Вы находитесь на странице: 1из 33

n vAV II lu 6 I I I I ¦ S.

'"'¦ tf;"

DO

CHAHOT O^IEUTE DO BftAXIt


:¦.** FM

í -

. ¦... *%|L

DA

Maçonaria Brazileira
PUBLICAÇÃO MENSAL ¦
-V

¦f

:S
. Redactor em Chefe: ,; r

l
Ü GH.-. SECR.-. GER.-. DA ORDEM
Jll

N. 1—15° ANNO.
AHÇ9
^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^

r':,
• *¦

. :

¦•-,-
•¦:

¦.... ...vi,#.í
'_..¦....'

- .¦¦-,• %:.:

.' - * j'

Or.-. fio Rio <Je Janeiro -;¦:¦ li


-,;=

TYPOGRAPHIA DE J. BARBOSA & 0.

I
" "
¦ ¦¦¦'\v . - *¦ ¦-' t-V .'"-.¦ ¦ .**'¦ ¦ .\ t

RUA «'AJUDA, 31

mini «»

:ví?i

¦... . -" .' ' '¦.*''•••,


. , í' ;

wt SsJfcíáJ
[ç;j(S

wm
\.

m$lâím
DO
¦
¦

GRANDE Oft|£NTE DO SRAZIt

DA

Maçonaria Brazileira
¦

PUBLICAÇÃO MENSAL

Redactor em Chefe:
O GR.-. SECR.-.
¦

GER.-. DA ORDEM *
¦
¦-

W. 1—15° ANNO.
m. m

4 :' :#4.i

-1

Or.-. do Rio de Janeiro


TYPOGRAPHIA DE J. BARBOSA & C.
RV/1 irAJUDA, SI
¦¦"'¦ ' v '" '¦¦¦

íè90 <V.-.)
(8.-. *¦
'.¦¦¦¦;;

';.:,'»

'
íi;
•>¦¦
.
.V

''V
-
. ._ - 9

1 "
•¦•'"
L» f

.¦¦¦:¦'

Boletim
DO

Grande Oriente do Brazil


¥*
Jornal Official da JfMaçon.: Brazileira

.1. Ü0> MUM. 15° %m$

O 8tol#$i«8.

EPOisde uma interrupção de quatro annos, acaba


o Boletim Oficial do Gr. •. Or. •. do Brazil de com-
pletar o seu primeiro anno da nova série.
Encetanto com o presente numero o seu se-
iàsÈ gundo anno, muito confia a redacção do auxilio
kV*S» de todas as AAug. •. OOff. •. e MMaç. •. recor-
dando, que a publicação do Boletim Official é de umá con-
veniencia palpitante. ¦.

A Redacção,conscia de ter envidado todos os esforços para


dar á conhecer os factos occorridos, não só no interior como
no exterior, continuará a empregar os meios para tornar
proveitosa a sua publicação.
-

¦ A Redacção.
'.*:''¦¦

¦.-< '
L :' .L

... '£>¦¦;,
,'

"* ' ' h X' '**,' '<


¦''.'''¦¦''.. • X'-1'*' ¦':.*¦;
. '.*'""¦•' ¦'¦'¦'% ' £': .;¦'."'
* ,
., , ¦ -': .
¦ 'L. «.:»¦'.¦¦,!.
..
j:í '¦ 'V' '""¦«¦£„• ¦" p -'"•.'¦
;; ¦.¦'-'.,.,' y
•¦'¦". * ¦'¦¦¦¦ <?. - -.-¦..¦
¦¦.-,'¦
,r, £'"?(-. , , , .
' •'•. ¦
¦¦¦

:¦,, .
¦

% ' ' '¦¦ '¦ 'X'v:


A Maçonaria revive

POSSE DO GR.-. MEST.-.

Na prezença de uma reunião do povo maçonieo, como ha


muitos annos não se via, tomou posse e prestou juramento do
alto cargo de Gr.-. Mest.-. Gr.-. Comm.-. da Ord.\ maçonica,
o Generalissimo Manoel Deodoro da Fonseca.
A noite de 24 de março tornou-se memorável para a Maço-
naria no Brazil.
Fora e dentro do edifício a agglomeração do povo era tal,
que a festa parecia festa nacional.
Dentro do edifício acotovelavam-se os irmãos em todas as
direcçOes, empenhados todos em prezenciar as ceremonias,
uzuaes nas festas da Ordem. *

Penetrar no templo era o maior empenho, conseguil-o a


maior das dificuldades.
O espaço não se abria, por mais hercúleo que fosse e esforço
do pretendente ; a muralha humana formara verdadeira cou-
raça.
Cuidaes que o malogrado pretendente ficava amofinado,
por não ter conseguido o seu intento? Engano ; resignava-se á
sua sorte, e elle mesmo ia engrossar a muralha, que quizera
romper, procurando unicamente conservar o lugar conquistado.
s-M Em apertos taes, é regra haver sempre uma
palavra menos
cortêz, um dito mais agudo.
• Pois bem!—Na numerosíssima reunião
do dia 24, a policia
do edifício, feita por membros provectos do Gr.*. Or.*.,-nada
teve que advertir, nada que reprimir.
A boa ordem reinou do principio ao fim da festa.
O programma para a recepção do Gr.-. Mest.'. era impo-
nente, original mesmo.
^çeremonia da recepção começaria no atrio do edifício, I
¦<¦(:¦

"*"' 'i «O

;',íiÍ'V'::
"S
.<*¦

..

onde iria recebel-o a commissão de festejos, composta de cinco


membros effectivos do Sup.-. Cous.-.
Feita a saudação apropriada ao acto, a commissão daria en-
trada ao Gr.-. Mest.-. no vestibulo do templo.
Alli aguardava-o o Sup.\ Cous.-. eucorporado com o seu
estandarte â frente, formando alas.
Os membros da commissão de festejos, unindo-se aos seus
companheiros, indicados para completarem a commissão dos
onze assisteutes ao Gr.-. Mest.-. subiriam com elle a escada,
passando por entre alas dos mais graduados Ilr.-. da Ordem,
todos muuidos de tochas e atravessando a sala dos
passos per-
didos, iustallariam o Pod.*. Gr.-. Mest.-. no salão de repouso.
Tudo isto devia passar-se a > som de musica festiva, felici-
taçOesejubilozas manifestações, mas a meiindroza saúde do
Pod.'. Gr.-. Mest, não o perinittio, com muito
pezar do povo
maçonico.
Desde que constou à commissão de festejos,
que o Gr.'.
Mest.-. declinava, por motivos muito justos, de pompas ruido*
zas, dispensou-as.
Sabida a chegada do Generalissimo à saia do repouso, deo
se pressão Gr.-. Mest.-. Adj.-. em abrir os trabalhos, no
gráo
de aprendiz, conforme o ritual.
Preenchidas as formalidades do estilo, foi o 1° Gr.-. Mest.-.
de Cer.\ encarregado de organizar a commissão e vir à sala do
repouso, para de accordo com a commissão do Sup.'. Cous.*.f
dar entrada no templo ao Pod.'. Gr.-. Mest/.
Ao mesmo tempo que o Io Gr.-. Mest. •. de Cer. •. vinha
. ¦

desempenhar a sua commissão, o2o Gr.'. Mest.\ de Cer.'. era


encarregado de organizar a abobada de aço dobrada, as estrel-
Ias e tudo o mais que era mister para tomar brilhante a re-
'^-'¦"¦¦¦¦

cepção.
Assomando á entrada do templo o M.\ Pod.\ Gr.\ Mest.%
eleito Generalissimo Manoel Deodoro da Fonseca, desceram &
recebel-o entre ccol.-. o Gr.-. Mest.-. Adj.-., o Orad.-. eSecr.-.
e o convidaram a ir ao altar dos juramentos. ;. r
Incessante bateria de malhetes, empunhados pelo ,1° e 2*

fr
vigilantes o acompanhou, desde a entrada do templo até ao
altar.
Ajoelhado, pronunciou o Gr.-. Mest.-. eleito, o seu jura-
mento, com vóz clara e firme, como sóe fazer todo aquelle,
que
tem consciência do que jura.
Convidado a subir ao solio e a occupar a cadeira do Gram-
Mestrado, continuam os trabalhos.
De ordem do Gr.-. Mest.-. Adj.-. são advertidos os 1* e 2°
GGr.-. VVig -., para que convidem o povo raaçouico a applau-
dir, pela bateria incessante da Ord.-.. o
juramento e posse do
M.\ Pod.-. Ir.-. Gr.-. Mest.-. Gr.-. Cora.-, da Ord.-., Ma-
noel Deodoro da Fonseca.
Dado o signal ouve-se uma verdadeira trovoada de applau-
sos, vivas, todos os signaes de contentamento, erafim.
Empunhaudo, d'ali em diante, o malhete, o Gr. Mest.-.,
manda fazer convite igual ao anterior, venham ao
para que
altar dos juramentos os 1 • e 2o GGr. •. Wigil.-., afim de cum-
prirem sua obrigação.
Prestara ellos o juramento, são reconhecidos, empossados
e
applaudidos.
Acto continuo, são convidados a vir ao altar o Gr •
Orad - e
todas as outras.GGr.-. DDignid.-. eleitas,
prestam juramento
sao reconhecidos e applaudidos conforme
preceitua a lei
Diversos discursos foram pronunciados, destacando-se
o do
Sap.-. Gr.-. Mest.-. AJj.-. e o do Sap.-. Gr.-. Orad.-.
Aquelle, com a unção maçonica
que lhe conhecemos, tornou
patentes as qualidades pessoaes do Gr.-. Mest.-., felicitando
a Maçonaria, por ter á sua frente
quem, com mão firme, a po-
dia conduzir aos seus gloriosos destinos e realizar
seus iutentos.
Este, magistral na forma, elevado nos conceitos,
e feliz nas
<;onclus0es. é um Padrã0 de
gloria para a Maçonaria, pelo facto
de possuir em seu seio quem tão bem sabe expor
- maçonicas no terreno as aspirações
pratico, onde a Maçonaria tem de agir
Apanhar todos os conceitos é impossível;
• zará todos os outros. um sóJ syutheti'-
«A'Maçonaria é mister constitui-se sui^uns
; sem o que
jamais realizara seus humanitários fins, jamais será a 'W\ '

Arca, >< m

:¦>..
r - \ i >4W ¦
>/'.^;.,'\«,'V.Í;!"!'.5
«

onde possam abrigar-se do dilúvio


profano, os maçons que de
coração amam a igualdade, a fraternidade e a liberdade.»
Achando-se presente o 111.-. Ir.-. Quintino Bocayuva,
ministro das relações exteriores, o Sap. •. Ir. *. Gr. •. Orad. *.
lhe dirigio bellas palavras de saudação,
que foram enthusias-
ticamente applaudidas.
Houra ao Sap.\ Gr.-. Or.\ 1
Nas poucas palavras pronunciadas pelo Pod.*. Gr.-. Mest.'.
para agradecer os testemunhos de consideração qu \ pelo Sap. .
Gr.-. Or.-. lhe foram dispensadas, eiegeudo-o por uuauimidade
de votos, e aquelles, que lhe dava, no momento o povo maço-
nico, fez bem salientes suas intenções, assim como a largueza
de suas vistas no desempenho dos deveres do Gram mestrado.
Affirmon, de modo a não haver duvidas que, na sua mão,
o malhete da sabedoria não brilharia menos do qu? brilhou na
de Vieira da Silva,Cardoso, Saldanha e tantos outros illustres
varOes, luzeiros da nossa Subi Ord.-.
Para abrilhantar a festa, fez-se ouvir o hymno maçouico,
cantado magistralmente pelo cavalheiro Pozzi, acompanhado
ao piano pelo distiucto piauista Pedroza.
Momentos depois a mágica rabeca de Pereira da Costa, fez
ouvir, obedecendo ao fatidico arco, os mais melodiosos sons, tanto
mais vibrantes, quanto, casados com as harmonias tiradas do
piauo pelo inexcedivel Arthur Napoleão, produziram no audi-
torio verdadeira corrente electrica, capaz de abalar ainda o
ouvido o mais rebelde.
O enthusiasmo foi indescriptivel.
Os applausos, os vivas não foram regateados aos velhos
maçons, sempre promptos para abrilhantar as festas da Ordem. ¦ :¦
' -. -.

As Recordações dos Pyrineos e Nocturno de Allaid, foi a mu-


sica escolhida pelos distiiictos virtuosi, da qual tão subido par-
tido souberam tirar, pela sua opportunidade.
Não permittindo a melindrosa saúde do Generalissimo, sup-
portar por mais tempo o calor asphyxiante, que reinava notem-
pio, manifestou o desejo de retirar-se.
Declarado do altar tal desejo, recebeo acquiescencia Jferal,
- 8-

embora com a retirada do Gr/. Mest.-. a festa


perdesse muito
do seu brilho e enthusiasmo.
Descendo do solio, foi o Gr.-. Mest.-. Gr.-. Com.-, acom-
panhado, debaixo de uma chuva de palmas, bravos e vivas ató
a porta exterior do edifício,
primando todo o povo maçonico, sem
distincção de cathegorias, em dar
provas as mais evidentes da
consideração e respeito que votam ao venerando ancião.
Retirado que foi o Pod.-. Gr.-. Mest.-. e com elle o Gr.-.
Mest.-. Adj.-., continuaram os trabalhos sob o malhetedoGr.-.
Mest.-. Gr.-. Com.-. Hon.-. General Cardozo Júnior.
Este velho e respeitável maçon, um dos luzeiros
da nossa
Subi.-. Ordem, seja até alli, tinha
prestado no altar relevautes
serviços, d'ahi em diante só cabe elogial-o e agradecer-lhe. •
Todos nós, de longa data, sabemos,
que o malhete da sabedo-
na, manejado por suas mãos é manejado
por mãos de mestre
O edifício maçonico, a começar
pela entrada exterior, esteve
brilhante de luzes.
A bandeira maconica, rodeada de muitas outras,
tremulava
no logar de honra.
Folhagens e arbustos dispostos com arte cobriam
o saguão
eas escadas, iaundando-as de claridade
uma illuminacão dis-
posta por mão de artista.
; A decoração dos salões, aluando o bom à riqueza,• era
imponente. gosto
u
De mil e um detalhes teriamos ainda
que dar noticia, mas
como em cazos taes o ser breve é eer
agradável, terminamos
pela seguinte declaração:
«Todos quantos concorreram
para o brilhantismo da festa
^de 24 de março de 1890,
quer entrassem com o sea dinheiro
quer com os seus serviços, quer fazendo acto de
toram «levante serviço a Maçonaria presença, pr£
e devem estar LZ1

Capital Federal, 28 de Março de 1890.


. : »f

Nbmo. \] '¦•"¦;'<V

• ,
:-., v»,v

..•....¦: .'.'.;;vj
I

DISCURSO
PRONUNCIADO PELO POD.
IR. *.

GR.-. ORAD.-. DOGR.-. OR.*.


Wa iéu.: de posse do Gr.: Mest.:
Gr..-. Com.: e mais
funccionarios do Gr.\ Or.\

Em 24 de Março de 1890, E.\ V.:

« Ao Sup.-. Arch.-. do Univ.-.— Glorial


Ao Povo Maçouico-União e Força 1
Ao M.-. Alt.-. ePod.-. Gr.-. Mest.-. da Maçon.*.
Brazileira — Firmeza e Resolução t

Ha bem pouco tempo um lugubre acontecimento


acabru-
uhava a Maçonaria Brazileira; aquelle
que até então a pre-
sidiraeque soubera dirigir seus destinos com
mão segura e
animo resoluto, iaspirado
pela rectidão de seu espirito inveja-
velmente illustrado, e pela benevoleucia
de seu coração, onde
somente viviam e medravam sentimentos nobres
que o exalta-
vam, deixara de existir; seu espirito abandonara
a fôrma ha-
mana e acompanhado de lagrymas de sua familia,
das saudades
de seus amigos e das recordações d'aquelles
que sabem amar a
patna, a quem elle tanto se dedicou e a quem os mais
relevantes serviços, subira á prestou
presença do Gr.-. Arch.*. do
Univ.*., que o recebeu e o agasalhou,
porque viveu com
honra, amou com extremo e aprimorou seu coração
pelo cuHo
constante à virtude e ódio intransigente ao vicio!
Em presença d'esse facto, que a todos colheu de sorpreza
•. a
Maçou. ficou extatica, a dôr e a saudade embaraçaram-lbe
qualquer resolução, e para que mais se aggravasse tão dolorosa

,";'<*
/
'

10

situação, surgio contra ella de novo a aza negra da batina,


vindo das trevas para a luz,e em nome de Deus, que ensina o
amor ao próximo e o perdão de todas as faltas, declarar indigno
de preces publicas quem morrera e vivera como um justo, e
praticara em vida virtudes, que erão os perseguidores de sua
alma os próprios a proclamar.
Sentiose n'esses angustiosos momentos acabrunhada a
Maçon."., seu chefe já não vivia, e tendo procurado evitar a
luta a que era provocada insensatamente, receiava traval-a,
porque reconhecia-se para isso fraca, e ao mesmo tempo temia
que não acceitando-a, lhe atirassem a pecha de covarde.
Atravessava assim dias de indecisão a Maçon.-. quando
um facto da máxima importância, quer por seus eífeitos imme-
diatos, quer por aquelles que a elle deviam seguir-se, occorreu
em nossa Pátria.
A Monarchia cessara de existir; factos e causas accumu-
lados apressaram a proclamação da Republica, que aliás todos
esperavam para época não remota, pois que na consciência e na
razão de todos $e formara a inabalável convicção de que a
Monarchia tinha seus dias contados por aquelles que Deus per-
mittisse deixar viver o velho Imperador.
Ha muito fugi da vida politica, bem cedo convenci-me de
que essa carreira em meu paiz era um privilegio só concedido
aquelles que sabiam explorar o patronato ou curvar-se a todas
as imposições, sem indagar senão da paga, que lhes assegurava
quem as exigia.
Abandonando a carreira politica, não abandonei o interesse
e o amor extremado que sempre liguei ao futuro da minha
Pátria, e por isso ouso affirmar que se esse grandioso facto não
despertou reacção, foi porque os homens que serviram a Mo-
narchia, n'estes últimos tempos, somente souberam arruinar
todas as instituições nacionaes.
Não cahio a Monarchia por ser tyrannica, nem oppressora ;
porém, sim, porque todas as instituições que deviam concorrer
para mantel-a, foram estragadas pelos homens que audaz-
mente galgaram as mais elevadas posições, sem outro mereci-

.':

v \\
\ .;¦'

¦ ¦,¦:--.
r&v, i r:,n
¦¦¦:..¦

* /

¦
«

~11 —

mento senão — ou a ambição que cega, ou o patronato que


avilta.
Se me fosse permittido biographar u'eate momento a vida
do ex-Imperador, eu chegaria, sem receio de coutestação séria,
a afirmar que muito deve este Paiz ao seu dedicado e extremoso
amor de filho, e que se peccou foi por fraqueza de seu espirito,
antes preparado para as disputas scientificas, que exigem só o
concurso da razão ; do que para as lutas de governo, que exi-
gem o concurso da vontade, que quer e sabe querer.
Logo após a queda da Monarchia surgio com applauso de
todos um Governo, cujo chefe pelo seu levantado espirito edu-
cado fora das lutas políticas, que a todos haviam estragado,
pelo seu amor â Pátria, provado em tantas batalhas em que seu
sangue e sua bravura empenharam-se em defeza da honra na-
cional, soube immediatamente cercar-se da confiança publica,
inspirando a todos a segurança de vida, de liberdade e de
direitos, e assegurando a integridade e a grandeza da Pátria.
Esse chefe valoroso, a quem a Pátria entregou confiadamente
•.
seu destino, devia também, como obreiro que era da Ord. Ma-
con.*., receber o malhete da sua suprema direcção e levantal-a
do abatimento em que a têm feito jazer as perseguições de uns
e a indifferença de outros.
os motivos da vossa unanime eleição, Sap. *. e
Foram esses
Pod. •. Ir. •. Gr. •. Mest. *., e se elles vos honram, mais honram
a Maçon.-., porque em um prazo que não é longo, graças
a vós, entre a vossa acclamação e posse, a civilisação conquistou
em dias neste paiz o que não lhe deram annos de lutas este-
reis de um parlamentarismo, creado nos estreitos limites de
campanário e educado sob as influencias de governos, que vi-
veram antes pela corrupção do que pelo desejo de elevar a Pa-
tria pela grandeza das suas idéas e pela indepeudencia dos seus
actos.
Graças a vós, Pod.-. Ir.*., a assembléa que presidis hoje,
'
f.
somente compOe-se de Brazileiros.
Éramos irmãos todos, mas separavam-nos nacionalidades ;
éramos irmãos todos, mas nossas mais não eram as mesmas ;
-í ^ .
•¦¦'-¦ :

¦'12

éramos irmãos todos, mas erainoa estrangeiros uns para os


outros I
Todas essas distincções desappareceram ; graças a vós,
Pod.'. Ir.*., todos hoje temos uma utiica nacionalidade, todos
somos brazilèiros, filhos de uma nação grande e que ha de ser
poderosa, porque n'ella ha caracteres como o vosso, que sabem
amar a liberdade sem consentir os exageros da anarchia, que
proclamam a igualdade sem deixar que a estraguem os desvarios
dos communistas e dos socialistas, que sustentam e defendem
a fraternidade sem permittir o nivelamento dos homens e o es-
quecimento das distincções hierarchicas, seguros elementos da
paz e da ordem sociaes. *

Gaças a vós, o Brazil é hoje tão grande como Nação, que


recebe em seu seio como filhos a todos aquelles, que amando-o,
haviam aqui creado familia e a quem, se o destino não concede
repousar na mesma terra onde como primeira palavra pronun-
ciaram o doce nome de mãi, Deus concede lhes descansar na
terra da Pátria, onde embalando um berço ouviram o santo
nome de pai.
Graças a vós, Pod.•. Ir.\, cessaram as lutas constantes e
intermináveis entre a Igreja e o Estado, à aqueila hoje será
impossível dominar á este; distincções de religião não farão mais
como até aqui — brasileiros estrangeiros em sua própria Pátria,
privando-os do exercicio dos cargos públicos e vedando-lhes a
carreira politica.
Graças a vós, Pod.*. Ir.\, a familia constitue-se sem imme-
diata dependência da Igreja, distincções da religião não obrU
gam mais a renuncias de crenças que infamam, nem a abju-
rações, que não são nem podem ser sinceras, porque são for-
çadas e impostas, nem mais se podem exigir que se transmit-
tam aos filhos as idéas religiosas, como se transmittem os vicios
da constituição paterna.
Graças a vós... Mas, para que proseguir? Não estão na
consciência e na memória de todos os factos grandiosos
para a
nossa Pátria que succedem-se sob vosso governo ?
O Supí. •. Arch. •. do Univ. •. aprouve conceder-vos a di-

•>. i.
13

recção d'esta Instituição, que para elevar-se n'este Paiz só es-


pera uma vontade enérgica como a vossa.
Ahi tendes o primeiro malhete da Maçon. •., desempenhando
os encargos que elle impOe-vos, sede o que até hoje sois no go-
verno da nossa Pátria — um homem de bem, cuja consciência
pura sólsabe inspirar-se nos sentimentos da Justiça.
Começai vossa missão entre nós, em nome da Maçon.'. eu
vos imploro, dando a esta grande Instituição o direito de viver
ás claras, coucedendo-lhe personalidade apta a comparecer pe-
rante as autoridades constituídas e ahi reclamar e defender
os seus direitos.
Prosegui depois com passo seguro no caminho da sua re-
geueração, e em bem pouco tempo, assim como a Nação Brazi-
leira já vos proclama seu valoroso salvador, também a Maçon.*.
vos acclamará seu regenerador.
O Gr. •. Arch. •. do Uuiv. •. assim o permitta, e ouça agora,
como sempre, a acciamação, expontânea que parte n'este mo-
mento do Povo Maçonico, clamando
— Viva o Geueralissimo Manoel Deodoro da Fonseca, M.-.
Alt. •. e Pod. •. Gr.\ Mest. • .da Maçonaria Brazileira !

Ç\"
14

Secção Official

ií¥^\h

ACTOS DO SOB.-. GR.-. MESTRE ADJ.\

DO MEZ DE FEVEREIRO DE 1890 E. •. V. •.


24 de Fevereiro. — Nomeiou uma Comm.-. especial para syn-
dicar de irregularidades, e actos contrários ás leis
praticados pela Off.-. Reunião Beneficente.
28 de Fevereiro. — Nomeiou nosso Gr. •. Repres. •. no seio do
Gr.-. Or.-. de Franca o Pod.-. Ir.-. 33.-. Thulié.

DECRETO N. 74:
Nós, Generalissimo Manuel Deodoro da Fonseca, Chefe do Go-
verno Provisório dos Estados Unidos do Brazil, Sob.-.
Gr. •. Mestr. •. Gr. •. Com. •. da Ord. ¦. Maçou. •. no
Brazil:
FAZEMOS SABER á todas as AAug. •. LLoj. •., SSub. •.
CCap. •. e MMaç. •. da nossa jurisdicção, para a devida intel-
ligencia que o Sap. •. Gr. •. Or. •. do Brazil;
Considerando os relevantes serviços que à Inst. •. Maçon. \.
tem prestado a Aug. •, e Resp. •. Loj. •. Cap. •. Independen-
— 15-

^^ Estad° d° ™ «• J—»,
no exereidT.0'-
exercício e prat.ca
7 V*™*de actos humanitários •
Considerando o desvelo e
sollicitude qúe distinguem
os
ua propaganda das doutrinas
maçonicas •
aa peia mesma Loj.-. na creação
de escholas, o que cons

ajpaar sr ata: eü r£
adorna seSs5o ordinária
de 20 de Março de 1890, K y • !
t

RESOLUÇÃO:
Artigo Único. - A Aug. -. e
Resp. •. LoiJ' * ' Can TIn*
dependência e Luz ao O^ . ' a» tj p*
Bwa \rMansa' Esta*> do Rio
de Janeiro Irli I'

aos outros títulos â


q„e tem direito por ei e c„l T T
«•atada em todos os actos officiaes • Or - CCL
«Super,, da Ord,. eOOff,. pelo't '"•'•
da jurisdição "
°Z ^Ger1" "nV,' ***» A"t0ni° M^d°
Gr.° H «*.

r L;r ° - dia s *&£££


Dado e traçado na Gr.-. Secret.-
r&t r25
^. . 58Ü0 25 de Março de 1890 r;> Ger • rl« n^ *r

E. • V '
¥<moe/ Deodoro da Fonseca, 33. •
Sob.-. Gr.-. Mestiv. Gr.-.
Com.-. daOrd.-.
Rodrigo Antônio Machado Reis, .
Gr.-. Seciv.
33
Ger.-. da Ord.-.
Mo Francisco da Costa Ferreira •*
Gr.-.
??
Ohanc.-.G.-. S.-. ? lM:
r-, ^m

16

ne Oiiei to Brazil t .-

da sessão ordinária em «O de Marco de 18»0


Extraeto
E.-. V,-.
do Pod.: Ir.-. 33.'., Visconde de Jary, Gr:
Presidência
Mestr.'. Ady'.
de Poderes apresentou pareceres, reconhe-
A 111.-. Comm.-.
effectivos do Sap.-. Gr.-. Or.-., para o
cendo 128 membros •. *j ,
corrente anno Maçou. «mdo ^^
em
Ct»m juramento os membros presentes; o que Gr. . Or. . e
numero legal, o Sap.-. declara constituído
aberta a Sessão. L , .
antecedente.
E* lida e approvada a acta da sessão começo aos trabalhos
E» proposto e approvado que se dê devem
dos gU-.-. DDignit.-. e OOffic.-. que
pela eleição anno Maçon. •.
servir no corrente .
Procede-se à referida eleição e são eleitos
Honorio Pinto Pereira de Magalhães 33.-.
1«liW Vig.-. tar óó. •.
•. Coelho Ba
2° Gr. •. Vig. Manoel Ferreira
àà.'.
Gr- Orad.-. Dr. Josino do Nascimentoi Silva Pitanga^33.-.
Adj.-. Dr. Olympio A de Souza
Gr--*Orad.-. Pin o Machado33. .
•.
Gr. Secr.-. Adj.-. Joaquim Bernardino
-. José Luiz Fernandes Villela,33. .
Gr Thes.-. Adj.-. •.
Ferreira 3d.
Gr! •. Chanc. João Francisco da Costa
Gr.-. Hosp.'. Antonio Joaquim da RozaBxptjsta3d. Belart 33. .
1- Gr.-. Mest.-. de Cerem.-. João Emílio
-. de Cerem.-. Francisco Manoel Garcia àô. .
2°Gr Mest.-. •.
• Exp. •. Cândido José de Mendonça 13.
1» Gr 30.-.
2.° Gr.-. Exp.-. Luiz Carlosde Souza Pinto
•. Francisco Antonio de Souza Campos 30. .
Gr.-. Arch. 7. •.
•. •. de Carvalho
Gr. Cobr. Antonio José Rodrigues
EXPEDIENTE
Progresso Itaquiense, Caridade Sanf
PPr.-.das OOff.-.
Branco, e do Gr.-. Or.-. Luzitano Unido, Gr.-.
Annense, Rio •. da Hangna dando
Or.-.deVrançaeGr.-.Loj.-. Symb.
do-Pod.-. Ir.'. Gr.-. Mest. .
pezames pelo fallecimento
Visconde Vieira da Silva. Agradeça-se.
-. • .que o Pod.. .. lt. .
Communicou o lr.-. Gr, Secr.
-. indultou o Maç.-. 33.-. Antonio Lázaro d Uli-
Gr Mest.-. •.
veira Leitão, conforme o Decr. jâ publicado.
" *) Serão mencionados em quadro especial.

... , í4-:; Id* ¦¦¦¦¦ '

- J7

O Sap.-. Gr.-. Or.#. resolve revogar o art. 5.° da reg-u


lamento de policia.
Approva, sob parecer da 111.•. Comm.-. competente o orça-
mento da receita e despeza para o corrente anno maçon.'.,
com a emenda apresentada. **)
Approva as eleições geraes para o corrente anno da Sap. •.
Gr.-. Loj.-. Centr.-., do Sub.#. Gr.-. Cap.-. do Rit.-. Mod.'.
e do Sub.-. Gr.-. Cap. •. Noach. ., reconhecendo como GGr.'.
VVeu.-.: da Ia, oPod.-.Ir. -. 33.'. Antônio Leite Ribeiro; do
2o, o Sap. .Ir.-. 7.-. Henrique V. H. Dunham edo 3.° o Sap.'.
Ir. •. 13-. • Carlos Adolpho Borges Corrêa de Sá.
Autoriza á alguns OObr.-. da Off.-. Amor á Virtude
?.
(adormecida) ao Or. da Franca, á fazerem doação á Intenden-
cia Municipal d'aquelle Or.'. do edifício em ruiuas em que
funccionava a Off. •., para o estabelecimento de um collegio
para meninos pobres.
Resolve uma cousulta da Beuem.-. Off.'. Renascença, ao
Or.'. de Belém.
Resolve um pedido da Sap. •. Or. •. Loj. •. de S. Paulo.
Confere o til.-. deBenem.-. da Ord.-. á Aug.-. Loj.-. Cap.-.
Independência e Luz, ao Or.-. da Barra Mansa.
Approva os balancetes do Gr.-. Thes.-. Ger.-.e Gr.-.
Hosp.'. correspondentes ao semestre de Setembro de 1889 à
Fevereiro de 1890.
Resolve sobre uma representação da Aug.-. Loj.\ Abrigo
da Humanidade, aoOr.-. de S. Salvador.
Estando esgotada a hora, foram os trabalhos encerrados.

Gemi
ti

Extracto da Assembléa de 1 de Março de 1890, E.*. V.*.


Pod.-. Ir.-. Paulo Fernandes Vianna
Presidência do
Presentes os PPod. •. Ilr. •. MMembr. •. EEff. •. e HHon. •.
assignados no respectivo livro, foram abertos os trabalhos.
Foi lida e approvada a acta da ultima Assembl.-.
EXPEDIENTE
PPránch.'. dos SSupr.'. CCons.-. da Republica Domiuicanà
e Centro Americano, dando pezamespelofallecimentodo Gr.-.
Com.-. Visconde Vieira da Silva.— Agradeça-se.
•*) Vae
publicado em outra parte.

\
\

18

Pranch.*. do Supr.-. Cons. -. de França, communicando o


fallecimeuto do Pod.-. Ir.-. Eugène Charles Berard, Gr.-.
Chanc. •., Secret. •. Ger. •. — Recebida com pezar.
Pranch.*. do Supr.-. Cons.-. de Colon, felicitando o Sup.-.
Cons.'. do Brazil.— Agradeça-se.
E' approvada a elevação aos •. 32.'. e33.-.do Ir.-.
*Senra, ggr.
Dr. José Maria Moreira do Subi.-. Cap.-. Estrella do
Rio; nos ggr.-. 31.*., 32.-. e 33.*. do Ir.-. Antônio José
Gomes Brandão do Subi.-. Cap.-. Silencio e Francisco C.
Ferreira Lima, do Subi.-. Cap.*. Dous de Dezembro.
Foi encerrada a Assembl. •.

Entrado da Àssembléa extraordinária de 1S de Março de


1890, E.-. V.-.

Presidência do Pod.\ Ir.\ Paulo Fernandes Yianna


Presentes os PPod. *. Ilr. •. MMembr. •. EEff. •. e HHou. •. VVVj/

assignados no respectivo livro, foram abertos os trabalhos.


Foi lida e approvada a acta da ultima Àssembl. *.
EXPEDIENTE
Communicação da Secret.*. Ger.-. da Ord.-. de ter o Sob.*.
Gr.#. Mest.*. indultado o Maç.-. 33.-. Antônio Lázaro de
Oliveira Leitão, conforme o Decr.-. publicado.
Communicação de estar marcado o dia 24 do corrente para
a Àssembléa do Povo Maçonico para a posse do Gr. -. Mest. •.
eleito.
E'approvada a proposta para a concessão do Tit.\ de
Membr.*. Hon.-. ao Pod.-. Ir.-. 33.-. Dr. Carlos Reis,
Io Gr.#. Vig.*. da Gr.-. Loj.-. de S. Paulo.
Procede-se á eleição das DDignid.*. para o corrente anno
maç.*. e são eleitos :
Minist.'. d'Est.-. — Honorio Pinto Pereira de Magalhães.
Secret. •-. Adj.-.— Theodoro Fiel de Souza Lobo.
Gr. -. Chanc. •. — José Luiz Fernandes Villela.
Gr. -. Mest.-. de CCer.-.—Bernardo Teixeira de Magalhães
Bastos.
Gr.#. Cap.*. das Guardas —Cândido Alves da Silva Porto.
'
i ;

Gr./. Port.#. Estand.-. — Carlos A. Borges C. de Sá.


Communicação do Pod.-. Ir.-. Gr.-. Com.-, de ter sane-
cionadoa elevação ao gr.*. 33.'. conferida aos Ilr.-. Dr. José
Maria Moreira Senra, Antônio José Gomes Brandão e Fran-
cisco C. Ferreira Lima.
Encerram-se os trabalhos.
, ! *a

- 19

Grande Iâ Central
Sessão ordinária em 14 de Março de 1890 E. •. V.

Presidência do Pod.'. />.-. 33.'. Antônio Leite Ribeiro,


Gr.\ Ven.\
Achando-se reunidos os Ilr.-. inscriptos no respectivo livro
foram abertos os trabalhos.
E' lida e approvada a acta da ultima sessão.
EXPEDIENTE

Pr. •. da Benem. •. Off. •. Estrella do Rio commuuicando ter


conferido o Tit. *. de Fil.'. Livr.-. aosílr.-. Antônio Rodrigues
de Moura e Symphronio de Carvalho Silva.
Eleições. — Approva sob parecer da Ul.-. Comm.-. com-
petente,*. as eleições geraes para o corrente anno Maçon.-. das
AAug LLoj -.:
Estrella do Norte, Visconde do Rio Branco, Dous de De-
zerabro e União Escosseza, ao Or. •. do Pod. •. Centr. -.; Inde-
pendência e Luz, ao Or.-.de Barra •.Mausa; Renascença, ao
Or.-. de Belém ; Força e União, ao Or. de Novo Hamburgo e
União Constante, ao Or.-. do Ríg Grande do Sul.
Approva o sello e timbre adoptados pela Aug.-. Loj.-.
Asylo de Caridade.
Approva, sob parecer da IU.-. Comm.-. respectiva, as
eleições geraes para o corrente anno Maçon.-. dos SSub.#.
CCap.-.
União Escosseza, Estrella do Norte, Commõrcio e Phenix
Dous de Dezembro, ao Vai.-, do Pod.-. Centr.-.; Acácia, ao
Vai.#. de Nitheroy; União Constante, ao Vai.*, do Rio
Grande do Sul.
Elevações.— Sancciona a elevação ao gr. -. 18 aos Ilr. •. ;
Antonio Marques da Silva, Fraucisco José da Graça e Al-
berto Steinbach. do Subi.-. Cap.-. União Escosseza; Frede-
rico Geanini e Antonio Alves Corrêa de Lacerda, do Subi. •.
Cap. •. Estrella do Norte.
Eleva ao gr. •. 18. •. os Ilr. ¦. Bartholomeu Pereira Sudré,
Antônio do Oliveira Veiga, Eduardo Boucherles, Manoel Gon-
calvos de Souza, Antônio Joaquim Luiz Canedo, José Pereira da
Costa, Felix Aubert, Victorino Ferreira da Rocha e Eduardo
Kischeck, da Aug.-. Loj.-. Symb.*. Asylo de Caridade;
.; '

'
,~< a l
*
V

- 20 -

eleva ao gr.-. 30.-. os llr.-. Antônio José Barbosa de Castro


e Antônio Pimenta Guimarães, do Cap.-. União Escosseza e
George Beresford, da Loj. \ Asylo de Caridade.
Encerrão-seos trabalhos.

Gr: Caí: Ger: to I: Mod


Extracto da sessão ordinária em 21 de Março de 1800 E.-. V
Presidência do Sap. •. Ir. •. 7. •. José Fernandes
Ferro, decano presente.
Presentes os llr.'. inscriptos no Livro respectivo, foi aberta
a sessão.
Leu-^se e approvou-se a acta da sessão antecedente.
expediente
•. da Gr. •. Secret. •. Ger. •. da Ord. •. commii-
Pranch.
nicando ter o Sap. •. Gr. •. Or. •., em sessão de 20 do corrente,
¦. Cap. •.
approvado as eleições geraes deste Subi. para o cor-
rente auno maç,'. -r- Inteirado.
Sob parecer da Comm. •. respectiva :
Approva as eleições geraes para o corrente anno maç. •. da
Aug.'. eBenem.'*. Loj.-. Esperança de Nictheroy ao Or.-.
do Pod.'. Cent. •.
Auctorisa a Iustallacão: Re^ularisaç.'. e Filiaç.-. da
Loj.'. Prov. -. Ordem e Progresso, aoOr.-. de S. Paulo e
approva. o sello e timbre por ella adoptados.
Approva, sob parecer da 111.-. (Jomm.-. respectiva, as
eleições geraes do Subi. •. Cap. •. Imparcialidade e Caridade,
ao Vai.'. do Poder Central, para o corrente anno maç. •.
: Encprram-sç os trabalhos.

Gr, Cai. Ger


• ivvmr "¦ w— . •
18 Ca? loaci
Extraeto da sessão ordinária em 7 de Março de 1890, E.'. V.\
, Presidência do Sap.-. Ir. -. 13. -. Carlos A. B. Corrêa de
Sàf Êrr.s Ven. •.
Presentes os llr.-. inscriptos no Livro respectivo, foi
aberta a sessão.
J^eu-ae e approy;ou-se a açtift da sessão antecedente,
\

21

EXPEDIENTE

Pranch.-. da Aug.*. Loj.-. Discrição, communicando


a reintegração de um Obr.'. — Inteirada.
Eleições— Approva, sob parecer da IU.'. Comm.*.•. res-
as eleições geraes para o corrente anno maç. das
pectiva,
AAug.-. LLoj.-. Redempção, Luiz de Camões, '.Asylo da
Prudência e Discrição, ao Or.'. do•. Pod.'. Centr.
Approva, sob parecer da 111. Comm.-. respectiva, as
eleições geraes para o corrente anno maç.#. dos SSubl. \.
-. ao Vai. •. do Pod. •. Centr. •.
CCa'p. Discrição e Redempção
Encerram-se os trabalhos.

ASSEMBLÉA BO POVO MAÇON/.


EM 24 DE MARÇO DE 1890
Posse do Gr.-. Mest.-. e funccionarios do Gr.-. Or.-.
Extracto da acta
A's 8 horas da noite, presentes concurso immenso de Maçons,
o Pod.-. Ir.-. Gr.-. Mest.-. Adj.-. Visconde de Jary, assumindo
a presidência e fazendo preencher os diversos lugares, declarou
abertos os trabalhos para ser empossado o Pod.-. Ir.'. Gr.-.
Mest.-. Gr.-. Cora.*. Generalissimo Manoel Deodoro da Fon-
seca, sendo em seguida tambem empossados os funccionarios do
Gr.-. Or.\ Ordenou ao Ir.-. l.° Mest.-. de Cer.-. para ir, acompa-
nhado da Comm.-. competente, couvidar o Pod.-. Ir.-. Gr.'.
Mest.-. a vir presUr o juramentado seu alto cargo; e ao Ir.-.
2.° Mest.-. de Cer.-. para providenciar . sobre as formalidades
devidas da recepção.
Teve ingresso no Templ.'., com as devidas formalidades, o
Fod.-.Ir.*. Gr.-. Mest.-., o qual prestou juramento, foi procla-
mado e calorosamente applaudido, empunhando depois o Supr.*.
inalhete e assumindo a presidência dos trabalhos. .....
Usou da palavra o Pod.-. Ir.-. Gr.-. Mest.-. Adj.-. dirigindo
utna brilhante saudação ao Pod.-. Ir.-. Gr.'. Mest.'. Gr.;.
Com.-., salientando os seus relevantissimos serviços a Pátria
e as virtudes que o adornam; cujo discurso foi jubilosamente
applaudido. ., .
Foram em seguida empossados, com as devidas formalidades,
os Ilr.-. GGr.-. DDiginit.-. e GGr.-. OOffic.-. eleitos para o cor-
rente anno maçon.-., sendo proclamados eapplaudidos.
Concedida a palavra ao Pod.-. Ir.-. Gr.-. Orad.'. Dr. Josino
do Nascimento Silva, pronunciou este uma brilhante peça de
arch.-., que foi enthusiasticamente applaudida.
¦¦

<

'" '¦-.
2

' -<
. t.ÍA-,

;'¦',''
f

22
'¦•-,'%

Também o Pod.-.Ir.-. Orad.-. dirigio uma brilhante saudação


ao Ir.-. Quintino Bocayuva, que foi muito applaudida.
A brilhante columna da harmonia por mais de uma vez se
fez ouvir deleitando o auditório, composta dos maestros Arthur
Napoleão, Pereiraf da Costa, Pedrosa e cavalheiro Pozzi, sendo
tocado e cantado o hymno maçonico. ¦' *:

iz-^Foram offerecidos ramos de


júbilo, não só ao Pod.-. Ir.-.
Gr.-. Mest'., como n todos os Ilr.-. presentes.
O Pod.-. Ir.-, (ir.-. Mest.-.. uzando da palavra, agradeceo a
escollnr^que delle"seubavia feitopara assumir a suprema direccão
daSubl.-.Or!.-. e prometteu fazer por sua parte quanto lhe
fosse possível para o seu progresso e engrandecimento; e
dindo permissão para retirar-se em razão do estado precário pe- de
sua saúde, passou o rnalhete ao Pod.-. Ir.-. Gr.-. Mest.-. Adj.-.,
o qual convidou todos os Ilr.-. a acompanhar aquelle Pod.-. Ir.-.
até a porta do eilif.-., o que fizeram formando alas desde o
Templ.".
Foram depois reabertos os trabalhos pelo Pod.-. Ir.-. Gr.-.
Mest.-. Hon.-. General Cardoso Júnior, por se haver também
retirado o Pod.-. Ir.-.Gr.-. Mest.-. Adj.-., e sendo concedida a
palavra a diversos Ilr.-. representantes das AA.ug.-. OOff.-. do , *

Pod.-.Cent.-. para yolemnisarem a presente sess.-., d'alla fizeram


uso, sendo seus discursos applaudidos, e encerraram-se os tra-
balhos.

< *
/ . V

23 -

QUADRO DEMONSTRATIVO
DA

•. •. do Brazil no anno Maçon. •.


Receita e despeza do Gr. Or.
de 1 de Marco de 1889 a.28 de Fevereiro de 1890 E.\ V.\
i*

2° Somma
VERBAS Semestre Semestre Total
1
RECEITA
-. Centr.- 6:1200000 6:2408000 12:3608000
Alugueis das O Off.'. do Pod
Quot.'. anriuás de •. OOff.'. ei Cap.'.. 3:1538000 4:1878000 7:3408000
Jóias de reguiariz. d'OOíT. 600S000 5008000 1:1008000
•, e PPat. •... 4:1418000 5:0048000 9:1i5«000
Jóias de GGr. \, BBrev
Dividendo de acções da Gl.\ do .Lavradio.... 1:2(508000 1:2608000 2:5208000
Donativos das OOff. \do Pod.-. üentr.;. 9238750
9238750
para as victimas de Campinas e Santos 1:5058000 7400000 2:2458000
Assignaturas do «Boletim» 6968000
Leis e ftituaes 4018000 2928000
Juros de dinheiro em c/c no Banco 240S400 0 2408400
Receita eventual 3158030 5308800 845ÍI830
Donativos das OOff.'. do Pod.'. üentr.'
para o dote da filha do finado Gr. \ Mest.'. 1:6008000 1:6008000
Visconde Vieira da Silva 4168000
Donativos para pensão á viuva do mesmo... 4168000
Rs 18:0628180 20:7698800 39-43189O0

DESPEZA
Aluguel do Edifício 4:5008000 4:5008000 9:0008000
Illuminação e despezas 6588210 6648100 1:3228310
Ordenados de empregados •.... 4:9808000 4:9808000 9:9608000
Exped. • da Gr.'. Secret.-. e Thesour. 1:2798'M> 8108070 2:0898350
Pensões a IIr.\, Viuvas e Orphãos 4:1868000 4:3368000 8:5228000
Beneficencias do Gr.-.*. Mest.- 8408000 1508000 9908000
Beneficencias do Gr. Or. 4528150 1:2828580 1:7348730
Donativos ás victimas de Campinas e Santos. 1:0508000 8 1:0508000
Impressão do «Boletim» e despezas ... 5358100 .7688460 1:3038560
Despeza eventual 1.-0800000 9458220 1:9758220
Por conta•, do dote á filha do finado Gr.-. 2:0008000 2:0008000
Mest. Visconde Vieira da Silva 6008000 6008000
Pensão de 3 mezes á viuva do mesmo.. ......
Rs 19:5108740 21:0368430140:5478170

RESUMO

Importância da receita do anno 39:4318980


Idem da despeza 40:5470170
Déficit, supprido pelo Patrimônio. 1:1158190

V
f i - --um*:,, ¦?*¦

¦.¦¦,. *¦*
/¦¦"¦';¦:¦¦',¦ <**

24 - «Il *
?/

ORÇAMEISrTO

0 Sap.-. Gr.-. Or.-. em Sessão de 20 de Março de 1890


E.-. V.-.approvou o seguinte orçamento de sua receita
e despeza para o anno de 1890 á 1891, E.\ V.-.,
A saber: :

Receita
Alugueis das OOff.-. do Pod.-. Centr.-. 14:400$000
Quotas annuas das LLoj.-. e CCap.-. 9:000$000
Jóias de GGr. ., BBrev.-. ePPat...... ' 8:000$000
Dividendo de Acções da Sociedade Gl.\
do Lavradio 2:5208000
Assignaturas do Boletim 3:100#000
Receita eventual 2;500#000 39:5208000
Despeza
Aluguel do edifício 9:000)5000
Illumiuação e despezas .. 1:6008000
Expediente da Secret.-. e Thesour'. 2:600j!000
rdenados dos empregados
Da Secret.- 5:400#000
CCobr.-.e Servente.... 4:5608000 9:960$000
Pensões 9:000$000
Soccorros eventuaes :
Do Sap.-. Gr.-. Mestr.- 1:5008000
Do Sap.. -.Gr.-. Or. 1:5001000
Impressões do Boletim, inclusive diV-
pendios 2:100$000
Despeza eventual ...'..*.'.'.'.' .*.'.'.'.'.'.'.'' 2:2608000
j
Rs 39:520$000

¦
-.:'-
.;

'V... ¦ A- '•'-
> i., H i íSê
l í-ífi ¦ i ; ;íííkíèÚ:í ¦• ' w. -", ttó-< c'.«.f; í ¦
' '"'-'7-'74-
> *' *¦*# *!>"""' '''.*%:-*'' . -4 <¦*"* ¦;'¦¦/. .' .:¦•'*¦, .* " ,.. '( i L : i
¦.-'-¦'' 'V' ;
:^ 'V
'','"'¦;:
7 -í --'¦""' X"'

v ;¦ V %
•V,*/'/j''* 7.;.* / ¦; ;jU- -
-' , 7 • '
'
¦

- 25 -
H

Gr. M¥*rt.\ mie, têm tido a Ordem no Brazil


Annos
a 1822
V ConselheirofJoséIBonifacio de Andrada e Silva 1821 a 1WI
•2/ S. M. o Imperador D Pedro I ..........,. W
a 838
3/ Conselheiro José Bonifácio de Andrada e Silva 831 a 85U
4> Conselheiro Visconde de Albuquerque 838
a 18bd
&.• Conselheiro Marquez de Abrantes 1850
»
6/ Barão de Cayrú.......... .... • - • • • JgP BÈ
a 870
7/ Conselheiro Joaqu-m Marcelliuo de Brito.... 8j» a 188U
8 • Conselheiro Visconde do Rio Branco 1870
9> Conselheiro Joaquim Saldanha Marinho (no »
i.J ¦* vai. . Benedictino) y ...-/•;" ''". M
188o ||
a 188D
10. Conselheiro Francisco José Cardoso Júnior...

GGr.-. MMestr.-. HHonor.-.


• Jorge V, ex-rei de Hauover, ex-Gr.-. Mest.-. daex-
1 S. M.
tinctaGr.-. Loj.-. deHauover.
Conde de Paraty, ex-Gr.-. Mest.-. do Gr'. Or.-. Luzitano
2.»
• Melliuet, ex-Gr.•. Mest-' , do Gr.•. Or.-. de França.
3 General Char-
4/Alberto Pike,Gr.-. Com.-, do Supr.-. Cons.'. de
leston.
Dr. Joaquim Saldanha Marinho, ex-Gr.'. Mest.-.
5.» Cons.0
do Gr.-. Or.-. dos Benedictinos. -.Mest..'. Adj.'. do
«.•Conselheiro Barão de S. Felix, ex-Gr
Gr.-. Or : dos Benedictinos. • Mest. •.
ex-Gr-'
7.» Conselheiro Francisco José Cardoso Júnior,
do Gr.-. Or.-. do Lavradio.
8.° Visconde de Jary.
9.° Paulo Fernandes Viauua.

Mo Mestrado actaal da Ord.*.


•. •. Gr. •. Com. •. Generalissimo Manoel Deodoro da
Gr. Mest.
Fonseca. 33.-. ,
Visconde de
,
Gr.-.M.-. Adj.-. Lug.'.Ten.-.—Conselheiro

do Gr. . Mest/. - José Antônio d'01iveira


Repres. /Part.;.
Moraes,r 33.-.

7
- 26 _

Administração actual do Gr.-. Or.-.


Gr.'. Mest.-. Gr,-. Cj:n.\ — Geueralissiun Manoel Deodoro
da Fonseca, 33. •.
Gr.-. Mest. •. Adj. •. -- Conselheiro Visconde de Jary 33. •
Repres.-. part.-. do Gr. •. Mest. •. — José Antônio d'Oliveira
Moraes, 33. •.
l°Gr.-. Vig.-. - Honorio Pinto Pereira de Magalhães 33 •
2o Gr.-. Vig.-. - Manoel Ferreira Coelho Balthar, 33. •.
Gr.-.Orad.-.Adj.-. -Dr. Olympio Adolpln Souza Pitanga, 33.-.
Gr.-. Secr.-. Ger.;. —Rodrigo Antônio Machado Reis, 33.-.
Gr.-. Secr.-. Adj.-. — Commendador Joaquim Beruardiuo
PintoMnchado, 33.-.
Gr.-. Thes.-. — José Fernandes Moura, 33.-.
Gr.-. Thes.-. Adj.-. —José Luiz Fernandes Villela, 33, •.
Gr.-. Chanc. —João Francisco da Costa Ferreira, 33.-.
Gr.: Hosp.•.— Antônio Joaquim da Rosa Baptista} 33.•.
Io Gr. •. Exp. •. — Cândido José de Mendouca, 30. ¦.
2o Gr.-. E*p.-. —Luiz Carlos de Souza Pinto; 30.-.
Io Gr.-. Mest.-. de Cer.-. - João Emilio Belart, 33.-.
2° Gr. •. Mest. ¦. de Cer. •. — Francisco Manoel Garcia, 33. •.
Gr.-. Arch.-. - Francisco Antônio de Souza Campos, 30.-.
Gr. •. Cobr. -. — Antônio José Rodrigues de Carvalho', 7. •.

Administração actual do Sup.-. Cons.-. do Gr.-. 33.-.


Gr. •. Com. •. Generalissimo Manoel Deodoro da Fonseca
Lug. •. Ten. •. Com. •. — Visconde de Jary.
Min. -. d'Est.-. — Honorio Pinto Pereira de Magalhães.
Gr.-.Secr.-.do Sant.-.Imp.-. -Rodrigo Antônio Machado Reis
Gr.- Secr- Adj.-. do Sant.-. Imp.-. - Theodoro Fiel
de
Souza Lobo.
Gr. -. Thesour. •. - José Fernandes Moura.
Gr.-. Chanc. •.— José Luiz Fernandes Villela.
Gr. •. Mestr.-. de Cer. •. -Bernardo T. Magalhães Bastos.
•. Gap. •. das Guard. •.
Jjr. •. Caudido Alves da Silva Porto.
Gr. Port.-. Est. •. — Carlos A. Borges Corrêa de
Sá.
Membros effectivos
1.° Conselheiro Paulo Fernandes Vianua.
2.° Conselheiro Dr. Joaquim Saldanha Marinho
3/ Honorio Pinto Pereira de Magalhães.
4.» Barão de S. Felix.

\-\
'•v'
¦ - ' V
:a
;*.?-.'
V

' ¦¦' , èi.t


-27 -

5.° Dr. Josino do Nascimento Silva.


6 o Manoel Ferreira Coelho Balthar.
7*' Polvcarpo Francisco de Vasconcellos. Júnior,
8> Conselheiro Francisco José Cardoso
9.• Antônio Joaquim Queiroz de Magalhães.
de bà.
10. Carlos Adolpho Borges Corrêa
11. Luiz lunoceucio dos Reis.
12. Joaquim Patricio da Silva.Mourão.
13 Victorino Joaquim Alves
14. José Antônio de Oliveira Moraes.
•15. José Francisco Moreira da Silva.
16. Maior João Antônio d'Ávila.
17 Rodrigo Antônio Machado Reis. Bastos.
18*. Bernardo Teixeira de Magalhães ^
19. Theodoro Fiel de Souza Lobo.
20. Joaquim José Fernandes de Macedo.

23 José Luiz Fernandes Villela.


24. Conselheiro Visconde de Jary.
25. José Fernandes Moura.
26 Antônio Leite Ribeiro.
27. Cândido Alves da Silva Porto.
28. João Francisco da Costa Ferreira
29*. Barão de Paranapiacaba.
30 Antônio Joaquim da Roza Baptista.
3l' Dr Olympio A. de Souza Pitanga.da Fonseca.
32 Generalissimo Manoel Deodoro
33. Antônio José Rodrigues de Araújo.

NOTICIÁRIO
8. PaULO.- Loj,, ÇaP,. ij^M^íStóS
da
com todo o ceremonial a posse do Ven.-.
™"£2 ^VA ^Vetratô
rente anno maçonico, comde a Campos, Mg»™
tSStiSmo de alguns
*m me-
da Off.-. Dr. Américo de Ir... e
— 28 -
tantes, commissões de Hm. «
modo á Off.-., penhorarin nt?i' *' e rePresentantes, e de is-n»,
inaugurada síaeâ™ *' »"\ °° «S
ItâtZZ
companheiro L. Gaum. e da £ de seu saudoso amig-o
é

Pela Loj.-. Piratiniuga. «. ^..^

"oslífis
d«de, sendo teímÍnou a
dos Democráticos, na offerecida uma ceia «"«"i-
cóflaòs ÓT'
no Club
brindes, entre os SSffi
quae8q galdu ha M'"• T^s e enthusiasrico*
Drs. Antônio Carlos e Barao de ^rnalho
Amer
Mestre da Maconaria BríJüefraco de Sí^ e a° actuaI
P°S' Grã°:
AmerieSaccef,0;Z°!Z^ U'" ÍlluStre me°">™ da Loj,

g-nados, membros dasí ín? pelos IIr-'- abaixo assi-


A"W Romae Set^de Amizade> "alia Pirt
doSfuucoio„ar,0sdat^lZferrer|avrUT'a0
Se L'himeriC!''
&* a P°" °
1IJ?ÜSaê*em> afim de J^veu d»"finr-voa a pre-
í?í«to
«dos pelos servia patente?? VOSSão reco»^-
tenda?
.uA^r'"' 8 de que
^9» «"Srf es^uforeítW0

de h0Dra foi "•*««.


to Bei"t ao Gr,. Or,.
pe,0 Dr. Car.
*
* *

de K&™f0 X,MYPAR°GEESS°--N°
'tílAS''' **• de 24
Amizade, reunidos 31 e ResP-'- &v- Cap.
W'
Mod;. com o titulo diincti;óXemTpUma L°jV- do Rit"-
• E a primeira Off... ¦!,?, me Proffre8so».
S. Paulo. *' deste R"-'- que se erige
no Estado de ¦::,

»r ?S Befíota ™tti™° *»* dos


berte Cezar Andreini M^alhaese Mtltá
pharmaceuticc> Lam?
4u=rad°ou,r^fXe^ &0 * "**•¦ vao-se como
pela, aura*da liberdade,*™fm£# reV,?0ra'tl'
b» ,&'¦'

¦' 't/E*-:',

1*
y

29 !*£
fa

Sessões fúnebres -

Dando conhecimento da ses.-. fúnebre que celebrou a Aug.\


Off.*. «AcaciaRio Grandense,» segundo a descripção que nos foi
remettida, dirigimos louvores merecidos a esta distincta Off.-.

«Como fora deliberado tiveram lugar na noite de 18 de No-


vembro os funeraes maconh-os em honra do nosso Gr.-. Mest.** ,,-

Apezar da chuva torrencial que nessa noite cahio. compare"


ceo um numero considerável de maçons, inclusive CComm.-. das
LLoi -. «União Constante, e Philantropia, d'este Or.-.comnosco e «Rio
Branco e Honra e Humanidade,do Or.-. de Pelolas, dequeveneração e
vieram confraternisar na dolorosa homenagem
saudade que tributamos â memória do nosso pranteado dr.-.
Mest.-. Visconde Vieira da Silva. semeado de
Nosso Templ.-. totalmente revestido de luto, ia e celebrar-se,
emblemas maçon.-. análogos á cerimonia que sendo muito
apresentava um aspecto magestosamente triste, trabalho, com-
para louvar a comm.-. incumbida d'esse afanòsoFirmino Ferreira
josta dos nossos Ilr.-. Antônio Mariano Grant, Gonçalves.
Setto Manoel Joaquim Nogueira e Emílio Baptistacatafalco
Ao centro do Templ.-. erguia-se um imponente o retrato que do
se elevava a grande altura, tendo na face da frente de saudades
nosso pranteado Gr. . Mest.-. circumdado de coroas
e o dístico seguinte:
Senador Visconde Vieira da Silva,
Gr.-. Mest.*. Gr.-. Com.-, da Ord.-.Maç.-.,
fallecido a 3 de Novembro.
Choremol-o!
Nas faces lateraes do [catafalco tinha os seguintes dizeres*
o Gr.-/ Arei."-, do Un.-. o tenha em sua santa
d direita-«Que
paz! . ,
da
no seio
d esquerda-^m memória perdurara sempre saudosa
Maçon.-., que tanto glonficou! _
A's 9 horas da noite o Resp.-. Ven.-. da Loj.-. Dr. JoaoLan-
deli 33.-. dêo começo ao cerimonial fúnebre, que observando-se foi todo exe-
cutado com a devida regularidade e imponência, os* llr.\
o mais respeitoso recolhimento por parte de todos
assistentes. A ^ .
Os plang-entes accordes do órgão,executado por nosso Resp.-.
• Manoel Pinto Moreira, acompanhando os cânticos escnptos
Ir
expressamente para esta cerimonia e entoados sentimento por nossos RR.;.
R. Deboer e Joaquim F. Moreira, maior impri- ¦-*•.

II...
miram a esta solemnitlade. . .. ¦ . . _
O Resp • Ir ¦ Orad.-. da Loj.-. José Antônio da Rocha Gallo,
oceasião opportuna,levantando-se, dirigio-se junto ao túmulo
na rememorando as viry
e ahi proferio um discurso brilhantíssimo,

¦$

*
$*&¦¦
, Sr*'

r v

t \
30 -

* ^est''* c,,Ja morte pranteamos e os serviços


ííííi Benemérito
«quelle o oue
como homem políticoprestara â causa da pátria e d Mal .,
e maçon. Maçon.
Esteve inspiradissiroo o nosso Ir. •. Orad. •.
vez mais provou a fecundidade do seu taíento oup ainda nm«
ciados dotes oratórios e oi bellos eaTe- e
que possue. P
Looef ?mXlfC0m;Pp8laVrar°S-RR';vIIr/- Tib»rcio e Simões
? •rd" Re«F*'* L°J-** Philantropia deste Or.*. e o
ÍSSSiiSffi nL
bofn^
oos produziram peças d' architectnra admiráveise âm-
foram relig,osamente ouvidas e devidamente deestvlo híiA
Q
apreciada^'
Tr°nC-'' *"?««*•. foi desfribufdo
bres eZcl t 1° C°m° a pelos po-
doBeneS 11°^ "' n0SS° ?elhoi'<>""» de honrar a memória
Gr-'' Mest'*- de saudosa recordação.
Com o ó 2,^ enTCrerraram"se os trabalhos ás 10 li2
hora^X nnTa 1 *ílaf ?aZ 0SlIr'';
na?ens drSua\ín!f/r,'0S P°/terem reQdido as ho™"
eFAÇa0e respeit^á memória d'aquelle, cuja
ffimn^Ç nL7 seraPre perdurara s»ud°sa no seio da íamiliama-
çonica

* *

TAUBATE'.-AAug.*.Oftv. Triumpho, Honra


celebrou no dia 20 de Janeiro e Verdade
passndo uma sessão fúnebre, hon-
rando a memória do finado Ir.*. Gr.*. Mest.*.
Visconde Vieira da
Silva e doObr.-. doseuquad.-.SalvadorLopes
de Araújo Miranda.
Foi a sess.*. presidida pelo Ir.*. Ven.*. José
Monteiro de Queiroz
occupandoos mais lug-ares os Ilr.*. Bernardino
Bernascom, Dr. Fernando de Mattos e Oliveira Júnior, Felix
Peixoto. O Ir •*
Orad.*. Dr. Mattos, pronunciou a brilhante oração
seguinte :
«Resp.*. Mest.*. e Ilr.*. cidadãos.
manV?n? TeiIe cenotaPhio junto de nós erguido, o Densa-
mento não pode furtar-se ao deseio de Denetrar i« «a,*tf a
"ondando-os
tempos perdidos nos séculos
uhar-se pelos séculos futuros, passados e? a embre°S
perguntando si Z«mn Tl«Zl
e pensara * Nlture^a inte a"l« d
Z2T
homem, 3.',eIÍVen?
d'onde veio, pf,ra onde vai ? Sim senüüres' que é o
é, senhores <Jua'
nn^M; foi»
qual qual será o seu destino?» '
a resposta abs,irda
"S-T' P°rqUe * °°™<—™
clericãa°lL0neZt1h(lmÍttÍr V* nos daria o
«ária ,Í - ™ol-
a *JÍ& -° ?le.rical» essa aza negra da civilisacão e do Droeressn
'
V

diria nnín^,g0,da.1Íberdade e da Maternidade dos pP0vos nos "77


US dest,nou-°Para ° Paraizo, mas enví.-o
Srnqò ! para o
MSm maC°n' P^fossou a religião da ¦:.?:

c&T?dIdTZlJ2IqU?
canaade, vestiq os nus e deu o
pao á viuva, salvou da prosS*
m.' :
w
/ V
mtP
^

• t!'.t Ai., ," : fi ¦ .


c
f|:
¦ >

- 31 -

tuiçao a donzeliá « do«arçere . ..rpMojt'TpTr^So",


rante e ensinou-lhe o caminho ^hcnra^eg^tri»
rui a de, tempio o
como religião a sciencia e a ca por
por altar os corações bem formados. „enUlchro
P da Si va ante
E tal foi Luiz Antônio Vieira
materin ^^^io,
JWgJ^Ç^
nos ajoelhamos, não para tfopr.a morro, 4 um
mas para glorificarraos a memória do Grande
benemérito da Humanidade. •& „fta«»m influir
Que as noSs„s primasb'**«S^\ÇKda to
na regeneração da nossa pátria, ««WJPnt^crg também
^t^m^^f^Z . a vida do
luta. *„
Paz à sua alma na etherea mansão.

Meus Ilr,. - M»is um ^"Í^ÍTSSÍu^É


da liberdade e t
batalhadores do progresso,
PT
um de menos na liça dos c»mbate .nf . r •„ Miranda deS-

varias LLoj. . maçon. ., e lomhrpmo-nos


da desditosa

eterna é a creação. MnUife nos dèm alento

^ r soore este con„,pM„.


tSS£ W nosso j3&Ir.-.
honramos a memória do
•»A Paz â sua alma. »
a viuva do Ir,.
X
distribuídas diversas esmol.s.inclusive
i Vv.,
" Forao
4* ¦¦
'<¦"¦

Miranda.
íV:: .
V- ''"¦

)'¦¦¦;'¦

1
,-- ,
gK) v

'

7.Wlfc.t
¦:>

¦•• ' ' •


-•*•. .-'. < t l *. '.
/>"
"< '
¦,''¦¦ •"" S' . • ¦•"' k> <
!' *¦••
", {
, '.
*

¦ ?",

¦* t-m

*..

- 32

PUBLICAÇÕES RECEBIDAS
¦
#

—Agradecemos as seguintes:
—II Brazile, ns. 2 e 3.
—Boletim do Cons.-. Ger.-. Ibérico, ns. 2 e 4
—La Verdad, ns. 154, a 159.
—The Freemasor, de Janeiro e Dezembro.
—Boletim do Gr.\ Or.-. de França, ns. 9, 10 e 11.
—Proceedings ; do Supr.-. Cons.4. do Cartada, de 1889.
—Kl Oriente, de Buenos Ayres, de Fevereiro.
—Deceonario Maçonio de Habana, de Janeiro.
—Maçonic éhronicle» de New-York, de Fevereiro.
—Luz y Verdad, de Março.
—Boletim da Gr. -. Loj. \ de Andaluzia, ns. 37 e 38.
—El Or.-. Espanol, de Havana, n. 31 e 1.
—Boletim da Gr.-. Loj/. de Colón e Cuba, ns. 24, 1 e 2.
—El Oriente, de Buenos Ayres, n. 5.
—Revista Maçon.-. do Peru, ns. 97 e 98.
—Boletim Maçonico da Republica Dominicana, n. 56.
—La Acácia, de Buenos Ayres, n. Ide IV anno.

Aos 1111.*. lliv. VVen.*. das AAug.-. OOff.*.pedimos


o favor de remetter á Gr.-. Secret.-. Ger.*. da Ord.*. a
lista dos Ilr.-. de seus QQuadiv. que continuam com
a assignatura do Boletim para o corrente anno,
bem como de novos Ilr.-. que desejam nssignal-o.
s- Em
quanto não houver aviso de suspensão, con-
tinuaremos a remettel-o aos anteriores assignantes.
A Redacção.
• i

Estão impressos e à venda na Thes. *. Ger. *. da Ord. *.:


- As Guias do Rito Esc. *. dos 3 *. SSymb. •., seguido
ggr.
das SSess. *. de baptísmo, banquete, e fúnebre, que sé vendera»
por 1#000 o exemplar.
£- A Const, •. com os RRegnl. •. GGer. 21000 rs.
Guia d-j Rit. •. Mod. •. dos 3 *
*. Symb. •.... . I$000 rs.
J/}-\

Guia do Rit.-: Adonh.-. dos 3 ggr. '


Ny %,

Symb.-. 1 $000 rs.


•¦
."'.'..<.'.

•.
Cobr. dos ggr. C( •. 'ap. ggr.-.
*. do Rit. *. Adouh. *..
$500 rs.
t
_. Pede-se ásAAug.*. 00'ftV., que ainda nao mandaram a rela-
çao dos benefícios que prestaram no anno Maçon.-. Ando, fazel-o
com presteza par;* ser inserido no Boletim no
¦*

.
quad,*. respectiva.

«,'

:tm
''•'.
¦--'>•-
<y> ,:.
i*_aS% * .'¦','.*, - . • . ^¦«wa_
.¦'V

r .!¦

BOLETIM DO GR- OR.. DO BRâálL


AO VAL.% DÓ LA VRADIO

O Jornal Oficial dá Maçon. •. Brazileira, publicado por or-


dein doGr. \ Or.#.f conterá artigos originaes dogmáticos, tre-
chòs escolhidos de revistas maçonicas estrangeiras, a matéria
legislativa decretada, os extractos das sessões do Gr. •. Or.#. ç ¦¦¦ ,.->>*¦"

dos Corpos Superiores, um noticiário do que de mais importante ¦ ¦¦ ¦

occorrer nas diversas PPot. •. MMaçori. •. e a correspondência ^_fflí

do Circulo.
As paginas do Boletim são franqueadasa todos os Ilr*. que • ¦¦ •';• v«"-?,í
¦ ..i

desejarem inserir artigos úteis e interessantes á Ordem, de-


vendo ser sujeitos ao juizo da Òomm. •. de Redacção.
Um exemplar do Boletim será enviado gratuitamente ao
Sob.-. Gr.v Mest -. Gr • ^^^^da;.0íÍí.|^ ás PPot.-. MMa- '-^^Q_i
•.
çóü. alliadas, aos Redactores dos•. jornaes, que
•.
nos enviarem
grátis suas publicações, e às OOff. do Circ. ¦

'
- ¦

'¦¦¦¦'•a
'¦¦
- •'..•>á_

¦¦¦¦:
t -"jí'fe

Corte e Províncias, Anuo (12 números).. . .. 5$000


»,fe^_S

•;r'l
ffM

A Grande Secretaria Geral da Ordena, ao Valle do Lavradio


n.83, acha-se aberta diariamente, das 9 ás 2 horas.

JQ S^
petições ou requerimentos serenai entregues na Gr. •. Secret. •.

;,,-

:Qr.%v;S0cr^v^
'¦"'¦ '¦ '^"' ¦'•^_8w
..; ¦

'//r
1S ' ' .-Tí]eí._S__

---> j/' r-/:-.:;;.>.- *.'*.:u ¦•:'¦* ¦;¦ ¦ -


^v..., v*•*"/ .'•; ?-:}-\ ¦ '*':>*•

;- ".':. 1 ,;>.V.
hK-"