You are on page 1of 52

Nº 08. Exemplar gratuito. Distribuição interna. Não jogue na rua, ok?

edição inverno 2013

para comer com os olhos w w w. h a s h i ta g . c o m . b r

grátis R$0

 A culinária dos + Delícias sobre


uma tigela

Festivais
de arroz
+ Injustiçados
da culinária

japoneses
japonesa
+ O Sobá de
Campo Grande
+ Um Banquete
para lutadores
de sumô

2 ANOS DE HASHITAG!
Guia de restaurantes • Dicas ilustradas
4

#aperitivo
E
dição de inverno. Edição do Festival do Japão.
Edição de aniversário de dois anos. Ou seja, mui-
tos assuntos para tratar aqui a respeito desta edi-
ção da #hashitag que você tem em mãos e que a
torna especialíssima.

Por nosso assunto principal ser culinária japonesa, a edição


que é lançada no Festival do Japão é importantíssima para
nós, pois uma das grandes atrações do evento são as comidi-
nhas trazidas pelas províncias, algumas só possíveis de comer
lá. Por isso, fizemos uma matéria com dicas de algumas das
coisas mais legais de experimentar.

Como é inverno, destacamos um prato que aquece corpo e


alma: o chankonabe, favorito dos lutadores de sumô. Fomos
conferir esta especialidade num restaurante cujo dono já foi
Fale com a gente, campeão no esporte.
a #hashitag quer ouvir você:
[twitter][>] @hashitag
:

Além disso, temos duas matérias com comidas não muito


[facebook][>]
: facebook.com/hashitag conhecidas pelos apreciadores da culinária japonesa; outra
[email][>] fale@hashitag.com.br
:

mostrando o que a cidade de Campo Grande, capital do Mato


Foto de capa: Rafael Salvador
Grosso do Sul, tem a ver com o Japão; vários pratos com ar-
Agradecimento: Espaço Kazu roz como base e muito mais.

Por último, é hora de comemorar os dois anos de #hashitag.


Para conferir os Com a rapidez tecnológica e do tempo presente, parece que
conteúdos extras
da #hashitag, foi ontem que o projeto começou, e só podemos agradecer a
basta usar o leitor você, leitor, por termos chegado até aqui. Continuaremos evo-
de QR codes do
seu smartphone!
luindo para trazer sempre o melhor conteúdo nos melhores
Se você ainda não tiver um leitor formatos. Comemore com a gente com um bom prato japonês
instalado, pode baixar de graça e um bom saquê.
no site reader.kaywa.com.
Cassius Medauar, editor

expediente
Diretor-Presidente: Masakazu Shoji COMUNICAÇÃO E MARKETING Impressão: Silvamarts
Vice-Presidente Brasil: Luzia Tsuki Shoji Gerente: Edi Carlos Rodrigues
#HASHITAG é uma publicação
Superintendente: Marina Akiko Shoji Assistentes: Caíque Guirao, Vinícius da Editora JBC
Publisher: Júlio Moreno Galhardo e Rodrigo de Souza Pelaes
R. Loefgreen, 1.291 - 7º andar, Vila
Editorial Comercial Mariana, São Paulo - SP, CEP 04040-031.
Gerente de Conteúdo: Cassius Medauar Gerente: Leandro P. Carvalho Tel.: (11) 5904-9286
Projeto Gráfico e Arte: Jefferson K. Ono Supervisora: Daniele Araújo www.editorajbc.com.br
Texto: Ayumi Takahashi e Karin Kimura Assistentes: Daílson Almeida e Tiragem desta edição:
Produção Editorial: Eliana Aragão Francisco Laura Demétrios Alexandre 17.000 exemplares
Atendimento ao Leitor: Ricardo Kaneshiro
colaboradores
Consultor de Conteúdo: Jo Takahashi Administrativo
Fotografia: Rafael Salvador Gerente: Patricia Tsuruta
Revisão de Textos: Henrique Minatogawa Supervisor: Felipe Brandão Malaspina
Assistentes: Giliarde Oliveira e
Lucas Brandão Malaspina
#Menudaedição

Os pratos típicos que fazem


sucesso nos festivais japoneses 20
Jojoscope 06

10 Dois Palitos 08
Os injustiçados da
Sobá em
culinária japonesa
Campo Grande 18

14 Perfil do chef
Fernando Kuroda 30
Donburis: infinitas
combinações
em uma grande
Receita do chef 32
tigela de arroz
Onde achar 33
Robatas do

28 Mitsuyoshi 34
Chankonabe:
o prato dos Tá fresquinho:
lutadores de sumô Decopon 38
Dicas Ilustradas 42
Onde comer 44
40
Meu primeiro Coluna:
pan pudding Maurício de sousa 50
Conexão www.jojoscope.com
Brasil-Japão

A melhor salsicha
do Brasil (e talvez do mundo)
ão. Você não encontra esta salsi-
cha em qualquer supermercado.
fotos: Jojoscope

Os frios Huber são produzidos ar-


N tesanalmente, desde 1977, em São
Bernardo do Campo. São consumidos quase
que exclusivamente por famílias alemãs de
expatriados de empresas instaladas na Gran-
de São Paulo, que querem garantir o abasteci-
mento de um produto essencial para eles. Seu
fundador, Osvaldo J. Huber, já aposentado,
passou o negócio para um descendente de ja-
poneses, Isamu Hob, que dá prosseguimento
à produção dos frios com a mesma qualida-
de genuinamente alemã e ainda conta com a
consultoria do fundador.
Devido à produção limitada, o frigorífico
não tem ampla distribuição. O melhor mes-
mo é reservar um par de horas (para quem Com currywurst
é de São Paulo) para ir até lá e ser conquis-
tado definitivamente pela linha de autênticos e toucinho, e levemente apimentadas em tri-
frios alemães artesanais que a casa oferece. pa suína; a linguiça Blumenau e a calabresa,
O carro-chefe é, sem dúvida, a salsicha Viena esta, uma receita italiana.
defumada (Geräucherte Wiener Würstchen), Fizemos uma degustação de frios, e Isamu
preparada com coxão duro bovino de pernil nos apresentou o currywurst, que é o jeito de
suíno em tripa de ovino, que estala na boca comer salsicha com um molho de curry com
na primeira dentada. Há mais de trinta varie- ketchup, molho inglês e outros condimentos.
dades de produtos, dentre as quais o bolo de Uma autêntica comida de rua da Alemanha,
carne bovina (Fleischkäse), que contém, in- que se iniciou no período de devastação após
crivelmente, shoyu japonês em sua composi- a Segunda Grande Guerra. O Japão no Brasil. JoJoScope
ção! Aliás, na maioria dos frios entra o Aji- A curiosidade é que estas tradições alemãs centra o foco nessa relação de
mais de cem anos. E também o
nomoto, glutamato monossódico, que é um foram herdadas por um empreendedor nipo- Brasil no Japão, uma nova moda.
Com uma visão cinemascope, sua
realçador de sabor natural. descendente, que dá continuidade ao negócio. lente pode captar as artes, como a
dança, a música, as artes visuais e
A linha de linguiças também merece desta- Futuramente, ainda é intenção de Isamu abrir até a gastronomia. Panorâmica, ela
que. Há a temperada defumada (Debreczi- um bar. transita por todas as artes e por
isso já nasce admitindo seu olhar
nerwurst), feita com um mix de carne bovina híbrido. JoJoScope pode mudar
de lente e analisar determinados
temas com uma visão microscópica.
Em outros momentos, com o uso
de um telescópio, JoJoScope
pode até tentar captar um fato
novo no horizonte e virar um
observatório de tendências.

Jo Takahashi é consultor de arte


e cultura na Japan
Foundation, onde
atuou por 25 anos
como administrador
cultural. Agora, migra
essa experiência
para a sua produtora
independente, a
Dô Cultural, que Tem muito mais
Salsicha alemã típica, defumada Com mostarda dijon propõe um conceito no site oficial
do JoJoscope!
design de formatar
e desenvolver o 2palit.us/
projeto cultural. pLr1LY
Frios Huber Av. Imperatriz Leopoldina, 540, Bairro Nova Petrópolis - São Bernardo do Campo - SP
Tel. (11) 4123-8248 e (11) 4123-7968 www.frioshuber.com.br
8

#DoisPalitos
#livro
Olha o aviãozinho!
As chefs Mayra Abbondanza Abucham e Patrícia
Abbondanza, lançaram o livro "O que fazer para meu
filho comer bem?", com orientações sobre preparo de
pratos com ingredientes saudáveis. Ele traz passo a passo
“O que fazer para meu
das receitas de forma didática com dicas e sugestões filho comer bem?”
tanto para iniciantes quanto para experts na cozinha. textos e receitas Mayra Abbondanza
Abuchan, Patrícia Abbondanza
Entre os tópicos abordados no livro, estão alimentos Turquetto e Rafaela Norbert
desaconselhados; primeiros alimentos; papinhas feitas em Editora DBA

casa; cardápio semanal elaborado para bebês e crianças; Pontos de venda Livraria da Vila, Fnac,
Livraria Cultura e site da Editora DBA
como envolver os filhos na preparação dos pratos e outros. Preço R$ 65
Número de páginas 370

 café
#

Cafeteria japonesa
O bairro da Liberdade ganha um novo espaço de encontros e
apreciação da culinária oriental. O Expresso Kazu é uma cafeteria
que fica na rua Tomás Gonzaga, no segundo andar do Espaço
Kazu. Os doces que eram servidos no restaurante agora ganharam
um espaço próprio, onde antes funcionava um bar de saquê.
Expresso Kazu
Onde Rua Tomás Gonzaga, 84, Além do choux cream, que já faz sucesso na casa, são servidos
Liberdade - São Paulo - SP salgados, cafés (quente e frio), chás e doces tradicionais e
Tel (11) 3208-6177
contemporâneos. Novas variedades entram para o cardápio a cada
site www.espacokazu.com.br
Horário de terça a
mês, com criações da equipe do chef Tadao Arakaki, que trabalha
domingo, das 8h às 21h principalmente com sobremesas japonesas de influência ocidental.
fotos: divulgação

#HASHITAG
10

Quem ama o feio,


gostoso lhe parece
[texto] Ayumi Takahashi [fotos] Rafael Salvador
: :

Goya ou nigauri
Goya é o modo como o nigauri é chamado
na região de Okinawa, situada no extremo
sul do Japão. O próprio nome, que
significa literalmente pepino (uri) amargo
(nigai), denuncia o sabor deste fruto
colhido ainda verde para manter a
sua textura firme e crocante.
Ele pode ser preparado na forma
de omelete, refogado com carne
suína, frito como tempurá ou
cozido no vapor. Massagear as
fatias com sal, após retirar a polpa
branca e as sementes com uma
colher, ajuda a reduzir o amargor.

#HASHITAG
11

A
culinária japonesa caiu no gosto do nam como uma porta para a popularização da
brasileiro. Até porque o país abriga própria cultura japonesa.
a maior comunidade nipônica fora
do arquipélago. Bem difundida, os Entretanto, assim como a cozinha de qualquer
seus pratos típicos deixaram de ser exclusivi- nacionalidade, alguns ingredientes são trata-
dade dos restaurantes especializados para dos com aversão por causa da propaganda ne-
ganhar espaço no balcão de sala- gativa de adjetivos como “amargo”, “azedo”,
da, como é o caso do sushi “fedido” e “gosmento”, que acabam gerando
e sashimi. Melhor um preconceito generalizado em relação a sa-
ainda, funcio- bores e aspectos de alimentos que muita gen-
te desconfiada sequer experimentou.

Por isso, em defesa desses “injustiçados” da


culinária japonesa, decidimos encorajar os
comensais a ampliar seus horizontes gas-
tronômicos, esclarecendo a forma de
preparo e consumo de alguns desses
ingredientes.

Produção: Ayumi Takahashi


12

Fígado
No Brasil, há quem coma com gosto
e quem torça o nariz para um
suculento bife de fígado. E no
Japão não é diferente. Para aqueles
que estiverem dispostos a se
aventurar em receitas com fígado, a
dica é diversificar a forma de preparo,
que podem ser molho teriyaki,
marinado no missô (pasta de soja
fermentada), acebolado com shoyu
ou refogado com cenoura e nirá.
Para diminuir o cheiro, lave o
fígado cru diversas vezes em uma
bacia, trocando a água sempre que
ficar cheia de sangue. Depois, corte-o em
pedaços e deixe marinando em leite frio
durante 20 minutos para amolecer. Lave
em água corrente e prepare à sua moda.

Nattô (soja fermentada)


O aroma resultante da fermentação da soja
faz o alimento parecer pouco apetitoso
para quem está experimentando o nattô
pela primeira vez. Porém, a
má impressão é desfeita na
primeira bocada de arroz
japonês coberto pelos grãos
macios, envoltos por uma
viscosidade semelhante
à baba do quiabo.
O sabor delicado pode
ser complementado com a adição
de temperos como shoyu, karashi
(mostarda japonesa em pasta), wasabi
(raiz forte), cebolinha picada, ovo
cru ou o molho próprio em sachê que
acompanha algumas marcas importadas.

#HASHITAG
13

Wasabi
É difícil encontrar algum apreciador da culinária japonesa que nunca tenha experimentado
uma pitada de wasabi. Eterno acompanhante do sashimi, o condimento é vendido
na forma de pasta em tubo ou em pó para ser preparado com adição de água.
Que tal variar o uso misturando um pouco de wasabi na maionese do seu próximo hambúrguer
ou em um refrescante molho de salada à base de shoyu , vinagre de arroz e saquê mirin?

Umeboshi
É a tradicional conserva de ameixa japonesa,
geralmente servida em cima de uma tigela de
arroz sem tempero ou dentro de um bolinho
de arroz. A ameixa pode ser grande ou
pequena, macia ou crocante, mais azeda
ou salgada, vermelha ou verde. Devido
ao seu sabor salgado e ácido, o
umeboshi é empregado como
tempero em preparações
como okayu (tipo de
mingau de arroz), temaki
(sushi enrolado em
forma de cone), salada de
folhas frescas e até chás.
Produção: Ayumi Takahashi
Agradecimento: Tenman-Yá
14

#HASHITAG
DonBuri
15

Combinações infinitas
dentro de uma grande
tigela de arroz
[texto] Ayumi Takahashi [fotos] Rafael Salvador

D
onburi é o nome do bowl, ge- dientes que acompanham o arroz podem ser
ralmente de cerâmica, usado na quentes ou frios, crus, cozidos ou fritos. As
cozinha japonesa para servir re- carnes podem ser de peixe, ave, bovina ou
feições fartas que se resumem ao suína.
conteúdo dentro da tigela. Por ser bem maior
do que uma tigela comum, ele é prático para Versátil, o donburi é apreciado o ano inteiro,
servir preparações com caldo, como o lámen. variando a identidade conforme a mudança
dos produtos sazonais que vão por cima do
O termo também define um dos pratos mais arroz. Algumas versões mais sofisticadas
populares do Japão moderno, que tem como são servidas exclusivamente em restaurantes,
único item obrigatório o alimento mais ama- com iguarias como enguia grelhada, ouriço-
do pelos japoneses: o arroz branco. Os ingre- do-mar, ovas de salmão e carne de carangue-
jo, entre outros.

Mas é possível transformar as sobras do


frango da refeição passada em um delicioso
Temdon oyakodon com uma simples refogada de ce-
(donburi de tempurá) bola e molho shoyu, finalizado com ovos me-
O atrativo deste donburi fica por conta xidos. Essa praticidade e baixo custo fizeram
da crocância do tempurá de camarões com que o prato se tornasse muito popular
e legumes diversos como cenoura, entre os trabalhadores de grandes centros ur-
berinjela, cebola, kabocha (abóbora banos do arquipélago, que buscam uma refei-
japonesa) e couve-flor. É uma ótima opção ção rápida e farta.
para consumir vegetais frescos mesmo
nos dias mais frios. Seu tempero é um Nesta matéria selecionamos algumas das
molho leve elaborado com katsuobushi variedades de donburi mais consumidas nos
(peixe bonito seco), mirin e shoyu. restaurantes japoneses de São Paulo.

#hashitag
16

Gyudon (donburi de carne bovina)


Uma grande tigela de arroz com finas fatias de carne bovina e tiras de cebola
cozidas em molho à base de shoyu, semelhante ao sukiyaki e shabu-shabu. Por
ter um sabor mais intenso e adocicado, o prato é perfeito para ser incrementado
com um ovo cru. Na foto, adicionamos macarrão de konnyaku e um pouco
de beni shoga (conserva de gengibre) para complementar a refeição.

Maguro nattô don


(donburi de atum e nattô)
Uma mistura de nattô (soja fermentada)
com pedaços de atum cru e cebolinha
picada. A inusitada combinação desses três
ingredientes proporciona uma experiência
única dentro da boca. Um pouco de wasabi
garante um toque de frescor ao donburi.
Quando a tigela recebe apenas sashimi
de atum sobre o arroz com tempero para
sushi, o nome muda para tekkadon.

#HASHITAG
17

Oyakodon
(donburi de frango
e ovos mexidos)
O nome, que significa
literalmante “pai e filho”, é uma
brincadeira com a combinação
de ingredientes duplamente
suculenta que une a maciez
da carne de frango e o molho
incorporado aos ovos mexidos que
vão em cima do arroz. O tempero à
base de shoyu que integra a mistura
tem sabor levemente adocicado. Na
foto, o oyakodon foi feito com milanesa no
lugar da sobrecoxa desossada de frango.

Katsudon
(donburi de katsu
- milanesa de
lombo suíno)
Um dos tipos de
donburi mais
populares no Japão,
consiste em uma
suculenta milanesa
de lombo suíno
(tonkatsu) com
lascas de cebola
e ovos mexidos
levemente cozidos
com shoyu. Tudo isso
em cima do imaculado
arroz japonês. Na foto,
o tonkatsu recebeu apenas
uma cobertura de molho inglês.

#hashitag
Sobá
de Campo Grande
patrimônio cultural imaterial
[texto] [fotos] Jo Takahashi

N
o início, era só um prato dos imi-
Processo de resfriamento do grantes que vieram de Okinawa
sobá. Dona Dirce, ao fundo
para as terras de Mato Grosso do
Sul, que o consumiam reservada-
mente por receio de serem tachados de exó-
ticos. Só que os habitantes locais, por curiosi-
dade, resolveram experimentar, e o sobá dos
okinawanos caiu no gosto popular. O sobá de
Campo Grande sofreu adaptações a partir da
receita original do Okinawa Sobá, e adquiriu
o status de bem cultural de natureza imaterial,
por meio do decreto municipal de 18 de julho
de 2006 e foi tombado pelo Iphan (Instituto
do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional).

A história do sobá caminhou com a “Feiro-


na” de Campo Grande, fundada em 1925. No
começo, eram barracas, montadas na calçada.
Esportiva e Cultural Nipo Brasileira de Campo Grande), Alvira Appel Soares de Melo (Presidente da Associação da Feira Central e Turística de Campo Grande). 19

Hoje, a “Feirona”, denominada oficialmente


Agradecimentos: Sayuri Higa e Magda Terada Ishikawa (Travel Way) , Restaurante Shimada, Dirce Guenka, Acelino Sinjô Nakasato (Presidente da Associação

Feira Central e Turística, ocupa a Esplanada


Ferroviária, um amplo espaço coberto que
reúne 200 lojas de artesanato regional e pro-
dutos hortifrutigranjeiros, onde o carro-chefe
são os 28 restaurantes de sobá. Alvira Appel Monumento ao sobá
Soares de Melo, presidente da Associação da
Feira Central e Turística de Campo Grande
(Afecetur), conta com orgulho que a feira é ídos para mais de dez restaurantes. A receita
o grande símbolo da cultura e do turismo na do sobá? Água, farinha, sal, ovo e glutamato
cidade. O Festival do Sobá, que é realizado monossódico. Mas o segredo mesmo, consta-
todos os anos em agosto, chega a movimentar tamos no processo de fabricação. Após a fer-
200 mil pessoas. vura, o macarrão recebe uma camada de óleo
e é resfriado naturalmente, com o auxílio de
Alvira conta que hoje os restaurantes instala- ventiladores. O macarrão assim absorve o óleo,
dos na feira são capazes de servir 6.000 uni- aumentando a sua durabilidade, dispensando o
dades de sobá por noite e que, para isso, foi uso de conservantes. Esta técnica faz com que
feita a capacitação profissional dos cozinhei- o macarrão obtenha uma camada externa mais
ros e a normatização do preparo do macarrão, resistente, conservando o núcleo mais mole,
produzido por pequenas fábricas familiares. conferindo uma textura característica.
“São cerca de doze fábricas instaladas na ci-
dade”, diz. E quanto ao caldo? Na versão original, de
Okinawa, entram osso de porco (tonkotsu),
Além da feira, na cidade existem mais 55 shoyu, saquê, sal e gengibre. Esse caldo é
restaurantes especializados na iguaria. São servido numa tigelona, onde entram o ma-
quase dois mil empregos diretos e indiretos carrão, carne (a bovina é a preferência local),
envolvidos com o sobá – desde a produção cebolinha e omelete picada. Gengibre ralado,
do macarrão até o fornecimento para estas servido à parte.
quase uma centena de pontos de preparação.
O sobá de Campo Grande ajudou a conso-
O sobá é originalmente feito com macarrão de lidar a identidade cultural dos imigrantes
trigo sarraceno, mas em Campo Grande ele é okinawanos, favoreceu a integração com os
feito com farinha branca, mais próxima do udon. brasileiros e agora dá lições de sustentabili-
Seguindo sugestões dos moradores, fomos visi- dade econômica.
tar uma das importantes fábricas de sobá.
Restaurante Shimada
Dona Dirce Guenka fabrica sobá há 24 anos, Onde Rua Antônio Corrêa, 776
Bairro Monte Líbano
sempre em regime familiar. São 160 quilos Campo Grande – MS
de macarrão que saem por dia de lá, distribu- Tel (67) 3324-9752
Leia a matéria
completa no site
2palit.us/
11Qe7Xn
20

O caminho
Conheça os pratos mais populares dos festivais japoneses

#HASHITAG
21

das festas
N
[texto] Karin Kimura
o Japão, o verão é época de fes-
tivais em que danças e apresen-
tações musicais pelas ruas revi-
vem as tradições de cada região,
e shows de fogos de artifício impressionam
os espectadores. As meninas vestem o tradi-
cional yukata (tipo de quimono informal feito
de algodão, usado no verão) e as ruas ficam
coloridas com a decoração de luminárias e
barracas de comidas e brincadeiras.

No Brasil, essa também acabou se transfor-


mando na época em que acontecem as princi-
pais festas da comunidade nipo-descendente,
somando às comemorações do dia da imigra-
Takoyaki ção japonesa no Brasil (18 de junho).
O takoyaki é um bolinho assado
em uma chapa côncava que o dei- E um festival de cultura japonesa não seria
xa em formato de uma bolinha um grande evento se não tivesse guloseimas
recheada com pedaços de polvo. e comidas típicas que saltam aos olhos de
Semelhante ao okonomiyaki, o quem passa pelos quiosques e completam o
prato é feito com uma massa fei- clima de festa. São barracas com chapas, ta-
ta com ovos, farinha, gengibre em chos cheios de óleo, comidas grelhadas ou
conserva e pedacinhos de massa cozidas à vapor.
de tempurá frita. Depois de cozi-
do, o bolinho é servido com con- As comidinhas de rua mais populares
dimentos como o molho agridoce, no Japão estão por todos os lados, mas as va-
maionese, lascas de peixe seco e riações típicas com ingredientes e modos de
alga aonori. O takoyaki é uma es- preparo específicos podem ser encontrados
pécie de petisco bastante popular só em determinadas regiões. Essa diversida-
Rafael Salvador

e é vendido em festivais, em car- de inspira até viagens gastronômicas, afinal,


rinhos de rua e até em redes de conhecer a cultura inclui provar o que a culi-
restaurantes especializados. nária local oferece de melhor.
22
Dango

João Neto
São bolinhas de massa cozida feita com farinha de arroz
mochi. O dango tem uma massa lisa de consistência gluti-
nosa. Existem diversas variedades de dango, geralmente
doces, e são servidos em espetos.

Mitarashi dango
É o dango assado e regado com um mo-
lho agridoce feito com uma calda de alga
kombu, molho shoyu e açúcar, engrossa-
do com amido de milho. Em Kyoto, são
facilmente encontrados em quiosques,
com diferentes formatos e preparos.

Kibidango
O kibidango é um tipo de dango feito
com açúcar, farinha de arroz e de mi-
lhete (grão semelhante à quinoa) que
dá um leve amargor. As bolinhas são
moldadas sobre amido de milho e ser-
vidas individualmente.
Norimakidango No conto infantil “Momotaro”, o per-
É uma versão salgada do sonagem principal leva uma porção
espetinho de dango, tem- de kibidangos em sua jornada contra
perado com molho shoyu os monstros que atacavam as aldeias.
e envolto com alga nori. No caminho, encontra seguidores que, Flavio Moraes

É mais saboroso quando em troca dos kibidangos, se unem ao


servido quente. Momotaro para enfrentar os monstros.
Foram esses bolinhos que deram força
para os heróis lutarem. Como diz-se
que a história é originária da província
de Okayama, o kibidango também é tí-
pico da região.

#HASHITAG
23

Taiyaki
Embora o nome do prato seja “peixe pargo Pode ser recheado com pasta de feijão azuki
grelhado”, de peixe ele tem somente o visu- ou, para as versões mais modernas, com cre-
al e o simbolismo, já que o pargo é um peixe me de baunilha, chocolate, queijo e o que
vermelho, símbolo de boa sorte e fortuna. mais a imaginação permitir.
O taiyaki é um bolo doce, feito com massa Ele é derivado de um outro doce chamado
de farinha, água e bicarbonato de sódio imagawayaki, que é feito com os mesmos in-
(pode-se acrescentar ovo também). É assa- gredientes, mas não tem o formato de peixe.
do em uma forma especial que recebe calor O taiyaki ficou bastante conhecido com um
direto em cada metade, que se juntam para dos singles mais vendidos do Japão, o “Oyo-
formar um peixe inteiro e recheado. ge! Taiyaki-kun”, lançado em 1975, em que
Logo depois de sair da forma, o taiyaki fica o personagem principal é um taiyaki que se

Rafael Salvador
com uma consistência macia por dentro e cansou de ficar na forma e resolve fugir para
uma casquinha dourada e crocante por fora. o mar.

Veja um vídeo
com o personagem
que popularizou
o Taiyaki!
2palit.us/
11Qhv4q #hashitag
Ikayaki
O ikayaki é o espetinho de lula. Ele pode
ser servido tanto em pedaços como in-
teiro em um palito e tem consistência
firme. Depois de grelhado, é temperado
com um molho agridoce à base de mo-
lho de soja.
É um petisco muito servido em festivais,
Karin Kimura

barracas de rua e em izakayás.

fotos: João Neto


Batata tornado
A batata frita típica de festivais orientais
é colocada inteira no palito e é chama-
da de “batata tornado” pelo visual que
apresenta. Ela tem formato espiralado
de uma tira fina e contínua que é mer-
gulhada em uma massa leve de tempurá
e colocada em bastante óleo para fritar
em imersão.
Ela pode ser servida com temperos sal-
gados, como sal, pimenta e queijo, ou
em versão doce, polvilhada com açúcar
e canela.

#HASHITAG
25

Okonomiyaki À moda de Hiroshima


O okonomiyaki é uma comida popular conhe- O prato à moda de Hiroshima é feito em cama-
cida também como pizza ou panqueca japo- das. A primeira é uma massa fina feita à base
nesa. O nome do prato significa literalmente de farinha e ovos, quase como um crepe, se-
“grelhado ao seu gosto”, ou seja, vale tudo. Ou guido de uma camada generosa de repolho e
quase tudo. A base da massa do okonomiyaki brotos de feijão. Depois segue mais uma, com
é feita com farinha, ovos e água que dão liga carne de porco e outros ingredientes ao gosto
à mistura de verduras e carnes que geralmen- do freguês. Por fim, uma camada de macar-
te são repolho, cebolinha e carne de porco. rão para yakissoba ou udon e um ovo frito por
É parecido com o tempurá servido em feiras cima de tudo.
por aqui, só que em vez de ser frito em imer-
são, é grelhado em chapa. Depois de cozido, o À moda de Kansai
okonomiyaki é finalizado com molho agridoce, O okonomiyaki à moda de Kansai é feito com
maionese, alga aonori, lascas de peixe seco uma mistura única, como uma panqueca. A
(katsuobushi) e outros temperos que dão cor massa ajuda a dar liga a todos os ingredientes:
à composição. repolho picado em tiras finas, nagaimo ralado
As variedades de okonomiyaki mais famosas (tubérculo da mesma família do cará), ceboli-
no Japão são a de Hiroshima e a da região de nha, carne (tiras de panceta, lula, polvo ou ca-
Kansai. A principal diferença entre os estilos é a marão) e, às vezes, acrescenta-se pedaços de
forma de montagem e a presença de macarrão. queijo e vegetais diversos.

Confira na página 26 um mapa do Festival do Japão!


#hashitag
26

#Localize-se no
O maior festival da comunidade nipo-brasileira
no Brasil acontece nos dias 19, 20 e 21 de julho de 2013,
no Centro de Exposições Imigrantes, em São Paulo.
A fez um mapa para você não se perder lá!

WC FEM

SAÍDA EMERG.

SAÍDA EMERG.

SA
ÍD
A
EM
ER
G .
Café Entidades Entidades Hortifruti
ARQUIBANCADA

Ikebana 105 Anos de


CAMARINS

PALCO Imigração

SAÍDA

Expo

JARDIM JAPONÊS
KENREN
Bunkyo
Expo Orquídeas

Cerimônia

ENCONTRO
PONTO DE
Hospital do Chá
Bar Sakura Yamaha Toyota
Nipo
Japan
Hinomoto Plus

ACESSO AO PAVILHÃO DE EXPOSIÇÃO

Alfa Band Cuba Expo


Robocon Hospital 60 anos
Sta. Cruz Tozan Honda
Pós- Consulado
Guerra do Japão
CATRACAS
ÁREA DAS
CRIANÇAS

BILHETERIA
JICA
SAÍDA PRINCIPAL

ÁREA DA MELHOR IDADE


ANA

CARAVANAS
WC MASC/FEM Blue
Tree
PRAÇA CULTURAL FEIPESCA BICICLETÁRIO
JCI
WC
Fund.
Japão ESTACION.
DEFICIENTES
SAÍDA EMERG.

ENTRADA

16º Festival do Japão


Onde Centro de Exposições Imigrantes [dica] Haverá ônibus gratuitos
Rod. dos Imigrantes Km 1,5 da estação Jabaquara
São Paulo, SP do metrô até o local, e
Quando 19 de julho (sex) das 12:00 às 21:00 estacionamento grátis
20 de julho (sáb) das 10:00 às 21:00 para bikes. Se for de
21 de julho (dom) das 10:00 às 18:00 carro, chegue cedo, pois
Quanto R$10,00 na bilheteria. o trânsito é intenso e
Entrada gratuita para crianças os estacionamentos Veja o guia completo

até 8 anos e idosos acima de 65 anos ficam lotados!


do Festival do Japão
no nosso site!
2palit.us/
15JTdu2
#HASHITAG
WC FEM Yasuragi Home
Carmo Sakura ERG
.
Ehime A EM
SAÍD Kodomo
Nara no Sono
Fukuoka
Shizuoka Enkyo
Hokkaido Pipa
Chiba Kibo
Hyogo no Ie
Gifu
Fukushima ÇÃO Ikoi no
NTA Sono
IME
Kagoshima
WC MASC/FEM E A L
ÇA D
PRA Nagasaki
Yamagata
Yamaguchi Oita
Kyoto
CO
Toyama Shimane Niigata
Akita
PAL
Hiroshima Aichi
Kumamoto Fukui Saitama
Gunma Ishikawa
TÉIA
Nagano Kochi Tokyo
Tokushima Tottori PLA
Shiga
Yamanashi
Kanagawa

Aomori
Bradesco
O
AÇÃ
Iwate SC
/MA
I M ENT Okinawa
WC
FEM
E AL
Saga

ÇA D
DE ENCON Miyagi
TO

PRA
TR
PON

PARADA Kagawa
O

Wakayama A
COSPLAY Tochigi
CAD
Okayama
U I BAN
ARQ
Yagura Santo Amaro Miyazaki
ACESSO À ÁREA DE ALIMENTAÇÃO

Mie
Osaka

Festa do
Sansuy Yanmar Morango
de Atibaia
sa

Voluntários
X

en
E
CA

pr
Im
ENTRADA EXPOSITORES
E VOLUNTÁRIOS

ESTACIONAMENTO
SAÍDA EMERG.

Os seguintes estandes não abrirão na 6ª feira


(dia 19): Hokkaido, Shizuoka, Fukuoka, Ehime,
Nagasaki, Yamagata, Yamaguchi, Kyoto, Shimane,
Hiroshima, Fukui, Kanagawa e Nagano.

Este mapa foi criado baseado em informações


de 26 de junho de 2013. Alterações posteriores
por parte da organização do evento não estão
refletidas. Desculpem por qualquer transtorno.

Destaques da programação
Sábado Domingo
17:00 Parada Cosplay 17:00 Show da banda Gaijin Sentai
partindo da área externa no palco principal
17:30 Miss Nikkey Brasil 2013 17:30 Final do concurso de cosplay
no palco principal WCS Brasil 2013 no palco principal

Todos os dias no Akibaspace Liga Brasileira de Games AkibaSpace Stage


Toyota Etios + Mangá
#hashitag
28

Balcão do restaurante Bueno


lembra o de um bar japonês,
com saquês e uísques à mostra

Chankonabe
o prato dos lutadores de sumô
[texto] Karin Kimura [fotos] Rafael Salvador

U
m punhado de sal dá inicio ao ri-
Ao contrário do que tual de abertura de uma luta de
muitos pensam, a comida sumô. O sal é, neste momento, o
elemento purificador da arena, ou
que sustenta os lutadores dohyo, que é considerado um lugar sagrado:
é leve e saudável o sumô é um esporte tradicional japonês, que
tem suas origens ligadas a rituais xintoístas.

Por se tratar de uma luta, é símbolo de força,


mas é também de respeito e dedicação. Uma
luta dura poucos segundos, dificilmente che-
ga a um minuto. São disputas rápidas, mas

#HASHITAG
29

O salão é dividido em dois


andares. A arte, feita em grafite,
continua até o fim do corredor

que exigem técnica e equilíbrio. O princípio em grelha de carvão, bibimbap (prato corea-
do sumô é fazer com que o oponente saia do no feito com arroz, servido em panela de fer-
dohyo ou que encoste qualquer outra parte do ro), panceta de porco temperada no missô e
corpo, que não sejam os pés, no chão. outros pratos quentes. No Bueno, Kuroda faz
questão de deixar claro que só trabalha com
O prato pratos quentes. O cartaz na parede indica em
Para sustentar o tamanho dos sumotoris (lu- letras bem grandes que lá não tem sushi nem
tadores de sumô), a dieta deles é bem capri- sashimi. No balcão, as garrafas de bebidas, a
chada. O principal alimento dos sumotoris é luz baixa e a estante de madeira dão um cli-
o chankonabe, um ensopado. Ao contrário ma de bar japonês. Os quadros com fotos dos
do que muita gente pensa, não é uma comida tempos de lutador mostram uma outra face de
altamente calórica. O segredo está no equilí- Kuroda. Hoje, ele comanda o Bueno com um
brio das proteínas, vitaminas e carboidratos. toque de família – o kimchi servido é feito
Os ingredientes variam bastante entre carnes pela sogra e o tofu, pelo pai.
e verduras, mas os básicos são frango ou pei-
xe, acelga, cebolinha nirá e cebola, cogume- Hoje, a casa fica na Alameda Santos (e con-
los e queijo de soja. “O chankonabe é até leve. tinua atendendo principalmente a japoneses).
Mas a diferença é que os sumotoris têm que Até o final de 2012, ficava na Liberdade. O
comer bastante”, explica o ex-lutador profis- antigo Bueno passou a ser chamado de Mini
sional Fernando Kuroda (leia entrevista no Bueno, onde Kuroda instalou um karaokê.
Perfil do Chef). Além disso, eles comem mui- Lá, o espaço é menor e o cardápio não inclui
to arroz como principal acompanhamento. o chankonabe.

Para saborear
Em São Paulo, o restaurante Bueno é espe- Restaurante Bueno
Onde Alameda Santos, 835
cializado em chankonabe, mas também serve Cerqueira César
outras opções de petiscos como espetos feitos Tel. (11) 2386-8035
Leia a matéria
completa e conheça
um pouco mais do
esporte no Brasil
2palit.us/
13aA21R
#PerfildoChef

Fernando
Kuroda
C
Restaurante Bueno ampeão de sumô profissional do
[texto] Karin Kimura [fotos] Rafael Salvador Japão, Fernando Kuroda é quem
comanda os restaurantes Bueno e
Mini Bueno. Diz que prefere não
ser chamado de chef, porque sua formação
em cozinha vem basicamente da experiência.
É justamente essas experiências que fazem
Quadros com fotos do ex-lutador com que os clientes voltem, tanto para comer
ficam expostos no balcão
como para ouvir as suas histórias.

Kuroda viveu em Tóquio por 12 anos. Foi


para lá adolescente e teve uma rápida ascen-
são no esporte. Alcançou a tão sonhada elite
do sumô profissional e passou por duras ba-
talhas nos dohyos e fora deles.

Por incentivo de seu pai, treinador de sumo-


toris, Kuroda começou cedo e, aos quatro

#HASHITAG
31

anos, já estava subindo nos dohyos. “O sonho


do meu pai era ser lutador de sumô, por isso,
ele acabou me incentivando desde pequeno”,
‘ O sonho do meu pai era ser
lutador de sumô, por isso, ele
me incentivou desde pequeno

conta. Começou a participar de campeonatos que, se fosse, deveria ficar por pelo menos
amadores, até que um dia, conheceu Daisuke cinco anos, porque se voltasse antes seria
Shiga. “Ele já era um dos melhores no Japão uma vergonha para a família. Ele seguiu os
e quando veio para cá, eu ganhei dele”, lem- conselhos da mãe, passou por todas as difi-
bra Kuroda. Daisuke, cujo nome de lutador culdades de treinamento, até que foi subindo,
viria a ser Tochiazuma, o incentivou a treinar vencendo campeonatos e chegou ao patamar
no Japão, na academia de seu pai – Tamanoi mais alto da categoria de base em dois anos
Oyakata (treinador). “Quando eles me convi- (com apenas 17 anos). “Quando você é cam-
daram para ir ao Japão, eu fiquei preocupado peão, a situação inverte. As pessoas é que ser-
por não ter porte de sumotori. Eles disseram vem para você”, conta. A rotina começou a
que tinham outros lutadores do meu tamanho, mudar e, apesar de o salário ainda ser baixo,
mas quando eu cheguei lá, eram todos bem frequentava bons restaurantes, ia a festas a
maiores que eu”, revela. convite dos patrocinadores e já ganhava re-
conhecimento profissional. Seu nome, então,
A sua rotina de treinamentos era intensa; era Wakaazuma, o jovem que vem do leste.
como novato, tinha que se adaptar à rigidez
das hierarquias. “Lá era pior que exército. Continuou lutando e treinando até alcançar
Achei que escaparia do serviço militar daqui a tão sonhada elite da profissão. “Uma das
do Brasil, mas lá era muito pior”, brinca. Ele lutas mais marcantes de que me lembro foi
explicou que a forma de falar e tratar os vete- contra um havaiano que tinha o dobro do
ranos tem que ser sempre muito polida e que meu tamanho. No momento, fiquei assustado,
nenhum deslize era perdoado. Além disso, ti- mas tinha que ir à luta e fui em frente”.
nha que ajudar com a limpeza e tarefas na co-
zinha. Primeiro, aprendeu a rotina da pia, la- “Meus amigos que vivem no Japão disseram
vando os pratos, para então aprender a cortar que eu parei na época certa. O sumô já não
os alimentos e, depois, a preparar a comida. tem mais tanta participação quanto tinha an-
tigamente”. Depois de doze anos no Japão, o
No momento em que havia decidido ir ao sumotori resolveu voltar e disse que, apesar
Japão, Kuroda disse que sua mãe o alertou do convite de amigos para ficar, sabia que
aqui teria mais oportunidades. “Eu quis in-
vestir em um restaurante porque sabia que
podia apresentar algo diferente ao paladar
brasileiro, algo que tinha domínio”. Foi as-
sim que surgiu a proposta do Bueno, de servir
o prato que sabia fazer de cor e salteado: o
chankonabe, comida dos sumotoris.

#hashitag
32

#ReceitadoChef Fernando Kuroda

Rafael Salvador
[dica] Por se tratar de um prato aberto a
variações, as quantidades e os ingredientes
podem ser adaptados de acordo com o
gosto de quem o prepara. Cada ingrediente

Chankonabe
deve ser cortado em pedaços proporcionais
de forma que deixem a composição do
prato harmoniosa e em tamanho ideal
[dif] Fácil para ser ingerido em uma bocada.
[tempo] 20 min
[porcoes] Para 1 pessoa Preparo
[1] Coloque a água para ferver.
Ingredientes
[2] Corte o frango em cubos e
• 50 g de coxa e/ou sobrecoxa
adicione na água fervente.
de frango desossado
• 1 dente de alho ralado [3] Retire a espuma que se forma
• ½ cebola na superfície da água.

• 2 folhas de acelga [4] Adicione o alho ralado.


• Nirá a gosto [5] Tempere com Hondashi™ e sal.
• Cogumelos shimeji
[6] Disponha a cebola, o tofu, as
• 2 cogumelos shiitake partes mais grossas da acelga e os
• Cubos de tofu cogumelos, lado a lado, e deixe ferver.
• 1 pitada de sal
[7] Coloque as folhas de
• 1 pitada de Hondashi™ acelga e o nirá por cima.
• 1 colher de sopa de molho de shoyu
[8] Por fim, finalize com o molho shoyu.
• Água

#HASHITAG
33

#Ondeachara#hashitag
São Paulo / SP Praia Grande / SP
Butantã Suikah Al. dos Jurupis, 1107 Nebuta Temakeria Litoral Plaza Shopping
Mercearia Ohashi Av. Comendador - Ponto 33 - Praça de Alimentação
Alberto Bonfiglioli, 687 Zeni Sushi Av. Lavandisca, 648
Presidente Prudente / SP
Shoji Fujita Av. Corifeu de Parque Jabaquara Mercado Oriental R. Donato Armelin, 1273
Azevedo Marques, 1425 Lj. 2 Mainiti-ya R. das Oiticicas, 279
Registro / SP
Campo Belo Pinheiros ACNBR R. Nakatsugawa, 165
Hikouki Sushi R. Bela Vista, 633 Fuji Mercearia R. Cunha Gago, 346
Santos / SP
Centro Pompeia
Nebuta Temakeria Praiamar Shopping -
Instituto Princípio Único Praça Loja Kaeru R. Raul Pompéia, 384 Nivel II - Praça de Alimentação
Carlos Gomes, 60 1º andar
Saúde São Bernardo do Campo / SP
Cerqueira César Mercearia Aozora Av. Jabaquara, 1588
Japan House R. Jurubatuba , 156 Sl. O
Emporium Oriental Av. Paulista, 523 Loja 8
Sumarezinho São José do Rio Preto / SP
Imirim Shinsei Produtos Orientais
Kurosawa Av. Alberto Andalo , 3063
Center Nippon 2 Av. Imirim, 1077 R. Heitor Penteado, 1511
Sorocaba / SP
Jabaquara Tatuapé
New Station R. Sta. Clara, 266
Mercearia Sukiyaki Av. Jabaquara, 1744 Cidade Papel Shopping Tatuapé - Loja 410

Vila Campestre
Belém / PA
Jardim Bonfiglioli
Hisae Sugishita e Yae Takeda Nippobras Travessa Apinagés, 479
Clube do Sushi R. Dr. João
Domingues Sampaio, 25 R. Rainha Vitória Eugênia, 108
Belo Horizonte / MG
Vila Carrão Banca Gloria Av. Afonso Pena , 726
Jardim Paulista
Restaurante Aizome Al. Fernão Cardim, 39 Mercearia Nihon Hin R. Juno, 125
Curitiba / PR
Jardim Peri peri Vila Clementino Itiban Av. Silva Jardim,845
Mercearia Ponka Av. Mins. Laudo Emporium Oriental R. Tenente
Ferreira de Camargo , 300 Gomes Ribeiro, 198 Fortaleza / CE
Casa da Leitura Av. Pontes Vieira, 1843
Jardim da Saúde Vila Guarani
Kansai Av. Cursino, 1788 Hanamaru Av. Diederichsen, 1237 Porto Alegre / RS
Jambo Livros e mangás
Liberdade Vila Madalena
R. Sarmento Leite, 631
Bunkyo Rua São Joaquim, 381 Japonique R. Girassol, 175
3º andar salas 51 e 52 Rio de Janeiro / RJ
Vila Nova Conceição
Kinoshita R. Jacques Felix, 405 Point HQ R. Visconde de
Comercial Marukai R. Galvão Bueno , 34 Piraja, 207 - Loja 317

Himeya R. Galvão Bueno, 54/60 Vila Ré


Mercearia Ichiban R. Itinguçu, 576 Salvador / BA
Restaurante Takê Av. Oceânica, 3864
Livraria Sol Praça da Liberdade , 153
Vila Sônia
Akemi Produtos Orientais Av. Prof. São José / SC
Livraria Takano R. Cons. Furtado, 759
Francisco Morato, 3030 Box 10 Torii R. Wanderlei Junior, 259 - loja 5
Tenmanya R. dos Estudantes , 19
Mercearia Mok R. André Saraiva, 193
Mirandópolis
Listokyo R. Luis Gois, 1669
Campinas / SP
Nashi Av. José Bonifacio, 2208
Obrigado por ler
Moema
Atelier Hideko Honma R. Pintassilgo, 429 Indaiatuba / SP
a nossa revista!
Nipon Papelaria R. 9 de Julho , 907
Hanoo Sushi Bar Av. dos Eucaliptos, 389
Osasco / SP Veja outros pontos de
distribuição da #hashitag!
Hideki Sushi Bar Av. dos Imarés, 542 Hotel Matriz The Premium
R. Alice Manholer Piteri, 131 2palit.us/r6qyXc
Kazuki Sushi Al. Guaramomis, 248 www.hashitag.com.br/
pontosdedistribuicao
Ostra Vagante Tv. Vera Cruz do Oeste, 11

#hashitag
34

Para sentar-
Espetinhos japoneses são opção de
prato quente para aquecer o inverno

#HASHITAG
35

-se ao balcão
[texto] Ayumi Takahashi [fotos] Luna Garcia

A
robata nasceu da prática rústica dos pesca-
dores japoneses de Hokkaido, região gélida
ao extremo norte do país, de preparar pei-
xes e frutos do mar em grelhas de carvão,
que tinham como função assar o alimento ao mesmo
tempo que aqueciam o corpo de quem aguardava pela
refeição. O costume foi propagado e fez com que sur-
guissem estabelecimentos que fizeram da robata a sua
especialidade, sempre acompanhada de bastante saquê
para espantar o frio.
36

Atualmente, esses espetinhos se tornaram na enorme mesa circular de madeira.


uma alternativa de prato quente da culiná-
ria japonesa em São Paulo. Dentre as casas Além da possibilidade de degustar vegetais
mais tradicionais da cidade, está o restau- de forma saudável, outro atrativo no cardápio
rante Mitsuyoshi, próximo à estação Para- do Mitsuyoshi é a união dos sabores nipôni-
íso do metrô. cos e brasileiros. Com mais de 50 tipos de ro-
batas, o cardápio oferece opções ao gosto dos
De forma inusitada, o mesmo endereço se não-descendentes, como salsicha, picanha e
divide em dois salões: um para o balcão de contra filet com mussarela.
robatas (à esquerda) e outro para o de sushis
(à direita). Preparadas em uma grelha a gás e pedras
vulcânicas, cada robata recebe generosas pin-
Diante da grelha, uma grande variedade de celadas de um dos três molhos especiais da
legumes e cogumelos frescos está dispos- casa: missô, tarê ou salsa.
ta à vista do cliente, que pode consultar o
“robataman” para saber quais são as opções Restaurante Mitsuyoshi
mais saborosas do dia. Em minutos, os es- Onde Rua Dr. Rafael de Barros nº 163
petinhos saltam da brasa para o prato, sen- Paraíso - São Paulo - SP
Tel (11) 3285-6250 
do entregues em uma longa pá que alcança Horário segunda a sábado das 11h30 às 14h30
qualquer uma das 15 cadeiras disponíveis e das 19h à 23h30. Fechado aos domingos

Cebolinha, abobrinha e vieiras


tenras recebem o tempero
adocicado do molho tarê

#HASHITAG
37

Acompanhar o preparo das


robatas é um dos atrativos para
quem se senta diante da grelha
no restaurante Mitsuyoshi

#hashitag
38

#táfresquinho!

Decopon
A tangerina japonesa

D
[texto] Ayumi Takahashi [fotos] Rafael Salvador e casca grossa e enrugada, com
uma protuberância na parte de
cima da fruta, a decopon é uma
variedade de tangerina criada pe-
los japoneses na década de 70. Com cerca de
20 cm de diâmetro, a fruta possui suculentos
gomos sem sementes.

Hoje em dia, a decopon é facilmente encon-


trada a um preço acessível nos hortifrutis de
São Paulo. O período de safra acontece entre
os meses de maio e setembro.
39

Receita
Gelatina de Decopon
[dif] Fácil Preparo
[tempo] 20 min. [1] Descasque por completo cada
[porcoes] 4 porções um dos gomos com delicadeza para
Produção: Ayumi Takahashi Agradecimento: Tenman-Yá

mantê-los inteiros. Reserve.


Ingredientes
[2] Dissolva o açúcar e a gelatina em pó no leite
• 1 decopon bem madura
e aqueça a mistura durante 5 minutos. Deixe
• 500 mL de leite esfriar para que o calor não cozinhe a fruta.
• 3 colheres (sopa) de açúcar
[3] Disponha os gomos de decopon no fundo
• 4 g de gelatina kanten em pó
de um recipiente de tamanho médio.
[4] Despeje o leite devagar, de forma
que os pedaços da fruta fiquem
imersas por completo no líquido.
[5] Leve a geladeira e deixe esfriar
por cerca de 30 minutos.

#hashitag
40

#Meuprimeiro…

pan P udim de pão ou pão de pudim? O


pan pudding é uma solução dife-
rente para dar fim ao pacote de pão
Produção: Ayumi Takahashi

pudding
de forma que teima em não acabar
é preparar uma sobremesa deliciosa para ani-
mar uma tarde fria e chuvosa.

[texto] Ayumi Takahashi Ingredientes


[fotos] Rafael Salvador • 2 fatias de pão de forma
• 1 xícara pequena de leite
• 2 colheres (sopa) de açúcar
• 2 ovos

#HASHITAG
41

[1] Corte o pão de forma em três [2] Quebre dois ovos [3] Adicione duas
partes na horizontal e depois em três em uma tigela para colheres (sopa)
partes na vertical. Coloque uma fatia se certificar que eles de açúcar
de pão em cima da outra para facilitar estão fresquinhos

[4] Acrescente uma [5] Misture tudo [6] Adicione os pedaços de


xícara pequena de leite bem direitinho pão de forma na mistura

[7] Usando uma concha, [8] Unte com manteiga [9] Despeje tudo no recipiente,
verifique se tudo ficou um recipiente médio começando primeiro
bem molhadinho que possa ir ao forno pelos pedaços de pão

[10] Leve ao
[11] Espere
forno para
esfriar e
assar por cerca
sirva
de 15 minutos

#hashitag
42

#DicasIlustradas Tiramissú de tofu

[texto] Ayumi Takahashi [ilustracoes] Vinicius Galhardo


Escuta, Furogi. “Mangiare Tofu”
Hoje decidi fazer
uma sobremesa
usando tofu!

Como assim,
Eri-chan?! Tofu
não é aquele
ingrediente da
sopa?

O passo mais importante


O tofu não tem tempero nenhum, é o processo de secagem
por isso dá pra usar do mesmo para que a receita não
jeito que a ricota. então, vou fique aguada.
usar essa qualidade do tofu
e fazer uma combinação de
sabores muito gostosa!

Oooh!

Basta dispor o tofu em uma tábua de


corte, por cima de várias camadas de
papel absorvente. daí, é só Cobrir com
uma vasilha cheia de água e trocar o
papel com frequência.

Depois, a gente passa o tofu


em uma peneira bem fininha, com
a ajuda de uma colher, para
transformar tudo em uma pasta
cremosa. Você pode usar um
liquidificador também.
Tiramissú de tofu
Ingredientes:
• 1 tofu inteiro (passado pelo
processo de secagem e a peneira)
• 1 colher (sopa) de sumo de limão
• 1 xícara de chá de glicose de milho
1 Em uma vasilha grande,
• 1 colher (sopa) de café solúvel
incorpore o sumo de limão
• 2 g de gelatina em pó incolor e a glicose de milho no tofu
• 20 g de biscoito triturado cremoso. Depois, acrescente
com 5 g de manteiga o café solúvel e a gelatina
• chocolate em pó para decorar em pó, misturando bem.

2 Usando a embalagem de suco


como forma (corte a tampa e o
fundo) em cima de um prato, a
gente coloca o biscoito triturado
com manteiga dentro e ajuda 3 Agora é só colocar todo
a assentar a farofa com um o creme de tofu por cima
socador de caipirinha. da base de biscoito.

4 Leve para esfriar na geladeira. Ficou uma


Na hora de servir decore com delícia!!
bastante chocolate em pó e tire
a forma. Tcharam!!

Que tal,
Furogi?

fim
44

#OndeComer www.restaurantesjaponeses.com.br

Legenda [preco] de 40 a 79 reais Galvão Bueno


[preco] Preço médio
[hora] Segunda a domingo, R. Galvão Bueno, 451,
das 11h às 15h30; sábado e Liberdade - São Paulo - SP
[cartoes] Cartões de crédito
(A: Amex/D: Diners/ M:
domingo, das 11h às 16h30 [tel] (11) 3277-1970
Master/ V: Visa)
[estac] Estacionamento [preco] de 80 a 159 reais
[hora] Horário de funcionamento [site] www.ciaoriental.com.br [cartoes] A/D/M/V
[estac] Estacionamento [hora] Segunda a sexta, das 12h
Domo Sushi Bar às 14h30 e das 18 às 22h;
[delivery] Delivery / Embala p/ viagem
Largo Nossa Senhora do sábado e domingo, 12h
[reserva] Recomendável fazer reserva
Bom Parto, 37, Tatuapé às 15h e das 18h às 22h
[site] Site
- São Paulo - SP [reserva] Recomendável fazer reserva
[tel] (11) 2094-4486
A&C Sushi Bar [preco] de 80 a 159 reais Hakken Cuisine
R. Maria Curupaiti, 212, [cartoes] A/D/M/V R. Azevedo Soares, 541,
Santana - São Paulo - SP [hora] Segunda a quarta, das Liberdade - São Paulo - SP
[tel] (11) 2283-5023 12h às 15h e das 19h à 0h; [tel] (11) 2268-2461
[preco] de 50 a 75 reais [cartoes] V/M quinta a sábado, das 12h [preco] de 76 a 125 reais
[hora] segunda a sábado, das às 15h e das 19h à 1h; [hora] terça a quinta das
12h às 15h e das 19h à 0h, domingo, das 12h às 23h30 19h às 23h, sexta e
domingo, das 12h às 18h [estac] Estacionamento sábado, das 19h à 0h
[site] www.acsushi.com.br [delivery] Embala para viagem [estac] Estacionamento
[reserva] Recomendável fazer reserva [site] www.hakken.com.br
Choperia Liberdade [site] www.domosushibar.com.br
R. da Glória, 523, Liberdade Issa
- São Paulo - SP Doutor Sushi R. Barão de Iguape, 89,
[tel] (11) 3207-8783 R. Dom Henrique Mourão, Liberdade - São Paulo - SP
[preco] de 40 a 79 reais [cartoes] D/M/V 341, Santana - São Paulo - SP [tel] (11) 3208-8819
[hora] Terça a quinta e domingo, [tel] (11) 2950-0938 [preco] de 160 a 320 reais
das 19h às 5h; sextas e [preco] de 80 a 159 reais [cartoes] A/D/M/V
sábados, das 19h às 6h [cartoes] A/D/M/V [hora] Segunda a sábado, das
[delivery] Embala para viagem [hora] Segunda a domingo, 18h à 23h30; domingo e
das 11h30 às 15h e feriado, das 18h às 23h
Cia. Oriental das 19h às 23h30 [estac] Estacionamento
Sogo Plaza Shopping: [estac] Estacionamento
R. Galvão Bueno, 40, 3º e [delivery] Embala para viagem Itiriki
4º andares, Liberdade / faz delivery Praça da Liberdade, 159,
- São Paulo - SP [site] www.doutorsushi.com.br Liberdade - São Paulo - SP
[tel] (11) 3341-5134 [tel] (11) 3207-1790 / 3399-6132

#HASHITAG
45

[preco] de 40 a 79 reais [cartoes] D/M/V [cartoes] A/D/M/V das 19h às 23h30; sábado e
[hora] Segunda a sexta, das [hora] Segunda a domingo, domingo, das 12h às 23h30
11h às 16h30; sábado e das 11h30 às 23h [estac] Estacionamento
domingo, 11h às 17h30 [estac] Estacionamento [delivery] Embala para viagem
[estac] Estacionamento [delivery] Embala para viagem [site] www.kodaisushi.com.br
[delivery] Embala para viagem [site] www.kamesushi.com.br
/ faz delivery Makoto
Kappa Sushi R. Galvão Bueno, 425,
Joy Sushi Shopping Metrô Liberdade - São Paulo - SP
R. José Doll de Moraes, 70, Tatuapé: R. Domingos [tel] (11) 3207-8511 ramal 50
Santana - São Paulo - SP Agostin, 91, loja 513 [preco] de 160 a 320 reais
[tel] (11) 2950-0987 [tel] (11) 2193-2223 [cartoes] A/D/M/V
[preco] de 160 a 320 reais [preco] de 40 a 79 reais [cartoes] A/D/M/V [hora] Segunda a domingo, das
[cartoes] A/D/M/V [hora] Domingo a sexta, das 11h30 às 14h30 e das 18h à 0h
[hora] Segunda, das 19h às 23h; 11h30 às 22h15; sábado, [estac] Estacionamento
terça a sexta, das 12h às 15h das 11h30 às 22h30 [delivery] Embala para viagem
e das 19h à 23h; sábado, das [estac] Estacionamento [reserva] Recomendável fazer reserva
13h às 16h e das 19h às 23h30; [delivery] Embala para viagem
domingo, das 12h às 16h30 [site] www.kappasushi.com.br Matsuya
[delivery] Embala para viagem Av. Águas de São Pedro, 192,
/ faz delivery Karêya Santana - São Paulo - SP
Praça da Liberdade, 258, [tel] (11) 2973-6326
Kabura Liberdade - São Paulo - SP [preco] de 80 a 159 reais
R. Galvão Bueno, 346, [tel] (11) 3271-0746 [cartoes] A/D/M/V
Liberdade - São Paulo - SP [preco] de 40 a 79 reais [cartoes] D/M/V [hora] Segunda a quinta, das 12h
[tel] (11) 3277-2918 [hora] Segunda a sábado, das às 15h e das 18h às 23h; sexta,
[preco] de 80 a 159 reais 11h30 às 23h30; domingo, das 12h às 15h e das 18h à 0h;
[hora] Segunda a sábado, das 11h30 às 22h sábado, das 12h à 0h; domingo
das 19h à 1h30 [delivery] Embala para viagem e feriado, das 12h às 23h
[estac] Estacionamento [estac] Estacionamento
[delivery] Embala para viagem Kodai [delivery] Embala para viagem /
R. Voluntários da Pátria, 3300, faz delivery
Kame Sushi Santana - São Paulo - SP [reserva] Recomendável fazer reserva
Santana Parque Shopping : [tel] (11) 3729-9886 [site] www.matsuya.com.br
R. Conselheiro Moreira de [preco] de 80 a 159 reais
Barros, 2.780, loja 3.025, [cartoes] A/D/M/V
Santana - São Paulo - SP [hora] Segunda a quinta, das
[tel] (11) 2208-2821 12h às 15h e das 19h às
[preco] de 80 a 159 reais 23h; sexta, das 12h às 15h e Confira mais
estabelecimentos no
site Restaurantes
Japoneses!
2palit.us/
oATSuG #hashitag
#Vitrine
Anuncie na #hashitag: (11) 5904-9286 r. 9213 #Vitrine
#Vitrine

Blue Tree Hotels


Soluções em hospedagem, eventos e
gastronomia para quem busca o melhor.

Personalização, dedicação e atenção aos menores detalhes.


Este é o segredo para fazer com que nossos clientes sintam-se especiais.
O know-how em serviços diferenciados, somado às localizações
privilegiadas de nossos hotéis, garante o sucesso do seu negócio.
Para nós é um prazer encantar e surpreender.
Venha para a Blue Tree Hotels.

www.bluetree.com.br
Anuncie na #hashitag: (11) 5904-9286 r. 9213 #Vitrine
50

Sashimi

Colaboração: JAL Comunicação


com Tezuka
por Mauricio de Sousa

O
samu Tezuka, o mestre dos qua-
drinhos e dos desenhos animados

foto: divulgação
japoneses, não está entre nós des- Mauricio e Tezuka em 1983
de 1989. Mas nos seus últimos
anos de vida, surgiu entre nós uma amizade,
uma camaradagem que poucas vezes tive Mas o banquete era em minha homenagem,
com outra pessoa. e sashimi é um prato finíssimo. Tezuka-san
era uma personalidade... Como fazer? Comer.
Para quem não sabe, Tezuka é o criador de
personagens conhecidos mundialmente como E Tezuka-san explicava a origem e o tipo de
Astro Boy, A Princesa e o Cavaleiro, Kimba cada peixe que me fazia experimentar.
(O Leão Branco)...
Naquela noite, fui dormir honrado e farto de

* As opiniões expressas nesta seção não representam necessariamente a opinião da revista.


Nosso primeiro encontro foi em Tóquio, du- peixe por muito e muito tempo.
rante viagem que me foi oferecida pela Funda-
ção Japão para estudo da realidade das crian- Vocês certamente também passam por expe-
ças japonesas: seus hábitos, desejos, como são riências assim de vez em quando. Mas vale a
tratadas e o que se faz para elas no País. Não pena ser gentil e engolir o que não gostamos?
podia, portanto, faltar um contato com o ídolo
das crianças e de mais três gerações de japone- Vamos começar a reagir e confessar que de-
ses: o mestre (sensei) Osamu Tezuka. testamos isso ou aquilo?...

E ele foi me receber no aeroporto. Alice, mi- Não?


nha mulher, me acompanhava. Já era noite,
tínhamos quase 30 horas de voo, mas ele in- Depende de quem nos oferece e das circuns-
sistiu que devíamos acompanhá-lo para um tâncias?
jantar especial no luxuoso restaurante do Ho-
tel New Otani. Fomos. E nos esperava, real- Tá bem.
mente, uma surpresa: uma enorme caravela,
de mais de metro, sobre a mesa, com todos Não está mais aqui quem falou!...
os tipos de sashimi possíveis e imagináveis.
Acontece que, da cozinha japonesa, o único Mauricio de Sousa é cartunista, empresário
e escritor, criador da “Turma da Mônica” e
prato que não aprecio é justamente o sashimi. membro da Academia Paulista de Letras