro.
VII. A lavagem de dinheiro pressupõe a ocorrência de delito anterior, sendo próprio do delito que esteja
consubstanciado em atos que garantam ou levem ao proveito do resultado do crime anterior, mas
recebam punição autônoma. Conforme a opção do legislador brasileiro, pode o autor do crime an-
tecedente responder por lavagem de dinheiro, dada à diversidade dos bens jurídicos atingidos e à
autonomia deste delito. (STJ, 5ª turma, Resp 1.234.097/PR.) DJe 17/11/2011.
Desnecessidade de Participação na Infração Antecedente
Nesse sentido, de acordo com o Supremo Tribunal Federal
Julgado do STF, de 2014 – Ementa: Embargos infringentes na AP 470.
2.1. A condenação pelo delito de lavagem de dinheiro depende da comprovação de que acusado
tinha ciência da origem ilícita dos valores. (...)
(AP 470 EI-sextos, Relator(a): Min. LUIZ FUX, Relator(a) p/ Acórdão: Min. ROBERTO
BARROSO, Tribunal Pleno, julgado em 13/03/2014, ACÓRDÃO ELETRÔNICO DJe-161
DIVULG 20-08-2014 PUBLIC 21-08-2014)
Bem Jurídico Protegido
Ordem econômico-financeira, pois há a introdução de dinheiro ilícito, que acaba afetando a
livre concorrência, a livre-iniciativa, a propriedade.
Citamos um exemplo de uma empresa que recebe esse dinheiro ilícito para “lavar”. Obviamente,
ela não teria preocupação com custos de mão de obra, material etc., uma vez que a intenção era a in-
tegração do dinheiro com a aparência de lícito.
Portanto, essa corrente é a que prevalece na doutrina e na Jurisprudência.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

CRIME FORMAL – Ocorrerá a consumação do crime com a prática dos núcleos do tipo (ocultar
ou dissimular), independente da integração dos bens, direitos e valores ao mercado financeiro com a
aparência de lícito.
ELEMENTO SUBJETIVO – Esse crime somente é punido a título de dolo. Ressalta-se que
poderá ser dolo direto ou eventual, salvo a previsão no Art. 1º, §2º, II. Esse, por sua vez, só poderá ser
punido a título de dolo direto, não admitindo a modalidade culposa.
Exercícios
04. Lavagem de capitais é o ato ou sequência de atos praticados para encobrir a natureza, localiza-
ção ou propriedade de bens, direitos ou valores de origem delituosa, com o objetivo de reintro-
duzir à economia formal com aparência de lícita.
Certo ( ) Errado ( )
05. Em sua origem, a Lei 9.613/98 (Lavagem de Capitais) era considerada de terceira geração.
Certo ( ) Errado ( )
06. Atualmente, em virtude da não existência de um rol taxativo de crimes antecedentes, a Lei
9.613/98 (Lavagem de Capitais) é considerada de terceira geração.
Certo ( ) Errado ( )
07. A ocultação configura como a primeira etapa do processo é a colocação do dinheiro no sistema
econômico. Objetivando ocultar sua origem, o criminoso procura movimentar o dinheiro em
países com regras mais permissivas e naqueles que possuem um sistema financeiro liberal.
Certo ( ) Errado ( )
08. Prevalece na doutrina que o bem jurídico protegido pela Lei de Lavagem de Capitais é a ordem
econômica financeira.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - Certo
02 - Errado
03 - Certo
04 - Errado
05 - Certo

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5