You are on page 1of 5

Disciplina: Patologias nas Estruturas em Concreto.

Identificação da tarefa: Tarefa 2. Unidade 2. Envio de arquivo.


Pontuação: 10 pontos.
Aluno: Jose Wedson Salvador de Oliveira

Tarefa 2

Na Unidade 2, aprendemos um pouco mais sobre as causas físicas da


deterioração do concreto.

O conhecimento aprofundado das causas de deterioração do concreto é de suma


importância, visto que possibilitará identificar, e desta forma evitar as possíveis
causas de degradação do concreto, que, podem ser de origem química, por
conta das reações de troca entre um fluido agressivo e componentes da pasta
de cimento endurecida, reações envolvendo hidrólise e lixiviação dos
componentes da pasta de cimento endurecida e reações envolvendo formação
de produtos expansivos, e podem ser de origem física.

Dentre as causas físicas intrínsecas ao processo de deterioração, existem as


resultantes da ação da umidade, do vento, da chuva e da exposição a extremos
de temperatura, podendo-se ainda incluir as eventuais solicitações mecânicas
ou acidentais ocorridos durante a fase de execução de uma estrutura. Desta
forma, um estudo sobre os agentes causadores de degradação do concreto terá
grande valia para o meio técnico-acadêmico, permitindo o aprofundamento dos
conceitos e técnicas relacionados ao tema.

Os aspectos relacionados às causas físicas, como desgaste da superfície


(abrasão, erosão e cavitação), mudanças de volume (gradientes normais de
temperatura e umidade, e pressão de cristalização de sais nos poros), carga
estrutural (sobrecarga, impacto e carga cíclica estrutural) e exposição a extremos
de temperatura (ação do gelo-degelo e fogo).

Faça um breve resumo dos principais fatores físicos de degradação do concreto,


como os destacados na figura a seguir.
Figura 1. Fatores Físicos de Degradação do concreto.

Fonte: Isaia, 2005.

É muito importante que o texto seja escrito por você, com suas palavras, com o
que aprendeu na disciplina. Não se trata de uma pesquisa, trechos copiados
literalmente de outros autores não serão considerados, só se vierem em forma
de citação, devidamente formatadas e referenciadas.

Resolução da Atividade

Desgaste Superficial - Abrasão:

Trata-se do atrito seco, sendo a perda gradual e continuada da argamassa


superficial juntamente com agregados numa área limitada, esse tipo de
fenômeno e bastante comum em pavimentos.
Desgaste Superficial - Erosão:

Trata-se de fluido em movimento, seja ele água ou ar, que contem partículas em
suspensão, atuam sobre superfícies de concreto, onde as ações de colisão,
escorregamento e até mesmo rolagem das partículas provocam desgaste
superficiais do concreto.

Desgaste Superficial - Cavitação:

Trata-se de desgaste severo do concreto pela ação da água em fluxo não linear
e com velocidades acima de 12m/s. A cavitação e responsável pelo desgaste
irregular da superfície do concreto, causando uma aparência irregular e corroída.

Fissuração – Variação de Temperatura:

A sempre que variação de temperatura ou gradientes de temperaturas provocar


tensões de tração nas peças ou estruturas de concretos maiores que as tensões
de trações admissíveis poderá ocorrer o aparecimento de fissuras.
Fissuração – Pressão de Cristalização:

Trata-se de fissuração em estruturas de concreto por ocorrência de um lado da


estrutura estar sob ação de solução salina e o outro lado estar sujeito a
evaporação, o que pode causar a deterioração do concreto por tensões
resultantes da pressão de sais que acabam cristalizando nos poros.

Podemos citas lajes ou muro de arrimo:

Fissuração – Carga da Estrutura:

Ocasionado por sobrecargas excessivas, impactos não previstos que provocam


solicitações que ultrapassam as solicitações de fissuração, que, por conseguinte
proporcionam fissuras.
Fissuração – Temperatura Extrema:

Trata-se de congelamento ou incidência de fogo, ou seja, variação de


temperatura extrema que acabam provocando o desplacamento da superfície de
concreto e segregação por decomposição das partículas do mesmo.