Вы находитесь на странице: 1из 193

ÍNDICE

SME
PREFEITURA DO RIO DE JANEIRO
SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

Professor Adjunto de Educação Infantil

098JN-19
EDITAL Nº 001/2019
ÍNDICE

Língua Portuguesa
1. Compreensão de textos contemporâneos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
1.1 Localização de informações explícitas e implícitas no texto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
1.2 Significado de vocábulos e expressões em função do contexto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
1.3 Uso significativo dos diferentes recursos gramaticais no texto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
1.4 Denotação e conotação – figuras de linguagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
2. Estrutura e formação de palavras; emprego das diferentes classes de palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
2.1 Valor semântico de elementos mórficos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
2.2 Uso e função do artigo, dos pronomes e numerais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
2.3 Valor substantivo, adjetivo e adverbial dos vocábulos portugueses. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
2.4 Emprego de preposições e conjunções que conferem coesão e coerência ao texto escrito. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
3. Relações de sentido entre segmentos do texto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
4. Variação linguística e adequação no uso da língua às situações de comunicação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
5. Ortografia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
5.1 Emprego de letras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
5.2 Acentuação gráfica (conforme o atual Acordo Ortográfico). 6. Flexão verbal – valor semântico de tempos e modos. . . . . . . . . 34
6.1 Correlação entre tempos verbais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
6.2. Concordância verbal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
7. Concordância nominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
8. Regência nominal e verbal – o fenômeno da crase. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
9. Uso e função dos sinais de pontuação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45

Matemática
1. Números reais: Resolução de problemas envolvendo as operações de adição, subtração, multiplicação e divisão. . . . . . . . . . . . 01
2. Divisibilidade: Múltiplos e Divisores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
3. Proporcionalidade: Regra de três simples e porcentagem.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
4.Sistema Legal de Medidas: Medidas de comprimento, área, volume, capacidade, massa e tempo.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
5. Princípio Multiplicativo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
6. Volumes dos principais sólidos geométricos.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
7. Conservação, redução ou ampliação de perímetros e áreas das principais figuras planas usando malhas quadriculadas. Cálculo de
áreas e perímetros.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
8. Relacionar figuras tridimensionais com suas respectivas planificações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
9. Reconhecer arestas, vértices e faces de um sólido geométrico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30

Legislação
BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9394, . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Brasília, 1996. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, capítulo III, seção I, 1988. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Emenda constitucional nº 59 de 11 de novembro de 2009. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA (Lei nº 8.069), Brasília 1990. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a Educação Infantil / Secretaria de Edu-
cação Básica. – Brasília : MEC, SEB, 2010. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
Lei nº 13.005 de 25 de junho de 2014. Plano Nacional de Educação. Meta 1 e respectivas estratégias - Brasília, 2014. . . . . . . . . . . 57
Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular/ Secretaria de Educação Básica. – Brasília :
MEC, . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
SEB. RIO DE JANEIRO. Lei nº 6.362 de 28 de maio de 2018, Meta 1 e respectivas estratégias. RIO DE JANEIRO . . . . . . . . . . . . . . . . . 59

Conhecimentos Específicos de Educação Infantil


1. Práticas e concepções de Educação Infantil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Currículo na Educação Infantil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
3. Espaço e tempo no cotidiano da Educação Infantil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
4. Observação e registro na Educação Infantil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .13
DICA

Como passar em um concurso público?

Todos nós sabemos que é um grande desafio ser aprovado em concurso público, dessa maneira é muito importante o concurseiro
estar focado e determinado em seus estudos e na sua preparação.
É verdade que não existe uma fórmula mágica ou uma regra de como estudar para concursos públicos, é importante cada pessoa
encontrar a melhor maneira para estar otimizando sua preparação.
Algumas dicas podem sempre ajudar a elevar o nível dos estudos, criando uma motivação para estudar. Pensando nisso, a Solução
preparou esse artigo com algumas dicas que irá fazer toda diferença na sua preparação.
Então mãos à obra!

Separamos algumas dicas para lhe ajudar a passar em concurso público!

- Esteja focado em seu objetivo: É de extrema importância você estar focado em seu objetivo, a aprovação no concurso. Você vai
ter que colocar em sua mente que sua prioridade é dedicar-se para a realização de seu sonho.
- Não saia atirando para todos os lados: Procure dar atenção em um concurso de cada vez, a dificuldade é muito maior quando
você tenta focar em vários certames, devido as matérias das diversas áreas serem diferentes. Desta forma, é importante que você
defina uma área se especializando nela. Se for possível realize todos os concursos que saírem que englobe a mesma área.
- Defina um local, dias e horários para estudar: Uma maneira de organizar seus estudos é transformando isso em um hábito, de-
terminado um local, os horários e dias específicos para estar estudando cada disciplina que irá compor o concurso. O local de estudo
não pode ter uma distração com interrupções constantes, é preciso ter concentração total.
- Organização: Como dissemos anteriormente, é preciso evitar qualquer distração, suas horas de estudos são inegociáveis, preci-
sa de dedicação. É praticamente impossível passar em um concurso público se você não for uma pessoa organizada, é importante ter
uma planilha contendo sua rotina diária de atividades definindo o melhor horário de estudo.
- Método de estudo: Um grande aliado para facilitar seus estudos, são os resumos. Isso irá te ajudar na hora da revisão sobre o
assunto estudado, é fundamental que você inicie seus estudos antes mesmo de sair o edital, caso o mesmo ainda não esteja publica-
do, busque editais de concursos anteriores. Busque refazer a provas dos concursos anteriores, isso irá te ajudar na preparação.
- Invista nos materiais: É essencial que você tenha um bom material voltado para concursos públicos, completo e atualizado.
Esses materiais devem trazer toda a teoria do edital de uma forma didática e esquematizada, contendo muito exercícios. Quando
mais exercícios você realizar, melhor será sua preparação para realizar a prova do certame.
- Cuide de sua preparação: Não é só os estudos que é importante na sua preparação, evite perder sono, isso te deixará com uma
menor energia e um cérebro cansado. É preciso que você tenha uma boa noite de sono. Outro fator importante na sua preparação, é
tirar ao menos 1 (um) dia na semana para descanso e lazer, renovando as energias e evitando o estresse.

Se prepare para o concurso público!

O concurseiro preparado não é aquele que passa o dia todo estudando, mas está com a cabeça nas nuvens, e sim aquele que se
planeja pesquisando sobre o concurso de interesse, conferindo editais e provas anteriores, participando de grupos com enquetes so-
bre o mesmo, conversando com pessoas que já foram aprovadas absorvendo as dicas e experiências, analisando a banca examinadora
do certame.
O Plano de Estudos é essencial na otimização dos estudos, ele deve ser simples, com fácil compreensão e personalizado com sua
rotina, vai ser seu triunfo para aprovação, sendo responsável pelo seu crescimento contínuo.
Além do plano de estudos, é importante ter um Plano de Revisão, será ele que irá te ajudar na memorização dos conteúdos estu-
dados até o dia da realização da prova, evitando a correria para fazer uma revisão de última hora próximo ao dia da prova.
Está em dúvida por qual matéria começar a estudar?! Uma dica, comece pela Língua Portuguesa, é a matéria com maior requisi-
ção nos concursos, a base para uma boa interpretação, no qual abrange todas as outras matérias.
DICA

Vida Social!

Sabemos que faz parte algumas abdicações na vida de quem estuda para concursos públicos, sempre que possível é importante
conciliar os estudos com os momentos de lazer e bem-estar. A vida de concurseiro é temporária, quem determina o tempo é você,
através da sua dedicação e empenho. Você terá que fazer um esforço para deixar de lado um pouco a vida social intensa, é importante
compreender que quando for aprovado, verá que todo o esforço valeu a pena para realização do seu sonho.
Uma boa dica, é fazer exercícios físicos, uma simples corrida por exemplo é capaz de melhorar o funcionamento do Sistema Ner-
voso Central, um dos fatores que são chaves para produção de neurônios nas regiões associadas à aprendizagem e memória.

Motivação!

A motivação é a chave do sucesso na vida dos concurseiros. Compreendemos que nem sempre é fácil, e as vezes bate aquele
desânimo com vários fatores ao nosso redor. Porém a maior garra será focar na sua aprovação no concurso público dos seus sonhos.
É absolutamente normal caso você não seja aprovado de primeira, é primordial que você PERSISTA, com o tempo você irá adquirir
conhecimento e experiência.
Então é preciso se motivar diariamente para seguir a busca da aprovação, algumas orientações importantes para conseguir mo-
tivação:
- Procure ler frases motivacionais, são ótimas para lembrar dos seus propósitos;
- Leia sempre os depoimentos dos candidatos aprovados nos concursos públicos;
- Procure estar sempre entrando em contato com os aprovados;
- Escreve o porque que você deseja ser aprovado no concurso, quando você sabe seus motivos, isso te da um ânimo maior para
seguir focado, tornando o processo mais prazeroso;
- Saiba o que realmente te impulsiona, o que te motiva. Dessa maneira será mais fácil vencer as adversidades que irá aparecer.
- Procure imaginar você exercendo a função da vaga pleiteada, sentir a emoção da aprovação e ver as pessoas que você gosta,
felizes com seu sucesso.
Como dissemos no começo, não existe uma fórmula mágica, um método infalível. O que realmente existe é a sua garra, sua
dedicação e motivação para estar realizando o seu grande sonho, de ser aprovado no concurso público. Acredite em você e no seu
potencial.
A Solução tem ajudado há mais de 35 anos quem quer vencer a batalha do concurso público. Se você quer aumentar as suas
chances de passar, conheça os nossos materiais, acessando o nosso site: www.apostilasolucao.com.br
LÍNGUA PORTUGUESA

1. Compreensão de textos contemporâneos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01


1.1 Localização de informações explícitas e implícitas no texto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
1.2 Significado de vocábulos e expressões em função do contexto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
1.3 Uso significativo dos diferentes recursos gramaticais no texto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
1.4 Denotação e conotação – figuras de linguagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
2. Estrutura e formação de palavras; emprego das diferentes classes de palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
2.1 Valor semântico de elementos mórficos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
2.2 Uso e função do artigo, dos pronomes e numerais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
2.3 Valor substantivo, adjetivo e adverbial dos vocábulos portugueses. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
2.4 Emprego de preposições e conjunções que conferem coesão e coerência ao texto escrito. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
3. Relações de sentido entre segmentos do texto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
4. Variação linguística e adequação no uso da língua às situações de comunicação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
5. Ortografia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
5.1 Emprego de letras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
5.2 Acentuação gráfica (conforme o atual Acordo Ortográfico). 6. Flexão verbal – valor semântico de tempos e modos. . . . . . . . . . . . . . 34
6.1 Correlação entre tempos verbais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
6.2. Concordância verbal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
7. Concordância nominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
8. Regência nominal e verbal – o fenômeno da crase. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
9. Uso e função dos sinais de pontuação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
LÍNGUA PORTUGUESA

dade. São as conclusões que podemos tirar com base nas ideias do
1. COMPREENSÃO DE TEXTOS CONTEMPORÂNEOS. autor. Essa análise ocorre de modo subjetivo, e são relacionadas com
a dedução do leitor.
LEITURA, COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS A interpretação de texto é o elemento-chave para o resultado
acadêmico, eficiência na solução de exercícios e mesmo na com-
preensão de situações do dia-a-dia.
Leitura
Além de uma leitura mais atenta e conhecimento prévio sobre
o assunto, o elemento de fundamental importância para interpretar
A leitura é prática de interação social de linguagem. A leitura,
e compreender corretamente um texto é ter o domínio da língua.
como prática social, exige um leitor crítico que seja capaz de mobi- E mesmo dominando a língua é muito importante ter um dicio-
lizar seus conhecimentos prévios, quer linguísticos e textuais, quer nário por perto. Isso porque ninguém conhece o significado de todas
de mundo, para preencher os vazios do texto, construindo novos as palavras e é muito difícil interpretar um texto desconhecendo cer-
significados. Esse leitor parte do já sabido/conhecido, mas, supe- tos termos.
rando esse limite, incorpora, de forma reflexiva, novos significados
a seu universo de conhecimento para melhor entender a realidade Dicas para uma boa interpretação de texto:
em que vive.
- Leia todo o texto pausadamente
Compreensão - Releia o texto e marque todas as palavras que não sabe o sig-
nificado
A compreensão de um texto é a análise e decodificação do - Veja o significado de cada uma delas no dicionário e anote
que está realmente escrito nele, das frases e ideias ali presentes. A - Separe os parágrafos do texto e releia um a um fazendo o seu
compreensão de texto significa decodificá-lo para entender o que resumo
foi dito. É a análise objetiva e a assimilação das palavras e ideias - Elabore uma pergunta para cada parágrafo e responda
presentes no texto. - Questione a forma usada para escrever
Para ler e entender um texto é necessário obter dois níveis de - Faça um novo texto com as suas palavras, mas siga as ideias
leitura: informativa e de reconhecimento. do autor.
Um texto para ser compreendido deve apresentar ideias sele-
tas e organizadas, através dos parágrafos que é composto pela ideia Lembre-se que para saber compreender e interpretar muito
central, argumentação/desenvolvimento e a conclusão do texto. bem qualquer tipo de texto, é essencial que se leia muito. Quanto
Quando se diz que uma pessoa tem a compreensão de algo, mais se lê, mais facilidade de interpretar se tem. E isso é fundamen-
significa que é dotada do perfeito domínio intelectual sobre o as- tal em qualquer coisa que se faça, desde um concurso, vestibular,
sunto. até a leitura de um anúncio na rua.
Para que haja a compreensão de algo, como um texto, por Resumindo:
exemplo, é necessária a sua interpretação. Para isso, o indivíduo
deve ser capaz de desvendar o significado das construções textuais, Compreensão Interpretação
com o intuito de compreender o sentido do contexto de uma frase.
Assim, quando não há uma correta interpretação da mensagem, O que é É a análise do que É o que podemos con-
consequentemente não há a correta compreensão da mesma. está escrito no texto, a cluir sobre o que está
compreensão das fra- escrito no texto. É o
Interpretação ses e ideias presentes. modo como interpre-
tamos o conteúdo.
Interpretar é a ação ou efeito que estabelece uma relação de Informação A informação está pre- A informação está fora
percepção da mensagem que se quer transmitir, seja ela simultânea sente no texto. do texto, mas tem co-
ou consecutiva, entre duas pessoas ou entidades. nexão com ele.
A importância dada às questões de interpretação de textos de-
ve-se ao caráter interdisciplinar, o que equivale dizer que a compe- Análise Trabalha com a objeti- Trabalha com a sub-
tência de ler texto interfere decididamente no aprendizado em geral, vidadem, com as frases jetividade, com o que
já que boa parte do conhecimento mais importante nos chega por e palavras que estão você entendeu sobre
meio da linguagem escrita. A maior herança que a escola pode legar escritas no texto. o texto.
aos seus alunos é a competência de ler com autonomia, isto é, de
extrair de um texto os seus significados. QUESTÕES
Num texto, cada uma das partes está combinada com as outras,
criando um todo que não é mero resultado da soma das partes, mas 01. SP Parcerias - Analista Técnic - 2018 - FCC
da sua articulação. Assim, a apreensão do significado global resulta
de várias leituras acompanhadas de várias hipóteses interpretativas, Uma compreensão da História
levantadas a partir da compreensão de dados e informações inscritos
no texto lido e do nosso conhecimento do mundo. Eu entendo a História num sentido sincrônico, isto é, em que
A interpretação do texto é o que podemos concluir sobre ele, tudo acontece simultaneamente. Por conseguinte, o que procura
depois de estabelecer conexões entre o que está escrito e a reali- o romancista - ao menos é o que eu tento fazer - é esboçar um

1
LÍNGUA PORTUGUESA

sentido para todo esse caos de fatos gravados na tela do tempo. IV. A navegação na internet, como algo controlado, na visão
Sei que esses fatos se deram em tempos distintos, mas procuro do jornalista, está longe de se concretizar através das leis a serem
encontrar um fio comum entre eles. Não se trata de escapar do votadas no Congresso Nacional.
presente. Para mim, tudo o que aconteceu está a acontecer. E isto V. Combater os crimes da internet com a censura, para o jor-
não é novo, já o afirmava o pensador italiano Benedetto Croce, ao nalista, está longe de ser uma estratégia correta, sendo mesmo
escrever: “Toda a História é História contemporânea”. Se tivesse perversa e manipuladora.
que escolher um sinal que marcasse meu norte de vida, seria essa
frase de Croce. Assinale a opção que contém todas as alternativas corretas.
(SARAMAGO, José. As palavras de Saramago. São Paulo: Companhia A) I, II, III.
das Letras, 2010, p. 256) B) II, III, IV.
C) II, III, V.
José Saramago entende que sua função como romancista é D) II, IV, V.
A) estudar e imaginar a História em seus movimentos sincrô-
03. Pref. de São Gonçalo – RJ – Analista de Contabilidade –
nicos predominantes.
2017 - BIO-RIO
B) ignorar a distinção entre os tempos históricos para mantê-
-los vivos em seu passado. Édipo-rei
C) buscar traçar uma linha contínua de sentido entre fatos
dispersos em tempos distintos. Diante do palácio de Édipo. Um grupo de crianças está ajoe-
D) fazer predominar o sentido do tempo em que se vive sobre lhado nos degraus da entrada. Cada um tem na mão um ramo de
o tempo em que se viveu. oliveira. De pé, no meio delas, está o sacerdote de Zeus.
E) expressar as diferenças entre os tempos históricos de (Edipo-Rei, Sófocles, RS: L&PM, 2013)
modo a valorizá-las em si mesmas.
O texto é a parte introdutória de uma das maiores peças trá-
02. Pref. de Chapecó – SC – Engenheiro de Trânsito – 2016 - IOBV gicas do teatro grego e exemplifica o modo descritivo de organi-
zação discursiva. O elemento abaixo que NÃO está presente nessa
Por Jonas Valente*, especial para este blog. descrição é:
A) a localização da cena descrita.
A Comissão Parlamentar de Inquérito sobre Crimes Ciberné- B) a identificação dos personagens presentes.
ticos da Câmara dos Deputados divulgou seu relatório final. Nele, C) a distribuição espacial dos personagens.
apresenta proposta de diversos projetos de lei com a justificativa D) o processo descritivo das partes para o todo.
de combater delitos na rede. Mas o conteúdo dessas proposições E) a descrição de base visual.
é explosivo e pode mudar a Internet como a conhecemos hoje no 04. MPE-RJ – Analista do Ministério Público - Processual –
Brasil, criando um ambiente de censura na web, ampliando a re- 2016 - FGV
pressão ao acesso a filmes, séries e outros conteúdos não oficiais,
retirando direitos dos internautas e transformando redes sociais Problemas Sociais Urbanos
e outros aplicativos em máquinas de vigilância. Brasil escola
Não é de hoje que o discurso da segurança na Internet é usa-
do para tentar atacar o caráter livre, plural e diverso da Internet. Dentre os problemas sociais urbanos, merece destaque a
Como há dificuldades de se apurar crimes na rede, as soluções questão da segregação urbana, fruto da concentração de renda
buscam criminalizar o máximo possível e transformar a navegação no espaço das cidades e da falta de planejamento público que vise
em algo controlado, violando o princípio da presunção da inocên- à promoção de políticas de controle ao crescimento desordenado
cia previsto na Constituição Federal. No caso dos crimes contra a das cidades. A especulação imobiliária favorece o encarecimen-
honra, a solução adotada pode ter um impacto trágico para o de- to dos locais mais próximos dos grandes centros, tornando-os
bate democrático nas redes sociais – atualmente tão importante inacessíveis à grande massa populacional. Além disso, à medida
quanto aquele realizado nas ruas e outros locais da vida off line. que as cidades crescem, áreas que antes eram baratas e de fácil
Além disso, as propostas mutilam o Marco Civil da Internet, lei
acesso tornam-se mais caras, o que contribui para que a grande
aprovada depois de amplo debate na sociedade e que é referên-
maioria da população pobre busque por moradias em regiões ain-
cia internacional.
da mais distantes.
(*BLOG DO SAKAMOTO, L. 04/04/2016)
Essas pessoas sofrem com as grandes distâncias dos locais
Após a leitura atenta do texto, analise as afirmações feitas: de residência com os centros comerciais e os locais onde traba-
I. O jornalista Jonas Valente está fazendo um elogio à visão lham, uma vez que a esmagadora maioria dos habitantes que so-
equilibrada e vanguardista da Comissão Parlamentar que legisla frem com esse processo são trabalhadores com baixos salários.
sobre crimes cibernéticos na Câmara dos Deputados. Incluem-se a isso as precárias condições de transporte público e a
II. O Marco Civil da Internet é considerado um avanço em to- péssima infraestrutura dessas zonas segregadas, que às vezes não
dos os sentidos, e a referida Comissão Parlamentar está querendo contam com saneamento básico ou asfalto e apresentam eleva-
cercear o direito à plena execução deste marco. dos índices de violência.
III. Há o temor que o acesso a filmes, séries, informações em A especulação imobiliária também acentua um problema
geral e o livre modo de se expressar venham a sofrer censura com cada vez maior no espaço das grandes, médias e até pequenas
a nova lei que pode ser aprovada na Câmara dos Deputados. cidades: a questão dos lotes vagos. Esse problema acontece por

2
LÍNGUA PORTUGUESA

dois principais motivos: 1) falta de poder aquisitivo da população caminhem para uma rápida extinção. Dando algum desconto para
que possui terrenos, mas que não possui condições de construir as previsões, “The Patient...” é uma excelente leitura para os inte-
neles e 2) a espera pela valorização dos lotes para que esses se ressados nas transformações da medicina.
tornem mais caros para uma venda posterior. Esses lotes vagos Folha de São Paulo online – Coluna Hélio Schwartsman – 17/01/2016.
geralmente apresentam problemas como o acúmulo de lixo, mato
alto, e acabam tornando-se focos de doenças, como a dengue. Segundo o autor citado no texto, o futuro da medicina:
PENA, Rodolfo F. Alves. “Problemas socioambientais urbanos”; Brasil A) encontra-se ameaçado pela alta tecnologia;
Escola. Disponível em http://brasilescola.uol.com.br/brasil/problemas-am- B) deverá contar com o apoio positivo da tecnologia;
bientais-sociais-decorrentes-urbanização.htm. Acesso em 14 de abril de 2016. C) levará à extinção da profissão de médico;
D) independerá completamente dos médicos;
A estruturação do texto é feita do seguinte modo: E) estará limitado aos meios eletrônicos.
A) uma introdução definidora dos problemas sociais urbanos
e um desenvolvimento com destaque de alguns problemas; RESPOSTAS
B) uma abordagem direta dos problemas com seleção e expli-
cação de um deles, visto como o mais importante; 01 C
C) uma apresentação de caráter histórico seguida da explici-
tação de alguns problemas ligados às grandes cidades; 02 C
D) uma referência imediata a um dos problemas sociais ur- 03 D
banos, sua explicitação, seguida da citação de um segundo pro-
04 B
blema;
E) um destaque de um dos problemas urbanos, seguido de 05 B
sua explicação histórica, motivo de crítica às atuais autoridades.

05. MPE-RJ – Técnico do Ministério Público - Administrativa 1.1 LOCALIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES EXPLÍCITAS E
– 2016 - FGV IMPLÍCITAS NO TEXTO.

O futuro da medicina

O avanço da tecnologia afetou as bases de boa parte das pro-


fissões. As vítimas se contam às dezenas e incluem músicos, jor- Texto:
nalistas, carteiros etc. Um ofício relativamente poupado até aqui
“Neto ainda está longe de se igualar a qualquer um des-
é o de médico. Até aqui. A crer no médico e “geek” Eric Topol, au-
ses craques (Rivelino, Ademir da Guia, Pedro Rocha e Pelé),
tor de “The Patient Will See You Now” (o paciente vai vê-lo agora),
mas ainda tem um longo caminho a trilhar (...).”
está no forno uma revolução da qual os médicos não escaparão,
Veja São Paulo, 26/12/1990, p. 15.
mas que terá impactos positivos para os pacientes.
Para Topol, o futuro está nos smartphones. O autor nos colo- Esse texto diz explicitamente que:
ca a par de incríveis tecnologias, já disponíveis ou muito próximas - Rivelino, Ademir da Guia, Pedro Rocha e Pelé são cra-
disso, que terão grande impacto sobre a medicina. Já é possível, ques;
por exemplo, fotografar pintas suspeitas e enviar as imagens a um - Neto não tem o mesmo nível desses craques;
algoritmo que as analisa e diz com mais precisão do que um der- - Neto tem muito tempo de carreira pela frente.
matologista se a mancha é inofensiva ou se pode ser um câncer, o O texto deixa implícito que:
que exige medidas adicionais. - Existe a possibilidade de Neto um dia aproximar-se dos
Está para chegar ao mercado um apetrecho que transforma o craques citados;
celular num verdadeiro laboratório de análises clínicas, realizan- - Esses craques são referência de alto nível em sua espe-
do mais de 50 exames a uma fração do custo atual. Também é cialidade esportiva;
possível, adquirindo lentes que custam centavos, transformar o - Há uma oposição entre Neto e esses craques no que diz
smartphone num supermicroscópio que permite fazer diagnósti- respeito ao tempo disponível para evoluir.
cos ainda mais sofisticados.
Tudo isso aliado à democratização do conhecimento, diz To- Todos os textos transmitem explicitamente certas infor-
pol, fará com que as pessoas administrem mais sua própria saú- mações, enquanto deixam outras implícitas. Por exemplo, o
texto acima não explicita que existe a possibilidade de Neto
de, recorrendo ao médico em menor número de ocasiões e de
se equiparar aos quatro futebolistas, mas a inclusão do ad-
preferência por via eletrônica. É o momento, assegura o autor,
vérbio ainda estabelece esse implícito. Não diz também com
de ampliar a autonomia do paciente e abandonar o paternalismo explicitude que há oposição entre Neto e os outros jogado-
que desde Hipócrates assombra a medicina. res, sob o ponto de vista de contar com tempo para evoluir.
Concordando com as linhas gerais do pensamento de Topol, A escolha do conector “mas” entre a segunda e a primeira
mas acho que, como todo entusiasta da tecnologia, ele provavel- oração só é possível levando em conta esse dado implícito.
mente exagera. Acho improvável, por exemplo, que os hospitais Como se vê, há mais significados num texto do que aqueles

3
LÍNGUA PORTUGUESA

que aparecem explícitos na sua superfície. Leitura proficiente “Mas quem disse que é certa a mudança do curso do rio?”
é aquela capaz de depreender tanto um tipo de significado
quanto o outro, o que, em outras palavras, significa ler nas A aceitação do pressuposto estabelecido pelo emissor
entrelinhas. Sem essa habilidade, o leitor passará por cima de permite levar adiante o debate; sua negação compromete o
significados importantes ou, o que é bem pior, concordará diálogo, uma vez que destrói a base sobre a qual se constrói
com ideias e pontos de vista que rejeitaria se os percebesse. a argumentação, e daí nenhum argumento tem mais impor-
Os significados implícitos costumam ser classificados em tância ou razão de ser. Com pressupostos distintos, o diálo-
duas categorias: os pressupostos e os subentendidos. go não é possível ou não tem sentido.
A mesma pergunta, feita para pessoas diferentes, pode
Pressupostos: são ideias implícitas que estão implicadas ser embaraçosa ou não, dependendo do que está pressu-
logicamente no sentido de certas palavras ou expressões ex- posto em cada situação. Para alguém que não faz segredo
plicitadas na superfície da frase. Exemplo: sobre a mudança de emprego, não causa o menor embaraço
uma pergunta como esta:
“André tornou-se um antitabagista convicto.”
“Como vai você no seu novo emprego?”
A informação explícita é que hoje André é um antitaba-
gista convicto. Do sentido do verbo tornar-se, que significa O efeito da mesma pergunta seria catastrófico se ela se
“vir a ser”, decorre logicamente que antes André não era an- dirigisse a uma pessoa que conseguiu um segundo emprego
titabagista convicto. Essa informação está pressuposta. Nin- e quer manter sigilo até decidir se abandona o anterior. O
guém se torna algo que já era antes. Seria muito estranho adjetivo novo estabelece o pressuposto de que o interroga-
dizer que a palmeira tornou-se um vegetal. do tem um emprego diferente do anterior.
“Eu ainda não conheço a Europa.” Marcadores de Pressupostos
A informação explícita é que o enunciador não tem co-
nhecimento do continente europeu. O advérbio ainda deixa
- Adjetivos ou palavras similares modificadoras do subs-
pressuposta a possibilidade de ele um dia conhecê-la.
tantivo
As informações explícitas podem ser questionadas pelo
Julinha foi minha primeira filha.
receptor, que pode ou não concordar com elas. Os pressu-
“Primeira” pressupõe que tenho outras filhas e que as
postos, porém, devem ser verdadeiros ou, pelo menos, admi-
outras nasceram depois de Julinha.
tidos como tais, porque esta é uma condição para garantir a
Destruíram a outra igreja do povoado.
continuidade do diálogo e também para fornecer fundamen-
to às afirmações explícitas. Isso significa que, se o pressupos- “Outra” pressupõe a existência de pelo menos uma igre-
to é falso, a informação explícita não tem cabimento. Assim, ja além da usada como referência.
por exemplo, se Maria não falta nunca a aula nenhuma, não
tem o menor sentido dizer “Até Maria compareceu à aula de - Certos verbos
hoje”. Até estabelece o pressuposto da inclusão de um ele-
mento inesperado. Renato continua doente.
Na leitura, é muito importante detectar os pressupostos, O verbo “continua” indica que Renato já estava doente
pois eles são um recurso argumentativo que visa a levar o no momento anterior ao presente.
receptor a aceitar a orientação argumentativa do emissor. Ao
introduzir uma ideia sob a forma de pressuposto, o enun- Nossos dicionários já aportuguesaram a palavrea co-
ciador pretende transformar seu interlocutor em cúmplice, pydesk.
pois a ideia implícita não é posta em discussão, e todos os O verbo “aportuguesar” estabelece o pressuposto de
argumentos explícitos só contribuem para confirmála. O que copidesque não existia em português.
pressusposto aprisiona o receptor no sistema de pensamen-
to montado pelo enunciador. - Certos advérbios
A demonstração disso pode ser feita com as “verdades
incontestáveis” que estão na base de muitos discursos polí- A produção automobilística brasileira está totalmente nas
ticos, como o que segue: mãos das multinacionais.
O advérbio totalmente pressupõe que não há no Brasil
“Quando o curso do rio São Francisco for mudado, será indústria automobilística nacional.
resolvido o problema da seca no Nordeste.”
O enunciador estabelece o pressuposto de que é certa - Você conferiu o resultado da loteria?
a mudança do curso do São Francisco e, por consequência, - Hoje não.
a solução do problema da seca no Nordeste. O diálogo não A negação precedida de um advérbio de tempo de âm-
teria continuidade se um interlocutor não admitisse ou co- bito limitado estabelece o pressuposto de que apenas nesse
locasse sob suspeita essa certeza. Em outros termos, haveria intervalo (hoje) é que o interrogado não praticou o ato de
quebra da continuidade do diálogo se alguém interviesse conferir o resultado da loteria.
com uma pergunta deste tipo: - Orações adjetivas

4
LÍNGUA PORTUGUESA

Os basileiros, que não se importam com a coletividade, só


se preocupam com seu bemestar e, por isso, jogam lixo na rua, 1.2 SIGNIFICADO DE VOCÁBULOS E EXPRESSÕES EM
fecham os cruzamentos, etc. FUNÇÃO DO CONTEXTO. 1.3 USO SIGNIFICATIVO DOS
O pressuposto é que “todos” os brasileiros não se im- DIFERENTES RECURSOS GRAMATICAIS NO TEXTO.
portam com a coletividade. 1.4 DENOTAÇÃO E CONOTAÇÃO – FIGURAS DE
LINGUAGEM.
Os brasileiros que não se importam com a coletividade só
se preocupam com seu bemestar e, por isso, jogam lixo na rua, SIGNIFICAÇÃO DAS PALAVRAS
fecham os cruzamentos, etc.
Nesse caso, o pressuposto é outro: “alguns” brasileiros A Significação das palavras é estudada pela semântica, que
não se importam com a coletividade. estuda o sentido das palavras e as relações de sentido que as pa-
lavras estabelecem entre si.
No primeiro caso, a oração é explicativa; no segundo, é
restritiva. As explicativas pressupõem que o que elas expres- Sinônimos e antônimos
sam se refere à totalidade dos elementos de um conjunto;
as restritivas, que o que elas dizem concerne apenas a parte Sinônimos: palavras de sentido igual ou parecido.
dos elementos de um conjunto. O produtor do texto escre- Ex.: necessário, essencial, fundamental, obrigatório
verá uma restritiva ou uma explicativa segundo o pressupos-
to que quiser comunicar. Geralmente é indiferente usar um sinônimo ou outro. O fato
linguístico de existirem sinônimos chama-se sinonímia, palavra
Subentendidos: são insinuações contidas em uma frase que também designa o emprego de sinônimos.
ou um grupo de frases. Suponhamos que uma pessoa esti-
vesse em visita à casa de outra num dia de frio glacial e que Antônimos: palavras de sentido oposto.
uma janela, por onde entravam rajadas de vento, estivesse Ex.: dedicado: desinteressado, desapegado, relapso.
aberta. Se o visitante dissesse “Que frio terrível”, poderia es- Pontual: atrasado, retardado, irresponsável.
tar insinuando que a janela deveria ser fechada.
Há uma diferença capital entre o pressuposto e o suben- A antonímia pode ser originada por um prefixo de sentido
tendido. O primeiro é uma informação estabelecida como oposto ou negativo. Ex.: simpático/antipático, progredir/regredir,
indiscutível tanto para o emissor quanto para o receptor, ativo/inativo, esperar/desesperar, simétrico/assimétrico.
uma vez que decorre necessariamente do sentido de algum
elemento linguístico colocado na frase. Ele pode ser nega- Homônimos
do, mas o emissor coloca o implicitamente para que não o
seja. Já o subentendido é de responsabilidade do receptor. Se refere à capacidade de as palavras serem homônimas
O emissor pode esconder-se atrás do sentido literal das pa- (som igual, escrita igual, significado diferente), homófonas (som
lavras e negar que tenha dito o que o receptor depreendeu igual, escrita diferente, significado diferente) ou homógrafas (som
de suas palavras. Assim, no exemplo dado acima, se o dono diferente, escrita igual, significado diferente).
da casa disser que é muito pouco higiênico fechar todas as O contexto é quem vai determinar a significação dos homôni-
janelas, o visitante pode dizer que também acha e que ape- mos. Ela pode ser causa de ambiguidade, por isso é considerada
nas constatou a intensidade do frio. uma deficiência dos idiomas.
O subentendido serve, muitas vezes, para o emissor pro-
tegerse, para transmitir a informação que deseja dar a co- Homônimos
nhecer sem se comprometer. Imaginemos, por exemplo, que rio (curso de água) e rio (verbo rir);
um funcionário recémpromovido numa empresa ouvisse de caminho (itinerário) e caminho (verbo caminhar).
um colega o seguinte:
Homófonos
“Competência e mérito continuam não valendo nada cem (número) e sem (indica falta)
como critério de promoção nesta empresa...” senso (sentido) e censo (levantamento estatístico)
Esse comentário talvez suscitasse esta suspeita: Homógrafos
colher (talher) e colher (apanhar);
“Você está querendo dizer que eu não merecia a promo- acerto (correção) e acerto (verbo acertar);
ção?”
Parônimos
Ora, o funcionário preterido, tendo recorrido a um su-
bentendido, poderia responder:
Se refere a palavras que são escritas e pronunciadas de forma
parecida, mas que apresentam significados diferentes.
“Absolutamente! Estou falando em termos gerais.”
infligir (aplicar) e infringir (transgredir),
sede (vontade de beber) e cede (verbo ceder),

5
LÍNGUA PORTUGUESA

deferir (conceder, dar deferimento) e diferir (ser diferente, di- Nem um rosto viril, nem um braço capaz de suspender uma
vergir, adiar), arma, nem um peito resfolegante de campeador domado: mu-
ratificar (confirmar) e retificar (tornar reto, corrigir), lheres, sem-número de mulheres, velhas espectrais, moças enve-
vultoso (volumoso, muito grande: soma vultosa) e vultuoso lhecidas, velhas e moças indistintas na mesma fealdade, escavei-
(congestionado: rosto vultuoso). radas e sujas, filhos escanchados nos quadris desnalgados, filhos
encarapitados às costas, filhos suspensos aos peitos murchos, fi-
Polissemia lhos arrastados pelos braços, passando; crianças, sem-número de
crianças; velhos, sem-número de velhos; raros homens, enfermos
Polissemia indica a capacidade de uma palavra apresentar opilados, faces túmidas e mortas, de cera, bustos dobrados, andar
uma multiplicidade de significados, conforme o contexto em que cambaleante.
ocorre. Uma palavra pode ter mais de uma significação. Ex.: (CUNHA, Euclides da. Os sertões: campanha de Canudos. Edição Espe-
Mangueira: tubo de borracha ou plástico para regar as plan- cial. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1980.)
tas ou apagar incêndios; árvore frutífera; grande curral de gado.
Pena: pluma; peça de metal para escrever; punição; dó. Em qual das alternativas abaixo NÃO há um par de sinôni-
mos?
Denotação e conotação A) Armistício – destruição
B) Claudicante – manco
Denotação indica a capacidade de as palavras apresentarem C) Reveses – infortúnios
um sentido literal (próprio) e objetivo. A conotação indica a capa- D) Fealdade – feiura
cidade de as palavras apresentarem um sentido figurado e sim- E) Opilados – desnutridos
bólico.
02. Pref. de Cruzeiro/SP – Instrutor de Desenho Técnico e
Exemplos com sentido denotativo: Mecânico – 2016 - Instituto Excelência
As águas pingavam da torneira, (sentido próprio). Assinale a alternativa em que as palavras podem servir de
As horas iam pingando lentamente, (sentido figurado). exemplos de parônimos:
A) Cavaleiro (Homem a cavalo) – Cavalheiro (Homem gentil).
Exemplos com sentido conotativo: B) São (sadio) – São (Forma reduzida de Santo).
Comprei uma correntinha de ouro. C) Acento (sinal gráfico) – Assento (superfície onde se senta).
Fulano nadava em ouro. D) Nenhuma das alternativas.

Hiperonímia e hiponímia 03. TJ/MT – Analista Judiciário – Ciências Contábeis – 2017


- UFMT
Hiperonímia e a hiponímia indicam a capacidade das palavras Na língua portuguesa, há muitas palavras parecidas, seja no
estabelecerem relações hierárquicas de significado. Um hiperôni- modo de falar ou no de escrever. A palavra sessão, por exemplo,
mo, palavra superior com um sentido mais abrangente, engloba assemelha-se às palavras cessão e seção, mas cada uma apresen-
um hipônimo, palavra inferior com sentido mais restrito. ta sentido diferente. Esse caso, mesmo som, grafias diferentes,
denomina-se homônimo homófono. Assinale a alternativa em
Fruta é hiperônimo de banana. que todas as palavras se encontram nesse caso.
Banana é hipônimo de fruta. A) taxa, cesta, assento
B) conserto, pleito, ótico
QUESTÕES C) cheque, descrição, manga
D) serrar, ratificar, emergir
12. Pref. de Itaquitinga/PE – Psicólogo – 2016 - IDHTEC
A entrada dos prisioneiros foi comovedora (...) Os comba- 04. TJ/MT – Analista Judiciário – Direito – 2017 - UFMT
tentes contemplavam-nos entristecidos. Surpreendiam-se; co-
moviam-se. O arraial, in extremis, punhalhes adiante, naquele A fuga dos rinocerontes
armistício transitório, uma legião desarmada, mutilada faminta Espécie ameaçada de extinção escapa dos caçadores da
e claudicante, num assalto mais duro que o das trincheiras em maneira mais radical possível – pelo céu.
fogo. Custava-lhes admitir que toda aquela gente inútil e frágil
saísse tão numerosa ainda dos casebres bombardeados durante Os rinocerontes-negros estão entre os bichos mais visados
três meses. Contemplando-lhes os rostos baços, os arcabouços da África, pois sua espécie é uma das preferidas pelo turismo de
esmirrados e sujos, cujos molambos em tiras não encobriam la- caça. Para tentar salvar alguns dos 4.500 espécimes que ainda res-
nhos, escaras e escalavros – a vitória tão longamente apetecida tam na natureza, duas ONG ambientais apelaram para uma solu-
decaía de súbito. Repugnava aquele triunfo. Envergonhava. Era, ção extrema: transportar os rinocerontes de helicóptero. A ação
com efeito, contraproducente compensação a tão luxuosos gastos utilizou helicópteros militares para remover 19 espécimes – com
de combates, de reveses e de milhares de vidas, o apresamento 1,4 toneladas cada um – de seu habitat original, na província de
daquela caqueirada humana – do mesmo passo angulhenta e si- Cabo Oriental, no sudeste da África do Sul, e transferi-los para a
nistra, entre trágica e imunda, passando-lhes pelos olhos, num província de Lampopo, no norte do país, a 1.500 quilômetros de
longo enxurro de carcaças e molambos... distância, onde viverão longe dos caçadores. Como o trajeto tem
áreas inacessíveis de carro, os rinocerontes tiveram de voar por

6
LÍNGUA PORTUGUESA

24 quilômetros. Sedados e de olhos vendados (para evitar sustos D) Reclusa desde que seu cachorrinho morreu, Filomena fi-
caso acordassem), os rinocerontes foram içados pelos tornozelos nalmente saiu de casa ontem.
e voaram entre 10 e 20 minutos. Parece meio brutal? Os respon- E) Minha amiga é tão agitada! A bateria dela nunca acaba!
sáveis pela operação dizem que, além de mais eficiente para levar
os paquidermes a locais de difícil acesso, o procedimento é mais RESPOSTAS
gentil.
(BADÔ, F. A fuga dos rinocerontes. Superinteressante, nº 229, 2011.)
01 A
A palavra radical pode ser empregada com várias acepções, 02 A
por isso denomina-se polissêmica. Assinale o sentido dicionariza-
do que é mais adequado no contexto acima. 03 A
A) Que existe intrinsecamente num indivíduo ou coisa. 04 C
B) Brusco; violento; difícil.
C) Que não é tradicional, comum ou usual. 05 E
D) Que exige destreza, perícia ou coragem. 06 D

05. UNESP – Assistente Administrativo I – 016 - VUNESP/2016 FIGURAS DE LINGUAGEM


O gavião
As figuras de linguagem são recursos especiais usados por
Gente olhando para o céu: não é mais disco voador. Disco quem fala ou escreve, para dar à expressão mais força, intensi-
voador perdeu o cartaz com tanto satélite beirando o sol e a lua. dade e beleza.
Olhamos todos para o céu em busca de algo mais sensacional e São três tipos:
comovente – o gavião malvado, que mata pombas. Figuras de Palavras (tropos);
O centro da cidade do Rio de Janeiro retorna assim à contem- Figuras de Construção (de sintaxe);
plação de um drama bem antigo, e há o partido das pombas e o Figuras de Pensamento.
partido do gavião. Os pombistas ou pombeiros (qualquer palavra
é melhor que “columbófilo”) querem matar o gavião. Os amigos Figuras de Palavra
deste dizem que ele não é malvado tal; na verdade come a sua
pombinha com a mesma inocência com que a pomba come seu É a substituição de uma palavra por outra, isto é, no emprego
grão de milho. figurado, simbólico, seja por uma relação muito próxima (conti-
Não tomarei partido; admiro a túrgida inocência das pombas guidade), seja por uma associação, uma comparação, uma simila-
e também o lance magnífico em que o gavião se despenca sobre ridade. São as seguintes as figuras de palavras:
uma delas. Comer pombas é, como diria Saint-Exupéry, “a verda-
de do gavião”, mas matar um gavião no ar com um belo tiro pode Metáfora: consiste em utilizar uma palavra ou uma expres-
também ser a verdade do caçador. são em lugar de outra, sem que haja uma relação real, mas em
Que o gavião mate a pomba e o homem mate alegremente o virtude da circunstância de que o nosso espírito as associa e de-
gavião; ao homem, se não houver outro bicho que o mate, pode preende entre elas certas semelhanças. Observe o exemplo:
lhe suceder que ele encontre seu gavião em outro homem.
(Rubem Braga. Ai de ti, Copacabana, 1999. Adaptado) “Meu pensamento é um rio subterrâneo.” (Fernando Pessoa)

O termo gavião, destacado em sua última ocorrência no tex- Nesse caso, a metáfora é possível na medida em que o poeta
to – … pode lhe suceder que ele encontre seu gavião em outro estabelece relações de semelhança entre um rio subterrâneo e
homem. –, é empregado com sentido seu pensamento.
A) próprio, equivalendo a inspiração.
B) próprio, equivalendo a conquistador. Comparação: é a comparação entre dois elementos comuns;
C) figurado, equivalendo a ave de rapina. semelhantes. Normalmente se emprega uma conjunção compa-
D) figurado, equivalendo a alimento. rativa: como, tal qual, assim como.
E) figurado, equivalendo a predador.
“Sejamos simples e calmos
Como os regatos e as árvores”
06. Pref. de Florianópolis/SC – Auxiliar de Sala – 2017 - FE- Fernando Pessoa
PESE
O termo (ou expressão) em destaque, que está empregado Metonímia: consiste em empregar um termo no lugar de ou-
em seu sentido próprio, denotativo, ocorre em: tro, havendo entre ambos estreita afinidade ou relação de senti-
A) Estou morta de cansada. do. Observe os exemplos abaixo:
B) Aquela mulher fala mal de todos na vizinhança! É uma co-
bra. - autor ou criador pela obra. Exemplo: Gosto de ler Machado
C) Todo cuidado é pouco. As paredes têm ouvidos. de Assis. (Gosto de ler a obra literária de Machado de Assis.)

7
LÍNGUA PORTUGUESA

- efeito pela causa e vice-versa. Exemplo: Vivo do meu tra- Figuras de Construção
balho. (o trabalho é causa e está no lugar do efeito ou resultado).
Ocorrem quando desejamos atribuir maior expressividade ao
- continente pelo conteúdo. Exemplo: Ela comeu uma caixa significado. Assim, a lógica da frase é substituída pela maior expres-
de bombons. (a palavra caixa, que designa o continente ou aquilo sividade que se dá ao sentido. São as mais importantes figuras de
que contém, está sendo usada no lugar da palavra bombons). construção:
- abstrato pelo concreto e vice-versa. Exemplos: A gravidez Elipse: consiste na omissão de um termo da frase, o qual, no
deve ser tranquila. (o abstrato gravidez está no lugar do concreto,
entanto, pode ser facilmente identificado. Exemplo: No fim da co-
ou seja, mulheres grávidas).
memoração, sobre as mesas, copos e garrafas vazias. (Omissão do
- instrumento pela pessoa que o utiliza. Exemplo: Os micro- verbo haver: No fim da festa comemoração, sobre as mesas, copos
fones foram atrás dos jogadores. (Os repórteres foram atrás dos e garrafas vazias).
jogadores.)
Pleonasmo: consiste no emprego de palavras redundantes
- lugar pelo produto. Exemplo: Fumei um saboroso havana. para reforçar uma ideia. Exemplo: Ele vive uma vida feliz.
(Fumei um saboroso charuto.). Deve-se evitar os pleonasmos viciosos, que não têm valor de
reforço, sendo antes fruto do desconhecimento do sentido das pa-
- símbolo ou sinal pela coisa significada. Exemplo: Não te lavras, como por exemplo, as construções “subir para cima”, “entrar
afastes da cruz. (Não te afastes da religião.). para dentro”, etc.

- a parte pelo todo. Exemplo: Não há teto para os desabriga- Polissíndeto: repetição enfática do conectivo, geralmente o
dos. (a parte teto está no lugar do todo, “o lar”). “e”. Exemplo: Felizes, eles riam, e cantavam, e pulavam, e dança-
vam.
- indivíduo pela classe ou espécie. Exemplo: O homem foi à Inversão ou Hipérbato: alterar a ordem normal dos termos
Lua. (Alguns astronautas foram à Lua.). ou orações com o fim de lhes dar destaque:
- singular pelo plural. Exemplo: A mulher foi chamada para ir às “Justo ela diz que é, mas eu não acho não.” (Carlos Drum-
ruas. (Todas as mulheres foram chamadas, não apenas uma) mond de Andrade)
“Por que brigavam no meu interior esses entes de sonho não
- gênero ou a qualidade pela espécie. Exemplo: Os mortais so- sei.” (Graciliano Ramos)
frem nesse mundo. (Os homens sofrem nesse mundo.)
Observação: o termo deseja realçar é colocado, em geral, no
início da frase.
- matéria pelo objeto. Exemplo: Ela não tem um níquel. (a ma-
téria níquel é usada no lugar da coisa fabricada, que é “moeda”).
Anacoluto: quebra da estrutura sintática da oração. O tipo
Atenção: Os últimos 5 exemplos podem receber também o mais comum é aquele em que um termo parece que vai ser o
nome de Sinédoque. sujeito da oração, mas a construção se modifica e ele acaba sem
função sintática. Essa figura é usada geralmente para pôr em re-
Perífrase: substituição de um nome por uma expressão para levo a ideia que consideramos mais importante, destacando-a do
facilitar a identificação. Exemplo: A Cidade Maravilhosa (= Rio de resto. Exemplo:
Janeiro) continua atraindo visitantes do mundo todo. O Alexandre, as coisas não lhe estão indo muito bem.
A velha hipocrisia, recordo-me dela com vergonha. (Camilo
Obs.: quando a perífrase indica uma pessoa, recebe o nome Castelo Branco)
de antonomásia.
Exemplos: Silepse: concordância de gênero, número ou pessoa é feita
O Divino Mestre (= Jesus Cristo) passou a vida praticando o com ideias ou termos subentendidos na frase e não claramente
bem. expressos. A silepse pode ser:
O Poeta da Vila (= Noel Rosa) compôs lindas canções. - de gênero. Exemplo: Vossa Majestade parece desanimado.
(o adjetivo desanimado concorda não com o pronome de trata-
Sinestesia: Consiste em mesclar, numa mesma expressão, as mento Vossa Majestade, de forma feminina, mas com a pessoa a
sensações percebidas por diferentes órgãos do sentido. Exemplo: quem esse pronome se refere – pessoa do sexo masculino).
No silêncio negro do seu quarto, aguardava os acontecimentos. (si- - de número. Exemplo: O pessoal ficou apavorado e saíram
lêncio = auditivo; negro = visual) correndo. (o verbo sair concordou com a ideia de plural que a
palavra pessoal sugere).
Catacrese: A catacrese costuma ocorrer quando, por falta de - de pessoa. Exemplo: Os brasileiros amamos futebol. (o su-
um termo específico para designar um conceito, toma-se outro jeito os brasileiros levaria o verbo na 3ª pessoa do plural, mas a
“emprestado”. Passamos a empregar algumas palavras fora de seu concordância foi feita com a 1ª pessoa do plural, indicando que a
sentido original. Exemplos: “asa da xícara”, “maçã do rosto”, “braço pessoa que fala está incluída em os brasileiros).
da cadeira” .

8
LÍNGUA PORTUGUESA

Onomatopeia: Ocorre quando se tentam reproduzir na for- Eufemismo: Atenua o sentido das palavras, suavizando as ex-
ma de palavras os sons da realidade. pressões do discurso Exemplo: Ele foi para o céu. (Neste caso, a
Exemplos: Os sinos faziam blem, blem, blem, blem. expressão “para a céu”, ameniza o discurso real: ele morreu.)
Miau, miau. (Som emitido pelo gato)
Tic-tac, tic-tac fazia o relógio da sala de jantar. Gradação: os termos da frase são fruto de hierarquia (ordem
crescente ou decrescente). Exemplo: As pessoas chegaram à fes-
As onomatopeias, como no exemplo abaixo, podem resultar ta, sentaram, comeram e dançaram.
da Aliteração (repetição de fonemas nas palavras de uma frase
Hipérbole: baseada no exagero intencional do locutor, isto é,
ou de um verso).
expressa uma ideia de forma exagerada.
Exemplo: Liguei para ele milhões de vezes essa tarde. (Ligou
“Vozes veladas, veludosas vozes, várias vezes, mas não literalmente 1 milhão de vezes ou mais).
volúpias dos violões, vozes veladas,
vagam nos velhos vórtices velozes Ironia: é o emprego de palavras que, na frase, têm o sentido
dos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas.” oposto ao que querem dizer. É usada geralmente com sentido sar-
(Cruz e Sousa) cástico. Exemplo: Quem foi o inteligente que usou o computador
e apagou o que estava gravado?
Repetição: repetir palavras ou orações para enfatizar a afir-
mação ou sugerir insistência, progressão: Paradoxo: Diferente da antítese, que opõem palavras, o pa-
“E o ronco das águas crescia, crescia, vinha pra dentro da radoxo corresponde ao uso de ideias contrárias, aparentemente
casona.” (Bernardo Élis) absurdas. Exemplo: Esse amor me mata e dá vida. (Neste caso, o
“O mar foi ficando escuro, escuro, até que a última lâmpada mesmo amor traz alegrias (vida) e tristeza (mata) para a pessoa.)
se apagou.” (Inácio de Loyola Brandão) Personificação ou Prosopopéia ou Animismo: atribuição de
ações, sentimentos ou qualidades humanas a objetos, seres irra-
Zeugma: omissão de um ou mais termos anteriormente cionais ou outras coisas inanimadas. Exemplo: O vento suspirou
enunciados. Exemplo: Ele gosta de geografia; eu, de português. essa manhã. (Nesta frase sabemos que o vento é algo inanimado
(na segunda oração, faltou o verbo “gostar” = Ele gosta de geogra- que não suspira, sendo esta uma “qualidade humana”.)
fia; eu gosto de português.).
Reticência: suspender o pensamento, deixando-o meio vela-
Assíndeto: quando certas orações ou palavras, que poderiam do. Exemplo:
se ligar por um conectivo, vêm apenas justapostas. Exemplo: Vim, “De todas, porém, a que me cativou logo foi uma... uma...
vi, venci. não sei se digo.” (Machado de Assis)
Anáfora: repetição de uma palavra ou de um segmento do Retificação: consiste em retificar uma afirmação anterior.
texto com o objetivo de enfatizar uma ideia. É uma figura de cons- Exemplos: O médico, aliás, uma médica muito gentil não sabia
trução muito usada em poesia. Exemplo: Este amor que tudo nos
qual seria o procedimento.
toma, este amor que tudo nos dá, este amor que Deus nos inspira,
e que um dia nos há de salvar
QUESTÕES
Paranomásia: palavras com sons semelhantes, mas de signi-
ficados diferentes, vulgarmente chamada de trocadilho. Exemplo: 01. IF/PA - Assistente em Administração – 2016 - FUNRIO
Comemos fora todos os dias! A gente até dispensa a despensa. “Quero um poema ainda não pensado, / que inquiete as ma-
rés de silêncio da palavra ainda não escrita nem pronunciada, /
Neologismo: criação de novas palavras. Exemplo: Estou a fim que vergue o ferruginoso canto do oceano / e reviva a ruína que
do João. (estou interessado). Vou fazer um bico. (trabalho tem- são as poças d’água. / Quero um poema para vingar minha insô-
porário). nia. ” (Olga Savary, “Insônia”)

Figuras de Pensamento Nesses versos finais do poema, encontramos as seguintes fi-


guras de linguagem:
Utilizadas para produzir maior expressividade à comunica- A) silepse e zeugma
ção, as figuras de pensamento trabalham com a combinação de B) eufemismo e ironia.
ideias, pensamentos. C) prosopopeia e metáfora.
D) aliteração e polissíndeto.
Antítese: Corresponde à aproximação de palavras contrárias,
E) anástrofe e aposiopese.
que têm sentidos opostos. Exemplo: O ódio e o amor andam de
mãos dadas.
02. IF/PA - Auxiliar em Administração – 2016 - FUNRIO
Apóstrofe: interrupção do texto para se chamar a atenção de “Eu sou de lá / Onde o Brasil verdeja a alma e o rio é mar / Eu
alguém ou de coisas personificadas. Sintaticamente, a apóstrofe sou de lá / Terra morena que eu amo tanto, meu Pará.” (Pe. Fábio
corresponde ao vocativo. Exemplo: Tende piedade, Senhor, de to- de Melo, “Eu Sou de Lá”)
das as mulheres.

9
LÍNGUA PORTUGUESA

Nesse trecho da canção gravada por Fafá de Belém, encontra- Leia o poema abaixo e assinale a alternativa que indica a figu-
mos a seguinte figura de linguagem: ra de linguagem presente no texto:
A) antítese.
B) eufemismo. Amor é fogo que arde sem se ver
C) ironia Amor é fogo que arde sem se ver;
D) metáfora É ferida que dói e não se sente;
E) silepse. É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;
03. Pref. de Itaquitinga/PE - Técnico em Enfermagem – 2016 (Camões)
- IDHTEC
A) Onomatopeia
MAMÃ NEGRA (Canto de esperança) B) Metáfora
C) Personificação
Tua presença, minha Mãe - drama vivo duma Raça, Drama D) Pleonasmo
de carne e sangue Que a Vida escreveu com a pena dos séculos!
Pelo teu regaço, minha Mãe, Outras gentes embaladas à voz da 06.Pref. de Paulínia/SP - Agente de Fiscalização – 2016 - FGV
ternura ninadas do teu leite alimentadas de bondade e poesia de
música ritmo e graça... santos poetas e sábios... Outras gentes... Descaso com saneamento deixa rios em estado de alerta
não teus filhos, que estes nascendo alimárias semoventes, coisas
várias, mais são filhos da desgraça: a enxada é o seu brinquedo A crise hídrica transformou a paisagem urbana em muitas
trabalho escravo - folguedo... Pelos teus olhos, minha Mãe Vejo cidades paulistas. Casas passaram a contar com cisternas e cai-
oceanos de dor Claridades de sol-posto, paisagens Roxas paisa- xas-d’água azuis se multiplicaram por telhados, lajes e até em
gens Mas vejo (Oh! se vejo!...) mas vejo também que a luz rou- garagens. Em regiões mais nobres, jardins e portarias de prédios
bada aos teus [olhos, ora esplende demoniacamente tentadora ganharam placas que alertam sobre a utilização de água de reu-
- como a Certeza... cintilantemente firme - como a Esperança... so. As pessoas mudaram seu comportamento, economizaram e
em nós outros, teus filhos, gerando, formando, anunciando -o dia cobraram soluções.
da humanidade. As discussões sobre a gestão da água, nos mais diversos as-
(Viriato da Cruz. Poemas, 1961, Lisboa, Casa dos Estudantes do Império) pectos, saíram dos setores tradicionais e técnicos e ganharam es-
paço no cotidiano. Porém, vieram as chuvas, as enchentes e os
O poema, Mamã Negra: rios urbanos voltaram a ficar tomados por lixo, mascarando, de
A) É uma metáfora para a pátria sendo referência de um país certa forma, o enorme volume de esgoto que muitos desses cor-
africano que foi colonizado e teve sua população escravizada. pos de água recebem diariamente.
B) É um vocativo e clama pelos efeitos negativos da escraviza- É como se não precisássemos de cada gota de água desses
ção dos povos africanos. rios urbanos e como se a água limpa que consumimos em nossas
C) É a referência resumida a todo o povo que compõe um país casas, em um passe de mágica, voltasse a existir em tamanha
libertado depois de séculos de escravidão. abundância, nos proporcionando o luxo de continuar a poluir cen-
tenas de córregos e milhares de riachos nas nossas cidades. Para
D) É o sofrimento que acometeu todo o povo que ficou na
completar, todo esse descaso decorrente da falta de saneamento
terra e teve seus filhos levados pelo colonizador.
se reverte em contaminação e em graves doenças de veiculação
E) É a figura do colonizador que mesmo exercendo o poder
hídrica.
por meio da opressão foi „ninado‟ pela Mamã Negra. Dados do monitoramento da qualidade da água – que reali-
zamos em rios, córregos e lagos de onze Estados brasileiros e do
04. Pref. de Florianópolis/SC - Auxiliar de Sala – 2016 - FE- Distrito Federal – revelaram que 36,3% dos pontos de coleta ana-
PESE lisados apresentam qualidade ruim ou péssima. Apenas 13 pon-
Analise as frases abaixo: tos foram avaliados com qualidade de água boa (4,5%) e os outros
1. ”Calções negros corriam, pulavam durante o jogo.” 59,2% estão em situação regular, o que significa um estado de
2. A mulher conquistou o seu lugar! alerta. Nenhum dos pontos analisados foi avaliado como ótimo.
3. Todo cais é uma saudade de pedra. Divulgamos esse grave retrato no Dia Mundial da Água (22
4. Os microfones foram implacáveis com os novos artistas. de março), com base nas análises realizadas entre março de 2015
e fevereiro de 2016, em 289 pontos de coleta distribuídos em 76
Assinale a alternativa que corresponde correta e sequencial- municípios.
mente às figuras de linguagem apresentadas: (MANTOVANI, Mário; RIBEIRO, Malu. UOL Notícias, abril/2016.)
A) metáfora, metonímia, metáfora, metonímia
B) metonímia, metonímia, metáfora, metáfora Em termos de linguagem figurada, o fato de a divulgação do
C) metonímia, metonímia, metáfora, metonímia texto ter sido feita no Dia Mundial da Água funciona como
D) metonímia, metáfora, metonímia, metáfora A) metáfora.
E) metáfora, metáfora, metonímia, metáfora B) pleonasmo.
C) eufemismo.
05. COMLURB - Técnico de Segurança do Trabalho – 2016 D) ironia.
- IBFC E) hipérbole.

10
LÍNGUA PORTUGUESA

07. Pref. de Chapecó/SC - Engenheiro de Trânsito – 2016 -


IOBV 2. ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS; EMPRE-
GO DAS DIFERENTES CLASSES DE PALAVRAS. 2.1 VALOR
O outro lado SEMÂNTICO DE ELEMENTOS MÓRFICOS. 2.2 USO E
FUNÇÃO DO ARTIGO, DOS PRONOMES E NUMERAIS.
só assim o poema se constrói: 2.3 VALOR SUBSTANTIVO, ADJETIVO E ADVERBIAL DOS
quando o desejo tem forma de ilha VOCÁBULOS PORTUGUESES. 2.4 EMPREGO DE PREPO-
e todos os planetas são luas, embriões da magia SIÇÕES E CONJUNÇÕES QUE CONFEREM COESÃO E COE-
então podemos atravessar as chamas RÊNCIA AO TEXTO ESCRITO.
sentir o chão respirar
ver a dança da claridade
ouvir as vozes das cores ESTRUTURA E FORMAÇÃO DAS PALAVRAS
fruir a liberdade animal
de estarmos soltos no espaço Ao estudar a estrutura das palavras, estamos penetrando seu
ter parte com pedra e vento íntimo e conhecendo as várias partes que formam um todo acaba-
seguir os rastros do infinito
do e repleto de significado. Uma palavra é formada por unidades
entender o que sussurra o vazio
mínimas que possuem significado, que são chamadas elementos
– e tudo isso é tão familiar
para quem conhece mórficos ou morfemas.
a forma do sonho A palavra “maquininhas”, por exemplo, possui quatro mor-
(WILLER, Claudio, Estranhas experiências, 2004, p. 46) femas:
No poema acima, do poeta paulista Claudio Willer (1940), no
verso “ouvir as vozes das cores”, entre outros versos, é expressa maquin inh a s
uma figura de linguagem. Esta pode ser assim definida: “Figura que
Base do Indica grau Indica gênero Indica
consiste na utilização simultânea de alguns dos cinco sentidos”
significado diminutivo feminino plural
(CAMPEDELLI, S. Y. e SOUZA, J. B. Literatura, produção de textos & gramá-
tica. São Paulo, Saraiva, 1998, p. 616).
Raiz
Como é denominada esta figura de linguagem?
A) Eufemismo. Origem das palavras. É onde se concentra a significação das
B) Hipérbole. palavras.
C) Sinestesia.
D) Antítese. Exemplo: Raiz (carr- raiz nominal de carro).

RESPOSTAS Os morfemas que constituem as palavras são: radical, desi-


nência, vogal temática, afixos, vogais e consoantes de ligação.
01 C
Radical
02 D
03 A É a forma mínima que indica o sentido básico da palavra.
04 C Com o radical formamos famílias de palavras.
05 B
Exemplos:
06 D Moço – moça – moçada – mocinha – moçoila - remoçar
07 C
Desinência

Elementos colocados no final das palavras para indicar aspec-


tos gramaticais. As desinências são de dois tipos:

- nominal: indica o gênero (masculino/feminino) e o número


(singular/plural) dos substantivos, adjetivos pronomes e nume-
rais.
Exemplo: menino, menina, meninos, meninas.

- verbal: indica a pessoa (1ª, 2ª e 3ª), o número (singular/


plural), o tempo e o modo (indicativo, presente...).

11
LÍNGUA PORTUGUESA

Exemplo: amássemos - Sufixal ou Sufixação: acréscimo de sufixo à palavra primi-


am- (radical) tiva, pode sofrer alteração de significado ou mudança de classe
-á- (vogal temática) gramatical: amoroso, felizmente, menininho.
- sse- (desinência modo subjuntivo e de tempo perfeito) A derivação sufixal pode ser:
-mos (desinência de primeira pessoa e de número plural) Nominal: formando substantivos e adjetivos: riso – risonho.
Verbal: formando verbos: atual - atualizar.
Vogal temática Adverbial: formando advérbios de modo: feliz – felizmente.

É o que torna possível a ligação entre o radical e a desinência. - Parassintética ou Parassíntese: a palavra derivada resulta
Observe o verbo dançar: do acréscimo simultâneo de prefixo e sufixo à palavra primitiva.
Por meio da parassíntese formam-se nomes (substantivos e ad-
Danç: radical jetivos) e verbos. A presença de apenas um desses afixos não é
A: vogal temática suficiente para formar uma nova palavra.
R: desinência de infinitivo. Exemplos:
Esfriar, esquentar, amadurecer.
A junção do radical danç- com a desinência –r no português é
- Derivação Regressiva: uma palavra é formada não por
impossível, é a vogal temática “a” que torna possível essa ligação. acréscimo, mas por redução: trabalhar – trabalho, castigar – cas-
tigo.
Afixos
- Derivação Imprópria: ocorre quando determinada palavra,
São morfemas que se colocam antes ou depois do radical al- sem sofrer qualquer acréscimo ou supressão em sua forma, muda
terando sua significação básica. São divididos em: de classe gramatical. Assim:
- Adjetivos passam a substantivos
- Prefixos: antepostos ao radical. - Particípios passam a substantivos ou adjetivos
Exemplo: impossível, desleal. - Infinitivos passam a substantivos
- Substantivos passam a adjetivos
- Sufixos: pospostos ao radical. - Adjetivos passam a advérbios: Falei baixo para que ninguém
Exemplo: lealdade, felizmente. escutasse.
- Palavras invariáveis passam a substantivos
Vogais ou consoantes de ligação - Substantivos próprios tornam-se comuns

Composição: processo que forma palavras compostas, pela


As vogais ou consoantes de ligação podem ocorrer entre um
junção de dois ou mais radicais. São dois tipos:
morfema e outro por motivos eufônicos, facilitando ou até possi-
bilitando a leitura de uma palavra. - Justaposição: ao juntar duas ou mais palavras ou radicais,
Exemplos: paulada, cafeteira, gasômetro. não há alteração fonética: televisão, quinta-feira, girassol, couve-
-flor.
Formação das Palavras
- Aglutinação: quando pelo menos uma das palavras que for-
Há dois processos pelos quais se formam as palavras: Deriva- mam o composto apresenta alteração em sua forma: aguardente
ção e Composição. A diferença é que na derivação, partimos sem- (água + ardente), vinagre (vinho + acre), planalto (plano + alto).
pre de um único radical, enquanto na composição sempre haverá
mais de um radical. QUESTÕES

Derivação: processo pelo qual se obtém uma palavra nova 01. IF/PA - Auxiliar em Administração – 2016 - FUNRIO
(derivada), a partir de outra já existente, (primitiva).
Exemplo: Terra (enterrar, terráqueo, aterrar). Observamos “Chegou o fim de semana. É tempo de encontrar os amigos
que “terra” não se forma de nenhuma outra palavra, mas, possi- no boteco e relaxar, mas a crise econômica vem deixando muitos
bilitam a formação de outras, por meio do acréscimo de um sufixo paraenses de cabeça quente. Para ajudar o bolso dos amantes
ou prefixo. Sendo assim, terra e palavra primitiva, e as demais, da culinária de raiz, os bares participantes do Comida di Buteco
estão comercializando os petiscos preparados exclusivamente
derivadas.
para o concurso com um preço reduzido. O preço máximo é de
R$ 25,90.”
Tipos de Derivação (O LIBERAL, 23 de abril de 2016)

- Prefixal ou Prefixação: acréscimo de prefixo à palavra primi- Assinale a alternativa que faz um comentário correto sobre o
tiva, e tem o significado alterado: rever; infeliz, desamor. processo de formação das palavras usadas nesse trecho.
a) As palavras “amigo e amantes” são formadas por prefixa-
ção.

12
LÍNGUA PORTUGUESA

b) As palavras “paraenses e participantes” são formadas por b) Dizêssemos; troucéssemos; portãozinhos; quizéreis; pu-
sufixação. zesse.
c) A palavra “boteco” é formada por derivação a partir da pa- c) Assessorássemos; indenidade; dissesses; entre ti e nós; fi-
lavra “bote”. zesse.
d) As palavras “culinária e petiscos” são formadas por deriva- d) Beleza; sutileza; pobreza; destreza; natureza.
ção regressiva. e) Interdisciplinaridade; transitoriedade; notoriedade; titula-
e) A palavra “comercializando” é formada por aglutinação de ridade; liminaridade.
“comer+comércio”.
05. Pref. de Aragoiânia/GO - Biólogo – 2017 – Itame
02. Pref. de Chapecó/SC - Engenheiro de Trânsito – 2016 –
IOBV
O irreverente cantor não agradou o público local.
“Infelizmente as cheias de 2011 castigaram de forma severa
Aponte a alternativa em que o prefixo das palavras não apre-
o Vale do Itajaí.”
senta o significado existente no prefixo da palavra destacada aci-
Na frase acima (elaborada para fins de concurso) temos o ma:
caso da expressão “Infelizmente”. A palavra pode ser assim de- a) desgoverno / ilegal
composta: in + feliz + mente. Aponte qual a função da partícula in b) infiel / imoral
dentro do processo de estruturação das palavras. c) anormal / destemor
a) Radical. d) imigrante / ingerir
b) Sufixo. Parte inferior do formulário
c) Prefixo.
d) Interfixo. 06. IF/BA - Auxiliar em Administração – 2016 – FUNRIO
Todas as palavras abaixo têm prefixo e sufixo, exceto este verbo:
03. (Pref. de Teresina/PI - Professor – Português – NUCE- a) destinar.
PE/2016) b) desfivelar.
c) desfavorecer.
Aceita um cafezinho d) desbanalizar.
e) despraguejar.
Ó Estrangeiro, ó peregrino, ó passante de pouca esperança -
nada tenho para te dar, também sou pobre e essas terras não são RESPOSTAS
minhas. Mas aceita um cafezinho.
A poeira é muita, e só Deus sabe aonde vão dar esses cami- 01 B
nhos. Um cafezinho, eu sei, não resolve o teu destino; nem faz
esquecer tua cicatriz. 02 B
Mas prova.... Bota a trouxa no chão, abanca-te nesta pedra e 03 A
vai preparando o teu cigarro...
04 B
Um minuto apenas, que a água já está fervendo e as xícaras já
tilintam na bandeja. Vai sair bem coado e quentinho. 05 D
Não é nada, não é nada, mas tu vais ver: serão mais alguns 06 A
quilômetros de boa caminhada... E talvez uma pausa em teu ge-
mido!
Um minutinho, estrangeiro, que teu café já vem cheirando... CLASSE GRAMATICAIS

(Aníbal Machado) ARTIGO

Na palavra cafezinho temos os seguintes elementos mórficos Artigo é a palavra que colocamos antes dos substantivos, com
a) radical, vogal temática e sufixo. a finalidade de determina-los e especificarmos seu gênero e nú-
b) radical, consoante de ligação e sufixo. mero.
c) radical e sufixo. Os artigos podem ser:
d) radical e vogal temática. - definidos: o, a, os, as (Determinam os substantivos de forma
e) radical e consoante de ligação. particular).
- indefinidos: um, uma, uns, umas (Determinam os substanti-
04. BAHIAGÁS - Analista de Processos Organizacionais - Ad- vos de forma inespecífica).
ministração e Psicologia – 2017 – IESES
Assinale a alternativa em que todas as palavras estão INCOR- Exemplos:
RETAS: Comprei o carro. (Um carro específico)
a) Luminescência; transparência; ascendência; maledicência; Comprei um carro. (Um carro qualquer)
flatulência.

13
LÍNGUA PORTUGUESA

Artigo Definido Substantivo Abstrato: Designa ações qualidades, ou estados,


tomados como seres. Indica coisas que não existem por si, que
Indica um substantivo específico, determinado. Dependendo são resultado de uma abstração. É o caso de felicidade, pobreza,
da flexão de gênero e de número, assume as formas o, a, os, as. caridade, etc..
Formação dos substantivos
Observe as possíveis variações de gênero e número:
Substantivo Primitivo: erve de base para a formação de ou-
O professor me repreendia. tros substantivos. Exemplo: rosa, pedra, gelo, etc.
A professora me repreendia.
Substantivo Derivado: É formado a partir de um substantivo
Os professores me repreendiam.
primitivo, como: roseiral, pedregulho, geleira, etc.
Substantivo Simples: É formado por um só radical, como:
Artigo Indefinido
janela, livro, trem, etc.
Indica m ser qualquer dentre outros da mesma espécie. De- Substantivo Composto: É formado por mais de um radical,
pendendo da flexão de gênero e de número, assume as formas como em: arco-íris, arranha-céu, etc.
um, uma, uns, umas.
Substantivo Coletivo: É coletivo o substantivo no singular
Observe as possíveis variações de gênero e número, usando que designa um conjunto de seres da mesma espécie.
o mesmo exemplo anterior: - buquê – de flores
- alcateia – de lobos
Um professor me repreendia. - elenco – de artistas
Uma professora me repreendia. - legião – de soldados
Uns professores me repreendiam.
Gênero
Além das formas simples, os artigos apresentam formas com-
binadas com preposições. O artigo definido combina-se com as De acordo com o gênero (feminino e masculino) das palavras
preposições a, de, em, por, originando, por exemplo, as formas substantiva, são classificadas em:
ao, do, nas, pelos, etc.
Substantivos Biformes: apresentam duas formas, uma para
Quando o artigo definido feminino (a, as) aparece combinado
o masculino e outra para o feminino. Exemplo: médico e médica;
com a preposição a, temos um caso que merece destaque espe-
namorado e namorada.
cial: a essa fusão de duas vogais idênticas, graficamente represen-
tada por um a com acento grave (à, às), dá-se o nome de crase. Substantivos Uniformes: somente um termo especifica os
dois gêneros (masculino e feminino), sendo classificados em:
Exemplo: - Epicenos: palavra que apresenta somente um gênero e refe-
Eles lançaram um alerta à nação. (à = preposição a + artigo re-se aos animais, por exemplo: baleia (macho ou fêmea).
definido a) - Sobrecomum: palavra que apresenta somente um gênero
e refere-se às pessoas, por exemplo: criança (masculino e femi-
O artigo indefinido combina-se com as preposições em e de, nino).
originando, por exemplo, as formas num, numas, duns, etc. - Comum de dois gêneros: termo que se refere aos dois gêne-
ros (masculino e feminino), identificado por meio do artigo que o
SUBSTANTIVO acompanha, por exemplo: “o dentista” e “a dentista”.

Os substantivos nomeiam seres, coisas, ideias. Como palavra Número


variável, apresenta flexões de gênero, número e grau.
São classificados em:
Classificação
Singular: palavra que designa uma única coisa, pessoa ou um
grupo, por exemplo: cama, homem.
Substantivo Comum: Designa os seres de uma espécie de for-
Plural: palavra que designa várias coisas, pessoas ou grupos,
ma genérica: casa, felicidade, mesa, criança, etc. por exemplo: camas, homens.
Substantivo Próprio: Designa um ser específico, determina- Grau
do, como: Recife, Mariana, Brasil, etc.
São classificados em aumentativo e diminutivo:
Substantivo Concreto: Designa seres propriamente ditos
(pessoas, objetos, lugares), independentemente de sua existência Aumentativo: Indica o aumento do tamanho de algum ser ou
real. Assim sendo, são exemplos: fada, saci, mesa, cinema, etc. alguma coisa. Divide-se em:

14
LÍNGUA PORTUGUESA

- Analítico: substantivo acompanhado de adjetivo que indica Comparativo de Superioridade – Rui é mais esforçado que
grandeza, por exemplo: menino grande. Marcos.
- Sintético: substantivo com acréscimo de um sufixo indicador Comparativo de Inferioridade – Mariana é menos feliz que
de aumento, por exemplo: meninão. Paula.
Diminutivo: Indica a diminuição do tamanho de algum ser ou - Grau Superlativo - utilizado para intensificar qualidades.
alguma coisa. Divide-se em:
- Analítico: substantivo acompanhado de um adjetivo que in- Superlativo Absoluto:
dica pequenez, por exemplo: menino pequeno. Analítico - A casa é extremamente luxuosa.
- Sintético: substantivo com acréscimo de um sufixo indicador Sintético - Larissa é organizadíssima.
de diminuição, por exemplo: menininho. Superlativo Relativo de:
ADJETIVO Superioridade - A cidade é a mais bonita da região.
Inferioridade - Este computador é o menos moderno do es-
Adjetivo é a palavra que modifica o substantivo, atribuindo- critório.
-lhe um estado, qualidade ou característica.
Somente seis adjetivos têm o grau comparativo de superiori-
Classificação dade sintético. Veja-os:

bom – melhor
Simples - formado por um só radical. Exemplo: bonita.
mau – pior
Composto - formado por mais de um radical. Exemplo: latino-
grande – maior
-americano. pequeno – menor
Primitivo - não deriva de outra palavra. Exemplo: claro, grande. alto – superior
Derivado - tem origem em outra palavra. Exemplo: tolerante baixo – inferior
(vem de tolerar).
Pátrio - é o que se refere a países, estados, cidades, etc. Exem- NUMERAL
plo: brasileiro, mineiro, carioca, etc.
O numeral é a palavra que indica, em termos numéricos, um
Locução Adjetiva número exato ou a posição que tal coisa ocupa numa série.

É toda reunião de duas ou mais palavras com valor de uma só. Classificação
Geralmente, as locuções adjetivas são formadas por uma preposi-
ção e um substantivo, ou uma preposição e um advérbio. Cardinais: Forma básica dos números, indicam contagem,
Exemplos: medida. Exemplo, um, dois, três…
- dente de cão (= canino)
- água de chuva (= pluvial) Ordinais: Indica ordem de uma sequência. Exemplo, primei-
- pneus de trás (= traseiro) ro, segundo, terceiro…

Flexão Fracionários: Indicam a diminuição das proporções numéri-


cas, ou seja, representam uma parte de um todo. Exemplo, meio,
Gêneros terço, quarto, quinto…

- Adjetivos Uniformes: uma forma para os dois gêneros (femini- Multiplicativos: Determina o aumento da quantidade por
no e masculino). Exemplo: alegre. meio de múltiplos. Exemplo, dobro, triplo, quádruplo, quíntuplo…
- Adjetivos Biformes: varia conforme o gênero (masculino e fe-
Coletivos: Número exato que faz referência a um conjunto de
minino). Exemplo: dengoso, dengosa.
seres. Exemplo: dúzia (conjunto de 12), dezena (conjunto de 10),
centena (conjunto de 100), semestre (conjunto de 6), bimestre
Número
(conjunto de 2).
Os adjetivos podem vir no singular ou plural, concordando
com o número do substantivo referido. Assim, a sua formação é Ordinal Cardinal Ordinal Cardinal
parecida à dos substantivos. Um Primeiro Vinte Vigésimo
Dois Segundo Trinta Trigésimo
Grau
Três Terceiro Cinquenta Quinquagésimo
São classificados em: Quatro Quarto Sessenta Sexagésimo
- Grau Comparativo: utilizado para comparar qualidades. Cinco Quinto Oitenta Octogésimo
Seis Sexto Cem Centésimo
Comparativo de Igualdade – Chocolate é tão bom quanto pi-
Sete Sétimo Quinhentos Quingentésimo
zza.

15
LÍNGUA PORTUGUESA

Oito Oitavo Setecentos Setingentésimo Pessoas Verbais Pronomes Possessivos


Nove Nono Novecentos Noningentésimo
Dez Décimo Mil Milésimo 1ª pessoa do plural nosso, nossa (singular); nossos,
(nós) nossas (plural)
PRONOME
2ª pessoa do plural vosso, vossa (singular); vossos,
Pronome é a palavra que substitui ou acompanha o substan- (vós, vocês) vossas (plural)
tivo, indicando sua posição em relação às pessoas do discurso ou
mesmo situando-o no espaço e no tempo. 3ª pessoa do plural seu, sua (singular); seus, suas
(eles/elas) (plural)
Pronomes Pessoais
Pronomes Demonstrativos
Retos – têm função de sujeito da oração: eu, tu, ele, nós, vós,
eles. Os pronomes demostrativos são utilizados para indicar algo.
Oblíquos têm função de complemento do verbo (objeto dire- Reúnem palavras variáveis (esse, este, aquele, essa, esta, aquela)
to / objeto indireto) ou as, lhes. - Ele viajará conosco. (eleprono- e invariáveis (isso, isto, aquilo).
me reto / vaiverbo / conosco complemento nominal).
- tônicos com preposição: mim, comigo, ti, contigo,si, consigo, Relação ao tempo
conosco, convosco; Este (s), esta (s), isto: indicam o tempo presente em relação
- átonos sem preposição: me, te, se, o, a, lhe, nos, vos, ao momento em que se fala. Exemplo: Esta semana é a última
os,pronome oblíquo) antes da prova.
Esse (s), essa (s), isso: indicam tempo no passado ou no fu-
Pronomes de Tratamento turo. Exemplos: Onde você foi esse feriado? / Serei reconhecido
pelo meu esforço. Quando esse dia chegar, estarei satisfeito.
Dependendo da pessoa a quem nos dirigimos, do seu cargo, Aquele (s), aquela (s), aquilo: indicam um tempo distante em
idade, título, o tratamento será familiar ou cerimonioso: Vossa relação ao momento em que se fala. Exemplo: Lembro-me bem
Alteza (V.A.) - príncipes, duques; Vossa Eminência (V.Ema) - car- aquele tempo em que viajávamos de trem.
deais; Vossa Excelência (V.Ex.a) - altas autoridades, presidente,
oficiais; Vossa Magnificência (V.Mag.a) - reitores de universida- Relação ao espaço
des; Vossa Majestade (V.M.) – reis, imperadores; Vossa Santidade Este (s), esta (s), isto: o ser ou objeto que está próximo da
(V.S.) - Papa; Vossa Senhori (V.Sa) - tratamento cerimonioso. pessoa que fala. Exemplo: Este é o meu filho.
Esse (s), essa (s), isso: a pessoa ou a coisa próxima daquela
- Além desses, são pronomes de tratamento: senhor, senho- com quem falamos ou para quem escrevemos. Exemplo: Por fa-
ra, senhorita, dona, você. vor, poderia passar esse copo?
- A forma Vossa (Senhoria, Excelência) é empregada quando Aquele (s), aquela (s), aquilo: o ser ou objeto que está longe
se fala com a própria pessoa: Vossa Senhoria não compareceu à de quem fala e da pessoa de quem se fala (3ª pessoa). Exemplo:
reunião dos semterra? (falando com a pessoa) Com licença, poderia dizer o preço daquele casaco?
- A forma Sua (Senhoria, Excelência ) é empregada quando
se fala sobre a pessoa: Sua Eminência, o cardeal, viajou paraum Pronomes Indefinidos
Congresso. (falando a respeito do cardeal)
Empregados na 3ª pessoa do discurso, o próprio nome já
Pronomes Possessivo mostra que os pronomes indefinidos substituem ou acompanham
o substantivo de maneira vaga ou imprecisa.
Os pronomes possessivos são aqueles que transmitem a ideia
de posse, por exemplo: Esse carro é seu?
Classificação Pronomes Indefinidos

Pessoas Verbais Pronomes Possessivos algum, alguma, alguns, algumas, nenhum,


nenhuma, nenhuns, nenhumas, muito,
1ª pessoa do singular meu, minha (singular); meus, muita, muitos, muitas, pouco, pouca,
(eu) minhas (plural) poucos, poucas, todo, toda, todos, todas,
outro, outra, outros, outras, certo, certa,
Variáveis
2ª pessoa do singular teu, tua (singular); teus, tuas certos, certas, vário, vária, vários, várias,
(tu, você) (plural) tanto, tanta, tantos, tantas, quanto,
quanta, quantos, quantas, qualquer,
3ª pessoa do singular seu, sua (singular); seus, suas quaisquer, qual, quais, um, uma, uns,
(ele/ela) (plural) umas.

16
LÍNGUA PORTUGUESA

Tempos do Verbo
Classificação Pronomes Indefinidos
Presente: Ocorre no momento da fala. Ex.: trabalha
quem, alguém, ninguém, tudo, nada, Pretérito: Ocorrido antes. Ex.: trabalhou
Invariáveis
outrem, algo, cada. Futuro: Ocorrido depois. Ex.: trabalhará
O pretérito subdivide-se em:
Pronomes Relativos - Perfeito: Ação acabada. Ex.: Eu limpei a sala.
- Imperfeito: Ação inacabada no momento a que se refere à
Os pronomes relativos se referem a um substantivo já dito an- narração. Ex.: Ele ficou no hospital por dias.
teriormente na oração. Podem ser palavras variáveis e invariáveis. - Mais-que-perfeito: Ação acabada, ocorrida antes de outro
Essa palavra da oração anterior chamase antecedente: Viajei para fato passado. Ex.: Para ser mais justo, ele partira o bolo em fatias
uma cidade que é muito pequena. ercebese que o pronome rela- pequenas.
tivo que, substitui na 2ª oração, a cidade, por isso a palavra que é
um pronome relativo. O futuro subdivide-se em:
São divididos em: - Futuro do Presente: Refere-se a um fato imediato e certo.
Variáveis: o qual, os quais, a qual, as quais, cujo, cujos, cuja, Ex.: Participarei do grupo.
cujas, quanto, quantos; - Futuro do Pretérito: Pode indicar condição, referindo-se a
Invariáveis: que, quem, quando, como, onde. uma ação futura, ligada a um momento já passado. Ex.: Iria ao
show se tivesse dinheiro. (Indica condição); Ele gostaria de assu-
Pronomes Interrogativos mir esse compromisso.
São palavras variáveis e invariáveis empregadas para formular Modos Verbais
perguntas diretas e indiretas.
Indicativo: Mostra o fato de maneira real, certa, positiva. Ex.:
Pronomes Eu falo alemão.
Classificação Exemplos Subjuntivo: Pode exprimir um desejo e apresenta o fato
Interrogativos
como possível ou duvidoso, hipotético. Ex.: Se eu tivesse dinheiro,
qual, quais, Quanto custa? compraria um carro.
Variáveis quanto, quantos, Quais sapatos Imperativo: Exprime ordem, conselho ou súplica. Ex.: Des-
quanta, quantas. você prefere? canse bastante nestas férias.

Quem estragou Formas nominais


meu vestido?
Invariáveis quem, que. Temos três formas nominais: Infinitivo, gerúndio e particí-
Que problema
ocorreu? pio, e são assim chamadas por desempenhar um papel parecido
aos dos substantivos, adjetivos ou advérbios e, sozinhas, não se-
rem capazes de expressar os modos e tempos verbais.
VERBO

Exprime ação, estado, mudança de estado, fenômeno da na- Infinitivo


tureza e possui inúmeras flexões, de modo que a sua conjugação
é feita em relação as variações de pessoa, número, tempo, modo, Pessoal: Refere às pessoas do discurso. Não é flexionado nas
voz e aspeto. 1ª e 3ª pessoas do singular e flexionadas nas demais:
Estudar (eu) – não flexionado
Os verbos estão agrupados em três conjugações: Estudares (tu) – flexionado
1ª conjugação – ar: amar, caçar, começar. Estudar(ele) – não flexionado
2ª conjugação – er: comer, derreter, beber. Estudarmos (nós) – flexionado
3ª conjugação – ir: curtir, assumir, abrir. Estudardes (voz) – flexionado
Estudarem (eles) – flexionado
O verbo pôr e seus derivados (repor, depor, dispor, compor,
impor) pertencem a 2ª conjugação devido à sua origem latina poer. Impessoal: É o infinitivo impessoal quando não se refere às
pessoas do discurso. Exemplos: caminhar é bom. (a caminhada é
Pessoas: 1ª, 2ª e 3ª pessoa, em 2 situações: singular e plural. boa); É proibido fumar. (é proibido o fumo)
1ª pessoa do singular – eu; ex.: eu viajo
2ª pessoa do singular – tu; ex.: tu viajas Gerúndio
3ª pessoa do singular – ele; ex.: ele viaja
1ª pessoa do plural – nós; ex.: nós viajamos Caracteriza-se pela terminação -ndo. O verbo não se flexiona
2ª pessoa do plural – vós; ex.: vós viajais e pode exercer o papel de advérbio e de adjetivo.
3ª pessoa do plural – eles; ex.: eles viajam

17
LÍNGUA PORTUGUESA

Exemplo: Ela estava trabalhando quando telefonaram. Pretérito mais-que-perfeito composto - tinha cantado, tinha
vendido, etc.
Particípio Futuro do presente composto - terei cantado, terei vendido,
etc.
Pode ser regular e irregular. Futuro do pretérito composto - teria cantado, teria vendido, etc.
Particípio regular: se caracteriza pela terminação -ado, -ido.
Subjuntivo:
Exemplo: Eles tinham partido em uma aventura sem fim. Pretérito perfeito composto - tenha cantado, tenha vendido,
etc.
Particípio irregular: pode exercer o papel de adjetivo. Pretérito mais-que-perfeito composto - tivesse cantado, ti-
vesse vendido, etc.
Exemplo: Purê se faz com batata cozida. Futuro composto - tiver cantado, tiver vendido, etc.

Por apresentar mais que uma forma, o particípio é classifica- ADVÉRBIO


do como verbo abundante. É importante lembrar que nem todos
os verbos apresentam duas formas de particípio: (aberto, cober- São palavras que modificam um verbo, um adjetivo ou ou-
to, escrever). tro advérbio.

Tempos Simples e Tempos Compostos Classificação dos Advérbios

Tempos simples: formados apenas pelo verbo principal. Modo: Bem, mal, assim, adrede, melhor, pior, depressa,
acinte, debalde, devagar, ás pressas, às claras, às cegas, à toa, à
Indicativo: vontade, às escondas, aos poucos, desse jeito, desse modo, dessa
Presente - canto, vendo, parto, etc. maneira, em geral, frente a frente, lado a lado, a pé, de cor, em
Pretérito perfeito - cantei, vendi, parti, etc. vão e a maior parte dos que terminam em -mente: calmamente,
Pretérito imperfeito - cantava, vendia, partia, etc. tristemente, propositadamente, pacientemente, amorosamente,
Pretérito mais-que-perfeito - cantara, vendera, partira, etc. docemente, escandalosamente, bondosamente, generosamente.
Futuro do presente - cantarei, venderei, partirei, etc.
Futuro do pretérito - cantaria, venderia, partiria, etc. Intensidade: Muito, demais, pouco, tão, menos, em excesso,
bastante, pouco, mais, menos, demasiado, quanto, quão, tanto,
Subjuntivo: apresenta o fato, a ação, mas de maneira incerta, assaz, que (equivale a quão), tudo, nada, todo, quase, de todo,
imprecisa, duvidosa ou eventual. de muito, por completo, bem (quando aplicado a propriedades
Presente - cante, venda, parta, etc. graduáveis).
Pretérito imperfeito - cantasse, vendesse, partisse, etc.
Futuro - cantar, vender, partir. Lugar: Aqui, antes, dentro, ali, adiante, fora, acolá, atrás,
além, lá, detrás, aquém, cá, acima, onde, perto, aí, abaixo, aon-
Imperativo: Ao indicar ordem, conselho, pedido, o fato verbal de, longe, debaixo, algures, defronte, nenhures, adentro, afora,
pode expressar negação ou afirmação. São, portanto, duas as for- alhures, nenhures, aquém, embaixo, externamente, a distância,
mas do imperativo: a distância de, de longe, de perto, em cima, à direita, à esquerda,
- Imperativo Negativo (Formado pelo presente do subjunti- ao lado, em volta.
vo): Não abram a porta.
- Imperativo Afirmativo (Formado do presente do subjuntivo, Tempo: Hoje, logo, primeiro, ontem, tarde, outrora, amanhã,
com exceção da 2ª pessoas do singular e do plural, que são retira- cedo, dantes, depois, ainda, antigamente, antes, doravante, nun-
das do presente do indicativo sem o “s”. Ex: Anda – Ande – Ande- ca, então, ora, jamais, agora, sempre, já, enfim, afinal, amiúde,
mos – Andai – Andem: Abram a porta. breve, constantemente, entrementes, imediatamente, primei-
ramente, provisoriamente, sucessivamente, às vezes, à tarde, à
Obs.: O imperativo não possui a 1ª pessoa do singular, pois noite, de manhã, de repente, de vez em quando, de quando em
não se prevê a ordem, conselho ou pedido a si mesmo. quando, a qualquer momento, de tempos em tempos, em breve,
hoje em dia.
Tempos compostos: Formados pelos auxiliares ter ou haver.
Negação: Não, nem, nunca, jamais, de modo algum, de for-
Infinitivo: ma nenhuma, tampouco, de jeito nenhum.
Pretérito impessoal composto - ter falado, ter vendido, etc.
Pretérito pessoal composto - ter (teres) falado, ter (teres) Dúvida: Acaso, porventura, possivelmente, provavelmente,
vendido. quiçá, talvez, casualmente, por certo, quem sabe.
Gerúndio pretérito composto – tendo falado, tendo vendido.
Afirmação: Sim, certamente, realmente, decerto, efetiva-
Indicativo: mente, certo, decididamente, realmente, deveras, indubitavel-
Pretérito perfeito composto - tenho cantado, tenho vendido, etc. mente.

18
LÍNGUA PORTUGUESA

Exclusão: Apenas, exclusivamente, salvo, senão, somente, Classificação


simplesmente, só, unicamente.
Inclusão: Ainda, até, mesmo, inclusivamente, também. As preposições podem ser divididas em dois grupos:
- Preposições Essenciais –palavras que só funcionam como
Interrogação: porque? (causa), quanto? (preço e intensida- preposição, a saber: a, ante, após, até, com, contra, de, desde,
de), onde? (lugar), como? (modo), quando? (tempo), para que? em, entre, para, per, perante, por, sem, sob, sobre, trás.
(finalidade). - Preposições Acidentais –palavras de outras classes grama-
ticais que, podem funcionar como preposição, a saber: afora,
Ordem: Depois, primeiramente, ultimamente. como, conforme, consoante, durante, exceto, mediante, menos,
salvo, segundo, visto etc.
Designação: Eis
Locuções prepositivas: são formadas por duas ou mais pa-
Flexão lavras com o valor de preposição, sempre terminando por uma
preposição, por exemplo: Abaixo de, acerca de, acima de, ao lado
São consideradas palavras invariáveis por não terem flexão de, a respeito de, de acordo com, em cima de, embaixo de, em
de número (singular e plural) e gênero (masculino, feminino); en- frente a, ao redor de, graças a, junto a, com, perto de, por causa
tretanto, são flexionadas nos graus comparativo e superlativo. de, por cima de, por trás de.

Grau Comparativo: O advérbio pode caracterizar relações de A preposição é invariável. Porém, pode unir-se a outras pa-
igualdade, inferioridade ou superioridade. Para indicar esse grau lavras e estabelecer concordância em gênero ou em número. Ex.:
utilizam as formas tão…quanto, mais…que, menos…que. Pode ser: por + o = pelo; por + a = pela.
- de igualdade. Ex.: Enxergo tão bem quanto você. Essa concordância não é característica da preposição e sim
- de superioridade. Ex.: Enxergarei melhor que você. das palavras a que se ela se une. Esse processo de junção de uma
- de inferioridade. Ex.: Enxergaremos pior que você. preposição com outra palavra pode se dar a partir de dois pro-
cessos:
Grau Superlativo: A circunstância aparecerá intensificada.
Pode ser formado tanto pelo processo sintético (acréscimo de su- - Combinação: A preposição não sofre alteração.
fixo), como pelo analítico (outro advérbio estará indicando o grau preposição a + artigos definidos o, os
a + o = ao
superlativo).
preposição a + advérbio onde
a + onde = aonde
- superlativo (ou absoluto) sintético: Acréscimo de sufixo. Ex.:
Este conteúdo é facílimo.
- Contração: Quando a preposição sofre alteração.
- superlativo (ou absoluto) analítico: Precisamos de um ad-
Preposição + Artigos
vérbio de intensidade. Ex.: Este conteúdo é muito fácil.
De + o(s) = do(s)
De + a(s) = da(s)
Ao empregamos dois ou mais advérbios terminados em –
De + um = dum
mente, acrescentamos o sufixo apenas no último. Ex.: Muito fez De + uns = duns
pelo seu povo; trabalhou duro, árdua e ininterruptamente. De + uma = duma
De + umas = dumas
PREPOSIÇÃO Em + o(s) = no(s)
Em + a(s) = na(s)
Palavra invariável que liga dois termos da oração, numa rela- Em + um = num
ção de subordinação donde, geralmente, o segundo termo subor- Em + uma = numa
dina o primeiro. As preposições estabelecem a coesão textual e Em + uns = nuns
possuem valores semânticos indispensáveis para a compreensão Em + umas = numas
do texto. A + à(s) = à(s)
Por + o = pelo(s)
Tipos de Preposição Por + a = pela(s)

Lugar: O voo veio de São Francisco. - Preposição + Pronomes


Modo: Os alunos eram colocados em carteiras. De + ele(s) = dele(s)
Tempo: Ele viajou por três anos. De + ela(s) = dela(s)
Distância: A vinte quilômetros daqui há um pedágio. De + este(s) = deste(s)
Causa: Parou de andar, pois estava com sede. De + esta(s) = desta(s)
Instrumento: Ela cortou o bolo com uma faca pequena. De + esse(s) = desse(s)
Finalidade: A igreja foi enfeitada para o casamento. De + essa(s) = dessa(s)
De + aquele(s) = daquele(s)
De + aquela(s) = daquela(s)

19
LÍNGUA PORTUGUESA

De + isto = disto Dúvida: Hum?, hem?, hã?, Ué!


De + isso = disso Espanto: Oh!, Puxa!, Quê!, Nossa!, Caramba!, Xi!, Meu Deus!,
De + aquilo = daquilo Crê em Deus pai!
De + aqui = daqui Estímulo: Ânimo!, Coragem!, Vamos!, Firme!, Força!
De + aí = daí Medo: Oh!, Credo!, Cruzes!, Ui!, Ai!, Uh!, Socorro!, Que
De + ali = dali medo!, Jesus!
De + outro = doutro(s) Satisfação: Viva!, Oba!, Boa!, Bem!, Bom!
De + outra = doutra(s) Saudação: Alô!, Oi!, Olá!, Adeus!, Tchau!, Salve!
Em + este(s) = neste(s) Silêncio: Psiu!, Shh!, Silêncio!, Basta!, Calado!, Quieto!, Bico
Em + esta(s) = nesta(s) fechado!
Em + esse(s) = nesse(s)
Em + aquele(s) = naquele(s) CONJUNÇÃO
Em + aquela(s) = naquela(s)
Em + isto = nisto É um termo que liga duas orações ou duas palavras de mes-
Em + isso = nisso mo valor gramatical, estabelecendo uma relação (de coordenação
Em + aquilo = naquilo ou subordinação) entre eles.
A + aquele(s) = àquele(s)
A + aquela(s) = àquela(s) Classificação
A + aquilo = àquilo
Conjunções Coordenativas: Ligam duas orações independen-
INTERJEIÇÃO tes.
É uma palavra invariável, que representa um recurso da lin- -Conjunções Aditivas: Exprimem soma, adição de pensamen-
guagem afetiva, expressando sentimentos, sensações, estados de tos: e, nem, não só...mas também, não só...como também.
espírito, sempre acompanhadas de um ponto de exclamação (!).
As interjeições são consideradas “palavras-frases” na medida Exemplo: João não lê nem escreve.
em que representam frases-resumidas, formadas por sons vocá-
licos (Ah! Oh! Ai!), por palavras (Droga! Psiu! Puxa!) ou por um -Conjunções Adversativas: Exprimem oposição, contraste,
grupo de palavras, nesse caso, chamadas de locuções interjetivas compensação de pensamentos: mas, porém, contudo, entretan-
(Meu Deus! Ora bolas!). to, no entanto, todavia.
Tipos de Interjeições
Exemplo: Não viajamos, porém, poupamos dinheiro.
Mesmo não havendo uma classificação rigorosa, já que a
-Conjunções Alternativas: Exprimem escolha de pensamen-
mesma interjeição pode expressar sentimentos ou sensações di-
tos: ou...ou, já...já, ora...ora, quer...quer, seja...seja.
ferentes, as interjeições ou locuções interjetivas são classificadas
em:
Exemplo: Ou você casa, ou compra uma bicicleta.
Advertência: Cuidado!, Olhe!, Atenção!, Fogo!, Calma!, Deva-
gar!, Sentido!, Vê bem!, Volta aqui! Conjunções Conclusivas: Exprimem conclusão de pensamen-
Afugentamento: Fora!, Toca!, Xô!, Passa!, Sai!, Roda!, Arre- to: logo, por isso, pois (quando vem depois do verbo), portanto,
da!, Rua!, Cai fora!, Vaza! por conseguinte, assim.
Agradecimento: Graças a Deus!, Obrigado!, Agradecido!,
Muito obrigada!, Valeu!
Alegria: Ah!, Eh!, Oh!, Oba!, Eba!, Viva!, Olá!, Eita!, Uhu!, Que Exemplo: Estudou bastante, portanto será aprovado.
bom!
Alívio: Ufa!, Uf!, Arre!, Ah!, Eh!, Puxa!, Ainda bem! -Conjunções Explicativas: Exprimem razão, motivo: que, por-
Ânimo: Coragem!, Força!, Ânimo!, Avante!, Vamos!, Firme!, que, assim, pois (quando vem antes do verbo), porquanto, por
Bora! conseguinte.
Apelo: Socorro!, Ei!, Ô!, Oh!, Alô!, Psiu!, Olá!, Eh!
Aplauso: Muito bem!, Bem!, Bravo!, Bis!, É isso aí!, Isso!, Pa- Exemplo: Não pode ligar, pois estava sem bateria.
rabéns!, Boa!
Chamamento: Alô!, Olá!, Hei!, Psiu!, ô!, oi!, psiu! Conjunções Subordinativas: Ligam orações dependentes
Concordância: Claro!, Sem dúvida!, Então!, Sim!, Pois não!, uma da outra.
Tá!, Hã-hã!
Contrariedade: Droga!, Credo! -Conjunções Integrantes: Introduzem orações subordinadas
Desculpa: Perdão!, Opa!, Desculpa!, Foi mal! com função substantiva: que, se.
Desejo: Oxalá!, Tomara!, Queira Deus!, Quem me dera!
Despedida: Adeus!, Até logo!, Tchau!, Até amanhã! Exemplo: Quero que sejas muito feliz.
Dor: Ai!, Ui!, Ah!, Oh!, Meu Deus!, Ai de mim!

20
LÍNGUA PORTUGUESA

-Conjunções Causais: Introduzem orações subordinadas que dão ideia de causa: que, porque, como, pois, visto que, já que, uma vez
que.
Exemplo: Como tive muito trabalho, não pude ir à festa.

-Conjunções Comparativas: Introduzem orações subordinadas que dão ideia de comparação: que, do que, como.

Exemplo: Meu cachorro é mais inteligente do que o seu.

-Conjunções Concessivas: Iniciam orações subordinadas que exprimem um fato contrário ao da oração principal: embora, ainda que,
mesmo que, se bem que, posto que, apesar de que, por mais que, por melhor que.

Exemplo: Vou ao mercado, embora esteja sem muito dinheiro.

-Conjunções Condicionais: Iniciam orações subordinadas que exprimem hipótese ou condição para que o fato da oração principal se
realize ou não: caso, contanto que, salvo se, desde que, a não ser que.

Exemplo: Se não chover, irei à festa.

-Conjunções Conformativas: Iniciam orações subordinadas que exprimem acordo, concordância de um fato com outro: segundo,
como, conforme.

Exemplo: Cada um oferece conforme ganha.

-Conjunções Consecutivas: Iniciam orações subordinadas que exprimem a consequência ou o efeito do que se declara na oração prin-
cipal: que, de forma que, de modo que, de maneira que.

Exemplo: Estava tão linda, de modo que todos pararam para olhar.

-Conjunções Temporais: Iniciam orações subordinadas que dão ideia de tempo: logo que, antes que, quando, assim que, sempre que.

Exemplo: Quando as visitas chegarem, comporte-se.

-Conjunções Finais: Iniciam orações subordinadas que exprimem uma finalidade: a fim de que, para que.

Exemplo: Estudou a fim de conseguir algo melhor.

-Conjunções Proporcionais: Iniciam orações subordinadas que exprimem concomitância, simultaneidade: à medida que, à proporção
que, ao passo que, quanto mais, quanto menos, quanto menor, quanto melhor.

Exemplo: Ao passo que cresce, sua educação diminui.

QUESTÕES

01. IF-AP – Auxiliar em Administração – 2016 - FUNIVERSA

21
LÍNGUA PORTUGUESA

No segundo quadrinho, correspondem, respectivamente, a a) livres, iguais, equitativas, satisfatórias.


substantivo, pronome, artigo e advérbio: b) todos, dever, fraternidade, liberdade.
a) “guerra”, “o”, “a” e “por que”. c) trabalho, ter, direito, desemprego.
b) “mundo”, “a”, “o” e “lá”. d) espírito, seres, nascer, livre.
c) “quando”, “por que”, “e” e “lá”.
d) “por que”, “não”, “a” e “quando”. 04. Prefeitura de Barra de Guabiraba/PE - Nível Fundamen-
e) “guerra”, “quando”, “a” e “não”. tal Completo – 2016 - IDHTEC
Assinale a alternativa em que o numeral está escrito por ex-
02. MPE/SP - Oficial de Promotoria I – 2017 - VUNESP tenso corretamente, de acordo com a sua aplicação na frase:
a) Os moradores do bairro Matão, em Sumaré (SP), temem
Japão irá auxiliar Minas Gerais com a experiência no en- que suas casas desabem após uma cratera se abrir na Avenida
frentamento de tragédias Papa Pio X. (DÉCIMA)
b) O acidente ocorreu nessa terça-feira, na BR-401 (QUATRO-
Acostumados a lidar com tragédias naturais, os japoneses CENTAS E UMA)
costumam se reerguer em tempo recorde depois de catástrofes. c) A 22ª edição do Guia impresso traz uma matéria e teve a
Minas irá buscar experiência e tecnologias para superar a tragé- sua página Classitêxtil reformulada. (VIGÉSIMA SEGUNDA)
dia em Mariana d) Art. 171 - Obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita,
em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, me-
A partir de janeiro, Minas Gerais irá se espelhar na experiên- diante artifício, ardil. (CENTÉSIMO SETÉSIMO PRIMEIRO)
cia de enfrentamento de catástrofes e tragédias do Japão, para e) A Semana de Arte Moderna aconteceu no início do século
tentar superar Mariana e recuperar os danos ambientais e sociais. XX. (SÉCULO DUCENTÉSIMO)
Bombeiros mineiros deverão receber treinamento por meio da
Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica), a exemplo 05. ELETROBRAS-ELETROSUL - Técnico de Segurança do Tra-
da troca de experiências que já acontece no Estado com a polícia balho – 2016 - FCC
comunitária, espelhada no modelo japonês Koban.
O terremoto seguido de um tsunami que devastou a costa Abu Dhabi constrói cidade do futuro, com tudo movido a
nordeste do Japão em 2011 deixando milhares de mortos e de- energia solar
saparecidos, e prejuízos que quase chegaram a US$ 200 bilhões,
foi uma das muitas tragédias naturais que o país enfrentou nos Bem no meio do deserto, há um lugar onde o calor é extremo.
últimos anos. Menos de um ano depois da catástrofe, no entanto, Sessenta e três graus ou até mais no verão. E foi exatamente por
o Japão já voltava à rotina. É esse tipo de experiência que o Brasil causa da temperatura que foi construída em Abu Dhabi uma das
vai buscar para lidar com a tragédia ocorrida em Mariana. maiores usinas de energia solar do mundo.
(Juliana Baeta, http://www.otempo.com.br, 10.12.2015. Adaptado) Os Emirados Árabes estão investindo em fontes energéticas
renováveis. Não vão substituir o petróleo, que eles têm de sobra
No trecho – Bombeiros mineiros deverão receber por mais 100 anos pelo menos. O que pretendem é diversificar e
treinamento... – (1o parágrafo), a expressão em destaque poluir menos. Uma aposta no futuro.
é formada por substantivo + adjetivo, nessa ordem. Essa relação A preocupação com o planeta levou Abu Dhabi a tirar do pa-
também se verifica na expressão destacada em: pel a cidade sustentável de Masdar. Dez por cento do planejado
Parte superior do formulário está pronto. Um traçado urbanístico ousado, que deixa os carros
a) A imprudente atitude do advogado trouxe-me danos. de fora. Lá só se anda a pé ou de bicicleta. As ruas são bem estrei-
b) Entrou silenciosamente, com um espanto indisfarçável. tas para que um prédio faça sombra no outro. É perfeito para o
c) Alguma pessoa teve acesso aos documentos da reunião? deserto. Os revestimentos das paredes isolam o calor. E a direção
d) Trata-se de um lutador bastante forte e preparado. dos ventos foi estudada para criar corredores de brisa.
e) Estiveram presentes à festa meus estimados padrinhos. (Adaptado de: “Abu Dhabi constrói cidade do futuro, com tudo movido
a energia solar”. Disponível em:http://g1.globo.com/globoreporter/noti-
03. CISMEPAR/PR - Técnico Administrativo – 2016 - FAUEL cia/2016/04/abu-dhabi-constroi-cidade-do-futuro-com-tudo-movido-energia-
-solar.html)
“Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignida-
de e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir Considere as seguintes passagens do texto:
uns para com os outros em espírito de fraternidade. Todo indiví- I. E foi exatamente por causa da temperatura que foi
duo tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal. Toda a construída em Abu Dhabi uma das maiores usinas de energia
pessoa tem direito ao trabalho, à livre escolha do trabalho, a con- solar do mundo. (1º parágrafo)
dições equitativas e satisfatórias de trabalho e à proteção contra II. Não vão substituir o petróleo, que eles têm de sobra por
o desemprego”. mais 100 anos pelo menos. (2º parágrafo)
III. Um traçado urbanístico ousado, que deixa os carros de
De acordo com a gramática da língua portuguesa, adjetivo é fora. (3º parágrafo)
a palavra que qualifica um substantivo. Aponte a afirmativa que IV. As ruas são bem estreitas para que um prédio faça sombra
contenha somente adjetivos retirados do texto. no outro. (3º parágrafo)

22
LÍNGUA PORTUGUESA

O termo “que” é pronome e pode ser substituído por “o qual” Não sei se Takeshi Nojima passou no vestibular; a notícia que
APENAS em li não esclarecia a respeito. Mas ele mesmo disse que isto não te-
Parte superior do formulário ria importância: se fosse reprovado, começaria tudo de novo. E aí
a) I e II. de novo ele dá um exemplo. Os resultados do difícil exame trazem
b) II e III. desilusão para muitos jovens, e não são poucos os que pensam
c) I, II e IV. em desistir por causa de um fracasso. A estes eu digo: antes de
d) I e IV. abandonar a luta, pensem em Takeshi Nojima, pensem na força
e) III e IV. de seu sonho. Sonhar não é proibido. É um dever.
(Moacyr Scliar. Minha mãe não dorme enquanto eu não chegar, 1996.
Adaptado)
06. Pref. de Itaquitinga/PE - Assistente Administrativo –
2017 - IDHTEC Observe as passagens:
– … e agora quer começar uma carreira médica. (2° parágrafo);
Morto em 2015, o pai afirma que Jules Bianchi não __________ – … ele tem 80 anos. Isto mesmo, 80. (3° parágrafo);
culpa pelo acidente. Em entrevista, Philippe Bianchi afirma que a – Talvez a expectativa de vida não permita… (4° parágrafo).
verdade nunca vai aparecer, pois os pilotos __________ medo de
falar. “Um piloto não vai dizer nada se existir uma câmera, mas As expressões destacadas expressam, respectivamente, sen-
quando não existem câmeras, todos __________ até mim e me tido de
dizem. Jules Bianchi bateu com seu carro em um trator duran- a) lugar, modo e causa.
te um GP, aquaplanou e não conseguiu __________para evitar o b) tempo, afirmação e dúvida.
choque. c) afirmação, afirmação e dúvida.
(http://espn.uol.com.br/noticia/603278_pai-diz-que-pilotos-da-f-1- d) tempo, modo e afirmação.
-temmedo-de-falar-a-verdade-sobre-o-acidente-fatal-de-bianchi) e) modo, dúvida e intensidade.

Complete com a sequência de verbos que está no tempo, 08. Ceron/RO - Direito – 2016 - EXATUS
modo e pessoa corretos:
a) Tem – tem – vem - freiar A lição do fogo
b) Tem – tiveram – vieram - frear
1º Um membro de determinado grupo, ao qual prestava ser-
c) Teve – tinham – vinham – frenar
viços regularmente, sem nenhum aviso, deixou de participar de
d) Teve – tem – veem – freiar
suas atividades.
e) Teve – têm – vêm – frear 2º Após algumas semanas, o líder daquele grupo decidiu vi-
sitá-lo. Era uma noite muito fria. O líder encontrou o homem em
07. (UNIFESP - Técnico em Segurança do Trabalho – VU- casa sozinho, sentado diante ______ lareira, onde ardia um fogo
NESP/2016) brilhante e acolhedor.
3º Adivinhando a razão da visita, o homem deu as boas-vin-
É permitido sonhar das ao líder, conduziu-o a uma cadeira perto da lareira e ficou
quieto, esperando. O líder acomodou-se confortavelmente no lo-
Os bastidores do vestibular são cheios de histórias – curiosas, cal indicado, mas não disse nada. No silêncio sério que se forma-
estranhas, comoventes. O jovem que chega atrasado por alguns ra, apenas contemplava a dança das chamas em torno das achas
segundos, por exemplo, é uma figura clássica, e patética. Mas da lenha, que ardiam. Ao cabo de alguns minutos, o líder exa-
existem outras figuras capazes de chamar a atenção. minou as brasas que se formaram. Cuidadosamente, selecionou
Takeshi Nojima é um caso. Ele fez vestibular para a Faculda- uma delas, a mais incandescente de todas, empurrando-a ______
de de Medicina da Universidade do Paraná. Veio do Japão aos 11 lado. Voltou, então, a sentar-se, permanecendo silencioso e imó-
anos, trabalhou em várias coisas, e agora quer começar uma car- vel. O anfitrião prestava atenção a tudo, fascinado e quieto. Aos
reira médica. poucos, a chama da brasa solitária diminuía, até que houve um
Nada surpreendente, não fosse a idade do Takeshi: ele tem brilho momentâneo e seu fogo se apagou de vez.
4º Em pouco tempo, o que antes era uma festa de calor e luz
80 anos. Isto mesmo, 80. Numa fase em que outros já passaram
agora não passava de um negro, frio e morto pedaço de carvão
até da aposentadoria compulsória, ele se prepara para iniciar
recoberto _____ uma espessa camada de fuligem acinzentada.
nova vida. E o faz tranquilo: “Cuidei de meus pais, cuidei dos meus Nenhuma palavra tinha sido dita antes desde o protocolar cum-
filhos. Agora posso realizar um sonho que trago da infância”. primento inicial entre os dois amigos. O líder, antes de se preparar
Não faltará quem critique Takeshi Nojima: ele está tirando o para sair, manipulou novamente o carvão frio e inútil, colocando-
lugar de jovens, dirá algum darwinista social. Eu ponderaria que -o de volta ao meio do fogo. Quase que imediatamente ele tornou
nem tudo na vida se regula pelo critério cronológico. Há pais que a incandescer, alimentado pela luz e calor dos carvões ardentes
passam muito pouco tempo com os filhos e nem por isso são em torno dele. Quando o líder alcançou a porta para partir, seu
maus pais; o que interessa é a qualidade do tempo, não a quan- anfitrião disse:
tidade. Talvez a expectativa de vida não permita ao vestibulando 5º – Obrigado. Por sua visita e pelo belíssimo sermão. Estou
Nojima uma longa carreira na profissão médica. Mas os anos, ou voltando ao convívio do grupo.
meses, ou mesmo os dias que dedicar a seus pacientes terão em RANGEL, Alexandre (org.). As mais belas parábolas de todos os tempos
si a carga afetiva de uma existência inteira. –Vol. II.Belo Horizonte: Leitura, 2004.

23
LÍNGUA PORTUGUESA

Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas RESPOSTAS


do texto:
a) a – ao – por. 01 E
b) da – para o – de.
c) à – no – a. 02 E
d) a – de – em. 03 A
04 C
09. IF-PE - Técnico em Enfermagem – 2017 - IF-PE
05 B
Crônica da cidade do Rio de Janeiro 06 E
No alto da noite do Rio de Janeiro, luminoso, generoso, o 07 B
Cristo Redentor estende os braços. Debaixo desses braços os ne- 08 B
tos dos escravos encontram amparo. 09 B
Uma mulher descalça olha o Cristo, lá de baixo, e apontando
seu fulgor, diz, muito tristemente: 10 C
- Daqui a pouco não estará mais aí. Ouvi dizer que vão tirar
Ele daí. COESÃO E COERÊNCIA
- Não se preocupe – tranquiliza uma vizinha. – Não se preo-
cupe: Ele volta. Coerência diz respeito à articulação do texto, compatibilidade
A polícia mata muitos, e mais ainda mata a economia. Na das ideias e à lógica do raciocínio. Coesão referese à expressão
cidade violenta soam tiros e também tambores: os atabaques, linguística, nível gramatical, estruturas frasais e ao emprego do
ansiosos de consolo e de vingança, chamam os deuses africanos. vocabulário.
Cristo sozinho não basta. Ambas relacionamse com o processo de produção e com-
(GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. Porto Alegre: L&PM Pocket, preensão do texto, mas nem sempre um texto coerente apresenta
2009.) coesão e vice-versa. Sendo assim, um texto pode ser gramatical-
mente bem construído, com frases bem estruturadas, vocabulário
Na construção “A polícia mata muitos, e mais ainda mata correto, mas apresentar ideias disparatadas, sem nexo, sem uma
a economia”, a conjunção em destaque estabelece, entre as sequência lógica.
orações, A coerência textual é responsável pela hierarquização dos
Parte superior do formulário elementos textuais, ou seja, ela tem origem nas estruturas pro-
a) uma relação de adição. fundas, no conhecimento do mundo de cada pessoa, aliada à
competência linguística, que permitirá a expressão das ideias
b) uma relação de oposição.
percebidas e organizadas, no processo de codificação referido na
c) uma relação de conclusão.
página
d) uma relação de explicação.
e) uma relação de consequência. Coesão
Parte inferior do formulário
É o resultado da disposição e da correta utilização das pala-
10. (IF-PE - Auxiliar em Administração – IF-PE/2016) vras que propiciam a ligação entre frases, períodos e parágrafos
de um texto. A coesão ajuda com sua organização e ocorre por
A fome/2 meio de palavras chamadas de conectivos.

Um sistema de desvinculo: Boi sozinho se lambe melhor... O Mecanismos de Coesão


próximo, o outro, não é seu irmão, nem seu amante. O outro é
um competidor, um inimigo, um obstáculo a ser vencido ou uma A coesão pode ser obtida através de alguns mecanismos:
coisa a ser usada. O sistema, que não dá de comer, tampouco dá anáfora e catáfora. Ambas se referem à informação expressa no
de amar: condena muitos à fome de pão e muitos mais à fome de texto e, por esse motivo, são qualificadas como endofóricas.
abraços. Enquanto a anáfora retoma um componente, a catáfora o an-
(GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. Porto Alegre: L&PM Pocket, tecipa, contribuindo com a ligação e a harmonia textual.
2009, p. 81.)
Regras para a coesão textual:
No trecho “O sistema, que não dá de comer, tampouco dá
de amar”, a conjunção destacada estabelece, entre as orações, a Referência
relação de
a) conclusão. Pessoal: usa pronomes pessoais e possessivos. Exemplo: Eles
b) adversidade. são irmãos de Elisabete. (Referência pessoal anafórica)
c) adição. Demonstrativa: usa pronomes demonstrativos e advérbios.
d) explicação. Exemplo: Terminei todos os livros, exceto este. (Referência de-
e) alternância. monstrativa catafórica)

24
LÍNGUA PORTUGUESA

Comparativa: usa comparações através de semelhanças. — Começaremos às 8h.


Exemplo: Dorme igual ao irmão. (Referência comparativa endo- — O que começará às 8h? Não sei sobre o que está falando.
fórica)
Substituição Informatividade

Substitui um elemento (nominal, verbal, frasal) por outro é Quanto mais informação não previsível um texto tiver, mais
uma forma de evitar as repetições. Exemplo: Vamos à praia ama- rico e interessante ele será. Assim, dizer o que é óbvio ou insistir
nhã, eles irão nas próximass férias. numa informação e não desenvolvê-la, com certeza desvaloriza
Observe que a substituição acrescenta uma informação nova o texto.
ao texto.
Resumidamente:
Elipse
Coesão: conjunto de elementos posicionados ao longo do
Pode ser omitido através da elipse um componente textual, texto, numa linha de sequência e com os quais se estabelece um
quer seja um nome, um verbo ou uma frase. Exemplo: Temos en- vínculo ou conexão sequencial. Se o vínculo coesivo se faz via
tradas a mais para o show. Você as quer? (A segunda oração é gramática, fala-se em coesão gramatical. Se se faz por meio do
perceptível mediante o contexto. Assim, sabemos que o que está vocabulário, tem-se a coesão lexical.
sendo oferecido são as entradas para o show.) Coerência: é a rede de ligação entre as partes e o todo de
um texto. Conjunto de unidades sistematizadas numa adequada
Conjunção relação semântica, que se manifesta na compatibilidade entre as
ideias.
As conjunções ligam orações estabelecendo relação entre
elas. Exemplo: Nós não sabemos quanto custam as entradas, mas QUESTÕES
ele sabe. (adversativa)
01. TRF 5ª REGIÃO - TÉCNICO JUDICIÁRIO - TECNOLOGIA DA
Coesão Lexical INFORMAÇÃO – 2015 - FCC
Há falta de coesão e de coerência na frase:
É a utilização de palavras que possuem sentido aproximado A) Nem sempre os livros mais vendidos são, efetivamente, os
ou que pertencem a um mesmo campo lexical. São elas: sinôni-
mais lidos: há quem os compre para exibi-los na estante.
mos, hiperônimos, nomes genéricos, entre outros Exemplo: Aque-
B) Aquele romance, apesar de ter sido premiado pela acade-
la casa está inabtável. Ela está literalmente caindo aos pedaços.
mia e bem recebido pelo público, não chegou a impressionar os
críticos dos jornais.
Coerência
C) Se o sucesso daquele romance deveu-se, sobretudo, à res-
posta do público, razão pela qual a maior parte dos críticos tam-
É a relação lógica das ideias de um texto que decorre da sua
bém o teriam apreciado.
argumentação. Um texto contraditório e redundante ou cujas
D) Há livros que compramos não porque nos sejam imediata-
ideias iniciadas não são concluídas, é um texto incoerente, o que
compromete a clareza do discurso e a eficácia da leitura. Exemplo: mente úteis, mas porque imaginamos o quanto poderão nos valer
Ela está de regime, mas adora comer brigadeiros. (quem está de num futuro próximo.
regime não deve comer doces) E) A distribuição dos livros numa biblioteca frequentemente
indica aqueles pelos quais o dono tem predileção.
Fatores de Coerência
02. TJ-PA - MÉDICO PSIQUIATRA – 2014 - VUNESP
São inúmeros os fatores que contribuem para a coerência de Meu amigo lusitano, Diniz, está traduzindo para o francês
um texto. Vejamos alguns: meus dois primeiros romances, Os Éguas e Moscow. Temos tro-
cado e-mails muito interessantes, por conta de palavras e gírias
Conhecimento de Mundo: conjunto de conhecimento que comuns no meu Pará e absolutamente sem sentido para ele. Às
adquirimos ao longo da vida e que são arquivados na nossa me- vezes é bem difícil explicar, como na cena em que alguém empina
mória. papagaio e corta o adversário “no gasgo”.

Inferências: as informações podem ser simplificadas se par- Os termos muito e bem, em destaque, atribuem aos termos
timos do pressuposto que os interlocutores partilham do mesmo aos quais se subordinam sentido de:
conhecimento. A) comparação.
B) intensidade.
Fatores de contextualização C) igualdade.
D) dúvida.
Há fatores que inserem o interlocutor na mensagem provi- E) quantidade.
denciando a sua clareza, como os títulos de uma notícia ou a data
de uma mensagem. Exemplo:

25
LÍNGUA PORTUGUESA

03. TJ/RJ – Analista Judiciário – 2015 - FGV Em qual dos períodos abaixo, a troca de posição entre a pala-
“A USP acaba de divulgar estudo advertindo que a poluição vra sublinhada e o substantivo a que se refere mantém o sentido?
em São Paulo mata o dobro do que o trânsito”. A) Algum autor desejava a minha opinião sobre o seu traba-
lho.
A oração em forma desenvolvida que substitui correta e ade- B) O mesmo porteiro me entregou o pacote na recepção do
quadamente o gerúndio “advertindo” é: hotel.
A) com a advertência de; C) Meu pai procurou uma certa pessoa para me entregar o
B) quando adverte; embrulho.
C) em que adverte; D) Contar histórias é uma prazerosa forma de aproximar os
D) no qual advertia; indivíduos.
E) para advertir. E) Grandes poemas épicos servem para perpetuar a cultura
de um povo.
04. PREF. DE PAULISTA/PE – RECEPCIONISTA – 2016 - UPE-
NET RESPOSTAS
Observe o fragmento de texto abaixo:
“Mas o que fazer quando o conteúdo não é lembrado justa- 1 C
mente na hora da prova?” 2 C
Sobre ele, analise as afirmativas abaixo:
3 B
I. O termo “Mas” é classificado como conjunção subordinati- 4 D
va e, nesse contexto, pode ser substituído por “desde que”. 5 B
II. Classifica-se o termo “quando” como conjunção subordi-
nativa que exprime circunstância temporal. 6 D
III. Acentua-se o “u” tônico do hiato existente na palavra
“conteúdo”. 3. RELAÇÕES DE SENTIDO ENTRE SEGMENTOS DO
IV. Os termos “conteúdo”, “hora” e “prova” são palavras inva- TEXTO.
riáveis, classificadas como substantivos.

Está CORRETO apenas o que se afirma em:


A) I e III. São três os elementos essenciais para a composição de um
B) II e IV. texto: a introdução, o desenvolvimento e a conclusão. Vamos es-
C) I e IV. tudar cada uma de forma isolada a seguir:
D) II e III.
E) I e II. Introdução

É a apresentação direta e objetiva da ideia central do texto. A


05. PREF. DE OSASCO/SP - MOTORISTA DE AMBULÂNCIA
introdução é caracterizada por ser o parágrafo inicial.
– 2016 - FGV
Desenvolvimento
Dificuldades no combate à dengue
Quando tratamos de estrutura, é a maior parte do texto. O
A epidemia da dengue tem feito estragos na cidade de São
desenvolvimento estabelece uma conexão entre a introdução e
Paulo. Só este ano, já foram registrados cerca de 15 mil casos da
a conclusão, pois é nesta parte que as ideias, argumentos e posi-
doença, segundo dados da Prefeitura. cionamento do autor vão sendo formados e desenvolvidos com a
As subprefeituras e a Vigilância Sanitária dizem que existe um finalidade de dirigir a atenção do leitor para a conclusão.
protocolo para identificar os focos de reprodução do mosquito Em um bom desenvolvimento as ideias devem ser claras e
transmissor, depois que uma pessoa é infectada. Mas quando aptas a fazer com que o leitor anteceda qual será a conclusão.
alguém fica doente e avisa as autoridades, não é bem isso que
acontece. São três principais erros que podem ser cometidos na elabo-
(Saúde Uol). ração do desenvolvimento:
- Distanciar-se do texto em relação ao tema inicial.
“Só este ano...” O ano a que a reportagem se refere é o ano - Focar em apenas um tópico do tema e esquecer dos outros.
A) em que apareceu a dengue pela primeira vez. - Falar sobre muitas informações e não conseguir organizá-
B) em que o texto foi produzido. -las, dificultando a linha de compreensão do leitor.
C) em que o leitor vai ler a reportagem.
D) em que a dengue foi extinta na cidade de São Paulo.
E) em que começaram a ser registrados os casos da doença.

06. CEFET/RJ - REVISOR DE TEXTOS – 2015 - CESGRANRIO

26
LÍNGUA PORTUGUESA

Conclusão não é suficiente. Deveríamos dispor de instrumentos legais para


processar quem abusa do poder contra os eleitores – e esse abuso
Ponto final de todas as argumentações discorridas no desen- transcende partidos e ideologias. […] (
volvimento, ou seja, o encerramento do texto e dos questiona- Texto retirado do artigo de Ruth Aquino. Revista Época, 02/09/2103.)
mentos levantados pelo autor.
Ao fazermos a conclusão devemos evitar expressões como: O texto apresenta como ideia central:
“Concluindo...”, “Em conclusão, ...”, “Como já dissemos antes...”. A) inúmeros questionamentos e dúvidas que demonstram a
falta de informação da autora sobre o modo de punir o serviço
Parágrafo público de má qualidade.
B) questionamentos retóricos que refletem a indignação da
Se caracteriza como um pequeno recuo em relação à margem autora diante dos desmandos de políticos e de instituições públi-
esquerda da folha. Conceitualmente, o parágrafo completo deve cas contra os cidadãos que não têm como punir os que deviam
conter introdução, desenvolvimento e conclusão. representá-los.
- Introdução – apresentação da ideia principal, feita de ma- C) a ideia de que o cidadão que não é vândalo tem que ser
neira sintética de acordo com os objetivos do autor. bem tratado pelos políticos e pelos servidores públicos.
- Desenvolvimento – ampliação do tópico frasal (introdução), D) a discussão de que é pelo voto que podemos punir os polí-
atribuído pelas ideias secundárias, a fim de reforçar e dar credibi- ticos e seus partidos pelo desrespeito imposto aos cidadãos.
lidade na discussão. E) a ideia de que abusos contra os cidadãos que não são elei-
- Conclusão – retomada da ideia central ligada aos pressupos- tores ocorrem todos os dias e devem ser punidos.
tos citados no desenvolvimento, procurando arrematá-los. 02. TRE SP - Analista Judiciário – 2017 – FCC

Exemplo de um parágrafo bem estruturado (com introdu- A amizade é um exercício de limites afetivos em permanente
ção, desenvolvimento e conclusão): desejo de expansaõ

“Nesse contexto, é um grave erro a liberação da maconha. Amizade


Provocará de imediato violenta elevação do consumo. O Estado
perderá o precário controle que ainda exerce sobre as drogas psi- A amizade é um exercício de limites afetivos em permanente
cotrópicas e nossas instituições de recuperação de viciados não desejo de expansão. Por mais completa que pareça ser uma rela-
terão estrutura suficiente para atender à demanda. Enfim, vive- ção de amizade, ela vive também do que lhe falta e da esperança
remos o caos. ” de que um dia nada venha a faltar. Com o tempo, aprendemos
(Alberto Corazza, Isto É, com adaptações) a esperar menos e a nos satisfazer com a finitude dos sentimen-
tos nossos e alheios, embora no fundo de nós ainda esperemos a
Elemento relacionador: Nesse contexto. súbita novidade que o amigo saberá revelar. Sendo um exercício
Tópico frasal: é um grave erro a liberação da maconha. bem-sucedido de tolerância e paciência – amplamente recompen-
Desenvolvimento: Provocará de imediato violenta elevação sadas, diga-se – a amizade é também a ansiedade e a expectativa
do consumo. O Estado perderá o precário controle que ainda de descobrirmos em nós, por intermédio do amigo, uma dimensão
exerce sobre as drogas psicotrópicas e nossas instituições de re- desconhecida do nosso ser.
cuperação de viciados não terão estrutura suficiente para atender Há quem julgue que cabe ao amigo reconhecer e estimular
à demanda. nossas melhores qualidades. Mas por que não esperar que o valor
Conclusão: Enfim, viveremos o caos. maior da amizade está em ser ela um necessário e fiel espelho de
nossos defeitos? Não é preciso contar com o amigo para conhe-
QUESTÕES cermos melhor nossas mais agudas imperfeições? Não cabe ao
amigo a sinceridade de quem aponta nossa falha, pela esperança
01. IFCE – Administrador - 2014 de que venhamos a corrigi-la? Se o nosso adversário aponta nos-
sas faltas no tom destrutivo de uma acusação, o amigo as identifi-
Como processar quem não nos representa? ca com lealdade, para que nos compreendamos melhor.
Quando um amigo verdadeiro, por contingência da vida ou
Não somos vândalos. E deveríamos ganhar flores. Cidadãos imposição da morte, é afastado de nós, ficam dele, em nossa
que respeitam as regras são diariamente maltratados por servi- consciência, seus valores, seus juízos, suas percepções. Perguntas
ços públicos ineficientes. Como processar o prefeito e o governa- como “O que diria ele sobre isso?” ou “O que faria ele com isso?”
dor se nossos impostos não se traduzem no respeito ao cidadão? passam a nos ocorrer: são perspectivas dele que se fixaram e con-
Como processar um Congresso que se comporta de maneira vil, tinuam a agir como um parâmetro vivo e importante. As marcas
ao manter como deputado, em voto secreto, o presidiário Natan da amizade não desaparecem com a ausência do amigo, nem se
Donadon, condenado a 13 anos por roubo de dinheiro público? enfraquecem como memórias pálidas: continuam a ser referên-
Se posso ser multada (e devo ser) caso jogue no chão um cias para o que fazemos e pensamos.
papel de bala, por que não posso multar o prefeito quando a ci- (CALÓGERAS, Bruno, inédito)Considere as seguintes afirmações:
dade não funciona? E por que não posso multar o governador, se
o serviço público me provoca sentimentos de fúria e impotência?
Como punir o vandalismo moral do Estado? Ah, pelo voto. Não,

27
LÍNGUA PORTUGUESA

I. No primeiro parágrafo, há a sugestão de que a tolerância III. No terceiro parágrafo, estabelece-se uma conexão entre di-
e a paciência, qualidades positivas mas dispensáveis entre ami- ferentes culturas e diferentes formas de discussão, concluindo-se
gos verdadeiros, dão lugar à recompensa da incondicionalidade que um acordo é mais fácil nas contendas mais acaloradas.
do afeto.
II. No segundo parágrafo, expressa-se a convicção de que o Em relação ao texto, está correto o que se afirma em
amigo verdadeiro não apenas releva nossos defeitos como tam- A) I, II e III.
bém é capaz de convertê-los em qualidades nossas. B) I e II, apenas.
III. No terceiro parágrafo, considera-se que da ausência oca- C) II e III, apenas.
sional ou definitiva do amigo não resulta que seus valores e seus D) I e III, apenas.
pontos de vista deixem de atuar dentro de nossa consciência. E) II, apenas.

Em relação ao texto está correto o que se afirma em: 04. Polícia Civil - AP - Oficial de Polícia Civil – 2017 – FCC
A) I, II e III.
B) I e II, apenas. Ações e limites
C) II e III, apenas.
D) I e III, apenas. Quem nunca ouviu a frase “Conte até dez antes de agir”? Não
E) III, apenas. é comum que se respeite esse conselho, somos tentados a dar
livre vasão aos nossos impulsos, mas a recomendação tem sua
03. TRE SP - Analista Judiciário – 2017 – FCC utilidade: dez segundos são um tempo precioso, podem ser a di-
ferença entre o ato irracional e a prudência, entre o abismo e a
Discussão – o que é isso? ponte para um outro lado. Entre as pessoas, como entre os gru-
pos ou grandes comunidades, pode ser necessário abrir esse mo-
A palavra discussão tem sentido bastante controverso: tanto mento de reflexão e diplomacia, que antecede e costuma evitar
pode indicar a hostilidade de um confronto insanável (“a discussão os desastres irreparáveis.
entre vizinhos acabou na delegacia”) como a operação necessária Tudo está em reconhecer os limites, os nossos e os alheios.
para se esclarecer um assunto ou chegar a um acordo (“discutiram, Desse reconhecimento difícil depende nossa humanidade. Dar a
discutiram e acabaram concordando”). Mas o que toda discussão si mesmo e ao outro um tempo mínimo de consideração e análise,
supõe, sempre, é a presença de um outro diante de nós, para quem antes de irromper em fúria sem volta, é parte do esforço civiliza-
somos o outro. A dificuldade geral está nesse reconhecimento a um tório que combate a barbárie. A racionalidade aceita e convocada
tempo simples e difícil: o outro existe, e pode estar certo, sua posi- para moderar o tumulto passional dificilmente traz algum arre-
ção pode ser mais justa do que a minha. pendimento. Cansamo-nos de ouvir: “Eu não sabia o que estava
Entre dois antagonistas há as palavras e, com elas, os argu- fazendo naquela hora”. Pois os dez segundos existem exatamente
mentos. Uma discussão proveitosa deverá ocorrer entre os argu- para nos dar a oportunidade de saber.
mentos, não entre as pessoas dos contendores. Se eu trago para O Direito distingue, é verdade, o crime praticado sob “vio-
uma discussão meu juízo já estabelecido sobre o caráter, a índole, a
lenta emoção” daquele “friamente premeditado”. Há, sim, ate-
personalidade do meu interlocutor, a discussão apenas servirá para
nuantes para quem age criminosamente sob o impulso do ódio.
a exposição desses valores já incorporados em mim: quero destruir
Mas melhor seria se não houvesse crime algum, porque alguém
a pessoa, não quero avaliar seu pensamento. Nesses casos, a dis-
cussão é inútil, porque já desistiu de qualquer racionalização se convenceu da importância de contar até dez.
(Décio de Arruda Tolentino, inédito)
As formas de discussão têm muito a ver, não há dúvida, com
a cultura de um povo. Numa sociedade em que as emoções mais
fortes têm livre curso, a discussão pode adotar com naturalidade Considere estas orações:
uma veemência que em sociedades mais “frias” não teria lugar. Es- Os impulsos instintivos são brutais.
tão na cultura de cada povo os ingredientes básicos que temperam A irracionalidade marca os impulsos instintivos.
uma discussão. Seja como for, sem o compromisso com o exame Precisamos dominar nossos impulsos instintivos.
atento das razões do outro, já não haverá o que discutir: estaremos
simplesmente fincando pé na necessidade de proclamar a verda- As orações acima estão articuladas, de modo claro, coerente
de absoluta, que seria a nossa. Em casos assim, falar ao outro é o e correto, no seguinte período:
mesmo que falar sozinho, diante de um espelho complacente, que A) Dado que os instintos sejam brutais, em razão de sua irra-
refletirá sempre a arrogância da nossa vaidade. cionalidade, sendo necessário que nos urge dominá-los.
(COSTA, Teobaldo, inédito) B) Os brutais impulsos instintivos caracterizam-se pela irra-
cionalidade, motivo pelo qual se impõe que os dominemos.
Atente para as seguintes afirmações: C) Urge que venhamos a dominar aos nossos impulsos instin-
tivos, conquanto marcam nossa brutalidade.
I. No primeiro parágrafo, expõe-se a condição mínima para a D) O domínio dos impulsos instintivos mais brutais precisam
ocorrência de uma discussão, sem que se mencione a ação de um de se impor diante de sua irracionalidade.
entrave inicial que possa dificultá-la. E) Sendo brutais, os impulsos instintivos cuja a marca é a irra-
II. No segundo parágrafo, aponta-se, como elemento frequen- cionalidade, impõe-se que sejam dominados.
te em algumas discussões, a intolerância, que não me deixa reco-
nhecer os argumentos da pessoa a quem já julguei.

28
LÍNGUA PORTUGUESA

05. Polícia Civil - AP - Oficial de Polícia Civil – 2017 – FCC


4. VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ADEQUAÇÃO NO USO DA
Ações e limites LÍNGUA ÀS SITUAÇÕES DE COMUNICAÇÃO.

Quem nunca ouviu a frase “Conte até dez antes de agir”?


Não é comum que se respeite esse conselho, somos tentados a Variações linguísticas reúnem as variantes da língua que fo-
dar livre vasão aos nossos impulsos, mas a recomendação tem ram criadas pelos homens e são reinventadas a cada dia.
sua utilidade: dez segundos são um tempo precioso, podem ser Dessas reinvenções surgem as variações que envolvem diver-
a diferença entre o ato irracional e a prudência, entre o abismo sos aspectos históricos, sociais, culturais e geográficos.
e a ponte para um outro lado. Entre as pessoas, como entre os No Brasil, é possível encontrar muitas variações linguísticas,
grupos ou grandes comunidades, pode ser necessário abrir esse por exemplo, na linguagem regional. Todas as pessoas que falam
momento de reflexão e diplomacia, que antecede e costuma evi- uma determinada língua conhecem as estruturas gerais, básicas,
tar os desastres irreparáveis. de funcionamento podem sofrer variações devido à influência de
Tudo está em reconhecer os limites, os nossos e os alheios. inúmeros fatores.
Desse reconhecimento difícil depende nossa humanidade. Dar a Nenhuma língua é usada de maneira uniforme por todos os
si mesmo e ao outro um tempo mínimo de consideração e análise,
seus falantes em todos os lugares e em qualquer situação. Sabe-
antes de irromper em fúria sem volta, é parte do esforço civiliza-
-se que, numa mesma língua, há formas distintas para traduzir o
tório que combate a barbárie. A racionalidade aceita e convocada
mesmo significado dentro de um mesmo contexto.
para moderar o tumulto passional dificilmente traz algum arre-
As variações que distinguem uma variante de outra se mani-
pendimento. Cansamo-nos de ouvir: “Eu não sabia o que estava
fazendo naquela hora”. Pois os dez segundos existem exatamente festam em quatro planos distintos, a saber: fônico, morfológico,
para nos dar a oportunidade de saber. sintático e lexical.
O Direito distingue, é verdade, o crime praticado sob “vio-
lenta emoção” daquele “friamente premeditado”. Há, sim, ate- Variações Fônicas
nuantes para quem age criminosamente sob o impulso do ódio.
Mas melhor seria se não houvesse crime algum, porque alguém Ocorrem no modo de pronunciar os sons constituintes da pa-
se convenceu da importância de contar até dez. lavra. Os exemplos de variação fônica são abundantes e, ao lado
(Décio de Arruda Tolentino, inédito) do vocabulário, constituem os domínios em que se percebe com
mais nitidez a diferença entre uma variante e outra.
A recomendação de se distinguir entre o ato irracional e a
prudência, no primeiro parágrafo, é retomada nesta outra formu- Variações Morfológicas
lação do texto:
A) Não é comum que se respeite esse conselho (1º parágrafo). São as que ocorrem nas formas constituintes da palavra. Nes-
B) Tudo está em reconhecer os limites, os nossos e os alheios se domínio, as diferenças entre as variantes não são tão numero-
(2º parágrafo). sas quanto as de natureza fônica, mas não são desprezíveis.
C) é parte do esforço civilizatório que combate a barbárie (2º
parágrafo). Variações Sintáticas
D) consideração e análise, antes de irromper em fúria sem
volta (2ºparágrafo). Dizem respeito às correlações entre as palavras da frase. No
E) atenuantes para quem age criminosamente sob o impulso domínio da sintaxe, como no da morfologia, não são tantas as di-
do ódio (3º parágrafo). ferenças entre uma variante e outra.
RESPOSTAS Variações Léxicas

01 B É o conjunto de palavras de uma língua. As variantes do


02 E plano do léxico, como as do plano fônico, são muito numerosas
e caracterizam com nitidez uma variante em confronto com
03 E
outra.
04 B
05 D Tipos de Variação

Não tem sido fácil para os estudiosos encontrar para as va-


riantes linguísticas um sistema de classificação que seja simples e,
ao mesmo tempo, capaz de dar conta de todas as diferenças que
caracterizam os múltiplos modos de falar dentro de uma comuni-
dade linguística. O principal problema é que os critérios adotados,
muitas vezes, se superpõem, em vez de atuarem isoladamente.

29
LÍNGUA PORTUGUESA

As variações mais importantes, para o interesse do concurso QUESTÕES


público, são os seguintes:
01. UNIFAL-MG - Engenheiro Civil – 2018 - UNIFAL-MG
Existem diferentes variações ocorridas na língua, entre elas
estão:

Variação Histórica - Aquela que sofre transformações ao lon-


go do tempo. Como por exemplo, a palavra “Você”, que antes era
vosmecê e que agora, diante da linguagem reduzida no meio ele-
trônico, é apenas VC. O mesmo acontece com as palavras escritas
com PH, como era o caso de pharmácia, agora, farmácia.

Variação Regional (os chamados dialetos) - São as variações


ocorridas de acordo com a cultura de uma determinada região,
tomamos como exemplo a palavra mandioca, que em certas re-
giões é tratada por macaxeira; e abóbora, que é conhecida como
jerimum.
Destaca-se também o caso do dialeto caipira, o qual perten-
ce àquelas pessoas que não tiveram a oportunidade de ter uma
educação formal, e em função disso, não conhecem a linguagem
“culta”. Na escrita de gêneros do discurso oficiais, o uso da língua
portuguesa em sua variedade padrão é obrigatório. Na charge,
Variação Social - É aquela pertencente a um grupo específi- verifica-se:
co de pessoas. Neste caso, podemos destacar as gírias, as quais A) a observância da norma padrão com o uso de “distraído”
pertencem a grupos de surfistas, tatuadores, entre outros; a lin- em vez de “distraída” que deveria concordar com “Vossa
guagem coloquial, usada no dia a dia das pessoas; e a linguagem Excelência”.
formal, que é aquela utilizada pelas pessoas de maior prestígio B) a ocorrência de desvio da norma padrão pela falta de
social. vírgula separando o vocativo.
Fazendo parte deste grupo estão os jargões, que pertencem C) a observância da norma padrão com o uso do imperativo
a uma classe profissional mais específica, como é o caso dos mé- “Desculpe” em vez de “Desculpa”.
dicos, profissionais da informática, dentre outros. D) a ocorrência de desvio da norma padrão pelo uso de
“Vossa Excelência” em vez de “Sua Excelência”.
Variação Situacional: ocorre de acordo com o contexto o qual
está inserido, por exemplo, as situações formais e informais. 02. SEDUC/PI – PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA –
2015 - NUCEPE
Preconceito Linguístico
SOTAQUE MINEIRO: É ILEGAL, IMORAL OU ENGORDA?
Está intimamente relacionado com as variações linguísticas,
uma vez que ele surge para julgar as manifestações linguísticas Gente, simplificar é um pecado. Se a vida não fosse tão corri-
ditas “superiores”. da, se não tivesse tanta conta para pagar, tantos processos — oh
Para pensarmos nele não precisamos ir muito longe, pois em sina — para analisar, eu fundaria um partido cuja luta seria desco-
nosso país, embora o mesmo idioma seja falado em todas as re- brir as falas de cada região do Brasil.
giões, cada uma possui suas peculiaridades que envolvem diver- Cadê os linguistas deste país? Sinto falta de um tratado geral
sos aspectos históricos e culturais. das sotaques brasileiros. Não há nada que me fascine mais. Como
A maneira de falar do norte é muito diferente da falada no sul é que as montanhas, matas ou mares influem tanto, e determi-
do país. Isso ocorre porque nos atos comunicativos, os falantes da nam a cadência e a sonoridade das palavras? (...)
língua vão determinando expressões, sotaques e entonações de Os mineiros têm um ódio mortal das palavras completas.
acordo com as necessidades linguísticas. Preferem, sabe-se lá por que, abandoná-las no meio do caminho
O preconceito linguístico surge no tom de deboche, sendo a (não dizem: pode parar, dizem: pó parar. Não dizem: onde eu es-
variação apontada de maneira pejorativa e estigmatizada.
tou?, dizem: ôndôtô?). Parece que as palavras, para os mineiros,
É importante ressaltar que todas variações são aceitas e ne-
são como aqueles chatos que pedem carona. Quando você perce-
nhuma delas é superior, ou considerada a mais correta.
be a roubada, prefere deixá-los no caminho. (...)
Mineiro não fala que o sujeito é competente em tal ou qual
atividade. Fala que ele é bom de serviço. Pouco importa que seja
um juiz, um jogador de futebol ou um ator de filme pornô. Se
der no couro — metaforicamente falando, claro — ele é bom de
serviço. Faz sentido...

30
LÍNGUA PORTUGUESA

Mineiras não usam o famosíssimo tudo bem. Sempre que 04. SEDUC-CE - Professor - Língua Portuguesa – 2018 - UECE-
duas mineiras se encontram, uma delas há de perguntar pra ou- -CEV
tra: cê tá boa? Para mim, isso é pleonasmo. Perguntar para uma
mineira se ela tá boa, é como perguntar a um peixe se ele sabe Leia a historinha O limoeiro de Maurício de Sousa.
nadar. Desnecessário.
Há outras. Vamos supor que você esteja tendo um caso com Legenda:
uma mulher casada. Um amigo seu, se for mineiro, vai chegar e CB – Chico Bento (falando com um limoeiro que ele plantou)
dizer: — Mexe com isso não, sô (leia-se: sai dessa, é fria, etc).(...). P – Pai do Chico Bento
Os mineiros também não gostam do verbo conseguir. Aqui
M – Mãe do Chico Bento
ninguém consegue nada. Você não dá conta. Sôcê (se você) acha
que não vai chegar a tempo, você liga e diz: — Aqui, não vou dar
conta de chegar na hora, não, sô. (...) CB: – Vixi! Como você cresceu! Inté parece qui foi onte qui
Mineiras não dizem apaixonado por. Dizem, sabe-se lá por prantei esse limoero! Agora, já ta cheio di gaio! Quase da minha
que, apaixonado com. Soa engraçado aos ouvidos forasteiros. artura! Como o tempo passa, né? Uns tempo atrais, ocê era deste
Ouve-se a toda hora: Ah, eu apaixonei com ele.... Ou: sou doida tamanhico! Fiz um buraquinho i ponhei ocê inda mudinha dentro!
com ele (ele, no caso, pode ser você, um carro, um cachorro). Elas Protegi dos ventos, do sor, das geada... i nunca dexei fartá água!
vivem apaixonadas com alguma coisa. Imagina si eu ia dexá ocê passá sede! Hoje você ta desse tama-
(Texto de Felipe Peixoto Braga Netto - Crônica extraída do livro “As nhão! Quero vê o dia im qui ocê tivé mais grande qui eu! Imagina
coisas simpáticas da vida”, Landy Editora, São Paulo (SP) - 2005, pág. 82. só! Cum uns gaio cumprido cheio di limão i umas fia bem larga,
Publicação retirada do site: http://goo.gl/ajNZpc. - Acesso em 14.6.2015).
pra dá sombra pra quem tivé dibaxo! Aí, num vô percisá mais mi
Teoricamente, a noção de sotaque aplica-se apenas às va- precupá c’ocê, né limoero? Pruque aí ocê vai tá bem forte! Vai
riações linguísticas relativas à pronúncia das palavras. No títu- sabê si protegê do vento do sor i da geada, sozinho! I suas raiz
lo do texto, Sotaque mineiro: é ilegal, imoral ou engorda?, há vão tá tão cumprida qui ocê vai podê buscá água por sua conta!
uma sinalização de que o tema variação linguística será tratado Ocê vai sê dono doce mesmo! Sabe, limoero...Tava pensando...
levando-se em conta essa dimensão, mas verificam-se referências Acho que dispois, vai sê eu qui vô percisá docê! Isso é... Quando
a outras dimensões de variação. A opção em que a ideia de eu ficá mais véio! Craro! Cum uns limão tão bão qui ocê tem... i a
sotaque é evidenciada mais pontualmente é: sombra qui ocê dá, pode mi protegê inté dos pongo di chuva! Ocê
A) “ Mineiro não fala que o sujeito é competente em tal ou vai fazê isso, limoeiro? Cuidá de mim também? Num importa! O
qual atividade. Fala que ele é bom de serviço” importante é qui eu prantei ocê! I é ansim qui eu gosto! Do jeito
B) ” Um amigo seu, se for mineiro, vai chegar e dizer: — Mexe qui ocê é.
com isso não, sô (leia-se: sai dessa, é fria, etc).” P (para M): – Muié... tem reparado como nosso fio cresceu? Fonte:
C) “ Os mineiros também não gostam do verbo conseguir... Chico Bento, nº 354.
Sôcê (se você) acha que não vai chegar a tempo, você liga e diz: —
Aqui, não vou dar conta de chegar na hora, não, sô.” Considerando a variação linguística utilizada, assinale a op-
D) “... Não dizem: onde eu estou?, dizem: ôndôtô?”
ção que apresenta uma visão preconceituosa a respeito do texto.
E) “ Mineiras não dizem apaixonado por. Dizem, sabe-se lá
por que, apaixonado com.... Ouve-se a toda hora: Ah, eu apaixo- A) A criação do personagem Chico Bento permite que as
nei com ele.... Ou: sou doida com ele (...) crianças com antecedentes urbanos se familiarizem com a cultura
rural.
03. SEDUC/PI – PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA – B) O Conselho Nacional de Cultura deveria proibir a publica-
2015 - NUCEPE ção da revista, pois o modo de falar do Chico pode influenciar a
Ainda em relação ao texto da questão 02: fala das crianças brasileiras.
Em: “Se a vida não fosse tão corrida, se não tivesse tanta C) Em sala de aula, Chico Bento pode se transformar em um
conta para pagar, tantos processos — oh sina — para analisar, símbolo do multiculturalismo que ali deve ser cultivado.
eu fundaria um partido...”, é CORRETO afirmar sobre a expressão D) As historinhas do Chico Bento funcionam como um recur-
destacada. so para despertar nos alunos a consciência da diversidade socio-
A) Está empregada de maneira inadequada por tratar-se de linguística.
uma expressão usada na oralidade, em um texto escrito.
B) Não poderia ser usada em um texto que trata teoricamen- 05. MPE-BA - Analista Técnico - Letras Vernáculas – 2017 –
te de variação linguística, por ser tão informal. FGV
C) Está adequadamente usada e traduz informalidade e apro-
ximação com o leitor, além de sinalizar para a leveza com a qual o Numa negociação de umas quintas em Portugal, poderia
tema será abordado. ocorrer a seguinte frase na língua falada portuguesa: - Tu queres
D) Está adequadamente utilizada por se tratar de um estilo de que eu tas venda?
escrita originariamente revelado no padrão culto da língua.
E) Não é usada adequadamente porque seu autor confessa- Em linguagem falada contemporânea brasileira não regional,
-se pouco conhecedor do tema abordado no texto. essa mesma frase deveria ser expressa do seguinte modo:
A) Tu queres que eu te venda as quintas?
B) Tu queres que eu venda-as a você?
C) Você quer que eu venda elas a você?

31
LÍNGUA PORTUGUESA

D) Tu queres que eu venda as quintas a ti? Uso do h


E) Você quer que eu as venda a ti?
O h é utilizado:
RESPOSTAS - No final de interjeições: Ah!, Oh!
- Por etimologia: hoje, homem.
01 B - Nos dígrafos ch, lh, nh: tocha, carvalho, manhã.
- Palavras compostas: sobre-humano, super-homem.
02 D - Exceção: Bahia quando se refere ao estado. O acidente geo-
03 C gráfico baía é escrito sem h.
04 B
Uso do s/z
05 C
O s é utilizado:
- Adjetivos terminados pelos sufixos -oso/-osa que indicam
5. ORTOGRAFIA. 5.1 EMPREGO DE LETRAS. grande quantidade, estado ou circunstância: maudoso, feiosa.
- Nos sufixo -ês, -esa, -isa que indicam origem, título ou pro-
fissão: marquês, portuguesa, poetisa.
- Depois de ditongos: coisa, pousa.
ORTOGRAFIA - Na conjugação dos verbos pôr e querer: pôs, quiseram.

A Ortografia estuda a forma correta de escrita das palavras O z é utilizado:


de uma língua. Do grego “ortho”, que quer dizer correto e “grafo”,
por sua vez, que significa escrita. - Nos sufixos -ez/-eza que formam substantivos a partir de
É influenciada pela etimologia e fonologia das palavras. Além adjetivos: magro - magreza, belo - beleza, grande - grandeza.
disso, são feitas convenções entre os falantes de uma mesma lín- - No sufixo - izar, que forma verbo: atualizar, batizar, hospi-
gua que visam unificar a sua ortografia oficial. Trata-se dos acor- talizar.
dos ortográficos.

Alfabeto Escreve-se com s Escreve-se com z


O alfabeto é formado por 26 letras Alisar amizade
Vogais: a, e, i, o, u, y, w.
atrás azar
Consoantes: b,c,d,f,g,h,j,k,l,m,n,p,q,r,s,t,v,w,x,z.
Alfabeto: a,b,c,d,e,f,g,h,i,j,k,l,m,n,o,p,q,r,s,t,u,v,w,x,y,z. através azia
gás giz
Regras Ortográficas
groselha prazer
Uso do x/ch invés rodízio

O x é utilizado: Uso do g/j


- Em geral, depois dos ditongos: caixa, feixe.
- Depois da sílaba -me: mexer, mexido, mexicano. O g é utilizado:
- Palavras com origem indígena ou africana: xavante, xingar. - Palavras que terminem em -ágio, -égio, -ígio, -ógio, -úgio:
- Depois da sílaba inicial -en: enxofre, enxada. pedágio, relógio, refúgio.
- Exceção: O verbo encher (e palavras derivadas) escreve-se - Substantivos que terminem em -gem: lavagem, viagem.
com ch.
O j é utilizado:
Escreve-se com x Escreve-se com ch - Palavras com origem indígena: pajé, canjica.
- Palavras com origem africana: jiló, jagunço.
bexiga bochecha
bruxa boliche
Escreve-se com g Escreve-se com j
caxumba broche
estrangeiro berinjela
elixir cachaça
gengibre cafajeste
faxina chuchu
geringonça gorjeta
graxa colcha
gíria jiboia
lagartixa fachada
ligeiro jiló
tangerina sarjeta

32
LÍNGUA PORTUGUESA

Parônimos e Homônimos QUESTÕES

Há diferentes formas de escrita que existem, mas cujo signi- 01. SEAP-MG - Agente de Segurança Penitenciário – 2018 -
ficado é diferente. IBFC

Palavras parônimas são parecidas na grafia ou na pronúncia, A ortografia estuda a forma correta da escrita das palavras
mas têm significados diferentes. de uma determinada língua, no caso a Língua Portuguesa. É in-
Exemplos: fluenciada pela etimologia e fonologia das palavras, assim sendo
observe com atenção o texto. Agente Penitenciário, Agente Pri-
cavaleiro (de cavalos) cavalheiro (educado) sional, Agente de Segurança Penitenciário ou Agente Estadual/
Federal de Execução Penal. Entre suas atribuições estão: manter
descrição (descrever) discrição (de discreto) a ordem, diciplina, custódia e vigilância no interior das unidades
emigrar (deixar o país) imigrar (entrar no país) prisionais, assim como no âmbito externo das unidades, como
escolta armada para audiências judiciais, transferência de presos
Palavras homônimas têm a mesma pronúncia, mas significa- etc. Desempenham serviços de natureza policial como aprensões
dos diferentes. de ilícitos, revistas pessoais em detentos e visitantes, revista em
Exemplos: veículos que adentram as unidades prisionais, controle de rebe-
liões e ronda externa na área do perímetro de segurança ao redor
da unidade prisional. Garantem a segurança no trabalho de resso-
cela (cômodo pequeno) sela (de cavalos) sialização dos internos promovido pelos pisicólogos, pedagogos e
ruço (pardo claro) russo (da Rússia) assistentes sociais. Estão subordinados às Secretarias de Estado
tachar (censurar) taxar (fixar taxa) de Administração Penitenciária - SEAP, secretarias de justiças ou
defesa social, dependendo da nomenclatura adotada em cada Es-
Consoantes dobradas tado.
Fonte: Wikipedia – *com alterações
- Só se duplicam as consoantes C, R, S. ortográficas.
- Escreve-se com CC ou CÇ quando as duas consoantes soam
distintamente: convicção, cocção, fricção, facção, etc. Assinale a alternativa que apresenta todas as palavras, retira-
- Duplicam-se o R e o S em dois casos: Quando, intervocáli- das do texto, com equívocos em sua ortografia.
cos, representam os fonemas /r/ forte e /s/ sibilante, respectiva- A) atribuições; diciplina; audiências; desempenham.
mente: carro, ferro, pêssego, missão, etc. Quando há um elemen- B) diciplina; aprensões; ressosialização; pisicólogos.
to de composição terminado em vogal a seguir, sem interposição C) audiências; ilícitos; atribuições; desempenham.
do hífen, palavra começada com /r/ ou /s/: arroxeado, correlação, D) perímetro; diciplina; desempenham; ilícitos.
pressupor, etc. E) aprensões; ressosialização; desempenham; audiências.

Uso do hífen 02. ELETTROBRAS – LEITURISTA – 2015 – IADES


Considerando as regras de ortografia, assinale a alternativa
Desde a entrada em vigor do atual acordo ortográfico, a escri- em que a palavra está grafada corretamente.
ta de palavras com hífen e sem hífen tem sido motivo de dúvidas A) Dimencionar.
para diversos falantes. B) Assosciação.
C) Capassitores.
Palavras com hífen: D) Xoque.
segunda-feira (e não segunda feira); E) Conversão.
bem-vindo (e não benvindo);
mal-humorado (e não mal humorado); 03. MPE SP – ANALISTA DE PROMOTORIA – 2015 - VUNESP
micro-ondas (e não microondas);
bem-te-vi (e não bem te vi).

Palavras sem hífen:


dia a dia (e não dia-a-dia);
fim de semana (e não fim-de-semana);
à toa (e não à-toa);
autoestima (e não auto-estima);
antirrugas (e não anti-rugas).

(Dik Brownie, Hagar. www.folha.uol.com.br, 29.03.2015. Adaptado)

33
LÍNGUA PORTUGUESA

Considerando a ortografia e a acentuação da norma-padrão De acordo com a posição da sílaba tônica, os vocábulos com
da língua portuguesa, as lacunas estão, correta e respectivamen- mais de uma sílaba classificam-se em:
te, preenchidas por: Oxítonos: quando a sílaba tônica é a última: café, rapaz, es-
A) mal ... por que ... intuíto critor, maracujá.
B) mau ... por que ... intuito Paroxítonos: quando a sílaba tônica é a penúltima: mesa, lá-
C) mau ... porque ... intuíto pis, montanha, imensidade.
D) mal ... porque ... intuito Proparoxítonos: quando a sílaba tônica é a antepenúltima:
E) mal ... por quê ... intuito árvore, quilômetro, México.

04. PBH Ativos S.A. - Analista Jurídico – 2018 – IBGP Acentuação gráfica
Assinale a alternativa em que todas as palavras estão grafa-
das conforme as regras do Novo Acordo Ortográfico relativas à - Proparoxítonas: todas acentuadas (místico, jurídico, bélico).
sistematização do emprego de hífen ou de acentuação. - Palavras oxítonas: oxítonas terminadas em “a”, “e”, “o”,
A) Vôo, dêem, paranóico, assembléia, feiúra, vêem, baiúca. “em”, seguidas ou não do plural (s): (Paraná – fé – jiló (s)).
B) Interresistente, superrevista, manda-chuva, paraquedas. - Também acentuamos nos casos abaixo:
C) Antirreligioso, extraescolar, infrassom, coautor, antiaéreo. - Monossílabos tônicos terminados em “a”, “e”, “o”, seguidos
D) Préhistória, autobservação, infraxilar, suprauricular, inábil. ou não de “s”: (pá – pé – dó)
- Formas verbais terminadas em “a”, “e”, “o” tônicos seguidas
05. MPE-GO - Auxiliar Administrativo – 2018 – MPE-GO de lo, la, los, las: (recebê-lo – compô-lo)
Assinale a opção que completa corretamente as lacunas do - Paroxítonas: Acentuam-se as palavras paroxítonas termi-
período abaixo. nadas em: i, is (táxi – júri), us, um, uns (vírus, fórum), l, n, r, x, ps
(cadáver – tórax – fórceps), ã, ãs, ão, ãos (ímã – órgãos).
Agora que há uma câmera de ________. isto provavelmente - Ditongo oral, crescente ou decrescente, seguido ou não de
não _____acontecerá, mas _____vezes em que, no meio de uma “s”: (mágoa – jóquei)
noite __________, o poeta levantava de seu banco [...]
Regras especiais:
A) investigassâo mas ouve chuvosa
B) investigassâo mais houve chuvoza - Ditongos de pronúncia aberta “ei”, “oi”, perderam o acento
C) investigação mais houve chuvosa com o Novo Acordo.
D) investigação mas houve chuvosa
E) investigação mais ouve chuvoza
Antes agora
RESPOSTAS Assembléia Assembleia
Idéia Ideia
01 B
Geléia Geleia
02 E
Jibóia Jiboia
03 D
Apóia (verbo) Apoia
04 C
Paranóico Paranoico
05 C
- “i” e “u” tônicos formarem hiato com a vogal anterior, acom-
panhados ou não de “s”, desde que não sejam seguidos por “-nh”,
5.2 ACENTUAÇÃO GRÁFICA (CONFORME O ATUAL haverá acento: (saída – baú – país).
ACORDO ORTOGRÁFICO).
- Não serão mais acentuados “i” e “u” tônicos formando hiato
quando vierem depois de ditongo:

A acentuação gráfica é feita através de sinais diacríticos que,


sobrepostos às vogais, indicam a pronúncia correta das palavras Antes agora
no que respeita à sílaba tônica e no que respeita à modulação Bocaiúva Bocaiuva
aberta ou fechada das vogais.
Esses são elementos essenciais para estabelecer organizada- Feiúra Feiura
mente, por meio de regras, a intensidade das palavras das sílabas Sauípe Sauipe
portuguesas.
- Acento pertencente aos hiatos “oo” e “ee” foi abolido.
Acentuação tônica

Refere-se à intensidade em que são pronunciadas as sílabas Antes agora


das palavras. Aquela que é pronunciada de forma mais acentuada crêem creem
é a sílaba tônica. As demais, pronunciadas com menos intensida- vôo voo
de, são denominadas de átonas.

34
LÍNGUA PORTUGUESA

- Vogais “i” e “u” dos hiatos se vierem precedidas de vogal àquela(s)


idêntica, não tem mais acento: (xi-i-ta, pa-ra-cu-u-ba). àquilo
- Haverá o acento em palavra proparoxítona, pois a regra de àqueloutro(s)
acentuação das proparoxítonas prevalece sobre a dos hiatos: (se- àqueloutra (s)
-ri-ís-si-mo)
- Não há mais acento nas formas verbais que possuíam o Uso do Trema
acento tônico na raiz com “u” tônico precedido de “g” ou “q” e
seguido de “e” ou “i”. - Só é utilizado nas palavras derivadas de nomes próprios.
Müller – de mülleriano
Antes agora
QUESTÕES
averigúe (averiguar) averigue
argúi (arguir) argui 01. Pref. Natal/RN - Agente Administrativo – 2016 - CKM
Serviço
- 3ª pessoa do plural do presente do indicativo dos verbos ter Mostra O Triunfo da Cor traz grandes nomes do pósimpres-
e vir e dos seus compostos (conter, reter, advir, convir etc.) tem sionismo para SP Daniel Mello - Repórter da Agência Brasil A ex-
acento. posição O Triunfo da Cor traz grandes nomes da arte moderna
para o Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo. São 75 obras
de 32 artistas do final do século 19 e início do 20, entre eles ex-
Singular plural poentes como Van Gogh, Gauguin, Toulouse-Lautrec, Cézanne,
ele tem eles têm Seurat e Matisse. Os trabalhos fazem parte dos acervos do Musée
ele vem eles vêm d’Orsay e do Musée de l’Orangerie, ambos de Paris.
A mostra foi dividida em quatro módulos que apresentam os
ele obtém eles obtêm pintores que sucederam o movimento impressionista e recebe-
ram do crítico inglês Roger Fry a designação de pósimpressionis-
→ Palavras homógrafas para diferenciá-las de outras seme- tas. Na primeira parte, chamada de A Cor Cientifica, podem ser
lhantes não se usa mais acento. Apenas em algumas exceções, vistas pinturas que se inspiraram nas pesquisas científicas de Mi-
como: chel Eugene Chevreul sobre a construção de imagens com pontos.
A forma verbal pôde (3ª pessoa do singular - pretérito perfei- Os estudos desenvolvidos por Paul Gauguin e Émile Bernard
to do indicativo) ainda é acentuada para diferenciar-se de pode marcam a segunda parte da exposição, chamada de Núcleo Mis-
(3ª pessoa do singular - presente do indicativo). Também o verbo terioso do Pensamento. Entre as obras que compõe esse conjunto
pôr para diferenciá-lo da preposição por. está o quadro Marinha com Vaca, em que o animal é visto em um
fundo de uma passagem com penhascos que formam um precipí-
Alguns homógrafos: cio estreito. As formas são simplificadas, em um contorno grosso
pera (substantivo) - pera (preposição antiga) e escuro, e as cores refletem a leitura e impressões do artista so-
para (verbo) - para (preposição) bre a cena.
pelo(s) (substantivo) - pelo (do verbo pelar) O Autorretrato Octogonal, de Édouard Vuillard, é uma das
pinturas de destaque do terceiro momento da exposição. Intitu-
Atenção, pois palavras derivadas de advérbios ou adjetivos lada Os Nabis, Profetas de Uma Nova Arte, essa parte da mos-
não são acentuadas tra também reúne obras de Félix Vallotton e Aristide Maillol. No
autorretrato, Vuillard define o rosto a partir apenas da aplicação
Exemplos: de camadas de cores sobrepostas, simplificando os traços, mas
Facilmente - de fácil criando uma imagem de forte expressão.
Habilmente - de hábil O Mulheres do Taiti, de Paul Gauguin, é um dos quadros da
Ingenuamente – de ingênuo última parte da mostra, chamada de A Cor em Liberalidade, que
Somente - de só tem como marca justamente a inspiração que artistas como Gau-
Unicamente - de único guin e Paul Cézanne buscaram na natureza tropical. A pintura é
Dinamicamente - de dinâmico um dos primeiros trabalhos de Gauguin desenvolvidos na primei-
Espontaneamente - de espontâneo ra temporada que o artista passou na ilha do Pacífico, onde duas
mulheres aparecem sentadas a um fundo verde-esmeralda, que
Uso da Crase lembra o oceano.
A exposição vai até o dia 7 de julho, com entrada franca.
- É usada na contração da preposição a com as formas femi- http://agenciabrasil.ebc.com.br/cultura/noticia/2016-05/mostra-
ninas do artigo ou pronome demonstrativo a: à (de a + a), às (de -otriunfo-da-cor-traz-grandes-nomes-do-pos-impressionismo-para-sp Acesso
a + as). em: 29/05/2016.

- A crase é usada também na contração da preposição “a” “As palavras ‘módulos’ e ‘última’, presentes no texto,
com os pronomes demonstrativos: são ____________ acentuadas por serem ____________ e
àquele(s) ____________, respectivamente”.

35
LÍNGUA PORTUGUESA

As palavras que preenchem correta e respectivamente as la- C) Nas aulas de Sociologia, gostei das idéias evolucionistas e
cunas do enunciado acima são: de estudar ética.
A) diferentemente / proparoxítona / paroxítona D) Nas aulas de Artes, estudei a cultura indígena, o barrôco e
B) igualmente / paroxítona / paroxítona o expressionismo
C) igualmente / proparoxítona / proparoxítona E) Nas aulas de Educação Física, eu fazia exercícios para glu-
D) diferentemente / paroxítona / oxítona teos, adutores e tendões.

02. Pref. De Caucaia/CE – Agente de Suporte e Fiscalização RESPOSTAS


- 2017 - CETREDE
Indique a alternativa em que todas as palavras devem receber 01 C
acento.
A) virus, torax, ma. 02 A
B) caju, paleto, miosotis . 03 CERTO
C) refem, rainha, orgão.
04 C
D) papeis, ideia, latex.
E) lotus, juiz, virus. 05 C
06 A
03. MPE/SC – Promotor de Justiça- 2017 - MPE/SC
“Desde as primeiras viagens ao Atlântico Sul, os navegadores
europeus reconheceram a importância dos portos de São Francis-
6. FLEXÃO VERBAL – VALOR SEMÂNTICO DE TEMPOS
co, Ilha de Santa Catarina e Laguna, para as “estações da aguada” E MODOS. 6.1 CORRELAÇÃO ENTRE TEMPOS VERBAIS.
de suas embarcações. À época, os navios eram impulsionados a
vela, com pequeno calado e autonomia de navegação limitada. As-
sim, esses portos eram de grande importância, especialmente para Flexão Nominal
os navegadores que se dirigiam para o Rio da Prata ou para o Pací-
fico, através do Estreito de Magalhães.” Flexão de número: Os nomes (substantivo, adjetivo etc.), de
(Adaptado de SANTOS, Sílvio Coelho dos. Nova História de Santa Catarina. modo geral, admitem a flexão de número: singular e plural: ani-
Florianópolis: edição do Autor, 1977, p. 43.) mal – animais.

No texto acima aparecem as palavras Atlântico, época, Pacífi- - Na maioria das vezes, acrescenta-se S: ponte – pontes; bo-
co, acentuadas graficamente por serem proparoxítonas. nito – bonitos.
( ) Certo ( ) Errado - Palavras terminadas em R ou Z: acrescenta-se ES: éter –
éteres; avestruz – avestruzes. O pronome qualquer faz o plural no
04. Pref. De Nova Veneza/SC – Psicólogo – 2016 - FAEPESUL meio: quaisquer
Analise atentamente a presença ou a ausência de acento gráfi- - Palavras oxítonas terminadas em S: acrescenta-se ES: ana-
co nas palavras abaixo e indique a alternativa em que não há erro: nás – ananases. As paroxítonas e as proparoxítonas são invariá-
A) ruím - termômetro - táxi – talvez. veis: o pires − os pires, o ônibus − os ônibus
B) flôres - econômia - biquíni - globo.
C) bambu - através - sozinho - juiz - Palavras terminadas em IL:
D) econômico - gíz - juízes - cajú. átono: trocam IL por EIS: fóssil – fósseis.
E) portuguêses - princesa - faísca. tônico: trocam L por S: funil – funis.

05. INSTITUTO CIDADES – Assistente Administrativo VII – - Palavras terminadas em EL:


2017 - CONFERE átono: plural em EIS: nível – níveis.
Marque a opção em que as duas palavras são acentuadas por tônico: plural em ÉIS: carretel – carretéis.
obedecerem à regras distintas:
A) Catástrofes – climáticas. - Palavras terminadas em X são invariáveis: o clímax − os
B) Combustíveis – fósseis. clímax.
C) Está – país.
D) Difícil – nível. - Há palavras cuja sílaba tônica avança: júnior − juniores; cará-
ter – caracteres. A palavra
Caracteres é plural tanto de caractere quanto de caráter.
06. IF-BA - Administrador – 2016 - FUNRIO
Assinale a única alternativa que mostra uma frase escrita intei-
- Palavras terminadas em ão fazem o plural em ãos, ães e ões.
ramente de acordo com as regras de acentuação gráfica vigentes.
Em ões: balões, corações, grilhões, melões, gaviões.
A) Nas aulas de Ciências, construí uma mentalidade ecológica
Em ãos: pagãos, cristãos, cidadãos, bênçãos, órgãos. Os pa-
responsável.
roxítonos, como os dois últimos, sempre fazem o plural em ãos.
B) Nas aulas de Inglês, conheci um pouco da gramática e da
Em ães: escrivães, tabeliães, capelães, capitães, alemães.
cultura inglêsa.

36
LÍNGUA PORTUGUESA

Em ões ou ãos: corrimões/corrimãos, verões/verãos, anões/ - São invariáveis arco-íris, louva-a-deus, sem-vergonha, sem-
anãos. -teto e sem-terra: Os sem-terra apreciavam os arco-íris. Admi-
Em ões ou ães: charlatões/charlatães, guardiões/guardiães, tem mais de um plural: pai-nosso − pais-nossos ou pai-nossos;
cirugiões/cirurgiães. padre-nosso − padres-nossos ou padre-nossos; terra-nova − ter-
Em ões, ãos ou ães: anciões/anciãos/anciães, ermitões/ermi- ras-novas ou terra-novas; salvo-conduto − salvos-condutos ou
tãos/ermitães salvo-condutos; xeque-mate − xeques-mates ou xeques-mate;
fruta-pão − frutas-pães ou frutas-pão; guarda-marinha − guardas-
- Plural dos diminutivos com a letra z. Coloca-se a palavra no -marinhas ou guardas-marinha. Casos especiais: palavras que não
plural, corta-se o s e acrescenta-se zinhos (ou zinhas): coraçãozi- se encaixam nas regras: o bem-me-quer − os bem-me-queres; o
nho – corações – coraçõe – coraçõezinhos. joão-ninguém − os joões-ninguém; o lugar-tenente − os lugar-te-
nentes; o mapa-múndi − os mapas-múndi.
- Plural com metafonia (ô - ó). Algumas palavras, quando vão
ao plural, abrem o timbre da vogal “o”, outras não. Com metafo- Flexão de Gênero: Os substantivos e as palavras que o acom-
nia singular (ô) plural (ó): coro-coros; corvo-corvos; destroço-des- panham na frase admitem a flexão de gênero: masculino e femi-
troços. Sem metafonia singular (ô) plural (ô): adorno-adornos; nino: Meu amigo diretor recebeu o primeiro salário. Minha amiga
bolso-bolsos; transtorno-transtornos. diretora recebeu a primeira prestação. A flexão de feminino pode
ocorrer de duas maneiras.
- Casos especiais: aval, avales e avaiscal − cales e caiscós − - Com a troca de o ou e por a: lobo – loba; mestre – mestra.
coses e cós – fel, feles e féis – mal e males – cônsul e cônsules. - Por meio de diferentes sufixos nominais de gênero, muitas
vezes com alterações do radical: ateu – atéia; bispo – episcopisa;
- Os dois elementos variam. Quando os compostos são for- conde – condessa; duque – duquesa; frade – freira; ilhéu – ilhoa;
mados por substantivo mais palavra variável (adjetivo, substanti- judeu – judia; marajá – marani; monje – monja; pigmeu – pig-
vo, numeral, pronome): amor-perfeito − amores-perfeitos; couve- meia; píton – pitonisa; sandeu – sandia; sultão – sultana.
-flor − couves-flores; segunda-feira − segundas-feiras.
Alguns substantivos são uniformes quanto ao gênero, ou seja,
- Só o primeiro elemento varia. Quando há preposição no
possuem uma única forma para masculino e feminino. Podem ser:
composto, mesmo que oculta: pé-de-moleque − pés-de-moleque;
Sobrecomuns: admitem apenas um artigo, podendo designar
cavalo-vapor − cavalos-vapor (de ou a vapor). Quando o segundo
os dois sexos: a pessoa, o cônjuge, a testemunha.
substantivo determina o primeiro (fim ou semelhança): banana-
Comuns de dois gêneros: admitem os dois artigos, podendo
-maçã − bananas-maçã (semelhante a maçã); navio-escola − na-
então ser masculinos ou femininos: o estudante − a estudante, o
vios-escola (a finalidade é a escola).
Alguns autores admitem a flexão dos dois elementos. É uma cientista − a cientista, o patriota − a patriota.
situação polêmica: mangas-espada (preferível) ou mangas-espa- Epicenos: admitem apenas um artigo, designando os ani-
das. Quando dizemos (e isso vai ocorrer outras vezes) que é uma mais: O jacaré, a cobra, o polvo
situação polêmica, discutível, convém ter em mente que a ques-
tão do concurso deve ser resolvida por eliminação, ou seja, anali- O feminino de elefante é elefanta , e não elefoa. Aliá é corre-
sando bem as outras opções. to, mas designa apenas uma espécie de elefanta. Mamão, para al-
guns gramáticos, deve ser considerado epiceno. É algo discutível.
- Apenas o último elemento varia. Quando os elementos são Há substantivos de gênero duvidoso, que as pessoas costu-
adjetivos: hispano-americano − hispano-americanos. A exceção é mam trocar: champanha aguardente, dó, alface, eclipse, calfor-
surdo-mudo, em que os dois adjetivos se flexionam: surdos-mu- micida, cataplasma, grama (peso), grafite, milhar libido, plasma,
dos. Nos compostos em que aparecem os adjetivos grão, grã e soprano, musse, suéter, preá, telefonema.
bel: grão-duque − grão-duques; grã-cruz − grã-cruzes; bel-prazer Existem substantivos que admitem os dois gêneros: diabetes
− bel-prazeres. Quando o composto é formado por verbo ou qual- (ou diabete), laringe, usucapião etc.
quer elemento invariável (advérbio, interjeição, prefixo etc.) mais
substantivo ou adjetivo: arranha-céu − arranha-céus; sempre-vi- Flexão de Grau:
va − sempre-vivas; super-homem − super-homens. Quando os
elementos são repetidos ou onomatopaicos (representam sons): Grau do substantivo
reco-reco − reco-recos; pingue-pongue − pingue-pongues; bem- - Normal ou Positivo: sem nenhuma alteração.
-te-vi − bem-te-vis. - Aumentativo: Sintético: chapelão. Analítico: chapéu gran-
Como se vê pelo segundo exemplo, pode haver alguma alte- de, chapéu enorme etc.
ração nos elementos, ou seja, não serem iguais. Se forem verbos - Diminutivo: Sintético: chapeuzinho. Analítico: chapéu pe-
repetidos, admite-se também pôr os dois no plural: pisca-pisca − queno, chapéu reduzido etc. Um grau é sintético quando formado
pisca-piscas ou piscas-piscas por sufixo; analítico, por meio de outras palavras.

- Nenhum elemento varia. Quando há verbo mais palavra in- Grau do adjetivo
variável: O cola-tudo – os cola-tudo. Quando há dois verbos de - Normal ou Positivo: João é forte.
sentido oposto: o perde-ganha – os perde-ganha. Nas frases subs- - Comparativo: de superioridade: João é mais forte que André.
tantivas (frases que se transformam em substantivos): O maria- (ou do que); de inferioridade: João é menos forte que André. (ou
-vai-com-as-outras − os maria-vai-com-as-outras. do que); de igualdade: João é tão forte quanto André. (ou como)

37
LÍNGUA PORTUGUESA

- Superlativo: Absoluto: sintético: João é fortíssimo; analítico: Modo Subjuntivo: Expressa incerteza, possibilidade ou dúvi-
João é muito forte (bastante forte, forte demais etc.); Relativo: da em relação ao processo verbal e não está ligado com a noção
de superioridade: João é o mais forte da turma; de inferioridade: de tempo. Há três tempos: presente, imperfeito e futuro. Quero
João é o menos forte da turma. que voltes para mim; Não pise na grama; É possível que ele seja
O grau superlativo absoluto corresponde a um aumento do honesto; Espero que ele fique contente; Duvido que ele seja o
adjetivo. Pode ser expresso por um sufixo (íssimo, érrimo ou imo) culpado; Procuro alguém que seja meu companheiro para sem-
ou uma palavra de apoio, como muito, bastante, demasiadamen- pre; Ainda que ele queira, não lhe será concedida a vaga; Se eu
te, enorme etc. As palavras maior, menor, melhor, e pior cons- fosse bailarina, estaria na Rússia; Quando eu tiver dinherio, irei
tituem sempre graus de superioridade: O carro é menor que o para as praias do nordeste.
ônibus; menor (mais pequeno): comparativo de superioridade.
Ele é o pior do grupo; pior (mais mau): superlativo relativo de su- Modo Imperativo: Exprime atitude de ordem, pedido ou soli-
perioridade. citação: Vai e não voltes mais.
Alguns superlativos absolutos sintéticos que podem apre-
sentar dúvidas. acre – acérrimo, amargo – amaríssimo; amigo – Pessoa: A norma da língua portuguesa estabelece três pes-
amicíssimo; antigo – antiquíssimo; cruel – crudelíssimo; doce – soas: Singular: eu , tu , ele, ela. Plural: nós, vós, eles, elas. No por-
dulcíssimo; fácil – facílimo; feroz – ferocíssimo; fiel – fidelíssimo; tuguês brasileiro é comum o uso do pronome de tratamento você
geral – generalíssimo; humilde – humílimo; magro – macérrimo; (s) em lugar do tu e vós.
negro – nigérrimo; pobre – paupérrimo; sagrado – sacratíssimo;
sério – seriíssimo; soberbo – superbíssimo. Exercícios

Flexão Verbal 01. Assinale o par de vocábulos que formam o plural como
órfão e mata-burro, respectivamente:
As flexões verbais são expressas por meio dos tempos, modo a) cristão / guarda-roupa
e pessoa da seguinte forma: O tempo indica o momento em que b) questão / abaixo-assinado
ocorre o processo verbal; O modo indica a atitude do falante (dú- c) alemão / beija-flor
vida, certeza, impossibilidade, pedido, imposição, etc.); A pessoa d) tabelião / sexta-feira
marca na forma do verbo a pessoa gramatical do sujeito. e) cidadão / salário-família

Tempos: Há tempos do presente, do passado (pretérito) e do 02. Relativamente à concordância dos adjetivos compostos
futuro. indicativos de cor, uma, dentre as seguintes, está errada. Qual?
a) saia amarelo-ouro
Modo b) papel amarelo-ouro
c) caixa vermelho-sangue
Modo Indicativo: Indica uma certeza relativa do falante com d) caixa vermelha-sangue
referência ao que o verbo exprime; pode ocorrer no tempo pre- e) caixas vermelho-sangue
sente, passado ou futuro:
03. Indique a frase correta:
Presente: Processo simultâneo ao ato da fala, fato corri- a) Mariazinha e Rita são duas leva-e-trazes.
queiro, habitual: Compro livros nesta livraria. Usa-se também o b) Os filhos de Clotilde são dois espalhas-brasas.
presente com o valor de passado, passado histórico (nos contos, c) O ladrão forçou a porta com dois pés-de-cabra.
narrativas) d) Godofredo almoçou duas couves-flor.
e) Alfredo e Radagásio são dois gentilhomens.
Tempos do Pretérito (passado): Exprimem processos ante-
riores ao ato da fala. São eles: 04. Flexão incorreta:
- Pretérito Imperfeito: Exprime um processo habitual, ou com a) os cidadãos
duração no tempo: Naquela época eu cantava como um pássaro. b) os açúcares
- Pretérito Perfeito: Exprime uma ação acabada: Paulo que- c) os cônsules
brou meu violão de estimação. d) os tóraxes
- Pretérito Mais-que-Perfeito: Exprime um processo anterior e) os fósseis
a um processo acabado: Embora tivera deixado a escola, ele nun-
ca deixou de estudar. 05. Mesma pronúncia de “bolos”:
a) tijolos
Tempos do Futuro: Indicam processos que irão acontecer: b) caroços
- Futuro do Presente: Exprime um processo que ainda não c) olhos
aconteceu: Farei essa viagem no fim do ano. d) fornos
- Futuro do Pretérito: Exprime um processo posterior a um e) rostos
processo que já passou: Eu faria essa viagem se não tivesse com-
prado o carro. 06. Não varia no plural:
a) tique-taque

38
LÍNGUA PORTUGUESA

b) guarda-comida Adjetivos e um substantivo: Quando houver mais de um ad-


c) beija-flor jetivo para um substantivo, os adjetivos concordam em gênero e
d) para-lama número com o substantivo.
e) cola-tudo
Amava suco gelado e doce.
07. Está mal flexionado o adjetivo na alternativa:
a) Tecidos verde-olivas Substantivos e um adjetivo: Quando há mais do que um
b) Festas cívico-religiosas substantivo e apenas um adjetivo, há duas formas de concordar:
c) Guardas noturnos luso-brasileiros
d) Ternos azul-marinho - Quando o adjetivo vem antes dos substantivos, o adjetivo
e) Vários porta-estandartes deve concordar com o substantivo mais próximo.

08. Na sentença “Há frases que contêm mais beleza do que Lindo pai e filho.
verdade”, temos grau:
a) comparativo de superioridade - Quando o adjetivo vem depois dos substantivos, o adjetivo
b) superlativo absoluto sintético deve concordar com o substantivo mais próximo ou também com
c) comparativo de igualdade todos os substantivos.
d) superlativo relativo
e) superlativo por meio de acréscimo de sufixo Comida e bebida perfeita.
Comida e bebida perfeitas.
09. Assinale a alternativa em que a flexão do substantivo
composto está errada: - Palavras adverbiais x palavras adjetivas: há palavras que
a) os pés-de-chumbo têm função de advérbio, mas às vezes de adjetivo.
b) os corre-corre Quando advérbio, são invariáveis: Há bastante comida.
c) as públicas-formas Quando adjetivo, concordam com o nome a que se referem:
d) os cavalos-vapor Há bastantes motivos para não gostar dele.
e) os vaivéns Fazem parte desta classificação: pouco, muito, bastante, ba-
rato, caro, meio, longe, etc.
10. Aponte a alternativa em que haja erro quanto à flexão do
nome composto: - Expressões “anexo” e “obrigado”: tratam-se de palavras ad-
a) vice-presidentes, amores-perfeitos, os bota-fora jetivas, e devem concordar com o nome a que se referem.
b) tico-ticos, salários-família, obras-primas
c) reco-recos, sextas-feiras, sempre-vivas Seguem anexas as avaliações.
d) pseudo-esferas, chefes-de-seção, pães-de-ló Seguem anexos os conteúdos.
e) pisca-piscas, cartões-postais, mulas-sem-cabeças Muito obrigado, disse ele.
Muito obrigada, disse ela.
Respostas: 1-A / 2-D / 3-C / 4-D / 5-E / 6-E / 7-A / 8-A / 9-B /
10-E / Sob a mesma regra, temos palavras como: incluso, quite, leso,
mesmo e próprio.

Concordância Verbal
6.2. CONCORDÂNCIA VERBAL. 7. CONCORDÂNCIA
NOMINAL. A concordância verbal ocorre quando o verbo de flexiona
para concordar com o sujeito gramatical. Essa flexão verbal é feita
em número (singular ou plural) e em pessoa (1.ª, 2.ª ou 3.ª pes-
CONCORDÂNCIA NOMINAL VERBAL soa).

Segundo Mattoso câmara Jr., dá-se o nome de concordância à Sujeito composto antes do verbo: O sujeito é composto e
circunstância de um adjetivo variar em gênero e número de acor- vem antes do verbo que deve estar sempre no plural.
do com o substantivo a que se refere (concordância nominal) e
à de um verbo variar em número e pessoa de acordo com o seu João e Paulo conversaram pelo telefone.
sujeito (concordância verbal). Entretanto, há casos em que exis-
Sujeito composto depois do verbo: O sujeito composto vem
tem dúvidas.
depois do verbo, tanto pode ficar no plural como pode concordar
com o sujeito mais próximo.
Concordância Nominal
Brincaram Pedro e Vítor.
O adjetivo e palavras adjetivas (artigo, numeral, pronome ad-
Brincou Pedro e Vítor.
jetivo) concordam em gênero e número com o nome a que se
referem.

39
LÍNGUA PORTUGUESA

Sujeito formado por pessoas gramaticais diferentes: O su- Eu pedi para eles fazerem a tarefa.
jeito é composto, mas as pessoas gramaticais são diferentes. O
verbo também deve ficar no plural e concordará com a pessoa - Concordância verbal com o infinitivo impessoal: o infinitivo
que, a nível gramatical, tem prioridade. não é flexionado em locuções verbais e em verbos preposiciona-
1.ª pessoa (eu, nós) tem prioridade em relação à 2.ª (tu, vós) dos:
e a 2.ª tem prioridade em relação à 3.ª (ele, eles).
Foram impedidos de entender a razão.
Nós, vós e eles vamos à igreja.
- Concordância verbal com o verbo ser: a concordância em
Casos específicos de concordância verbal número é estabelecida com o predicativo do sujeito:
- Concordância verbal com verbos impessoais: como não Isto é verdade!
apresentam sujeito, são conjugados sempre na 3.ª pessoa do sin-
Isto são verdades!
gular:
Faz cinco anos que eu te conheci. (verbo fazer indicando tem-
- Concordância verbal com um dos que: o verbo fica sempre
po decorrido)
na 3.ª pessoa do plural:
- Concordância verbal com a partícula apassivadora se: o ob-
jeto direto assume a função de sujeito paciente, e o verbo estabe- Um dos que foram…
lece concordância em número com o objeto direto: Um dos que podem…

Vende-se ovo. QUESTÕES


Vendem-se ovos.
01. Pref. de Nova Veneza/SC – Psicólogo – 2016 - FAEPESUL
- Concordância verbal com a partícula de indeterminação do A alternativa que está coerente com as regras da concordân-
sujeito se: Quando atua como indeterminadora do sujeito, o ver- cia nominal é:
bo fica sempre conjugado na 3.ª pessoa do singular: A) Ternos marrons-claros.
Precisa-se de vendedor. B) Tratados lusos-brasileiros.
Precisa-se de vendedores. C) Aulas teórico-práticas.
D) Sapatos azul-marinhos.
- Concordância verbal com a maioria, a maior parte, a meta- E) Camisas verdes-escuras.
de,...: o verbo fica conjugado na 3.ª pessoa do singular. Porém, já
se considera aceitável o uso da 3.ª pessoa do plural: 02. SAAEB – Engenheiro de Segurança do Trabalho – 2016
- FAFIPA
A maioria dos meninos vai… Indique a alternativa que NÃO apresenta erro de concordân-
A maior parte dos meninos vai… cia nominal.
A maioria dos meninos vão… A) O acontecimento derrubou a bolsa brasileira, argentina e
A maior parte dos meninos vão… a espanhola.
B) Naquele lugar ainda vivia uma pseuda-aristocracia.
- Concordância verbal com pronome relativo que: o verbo C) Como não tinham outra companhia, os irmãos viajaram só.
concorda com o termo antecedente ao pronome relativo que: D) Simpáticos malabaristas e dançarinos animavam a festa.

Fui eu que contei o segredo. 03. CISMEPAR/PR – Advogado – 2016 - FAUEL


Foi ele que contou o segredo. A respeito de concordância verbal e nominal, assinale a al-
Fomos nós que contamos o segredo. ternativa cuja frase NÃO realiza a concordância de acordo com a
norma padrão da Língua Portuguesa:
- Concordância verbal com pronome relativo quem: o verbo
concorda com o termo antecedente ao pronome relativo quem A) Meias verdades são como mentiras inteiras: uma pessoa
ou fica conjugado na 3.ª pessoa do singular: meia honesta é pior que uma mentirosa inteira.
B) Sonhar, plantar e colher: eis o segredo para alcançar seus
Fui eu quem contei o segredo. objetivos.
Fomos nós quem contamos o segredo C) Para o sucesso, não há outro caminho: quanto mais distan-
Fui eu quem contou o segredo. te o alvo, maior a dedicação.
Fomos nós quem contou o segredo. D) Não é com apenas uma tentativa que se alcança o que se
quer.
- Concordância verbal com o infinitivo pessoal: o infinitivo é
flexionado, principalmente, quer definir o sujeito e o sujeito da 04. TRF – 3ª Região – Analista Judiciário-Área Administrativa
segunda oração é diferente da primeira: – 2017 - FCC
A respeito da concordância verbal, é correto afirmar:

40
LÍNGUA PORTUGUESA

A) Em “A aquisição de novas obras devem trazer benefícios D) São as dívidas que faz com que grande número dos consu-
a todos os frequentadores”, a concordância está correta por se midores não estejam em dia com suas obrigações.
tratar de expressão partitiva. E) Dados recentes da Associação Nacional dos Birôs de Crédi-
B) Em “Existe atualmente, no Brasil, cerca de 60 museus”, to mostra que 59 milhões de consumidores não pode obter novos
a concordância está correta, uma vez que o núcleo do sujeito é créditos.
“cerca”.
C) Na frase “Hão de se garantir as condições necessárias à
06. COPEL – Contador Júnior - 2017 - NC-UFPR
conservação das obras de arte”, o verbo “haver” deveria estar no
Assinale a alternativa em que os verbos sublinhados estão
singular, uma vez que é impessoal.
D) Em “Acredita-se que 25% da população frequentem am- corretamente flexionados quanto à concordância verbal
bientes culturais”, a concordância está correta, uma vez que a A) A Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou recente-
porcentagem é o núcleo do segmento nominal. mente a nova edição do relatório Smoke-free movies (Filmes sem
E) Na frase “A maioria das pessoas não frequentam o museu”, cigarro), em que recomenda que os filmes que exibem imagens
o verbo encontra-se no plural por concordar com “pessoas”, ainda de pessoas fumando deveria receber classificação indicativa para
que pudesse, no singular, concordar com “maioria”. adultos.
B) Pesquisas mostram que os filmes produzidos em seis paí-
05. MPE-SP – Oficial de Promotoria I – 2016 - VUNESP ses europeus, que alcançaram bilheterias elevadas (incluindo ale-
mães, ingleses e italianos), continha cenas de pessoas fumando
Fora do jogo em filmes classificados para menores de 18 anos.
C) Para ela, a indústria do tabaco está usando a “telona”
Quando a economia muda de direção, há variáveis que logo como uma espécie de última fronteira para anúncios, mensagens
se alteram, como o tamanho das jornadas de trabalho e o paga-
subliminares e patrocínios, já que uma série de medidas em diver-
mento de horas extras, e outras que respondem de forma mais
lenta, como o emprego e o mercado de crédito. Tendências nega- sos países passou a restringir a publicidade do tabaco.
tivas nesses últimos indicadores, por isso mesmo, costumam ser D) E 90% dos filmes argentinos também exibiu imagens de
duradouras. fumo em filmes para jovens.
Daí por que são preocupantes os dados mais recentes da As- E) Os especialistas da organização citam estudos que mos-
sociação Nacional dos Birôs de Crédito, que congrega empresas tram que quatro em cada dez crianças começa a fumar depois de
do setor de crédito e financiamento. ver atores famosos dando suas “pitadas” nos filmes.
Segundo a entidade, havia, em outubro, 59 milhões de con- RESPOSTAS
sumidores impedidos de obter novos créditos por não estarem
em dia com suas obrigações. Trata-se de alta de 1,8 milhão em 01 C
dois meses.
Causa consternação conhecer a principal razão citada pelos 02 D
consumidores para deixar de pagar as dívidas: a perda de empre- 03 A
go, que tem forte correlação com a capacidade de pagamento das 04 E
famílias.
Até há pouco, as empresas evitavam demitir, pois tendem a 05 C
perder investimentos em treinamento e incorrer em custos traba- 06 C
lhistas. Dado o colapso da atividade econômica, porém, jogaram
a toalha.
O impacto negativo da disponibilidade de crédito é imediato. 8. REGÊNCIA NOMINAL E VERBAL – O FENÔMENO DA
O indivíduo não só perde a capacidade de pagamento mas tam- CRASE.
bém enfrenta grande dificuldade para obter novos recursos, pois
não possui carteira de trabalho assinada.
Tem-se aí outro aspecto perverso da recessão, que se soma REGÊNCIA NOMINAL E VERBAL
às muitas evidências de reversão de padrões positivos da última
década – o aumento da informalidade, o retorno de jovens ao Regência é a relação de subordinação que ocorre entre um
mercado de trabalho e a alta do desemprego. verbo (ou um nome) e seus complementos. Ocupa-se em estabe-
(Folha de S.Paulo, 08.12.2015. Adaptado) lecer relações entre as palavras, criando frases não ambíguas, que
expressem efetivamente o sentido desejado, que sejam corretas
Assinale a alternativa correta quanto à concordância verbal. e claras.
A) A mudança de direção da economia fazem com que se al-
tere o tamanho das jornadas de trabalho, por exemplo. Regência Nominal
B) Existe indivíduos que, sem carteira de trabalho assinada,
enfrentam grande dificuldade para obter novos recursos. Há nomes de sentido incompletos. Substantivos, adjetivos,
C) Os investimentos realizados e os custos trabalhistas fize- e, certos advérbios, podem, como no caso dos verbos, precisar
ram com que muitas empresas optassem por manter seus fun- de um complemento (complemento nominal) para completar seu
cionários. sentido: Sou devoto (nome de sentido incompleto) ao Santo Ex-
pedito (compl. Nominal).

41
LÍNGUA PORTUGUESA

O substantivo devoto rege um complemento nominal prece- Exemplos de regência verbal preposicionada
dido da preposição (ao). Sendo assim, a relação particular entre o Procedeu à leitura do livro.
nome e complemento, está sempre marcada por uma preposição. Pagou ao fornecedor.
Contudo, cabe observar, que certos substantivos e adjetivos Desobedeceu aos mandamentos.
admitem mais de uma regência (mais de uma preposição). Apoiou-se na mesa.
Vejamos alguns nomes com as preposições que as regem: Apaixonou-se por sua melhor amiga.
Meditou sobre a possibilidade.
Acessível [a, para] - acostumado [a, com] - adequado [a] -
admiração [a, por] - alheio [a, de] - aliado [a, com] - amante [de] Quando a regência verbal é feita através de uma preposi-
– amigo [de] - amor [a, de, para com, por] –ansioso [de, para, ção, as mais utilizadas são: a, de, com, em, para, por, sobre.
por] - apto [a, para] - assíduo [a, em] - atenção [a] - atento [a, agradar a;
em] - atencioso [com, para com] - benéfico [a] - benefício [a] – obedecer a;
bom [para] - capacidade [de, para] - capaz [de, para] – cego [a] assistir a;
- certeza [de] - comum [de] - conforme [a, com] - consulta [a] - visar a;
contente [com, de, em, por] - cuidadoso [com] – curioso [de, por] lembrar-se de;
descontente [com] - desfavorável [a] –desrespeito [a] - diferente simpatizar com;
[de] - dificuldade [com, de, em, para] – digno [de] - dúvida [acerca comparecer em;
de, em, sobre] – entendido [em] – essencial [para] – fácil [a, de, convocar para;
para] - facilidade [de, em, para] - fiel [a] - feliz [de, com, em, por] trocar por;
- grato [a] - horror [a, de, por] -– idêntico [a] - impaciência [com] – alertar sobre.
incapaz [de, para] –influência [sobre] - insensível [a] - intolerante
[com] - junto [a, de] - leal [a] - lento [em] – liberal [com] - maior QUESTÕES
[de] – manifestação [contra] - medo [de, a] – menor [de] –mo-
rador [em] - natural [de] - necessário [a] - obediente [a] - ódio 01. MPE-GO - Secretário Auxiliar – Goiás – 2018 – MPE-GO
[a, contra] - orgulhoso [de, com] - paixão [de, por] – parecido [a,
com] - referência [a, por] –propício [a] - próximo [a, de] - pronto Embora de ocorrência frequente no cotidiano, a gramática
[para, em] - propensão [para] - relação [a, com, de, por, para com] normativa não aceita o uso do mesmo complemento para verbos
- relacionado [com] - rente [a, de, com] - responsável [por] - rico com regências diferentes. Assinale a opção em que esse tipo de
[de, em] –satisfeito [com, de, em, por] - semelhante [a] - suspeito transgressão não ocorre.
[a, de] - tentativa [contra, de, para, para com] –único [em] - vazio A) “Pode-se concordar ou discordar, até radicalmente, de
[de]– visível [a] - vizinho [a, de, com] – zelo [a, de, por]. toda a política externa brasileira.” (Clóvis Rossi)
B) “Educador é todo aquele que confere e convive com esses
Regência de Advérbios: são importantes os advérbios: longe conhecimentos.” (J. Carlos de Sousa)
[de], perto [de] e proximamente [a, de]. Todos os advérbios termi- C) Vi e gostei muito do filme O jardineiro fiel cujo diretor é
nados em -mente, tendem a apresentar a mesma preposição dos um brasileiro.
adjetivos: Compatível [com]; compativelmente [com]. Relativo D) A sociedade brasileira quer a paz, anseia por ela e a ela
[a]; relativamente [a] aspira.
E) Interessei-me e desinteressei-me pelo assunto quase que
Regência Verbal simultaneamente.

É a parte da língua que se ocupa da relação entre os verbos 02. CODEBA – Analista Portuário – Administrador – 2016 -
e os termos que se seguem a ele e completam o seu sentido. Os FGV
verbos são os termos regentes, enquanto os objetos (direto e in-
direto) e adjuntos adverbiais são os termos regidos. Os verbos Relatórios
podem ser:
- Verbos Transitivos: Exigem complemento (objetos) para que Relatórios de circulação restrita são dirigidos a leitores de
perfil bem específico. Os relatórios de inquérito, por exemplo, são
tenham sentido completo. Podem ser: Transitivos Diretos; Transi-
lidos pelas pessoas diretamente envolvidas na investigação de
tivos Indiretos; Transitivos Diretos e Indiretos.
que tratam. Um relatório de inquérito criminal terá como leitores
- Verbos Intransitivos: Existem verbos intransitivos que preci-
preferenciais delegados, advogados, juízes e promotores.
sam vir acompanhados de adjuntos adverbiais apenas para darem
Autores de relatórios que têm leitores definidos podem pres-
um sentido completo para a frase.
supor que compartilham com seus leitores um conhecimento
geral sobre a questão abordada. Nesse sentido, podem fazer um
Exemplos de regência verbal não preposicionada texto que focalize aspectos específicos sem terem a necessidade
Leu o jornal. de apresentar informações prévias.
Comeu o chocolate. Isso não acontece com relatórios de circulação mais ampla.
Bebeu o vinho. Nesse caso, os autores do relatório devem levar em consideração
Ouviu a música. o fato de terem como interlocutores pessoas que se interessam
Estudou a matéria. pelo assunto abordado, mas não têm qualquer conhecimento so-
Fez o jantar

42
LÍNGUA PORTUGUESA

bre ele. No momento de elaborar o relatório, será preciso levar Assinale a alternativa correta quanto à regência verbal.
esse fato em consideração e introduzir, no texto, todas as infor- A) Chamaram Jean de poeta.
mações necessárias para garantir que os leitores possam acom- B) “Não obedeço a rima das estrofes”, disse o poeta.
panhar os dados apresentados, a análise feita e a conclusão de- C) Todos os escritores preferem o elogio do que a crítica
corrente dessa análise. D) Passou no cinema o filme sobre aquele poeta que gosto
muito.
“Relatórios de circulação restrita são dirigidos a leitores de E) Eu me lembrei os dias da leitura de poesia na escola.
perfil bem específico”.
04. TJ/SP - Escrevente Técnico Judiciário - 2016 - VUNESP
No caso desse segmento do texto, a preposição a é de uso
gramatical, pois é exigida pela regência do verbo dirigir. Assinale a alternativa em que o período, adaptado da revista
Pesquisa Fapesp de junho de 2012, está correto quanto à regência
Assinale a opção que indica a frase em que a preposição “a” nominal e à pontuação.
introduz um adjunto e não um complemento. A) Não há dúvida que as mulheres ampliam, rapidamente,
A) O Brasil dá Deus a quem não tem nozes, dentes etc. seu espaço na carreira científica ainda que o avanço seja mais
B) É preciso passar o Brasil a limpo. notável em alguns países, o Brasil é um exemplo, do que em
C) Um memorando serve não para informar a quem o lê, mas outros.
para proteger quem o escreve. B) Não há dúvida que as mulheres ampliam rapidamente,
D) Quem é burro pede a Deus que o mate e ao diabo que o seu espaço na carreira científica, ainda que, o avanço seja mais
carregue. notável em alguns países (o Brasil é um exemplo) do que em
E) O desenvolvimento é uma receita dos economistas para outros.
promover os miseráveis a pobres – e, às vezes, vice-versa. C) Não há dúvida de que, as mulheres, ampliam rapidamente
03. Pref. de Florianópolis/SC – Auxiliar de Sala – 2016 - FE- seu espaço na carreira científica; ainda que o avanço seja mais
PESE notável, em alguns países, o Brasil é um exemplo!, do que em ou-
tros.
A linguagem poética D) Não há dúvida de que as mulheres, ampliam rapidamente
seu espaço, na carreira científica, ainda que o avanço seja mais
Em relação à prosa comum, o poema se define de certas notável, em alguns países: o Brasil é um exemplo, do que em ou-
restrições e de certas liberdades. Frequentemente se confunde tros.
a poesia com o verso. Na sua origem, o verso tem uma função E) Não há dúvida de que as mulheres ampliam rapidamente
mneumotécnica (= técnica de memorizar); os textos narrativos, lí- seu espaço na carreira científica, ainda que o avanço seja mais
ricos e mesmo históricos e didáticos eram comunicados oralmen- notável em alguns países – o Brasil é um exemplo – do que em
te, e os versos – repetição de um mesmo número de sílabas ou outros.
de um número fixo de acentos tônicos e eventualmente repetição
de uma mesma sonoridade (rima) – facilitavam a memorização. 05. MPE-PE - Analista Ministerial - Área Auditoria – 2018 –
Mais tarde o verso se tornou um meio de enfeitar o discurso, meio FCC
que se desvalorizou pouco a pouco: a poesia contemporânea é
rimada, mas raramente versificada. Na verdade o valor poético do Para onde vão as palavras
verso decorre de suas relações com o ritmo, com a sintaxe, com
as sonoridades, com o sentido das palavras. O poema é um todo. Como se sabe, a palavra durante algum tempo foi obrigada
(…) a recuar diante da imagem, e o mundo escrito e impresso diante
Os poetas enfraquecem a sintaxe, fazendo-a ajustar-se às do falado na tela. Tiras de quadrinhos e livros ilustrados com um
exigências do verso e da expressão poética. Sem se permitir ver- mínimo de texto hoje não se destinam mais somente a iniciantes
dadeiras incorreções gramaticais, eles se permitem “licenças poé- que estão aprendendo a soletrar. De muito mais peso, no entanto,
ticas”. é o recuo da notícia impressa em face da notícia falada e ilustrada.
Além disso, eles trabalham o sentido das palavras em dire- A imprensa, principal veículo da esfera pública no século X I X as-
ções contrárias: seja dando a certos termos uma extensão ou uma sim como em boa parte do século XX, dificilmente será capaz de
indeterminação inusitadas; seja utilizando sentidos raros, em de- manter sua posição no século X X I.
suso ou novos; seja criando novas palavras. Mas nada disso pode deter a ascensão quantitativa da litera-
Tais liberdades aparecem mais particularmente na utilização tura. A rigor, eu quase diría que - apesar dos prognósticos pessi-
de imagens. Assim, Jean Cohen, ao estudar o processo de fabrica- mistas - o mais importante veículo tradicional da literatura, o livro
ção das comparações poéticas, observa que a linguagem corrente impresso, sobreviverá sem grande dificuldade, com poucas exce-
faz espontaneamente apelo a comparações “razoáveis” (pertinen-
ções, como as das enciclopédias, dos dicionários, dos compêndios
tes) do tipo “a terra é redonda como uma laranja” (a redondeza
de informação etc., os queridinhos da internet.
é efetivamente uma qualidade comum à terra e a uma laranja),
(Adaptado de: HOBSBAWM, Eric. Tempos fraturados. São Paulo: Compa-
ao passo que a linguagem poética fabrica comparações inusitadas
nhia das Letras, 2013, p. 29-30.)
tais como: “Belo como a coisa nova/Na prateleira até então vazia”
(João Cabral de Melo Neto). Ou, então estranhas como: “A terra é
O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se de
azul como uma laranja” (Paul Éluard).
modo a concordar com o elemento sublinhado na seguinte frase:
Francis Vanoye

43
LÍNGUA PORTUGUESA

A) Entre as várias atrações que (conter) um livro, uma é a de - Não confundir devido com dado (a, os, as): a expressão
tornar-se um obieto do afeto de quem o possui. pede preposição “a”, tendo crase antes de palavra feminina de-
B) Se há imagens pelas quais se (deixar) prender um terminada pelo artigo definido. Devido à chuva de ontem, os
espectador, há palavras que encantam um leitor. trabalhos foram cancelados (= devido ao temporal de ontem, os
C) Quando há num livro imagens excessivas, que (contaminar) trabalhos...); Já a outra expressão não aceita preposição “a” (o “a”
um texto, as palavras saem desvalorizadas. que aparece é artigo definido, não se usa, crase): Dada a resposta
D) A despeito de (haver) nele figuras demais, esse livro infan- sobre o acidente (= dado o esclarecimento sobre...).
til atrai também um leitor adulto.
E) Aos frequentadores da internet (atrair) sobretudo o volu-
Fora os casos anteriores, deve-se substituir a palavra femini-
me de informações que nela circulam.
na por outra masculina da mesma função sintática. Caso use “ao”
no masculino, haverá crase no “a” do feminino. Se ocorrer “a” ou
RESPOSTAS
“o” no masculino, não haverá crase no “a” do feminino.

01 D Não se usa Crase:


02 B
03 A - Antes de palavra masculina: Chegou a tempo; Vende-se a
prazo.
04 E
05 B - Antes de verbo: Ficamos a admirá-los; Ele começou a ter
alucinações.
CRASE
- Antes de artigo indefinido: Nos dirigimos a um caixa.
Há um caso de contração que merece destaque: A crase, que
é a fusão da preposição a com o artigo definido feminino a(s), - Antes de expressão de tratamento introduzida pelos pro-
ou da preposição a com o a inicial dos pronomes demonstrativos
aquele(s), aquela(s), aquilo, ou ainda da preposição a com um nomes possessivos Vossa ou Sua ou a expressão Você: Enviaram
pronome demonstrativo a(s), ou então da preposição a com o a convites a Vossa Senhoria; Encontraremos a Sua Majestade; Ele
inicial do pronome relativo a qual (as quais). queria perguntar a você.
Essa fusão de duas vogais idênticas, graficamente represen-
tada por um a com acento grave (à), dá-se o nome de crase. Vere- - Antes dos pronomes demonstrativos esta e essa: Me refiro
mos, a seguir, as principais regras. a esta menina; A família não deu ouvidos a essa fofoca.

Usa-se a Crase: - Antes dos pronomes pessoais: Não diga a ela.


- Locuções prepositivas, locuções adverbiais ou locuções
conjuntivas com o núcleo um substantivo feminino: à queima- - Antes dos pronomes indefinidos com exceção de outra: Fa-
roupa, à noite, à força de, às vezes, às escuras, à medida que, às larei isso a qualquer pessoa. Com o pronome indefinido outra(s),
pressas, à custa de, às mil maravilhas, à tarde, às onze horas, etc. pode haver crase pois, às vezes, aceita o artigo definido a(s): Esta-
Não confunda a locução adverbial às vezes com a expressão fazer vam de frente umas às outras (no masculino, ficaria “Estavam de
as vezes de, em que não há crase porque o “as” é artigo definido frente uns aos outros”).
puro.
- Quando o “a” estiver no singular e a palavra seguinte esti-
- Locuções que exprimem hora determinada: Ele chegou às ver no plural: Contei a pessoas que perguntaram.
dez horas e vinte minutos.

- A expressão “à moda de” (ou “à maneira de”) estiver su- - Quando, antes do “a”, houver preposição: Os livros esta-
bentendida: Mesmo que a palavra subsequente for masculina há vam sob a mesa. Exceção para até por motivo de clareza: A água
crase: Ele é um galã à Don Juan. do rio subiu até à Prefeitura da cidade. (= a água chegou perto
da Prefeitura); se não houvesse o sinal da crase, o sentido ficaria
- As expressões “rua”, “loja”, “estação de rádio”, etc. estive- ambíguo: a água chegou até a Prefeitura (= inundou inclusive a
rem subentendidas: Virou sentido à Higienópolis (= Virou sentido Prefeitura).
à Rua Higienópolis); Fomos à Pernambucanas (fomos à loja Per-
nambucanas). - Com expressões repetitivas: Secamos a casa gota a gota.
- É implícita uma palavra feminina: Esta fruta é semelhante
à uva (= à fruta). - Com expressões tomadas de maneira indeterminada: Pre-
firo jiló a injeção (no masc. = prefiro jiló a remédio).
- Pronome substantivo possessivo feminino no singular ou
plural: Aquela casa é semelhante à nossa. O acento indicativo de - Antes de pronome interrogativo, não ocorre crase: A qual
crase é obrigatório porque, no masculino, ficaria assim: Aquele autoridade irá se dirigir?
carro é semelhante ao nosso (preposição + artigo definido).

44
LÍNGUA PORTUGUESA

- Na expressão valer a pena (no sentido de valer o sacrifício, 03. MPE/SC – Promotor de Justiça – 2016 - MPE/SC
o esforço), não ocorre crase, pois o “a” é artigo definido: Não sei Em relação ao emprego do sinal de crase, estão corretas as
se este trabalho vale a pena. frases:
a) Solicito a Vossa Excelência o exame do presente documento.
Crase Facultativa: b) A redação do contrato compete à Diretoria de Orçamento
e Finanças.
- Antes de nomes próprios femininos: Dei os parabéns à Cida; ( ) Certo ( ) Errado
Dei os parabéns a Cida. Antes de um nome de pessoa, pode-se ou
não usar o artigo “a” (“A Camila é uma boa amiga”. Ou “Camila é 04. TRF-3ª Região – Técnico Judiciário – Informática – 2016
uma boa amiga”). Sendo assim, mesmo que a preposição esteja - FCC
presente, a crase é facultativa. O sinal indicativo de crase está empregado corretamente em:
A) Não era uma felicidade eufórica, semelhava-se mais à uma
- Antes de pronome adjetivo possessivo feminino singular: brisa de contentamento.
Pediu permissão à minha esposa; Pediu permissão a minha es- B) O vinho certamente me induziu àquela súbita vontade de
posa. Mesma explicação é idêntica à do item anterior. Portanto, abraçar uma árvore gigante.
mesmo com a presença da preposição, a crase é facultativa. C) Antes do fim da manhã, dediquei-me à escrever tudo o
que me propusera para o dia.
- Nomes de localidades: há as que admitem artigo antes e D) A paineira sobreviverá a todas às 18 milhões de pessoas
as que não o admitem. Para se saber se o nome de uma localida- que hoje vivem em São Paulo.
de aceita artigo, substitua o verbo da frase pelos verbos estar ou E) Acho importante esclarecer que não sou afeito à essa tra-
vir. Se ocorrer a combinação “na” com o verbo estar ou “da” com dição de se abraçar árvore.
o verbo vir, haverá crase com o “a” da frase original. Se ocorrer
“em” ou “de”, não haverá crase: Quero conhecer à Europa (estou 05. Pref. De Criciúma/SC – Engenheiro Civil – 2016 - FEPESE
na Europa; vim da Europa); O avião dirigia-se a São Paulo (estou Analise as frases quanto ao uso correto da crase.
em São Paulo; vim de São Paulo). 1. O seu talento só era comparável à sua bondade.
2. Não pôde comparecer à cerimônia de posse na Prefeitura.
QUESTÕES 3. Quem se vir em apuros, deve recorrer à coordenação local
de provas.
01. PC-MG - Escrivão de Polícia Civil – 2018 - FUMARC 4. Dia a dia, vou vencendo às batalhas que a vida me apre-
Ocorre crase quando há a fusão da preposição “a” com o ar- senta.
tigo definido feminino “a” ou entre a preposição “a” e o pronome 5. Daqui à meia hora, chegarei a estação; peça para me
demonstrativo “aquele” (e variações). aguardarem.

INDIQUE a alternativa que apresenta uso FACULTATIVO da A) São corretas apenas as frases 1 e 4.
crase. B) São corretas apenas as frases 3 e 4.
A) Solicitamos a devolução dos documentos enviados à em- C) São corretas apenas as frases 1, 2 e 3.
presa. D) São corretas apenas as frases 2, 3 e 4.
B) O promotor se dirigiu às pessoas presentes no tribunal. E) São corretas apenas as frases 2, 4 e 5.
C) O pai entregou àquele advogado a prova exigida pelo juiz.
D) Irei à minha sala para buscar o projeto de consultoria. RESPOSTAS

02. Pref. de Itaquitinga/PE – Assistente Administrativo – 01 D


2016 - IDHTEC
Em qual dos trechos abaixo o emprego do acento grave foi 02 B
omitido quando houve ocorrência de crase? 03 Certo
04 B
A) “O Sindicato dos Metroviários de Pernambuco decidiu sus-
pender a paralisação que faria a partir das 16h desta quarta-feira.” 05 C
B) “Pela manhã, em nota, a categoria informou que cruzaria
os braços só retornando às atividades normais as 5h desta quinta-
-feira.” 9. USO E FUNÇÃO DOS SINAIS DE PONTUAÇÃO
C) “Nesta quarta-feira, às 21h, acontece o “clássico das multi-
dões” entre Sport e Santa Cruz, no Estádio do Arruda.”
D) “Após a ameaça de greve, o sindicato foi procurado pela Pontuação são sinais gráficos empregados na língua escrita
CBTU e pela PM que prometeram um reforço no esquema de se- para demonstrar recursos específicos da língua falada, como: en-
gurança.” tonação, silêncio, pausas, etc. Tais sinais têm papéis variados no
E) “A categoria se queixa de casos de agressões, vandalismo e texto escrito e, se utilizados corretamente, facilitam a compreen-
depredações e da falta de segurança nas estações.” são e entendimento do texto.

45
LÍNGUA PORTUGUESA

Ponto ( . ) - iniciar a fala dos personagens: O pai disse: Conte-me a ver-


Usamos para: dade, meu filho.
- indicar o final de uma frase declarativa: não irei ao shopping - antes de apostos ou orações apositivas, enumerações ou
hoje. sequência de palavras que explicam, resumem ideias anteriores:
- separar períodos entre si: Fecha a porta. Abre a janela. Comprei alguns itens: arroz, feijão e carne.
- abreviaturas: Av.; V. Ex.ª - antes de citação: Como dizia minha mãe: “Você não é todo
mundo.”
Vírgula ( , )
Ponto de Interrogação ( ? )
Usamos para:
Usamos para:
- marcar pausa do enunciado a fim de indicar que os termos - perguntas diretas: Onde você mora?
separados, apesar de serem da mesma frase ou oração, não for- - em alguns casos, junto com o ponto de exclamação: Quem
mam uma unidade sintática: Maria, sempre muito simpática, ace- você ama? Você. Eu?!
nou para seus amigos.
Ponto de Exclamação ( ! )
Não se separam por vírgula: Usamos:
- predicado de sujeito; - Após vocativo: Volte, João!
- objeto de verbo; - Após imperativo: Aprenda!
- adjunto adnominal de nome; - Após interjeição: Psiu! Eba!
- Após palavras ou frases que tenham caráter emocional:
- complemento nominal de nome;
Poxa!
- predicativo do objeto;
- oração principal da subordinada substantiva (desde que Reticências ( ... )
esta não seja apositiva nem apareça na ordem inversa). Usamos para:
- indicar dúvidas ou hesitação do falante: Olha...não sei se
A vírgula também é utilizada para: devo... melhor não falar.
- separar o vocativo: João, conte a novidade. - interrupção de uma frase deixada gramaticalmente incom-
- separar alguns apostos: Célia, muito prendada, preparou a pleta: Você queria muito este jogo novo? Bom, não sei se você
refeição. merece...
- separar o adjunto adverbial antecipado ou intercalado: Al- - indicar supressão de palavra(s) numa frase transcrita: Quan-
gumas pessoas, muitas vezes, são falsas. do ela começou a falar, não parou mais... terminou uma hora de-
- separar elementos de uma enumeração: Vendem-se pães, pois.
tortas e sonho.
- separar conjunções intercaladas: Mário, entretanto, nunca Aspas ( “ ” )
mais deu notícias. Usamos para:
- isolar o nome de lugar na indicação de datas: Londrina, 25 - isolar palavras ou expressões que fogem à norma culta:
de Setembro de 2017. gírias, estrangeirismos, palavrões, neologismos, arcaísmos e ex-
- marcar a omissão de um termo (normalmente o verbo): Ele pressões populares.
prefere dormir, eu me exercitar. (omissão do verbo preferir) - indicar uma citação textual.

Ponto-e-Vírgula ( ; ) Parênteses ( () )
Usamos para: Usamos para:
- separar os itens de uma lei, de um decreto, de uma petição, - isolar palavras, frases intercaladas de caráter explicativo e
de uma sequência, etc.: datas: No dia do seu nascimento (08/08/984) foi o dia mais quen-
Art. 217. É dever do Estado fomentar práticas desportivas for- te do ano.
mais e não formais, como direito de cada um, observados: - podem substituir a vírgula ou o travessão.
I - a autonomia das entidades desportivas dirigentes e asso-
ciações, quanto a sua organização e funcionamento; Travessão (__ )
II - a destinação de recursos públicos para a promoção prio- Usamos para:
ritária do desporto educacional e, em casos específicos, para a do - dar início à fala de um personagem: Filó perguntou: __Ma-
desporto de alto rendimento; ria, como faz esse doce?
III - o tratamento diferenciado para o desporto profissional e - indicar mudança do interlocutor nos diálogos. __Mãe, você
o não profissional; me busca? __Não se preocupe, chegarei logo.
IV - a proteção e o incentivo às manifestações desportivas de - Também pode ser usado em substituição à virgula, em ex-
criação nacional. pressões ou frases explicativas: Pelé – o rei do futebol – está mui-
- separar orações coordenadas muito extensas ou orações to doente.
coordenadas nas quais já tenham sido utilizado a vírgula.
Colchetes ( [] )
Dois-Pontos ( : ) Usamos para:
Usamos para: - linguagem científica.

46
LÍNGUA PORTUGUESA

Asterisco ( * ) “...e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda


Usamos para: circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a
- chamar a atenção do leitor para alguma nota (observação). primavera que chega” (1º §)

QUESTÕES No fragmento acima, as vírgulas foram empregadas para:


A) marcar termo adverbial intercalado.
01. CLIN – Auxiliar de Enfermagem do Trabalho – 2015 - CO- B) isolar oração adjetiva explicativa.
SEAC C) enfatizar o termo sujeito em relação ao predicado.
D) separar termo em função de aposto.
Primavera
02. PC – CE - Escrivão da Policia Civil de 1ª classe – 2015 –
A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu VUNESP
nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para re- Assinale a alternativa correta quanto ao uso da vírgula, consi-
cebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os derando-se a norma-padrão da língua portuguesa.
habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam A) Os amigos, apesar de terem esquecido de nos avisar, que
pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a prima- demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez, era algo de-
vera que chega. morado.
Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da ter- B) Os amigos, apesar de terem esquecido de nos avisar que
ra, nesse mundo confidencial das raízes, - e arautos sutis acorda- demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez era algo de-
rão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espírito das morado
flores. C) Os amigos, apesar de terem esquecido, de nos avisar que
Há bosques de rododendros que eram verdes e já estão to- demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez era algo de-
dos cor-de-rosa, como os palácios de Jaipur. Vozes novas de pas- morado.
sarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua nação. D) Os amigos apesar de terem esquecido de nos avisar que,
demoraria tanto, informaram-nos, de que a gravidez era algo de-
Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pelos ares,
morado.
- e certamente conversam: mas tão baixinho que não se entende.
E) Os amigos, apesar de, terem esquecido de nos avisar que
Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inver-
demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez, era algo
no, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremente,
demorado.
e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol.
Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as
03. IPC - ES - Procurador Previdenciário I 2018 - IDECAN
árvores cobertas de folhas, - e só os poetas, entre os humanos,
sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos
bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem
dançar neste mundo cálido, de incessante luz.
Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não se
esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da sua
perpetuação.
Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, talvez,
os homens terão a primavera que desejarem, no momento em
que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem, deste
movimento do céu. E os pássaros serão outros, com outros cantos
e outros hábitos, - e os ouvidos que por acaso os ouvirem não te-
rão nada mais com tudo aquilo que, outrora, se entendeu e amou.
Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos
atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos
para o ar azul. Escutemos estas vozes que andam nas árvores,
caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus senti-
mentos antigos: lentamente estão sendo tecidos os manacás ro-
xos e brancos; e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em cada
coroa vermelha que desdobra. Os casulos brancos das gardênias
ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flores agres-
tes acordam com suas roupas de chita multicor.
Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lança-
do ao vento, - por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na
Em “Júnior, hoje jantaremos fora!”, a presença da vírgula é
rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida - e
obrigatória porque serve para:
efêmera.
A) Isolar o vocativo.
(MEIRELES, Cecília. “Cecília Meireles - Obra em Prosa?
B) Isolar o adjunto adverbial deslocado.
Vol. 1. Nova Fronteira: Rio de Janeiro, 1998, p. 366.)
C) Separar orações coordenadas.

47
LÍNGUA PORTUGUESA

D) Intercalar expressões explicativas. e é possível observar durante os tratamentos diferentes reações


fisiológicas (4), indicadoras de que o tratamento está atingindo o
04. - IF-MT - Direito – 2018 - IF-MT efeito terapêutico (5) desejado.
O uso adequado da pontuação é fundamental para o bom Disponível: <http://www.veterinariaholistica.net/acupuntura-fitoterapia-e-
entendimento do texto. Nos casos abaixo, a vírgula está usada de -homeopatia.html/>. Acesso em 28/11/2017. (Com adaptações)
forma inadequada em:
A) Todos os cidadãos brasileiros, são iguais perante a lei, con- a) (1)
forme a Constituição Federal. b) (2)
B) Além disso, à noite, fazer caminhada até a minha casa é c) (3)
inseguro. d) (4)
C) Agora, em relação à tecnologia, os jovens dispõem de uma e) (5)
série de comodidades, salientou o pesquisador.
D) “Eu sei, mas não devia” (Marina Colasanti). 2. (TRT – 21.ª REGIÃO-RN – TÉCNICO JUDICIÁRIO – ÁREA
E) Ainda havia muito a se deliberar, todavia, considerando o ADMINISTRATIVA – MÉDIO – FCC – 2017) Respeitando-se as
horário avançado, a reunião foi encerrada. normas de redação do Manual da Presidência da República, a fra-
se correta é:
05. EMATERCE - Agente de ATER - Ciências Contábeis – 2018
– CETREDE a) Solicito a Vossa Senhoria que verifique a possibilidade de
Analise as duas frases a seguir em relação à ambiguidade. implementação de projeto de treinamento de pessoal para operar
I. Karla comeu um doce e sua irmã também. os novos equipamentos gráficos a serem instalados em seu setor.
II. Mataram a vaca da sua tia. b) Venho perguntar-lhe, por meio desta, sobre a data em que
Vossa Excelência pretende nomear vosso representante na Co-
Marque a opção CORRETA. missão Organizadora.
A) O problema da frase I pode ser corrigido com uma vírgula. c) Digníssimo Senhor: eu venho por esse comunicado, infor-
B) As duas frases podem ser corrigidas com o uso de prono- mar, que será organizado seminário, sobre o uso eficiente de re-
me. cursos hídricos, em data ainda a ser definida.
C) Ao colocarmos apenas um verbo, corrigiremos a frase II. d) Haja visto que o projeto anexo contribue para o desenvol-
D) Apenas a frase I apresenta problema de ambiguidade. vimento do setor em questão, informamos, por meio deste Ofício,
E) Uma preposição resolveria o problema da frase II. que será amplamente analisado por especialistas.
e) Neste momento, conforme solicitação enviada à Vossa Se-
RESPOSTAS nhoria anexo, não se deve adotar medidas que possam com- pro-
meter vossa realização do projeto mencionado.
01 D
3. (TRE-MS – ESTÁGIO – JORNALISMO – TRE-MS – 2014)
02 B Analise as assertivas abaixo:
03 A
I. O ladrão era de menor.
04 A II. Não há regra sem exceção.
05 A III. É mais saudável usar menas roupa no calor.
IV. O policial foi à delegacia em compania do meliante.
V. Entre eu e você não existe mais nada.

TESTES E RESPOSTAS A opção que apresenta vícios de linguagem é:

a) I e III.
1. (MAPA – AUDITOR FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO – b) I, II e IV.
MÉDICO VETERINÁRIO – SUPERIOR – ESAF – 2017) Assinale a c) II e IV.
opção que apresenta desvio de grafia da palavra. d) I, III, IV e V.
A acupuntura é uma terapia da medicina tradicional chinesa e) III, IV e V.
que favorece a regularização dos processos fisiológicos do corpo,
no sentido de promover ou recuperar o estado natural de saúde 4. (TRE-MS – ESTÁGIO – JORNALISMO – TRE-MS – 2014)
e equilíbrio. Pode ser usada preventivamente (1) para evitar o de- De acordo com a nova ortografia, assinale o item em que todas as
senvolvimento de doenças, como terapia curativa no caso de a palavras estão corretas:
doença estar instalada ou como método paliativo (2) em casos de a) autoajuda – anti-inflamatório – extrajudicial.
doenças crônicas de difícil tratamento. Tem também uma ação b) supracitado – semi-novo – telesserviço.
importante na medicina rejenerativa (3) e na reabilitação. O tra- c) ultrassofisticado – hidro-elétrica – ultra-som.
tamento de acupuntura consiste na introdução de agulhas filifor- d) contrarregra – autopista – semi-aberto.
mes no corpo dos animais. Em geral são deixadas cerca de 15 a 20 e) contrarrazão – infra-estrutura – coprodutor.
minutos. A colocação das agulhas não é dolorosa para os animais

48
LÍNGUA PORTUGUESA

5. (TRE-MS – ESTÁGIO – JORNALISMO – TRE-MS – 2014) O 9. (SIMAE – AGENTE ADMINISTRATIVO – ASSCON-PP –


uso correto do porquê está na opção: 2014) Assinale a alternativa que apresenta apenas palavras escri-
tas de forma incorreta.
a) Por quê o homem destrói a natureza?
b) Ela chorou por que a humilharam. a) Cremoso, coragem, cafajeste, realizar;
c) Você continua implicando comigo porque sou pobre? b) Caixote, encher, análise, poetisa;
d) Ninguém sabe o por quê daquele gesto. c) Traje, tanger, portuguesa, sacerdotisa;
e) Ela me fez isso, porquê? d) Pagem, mujir, vaidozo, enchergar;

6. (TJ-PA – MÉDICO PSIQUIATRA – SUPERIOR – VUNESP 10. (RECEITA FEDERAL – AUDITOR FISCAL – ESAF – 2014)
– 2014) Assinale a opção que corresponde a erro gramatical ou de grafia
de palavra inserido na transcrição do texto.

A Receita Federal nem sempre teve esse (1) nome. Secreta-


ria da Receita Federal é apenas a mais recente denominação da
Administração Tributária Brasileira nestes cinco séculos de exis-
tência. Sua criação tornou-se (2) necessária para modernizar a
máquina arrecadadora e fiscalizadora, bem como para promover
uma maior integração entre o Fisco e os Contribuintes, facilitan-
do o cumprimento expontâneo (3) das obrigações tributárias e a
solução dos eventuais problemas, bem como o acesso às (4) in-
formações pessoais privativas de interesse de cada cidadão. O
Assinale a alternativa que completa, correta e respectiva- surgimento da Secretaria da Receita Federal representou um sig-
mente, as lacunas, de acordo com a norma-padrão da língua nificativo avanço na facilitação do cumprimento das obrigações
portuguesa, considerando que o termo que preenche a terceira tributárias, contribuindo para o aumento da arrecadação a partir
lacuna é empregado para indicar que um evento está prestes a (5) do final dos anos 60.
acontecer (Adaptado de <http://www.receita.fazenda.gov.br/srf/historico.htm>.
Acesso em: 17 mar. 2014.)
a) anúncio ... A ... Iminente.
b) anuncio ... À ... Iminente. a) (1).
c) anúncio ... À ... Iminente. b) (2).
d) anúncio ... A ... Eminente. c) (3).
e) anuncio ... À ... Eminente. d) (4).
e) (5).
7. (CEFET-RJ – REVISOR DE TEXTOS – CESGRANRIO –
2014) Observe a grafia das palavras do trecho a seguir. 11. (ESTRADA DE FERRO CAMPOS DO JORDÃO-SP – ANA-
A macro-história da humanidade mostra que todos encaram LISTA FERROVIÁRIO – OFICINAS – ELÉTRICA – IDERH – 2014)
os relatos pessoais como uma forma de se manterem vivos. Desde Leia as orações a seguir:
a idade do domínio do fogo até a era das multicomunicações, os Minha mãe sempre me aconselha a evitar as _____ compa-
homens tem demonstrado que querem pôr sua marca no mundo nhias. (mas/más)
porque se sentem superiores. A cauda do vestido da noiva tinha um _________ enorme.
A palavra que NÃO está grafada corretamente é (cumprimento/comprimento)
Precisamos fazer as compras do mês, pois a _________ está
a) macro-história. vazia. (despensa/dispensa).
b) multicomunicações.
c) tem. Completam, correta e respectivamente, as lacunas acima os
d) pôr. expostos na alternativa:
e) porque.
a) mas – cumprimento – despensa.
8. (LIQUIGÁS – PROFISSIONAL JÚNIOR – CIÊNCIAS CON- b) más – comprimento – despensa.
TÁBEIS – CEGRANRIO – 2014) O grupo em que todas as palavras c) más – cumprimento – dispensa.
estão grafadas de acordo com a norma-padrão da Língua Portu- d) mas – comprimento – dispensa.
guesa é e) más – comprimento – dispensa.
a) gorjeta, ogeriza, lojista, ferrujem
b) pedágio, ultrage, pagem, angina 12. (TRT-2ª REGIÃO-SP – TÉCNICO JUDICIÁRIO - ÁREA
c) refújio, agiota, rigidez, rabujento ADMINISTRATIVA – MÉDIO – FCC – 2014) Está redigida com
d) vigência, jenipapo, fuligem, cafajeste clareza e em consonância com as regras da gramática normativa
e) sargeta, jengiva, jiló, lambujem a seguinte frase:

49
LÍNGUA PORTUGUESA

a) Queremos, ou não, ele será designado para dar a palavra a) juízo


final sobre a polêmica questão, que, diga-se de passagem, tem b) espírito
feito muitos exitarem em se pronunciar. c) jornalístico
b) Consultaram o juíz acerca da possibilidade de voltar atraz d) mínimo
na suspensão do jogador, mas ele foi categórico quanto a impos- e) disponíveis
sibilidade de rever sua posição.
c) Vossa Excelência leu o documento que será apresentado 18. (MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE – ICMBIO – CESPE
em rede nacional daqui a pouco, pela voz de Sua Excelência, o – 2014) A mesma regra de acentuação gráfica se aplica aos vocá-
Senhor Ministro da Educação? bulos “Brasília”, “cenário” e “próprio”.
d) A reportagem sobre fascínoras famosos não foi nada posi-
tiva para o público jovem que estava presente, de que se descul- ( ) CERTO ( ) ERRADO
param os idealizadores do programa.
e) Estudantes e professores são entusiastas de oferecer aos 19. (PREFEITURA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ-SC – GUAR-
jovens ingressantes no curso o compartilhamento de projetos, DA MUNICIPAL – FEPESE – 2014 – ADAPTADA) Assinale a alter-
com que serão também autores. nativa em que todas as palavras são oxítonas.

13. (TRE-MS – ESTÁGIO – JORNALISMO – TRE-MS – 2014) a) pé, lá, pasta


A acentuação correta está na alternativa: b) mesa, tábua, régua
c) livro, prova, caderno
a) eu abençôo – eles crêem – ele argúi. d) parabéns, até, televisão
b) platéia – tuiuiu – instrui-los. e) óculos, parâmetros, título
c) ponei – geléia – heroico.
d) eles têm – ele intervém – ele constrói. 20. (ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO – TÉCNICO EM CO-
e) lingüiça – feiúra – idéia. MUNICAÇÃO SOCIAL – IDECAN – 2014) Assinale a alternativa
em que a acentuação de todas as palavras está de acordo com a
14. (EBSERH – HUCAM-UFES – ADVOGADO – AOCP – 2014) mesma regra da palavra destacada: “Procuradorias comprovam
A palavra que está acentuada corretamente é: necessidade de rendimento satisfatório para renovação do FIES”.

a) Históriar. a) após / pó / paletó


b) Memórial. b) moído / juízes / caído
c) Métodico. c) história / cárie / tênue
d) Própriedade. d) álibi / ínterim / político
e) Artifício. e) êxito / protótipo / ávido

15. (PRODAM-AM – ASSISTENTE – FUNCAB – 2014 – 21. (PREFEITURA DE BRUSQUE-SC – EDUCADOR SOCIAL
ADAPTADA) Assinale a opção em que o par de palavras foi acen- – FEPESE – 2014) Assinale a alternativa em que só palavras paro-
tuado segundo a mesma regra. xítonas estão apresentadas.

a) saúde-países a) facilitada, minha, canta, palmeiras


b) Etíope-juízes b) maná, papá, sinhá, canção
c) olímpicas-automóvel c) cá, pé, a, exílio
d) vocês-público d) terra, pontapé, murmúrio, aves
e) espetáculo-mensurável e) saúde, primogênito, computador, devêssemos

16. (ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO – TÉCNICO EM CON- 22. (MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO –
TABILIDADE – IDECAN – 2014) Os vocábulos “cinquentenário” e TÉCNICO EM AGRIMENSURA – FUNCAB – 2014) A alternativa
“império” são acentuados devido à mesma justificativa. O mesmo que apresenta palavra acentuada por regra diferente das demais
ocorre com o par de palavras apresentado em é:

a) prêmio e órbita. a) dúvidas.


b) rápida e tráfego b) muitíssimos.
c) satélite e ministério. c) fábrica.
d) pública e experiência. d) mínimo.
e) sexagenário e próximo. e) impossível.

17. (RIOPREVIDÊNCIA – ESPECIALISTA EM PREVIDÊNCIA 23. (PRODAM-AM – ASSISTENTE DE HARDWARE – FUN-


SOCIAL – CEPERJ – 2014) A palavra “conteúdo” recebe acentua- CAB – 2014) Assinale a alternativa em que todas as palavras fo-
ção pela mesma razão de: ram acentuadas segundo a mesma regra.

50
LÍNGUA PORTUGUESA

a) indivíduos - atraí(-las) - período e) não sucumbir.


b) saíram – veículo - construído
c) análise – saudável - diálogo 28. (TRT – 21.ª REGIÃO-RN – TÉCNICO JUDICIÁRIO – ÁREA
d) hotéis – critérios - através ADMINISTRATIVA – MÉDIO – FCC – 2017) A frase em que há
e) econômica – após – propósitos uso adequado do sinal indicativo de crase encontra-se em:

24. (CORPO DE BOMBEIROS MILITAR-PI – CURSO DE FOR- a) A tendência de recorrer à adaptações aparece com maior
MAÇÃO DE SOLDADOS – UESPI – 2014) “O evento promove a força na Hollywood do século 21.
saúde de modo integral.” A regra que justifica o acento gráfico no b) É curioso constatar a rapidez com que o cinema agregou
termo destacado é a mesma que justifica o acento em: à máxima.
c) A busca pela segurança leva os estúdios à apostarem em
a) “remédio”. histórias já testadas e aprovadas.
b) “cajú”. d) Tal máxima aplica-se perfeitamente à criação de peças de
c) “rúbrica”. teatro.
d) “fráude”. e) Há uma massa de escritores presos à contratos fixos em
e) “baú”. alguns estúdios.
25. (TJ-BA – TÉCNICO JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRA- 29. (PREFEITURA DE MARÍLIA-SP – AUXILIAR DE ESCRITA
TIVA – MÉDIO – FGV – 2015) – MÉDIO – VUNESP – 2017) Assinale a alternativa em que o sinal
Texto 3 – “A Lua Cheia entra em sua fase Crescente no signo indicativo de crase está empregado corretamente.
de Gêmeos e vai movimentar tudo o que diz respeito à sua vida
profissional e projetos de carreira. Os próximos dias serão ótimos a) A voluntária aconselhou a remetente à esquecer o amor
para dar andamento a projetos que começaram há alguns dias ou de infância.
semanas. Os resultados chegarão rapidamente”. b) O carteiro entregou às voluntárias do Clube de Julieta uma
nova remessa de cartas.
O texto 3 mostra exemplos de emprego correto do “a” com
c) O médico ofereceu à um dos remetentes apoio psicológico.
acento grave indicativo da crase – “diz respeito à sua vida pro-
d) As integrantes do Clube levaram horas respondendo à di-
fissional”. A frase abaixo em que o emprego do acento grave da
versas cartas.
crase é corretamente empregado é:
e) O Clube sugeriu à algumas consulentes que fizessem novas
amizades.
a) o texto do horóscopo veio escrito à lápis;
b) começaram à chorar assim que leram as previsões;
c) o horóscopo dizia à cada leitora o que devia fazer; 30. (PREFEITURA DE SÃO PAULO-SP – TÉCNICO EM SAÚ-
d) o leitor estava à procura de seu destino; DE – LABORATÓRIO – MÉDIO – VUNESP – 2014) Reescreven-
e) o astrólogo previa o futuro passo à passo do-se o segmento frasal – ... incitá-los a reagir e a enfrentar o
desconforto, ... –, de acordo com a regência e o acento indicativo
26. (PREFEITURA DE SERTÃOZINHO-SP – FARMACÊUTICO da crase, tem-se:
– SUPERIOR – VUNESP – 2017) O sinal indicativo de crase está
empregado corretamente nas duas ocorrências na alternativa: a) ... incitá-los à reação e ao enfrentamento do desconforto, ...
b) ... incitá-los a reação e o enfrentamento do desconforto, ...
a) Muitos indivíduos são propensos à associar, inadvertida- c) ... incitá-los à reação e à enfrentamento do desconforto, ...
mente, tristeza à depressão. d) ... incitá-los à reação e o enfrentamento do desconforto, ...
b) As pessoas não querem estar à mercê do sofrimento, por e) ... incitá-los a reação e à enfrentamento do desconforto, ..
isso almejam à pílula da felicidade.
c) À proporção que a tristeza se intensifica e se prolonga, po- 31. (CONAB – CONTABILIDADE – SUPERIOR – IADES –
de-se, à primeira vista, pensar em depressão. 2014 – ADAPTADA) Considerando o trecho “atualizou os dados
d) À rigor, os especialistas não devem receitar remédios às relativos à produção de grãos no Brasil.” e conforme a norma-pa-
pessoas antes da realização de exames acurados. drão, assinale a alternativa correta.
e) Em relação à informação da OMS, conclui-se que existem
121 milhões de pessoas à serem tratadas de depressão. a) a crase foi empregada indevidamente no trecho.
b) o autor poderia não ter empregado o sinal indicativo de
27. (TRT – 21.ª REGIÃO-RN – TÉCNICO JUDICIÁRIO – ÁREA crase.
ADMINISTRATIVA – MÉDIO – FCC – 2017) É difícil planejar uma c) se “produção” estivesse antecedida por essa, o uso do sinal
cidade e resistir à tentação de formular um projeto de sociedade. indicativo de crase continuaria obrigatório.
O sinal indicativo de crase deverá ser mantido caso o verbo d) se, no lugar de “relativos”, fosse empregado referentes, o
sublinhado acima seja substituído por: uso do sinal indicativo de crase passaria a ser facultativo.
a) não acatar. e) caso o vocábulo minha fosse empregado imediatamente
b) driblar. antes de “produção”, o uso do sinal indicativo de crase seria fa-
c) controlar. cultativo.
d) superar.

51
LÍNGUA PORTUGUESA

32. (SABESP-SP – ATENDENTE A CLIENTES – MÉDIO – FCC a) objeto direto.


– 2014 – ADAPTADA) No trecho Refiro-me aos livros que foram b) adjunto adnominal.
escritos e publicados, mas estão – talvez para sempre – à espera c) complemento nominal.
de serem lidos, o uso do acento de crase obedece à mesma regra d) sujeito paciente.
seguida em: e) objeto indireto.

a) Acostumou-se àquela situação, já que não sabia como evi- 37. (EBSERH – HUSM-UFSM-RS – ANALISTA ADMINIS-
tá-la. TRATIVO – JORNALISMO – SUPERIOR – AOCP – 2014)
b) Informou à paciente que os remédios haviam surtido efeito. “Sinta-se ungido pela sorte de recomeçar. Quando seu filho
c) Vou ficar irritada se você não me deixar assistir à novela. crescer, ele irá entender - mais cedo ou mais tarde -...”
d) Acabou se confundindo, após usar à exaustão a velha fór-
mula. No período acima, a oração destacada:
e) Comunique às minhas alunas que as provas estão corrigi-
a) estabelece uma relação temporal com a oração que lhe é
das.
subsequente.
b) estabelece uma relação temporal com a oração que a an-
33. (TRT-AL – ANALISTA JUDICIÁRIO – SUPERIOR – FCC– tecede.
2014) ... que acompanham as fronteiras ocidentais chinesas... c) estabelece uma relação condicional com a oração que lhe
O verbo que, no contexto, exige o mesmo tipo de comple- é subsequente.
mento que o da frase acima está em: d) estabelece uma relação condicional com a oração que a
antecede.
a) A Rota da Seda nunca foi uma rota única... e) estabelece uma relação de finalidade com a oração que lhe
b) Esses caminhos floresceram durante os primórdios da Ida- é subsequente.
de Média.
c) ... viajavam por cordilheiras... 38. (PRODAM-AM – ASSISTENTE DE HARDWARE – FUN-
d) ... até cair em desuso, seis séculos atrás. CAB – 2014) O termo destacado em: “As pessoas estão sempre
e) O maquinista empurra a manopla do acelerador. muito ATAREFADAS.” exerce a seguinte função sintática:

34. (CASAL-AL – ADMINISTRADOR DE REDE – COPEVE – a) objeto direto.


UFAL – 2014) Na afirmação abaixo, de Padre Vieira, b) objeto indireto.
“O trigo não picou os espinhos, antes os espinhos o picaram c) adjunto adverbial.
a ele... Cuidais que o sermão vos picou a vós” o substantivo “espi- d) predicativo.
nhos” tem, respectivamente, função sintática de, e) adjunto adnominal.

a) objeto direto/objeto direto. 39. (TRT-13ª REGIÃO-PB – TÉCNICO JUDICIÁRIO – TEC-


b) sujeito/objeto direto. NOLOGIA DA INFORMAÇÃO – MÉDIO – FCC – 2014) Ao mesmo
c) objeto direto/sujeito. tempo, as elites renunciaram às ambições passadas...
d) objeto direto/objeto indireto. O verbo que, no contexto, exige o mesmo tipo de comple-
e) sujeito/objeto indireto. mento que o grifado acima está empregado em:

a) Faltam-nos precedentes históricos para...


35. (CASAL-AL – ADMINISTRADOR DE REDE – COPEVE –
b) Nossos contemporâneos vivem sem esse futuro...
UFAL – 2014) No texto, “Arranca o estatuário uma pedra dessas
c) Esse novo espectro comprova a novidade de nossa situa-
montanhas, tosca, bruta, dura, informe; e, depois que desbastou
ção...
o mais grosso, toma o maço e cinzel na mão para começar a for- d) As redes sociais eram atividades de difícil implementação...
mar um homem, primeiro membro a membro e depois feição por e) ... como se imitássemos o padrão de conforto...
feição.”
VIEIRA, P. A. In Sermão do Espírito Santo. Acervo da Acade- 40. (CIA DE SERVIÇOS DE URBANIZAÇÃO DE GUARAPUA-
mia Brasileira de Letras VA-PR – AGENTE DE TRÂNSITO – CONSULPLAM – 2014) Quan-
A oração sublinhada exerce uma função de to à função que desempenha na sintaxe da oração, o trecho em
destaque “Tenho uma dor que passa daqui pra lá e de lá pra cá”
a) causalidade. corresponde a:
b) conclusão.
c) oposição. a) Oração subordinada adjetiva restritiva.
d) concessão. b) Oração subordinada adjetiva explicativa.
e) finalidade. c) Adjunto adnominal.
d) Oração subordinada adverbial espacial.
36. (EBSERH – HUCAM-UFES – ADVOGADO – SUPERIOR –
AOCP – 2014) Em “Se a ‘cura’ fosse cara, apenas uma pequena 41. (ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO – TÉCNICO EM CO-
fração da sociedade teria acesso a ela.”, a expressão em destaque MUNICAÇÃO SOCIAL – IDECAN – 2014) Acerca das relações
funciona como: sintáticas que ocorrem no interior do período a seguir “Policiais

52
LÍNGUA PORTUGUESA

de Los Angeles tomam facas de criminosos, perseguem bêbados d) É que, conforme já ressaltei várias vezes, a essência do di-
na estrada e terminam o dia na delegacia fazendo seu relatório.”, reito está na ação.
é correto afirmar que e) A cabeça de Jano tem face dupla: a uns volta uma das fa-
ces, aos demais, a outra.
a) “o dia” é sujeito do verbo “terminar”.
b) o sujeito do período, Policiais de Los Angeles, é composto. 43. TJ-BA – TÉCNICO JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATI-
c) “bêbados” e “criminosos” apresentam-se na função de VA – MÉDIO – FGV – 2015
sujeito.
d) “facas” possui a mesma função sintática que “bêbados” Texto 2 - “A primeira missão tripulada ao espaço profundo
e “relatório”. desde o programa Apollo, da década 1970, com o objetivo de
e) “de criminosos”, “na estrada”, “na delegacia” são termos enviar astronautas a Marte até 2030 está sendo preparada pela
que indicam circunstâncias que caracterizam a ação verbal. Nasa (agência espacial norte-americana). O primeiro passo para
a concretização desse desafio será dado nesta sexta-feira (5), com
42. (TJ-SP – ESCREVENTE TÉCNICO JUDICIÁRIO – MÉDIO o lançamento da cápsula Orion, da base da agência em Cabo Ca-
– VUNESP – 2015) Leia o texto, para responder às questões. naveral, na Flórida, nos Estados Unidos. O lançamento estava pre-
O fim do direito é a paz, o meio de que se serve para conse- visto originalmente para esta quinta-feira (4), mas devido a pro-
gui-lo é a luta. Enquanto o direito estiver sujeito às ameaças da blemas técnicos foi reagendado para as 7h05 (10h05 no horário
injustiça – e isso perdurará enquanto o mundo for mundo –, ele de Brasília).”
não poderá prescindir da luta. A vida do direito é a luta: luta dos (Ciência, Internet Explorer).
povos, dos governos, das classes sociais, dos indivíduos.
Todos os direitos da humanidade foram conquistados pela “com o lançamento da cápsula Orion, da base da agência em
luta; seus princípios mais importantes tiveram de enfrentar os Cabo Canaveral, na Flórida, nos Estados Unidos.” Os termos sub-
ataques daqueles que a ele se opunham; todo e qualquer direito, linhados se encarregam da localização do lançamento da cápsula
seja o direito de um povo, seja o direito do indivíduo, só se afirma referida; o critério para essa localização também foi seguido no
por uma disposição ininterrupta para a luta. O direito não é uma seguinte caso: Os protestos contra as cotas raciais ocorreram:
simples ideia, é uma força viva. Por isso a justiça sustenta numa
das mãos a balança com que pesa o direito, enquanto na outra a) em Brasília, Distrito Federal, na região Centro-Oeste;
segura a espada por meio da qual o defende. b) em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, região Sul;
A espada sem a balança é a força bruta, a balança sem a c) em Pedrinhas, São Luís, Maranhão;
espada, a impotência do direito. Uma completa a outra, e o ver- d) em São Paulo, São Paulo, Brasil;
dadeiro estado de direito só pode existir quando a justiça sabe e) em Goiânia, região Centro-Oeste, Brasil.
brandir a espada com a mesma habilidade com que manipula a
balança. 44. (TRT – 21.ª REGIÃO-RN – TÉCNICO JUDICIÁRIO – ÁREA
O direito é um trabalho sem tréguas, não só do Poder Públi- ADMINISTRATIVA – MÉDIO – FCC – 2017) Está plenamente ade-
co, mas de toda a população. A vida do direito nos oferece, num quada a pontuação do seguinte período:
simples relance de olhos, o espetáculo de um esforço e de uma
luta incessante, como o despendido na produção econômica e a) A produção cinematográfica como é sabido, sempre bebeu
espiritual. Qualquer pessoa que se veja na contingência de ter de na fonte da literatura, mas o cinema declarou-se, independente
sustentar seu direito participa dessa tarefa de âmbito nacional e das outras artes há mais de meio século.
contribui para a realização da ideia do direito. É verdade que nem b) Sabe-se que, a produção cinematográfica sempre conside-
todos enfrentam o mesmo desafio. rou a literatura como fonte de inspiração, mas o cinema declarou-
A vida de milhares de indivíduos desenvolve-se tranquila- -se independente das outras artes, há mais de meio século.
mente e sem obstáculos dentro dos limites fixados pelo direito. Se c) Há mais de meio século, o cinema declarou-se indepen-
lhes disséssemos que o direito é a luta, não nos compreenderiam, dente das outras artes, embora a produção cinematográfica te-
pois só veem nele um estado de paz e de ordem. nha sempre considerado a literatura como fonte de inspiração.
(Rudolf von Ihering, A luta pelo direito) d) O cinema declarou-se independente, das outras artes, há
mais de meio século; porém, sabe-se, que a produção cinemato-
Assinale a alternativa em que uma das vírgulas foi empregada gráfica sempre bebeu na fonte da literatura.
para sinalizar a omissão de um verbo, tal como ocorre na passa- e) A literatura, sempre serviu de fonte inspiradora do cinema,
gem – A espada sem a balança é a força bruta, a balança sem a mas este, declarou-se independente das outras artes há mais de
espada, a impotência do direito. meio século − como é sabido.

a) O direito, no sentido objetivo, compreende os princípios 45. (CORREIOS – TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABA-
jurídicos manipulados pelo Estado. LHO JÚNIOR – MÉDIO – IADES – 2017 – ADAPTADA) Quanto às
b) Todavia, não pretendo entrar em minúcias, pois nunca che- regras de ortografia e de pontuação vigentes, considere o perío-
garia ao fim. do “Enquanto lia a carta, as lágrimas rolavam em seu rosto numa
c) Do autor exige-se que prove, até o último centavo, o inte- mistura de amor e saudade.” e assinale a alternativa correta.
resse pecuniário. a) O uso da vírgula entre as orações é opcional.

53
LÍNGUA PORTUGUESA

b) A redação “Enquanto lia a carta, as lágrimas rolavam em 26 C


seu rosto por que sentia um misto de amor e saudade.” poderia
substituir a original. 27 E
c) O uso do hífen seria obrigatório, caso o prefixo re fosse 28 D
acrescentado ao vocábulo “lia”.
d) Caso a ordem das orações fosse invertida, o uso da vírgula 29 B
entre elas poderia ser dispensado. 30 A
e) Assim como o vocábulo “lágrimas”, devem ser acentuados
31 E
graficamente rúbrica, filântropo e lúcida.
32 D
46. (TRE-MS – ESTÁGIO – JORNALISMO – TRE-MS – 2014) 33 E
Verifique a pontuação nas frases abaixo e marque a assertiva cor-
reta: 34 C
35 E
a) Céus: Que injustiça.
b) O resultado do placar, não o abateu. 36 C
c) O comércio estava fechado; porém, a farmácia estava em 37 A
pleno atendimento.
38 D
d) Comam bastantes frutas crianças!
e) Comprei abacate, e mamão maduro. 39 A
40 A
RESPOSTAS
41 D
1 C 42 E
2 A 43 A
3 D 44 C
4 A 45 D
5 C 46 C
6 A
7 C
8 D
ANOTAÇÃO
9 D
10 C
11 B _____________________________________________________

12 C
_____________________________________________________
13 D
14 E _____________________________________________________
15 A
_____________________________________________________
16 B
17 A
_____________________________________________________
18 CERTO
19 D _____________________________________________________
20 C
_____________________________________________________
21 A
22 E _____________________________________________________
23 E
24 E _____________________________________________________
25 C

54
MATEMÁTICA

1. Números reais: Resolução de problemas envolvendo as operações de adição, subtração, multiplicação e divisão. . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Divisibilidade: Múltiplos e Divisores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
3. Proporcionalidade: Regra de três simples e porcentagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
4.Sistema Legal de Medidas: Medidas de comprimento, área, volume, capacidade, massa e tempo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
5. Princípio Multiplicativo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
6. Volumes dos principais sólidos geométricos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
7. Conservação, redução ou ampliação de perímetros e áreas das principais figuras planas usando malhas quadriculadas. Cálculo de áreas
e perímetros. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
8. Relacionar figuras tridimensionais com suas respectivas planificações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
9. Reconhecer arestas, vértices e faces de um sólido geométrico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
MATEMÁTICA

1. NÚMEROS REAIS: RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS


ENVOLVENDO AS OPERAÇÕES DE ADIÇÃO, SUBTRAÇÃO, Intervalo:]a,b]
MULTIPLICAÇÃO E DIVISÃO. Conjunto:{x∈R|a<x≤b}

Números Reais INTERVALOS IIMITADOS

Semirreta esquerda, fechada de origem b- números reais me-


nores ou iguais a b.

Intervalo:]-∞,b]
Conjunto:{x∈R|x≤b}

Semirreta esquerda, aberta de origem b – números reais me-


nores que b.

Intervalo:]-∞,b[
Conjunto:{x∈R|x<b}
Fonte: www.estudokids.com.br
Semirreta direita, fechada de origem a – números reais maio-
Representação na reta res ou iguais a a.

Intervalo:[a,+ ∞[
Conjunto:{x∈R|x≥a}

Semirreta direita, aberta, de origem a – números reais maio-


res que a.
INTERVALOS LIMITADOS
Intervalo fechado – Números reais maiores do que a ou iguais
a e menores do que b ou iguais a b.
Intervalo:]a,+ ∞[
Conjunto:{x∈R|x>a}
Intervalo:[a,b]
Conjunto: {x∈R|a≤x≤b} Potenciação
Multiplicação de fatores iguais
Intervalo aberto – números reais maiores que a e menores
que b. 2³=2 .2 .2=8

Casos
Intervalo:]a,b[ 1) Todo número elevado ao expoente 0 resulta em 1 .
Conjunto:{x∈R|a<x<b}

Intervalo fechado à esquerda – números reais maiores que a


ou iguais a a e menores do que b.

2) Todo número elevado ao expoente 1 é o próprio núme-


Intervalo:{a,b[ ro .
Conjunto {x∈R|a≤x<b}
Intervalo fechado à direita – números reais maiores que a e
menores ou iguais a b.

1
MATEMÁTICA

3) Todo número negativo, elevado ao expoente par, resul- 4) E uma multiplicação de dois ou mais fatores elevados a
ta em um número positivo. um expoente, podemos elevar cada um a esse mesmo expoente.
(4 .3)²=4² .3²

5) Na divisão de dois fatores elevados a um expoente, pode-


mos elevar separados .
4) Todo número negativo, elevado ao expoente ímpar, re-
sulta em um número negativo.

Radiciação
Radiciação é a operação inversa a potenciação

5) Se o sinal do expoente for negativo, devemos passar o


sinal para positivo e inverter o número que está na base.

6) Toda vez que a base for igual a zero, não importa o valor Técnica de Cálculo
do expoente, o resultado será igual a zero. A determinação da raiz quadrada de um número torna-se
mais fácil quando o algarismo se encontra fatorado em números
primos . Veja:

Propriedades

1) (am . an = am+n) Em uma multiplicação de potências de mes-


ma base, repete-se a base e soma os expoentes.

Exemplos:
24 . 23 = 24+3= 27
(2 .2 .2 .2) .( 2 .2 .2)= 2 .2 .2 . 2 .2 .2 .2= 27

64=2 .2 .2 .2 .2 .2=26
2) (am: an = am-n). Em uma divisão de potência de mesma base.
Conserva-se a base e subtraem os expoentes. Como é raiz quadrada a cada dois números iguais “tira-se”
um e multiplica.
Exemplos:
96 : 92 = 96-2 = 94

Observe: 1 1
3.5 = (3.5) = 3 .5 = 3. 5
1
2 2 2

3) (a ) Potência de potência. Repete-se a base e multiplica-


m n

-se os expoentes. De modo geral, se


Exemplos:
(52)3 = 52 .3 = 56
a ∈ R+ , b ∈ R+ , n ∈ N * ,
então:

n
a.b = n a .n b

2
MATEMÁTICA

O radical de índice inteiro e positivo de um produto indicado Para fazer esse cálculo, devemos fatorar o 8 e o 20.
é igual ao produto dos radicais de mesmo índice dos fatores do
radicando.

Raiz quadrada de frações ordinárias


1 1
2  2 2 22 2
=  = 1 =
3 3 3
Observe: 32

De modo geral, Caso tenha:

a ∈ R+ , b ∈ R *+ , n ∈ N * ,
se
Não dá para somar, as raízes devem ficar desse modo.
então:
Racionalização de Denominadores
a na
n = Normalmente não se apresentam números irracionais com
b nb radicais no denominador. Ao processo que leva à eliminação dos
radicais do denominador chama-se racionalização do denomina-
O radical de índice inteiro e positivo de um quociente indica- dor .
do é igual ao quociente dos radicais de mesmo índice dos termos 1º Caso:Denominador composto por uma só parcela
do radicando.

Raiz quadrada números decimais

Operações 2º Caso: Denominador composto por duas parcelas.

Operações Devemos multiplicar de forma que obtenha uma diferença de


quadrados no denominador:
Multiplicação

Exemplo
2. DIVISIBILIDADE: MÚLTIPLOS E DIVISORES.

Divisão Múltiplos e Divisores

Sabemos que 30 : 6 = 5, porque 5 x 6 = 30.


Podemos dizer então que:

Exemplo “30 é divisível por 6 porque existe um numero natural (5) que
multiplicado por 6 dá como resultado 30.”
Um numero natural a é divisível por um numero natural b,
não-nulo, se existir um número natural c, tal que c . b = a .
Ainda com relação ao exemplo 30 : 6 = 5, temos que:
Adição e subtração 30 é múltiplo de 6, e 6 é divisor de 30.

3
MATEMÁTICA

Conjunto dos múltiplos de um número natural: É obtido c) 76315 não é divisível por 4, pois termina em 15, e 15 não
multiplicando-se esse número pela sucessão dos números é divisível por 4.
naturais: 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, . . .
Para acharmos o conjunto dos múltiplos de 7, por exemplo, Divisibilidade por 5: Um número é divisível por 5 quando
multiplicamos por 7 cada um dos números da sucessão dos termina em 0 ou 5 .
naturais:
Exemplos:
7x0=0
7x1=7 a) 35040 é divisível por 5, pois termina em 0.
7 x 2 = 14 b) 7235 é divisível por 5, pois termina em 5.
7 x 3 = 21 c) 6324 não é divisível por 5, pois termina em 4.
7 x 4 = 28
7 x 5 = 35 Divisibilidade por 6: Um número é divisível por 6 quando é
divisível por 2 e por 3.
O conjunto formado pelos resultados encontrados forma o Exemplos:
conjunto dos múltiplos de 7: M(7) = {0, 7, 14, 21, 28,...}.
Observações: a) 430254 é divisível por 6, pois é divisível por 2 e por 3 (4 +
3 + 0 + 2 + 5 + 4 = 18) .
- Todo número natural é múltiplo de si mesmo. b) 80530 não é divisível por 6, pois não é divisível por 3 (8 +
- Todo número natural é múltiplo de 1. 0 + 5 + 3 + 0 = 16) .
- Todo número natural, diferente de zero, tem infinitos c) 531561 não é divisível por 6, pois não é divisível por 2.
múltiplos.
- O zero é múltiplo de qualquer número natural. Divisibilidade por 7: Um número é divisível por 7 quando a
- Os múltiplos do número 2 são chamados de números pares, diferença entre o dobro do último algarismo e o número formado
e a fórmula geral desses números é 2 k (k ∈ N) . Os demais são pelos demais algarismos resulta um número divisível por 7
chamados de números ímpares, e a fórmula geral desses números
é 2 k + 1 (k ∈ N) . Exemplo: 41909 é divisível por 7 conforme podemos confe-
rir: 9+9=18 4190-18=4172 2+2=4 417-4=413 3+3=6 41-6=35 que
Critérios de divisibilidade: São regras práticas que nos dividido por 7 é igual a 5.
possibilitam dizer se um número é ou não divisível por outro, sem
efetuarmos a divisão. Divisibilidade por 8: Um número é divisível por 8 quando
seus três últimos algarismos forem 000 ou formarem um número
Divisibilidade por 2: Um número é divisível por 2 quando divisível por 8.
termina em 0, 2, 4, 6 ou 8, ou seja, quando ele é par.
Exemplos:
Exemplos:
a) 57000 é divisível por 8, pois seus três últimos algarismos
a) 9656 é divisível por 2, pois termina em 6. são 000 .
b) 4321 não é divisível por 2, pois termina em 1. b) 67024 é divisível por 8, pois seus três últimos algarismos
formam o número 24, que é divisível por 8.
Divisibilidade por 3: Um número é divisível por 3 quando a c) 34125 não é divisível por 8, pois seus três últimos algarismos
soma dos valores absolutos de seus algarismos é divisível por 3. formam o número 125, que não é divisível por 8.

Exemplos: Divisibilidade por 9: Um número é divisível por 9 quando


a soma dos valores absolutos de seus algarismos formam um
a) 65385 é divisível por 3, pois 6 + 5 + 3 + 8 + 5 = 27, e 27 é número divisível por 9.
divisível por 3.
b) 15443 não é divisível por 3, pois 1+ 5 + 4 + 4 + 3 = 17, e 17 Exemplos:
não é divisível por 3.
a) 6253461 é divisível por 9, pois 6 + 2 + 5 + 3 + 4 + 6 + 1 = 27
Divisibilidade por 4: Um número é divisível por 4 quando é divisível por 9.
seus dois algarismos são 00 ou formam um número divisível por 4. b) 325103 não é divisível por 9, pois 3 + 2 + 5 + 1 + 0 + 3 = 14
não é divisível por 9.
Exemplos:
Divisibilidade por 10: Um número é divisível por 10 quando
a) 536400 é divisível por 4, pois termina em 00. termina em zero .
b) 653524 é divisível por 4, pois termina em 24, e 24 é divisível
por 4 .

4
MATEMÁTICA

Exemplos: Exemplo:

a) 563040 é divisível por 10, pois termina em zero.


b) 246321 não é divisível por 10, pois não termina em zero.

Divisibilidade por 11: Um número é divisível por 11 quando a


diferença entre a soma dos algarismos de posição ímpar e a soma
dos algarismos de posição par resulta em um número divisível por
11 .
Divisores de um número natural
Exemplos:
Vamos pegar como exemplo o número 12 na sua forma fa-
a) 1º 3º 5º → Algarismos de posição ímpar.(Soma dos
torada:
algarismos de posição impar: 4 + 8 + 3 = 15.)
12 = 22 . 31
4 3 8 1 3
2º 4º → Algarismos de posição par.(Soma dos algarismos
de posição par:3 + 1 = 4) O número de divisores naturais é igual ao produto dos ex-
15 – 4 = 11 → diferença divisível por 11. Logo 43813 é divisível poentes dos fatores primos acrescidos de 1.
por 11 . Logo o número de divisores de 12 são:

b) 1º 3º 5º 7º → (Soma dos algarismos de posição ➜ (2+1) .(1+1) = 3 .2 = 6 divisores naturais


ímpar:8 + 4 + 5 + 2 = 19)
8 3 4 1 5 7 2 1
2º 4º 6º 8º → (Soma dos algarismos de posição Para sabermos quais são esses 6 divisores basta pegarmos
par:3 + 1 + 7 + 1 = 12) cada fator da decomposição e seu respectivo expoente natural
que varia de zero até o expoente com o qual o fator se apresenta
19 – 12 = 7 → diferença que não é divisível por 11. Logo na decomposição do número natural.
83415721 não é divisível por 11.
Exemplo:
Divisibilidade por 12: Um número é divisível por 12 quando é 12 = 22 . 31 ➜ 22 = 20,21 e 22 ; 31 = 30 e 31, teremos:
divisível por 3 e por 4. 20 . 30=1
20 . 31=3
Exemplos: 21 . 30=2
21 . 31=2 .3=6
a) 78324 é divisível por 12, pois é divisível por 3 ( 7 + 8 + 3 + 2 22 . 31=4 .3=12
+ 4 = 24) e por 4 (termina em 24) . 22 . 30=4
b) 652011 não é divisível por 12, pois não é divisível por 4
(termina em 11) . O conjunto de divisores de 12 são: D(12)={1,2,3,4,6,12}
c) 863104 não é divisível por 12, pois não é divisível por 3 ( 8 A soma dos divisores é dada por : 1+2+3+4+6+12 = 28
+ 6 + 3 +1 + 0 + 4 = 22) .
Obs.: para sabermos o conjunto dos divisores inteiros de 12,
Divisibilidade por 15: Um número é divisível por 15 quando é
basta multiplicarmos o resultado por 2 ( dois divisores, um nega-
divisível por 3 e por 5.
tivo e o outro positivo).
Exemplos: Assim teremos que D(12) = 6.2 = 12 divisores inteiros.

a) 650430 é divisível por 15, pois é divisível por 3 ( 6 + 5 + 0 + QUESTÕES


4 + 3 + 0 =18) e por 5 (termina em 0) .
b) 723042 não é divisível por 15, pois não é divisível por 5 1. Escreva os elementos dos conjuntos dos múltiplos de 5 me-
(termina em 2) . nores que 30.
c) 673225 não é divisível por 15, pois não é divisível por 3 ( 6
+ 7 + 3 + 2 + 2 + 5 = 25) . 2. Escreva os elementos dos conjuntos dos múltiplos de 8
compreendidos entre 30 e 50.
Fatoração numérica
3. Qual é o menor número que devemos somar a 36 para
Essa fatoração se dá através da decomposição em fatores pri- obter um múltiplo de 7?
mos. Para decompormos um número natural em fatores primos,
dividimos o mesmo pelo seu menor divisor primo, após pegamos o 4. Como são chamados os múltiplos de 2?
quociente e dividimos o pelo seu menor divisor, e assim sucessiva-
mente até obtermos o quociente 1. O produto de todos os fatores 5. Verifique se os números abaixo são divisíveis por 4.
primos representa o número fatorado. a) 23418

5
MATEMÁTICA

b) 65000 7) Resposta “72”.


c) 38036 Solução: Sabemos que um automóvel tem 4 rodas. Então, o
d) 24004 número que contarmos deve ser múltiplo de 4. Logo, 42 não pode
e) 58617 ser o resultado, pois ele não é múltiplo de 4. Já o 72 pode ser.

6. Escreva os elementos dos conjuntos dos múltiplos de 7 8) Resposta “0, 9, 18, 27, 36”.
maiores que 10 e menores que 20. Solução:
9x0=0
7. Alguns automóveis estão estacionados na rua. Se você con- 9x1=9
tar as rodas dos automóveis, o resultado pode ser 42? Pode ser 9 x 2 = 18
72? Por quê? 9 x 3 = 27
9 x 4 = 36
8. Escreva os 5 primeiro múltiplos de 9.
9) Resposta “0, 24, 48, 72, 96”.
9. Escreva as 5 primeiros múltiplos comuns de 8 e de 12.
Solução: Nesse caso todos são os divisores comuns de 8 e 12.
10 . Responda sim ou não:
10) Solução:
a) 24 é múltiplo de 2?
b) 52 é múltiplo de 4? a) Sim, pois 24 termina em 4, que é um número par
c) 50 é múltiplo de 8? b) Sim, pois se dividirmos 52 por 4, dará um número inteiro.
d) 1995 é múltiplo de 133? c) Não, pois se dividirmos 50 por 8, não dará um número in-
teiro .
Respostas d) Sim, pois se dividirmos 1995 por 133, dará um número in-
teiro .
1) Resposta “0, 5, 10, 15, 20, 25”.
Solução: 3. PROPORCIONALIDADE: REGRA DE TRÊS SIMPLES E
5x0=0 PORCENTAGEM.
5x1=5
5 x 2 = 10
5 x 3 = 15
5 x 4 = 20 Regra de três simples
5 x 5 = 25
Regra de três simples é um processo prático para resolver
2) Resposta “32, 40, 48”. problemas que envolvam quatro valores dos quais conhecemos
Solução: três deles. Devemos, portanto, determinar um valor a partir dos
8 x 4 = 32 três já conhecidos.
8 x 5 = 40
8 x 6 = 48 Passos utilizados numa regra de três simples:
1º) Construir uma tabela, agrupando as grandezas da mesma
3) Resposta “6”. espécie em colunas e mantendo na mesma linha as grandezas de
Solução: 36 + 6 = 42. Pois, o número 42 é divisível por 7. espécies diferentes em correspondência.
2º) Identificar se as grandezas são diretamente ou inversa-
4) Resposta “Pares”. mente proporcionais.
Os Múltiplos de 2 são chamados de pares: 2 k (k ∈ N) 3º) Montar a proporção e resolver a equação.
Um trem, deslocando-se a uma velocidade média de
5) Resposta “Divisíveis: b, c, d”. 400Km/h, faz um determinado percurso em 3 horas. Em quanto
Solução: tempo faria esse mesmo percurso, se a velocidade utilizada fosse
a) 23418: Termina em 18, e 18 não é divisível por 4. de 480km/h?
b) 65000: Termina em 00, e logo, é divisível por 4. Solução: montando a tabela:
c) 38036: Termina em 36, portanto é divisível por 4. 1) Velocidade (Km/h) Tempo (h)
d) 24004: Termina em 4, e assim é divisível por 4. 400-----------------3
480---------------- x
e) 58617: Termina em 17, e 17 não é divisível por 4.
2) Identificação do tipo de relação:
6) Resposta “14”.
Velocidade----------tempo
Solução:
400↓-----------------3↑
7 x 2 = 14 .
480↓---------------- x↑

6
MATEMÁTICA

Obs.: como as setas estão invertidas temos que inverter os QUESTÕES


números mantendo a primeira coluna e invertendo a segunda co-
luna ou seja o que está em cima vai para baixo e o que está em 01. (IPRESB/SP - Analista de Processos Previdenciários- VU-
baixo na segunda coluna vai para cima NESP/2017) Para imprimir 300 apostilas destinadas a um curso,
Velocidade----------tempo uma máquina de fotocópias precisa trabalhar 5 horas por dia du-
400↓-----------------X↓ rante 4 dias. Por motivos administrativos, será necessário impri-
480↓---------------- 3↓ mir 360 apostilas em apenas 3 dias. O número de horas diárias
que essa máquina terá que trabalhar para realizar a tarefa é
480x=1200 (A) 6 .
X=25 (B) 7 .
(C) 8 .
Regra de três composta (D) 9 .
Regra de três composta é utilizada em problemas com mais (E) 10 .
de duas grandezas, direta ou inversamente proporcionais.
02. (SEPOG – Analista em Tecnologia da Informação e Co-
Exemplos: municação – FGV/2017) Uma máquina copiadora A faz 20% mais
cópias do que uma outra máquina B, no mesmo tempo.
1) Em 8 horas, 20 caminhões descarregam 160m³ de areia. A máquina B faz 100 cópias em uma hora.
Em 5 horas, quantos caminhões serão necessários para descar- A máquina A faz 100 cópias em
regar 125m³? (A) 44 minutos .
(B) 46 minutos .
Solução: montando a tabela, colocando em cada coluna as (C) 48 minutos .
grandezas de mesma espécie e, em cada linha, as grandezas de (D) 50 minutos .
espécies diferentes que se correspondem: (E) 52 minutos .
Horas --------caminhões-----------volume 03 . (SAP/SP - Agente de Segurança Penitenciária - MSCON-
8↑----------------20↓----------------------160↑ CURSOS/2017) Para a construção de uma rodovia, 12 operários
5↑------------------x↓----------------------125↑ trabalham 8 horas por dia durante 14 dias e completam exata-
mente a metade da obra. Porém, a rodovia precisa ser terminada
A seguir, devemos comparar cada grandeza com aquela onde
daqui a exatamente 8 dias, e então a empresa contrata mais 6
está o x.
operários de mesma capacidade dos primeiros. Juntos, eles deve-
Observe que:
rão trabalhar quantas horas por dia para terminar o trabalho no
Aumentando o número de horas de trabalho, podemos dimi-
tempo correto?
nuir o número de caminhões. Portanto a relação é inversamente
(A) 6h 8 min
proporcional (seta para cima na 1ª coluna).
(B) 6h 50min
Aumentando o volume de areia, devemos aumentar o núme-
(C) 9h 20 min
ro de caminhões. Portanto a relação é diretamente proporcional
(D) 9h 33min
(seta para baixo na 3ª coluna). Devemos igualar a razão que con-
tém o termo x com o produto das outras razões de acordo com o
sentido das setas. 04. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário – VUNESP/2017 )
Montando a proporção e resolvendo a equação temos: Um restaurante “por quilo” apresenta seus preços de acordo com
a tabela:
Horas --------caminhões-----------volume
8↑----------------20↓----------------------160↓
5↑------------------x↓----------------------125↓

Obs.: Assim devemos inverter a primeira coluna ficando:


Rodolfo almoçou nesse restaurante na última sexta-feira. Se
a quantidade de alimentos que consumiu nesse almoço custou
Horas --------caminhões-----------volume R$ 21,00, então está correto afirmar que essa quantidade é, em
5----------------20----------------------160 gramas, igual a
8------------------x----------------------125
(A) 375 .
(B) 380 .
(C) 420 .
(D) 425 .
Logo, serão necessários 25 caminhões (E) 450 .

7
MATEMÁTICA

05. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário – VU- (A) 48 .


NESP/2017 ) Um carregamento de areia foi totalmente em- (B) 50 .
balado em 240 sacos, com 40 kg em cada saco. Se fossem (C) 46 .
colocados apenas 30 kg em cada saco, o número de sacos (D) 54 .
necessários para embalar todo o carregamento seria igual a (E) 52 .
(A) 420 .
(B) 375 . RESPOSTAS
(C) 370 .
(D) 345 . 01. Resposta: C.
(E) 320 . ↑Apostilas ↑ horas dias↓
300------------------5--------------4
06. (UNIRV/GO – Auxiliar de Laboratório – UNIRV- 360-----------------x----------------3
GO/2017) Quarenta e oito funcionários de uma certa em-
presa, trabalhando 12 horas por dia, produzem 480 bolsas ↑Apostilas ↑ horas dias↑
por semana. Quantos funcionários a mais, trabalhando 15 300------------------5--------------3
horas por dia, podem assegurar uma produção de 1200 bol- 360-----------------x----------------4
sas por semana?
(A) 48
(B) 96
(C) 102
(D) 144 900x=7200
X=8
07. (MPE/GO – Oficial de Promotoria – MPEGO/2017)
Durante 90 dias, 12 operários constroem uma loja. Qual o 02. Resposta: D.
número mínimo de operários necessários para fazer outra Como a máquina A faz 20% a mais:
loja igual em 60 dias? Em 1 hora a máquina A faz 120 cópias.
(A) 8 operários. 120------60 minutos
(B) 18 operários. 10-------x
(C) 14 operários. X=50 minutos
(D) 22 operários.
(E) 25 operários 03. Resposta: C.
↑Operário ↓horas dias↑
08. (FCEP – Técnico Artístico – AMAUC/2017) A vazão 12--------------8------------14
de uma torneira é de 50 litros a cada 3 minutos. O tempo 18----------------x------------8
necessário para essa torneira encher completamente um Quanto mais horas, menos operários
reservatório retangular, cujas medidas internas são 1,5 me- Quanto mais horas, menos dias
tros de comprimento, 1,2 metros de largura e 70 centíme-
tros de profundidade é de:
(A) 1h 16min 00s
(B) 1h 15min 36s
(C) 1h 45min 16s 8⋅18x=14⋅12⋅8
(D) 1h 50min 05s X=9,33h
(E) 1h55min 42s 9 horas e 1/3 da hora
1/3 de hora é equivalente a 20 minutos
09. (CRMV/SC – Assistente Administrativo – IE- 9horas e 20 minutos
SES/2017) Trabalhando durante 6 dias, 5 operários produ-
zem 600 peças. Determine quantas peças serão produzidas 04. Resposta:C.
por sete operários trabalhando por 8 dias: 12,50------250
(A) 1120 peças 21----------x
(B) 952 peças X=5250/12,5=420 gramas
(C) 875 peças
(D) 1250 peças 05. Resposta: E.
Sacos kg
10. (MPE/SP – Oficial de Promotoria I – VUNESP/2016) Para 240----40
organizar as cadeiras em um auditório, 6 funcionários, todos com x----30
a mesma capacidade de produção, trabalharam por 3 horas. Para
fazer o mesmo trabalho, 20 funcionários, todos com o mesmo
rendimento dos iniciais, deveriam trabalhar um total de tempo,
em minutos, igual a

8
MATEMÁTICA

Quanto mais sacos, menos areia foi colocada(inversamente) 3x60=180 minutos


↑Funcionários minutos↓
6------------180
20-------------x

30x=9600 As Grandezas são inversamente proporcionais, pois quanto


X=320 mais funcionários, menos tempo será gasto.
Vamos inverter os minutos

06. Resposta: A. ↑Funcionários minutos↑


↓Funcionários ↑ horas bolsas↓ 6------------x
48------------------------12-----------480 20-------------180
x-----------------------------15----------1200
Quanto mais funcionários, menos horas precisam 20x=6 .180
Quanto mais funcionários, mais bolsas feitas 20x=1040
X=54 minutos

PORCENTAGEM

X=96 funcionários Porcentagem é uma fração cujo denominador é 100, seu sím-
Precisam de mais 48 funcionários bolo é (%). Sua utilização está tão disseminada que a encontra-
mos nos meios de comunicação, nas estatísticas, em máquinas
07. Resposta: B. de calcular, etc.
Operários dias Os acréscimos e os descontos é importante saber porque aju-
12-----------90 da muito na resolução do exercício.
x--------------60
Quanto mais operários, menos dias (inversamente proporcio- Acréscimo
nal) Se, por exemplo, há um acréscimo de 10% a um determinado
valor, podemos calcular o novo valor apenas multiplicando esse
valor por 1,10, que é o fator de multiplicação. Se o acréscimo for
de 20%, multiplicamos por 1,20, e assim por diante. Veja a tabela
abaixo:
60x=1080
X=18 Acréscimo ou Lucro Fator de Multiplicação
08. Resposta: B. 10% 1,10
V=1,5⋅1,2⋅0,7=1,26m³=1260litros 15% 1,15
50litros-----3 min
1260--------x 20% 1,20
X=3780/50=75,6min 47% 1,47
0,6min=36s
67% 1,67
75min=60+15=1h15min

09. Resposta: A. Exemplo: Aumentando 10% no valor de R$10,00 temos:


↑Dias ↑ operários peças↑
6-------------5---------------600
8--------------7---------------x
Desconto
No caso de haver um decréscimo, o fator de multiplicação
será:
Fator de Multiplicação = 1 - taxa de desconto (na forma de-
30x=33600 cimal)
X=1120

10. Resposta: D.

Como o exercício pede em minutos, vamos transformar 3 ho-


ras em minutos

9
MATEMÁTICA

Veja a tabela abaixo: (A) R$1120,00


(B) R$1056,00
Desconto Fator de Multiplicação (C) R$960,00
(D) R$864,00
10% 0,90
25% 0,75 02. (TST – Técnico Judiciário – FCC/2017) A equipe de segu-
rança de um Tribunal conseguia resolver mensalmente cerca de
34% 0,66 35% das ocorrências de dano ao patrimônio nas cercanias desse
60% 0,40 prédio, identificando os criminosos e os encaminhando às autori-
dades competentes. Após uma reestruturação dos procedimentos
90% 0,10 de segurança, a mesma equipe conseguiu aumentar o percentual
de resolução mensal de ocorrências desse tipo de crime para cer-
Exemplo: Descontando 10% no valor de R$10,00 temos: ca de 63%. De acordo com esses dados, com tal reestruturação, a
equipe de segurança aumentou sua eficácia no combate ao dano
ao patrimônio em
Chamamos de lucro em uma transação comercial de compra (A) 35%.
e venda a diferença entre o preço de venda e o preço de custo. (B) 28%.
Lucro=preço de venda -preço de custo (C) 63%.
(D) 41%.
Podemos expressar o lucro na forma de porcentagem de (E) 80%.
duas formas:
03. (TST – Técnico Judiciário – FCC/2017) Três irmãos, André,
Beatriz e Clarice, receberam de uma tia herança constituída pelas
seguintes joias: um bracelete de ouro, um colar de pérolas e um
par de brincos de diamante. A tia especificou em testamento que
as joias não deveriam ser vendidas antes da partilha e que cada
um deveria ficar com uma delas, mas não especificou qual deveria
ser dada a quem. O justo, pensaram os irmãos, seria que cada
(DPE/RR – Analista de Sistemas – FCC/2015) Em sala de aula um recebesse cerca de 33,3% da herança, mas eles achavam que
com 25 alunos e 20 alunas, 60% desse total está com gripe. Se x% as joias tinham valores diferentes entre si e, além disso, tinham
das meninas dessa sala estão com gripe, o menor valor possível diferentes opiniões sobre seus valores. Então, decidiram fazer a
para x é igual a partilha do seguinte modo:
(A) 8 . − Inicialmente, sem que os demais vissem, cada um deveria
(B) 15 . escrever em um papel três porcentagens, indicando sua avaliação
(C) 10 . sobre o valor de cada joia com relação ao valor total da herança.
(D) 6 . − A seguir, todos deveriam mostrar aos demais suas avalia-
(E) 12 . ções .
− Uma partilha seria considerada boa se cada um deles rece-
Resolução besse uma joia que avaliou como valendo 33,3% da herança toda
45------100% ou mais .
X-------60% As avaliações de cada um dos irmãos a respeito das joias foi
X=27 a seguinte:
O menor número de meninas possíveis para ter gripe é se
todos os meninos estiverem gripados, assim apenas 2 meninas
estão .

Assim, uma partilha boa seria se André, Beatriz e Clarice rece-


Resposta: C . bessem, respectivamente,
(A) o bracelete, os brincos e o colar.
(B) os brincos, o colar e o bracelete.
QUESTÕES
(C) o colar, o bracelete e os brincos.
(D) o bracelete, o colar e os brincos.
01. (SAP/SP - Agente de Segurança Penitenciária - MSCON-
(E) o colar, os brincos e o bracelete.
CURSOS/2017) Um aparelho de televisão que custa R$1600,00
estava sendo vendido, numa liquidação, com um desconto de
04. (UTFPR – Técnico de Tecnologia da Informação – UT-
40%. Marta queria comprar essa televisão, porém não tinha con-
FPR/2017) Um retângulo de medidas desconhecidas foi alterado.
dições de pagar à vista, e o vendedor propôs que ela desse um Seu comprimento foi reduzido e passou a ser 2/ 3 do comprimen-
cheque para 15 dias, pagando 10% de juros sobre o valor da ven- to original e sua largura foi reduzida e passou a ser 3/ 4 da largura
da na liquidação. Ela aceitou e pagou pela televisão o valor de: original.

10
MATEMÁTICA

Pode-se afirmar que, em relação à área do retângulo original, 09 (CODAR – Recepcionista – EXATUS/2016) Considere que
a área do novo retângulo: uma caixa de bombom custava, em novembro, R$ 8,60 e passou a
(A) foi aumentada em 50%. custar, em dezembro, R$ 10,75. O aumento no preço dessa caixa
(B) foi reduzida em 50%. de bombom foi de:
(C) aumentou em 25%. (A) 30%.
(D) diminuiu 25%. (B) 25%.
(E) foi reduzida a 15%. (C) 20%.
(D) 15%
05. (MPE/GO – Oficial de Promotoria – MPEGO/2017) Paulo,
dono de uma livraria, adquiriu em uma editora um lote de apos- 10. (ANP – Técnico em Regulação de Petróleo e Derivados
tilas para concursos, cujo valor unitário original é de R$ 60,00. – CESGRANRIO/2016) Um grande tanque estava vazio e foi cheio
Por ter cadastro no referido estabelecimento, ele recebeu 30% de de óleo após receber todo o conteúdo de 12 tanques menores,
desconto na compra. Para revender os materiais, Paulo decidiu idênticos e cheios.
acrescentar 30% sobre o valor que pagou por cada apostila. Nes- Se a capacidade de cada tanque menor fosse 50% maior do que
tas condições, qual será o lucro obtido por unidade? a sua capacidade original, o grande tanque seria cheio, sem exces-
(A) R$ 4,20 . sos, após receber todo o conteúdo de
(B) R$ 5,46 . (A) 4 tanques menores
(C) R$ 10,70 . (B) 6 tanques menores
(D) R$ 12,60 . (C) 7 tanques menores
(E) R$ 18,00 . (D) 8 tanques menores
06. (MPE/GO – Oficial de Promotoria – MPEGO/2017) Joana (E) 10 tanques menores
foi fazer compras. Encontrou um vestido de R$ 150,00 reais. Des-
cobriu que se pagasse à vista teria um desconto de 35%. Depois RESPOSTAS
de muito pensar, Joana pagou à vista o tal vestido. Quanto ela
pagou? 01. Resposta:B.
(A) R$ 120,00 reais Como teve um desconto de 40%, pagou 60% do produto.
(B) R$ 112,50 reais
(C) R$ 127,50 reais 1600⋅0,6=960
(D) R$ 97,50 reais Como vai pagar 10% a mais:
(E) R$ 90 reais 960⋅1,1=1056

07. (TJ/SP – Escrevente Técnico Judiciário – VUNESP/2017) 02. Resposta: E.


A empresa Alfa Sigma elaborou uma previsão de receitas trimes- 63/35=1,80
trais para 2018. A receita prevista para o primeiro trimestre é de Portanto teve um aumento de 80%.
180 milhões de reais, valor que é 10% inferior ao da receita pre-
vista para o trimestre seguinte. A receita prevista para o primeiro 03. Resposta: D.
semestre é 5% inferior à prevista para o segundo semestre. Nes- Clarice obviamente recebeu o brinco.
sas condições, é correto afirmar que a receita média trimestral Beatriz recebeu o colar porque foi o único que ficou acima de
prevista para 2018 é, em milhões de reais, igual a 30% e André recebeu o bracelete.
(A) 200 .
(B) 203 . 04. Resposta: B.
(C) 195 . A=b⋅h
(D) 190 .
(E) 198 .

08. (CRM/MG – Técnico em Informática- FUNDEP/2017)


Veja, a seguir, a oferta da loja Magazine Bom Preço: Portanto foi reduzida em 50%

Aproveite a Promoção! 05. Resposta: D.


Forno Micro-ondas Como ele obteve um desconto de 30%, pagou 70% do valor:
De R$ 720,00 60⋅0,7=42
Por apenas R$ 504,00 Ele revendeu por:
42⋅1,3=54,60
Nessa oferta, o desconto é de: Teve um lucro de: 54,60-42=12,60
(A) 70%.
(B) 50%. 06. Resposta: D.
(C) 30%. Como teve um desconto de 35%. Pagou 65%do vestido
(D) 10%. 150⋅0,65=97,50

11
MATEMÁTICA

07. Resposta: C.
Como a previsão para o primeiro trimestre é de 180 milhões e é 10% inferior, no segundo trimestre temos uma previsão de
180-----90%
x---------100
x=200

200+180=380 milhões para o primeiro semestre


380----95
x----100
x=400 milhões

Somando os dois semestres: 380+400=780 milhões


780/4trimestres=195 milhões

08. Resposta: C.

Ou seja, ele pagou 70% do produto, o desconto foi de 30%.


OBS: muito cuidado nesse tipo de questão, para não errar conforme a pergunta feita.
09. Resposta: B.
8,6(1+x)=10,75
8,6+8,6x=10,75
8,6x=10,75-8,6
8,6x=2,15
X=0,25=25%

10. Resposta: D.
50% maior quer dizer que ficou 1,5
Quantidade de tanque: x
A quantidade que aumentaria deve ficar igual a 12 tanques
1,5x=12
X=8

4.SISTEMA LEGAL DE MEDIDAS: MEDIDAS DE COMPRIMENTO, ÁREA, VOLUME, CAPACIDADE, MASSA E TEMPO.

Unidades de Comprimento
km hm dam m dm cm mm
Quilômetro Hectômetro Decâmetro Metro Decímetro Centímetro Milímetro
1000m 100m 10m 1m 0,1m 0,01m 0,001m

Os múltiplos do metro são utilizados para medir grandes distâncias, enquanto os submúltiplos, para pequenas distâncias. Para medi-
das milimétricas, em que se exige precisão, utilizamos:

mícron (µ) = 10-6 m angströn (Å) = 10-10 m

Para distâncias astronômicas utilizamos o Ano-luz (distância percorrida pela luz em um ano):
Ano-luz = 9,5 · 1012 km

Exemplos de Transformação

1m=10dm=100cm=1000mm=0,1dam=0,01hm=0,001km
1km=10hm=100dam=1000m

12
MATEMÁTICA

Ou seja, para trasnformar as unidades, quando “ andamos” para direita multiplica por 10 e para a esquerda divide por 10.

Superfície
A medida de superfície é sua área e a unidade fundamental é o metro quadrado(m²).
Para transformar de uma unidade para outra inferior, devemos observar que cada unidade é cem vezes maior que a unidade imedia-
tamente inferior. Assim, multiplicamos por cem para cada deslocamento de uma unidade até a desejada.

Unidades de Área
km 2
hm 2
dam 2
m2 dm2 cm2 mm2
Quilômetro Hectômetro Decâmetro Metro Decímetro Centímetro Milímetro
Quadrado Quadrado Quadrado Quadrado Quadrado Quadrado Quadrado
1000000m2 10000m2 100m2 1m2 0,01m2 0,0001m2 0,000001m2

Exemplos de Transformação
1m²=100dm²=10000cm²=1000000mm²
1km²=100hm²=10000dam²=1000000m²

Ou seja, para trasnformar as unidades, quando “ andamos” para direita multiplica por 100 e para a esquerda divide por 100.

Volume

Os sólidos geométricos são objetos tridimensionais que ocupam lugar no espaço. Por isso, eles possuem volume. Podemos encontrar
sólidos de inúmeras formas, retangulares, circulares, quadrangulares, entre outras, mas todos irão possuir volume e capacidade.
Unidades de Volume
km3 hm3 dam3 m3 dm3 cm3 mm3
Quilômetro Hectômetro Decâmetro Metro Decímetro Centímetro Milímetro
Cúbico Cúbico Cúbico Cúbico Cúbico Cúbico Cúbico
1000000000m3 1000000m3 1000m3 1m3 0,001m3 0,000001m3 0,000000001m3

Capacidade
Para medirmos a quantidade de leite, sucos, água, óleo, gasolina, álcool entre outros utilizamos o litro e seus múltiplos e submúltiplos,
unidade de medidas de produtos líquidos.
Se um recipiente tem 1L de capacidade, então seu volume interno é de 1dm³

1L=1dm³

Unidades de Capacidade
kl hl dal l dl cl ml
Quilolitro Hectolitro Decalitro Litro Decilitro Centilitro Mililitro
1000l 100l 10l 1l 0,1l 0,01l 0,001l

Massa

13
MATEMÁTICA

Toda vez que andar 1 casa para direita, multiplica por 10 e Multiplicação
quando anda para esquerda divide por 10.
E uma outra unidade de massa muito importante é a tone- Pedro pensou em estudar durante 2h 40 minutos, mas demo-
lada rou o dobro disso. Quanto tempo durou o estudo?
1 tonelada=1000kg

Tempo

A unidade fundamental do tempo é o segundo(s).


É usual a medição do tempo em várias unidades, por exem-
plo: dias, horas, minutos

Transformação de unidades Divisão

Deve-se saber:
1 dia=24horas
1hora=60minutos 5h 20 minutos :2
1 minuto=60segundos
1hora=3600s 1h 20 minutos, transformamos para minutos :60+20=80mi-
nutos
Adição de tempo
QUESTÕES
Exemplo: Estela chegou ao 15h 35minutos. Lá, bateu seu re-
corde de nado livre e fez 1 minuto e 25 segundos. Demorou 30 01. (IPRESB/SP - Analista de Processos Previdenciários- VU-
minutos para chegar em casa. Que horas ela chegou? NESP/2017) Uma gráfica precisa imprimir um lote de 100000 fo-
lhetos e, para isso, utiliza a máquina A, que imprime 5000 folhetos
em 40 minutos. Após 3 horas e 20 minutos de funcionamento, a
máquina A quebra e o serviço restante passa a ser feito pela má-
quina B, que imprime 4500 folhetos em 48 minutos. O tempo que
a máquina B levará para imprimir o restante do lote de folhetos é
(A) 14 horas e 10 minutos.
(B) 14 horas e 05 minutos.
(C) 13 horas e 45 minutos.
Não podemos ter 66 minutos, então temos que transferir (D) 13 horas e 30 minutos.
para as horas, sempre que passamos de um para o outro tem que (E) 13 horas e 20 minutos.
ser na mesma unidade, temos que passar 1 hora=60 minutos
02. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário – VUNESP/2017) Re-
Então fica: 16h 6 minutos 25segundos
nata foi realizar exames médicos em uma clínica. Ela saiu de sua casa
às 14h 45 min e voltou às 17h 15 min. Se ela ficou durante uma hora
Vamos utilizar o mesmo exemplo para fazer a operação in-
e meia na clínica, então o tempo gasto no trânsito, no trajeto de ida
versa .
e volta, foi igual a
(A) 1/2h.
Subtração
(B) 3/4h.
Vamos dizer que sabemos que ela chegou em casa as 16h 6 (C) 1h.
minutos 25 segundos e saiu de casa às 15h 35 minutos. Quanto (D) 1h 15min.
tempo ficou fora? (E) 1 1/2h.

03. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário – VUNESP/2017)


Uma indústria produz regularmente 4500 litros de suco por dia.
Sabe-se que a terça parte da produção diária é distribuída em cai-
xinhas P, que recebem 300 mililitros de suco cada uma. Nessas
Não podemos tirar 6 de 35, então emprestamos, da mesma condições, é correto afirmar que a cada cinco dias a indústria uti-
forma que conta de subtração. liza uma quantidade de caixinhas P igual a
1hora=60 minutos (A) 25000 .
(B) 24500 .
(C) 23000 .
(D) 22000 .
(E) 20500 .

14
MATEMÁTICA

04. (UNIRV/GO – Auxiliar de Laboratório – UNIRVGO/2017) 09. (ANP – Técnico Administrativo – CESGRANRIO/2016) Um
Uma empresa farmacêutica distribuiu 14400 litros de uma subs- caminhão-tanque chega a um posto de abastecimento com 36.000 li-
tância líquida em recipientes de 72 cm3 cada um. Sabe-se que tros de gasolina em seu reservatório. Parte dessa gasolina é transferida
cada recipiente, depois de cheio, tem 80 gramas. A quantidade de para dois tanques de armazenamento, enchendo-os completamente.
toneladas que representa todos os recipientes cheios com essa Um desses tanques tem 12,5 m3, e o outro, 15,3 m3, e estavam, inicial-
substância é de mente, vazios .
(A) 16 Após a transferência, quantos litros de gasolina restaram no
(B) 160 caminhão-tanque?
(C) 1600 (A) 35 .722,00
(D) 16000 (B) 8 .200,00
(C) 3 .577,20
05. (MPE/GO – Oficial de Promotoria – MPEGO/2017) (D) 357,72
João estuda à noite e sua aula começa às 18h40min. Cada aula (E) 332,20
tem duração de 45 minutos, e o intervalo dura 15 minutos . Sa-
bendo-se que nessa escola há 5 aulas e 1 intervalo diariamente, 10. (DPE/RR – Auxiliar Administrativo – FCC/2015) Raimun-
pode-se afirmar que o término das aulas de João se dá às: do tinha duas cordas, uma de 1,7 m e outra de 1,45 m. Ele preci-
(A) 22h30min sava de pedaços, dessas cordas, que medissem 40 cm de compri-
(B) 22h40min mento cada um. Ele cortou as duas cordas em pedaços de 40 cm
(C) 22h50min de comprimento e assim conseguiu obter
(D) 23h (A) 6 pedaços .
(E) Nenhuma das anteriores (B) 8 pedaços .
(C) 9 pedaços .
(D) 5 pedaços .
06. (IBGE – Agente Censitário Administrativo- FGV/2017)
(E) 7 pedaços .
Quando era jovem, Arquimedes corria 15km em 1h45min. Ago-
ra que é idoso, ele caminha 8km em 1h20min. RESPOSTAS
Para percorrer 1km agora que é idoso, comparado com a
época em que era jovem, Arquimedes precisa de mais: 01 . Resposta: E .
(A) 10 minutos; 3h 20 minutos-200 minutos
(B) 7 minutos; 5000-----40
(C) 5 minutos; x----------200
(D) 3 minutos; x=1000000/40=25000
(E) 2 minutos .
Já foram impressos 25000, portanto faltam ainda 75000
07. (IBGE – Agente Censitário Administrativo- FGV/2017) 4500-------48
Lucas foi de carro para o trabalho em um horário de trânsito in- 75000------x
tenso e gastou 1h20min. Em um dia sem trânsito intenso, Lucas X=3600000/4500=800 minutos
foi de carro para o trabalho a uma velocidade média 20km/h 800/60=13,33h
maior do que no dia de trânsito intenso e gastou 48min. 13 horas e 1/3 hora
13h e 20 minutos
A distância, em km, da casa de Lucas até o trabalho é:
(A) 36;
(B) 40;
(C) 48;
(D) 50;
(E) 60 .
02. Resposta: C.
08. (EMDEC - Assistente Administrativo Jr – IBFC/2016) Como ela ficou 1hora e meia na clínica o trajeto de ida e volta
Carlos almoçou em certo dia no horário das 12:45 às 13:12. O demorou 1 hora.
total de segundos que representa o tempo que Carlos almoçou
03. Resposta:A.
nesse dia é:
4500/3=1500 litros para as caixinhas
(A) 1840
1500litros=1500000ml
(B) 1620
1500000/300=5000 caixinhas por dia
(C) 1780 5000.5=25000 caixinhas em 5 dias
(D) 2120

15
MATEMÁTICA

04 . Resposta:A . 10.Resposta: E.
14400litros=14400000 ml 1,7m=170cm
1,45m=145 cm
170/40=4 resta 10
145/40=3 resta 25
4+3=7
200000⋅80=16000000 gramas=16 toneladas
5. PRINCÍPIO MULTIPLICATIVO.
05. Resposta: B.
5⋅45=225 minutos de aula
225/60=3 horas 45 minutos nas aulas mais 15 minutos de in- Esse princípio diz que ao multiplicarmos ou dividirmos os dois
tervalo=4horas membros da igualdade pelo mesmo número, desde que esse seja
18:40+4h=22h:40 diferente de zero, obteremos outra equação que será equivalente
à equação dada. Veja o exemplo:
06. Resposta: D.
1h45min=60+45=105 minutos Dada a equação x – 1 = 2, uma das formas de achar uma
equação equivalente a ela é utilizando o princípio multiplicativo
da igualdade. Se multiplicarmos os dois membros dessa igualdade
15km-------105
por 2, teremos:
1--------------x
X=7 minutos 4 . (x – 1) = 2 . 4
4x – 4 = 8 chegamos à outra equação que é equivalente à
1h20min=60+20=80min equação x – 1 = 2.
8km----80 Já sabemos que suas equações são equivalentes se suas raízes
1-------x são iguais. Então, vamos calcular as raízes do exemplo acima, para
X=10minutos verificarmos se realmente são equivalentes.

A diferença é de 3 minutos x–1=2 4x – 4 = 8


x=2+1 4x = 8 + 4
07. Resposta: B. x=3 4x = 12
V------80min x = 12 : 4
V+20----48 x=3
Quanto maior a velocidade, menor o tempo(inversamente)
As raízes são iguais, portanto confirmamos o princípio
multiplicativo da igualdade.

6. VOLUMES DOS PRINCIPAIS SÓLIDOS GEOMÉTRICOS.


80v=48V+960
32V=960
V=30km/h Cilindros
Considere dois planos, α e β, paralelos, um círculo de centro
30km----60 min O contido num deles, e uma reta s concorrente com os dois.
x-----------80 Chamamos cilindro o sólido determinado pela reunião de to-
dos os segmentos paralelos a s, com extremidades no círculo e no
outro plano .

60x=2400
X=40km

08 Resposta: B.
12:45 até 13:12 são 27 minutos
27x60=1620 segundos

09. Resposta: B.
1m³=1000litros
36000/1000=36 m³
36-12,5-15,3=8,2 m³x1000=8200 litros

16
MATEMÁTICA

Classificação
Reto: Um cilindro se diz reto ou de revolução quando as gera-
trizes são perpendiculares às bases.
Quando a altura é igual a 2R(raio da base) o cilindro é equi-
látero. -Oblíquo: eixo não é perpendicular
Oblíquo: faces laterais oblíquas ao plano da base.

Área
Área lateral:
Área da base:
Área total:
Área
Área da base: Sb=πr² Volume

Volume Pirâmides
As pirâmides são também classificadas quanto ao número de
lados da base .

Cones
Na figura, temos um plano α, um círculo contido em α, um
ponto V que não pertence ao plano.
A figura geométrica formada pela reunião de todos os seg-
mentos de reta que tem uma extremidade no ponto V e a outra
num ponto do círculo denomina-se cone circular.

Área e Volume
Área lateral:
Onde n= quantidade de lados

Prismas
Classificação Considere dois planos α e β paralelos, um polígono R contido
-Reto:eixo VO perpendicular à base; em α e uma reta r concorrente aos dois.
Pode ser obtido pela rotação de um triângulo retângulo em
torno de um de seus catetos. Por isso o cone reto é também cha-
mado de cone de revolução.
Quando a geratriz de um cone reto é 2R, esse cone é denomi-
nado cone equilátero.

17
MATEMÁTICA

Chamamos prisma o sólido determinado pela reunião de to- -Quadrangular


dos os segmentos paralelos a r, com extremidades no polígono R
e no plano β.

E assim por diante . . .

Paralelepípedos
Assim, um prisma é um poliedro com duas faces congruentes Os prismas cujas bases são paralelogramos denominam-se
e paralelas cujas outras faces são paralelogramos obtidos ligando- paralelepípedos.
-se os vértices correspondentes das duas faces paralelas.

Classificação

Reto: Quando as arestas laterais são perpendiculares às bases


Oblíquo: quando as faces laterais são oblíquas à base.

Cubo é todo paralelepípedo retângulo com seis faces quadra-


das .

Classificação pelo polígono da base

Prisma Regular
Se o prisma for reto e as bases forem polígonos regulares, o
prisma é dito regular.
As faces laterais são retângulos congruentes e as bases são
congruentes (triângulo equilátero, hexágono regular,...)

-Triangular Área
Área cubo:
Área paralelepípedo:
A área de um prisma:
Onde: St=área total
Sb=área da base
Sl=área lateral, soma-se todas as áreas das faces laterais.

18
MATEMÁTICA

Volume
Paralelepípedo:V=a.b.c
Cubo:V=a³
Demais:

QUESTÕES

01 . (TJ/RS - Técnico Judiciário – FAURGS/2017) Um cilindro


reto de altura h tem volume V. Para que um cone reto com base
igual a desse cilindro tenha volume V, sua altura deve ser igual a
(A) 1/3h. Se cada cubinho tem aresta igual a 5 cm, então o volume in-
(B) 1/2h. terno dessa caixa é, em cm³ , igual a
(C) 2/3h. (A) 3000 .
(D) 2h. (B) 4500 .
(E) 3h. (C) 6000 .
(D) 7500 .
02. (SAP/SP - Agente de Segurança Penitenciária – MSCON- (E) 9000 .
CURSOS/2017) Qual é o volume de uma lata de óleo perfeitamen-
te cilíndrica, cujo diâmetro é 8 cm e a altura é 20 cm? (use π=3) 05. (MPE/GO – Oficial de Promotoria – MPEGO/2017) Fre-
(A) 3,84 l derico comprou um aquário em formato de paralelepípedo, con-
(B) 96 ml tendo as seguintes dimensões:
(C) 384 ml
(D) 960 ml

03 . (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário - VUNESP/2017)


Inicialmente, um reservatório com formato de paralelepípedo
reto retângulo deveria ter as medidas indicadas na figura.

Estando o referido aquário completamente cheio, a sua capa-


cidade em litros é de:
(A) 0,06 litros .
(B) 0,6 litros .
(C) 6 litros .
(D) 0,08 litros .
(E) 0,8 litros .

06. (TJ/SP – Escrevente Técnico Judiciário – VUNESP/2017)


As figuras seguintes mostram os blocos de madeira A, B e C, sendo
Em uma revisão do projeto, foi necessário aumentar em 1 m A e B de formato cúbico e C com formato de paralelepípedo reto
a medida da largura, indicada por x na figura, mantendo-se inal- retângulo, cujos respectivos volumes, em cm³, são representados
teradas as demais medidas. Desse modo, o volume inicialmente por VA, VB e VC .
previsto para esse reservatório foi aumentado em
(A) 1 m³ .
(B) 3 m³ .
(C) 4 m³ .
(D) 5 m³ .
(E) 6 m³ .

04 . (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário - VUNESP/2017)


A figura mostra cubinhos de madeira, todos de mesmo volume,
posicionados em uma caixa com a forma de paralelepípedo reto Se VA + VB = 1/2 VC , então a medida da altura do bloco C,
retângulo. indicada por h na figura, é, em centímetros, igual a
(A) 15,5 .
(B) 11 .
(C) 12,5 .
(D) 14 .
(E) 16

19
MATEMÁTICA

07. (MPE/GO – Secretário Auxiliar – MPEGO/2017) Um re- Desse modo, é correto afirmar que a medida da altura total
cipiente na forma de um prisma reto de base quadrada, com di- do reservatório, indicada por h na figura, é, em metros, igual a
mensões internas de 10 cm de aresta da base e 25 cm de altura, (A) 1,8 .
está com 20% de seu volume total preenchido com água, confor- (B) 1,75 .
me mostra a figura. (Figura fora de escala) (C) 1,7 .
(D) 1,65 .
(E) 1,6 .

10. (PREF. DE ITAPEMA/SC – Técnico Contábil – MSCONCUR-


SOS/2016) O volume de um cone circular reto, cuja altura é 39
cm, é 30% maior do que o volume de um cilindro circular reto.
Sabendo que o raio da base do cone é o triplo do raio da base do
cilindro, a altura do cilindro é:
(A) 9 cm
Para completar o volume total desse recipiente, serão despe- (B) 30 cm
jados dentro dele vários copos de água, com 200 mL cada um. O (C) 60 cm
número de copos totalmente cheios necessários para completar (D) 90 cm
o volume total do prisma será:
(A) 8 copos Respostas
(B) 9 copos
(C) 10 copos 01 . Resposta:
(D) 12 copos
(E) 15 copos Volume cilindro=πr²h

08. (CELG/GT/GO – Analista de Gestão – CSUFG/2017) figura


a seguir representa um cubo de aresta a.

Para que seja igual a V, a altura tem que ser igual a 3h

02. Resposta: D
V= πr²h
V=3⋅4²⋅20=960 cm³=960 ml

Considerando a pirâmide de base triangular cujos vértices 03. Resposta:E.


são os pontos B, C, D e G do cubo, o seu volume é dado por V=2⋅3⋅x=6x
(A) a³/6 Aumentando 1 na largura
(B) a³/3 V=2⋅3⋅(x+1)=6x+6
(C) a³/3√3 Portanto, o volume aumentou em 6 .
(D) a³/6√6
04. Resposta:E.
09. (CRBIO – Auxiliar Administrativo – VUNESP/2017) De um São 6 cubos no comprimento: 6⋅5=30
reservatório com formato de paralelepípedo reto retângulo, to- São 4 cubos na largura: 4⋅5=20
talmente cheio, foram retirados 3 m³ de água. Após a retirada, o 3 cubos na altura: 3⋅5=15
nível da água restante no reservatório ficou com altura igual a 1 V=30⋅20⋅15=9000
m, conforme mostra a figura.
05. Resposta: C.
V=20⋅15⋅20=6000cm³=6000ml==6 litros

06. Resposta:C.
VA=125cm³

VB=1000cm³

20
MATEMÁTICA

180h=2250
H=12,5

07. Resposta: C.
V=10⋅10⋅25=2500 cm³
2500⋅0,2=500cm³ preenchidos.
Para terminar de completar o volume:
2500-500=2000 cm³
2000/200=10 copos Ângulo Agudo: É o ângulo, cuja medida é menor do que 90º.

08. Resposta: A.
A base é um triângulo de base a e altura a

Ângulo Obtuso: É o ângulo cuja medida é maior do que


09. Resposta: E. 90º .
V=2,5⋅2⋅1=5m³
Como foi retirado 3m³
5+3=2,5⋅2⋅h
8=5h
H=1,6m

10. Resposta: D.
Cone
Ângulo Raso:

- É o ângulo cuja medida é 180º;


- É aquele, cujos lados são semi-retas opostas.

Cilindro
V=Ab⋅h
V=πr²h
Como o volume do cone é 30% maior:
117πr²=1,3 πr²h
H=117/1,3=90 Ângulo Reto:

- É o ângulo cuja medida é 90º;


7. CONSERVAÇÃO, REDUÇÃO OU AMPLIAÇÃO DE PE- - É aquele cujos lados se apoiam em retas perpendiculares.
RÍMETROS E ÁREAS DAS PRINCIPAIS FIGURAS PLANAS
USANDO MALHAS QUADRICULADAS. CÁLCULO DE ÁRE-
AS E PERÍMETROS. 8. RELACIONAR FIGURAS TRIDIMEN-
SIONAIS COM SUAS RESPECTIVAS PLANIFICAÇÕES.

Ângulos

Denominamos ângulo a região do plano limitada por duas


semirretas de mesma origem. As semirretas recebem o nome de
lados do ângulo e a origem delas, de vértice do ângulo.

21
MATEMÁTICA

Triângulo Na figura, a reta m é a mediatriz de .


Elementos

Mediana
Mediana de um triângulo é um segmento de reta que liga um
vértice ao ponto médio do lado oposto.
Na figura, é uma mediana do ABC .
Um triângulo tem três medianas.

Mediatriz de um triângulo é uma reta do plano do triângulo


que é mediatriz de um dos lados desse triângulo.
Na figura, a reta m é a mediatriz do lado do .
Um triângulo tem três mediatrizes.
A bissetriz de um ângulo interno de um triângulo intercepta
o lado oposto

Bissetriz interna de um triângulo é o segmento da bissetriz


de um ângulo do triângulo que liga um vértice a um ponto do lado
oposto .
Na figura, é uma bissetriz interna do .
Um triângulo tem três bissetrizes internas.

Classificação

Quanto aos lados

Triângulo escaleno:três lados desiguais.


Altura de um triângulo é o segmento que liga um vértice a
um ponto da reta suporte do lado oposto e é perpendicular a esse
lado .

Na figura, é uma altura do .

Um triângulo tem três alturas.


Triângulo isósceles: Pelo menos dois lados iguais.

Mediatriz de um segmento de reta é a reta perpendicular a


esse segmento pelo seu ponto médio.

22
MATEMÁTICA

Triângulo equilátero: três lados iguais. Trapézio: É todo quadrilátero tem dois paralelos.

Quanto aos ângulos

Triângulo acutângulo:tem os três ângulos agudos


- é paralelo a
- Losango: 4 lados congruentes
- Retângulo: 4 ângulos retos (90 graus)
- Quadrado: 4 lados congruentes e 4 ângulos retos.

Triângulo retângulo:tem um ângulo reto - Observações:

- No retângulo e no quadrado as diagonais são congruentes


(iguais)
- No losango e no quadrado as diagonais são perpendiculares
entre si (formam ângulo de 90°) e são bissetrizes dos ângulos in-
ternos (dividem os ângulos ao meio).

Áreas
Triângulo obtusângulo: tem um ângulo obtuso
1- Trapézio: , onde B é a medida da base maior,
b é a medida da base menor e h é medida da altura.
2- Paralelogramo: A = b.h, onde b é a medida da base e h é
a medida da altura .
3- Retângulo: A = b.h

4- Losango: , onde D é a medida da diagonal maior


e d é a medida da diagonal menor.
5- Quadrado: A = l2, onde l é a medida do lado.

Desigualdade entre Lados e ângulos dos triângulos Polígono


Num triângulo o comprimento de qualquer lado é menor que Chama-se polígono a união de segmentos que são chamados
a soma dos outros dois. Em qualquer triângulo, ao maior ângulo lados do polígono, enquanto os pontos são chamados vértices do
opõe-se o maior lado, e vice-versa. polígono.

QUADRILÁTEROS
Quadrilátero é todo polígono com as seguintes propriedades:
- Tem 4 lados.
- Tem 2 diagonais.
- A soma dos ângulos internos Si = 360º
- A soma dos ângulos externos Se = 360º

23
MATEMÁTICA

Diagonal de um polígono é um segmento cujas extremidades Teorema de Tales


são vértices não-consecutivos desse polígono. Se um feixe de retas paralelas tem duas transversais, então a ra-
zão de dois segmentos quaisquer de uma transversal é igual à razão
dos segmentos correspondentes da outra.
Dada a figura anterior, O Teorema de Tales afirma que são
válidas as seguintes proporções:

Exemplo

Número de Diagonais

Ângulos Internos Semelhança de Triângulos


A soma das medidas dos ângulos internos de um polígono Dois triângulos são semelhantes se, e somente se, os seus
convexo de n lados é (n-2).180 ângulos internos tiverem, respectivamente, as mesmas medidas,
Unindo um dos vértices aos outros n-3, convenientemente e os lados correspondentes forem proporcionais.
escolhidos, obteremos n-2 triângulos. A soma das medidas dos
ângulos internos do polígono é igual à soma das medidas dos ân- Casos de Semelhança
gulos internos dos n-2 triângulos. 1º Caso:AA(ângulo-ângulo)
Se dois triângulos têm dois ângulos congruentes de vértices cor-
respondentes, então esses triângulos são congruentes.

Ângulos Externos

2º Caso: LAL(lado-ângulo-lado)
Se dois triângulos têm dois lados correspondentes proporcio-
nais e os ângulos compreendidos entre eles congruentes, então
esses dois triângulos são semelhantes.

A soma dos ângulos externos=360°

24
MATEMÁTICA

3º Caso: LLL(lado-lado-lado)
Se dois triângulos têm os três lado correspondentes proporcio- Fórmulas Trigonométricas
nais, então esses dois triângulos são semelhantes.
Relação Fundamental
Existe uma outra importante relação entre seno e cosseno de
um ângulo. Considere o triângulo retângulo ABC.

Razões Trigonométricas no Triângulo Retângulo Neste triângulo, temos que: c²=a²+b²


Dividindo os membros por c²
Considerando o triângulo retângulo ABC.

Como

Todo triângulo que tem um ângulo reto é denominado trian-


gulo retângulo.
O triângulo ABC é retângulo em A e seus elementos são:

Temos:

25
MATEMÁTICA

a: hipotenusa
b e c: catetos
h:altura relativa à hipotenusa
m e n: projeções ortogonais dos catetos sobre a hipotenusa

Relações Métricas no Triângulo Retângulo


Chamamos relações métricas as relações existentes entre os
diversos segmentos desse triângulo. Assim:

1 . O quadrado de um cateto é igual ao produto da hipote- b) Paralelas: r e s não têm ponto comum ou r e s são coin-
nusa pela projeção desse cateto sobre a hipotenusa. cidentes.

2 . O produto dos catetos é igual ao produto da hipotenusa


pela altura relativa à hipotenusa.

3 . O quadrado da altura é igual ao produto das projeções


dos catetos sobre a hipotenusa.

4 . O quadrado da hipotenusa é igual à soma dos quadrados


dos catetos (Teorema de Pitágoras).

QUESTÕES

Posições Relativas de Duas Retas 01. (IPRESB/SP - Analista de Processos Previdenciários- VU-
Duas retas no espaço podem pertencer a um mesmo plano. NESP/2017) Um terreno retangular ABCD, com 40 m de largura
Nesse caso são chamadas retas coplanares. Podem também não por 60 m de comprimento, foi dividido em três lotes, conforme
estar no mesmo plano. Nesse caso, são denominadas retas re- mostra a figura.
versas .

Retas Coplanares
a) Concorrentes: r e s têm um único ponto comum

-Duas retas concorrentes podem ser:

1 . Perpendiculares: r e s formam ângulo reto.


Sabendo-se que EF = 36 m e que a área do lote 1 é 864 m², o
2 . Oblíquas:r e s não são perpendiculares. perímetro do lote 2 é

(A) 100 m .
(B) 108 m .
(C) 112 m .
(D) 116 m .
(E) 120 m .

26
MATEMÁTICA

02. (TJ/RS - Técnico Judiciário – FAURGS/2017) Considere um 05 . (TJ/RS - Técnico Judiciário – FAURGS/2017) No cubo de
triângulo retângulo de catetos medindo 3m e 5m. Um segundo aresta 10, da figura abaixo, encontra-se representado um plano
triângulo retângulo, semelhante ao primeiro, cuja área é o dobro passando pelos vértices B e C e pelos pontos P e Q, pontos mé-
da área do primeiro, terá como medidas dos catetos, em metros: dios, respectivamente, das arestas EF e HG, gerando o quadrilá-
(A) 3 e 10 . tero BCQP .
(B) 3√2 e 5√2 .
(C) 3√2 e 10√2 .
(D) 5 e 6 .
(E) 6 e 10 .

03. (TJ/RS - Técnico Judiciário – FAURGS/2017) Na figura


abaixo, encontra-se representada uma cinta esticada passando
em torno de três discos de mesmo diâmetro e tangentes entre si.

A área do quadrilátero BCQP, da figura acima, é

(A) 25√5.
(B) 50√2.
(C) 50√5.
(D) 100√2 .
(E) 100√5.

06. (SAP/SP - Agente de Segurança Penitenciária - MSCON-


Considerando que o diâmetro de cada disco é 8, o compri- CURSOS/2017) O triângulo retângulo em B, a seguir, de vértices A,
mento da cinta acima representada é B e C, representa uma praça de uma cidade. Qual é a área dessa
(A) 8/3 π + 8 . praça?
(B) 8/3 π + 24.
(C) 8π + 8 .
(D) 8π + 24.
(E) 16π + 24.

04 . (TJ/RS - Técnico Judiciário – FAURGS/2017) Na figura


abaixo, ABCD é um quadrado de lado 10; E, F, G e H são pontos
médios dos lados do quadrado ABCD e são os centros de quatro
círculos tangentes entre si. (A) 120 m²
(B) 90 m²
(C) 60 m²
(D) 30 m²

07 . (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário – VUNESP/2017) A fi-


gura, com dimensões indicadas em centímetros, mostra um painel
informativo ABCD, de formato retangular, no qual se destaca a região
retangular R, onde x > y.

A área da região sombreada, da figura acima apresentada, é


(A) 100 - 5π .
(B) 100 - 10π .
(C) 100 - 15π .
(D) 100 - 20π .
(E) 100 - 25π .

27
MATEMÁTICA

Sabendo-se que a razão entre as medidas dos lados corres- (A) 54 .


pondentes do retângulo ABCD e da região R é igual a 5/2 , é cor- (B) 48 .
reto afirmar que as medidas, em centímetros, dos lados da região (C) 36 .
R, indicadas por x e y na figura, são, respectivamente, (D) 40 .
(E) 42 .
(A) 80 e 64 .
(B) 80 e 62 . 11 . (SAP/SP - Agente de Segurança Penitenciária – MSCON-
(C) 62 e 80 . CURSOS/2017)
(D) 60 e 80 .
(E) 60 e 78 .
Seja a expressão definida em 0< x <
08 . (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário – VUNESP/2017) O π/2 . Ao simplificá-la, obteremos:
piso de um salão retangular, de 6 m de comprimento, foi total-
mente coberto por 108 placas quadradas de porcelanato, todas (A) 1
inteiras. Sabe-se que quatro placas desse porcelanato cobrem (B) sen²x
exatamente 1 m2 de piso. Nessas condições, é correto afirmar (C) cos²x
que o perímetro desse piso é, em metros, igual a (D) 0
(A) 20 .
(B) 21 . 12 . (SAP/SP - Agente de Segurança Penitenciária – MSCON-
(C) 24 . CURSOS/2017) Fábio precisa comprar arame para cercar um
(D) 27 . terreno no formato a seguir, retângulo em B e C. Consideran-
(E) 30 . do que ele dará duas voltas com o arame no terreno e que não
terá perdas, quantos metros ele irá gastar? (considere √3 =1,7;
09. (IBGE – Agente Censitário Municipal e Supervisor – sen30º=0,5; cos30º=0,85; tg30º=0,57).
FGV/2017) O proprietário de um terreno retangular resolveu cer-
cá-lo e, para isso, comprou 26 estacas de madeira. Colocou uma
estaca em cada um dos quatro cantos do terreno e as demais
igualmente espaçadas, de 3 em 3 metros, ao longo dos quatro
lados do terreno .
O número de estacas em cada um dos lados maiores do terre-
no, incluindo os dois dos cantos, é o dobro do número de estacas
em cada um dos lados menores, também incluindo os dois dos (A) 64,2 m
cantos. (B) 46,2 m
A área do terreno em metros quadrados é: (C) 92,4 m
(A) 240; (D) 128,4 m
(B) 256;
(C) 324; Respostas
(D) 330;
(E) 372 .
01 . Resposta: D .
10. (TJ/SP – Escrevente Técnico Judiciário- VUNESP/2017) A
figura seguinte, cujas dimensões estão indicadas em metros, mos-
tra as regiões R1 e R2 , ambas com formato de triângulos retângu-
los, situadas em uma praça e destinadas a atividades de recreação
infantil para faixas etárias distintas.

Se a área de R1 é 54 m², então o perímetro de R2 é, em me-


tros, igual a

28
MATEMÁTICA

04. Resposta: E.

Como o quadrado tem lado 10,a área é 100.

96h=1728
H=18

Como I é um triângulo:
60-36=24
X²=24²+18²
X²=576+324
X²=900
X=30
Como h=18 e AD é 40, EG=22

Perímetro lote 2: 40+22+24+30=116

02. Resposta: B. O ladao AF e AE medem 5, cada um, pois F e E é o ponto


Médio
X²=5²+5²
X²=25+25
X²=50
X=5√2
X é o diâmetro do círculo, como temos 4 semi círculos, temos
2 círculos inteiros.

A área de um círculo é

Lado=3√2 A sombreada=100-25π
Outro lado =5√2
05. Resposta: C.
03. Resposta: D. CQ é hipotenusa do triângulo GQC.
01 . CQ²=10²+5²
Observe o triângulo do meio, cada lado é exatamente a mes- CQ²=100+25
ma medida da parte reta da cinta. CQ²=125
Que é igual a 2 raios, ou um diâmetro, portanto o lado esti- CQ=5√5
cado tem 8x3=24 m A área do quadrilátero seria CQ⋅BC
A parte do círculo é igual a 120°, pois é 1/3 do círculo, como A=5√5⋅10=50√5
são três partes, é a mesma medida de um círculo.
O comprimento do círculo é dado por: 2πr=8π 06. Resposta: C
Portanto, a cinta tem 8π+24 Para saber a área, primeiro precisamos descobrir o x.

17²=x²+8²
289=x²+64
X²=225
X=15

29
MATEMÁTICA

07. Resposta: A. Y²=16²+12²


Y²=256+144=400
Y=20

5y=320 Perímetro: 16+12+20=48


Y=64 11. Resposta: C.

5x=400
X=80 1-cos²x=sen²x

08. Resposta: B.
108/4=27m² 12. Resposta: D.
6x=27
X=27/6

O perímetro seria

09. Resposta: C.
Número de estacas: x
X+x+2x+2x-4=26 obs: -4 é porque estamos contando duas X=6
vezes o canto
6x=30
X=5
Temos 5 estacas no lado menor, como são espaçadas a cada
3m
4 espaços de 3m=12m
Lado maior 10 estacas Y=10,2
9 espaços de 3 metros=27m 2 voltas=2(12+18+10,2+6+18)=128,4m
A=12⋅27=324 m²

10. Resposta: B. 9. RECONHECER ARESTAS, VÉRTICES E FACES DE UM


SÓLIDO GEOMÉTRICO.

Este tópico já foi abordado no tópico 7. VOLUMES DOS PRIN-


CIPAIS SÓLIDOS GEOMÉTRICOS; no entanto, deixamos alguns
exercícios de fixação.
9x=108
X=12 Exercícios de Fixação

Para encontrar o perímetro do triângulo R2: 01. (BANCO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL) Em um
mapa desenhado na escala 1:1000000, certa região esta repre-
sentada por um retângulo de dimensões 1 cm por 2,5 cm. A área
dessa região é:
a) 250 m2
b) 25 dam2
c) 25 hm2
d) 25 km2
e) 250 km2

30
MATEMÁTICA

Resolução: a) 8
b) 12
c) 16
d) 20
e) 27
Aret=1. 2,5 = 2,5cm2 Resposta “A”.

A questão resolve-se facilmente pela observação da figura.


Contam-se 56 cubinhos pintados. Logo, sobrarão apenas os 8 que
ficam no centro...

04. Na volta toda de um prédio, em cada andar, há um friso


de ladrilhos, como mostra a figura abaixo. O prédio tem a
forma de um prisma reto com base quadrada de 144m² de área.
r = 2,5 . 1012 cm2 = 250km2 Além disso, tem 16 andares, incluindo o térreo. Se cada friso tem
20cm de altura, qual é a área total da superfície desses frisos?
(VUNESP - Escrevente Técnico Judiciário - TJ/SP)

02. O terreno retangular mostrado na figura, cujas medidas


dos lados estão na razão de 1 para 3, tem 1.200 m² de área.
Logo, o perímetro desse terreno é igual a:

a) 240m
b) 200 m a) 76,8 m²
c) 160m b) 144m²
d) 120 m c) 153m²
e) 100 m d) 164,2 m²
e) 168m²
Resposta “C”.
Resposta “C”.
x = 3y
A = b . h � 1200 = 3y . y Se a base é quadrada, cada face ladrilhada terá 12m de com-
primento por 20cm (0,2m) de altura. Em cada andar, teremos 4
faces, resultando em: 12 x 0,2 x 4.
Como são 16 andares, teremos 16 x 12 x 0,2 x 4 = 153,5m²

PRF (NCE-UFRJ)
Logo, x = 60m
05. Uma caixa de fósforos tem 1cm de altura e o compri-
p = x + y + x + y = 160m mento tem 2cm a mais que a largura. Se o volume da caixa é de
24cm2, o comprimento da caixa, em metros, é:
03. Na figura abaixo tem-se um cubo formado por 64 cubi- a) 0,04
nhos iguais. Se o cubo é pintado em todas as suas seis faces, al- b) 0,05
guns dos cubinhos internos não receberão tinta alguma. Quan- c) 0,06
tos são esses cubinhos? d) 0,10
e) 0,12

Resposta “C”.
O Volume de um Prisma é dado por: V = a . b . c,
Onde a, b e c são suas dimensões, ou seja, comprimento, lar-
gura e altura.
Substituindo-se os dados do problema na fórmula, teremos:

Dados:
a = 1cm
b=c-2
V = 24 cm2

31
MATEMÁTICA

Considerando-se a como altura, b como largura e c como 09. As áreas das faces de um paralelepípedo retangular são
comprimento. Desse modo: 6cm2, 9cm2 e 24cm2. O volume desse paralelepípedo é
24 = 1(c - 2) . c → c² - 2c – 24 = 0 → c = 0,06cm = 0,06m a) 36 cm3
b) 39 cm3
06. A área de um círculo localizado no segundo quadrante e c) 45 cm3
cuja circunferência tangencia os eixos coordenados nos pontos d) 108 cm3
(0,4) e (- 4,0) é dada por e) 1296 cm3
a) 16 π Resposta “A”.
b) 4 π
c) 8 π
O volume de um paralelepípedo é dado por V = a × b × c.
d) 2 π
e) 32 π
Observe agora o “truque” utilizado: se multiplicarmos (de
Resposta “A”. forma literal) as áreas das faces, ficaremos com o seguinte produ-
to: a × b × a × c × b × c = a2 x b2 x c2 = (a×b×c)2 .
O raio da circunferência é, portanto, igual a 4.
A área do círculo será: Ou seja, estamos calculando o volume do paralelepípedo ao
A = π . R²
A = π . 4² = 16π quadrado .
Então, basta que se extraia a raiz quadrada deste valor para
07. Um reservatório tem forma de um cilindro circular reto obtermos o resultado pretendido:
de 0,8 metro de diâmetro da base. O nível da água contida no
reservatório sobe 5 centímetros quando mergulhamos um obje- V=
to no seu interior. Em decímetros cúbicos, a medida do objeto é
a) 8
10. Para se fazer a estimativa do número de pessoas pre-
b) 8 π
c) 100 π sentes na apresentação de um conjunto musical, considerou-se
d) 3200 que cada metro quadrado, do local da apresentação, foi ocupa-
e) 8000 π do por 5 pessoas. Se o conjunto apresentou-se em uma praça
de 0,80 hectares, completamente lotada, o número estimado de
Resposta “B”. pessoas presentes na praça é
a) 4000
Se o diâmetro da base vale 0,8 m, seu raio mede 0,4 m; a
altura será 0,5 decímetro. b) 4500
O volume do objeto será dado por: V = π.r².h → V = π.4².0,5 c) 25000
→ V= 8.π d) 40000
e) 45000
08. A razão entre a área lateral e a área da base de um cilin-
dro de revolução é 4π . A planificação desse cilindro é composta Resposta “D”.
por 2 discos e 1...
a) paralelogramo com base menor que a altura
b) retângulo com base maior que a altura. 1ha = 10.000m2 .
c) quadrado Assim, a área total é: 0,8 x 10.000 = 8.000 m2 .
d) losango com diagonais distintas. Em cada metro quadrado havia 5 pessoas, então o nº estima-
e) quadrilátero não-convexo. do de pessoas foi de
5 x 8 .000 = 40 .000 pessoas .
Resposta “C”.

A área de um cilindro é dada por: A = 2.π .r.h 11. O n.º que expressa a área total de um cubo, em cm2, é o
A área da base de um cilindro é dada por A = π.r2 mesmo que expressa seu volume, em cm3. Qual o comprimento,
A razão entre estas áreas é: = 4. π → = 2.π em cm, de cada uma das arestas do cubo?
a) 1
Isolando-se o valor de “h” → h = 2.π .r b) 2
c) 4
Ora, sabemos que “2.π.r” é o valor do comprimento da cir-
d) 6
cunferência da base do cilindro. Então, se a altura “retângulo” da
planificação do cilindro é igual à sua base, trata-se de um qua- e) 9
drado .
Resposta “D”.

Fórmula da área total de um cubo: AT = 6 . a2


Onde “a” é o valor da aresta do cubo.

32
MATEMÁTICA

Fórmula do volume de um cubo: V = a3 _____________________________________________________________


Foi dado que: V = AT .
_____________________________________________________________
Então: a3 = 6 .a2 .
Simplificando ambos os membros por a2, teremos: a = 6 cm _____________________________________________________________
_____________________________________________________________
ANOTAÇÕES
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
____________________________________________________________

33
MATEMÁTICA

ANOTAÇÕES

_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________

34
MATEMÁTICA

ANOTAÇÕES

_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________

35
MATEMÁTICA

ANOTAÇÕES

_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________

36
MATEMÁTICA

ANOTAÇÕES

_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________

37
MATEMÁTICA

ANOTAÇÕES

_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________________________

38
LEGISLAÇÃO

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9394, . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Brasília, 1996. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, capítulo III, seção I, 1988. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Emenda constitucional nº 59 de 11 de novembro de 2009. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA (Lei nº 8.069), Brasília 1990. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a Educação Infantil / Secretaria de Educação
Básica. – Brasília : MEC, SEB, 2010. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
Lei nº 13.005 de 25 de junho de 2014. Plano Nacional de Educação. Meta 1 e respectivas estratégias - Brasília, 2014. . . . . . . . . . . . . . . . 57
Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular/ Secretaria de Educação Básica. – Brasília :
MEC, . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .59
SEB. RIO DE JANEIRO. Lei nº 6.362 de 28 de maio de 2018, Meta 1 e respectivas estratégias. RIO DE JANEIRO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
LEGISLAÇÃO

I - educação básica obrigatória e gratuita dos 4 (quatro) aos


BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. DIRE- 17 (dezessete) anos de idade, organizada da seguinte forma: (Re-
TRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO NACIONAL. LEI Nº 9394, dação dada pela Lei nº 12.796, de 2013)
a) pré-escola; (Incluído pela Lei nº 12.796, de 2013)
LEI Nº 9.394, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1996. b) ensino fundamental; (Incluído pela Lei nº 12.796, de 2013)
Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. O PRE- c) ensino médio; (Incluído pela Lei nº 12.796, de 2013)
SIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional de- II - educação infantil gratuita às crianças de até 5 (cinco) anos
creta e eu sanciono a seguinte Lei: de idade; (Redação dada pela Lei nº 12.796, de 2013)
III - atendimento educacional especializado gratuito aos edu-
candos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento
TÍTULO I
e altas habilidades ou superdotação, transversal a todos os níveis,
DA EDUCAÇÃO
etapas e modalidades, preferencialmente na rede regular de ensi-
no; (Redação dada pela Lei nº 12.796, de 2013)
Art. 1º A educação abrange os processos formativos que se IV - acesso público e gratuito aos ensinos fundamental e mé-
desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no traba- dio para todos os que não os concluíram na idade própria; (Reda-
lho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais ção dada pela Lei nº 12.796, de 2013)
e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais. V - acesso aos níveis mais elevados do ensino, da pesquisa e
§ 1º Esta Lei disciplina a educação escolar, que se desenvolve, da criação artística, segundo a capacidade de cada um;
predominantemente, por meio do ensino, em instituições VI - oferta de ensino noturno regular, adequado às condições
próprias. do educando;
§ 2º A educação escolar deverá vincular-se ao mundo do VII - oferta de educação escolar regular para jovens e adultos,
trabalho e à prática social. com características e modalidades adequadas às suas necessida-
des e disponibilidades, garantindo-se aos que forem trabalhado-
TÍTULO II res as condições de acesso e permanência na escola;
DOS PRINCÍPIOS E FINS DA EDUCAÇÃO NACIONAL VIII - atendimento ao educando, em todas as etapas da edu-
cação básica, por meio de programas suplementares de material
Art. 2º A educação, dever da família e do Estado, inspirada didático-escolar, transporte, alimentação e assistência à saúde;
nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana, (Redação dada pela Lei nº 12.796, de 2013)
IX - padrões mínimos de qualidade de ensino, definidos
tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu
como a variedade e quantidade mínimas, por aluno, de insumos
preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o
indispensáveis ao desenvolvimento do processo de ensino-
trabalho. aprendizagem.
Art. 3º O ensino será ministrado com base nos seguintes prin- X – vaga na escola pública de educação infantil ou de ensino
cípios: fundamental mais próxima de sua residência a toda criança a par-
I - igualdade de condições para o acesso e permanência na tir do dia em que completar 4 (quatro) anos de idade. (Incluído
escola; pela Lei nº 11.700, de 2008).
II - liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar a cul- Art. 4º-A. É assegurado atendimento educacional, durante
tura, o pensamento, a arte e o saber; o período de internação, ao aluno da educação básica internado
III - pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas; para tratamento de saúde em regime hospitalar ou domiciliar
IV - respeito à liberdade e apreço à tolerância; por tempo prolongado, conforme dispuser o Poder Público em
V - coexistência de instituições públicas e privadas de ensino; regulamento, na esfera de sua competência federativa. (Incluído
VI - gratuidade do ensino público em estabelecimentos ofi- pela Lei nº 13.716, de 2018).
ciais; Art. 5o O acesso à educação básica obrigatória é direito pú-
VII - valorização do profissional da educação escolar; blico subjetivo, podendo qualquer cidadão, grupo de cidadãos,
VIII - gestão democrática do ensino público, na forma desta associação comunitária, organização sindical, entidade de classe
Lei e da legislação dos sistemas de ensino; ou outra legalmente constituída e, ainda, o Ministério Público,
IX - garantia de padrão de qualidade; acionar o poder público para exigi-lo. (Redação dada pela Lei nº
12.796, de 2013)
X - valorização da experiência extraescolar;
§ 1o O poder público, na esfera de sua competência federativa,
XI - vinculação entre a educação escolar, o trabalho e as prá-
deverá: (Redação dada pela Lei nº 12.796, de 2013)
ticas sociais. I - recensear anualmente as crianças e adolescentes em idade
XII - consideração com a diversidade étnico-racial. (Incluído escolar, bem como os jovens e adultos que não concluíram a edu-
pela Lei nº 12.796, de 2013) cação básica; (Redação dada pela Lei nº 12.796, de 2013)
XIII - garantia do direito à educação e à aprendizagem ao lon- II - fazer-lhes a chamada pública;
go da vida. (Incluído pela Lei nº 13.632, de 2018) III - zelar, junto aos pais ou responsáveis, pela frequência à
escola.
TÍTULO III § 2º Em todas as esferas administrativas, o Poder Público
DO DIREITO À EDUCAÇÃO E DO DEVER DE EDUCAR assegurará em primeiro lugar o acesso ao ensino obrigatório, nos
termos deste artigo, contemplando em seguida os demais níveis e
Art. 4º O dever do Estado com educação escolar pública será modalidades de ensino, conforme as prioridades constitucionais
efetivado mediante a garantia de: e legais.

1
LEGISLAÇÃO

§ 3º Qualquer das partes mencionadas no caput deste artigo VII - baixar normas gerais sobre cursos de graduação e pós-
tem legitimidade para peticionar no Poder Judiciário, na hipótese -graduação;
do § 2º do art. 208 da Constituição Federal, sendo gratuita e de VIII - assegurar processo nacional de avaliação das instituições
rito sumário a ação judicial correspondente. de educação superior, com a cooperação dos sistemas que
§ 4º Comprovada a negligência da autoridade competente tiverem responsabilidade sobre este nível de ensino;
para garantir o oferecimento do ensino obrigatório, poderá ela IX - autorizar, reconhecer, credenciar, supervisionar e avaliar,
ser imputada por crime de responsabilidade. respectivamente, os cursos das instituições de educação supe-
§ 5º Para garantir o cumprimento da obrigatoriedade de rior e os estabelecimentos do seu sistema de ensino. (Vide Lei nº
ensino, o Poder Público criará formas alternativas de acesso aos 10.870, de 2004)
diferentes níveis de ensino, independentemente da escolarização § 1º Na estrutura educacional, haverá um Conselho Nacional
anterior. de Educação, com funções normativas e de supervisão e atividade
Art. 6o É dever dos pais ou responsáveis efetuar a matrícula permanente, criado por lei.
das crianças na educação básica a partir dos 4 (quatro) anos de § 2° Para o cumprimento do disposto nos incisos V a IX, a
idade. (Redação dada pela Lei nº 12.796, de 2013) União terá acesso a todos os dados e informações necessários de
Art. 7º O ensino é livre à iniciativa privada, atendidas as se- todos os estabelecimentos e órgãos educacionais.
guintes condições: § 3º As atribuições constantes do inciso IX poderão
I - cumprimento das normas gerais da educação nacional e do ser delegadas aos Estados e ao Distrito Federal, desde que
respectivo sistema de ensino; mantenham instituições de educação superior.
II - autorização de funcionamento e avaliação de qualidade Art. 10. Os Estados incumbir-se-ão de:
pelo Poder Público; I - organizar, manter e desenvolver os órgãos e instituições
III - capacidade de autofinanciamento, ressalvado o previsto oficiais dos seus sistemas de ensino;
no art. 213 da Constituição Federal. II - definir, com os Municípios, formas de colaboração na ofer-
ta do ensino fundamental, as quais devem assegurar a distribui-
TÍTULO IV ção proporcional das responsabilidades, de acordo com a popula-
DA ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO NACIONAL
ção a ser atendida e os recursos financeiros disponíveis em cada
uma dessas esferas do Poder Público;
Art. 8º A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios
III - elaborar e executar políticas e planos educacionais, em
organizarão, em regime de colaboração, os respectivos sistemas
consonância com as diretrizes e planos nacionais de educação, in-
de ensino.
tegrando e coordenando as suas ações e as dos seus Municípios;
§ 1º Caberá à União a coordenação da política nacional de
IV - autorizar, reconhecer, credenciar, supervisionar e avaliar,
educação, articulando os diferentes níveis e sistemas e exercendo
respectivamente, os cursos das instituições de educação superior
função normativa, redistributiva e supletiva em relação às demais
instâncias educacionais. e os estabelecimentos do seu sistema de ensino;
§ 2º Os sistemas de ensino terão liberdade de organização V - baixar normas complementares para o seu sistema de en-
nos termos desta Lei. sino;
Art. 9º A União incumbir-se-á de: (Regulamento) VI - assegurar o ensino fundamental e oferecer, com priori-
I - elaborar o Plano Nacional de Educação, em colaboração dade, o ensino médio a todos que o demandarem, respeitado o
com os Estados, o Distrito Federal e os Municípios; disposto no art. 38 desta Lei; (Redação dada pela Lei nº 12.061,
II - organizar, manter e desenvolver os órgãos e instituições de 2009)
oficiais do sistema federal de ensino e o dos Territórios; VII - assumir o transporte escolar dos alunos da rede esta-
III - prestar assistência técnica e financeira aos Estados, ao dual. (Incluído pela Lei nº 10.709, de 31.7.2003)
Distrito Federal e aos Municípios para o desenvolvimento de seus Parágrafo único. Ao Distrito Federal aplicar-se-ão as compe-
sistemas de ensino e o atendimento prioritário à escolaridade tências referentes aos Estados e aos Municípios.
obrigatória, exercendo sua função redistributiva e supletiva; Art. 11. Os Municípios incumbir-se-ão de:
IV - estabelecer, em colaboração com os Estados, o Distrito I - organizar, manter e desenvolver os órgãos e instituições
Federal e os Municípios, competências e diretrizes para a educa- oficiais dos seus sistemas de ensino, integrando-os às políticas e
ção infantil, o ensino fundamental e o ensino médio, que nortea- planos educacionais da União e dos Estados;
rão os currículos e seus conteúdos mínimos, de modo a assegurar II - exercer ação redistributiva em relação às suas escolas;
formação básica comum; III - baixar normas complementares para o seu sistema de
IV-A - estabelecer, em colaboração com os Estados, o Distrito ensino;
Federal e os Municípios, diretrizes e procedimentos para identi- IV - autorizar, credenciar e supervisionar os estabelecimentos
ficação, cadastramento e atendimento, na educação básica e na do seu sistema de ensino;
educação superior, de alunos com altas habilidades ou superdota- V - oferecer a educação infantil em creches e pré-escolas, e,
ção; (Incluído pela Lei nº 13.234, de 2015) com prioridade, o ensino fundamental, permitida a atuação em
V - coletar, analisar e disseminar informações sobre a edu- outros níveis de ensino somente quando estiverem atendidas
cação; plenamente as necessidades de sua área de competência e com
VI - assegurar processo nacional de avaliação do rendimento recursos acima dos percentuais mínimos vinculados pela Consti-
escolar no ensino fundamental, médio e superior, em colaboração tuição Federal à manutenção e desenvolvimento do ensino.
com os sistemas de ensino, objetivando a definição de priorida- VI - assumir o transporte escolar dos alunos da rede munici-
des e a melhoria da qualidade do ensino; pal. (Incluído pela Lei nº 10.709, de 31.7.2003)

2
LEGISLAÇÃO

Parágrafo único. Os Municípios poderão optar, ainda, por se Art. 16. O sistema federal de ensino compreende: (Regula-
integrar ao sistema estadual de ensino ou compor com ele um mento)
sistema único de educação básica. I - as instituições de ensino mantidas pela União;
Art. 12. Os estabelecimentos de ensino, respeitadas as nor- II - as instituições de educação superior criadas e mantidas
mas comuns e as do seu sistema de ensino, terão a incumbência pela iniciativa privada;
de: III - os órgãos federais de educação.
I - elaborar e executar sua proposta pedagógica; Art. 17. Os sistemas de ensino dos Estados e do Distrito Fede-
II - administrar seu pessoal e seus recursos materiais e finan- ral compreendem:
ceiros; I - as instituições de ensino mantidas, respectivamente, pelo
III - assegurar o cumprimento dos dias letivos e horas-aula Poder Público estadual e pelo Distrito Federal;
II - as instituições de educação superior mantidas pelo Poder
estabelecidas;
Público municipal;
IV - velar pelo cumprimento do plano de trabalho de cada
III - as instituições de ensino fundamental e médio criadas e
docente;
mantidas pela iniciativa privada;
V - prover meios para a recuperação dos alunos de menor IV - os órgãos de educação estaduais e do Distrito Federal,
rendimento; respectivamente.
VI - articular-se com as famílias e a comunidade, criando pro- Parágrafo único. No Distrito Federal, as instituições de edu-
cessos de integração da sociedade com a escola; cação infantil, criadas e mantidas pela iniciativa privada, integram
VII - informar pai e mãe, conviventes ou não com seus filhos, seu sistema de ensino.
e, se for o caso, os responsáveis legais, sobre a frequência e ren- Art. 18. Os sistemas municipais de ensino compreendem:
dimento dos alunos, bem como sobre a execução da proposta pe- I - as instituições do ensino fundamental, médio e de educa-
dagógica da escola; (Redação dada pela Lei nº 12.013, de 2009) ção infantil mantidas pelo Poder Público municipal;
VIII – notificar ao Conselho Tutelar do Município a relação dos II - as instituições de educação infantil criadas e mantidas
alunos que apresentem quantidade de faltas acima de 30% (trinta pela iniciativa privada;
por cento) do percentual permitido em lei; (Redação dada pela Lei III – os órgãos municipais de educação.
nº 13.803, de 2019) Art. 19. As instituições de ensino dos diferentes níveis classi-
IX - promover medidas de conscientização, de prevenção e de ficam-se nas seguintes categorias administrativas: (Regulamento)
combate a todos os tipos de violência, especialmente a intimida- (Regulamento)
ção sistemática (bullying), no âmbito das escolas; (Incluído pela I - públicas, assim entendidas as criadas ou incorporadas,
Lei nº 13.663, de 2018) mantidas e administradas pelo Poder Público;
II - privadas, assim entendidas as mantidas e administradas
X - estabelecer ações destinadas a promover a cultura de paz
por pessoas físicas ou jurídicas de direito privado.
nas escolas. (Incluído pela Lei nº 13.663, de 2018)
Art. 20. As instituições privadas de ensino se enquadrarão
Art. 13. Os docentes incumbir-se-ão de: nas seguintes categorias: (Regulamento) (Regulamento)
I - participar da elaboração da proposta pedagógica do esta- I - particulares em sentido estrito, assim entendidas as que
belecimento de ensino; são instituídas e mantidas por uma ou mais pessoas físicas ou ju-
II - elaborar e cumprir plano de trabalho, segundo a proposta rídicas de direito privado que não apresentem as características
pedagógica do estabelecimento de ensino; dos incisos abaixo;
III - zelar pela aprendizagem dos alunos; II - comunitárias, assim entendidas as que são instituídas por
IV - estabelecer estratégias de recuperação para os alunos de grupos de pessoas físicas ou por uma ou mais pessoas jurídicas,
menor rendimento; inclusive cooperativas educacionais, sem fins lucrativos, que in-
V - ministrar os dias letivos e horas-aula estabelecidos, além cluam na sua entidade mantenedora representantes da comuni-
de participar integralmente dos períodos dedicados ao planeja- dade; (Redação dada pela Lei nº 12.020, de 2009)
mento, à avaliação e ao desenvolvimento profissional; III - confessionais, assim entendidas as que são instituídas por
VI - colaborar com as atividades de articulação da escola com grupos de pessoas físicas ou por uma ou mais pessoas jurídicas
as famílias e a comunidade. que atendem a orientação confessional e ideologia específicas e
Art. 14. Os sistemas de ensino definirão as normas da ges- ao disposto no inciso anterior;
tão democrática do ensino público na educação básica, de acordo IV - filantrópicas, na forma da lei.
com as suas peculiaridades e conforme os seguintes princípios:
TÍTULO V
I - participação dos profissionais da educação na elaboração
DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO
do projeto pedagógico da escola;
CAPÍTULO I
II - participação das comunidades escolar e local em conse-
DA COMPOSIÇÃO DOS NÍVEIS ESCOLARES
lhos escolares ou equivalentes.
Art. 15. Os sistemas de ensino assegurarão às unidades esco- Art. 21. A educação escolar compõe-se de:
lares públicas de educação básica que os integram progressivos I - educação básica, formada pela educação infantil, ensino
graus de autonomia pedagógica e administrativa e de gestão fi- fundamental e ensino médio;
nanceira, observadas as normas gerais de direito financeiro pú- II - educação superior.
blico.

3
LEGISLAÇÃO

CAPÍTULO II e) obrigatoriedade de estudos de recuperação, de preferên-


DA EDUCAÇÃO BÁSICA cia paralelos ao período letivo, para os casos de baixo rendimen-
SEÇÃO I to escolar, a serem disciplinados pelas instituições de ensino em
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS seus regimentos;
VI - o controle de frequência fica a cargo da escola, conforme
Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o o disposto no seu regimento e nas normas do respectivo siste-
educando, assegurar-lhe a formação comum indispensável para ma de ensino, exigida a frequência mínima de setenta e cinco por
o exercício da cidadania e fornecer-lhe meios para progredir no cento do total de horas letivas para aprovação;
trabalho e em estudos posteriores. VII - cabe a cada instituição de ensino expedir históricos esco-
Art. 23. A educação básica poderá organizar-se em séries lares, declarações de conclusão de série e diplomas ou certifica-
anuais, períodos semestrais, ciclos, alternância regular de pe- dos de conclusão de cursos, com as especificações cabíveis.
ríodos de estudos, grupos não-seriados, com base na idade, na § 1º A carga horária mínima anual de que trata o inciso I
competência e em outros critérios, ou por forma diversa de or- do caput deverá ser ampliada de forma progressiva, no ensino
ganização, sempre que o interesse do processo de aprendizagem médio, para mil e quatrocentas horas, devendo os sistemas de
assim o recomendar. ensino oferecer, no prazo máximo de cinco anos, pelo menos mil
§ 1º A escola poderá reclassificar os alunos, inclusive quando horas anuais de carga horária, a partir de 2 de março de 2017.
se tratar de transferências entre estabelecimentos situados no (Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
País e no exterior, tendo como base as normas curriculares gerais. § 2o Os sistemas de ensino disporão sobre a oferta de educa-
§ 2º O calendário escolar deverá adequar-se às peculiaridades ção de jovens e adultos e de ensino noturno regular, adequado às
locais, inclusive climáticas e econômicas, a critério do respectivo condições do educando, conforme o inciso VI do art. 4o. (Incluído
sistema de ensino, sem com isso reduzir o número de horas pela Lei nº 13.415, de 2017)
letivas previsto nesta Lei. Art. 25. Será objetivo permanente das autoridades respon-
Art. 24. A educação básica, nos níveis fundamental e médio, sáveis alcançar relação adequada entre o número de alunos e o
será organizada de acordo com as seguintes regras comuns: professor, a carga horária e as condições materiais do estabeleci-
I - a carga horária mínima anual será de oitocentas horas para
mento.
o ensino fundamental e para o ensino médio, distribuídas por um
Parágrafo único. Cabe ao respectivo sistema de ensino, à vista
mínimo de duzentos dias de efetivo trabalho escolar, excluído o
das condições disponíveis e das características regionais e locais,
tempo reservado aos exames finais, quando houver; (Redação
estabelecer parâmetro para atendimento do disposto neste arti-
dada pela Lei nº 13.415, de 2017)
go.
II - a classificação em qualquer série ou etapa, exceto a pri-
Art. 26. Os currículos da educação infantil, do ensino funda-
meira do ensino fundamental, pode ser feita:
mental e do ensino médio devem ter base nacional comum, a ser
a) por promoção, para alunos que cursaram, com aproveita-
complementada, em cada sistema de ensino e em cada estabele-
mento, a série ou fase anterior, na própria escola;
b) por transferência, para candidatos procedentes de outras cimento escolar, por uma parte diversificada, exigida pelas carac-
escolas; terísticas regionais e locais da sociedade, da cultura, da economia
c) independentemente de escolarização anterior, mediante e dos educandos. (Redação dada pela Lei nº 12.796, de 2013)
avaliação feita pela escola, que defina o grau de desenvolvimento § 1º Os currículos a que se refere o caput devem abranger,
e experiência do candidato e permita sua inscrição na série ou obrigatoriamente, o estudo da língua portuguesa e da matemática,
etapa adequada, conforme regulamentação do respectivo siste- o conhecimento do mundo físico e natural e da realidade social e
ma de ensino; política, especialmente do Brasil.
III - nos estabelecimentos que adotam a progressão regular § 2o O ensino da arte, especialmente em suas expressões re-
por série, o regimento escolar pode admitir formas de progressão gionais, constituirá componente curricular obrigatório da educa-
parcial, desde que preservada a sequência do currículo, observa- ção básica. (Redação dada pela Lei nº 13.415, de 2017)
das as normas do respectivo sistema de ensino; § 3o A educação física, integrada à proposta pedagógica da
IV - poderão organizar-se classes, ou turmas, com alunos de escola, é componente curricular obrigatório da educação básica,
séries distintas, com níveis equivalentes de adiantamento na ma- sendo sua prática facultativa ao aluno: (Redação dada pela Lei nº
téria, para o ensino de línguas estrangeiras, artes, ou outros com- 10.793, de 1º.12.2003)
ponentes curriculares; I – que cumpra jornada de trabalho igual ou superior a seis
V - a verificação do rendimento escolar observará os seguin- horas; (Incluído pela Lei nº 10.793, de 1º.12.2003)
tes critérios: II – maior de trinta anos de idade; (Incluído pela Lei nº 10.793,
a) avaliação contínua e cumulativa do desempenho do aluno, de 1º.12.2003)
com prevalência dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos III – que estiver prestando serviço militar inicial ou que, em
e dos resultados ao longo do período sobre os de eventuais pro- situação similar, estiver obrigado à prática da educação física; (In-
vas finais; cluído pela Lei nº 10.793, de 1º.12.2003)
b) possibilidade de aceleração de estudos para alunos com IV – amparado pelo Decreto-Lei no 1.044, de 21 de outubro
atraso escolar; de 1969; (Incluído pela Lei nº 10.793, de 1º.12.2003)
c) possibilidade de avanço nos cursos e nas séries mediante V – (VETADO) (Incluído pela Lei nº 10.793, de 1º.12.2003)
verificação do aprendizado; VI – que tenha prole. (Incluído pela Lei nº 10.793, de
d) aproveitamento de estudos concluídos com êxito; 1º.12.2003)

4
LEGISLAÇÃO

§ 4º O ensino da História do Brasil levará em conta as III - orientação para o trabalho;


contribuições das diferentes culturas e etnias para a formação do IV - promoção do desporto educacional e apoio às práticas
povo brasileiro, especialmente das matrizes indígena, africana e desportivas não-formais.
europeia. Art. 28. Na oferta de educação básica para a população rural,
§ 5o No currículo do ensino fundamental, a partir do sexto os sistemas de ensino promoverão as adaptações necessárias à
ano, será ofertada a língua inglesa. (Redação dada pela Lei nº sua adequação às peculiaridades da vida rural e de cada região,
13.415, de 2017) especialmente:
§ 6o As artes visuais, a dança, a música e o teatro são as lin- I - conteúdos curriculares e metodologias apropriadas às
guagens que constituirão o componente curricular de que trata reais necessidades e interesses dos alunos da zona rural;
o § 2o deste artigo. (Redação dada pela Lei nº 13.278, de 2016) II - organização escolar própria, incluindo adequação do ca-
§ 7o A integralização curricular poderá incluir, a critério dos lendário escolar às fases do ciclo agrícola e às condições climá-
sistemas de ensino, projetos e pesquisas envolvendo os temas ticas;
transversais de que trata o caput. (Redação dada pela Lei nº III - adequação à natureza do trabalho na zona rural.
13.415, de 2017) Parágrafo único. O fechamento de escolas do campo, indíge-
§ 8º A exibição de filmes de produção nacional constituirá nas e quilombolas será precedido de manifestação do órgão nor-
componente curricular complementar integrado à proposta mativo do respectivo sistema de ensino, que considerará a jus-
pedagógica da escola, sendo a sua exibição obrigatória por, no tificativa apresentada pela Secretaria de Educação, a análise do
mínimo, 2 (duas) horas mensais. (Incluído pela Lei nº 13.006, de diagnóstico do impacto da ação e a manifestação da comunidade
2014) escolar. (Incluído pela Lei nº 12.960, de 2014)
§ 9o Conteúdos relativos aos direitos humanos e à prevenção
de todas as formas de violência contra a criança e o adolescen- SEÇÃO II
te serão incluídos, como temas transversais, nos currículos es- DA EDUCAÇÃO INFANTIL
colares de que trata o caput deste artigo, tendo como diretriz a
Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Art. 29. A educação infantil, primeira etapa da educação bási-
ca, tem como finalidade o desenvolvimento integral da criança de
Adolescente), observada a produção e distribuição de material di-
até 5 (cinco) anos, em seus aspectos físico, psicológico, intelectual
dático adequado. (Incluído pela Lei nº 13.010, de 2014)
e social, complementando a ação da família e da comunidade.
§ 9º-A. A educação alimentar e nutricional será incluída entre
(Redação dada pela Lei nº 12.796, de 2013)
os temas transversais de que trata o caput. (Incluído pela Lei nº
Art. 30. A educação infantil será oferecida em:
13.666, de 2018)
I - creches, ou entidades equivalentes, para crianças de até
§ 10. A inclusão de novos componentes curriculares de caráter
três anos de idade;
obrigatório na Base Nacional Comum Curricular dependerá de
II - pré-escolas, para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos
aprovação do Conselho Nacional de Educação e de homologação de idade. (Redação dada pela Lei nº 12.796, de 2013)
pelo Ministro de Estado da Educação. (Incluído pela Lei nº 13.415, Art. 31. A educação infantil será organizada de acordo com
de 2017) as seguintes regras comuns: (Redação dada pela Lei nº 12.796,
Art. 26-A. Nos estabelecimentos de ensino fundamental e de de 2013)
ensino médio, públicos e privados, torna-se obrigatório o estudo I - avaliação mediante acompanhamento e registro do de-
da história e cultura afro-brasileira e indígena. (Redação dada pela senvolvimento das crianças, sem o objetivo de promoção, mes-
Lei nº 11.645, de 2008). mo para o acesso ao ensino fundamental; (Incluído pela Lei nº
§ 1o O conteúdo programático a que se refere este artigo 12.796, de 2013)
incluirá diversos aspectos da história e da cultura que caracterizam II - carga horária mínima anual de 800 (oitocentas) horas, dis-
a formação da população brasileira, a partir desses dois grupos tribuída por um mínimo de 200 (duzentos) dias de trabalho edu-
étnicos, tais como o estudo da história da África e dos africanos, a cacional; (Incluído pela Lei nº 12.796, de 2013)
luta dos negros e dos povos indígenas no Brasil, a cultura negra e III - atendimento à criança de, no mínimo, 4 (quatro) horas
indígena brasileira e o negro e o índio na formação da sociedade diárias para o turno parcial e de 7 (sete) horas para a jornada inte-
nacional, resgatando as suas contribuições nas áreas social, gral; (Incluído pela Lei nº 12.796, de 2013)
econômica e política, pertinentes à história do Brasil. (Redação IV - controle de frequência pela instituição de educação pré-
dada pela Lei nº 11.645, de 2008). -escolar, exigida a frequência mínima de 60% (sessenta por cento)
§ 2o Os conteúdos referentes à história e cultura afro-brasilei- do total de horas; (Incluído pela Lei nº 12.796, de 2013)
ra e dos povos indígenas brasileiros serão ministrados no âmbito V - expedição de documentação que permita atestar os pro-
de todo o currículo escolar, em especial nas áreas de educação cessos de desenvolvimento e aprendizagem da criança. (Incluído
artística e de literatura e história brasileiras. (Redação dada pela pela Lei nº 12.796, de 2013)
Lei nº 11.645, de 2008).
Art. 27. Os conteúdos curriculares da educação básica obser- SEÇÃO III
varão, ainda, as seguintes diretrizes: DO ENSINO FUNDAMENTAL
I - a difusão de valores fundamentais ao interesse social, aos
direitos e deveres dos cidadãos, de respeito ao bem comum e à Art. 32. O ensino fundamental obrigatório, com duração de
ordem democrática; 9 (nove) anos, gratuito na escola pública, iniciando-se aos 6 (seis)
II - consideração das condições de escolaridade dos alunos anos de idade, terá por objetivo a formação básica do cidadão,
em cada estabelecimento; mediante: (Redação dada pela Lei nº 11.274, de 2006)

5
LEGISLAÇÃO

I - o desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como I - a consolidação e o aprofundamento dos conhecimentos


meios básicos o pleno domínio da leitura, da escrita e do cálculo; adquiridos no ensino fundamental, possibilitando o prossegui-
II - a compreensão do ambiente natural e social, do sistema mento de estudos;
político, da tecnologia, das artes e dos valores em que se funda- II - a preparação básica para o trabalho e a cidadania do
menta a sociedade; educando, para continuar aprendendo, de modo a ser capaz de
III - o desenvolvimento da capacidade de aprendizagem, ten- se adaptar com flexibilidade a novas condições de ocupação ou
do em vista a aquisição de conhecimentos e habilidades e a forma- aperfeiçoamento posteriores;
ção de atitudes e valores; III - o aprimoramento do educando como pessoa humana,
IV - o fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de so- incluindo a formação ética e o desenvolvimento da autonomia
lidariedade humana e de tolerância recíproca em que se assenta intelectual e do pensamento crítico;
a vida social. IV - a compreensão dos fundamentos científico-tecnológicos
§ 1º É facultado aos sistemas de ensino desdobrar o ensino dos processos produtivos, relacionando a teoria com a prática, no
fundamental em ciclos.
ensino de cada disciplina.
§ 2º Os estabelecimentos que utilizam progressão regular
Art. 35-A. A Base Nacional Comum Curricular definirá direitos
por série podem adotar no ensino fundamental o regime de
e objetivos de aprendizagem do ensino médio, conforme diretri-
progressão continuada, sem prejuízo da avaliação do processo
zes do Conselho Nacional de Educação, nas seguintes áreas do
de ensino-aprendizagem, observadas as normas do respectivo
sistema de ensino. conhecimento: (Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
§ 3º O ensino fundamental regular será ministrado em língua I - linguagens e suas tecnologias; (Incluído pela Lei nº 13.415,
portuguesa, assegurada às comunidades indígenas a utilização de de 2017)
suas línguas maternas e processos próprios de aprendizagem. II - matemática e suas tecnologias; (Incluído pela Lei nº
§ 4º O ensino fundamental será presencial, sendo o ensino 13.415, de 2017)
a distância utilizado como complementação da aprendizagem ou III - ciências da natureza e suas tecnologias; (Incluído pela Lei
em situações emergenciais. nº 13.415, de 2017)
§ 5o O currículo do ensino fundamental incluirá, IV - ciências humanas e sociais aplicadas. (Incluído pela Lei nº
obrigatoriamente, conteúdo que trate dos direitos das crianças 13.415, de 2017)
e dos adolescentes, tendo como diretriz a Lei no 8.069, de 13 de § 1o A parte diversificada dos currículos de que trata o caput
julho de 1990, que institui o Estatuto da Criança e do Adolescente, do art. 26, definida em cada sistema de ensino, deverá estar har-
observada a produção e distribuição de material didático adequa- monizada à Base Nacional Comum Curricular e ser articulada a
do. (Incluído pela Lei nº 11.525, de 2007). partir do contexto histórico, econômico, social, ambiental e cultu-
§ 6º O estudo sobre os símbolos nacionais será incluído como ral. (Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
tema transversal nos currículos do ensino fundamental. (Incluído § 2o A Base Nacional Comum Curricular referente ao ensino
pela Lei nº 12.472, de 2011). médio incluirá obrigatoriamente estudos e práticas de educação
Art. 33. O ensino religioso, de matrícula facultativa, é parte física, arte, sociologia e filosofia. (Incluído pela Lei nº 13.415, de
integrante da formação básica do cidadão e constitui disciplina 2017)
dos horários normais das escolas públicas de ensino fundamental, § 3o O ensino da língua portuguesa e da matemática será
assegurado o respeito à diversidade cultural religiosa do Brasil, ve- obrigatório nos três anos do ensino médio, assegurada às comu-
dadas quaisquer formas de proselitismo. (Redação dada pela Lei nidades indígenas, também, a utilização das respectivas línguas
nº 9.475, de 22.7.1997) maternas. (Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
§ 1º Os sistemas de ensino regulamentarão os procedimentos § 4o Os currículos do ensino médio incluirão, obrigatoriamen-
para a definição dos conteúdos do ensino religioso e estabelecerão
te, o estudo da língua inglesa e poderão ofertar outras línguas
as normas para a habilitação e admissão dos professores. (Incluído
estrangeiras, em caráter optativo, preferencialmente o espanhol,
pela Lei nº 9.475, de 22.7.1997)
de acordo com a disponibilidade de oferta, locais e horários de-
§ 2º Os sistemas de ensino ouvirão entidade civil, constituída
finidos pelos sistemas de ensino. (Incluído pela Lei nº 13.415, de
pelas diferentes denominações religiosas, para a definição dos
conteúdos do ensino religioso. (Incluído pela Lei nº 9.475, de 2017)
22.7.1997) § 5o A carga horária destinada ao cumprimento da Base Na-
Art. 34. A jornada escolar no ensino fundamental incluirá pelo cional Comum Curricular não poderá ser superior a mil e oitocen-
menos quatro horas de trabalho efetivo em sala de aula, sendo tas horas do total da carga horária do ensino médio, de acordo
progressivamente ampliado o período de permanência na escola. com a definição dos sistemas de ensino. (Incluído pela Lei nº
§ 1º São ressalvados os casos do ensino noturno e das formas 13.415, de 2017)
alternativas de organização autorizadas nesta Lei. § 6o A União estabelecerá os padrões de desempenho espe-
§ 2º O ensino fundamental será ministrado progressivamente rados para o ensino médio, que serão referência nos processos
em tempo integral, a critério dos sistemas de ensino. nacionais de avaliação, a partir da Base Nacional Comum Curricu-
lar. (Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
SEÇÃO IV § 7o Os currículos do ensino médio deverão considerar a for-
DO ENSINO MÉDIO mação integral do aluno, de maneira a adotar um trabalho volta-
do para a construção de seu projeto de vida e para sua formação
Art. 35. O ensino médio, etapa final da educação básica, com nos aspectos físicos, cognitivos e socioemocionais. (Incluído pela
duração mínima de três anos, terá como finalidades: Lei nº 13.415, de 2017)

6
LEGISLAÇÃO

§ 8o Os conteúdos, as metodologias e as formas de avaliação reconhecimento pelo respectivo Conselho Estadual de Educação,
processual e formativa serão organizados nas redes de ensino no prazo de três anos, e da inserção no Catálogo Nacional dos
por meio de atividades teóricas e práticas, provas orais e escritas, Cursos Técnicos, no prazo de cinco anos, contados da data de
seminários, projetos e atividades on-line, de tal forma que ao oferta inicial da formação. (Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
final do ensino médio o educando demonstre: (Incluído pela Lei § 8o A oferta de formação técnica e profissional a que se refe-
nº 13.415, de 2017) re o inciso V do caput, realizada na própria instituição ou em par-
I - domínio dos princípios científicos e tecnológicos que presi- ceria com outras instituições, deverá ser aprovada previamente
dem a produção moderna; (Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017) pelo Conselho Estadual de Educação, homologada pelo Secretário
II - conhecimento das formas contemporâneas de linguagem. Estadual de Educação e certificada pelos sistemas de ensino. (In-
(Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017) cluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
Art. 36. O currículo do ensino médio será composto pela Base § 9o As instituições de ensino emitirão certificado com vali-
Nacional Comum Curricular e por itinerários formativos, que de- dade nacional, que habilitará o concluinte do ensino médio ao
verão ser organizados por meio da oferta de diferentes arranjos prosseguimento dos estudos em nível superior ou em outros cur-
curriculares, conforme a relevância para o contexto local e a pos- sos ou formações para os quais a conclusão do ensino médio seja
sibilidade dos sistemas de ensino, a saber: (Redação dada pela Lei etapa obrigatória. (Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
nº 13.415, de 2017) § 10. Além das formas de organização previstas no art. 23,
I - linguagens e suas tecnologias; (Redação dada pela Lei nº o ensino médio poderá ser organizado em módulos e adotar o
13.415, de 2017) sistema de créditos com terminalidade específica. (Incluído pela
II - matemática e suas tecnologias; (Redação dada pela Lei nº Lei nº 13.415, de 2017)
13.415, de 2017) § 11. Para efeito de cumprimento das exigências curriculares
III - ciências da natureza e suas tecnologias; (Redação dada do ensino médio, os sistemas de ensino poderão reconhecer
pela Lei nº 13.415, de 2017) competências e firmar convênios com instituições de educação
IV - ciências humanas e sociais aplicadas; (Redação dada pela a distância com notório reconhecimento, mediante as seguintes
Lei nº 13.415, de 2017) formas de comprovação: (Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
V - formação técnica e profissional. (Incluído pela Lei nº I - demonstração prática; (Incluído pela Lei nº 13.415, de
13.415, de 2017) 2017)
§ 1o A organização das áreas de que trata o caput e das res- II - experiência de trabalho supervisionado ou outra expe-
pectivas competências e habilidades será feita de acordo com cri- riência adquirida fora do ambiente escolar; (Incluído pela Lei nº
térios estabelecidos em cada sistema de ensino. (Redação dada 13.415, de 2017)
pela Lei nº 13.415, de 2017) III - atividades de educação técnica oferecidas em outras ins-
I - (revogado); (Redação dada pela Lei nº 13.415, de 2017) tituições de ensino credenciadas; (Incluído pela Lei nº 13.415, de
II - (revogado); (Redação dada pela Lei nº 13.415, de 2017) 2017)
III – (revogado). (Redação dada pela Lei nº 11.684, de 2008) IV - cursos oferecidos por centros ou programas ocupacio-
§ 2º (Revogado pela Lei nº 11.741, de 2008) nais; (Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
§ 3o A critério dos sistemas de ensino, poderá ser composto V - estudos realizados em instituições de ensino nacionais ou
itinerário formativo integrado, que se traduz na composição de estrangeiras; (Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
componentes curriculares da Base Nacional Comum Curricular - VI - cursos realizados por meio de educação a distância ou
BNCC e dos itinerários formativos, considerando os incisos I a V do educação presencial mediada por tecnologias. (Incluído pela Lei
caput. (Redação dada pela Lei nº 13.415, de 2017) nº 13.415, de 2017)
§ 4º (Revogado pela Lei nº 11.741, de 2008) § 12. As escolas deverão orientar os alunos no processo de
§ 5o Os sistemas de ensino, mediante disponibilidade de va- escolha das áreas de conhecimento ou de atuação profissional
gas na rede, possibilitarão ao aluno concluinte do ensino médio previstas no caput. (Incluído pela Lei nº 13.415, de 2017)
cursar mais um itinerário formativo de que trata o caput. (Incluído
pela Lei nº 13.415, de 2017) SEÇÃO IV-A
§ 6o A critério dos sistemas de ensino, a oferta de formação DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO
com ênfase técnica e profissional considerará: (Incluído pela Lei (INCLUÍDO PELA LEI Nº 11.741, DE 2008)
nº 13.415, de 2017)
I - a inclusão de vivências práticas de trabalho no setor pro- Art. 36-A. Sem prejuízo do disposto na Seção IV deste Capítu-
dutivo ou em ambientes de simulação, estabelecendo parcerias lo, o ensino médio, atendida a formação geral do educando, po-
e fazendo uso, quando aplicável, de instrumentos estabelecidos derá prepará-lo para o exercício de profissões técnicas. (Incluído
pela legislação sobre aprendizagem profissional; (Incluído pela Lei pela Lei nº 11.741, de 2008)
nº 13.415, de 2017) Parágrafo único. A preparação geral para o trabalho e, facul-
II - a possibilidade de concessão de certificados intermediá- tativamente, a habilitação profissional poderão ser desenvolvidas
rios de qualificação para o trabalho, quando a formação for estru- nos próprios estabelecimentos de ensino médio ou em coopera-
turada e organizada em etapas com terminalidade. (Incluído pela ção com instituições especializadas em educação profissional. (In-
Lei nº 13.415, de 2017) cluído pela Lei nº 11.741, de 2008)
§ 7o A oferta de formações experimentais relacionadas ao Art. 36-B. A educação profissional técnica de nível médio será
inciso V do caput, em áreas que não constem do Catálogo Nacional desenvolvida nas seguintes formas: (Incluído pela Lei nº 11.741,
dos Cursos Técnicos, dependerá, para sua continuidade, do de 2008)

7
LEGISLAÇÃO

I - articulada com o ensino médio; (Incluído pela Lei nº § 2º O Poder Público viabilizará e estimulará o acesso
11.741, de 2008) e a permanência do trabalhador na escola, mediante ações
II - subsequente, em cursos destinados a quem já tenha con- integradas e complementares entre si.
cluído o ensino médio. (Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008) § 3o A educação de jovens e adultos deverá articular-se, pre-
Parágrafo único. A educação profissional técnica de nível mé- ferencialmente, com a educação profissional, na forma do regula-
dio deverá observar: (Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008) mento. (Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008)
I - os objetivos e definições contidos nas diretrizes curricula- Art. 38. Os sistemas de ensino manterão cursos e exames su-
res nacionais estabelecidas pelo Conselho Nacional de Educação; pletivos, que compreenderão a base nacional comum do currícu-
(Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008) lo, habilitando ao prosseguimento de estudos em caráter regular.
II - as normas complementares dos respectivos sistemas de § 1º Os exames a que se refere este artigo realizar-se-ão:
ensino; (Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008) I - no nível de conclusão do ensino fundamental, para os
III - as exigências de cada instituição de ensino, nos termos maiores de quinze anos;
de seu projeto pedagógico. (Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008) II - no nível de conclusão do ensino médio, para os maiores
Art. 36-C. A educação profissional técnica de nível médio ar- de dezoito anos.
ticulada, prevista no inciso I do caput do art. 36-B desta Lei, será § 2º Os conhecimentos e habilidades adquiridos pelos
desenvolvida de forma: (Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008) educandos por meios informais serão aferidos e reconhecidos
I - integrada, oferecida somente a quem já tenha concluído o mediante exames.
ensino fundamental, sendo o curso planejado de modo a conduzir
o aluno à habilitação profissional técnica de nível médio, na mes- CAPÍTULO III
ma instituição de ensino, efetuando-se matrícula única para cada DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL
aluno; (Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008) DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA
II - concomitante, oferecida a quem ingresse no ensino mé- (REDAÇÃO DADA PELA LEI Nº 11.741, DE 2008)
dio ou já o esteja cursando, efetuando-se matrículas distintas para
cada curso, e podendo ocorrer: (Incluído pela Lei nº 11.741, de Art. 39. A educação profissional e tecnológica, no cumpri-
2008)
mento dos objetivos da educação nacional, integra-se aos di-
a) na mesma instituição de ensino, aproveitando-se as opor-
ferentes níveis e modalidades de educação e às dimensões do
tunidades educacionais disponíveis; (Incluído pela Lei nº 11.741,
trabalho, da ciência e da tecnologia. (Redação dada pela Lei nº
de 2008)
11.741, de 2008)
b) em instituições de ensino distintas, aproveitando-se as
§ 1o Os cursos de educação profissional e tecnológica pode-
oportunidades educacionais disponíveis; (Incluído pela Lei nº
rão ser organizados por eixos tecnológicos, possibilitando a cons-
11.741, de 2008)
trução de diferentes itinerários formativos, observadas as nor-
c) em instituições de ensino distintas, mediante convênios de
intercomplementaridade, visando ao planejamento e ao desen- mas do respectivo sistema e nível de ensino. (Incluído pela Lei nº
volvimento de projeto pedagógico unificado. (Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008)
11.741, de 2008) § 2o A educação profissional e tecnológica abrangerá os
Art. 36-D. Os diplomas de cursos de educação profissional seguintes cursos: (Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008)
técnica de nível médio, quando registrados, terão validade na- I – de formação inicial e continuada ou qualificação profissio-
cional e habilitarão ao prosseguimento de estudos na educação nal; (Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008)
superior. (Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008) II – de educação profissional técnica de nível médio; (Incluído
Parágrafo único. Os cursos de educação profissional técnica pela Lei nº 11.741, de 2008)
de nível médio, nas formas articulada concomitante e subsequen- III – de educação profissional tecnológica de graduação e pós-
te, quando estruturados e organizados em etapas com termina- -graduação. (Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008)
lidade, possibilitarão a obtenção de certificados de qualificação § 3o Os cursos de educação profissional tecnológica de gra-
para o trabalho após a conclusão, com aproveitamento, de cada duação e pós-graduação organizar-se-ão, no que concerne a
etapa que caracterize uma qualificação para o trabalho. (Incluído objetivos, características e duração, de acordo com as diretrizes
pela Lei nº 11.741, de 2008) curriculares nacionais estabelecidas pelo Conselho Nacional de
Educação. (Incluído pela Lei nº 11.741, de 2008)
SEÇÃO V Art. 40. A educação profissional será desenvolvida em articu-
DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS lação com o ensino regular ou por diferentes estratégias de edu-
cação continuada, em instituições especializadas ou no ambiente
Art. 37. A educação de jovens e adultos será destinada àque- de trabalho (Regulamento)
les que não tiveram acesso ou continuidade de estudos nos en- Art. 41. O conhecimento adquirido na educação profissional
sinos fundamental e médio na idade própria e constituirá instru- e tecnológica, inclusive no trabalho, poderá ser objeto de avalia-
mento para a educação e a aprendizagem ao longo da vida. (Re- ção, reconhecimento e certificação para prosseguimento ou con-
dação dada pela Lei nº 13.632, de 2018) clusão de estudos. (Redação dada pela Lei nº 11.741, de 2008)
§ 1º Os sistemas de ensino assegurarão gratuitamente aos Art. 42. As instituições de educação profissional e tecnológi-
jovens e aos adultos, que não puderam efetuar os estudos na idade ca, além dos seus cursos regulares, oferecerão cursos especiais,
regular, oportunidades educacionais apropriadas, consideradas abertos à comunidade, condicionada a matrícula à capacidade de
as características do alunado, seus interesses, condições de vida aproveitamento e não necessariamente ao nível de escolaridade.
e de trabalho, mediante cursos e exames. (Redação dada pela Lei nº 11.741, de 2008)

8
LEGISLAÇÃO

CAPÍTULO IV § 2º No caso de empate no processo seletivo, as instituições


DA EDUCAÇÃO SUPERIOR públicas de ensino superior darão prioridade de matrícula ao
candidato que comprove ter renda familiar inferior a dez salários
Art. 43. A educação superior tem por finalidade: mínimos, ou ao de menor renda familiar, quando mais de um
I - estimular a criação cultural e o desenvolvimento do espíri- candidato preencher o critério inicial. (Incluído pela Lei nº 13.184,
to científico e do pensamento reflexivo; de 2015)
II - formar diplomados nas diferentes áreas de conhecimento, § 3o O processo seletivo referido no inciso II considerará as
aptos para a inserção em setores profissionais e para a participa- competências e as habilidades definidas na Base Nacional Co-
ção no desenvolvimento da sociedade brasileira, e colaborar na mum Curricular. (Incluído pela lei nº 13.415, de 2017)
sua formação contínua; Art. 45. A educação superior será ministrada em instituições
III - incentivar o trabalho de pesquisa e investigação científica, de ensino superior, públicas ou privadas, com variados graus de
visando o desenvolvimento da ciência e da tecnologia e da criação abrangência ou especialização. (Regulamento) (Regulamento)
e difusão da cultura, e, desse modo, desenvolver o entendimento Art. 46. A autorização e o reconhecimento de cursos, bem
do homem e do meio em que vive; como o credenciamento de instituições de educação superior,
IV - promover a divulgação de conhecimentos culturais, cien- terão prazos limitados, sendo renovados, periodicamente, após
tíficos e técnicos que constituem patrimônio da humanidade e processo regular de avaliação. (Regulamento) (Regulamento)
comunicar o saber através do ensino, de publicações ou de outras (Vide Lei nº 10.870, de 2004)
formas de comunicação; § 1º Após um prazo para saneamento de deficiências
V - suscitar o desejo permanente de aperfeiçoamento cultu- eventualmente identificadas pela avaliação a que se refere este
ral e profissional e possibilitar a correspondente concretização, artigo, haverá reavaliação, que poderá resultar, conforme o
integrando os conhecimentos que vão sendo adquiridos numa caso, em desativação de cursos e habilitações, em intervenção
estrutura intelectual sistematizadora do conhecimento de cada na instituição, em suspensão temporária de prerrogativas da
geração; autonomia, ou em descredenciamento (Regulamento) (Vide Lei
VI - estimular o conhecimento dos problemas do mundo pre- nº 10.870, de 2004)
sente, em particular os nacionais e regionais, prestar serviços es- § 2º No caso de instituição pública, o Poder Executivo
pecializados à comunidade e estabelecer com esta uma relação responsável por sua manutenção acompanhará o processo de
de reciprocidade; saneamento e fornecerá recursos adicionais, se necessários, para
VII - promover a extensão, aberta à participação da popula- a superação das deficiências.
ção, visando à difusão das conquistas e benefícios resultantes da § 3o No caso de instituição privada, além das sanções previs-
criação cultural e da pesquisa científica e tecnológica geradas na tas no § 1o deste artigo, o processo de reavaliação poderá resultar
instituição. em redução de vagas autorizadas e em suspensão temporária
VIII - atuar em favor da universalização e do aprimoramen- de novos ingressos e de oferta de cursos. (Incluído pela Lei nº
to da educação básica, mediante a formação e a capacitação de 13.530, de 2017)
profissionais, a realização de pesquisas pedagógicas e o desenvol- § 4o É facultado ao Ministério da Educação, mediante proce-
vimento de atividades de extensão que aproximem os dois níveis dimento específico e com aquiescência da instituição de ensino,
escolares. (Incluído pela Lei nº 13.174, de 2015) com vistas a resguardar os interesses dos estudantes, comutar
Art. 44. A educação superior abrangerá os seguintes cursos e as penalidades previstas nos §§ 1oe 3o deste artigo por outras
programas: (Regulamento) medidas, desde que adequadas para superação das deficiências
I - cursos sequenciais por campo de saber, de diferentes ní- e irregularidades constatadas. (Incluído pela Lei nº 13.530, de
veis de abrangência, abertos a candidatos que atendam aos re- 2017)
quisitos estabelecidos pelas instituições de ensino, desde que § 5o Para fins de regulação, os Estados e o Distrito Federal
tenham concluído o ensino médio ou equivalente; (Redação dada deverão adotar os critérios definidos pela União para autorização
pela Lei nº 11.632, de 2007). de funcionamento de curso de graduação em Medicina. (Incluído
II - de graduação, abertos a candidatos que tenham concluído pela Lei nº 13.530, de 2017)
o ensino médio ou equivalente e tenham sido classificados em Art. 47. Na educação superior, o ano letivo regular, indepen-
processo seletivo; dente do ano civil, tem, no mínimo, duzentos dias de trabalho
III - de pós-graduação, compreendendo programas de mes- acadêmico efetivo, excluído o tempo reservado aos exames finais,
trado e doutorado, cursos de especialização, aperfeiçoamento e quando houver.
outros, abertos a candidatos diplomados em cursos de graduação § 1o As instituições informarão aos interessados, antes de cada
e que atendam às exigências das instituições de ensino; período letivo, os programas dos cursos e demais componentes
IV - de extensão, abertos a candidatos que atendam aos re- curriculares, sua duração, requisitos, qualificação dos professores,
quisitos estabelecidos em cada caso pelas instituições de ensino. recursos disponíveis e critérios de avaliação, obrigando-se a
§ 1º. Os resultados do processo seletivo referido no inciso II cumprir as respectivas condições, e a publicação deve ser feita,
do caput deste artigo serão tornados públicos pelas instituições sendo as 3 (três) primeiras formas concomitantemente: (Redação
de ensino superior, sendo obrigatória a divulgação da relação dada pela lei nº 13.168, de 2015)
nominal dos classificados, a respectiva ordem de classificação, I - em página específica na internet no sítio eletrônico oficial
bem como do cronograma das chamadas para matrícula, de da instituição de ensino superior, obedecido o seguinte: (Incluído
acordo com os critérios para preenchimento das vagas constantes pela lei nº 13.168, de 2015)
do respectivo edital. (Incluído pela Lei nº 11.331, de 2006) (Renu- a) toda publicação a que se refere esta Lei deve ter como títu-
merado do parágrafo único para § 1º pela Lei nº 13.184, de 2015) lo “Grade e Corpo Docente”; (Incluída pela lei nº 13.168, de 2015)

9
LEGISLAÇÃO

b) a página principal da instituição de ensino superior, bem § 3º Os diplomas de Mestrado e de Doutorado expedidos
como a página da oferta de seus cursos aos ingressantes sob a por universidades estrangeiras só poderão ser reconhecidos
forma de vestibulares, processo seletivo e outras com a mesma por universidades que possuam cursos de pós-graduação
finalidade, deve conter a ligação desta com a página específica reconhecidos e avaliados, na mesma área de conhecimento e em
prevista neste inciso; (Incluída pela lei nº 13.168, de 2015) nível equivalente ou superior.
c) caso a instituição de ensino superior não possua sítio ele- Art. 49. As instituições de educação superior aceitarão a
trônico, deve criar página específica para divulgação das informa- transferência de alunos regulares, para cursos afins, na hipótese
ções de que trata esta Lei; (Incluída pela lei nº 13.168, de 2015) de existência de vagas, e mediante processo seletivo.
d) a página específica deve conter a data completa de sua Parágrafo único. As transferências ex officio dar-se-ão na
última atualização; (Incluída pela lei nº 13.168, de 2015) forma da lei. (Regulamento)
II - em toda propaganda eletrônica da instituição de ensino Art. 50. As instituições de educação superior, quando da ocor-
superior, por meio de ligação para a página referida no inciso I; rência de vagas, abrirão matrícula nas disciplinas de seus cursos a
(Incluído pela lei nº 13.168, de 2015) alunos não regulares que demonstrarem capacidade de cursá-las
III - em local visível da instituição de ensino superior e de fácil com proveito, mediante processo seletivo prévio.
acesso ao público; (Incluído pela lei nº 13.168, de 2015) Art. 51. As instituições de educação superior credenciadas
IV - deve ser atualizada semestralmente ou anualmente, de como universidades, ao deliberar sobre critérios e normas de se-
acordo com a duração das disciplinas de cada curso oferecido, ob- leção e admissão de estudantes, levarão em conta os efeitos des-
servando o seguinte: (Incluído pela lei nº 13.168, de 2015) ses critérios sobre a orientação do ensino médio, articulando-se
a) caso o curso mantenha disciplinas com duração diferencia- com os órgãos normativos dos sistemas de ensino.
da, a publicação deve ser semestral; (Incluída pela lei nº 13.168, Art. 52. As universidades são instituições pluridisciplinares de
de 2015) formação dos quadros profissionais de nível superior, de pesqui-
b) a publicação deve ser feita até 1 (um) mês antes do início sa, de extensão e de domínio e cultivo do saber humano, que se
das aulas; (Incluída pela lei nº 13.168, de 2015) caracterizam por: (Regulamento) (Regulamento)
c) caso haja mudança na grade do curso ou no corpo docente I - produção intelectual institucionalizada mediante o estudo
até o início das aulas, os alunos devem ser comunicados sobre as
sistemático dos temas e problemas mais relevantes, tanto do pon-
alterações; (Incluída pela lei nº 13.168, de 2015)
to de vista científico e cultural, quanto regional e nacional;
V - deve conter as seguintes informações: (Incluído pela lei nº
II - um terço do corpo docente, pelo menos, com titulação
13.168, de 2015)
acadêmica de mestrado ou doutorado;
a) a lista de todos os cursos oferecidos pela instituição de en-
III - um terço do corpo docente em regime de tempo integral.
sino superior; (Incluída pela lei nº 13.168, de 2015)
Parágrafo único. É facultada a criação de universidades es-
b) a lista das disciplinas que compõem a grade curricular de
cada curso e as respectivas cargas horárias; (Incluída pela lei nº pecializadas por campo do saber. (Regulamento) (Regulamento)
13.168, de 2015) Art. 53. No exercício de sua autonomia, são asseguradas às
c) a identificação dos docentes que ministrarão as aulas em universidades, sem prejuízo de outras, as seguintes atribuições:
cada curso, as disciplinas que efetivamente ministrará naquele I - criar, organizar e extinguir, em sua sede, cursos e progra-
curso ou cursos, sua titulação, abrangendo a qualificação profis- mas de educação superior previstos nesta Lei, obedecendo às
sional do docente e o tempo de casa do docente, de forma total, normas gerais da União e, quando for o caso, do respectivo siste-
contínua ou intermitente. (Incluída pela lei nº 13.168, de 2015) ma de ensino; (Regulamento)
§ 2º Os alunos que tenham extraordinário aproveitamento II - fixar os currículos dos seus cursos e programas, observa-
nos estudos, demonstrado por meio de provas e outros das as diretrizes gerais pertinentes;
instrumentos de avaliação específicos, aplicados por banca III - estabelecer planos, programas e projetos de pesquisa
examinadora especial, poderão ter abreviada a duração dos seus científica, produção artística e atividades de extensão;
cursos, de acordo com as normas dos sistemas de ensino. IV - fixar o número de vagas de acordo com a capacidade ins-
§ 3º É obrigatória a frequência de alunos e professores, salvo titucional e as exigências do seu meio;
nos programas de educação a distância. V - elaborar e reformar os seus estatutos e regimentos em
§ 4º As instituições de educação superior oferecerão, no consonância com as normas gerais atinentes;
período noturno, cursos de graduação nos mesmos padrões de VI - conferir graus, diplomas e outros títulos;
qualidade mantidos no período diurno, sendo obrigatória a oferta VII - firmar contratos, acordos e convênios;
noturna nas instituições públicas, garantida a necessária previsão VIII - aprovar e executar planos, programas e projetos de in-
orçamentária. vestimentos referentes a obras, serviços e aquisições em geral,
Art. 48. Os diplomas de cursos superiores reconhecidos, bem como administrar rendimentos conforme dispositivos insti-
quando registrados, terão validade nacional como prova da for- tucionais;
mação recebida por seu titular. IX - administrar os rendimentos e deles dispor na forma pre-
§ 1º Os diplomas expedidos pelas universidades serão por vista no ato de constituição, nas leis e nos respectivos estatutos;
elas próprias registrados, e aqueles conferidos por instituições X - receber subvenções, doações, heranças, legados e coope-
não-universitárias serão registrados em universidades indicadas ração financeira resultante de convênios com entidades públicas
pelo Conselho Nacional de Educação. e privadas.
§ 2º Os diplomas de graduação expedidos por universidades § 1º Para garantir a autonomia didático-científica das
estrangeiras serão revalidados por universidades públicas que universidades, caberá aos seus colegiados de ensino e pesquisa
tenham curso do mesmo nível e área ou equivalente, respeitando- decidir, dentro dos recursos orçamentários disponíveis, sobre:
se os acordos internacionais de reciprocidade ou equiparação. (Redação dada pela Lei nº 13.490, de 2017)

10
LEGISLAÇÃO

I - criação, expansão, modificação e extinção de cursos; (Re- Art. 57. Nas instituições públicas de educação superior, o pro-
dação dada pela Lei nº 13.490, de 2017) fessor ficará obrigado ao mínimo de oito horas semanais de aulas.
II - ampliação e diminuição de vagas; (Redação dada pela Lei (Regulamento)
nº 13.490, de 2017)
III - elaboração da programação dos cursos; (Redação dada CAPÍTULO V
pela Lei nº 13.490, de 2017) DA EDUCAÇÃO ESPECIAL
IV - programação das pesquisas e das atividades de extensão;
(Redação dada pela Lei nº 13.490, de 2017) Art. 58. Entende-se por educação especial, para os efeitos
V - contratação e dispensa de professores; (Redação dada desta Lei, a modalidade de educação escolar oferecida preferen-
pela Lei nº 13.490, de 2017) cialmente na rede regular de ensino, para educandos com defi-
VI - planos de carreira docente. (Redação dada pela Lei nº ciência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilida-
13.490, de 2017) des ou superdotação. (Redação dada pela Lei nº 12.796, de 2013)
§ 2o As doações, inclusive monetárias, podem ser dirigidas a
§ 1º Haverá, quando necessário, serviços de apoio
setores ou projetos específicos, conforme acordo entre doadores
especializado, na escola regular, para atender às peculiaridades
e universidades. (Incluído pela Lei nº 13.490, de 2017)
da clientela de educação especial.
§ 3o No caso das universidades públicas, os recursos das doa-
§ 2º O atendimento educacional será feito em classes, escolas
ções devem ser dirigidos ao caixa único da instituição, com desti-
nação garantida às unidades a serem beneficiadas. (Incluído pela ou serviços especializados, sempre que, em função das condições
Lei nº 13.490, de 2017) específicas dos alunos, não for possível a sua integração nas
Art. 54. As universidades mantidas pelo Poder Público goza- classes comuns de ensino regular.
rão, na forma da lei, de estatuto jurídico especial para atender § 3º A oferta de educação especial, nos termos do caput deste
às peculiaridades de sua estrutura, organização e financiamento artigo, tem início na educação infantil e estende-se ao longo da
pelo Poder Público, assim como dos seus planos de carreira e do vida, observados o inciso III do art. 4º e o parágrafo único do art.
regime jurídico do seu pessoal. (Regulamento) (Regulamento) 60 desta Lei. (Redação dada pela Lei nº 13.632, de 2018)
§ 1º No exercício da sua autonomia, além das atribuições Art. 59. Os sistemas de ensino assegurarão aos educandos
asseguradas pelo artigo anterior, as universidades públicas com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas
poderão: habilidades ou superdotação: (Redação dada pela Lei nº 12.796,
I - propor o seu quadro de pessoal docente, técnico e admi- de 2013)
nistrativo, assim como um plano de cargos e salários, atendidas as I - currículos, métodos, técnicas, recursos educativos e orga-
normas gerais pertinentes e os recursos disponíveis; nização específicos, para atender às suas necessidades;
II - elaborar o regulamento de seu pessoal em conformidade II - terminalidade específica para aqueles que não puderem
com as normas gerais concernentes; atingir o nível exigido para a conclusão do ensino fundamental,
III - aprovar e executar planos, programas e projetos de in- em virtude de suas deficiências, e aceleração para concluir em
vestimentos referentes a obras, serviços e aquisições em geral, menor tempo o programa escolar para os superdotados;
de acordo com os recursos alocados pelo respectivo Poder man- III - professores com especialização adequada em nível mé-
tenedor; dio ou superior, para atendimento especializado, bem como pro-
IV - elaborar seus orçamentos anuais e plurianuais; fessores do ensino regular capacitados para a integração desses
V - adotar regime financeiro e contábil que atenda às suas educandos nas classes comuns;
peculiaridades de organização e funcionamento; IV - educação especial para o trabalho, visando a sua efetiva
VI - realizar operações de crédito ou de financiamento, com integração na vida em sociedade, inclusive condições adequadas
aprovação do Poder competente, para aquisição de bens imóveis,
para os que não revelarem capacidade de inserção no trabalho
instalações e equipamentos;
competitivo, mediante articulação com os órgãos oficiais afins,
VII - efetuar transferências, quitações e tomar outras provi-
bem como para aqueles que apresentam uma habilidade superior
dências de ordem orçamentária, financeira e patrimonial neces-
nas áreas artística, intelectual ou psicomotora;
sárias ao seu bom desempenho.
§ 2º Atribuições de autonomia universitária poderão ser V - acesso igualitário aos benefícios dos programas sociais su-
estendidas a instituições que comprovem alta qualificação para o plementares disponíveis para o respectivo nível do ensino regular.
ensino ou para a pesquisa, com base em avaliação realizada pelo Art. 59-A. O poder público deverá instituir cadastro nacional
Poder Público. de alunos com altas habilidades ou superdotação matriculados na
Art. 55. Caberá à União assegurar, anualmente, em seu Orça- educação básica e na educação superior, a fim de fomentar a exe-
mento Geral, recursos suficientes para manutenção e desenvol- cução de políticas públicas destinadas ao desenvolvimento pleno
vimento das instituições de educação superior por ela mantidas. das potencialidades desse alunado. (Incluído pela Lei nº 13.234,
Art. 56. As instituições públicas de educação superior obede- de 2015)
cerão ao princípio da gestão democrática, assegurada a existência Parágrafo único. A identificação precoce de alunos com altas
de órgãos colegiados deliberativos, de que participarão os seg- habilidades ou superdotação, os critérios e procedimentos para
mentos da comunidade institucional, local e regional. inclusão no cadastro referido no caput deste artigo, as entidades
Parágrafo único. Em qualquer caso, os docentes ocuparão responsáveis pelo cadastramento, os mecanismos de acesso
setenta por cento dos assentos em cada órgão colegiado e co- aos dados do cadastro e as políticas de desenvolvimento das
missão, inclusive nos que tratarem da elaboração e modificações potencialidades do alunado de que trata o caput serão definidos
estatutárias e regimentais, bem como da escolha de dirigentes. em regulamento.

11
LEGISLAÇÃO

Art. 60. Os órgãos normativos dos sistemas de ensino estabe- § 1º A União, o Distrito Federal, os Estados e os Municípios,
lecerão critérios de caracterização das instituições privadas sem em regime de colaboração, deverão promover a formação inicial,
fins lucrativos, especializadas e com atuação exclusiva em edu- a continuada e a capacitação dos profissionais de magistério. (In-
cação especial, para fins de apoio técnico e financeiro pelo Poder cluído pela Lei nº 12.056, de 2009).
Público. § 2º A formação continuada e a capacitação dos profissionais
Parágrafo único. O poder público adotará, como alternativa de magistério poderão utilizar recursos e tecnologias de educação
preferencial, a ampliação do atendimento aos educandos com a distância. (Incluído pela Lei nº 12.056, de 2009).
deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habi- § 3º A formação inicial de profissionais de magistério dará
lidades ou superdotação na própria rede pública regular de ensi- preferência ao ensino presencial, subsidiariamente fazendo uso
no, independentemente do apoio às instituições previstas neste de recursos e tecnologias de educação a distância. (Incluído pela
artigo. (Redação dada pela Lei nº 12.796, de 2013) Lei nº 12.056, de 2009).
§ 4o A União, o Distrito Federal, os Estados e os Municípios
TÍTULO VI adotarão mecanismos facilitadores de acesso e permanência em
DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO cursos de formação de docentes em nível superior para atuar na
educação básica pública. (Incluído pela Lei nº 12.796, de 2013)
Art. 61. Consideram-se profissionais da educação escolar bá- § 5o A União, o Distrito Federal, os Estados e os Municípios
sica os que, nela estando em efetivo exercício e tendo sido for- incentivarão a formação de profissionais do magistério para atuar
mados em cursos reconhecidos, são: (Redação dada pela Lei nº na educação básica pública mediante programa institucional de
12.014, de 2009) bolsa de iniciação à docência a estudantes matriculados em cur-
I – professores habilitados em nível médio ou superior para sos de licenciatura, de graduação plena, nas instituições de edu-
a docência na educação infantil e nos ensinos fundamental e mé- cação superior. (Incluído pela Lei nº 12.796, de 2013)
dio; (Redação dada pela Lei nº 12.014, de 2009) § 6o O Ministério da Educação poderá estabelecer nota míni-
II – trabalhadores em educação portadores de diploma de ma em exame nacional aplicado aos concluintes do ensino médio
pedagogia, com habilitação em administração, planejamento, como pré-requisito para o ingresso em cursos de graduação para
supervisão, inspeção e orientação educacional, bem como com
formação de docentes, ouvido o Conselho Nacional de Educação
títulos de mestrado ou doutorado nas mesmas áreas; (Redação
- CNE. (Incluído pela Lei nº 12.796, de 2013)
dada pela Lei nº 12.014, de 2009)
§ 7o (VETADO). (Incluído pela Lei nº 12.796, de 2013)
III – trabalhadores em educação, portadores de diploma de
§ 8o Os currículos dos cursos de formação de docentes terão
curso técnico ou superior em área pedagógica ou afim. (Incluído
por referência a Base Nacional Comum Curricular. (Incluído pela
pela Lei nº 12.014, de 2009)
lei nº 13.415, de 2017) (Vide Lei nº 13.415, de 2017)
IV - profissionais com notório saber reconhecido pelos res-
Art. 62-A. A formação dos profissionais a que se refere o inci-
pectivos sistemas de ensino, para ministrar conteúdos de áreas
afins à sua formação ou experiência profissional, atestados por ti- so III do art. 61 far-se-á por meio de cursos de conteúdo técnico-
tulação específica ou prática de ensino em unidades educacionais -pedagógico, em nível médio ou superior, incluindo habilitações
da rede pública ou privada ou das corporações privadas em que tecnológicas. (Incluído pela Lei nº 12.796, de 2013)
tenham atuado, exclusivamente para atender ao inciso V do caput Parágrafo único. Garantir-se-á formação continuada para os
do art. 36; (Incluído pela lei nº 13.415, de 2017) profissionais a que se refere o caput, no local de trabalho ou em
V - profissionais graduados que tenham feito complementa- instituições de educação básica e superior, incluindo cursos de
ção pedagógica, conforme disposto pelo Conselho Nacional de educação profissional, cursos superiores de graduação plena ou
Educação. (Incluído pela lei nº 13.415, de 2017) tecnológicos e de pós-graduação. (Incluído pela Lei nº 12.796, de
Parágrafo único. A formação dos profissionais da educação, 2013)
de modo a atender às especificidades do exercício de suas ativida- Art. 62-B. O acesso de professores das redes públicas de edu-
des, bem como aos objetivos das diferentes etapas e modalidades cação básica a cursos superiores de pedagogia e licenciatura será
da educação básica, terá como fundamentos: (Incluído pela Lei nº efetivado por meio de processo seletivo diferenciado. (Incluído
12.014, de 2009) pela Lei nº 13.478, de 2017)
I – a presença de sólida formação básica, que propicie o co- § 1º Terão direito de pleitear o acesso previsto no caput des-
nhecimento dos fundamentos científicos e sociais de suas compe- te artigo os professores das redes públicas municipais, estaduais
tências de trabalho; (Incluído pela Lei nº 12.014, de 2009) e federal que ingressaram por concurso público, tenham pelo me-
II – a associação entre teorias e práticas, mediante estágios nos três anos de exercício da profissão e não sejam portadores
supervisionados e capacitação em serviço; (Incluído pela Lei nº de diploma de graduação. (Incluído pela Lei nº 13.478, de 2017)
12.014, de 2009) § 2o As instituições de ensino responsáveis pela oferta de
III – o aproveitamento da formação e experiências anteriores, cursos de pedagogia e outras licenciaturas definirão critérios
em instituições de ensino e em outras atividades. (Incluído pela adicionais de seleção sempre que acorrerem aos certames
Lei nº 12.014, de 2009) interessados em número superior ao de vagas disponíveis para os
Art. 62. A formação de docentes para atuar na educação bá- respectivos cursos. (Incluído pela Lei nº 13.478, de 2017)
sica far-se-á em nível superior, em curso de licenciatura plena, ad- § 3o Sem prejuízo dos concursos seletivos a serem definidos
mitida, como formação mínima para o exercício do magistério na em regulamento pelas universidades, terão prioridade de
educação infantil e nos cinco primeiros anos do ensino fundamen- ingresso os professores que optarem por cursos de licenciatura
tal, a oferecida em nível médio, na modalidade normal. (Redação em matemática, física, química, biologia e língua portuguesa. (In-
dada pela lei nº 13.415, de 2017) cluído pela Lei nº 13.478, de 2017)

12
LEGISLAÇÃO

Art. 63. Os institutos superiores de educação manterão: (Re- I - receita de impostos próprios da União, dos Estados, do Dis-
gulamento) trito Federal e dos Municípios;
I - cursos formadores de profissionais para a educação bá- II - receita de transferências constitucionais e outras transfe-
sica, inclusive o curso normal superior, destinado à formação de rências;
docentes para a educação infantil e para as primeiras séries do III - receita do salário-educação e de outras contribuições so-
ensino fundamental; ciais;
II - programas de formação pedagógica para portadores de IV - receita de incentivos fiscais;
diplomas de educação superior que queiram se dedicar à educa- V - outros recursos previstos em lei.
ção básica; Art. 69. A União aplicará, anualmente, nunca menos de dezoi-
III - programas de educação continuada para os profissionais to, e os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, vinte e cinco
de educação dos diversos níveis. por cento, ou o que consta nas respectivas Constituições ou Leis
Art. 64. A formação de profissionais de educação para admi- Orgânicas, da receita resultante de impostos, compreendidas as
nistração, planejamento, inspeção, supervisão e orientação edu- transferências constitucionais, na manutenção e desenvolvimen-
cacional para a educação básica, será feita em cursos de gradua- to do ensino público. (Vide Medida Provisória nº 773, de 2017)
ção em pedagogia ou em nível de pós-graduação, a critério da (Vigência encerrada)
instituição de ensino, garantida, nesta formação, a base comum § 1º A parcela da arrecadação de impostos transferida pela
nacional. União aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, ou pelos
Art. 65. A formação docente, exceto para a educação supe- Estados aos respectivos Municípios, não será considerada, para
rior, incluirá prática de ensino de, no mínimo, trezentas horas. efeito do cálculo previsto neste artigo, receita do governo que a
Art. 66. A preparação para o exercício do magistério superior transferir.
far-se-á em nível de pós-graduação, prioritariamente em progra- § 2º Serão consideradas excluídas das receitas de impostos
mas de mestrado e doutorado. mencionadas neste artigo as operações de crédito por antecipação
Parágrafo único. O notório saber, reconhecido por universida- de receita orçamentária de impostos.
de com curso de doutorado em área afim, poderá suprir a exigên- § 3º Para fixação inicial dos valores correspondentes aos
cia de título acadêmico. mínimos estatuídos neste artigo, será considerada a receita
Art. 67. Os sistemas de ensino promoverão a valorização dos estimada na lei do orçamento anual, ajustada, quando for o caso,
profissionais da educação, assegurando-lhes, inclusive nos ter- por lei que autorizar a abertura de créditos adicionais, com base
mos dos estatutos e dos planos de carreira do magistério público: no eventual excesso de arrecadação.
I - ingresso exclusivamente por concurso público de provas § 4º As diferenças entre a receita e a despesa previstas e as
e títulos; efetivamente realizadas, que resultem no não atendimento dos
II - aperfeiçoamento profissional continuado, inclusive com percentuais mínimos obrigatórios, serão apuradas e corrigidas a
licenciamento periódico remunerado para esse fim; cada trimestre do exercício financeiro.
III - piso salarial profissional; § 5º O repasse dos valores referidos neste artigo do caixa da
IV - progressão funcional baseada na titulação ou habilitação, União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios ocorrerá
e na avaliação do desempenho; imediatamente ao órgão responsável pela educação, observados
V - período reservado a estudos, planejamento e avaliação, os seguintes prazos:
incluído na carga de trabalho; I - recursos arrecadados do primeiro ao décimo dia de cada
VI - condições adequadas de trabalho. mês, até o vigésimo dia;
§ 1o A experiência docente é pré-requisito para o exercício II - recursos arrecadados do décimo primeiro ao vigésimo dia
profissional de quaisquer outras funções de magistério, nos de cada mês, até o trigésimo dia;
termos das normas de cada sistema de ensino. (Renumerado pela III - recursos arrecadados do vigésimo primeiro dia ao final de
Lei nº 11.301, de 2006) cada mês, até o décimo dia do mês subsequente.
§ 2o Para os efeitos do disposto no § 5º do art. 40 e no § 8o § 6º O atraso da liberação sujeitará os recursos a correção
do art. 201 da Constituição Federal, são consideradas funções de monetária e à responsabilização civil e criminal das autoridades
magistério as exercidas por professores e especialistas em educa- competentes.
ção no desempenho de atividades educativas, quando exercidas Art. 70. Considerar-se-ão como de manutenção e desenvolvi-
em estabelecimento de educação básica em seus diversos níveis mento do ensino as despesas realizadas com vistas à consecução
e modalidades, incluídas, além do exercício da docência, as de di- dos objetivos básicos das instituições educacionais de todos os
reção de unidade escolar e as de coordenação e assessoramento níveis, compreendendo as que se destinam a:
pedagógico. (Incluído pela Lei nº 11.301, de 2006) I - remuneração e aperfeiçoamento do pessoal docente e de-
§ 3o A União prestará assistência técnica aos Estados, ao Dis- mais profissionais da educação;
trito Federal e aos Municípios na elaboração de concursos pú- II - aquisição, manutenção, construção e conservação de ins-
blicos para provimento de cargos dos profissionais da educação. talações e equipamentos necessários ao ensino;
(Incluído pela Lei nº 12.796, de 2013) III – uso e manutenção de bens e serviços vinculados ao en-
sino;
TÍTULO VII IV - levantamentos estatísticos, estudos e pesquisas visando
DOS RECURSOS FINANCEIROS precipuamente ao aprimoramento da qualidade e à expansão do
ensino;
Art. 68. Serão recursos públicos destinados à educação os V - realização de atividades-meio necessárias ao funciona-
originários de: mento dos sistemas de ensino;

13
LEGISLAÇÃO

VI - concessão de bolsas de estudo a alunos de escolas públi- § 4º A ação supletiva e redistributiva não poderá ser exercida
cas e privadas; em favor do Distrito Federal, dos Estados e dos Municípios se estes
VII - amortização e custeio de operações de crédito destina- oferecerem vagas, na área de ensino de sua responsabilidade,
das a atender ao disposto nos incisos deste artigo; conforme o inciso VI do art. 10 e o inciso V do art. 11 desta Lei,
VIII - aquisição de material didático-escolar e manutenção de em número inferior à sua capacidade de atendimento.
programas de transporte escolar. Art. 76. A ação supletiva e redistributiva prevista no artigo an-
Art. 71. Não constituirão despesas de manutenção e desen- terior ficará condicionada ao efetivo cumprimento pelos Estados,
volvimento do ensino aquelas realizadas com: Distrito Federal e Municípios do disposto nesta Lei, sem prejuízo
I - pesquisa, quando não vinculada às instituições de ensino, de outras prescrições legais.
ou, quando efetivada fora dos sistemas de ensino, que não vise, Art. 77. Os recursos públicos serão destinados às escolas pú-
precipuamente, ao aprimoramento de sua qualidade ou à sua ex- blicas, podendo ser dirigidos a escolas comunitárias, confessio-
pansão; nais ou filantrópicas que:
II - subvenção a instituições públicas ou privadas de caráter I - comprovem finalidade não-lucrativa e não distribuam re-
assistencial, desportivo ou cultural; sultados, dividendos, bonificações, participações ou parcela de
III - formação de quadros especiais para a administração pú- seu patrimônio sob nenhuma forma ou pretexto;
blica, sejam militares ou civis, inclusive diplomáticos; II - apliquem seus excedentes financeiros em educação;
IV - programas suplementares de alimentação, assistência III - assegurem a destinação de seu patrimônio a outra escola
médico-odontológica, farmacêutica e psicológica, e outras formas comunitária, filantrópica ou confessional, ou ao Poder Público, no
de assistência social; caso de encerramento de suas atividades;
V - obras de infraestrutura, ainda que realizadas para benefi- IV - prestem contas ao Poder Público dos recursos recebidos.
ciar direta ou indiretamente a rede escolar; § 1º Os recursos de que trata este artigo poderão ser
VI - pessoal docente e demais trabalhadores da educação, destinados a bolsas de estudo para a educação básica, na forma
quando em desvio de função ou em atividade alheia à manuten- da lei, para os que demonstrarem insuficiência de recursos,
ção e desenvolvimento do ensino. quando houver falta de vagas e cursos regulares da rede pública
Art. 72. As receitas e despesas com manutenção e desenvol- de domicílio do educando, ficando o Poder Público obrigado a
vimento do ensino serão apuradas e publicadas nos balanços do investir prioritariamente na expansão da sua rede local.
Poder Público, assim como nos relatórios a que se refere o § 3º do § 2º As atividades universitárias de pesquisa e extensão
art. 165 da Constituição Federal. poderão receber apoio financeiro do Poder Público, inclusive
Art. 73. Os órgãos fiscalizadores examinarão, prioritariamen- mediante bolsas de estudo.
te, na prestação de contas de recursos públicos, o cumprimen-
to do disposto no art. 212 da Constituição Federal, no art. 60 do TÍTULO VIII
Ato das Disposições Constitucionais Transitórias e na legislação DAS DISPOSIÇÕES GERAIS
concernente.
Art. 74. A União, em colaboração com os Estados, o Distrito Art. 78. O Sistema de Ensino da União, com a colaboração
Federal e os Municípios, estabelecerá padrão mínimo de opor- das agências federais de fomento à cultura e de assistência aos
tunidades educacionais para o ensino fundamental, baseado no índios, desenvolverá programas integrados de ensino e pesquisa,
cálculo do custo mínimo por aluno, capaz de assegurar ensino de para oferta de educação escolar bilingue e intercultural aos povos
qualidade. indígenas, com os seguintes objetivos:
Parágrafo único. O custo mínimo de que trata este artigo será I - proporcionar aos índios, suas comunidades e povos, a re-
calculado pela União ao final de cada ano, com validade para o cuperação de suas memórias históricas; a reafirmação de suas
ano subsequente, considerando variações regionais no custo dos identidades étnicas; a valorização de suas línguas e ciências;
insumos e as diversas modalidades de ensino. II - garantir aos índios, suas comunidades e povos, o acesso às
Art. 75. A ação supletiva e redistributiva da União e dos Es- informações, conhecimentos técnicos e científicos da sociedade
tados será exercida de modo a corrigir, progressivamente, as dis- nacional e demais sociedades indígenas e não-índias.
paridades de acesso e garantir o padrão mínimo de qualidade de Art. 79. A União apoiará técnica e financeiramente os siste-
ensino. mas de ensino no provimento da educação intercultural às co-
§ 1º A ação a que se refere este artigo obedecerá a fórmula munidades indígenas, desenvolvendo programas integrados de
de domínio público que inclua a capacidade de atendimento e a ensino e pesquisa.
medida do esforço fiscal do respectivo Estado, do Distrito Federal § 1º Os programas serão planejados com audiência das
ou do Município em favor da manutenção e do desenvolvimento comunidades indígenas.
do ensino. § 2º Os programas a que se refere este artigo, incluídos nos
§ 2º A capacidade de atendimento de cada governo será Planos Nacionais de Educação, terão os seguintes objetivos:
definida pela razão entre os recursos de uso constitucionalmente I - fortalecer as práticas socioculturais e a língua materna de
obrigatório na manutenção e desenvolvimento do ensino e o cada comunidade indígena;
custo anual do aluno, relativo ao padrão mínimo de qualidade. II - manter programas de formação de pessoal especializado,
§ 3º Com base nos critérios estabelecidos nos §§ 1º e 2º, destinado à educação escolar nas comunidades indígenas;
a União poderá fazer a transferência direta de recursos a cada III - desenvolver currículos e programas específicos, neles
estabelecimento de ensino, considerado o número de alunos que incluindo os conteúdos culturais correspondentes às respectivas
efetivamente frequentam a escola. comunidades;

14
LEGISLAÇÃO

IV - elaborar e publicar sistematicamente material didático Art. 86. As instituições de educação superior constituídas
específico e diferenciado. como universidades integrar-se-ão, também, na sua condição de
§ 3o No que se refere à educação superior, sem prejuízo instituições de pesquisa, ao Sistema Nacional de Ciência e Tecno-
de outras ações, o atendimento aos povos indígenas efetivar- logia, nos termos da legislação específica.
se-á, nas universidades públicas e privadas, mediante a oferta
de ensino e de assistência estudantil, assim como de estímulo à TÍTULO IX
pesquisa e desenvolvimento de programas especiais. (Incluído DAS DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS
pela Lei nº 12.416, de 2011)
Art. 79-A. (VETADO) (Incluído pela Lei nº 10.639, de 9.1.2003) Art. 87. É instituída a Década da Educação, a iniciar-se um
Art. 79-B. O calendário escolar incluirá o dia 20 de novembro ano a partir da publicação desta Lei.
como ‘Dia Nacional da Consciência Negra’. (Incluído pela Lei nº § 1º A União, no prazo de um ano a partir da publicação desta
10.639, de 9.1.2003) Lei, encaminhará, ao Congresso Nacional, o Plano Nacional de
Art. 80. O Poder Público incentivará o desenvolvimento e a
Educação, com diretrizes e metas para os dez anos seguintes, em
veiculação de programas de ensino a distância, em todos os ní-
sintonia com a Declaração Mundial sobre Educação para Todos.
veis e modalidades de ensino, e de educação continuada. (Regu-
§ 2º (Revogado). (Redação dada pela lei nº 12.796, de 2013)
lamento) (Regulamento)
§ 3o O Distrito Federal, cada Estado e Município, e,
§ 1º A educação a distância, organizada com abertura e
regime especiais, será oferecida por instituições especificamente supletivamente, a União, devem: (Redação dada pela Lei nº
credenciadas pela União. 11.330, de 2006)
§ 2º A União regulamentará os requisitos para a realização I - (revogado); (Redação dada pela lei nº 12.796, de 2013)
de exames e registro de diploma relativos a cursos de educação a) (Revogado) (Redação dada pela Lei nº 11.274, de 2006)
a distância. b) (Revogado) (Redação dada pela Lei nº 11.274, de 2006)
§ 3º As normas para produção, controle e avaliação de c) (Revogado) (Redação dada pela Lei nº 11.274, de 2006)
programas de educação a distância e a autorização para sua II - prover cursos presenciais ou a distância aos jovens e adul-
implementação, caberão aos respectivos sistemas de ensino, tos insuficientemente escolarizados;
podendo haver cooperação e integração entre os diferentes III - realizar programas de capacitação para todos os profes-
sistemas. (Regulamento) sores em exercício, utilizando também, para isto, os recursos da
§ 4º A educação a distância gozará de tratamento educação a distância;
diferenciado, que incluirá: IV - integrar todos os estabelecimentos de ensino fundamen-
I - custos de transmissão reduzidos em canais comerciais de tal do seu território ao sistema nacional de avaliação do rendi-
radiodifusão sonora e de sons e imagens e em outros meios de mento escolar.
comunicação que sejam explorados mediante autorização, con- § 4º (Revogado). (Redação dada pela lei nº 12.796, de 2013)
cessão ou permissão do poder público; (Redação dada pela Lei nº § 5º Serão conjugados todos os esforços objetivando a
12.603, de 2012) progressão das redes escolares públicas urbanas de ensino
II - concessão de canais com finalidades exclusivamente edu- fundamental para o regime de escolas de tempo integral.
cativas; § 6º A assistência financeira da União aos Estados, ao Distrito
III - reserva de tempo mínimo, sem ônus para o Poder Públi- Federal e aos Municípios, bem como a dos Estados aos seus
co, pelos concessionários de canais comerciais. Municípios, ficam condicionadas ao cumprimento do art. 212
Art. 81. É permitida a organização de cursos ou instituições da Constituição Federal e dispositivos legais pertinentes pelos
de ensino experimentais, desde que obedecidas as disposições governos beneficiados.
desta Lei.
Art. 87-A. (VETADO). (Incluído pela lei nº 12.796, de 2013)
Art. 82. Os sistemas de ensino estabelecerão as normas de
Art. 88. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municí-
realização de estágio em sua jurisdição, observada a lei federal
pios adaptarão sua legislação educacional e de ensino às disposi-
sobre a matéria. (Redação dada pela Lei nº 11.788, de 2008)
ções desta Lei no prazo máximo de um ano, a partir da data de sua
Parágrafo único. (Revogado). (Redação dada pela Lei nº
11.788, de 2008) publicação. (Regulamento) (Regulamento)
Art. 83. O ensino militar é regulado em lei específica, admi- § 1º As instituições educacionais adaptarão seus estatutos e
tida a equivalência de estudos, de acordo com as normas fixadas regimentos aos dispositivos desta Lei e às normas dos respectivos
pelos sistemas de ensino. sistemas de ensino, nos prazos por estes estabelecidos.
Art. 84. Os discentes da educação superior poderão ser apro- § 2º O prazo para que as universidades cumpram o disposto
veitados em tarefas de ensino e pesquisa pelas respectivas ins- nos incisos II e III do art. 52 é de oito anos.
tituições, exercendo funções de monitoria, de acordo com seu Art. 89. As creches e pré-escolas existentes ou que venham a
rendimento e seu plano de estudos. ser criadas deverão, no prazo de três anos, a contar da publicação
Art. 85. Qualquer cidadão habilitado com a titulação própria desta Lei, integrar-se ao respectivo sistema de ensino.
poderá exigir a abertura de concurso público de provas e títulos Art. 90. As questões suscitadas na transição entre o regime
para cargo de docente de instituição pública de ensino que esti- anterior e o que se institui nesta Lei serão resolvidas pelo Conse-
ver sendo ocupado por professor não concursado, por mais de lho Nacional de Educação ou, mediante delegação deste, pelos
seis anos, ressalvados os direitos assegurados pelos arts. 41 da órgãos normativos dos sistemas de ensino, preservada a autono-
Constituição Federal e 19 do Ato das Disposições Constitucionais mia universitária.
Transitórias. Art. 91. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

15
LEGISLAÇÃO

Art. 92. Revogam-se as disposições das Leis nºs 4.024, de Art. 208. O dever do Estado com a educação será efetivado
20 de dezembro de 1961, e 5.540, de 28 de novembro de 1968, mediante a garantia de:
não alteradas pelas Leis nºs 9.131, de 24 de novembro de 1995 I - educação básica obrigatória e gratuita dos 4 (quatro) aos
e 9.192, de 21 de dezembro de 1995 e, ainda, as Leis nºs 5.692, 17 (dezessete) anos de idade, assegurada inclusive sua oferta gra-
de 11 de agosto de 1971 e 7.044, de 18 de outubro de 1982, e as tuita para todos os que a ela não tiveram acesso na idade própria;
demais leis e decretos-lei que as modificaram e quaisquer outras (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 59, de 2009) (Vide
disposições em contrário. Emenda Constitucional nº 59, de 2009)
Brasília, 20 de dezembro de 1996; 175º da Independência e II - progressiva universalização do ensino médio gratuito; (Re-
108º da República. dação dada pela Emenda Constitucional nº 14, de 1996)
FERNANDO HENRIQUE CARDOSO III - atendimento educacional especializado aos portadores
de deficiência, preferencialmente na rede regular de ensino;
IV - educação infantil, em creche e pré-escola, às crianças até
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRA- 5 (cinco) anos de idade; (Redação dada pela Emenda Constitucio-
SIL. BRASÍLIA, CAPÍTULO III, SEÇÃO I, 1988. nal nº 53, de 2006)
V - acesso aos níveis mais elevados do ensino, da pesquisa e
da criação artística, segundo a capacidade de cada um;
CAPÍTULO III
DA EDUCAÇÃO, DA CULTURA E DO DESPORTO VI - oferta de ensino noturno regular, adequado às condições
SEÇÃO I do educando;
DA EDUCAÇÃO VII - atendimento ao educando, em todas as etapas da edu-
cação básica, por meio de programas suplementares de material