Вы находитесь на странице: 1из 2

Cartões de radiônica Paper Doctor

Apresentação
O “Doutor de Papel” (Paper Doctor) é um sistema de cura idealizado pelo médico
americano Don Gerrard usando a mesma técnica que Malcoml Rae utilizava para
criar os cartões vendidos para uso conjunto com seus aparelhos geométrico
magnéticos, tais aparelhos ainda hoje possuem admiradores entre vários
médicos na simulação de remédios homeopáticos, sendo que muitas farmácias
européias empregam o sistema.

Basicamente o método emprega formas geométricas para simular a


energia contida em um medicamento vibracional, como um homeopático por
exemplo, através de uma técnica que demanda extrema sensibilidade do
radiestesista, o cartão, uma vez preparado passa a conter a assinatura do dito
medicamento podendo ser utilizado em sua reprodução ou emissão. Os cartões
Rae, que atualmente somam alguns milhares, foram criados para o uso dos
profissionais médicos e radionicistas, sendo empregados após acuradas
avaliações, existindo também cartões para avaliações e tratamentos.

Estes cartões foram criados para atender as necessidades do Dr. Don Gerrard,
ele sentia falta de ter em mãos um kit de primeiros socorros que pudesse ser
usado em qualquer lugar de forma fácil para tratar de problemas simples do dia
a dia ou durante suas longas e constantes viagens pelo campo com sua família,
tendo ele vários filhos sempre ocorria que um tivesse um ou outro problema,
então ele elaborou um conjunto inicial de 79 desenhos geométricos que podem
ser úteis em diversos casos, desde os cartões para causas emocionais até
cartões vibracionais para o uso em males físicos, existem formas para tratar
dores de dente, friagem, febres, ciática etc…,

A forma de uso dos cartões é bastante simples bastando, uma vez selecionado
o cartão nortear sua parte superior com o auxílio de uma bússola e então colocar
sobre ele um copo contendo água, que será carregada com a informação
energética contida no cartão, após cerca de 5 minutos beber o conteúdo do copo,
para problemas simples os efeitos costumam ser bastante rápidos, havendo
testemunhos de várias pessoas que se beneficiaram com o sistema. O cartão
para insônia por exemplo ficou famoso, bem como o cartão “Força Interior”.

Existe uma forma mais elaborada de uso que prevê a utilização de uma prancha
feita em papel cartão que ensinaremos a construir em breve.
Seu trabalho deu origem ao livro “The Paper Doctor ”, de 1990, em que o autor
discorre sobre suas descobertas e observações, o livro fez barulho demais e um
médico que usou o sistema de Gerrard declarou, de forma profética, que se a
AMA (associação Médica Americana) e o FDA (órgão que fiscaliza a saúde nos
E.U.A) soubessem do real potencial do sistema eles correriam para confiscar os
livros, e aconselhava as pessoas a comprarem um exemplar antes que o livro se
tornasse ilegal, dito e feito, Don Gerrard foi processado por prática ilegal da
Medicina pouco tempo depois, livrarias foram invadidas por oficiais munidos de
mandatos judiciais e seus livros foram devidamente aprendidos nos E.U.A.
Como quase sempre acontece os órgãos sanitários não entendem, ou talvez o
Dr. Don Gerrard não tenha deixado suficientemente claro, que a técnica dos
cartões age sobre padrões vibratórios, e que ninguém está tentando substituir a
medicina oficial, Além do mais as pessoas tem o direito natural e inalienável de
buscarem meios menos agressivos de manterem sua saúde. Mas enfim, está
muito distante o dia que tais coisas óbvias serão respeitadas.

Após o início do processo (existem relatos de que ele teria sofrido inclusive
ameaças de morte) conseguir um jogo destes cartões se tornou uma árdua
tarefa, desta forma cópias fora do padrão foram veiculadas devido a descuidos
na reprodução.

Atualmente os livros do autor voltaram a ser encontrados no site da Amazon, ao


que tudo indica voltaram a ser editados.
Bom, se você quer usar o sistema de Don Gerrard de forma experimental fique
à vontade para baixar um conjunto de 82 cartões (incluindo os últimos criados
pelo autor), lembrando que cada um deve utilizar os mesmos com
responsabilidade. Seria errôneo por exemplo querer substituir os tratamentos
oficiais pelo uso indiscriminado do “Doutor de Papel”, mas eles podem ser
usados sem medo como meios complementares, não tendo quaisquer contra-
indicações.